Regulamento de Benefícios Associação de Socorros Mútuos Montepio Filarmónico

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Regulamento de Benefícios Associação de Socorros Mútuos Montepio Filarmónico"

Transcrição

1 Regulamento de Benefícios Associação de Socorros Mútuos Montepio Filarmónico

2 CAPÍTULO I Disposições Gerais Artigo 1º (Objectivos e fins) 1. Sem prejuízo do disposto no art.º 4º dos Estatutos, o Regulamento de Benefícios estabelece: a) As condições de inscrição como associado efectivo, solidário e estudante; b) As condições de subscrição das modalidades de benefícios; c) O montante e as condições gerais e específicas de atribuição dos benefícios; d) O montante e o destino das quotizações pagas pelos associados; e) A idade máxima de inscrição dos associados nas modalidades cuja natureza o exija; f) Os prazos de garantia para a concessão dos benefícios, quando exigidos pela natureza das modalidades e pela situação técnico-financeira da Associação. Artigo 2º (Modalidades de benefícios) 1. As modalidades de benefícios prosseguidas pela Associação são as seguintes: a) Subsídio de funeral; b) Pensões em caso de invalidez absoluta e definitiva e Pensões em caso de velhice ou limite de idade; c) Assistência médica e medicamentosa; 2. As modalidades de benefícios previstas no n.º 1 são estabelecidas em conformidade com as disposições gerais deste capítulo e do capítulo específico. 3. A Associação proporciona, ainda, o acesso a equipamentos sociais e serviços próprios, nomeadamente a utilização do Centro de Repouso e de Férias (CREFE), sito em Vila Nova de Milfontes, em conformidade com o estabelecido no respectivo Regulamento. 4. A Associação poderá, cumulativamente, desenvolver outras modalidades de benefícios em conformidade com o previsto nos Estatutos, depois de devidamente aprovadas em Assembleia Geral e registadas na Tutela.

3 Artigo 3º (Condições gerais inscrição) 1. Os candidatos a associados devem: a) Preencher uma proposta de inscrição e fazer prova da sua identidade, idade e condição de acesso; b) Subscrever, pelo menos, uma das modalidades de benefícios; c) Submeter-se a avaliação clínica, através de parecer médico, por exame directo ou através do preenchimento de questionário clínico. Artigo 4º (Subscrição de modalidades) 1. O associado pode ter várias subscrições, na mesma ou em diferentes modalidades. 2. Qualquer subscrição é considerada, para todos os efeitos, independente das restantes. Todavia, sempre que houver um limite máximo do montante do subsídio por modalidade associativa, o mesmo deve ser considerado. Artigo 5º (Condições gerais e concessão dos benefícios) 1. Constitui condição geral da concessão de benefícios: a) Ser associado da associação, nos termos previstos nos Estatutos; b) Proceder à subscrição da respectiva modalidade de benefício, nos termos previstos no presente Regulamento; c) Ter a quota correspondente à modalidade de benefício subscrita devidamente regularizada. 2. O direito a qualquer dos benefícios previstos neste Regulamento, adquire-se após o decurso do prazo estabelecido para cada um deles nas respectivas cláusulas específicas. 3. A efectivação do direito a cada benefício carece de deliberação da Direcção, à qual compete apreciar se estão preenchidas todas as condições de atribuição do benefício.

4 4. Em conformidade com o disposto no art.º 20º dos Estatutos, a eliminação ou a expulsão dos associados determina a perda dos benefícios correspondentes às quotas pagas e não dá direito a qualquer reembolso, sem prejuízo da possibilidade de readmissão nos termos do art.º 24º dos Estatutos. Artigo 6º (Jóia) A admissão como associado determina o pagamento de uma jóia de valor variável em função da idade de subscrição: a) Até aos 30 anos 10,00 (Dez euros) b) A partir dos 31 anos 15,00 (Quinze euros) Artigo 7º (Quotas) 1. Por cada modalidade de benefício subscrita pelo associado será devida uma quota mensal, cujo valor está estabelecido nas condições específicas de cada modalidade de benefício. 2. Cada associado deverá, ainda, efectuar o pagamento de uma quota associativa mensal, no valor de 0,50 (Cinquenta cêntimos), destinada ao fundo de solidariedade que nos termos estatutários promoverá diversas acções de solidariedade. 3. As quotas são devidas desde o mês seguinte ao da admissão como associado e até ao mês em que cessar a subscrição na modalidade ou em que o benefício se vença. 4. As quotas vencem-se no primeiro dia do mês a que respeitam e podem ser pagas na Tesouraria da Associação, ou por transferência bancária, vale de correio, cheque nominativo à ordem da Associação ou através de cobradores. 5. A regularização do pagamento das quotas pode efectuar-se pela redução do montante dos benefícios subscritos.

5 Artigo 8º (Destino das quotas) 1. A quota correspondente à subscrição do subsídio de funeral destina-se ao Fundo Disponível de Funeral, transitando no final de cada ano, 95% do saldo deste Fundo para o Fundo Permanente de Funeral e 5% para o Fundo de Reserva Geral. 2. A quota correspondente à subscrição da assistência médica e medicamentosa destina-se ao Fundo Disponível de Assistência Médica e Medicamentosa, revertendo no final de cada ano 95% do saldo para o Fundo Próprio de Assistência Médica e Medicamentosa e 5% para o Fundo de Reserva Geral. 3. A quota correspondente à subscrição de pensão em caso de invalidez absoluta e definitiva destina-se ao Fundo Disponível de Pensões em caso de Invalidez Absoluta e Definitiva, revertendo no final de cada ano 95% do saldo para o Fundo Permanente de Pensões em caso de Invalidez Total e Permanente e 5% para o Fundo de Reserva Geral. 4. A quota correspondente à subscrição de pensão de velhice destina-se ao Fundo Disponível de Pensões em caso de Velhice ou limite de idade, revertendo no final de cada ano 95% do saldo para o Fundo Permanente de Pensões em caso de velhice ou limite de idade e 5% para o Fundo de Reserva Geral. 5. A quota de solidariedade associativa referida no n.º 2 do art.º 7.º destina-se ao Fundo de Solidariedade Associativa. Artigo 9º (Idade actuarial) 1. As quotas relativas à modalidade ou modalidades subscritas são fixadas em função da idade actuarial do associado, na data da subscrição da modalidade a que respeitam. 2. Entende-se por idade actuarial, a idade do associado reportada ao número inteiro de anos mais próximo, considerando meses de 30 dias. 3. As idades referidas nas tabelas que integram o presente regulamento são idades actuariais.

6 Artigo 10º (Nulidade da inscrição) 1. Será nula a inscrição que seja contrária à lei ou aos Estatutos. 2. A nulidade da inscrição imputável por dolo ao associado, implica a restituição dos benefícios, indevidamente, recebidos sem direito ao reembolso das quotas pagas. Artigo 11º (Reaquisição de direitos) 1. A reaquisição de direitos associativos implica o pagamento do valor da quotização que seria devido caso o subscritor tivesse continuado como associado, nos termos do n.º 2 do art.º 24º dos Estatutos. 2. O pagamento do montante previsto no número anterior pode ser efectuado em prestações mensais, no máximo de doze. 3. A reaquisição de direitos associativos só produz efeitos após estar totalmente paga a quantia estabelecida no número 1, podendo ser acrescida da taxa técnica de juro da respectiva modalidade. Artigo 12º (Designação de beneficiários) 1. Nas modalidades de benefícios em que tal seja possível, o subscritor pode designar os beneficiários e a forma de distribuição do benefício, mediante declaração, clara e precisa, constante de formulário fornecido pela associação, em documento particular com assinatura autenticada ou por disposição testamentária. 2. As declarações posteriores são revogatórias das anteriores. 3. Na falta da declaração estabelecida no número 1 a atribuição do benefício será concedida aos herdeiros nos termos da lei.

7 Artigo 13º (Impenhorabilidade e prescrição dos benefícios) As prestações pecuniárias devidas pela Associação aos associados e a outros beneficiários, não podem ser cedidas a terceiros nem penhoradas, prescrevendo a favor da Associação, no prazo de cinco anos, a contar do vencimento ou do último dia de prazo de pagamento, se o houver. Artigo 14º (Inibição do pagamento dos benefícios) 1. Não há lugar ao pagamento do benefício quando se provar que o associado ou os seus familiares produziram declarações falsas ou apresentarem documentos susceptíveis de induzir em erro os serviços da associação e, ainda, no caso de morte, quando este evento resulte de: a) Acto criminoso do beneficiário; b) Guerra civil ou com país estrangeiro, ainda que não declarada formalmente; c) Corridas ou competições de velocidade, viagens de exploração, aerostação ou aviação, excepto se ocorrida como passageiro em voos comerciais; d) Suicídio, durante os primeiros dois anos de subscrição. 2. Se a associação já tiver procedido ao pagamento do benefício, a pessoa que o recebeu fica obrigada à sua restituição. Artigo 15º (Distribuição de excedentes) Sempre que os fundos permanentes relativos a uma modalidade excederem o valor das respectivas reservas matemáticas, o excesso pode ser destinado, total ou parcialmente, à melhoria dos benefícios ou a redução de quotas.

8 CAPÍTULO II Disposições específicas Secção I Assistência médica e medicamentosa Artigo 16º (Assistência médica) 1. A modalidade de assistência médica consiste na prestação de serviços de saúde, a realizar directamente pela Associação ou através de acordos de cooperação ou protocolos com médicos ou clínicas idóneas. 2. Para a satisfação do estabelecido no número anterior a Associação dispõe de médicos que dão consultas na sede da Associação, em dias e horas a estabelecer pela Direcção. 3. O associado que utilize os serviços médicos da Associação pagará uma taxa de consulta de valor a fixar pela Direcção. 4. A assistência médica compreende, ainda, a comparticipação de 10% das despesas efectivamente suportadas pelo associado em quaisquer consultas médicas externas, com o limite máximo de 10,00 (Dez euros). 5. Aos elementos do agregado familiar do associado pode ser permitido o acesso às consultas médicas na sede da associação, mediante o pagamento de uma taxa de consulta de valor igual ou superior aquela que tiver sido fixada para o associado e sem que daí advenham quaisquer outros encargos para a Associação.

