PPRA Programa de Prevenção de Riscos Ambientais UNESP CAMPUS DE RIO CLARO INSTITUTO DE GEOCIÊNCIAS E CIÊNCIAS EXATAS 29/03/2011

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PPRA Programa de Prevenção de Riscos Ambientais UNESP CAMPUS DE RIO CLARO INSTITUTO DE GEOCIÊNCIAS E CIÊNCIAS EXATAS 29/03/2011"

Transcrição

1 PPRA Programa de Prevenção de Riscos Ambientais UNESP CAMPUS DE RIO CLARO INSTITUTO DE GEOCIÊNCIAS E CIÊNCIAS EXATAS 29/03/2011 P.P.R.A. PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS (PORTARIA 3.214/78 NR-09) UNESP UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JULIO DE MESQUITA FILHO CAMPUS DE RIO CLARO INSTITUTO DE GEOCIÊNCIAS E CIÊNCIAS EXATAS PPRA-RIO CLARO-IGCE

2 PPRA Programa de Prevenção de Riscos Ambientais UNESP CAMPUS DE RIO CLARO INSTITUTO DE GEOCIÊNCIAS E CIÊNCIAS EXATAS 29/03/2011 PROTOCOLO DE ENTREGA Recebemos uma cópia do Programa de Prevenção de Riscos Ambientais PPRA, da Unidade da UNESP Campus de Rio Claro INSTITUTO DE GEOCIÊNCIAS E CIÊNCIAS EXATAS, vigência 2011/2012. Data: / / Assinatura / Nome: PPRA-RIO CLARO-IGCE

3 PPRA Programa de Prevenção de Riscos Ambientais CAMPUS DE RIO CLARO - IGCE 29/03/2011 PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS - UNESP OBJETIVO O objetivo do Programa de Prevenção de Riscos Ambientais - PPRA é a preservação da saúde e integridade física dos trabalhadores da Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho" - UNESP, através da antecipação, reconhecimento, avaliação e conseqüentemente controle da ocorrência de riscos ambientais existentes ou que venham existir no ambiente de trabalho, conforme estabelecido pela NR-09. RISCOS AMBIENTAIS Para efeito do PPRA, consideram-se riscos ambientais os agentes físicos, químicos e biológicos existentes nos ambientes de trabalho que, em função de sua natureza, concentração ou intensidade e tempo de exposição, são capazes de causar danos à saúde do trabalhador, conforme a seguir: Riscos físicos: As diversas formas de energia, tais como ruído, vibrações, pressões anormais, temperaturas extremas, radiações ionizantes, radiações não-ionizantes, bem como infra-som e ultra-som. Riscos químicos: As substâncias, compostos ou produtos que possam penetrar no organismo pela via respiratória, nas formas de poeira, fumos, névoas, neblinas, gases ou vapores, ou que, pela natureza da atividade de exposição, possam ter contato ou ser absorvidos pelo organismo através da pele ou por ingestão. Riscos biológicos: As bactérias, fungos, bacilos, parasitas, protozoários, vírus, entre outros. O PPRA não deve ser confundido com o Mapa de Risco (NR-05), sendo que o PPRA é um programa de higiene ocupacional e o Mapa de Risco é um estudo qualitativo realizado pelo próprio trabalhador, através da CIPA, portanto no PPRA não são considerados os riscos ergonômicos e riscos de acidentes. ANTECIPAÇÃO DE RISCOS A UNESP deve realizar a antecipação de riscos através da análise de projetos de novas instalações, métodos ou processos de trabalho, ou modificação dos já existentes, visando identificar os riscos potenciais e introduzir medidas de proteção para sua redução ou eliminação. Para isso, as unidades da UNESP, através de sua Diretoria Administrativa, deve comunicar a equipe de segurança do trabalho para que irá realizar a Antecipação de Riscos das referidas situações. RECONHECIMENTO DE RISCOS O reconhecimento dos riscos será realizado através de inspeções a todos os Setores de trabalho das instalações da UNESP, segundo a Hierarquia Atualizada da unidade (Distribuição dos setores, cargos e funcionários da unidade), para isso, deve ser realizada visita ao local, entrevistas com os trabalhadores e caracterização da exposição dos trabalhadores, o que fica registrado no Formulário - Levantamento de Dados do PPRA. Durante o reconhecimento dos riscos deve conter quando aplicável: A identificação do risco; PPRA-RIO CLARO-IGCE

4 Determinação e localização das possíveis fontes geradoras; A identificação das possíveis trajetórias e dos meios de propagação dos agentes no ambiente de trabalho; A identificação das funções e determinação do número de trabalhadores expostos; A caracterização das atividades e do tipo de exposição (Análise Qualitativa); A obtenção de dados existentes na empresa, indicativos de possível comprometimento da saúde decorrente do trabalho; Os possíveis danos a saúde relacionados aos riscos identificados, disponíveis na literatura técnica; Descrição das medidas de controle existentes. MEDIDAS DE CONTROLE (MEDIDAS PROPOSTAS) A unidade da UNESP deve adotar medidas de controle necessárias e suficientes para eliminação, minimização ou o controle dos riscos ambientais sempre que forem verificadas uma ou mais das seguintes situações: Identificação, na fase de antecipação de risco potencial a saúde; Constatação, na fase de reconhecimento de risco evidente a saúde; Resultados das avaliações quantitativas das exposições dos trabalhadores que excederem os valores limites previstos na NR-15 ou, na ausência destes, os valores limites de exposição ocupacional adotados pela ACGIH ou aqueles que venham a ser estabelecidos em negociação coletiva de trabalho, desde que mais rigorosos do que os critérios técnicos-legais estabelecidos; Quando, através do controle médico da saúde, ficar caracterizado o nexo causal entre danos observados na saúde dos trabalhadores e a situação de trabalho a que eles ficam expostos. ESTRATÉGIA E METODOLOGIA DE AÇÃO Para implementação das ações necessárias para eliminar, minimizar e controlar os riscos ambientais é elaborado um Cronograma (Plano de Ações) onde serão listadas todas as medidas de controle e atividades (Ações) propostas. A Diretoria Administrativa da unidade da UNESP em conjunto com a equipe de Segurança do Trabalho, estabelece prioridades e metas para realização e conclusão das ações propostas no cronograma do PPRA. A responsabilidade pela efetiva realização e conclusão das ações é da Diretoria da unidade, através de sua estrutura administrativa e recursos próprios. Cabe a equipe de segurança orientar tecnicamente a implementação das referidas ações. Toda ação realizada pela unidade deve-se anexar ao documento base do PPRA as evidencias de sua efetiva conclusão. O PPRA deve ser reavaliado sempre que necessário ou pelo menos uma vez ao ano, durante "Reunião de Segurança", com a participação da Direção da Unidade PPRA-RIO CLARO-IGCE

5 e a Equipe de Segurança, quando será efetuada análise global do PPRA para avaliação do seu desenvolvimento e realização de ajustes necessários e estabelecimento de novas metas e prioridades. Nesta reunião será elaborado "Relatório Gerencial" contendo as ações propostas, realizadas e concluídas, entre outros assuntos discutidos na reunião. Cópia do Relatório Gerencial deve ser encaminhado para Reitoria para consolidação das informações de todas as unidades da UNESP, a ser apresentado ao Reitor da UNESP. AVALIAÇÃO DOS RISCOS E DA EXPOSIÇÃO DOS TRABALHADORES A avaliação quantitativa deve realizada sempre que necessária para: Comprovar o controle da exposição ou a inexistência dos riscos identificados; Dimensionar a exposição dos trabalhadores; Subsidiar o equacionamento das medidas de controle. O planejamento da realização das avaliações quantitativas devem ser previstos no Cronograma do PPRA. Toda avaliação quantitativa realizada deve ser acompanhada do respectivo "Laudo de Avaliação" que deve ser anexado ao PPRA. O Laudo deve abordar os seguintes itens: Introdução, incluindo objetivos do trabalho, justificativa e datas ou períodos em que foram desenvolvidas as avaliações; Critério de avaliação adotado; Instrumental utilizado; Metodologia de avaliação; Descrição das condições de exposição avaliadas; Dados obtidos; Interpretação dos resultados; Indicação do Responsável Técnico pela Avaliação. IMPLANTAÇÃO DE MEDIDAS DE CONTROLE O estudo, desenvolvimento e implantação de medidas de proteção coletiva deve obedecer a seguinte hierarquia: Medidas que eliminam ou reduzam a utilização ou a formação de agentes prejudiciais a saúde; Medidas que previnam a liberação ou disseminação desses agentes no ambiente de trabalho; Medidas que reduzam os níveis ou a concentração desses agentes no ambiente de trabalho. A implantação de medidas de caráter coletivo deve ser acompanhada de PPRA-RIO CLARO-IGCE

6 treinamento dos trabalhadores quanto aos procedimentos que assegurem a sua eficiência e de informação sobre as eventuais limitações de proteção que ofereçam. Quando comprovado pelo empregador a inviabilidade técnica da adoção de medidas de proteção coletiva, ou quando estas não forem suficientes ou encontrarem-se em fase de estudo, planejamento ou implantação ou ainda em caráter complementar ou emergencial, deverão ser adotadas outras medidas, obedecendo a seguinte hierarquia: Medidas de caráter administrativo ou de organização do trabalho; Utilização de EPI - Equipamentos de Proteção Individual. Quanto à utilização de EPI deve: Ser realizada seleção de EPI adequado tecnicamente o risco que o trabalhador está exposto e à atividade exercida, considerando-se a eficiência necessária para o controle da exposição ao risco e o conforto oferecido segundo a avaliação do trabalhador usuário. Caracterizar em planilha contendo Nome do Trabalhador com a respectiva identificação dos EPIs utilizados para os riscos ambientais (Relação de EPI x Trabalhador); Elaborar Programa de Treinamento dos trabalhadores quanto a correta utilização e orientação sobre as limitações de proteção dos EPI; Estabelecer procedimento para promover o fornecimento, o uso, a guarda, a higienização, conservação a manutenção e a reposição do EPI; - Registrar através de recibo a entrega do EPI; Realização inspeções periódicas para garantia de utilização de EPI por parte do trabalhador. REGISTRO E DIVULGAÇÃO DOS DADOS Deve ser mantido pelas Unidades da UNESP um registro de todas as informações pertinentes ao PPRA, de forma a constituir um historio técnico e administrativo do desenvolvimento do PPRA. O PPRA e documentos a ele relacionados devem ser arquivados por no mínimo 30 (Trinta) anos pela unidade da UNESP. O registro de dados deve estar sempre disponível aos trabalhadores interessados ou seus representantes e para as autoridades competentes. O PPRA deve ser apresentado a CIPA, devendo ser registrado em Ata de Reunião. PPRA-RIO CLARO-IGCE

