Contexto cultural contemporâneo: o declínio da função paterna e a posição subjetiva da criança

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Contexto cultural contemporâneo: o declínio da função paterna e a posição subjetiva da criança"

Transcrição

1 Contexto cultural contemporâneo: o declínio da função paterna e a posição subjetiva da criança Manuela Rossiter Infância - tempo de brincar, coisa séria. Sônia Pereira Pinto da Motta O atendimento de crianças e familiares no estágio supervisionado do Curso de Psicologia da Universidade Federal de Alagoas, o exercício da função de analista na clínica com crianças e o trabalho de coordenadora e supervisora nos Centros de Atenção Psicossocial do Estado de Alagoas colocou-me diante de um grande número de crianças acometidas de sintomas que refletem a questão da intervenção dos pais e das demais alteridades na vida das crianças. Tal fenômeno não é observável apenas na esfera do atendimento clínico, já que seus determinantes são da ordem do que constitui o laço social pós-moderno. Diariamente, assistimos, nos diversos meios de comunicação problemas relativos às crianças nas diversas esferas que envolvem suas relações com a lei e a interdição situadas pelas autoridades. De maneira particular, o desacato aos professores e aos pais deflagra problemas constantes que veem exigindo discussões complexas no terreno da Educação e da Justiça. O sismo que abala as ordenações do convívio social no âmbito da delinquência juvenil, das síndromes cognitivas, da toxicomania, dos distúrbios alimentares, fobias, etc., é algo que convoca à questão da constituição do sujeito pós-moderno e da conseqüente implicação dos representantes simbólicos da autoridade e dos interditos. Nesta perspectiva há quase sempre um discurso que remonta a um contexto cultural de tempo passado, de uma época mais tranquila onde as crianças obedeciam aos ditames dos pais que transmitiam à lei simbólica e consequentemente aos dos seus representantes. Deste modo o passado se transforma num tempo mítico e de imediato marca o presente como um tempo de grandes dificuldades, permeado de muitos enigmas e sombrias perspectivas. Pensamos que a questão não se põe nesta ordem, visto que o passado não volta, ainda que tenhamos que seguir os registros dos seus trilhos para compreender o presente e as suas vicissitudes. Com o imperativo do consumo advindo da política capitalista que passou a reger a economia mundial em termos globalizados, a alteração radical do papel social das mulheres do ponto de vista do trabalho e da sexualidade, as famílias de múltiplas aparências (mono-parentais, recompostas, filhos de homossexuais, etc.), a internet, o

2 declínio das grandes ideologias de cunho religioso, social e político, a forma de organização da cultura ocidental ganhou novas coordenadas. Tais coordenadas ainda são pouco metabolizadas. Dessa forma, é inevitável que diante de tais mudanças de paradigmas desconheça-se qual intervenção é capaz de conter os efeitos dramáticos de mudanças tão velozes e radicais. O cerne da alteração cultural de nossa contemporaneidade é, como já foi sublinhado, a destituição da lei, que ao se inscrever, funda a cultura e consequentemente o alicerce de seus valores éticos e morais. Sabemos que é próprio à cultura a subversão de certos princípios e a ressignificação da conjuntura dos laços sociais, seja pela via de conquistas indeléveis das relações humanas no âmbito sócio-político-econômico, seja pela aquisição de novos conhecimentos que ampliam a exigência de reordenação da lógica precedente a tal conhecimento. Contudo, vivemos uma mutação cultural muito particular, desde que o que fundamentalmente se altera é a relação com a lei e com os legisladores, justamente seu ponto de sustentação. A ética desse discurso é uma ética guiada pela busca dos objetos de consumo severamente ditado pelo mercado globalizado e que se confundem com o objeto da falta que funda o desejo. Tal operação, à medida que mascara a relação do sujeito com seu desejo ímpar, produz uma exacerbação do imperativo das demandas. Todavia, a ausência de correspondência entre o objeto do desejo e o objeto da demanda, termina por produzir sujeitos desencontrados com os mesmos objetos aos quais estão submetidos. É nesta problemática da infância a qual pretendemos nos debruçar: Como se dá a posição subjetiva da criança com o declínio da função paterna no contexto cultural contemporâneo? Para isso, é necessário revisitar a história da relação da criança com a alteridade na cultura. A redefinição e as novas representações da concepção de infância estão diretamente relacionadas com a mudança do lugar da criança na família e na sociedade. Segundo Postman (2005), pouco se sabe a respeito do lugar da criança na Antiguidade Clássica, mas, assinala-se que entre os gregos e romanos se desenvolveu uma rigorosa concepção de educação. Nessa época, vigoravam interditos na convivência entre adultos e crianças que diziam respeito à austera limitação de sua inclusão no circuito da palavra e da sua autonomia para proceder com seu ato. A importância atribuída à educação das crianças pelos adultos da época sofre uma destituição na Idade Média. Nesse período, as crianças eram tidas como adultos pequenos, que circulavam entre os demais. Na Idade Moderna, a autoridade paterna foi incessantemente revalorizada. O pai passa a ter obrigações morais com 2

3 aqueles a quem governa, retomando os cuidados com a educação e a sustentação material de seus filhos por longos anos. Entretanto, a própria modernidade contribuiu para a alteração dos valores relacionados aos sentidos da infância. As crianças são inseridas na vida adulta precocemente: os hábitos de consumo, as decisões para aquisição dos bens da família, a moda a, linguagem e mesmo a eroticidade próprias aos adultos, são agora, coisas de crianças. As mudanças ocorridas na família ao longo do séc. XX assinalaram uma crise dos valores familiares e consequentemente uma alteração na configuração dos papeis dos sujeitos, particularmente, das crianças. Com a estruturação da sociedade capitalista, as mulheres e mães deixam a posição exclusiva de cuidadoras dos filhos e da vida doméstica para terem seu espaço no mercado de trabalho e na vida social. Para compensar as decorrentes frustrações dos filhos, as mães, com a concordância dos pais, passam a ser permissivas quanto às demandas das crianças. O que resulta no reinado das crianças sobre a autoridade dos pais. Implanta-se, assim, o discurso pós-moderno obstinado em abolir a falta e, consequentemente, o desejo. O consumo ordena: não! À falta, à tristeza, à solidão, submetendo o sujeito ao engodo do prazer pleno, ao império do gozo. A sedução para o consumo promete felicidade, fertilidade, juventude perene, ausência de solidão, beleza etc.. O ideal consumista se prevalece da crença num objeto sempre disponível. A ciência tenta a todo custo construir todas as respostas às indagações do humano com os avanços tecnológicos, cibernética, produção in vitro, clonagem, encurtamento das distâncias, subversão do tempo e medicalização. O discurso da contemporaneidade é o de respostas instantâneas e aplacadoras dos limites humanos. Contudo, a descontinuidade entre saber e verdade, revela a falta constitutiva do humano. Na criança há um sujeito-por-vir que irá se estruturar a partir do assujeitamento e da alienação a um Outro que o instala no simbólico, antes mesmo de seu nascimento. A subjetividade humana, ou melhor, toda lógica que situa o humano na cultura fundase na construção de uma equação que situa um sujeito a partir do outro, portanto, uma lógica que cunha o lugar para existir a partir da lei que demarca o limite entre um e outro. Essa lei é a lei de linguagem, é a lei que constitui o humano nos limites do simbólico. (Mafra, 2009, p. 18). 3