9 Artigo 17º (Assistência medicamentosa e exames) 1. A assistência medicamentosa consiste na comparticipação das despesas suportadas pelos associados na aquisição de medicamentos comparticipados, a qual se fará nos seguintes termos: a) Comparticipação de 15% nas despesas efectivamente suportadas pelo associado na aquisição de medicamentos comparticipados pelo Serviço Nacional de Saúde ou por qualquer subsistema de saúde e receitados pelo médico da Associação com um limite anual de 50,00 ; b) Comparticipação de 10% nas despesas efectivamente suportadas pelo associado na aquisição de medicamentos comparticipados pelo Serviço Nacional de Saúde ou por qualquer subsistema de saúde e receitados por outros médicos com um limite anual de 40,00 ; c) Comparticipação de 10% sobre o custo das vacinas receitadas aos associados pelo médico da Associação, com o limite máximo de 20 Euros (Vinte euros); d) Comparticipação de 5% sobre o custo das vacinas receitadas por médico externo à Associação, com o limite máximo de 10 Euros (Dez euros); 2. Quando prescritos por qualquer médico são comparticipados pela Associação os seguintes exames complementares de diagnóstico e terapêutica: a) Análises de sangue e de urina; b) Radiografias; c) Ecografias; d) Electrocardiogramas; e) Electroencefalogramas; f) Fisioterapia. 3. As despesas resultantes dos exames e tratamentos estabelecidos no número anterior são comparticipadas em 10%, não podendo, essa comparticipação exceder 10,00 Euros (Dez euros) por exame, nem por cada sessão de tratamento de fisioterapia. 4. Quando o associado tenha recebido de qualquer Instituição uma comparticipação nas despesas dos exames ou tratamentos estabelecidos no n.º 2 deste artigo, a

10 Associação pagará 5% da importância que efectivamente tenha sido dispendida pelo associado, sem prejuízo dos limites estabelecidos no número anterior. 5. A aquisição conjunta de lentes e armação para correcção da visão será comparticipada no valor de 30,00 Euros (Trinta euros), sendo o custo daquele conjunto inferior será pago apenas o respectivo valor. 6. A aquisição de lentes para correcção da visão será comparticipada no valor de 25,00 Euros (Vinte e cinco euros), sendo o custo das lentes inferior será pago apenas o respectivo valor. 7. A aquisição de armações para lentes de correcção da visão será comparticipada no valor de 25,00 Euros (Vinte e cinco euros), sendo o custo das armações inferior será pago apenas o respectivo valor. 8. As comparticipações estabelecidas nos n.ºs 5, 6 e 7 deste artigo, só serão concedidas decorridos 18 meses sobre a data do recibo da última comparticipação, excepto nos casos de inutilização, os quais deverão ser comprovados e aprovados pela Direcção. 9. Poderão ser, ainda, considerados pela Direcção os casos especiais de necessidade do uso de dois pares de óculos, se confirmados, expressamente, pelo médico oftalmologista na respectiva receita. Artigo 18º (Condições especiais de inscrição) 1. Podem subscrever a modalidade de assistência médica e medicamentosa os associados efectivos, solidários e estudantes, até aos 65 anos de idade, inclusive. 2. A subscrição da modalidade de assistência médica e medicamentosa depende de exame médico efectuado pelos médicos da associação. 3. O resultado do exame médico pode determinar a não-aceitação da subscrição da respectiva modalidade.

11 Artigo 19º (Condições de atribuição) 1. O direito ao benefício de assistência médica, medicamentosa e de enfermagem adquire-se após seis meses do pagamento das quotas. 2. Os associados que pretendam beneficiar da modalidade de assistência médica e medicamentosa devem ter as quotas pagas. 3. O pagamento das comparticipações estabelecidas nos artigos 16º e 17º deste Regulamento só se processará mediante a entrega dos respectivos recibos e receitas médicas na secretaria da Associação, dentro de um prazo que não pode exceder 22 dias úteis, a contar da data de emissão dos mesmos, podendo as receitas médicas ser substituídas por fotocópias, desde que devidamente autenticadas e com a indicação do custo de cada medicamento receitado. 4. O pagamento das despesas referidas nos art.ºs 16º e 17º deste Regulamento, poderá ser suspenso ou alterado o seu valor, bem como criadas senhas de consulta médica, sempre que as condições financeiras da Associação o exijam ou permitam, por decisão fundamentada da Direcção depois de emitido parecer do Conselho Geral, o qual será anexo à respectiva acta da reunião da Direcção. 5. Nunca poderão ser aceites, para efeitos de pagamento das comparticipações, os recibos e as receitas médicas viciadas, ou com as datas rasuradas ou emendadas, bem como quando ultrapassados os prazos estabelecidos no n.º 3. Artigo 20º (Valor da quota) 1. O valor da quota mensal a pagar nesta modalidade por associado é de 2,30 Euros (Dois euros e trinta cêntimos), aos quais acresce 0,30 cêntimos (trinta cêntimos), correspondentes a 12,5%, que revertem para o Fundo de Administração. 2. Anualmente, a 1 de Maio, o valor da quota estabelecida no número anterior, poderá ser revista no seu valor estabelecido, sempre que esteja em causa o equilíbrio técnico e/ou financeiro da modalidade associativa.

12 Sessão II Subsídio de Funeral Artigo 21º (Caracterização) 1. A modalidade de benefício designada por subsídio de funeral consiste na concessão de um subsídio para as despesas de funeral dos associados. 2. A efectivação do direito a este subsídio adquire-se com o falecimento do associado Artigo 22º (Condições especiais de inscrição) 1. A idade máxima para a subscrição desta modalidade de benefício é de 45 (Quarenta e cinco) anos de idade. 2. Esta modalidade de benefício só pode ser subscrita pelos associados efectivos. Artigo 23º (Condições especiais de atribuição) O direito a este benefício adquire-se por óbito do associado efectivo, depois de terem decorrido dois anos após a subscrição desta modalidade e desde que os encargos associativos se encontrem devidamente regularizados. Artigo 24º (Valor da quota) 1. Para os associados que tenham subscrito esta modalidade de benefício até 31 de Dezembro de 1993, inclusive, o valor da quota mensal a pagar nesta modalidade é de 0,49 (Quarenta e nove cêntimos), aos quais acresce 0,06 (Seis cêntimos) correspondentes a 12,5%, que revertem para o Fundo de Administração. 2. Para os associados que tenham subscrito esta modalidade de benefício depois de 31 de Dezembro de 1993, o valor da quota mensal a pagar nesta modalidade será fixada tendo em conta a idade do associado à data da subscrição da modalidade. O seu valor consta da Tabela Anexa ao Regulamento de Benefícios.

13 3. Os valores estabelecidos no número anterior, serão acrescidos do valor correspondente a 12,5% que reverte para o Fundo de Administração. Artigo 25º (Montante do subsídio) 1. A modalidade de benefício designado por Subsídio de Funeral, consiste na concessão de um subsídio no montante de 400,00 e será pago mediante a apresentação da respectiva certidão de óbito. 2. O subsídio será pago de uma só vez a quem tiver direito a ele, de acordo com o estabelecido nas disposições gerais deste Regulamento de Benefícios. 3. O subsídio estabelecido no número anterior pode ser pago a quem provar ter feito as despesas de funeral do associado, através do respectivo recibo de quitação. Secção III Das Pensões em caso de Invalidez Absoluta e Definitiva e em caso de Velhice ou limite de idade Atendendo à natureza técnica destas modalidades associativas, as mesmas, na sua formulação, são separadas em Pensões em caso de Invalidez Absoluta e Definitiva Pensões em caso de Velhice ou Limite de Idade. Subsecção I Pensões em caso de Invalidez Absoluta e Definitiva Artigo 26º (Caracterização) 1. A modalidade de benefícios em caso de Invalidez Absoluta e Definitiva só pode ser subscrita pelos associados efectivos até aos 45 anos de idade. 2. O direito à concessão de uma renda de Invalidez Absoluta e Definitiva, adquire-se logo que sejam decorridos 24 meses completos a contar da data da subscrição da modalidade de benefícios e desde que estejam pagos todos os encargos associativos e bem assim, desde que o associado não esteja abrangido pelo nº. 1 do artigo 20º. dos Estatutos e satisfaça as demais condições estabelecidas.

14 3. O reconhecimento do estado de Invalidez Absoluta e Definitiva exige a efectivação conjunta das seguintes condições: a) Estar o associado incapacitado para toda e qualquer profissão e necessite para praticar os actos da vida corrente, do auxílio de uma 3ª pessoa; b) O grau de incapacidade ter ocorrido antes da idade em que o associado teria direito à Pensão de Reforma em caso de Velhice ou por Limite de Idade. c) Apresentação de um relatório do Médico assistente do associado, sobre as causas, início, evolução e consequências da doença ou lesão corporal; d) Os serviços médicos da Associação para melhor definição da natureza e extensão das suas responsabilidades podem solicitar outros elementos de natureza clínica que julgarem convenientes; e) Requerer à Direcção a concessão da Pensão a que tiver direito; f) Declarar por escrito encontrar-se na situação referida na alínea a) 4. Sempre que o reconhecimento do estado de Invalidez Absoluta e Definitiva ocorra após os 24 meses completos de inscrição como associado, o pagamento do primeiro termo de renda será diferido para o mês seguinte ao referido prazo. 5. O valor da renda mensal em caso de Invalidez Absoluta e Definitiva é idêntico ao valor a que teria direito à idade da reforma, acaso não tivesse invalidado. 6. O pagamento do primeiro termo mensal de renda será liquidado a partir do mês seguinte àquele em que tiver sido requerida pelo associado e reconhecida pela Associação nos termos do número 2 deste artigo. 7. Em cada ano económico serão pagos 12 mensalidades. 8. A renda em caso de Invalidez Absoluta e Definitiva será paga até ao falecimento do associado e no máximo até à data aniversaria da subscrição do ano em que o associado complete os 65 anos de idade. 9. A partir dos 65 anos a renda em caso de Invalidez Absoluta e Definitiva converte-se numa pensão em caso de velhice ou por limite de idade, cuja mensalidade será em função dos anos contados a partir da data da subscrição da modalidade. O seu valor consta da Tabela Anexa ao Regulamento de Benefícios.