7 PPRA Programa de Prevenção de Riscos Ambientais CAMPUS DE RIO CLARO - IGCE 29/03/2011 Identificação Empresa CAMPUS DE RIO CLARO - IGCE Endereço AVENIDA VINTE E QUATRO - A, 1515, Cep Cidade RIO CLARO CNAE Grau de Risco Descrição CNAE Complemento Bairro BELA VISTA CNPJ UF SP Unidade: CAMPUS DE RIO CLARO - IGCE Setor: CAMPUS DE RIO CLARO-IGCE Prédio administrativo. Salas da diretoria e Vice Diretoria.Primeiro Andar, final do corredor. Possui sala Ampla dividida por divisórias entre recepção e sala da diretoria e vice.ventilação natural. Janelas basculantes. piso cerâmico e forro de Isopor. Cargo: ASSES ADM II RU70/08 Masc.: 0 Fem.: 1 Menor: 0 Total: 1 Cargo: ASSIST ADMINIST II Masc.: 0 Fem.: 1 Menor: 0 Total: 1 Cargo: ASSIST ADMINIST III Masc.: 1 Fem.: 0 Menor: 0 Total: 1 Cargo: ASSIST OPER I Masc.: 0 Fem.: 2 Menor: 0 Total: 2 Especificação dos Riscos - Cargo: ASSIST OPER I Agente Químico Grupo Químico Classificação do Habitual Sério Fundamentação Legal NR 15 Decreto n 3048 de 6/05/99. Utilização de compostos químicos podem causar irritação na pele, mucosas e olhos além de queimadura e perda de visão em casos severos. Queimadura na pele e irritação nas vias aéreas. Fica exposto a risco químico de modo habitual no prédio da Unispetro durante atividades de limpeza utilizando produtos químicos:água Sanitária, desinfetantes, limpador multiuso. Não há sistemática para entrega e utilização de EPI's. Uso de luvas e botas de PVC em alguns setores. Agente Biológico Grupo Biológico Classificação do Orientação Habitual Contágio ou infecção. Seguir as orientações da Ordem de Serviço para o cargo. Manter vacinação em dia. -Elaborar planilha de EPIx cargos, especificar EPI's necessários e adequados para realização das atividades. -Exigir e controlar a utilização de EPI's através de inspeções formais. -Realizar treinamento sobre o uso de EPI's. Fica exposto a risco biológico de modo habitual no prédio da Unispetro durante atividades de PPRA-RIO CLARO-IGCE

8 Fundamentação Legal NR 15-Anexo 14 limpeza dos banheiros. Exposição a vírus, fungos e bactérias e possível contato com secreções corpóreas. Apesar da habitualidade no desenvolvimento da atividade a mesma não esta descrita no anexo 14 da NR 15. Cargo: SECRETARIO Masc.: 0 Fem.: 1 Menor: 1 Total: 2 Executar atividade relativa à anotação, redação, digitação, datilografia, organização de documentos e outras tarefas administrativas para assegurar e agilizar o fluxo dos trabalhos da área de atuação. Setor: CENTRO DE ANAL E PLAN AMBIEN Prédio independente localizado próximo a portaria 02. Dividido por várias salas: laboratórios computacionais, recepção, salas de pesquisa e salas de docente e copa. Piso cerâmico. Ventilação natural e artificial.possui laboratório externo ao prédio para recebimento/coleta de dados metereológicos. Cargo: ANALISTA INFORM I Masc.: 1 Fem.: 1 Menor: 0 Total: 2 Cargo: ANALISTA INFORM II Masc.: 1 Fem.: 0 Menor: 0 Total: 1 Cargo: ASSES ADM I Masc.: 0 Fem.: 1 Menor: 0 Total: 1 Assessorar, no âmbito administrativo o superior imediato e a área de atuação, emitindo informações, analisando dados, recepcionando pessoas, controlando e analisando processos, máquinas e equipamentos, com vistas a assegurar o eficiente funcionamento da á Cargo: ASSIST DE INFORM I Masc.: 1 Fem.: 1 Menor: 0 Total: 2 Cargo: ASSIST DE INFORM II Masc.: 0 Fem.: 1 Menor: 0 Total: 1 Cargo: ASSIST SUP ACAD II Masc.: 1 Fem.: 0 Menor: 0 Total: 1 Setor: CENTRO DE CONVIVENCIA INFANTIL Prédio próprio, localizado do lado externo da unidade. Possui: Cozinha, sala de freezer e lavanderia Os ambientes foram construídos em alvenaria, piso frio e azulejo e área externa em cimento queimado. Possui áreas externas cobertas em algum pontos ao redor da edificação.ventilação natural através de janelas de blindex em todos os cômodos. Também possui salas para convívio e repouso das crianças (piso em paviflex). O CCI é cercado por alambrado e cercas próximo ao Horto florestal. Cargo: AG DESENV INFANTIL Masc.: 0 Fem.: 4 Menor: 0 Total: 4 Especificação dos Riscos - Cargo: AG DESENV INFANTIL Agente Biológico Grupo Biológico Classificação do Habitual Leve Contagio de viroses relacionadas ao trato digestivo (diarréias), gripes, e verminoses. -Elaborar planilha de EPIxCargos -Especificar EPIs necessários e adequados para realização das atividades; -Realizar treinamento para os funcionários sobre EPIs; -Exigir / Controlar a utilização de EPIs através de realização de inspeções formais. Uso de uniformes, luvas de procedimento. Contato com fezes e secreções corpóreas (vômitos/salivas/catarros) no trato com as crianças na troca de fraldas, limpeza, banho e na limpeza dos mesmos após o uso do sanitário. Há a exposição a vírus, fungos e bactérias pelo contato direto com as crianças, sobretudo pela PPRA-RIO CLARO-IGCE

9 NR 15 Anexo 14 Decreto n 3048 de 6/05/99. grande concentração e em especial em épocas de grande intensidade de doenças (gripes e viroses). Cargo: ASSIST ADMINIST II Masc.: 0 Fem.: 1 Menor: 0 Total: 1 Cargo: ASSIST OPER I Masc.: 0 Fem.: 2 Menor: 0 Total: 2 Funcionário CELIA ROSANA P PETINI DIAS Agente Químico Grupo Químico Classificação do Habitual Sério Fundamentação Legal NR 15 Decreto n 3048 de 6/05/99. Funcionário CELIA ROSANA P PETINI DIAS Utilização de compostos quimicos podem causar irritação na pele. mucosas e olhos além de queimadura e perda de visão em casos severos. Queimadura na pele e irritação nas vias aéreas. Fica exposto a risco químico de modo habitual no prédio da CCI durante atividades de limpeza utilizando produtos químicos:água Sanitária, desinfetantes, limpador multiuso e hipoclorito de sódio. Agente Biológico Grupo Biológico Classificação do Orientação Habitual Contágio ou infecção. Seguir as orientações da Ordem de Serviço para o cargo. Manter vacinação em dia. Fundamentação Legal NR 15-Anexo 14 Decreto n 3048 de 6/05/99. -Elaborar planilha de EPIx cargos, especificar EPI's necessários e adequados para realização das atividades. -Exigir e controlar a utilização de EPI's através de inspeções formais. -Realizar treinamento sobre o uso de EPI's. Fica exposto a risco biológico de modo habitual no prédio do CCI durante atividades de limpeza dos banheiros. Exposição a vírus, fungos e bactérias e possível contato com secreções corpóreas. Cargo: COZINHEIRO Masc.: 0 Fem.: 1 Menor: 0 Total: 1 Executar tarefas de preparo e cocção de alimentos, sob a supervisão de nutricionista. Cargo: SUPERVISOR DE CCI Masc.: 0 Fem.: 1 Menor: 0 Total: 1 PPRA-RIO CLARO-IGCE

10 Setor: DEP DE ESTAT MAT APL COMPUTAC Prédio independente dividido por Blocos: Bloco I: Construído em alvenaria, Piso em cimento queimado, ventilação natural e artificial em algumas salas. Bloco ll e lll: Possui sala de professores, salas de aulas e laboratório didático.construído em alvenaria, Piso em cimento queimado, ventilação natural e artificial em algumas salas. Secretaria, Pátio coberto e LESTIC. Cargo: ASSES ADM I RU70/08 Masc.: 0 Fem.: 1 Menor: 0 Total: 1 Cargo: ASSIST SUP ACAD II Masc.: 1 Fem.: 0 Menor: 0 Total: 1 Cargo: ASSIST SUP ACAD IV Masc.: 1 Fem.: 0 Menor: 0 Total: 1 Cargo: PROF ADJUNTO Masc.: 3 Fem.: 0 Menor: 0 Total: 3 Ensinam, articulando o processo de ensino-aprendizagem na formação de profissionais da educação; planejam atividades relativas a cursos e pesquisas; realizam pesquisas científicas sobre o campo educacional; supervisionam formação pedagógica em estágios; orientam alunos; avaliam o trabalho acadêmico científico; coordenam atividades de ensino, pesquisa e extensão. Produzem material de trabalho; prestam atendimento às demandas da comunidade na área da educação escolar e não-escolar (educação formal e informal); participam de atividades administrativas, atualizam-se na área e comunicam-se oralmente e por escrito. Cargo: PROF ASSISTENTE Masc.: 2 Fem.: 0 Menor: 0 Total: 2 Ensinam, articulando o processo de ensino-aprendizagem na formação de profissionais da educação; planejam atividades relativas a cursos e pesquisas; realizam pesquisas científicas sobre o campo educacional; supervisionam formação pedagógica em estágios; orientam alunos; avaliam o trabalho acadêmico científico; coordenam atividades de ensino, pesquisa e extensão. Produzem material de trabalho; prestam atendimento às demandas da comunidade na área da educação escolar e não-escolar (educação formal e informal); participam de atividades administrativas, atualizam-se na área e comunicam-se oralmente e por escrito. Cargo: PROF ASSISTENTE DR Masc.: 11 Fem.: 7 Menor: 0 Total: 18 Cargo: PROF SUBST P DETERM Masc.: 0 Fem.: 1 Menor: 0 Total: 1 Ensinam, articulando o processo de ensino-aprendizagem na formação de profissionais da educação; planejam atividades relativas a cursos e pesquisas; realizam pesquisas científicas sobre o campo educacional; supervisionam formação pedagógica em estágios; orientam alunos; avaliam o trabalho acadêmico científico; coordenam atividades de ensino, pesquisa e extensão. Produzem material de trabalho; prestam atendimento às demandas da comunidade na área da educação escolar e não-escolar (educação formal e informal); participam de atividades administrativas, atualizam-se na área e comunicam-se oralmente e por escrito. Cargo: PROF TITULAR Masc.: 2 Fem.: 0 Menor: 0 Total: 2 Ensinam, articulando o processo de ensino-aprendizagem na formação de profissionais da educação; planejam atividades relativas a cursos e pesquisas; realizam pesquisas científicas sobre o campo educacional; supervisionam formação pedagógica em estágios; orientam alunos; avaliam o trabalho acadêmico científico; coordenam atividades de ensino, pesquisa e extensão. Produzem material de trabalho; prestam atendimento às demandas da comunidade na área da educação escolar e não-escolar (educação formal e informal); participam de atividades administrativas, atualizam-se na área e comunicam-se oralmente e por escrito. PPRA-RIO CLARO-IGCE

11 Setor: DEP DE FISICA Prédio Novo. Próximo a Seção de Manutenção. Construído em Alvenaria, piso cerâmico. Térreo e primeiro andar. Janelas basculantes em toda a extensão do prédio. Departamento dividido em salas por divisórias: Salas de professores, secretária e copa e os seguintes laboratórios: Laboratório de química: Térreo. Ventilação natural. Possui saída de emergência porém, esta obstruída.possui 02 capelas. Oficina: Térreo no final do corredor.piso com pintura epox especial e corredores de circulação demarcados. Laboratório de Estrutura de materiais e Novos Matérias: Dividido por diversas salas no térreo. Possui sala para armazenamento de produtos químicos. Laboratório de Vidros: Final do corredor no Térreo. Piso cerâmico e bancadas. Cargo: ASSES ADM I Masc.: 0 Fem.: 1 Menor: 0 Total: 1 Assessorar, no âmbito administrativo o superior imediato e a área de atuação, emitindo informações, analisando dados, recepcionando pessoas, controlando e analisando processos, máquinas e equipamentos, com vistas a assegurar o eficiente funcionamento da á Cargo: ASSIST ADMINIST II Masc.: 0 Fem.: 1 Menor: 0 Total: 1 Cargo: ASSIST SUP ACAD II Masc.: 2 Fem.: 0 Menor: 0 Total: 2 Especificação dos Riscos - Cargo: ASSIST SUP ACAD II Agente Químico Grupo Químico Classificação do Tempo de Exposição 02:00 Fundamentação Legal NR 15- Anexo 11,13 Decreto n de 6/05/99. Funcionário Alergias, irritações e queimaduras, dermatites, problemas respiratórios, asfixia e outros. -Realizar análise quantitativa; Havia luvas e mascaras porém não há registro e controle de utilização. -Fica exposto a risco químico de modo ocasional durante atividades de desenvolvimento de pesquisas e aulas práticas nos diversos laboratórios do departamento. Multiexposição a reagentes químicos orgânicos e inorgânicos como: Acido Acético, Etanol, tetraedro de carbono, álcool Isopropilico, Álcool Etílico, dentre outros. Análise Qualitativa - entrevista com funcionário e visita ao local de trabalho. Apesar de algum produtos possuírem limites de tolerância estabelecidos, a inspeção em local de trabalho evidência que as atividades são ocasionais. CLAUDIO LUIZ SILVA BOCAIUVA Agente Ruído Grupo Físico Limite de Tolerância 85.0 db(a) Nível de Ação 80.0 db(a) Meio de Propagação Classificação do Ar Perda ou diminuição temporária ou permanente da audição. -Elaborar planilha EPI X Cargos, especificar EPI's necessários e adequados para realização das atividades. -Exigir e controlar a utilização de EPI"s através de inspeções formais. -Realizar treinamento aos funcionários sobre EPI's. Uso de Protetor Auricular Atena - CA 269 não controlado. Fundamentação Legal NR 15 - Anexo 1 Decreto n 3048 de 6/05/99 Fica exposto a risco de ruído de modo ocasional durante atividades na oficina utilizando furadeira, furadeira de bancada, lixa de mesa, esmeril e serra circular. PPRA-RIO CLARO-IGCE

