INFLUÊNCIA DA ACIDEZ DA SOLUÇÃO DE SULFATO DE ALUMÍNIO NA EFICIÊNCIA DA COAGULAÇÃO

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "INFLUÊNCIA DA ACIDEZ DA SOLUÇÃO DE SULFATO DE ALUMÍNIO NA EFICIÊNCIA DA COAGULAÇÃO"

Transcrição

1 INFLUÊNCIA DA ACIDEZ DA SOLUÇÃO DE SULFATO DE ALUMÍNIO NA EFICIÊNCIA DA COAGULAÇÃO Di Bernardo Luiz (*),Paes Conceição Rogéria Aparecida, Di Bernardo Angela S Escola de Engenharia de São Carlos da Universidade de São Paulo Av. Dr. Carlos Botelho, 1465 ; CEP : São Carlos, Brasil VMCISC.CISC.SC.USP.BR RESUMO Quando a água bruta apresenta-se com ph e alcalinidade relativamente altas, a solução de sulfato de alumínio utilizada, a partir da sua preparação com o produto no estado sólido, raramente excede 10 %, de forma que esse coagulante funciona primeiramente como um doador de prótons até que resultem valores do ph de coagulação para os quais esse coagulante é efetivo. No caso da coagulação ser realizada no mecanismo da varredura, empregado no tratamento convencional, o consumo de coagulante poderia resultar elevado mesmo que a água bruta apresentassse turbidez e/ou cor verdadeira relativamente baixas, enquanto no mecanismo de neutralização de cargas, recomendado nas tecnologias de filtração direta, dificilmente esse coagulante forneceria resultados satisfatórios. O sulfato de alumínio em estado líquido é geralmente fornecido com concentração da ordem de 50 %, com pequena quantidade de material insolúvel e, segundo a Norma Brasileira, com acidez livre máxima de 0,5 % (em massa de ácido sulfúrico). O presente trabalho foi realizado para estudar o efeito da acidez da solução de sulfato de alumínio na coagulação de água com as seguintes características: ph = 7,6 ± 0,1; alcalinidade = 50 ± 2 mg/l CaCO 3 ; cor verdadeira = 72,5 ± 2,5 uc; turbidez = 16 ± 1 ut; condutividade elétrica = 200 µs/cm, temperatura = 25 ± 1 o C. Foram realizados ensaios de coagulação, floculação e sedimentação em reatores estáticos, utilizadas soluções de sulfato de alumínio com acidez livre de 0,1; 0,25; 0,5; 0,9; 1,3; 1,8 % (em massa de ácido sulfúrico) e construídos diagramas de coagulação. Com base nos diagramas de coagulação construídos, concluiu-se que a acidez exerce influência considerável na eficiência da coagulação e, conseqüentemente, na floculação e sedimentação, não havendo, do ponto de vista científico, razão para a limitação da acidez da solução sulfato de alumínio em 0,5 % pelos produtores. Os autores agradecem a CAPES pela bolsa de Mestrado à segunda co-autora e ao CNPq pela bolsa de iniciação científica à terceira co-autora. Palabras clave : coagulação, diagramas de coagulação, acidez da solução de coagulante INTRODUÇÃO A qualidade das águas superficiais é influenciada por vários fatores relacionados às características das bacias hidrográficas e das atividades do ser humano. Muitos constituintes inorgânicos naturalmente presentes na água dependem do tipo de solo, de forma que, em diferentes regiões, pode-se ter águas com qualidade totalmente diferente. O ph e a alcalinidade podem variar substancialmente dependendo do tipo de solo em contato com a água. Há mananciais superficiais em algumas regiões do Brasil com ph acima de 8,0 e alcalinidade superior a 150 mg/l CaCO 3 e em outras, o ph e a alcalinidade são menores que 6,0 e 5,0 mg/l CaCO 3, respectivamente. Como o sulfato de alumínio granulado é o coagulante comumente utilizado no Brasil, há situações em que tal produto químico não deveria ser empregado, notadamente quando a água apresenta-se com valores relativamente altos de ph e de alcalinidade. A formação intensa do precipitado de alumínio, Al(OH) 3p, desejável quando a coagulação é realizada no mecnismo da varredura, geralmente ocorre para valores de ph entre 6,0 e 7,5. Devido as reações de hidrólise do alumínio, são produzidos íons H +, os quais reagem com os produtos responsáveis pela alcalinidade, com consumo maior de sulfato de alumínio. Quando a coagulação deve ser efetuada no mecanismo da varredura, outros coagulantes podem ser utilizados, tais como cloreto férrico, sulfato férrico, sulfato ferroso clorado, policloreto de alumínio ou utilizar um ácido inicialmente e depois o sulfato de alumínio. O uso do sulfato de alumínio no tratamento de águas dessa natureza torna-se mais anti-econômico quando é utilizada a filtração direta, ascendente ou descendente, pois a coagulação é realizada no mecanismo de neutralização de cargas, geralmente em valores de ph menores que 6,0 (Amirtharajah et al., 1982, Di Bernardo, 1993). O sulfato de alumínio líquido tem sido economicamente adotado em muitas estações de tratamento de comunidades que não se encontram muito distantes do fabricante, pois apresenta grau de impurezas bem menor que o granulado em concentrações relativamente altas (da ordem de 45 a 50 %). No Brasil, segundo a EB-2000 (1989), o sulfato de alumínio em estado líquido não deve ser produzido com acidez livre maior que 0,5 % em massa de H 2 SO 4, enquanto, nos Estados Unidos, segundo a norma da AWWA

2 (1993), a acidez livre do sulfato de alumínio líquido é objeto de acordo entre o usuário e o fornecedor, o que parece ser lógico quando se consideram, principalmente, a alcalinidade e ph da água bruta. Considerando a importância da alcalinidade e do ph da água e os aspectos relativos à acidez do sulfato de alumínio líquido, foi desenvolvido o presente trabalho com o objetivo de estudar a influência da acidez da solução na eficiência da coagulação de água preparada em laboratório com valores da alcalinidade e do ph relativamente altos. CARACTERÍSTICAS DA SOLUÇÃO DE SULFATO DE ALUMÍNIO A concentração de sulfato de alumínio na solução estoque influi nas espécies que irão predominar, como se pode notar na Figura 1, na qual foi considerado sulfato de alumínio PA (para análise), na forma de Al 2 (SO 4 ) 3 x 18 H 2 O e água destilada. Para soluções muito diluídas, nas quais pal T 4, predominam os hidroxo-complexos de alumínio (pal T = -log [Al T ], sendo Al T o alumínio total presente); para pal T 0,5, as principais espécies solúveis de alumínio são do tipo AlSO 4 + ; para valores de pal T entre 1 e 3, há predominância do alumínio na forma de Al 3+ ou Al(H 2 O) 6 3+, correspondendo a 10-1 e 10-3 moles/l, respectivamente. Se pal T =2,517, ou seja, [Al T ] = 10-2,517. moles/l e, como 1 mol de alumínio é igual a mg, aquele valor de pal T corresponde a aproximadamente 81,5 mg Al/l. Considerando que em 1 mol de sulfato de alumínio (666 g), há 54 g de alumínio, a dosagem de sulfato de alumínio resulta de 1005 mg/l ou aproximadamente, 1 mg/l, concentração geralmente adotada para a solução de sulfato de alumínio em laboratório, quando são feitos ensaios em reatores estáticos. Nas estações de tratamento de água, a concentração da solução de sulfato de alumínio, obtida a partir do produto granulado, é adotada geralmente entre 5 e 20 % (50 a 200 mg/l), enquanto, o sulfato de alumínio comercial em estado líquido, com concentração da ordem de %, pode conter ácido sulfúrico adicional, apresentar ph muito baixo e maior quantidade de complexos de sulfato. Do exposto, é de esperar que, em função da concentração da solução do coagulante, o alumínio possa estar em maior ou menor porcentagem na forma de Al(H 2 O) 6 3, ou ainda na forma de hidroxo-complexos, e influir na eficiência da coagulação. Entretanto, ao estudar dez tipos de águas naturais e sintéticas e variar a concentração da solução entre 0,05 e 10 %, Mendes (1989) não obteve resultados conclusivos sobre a influência da concentração da solução de sulfato de alumínio na eficiência da coagulação, realizada tanto no mecanismo da varredura quanto no de neutralização de cargas. Nas estações de tratamento de água, a concentração da solução tem sido relacionada ao tamanho dos tanques de preparação (quando é usado o sulfato de alumínio granulado) ou dos tanques de diluição (quando é usado o sulfato de alumínio líquido) e ao controle da vazão da solução aplicada na água bruta, do que com a eficiência da coagulação. MATERIAIS E MÉTODOS Características da Instalação e Qualidade da Água de Estudo Foram realizados ensaios de coagulação, floculação e sedimentação em equipamento constituído de seis reatores estáticos de 2 litros. Dispunha-se de um agitador para cada reator e de um dispositivo que permitia a coleta simultânea do sobrenadante a 10 cm de profundidade (a partir do nível de água no interior do reator) no tempo de sedimentação fixado em 10 min. Com água proveniente de poço profundo localizado no campus da Escola de Engenharia de São Carlos - USP, à qual foram adicionados humatos, caulinita e bicarbonato de sódio, resultou a água de estudo com as seguintes características: turbidez = 16 ± 1 ut; cor verdadeira = 72,5 ± 2,5 uc; cor aparente = 150 ± 5 uc; ph = 7,6 ± 0,1; alcalinidade total = 50 ± 2 mg/l CaCO 3, condutividade = 200 µs/cm. Durante os ensaios a temperatura foi mantida em 25 ± 1 0 C. Produtos Químicos Utilizados e Preparação das Soluções e Suspensões O coagulante utilizado foi o sulfato de alumínio comercial obtido na forma líquida, com concentração de 50 % e massa específica de 1,3 g/l e com os seguintes valores de acidez livre: 0,1; 0,25; 0,5; 0,9; 1,3; 1,8 % em massa de ácido sulfúrico. Para alguns valores de acidez livre do coagulante, foi usado ácido sulfúrico PA ou hidróxido de cálcio visando a obtenção de dados em uma faixa mais ampla do ph de coagulação. A suspensão de cal foi preparada com concentração de 0,1 % utilizando-se água destilada. A solução de ácido sulfúrico 0,05 N usada para ajuste do ph de coagulação foi preparada com ácido concentrado e água destilada. Para a preparação da solução de sulfato de alumínio usada nos ensaios, correspondente ao valor de acidez livre da amostra original, foi obedecida a seguinte metologia: a) medição do valor do ph da solução de sulfato de alumínio comercial original; b) utilização de água destilada com ácido sulfúrico, para resultar o mesmo valor de ph da solução de sulfato de alumínio original; c) pesagem de 20 g da solução original de sulfato de alumínio líquido; d) emprego de um

