BOLETIM DE DESEMPENHO ECONÔMICO DO TURISMO

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "BOLETIM DE DESEMPENHO ECONÔMICO DO TURISMO"

Transcrição

1 BOLETIM DE DESEMPENHO ECONÔMICO DO TURISMO SUMÁRIO EXECUTIVO JANEIRO 2006 ANO III No. 9 O Boletim de Desempenho Econômico do Turismo é uma publicação trimestral que leva ao público o resultado de uma análise de caráter qualitativo da conjuntura econômica do turismo no Brasil. Esta análise considera as principais variáveis econômicas do ambiente em associação com os resultados de um levantamento amostral da opinião de diversos segmentos do turismo. Variáveis de categorização apuradas na pesquisa permitem a ponderação de cada resposta individual e a estimação do segmento respondente. Esta pesquisa, de âmbito nacional, interpreta as respostas dadas pelos empresários do setor sobre o momento atual dos negócios, o trimestre imediatamente anterior, o trimestre imediatamente posterior, comparações entre iguais períodos em anos consecutivos e, também, um horizonte que pode abarcar até os próximos 12 meses. As observações e as previsões são apuradas utilizando o SALDO DE RESPOSTAS, ou seja, a diferença entre o total ponderado de assinalações de aumento e de queda. Esse saldo indica a percepção do segmento respondente em relação ao tema da pergunta. EXEMPLO: QUAL A SUA PERSPECTIVA EM RELAÇÃO AO VALOR DAS VENDAS NO PRÓXIMO TRIMESTRE EM COMPARAÇÃO COM O ANTERIOR? Diminuição: 7%; Estabilidade: 61%; Aumento: 32%. Neste caso, o saldo de respostas será positivo em 25%. Este número indica a intensidade da percepção dos respondentes em relação à variável pesquisada. É importante, então, NÃO interpretá-lo como aumento percentual das vendas. Note, em seguida, como o saldo pode ajudá-lo a interpretar as expectativas dos respondentes. No Boletim de Desempenho Econômico do Turismo considera-se o seguinte: saldo acima de + 10% (inclusive) significa aumento da variável pesquisada; saldo situado entre - 9% (inclusive) e + 9% (inclusive) significa estabilidade da variável pesquisada. saldo inferior a - 10% (inclusive) significa queda da variável pesquisada. Os símbolos (+), (=) e (-), que aparecem nas tabelas significam aumento/ positivo, estabilidade/neutro e queda/negativo, respectivamente. As respostas obtidas das empresas são ponderadas para refletir o peso de cada respondente no mercado do turismo em geral e de seu segmento em particular. Apenas nas pesquisas de Eventos, Receptivo e Restaurantes, a partir da 7a. edição foram realizados ajustes algébricos nos ponderadores da pesquisa a fim de se aprimorar a consistência das estimativas. Os efeitos dessa alteração dos ponderadores foram, em alguns casos, salientados na seção de apresentação das séries históricas da pesquisa. O presente Boletim de Desempenho Econômico do Turismo reflete as respostas coletadas entre os dias 3 de janeiro e 6 de fevereiro de Nele entraram, pela primeira vez, empresas do setor de transporte aéreo e administradores de parques temáticos e atrações turísticas, elevando para 8 o número de segmentos pesquisados. Ambiente Macroeconômico Números Recordes Confirmados Segundo dados divulgados pelo Banco Central, o turismo internacional rendeu, em 2005, US$ 3,861 bilhões ao Brasil. Tal resultado representou o significativo crescimento de 19,83% em relação a 2004, quando foram auferidos US$ 3,222 bilhões. De acordo com a Infraero, o número de desembarques internacionais alcançou, em 2005, o recorde histórico de (10,53% a mais do que os referentes a 2004) é importante citar, no entanto, que neste total estão incluídos os passageiros brasileiros provenientes do exterior. Ressalte-se, igualmente, que os dados da Organização Mundial do Turismo revelam número recorde de turistas em 2005 circulando no planeta: 808 milhões a mais, comparativamente a 2004 (+5,5%). Resultados bastante expressivos foram detectados no total de vôos domésticos em 2005: o número de desembarques de passageiros somou , um aumento de 17,95% em relação a 2004, quando foram registrados desembarques. O crescimento recorde excepcional permite acreditar, segundo a Embratur, que venha a ser atingida a meta estabelecida pelo Ministério do Turismo, no Plano Nacional de Turismo, para 2007 (65 milhões de desembarques nacionais). Estimativas do Ministério do Trabalho e Emprego revelam que, no triênio 2003/2005, a atividade econômica do turismo gerou 560 mil empregos (100 mil, 210 mil e 250 mil, respectivamente). Segundo o Ministério do Turismo, somente a rede hoteleira deve gerar empregos diretos e indiretos de 2005 a 2008, quando grupos internacionais e nacionais investirão R$ 3,4 bilhões em 134 empreendimentos de médio e grande porte que vão acrescentar 25 mil unidades habitacionais em todas as regiões do País. Alguns números relativos à amostra deste levantamento (TODOS OS SEGMENTOS) são os seguintes: Empresas respondentes: 748 Vendas no trimestre: R$ 1,642 bilhão Vendas no ano: R$ 6,571 bilhões (estimativa) Postos de trabalho em DEZ/2005: Unidades da federação representadas: 26

2 SUMÁRIO EXECUTIVO BOLETIM DE DESEMPENHO ECONÔMICO DO TURISMO JANEIRO 2006 ANO III Nº 9 pág. 2/22 Principais Indicadores Taxa de Juros Dólar A cotação da moeda norte-americana oscilou bastante no decorrer do quarto trimestre de 2005, atingindo um valor mínimo de R$ 2,163 em novembro (a menor cotação registrada desde maio de 2001) e um máximo de R$ 2,382 em dezembro, chegando, ao final do ano, a R$ 2,339. A tendência de queda constatada ao longo de 2005 estimulou as viagens de brasileiros ao exterior, sem afetar as viagens dos estrangeiros para o Brasil. A valorização cambial foi o grande responsável pela reversão na conta viagens internacionais, do Balanço de pagamentos, que passou de um superávit de US$ 351 milhões em 2004, para um déficit de US$ 858 milhões, em Petróleo Desde setembro de 2005, o preço do petróleo não atingia o patamar de US$ 66 por barril; entretanto, a ameaça de novos ataques a instalações petrolíferas da Nigéria, oitavo maior exportador do mundo, e a crise envolvendo o programa nuclear do Irã afetaram as cotações, em meados de janeiro de 2006: o preço do petróleo do tipo leve americano (WTI), para entrega em fevereiro, subiu para US$ 66,31 o barril, enquanto que o do tipo Brent foi majorado para US$ 64,90. Dias após, a cotação aumentou para US$ 69,20 o barril, o maior patamar constatado desde o início de setembro de 2005, declinando, a seguir, para US$ 68,05, depois de a Arábia Saudita, maior exportadora mundial da commodity prometer, se necessário, elevar a produção, e afirmar que a OPEP não irá reduzir os níveis de escoamento do produto. Após atingir um nível máximo de 19,75% ao ano, que persistiu ao longo de quatro meses (maio-agosto/ 2005), a taxa de juros Selic iniciou um processo de queda, passando para 19,5 % em setembro e fechando o ano em 18%. Dando prosseguimento ao processo de ajuste da taxa de juros básica, o Comitê de Política Monetária (Copom), do Banco Central, decidiu, em meados de janeiro/2006, reduzir a taxa Selic para 17,25% ao ano. Apesar dessas reduções sucessivas na taxa de juros, o Brasil continua liderando o ranking mundial dos juros reais (12,1%) os quais correspondem à taxa de juros nominal descontada da inflação projetada para os próximos 12 meses bem acima de outros países emergentes como: Cingapura (6,4%), Turquia (5,7%), México (4,8%), Coréia do Sul (4,2%) e África do Sul (3%). PIB A manutenção das taxas de juros, ao longo de vários meses, em patamares elevadíssimos, acarretou a diminuição da intensidade do crescimento econômico que havia sido projetada no inicio de Assim, ao longo do ano de 2005, as estimativas referentes ao crescimento anual do Produto Interno Bruto (PIB) foram sendo revisadas para baixo, e em abril já eram inferiores a 4%. Em virtude do desaquecimento da economia brasileira verificado no último trimestre de 2005, as previsões foram revisadas para valores abaixo de 3,0%. Na última previsão feita pelo Banco Central, estima-se que o crescimento econômico seja de apenas 2,6% em 2005, bem abaixo dos 4,9% registrado em Inflação De acordo com a Fundação Getulio Vargas, a inflação medida pelo Índice Geral de Preços (IGP-DI), apurado do primeiro ao último dia de cada mês, subiu 0,07% em dezembro de 2005, ante um aumento de 0,33% em novembro; com este resultado, o IGP-DI fechou o ano com alta de 1,22% (o menor resultado na história do indicador, que começou a ser apurado na década de 40), contra 12,14% em O Índice de Preços por Atacado (IPA-DI), que representa 60% do total do IGP-DI, registrou queda de 0,14% em dezembro (ante elevação de 0,24%, em novembro); o Índice de Preços ao Consumidor (IPC-DI), com participação de 30%, aumentou 0,46% em dezembro (contra 0,57% em novembro); e o Índice Nacional do Custo da Construção (INCC-DI), que representa 10%, subiu 0,37% em dezembro (ante majoração de 0,28% em novembro). Tais indicadores mostram que, de modo geral, o Banco Central do Brasil vem conseguindo manter sob controle a inflação do País.

3 SUMÁRIO EXECUTIVO BOLETIM DE DESEMPENHO ECONÔMICO DO TURISMO JANEIRO 2006 ANO III Nº 9 pág. 3/22 Outros Indicadores Cabe ressaltar a evolução de outros relevantes indicadores econômicos que são relevantes na avaliação da situação da economia brasileira à época da realização da pesquisa (janeiro): Balança Comercial Mesmo com a valorização do real frente ao dólar e o surto da febre aftosa, o valor das exportações brasileiras atingiu nível recorde de US$ 118,309 bilhões em 2005, o que representa um crescimento de 22,6% em relação a Por outro lado, as compras no mercado internacional totalizaram US$ 73,545 bilhões crescimento de 17% em relação a , resultando num saldo na balança comercial de US$ 44,764 bilhões. Com tais resultados, a corrente de comércio brasileira (exportação+importação) somou US$ 191,854 bilhões em 2005, montante 20,7% superior aos US$ 159 bilhões referentes a Os principais países de destino dos produtos brasileiros foram os Estados Unidos (US$ 22,7 bilhões), a Argentina (US$ 9,9 bilhões) e a China (US$ 6,8 bilhões). Por mercados de destino, o aumento das vendas externas para regiões não tradicionais, como Europa Oriental (+55,8%), África (+41,4%) e Ásia (+27,9%) mostra que a diversificação de mercados teve prosseguimento em Segundo o Instituto Brasileiro de Geografia a Estatística (IBGE), a taxa de desemprego no Brasil encerrou 2005 em 8,3% (contra 9,6% em novembro), o menor percentual da nova série histórica iniciada em março de Risco-país A decisão do governo brasileiro de antecipar o pagamento de US$ 15,5 bilhões ao Fundo Monetário Internacional (FMI), que venceriam em 2006 e 2007 foi bem recebida pelos investidores internacionais e melhorou a percepção de risco em relação a economia brasileira. Assim, a quitação integral da dívida remanescente fez o risco-país, indicador da confiança dos investidores estrangeiros no Brasil recuar, no princípio de janeiro, para 311 pontos centesimais, o nível mais baixo desde que começou a ser calculado, em Com esta queda, o Brasil passou, de quarto para quinto maior risco do mundo, atrás do Equador (640 pontos), Argentina (496 pontos), Nigéria (457 pontos) e Venezuela (312 pontos). No final do mês, o risco-país registrou novo recorde histórico, baixando para 270 pontos centesimais. A estimativa do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior é de que as exportações brasileiras venham a atingir US$ 132 bilhões em Quanto às importações, todas as categorias apresentaram crescimento em 2005: bens de capital (+ 27,4%), bens de consumo (+24,2%), combustíveis e lubrificantes (+16,2%) e matérias-primas e bens intermediários (+13,1%). Investimento Estrangeiro Balanço divulgado pela Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) revela que, em 2005, investidores internacionais trouxeram US$ 5,86 bilhões para o mercado acionário brasileiro, cabendo destacar que se trata do segundo maior volume registrado nos últimos 11 anos (o mais elevado havia ocorrido em 2003: R$ 7,495 bilhões). Nível de Emprego De acordo com o Ministério do Trabalho, em 2005 foram criados 1,254 milhão de empregos com carteira assinada, o que corresponde a cerca de 17,7% a menos que o resultado de 2004, quando foram criados 1,523 milhão de empregos formais. A previsão para 2006 é a de que a queda dos juros e a esperada retomada da economia proporcionem a criação de 1,3 milhão a 1,5 milhão de vagas de emprego.

