SISEMA. Sistema Estadual de Meio Ambiente e Recursos Hídricos. POLÍCIA MILITAR D E M I N A S G E R A I S Nossa profissão, sua vida.

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SISEMA. Sistema Estadual de Meio Ambiente e Recursos Hídricos. POLÍCIA MILITAR D E M I N A S G E R A I S Nossa profissão, sua vida."

Transcrição

1 SISEMA Sistema Estadual de Meio Ambiente e Recursos Hídricos POLÍCIA

2 INSTITUTO MINEIRO DE GESTÃO DAS ÁGUAS IGAM Unidade Estadual de Gerenciamento do PROÁGUA Nacional UEGP-MG O PROÁGUA APRESENTAÇÃO PARA O FORUM MINEIRO DE COMITÊS DE BACIAS HIDROGRÁFICAS UBERLÂNDIA - MG Antonio Eustáquio Óliver Coordenador Geral da UEGP-MG PROÁGUA Nacional 17 de junho de 2010 POLÍCIA

3 O QUE É O PROÁGUA NACIONAL O Programa Nacional de Desenvolvimento dos Recursos Hídricos - PROÁGUA Nacional é um programa do Governo Brasileiro financiado parcialmente pelo Banco Mundial por meio do Acordo de Empréstimo 7420-BR celebrado em dezembro/2006 e aprovado pelo Senado Federal em setembro/ originou-se da exitosa experiência do PROÁGUA/ Semiárido e mantém sua missão estruturante; 2. ênfase no fortalecimento institucional de todos os atores envolvidos com a gestão dos recursos hídricos no Brasil; 3. ênfase na implantação de infra-estruturas hídricas viáveis. 4. sistemática operacional contemplando o planejamento e rigorosos critérios de seleção de projetos de gestão de recursos hídricos e de infraestrutura hídrica;

4 OBJETIVO GERAL DO PROÁGUA EM MG 1. Desenvolver projetos de interesse do Estado de MG visando ao fortalecimento do Sistema Estadual de Gerenciamento de Recursos Hídricos (Componente GESTÃO) 2. Contribuir para a melhoria da qualidade de vida da população, ampliando a oferta de água de boa qualidade por meio da construção de sistemas de abastecimento de água e módulos sanitários nos municípios de Janaúba, Januária, Mato Verde e Rio Pardo de Minas, situadas na Região Norte do Estado de Minas Gerais (Componente OBRAS PRIORITÁRIAS denominado SISTEMA NORTE)

5 Instituto Mineiro de Gestão das Águas IGAM Unidade Estadual de Gerenciamento do PROÁGUA UEGP/MG PROAGUA/Semiárido - Subprograma de Desenvolvimento Sustentável de Recursos Hídricos para o Semi-árido Brasileiro ACORDO DE EMPRÉSTIMO 4310-BR PROAGUA Nacional - Programa Nacional de Desenvolvimento de Recursos Hídricos ACORDO DE EMPRÉSTIMO 7420-BR Banco Mundial

6 ESTRUTURA DO PROÁGUA BIRD Acordo de Empréstimo Aprovação Senado Federal Termo de Compromisso (Umbrella Agreement) GF / EMG Governo Brasileiro BIRD UGPG - ANA UGPO - MI BIRD Convênio 017/07 ANA/IGAM IGAM UEGP-MG Convênio 210/07 MI/IGAM Componente Gestão Componente Obras

7 ATUALIZAÇÃO DO MAPA GEOGRÁFICO E SOCIAL DA REGIÃO SEMIÁRIDA BRASILEIRA - RSA A Portaria MI nº 89, de 16/03/2005, assinada em Almenara - MG, instituiu a nova delimitação da Região Semi-Árida Brasileira. Além dos municípios que já existiam na RSA, outros 102 foram enquadrados em pelo menos um dos critérios estabelecidos, totalizando municípios e área de ,4 km², com variação de 8,66% em relação a área anterior. MG teve o maior número de municípios incluídos na nova lista: eram 40 na classificação anterior e passou para 85, com variação de 112,5%.

8 NOVA DELIMITAÇÃO DA REGIÃO SEMI-ÁRIDA BRASILEIRA ESTADO CLASSIFICAÇÃO ANTERIOR MUNICÍPIO INCLUÍDO TOTAL MUNICÍPIOS RSA TOTAL MUNICÍPIOS ESTADO ALAGOAS BAHIA CEARÁ MINAS GERAIS ¹ PARAÍBA PERNAMBUCO PIAUÍ RIO GRANDE DO NORTE SERGIPE SOMA ¹ ÁREA ATENDIDA PELA ADENE EM MG

9

10 PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS DO SEMIÁRIDO BRASILEIRO 1. Um dos maiores, mais populosos e também úmidos do mundo. 2. Abrangência: Norte de MG e sertões da BA, SE, AL, PE, PB, RN, CE e PI. 3. Nas secas piores, chove menos de 200mm/ano (água 5 pessoas/ano). 4. Regime de chuvas marcado pela irregularidade (espaço/tempo). 5. Possui maiores índices de evaporação do Brasil, por isso reservatórios pouco profundos são inúteis nos períodos de seca. 6. Em geral, as águas acumuladas em açudes e barreiros são contaminadas e cheias de vermes. 7. Esta água é responsável por grande parte das doenças do sertão: tifo, amebíase, diarréia e cólera. 8. grande parte dos solos encontra-se degradada. Os recursos hídricos caminham para a insuficiência ou apresentam elevados índices de poluição. 9. As características do meio ambiente condicionam fortemente a sociedade regional a sobreviver basicamente de atividades econômicas ligadas à agricultura, pecuária, extrativismo e mineração (MG) utilizando tecnologias tradicionais.

11 OBJETIVOS GERAIS DO PROÁGUA PARA O SEMIÁRIDO MINEIRO Garantir a ampliação da oferta de água de boa qualidade para a região do semiárido mineiro; Promover o uso racional e sustentável dos recursos hídricos com ênfase na gestão participativa; Prover com água a unidade doméstica de forma confiável e sustentável, com prioridade para o abastecimento de áreas rurais com alta concentração de famílias de baixa renda; Estabelecer, de forma sustentável, um processo de administração, operação e manutenção dos sistemas de abastecimento de água.

12 CONVÉNIO ATUAL COM A AGÊNCIA NACIONAL DE ÁGUAS - ANA Objeto Implementar o Programa Nacional de Desenvolvimento dos Recursos Hídricos PROÁGUA Nacional em Minas Gerais, por meio de ações de desenvolvimento institucional do IGAM, órgão estadual encarregado da gestão de recursos hídricos, e da elaboração de planos, estudos e projetos de interesse do Estado, visando à sustentabilidade da oferta de água em quantidade e qualidade.

13 Ações financiadas pelo Programa PROÁGUA/Semiárido, no Componente Gestão - Convênio ANA/MMA/IGAM 1. Apoio à criação e ao fortalecimento dos Comitês de Bacia Hidrográfica. 2. Apoio ao Projeto de Reestruturação Institucional do IGAM. 3. Apoio na implementação dos instrumentos de gerenciamento de recursos hídricos. 4. Aquisição de equipamentos e financiamento de estudos e projetos demandados pela Diretoria do IGAM. 5. Contratação da 1ª Etapa do Plano Estadual de Recursos Hídricos. 6. Contratação dos Planos de Administração e Manutenção dos Sistemas Águas Vermelhas, Araçuaí IA, IB, IC, São Francisco/Jequitinhonha. 7. Contratação de Modelagem Operacional de Sistemas de Saneamento para o Sistema Diamantina. 8. Contratação da elaboração e revisão de projetos para as obras do Componente Obras. 9. Apoio ao IGAM em capacitação de pessoal e de membros de Comitês.

14 Ações financiadas pelo Programa PROÁGUA Nacional, no Componente Gestão - Convênio ANA / IGAM 1. Estruturar o IGAM e a Unidade Estadual de Gerenciamento do Programa - UEGP/MG PROÁGUA Nacional; 2. Realizar estudo para definir metodologia e avaliar impactos da implementação do instrumento da cobrança pelo uso dos Recursos Hídricos na Bacia do Rio das Velhas; 3. Elaborar Plano de comunicação, divulgação e gestão participativa do Sistema de Gerenciamento de Recursos Hídricos de Minas Gerais; 4. Capacitar profissionais do SISEMA para atividades de geoprocessamento e fiscalização em Recursos Hídricos; 5. Adquirir Plataformas de Coleta de Dados para ampliar a rede hidrometeorológica e o Sistema de Informações sobre Recursos Hídricos; 6. Apoiar a participação de membros dos CBHs em Foruns Nacionais de CBHs; 7. Acompanhar a elaboração da segunda etapa do Plano Estadual de Recursos Hídricos (PERH/MG); 8. Elaborar Plano Diretor de Recursos Hídricos da Bacia Hidrográfica do rio Araçuaí; 9. Adquirir Plataformas de Coleta de Dados para ampliar a rede hidrometeorológica e o Sistema de Informações sobre Recursos Hídricos; 10. Apoiar a realização do Forum Regional de CBHs de São Lourenço.

