Z Y G G O QUICK START ZYGGOT ON LINE TEMPERATURE MONITORING SYSTEM PARA SISTEMA ZYGGOT TEMPERATURA COM REDES DE FIBRAS ÓPTICAS - SÉRIE 2

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Z Y G G O QUICK START ZYGGOT ON LINE TEMPERATURE MONITORING SYSTEM PARA SISTEMA ZYGGOT TEMPERATURA COM REDES DE FIBRAS ÓPTICAS - SÉRIE 2"

Transcrição

1 ZYGGOT ON LINE TEMPERATURE MONITORING SYSTEM sistema de diagnóstico de temperatura sistema de termografia on line sem contato monitoramento de temperatura e proteção on line de conexões internas e componentes para painéis de média e baixa tensão, motores e transformadores Z Y G G O T PARA SISTEMA ZYGGOT TEMPERATURA COM REDES DE FIBRAS ÓPTICAS SÉRIE 2 SENSORES MODELO: PARA 2 BATERIAS ZSP/2/7/D PARA 4 BATERIAS ZSP/4/7/D OPÇÕES DE RELÉS: MODELOS VZX, VZT E VZN Zyggot é Marca Registrada da Varixx Varixx e seu logo são marcas registradas Outras marcas são registradas por seus respectivos proprietários QUALIDADE TOTAL VARIXX ISO 9001:2000 QUICKSTART ZYGGOT TEMPERATURA SÉRIE 2 V2P: Versão para redes de fibras ópticas e relés VZX, VZT E VZN

2 PREPARAÇÃO DAS FIBRAS ÓPTICAS POLIMÉRICAS FIGURA A jig de teste mira laser alicate de corte de fibra FIGURA B MALETA DE INSTALAÇÃO E MANUTENÇÃO ZYGGOT Para cada fornecimento, a Varixx inclui a Maleta de Instalação e Manutenção Zyggot. Nesta maleta há ferramentas essenciais para a instalação e manutenção da rede de comunicação em fibra óptica polimérica. Tais ferramentas são: alicate de corte (Modelo ZT2), Jig de Teste e Miralaser. A figura A apresenta uma foto ilustrativa da maleta. É importante que esta maleta esteja em posse do usuário do Sistema Zyggot, a fim de executar eventuais manutenções de maneira adequada. PREPARAÇÃO DAS FIBRAS ÓPTICAS POLIMÉRICAS As fibras ópticas poliméricas podem ser fornecidas pela Varixx ou, diante de necessidades emergenciais, a Varixx disponibiliza a especificação do fabricante fornecedor, mostrada na tabela 1. Não é possível preparar as fibras sem as ferramentas adequadas e sem um treinamento prévio (gratuito se efetuado na Varixx ou no cliente, caso solicitado) ou sem os devidos cuidados que serão expostos aqui neste manual. O Sistema Zyggot Fibra Óptica possui o processo de instalação simples, porém, caso não sejam seguidos os passos adequadamente ou ocorrer erros de preparação das fibras, podem comprometer a confiabilidade e o correto funcionamento do sistema. A vantagem de se preparar as fibras no campo durante a instalação é que o comprimento das mesmas podem ser precisamente determinados para se evitar sobras e melhorar o acabamento do sistema. ALICATE DE CORTE MODELO Zt2 A figura B ilustra o alicate de corte (Modelo ZT2). Este alicate é um instrumento de corte e decapagem de fibra óptica. No entanto, para o Sistema Zyggot Fibra Óptica, é necessário somente efetuar o corte nas extremidades. Assim, devese posicionar a extremidade da fibra óptica polimérica na posição específica para corte e acionar o dispositivo de corte do alicate. atenção: A Varixx recomenda que o corte da fibra seja feita com a ferramenta indicada neste item. Não deve ser feita com estiletes, guilhotinas, facas, tesouras, alicates comuns entre outros instrumentos de cortes não indicados. MIRALASER A mira laser (figura C) é ferramenta essencial para o direcionamento do sensor para o alvo desejado e também essencial e indicado pela Varixx para a correta instalação (colagem) da fita Unidex na área de medição. JIG DE TESTE OU TESTADOR A figura D ilustra o Jig de Teste ou também chamado Testador. Este dispositivo permite efetuar testes por trecho da integridade da rede de comunicação de fibra óptica, verificando possíveis falhas através do led de sinalização no corpo do jig que, a partir da quantidade de vezes que ele piscar, resultará em um diagnóstico do problema FIGURA C FIGURA D TABELA 1 Índce Refrativo 1.49 Abertura Numérica 0.5 Faixa de Temperatura (55ºC ~ 85ºC) Atenuação <0.15 db/m Diâmetro da Fibra 1,04 mm Diâmetro da Capa 2,2 mm Peso Aproximado 5.6 g/m JIG sensor diagnóstico 1 1 sensor OK 1 0 sensor NOK: erro LED 10 3 sensor NOK: erro TX 10 0 sensor NOK: erro RX 8 0 jig NOK: bateria fraca 2

3 INSTALAÇÃO DOS SENSORES PASSO A PASSO FIGURA 1 Alvo Área de medição DEMARCAÇÃO DO ALVO E POSICIONAMENTO DOS SENSORES FIGURA 3 FIGURA 2 Sensor 1 Conforme figura 1, devese definir a área de medição no alvo desejado. Na sequência, tendo o diâmetro da área de medição, devese definir a distância de posicionamento do sensor entre área de medição e sensor. Na figura 2, é mostrado um exemplo de aplicação para sensores de 7º de abertura de ângulo de medição, que é o padrão. A distância entre a área de medição e o sensor é de 8 vezes o valor do diâmetro da área de medição já definida. Para sensores com outros ângulos de medição, devese utilizar recursos geométricos para o cálculo, ou então, a Varixx pode disponibilizar estas informações com a solicitação do cliente. Encaixe para mira laser Base de fixação TABELA 2 MATERIAL EMISSIVIDADE (1um) Ferro e aço 0,35 Ferro e aço oxidado 0,85 Alumínio 0,13 Alumínio Oxidado 0,40 Cobre 0,06 Cobre oxidado 0,80 Tijolo 0,80 Asfalto 0,85 Amianto 0,90 FIGURA 4 FIXAÇÃO DOS SENSORES 2 Fixe o sensor no local adequado utilizando os 4 parafusos que acompanha o produto. A base plástica possui 4 furos para esta finalidade. Veja figura 3. O ângulo em relação a perpendicular a superfície do alvo deve ser de no máximo 45º. A distância máxima até o alvo deve ser menor que 10 metros. DIRECIONAMENTO DO SENSOR COM A MIRALASER 3 Após a fixação dos sensores, devese acoplar a mira laser na parte frontal do sensor e efetuar um direcionamento da luz laser emitida, ajustandoo para o centro da área de medição definida. Assim, devese apertar o único parafuso presente no corpo plástico do sensor, garantindo o direcionamento para área de medição e impossibilitando qualquer movimentação. Devese conferir se realmente o sensor está imobilizado após estes ajustes. A mira laser compõe a Maleta de Instalação e Manutenção Zyggot (conforme ilustrado na página anterior). ROLO DE FITA UNIDEX E FITAS U N I D E X J Á C O R T A D A S ( 5 C M X 5 C M ) PA RA S E R E M C O LA DAS N A Á R E A D E MEDIÇÃO. FITA UNIDEX DE EMISSIVIDADE CONHECIDA 4 A fita Unidex é feita de teflon, possui características construtivas para suportar ambientes de altas temperaturas e tem como característica principal ter a emissividade conhecida de 0,95. Após a demarcação da área de medição no alvo desejado e a fixação dos sensores devese colar a fita Unidex na área de medição com o auxílio da mira laser. Se o material do alvo tiver baixa emissividade, cole a fita Unidex para cobrir a área a ser medida. Caso o alvo seja um local impossível de se usar a fita Unidex, leve em conta o índice de emissividade do alvo, de acordo com a tabela 2 (ou consulte a emissividade do material em questão), porém em pouquíssimos casos isso deve ser feito (exemplo: alvos líquidos etc). É altamente recomendável a sua utilização em todos os alvos como garantia da emissividade do material do alvo em questão e pela facilidade de calibração e melhor precisão das leituras. Em trabalhos recentes, a Varixx verificou que os materiais Helashirink, Epóxi e Raychem possuem emissividades semelhante à fita Unidex, o que garante para estes casos uma leitura precisa mesmo sem a fita colada nos alvos. Mesmo assim, a Varixx aconselha a utilização da fita para estas situações, já que não há estudos da variação da emissividade em função da depreciação ao longo do tempo destes materiais. A Varixx envia ao cliente a quantidade de fita Unidex compatível com a quantidade de sensores. A figura 4 apresenta o rolo de fita Unidex e as fitas já cortadas no formato padrão fornecidos pela Varixx. 3