12 Insalubridade: Não caracterizado como atividade Insalubre. Periculosidade: Não caracterizado como atividade especial. Informar na GFIP "00" Funcionário CLAUDIO LUIZ SILVA BOCAIUVA Agente Fumos de Solda Grupo Químico Meio de Propagação Classificação do Ar Intoxicação, Asfixia. As vias de ingresso de substâncias químicas dessa natureza no organismo são em sua grande maioria pelas vias aéreas (inalação) que causam geralmente intoxicação e asfixia. Mas há também a ocorrência comprovada pela absorção cutânea. Provocam enfermidades respiratórias, câncer, irritações, febres, cefaléias, náuseas, dores abdominais, problemas renais e agressão ao sistema nervoso central-snc. -Providenciar local externo e bem ventilado para atividades de solda. -Levantamento de EPI X Planilha X Função Uso de mascara de forma não efetiva Fundamentação Legal NR 15 - anexo 11,12,13 Fica exposto ao risco de fumos de solda de modo ocasional na oficina do departamento de física durante atividade de reparos e confecção de peças utilizando solda elétrica, mig, tig e Acetileno para realização do trabalho. Cargo: ASSIST SUP ACAD IV Masc.: 1 Fem.: 0 Menor: 0 Total: 1 Especificação dos Riscos - Cargo: ASSIST SUP ACAD IV Agente Químico Grupo Químico Classificação do Tempo de Exposição 02:00 Fundamentação Legal NR 15- Anexo 11,13 Decreto n de 6/05/99. Alergias, irritações e queimaduras, dermatites, problemas respiratórios, asfixia e outros. -Realizar análise quantitativa; Havia luvas e mascaras porém não há registro e controle de utilização. -Fica exposto a risco químico de modo ocasional durante atividades de desenvolvimento de pesquisas e aulas práticas nos diversos laboratórios do departamento. Multiexposição a reagentes químicos orgânicos e inorgânicos como: Acido Acético, Etanol, tetraedro de carbono, álcool Isopropilico, Álcool Etílico, dentre outros. Análise Qualitativa - entrevista com funcionário e visita ao local de trabalho. Apesar de algum produtos possuírem limites de tolerância estabelecidos, a inspeção em local de trabalho evidência que as atividades são ocasionais. Cargo: PROF ADJUNTO Masc.: 5 Fem.: 1 Menor: 0 Total: 6 Ensinam, articulando o processo de ensino-aprendizagem na formação de profissionais da educação; planejam atividades relativas a cursos e pesquisas; realizam pesquisas científicas sobre o campo educacional; supervisionam formação pedagógica em estágios; orientam alunos; avaliam o trabalho acadêmico científico; coordenam atividades de ensino, pesquisa e extensão. Produzem material de trabalho; prestam atendimento às demandas da comunidade na área da educação escolar e não-escolar (educação formal e informal); participam de atividades administrativas, atualizam-se na área e comunicam-se oralmente e por escrito. Funcionário DARIO ANTONIO DONATTI Agente Químico Grupo Químico Classificação do PPRA-RIO CLARO-IGCE

13 Tempo de Exposição 02:00 Fundamentação Legal NR 15- Anexo 11,13 Decreto n de 6/05/99. Funcionário DIMAS ROBERTO VOLLET Alergias, irritações e queimaduras, dermatites, problemas respiratórios, asfixia e outros. -Realizar análise quantitativa; Havia luvas e mascaras porém não há registro e controle de utilização. -Fica exposto a risco químico de modo ocasional durante atividades de desenvolvimento de pesquisas e aulas práticas no laboratório de Novos matérias. Multiexposição a reagentes químicos orgânicos e inorgânicos como: Acido Acético, Etanol, tetraedro de carbono, álcool Isopropilico, Álcool Etílico Análise Qualitativa - entrevista com funcionário e visita ao local de trabalho. Apesar de alguns produtos possuírem limites de tolerância estabelecidos, a inspeção em local de trabalho evidência que as atividades são ocasionais. Agente Químico Grupo Químico Classificação do Tempo de Exposição 02:00 Fundamentação Legal NR 15- Anexo 11,13 Decreto n de 6/05/99. Alergias, irritações e queimaduras, dermatites, problemas respiratórios, asfixia e outros. -Realizar análise quantitativa; Havia luvas e mascaras porém não há registro e controle de utilização. -Fica exposto a risco químico de modo ocasional durante atividades de desenvolvimento de pesquisas e aulas práticas no laboratório de Novos materias. Multiexposição a reagentes químicos orgânicos e inorgânicos como: Acido Acético, Etanol, tetraedro de carbono, álcool Isopropilico, Álcool Etílico Análise Qualitativa - entrevista com funcionário e visita ao local de trabalho. Apesar de alguns produtos possuírem limites de tolerância estabelecidos, a inspeção em local de trabalho evidência que as atividades são ocasionais. Cargo: PROF ASSISTENTE DR Masc.: 10 Fem.: 2 Menor: 0 Total: 12 Funcionário ERVINO CARLOS ZIEMATH Agente Químico Grupo Químico Classificação do Tempo de Exposição 02:00 Fundamentação Legal NR 15- Anexo 11,13 Alergias, irritações e queimaduras, dermatites, problemas respiratórios, asfixia e outros. -Realizar análise quantitativa; Havia luvas e mascaras, porém não há registro e controle de utilização. -Fica exposto a risco químico de modo ocasional durante atividades de desenvolvimento de pesquisas e aulas práticas no laboratório de Vidros. Multiexposição a reagentes químicos orgânicos e inorgânicos como: Tetrahetil e Orthosilicato dentre outros orgânicos e inorgânicos. PPRA-RIO CLARO-IGCE

14 Decreto n de 6/05/99. Análise Qualitativa - entrevista com funcionários e visita ao local de trabalho. Apesar de alguns produtos possuírem limites de tolerância estabelecidos, a inspeção em local de trabalho evidência que as atividades são ocasionais. Funcionário DANTE LUIS CHINAGLIA Agente Químico Grupo Químico Classificação do Tempo de Exposição 02:00 Fundamentação Legal NR 15- Anexo 11,13 Decreto n de 6/05/99. Alergias, irritações e queimaduras, dermatites, problemas respiratórios, asfixia e outros. -Realizar análise quantitativa; Havia luvas e mascaras porém não há registro e controle de utilização. -Fica exposto a risco químico de modo ocasional durante atividades de desenvolvimento de pesquisas e aulas práticas no laboratório de polímeros. Multiexposição a reagentes químicos orgânicos e inorgânicos como: Hidróxido de Amônia, Xilol, Metil Etil Cetona, formamida, Alcool Isopropilico. Análise Qualitativa - entrevista com funcionário e visita ao local de trabalho. Apesar de algum produtos possuírem limites de tolerância estabelecidos, a inspeção em local de trabalho evidência que as atividades são ocasionais. Cargo: PROF SUBSTITUTO-DET Masc.: 1 Fem.: 0 Menor: 0 Total: 1 Setor: DEP DE GEOGRAFIA Prédio Novo/ próximo a ao prédio administrativo. Construção em Alvenaria, estrutura armada. Dividido em salas por divisórias. Ocupa o primeiro andar (térreo) do prédio. Iluminação Natural e artificial (lâmpadas florescentes). Possui cortinas em todas as salas. Utilizam ventiladores na maioria das salas.piso cerâmico. Possui copa e anfiteatro (próximo a entrada principal). Cargo: ASSES ADM I Masc.: 0 Fem.: 1 Menor: 0 Total: 1 Assessorar, no âmbito administrativo o superior imediato e a área de atuação, emitindo informações, analisando dados, recepcionando pessoas, controlando e analisando processos, máquinas e equipamentos, com vistas a assegurar o eficiente funcionamento da á Cargo: ASSIST ADMINIST II Masc.: 0 Fem.: 1 Menor: 0 Total: 1 Cargo: ASSIST SUP ACAD II Masc.: 1 Fem.: 0 Menor: 0 Total: 1 Cargo: ASSIST SUP ACAD III Masc.: 0 Fem.: 1 Menor: 0 Total: 1 Cargo: ASSIST SUP ACAD IV Masc.: 1 Fem.: 0 Menor: 0 Total: 1 Cargo: DESENHISTA I Masc.: 1 Fem.: 0 Menor: 0 Total: 1 Cargo: PROF ADJUNTO Masc.: 7 Fem.: 4 Menor: 0 Total: 11 PPRA-RIO CLARO-IGCE