3 determinado volume da água, preparada como descrito no ítem b e da quantidade do coagulante pesada de modo que a solução diluída resultasse com concentração de 0,2 % (massa do produto original por volume da solução); e) medição da acidez livre da solução de sulfato de alumínio resultante antes de seu uso. Construção do Diagrama de Coagulação e Parâmetros Medidos Os diagramas de coagulação foram construídos para as seguintes condições: a) mistura rápida: gradiente de velocidade igual a 600 s -1 e tempo de agitação de 20 s. b) floculação: gradiente de velocidade igual a 20 s - 1 e tempo de agitação de 30 min; c) sedimentação: após o término da floculação, os agitadores eram desligados e efetuada a coleta de amostra (em ponto situado a 10 cm abaixo da lâmina líquida no interior de cada reator), de forma que a velocidade de sedimentação resultasse de 1 cm/min. d) medidas de ph, turbidez e cor aparente das amostras coletadas Antes do início de cada ensaio, eram realizadas medidas de alcalinidade, temperatura, ph, turbidez, cor verdadeira e cor aparente da água de estudo e ajustada sua temperatura para para 25 0 C. Foram utilizados turbidímetro nefelométrico, potenciômetro analógico e espectrofotômetro (λ=400 nm). RESULTADOS E DISCUSSÃO Na Figura 2 é apresentado o diagrama de coagulação para remoção de turbidez, no qual se tem curvas de mesma turbidez remanescente em função da dosagem de sulfato de alumínio comercial-dsa em ordenadas e ph de coagulação-ph coag em abcissas. Tais curvas foram construídas utilizando-se solução de sulfato de alumínio com acidez livre de 0,1 % e adição de alcalinizante; solução de sulfato de alumínio com acidez livre de 1,8 % e adição de acidulante; soluções de sulfato de alumínio com acidez livre de 0,1, 0,25, 0,5, 0,9, 1,3 e 1,8 % sem adição de acidulante ou alcalinizante. Na Figura 3 foi construído o mesmo diagrama, porém, foram delimitadas regiões com valores de turbidez menores que 1, 2 e 3 ut. Nota-se nessas figuras que é possível obter água decantada com turbidez menor ou igual a 1 ut para DSA entre70 e 170 mg/l e ph coag entre 6,5 e 7,2, destacando-se três regiões: a primeira com DSA entre 160 e 170 mg/l e ph coag entre 6,5 e 7,2; a segunda com DSA entre 125 e 140 mg/l e ph coag entre 6,8 e 7,2; a terceira com DSA entre 70 e 85 mg/l e ph coag entre 6,5 e 6,95. Nas regiões de maior dosagem do coagulante, a varredura deve ter sido o mecanismo principal de coagulação, enquanto nas de menor dosagem deve ter ocorrido a combinação dos mecanismos de coagulação por varredura e neutralização de cargas. Tais regiões foram obtidas com solução de sulfato de alumínio tendo acidez livre de 0,1 % e com aplicação de cal como alcalinizante. Considerando o valor de turbidez limite de 2 ut, resultam três regiões muito amplas, com ph coag compreendido entre 6,0 e 7,2 e DSA variando de 40 a 170 mg/l. Observa-se, também, a existência de três regiões, dadas pelos pares de valores DSAxpH coag, iguais a ( mg/l x 6,5-7,2), ( mg/l x 6,0-6,6) e (40-45 mg/l x 6,2-7,2). Nessas regiões há dados correspondentes a valores de acidez das soluções de sulfato de alumínio de 0,1 % com e sem uso de cal e de 0,25 % sem uso de qualquer outro produto químico. Nota-se também, a existência de uma região muito ampla com turbidez do sobrenadante menor ou igual a 3 ut, com valores de DSA entre 40 e 170 e do ph coag entre 5,8 e 7,2. Para valores de ph coag entre 3,5 e 6,0 e DSA variando de 20 a 100 mg/l, foi delimitada a região com turbidez do sobrenadante menor ou igual a 3 ut. Observa-se que em uma região muito pequena foi conseguido sobrenadante com turbidez menor ou igual a 2 ut (ph coag por volta de 4,8 e DSA da ordem de 45 mg/l). A coagulação por adsorção-neutralização de cargas deve ter sido o mecanismo principal nessas regiões, motivo pelo qual raramente se consegue sobrenadante com qualidade semelhante à obtida quando a coagulação é realizada no mecanismo da varredura, pois os flocos formados são geralmente menores naquele mecanismo de coagulação. Na região de coagulação por adsorção-neutralização de cargas, os dados correspondem ao emprego de solução de sulfato de alumínio com acidez livre de 1,8 % com e sem o uso de ácido para DSA menores, e para DSA maiores, por volta de mg/l, e ph coag em torno de 3,5, os mesmos resultados foram obtidos com solução de sulfato de alumínio igual a 1,3 % sem uso de acidulante ou alcalinizante. Nas Figuras 4 e 5 são apresentados os diagramas corespondentes à remoção de cor aparente. Superpondo-se as Figuras 2 e 4 e as Figuras 3 e 5, observa-se que as regiões de menor cor aparente remanescente (20 uc) correspondem àquelas em que foram obtidos os menores valores de turbidez, principalmente quando a varredura e sua combinação com a neutralização de cargas foram os mecanismos de coagulação dominantes. Na região de coagulação com predominância do mecanismo de adsorção-neutralização de cargas, a cor aparente remanescente resultou superior (30 uc), fato esperado tendo em vista os valores maiores de turbidez observados nessa região. Com respeito à acidez livre das soluções, valem as mesmas observações feitas quando da discussão dos diagramas de remoção de turbidez. As Figuras 6 e 7 correspondem ao diagrama de coagulação para remoção de turbidez e as Figuras 8 e 9 ao diagrama para remoção de cor aparente. A

4 grande diferença dessas figuras em relação às anteriores é que estes foram construídos para soluções de sulfato de alumínio de 0,5 % de acidez livre com aplicação de cal como alcalinizante, de 0,5, 0,9, 1,3 e 1,8 % de acidez livre sem adição de ácido sulfúrico ou de cal e de 1,8 % com adição acidulante. Nota-se que a região de coagulação por varredura, para a qual foi obtida turbidez do sobrenadante menor que 1 ut, ocorreu principalmente para solução de sulfato de alumínio com 0,5 % de acidez livre e com adição de cal como alcalinizante, é mais ampla que aquela observada nas Figuras 2 e 3, para solução de sulfato de alumínio com 0,1 % de acidez livre, apesar de ser praticamente igual o intervalo de valores do ph de coagulação. Uma vez mais nota-se que os melhores resultados foram obtidos com solução de sulfato de alumínio tendo 1,8 % de acidez livre e com o uso de ácido quando a coagulação ocorreu por adsorçãoneutralização de cargas. Nas figuras 8 e 9 percebe-se que a cor remanescente atingiu valores de 10 uc em regiões menores que aquelas observadas para a remoção de turbidez, além da necessidade de valores maiores de DSA. CONCLUSÕES E RECOMENDAÇÕES Com base no trabalho realizado, concluiu-se que: a) a acidez livre da solução de sulfato de alumínio influí consideravelmente na eficiência da coagulação, e seu valor, além de possivelmente depender da qualidade da água bruta, é influenciado pelo mecanismo de coagulação e, conseqüentemente, pela tecnologia de tratamento; b) a coagulação no mecanismo da varredura foi mais eficiente quando empregadas soluções de sulfato de alumínio com menor valor de acidez livre; c) a coagulação no mecanismo de adsorção-neutralização de cargas resultou mais eficiente quando foram empregadas soluções de sulfato de alumínio com maiores valores de acidez livre; Considerando a qualidade da água bruta,especialmente a alcalinidade e o ph, e a dificuladade de se encontrar no mercado outros coagulantes além do sulfato de alumínio, é recomendável a execução de ensaios com soluções deste coagulante tendo diferentes graus de acidez livre (se existir o produto comercial na forma líquida), empregar ácido sulfúrico (se necessário) se o coagulante existir somente na forma granulada, quando a coagulação for realizada no mecanismo de adsorção-neutralização de cargas em instalações de filtração direta, ou utilizar soluções mais diluídas no caso da coagulação por varredura. BIBLIOGRAFIA ABNT - Associação Brasileira de Normas Técnicas (1989) Sulfato de Alumínio - EB-2005 ABNT, Rio de Janeiro, Brasil. Amirtharajah, A. & Mills, K. M. (1982) Rapid-Mix Design for Mechanisms of Alum Coagulation JAWWA, Vo. 74, n. 4, p: , Apr., USA. AWWA - American Water Works Association (1993) AWWA Standard for Aluminum Sulfate-Liquid, Ground, or Lump AWWA, Oct., USA. Di Bernardo, L. (1993) Métodos e Técnicas de Tratamento de Água Vol. I Publicado por Luiz Di Bernardo e Associação Brasileira de Engenharia Sanitária Rio de Janeiro, Brasil. Mendes, C. G. N. (1989) Estudo da Coagulação e Floculação de Águas Sintéticas e naturais com Turbidez e Cor Variáveis - Tese de Doutorado Biblioteca da EESCUSP, São Carlos, Brasil.. O Melia, C. R. (1978) Coagulation in Wastewater Treatment In: The Scientific Basis of Flocculation Publ. by Sijthoff & Noordhoff, Alphen aan den Rijn, The Netherlands.