4 INSTALAÇÃO DOS SENSORES PASSO A PASSO FIGURA 5 RX TX RX TX OBSERVE: A fibra óptica sempre sai do TX de um sensor e vai para o RX do próximo sensor e assim sucessivamente. RX TX FIGURA 6 ROSCA PLÁSTICA: RODE NO SENTIDO ANTIHORÁRIO, INSIRA A FIBRA E APERTE BEM ATÉ SENTIR UMA BOA FIXAÇÃO DA FIBRA. RX TX CONEXÃO DAS FIBRAS ÓPTICAS NOS SENSORES 5 Uma vez fixados todos os sensores, conecte as fibras ópticas poliméricas de acordo com o exemplo da figura 5. A fibra óptica sempre sai do TX de um sensor e vai para o RX do próximo sensor e assim sucessivamente. Para garantir a conexão, devese soltar a rosca plástica do conector do sensor girandoa no sentido antihorário, inserir a fibra óptica até o fim e apertar muito bem a rosca plástica do conector, girandoa com a mão no sentido horário. ATENÇÃO: Não é necessário o uso de ferramentas para esse processo de rosquear (figura 6). RAIOS DE CURVATURA DAS FIBRAS CONEXÃO DAS FIBRAS ÓPTICAS NO RELÉ 7 O relé Zyggot Temperatura suporta no máximo 125 sensores. Caso se use somente um canal, deve ser usado o canal 1, com no máximo 125 sensores. Caso se use os dois canais a soma do número de sensores dos dois canais deve ser de no máximo 125. ATENÇÃO: Certifiquese que os jumpers existentes no relé estão na posição original de fábrica (figura 9). A Varixx alerta que esses jumpers são de uso exclusivo do fabricante e fora da posição de fábrica o sistema pode não funcionar. FIGURA 8 perdas em função do raio de curvatura FIGURA 7 30 mm mínimo FIGURA 9 Posição correta dos Jumpers 6 As fibras poliméricas devem ter raio mínimo de curvatura de 30 mm para que não haja perdas (figura 7). É aceitável curvas de 90º para entrada e saídas de canaletas, desde que respeitado o raio mínimo de 30 mm. Evite curvas de 180º dentro de canaletas para esconder sobras. Observe o gráfico comportamental do aumento das perdas de sinais com a diminuição do raio de curvatura conforme figura 8. perdas (db) curva raio (mm)

5 INSTALAÇÃO DO RELÉ E CIRCUITOS DE COMANDO E PROTEÇÃO CONEXÃO DO COMANDO E PROTEÇÃO DO RELÉ 0 8 U m a v e z i n s t a l a d o mecanicamente todo o sistema, faça as conexões elétricas de baixa tensão. No caso de sensores, a alimentação é pelo conector na parte superior dos m e s m o s. P a r a o r e l é d e monitoramento e proteção, siga as conexões, de acordo com o esquema da figura 10 e em caso de dúvida consulte o manual para maiores detalhes. Estão disponíveis 8 entradas digitais, 4 saídas auxiliares digitais programáveis, uma saída de Alarme 1 e uma saída de Trip ou Alarme 2. Estão disponíveis ainda 4 entradas analógicas de 4 20 ma para monitorar grandezas externas. Estão disponíveis também uma entrada de Reset e uma entrada de Operação, que é usada para informar que o equipamento entrou em operação, iniciando a contagem de tempo de Warm Up. Os relés ZYGGOT p o s s u i a i n d a u m a p o r t a d e comunicação programável (RS232 / RS485) para comunicação com sistemas supervisórios ou CLPs com protocolo de comunicação Modbus RTU. Uma outra porta CAN com protocolo CsCAN permite ainda comunicação e expansão. Loop Power Ai1 J1/11A1 Ai2 J1/12A2 Ai3 J1/13A3 Ai4 J1/14A4 AI COMMOM J1/150V IN1 J1/1I1 IN2 J1/2I2 IN3 J1/3I3 IN4 J1/4I4 IN5 J1/5I5 IN6 J1/6I6 IN7 J1/7I7 IN8 J1/8I8 IN9 J1/9I9/H1 IN COMMON J1/100V IN10 J2/1I10/H2 IN11 J2/2I11/H3 IN12 J2/3I13/H4 OUT1ALARM Operação Reset J2/4R1 J2/5C1 OUT2TRIP J2/6R2 J2/7C2 SERIAL MODBUS MJ1 MJ2 OUT3AUX1 OUT4AUX2 OUT5AUX3 OUT6AUX4 ZYGGOT RELAY V V J2/8R3 J2/9C3 J2/10R4 J2/11C4 J2/12R5 J2/13C5 J2/14R6 J2/15C6 Modulo FIGURA 10 Opcional 24 VDC (Inserido na VAC ( VDC) trazeira do relé) RJ 5

6 PROCEDIMENTOS DE START UP FIGURA 11 INTEGRIDADE DAS FIBRAS ÓPTICAS e PROCEDIMENTOS DE START UP FIGURA 12 FIGURA 13 OVERLAY RELÉ VZX FIGURA 14 OVERLAY RELÉ VZT 9 Uma vez instalado todo o sistema, devese checar a integridade do mesmo, antes de efetuar toda a programação do relé de proteção e colocar o sistema em operação. Usamos aqui como exemplo um sistema com apenas 4 sensores conectados ao canal 1. Veja figura 11. Efetue as seguintes etapas: A Verifique todas as alimentações e conexões. B Entre no menu principal, submenu Sensores e programe o número de sensores correto nos dois canais. (neste exemplo 4 no canal 1 e 0 no canal 2). C Entre na tela de comando de Piscar led dos sensores (figura 12).Devese seguir as etapas, de acordo com cada modelo de relé utilizado. Relé VZX (figura 13): Pressione a tecla K9; Relé VZT (figura 14): Pressione a tecla K4. D Insira Sensor = 0 (todos os Leds dos sensores devem piscar ao comando Piscar ou Flash ). Relé VZX: Pressione a tecla Enter e o cursor no campo começará a piscar, podendo ser inserido o numero usandose as teclas 0 a 9 ou as setas para cima e para baixo. Tecle Enter para confirmar. Relé VZT: Toque com o dedo sobre o campo numérico e aparecerá o teclado numérico para inserir o número, diretamente no display. Tecle Enter para confirmar. E Pressione o comando Flash. Relé VZX: Pressione a tecla F1 (com o símbolo de um sino, que é a primeira tecla superior esquerda ao lado do display). Relé VZT: Pressione diretamente a tecla no display sensível ao toque. Se o sistema estiver OK, todos os sensores terão o seu LED piscando por aproximadamente 4 segundos. Veja a indicação da posição do led no sensor na figura 15. Podese repetir o comando de Flash quantas vezes for necessário para se observar todos os sensores. F Interpretação Se todos os sensores piscarem o sistema provavelmente estará OK mas há uma possibilidade de falha ainda na fibra X4 (Veja Tabela 3 próxima página), ou seja, a fibra de retorno ao relé. FIGURA 15 PISCA LED DO SENSOR 6