4 SUMÁRIO EXECUTIVO BOLETIM DE DESEMPENHO ECONÔMICO DO TURISMO JANEIRO 2006 ANO III Nº 9 pág. 4/22 Impactos no Turismo Brasileiro Investimentos Número de Funcionários A política monetária restritiva adotada pelo Banco Central, que teve um reflexo negativo sobre a demanda agregada, afetou negativamente o nível de atividade da economia e o emprego. Não obstante, a retrospectiva dos setores em relação ao quadro de pessoal, em todos os períodos consultados, foi majoritariamente positiva (saldos de resposta maiores que 10%), indicando aumento no número de empregados. As perspectivas para o próximo trimestre e para o semestre já apresentam maior estabilidade no quadro de pessoal dos segmentos pesquisados. As indicações majoritárias verificadas retrospectivamente são fortemente marcadas por mais indicações de estabilidade (saldos entre 10% e +10%). Entre as expectativas, é notável uma evolução positiva nas opiniões relativas ao curtíssimo prazo e o horizonte do primeiro semestre. Com as projeções apontando para um crescimento da economia brasileira entre 3% e 4%, espera-se um ano de 2006 melhor do que 2005 e que essa perspectiva, no turismo, seja ainda mais intensa. e Custos Operacionais Quase todos os segmentos apontaram para um crescimento no faturamento no quarto trimestre e no acumulado do ano. Vale ressaltar que isso aconteceu com a economia crescendo num ritmo mais lento em 2005, e a renda do trabalhador quase estagnada, influenciando uma queda na demanda agregada. Com um ambiente macroeconômico extremamente favorável (estabilidade de preços, superávit primário, superávit nas contas externas, redução substancial no risco Brasil) e baixa incerteza, as pesquisas apontaram uma expectativa geral de investimentos nos negócios. Além disso, a expectativa de redução na taxa de juros, o que reduz o custo do crédito, aliada a perspectiva de crescimento da economia brasileira torna o ambiente propício para a realização de novos investimentos. Assim, na média, a maioria dos entrevistados dos vários segmentos apontou para um investimento de cerca de 6% do faturamento no primeiro trimestre de Negócios Todos os segmentos pesquisados apontaram para uma expansão nos negócios no ultimo trimestre de Também as projeções para o primeiro trimestre de 2006 são bastante animadoras. De qualquer forma, é importante salientar que esses resultados ainda não podem ser interpretados como uma tendência, tendo em conta que, os negócios no primeiro e ultimo trimestre são afetados por fatores sazonais. Assim, somente os resultados do primeiro e do segundo semestre de 2006 podem confirmar se realmente se o ano de 2006 será melhor do que Essa possibilidade, no entanto, é reforçada pela opinião geral de otimismo apresentada na pesquisa. No caso do segmento hoteleiro, a valorização cambial pode ter contribuído para o seu desempenho em Com o real valorizado frente ao dólar, muitos brasileiros passaram a viajar para fora do país, o que reduziu a demanda dos brasileiros pelo serviço de hospedagem (importante ressaltar que os hospedes brasileiros representam aproximadamente 70% do total). Todos os segmentos apontaram para um aumento nos custos operacionais. O segmento parques registrou o menor saldo (28%), o qual, no entanto, ainda reflete uma forte sensação de aumento pelo segmento É possível se especular que a elevação no custo de crédito, influenciado pelo longo ciclo da política de juros básicos elevados, e o aumento nos preços dos derivados de petróleo sejam fatores importantes no aumento do custo operacional das empresas.

5 BOLETIM DE DESEMPENHO ECONÔMICO DO TURISMO JANEIRO 2006 ANO III Nº 9 pág. 5/22 RELATÓRIO SETORIAL - AGÊNCIAS DE VIAGENS Comparação entre o 4º Trimestre de 2005 e Perspectivas para o 2º Trimestre de 2006 Valor total das Vendas e Demanda por Viagens Constatou-se incremento das vendas no último trimestre de 2005, comparativamente ao terceiro: 80% do segmento indicou expansão, 18% estabilidade e 2% retração o saldo de respostas (correspondente à diferença entre as assinalações de incremento e de declínio) é, portanto, de 78%, percentual bem mais amplo do que os registrados em out.-dez./2004 e de 2003 (47% e 49%, respectivamente). A modalidade de vendas a prazo obteve 73% de indicações (quase o triplo das vendas à vista) no último trimestre de As expectativas para jan.-mar./2006 são de aquecimento dos negócios (saldo de 66%). No que concerne à segmentação do mercado, a parcela correspondente a turistas nacionais totalizou 75% em out.-dez./2005 e a de turistas estrangeiros, 25% (contra 55% e 45%, respectivamente, registrados em out.-dez./2004). Situação em Janeiro/2006 Negócios No início de janeiro, os negócios estão se expandindo para 79% do segmento, estáveis para 20% e em retração para 1% (saldo de 78%, contra saldo de 55% em jan./2005 e de 68% em out./2005). Tanto a demanda por viagens domésticas quanto por viagens internacionais aumentaram, no 4 trimestre/ 2005, em relação a jul.-set./2005 (saldos de 63% e 69%, respectivamente, também superiores aos constatados em iguais períodos dos dois anos anteriores). As perspectivas relativas aos três primeiros meses de 2006 quanto à procura de viagens domésticas e internacionais são otimistas (saldos das assinalações de previsão de 66% e 70%, respectivamente). Número de Funcionários A evolução favorável dos negócios estimulou a absorção adicional de pessoal no decorrer do 4 trimestre/ 2005 (saldo de 53%, contra saldos de 39% e 11% em iguais períodos de 2004 e 2003, respectivamente); cabe ressaltar, entretanto, que a quase totalidade do segmento (95% de assinalações) não programa realizar contratações nos três primeiros meses de Custos Operacionais Majoração dos custos operacionais, em out.-dez./2005, foi assinalada pela grande maioria dos respondentes (saldo de 94%). Motivação para Viagens e Segmentação do Mercado As viagens, ao longo do quarto trimestre de 2005, foram realizadas com os seguintes propósitos: lazer / passeio (58%), negócios / trabalho (13%) e por outros motivos (29%). Investimentos Para 74% do segmento consultado, no início de janeiro, há orçamento definido para investimentos no negócio no primeiro trimestre do corrente ano (mobiliário, tecnologia da informação, equipamento, treinamento etc). Neste caso, é de 5,4% o volume de recursos alocados em relação ao faturamento do segmento.

6 AGÊNCIAS DE VIAGENS BOLETIM DE DESEMPENHO ECONÔMICO DO TURISMO JANEIRO 2006 ANO III Nº 9 pág. 6/22 Comparação dos Anos de 2004 e 2005 e entre os 4 os Trimestres de 2004 e de 2005 Quanto ao faturamento em 2005 em relação a 2004, 83% do segmento de agências de viagens pesquisado registraram majoração, 1% estabilidade e 16% retração. No resultado ponderado da amostra, o crescimento do faturamento atingiu, em média, 19,4%. Na comparação entre os quartos trimestres de 2005 e 2004, registrou-se ampliação do faturamento em 83% do segmento pesquisado, estabilidade em 16% e redução em 1%, resultando numa variação média de 18,1%. No que tange ao emprego do setor em 2005 em relação a 2004, verificaram-se 64% de assinalações de ampliação, 31% de estabilidade e 5% de diminuição (saldo de 59%). A expectativa do segmento (em geral) para o 1 semestre/2006, em relação aos seis primeiros meses de 2005, é de estabilidade do quadro de pessoal, ainda que predominem amplamente as previsões de aquecimento dos negócios. A evolução em out.-dez./2005 (comparativamente a idêntico trimestre de 2004) mostra um quadro semelhante: 62% de indicações de aumento, 34% de estabilidade e 4% de redução (saldo de 58%). Demanda por Viagens Comparando-se informações referentes aos quartos trimestres de 2005 e 2004, verificaram-se incrementos tanto da procura por pacotes domésticos (saldo de respostas de 63%) quanto da demanda de pacotes internacionais (saldo de 96%). Previsão Primeiro Semestre de 2006 / 2005 O contraste entre o faturamento previsto para jan.- jun./2006 com o auferido em igual período de 2005, revela que 76% do segmento pesquisado esperam elevação do faturamento, 23% estabilidade e somente 1% declínio, o que resultaria num aumento médio de 14,2%.

7 BOLETIM DE DESEMPENHO ECONÔMICO DO TURISMO JANEIRO 2006 ANO III Nº 9 pág. 7/22 RELATÓRIO SETORIAL - EVENTOS Comparação entre 3o e 4o Trimestres de 2005 e Perspectivas para o 1o Trimestre de 2006 e Diárias Pagas Verificou-se, no último trimestre de 2005, poucas indicações de aumento nos quadros de pessoal: 25% do segmento consultado contratou, 61% manteve estável o quadro de pessoal e 14% demitiu o saldo de respostas (diferença entre as assinalações de aumento e de queda) foi de 11%, contra 9% e 47% em iguais períodos de 2004 e No que concerne ao número de diárias pagas a funcionários temporários, observou-se incremento pelo terceiro trimestre consecutivo: saldo de 58%, contra saldos também elevados de 57% e 61% referentes a out.-dez./2004 e de Predominaram as assinalações de aumento do número de participantes nos eventos no decorrer do último trimestre de 2005, comparativamente a jul.-set./2005 (saldo de 59%, contra saldos de 44% e de 80% em out.-dez./2004 e de 2003). As expectativas para os três primeiros meses do ano em curso são de redução do total de participantes nos eventos (saldo de 14%, o mais baixo da série histórica). Situação em Janeiro/2006 Negócios Para as empresas organizadoras de eventos, os negócios no princípio de janeiro, estão em expansão para 89% do segmento pesquisado, estáveis para 10% e em retração para 1% (saldo de 88%, contra saldo de 77% no mesmo mês de 2005). Para jan.-mar./2006, espera-se ampliação dos quadros de pessoal (saldo de 15%) e redução do número de diárias pagas a funcionários temporários. e Custos Operacionais Pelo terceiro trimestre consecutivo verificou-se predomínio das assinalações de aumento do faturamento: 70% de indicações de aumento em out.-dez./2005, contra 14% de queda (saldo de 56%, contra saldo de 68% em idêntico período de 2004). As estimativas para jan.-mar./2006 são de estabilidade do faturamento em relação ao auferido no último trimestre de 2005 (saldo de 6%). No que tange aos custos operacionais, novamente as indicações de majoração (80%) superaram consideravelmente as de redução (3%), gerando um saldo de respostas, em out.-dez./2005, bastante elevado, bastante elevado (77%, contra 68% e 81% em iguais trimestres de 2004 e de 2003, respectivamente). Total de participantes nos eventos Investimentos Para 40,1% do segmento consultado, há, no princípio de janeiro, orçamento definido para investimentos no negócio no primeiro trimestre de 2006 (mobiliário, tecnologia da informação, equipamentos, treinamento etc) ressalte-se que o valor dos recursos a serem alocados representam 22,50% do faturamento.

8 EVENTOS BOLETIM DE DESEMPENHO ECONÔMICO DO TURISMO JANEIRO 2006 ANO III Nº 9 pág. 8/22 Comparação dos Anos de 2004 e 2005 e entre os 4 os Trimestres de 2004 e de 2005 Segundo 61% do segmento pesquisado, faturou-se mais em 2005 do que em 2004, para 30% houve estabilidade, e para 9%, diminuição. Considerando o resultado ponderado da amostra, a majoração do faturamento foi, em média, de 12,3%. Na comparação entre o faturado em out.-dez./2005 e de 2004, observou-se crescimento em 52% do segmento, estabilidade em 35% e redução em 13%, resultando numa variação média de 9,4%. Previsão Primeiro Semestre de 2006 / 2005 As previsões para jan.-jun./2006 (em relação ao observado em igual semestre de 2005) são de que ocorra crescimento em 61% do segmento, estabilidade em 18% e redução em 21%, o que resultaria num aumento médio de 21,9%. Estima-se, para jan.-jun./2006 ampliação do quadro de pessoal, comparativamente a igual período de 2005: 41% de indicações de crescimento, 51% de estabilidade e 8% de redução (saldo de 33%). O segmento consultado indicou que o número de funcionários em 2005, manteve-se predominantemente estável em relação a 2004: 27% de assinalações de aumento, 49% de estabilidade e 24% de diminuição (saldo de 3%). O contraste entre out.-dez.2005 e de 2004 revela saldo positivo: 27% de assinalações.

