Framework para Compartilhamento de Imagens Médicas

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Framework para Compartilhamento de Imagens Médicas"

Transcrição

1 Framework para Compartilhamento de Imagens Médicas Marcelo dos Santos 1, Sérgio S. Furuie 2 1 Unidade de Pesquisa e Desenvolvimento do Serviço de Informática Instituto do Coração (InCor-HC-FMUSP), Brasil 2 Escola Politécnica da Universidade de São Paulo (EP-USP), Brasil Resumo - Este artigo apresenta uma infra-estrutura para tornar disponível uma base multimodal de imagens médicas para uso em diferentes propósitos. A infra-estrutrura contempla uma base de imagens de arquitetura distribuída, ferramentas para autoria, repositórios de documentos multimídia e um modelo de revisão por pares que assegura a qualidade dos conjuntos de dados. Este repositório público pode representar mudanças fundamentais na cultura e facilitar o desenvolvimento de pesquisas em imagens médicas. Palavras-chave: Imagem Médica, Base de Imagens Médicas, Arquivo Didático Digital, Base Distribuída. Abstract This paper presents a framework to make available a free online, multipurpose and multimodality medical image database. The framework implements a distributed architecture for medical image database, authoring tools, and a repository for multimedia documents. Also it includes a peer-reviewed model that assures quality of dataset. This public repository of medical image data can facilitate and change the culture of the development of medical imaging research. Key-words: Medical Image, Medical Image Database, Digital Teaching File, Distributed Database. Introdução Desde o surgimento dos primeiros métodos de processamento de imagens, as pesquisas nessa área têm crescido continuamente. De modo especial, o processamento de imagens na Medicina tem tido cada vez mais importância: diferentes abordagens têm sido utilizadas por radiologistas, clínicos e fisiologistas com a finalidade de elucidar as informações contidas nas imagens médicas (IM) e maximizar a precisão do diagnóstico[1]. O uso das IM como ferramenta pervasiva de auxílio ao diagnóstico deve-se, em grande parte, às tecnologias associadas aos métodos de aquisição e manipulação dos dados contidos nessas imagens[2]. Atualmente, o processamento de imagens constitui uma linha de investigação em diversas áreas, dentre elas Informática Médica e Engenharia Biomédica. Freqüentemente, novos métodos de processamento de IM são apresentados. Porém, poucos têm alcançado alto grau de usabilidade e provado sua eficácia no domínio clínico. Uma das razões é que poucos deles são devidamente avaliados e exaustivamente testados[3]. Um dos obstáculos presentes no desenvolvimento de métodos de processamento de IM é a falta de conjuntos de dados para ampla avaliação desses métodos. Usualmente, cada desenvolvedor adquire e organiza seu próprio conjunto de dados de testes. Com isso, são comuns os seguintes problemas: Usualmente, os métodos de processamento de IM desenvolvidos em trabalhos acadêmicos (iniciação científica, mestrado e/ou doutorado) são testados em IM adquiridas a partir de uma única fonte e/ou segundo um protocolo. Logo, tais método tendem ser otimizados para estes dados. Dificuldade para elaborar quadro comparativo com outros métodos (incompatibilidades dos dados de teste); O tamanho do conjunto de dados utilizado nos testes pode não representar uma amostra significativa de casos clínicos e patologias; Ausência de informações sobre as condições de aquisição das IM de teste; Qualidade e/ou validade dos gold-standards e dados utilizados nos testes; Falta de documentação dos procedimentos adotados em testes e Dificuldades para reproduzir métodos criados por terceiros, avaliá-los e compará-los. Nesse contexto, torna-se de grande valia uma base de dados sobre IM que contemple IM de diferentes modalidades e regiões anatômicas, informações de diagnóstico, gold-standards de fontes confiáveis, descrição dos procedimentos adotados em testes, documentação dos métodos, lista de IM utilizadas nos testes de validação, comparação com outros métodos, implementações (arquivos binários e/ou fontes), IM pós-processadas e referências bibliográficas. E, adicionalmente, condições para recuperar e organizar os conteúdos de diferentes modos.

2 De acordo com Vannier[4], a criação, expansão e integração dos diversos arquivos de IM têm se tornado atividades necessárias para o aprimoramento de muitas áreas. Este trabalho apresenta o desenvolvimento de uma infraestrutura de base distribuída de IM. O objetivo consiste em disponibilizar uma grande base de dados sobre IM para uso em diferentes propósitos, com suporte ao armazenamento de IM de várias modalidades e regiões anatômicas. Metodologia O projeto foi desenvolvido visando a) O Conceito Os principais objetivos do projeto resumem-se em: (a) criar e manter uma infraestrutura escalável e distribuída de base de dados sobre IM; (b) prover acesso aos repositórios da infra-estrutura por meio de navegadores de Internet; (c) armazenar, além de IM, documentos, softwares, imagens pósprocessadas, anotações e sinais; (d) acessar o conteúdo de outras bases de IM e (e) promover e manter relacionamentos entre pessoas, grupos e instituições que trabalham com IM. Conceitualmente, estas características são apresentadas na Figura 1. integração de diferentes repositórios de IM, resultando numa arquitetura de base distribuída que inclui: (a) ferramentas de autoria; (b) repositório de IM, documentos, softwares, anotações e sinais; (c) ferramentas de pesquisa e recuperação; (d) controle de acessos; (e) interface para pesquisa e recuperação de dados de bases públicas de IM, externas à infraestrutura. Todo o projeto foi desenvolvido baseado em padrões abertos (DICOM 1, XML 2, entre outros), modelado utilizando Unified Modeling Language (UML 3 ) e implementado utilizando ferramentas de uso livre para desenvolvimento (Java 4, JBOSS 5, PostgeSQL 6, entre outras). Figura 1 Visão conceitual da base de IM. Uma vez que foi previsto o acesso por um grande número de usuários, cada usuário possui um papel e, a cada papel, está associado um conjunto de operações permitidas. As autorizações de acesso são avalizadas por um serviço de controle de acessos, baseado em papéis e sensitivo ao contexto do usuário. Como mencionado, a infra-estrutura deve suportar o armazenamento de diferentes tipos de IM, obtidas em diferentes condições e contextos clínicos. Para tanto, destacam-se: Identificação única dos conjuntos de dados; Ferramentas para pesquisa e recuperação; Arquivamento de análises, de forma a propiciar comparações e novas análises;

3 Transparência na localização física dos dados e locais onde as requisições são processadas; Ferramentas para visualização e autoria; Acesso multiusuário, subsidiado por políticas de acesso e autenticação; Ferramentas para anonimização; Interface para acomodar novas funcionalidades na forma de plug-ins e Ferramentas para revisão e certificação dos conjuntos de dados. b) Arquitetura da Base de IM Neste projeto foi adotada uma abordagem de base distribuída de IM caracterizada por uma arquitetura que viabiliza a separação/replicação física e a integração lógica de porções da base. Adicionalmente, a arquitetura foi projetada de modo a suportar pesquisa e recuperação de informações a partir de outras bases de IM de acesso público e uso livre, como: MIRC-RSNA 7, mypacs.net 8, BIRN 9 e MAMOGRID 10. A idéia central é que esta infra-estrutura funcione como um barramento, onde os vários repositórios de IM (sites) são conectados (Figura 2). Todos os sites são visíveis por meio de um servidor web, mimetizando um grande portal, pelo qual os usuários acessam de forma transparente os conteúdos dos sites. Além de realizar a integração dos diversos locais de armazenamento, a arquitetura também suporta pesquisa e recuperação de dados a partir de bases de IM externas à infra-estrutura. A abordagem proposta permite que diferentes grupos possam criar seus próprios repositórios de IM (sites), com total controle no que tange a organização dos conteúdos. Contudo, é condição que cada site esteja conectado à infra-estrutura, viabilizando o compartilhamento dos conteúdos. Figura 2 Visão geral do modelo distribuído. Cada site é uma base de IM autônoma provida de todas as funcionalidades. Objetivando escalabilidade dos serviços, cada site está subdividido em componentes de serviço que realizam tarefas espec íficas. Os principais componentes (Figura 3) são: (1) gerenciador de meta-informações; (2) controle de acessos baseado em papéis; (3) sistema de gerenciamento de arquivos em disco; (4) ferramentas de editoração, pesquisa e recuperação; (5) ferramenta para validação e certificação dos materiais submetidos; (6) repositório de interfaces e broker para acesso a outras bases de IM e (7) servidor de páginas web. A arquitetura ainda contempla um serviço de controle de acessos central que autentica os acessos, valida operações permitidas, autoriza recuperação de conjuntos de dados, detecta contextos e controla de sessões. Nesta abordagem, a arquitetura e a infra-estrutura Figura 3 Componentes de cada site.

