TECNOLOGIA DAINFORMAÇÃO ECOMUNICAÇÃO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "TECNOLOGIA DAINFORMAÇÃO ECOMUNICAÇÃO"

Transcrição

1 TECNOLOGIA DAINFORMAÇÃO ECOMUNICAÇÃO

2 Sumário 1 MERCADO RECRUSOS HUMANOS INFRAESTRUTURA TECNOLÓGICA Universidades Parques Tecnológicos Centros e Institutos de Pesquisa INCTs Centro de Tecnologia da Informação (CTI) Renato Archer INCENTIVOS FISCAIS Processo Produtivo Básico (PPB) Lei do Bem FINANCIAMENTO FINEP BNDES... 30

3 1 MERCADO O Brasil é um excelente país para que empresas relacionadas à tecnologia da informação (TI) lucrem com as oportunidades emergentes, como a computação em nuvem, a computação móvel, o big data e a manufatura aditiva (impressão 3D), bem como com as demandas tradicionais de outsourcing. Devido à crescente demanda local por soluções de TI, especialmente pela convergência com outros segmentos verticais, como o de saúde e de petróleo e gás, o país tornou-se um forte participante no desenvolvimento de novas soluções de TI, além de um lugar importante para os investimentos relacionados às atividades de P&D. Em 2012, o total de investimentos em TI no Brasil chegou a 123 bilhões de dólares, incluindo hardwares, softwares, prestação de serviços, terceirização de processos de negócios (Business Process Outsourcing - BPO), exportações e TI 1 in-house. A Associação Brasileira de Tecnologia da Informação e Comunicação (Brasscom 2 ) prevê que o mercado de TI vivenciará uma forte expansão anual de 10% ao ano, chegando a 210 bilhões de dólares até Em 2014, o Brasil foi classificado pela AT Kearney Global Services Location Index (GSLI ) como o 8º melhor destino para terceirização de serviços tecnológicos. O Brasil é o único país latino-americano entre os dez primeiros em investimentos em TI e, quando comparado a outros mercados emergentes como a Rússia, Índia e China, o Brasil ocupa a segunda posição, sendo superado apenas pela China. Embora o Brasil ocupe a 7ª posição no investimento mundial em TI, ainda existem significativas 1 Apresentação Institucional A Indústria Brasileira de TI Brasscom, 2013; Link: 013.pdf; pág. 6; Último acesso em 09/02/ Economic Slowdown Won t Stop IT Expansion in Brazil Brasscom 2012; Link: oticia=89; Último acesso em 01/08/ AT Kearney Global Services Location Index, p.3; Último acesso em 17/10/2014; Link: ad1e- db4a3d6d5f0d 3

4 oportunidades de negócios em âmbito local devido à crescente demanda por soluções de TI. É sólida a expansão do mercado interno e algumas regiões geográficas, como o Norte, ainda estão aumentando seus conhecimentos de TI e sua maturidade.as regiões mais desenvolvidas em termos de uso de TI, como o Sul e Sudeste do Brasil, estão seguindo a tendência mundial de adoção de novas soluções (como por exemplo, computação em nuvem) que exigem investimentos em infraestrutura e modernização. Um aumento na demanda local também tem influência sobre a necessidade de suporte dos centros de P&D locais. Tabela: Investimento Total em TI, Global, 2012 (Fonte: IDC 4 ) Ranking País Investimento em TI (Bilhões US$) Fatia de Mercado Mundial (%) 1 EUA % 2 China % 3 Japão % 4 Reino Unido % 5 Alemanha % 6 França % 7 Brasil % 8 Canadá % 9 Austrália % 10 Índia % Outros % Total 2,000 O investimento brasileiro total em TI nos mercados de serviços e software atingiu mais de US$ 25 bilhões em Desde a crise global de 2009, esse Mercado tem expandido som uma taxa composta de crescimento annual (CAGR) de 20 por cento. Tendências impotantes estão influenciando esse rápido crescimnto do mercado 4 Mercado Brasileiro de Software e Serviços 2013 ABES, 2013; Link: p.5; Último acesso em 21/02/2014 4

5 brasileiro de software e serviços. De acordo com o Programa TI Maior 5, ferramentas de gerenciamento como Enterprise Resource Planning (ERP), Customer Relationship Management (CRM) e Business Intelligence (BI) continuam em alta demanda no mercado brasileiro e são consideradas grandes tendências de investimentos em TI no país, principalmente devido aos processos de fusões e aquisições e ao crescimento na demanda por TI por certos segmentos como educação e saúde. Terceirização, computação em nuvem, mobilidade e big data também irão atrair investimentos para o Brasil e acelerar o crescimento do mercado interno do país (Frost & Sullivan). Em 2012, o mercado de serviços de data centers no Brasil atingiu US$ 1.60 bilhão em receita. Apesar de maduro, esse mercado ainda oferece diversas oportunidades de investimentos e a Frost & Sullivan prevê uma Taxa Composta de Crescimento Annual (CAGR) de 9.7% de 2014 a Uma das mais importantes oportunidades no mercado brasileiro de serviços de data centers é a computação em nuvem. Em 2013, o mercado de computação em nuvem brasileiro atingiu US$ 328 milhões de dólares em investimentos. Até 2017, esses investimentos devem atingir US$ 1.10 bilhão, impulsionados principalmente por Infraestrutura como serviço (IaaS) e software como serviço (SaaS), usados no modelo privado de nuvem. Pesquisa e Desenvolvimento (P&D) também oferecem uma perspectiva interessante de mercado. Em um estudo publicado em 2011, o Brasil tinha cerca de 200 empresas com investimentos em P&D para manufatura de componentes eletrônicos, tecnologia da informação e equipamentos de comunicação. Além diso, cerca de 1000 empresas investiram em serviços de desenvolvimento de software, conform ilustrado na Tabela abaixo. 5 Programa TI Maior Principais Tendências MCTI, 2013; Link: Último acesso em 09/02/2014 5

6 Empresas Brasileiras com Investimentos em P&D Relativos a Atividades de TI (Fonte: IBGE 6 ) Atividade Empresas com Investimentos em P&D Funcionários Trabalhando com P&D Manufatura de equipamentos de comunicação Desenvolvimento de software não-customizável Desenvolvimento de software sob-demanda Desenvolvimento de software customizável Manufatura de equipamentos para computadores e periféricos Outros serviços de tecnologia da informação Tratamento de dados, hospedagem de Internet e outras atividades correlatas Manufatura de componentes eletrônicos O Brasil também é reconhecido por sua expertise em mercados verticais específicos como o bancário, finanças e petróleo e gás. Algumas das melhores soluções de TI para esses mercados verticais foram desenvolvidas domesticametne por empresas privadas que investem em P&D para apoiar o mercado local. Essas soluções tornaram-se modelos para outros países. Além disso, empresas globais de TI como a IBM instalaram centros de P&D locais, segmentados por mercados verticais dedicados para o desenvolvimento de soluções específicas. O Brasil é estratégico não apenas por suas diversas oportunidades locais mas também porque reúne condições de Infraestrutura tecnologia, conectividade e recursos humanos capazes de server outros países e operações na América Latina. 6 IBGE, Diretoria de Pesquisas, Coordenação de Indústria, Pesquisa de Inovação 2011, Link: Último acesso em 02/20/2014 6

7 2 RECURSOS HUMANOS Em 2011, o mercado brasileiro de TI empregou cerca de 1,2 milhões de trabalhadores: 400 mil deles em empresas de TI e os 800 mil restantes em empresas de outros setores. Anualmente, o Brasil forma cerca de bacharéis em TI, principalmente em cursos de Sistemas de Informação, Ciências da Computação e Análise e Desenvolvimento de Sistemas (Brasscom, ). No que diz respeito a estudantes de pós-graduação, o número tem crescido consideravelmente nos últimos anos, o que acarreta um crescimento na mão de obra altamente qualificada disponível para o setor de TI. CAPES 8 ) Tabela: Número total de Pós-Graduandos em Campos da Ciência Relacionados à TI, Brasil, 2012 (Fonte: Área Título Cresciment o (2002 a 2012) Ciências Exatas e da Terra Mestrado (55%) (53%) 70% Doutorado (43%) (44%) 80% Mestrado Profissional 246 (2%) 484 (3%) 97% Total (100%) (100%) 75% Engenharia Mestrado (61%) (54%) 40% Doutorado (33%) (36%) 79% Mestrado Profissional (6%) (10%) 153% Total (100%) (100%) 60% Ao determinar a disponibilidade de doutores no Brasil, as áreas de pesquisa, como a de ciência da computação, têm um número significativo de doutores para oferecer suporte às empresas dessas áreas. Em 2013, havia doutores especializados em 7 8 Distribuição de discentes de pós- graduação no Brasil (ao final do ano) GEOCAPES, ; Link: selectedindex=1&5317- selectedindex=0&dbcb- selectedindex=0; Último acesso em 17/02/2014 7

8 ciência da computação e microeletrônica. A faixa de salários anuais na área de engenharia de P&D, bem como em funções relacionadas a TI, é também avaliada a seguir. Em 2011, profissionais estiveram envolvidos com atividades de P&D direcionadas para o setor de tecnologia da informação brasileiro. Tabela: Número de Doutores em Atividades de Pesquisa e Ensino por Área Científica por Região, Brasil, 2013 (Fonte: CNPq 9 ) / * Os números refletem a quantidade de profissionais cadastrados na plataforma Painel Lattes. Região * Número de doutores por área científica * Total de doutores por área científica Representatividade Regional Ciência da Computação Microeletrônica Sudeste % Sul % Nordeste % Centro-Oeste % Norte % Total % 9 Painel Lattes, Total de Doutores: Atividades Pesquisa e Ensino CNPq, 2013; Link: Último acesso em 24/01/2014 8