4 A internalização da imagem pela criança ocorre pela via de um discurso que será responsável por um processo de identificações, onde assim, irá constituir-se a sua estruturação subjetiva. É na verdade a instalação da alteridade na criança. Lacan (1991) designa a alteridade como Outro, instância destacada do outro semelhante, que contém as respostas e razões para a existência, o outro da ordem do Inconsciente, da pulsão, da transferência e da cultura. Desde seus ensaios iniciais, passando por Totem e Tabu, até o final de sua obra, em Moisés e o Monoteísmo, Freud articula a questão: o que é um pai? O Pai para Freud é da ordem do inconsciente. E a inscrição da lei do pai, no sentido em que Lacan a depreende, não é o equivalente da transmissão do patronímico, mas sim uma complexa operação simbólica a que ele chamou de Metáfora Paterna. O pai para a psicanálise não é então o pai real ou macho simbólico, mas uma função que articula desejo e castração (...). O pai é simbólico e funciona como função na medida em que indica a presença de uma lei que subordina todos os sujeitos. (Megale, 1999, p. 248). O pai em sua função de nomeador impõe uma restrição do gozo. É o Nome-do- Pai, nomeação simbólica, que confere a identidade, que registra, que marca. Nomedo-Pai, não é o nome da pessoa do pai, mas a atribuição que a mãe dá à sua palavra ou ainda à sua autoridade. É o pai simbólico, a lei que instala o sujeito na linguagem. O simbólico preexiste ao sujeito e, até que se formule a palavra de um pai endereçada a seu filho, há toda uma rede de relações simbólicas determinando a funcionalidade dessas palavras. A instalação da ordenação da lei no humano não obedece a uma fórmula aritmética, e sim, ao modo enigmático, no sentido de ser inconsciente e irredutível, de como o sujeito se inscreve no mundo e inscreve suas relações com todos os elementos do mundo que representará em seu psiquismo. Contudo, a palavra dos pais serve de âncora, de referência, num certo nível do processo de inscrição da lei, e, se bem que esse seja um nível posterior a outros mais complexos desse processo, é um tempo imprescindível. Um sujeito humano encontra na palavra das alteridades que o situam no mundo os termos para urdir a lógica das fronteiras éticas de sua existência, e a operatividade dessas palavras se efetiva, caso isso se estabeleça desde sempre, desde que uma criança nasce, confirmando-se a cada indagação que acomete o sujeito em seu desamparo e desconhecimento. 4

5 Essas intervenções, quando textuais, oferecem palavras com as quais a criança poderá estabelecer uma representação, uma expressão para o que dará rumo às suas satisfações e/ou frustrações. E é só a partir disso que se estabelecerá a autonomia desse sujeito, no jogo simbólico das negociações com os pais que darão lugar às ordenações dos acolhimentos e das recusas dos ditames constitutivos do simbólico, na via dos sentidos para a existência. Encontramos na contemporaneidade o esgarçamento das referências simbólicas, declínio de um sistema que parece não precisar mais de seus membros, a falta do interdito que constitui o princípio moral, mas, sobretudo encontramos a insuficiência da operação que constitui a posição do sujeito da subjetividade. Roudinesco (2003) afirma que ao perder sua auréola de virtude, o pai que dominava, fornece então uma imagem invertida de si mesmo, já que no contexto cultural contemporâneo essa autoridade intervém permissivamente. Com a ausência do pai em sua função, a lei não vigora, a criança mutilada das sociedades pós-industriais, se engendra ao hedonismo. Seguindo Julien (2000), na passagem da modernidade a pós-modernidade, assistiu-se a destituição do mestre e do pai como legisladores da lei e do dever. É nesse sentido que se coloca uma nova economia de gozo onde não existe a instância reguladora da fronteira entre o sujeito e o outro. A lei é necessária para que se compreenda a existência do limite. Laznik (1991) nos mostra que um interdito é um enunciado sob forma de imperativo negativo. Um pai ao dizer não, afirmava a proibição do gozo absoluto, situando que nem tudo era possível, e que eram necessários lutos para que se operassem consequentes soluções ímpares para o desejo, para a edificação do exercício da criação humana. Ao compreender a ética fundada no desejo, a psicanálise não pretende dar conta do que fica circunscrito ao laço social, mas oferece os elementos que nos interrogam sobre os fios que tecem o laço. É neste sentido que propomos, através de uma revisão da literatura, discutir os efeitos do declínio da função paterna na constituição subjetiva da criança. Referências Bibliográficas JULIEN, Philippe. Abandonarás teu pai e tua mãe. Rio de Janeiro: Companhia de Freud, LACAN, Jacques. As Psicoses. Seminário 3. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed.,

6 LAZNIK, Marie-Christine. Os nãos do pai. Salvador: Ágalma, Coleção Psicanálise da Criança: Coisa de Criança. V.1, n.1. MAFRA, Taciana de Melo. A Toxicomania e sua relação com a adolescência. Rio de Janeiro: Cia. de Freud, MEGALE, Fernando Carlos Santaella. Reprodução assistida e função paterna: implicações. In. Anais TOMO II. Trata-se de uma criança. Rio de Janeiro: Companhia de Freud, MOTTA, Sônia Pereira Pinto. O mal-estar na infância. In. Anais TOMO II. Trata-se de uma criança. Rio de Janeiro: Companhia de Freud, POSTMAN, Neil. O desaparecimento da infância. Rio de Janeiro: Grafhia, ROUDINESCO, Elisabeth. A família em desordem. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed.,

A CORAGEM DE TOMAR A PALAVRA: REPRESSÃO, EDUCAÇÃO E PSICANÁLISE

A CORAGEM DE TOMAR A PALAVRA: REPRESSÃO, EDUCAÇÃO E PSICANÁLISE A CORAGEM DE TOMAR A PALAVRA: REPRESSÃO, EDUCAÇÃO E PSICANÁLISE Autores: Gleici Kelly de LIMA, Mário Ferreira RESENDE. Identificação autores: Bolsista IN-IFC; Orientador IFC-Videira. Introdução Qual seria

Leia mais

Introdução. instituição. 1 Dados publicados no livro Lugar de Palavra (2003) e registro posterior no banco de dados da

Introdução. instituição. 1 Dados publicados no livro Lugar de Palavra (2003) e registro posterior no banco de dados da Introdução O interesse em abordar a complexidade da questão do pai para o sujeito surgiu em minha experiência no Núcleo de Atenção à Violência (NAV), instituição que oferece atendimento psicanalítico a

Leia mais

ADOLESCÊNCIA: PSICOPATOLOGIAS E CLÍNICA PSICANALÍTICA

ADOLESCÊNCIA: PSICOPATOLOGIAS E CLÍNICA PSICANALÍTICA ADOLESCÊNCIA: PSICOPATOLOGIAS E CLÍNICA PSICANALÍTICA MARIA DA GLORIA SCHWAB SADALA 1. BREVE CURRICULO PSICÓLOGA E PSICANALISTA DOUTORA, MESTRE E ESPECIALISTA PELA UFRJ COORDENADORA DO MESTRADO EM PSICANÁLISE

Leia mais

Abertura do I Colóquio sobre Psicanálise e Educação Clínica d ISS

Abertura do I Colóquio sobre Psicanálise e Educação Clínica d ISS Abertura do I Colóquio sobre Psicanálise e Educação Clínica d ISS Samyra Assad Abrir o Iº Colóquio sobre Psicanálise e Educação é, dar início não somente aos trabalhos que a partir de agora se seguirão,