4 possuem as seguintes características: escalabilidade, autonomia de cada repositório, extensibilidade (adição de novos serviços na forma de plug-ins) e controle de versão dos componentes da aplicação e conteúdo dos sites. c) Modelo de Dados O armazenamento de IM é mais do que criar uma estrutura de dados capaz de armazenar informações pictoriais[1]. Envolve, também, o armazenamento de um conjunto de informações associadas às IM. Exemplificando, para análise completa de um estudo clínico (exame com IM) faz-se necessária uma variedade de informações, incluindo: (a) condições do paciente e informações demográficas; (b) condições da realização do estudo; (c) características da IM gerada e (d) técnica e parâmetros utilizados na aquisição. Adicionalmente, para bases de IM, subsistem uma quantidade de peculiaridades que tornam crítico o gerenciamento desse tipo de dado. Algumas dessas peculiaridades compreendem: heterogeneidade da natureza e conteúdo das IM, dificuldade de sistematizar o conhecimento clínico, tamanho do volume de dados, necessidade de ter um grande número de casos para obtenção de inferência estatística significativa, o contexto da aquisição e natureza confidencial da informação clínica. Na criação de um modelo de dados flexível para IM e informações associadas, além das peculiaridades elencadas, também foram considerados: (1) organização de múltiplos repositórios; (2) coleção de documentos multimídia; (3) dicionários clínicos para codificação de patologia e anatomia; (4) ontologias para descrição dos conjuntos de dados; (5) remoção de informações identificativas e ferramentas para edição de IM e (6) suporte a documentos DICOM Structured Report[5]. Neste projeto foi adotado o conceito de templates, onde cada material armazenado é inserido seguindo a especificação de uma template e esta mesma template é utilizada para formatar a apresentação do material quando este é recuperado. Dessa forma, tem-se uma interface genérica (Figura 4) que encapsula um conjunto de objetos de informação. Cada objeto de informação possui um visualizador (viewer), disponível como um plug-in, encarregado de fazer a apresentação do objeto de informação. Com isso, a instância de uma template é formada por um conjunto de objetos de informação específicos e esta instância representa um tipo de material contido na base. Para armazenar certos conjuntos de informações de modo padronizado, o modelo suporta o uso de dicionários como ACR, CID 10, SNOMED, RSNA-RadLex, entre outros. Quando se insere um novo material, pelo menos a região anatômica e patologia devem ser codificadas utilizando qualquer dos dicionários presentes na infra-estrutura. Assim, as buscas podem ser feitas tanto por códigos quanto por texto livre. Figura 4 Modelo de dados. d) Implementação e Funcionamento O conjunto de aplicações foi desenvolvido em Java (J2EE, EJB, JDBC, JSP), Xerces XML e o gerenciador de banco de dados PostgreSQL versão 8.0. As etapas da construção da base de IM foram: (a) desenvolvimento de infra-estrutura de base de dados distribuídos; (b) interface para suporte a componentes na forma de plug-ins; (c) ferramentas de autoria, busca e recuperação; (d) serviço de controle de acessos; (e) ferramenta para validação e certificação dos materiais submetidos e (f) repositório de interfaces e broker para recuperar dados a partir de outras bases. Cada site implementa um modelo clienteservidor, baseado em três camadas: (1) persistência, (2) aplicação e (3) apresentação. Um servidor central garante a funcionalidade da aplicação como um grande portal. Por razões de segurança, este servidor também é responsável pelo registro e autenticação dos usuários e bases conectadas à infra-estrutura, bem como pelo recebimento das requisições de pesquisa e sua distribuição entre os pares. A inserção dos materiais pode ser iniciada numa sessão, esta sessão ser finalizada e, em outro momento, continuar a edição do ponto em a sessão foi finalizada. Os materiais nessas condições podem ser visualizados pelos demais usuários, porém com o status em elaboração. Somente quando o usuário-autor finaliza a edição é que este material será encaminhado para revisão, passando a ser visualizado com status em avaliação. Após a revisão do moderador, o status poderá ser: aprovado, rejeitado ou com pendências. Neste último, o material volta para o autor e o status passa a ser em revisão, até que ele o submeta novamente para avaliação. A recuperação baseia-se no seguinte fluxo: (1) o usuário submete a requisição de busca (conjunto de critérios); (2) o servidor recebe e processa esta requisição, retornando as IM e anotações associadas e, finalmente, exibe as IM como thumbnails; (3) a partir da lista de

5 resultados, o usuário pode solicitar a visualização das IM na resolução original. Ainda, na recuperação, o usuário pode optar por fazer o download do material. As Figuras de 5 a 8 apresentam algumas telas da aplicação, incluindo a apresentação do caso clínico (Figura 5), lista de IM pertencentes ao caso clínico (Figura 6), visualizador de IM (Figura 7) e as ferramentas para manipulação e visualização de IM (Figura 8). criação de um campo de testes de todo o projeto, incluindo a validação da ferramenta de população automática da base. Por meio desse teste de carga, foi possível avaliar a robustez do sistema, principalmente no que tange a manipulação de grandes conjuntos de dados e escalabilidade da aplicação para armazenar IM de diferentes modalidades e patologias. Foi instalado um repositório no Instituto de Radiologia (InRad-HCFMUSP) para que Figura 5 Apresentação do caso clínico. Figura 6 Lista de thumbnails do estudo. (possibilidade de visualizar IM dinâmicas). Figura 7 Visualizador de IM[6]. O conjunto de operações inserção, exclusão e disparar processamento remoto é oferecido a certos usuários por meio de políticas definidas no serviço de controle de acessos. Por exemplo, a inclusão de um novo caso clínico ou método de processamento de IM é permitida a todos os usuários, porém a exclusão é permitida somente ao proprietário da informação submetida (antes da validação desta pelo moderador) ou pelo administrador do sistema. De modo similar, a certificação somente poderá ser realizada pelos moderadores. Resultados Atualmente, a base de IM conta com cerca de 450 exames completos (IM e laudos), inseridos a partir do PACS-InCor. Tais exames foram adquiridos a partir das modalidades de angiografia por raio-x, ressonância magnética, tomografia computadorizada e ultra-sonografia. Estes dados serviram, inicialmente, para a Figura 8 Ferramentas de visualização e de anotação em IM. residentes da especialidade de neuro-radiologia fizessem testes e incluíssem casos clínicos, compondo o arquivo didático digital do Instituto. O acesso aos dados pode ser feito pelos usuários cadastrados, a partir de qualquer computador conectado à rede do Instituto. Os residentes validaram a aplicação, principalmente a interface gráfica e facilidade de uso. Algumas alterações foram solicitadas, implementadas e disponibilizadas. Apesar do pequeno volume de dados contidos na base de IM do InRad (aproximadamente 120 casos), esta atividade, além de marcar o início da criação do arquivo didático digital do Instituto, também serviu para criar um site externo a fim de validar a abordagem de base distribuída de IM. Um resultado interessante foi que durante o desenvolvimento, observamos a existência de várias bases de IM, a maioria delas com finalidades bastante específicas. Assim, optamos por não ser apenas mais uma base de IM a estar disponível, mas por integrar conteúdos. Os mecanismos para interrogar e recuperar dados a