15 10. Anualmente e durante o mês de Maio, as rendas de invalidez total e permanente em pagamento, poderão ser revalorizadas por proposta fundamentada pela Direcção, ouvido o Conselho Fiscal, através de uma prestação suplementar de valor único (válida apenas no ano de concessão), de acordo com os rendimentos líquidos obtidos pelos valores mobiliários representativos do Fundo Permanente da modalidade, no ano económico anterior. 11. O valor da quota a pagar mensalmente pelos associados constam em documento anexo a este Regulamento de Benefícios Subsecção II Pensões de Velhice Artigo 27º (Caracterização) 1. A modalidade de benefícios Pensões de Velhice só pode ser subscrita pelos associados efectivos até aos 45 (Quarenta e cinco) anos de idade. 2. O direito à concessão da pensão em caso de Velhice ou por limite de idade, adquirese logo que o associado complete os 65 anos de idade e desde que estejam pagos todos os encargos associativos e bem assim, que o associado não esteja abrangido pelo nº.1 do artigo 20º. dos Estatutos e satisfaça as demais condições estabelecidas. 3. O direito à concessão da pensão em caso de velhice ou por limite de idade, consubstanciado em pagamento de rendas mensais exige a efectivação das seguintes condições: a) O associado ter atingido a idade de 65 anos. b) Requerer à Direcção a concessão da pensão a que tiver direito. 4. O pagamento do primeiro termo de renda mensal será liquidado a partir do mês seguinte à data aniversária da subscrição da modalidade. 5. A pensão em caso de velhice ou por limite de idade, será paga até ao falecimento do associado e no máximo 12 meses em cada ano.

16 6. O valor da pensão em caso de velhice ou por limite de idade é estabelecido em função do número de anos completos contados a partir da data de subscrição da modalidade. O seu montante mensal consta da Tabela Anexa ao Regulamento de Benefícios. 7. Anualmente e durante o mês de Maio, as pensões em caso de velhice em formação e as pensões em pagamento, poderão ser revalorizadas por proposta fundamentada pela Direcção, ouvido o Conselho Fiscal, através de uma prestação suplementar de valor único (válida apenas no ano de concessão), de acordo com os rendimentos líquidos obtidos pelos valores mobiliários representativos do Fundo Permanente da modalidade, no ano económico anterior. 7.1 No caso das pensões em caso de velhice em formação, os valores distribuídos anualmente darão origem a uma conta individual a capitalizar a favor do associado até à idade de 65 anos. Nessa data o associado pode optar pelo recebimento do capital acumulado ou pela sua conversão em renda, de acordo com as bases técnicas em vigor. 7.2 No caso das pensões em caso de velhice em pagamento, os valores distribuídos são pagos, através de uma prestação suplementar de valor único, válida apenas no ano de concessão. Artigo 28º (Prazo de garantia) 1. O direito ao benefício da pensão em caso de invalidez absoluta e definitiva adquirese nos termos do Artigo 26º deste Regulamento de Benefícios. 2. O direito ao benefício da pensão em caso de velhice ou por limite de idade, adquirese nos termos do Artigo 27º deste Regulamento de Benefícios.

17 Artigo 29º (Valor da quota) 1. O valor da quota de 2,74 paga ou ainda em pagamento pelos associados inscritos até 31 de Dezembro de 1993, origina uma pensão mensal garantida, recalculada com a tábua de mortalidade TV 88-90, com uma taxa técnica de juro associada de 2%, sem prejuízo no disposto no número 10 do artigo 26º e números 7 e 7.1 do artigo 27º. O valor da quota pura de 2,74 é acrescido de uma quantia de 0,34 correspondente a 12,5% para o Fundo de Administração. 2. A alteração inscrita no número anterior visa manter o equilíbrio técnico e financeiro da modalidade nos termos do artigo 20º do Código das Associações Mutualistas, face ao aumento de longevidade da população com mais de 65 anos. 3. O valor das quotas a pagar mensalmente pelos associados constam em documento anexo a este Regulamento de Benefícios. O valor da quota pura é acrescido de uma quantia correspondente 12,5% que reverte para o Fundo de Administração. Artigo 30º (Pagamento das pensões) 1. O valor das mensalidades será pago numa só vez, durante o mês de Dezembro do ano a que respeitam. CAPÍTULO III Solidariedade associativa Artigo 31º (Caracterização) 1. O Fundo de solidariedade associativa destina-se a promover acções de formação e divulgação mutualistas e de solidariedade, condicionadas às disponibilidades financeiras do fundo.

18 Anexo Regulamento de Benefícios Valor das Pensões garantidas de acordo com o Artigo 29.º (Pensão anual igual a 12 mensalidades) Idade de Subscrição Pensão mensal prometida, no anterior Regulamento de Benefícios. Pensão garantida calculado com a TM TV-88-90, a 2% 15 47,39 16, ,39 15, ,39 15, ,39 14, ,39 14, ,39 13, ,39 12, ,39 12, ,39 11, ,64 11, ,64 11, ,64 10, ,64 10, ,64 9, ,89 9, ,89 9, ,89 8, ,89 8, ,89 7, ,15 7, ,15 7, ,15 6, ,15 6, ,15 6, ,40 5, ,40 5, ,40 5, ,40 5, ,40 4, ,91 4,46 Nota: A Pensão Garantida resulta da quota pura adicionada de 12,5% para o Fundo de Administração. Regulamento de Benefícios

19 Artigos 6.º e 7.º. Jóias e quotas Idade de subscrição Valor da Jóia Até aos 30 anos 10,00 A partir dos 31 anos, inclusive Quotas mensais das Modalidades Associativas Modalidade associativa Associados inscritos antes de 31 de Dezembro de 1993 Associados inscritos a partir de 1 de Janeiro de 1994 Fundo de Solidariedade Associativa. O, 50 O, 50 Assistência médica e medicamentosa Subsídio de Funeral Pensões de Velhice Pensões em caso de invalidez absoluta e definitiva 2,30, acrescido de 0,30 para o Fundo de Administração. Valor total = 2,60 0,49, acrescido de 0,06 para o Fundo de Administração. Valor total = 0,55 2,74 para um valor de pensão garantida, a qual é calculada com a Tábua de mortalidade TV88-90, a 2%, de acordo com a idade de subscrição. O valor de 2,74 é acrescido de 0,34 para o Fundo de Administração. Valor total = 3,08 Ver tabela em função da idade de subscrição e dos valores de pensões em risco. 2,30, acrescido de 0,30 para o Fundo de Administração. Valor total = 2,60 Ver tabela em função da idade de subscrição. Ver tabela em função da idade de inscrição. Esta tabela é igualmente aplicável aos associados que desejem aumentar a sua pensão garantida Ver tabela em função da idade de subscrição e dos valores de pensões em risco.

20 Regulamento de Benefícios Assistência médica e medicamentosa Artigos: do 16.ºao 20.º UTENTES QUOTAS BENEFÍCIO PARA O UTENTE LIMITES MÁXIMOS Sócios Efectivos até ,60. Inclui 12,5% para Fundo de Administração Sócios Efectivos desde ,60. Inclui 12,5% para Fundo de Administração 2,60. Inclui 12,5% Sócios Solidários Para Fundo de Administração 2,60. Inclui 12,5% Sócios Estudantes Para Fundo de Administração Consultas na Associação Todos os tipos de associados + Seus familiares Consultas externas Medicamentos, se receitados médicos da Associação Todos os tipos de associados Todos os tipos de associados Só paga Taxa de utilização a publicar anualmente pela Direcção. Recebe 10% por consulta externa Recebe 15% da despesa a seu cargo. A taxa de utilização pode ser diferenciada para associados e familiares Até 10 por consulta. 50 por ano económico Medicamentos, se receitados por médico exterior à associação. Todos os tipos de associados Recebe 1 0% da despesa a seu cargo. 40 por ano económico Vacinas se receitadas por médicos da Associação Todos os tipos de associados Recebe10% da despesa a seu cargo. 20 por vacina Vacina se receitados por médico exterior à associação Todos os tipos de associados Recebe5% da despesa a seu cargo. 10 por vacina Análises de sangue Análises de urina Radiografias Ecografias Electrocardiogramas Electroencefalogramas Fisioterapia Lentes e armação adquiridas em conjunto Só Lentes Só Armações Todos os tipos de associados Todos os tipos de associados Todos os tipos de associados Todos os tipos de associados Recebe 10% da despesa a seu cargo. Recebe até 30 Recebe até 25 Até por exame ou tratamento/fisioterapia Segunda comparticipação após 18 meses, salvo por inadequação Segunda comparticipação após 18 meses, salvo por inadequação Segunda comparticipação após 18 meses, salvo inutilização

21 Regulamento de Benefícios Subsídio de Funeral para associados inscritos a partir de 1 de Janeiro de 1994 Artigo 24.ºn.º2 Nota - O valor das quotas com encargos, incluem o valor de 12,5% sobre a quota pura para o Fundo de Administração. Idade Taxa Pura Quota Mensal c/ Encargos Quota Anual c/ Encargos p/ p/ 400,00 400, , ,37 4, , ,38 4, , ,39 4, , ,40 4, , ,41 4, , ,42 5, , ,43 5, , ,44 5, , ,46 5, , ,47 5, , ,48 5, , ,50 5, , ,51 6, , ,53 6, , ,54 6, , ,56 6, , ,58 6, , ,60 7, , ,62 7, , ,64 7, , ,66 7, , ,68 8, , ,70 8, , ,73 8, , ,75 9, , ,78 9, , ,81 9, , ,84 10, , ,87 10, , ,90 10, , ,93 11,18

