O SISTEMA DE INFORMAÇÃO CONTÁBIL UTILIZADO NOS EMPREENDIMENTOS DE ECONOMIA SOLIDÁRIA:

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O SISTEMA DE INFORMAÇÃO CONTÁBIL UTILIZADO NOS EMPREENDIMENTOS DE ECONOMIA SOLIDÁRIA:"

Transcrição

1 O SISTEMA DE INFORMAÇÃO CONTÁBIL UTILIZADO NOS EMPREENDIMENTOS DE ECONOMIA SOLIDÁRIA: uma analise dos modelos utilizados pelos Empreendimentos Econômicos solidários incubados pelo PITCPES/UFPA Ailton Castro Pinheiro Discente do Curso de Ciências Contábeis/UFPA Bolsista do Programa Incubadora Tecnológicas de Cooperativas Populares e Empreendimentos Solidários. Francivaldo Albuquerque Bacharel em Ciências Contábeis /UFPA Especialista em docência do ensino Superior Técnico do Núcleo Gestão-PITCPES/UFPA Resumo A contabilidade é uma Ciência que visa gerar informações para que gestores de diferentes entidades tomem decisões mais precisas, tendo como parâmetros os instrumentos gerados pelas técnicas contábeis, a fim de melhor dimensionar seu patrimônio. O objetivo deste trabalho é saber de que forma os Empreendimentos Econômicos Solidários (EES), que têm limitações na gestão e consequentemente controle dos processos de produção, fazem os registros das suas movimentações financeiras, e se o método utilizado é relevante para tomada de decisão. Neste sentido, fez-se um estudo dos instrumentos utilizados por alguns empreendimentos incubados pelo Programa Incubadora Tecnológica de Cooperativas Populares e Empreendimentos Solidários (PITCPES), com base nos documentos encontrados no acervo do PITCPES e de visitas realizadas aos empreendimentos. Para isto, fez-se um paralelo entre a contabilidade empresarial e contabilidade utilizada pelos EES, tendo em vista saber de que forma se há diferença no uso dos instrumentos contábeis nesses dois tipos de entidades. Introdução A Contabilidade é um instrumento de gestão que auxilia na tomada de decisões. Conforme Iudícibus (1995, p. 26) o objetivo principal da contabilidade (e dos relatórios dela emanados) é fornecer informação econômica relevante para que cada usuário possa tomar suas decisões e realizar seus julgamentos com segurança. A estrutura pedagógica da Contabilidade está voltada, em grande medida, para o ensino da Contabilidade das grandes empresas, como pode ser observada na estrutura curricular dos cursos de Ciências Contábeis, ou mesmo nos livros que tratam sobre o tema. No entanto, a Contabilidade é uma ciência e como tal precisa atender a necessidade de toda e qualquer entidade que atue de forma licita, independente do porte da mesma. Em tempos em que se acirram cada vez mais as desigualdades sociais e a concentração de renda, a Contabilidade precisa mostrar que tem um papel importante de Responsabilidade Social, mas para isso precisa de recursos humanos da área contábil que tenha um novo enfoque no que tange a Ciência Contábil. 1

2 Uma das maiores dificuldades dos Empreendimentos Econômicos Solidários (EES 1 ), que passam pelo processo de incubação é quanto ao tratamento de sua Contabilidade, conforme já observado em pesquisas anteriores de Dias, Fernandes e Silva (2002, p. 2). Geralmente na prestação de contas é quando ocorre a maioria dos conflitos, pois cooperados e associados querem cada vez mais transparência na gestão de empreendimentos. Seria interessante se os mesmos instrumentos contábeis utilizados pelas grandes entidades capitalistas fossem utilizados pelos EES. No entanto, Iudícibus (1995, p.82) afirma que os relatórios contábeis não são capítulos de novelas empresariais que qualquer pessoa mobralizada possa entender [...], ou seja, o usuário precisa possuir o mínimo de conhecimento Para o entendimento das informações, por isso, nos empreendimentos solidários, seria pouco relevante à aplicação de modelos contábeis rigorosos, por exemplo, os presentes na Lei nº 6404/76, justamente porque quem mais precisa das informações são os associados e cooperados que, salvas exceções, são pessoas de pouco conhecimento formal. Neste contexto, o objetivo do trabalho é identificar quais são os instrumentos contábeis utilizados pelos EES para o registro de suas movimentações financeiras e sua relevância para a tomada de decisão. Os Empreendimentos Econômicos Solidários e o Programa Incubadora Tecnológica de Cooperativas Populares e Empreendimentos Solidários De acordo com Eid e Gallo apud (MACIEL, 2008, p.2) os empreendimentos econômicos solidários são definidos como organizações coletivas de trabalhadores voltados para a geração de trabalho e renda, regidos, idealmente, por princípios de autogestão, democracia, participação, igualitarismo, cooperação no trabalho, auto sustentação, desenvolvimento humano e responsabilidade social. Nesse sentido, o empreendimento é um tipo diferente de organização do trabalho em relação às empresas capitalistas, pois o objetivo não é gerar lucro e nem concentrar a renda, mas sim proporcionar o bem estar de cooperados e associados, assim como o desenvolvimento social de seu entorno. Estes empreendimentos estão inseridos em outra economia: a Economia Solidaria que para Eid e Gallo (Idem, 2008, p.2) consiste em um conjunto de experiências coletivas de trabalho, produção, comercialização e créditos organizadas sob diversas formas: cooperativas e associações de produção, empresas autogestionaria, bancos comunitários, clubes de trocas, bancos do povo e diversas organizações populares urbanas e rurais. Portanto, trata-se de empreendimentos que possuem limitações em face de não disponibilizarem de conhecimentos capazes de operar determinadas exigências da produção, da gestão e do mercado. Isto porque um empreendimento Econômico Solidário (EES) caracteriza-se por: 1. Trabalho associativo e autogestionario; 2. Propriedade coletiva; 3. Respeito às diversidades; 4. Distribuição da riqueza e prática do preço justo; 5. Desenvolvimento local e sustentável. O Programa Integrado de Ensino, Pesquisa e Extensão intitulado Incubadora Tecnológica de Cooperativas Populares e Empreendimentos solidários-pitcpes/ufpa visa apoiar e acompanhar empreendimentos solidários no âmbito rural e urbano. Suas ações 1 Aqueles que estão pautados nos princípios da economia solidária (trabalho associativo e autogestionário, propriedade coletiva, respeito às diversidades, distribuição da riqueza, prática do preço justo e desenvolvimento local e sustentável). 2

3 buscam atender demandas relativas à gestão e inovação da produção, a partir da unidade entre economia e sociedade, tendo em vista a geração de trabalho e renda, na perspectiva do desenvolvimento local sustentável. O PITCPES constiu-se como laboratório de articulação entre ensino pesquisa e extensão, na medida em que tem por princípio habilitar discente de graduação e de pósgraduação à produção de conhecimento com base na pesquisa aplicada, ou seja, as reflexões teóricas são vinculadas ao exercício prático, a partir da troca entre o conhecimento técnico e os saberes populares dos trabalhadores(as) nos empreendimentos Solidários (PITCPES/UFPA2008). Características da Contabilidade Empresarial O objetivo da Contabilidade é prestar informações para a tomada de decisões. Em uma grande empresa onde o principal objetivo é gerar lucro, assim, as informações das Ciências Contábeis são utilizadas de maneira estratégica, para o maior crescimento da empresa, ou seja, aumentar os lucros e diminuir os custos. Em uma grande empresa como uma Sociedade Anônima (S.A.), por exemplo, os responsáveis pela tomada de decisões possuem instrumentos contábeis como Balanço Patrimonial, Demonstrações do Resultado do Exercício, Fluxo de Caixa, Demonstração das Origens e Aplicação dos Recursos e vários outros controles e relatórios financeiros, que possibilitem respostas às perguntas como, por exemplo: como está a saúde financeira e econômica da empresa? Quais os bens e direitos de propriedade da empresa? Quais as obrigações que têm o empreendimento no período de um ou mais ano? Quanto os sócios investiram? Qual o resultado alcançado no ano x? Qual a viabilidade de um determinado investimento? E outras indagações, além disso, fazem uso da auditoria, análise e planejamento orçamentário, que juntos com as demonstrações financeiras vão embasar melhor o processo de tomada de decisões. Em uma grande empresa capitalista a contabilidade faz uso da técnica contábil para que através dela possa obter os instrumentos necessários para a tomada de decisão. Segundo Sá (1994, p.419) a técnica contábil é um conjunto de procedimentos adotados em contabilidade para registrar ou levantar os fatos patrimoniais as técnicas são: escrituração (partidadas simples ou dobradas), as demonstrações financeiras, auditoria e análise das Demonstrações Financeiras. As empresas utilizam o método das partidas dobradas, como o principal método de escrituração. Este método é denominado de partidas dobradas (partida=registro=escrituração=lançamento) porque o mesmo valor é lançado em duas contas, no mínimo, através dos débitos e créditos. A finalidade de se lançar em dois lugares é manter a equação de trabalho ou de equilíbrio patrimonial em situação de igualdade (PADOVEZE, 1991, p.83). Como exemplo mostra-se um lançamento típico deste método: a companhia Albertina solicitou um financiamento ao Banco coroa no valor de $ ,00 cujo valor foi depositado na conta bancária da empresa, aberto nesta oportunidade: Tabela 1: modelo simplificado de livro diário Data 20/12/xx Débito Banco conta movimento Crédito Financiamento Valor $ ,00 Fonte: elaboração do autor, a partir de estudos bibliográficos. 3