6 partir de outras bases nos permitiu reunir grande quantidade de dados, fazendo com que num período de tempo muito pequeno (poucos minutos) o número de casos clínicos disponíveis aumentasse de cerca de 570 para alguns milhares. Outro aspecto relevante é a compatibilidade com o Medical Image Resource Center (MIRC) da RSNA, que atualmente tem sido bastante utilizado pela comunidade e tende a ser um padrão. Isso tudo evidencia a robustez do modelo distribuído aqui apresentado. Vale também destacar a inserção do modelo de revisão dos casos clínicos. Diferentemente do que ocorre em muitas bases de IM, esta característica tem possibilitado garantir a qualidade do conjunto de dados, uma vez que todo material inserido passa pela revisão de pelo menos um moderador. Discussão e Conclusões O arquivamento dos registros clínicos, em especial as IM, tem se mostrado algo de grande valia para o desenvolvimento de diferentes aplicações. Contudo, devido ao grande volume de dados e à riqueza de informações contidas nas IM, muitas dessas imagens não são propriamente analisadas ou correlacionadas com os sintomas e doenças. Muitas áreas esperam pela existência de repositórios públicos de IM para uso em tarefas como avaliação de software e desenvolvimento de aplicações clínicas. Compartilhamos também a visão do amplo uso desta base e das aplicações deste projeto em diversas atividades como, por exemplo, ensino e pesquisa em Radiologia (arquivo didático e ferramentas de auxílio em educação continuada como uma nova forma de ensino de Radiologia) e o uso do conjunto de dados para testes e avaliação de métodos de processamento de IM (como por exemplo pesquisas em recuperação baseada em conteúdo CBIR). Vale lembrar que em todo o esforço de desenvolver uma arquitetura de base de IM, como a que foi desenvolvida neste projeto, está também o desejo de viabilizar a instalação desta e/ou sua reprodução em outros centros. O único requisito é a disponibilidade de computadores para instalar as aplicações. Uma forma inicial que encontramos de disponibilizar foi torná-la disponível no projeto de tecnologias avançadas de Internet (TIDIA-Kyatera 11 ), onde os diversos grupos podem ser um site de armazenamento e compartilhar seus conjuntos de dados num ambiente de Internet de alta velocidade. Do ponto de vista de evolução do projeto, como mencionado, a arquitetura é distribuída e baseada em componentes. Com isso, observa-se o potencial de a aplicação evoluir e tornar-se uma referência nacional e/ou, quiçá, internacional sobre a qual, vários grupos (alguns já demonstraram interesse) podem desenvolver suas atividades, gerando conhecimentos, como publicações, teses e dissertações entre outros trabalhos. Além disso, a infra-estrutura pode ser amplamente utilizada em pesquisas multiinstitucionais em IM e sinais, podendo vir a constituir uma base de dados multicêntrica e multidisciplinar. Agradecimentos À Fundação Zerbini, Escola Politécnica da USP (EP-USP) à Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (FAPESP) processos n /2002, 01/ e 03/ Referências 1. Cho, Z.H., Jones, J.P. (1993), Foundations of Medical Imaging. New York: John Wiley and Sons, 586p. 2. Tagare, H.D, Jaffe, C.C., Duncan, J., Medical image databases: a content-based approach, Journal of the American Medical Informatics Association; 3(4): , Santos, M., Furuie, S.S., Medical Image Database for Software and Algorithm Evaluation, Proceedings of SPIE Medical Imaging 2005, v. 5748, p Vannier, M.W., Staab, E.V., Clarke, L.C. Medical image archives present and future. In Computer Assisted Radiology and Surgery. Paris, France: Spring Verlag, P Clunie, D. A., DICOM Structured Reporting. [http://www.pixelmed.com/srbook.html] Acesso em 10 jul Santos, M., Furuie, S.S. High performance web viewer for cardiac images. In Medical Imaging 2005: PACS and Imaging Informatics, 2004, San Diego CA, USA. Proceedings of SPIE, v p Contato Marcelo dos Santos, MSc Aluno de doutorado Unidade de Pesquisa e Desenvolvimento Serviço de Informática InCor-HCFMUSP Av Dr Enéas de Carvalho Aguiar, 44 CEP São Paulo-SP Fone: Fax:

Base de Imagens para Avaliação de Algoritmos de Processamento de Imagens

Base de Imagens para Avaliação de Algoritmos de Processamento de Imagens Base de Imagens para Avaliação de Algoritmos de Processamento de Imagens Marcelo dos Santos,2 e Sérgio S. Furuie,2 Unidade de Pesquisa e Desenvolvimento (UP&D) do Serviço de Informática do Instituto do

Leia mais

Novas Tecnologias para Construção do Prontuário Eletrônico do Paciente

Novas Tecnologias para Construção do Prontuário Eletrônico do Paciente Novas Tecnologias para Construção do Prontuário Eletrônico do Paciente Fabiane Bizinella Nardon 1, Sérgio Furuie 2, Umberto Tachinardi 3 Instituto do Coração do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina

Leia mais

ACESSIBILIDADE INOVADORA. UMA ÁREA DE TRABALHO ÚNICA. BENEFÍCIOS INCONTÁVEIS PARA O SEU FLUXO DE TRABALHO. Radiology

ACESSIBILIDADE INOVADORA. UMA ÁREA DE TRABALHO ÚNICA. BENEFÍCIOS INCONTÁVEIS PARA O SEU FLUXO DE TRABALHO. Radiology Vue PACS Radiology UMA ÁREA DE TRABALHO ÚNICA. BENEFÍCIOS INCONTÁVEIS PARA O SEU FLUXO DE TRABALHO. Já está aqui: acesso rápido e fácil a todas as ferramentas e aplicações clínicas dos quais os radiologistas

Leia mais

Recuperação de imagens médicas em bases de dados distribuídas

Recuperação de imagens médicas em bases de dados distribuídas Recuperação de imagens médicas em bases de dados distribuídas Vágner Nepumuceno Guimarães Orient.: Paulo Eduardo Ambrósio Introdução O avanço tecnológico vem influenciando cada vez mais na área médica.

Leia mais

Introdução ao Modelos de Duas Camadas Cliente Servidor

Introdução ao Modelos de Duas Camadas Cliente Servidor Introdução ao Modelos de Duas Camadas Cliente Servidor Desenvolvimento de Sistemas Cliente Servidor Prof. Esp. MBA Heuber G. F. Lima Aula 1 Ciclo de Vida Clássico Aonde estamos? Page 2 Análise O que fizemos

Leia mais

PACS. III Encontro Sul Brasileiro de Engenharia Clínica. Santa Casa de Porto Alegre, RS. 24 de Novembro de 2012

PACS. III Encontro Sul Brasileiro de Engenharia Clínica. Santa Casa de Porto Alegre, RS. 24 de Novembro de 2012 PACS III Encontro Sul Brasileiro de Engenharia Clínica Santa Casa de Porto Alegre, RS 24 de Novembro de 2012 III Encontro Sul Brasileiro de Engenharia Clínica PACS - Agenda Histórico Workflow Modalidades

Leia mais

Projeto FlexiGrid IWA. Sistema de Armazenamento e Comunicação de Imagens

Projeto FlexiGrid IWA. Sistema de Armazenamento e Comunicação de Imagens Projeto FlexiGrid IWA Sistema de Armazenamento e Comunicação de Imagens Aristófanes C. Silva Danilo Launde Lúcio Dias Roteiro PACS Definição Infra-Estrutura Camadas Problemas Soluções DICOM IWA Histórico

Leia mais

BIRAM: Sistema para Recuperação de Imagens por Conteúdo

BIRAM: Sistema para Recuperação de Imagens por Conteúdo BIRAM: Sistema para Recuperação de Imagens por Conteúdo Ramón n A. Moreno e Sérgio S S. Furuie Instituto do Coração (InCor) de São Paulo - HCFMUSP Introdução Sistemas de Recuperação de Imagens Baseado