9 Tabela: Faixas Salariais Anuais na Área de Engenharia de P&D Carreiras Complementares, Brasil, 2013 (Fonte: Hays Group) 10 Cargo Faixa Salarial Anual (US$) Mínima Máxima Diretor de Engenharia de P&D Gerente de Engenharia de P&D Coordenador de Engenharia de P&D Engenheiro de P&D Tabela: Faixas Salariais Anuais em Funções Relacionadas à Tecnologia da Informação, Brasil, 2013 (Fonte: Hays Group) 11 Cargo Faixa Salarial Anual (US$) Mínima Máxima Diretor Executivo de Informação/Diretor de TI Gerente de Sistemas Gerente de Segurança da Informação Coordenador de Segurança da Informação Coordenador de Sistemas Analista de Segurança da Informação Analista de Sistemas Na última década, as matrículas em cursos de educação técnica no Brasil dobraram, criando, em um tempo relativamente curto, uma significativa mão de obra capaz de realizar atividades de P,D&I. continuamente treinada e desenvolvida em uma variedade de centros por todo o território brasileiro. No que diz respeito ao nível universitário, as carreiras relativas a engenharia são particularmente importantes para o desenvolvimento de atividades de P,D&I aqui a 10 Guia Salarial 2013 Hays Group 2013; Link: /hays_ pdf; pag. 67; Último acesso em 24/01/ Guia Salarial 2013 Hays Group 2013; Link: /hays_ pdf; pág. 103; Último acesso em 24/01/2014 9

10 tendência também mostra um número crescente de estudantes matriculados em cursos de engenharia, aumentando 12.8% durante perdendo apenas para cursos de Administração de Empresas em valores nominais. O governo brasileiro criou programas e medidas para auxiliar na formação de novos funcionários especializados na indústria de TI (INFOGRÁFICO). O Ministério da Ciência e Tecnologia (MCTI) estabeleceu diretrizes para intensificar a mão de obra especializada e fornecer suporte à demanda por pesquisa, desenvolvimento e inovação. Dentre essas iniciativas estão o aumento de bolsas de estudo em diferentes áreas de conhecimento, a Promoção do Prgorama de Engenharia, o Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego (Pronatec) que reúne as demandas do setor privado, com cursos ministrados em todo o Brasil, em institutos federais e demais institutos, bem como outras iniciativas, como a descentralização. O Programa Ciência sem Fronteiras (CsF), por exemplo, a partir de Janeiro de 2014, concedeu bolsas de estudo para o programa de computação e tecnologia da informação.tabela: Bolsas de Estudo do Programa Ciência sem Fronteiras, em Áreas Selecionadas, Brasil, 2013 (Fonte: Ciência sem Fronteiras) 12 Área Número de Bolsas de Estudo % Bolsas de Estudos para Graduandos % Bolsas de Estudos para Pós- Graduandos Engenharia e outras áreas tecnológicas Tecnologia de computação e informação % 7% % 16% O Ciência sem Fronteiras também traz pesquisadores estrangeiros ao Brasil para trabalhar com empresas do país, oferecendo uma bolsa mensal de cerca de 7 mil dólares e subsídio mensal para alojamento de cerca de dólares. Um banco de dados com os currículos de todos os participantes também está disponível on-line para empresas interessadas em contratá-los. Outro programa fundamental de apoio à especialização de mão de obra na área de TI é o TI Maior, que visa atender as necessidades da indústria e tem o objetivo de formar 900 mil novos profissionais até 2022, com investimentos anuais de 102,6 milhões de dólares 13 previstos para bolsas de estudo e atividades de P&D, por meio do CNPq e da CAPES. Também existem programas específicos como o Programa de Formação de Recursos Humanos em Áreas Estratégicas (RHAE), em operação desde Tem o objetivo de aumentar o número de pesquisadores trabalhando em atividades de P,D&I em empresas privadas e de treinar e capacitar recursos humanos para desenvolver 12 Painel de Controle do Programa Ciências sem Fronteiras - Ciências sem Fronteiras, 2013; Link: de- controle. Último acesso em 17/02/ TI Maior Programa Estratégico de Software e Serviços de Tecnologia da Informação, , MCTI, 2012; Link: ; pág.13; último acesso em 08/01/

11 projetos de pesquisa aplicada ou desenvolvimento tecnológico. Oferece bolsas para pesquisadores com mestrado e doutorado, provendo os departamentos de P,D&I das empresas com pessoal altamente qualificado e garantindo sinergia entre a pesquisa acadêmica e sua aplicabilidade ao mercado. Através do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), o governo paga até US$ ,00 em bolsas por um período de até 3 anos. O governo está tomando medidas adicionais para reduzir o custo nacional de mão de obra para TI para ajudar o Brasil a aumentar a competitividade de sua indústria. De acordo com a Lei nº /11, a indústria de TIC se beneficiará de desoneração da folha de pagamento, permitindo empresas de TIC que trabalhem com as atividades mencionadas na Tabela abaixo assim como empresas que exportem serviços de call center de não recolher contribuição social (20% do salário do funcionário) e, ao invés, pagar uma contribuição de 1% a 2% de sua receita bruta, dependendo de seus sub-setores 14. Esse benefício fiscal pode beneficiar empresas de TI que realizam atividades de P&D, reduzindo seus custos trabalhistas. Tabela: Empresas Elegíveis para Desoneração da Folha de Pagamentos, Decreto 7.828/2012 Análise e desenvolvimento de sistemas Programação Processamento e comutação de dados (Fonte: Casa Civil) 15 Desenvolvimento de programas, incluindo o desenvolvimento de jogos eletrônicos Licenciamento ou concessão para uso de programas de computador Consultoria em tecnologia da informação Suporte técnico Planejamento, desenvolvimento e manutenção de web-sites Através da força combinada de todas essas iniciativas, o governo espera ofertar ao mercado os 2.1 milhões de profissionais de TI necessários até INFRAESTRUTURA TECNOLÓGICA 3.1 Universidades 14 Desoneração da folha de pagamentos Ministério da Fazenda, 2012; Link: p. 1; Último acesso em 01/08/ "Decreto N 7.828, de 16 de outubro de 2012" - Presidência da República, Casa Civil, 2012; Link: Último acesso em 19/03/

12 Segundo a Associação Brasileira de Tecnologia da Informação e Comunicação (Brasscom 16 ), o Brasil contava com 584 universidades que ofereciam cursos de graduação e pós-graduação voltados à área de TI. Considerando apenas aquelas que ofereciam cursos de pós-graduação relacionados às atividades de TI, 23 universidades obtiveram pontuação superior a 4 (em uma escala de 1 a 7), de acordo com a CAPES, para cursos relacionados às atividades de TI ao nível de mestrado e doutorado. (Fonte: CAPES) O Mercado de TI no Brasil Brasscom, 2012; Link: ; p. 15. Último acesso em 01/08/ Resultado Aval Trienal CAPES, link: content/uploads/2012/03/resultados- Finais- Trienal- 2010_2.xls; Último acesso em 19/03/2014 / 12

13 3.2 Parques Tecnológicos Segundo a Associação Nacional de Entidades Promotoras de Empreendimentos Inovadores (ANPROTEC), O Brasil tem 24 parques tecnológicos voltados para a área de TI (INFOGRÁFICO). Tabela: Parques Tecnológicos Voltados a Área de TI em Operação no Brasil (Fonte: Anprotec 18 ) Região Estado Cidade Denominação do Parque Nordeste Ceará Fortaleza Parque Tecnológico do Nutec (PARTEC) Paraíba Campina Grande Fundação Parque Tecnológico da Paraíba, (PAQTCPB) Pernambuco Recife Núcleo de Gestão do Porto Digital Pernambuco Recife Parque Tecnológico de Eletro-Eletrônica de Pernambuco (ParqTel) Sergipe Aracajú Sergipe Parque Tecnológico (SergipeTec) Sudeste Minas Gerais Viçosa Parque Tecnológico de Viçosa (tecnoparq) Minas Gerais Belo Horizonte Parque Tecnológico de Belo Horizonte (BH-Tec) Minas Gerais Uberaba Parque Tecnológico de Uberaba (PTU) Rio de Janeiro Petrópolis Movimento Petrópolis Tecnópolis (PET-TEC) Rio de Janeiro São Paulo Rio de Janeiro Campinas Parque Tecnológico do Rio Parque Tecnológico da Ciatec Somente instituições de ensino superior que obtiveram pontuação igual ou maior a 4, em uma escala de 1 a 7 (sendo 1 a pontuação mais baixa e 7 a mais alta) foram selecionadas. 18 ANPROTEC - MCTI, 2013; Documento impresso. 13