15 O CENÁRIO DAS OBRAS DO PROÁGUA

16 Ações financiadas pelo Programa PROÁGUA/Semiárido no Componente Obras, em Convênio com o MI Sistema Águas Vermelhas Sistema Diamantina Sistema Araçuaí IA Sistema Araçuaí IB Sistema Araçuaí IC Sistema São Francisco / Jequitinhonha OBRAS CONCLUÍDAS E OPERADAS PELA COPASA OU COPANOR

17 O PROJETO ÁGUAS VERMELHAS Projeto pioneiro do PROÁGUA no Brasil, pelo êxito alcançado com seus objetivos e metas é considerado PROJETO MODELO pelo Banco Mundial. Sua proposta de implantar sistemas de abastecimento de água e de tratamento de esgoto em três municípios da bacia do Rio Pardo produziu resultados excepcionais com a total recuperação do Rio Mosquito, aliado a um bem estruturado programa de educação ambiental e de integração das comunidades envolvidas que perdura até os dias de hoje. As obras do PROÁGUA são projetadas para uma vida útil de 30 anos garantindo água tratada em qualidade e quantidade por todo esse tempo. Vamos apresentar a seguir alguns momentos importantes deste projeto.

18 SISTEMA ÁGUAS VERMELHAS VALOR: R$ ,39 COMUNIDADES ATENDIDAS Águas Vermelhas (sede) 13 Distritos e localidades de Águas Vermelhas: Barra do Mosquito, Boa Vista, Campo Novo, Mocó, Empedrado, Furadinho, Bom Jardim, Vazante Funda, Morro Queimado, Jatobazinho, Machado Mineiro, Paraguá e Itamarati Divisa Alegre (sede) Curral de Dentro (sede) Maristela (distrito de Curral de Dentro) TOTAL POPULAÇÃO hab hab hab hab hab hab.

19 IMPORTANTES MARCAS DO PROÁGUA Participação das comunidades nos trabalhos e atividades de mobilização e educação ambiental. As comunidades beneficiadas são envolvidas no Projeto em todas as suas fases, desde a sua concepção. Plano de Gestão Ambiental PGA ações mitigadoras e compensatórias são incorporadas aos projetos.

20 OBRAS DE LIMPEZA E DESOBSTRUÇÃO DO RIO Contratação pelo IGAM dos serviços de limpeza do rio Mosquito, iniciando a sua recuperação

21 LEITO E MARGENS DO RIO MOSQUITO ANTES DO PROJETO As fotos demonstram a degradação do leito e margens do rio Mosquito, no município de Águas Vermelhas no início do Projeto.

22 AÇÕES DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL Plantio de mudas inicia a revitalização da vegetação ciliar em, aproximadamente, 6 km do rio Mosquito

23 Registros fotográficos dos banheiros existentes Foram construídos 1020 módulos sanitários.

24 O IGAM, por intermédio do PROÁGUA/Semiárido contribuiu para mobilização dos diversos atores da gestão dos recursos hídricos e no incentivo à participação popular.

25 O IGAM implantou sistema permanente de controle e monitoramento da esquistossomose - principal endemia da região..

26 O IGAM implantou sistemas de abastecimento de água e esgotamento sanitário em Águas Vermelhas, Divisa Alegre e Curral de Dentro.

27 RIO MOSQUITO EM ÁGUAS VERMELHAS

28 SISTEMA DIAMANTINA 10 LOCALIDADES VALOR: R$ ,00 COMUNIDADES ATENDIDAS Conselheiro Mata Extração Guinda Sopa e Morrinhos São João da Chapada Mendanha Inhaí Senador Mourão Desembargador Otoni Planalto de Minas TOTAL POPULAÇÃO 436 hab. 338 hab. 707 hab. 743 hab hab hab hab hab hab. 825 hab hab.

29 Araçuaí - IA Carbonita - sede Araçuaí - sede Araçuaí - IB POLÍCIA SISTEMA ARAÇUAÍ VALOR: R$ ,00 COMUNIDADES ATENDIDAS Araçuaí - Distritos e Localidades de Distritos Minas Novas - Localidades Araçuaí - IC São Gonçalo do Rio Preto - sede Veredinha - sede e distrito de Mendonça Leme do Prado - sede e distrito de Acauã Jenipapo de Minas TOTAL POPULAÇÃO hab hab hab hab hab hab hab hab hab.

30 SISTEMA ARAÇUAÍ IA O IGAM ampliou o sistema de abastecimento de água das sedes municipais de Araçuaí e Carbonita.

31 SISTEMA ARAÇUAÍ IB POLÍCIA As obras de saneamento na localidade rurais de Araçuaí e Minas Novas estão melhorando a qualidade de vida da população.

32 ARAÇUAI 1C POLÍCIA. ETA de Mendonça ETA de S. Gonçalo do Rio Preto ETE Veredinha Leme do Prado

33 SISTEMA SÃO FRANCISCO / JEQUITINHONHA VALOR: R$ ,00 + R$ ,00(COPASA) COMUNIDADES ATENDIDAS Montalvânia (Sede e distritos de São Sebastião das Poções e Capitânia) São Francisco (Sede) Salinas (Sede e distritos de Ferreirópolis, Matrona, Caiçara, Barra de São José, Tabuleiro e Marimbondo) Taiobeiras (Sede) Medina (Sede) TOTAL POPULAÇÃO hab hab hab hab hab hab.

34 SISTEMA SÃO FRANCISCO/JEQUITINHONHA POLÍCIA As obras em São Francisco, Montalvânia, Taiobeiras, Salinas e Medina foram concluídas em julho/2008.

35

36 Águas Vermelhas Impactos PIB per capita , , , , , ,67 Fonte: IBGE

37

38 CONVÊNIO COM O MINISTÉRIO DA INTEGRAÇÃO NACIONAL Ações Componente Obras Prioritárias (Convênio MI/SIH/IGAM nº 210/2007) 1. Contratar empresa para a elaboração de projetos executivos, supervisão e fiscalização das obras, apoiar as atividades de mobilização social e educação ambiental e elaborar documento Marco Zero relativos ao Sistema Norte. 2. Contratar empresa (s) para executar obras de ampliação dos sistemas de abastecimento de água tratada das sedes municipais de Janaúba, Januária, Mato Verde e Rio Pardo de Minas e implantação de sistemas de abastecimento de água tratada e módulos sanitários em 63 localidades rurais situadas nesses municípios OS: Prazo de execução: 15 meses

39 SISTEMA NORTE - PROÁGUA NACIONAL POPULAÇÃO ATENDIDA Janaúba (Sede e 15 localidades) Januária (Sede e 16 localidades) Mato Verde (Sede e 11 localidades) Rio Pardo de Minas (Sede e 21 localidades) TOTAL hab hab hab hab hab.

40 CONSULTAS PÚBLICAS FASE 2 MAIO DE 2008 JANUÁRIA

41 CONSULTAS PÚBLICAS FASE 2 MAIO DE 2008 JANAÚBA

42 CONSULTAS PÚBLICAS FASE 2 MAIO DE 2008 MATO VERDE

43 CONSULTAS PÚBLICAS FASE 2 MAIO DE 2008 RIO PARDO DE MINAS

44 MAPA DO SISTEMA NORTE

45 O QUE SERÁ CONSTRUÍDO NESSES SISTEMAS 1. unidades de captação de água através de poços tubulares profundos (maioria dos sistemas); 2. captação em cursos de água ou em pequenos barramentos, conforme a disponibilidade hídrica do local (somente duas); 3. adutoras de água bruta; 4. estações elevatórias; 5. unidades de tratamento simplificado (poços); 6. adutoras de água tratada; 7. reservação; 8. redes de distribuição de água tratada; 9. ligações prediais; 10. módulos sanitários.

46 OBRAS DO PROÁGUA EM MINAS GERAIS - QUADRO CONSOLIDADO SISTEMA CONVÊNIO Nº DE MUNICIPIOS Nº DE LOCALIDADES RURAIS POPULAÇÃO ATENDIDA RECURSOS FEDERAIS RECURSOS ESTADUAIS RECURSOS DA COPASA TOTAL DOS RECURSOS INÍCIO DAS OBRAS TÉRMINO DAS OBRAS SITUAÇÃO ÁGUAS VERMELHAS MMA/MI/IGAM Nº 184/98 DE 30/06/ , ,29 0, ,39 30/11/ /01/2004 CONCLUÍDO DIAMANTINA - LOCALIDADES MI/SHI/MI Nº 081/2003 DE 24/12/ , ,00 0, ,00 22/11/ /05/2008 CONCLUÍDO ARAÇUAÍ IA MI/SHI/MI Nº 034/2003 DE /08/ /07/2006 CONCLUÍDO 24/12/2003 ARAÇUAÍ IB MI/SHI/MI Nº 034/2003 DE 24/12/ , ,00 0, ,00 20/12/ /07/2007 CONCLUÍDO ARAÇUAÍ IC MI/SHI/MI Nº 034/2003 DE 24/12/ /01/ /07/2008 CONCLUÍDO SÃO FRANCISCO/JEQUITINHONHA MI/SHI/IGAM Nº 668/2005 DE 28/12/ , , , ,00 14/06/ /07/2008 CONCLUÍDO NORTE MI/SHI/IGAM Nº 210/2007 DE 31/12/ , ,76 0, ,07 26/11/ /02/2011 EM EXECUÇÃO TOTAL , , , ,46