5 Figura 2 - Espécies de Alumínio na solução Estoque (O Melia, 1978)

REDUÇÃO NA DOSAGEM DE SULFATO DE ALUMÍNIO NA ETA GUARAÚ COM A UTILIZAÇÃO DO SISTEMA DE RECUPERAÇÃO DE ÁGUA DE LAVAGEM DOS FILTROS

REDUÇÃO NA DOSAGEM DE SULFATO DE ALUMÍNIO NA ETA GUARAÚ COM A UTILIZAÇÃO DO SISTEMA DE RECUPERAÇÃO DE ÁGUA DE LAVAGEM DOS FILTROS REDUÇÃO NA DOSAGEM DE SULFATO DE ALUMÍNIO NA ETA GUARAÚ COM A UTILIZAÇÃO DO SISTEMA DE RECUPERAÇÃO DE ÁGUA DE LAVAGEM DOS FILTROS Alexandre Saron (1) Engenheiro químico na ETA Guaraú da CIA de Saneamento

Leia mais

AVALIAÇÃO DO EMPREGO DE SULFATO DE ALUMÍNIO E DO CLORETO FÉRRICO NA COAGULAÇÃO DE ÁGUAS NATURAIS DE TURBIDEZ MÉDIA E COR ELEVADA

AVALIAÇÃO DO EMPREGO DE SULFATO DE ALUMÍNIO E DO CLORETO FÉRRICO NA COAGULAÇÃO DE ÁGUAS NATURAIS DE TURBIDEZ MÉDIA E COR ELEVADA AVALIAÇÃO DO EMPREGO DE SULFATO DE ALUMÍNIO E DO CLORETO FÉRRICO NA COAGULAÇÃO DE ÁGUAS NATURAIS DE TURBIDEZ MÉDIA E COR ELEVADA Marcelo Libânio (1) Engenheiro Civil, Mestre em Engenharia Sanitária e Doutor

Leia mais

GOMA XANTANA COMO AUXILIAR DE FLOCULAÇÃO NO TRATAMENTO DE ÁGUAS PARA ABASTECIMENTO

GOMA XANTANA COMO AUXILIAR DE FLOCULAÇÃO NO TRATAMENTO DE ÁGUAS PARA ABASTECIMENTO GOMA XANTANA COMO AUXILIAR DE FLOCULAÇÃO NO TRATAMENTO DE ÁGUAS PARA ABASTECIMENTO Giancarlo Tomazzoni (UNICENTRO), Hélio Rodrigues dos Santos (Orientador), e-mail: hrsantos@irati.unicentro.br Universidade

Leia mais

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS DEPARTAMENTO DE QUÍMICA

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS DEPARTAMENTO DE QUÍMICA CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS DEPARTAMENTO DE QUÍMICA PROCESSOS QUÍMICOS TECNOLÓGICOS Ângela de Mello Ferreira Belo Horizonte 2013 Prática 02 Processo de coagulação e floculação

Leia mais

Saneamento Ambiental I. Aula 13 Coagulação e Floculação

Saneamento Ambiental I. Aula 13 Coagulação e Floculação Universidade Federal do Paraná Engenharia Ambiental Saneamento Ambiental I Aula 13 Coagulação e Floculação Profª Heloise G. Knapik 1 Conteúdo Módulo 2 Parâmetros de qualidade de água - Potabilização Coagulação

Leia mais

EFICIÊNCIA COM A SUBSTITUIÇÃO DO SULFATO DE ALUMÍNIO PELO SULFATO FÉRRICO E OTIMIZAÇÃO DO TRABALHO OPERACIONAL.

EFICIÊNCIA COM A SUBSTITUIÇÃO DO SULFATO DE ALUMÍNIO PELO SULFATO FÉRRICO E OTIMIZAÇÃO DO TRABALHO OPERACIONAL. EFICIÊNCIA COM A SUBSTITUIÇÃO DO SULFATO DE ALUMÍNIO PELO SULFATO FÉRRICO E OTIMIZAÇÃO DO TRABALHO OPERACIONAL. Adriana Martins Peres Borba Bacharel em Química pelo Instituto de Química da UNESP - Araraquara.

Leia mais

AVALIAÇÃO DA REMOÇÃO DE COMPOSTOS ORGÂNICOS NATURAIS NA ÁGUA DO RESERVATÓRIO DA BARRAGEM DO RIBEIRÃO JOÃO LEITE

AVALIAÇÃO DA REMOÇÃO DE COMPOSTOS ORGÂNICOS NATURAIS NA ÁGUA DO RESERVATÓRIO DA BARRAGEM DO RIBEIRÃO JOÃO LEITE AVALIAÇÃO DA REMOÇÃO DE COMPOSTOS ORGÂNICOS NATURAIS NA ÁGUA DO RESERVATÓRIO DA BARRAGEM DO RIBEIRÃO JOÃO LEITE Wilma Gomes da Silva CARMO*; Nora Katia SAAVEDRA Escola de Engenharia Civil - Programa de

Leia mais

Coagulação ST 502 ST 503. Discentes: : Alyson Ribeiro Daniel Morales Denise Manfio Jenifer Silva Paula Dell Ducas Wander Zapata

Coagulação ST 502 ST 503. Discentes: : Alyson Ribeiro Daniel Morales Denise Manfio Jenifer Silva Paula Dell Ducas Wander Zapata Coagulação e Floculação ST 502 ST 503 Docente: : Profº Peterson Bueno de Moraes Discentes: : Alyson Ribeiro Daniel Morales Denise Manfio Jenifer Silva Paula Dell Ducas Wander Zapata 1. Introdução A água

Leia mais

ANÁLISE DA UTILIZAÇÃO DE TRÊS DIFERENTES COAGULANTES NA REMOÇÃO DA TURBIDEZ DE ÁGUA DE MANANCIAL DE ABASTECIMENTO

ANÁLISE DA UTILIZAÇÃO DE TRÊS DIFERENTES COAGULANTES NA REMOÇÃO DA TURBIDEZ DE ÁGUA DE MANANCIAL DE ABASTECIMENTO 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 ANÁLISE DA UTILIZAÇÃO DE TRÊS DIFERENTES COAGULANTES NA REMOÇÃO DA TURBIDEZ DE ÁGUA DE MANANCIAL DE ABASTECIMENTO Diana Janice Padilha 1, Fabiane Cristina

Leia mais

II-022 - INFLUÊNCIA DO TEMPO DE APLICAÇÃO DE POLÍMEROS NA EFICIÊNCIA DA FLOCULAÇÃO / SEDIMENTAÇÃO

II-022 - INFLUÊNCIA DO TEMPO DE APLICAÇÃO DE POLÍMEROS NA EFICIÊNCIA DA FLOCULAÇÃO / SEDIMENTAÇÃO II-022 - INFLUÊNCIA D TEMP DE APLICAÇÃ DE PLÍMERS NA EFICIÊNCIA DA FLCULAÇÃ / SEDIMENTAÇÃ Angela S. Di Bernardo (1) Engenheira Civil pela Escola de Engenharia de São Carlos EESC/USP. Mestre e estudante

Leia mais

ESTUDO DA MACAXEIRA COMO COAGULANTE NATURAL PARA TRATAMENTO DE ÁGUA PARA FINS POTÁVEIS

ESTUDO DA MACAXEIRA COMO COAGULANTE NATURAL PARA TRATAMENTO DE ÁGUA PARA FINS POTÁVEIS ESTUDO DA MACAXEIRA COMO COAGULANTE NATURAL PARA TRATAMENTO DE ÁGUA PARA FINS POTÁVEIS Bruna Nogueira FROZ 1 ; Ézio Sargentini JUNIOR 2 ; Edilene Cristina Pereira SARGENTINI 3 1 Bolsista PIBIC/CNPq; 2

Leia mais

I-053 - REMOÇÃO DE CRYPTOSPORIDIUM SP E GIARDIA LAMBLIA EM ÁGUAS DE ABASTECIMENTO

I-053 - REMOÇÃO DE CRYPTOSPORIDIUM SP E GIARDIA LAMBLIA EM ÁGUAS DE ABASTECIMENTO I-053 - REMOÇÃO DE CRYPTOSPORIDIUM SP E GIARDIA LAMBLIA EM ÁGUAS DE ABASTECIMENTO Arthur Diaz Marques (1) Farmacêutico Bioquímico pela Faculdade de Farmácia e Bioquímica do Estado do Espírito Santo (1983).

Leia mais

I-062 - TRATAMENTO DE EFLUENTES DE FÁBRICA DE PAPEL POR PROCESSOS FÍSICO-QUÍMICOS EMPREGANDO FLOTAÇÃO POR AR DISSOLVIDO E OZÔNIO

I-062 - TRATAMENTO DE EFLUENTES DE FÁBRICA DE PAPEL POR PROCESSOS FÍSICO-QUÍMICOS EMPREGANDO FLOTAÇÃO POR AR DISSOLVIDO E OZÔNIO I-062 - TRATAMENTO DE EFLUENTES DE FÁBRICA DE PAPEL POR PROCESSOS FÍSICO-QUÍMICOS EMPREGANDO FLOTAÇÃO POR AR DISSOLVIDO E OZÔNIO Ricardo Nagamine Costanzi Engenheiro Civil. Mestre em Hidráulica e Saneamento

Leia mais

GRADIENTE DE VELOCIDADE: EFEITOS NA ADSORÇÃO-DESESTABILIZAÇÃO PARA REMOÇÃO DE PFTHMs

GRADIENTE DE VELOCIDADE: EFEITOS NA ADSORÇÃO-DESESTABILIZAÇÃO PARA REMOÇÃO DE PFTHMs GRADIENTE DE VELOCIDADE: EFEITOS NA ADSORÇÃO-DESESTABILIZAÇÃO PARA REMOÇÃO DE PFTHMs José Tarcísio Ribeiro Mestre em Eng a Civil, Área de Saneamento - FEC/UNICAMP Prof. da Faculdade de Tecnologia de São

Leia mais

ENSAIOS FÍSICO-QUÍMICOS PARA O TRATAMENTO DOS EFLUENTES DO TRANSPORTE HIDRÁULICO DAS CINZAS PESADAS DA USINA TERMELÉTRICA CHARQUEADAS

ENSAIOS FÍSICO-QUÍMICOS PARA O TRATAMENTO DOS EFLUENTES DO TRANSPORTE HIDRÁULICO DAS CINZAS PESADAS DA USINA TERMELÉTRICA CHARQUEADAS GIA / 10 17 a 22 de Outubro de 1999 Foz do Iguaçu Paraná - Brasil GRUPO XI GRUPO DE ESTUDOS DE IMPACTOS AMBIENTAIS (GIA) ENSAIOS FÍSICO-QUÍMICOS PARA O TRATAMENTO DOS EFLUENTES DO TRANSPORTE HIDRÁULICO

Leia mais

II-030 DESEMPENHO DE PRODUTOS QUÍMICOS NO PROCESSO CEPT: TESTE DE JARRO E ESCALA PILOTO

II-030 DESEMPENHO DE PRODUTOS QUÍMICOS NO PROCESSO CEPT: TESTE DE JARRO E ESCALA PILOTO II-030 DESEMPENHO DE PRODUTOS QUÍMICOS NO PROCESSO CEPT: TESTE DE JARRO E ESCALA PILOTO Iene Christie Figueiredo¹ Doutoranda da Área Interdisciplinar em Engenharia Ambiental - COPPE/UFRJ. Eduardo Pacheco

Leia mais

Estudo da Viabilidade de Utilização do Polímero Natural (TANFLOC) em Substituição ao Sulfato de Alumínio no Tratamento de Águas para Consumo