4 O modelo de Informação Contábil utilizado pelos EES Nos Empreendimentos Econômicos Solidários o objetivo não é gerar o lucro, mas sim o bem estar de seus membros, no entanto o não gerar lucro não significa que o empreendimento não tenha que se desenvolver economicamente. A diferença é que em uma empresa apenas os sócios se beneficiarão dos lucros, enquanto nos EES todos terão direito às sobras (excedente econômico que constitui o lucro de uma empresa) e ainda a comunidade, em que estão inseridos, pois umas das características dos empreendimentos solidários é o desenvolvimento local e sustentável. Diferentemente do modelo utilizados pelas grandes empresas, nos EES a escrituração é feita, inicialmente, utilizando o método das partidas simples, que Marion (1995, p.123) aborda da seguinte maneira: Há empresas, ou mesmo pessoas físicas, que fazem contabilidade pelo método das partidas simples, ou seja, contabilizam apenas um débito ou apenas um crédito. Suponha-se um pequeno agricultor, sem muita preocupação de controle, realizando os seguintes lançamentos: 1. Venda avista de sua produção: debita (ou lança entrada de dinheiro) o caixa 2. Compra a vista de sementes: credita (ou lança saída do dinheiro) 3. Empresta dinheiro do Banco x: credita (ou lança como divida) o banco x. 4. Vende a prazo para a cooperativa y: debita (ou lança como valor a receber) a cooperativa y. Como resultado deste método (partida simples), os EES obtêm os seus instrumentos, que serão utilizados para o controle das movimentações financeiras, são eles: controle de caixa (controla a entrada e saída de dinheiro), controle da conta corrente bancária (serve para ter um controle do dinheiro que se dispõe no banco), controle de contas a pagar (evidencia as obrigações da entidade) e controle de contas a receber (evidencia o direito que a entidade tem com seus clientes). Assim, vejo um exemplo de demonstração de método das partidas simples em uma cooperativa que atua no ramo da venda de açaí in natura, em que se realizou as seguintes operações no 03/02/2008: 1. Vendeu 30 rasas de açaí, no valor de R$70,00 a unidade, obtendo com isso uma receita de R$2.100,00; 2. Comprou da cooperativa z R$270,00 em material para uso diário, pagando metade à vista e metade a prazo para pagar em 30 dias; 3. Fez um empréstimo bancário, para pagar alongo prazo, no valor de R$ 3.000,00 4. Vendeu uma parte de sua produção no valor de R$3.000,00 recebendo metade a vista e a outra metade a prazo com vencimento em 30 dias. Tabela 2: modelo de ficha de controle de caixa FICHA DE CONTROLE DE CAIXA DATA HISTÓRICO ENTRADA SAIDA SALDO Saldo do dia R$500,00 anterior 03/02/2008(lançamento Venda de açaí R$2.100,00 nº 01) 03/02/2008(lançamento Material de uso R$135,00 nº 2) diário 03/02/2008(lançamento Venda da produção R$1.500,00 nº 4) 4

5 Apuração do saldo Total da entrada+ saldo do dia anterior Total da saída Saldo do dia R$4.100,00 R$135,00 R$3.965,00 Responsável folha nº----- Fonte: Curso de contabilidade para EES, elaborados por ALBUQUERQUE & PIRES (2008, p.7), Técnicos do PITCPES-UFPA, Tabela 3: modelo de ficha de controle de conta bancária CONTROLE DE CONTA CORRENTE BANCARIA AG: x C/G: xxyyss BANCO: B DATA ENTRADAS SAIDAS SALDO HISTÓRICO VALOR HISTORICO VALOR VALOR 03/02/2008(lançamento nº 03) Empréstimo R$3.000,00 Fonte: de contabilidade para EES, elaborados por ALBUQUERQUE & PIRES (2008, p.8), Técnicos do PITCPES-UFPA, Tabela 4: modelo de ficha de contas a receber CONTROLES DE CONTAS A RECEBER NOME DO CLIENTE VALOR A RECEBER VENCIMENTO LIQUIDAÇÃO (DATA) OBSERVAÇOES (DATA) Cooperativa Y(lançamento nº 4) 1.500,00 3/03/ /03/2008 Fonte: de contabilidade para EES, elaborados por ALBUQUERQUE & PIRES (2008, p.9), Técnicos do PITCPES-UFPA, Tabela 5: modelo de ficha de controle de contas a pagar CONTROLE DE CONTAS A PAGAR NOME DO VALOR A PAGAR VENCIMENTO LIQUIDAÇÃO (DATA) OBSERVAÇOES FORNECEDOR (DATA) Cooperativa Z R$135,00 03/03/ /03/2008 Fonte: de contabilidade para EES, elaborados por ALBUQUERQUE & PIRES (2008, p.7), Técnicos do PITCPES-UFPA, Embora haja alguns números relativos ao negócio, percebe-se que o método das partidas simples é imperfeito por revelar insuficiência de dados para a tomada de decisão. Essa razão por que tal método não é largamente utilizado (MARION, 1995, p.124). O regime contábil 2 utilizado pelos EES também se diferencia dos utilizados pelas empresas, enquanto a empresa utiliza o regime da competência 3, os EES fazem uso do regime 2 Processo de registro em contabilidade; normas que orientam o controle e o registro dos fatos patrimoniais (SÁ, 1994,p.394). 3 Norma contábil pela qual os ingressos e os custos são atribuídos ao exercício a que pertencem, embora recebidos e pagos em outros exercícios (SÀ, 1994, p394). 5

6 de caixa 4. Conforme já observado em pesquisas anteriores de Dias, Fernandes e Silva (2002 p.9): A adoção do princípio da competência viria a criar conflitos (a curto prazo) entre o saldo de caixa e o lucro apurado, e por este motivo pensamos que o procedimento ora adotado atende às necessidades dos cooperados, por outro lado, em função da não adoção do principio da competência, algumas informações não são contabilizadas tempestivamente, notadamente àquelas que envolvem apropriação de despesa. Neste sentido acreditamos que a superação deste problema está na adoção de um sistema híbrido de registro das contas de resultado, onde as receitas, por serem à vista, não precisarão ser apropriadas, mas determinadas despesas poderão ser apropriadas, possibilitando controle de contas a pagar e receber. Outro instrumento utilizado pelos EES é o orçamento que no âmbito da Contabilidade Pública, tendo como parâmetro um modelo mais tradicional de orçamento, Kohama (1998, p.64), conceitua da seguinte maneira: orçamento é um ato de previsão de receita e fixação da despesa para um determinado período de tempo, geralmente, um ano, e constitui o documento fundamental das finanças do Estado, bem como da contabilidade pública. Diante da fragilidade do sistema contábil utilizado inicialmente pelo EES, no que se refere à tomada de decisão, eles utilizam o orçamento como apoio para a tomada de decisão. Este orçamento é feito com base nos relatórios financeiros básicos e por isso são simples previsão de receitas e despesas com base nas experiências dos anos anteriores. Portanto entende-se, que o orçamento é um instrumento de planejamento minucioso, onde serão previstos receitas e fixados despesas, para que os EES tomem decisões utilizando parâmetros para isso, como por exemplo, qual é a meta de venda para o próximo ano; quanto deve ser a produção; quanto poderá consumir em suas atividades cotidianas; qual o alvo do empreendimento em relação a sobras etc. (FERNANDES, 2007). No final do ano realiza-se um confronto entre os valores orçados e os realizados, com o objetivo de identificar as variações favoráveis ou desfavoráveis em relação ao orçamento. Identificadas às variações, medidas devem ser tomadas no sentido de corrigir a rota e direcionar as ações em direção dos alvos. Considerações Finais Os empreendimentos Econômicos Solidários utilizam, inicialmente, um método simples para fazer o registro de suas movimentações financeiras, são simples devido as suas próprias características: pessoas de baixa escolaridade e que sobrevivem com renda mínima. Através do método das partidas simples é possível se chegar a um sistema contábil simplificado, em que se utiliza dos controles financeiros básicos: caixa, banco conta corrente bancária, contas a pagar e a receber. Esses controles financeiros são de extrema importância no início do empreendimento, pois através deles é possível manter a transparência financeira; a apuração do resultado do exercício, que é feito através dos confrontos entre as receitas e as despesas; distribuição das sobras que é o resultado positivo da apuração do resultado e também para o controle efetivo do patrimônio. Apesar de ter uma importância significativa para a gestão dos EES, os controles não são o suficiente para que possam ser usados como instrumentos de tomada de decisões, justamente porque não fornecem informações suficientes que embasem o processo decisório. Outro instrumento utilizado pelos EES é o orçamento, este ajuda no processo decisório do 4 Norma contábil pela qual os ingressos são atribuídos ao exercício em que são recebidos e os custos ao exercício em que são pagos (SÀ, 1994, p394). 6