15 Ensinam, articulando o processo de ensino-aprendizagem na formação de profissionais da educação; planejam atividades relativas a cursos e pesquisas; realizam pesquisas científicas sobre o campo educacional; supervisionam formação pedagógica em estágios; orientam alunos; avaliam o trabalho acadêmico científico; coordenam atividades de ensino, pesquisa e extensão. Produzem material de trabalho; prestam atendimento às demandas da comunidade na área da educação escolar e não-escolar (educação formal e informal); participam de atividades administrativas, atualizam-se na área e comunicam-se oralmente e por escrito. Cargo: PROF ASSISTENTE DR Masc.: 3 Fem.: 2 Menor: 0 Total: 5 Cargo: PROF TITULAR Masc.: 0 Fem.: 1 Menor: 0 Total: 1 Ensinam, articulando o processo de ensino-aprendizagem na formação de profissionais da educação; planejam atividades relativas a cursos e pesquisas; realizam pesquisas científicas sobre o campo educacional; supervisionam formação pedagógica em estágios; orientam alunos; avaliam o trabalho acadêmico científico; coordenam atividades de ensino, pesquisa e extensão. Produzem material de trabalho; prestam atendimento às demandas da comunidade na área da educação escolar e não-escolar (educação formal e informal); participam de atividades administrativas, atualizam-se na área e comunicam-se oralmente e por escrito. Setor: DEP DE GEOLOGIA APLICADA Prédio construído em Alvenaria, piso cerâmico, térreo e primeiro andar. Possui sala de docentes e diversos laboratórios: Laboratório de Geotecnia: SAla ampla, localizado no Bloco didático G1. Iluminação natural e Artificial. Piso Cerâmico. Bancadas em Granito, pia, capela e estantes em alvenaria para armazenar utensílios e vidraria. Laboratório de Informática: Sala próxima a secretaria no 1 Andar. Possui diversos computadores. piso cerâmico. Ventilação Natural e Artificial. Laboratório de Paleontologia: Antigo Anfiteatro. Localizado próximo a entrada principal do prédio no térreo. Laboratório de Geofísica: Análise de Solos. Localizado no térreo do departamento. Laboratório de Sedimentologia: Localizado em sala externa ao departamento. Construído em alvenaria, piso cerâmico. Ventilação natural e Artificial. Possui balcão, parede azulejada, capela balanças e outros equipamentos. Cargo: ASSES ADM I RU70/08 Masc.: 0 Fem.: 1 Menor: 0 Total: 1 Cargo: ASSIST SUP ACAD I Masc.: 1 Fem.: 0 Menor: 0 Total: 1 Funcionário CLAUDIO RIBEIRO DA SILVA Agente Químico Grupo Químico Tempo de Exposição 04:00 Intermitente Fundamentação Legal NR 15-Anexo 11,12 e 13 Decreto n de 6/05/99 Produtos químicos podem dar causas a lesões menores como irritação na pele, olhos e mucosas; alergias e desconfortos nas vias aéreas respiratórias e no sistema digestivo como podem ter conseqüências maiores como produtos cancerígenos e outros que podem levar ao envenenamento e à morte. -Verificar possibilidade de manutenção na capela, que não esta em funcionamento; -Organizar o ambiente; Utiliza luva, mascara para vapores orgânicos, (avental e jaleco). Não há evidência de controle. Fica exposto a risco químico de modo Intermitente no laboratório de Sedimentologia do departamento. As atividades são realizadas entre março e Novembro durante 4 horas. É feito a separação de componentes das pedras e solo. Para realizar a separação destes, utiliza produtos químicos: Acído Clorídrico e Acido Acético. - Entrevista com funcionário e visita ao local de trabalho. Apesar de alguns produtos possuírem limites de tolerância estabelecidos, a inspeção em local de trabalho evidência que as atividades são intermitentes/ocasionais. Cargo: ASSIST SUP ACAD II Masc.: 1 Fem.: 2 Menor: 0 Total: 3 PPRA-RIO CLARO-IGCE

16 Funcionário ALAN DE OLIVEIRA Agente Químico Grupo Químico Tempo de Exposição 04:00 Intermitente Fundamentação Legal NR 15-Anexo 11,12 e 13 Decreto n de 6/05/99 Produtos químicos podem dar causas a lesões menores como irritação na pele, olhos e mucosas; alergias e desconfortos nas vias aéreas respiratórias e no sistema digestivo como podem ter conseqüências maiores como produtos cancerígenos e outros que podem levar ao envenenamento e à morte. -Verificar possibilidade de manutenção na capela, que não esta em funcionamento; -Organizar o ambiente; Utiliza luva, mascara para vapores orgânicos, (avental e jaleco). Não há evidência de controle. Fica exposto a risco químico de modo Intermitente no laboratório de Geotecnia do departamento. As atividades são realizadas entre março e Novembro durante 3 vezes por semana. É feito a separação de componentes das pedras e solo para posterior caracterização e identificação do solo.para realizar a separação destes, utiliza produtos químicos: Acído Clorídrico e Acido Acético, acetona e Hexametafosfato de Sódio. Prepara solução e acompanha as aulas práticas. A aplicação da solução preparada e feita em contato direto das mãos com os componentes. - Entrevista com funcionário e visita ao local de trabalho. Apesar de alguns produtos possuírem limites de tolerância estabelecidos, a inspeção em local de trabalho evidência que as atividades são intermitentes/ocasionais. Cargo: ASSIST SUP ACAD III Masc.: 1 Fem.: 0 Menor: 0 Total: 1 Cargo: DESENHISTA I Masc.: 1 Fem.: 0 Menor: 0 Total: 1 Cargo: PROF ADJUNTO Masc.: 11 Fem.: 1 Menor: 0 Total: 12 Ensinam, articulando o processo de ensino-aprendizagem na formação de profissionais da educação; planejam atividades relativas a cursos e pesquisas; realizam pesquisas científicas sobre o campo educacional; supervisionam formação pedagógica em estágios; orientam alunos; avaliam o trabalho acadêmico científico; coordenam atividades de ensino, pesquisa e extensão. Produzem material de trabalho; prestam atendimento às demandas da comunidade na área da educação escolar e não-escolar (educação formal e informal); participam de atividades administrativas, atualizam-se na área e comunicam-se oralmente e por escrito. Cargo: PROF ASSISTENTE DR Masc.: 5 Fem.: 2 Menor: 0 Total: 7 Cargo: PROF TITULAR Masc.: 0 Fem.: 1 Menor: 0 Total: 1 Ensinam, articulando o processo de ensino-aprendizagem na formação de profissionais da educação; planejam atividades relativas a cursos e pesquisas; realizam pesquisas científicas sobre o campo educacional; supervisionam formação pedagógica em estágios; orientam alunos; avaliam o trabalho acadêmico científico; coordenam atividades de ensino, pesquisa e extensão. Produzem material de trabalho; prestam atendimento às demandas da comunidade na área da educação escolar e não-escolar (educação formal e informal); participam de atividades administrativas, atualizam-se na área e comunicam-se oralmente e por escrito. PPRA-RIO CLARO-IGCE

17 Setor: DEP DE MATEMATICA Prédio próximo a entrada principal, rua 24A. Construído em Alvenaria, Piso Cerâmico, ventilação natural e artificial, corredores cobertos e amplos. Dividido em secretaria, sala de professores, copa, laboratórios didáticos e anfiteatro e sala de computadores. Cargo: ASSES ADM I RU70/08 Masc.: 0 Fem.: 1 Menor: 0 Total: 1 Cargo: ASSIST ADMINIST III Masc.: 0 Fem.: 1 Menor: 0 Total: 1 Cargo: ASSIST SUP ACAD II Masc.: 1 Fem.: 0 Menor: 0 Total: 1 Cargo: ASSIST SUP ACAD IV Masc.: 1 Fem.: 0 Menor: 0 Total: 1 Cargo: PROF ADJUNTO Masc.: 3 Fem.: 1 Menor: 0 Total: 4 Ensinam, articulando o processo de ensino-aprendizagem na formação de profissionais da educação; planejam atividades relativas a cursos e pesquisas; realizam pesquisas científicas sobre o campo educacional; supervisionam formação pedagógica em estágios; orientam alunos; avaliam o trabalho acadêmico científico; coordenam atividades de ensino, pesquisa e extensão. Produzem material de trabalho; prestam atendimento às demandas da comunidade na área da educação escolar e não-escolar (educação formal e informal); participam de atividades administrativas, atualizam-se na área e comunicam-se oralmente e por escrito. Cargo: PROF ASSISTENTE DR Masc.: 6 Fem.: 9 Menor: 0 Total: 15 Cargo: PROF SUBSTITUTO-DET Masc.: 3 Fem.: 1 Menor: 0 Total: 4 Cargo: PROF TITULAR Masc.: 1 Fem.: 0 Menor: 0 Total: 1 Ensinam, articulando o processo de ensino-aprendizagem na formação de profissionais da educação; planejam atividades relativas a cursos e pesquisas; realizam pesquisas científicas sobre o campo educacional; supervisionam formação pedagógica em estágios; orientam alunos; avaliam o trabalho acadêmico científico; coordenam atividades de ensino, pesquisa e extensão. Produzem material de trabalho; prestam atendimento às demandas da comunidade na área da educação escolar e não-escolar (educação formal e informal); participam de atividades administrativas, atualizam-se na área e comunicam-se oralmente e por escrito. Setor: DEP DE PETROL E METALOGENIA Situado no Térreo do prédio do departamento de Geologia Aplicada.Possui laboratórios: laboratório de Isótopos, LABIDRO, Laboratório de Zircão e rochas Ornamentais, laboratório de Laminação, LABOGEO, Espectrometria de Florescência de Raio X, Espectrometria de Difração de RX,Absorção Atômica. Espectrometria de emissão de plasma indutivamente acoplado, Laboratório de Micro-tectônica e Museo. Cargo: ASSES ADM I RU70/08 Masc.: 0 Fem.: 1 Menor: 0 Total: 1 Cargo: ASSIST SUP ACAD II Masc.: 3 Fem.: 0 Menor: 0 Total: 3 Especificação dos Riscos - Cargo: ASSIST SUP ACAD II Agente Químico Grupo Químico Classificação do Sério Utilização de compostos químicos que podem causar irritação na pele, mucosas e olhos, além de queimadura e perda de visão em casos severos, queimaduras na pele e irritação das vias aéreas. -Avaliar a quantidade/concentração poeira livre no ambiente do laboratório de serras e corte(zircão). PPRA-RIO CLARO-IGCE

18 Uso de Mascara e protetor auricular ( uso coletivo) Fundamentação Legal NR-15 Anexo 11,12,13 Decreto n de 06/05/99 Fica exposto a risco químico de modo durante atividades de corte de rochas utilizando serras, lixas ficando exposto a poeira emitida durante realização destes processos. Fica exposto a risco químico de modo ocasional durante a preparação de soluções químicas para pesquisas e utilização em aulas praticas utilizando : Colas, Xilol. Bromoformio, metaborato, tetraborato e bromoformio-multiexposição a agentes químicos. - Entrevista com funcionários e visita ao local de trabalho. Multiexposição e tempos variados em contato/manuseio aos produtos químicos.não conclusivo Funcionário LAERTE APARECIDO MARTINS Agente Ruído Grupo Físico Limite de Tolerância 85.0 db(a) Nível de Ação 80.0 db(a) Meio de Propagação Classificação do Orientação Ar Intermitente Sério -Surdez p/ Perda Auditiva Induzida Pelo Ruído - PAIR. Além da surdez o ambiente ruidoso pode gerar distúrbios relacionados a estresse e outros problemas de ordem psíquica, fisiológica e Anatômica. O indivíduo pode apresentar vasoconstrição, taquicardia, hipertensão arterial, distúrbios digestivos, fadiga muscular, irritabilidade, ansiedade, excitabilidade, desconforto, etc. A comunicação oral pode ficar extremamente prejudicada no trabalho, dificultando a compreensão de ordens verbais, avisos de alerta ou perigo. -Realizar treinamento especifico para operação de máquinas de corte. -Realizar dosimetria no local onde ficam as máquinas(laboratórios de laminação, preparação, zircão e rochas ornamentais). -Elaborar planilha de EPIxCargos, especificar EPIs necessários e adequados para realização das atividades; -Realizar treinamento para os funcionários sobre EPIs; -Exigir / Controlar a utilização de EPIs através de realização de inspeções formais. Fica exposto a ruído de modo Intermitente no laboratório de laminação, preparação, Zircão e Rochas ornamentais durante a preparação de amostras utilizando máquinas que emitem ruído intenso: serra corte, britadeira, torno, prensa. Fundamentação Legal NR 15- Anexo 1 Decreto n de 06/05/1999 Funcionário ADILSON JOSE ROSSINI Agente Ruído Grupo Físico Limite de Tolerância 85.0 db(a) Nível de Ação 80.0 db(a) Meio de Propagação Classificação do Ar Intermitente Sério -Surdez p/ Perda Auditiva Induzida Pelo Ruído - PAIR. Além da surdez o ambiente ruidoso pode gerar distúrbios relacionados a estresse e outros problemas de ordem psíquica, fisiológica e anatômica. O indivíduo pode apresentar vasoconstrição, taquicardia, hipertensão arterial, distúrbios digestivos, fadiga muscular, irritabilidade, ansiedade, excitabilidade, desconforto, etc. A comunicação oral pode ficar extremamente prejudicada no trabalho, dificultando a compreensão de ordens verbais, avisos de alerta ou perigo. Orientação -Realizar treinamento especifico para operação de máquinas de corte. -Realizar dosimetria no local onde ficam as máquinas(laboratórios de laminação, preparação, zircão e rochas ornamentais). -Elaborar planilha de EPIxCargos, especificar EPIs necessários e adequados para realização das atividades; -Realizar treinamento para os funcionários sobre EPIs; -Exigir / Controlar a utilização de EPIs através de realização de inspeções formais. Fica exposto a ruído de modo Intermitente no laboratório de laminação, preparação, Zircão e Rochas ornamentais durante a preparação de amostras utilizando máquinas que emitem ruído intenso: serra corte, britadeira, torno, prensa. PPRA-RIO CLARO-IGCE