14 São Paulo Campinas Techno Park Campinas São Paulo São Paulo São Carlos São José dos Campos Parque Tecnológico de São Carlos Parque Tecnológico da Universidade do Vale do Paraíba (UNIVAP) Sul Paraná Curitiba PUC-PR Tecnoparque Paraná Curitiba Centro Internacional de Tecnologia de Software (CITS) Paraná Pato Branco Parque Tecnológico de Pato Branco Rio Grande do Sul Campo Bom Parque Tecnológico do Vale do Sinos (VALETEC) Rio Grande do Sul Porto Alegre Parque Científico e Tecnológico da PUC-RS (TECNOPUC) Rio Grande do Sul São Leopoldo Parque Tecnológico São Leopoldo (TECNOSINOS) Santa Catarina Blumenau Parque Tecnológico de Blumenau (ParqueBLU) Santa Catarina Florianópolis Parque Tecnológico Alfa Santa Catarina Florianópolis Sapiens Parque Esses parques promovem a cultura da inovação, da competitividade e do empreendedorismo. A Tecnopuc, por exemplo, localizada em Porto Alegre e gerida pela PUC, que abriga 81 empresas, oito associações empresariais e 12 estruturas de pesquisa que, juntas, totalizam mais de postos de trabalho 19, bem como empresas como a Dell, Accenture, Microsoft, HP, Stefanini e TOTVS. O parque é o lar para se trabalhar em tecnologia da informação, comunicações, eletrônica, energia, meio ambiente, biotecnologia e indústria criativa 20. Já a Porto Digital, em Recife, foi fundada em 2000 e, em 2012, já contava com mais de 200 empresas que empregavam profissionais. Em 2010, essas 200 empresas, juntas, 19 Apresentação Tecnopuc, 2013; Link: Último acesso em 26/03/ Parque Científico e Tecnológico da PUCRS PUCRS, 2012; Link: content/uploads/2012/07/tecnopuc- Consecti.pdf, pág.24; Último acesso em 24/02/

15 apresentavam uma receita anual de 500 milhões de dólares. 21 Ele abriga empresas como IBM, Microsoft, Accenture e Oi. 3.3 Centros e Institutos de Pesquisa O Brasil tem atualmente 68 institutos de pesquisa credenciados pelo Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI) 22. Alguns centros, institutos e redes estão relacionados aqui apenas como exemplos do alcance das competências em todo o Brasil. O Sistema Brasileiro de Tecnologia (SIBRATEC) foi criado para apoiar as empresas no incremento dos atuais níveis de inovação, agregação de valor através de maior produtividade e aumento da competitividade O SIBRATEC tem as seguintes prioridades estratégicas 23 : Expandir e consolidar o Sistema Nacional de Ciência, Tecnologia e Inovação Promover a inovação tecnológica Promover as atividades de P&D em áreas estratégicas Promover a ciência, a tecnologia e a inovação em prol do desenvolvimento social O SIBRATEC também prevê incentivos para a criação e consolidação de empresas com alta demanda tecnológica priorizando as que se empenham no desenvolvimento de tecnologia local, através dos seguintes mecanismos: Prestação dos serviços de metrologia, ampliação, assistência e de transferência de tecnologia Apoio financeiro às atividades de P&D e colocação de investigadores no setor privado Cooperação entre empresas e institutos de ciência e tecnologia Treinamento e desenvolvimento do pessoal de empresas que esteja engajado no setor de inovação 21 No Porto Digital, os setores da Tecnologia da Informação e Comunicação e Economia Criativa são ferramentas de desenvolvimento econômico e social Porto Digital, 2012; Link: Último acesso em 24/02/ Relação de Instituições Credenciadas MCTI, 2014; Link: odescricao=centro+ou+instituto+de+pesquisa&ufconsulta=todas; Último acesso em 20/02/ SIBRATEC Brazilian System of Technology Science and Technology for Brazilian Enterprises, MCTI, 2010, link pág.2 Último acesso em 21/02/

16 Tabela: Rede SIBRATEC relacionada à TI: Serviços Tecnológicos, Brasil, 2011 Fonte:MCTI 24 ) Rede de Serviços Tecnológicos Coordenação da SIBRATEC) Número de laboratórios Situação Produtos e dispositivos eletrônicos Centro de tecnologia da informação Renato Archer - CTI 21 Ativo TIC aplicável às novas mídias: TV Digital, comunicação sem fio e Internet Fundação Centro de Análise, Pesquisa e Inovação Tecnológica (FUCAPI) 9 Ativo 3.4 INCTs Os Institutos Nacionais de Ciência e Tecnologia (INCTs) são centros de pesquisa multicêntricos coordenados pelo MCTI.Lançados em julho de 2008, os INCTs tornaram-se uma importante plataforma para promover a CT&I no Brasil, chegando a 126 unidades em 2012 e financiamentos de mais de 310 milhões de dólares. Seu objetivo principal é dirigir e coordenar em redes os melhores grupos de pesquisa no campo da ciência e em áreas de importância estratégica para o desenvolvimento sustentado do Brasil. Também visa promover a pesquisa básica pura 25 em nível de primeiro mundo, além de promover a pesquisa científica e tecnológica, em estreita cooperação com o Sistema Brasileiro de Tecnologia (SIBRATEC). Os programas dos INCTs não se destinam apenas à pesquisa acadêmica, mas também a garantir que a tecnologia seja realmente transferida e aplicada às empresas. Há 9 INCTs voltados à Engenharia e à TIC. 24 Redes Temáticas de Serviços Tecnológicos MCTI, 2011; Link: pág.2 ; Útimo acesso em 18/02/ Nota: A pesquisa básica pura é definida como a pesquisa realizada visando o avanço do conhecimento, não objetivando benefícios econômicos ou sociais de longo prazo e sem que sejam realizados esforços positivos voltados à aplicação dos resultados em problemas práticos ou à transferência de resultados a setores responsáveis por essa aplicação Fonte: Glossary of Statistical Terms, OECD Link https://stats.oecd.org/glossary/detail.asp?id=2206 Último acesso em Dezembro/

17 Fonte: CNPq: Institutos de Pesquisa Instituto Eldorado 26 O Instituto Eldorado é uma associação civil nacional, sem fins lucrativos, que visa o desenvolvimento de serviços de P&D voltados à pesquisa, ao desenvolvimento e à inovação nas áreas de software, hardware, sistemas, processos, ensaios e testes de produtos eletrônicos e de formação profissional nessas áreas. O instituto possui uma equipe de gestão altamente qualificada e processos certificados por importantes normas internacionais. Ao todo, conta com mais de 500 funcionários distribuídos em três unidades, a saber: Campinas (principais operações), Brasília e Porto Alegre. Centro de Pesquisas Avançadas Wernher Von Braun (VON BRAUN) 27 Fundado em 1997, o centro trabalha para desenvolver soluções tecnológicas nas áreas de software (sistemas de TI por meio de aplicativos embutidos) e hardware (componentes semicondutores e equipamentos) em soluções de inovação para sistemas de transporte inteligente (ITS), automação e inteligência de varejo, sistemas automotivos, Big Data, ferramentas para estruturação de serviços e aplicativos para mídias de consumo. Possui três unidades: duas em Campinas e uma em São Paulo. Outras parcerias incluem empresas como a Microsoft, Epson, Samsung, Lenovo, Honeywell, e Uol. 26 Instituto Eldorado - Instituto Eldorado, 2013; Link: Último acesso em 04/04/ Centro de Pesquisas Avançadas Wernher Von Braun Von Braun, 2013; Link: Último acesso em 04/04/

18 3.5 Centro de Tecnologia da Informação (CTI) Renato Archer O CTI realiza pesquisa e desenvolvimento em muitas áreas estratégicas, tais como micro e nanoeletrônica, sistemas, softwares e aplicativos de TI, como, por exemplo, robótica, sistemas de suporte de decisão e tecnologias 3D para indústria e medicina. Figura: Metas do programa TI Maior (Fonte: MCTI) 28 Para alcançar essas metas e aumentar a competitividade da indústria brasileira de TI, o programa investirá cerca de 250 milhões de dólares. 29 De 2012 a 2015, o total de 220,6 milhões de dólares 30 será investido em softwares, em prol de setores e tecnologias estratégicas. A Figura 13 mostra os setores 28 TI Maior Programa Estratégico de Software e Serviços de Tecnologia da Informação MCTI, 2012; Link : p 13; Último acesso em 01/08/ TI Maior Programa Estratégico de Software e Serviços de Tecnologia da Informação MCTI, 2012; Link : O valor reflete a soma dos investimentos empregados em cada área do programa, de acordo com o referido arquivo, reajustado em dólares americanos. A estimativa final foi realizada pela Frost & Sullivan; Último acesso em 08/02/ TI Maior Programa Estratégico de Software e Serviços de Tecnologia da Informação MCTI, 2012; Link : ; O número reflete a soma dos 18

19 estratégicos que receberão investimentos através do programa TI Maior. Softwares para a indústria aeroespacial/aeronáutica, computação de alto desempenho, jogos, internet e mobilidade receberão a maior parte do investimento. A Estratégia Nacional de Ciência, Tecnologia e Inovação (ENCTI) A Estratégia Nacional de Ciência, Tecnologia e Inovação (ENCTI) também estabeleceu as diretrizes que orientam os esforços do país para estimular a inovação no período de 2012 a O montante estimado a ser investido no âmbito da ENCTI, de 2012 a 2015, é de 38,2 bilhões de dólares 31, o qual será financiado por recursos federais, empresas estatais e fundações estatais que promovam pesquisas. O programa específico para a indústria aeroespacial no Brasil é o Programa Nacional de Atividades Espaciais, de 2012 a O PNAE é voltado ao investimento nacional em tecnologias que abrangem o sensoriamento remoto, meteorologia e telecomunicações para atender à demanda do país por segurança, inclusão digital, defesa civil, alterações climáticas, exploração de recursos naturais e controle ambiental. A computação de alto desempenho também foi considerada uma área estratégica. Ela poderá ser usada em diversos campos do conhecimento, tais como defesa e segurança, monitoramento de temperatura dos oceanos, modelagem sísmica, mapeamento genético e aerodinâmica. A mobilidade, Internet e jogos também investimentos empregados nas diferentes áreas consideradas no ecossistema digital. A estimativa final foi realizada pela Frost & Sullivan; Último acesso em 08/02/ Estratégia Nacional de Ciência, Tecnologia e Inovação MCTI, 2012, link: p. 90; último acesso em 24/02/