22 Regulamento de Benefícios Pensões de velhice Tábua de mortalidade TV 88-90, 2% QUOTAS PARA ASSOCIADOS INSCRITOS APÓS 1 DE JANEIRO DE 1994, ou que desejem aumentar o valor da pensão garantida. Artigo 27.º n.º6 Idade Prazo Taxa pura Quota Mensal c/ encargos para uma Pensão Anual de 12,00 paga mensalmente (1,00 ) , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,69 Nota - O valor da quota mensal com encargos, inclui o valor de 12,5% sobre a quota pura para o Fundo de Administração

23 Regulamento de Benefícios Pensões em caso de Invalidez Absoluta e Definitiva Artigo 26.º, n.º9 Quotas para a modalidade associativa Invalidez Absoluta e Definitiva Data de inscrição (1) Até aos 24 anos Entre os 25 e 29 anos Entre os 30 e 34 anos Entre 35 e 39 anos Entre os 40 e os 44 anos 45 anos Idade limite da cobertura 65 anos Renda mensal prometida (2) Renda mensal garantida (3) TOTAL Renda Segura (2 +3) Quota mensal (4) 47,39 16,21 63,60 0,67 45,64 11,40 57,04 0,60 43,89 9,33 53,22 0,56 42,15 7,51 49,66 0,52 40,40 5,92 46,32 0,48 35,91 4,46 40,37e 0,42 Nota - O valor da quota mensal (4), inclui o valor de 12,5% sobre a quota pura para o Fundo de Administração Exemplo: (4) = linha entre 30 e 34 anos. Pensão segura = 53,22. Quota mensal c/encargos = 53,22 x 1,85%: 2 x 1,125 = 0,56

Benefícios Associação Socorros Mútuos S. Mamede Infesta. Regulamento de Benefícios Associação de Socorros Mútuos São Mamede de Infesta

Benefícios Associação Socorros Mútuos S. Mamede Infesta. Regulamento de Benefícios Associação de Socorros Mútuos São Mamede de Infesta Benefícios Associação Socorros Mútuos S. Mamede Infesta 1 Regulamento de Benefícios Associação de Socorros Mútuos São Mamede de Infesta 2 Benefícios Associação Socorros Mútuos S. Mamede Infesta CAPÍTULO

Leia mais

MONTEPIO GERAL ASSOCIAÇÃO MUTUALISTA REGULAMENTO DE BENEFÍCIOS EM VIGOR

MONTEPIO GERAL ASSOCIAÇÃO MUTUALISTA REGULAMENTO DE BENEFÍCIOS EM VIGOR MONTEPIO GERAL ASSOCIAÇÃO MUTUALISTA REGULAMENTO DE BENEFÍCIOS EM VIGOR Documento editado em 12 de Julho de 2011 ÍNDICE CAPÍTULO I - Disposições Gerais Pág. 03 CAPÍTULO II - Solidariedade Associativa Pág.

Leia mais

REGULAMENTO DE BENEFÍCIOS 2008

REGULAMENTO DE BENEFÍCIOS 2008 REGULAMENTO DE BENEFÍCIOS 2008 CASA DA IMPRENSA Associação Mutualista (Instituição Particular de Solidariedade Social, reconhecida como Pessoa Colectiva de Utilidade Pública). Alteração do Regulamento

Leia mais

VALOR GARANTIDO VIVACAPIXXI

VALOR GARANTIDO VIVACAPIXXI VALOR GARANTIDO VIVACAPIXXI CONDIÇÕES GERAIS CAPÍTULO I GENERALIDADES ARTº 1º - DEFINIÇÕES 1. Para os efeitos do presente contrato, considera-se: a) Companhia - a entidade seguradora,, que subscreve com

Leia mais

REGULAMENTO DE BENEFÍCIOS

REGULAMENTO DE BENEFÍCIOS A MUTUALIDADE DA MOITA Associação Mutualista REGULAMENTO DE BENEFÍCIOS CAPITULO I ASSOCIADOS ARTIGO 1º São condições de inscrição: a) Ter idade até 45 anos (inclusive), salvo se a modalidade associativa

Leia mais

Montepio Rainha D. Leonor Associação Mutualista. Caldas da Rainha. Regulamento dos Benefícios CAPÍTULO I. Disposições gerais

Montepio Rainha D. Leonor Associação Mutualista. Caldas da Rainha. Regulamento dos Benefícios CAPÍTULO I. Disposições gerais Montepio Rainha D. Leonor Associação Mutualista Caldas da Rainha Regulamento dos Benefícios CAPÍTULO I Disposições gerais Artigo 1º Os benefícios concedidos pela Associação são, nos termos estatutários,

Leia mais

REGULAMENTO DE BENEFÍCIOS do Montepio Geral Associação Mutualista Título II DISPOSIÇÕES PARTICULARES - MODALIDADES INDIVIDUAIS

REGULAMENTO DE BENEFÍCIOS do Montepio Geral Associação Mutualista Título II DISPOSIÇÕES PARTICULARES - MODALIDADES INDIVIDUAIS Artigo 1.º (Definições e Interpretação) 1. Nesta Secção, os termos e expressões iniciados por maiúsculas têm o significado que lhes é atribuído no Título VI (Glossário) do Regulamento. 2. Em caso de conflito

Leia mais

REAL PPR Condições Gerais

REAL PPR Condições Gerais Entre a, adiante designada por Segurador, e o Tomador do Seguro identificado nas Condições Particulares, estabelece-se o presente contrato de seguro que se regula pelas Condições Particulares e desta apólice,

Leia mais

LEGISLAÇÃO CSC PARA CONSULTA NO EXAME

LEGISLAÇÃO CSC PARA CONSULTA NO EXAME ELEMENTOS DO CÒDIGO DAS SOCIEDADES COMERCIAIS PARA CONSULTA Artigo 28.º Verificação das entradas em espécie 1 - As entradas em bens diferentes de dinheiro devem ser objecto de um relatório elaborado por

Leia mais

REGULAMENTO DE BENEFÍCIOS. Capítulo I - Disposições Gerais... 2. Capítulo II... 4. Secção I - Serviços de Saúde... 4

REGULAMENTO DE BENEFÍCIOS. Capítulo I - Disposições Gerais... 2. Capítulo II... 4. Secção I - Serviços de Saúde... 4 REGULAMENTO DE BENEFÍCIOS Capítulo I - Disposições Gerais... 2 Capítulo II... 4 Secção I - Serviços de Saúde... 4 Secção II - Complementos de Reforma... 5 Capítulo III - Benefícios suportados pelo Fundo

Leia mais

ALTERAÇÕES AO REGIME DO DESEMPREGO (comparação artigo a artigo) Redacção anterior Nova redação DL 64/2012 Artigo 9.º

ALTERAÇÕES AO REGIME DO DESEMPREGO (comparação artigo a artigo) Redacção anterior Nova redação DL 64/2012 Artigo 9.º ALTERAÇÕES AO REGIME DO DESEMPREGO (comparação artigo a artigo) Artigo 9.º Artigo 9.º Desemprego involuntário Desemprego involuntário 1 - O desemprego considera-se involuntário sempre que a cessação do

Leia mais

DECRETO N.º 265/XII. A Assembleia da República decreta, nos termos da alínea c) do artigo 161.º da Constituição, o seguinte: Artigo 1.

DECRETO N.º 265/XII. A Assembleia da República decreta, nos termos da alínea c) do artigo 161.º da Constituição, o seguinte: Artigo 1. DECRETO N.º 265/XII Aprova o regime de concessão de crédito bonificado à habitação a pessoa com deficiência e revoga os Decretos-Leis n.ºs 541/80, de 10 de novembro, e 98/86, de 17 de maio A Assembleia

Leia mais

ARTIGO 1.º DEFINIÇÕES ARTIGO 2.º OBJECTO DO CONTRATO ARTIGO 3.º INÍCIO E DURAÇÃO DO CONTRATO. SEGURO REAL VIDA Condições Gerais

ARTIGO 1.º DEFINIÇÕES ARTIGO 2.º OBJECTO DO CONTRATO ARTIGO 3.º INÍCIO E DURAÇÃO DO CONTRATO. SEGURO REAL VIDA Condições Gerais ARTIGO 1.º DEFINIÇÕES 1. Para efeitos do presente contrato entende-se por: Seguradora: a Real Vida Seguros, S.A., que subscreve com o Tomador de Seguro o presente contrato; Tomador de Seguro: A entidade

Leia mais

RESUMO DAS CONDIÇÕES GERAIS EM PODER DA UNICRE SEGURO ONCOLOGIA APÓLICE Nº 3052 - DOENÇA GRUPO ARTIGO PRELIMINAR

RESUMO DAS CONDIÇÕES GERAIS EM PODER DA UNICRE SEGURO ONCOLOGIA APÓLICE Nº 3052 - DOENÇA GRUPO ARTIGO PRELIMINAR RESUMO DAS CONDIÇÕES GERAIS EM PODER DA UNICRE SEGURO ONCOLOGIA APÓLICE Nº 3052 - DOENÇA GRUPO ARTIGO PRELIMINAR O contrato de seguro estabelecido entre a GROUPAMA SEGUROS, S.A., adiante designada por

Leia mais

Plano Empresas Reforma

Plano Empresas Reforma Plano Empresas Reforma Condições gerais e especiais 1110599-01.20104 Pela protecção dos valores da vida. Liberty Seguros, S.A. - Av. Fontes Pereira de Melo, n.º 6 1069-001 Lisboa Telef. 808 243 000 - Fax

Leia mais

FUNDO DE EMERGÊNCIA SOCIAL DE LISBOA. Câmara Municipal de Lisboa

FUNDO DE EMERGÊNCIA SOCIAL DE LISBOA. Câmara Municipal de Lisboa FUNDO DE EMERGÊNCIA SOCIAL DE LISBOA Câmara Municipal de Lisboa FUNDO DE EMERGÊNCIA SOCIAL DE LISBOA O que é o Fundo de Emergência Social de Lisboa (FES)? É um programa municipal criado em 2012 e que se

Leia mais

Ministério do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social - Direção Geral da Segurança Social.

