TREINAMENTOS PRESENCIAIS PRÁTICOS PROGRAMAÇÃO CURSOS. Formação prática em ferramentas essenciais para a. redução de desperdícios.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "TREINAMENTOS PRESENCIAIS PRÁTICOS PROGRAMAÇÃO CURSOS. Formação prática em ferramentas essenciais para a. redução de desperdícios."

Transcrição

1 TREINAMENTOS PRESENCIAIS PRÁTICOS PROGRAMAÇÃO 2016 CURSOS Formação prática em ferramentas essenciais para a melhoria dos processos e redução de desperdícios.

2 Desenvolvimento de 1 Pessoas Propósito é o único caminho! itmsense

3 TREINAMENTOS PRESENCIAIS PRÁTICOS Neste programa o instrutor passa a ser orientador e facilitador do conhecimento. Ele ensina o aluno e o aprendizado acontece por meio de ações continuadas e aplicações práticas. 2

4 PARCERIAS DE VALOR 20 anos por um Brasil mais forte! 3

5 2 Agenda 2016 Cód Descritivo Fev Mar Abr Mai C.h TP01 Cronoanálise - Engenharia de Tempos e Métodos TP03 Análise, Mensuração e Melhoria de Processos TP04 Mapeamento do Valor Agregado 27 08h TP05 Mapeamento e Otimização Processos Administrativos 15 08h TP08 Liderança no Gemba - Agente Kaizen TP10 Metodologia Aplicada Análise e Solução de Problemas - MASP 13 e 20" 05 e 12" 02 e 09" 16h 16h 16h 19 08h TP11 Desdobramento de Indicadores - Hoshin Kanri/ A h TP13 Kaizen - Como realizar eventos de melhoria na prática 7 08h TP14 Lean Manufacturing na Prática h TP15 Lean Office - Aplicando as melhorias processos Administrativos TP16 Células de Trabalho - Manufatura e administrativo 3 08h TP17 TP18 TP19 Análise e Tratamento de Não Conformidades Reais e Potenciais Trabalho Padronizado - Estabilidade Básica nos Processos - TWI Kanban - Sistema de Controle de Produção e Entrega de Materiais 14 e 21" 16h 4 08h 17 e 18" 16h 19 08h TP20 Setup - Sistemas e Técnicas de Trocas Rápidas 5 08h TP21 5S/ HouseKeeping 16 08h Conteúdo do programa Método Certificados

6 Cronoanálise Engenharia de Tempos e Métodos Duração: 16 horas em 02 dias. Objetivo: Uma ferramenta que dá ao empresário as condições para tornar sua empresa humana, rentável, segura e competitiva. Qualificar o pessoal da empresa para elaboração, implementação, aplicação e controle de modernos métodos de execução do trabalho, capacitando-o para participar da acirrada luta pela conquista do mercado, que caracteriza a economia globalizada atual. O que será aprendido: Introdução; Histórico do estudo de tempos e métodos; A evolução dos métodos de trabalho; Sistemas e métodos; Estudo do trabalho; Método de simplificação do trabalho; Ferramentas de processos/ tempos/ métodos; Mapeamento do processo; Técnicas de simplificação dos trabalhos; 5

7 Estudo de tempos; Normalização dos tempos; tempo padrão; Estudo dos Layouts; Carga máquina; Dimensionamento de mão-de-obra; Balanceamento de linhas; Ergonomia: princípios de economia de movimentos; Aprendendo a enxergar as operações, movimentos e micro-movimentos; Identificando as fontes de perdas e desperdícios; Cronometragem passo a passo; Definindo as atividades padronizadas; Ergonomia - princípios da economia de movimentos; Determinação do tempo de execução do trabalho; Ritmo / Habilidade / Esforço; Colhendo os benefícios vivenciando a realidade prática da melhoria; 6

8 Por que participar deste treinamento? Permitir que os alunos ao final possam aplicar de forma objetiva o estudo do tempo e do trabalho padronizado. Capacitando os participantes com metodologias aplicações claras e fáceis para: Melhoria dos métodos de trabalho; Aproveitamento dos recursos materiais e humanos da empresa; Redução do custo operacional. Apropriação de custos mais precisa; Redução da fadiga do operador; Redução dos desperdícios; Padronização dos tempos de execução do trabalho. Benefícios: Estabelecimento do método de trabalho, do tempo de execução e do custo; Aplicação de melhores métodos de trabalho no sistema produtivo; Padronização dos métodos de trabalho e tempos de execução; Melhoria do arranjo físico; Melhoria da qualidade do produto; Redução da fadiga do pessoal. Quem deve participar: Engenheiros, técnicos, supervisores e gerentes ligados direta ou indiretamente aos setores de produção, de processos, de métodos e de tempos. 7

9 Análise, Mensuração e Melhoria de Processos. Duração: 16 horas em 02 dias. Uma ferramenta que dá ao empresário as condições para tornar sua empresa humana, rentável, segura e competitiva. Objetivo: Ao final do treinamento o aluno estará apto a identificar indicadores de desempenho que podem ser utilizados para avaliar um processo, demonstrar como a análise, medição e avaliação de um processo pode auxiliar no gerenciamento através de um maior entendimento dos processos internos. Identificar os principais tipos de desperdícios entre os processos e propor melhorias e modificar a situação atual. Eliminando os principais desperdícios. O que será aprendido: Análise de processo; Diagrama de análise Homem/máquina; Análise das operações; Estudo de micro-movimentos; Estudo de tempos e movimentos; Mapeamento do fluxo de valor no processo; Entendendo a situação atual; 8

10 Visualizando as correlações entre os processos; Identificando o valor agregado nas operações; Fazendo a análise de causa e efeito; Desenvolver os planos de melhorias; Desenvolvendo o pensamento criativo para o fluxo futuro; Definido os objetivos e metas; Desenvolvendo os novos padrões para garantir estabilidade no processo; Acompanhamento e medição dos resultados; Por que participar deste treinamento? Permitir que os alunos ao final possam aplicar na prática o conceito de planejamento estratégico tático, Hoshin, saber enxergar as oportunidades efetivas para aplicar melhoria contínua, a criação da estabilidade dos processos. Capacitando os participantes com metodologias aplicações claras e fáceis para: Melhoria dos métodos de trabalho; Aproveitamento dos recursos materiais e humanos da empresa; Redução do custo operacional; Redução dos desperdícios; 9

11 Mapeamento do Valor Agregado Duração: 08 horas em 01 dia. Objetivo: Antes de enxugar um processo, identifique os potenciais ganhos através desta poderosa ferramenta. É apresentar aos usuários, os conceitos de mapeamento de valor agregado, e mais especificamente, criar os mapas de estado atual e futuro para implementação do ambiente enxuto em suas organizações. O que será aprendido: A Filosofia LEAN; Aprendendo a desenhar o VSM; Aprendendo a localizar a perda através do VSM; Gerando melhorias e inovações através do VSM; O que os clientes desejam: VALOR!; O que é valor agregado; O que são PERDAS; O que é o Mapeamento de Valor Agregado - VSM; Enxergando o Fluxo de Valor através do VSM; Como enxergar as PERDAS através do VSM 10

12 Qual o seu papel como ferramenta LEAN; Simbologia do VSM. Quem deve participar: Este programa destina-se a gerentes, engenheiros e técnicos das diversas indústrias, interessados em implementar os princípios da manufatura enxuta. Este curso é indicado para aqueles que têm interesse sobre o conhecimento básico do gerenciamento da manufatura enxuta (LEAN), motivados a aumentar seus conhecimentos e habilidades em lean manufacturing (fluxo contínuo de produção). 11

13 Mapeamento de fluxo de valor prático 12

14 Mapeamento e Otimização de Processos Administrativos Duração: 08 horas em 01 dia. Objetivo: Resultados positivos contínuos dependem de processos eficazes. Conscientizar os participantes da importância da otimização dos processos administrativos e da Filosofia LEAN OFFICE para enxergar a organização pelo prisma dos processos (visão horizontal), garantindo a melhoria contínua dos processos chaves, em termos de eficiência, eficácia e consistência a fim de orientar a organização para os resultados. O que será aprendido: O que se espera dos processos no século XXI; A importância do tempo nas organizações; Níveis de melhoria: Padronização, Melhoria Contínua e Inovação; Noções de Lean Office; Dinâmica: Desenhando seus processos chaves; Como medir os processos: Indicadores de 13

15 desempenho; Dinâmica: Mapeando o seu processo; Análise de Valor: enxergando as PERDAS; Dinâmica: Mapeando seu processo Enxergar a organização pelo prisma dos processos (visão horizontal): Mapeamento dos processos (AS IS); Melhoria e Redesenho (TO BE); ARA - Árvore da Realidade Atual: Enxergando as causas das PERDAS; Dinâmica: Montando a ARA do seu processo; Como classificar e priorizar as propostas de melhoria; Planejando a implementação das melhorias; 14

16 Dinâmica: Brainstorming e classificação das propostas; Redesenhando seu processo com as melhorias; Quem deve participar: Gerentes e analistas de processos, gerentes e analistas de TI e qualquer colaborador que esteja voltado a redesenho, melhoria e/ou implementação da Gestão por Processos das Organizações. 15

17 Liderança no Gemba Agente Kaizen Duração: 16 horas em 02 dias. Aplicar ferramentas de melhoria na prática, enxergando os desperdícios e estabelecendo uma equipe focada e criativa na solução de problemas Objetivo: No final deste treinamento, o aluno vai entender de forma prática o conceito de liderança no Gemba. Aplicar ferramentas de melhoria na prática estabelecendo uma equipe focada e criativa na solução de problemas, aumentar a produtividade expondo as causas dos problemas, proporcionando aos alunos classificar a aplicar as melhorias. O que será aprendido: Sistemas e Técnicas no ambiente Lean; A Filosofia Lean; Perdas vs. Valor Agregado; A meta. O propósito; Transformando a nossa percepção de liderança e gestão; Conhecer a si mesmo - Ideia central sobre quem somos; 16