47 CONVÊNIOS ANA/IGAM - PROJETOS DE GESTÃO DE RECURSOS HÍDRICOS - PROÁGUA PROGRAMA ACORDO DE EMPRÉSTIMO COM O BIRD CONVÊNIO DATA DE ASSINATURA RECURSOS FEDERAIS RECURSOS ESTADUAIS TOTAL DOS RECURSOS SITUAÇÃO PROÁGUA SEMIÁRIDO 4310-BR ANA/IGAM Nº 005/ /06/ , , ,78 EXECUTADO PROÁGUA NACIONAL 7420-BR ANA/IGAM Nº 017/ /12/ , , ,00 EM EXECUÇÃO T O T A L , , ,78 UEGP-MG/IGAM (2010)

48 RECURSOS APLICADOS NO PROÁGUA EM MINA GERAIS PROÁGUA COMPONENTE REUCURSOS FEDERAIS RECURSOS ESTADUAIS SOMA SEMIÁRIDO Gestão , , ,78 Obras , , ,39 Total , , ,17 NACIONAL Gestão , , ,00 Obras , , ,07 Total , , ,07 TOTAL GERAL , , ,24 % 80,59 19, UEGP-MG/IGAM (2010) RECURSOS OBRAS X GESTÃO - PROÁGUA UEGP-MG/IGAM (2010) PROÁGUA OBRAS GESTÃO SOMA SEMIÁRIDO , , ,17 NACIONAL , , ,07 TOTAL GERAL , , ,24 % 92,74 7,26 100,00

49 O ARRANJO INSTITUCIONAL DO PROÁGUA EM MINAS

50 A PROPOSTA DA UEGP-MG: A REDE PROÁGUA/MG A REDE PROÁGUA/MG é o arranjo institucional proposto pela UEGP-MG/PROÁGUA Nacional/IGAM a ser coordenado pela SEPLAG e pela SEMAD para execução do PROÁGUA Nacional em Minas Gerais, constituindo-se na integração efetiva das diversas instituições públicas estaduais que têm responsabilidades com o cumprimento dos objetivos e metas do Programa ou que interagem de alguma forma com a sua execução durante toda a vida do Programa.

51 A IMPORTÂNCIA DA REDE PROÁGUA/MG A tradição da gestão política brasileira é a de que órgãos e entidades responsáveis pelo desenvolvimento de políticas públicas multissetorias não enxergam ou apenas parcialmente enxergam a relação entre suas ações e as ações de seus parceiros bem como as condicionalidades político-ambientais dos programas de governo onde figuram como partícipes. Em razão dessa miopia, não são desenvolvidos canais suficientemente competentes de antecipação e solução de eventuais descoordenações entre as políticas públicas setoriais e as metas dos Programas que exigem execução compartilhada como é o caso do PROÁGUA Nacional.

52 A EXECUÇÃO DO PROÁGUA NACIONAL EM MG ARRANJO INSTITUCIONAL A execução do PROÁGUA Nacional em Minas Gerais é exercida pelo IGAM, autarquia vinculada à Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável de Minas Gerais apoiada na parceria com diversas instituições da administração pública estadual, através da atuação de seus respectivos Núcleos de Gestão do PROÁGUA - NGP s, que passam a integrar a REDE PROÁGUA/MG.

53 A REDE PROÁGUA/MG COPASA COPANOR CEMIG SEPLAG SUPRAM-NM UEPG-MG DER SEMAD Coordenação políticonormativa Coordenação técnicooperacional FEAM IEF IGAM

54 BOAS PRÁTICAS/PONTOS FORTES Metodologia de operacionalização do Programa bem definida, com critérios de elegibilidade e fluxo de encaminhamento de estudos e projetos; Exigência de planejamento na execução das obras e uso do MS- Project como ferramenta de controle (planos Federal e Estadual); Acompanhamento pelo Ministério da Integração Nacional de todos os procedimentos de aquisições, execução e supervisão das obras; Acompanhamento periódico das obras por parte dos técnicos da UGPO/MI, através de visitas de campo; Fiscalização das obras: técnicos da UEGP-MG, da COPASA, da empresa fiscalizadora contratada, UGPO/MI, Auditorias Oficiais e Banco Mundial.

55 BOAS PRÁTICAS/PONTOS FORTES Ações desenvolvidas junto ao público-alvo relativo à mobilização comunitária, educação sanitária e ambiental e racionalização do uso da água; Elaboração dos Planos de Administração, Operação e Manutenção dos sistemas implantados, proporcionando uma discussão sobre a otimização dos sistemas e sua sustentabilidade; Elaboração dos Marcos Zero, linha base para a avaliação posterior dos sistemas e do Programa; Inclusão das ações mitigadoras e de compensação pelos impactos ambientais negativos identificadas no Plano de Gestão Ambiental PGA nas planilhas das licitações as obras.

56 PONTOS FRACOS 1) Dificuldades de acesso ao Programa em razão do excessivo rigor de normas processuais e administrativas; 2) Diretrizes operacionais que requerem o concurso de recursos humanos especializados nem sempre disponíveis; 3) Imposição de normas infralegais distantes da realidade dos municípios brasileiros destinatários dos recursos desses programas; 4) Excessiva rotatividade de técnicos nos órgãos centrais responsáveis pela supervisão e acompanhamento do programa; 5) Arranjo institucional deficiente ou inexistente na maioria dos casos; 6) Visão distorcida de quanto maior o número de normas mais eficaz o controle emperrando o processo executivo; 7) Necessidade de revisão dos métodos e processos de controle para reduzir o tempo entre a aprovação do projeto e execução das obras, situação que penaliza duramente a população alvo dos programas da linha do PROÁGUA,

57 A LIÇÃO APRENDIDA NAS ETAPAS ANTERIORES A execução do PROÁGUA/Semiárido e PROÁGUA Nacional deixou claro que a solução da intrincada equação que rege a relação entre homem e recursos naturais no Semiárido, com a água em especial, passa, necessariamente, por uma palavra: GESTÃO

58 OBRIGADO PELA ATENÇÃO Contato com o PROÁGUA: INSTITUTO MINEIRO DE GESTÃO DAS ÁGUAS - IGAM Unidade Estadual de Gerenciamento do PROÁGUA Nacional em MG UEGP-MG Cidade Administrativa Presidente Tancredo Neves Bairro Serra Verde Belo Horizonte - MG Telefone: (31) Antônio Eustáquio Óliver - Coordenador Geral Telefone: (31)

INTEGRAÇÃO DOS INSTRUMENTOS DE GESTÃO DE RECURSOS HÍDRICOS COM O PLANO DE BACIA

INTEGRAÇÃO DOS INSTRUMENTOS DE GESTÃO DE RECURSOS HÍDRICOS COM O PLANO DE BACIA INTEGRAÇÃO DOS INSTRUMENTOS DE GESTÃO DE RECURSOS HÍDRICOS COM O PLANO DE BACIA COBRANÇA PELO USO DA ÁGUA Reconhecer a água como bem econômico e dar ao usuário uma indicação de seu real valor Incentivar

Leia mais

Workshop Saneamento Básico Fiesp. Planos Municipais de Saneamento Básico O apoio técnico e financeiro da Funasa

Workshop Saneamento Básico Fiesp. Planos Municipais de Saneamento Básico O apoio técnico e financeiro da Funasa Workshop Saneamento Básico Fiesp Planos Municipais de Saneamento Básico O apoio técnico e financeiro da Funasa Presidente da Funasa Henrique Pires São Paulo, 28 de outubro de 2015 Fundação Nacional de

Leia mais

BOA GOVERNANÇA PARA GESTÃO SUSTENTÁVEL DAS ÁGUAS URBANAS PROGRAMA DRENURBS

BOA GOVERNANÇA PARA GESTÃO SUSTENTÁVEL DAS ÁGUAS URBANAS PROGRAMA DRENURBS BOA GOVERNANÇA PARA GESTÃO SUSTENTÁVEL DAS ÁGUAS URBANAS PROGRAMA DRENURBS Um programa para integrar objetivos ambientais e sociais na gestão das águas Superintendência de Desenvolvimento da Capital -

Leia mais

Modelo de gestão SISAR. Novo Hamburgo, 03 de Dezembro de 2013

Modelo de gestão SISAR. Novo Hamburgo, 03 de Dezembro de 2013 Modelo de gestão SISAR Novo Hamburgo, 03 de Dezembro de 2013 DADOS POPULACIONAIS Brasil População Total 190.755.799 hab. Ceará População Total 8.452.381 hab. População Urbana 84,35% 160.914.804 hab. População

Leia mais

REVITALIZAÇÃO DO RIO SÃO FRANCISCO METAS E RESULTADOS

REVITALIZAÇÃO DO RIO SÃO FRANCISCO METAS E RESULTADOS REVITALIZAÇÃO DO RIO SÃO FRANCISCO METAS E RESULTADOS Localização da Bacia do Rio São Francisco 13 milhões de habitantes 8% da população do País 8% 503 municípios 7 Unidades da Federação: Bahia (48,0%

Leia mais

INVESTIMENTOS, ABORDAGENS E ESFORÇOS COMUNS NO SANEAMENTO RURAL

INVESTIMENTOS, ABORDAGENS E ESFORÇOS COMUNS NO SANEAMENTO RURAL VI SEMINÁRIO NACIONAL DE SANEAMENTO RURAL I ENCONTRO LATINO-AMERICANO DE SANEAMENTO RURAL INVESTIMENTOS, ABORDAGENS E ESFORÇOS COMUNS NO SANEAMENTO RURAL Ernani Ciríaco de Miranda Diretor SNSA/MCIDADES

Leia mais

Carta Regional dos Municípios de Itaguaí, Mangaratiba, Seropédica e Rio de Janeiro.