9 BOLETIM DE DESEMPENHO ECONÔMICO DO TURISMO JANEIRO 2006 ANO III Nº 9 pág. 9/22 RELATÓRIO SETORIAL - HOTELARIA Comparação entre 3o e 4o Trimestres de 2005 e Perspectivas para o 1o Trimestre de 2006 Quartos Vendidos e O segmento hoteleiro indicou elevação no total de quartos vendidos: 61% de assinalações de aumento da variável, 16% de estabilidade e 23% de redução o saldo das respostas (correspondente à diferença entre as indicações de incremento e de queda) atingiu 38%, bastante inferior ao constatado em igual trimestre de 2004 (saldo de 57%) e quase igual ao registrado em idêntico período de 2003 (saldo de 39%). Maior parcela do segmento está otimista em relação ao 1 trimestre/2006 (saldo de prognósticos de 30%), devido, especialmente, à sazonalidade (verão, férias e carnaval), a qual, mais uma vez, deverá refletir-se positivamente sobre o faturamento do ramo (saldo das previsões de 40%). Verificou-se, no último trimestre de 2005, tênue ampliação do número de funcionários do setor: saldo de 11%, contra saldos de 36% e de 18% em iguais períodos de 2004 e de 2003, respectivamente. As previsões dos hoteleiros consultados, referentes aos três primeiros meses do ano em curso, são de estabilidade do quadro de pessoal (saldo de 1%), em comparação com o 4 trimestre/2005. Custos Operacionais Observou-se ampla majoração dos custos operacionais no último trimestre de 2005 (saldo de 90%, contra saldos de 64% e de 72% em iguais períodos de 2004 e de 2003) cabe destacar que se trata do mais elevado percentual registrado desde o início da implantação da pesquisa. Motivo da Estadia e Segmentação do Mercado O percentual de turistas que se hospedaram, em out.- dez./2005, por motivos de negócios/trabalho, elevouse a 58%; a lazer/passeio, 30%; para a participação em congressos/feiras, a 11%; e por outras razões, a 1%. No que concerne à segmentação do mercado, a fatia correspondente a hóspedes brasileiros é de 76% e a de estrangeiros, 24%. Situação em Janeiro/2006 Negócios No primeiro princípio de janeiro, os negócios estão em expansão para 72% do segmento pesquisado, estáveis para 24% e em retração para 4% (saldo de 68%, bem mais favorável do que o apurado em igual mês de 2004: 37%). Demanda Nacional e Internacional Ambas as procuras nacional e internacional elevaram-se em out.-dez./2005 (saldos, respectivamente, de 35% e 17%) e o segmento consultado antevê, para jan.-mar./2006, novo aumento (saldos de 19% e 22%, respectivamente).

10 HOTELARIA BOLETIM DE DESEMPENHO ECONÔMICO DO TURISMO JANEIRO 2006 ANO III Nº 9 pág. 10/22 Investimentos Para 68% do segmento consultado, há, no começo de janeiro, orçamento definido para investimentos no negócio, nos três primeiros meses de 2006 (mobiliário, tecnologia da informação, equipamentos, treinamento etc.). No caso, o valor dos recursos a serem alocados correspondem a 10,4% do faturamento. Comparação dos Anos de 2004 e 2005 e entre os 4 os Trimestres de 2004 e de 2005 Para 71% do segmento, o faturamento em 2005 superou o de 2004, para 19% ele não se alterou, enquanto que para 10% ele sofreu retração. No resultado ponderado da amostra, a elevação do faturamento foi, em média, de 10,3%. O contraste entre out.-dez./2005 e de 2004 mostra ampliação do faturamento em 60% do segmento pesquisado, estabilidade em 20% e redução em 20%, resultando numa variação média de 7,7%. Demanda por Viagens Previsão Primeiro Semestre de 2006 / 2005 Na comparação entre o faturamento esperado para o 1 semestre de 2006 com o que foi efetivamente auferido no mesmo período de 2005, observa-se que 67% do segmento prevêem expansão, 25% estabilidade e 8% declínio, o que resultaria num aumento médio de 6,0%. Comparando-se informações relativas a out.-dez./ 2005 e de 2004, constatam-se incrementos tanto da demanda de hóspedes brasileiros quanto da de estrangeiros (saldos de 37% e de 14%, respectivamente). As expectativas para jan.-jun./2006, comparativamente ao primeiro semestre de 2005, são de estabilidade (saldo de 8%). Considerando a amostra pesquisada pelo BDET, o número de funcionários em 2005 aumentou em 39% do segmento, manteve-se estável em 48% e diminuiu em 13% (saldo de 26%) em relação a O contraste entre os quartos trimestres desses dois anos revela, igualmente, saldo positivo: 22%.

11 BOLETIM DE DESEMPENHO ECONÔMICO DO TURISMO JANEIRO 2006 ANO III Nº 9 pág. 11/22 RELATÓRIO SETORIAL - OPERADORAS Comparação entre 3o e 4o Trimestres de 2005 e Perspectivas para o 1o Trimestre de 2006 Valor total e Distribuição das Vendas A quase totalidade do mercado indicou expansão, em out.-dez./2005, do valor total das vendas, superando, de modo geral, os prognósticos empresariais: 95% de assinalações de aumento, 3% de estabilidade e 2% de decréscimo o saldo das respostas, representado pela diferença entre as assinalações de aumento e de queda, alcançou 94% (contra 44% em igual trimestre de 2004). As vendas de pacotes, realizadas no último trimestre de 2005, distribuíram-se da seguinte forma: a prazo (70%) e à vista (30%). O aquecimento dos negócios é esperado para jan.-mar./ 2006: no mercado de operadoras pesquisado, o saldo das assinalações de previsão quanto ao valor total das vendas atinge 94%. Demanda de Pacotes Domésticos e Internacionais Após dois trimestres de declínio, a procura de pacotes nacionais elevou-se em out.-dez./2005 (saldo de 94%); a demanda de pacotes internacionais também aumentou para a maior parcela do mercado (saldo de iguais 94%). O mercado de operadoras de turismo manteve-se aquecido no último trimestre de 2005 e tal fato parece ter induzido os empresários a, mais uma vez, ampliarem o quadro de pessoal (saldo das observações de 93%), antevendo-se novamente para jan.-mar./2006 (saldo das previsões de 22%). Motivação para Viagens e Segmentação do Mercado As viagens, ao longo de out.-dez./2005, foram motivadas essencialmente por lazer / passeio (100% de assinalações). No que tange à segmentação do mercado, no último trimestre de 2005, a parcela correspondente a pacotes nacionais representou 78% das vendas (em out.-dez./ 2004, tal percentual atingiu 60%). Situação em Janeiro/2006 Negócios Os negócios estão se expandindo, atualmente, para 70% do mercado pesquisado e estáveis para 30% (saldo de 70%, contra saldo de 77% registrado em jan./2005). As perspectivas para jan.-mar./2006 são de novo incremento da procura tanto de pacotes nacionais (saldo de 86%) quanto de pacotes internacionais (saldo de 67%). Custos Operacionais No 4 trimestre/2005, a totalidade do mercado consultado indicou majoração dos custos operacionais.

12 OPERADORAS BOLETIM DE DESEMPENHO ECONÔMICO DO TURISMO JANEIRO 2006 ANO III Nº 9 pág. 12/22 Investimentos A totalidade do mercado consultado informou, no início de janeiro, haver orçamento definido para investimentos no negócio nos primeiros três meses de 2006 (mobiliário, tecnologia da informação, equipamentos, treinamento etc), sendo de 11,74% o volume de recursos alocados em relação ao faturamento do setor. Comparação dos Anos de 2004 e 2005 e entre os 4 os Trimestres de 2004 e de 2005 No que concerne ao faturamento de 2005 (comparativamente a 2004), 97% do mercado assinalou expansão, 1% estabilidade e 2% redução. No resultado ponderado da amostra, a elevação do faturamento alcançou, em média, 21,2%. O contraste entre os quartos trimestres de 2005 e de 2004 revela situação quase idêntica: 98% de assinalações de incremento, 2% de declínio, resultando numa variação média de 23,5%. As previsões para jan.-jun./2006, comparativamente a jan.-jun./2005, mostram quadro positivo da contratação de pe (saldo de 98%). No que diz respeito ao número de funcionários em 2005, registraram-se 98% de assinalações de aumento em relação a 2004 e 2% de diminuição (saldo de 96%). A evolução em out.-dez./2005, em contraste com igual trimestre de 2004, revela percentuais idênticos. Demanda de Pacotes Domésticos e Internacionais Tanto a evolução da procura por pacotes nacionais quanto por pacotes internacionais em out.-dez./2005, em relação ao último trimestre de 2004, apresentaram o mesmo comportamento: 98% do mercado consultado indicaram ampliação, enquanto que somente 2%, redução (saldo de 96%). Previsão primeiro semestre de 2006 Para a totalidade do mercado pesquisado, o faturamento deverá expandir-se em jan.-jun./2006, em relação a igual semestre de 2005, com variação média de 19,9%.

13 BOLETIM DE DESEMPENHO ECONÔMICO DO TURISMO JANEIRO 2006 ANO III Nº 9 pág. 13/22 RELATÓRIO SETORIAL - PARQUES TEMÁTICOS E ATRAÇÕES TURÍSTICAS Comparação entre 3o e 4o Trimestres de 2005 e Perspectivas para o 1o Trimestre de 2006 O número de funcionários das empresas respondentes se manteve estável na transição entre o 3o e 4o. trimestres de % de indicações de estabilidade e um saldo de respostas de - 3% (negativo) dão a dimensão da evolução do quadro de pessoal no período (veja as notas metodológicas na capa do relatório). Gasto Médio per capita Para 68% do segmento consultado, o gasto médio por visitante elevou-se, no último trimestre de 2005 comparativamente ao trimestre anterior. Apenas 20% dos consultados indicou queda. Novo aumento no gasto médio é previsto por 82% do segmento, que não fez menção a queda para o período. Custos Operacionais Número de Visitantes Constatou-se, no 4o. trimestre de 2005, inalterabilidade no total de visitante recebidos nos parques temáticos, comparativamente ao período jul.-set./ 2005: 43% de assinalaçãoes de aumento, 15% de estabilidade e 42% de queda. O saldo de respostas, representado pela diferença entre as indicações de aumento e queda, foi de 1% (veja notas metodológicas na capa do relatório). As expectativas para o trimestre jan.-mar./2006 é de que os parques venham a receber maior número de visitantes que no último trimestre de 2005 (saldo de respostas de 23%). Consumo de Alimentos e Bebidas Totalizaram 51% as assinalações de expansão do volume do consumo de A&B na comparação entre o 4o e o 3o. trimestres de Com uma indicação de queda feita por 28% do segmento respondente, o saldo de 23% indica que o aumento foi percebido por boa parte do segmento de parques e atrações turísticas. Os prognósticos para o 1o trimestre de 2006 indicam uma nova ampliação do consumo: saldo de respostas de 73% com apenas 9% de indicações de queda. Observou-se, na comparação entre o 4o e 3o trimestres de 2005, indicações de aumento nos custos operacionais. O saldo de respostas de 28% (46% de aumento contra 18% de queda) mostra que o segmento efetivamente experimentou aumento dos custos no período mencionado. Situação em Janeiro/2006 Negócios As empresas administradoras de parques temáticos e atrações turísticas consultadas consideram que o momento lhes é bastante favorável no início de 2006: 83% de indicações de expansão do negócios contra apenas 17% de estagnação. Não houve indicação de retração. Investimentos No princípio de janeiro, há, para 95% do segmento consultado, orçamento definido para investimentos no negócio durante o primeiro trimestre de A melhoria, renovação, e aquisição de mobiliário, tecnologia da informação, equipamentos e treinamento, entre outros itens possíveis, deve receber investimentos de cerca 7,9% do faturamento do segmento.