Ministério do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social - Direção Geral da Segurança Social. I - NOTA PRÉVIA DE ADVERTÊNCIA AO ASSOCIADO SUBSCRITOR O Montepio Geral - Associação Mutualista (MGAM) adverte que a modalidade mutualista Pensões de Reforma não é um depósito bancário, não se encontrando

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS ORGANIZAÇÃO

CONDIÇÕES GERAIS ORGANIZAÇÃO CONDIÇÕES GERAIS O presente programa/ catálogo é o documento informativo no qual se inserem as presentes condições gerais, dele fazendo parte integrante e que constituem, na ausência de documento autónomo

Leia mais

Regulamentos REGULAMENTO DE PROPINAS DA UPORTO

Regulamentos REGULAMENTO DE PROPINAS DA UPORTO Regulamentos REGULAMENTO DE PROPINAS DA UPORTO Aprovado pelo Conselho Geral da UPorto em 26 de Fevereiro de 2010 Alterado pelo Conselho Geral da UPorto em 18 de Março de 2011 Ao abrigo da Lei n.º 37/2003,

Leia mais

PORTO SOLIDÁRIO FUNDO MUNICIPAL DE EMERGÊNCIA SOCIAL MUNICÍPIO DO PORTO REGULAMENTO

PORTO SOLIDÁRIO FUNDO MUNICIPAL DE EMERGÊNCIA SOCIAL MUNICÍPIO DO PORTO REGULAMENTO PORTO SOLIDÁRIO FUNDO MUNICIPAL DE EMERGÊNCIA SOCIAL MUNICÍPIO DO PORTO REGULAMENTO PREÂMBULO Os vários serviços com intervenção na área social do universo da Câmara Municipal do Porto (de ora em diante

Leia mais

ESTATUTOS DA COOPERATIVA ANTÓNIO SÉRGIO PARA A ECONOMIA SOCIAL Cooperativa de Interesse Público de Responsabilidade Limitada

ESTATUTOS DA COOPERATIVA ANTÓNIO SÉRGIO PARA A ECONOMIA SOCIAL Cooperativa de Interesse Público de Responsabilidade Limitada ESTATUTOS DA COOPERATIVA ANTÓNIO SÉRGIO PARA A ECONOMIA SOCIAL Cooperativa de Interesse Público de Responsabilidade Limitada Artigo 1.º Denominação A cooperativa de interesse público adopta a denominação

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS LEVE PPR - 2.ª SÉRIE - G763500

CONDIÇÕES GERAIS LEVE PPR - 2.ª SÉRIE - G763500 LEVE PPR - 2.ª SÉRIE - G763500 ARTIGO PRELIMINAR Entre a Fidelidade - Companhia de Seguros, S.A., adiante designada por Segurador, e o Tomador do Seguro identificado nas Condições Particulares, estabelece-se

Leia mais

Regulamento da Caixa de Compensações S. E.

Regulamento da Caixa de Compensações S. E. Regulamento da Caixa de Compensações S. E. (processos anteriores à entrada em vigor do Decreto Lei n.º 226/2008 de 20 de Novembro) Preâmbulo: A gestão da caixa de compensações é essencial para assegurar

Leia mais

TEXTO ATUALIZADO. Artigo 1.º Objeto

TEXTO ATUALIZADO. Artigo 1.º Objeto Diploma: Portaria n.º 204-B/2013, de 18 de junho Sumário: Cria a medida Estágios Emprego Alterações: Portaria n.º 375/2013, de 27 de dezembro, altera o artigo 3.º e as alíneas a), b) e c) do n.º 1 do artigo

Leia mais

REGULAMENTO DE BENEFÍCIOS ASSOCIAÇÃO SOCORROS MÚTUOS SÃO FRANCISCO DE ASSIS DE ANTA

REGULAMENTO DE BENEFÍCIOS ASSOCIAÇÃO SOCORROS MÚTUOS SÃO FRANCISCO DE ASSIS DE ANTA REGULAMENTO DE BENEFÍCIOS ASSOCIAÇÃO SOCORROS MÚTUOS SÃO FRANCISCO DE ASSIS DE ANTA CAPÍTULO I Disposições Gerais Art.º 1.º 1 - Podem ser associados efectivos, indivíduos de ambos os sexos, sem distinção

Leia mais

Programa de Apoio ao Empreendedorismo e à Criação do Próprio Emprego (PAECPE) Viana do Alentejo, 27 de Janeiro de 2012

Programa de Apoio ao Empreendedorismo e à Criação do Próprio Emprego (PAECPE) Viana do Alentejo, 27 de Janeiro de 2012 Programa de Apoio ao Empreendedorismo e à Criação do Próprio Emprego (PAECPE) Viana do Alentejo, 27 de Janeiro de 2012 PROGRAMA DE APOIO AO EMPREENDEDORISMO E À CRIAÇÃO DO PRÓPRIO EMPREGO Destinatários

Leia mais

Nós Servimos ASSOCIAÇÃO DE SOLIDARIEDADE INTER-LIONS. Distrito Múltiplo 115 de Lions Clubes ESTATUTOS

Nós Servimos ASSOCIAÇÃO DE SOLIDARIEDADE INTER-LIONS. Distrito Múltiplo 115 de Lions Clubes ESTATUTOS Nós Servimos ASSOCIAÇÃO DE SOLIDARIEDADE INTER-LIONS Distrito Múltiplo 115 de Lions Clubes ESTATUTOS Associação de Solidariedade Inter - Lions ESTATUTOS Capítulo I Disposições Gerais Artigo 1.º Denominação,

Leia mais

JORNAL OFICIAL. 2.º Suplemento. Sumário REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. Segunda-feira, 19 de novembro de 2012. Série. Número 151

JORNAL OFICIAL. 2.º Suplemento. Sumário REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. Segunda-feira, 19 de novembro de 2012. Série. Número 151 REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA JORNAL OFICIAL Segunda-feira, 19 de novembro de 2012 Série 2.º Suplemento Sumário SECRETARIAS REGIONAIS DO PLANO E FINANÇAS E DOS ASSUNTOS SOCIAIS Portaria n.º 141-A/2012 Regulamenta

Leia mais

REGULAMENTO AJUDAS DE CUSTO E DE TRANSPORTE INSTITUTO POLITÉCNICO DE BEJA 1. Artigo 1.º Objeto

REGULAMENTO AJUDAS DE CUSTO E DE TRANSPORTE INSTITUTO POLITÉCNICO DE BEJA 1. Artigo 1.º Objeto REGULAMENTO DE AJUDAS DE CUSTO E DE TRANSPORTE DO INSTITUTO POLITÉCNICO DE BEJA 1 Artigo 1.º Objeto O presente regulamento define as normas jurídicas aplicáveis aos atos e formalidades específicas dos

Leia mais

SUBSÍDIO DE DESEMPREGO

SUBSÍDIO DE DESEMPREGO SUBSÍDIO DE DESEMPREGO Recentemente foi publicado o Decreto-Lei n.º 220/2006 de 3 de Novembro, o qual alterou o quadro legal de reparação da eventualidade do desemprego dos trabalhadores por conta de outrem.

Leia mais

Atribuição de Bolsas de Estudo aos Alunos do Ensino Superior. Preâmbulo

Atribuição de Bolsas de Estudo aos Alunos do Ensino Superior. Preâmbulo Regulamento Municipal de Atribuição de Bolsas de Estudo aos Alunos do Ensino Superior Preâmbulo O desenvolvimento das sociedades democráticas exige cada vez mais políticas educativas que promovam uma efectiva

Leia mais

Protecção Vida 55-85. Coberturas Base

Protecção Vida 55-85. Coberturas Base PROTECÇÃO VIDA Protecção Vida 55-85 Coberturas Base 1/10 T E M P O R Á R I O A N U A L R EN O V Á V E L Ramo Vida - Grupo C O N D I Ç Õ E S G E R A I S 2/10 Artigo 1º - DEFINIÇÕES Artigo 2º - DISPOSIÇÕES

Leia mais

CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS ARTIGO 1º

CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS ARTIGO 1º ESTATUTOS CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS ARTIGO 1º (Denominação, constituição e duração) É constituída e reger-se-á pelos presentes Estatutos e pela Lei aplicável, uma Associação de âmbito nacional,

Leia mais

REGULAMENTO E TABELA DE TAXAS FREGUESIA DA MOITA

REGULAMENTO E TABELA DE TAXAS FREGUESIA DA MOITA REGULAMENTO E TABELA DE TAXAS FREGUESIA DA MOITA Preâmbulo Com a publicação da Lei 53-E/2006, de 29 de Dezembro, alterada pela Lei 64-A/2008 de 31 de Dezembro, tornou-se necessário a adaptação da Tabela

Leia mais

Manual do Revisor Oficial de Contas. Directriz de Revisão/Auditoria 841

Manual do Revisor Oficial de Contas. Directriz de Revisão/Auditoria 841 Directriz de Revisão/Auditoria 841 1 Dezembro de 2001 Verificação das Entradas em Espécie para Realização de Capital das Sociedades ÍNDICE Parágrafos INTRODUÇÃO 1-6 OBJECTIVO 7-8 PROCEDIMENTOS DE VERIFICAÇÃO

Leia mais

RMABE-Regulamento Municipal de Atribuição de Bolsas de Estudo Preâmbulo

RMABE-Regulamento Municipal de Atribuição de Bolsas de Estudo Preâmbulo RMABE-Regulamento Municipal de Atribuição de Bolsas de Estudo Preâmbulo Os Municípios são as Autarquias Locais que têm como objectivo primordial a prossecução dos interesses próprios e comuns dos respectivos

Leia mais

Que tipo de trabalhadores se encontra abrangido pelo seguro de acidentes de trabalho por conta de outrem?