Carta Regional dos Municípios de Itaguaí, Mangaratiba, Seropédica e Rio de Janeiro. Carta Regional dos Municípios de Itaguaí, Mangaratiba, Seropédica e Rio de Janeiro. Nós, membros do poder público, usuários e sociedade civil organizada, estudantes e profissionais da educação, reunidos

Leia mais

Órgão de Coordenação: Secretaria de Estado da Ciência e Tecnologia e do Meio Ambiente SECTMA

Órgão de Coordenação: Secretaria de Estado da Ciência e Tecnologia e do Meio Ambiente SECTMA 12.4 SISTEMA DE GESTÃO PROPOSTO 12.4.1 ASPECTOS GERAIS O Sistema de Gestão proposto para o PERH-PB inclui órgãos da Administração Estadual, Administração Federal, Sociedade Civil e Usuários de Água, entre

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PLANO DE TRABALHO 123: GEOPROCESSAMENTO E CADASTRAMENTO DE PROPRIEDADES DO OESTE BAIANO

TERMO DE REFERÊNCIA PLANO DE TRABALHO 123: GEOPROCESSAMENTO E CADASTRAMENTO DE PROPRIEDADES DO OESTE BAIANO TERMO DE REFERÊNCIA PLANO DE TRABALHO 123: GEOPROCESSAMENTO E CADASTRAMENTO DE PROPRIEDADES DO OESTE BAIANO 1 - Identificação da Consultoria GEO 1 Prestação de serviço especializado de consultoria pessoa

Leia mais

Em busca da sustentabilidade na gestão do saneamento: instrumentos de planejamento

Em busca da sustentabilidade na gestão do saneamento: instrumentos de planejamento Em busca da sustentabilidade na gestão do saneamento: instrumentos de planejamento Marcelo de Paula Neves Lelis Gerente de Projetos Secretaria Nacional de Saneamento Ambiental Ministério das Cidades Planejamento

Leia mais

SISEMA. Sistema Estadual de Meio Ambiente e Recursos Hídricos. POLÍCIA MILITAR D E M I N A S G E R A I S Nossa profissão, sua vida.

SISEMA. Sistema Estadual de Meio Ambiente e Recursos Hídricos. POLÍCIA MILITAR D E M I N A S G E R A I S Nossa profissão, sua vida. SISEMA Sistema Estadual de Meio Ambiente e Recursos Hídricos POLÍCIA Projeto Estruturador Revitalização do Rio das Velhas Meta 2010/2014 Palestrante: Wanderlene Ferreira Nacif Gerência de Monitoramento

Leia mais

O ESTADO DA ARTE DAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS E O SEU CONTEXTO DIANTE DAS POLÍTICAS PÚBLICAS NO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE

O ESTADO DA ARTE DAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS E O SEU CONTEXTO DIANTE DAS POLÍTICAS PÚBLICAS NO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE O ESTADO DA ARTE DAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS E O SEU CONTEXTO DIANTE DAS POLÍTICAS PÚBLICAS NO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE Caracterização do Rio Grande do Norte - Superfície: 53.306,8 km² 0,62% do território

Leia mais

Plano Nacional de Gestão de Riscos e Resposta a Desastres Naturais

Plano Nacional de Gestão de Riscos e Resposta a Desastres Naturais Plano Nacional de Gestão de Riscos e Resposta a Desastres Naturais 2012 2014 Novos Investimentos R$ 18,8 bilhões Socorro, assistência e reconstrução Prevenção Obras estruturantes Resposta Mapeamento Monitoramento

Leia mais

AVALIAÇÃO SOBRE GOVERNANÇA AMBIENTAL NOS MUNICÍPIOS DO SEMI-ÁRIDO BRASILEIRO

AVALIAÇÃO SOBRE GOVERNANÇA AMBIENTAL NOS MUNICÍPIOS DO SEMI-ÁRIDO BRASILEIRO AVALIAÇÃO SOBRE GOVERNANÇA AMBIENTAL NOS MUNICÍPIOS DO SEMI-ÁRIDO BRASILEIRO Aristides Pereira Lima Green 1 Frederico Cavadas Barcellos 2 Deborah Moreira Pinto 3 I. Introdução As regiões semi-áridas se

Leia mais

PMS-MT Cartilha. Breve histórico e Abrangência Objetivos gerais e benefícios esperados Componentes. Governança Funcionamento do Programa

PMS-MT Cartilha. Breve histórico e Abrangência Objetivos gerais e benefícios esperados Componentes. Governança Funcionamento do Programa PMS-MT Cartilha Breve histórico e Abrangência Objetivos gerais e benefícios esperados Componentes Fortalecimento da gestão ambiental municipal Contexto e benefícios Tarefas Regularização ambiental e fundiária

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO GOTARDO

PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO GOTARDO LEI N.º 1.774, DE 24 DE ABRIL DE 2008. Dispõe sobre aprovação e instituição do Plano Municipal de Saneamento destinado à execução dos serviços de abastecimento de água e esgotamento sanitário no município

Leia mais

Objetivos Consolidar uma política garantidora de direitos Reduzir ainda mais a desigualdade social

Objetivos Consolidar uma política garantidora de direitos Reduzir ainda mais a desigualdade social AGENDA SOCIAL AGENDA SOCIAL Estamos lutando por um Brasil sem pobreza, sem privilégios, sem discriminações. Um país de oportunidades para todos. A melhor forma para um país crescer é fazer que cada vez

Leia mais

Governo do Estado do Rio Grande do Norte Sistema Integrado para Administração Financeira Anexo de Metas e Prioridades

Governo do Estado do Rio Grande do Norte Sistema Integrado para Administração Financeira Anexo de Metas e Prioridades Programa 1704 - APOIO À AGRICULTURA FAMILIAR 17000 - Secretaria de Estado da Agricultura, da Pecuária e da Pesca Fortalecer a agricultura familiar, através de um conjunto de ações implementadas em parceria

Leia mais

Região Metropolitana de Belo Horizonte e Norte de Minas receberão novos investimentos em abastecimento de água

Região Metropolitana de Belo Horizonte e Norte de Minas receberão novos investimentos em abastecimento de água Região Metropolitana de Belo Horizonte e Norte de Minas receberão novos investimentos em abastecimento de água Governador Antonio Anastasia preside solenidade na qual foi assinado contrato para a implantação

Leia mais

ATIVIDADE DE ANALISE CRITICA DOS EIXOS, PROG

ATIVIDADE DE ANALISE CRITICA DOS EIXOS, PROG ATIVIDADE DE ANALISE CRITICA DOS EIXOS, PROG EIXOS E PROGRAMAS EIXO 1 - Uso sustentável dos recursos naturais Programa de fortalecimento do sistema de gestão ambiental Programa de formação e manutenção

Leia mais

Educação em Saúde Ambiental

Educação em Saúde Ambiental Educação em Saúde Ambiental ONIVALDO FERREIRA COUTINHO Departamento de Saúde Ambiental - Desam Coordenação de Educação em Saúde Ambiental - Coesa Constatações deste IV Seminário Engenharia de Saúde Pública:...aumento

Leia mais

SEMINÁRIO SISTEMA INTERMUNICIPAL DE CAPACITAÇÃO EM PLANEJAMENTO E GESTÃO LOCAL PARTICIPATIVA PORTO ALEGRE - 21 A 23 DE NOVEMBRO/2007

SEMINÁRIO SISTEMA INTERMUNICIPAL DE CAPACITAÇÃO EM PLANEJAMENTO E GESTÃO LOCAL PARTICIPATIVA PORTO ALEGRE - 21 A 23 DE NOVEMBRO/2007 SEMINÁRIO SISTEMA INTERMUNICIPAL DE CAPACITAÇÃO EM PLANEJAMENTO E GESTÃO LOCAL PARTICIPATIVA PORTO ALEGRE - 21 A 23 DE NOVEMBRO/2007 Informações gerais da cidade Ofertas de capacitação Demandas de capacitação

Leia mais

Maria Auxiliadora de Abreu Macêdo (Dora Abreu)