Leia mais

A sua revista eletrônica CONTEMPORANEIDADE E PSICANÁLISE 1

A sua revista eletrônica CONTEMPORANEIDADE E PSICANÁLISE 1 A sua revista eletrônica CONTEMPORANEIDADE E PSICANÁLISE 1 Patrícia Guedes 2 Comemorar 150 anos de Freud nos remete ao exercício de revisão da nossa prática clínica. O legado deixado por ele norteia a

Leia mais

Adolescência Márcio Peter de Souza Leite (Apresentação feita no Simpósio sobre Adolescência- Rave, EBP, abril de 1999, na Faculdade de Educação da

Adolescência Márcio Peter de Souza Leite (Apresentação feita no Simpósio sobre Adolescência- Rave, EBP, abril de 1999, na Faculdade de Educação da Adolescência 1999 Adolescência Márcio Peter de Souza Leite (Apresentação feita no Simpósio sobre Adolescência- Rave, EBP, abril de 1999, na Faculdade de Educação da USP) O que é um adolescente? O adolescente

Leia mais

A tópica lacaniana - simbólico, imaginário, real - e sua relação. com a função paterna

A tópica lacaniana - simbólico, imaginário, real - e sua relação. com a função paterna www.franklingoldgrub.com Édipo 3 x 4 - franklin goldgrub 7º Capítulo - (texto parcial) A tópica lacaniana - simbólico, imaginário, real - e sua relação com a função paterna (Salvo menção expressa em contrário,

Leia mais

2- Ruptura com o Gozo Fálico: como Pensar a Neurose e a Psicose em Relação à Toxicomania?

2- Ruptura com o Gozo Fálico: como Pensar a Neurose e a Psicose em Relação à Toxicomania? 2- Ruptura com o Gozo Fálico: como Pensar a Neurose e a Psicose em Relação à Toxicomania? Giselle Fleury(IP/UERJ), Heloisa Caldas(IP/UERJ) Para pensar, neste trabalho, a neurose e a psicose em relação

Leia mais

Violência Simbólica: possíveis lugares subjetivos para uma criança diante da escolha materna

Violência Simbólica: possíveis lugares subjetivos para uma criança diante da escolha materna Violência Simbólica: possíveis lugares subjetivos para uma criança diante da escolha materna Henrique Figueiredo Carneiro Liliany Loureiro Pontes INTRODUÇÃO Esse trabalho apresenta algumas considerações,

Leia mais

A FORMAÇÃO PROFISSIONAL DO CIENTISTA SOCIAL: SABERES E COMPETÊNCIAS NECESSÁRIOS

A FORMAÇÃO PROFISSIONAL DO CIENTISTA SOCIAL: SABERES E COMPETÊNCIAS NECESSÁRIOS O JOGO SEGUNDO A TEORIA DO DESENVOLVIMENTO HUMANO DE WALLON Cleudo Alves Freire Daiane Soares da Costa Ronnáli da Costa Rodrigues Rozeli Maria de Almeida Raimunda Ercilia Fernandes S. de Melo Graduandos

Leia mais

Adolescência: eclipse da novela borromeana

Adolescência: eclipse da novela borromeana Adolescência: eclipse da novela borromeana Taciana de Melo Mafra 1 Não é muito comum que os analistas se debrucem diante das questões sobre o humano, tomados numa perspectiva onde o campo das articulações

Leia mais

Clínica Psicanalítica e Ambulatório de Saúde Mental

Clínica Psicanalítica e Ambulatório de Saúde Mental Clínica Psicanalítica e Ambulatório de Saúde Mental Trabalho apresentado na IV Jornada de Saúde Mental e Psicanálise na PUCPR em 21/11/2009. A prática da psicanálise em ambulatório de saúde mental pode

Leia mais

Paulo de Lima. Tema 04: Dimensão Sócio- Política- Ecológica (Processo de participação- conscientização. Qual a minha relação com a sociedade? ).

Paulo de Lima. Tema 04: Dimensão Sócio- Política- Ecológica (Processo de participação- conscientização. Qual a minha relação com a sociedade? ). Tema 04: Dimensão Sócio- Política- Ecológica (Processo de participação- conscientização. Qual a minha relação com a sociedade? ). Titulo 03: Droga, Álcool e cidadania Paulo de Lima (Mestrando em Educação

Leia mais

O papel do corpo na contemporaneidade, as novas patologias e a escuta analítica.

O papel do corpo na contemporaneidade, as novas patologias e a escuta analítica. O papel do corpo na contemporaneidade, as novas patologias e a escuta analítica. Silvana Maria de Barros Santos Entre o século XVI a XIX, as transformações políticas, sociais, culturais e o advento da

Leia mais

O Determinismo na Educação hoje Lino de Macedo

O Determinismo na Educação hoje Lino de Macedo O Determinismo na Educação hoje Lino de Macedo 2010 Parece, a muitos de nós, que apenas, ou principalmente, o construtivismo seja a ideia dominante na Educação Básica, hoje. Penso, ao contrário, que, sempre

Leia mais

DUNKER, C.I.L. Desautorização da Mãe pelo Pai. Revista Pais e Filhos, 2008. A Desautorização da Mãe pelo Pai

DUNKER, C.I.L. Desautorização da Mãe pelo Pai. Revista Pais e Filhos, 2008. A Desautorização da Mãe pelo Pai A Desautorização da Mãe pelo Pai - Quais as consequências de haver um conflito entre pai e mãe em relação à autoridade perante os filhos ou quando divergirem em relação à determinado tema na frente das

Leia mais

IV Congresso Internacional de Psicopatologia Fundamental X Congresso Brasileiro de Psicopatologia Fundamental. Curitiba, de 04 a 07 de Julho de 2010.

IV Congresso Internacional de Psicopatologia Fundamental X Congresso Brasileiro de Psicopatologia Fundamental. Curitiba, de 04 a 07 de Julho de 2010. IV Congresso Internacional de Psicopatologia Fundamental X Congresso Brasileiro de Psicopatologia Fundamental. Curitiba, de 04 a 07 de Julho de 2010. Os nomes dos modos de sofrimentos atuais, ou, Transtornos

Leia mais

Arte como mercadoria: crítica materialista desde Benjamin. A comunicação propõe discutir a idéia de que entre Walter Benjamin e Siegfried Kracauer

Arte como mercadoria: crítica materialista desde Benjamin. A comunicação propõe discutir a idéia de que entre Walter Benjamin e Siegfried Kracauer Arte como mercadoria: crítica materialista desde Benjamin Francisco Alambert 1 Resumen: A comunicação propõe discutir a idéia de que entre Walter Benjamin e Siegfried Kracauer formulou-se uma chave dialética

Leia mais

A SOCIEDADE QUE MORREU(VIVEU) DE RIR Um estudo discursivo do riso como dispositivo de exercício de poder

A SOCIEDADE QUE MORREU(VIVEU) DE RIR Um estudo discursivo do riso como dispositivo de exercício de poder A SOCIEDADE QUE MORREU(VIVEU) DE RIR Um estudo discursivo do riso como dispositivo de exercício de poder Waldênia Klésia Maciel Vargas SOUSA (FL/UFG) Bolsista CAPES waldeniaklesia10@hotmail.com Eliane

Leia mais

Filosofia - Introdução à Reflexão Filosófica

Filosofia - Introdução à Reflexão Filosófica Filosofia - Introdução à Reflexão Filosófica 0 O que é Filosofia? Essa pergunta permite muitas respostas... Alguns podem apontar que a Filosofia é o estudo de tudo ou o nada que pretende abarcar tudo.

