PROVA R4 MEDICINA FETAL 18/11/2015

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROVA R4 MEDICINA FETAL 18/11/2015"

Transcrição

1 NOME: PROVA R4 MEDICINA FETAL 18/11/ Gestante primigesta de 40 semanas é levada ao pronto- socorro referindo perda de grande quantidade de líquido há 25h. Após o exame, com o diagnóstico de amniorrexe prematura confirmado, qual a melhor conduta a ser tomada? A) Cesárea segmentar transversa B) Indução ao parto C) Profilaxia de estreptococo do grupo B e indução ao parto D) Cardiotocografia e ultrassonografia E) Ultrassonografia e cesárea segmentar transversa 2. A situação que se associa à pré- eclâmpsia de repetição e descolamento prematuro de placenta é: A) Trombofilias B) Diabetes gestacional C) Primopaternidade sucessivas D) Obesidade materna 3. As infecções congênitas mais frequentes que levam a uma alteração do SNC, são: A) CMV e Toxoplasmose B) Sífilis e Herpes C) Herpes e toxoplasmose D) Hepatites e Sífils E) HIV e CMV 4. Na eclâmpsia, o uso do sulfato de magnésio pode ser utilizado da seguinte maneira: A) Dose de ataque de 4,0 g (IV) e dose de manutenção de 1,0 g/h (IV) B) Dose de ataque de 1,0 g (IV) e dose de manutenção de 4,0 g/h C) Dose de ataque de 10 g (IM) e, dependendo da diurese, a manutenção será de 6,0 g/h D) Dose de ataque e de manutenção de 1,0 g/h. 5. A mais provável causa de polidrâmnio na gestante diabética com feto macrossômico é: A) Poliúria fetal B) Diminuição de deglutição fetal C) Imaturidade pulmonar

2 D) Sofrimento fetal crônico 6. Primigesta de 23 anos, com 30 semanas, procurou a maternidade por cefaleia, epigastralgia e diplopia. Ao exame, apresenta- se lúcida e orientada, com edema de face, mãos e abdome. PA=160x100 mmhg. Trouxe cartão do pré- natal com 2 consultas prévias, sendo a primeira com 11 semanas e a última há 15 dias. Ganhou 24,0 Kg entre a primeira e a última consulta. PA na primeira consulta: 100x60 mmhg. Suspeitando- se de uma pré- eclâmpsia, deve- se: A) Fazer acompanhamento ambulatorial diário, antihipertensivo e corticoterapia B) Realizar internação imediata, corticoterapia e indução do parto com misoprostol e ocitocina C) Fazer acompanhamento ambulatorial diário, sulfato de magnésio, anti- hipertensivo e corticoterapia D) Realizar internação imediata, solicitar exames laboratoriais, anti- hipertensivo venoso e sulfato de magnésio E) Infundir sulfato de magnésio e encaminha- la ao centro cirúrgico para resolução da gravidez por cesariana 7. Paciente com 32 semanas de gestação apresenta perda de líquido amniótico há seis horas. A situação que determina uma conduta ativa é: A) Dinâmica uterina ausente B) Boa vitalidade fetal C) Apresentação pélvica D) Corioamnionite 8. Em relação à prematuridade, qual das afirmativas está INCORRETA: A) A gestação múltipla é responsável por 15 a 20% de todos os partos prematuros B) Responde por aproximadamente metade dos casos de morbidade neurológica a longo prazo C) Suplementação nutricional e programas para redução do tabagismo não são consideradas intervenções primárias para prevenção da prematuridade D) A avaliação ultra- sonográfica transvaginal entre a 22ª e a 24ª semana para avaliar a medida do colo uterino nas pacientes com antecedente de parto prematuro é considerada medida preventiva 9. Das afirmações a seguir sobre abortamento, assinale a INCORRETA: A) Alterações cromossômicas estruturais, aderências intra- uterinas e incompetência cervical são condições associadas ao abortamento de repetição B) O trauma abdominal encontra- se entre as causas de abortamento de primeiro trimestre

3 C) A taxa de abortamento encontra- se aumentada em mulheres diabéticas insulino- dependentes que não estão metabolicamente controladas no início da gravidez. D) Aproximadamente 99% dos casos de monossomia do X evoluem para abortamento. 10. Levando- se em consideração a hipótese diagnóstica de doença trofoblástica gestacional, assinale qual dos sinais ou sintomas clínicos não fazem parte do quadro clínico de Mola Completa: A) Sangramento genital de coloração escura em geral em pequena quantidade geralmente por volta da 8ª semana de gestação B) Vômitos incoercíveis, em geral refratários à terapêutica antiemética habitual C) A punho percussão lombar pode estar associada em 15 % dos casos D) Dor abdominal por distensão da cápsula ovariana em 15 a 25% das pacientes E) Hipertensão, edema e proteinúria no primeiro trimestre da gravidez estão presentes em 30% dos casos 11. Considere as afirmativas a seguir em relação a doença hemolítica perinatal e assinale a afirmativa FALSA: A) Cerca de 1/3 das mães Rh negativo expostas ao antígeno D não desenvolve resposta mune. B) Na presença de níveis hematimétricos fetais baixos, a HIDROPSIA estará sempre presente C) Uma gestante sensibilizada com um natimorto ou feto hidrópico na gestação prévia tem 90% de chance de desenvolver hidropsia fetal com evolução para óbito fetal se o concepto for Rh+ e não receber tratamento D) Aproximadamente 50% dos fetos de mães sensibilizadas apresentarão a forma LEVE da doença não necessitando tratamento no pré- natal 12. Em relação `a datação da gestação podemos afirmar que, EXCETO: A) O melhor parâmetro ultrassonográfico de análise da datação da gestação é a medida do comprimento cabeça- nádegas no primeiro trimestre B) A medida isolada da circunferência abdominal é confiável para a datação da gestação na ausência de ascite fetal. C) A inclusão da vesícula vitelínica na medida do comprimento cabeça- nádegas é um dos fatores de erro na datação. D) Abaixo de 20 semanas, o diâmetro biparietal apresenta boa acurácia na predição da idade gestacional. E) A medida do comprimento do fêmur após a 28ª semana de gestação parece ser o melhor parâmetro isolado para datar a gestação 13. Qual afirmação está CORRETA em relação ao diagnóstico de gravidez :

4 A) A presença de níveis séricos beta- HCG entre 600 e mui/ml impõe a necessidade de observação do saco gestacional tópico através da ecografia transvaginal. B) Na indisponibilidade de realização de ecografia obstétrica, a altura uterina é um método confiável de diagnosticar a gestação acima de 12 semanas. C) A ausculta dos batimentos cardíacos ao sonar para diagnóstico de certeza de gravidez é possível a partir da 10 semana de gestação em mãos experientes. D) Os exames inicialmente realizados com amostra de urina mostraram- se ineficazes em várias situações, devido aos níveis de HCG serem mais baixos que no plasma, e devido ao fato de não analisarem a fração beta da HCG. 14. A importância do diagnóstico PRECOCE de gravidez, do ponto de vista médico se justifica pelos motivos a seguir, EXCETO: A) Programação da realização da sexagem fetal B) Necessidade de utilização de medicação suscetível de prejudicar o ovo C) Vigência de infecções capazes de produzir lesões no feto, levando a interrupção da mesma D) Diagnóstico diferencial de amenorreias, das hemorragias uterinas disfuncionais e tumores abdominais 15. Qual o tratamento de eleição hoje para a resolução da gestação ectópica cervical? A) Curetagem uterina B) AMIU C) Embolização venosa D) Histerectomia Subtotal E) Metotrexato 16. Em qual intervalo de idade gestacional é mais fácil o diagnóstico de corionicidade na gemelaridade, através da identificação do sinal do lambda, no exame ultrassonográfico? A) Entre 6 e 9 semanas B) Entre 9 e 14 semanas C) Após as 20 semanas D) Entre 24 e 27 semanas E) Após as 30 semanas 17. São fatores de risco para o descolamento prematuro de placenta, EXCETO: A) Gestação na adolescência B) Mioma uterino no local de implantação placentária C) Ruptura prematura de membranas D) Hipertensão E) Tabagismo