Que tipo de trabalhadores se encontra abrangido pelo seguro de acidentes de trabalho por conta de outrem? Qual a importância do seguro de acidentes de trabalho? Desde 1913 que é reconhecida em Portugal a obrigatoriedade de as entidades empregadoras repararem as consequências dos acidentes de trabalho sofridos

Leia mais

MINUTA DE CONTRATO DE ATRIBUIÇÃO DE APOIOS FINANCEIROS A PESSOAS COLECTIVAS PRIVADAS SEM FINS LUCRATIVOS PROGRAMA MODELAR

MINUTA DE CONTRATO DE ATRIBUIÇÃO DE APOIOS FINANCEIROS A PESSOAS COLECTIVAS PRIVADAS SEM FINS LUCRATIVOS PROGRAMA MODELAR MINUTA DE CONTRATO DE ATRIBUIÇÃO DE APOIOS FINANCEIROS A PESSOAS COLECTIVAS PRIVADAS SEM FINS LUCRATIVOS PROGRAMA MODELAR Entre O Primeiro Outorgante, A Administração Regional de Saúde de. IP, adiante

Leia mais

SECRETRIA REGIONAL DOS ASSUNTOS SOCIAIS I SÉRIE - N.º 48-27-11-2003 1397. Assim, determina-se:

SECRETRIA REGIONAL DOS ASSUNTOS SOCIAIS I SÉRIE - N.º 48-27-11-2003 1397. Assim, determina-se: I SÉRIE - N.º 48-27-11-2003 1397 Assim, determina-se: 1. A taxa a que se refere o n.º 2 da cláusula 5.ª dos anexos I, II e III do Despacho Normativo n.º 89/98, de 26 de Março bem como do Anexo I do Despacho

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DE APOIOS AO ASSOCIATIVISMO

REGULAMENTO MUNICIPAL DE APOIOS AO ASSOCIATIVISMO REGULAMENTO MUNICIPAL DE APOIOS AO ASSOCIATIVISMO (Aprovado na 6ª Reunião Ordinária de Câmara Municipal realizada em 18 de Março de 2003, na 2ª Sessão Extraordinária de Assembleia Municipal, realizada

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO K CRECHE K PRÉ-ESCOLAR K 1º CICLO DE ENSINO BÁSICO K ATL

REGULAMENTO INTERNO K CRECHE K PRÉ-ESCOLAR K 1º CICLO DE ENSINO BÁSICO K ATL REGULAMENTO INTERNO K CRECHE K PRÉ-ESCOLAR K 1º CICLO DE ENSINO BÁSICO K ATL O Centro Social Paroquial de São João das Lampas, adiante também designado por Centro Social ou simplesmente Centro, é uma Instituição

Leia mais

PPR EMPRESAS Informações Pré-Contratuais

PPR EMPRESAS Informações Pré-Contratuais TIPO DE CLIENTE Empresas SEGMENTO-ALVO Este produto destina-se a empresas que pretendam oferecer aos seus colaboradores uma remuneração anual extra, com vantagens fiscais, reflectido num complemento de

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS. Seguro Escolar

MANUAL DE PROCEDIMENTOS. Seguro Escolar MANUAL DE PROCEDIMENTOS Seguro Escolar Agrupamento de Escolas Nº 1 de Abrantes Setembro de 2014 O Seguro Escolar constitui um sistema de proteção destinado a garantir a cobertura financeira da assistência,

Leia mais

Município do Funchal

Município do Funchal Concurso público para a aquisição de 1485 sinais de trânsito retroreflectorizados e 40 cones como dispositivos complementares para o Município do Funchal. CADERNO DE ENCARGOS - 1 - CADERNO DE ENCARGOS

Leia mais

PROJECTO DE REGULAMENTO PARA VENDA DE FRACÇÕES MUNICIPAIS HABITACIONAIS DEVOLUTAS A JOVENS, ATRAVÉS DE CONCURSO POR SORTEIO

PROJECTO DE REGULAMENTO PARA VENDA DE FRACÇÕES MUNICIPAIS HABITACIONAIS DEVOLUTAS A JOVENS, ATRAVÉS DE CONCURSO POR SORTEIO PROJECTO DE REGULAMENTO PARA VENDA DE FRACÇÕES MUNICIPAIS HABITACIONAIS DEVOLUTAS A JOVENS, ATRAVÉS DE CONCURSO POR SORTEIO Preâmbulo Com o presente Regulamento pretende-se criar condições para o acesso

Leia mais

"CONCURSO PÚBLICO PARA EXPLORAÇÃO TEMPORÁRIA DE LOJAS, LOCALIZADAS NO MERCADO MUNICIPAL DE AREIAS DE SÃO JOÃO, EM ALBUFEIRA" CADERNO DE ENCARGOS

CONCURSO PÚBLICO PARA EXPLORAÇÃO TEMPORÁRIA DE LOJAS, LOCALIZADAS NO MERCADO MUNICIPAL DE AREIAS DE SÃO JOÃO, EM ALBUFEIRA CADERNO DE ENCARGOS "CONCURSO PÚBLICO PARA EXPLORAÇÃO TEMPORÁRIA DE LOJAS, LOCALIZADAS NO MERCADO MUNICIPAL DE AREIAS DE SÃO JOÃO, EM ALBUFEIRA" CADERNO DE ENCARGOS ARTIGO 1.º OBJETO O presente Caderno de Encargos diz respeito

Leia mais

GUIA PRÁTICO INSCRIÇÃO/ALTERAÇÃO MEMBROS ÓRGÃOS ESTATUTÁRIOS INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P

GUIA PRÁTICO INSCRIÇÃO/ALTERAÇÃO MEMBROS ÓRGÃOS ESTATUTÁRIOS INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P GUIA PRÁTICO INSCRIÇÃO/ALTERAÇÃO MEMBROS ÓRGÃOS ESTATUTÁRIOS INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P FICHA TÈCNICA TÍTULO Guia Prático - Inscrição/Alteração Membros dos Órgãos Estatutários (MOE) (1008 V5.13)

Leia mais

REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO PESSOAL

REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO PESSOAL REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO PESSOAL 1. FINALIDADE 1.1. Este Regulamento tem por finalidade disciplinar as concessões de empréstimos aos Participantes do Plano de Benefícios JMalucelli, administrado pelo

Leia mais

CONTRATO CONSTITUTIVO DE FUNDO DE PENSÕES

CONTRATO CONSTITUTIVO DE FUNDO DE PENSÕES CONTRATO CONSTITUTIVO DE FUNDO DE PENSÕES FUNDO DE PENSÕES GESTNAVE Entre os abaixo assinados: 1. Como Primeira Contratante: ENI Electricidade Naval e Industrial, S.A., com o número único de matrícula

Leia mais

Contrato de Sociedade do Banco Espírito Santo, S.A. Capítulo I Denominação, Sede, Duração e Objecto. Artigo 1.º. Natureza e Firma

Contrato de Sociedade do Banco Espírito Santo, S.A. Capítulo I Denominação, Sede, Duração e Objecto. Artigo 1.º. Natureza e Firma Contrato de Sociedade do Banco Espírito Santo, S.A. Capítulo I Denominação, Sede, Duração e Objecto Artigo 1.º Natureza e Firma 1. A Sociedade é organizada sob a forma de sociedade anónima e adopta a firma

Leia mais

Trabalhadores Independentes Atualizado em: 30-04-2015

Trabalhadores Independentes Atualizado em: 30-04-2015 SEGURANÇA SOCIAL Trabalhadores Independentes Atualizado em: 30-04-2015 Esta informação destina-se a que cidadãos Trabalhadores independentes Cálculo das contribuições O montante das contribuições é calculado,

Leia mais

REGULAMENTO EMPRÉSTIMO CASANPREV

REGULAMENTO EMPRÉSTIMO CASANPREV REGULAMENTO EMPRÉSTIMO CASANPREV 1 CAPÍTULO I Do Objeto Art. 1º Este documento, doravante denominado Regulamento de Empréstimo, estabelece os direitos e as obrigações da CASANPREV, dos Participantes, Assistidos

Leia mais

Regulamento Municipal de Apoio às Actividades Desportivas

Regulamento Municipal de Apoio às Actividades Desportivas Regulamento Municipal de Apoio às Actividades Desportivas Preâmbulo A Câmara Municipal de Nordeste tem vindo a apoiar ao longo dos anos de forma directa e organizada toda a actividade desportiva no concelho

Leia mais

Estatutos ASSOCIAÇÃO DE MUNICÍPIOS DO DOURO SUPERIOR DE FINS ESPECÍFICOS CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE E OBJECTIVOS ARTIGO 1º.

Estatutos ASSOCIAÇÃO DE MUNICÍPIOS DO DOURO SUPERIOR DE FINS ESPECÍFICOS CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE E OBJECTIVOS ARTIGO 1º. Estatutos ASSOCIAÇÃO DE MUNICÍPIOS DO DOURO SUPERIOR DE FINS ESPECÍFICOS CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE E OBJECTIVOS ARTIGO 1º Denominação A Associação adopta a denominação de ASSOCIAÇÃO DE MUNICÍPIOS DO

Leia mais

PT PRIME - Soluções Empresariais de Telecomunicações e Sistemas, S.A., pessoa colectiva nº 502 840 757, com

PT PRIME - Soluções Empresariais de Telecomunicações e Sistemas, S.A., pessoa colectiva nº 502 840 757, com Prime Soluções Empresariais SEDE: Rua de Entrecampos, 28, 1749-076 Lisboa Nº de Pessoa Colectiva 502 M 757 - N' de Matricula 08537 C.R.C.L Capital Social de EUR.; 30 000 000. I/ -I- CONTRATO DE PRESTAÇÃO

Leia mais

SINDICATO DOS ENFERMEIROS DA RAM

SINDICATO DOS ENFERMEIROS DA RAM SINDICATO DOS ENFERMEIROS DA RAM Rua de Santa Maria n.º 90 Telef: 291224942 291225115 9060 291 Funchal www.seram.pt SUPLEMENTO INFORMATIVO Relembramos o capítulo VI, artigos 54, 55 e 56 do decreto-lei

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL Resolução do Conselho do Governo n.º 107/2010 de 14 de Julho de 2010

PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL Resolução do Conselho do Governo n.º 107/2010 de 14 de Julho de 2010 PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL Resolução do Conselho do Governo n.º 107/2010 de 14 de Julho de 2010 O Programa Estagiar, nas suas vertentes L, T e U, dirigido a recém-licenciados e mestres, recém-formados