19 Fundamentação Legal NR 15- Anexo 1 Decreto n de 06/05/1999 Cargo: ASSIST SUP ACAD IV Masc.: 1 Fem.: 0 Menor: 0 Total: 1 Especificação dos Riscos - Cargo: ASSIST SUP ACAD IV Agente Ruído Grupo Físico Limite de Tolerância 85.0 db(a) Nível de Ação 80.0 db(a) Meio de Propagação Classificação do Orientação Ar Intermitente Sério -Surdez p/ Perda Auditiva Induzida Pelo Ruído - PAIR. Além da surdez o ambiente ruidoso pode gerar distúrbios relacionados a estresse e outros problemas de ordem psíquica, fisiológica e anatômica. O indivíduo pode apresentar vasoconstrição, taquicardia, hipertensão arterial, distúrbios digestivos, fadiga muscular, irritabilidade, ansiedade, excitabilidade, desconforto, etc. A comunicação oral pode ficar extremamente prejudicada no trabalho, dificultando a compreensão de ordens verbais, avisos de alerta ou perigo. -Realizar treinamento especifico para operação de máquinas de corte. -Realizar dosimetria no local onde ficam as máquinas(laboratórios de laminação, preparação, zircão e rochas ornamentais). -Elaborar planilha de EPIxCargos, especificar EPIs necessários e adequados para realização das atividades; -Realizar treinamento para os funcionários sobre EPIs; -Exigir / Controlar a utilização de EPIs através de realização de inspeções formais. Fica exposto a ruído de modo Intermitente no laboratório de laminação, preparação, Zircão e Rochas ornamentais durante a preparação de amostras utilizando máquinas que emitem ruído intenso: serra corte, britadeira, torno, prensa. Fundamentação Legal NR 15- Anexo 1 Decreto n de 06/05/1999 Agente Químico Grupo Químico Classificação do Intermitente Sério Utilização de compostos químicos que podem causar irritação na pele, mucosas e olhos, além de queimadura e perda de visão em casos severos, queimaduras na pele e irritação das vias aéreas. -Avaliar a quantidade/concentração poeira livre no ambiente do laboratório de serras e corte (Zircão). Uso de Mascara e protetor auricular ( uso coletivo) Fundamentação Legal NR-15 Anexo 11,12,13 Decreto n de 06/05/99 Fica exposto a risco químico de modo Intermitente durante atividades de corte de rochas utilizando serras, lixas ficando exposto a poeira emitida durante realização destes processos. Fica exposto a risco químico de modo Intermitente durante a preparação de soluções químicas para pesquisas e utilização em aulas praticas utilizando : Colas, Xilol. Bromoformio, metaborato, tetraborato e bromoformio-multiexposição a agentes químicos. - Entrevista com funcionários e visita ao local de trabalho. Multiexposição e tempos variados em contato/manuseio aos produtos quimicos.não conclusivo Cargo: PROF ADJUNTO Masc.: 8 Fem.: 0 Menor: 0 Total: 8 Ensinam, articulando o processo de ensino-aprendizagem na formação de profissionais da educação; planejam atividades relativas a cursos e pesquisas; realizam pesquisas científicas sobre o campo educacional; supervisionam formação pedagógica em estágios; orientam alunos; avaliam o trabalho acadêmico científico; coordenam atividades de ensino, pesquisa e extensão. Produzem material de trabalho; prestam atendimento às demandas da comunidade na área da educação escolar e não-escolar (educação formal e informal); participam de atividades administrativas, atualizam-se na área e comunicam-se oralmente e por escrito. PPRA-RIO CLARO-IGCE

20 Especificação dos Riscos - Cargo: PROF ADJUNTO Agente Ruído Grupo Físico Limite de Tolerância 85.0 db(a) Nível de Ação 80.0 db(a) Meio de Propagação Classificação do Orientação Ar -Surdez p/ Perda Auditiva Induzida Pelo Ruído - PAIR. Além da surdez o ambiente ruidoso pode gerar distúrbios relacionados a estresse e outros problemas de ordem psíquica, fisiológica e anatômica. O indivíduo pode apresentar vasoconstrição, taquicardia, hipertensão arterial, distúrbios digestivos, fadiga muscular, irritabilidade, ansiedade, excitabilidade, desconforto, etc. A comunicação oral pode ficar extremamente prejudicada no trabalho, dificultando a Compreensão de ordens verbais, avisos de alerta ou perigo. -Realizar treinamento especifico para operação de máquinas de corte. -Elaborar planilha de EPIxCargos, especificar EPIs necessários e adequados para realização das atividades; -Realizar treinamento para os funcionários sobre EPIs; -Exigir / Controlar a utilização de EPIs através de realização de inspeções formais. Fica exposto a ruído de modo ocasional no laboratório de laminação, preparação, Zircão e Rochas ornamentais durante a preparação de amostras utilizando máquinas que emitem ruído intenso: serra corte, britadeira, torno, prensa. Fundamentação Legal NR 15- Anexo 1 Decreto n de 06/05/1999 Agente Químico Grupo Químico Classificação do Intermitente Sério Utilização de compostos químicos que podem causar irritação na pele, mucosas e olhos, além de queimadura e perda de visão em casos severos, queimaduras na pele e irritação das vias aéreas. -Avaliar a quantidade/concentração poeira livre no ambiente do laboratório de serras e corte(zircão). Uso de Mascara e protetor auricular ( uso coletivo) Fundamentação Legal NR-15 Anexo 11,12,13 Decreto n de 06/05/99 Fica exposto a risco químico de modo Intermitente durante atividades de corte de rochas utilizando serras, lixas ficando exposto a poeira emitida durante realização destes processos. Fica exposto a risco químico de modo Intermitente durante a preparação de soluções químicas para pesquisas e utilização em aulas praticas utilizando : Colas, Xilol. Bromoformio, metaborato, tetraborato e bromoformio-multiexposição a agentes quimicos. - Entrevista com funcionários e visita ao local de trabalho. Multiexposição e tempos variados em contato/manuseio aos produtos químicos.não conclusivo Cargo: PROF ASSISTENTE DR Masc.: 5 Fem.: 2 Menor: 0 Total: 7 Especificação dos Riscos - Cargo: PROF ASSISTENTE DR Agente Ruído Grupo Físico Limite de Tolerância 85.0 db(a) Nível de Ação 80.0 db(a) Meio de Propagação Classificação do Ar -Surdez p/ Perda Auditiva Induzida Pelo Ruído - PAIR. Além da surdez o ambiente ruidoso pode gerar distúrbios relacionados a estresse e outros problemas de ordem psíquica, fisiológica e anatômica. O indivíduo pode apresentar vasoconstrição, taquicardia, hipertensão arterial, distúrbios digestivos, fadiga muscular, irritabilidade, ansiedade, excitabilidade, desconforto, etc. A comunicação oral pode ficar extremamente prejudicada no trabalho, dificultando a PPRA-RIO CLARO-IGCE

- NORMA REGULAMENTADORA Nº 9 PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS

- NORMA REGULAMENTADORA Nº 9 PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS - NORMA REGULAMENTADORA Nº 9 PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS 9.1 - Do Objeto e Campo de Aplicação Item 9.1 da NR 9 alterado pelo art. 1º da Portaria SSST nº 25 - DOU 30/12/1994 - Republicada

Leia mais

NR 9 PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS

NR 9 PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS NR 9 PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS Transcrito pela Nutri Safety * O SECRETÁRIO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO no uso de suas atribuições legais, e CONSIDERANDO o disposto nos artigos 155

Leia mais

PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS

PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS MODELO PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS NOME DA EMPRESA PERÍODO Dia / Mês / Ano a Dia / Mês / Ano 1 SUMÁRIO 3 IDENTIFICAÇÃO DA EMPRESA 4 4 OBJETIVO GERAL CONDIÇÕES PRELIMINARES 5 DESENVOLVIMENTO

Leia mais

NR- 9 PPRA Programa de Prevenção de Riscos Ambientais

NR- 9 PPRA Programa de Prevenção de Riscos Ambientais Instituto Superior de Tecnologia de Paracambi NR- 9 PPRA Programa de Prevenção de Riscos Ambientais Curso:Tecnólogo em Gestão Ambiental Professora: Raquel Simas Pereira Teixeira PPRA PADRÃO PARA ELABORAÇÃO

Leia mais

ANEXO VII: NR 9 - PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS (109.000-3)

ANEXO VII: NR 9 - PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS (109.000-3) ANEXO VII: NR 9 - PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS (109.000-3) NR 9 - PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS (109.000-3) 9.1. Do objeto e campo de aplicação. 9.1.1. Esta Norma Regulamentadora

Leia mais

Copyright Proibida Reprodução. Prof. Éder Clementino dos Santos

Copyright Proibida Reprodução. Prof. Éder Clementino dos Santos NR 9 PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE S AMBIENTAIS Importância PPRA O PPRA é parte integrante do conjunto mais amplo das iniciativas da empresa no campo da preservação da saúde e da integridade dos trabalhadores;

Leia mais

PPRA Mitos e Verdades Como Elaborar. Prof. Ricardo Henrique de L Silva

PPRA Mitos e Verdades Como Elaborar. Prof. Ricardo Henrique de L Silva Classificação Conceito de Higiene dos riscos Industrial ambientais PPRA Mitos e Verdades Como Elaborar Prof. Ricardo Henrique de L Silva ricardo.henrique@caruaru.ifpe.edu.br O QUE O PPRA? PARA QUE SERVE

Leia mais

PPRA Programa de Prevenção de Riscos Ambientais Documento Base

PPRA Programa de Prevenção de Riscos Ambientais Documento Base PPRA Programa de Prevenção de Riscos Ambientais Documento Base [informe a unidade/complexo] Anexo 1 do PGS-3209-46-63 Data - 07/10/2013 Análise Global: - [informe o número e data da análise] p. 1/27 Sumário

Leia mais

PROGRAMAS DE SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO

PROGRAMAS DE SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO 1 PROGRAMAS DE SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO 2 PPRA Desde 1994, por exigência legal, as empresas são obrigadas a montar o PPRA (Programa de Prevenção de Riscos Ambientais). Esse programa foi definido pela

Leia mais

Curso Técnico Segurança do Trabalho. Higiene, Análise de Riscos e Condições de Trabalho MÄdulo 5 Programa PrevenÇÉo Riscos Ambientais (VisÉo Geral)

Curso Técnico Segurança do Trabalho. Higiene, Análise de Riscos e Condições de Trabalho MÄdulo 5 Programa PrevenÇÉo Riscos Ambientais (VisÉo Geral) Curso Técnico Segurança do Trabalho Higiene, Análise de Riscos e Condições de Trabalho MÄdulo 5 Programa PrevenÇÉo Riscos Ambientais (VisÉo Geral) Esta Norma Regulamentadora - NR estabelece a obrigatoriedade

Leia mais

NR7, NR9, NR17 - PROGRAMAS. Adriano Fernandes da Silva Lucas dos Reis Furtado Natália Barrios da Vila

NR7, NR9, NR17 - PROGRAMAS. Adriano Fernandes da Silva Lucas dos Reis Furtado Natália Barrios da Vila NR7, NR9, NR17 - PROGRAMAS Alunos: Adriano Fernandes da Silva Lucas dos Reis Furtado Natália Barrios da Vila NR 7 PCMSO - PROGRAMA DE CONTROLE MÉDICO DE SAÚDE OCUPACIONAL Esta Norma Regulamentadora - NR

Leia mais

PPRA PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS COOPERCON COOPERATIVA DE TRABALHO MÉDICO E ATIVIDADES AFINS DE MINAS GERAIS

PPRA PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS COOPERCON COOPERATIVA DE TRABALHO MÉDICO E ATIVIDADES AFINS DE MINAS GERAIS PPRA PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS COOPERCON COOPERATIVA DE TRABALHO MÉDICO E ATIVIDADES AFINS DE MINAS GERAIS SEDE ANO BASE: MAIO 2016 / MAIO 2017 1- PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO DO ÓRGÃO

IDENTIFICAÇÃO DO ÓRGÃO IDENTIFICAÇÃO DO ÓRGÃO RAZÃO SOCIAL: Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Rondônia. CNPJ: 10.817.343/0001-05. ENDEREÇO: Av. 7 de Setembro, 2090 Nossa Senhora das Graças. CEP: 76.804-124.