Estudo da Viabilidade de Utilização do Polímero Natural (TANFLOC) em Substituição ao Sulfato de Alumínio no Tratamento de Águas para Consumo Estudo da Viabilidade de Utilização do Polímero Natural (TANFLOC) em Substituição ao Sulfato de Alumínio no Tratamento de Águas para Consumo L. A. Coral a, R. Bergamasco R b, F. J. Bassetti c a. Departamento

Leia mais

DEGRADAÇÃO DA MATÉRIA ORGÂNICA DA VINHAÇA UTILIZANDO O COAGULANTE NATURAL TANINO. Vitor Amigo Vive 1, Maria Cristina Rizk 2

DEGRADAÇÃO DA MATÉRIA ORGÂNICA DA VINHAÇA UTILIZANDO O COAGULANTE NATURAL TANINO. Vitor Amigo Vive 1, Maria Cristina Rizk 2 193 DEGRADAÇÃO DA MATÉRIA ORGÂNICA DA VINHAÇA UTILIZANDO O COAGULANTE NATURAL TANINO Vitor Amigo Vive 1, Maria Cristina Rizk 2 1 Discente em Engenharia Ambiental pela Universidade Estadual Paulista UNESP

Leia mais

I.022 FLOTAÇÃO POR AR DISSOLVIDO APLICADA NA CLARIFICAÇÃO DE ÁGUAS QUE APRESENTAM PICOS DE TURBIDEZ

I.022 FLOTAÇÃO POR AR DISSOLVIDO APLICADA NA CLARIFICAÇÃO DE ÁGUAS QUE APRESENTAM PICOS DE TURBIDEZ I.22 I.22 FLOTAÇÃO POR AR DISSOLVIDO APLICADA NA CLARIFICAÇÃO DE ÁGUAS QUE APRESENTAM PICOS DE TURBIDEZ Marco A. P. Reali (1) Engenheiro Civil pela Universidade de São Paulo EESC, Professor Doutor junto

Leia mais

EFICIÊNCIA DO LEITO DE DRENAGEM PARA DESAGUAMENTO DE LODO DE ETA QUE UTILIZA SULFATO DE ALUMÍNIO COMO COAGULANTE

EFICIÊNCIA DO LEITO DE DRENAGEM PARA DESAGUAMENTO DE LODO DE ETA QUE UTILIZA SULFATO DE ALUMÍNIO COMO COAGULANTE EFICIÊNCIA DO LEITO DE DRENAGEM PARA DESAGUAMENTO DE LODO DE ETA QUE UTILIZA SULFATO DE ALUMÍNIO COMO COAGULANTE MARCELO MELO BARROSO (1) Doutorando do programa de Pós-Graduação em Engenharia Hidráulica

Leia mais

VALIDAÇÃO DO MODELO DE ELETROCOAGULAÇÃO FLOTAÇÃO NO TRATAMENTO DE EFLUENTE TÊXTIL VISANDO À REMOÇÃO DE DQO, UTILIZANDO REATOR EM BATELADA.

VALIDAÇÃO DO MODELO DE ELETROCOAGULAÇÃO FLOTAÇÃO NO TRATAMENTO DE EFLUENTE TÊXTIL VISANDO À REMOÇÃO DE DQO, UTILIZANDO REATOR EM BATELADA. VALIDAÇÃO DO MODELO DE ELETROCOAGULAÇÃO FLOTAÇÃO NO TRATAMENTO DE EFLUENTE TÊXTIL VISANDO À REMOÇÃO DE DQO, UTILIZANDO REATOR EM BATELADA. T. C. PARENTE 1, R.V.SAWAKI 1, J.E.C. ALEXANDRE 2, A.C. LIMA 3,

Leia mais

Estudo com tratamento de água para abastecimento PIBIC/2010-2011

Estudo com tratamento de água para abastecimento PIBIC/2010-2011 Estudo com tratamento de água para abastecimento PIBIC/2010-2011 Cryslara de Souza Lemes, Prof. Dr. Paulo Sérgio Scalize Universidade Federal de Goiás, 74605-220, Brasil cryslara_sl@hotmail.com; pscalize.ufg@gmail.com

Leia mais

Teor de alumínio na água tratada, Lages/SC (1)

Teor de alumínio na água tratada, Lages/SC (1) Teor de alumínio na água tratada, Lages/SC (1) Ana Lúcia Pinto Oliveira (2) ;Priscila da Silva Sassi (3) Lucia Helena Baggio Martins (4) (1) Trabalho executado com recursos disponibilizados pelas autoras,

Leia mais

II-018 - HIPOCLORITO GERADO ELETROLITICAMENTE IN LOCO: SUBPRODUTOS E AVALIAÇÃO DE SUA CAPACIDADE DESINFETANTE NO TRATAMENTO DE ÁGUAS

II-018 - HIPOCLORITO GERADO ELETROLITICAMENTE IN LOCO: SUBPRODUTOS E AVALIAÇÃO DE SUA CAPACIDADE DESINFETANTE NO TRATAMENTO DE ÁGUAS II-18 - HIPOCLORITO GERADO ELETROLITICAMENTE IN LOCO: SUBPRODUTOS E AVALIAÇÃO DE SUA CAPACIDADE DESINFETANTE NO TRATAMENTO DE ÁGUAS Sérgio João de Luca (1) Ph.D. Professor Titular. Pesquisador CNPq IA.

Leia mais

AVALIAÇÃO DA EFICIÊNCIA DO REAGENTE DE FENTON NO TRATAMENTO DO EFLUENTE DE LAVAGEM DE UMA RECICLADORA DE PLÁSTICOS PARA FINS DE REUSO

AVALIAÇÃO DA EFICIÊNCIA DO REAGENTE DE FENTON NO TRATAMENTO DO EFLUENTE DE LAVAGEM DE UMA RECICLADORA DE PLÁSTICOS PARA FINS DE REUSO AVALIAÇÃO DA EFICIÊNCIA DO REAGENTE DE FENTON NO TRATAMENTO DO EFLUENTE DE LAVAGEM DE UMA RECICLADORA DE PLÁSTICOS PARA FINS DE REUSO Elisângela Garcia Santos RODRIGUES 1, Hebert Henrique de Souza LIMA

Leia mais

IMPACTO DE UM LIXÃO DESATIVADO NA QUALIDADE DAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS LOCAIS

IMPACTO DE UM LIXÃO DESATIVADO NA QUALIDADE DAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS LOCAIS Castellón, 23-24 de julio de 28. IMPACTO DE UM LIXÃO DESATIVADO NA QUALIDADE DAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS LOCAIS Resumo Nóbrega, C.C.; Souza, I.M.F.; Athayde Júnior, G.B.; Gadelha, C.L.M. Departamento de Engenharia

Leia mais

ESTUDO DA PRÉ-OXIDAÇÃO COM OZÔNIO, PERÓXIDO DE HIDROGÊNIO, PEROXÔNIO E DUPLA FILTRAÇÃO NA REMOÇÃO DE SUBSTÂNCIAS HÚMICAS

ESTUDO DA PRÉ-OXIDAÇÃO COM OZÔNIO, PERÓXIDO DE HIDROGÊNIO, PEROXÔNIO E DUPLA FILTRAÇÃO NA REMOÇÃO DE SUBSTÂNCIAS HÚMICAS ESTUDO DA PRÉ-OXIDAÇÃO COM OZÔNIO, PERÓXIDO DE HIDROGÊNIO, PEROXÔNIO E DUPLA FILTRAÇÃO NA REMOÇÃO DE SUBSTÂNCIAS HÚMICAS Giovana Kátie Wiecheteck* Universidade Estadual de Ponta Grossa Cristina Filomena

Leia mais

ADITIVO AO EDITAL. TÍTULO: Registro de Preços para aquisição de produtos químicos para tratamento de água.

ADITIVO AO EDITAL. TÍTULO: Registro de Preços para aquisição de produtos químicos para tratamento de água. ADITIVO AO EDITAL PREGÃO PRESENCIAL Nº 36/2013 TÍTULO: Registro de Preços para aquisição de produtos químicos para tratamento de água. O SERVIÇO AUTÔNOMO MUNICIPAL DE ÁGUA E ESGOTO - SAMAE, em conformidade

Leia mais

II-362 - DESEMPENHO DO REATOR UASB DA ETE LAGES APARECIDA DE GOIÂNIA EM SUA FASE INICIAL DE OPERAÇÃO

II-362 - DESEMPENHO DO REATOR UASB DA ETE LAGES APARECIDA DE GOIÂNIA EM SUA FASE INICIAL DE OPERAÇÃO II-362 - DESEMPENHO DO REATOR UASB DA ETE LAGES APARECIDA DE GOIÂNIA EM SUA FASE INICIAL DE OPERAÇÃO Walter Luiz da P. B. Vieira (1) Engenheiro Civil pela Universidade Católica de Goiás. Especialista em

Leia mais

I-015 AVALIAÇÃO DO DIÓXIDO DE CLORO COMO PRÉ-OXIDANTE ALTERNATIVO AO CLORO APLICADO EM ÁGUA CONTENDO SUBTÂNCIAS HÚMICAS

I-015 AVALIAÇÃO DO DIÓXIDO DE CLORO COMO PRÉ-OXIDANTE ALTERNATIVO AO CLORO APLICADO EM ÁGUA CONTENDO SUBTÂNCIAS HÚMICAS I-015 AVALIAÇÃO DO DIÓXIDO DE CLORO COMO PRÉ-OXIDANTE ALTERNATIVO AO CLORO APLICADO EM ÁGUA CONTENDO SUBTÂNCIAS HÚMICAS Cristina Filomena Pereira Rosa Paschoalato (1) Engenheira Química, Doutora em Hidráulica

Leia mais

I-219 UMA AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO OPERACIONAL DO SISTEMA DE ABASTECIMENTO DA REGIÃO METROPOLITANA DE SALVADOR

I-219 UMA AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO OPERACIONAL DO SISTEMA DE ABASTECIMENTO DA REGIÃO METROPOLITANA DE SALVADOR I-219 UMA AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO OPERACIONAL DO SISTEMA DE ABASTECIMENTO DA REGIÃO METROPOLITANA DE SALVADOR Jorge L. R. Amorim (1) Geólogo e Mestre em Engenharia Ambiental pela Universidade Federal da

Leia mais

22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental

22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental 22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental 14 a 19 de Setembro 2003 - Joinville - Santa Catarina I-079 - BALANÇO DE MASSA E PRODUÇÃO DE LODO DA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ÁGUA ALTO DA BOA

Leia mais

CONSIDERAÇÕES A RESPEITO DO USO DE CALES DE CONSTRUÇÃO E INDUSTRIAL EM SISTEMAS DE TRATAMENTO DE EFLUENTES/ESTABILIZAÇÃO DE LODO