18 Propósito definido - Mente aberta e mudança; Monólogo interior: Confundir os fatos com a opinião que temos sobre os fatos; Memória Implícita; Poder de escolha e responsabilidade; O poder da percepção; Liderança Situacional; O Pensamento A3 no Desenvolvimento Intelectual das Pessoas: Papel do Líder no Pensamento A3; Diferença entre mudar e transformar; Motivando equipes; Administração de conflitos; A importância da comunicação no ambiente enxuto (Lean); Comunicação e gestão à vista. Por que fazer este treinamento? Ao aplicar os conceitos deste treinamento, a empresa irá criar uma equipe focada, o participante entenderá os princípios para reduzir a variabilidade das operações; Comunicar de forma clara e objetiva os problemas/oportunidades; Promover o treinamento "cruzado" na medida em que todos têm acesso à informação; 17

19 Método Aplicado de Análise e Solução de Problemas - MASP Duração: 08 horas em 01 dia. Objetivo: Aprimore sua capacidade analítica na busca das causas dos problemas! Apresentar com foco prático e aplicável no dia a dia das empresas, técnicas simples que permitam resolver e solucionar problemas nos mais diversos níveis da organização. No final deste treinamento, o aluno estará apto a aplicar o método prático, técnicas simples que permitem solucionar os problemas nos mais diversos níveis da organização. Conteúdo técnico: O que é um sintoma? Os efeitos do comportamento diário na análise de problemas; Definição de problemas; Análises científicas e empíricas; Mapeamento e Redesenho de Processos; 18

20 ARA - Análise da Realidade Atual; Análises científicas e empíricas; Ferramentas para observação, descrição, detalhamento e tomada de decisão: Técnica do Brainstorming; Plano de Ações 5W + 2H (Planejar evita problemas); Metodologia da Matriz MASP; Técnica dos 5 Por Quês?; As sete ferramentas: Lista de verificação; Estratificação. Histograma; Diagrama de Ishikawa (causa e efeito); Gráfico de Pareto; Diagrama de Dispersão; Gráfico de Controle; 19

21 Metodologia da Matriz MASP; Matriz de tomada de decisão; Aplicação prática do PDCA; Por que participar deste treinamento? Permitir que os alunos ao final possam aplicar de forma objetiva o método e saber efetivamente identificar a causa raiz. Capacitando os participantes com metodologias claras e fáceis para análise e busca de soluções que possam ser aplicadas nos diversos tipos de problemas, e sua tomada de decisão para sua efetiva solução. Benefícios: Capacitar os participantes com metodologias claras e fáceis para análise e busca de soluções que possam ser aplicadas nos diversos tipos de problemas, e sua tomada de decisão para sua efetiva solução. Quem deve participar: Todos os profissionais da empresa que necessitem de metodologia para análise, remoção e prevenção de problemas. 20

22 Desdobramento de Indicadores Hoshin Kanri / A3 Duração: 08 horas em 01 dia. Aprimore sua capacidade analítica na busca das causas dos problemas! Objetivo: Através da Metodologia Hoshin, os participantes conhecerão os principais conceitos e técnicas para desdobrar os seus objetivos empresariais em kaizens e projetos, medidos por um eficaz sistema de indicadores de desempenho, criando um ambiente dinâmico e focado na melhoria contínua dos resultados. O Hoshin constitui, juntamente com o A3 um dos dois pilares mais importantes da Gestão LEAN. Através da Metodologia Hoshin, desdobre os seus objetivos empresariais em kaizens e projetos, medidos por um eficaz sistema de indicadores de desempenho. O que será aprendido: O Modelo Toyota de Gestão; O conceito do Hoshin Kanri; Metodologia; Planejamento Estratégico; 21

23 Desdobrando os objetivos em estratégia, indicadores táticos e operacionais; Diagnóstico; Desdobramento dos objetivos em estratégias; B.S.C. - Balanced Scorecard; Desdobramento das estratégias em indicadores; Desdobramento dos indicadores do B.S.C. em indicadores operacionais; Plano de comunicação das ações. Benefícios: Comprometa seus colaboradores para sempre com a Filosofia LEAN, alinhando suas ações com os objetivos de seu negócio e aprenda o verdadeiro sistema de gestão LEAN. Quem deve participar: Diretores, gerentes, coordenadores de LEAN, RH, entre outros profissionais que estão passando por esta grande transformação nas Empresas. 22

24 Hoshin/A3 para definir as estratégias de melhorias. 23

25 Kaizen Como realizar eventos de melhoria na prática Duração: 08 horas em 01 dia. Objetivo: Da filosofia à técnica o caminho para o comprometimento das pessoas. Sensibilizar, motivar e estimular as pessoas a pensarem, de maneira cada vez mais simples, em toda a sua atividade pessoal e profissional e colocarem efetivamente em prática as suas ideias, para que as melhorias feitas possam trazer maiores ganhos para si, para a empresa, seus colaboradores, seus clientes e para a sociedade. Ao final deste treinamento, os alunos estarão aptos a conduzir um evento Kaizen. Como fazer o seu planejamento, definir as equipes, montar as táticas operacionais necessárias para os resultados sustentáveis. Com este treinamento iremos sensibilizar, motivar e estimular as pessoas a pensarem, de maneira cada vez mais simples, em toda a sua atividade pessoal e 24

26 profissional e colocarem efetivamente em prática as suas ideias, para que as melhorias feitas possam trazer maiores ganhos para si, para a empresa, seus colaboradores, seus clientes e para a sociedade. O que será aprendido: Como sensibilizar e motivar as pessoas a fazerem Kaizen; Como nasceu a filosofia Kaizen / Histórico; O que é KAI e o que é ZEN; Como é o processo de iniciação do Kaizen na empresa, através do ZEN; Kaizen e o uso da criatividade; O Kaizen é algo difícil ou fácil de ser entendido, aceito e aplicado efetivamente na empresa? Porque o processo do Kaizen é muito simples de ser aplicado na prática; A Semana Kaizen como estratégia de melhoria; Os tipos aplicados de Kaizen; Como registrar os Kaizens realizados, auditoria e premiação dos colaboradores; Como mudar a cultura da empresa para o Kaizen; Kaizen orientado para o processo em todos os níveis; Kaizen orientado para a pessoa/equipe/processo/empresa/sociedade; Como proceder para uma efetiva implantação do Kaizen numa empresa; Exemplos de empresas que aplicam o Kaizen. Por que fazer este treinamento? Ao aplicar os conceitos do Kaizen, a empresa irá criar uma equipe focada em fazer acontecer as coisas corretas, o necessário, o que dá resultado imediato sem grandes investimento, aplicando bom senso e a criatividade de seus colaboradores. Em primeiro lugar, esse benefício será fantástico para a empresa, com a evolução dos eventos o benefício será do próprio indivíduo que, com absoluta certeza, vai ver que, uma vez aceito, o Kaizen trará benefícios em cascata, ou seja, para si, para sua família e, principalmente, para sua vida profissional, cujo resultado ao longo do tempo trará para a empresa maiores e melhores resultados e a consequente redução das perdas. 25

27 Benefícios: Em primeiro lugar, o benefício será do próprio indivíduo que, com absoluta certeza, vai ver que, uma vez aceito, o Kaizen trará benefícios em cascata, ou seja, para si, para sua família e, principalmente, para sua vida profissional, cujo resultado ao longo do tempo trará para a empresa melhor qualidade e produtividade e a consequente redução das perdas. Com o Kaizen elimina-se ou reduz-se tudo aquilo que não agrega valor ao produto ou serviço e contribui para o desempenho competitivo da empresa. Quem deve participar: Todos os colaboradores (funcionários) de qualquer área da empresa, pois fazer melhorias contínuas é possível em qualquer lugar e por qualquer pessoa. 26

28 Foco principal do cliente: Maior qualidade possível, menor custo possível, menor tempo de entrega. Lean Manufacturing na prática Duração: 16 horas em 02 dias Baixo custo, alta qualidade, prazo de entrega reduzido Just in Time Pessoas motivadas Jidoka Qualidade 6 Sigma Entrega rápida e conforme demanda Compromisso e envolvimento: Equipes flexíveis e motivadas continuamente à procura de um jeito melhor. Prevenção de erros Processos enxutos, padronizados e estáveis Gerenciamento visual Manutenção Autônoma 5S Tempo takt Compreender a essência da Filosofia LEAN, sua origem e evolução, para então conhecer as principais ferramentas que tornam possível a sua implementação em qualquer negócio. Objetivo: No final deste treinamento, o aluno vai entender de forma prática os benefícios de reduzir os desperdícios. Aplicando as técnicas de estabilidade básica: 5S, Gerenciamento visual, takt time, trabalho padronizado para a criação básica dos sistema Just in Time e Jidoka. A principal finalidade criar sistema puxado e reduzir os desperdícios gerar resultados efetivos. O que será aprendido: Assertividade e redução de custos; O que as Empresas vem buscando Porquê devo adotar a Filosofia LEAN como um valor? Análise de valor As 8 Perdas Dinâmica: Reconhecendo as PERDAS na Empresa Modelo de Gestão LEAN 27

29 Liderança LEAN Principais Ferramentas A casa do LEAN Dinâmica: Aplicando a Filosofia LEAN Metodologia de Implementação Cases de sucesso Vamos para o Gemba; Vivenciando uma realidade produtiva na prática. Entendendo na prática a filosofia Lean; Perdas vs. Valor Agregado Takt-Time x Balanceamento de Fluxo; Balanceamento de Carga; Em busca do one peace flow Aplicando os padrões, reduzindo as perdas na prática; Colhendo os benefícios vivenciando a realidade prática da melhoria; Por que participar deste treinamento? Permitir que os alunos ao final possam fazer uso efetivo da base da melhoria contínua, a criação da estabilidade dos processos. Capacitando os participantes com metodologias aplicações claras e fáceis para: Melhoria dos métodos de trabalho; 28

30 Aproveitamento dos recursos materiais e humanos da empresa; Redução do custo operacional; Redução dos desperdícios; Aplicando as ferramentas na prática Criando a estabilidade básica. 29

31 Criando sistema puxado - One Peace Flow na prática. Quem deve participar: Diretores, Gerentes, Supervisores, Coordenadores de LEAN e principais lideranças da organização. 30

