Yeda Duarte Maria Lucia Lebrão Daniella Pires Nunes Tabatta Renata P Brito

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Yeda Duarte Maria Lucia Lebrão Daniella Pires Nunes Tabatta Renata P Brito"

Transcrição

1

2 Yeda Duarte Maria Lucia Lebrão Daniella Pires Nunes Tabatta Renata P Brito

3 United Nations, 2007

4 Todas as idades aumentarão 35% United Nations, 2007

5 Entre 65 e 84 anos aumentará 164% United Nations, 2007

6 Entre 85 e 99 anos aumentará 301% United Nations, 2007

7 100 anos aumentarão 746% United Nations, 2007

8 ENVELHECIMENTO DA POPULAÇÃO NO BRASIL

9 11% ( 60 anos) homens mulheres

10 Previsão: Censo 2010:

11 Censo 2010: O ESTADO DE SÃO PAULO 15 de novembro de 2009

12 1% vive em instituições 75% independentes para o autocuidado 25% com alguma incapacidade 99% vivem na comunidade Os idosos do Brasil 60% com alguma doença crônica Giacomin, 2012

13 1,7 milhão vive em instituições 16,5 milhões independentes para o autocuidado 5,5 milhões com alguma incapacidade 660 mil acamados Os idosos do Brasil 13,2 milhões com alguma doença crônica Giacomin, 2012

14 Cerca de 9 milhões de idosos necessitando de cuidados de longa duração

15 Sociedade mais solidária Cultura de Cuidados de Longa Duração

16 O que acontece em São Paulo? Dona Maria Pupy

17 1,4 mi de pessoas idosas ( 60 anos)

18 Estudo SABE Saúde, Bem-estar e Envelhecimento Estudo longitudinal de múltiplas coortes sobre as condições de vida e saúde dos idosos do Município de São Paulo

19 A 00 A 06 A 10 A 15 2,143 1, B 06 B 10 B to 64 anos 60 to 64 anos C 10 C D 15

20

21 Distribuição (%) dos idosos segundo doenças crônicas referidas. São Paulo, Estudo SABE, Doenças crônicas % Número de doenças Nenhuma 16,6 Uma 28,0 Duas ou mais 55,4 Doenças crônicas referidas Hipertensão 67,0 Diabetes 25,0 DPOC 9,2 Doença cardiovascular 22,9 Acidente vascular cerebral 7,0 Doença osteoarticular 31,9 Osteoporose 19,4

22

23 Idosos vulneráveis à fragilização Idosos Independentes Dr. José Luiz Telles - MS

24

25

26 ATIVIDADES BÁSICAS DE VIDA DIÁRIA

27 ESTRATÉGIAS DIFERENCIADAS DE AÇÃO INTERSETORIALIDADE LINHA DE CUIDADO AO IDOSO FRÁGIL Atenção Domiciliar Reabilitação Prevenção secundária ILPIs INDEPENDENTE Promoção Prevenção Reabilitação Preventiva Atenção Básica Suporte Social Ministério da Saúde, 2006

28 25 Distribuição (%) dos idosos segundo dificuldade referida no desempenho das atividades de vida diária. São Paulo. Estudo SABE, , , ,4 12,3 10 9,3 8,62 8,6 8,2 5 2,9 0

29 Vestir (21,4%) Usar transporte (17,6%) Mobilizar-se (17,0%) Compras (13,4%) Tomar medicamento (12,3%) Administrar $ (9,3%) Ir ao Banheiro (8,6%) NECESSIDADE MÍNIMA NECESSIDADE MODERADA ESTUDO SABE BRITO; NUNES; LEBRÃO; DUARTE, 2010 modificado de RAMOS, et al., 1993 NECESSIDADE DE CUIDADO Andar (8,6%) Tomar banho (8,2%) Comer(2,9%) NECESSIDADE MÁXIMA

30 Distribuição (%) dos idosos segundo necessidade de cuidado. São Paulo. Estudo SABE, ,7 37,1 43,5 7,6 Autocuidado Necessidade mínima Necessidade moderada Necessidade máxima

31 Distribuição (%) dos idosos segundo características demográficas e necessidade de cuidado. Estudo SABE, Características Autocuidado Necessidade mínima Necessidade moderada Necessidade máxima Sexo* Homem 69,3 8,0 16,0 6,7 Mulher 55,4 9,4 22,1 13,1 Idade* 60 a 69 anos 71,9 7,8 14,2 6,1 70 a 79 anos 56,0 9,2 24,2 10,6 80 anos e mais 33,1 4,0 29,1 33,8 Estado civil* Com companheiro 67,0 7,7 17,0 8,3 Sem companheiro 54,3 7,6 22,0 16,1 *p<0,05

32 Distribuição (%) dos idosos segundo características sociodemográficas e necessidade de cuidado. Estudo SABE, Características Autocuidado Necessidade mínima Necessidade moderada Necessidade máxima Mora sozinho Não Sim 61,2 8,0 19,2 11,6 60,4 5,8 21,3 12,5 Renda suficiente* Não 58,8 9,4 23,4 12,5 Sim 67,3 6,7 16,7 9,3 Escolaridade* Analfabeto 32,6 3,0 38,1 26,7 1 a 3 anos 51,5 11,7 25,3 11,5 4 a 7 anos 62,1 9,3 16,0 12,6 8 anos e mais 80,6 4,5 10,7 4,1 *p<0,05

33 Distribuição (%) dos idosos segundo doenças crônicas e necessidade de cuidado. Estudo SABE, Características Autocuidado Necessidade mínima Necessidade moderada Necessidade máxima Número de doenças* Nenhuma 37,5 4,6 51,2 6,7 Uma 42,8 4,7 45,5 7,0 Duas ou mais 34,1 10,0 40,3 15,6 Hipertensão Não 38,8 6,4 46,2 8,6 Sim 36,2 8,2 42,3 13,3 Diabetes* Não 39,8 7,3 43,0 9,8 Sim 29,0 8,8 45,0 17,3 Doença pulmonar * Não 37,7 7,0 43,7 11,6 Sim 31,1 14,1 41,3 13,1 *p<0,05

34 Distribuição (%) dos idosos segundo doenças crônicas e necessidade de cuidado. Estudo SABE, Características Autocuidado Necessidade mínima Necessidade moderada Necessidade máxima Doença cardíaca* Não 38,9 6,8 43,7 10,6 Sim 30,8 10,5 43,0 15,7 AVE* Não 38,7 7,7 44,2 9,4 Sim 16,1 6,7 34,7 42,5 Doença articular* Não 38,3 6,0 45,6 10,1 Sim 34,7 11,3 39,1 14,9 Osteoporose* Não 38,7 6,3 45,2 9,8 Sim 30,8 13,6 36,2 19,4 *p<0,05