7 PROCEDIMENTOS DE START UP G Comande uma leitura (resultados não necessariamente corretos, se a programação não estiver completa, com os índices de emissividade). Vá para a tela de comando de leitura (figura 16). Relé VZX: Pressione K1 e selecione a tela de comando pelas teclas direcionais do lado direito do display. Relé VZT: Pressione a tecla F0 (primeira a esquerda) e selecione a tela de comando pelas teclas direcionais do lado direito do display. H Estando na tela de comando selecione Sim ou Yes no campo de resposta da pergunta Ler agora? ou Read Now. Relé VZX: Pressione Enter e selecione com as setas para cima e para baixo ou no Relé VZT: Pressione o próprio campo e escolha a opção. I Após a leitura, verifique se houve indicação de temperaturas para todos os sensores (telas das figuras 17 e 18 para alvo e corpo/ar, respectivamente). J Caso seja detectado problemas com integridade da rede de comunicação, devese utilizar o evento Flash comandando a partir do Jig de Teste, efetuando o teste de integridade por trecho, seguindo a tabela de diagnóstico de falhas etiquetada no corpo do jig de teste. LEDS Piscando NENHUM 1 1 e 2 1, 2 e 3 TODOS TABELA 3 Local da Falha Fibra X1 ou Sensor 1 Fibra X2 ou Sensor 2 Fibra X3 ou Sensor 3 Fibra X4 ou Sensor 4 Sistema OK (excluir falha em X4) FIGURA 16 FINALIZANDO O STARTUP 13 Programação total Uma vez checada a integridade do sistema, termine a programação total do sistema, pelo próprio relé de proteção ou pelo programa de configuração pelo PC (consulte o manual). Efetue várias leituras e cheque a consistência das mesmas em relação a temperaturas de alvos conhecidas e temperatura ambiente. Simule atuações de alarmes e trips, reduzindo os níveis de algum dos pontos provisoriamente para valores abaixo da temperatura atual e cheque a atuação dos contatos de saída, de acordo com a configuração efetuada. Cheque também (se forem utilizadas), as indicações das entradas analógicas e indicações das entradas digitais externas. FIGURA 17 FIGURA 18 7

8 QUICKSTART ZYGGOT TEMPERATURA SÉRIE 2 V2P: Versão para redes de fibras ópticas e relés VZX, VZT E VZN QUALIDADE TOTAL VARIXX ISO 9001:2000 Zyggot é Marca Registrada da Varixx Varixx e seu logo são marcas registradas Outras marcas são registradas por seus respectivos proprietários R u a P h e l i p p e Z a i d a n M a l u f, p i r a c i c a b a s p D i s t r i t o I n d u s t r i a l U n i l e s t e C E P fone: (19) (19) fax : (19) p a r a m a i s i n f o r m a ç õ e s : i n f v a r i x x. c o m. b r c o n h e ç a n o s s o s i t e : w w w. v a r i x x. c o m. b r d o i s a n o s d e g a r a n t i a p a r a t o d a l i n h a s u p o r t e t é c n i c o e s p e c i a l i z a d o e m t o d o o B r a s i l

DAXXO RELÉ PARA CCM INTELIGENTE

DAXXO RELÉ PARA CCM INTELIGENTE DAXXO RELÉ PARA CCM INTELIGENTE Daxxo é um relé eletrônico para gerenciamento e proteção de motores em CCM s inteligentes que oferece um novo conceito em proteção e monitoramento de motores elétricos.

Leia mais

Z Y G G O QUICK START ZYGGOT ON LINE TEMPERATURE MONITORING SYSTEM PARA SISTEMA ZYGGOT TEMPERATURA COM SENSORES TUBULARES - SÉRIE 1

Z Y G G O QUICK START ZYGGOT ON LINE TEMPERATURE MONITORING SYSTEM PARA SISTEMA ZYGGOT TEMPERATURA COM SENSORES TUBULARES - SÉRIE 1 ZYGGOT ON LINE TEMPERATURE MONITORING SYSTEM sistema de diagnóstico de temperatura sistema de termografia on line sem contato monitoramento de temperatura e proteção on line de conexões internas e componentes

Leia mais

CURSO OPERACIONAL TOPOLOGIA SISTEMA SIGMA 485-E

CURSO OPERACIONAL TOPOLOGIA SISTEMA SIGMA 485-E SIGMA Sistema Integrado de Combate a Incêndio CURSO OPERACIONAL TOPOLOGIA SISTEMA SIGMA 485-E CABO BLINDADO (SHIELD) 4 VIAS 2X2,50 MM + 2X0,75 MM IHM Possibilidade de até 95 loops. LOOP LOOP LOOP CABO

Leia mais

R O B Ó T I C A. Sensor Smart. Seguidor de Linha. Versão Hardware: 1.0 Versão Firmware: 2.0 REVISÃO 1211.19. www.robouno.com.br

R O B Ó T I C A. Sensor Smart. Seguidor de Linha. Versão Hardware: 1.0 Versão Firmware: 2.0 REVISÃO 1211.19. www.robouno.com.br R O B Ó T I C A Sensor Smart Seguidor de Linha Versão Hardware: 1.0 Versão Firmware: 2.0 REVISÃO 1211.19 Sensor Smart Seguidor de Linha 1. Introdução Os sensores seguidores de linha são sensores que detectam

Leia mais

Sistemas indicadores e transmissores de PRESSÃO DIFERENCIAL PARA SALAS LIMPAS MODELO VEC-PP-LED

Sistemas indicadores e transmissores de PRESSÃO DIFERENCIAL PARA SALAS LIMPAS MODELO VEC-PP-LED INTERNO INSTRUMENTO PARA EMBUTIR Sistemas indicadores e transmissores de PRESSÃO DIFERENCIAL PARA SALAS LIMPAS MODELO VEC-PP-LED Aplicação : Especialmente em salas limpas, pois podem ser embutidas em paredes

Leia mais

1 Introdução. 2 REDES sem fio de comunicações

1 Introdução. 2 REDES sem fio de comunicações 1 Introdução Neste manual serão apresentados os procedimentos de instalação e configuração do sistema de detecção e prevenção de incêndio GALBA V251, além de dicas que certamente agilizarão os trabalhos

Leia mais

R O B Ó T I C A. Sensor Smart. Ultrassom. Versão Hardware: 1.0 Versão Firmware: 1.0 REVISÃO 1211.13. www.robouno.com.br

R O B Ó T I C A. Sensor Smart. Ultrassom. Versão Hardware: 1.0 Versão Firmware: 1.0 REVISÃO 1211.13. www.robouno.com.br R O B Ó T I C A Sensor Smart Ultrassom Versão Hardware: 1.0 Versão Firmware: 1.0 REVISÃO 1211.13 Sensor Smart Ultrassom 1. Introdução Os sensores de ultrassom ou ultrassônicos são sensores que detectam

Leia mais

ÍNDICE APRESENTAÇÃO... 3 DESEMBALAGEM... 3 ESPECIFICAÇÕES... 4 CONEXÕES... 5

ÍNDICE APRESENTAÇÃO... 3 DESEMBALAGEM... 3 ESPECIFICAÇÕES... 4 CONEXÕES... 5 ÍNDICE APRESENTAÇÃO... 3 DESEMBALAGEM... 3 ESPECIFICAÇÕES... 4 CONEXÕES... 5 OPERAÇÃO... 7 LIGANDO O MEDIDOR... 8 REALIZANDO AS PRIMEIRAS MEDIDAS... 8 FUNÇÕES ESPECIAIS... 8 CONFIGURAÇÃO... 10 CICLO DE

Leia mais

Linha de Módulos de Comando

Linha de Módulos de Comando RKM SISTEMAS DE AUTOMAÇÃO E CONTROLE LTDA. Rua Catão Coelho, 215 PORTO ALEGRE RS Fone: (51) 3029-3250 www.rkmautomacao.com.br Linha de Módulos de Comando RKM Aurora MANUAL DE CONFIGURAÇÃO Rev. 1.0 Abril