5 18. Na pré- eclâmpsia observa- se que a produção de endotelina e prostaciclina encontra- se, respectivamente: A) Diminuída e aumentada B) Inalterada e diminuída C) Aumentada e diminuída D) Aumentada e inalterada E) Diminuída e inalterada 19. Assinale a alternativa que NÃO é fator de risco para CIUR: A) Diabetes com vasculopatias B) Cesariana Prévia C) Lúpus Eritematoso Sistêmico D) Anemia Falciforme E) Gravidez múltipla 20. Os sinais do limão e da banana são achados ecográficos observados na: A) Anencefalia B) Variante de Dandy- Walker C) Malformação de Arnold- Chiari II D) Holoprosencefalia E) Síndrome de Dandy- Walker

ASSISTÊNCIA PRÉ-NATAL

ASSISTÊNCIA PRÉ-NATAL ASSISTÊNCIA PRÉ-NATAL Agenda aberta à qualquer hora, para atendimento pré-natal por médico ou enfermeiro treinado, ou para atividades em grupo, ampliando-se as possibilidades de recepção e ingresso da

Leia mais

CAPÍTULO 21 ÓBITO FETAL. » Precoce antes da 20ª semana» Intermédio - entre 20ª e a 28ª semana» Tardio após 28ª semana

CAPÍTULO 21 ÓBITO FETAL. » Precoce antes da 20ª semana» Intermédio - entre 20ª e a 28ª semana» Tardio após 28ª semana CAPÍTULO 21 ÓBITO FETAL Deinição (OMS) - morte do produto da concepção ocorrida antes da expulsão ou de sua extração completa do organismo materno, independentemente da duração da gestação. 1. CLASSIfICAçãO»

Leia mais

CAPÍTULO 7 GRAVIDEZ ECTÓPICA: DIAGNÓSTICO PRECOCE. Francisco das Chagas Medeiros Veruska de Andrade Mendonça. Definição:

CAPÍTULO 7 GRAVIDEZ ECTÓPICA: DIAGNÓSTICO PRECOCE. Francisco das Chagas Medeiros Veruska de Andrade Mendonça. Definição: CAPÍTULO 7 GRAVIDEZ ECTÓPICA: DIAGNÓSTICO PRECOCE Francisco das Chagas Medeiros Veruska de Andrade Mendonça Definição: Implatação do ovo fora da cavidade endometrial, como, por exemplo, nas tubas, ovário,

Leia mais

Gestações Múltiplas. André Campos da Cunha Hospital Materno Infantil Presidente Vargas. Secretaria Estadual da Saúde RS. 17 de julho de 2009

Gestações Múltiplas. André Campos da Cunha Hospital Materno Infantil Presidente Vargas. Secretaria Estadual da Saúde RS. 17 de julho de 2009 Gestações Múltiplas André Campos da Cunha Hospital Materno Infantil Presidente Vargas Secretaria Estadual da Saúde RS 17 de julho de 2009 Gestações Múltiplas Definição Gestação com presença de dois ou

Leia mais

Assistência ao parto

Assistência ao parto Assistência ao parto FATORES DE RISCO NA GESTAÇÃO Características individuais e condições sociodemográficas desfavoráveis: Idade menor que 15 e maior que 35 anos; Ocupação: esforço físico excessivo, carga

Leia mais

HOSPITAL FEMINA PROVA R4 ENDOSCOPIA GINECOLÓGICA (2016) Nome:

HOSPITAL FEMINA PROVA R4 ENDOSCOPIA GINECOLÓGICA (2016) Nome: HOSPITAL FEMINA PROVA R4 ENDOSCOPIA GINECOLÓGICA (2016) Nome: Data: / / Assinatura do Candidato 1. Segundo as DIRETRIZES PARA O RASTREAMENTO DO CÂNCER DE COLO DO ÚTERO -MINISTÉRIO DA SÁUDE INCA O método

Leia mais

A S S I S T Ê N C I A P R É - N A T A L. O diagnóstico da gravidez pode ser feito pelo médico ou pelo enfermeiro da unidade básica, de acordo com:

A S S I S T Ê N C I A P R É - N A T A L. O diagnóstico da gravidez pode ser feito pelo médico ou pelo enfermeiro da unidade básica, de acordo com: A S S I S T Ê N C I A P R É - N A T A L 3.1. Diagnóstico da Gravidez O diagnóstico da gravidez pode ser feito pelo médico ou pelo enfermeiro da unidade básica, de acordo com: Após confirmação da gravidez

Leia mais

CONHECIMENTOS GERAIS EM SAÚDE PÚBLICA

CONHECIMENTOS GERAIS EM SAÚDE PÚBLICA CONHECIMENTOS GERAIS EM SAÚDE PÚBLICA QUESTÃO 01 De acordo com a Lei n. 8080/1990, também denominada de Lei Orgânica da Saúde, que criou o Sistema Único de Saúde (SUS), determina que os serviços de saúde

Leia mais

Termo de Consentimento Livre e Esclarecido

Termo de Consentimento Livre e Esclarecido 6. CONCLUSÕES Conclusões 49 Os resultados deste estudo indicam boa reprodutibilidade do exame de ressonância magnética, por meio da análise da variabilidade intra e interobservadores, na aferição do comprimento

Leia mais

CARTÃO DA GESTANTE. Agendamento. Nome. Endereço. Bairro Município UF. Telefone. Nome da Operadora. Registro ANS. Data Hora Nome do profissional Sala

CARTÃO DA GESTANTE. Agendamento. Nome. Endereço. Bairro Município UF. Telefone. Nome da Operadora. Registro ANS. Data Hora Nome do profissional Sala CARTÃO DA GESTANTE Nome Endereço Bairro Município UF Telefone Nome da Operadora Registro ANS Agendamento Hora Nome do profissional Sala 1 Carta de Informação à Gestante O parto é um momento muito especial,

Leia mais

Protocolo de Ações e Condutas Para Acompanhamento das Patologias Obstétricas

Protocolo de Ações e Condutas Para Acompanhamento das Patologias Obstétricas Protocolo de Ações e Condutas Para Acompanhamento das Patologias Obstétricas Descrição do Procedimento Operacional Padrão Quando Na admissão da paciente após detecção da patologia obstétrica. Objetivo

Leia mais

CARTÃO DA GESTANTE. Agendamento. Nome. Endereço. Bairro Município UF. Telefone. Nome da Operadora. Registro ANS. Data Hora Nome do profissional Sala