35 Distribuição (%) dos idosos com DUAS DOENÇAS CRÔNICAS segundo utilização dos serviços de saúde e necessidade de cuidado. Estudo SABE, Características Autocuidado Necessidade mínima Necessidade moderada Necessidade máxima Consulta nos últimos 12 meses Nenhuma 9,3 6,6 10,1 13,0 Uma consulta 7,6 3,4 5,7 7,2 Duas consultas 14,1 4,0 14,1 12,6 Três ou mais consultas 69,0 86,0 70,1 67,2 Serviços de urgência/emergência Não 84,5 76,8 67,8 68,6 Sim 15,5 23,2 32,2 31,4 Hospitalização Não 86,8 94,5 89,6 71,1 Sim 13,2 5,5 10,4 28,9 Dificuldade no acesso Não 79,3 62,6 71,5 52,9 Sim 20,1 37,4 28,5 47,1

36

37 Camarano, 2013 PRINCIPAL RESPONSÁVEL PELO FAMÍLIA CUIDADO DO IDOSO, JUNTO COM A SOCIEDADE E O ESTADO CONSTITUIÇÃO FEDERAL DE 1988 POLÍTICA NACIONAL DO IDOSO DE 1994 ESTATUTO DO IDOSO DE 2003

38

39 AS TAXAS DE FECUNDIDADE ESTÃO DIMINUINDO 1,8 2010

40

41

42

43

44

45 Duarte et al, 2005

46 Nunes e Brito, 2014

47 A DEMANDA POR CUIDADOS ESTÁ AUMENTANDO E A CAPACIDADE DA FAMÍLIA BRASILEIRA PARA CUIDAR DE SEUS MEMBROS IDOSOS MAIS DEPENDENTES ESTÁ REDUZINDO

48

49 Torna-se necessário repensar o modelo assistencial incorporando cuidados inovadores E compreendendo que os cuidados de longa duração representam uma nova responsabilidade social

50 Giacomin, 2012 O CUIDADO NO BRASIL A sociedade brasileira não esperou a decisão do Estado: ela constituiu cuidadores para o cuidado dos idosos.

51

52 Giacomin, 2012 O CUIDADO NO BRASIL Estes cuidadores não dispõem de formação padrão, no entanto, apoiam as famílias e as instituições na prestação dos cuidados emandados pelos idosos.

53

54 Giacomin, 2012 O CUIDADO NO BRASIL Trabalham como empregados domésticos, aguardando a regulamentação da profissão. Não são profissionais de saúde.

55 O CUIDADO NO BRASIL Nos países desenvolvidos, o cuidado formal oferecido pelo sistema de saúde superpõe-se ao cuidado informal fornecido pela família. OMS, 2007 No Brasil, embora previstos em leis, não existem estruturas de cuidado intermediário nem política de cuidadores. CF 1988, PNI 1994; PNSI, 1999; EI, 2003 Giacomin, 2012

56

57 Os idosos não estão sendo assistidos na plenitude de suas necessidades pela falta de reconhecimento da sociedade das mudanças demográficas e suas novas demandas.

58 Os idosos estão tendo seu direito de viver de forma plena, com qualidade e dignidade negados e as famílias, ao tentarem assisti-los mais plenamente e não conseguindo, carregam a culpa por não fazê-lo e são criminalizadas por essa mesma sociedade.

59 O crescente aumento do cuidado formal aumenta a responsabilidade das políticas públicas em todas as sociedades

60 O Cuidador formal de Idosos já é uma realidade no cenário nacional. Área Pública e, predominantemente, na área privada

61

62

63

64 APROVADO PROJETO QUE REGULAMENTA PROFISSÃO DE CUIDADOR DE PESSOA IDOSA EM 12/09/2012 AUDIÊNCIA PÚBLICA NA CÂMARA DOS DEPUTADOS EM 08/10/2013 SOBRE O PL 4702/2012 SENADO FEDERAL CÂMARA DOS DEPUTADOS CONGRESSO NACIONAL BRASÍLIA

65 Projeto de Lei passa por três Comissões: Comissão de Seguridade Social e Família CSSF Comissão de Trabalho, DE Administração e de Serviço Público CTASP Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania- CCJC

66 ALGUMAS CONSIDERAÇÕES EM RELAÇÃO AO CONTEXTO HOSPITALAR

67

68 FORMAÇÃO EM GERONTOLOGIA não é uniforme pouco ou nenhum conteúdo específico sobre envelhecimento nos currículos de graduação os professores, nem sempre, dominam essa área de conhecimento

69

70

71

72

73

74

75 Temos Direito a uma Política de Cuidados

76 O que não é digno, não é direito Immanuel Kant

77

PROJETO DE LEI Nº, DE 2011

PROJETO DE LEI Nº, DE 2011 PROJETO DE LEI Nº, DE 2011 (Do Sr. OTAVIO LEITE) Regulamenta a Profissão de Cuidador de Pessoa, delimita o âmbito de atuação, fixa remuneração mínima e dá outras providências. O Congresso Nacional decreta:

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Sorriso, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 9382,37 km² IDHM 2010 0,744 Faixa do IDHM Alto (IDHM entre 0,700 e 0,799) (Censo 2010) 66521 hab. Densidade

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Santos, SP 30/07/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 281,35 km² IDHM 2010 0,840 Faixa do IDHM Muito Alto (IDHM entre 0,8 e 1) (Censo 2010) 419400 hab. Densidade

Leia mais

O IMPACTO DA DOR CRÔNICA NA VIDA DAS PESSOAS QUE ENVELHECEM

O IMPACTO DA DOR CRÔNICA NA VIDA DAS PESSOAS QUE ENVELHECEM O IMPACTO DA DOR CRÔNICA NA VIDA DAS PESSOAS QUE ENVELHECEM Eliane de Sousa Leite. Universidade Federal de Campina Grande/UFCG. Email: elianeleitesousa@yahoo.com.br. Jéssica Barreto Pereira. Universidade

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Areado, MG 29/07/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 282,6 km² IDHM 2010 0,727 Faixa do IDHM Alto (IDHM entre 0,700 e 0,799) (Censo 2010) 13731 hab. Densidade demográfica

Leia mais

Atenção à Saúde dos Idosos no Setor de Saúde

Atenção à Saúde dos Idosos no Setor de Saúde Atenção à Saúde dos Idosos no Setor de Saúde PLANO DE CUIDADOS DOS IDOSOS - OPASPLANO DE CUIDADOS DOS IDOSOS - OPAS Suplementar Martha Oliveira O Envelhecimento Populacional é um fenômeno Mundial Fonte:

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Botelhos, MG 29/07/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 335,24 km² IDHM 2010 0,702 Faixa do IDHM Alto (IDHM entre 0,700 e 0,799) (Censo 2010) 14920 hab. Densidade

Leia mais

TÍTULO: A IMPORTÂNCIA DOS CUIDADOS PREVENTIVOS PARA O ENVELHECER SAUDÁVEL E ATIVO

TÍTULO: A IMPORTÂNCIA DOS CUIDADOS PREVENTIVOS PARA O ENVELHECER SAUDÁVEL E ATIVO TÍTULO: A IMPORTÂNCIA DOS CUIDADOS PREVENTIVOS PARA O ENVELHECER SAUDÁVEL E ATIVO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: SERVIÇO SOCIAL INSTITUIÇÃO: FACULDADES INTEGRADAS DE BOTUCATU