20 foram considerados áreas fundamentais, devido ao rápido crescimento dos dispositivos móveis e da penetração da Internet no Brasil. Entre as ações nessa área estão os esforços para se alcançar: incrementar o desenvolvimento de tecnologias aplicáveis à Internet das Coisas, fomentar a criação de uma comunidade de desenvolvedores especializados em HTML5, estimular a pesquisa sobre o protocolo IPv6. O TI Maior tem como objetivo atrair quatro empresas de TI para estabelecer centros globais de P & D no Brasil. Para alcançar tal objetivo, o programa investirá 7,7 milhões de dólares. O TI Maior também dará apoio a investigadores brasileiros oferecendo-lhes bolsas de estudo para trabalhar nesses centros de P&D. Em relação à iniciativa, cinco empresas ou institutos (IBM, Intel, ITVale, CPqD, e Freescale) se beneficiarão com 3,2 milhões de dólares em bolsas de estudo. Em contrapartida, essas empresas ou institutos investirão 11,2 milhões de dólares em P&D no país. 32 START-UP Brasil: O Start-up Brasil pretende promover 150 startups em três anos, com foco em softwares e serviços de TI (25 por cento delas poderão ser startups internacionais que desejam se desenvolver no Brasil), investindo 20,5 milhões de dólares.além do apoio financeiro, o programa criará uma rede composta por mentores, investidores, infraestrutura, serviços de consultoria e parcerias com universidades e laboratórios de pesquisa. Os participantes também serão assistidos quanto ao posicionamento de seus produtos ou serviços no mercado. Tabela: Aceleradoras Selecionadas para o Programa Start-Up Brasil (Fonte: MCTI) Wayra Papaya Aceleratech Fumsoft Outsource Microsoft Participações Start You Up Pipa O projeto tem como alvo empresas nacionais e internacionais com até 3 anos e visa o desenvolvimento de produtos ou serviços inovadores.essas empresas deverão fazer uso de softwares ou serviços de TI como parte de sua solução. As empresas selecionadas receberão até 102 mil dólares cada 34 e apoio de um programa de aceleração fornecedor de infraestrutura física, mentoring e outras fontes de financiamento. As aceleradoras investirão de a 51 mil dólares em cada startup selecionada em troca de uma percentagem na participação. 32 TI Maior apoiará cinco centros de pesquisa e desenvolvimento - MCTI, 2013, Link: Último acesso em 24/02/ Conheça as 9 aceleradoras selecionadas pelo Start- up Brasil Start- up Brasil/MCTI 2013; Link: aceleradoras- selecionadas/; Último acesso em 08/01/ Empreendedores Start- up Brasil/MCTI 2013; Link: quem- se- destina/empreendedores/; Último acesso em 08/02/

Financiamento de Projetos para a Inovação

Financiamento de Projetos para a Inovação GESTÃO Financiamento de Projetos para a Inovação Objetivos da Aula Conhecer sobre o financiamento de projetos de pesquisa aplicada; Conhecer a dinâmica do processo de elaboração de projetos de pesquisa

Leia mais

MACRO OBJETIVOS DO PROGRAMA

MACRO OBJETIVOS DO PROGRAMA Programa Estratégico de SOFTWARE E SERVIÇOS de TI 1. PANORAMA DO MERCADO 2. COMPARATIVOS INTERNACIONAIS 3. VISÃO DA POLÍTICA 4. PRINCIPAIS MEDIDAS E PROGRAMAS MACRO OBJETIVOS DO PROGRAMA 1- FORTALECER

Leia mais

BDMG. Linhas de financiamento para INOVAÇÃO

BDMG. Linhas de financiamento para INOVAÇÃO BDMG Linhas de financiamento para INOVAÇÃO Setembro/2015 Portfólio BDMG em Inovação Participação em fundos de investimento BDMG TEC Estruturação de parques tecnológicos Financiamentos a projetos inovadores

Leia mais

MACRO-OBJETIVOS DO PROGRAMA MACRO-METAS DO PROGRAMA LINHA DO TEMPO

MACRO-OBJETIVOS DO PROGRAMA MACRO-METAS DO PROGRAMA LINHA DO TEMPO MACRO-OBJETIVOS DO PROGRAMA 1- FORTALECER O SETOR DE SOFTWARE E SERVIÇOS DE TI, NA CONCEPÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE TECNOLOGIAS AVANÇADAS; 2- CRIAR EMPREGOS QUALIFICADOS NO PAÍS; 3- CRIAR E FORTALECER EMPRESAS

Leia mais

Tutorial: Lei da Informática (Leis 8.248, 10.176 e 11.077)

Tutorial: Lei da Informática (Leis 8.248, 10.176 e 11.077) Tutorial: Lei da Informática (Leis 8.248, 10.176 e 11.077) Sobre a autora Eng. Adelice Leite de Godoy Obteve sua graduação em Engenharia Química pela Unicamp em 1992, completando sua formação com o Curso

Leia mais

Perspectivas para o Mercado de Sw & Serviços de TI:

Perspectivas para o Mercado de Sw & Serviços de TI: Perspectivas para o Mercado de Sw & Serviços de TI: Política Industrial & Plano de Ação C,T&I 2007-2010 Ministério da Ciência e Tecnologia Secretaria de Política de Informática - SEPIN outubro/2010 Agenda

Leia mais

Lei de Informática - Incentivos Fiscais para Investimentos em Tecnologia e Inovação

Lei de Informática - Incentivos Fiscais para Investimentos em Tecnologia e Inovação Lei de Informática - Incentivos Fiscais para Investimentos em Tecnologia e Inovação Prof. Dr. Elvis Fusco 2014 Prefeitura Municipal de Garça Apresentação Prof. Dr. Elvis Fusco Centro Universitário Eurípides

Leia mais

Tributação e Incentivos à Inovação

Tributação e Incentivos à Inovação VIII Seminário do Setor de Saúde - BRITCHAM Tributação e Incentivos à Inovação São Paulo/SP, 17 de junho de 2009 Inovação Tecnológica no Brasil 30% das empresas industriais realizam algum tipo de inovação

Leia mais

2013 Inventta Todos os direitos reservados.

2013 Inventta Todos os direitos reservados. Agenda Quem Somos Gerindo a Inovação nas Empresas Estímulos Governamentais à Inovação Resultados da pesquisa FDC/Inventta Conclusões O GRUPO A Inventta é uma consultoria especializada em gestão da inovação,

Leia mais

BNDES Fomento ao Empreendedorismo e à Inovação em Renda Variável. 21 de fevereiro de 2014

BNDES Fomento ao Empreendedorismo e à Inovação em Renda Variável. 21 de fevereiro de 2014 BNDES Fomento ao Empreendedorismo e à Inovação em Renda Variável 21 de fevereiro de 2014 Em seus 60 anos, o BNDES expandiu sua atuação e tem voltado sua atenção para novos desafios 6ª maior indústria automotiva

Leia mais

Da Ideia ao Recurso: apoio financeiro para Inovação Tecnológica

Da Ideia ao Recurso: apoio financeiro para Inovação Tecnológica Da Ideia ao Recurso: apoio financeiro para Inovação Tecnológica Christimara Garcia CEO Inventta+bgi São Paulo, 29 de abril de 2015 CONTEXTO BRASILEIRO APOIO DIRETO Captação de Recursos Evolução dos desembolsos

Leia mais

BNDES Prosoft. Programa BNDES para o Desenvolvimento da Indústria Nacional de Software e Serviços de Tecnologia da Informação

BNDES Prosoft. Programa BNDES para o Desenvolvimento da Indústria Nacional de Software e Serviços de Tecnologia da Informação BNDES Prosoft Programa BNDES para o Desenvolvimento da Indústria Nacional de Software e Serviços de Tecnologia da Informação Objetivo - Contribuir para o desenvolvimento da indústria nacional de software

Leia mais

A importância do crédito para as pequenas e médias empresas. Condicionantes da oferta de crédito

A importância do crédito para as pequenas e médias empresas. Condicionantes da oferta de crédito A importância do crédito para as pequenas e médias empresas Condicionantes da oferta de crédito Distribuição de empresas por porte MICRO PEQUENA MÉDIA GRANDE 0,4% 0,7% 6,2% Micro e Pequenas empresas 98,9%

Leia mais

Investimento em inovação para elevar a produtividade e a competitividade da economia brasileira:

Investimento em inovação para elevar a produtividade e a competitividade da economia brasileira: Plano Inova Empresa Inovação e desenvolvimento econômico Investimento em inovação para elevar a produtividade e a competitividade da economia brasileira: Ampliação do patamar de investimentos Maior apoio

Leia mais

Missão. Visão. Transformar o Brasil por meio da Inovação.