Leia mais

Rafael Saliba Regis Fundação de Assistência Especializada de Nova Lima - FAENOL

Rafael Saliba Regis Fundação de Assistência Especializada de Nova Lima - FAENOL QUANDO A CLÍNICA ENCONTRA A ESCOLA: O TRATAMENTO DO AUTISMO E AS SAÍDAS POSSÍVEIS DE UMA INCLUSÃO Rafael Saliba Regis Fundação de Assistência Especializada de Nova Lima - FAENOL Rua Divinópolis, 318/201,

Leia mais

O apelo contemporâneo por laços narcísicos

O apelo contemporâneo por laços narcísicos O apelo contemporâneo por laços narcísicos Ângela Buciano do Rosário Psicóloga, Doutoranda em Psicologia PUC-MG. Bolsista da Fundação de Amparo a Pesquisa do Estado de Minas Gerais - FAPEMIG. Mestre em

Leia mais

FANTASIAS SEXUAIS INFANTIS, AS CRIANÇAS FALAM. A intenção deste trabalho foi escutar crianças pequenas a respeito da

FANTASIAS SEXUAIS INFANTIS, AS CRIANÇAS FALAM. A intenção deste trabalho foi escutar crianças pequenas a respeito da FANTASIAS SEXUAIS INFANTIS, AS CRIANÇAS FALAM Maria Elisa França Rocha A intenção deste trabalho foi escutar crianças pequenas a respeito da sexualidade, bem como conhecer suas fantasias e as teorias que

Leia mais

DITADURA, EDUCAÇÃO E DISCIPLINA: REFLEXÕES SOBRE O LIVRO DIDÁTICO DE EDUCAÇÃO MORAL E CÍVICA

DITADURA, EDUCAÇÃO E DISCIPLINA: REFLEXÕES SOBRE O LIVRO DIDÁTICO DE EDUCAÇÃO MORAL E CÍVICA DITADURA, EDUCAÇÃO E DISCIPLINA: REFLEXÕES SOBRE O LIVRO DIDÁTICO DE EDUCAÇÃO MORAL E CÍVICA Rafael Nóbrega Araújo, graduando em História (UEPB) e-mail: rafaelnobreg@hotmail.com Patrícia Cristina Aragão,

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO PARA OS CURSOS PRÉ-VESTIBULARES

A IMPORTÂNCIA DO PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO PARA OS CURSOS PRÉ-VESTIBULARES A IMPORTÂNCIA DO PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO PARA OS CURSOS PRÉ-VESTIBULARES Alexandre do Nascimento Sem a pretensão de responder questões que devem ser debatidas pelo coletivo, este texto pretende instigar

Leia mais

COMPRE AQUI E MORE BEM : A LINGUAGEM PUBLICITÁRIA E OS DISCURSOS DA PROPAGANDA IMOBILIÁRIA

COMPRE AQUI E MORE BEM : A LINGUAGEM PUBLICITÁRIA E OS DISCURSOS DA PROPAGANDA IMOBILIÁRIA COMPRE AQUI E MORE BEM : A LINGUAGEM PUBLICITÁRIA E OS DISCURSOS DA PROPAGANDA IMOBILIÁRIA Maria Eliane Gomes Morais (PPGFP-UEPB) Linduarte Pereira Rodrigues (DLA/PPGFP-UEPB) Resumo: Os textos publicitários

Leia mais

Quadro Geral de Disciplinas do PPGP

Quadro Geral de Disciplinas do PPGP Quadro Geral de s do PPGP Obrigatórias CR CH Metodologia de Pesquisa 4 60 Metodologias Específicas - Linha Psicanálise: teoria e clínica 4 60 Metodologias Específicas - Linha Psicologia e Sociedade 4 60

Leia mais

O SUJEITO EM FOUCAULT

O SUJEITO EM FOUCAULT O SUJEITO EM FOUCAULT Maria Fernanda Guita Murad Foucault é bastante contundente ao afirmar que é contrário à ideia de se fazer previamente uma teoria do sujeito, uma teoria a priori do sujeito, como se

Leia mais

A PSICANÁLISE E OS MODERNOS MOVIMENTOS DE AFIRMAÇÃO HOMOSSEXUAL 1

A PSICANÁLISE E OS MODERNOS MOVIMENTOS DE AFIRMAÇÃO HOMOSSEXUAL 1 A PSICANÁLISE E OS MODERNOS MOVIMENTOS DE AFIRMAÇÃO HOMOSSEXUAL 1 Este artigo trata da difícil relação entre a teoria psicanalítica, que tradicionalmente considerava os comportamentos eróticos entre pessoas

Leia mais

Clínica psicanalítica com crianças

Clínica psicanalítica com crianças Clínica psicanalítica com crianças Ana Marta Meira* A reflexão sobre a clínica psicanalítica com crianças aponta para múltiplos eixos que se encontram em jogo no tratamento, entre estes, questões referentes

Leia mais

A INDÚSTRIA CULTURAL E SEU DOMINIO SOBRE A CLASSE TRABALHADORA. Aurius Reginaldo de Freitas Gonçalves

A INDÚSTRIA CULTURAL E SEU DOMINIO SOBRE A CLASSE TRABALHADORA. Aurius Reginaldo de Freitas Gonçalves A INDÚSTRIA CULTURAL E SEU DOMINIO SOBRE A CLASSE TRABALHADORA Aurius Reginaldo de Freitas Gonçalves Estamos vivendo um período extremamente difícil, onde as relações sociais encontram em plena estagnação.

Leia mais

Narcisismo e cultura contemporânea

Narcisismo e cultura contemporânea Narcisismo e cultura contemporânea Flávia Ferro Costa Veppo José Juliano Cedaro A cultura hedonista, marcada pela ilusão na satisfação rápida e sempre possível, evidencia a ausência do elemento de barramento

Leia mais

MESA-REDONDA. Corpo: cenário de amor, gozo e sofrimento. Amor e compulsão: figuras contemporâneas do trabalho de jovens executivos.