CONSIDERAÇÕES A RESPEITO DO USO DE CALES DE CONSTRUÇÃO E INDUSTRIAL EM SISTEMAS DE TRATAMENTO DE EFLUENTES/ESTABILIZAÇÃO DE LODO A cal hidratada é o principal agente alcalino, utilizado em larga escala para o tratamento de águas e de efluentes; devido as suas excelentes características físico-químicas, aliadas ao baixo custo e facilidade

Leia mais

Rodrigo Braga Moruzzi 1

Rodrigo Braga Moruzzi 1 Teoria e Prática na Engenharia Civil, n., p.-, Abril, Investigação da coagulação e floculação adequadas para a FAD no tratamento de água com cor aparente moderada e baixa turbidez destinada ao abastecimento

Leia mais

COAGULANTE QUÍMICO SULFATO DE ALUMÍNIO PARA O TRATAMENTO DO EFLUENTE ORIGINADO DA LAVAGEM DE VEÍCULOS

COAGULANTE QUÍMICO SULFATO DE ALUMÍNIO PARA O TRATAMENTO DO EFLUENTE ORIGINADO DA LAVAGEM DE VEÍCULOS Belo Horizonte/MG 24 a 27/11/2014 COAGULANTE QUÍMICO SULFATO DE ALUMÍNIO PARA O TRATAMENTO DO EFLUENTE ORIGINADO DA LAVAGEM DE VEÍCULOS Danielle Martins Cassiano de Oliveira (*), Edilaine Regina Pereira,

Leia mais

I-126 - O USO DO PERMANGANATO DE POTÁSSIO NO CONTROLE DE TRIHALOMETANOS E COMPOSTOS CAUSADORES DE GOSTO E ODOR

I-126 - O USO DO PERMANGANATO DE POTÁSSIO NO CONTROLE DE TRIHALOMETANOS E COMPOSTOS CAUSADORES DE GOSTO E ODOR I-126 - O USO DO PERMANGANATO DE POTÁSSIO NO CONTROLE DE TRIHALOMETANOS E COMPOSTOS CAUSADORES DE GOSTO E ODOR José Roberto Kachel dos Santos Engenheiro Civil pela Faculdade de Engenharia da UMC. Engenheiro

Leia mais

DISPOSIÇÃO DE RESÍDUOS DE ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ÁGUA EM LAGOA FACULTATIVA DE ESGOTO: CARACTERIZAÇÃO DA ETA

DISPOSIÇÃO DE RESÍDUOS DE ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ÁGUA EM LAGOA FACULTATIVA DE ESGOTO: CARACTERIZAÇÃO DA ETA 1 DISPOSIÇÃO DE RESÍDUOS DE ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ÁGUA EM LAGOA FACULTATIVA DE ESGOTO: CARACTERIZAÇÃO DA ETA Susane Campos Mota ANGELIM Escola de Engenharia Civil, UFG. Aluna do curso de Mestrado em

Leia mais

III-504 - DESAGUAMENTO DE LODO DE ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ÁGUAS ETAS POR LEITO DE DRENAGEM COM MANTAS GEOTÊXTEIS ESCALA REDUZIDA

III-504 - DESAGUAMENTO DE LODO DE ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ÁGUAS ETAS POR LEITO DE DRENAGEM COM MANTAS GEOTÊXTEIS ESCALA REDUZIDA III-504 - DESAGUAMENTO DE LODO DE ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ÁGUAS ETAS POR LEITO DE DRENAGEM COM MANTAS GEOTÊXTEIS ESCALA REDUZIDA Cristiane Silveira Tecnóloga em Gerenciamento Ambiental pela Universidade

Leia mais

AVALIAÇÃO DA EFICIÊNCIA DO COAGULANTE SULFATO FÉRRICO,EM DIFERENTES TEMPERATURAS. Abner Figueiredo Neto Fernanda Posch Rios Paulo Sérgio Scalize

AVALIAÇÃO DA EFICIÊNCIA DO COAGULANTE SULFATO FÉRRICO,EM DIFERENTES TEMPERATURAS. Abner Figueiredo Neto Fernanda Posch Rios Paulo Sérgio Scalize AVALIAÇÃO DA EFICIÊNCIA DO COAGULANTE SULFATO FÉRRICO,EM DIFERENTES TEMPERATURAS Abner Figueiredo Neto Fernanda Posch Rios Paulo Sérgio Scalize Introdução Água bruta; Remoção de impurezas: Coagulação Floculação

Leia mais

11 a 14 de dezembro de 2012 Campus de Palmas

11 a 14 de dezembro de 2012 Campus de Palmas RECUPERAÇÃO DO ALUMÍNIO UTILIZADO NA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ÁGUA 6 (ETA 6) DE PALMAS-TO Samir Siriano Barros 1 ; Rafael Montanhini Soares de Oliveira 2 1 Aluno do Curso de Engenharia Ambiental; Campus

Leia mais

ESTRATÉGIAS PARA ADAPTAÇÃO DE LODO AERÓBIO MESOFÍLICO PARA TERMOFÍLICO UTILIZANDO EFLUENTE DE CELULOSE BRANQUEADA KRAFT

ESTRATÉGIAS PARA ADAPTAÇÃO DE LODO AERÓBIO MESOFÍLICO PARA TERMOFÍLICO UTILIZANDO EFLUENTE DE CELULOSE BRANQUEADA KRAFT ESTRATÉGIAS PARA ADAPTAÇÃO DE LODO AERÓBIO MESOFÍLICO PARA TERMOFÍLICO UTILIZANDO EFLUENTE DE CELULOSE BRANQUEADA KRAFT R. Y. CABRERA-PADILLA 1,2, E. C. PIRES 3. 1 Universidade Tiradentes, Programa de

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: associação de coagulantes; coagulação/floculação; Moringa oleifera Lam; PAC; tratamento de água.

PALAVRAS-CHAVE: associação de coagulantes; coagulação/floculação; Moringa oleifera Lam; PAC; tratamento de água. OTIMIZAÇÃO DOS PARÂMETROS DE MISTURA E SEDIMENTAÇÃO, UTILIZANDO A ASSOCIAÇÃO DOS COAGULANTES PAC e Moringa oleifera Lam NO TRATAMENTO DE ÁGUA SUPERFICIAL Karina Cardoso Valverde 1 ; Priscila Ferri Coldebella

Leia mais

AVALIAÇÃO EMPÍRICA DOS TEMPOS DE FLOCULAÇÃO E SEDIMENTAÇÃO A SEREM APLICADOS NO JARTESTE DA ETA CENTRAL DE JACAREÍ

AVALIAÇÃO EMPÍRICA DOS TEMPOS DE FLOCULAÇÃO E SEDIMENTAÇÃO A SEREM APLICADOS NO JARTESTE DA ETA CENTRAL DE JACAREÍ AVALIAÇÃO EMPÍRICA DOS TEMPOS DE FLOCULAÇÃO E SEDIMENTAÇÃO A SEREM APLICADOS NO JARTESTE DA ETA CENTRAL DE JACAREÍ NELSON GONÇALVES PRIANTI JUNIOR (1) - Biólogo (UNITAU), Pedagogo (UNIFRAN), Especialista

Leia mais

RELATÓRIO ANUAL DE QUALIDADE DAS ÁGUAS DE ABASTECIMENTO - 2009

RELATÓRIO ANUAL DE QUALIDADE DAS ÁGUAS DE ABASTECIMENTO - 2009 RELATÓRIO ANUAL DE QUALIDADE DAS ÁGUAS DE ABASTECIMENTO - 2009 INTRODUÇÃO O objetivo deste relatório é apresentar os resultados, relativos ao ano de 2009, de qualidade das águas de abastecimento de Jurerê

Leia mais

TRATAMENTO DE ÁGUAS SUPERFICIAIS DO RIO PIRAPÓ PELO PROCESSO DE FILTRAÇÃO POR MEMBRANAS CERÂMICAS POROSIDADE MÉDIA DE 0,2 µm.

TRATAMENTO DE ÁGUAS SUPERFICIAIS DO RIO PIRAPÓ PELO PROCESSO DE FILTRAÇÃO POR MEMBRANAS CERÂMICAS POROSIDADE MÉDIA DE 0,2 µm. TRATAMENTO DE ÁGUAS SUPERFICIAIS DO RIO PIRAPÓ PELO PROCESSO DE FILTRAÇÃO POR MEMBRANAS CERÂMICAS POROSIDADE MÉDIA DE 0,2 µm. 1 Daniel Trentini Monteiro, 2 Rosângela Bergamasco, 3 Leila Cristina Konradt

Leia mais

CONTAMINAÇÕES MICROBIOLÓGICAS E QUÍMICAS DA ÁGUA (Enasa)

CONTAMINAÇÕES MICROBIOLÓGICAS E QUÍMICAS DA ÁGUA (Enasa) www.enasaeng.com.br enasaeng@enasaeng.com.br Tel: (011) 5585-9100 Fax: (011) 5589-6911 São Paulo - SP - Brasil CARACTERÍSTICAS FÍSICAS DA ÁGUA 1. COR 2. TURBIDEZ 3. SÓLIDOS EM ÁGUA 4. TEMPERATURA 5. SABOR

Leia mais

SIMPÓSIO INTERNACIONAL DE CIÊNCIAS INTEGRADAS DA UNAERP CAMPUS GUARUJÁ

SIMPÓSIO INTERNACIONAL DE CIÊNCIAS INTEGRADAS DA UNAERP CAMPUS GUARUJÁ SIMPÓSIO INTERNACIONAL DE CIÊNCIAS INTEGRADAS DA UNAERP CAMPUS GUARUJÁ Alternativa de contenção e desidratação natural de lodo na ETA do Passaúna (Curitiba PR) através de contenção por GEOBAG David Dias

Leia mais

PROCESSOS E TÉCNICAS DE TRATAMENTO DE ÁGUA DE ABASTECIMENTO. Prof. Jair Casagrande UFES/CT/DEA

PROCESSOS E TÉCNICAS DE TRATAMENTO DE ÁGUA DE ABASTECIMENTO. Prof. Jair Casagrande UFES/CT/DEA PROCESSOS E TÉCNICAS DE TRATAMENTO DE ÁGUA DE ABASTECIMENTO Prof. Jair Casagrande UFES/CT/DEA OBJETIVOS DO TRATAMENTO DE ÁGUA Remover ou inativar patogênicos Remover substâncias em suspensão ou dissolvidas(cor,

Leia mais

MF-613.R-3 - MÉTODO DE DETERMINAÇÃO DE METAIS EM PARTÍCULAS EM SUSPENSÃO NO AR POR ESPECTROMETRIA DE ABSORÇÃO ATÔMICA COM CHAMA.