Leia mais

PPRA PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS COOPERCON COOPERATIVA DO TRABALHO MÉDICO DE CONTAGEM

PPRA PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS COOPERCON COOPERATIVA DO TRABALHO MÉDICO DE CONTAGEM PPRA PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS COOPERCON COOPERATIVA DO TRABALHO MÉDICO DE CONTAGEM PAC SÃO JOSÉ ANO BASE: MAIO 2016 / MAIO 2017 1- PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

CONCEITO DIVISÃO LABORAIS RISCOS CARACTERÍSTICA COR TIPOLOGIA DE RISCOS 16/03/2012. Riscos Operacionais. Riscos Ambientais

CONCEITO DIVISÃO LABORAIS RISCOS CARACTERÍSTICA COR TIPOLOGIA DE RISCOS 16/03/2012. Riscos Operacionais. Riscos Ambientais RISCOS LABORAIS São agentes presentes nos ambientes de trabalho, decorrentes de precárias condições que, se não forem detectados e eliminados a tempo, provocam os Acidentes de Trabalho e as Doenças Ocupacionais.

Leia mais

ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA/ESPECIFICAÇÕES BÁSICAS

ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA/ESPECIFICAÇÕES BÁSICAS ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA/ESPECIFICAÇÕES BÁSICAS 1. OBJETO 1.1 Prestação de serviços técnicos especializados em Engenharia de segurança do Trabalho, de modo a elaborar o Programa de Prevenção de Riscos

Leia mais

CAPACITAÇÃO TST PROGRAMA DE PREVENÇÂO DOS RISCOS AMBIENTAIS NR-09 COMENTADA ODEMIRO J B FARIAS

CAPACITAÇÃO TST PROGRAMA DE PREVENÇÂO DOS RISCOS AMBIENTAIS NR-09 COMENTADA ODEMIRO J B FARIAS CAPACITAÇÃO TST PROGRAMA DE PREVENÇÂO DOS RISCOS AMBIENTAIS NR-09 COMENTADA ODEMIRO J B FARIAS 1 CURSO DE CAPACITAÇÃO PARA PROFISSIONAIS TÉCNICOS EM SEGURANÇA DO TRABALHO PROGRAMA DE PREVENÇÃO DOS RISCOS

Leia mais

LAUDO DA AVALIAÇÃO AMBIENTAL

LAUDO DA AVALIAÇÃO AMBIENTAL ã 2011 - - CAMPUS: VITÓRIA DA CONQUISTA - BAHIA Laudo 001/2011 ADICIONAL ADICIONAL DE INSALUBRIDADE DE PERICULOSIDADE GRATIFICAÇÃO DE TRABALHOS COM RAIOS-X SERViÇO MÉDICO UNIVERSITÁRIO RUBENS BRASIL NÚCLEO

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE UBERABA PPRA

PREFEITURA MUNICIPAL DE UBERABA PPRA PREFEITURA MUNICIPAL DE UBERABA PPRA Programa de Prevenção de Riscos Ambientais 2011 SEMETRA-PMU Seção de Segurança e Medicina do Trabalho SUMÁRIO 1 CARACTERIZAÇÃO DA EMPRESA...2 2 OBJETIVOS DO SESMT-PMU...2

Leia mais

Laudo Técnico de condições Ambientais do Trabalho LTCAT MOBRA SERVIÇOS DE VIGILNCIA LTDA

Laudo Técnico de condições Ambientais do Trabalho LTCAT MOBRA SERVIÇOS DE VIGILNCIA LTDA Laudo Técnico de condições Ambientais do Trabalho LTCAT MOBRA SERVIÇOS DE VIGILNCIA LTDA JANEIRO / 2014 DADOS DA EMPRESA Razão Social: MOBRA SERVIÇOS DE VIGILÂNCIA LTDA. CGC: 87.134.086/0001-23, Endereço:

Leia mais

INSTITUTO PRESBITERIANO MACKENZIE

INSTITUTO PRESBITERIANO MACKENZIE PPRA - Programa de Prevenção de Riscos Ambientais Mackenzie Campinas Ano: 2015 Razão social: Endereço: Instituto Presbiteriano Mackenzie Avenida Brasil, 1200 Jardim Guanabara - Campinas - SP CNPJ: 60.967.551/0007-46

Leia mais

INSTRUÇÕES BÁSICAS P ARA A ELABORAÇÃO DE MAPA DE RISCOS. Dilaine RS Schneider SESMT/UNICAMP. Maurício Gervanutti SESMT/UNICAMP

INSTRUÇÕES BÁSICAS P ARA A ELABORAÇÃO DE MAPA DE RISCOS. Dilaine RS Schneider SESMT/UNICAMP. Maurício Gervanutti SESMT/UNICAMP INSTRUÇÕES BÁSICAS P ARA A ELABORAÇÃO DE MAPA DE RISCOS Dilaine RS Schneider SESMT/UNICAMP Maurício Gervanutti SESMT/UNICAMP 2014 1. INTRODUÇÃO Com o decorrer do tempo e os avanços tecnológicos tornando

Leia mais

SESTPREV CONSULTORIA EM SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO

SESTPREV CONSULTORIA EM SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO CONSULTORIA EM SEGURANÇA E MEDICI DO TRABALHO NR - 09 PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS Documento base do Programa de Prevenção de Riscos Ambientais, elaborado de acordo com a Norma Regulamentadora

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO DO ÓRGÃO

IDENTIFICAÇÃO DO ÓRGÃO IDENTIFICAÇÃO DO ÓRGÃO RAZÃO SOCIAL: Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Rondônia. CNPJ: 10.817.343/0002-88 ENDEREÇO: Rua Rio Amazonas, 151, Jardim dos Migrantes CEP: 76.900-730 MUNICIPIO:

Leia mais

MANUAL PRÁTICO DE HIGIENE OCUPACIONAL E PPRA. Avaliação e Controle dos Riscos Ambientais

MANUAL PRÁTICO DE HIGIENE OCUPACIONAL E PPRA. Avaliação e Controle dos Riscos Ambientais MANUAL PRÁTICO DE HIGIENE OCUPACIONAL E PPRA Avaliação e Controle dos Riscos Ambientais 1ª edição 2006 2ª edição, autor 2006 3ª edição 2011 4ª edição 2013 5ª edição janeiro, 2014 6ª edição outubro, 2014

Leia mais

A SECRETARIA DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO, no uso de suas atribuições legais, e

A SECRETARIA DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO, no uso de suas atribuições legais, e PORTARIA SSST Nº 11, de 13/10/1994 "Publica a minuta do Projeto de Reformulação da Norma Regulamentadora nº 9 - Riscos Ambientais com o seguinte título: Programa de Proteção a Riscos Ambientais". A SECRETARIA

Leia mais

Tipo SERVIDOR IFAM ESTAGIÁRIO TERCEIRIZADO MENOR APRENDIZ Homens Mulheres

Tipo SERVIDOR IFAM ESTAGIÁRIO TERCEIRIZADO MENOR APRENDIZ Homens Mulheres 1. UNIDADE ( ) Campus Coari ( ) Campus Maués ( ) Campus Lábrea ( ) Campus Parintins ( ) Campus Manaus Centro ( ) Campus Presidente Figueiredo ( ) Campus Manaus Distrito Industrial ( ) Campus São Gabriel

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Norma Regulamentadora Nº 9 - Descrição das medidas de controles já existentes

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Norma Regulamentadora Nº 9 - Descrição das medidas de controles já existentes medidas de controles já existentes 04/04/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Legislação... 3 4. Conclusão... 5 5. Informações Complementares...

Leia mais

PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS PPRA FUNDEPES / SEDE ADMINISTRATIVA

PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS PPRA FUNDEPES / SEDE ADMINISTRATIVA PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS PPRA FUNDEPES / SEDE ADMINISTRATIVA 1 Maceió-AL Junho/2015 SUMÁRIO 1.0 Introdução 03 2.0 Programa de Prevenção PPRA 04 3.0 Objetivo do Programa de Prevenção PPRA

Leia mais

MANUAL PRÁTICO DE HIGIENE OCUPACIONAL E PPRA. Avaliação e Controle dos Riscos Ambientais

MANUAL PRÁTICO DE HIGIENE OCUPACIONAL E PPRA. Avaliação e Controle dos Riscos Ambientais MANUAL PRÁTICO DE HIGIENE OCUPACIONAL E PPRA Avaliação e Controle dos Riscos Ambientais 1ª edição 2006 2ª edição, autor 2006 3ª edição 2011 4ª edição 2013 5ª edição janeiro, 2014 6ª edição outubro, 2014

Leia mais

FTST Formação Técnica em Segurança do Trabalho. Módulo de Saúde Ocupacional AULA 7

FTST Formação Técnica em Segurança do Trabalho. Módulo de Saúde Ocupacional AULA 7 FTST Formação Técnica em Segurança do Trabalho Módulo de Saúde Ocupacional AULA 7 Competências a serem trabalhadas em HO Analisar as condições de saúde e organização do ambiente de trabalho, avaliando-as

Leia mais

LAUDO 015/2013 - SMS LAUDO FISIOTERAPEUTA EM UNIDADES DE SAÚDE LAUDO PERICIAL DE INSALUBRIDADE E/OU PERICULOSIDADE N.º 015/2013 1

LAUDO 015/2013 - SMS LAUDO FISIOTERAPEUTA EM UNIDADES DE SAÚDE LAUDO PERICIAL DE INSALUBRIDADE E/OU PERICULOSIDADE N.º 015/2013 1 PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE SECRETARIA MUNICIPAL DA SAÚDE - SMS GERÊNCIA DE SAÚDE DO SERVIDOR MUNICIPAL - GSSM EQUIPE DE PERÍCIA TÉCNICA - EPT LAUDO 015/2013 - SMS LAUDO FISIOTERAPEUTA EM UNIDADES

Leia mais

PPRA PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS

PPRA PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS A. DA SILVA LEITE & CIA LTDA EPP - Manaus Limpa / Unidade FUJI FILM RUA SEBASTIÃO BATISTA E MELO Bairro: PONTA NEGRA, Nº 5 A - MANAUS \ AM Fone: ( 92 ) ( 3658-6864 ) PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS

Leia mais

MANUAL ORIENTATIVO DE FISCALIZAÇÃO CÂMARA ESPECIALIZADA DE ENGENHARIA DE SEGURANÇA DO TRABALHO MODALIDADE ENGENHARIA DE SEGURANÇA DO TRABALHO

MANUAL ORIENTATIVO DE FISCALIZAÇÃO CÂMARA ESPECIALIZADA DE ENGENHARIA DE SEGURANÇA DO TRABALHO MODALIDADE ENGENHARIA DE SEGURANÇA DO TRABALHO MANUAL ORIENTATIVO DE FISCALIZAÇÃO CÂMARA ESPECIALIZADA DE ENGENHARIA DE SEGURANÇA DO TRABALHO MODALIDADE ENGENHARIA DE SEGURANÇA DO TRABALHO Laudo Ergonômico Laudo de Periculosidade/Insalubridade Laudo