32 Lean Office - Aplicando as melhorias em processos de Apoio e Administrativo na prática Duração: 16 horas em 02 dias Segurança, Qualidade, Prazo de entrega e Produtividade em Processos Administrativos. Objetivo: No final deste treinamento, o aluno vai entender de forma prática a fazer o levantamento, análise e implementação de melhorias em processos de apoio e administrativos. Aplicando o método prático Como Está, o aluno estará apto a identificar indicadores de desempenho que podem ser utilizados para avaliar um processo, demonstrar como a análise, medição e avaliação de um processo pode auxiliar no gerenciamento através de um maior entendimento dos processos internos. Identificar os principais tipos de desperdícios entre os processos e propor melhorias e modificar a situação atual. Eliminando os principais desperdícios. 31

33 O que será aprendido: Entendendo o método Como Está - Análise do Processo. Será apresentado aos alunos alguns procedimentos operacionais de apoio e administrativos, instruções e procedimentos, incluso softwares e ferramentas tais como planilhas operacionais. SIPOC Processo de Administrativos: Análise das operações e Estudo de operações; Mapeamento do fluxo de valor no processo; Entendendo a situação atual; Visualizando as correlações entre os processos; Identificando o valor agregado nas operações; Fazendo a análise de causa e efeito; Desenvolver os planos de melhorias; Desenvolvendo o pensamento criativo para o fluxo futuro; 32

34 Definido os objetivos e metas; Desenvolvendo os novos padrões para garantir estabilidade no processo; Acompanhamento e medição dos resultados; Por que participar deste treinamento? Permitir que os alunos ao final possam fazer uso efetivo da base da melhoria contínua nos processos administrativos e de apoio, permitindo a criação de padrões e a geração da estabilidade dos processos. Capacitando os participantes com metodologias aplicações claras e fáceis para: Melhoria dos métodos de trabalho; Aproveitamento dos recursos materiais e humanos da empresa; Redução do custo de apoio e administrativos; Redução dos desperdícios. 33

35 Células de Manufatura Duração: 16 horas em 02 dias Objetivo: entender de forma prática o conceito de balanceamento de postos de trabalho, criação do sistema puxado com gerenciamento visual, cadência e a principal finalidade do fluxo contínuo, dar resultados efetivos. No final deste treinamento, o aluno vai identificar os desperdícios. Estará apto a aplicar o método prático, técnicas simples que permite identificar os custos desnecessários de um processo. O que será aprendido: Introdução; Vivenciando uma realidade produtiva na prática. Entendendo na prática a filosofia Lean; Aprendendo a enxergar as operações e movimentos; Identificando as fontes de perdas e desperdícios; Diagnóstico do estudo e do posto de trabalho; Perdas vs. Valor Agregado; Planejando as células de manufatura; Tipos de Células de Manufatura; 34

36 O que muda nas pessoas com as células de manufatura; Takt-Time x Balanceamento de Fluxo; Balanceamento de Carga; Em busca do one peace flow; Aplicando os padrões, reduzindo as perdas na prática; Colhendo os benefícios vivenciando a realidade prática da melhoria; Por que participar deste treinamento? Permitir que os alunos ao final possam fazer uso efetivo de uma célula. Capacitando os participantes com metodologias aplicações claras e fáceis para: Melhoria dos métodos de trabalho; Aproveitamento dos recursos materiais e humanos da empresa; Redução do custo operacional. Apropriação de custos mais precisa; Redução da fadiga do operador; Redução dos desperdícios; Padronização dos tempos de execução do trabalho. 35

37 Análise e Tratamento de Não Conformidades Reais e Potenciais Duração: 16 horas em 02 dias Aplicar de forma objetiva o método e saber efetivamente identificar a Causa Raiz Objetivo: Ao final do treinamento o aluno estará apto a analisar uma não conformidade através do método de análise e solução de problemas, identificando a causa raiz. Agindo sobre a causa raiz do problema. O que será aprendido: Competividade, Qualidade e Produtividade; Análise de Valor; Método de controle e Análise de processo; Método de análise e identificação da Causa Raiz; Fluxograma de análise de problema; Identificando um problema; Ferramentas de análise; Ferramentas da Qualidade para Efetiva definição da causa; 36

38 Ciclo PDCA e os 8 passos para fechamento das não conformidades. Acompanhamento e medição dos resultados; 37

39 Por que participar deste treinamento? Permitir que os alunos ao final possam aplicar de forma objetiva o método e saber efetivamente identificar a causa raiz. Capacitando os participantes com metodologias claras e fáceis para análise e busca de soluções que possam ser aplicadas nos diversos tipos de problemas, e sua tomada de decisão para sua efetiva solução. 38

40 Trabalho Padronizado - Criando a Estabilidade Básicas nos Processos - TWI Duração: 16 horas em 02 dias O trabalho padronizado e o Relatório A3 são componentes fundamentais do Lean. Registre e busque Objetivo: No final deste treinamento, o aluno vai entender de forma prática o conceito de trabalho padronizado nos postos de trabalho, nos processos, com gerenciamento visual, cadência e ergonomia. Estará apto a aplicar o método prático, técnicas simples que permite identificar os custos desnecessários de um processo. Desenvolver a busca da melhoria contínua a partir da estruturação do Trabalho Padronizado e do Registro das melhorias na busca da excelência operacional (A3). O que será aprendido: Como sensibilizar e motivar as pessoas a fazerem o trabalho padronizado; Como é o processo; Sistemas e Técnicas no ambiente Lean; 39

41 Trabalho Padronizado: Conceitos preliminares; Simulação prática em vários ambientes de produção. Enxergar os desperdícios em vários turnos Diferença entre Trabalho Padronizado X Padrões de Trabalho; Medindo o trabalho: colete e fale com dados do Gemba; Implementando o Trabalho Padronizado (exercício de fixação); Principais desafios de sua implementação; A importância da comunicação no ambiente enxuto (Lean); Comunicação e gestão à vista; Descrição e quantificação do problema/oportunidade; Análise das causas (ferramentas básicas para análise e solução de problemas); Medições de desempenho (antes x depois, etc.) 40

42 Estabilidade Básica Procedimento operacional padrão em funcionamento em vários turnos simultaneamente. Por que fazer este treinamento? Ao aplicar os conceitos deste treinamento, a empresa irá criar uma equipe focada trabalho padronizado, gerenciamento visual e ações efetivas para a criação da melhoria da estabilidade dos processos, padrões em todos os turnos e processos. Desta forma sua equipe estará apta a: Medir, analisar, desenvolver e implementar melhorias no trabalho padronizado; Implementar a disciplina operacional oriental; Reduzir a variabilidade das operações; Envolver as pessoas na relação padronização e flexibilidade; Comunicar de forma clara e objetiva os problemas/oportunidades; Promover o treinamento cruzado na medida em que todos têm acesso à informação; Reforçar a política de gestão à vista e comunicação. 41

43 Kanban - Sistema de Controle de Produção e Entrega de Materiais. Duração: 16 horas em 02 dias Objetivo: A melhor técnica para um sistema de puxar a cadeia de abastecimento Apresentar a estratégia de puxar a produção e os materiais com o uso do Sistema Kanban para reduzir os estoques, dar fluxo ao processo; o fluxo de materiais entre as estações de trabalho e aumentar a produtividade expondo os problemas (perdas), proporcionando uma priorização das ações a serem tomadas. No final deste treinamento, o aluno vai entender de forma prática o conceito Just in Time / Kanban, estratégia de puxar a produção e os materiais com o uso do sistema de informação Kanban e suas variações para produzir os estoques, dar fluxo ao processo de materiais entre as estações de trabalho e aumentar a produtividade expondo os problemas e suas causas, proporcionando aos alunos classificar a aplicar as melhorias. 42

44 O que será aprendido: Desenhando seu processo com Kanban; Sistemas e Técnicas no ambiente Lean; A Filosofia Lean; Perdas vs. Valor Agregado; A Ferramenta Kanban; Controle dos materiais com Kanban (Kanban de movimentação); Controle da produção com Kanbans (Kanban de produção); Dimensionamento do número de Kanbans; Regras de funcionamento do Kanban; Simulação com o painel Porta Kanban; Kanban nos diversos ambientes de produção (repetitiva, indústrias de processo, sob encomenda, projeto, etc.); Desvantagens do Kanban; PPCP (Planejamento, Programação e Controle da Produção) com o Kanban; Kanban e MRP; Implementação do Sistema Kanban; Aplicação Prática. Derivações do Kanban (Disparo, Pert, ); A evolução do Kanban (Eletrônico, RFID, entre outros); Kanban nos diversos ambientes de produção (repetitiva, indústrias de processo, sob encomenda, projeto, etc.); Vantagens do Kanban; Metodologia de implementação; Implementação do Sistema Kanban; 43

45 Por que fazer este treinamento? Ao aplicar os conceitos deste treinamento, a empresa irá criar uma equipe focada na puxada da produção conforme a necessidade e demanda do cliente. O participante entenderá os princípios do Sistema Kanban, que proporcionou a inúmeras empresas a redução drástica de seus estoques, otimização do fluxo de produção, redução das perdas (atividades que não agregam valor ao produto e nem ao serviço) e aumento da flexibilidade. Aprenderá a dimensionar o número de Kanbans na sua empresa, implementar e auditar o sistema. Benefícios: O participante entenderá os princípios do Sistema Kanban, que proporcionou a inúmeras empresas a redução drástica de seus estoques, otimização do fluxo de produção, redução das perdas (atividades que não agregam valor ao produto e nem ao serviço) e aumento da flexibilidade. Aprenderá a dimensionar o número de Kanbans na sua empresa, implementar e auditar o sistema. Quem deve participar: Profissionais de qualquer tipo de indústria ligados à Manufatura, Produção, Logística, Engenharia Industrial, Métodos e Processos e PPCP, que tenham como objetivos melhorar os níveis atuais de serviço ao cliente e aumentar a produtividade. 44