Leia mais

A ATUAÇÃO DA ASSISTENTE SOCIAL NA UNIDADE BÁSICA DE SAÚDE FACULDADE 1

A ATUAÇÃO DA ASSISTENTE SOCIAL NA UNIDADE BÁSICA DE SAÚDE FACULDADE 1 A ATUAÇÃO DA ASSISTENTE SOCIAL NA UNIDADE BÁSICA DE SAÚDE FACULDADE 1 Vanice Maria Schaedler 2 INTRODUÇÃO: A profissão do Serviço Social é regulamentada pela Lei nº 8.662/93, sendo o seu exercício profissional

Leia mais

Curso de Especialização em Saúde da Pessoa Idosa. Os objetivos dessa unidade são:

Curso de Especialização em Saúde da Pessoa Idosa. Os objetivos dessa unidade são: Curso de Especialização em Saúde da Pessoa Idosa Módulo Unidade 01 Tópico 01 Avaliação Global da Pessoa Idosa na Atenção Básica A identificação de Risco Introdução Os objetivos dessa unidade são: Identificar

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Alto Boa Vista, MT 01/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 2248,35 km² IDHM 2010 0,651 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 5247 hab. Densidade

Leia mais

Simone Garcia Carlos Eduardo Panfilio Daniel Fernandez Córdoba Regina Maura Zetone Grespan Rosamaria Rodrigues Garcia

Simone Garcia Carlos Eduardo Panfilio Daniel Fernandez Córdoba Regina Maura Zetone Grespan Rosamaria Rodrigues Garcia 56 Formação para Cuidadores. Relato de uma experiência bem sucedida de parceria entre a Prefeitura Municipal de São Caetano do Sul, a Sociedade Espanhola do Grande ABC e a Universidade Municipal de São

Leia mais

GÊNERO, ENVELHECIMENTO E DENGUE

GÊNERO, ENVELHECIMENTO E DENGUE GÊNERO, ENVELHECIMENTO E DENGUE Ms. SANDRA MARIA DE CARVALHO BRITO 1 DENISE DE SENA ABINTES COBELLO 2 RESUMO O presente artigo terá como objetivo discutir a dengue e a velhice, a partir da identificação

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE AÇÕES PROGRAMÁTICAS ESTRATÉGICAS ÁREA TÉCNICA SAÚDE DO IDOSO

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE AÇÕES PROGRAMÁTICAS ESTRATÉGICAS ÁREA TÉCNICA SAÚDE DO IDOSO MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE AÇÕES PROGRAMÁTICAS ESTRATÉGICAS ÁREA TÉCNICA SAÚDE DO IDOSO LUIZA MACHADO COORDENADORA Objetivo estratégico do MS relacionado ao envelhecimento

Leia mais

Habilidades e competências no Cuidado à pessoa idosa. Karla Giacomin, MD, PhD

Habilidades e competências no Cuidado à pessoa idosa. Karla Giacomin, MD, PhD Habilidades e competências no Cuidado à pessoa idosa Karla Giacomin, MD, PhD Roteiro Seminário Preâmbulo Envelhecimento ativo Cuidado Habilidades e competências Ferramentas da gestão 2003 Estatuto do

Leia mais

A ATIVIDADE FÍSICA ENQUANTO FATOR MOTIVACIONAL PARA IDOSOS

A ATIVIDADE FÍSICA ENQUANTO FATOR MOTIVACIONAL PARA IDOSOS A ATIVIDADE FÍSICA ENQUANTO FATOR MOTIVACIONAL PARA IDOSOS Autoria: Ramon Fagner de Queiroz Macedo (UEPB - pro.ram.fag@hotmail.com) Co-autorias: Alexandre de Souza Cruz (UEPB - mistercruz1@gmail.com) Jorge

Leia mais

Saúde Naval MANUAL DE SAÚDE

Saúde Naval MANUAL DE SAÚDE Saúde Naval MANUAL DE SAÚDE IDOSO DOENÇAS MAIS COMUNS Com a chegada da terceira idade, alguns problemas de saúde começam a aparecer, conheça alguns dos mais comuns e saiba como se prevenir: 1 2 DIABETES

Leia mais

Formação de cuidadores de idosos: avanços e retrocessos na política pública de cuidados no Brasil

Formação de cuidadores de idosos: avanços e retrocessos na política pública de cuidados no Brasil Formação de cuidadores de idosos: avanços e retrocessos na política pública de cuidados no Brasil Daniel Groisman dgroisman@fiocruz.br Introdução Caso 1: Dona Felicidade, de Belém do Pará A crise no cuidado

Leia mais

COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA. PROJETO DE LEI N o 6.845, DE 2010 (Apenso o Projeto de Lei n o 6.887, de 2010) I - RELATÓRIO

COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA. PROJETO DE LEI N o 6.845, DE 2010 (Apenso o Projeto de Lei n o 6.887, de 2010) I - RELATÓRIO COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA PROJETO DE LEI N o 6.845, DE 2010 (Apenso o Projeto de Lei n o 6.887, de 2010) Institui o Programa Nacional do Esporte Solidário para o Idoso PNESI, e dá outras

Leia mais

O Estado e a garantia dos direitos das pessoas com deficiência

O Estado e a garantia dos direitos das pessoas com deficiência O Estado e a garantia dos direitos das pessoas com deficiência Izabel de Loureiro Maior Universidade Federal do Rio de Janeiro Conselho Municipal de Defesa dos Direitos da Pessoa com Deficiência - CoMDef

Leia mais

Ao Agente Comunitário de Saúde:

Ao Agente Comunitário de Saúde: : COMO IDENTIFICAR O IDOSO E O SEU CUIDADOR NA VISITA DOMICILIAR Pesquisadora CNPq Grupo de Pesquisa Epidemiologia do Cuidador Pontifícia Universidade Católica de São Paulo - PUCSP Bolsista de Produtividade

Leia mais

PERFIL DE CUIDADORES DOMICILIARES E DE IDOSOS ASSISTIDOS NA ATENÇÃO BÁSICA DO MUNICÍPIO DE FOZ DO IGUAÇU- PR

PERFIL DE CUIDADORES DOMICILIARES E DE IDOSOS ASSISTIDOS NA ATENÇÃO BÁSICA DO MUNICÍPIO DE FOZ DO IGUAÇU- PR 25 a 28 de Outubro de 21 ISBN 978-85-8084-5-1 PERFIL DE CUIDADORES DOMICILIARES E DE IDOSOS ASSISTIDOS NA ATENÇÃO BÁSICA DO MUNICÍPIO DE FOZ DO IGUAÇU- PR Ângela Caroline Fachinello 1, Marieta Fernandes

Leia mais

Os direitos do idoso

Os direitos do idoso 1 de 5 05/10/2012 15:00 Os direitos do idoso Fonte: http://www.prodam.sp.gov.br/idososp/direito.htm Idoso é toda pessoa adulta com 60 anos ou mais O IDOSO TEM DIREITO À VIDA A família, a sociedade e o

Leia mais

O PERFIL DOS PACIENTES ATENDIDOS PELO PROGRAMA DE ASSISTENCIA E INTERNAÇÃO DOMICILIAR-PAID NO MUNICIPIO DE CASCAVEL -PR

O PERFIL DOS PACIENTES ATENDIDOS PELO PROGRAMA DE ASSISTENCIA E INTERNAÇÃO DOMICILIAR-PAID NO MUNICIPIO DE CASCAVEL -PR O PERFIL DOS PACIENTES ATENDIDOS PELO PROGRAMA DE ASSISTENCIA E INTERNAÇÃO DOMICILIAR-PAID NO MUNICIPIO DE CASCAVEL -PR ROSANI DA ROSA BENDO 1 LAIS PRISCILA FAGHERAZZI 2 MARA LUCIA RENOSTRO ZACHI 3 INTRODUÇÃO:

Leia mais

Comorbidade entre depressão e doenças clínicas em um ambulatório de geriatria.