7 empreendimento, pois é utilizado como uma ferramenta de planejamento a fim de colocar as metas que eles desejam alcançar. Esse orçamento é feito com base nas informações advindas dos controles financeiras e se diferencia do orçamento empresarial, por seu caráter simplificado, pois são feitos de maneira que todos os associados e cooperados possam entender. Pensa-se que os EES poderiam utilizar o mesmo método e instrumentos hoje praticados pelas grandes empresas capitalistas, mas a maneira como organizam o seu controle patrimonial atende a necessidade dos cooperados e associados, porém na medida em que estes empreendimentos tiverem uma evolução no seu patrimônio será preciso uma evolução também no sistema contábil. 7

8 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS AlBUQUERQUE& PIRES.Curso:Contabilidade para Empreendimentos Solidários,Belém PA:PITCPES/UFPA,2008 BARBIER, René. A pesquisa-ação. Tradução de Lucie Didio. Brasília: Líber Editora, DIAS, Lidiane Nazaré da Silva. SILVA, Marinaldo, FERNANDES, José Wilson. A importância da Contabilidade nas organizações populares: o caso do sistema de informação contábil utilizado na Cooperativa de Serviços Gerais do município de Belém. 2 seminário de controladoria, São Paulo: USP, GIL, Antonio Carlos. Métodos e técnicas de pesquisa social. 5º Ed. São Paulo: Atlas, IUDÍCIBUS, Sergio de. Teoria da Contabilidade. 4º Ed. São Paulo: Atlas, MACIEL, Alanne Barbosa. Curso: Associativismo e Cooperativismo, Belém- PA:PITCPES/UFPA2008 MARION, José Carlos. Contabilidade Básica. 3º Ed. São Paulo: Atlas, PADOVEZE, Clóvis Luís. Manual de Contabilidade Básica. 2º Ed. São Paulo: Atlas, SÁ, A.Lopes de. Dicionário de Contabilidade. 8º Ed. São Paulo: Atlas, FERNANDES, José Luiz Nunes. Contabilidade Gerencial: eficaz ferramenta da controladoria. 1ºEd. Belém-PA, ANGÉLICO, João de. Contabilidade Pública. 8º Ed. São Paulo: Atlas, KOHAMA, Helio. Contabilidade Pública. 6º Ed. São Paulo: Atlas,

9 9

10 10

Fundação Biblioteca Nacional ISBN 978-85-7638-769-5

Fundação Biblioteca Nacional ISBN 978-85-7638-769-5 Contabilidade Itamar Miranda Machado Contabilidade 1.ª edição 2007 IESDE Brasil S.A. É proibida a reprodução, mesmo parcial, por qualquer processo, sem autorização por escrito dos autores e do detentor

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS Programa de Graduação em Ciências Contábeis com Ênfase em Controladoria

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS Programa de Graduação em Ciências Contábeis com Ênfase em Controladoria PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS Programa de Graduação em Ciências Contábeis com Ênfase em Controladoria Aline Fernanda de Oliveira Castro Michelle de Lourdes Santos A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE

Leia mais

ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS: ESTUDO DE CASO DA EMPRESA MA PROMOTORA DE EVENTOS LTDA. Luciana da Silva Moraes 1. Moisés Araújo Guarda 2

ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS: ESTUDO DE CASO DA EMPRESA MA PROMOTORA DE EVENTOS LTDA. Luciana da Silva Moraes 1. Moisés Araújo Guarda 2 1 ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS: ESTUDO DE CASO DA EMPRESA MA PROMOTORA DE EVENTOS LTDA. Luciana da Silva Moraes 1 Moisés Araújo Guarda 2 Sara Alexssandra Gusmão França 3 RESUMO Este artigo versa

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA: UM INSTRUMENTO AO PROCESSO DECISÓRIO

DEMONSTRAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA: UM INSTRUMENTO AO PROCESSO DECISÓRIO DEMONSTRAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA: UM INSTRUMENTO AO PROCESSO DECISÓRIO Priscila Rubbo 1 Paulo Roberto Pegoraro 2 Resumo: O demonstrativo do fluxo de caixa tem como finalidade a projeção das entradas e saídas

Leia mais

FLUXO DE CAIXA: IMPORTANTE FERRAMENTA PARA AS DECISÕES EMPRESARIAIS Cristiane Aparecida MOTA 1 Hiroshi Wilson YONEMOTO 2 Marcela de Souza CABRAL 3

FLUXO DE CAIXA: IMPORTANTE FERRAMENTA PARA AS DECISÕES EMPRESARIAIS Cristiane Aparecida MOTA 1 Hiroshi Wilson YONEMOTO 2 Marcela de Souza CABRAL 3 1 FLUXO DE CAIXA: IMPORTANTE FERRAMENTA PARA AS DECISÕES EMPRESARIAIS Cristiane Aparecida MOTA 1 Hiroshi Wilson YONEMOTO 2 Marcela de Souza CABRAL 3 RESUMO: Este trabalho tem a intenção de demonstrar a

Leia mais

UNIDADE 1 ESTÁTICA PATRIMONIAL Aula 01 Introdução - A linguagem da contabilidade

UNIDADE 1 ESTÁTICA PATRIMONIAL Aula 01 Introdução - A linguagem da contabilidade UNIDADE 1 ESTÁTICA PATRIMONIAL Aula 01 Introdução - A linguagem da contabilidade Professora M. Sc. Crísley do Carmo Dalto Graduação em Ciências Contábeis (UFES) Especialista em Contabilidade Gerencial

Leia mais

Lista de Exercícios ENADE

Lista de Exercícios ENADE Curso: ADMINISTRAÇÃO Data: Goiânia 15/09/2012 Disciplina: Contabilidade Geral Turma: ADM 03 Turno: Noturno Carga Horária: 72 Professor: Esp. Erik Silva. Lista de Exercícios ENADE Exercício n.01 (IRB-2004-ESAF)

Leia mais

Professor conteudista: Hildebrando Oliveira

Professor conteudista: Hildebrando Oliveira Contabilidade Professor conteudista: Hildebrando Oliveira Sumário CONTABILIDADE Unidade I 1 CONCEITO DE CONTABILIDADE...1 2 OBJETO DA CONTABILIDADE...2 3 O BALANÇO PATRIMONIAL...3 4 A CONTA...4 O RESULTADO...6

Leia mais

CONTABILIDADE GERAL. Adquira esta e outras aulas em www.acheiconcursos.com.br CONCURSO PÚBLICO PARA TÉCNICO DA RECEITA FEDERAL

CONTABILIDADE GERAL. Adquira esta e outras aulas em www.acheiconcursos.com.br CONCURSO PÚBLICO PARA TÉCNICO DA RECEITA FEDERAL CONTABILIDADE GERAL Adquira esta e outras aulas em www.acheiconcursos.com.br AULA Nº 1: Resolução da prova de Contabilidade Geral do TRF-2000 CONTABILIDADE GERAL CONCURSO PÚBLICO PARA TÉCNICO DA RECEITA

Leia mais

Administração Financeira

Administração Financeira Administração Financeira MÓDULO 6: DECISÕES DE FINANCIAMENTO A CURTO PRAZO Nossa experiência, após centenas de demonstrações financeiras examinadas, sinaliza que as empresas entram num cenário de dificuldades

Leia mais

Neste contexto, o Fluxo de Caixa torna-se ferramenta indispensável para planejamento e controle dos recursos financeiros de uma organização.