14 PARQUES TEMÁTICOS BOLETIM DE DESEMPENHO ECONÔMICO DO TURISMO JANEIRO 2006 ANO III Nº 9 pág. 14/22 Comparação dos Anos de 2004 e 2005 e entre os 4 os Trimestres de 2004 e de 2005 Segundo 68% do segmento, o faturamento em 2005 superou o de Considerando-se também os 9% do segmento que indicou queda nesta variável, a variação média apontada foi de mais 7,3%. A comparação entre jan.-jun. de 2006 e 2005 também revela aumento no quadro de funcionários dos respondentes: 32% de indicações de aumento e saldo de 16%. Na comparação dos 4os. trimestres de 2004 e 2005, verificou-se um crescimento do faturamento segundo 58% do segmento consultado. A variação média entre o faturamento dos 4os. trimestres, incluindo-se aqueles 14% que indicaram queda, foi calculada em 7,5%. Considerando-se a amostra de parques e atrações, o número de funcionários em 2005 cresceu se comparado com aquele de % indicou aumento e 53%, estabilidade. O saldo de 47%, resultado da ausência da indicações de queda, dá a medida da avaliação positiva do segmento em relação ao nível de emprego no período. O contraste entre os quartos trimestres de 2005 e 2004 também demonstra esse aumento: 51% de indicações positivas e nenhuma negativa. Previsão Primeiro Semestre de 2006 / 2005 Para o primeiro semestre de 2006, considerando-se idêntico período de 2005, 77% do segmento respondente vislumbra aumento no faturamento. Na composição de todas as indicações, incluindo as de queda, esse aumento deve ficar em torno de 11,4%.

15 BOLETIM DE DESEMPENHO ECONÔMICO DO TURISMO JANEIRO 2006 ANO III Nº 9 pág. 15/22 RELATÓRIO SETORIAL - TURISMO RECEPTIVO Comparação entre 3o e 4o Trimestres de 2005 e Perspectivas para o 1o Trimestre de 2006 Valor total da Vendas Predominaram, em out.-dez./2005, as indicações de incremento das vendas: 70% de assinalações de expansão, 30% de estabilidade e nenhuma de declínio em relação ao trimestre imediatamente anterior o saldo de respostas (correspondente à diferença entre as indicações de elevação e as de redução) atingiu 70% (contra 87% e 99% nos últimos trimestres de 2004 e de 2003, respectivamente). A maior parcela do segmento espera que os negócios se mantenham aquecidos no 1 trimestre de 2006 (saldo das previsões de 21%). Demanda por Turista doméstico e internacional A ampliação do saldo das assinalações de expansão da demanda por turistas brasileiros, em out.-dez./2005, foi bastante significativa, atingindo o seu mais elevado percentual: 91% (contra saldos de 67% e de 7% em iguais trimestres de 2004 e de 2003, respectivamente). Entretanto, há uma expectativa de desaquecimento dos negócios para os três primeiros meses do corrente ano, como indica o saldo de -26% (veja notas metodológicas na capa do relatório). No que concerne aos turistas internacionais, verificouse, igualmente, incremento das indicações de expansão da procura em out.-dez./2005 (saldo de 78%, contra saldos de 90% e de 92% em idênticos períodos de 2004 e de2003, respectivamente). A expectativa é a de que o segmento se mantenha aquecido no 1 trimestre de 2006 (saldo de 73%). Número de Funcionários Enquanto se registrou ampliação do quadro de pessoal, em out.-dez./2005, em 42% do segmento, estabilidade foi constatada em 31%, e redução em 27% (saldo de 15%, bastante inferior aos verificados em iguais trimestres de 2004 e de 2003: 40% e 99%, respectivamente). Custos Operacionais Observou-se predominância das assinalações de aumento do custo dos pacotes comercializados em out.-dez./2005: saldo de 80%. Motivação de Viagens e Segmentação do Mercado As viagens, no decorrer de out.-dez./2005, foram motivadas por: negócios/trabalho (28%), congressos/ convenções/feiras (12%), grupos (11%) e outras razões (49%). Quanto à segmentação do mercado no último trimestre de 2005, a parcela correspondente a clientes nacionais representou 42% do total, e a de estrangeiros, 58% (contra 67% e 33%, respectivamente, em igual período de 2004). Situação em Janeiro/2006 Negócios No início do corrente ano, os negócios se expandem para a totalidade do segmento, situação igual à verificada em janeiro/2004, mas melhor do que a registrada em igual mês de 2005, quando 76% indicava que os negócios estavam se expandindo e 24% que se mantinham estáveis.

16 TURISMO RECEPTIVO BOLETIM DE DESEMPENHO ECONÔMICO DO TURISMO JANEIRO 2006 ANO III Nº 9 pág. 16/22 O contraste entre os quartos trimestres de 2005 e de 2004 revela ponderável incremento das assinalações de ampliação do quadro de pessoal (saldo de 87%). Demanda por Turista Doméstico e Internacional A comparação entre os últimos trimestres de 2005 e 2004 revela expansão tanto da procura por turistas brasileiros (saldo de 24%) quanto por estrangeiros (saldo de 79%). Previsão Primeiro Semestre de 2006 Na comparação entre o faturamento estimado para jan.-jun./2006 com o auferido em igual período de 2005, observa-se que 97% antevêem expansão e 3% diminuição, o que resultaria num aumento médio de 28,4%. Investimentos No princípio de janeiro, há, para 97% do segmento pesquisado, orçamento definido para investimento no negócio, em jan.-mar./2006 (mobiliário, tecnologia da informação, equipamentos, treinamento etc). Neste caso, o valor dos recursos a serem alocados representam 3% do faturamento. Comparação dos anos de 2004 e 2005 e entre os 4 os trimestres de 2004 e de 2005 De acordo com 52% do segmento, o faturamento em 2005 superou o de 2004 e foi equivalente para 48%, resultando em 7,6% a sua variação média. O segmento consultado prognostica que, em jan.- jun./2006, o total de funcionários deverá manter-se estável em relação ao primeiro semestre de 2005: 11% de indicações de previsão de incremento, 79% de estabilidade e 10% de redução (saldo de 1%). O contraste entre out.-dez./2005 e de 2004 revela ampliação do faturamento em 73% do segmento consultado, estabilidade em 17% e redução em 10%. No resultado ponderado da amostra, constata-se que a elevação do faturamento foi, em média, de 11,8%. Considerando a amostra pesquisada pelo BDET, verificou-se que o número de funcionários aumentou em 2005 (comparativamente a 2004) em 42% do segmento, manteve-se estável em 20% e diminuiu em 38% (saldo de respostas de 4%).

17 BOLETIM DE DESEMPENHO ECONÔMICO DO TURISMO JANEIRO 2006 ANO III Nº 9 pág. 17/22 RELATÓRIO SETORIAL - RESTAURANTES Comparação entre 3o e 4o Trimestres de 2005 e Perspectivas para o 1o Trimestre de 2006 Constatou-se, pelo terceiro trimestre sucessivo, assinalação de aumento do número de funcionários o saldo de respostas (diferença entre as assinalações de incremento e as de queda) alcançou 25% no 4o trimestre de Para o 1o trimestre de 2006 a expectativa é de haja crescimento, conforme indica o saldo de respostas de 17% (veja notas metodológicas na capa do relatório). Número de Refeições vendidas e gasto médio por cliente Constatou-se, no 4o trimestre de 2005, indicação de aumento no número de refeições vendidas (saldo de 35%). Para o trimestre jan.-mar./2006, houve saldo de indicação de aumento positivo de 33%. Quanto ao gasto médio dos clientes nos restaurantes, na comparação entre os 3o e 4o trimestres de 2005, o segmento indicou 39% de observações de aumento e apenas 7% de redução (saldo de 32%). Para o 1o. trimestre de 2006, houve indicações de aumento que resultaram num saldo de respostas positivo de 39%. Situação em Janeiro/2006 Negócios Os bares, restaurantes e lanchonetes consultados consideram que o momento lhes é bastante favorável no início de 2006: 64% de indicações de expansão do negócios contra apenas 4% de retração (saldo de 60%). Investimentos No princípio de janeiro, há, para 43% do segmento consultado, orçamento definido para investimentos no negócio durante o primeiro trimestre de A melhoria, renovação, e aquisição de mobiliário, tecnologia da informação, equipamentos e treinamento, entre outros itens possíveis, deve receber investimentos de cerca 16,7% do faturamento do segmento. Comparação dos Anos de 2004 e 2005 e entre os 4 os trimestres de 2004 e de 2005 Para 53% do segmento, o faturamento em 2005 superou o de No resultado ponderado das expectativas, considerados os 11% que indicaram queda no faturamento, o crescimento foi de 7,3%. A mesma comparação feita apenas entre os 4os. trimestres de 2004 indica saldo de 39% e variação média de 7,4% entre os respectivos faturamentos. No que concerne ao emprego no segmento de restaurantes, houve aumento no quadro de pessoal segundo 31% dos respondentes. O saldo correspondente foi de 23%. Total de Mesas Disponíveis e Custos Operacionais Houve uma discreta indicação de aumento de mesas disponíveis (saldo de 10%). É esperada, segundo os respondentes, uma melhora neste resultado para os três primeiros meses de 2006, cujo saldo chegou a 15%. Pelo quarto trimestre consecutivo, cerca de 50% do segmento respondente assinalou aumento nos custos operacionais, resultando num saldo de respostas de 45%. Na comparação entre os trimestres out.-dez. de 2005 e 2004, o saldo apurado foi de 27% (32% de assinalações de aumento contra 5% de queda). Previsão Primeiro Semestre de 2006 Ascende a 56% a parcela do segmento que antevê expansão do faturamento no 1o semestre de 2006, em relação a igual período de O aumento médio previsto, considerando-se aqueles que prognosticaram declínio, é de 8,8%.

18 RESTAURANTES BOLETIM DE DESEMPENHO ECONÔMICO DO TURISMO JANEIRO 2006 ANO III Nº 9 pág. 18/22 Para o período jan.-mar./2006, a maioria dos consultados prevê estabilidade: 62%. O saldo de respostas alcançou 24% (31%, aumento; 7% queda).

19 BOLETIM DE DESEMPENHO ECONÔMICO DO TURISMO JANEIRO 2006 ANO III Nº 9 pág. 19/22 RELATÓRIO SETORIAL - TRANSPORTE AÉREO Comparação entre 3o e 4o Trimestres de 2005 e Perspectivas para o 1o Trimestre de 2006 Constatou-se, em out.-dez./2005, aumento das assinalações de majoração do faturamento em relação a jul.-set./2005 (o saldo das respostas, representado pela diferença entre as indicações de aumento e as de queda, alcançou 100%). A quase totalidade do segmento continua apostando que o mercado venha a se manter aquecido nos três primeiros meses de 2006: saldo das assinalações de previsão de 94%. O número de funcionários da amostra pesquisada aumentou para 94% do segmento e manteve-se estável para 6%, comparativamente a jul.-set./2005 (saldo de 94%). A expectativa para jan.-mar./2006 é a de ampliação do quadro de pessoal para 97% do segmento e estabilidade para 3% (saldo de 97%). Custos Operacionais Os custos operacionais, em out.-dez./2005, mantiveram-se estáveis em relação a jul.-set./2005: 6% de assinalações de majoração, 94% de estabilidade e nenhuma de redução (saldo de 6%). Situação em Janeiro/2006 Negócios O segmento de transporte aéreo consultado atravessa, no momento, situação bastante favorável, com a totalidade das empresas indicando expansão. Investimentos No começo de janeiro, há, para 97% do segmento pesquisado, orçamento definido para investimento no negócio, em jan.-mar./2006 (mobiliário, tecnologia da informação, equipamentos, treinamento etc). Neste caso, o valor dos recursos a serem alocados representam 2,9% do faturamento desse ramo. Comparação dos Anos de 2004 e 2005 e entre os 4 os Trimestres de 2004 e de 2005 De acordo com 100% do segmento consultado, o faturamento em 2005 foi superior ao de 2004, sendo a elevação, em média, de 23,0%. Taxa de Ocupação A taxa de ocupação (passageiros) manteve-se estável, em out.-dez./2005, para 94% do segmento consultado e aumentou para 6% (o saldo de 6% significa que se manteve inalterada a taxa de ocupação em relação a jul.-set./2005). A maioria do segmento não espera que tal situação se modifique nos três primeiros meses de 2006: 7% de assinalações de ampliação, 90% de estabilidade e 3% de redução (saldo de 4%). Horas Voadas O total de horas voadas elevou-se, em out.-dez./2005, para a totalidade do segmento pesquisado, comparativamente a jul.-set./2005, e os prognósticos para jan.- mar./2006 são, de modo geral, que venha ocorrer novo incremento (saldo de 94%). A comparação entre out.-dez./2005 e de 2004 mostra ampliação do faturamento, igualmente, na totalidade do segmento, sendo a variação média de 29,3%. O número de funcionários, em 2005, cresceu em 97% do segmento e manteve-se estável em 3%, considerandose a amostra pesquisada pelo BDET (saldo de 97%). Situação idêntica é verificada ao se contrastar os quartos trimestres de 2005 e de Previsão Primeiro Semestre de 2006 / 2005 O segmento consultado, para jan.-jun,/2006 em relação ao 1 semestre/2005 apontou 97% de assinalações de previsão de ampliação contra 3% de redução (saldo de 94%).