Comorbidade entre depressão e doenças clínicas em um ambulatório de geriatria. Artigo Técnico Saúde Total Novembro / 2007 Comorbidade entre depressão e doenças clínicas em um ambulatório de geriatria. O envelhecimento populacional fará com que os médicos e profissionais de saúde,

Leia mais

ENFERMAGEM GERONTOGERIÁTRICA

ENFERMAGEM GERONTOGERIÁTRICA Belo Horizonte-MG Início Previsto: 20/03/2015* Aulas em um final de semana p/ mês: sexta - 18h / 22h sábado - 8h / 18h domingo - 8h / 16h *Início vinculado ao número mínimo de inscritos. PÓS-GRADUAÇÃO

Leia mais

SAÚDE DO HOMEM. Alex Veloso Mendes Enfermeiro Mestrado em Saúde Coletiva Gerente de Unidade Básica da Prefeitura Municipal de Belo Horizonte

SAÚDE DO HOMEM. Alex Veloso Mendes Enfermeiro Mestrado em Saúde Coletiva Gerente de Unidade Básica da Prefeitura Municipal de Belo Horizonte Alex Veloso Mendes Enfermeiro Mestrado em Saúde Coletiva Gerente de Unidade Básica da Prefeitura Municipal de Belo Horizonte - A Política Nacional de Atenção Integral à Saúde do Homem - Política Nacional

Leia mais

Trabalho apresentado no III Congresso Ibero-americano de Psicogerontologia, sendo de total responsabilidade de seu(s) autor(es).

Trabalho apresentado no III Congresso Ibero-americano de Psicogerontologia, sendo de total responsabilidade de seu(s) autor(es). O IDOSO INSTITUCIONALIZADO COMO FOCO DE SUA ATENÇÃO RELATO DE EXPERIÊNCIA BERGAMO, Vinicius M. 1 DALL AGNOL, Crístyan C. 2 PIMENTEL, Cauê F. 3 PAZ, Késia M. R. 4 RUPOLO, Denize. J. 5 UNIVERSIDADE FEDERAL

Leia mais

CUIDADORES FORMAIS DE IDOSOS COM TRANSTORNOS MENTAIS: CONCEPÇÕES SOBRE AS DOENÇAS E SOBRE A TAREFA DO CUIDAR

CUIDADORES FORMAIS DE IDOSOS COM TRANSTORNOS MENTAIS: CONCEPÇÕES SOBRE AS DOENÇAS E SOBRE A TAREFA DO CUIDAR CUIDADORES FORMAIS DE IDOSOS COM TRANSTORNOS MENTAIS: CONCEPÇÕES SOBRE AS DOENÇAS E SOBRE A TAREFA DO CUIDAR Ana Paula Freitas; apfreitas@trilhasat.com.br Jessica Ferreira da Silva; jessicafs01@hotmail.com

Leia mais

ANEXO III CONTEÚDO PROGRAMÁTICO

ANEXO III CONTEÚDO PROGRAMÁTICO ANEXO III CONTEÚDO PROGRAMÁTICO CONTEÚDO COMUM PARA TODAS AS CATEGORIAS PROFISSIONAIS SAÚDE PÚBLICA E SAÚDE COLETIVA SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE SUS 1. História do sistema de saúde no Brasil; 2. A saúde na

Leia mais

QUESTOES DE CONCURSO

QUESTOES DE CONCURSO QUESTOES DE CONCURSO 1. Com o envelhecimento populacional, um dos maiores desafios das políticas de saúde é alcançar um equilíbrio entre o apoio ao autocuidado, o apoio informal (familiares e amigos) e

Leia mais

SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM AO IDOSO NA ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA SOB A OTICA DO PROFISSIONAL

SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM AO IDOSO NA ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA SOB A OTICA DO PROFISSIONAL 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM AO IDOSO NA ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA SOB A OTICA DO PROFISSIONAL Ruanna Gonçalves Holanda 1, Hellen Pollyanna

Leia mais

Introdução. Procura, oferta e intervenção. Cuidados continuados - uma visão económica

Introdução. Procura, oferta e intervenção. Cuidados continuados - uma visão económica Cuidados continuados - uma visão económica Pedro Pita Barros Faculdade de Economia Universidade Nova de Lisboa Introdução Área geralmente menos considerada que cuidados primários e cuidados diferenciados

Leia mais

UNIVERSIDADE DE LISBOA FACULDADE DE MEDICINA DE LISBOA

UNIVERSIDADE DE LISBOA FACULDADE DE MEDICINA DE LISBOA UNIVERSIDADE DE LISBOA FACULDADE DE MEDICINA DE LISBOA III MESTRADO EM BIOÉTICA PROGRAMAS DE CUIDADOS CONTINUADOS: A DIGNIDADE HUMANA NA PRESTAÇÃO DE CUIDADOS DE ENFERMAGEM Maria João Santos Rodrigues

Leia mais

PREVENÇÃO DAS DOENÇAS CRÔNICAS NÃO TRANSMISSÍVEIS PREVENIR É PRECISO MANUAL DE ORIENTAÇÕES AOS SERVIDORES VIGIAS DA PREFEITURA DE MONTES CLAROS

PREVENÇÃO DAS DOENÇAS CRÔNICAS NÃO TRANSMISSÍVEIS PREVENIR É PRECISO MANUAL DE ORIENTAÇÕES AOS SERVIDORES VIGIAS DA PREFEITURA DE MONTES CLAROS PREVENÇÃO DAS DOENÇAS MANUAL DE ORIENTAÇÕES AOS SERVIDORES CRÔNICAS NÃO TRANSMISSÍVEIS VIGIAS DA PREFEITURA DE MONTES CLAROS design ASCOM-PMMC PREVENIR É PRECISO DOENÇAS CRÔNICAS NÃO TRANSMISSÍVEIS No

Leia mais

FAMÍLIAS: compreendendo os papeis das famílias em relação à violência sexual infanto-juvenil. Eduardo Moreira

FAMÍLIAS: compreendendo os papeis das famílias em relação à violência sexual infanto-juvenil. Eduardo Moreira PAIR/MG Secretaria Especial de Direitos Humanos da Presidência da República Universidade Federal de Minas Gerais Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri Prefeitura Municipal de Itaobim

Leia mais

DIFERENCIAIS SOCIODEMOGRÁFICOS ENTRE OS IDOSOS NO BRASIL

DIFERENCIAIS SOCIODEMOGRÁFICOS ENTRE OS IDOSOS NO BRASIL Seminário sobre Educação Superior e Envelhecimento Populacional no Brasil MEC - SESU/CAPES DIFERENCIAIS SOCIODEMOGRÁFICOS ENTRE OS IDOSOS NO BRASIL Maria Isabel Parahyba Coordenação de População e Indicadores

Leia mais

PORTARIA MS N. 702 DE 12 DE ABRIL DE 2002

PORTARIA MS N. 702 DE 12 DE ABRIL DE 2002 MINISTÉRIO DA SAÚDE GABINETE DO MINISTRO PORTARIA MS N. 702 DE 12 DE ABRIL DE 22 Dispõe sobre a criação de mecanismos para a organização e implantação de Redes Estaduais de Assistência à Saúde do Idoso.