46 Setup - Sistema e Técnica de Troca Rápida. Duração: 08 horas em 01 dia Objetivo: Viabilizando a fabricação em lotes competitivos. No final deste treinamento, o aluno vai entender de forma prática o conceito SMED, estaremos desenvolvendo o pensamento enxuto para eliminar as atividade internas de alto tempo. Capacitar os profissionais na redução do tempo de Setup para o aumento da flexibilidade, bem como adotar, na prática, a metodologia de rápidas trocas e ajustes de ferramentas. Simplificar as atividades externas e aumentar a Eficiência Global de nossos equipamentos. Capacitar os profissionais na redução do tempo de Setup para o aumento da flexibilidade, bem como adotar, na prática, a metodologia de rápidas trocas e ajustes de ferramentas. O que será aprendido: Sistemas e Técnicas no ambiente Lean; A Filosofia Lean; Perdas vs. Valor Agregado; Problemas da fabricação em grandes lotes; Lotes econômicos versus Tempo de Setup; A necessidade da fabricação em pequenos lotes; Aumentando a flexibilidade através do Setup rápido; 45

47 Aumentando a flexibilidade através do Setup rápido; Tipos e prioridades da Troca Rápida; Técnicas para redução do Setup; O necessário envolvimento das pessoas; Problemas da fabricação em grandes lotes; Lotes econômicos versus Tempo de Setup; A necessidade da fabricação em pequenos lotes; O que é Setup rápido; Elementos de um Setup; Os oito passos para um projeto de redução do Setup; Metodologia para observação e análise do Setup; O investimento no Setup; SMED: Setup em menos de 10 minutos; Aplicação prática da metodologia SMED; Por que fazer este treinamento? Ao aplicar os conceitos deste treinamento, a empresa irá criar uma equipe focada no aumento da produtividade e da eficiência global de seus equipamentos. O participante entenderá os princípios do Sistema Puxado integrado com o SMED, proporcionando inúmeras reduções drástica de seus estoques, otimização do fluxo de produção, redução das perdas (atividades que não agregam valor ao produto e nem ao serviço) e aumento da flexibilidade. Entender a real importância da 46

48 Troca Rápida e implementar um processo através de uma metodologia simples e de fácil assimilação por parte de todos os envolvidos. Benefícios: Entender a real importância da Troca Rápida e implementar um processo através de uma metodologia simples e de fácil assimilação por parte de todos os envolvidos. Quem deve participar: Todas as pessoas que se relacionam com a área industrial (gerentes, chefes, supervisores, coordenadores, preparadores, operadores, etc.). 47

49 5S/ Housekeeping. Duração: 08 horas em 01 dia A base da Qualidade Total, da Estabilidade Básica e da Melhoria Contínua Objetivo: Proporcionar aos participantes uma visão abrangente desta técnica, imprescindível para iniciar e manter os processos de Qualidade e Produtividade Total, transformando seu ambiente de trabalho e reeducando os colaboradores em prol de uma empresa excelente em organização, limpeza e segurança. Conscientizar sobre o que é Housekeeping, suas técnicas de implementação e perpetuação e como planejar e gerenciar um processo de implementação na sua empresa. O que será aprendido: O que é Housekeeping; Os novos 5S + 3S; Técnicas para iniciar a implementação do Housekeeping: Dia da Limpeza e Cartão Vermelho; Técnicas para perpetuar o Housekeeping: Programa SOL Show Room para visitantes; Open House (empresa aberta); 48

50 Como planejar a implantação na empresa. Como envolver os colaboradores no processo; conseguindo sua participação espontânea e com motivação; O Facilitador 5 S na empresa, o verdadeiro catalizador de ideias; O papel dos 5 S na caminhada rumo à Excelência em gestão; Segurança, Ordem e Limpeza; Benefícios: Os participantes compreenderão a filosofia dos 5S e o uso correto das ferramentas de implementação e perpetuação, aprendendo, também, como planejar a implementação na sua empresa com uma metodologia simples e participativa, baseada em Kaizen com as Atividades em Pequenos Grupos. Com certeza, nos dias atuais, o aspecto visual de uma empresa é fundamental e muitas vezes, a fábrica é o cartão de visitas da empresa. Quem deve participar: Diretores, gerentes, supervisores e profissionais de qualquer tipo de indústria, ligados à implementação de Lean, Seis Sigma e ISO 9000 / / 18000, que tenham como objetivo melhorar os níveis atuais de Qualidade, Produtividade, Motivação e Segurança. 49

51 Método Pratico de Desenvolvimento de 3 Pessoas Simuladores e Maquetes Presenciais Aprender de forma interativa e divertida itmsense Missão

52 Games BrinqLean Aprender brincando também é coisa de gente grande. Quanto mais criativas as ferramentas de ensino utilizadas neste processo, melhores os resultados. Os Simuladores e Maquetes: Games BrinqLean enquadra-se perfeitamente nesta visão justamente porque, de acordo com a sua proposta de treinamento, a prática lúdica desenvolve o raciocínio lógico, ao mesmo tempo em que o treinamento, por ser paradidático, pode ser utilizado em diversas áreas. As experiências vivenciais como uma das formas mais eficazes de aprendizagem. A estrutura dos games: De modo bastante prático e didático, envolve a criação de maquetes e simuladores presenciais práticos, o que possibilita a todos participarem ativamente fazendo medições, aplicando as ferramentas e dando sugestões de melhoria para que sejam testadas em novas rodadas. A cada rodada, os participantes, podem observar os erros, acertos, comportamentos em comparação à abordagem inicial tradicional, vendo claramente as vantagens de um treinamento presencial prático dirigido. A dinâmica é desenvolvida de forma a simular, dentro de uma abordagem lúdica, as etapas e as dificuldades que ocorrem em processos seqüenciais de manufatura, enfatizando diversos tipos de problemas e desperdícios, como falha na comunicação entre áreas, gargalos, falta de material, burocracia etc. O objetivo principal é conscientizar os participantes de que existem diversos tipos de desperdícios, muitas vezes bastante aparentes, mas que, normalmente, não são visíveis para as pessoas envolvidas nestes processos de produção. Entretanto, a partir desta abordagem prática, todos adquirem um novo olhar, enxergando claramente os problemas que podem ser eliminados e melhorando a produtividade do processo. Na verdade, aprende-se com a prática, conceitos que, normalmente, são assimilados de maneira abstrata, desenvolvendo nos participantes qualidades essenciais que todas as empresas valorizam: capacidade crítica, raciocínio lógico, discernimento para contornar as dificuldades na resolução de problemas e capacidade para trabalhar em equipe. 51

53 Games BrinqLean 20 anos por um Brasil mais forte! 52

FORMAÇÃO PRÁTICA LEAN

FORMAÇÃO PRÁTICA LEAN TREINAMENTOS PRESENCIAIS PRÁTICOS FORMAÇÃO PRÁTICA LEAN Oportunidade ideal para gerar resultados reais na sua carreira e empresa. Capacitação com implementação prática de projeto KPO Fevereiro 2016 Informações

Leia mais

Portfólio de Treinamentos. Exo Excelência Operacional // 2014

Portfólio de Treinamentos. Exo Excelência Operacional // 2014 Portfólio de Treinamentos Exo Excelência Operacional // 2014 Treinamentos Exo Excelência Operacional A Exo Excelência Operacional traz para você e sua empresa treinamentos fundamentais para o desenvolvimento

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO GERAL GESTÃO DA QUALIDADE

ADMINISTRAÇÃO GERAL GESTÃO DA QUALIDADE ADMINISTRAÇÃO GERAL GESTÃO DA QUALIDADE Atualizado em 03/12/2015 GESTÃO DA QUALIDADE As ideias principais que baseiam o significado atual da qualidade são, basicamente, as seguintes: Atender às expectativas,

Leia mais

Nosso negócio é a melhoria da Capacidade Competitiva de nossos Clientes

Nosso negócio é a melhoria da Capacidade Competitiva de nossos Clientes Nosso negócio é a melhoria da Capacidade Competitiva de nossos Clientes 1 SÉRIE PRODUTIVIDADE MELHORIA CONTÍNUA / KAIZEN CONCEITOS FUNDAMENTAIS Conceituar Melhoria Contínua e sua importância no contexto

Leia mais

processos de qualidade como um todo. Este conceito, muitas vezes como parte de uma iniciativa mais ampla "gestão enxuta", muitas organizações abraçam

processos de qualidade como um todo. Este conceito, muitas vezes como parte de uma iniciativa mais ampla gestão enxuta, muitas organizações abraçam 2 1 FILOSOFIA KAIZEN Segundo IMAI, MASAAKI (1996) KAIZEN é uma palavra japonesa que traduzida significa melhoria continua, que colabora em melhorias sequenciais na empresa como um todo, envolvendo todos

Leia mais

DEFINIÇÃO DE LEAN MANUFACTURING

DEFINIÇÃO DE LEAN MANUFACTURING MANUFATURA ENXUTA DEFINIÇÃO DE LEAN MANUFACTURING A ORIGEM DA PALAVRA LEAN O termo LEAN foi cunhado originalmente no livro A Máquina que Mudou o Mundo de Womack, Jones e Roos, publicado nos EUA em 1990.