CARTÃO DA GESTANTE. Agendamento. Nome. Endereço. Bairro Município UF. Telefone. Nome da Operadora. Registro ANS. Data Hora Nome do profissional Sala CARTÃO DA GESTANTE Nome Endereço Bairro Município UF Telefone Nome da Operadora Registro ANS Agendamento Hora Nome do profissional Sala 1 Carta de Informação à Gestante O parto é um momento muito especial,

Leia mais

Prevenção Diagnóstico Tratamento

Prevenção Diagnóstico Tratamento Prevenção Diagnóstico Tratamento Pré Nupcial Idade Alimentação Drogas Doença de base Vacinas Ácido fólico São fatores de Risco: Características individuais e condições sócio- econômicas Idade Ocupação

Leia mais

Métodos de indução do parto. Marília da Glória Martins

Métodos de indução do parto. Marília da Glória Martins Métodos de indução do parto Marília da Glória Martins Métodos de indução 1.Indução com análogo da prostaglandina - misoprostol. 2.Indução com ocitocina. 3.Indução pela ruptura das membranas ovulares. Indução

Leia mais

Distrito Estadual de Fernando de Noronha Processo Seletivo Simplificado 2006 COMPONENTE 1

Distrito Estadual de Fernando de Noronha Processo Seletivo Simplificado 2006 COMPONENTE 1 COMPONENTE 1 Não consta, como propósito basilar da Portaria 1395/1999, do Ministério da Saúde, que aprova a Política Nacional do Idoso: A) a promoção do envelhecimento saudável. B) a manutenção e a melhoria,

Leia mais

CAPÍTULO 11 GESTAÇÃO ECTÓPICA. José Felipe de Santiago Júnior Francisco Edson de Lucena Feitosa 1. INTRODUÇÃO

CAPÍTULO 11 GESTAÇÃO ECTÓPICA. José Felipe de Santiago Júnior Francisco Edson de Lucena Feitosa 1. INTRODUÇÃO CAPÍTULO 11 GESTAÇÃO ECTÓPICA José Felipe de Santiago Júnior Francisco Edson de Lucena Feitosa 1. INTRODUÇÃO Gestação Ectópica (GE) é definida como implantação do ovo fecundado fora da cavidade uterina

Leia mais

DIABETES E GRAVIDEZ 1. CONCEITO

DIABETES E GRAVIDEZ 1. CONCEITO DIABETES E GRAVIDEZ 1. CONCEITO Diabete é uma síndrome caracterizada por elevação crônica da glicemia de jejum e/ou das pós-prandiais, devido a defeito absoluto ou relativo da produção de insulina, ou

Leia mais

DHEG, Pré Eclâmpsia e Eclâmpsia

DHEG, Pré Eclâmpsia e Eclâmpsia FACULDADE DE MEDICINA FACIMED CACOAL - RO DHEG, Pré Eclâmpsia e Eclâmpsia Prof. Dr. José Meirelles Filho 7º semestre de Medicina Programa de Educação Médica Continuada CRM-MT FACULDADE DE CACOAL MEDICINA

Leia mais

ABORTAMENTO. Profª Drª Marília da Glória Martins

ABORTAMENTO. Profª Drª Marília da Glória Martins ABORTAMENTO Profª Drª Marília da Glória Martins Definições É a interrupção espontânea ou provocada de concepto pesando menos de 500 g [500 g equivalem, aproximadamente, 20-22 sem. completas (140-154 dias)

Leia mais

CADERNO DE PROVA - OBSTETRÍCIA

CADERNO DE PROVA - OBSTETRÍCIA CADERNO DE PROVA - OBSTETRÍCIA 1) Na assistência a epsiotomia mediana: I Apresenta maior risco de lesão de estruturas vizinhas II Menos dor e melhor cicatrização III Reparo mais fácil (Epsiorrafia) Qual

Leia mais

SÍFILIS E INFECÇÃO PELO HIV NA GRAVIDEZ A.T. Saúde da Mulher

SÍFILIS E INFECÇÃO PELO HIV NA GRAVIDEZ A.T. Saúde da Mulher SÍFILIS E INFECÇÃO PELO HIV NA GRAVIDEZ A.T. Saúde da Mulher 1 Introdução A aids e a Sífilis constituem problemas importantes de saúde pública nos países em desenvolvimento. A transmissão vertical (T.V.)

Leia mais

GESTANTE CARTÃO DA. Nome: Endereço: Bairro: Telefone: Município: Nome da Operadora: NotreDame Intermédica Saúde S.A. Registro ANS: 359017.

GESTANTE CARTÃO DA. Nome: Endereço: Bairro: Telefone: Município: Nome da Operadora: NotreDame Intermédica Saúde S.A. Registro ANS: 359017. CARTÃO DA GESTANTE Nome: Endereço: Bairro: Telefone: Município: Nome da Operadora: NotreDame Intermédica Saúde S.A. Registro ANS: 359017 Agendamento Data Hora Nome do profissional Sala CARTA DE INFORMAÇÃO

Leia mais

Assistência de enfermagem na doença hipertensiva específica da gravidez

Assistência de enfermagem na doença hipertensiva específica da gravidez Revista Uningá, Nº 01, p. 39-46, jan./jun.2004 Assistência de enfermagem na doença hipertensiva específica da gravidez MARI ELEN FERREIRA 1 HELLEN CARLA RICKLI CAMPANA 2 RESUMO A DHEG (Doença Hipertensiva

Leia mais

M E D I D A D O P E S O. _ Identificar as gestantes com déficit nutricional ou sobrepeso, no início da gestação;

M E D I D A D O P E S O. _ Identificar as gestantes com déficit nutricional ou sobrepeso, no início da gestação; M E D I D A D O P E S O OBJETIVO: Avaliar o aumento do peso durante a gestação Para: _ Identificar as gestantes com déficit nutricional ou sobrepeso, no início da gestação; _ Detectar as gestantes com

Leia mais

REGRA PARA CÁLCULO DE DPP ( REGRA DE NAGELE).

REGRA PARA CÁLCULO DE DPP ( REGRA DE NAGELE). PRIMEIRA CONSULTA DE PRÉ NATAL. HISTÓRIA: Entrevista (nome, idade, procedência, estado civil, endereço e profissão) História familiar de problemas de saúde. História clínica da gestante. História obstétrica.

Leia mais

e Conduta Imediata CRESCIMENTO INTRA-UTERINO RESTRITO ( C.I.U.R. )

e Conduta Imediata CRESCIMENTO INTRA-UTERINO RESTRITO ( C.I.U.R. ) Simpósio Diagnóstico de Risco no Pré-natal e Conduta Imediata CRESCIMENTO INTRA-UTERINO RESTRITO ( C.I.U.R. ) Rosilene da Silveira Betat Hospital Materno Infantil Presidente Vargas Medicina Fetal Gestaçã

Leia mais

UNA-SUS Universidade Aberta do SUS SAUDE. da FAMILIA. CASO COMPLEXO 4 Maria do Socorro. Fundamentação Teórica: Abortamento

UNA-SUS Universidade Aberta do SUS SAUDE. da FAMILIA. CASO COMPLEXO 4 Maria do Socorro. Fundamentação Teórica: Abortamento CASO COMPLEXO 4 Maria do Socorro : Évelyn Traina O abortamento é definido como a interrupção da gravidez antes de atingida a viabilidade fetal. A Organização Mundial da Saúde estabelece como limite para

Leia mais

A presença simultânea, de 2 ou mais conceptos.