Neste contexto, o Fluxo de Caixa torna-se ferramenta indispensável para planejamento e controle dos recursos financeiros de uma organização. UNIDADE II FLUXOS DE CAIXA Em um mercado competitivo, a gestão eficiente dos recursos financeiros, torna-se imprescindível para o sucesso da organização. Um bom planejamento do uso dos recursos aliado

Leia mais

Elementos Operacionais e Não Operacionais nas Demonstrações Contábeis

Elementos Operacionais e Não Operacionais nas Demonstrações Contábeis Elementos Operacionais e Não Operacionais nas Demonstrações Contábeis Autoria: Clóvis Luís Padoveze Resumo As demonstrações publicadas de acordo com o formato aprovado pelos órgãos regulatórios, tanto

Leia mais

Princípios Fundamentais Contabilidade

Princípios Fundamentais Contabilidade Princípios Fundamentais Contabilidade 1 Princípios Contábeis. Resolução CFC 750 de 29 de dezembro de 1993. Art. 3 São Princípios de Contabilidade:(2) I o da ENTIDADE; II o da CONTINUIDADE; III o da OPORTUNIDADE;

Leia mais

METODOLOGIA GERAL DE AVALIAÇÃO DE EMPRESAS

METODOLOGIA GERAL DE AVALIAÇÃO DE EMPRESAS METODOLOGIA GERAL DE AVALIAÇÃO DE EMPRESAS Camila Pires Cremasco Gabriel 1 Luis Roberto Almeida Gabriel Filho 2 Thiago Ariceto 3 Chádia Priscila Cardoso Gonçalves 4 Matheus Choueri 5 RESUMO: A definição

Leia mais

CONTABILIDADE BÁSICA

CONTABILIDADE BÁSICA CONTABILIDADE BÁSICA RESUMIDA on line http://www.grupoempresarial.adm.br 8/5/2014 21:32 Página 1 de 12 PARTE 1 / ASPECTOS TEÓRICOS INICIAIS Conteúdo sinótico 1. Estrutura Conceitual Básica da Contabilidade

Leia mais

APLICAÇÃO DOS MÉTODOS DE CUSTEIO: VARIÁVEL E POR ABSORÇÃO, PARA O PROCESSO DECISÓRIO GERENCIAL DOS CUSTOS

APLICAÇÃO DOS MÉTODOS DE CUSTEIO: VARIÁVEL E POR ABSORÇÃO, PARA O PROCESSO DECISÓRIO GERENCIAL DOS CUSTOS APLICAÇÃO DOS MÉTODOS DE CUSTEIO: VARIÁVEL E POR ABSORÇÃO, PARA O PROCESSO DECISÓRIO GERENCIAL DOS CUSTOS ANACLETO G. 1 1. INTRODUÇÃO Este estudo tem a finalidade de apuração dos resultados aplicados pelos

Leia mais

Contabilidade Básica. Prof. Jackson Luis Oshiro joshiro@ibest.com.br. Escrituração. Conceito. Capítulo 5 Escrituração.

Contabilidade Básica. Prof. Jackson Luis Oshiro joshiro@ibest.com.br. Escrituração. Conceito. Capítulo 5 Escrituração. Contabilidade Básica Prof. Jackson Luis Oshiro joshiro@ibest.com.br Conceito É uma técnica contábil que consiste em registrar nos livros próprios todos os acontecimentos que ocorrem na empresa e que modifiquem

Leia mais

Sistema de contas. Capítulo 2 Sistema de contas

Sistema de contas. Capítulo 2 Sistema de contas Sistema de contas Capítulo 2 Sistema de contas SUMÁRIO: 1. Conceito 2. Teoria das contas 2.1. Teoria personalística (ou personalista) 2.2. Teoria materialística (ou materialista) 2.3. Teoria patrimonialista

Leia mais

TÍTULO: CONTABILIDADE AMBIENTAL E COMUNICAÇÃO: OS TERMOS UTILIZADOS PELA CONTABILIDADE AMBIENTAL

TÍTULO: CONTABILIDADE AMBIENTAL E COMUNICAÇÃO: OS TERMOS UTILIZADOS PELA CONTABILIDADE AMBIENTAL TÍTULO: CONTABILIDADE AMBIENTAL E COMUNICAÇÃO: OS TERMOS UTILIZADOS PELA CONTABILIDADE AMBIENTAL CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: CIÊNCIAS CONTÁBEIS INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO

Leia mais

Boletim. Contabilidade Internacional. Manual de Procedimentos

Boletim. Contabilidade Internacional. Manual de Procedimentos Boletim Manual de Procedimentos Contabilidade Internacional Custos de transação e prêmios na emissão de títulos e valores mobiliários - Tratamento em face do Pronunciamento Técnico CPC 08 - Exemplos SUMÁRIO

Leia mais

FACULDADE DE TECNOLOGIA PEDRO ROGÉRIO GARCIA - FATTEP FUNDAÇÃO ADOLPHO BÓSIO DE EDUCAÇÃO NO TRANSPORTE - FABET JAQUELINE VANESSA MORCHE

FACULDADE DE TECNOLOGIA PEDRO ROGÉRIO GARCIA - FATTEP FUNDAÇÃO ADOLPHO BÓSIO DE EDUCAÇÃO NO TRANSPORTE - FABET JAQUELINE VANESSA MORCHE 0 FACULDADE DE TECNOLOGIA PEDRO ROGÉRIO GARCIA - FATTEP FUNDAÇÃO ADOLPHO BÓSIO DE EDUCAÇÃO NO TRANSPORTE - FABET JAQUELINE VANESSA MORCHE IMPORTANCIA DA CONTABILIDADE NA GESTÃO EMPRESARIAL Concórdia -

Leia mais

Balanço Patrimonial: Grupo de Contas

Balanço Patrimonial: Grupo de Contas 3 Balanço Patrimonial: Grupo de Contas 3.1 JUSTIFICATIVAS Como foi visto no capítulo anterior, o Balanço Patrimonial é constituído de Ativo, Passivo e Patrimônio Líquido. O Ativo, por sua vez, compõe-se

Leia mais

Contas. Osni Moura Ribeiro ; Contabilidade Fundamental 1, Editora Saraiva- ISBN 9788502065901

Contas. Osni Moura Ribeiro ; Contabilidade Fundamental 1, Editora Saraiva- ISBN 9788502065901 Contas 2.1. Conceito Na sua linguagem cotidiana, o que representa a palavra conta? Você poderá responder: Uma operação aritmética de soma, subtração, multiplicação ou divisão; A conta de água e esgoto,

Leia mais

PARECER DA UNIDADE DE AUDITORIA INTERNA

PARECER DA UNIDADE DE AUDITORIA INTERNA 1/14 PARECER DA UNIDADE DE AUDITORIA INTERNA A Unidade de da FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAZONAS, em função do disposto no Parágrafo 6º do Artigo 15 do Decreto nº. 3.591, de 06/09/2000 redação que

Leia mais

A nova visão da. Contabilidade Aplicada ao Setor Público

A nova visão da. Contabilidade Aplicada ao Setor Público A nova visão da Contabilidade Aplicada ao Setor Público Constituição Federal Lei de Responsabilidade Fiscal 101/2000 Lei 4.320/64 Finanças Públicas Lei 12.249/2010 Conselho Federal de Contabilidade Lei

Leia mais

IBRACON NPC nº 25 - CONTABILIZAÇÃO DO IMPOSTO DE RENDA E DA CONSTRIBUIÇÃO SOCIAL

IBRACON NPC nº 25 - CONTABILIZAÇÃO DO IMPOSTO DE RENDA E DA CONSTRIBUIÇÃO SOCIAL IBRACON NPC nº 25 - CONTABILIZAÇÃO DO IMPOSTO DE RENDA E DA CONSTRIBUIÇÃO SOCIAL PROCEDIMENTOS CONTÁBEIS APLICÁVEIS 1. Este pronunciamento tem por objetivo normatizar o tratamento contábil do imposto de

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS página 1 07. Onde é classificado o Subgrupo Estoques no plano de contas? 01. São acontecimentos que ocorrem na empresa e que não provocam alterações no Patrimônio: A) Atos Administrativos

Leia mais

ESTRUTURA DO BALANÇO PATRIMONIAL. FASF - Faculdade Sagrada Família - Curso de Administração - Disciplina Contabilidade Geral - 3º periodo

ESTRUTURA DO BALANÇO PATRIMONIAL. FASF - Faculdade Sagrada Família - Curso de Administração - Disciplina Contabilidade Geral - 3º periodo ESTRUTURA DO BALANÇO PATRIMONIAL Introdução Já sabemos que o Patrimônio é objeto da contabilidade, na qual representa o conjunto de bens, diretos e obrigações. Esta definição é muito importante estar claro

Leia mais

Permitida a reprodução total ou parcial desta publicação desde que citada a fonte.