Leia mais

GembaConsulting. Aumentamos a LUCRATIVIDADE e COMPETITIVIDADE. de nossos clientes

GembaConsulting. Aumentamos a LUCRATIVIDADE e COMPETITIVIDADE. de nossos clientes Aumentamos a LUCRATIVIDADE e COMPETITIVIDADE de nossos clientes Atuação em todos os processos e atividades industriais ou administrativas que ocorrem entre a realização do pedido e a entrega do produto

Leia mais

O Círculo de Kaizen para a sustentação do Lean. I. Círculo de Kaizen: objetivos, estrutura, vínculos com os negócios e benefícios

O Círculo de Kaizen para a sustentação do Lean. I. Círculo de Kaizen: objetivos, estrutura, vínculos com os negócios e benefícios O Círculo de Kaizen para a sustentação do Lean Marino Kishida* As empresas que iniciaram a jornada lean frequentemente empolgam-se com os ganhos iniciais de produtividade, produção, qualidade, redução

Leia mais

Conservação de Água e Energia Elétrica 14 de outubro de 2014

Conservação de Água e Energia Elétrica 14 de outubro de 2014 Conservação de Água e Energia Elétrica 14 de outubro de 2014 Instituto Sindipeças de Educação Corporativa Instituto Sindipeças de Educação Corporativa Outubro 2014 Instituto Sindipeças de Educação Corporativa

Leia mais

Qualidade é o grau no qual um conjunto de características inerentes satisfaz a requisitos. ISO 9001:2008

Qualidade é o grau no qual um conjunto de características inerentes satisfaz a requisitos. ISO 9001:2008 1 Sumário 1. 2. 3. 4. 5. 6. 7. Introdução...3 Ferramentas da Qualidade...4 Fluxograma...5 Cartas de Controle...7 Diagrama de Ishikawa...9 Folha de Verificação...11 Histograma...13 8. 9. 10. Gráfico de

Leia mais

ANÁLISE DAS FERRAMENTAS E DO CONTROLE DA QUALIDADE E PROCESSO

ANÁLISE DAS FERRAMENTAS E DO CONTROLE DA QUALIDADE E PROCESSO 1 ANÁLISE DAS FERRAMENTAS E DO CONTROLE DA QUALIDADE E PROCESSO Solange de Fátima Machado 1 Renato Francisco Saldanha Silva 2 Valdecil de Souza 3 Resumo No presente estudo foi abordada a análise das ferramentas

Leia mais

Curso de Especialização em Gestão Industrial

Curso de Especialização em Gestão Industrial Curso de Especialização em Gestão Industrial Operacionalização: Pós graduação lato sensu da Universidade de São Paulo (USP) O Curso de Especialização em Gestão Industrial aborda, de maneira conceitual

Leia mais

Ciclos de Melhoria Contínua no Chão de Fábrica

Ciclos de Melhoria Contínua no Chão de Fábrica Ciclos de Melhoria Contínua no Chão de Fábrica Estrutura, Ferramentas e Lições Aprendidas Palestrante: Fernando Coelho Apresentação: Fernando Coelho Formação: Técnico em Eletrônica pela Escola Téc. Federal

Leia mais

Análise da Utilização de Conceitos de Produção Enxuta em uma Pequena Empresa do Setor Metal Mecânico

Análise da Utilização de Conceitos de Produção Enxuta em uma Pequena Empresa do Setor Metal Mecânico Análise da Utilização de Conceitos de Produção Enxuta em uma Pequena Empresa do Setor Metal Mecânico Matheus Castro de Carvalho (matheus_c_carvalho@hotmail.com / CESUPA) Resumo: A aplicação dos conceitos

Leia mais

Módulo 5. Implementação do BSC para um negócio específico, definição de objetivos, apresentação de casos reais e exercícios

Módulo 5. Implementação do BSC para um negócio específico, definição de objetivos, apresentação de casos reais e exercícios Módulo 5 Implementação do BSC para um negócio específico, definição de objetivos, apresentação de casos reais e exercícios Implementando BSC para um negócio específico O BSC é uma estrutura para desenvolvimento

Leia mais

www.cursosglm.com.br contato@cursosglm.com.br

www.cursosglm.com.br contato@cursosglm.com.br www.cursosglm.com.br contato@cursosglm.com.br Cursos GLM Palestras, Treinamentos & Consultoria Nossa História... Fundação Janeiro de 2007. Segmentos Modalidades Gestão de Manufatura e Qualidade; Gestão

Leia mais

O sistema Just-In-Time. Professor: Dannilo Barbosa Guimarães

O sistema Just-In-Time. Professor: Dannilo Barbosa Guimarães O sistema Just-In-Time Professor: Dannilo Barbosa Guimarães Introdução ao JIT O Just-In-Time surgiu no Japão na década de 70 na Toyota Motor Company (Taiichi Ohno). O JIT visa o combate ao desperdício

Leia mais

CONGRESSO LEAN SIX SIGMA 2010

CONGRESSO LEAN SIX SIGMA 2010 CONGRESSO LEAN SIX SIGMA 2010 Lean Six Sigma e seu relacionamento com outras metodologias Alberto Pezeiro pezeiro@setadg.com.br TEL.+55.19.3707-1535 CEL.+55.11.8111-0026 www.setadg.com.br 1 Seta Desenvolvimento

Leia mais

LEAN-CURSOS E WORKSHOPS Cursos otimizados para as necessidades do Cliente Cursos Padrão Workshops de Capacitação

LEAN-CURSOS E WORKSHOPS Cursos otimizados para as necessidades do Cliente Cursos Padrão Workshops de Capacitação LEAN-CURSOS E WORKSHOPS Cursos otimizados para as necessidades do Cliente Cursos Padrão Workshops de Capacitação Serviços : Cursos e workshops especialmente criados para capacitar a sua organização no

Leia mais

ESTUDO ORGANIZACIONAL REORGANIZAÇÃO FASES DA REORGANIZAÇÃO

ESTUDO ORGANIZACIONAL REORGANIZAÇÃO FASES DA REORGANIZAÇÃO ESTUDO ORGANIZACIONAL 1 REORGANIZAÇÃO Meta: sinergia Momento certo: Elevados custos Problemas com pessoal Baixo nível de qualidade dos produtos Baixa competitividade do mercado Dificuldade de crescimento

Leia mais

Considerações sobre a Parte I - Histórico e componentes do lean, 74

Considerações sobre a Parte I - Histórico e componentes do lean, 74 Sumário Prefácio, xi Introdução, 1 Parte I - HISTÓRICO E COMPONENTES DO LEAN, 5 1 Conceito Enxuto: das Origens à Consolidação, 6 As indústrias da produção em massa, 8 Crise na indústria automobilística

Leia mais

RELAÇÃO DE TREINAMENTOS IN COMPANY

RELAÇÃO DE TREINAMENTOS IN COMPANY RELAÇÃO DE TREINAMENTOS IN COMPANY 1. Qualidade Tipos de treinamento 1.1 Interpretação das normas ISO 9000 - Requisitos Específicos da Norma ISO 9001 24 1.2 Interpretação da especificação técnica ISO/TS

Leia mais

Excelência Operacional

Excelência Operacional Excelência Operacional Inter-relação entre Lean Manufacturing e TPM ( Total Productive Management) Paulo Yida - Diretor Solving Efeso America do Sul Renato Cosloski Iamondi Consultor Senior Solving Efeso

Leia mais

SEGURANÇA HOSPITALAR

SEGURANÇA HOSPITALAR SEGURANÇA HOSPITALAR Brasil, abril 2014. ESTUDO CONCEITUAL. Depois da leitura de muitos artigos sobre o tema de Segurança do Paciente e perceber o viés técnico das posições, gostaríamos de mostrar um modelo

Leia mais

Prof. Sérgio Roberto Sigrist srsigris@hotmail.com

Prof. Sérgio Roberto Sigrist srsigris@hotmail.com Prof. Sérgio Roberto Sigrist srsigris@hotmail.com Palavras-chave Melhores práticas, inovação, geração de valor, qualidade, serviços, gestão de serviços, suporte em TI, melhoria contínua, orientação a processos,

Leia mais

ORGANIZAÇÃO CURRICULAR TÉCNICO EM CONTABILIDADE NA MODALIDADE A DISTÂNCIA - 2010/1

ORGANIZAÇÃO CURRICULAR TÉCNICO EM CONTABILIDADE NA MODALIDADE A DISTÂNCIA - 2010/1 ORGANIZAÇÃO CURRICULAR TÉCNICO EM CONTABILIDADE NA MODALIDADE A DISTÂNCIA - 2010/1 DC 5080 25/03/2010 Rev. 00 1. Dados Legais Autorizado pelo Parecer 470 do Conselho Estadual de Educação de 24 de novembro

Leia mais

Benefícios da implementação do Trabalho Padronizado na ThyssenKrupp

Benefícios da implementação do Trabalho Padronizado na ThyssenKrupp Benefícios da implementação do Trabalho Padronizado na ThyssenKrupp Kishida, Marino (Lean Institute Brasil) Silva, Adriano Henrique (ThyssenKrupp) Guerra, Ezequiel (ThyssenKrupp) Este artigo mostra os

Leia mais

Gestão da Qualidade 10/04/2011. Os 5 S. Histórico dos 5S. Histórico dos 5S

Gestão da Qualidade 10/04/2011. Os 5 S. Histórico dos 5S. Histórico dos 5S Gestão da Qualidade Os 5 S Histórico dos 5S A gestão da Qualidade é primordial para o estabelecimento e sobrevivência de uma instituição e para viabilizar o controle de atividades,informações e documentos.

Leia mais

OBJETIVO DO PROGRAMA ORGANIZAÇÃO DO PROGRAMA E CARGA HORÁRIA PREMISSAS DOS PROGRAMA INVESTIMENTO E PRÓXIMA TURMA I NSTRUTORES

OBJETIVO DO PROGRAMA ORGANIZAÇÃO DO PROGRAMA E CARGA HORÁRIA PREMISSAS DOS PROGRAMA INVESTIMENTO E PRÓXIMA TURMA I NSTRUTORES PROGRAMA DE CERTIFICAÇÃO EM GESTÃO DE PROCESSOS DE OBJETIVO DO PROGRAMA O programa visa capacitar seus participantes em técnicas práticas e conceitos necessários para trabalhar em iniciativas de modelagem,

Leia mais

Resultados, Sustentabilidade, Desempenho, Foco. Sim, sabemos que a sua organização quer chegar lá. Mas você sabe o melhor caminho?

Resultados, Sustentabilidade, Desempenho, Foco. Sim, sabemos que a sua organização quer chegar lá. Mas você sabe o melhor caminho? Resultados, Sustentabilidade, Desempenho, Foco. Sim, sabemos que a sua organização quer chegar lá. Mas você sabe o melhor caminho? Nossa Empresa A MasterQual é uma consultoria brasileira que tem como principal

Leia mais

A técnica a serviço da aproximação com os doadores: Marketing de relacionamento nos Doutores da Alegria

A técnica a serviço da aproximação com os doadores: Marketing de relacionamento nos Doutores da Alegria Agentes Financiadores Notícias e atualidades sobre Agentes Financiadores nacionais e internacionais página inicial A técnica a serviço da aproximação com os doadores: Marketing de relacionamento nos Doutores

Leia mais

SIMULADO TURMA 1414 TUTORA TACIANE DISCIPLINA: LOGÍSTICA

SIMULADO TURMA 1414 TUTORA TACIANE DISCIPLINA: LOGÍSTICA SIMULADO TURMA 1414 TUTORA TACIANE DISCIPLINA: LOGÍSTICA 1) ASSINALE A ALTERNATIVA QUE CORRESPONDE A UMA ATIVIDADE DE DISTRIBUIÇÃO. A) Recebimento de matérias-primas. B) Alimentação de sistemas produtivos.