Leia mais

SISTEMA DE AGENDAMENTO E GERENCIAMENTO DE CONSULTAS CLÍNICAS

SISTEMA DE AGENDAMENTO E GERENCIAMENTO DE CONSULTAS CLÍNICAS SISTEMA DE AGENDAMENTO E GERENCIAMENTO DE CONSULTAS CLÍNICAS Pablo dos Santos Alves Alexander Roberto Valdameri - Orientador Roteiro da apresentação Introdução Objetivos Motivação Revisão bibliográfica

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DE PROJETOS DE SOFTWARE - SGPS

SISTEMA DE GESTÃO DE PROJETOS DE SOFTWARE - SGPS SISTEMA DE GESTÃO DE PROJETOS DE SOFTWARE - SGPS Lilian R. M. Paiva, Luciene C. Oliveira, Mariana D. Justino, Mateus S. Silva, Mylene L. Rodrigues Engenharia de Computação - Universidade de Uberaba (UNIUBE)

Leia mais

IMPLEMENTAÇÃO DAS CAMADAS Inference Machine e Message Service Element PARA UM SERVIDOR DE SISTEMA DE GERENCIAMENTO DE Workflow HOSPITALAR

IMPLEMENTAÇÃO DAS CAMADAS Inference Machine e Message Service Element PARA UM SERVIDOR DE SISTEMA DE GERENCIAMENTO DE Workflow HOSPITALAR IMPLEMENTAÇÃO DAS CAMADAS Inference Machine e Message Service Element PARA UM SERVIDOR DE SISTEMA DE GERENCIAMENTO DE Workflow HOSPITALAR Jeferson J. S. Boesing 1 ; Manassés Ribeiro 2 1.Aluno do Curso

Leia mais

1 http://www.google.com

1 http://www.google.com 1 Introdução A computação em grade se caracteriza pelo uso de recursos computacionais distribuídos em várias redes. Os diversos nós contribuem com capacidade de processamento, armazenamento de dados ou

Leia mais

Projeto Demoiselle. Para perguntas e respostas, utilizem a lista de discussões de usuários da comunidade: demoiselle-users@lists.sourceforge.

Projeto Demoiselle. Para perguntas e respostas, utilizem a lista de discussões de usuários da comunidade: demoiselle-users@lists.sourceforge. Projeto Demoiselle Para perguntas e respostas, utilizem a lista de discussões de usuários da comunidade: demoiselle-users@lists.sourceforge.net Palestrantes: Antônio Carlos Tiboni Luciana Campos Mota 20/07/2009

Leia mais

Relatório apresentado na reunião em Karlsruher Institut für Technologie Karlsruhe, Alemanha

Relatório apresentado na reunião em Karlsruher Institut für Technologie Karlsruhe, Alemanha Relatório apresentado na reunião em Karlsruher Institut für Technologie Karlsruhe, Alemanha Arquitetura da Informação para o Sistema Brasileiro de Inventário de Ciclo de Vida (SICV BRASIL) Everson Andrade

Leia mais

Roteiro 2 Conceitos Gerais

Roteiro 2 Conceitos Gerais Roteiro 2 Conceitos Gerais Objetivos: UC Projeto de Banco de Dados Explorar conceitos gerais de bancos de dados; o Arquitetura de bancos de dados: esquemas, categorias de modelos de dados, linguagens e

Leia mais

7 Utilização do Mobile Social Gateway

7 Utilização do Mobile Social Gateway 7 Utilização do Mobile Social Gateway Existem três atores envolvidos na arquitetura do Mobile Social Gateway: desenvolvedor do framework MoSoGw: é o responsável pelo desenvolvimento de novas features,

Leia mais

SAPENS - Sistema Automático de Páginas de Ensino

SAPENS - Sistema Automático de Páginas de Ensino SAPENS - Sistema Automático de Páginas de Ensino Eduardo Kokubo kokubo@inf.univali.br Fabiane Barreto Vavassori, MSc fabiane@inf.univali.br Universidade do Vale do Itajaí - UNIVALI Centro de Ensino Superior

Leia mais

Introdução. aborda algumas das metodologias de conversão de imagens médicas no padrão DICOM para o padrão XML

Introdução. aborda algumas das metodologias de conversão de imagens médicas no padrão DICOM para o padrão XML DICOM - XML Introdução aborda algumas das metodologias de conversão de imagens médicas no padrão DICOM para o padrão XML Introdução Até a década de 70, maioria dos dispositivos armazenava imagens em formatos

Leia mais

ABORDAGEM DE FRAMEWORKS PARA JSF QUE AUXILIAM O DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE

ABORDAGEM DE FRAMEWORKS PARA JSF QUE AUXILIAM O DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE ABORDAGEM DE FRAMEWORKS PARA JSF QUE AUXILIAM O DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE Amarildo Aparecido Ferreira Junior 1, Ricardo Ribeiro Rufino 1 ¹Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil aapfjr@gmail.com

Leia mais

UM ESTUDO SOBRE ARQUITETURA PARA DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE WEB UTILIZANDO NOVAS TECNOLOGIAS

UM ESTUDO SOBRE ARQUITETURA PARA DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE WEB UTILIZANDO NOVAS TECNOLOGIAS UM ESTUDO SOBRE ARQUITETURA PARA DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE WEB UTILIZANDO NOVAS TECNOLOGIAS Edi Carlos Siniciato ¹, William Magalhães¹ ¹ Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil edysiniciato@gmail.com,

Leia mais

Aplicação Prática de Lua para Web

Aplicação Prática de Lua para Web Aplicação Prática de Lua para Web Aluno: Diego Malone Orientador: Sérgio Lifschitz Introdução A linguagem Lua vem sendo desenvolvida desde 1993 por pesquisadores do Departamento de Informática da PUC-Rio

Leia mais

Padrões Arquiteturais e de Integração - Parte 1

Padrões Arquiteturais e de Integração - Parte 1 1 / 58 - Parte 1 Erick Nilsen Pereira de Souza T017 - Arquitetura e Design de Aplicações Análise e Desenvolvimento de Sistemas Universidade de Fortaleza - UNIFOR 11 de fevereiro de 2015 2 / 58 Agenda Tópicos

Leia mais

Hospitalares(HIS) com o. e Arquivamento de Imagens Médicas(PACS) Serviço de Informática - SINFO

Hospitalares(HIS) com o. e Arquivamento de Imagens Médicas(PACS) Serviço de Informática - SINFO Integração do Sistema de Informações Hospitalares(HIS) com o Sistema de Transmissão, Distribuição e Arquivamento de Imagens Médicas(PACS) Serviço de Informática - SINFO Instituto tuto do Coração de São

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br Centro Universitário de Volta Redonda - UniFOA Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro

Leia mais

Assinare consiste na oferta de soluções e serviços na área da identificação electrónica.!

Assinare consiste na oferta de soluções e serviços na área da identificação electrónica.! Assinare Apresentação Assinare consiste na oferta de soluções e serviços na área da identificação electrónica. De forma a responder ao ambiente altamente competitivo a que as empresas e organizações hoje

Leia mais

UM PROTÓTIPO DO SISTEMA PARA CONTROLE DE BIBLIOTECAS POR MEIO DE PÁGINAS WEB DINÂMICAS 1

UM PROTÓTIPO DO SISTEMA PARA CONTROLE DE BIBLIOTECAS POR MEIO DE PÁGINAS WEB DINÂMICAS 1 UM PROTÓTIPO DO SISTEMA PARA CONTROLE DE BIBLIOTECAS POR MEIO DE PÁGINAS WEB DINÂMICAS 1 Daniel de Faveri HONORATO 2, Renato Bobsin MACHADO 3, Huei Diana LEE 4, Feng Chung WU 5 Escrito para apresentação

Leia mais

Documento de Análise e Projeto VideoSystem

Documento de Análise e Projeto VideoSystem Documento de Análise e Projeto VideoSystem Versão Data Versão Descrição Autor 20/10/2009 1.0 21/10/2009 1.0 05/11/2009 1.1 Definição inicial do documento de análise e projeto Revisão do documento