Missão. Visão. Transformar o Brasil por meio da Inovação. A Finep -A FINEP Agência Brasileira da Inovação -é uma empresa pública vinculada ao MCTI (Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação) criada em 24 de julho de 1967. -Seu objetivo é atuar em toda a cadeia

Leia mais

FAZENDO NEGÓCIOS NO RIO GRANDE DO SUL

FAZENDO NEGÓCIOS NO RIO GRANDE DO SUL FAZENDO NEGÓCIOS NO RIO GRANDE DO SUL 2 Sumário»» Parceria Estratégica com o Japão»» Parques Tecnológicos»» Cases de Sucesso de Empresas Estrangeiras no RS PARCERIA ESTRATÉGICA COM O JAPÃO 4 Japão» 3ª

Leia mais

Incentivos Fiscais para P,D&I Lei 11.196/2005 (Lei do Bem)

Incentivos Fiscais para P,D&I Lei 11.196/2005 (Lei do Bem) Incentivos Fiscais para P,D&I Lei 11.196/2005 (Lei do Bem) Características Básicas dos Incentivos Fiscais: Atende empresas que operam em regime de lucro real e que realizam atividades de P&D; Introduziu

Leia mais

Apoio do BNDES à Inovação em Eletrônica

Apoio do BNDES à Inovação em Eletrônica Apoio do BNDES à Inovação em Eletrônica BNDES - Departamento de Indústria Eletrônica Lilian Ribeiro Mendes - lilian@bndes.gov.br II Workshop sobre os Efeitos das Radiações Ionizantes em Componentes Eletrônicos

Leia mais

Título da Apresentação

Título da Apresentação Título da Apresentação Financiadora de Estudos e Projetos Agência Brasileira de Inovação Ciência, Tecnologia e Inovação no Brasil 2º Workshop Platec E&P Onshore - Sondas de Perfuração e Workover - Equipamentos

Leia mais

POLÍTICA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA

POLÍTICA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA POLÍTICA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA ESTEVÃO FREIRE estevao@eq.ufrj.br DEPARTAMENTO DE PROCESSOS ORGÂNICOS ESCOLA DE QUÍMICA - UFRJ Tópicos: Ciência, tecnologia e inovação; Transferência de tecnologia; Sistemas

Leia mais

MERCADO BRASILEIRO DE SOFTWARE PANORAMA E TENDÊNCIAS

MERCADO BRASILEIRO DE SOFTWARE PANORAMA E TENDÊNCIAS MERCADO BRASILEIRO DE SOFTWARE PANORAMA E TENDÊNCIAS 2009 Introdução Resumo Executivo Apesar das turbulências que marcaram o ano de 2008, com grandes variações nos indicadores econômicos internacionais,

Leia mais

Empreendedorismo de Inovação em TI: Caminhos e oportunidades. Rodrigo Franco Gonçalves

Empreendedorismo de Inovação em TI: Caminhos e oportunidades. Rodrigo Franco Gonçalves Empreendedorismo de Inovação em TI: Caminhos e oportunidades Rodrigo Franco Gonçalves Apresentação Rodrigo Franco Gonçalves Físico. Mestre e Doutor em Engenharia de Produção Professor de mestrado e doutorado

Leia mais

Programa Municipal de Competitividade e Inovação INOVA PALHOCA

Programa Municipal de Competitividade e Inovação INOVA PALHOCA Programa Municipal de Competitividade e Inovação INOVA PALHOCA Gestão Pública: Plano Palhoça 2030 Prefeito Municipal de Palhoça Comitê Executivo de Acompanhamento e Implantação Avaliação de Desempenho

Leia mais

Senado Federal. O BNDES e o Apoio ao Setor de Software

Senado Federal. O BNDES e o Apoio ao Setor de Software Senado Federal Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação, Comunicação e Informática O BNDES e o Apoio ao Setor de Software Alan Fischler Área Industrial Depto das Industrias de TICs 11/04/2012 Brasília

Leia mais

2003: ajuste macroeconômico, com corte substancial nos gastos públicos e aumento nas taxas reais de juro.

2003: ajuste macroeconômico, com corte substancial nos gastos públicos e aumento nas taxas reais de juro. 1 1 2 2 3 2003: ajuste macroeconômico, com corte substancial nos gastos públicos e aumento nas taxas reais de juro. 2004-06: recuperação econômica, com direcionamento do aumento da arrecadação federal

Leia mais

Desafios para o desenvolvimento da Tecnologia de Informação e Automação

Desafios para o desenvolvimento da Tecnologia de Informação e Automação Associação de empresas do setor eletroeletrônico de base tecnológica nacional Desafios para o desenvolvimento da Tecnologia de Informação e Automação P&D Brasil - Quem somos Associação de empresas do setor

Leia mais

Índice. TIC Aqui tem Software e Serviço TIC

Índice. TIC Aqui tem Software e Serviço TIC 1 Índice TIC 2 TIC Aqui tem Software e Serviço IMAGEM I ) Importância do TIC II) Evolução / Inovação como competição III) Cenário Mundial de IT BPO Services IV) Cenário de TIC no Brasil V) Posicionamento

Leia mais

MINISTÉRIO DA CIÊNCIA TECNOLOGIA E INOVAÇÃO. Programa Estratégico de So1ware e Serviços de Tecnologia da Informação, o TI Maior

MINISTÉRIO DA CIÊNCIA TECNOLOGIA E INOVAÇÃO. Programa Estratégico de So1ware e Serviços de Tecnologia da Informação, o TI Maior MINISTÉRIO DA CIÊNCIA TECNOLOGIA E INOVAÇÃO Programa Estratégico de So1ware e Serviços de Tecnologia da Informação, o TI Maior Marcelo André de Barros Oliveira Assessor Novembro 2012, Brasília Link de

Leia mais

INOVAÇÃO EM SOFTWARE e SERVIÇOS de TI. 1. Agenda TI Maior 2. Start-Up Brasil 3. Inovação

INOVAÇÃO EM SOFTWARE e SERVIÇOS de TI. 1. Agenda TI Maior 2. Start-Up Brasil 3. Inovação INOVAÇÃO EM SOFTWARE e SERVIÇOS de TI 1. Agenda TI Maior 2. Start-Up Brasil 3. Inovação Prof. José Henrique Dieguez Barreiro Secretaria de Política de Informática Chefe da Divisão de Inovação em Software

Leia mais

A POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO PRODUTIVO DO GOVERNO FEDERAL E A MACROMETA DE

A POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO PRODUTIVO DO GOVERNO FEDERAL E A MACROMETA DE A POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO PRODUTIVO DO GOVERNO FEDERAL E A MACROMETA DE AUMENTAR O INVESTIMENTO PRIVADO EM P&D ------------------------------------------------------- 3 1. O QUE É A PDP? ----------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

ANÁLISE DO USO DOS INCENTIVOS FISCAIS À INOVAÇÃO EM 2012

ANÁLISE DO USO DOS INCENTIVOS FISCAIS À INOVAÇÃO EM 2012 Fevereiro 2014 Um olhar da Inventta: ANÁLISE DO USO DOS INCENTIVOS FISCAIS À INOVAÇÃO EM 2012 Maria Carolina Rocha, Marina Loures e Otávio Vianna 1. Introdução A Lei do Bem, cujo principal objetivo é promover

Leia mais

Desafios para a Expansão das Exportações de TI ENAEX 2011. Antonio Gil Presidente

Desafios para a Expansão das Exportações de TI ENAEX 2011. Antonio Gil Presidente Desafios para a Expansão das Exportações de TI ENAEX 2011 Antonio Gil Presidente São Paulo, Agosto 2011 Sobre a BRASSCOM VISÃO Posicionar o Brasil como um dos cinco maiores centros de TI do mundo. MISSÃO

Leia mais

Perspectivas para o Setor de TI

Perspectivas para o Setor de TI Perspectivas para o Setor de TI Irecê Loureiro Maio / 2013 BNDES Fundado em 20 de Junho de 1952: empresa pública de propriedade da União Papel fundamental como investidor em equityatravés da BNDESPare

Leia mais

Me. GIOVANA F. PUJOL giopujol@windowslive.com

Me. GIOVANA F. PUJOL giopujol@windowslive.com Me. GIOVANA F. PUJOL giopujol@windowslive.com BRASIL - TERRITÓRIO, POPULAÇÃO E ECONOMIA: COMBINAÇÃO VITORIOSA Indonésia Área População > 4 milhões km 2 > 100 milhões Nigéria Canadá Rússia EUA Brasil China

Leia mais

Título da Apresentação

Título da Apresentação Título da Apresentação FINEP Financiadora de Estudos e Projetos Agência Brasileira de Inovação Ciência, Tecnologia e Inovação no Brasil Departamento de Tecnologias da Informação e Serviços DTIS Área de

Leia mais

Guia de incentivos fiscais à inovação tecnológica

Guia de incentivos fiscais à inovação tecnológica recursos para inovação Centro de Conhecimento recursos para inovação Guia de incentivos fiscais à inovação tecnológica Lei 11.196/05 (Lei do Bem) Estratégia Incentivos Fiscais e Recursos Educação e Cultura

Leia mais

PROSOFT. Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social - BNDES

PROSOFT. Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social - BNDES Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social - BNDES Programa para o Desenvolvimento da Indústria Nacional de Software e Serviços de Tecnologia da Informação PROSOFT Agosto / 2008 1 Definições:

Leia mais

Política de Software e Serviços: Ações MCT 2007-2010

Política de Software e Serviços: Ações MCT 2007-2010 Política de Software e Serviços: Ações MCT 2007-2010 Encontro da Qualidade e Produtividade em Software - EQPS Manaus, novembro/2007 Antenor Corrêa Coordenador-Geral de Software e Serviços Ministério da

Leia mais

As MPE s como eixo central de cadeias produtivas

As MPE s como eixo central de cadeias produtivas As MPE s como eixo central de cadeias produtivas Guilherme Lacerda Diretor de Infraestrutura Social, Meio Ambiente, Agropecuária e Inclusão Social Madrid Outubro 2012 MPEs Importância, Desafios e Contribuições

Leia mais

A Internacionalização de Empresas de Tecnologia da Informação

A Internacionalização de Empresas de Tecnologia da Informação A Internacionalização de Empresas de Tecnologia da Informação ENAServ 2014 Encontro Nacional do Comércio Exterior de Serviços Sergio Paulo Gallindo São Paulo, 29 de maio de 2014 Porque Internacionalizar?