Leia mais

Organização, Processos e Tomada de Decisão

Organização, Processos e Tomada de Decisão Organização, Processos e Tomada de Decisão Planejamento e Programação na Administração Pública Administração Estratégica Elaboração e Gestão de Projetos 59 Empreendedorismo Governamental Um plano de gestão

Leia mais

Definição. Kaizen na Prática. Kaizen para a Administração. Princípios do Just in Time. Just in Time 18/5/2010

Definição. Kaizen na Prática. Kaizen para a Administração. Princípios do Just in Time. Just in Time 18/5/2010 Uninove Sistemas de Informação Teoria Geral da Administração 3º. Semestre Prof. Fábio Magalhães Blog da disciplina: http://fabiotga.blogspot.com Semana 15 e 16 Controle e Técnicas de controle de qualidade

Leia mais

Implantação do processo de manutenção de conjunto de força de locomotivas da EFC

Implantação do processo de manutenção de conjunto de força de locomotivas da EFC Implantação do processo de manutenção de conjunto de força de locomotivas da EFC Tiago Tenório 1 *, Jediel Grangeiro 1, Evanaldo Brandão 2 1 lanejamento e recursos de material rodante EFC Vale S.A. 2 Manutenção

Leia mais

Disciplina: Técnicas de Racionalização de Processos Líder da Disciplina: Rosely Gaeta NOTA DE AULA 04 O PROJETO DE MELHORIA DOS PROCESSOS

Disciplina: Técnicas de Racionalização de Processos Líder da Disciplina: Rosely Gaeta NOTA DE AULA 04 O PROJETO DE MELHORIA DOS PROCESSOS Disciplina: Técnicas de Racionalização de Processos Líder da Disciplina: Rosely Gaeta NOTA DE AULA 04 O PROJETO DE MELHORIA DOS PROCESSOS 3.4 O PROJETO DE MELHORIA DE PROCESSOS 3.4.1 - CONCEITO DE PROJETO

Leia mais

LEAN OFFICE - ELIMINANDO OS DESPERDÍCIOS NAS ATIVIDADES ADMINISTRATIVAS

LEAN OFFICE - ELIMINANDO OS DESPERDÍCIOS NAS ATIVIDADES ADMINISTRATIVAS LEAN OFFICE - ELIMINANDO OS DESPERDÍCIOS NAS ATIVIDADES ADMINISTRATIVAS 1. Por que adotar o Lean Office? Parabéns! Você já conseguiu estabelecer o fluxo contínuo em suas atividades do chão de fábrica.

Leia mais

Como Identificar e Definir os Processos da sua Empresa

Como Identificar e Definir os Processos da sua Empresa Como Identificar e Definir os Processos da sua Empresa Mapeamento e Padronização de Processos Organizacionais Mateus Pizetta Aline Milani Todos os Direitos Reservados 2014 Introdução: Este material foi

Leia mais

Remuneração e Avaliação de Desempenho

Remuneração e Avaliação de Desempenho Remuneração e Avaliação de Desempenho Objetivo Apresentar estratégias e etapas para implantação de um Modelo de Avaliação de Desempenho e sua correlação com os programas de remuneração fixa. Programação

Leia mais

Ferramentas de Gestão para Coleções Biológicas. Paulo Holanda

Ferramentas de Gestão para Coleções Biológicas. Paulo Holanda para Coleções Biológicas Paulo Holanda 2º Encontro de Coleções Biológicas da Fiocruz Rio de Janeiro, 2015 Contexto observação dos desafios vivenciados por coleções biológicas na última década; a importância

Leia mais

Disciplinas Fundamentais 2009 (2º quadrimestre)

Disciplinas Fundamentais 2009 (2º quadrimestre) Disciplinas Fundamentais 2009 (2º quadrimestre) Aplicações da Estatística na Transmitir conceitos e técnicas de gestão de projetos, relevantes desde a concepção, desenvolvimento e entrega dos resultados

Leia mais

COMUNICADO CEM/CP 1/2016

COMUNICADO CEM/CP 1/2016 COMUNICADO CEM/CP 1/2016 DIVULGA RELAÇÃO DE DISCIPLINAS RECOMENDADAS COMO OPTATIVAS PARA O 2º SEMESTRE LETIVO DE 2016 DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA MECÂNICA DO CAMPUS CAMPINAS DA UNIVERSIDADE SÃO

Leia mais

Rio de Janeiro São Paulo Belo Horizonte Brasília

Rio de Janeiro São Paulo Belo Horizonte Brasília Rio de Janeiro São Paulo Belo Horizonte Brasília Rio de Janeiro São Paulo Belo Horizonte Brasília AVALIAÇÃO DA ADOÇÃO DE BPM NO BRASIL: ERROS, APRENDIZADOS E BOAS PRÁTICAS Leandro Jesus INVESTIR EM PROCESSOS:

Leia mais

Gestão Estratégica de Pessoas

Gestão Estratégica de Pessoas Gestão Estratégica de Pessoas MBA FGV 1 Grandes Decisões sobre Pessoas Fatores que Garantem o Resultado As Tendências e Perspectivas de Gestão de Pessoas em Saúde Gestão de Pessoas e o Balanced Score Card

Leia mais

Vendas na Empresa Lean

Vendas na Empresa Lean Vendas na Empresa Lean Autor: Alexandre Cardoso Publicado: 29/04/2011 Introdução Em uma empresa, a área de Vendas é de extrema importância para o sucesso do negócio. Aprimorar o seu desempenho tem sido

Leia mais

Gestão de Economias com o Serviço de Tratamento de Esgoto Melhorias no Processo para a Universalização do Saneamento.

Gestão de Economias com o Serviço de Tratamento de Esgoto Melhorias no Processo para a Universalização do Saneamento. Prêmio Nacional da Qualidade em Saneamento PNQS Inovação da Gestão em Saneamento IGS Gestão de Economias com o Serviço de Tratamento de Esgoto Melhorias no Processo para a Universalização do Saneamento.

Leia mais

Treinamento de. Green Belt em Lean Seis Sigma

Treinamento de. Green Belt em Lean Seis Sigma Treinamento de Green Belt em Lean Seis Sigma Sumário 03. Nossa Empresa 05. Seis Sigma 06. Treinamento de Green Belt em Lean Seis Sigma 07. Conteúdo Programático 12. Certificados 13. Principais Instrutores

Leia mais

As 12 boas práticas da Gestão de Dados Moderna

As 12 boas práticas da Gestão de Dados Moderna As 12 boas práticas da Gestão de Dados Moderna Bergson Lopes contato@bergsonlopes.com.br www.bergsonlopes.com.br Dados do Palestrante Bergson Lopes Rego, PMP é especialista em Gestão de Dados, Gerenciamento

Leia mais

CURSOS E TREINAMENTOS... 5 WORKSHOPS LEAN...

CURSOS E TREINAMENTOS... 5 WORKSHOPS LEAN... SUMÁRIO CURSOS E TREINAMENTOS... 5 WORKSHOPS LEAN... 6 WORKSHOP KAIZEN TEIAN... 6 WORKSHOP SINGLE MINUTE EXCHANGE OF DIE (SMED)... 7 WORKSHOP TRABALHO PADRONIZADO... 8 WORKSHOP MAPEAMENTO DE FLUXO DE VALOR

Leia mais

Rua Pinto Bandeira, 292 - Centro Histórico 51.3076.0660 fag@faculdadegaucha.com.br

Rua Pinto Bandeira, 292 - Centro Histórico 51.3076.0660 fag@faculdadegaucha.com.br Rua Pinto Bandeira, 292 - Centro Histórico 51.3076.0660 fag@faculdadegaucha.com.br Índice Quem é o Gestor de Negócios?... Qual a duração do curso?... Quais os objetivos do curso?... E os campos de atuação?...

Leia mais

Como sobreviver e crescer em tempos de crise? Como tornar sua empresa mais produtiva?

Como sobreviver e crescer em tempos de crise? Como tornar sua empresa mais produtiva? Portfólio 2015 IP Como sobreviver e crescer em tempos de crise? Como tornar sua empresa mais produtiva? Como fazer com que as pessoas trabalhem mais e felizes? Como implantar um modelo de gestão de vanguarda?

Leia mais

FERRAMENTA FLUXOGRAMA ESSENCIAL NO PROCESSO LOGÍSTICO

FERRAMENTA FLUXOGRAMA ESSENCIAL NO PROCESSO LOGÍSTICO FERRAMENTA FLUXOGRAMA ESSENCIAL NO PROCESSO LOGÍSTICO Douglas Lima 1 Lucas Rocco 2 Stefano Batista 3 Professor Orientador: André Rodrigues da Silva 4 Professor Orientador: Fábio Fernandes 5 Resumo A tendência

Leia mais

Para entendermos melhor a evolução da qualidade, precisamos rememorar alguns pontos na história.

Para entendermos melhor a evolução da qualidade, precisamos rememorar alguns pontos na história. SISTEMA DE QUALIDADE EAD MÓDULO XIX - RESUMO Para entendermos melhor a evolução da qualidade, precisamos rememorar alguns pontos na história. Posteriormente, ocorreu a Revolução Industrial, em que a subsistência

Leia mais

A experiência de quem trouxe a internet para o Brasil agora mais perto de você

A experiência de quem trouxe a internet para o Brasil agora mais perto de você A experiência de quem trouxe a internet para o Brasil agora mais perto de você A Escola A Escola Superior de Redes da RNP privilegia um ensino totalmente prático. Os laboratórios são montados de forma

Leia mais

A importância dos. RECURSOS HUMANOS na empresa moderna

A importância dos. RECURSOS HUMANOS na empresa moderna A importância dos RECURSOS HUMANOS na empresa moderna Organizações: cenário atual Empresas vêm passando por impactos revolucionários: Dimensão globalizada Aumento da competitividade Mudanças constantes

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO GERAL GESTÃO DO DESEMPENHO

ADMINISTRAÇÃO GERAL GESTÃO DO DESEMPENHO ADMINISTRAÇÃO GERAL GESTÃO DO DESEMPENHO Atualizado em 30/12/2015 GESTÃO DE DESEMPENHO A gestão do desempenho constitui um sistemático de ações que buscam definir o conjunto de resultados a serem alcançados

Leia mais

MBA Executivo em Administração: Gestão de Negócios em Comércio e Vendas Coordenação Acadêmica: Prof. Fernando R. A. Marchesini, Msc.