Leia mais

Guia de Instalação Rápida PLC KL320. Keylogix, abrindo portas para a automação industrial. KEYLOGIX

Guia de Instalação Rápida PLC KL320. Keylogix, abrindo portas para a automação industrial. KEYLOGIX Guia de Instalação Rápida PLC KL320 Keylogix, abrindo portas para a automação industrial. KEYLOGIX 1. Cuidados Iniciais Prezado cliente, você está recebendo o PLC KL320, um Controlador Lógico Programável,

Leia mais

1.3 Conectando a rede de alimentação das válvulas solenóides

1.3 Conectando a rede de alimentação das válvulas solenóides 1.3 Conectando a rede de alimentação das válvulas solenóides CONTROLE DE FLUSHING AUTOMÁTICO LCF 12 Modo Periódico e Horário www.lubing.com.br (19) 3583-6929 DESCALVADO SP 1. Instalação O equipamento deve

Leia mais

Permite a acumulação de valores, zeramento e auto calibração. Não perdem os valores acumulados por ocasião das quedas de energia.

Permite a acumulação de valores, zeramento e auto calibração. Não perdem os valores acumulados por ocasião das quedas de energia. Contador Digital de Eventos Série ZCE-S Descrição do Produto Equipamento microprocessado que permite conexão com dispositivos geradores de pulsos (encoders lineares ou rotativos, sensores ópticos, indutivos

Leia mais

1 Ligação do Mic-91. 1.1 Entrada digital

1 Ligação do Mic-91. 1.1 Entrada digital 1 MIC - 91 2 Índice 1. Ligação do Mic-91 3 1.1. Entrada digital 3 1.2. Alimentação 4 1.3. Entradas Analógicas 4 1.4. Relé 4 2. Operação 4 2.1. Setagem de peso 5 2.2. Coluna de leds 6 2.3. Totalizadores

Leia mais

PT-700. Manual de Instruções

PT-700. Manual de Instruções PT-700 Manual de Instruções Parabéns!!! Você acaba de adquirir um produto para a sua segurança e conforto com a ótima qualidade Protection. O Alarme para Piscina Protection, PT-700, foi desenvolvido para

Leia mais

INFORMATIVO DE PRODUTO

INFORMATIVO DE PRODUTO Temporizador Automático / Relógio Programador de Horário Para Acionamento Automático de Sirenes e Outros Equipamentos Código: AFKITPROG 2 O REGISTRADOR ELETRÔNICO DE PONTO REP O Relógio Acionador Automático

Leia mais

Controlador Automatizador CAP-1

Controlador Automatizador CAP-1 Controlador Automatizador CAP-1 Guia de Referência 1 Sumá rio 1 Introdução... 3 2 Especificações Técnicas... 3 2.1 Itens Inclusos... 4 3 Controle Remoto... 4 3.1 Funcionalidades das Teclas... 4 4 Conexões...

Leia mais

SISTEMA DE MONITORAMENTO DIGITAL

SISTEMA DE MONITORAMENTO DIGITAL SISTEMA DE MONITORAMENTO DIGITAL Módulos para automação Características gerais - Processamento independente - Possui alerta sonoro e luminoso de falta de conexão - Não precisa ser configurado (Plug and

Leia mais

INDICADOR DIGITAL Modelo FE50iNG. Manual de Operação. MAN 015 Versão 1.2

INDICADOR DIGITAL Modelo FE50iNG. Manual de Operação. MAN 015 Versão 1.2 INDICADOR DIGITAL Modelo FE50iNG Manual de Operação MAN 015 Versão 1.2 Aconselhamos que as instruções deste manual sejam lidas cuidadosamente antes da operação do equipamento, possibilitando sua adequada

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES Indicador Microprocessado - IT-IND-2S-LC INFORMAÇÕES DO PRODUTO. Versão: 1.xx / Rev. 03

MANUAL DE INSTRUÇÕES Indicador Microprocessado - IT-IND-2S-LC INFORMAÇÕES DO PRODUTO. Versão: 1.xx / Rev. 03 1 Introdução: Os indicadores possuem uma entrada analógica configurável por software, que permite a conexão de diverstos tipos de sensores de temperatura e outras grandezas elétricas sem a necessidade

Leia mais

Modo Execução. Modo Parametrizacão

Modo Execução. Modo Parametrizacão 1/7 Introdução O HM206 é um indicador para operar com comunicações RS485. O HM206 pode operar como escravo (slave) de rede fornecendo os dados ou operando comandado por outros sistemas ou como mestre (master)

Leia mais

BLOCKGAS. Sistema de Monitoração e Alarme de vazamento de gás SB330. Este módulo é parte integrante do sistema de detecção de gás SB330.

BLOCKGAS. Sistema de Monitoração e Alarme de vazamento de gás SB330. Este módulo é parte integrante do sistema de detecção de gás SB330. Este módulo é parte integrante do sistema de detecção de gás. É composto por um circuito inteligente (microcontrolado) que recebe o sinal gerado por um sensor eletrônico de gás, processa sua calibração

Leia mais

Módulo WCM200. Controlador WSI250 - HI Tecnologia

Módulo WCM200. Controlador WSI250 - HI Tecnologia Automação Industrial Módulo Controlador WSI250 - HI Tecnologia W i re l e s s S i g n a l I n t e r fa c e O conteúdo deste documento é parte do Manual do Usuário do controlador WSI250 da HI tecnologia

Leia mais

Nota Técnica 001/2010

Nota Técnica 001/2010 Nota Técnica 001/2010 Produto: Sistema Zyggot Temperatura Aplicação: Termografia sem Contato em Painéis Elétricos de Baixa Tensão Serão discutidos os tópicos a seguir: 1) Conceito de Termografia; 2) Análise

Leia mais

Pirômetro Óptico Portátil- BR IR AH

Pirômetro Óptico Portátil- BR IR AH Leve e fácil de operar! Os modelos BR IR- AHS e BR IR AHU são pirômetros portáteis para medição e aquisição da temperatura sem contato com o produto. Os pirômetros oferecem uma larga faixa de medição de

Leia mais

Manual do usuário Vídeo Porteiro Sem Fio VPV-800

Manual do usuário Vídeo Porteiro Sem Fio VPV-800 Manual do usuário Vídeo Porteiro Sem Fio VPV-800 Atenção: Antes de operar o equipamento, leia o manual do usuário, qualquer dano causado decorrente de utilização errônea do mesmo implicará na perda imediata

Leia mais

Solução para continuidade de serviço em toda e qualquer situação

Solução para continuidade de serviço em toda e qualquer situação Catálogo Técnico Solução para continuidade de serviço em toda e qualquer situação Monitor de isolação 203-02/2006-0 Tudo sob controle Em aplicações, onde a falta de tensão pode causar graves conseqüências

Leia mais

1 Componentes da Rede Gestun

1 Componentes da Rede Gestun PROCEDIMENTO PARA DETECÇÃO DE FALHAS EM REDES DATA: 23/06/14. Controle de Alterações DATA 23/06/14 MOTIVO Versão Inicial RESPONSÁVEL Márcio Correia 1 Componentes da Rede Gestun -Módulo de comunicação:

Leia mais

Manual. Autonomus MANUAL DO INSTALADOR AUTONOMUS

Manual. Autonomus MANUAL DO INSTALADOR AUTONOMUS Manual Autonomus 1. Apresentação: A interface celular Pináculo AUTONOMUS dispõe de uma entrada para a conexão de linha telefônica convencional. Por utilizar um módulo celular GSM, ela dispensa o uso de