Permitida a reprodução total ou parcial desta publicação desde que citada a fonte. Subsistemas Orçamentário Patrimonial Custos Compensação registra, processa e evidencia os atos e os fatos relacionados ao planejamento e à execução orçamentária; registra, processa e evidencia os fatos

Leia mais

GLOSSÁRIO DE TERMOS CONTÁBEIS

GLOSSÁRIO DE TERMOS CONTÁBEIS GLOSSÁRIO DE TERMOS CONTÁBEIS AMORTIZAÇÃO: Representa a conta que registra a diminuição do valor dos bens intangíveis registrados no ativo permanente, é a perda de valor de capital aplicado na aquisição

Leia mais

Contextualizando a Economia Solidária 1

Contextualizando a Economia Solidária 1 Contextualizando a Economia Solidária 1 O nascimento da Economia Solidária Caracterizado pela propriedade privada dos meios de produção e pela acumulação de riquezas por meio do lucro, que proporciona

Leia mais

Área temática: Trabalho

Área temática: Trabalho A ASSOCIAÇÃO DE FEIRANTES DE ECONOMIA SOLIDÁRIA- AFESOL E SUA TRAJETÓRIA DE INCUBAÇÃO COMO EMPREENDIMENTO ECONÔMICO SOLIDÁRIO - EES: RISCOS E POTENCIALIDADES Área temática: Trabalho Livia Maria Da Silva

Leia mais

AUTOR(ES): ARIANE BUENO DOS SANTOS, ANA PAULA CILOTTI, CLARISSA REIS SILVA

AUTOR(ES): ARIANE BUENO DOS SANTOS, ANA PAULA CILOTTI, CLARISSA REIS SILVA TÍTULO: MODELOS DE QUALIDADE DA INFORMAÇÃO CONTÁBIL. CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE JAGUARIÚNA AUTOR(ES): ARIANE BUENO DOS SANTOS, ANA PAULA

Leia mais

CURSO de CIÊNCIAS CONTÁBEIS - Gabarito

CURSO de CIÊNCIAS CONTÁBEIS - Gabarito UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE TRANSFERÊNCIA 2 o semestre letivo de 2006 e 1 o semestre letivo de 2007 CURSO de CIÊNCIAS CONTÁBEIS - Gabarito INSTRUÇÕES AO CANDIDATO Verifique se este caderno contém:

Leia mais

2.1. Referencial Histórico sobre o Modelo Tradicional de Liquidez

2.1. Referencial Histórico sobre o Modelo Tradicional de Liquidez 18 2 Modelo de Liquidez Este capitulo tem por objetivo apresentar uma revisão bibliográfica do referencial histórico dos modelos de avaliação empresarial por meio da utilização dos indicadores de liquidez

Leia mais

AUDITORIA INTERNA RELATÓRIO SOBRE AS CONTAS DO EXERCÍCIO DE 2013

AUDITORIA INTERNA RELATÓRIO SOBRE AS CONTAS DO EXERCÍCIO DE 2013 AUDITORIA INTERNA RELATÓRIO SOBRE AS CONTAS DO EXERCÍCIO DE 2013 Em cumprimento à Instrução Normativa nº 14, de 14.12.2011, especificamente do seu art. 10, e à Decisão Normativa nº 009/2013, ambas do Tribunal

Leia mais

Patrimônio Líquido. Investimentos = Financiamentos. Ativo. Passivo

Patrimônio Líquido. Investimentos = Financiamentos. Ativo. Passivo USP-FEA Disciplina: EAC0111 - Noções de Contabilidade para Administradores TEMA 3. Mecanismos Contábeis Profa. Dra. Joanília Cia (joanilia@usp.br) 1 Quais são os objetivos do tópico... Reconhecer o impacto

Leia mais

A CONTABILIDADE COMO FERRAMENTA DE GESTÃO EMPRESARIAL

A CONTABILIDADE COMO FERRAMENTA DE GESTÃO EMPRESARIAL A CONTABILIDADE COMO FERRAMENTA DE GESTÃO EMPRESARIAL Gestão Empresarial Márlio Lúcio Ribeiro Gomes Coorientador: Prof. Evânio de Carvalho Cruz Universidade do Vale do Sapucaí RESUMO Este trabalho tem

Leia mais

Questões comentadas da prova para Técnico de Controle Externo do TCMRJ TERCEIRA PARTE

Questões comentadas da prova para Técnico de Controle Externo do TCMRJ TERCEIRA PARTE Questões comentadas da prova para Técnico de Controle Externo do TCMRJ TERCEIRA PARTE 08 - Constitui um exemplo de despesa extra-orçamentária: A) caução feita no decorrer do exercício financeiro B) transferência

Leia mais

ANÁLISE DE INDICADORES ECONÔMICO-FINANCEIROS PARA FINS DE TOMADA DE DECISÕES: UM ESTUDO DE CASO NA EMPRESA NATURA COSMÉTICOS S/A

ANÁLISE DE INDICADORES ECONÔMICO-FINANCEIROS PARA FINS DE TOMADA DE DECISÕES: UM ESTUDO DE CASO NA EMPRESA NATURA COSMÉTICOS S/A ANÁLISE DE INDICADORES ECONÔMICO-FINANCEIROS PARA FINS DE TOMADA DE DECISÕES: UM ESTUDO DE CASO NA EMPRESA NATURA COSMÉTICOS S/A José Jonas Alves Correia 4, Jucilene da Silva Ferreira¹, Cícera Edna da

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO DO VALOR ADICIONADO

DEMONSTRAÇÃO DO VALOR ADICIONADO Olá, pessoal! Hoje trago uma aula sobre a Demonstração do Valor Adicionado DVA, que foi recentemente tornada obrigatória para as companhias abertas pela Lei 11.638/07, que incluiu o inciso V ao art. 176

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE - economia solidária. extensão universitária. educação popular.

PALAVRAS-CHAVE - economia solidária. extensão universitária. educação popular. 13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE

Leia mais

BALANÇO PATRIMONIAL / composição 1

BALANÇO PATRIMONIAL / composição 1 BALANÇO PATRIMONIAL / composição 1 ATIVO CIRCULANTE Compreende contas que estão constantemente em giro, sua conversão em moeda corrente ocorrerá, no máximo, até o próximo exercício social. As contas devem

Leia mais

XI Semana de d Adminis minis ação Orç Or amen amen ária , Financeira r e d e e d Contr Con a tr t a ações Públi Púb cas ABOP Slide 1

XI Semana de d Adminis minis ação Orç Or amen amen ária , Financeira r e d e e d Contr Con a tr t a ações Públi Púb cas ABOP Slide 1 Oficina 62 Sistema de Informações de Custos do Governo Federal ABOP Slide 1 Roteiro da Apresentação APRESENTAÇÃO APRESENTAÇÃO ASPECTOS NORMATIVOS CONTEXTUALIZAÇÃO HISTÓRICA CONTABILIDADE APLICADA AO SETOR

Leia mais

Centro de Ciências Empresariais e Sociais Aplicadas CCESA. Bacharelado em Ciências Contábeis CONTABILIDADE GERAL. Profª. Cristiane Yoshimura

Centro de Ciências Empresariais e Sociais Aplicadas CCESA. Bacharelado em Ciências Contábeis CONTABILIDADE GERAL. Profª. Cristiane Yoshimura Centro de Ciências Empresariais e Sociais Aplicadas CCESA Bacharelado em Ciências Contábeis CONTABILIDADE GERAL Profª. Cristiane Yoshimura 2013 CONTABILIZAÇÃO DAS CONTAS PATRIMONIAIS DÉBITO E CRÉDITO RAZONETE

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL Aldemar Dias de Almeida Filho Discente do 4º ano do Curso de Ciências Contábeis Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS Élica Cristina da

Leia mais

Contabilidade Empresarial Demonstrações Financeiras: O Balanço Patrimonial. Prof. Dr. Dirceu Raiser

Contabilidade Empresarial Demonstrações Financeiras: O Balanço Patrimonial. Prof. Dr. Dirceu Raiser Contabilidade Empresarial Demonstrações Financeiras: O Balanço Patrimonial Prof. Dr. Dirceu Raiser O Balanço Patrimonial consiste em um conjunto de informações sistematizadas. Tais informações demonstram