Maria Auxiliadora de Abreu Macêdo (Dora Abreu) I COBESA 14 de julho de 2010 Sessão Técnica 21 PAP001775 DESENVOLVIMENTO AGRÍCOLA E REUSO DE ESGOTOS NO SEMIÁRIDO BRASILEIRO: PROPOSTA DE UM MODELO DE AÇÕES BASEADO NA EXPERIÊNCIA ISRAELENSE Maria Auxiliadora

Leia mais

P L A N O M U N I C I P A L D E S A N E A M E N T O B Á S I C O

P L A N O M U N I C I P A L D E S A N E A M E N T O B Á S I C O P L A N O M U N I C I P A L D E S A N E A M E N T O B Á S I C O V o l u m e V R E L A T Ó R I O D O S P R O G R A M A S, P R O J E T O S E A Ç Õ E S P A R A O A L C A N C E D O C E N Á R I O R E F E R

Leia mais

PROPOSTAS DO III SEMINARIO SUL BRASILEIRO DE AGRICULTURA SUSTENTÁVEL GRUPO DE TRABALHO PRODUÇÃO DE ALIMENTOS PARA O TURISMO RURAL

PROPOSTAS DO III SEMINARIO SUL BRASILEIRO DE AGRICULTURA SUSTENTÁVEL GRUPO DE TRABALHO PRODUÇÃO DE ALIMENTOS PARA O TURISMO RURAL O Seminário Sul Brasileiro vem sendo organizado desde 2005, como um evento paralelo a Suinofest, festa gastronômica de derivados da carne suína, por um grupo formado pela UERGS, ACI-E, EMATER e Secretaria

Leia mais

CONSERVADOR DAS ÁGUAS LEI MUNICIPAL 2.100/2005

CONSERVADOR DAS ÁGUAS LEI MUNICIPAL 2.100/2005 CONSERVADOR DAS ÁGUAS LEI MUNICIPAL 2.100/2005 EXTREMA EXTREMO SUL DE MINAS. SERRA DA MANTIQUEIRA. 480 KM BH E 100 KM DA CIDADE DE SP. POPULAÇÃO 24.800 HABITANTES. CONTINUIDADE ADMINISTRATIVA DE 20 ANOS

Leia mais

10.3 Cronograma de Implantação e Orçamento

10.3 Cronograma de Implantação e Orçamento 10.3 Cronograma de Implantação e Orçamento A Tabela 85, a seguir, apresenta o Cronograma de Implantação e Orçamento detalhado para os programas propostos com o PERH/PB, objeto do capítulo anterior. Para

Leia mais

Plano de Saneamento Básico

Plano de Saneamento Básico Plano de Saneamento Básico Marcelo de Paula Neves Lelis Rio de Janeiro, 09/06/2011 Saneamento Básico A Lei 11.445/07, em seu Art. 3 º, define Saneamento Básico como sendo o conjunto de serviços, infra-estruturas

Leia mais

Fontes de Financiamento para o segmento de Saneamento junto à Caixa Econômica Federal

Fontes de Financiamento para o segmento de Saneamento junto à Caixa Econômica Federal Fontes de Financiamento para o segmento de Saneamento junto à Caixa Econômica Federal Piracicaba, 07 de Agosto de 2013 Atuação da CAIXA Missão: Atuar na promoção da cidadania e do desenvolvimento sustentável

Leia mais

Banco Interamericano de Desenvolvimento. Instrução Operacional CAMPANHAS DE CONSCIENTIZAÇÃO

Banco Interamericano de Desenvolvimento. Instrução Operacional CAMPANHAS DE CONSCIENTIZAÇÃO Instrução Operacional CAMPANHAS DE CONSCIENTIZAÇÃO CAMPANHAS DE CONSCIENTIZAÇÃO SUMÁRIO Página INTRODUÇÃO 3 1. ÁREA DE ATUAÇÃO 4 2. DOCUMENTOS A SEREM APRESENTADOS AO BNB 4 3. RECOMENDAÇÕES TÉCNICAS 5

Leia mais

Política Nacional de Educação Infantil. Secretaria de Educação Básica Ministério da Educação

Política Nacional de Educação Infantil. Secretaria de Educação Básica Ministério da Educação Política Nacional de Educação Infantil Secretaria de Educação Básica Ministério da Educação Principais Marcos Normativos Constituição Federal - 1988 Lei de Diretrizes e Bases (LDB) - 1996 Estatuto da Criança

Leia mais

OBJETIVOS. Identificar e caracterizar os objetivos do Projeto Cisternas e da Transposição do rio São Francisco.

OBJETIVOS. Identificar e caracterizar os objetivos do Projeto Cisternas e da Transposição do rio São Francisco. I A INTEGRAÇÃO REGIONAL NO BRASIL OBJETIVOS Identificar e caracterizar os objetivos do Projeto Cisternas e da Transposição do rio São Francisco. Assunto 5: O PROJETO CISTERNAS E A TRANSPOSIÇÃO DO RIO SÃO

Leia mais

PROPOSTA DE PROGRAMAS E AÇÕES PARA O PNRH

PROPOSTA DE PROGRAMAS E AÇÕES PARA O PNRH PROPOSTA DE PROGRAMAS E AÇÕES PARA O PNRH Objetivo Geral PROPOR PROGRAMAS, AÇÕES E ESTRATÉGIAS, INTERSETORIAIS E INTERINSTITUCIONAIS, VISANDO ASSEGURAR O DESENVOLVIMENTO INTEGRADO E SUSTENTÁVEL DOS USOS

Leia mais

PROJETO DE RECUPERAÇÃO DE MATAS CILIARES GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO

PROJETO DE RECUPERAÇÃO DE MATAS CILIARES GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO PROJETO DE RECUPERAÇÃO DE MATAS CILIARES GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO Secretaria do Meio Ambiente Secretaria da Agricultura e Abastecimento Dezembro de 2005 COBERTURA FLORESTAL (Inventário Florestal,

Leia mais

SANEAMENTO - DESAFIOS ÀREAS: RURAL e URBANA

SANEAMENTO - DESAFIOS ÀREAS: RURAL e URBANA SANEAMENTO - DESAFIOS ÀREAS: RURAL e URBANA Caxias do Sul Rio Grande do Sul 96 km POA região nordeste, altitude média 760 m População: 404.187 hab.ibge 2010 território: 165.731,00 ha; urbano: 13.344,00

Leia mais

COMISSÃO TÉCNICA DE AVALIAÇÃO E ACOMPANHAMENTO DOS CONTRATOS DE GESTÃO CTACG Constituída pela Resolução Conjunta SEMAD / SEPLAG / SEF / IGAM nº

COMISSÃO TÉCNICA DE AVALIAÇÃO E ACOMPANHAMENTO DOS CONTRATOS DE GESTÃO CTACG Constituída pela Resolução Conjunta SEMAD / SEPLAG / SEF / IGAM nº COMISSÃO TÉCNICA DE AVALIAÇÃO E ACOMPANHAMENTO DOS CONTRATOS DE GESTÃO CTACG Constituída pela Resolução Conjunta SEMAD / SEPLAG / SEF / IGAM nº RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO - EXERCÍCIO 2010 CONTRATO DE GESTÃO

Leia mais

Saneamento Básico e Saúde

Saneamento Básico e Saúde Conferência Nacional de Segurança Hídrica Uberlândia - MG Saneamento Básico e Saúde Aparecido Hojaij Presidente Nacional da Assemae Sobre a Assemae A Associação Nacional dos Serviços Municipais de Saneamento

Leia mais

GESTÃO DE ÁGUAS URBANAS Prefeitura de Belo Horizonte ÁGUA É ASSUNTO DE TODOS

GESTÃO DE ÁGUAS URBANAS Prefeitura de Belo Horizonte ÁGUA É ASSUNTO DE TODOS GESTÃO DE ÁGUAS URBANAS Prefeitura de Belo Horizonte ÁGUA É ASSUNTO DE TODOS BRASIL . Cidade projetada, inaugurada em 1897. População total: 2,5mi (50% da RMBH). População urbana: 100%. Área: 330.90 km².