Leia mais

SISTEMA COMPUTACIONAL PARA ANÁLISES DE DADOS EM AGRICULTURA DE PRECISÃO

SISTEMA COMPUTACIONAL PARA ANÁLISES DE DADOS EM AGRICULTURA DE PRECISÃO UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO INSTITUTO DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA PROJETO SISTEMA COMPUTACIONAL PARA ANÁLISES DE DADOS EM AGRICULTURA DE PRECISÃO ALUNO RICARDO CARDOSO TERZELLA

Leia mais

DESENVOLVIMENTO WEB UTILIZANDO FRAMEWORK PRIMEFACES E OUTRAS TECNOLOGIAS ATUAIS

DESENVOLVIMENTO WEB UTILIZANDO FRAMEWORK PRIMEFACES E OUTRAS TECNOLOGIAS ATUAIS DESENVOLVIMENTO WEB UTILIZANDO FRAMEWORK PRIMEFACES E OUTRAS TECNOLOGIAS ATUAIS Emanuel M. Godoy 1, Ricardo Ribeiro Rufino 1 1 Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil godoymanel@gmail.com,

Leia mais

Soluções em Software para Medicina Diagnóstica. www.digitalmed.com.br

Soluções em Software para Medicina Diagnóstica. www.digitalmed.com.br Soluções em Software para Medicina Diagnóstica www.digitalmed.com.br NOTA DE AGRADECIMENTO Primeiramente, agradecemos pela sua receptividade em conhecer as nossas soluções, afinal, é sempre uma imensa

Leia mais

ENTERPRISE JAVABEANS 3. Msc. Daniele Carvalho Oliveira

ENTERPRISE JAVABEANS 3. Msc. Daniele Carvalho Oliveira ENTERPRISE JAVABEANS 3 Msc. Daniele Carvalho Oliveira Apostila Servlets e JSP www.argonavis.com.br/cursos/java/j550/index.html INTRODUÇÃO Introdução Enterprise JavaBeans é um padrão de modelo de componentes

Leia mais

DESENVOLVENDO APLICAÇÃO UTILIZANDO JAVA SERVER FACES

DESENVOLVENDO APLICAÇÃO UTILIZANDO JAVA SERVER FACES DESENVOLVENDO APLICAÇÃO UTILIZANDO JAVA SERVER FACES Alexandre Egleilton Araújo, Jaime Willian Dias Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil araujo.ale01@gmail.com, jaime@unipar.br Resumo.

Leia mais

CAPITULO 4 A ARQUITETURA LÓGICA PARA O AMBIENTE

CAPITULO 4 A ARQUITETURA LÓGICA PARA O AMBIENTE CAPITULO 4 A ARQUITETURA LÓGICA PARA O AMBIENTE A proposta para o ambiente apresentada neste trabalho é baseada no conjunto de requisitos levantados no capítulo anterior. Este levantamento, sugere uma

Leia mais

CURSO DESENVOLVEDOR JAVA Edição 2009

CURSO DESENVOLVEDOR JAVA Edição 2009 CURSO DESENVOLVEDOR JAVA Edição 2009 O curso foi especialmente planejado para os profissionais que desejam trabalhar com desenvolvimento de sistemas seguindo o paradigma Orientado a Objetos e com o uso

Leia mais

Biblioteca Digital da UNIVATES utilizando a ferramenta DSpace. Alexandre Stürmer Wolf, Ana Paula Lisboa Monteiro, Willian Valmorbida

Biblioteca Digital da UNIVATES utilizando a ferramenta DSpace. Alexandre Stürmer Wolf, Ana Paula Lisboa Monteiro, Willian Valmorbida Biblioteca Digital da UNIVATES utilizando a ferramenta DSpace Alexandre Stürmer Wolf, Ana Paula Lisboa Monteiro, Willian Valmorbida Roteiro Biblioteca Digital da UNIVATES Bibliotecas: Conceitos Metas da

Leia mais

XXXVIII Reunião Anual da SBNeC

XXXVIII Reunião Anual da SBNeC XXXVIII Reunião Anual da SBNeC Introdução ao Armazenamento de Dados de Experimentos em Neurociência Parte 3: Uso de questionários digitais (continuação) + Ferramentas para Gerenciamento de Arquivos Amanda

Leia mais

agility IMPAX Muito mais do que PACS

agility IMPAX Muito mais do que PACS agility IMPAX Muito mais do que PACS Desempenho Sermos os primeiros da América Latina a usar a solução nos tem possibilitado contribuir com sugestões para torná-lo ainda melhor e mais eficaz. Na prática,

Leia mais

UFG - Instituto de Informática

UFG - Instituto de Informática UFG - Instituto de Informática Especialização em Desenvolvimento de Aplicações Web com Interfaces Ricas EJB 3.0 Prof.: Fabrízzio A A M N Soares professor.fabrizzio@gmail.com Aula 5 Servidores de Aplicação

Leia mais

Definição de Padrões. Padrões Arquiteturais. Padrões Arquiteturais. Arquiteturas de Referência. Da arquitetura a implementação. Elementos de um Padrão

Definição de Padrões. Padrões Arquiteturais. Padrões Arquiteturais. Arquiteturas de Referência. Da arquitetura a implementação. Elementos de um Padrão DCC / ICEx / UFMG Definição de Padrões Eduardo Figueiredo http://www.dcc.ufmg.br/~figueiredo Um padrão é uma descrição do problema e a essência da sua solução Documenta boas soluções para problemas recorrentes

Leia mais

INFORMATIZAÇÃO DE FARMÁCIAS PÚBLICAS UTILIZANDO SOFTWARE

INFORMATIZAÇÃO DE FARMÁCIAS PÚBLICAS UTILIZANDO SOFTWARE INFORMATIZAÇÃO DE FARMÁCIAS PÚBLICAS UTILIZANDO SOFTWARE Murilo Nunes Elias 1 1 Departamento de Informática e Estatística Universidade Federal de Santa Catarina(UFSC) Caixa Postal 475 88.040 900 Florianópolis

Leia mais

Programação Orientada a Objetos com PHP & MySQL Cookies e Sessões. Prof. MSc. Hugo Souza

Programação Orientada a Objetos com PHP & MySQL Cookies e Sessões. Prof. MSc. Hugo Souza Programação Orientada a Objetos com PHP & MySQL Cookies e Sessões Prof. MSc. Hugo Souza Se você precisar manter informações sobre seus usuários enquanto eles navegam pelo seu site, ou até quando eles saem

Leia mais

Produtos ehealth. Desenvolvimento de negócios ehealth Diretoria P&S Verticais

Produtos ehealth. Desenvolvimento de negócios ehealth Diretoria P&S Verticais Produtos ehealth Desenvolvimento de negócios ehealth Diretoria P&S Verticais 1 Participação da Telefônica Vivo nas Instituições de Saúde TIC TIC TIC TIC Telemedicina TIC Telemedicina Desenvolvimento de

Leia mais

CONECTIVIDADE INOVADORA. MULTI-SITE E MULTI-FORNECEDORES. UMA ÚNICA LISTA DE TRABALHO GLOBAL. Vue Connect. Enterprise IMAGE/ARTWORK AREA

CONECTIVIDADE INOVADORA. MULTI-SITE E MULTI-FORNECEDORES. UMA ÚNICA LISTA DE TRABALHO GLOBAL. Vue Connect. Enterprise IMAGE/ARTWORK AREA Vue Connect Enterprise Workflow MULTI-SITE E MULTI-FORNECEDORES. UMA ÚNICA LISTA DE TRABALHO GLOBAL. Para empresas que possuem diversas unidades, uma ampla gama de instalações, fluxo de trabalho departamental

Leia mais

DOCUMENTO DE REGRAS DE NEGÓCIO

DOCUMENTO DE REGRAS DE NEGÓCIO SISGED - SISTEMA DE GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE DOCUMENTOS DOCUMENTO DE REGRAS DE NEGÓCIO VERSÃO 1.0 HISTÓRICO DE REVISÃO Data Versão Descrição Autor 04/2011 1.0 Primeira versão. Priscila Drielle Sumário