Leia mais

MÉTODO, PRINCÍPIOS E CONVENÇÕES CONTÁBEIS

MÉTODO, PRINCÍPIOS E CONVENÇÕES CONTÁBEIS MÉTODO, PRINCÍPIOS E CONVENÇÕES CONTÁBEIS Problema básico : registrar quantitativamente os eventos (as origens, como os recursos são aplicados na empresa e como ela os transforma). Registro dos eventos

Leia mais

Demonstrações Contábeis

Demonstrações Contábeis Demonstrações Contábeis Resumo Demonstrações contábeis são informações e dados que as empresas oferecem ao fim de cada exercício, com a finalidade de mostrar aos acionistas, ao governo e todos os interessados,

Leia mais

Previsão da Necessidade de Capital de Giro utilizando os preceitos do Modelo de Entrada- Saída de Leontief

Previsão da Necessidade de Capital de Giro utilizando os preceitos do Modelo de Entrada- Saída de Leontief Previsão da Necessidade de Capital de Giro utilizando os preceitos do Modelo de Entrada- Saída de Leontief Adriano Antonio Nuintin Andréa Salvi Carlos Alberto Grespan Bonacim Evandro Marcos Saidel Ribeiro

Leia mais

RECEITA BRUTA ( ) Deduções de Receitas = RECEITA LÍQUIDA ( ) Custos = LUCRO BRUTO ( ) Despesas = LUCRO LÍQUIDO

RECEITA BRUTA ( ) Deduções de Receitas = RECEITA LÍQUIDA ( ) Custos = LUCRO BRUTO ( ) Despesas = LUCRO LÍQUIDO MÓDULO V CONTABILIDADE GERENCIAL FATOS CONTÁBEIS QUE AFETAM A SITUAÇÃO LÍQUIDA INTRODUÇÃO Neste módulo iremos fazer uma abordagem sobre os elementos que ocasionam as mutações na situação patrimonial líquida.

Leia mais

GESTÃO FINANCEIRA UMA ANÁLISE SIMPLIFICADA

GESTÃO FINANCEIRA UMA ANÁLISE SIMPLIFICADA GESTÃO FINANCEIRA UMA ANÁLISE SIMPLIFICADA Pág. 1 Índice 1. BALANCETE... 3 2. BALANÇO... 5 3. DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS... 10 4. RESUMO... 12 Pág. 2 1. BALANCETE O balancete é um documento contabilístico

Leia mais

Relatório da Administração

Relatório da Administração Ecosol Petrolina Relatório da Administração 1. Identidade organizacional Missão: Fortalecer e estimular a interação solidária entre agricultores e cooperativas através do crédito orientado e da educação

Leia mais

CONTABILIDADE RURAL: IMPORTÂNCIA DA GESTÃO DE CUSTOS PARA AS EMPRESAS RURAIS. Palavras-chave: Contabilidade rural, Empresas rurais, Gestão de custos.

CONTABILIDADE RURAL: IMPORTÂNCIA DA GESTÃO DE CUSTOS PARA AS EMPRESAS RURAIS. Palavras-chave: Contabilidade rural, Empresas rurais, Gestão de custos. CONTABILIDADE RURAL: IMPORTÂNCIA DA GESTÃO DE CUSTOS PARA AS EMPRESAS RURAIS Ana Paula Matte 1 ; Odir Luiz Fank 2 ; Adilson José Fabris 3 Palavras-chave: Contabilidade rural, Empresas rurais, Gestão de

Leia mais

INTRODUÇÃO À ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA 1.1

INTRODUÇÃO À ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA 1.1 1.0 INTRODUÇÃO À ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA 1.1 1.2 ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA Qual o objetivo das empresas para a administração financeira? Maximizar valor de mercado da empresa; Aumentar a riqueza dos acionistas.

Leia mais

ASPECTOS CONCEITUAIS OBJETIVOS planejamento tomada de decisão

ASPECTOS CONCEITUAIS OBJETIVOS planejamento tomada de decisão FACULDADES INTEGRADAS DO TAPAJÓS DISCIPLINA: CONTABILIDADE GERENCIAL PROFESSOR: JOSÉ DE JESUS PINHEIRO NETO ASSUNTO: REVISÃO CONCEITUAL EM CONTABILIDADE DE CUSTOS ASPECTOS CONCEITUAIS A Contabilidade de

Leia mais

FTAD - Formação técnica em Administração Módulo - Contabilidade e Finanças. Prof. Moab Aurélio

FTAD - Formação técnica em Administração Módulo - Contabilidade e Finanças. Prof. Moab Aurélio FTAD - Formação técnica em Administração Módulo - Contabilidade e Finanças Prof. Moab Aurélio CONTABILIDADE E FINANÇAS ACI ATIVIDADE CURRICULAR INTERDISCIPLINAR Competências a serem trabalhadas... Planejamento

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE ECONOMIA E ADMINISTRAÇÃO DEPARTAMENTO DE CONTABILIDADE E ATUÁRIA

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE ECONOMIA E ADMINISTRAÇÃO DEPARTAMENTO DE CONTABILIDADE E ATUÁRIA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE ECONOMIA E ADMINISTRAÇÃO DEPARTAMENTO DE CONTABILIDADE E ATUÁRIA MODELO CONCEITUAL DE DECISÃO RELATIVO AO EVENTO MANTER/ELIMINAR/REORGANIZAR ATIVIDADES: UMA CONTRIBUIÇÃO

Leia mais

CÓDIGO CRÉDITOS PERÍODO PRÉ-REQUISITO TURMA ANO INTRODUÇÃO

CÓDIGO CRÉDITOS PERÍODO PRÉ-REQUISITO TURMA ANO INTRODUÇÃO PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS ESCOLA DE GESTÃO E NEGÓCIOS CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS, ADMINISTRAÇÃO E ECONOMIA DISCIPLINA: ESTRUTURA E ANÁLISE DE CUSTO CÓDIGO CRÉDITOS PERÍODO PRÉ-REQUISITO

Leia mais

RISCO E RETORNO FINANCEIRO NAS DECISÕES EMPRESARIAIS Renata Foltran MANCINI 1 Hiroshi Wilson YONEMOTO 2

RISCO E RETORNO FINANCEIRO NAS DECISÕES EMPRESARIAIS Renata Foltran MANCINI 1 Hiroshi Wilson YONEMOTO 2 RISCO E RETORNO FINANCEIRO NAS DECISÕES EMPRESARIAIS Renata Foltran MANCINI 1 Hiroshi Wilson YONEMOTO 2 RESUMO: O presente artigo tem como objetivo desenvolver a reflexão sobre o Risco e Retorno Financeiro,

Leia mais

Inepar Telecomunicações S.A. Demonstrações Contábeis em 31 de dezembro de 2008 e 2007

Inepar Telecomunicações S.A. Demonstrações Contábeis em 31 de dezembro de 2008 e 2007 80 Inepar Telecomunicações S.A. Demonstrações Contábeis em 31 de dezembro de 2008 e 2007 Parecer dos Auditores Independentes 81 Aos Acionistas da Inepar Telecomunicações S.A Curitiba - PR 1. Examinamos

Leia mais

Proposta de apresentação das Demonstrações Contábeis

Proposta de apresentação das Demonstrações Contábeis Revista UNIFESO Humanas e Sociais Vol. 1, n. 1, 2014, pp. 35-44. Proposta de apresentação das Demonstrações Contábeis pelos critérios de avaliação econômica e a preços de mercado Clóvis Luís Padoveze 1

Leia mais

Normas Internacionais de Contabilidade para o Setor Público - NICSP e o Modelo Contábil adotado no Brasil

Normas Internacionais de Contabilidade para o Setor Público - NICSP e o Modelo Contábil adotado no Brasil Normas Internacionais de Contabilidade para o Setor Público - NICSP e o Modelo Contábil adotado no Brasil Abril 2007 CONTABILIDADE PÚBLICA Conceitos e Objetivos É o ramo da Contabilidade que coleta, registra

Leia mais

DOCUMENTOS DE GESTÃO FINANCEIRA Realizado por GESTLUZ - Consultores de Gestão

DOCUMENTOS DE GESTÃO FINANCEIRA Realizado por GESTLUZ - Consultores de Gestão DOCUMENTOS DE GESTÃO FINANCEIRA Realizado por GESTLUZ - Consultores de Gestão A Análise das Demonstrações Financeiras Este artigo pretende apoiar o jovem empreendedor, informando-o de como utilizar os

Leia mais

Inicialmente vamos entender a lógica em que a Contabilidade está alicerçada.