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE PREFEITURA DE SUMARÉ SECRETARIA MUNICIPAL DE AÇÃO SOCIAL SECRETARIA MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE 3M DO BRASIL

SECRETARIA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE PREFEITURA DE SUMARÉ SECRETARIA MUNICIPAL DE AÇÃO SOCIAL SECRETARIA MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE 3M DO BRASIL SECRETARIA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE PREFEITURA DE SUMARÉ SECRETARIA MUNICIPAL DE AÇÃO SOCIAL SECRETARIA MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE 3M DO BRASIL SOCIEDADE HUMANA DESPERTAR LABORATÓRIO DE ECOLOGIA E RESTAURAÇÃO

Leia mais

ELABORAÇÃO DE PLANO DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DO MEIO RURAL DO MUNICÍPIO DE JAÚ -SP

ELABORAÇÃO DE PLANO DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DO MEIO RURAL DO MUNICÍPIO DE JAÚ -SP ELABORAÇÃO DE PLANO DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DO MEIO RURAL DO MUNICÍPIO DE JAÚ -SP INTRODUÇÃO A Agenda 21 Local é um instrumento de planejamento de políticas públicas que envolve tanto a sociedade

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO GESOL Nº 19/2009

RELATÓRIO TÉCNICO GESOL Nº 19/2009 RELATÓRIO TÉCNICO GESOL Nº 19/2009 Assunto: Gestão de barragens de rejeitos e resíduos em empreendimentos industriais e minerários de Minas Gerais. Referência: Resultados obtidos a partir das diretrizes

Leia mais

Manejo de Recursos Hídricos no Semi-árido. Julho de 2004 BNDES Rio de Janeiro

Manejo de Recursos Hídricos no Semi-árido. Julho de 2004 BNDES Rio de Janeiro Manejo de Recursos Hídricos no Semi-árido Julho de 2004 BNDES Rio de Janeiro Vulnerabilidades do Nordeste Brasileiro Principais causas: - Instabilidade Climática: Distribuição irregular das chuvas, com

Leia mais

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA. TERMO DE REFERÊNCIA CONS - OPE 03 01 Vaga

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA. TERMO DE REFERÊNCIA CONS - OPE 03 01 Vaga INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA CONS - OPE 03 01 Vaga 1. IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA Consultoria para promover estudos, formular proposições e apoiar as Unidades

Leia mais

IV - planejar, propor e coordenar a gestão ambiental integrada no Estado, com vistas à manutenção dos ecossistemas e do desenvolvimento sustentável;

IV - planejar, propor e coordenar a gestão ambiental integrada no Estado, com vistas à manutenção dos ecossistemas e do desenvolvimento sustentável; Lei Delegada nº 125, de 25 de janeiro de 2007. (Publicação Diário do Executivo Minas Gerais 26/01/2007) (Retificação Diário do Executivo Minas Gerais 30/01/2007) Dispõe sobre a estrutura orgânica básica

Leia mais

1 Qualificar os serviços de Abastecimento de água potável

1 Qualificar os serviços de Abastecimento de água potável nos núcleos rurais com mais de 10 economias nas áreas quilombolas nas áreas indígenas Planilha de Objetivos, Indicadores e Ações Viabilizadoras GT Saneamento A Santa Maria que queremos Visão: "Que até

Leia mais

PROGRAMA COOPERAÇÃO TÉCNICA FUNASA. www.funasa.gov.br www.facebook.com/funasa.oficial twitter.com/funasa

PROGRAMA COOPERAÇÃO TÉCNICA FUNASA. www.funasa.gov.br www.facebook.com/funasa.oficial twitter.com/funasa PROGRAMA COOPERAÇÃO TÉCNICA FUNASA Funasa Programa de Cooperação Técnica Visa criar condições de sustentabilidade para o adequado atendimento populacional. Ênfase será conferida à qualificação dos investimentos

Leia mais

Mesa Redonda Universalização do saneamento e mobilização social em comunidades de baixa renda

Mesa Redonda Universalização do saneamento e mobilização social em comunidades de baixa renda Secretaria Nacional de Mesa Redonda Universalização do saneamento e mobilização social em comunidades de baixa renda PLANEJAMENTO E CONTROLE SOCIAL COMO ESTRATÉGIAS PARA UNIVERSALIZAR O SANEAMENTO Marcelo

Leia mais

A SUSTENTABILIDADE DO USO DA ÁGUA SUBTERRÂNEA FRENTE À EXPLORAÇÃO DE AREIAS EM LEITO DE RIOS DO SEMIÁRIDO

A SUSTENTABILIDADE DO USO DA ÁGUA SUBTERRÂNEA FRENTE À EXPLORAÇÃO DE AREIAS EM LEITO DE RIOS DO SEMIÁRIDO A SUSTENTABILIDADE DO USO DA ÁGUA SUBTERRÂNEA FRENTE À EXPLORAÇÃO DE AREIAS EM LEITO DE RIOS DO SEMIÁRIDO BRASILEIRO Ricardo Braga; Anderson Paiva; Paulo F Araújo Filho; Jaime Cabral; Arnaldo Vitorino

Leia mais

A Construção de um Programa de Revitalização na Bacia do rio São Francisco

A Construção de um Programa de Revitalização na Bacia do rio São Francisco A Construção de um Programa de Revitalização na Bacia do rio São Francisco Antônio Thomaz Gonzaga da Matta Machado Projeto Manuelzão/UFMG Conceito de Revitalização Caráter técnico-científico Legislação

Leia mais

Sistema Ambiental em Minas Gerais

Sistema Ambiental em Minas Gerais Sistema Ambiental em Minas Gerais José Cláudio Junqueira Ribeiro Belo Horizonte, março de 2011 Políticas Ambientais PROTEÇÃO DA BIODIVERSIDADE GESTÃO DE RECURSOS HÍDRICOS GESTÃO DE RESÍDUOS ENERGIA E MUDANÇAS

Leia mais

SISEMA Sistema Estadual de Meio Ambiente. POLÍCIA MILITAR D E M I N A S G E R A I S Nossa profissão, sua vida.

SISEMA Sistema Estadual de Meio Ambiente. POLÍCIA MILITAR D E M I N A S G E R A I S Nossa profissão, sua vida. SISEMA Sistema Estadual de Meio Ambiente POLÍCIA Aspectos institucionais do fechamento de barragens de rejeito O papel do órgão ambiental Zuleika S. Chiacchio Torquetti Diretora de Qualidade e Gestão Ambiental

Leia mais

Ministério da Cultura

Ministério da Cultura SISTEMA NACIONAL DE CULTURA Processo de articulação, gestão, comunicação e de promoção conjunta de políticas públicas de cultura, mediante a pactuação federativa. Objetivo Geral do SNC Implementar políticas

Leia mais

Apresentação do Modelo SISAR: envolvimento da população, gestão compartilhada, pagamentos dos serviços e resultados obtidos

Apresentação do Modelo SISAR: envolvimento da população, gestão compartilhada, pagamentos dos serviços e resultados obtidos SEMINÁRIO REGIONAL DE SANEAMENTO RURAL Apresentação do Modelo SISAR: envolvimento da população, gestão compartilhada, pagamentos dos serviços e resultados obtidos Campinas(SP), 23 de Junho 2015 Mobilização

Leia mais

Programa Cisternas MDS Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome Secretaria Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional

Programa Cisternas MDS Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome Secretaria Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional Programa Cisternas MDS Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome Secretaria Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional Coordenação Geral de Acesso à Água Carolina Bernardes Água e Segurança

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2016

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2016 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2016 Institui a Política de Desenvolvimento Sustentável da Caatinga. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art. 1º Esta Lei institui a Política de Desenvolvimento Sustentável da

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE FUNDAÇÃO NACIONAL DE SAÚDE Coordenação Regional de santa Catarina ATENÇÃO

MINISTÉRIO DA SAÚDE FUNDAÇÃO NACIONAL DE SAÚDE Coordenação Regional de santa Catarina ATENÇÃO ATENÇÃO Apresentação do Seminário A Lei da Política Nacional do Saneamento Básico (lei 11.445/07) e o Inquérito Civil Público Estadual 04/04/PGJ/MPSC, realizado nos dias 30 e 31 de outubro de 2008. Arquivos

Leia mais

1 Abastecimento de água potável

1 Abastecimento de água potável Índice de atendimento urbano de água Planilha de Objetivos, Indicadores e GT Saneamento A Santa Maria que queremos Visão: Que até 2020 Santa Maria esteja entre os melhores Municípios do Rio Grande do Sul,

Leia mais

Caminhos da sustentabilidade no Recife SECRETARIA DE MEIO AMBIENTE E SUSTENTABILIDADE

Caminhos da sustentabilidade no Recife SECRETARIA DE MEIO AMBIENTE E SUSTENTABILIDADE Caminhos da sustentabilidade no Recife SECRETARIA DE MEIO AMBIENTE E SUSTENTABILIDADE ÁGUA, DIREITO DE TODAS AS PESSOAS Recursos hídricos recursos naturais essenciais bens de valor econômico limitado viabiliza

Leia mais

Desafios e oportunidades associadas ao Cadastro Ambiental Rural (CAR) 7ª CONSEGURO setembro 2015

Desafios e oportunidades associadas ao Cadastro Ambiental Rural (CAR) 7ª CONSEGURO setembro 2015 Desafios e oportunidades associadas ao Cadastro Ambiental Rural (CAR) 7ª CONSEGURO setembro 2015 Meta brasileira de redução das emissões até 2020 36,1% a 38,9% das 3.236 MM de tonco2eq de emissões projetadas

Leia mais

O passo a passo da participação popular Metodologia e diretrizes

O passo a passo da participação popular Metodologia e diretrizes O passo a passo da participação popular Metodologia e diretrizes Com o objetivo de garantir a presença da população na construção e no planejamento de políticas públicas, o Governo de Minas Gerais instituiu

Leia mais

Projeto de Lei nº 11 /2012 Deputado(a) Altemir Tortelli

Projeto de Lei nº 11 /2012 Deputado(a) Altemir Tortelli Projeto de Lei nº 11 /2012 Deputado(a) Altemir Tortelli Institui a Política Estadual dos Serviços Ambientais e o Programa Estadual de Pagamento por Serviços Ambientais, e dá outras providências. CAPÍTULO