A presença simultânea, de 2 ou mais conceptos. PROTOCOLO - OBS - 017 DATA: 10/01/2005 PÁG: 1 / 4 1. CONCEITO - PRENHEZ MÚLTIPLA A presença simultânea, de 2 ou mais conceptos. - GEMELIDADE MONOZIGÓTICA: fecundação de 1 óvulo com 1 espermatozóide, que

Leia mais

REALIZAÇÃO DE EXAMES DE ULTRASSOGRAFIA EM MULHERES PARTICIPANTES DO X ENCONTRO DAS LIGAS ACADÊMICAS DA FACULDADE DE MEDICINA

REALIZAÇÃO DE EXAMES DE ULTRASSOGRAFIA EM MULHERES PARTICIPANTES DO X ENCONTRO DAS LIGAS ACADÊMICAS DA FACULDADE DE MEDICINA REALIZAÇÃO DE EXAMES DE ULTRASSOGRAFIA EM MULHERES PARTICIPANTES DO X ENCONTRO DAS LIGAS ACADÊMICAS DA FACULDADE DE MEDICINA BARBOSA, Raul Carlos 1 ; BORBA, Victor Caponi 2 ; BARBOSA, Tercília Almeida

Leia mais

Identifique-se na parte inferior desta capa. Caso se identifique em qualquer outro local deste Caderno, você será excluído do Processo Seletivo.

Identifique-se na parte inferior desta capa. Caso se identifique em qualquer outro local deste Caderno, você será excluído do Processo Seletivo. 1 INSTRUÇÕES Identifique-se na parte inferior desta capa. Caso se identifique em qualquer outro local deste Caderno, você será excluído do Processo Seletivo. 2 Este Caderno contém 05 casos clínicos e respectivas

Leia mais

INDUSTRIA DE PARTOS EM PETROLINA

INDUSTRIA DE PARTOS EM PETROLINA INDUSTRIA DE PARTOS EM PETROLINA É alarmante em todo o Brasil o crescimento de PARTOS CESÁRIANAS e o pior a grande maioria é desnecessária, são as chamadas DESNECESÁRIAS, aqui em nossa cidade não é diferente

Leia mais

Aborto espontâneo Resumo de diretriz NHG M03 (março 2004)

Aborto espontâneo Resumo de diretriz NHG M03 (março 2004) Aborto espontâneo Resumo de diretriz NHG M03 (março 2004) Flikweert S, Wieringa-de Waard M, Meijer LJ, De Jonge A, Van Balen JAM traduzido do original em holandês por Luiz F.G. Comazzetto 2014 autorização

Leia mais

ASSISTÊNCIA PRÉ-NATAL

ASSISTÊNCIA PRÉ-NATAL ASSISTÊNCIA PROTOCOLO DE PACTUAÇÃO TÉCNICA Rotinas e padronizações são importantes desde que possam fornecer as informações necessárias para cada nível de decisão, facilitando a tomada de decisões. Da

Leia mais

ULTRASSOM NO PRÉ NATAL

ULTRASSOM NO PRÉ NATAL ULTRASSOM NO PRÉ NATAL ECOCLINICA Dra. Rejane Maria Ferlin rejaneferlin@uol.com.br Vantagens da Ultrassonografia Obstétrica trica SEGURANÇA NÃO-INVASIVO PREÇO ACEITAÇÃO BENEFÍCIOS Noronha Neto et al.,

Leia mais

SANGRAMENTO DO TERCEIRO TRIMESTRE Rossana Maria Alves Carlos Augusto Alencar Júnior

SANGRAMENTO DO TERCEIRO TRIMESTRE Rossana Maria Alves Carlos Augusto Alencar Júnior SANGRAMENTO DO TERCEIRO TRIMESTRE Rossana Maria Alves Carlos Augusto Alencar Júnior A hemorragia no terceiro trimestre da gestação é grave ameaça à saúde e vida da mãe e feto. Junto com hipertensão e infecção

Leia mais

RUBÉOLA. Período de incubação: varia de 14 a 21 dias, em média 16-17 dias Período de transmissão vai de uma semana antes até 4 dias após o exantema.

RUBÉOLA. Período de incubação: varia de 14 a 21 dias, em média 16-17 dias Período de transmissão vai de uma semana antes até 4 dias após o exantema. RUBÉOLA Márcio Antonio Almeida Pinheiro Francisco Herlânio Costa Carvalho Agente Etiológico: - RNA vírus da família Togavírus Patogênese: - O homem é o único hospedeiro. - Transmissão através da inalação

Leia mais

GESTANTE C A R TÃ O D A. Nome: Endereço: Telefone: ( ) Operadora: Santa Casa Saúde Piracicaba Registro na ANS: 354562 AGENDAMENTO

GESTANTE C A R TÃ O D A. Nome: Endereço: Telefone: ( ) Operadora: Santa Casa Saúde Piracicaba Registro na ANS: 354562 AGENDAMENTO C A R TÃ O D A GESTANTE Nome: Endereço: Bairro: Município: U.F. Telefone: ( ) Operadora: Santa Casa Saúde Piracicaba Registro na ANS: 354562 AGENDAMENTO DATA Ambulatório Médico do Santa Casa Saúde Av.

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA ESCOLHA DO PRÉ-NATAL E DO PRÉ- NATALISTA.

A IMPORTÂNCIA DA ESCOLHA DO PRÉ-NATAL E DO PRÉ- NATALISTA. A IMPORTÂNCIA DA ESCOLHA DO PRÉ-NATAL E DO PRÉ- NATALISTA. Um atendimento pré-natal de qualidade é fundamental para a saúde da gestante e de seu bebê. Logo que você constatar que está grávida, deve procurar

Leia mais

Ruptura das membranas antes do trabalho de parto (amniorrexe prematura)

Ruptura das membranas antes do trabalho de parto (amniorrexe prematura) CAPÍTULO 23 Ruptura das membranas antes do trabalho de parto (amniorrexe prematura) 1 Introdução 2 Diagnóstico 2.1 Ruptura das membranas 2.2 Exame vaginal 2.3 Avaliação do risco de infecção 2.4 Avaliação

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO PRÉ-NATAL

A IMPORTÂNCIA DO PRÉ-NATAL A IMPORTÂNCIA DO PRÉ-NATAL Programa BemVindo - www.bemvindo.org.br A OMS - Organização Mundial da Saúde diz que "Pré-Natal" é conjunto de cuidados médicos, nutricionais, psicológicos e sociais, destinados

Leia mais

Dados atuais indicam que não há efeitos biológicos confirmados

Dados atuais indicam que não há efeitos biológicos confirmados 1 ULTRA-SONOGRAFIA OBSTÉTRICA Francisco Pimentel Cavalcante Carlos Augusto Alencar Júnior Procedimento seguro, não-invasivo, inócuo, com grande aceitação pela paciente, que pode fornecer muitas informações

Leia mais

Concurso Público para Provimento de Vagas em Cargos Efetivos e de Emprego Público da Prefeitura Municipal de Assaí CADERNO DE PROVAS.