MBA Executivo em Administração: Gestão de Negócios em Comércio e Vendas Coordenação Acadêmica: Prof. Fernando R. A. Marchesini, Msc. CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA Executivo em Administração: Gestão de Negócios em Comércio e Vendas Coordenação Acadêmica: Prof. Fernando R. A. Marchesini, Msc. 1 OBJETIVOS: Conduzir

Leia mais

(LOQ4208) Processos da Indústria de Serviços 05 Lean Office

(LOQ4208) Processos da Indústria de Serviços 05 Lean Office Processos da Indústria de Serviços (LOQ4208) 5 Lean Office Isto não é... LEAN OFFICE 1 Aqui parece ser... LEAN OFFICE Lean Thinking: Os 5 Princípios Fundamentais 1. Definir o que é VALOR sob a ótica do

Leia mais

O Seis Sigma como apoio a Estratégia Organizacional

O Seis Sigma como apoio a Estratégia Organizacional 1 O Seis Sigma como apoio a Estratégia Organizacional Andre Rodrigues da SILVA 1 Introdução A produção em massa revolucionou a fabricação na metade do século XIX e esta filosofia foi explorada por grandes

Leia mais

Toyota Way. FDEABrandão. (Fonte de Força Competitiva da Toyota) Antes de você dizer que não consegue fazer alguma coisa, experimente!

Toyota Way. FDEABrandão. (Fonte de Força Competitiva da Toyota) Antes de você dizer que não consegue fazer alguma coisa, experimente! (Fonte de Força Competitiva da Toyota) Antes de você dizer que não consegue fazer alguma coisa, experimente! Sakichi Toyoda - Fundador do grupo TOYOTA. (Fonte de Força Competitiva da Toyota) O é um Ideal,

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO 2013-2017 COOPERATIVISMO: QUEM MOVIMENTA SÃO AS PESSOAS

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO 2013-2017 COOPERATIVISMO: QUEM MOVIMENTA SÃO AS PESSOAS PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO 2013-2017 COOPERATIVISMO: QUEM MOVIMENTA SÃO AS PESSOAS MENSAGEM DO PRESIDENTE O cooperativismo vive seu momento de maior evidência. O Ano Internacional das Cooperativas, instituído

Leia mais

Melhoria Contínua PDCA/SDCA e suas ferramentas 06/04/2011

Melhoria Contínua PDCA/SDCA e suas ferramentas 06/04/2011 Melhoria Contínua PDCA/SDCA e suas ferramentas 6/4/211 PRODUTIVIDADE O que é o melhoria contínua? Quando se tem o Gerenciamento da Rotina implantado temos a melhoria tipo escada sempre melhorando o resultado

Leia mais

Relato de um caso dos primeiros passos sobre a aplicação da produção enxuta em processos administrativos

Relato de um caso dos primeiros passos sobre a aplicação da produção enxuta em processos administrativos Relato de um caso dos primeiros passos sobre a aplicação da produção enxuta em processos administrativos Eberson de Andrade Moreira (SULZER) eng_eberson@hotmail.com Paulo Augusto Cauchick Miguel (USP)

Leia mais

PROCESSOS PODEROSOS DE NEGÓCIO. ideiaconsultoria.com.br 43 3322 2110 comercial@ideiaconsultoria.com.br

PROCESSOS PODEROSOS DE NEGÓCIO. ideiaconsultoria.com.br 43 3322 2110 comercial@ideiaconsultoria.com.br PROCESSOS PODEROSOS DE NEGÓCIO ideiaconsultoria.com.br 43 3322 2110 comercial@ideiaconsultoria.com.br POR QUE ESCREVEMOS ESTE E-BOOK? Nosso objetivo com este e-book é mostrar como a Gestão de Processos

Leia mais

O PAPEL EMPREENDEDOR NO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE * PALAVRAS-CHAVE: Sistema de Gestão da Qualidade. Representante da Diretoria. ISO 9001.

O PAPEL EMPREENDEDOR NO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE * PALAVRAS-CHAVE: Sistema de Gestão da Qualidade. Representante da Diretoria. ISO 9001. O PAPEL EMPREENDEDOR NO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE * Adalberto Luiz de Souza ** RESUMO: Este texto tem por finalidade descrever o papel do representante da direção, referente ao atendimento de requisito

Leia mais

ANÁLISE E MELHORIA DE PROCESSOS APLICADA AO ESTÁGIO CURRICULAR

ANÁLISE E MELHORIA DE PROCESSOS APLICADA AO ESTÁGIO CURRICULAR ANÁLISE E MELHORIA DE PROCESSOS APLICADA AO ESTÁGIO CURRICULAR Júlio Miranda Pureza, Dr. Luiz Veriano O. Dalla Valentina, Dr. Gabriela Kunde Edel, Adm. Centro de Ciências Tecnológicas FEJ, Universidade

Leia mais

4 Metodologia e estratégia de abordagem

4 Metodologia e estratégia de abordagem 50 4 Metodologia e estratégia de abordagem O problema de diagnóstico para melhoria da qualidade percebida pelos clientes é abordado a partir da identificação de diferenças (gaps) significativas entre o

Leia mais

Premissas para implantação do Gerenciamento pelas Diretrizes GPD - em uma instituição de ensino superior: uma análise bibliográfica

Premissas para implantação do Gerenciamento pelas Diretrizes GPD - em uma instituição de ensino superior: uma análise bibliográfica Premissas para implantação do Gerenciamento pelas Diretrizes GPD - em uma instituição de ensino superior: uma análise bibliográfica Marcos Tadeu Moraes de Castro Mestre em Administração de Produção administração@asmec.br

Leia mais

FERRAMENTAS DA QUALIDADE

FERRAMENTAS DA QUALIDADE FERRAMENTAS DA QUALIDADE Docente: Dr. José Carlos Marques Discentes: Estêvão Andrade N.º 2089206 Maria da Luz Abreu N.º 2405797 Teodoto Silva N.º 2094306 Vitalina Cunha N.º 2010607 FERRAMENTAS DA QUALIDADE

Leia mais

σ LEAN LEAN SEIS SIGMA FORMAÇÃO GREEN BELT TURMA REDUZIDA INÍCIO EM JANEIRO DE 2015

σ LEAN LEAN SEIS SIGMA FORMAÇÃO GREEN BELT TURMA REDUZIDA INÍCIO EM JANEIRO DE 2015 6 σ LEAN FORMAÇÃO GREEN BELT TURMA REDUZIDA INÍCIO EM JANEIRO DE 2015 FORMAÇÃO GREEN BELT ORIGENS DO A metodologia Seis Sigma surgiu na Motorola, na década de 1980, e foi posteriormente implementada na

Leia mais

Lean manufacturing ou Toyotismo

Lean manufacturing ou Toyotismo ou Toyotismo Gestão da Qualidade Resultados impressionantes 1 Trimestre 2007 Toyota supera GM como líder mundial em vendas Vendas Mundiais 1º Trimestre Nº Carros Toyota 2.348.000 GM 2.260.000 2007 termina

Leia mais

FACULDADE DE JAGUARIÚNA

FACULDADE DE JAGUARIÚNA Redução de estoques em processos na linha de terminais móveis de pagamento eletrônico Renata da Silva Alves (Eng. De Produção - FAJ) alvesresilva@gmail.com Prof. Me. Eduardo Guilherme Satolo (Eng. De Produção

Leia mais

Premissas para implantação do Gerenciamento pelas Diretrizes GPD - em uma instituição de ensino superior: uma análise bibliográfica

Premissas para implantação do Gerenciamento pelas Diretrizes GPD - em uma instituição de ensino superior: uma análise bibliográfica Premissas para implantação do Gerenciamento pelas Diretrizes GPD - em uma instituição de ensino superior: uma análise bibliográfica Marcos Tadeu Moraes de Castro Mestre em Administração de Produção administração@asmec.br

Leia mais

Qualidade e segurança na Melhoria. Como a Qualidade está mudando a Medicina

Qualidade e segurança na Melhoria. Como a Qualidade está mudando a Medicina Qualidade e segurança na Melhoria Como a Qualidade está mudando a Medicina Quem é você? Por que a Ciência da Melhoria? "Entre os cuidados em saúde que temos e os cuidados que poderíamos ter não existe

Leia mais

LEAN APLICADO À CADEIA DE SUPRIMENTOS

LEAN APLICADO À CADEIA DE SUPRIMENTOS LEAN APLICADO À CADEIA DE SUPRIMENTOS INTRODUÇÃO AO LEAN MANUFACTURING SUPPLY CHAIN (INCLUI LOGÍSTICA) 2 2 INTRODUÇÃO AO LEAN MANUFACTURING 3 INTRODUÇÃO AO LEAN MANUFACTURING Pensar fora da caixa... Lean

Leia mais

Os desafios de levar o lean aos fornecedores: a experiência da Bosch

Os desafios de levar o lean aos fornecedores: a experiência da Bosch Os desafios de levar o lean aos fornecedores: a experiência da Bosch Cid Fontana Lopez Diretor de Desenvolvimento de Fornecedores da Robert Bosch - América Latina As empresas que se propõe a trazer os

Leia mais

A Profitability Engineers

A Profitability Engineers CATÁLOGO DE FORMAÇÃO A Profitability Engineers Em Portugal desde 1999, a ProfitAbility Engineers é uma empresa de consultoria e formação, especializada na melhoria qualidade e da produtividade; Somos

Leia mais

Entrevista Lean Six Sigma com David Vicentin (para compor reportagem da Revista Banas Qualidade julho/2010)

Entrevista Lean Six Sigma com David Vicentin (para compor reportagem da Revista Banas Qualidade julho/2010) Entrevista Lean Six Sigma com David Vicentin (para compor reportagem da Revista Banas Qualidade julho/2010) 1) Fale a respeito de sua formação profissional e atuação. Sou engenheiro de produção pela Escola