20 TRANSPORTE AÉREO BOLETIM DE DESEMPENHO ECONÔMICO DO TURISMO JANEIRO 2006 ANO III Nº 9 pág. 20/22 O contraste entre as previsões para jan.-jun./2006 com o que foi efetivamente auferido em idêntico semestre de 2005, revela que 97% do segmento pesquisado vislumbram majoração do faturamento, enquanto que 3% antevêem redução, o que resultaria num aumento médio de 28,4%.

21 BOLETIM DE DESEMPENHO ECONÔMICO DO TURISMO JANEIRO 2006 ANO III Nº 9 pág. 21/22 TABELAS - SUMÁRIO EXECUTIVO Diversos Indicadores Investimentos Opinião (%) Opinião (%) Jul.Set. x Out.Dez./2005 x Jan.Mar./2006 No Trimestre Segmento Indicador Retrospectiva Perspectiva Intenção (%) % Agências Vendas 78% 66% 74% 5,4% Eventos 56% -6% 40% 9,0% Hotelaria Quartos Vendidos 38% 30% 68% 7,1% Operadoras Vendas 93% 94% 100% 11,7% Parques Temáticos Visitantes 1% 23% 95% 7,5% Receptivo Vendas 70% 21% 97% 3,0% Restaurantes Gasto Médio 32% 39% 43% 7,2% Transporte Aéreo 100% 97% 97% 3,0% Fonte: EBAPE-FGV/EMBRATUR Número de Funcionários Retrospectiva Perspectiva Segmento Trimestre anterior 4º Trim Próximo 1º Semestre Agências 53% 58% 59% 1% 1% Eventos 11% 27% 3% 15% 33% Hotelaria 11% 22% 26% 1% 8% Operadoras 93% 96% 96% 22% 98% Parques Temáticos -3% 51% 47% 12% 16% Receptivo 15% 87% 4% 1% 1% Restaurantes 25% 27% 23% 17% 24% Transporte Aéreo 94% 97% 97% 97% 94% Fonte: EBAPE-FGV/EMBRATUR /Vendas Retrospectiva Perspectiva Segmento Trimestre anterior 4º Trim Próximo 1º Semestre Agências 78% 82% 67% 66% 75% Eventos 56% 39% 52% -6% 40% Hotelaria 45% 40% 61% 40% 59% Operadoras 93% 96% 95% 94% 100% Parques Temáticos n/a 44% 59% n/a 68% Receptivo 70% 63% 52% 21% 94% Restaurantes n/a 39% 42% n/a 51% Transporte Aéreo 100% 100% 100% 94% 94% Fonte: EBAPE-FGV/EMBRATUR

22 SUMÁRIO EXECUTIVO BOLETIM DE DESEMPENHO ECONÔMICO DO TURISMO JANEIRO 2006 ANO III Nº 9 pág. 22/22 - Retrospectiva 4º Trimestre 2005/2004 Opinião (%) Variação (%) Segmento Dim. (-) Aum. (+) Saldo (%) Dim. (-) Aum. (+) Saldo (%) Agências 1% 83% 82% 18,0% 22,1% 18,1% Eventos 13% 52% 39% 34,6% 27,1% 9,4% Hotelaria 20% 60% 40% 10,9% 16,7% 7,7% Operadoras 2% 98% 96% 33,0% 24,4% 23,5% Parques Temáticos 14% 58% 44% 6,5% 14,4% 7,5% Receptivo 10% 73% 63% 5,0% 16,9% 11,8% Restaurantes 9% 48% 39% 14,4% 18,2% 7,4% Transporte Aéreo 0% 100% 100% 0,0% 29,3% 29,3% Fonte: EBAPE-FGV/EMBRATUR - Retrospectiva anual 2005/2004 Opinião (%) Variação (%) Segmento Dim. (-) Aum. (+) Saldo (%) Dim. (-) Aum. (+) Saldo (%) Agências 16% 83% 67% 9,9% 25,2% 19,4% Eventos 9% 61% 52% 27,7% 24,4% 12,3% Hotelaria 10% 71% 61% 10,9% 15,9% 10,3% Operadoras 2% 97% 95% 10,4% 21,9% 21,2% Parques Temáticos 9% 68% 59% 25,0% 13,8% 7,3% Receptivo 0% 52% 52% 0,0% 14,5% 7,6% Restaurantes 11% 53% 42% 14,4% 16,9% 7,3% Transporte Aéreo 0% 100% 100% 0,0% 23,0% 23,0% Fonte: EBAPE-FGV/EMBRATUR - Perspectiva para o 1º Semestre de 2006 Opinião (%) Variação (%) Segmento Dim. (-) Aum. (+) Saldo (%) Dim. (-) Aum. (+) Saldo (%) Agências 1% 76% 75% 20,8% 18,7% 14,2% Eventos 21% 61% 40% 8,8% 87,1% 51,3% Hotelaria 8% 67% 59% 30,0% 12,8% 6,0% Operadoras 0% 100% 100% 0,0% 19,9% 19,9% Parques Temáticos 9% 77% 68% 15,0% 16,4% 11,4% Receptivo 3% 97% 94% 20,0% 29,8% 28,4% Restaurantes 5% 56% 51% 15,5% 17,1% 8,8% Transporte Aéreo 3% 97% 94% 20,0% 29,8% 28,4% Fonte: EBAPE-FGV/EMBRATUR

Boletim de Desempenho Econômico do Turismo

Boletim de Desempenho Econômico do Turismo Boletim de Desempenho Econômico do Turismo JULHO 2010 ANO VII Nº 27 Sumário 3 Ambiente Econômico 11 Relatório Consolidado RELATÓRIOS SETORIAIS: 14 Agências de Viagens 17 Eventos 20 Meios de Hospedagem

Leia mais

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas BRASIL Setembro 2011 Profa. Anita Kon PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO PROGRAMA DE ESTUDOS PÓS GRADUADOS

Leia mais

NÍVEL DE ATIVIDADE, INFLAÇÃO E POLÍTICA MONETÁRIA A evolução dos principais indicadores econômicos do Brasil em 2007

NÍVEL DE ATIVIDADE, INFLAÇÃO E POLÍTICA MONETÁRIA A evolução dos principais indicadores econômicos do Brasil em 2007 NÍVEL DE ATIVIDADE, INFLAÇÃO E POLÍTICA MONETÁRIA A evolução dos principais indicadores econômicos do Brasil em 2007 Introdução Guilherme R. S. Souza e Silva * Lucas Lautert Dezordi ** Este artigo pretende

Leia mais

BOLETIM DE CONJUNTURA INDUSTRIAL

BOLETIM DE CONJUNTURA INDUSTRIAL GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DO PLANEJAMENTO E GESTÃO (SEPLAG) Instituto de Pesquisa e Estratégia Econômica do Ceará (IPECE) BOLETIM DE CONJUNTURA INDUSTRIAL 3º TRIMESTRE DE 2011 Fortaleza-CE

Leia mais

Conjuntura Dezembro. Boletim de

Conjuntura Dezembro. Boletim de Dezembro de 2014 PIB de serviços avança em 2014, mas crise industrial derruba taxa de crescimento econômico Mais um ano de crescimento fraco O crescimento do PIB brasileiro nos primeiros nove meses do

Leia mais

Nota de Crédito PJ. Janeiro 2015. Fonte: BACEN Base: Novembro de 2014

Nota de Crédito PJ. Janeiro 2015. Fonte: BACEN Base: Novembro de 2014 Nota de Crédito PJ Janeiro 2015 Fonte: BACEN Base: Novembro de 2014 mai/11 mai/11 Carteira de Crédito PJ não sustenta recuperação Após a aceleração verificada em outubro, a carteira de crédito pessoa jurídica

Leia mais

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas BRASIL Novembro 2012 Profa. Anita Kon PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO - PROGRAMA DE ESTUDOS PÓS- GRADUADOS

Leia mais

Conjuntura - Saúde Suplementar

Conjuntura - Saúde Suplementar Conjuntura - Saúde Suplementar 25º Edição - Abril de 2014 SUMÁRIO Conjuntura - Saúde Suplementar Apresentação 3 Seção Especial 5 Nível de Atividade 8 Emprego 9 Emprego direto em planos de saúde 10 Renda

Leia mais

Curitiba, 25 de agosto de 2010. SUBSÍDIOS À CAMPANHA SALARIAL COPEL 2010 DATA BASE OUTUBRO 2010

Curitiba, 25 de agosto de 2010. SUBSÍDIOS À CAMPANHA SALARIAL COPEL 2010 DATA BASE OUTUBRO 2010 Curitiba, 25 de agosto de 2010. SUBSÍDIOS À CAMPANHA SALARIAL COPEL 2010 DATA BASE OUTUBRO 2010 1) Conjuntura Econômica Em função dos impactos da crise econômica financeira mundial, inciada no setor imobiliário

Leia mais

PAINEL 16,0% 12,0% 8,0% 2,5% 1,9% 4,0% 1,4% 0,8% 0,8% 0,0% 5,0% 3,8% 2,8% 3,0% 2,1% 1,0% 1,0% -1,0%

PAINEL 16,0% 12,0% 8,0% 2,5% 1,9% 4,0% 1,4% 0,8% 0,8% 0,0% 5,0% 3,8% 2,8% 3,0% 2,1% 1,0% 1,0% -1,0% Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior ASSESSORIA ECONÔMICA PAINEL PRINCIPAIS INDICADORES DA ECONOMIA BRASILEIRA Número 58 1 a 15 de setembro de 2010 PIB TRIMESTRAL Segundo os dados

Leia mais

Discurso do Ministro Alexandre Tombini, Presidente do Banco. Central do Brasil, na Comissão Mista de Orçamento do. Congresso Nacional

Discurso do Ministro Alexandre Tombini, Presidente do Banco. Central do Brasil, na Comissão Mista de Orçamento do. Congresso Nacional Brasília, 18 de setembro de 2013. Discurso do Ministro Alexandre Tombini, Presidente do Banco Central do Brasil, na Comissão Mista de Orçamento do Congresso Nacional Exmas. Sras. Senadoras e Deputadas

Leia mais

BRASIL Julio Setiembre 2015

BRASIL Julio Setiembre 2015 Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas BRASIL Julio Setiembre 2015 Prof. Dr. Rubens Sawaya Assistente: Eline Emanoeli PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE

Leia mais

PAINEL. US$ Bilhões. nov-05 0,8 0,7 0,6 0,5 0,4 0,3 0,2 0,1

PAINEL. US$ Bilhões. nov-05 0,8 0,7 0,6 0,5 0,4 0,3 0,2 0,1 Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior ASSESSORIA ECONÔMICA PAINEL PRINCIPAIS INDICADORES DA ECONOMIA BRASILEIRA Número 68 1 a 15 de fevereiro de 211 ANÚNCIOS DE INVESTIMENTOS De

Leia mais

A Evolução da Inflação no Biênio 2008/2009 no Brasil e na Economia Mundial

A Evolução da Inflação no Biênio 2008/2009 no Brasil e na Economia Mundial A Evolução da Inflação no Biênio / no Brasil e na Economia Mundial A variação dos índices de preços ao consumidor (IPCs) registrou, ao longo do biênio encerrado em, desaceleração expressiva nas economias

Leia mais

TRIBUNAL DE CONTAS DO DISTRITO FEDERAL II RELATÓRIO ANALÍTICO

TRIBUNAL DE CONTAS DO DISTRITO FEDERAL II RELATÓRIO ANALÍTICO II RELATÓRIO ANALÍTICO 15 1 CONTEXTO ECONÔMICO A quantidade e a qualidade dos serviços públicos prestados por um governo aos seus cidadãos são fortemente influenciadas pelo contexto econômico local, mas