Concurso Público para Provimento de Vagas em Cargos Efetivos e de Emprego Público da Prefeitura Municipal de Assaí CADERNO DE PROVAS. Concurso Público para Provimento de Vagas em Cargos Efetivos e de Emprego Público da Prefeitura Municipal de Assaí CADERNO DE PROVAS Cargo MÉDICO GINECOLOGISTA Domingo, 29 de maio de 2011 Antes de iniciar

Leia mais

2. Vigilância da gravidez, do crescimento e do comportamento fetal

2. Vigilância da gravidez, do crescimento e do comportamento fetal Temas da Aula Pediatria I (TP) Perinatologia Anotadas do 4º Ano 2007/08 Data: 26-10-2007 Disciplina: Pediatria I TP Prof.: Prof. Dr. Lincoln Justo da Silva Tema da Aula: Perinatologia Autora: Ana Patrícia

Leia mais

Cartilha. Gravidez Mais Segura

Cartilha. Gravidez Mais Segura Cartilha Gravidez Mais Segura Cuidados, alertas e um universo de segurança durante o período gestacional. Pré-natal: o primeiro passo O pré-natal é uma das formas mais seguras de garantir uma gestação

Leia mais

Mario Julio Franco. Declaração de conflito de interesse

Mario Julio Franco. Declaração de conflito de interesse Mario Julio Franco Declaração de conflito de interesse Não recebi qualquer forma de pagamento ou auxílio financeiro de entidade pública ou privada para pesquisa ou desenvolvimento de método diagnóstico

Leia mais

Diagnóstico e Tratamento das Hepatites Agudas na Gestação

Diagnóstico e Tratamento das Hepatites Agudas na Gestação III WORKSHOP INTERNACIONAL DE ATUALIZAÇÃO EM HEPATOLOGIA Diagnóstico e Tratamento das Hepatites Agudas na Gestação CLÁUDIO G. DE FIGUEIREDO MENDES SERVIÇO DE HEPATOLOGIA SANTA CASA DO RIO DE JANEIRO Hepatites

Leia mais

B) Quais os três medicamentos que devem ser prescritos de imediato?

B) Quais os três medicamentos que devem ser prescritos de imediato? Caso Clínico 1 (2 pontos) Primigesta com 36 semanas de gestação é admitida na maternidade com queixas de náuseas, epigastralgia e cefaleia. Gesta II Para I (Parto normal). Ao exame, encontra - se eupneica,

Leia mais

Gestação Detectando o Risco. Dra Ivete Teixeira Canti

Gestação Detectando o Risco. Dra Ivete Teixeira Canti Gestação Detectando o Risco Dra Ivete Teixeira Canti Pré-Natal: Objetivos Melhorar os resultados perinatais, reduzindo a morbi- mortalidade materna e perinatal Preservar a saúde física e mental da gestante

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE BALNEÁRIO BARRA DO SUL/SC

PREFEITURA MUNICIPAL DE BALNEÁRIO BARRA DO SUL/SC PREFEITURA MUNICIPAL DE BALNEÁRIO BARRA DO SUL/SC CADERNO DE PROVAS Data: 26/01/2014 CONCURSO PÚBLICO EDITAL Nº 001/2013 MÉDICO ESPECIALISTA GINECOLOGISTA I N S T R U Ç Õ E S: LEIA COM ATENÇÃO 1. Este

Leia mais

TUTORIAL DE ANESTESIA DA SEMANA MONITORIZAÇÃO DOS BATIMENTOS CARDÍACOS FETAIS PRINCIPIOS DA INTERPRETAÇÃO DA CARDIOTOCOGRAFIA

TUTORIAL DE ANESTESIA DA SEMANA MONITORIZAÇÃO DOS BATIMENTOS CARDÍACOS FETAIS PRINCIPIOS DA INTERPRETAÇÃO DA CARDIOTOCOGRAFIA TUTORIAL DE ANESTESIA DA SEMANA MONITORIZAÇÃO DOS BATIMENTOS CARDÍACOS FETAIS PRINCIPIOS DA INTERPRETAÇÃO DA CARDIOTOCOGRAFIA Dr Claire Todd Dr Matthew Rucklidge Miss Tracey Kay Royal Devon and Exeter

Leia mais

OBSTETRÍCIA. Questão 1

OBSTETRÍCIA. Questão 1 OBSTETRÍCIA Questão 1 Paciente com 22 semanas de gestação é atendida com diagnóstico de carcinoma ductal infiltrante de mama. Ao exame físico apresenta nódulo irregular, pétreo, com 2cm localizado no quadrante

Leia mais

Imagem da Semana: Ultrassonografia endovaginal

Imagem da Semana: Ultrassonografia endovaginal Imagem da Semana: Ultrassonografia endovaginal Figura 1: US endovaginal mostrando região anexial uterina à direita Figura 2: US endovaginal mostrando útero e fundo de saco, em corte longitudinal Enunciado

Leia mais

ABORTAMENTO. Gilberto Gomes Ribeiro

ABORTAMENTO. Gilberto Gomes Ribeiro ABORTAMENTO Gilberto Gomes Ribeiro 1. DEFINIÇÃO : Segundo a OMS é a interrupção da gestação antes de 20 22 semanas ou com peso fetal inferior a 500g. É dito precoce quando ocorre até 12 semanas e tardio

Leia mais

Ministério da Saúde. Gestação em Mulheres com. Doença Falciforme

Ministério da Saúde. Gestação em Mulheres com. Doença Falciforme Ministério da Saúde Gestação em Mulheres com Doença Falciforme Introdução A anemia falciforme é a doença hereditária mais comum no Brasil. A causa da doença é uma mutação no ponto da globina beta da hemoglobina,

Leia mais

É a gestação que se instala e evolui fora da cavidade uterina. Localizações mais freqüentes: - Tubária 95% - Abdominal 1,4% - Ovariana 0,7%

É a gestação que se instala e evolui fora da cavidade uterina. Localizações mais freqüentes: - Tubária 95% - Abdominal 1,4% - Ovariana 0,7% PROTOCOLO - OBS - 016 DATA: 23/11/2004 PÁG: 1 / 5 1. CONCEITO É a gestação que se instala e evolui fora da cavidade uterina. Localizações mais freqüentes: - Tubária 95% - Abdominal 1,4% - Ovariana 0,7%

Leia mais

PROGRAMA DE DISCIPLINA. PRÉ-REQUISITOS: Técnica Operatória (CIR 032), Semiologia II (CME 037) e Patologia Geral (PAT 020)

PROGRAMA DE DISCIPLINA. PRÉ-REQUISITOS: Técnica Operatória (CIR 032), Semiologia II (CME 037) e Patologia Geral (PAT 020) FACULDADE DE MEDICINA UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA Av. Eugênio do Nascimento s/nº Bairro: Dom Bosco Juiz de Fora - CEP: 36038-330 TEL (32) 2102-3841 FAX (32)2102-3840 e-mail: secretaria.medicina@ufjf.edu.br

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE AÇÕES PROGRAMÁTICAS ESTRATÉGICAS ÁREA TÉCNICA DE SAÚDE DA MULHER

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE AÇÕES PROGRAMÁTICAS ESTRATÉGICAS ÁREA TÉCNICA DE SAÚDE DA MULHER MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE AÇÕES PROGRAMÁTICAS ESTRATÉGICAS ÁREA TÉCNICA DE SAÚDE DA MULHER O Ministério da Saúde, por intermédio da Secretaria de Atenção à Saúde,

Leia mais

HEMORRAGIAS DO PRIMEIRO TRIMESTRE

HEMORRAGIAS DO PRIMEIRO TRIMESTRE HEMORRAGIAS DO PRIMEIRO TRIMESTRE Tríade dos sangramentos do Primeiro Trimestre Abortamento Prenhez Ectópica Doença Trofoblástica Gestacional ABORTAMENTO Conceito: Interrupção da gestação antes da viabilidade.