Leia mais

Perfil Caliper Gerencial e Vendas The Inner Leader and Seller Report

Perfil Caliper Gerencial e Vendas The Inner Leader and Seller Report Perfil Caliper Gerencial e Vendas The Inner Leader and Seller Report Avaliação de: Sr. José Exemplo Preparada por: Consultor Caliper exemplo@caliper.com.br Data: 11/06/2014 Perfil Caliper Gerencial e Vendas

Leia mais

Sobre o Instituto Desenvolve T.I

Sobre o Instituto Desenvolve T.I Sobre o Instituto Desenvolve T.I A empresa Desenvolve T.I foi fundada em 2008, em Maringá, inicialmente focando a sua atuação em prestação de serviços relacionados à Tecnologia da Informação e atendendo

Leia mais

QUEM SOMOS? O QUE FAZEMOS? A REALIDADE ATUAL DOS NEGÓCIOS: ONTEM: Custo+ Lucro= Preço de Venda. HOJE: Preço de venda= Custo+ Lucro

QUEM SOMOS? O QUE FAZEMOS? A REALIDADE ATUAL DOS NEGÓCIOS: ONTEM: Custo+ Lucro= Preço de Venda. HOJE: Preço de venda= Custo+ Lucro A REALIDADE ATUAL DOS NEGÓCIOS: QUEM SOMOS? O QUE FAZEMOS? ONTEM: Custo+ Lucro= Preço de Venda HOJE: Preço de venda= Custo+ Lucro Somos uma empresa especializada em consultoria de FÁBRICA e CUSTOS. QUEM

Leia mais

Ministério Público do Estado de Goiás

Ministério Público do Estado de Goiás Ministério Público do Estado de Goiás Apresentação Inicial PMO Institucional MP-GO 1 Um projeto é um esforço temporário empreendido para criar um produto, serviço ou resultado exclusivo. Em muitos casos

Leia mais

Gestão de Pessoas - Ênfase em Recrutamento, Seleção e Integração de novos funcionários.

Gestão de Pessoas - Ênfase em Recrutamento, Seleção e Integração de novos funcionários. Gestão de Pessoas - Ênfase em Recrutamento, Seleção e Integração de novos funcionários. Módulo 3: Etapa 1 Treinamento e qualificação O Processo de Qualificação / Treinamento e Desenvolvimento Até agora

Leia mais

1 Nome do Projeto Centro de Treinamento e Capacitação Corporativa. 2 Coordenador (a) Eng. Mec. Vinício Duarte Ferreira. 3 Gestor (a) 4 Programa

1 Nome do Projeto Centro de Treinamento e Capacitação Corporativa. 2 Coordenador (a) Eng. Mec. Vinício Duarte Ferreira. 3 Gestor (a) 4 Programa 1 Nome do Projeto Centro de Treinamento e Capacitação Corporativa 2 Coordenador (a) Eng. Mec. Vinício Duarte Ferreira 3 Gestor (a) 4 Programa Eng. Agr. Flávio Henrique da Costa Bolzan Organização, Normas

Leia mais

DESEMPENHO 1 INTRODUÇÃO

DESEMPENHO 1 INTRODUÇÃO DESEMPENHO 1 INTRODUÇÃO Esta pesquisa tem como objetivo abordar o tema voltado para a avaliação do desempenho humano com os seguintes modelos: escalas gráficas, escolha forçada, pesquisa de campo, métodos

Leia mais

Treinamentos Técnicos de Engenharia de Manutenção. JWB Engenharia

Treinamentos Técnicos de Engenharia de Manutenção. JWB Engenharia Treinamentos Técnicos de Engenharia de Manutenção Palestrante: Eng. José Wagner Braidotti Junior - Treinamentos 1) Indicadores de Desempenho da Manutenção Benchmarking 16 horas 2) 5 S Base para a Manutenção

Leia mais

CADASTRAMENTO DE INSTRUTORES INTERNOS EXERCÍCIO 2011

CADASTRAMENTO DE INSTRUTORES INTERNOS EXERCÍCIO 2011 CADASTRAMENTO DE INSTRUTORES INTERNOS EXERCÍCIO 2011 A, no uso de suas atribuições legais e, tendo em vista o disposto no Programa de Capacitação e Aperfeiçoamento da UNIVASF, aprovado pela Resolução/CONUNI/02/2008,

Leia mais

CALENDÁRIO DO TRABALHO PADRONIZADO DA LIDERANÇA DO IOV

CALENDÁRIO DO TRABALHO PADRONIZADO DA LIDERANÇA DO IOV CALENDÁRIO DO TRABALHO PADRONIZADO DA LIDERANÇA DO IOV Checklist diário Segunda Terça Quarta Quinta Sexta Passe tempo no gemba ouvindo para entender Garanta que a planilha diária está atualizada Garanta

Leia mais

Noções de Planejamento Estratégico e Gestão Estratégica

Noções de Planejamento Estratégico e Gestão Estratégica Noções de Planejamento Estratégico e Gestão Estratégica Utilizando como ponto de partida os artigos Idéias de Sucesso: Utilizando o Balanced Scorecard escrito por Luis Augusto German, A difícil tarefa

Leia mais

7º Encontro de Pesquisa Clínica. Metodologia Lean

7º Encontro de Pesquisa Clínica. Metodologia Lean 7º Encontro de Pesquisa Clínica Metodologia Lean 2 1 Áreas de Atuação Estratégico Planejamento Estratégico Diagnóstico Lean Sustentabilidade Processos Produtividade Qualidade Custo Sistemas de Gestão Pessoas

Leia mais

Modelo de Gestão Estratégica para Resultados da SEFAZ

Modelo de Gestão Estratégica para Resultados da SEFAZ Modelo Estratégica para Resultados da SEFAZ Treinamento Gestores Conhecendo nosso Modelo Maio 2015 Modelo Estratégico para Resultados Assuntos previstos para esta oficina... Aprofundar no conceito de Gestão

Leia mais

JOGO DE NEGÓCIO SIMULADOR DOS EFEITOS POSITIVOS DA APLICAÇÃO DAS FERRAMENTAS LEAN PARA FUNCIONÁRIOS OPERACIONAIS E LIDERANÇAS DO CHÃO DE FÁBRICA

JOGO DE NEGÓCIO SIMULADOR DOS EFEITOS POSITIVOS DA APLICAÇÃO DAS FERRAMENTAS LEAN PARA FUNCIONÁRIOS OPERACIONAIS E LIDERANÇAS DO CHÃO DE FÁBRICA JOGO DE NEGÓCIO SIMULADOR DOS EFEITOS POSITIVOS DA APLICAÇÃO DAS FERRAMENTAS LEAN PARA FUNCIONÁRIOS OPERACIONAIS E LIDERANÇAS DO CHÃO DE FÁBRICA Gece Wallace Santos Reno (UFSCar) gece.reno@uol.com.br Carolina

Leia mais

Lean enterprise: a gestão enxuta em busca da excelência

Lean enterprise: a gestão enxuta em busca da excelência Lean enterprise: a gestão enxuta em busca da excelência José Mauro Mendes Pelosi* 1. O conceito atual de competitividade O processo de globalização e a evolução econômica de países emergentes, como China,

Leia mais

Propriedade Intelectual da Simples Soluções Slide 0

Propriedade Intelectual da Simples Soluções Slide 0 Propriedade Intelectual da Simples Soluções Slide 0 Antes de começar, algumas informações de ordem administrativa... 1. Roteiro / Intervalos 2. Ligações Telefônicas (Celulares,...) 3. Questionário de Avaliação

Leia mais

GESTÃO GESTRATÉGICA DE SUPRIMENTOS

GESTÃO GESTRATÉGICA DE SUPRIMENTOS GESTÃO GESTRATÉGICA DE SUPRIMENTOS INTRODUÇÃO O setor de suprimentos é, dentre os diversos outros setores da empresa, um dos que tem maior potencial de impacto nos resultados financeiros de uma organização,

Leia mais

Disciplina: GESTÃO DE PROCESSOS E QUALIDADE Prof. Afonso Celso M. Madeira

Disciplina: GESTÃO DE PROCESSOS E QUALIDADE Prof. Afonso Celso M. Madeira Disciplina: GESTÃO DE PROCESSOS E QUALIDADE Prof. Afonso Celso M. Madeira 3º semestre CONCEITOS CONCEITOS Atividade Ação executada que tem por finalidade dar suporte aos objetivos da organização. Correspondem

Leia mais

7 passos para solução de problemas

7 passos para solução de problemas 7 passos para solução de problemas em qualidadebrasil.com.br Você já deve ter ouvido falar sobre os resultados que o trabalho em equipe pode gerar não é? Pois bem, hoje vou abordar este tema que considero

Leia mais

4. BANCO DE COMPETÊNCIAS PROPOSTA DE UMA FERRAMENTA DE APOIO À DECISÃO DE CAPACITAÇÃO DE RH

4. BANCO DE COMPETÊNCIAS PROPOSTA DE UMA FERRAMENTA DE APOIO À DECISÃO DE CAPACITAÇÃO DE RH 4. BANCO DE COMPETÊNCIAS PROPOSTA DE UMA FERRAMENTA DE APOIO À DECISÃO DE CAPACITAÇÃO DE RH 1. INTRODUÇÃO Gilson da Silva Cardoso Antonio Carlos Francisco Luciano Scandelari O mundo está experimentando

Leia mais

ESTUDO DE CASO 1: ROBERT BOSCH

ESTUDO DE CASO 1: ROBERT BOSCH ESTUDO DE CASO 1: ROBERT BOSCH Dados fornecidos por Carlos Alberto Maziero, coordenador de planejamento de carreira e desenvolvimento organizacional (Central, Campinas, SP); Antonio Marcos Vicentini, assessor

Leia mais

Treinamento. Roteiro da Teleaula. Roteiro da Teleaula. Gestão de RH. Prof: Roberto Huck

Treinamento. Roteiro da Teleaula. Roteiro da Teleaula. Gestão de RH. Prof: Roberto Huck Gestão de RH Prof: Roberto Huck Treinamento Roteiro da Teleaula 1. Cenário atual; 2. Conceito de Treinamento e Desenvolvimento; 3. Desenvolvimento de Pessoas e Desenvolvimento Organizacional; 4. Mútuo

Leia mais