Leia mais

OPT-700 - CONVERSOR SERIAL PARA FIBRA ÓPTICA

OPT-700 - CONVERSOR SERIAL PARA FIBRA ÓPTICA MANUAL DO USUÁRIO OPT-700 - CONVERSOR SERIAL PARA FIBRA ÓPTICA JUL / 05 OPT-700 VERSÃO 1 TM FOUNDATION O P T 7 0 0 M P smar www.smar.com.br Especificações e informações estão sujeitas a modificações sem

Leia mais

POL-100. Dispositivo de diagnóstico. Manual de utilizador. Verificação do loop analógico

POL-100. Dispositivo de diagnóstico. Manual de utilizador. Verificação do loop analógico Honeywell Life Safety Iberia C/Pau Vila, 15-19 08911 BADALONA (BARCELONA) Tel.: 93 497 39 60 Fax: 93 465 86 35 www.honeywelllifesafety.es Dispositivo de diagnóstico POL-100 Verificação do loop analógico

Leia mais

Controle de acesso FINGER

Controle de acesso FINGER Controle de acesso FINGER MANUAL DE INSTRUÇÕES Sobre esse Guia Esse guia fornece somente instruções de instalação. Para obter informações sobre instruções de uso, favor ler o Manual do usuário.. ÍNDICE

Leia mais

Manual de operações e instruções

Manual de operações e instruções Manual de operações e instruções Transmissor e Indicador de Vazão de Ar TIVA Com display LCD Rua Cincinati, 101 - São Paulo -SP Tel. / Fax (011) 5096-4654 - 5096-4728. E-mail: vectus@vectus.com.br Para

Leia mais

Attack 1.35. Software de controle e Monitoração de amplificadores

Attack 1.35. Software de controle e Monitoração de amplificadores Attack 1.35 Software de controle e Monitoração de amplificadores 1 Índice 1 Hardware necessário:... 3 1.1 Requisitos do computador:... 3 1.2 Cabos e conectores:... 3 1.3 Adaptadores RS-232 USB:... 4 1.4

Leia mais

MANUAL DO USUARIO DIMMER ENERGY L.E.D Página 1 de 11 DCP ILUMINAÇÃO LTDA. DIMMER L.E.D DIMMER DMX PARA ILUMINAÇÃO. Manual do Usuário Versão 1

MANUAL DO USUARIO DIMMER ENERGY L.E.D Página 1 de 11 DCP ILUMINAÇÃO LTDA. DIMMER L.E.D DIMMER DMX PARA ILUMINAÇÃO. Manual do Usuário Versão 1 Página 1 de 11 DCP ILUMINAÇÃO LTDA. DIMMER L.E.D DIMMER DMX PARA ILUMINAÇÃO Manual do Usuário Versão 1 Página 2 de 11 Índice 1. INTRODUÇÃO...2 2. DESCRIÇÃO...2 3. POSICIONAMENTO/MEDIDAS/INDICADORES...3/4

Leia mais

Indicador Digital Processos MODO DE USO. Dados Técnicos Conexões elétricas Utilização do teclado Dimensional. ABB Automação.

Indicador Digital Processos MODO DE USO. Dados Técnicos Conexões elétricas Utilização do teclado Dimensional. ABB Automação. Indicador Digital Processos MODO DE USO Dados Técnicos Conexões elétricas Utilização do teclado Dimensional ABB Automação Hartmann & Braun Dados Técnicos (NRB5180) Entrada -mvdc: -Vdc -madc Alimentação

Leia mais

MODEM MONITORAMENTO. Manual de Instalação e Operação

MODEM MONITORAMENTO. Manual de Instalação e Operação COMPATEC PRODUTOS PARA SUA SEGURANÇA MODEM MONITORAMENTO Manual de Instalação e Operação ÍNDICE Características técnicas do modem...3 Características gerais do modem...3 Conheça o modem...3 Apresentação...4

Leia mais

Notas de Aplicação. Utilizando o servidor de comunicação SCP Server. HI Tecnologia. Documento de acesso público

Notas de Aplicação. Utilizando o servidor de comunicação SCP Server. HI Tecnologia. Documento de acesso público Notas de Aplicação Utilizando o servidor de comunicação SCP Server HI Tecnologia Documento de acesso público ENA.00024 Versão 1.02 dezembro-2006 HI Tecnologia Utilizando o servidor de comunicação SCP Server

Leia mais

Solução Completa em Automação. FieldLogger. Registro e Aquisição de Dados

Solução Completa em Automação. FieldLogger. Registro e Aquisição de Dados Solução Completa em Automação FieldLogger Registro e Aquisição de Dados Ethernet & USB Até 16GB de memória Conversor A/D 24 bits Até 1000 amostras por segundo Apresentação FieldLogger O FieldLogger é um

Leia mais

Connect-i Manual do Usuário - Português

Connect-i Manual do Usuário - Português Connect-i Manual do Usuário - Português Connect-i Manual do Usuário Contronics Automação Ltda. Rua Tenente Silveira, 225 Ed. Hércules - 10 andar Centro - Florianópolis - SC, 88010-300 Brasil Fone: (48)

Leia mais

RUGOSÍMETRO DE SUPERFÍCIE ITRPSD-100

RUGOSÍMETRO DE SUPERFÍCIE ITRPSD-100 RUGOSÍMETRO DE SUPERFÍCIE ITRPSD-100 1. Introdução Geral O rugosímetro de superfície TIME TR100/TR101 é uma nova geração de produto desenvolvido por TIME Group Inc. Tem como características uma maior

Leia mais

Easy Lab. Manual do usuário Revisão 1.2 01/11/14. www.dma.ind.br. DMA Electronics 1

Easy Lab. Manual do usuário Revisão 1.2 01/11/14. www.dma.ind.br. DMA Electronics 1 Easy Lab Manual do usuário Revisão 1.2 01/11/14 www.dma.ind.br DMA Electronics 1 A DMA ELECTRONICS projeta e fabrica sistemas para aquisição e registro de dados com conexão a um computador do tipo PC.

Leia mais

Central de alarme Ventura GSM

Central de alarme Ventura GSM Central de alarme Ventura GSM Manual do Usuário 1 Índice: 1 Aplicação:... 3 2 Características:... 3 3 Características de funcionamento... 3 4- Apresentação da Central... 4 4.1 Parte externa... 4 4.2 Parte

Leia mais

Guia de consulta rápida

Guia de consulta rápida Guia de consulta rápida DigiFlash Smart Trigger 1 2 3 4 5 17 Smart Trigger 6 7 8 9 16 15 14 13 12 11 10 O DigiFlash Smart Trigger é um dispositivo para disparar flashes a partir de um evento externo. Pode

Leia mais

Transmissores RHT-WM-485-LCD, RHT-DM-485-LCD e RHT-P10-485-LCD

Transmissores RHT-WM-485-LCD, RHT-DM-485-LCD e RHT-P10-485-LCD Transmissores RHT-WM-485-LCD, RHT-DM-485-LCD e RHT-P10-485-LCD TRANSMISSOR DE TEMPERATURA E UMIDADE MANUAL DE INSTRUÇÕES V1.0x B 1 INTRODUÇÃO Os transmissores RHT-WM-485-LCD, RHT-DM-485-LCD e RHT-P10-485-

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO

MANUAL DE INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO ETHERNET BOX MANUAL DE INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO E.P.M. Tecnologia e Equipamentos Ltda. Av. Comendador Gumercindo Barranqueiros, 285 Jardim Samambaia - Jundiaí SP CEP: 13211-410 Telefone (0xx11) 4582-5533

Leia mais

Módulo de Acesso com Teclado 1. Manual do Usuário. Apresentação Instalação Codificação dos Receptores Programações Operações

Módulo de Acesso com Teclado 1. Manual do Usuário. Apresentação Instalação Codificação dos Receptores Programações Operações Módulo de Acesso com Teclado 1 Manual do Usuário Apresentação Instalação Codificação dos Receptores Programações Operações 2 Manual do Usuário Módulo de Acesso com Teclado 3 ÍNDICE CAPÍTULO I - APRESENTAÇÃO...07