Leia mais

1. COMÉRCIO 1.1. Pesquisa Mensal de Comércio. 1.2. Sondagem do comércio

1. COMÉRCIO 1.1. Pesquisa Mensal de Comércio. 1.2. Sondagem do comércio Nº 45- Maio/2015 1. COMÉRCIO 1.1. Pesquisa Mensal de Comércio O volume de vendas do comércio varejista restrito do estado do Rio de Janeiro registrou, em fevereiro de 2015, alta de 0,8% em relação ao mesmo

Leia mais

Relatório de Gestão Renda Fixa e Multimercados Junho de 2013

Relatório de Gestão Renda Fixa e Multimercados Junho de 2013 Relatório de Gestão Renda Fixa e Multimercados Junho de 2013 Política e Economia Atividade Econômica: Os indicadores de atividade, de forma geral, apresentaram bom desempenho em abril. A produção industrial

Leia mais

Boletim Econômico da Scot Consultoria

Boletim Econômico da Scot Consultoria Boletim Econômico da Scot Consultoria ano 1 edição 2 22 a 28 de abril de 2013 Destaque da semana Alta na taxa Selic O Comitê de Política Monetária (Copom) decidiu elevar a taxa Selic para 7,50% ao ano,

Leia mais

ANO 4 NÚMERO 25 MARÇO DE 2014 PROFESSORES RESPONSÁVEIS: FLÁVIO RIANI & RICARDO RABELO

ANO 4 NÚMERO 25 MARÇO DE 2014 PROFESSORES RESPONSÁVEIS: FLÁVIO RIANI & RICARDO RABELO ANO 4 NÚMERO 25 MARÇO DE 2014 PROFESSORES RESPONSÁVEIS: FLÁVIO RIANI & RICARDO RABELO 1 - CONSIDERAÇÕES INICIAIS Em geral as estatísticas sobre a economia brasileira nesse início de ano não têm sido animadoras

Leia mais

número 3 maio de 2005 A Valorização do Real e as Negociações Coletivas

número 3 maio de 2005 A Valorização do Real e as Negociações Coletivas número 3 maio de 2005 A Valorização do Real e as Negociações Coletivas A valorização do real e as negociações coletivas As negociações coletivas em empresas ou setores fortemente vinculados ao mercado

Leia mais

Determinantes da Evolução Recente do Consumo Privado

Determinantes da Evolução Recente do Consumo Privado Determinantes da Evolução Recente do Consumo Privado O dinamismo do consumo privado, traduzindo a evolução favorável das condições dos mercados de trabalho e de crédito, e das expectativas dos consumidores,

Leia mais

Cesta Básica DIEESE/PROCON atinge o maior valor de sua história. Gráfico 1 Cesta Básica DIEESE/PROCON Valor Diário (EM URV/Real) 190,00 2º. Sem.

Cesta Básica DIEESE/PROCON atinge o maior valor de sua história. Gráfico 1 Cesta Básica DIEESE/PROCON Valor Diário (EM URV/Real) 190,00 2º. Sem. ANOTE Informativo Eletrônico do DIEESE Ano 4, N.º. 38 Maio de 2.003 1 CONJUNTURA Cesta Básica DIEESE/PROCON atinge o maior valor de sua história Calculada diariamente desde março de 1990, ou seja, a mais

Leia mais

ECONOMIA www.abras.com.br A informação que fala direto ao seu bolso 29 de Outubro de 2015

ECONOMIA www.abras.com.br A informação que fala direto ao seu bolso 29 de Outubro de 2015 Associação Brasileira de Supermercados Nº57 ECONOMIA www.abras.com.br A informação que fala direto ao seu bolso 29 de Outubro de 2015 Setor de supermercados acumula queda de -0,96% Renda e inflação afetam

Leia mais

AGÊNCIA ESPECIAL DE FINANCIAMENTO INDUSTRIAL FINAME RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO 31 DE DEZEMBRO DE 2008

AGÊNCIA ESPECIAL DE FINANCIAMENTO INDUSTRIAL FINAME RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO 31 DE DEZEMBRO DE 2008 AGÊNCIA ESPECIAL DE FINANCIAMENTO INDUSTRIAL FINAME RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO 31 DE DEZEMBRO DE 2008 Senhor acionista e demais interessados: Apresentamos o Relatório da Administração e as informações

Leia mais

Decomposição da Inflação de 2011

Decomposição da Inflação de 2011 Decomposição da de Seguindo procedimento adotado em anos anteriores, este boxe apresenta estimativas, com base nos modelos de projeção utilizados pelo Banco Central, para a contribuição de diversos fatores

Leia mais

BOLETIM DE DESEMPENHO ECONÔMICO DO TURISMO

BOLETIM DE DESEMPENHO ECONÔMICO DO TURISMO Maio/2012 Ano IX Nº 34 BOLETIM DE DESEMPENHO ECONÔMICO DO TURISMO Retrospectiva Perspectiva Variação média do faturamento entre os 1ºs trimestres de 2012 e de 2011 (%) Faturamento 2º trimestre 2012 / 2º

Leia mais

ECONOMIA www.abras.com.br A informação que fala direto ao seu bolso 29 de Setembro de 2015

ECONOMIA www.abras.com.br A informação que fala direto ao seu bolso 29 de Setembro de 2015 Associação Brasileira de Supermercados Nº56 ECONOMIA www.abras.com.br A informação que fala direto ao seu bolso 29 de Setembro de 2015 Ritmo de vendas do autosserviço diminui em agosto Resultado do mês

Leia mais

Análise do mercado de trabalho

Análise do mercado de trabalho Análise do mercado de trabalho 1 Introdução Esta análise tem como propósito a apresentação do desempenho do mercado de trabalho brasileiro no primeiro trimestre de 2010 com base, principalmente, nos indicadores

Leia mais

Informe Econômico SEFAZ/RJ

Informe Econômico SEFAZ/RJ Economia Mundial. Em julho, o cenário geopolítico internacional apresentou-se bastante conturbado. Entre os acontecimentos que têm gerado grande apreensão internacional, são destaques: (i) o aumento das

Leia mais

Estrutura Produtiva e Evolução da Economia de São Paulo

Estrutura Produtiva e Evolução da Economia de São Paulo Estrutura Produtiva e Evolução da Economia de São Paulo Este boxe apresenta a estrutura da economia paulista e sua evolução nos últimos dez anos, comparando-as com a do país. Gráfico 1 PIB Variação real

Leia mais

Anexo IV Metas Fiscais IV.1 Anexo de Metas Fiscais Anuais (Art. 4 o, 1 o, inciso II do 2 o da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000)

Anexo IV Metas Fiscais IV.1 Anexo de Metas Fiscais Anuais (Art. 4 o, 1 o, inciso II do 2 o da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000) Anexo IV Metas Fiscais IV.1 Anexo de Metas Fiscais Anuais (Art. 4 o, 1 o, inciso II do 2 o da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000) Em cumprimento ao disposto na Lei Complementar n o 101, de

Leia mais

ECONOMIA www.abras.com.br A informação que fala direto ao seu bolso 22 de Dezembro de 2015

ECONOMIA www.abras.com.br A informação que fala direto ao seu bolso 22 de Dezembro de 2015 Associação Brasileira de Supermercados Nº59 ECONOMIA www.abras.com.br A informação que fala direto ao seu bolso 22 de Dezembro de 2015 Supermercados mostram queda de -1,61% até novembro Desemprego e renda

Leia mais

Informações Trimestrais 4º trimestre e exercício de 2015 (4T15 e 2015) Relatório da Administração

Informações Trimestrais 4º trimestre e exercício de 2015 (4T15 e 2015) Relatório da Administração Informações Trimestrais 4º trimestre e exercício de 2015 (4T15 e 2015) Relatório da Administração Prezados acionistas A administração da WLM Indústria e Comércio S.A. (WLM), em conformidade com as disposições

Leia mais

Investimentos no Brasil: Hotéis & Resorts -2011

Investimentos no Brasil: Hotéis & Resorts -2011 Investimentos no Brasil: Hotéis & Resorts -2011 INVESTIMENTOS NO BRASIL: HOTÉIS & RESORTS - 2011 Este relatório foi realizado pela BSH Travel Research, divisão estatística da BSH International e apresenta

Leia mais

ECONOMIA. Setor fecha 1º bimestre com crescimento de 3,67% Associação Brasileira de Supermercados

ECONOMIA. Setor fecha 1º bimestre com crescimento de 3,67% Associação Brasileira de Supermercados Associação Brasileira de Supermercados Nº38 ECONOMIA www.abras.com.br A informação que fala direto ao seu bolso 26 de Março de 2014 Setor fecha 1º bimestre com crescimento de 3,67% Evolução do Índice de

Leia mais

ECONOMIA www.abras.com.br A informação que fala direto ao seu bolso 30 de Novembro de 2015

ECONOMIA www.abras.com.br A informação que fala direto ao seu bolso 30 de Novembro de 2015 Associação Brasileira de Supermercados Nº58 ECONOMIA www.abras.com.br A informação que fala direto ao seu bolso 30 de Novembro de 2015 Índice de Vendas acumula queda de -1,02% até outubro Vendas do setor

Leia mais

Mercado Financeiro e de Capitais. Taxas de juros reais e expectativas de mercado. Gráfico 3.1 Taxa over/selic

Mercado Financeiro e de Capitais. Taxas de juros reais e expectativas de mercado. Gráfico 3.1 Taxa over/selic III Mercado Financeiro e de Capitais Taxas de juros reais e expectativas de mercado O ciclo de flexibilização monetária iniciado em janeiro, quando a meta para a taxa básica de juros foi reduzida em p.b.,

Leia mais

POLÍTICA FISCAL E DÍVIDA PÚBLICA O difícil caminho até o Grau de Investimento Jedson César de Oliveira * Guilherme R. S.

POLÍTICA FISCAL E DÍVIDA PÚBLICA O difícil caminho até o Grau de Investimento Jedson César de Oliveira * Guilherme R. S. POLÍTICA FISCAL E DÍVIDA PÚBLICA O difícil caminho até o Grau de Investimento Jedson César de Oliveira * Guilherme R. S. Souza e Silva ** Nos últimos anos, tem crescido a expectativa em torno de uma possível

Leia mais

Análise dos resultados

Análise dos resultados Análise dos resultados Pesquisa Anual da Indústria da Construção - PAIC levanta informações sobre o segmento empresarial da indústria da construção A em todo o Território Nacional. A presente análise apresenta

Leia mais

DEPARTAMENTO DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E SOCIOLOGIA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA "LUIZ DE QUEIROZ"

DEPARTAMENTO DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E SOCIOLOGIA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ Na média, pecuarista ganha da inflação em setembro Em setembro, o custo efetivo da pecuária, pesquisado pela CNA/Cepea-USP, teve alta de apenas 0,22%, enquanto que a inflação medida pelo IGP-M alcançou

Leia mais

Resultados e Análises Rodada de. Referente ao 2º Trimestre de 2015

Resultados e Análises Rodada de. Referente ao 2º Trimestre de 2015 Resultados e Análises Rodada de Maio de 2015 Referente ao 2º Trimestre de 2015 Ano 5, n 20, Maio de 2015 Ribeirão Preto Índice de Confiança dos Fornecedores do Setor Sucroenergético (ICFSS) Reed Exhibitions

Leia mais

ATA DE REUNIÃO DO COMITÊ DE INVESTIMENTOS - COMIN COMIN - Nº 12/2013

ATA DE REUNIÃO DO COMITÊ DE INVESTIMENTOS - COMIN COMIN - Nº 12/2013 ATA DE REUNIÃO DO COMITÊ DE INVESTIMENTOS - COMIN COMIN - Nº 12/2013 Data: 25/07/2013. Participantes Efetivos: Edna Raquel Rodrigues Santos Hogemann Presidente, Valcinea Correia da Silva Assessora Especial,

Leia mais

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas BRASIL Junio 2011 Profa. Anita Kon PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO - PROGRAMA DE ESTUDOS PÓS- GRADUADOS

Leia mais

A balança comercial do agronegócio brasileiro

A balança comercial do agronegócio brasileiro A balança comercial do agronegócio brasileiro Antonio Carlos Lima Nogueira 1 Qual é a contribuição atual dos produtos do agronegócio para o comércio exterior, tendo em vista o processo atual de deterioração

Leia mais

ATA DE REUNIÃO DO COMITÊ DE INVESTIMENTOS - COMIN COMIN - Nº 15/2015

ATA DE REUNIÃO DO COMITÊ DE INVESTIMENTOS - COMIN COMIN - Nº 15/2015 ATA DE REUNIÃO DO COMITÊ DE INVESTIMENTOS - COMIN COMIN - Nº 15/2015 Data: 10/08/2015 Participantes Efetivos: Wagner de Jesus Soares Presidente, Mariana Machado de Azevedo Economista, Rosangela Pereira

Leia mais

PESQUISA ANUAL DE CONJUNTURA ECONÔMICA DO TURISMO. 1 Introdução... 2. 2 Apresentação do Ministério do Turismo... 3. 3 Apresentação da EMBRATUR...