Leia mais

TOCÓLISE E CORTICOTERAPIA: USO RACIONAL ROSSANA PULCINELI VIEIRA FRANCISCO Clínica Obstétrica do Hospital das Clínicas da FMUSP TRABALHO DE PARTO PREMATURO 1. Contrações uterinas regulares (a cada 5 min.)

Leia mais

RESTRIÇÃO DE CRESCIMENTO FETAL

RESTRIÇÃO DE CRESCIMENTO FETAL RESTRIÇÃO DE CRESCIMENTO FETAL José de Arimatéa Barreto DEFINIÇÃO Para evitar correlação com função mental anormal, atualmente, o termo preferido é restrição de crescimento fetal (RCF), em substituição

Leia mais

Saúde Naval CARTILHA DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS / AIDS

Saúde Naval CARTILHA DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS / AIDS Saúde Naval CARTILHA DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS / AIDS O QUE SÃO? As doenças sexualmente transmissíveis (DST) são transmitidas, principalmente, por contato sexual sem o uso de camisinha com uma

Leia mais

TERMO DE ESCLARECIMENTO E CONSENTIMENTO LIVRE E INFORMADO PARA PARTO

TERMO DE ESCLARECIMENTO E CONSENTIMENTO LIVRE E INFORMADO PARA PARTO TERMO DE ESCLARECIMENTO E CONSENTIMENTO LIVRE E INFORMADO PARA PARTO O objetivo deste Termo de Esclarecimento e Consentimento Informado, utilizado pelo HOSPITAL E MATERNIDADE SANTA JOANA, é esclarecer

Leia mais

DIAGNÓSTICO PRÉ-NATAL

DIAGNÓSTICO PRÉ-NATAL DIAGNÓSTICO PRÉ-NATAL Like A saúde da mãe e o desenvolvimento do bebé podem ser seguidos passo a passo, graças a um conjunto de exames clínicos que permitem manter a gravidez sob controlo. Além disso,

Leia mais

Dor pêlvica Aguda na Mulher

Dor pêlvica Aguda na Mulher PROFAM Dor pêlvica Aguda na Mulher Dr. Eduardo Durante Fundación MF Para el desarrollo de la Medicina Familiar y la Atención Primaria de la Salud OBJETIVOS Enumerar os diagnósticos diferenciais nas mulheres

Leia mais

Enfermagem 7º Semestre. Saúde da Mulher. Prof.ª Ludmila Balancieri.

Enfermagem 7º Semestre. Saúde da Mulher. Prof.ª Ludmila Balancieri. Enfermagem 7º Semestre. Saúde da Mulher. Prof.ª Ludmila Balancieri. Menstruação. É a perda periódica que se origina na mucosa uterina, caracterizada por sangramento uterino, que ocorre na mulher desde

Leia mais

Propess 10 mg dinoprostona

Propess 10 mg dinoprostona Propess 10 mg dinoprostona Pessário vaginal de dose única com liberação controlada com 10 mg de dinoprostona APRESENTAÇÕES Cartucho com 1, 2 ou 5 pessários de uso vaginal com 10 mg de dinoprostona USO

Leia mais

PROTOCOLO CLÍNICO DE ATENDIMENTO NA REDE BÁSICA PROTOCOLO DE PRÉ-NATAL DE BAIXO RISCO

PROTOCOLO CLÍNICO DE ATENDIMENTO NA REDE BÁSICA PROTOCOLO DE PRÉ-NATAL DE BAIXO RISCO PROTOCOLO CLÍNICO DE ATENDIMENTO NA REDE BÁSICA PROTOCOLO DE PRÉ-NATAL DE BAIXO RISCO À Unidade Básica de Saúde compete: - Rastrear todas as gestantes da região para que nenhuma fique sem pré-natal; -

Leia mais

EXAME NACIONAL DE REVALIDAÇÃO D E D I P L O M A S M É D I C O S EXPEDIDOS POR INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR ESTRANGEIRAS.

EXAME NACIONAL DE REVALIDAÇÃO D E D I P L O M A S M É D I C O S EXPEDIDOS POR INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR ESTRANGEIRAS. D E D I P L O M A S M É D I C O S EXPEDIDOS POR INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR ESTRANGEIRAS Prova Discursiva LEIA COM ATENÇÃO AS INSTRUÇÕES ABAIXO. 1. Verifique se, além deste caderno, você recebeu

Leia mais

DIABETES E GESTAÇÃO RESIDÊNCIA MÉDICA DE GINECOLOGIA E OBSTETRÍCIA. R 2: Ana Helena Bittencourt Alamy

DIABETES E GESTAÇÃO RESIDÊNCIA MÉDICA DE GINECOLOGIA E OBSTETRÍCIA. R 2: Ana Helena Bittencourt Alamy DIABETES E GESTAÇÃO RESIDÊNCIA MÉDICA DE GINECOLOGIA E OBSTETRÍCIA R 2: Ana Helena Bittencourt Alamy Diabetes e Gestação O diabetes mellitus é uma doença metabólica crônica caracterizada por hiperglicemia.

Leia mais

Screening Rastreamento

Screening Rastreamento Screening Rastreamento Na língua portuguesa rastreamento deriva do verbo rastrear que significa seguir o rastro ou a pista de algo ou Investigar, pesquisar sinais ou vestígios. O termo em português não

Leia mais

Confira se os dados contidos na parte inferior desta capa estão corretos e, em seguida, assine no espaço reservado para isso.

Confira se os dados contidos na parte inferior desta capa estão corretos e, em seguida, assine no espaço reservado para isso. INSTRUÇÕES 1 Confira se os dados contidos na parte inferior desta capa estão corretos e, em seguida, assine no espaço reservado para isso. 2 3 4 Caso se identifique em qualquer outro local deste Caderno,

Leia mais

DENGUE. Médico. Treinamento Rápido em Serviços de Saúde. Centro de Vigilância Epidemiológica Prof. Alexandre Vranjac

DENGUE. Médico. Treinamento Rápido em Serviços de Saúde. Centro de Vigilância Epidemiológica Prof. Alexandre Vranjac DENGUE Treinamento Rápido em Serviços de Saúde Médico 2015 Centro de Vigilância Epidemiológica Prof. Alexandre Vranjac O Brasil e o estado de São Paulo têm registrado grandes epidemias de dengue nos últimos

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SANTA CATARINA

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SANTA CATARINA PARECER COREN/SC Nº 001/CT/2014 Assunto: Solicitação de parecer sobre a legalidade da realização por profissional Enfermeiro de administração da medicação Misoprostol via vaginal. I - Do Fato Trata-se