Leia mais

ABB Automação. 13.82kV 119.4kA. 13.81kV 121.3kA. 13.85kV 120.2kA IDR 144 INDICADOR DIGITAL REMOTO MODO DE USO

ABB Automação. 13.82kV 119.4kA. 13.81kV 121.3kA. 13.85kV 120.2kA IDR 144 INDICADOR DIGITAL REMOTO MODO DE USO IDR 144 INDICADOR DIGITAL REMOTO MODO DE USO 13.82kV 119.4kA 13.81kV 121.3kA 13.85kV 120.2kA Dados Técnicos Conexões elétricas Utilização do teclado Protocolo de comunicação Modbus RTU Dimensional ABB

Leia mais

CCL. Manual de Instruções. CHAVE DE NÍVEL Tipo Condutiva TECNOFLUID

CCL. Manual de Instruções. CHAVE DE NÍVEL Tipo Condutiva TECNOFLUID Português CCL CHAVE DE NÍVEL Tipo Condutiva Manual de Instruções Leia este manual atentamente antes de iniciar a operação do seu aparelho. Guarde-o para futuras consultas. Anote o modelo e número de série

Leia mais

ST 160 ST 160 0 # Manual de Referência e Instalação

ST 160 ST 160 0 # Manual de Referência e Instalação ST 160 ST 160 1 2 3 4 5 6 7 8 9 0 # Manual de Referência e Instalação Descrições 1 1 2 3 4 5 6 7 8 9 0 # 3 2 Número Descrição 1 Indicador de modo 2 Antena 3 Matriz do Teclado 4 Parafuso Especificações

Leia mais

CENTRAL DE ALARME DE incêndio MODELO NGSG101. Versão 1.03, Agosto 2006 ERP:30303964

CENTRAL DE ALARME DE incêndio MODELO NGSG101. Versão 1.03, Agosto 2006 ERP:30303964 1 CENTRALNGSG101.DOC CENTRAL DE ALARME DE incêndio MODELO NGSG101 Manual de Instalação e de Operação INDICE 1. Generalidades 2. Especificações técnicas 3. Estrutura e configuração 3.1 Aspecto exterior

Leia mais

Descrição Geral...4 Especificações Técnicas...5 2.1 Características Funcionais...5 2.2 Características Ambientais...5 3 Instalação...6 3.

Descrição Geral...4 Especificações Técnicas...5 2.1 Características Funcionais...5 2.2 Características Ambientais...5 3 Instalação...6 3. Manual do Equipamento ME-035_Rev02-AS-0001 AS-0001 Conversor de sinais FO TTL SUMÁRIO 1 2 Descrição Geral...4 Especificações Técnicas...5 2.1 Características Funcionais...5 2.2 Características Ambientais...5

Leia mais

AFERIDOR E PROGRAMADOR DE BANCADA MICROSAD STC-BR

AFERIDOR E PROGRAMADOR DE BANCADA MICROSAD STC-BR MANUAL DE OPERAÇÃO AFERIDOR E PROGRAMADOR DE BANCADA MICROSAD STC-BR STC-BR REV-002 Atenção: Modificações futuras serão reportadas através das Informações de Serviço (I.S.). Este documento é propriedade

Leia mais

Temporizador NT240. TEMPORIZADOR PROGRAMÁVEL - MANUAL DE INSTRUÇÕES V2.0x A INTRODUÇÃO ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS SAÍDAS DO TEMPORIZADOR

Temporizador NT240. TEMPORIZADOR PROGRAMÁVEL - MANUAL DE INSTRUÇÕES V2.0x A INTRODUÇÃO ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS SAÍDAS DO TEMPORIZADOR TEMPORIZADOR PROGRAMÁVEL - MANUAL DE INSTRUÇÕES V2.0x A INTRODUÇÃO O temporizador programável tem como função básica monitorar o tempo e acionar sua saída de acordo com programação previamente realizada

Leia mais

Ness P2 Compressor Parafuso

Ness P2 Compressor Parafuso Ness P2 Compressor Parafuso Índice 1. Descritivo de Funcionamento do Compressor...3 2. Descrição das Setagens...4 2.1.Setagens de Operação de Controle do Compressor...5 2.2.Setagens do Controle de Capacidade...5

Leia mais

Manual de Instruções do Senha Light

Manual de Instruções do Senha Light Manual de Instruções do Senha Light 2 Sumário 1. Apresentação... 4 2. Especificações Técnicas... 4 3. Configuração do Sistema... 5 4. Esquema de Ligação... 5 4.1. Ligação da Fechadura Eletroímã... 6 4.1.1.

Leia mais

RECEPTOR DE SINAIS DE SATÉLITE GPS ELO588 MANUAL DE INSTALAÇÃO

RECEPTOR DE SINAIS DE SATÉLITE GPS ELO588 MANUAL DE INSTALAÇÃO RECEPTOR DE SINAIS DE SATÉLITE GPS ELO588 MANUAL DE INSTALAÇÃO Dezembro de 2011 ELO Sistemas Eletrônicos S.A. 100406082 Revisão 0.0 Índice ÍNDICE... I INTRODUÇÃO 1... 1 CONTEÚDO DESTE MANUAL... 1 ONDE

Leia mais

Manual de instalação e operação

Manual de instalação e operação Manual de instalação e operação Central de alarme de incêndio endereçável INC 2000 Central de alarme de incêndio INC 2000 Parabéns, você acaba de adquirir um produto com a qualidade e segurança Engesul.

Leia mais

Conect. Senha. Manual de Instalação Controle de Acesso C203702R3

Conect. Senha. Manual de Instalação Controle de Acesso C203702R3 Conect Senha C203702R3 Manual de Instalação Controle de Acesso : 1 - Antes de Começar...01 2 - Características Gerais... 02 3 - O Teclado... 03 4 - Instalação... 04 5 - Sinalização Audível... 05 6 - Sinalização

Leia mais

CONTROLADOR DE RODIZIO NANO V 3.0

CONTROLADOR DE RODIZIO NANO V 3.0 CONTROLADOR DE RODIZIO NANO V 3.0 Hardware: CPN1D1A2 CONTROLADOR PROGRAMAVEL C-PRO NANO 12V LED Acessórios: 0065300060 CABO/FIOS C/CONECTOR FEMEA MINIFIT 16 POLOS 1M CPN 0750000131 CONECTOR FEMEA 12 VIAS

Leia mais

Transmissor RHT-WM-485-LCD e Transmissor RHT-DM-485-LCD

Transmissor RHT-WM-485-LCD e Transmissor RHT-DM-485-LCD Transmissor RHT-WM-485-LCD e Transmissor RHT-DM-485-LCD TRANSMISSOR DE TEMPERATURA E UMIDADE - MANUAL DE INSTRUÇÕES V1.0x A 1 INTRODUÇÃO Os transmissores RHT-WM-485-LCD e RHT-DM-485-LCD incorporam sensores

Leia mais

Inclinômetro DMG2I. Guia de configuração e aplicação. Metrolog Controles de Medição Ltda. Metrolog Inclinômetro DMG2I

Inclinômetro DMG2I. Guia de configuração e aplicação. Metrolog Controles de Medição Ltda. Metrolog Inclinômetro DMG2I Metrolog Controles de Medição Ltda Instrumentos de medição para controle dimensional Rua Sete de Setembro, 2671 - Centro - 13560-181 - São Carlos - SP Fone: (16) 3371-0112 - Fax: (16) 3372-7800 - www.metrolog.net

Leia mais

GMT6-C. Monitor de Temperatura Digital. Manual de Instalação e Operação Revisão 03 de 29-10-2009 MGBR08231

GMT6-C. Monitor de Temperatura Digital. Manual de Instalação e Operação Revisão 03 de 29-10-2009 MGBR08231 GRAMEYER Equipamentos Eletrônicos Ltda / GRAMEYER Indústria Eletroeletrônica Ltda. R. Mal. Castelo Branco, 2477 Schroeder SC Brasil 89275-000 e-mail: seriados@grameyer.com.br - www.grameyer.com.br Fones:

Leia mais

CENTRAL DE ALARME BRISA 8 VOZ / BRISA 8 SINAL

CENTRAL DE ALARME BRISA 8 VOZ / BRISA 8 SINAL CENTRAL DE ALARME BRISA 8 VOZ / BRISA 8 SINAL CARACTERÍSTICAS BÁSICAS 8 Zonas programáveis sendo 4 mistas, ou seja, com fio e sem fio e 4 com fio; 1 senha mestre; 1 senha de usuário; Entrada para teclado

Leia mais

Encoder de Quadratura

Encoder de Quadratura R O B Ó T I C A Sensor Smart de Quadratura Versão Hardware:. Versão Firmware: 2. REVISÃO 2.9 Sensor Smart de Quadratura. Introdução Os encoders são equipamentos utilizados para converter movimentos rotativos

Leia mais

Notas de Aplicação. Utilizando ZAP500 com. Encoders. HI Tecnologia. Documento de acesso publico / corporativo

Notas de Aplicação. Utilizando ZAP500 com. Encoders. HI Tecnologia. Documento de acesso publico / corporativo Notas de Aplicação Utilizando ZAP500 com Encoders HI Tecnologia Documento de acesso publico / corporativo ENA.00015 Versão 1.01 dezembro-2013 HI Tecnologia Utilizando ZAP500 com Encoders Apresentação Esta

Leia mais

Relógio Pontto MD40 LCD

Relógio Pontto MD40 LCD Relógio Pontto MD40 LCD Manual de Instruções Relógio Pontto - MP04102-01 Rev 05 17/05/2011 PG - 1 - Índice 1 INTRODUÇÃO... 3 2 APRESENTAÇÃO... 4 2.1 APARÊNCIA EXTERNA...4 2.2 INFORMAÇÕES APRESENTADAS NO

Leia mais

Medidor de Umidade/Moisture sem Pino com Memória + Termômetro IV

Medidor de Umidade/Moisture sem Pino com Memória + Termômetro IV GUIA DO USUÁRIO Medidor de Umidade/Moisture sem Pino com Memória + Termômetro IV Modelo MO295 mbar GPP RH% 01 MEM STORE MO295 Introdução Parabéns por sua compra do Medidor de Umidade/Moisture Sem Pino

Leia mais

- -Pressionando essa tecla podemos diminuir os valores a serem ajustados no menu de programação.

- -Pressionando essa tecla podemos diminuir os valores a serem ajustados no menu de programação. Apresentação 1 Display LCD 2 Tecla + (aumentar) 3 Tecla Seleção 4 Tecla (diminuir) 5 Tecla Motor manual 6 Tecla Reset contador 7 Led Indica painel ligado 8 Led resistência ligada 9 Led Prensa ligada 10

Leia mais

MANUAL SUSPENSÃO MECÂNICA SENSOR DE ÂNGULO

MANUAL SUSPENSÃO MECÂNICA SENSOR DE ÂNGULO 2015 MANUAL SUSPENSÃO MECÂNICA SENSOR DE ÂNGULO SUSPENSÃO MECÂNICA SENSOR DE ÂNGULO Passo 1: O primeiro passo é determinar qual versão do Sensor de Ângulo foi incluído no seu kit. Existe uma versão Direita

Leia mais

CR20I MANUAL DO USUÁRIO

CR20I MANUAL DO USUÁRIO CR20I MANUAL DO USUÁRIO R Índice Descrição Geral... 3 Aplicações... 3 Características Técnicas... 3 Modo de Operação... 3 Programação... 4 Esquema de Ligações... 9 Dimensões (mm)... 10 2 Indicador CR20IG

Leia mais

Manual do instalador Box Input Rev. 0.01.000. Figura 01 Apresentação do Box Input.

Manual do instalador Box Input Rev. 0.01.000. Figura 01 Apresentação do Box Input. Pág. 1/10 Apresentação Equipamento para detecção de acionamentos e monitoração de sensores. Comunicação com outros dispositivos por rede CAN. Possui seis entradas digitais optoacopladas com indicação de

Leia mais

Microcontrolador Modelix 3.6

Microcontrolador Modelix 3.6 Curso de Robótica 1 Curso de Robótica Introdução à robótica O desenvolvimento da robótica surgiu da necessidade de se aperfeiçoar processos de fabricação, no sentido de melhorar a qualidade dos produtos.

Leia mais

Relé de Proteção do Motor RPM ANSI 37/49/50/77/86/94 CATÁLOGO. ELECTRON TECNOLOGIA DIGITAL LTDA Página 1/5

Relé de Proteção do Motor RPM ANSI 37/49/50/77/86/94 CATÁLOGO. ELECTRON TECNOLOGIA DIGITAL LTDA Página 1/5 CATÁLOGO ELECTRON TECNOLOGIA DIGITAL LTDA Página 1/5 INTRODUÇÃO O Relé de Proteção de Motores RPM foi desenvolvido para supervisionar até 2 (dois) grupos ventiladores/motores simultaneamente, é utilizado

Leia mais

Manual de Operação REV 2.2 MMD1 Virtual Sistema Inteligente (VSI) VERSÃO 2.7 OPERAÇÃO

Manual de Operação REV 2.2 MMD1 Virtual Sistema Inteligente (VSI) VERSÃO 2.7 OPERAÇÃO Manual de Operação REV 2.2 MMD1 Virtual Sistema Inteligente (VSI) VERSÃO 2.7 OPERAÇÃO Parabéns! Você acaba de adquirir um produto de alta confiabilidade, projetado e construído dentro dos mais rígidos

Leia mais

Electron do Brasil. Tecnologia ao seu alcance. Tecnologia Digital. www.electrondobrasil.com. Catálogo Monitemp - rev3. Qualidade Comprovada!

Electron do Brasil. Tecnologia ao seu alcance. Tecnologia Digital. www.electrondobrasil.com. Catálogo Monitemp - rev3. Qualidade Comprovada! Electron do Brasil Tecnologia Digital Qualidade Comprovada! Ensaios de Tipo Realizados Tecnologia ao seu alcance Catálogo Monitemp - rev3 Produtos Certificados! www.electrondobrasil.com O Monitor de Temperatura

Leia mais

Modelo R02 - Volume 3 - Manutenção e Instalação

Modelo R02 - Volume 3 - Manutenção e Instalação Modelo R02 - Volume 3 - Manutenção e Instalação INTRODUÇÃO O equipamento Prisma Super Fácil foi desenvolvido com a finalidade de registrar a frequência dos colaboradores obedecendo às especificações da

Leia mais

ACS2000 Sistema de contagem de eixos universal

ACS2000 Sistema de contagem de eixos universal ACS2000 Sistema de contagem de eixos universal PT ACS2000 Sistema de contagem de eixos universal Amigável ao cliente e comprovado Com a implementação do ACS2000 há alguns anos, foram estabelecidos novos

Leia mais

Monitor de Temperatura MONITEMP

Monitor de Temperatura MONITEMP ELECTRON TECNOLOGIA DIGITAL LTDA Página 1/5 INTRODUÇÃO O Monitor de Temperatura MoniTemp foi desenvolvido para supervisionar até 3 (três) canais de temperatura simultaneamente, ele é utilizado para proteger

Leia mais

TopPendrive Manual de Instruções TopPendrive - MP07301-01 Rev 06-03/05/2010 PG - 1 -

TopPendrive Manual de Instruções TopPendrive - MP07301-01 Rev 06-03/05/2010 PG - 1 - TopPendrive Manual de Instruções TopPendrive - MP07301-01 Rev 06-03/05/2010 PG - 1 - Índice Manual de Instruções TopPendrive - MP07301-01 Rev 06-03/05/2010 PG - 2 - ÍNDICE 1 APRESENTAÇÃO... 3 1.1 ACESSÓRIOS

Leia mais

Máx Unid Padrão. Mín 1 / 0.1 0/0 0/0 0/0 0/0 100 / 6.9 100 / 6.9 100 / 6.9 999 150.0 / 302 5.0/9 2 -50.0 / -58 0.1/1 1 / 0.