MF-613.R-3 - MÉTODO DE DETERMINAÇÃO DE METAIS EM PARTÍCULAS EM SUSPENSÃO NO AR POR ESPECTROMETRIA DE ABSORÇÃO ATÔMICA COM CHAMA. MF-613.R-3 - MÉTODO DE DETERMINAÇÃO DE METAIS EM PARTÍCULAS EM SUSPENSÃO NO AR POR ESPECTROMETRIA DE ABSORÇÃO ATÔMICA COM CHAMA. Notas: Aprovado pela Deliberação CECA nº 3.967, de 16 de janeiro de 2001

Leia mais

Tratamento de Água Meio Ambiente

Tratamento de Água Meio Ambiente Tratamento de Água Meio Ambiente Puc Campinas Engenharia de Computação César Kallas RA: 02099224 Introdução Conhecida como solvente universal, a água sempre retém algum resíduo dos materiais com os quais

Leia mais

I-024 APROVEITAMENTO DE ÁGUA DE CHUVA: AVALIAÇÃO DO SEU TRATAMENTO PARA FINS POTÁVEIS

I-024 APROVEITAMENTO DE ÁGUA DE CHUVA: AVALIAÇÃO DO SEU TRATAMENTO PARA FINS POTÁVEIS I-024 APROVEITAMENTO DE ÁGUA DE CHUVA: AVALIAÇÃO DO SEU TRATAMENTO PARA FINS POTÁVEIS José Alexandre Borges Valle (1) Engenheiro Químico pela Universidade Regional de Blumenau; Mestre em Engenharia Química

Leia mais

Universidade de São Paulo. Instituto de Química. Proposta de experimento didático para a disciplina QFL 3201

Universidade de São Paulo. Instituto de Química. Proposta de experimento didático para a disciplina QFL 3201 Universidade de São Paulo Instituto de Química Proposta de experimento didático para a disciplina QFL 3201 Larissa Ciccotti São Paulo 2010 A disciplina Química das Águas (QFL 3201) contou com cinco aulas

Leia mais

GESTÃO AMBIENTAL DE SISTEMAS DE TRATAMENTO DE ÁGUA

GESTÃO AMBIENTAL DE SISTEMAS DE TRATAMENTO DE ÁGUA GESTÃO AMBIENTAL DE SISTEMAS DE TRATAMENTO DE ÁGUA Giovana Kátie Wiecheteck* Universidade Estadual de Ponta Grossa, Doutoranda em Hidráulica e Saneamento pela Escola de Engenharia de São Carlos Universidade

Leia mais

Monitoramento em tempo real

Monitoramento em tempo real Período de 1//2 a 7//2 No presente relatório são apresentados os dados do monitoramento em tempo real do período de 1// a 7//, bem como os resultados dos perfis diários no rio Madeira e nos tributários

Leia mais

3.1.1.1 Levantamento das Instalações Existentes (Infraestrutura) 3.1.1.1.1 Sistema de abastecimento de água central de Rio Pardo

3.1.1.1 Levantamento das Instalações Existentes (Infraestrutura) 3.1.1.1.1 Sistema de abastecimento de água central de Rio Pardo 51 3.1.1.1 Levantamento das Instalações Existentes (Infraestrutura) 3.1.1.1.1 Sistema de abastecimento de água central de Rio Pardo O manancial de captação deste sistema é o rio Jacuí, que nasce nos Municípios

Leia mais

INATIVAÇÃO DE INDICADORES PATOGÊNICOS EM ÁGUAS CONTAMINADAS: USO DE SISTEMAS COMBINADOS DE TRATAMENTO E PRÉ-DESINFECÇÃO

INATIVAÇÃO DE INDICADORES PATOGÊNICOS EM ÁGUAS CONTAMINADAS: USO DE SISTEMAS COMBINADOS DE TRATAMENTO E PRÉ-DESINFECÇÃO INATIVAÇÃO DE INDICADORES PATOGÊNICOS EM ÁGUAS CONTAMINADAS: USO DE SISTEMAS COMBINADOS DE TRATAMENTO E PRÉ-DESINFECÇÃO BILOTTA, Patrícia*; DANIEL, Luiz Antonio*. *Laboratório de Tratamento Avançado e

Leia mais

SOCIEDADE DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E SANEAMENTO S/A

SOCIEDADE DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E SANEAMENTO S/A 3366ªª ASSEMBLÉIA NACIONAL DA ASSEMAE Título: Redução de consumo de alcalinizante e coagulante com a mudança do ponto de aplicação da cal hidratada no processo de tratamento de água para consumo humano.

Leia mais

ANÁLISE COMPARATIVA DA UTILIZAÇÃO DE DOIS TIPOS DE COAGULANTES PARA O TRATAMENTO DE ÁGUA DE ABASTECIMENTO

ANÁLISE COMPARATIVA DA UTILIZAÇÃO DE DOIS TIPOS DE COAGULANTES PARA O TRATAMENTO DE ÁGUA DE ABASTECIMENTO ANÁLISE COMPARATIVA DA UTILIZAÇÃO DE DOIS TIPOS DE COAGULANTES PARA O TRATAMENTO DE ÁGUA DE ABASTECIMENTO Karine Cardoso Custódio PASTANA (UFPA) e-mail:karineccpastana@gmail.com Tatiana Almeida de OLIVEIRA

Leia mais

MF-0440.R-3 - MÉTODO DE DETERMINAÇÃO DA DEMANDA QUÍMICA DE OXIGÊNIO

MF-0440.R-3 - MÉTODO DE DETERMINAÇÃO DA DEMANDA QUÍMICA DE OXIGÊNIO MF-0440.R-3 - MÉTODO DE DETERMINAÇÃO DA DEMANDA QUÍMICA DE OXIGÊNIO Notas: Aprovado pela Deliberação CECA n 742, de 17 de outubro de 1985 Publicado no DOERJ de 08 de janeiro de 1986 1. OBJETIVO O objetivo

Leia mais

ESTUDO DE DISPOSITIVOS DE SEPARAÇÃO FÍSICO-QUÍMICA COMO UNIDADES DE PRÉ-TRATAMENTO PARA EFLUENTE DE CURTUME

ESTUDO DE DISPOSITIVOS DE SEPARAÇÃO FÍSICO-QUÍMICA COMO UNIDADES DE PRÉ-TRATAMENTO PARA EFLUENTE DE CURTUME ESTUDO DE DISPOSITIVOS DE SEPARAÇÃO FÍSICO-QUÍMICA COMO UNIDADES DE PRÉ-TRATAMENTO PARA EFLUENTE DE CURTUME Tsunao Matsumoto (*) Engenheiro Civil, Mestre e Doutor em Hidráulica e Saneamento. Professor

Leia mais

Tratamento Anaeróbio de Drenagem Ácida de Minas (DAM) em Reator UASB para Remoção de Sulfato

Tratamento Anaeróbio de Drenagem Ácida de Minas (DAM) em Reator UASB para Remoção de Sulfato Tratamento Anaeróbio de Drenagem Ácida de Minas (DAM) em Reator UASB para Remoção de Sulfato Claudia Affonso Barros Química, M. Sc. Luan Henrique Caldas de Moraes Aluno Gestão Ambiental (IFRJ). Andréa

Leia mais

Seckler Ferreira Filho Sidney 1

Seckler Ferreira Filho Sidney 1 SIGNIFICÂNCIA DO GRAU DE MISTURA NA INTERFACE DE FILTROS DUPLOS NO COMPORTAMENTO DINÂMICO DA EVOLUÇÃO DA PERDA DE CARGA, RETENÇÃO DE IMPUREZAS E QUALIDADE DA ÁGUA FILTRADA Seckler Ferreira Filho Sidney

Leia mais

REMOÇÃO DE Microcystis aeruginosa POR COAGULAÇÃO, FLOCULAÇÃO E SEDIMENTAÇÃO UTILIZANDO CLORETO FÉRRICO E SULFATO DE ALUMÍNIO

REMOÇÃO DE Microcystis aeruginosa POR COAGULAÇÃO, FLOCULAÇÃO E SEDIMENTAÇÃO UTILIZANDO CLORETO FÉRRICO E SULFATO DE ALUMÍNIO REMOÇÃO DE Microcystis aeruginosa POR COAGULAÇÃO, FLOCULAÇÃO E SEDIMENTAÇÃO UTILIZANDO CLORETO FÉRRICO E SULFATO DE ALUMÍNIO Erivanna Karlene dos Santos Oliveira 1, Hindria Renally C. Guimarães 2 Aluízio

Leia mais

I-071 - EFICIÊNCIA NA REMOÇÃO DE MATÉRIA ORGÂNICA SOB A FORMA DE DBO E DQO TOTAL E SOLÚVEL NO SISTEMA TS-FAN

I-071 - EFICIÊNCIA NA REMOÇÃO DE MATÉRIA ORGÂNICA SOB A FORMA DE DBO E DQO TOTAL E SOLÚVEL NO SISTEMA TS-FAN I-71 - EFICIÊNCIA NA REMOÇÃO DE MATÉRIA ORGÂNICA SOB A FORMA DE DBO E DQO TOTAL E SOLÚVEL NO SISTEMA TS-FAN Gabriela Marques dos Ramos Vargas Engenheira Química pela Universidade Federal do Rio Grande

Leia mais

Tratabilidade de águas pluviais utilizando coagulante natural a base de tanino visando fins não potáveis

Tratabilidade de águas pluviais utilizando coagulante natural a base de tanino visando fins não potáveis Teoria e Prática na Engenharia Civil, n.22, p.15-23, Outubro, 2013 Tratabilidade de águas pluviais utilizando coagulante natural a base de tanino visando fins não potáveis Rainwater treatment by using

Leia mais

ESTUDOS COMPARATIVOS NO PROCESSO INDUSTRIAL DE PRODUÇÃO DE BIOETANOL A PARTIR DO MELAÇO E CALDO DE CANA-DE-AÇÚCAR

ESTUDOS COMPARATIVOS NO PROCESSO INDUSTRIAL DE PRODUÇÃO DE BIOETANOL A PARTIR DO MELAÇO E CALDO DE CANA-DE-AÇÚCAR ESTUDOS COMPARATIVOS NO PROCESSO INDUSTRIAL DE PRODUÇÃO DE BIOETANOL A PARTIR DO MELAÇO E CALDO DE CANA-DE-AÇÚCAR Scarllet O hara de Oliveira Moraes 1, Wellington da Silva Rodrigues 2, kelson Carvalho