Inicialmente vamos entender a lógica em que a Contabilidade está alicerçada. ENTENDENDO A LÓGICA DA CONTABILIDADE I - OBJETIVO O objetivo fim deste projeto é ensinar Contabilidade para aqueles que querem e precisam aprender, fazer um concurso público, ou simplesmente, aumentar

Leia mais

Questões de Concursos Tudo para você conquistar o seu cargo público www.qconcursos.com ]

Questões de Concursos Tudo para você conquistar o seu cargo público www.qconcursos.com ] 01 - Q223454A contabilidade foi definida no I Congresso Brasileiro de Contabilidade como: a ciência que estuda e pratica as funções de orientação, controle e registro relativo aos atos e fatos da administração

Leia mais

DELIBERAÇÃO CVM Nº 534, DE 29 DE JANEIRO DE 2008

DELIBERAÇÃO CVM Nº 534, DE 29 DE JANEIRO DE 2008 TEXTO INTEGRAL DA, COM AS ALTERAÇÕES INTRODUZIDAS PELA DELIBERAÇÃO CVM Nº 624, DE 28 DE JANEIRO DE 2010 (DOCUMENTO DE REVISÃO CPC Nº 01) Aprova o Pronunciamento Técnico CPC 02 do Comitê de Pronunciamentos

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Com relação a conceitos, objetivos e finalidades da contabilidade, julgue os itens que se seguem. 51 Auxiliar um governo no processo de fiscalização tributária é uma das finalidades

Leia mais

1 Introdução Caros (futuros) colegas.

1 Introdução Caros (futuros) colegas. 1 INTRODUÇÃO...1 2 DESENVOLVIMENTO DO TEMA...2 2.1 OBJETIVO DA DOAR...2 2.2 CONCEITO DE CAPITAL CIRCULANTE LÍQUIDO CCL, ORIGENS E APLICAÇÕES...2 2.3 CONTEÚDO E ESTRUTURA DA DEMONSTRAÇÃO, CONFORME PREVISÃO

Leia mais

PREFEITURA DE PORTO VELHO

PREFEITURA DE PORTO VELHO LEI Nº. 1628, DE 27 DE OUTUBRO DE 2005. Institui a Política Municipal de fomento à Economia Popular e Solidária na Cidade de Porto Velho e estabelece outras disposições. O PREFEITO DO MUNICÍPIO DE PORTO

Leia mais

GESTÃO ESTRATÉGICA DE CUSTOS EM SAÚDE. Os custos das instituições

GESTÃO ESTRATÉGICA DE CUSTOS EM SAÚDE. Os custos das instituições GESTÃO ESTRATÉGICA DE CUSTOS EM SAÚDE Os custos das instituições Dra Janice Donelles de Castro - Professora do Faculdade de Ciências Econômicas da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Programa de

Leia mais

mhtml:file://c:\documents and Settings\6009\Meus documentos\glossário DE T...

mhtml:file://c:\documents and Settings\6009\Meus documentos\glossário DE T... Page 1 of 6 Portal de Obras Legislação Guias e Cursos Downloads GLOSSÁRIO DE TERMOS CONTÁBEIS Compilado pela Equipe do Portal de Contabilidade AMORTIZAÇÃO: Representa a conta que registra a diminuição

Leia mais

Terminologias Introdutórias de Custo: Uma Pesquisa Exploratória Na Universidade Federal de Pernambuco Nos Cursos de Ciências Contábeis e Administração

Terminologias Introdutórias de Custo: Uma Pesquisa Exploratória Na Universidade Federal de Pernambuco Nos Cursos de Ciências Contábeis e Administração Terminologias Introdutórias de Custo: Uma Pesquisa Exploratória Na Universidade Federal de Pernambuco Nos Cursos de Ciências Contábeis e Administração Christianne Calado Vieira de Melo Lopes Julie Nathalie

Leia mais

FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: FUNDAMENTOS DA ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: FUNDAMENTOS DA ADMINISTRAÇÃO FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: FUNDAMENTOS DA ADMINISTRAÇÃO Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos carlos@oficinadapesquisa.com.br www.oficinadapesquisa.com.br Organizações Nenhuma organização existe

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE - FURG SECRETARIA EXECUTIVA DOS CONSELHOS

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE - FURG SECRETARIA EXECUTIVA DOS CONSELHOS SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE - FURG SECRETARIA EXECUTIVA DOS CONSELHOS DELIBERAÇÃO Nº 052/2015 CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA, EXTENSÃO E ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

Conceito de Contabilidade

Conceito de Contabilidade !" $%&!" #$ "!%!!&$$!!' %$ $(%& )* &%""$!+,%!%!& $+,&$ $(%'!%!-'"&!%%.+,&(+&$ /&$/+0!!$ & "!%!!&$$!!' % $ $(% &!)#$ %1$%, $! "# # #$ &&$ &$ 0&$ 01% & $ #$ % & #$&&$&$&* % %"!+,$%2 %"!31$%"%1%%+3!' #$ "

Leia mais

PRINCÍPIOS DE CONTABILIDADE

PRINCÍPIOS DE CONTABILIDADE PRINCÍPIOS DE CONTABILIDADE 1. Introdução No dia 28 de maio de 2010 houve uma atualização na Resolução CFC 750/93 para a Resolução CFC 1282/10, com o intuito de assegurar a aplicação correta das normas

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA CURSOS SUPERIORES DE TECNOLOGIA

UNIVERSIDADE PAULISTA CURSOS SUPERIORES DE TECNOLOGIA , UNIVERSIDADE PAULISTA CURSOS SUPERIORES DE TECNOLOGIA MANUAL ESPECÍFICO Projeto Integrado Multidisciplinar II PIM II RECURSOS HUMANOS 2º semestre, turmas ingressantes em Agosto. São Paulo 2011 1 PIM

Leia mais

O SERVIÇO SOCIAL E CONSELHO MUNICIPAL DE ECONOMIA SOLIDÁRIA CMESO: ASSESSORIA DE GRUPO INCUBADO PELA INCUBADORA DE EMPREENDIMENTOS SOLIDÁRIOS- IESol

O SERVIÇO SOCIAL E CONSELHO MUNICIPAL DE ECONOMIA SOLIDÁRIA CMESO: ASSESSORIA DE GRUPO INCUBADO PELA INCUBADORA DE EMPREENDIMENTOS SOLIDÁRIOS- IESol O SERVIÇO SOCIAL E CONSELHO MUNICIPAL DE ECONOMIA SOLIDÁRIA CMESO: ASSESSORIA DE GRUPO INCUBADO PELA INCUBADORA DE EMPREENDIMENTOS SOLIDÁRIOS- IESol SOUZA, Jéssica Cavalheiro (estagio II), MOURA, Reidy

Leia mais

O Plano Financeiro no Plano de Negócios Fabiano Marques

O Plano Financeiro no Plano de Negócios Fabiano Marques O Plano Financeiro no Plano de Negócios Fabiano Marques Seguindo a estrutura proposta em Dornelas (2005), apresentada a seguir, podemos montar um plano de negócios de forma eficaz. É importante frisar

Leia mais

Prof. Me. Alexandre Saramelli. Unidade III ESTRUTURA DAS

Prof. Me. Alexandre Saramelli. Unidade III ESTRUTURA DAS Prof. Me. Alexandre Saramelli Unidade III ESTRUTURA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Estrutura das demonstrações contábeis Dividida em quatro Unidades: Unidade I 1. Demonstração de Lucros e Prejuízos Acumulados

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS. Causas de Fracasso:

PLANO DE NEGÓCIOS. Causas de Fracasso: PLANO DE NEGÓCIOS Causas de Fracasso: Falta de experiência profissional Falta de competência gerencial Desconhecimento do mercado Falta de qualidade dos produtos/serviços Localização errada Dificuldades

Leia mais

7.3.1 Receitas a Serem Reconhecidas Proporcionalmente a Certo Período Contábil Decorrido

7.3.1 Receitas a Serem Reconhecidas Proporcionalmente a Certo Período Contábil Decorrido Os PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS DE CONTABILIDADE - O CUSTO, A MOEDA,... 10, 7.3.1 Receitas a Serem Reconhecidas Proporcionalmente a Certo Período Contábil Decorrido DOIS PERÍODOS CONTÁBEIS Alguns serviços,

Leia mais

UNIP - UNIVERSIDADE PAULISTA - SP CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS ESTRUTURA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Prof. Izilda Lorenzo. Resumo 3