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA 1 IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA Contratação de consultoria pessoa física para serviços de preparação

Leia mais

Simpósio Estadual Saneamento Básico e Resíduos Sólidos: Avanços Necessários MPRS 20.08.2015

Simpósio Estadual Saneamento Básico e Resíduos Sólidos: Avanços Necessários MPRS 20.08.2015 Simpósio Estadual Saneamento Básico e Resíduos Sólidos: Avanços Necessários MPRS 20.08.2015 O saneamento básico no Brasil não condiz com o país que é a 7ª. economia do mundo da população não possui coleta

Leia mais

TÍTULO: PRINCÍPIOS E GESTÃO DO PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL GUARULHOS: SANEAMENTO AMBIENTAL E QUALIDADE DE VIDA

TÍTULO: PRINCÍPIOS E GESTÃO DO PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL GUARULHOS: SANEAMENTO AMBIENTAL E QUALIDADE DE VIDA TÍTULO: PRINCÍPIOS E GESTÃO DO PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL GUARULHOS: SANEAMENTO AMBIENTAL E QUALIDADE DE VIDA Autora: Erotides Lacerda Choueri Outros autores: Marcos Tsutomu Tamai, Vânia Maria Nunes

Leia mais

Ministério da Cultura Secretaria de Articulação Institucional SAI

Ministério da Cultura Secretaria de Articulação Institucional SAI Secretaria de Articulação Institucional SAI Seminário Metas do Plano e dos Sistemas Municipal, Estadual e Nacional de Cultura Vitória-ES 05/Dez/2011 Secretaria de Articulação Institucional SAI A Construção

Leia mais

O PROGRAMA NACIONAL DE SANEAMENTO RURAL

O PROGRAMA NACIONAL DE SANEAMENTO RURAL O PROGRAMA NACIONAL DE SANEAMENTO RURAL 08 de Novembro de 2012 O que é o Brasil Rural? O Brasil Rural Diversidade: raças, origens étnicas, povos, religiões, culturas Conflitos: concentração de terra, trabalho

Leia mais

SECRETARIA NACIONAL DE PROTEÇÃO E DEFESA CIVIL. Panorama da atuação de Proteção e Defesa Civil em Situações de Seca e Estiagem

SECRETARIA NACIONAL DE PROTEÇÃO E DEFESA CIVIL. Panorama da atuação de Proteção e Defesa Civil em Situações de Seca e Estiagem SECRETARIA NACIONAL DE PROTEÇÃO E DEFESA CIVIL Panorama da atuação de Proteção e Defesa Civil em Situações de Seca e Estiagem Base Legal Lei nº 12.340/2010 - Dispõe sobre as transferências de recursos

Leia mais

A experiência de Belo Horizonte:

A experiência de Belo Horizonte: A experiência de Belo Horizonte: a construção de uma capital sustentável Vasco de Oliveira Araujo Secretário Municipal de Meio Ambiente Prefeitura de Belo Horizonte Junho 2012 Belo Horizonte e RMBH (34

Leia mais

Curso de Gestão de Águas Pluviais

Curso de Gestão de Águas Pluviais Curso de Gestão de Águas Pluviais Capítulo 4 Prof. Carlos E. M. Tucci Prof. Dr. Carlos E. M. Tucci Ministério das Cidades 1 Capítulo 4 Gestão Integrada Conceito Marcos Mundiais, Tendência e Estágio Institucional

Leia mais

GUIA 2013 PARA PREFEITOS E PREFEITAS MINISTÉRIO DA INTEGRAÇÃO NACIONAL

GUIA 2013 PARA PREFEITOS E PREFEITAS MINISTÉRIO DA INTEGRAÇÃO NACIONAL GUIA 2013 PARA PREFEITOS E PREFEITAS MINISTÉRIO DA INTEGRAÇÃO NACIONAL Principais competências do Ministério da Integração Nacional: Ministro de Estado Formulação e condução da Política Nacional de Desenvolvimento

Leia mais

Pesquisa de Informações Básicas Estaduais 2012

Pesquisa de Informações Básicas Estaduais 2012 Pesquisa de Informações Básicas Estaduais 2012 Informações Básicas Recursos Humanos Foram pesquisadas as pessoas que trabalhavam na administração direta e indireta por vínculo empregatício e escolaridade;

Leia mais

No presente estudo foram consideradas as seguintes premissas:

No presente estudo foram consideradas as seguintes premissas: 11. ANÁLISE DE VIABILIDADE ECONÔMICA O presente capítulo consiste da avaliação econômica do Plano Estadual de Recursos Hídricos. Esta avaliação objetiva quantificar e demonstrar os impactos da implementação

Leia mais

ASSEMBLÉIA GERAL DA RELOB AS ESTRUTURAS DE GESTÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS NAS BACIAS PCJ

ASSEMBLÉIA GERAL DA RELOB AS ESTRUTURAS DE GESTÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS NAS BACIAS PCJ ASSEMBLÉIA GERAL DA RELOB AS ESTRUTURAS DE GESTÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS NAS BACIAS PCJ Dalto Favero Brochi Consórcio PCJ Rio de Janeiro Novembro / 2008 LOCALIZAÇÃO DAS BACIAS PCJ CARACTERIZAÇÃO DAS BACIAS

Leia mais

Concepção de instalações para o abastecimento de água

Concepção de instalações para o abastecimento de água Universidade Federal de Ouro Preto Escola de Minas Departamento de Engenharia Civil CIV 640 Saneamento Urbano Concepção de instalações para o abastecimento de água Prof. Aníbal da Fonseca Santiago Universidade

Leia mais

SISAR - Sistema Integrado de Saneamento Rural GESTÃO NOS ESTADOS DO: CEARÁ, BAHIA E PICOS.

SISAR - Sistema Integrado de Saneamento Rural GESTÃO NOS ESTADOS DO: CEARÁ, BAHIA E PICOS. SISAR - Sistema Integrado de Saneamento Rural GESTÃO NOS ESTADOS DO: CEARÁ, BAHIA E PICOS. Campinas(SP), 23 de junho 2015 APRESENTANDO CENTRAL SEABRA: Central de Associações Comunitárias para Manutenção

Leia mais

NÚCLEOS DE EXTENSÃO EM DESENVOLVIMENTO TERRITORIAL. PARCERIA MDA / CNPq. Brasília, 13 de maio de 2014

NÚCLEOS DE EXTENSÃO EM DESENVOLVIMENTO TERRITORIAL. PARCERIA MDA / CNPq. Brasília, 13 de maio de 2014 NÚCLEOS DE EXTENSÃO EM DESENVOLVIMENTO TERRITORIAL PARCERIA MDA / CNPq Brasília, 13 de maio de 2014 A política de desenvolvimento territorial Desde 2004 a SDT implementa a estratégia de desenvolvimento

Leia mais

PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESIDUOS SOLIDOS URBANOS

PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESIDUOS SOLIDOS URBANOS PREFEITURA MUNICIPAL DE TUCURUÍ PARÁ SECRETARIA MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE DE TUCURUÍ SEMMA / TUCURUÍ PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESIDUOS SOLIDOS URBANOS APRESENTAÇAO O presente documento consolida o diagnóstico

Leia mais

Observando os Rios. Programa de Educação Ambiental e Mobilização para Gestão em Recursos Hídricos, desenvolvido pela Fundação SOS Mata Atlântica

Observando os Rios. Programa de Educação Ambiental e Mobilização para Gestão em Recursos Hídricos, desenvolvido pela Fundação SOS Mata Atlântica Observando os Rios Programa de Educação Ambiental e Mobilização para Gestão em Recursos Hídricos, desenvolvido pela Fundação SOS Mata Atlântica OBJETIVO: Capacitar cidadãos, usuários de água, sociedade

Leia mais

Participação da Febraban no Projeto Cisternas Programa de Formação e Mobilização para a Convivência com o Semi-Árido

Participação da Febraban no Projeto Cisternas Programa de Formação e Mobilização para a Convivência com o Semi-Árido Participação da Febraban no Projeto Cisternas Programa de Formação e Mobilização para a Convivência com o Semi-Árido Projeto para construção de cisternas, Mobilização e Capacitação de famílias parceria

Leia mais

ENGENHARIA E ARQUITETURA PÚBLICA UMA VISÃO SISTÊMICA DA POLÍTICA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA TÉCNICA A HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL.