Máx Unid Padrão. Mín 1 / 0.1 0/0 0/0 0/0 0/0 100 / 6.9 100 / 6.9 100 / 6.9 999 150.0 / 302 5.0/9 2 -50.0 / -58 0.1/1 1 / 0. PCT6 plus CONTROLADOR DIGITAL DE PRESSÃO PARA CENTRAIS DE REFRIGERAÇÃO Ver. PCT6VT74. DESCRIÇÃO O PCT6 plus é um controlador de pressão para ser utilizado em centrais de refrigeração que necessitem de

Leia mais

CRD300 Placa de Controle Remoto DTMF/Serial. Manual de Instalação e Operação. Versão 2.1 Revisão de Hardware D

CRD300 Placa de Controle Remoto DTMF/Serial. Manual de Instalação e Operação. Versão 2.1 Revisão de Hardware D CRD300 Placa de Controle Remoto DTMF/Serial Manual de Instalação e Operação Versão 2.1 Revisão de Hardware D Abril/2009 Indice Suporte Técnico... 01 Precauções... 01 Termo de Garantia... 01 Apresentação

Leia mais

Manual do usuário IPR 8000

Manual do usuário IPR 8000 Manual do usuário IPR 8000 IPR 8000 Porteiro residencial Parabéns, você acaba de adquirir um produto com a qualidade e segurança Intelbras. O porteiro residencial IPR 8000 possui saída para fechadura

Leia mais

PLANATC. Manual de Instalação. Scanner SC-7000

PLANATC. Manual de Instalação. Scanner SC-7000 Manual de Instalação Scanner SC-7000 1 Sistema de comunicação e análise da injeção eletrônica - Scanner SC-7000. O Scanner SC-7000 é um equipamento de fácil utilização para profissionais em injeção eletrônica

Leia mais

Sagômetro Digital. Manual de Instalação e Operação

Sagômetro Digital. Manual de Instalação e Operação Manual de Instalação e Operação MANUAL DE INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO APRESENTAÇÃO: Esse instrumento foi especialmente desenvolvido para realizar medições de Ságitas em Blocos Oftálmicos onde através de software

Leia mais

DOM SEG TER QUA QUI SEX SAB DATAFIT

DOM SEG TER QUA QUI SEX SAB DATAFIT DOM SEG TER QUA QUI SEX SAB PM ENT SAI ENT SAI Manual do usuário DATAFIT Nenhuma parte desta publicação pode ser reproduzida sem permissão da Diponto Ltda. As informações e especificações técnicas podem

Leia mais

Manual. Controle de motores via Bluetooth. William Trevine

Manual. Controle de motores via Bluetooth. William Trevine A Manual Controle de motores via Bluetooth 1 William Trevine Sumário 1 Introdução... 4 2 Características... 5 3 Instalação... 6 3.1 Alimentação... 7 3.2 Motores... 8 3.3 Liga e desliga... 9 3.4 Saídas

Leia mais

Manual de utilização do módulo NSE METH-8RL/Exp

Manual de utilização do módulo NSE METH-8RL/Exp INSTALAÇÃO 1 - Baixe o arquivo Software Configurador Ethernet disponível para download em www.nse.com.br/downloads-manuais e descompacte-o em qualquer pasta de sua preferência. 2 - Conecte a fonte 12Vcc/1A

Leia mais

Henry Equipamentos Eletrônicos e Sistemas Ltda.

Henry Equipamentos Eletrônicos e Sistemas Ltda. Henry Equipamentos Eletrônicos e Sistemas Ltda. +55 41 3661-0100 Rua Rio Piquiri, 400 - Jardim Weissópolis - Pinhais/PR - Brasil CEP: 83322-010 CNPJ: 01.245.055/0001-24 Inscrição Estadual: 90.111.008-53

Leia mais

Manual de Operação. Impressora Térmica Não fiscal ZP220 UBT 1-12

Manual de Operação. Impressora Térmica Não fiscal ZP220 UBT 1-12 Manual de Operação Impressora Térmica Não fiscal ZP220 UBT 1-12 1. INTRODUÇÃO ZP220-UBT é uma impressora térmica top de linha que trabalha em alta velocidade de impressão, baixo nível de ruído de impressão,

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO ST240

MANUAL DE INSTALAÇÃO ST240 MANUAL DE INSTALAÇÃO ST240 SUMÁRIO Descrição do Rastreador ST-240... 03 Descrição das entradas e saídas... 03 Led indicador GPS - Vermelho... 04 Led indicador GPRS - Azul... 04 Dicas de instalação... 05

Leia mais

Comm5 Tecnologia Manual de utilização da família MI. Manual de Utilização. Família MI

Comm5 Tecnologia Manual de utilização da família MI. Manual de Utilização. Família MI Manual de Utilização Família MI ÍNDICE 1.0 COMO LIGAR O MÓDULO... pág 03 e 04 2.0 OBJETIVO... pág 05 3.0 COMO CONFIGURAR O MÓDULO MI... pág 06, 07, 08 e 09 4.0 COMO TESTAR A REDE... pág 10 5.0 COMO CONFIGURAR

Leia mais

IPR 8000. Porteiro residencial MANUAL DO USUÁRIO

IPR 8000. Porteiro residencial MANUAL DO USUÁRIO IPR 8000 Porteiro residencial MANUAL DO USUÁRIO Porteiro residencial Modelo IPR 8000 Parabéns, você acaba de adquirir um produto com a qualidade e a segurança Intelbras-Maxcom. O porteiro residencial

Leia mais

com tecnologia Bluetooth

com tecnologia Bluetooth com tecnologia Bluetooth MANUAL DO USUÁRIO DESCRIÇÃO O JFA Smart Control permite controlar à distância as funções básicas do player como mudança de música e pasta, volume, pause, play e power. Esse controle

Leia mais

Manual. Usuário. Time Card

Manual. Usuário. Time Card Manual do Usuário Time Card 1 Índice 1- Introdução...3 2 - Conteúdo da embalagem...3 3 - Instalação do Relógio...3 4 - Instalação da Sirene...4 5 - Tabela de Códigos e Funções...5 6 - Conhecendo o Display...5

Leia mais

Relógio Digital de Parede com comunicação NTP. Manual de configuração e instalação

Relógio Digital de Parede com comunicação NTP. Manual de configuração e instalação Relógio Digital de Parede com comunicação NTP Manual de configuração e instalação ÍNDICE Itens pág. 1. Apresentação...3 2. Modelos...4 3. Modos de operação...5 4. Instalação sem conexão à Internet...6

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO TETROS AUTO

MANUAL DE INSTALAÇÃO TETROS AUTO MANUAL DE INSTALAÇÃO TETROS AUTO N de Homologação: 1703-09-2791 Versão 1.00 Manual de Instalação TETROS AUTO 2 Índice Página 1. Introdução... 3 2. Especificações técnicas... 4 3. Conhecendo o equipamento...

Leia mais

0932 INF 01/12. Pág. 1 de 8

0932 INF 01/12. Pág. 1 de 8 Pág. 1 de 8 LABORÓRIO Laboratóro de ensaios da TÜV RHEINLAND DO BRASIL Técnico responsável Gerente Técnico do Laboratório Laboratório...: TÜV Rheinland do Brasil Ltda. Endereço...: Rua dos Comerciários,

Leia mais

GPRS Universal. Manual do Instalador. C209994 - Rev 0

GPRS Universal. Manual do Instalador. C209994 - Rev 0 GPRS Universal Manual do Instalador C209994 - Rev 0 » Introdução: Antes da instalação deste produto, recomendamos a leitura deste manual, que contém todas as informações necessárias para a correta instalação

Leia mais