MESA-REDONDA. Corpo: cenário de amor, gozo e sofrimento. Amor e compulsão: figuras contemporâneas do trabalho de jovens executivos. IV Congresso Internacional de Psicopatologia Fundamental X Congresso Brasileiro de Psicopatologia Fundamental Tema: O amor e seus transtornos Curitiba, de 04 a 07 de setembro de 2010 MESA-REDONDA Corpo:

Leia mais

TENDÊNCIAS RECENTES DOS ESTUDOS E DAS PRÁTICAS CURRICULARES

TENDÊNCIAS RECENTES DOS ESTUDOS E DAS PRÁTICAS CURRICULARES TENDÊNCIAS RECENTES DOS ESTUDOS E DAS PRÁTICAS CURRICULARES Inês Barbosa de Oliveira O desafio de discutir os estudos e as práticas curriculares, sejam elas ligadas à educação de jovens e adultos ou ao

Leia mais

O CURRÍCULO NA PERSPECTIVA DO RECONSTRUCIONISMO SOCIAL

O CURRÍCULO NA PERSPECTIVA DO RECONSTRUCIONISMO SOCIAL O CURRÍCULO NA PERSPECTIVA DO RECONSTRUCIONISMO SOCIAL Resumo Fabiana Antunes Machado 1 - UEL/PR Rosana Peres 2 - UEL/PR Grupo de trabalho - Comunicação e Tecnologia Agência Financiadora: Capes Objetiva-se

Leia mais

Eixo Temático: Educação

Eixo Temático: Educação Título: ESTAGIÁRIO NA ESCOLA: TECENDO LAÇOS E CONSTRUINDO SAÚDE Nome do Autor: Maria Isabel Ramos da Silva. Instituição: ONG Tempo de Crescer TCER E-mail: isabelrs76@gmail.com Resumo A Tempo de Crescer

Leia mais

O SUJEITO-PROFESSOR E SUA INSCRIÇÃO APARENTE NO DISCURSO EDUCACIONAL VIGENTE Luzia Alves 1

O SUJEITO-PROFESSOR E SUA INSCRIÇÃO APARENTE NO DISCURSO EDUCACIONAL VIGENTE Luzia Alves 1 410 O SUJEITO-PROFESSOR E SUA INSCRIÇÃO APARENTE NO DISCURSO EDUCACIONAL VIGENTE Luzia Alves 1 RESUMO. O presente estudo se propõe a analisar num artigo, publicado em uma revista de grande circulação no

Leia mais

AMOR, TRANSFERÊNCIA E DESEJO

AMOR, TRANSFERÊNCIA E DESEJO AMOR, TRANSFERÊNCIA E DESEJO Lucia Serrano Pereira 1 Afirmo em nada mais ser entendido, senão nas questões do amor. Isso é o que está dito por Sócrates na obra de Platão O Banquete. O Banquete nos é indicado

Leia mais

Desdobramentos: A mulher para além da mãe

Desdobramentos: A mulher para além da mãe Desdobramentos: A mulher para além da mãe Uma mulher que ama como mulher só pode se tornar mais profundamente mulher. Nietzsche Daniela Goulart Pestana Afirmar verdadeiramente eu sou homem ou eu sou mulher,

Leia mais

UMA TOPOLOGIA POSSÍVEL DA ENTRADA EM ANÁLISE 1

UMA TOPOLOGIA POSSÍVEL DA ENTRADA EM ANÁLISE 1 UMA TOPOLOGIA POSSÍVEL DA ENTRADA EM ANÁLISE 1 Celso Rennó Lima A topologia..., nenhum outro estofo a lhe dar que essa linguagem de puro matema, eu entendo por aí isso que é único a poder se ensinar: isso

Leia mais

PODERES DO PSICANALISTA

PODERES DO PSICANALISTA Estados Gerais da Psicanálise: Segundo Encontro Mundial, Rio de Janeiro 2003 PODERES DO PSICANALISTA Nelisa Guimarães O título tem o duplo sentido de discutir o que pode um psicanalista na clínica a partir

Leia mais

CORPO FREUDIANO ESCOLA DE PSICANÁLISE SEÇÃO RIO DE JANEIRO PROGRAMAÇÃO 2012.2. INÍCIO: 07 de agosto FORMAÇÃO BÁSICA

CORPO FREUDIANO ESCOLA DE PSICANÁLISE SEÇÃO RIO DE JANEIRO PROGRAMAÇÃO 2012.2. INÍCIO: 07 de agosto FORMAÇÃO BÁSICA CORPO FREUDIANO ESCOLA DE PSICANÁLISE SEÇÃO RIO DE JANEIRO PROGRAMAÇÃO 2012.2 INÍCIO: 07 de agosto FORMAÇÃO BÁSICA MÓDULO: REAL, SIMBÓLICO E IMAGINÁRIO Quintas-feiras, horário: 9:30 às 11:30h, semanal

Leia mais

AFORISMOS DE JACQUES LACAN

AFORISMOS DE JACQUES LACAN AFORISMOS DE JACQUES LACAN Marco Antonio Coutinho Jorge (org.) O texto de Lacan, assim como o de Swedenborg, segundo Borges, é daqueles que expõe tudo com autoridade, com uma tranqüila autoridade. Ciente,

Leia mais

O desenho e sua interpretação: quem sabe ler?

O desenho e sua interpretação: quem sabe ler? O desenho e sua interpretação: quem sabe ler? Sonia Campos Magalhães Em seu artigo Uma dificuldade da psicanálise de criança, Colette Soler 1 lança uma questão aos psicanalistas que se ocupam desta prática,

Leia mais

O TEMPO NO ABRIGO: PRESERVAÇÃO DA HISTÓRIA, GARANTIA DE SINGULARIDADE

O TEMPO NO ABRIGO: PRESERVAÇÃO DA HISTÓRIA, GARANTIA DE SINGULARIDADE Cuidando de quem cuida Instituto de Capacitação e Intervenção Psicossocial pelos Direitos da Criança e Adolescente em Situação de Risco O TEMPO NO ABRIGO: PRESERVAÇÃO DA HISTÓRIA, GARANTIA DE SINGULARIDADE

Leia mais

Unidade II TEORIAS PSICOLÓGICAS. Profa. Dra. Mônica Cintrão França Ribeiro

Unidade II TEORIAS PSICOLÓGICAS. Profa. Dra. Mônica Cintrão França Ribeiro Unidade II TEORIAS PSICOLÓGICAS DO DESENVOLVIMENTO Profa. Dra. Mônica Cintrão França Ribeiro Ementa Estudo do desenvolvimento do ciclo vital humano a partir de diferentes teorias psicológicas. Compreender

Leia mais

Prof. Kildo Adevair dos Santos (Orientador), Prof.ª Rosângela Moura Cortez UNILAVRAS.

Prof. Kildo Adevair dos Santos (Orientador), Prof.ª Rosângela Moura Cortez UNILAVRAS. BARBOSA, S. L; BOTELHO, H. S. Jogos e brincadeiras na educação infantil. 2008. 34 f. Monografia (Graduação em Normal Superior)* - Centro Universitário de Lavras, Lavras, 2008. RESUMO Este artigo apresenta

Leia mais

Reconhecida como uma das maiores autoridades no campo da análise infantil na

Reconhecida como uma das maiores autoridades no campo da análise infantil na 48 1.5. Aberastury: o nascimento de um neo-kleinianismo Reconhecida como uma das maiores autoridades no campo da análise infantil na Argentina, Arminda Aberastury fazia parte do grupo de Angel Garma, que

Leia mais

O PSICANALITICAMENTE CORRETO E O QUE É DITO POLITICAMENTE INCORRETO Juçara Rocha Soares Mapurunga Henrique Figueiredo Carneiro

O PSICANALITICAMENTE CORRETO E O QUE É DITO POLITICAMENTE INCORRETO Juçara Rocha Soares Mapurunga Henrique Figueiredo Carneiro O PSICANALITICAMENTE CORRETO E O QUE É DITO POLITICAMENTE INCORRETO Juçara Rocha Soares Mapurunga Henrique Figueiredo Carneiro A expressão politicamente correto refere-se a uma política que consiste em

Leia mais

FORMAÇÃO CONTINUADA EM PROEJA. Concepção de currículo integrado

FORMAÇÃO CONTINUADA EM PROEJA. Concepção de currículo integrado FORMAÇÃO CONTINUADA EM PROEJA Concepção de currículo integrado A FORMAÇÃO INTEGRADA A formação Integrada Dois eventos recentes: marcaram as lutas O decreto 2.208/97 Aparta ensino médio de educação profissional