Leia mais

Linha de Cuidado da Gestante e da SUS SP KARINA CALIFE

Linha de Cuidado da Gestante e da SUS SP KARINA CALIFE Linhas de cuidado E a integralidade na atenção à saúde da mulher KARINA CALIFE Linha de Cuidado da Gestante e da Puérpera no SUS SP KARINA CALIFE DIRETRIZES POLÍTICAS - ATENÇÃO À SAÚDE DA MULHER Respeito

Leia mais

GESTANTE HIV* ACOMPANHAMENTO NO TRABALHO DE PARTO E PARTO. Recomendações do Ministério da Saúde Profª.Marília da Glória Martins

GESTANTE HIV* ACOMPANHAMENTO NO TRABALHO DE PARTO E PARTO. Recomendações do Ministério da Saúde Profª.Marília da Glória Martins GESTANTE HIV* ACOMPANHAMENTO NO TRABALHO DE PARTO E PARTO Recomendações do Ministério da Saúde Profª.Marília da Glória Martins Cerca de 65% dos casos de transmissão vertical do HIV ocorrem durante o trabalho

Leia mais

USB IPANEMA & USB ICARAI 20. CRESCIMENTO INTRA-UTERINO RESTRITO. 20.1. Classificação

USB IPANEMA & USB ICARAI 20. CRESCIMENTO INTRA-UTERINO RESTRITO. 20.1. Classificação USB - CLÍNICA DE ULTRA-SONO- 20. CRESCIMENTO INTRA-UTERINO RESTRITO Por definição, feto com crescimento intra-uterino restrito (CIUR) é aquele que ao nascimento apresenta peso inferior ao 10º percentil

Leia mais

HDM/GESTÃO IMIP CENTRO DE ESTUDOS DR. ALÍRIO BRANDÃO EDITAL DO PROCESSO SELETIVO PARA ACADÊMICOS DE MEDICINA DO HOSPITAL DOM MALAN/ GESTÃO IMIP

HDM/GESTÃO IMIP CENTRO DE ESTUDOS DR. ALÍRIO BRANDÃO EDITAL DO PROCESSO SELETIVO PARA ACADÊMICOS DE MEDICINA DO HOSPITAL DOM MALAN/ GESTÃO IMIP HDM/GESTÃO IMIP CENTRO DE ESTUDOS DR. ALÍRIO BRANDÃO EDITAL DO PROCESSO SELETIVO PARA ACADÊMICOS DE MEDICINA DO HOSPITAL DOM MALAN/ GESTÃO IMIP A Diretoria de Ensino do HDM/GESTÃO IMIP torna público que

Leia mais

SAF. Síndrome do Anticorpo Antifosfolipídeo

SAF. Síndrome do Anticorpo Antifosfolipídeo SAF Síndrome do Anticorpo Antifosfolipídeo CRIAÇÃO E DESENVOLVIMENTO: Comissão de Vasculopatias ILUSTRAÇÃO DA CAPA: Gilvan Nunes EDITORAÇÃO: Rian Narcizo Mariano PRODUÇÃO: www.letracapital.com.br Copyright

Leia mais

DENGUE NA GRAVIDEZ OBSTETRÍCIA

DENGUE NA GRAVIDEZ OBSTETRÍCIA DENGUE NA GRAVIDEZ Rotinas Assistenciais da Maternidade-Escola da Universidade Federal do Rio de Janeiro OBSTETRÍCIA É doença febril aguda, de etiologia viral, de disseminação urbana, transmitida pela

Leia mais

TROMBOCITOPENIA NA GRAVIDEZ

TROMBOCITOPENIA NA GRAVIDEZ TROMBOCITOPENIA NA GRAVIDEZ Ricardo Oliveira Santiago Francisco Herlânio Costa Carvalho INTRODUÇÃO: - Trombocitopenia pode resultar de uma variedade de condições fisiológicas e patológicas na gravidez.

Leia mais

CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20

CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20 CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20 Componente Curricular: ENFERMAGEM EM ATENÇÃO A SAÚDE DA MULHER E DO HOMEM II Código: ENF- 213 CH

Leia mais

VÍRUS DA IMUNODEFICIÊNCIA HUMANA (VIH) PREVENÇÃO DA TRANSMISSÃO VERTICAL

VÍRUS DA IMUNODEFICIÊNCIA HUMANA (VIH) PREVENÇÃO DA TRANSMISSÃO VERTICAL VÍRUS DA IMUNODEFICIÊNCIA HUMANA () PREVENÇÃO DA TRANSMISSÃO VERTICAL Introdução A infecção na criança no nosso país faz-se quase exclusivamente por transmissão vertical pelo que é possível reduzir eficazmente

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE/SECRETARIA DE POLÍTICAS DE SAÚDE/CONSULTORIA PROGRAMA DE REDUÇÃO DA MORTALIDADE INFANTIL NO NORDESTE BRASILEIRO

MINISTÉRIO DA SAÚDE/SECRETARIA DE POLÍTICAS DE SAÚDE/CONSULTORIA PROGRAMA DE REDUÇÃO DA MORTALIDADE INFANTIL NO NORDESTE BRASILEIRO MINISTÉRIO DA SAÚDE/SECRETARIA DE POLÍTICAS DE SAÚDE/CONSULTORIA PROGRAMA DE REDUÇÃO DA MORTALIDADE INFANTIL NO NORDESTE BRASILEIRO AÇÃO COMPLEMENTAR IV para o PRMIM MONITORIZAÇÃO DOS NASCIMENTOS E ÓBITOS

Leia mais

A doença da membrana hialina em prematuros de baixo peso

A doença da membrana hialina em prematuros de baixo peso ARTIGO ORIGINAL A doença da membrana hialina em prematuros de baixo peso Hyaline membrane disease in low birth weight preterm infants Luíza Ruschel 1, Paulo de Jesus Hartmam Nader 2 RESUMO Introdução:

Leia mais

Atenção ao Pré-Natal, Parto e Puerpério

Atenção ao Pré-Natal, Parto e Puerpério Atenção ao Pré-Natal, Parto e Puerpério 2ª Edição SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE DE MINAS GERAIS Belo Horizonte, 2006 GOVERNO DO ESTADO DE MINAS GERAIS Governador Aécio Neves da Cunha SECRETARIA DE ESTADO

Leia mais

EDITAL DE INSCRIÇÕES. Curso Suporte Avançado à Vida em Emergências Obstétricas SAVEO TÉCNICOS DE ENFERMAGEM - 12 Horas

EDITAL DE INSCRIÇÕES. Curso Suporte Avançado à Vida em Emergências Obstétricas SAVEO TÉCNICOS DE ENFERMAGEM - 12 Horas EDITAL DE INSCRIÇÕES Curso Suporte Avançado à Vida em Emergências Obstétricas SAVEO TÉCNICOS DE ENFERMAGEM - 12 Horas A Company Gestão Educacional e Negócios torna público o edital para as inscrições do

Leia mais

ANAIS DA 65ª REUNIÃO ANUAL DA SBPC RECIFE, PE JULHO/2013. FATORES DE RISCO DE GRAVIDEZ NA ADOLESCÊNCIA (texto 1)

ANAIS DA 65ª REUNIÃO ANUAL DA SBPC RECIFE, PE JULHO/2013. FATORES DE RISCO DE GRAVIDEZ NA ADOLESCÊNCIA (texto 1) ANAIS DA 65ª REUNIÃO ANUAL DA SBPC RECIFE, PE JULHO/2013 FATORES DE RISCO DE GRAVIDEZ NA ADOLESCÊNCIA (texto 1) Zenilda Vieira Bruno 1. ADOLESCÊNCIA E FECUNDIDADE: A fecundidade na adolescência tem sido

Leia mais

Aproximadamente 15 a 20% das gestações clinicamente reconhecidas terminam em abortamento e destes 80% ocorrem até a 12ª semana.