Leia mais

Proposta de Lei Exposição de motivos

Proposta de Lei Exposição de motivos Proposta de Lei Exposição de motivos A modernização da Administração Pública constitui um dos pilares essenciais da estratégia de crescimento do País, destacando-se as várias medidas que o Governo tem

Leia mais

REGIÃO ADMINISTRATIVA ESPECIAL DE MACAU. Regulamento Administrativo nº 24/2003

REGIÃO ADMINISTRATIVA ESPECIAL DE MACAU. Regulamento Administrativo nº 24/2003 1 REGIÃO ADMINISTRATIVA ESPECIAL DE MACAU Regulamento Administrativo nº 24/2003 Condições da Apólice Uniforme do Seguro Obrigatório de Responsabilidade Civil das Embarcações de Recreio O Chefe do Executivo,

Leia mais

REGULAMENTO FINANCEIRO DO CDS/PP

REGULAMENTO FINANCEIRO DO CDS/PP DO CDS/PP (APROVADO EM CONSELHO NACIONAL A 24 DE NOVEMBRO DE 2007) Capítulo I Disposições Gerais Artigo 1º (Âmbito de aplicação) 1. O presente Regulamento aplica-se a todos os órgãos nacionais, regionais

Leia mais

AGILIZAÇÃO DOS PROCEDIMENTOS DE PENHORA

AGILIZAÇÃO DOS PROCEDIMENTOS DE PENHORA AGILIZAÇÃO DOS PROCEDIMENTOS DE PENHORA Carla Mascarenhas 16 de Abril de 2009 A fase de penhora PROGRAMA Consultas e diligências prévias Ordem da realização da penhora Procedimento da penhora de bens Imóveis

Leia mais

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO DOS ANTIGOS ALUNOS DA ESCOLA SUPERIOR DE HOTELARIA E TURISMO DO ESTORIL (ALUMNI- ESHTE)

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO DOS ANTIGOS ALUNOS DA ESCOLA SUPERIOR DE HOTELARIA E TURISMO DO ESTORIL (ALUMNI- ESHTE) ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO DOS ANTIGOS ALUNOS DA ESCOLA SUPERIOR DE HOTELARIA E TURISMO DO ESTORIL (ALUMNI- ESHTE) CAPÍTULO I Da denominação, sede e âmbito de actividade Artigo 1.º Designação 1. É constituída,

Leia mais

Ficha de Informação Normalizada para Depósitos Depósitos simples, não à ordem

Ficha de Informação Normalizada para Depósitos Depósitos simples, não à ordem Designação Condições de Acesso Modalidade Prazo Mobilização Antecipada Poupança Habitação Geral Clientes Particulares com mais de 30 anos. Depósito constituído em regime especial. 12 meses Após o decurso

Leia mais

CONTRATO DE SOCIEDADE ACTUALIZADO SEMAPA SOCIEDADE DE INVESTIMENTO E GESTÃO, SGPS, S.A.

CONTRATO DE SOCIEDADE ACTUALIZADO SEMAPA SOCIEDADE DE INVESTIMENTO E GESTÃO, SGPS, S.A. CONTRATO DE SOCIEDADE ACTUALIZADO SEMAPA SOCIEDADE DE INVESTIMENTO E GESTÃO, SGPS, S.A. Capítulo Primeiro Denominação, Sede e Objecto Artigo Primeiro A sociedade adopta a denominação SEMAPA - Sociedade

Leia mais

REGULAMENTO E TABELA DE TAXAS E LICENÇAS

REGULAMENTO E TABELA DE TAXAS E LICENÇAS REGULAMENTO E TABELA DE TAXAS E LICENÇAS PREÂMBULO A Lei nº 53-E/2006, de 29 de Dezembro, aprovou o regime das taxas das Autarquias Locais e determina que o regulamento de taxas tem obrigatoriamente que

Leia mais

Constituem receitas das freguesias o produto da cobrança de taxas, nomeadamente provenientes da prestação de serviços pelas freguesias;

Constituem receitas das freguesias o produto da cobrança de taxas, nomeadamente provenientes da prestação de serviços pelas freguesias; Considerando que: Se torna necessário aprovar um novo Regulamento das Taxas a aplicar pela Junta de Freguesia pela prestação de serviços administrativos, em ordem à sua harmonização com a recente produção

Leia mais

Regulamento de Apoio à Mobilidade e Intercâmbio Cultural

Regulamento de Apoio à Mobilidade e Intercâmbio Cultural Regulamento de Apoio à Mobilidade e Intercâmbio Cultural Preâmbulo A Câmara Municipal de Nordeste tem vindo a apoiar ao longo dos anos de forma directa e organizada toda a actividade cultural no concelho

Leia mais

Pagamento do prémio: O prémio é único, sendo devido antecipadamente pelo tomador do seguro.

Pagamento do prémio: O prémio é único, sendo devido antecipadamente pelo tomador do seguro. INFORMAÇÃO PRÉ-CONTRATUAL SEGURO DE VIDA - PPR POSTAL PPR PLUS (nos termos do Dec.-Lei n.º 72/2008 de 16 de Abril) SEGURADOR MAPFRE SEGUROS DE VIDA S.A. Sede Social: Rua Castilho, 52, 1250-071 Lisboa N.I.P.C.

Leia mais

REGULAMENTO DA ÁREA MÉDICA DOS SERVIÇOS SOCIAIS DA CÂMARA MUNICIPAL DE LISBOA

REGULAMENTO DA ÁREA MÉDICA DOS SERVIÇOS SOCIAIS DA CÂMARA MUNICIPAL DE LISBOA REGULAMENTO DA ÁREA MÉDICA DOS SERVIÇOS SOCIAIS DA CÂMARA MUNICIPAL DE LISBOA Índice Capítulo I Disposições gerais Secção I Noção, âmbito e objectivos Art.º 1 - Noção e âmbito material Art.º 2 - Objectivos

Leia mais

REGULAMENTO FINANCEIRO 2015/2016. Cursos de Especialização Tecnológica Cursos de 1º e 2º Ciclo

REGULAMENTO FINANCEIRO 2015/2016. Cursos de Especialização Tecnológica Cursos de 1º e 2º Ciclo REGULAMENTO FINANCEIRO 2015/2016 Cursos de Especialização Tecnológica Cursos de 1º e 2º Ciclo CANDIDATURAS 1. O pagamento da taxa de candidatura (quando aplicável) só se efetua uma única vez, desde que

Leia mais

GUIA PRÁTICO INSCRIÇÃO/ALTERAÇÃO MEMBROS ÓRGÃOS ESTATUTÁRIOS INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P

GUIA PRÁTICO INSCRIÇÃO/ALTERAÇÃO MEMBROS ÓRGÃOS ESTATUTÁRIOS INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P GUIA PRÁTICO INSCRIÇÃO/ALTERAÇÃO MEMBROS ÓRGÃOS ESTATUTÁRIOS INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático - Inscrição/Alteração Membros dos Órgãos Estatutários (MOE) (1008 V5.3)

Leia mais

Lei n.º 40/99 de 9 de Junho

Lei n.º 40/99 de 9 de Junho Lei n.º 40/99 de 9 de Junho Assegura a informação e consulta dos trabalhadores em empresas ou grupos de empresas transnacionais e regula a instituição de conselhos de empresa europeus ou de procedimentos

Leia mais

Freguesia de Requião

Freguesia de Requião Freguesia de Requião Regulamento e Tabela de Taxas e Licenças Ano de 2014 Em conformidade com o disposto nas alíneas d) e f), nº 1 do artigo 9º, conjugada com a alínea h) do nº 1 do artigo 16º, da Lei

Leia mais

Crédito Habitação BPI - Ficha de Informação Geral

Crédito Habitação BPI - Ficha de Informação Geral Crédito Habitação BPI - Ficha de Informação Geral Mutuante Banco BPI, S.A. Sede: Rua Tenente Valadim, 284 4100-476 PORTO Sociedade Aberta, Capital Social 1.293.063.324,98, matriculada na CRCP sob o número

Leia mais

REGULAMENTO DE TAXAS E PROPINAS APLICÁVEIS AOS ESTUDOS E CURSOS DA UNIVERSIDADE DE AVEIRO

REGULAMENTO DE TAXAS E PROPINAS APLICÁVEIS AOS ESTUDOS E CURSOS DA UNIVERSIDADE DE AVEIRO REGULAMENTO DE TAXAS E PROPINAS APLICÁVEIS AOS ESTUDOS E CURSOS DA UNIVERSIDADE DE AVEIRO A regulamentação existente na Universidade de Aveiro em matéria de propinas encontra-se relativamente dispersa,

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO DO SERVIÇO DE APOIO DOMICILIARIO

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO DO SERVIÇO DE APOIO DOMICILIARIO REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO DO SERVIÇO DE APOIO DOMICILIARIO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS NORMA I Âmbito de Aplicação O Centro Social e Polivalente de Ourentã, (C.S.P.O.) designado por Instituição

Leia mais

Regulamento de Associados/as. Art. 1º. (Admissão e Recusa de Associados)

Regulamento de Associados/as. Art. 1º. (Admissão e Recusa de Associados) Regulamento de Associados/as Art. 1º (Admissão e Recusa de Associados) 1 Sobre proposta de um associado, qualquer pessoa pode solicitar à Direção a sua admissão como associado da Associação Fermentelense

Leia mais

ATRIBUIÇÃO DE BOLSAS DE ESTUDO AOS ESTUDANTES DO ENSINO SUPERIOR PÚBLICO

ATRIBUIÇÃO DE BOLSAS DE ESTUDO AOS ESTUDANTES DO ENSINO SUPERIOR PÚBLICO ATRIBUIÇÃO DE BOLSAS DE ESTUDO AOS ESTUDANTES DO ENSINO SUPERIOR PÚBLICO REGRAS E PROCEDIMENTOS TÉCNICOS PARA O CÁLCULO DE BOLSAS DE ESTUDO I. Atento o nº 1 do artigo 10º, o Rendimento anual do agregado

Leia mais

DECRETO LEGISLATIVO REGIONAL N.º 014/2003

DECRETO LEGISLATIVO REGIONAL N.º 014/2003 DECRETO LEGISLATIVO REGIONAL N.º 014/2003 REESTRUTURA OS FUNDOS ESCOLARES DOS ESTABELECIMENTOS DE ENSINO E EXTINGUE O FUNDO REGIONAL DE ACÇÃO SOCIAL ESCOLAR Criado pelo Decreto Regulamentar Regional n.º

Leia mais

CRIA O ISNTITUTO MUNICIPAL DE PREVIDÊNCIA DE CAMPO GRANDE, REGULA O SEU FUNCIONAMENTO E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS.