Leia mais

PLANO DE TRABALHO DOCENTE 1º Semestre/2015. Ensino Técnico

PLANO DE TRABALHO DOCENTE 1º Semestre/2015. Ensino Técnico PLANO DE TRABALHO DOCENTE 1º Semestre/2015 Ensino Técnico Código: ETEC ANHANQUERA Município: Santana de Parnaíba Área de Conhecimento: : Proteção e Prevenção Componente Curricular: : HST HIGIENE E SEGURANÇA

Leia mais

MEIO AMBIENTE, SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO

MEIO AMBIENTE, SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO MEIO AMBIENTE, SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO 6 CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM DIREITO AMBIENTAL INEAA MEIO AMBIENTE, SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO José Roberto Teixeira NOVEMBRO/2002 MEIO AMBIENTE, SAÚDE E

Leia mais

Manual de Segurança e higiene do trabalho Procedimento para CIPA - Comissão Interna de Prevenção de Acidentes

Manual de Segurança e higiene do trabalho Procedimento para CIPA - Comissão Interna de Prevenção de Acidentes Revisão: 00 Folha: 1 / 10 1. Definição CIPA Acidente 2. Objetivo A CIPA - tem como objetivo a prevenção de acidentes e doenças decorrentes do trabalho, de modo a tornar compatível permanentemente o trabalho

Leia mais

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO PORTARIA N.º 25, DE 29 DE DEZEMBRO DE 1994 (*) (DOU de 30/12/94 Seção 1 págs 21.280 a 21.282) (Republicada em 15/12/95 Seção

Leia mais

SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO

SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO UNESP-2014 DANIELLE VARGAS E-mail:danielle@franca.unesp.br COSTSA Grupo de Segurança e Sustentabilidade Ambiental -7 (sete) TST -1 engenheiro de Segurança -1 engenheiro eletricista

Leia mais

SEGURANÇA DO TRABALHO

SEGURANÇA DO TRABALHO GESTÃO DE PESSOAS EM UAN / UPR SEGURANÇA DO TRABALHO Profª Celeste Viana TREINAMENTO FUNDAMENTAÇÃO LEGAL Portaria 3.214/78, NR nº9, subítem 9.5.2: Os empregadores deverão informar aos trabalhadores, de

Leia mais

CIPA COMISSÃO INTERNA DE PREVENÇÃO DE ACIDENTES

CIPA COMISSÃO INTERNA DE PREVENÇÃO DE ACIDENTES CIPA COMISSÃO INTERNA DE PREVENÇÃO DE ACIDENTES C1 OBJETIVOS DA CIPA Prevenção de Doenças e Acidentes de Trabalho, mediante o controle dos Riscos presentes: no ambiente nas condições e na organização do

Leia mais

PORTARIA Nº 25, DE 29.12.94, DO SECRETÁRIO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO DOU DE 30.12.94, REPUBLICADA NO DE 15.02.95

PORTARIA Nº 25, DE 29.12.94, DO SECRETÁRIO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO DOU DE 30.12.94, REPUBLICADA NO DE 15.02.95 PORTARIA Nº 25, DE 29.12.94, DO SECRETÁRIO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO DOU DE 30.12.94, REPUBLICADA NO DE 15.02.95 Norma Regulamentadora NR 9 Riscos ambientais Nova redação Programa de Prevenção de

Leia mais

PPRA Programa de Prevenção de Riscos Ambientais UNESP CAMPUS DE ARARAQUARA FACULDADE DE ODONTOLOGIA 25/11/2013

PPRA Programa de Prevenção de Riscos Ambientais UNESP CAMPUS DE ARARAQUARA FACULDADE DE ODONTOLOGIA 25/11/2013 PPRA Programa de Prevenção de Riscos Ambientais UNESP CAMPUS DE ARARAQUARA FACULDADE DE ODONTOLOGIA 25/11/2013 P.P.R.A. PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS (PORTARIA 3.214/78 NR-09) UNESP UNIVERSIDADE

Leia mais

P P R A + P C M S O. Srs. EMPRESÁRIOS / ADMINISTRADORES E CONTADORES:

P P R A + P C M S O. Srs. EMPRESÁRIOS / ADMINISTRADORES E CONTADORES: P P R A + P C M S O Srs. EMPRESÁRIOS / ADMINISTRADORES E CONTADORES: OS AMBIENTES DE TRABALHOS ESCONDEM RISCOS: poeiras, fumos metálicos, gases, vapores, ruídos, sobrecargas térmicas (calor e frio), umidade,

Leia mais

SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO

SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO Conjunto de medidas educacionais, técnicas, médicas e psicológicas adotadas com o objetivo de prevenir acidentes. As causas de um acidente: a) condição insegura: Tal condição

Leia mais

PPRA / NR 9 PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS

PPRA / NR 9 PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS PPRA / NR 9 PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS SETEMBRO / 2005 SANTA MARIA - RS Avenida. Medianeira 1900, Centro Santa Maria/ RS, CEP 97060-002- Fone (55) 3027 8911 Sumário 1 INTRODUÇÃO... 3 2

Leia mais

TLONAN LOGÍSTICA. PPRA - Programa de Prevenção de Riscos Ambientais. Março de 2016

TLONAN LOGÍSTICA. PPRA - Programa de Prevenção de Riscos Ambientais. Março de 2016 TLONAN LOGÍSTICA PPRA - Programa de Prevenção de Riscos Ambientais Março de 2016 T. Lonan Logística LTDA Est. do Lameirão Pequeno, 136 Campo Grande, Rio de Janeiro, RJ Tel.: +55 21 2411-1317 Fax : + 55

Leia mais

MEDIDAS DE CONTROLE COM NORMAS DE SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO PARA CONTRATADAS QUE PRESTAM SERVIÇOS NA UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA.

MEDIDAS DE CONTROLE COM NORMAS DE SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO PARA CONTRATADAS QUE PRESTAM SERVIÇOS NA UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA. MEDIDAS DE CONTROLE COM NORMAS DE SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO PARA CONTRATADAS QUE PRESTAM SERVIÇOS NA UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA. CLAUSULA PRIMEIRA: OBJETIVO. 1.1. Estabelecer diretrizes de

Leia mais

ACIDENTES DE TRABALHO PREVINA-SE

ACIDENTES DE TRABALHO PREVINA-SE ACIDENTES DE TRABALHO PREVINA-SE NÚMEROS ALARMANTES São 160 milhões de trabalhadores no mundo. Não essa não é uma estatística sobre um mega evento comemorativo ou o número de vagas disponíveis no Mercado

Leia mais

CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO EM SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO ERGONOMIA ASPECTOS FÍSICOS AMBIENTAIS ERGONÔMICOS

CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO EM SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO ERGONOMIA ASPECTOS FÍSICOS AMBIENTAIS ERGONÔMICOS CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO EM SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO ERGONOMIA ASPECTOS FÍSICOS AMBIENTAIS ERGONÔMICOS Profª. MSc. Marta Cristina Wachowicz Especialista em Psicologia do Trabalho Mestre em Engenharia

Leia mais

Proteção para os prestadores de primeiros socorros: evitar contato cutâneo e inalatório com o produto durante o processo.

Proteção para os prestadores de primeiros socorros: evitar contato cutâneo e inalatório com o produto durante o processo. 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do Produto: OIL TREATMENT Aplicação: Aditivo concentrado para óleo de motor. Fornecedor: Orbi Quimica Ltda. Avenida Maria Helena, 600 - Leme SP Brasil - CEP

Leia mais

ENGENHARIA DE SEGURANÇA DO TRABALHO UFMG P C M A T PROGRAMA DE CONDIÇÕES E MEIO AMBIENTE DE TRABALHO NA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO

ENGENHARIA DE SEGURANÇA DO TRABALHO UFMG P C M A T PROGRAMA DE CONDIÇÕES E MEIO AMBIENTE DE TRABALHO NA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO UFMG P C M A T PROGRAMA DE CONDIÇÕES E MEIO AMBIENTE DE TRABALHO NA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO O PROGRAMA É UM DOCUMENTO TÉCNICO - LEGAL PODER CONSTITUINTE DE DIREITO; DECIFRADOR DE DÚVIDAS MATERIAIS; DESCOMPASSO

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº.../EXECUTIVO

PROJETO DE LEI Nº.../EXECUTIVO PROJETO DE LEI Nº.../EXECUTIVO Define as atividades insalubres e perigosas para efeitos de percepção do adicional correspondente. Art. 1º São consideradas atividades insalubres, para efeitos de percepção

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE BARRA MANSA CURSO DE NUTRIÇÃO ADMINISTRAÇÃO DE UNIDADES DE ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO AULA 23

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE BARRA MANSA CURSO DE NUTRIÇÃO ADMINISTRAÇÃO DE UNIDADES DE ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO AULA 23 CENTRO UNIVERSITÁRIO DE BARRA MANSA CURSO DE NUTRIÇÃO ADMINISTRAÇÃO DE UNIDADES DE ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO AULA 23 Profa. M.Sc Vanessa Vasconcelos Fonseca Mestre em Ciência de Alimentos Especialista MBA

Leia mais

4. MEDIDAS DE PRIMEIROS-SOCORROS

4. MEDIDAS DE PRIMEIROS-SOCORROS 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome: VOTOMASSA MEMBRANA IMPERMEABILIZANTE Empresa: VOTORANTIM CIMENTOS LTDA. Endereço: Rodovia PR092, 1303 Cidade: Curitiba Estado: PR Telefone: 0800 701 98 98

Leia mais

PPRA PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS

PPRA PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS PPRA PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS MARÇO DE 2013 A MARÇO DE 2014 PPRA NWN Logística LTDA - Aparecida de Goiânia PRRA-2013/2014 Programa de Prevenção de Riscos Ambientais Atendendo a Lei N

Leia mais

Riscos na Atividades dos Trabalhadores

Riscos na Atividades dos Trabalhadores AMBIENTES CONFINADOS FUNDACENTRO São Paulo 15/12/2010 Riscos na Atividades dos Trabalhadores João Batista Amancio Auditor Fiscal Médico do Trabalho MTE SRTE / SP GRTE em Campinas ESPAÇOS CONFINADOS LIVRETO

Leia mais

ANEXO A PORTARIA Nº 143/2006, de 17 de maio de 2006.

ANEXO A PORTARIA Nº 143/2006, de 17 de maio de 2006. UNIVERSIDADE CATÓLICA DE BRASÍLIA - UCB PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO PRG UADA - COORDENAÇÃO EAPs PRÓ-REITORIA DE ADMINISTRAÇÃO PRA DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS ANEXO A PORTARIA Nº 143/2006, de 17 de maio de

Leia mais

NORMAS INTERNAS DA UTILIZAÇÃO DO HERBÁRIO DO CÂMPUS DE AQUIDAUANA - UFMS/CPAq

NORMAS INTERNAS DA UTILIZAÇÃO DO HERBÁRIO DO CÂMPUS DE AQUIDAUANA - UFMS/CPAq Serviço Público Federal Ministério da Educação Fundação Universidade Federal de Mato Grosso do Sul NORMAS INTERNAS DA UTILIZAÇÃO DO HERBÁRIO DO CÂMPUS DE AQUIDAUANA - UFMS/CPAq Define as normas internas

Leia mais

CONTEÚDO DO TRABALHO. Introdução e visão geral; NR-18 : PCMAT e PPRA;

CONTEÚDO DO TRABALHO. Introdução e visão geral; NR-18 : PCMAT e PPRA; Introdução e visão geral; NR-18 : PCMAT e PPRA; CONTEÚDO DO TRABALHO Doenças ocupacionais e riscos da construção civil; Quedas; Choque elétrico; Soterramento. A construção é um dos ramos mais antigos do

Leia mais

OBSERVAÇÃO: O USUÁRIO É RESPONSÁVEL PELA ELIMINAÇÃO DAS REVISÕES ULTRAPASSADAS DESTE DOCUMENTO

OBSERVAÇÃO: O USUÁRIO É RESPONSÁVEL PELA ELIMINAÇÃO DAS REVISÕES ULTRAPASSADAS DESTE DOCUMENTO Página 1 de 10 DESCRIÇÃO DAS REVISÕES REV DATA ALTERAÇÃO OBSERVAÇÃO 08/06/29 Emissão Inicial OBSERVAÇÃO: O USUÁRIO É RESPONSÁVEL PELA ELIMINAÇÃO DAS REVISÕES ULTRAPASSADAS DESTE DOCUMENTO ELABORAÇÃO Nome

Leia mais

Organismos Vivos; Agentes Biológicos; Funções Vitais, Microbiologia Ambiental.