UNIP - UNIVERSIDADE PAULISTA - SP CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS ESTRUTURA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Prof. Izilda Lorenzo. Resumo 3 UNIP - UNIVERSIDADE PAULISTA - SP CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS ESTRUTURA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Prof. Izilda Lorenzo Resumo 3 DLPAC Demonstração dos Lucros e Prejuízos Acumulados Estrutura do DLPAC

Leia mais

Resultados da Pesquisa IDIS de Investimento Social na Comunidade 2004

Resultados da Pesquisa IDIS de Investimento Social na Comunidade 2004 Resultados da Pesquisa IDIS de Investimento Social na Comunidade 2004 Por Zilda Knoploch, presidente da Enfoque Pesquisa de Marketing Este material foi elaborado pela Enfoque Pesquisa de Marketing, empresa

Leia mais

USO DA CONTABILIDADE AMBIENTAL NAS EMPRESAS

USO DA CONTABILIDADE AMBIENTAL NAS EMPRESAS USO DA CONTABILIDADE AMBIENTAL NAS EMPRESAS 1 Ana Cristina de Castro Alves, 2 Robernei Aparecido de Lima. 1 Rua Benedito Andrade, 1205 Galo Branco 12247-540 São José dos Campos, São Paulo administração@aasjc.org.br

Leia mais

Concurso Público para Cargos Técnico-Administrativos em Educação UNIFEI 13/06/2010

Concurso Público para Cargos Técnico-Administrativos em Educação UNIFEI 13/06/2010 Questão 21 Conhecimentos Específicos - Auditor No que diz respeito às Demonstrações Contábeis Aplicadas ao Setor Público, a Demonstração Contábil cuja apresentação é obrigatória apenas pelas empresas estatais

Leia mais

CONTABILIDADE BÁSICA

CONTABILIDADE BÁSICA CONTABILIDADE BÁSICA Professora M. Sc. Crísley do Carmo Dalto Graduação em Ciências Contábeis (UFES) Especialista em Contabilidade Gerencial (UFES) Mestre em Ciências Contábeis- Contabilidade Gerencial

Leia mais

Plano de Contas Aplicado ao Setor Público (PCASP): sugestões para a nova estrutura

Plano de Contas Aplicado ao Setor Público (PCASP): sugestões para a nova estrutura 1 de 8 16/09/2009 18:31 Boletim Governet de Orçamento e Finanças Artigos e Pareceres» Artigos Plano de Contas Aplicado ao Setor Público (PCASP): sugestões para a nova estrutura MAURÍCIO CORRÊA DA SILVA

Leia mais

PLANEJAR, ELABORAR E CUMPRIR METAS

PLANEJAR, ELABORAR E CUMPRIR METAS PLANEJAR, ELABORAR E CUMPRIR METAS Fernanda Micaela Ribeiro Theiss Prof. Ademar Lima Júnior Centro Universitário Leonardo da Vinci UNIASSELVI Bacharelado em Ciências Contábeis (CTB 561) 14/05/2012 RESUMO

Leia mais

Demonstrações Financeiras Banrisul Foco IRF - M Fundo de Investimento Renda Fixa Longo Prazo CNPJ: 16.844.885/0001-45

Demonstrações Financeiras Banrisul Foco IRF - M Fundo de Investimento Renda Fixa Longo Prazo CNPJ: 16.844.885/0001-45 Demonstrações Financeiras Banrisul Foco IRF - M Fundo de Investimento Renda Fixa Longo Prazo (Administrado pelo Banco do Estado do Rio Grande do Sul S.A. - CNPJ: 92.702.067/0001-96) e 2014 com Relatório

Leia mais

Administrando o Fluxo de Caixa

Administrando o Fluxo de Caixa Administrando o Fluxo de Caixa O contexto econômico do momento interfere no cotidiano das empresas, independente do seu tamanho mercadológico e, principalmente nas questões que afetam diretamente o Fluxo

Leia mais

1 PREPARAÇÃO PARA INÍCIO DO JOGO... 2 1.1 Cadastro pessoal... 2. 1.2 - Cadastrando -se na empresa... 2

1 PREPARAÇÃO PARA INÍCIO DO JOGO... 2 1.1 Cadastro pessoal... 2. 1.2 - Cadastrando -se na empresa... 2 Sumário 1 PREPARAÇÃO PARA INÍCIO DO JOGO... 2 1.1 Cadastro pessoal... 2 1.2 - Cadastrando -se na empresa... 2 2. CENÁRIO... 3 2.1 Localização da Fábrica... 4 2.2 Produtos... 4 2.3 Demanda... 5 2.4 Eventos...

Leia mais

Universidade Federal do Pará. Centro Sócio Econômico. Curso Ciências Contábeis. Disciplina: Administração Financeira. Professor: Héber Lavor Moreira.

Universidade Federal do Pará. Centro Sócio Econômico. Curso Ciências Contábeis. Disciplina: Administração Financeira. Professor: Héber Lavor Moreira. Universidade Federal do Pará. Centro Sócio Econômico. Curso Ciências Contábeis. Disciplina: Administração Financeira. Professor: Héber Lavor Moreira. Silvanda de Jesus Aleixo Ferreira 0201002501 Belém-PA

Leia mais

31 de março de 2015 e 2014 com Relatório dos Auditores Independentes sobre as demonstrações financeiras

31 de março de 2015 e 2014 com Relatório dos Auditores Independentes sobre as demonstrações financeiras Demonstrações Financeiras Banrisul Multi Fundo de Investimento em Cotas de Fundos de Investimento (Administrado pelo Banco do Estado do Rio Grande do Sul S.A. - CNPJ: 92.702.067/0001-96) e 2014 com Relatório

Leia mais

ELABORAÇÃO DE UM PLANO DE NEGÓCIOS PARA UMA EMPRESA DE TRANSPORTE COLETIVO DE PASSAGEIROS 1

ELABORAÇÃO DE UM PLANO DE NEGÓCIOS PARA UMA EMPRESA DE TRANSPORTE COLETIVO DE PASSAGEIROS 1 ELABORAÇÃO DE UM PLANO DE NEGÓCIOS PARA UMA EMPRESA DE TRANSPORTE COLETIVO DE PASSAGEIROS 1 Jéssica Schreiber Boniati 2, Eusélia Pavéglio Vieira 3. 1 Trabalho de conclusão de curso apresentado ao curso

Leia mais

Curso: Ciências Contábeis. Disciplina: ESTRUTURA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Entrega dia 30 de Novembro

Curso: Ciências Contábeis. Disciplina: ESTRUTURA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Entrega dia 30 de Novembro Faculdade Atenas Maranhense - FAMA Professor: Esp. CLEIDIANA SACCHETTO Curso: Ciências Contábeis. Disciplina: ESTRUTURA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Entrega dia 30 de Novembro DEMONSTRAÇÃO DE LUCROS OU

Leia mais

Ciclo de Debates: Gestão do Trabalho no Terceiro Setor. Prof.ª Dr. Ana Lúcia Maciel Dr. Rosa Mª Castilhos Fernandes

Ciclo de Debates: Gestão do Trabalho no Terceiro Setor. Prof.ª Dr. Ana Lúcia Maciel Dr. Rosa Mª Castilhos Fernandes Ciclo de Debates: Gestão do Trabalho no Terceiro Setor Prof.ª Dr. Ana Lúcia Maciel Dr. Rosa Mª Castilhos Fernandes O Terceiro Setor hoje não é só trabalho voluntário. Já é possível projetar uma carreira

Leia mais

Análise das demonstrações contábeis da cooperativa de saúde UNIMED João Monlevade MG

Análise das demonstrações contábeis da cooperativa de saúde UNIMED João Monlevade MG Análise das demonstrações contábeis da cooperativa de saúde UNIMED João Monlevade MG Hugo Almeida da Silva (UNEMAT) hugo0888@hotmail.com Kallyne Gonçalves Xavier(UNEMAT) kallyne_fc@hotmail.com Jane Regina

Leia mais

Anexo IV Metas Fiscais IV.3. Evolução do Patrimônio Líquido (Art. 4 o, 2 o, inciso III, da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000)

Anexo IV Metas Fiscais IV.3. Evolução do Patrimônio Líquido (Art. 4 o, 2 o, inciso III, da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000) Anexo IV Metas Fiscais IV.3. Evolução do Patrimônio Líquido (Art. 4 o, 2 o, inciso III, da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000) O Patrimônio Líquido PL é composto pelos subgrupos Capital Social,

Leia mais