Leia mais

ção o do Envelhecimento Ativo

ção o do Envelhecimento Ativo Criaçã ção o de incentivos para Programas de Promoçã ção o do Envelhecimento Ativo no âmbito da Saúde Suplementar O Envelhecimento Populacional é um fenômeno Mundial Fonte: United Nations Department of

Leia mais

Atividade Física na Terceira Idade. Prof. Dra. Bruna Oneda 2015

Atividade Física na Terceira Idade. Prof. Dra. Bruna Oneda 2015 Atividade Física na Terceira Idade Prof. Dra. Bruna Oneda 2015 Brasil Expectativa de vida: Inicio século XX 33,6 anos Década de 50 43,2 anos Atualmente 72,7 anos De 1991 para 2000 houve um crescimento

Leia mais

Área Técnica Saúde do Idoso CGAPSES SMS PMPA

Área Técnica Saúde do Idoso CGAPSES SMS PMPA Área Técnica Saúde do Idoso SMS PMPA Tatiana De Nardi Psicóloga Mestre em cognição humana/ envelhecimento Lúcia Trajano Médica do Trabalho Terapeuta Comunitária 2013 Política Nacional de Saúde da Pessoa

Leia mais

População residente em Portugal com tendência para diminuição e envelhecimento

População residente em Portugal com tendência para diminuição e envelhecimento Dia Mundial da População 11 julho de 214 1 de julho de 214 População residente em Portugal com tendência para diminuição e envelhecimento Para assinalar o Dia Mundial da População (11 de julho), o Instituto

Leia mais

RELATO DE EXPERIÊNCIA EM ATENDIMENTOS COM IDOSOS NO PROGRAMA MELHOR EM CASA

RELATO DE EXPERIÊNCIA EM ATENDIMENTOS COM IDOSOS NO PROGRAMA MELHOR EM CASA RELATO DE EXPERIÊNCIA EM ATENDIMENTOS COM IDOSOS NO PROGRAMA MELHOR EM CASA Aryostennes Miquéias da Silva Ferreira*; Marcíllia Poncyana Félix Bezerra** *Programa Melhor em Casa Pombal/PB aryostennes@hotmail.com;

Leia mais

Cuidando do Cuidador

Cuidando do Cuidador 31 Cuidando do Cuidador Wanda Pereira Patrocinio Muito se tem falado sobre o crescimento da longevidade dos brasileiros e do número de idosos na população brasileira, e sobre a consequente falta de preparo

Leia mais

Universidade Estadual do Centro-Oeste/Centro de Ciências da Saúde - Departamento de Enfermagem - Guarapuava PR

Universidade Estadual do Centro-Oeste/Centro de Ciências da Saúde - Departamento de Enfermagem - Guarapuava PR PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DE IDOSOS INTERNADOS NA CLINICA MÉDICA E CLÍNICA CIRÚRGICA EM UM HOSPITAL DE GUARAPUAVA PARANÁ Michele Teixeira (CVI-UNICENTRO), Evani Marques Pereira (UNICENTRO), Evani Marques Pereira

Leia mais

PRONATEC CURSO DE FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA (FIC) CUIDADOR DE IDOSOS

PRONATEC CURSO DE FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA (FIC) CUIDADOR DE IDOSOS MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CAMPUS NOVA VENÉCIA Rodovia Miguel Curry Carneiro, 799 Santa Luzia 29830-000 Nova Venécia ES 27 3752-4300 PRONATEC CURSO DE FORMAÇÃO INICIAL E

Leia mais

SAÍDA DO MERCADO DE TRABALHO: QUAL É A IDADE?

SAÍDA DO MERCADO DE TRABALHO: QUAL É A IDADE? SAÍDA DO MERCADO DE TRABALHO: QUAL É A IDADE? Ana Amélia Camarano* Solange Kanso** Daniele Fernandes** 1 INTRODUÇÃO Assume-se que idade avançada e invalidez resultam em perda da capacidade laboral, o que

Leia mais

A atuação do Assistente Social na Atenção Básica Inês Pellizzaro I-Política de ATENÇÃO BÁSICA EM SAÚDE 1) Como é definida? * Um conjunto de ações em saúde (amplas, complexas que abrangem múltiplas facetas

Leia mais

MARCHA MUNDIAL DAS MULHERES TERCEIRA AÇÃO INTERNACIONAL

MARCHA MUNDIAL DAS MULHERES TERCEIRA AÇÃO INTERNACIONAL MARCHA MUNDIAL DAS MULHERES TERCEIRA AÇÃO INTERNACIONAL Autonomia econômica das mulheres Autonomia econômica das mulheres se refere à capacidade das mulheres de serem provedoras de seu próprio sustento,

Leia mais

A AIDS NA TERCEIRA IDADE: O CONHECIMENTO DOS IDOSOS DE UMA CASA DE APOIO NO INTERIOR DE MATO GROSSO

A AIDS NA TERCEIRA IDADE: O CONHECIMENTO DOS IDOSOS DE UMA CASA DE APOIO NO INTERIOR DE MATO GROSSO A AIDS NA TERCEIRA IDADE: O CONHECIMENTO DOS IDOSOS DE UMA CASA DE APOIO NO INTERIOR DE MATO GROSSO SATO, Camila Massae 1 Palavras-chave: Idoso, AIDS, conhecimento Introdução A população idosa brasileira

Leia mais

SAÚDE PÚBLICA COM ÊNFASE EM SAÚDE DA FAMÍLIA

SAÚDE PÚBLICA COM ÊNFASE EM SAÚDE DA FAMÍLIA SAÚDE PÚBLICA COM ÊNFASE EM SAÚDE DA FAMÍLIA DISCIPLINA: Políticas de Saúde CARGA-HORÁRIA: 30 horas EMENTA: Retrospectiva Histórica. Estado e políticas sociais. Mudanças econômicas e políticas de saúde

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Peruíbe, SP 30/07/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 323,17 km² IDHM 2010 0,749 Faixa do IDHM Alto (IDHM entre 0,700 e 0,799) (Censo 2010) 59773 hab. Densidade

Leia mais

PARECER Nº, DE 2013. RELATOR: Senador ARMANDO MONTEIRO. RELATOR AD HOC : Senador JOSÉ PIMENTEL SENADO FEDERAL. Senador Armando Monteiro