Leia mais

BRASIL: Gigante de TI rumo ao mercado global

BRASIL: Gigante de TI rumo ao mercado global BRASIL: Gigante de TI rumo ao mercado global TENDÊNCIAS GLOBAIS DO SETOR DE TI-BPO 2 Empregos no Setor Milhões de Pessoas Ocupadas (1) Vendas do Setor Gasto em TIC no Brasil - USD Bi, 2008 (2) 11.7 100.3

Leia mais

Apoio à Inovação. Junho de 2013

Apoio à Inovação. Junho de 2013 Apoio à Inovação Junho de 2013 Inovação: Conceito (...) implementação de um produto (bem ou serviço) novo ou significativamente aprimorado, ou um processo, ou um novo método de marketing, ou um novo método

Leia mais

TIAGO VASCONCELOS SCHERER A INFLUÊNCIA DA POLÍTICA DE INCENTIVO FISCAL NACIONAL NO DESEMPENHO INOVATIVO DAS EMPRESAS BENEFICIÁRIAS

TIAGO VASCONCELOS SCHERER A INFLUÊNCIA DA POLÍTICA DE INCENTIVO FISCAL NACIONAL NO DESEMPENHO INOVATIVO DAS EMPRESAS BENEFICIÁRIAS TIAGO VASCONCELOS SCHERER A INFLUÊNCIA DA POLÍTICA DE INCENTIVO FISCAL NACIONAL NO DESEMPENHO INOVATIVO DAS EMPRESAS BENEFICIÁRIAS Relatório Executivo Relatório Executivo da Dissertação de Mestrado Profissionalizante

Leia mais

Seminário sobre Inovação e Tecnologia APIMEC INOVA EMPRESA. Helena Tenório Veiga de Almeida. Chefe do Departamento de Inovação

Seminário sobre Inovação e Tecnologia APIMEC INOVA EMPRESA. Helena Tenório Veiga de Almeida. Chefe do Departamento de Inovação Seminário sobre Inovação e Tecnologia APIMEC INOVA EMPRESA Helena Tenório Veiga de Almeida Chefe do Departamento de Inovação Plano Inova Empresa Inovação e desenvolvimento econômico Investimento em inovação

Leia mais

Apresentações de Ações das Instituições do GTP APL. Fomento à Inovação nas Pequenas Empresas

Apresentações de Ações das Instituições do GTP APL. Fomento à Inovação nas Pequenas Empresas Apresentações de Ações das Instituições do GTP APL Fomento à Inovação nas Pequenas Empresas FINEP Financiadora de Estudos e Projetos Rochester Gomes da Costa Departamento de Capital Semente 29 de outubro

Leia mais

INOVAR E INVESTIR PARA SUSTENTAR O CRESCIMENTO Fórum do Planalto 03/07/2008

INOVAR E INVESTIR PARA SUSTENTAR O CRESCIMENTO Fórum do Planalto 03/07/2008 INOVAR E INVESTIR PARA SUSTENTAR O CRESCIMENTO Fórum do Planalto 03/07/2008 O momento e as tendências Fundamentos macroeconômicos em ordem Mercados de crédito e de capitais em expansão Aumento do emprego

Leia mais

Impacto do Fundo Social na Ciência e Tecnologia e Política Industrial

Impacto do Fundo Social na Ciência e Tecnologia e Política Industrial Impacto do Fundo Social na Ciência e Tecnologia e Política Industrial Ronaldo Mota Secretário de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação Comissão Especial Pré-Sal / Fundo Social Câmara dos Deputados 6 de

Leia mais

Conceitos e Contexto Indicadores e Legislação Vantagens e Benefícios

Conceitos e Contexto Indicadores e Legislação Vantagens e Benefícios MODELO DE ATUAÇÃO Conceitos e Contexto Indicadores e Legislação Vantagens e Benefícios Conceitos É a implementação (do que?) de um produto (bem ou serviço) novo ou significamente melhorado, ou processo,

Leia mais

Soluções em Tecnologia da Informação

Soluções em Tecnologia da Informação Soluções em Tecnologia da Informação Curitiba Paraná Salvador Bahia A DTS Sistemas é uma empresa familiar de Tecnologia da Informação, fundada em 1995, especializada no desenvolvimento de soluções empresariais.

Leia mais

Powering your business. Monica Herrero CEO Stefanini Brasil

Powering your business. Monica Herrero CEO Stefanini Brasil Powering your business Monica Herrero CEO Stefanini Brasil O Grupo Stefanini e Receitas 2010 1987 Fundação 1996 ISO 9001 Expansão Argentina 2004 a 2008 Expansão: Reino Unido, Canadá e Índia Crescimento

Leia mais

Apresentação Institucional Departamento de Bens de Capital - BNDES ABIMAQ 2014

Apresentação Institucional Departamento de Bens de Capital - BNDES ABIMAQ 2014 Apresentação Institucional Departamento de Bens de Capital - BNDES ABIMAQ 2014 Prioridades BNDES Infraestrutura logística e energética Infraestrutura urbana de saneamento e mobilidade. Modernização da

Leia mais

Mão-de-obra qualificada, flexibilidade

Mão-de-obra qualificada, flexibilidade > TECNOLOGIA INFORMÁTICA Negócio oportuno Empresas criam centros no Brasil para desenvolver softwares e aplicativos destinados ao mercado mundial DINORAH ERENO ILUSTRAÇÕES BUENO Mão-de-obra qualificada,

Leia mais

O Mercado americano de Tecnologia 2014/2015

O Mercado americano de Tecnologia 2014/2015 O Mercado americano de Tecnologia 2014/2015 1. Considerações Gerais Os Estados Unidos, maior potência mundial e tecnológica, apresenta projeções cada vez mais otimistas. Desde 2008, no estouro da crise

Leia mais

INOVAR E INVESTIR PARA SUSTENTAR O CRESCIMENTO DESONERAÇÃO E EQUALIZAÇÃO

INOVAR E INVESTIR PARA SUSTENTAR O CRESCIMENTO DESONERAÇÃO E EQUALIZAÇÃO INOVAR E INVESTIR PARA SUSTENTAR O CRESCIMENTO DESONERAÇÃO E EQUALIZAÇÃO Medidas Fiscais da Política Industrial 2 Redução de Tributos Equalização de taxas de Juros Simplificação de Operações Redução do

Leia mais

Incentivos da lei de Informática Lei 8.248/91

Incentivos da lei de Informática Lei 8.248/91 Incentivos da lei de Informática Lei 8.248/91 Francisco Silveira Chefe de Divisão/CGTE/SEPIN MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA Lei de Informática Lei 7.232 29.out.1984 Lei 8.248 23.out.1991 Lei 10.176

Leia mais

VI Conferência Anpei: Inovação como Estratégia Competitiva

VI Conferência Anpei: Inovação como Estratégia Competitiva REVISTA DO BNDES, RIO DE JANEIRO, V. 13, N. 26, P. 303-308, DEZ. 2006 VI Conferência Anpei: Inovação como Estratégia Competitiva Data: 5 a 7 de junho de 2006 Local: Rio de Janeiro (RJ) Representante do

Leia mais

EQPS Belo Horizonte. Política de Software e Serviços: Política Industrial & Plano de Ação C,T&I 2007-2010

EQPS Belo Horizonte. Política de Software e Serviços: Política Industrial & Plano de Ação C,T&I 2007-2010 EQPS Belo Horizonte Política de Software e Serviços: Política Industrial & Plano de Ação C,T&I 2007-2010 Antenor Corrêa Coordenador-Geral de Software e Serviços Ministério da Ciência e Tecnologia Secretaria

Leia mais

Prioridades e Recomendações (2011-2014) INOVAÇÃO E PRODUTIVIDADE NA INDÚSTRIA

Prioridades e Recomendações (2011-2014) INOVAÇÃO E PRODUTIVIDADE NA INDÚSTRIA Prioridades e Recomendações (2011-2014) INOVAÇÃO E PRODUTIVIDADE NA INDÚSTRIA Documento de Trabalho SESSÃO TEMÁTICA INOVAÇÃO E PRODUTIVIDADE NA INDÚSTRIA Indicador de importância das prioridades (Resultado

Leia mais

BRDE INOVA. Joaçaba, 12 de maio de 2014. Apresentador: Paulo César Antoniollo

BRDE INOVA. Joaçaba, 12 de maio de 2014. Apresentador: Paulo César Antoniollo BRDE INOVA Joaçaba, 12 de maio de 2014 Apresentador: Paulo César Antoniollo Contextualização Primeiro Agente Financeiro do País credenciado junto ao BNDES Primeiro Agente Financeiro do País credenciado

Leia mais

D.1. Instrumentos de apoio financeiro

D.1. Instrumentos de apoio financeiro 1 2 Neste capítulo são explicitadas todas as linhas de apoio à inovação que são operadas em nível nacional. Elas consistem em recursos financeiros, transferidos ou intermediados pelos órgãos governamentais