PESQUISA ANUAL DE CONJUNTURA ECONÔMICA DO TURISMO. 1 Introdução... 2. 2 Apresentação do Ministério do Turismo... 3. 3 Apresentação da EMBRATUR... pag. 1/28 Sumário 1 Introdução... 2 2 Apresentação do Ministério do Turismo... 3 3 Apresentação da EMBRATUR... 4 4 Fundação Getulio Vargas... 5 5 Metodologia e Amostra... 6 6 Análise Macroeconômica...

Leia mais

Notícias Economia Internacional. e Indicadores Brasileiros. Nº 2/2 - Janeiro de 2014

Notícias Economia Internacional. e Indicadores Brasileiros. Nº 2/2 - Janeiro de 2014 Notícias Economia Internacional e Indicadores Brasileiros Nº 2/2 - Janeiro de 2014 Sindmóveis - Projeto Orchestra Brasil www.sindmoveis.com.br www.orchestrabrasil.com.br Realização: inteligenciacomercial@sindmoveis.com.br

Leia mais

BOLETIM ECONÔMICO Agosto/2015

BOLETIM ECONÔMICO Agosto/2015 BOLETIM ECONÔMICO Agosto/2015 Minha Casa Minha Vida 3 será lançado dia 10 de Setembro. Nas duas primeiras edições do Minha Casa Minha Vida foram entregues 2,3 milhões de moradias para famílias de baixa

Leia mais

5 ECONOMIA MONETÁRIA E FINANCEIRA

5 ECONOMIA MONETÁRIA E FINANCEIRA 5 ECONOMIA MONETÁRIA E FINANCEIRA Os sinais de redução de riscos inflacionários já haviam sido descritos na última Carta de Conjuntura, o que fez com que o Comitê de Política Monetária (Copom) decidisse

Leia mais

PIB Produto Interno Bruto

PIB Produto Interno Bruto CARTA ECONÔMICA Nº 11/2015 Senhores Conselheiros, Gestores e Membros do Comitê de Investimentos, No atual momento econômico vem surgindo a dúvida se o Brasil está em recessão ou em depressão. Se por recessão

Leia mais

RELATÓRIO DE INVESTIMENTOS

RELATÓRIO DE INVESTIMENTOS RELATÓRIO DE INVESTIMENTOS Julho de RESULTADOS DOS INVESTIMENTOS Saldos Financeiros Saldos Segregados por Planos (em R$ mil) PGA PB TOTAL CC FI DI/RF FI IRFM1 FI IMAB5 SUBTOTAL CC FI DI/RF FI IRFM1 FI

Leia mais

Análise de Conjuntura do Sector da Construção 2º trimestre 2014

Análise de Conjuntura do Sector da Construção 2º trimestre 2014 Análise de Conjuntura do Sector da Construção 2º trimestre 2014 Apreciação Global Os dados estatísticos disponíveis para o 2º trimestre de 2014 parecem confirmar finalmente, e pela primeira vez em muitos

Leia mais

Indicadores de Desempenho Publicado em Novembro de 2015

Indicadores de Desempenho Publicado em Novembro de 2015 Publicado em Novembro de 2015 Fatos Relevantes Agosto/2015 Vendas Industriais As vendas industriais registraram expansão de 28,40% em agosto. Trata-se do maior aumento dos últimos três meses e aponta para

Leia mais

Indicadores de Desempenho Maio/2014. Fatos Relevantes RESUMO EXECUTIVO. Vendas Industriais

Indicadores de Desempenho Maio/2014. Fatos Relevantes RESUMO EXECUTIVO. Vendas Industriais Fatos Relevantes Maio/2014 Maio/2008 Vendas Industriais A Variável Indústria apresenta Química recuo com de (- aumento 8,42%), de incluso 9,16% em o maio setor fornece sucroenergético a maior contribuição

Leia mais

RELATÓRIO 2º TRIMESTRE

RELATÓRIO 2º TRIMESTRE RELATÓRIO 2º TRIMESTRE FPMSMS FUNDO DE PREVIDÊNCIA DO MUNICÍPIO DE SÃO MATEUS DO SUL 2º TRIMESTRE 2014 ÍNDICE CENÁRIO MACROECONÔMICO ------------------------------------------------------------------ 4

Leia mais

Projeto: Boletim de Conjuntura Industrial, Acompanhamento Setorial, Panorama da Indústria e Análise da Política Industrial

Projeto: Boletim de Conjuntura Industrial, Acompanhamento Setorial, Panorama da Indústria e Análise da Política Industrial Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial Universidade Estadual de Campinas Instituto de Economia Núcleo de Economia Industrial e da Tecnologia Projeto: Boletim de Conjuntura Industrial, Acompanhamento

Leia mais

SINCOR-SP 2015 DEZEMBRO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS

SINCOR-SP 2015 DEZEMBRO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS DEZEMBRO 20 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS 1 Sumário Palavra do presidente... 3 Objetivo... 4 1. Carta de Conjuntura... 5 2. Análise macroeconômica... 6 3. Análise do setor de seguros 3.1. Receita

Leia mais

O Lucro Líquido do 1T12 foi de R$2,5 MM, superior em R$10,7 MM ao prejuízo do 1T11, de R$8,2 MM negativos.

O Lucro Líquido do 1T12 foi de R$2,5 MM, superior em R$10,7 MM ao prejuízo do 1T11, de R$8,2 MM negativos. São Paulo, 13 de maio de 2013 - A Unidas S.A. ( Companhia ou Unidas ) anuncia os seus resultados do primeiro trimestre de 2012 (). As informações financeiras são apresentadas em milhões de Reais, exceto

Leia mais

para 2006 Everton Freire de Carvalho*

para 2006 Everton Freire de Carvalho* para 2006 Everton Freire de Carvalho* O ano de 2005 foi marcado por uma política econômica que alcançou bastante êxito, dentro dos objetivos traçados. Os principais índices de preços registraram altas

Leia mais

Índice de Confiança da Indústria Pernambucana mantém-se em queda em julho

Índice de Confiança da Indústria Pernambucana mantém-se em queda em julho Outubro de 2009 Julho de 2012 Índice de Confiança da Indústria Pernambucana mantém-se em queda em julho O Índice de Confiança da Indústria de Transformação de Pernambuco (ICI-PE) volta a recuar em julho

Leia mais

e Indicadores Brasileiros Nº 2/2 Maio de 2012

e Indicadores Brasileiros Nº 2/2 Maio de 2012 Notícias do Comércio Internacional e Indicadores Brasileiros Nº 2/2 Maio de 2012 Sindmóveis - Projeto Orchestra Brasil www.sindmoveis.com.br www.orchestrabrasil.com.br Realização: inteligenciacomercial@sindmoveis.com.br

Leia mais

Projeções para a economia portuguesa: 2015-2017

Projeções para a economia portuguesa: 2015-2017 Projeções para a economia portuguesa: 2015-2017 As projeções para a economia portuguesa em 2015-2017 apontam para uma recuperação gradual da atividade ao longo do horizonte de projeção. Após um crescimento

Leia mais

Situação da economia e perspectivas. Gerência-Executiva de Política Econômica (PEC)

Situação da economia e perspectivas. Gerência-Executiva de Política Econômica (PEC) Situação da economia e perspectivas Gerência-Executiva de Política Econômica (PEC) Recessão se aprofunda e situação fiscal é cada vez mais grave Quadro geral PIB brasileiro deve cair 2,9% em 2015 e aumentam

Leia mais

ANÁLISE DO COMPORTAMENTO DO TURISMO EM ALAGOAS, PARA MAIO DE 2015

ANÁLISE DO COMPORTAMENTO DO TURISMO EM ALAGOAS, PARA MAIO DE 2015 ANÁLISE DO COMPORTAMENTO DO TURISMO EM ALAGOAS, PARA MAIO DE 2015 Superintendência de Produção da Informação e do Conhecimento (SINC) Diretoria de Estatística e Indicadores A análise do setor de Turismo

Leia mais

Fase 2 (setembro 2012) Sondagem: Expectativas Econômicas do Transportador Rodoviário - 2012

Fase 2 (setembro 2012) Sondagem: Expectativas Econômicas do Transportador Rodoviário - 2012 Sondagem: Expectativas Econômicas do Transportador Rodoviário - 2012 Apresentação A sondagem Expectativas Econômicas do Transportador Rodoviário 2012 Fase 2 apresenta a visão do empresário do transporte

Leia mais

XVIIIª. Conjuntura, perspectivas e projeções: 2014-2015

XVIIIª. Conjuntura, perspectivas e projeções: 2014-2015 XVIIIª Conjuntura, perspectivas e projeções: 2014-2015 Recife, 18 de dezembro de 2014 Temas que serão discutidos na XVIII Análise Ceplan: 1. A economia em 2014: Mundo Brasil Nordeste, com ênfase em Pernambuco

Leia mais

Boletim informativo: Brasil em Foco

Boletim informativo: Brasil em Foco mar/02 dez/02 set/03 jun/04 mar/05 dez/05 set/06 jun/07 mar/08 dez/08 set/09 jun/10 mar/02 dez/02 set/03 jun/04 mar/05 dez/05 set/06 jun/07 mar/08 dez/08 set/09 jun/10 Edição 3 Boletim informativo: Brasil

Leia mais

INFLAÇÃO, A TAXA SELIC E A DÍVIDA PÚBLICA INTERNA

INFLAÇÃO, A TAXA SELIC E A DÍVIDA PÚBLICA INTERNA INFLAÇÃO, A TAXA SELIC E A DÍVIDA PÚBLICA INTERNA José Luiz Miranda 1 Desde o ano de 2014 o cenário de inflação tem se acentuado no país. Esse fato tem se tornado visível no dia a dia das pessoas em função

Leia mais

BOLETIM CONJUNTURAL BOLETIM COMÉRCIO VAREJISTA DE PERNAMBUCO: AGOSTO DE 2014 (MÊS DE REFERÊNCIA: JUNHO DE 2014) INSTITUTO FECOMÉRCIO - PE 3

BOLETIM CONJUNTURAL BOLETIM COMÉRCIO VAREJISTA DE PERNAMBUCO: AGOSTO DE 2014 (MÊS DE REFERÊNCIA: JUNHO DE 2014) INSTITUTO FECOMÉRCIO - PE 3 Boletim Conjuntural Junho / 2014 BOLETIM CONJUNTURAL BOLETIM COMÉRCIO VAREJISTA DE PERNAMBUCO: AGOSTO DE 2014 (MÊS DE REFERÊNCIA: JUNHO DE 2014) 1. Contexto nacional e regional Em junho, a economia brasileira

Leia mais

Mudanças Recentes no Passivo Externo Brasileiro

Mudanças Recentes no Passivo Externo Brasileiro Mudanças Recentes no Passivo Externo Brasileiro As contas externas do país registraram a seqüência de cinco anos de superávits em transações correntes entre 2003 e 2007, proporcionando a ocorrência de

Leia mais

DESEMPENHO DA HOTELARIA DE SALVADOR. Janeiro a Dezembro de 2014. Pesquisa SETUR

DESEMPENHO DA HOTELARIA DE SALVADOR. Janeiro a Dezembro de 2014. Pesquisa SETUR Superintendência de Investimentos em Polos Turísticos SUINVEST Diretoria de Planejamento e Estudos Econômicos DPEE DESEMPENHO DA HOTELARIA DE SALVADOR Janeiro a Dezembro de 2014 Pesquisa SETUR Janeiro,

Leia mais

Quadro II - PREÇO DO AÇÚCAR CRISTAL COLOCADO NO PORTO DE SANTOS - SP NA CONDIÇÃO SOBRE RODAS - (Em R$/Saca de 50kg*)