PARECER Nº, DE 2013. RELATOR: Senador ARMANDO MONTEIRO. RELATOR AD HOC : Senador JOSÉ PIMENTEL SENADO FEDERAL. Senador Armando Monteiro PARECER Nº, DE 2013 RELATOR: Senador ARMANDO MONTEIRO RELATOR AD HOC : Senador JOSÉ PIMENTEL Da COMISSÃO ASSUNTOS ECONÔMICOS (CAE), sobre o Projeto de Lei da Câmara nº 137, de 2010 (PL nº 6.243 de 2005,

Leia mais

COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA. PROJETO DE LEI Nº 934, DE 2003 (Apenso o Projeto de Lei nº 1.802, de 2003)

COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA. PROJETO DE LEI Nº 934, DE 2003 (Apenso o Projeto de Lei nº 1.802, de 2003) COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA PROJETO DE LEI Nº 934, DE 2003 (Apenso o Projeto de Lei nº 1.802, de 2003) Institui Contribuição de Intervenção no Domínio Econômico destinada a financiar programas

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Novo Mundo, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 5826,18 km² IDHM 2010 0,674 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 7332 hab. Densidade

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Vera, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 2962,4 km² IDHM 2010 0,680 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 10235 hab. Densidade demográfica

Leia mais

SESSÃO: ACÇÕES INOVADORAS E ENVELHECIMENTO ACTIVO. Maria Helena Patrício Paes CENTRO ISMAILI, LISBOA 12 DE OUTUBRO DE 2012. mhpaes@prosalis.

SESSÃO: ACÇÕES INOVADORAS E ENVELHECIMENTO ACTIVO. Maria Helena Patrício Paes CENTRO ISMAILI, LISBOA 12 DE OUTUBRO DE 2012. mhpaes@prosalis. CENTRO ISMAILI, LISBOA 12 DE OUTUBRO DE 2012 SESSÃO: ACÇÕES INOVADORAS E ENVELHECIMENTO ACTIVO Maria Helena Patrício Paes mhpaes@prosalis.pt Unidos por uma causa, por causa de quem precisa! Introdução

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de São José do Rio Claro, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 5074,56 km² IDHM 2010 0,682 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 17124 hab.

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Porto Alegre do Norte, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 3994,51 km² IDHM 2010 0,673 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 10748 hab.

Leia mais

Universidade do Estado do Rio de Janeiro Vice-Reitoria Curso de Abordagem da Violência na Atenção Domiciliar Unidade 1 Introdução

Universidade do Estado do Rio de Janeiro Vice-Reitoria Curso de Abordagem da Violência na Atenção Domiciliar Unidade 1 Introdução Universidade do Estado do Rio de Janeiro Vice-Reitoria Curso de Abordagem da Violência na Atenção Domiciliar Unidade 1 Introdução Em Introdução, veremos os conceitos gerais referentes à violência, sua

Leia mais

A PROTEÇÃO E OS DIREITOS HUMANOS DO IDOSO E A SUA DIGNIDADE

A PROTEÇÃO E OS DIREITOS HUMANOS DO IDOSO E A SUA DIGNIDADE A PROTEÇÃO E OS DIREITOS HUMANOS DO IDOSO E A SUA DIGNIDADE Maíra Sgobbi de FARIA 1 Resumo: O respeito e a proteção que devem ser concedidos aos idosos sempre foram um dever da sociedade, uma vez que as

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Cabo Verde, MG 29/07/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 368,15 km² IDHM 2010 0,674 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 13823 hab. Densidade

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Guaranésia, MG 29/07/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 294,28 km² IDHM 2010 0,701 Faixa do IDHM Alto (IDHM entre 0,700 e 0,799) (Censo 2010) 18714 hab. Densidade

Leia mais

Curso de Formação de Conselheiros em Direitos Humanos Abril Julho/2006

Curso de Formação de Conselheiros em Direitos Humanos Abril Julho/2006 Curso de Formação de Conselheiros em Direitos Humanos Abril Julho/2006 Realização: Ágere Cooperação em Advocacy Apoio: Secretaria Especial dos Direitos Humanos/PR Módulo III: Conselhos dos Direitos no

Leia mais

COMO ORGANIZAR A PASTORAL DA SAÚDE NA PARÓQUIA?

COMO ORGANIZAR A PASTORAL DA SAÚDE NA PARÓQUIA? COMO ORGANIZAR A PASTORAL DA SAÚDE NA PARÓQUIA? Paróquia - Missão da Igreja na vida das pessoas - Libertar a pessoa da enfermidade - Ser presença solidária e cristã junto aos doentes Papel PS contribuir

Leia mais

PRIMEIRA FRATURA. FAÇA COM que A SUA SEJA A SUA ÚLTIMA. www.spodom.org. www.iofbonehealth.org

PRIMEIRA FRATURA. FAÇA COM que A SUA SEJA A SUA ÚLTIMA. www.spodom.org. www.iofbonehealth.org FAÇA COM que A SUA PRIMEIRA FRATURA SEJA A SUA ÚLTIMA www.iofbonehealth.org Sociedade Portuguesa de Osteoporose e Doenças Ósseas Metabólicas www.spodom.org O QUE É A OSTEOPOROSE? A osteoporose é uma doença

Leia mais

SAÚDE DA FAMÍLIA E VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER: UM DESAFIO PARA A SAÚDE PUBLICA DE UM MUNICIPIO DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO Brasil

SAÚDE DA FAMÍLIA E VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER: UM DESAFIO PARA A SAÚDE PUBLICA DE UM MUNICIPIO DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO Brasil ID 1676 SAÚDE DA FAMÍLIA E VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER: UM DESAFIO PARA A SAÚDE PUBLICA DE UM MUNICIPIO DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO Brasil Dutra, Laís; Eugênio, Flávia; Camargo, Aline; Ferreira

Leia mais

INDICADORES SOCIAIS E CLÍNICOS DE IDOSOS EM TRATAMENTO HEMODIALÍTICO

INDICADORES SOCIAIS E CLÍNICOS DE IDOSOS EM TRATAMENTO HEMODIALÍTICO INDICADORES SOCIAIS E CLÍNICOS DE IDOSOS EM TRATAMENTO HEMODIALÍTICO Rosângela Alves Almeida Bastos - Universidade Federal da Paraíba- email: rosalvesalmeida2008@hotmail.com Maria das Graças Melo Fernandes

Leia mais

ÁREA TEMÁTICA: Saúde OBJETIVOS DAS AÇÕES EXTRA-MUROS

ÁREA TEMÁTICA: Saúde OBJETIVOS DAS AÇÕES EXTRA-MUROS TÍTULO:A CONSTRUÇÃO DA CIDADANIA DO IDOSO EM AÇÕES INTERSETORIAS DO PROGRAMA UNIVERSIDADE ABERTA COM A TERCEIRA IDADE - UATI E VOLUNTARIADO POPULAR NO MUNICÍPIO DE JEQUIÉ/BA. AUTORES: Andréa Santos Souza;

Leia mais

PORTO ALEGRE E DEMAIS CAPITAIS BRASILEIRAS

PORTO ALEGRE E DEMAIS CAPITAIS BRASILEIRAS Equipe de Vigilância de Eventos Vitais, Doenças e Agravos não Transmissíveis Coordenadoria Geral de Vigilância em Saúde Secretaria Municipal da Saúde da Prefeitura Municipal de Porto Alegre PORTO ALEGRE

Leia mais

PROJETO DE CAPACITAÇÃO PROFISSIONAL JN.M@TOS RNC REDE NOVO CURSO END.: AV. 15 DE NOVEMBRO, N 200 GUARANI PIABETÁ MAGÉ/ RJ www.rnc.org.