Leia mais

Megalomania: amor a si mesmo Raquel Coelho Briggs de Albuquerque 1

Megalomania: amor a si mesmo Raquel Coelho Briggs de Albuquerque 1 Megalomania: amor a si mesmo Raquel Coelho Briggs de Albuquerque 1 Alfredo estava na casa dos 30 anos. Trabalhava com gesso. Era usuário de drogas: maconha e cocaína. Psicótico, contava casos persecutórios,

Leia mais

HOMOFOBIA RELIGIOSA: DESAFIOS PARA UMA EDUCAÇÃO INCLUSIVA

HOMOFOBIA RELIGIOSA: DESAFIOS PARA UMA EDUCAÇÃO INCLUSIVA HOMOFOBIA RELIGIOSA: DESAFIOS PARA UMA EDUCAÇÃO INCLUSIVA Viviane Kate Pereira Ramos (Universidade Federal de Campina Grande) viviankate@gmail.com Dayanne Azevedo da Silva (Universidade Federal de Campina

Leia mais

Origem e objeto da Ciência Econômica

Origem e objeto da Ciência Econômica Origem e objeto da Ciência Econômica Roteiro da apresentação dois sistemas escolhidos na História do pensamento econômico por sua relevância histórica e seu poder de ilustração da problemática da Economia

Leia mais

APO TAME TOS SOBRE A A GÚSTIA EM LACA 1

APO TAME TOS SOBRE A A GÚSTIA EM LACA 1 APO TAME TOS SOBRE A A GÚSTIA EM LACA 1 Elza Macedo Instituto da Psicanálise Lacaniana IPLA São Paulo, 2008 A angústia é um afeto Lacan (2005) dedica o Seminário de 1962-1963 à angústia. Toma a experiência

Leia mais

EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS: UMA REFLEXÃO SOBRE A INCLUSÃO E EXCLUSÃO DOS EDUCANDOS NOS ESPAÇOS ESCOLARES

EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS: UMA REFLEXÃO SOBRE A INCLUSÃO E EXCLUSÃO DOS EDUCANDOS NOS ESPAÇOS ESCOLARES EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS: UMA REFLEXÃO SOBRE A INCLUSÃO E EXCLUSÃO DOS EDUCANDOS NOS ESPAÇOS ESCOLARES Polyana Danielle da Silva Medeiros NCDH UFPB: Universidade Federal da Paraíba E-mail: polyanadaniele@hotmail.com

Leia mais

Clarice Gatto. O traumático que a experiência psicanalítica torna comunicável

Clarice Gatto. O traumático que a experiência psicanalítica torna comunicável Clarice Gatto O traumático que a experiência psicanalítica torna comunicável Trabalho a ser apresentado na Mesa-redonda Poder da palavra no III Congresso Internacional de Psicopatologia Fundamental e IX

Leia mais

Fundamentos Socioculturais e Diversidades

Fundamentos Socioculturais e Diversidades NATURALIZAÇÃO DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE Fundamentos Socioculturais e Diversidades MÓDULO III Prof.: MSc. Getulio Ribeiro Histórias da Infância e do Mundo Adulto Da Infância à Melhor Idade

Leia mais

SEXO. espiritualidade, instinto e cultura

SEXO. espiritualidade, instinto e cultura SEXO espiritualidade, instinto e cultura AGEU HERINGER LISBOA SEXO espiritualidade, instinto e cultura Copyright 2001 by Ageu Heringer Lisboa Projeto Gráfico: Editora Ultimato 2ª edição Maio de 2006 Revisão:

Leia mais

Primeiros Vínculos: Relação Mãe Filho

Primeiros Vínculos: Relação Mãe Filho Primeiros Vínculos: Relação Mãe Filho NOEMIA KRAICHETE PSICOLOGA TERAPEUTA FAMILIAR nkraichete@hotmail.com Qualquer discussão sobre o desenvolvimento da personalidade e, especialmente, da personalidade

Leia mais

Política Municipal para o Desenvolvimento Integral da Primeira Infância na Cidade de São Paulo

Política Municipal para o Desenvolvimento Integral da Primeira Infância na Cidade de São Paulo VIVER A CIDADE QUE A GENTE AMA. FAZER A SÃO PAULO QUE A GENTE QUER. Política Municipal para o Desenvolvimento Integral da Primeira Infância na Cidade de São Paulo A importância da primeira infância O desenvolvimento

Leia mais

ESTÁGIO EM PSICOLOGIA EM PROCESSOS SOCIAIS: CRIANDO E RECRIANDO O PROCESSO DE AUTONOMIA DOS SUJEITOS NO CAPS AD. 1

ESTÁGIO EM PSICOLOGIA EM PROCESSOS SOCIAIS: CRIANDO E RECRIANDO O PROCESSO DE AUTONOMIA DOS SUJEITOS NO CAPS AD. 1 ESTÁGIO EM PSICOLOGIA EM PROCESSOS SOCIAIS: CRIANDO E RECRIANDO O PROCESSO DE AUTONOMIA DOS SUJEITOS NO CAPS AD. 1 Kenia S. Freire 2, Sabrina Corrêa Da Silva 3, Jaqueline Oliveira 4, Carolina B. Gross

Leia mais

AVALIAÇÃO E INTERVENÇÃO PSICOPEDAGÓGICA A PARTIR DO DESENHO INFANTIL. Otília Damaris Psicopedagoga

AVALIAÇÃO E INTERVENÇÃO PSICOPEDAGÓGICA A PARTIR DO DESENHO INFANTIL. Otília Damaris Psicopedagoga AVALIAÇÃO E INTERVENÇÃO PSICOPEDAGÓGICA A PARTIR DO DESENHO INFANTIL Otília Damaris Psicopedagoga AVALIAÇÃO E INTERVENÇÃO PSICOPEDAGÓGICA A PARTIR DO DESENHO INFANTIL O desenho é uma das formas de expressão

Leia mais

A atuação do Residente de Psicologia nos Grupos de Pré-consulta *

A atuação do Residente de Psicologia nos Grupos de Pré-consulta * ARTIGOS A atuação do Residente de Psicologia nos Grupos de Pré-consulta * Raquel Moreira Pádova ** Introdução A questão que analiso neste trabalho, se refere à atuação do psicólogo nos grupos de pré-consulta

Leia mais

O Conceito de Família na Teoria Psicanalítica: Uma Breve Revisão. The Concept of Family in the Psychoanalytical Theory: A Brief Review

O Conceito de Família na Teoria Psicanalítica: Uma Breve Revisão. The Concept of Family in the Psychoanalytical Theory: A Brief Review 117 O Conceito de Família na Teoria Psicanalítica: Uma Breve Revisão The Concept of Family in the Psychoanalytical Theory: A Brief Review João Gualberto Teixeira de Carvalho Filho 1 Resumo Este artigo

Leia mais

FREUD: IMPASSE E INVENÇÃO

FREUD: IMPASSE E INVENÇÃO FREUD: IMPASSE E INVENÇÃO Denise de Fátima Pinto Guedes Roberto Calazans Freud ousou dar importância àquilo que lhe acontecia, às antinomias da sua infância, às suas perturbações neuróticas, aos seus sonhos.