Quadro II - PREÇO DO AÇÚCAR CRISTAL COLOCADO NO PORTO DE SANTOS - SP NA CONDIÇÃO SOBRE RODAS - (Em R$/Saca de 50kg*) CANA-DE-AÇÚCAR Período: Janeiro/2016 Quadro I - PREÇO NA USINA EM SÃO PAULO (Em R$/unidade*) Produtos Unidade 24 12 1 Mês Mês Atual Açúcar Cristal Cor ICUMSA 130 a 180 Saco/50 kg 50,20 51,05 80,57 83,75

Leia mais

Os fatos atropelam os prognósticos. O difícil ano de 2015. Reunião CIC FIEMG Econ. Ieda Vasconcelos Fevereiro/2015

Os fatos atropelam os prognósticos. O difícil ano de 2015. Reunião CIC FIEMG Econ. Ieda Vasconcelos Fevereiro/2015 Os fatos atropelam os prognósticos. O difícil ano de 2015 Reunião CIC FIEMG Econ. Ieda Vasconcelos Fevereiro/2015 O cenário econômico nacional em 2014 A inflação foi superior ao centro da meta pelo quinto

Leia mais

CESTA BÁSICA DE CASCA REGISTRA AUMENTO DE 1,96% NO MÊS DE ABRIL

CESTA BÁSICA DE CASCA REGISTRA AUMENTO DE 1,96% NO MÊS DE ABRIL ANO 20 Nº 210 MAIO/2016 Publicação Mensal do Centro de Pesquisa e Extensão da Faculdade de Ciências Econômicas, Administrativas e Contábeis - CEPEAC Guilherme Mondin dos Santos (Estagiário CEPEAC/UPF);

Leia mais

7 ECONOMIA MUNDIAL. ipea SUMÁRIO

7 ECONOMIA MUNDIAL. ipea SUMÁRIO 7 ECONOMIA MUNDIAL SUMÁRIO A situação econômica mundial evoluiu de maneira favorável no final de 2013, consolidando sinais de recuperação do crescimento nos países desenvolvidos. Mesmo que o desempenho

Leia mais

O CÂMBIO E AS INCERTEZAS PARA 2016

O CÂMBIO E AS INCERTEZAS PARA 2016 O CÂMBIO E AS INCERTEZAS PARA 2016 Francisco José Gouveia de Castro* No início do primeiro semestre de 2015, o foco de atenção dos agentes tomadores de decisão, principalmente da iniciativa privada, é

Leia mais

SINCOR-SP 2016 ABRIL 2016 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS

SINCOR-SP 2016 ABRIL 2016 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS ABRIL 2016 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS 1 2 Sumário Palavra do presidente... 4 Objetivo... 5 1. Carta de Conjuntura... 6 2. Estatísticas dos Corretores de SP... 7 3. Análise macroeconômica...

Leia mais

SONDAGEM DO CONSUMIDOR INTENÇÃO DE VIAGEM

SONDAGEM DO CONSUMIDOR INTENÇÃO DE VIAGEM SONDAGEM DO CONSUMIDOR INTENÇÃO DE VIAGEM MINISTÉRIO DO TURISMO FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS SUMÁRIO EXECUTIVO PESQUISA REALIZADA /2013, EM GRANDES CIDADES BRASILEIRAS, REFERENTE À PERSPECTIVA DE INTENÇÃO DE

Leia mais

Corte de postos de trabalho nos bancos privados continua no 1º semestre de 2014

Corte de postos de trabalho nos bancos privados continua no 1º semestre de 2014 Número 6 Setembro/2014 1º semestre de 2014 Corte de postos de trabalho nos bancos privados continua no 1º semestre de 2014 Rede Bancários 2 DESEMPENHO DOS BANCOS DESEMPENHO DOS BANCOS 1º semestre de 2014

Leia mais

A crise financeira global e as expectativas de mercado para 2009

A crise financeira global e as expectativas de mercado para 2009 A crise financeira global e as expectativas de mercado para 2009 Luciano Luiz Manarin D Agostini * RESUMO - Diante do cenário de crise financeira internacional, o estudo mostra as expectativas de mercado

Leia mais

Relatório TÊXTIL E CONFECÇÃO VOLUME III. Julho de 2009

Relatório TÊXTIL E CONFECÇÃO VOLUME III. Julho de 2009 Relatório de Acompanhamento Setorial TÊXTIL E CONFECÇÃO VOLUME III Julho de 2009 RELATÓRIO DE ACOMPANHAMENTO SETORIAL TÊXTIL E CONFECÇÃO Volume III Equipe: Célio Hiratuka Samantha Cunha Pesquisadores e

Leia mais

DESEMPENHO ECONÔMICO BOLETIM DE MINISTÉRIO DO TURISMO FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS

DESEMPENHO ECONÔMICO BOLETIM DE MINISTÉRIO DO TURISMO FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS BOLETIM DE DESEMPENHO ECONÔMICO DO TURISMO MINISTÉRIO DO TURISMO FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS JULHO 2014 ANO XI Nº 43 RETROSPECTIVA Variação Média do Faturamento entre 2º trimestre de 2014/ 2º trimestre de

Leia mais

As exportações brasileiras ficaram mais competitivas com a desvalorização do real?

As exportações brasileiras ficaram mais competitivas com a desvalorização do real? As exportações brasileiras ficaram mais competitivas com a desvalorização do real? Paulo Springer de Freitas 1 No final de 2007, o saldo da balança comercial começou a apresentar uma trajetória declinante,

Leia mais

OPINIÃO Política Monetária, Arbitragem de Juro e Câmbio

OPINIÃO Política Monetária, Arbitragem de Juro e Câmbio OPINIÃO Política Monetária, Arbitragem de Juro e Câmbio João Basilio Pereima Neto A combinação de política monetária com elevada taxa de juros em nível e política cambial está conduzindo o país à uma deterioração

Leia mais

Programação Monetária

Programação Monetária Diretoria Colegiada Departamento Econômico DEPEC Programação Monetária Março Programação Monetária para o segundo trimestre e para o ano de A. A economia brasileira no primeiro trimestre de 1. O PIB, embora

Leia mais

MENSAGEM DA DIRETORIA JUNHO/2006

MENSAGEM DA DIRETORIA JUNHO/2006 MENSAGEM DA DIRETORIA JUNHO/2006 A Diretoria do Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul BRDE, em cumprimento às determinações legais e regimentais, apresenta as Demonstrações Financeiras relativas

Leia mais

1.2 Situação patrimonial dos setores não financeiros

1.2 Situação patrimonial dos setores não financeiros .2 Situação patrimonial dos setores não financeiros No primeiro semestre de 203, prosseguiu o processo de ajustamento gradual dos desequilíbrios no balanço dos particulares 3 Nos primeiros seis meses de

Leia mais

DIVULGAÇÃO DE RESULTADOS 4T05 e 2005

DIVULGAÇÃO DE RESULTADOS 4T05 e 2005 DIVULGAÇÃO DE RESULTADOS 4T05 e 2005 Americana SP, 23 de março de 2005 A VIVAX S.A. (Bovespa: VVAX11), ou Companhia, segunda maior operadora de TV a Cabo do Brasil, em número de assinantes, e uma das principais

Leia mais

Cenário positivo. Construção e Negócios - São Paulo/SP - REVISTA - 03/05/2012-19:49:37. Texto: Lucas Rizzi

Cenário positivo. Construção e Negócios - São Paulo/SP - REVISTA - 03/05/2012-19:49:37. Texto: Lucas Rizzi Cenário positivo Construção e Negócios - São Paulo/SP - REVISTA - 03/05/2012-19:49:37 Texto: Lucas Rizzi Crescimento econômico, redução da pobreza, renda em expansão e dois grandes eventos esportivos vindo

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Secretaria de Relações Internacionais do Agronegócio. Balança Comercial do Agronegócio Agosto/2015

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Secretaria de Relações Internacionais do Agronegócio. Balança Comercial do Agronegócio Agosto/2015 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Secretaria de Relações Internacionais do Agronegócio Balança Comercial do Agronegócio Agosto/2015 I Resultados do mês (comparativo Agosto/2015 Agosto/2014)

Leia mais

PRODUTIVIDADE E A PESQUISA ANUAL DE SERVIÇOS NA HOTELARIA E GASTRONOMIA BRASILEIRA

PRODUTIVIDADE E A PESQUISA ANUAL DE SERVIÇOS NA HOTELARIA E GASTRONOMIA BRASILEIRA PRODUTIVIDADE E A PESQUISA ANUAL DE SERVIÇOS NA HOTELARIA E GASTRONOMIA BRASILEIRA SUBSÍDIOS ESPECIAIS PARA FERTHORESP / FERTHOTEL FEVEREIRO 2012 - ALOISIO LEÃO DA COSTA...o IBGE realiza anualmente a Pesquisa

Leia mais

RELATÓRIO MENSAL DE INVESTIMENTOS INFINITY JUSPREV

RELATÓRIO MENSAL DE INVESTIMENTOS INFINITY JUSPREV CENÁRIO ECONÔMICO EM OUTUBRO São Paulo, 04 de novembro de 2010. O mês de outubro foi marcado pela continuidade do processo de lenta recuperação das economias maduras, porém com bons resultados no setor

Leia mais

Empreendedorismo do Rio de Janeiro: Conjuntura e Análise n.5 Marolinha carioca - Crise financeira praticamente não chegou ao Rio

Empreendedorismo do Rio de Janeiro: Conjuntura e Análise n.5 Marolinha carioca - Crise financeira praticamente não chegou ao Rio Empreendedorismo do Rio de Janeiro: Conjuntura e Análise n.5 Marolinha carioca - Crise financeira praticamente não chegou ao Rio Equipe: André Urani (editor responsável) Adriana Fontes Luísa Azevedo Sandro

Leia mais

3 INFLAÇÃO. Carta de Conjuntura 26 mar. 2015 43

3 INFLAÇÃO. Carta de Conjuntura 26 mar. 2015 43 3 INFLAÇÃO SUMÁRIO A inflação brasileira, medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), vinha apresentando uma trajetória de aceleração desde o início de 2014, mas mantinha-se dentro

Leia mais

Crise financeira internacional: Natureza e impacto 1. Marcelo Carcanholo 2 Eduardo Pinto 3 Luiz Filgueiras 4 Reinaldo Gonçalves 5

Crise financeira internacional: Natureza e impacto 1. Marcelo Carcanholo 2 Eduardo Pinto 3 Luiz Filgueiras 4 Reinaldo Gonçalves 5 Crise financeira internacional: Natureza e impacto 1 Marcelo Carcanholo 2 Eduardo Pinto 3 Luiz Filgueiras 4 Reinaldo Gonçalves 5 Introdução No início de 2007 surgiram os primeiros sinais de uma aguda crise

Leia mais

A Trajetória do Investimento Agregado ao Longo da Crise

A Trajetória do Investimento Agregado ao Longo da Crise A Trajetória do Investimento Agregado ao Longo da Crise Os gastos com investimentos no Brasil, após registrarem expansão gradual no quinquênio encerrado em 2008, experimentaram retração acentuada em resposta

Leia mais

PERFIL DOS TRABALHADORES NA CONSTRUÇÃO CIVIL NO ESTADO DA BAHIA

PERFIL DOS TRABALHADORES NA CONSTRUÇÃO CIVIL NO ESTADO DA BAHIA PERFIL DOS TRABALHADORES NA CONSTRUÇÃO CIVIL NO ESTADO DA BAHIA SETEMBRO /2012 ÍNDICE INTRODUÇÃO 3 1. Dimensão e características da ocupação no setor da construção civil no Brasil e na Bahia (2000 e 2010)...

Leia mais

2 PIB MINEIRO CRESCE AINDA MENOS DO QUE O BRASILEIRO Prof. Flávio Riani

2 PIB MINEIRO CRESCE AINDA MENOS DO QUE O BRASILEIRO Prof. Flávio Riani ANO 4 NÚMERO 30 SETEMBRO DE 2014 PROFESSORES RESPONSÁVEIS: FLÁVIO RIANI & RICARDO RABELO 1 - CONSIDERAÇÕES INICIAIS A divulgação do crescimento do PIB brasileiro no primeiro semestre desse ano, além de

Leia mais

Boletim de Conjuntura Econômica Outubro 2008

Boletim de Conjuntura Econômica Outubro 2008 Boletim de Conjuntura Econômica Outubro 008 PIB avança e cresce 6% Avanço do PIB no segundo trimestre foi o maior desde 00 A economia brasileira cresceu mais que o esperado no segundo trimestre, impulsionada

Leia mais