PROJETO DE CAPACITAÇÃO PROFISSIONAL JN.M@TOS RNC REDE NOVO CURSO END.: AV. 15 DE NOVEMBRO, N 200 GUARANI PIABETÁ MAGÉ/ RJ www.rnc.org. PROJETO DE CAPACITAÇÃO PROFISSIONAL JN.M@TOS RNC REDE NOVO CURSO END.: AV. 15 DE NOVEMBRO, N 200 GUARANI PIABETÁ MAGÉ/ RJ www.rnc.org.br ÍNDICE FUNÇÕES E ATRIBUIÇÕES DO CUIDADOR... 01 a 03 CUIDADOR...

Leia mais

Regulamentação da profissão de cuidador de idosos

Regulamentação da profissão de cuidador de idosos Regulamentação da profissão de cuidador de idosos Daniel Groisman EPSJV/Fiocruz dgroisman@fiocruz.br Introdução na minha opinião, para cuidar basta querer saber vocacional X aprendizado/conhecimento Cuidado

Leia mais

CARTA DE BRASÍLIA. Com base nas apresentações e debates, os representantes das instituições e organizações presentes no encontro constatam que:

CARTA DE BRASÍLIA. Com base nas apresentações e debates, os representantes das instituições e organizações presentes no encontro constatam que: CARTA DE BRASÍLIA Contribuições do I Seminário Internacional sobre Políticas de Cuidados de Longa Duração para Pessoas Idosas para subsidiar a construção de uma Política Nacional de Cuidados de Longa Duração

Leia mais

ATENÇÃO PRIMÁRIA (SAÚDE COLETIVA, PROMOÇÃO DA SAÚDE E SEMELHANTES)

ATENÇÃO PRIMÁRIA (SAÚDE COLETIVA, PROMOÇÃO DA SAÚDE E SEMELHANTES) ATENÇÃO PRIMÁRIA (SAÚDE COLETIVA, PROMOÇÃO DA SAÚDE E SEMELHANTES) ID: 102 A PREVENÇÃO E PROMOÇÃO DA SAÚDE ENTRE CRIANÇAS POR MEIO DA RISOTERAPIA: RELATO DE EXPERIÊNCIA Profa. Esp. Andréa Savietto (UNIANCHIETA)

Leia mais

REDE DE APOIO AO IDOSO NO MUNICÍPIO DE CASCAVEL

REDE DE APOIO AO IDOSO NO MUNICÍPIO DE CASCAVEL REDE DE APOIO AO IDOSO NO MUNICÍPIO DE CASCAVEL Elizabeth Aparecida de Souza 1 Maristela Salete Maraschin 2 Oseias Guimarães de Andrade 3 INTRODUÇÃO: No Brasil houve a preocupação com a população idosa

Leia mais

Paróquia São João Batista Comissão Paroquial em Defesa da Vida

Paróquia São João Batista Comissão Paroquial em Defesa da Vida 15 DE JUNHO... DIA MUNDIAL DE COSCIENTIZAÇÃO DA VIOLÊNCIA CONTRA A PESSOA IDOSA Se meu andar é hesitante e minhas mãos trêmulas, ampare-me... Se minha audição não é boa e tenho de me esforçar para ouvir

Leia mais

Maria Lúcia Lebrão Faculdade de Saúde Pública Universidade de São Paulo

Maria Lúcia Lebrão Faculdade de Saúde Pública Universidade de São Paulo Maria Lúcia Lebrão Faculdade de Saúde Pública Universidade de São Paulo A idéia do Brasil como um país jovem sempre esteve presente na nossa mente e desenhou o nosso horizonte. A idéia do Brasil como um

Leia mais

Colégio Policial Militar Feliciano Nunes Pires

Colégio Policial Militar Feliciano Nunes Pires Colégio Policial Militar Feliciano Nunes Pires Professor: Josiane Vill Disciplina: Geografia Série: 3ª Ano Tema da aula: Crescimento populacional: tendências e dilemas Objetivo da aula: contextualizar

Leia mais

COMUNICAÇÃO NA LINHA ASSISTENCIAL

COMUNICAÇÃO NA LINHA ASSISTENCIAL COMUNICAÇÃO NA LINHA ASSISTENCIAL Ministério da Saúde QUALIHOSP 2011 São Paulo, abril de 2011 A Secretaria de Atenção à Saúde/MS e a Construção das Redes de Atenção à Saúde (RAS) As Redes de Atenção à

Leia mais

SUMÁRIO OBESIDADE...4 OBESIDADE EM ADULTOS...5 PREVENÇÃO...6 EM BUSCA DO PESO SAUDÁVEL...7 TRATAMENTO...9 CUIDADOS DIÁRIOS COM A ALIMENTAÇÃO...

SUMÁRIO OBESIDADE...4 OBESIDADE EM ADULTOS...5 PREVENÇÃO...6 EM BUSCA DO PESO SAUDÁVEL...7 TRATAMENTO...9 CUIDADOS DIÁRIOS COM A ALIMENTAÇÃO... 2 SUMÁRIO OBESIDADE...4 OBESIDADE EM ADULTOS...5 PREVENÇÃO...6 EM BUSCA DO PESO SAUDÁVEL...7 TRATAMENTO...9 CUIDADOS DIÁRIOS COM A ALIMENTAÇÃO...12 OUTROS HÁBITOS SAUDÁVEIS...14 ATIVIDADE FÍSICA...14 CUIDADOS

Leia mais

Setembro, 2008. Fátima Barbosa

Setembro, 2008. Fátima Barbosa Uma nova realidade, um novo desafio Setembro, 2008. História de um Cuidador Tenho 65 anos, fui emigrante na França e na Alemanha e cá em Portugal trabalhei em várias zonas. Sempre gostei da vida! Reformei-me

Leia mais

Faculdade de Enfermagem/Universidade Federal de Goiás (FEN/UFG)

Faculdade de Enfermagem/Universidade Federal de Goiás (FEN/UFG) Prevalência e fatores associados à incapacidade funcional para Atividades de Vida Diária em idosos de Goiânia, Goiás Dayana Clênia CASTRO 1 ; Adélia Yaeko Kyosen NAKATANI 2 ; Valéria PAGOTTO 3 ; Ivania

Leia mais

ANS Longevidade - Custo ou Oportunidade. Modelos de Cuidados à Saúde do Idoso Rio de Janeiro/RJ 25/09/2014

ANS Longevidade - Custo ou Oportunidade. Modelos de Cuidados à Saúde do Idoso Rio de Janeiro/RJ 25/09/2014 ANS Longevidade - Custo ou Oportunidade. Modelos de Cuidados à Saúde do Idoso Rio de Janeiro/RJ 25/09/2014 Cenário 1) Nas últimas décadas, os países da América Latina e Caribe vêm enfrentando uma mudança

Leia mais

Fundação Saúde Concurso Público CEPERJ 2011 Prova de Nível Superior

Fundação Saúde Concurso Público CEPERJ 2011 Prova de Nível Superior Caros Leitores e Concurseiros, Analisaremos as questões do Sistema Único de Saúde SUS - cobradas pela organizadora CEPERJ no concurso da Fundação Saúde (Estado do Rio de Janeiro) para os cargos de nível

Leia mais

TEXTO: SISTEMA DE GARANTIA DE DIREITOS HUMANOS.