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO E TRATAMENTO DA ÁGUA DE LAVAGEM DE FILTROS DE ETA COM O USO DE POLÍMEROS SINTÉTICOS E AMIDO DE BATATA

CARACTERIZAÇÃO E TRATAMENTO DA ÁGUA DE LAVAGEM DE FILTROS DE ETA COM O USO DE POLÍMEROS SINTÉTICOS E AMIDO DE BATATA CARACTERIZAÇÃO E TRATAMENTO DA ÁGUA DE LAVAGEM DE FILTROS DE ETA COM O USO DE POLÍMEROS SINTÉTICOS E AMIDO DE BATATA Thiago Molina (UNICENTRO Universidade Estadual do Centro Oeste do Paraná) E-mail: molina_tm@yahoo.com.br

Leia mais

AVALIAÇÃO DA FILTRAÇÃO LENTA NA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ÁGUA CAMPUS- SISTEMA SAMAMBAIA

AVALIAÇÃO DA FILTRAÇÃO LENTA NA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ÁGUA CAMPUS- SISTEMA SAMAMBAIA AVALIAÇÃO DA FILTRAÇÃO LENTA NA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ÁGUA CAMPUS- SISTEMA SAMAMBAIA MACHADO*, Luciana de Souza Melo; SCALIZE, Paulo Sérgio. Escola de Engenharia Civil - Programa de Pós-Graduação em

Leia mais

AVALIAÇÃO DO IMPACTO AMBIENTAL DE AÇÃO ANTROPOGÊNICA SOBRE AS ÁGUAS DA CABECEIRA DO RIO SÃO FRANCISCO

AVALIAÇÃO DO IMPACTO AMBIENTAL DE AÇÃO ANTROPOGÊNICA SOBRE AS ÁGUAS DA CABECEIRA DO RIO SÃO FRANCISCO AVALIAÇÃO DO IMPACTO AMBIENTAL DE AÇÃO ANTROPOGÊNICA SOBRE AS ÁGUAS DA CABECEIRA DO RIO SÃO FRANCISCO Maristela Silva Martinez (1) Bacharel em Química(USP), Mestre e Doutora em Físico-Química (IQSC- USP).

Leia mais

4 Metodologia Experimental: Materiais e Métodos

4 Metodologia Experimental: Materiais e Métodos 4 Metodologia Experimental: Materiais e Métodos 4.1. Compostos húmicos As três substâncias húmicas avaliadas no presente trabalho e identificadas como HMC-1, HMC-2 e HMC-3, foram sintetizadas pela companhia

Leia mais

ABORDAGEM DO TRABALHO

ABORDAGEM DO TRABALHO SANEAMENTO BASÍCO Estação de Tratamento de Água - ETA Eng. Civil 9 Semestre Prof. Samudio Alunos: Félix Machado Vilela. RA: 1299127696 Floriano Oliveira de Araújo. RA: 1299127695 Thiago de Jesus Lara.

Leia mais

Professora Sonia. b) 3Ag 2O (s) + 2Al (s) 6Ag (s) + A l 2O 3(s)

Professora Sonia. b) 3Ag 2O (s) + 2Al (s) 6Ag (s) + A l 2O 3(s) ITA 2001 DADOS CONSTANTES Constante de Avogadro = 6,02 x 10 23 mol 1 Constante de Faraday (F) = 9,65 x 10 4 Cmol 1 Volume molar de gás ideal = 22,4L (CNTP) Carga Elementar = 1,602 x 10 19 C Constante dos

Leia mais

Nome do Autor: Endereço para correspondência:

Nome do Autor: Endereço para correspondência: TÍTULO: AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DA ÁGUA E SUA RELAÇÃO COM O USO DO SOLO EM DOIS MANANCIAIS DE ABASTECIMENTO DO MUNICÍPIO DE GUARULHOS SP: RESERVATÓRIO DO TANQUE GRANDE E DO CABUÇU Nome do Autor: José Carlos

Leia mais

INTERFERÊNCIA DO PROCESSO DE COAGULAÇÃO NA REMOÇÃO

INTERFERÊNCIA DO PROCESSO DE COAGULAÇÃO NA REMOÇÃO Remoção de compostos orgânicos causadores de gosto e odor INTERFERÊNCIA DO PROCESSO DE COAGUAÇÃO NA REMOÇÃO DE COMPOSTOS ORGÂNICOS CAUSADORES DE GOSTO E ODOR EM ÁGUAS DE ABASTECIMENTO MEDIANTE A APICAÇÃO

Leia mais

Utilização da Fibra da Casca de Coco Verde como Suporte para Formação de Biofilme Visando o Tratamento de Efluentes

Utilização da Fibra da Casca de Coco Verde como Suporte para Formação de Biofilme Visando o Tratamento de Efluentes Utilização da Fibra da Casca de Coco Verde como Suporte para Formação de Biofilme Visando o Tratamento de Efluentes Rodrigo dos Santos Bezerra Bolsista de Iniciação Científica, Engenharia Química, UFRJ

Leia mais

ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTO POR FLOTAÇÃO

ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTO POR FLOTAÇÃO ISSN 1984-9354 ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTO POR FLOTAÇÃO Área temática: Gestão Ambiental & Sustentabilidade João Batista Christófori jbchristo@gmail.com Patrycia Pansini de Oliveira patryciapansini@gmail.com

Leia mais

SISTEMA DE TRATAMENTO DE EFLUENTES DA INDÚSTRIA TEXTIL

SISTEMA DE TRATAMENTO DE EFLUENTES DA INDÚSTRIA TEXTIL SISTEMA DE TRATAMENTO DE EFLUENTES DA INDÚSTRIA TEXTIL ZANOTELLI, C. T. 1 ; MEDEIROS, R 2.; DESTEFANI, A 3.; MIRANDA, L.M. 4 ; MORATELLI JR, A 5. FISCHER, M. 5 1 Dra. em Engenharia de Produção, Professora

Leia mais

ANÁLISE FÍSICO-QUÍMICA DA ÁGUA DE CHUVA NA CIDADE DE JOÃO PESSOA PARA USO NÃO POTÁVEL

ANÁLISE FÍSICO-QUÍMICA DA ÁGUA DE CHUVA NA CIDADE DE JOÃO PESSOA PARA USO NÃO POTÁVEL ANÁLISE FÍSICO-QUÍMICA DA ÁGUA DE CHUVA NA CIDADE DE JOÃO PESSOA PARA USO NÃO POTÁVEL Isabelle Yruska de Lucena Gomes da Costa 1 ; Celso Augusto Guimarães Santos 2 ; Rodolfo Luiz Bezerra Nóbrega 3 1 Aluna

Leia mais

AVALIAÇÃO DE TENSOATIVOS COMERCIAIS EM SISTEMAS MICROEMULSIONADOS NA QUEBRA DE EMUSÃO DE PETRÓLEO

AVALIAÇÃO DE TENSOATIVOS COMERCIAIS EM SISTEMAS MICROEMULSIONADOS NA QUEBRA DE EMUSÃO DE PETRÓLEO AVALIAÇÃO DE TENSOATIVOS COMERCIAIS EM SISTEMAS MICROEMULSIONADOS NA QUEBRA DE EMUSÃO DE PETRÓLEO Diego Rodrigo Queiroz Alves de Souza 1 ; Leandro Assis de Oliveira 2 ; Gabriela Fontes Deiró Ferreira 3

Leia mais

O fluxograma da Figura 4 apresenta, de forma resumida, a metodologia adotada no desenvolvimento neste trabalho.

O fluxograma da Figura 4 apresenta, de forma resumida, a metodologia adotada no desenvolvimento neste trabalho. 3. METODOLOGIA O fluxograma da Figura 4 apresenta, de forma resumida, a metodologia adotada no desenvolvimento neste trabalho. DEFINIÇÃO E OBTENÇÃO DAS MATÉRIAS PRIMAS CARACTERIZAÇÃO DAS MATÉRIAS PRIMAS

Leia mais

1 Bolsista PIBIC/CNPq. 2 Pesquisadora Orientadora. 3 Curso de Química Industrial/UnUCET/UEG. 4 Co-Orientador

1 Bolsista PIBIC/CNPq. 2 Pesquisadora Orientadora. 3 Curso de Química Industrial/UnUCET/UEG. 4 Co-Orientador REMOÇÃO DE COR EM SIMULAÇÃO DE ÁGUA RESIDUÁRIA DE FÁBRICA DE CÁPSULAS DE GELATINA FERNANDES, Neemias Cintra 1, 3 ; COSTA, Orlene Silva da 2, 3, 5 ; SIQUEIRA, Eduardo Queija 4, 5 ; OLIVEIRA, Sérgio Botelho

Leia mais

APLICAÇÃO DE POLIELETRÓLITO EM FLOCULADOR DE MANTA DE LODO NA REMOÇÃO DE COR NO TRATAMENTO DE ÁGUAS SUPERFICIAIS

APLICAÇÃO DE POLIELETRÓLITO EM FLOCULADOR DE MANTA DE LODO NA REMOÇÃO DE COR NO TRATAMENTO DE ÁGUAS SUPERFICIAIS APLICAÇÃO DE POLIELETRÓLITO EM FLOCULADOR DE MANTA DE LODO NA REMOÇÃO DE COR NO TRATAMENTO DE ÁGUAS SUPERFICIAIS Ailton Barreto dos Santos ( * ) Faculdade de Engenharia de Ilha Solteira UNESP - Campus

Leia mais

PROVA DE QUÍMICA II. Dados: R = 0,082L.atm/mol.K, N = 6,0x10 23. A) 4,1x10-14 B) 4,1x10-22 D) 4,1x10-18 C) 1,0x10-18 E) 1,0x10 15

PROVA DE QUÍMICA II. Dados: R = 0,082L.atm/mol.K, N = 6,0x10 23. A) 4,1x10-14 B) 4,1x10-22 D) 4,1x10-18 C) 1,0x10-18 E) 1,0x10 15 PROVA DE QUÍMCA 01. A concentração de um gás poluente na atmosfera, medida a 1 atm e 27ºC, é de 1 ppm. A concentração desse poluente, em moléculas/cm 3 de ar, é igual a Dados: R = 0,082L.atm/mol.K, N =

Leia mais

USO DA FOTÓLISE NA DESINFECCÃO DE ESGOTOS DOMÉSTICOS

USO DA FOTÓLISE NA DESINFECCÃO DE ESGOTOS DOMÉSTICOS USO DA FOTÓLISE NA DESINFECCÃO DE ESGOTOS DOMÉSTICOS José Tavares de Sousa (1) Mestre em Engenharia Civil, UFPB (1986), Doutor em Hidráulica e Saneamento, USP (1996). Professor do Departamento de Química