ENGENHARIA E ARQUITETURA PÚBLICA UMA VISÃO SISTÊMICA DA POLÍTICA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA TÉCNICA A HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL. ENGENHARIA E ARQUITETURA PÚBLICA UMA VISÃO SISTÊMICA DA POLÍTICA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA TÉCNICA A HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL. 1- Apresentação A Constituição de 1988, denominada pelo saudoso Deputado

Leia mais

AS COMPRAS GOVERNAMENTAIS E O SEBRAE. Denise Donati Coordenadora do Projeto Compras Governamentais Sebrae Nacional

AS COMPRAS GOVERNAMENTAIS E O SEBRAE. Denise Donati Coordenadora do Projeto Compras Governamentais Sebrae Nacional AS COMPRAS GOVERNAMENTAIS E O SEBRAE Denise Donati Coordenadora do Projeto Compras Governamentais Sebrae Nacional Desafio Fomentar o Uso do Poder de Compra do Governo Junto aos Pequenos Negócios para Induzir

Leia mais

Consórcio Intermunicipal das Bacias dos Rios Piracicaba, Capivari e Jundiaí

Consórcio Intermunicipal das Bacias dos Rios Piracicaba, Capivari e Jundiaí Consórcio Intermunicipal das Bacias dos Rios Piracicaba, Capivari e Jundiaí O que é? O Consórcio Intermunicipal das Bacias dos Rios Piracicaba, Capivari e Jundiaí é uma associação de direito privado, sem

Leia mais

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL Eixos Temáticos, Diretrizes e Ações Documento final do II Encontro Nacional de Educação Patrimonial (Ouro Preto - MG, 17 a 21 de julho

Leia mais

1. Avaliação de impacto de programas sociais: por que, para que e quando fazer? (Cap. 1 do livro) 2. Estatística e Planilhas Eletrônicas 3.

1. Avaliação de impacto de programas sociais: por que, para que e quando fazer? (Cap. 1 do livro) 2. Estatística e Planilhas Eletrônicas 3. 1 1. Avaliação de impacto de programas sociais: por que, para que e quando fazer? (Cap. 1 do livro) 2. Estatística e Planilhas Eletrônicas 3. Modelo de Resultados Potenciais e Aleatorização (Cap. 2 e 3

Leia mais

TERMOS DE REFERÊNCIA CONTRATAÇÃO DE CONSULTOR INDIVIDUAL ESPECIALIZADO

TERMOS DE REFERÊNCIA CONTRATAÇÃO DE CONSULTOR INDIVIDUAL ESPECIALIZADO TERMOS DE REFERÊNCIA CONTRATAÇÃO DE CONSULTOR INDIVIDUAL ESPECIALIZADO 1. IDENTIFICAÇÃO DO TERMO DE REFERÊNCIA 1.1 UGP Nº 002/ 2012. 2. IDENTIFICAÇÃO DO CONTRATANTE 2.1 Contratante A Secretaria de Desenvolvimento

Leia mais

PLANO DE SEGURANÇA DA ÁGUA NO BRASIL

PLANO DE SEGURANÇA DA ÁGUA NO BRASIL Ministério da Saúde Secretaria de Vigilância em Saúde Departamento de Vigilância em Saúde Ambiental e Saúde do Trabalhador Coordenação Geral de Vigilância em Saúde Ambiental PLANO DE SEGURANÇA DA ÁGUA

Leia mais

Easy PDF Creator is professional software to create PDF. If you wish to remove this line, buy it now.

Easy PDF Creator is professional software to create PDF. If you wish to remove this line, buy it now. PROGRAMA : ADMINISTRAÇÃO GERAL OBJETIVO : Manter as atividades administrativas e operacionais dos órgãos para melhoria da prestação de serviços ao público Valores (R$ 1,00) 2006 11.700,000 Manutenção das

Leia mais

ANEXO IV PROPOSTAS APROVADAS NA CONFERÊNCIA ESTADUAL. Eixo MOBILIZAÇÃO IMPLEMENTAÇÃO MONITORAMENTO

ANEXO IV PROPOSTAS APROVADAS NA CONFERÊNCIA ESTADUAL. Eixo MOBILIZAÇÃO IMPLEMENTAÇÃO MONITORAMENTO PROPOSTAS APROVADAS NA CONFERÊNCIA ESTADUAL ANEXO IV Eixo MOBILIZAÇÃO IMPLEMENTAÇÃO MONITORAMENTO 1-Promoção dos Direitos de Crianças e Adolescentes Buscar apoio das esferas de governo (Federal e Estadual)

Leia mais

O sistema ora descrito apresenta as seguintes unidades operacionais: O sistema conta com dois mananciais, ambos com captações superficiais:

O sistema ora descrito apresenta as seguintes unidades operacionais: O sistema conta com dois mananciais, ambos com captações superficiais: 3.8 SÃO JOÃO NEPOMUCENO Projeto Preparatório para o Gerenciamento dos Recursos Hídricos do Paraíba do Sul A Companhia de Saneamento de Minas Gerais - COPASA, é o órgão responsável pela operação e manutenção

Leia mais

Palavras-chave: Recursos hídricos; participação comunitária.

Palavras-chave: Recursos hídricos; participação comunitária. Título: Recursos Hídricos: a participação social como requisito para o financiamento de projetos Tema: Recursos Hídricos Autora: Luciana Cibelle Araujo dos Santos Co-autoras: Marize Castro e Isabela dos

Leia mais

Apresentação: Usina de Projetos e Monitoramento da gestão municipal. João Pessoa, 25 de março de 2011.

Apresentação: Usina de Projetos e Monitoramento da gestão municipal. João Pessoa, 25 de março de 2011. Apresentação: Usina de Projetos e Monitoramento da gestão municipal João Pessoa, 25 de março de 2011. A Usina de Projetos foi instituída para apoiar as ações do Executivo no desenvolvimento de projetos

Leia mais

Perspectivas do Setor de Saneamento em relação à Cobrança

Perspectivas do Setor de Saneamento em relação à Cobrança Seminário Cobrança pelo Uso dos Recursos Hídricos Urbanos e Industriais Comitê da Bacia Hidrográfica Sorocaba e Médio Tietê Perspectivas do Setor de Saneamento em relação à Cobrança Sorocaba, 10 de setembro

Leia mais

PLANO METROPOLITANO DE GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS COM FOCO EM RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE (RSS) E RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL E VOLUMOSOS (RCCV)

PLANO METROPOLITANO DE GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS COM FOCO EM RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE (RSS) E RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL E VOLUMOSOS (RCCV) PLANO METROPOLITANO DE GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS COM FOCO EM RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE (RSS) E RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL E VOLUMOSOS (RCCV) II Workshop Construindo o diagnóstico dos RCCV e RSS

Leia mais

Elaboração dos Planos de Saneamento Básico 13/12/2010. Nossa Realidade. Nossa Realidade. Nova Organização da Prestação de Serviços

Elaboração dos Planos de Saneamento Básico 13/12/2010. Nossa Realidade. Nossa Realidade. Nova Organização da Prestação de Serviços 13/12/2010 Quem somos Da união das indústrias Amanco, Braskem, Solvay Indulpa e Tigre, foi criado em julho de 2007, o Instituto Trata Brasil, uma Organização da Sociedade Civil de Interesse Público, para

Leia mais

Gestão Participativa e os Comitês de Bacias

Gestão Participativa e os Comitês de Bacias Novembro de 2009. Gestão Participativa e os Comitês de Bacias Suraya Modaelli DAEE 1,2 bilhão de pessoas sem acesso a água potável no mundo 2 bilhões sem infra-estrutura de saneamento milhões de crianças

Leia mais

Monitoramento e assessoria técnica para ações de saneamento básico

Monitoramento e assessoria técnica para ações de saneamento básico Monitoramento e assessoria técnica para ações de saneamento básico EIXO1: Monitoramento de possibilidades de captação de convênios para melhoria nos serviços e infraestruturas de saneamento básico. PRODUTO

Leia mais

Programas 2013. Abril de 2013

Programas 2013. Abril de 2013 Programas 2013 Abril de 2013 A nova SUDENE -Lei Complementar n 125, de 03 de janeiro de 2007 -Decreto n 6.219/2007 Autarquia especial, administrativa e financeiramente autônoma,... vinculada ao Ministério

Leia mais

FEM. Flávio Figueiredo Secretário Executivo SEPLAG/PE

FEM. Flávio Figueiredo Secretário Executivo SEPLAG/PE FEM Flávio Figueiredo Secretário Executivo SEPLAG/PE FEM Criado em 18 de março de 2013 através da Lei 14.921 Art. 1º Fica instituído o Fundo Estadual de Apoio ao Desenvolvimento Municipal - FEM, mecanismo

Leia mais

Esfera: 10 Função: 18 - Gestão Ambiental Subfunção: 543 - Recuperação de Áreas Degradadas UO: 44101 - Ministério do Meio Ambiente

Esfera: 10 Função: 18 - Gestão Ambiental Subfunção: 543 - Recuperação de Áreas Degradadas UO: 44101 - Ministério do Meio Ambiente Programa 1305 Revitalização de Bacias Hidrográficas em Situação de Vulnerabilidade e Degradação Ambiental Numero de Ações 18 Ações Orçamentárias 101P Recuperação e Preservação da Bacia do Rio São Francisco

Leia mais

Maria Fernanda Spina Chiocchetti Coordenadora da Câmara Técnica de EA dos Comitês PCJ

Maria Fernanda Spina Chiocchetti Coordenadora da Câmara Técnica de EA dos Comitês PCJ Maria Fernanda Spina Chiocchetti Coordenadora da Câmara Técnica de EA dos Comitês PCJ Bragança Paulista 01 a 0 de dezembro de 009 Atribuições da Câmara Técnica de Educação Ambiental (CT-EA) Criada pela

Leia mais