TEXTO: SISTEMA DE GARANTIA DE DIREITOS HUMANOS. TEXTO: SISTEMA DE GARANTIA DE DIREITOS HUMANOS. O envelhecimento digno é considerado um Direito Humano a ser garantido e preservado pelo Estado e pela Sociedade. Assim, a consolidação desse direito requer

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE AÇÕES PROGRAMÁTICAS ESTRATÉGICAS ÁREA TÉCNICA SAÚDE DO IDOSO

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE AÇÕES PROGRAMÁTICAS ESTRATÉGICAS ÁREA TÉCNICA SAÚDE DO IDOSO MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE AÇÕES PROGRAMÁTICAS ESTRATÉGICAS ÁREA TÉCNICA SAÚDE DO IDOSO LUIZA MACHADO COORDENADORA ATENÇÃO Ä SAÚDE DA PESSOA IDOSA -AÇÕES DO MINISTERIO

Leia mais

SERVIÇO DE PROTEÇÃO SOCIAL BÁSICA NO DOMICÍLIO PARA PESSOAS COM DEFICIÊNCIA E IDOSAS

SERVIÇO DE PROTEÇÃO SOCIAL BÁSICA NO DOMICÍLIO PARA PESSOAS COM DEFICIÊNCIA E IDOSAS SERVIÇO DE PROTEÇÃO SOCIAL BÁSICA NO DOMICÍLIO PARA PESSOAS COM DEFICIÊNCIA E IDOSAS O serviço tem por finalidade a prevenção de agravos que possam provocar o rompimento de vínculos familiares e sociais

Leia mais

Envelhecimento e Saúde Pública. Envelhecimento Ativo

Envelhecimento e Saúde Pública. Envelhecimento Ativo Envelhecimento e Saúde Pública Envelhecimento Ativo Marília Louvison Médica, Doutora em Saúde Pública Vice Presidente da Associação Paulista de Saúde Pública Médica Coordenadora do Núcleo Técnico de Envelhecimento

Leia mais

SAÚDE DA MULHER, MORTALIDADE MATERNA E REDUÇÃO DE DANOS. Novembro de 2008

SAÚDE DA MULHER, MORTALIDADE MATERNA E REDUÇÃO DE DANOS. Novembro de 2008 PARAÍBA NEGO SAÚDE DA MULHER, MORTALIDADE MATERNA E REDUÇÃO DE DANOS Novembro de 2008 Atenção Básica Conjunto de ações de saúde, no âmbito individual e coletivo, que abrangem a promoção e a proteção da

Leia mais

PORTARIA Nº 2.528 DE 19 DE OUTUBRO DE 2006. O MINISTRO DE ESTADO DA SAÚDE, no uso de suas atribuições, e

PORTARIA Nº 2.528 DE 19 DE OUTUBRO DE 2006. O MINISTRO DE ESTADO DA SAÚDE, no uso de suas atribuições, e PORTARIA Nº 2.528 DE 19 DE OUTUBRO DE 2006. Aprova a Política Nacional de Saúde da Pessoa Idosa. O MINISTRO DE ESTADO DA SAÚDE, no uso de suas atribuições, e Considerando a necessidade de que o setor saúde

Leia mais

Idosos em um hospital universitário e em um hospital geriátrico*

Idosos em um hospital universitário e em um hospital geriátrico* ARTIGO ORIGINAL Arq Med Hosp Fac Cienc Med Santa Casa São Paulo 2011; 56(1):7-11 Idosos em um hospital universitário e em um hospital geriátrico* Elderly: in a university hospital and in a geriatric hospital

Leia mais

O envelhecimento populacional brasileiro e a abordagem da mídia em relação a pessoa idosa Moreira, Thais dos Santos*

O envelhecimento populacional brasileiro e a abordagem da mídia em relação a pessoa idosa Moreira, Thais dos Santos* O envelhecimento populacional brasileiro e a abordagem da mídia em relação a pessoa idosa Moreira, Thais dos Santos* Resumo: Este presente artigo tem por finalidade demonstrar de forma sucinta no cenário

Leia mais

A RELAÇÃO ENTRE ALTERAÇÕES DE EQUILÍBRIO E A QUALIDADE DE VIDA EM IDOSOS

A RELAÇÃO ENTRE ALTERAÇÕES DE EQUILÍBRIO E A QUALIDADE DE VIDA EM IDOSOS A RELAÇÃO ENTRE ALTERAÇÕES DE EQUILÍBRIO E A QUALIDADE DE VIDA EM IDOSOS Autor José André Ramos Gouveia; Orientadora: Isabella Dantas da Silva; Co-autores: Lorena Maria Brito Neves Pereira; Gabriela Brasileiro

Leia mais

HANSENÍASE EM IDOSOS NO BRASIL NO ANO DE 2012

HANSENÍASE EM IDOSOS NO BRASIL NO ANO DE 2012 HANSENÍASE EM IDOSOS NO BRASIL NO ANO DE 2012 Ana Elisa P. Chaves (1), Kleane Maria F. Araújo (2) Maria Luísa A. Nunes (3),Thainá Vieira Chaves (4), Lucas Chaves Araújo (5) 1 Docente Saúde Coletiva-UFCG

Leia mais

APRESENTAÇÃO Qualidade de Vida e Suporte Social do Doente com Diabetes Domiciliado

APRESENTAÇÃO Qualidade de Vida e Suporte Social do Doente com Diabetes Domiciliado APRESENTAÇÃO Qualidade de Vida e Suporte Social do ACES Porto Oriental / Centro de Saúde de Campanhã Unidade de Saúde de S. Roque da Lameira Emília Aparício, Assistente Social Cristina Campos, Psicóloga

Leia mais

50 pontos do programa de governo do PSOL - Ivanete Prefeita para transformar Duque de Caxias:

50 pontos do programa de governo do PSOL - Ivanete Prefeita para transformar Duque de Caxias: 50 pontos do programa de governo do PSOL - Ivanete Prefeita para transformar Duque de Caxias: Duque de Caxias nas mãos do Povo: contra a corrupção e pela mudança 1) Garantir a participação popular e a

Leia mais

Ministério da Saúde Consultoria Jurídica/Advocacia Geral da União

Ministério da Saúde Consultoria Jurídica/Advocacia Geral da União Nota Técnica N 333 33/2014 Brasília, janeiro de 2014. Princípio Ativo: sildenafila Nomes Comerciais 1 : Escitan, Tantrix, Escitan, Havante, Videnfil, Sollevare, Suvvia, Dejavu, Ah-zul, Vasifil, Virineo,

Leia mais