Leia mais

Gestão Eletrônica de Documentos na Auditoria

Gestão Eletrônica de Documentos na Auditoria 6º Congresso Nacional Unimed de Auditoria em Saúde Marcelo Lúcio da Silva Gerente Executivo e de Certificação da SBIS Búzios-RJ, 17 de junho de 2011 Duke em 1935 2 Slide do Dr. Ed Hammond Duke em 2011

Leia mais

Capítulo 2 Introdução à ferramenta Flash

Capítulo 2 Introdução à ferramenta Flash Capítulo 2 Introdução à ferramenta Flash Índice 1. O uso da ferramenta Flash no projeto RIVED.... 1 2. História do Flash... 4 1. O uso da ferramenta Flash no projeto RIVED. É importante, antes de iniciarmos

Leia mais

BVS Site. Aplicativo para geração de portais BVS. Cláudia Guzzo Patrícia Gaião

BVS Site. Aplicativo para geração de portais BVS. Cláudia Guzzo Patrícia Gaião BVS Site Aplicativo para geração de portais BVS Cláudia Guzzo Patrícia Gaião Gerência de Produção de Fontes de Informação / Projetos e Instâncias da BVS BIREME/OPAS/OMS Biblioteca Virtual em Saúde (BVS)

Leia mais

CURSO DESENVOLVEDOR JAVA Edição Intensiva de Férias

CURSO DESENVOLVEDOR JAVA Edição Intensiva de Férias CURSO DESENVOLVEDOR JAVA Edição Intensiva de Férias O curso foi especialmente planejado para os profissionais que desejam trabalhar com desenvolvimento de sistemas seguindo o paradigma Orientado a Objetos

Leia mais

SISTEMA VIRTUAL PARA GERENCIAMENTO DE OBJETOS DIDÁTICOS

SISTEMA VIRTUAL PARA GERENCIAMENTO DE OBJETOS DIDÁTICOS 769 SISTEMA VIRTUAL PARA GERENCIAMENTO DE OBJETOS DIDÁTICOS Mateus Neves de Matos 1 ; João Carlos Nunes Bittencourt 2 ; DelmarBroglio Carvalho 3 1. Bolsista PIBIC FAPESB-UEFS, Graduando em Engenharia de

Leia mais

Hardware (Nível 0) Organização. Interface de Máquina (IM) Interface Interna de Microprogramação (IIMP)

Hardware (Nível 0) Organização. Interface de Máquina (IM) Interface Interna de Microprogramação (IIMP) Hardware (Nível 0) Organização O AS/400 isola os usuários das características do hardware através de uma arquitetura de camadas. Vários modelos da família AS/400 de computadores de médio porte estão disponíveis,

Leia mais

Semântica para Sharepoint. Busca semântica utilizando ontologias

Semântica para Sharepoint. Busca semântica utilizando ontologias Semântica para Sharepoint Busca semântica utilizando ontologias Índice 1 Introdução... 2 2 Arquitetura... 3 3 Componentes do Produto... 4 3.1 OntoBroker... 4 3.2 OntoStudio... 4 3.3 SemanticCore para SharePoint...

Leia mais

Boas Práticas de Desenvolvimento Seguro

Boas Práticas de Desenvolvimento Seguro Boas Práticas de Desenvolvimento Seguro Julho / 2.012 Histórico de Revisões Data Versão Descrição Autor 29/07/2012 1.0 Versão inicial Ricardo Kiyoshi Página 2 de 11 Conteúdo 1. SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO

Leia mais

Aplicativo web para definição do modelo lógico no projeto de banco de dados relacional

Aplicativo web para definição do modelo lógico no projeto de banco de dados relacional Aplicativo web para definição do modelo lógico no projeto de banco de dados relacional Juarez Bachmann Orientador: Alexander Roberto Valdameri Roteiro Introdução Objetivos Fundamentação teórica Desenvolvimento

Leia mais

3 Um Framework Orientado a Aspectos para Monitoramento e Análise de Processos de Negócio

3 Um Framework Orientado a Aspectos para Monitoramento e Análise de Processos de Negócio 32 3 Um Framework Orientado a Aspectos para Monitoramento e Análise de Processos de Negócio Este capítulo apresenta o framework orientado a aspectos para monitoramento e análise de processos de negócio

Leia mais

PARCEIRO DE CONFIANÇA.

PARCEIRO DE CONFIANÇA. PARCEIRO DE CONFIANÇA. Com mais de 2.500 sites e 10 infraestruturas em nuvem implementadas globalmente, nossa equipe de serviços se dedica a ajudá-lo desde o primeiro dia. Temos amplo conhecimento em uma

Leia mais

UFF-Fundamentos de Sistemas Multimídia. Redes de Distribuição de Conteúdo (CDN)

UFF-Fundamentos de Sistemas Multimídia. Redes de Distribuição de Conteúdo (CDN) Redes de Distribuição de Conteúdo (CDN) Objetivos da Apresentação Apresentar as arquiteturas de Redes de Distribuição de Conteúdo (CDN) com a ilustração de aplicações em ambientes corporativos e residenciais.

Leia mais

Service Oriented Architecture (SOA)

Service Oriented Architecture (SOA) São Paulo, 2011 Universidade Paulista (UNIP) Service Oriented Architecture (SOA) Prof. MSc. Vladimir Camelo vladimir.professor@gmail.com 04/09/11 vladimir.professor@gmail.com 1 04/09/11 vladimir.professor@gmail.com

Leia mais

Dado: Fatos conhecidos que podem ser registrados e têm um significado implícito. Banco de Dados:

Dado: Fatos conhecidos que podem ser registrados e têm um significado implícito. Banco de Dados: MC536 Introdução Sumário Conceitos preliminares Funcionalidades Características principais Usuários Vantagens do uso de BDs Tendências mais recentes em SGBDs Algumas desvantagens Modelos de dados Classificação

Leia mais

Manual de Consulta Web Service Consulta ao SCR para Instituições Financeiras

Manual de Consulta Web Service Consulta ao SCR para Instituições Financeiras Manual de Consulta Web Service Consulta ao SCR para Instituições Financeiras 1. Introdução O que é a Consulta ao SCR via Web Service? A consulta ao SCR via Web Service permite a consulta da posição consolidada

Leia mais

Arquitetura Orientada a Serviço

Arquitetura Orientada a Serviço Arquitetura Orientada a Fabio Perez Marzullo IEEE Body of Knowledge on Services Computing Sponsored by Technical Committee on Services Computing, IEEE Computer Society 1 SOA e Web Services SOA é um modelo

Leia mais

3 Estudo de Ferramentas

3 Estudo de Ferramentas 3 Estudo de Ferramentas Existem diferentes abordagens para automatizar um processo de desenvolvimento. Um conjunto de ferramentas pode ser utilizado para aperfeiçoar o trabalho, mantendo os desenvolvedores

Leia mais

EXPERIÊNCIA DE USO DE ARQUITETURA CORPORATIVA NO PROJETO DE RES

EXPERIÊNCIA DE USO DE ARQUITETURA CORPORATIVA NO PROJETO DE RES EXPERIÊNCIA DE USO DE ARQUITETURA CORPORATIVA NO PROJETO DE RES Rigoleta Dutra Mediano Dias 1, Lívia Aparecida de Oliveira Souza 2 1, 2 CASNAV, MARINHA DO BRASIL, MINISTÉRIO DA DEFESA, BRASIL Resumo: Este

Leia mais

PDS - DATASUS. Processo de Desenvolvimento de Software do DATASUS

PDS - DATASUS. Processo de Desenvolvimento de Software do DATASUS PDS - DATASUS Processo de Desenvolvimento de Software do DATASUS Coordenação Geral de Arquitetura e Engenharia Tecnológica Coordenação de Padronização e Qualidade de Software Gerência de Padrões e Software

Leia mais

Implementação de um serviço de Site Dinâmico para a Intranet do Pólo de Touros utilizando o ambiente Apache, MYSQL e PHP em um Servidor Linux

Implementação de um serviço de Site Dinâmico para a Intranet do Pólo de Touros utilizando o ambiente Apache, MYSQL e PHP em um Servidor Linux UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE ESCOLA AGRÍCOLA DE JUNDIAÍ - EAJ CURSO TÉCNICO DE INFORMÁTICA PROFESSOR CARLOS HENRIQUE GRILO DINIZ Projeto das Disciplinas de Sistemas Operacionais de Redes