Leia mais

Leia estas instruções:

Leia estas instruções: Leia estas instruções: 1 Confira se os dados contidos na parte inferior desta capa estão corretos e, em seguida, assine no espaço reservado para isso. Caso se identifique em qualquer outro local deste

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE COMPOSIÇÃO DE CONCRETO PERMEÁVEL COM AGREGADOS ORIUNDOS DE RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO CIVIL DA REGIÃO DE CAMPINAS

DESENVOLVIMENTO DE COMPOSIÇÃO DE CONCRETO PERMEÁVEL COM AGREGADOS ORIUNDOS DE RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO CIVIL DA REGIÃO DE CAMPINAS DESENVOLVIMENTO DE COMPOSIÇÃO DE CONCRETO PERMEÁVEL COM AGREGADOS ORIUNDOS DE RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO CIVIL DA REGIÃO DE CAMPINAS Katrine Krislei Pereira Engenharia Civil CEATEC krisleigf@hotmail.com Resumo:

Leia mais

A INFLUÊNCIA DO ph DE COAGULAÇÃO E DO TEMPO DE FLOCULAÇÃO NA FLOTAÇÃO POR AR DISSOLVIDO DE ÁGUAS DE BAIXA TURBIDEZ E COM PRESENÇA DE ALGAS

A INFLUÊNCIA DO ph DE COAGULAÇÃO E DO TEMPO DE FLOCULAÇÃO NA FLOTAÇÃO POR AR DISSOLVIDO DE ÁGUAS DE BAIXA TURBIDEZ E COM PRESENÇA DE ALGAS A INFLUÊNCIA DO ph DE COAGULAÇÃO E DO TEMPO DE FLOCULAÇÃO NA FLOTAÇÃO POR AR DISSOLVIDO DE ÁGUAS DE BAIXA TURBIDEZ E COM PRESENÇA DE ALGAS Mauro Roberto de Souza Lacerda (1) Engenheiro Civil pela Universidade

Leia mais

P, Victor Hugo Dalla CostaP 4. Eliana R. SouzaP

P, Victor Hugo Dalla CostaP 4. Eliana R. SouzaP HTU UTH INFLUÊNCIA DAS FONTES DIFUSAS DE OLUIÇÃO HÍDRICA NO COMORTAMENTO DO H NAS ÁGUAS DA SUB-BACIA DO RIO OCOÍ, TRIBUTÁRIO DO RESERVATÓRIO DE ITAIU BACIA DO ARANÁ III atrícia C. Cervelin, Victor Hugo

Leia mais

COAGULANTE TANFLOC SG COMO ALTERNATIVA AO USO DE COAGULANTES QUÍMICOS NO TRATAMENTO DE ÁGUA NA ETA CAFEZAL

COAGULANTE TANFLOC SG COMO ALTERNATIVA AO USO DE COAGULANTES QUÍMICOS NO TRATAMENTO DE ÁGUA NA ETA CAFEZAL THALES SCHWANKA TREVISAN COAGULANTE TANFLOC SG COMO ALTERNATIVA AO USO DE COAGULANTES QUÍMICOS NO TRATAMENTO DE ÁGUA NA ETA CAFEZAL TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO LONDRINA 2014 THALES SCHWANKA TREVISAN

Leia mais

II-110 - AVALIAÇÃO DO SISTEMA DE TRATAMENTO DE EFLUENTE DE UMA INDÚSTRIA SUCRO-ALCOOLEIRA

II-110 - AVALIAÇÃO DO SISTEMA DE TRATAMENTO DE EFLUENTE DE UMA INDÚSTRIA SUCRO-ALCOOLEIRA II-11 - AVALIAÇÃO DO SISTEMA DE TRATAMENTO DE EFLUENTE DE UMA INDÚSTRIA SUCRO-ALCOOLEIRA Irene Maria Chaves Pimentel (1) Graduanda em Engenharia Civil da Universidade Federal de Alagoas UFAL. Bolsista

Leia mais

TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO

TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO ESTUDO DE TRATABILIDADE PARA DETERMINAR UMA CONDIÇÃO DE PARTIDA PARA O NOVO TRATAMENTO FÍSICO-QUÍMICO DE UMA INDÚSTRIA DE RODAS E CHASSIS Orientador: Hélcio José Izário Filho

Leia mais

AVALIAÇÃO DO SISTEMA REATOR ANAERÓBIO COMPARTIMENTADO SEQUENCIAL E BACIA DE INFILTRAÇÃO RÁPIDA, NO TRATAMENTO DE ESGOTO SANITÁRIO

AVALIAÇÃO DO SISTEMA REATOR ANAERÓBIO COMPARTIMENTADO SEQUENCIAL E BACIA DE INFILTRAÇÃO RÁPIDA, NO TRATAMENTO DE ESGOTO SANITÁRIO Pós-tratamento de efluentes de reatores anaeróbios 49 AVALIAÇÃO DO SISTEMA REATOR ANAERÓBIO COMPARTIMENTADO SEQUENCIAL E BACIA DE INFILTRAÇÃO RÁPIDA, NO TRATAMENTO DE ESGOTO SANITÁRIO Miguel Mansur Aisse

Leia mais

ESTUDO DA INFLUÊNCIA DA TURBIDEZ E COR DECLINANTES SOBRE A COAGULAÇÃO DE ÁGUA DE ABASTECIMENTO NO MECANISMO DE ADSORÇÃO- NEUTRALIZAÇÃO DE CARGAS

ESTUDO DA INFLUÊNCIA DA TURBIDEZ E COR DECLINANTES SOBRE A COAGULAÇÃO DE ÁGUA DE ABASTECIMENTO NO MECANISMO DE ADSORÇÃO- NEUTRALIZAÇÃO DE CARGAS ESTUDO DA INFLUÊNCIA DA TURBIDEZ E COR DECLINANTES SOBRE A COAGULAÇÃO DE ÁGUA DE ABASTECIMENTO NO MECANISMO DE ADSORÇÃO- NEUTRALIZAÇÃO DE CARGAS Emília Akemi Kowata *, José Tarcísio Ribeiro **, Dirceu

Leia mais

OTIMIZAÇÃO MULTI-OBJETIVO DE ESTAÇÕES DE TRATAMENTO

OTIMIZAÇÃO MULTI-OBJETIVO DE ESTAÇÕES DE TRATAMENTO OTIMIZAÇÃO MULTI-OBJETIVO DE ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ÁGUAS DE ABASTECIMENTO: REMOÇÃO DE TURBIDEZ, CARBONO ORGÂNICO TOTAL E GOSTO E ODOR MULTI-OBJECTIVE OPTIMIZATION OF WATER TREATMENT PLANTS: TURBIDITY,

Leia mais

I-119 - AVALIAÇÃO PRELIMINAR DA PRESENÇA DE CHUMBO E CROMO EM MANANCIAIS DO ESTADO DA PARAÍBA, UTILIZADOS EM SISTEMAS URBANOS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA

I-119 - AVALIAÇÃO PRELIMINAR DA PRESENÇA DE CHUMBO E CROMO EM MANANCIAIS DO ESTADO DA PARAÍBA, UTILIZADOS EM SISTEMAS URBANOS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA I-119 - AVALIAÇÃO PRELIMINAR DA PRESENÇA DE CHUMBO E CROMO EM MANANCIAIS DO ESTADO DA PARAÍBA, UTILIZADOS EM SISTEMAS URBANOS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA Taysa Tamara Viana Machado (1) Engenheira Civil pela

Leia mais

REVISTA AIDIS. Key Words: Coagulation diagrams, Fenton s reagent, THM, treatability studies.

REVISTA AIDIS. Key Words: Coagulation diagrams, Fenton s reagent, THM, treatability studies. REVISTA AIDIS de Ingeniería y Ciencias Ambientales: Investigación, desarrollo y práctica. ESTUDOS DE TRATABILIDADE DAS ÁGUAS DO RIO PARAÍBA DO SUL QUE ABASTECEM O MUNICÍPIO DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS/SP Talita

Leia mais

MESTRADO EM ENGENHARIA AMBIENTAL

MESTRADO EM ENGENHARIA AMBIENTAL Universidade Federal de Ouro Preto MESTRADO EM ENGENHARIA AMBIENTAL DISSERTAÇÃO AVALIAÇÃO DA INFLUÊNCIA DOS COAGULANTES SULFATO DE ALUMÍNIO E CLORETO FÉRRICO NA REMOÇÃO DE TURBIDEZ E COR DA ÁGUA BRUTA

Leia mais

I-089 - ADENSAMENTO MECÂNICO DE LODOS GERADOS EM ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ÁGUA

I-089 - ADENSAMENTO MECÂNICO DE LODOS GERADOS EM ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ÁGUA I-089 - ADENSAMENTO MECÂNICO DE LODOS GERADOS EM ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ÁGUA Ricardo Lazzari Mendes (1) Engenheiro Civil pela Escola de Engenharia de São Carlos da Universidade de São Paulo (EESC/USP).

Leia mais

II-109 PÓS-TRATAMENTO DE EFLUENTE DE EMBALAGENS METÁLICAS UTILIZANDO REATOR DE BATELADA SEQUENCIAL (RBS) PARA REMOÇÃO DA DEMANDA QUÍMICA DE OXIGÊNIO

II-109 PÓS-TRATAMENTO DE EFLUENTE DE EMBALAGENS METÁLICAS UTILIZANDO REATOR DE BATELADA SEQUENCIAL (RBS) PARA REMOÇÃO DA DEMANDA QUÍMICA DE OXIGÊNIO II-19 PÓS-TRATAMENTO DE EFLUENTE DE EMBALAGENS METÁLICAS UTILIZANDO REATOR DE BATELADA SEQUENCIAL (RBS) PARA REMOÇÃO DA DEMANDA QUÍMICA DE OXIGÊNIO Marcelo Hemkemeier (1) Químico Industrial pela Universidade

Leia mais

Ensaio: Acidez, Alcalinidade, Cloreto, Condutividade, Cor, Demanda Bioquímica de Oxigênio DBO 5D, Demanda de Cloro,Fluoreto, Iodeto

Ensaio: Acidez, Alcalinidade, Cloreto, Condutividade, Cor, Demanda Bioquímica de Oxigênio DBO 5D, Demanda de Cloro,Fluoreto, Iodeto Página: 2 de 8 -------------------- INFORMAÇÕES PARA AMOSTRAGEM EM FUNÇÃO DO ENSAIO Ensaio: Acidez, Alcalinidade, Cloreto, Condutividade, Cor, Demanda Bioquímica de Oxigênio DBO 5D, Demanda de Cloro,Fluoreto,

Leia mais