Leia mais

ENCTI. C,T&I: Protagonistas do Desenvolvimento Sustentável. Ministro Marco Antonio Raupp. Estratégia Nacional 2012 2015 Ciência, Tecnologia e Inovação

ENCTI. C,T&I: Protagonistas do Desenvolvimento Sustentável. Ministro Marco Antonio Raupp. Estratégia Nacional 2012 2015 Ciência, Tecnologia e Inovação C,T&I: Protagonistas do Desenvolvimento Sustentável Ministro Marco Antonio Raupp Estratégia Nacional de Ciência, Tecnologia e Inovação (ENCTI) Aprovada pelo CCT em 15 de dezembro de 2011 Elaborada com

Leia mais

Ciência, Tecnologia e Inovação para o Desenvolvimento Nacional. Plano de Ação 2007-2010. Comissão de C&T&I&C&I Senado Federal 17 de abril de 2008

Ciência, Tecnologia e Inovação para o Desenvolvimento Nacional. Plano de Ação 2007-2010. Comissão de C&T&I&C&I Senado Federal 17 de abril de 2008 Ciência, Tecnologia e Inovação para o Desenvolvimento Nacional Plano de Ação 2007-2010 Comissão de C&T&I&C&I Senado Federal 17 de abril de 2008 Política de Estado Configuração da Política Gestão Compartilhada

Leia mais

Avaliação das Políticas de. Incentivo à P&D e. Inovação Tecnológica no Brasil. João Alberto De Negri * Mauro Borges Lemos **

Avaliação das Políticas de. Incentivo à P&D e. Inovação Tecnológica no Brasil. João Alberto De Negri * Mauro Borges Lemos ** Avaliação das Políticas de Incentivo à P&D e Inovação Tecnológica no Brasil João Alberto De Negri * Mauro Borges Lemos ** NOTA TÉCNICA IPEA Avaliação das Políticas de Incentivo à P&D e Inovação Tecnológica

Leia mais

VI Reunião Técnica Internacional de FAEDPYME Nicarágua 08 a 10 de Maio de 2013

VI Reunião Técnica Internacional de FAEDPYME Nicarágua 08 a 10 de Maio de 2013 Comentários de Peter Hansen sobre interação Universidade- Empresa no Brasil e Experiências Práticas. VI Reunião Técnica Internacional de FAEDPYME Nicarágua 08 a 10 de Maio de 2013 Apresentação Prof. Peter

Leia mais

Título da Apresentação

Título da Apresentação Título da Apresentação FINEP Financiadora de Estudos e Projetos Agência Brasileira de Inovação Ciência, Tecnologia e Inovação no Brasil 1º Workshop Platec E&P Onshore Sondeas de Perfuração Onshore Equipamentos

Leia mais

Perspectivas para o setor de TI. BM&F Bovespa. 26 de junho de 2013 BRASSCOM

Perspectivas para o setor de TI. BM&F Bovespa. 26 de junho de 2013 BRASSCOM Perspectivas para o setor de TI BM&F Bovespa 26 de junho de 2013 BRASSCOM Associados BRASSCOM 1 Mercado Mundial de TI Crescimento Mercado TI BRASIL (2012/2011) 10,8% Crescimento Mercado TI Mundo (2012/2011)

Leia mais

Política Industrial, Tecnológica e de Comércio Exterior Construindo o Brasil do Futuro

Política Industrial, Tecnológica e de Comércio Exterior Construindo o Brasil do Futuro Política Industrial, Tecnológica e de Comércio Exterior Construindo o Brasil do Futuro Mario Sergio Salerno Diretor de Estudos Setoriais do IPEA 1 de julho de 2005 Uma nova trajetória de desenvolvimento

Leia mais

Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social - BNDES

Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social - BNDES Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social - BNDES Apoio do BNDES ao Projeto de Circuitos Integrados Departamento de Indústria Eletrônica Área Industrial março/2007 BNDES: Dados Gerais Fundado

Leia mais

Ana Lúcia Vitale Torkomian. Secretária Adjunta de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação do Ministério da Ciência e Tecnologia

Ana Lúcia Vitale Torkomian. Secretária Adjunta de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação do Ministério da Ciência e Tecnologia Sessão Plenária 5: Programas Nacionais de Estímulo e Apoio às Incubadoras de Empresas e Parques Tecnológicos Ana Lúcia Vitale Torkomian Secretária Adjunta de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação do Ministério

Leia mais

Política de Inovação no Complexo Eletrônico: o papel da Portaria 950/06 MCT

Política de Inovação no Complexo Eletrônico: o papel da Portaria 950/06 MCT Política de Inovação no Complexo Eletrônico: o papel da Portaria 950/06 MCT Publicado em BNDES Setorial 39 Ricardo Rivera Ingrid Teixeira Luis Otávio Reiff Carlos Eduardo Azen Diego da Silva Moreira Rio

Leia mais

Reunião de Trabalho da cadeia produtiva de Defesa e Segurança do Grande ABC. São Bernardo do Campo - SP 18 de abril de 2013

Reunião de Trabalho da cadeia produtiva de Defesa e Segurança do Grande ABC. São Bernardo do Campo - SP 18 de abril de 2013 Reunião de Trabalho da cadeia produtiva de Defesa e Segurança do Grande ABC São Bernardo do Campo - SP 18 de abril de 2013 Agenda 1. Informações Institucionais 2. Apoio às Micro, Pequenas e Médias Empresas

Leia mais

Economia Móvel América Latina 2013 Sumário Executivo

Economia Móvel América Latina 2013 Sumário Executivo Economia Móvel América Latina 2013 Sumário Executivo Economia Móvel América Latina 2013 A GSMA representa os interesses da indústria mundial de comunicações móveis. Presente em mais de 220 países, a GSMA

Leia mais

Diretrizes para a Construção de uma Política Tecnológica com Foco na Inovação 1

Diretrizes para a Construção de uma Política Tecnológica com Foco na Inovação 1 Diretrizes para a Construção de uma Política Tecnológica com Foco na Inovação 1 No mundo atual, um dos campos prioritários de intervenção do Estado está sendo a promoção do desenvolvimento tecnológico,

Leia mais

Agenda. Inovação. A Finep. Instrumentos de Apoio (Reembolsável, Não-Reembolsável, Fundos) Inova Empresa / Inova Saúde. Programas de Descentralização

Agenda. Inovação. A Finep. Instrumentos de Apoio (Reembolsável, Não-Reembolsável, Fundos) Inova Empresa / Inova Saúde. Programas de Descentralização Agenda Inovação A Finep Instrumentos de Apoio (Reembolsável, Não-Reembolsável, Fundos) Inova Empresa / Inova Saúde Programas de Descentralização Nova fase da FINEP O que é inovação? Inovação é a introdução

Leia mais

Recursos subsidiados disponíveis hoje. empresas. para investimentos, giro e inovação nas. Palestrante: Antônio Carlos Rocha

Recursos subsidiados disponíveis hoje. empresas. para investimentos, giro e inovação nas. Palestrante: Antônio Carlos Rocha Competitividade para Gerar Negócios Recursos subsidiados disponíveis hoje para investimentos, giro e inovação nas empresas Palestrante: Antônio Carlos Rocha Coordenação: Nicolás Honorato SINAIS DA RECUPERAÇÃO

Leia mais

CONCEITOS DE INOVAÇÃO. Título da Apresentação

CONCEITOS DE INOVAÇÃO. Título da Apresentação CONCEITOS DE INOVAÇÃO Título da Apresentação Novo Marco Legal para Fomento à P,D&I Lei de Inovação. Nº 10.973 (02.12.04) Apresenta um conjunto de medidas de incentivos à inovação científica e tecnológica,

Leia mais

Investimento em inovação para elevar a produtividade e a competitividade da economia brasileira:

Investimento em inovação para elevar a produtividade e a competitividade da economia brasileira: Plano Inova Empresa Inovação e desenvolvimento econômico Investimento em inovação para elevar a produtividade e a competitividade da economia brasileira: Ampliação do patamar de investimentos Maior apoio

Leia mais

PROGRAMAS MOBILIZADORES EM ÁREAS ESTRATÉGICAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO

PROGRAMAS MOBILIZADORES EM ÁREAS ESTRATÉGICAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO Programas mobilizadores em áreas estratégicas PROGRAMAS MOBILIZADORES EM ÁREAS ESTRATÉGICAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO Legenda: Branco = PDP original Amarelo = modificação posterior ao lançamento

Leia mais

Apresentação Institucional Departamento de Bens de Capital - BNDES. ABIMAQ fevereiro de 2014

Apresentação Institucional Departamento de Bens de Capital - BNDES. ABIMAQ fevereiro de 2014 Apresentação Institucional Departamento de Bens de Capital - BNDES ABIMAQ fevereiro de 2014 Principais Linhas para o setor de BK FINAME: produção e comercialização de máquinas, equipamentos, bens de informática

Leia mais

PARQUES TECNOLÓGICS NO BRASIL: ESTUDO, ANÁLISE E PROPOSIÇÕES. Associação Nacional das Entidades Promotoras de Empreendimentos Inovadores

PARQUES TECNOLÓGICS NO BRASIL: ESTUDO, ANÁLISE E PROPOSIÇÕES. Associação Nacional das Entidades Promotoras de Empreendimentos Inovadores PARQUES TECNOLÓGICS NO BRASIL: ESTUDO, ANÁLISE E PROPOSIÇÕES Associação Nacional das Entidades Promotoras de Empreendimentos Inovadores ANPROTEC o Fundação: 30/10/1987 o Tem o papel de criar mecanismos

Leia mais

Predictions Brasil 2015 Acelerando a Inovação na 3 a Plataforma

Predictions Brasil 2015 Acelerando a Inovação na 3 a Plataforma Predictions Brasil 2015 Acelerando a Inovação na 3 a Plataforma 1 IDC - Equipe Pietro Delai Reinaldo Sakis João Paulo Bruder Luciano Ramos Gerente de Pesquisa e Consultoria -Enterprise Gerente de Pesquisa

Leia mais

OS INCENTIVOS FISCAIS À

OS INCENTIVOS FISCAIS À DECOMTEC OS INCENTIVOS FISCAIS À INOVAÇÃO TECNOLÓGICA DA LEI Nº 11.196/2005 Departamento de Competividade e Tecnologia - DECOMTEC São Paulo, 08 de outubro de 2012 Principais incentivos da Lei do Bem (Cap.