Leia mais

Visão geral do printeract, Serviços Remotos Xerox

Visão geral do printeract, Serviços Remotos Xerox Visão geral do printeract, Serviços Remotos Xerox 701P28680 Visão geral do printeract, Serviços Remotos Xerox Um passo na direção certa Diagnósticos de problemas Avaliação dos dados da máquina Pesquisa

Leia mais

Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código)

Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código) Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código) Roteiro Processos Threads Virtualização Migração de Código O que é um processo?! Processos são programas em execução. Processo Processo Processo tem

Leia mais

Segurança da Informação nos Registros Eletrônicos em Saúde

Segurança da Informação nos Registros Eletrônicos em Saúde III Workshop de Informática e Tecnologia em Saúde da SESAB Segurança da Informação nos Registros Eletrônicos em Saúde Marcelo Lúcio da Silva Diretor Executivo e de Certificação da SBIS Salvador-BA, 05

Leia mais

Desenvolvimento de aplicações web com JSP

Desenvolvimento de aplicações web com JSP Desenvolvimento de aplicações web com JSP Leandro Soares de Sousa, Paulo Henrique de Sousa Sistemas de Informação Centro Universitário Luterano de Palmas (CEULP/ULBRA) Cx. Postal 160 77054-970 Palmas TO

Leia mais

PEER DATA MANAGEMENT SYSTEM

PEER DATA MANAGEMENT SYSTEM PEER DATA MANAGEMENT SYSTEM INTRODUÇÃO, INFRA-ESTRUTURA E MAPEAMENTO DE ESQUEMAS AGENDA Data Management System Peer Data Management System P2P Infra-estrutura Funcionamento do PDMS Mapeamento de Esquemas

Leia mais

Tipos de Sistemas Distribuídos (Cluster e Grid)

Tipos de Sistemas Distribuídos (Cluster e Grid) Tipos de Sistemas Distribuídos (Cluster e Grid) Sistemas Distribuídos Mauro Lopes Carvalho Silva Professor EBTT DAI Departamento de Informática Campus Monte Castelo Instituto Federal de Educação Ciência

Leia mais

Programação para Internet Orientada a Objetos com PHP & MySQL Visão Geral de Programação Orientada a Objetos com PHP & MySQL II

Programação para Internet Orientada a Objetos com PHP & MySQL Visão Geral de Programação Orientada a Objetos com PHP & MySQL II Programação para Internet Orientada a Objetos com PHP & MySQL Visão Geral de Programação Orientada a Objetos com PHP & MySQL II Prof. MSc. Hugo Souza Na última aula falamos um pouco da necessidade do surgimento

Leia mais

CORPVS SEGURANÇA SETOR DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

CORPVS SEGURANÇA SETOR DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO CORPVS SEGURANÇA SETOR DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO ACESSO GLPI ABERTURA E ACOMPANHAMENTO DE CHAMADOS NO SERVICE DESK DATA: 1 0 /0 9 /201 5 VERSÃO: 1.0 AUTOR: Italo Rocha APROVADOR: Raphael Dantas Introdução

Leia mais

Prontuário Eletrônico em MT - estado atual relacionado às exigências do CFM. Cláudio de Souza Corregedor do CRMMG

Prontuário Eletrônico em MT - estado atual relacionado às exigências do CFM. Cláudio de Souza Corregedor do CRMMG Prontuário Eletrônico em MT - estado atual relacionado às exigências do CFM Cláudio de Souza Corregedor do CRMMG Prontuário médico É um documento único constituído de um conjunto de informações, sinais

Leia mais

Arquitetura de Sistemas Distribuídos. Introdução a Sistemas Distribuídos

Arquitetura de Sistemas Distribuídos. Introdução a Sistemas Distribuídos Introdução a Sistemas Distribuídos Definição: "Um sistema distribuído é uma coleção de computadores autônomos conectados por uma rede e equipados com um sistema de software distribuído." "Um sistema distribuído

Leia mais

Submissão de Projetos de Pesquisa

Submissão de Projetos de Pesquisa Submissão de Projetos de Pesquisa Versão 2.1 1 Versão Autor Data Descrição 1.0 Equipe suporte 13/10/2011 Criação do Plataforma Brasil documento 1.1 Equipe suporte Plataforma Brasil 1.2 Equipe suporte Plataforma

Leia mais

SISTEMA GERENCIAL TRATORPLAN

SISTEMA GERENCIAL TRATORPLAN SISTEMA GERENCIAL TRATORPLAN SIGET Fabrício Pereira Santana¹, Jaime William Dias¹, ², Ricardo de Melo Germano¹ ¹Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil fabricioblack@gmail.com germano@unipar.br

Leia mais

Programa de Hematologia e Oncologia Pediátricos Diagnóstico Imunomolecular. Manual do sistema (Médico)

Programa de Hematologia e Oncologia Pediátricos Diagnóstico Imunomolecular. Manual do sistema (Médico) Programa de Hematologia e Oncologia Pediátricos Diagnóstico Imunomolecular Manual do sistema (Médico) ÍNDICE 1. O sistema... 1 2. Necessidades técnicas para acesso ao sistema... 1 3. Acessando o sistema...

Leia mais

SISTEMA DE WORKFLOW PARA MODELAGEM E EXECUÇÃO DE PROCESSOS DE SOFTWARE. Aluno: Roberto Reinert Orientador: Everaldo A. Grahl

SISTEMA DE WORKFLOW PARA MODELAGEM E EXECUÇÃO DE PROCESSOS DE SOFTWARE. Aluno: Roberto Reinert Orientador: Everaldo A. Grahl SISTEMA DE WORKFLOW PARA MODELAGEM E EXECUÇÃO DE PROCESSOS DE SOFTWARE Aluno: Roberto Reinert Orientador: Everaldo A. Grahl Roteiro de apresentação Introdução Objetivos Fundamentação Teórica Workflow Processo

Leia mais

Desenvolvendo para WEB

Desenvolvendo para WEB Nível - Básico Desenvolvendo para WEB Por: Evandro Silva Neste nosso primeiro artigo vamos revisar alguns conceitos que envolvem a programação de aplicativos WEB. A ideia aqui é explicarmos a arquitetura

Leia mais

QUESTINAMENTOS AO EDITAL DE CONCORRÊNCIA 01/2013

QUESTINAMENTOS AO EDITAL DE CONCORRÊNCIA 01/2013 QUESTINAMENTOS AO EDITAL DE CONCORRÊNCIA 01/2013 Prezados Senhores da comissão de licitação da UENF, seguem alguns questionamentos acerca do edital de concorrência 01/2013 para esclarecimentos: 1. ANEXO

Leia mais

Critérios para certificação de Sites SciELO: critérios, política e procedimentos para a classificação e certificação dos sites da Rede SciELO

Critérios para certificação de Sites SciELO: critérios, política e procedimentos para a classificação e certificação dos sites da Rede SciELO Critérios para certificação de Sites SciELO: critérios, política e procedimentos para a classificação e certificação dos sites da Rede SciELO Versão Março 2008 1 Introdução Este documento tem por objetivo

Leia mais

Uma solução de desempenho para a distribuição de documentos: Habilitando a distribuição de documentos em tempo real para corporações globais

Uma solução de desempenho para a distribuição de documentos: Habilitando a distribuição de documentos em tempo real para corporações globais Uma solução de desempenho para a distribuição de documentos: Habilitando a distribuição de documentos em tempo real para corporações globais Visão Geral Desafio Hoje, os aplicativos da web são um tremendo

Leia mais

Universidade Federal de Goiás Centro de Recursos Computacionais - CERCOMP Divisão de Sistemas. Criação de uma Serviço de Geração de Relatórios