Leia mais

Atualmente a responsabilidade na adolescência tem sido alvo de amplas

Atualmente a responsabilidade na adolescência tem sido alvo de amplas Título: Adolescência, violência e responsabilidade Atualmente a responsabilidade na adolescência tem sido alvo de amplas discussões nos meios de comunicação. O estudo teórico deste tema vem sendo recebido

Leia mais

ESPAÇO(S) E COMPROMISSOS DA PROFISSÃO

ESPAÇO(S) E COMPROMISSOS DA PROFISSÃO ESPAÇO(S) E COMPROMISSOS DA PROFISSÃO 18 de Novembro de 2010 Teatro Municipal de Almada Senhora Presidente da Associação dos Profissionais de Serviços Social, Dr.ª Fernanda Rodrigues Senhoras e Senhores

Leia mais

A DOENÇA O REAL PARA O SUJEITO

A DOENÇA O REAL PARA O SUJEITO A DOENÇA O REAL PARA O SUJEITO 2014 Olga Cristina de Oliveira Vieira Graduada em Psicologia pela Universidade Presidente Antônio Carlos. Docente no Centro Técnico de Ensino Profissional (CENTEP). Especialização

Leia mais

A importância da família no processo de educar

A importância da família no processo de educar A importância da família no processo de educar A mim me dá pena e preocupação quando convivo com famílias que experimentam a tirania da liberdade em que as crianças podem tudo: gritam, riscam as paredes,

Leia mais

PARA ONDE VAMOS? Uma reflexão sobre o destino das Ongs na Região Sul do Brasil

PARA ONDE VAMOS? Uma reflexão sobre o destino das Ongs na Região Sul do Brasil PARA ONDE VAMOS? Uma reflexão sobre o destino das Ongs na Região Sul do Brasil Introdução Mauri J.V. Cruz O objetivo deste texto é contribuir num processo de reflexão sobre o papel das ONGs na região sul

Leia mais

Uma introdução Chafia Américo Farah 1

Uma introdução Chafia Américo Farah 1 PASSAGEM AO ATO, ACTING OUT, ATO PSICANALÍTICO: Uma introdução Chafia Américo Farah 1 Palavras chaves: passagem ao ato, acting,psicose,gozo Manhãs de quartas-feiras. Caso clínico ou apresentação de pacientes?

Leia mais

O paradoxo da creche: lugar de acolhimento, lugar de separação A influência das práticas institucionais na creche sobre a saúde mental dos bebês

O paradoxo da creche: lugar de acolhimento, lugar de separação A influência das práticas institucionais na creche sobre a saúde mental dos bebês O paradoxo da creche: lugar de acolhimento, lugar de separação A influência das práticas institucionais na creche sobre a saúde mental dos bebês Regina Orth de Aragão Sumário Breve histórico. O acolhimento

Leia mais

Identidade e alteridade: processos de inclusão e exclusão escolar

Identidade e alteridade: processos de inclusão e exclusão escolar Identidade e alteridade: processos de inclusão e exclusão escolar Ana Paula Berberian 1 Daniel Vieira da Silva 2 Claudia Regina Mosca Giroto 3 Podemos acompanhar um descompasso em relação aos avanços expressos

Leia mais

CINEMA, CULTURA E TRANSMISSÃO DA PSICANÁLISE. aspecto, a Arte e, principalmente, o Cinema, percebemos uma questão recorrente entre

CINEMA, CULTURA E TRANSMISSÃO DA PSICANÁLISE. aspecto, a Arte e, principalmente, o Cinema, percebemos uma questão recorrente entre CINEMA, CULTURA E TRANSMISSÃO DA PSICANÁLISE Tereza Raquel Tomé Adeodato Laéria Bezerra Fontenele Miguel Fernandes Vieira Filho Orlando Soeiro Cruxên Quando nos deparamos com a interseção entre Psicanálise

Leia mais

O corpo para a psicanálise: notas sobre inibição e psicossomática. 1

O corpo para a psicanálise: notas sobre inibição e psicossomática. 1 O corpo para a psicanálise: notas sobre inibição e psicossomática. 1 Miriam A. Nogueira Lima 2 1ª - O corpo para a psicanálise é o corpo afetado pela linguagem. Corpo das trocas, das negociações. Corpo

Leia mais

COMPORTAMENTO ÉTICO NA PROFISSÃO CONTÁBIL

COMPORTAMENTO ÉTICO NA PROFISSÃO CONTÁBIL COMPORTAMENTO ÉTICO NA PROFISSÃO CONTÁBIL Osvaldo Américo de Oliveira Sobrinho Professor Universitário osvaldo.sobrinho@hotmail.com Ida Pereira Bernardo Rondon Acadêmica do Curso de Ciências Contábeis

Leia mais

Crianças e adolescentes em situação de rua. Compreensões teóricas e possibilidades de atendimento na perspectiva interdisciplinar

Crianças e adolescentes em situação de rua. Compreensões teóricas e possibilidades de atendimento na perspectiva interdisciplinar Crianças e adolescentes em situação de rua Compreensões teóricas e possibilidades de atendimento na perspectiva interdisciplinar Eduardo Rezende Melo - colóquio NECA - junho 1 Sumário Crianças e adolescentes

Leia mais

CHARLES, Sébastien. Cartas sobre a hipermodernidade ou O hipermoderno explicado às crianças. São Paulo: Barcarolla, 2009.

CHARLES, Sébastien. Cartas sobre a hipermodernidade ou O hipermoderno explicado às crianças. São Paulo: Barcarolla, 2009. CHARLES, Sébastien. Cartas sobre a hipermodernidade ou O hipermoderno explicado às crianças. São Paulo: Barcarolla, 2009. 13 Marco Antonio Gonçalves * Num ensaio sobre nossa temporalidade qualificada como

Leia mais

ATIVISMO E SALA DE AULA: O ENTRE - LUGAR

ATIVISMO E SALA DE AULA: O ENTRE - LUGAR ATIVISMO E SALA DE AULA: O ENTRE - LUGAR Margarete de Carvalho Santos 1 Bárbara Elcimar dos Reis Alves 2 Lesbibahia é uma articulação de lésbicas e mulheres bissexuais que inicia a atuação de forma especifica

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br BuscaLegis.ccj.ufsc.Br Dois pais e uma mãe: É possível registrar? Rafael D'Ávila Barros Pereira * No dia 09/04/08, no capítulo da novela "Duas Caras", da Rede Globo, foi apresentada uma situação, se não

Leia mais

Comunicação CONSTRUINDO CONHECIMENTOS ATRAVÉS DE IMAGENS CULTURAIS: A OBRA DE ARTE COMO FERRAMENTA DE ESTUDO NA EDUCAÇÃO

Comunicação CONSTRUINDO CONHECIMENTOS ATRAVÉS DE IMAGENS CULTURAIS: A OBRA DE ARTE COMO FERRAMENTA DE ESTUDO NA EDUCAÇÃO Comunicação CONSTRUINDO CONHECIMENTOS ATRAVÉS DE IMAGENS CULTURAIS: A OBRA DE ARTE COMO FERRAMENTA DE ESTUDO NA EDUCAÇÃO Palavras-Chave: Arte, Educação e cultura. Carline Schröder Arend 1 Amarildo Luiz

Leia mais

O PROJETO DA ECONOMIA SOLIDÁRIA E A FORMAÇÃO DA IDENTIDADE DE GRUPO DE UMA COOPERATIVA POPULAR 1

O PROJETO DA ECONOMIA SOLIDÁRIA E A FORMAÇÃO DA IDENTIDADE DE GRUPO DE UMA COOPERATIVA POPULAR 1 O PROJETO DA ECONOMIA SOLIDÁRIA E A FORMAÇÃO DA IDENTIDADE DE GRUPO DE UMA COOPERATIVA POPULAR 1 Simone Aparecida Lisniowski Mestre em Direito Cooperativo pela UFPR, professora substituta no Departamento

Leia mais

EDUCAÇÃO NA CONTEMPORANEIDADE: QUAL O SENTIDO DA EDUCAÇÃO ESCOLAR HOJE?