Leia mais

EDITAIS AGOSTO 2015 QUEM PODE PROPOR

EDITAIS AGOSTO 2015 QUEM PODE PROPOR DATA LIMITE DE ENVIO OBJETO EDITAL 016/2015 Concurso Ideias Inovadoras 2015 QUEM PODE PROPOR ÓRGÃO FINANCIADOR LINK DO EDITAL 20/8/2015 A Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado da Bahia FAPESB, no âmbito

Leia mais

Workshop sobre Apoio a Empresas de Base Tecnológica em SP Secretaria de Ciência, Tecnologia e Desenvolvimento Econômico FAPESP

Workshop sobre Apoio a Empresas de Base Tecnológica em SP Secretaria de Ciência, Tecnologia e Desenvolvimento Econômico FAPESP Workshop sobre Apoio a Empresas de Base Tecnológica em SP Secretaria de Ciência, Tecnologia e Desenvolvimento Econômico FAPESP Aluysio Asti Superintendente da Área de Planejamento- BNDES Abril/2006 Marcos

Leia mais

O Plano TI Maior. 17 de outubro de 2012 Hotel Bahia Othon Palace Salvador - BA

O Plano TI Maior. 17 de outubro de 2012 Hotel Bahia Othon Palace Salvador - BA O Plano TI Maior 17 de outubro de 2012 Hotel Bahia Othon Palace Salvador - BA Agenda Sobre a Assespro Sobre o Plano TI Maior Informações Oficiais Posicionamento da Assespro A Assespro A Assespro Nacional

Leia mais

PROGRAMA NACIONAL DE APOIO ÀS INCUBADORAS DE EMPRESAS E PARQUES TECNOLÓGICOS P N I. Ministério da Ciência e Tecnologia

PROGRAMA NACIONAL DE APOIO ÀS INCUBADORAS DE EMPRESAS E PARQUES TECNOLÓGICOS P N I. Ministério da Ciência e Tecnologia PROGRAMA NACIONAL DE APOIO ÀS INCUBADORAS DE EMPRESAS E PARQUES TECNOLÓGICOS P N I 10/11/2008 Ministério da Ciência e Tecnologia Configuração da Política de Estado Gestão Compartilhada MCT/MDIC/MEC/MS/MAPA/MF/M

Leia mais

Apresentação Workshop de Transportes e Logística

Apresentação Workshop de Transportes e Logística Apresentação Workshop de Transportes e Logística Sobre a FINEP Empresa pública vinculada ao Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação criada em 1967. Nossa visão de futuro é transformar o Brasil por

Leia mais

POLÍTICA DE INOVAÇÃO DA SOFTEX

POLÍTICA DE INOVAÇÃO DA SOFTEX POLÍTICA DE INOVAÇÃO DA SOFTEX Março de 2009 ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO...4 1.1 Objetivos...4 1.2 Público alvo deste documento...4 2 GLOSSÁRIO...5 3 POLÍTICA DE INOVAÇÃO DA SOFTEX...7 3.1 Em relação aos ambientes

Leia mais

PRINCIPAIS LINHAS DE FINANCIAMENTO E FOMENTO PARA INOVAÇÃO

PRINCIPAIS LINHAS DE FINANCIAMENTO E FOMENTO PARA INOVAÇÃO PRINCIPAIS LINHAS DE FINANCIAMENTO E FOMENTO PARA INOVAÇÃO inovação. Dentre esses se destacam as formas especiais de financiamento a projetos inovadores através de Editais e linhas de fomento. Nesse sentido

Leia mais

Brasil 2011: o momento certo para promover a inovação. Antonio Carlos Valente Presidente do Grupo Telefonica no Brasil Maio, 2011

Brasil 2011: o momento certo para promover a inovação. Antonio Carlos Valente Presidente do Grupo Telefonica no Brasil Maio, 2011 Brasil 2011: o momento certo para promover a inovação Antonio Carlos Valente Presidente do Grupo Telefonica no Brasil Maio, 2011 Agenda 01 O momento certo para promover a inovação tecnológica no Brasil

Leia mais

Apresentação da Proposta de Trabalho aos ICTs e as Empresas

Apresentação da Proposta de Trabalho aos ICTs e as Empresas Apresentação da Proposta de Trabalho aos ICTs e as Empresas 29 abril 2014 Fundamentação Lei da Inovação Nº 10.973, 02 Dez 2004 Regulamentada pelo Decreto Nº 5.563, 11 Out 2005 Artigo 20, do Decreto Nº

Leia mais

- ATENÇÃO PESQUISADORES -

- ATENÇÃO PESQUISADORES - - ATENÇÃO PESQUISADORES - Informamos abaixo os últimos editais para fomento à pesquisa divulgados pela FAPESB e CNPQ, para conhecimento e possível envio de propostas de projetos: Órgão Responsável: FAPESP

Leia mais

Apoio à Inovação. Desenvolve SP 11 de novembro de 2014

Apoio à Inovação. Desenvolve SP 11 de novembro de 2014 Apoio à Inovação Desenvolve SP 11 de novembro de 2014 Quem somos Fundado em 20 de Junho de 1952 Empresa pública de propriedade integral da União Principal fonte de crédito de longo prazo para investimento

Leia mais

Workshop 007 Tecnologia da Informação

Workshop 007 Tecnologia da Informação Workshop 007 Diretor, Softex Blumenau, November 20 th th 2007 Logo Empresa Encontro Econômico Brasil-Alemanha 2007 QUESTÕES APRESENTADAS: 1) Como o Brasil desenvolve o setor de TI e quais os maiores desafios?

Leia mais

Título da Apresentação. ABINEE TEC 2012 Programas de Financiamento para a Sustentabilidade na Indústria

Título da Apresentação. ABINEE TEC 2012 Programas de Financiamento para a Sustentabilidade na Indústria Título da Apresentação ABINEE TEC 2012 Programas de Financiamento para a Sustentabilidade na Indústria Setembro de 2012 Agenda A FINEP Inovação Programa Inova Brasil Sustentabilidade e Prioridades Brasil

Leia mais

INSTRUMENTO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE INOVAÇÃO. I. Objetivos e Metas. Objetivo (o quê) Alcance (quanto) Prazo de realização (quando)

INSTRUMENTO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE INOVAÇÃO. I. Objetivos e Metas. Objetivo (o quê) Alcance (quanto) Prazo de realização (quando) INSTRUMENTO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE INOVAÇÃO I. Objetivos e Metas 1. Liste os 5 principais objetivos de inovação para o horizonte de cinco anos, identificando: Objetivo 1 Objetivo 2 Objetivo 3 Objetivo

Leia mais

LINHAS DE CRÉDITO PARA EMPRESAS DE TECNOLOGIA E EMPRESAS INOVADORAS. Resumo. Djalma Petit Consultor

LINHAS DE CRÉDITO PARA EMPRESAS DE TECNOLOGIA E EMPRESAS INOVADORAS. Resumo. Djalma Petit Consultor LINHAS DE CRÉDITO PARA EMPRESAS DE TECNOLOGIA E EMPRESAS INOVADORAS Resumo Djalma Petit Consultor Brasília São Paulo, novembro de 2014 FINANCIAMENTO Recursos reembolsáveis. Operado por bancos Requerem

Leia mais

Apoio para fornecedores do setor de Petróleo & Gás em São Paulo

Apoio para fornecedores do setor de Petróleo & Gás em São Paulo Apoio para fornecedores do setor de Petróleo & Gás em São Paulo Ubirajara Sampaio de Campos Subsecretário de Petróleo e Gás Secretaria de Energia do Estado de São Paulo Santos Offshore 09 Abril 2014 Indústria

Leia mais

Políticas de inovação no Brasil: uma análise com base na PINTEC 2008

Políticas de inovação no Brasil: uma análise com base na PINTEC 2008 Políticas de inovação no Brasil: uma análise com base na PINTEC 2008 Ana Paula Avellar * RESUMO O objetivo desse artigo é apresentar as principais políticas de inovação em vigência no Brasil e discutir

Leia mais

O QUE FAZEMOS? Mais do que financiar empresas ajudamos a transformar grandes ideias em negócios ainda mais rentáveis, oferecendo crédito sustentável.

O QUE FAZEMOS? Mais do que financiar empresas ajudamos a transformar grandes ideias em negócios ainda mais rentáveis, oferecendo crédito sustentável. INOVAR PARA CRESCER O QUE FAZEMOS? Mais do que financiar empresas ajudamos a transformar grandes ideias em negócios ainda mais rentáveis, oferecendo crédito sustentável. Além disso, damos todo suporte

Leia mais