Aproximadamente 15 a 20% das gestações clinicamente reconhecidas terminam em abortamento e destes 80% ocorrem até a 12ª semana. PROTOCOLO CLÍNICO ABORTAMENTO Especialidade: Ginecologia e Obstetrícia Responsável: Cristine Kolling Konopka Colaboradores: Elaine Verena Resener, Francisco Galarretta; Paulo Afonso Beltrame. Luciana Zafari;

Leia mais

AMBULATÓRIO DE ENDOCRINOLOGIA OBSTÉTRICA ENDOB (DIABETES MELLITUS, TIREOIDEOPATIAS E OUTRAS)

AMBULATÓRIO DE ENDOCRINOLOGIA OBSTÉTRICA ENDOB (DIABETES MELLITUS, TIREOIDEOPATIAS E OUTRAS) AMBULATÓRIO DE ENDOCRINOLOGIA OBSTÉTRICA ENDOB (DIABETES MELLITUS, TIREOIDEOPATIAS E OUTRAS) 1- Hipóteses diagnósticas que devem ser encaminhadas para este ambulatório 1a) Diabetes Mellitus Tipo 1, Tipo

Leia mais

PARECER CREMEC N.º 16/2013 24/05/2013

PARECER CREMEC N.º 16/2013 24/05/2013 PARECER CREMEC N.º 16/2013 24/05/2013 PROCESSO-CONSULTA PROTOCOLO CREMEC nº 3884/2013 ASSUNTO: VITALIDADE EMBRIONÁRIA À ULTRASSONOGRAFIA. PARECERISTA: CONSELHEIRO HELVÉCIO NEVES FEITOSA. EMENTA: Em embriões

Leia mais

DIRETRIZES BÁSICAS DE ATENDIMENTO PRÉ-NATAL NA REDE DE ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE CAMPINAS

DIRETRIZES BÁSICAS DE ATENDIMENTO PRÉ-NATAL NA REDE DE ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE CAMPINAS DIRETRIZES BÁSICAS DE ATENDIMENTO PRÉ-NATAL NA REDE DE ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE CAMPINAS Toda gestante da área de abrangência da unidade deverá ser estimulada a participar de acompanhamento pré-natal.

Leia mais

A ocorrência de um critério clínico com um critério biológico define a síndrome.

A ocorrência de um critério clínico com um critério biológico define a síndrome. Síndrome antifosfolípides e suas conseqüência na gravidez Dr. Marcos G. Asato Sinônimos Síndrome antifosfolípide, APS, lúpus eritematoso, lúpus, anticoagulante lúpico, lúpus eritematoso sistêmico. Definição

Leia mais

Sangramento vaginal Resumo de diretriz NHG M28 (terceira revisão, agosto 2014)

Sangramento vaginal Resumo de diretriz NHG M28 (terceira revisão, agosto 2014) Sangramento vaginal Resumo de diretriz NHG M28 (terceira revisão, agosto 2014) Meijer LJ, Bruinsma ACA, Pameijer AS, Hehenkamp WJK, Janssen CAH, Burgers JS, Opstelten W, De Vries CJH traduzido do original

Leia mais

Marcadores ultrassonográficos e bioquímicos de aneuploidia no primeiro trimestre gestacional. DGO HCFMRP USP 23 a 26 de março de 2011

Marcadores ultrassonográficos e bioquímicos de aneuploidia no primeiro trimestre gestacional. DGO HCFMRP USP 23 a 26 de março de 2011 Marcadores ultrassonográficos e bioquímicos de aneuploidia no primeiro trimestre gestacional Ricardo C Cavalli DGO HCFMRP USP 23 a 26 de março de 2011 Objetivos Topografia da gestação Vitalidade fetal

Leia mais

PROTOCOLO DE CONDUTA DO DIABETES E GESTAÇÃO

PROTOCOLO DE CONDUTA DO DIABETES E GESTAÇÃO PROTOCOLO DE CONDUTA DO DIABETES E GESTAÇÃO Rosy Ane de Jesus Barros SISTEMATIZAÇÃO PARA O RASTREAMENTO DO DIABETES GESTACIONAL - para todas as gestantes, na primeira consulta de pré-natal: glicemia plasmática

Leia mais

Do nascimento até 28 dias de vida.

Do nascimento até 28 dias de vida. Do nascimento até 28 dias de vida. CONDIÇÕES MATERNAS Idade : Menor de 16 anos, maior de 40. Fatores Sociais: Pobreza,Tabagismo, Abuso de drogas, Alcoolismo. Má nutrição História Clínica: Diabetes materna,

Leia mais

Insuficiência cardíaca / Edema agudo de pulmão

Insuficiência cardíaca / Edema agudo de pulmão UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE HOSPITAL UNIVERSITÁRIO ONOFRE LOPES MATERNIDADE ESCOLA JANUÁRIO CICCO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO ANA BEZERRA COMISSÃO DE RESIDÊNCIA MÉDICA PROCESSO SELETIVO PARA

Leia mais

TÍTULO: RELATO DE CASO - OCT de segmento anterior na avaliação de edema de córnea

TÍTULO: RELATO DE CASO - OCT de segmento anterior na avaliação de edema de córnea NÚMERO: 18 TÍTULO: RELATO DE CASO - OCT de segmento anterior na avaliação de edema de córnea AUTORES: Nayara Nakamura Hirota¹, Eduardo Buzolin Barbosa¹, Renata Tiemi Kashiwabuchi² 1 Residente do terceiro

Leia mais

46º Congresso de Ginecologia e Obstetrícia do Distrito Federal QUANDO USAR E QUANDO NÃO USAR METOTREXATE? Silândia Amaral da Silva Freitas

46º Congresso de Ginecologia e Obstetrícia do Distrito Federal QUANDO USAR E QUANDO NÃO USAR METOTREXATE? Silândia Amaral da Silva Freitas 46º Congresso de Ginecologia e Obstetrícia do Distrito Federal GRAVIDEZ ECTÓPICA: QUANDO USAR E QUANDO NÃO USAR METOTREXATE? Silândia Amaral da Silva Freitas GESTAÇÃO ECTÓPICA Ocorre fora da cavidade uterina.

Leia mais

Curso Anual Universitario de Medicina Familiar y Atención Primaria Infecções urinárias

Curso Anual Universitario de Medicina Familiar y Atención Primaria Infecções urinárias Infecções urinárias Dr.Eduardo Durante Dra. Karin Kopitowski Dr. Mario Acuña Objetivos Definir disúria e realizar os diagnósticos diferenciais. Realizar uma correta aproximação diagnóstica, Manejar adequadamente

Leia mais