CRIA O ISNTITUTO MUNICIPAL DE PREVIDÊNCIA DE CAMPO GRANDE, REGULA O SEU FUNCIONAMENTO E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. LEI Nº 711, de 17 de fevereiro de 1961. CRIA O ISNTITUTO MUNICIPAL DE PREVIDÊNCIA DE CAMPO GRANDE, REGULA O SEU FUNCIONAMENTO E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. O PREFEITO MUNICIPAL DE CAMPO GRANDE: Faço saber

Leia mais

Alterações ao regime das ações preferenciais e das obrigações no Código das Sociedades Comerciais

Alterações ao regime das ações preferenciais e das obrigações no Código das Sociedades Comerciais Alterações ao regime das ações preferenciais e das obrigações no Código das Sociedades Comerciais SECÇÃO V Ações preferenciais sem direito de voto Artigo 341º Emissão e direitos dos acionistas 1 O contrato

Leia mais

AGROS INSTITUTO UFV DE SEGURIDADE SOCIAL. Regulamento do Plano de Instituidor AGROS CD-01

AGROS INSTITUTO UFV DE SEGURIDADE SOCIAL. Regulamento do Plano de Instituidor AGROS CD-01 AGROS INSTITUTO UFV DE SEGURIDADE SOCIAL Regulamento do Plano de Instituidor AGROS CD-01 Viçosa Minas Gerais Fevereiro/2008 Índice Página Glossário - Capítulo II Das Definições... 3 Nome do Plano de Benefícios

Leia mais

Medidas de Apoio à Contratação. Medida Estágio Emprego

Medidas de Apoio à Contratação. Medida Estágio Emprego COELHO RIBEIRO E ASSOCIADOS SOCIEDADE CIVIL DE ADVOGADOS Medidas de Apoio à Contratação CRA Coelho Ribeiro e Associados, SCARL Ana Henriques Moreira Portugal Agosto 2014 Entre 24 e 30 de Julho do corrente

Leia mais

Ficha de Informação Normalizada para Depósitos Depósitos à ordem

Ficha de Informação Normalizada para Depósitos Depósitos à ordem Designação Condições de Acesso Modalidade Meios de Movimentação Moeda Conta Super Jovem Clientes Particulares, com idade entre os 18 e os 30 anos (inclusive). Depósito à Ordem. Esta conta pode ser movimentada

Leia mais

REGIME FISCAL DOS RENDIMENTOS OBTIDOS PELOS ÁRBITROS

REGIME FISCAL DOS RENDIMENTOS OBTIDOS PELOS ÁRBITROS REGIME FISCAL DOS RENDIMENTOS OBTIDOS PELOS ÁRBITROS 1. Qual é a natureza das importâncias atribuídas aos árbitros pela Federação Portuguesa de Futebol? As importâncias em causa são consideradas rendimentos

Leia mais

REGULAMENTO DE APOIO AO ASSOCIATIVISMO

REGULAMENTO DE APOIO AO ASSOCIATIVISMO REGULAMENTO DE APOIO AO ASSOCIATIVISMO Freguesia da Batalha REGULAMENTO DE APOIO AO ASSOCIATIVISMO DA FREGUESIA DA BATALHA Introdução O associativismo desempenha um papel de importante valor na dinamização

Leia mais

Ficha do Produto Postal PPR Plus (1)

Ficha do Produto Postal PPR Plus (1) Público-alvo Clientes interessados em constituir, a médio-longo prazo, um capital para complemento de reforma. Âmbito Seguro de Vida, do tipo capitalização. Entidade Gestora Companhia de Seguros: MAPFRE

Leia mais

Decreto-Lei nº 103/2009, de 12 de Maio

Decreto-Lei nº 103/2009, de 12 de Maio Diploma consolidado Decreto-Lei nº 103/2009, de 12 de Maio Perante a actual conjuntura económica e o respectivo reflexo no mercado do emprego, revela-se ser de toda a conveniência a flexibilização das

Leia mais

APCMG - Associação Portuguesa de Clínicas Médicas, Clínicas de Medicina Dentária, Médicos, Médicos Dentistas e Gestores de Clínicas NIPC: 508826020

APCMG - Associação Portuguesa de Clínicas Médicas, Clínicas de Medicina Dentária, Médicos, Médicos Dentistas e Gestores de Clínicas NIPC: 508826020 ESTATUTOS Artigo Primeiro (Denominação e sede social) 1 - A associação, sem fins lucrativos, adopta a denominação de APCMG - Associação Portuguesa de Clínicas Médicas, Clínicas de Medicina. 2 - A sociedade

Leia mais

REPÚBLICA DE ANGOLA. Lei n.º 2/13 de 7 de Março

REPÚBLICA DE ANGOLA. Lei n.º 2/13 de 7 de Março REPÚBLICA DE ANGOLA ASSEMBLEIA NACIONAL Lei n.º 2/13 de 7 de Março O Orçamento Geral do Estado é o principal instrumento da política económica e financeira do Estado Angolano que, expresso em termos de

Leia mais

Enquadramento Fiscal dos Advogados em. sede de IRS, IVA e segurança social

Enquadramento Fiscal dos Advogados em. sede de IRS, IVA e segurança social Enquadramento Fiscal dos Advogados em sede de IRS, IVA e segurança social Fiscalidade IVA / IRS / Segurança social Março 2015 1 IAE -Instituto dos Advogados de Empresa da Ordem dos Advogados 1 Formas de

Leia mais

Decreto-Lei n.º 38/97/M. de 15 de Setembro

Decreto-Lei n.º 38/97/M. de 15 de Setembro Decreto-Lei n.º 38/97/M de 15 de Setembro As casas de câmbio têm estado reguladas no diploma que define os termos gerais do regime cambial, o qual, pela sua relevância, merece um estatuto autónomo. Por

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS

MANUAL DE PROCEDIMENTOS agrupamento de escolas da abelheira VIANA DO CASTELO MANUAL DE PROCEDIMENTOS seguro escolar ÍNDICE Preâmbulo 2 Acidente Escolar 2 Procedimento Inicial 3 Preenchimento de Impressos 3 Assistência Médica

Leia mais

JORNAL OFICIAL. Sumário REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. Quarta-feira, 20 de janeiro de 2016. Série. Número 13

JORNAL OFICIAL. Sumário REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. Quarta-feira, 20 de janeiro de 2016. Série. Número 13 REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA JORNAL OFICIAL Quarta-feira, 20 de janeiro de 2016 Série Sumário PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL Decreto Regulamentar Regional n.º 1-A/2016/M Regula a atribuição de um subsídio

Leia mais

CENTRO SOCIAL E CULTURAL DE CUSTÓIAS REGULAMENTO INTERNO DO SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO

CENTRO SOCIAL E CULTURAL DE CUSTÓIAS REGULAMENTO INTERNO DO SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO CENTRO SOCIAL E CULTURAL DE CUSTÓIAS REGULAMENTO INTERNO DO SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO CAPÍTULO I Artigo 1º 1.A resposta Social de Apoio Domiciliário, doravante designado por S.A.D., está situado nas

Leia mais

ASSUNTO: LEI N.º 144/2015 DE 8 DE SETEMBRO

ASSUNTO: LEI N.º 144/2015 DE 8 DE SETEMBRO CIRCULAR Nº 036/2016 (SF) RF/RC Lisboa, 09 de Março de 2016 ASSUNTO: LEI N.º 144/2015 DE 8 DE SETEMBRO Informação aos clientes quanto à existência de entidades de resolução alternativa de litígios de consumo

Leia mais

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO PORTA DO MAIS CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, FINS, DURAÇÃO E SEDE

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO PORTA DO MAIS CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, FINS, DURAÇÃO E SEDE ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO PORTA DO MAIS CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, FINS, DURAÇÃO E SEDE Artigo 1º Denominação, sede e duração 1. A Associação Porta do Mais é uma Associação sem fins lucrativos e existe por

Leia mais

MINISTÉRIO DA SOLIDARIEDADE, EMPREGO E SEGURANÇA SOCIAL. Portaria n.º 149-A/2014 de 24 de julho

MINISTÉRIO DA SOLIDARIEDADE, EMPREGO E SEGURANÇA SOCIAL. Portaria n.º 149-A/2014 de 24 de julho MINISTÉRIO DA SOLIDARIEDADE, EMPREGO E SEGURANÇA SOCIAL Portaria n.º 149-A/2014 de 24 de julho O Governo considera prioritário a continuação da adoção de medidas ativas de emprego que incentivem a contratação

Leia mais

SEGURO UNIT LINKED CA INVESTIMENTO -1ª SÉRIE (Não Normalizado)

SEGURO UNIT LINKED CA INVESTIMENTO -1ª SÉRIE (Não Normalizado) CONDIÇÕES GERAIS SOLUÇÕES CAPITALIZAÇÃO SEGURO UNIT LINKED CA INVESTIMENTO -1ª SÉRIE (Não Normalizado) 1 CONDIÇÕES GERAIS DA APÓLICE CA Investimento 1ª Série (Não Normalizado) SEGURO INDIVIDUAL Cláusula

Leia mais

Projeto de Regulamento do Fundo Municipal de Emergência Social (FMES) de Nordeste

Projeto de Regulamento do Fundo Municipal de Emergência Social (FMES) de Nordeste Projeto de Regulamento do Fundo Municipal de Emergência Social (FMES) de Nordeste Tendo por base o n.º 8 do artigo 112.º e o artigo 241.º da Constituição da República Portuguesa, o Município de Nordeste

Leia mais