EDUCAÇÃO NA CONTEMPORANEIDADE: QUAL O SENTIDO DA EDUCAÇÃO ESCOLAR HOJE? EDUCAÇÃO NA CONTEMPORANEIDADE: QUAL O SENTIDO DA EDUCAÇÃO ESCOLAR HOJE? Flávia Alves de Araujo Mestranda em Educação, Cultura e Organizações Sociais na Funedi/UEMG, Divinópolis MG. Atua como professora

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA ESCOLA DOS ANNALES PARA O ESTUDO DA RELAÇÃO ENTRE CINEMA E HISTÓRIA. Veruska Anacirema Santos da Silva

A IMPORTÂNCIA DA ESCOLA DOS ANNALES PARA O ESTUDO DA RELAÇÃO ENTRE CINEMA E HISTÓRIA. Veruska Anacirema Santos da Silva A IMPORTÂNCIA DA ESCOLA DOS ANNALES PARA O ESTUDO DA RELAÇÃO ENTRE CINEMA E HISTÓRIA Veruska Anacirema Santos da Silva Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia Orientador: Prof. Dr. Edson Farias (UnB)

Leia mais

GRUPO DE ESTUDOS: TRANSFERÊNCIA:- HISTÓRIAS DE (DES)AMOR SUELI SOUZA DOS SANTOS. 3º Encontro - 31 de agosto 2015. No começo era o amor (Cap.

GRUPO DE ESTUDOS: TRANSFERÊNCIA:- HISTÓRIAS DE (DES)AMOR SUELI SOUZA DOS SANTOS. 3º Encontro - 31 de agosto 2015. No começo era o amor (Cap. GRUPO DE ESTUDOS: TRANSFERÊNCIA:- HISTÓRIAS DE (DES)AMOR SUELI SOUZA DOS SANTOS 3º Encontro - 31 de agosto 2015 No começo era o amor (Cap.I) No primeiro capítulo do Livro 8, Lacan (1960-1961) inicia com

Leia mais

Inclui bibliografia. ISBN 978-85-85458-36-2

Inclui bibliografia. ISBN 978-85-85458-36-2 Daniele de Brito Wanderley, 2013 Ágalma para esta edição, 2013 1 a edição: setembro, 2013 Editor Marcus do Rio Teixeira Diretora da Coleção De Calças Curtas Daniele de Brito Wanderley Projeto gráfico da

Leia mais

CASTILHO, Grazielle (Acadêmica); Curso de graduação da Faculdade de Educação Física da Universidade Federal de Goiás (FEF/UFG).

CASTILHO, Grazielle (Acadêmica); Curso de graduação da Faculdade de Educação Física da Universidade Federal de Goiás (FEF/UFG). ANÁLISE DAS CONCEPÇÕES DE EDUCAÇÃO INFANTIL E EDUCAÇÃO FÍSICA PRESENTES EM UMA INSTITUIÇÃO FILÁNTROPICA E MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO INFANTIL DA CIDADE DE GOIÂNIA/GO CASTILHO, Grazielle (Acadêmica); Curso de

Leia mais

Falar de si na contemporaneidade. máquina de impostura? 1 Ana Paula Britto Rodrigues

Falar de si na contemporaneidade. máquina de impostura? 1 Ana Paula Britto Rodrigues Opção Lacaniana online nova série Ano 2 Número 5 Julho 2011 ISSN 2177-2673 : uma máquina de impostura? 1 Ana Paula Britto Rodrigues O que tem sido feito do silêncio no mundo atual? Acabou o silêncio? Se

Leia mais

A infância é uma invenção tardia na história da humanidade. Seu aparecimento. pode ser situado no tempo, data do século 18, com o Renascimento.

A infância é uma invenção tardia na história da humanidade. Seu aparecimento. pode ser situado no tempo, data do século 18, com o Renascimento. O QUE É SAÚDE NA INFÂNCIA HOJE * Cátia Olivier Mello Quero agradecer o convite do ITIPOA, feito para mim por intermédio da Psican. Lúcia Thaler, e dizer que é um prazer e uma honra estar aqui e conhecer

Leia mais

A RESPONSABILIDADE DO SUJEITO, A RESPONSABILIDADE DO ANALISTA E A ÉTICA DA PSICANÁLISE

A RESPONSABILIDADE DO SUJEITO, A RESPONSABILIDADE DO ANALISTA E A ÉTICA DA PSICANÁLISE A RESPONSABILIDADE DO SUJEITO, A RESPONSABILIDADE DO ANALISTA E A ÉTICA DA PSICANÁLISE Maria Fernanda Guita Murad Pensando a responsabilidade do analista em psicanálise, pretendemos, neste trabalho, analisar

Leia mais

Considerações acerca da transferência em Lacan

Considerações acerca da transferência em Lacan Considerações acerca da transferência em Lacan Introdução Este trabalho é o resultado um projeto de iniciação científica iniciado em agosto de 2013, no Serviço de Psicologia Aplicada do Instituto de Psicologia

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica de São Paulo FACULDADE DE EDUCAÇÃO PROGRAMA DE ESTUDOS PÓS-GRADUADOS EM EDUCAÇÃO: HISTÓRIA, POLÍTICA, SOCIEDADE

Pontifícia Universidade Católica de São Paulo FACULDADE DE EDUCAÇÃO PROGRAMA DE ESTUDOS PÓS-GRADUADOS EM EDUCAÇÃO: HISTÓRIA, POLÍTICA, SOCIEDADE PROJETO DE PESQUISA AVALIAÇÃO DA QUALIDADE: A RACIONALIDADE TECNOLÓGICA NA REGULAÇÃO DOS SISTEMAS DE ENSINO Responsável: CARLOS ANTONIO GIOVINAZZO JUNIOR Esta proposta insere-se no projeto de pesquisa

Leia mais

A GLOBALIZAÇÃO UM MUNDO EM MUDANÇA

A GLOBALIZAÇÃO UM MUNDO EM MUDANÇA A GLOBALIZAÇÃO UM MUNDO EM MUDANÇA Que dimensões sociológicas existem numa passeio ao supermercado? A variedade de produtos importados que costumamos ver nos supermercados depende de laços econômicos

Leia mais

PALAVRAS-CHAVES: Alfabetização. Subjetividade. Nome próprio.

PALAVRAS-CHAVES: Alfabetização. Subjetividade. Nome próprio. Alfabetização, nome próprio e subjetividade 1 Marlene Maria Machado da Silva 2 Profª Drª Ana Lydia B. Santiago 3 RESUMO: Os desafios com os quais as escolas têm se deparado na atualidade exigem dos professores

Leia mais