Universidade Federal de Goiás Centro de Recursos Computacionais - CERCOMP Divisão de Sistemas. Criação de uma Serviço de Geração de Relatórios Universidade Federal de Goiás Centro de Recursos Computacionais - CERCOMP Divisão de Sistemas Criação de uma Serviço de Geração de Relatórios Goiânia 12/2011 Versionamento 12/12/2011 Hugo Marciano... 1.0

Leia mais

INSTALAÇÃO PRINTERTUX Tutorial

INSTALAÇÃO PRINTERTUX Tutorial INSTALAÇÃO PRINTERTUX Tutorial 2 1. O Sistema PrinterTux O Printertux é um sistema para gerenciamento e controle de impressões. O Produto consiste em uma interface web onde o administrador efetua o cadastro

Leia mais

MATERIAL DE APOIO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA VIA WEB

MATERIAL DE APOIO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA VIA WEB 1 MATERIAL DE APOIO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA VIA WEB Edna Aniceto de Magalhães Universidade de Ribeirão Preto UNAERP edna@odin.unaerp.br Priscila de Oliveira Universidade de Ribeirão Preto UNAERP priscila.oliver@odin.unaerp.br

Leia mais

Quarta-feira, 09 de janeiro de 2008

Quarta-feira, 09 de janeiro de 2008 Quarta-feira, 09 de janeiro de 2008 ÍNDICE 3 4 RECOMENDAÇÕES DE HARDWARE PARA O TRACEGP TRACEMONITOR - ATUALIZAÇÃO E VALIDAÇÃO DE LICENÇAS 2 1. Recomendações de Hardware para Instalação do TraceGP Este

Leia mais

SUMÁRIO CAPÍTULO 1 - INTRODUÇÃO 19 CAPÍTULO 2 - CONCEITOS 25

SUMÁRIO CAPÍTULO 1 - INTRODUÇÃO 19 CAPÍTULO 2 - CONCEITOS 25 SUMÁRIO LISTA DE FIGURAS LISTA DE TABELAS LISTA DE SIGLAS E ABREVIATURAS Pág. CAPÍTULO 1 - INTRODUÇÃO 19 CAPÍTULO 2 - CONCEITOS 25 2.1 A tecnologia de orientação a objetos 25 2.1.1 Projeto de software

Leia mais

DOMAIN-DRIVEN DESIGN E TEST-DRIVEN DEVELOPMENT

DOMAIN-DRIVEN DESIGN E TEST-DRIVEN DEVELOPMENT DOMAIN-DRIVEN DESIGN E TEST-DRIVEN DEVELOPMENT Jaqueline Rissá Franco email: jaquerifr@gmail.com Karla Marturelli Mattos Luciano Mathias Doll João Almeida Resumo: Este artigo mostra novas abordagens na

Leia mais

MEDWARE Sistemas Médicos Ltda

MEDWARE Sistemas Médicos Ltda A Empresa MEDWARE Sistemas Médicos Ltda A Medware Sistemas Médicos é uma empresa de desenvolvimento de sistemas voltada para a criação de soluções de informática para a área médica. Criada em meados da

Leia mais

Sistemas Distribuídos

Sistemas Distribuídos Sistemas Distribuídos LICENCIATURA EM COMPUTAÇÃO Prof. Adriano Avelar Site: www.adrianoavelar.com Email: eam.avelar@gmail.com O que veremos hoje... Evolução Histórica Motivação Conceitos Características

Leia mais

e-nota R Sistema de Emissão de Documentos Fiscais eletrônicos

e-nota R Sistema de Emissão de Documentos Fiscais eletrônicos Página1 e-nota R Sistema de Emissão de Documentos Fiscais eletrônicos Manual do Usuário Produzido por: Informática Educativa Página2 Índice 1. O que é o e-nota R?... 03 2. Configurações e Requisitos...

Leia mais

MANUAL Credenciados SGMC Sistema de Gestão de Modalidades de Credenciamento

MANUAL Credenciados SGMC Sistema de Gestão de Modalidades de Credenciamento MANUAL Credenciados SGMC Sistema de Gestão de Modalidades de Credenciamento SEBRAE-GO 1 Sumário Introdução... 3 1) Acesso ao Sistema... 4 1.1. LOGIN... 4 1.2. ALTERAR SENHA... 7 1.3. RECUPERAR SENHA...

Leia mais

Test-Module: uma ferramenta para gerenciamento de testes de software integrada ao FireScrum

Test-Module: uma ferramenta para gerenciamento de testes de software integrada ao FireScrum Test-Module: uma ferramenta para gerenciamento de testes de software integrada ao FireScrum Audrey B. Vasconcelos, Iuri Santos Souza, Ivonei F. da Silva, Keldjan Alves Centro de Informática Universidade

Leia mais

Picture, Archiving and Communication System. Ramon A. Moreno

Picture, Archiving and Communication System. Ramon A. Moreno Picture, Archiving and Communication System Ramon A. Moreno Introdução O que é PACS? O que é RIS? O que é HIS? Como esses sistemas se integram? O que é HL7? O que é DICOM? O que é IHE? O que é PACS PACS

Leia mais

PACS - Um Conceito Obsoleto?

PACS - Um Conceito Obsoleto? Cyclops LAPIX - INE - UFSC PACS - Um Conceito Obsoleto? Dr rer nat Aldo von Wangenheim Projeto Cyclops Laboratório rio de Telemedicina Hospital Universitário rio Ernani de São Thiago Universidade Federal

Leia mais

Sistema BuildParty para montagem e gerenciamento de eventos. Plano de Testes. Versão <1.1> DeltaInfo. Soluções para web Soluções para o mundo

Sistema BuildParty para montagem e gerenciamento de eventos. Plano de Testes. Versão <1.1> DeltaInfo. Soluções para web Soluções para o mundo Sistema BuildParty para montagem e gerenciamento de eventos Plano de Testes Versão DeltaInfo Soluções para web Soluções para o mundo DeltaInfo 2 Histórico de Revisões Data Versão Descrição Autores

Leia mais

Palavras-chave: i3geo, gvsig, Mapserver, integração, plugin. Contato: edmar.moretti@terra.com.br ou edmar.moretti@gmail.com

Palavras-chave: i3geo, gvsig, Mapserver, integração, plugin. Contato: edmar.moretti@terra.com.br ou edmar.moretti@gmail.com III Jornada Latinoamericana e do Caribe do gvsig Artigo: Integração do software i3geo com o gvsig Autor: Edmar Moretti Resumo: O i3geo é um software para a criação de mapas interativos para internet qu

Leia mais

Desenvolvimento de um CMS 1 para a criação e publicação de web sites acessíveis por deficientes visuais.

Desenvolvimento de um CMS 1 para a criação e publicação de web sites acessíveis por deficientes visuais. Desenvolvimento de um CMS 1 para a criação e publicação de web sites acessíveis por deficientes visuais. Tales Henrique José MOREIRA 1 ; Gabriel da SILVA 2 ; 1 Estudante de Tecnologia em Sistemas para

Leia mais

GeCA: Uma Ferramenta de Engenharia Reversa e Geração Automática de Código

GeCA: Uma Ferramenta de Engenharia Reversa e Geração Automática de Código GeCA: Uma Ferramenta de Engenharia Reversa e Geração Automática de Código Igor Steinmacher 1, Éderson Fernando Amorim 1, Flávio Luiz Schiavoni 1, Elisa Hatsue Moriya Huzita 1 1 Departamento de Informática

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DE UM AMBIENTE DE ALTA DISPONIBILIDADE DE REDE E MONITORAÇÃO DINÂMICA DE INFRAESTRUTURA EM SERVIDORES WEB.

IMPLANTAÇÃO DE UM AMBIENTE DE ALTA DISPONIBILIDADE DE REDE E MONITORAÇÃO DINÂMICA DE INFRAESTRUTURA EM SERVIDORES WEB. IMPLANTAÇÃO DE UM AMBIENTE DE ALTA DISPONIBILIDADE DE REDE E MONITORAÇÃO DINÂMICA DE INFRAESTRUTURA EM SERVIDORES WEB. Marllus de Melo Lustosa (bolsista do PIBIC/UFPI), Luiz Cláudio Demes da Mata Sousa

Leia mais