Organismos Vivos; Agentes Biológicos; Funções Vitais, Microbiologia Ambiental. Tecnólogo em Segurança do Trabalho DISCIPLINA: Biologia Aplicada à Saúde e Segurança no Trabalho Organismos Vivos; Agentes Biológicos; Funções Vitais, Microbiologia Ambiental. DISCIPLINA: Informática Aplicada

Leia mais

ANÁLISE DE RUÍDO CONFORME NR-15 EM UMA EMPRESA METAL MECÂNICA

ANÁLISE DE RUÍDO CONFORME NR-15 EM UMA EMPRESA METAL MECÂNICA ANÁLISE DE RUÍDO CONFORME NR-15 EM UMA EMPRESA METAL MECÂNICA SÉRGIO TAKAHASHI 1 Resumo: O ser humano se for submetido a níveis de ruído acima do tolerável, pode induzir a PAIR (perda auditiva induzida

Leia mais

Analise as Normas Regulamentadoras abaixo e apresente parecer sucinto comparando atendimento de cada item pela empresa.

Analise as Normas Regulamentadoras abaixo e apresente parecer sucinto comparando atendimento de cada item pela empresa. Analise as Normas Regulamentadoras abaixo e apresente parecer sucinto comparando atendimento de cada item pela empresa. NR 01 - Disposições Gerais Descrever alguns tópicos do que cabe ao empregador. Verificar

Leia mais

PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCO AMBIENTAL - PPRA NR 09

PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCO AMBIENTAL - PPRA NR 09 PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCO AMBIENTAL - PPRA NR 09 Prof. Me. Vítor Hugo Magalhães Vono Engenheiro de Segurança do Trabalho Lei 6514 de 12/77 Capítulo V da CLT da Segurança e Medicina do Trabalho (art.

Leia mais

PPRA PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS -PPRA- PREFEITURA MUNICIPAL DE SANTA VITORIA/MG VER. DATA HISTORICO ELABORADO VERIFICADO APROVADO

PPRA PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS -PPRA- PREFEITURA MUNICIPAL DE SANTA VITORIA/MG VER. DATA HISTORICO ELABORADO VERIFICADO APROVADO PPRA PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS DATA 19/03/2015 REVISÃO: 00 PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS -PPRA- PREFEITURA MUNICIPAL DE SANTA VITORIA/MG VER. DATA HISTORICO ELABORADO VERIFICADO

Leia mais

PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS PPRA E X E M P L O TRANSPORTES E COMÉRCIO LTDA.

PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS PPRA E X E M P L O TRANSPORTES E COMÉRCIO LTDA. PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS PPRA E X E M P L O TRANSPORTES E COMÉRCIO LTDA. Abril de 2014 IDENTIFICAÇÃO DA EMPRESA: Empresa: Transportes & Comércio Ltda. Endereço: Rua Castelo de Óbidos,

Leia mais

Manual de Orientação e Organização sobre a Educação Infantil em Porto Alegre

Manual de Orientação e Organização sobre a Educação Infantil em Porto Alegre Manual de Orientação e Organização sobre a Educação Infantil em Porto Alegre Secretaria Municipal de Educação Prefeitura de Porto Alegre Novembro de 2003 Recomendável para pais, diretores de escolas/instituições

Leia mais

PROVA ESPECÍFICA Cargo 45

PROVA ESPECÍFICA Cargo 45 27 PROVA ESPECÍFICA Cargo 45 QUESTÃO 41 Conforme o Artigo 193, da Lei 6.514, são consideradas atividades ou operações perigosas, na forma da regulamentação aprovada pelo Ministério do Trabalho, aquelas

Leia mais

P.P.R.A. (Programa de Prevenção de Riscos Ambientais)

P.P.R.A. (Programa de Prevenção de Riscos Ambientais) P.P.R.A. (Programa de Prevenção de Riscos Ambientais) ELETRIC PRODUTOS INDÚSTRIA COMÉRCIO IMPORTAÇÃO E EXPORTAÇÃO LTDA. Rua Nestor Pestana, 30 8º andar 01303-010 São Paulo SP Brasil Tels.: (55-11) 3138-1111/

Leia mais

GR ASSESSORIA LTDA. Engenharia de Segurança do Trabalho e Medicina do Trabalho. Fones 3274.7841 / 3091.0306 / 3257.4685 / 87578392 / 8778.

GR ASSESSORIA LTDA. Engenharia de Segurança do Trabalho e Medicina do Trabalho. Fones 3274.7841 / 3091.0306 / 3257.4685 / 87578392 / 8778. GR ASSESSORIA LTDA Engenharia de Segurança do Trabalho e Medicina do Trabalho Fones 3274.7841 / 3091.0306 / 3257.4685 / 87578392 / 8778.4561 PCMSO Programa de Controle Médico e Saúde Ocupacional PPRA Programa

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADA

SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADA RG PS 02 01 REVISÃO: 02 FOLHA de Emergência Manuseio a objetos cortantes (tesoura, estilete) N D 1 Corte 3 NS 2013 Técnico Descarga elétrica no manuseio de equipametos energizados Pisos com superfície

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico Etec Etec: Paulino Botelho Código: 091 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: AMBIENTE E SAÚDE Habilitação Profissional: Especialização Profissional Técnica

Leia mais

FICHA DE SEGURANÇA DE PRODUTO

FICHA DE SEGURANÇA DE PRODUTO FICHA DE SEGURANÇA DE PRODUTO Material Safety Data Sheet MSDS ELETRODOS DENVER 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA. 1.1. EMPRESA FÁBRICA MINEIRA DE ELETRODOS E SOLDAS DENVER S/A Av. Governador Magalhães

Leia mais

PPRA. Programa de Prevenção de Riscos Ambientais NR-9 FUNDO MUNICIPAL DE SAÚDE DE BIGUAÇÚ

PPRA. Programa de Prevenção de Riscos Ambientais NR-9 FUNDO MUNICIPAL DE SAÚDE DE BIGUAÇÚ PPRA Programa de Prevenção de s Ambientais NR-9 FUNDO MUNICIPAL DE SAÚDE DE BIGUAÇÚ Período de vigência 09/2013 a 09/2014 SUMÁRIO 1. Identificação da Empresa 3 2. Introdução. 4 3. s Ambientais 5 4. Registro,

Leia mais

Anexo I. Matriz de Reconhecimentos de Riscos Campus Avançado de Poços de Caldas. Programa de Prevenção de Riscos Ambientais

Anexo I. Matriz de Reconhecimentos de Riscos Campus Avançado de Poços de Caldas. Programa de Prevenção de Riscos Ambientais Programa de Prevenção de Riscos Ambientais Anexo I Matriz de Reconhecimentos de Riscos Campus Avançado de Poços de Cal DIRETORIA DO CAMPUS Diretor: Prof. Rodrigo Sampaio Fernandes Vice-Diretor: Prof.ª

Leia mais

PROCEDIMENTO OPERACIONAL

PROCEDIMENTO OPERACIONAL Coordenadoria de Recursos Humanos (CRH) Secretaria Estadual da Saúde PROCEDIMENTO OPERACIONAL Número: 3.3 Revisão: 0 Página: 1/8 Vigência: Indeterminada Titulo: Implantação e adequação do Serviço Especializado

Leia mais

FISPQ (FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS.) DETERGENTE EUCALIPTO GEL 1- IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA:

FISPQ (FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS.) DETERGENTE EUCALIPTO GEL 1- IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA: 1- IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA: 1.1 Nome Comercial: Detergente Eucalipto Gel Maranso 1.2 Código de Venda:004 1.3 Nome do Fabricante: QOB MATERIAIS DOMISSANEANTES LTDA EPP Rua Ministro Joaquim

Leia mais

ENGENHARIA DE SEGURANÇA

ENGENHARIA DE SEGURANÇA ESTADO DE MATO GROSSO UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO FACULDADE DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL ENGENHARIA DE SEGURANÇA P R O F ª K A R E N W R O B E L S T R A

Leia mais

Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo XXXVI CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MEDICINA DO TRABALHO

Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo XXXVI CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MEDICINA DO TRABALHO Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo XXXVI CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MEDICINA DO TRABALHO 2015 XXXV CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MEDICINA DO TRABALHO PROGRAMA DE CONTROLE MÉDICO DE SAÚDE

Leia mais

MANUAL INTEGRADO DOS SISTEMAS DO MEIO AMBIENTE E DE SAÚDE OCUPACIONAL E SEGURANÇA (EHS)

MANUAL INTEGRADO DOS SISTEMAS DO MEIO AMBIENTE E DE SAÚDE OCUPACIONAL E SEGURANÇA (EHS) 1/20 DO MEIO AMBIENTE E DE SAÚDE Emitido pelo Coordenador de EHS Luis Fernando Rocha Aguiar Aprovado pela Gerência da Usina de Itaúna Valério Toledo de Oliveira 2/20 Índice: 1 Objetivo e campo de aplicação

Leia mais

FISPQ Ficha de Informação de Segurança de Produto Químico

FISPQ Ficha de Informação de Segurança de Produto Químico Página 1 de 5 1 - IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Produto: Limpa Ar Condicionado Aerossol - 320ml Fragrâncias: Carro Novo; Citrico; Lavanda; Summer e Inodoro. Aplicação: Indicadi para limpeza no

Leia mais

INDICE. 1. Identificação. 2. Objetivos do PPRA. 3. Base Legal. 4. Responsabilidades. 5. Riscos e Seus Agentes. 6. Resumo dos Riscos e Seus Agentes

INDICE. 1. Identificação. 2. Objetivos do PPRA. 3. Base Legal. 4. Responsabilidades. 5. Riscos e Seus Agentes. 6. Resumo dos Riscos e Seus Agentes 1. Identificação INDICE 2. Objetivos do PPRA 3. Base Legal 4. Responsabilidades 5. Riscos e Seus Agentes 6. Resumo dos Riscos e Seus Agentes 7. Descrição dos Setores, Cargos e Riscos 8. Objetivos dos Levantamentos

Leia mais

ANEXO III ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS VIGIA DESCRIÇÃO SUMÁRIA Executar tarefas de guarda, fiscalização e defesa do patrimônio da Prefeitura. MOTORISTA DESCRIÇÃO SUMÁRIA Executar tarefas relacionadas ao transporte

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE SECRETARIA EXECUTIVA DOS CONSELHOS

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE SECRETARIA EXECUTIVA DOS CONSELHOS SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE SECRETARIA EXECUTIVA DOS CONSELHOS RESOLUÇÃO Nº 008/2015 CONSELHO UNIVERSITÁRIO EM 08 DE MAIO DE 2015 Dispõe sobre a metodologia

Leia mais

LAUDO GERAL DE AVALIAÇÃO PERICIAL DE INSALUBRIDADE E RISCO DE VIDA. Endereço Sede: av. Gov. Irineu Bornahusen, nº 5600, bairro da Agronômica,

LAUDO GERAL DE AVALIAÇÃO PERICIAL DE INSALUBRIDADE E RISCO DE VIDA. Endereço Sede: av. Gov. Irineu Bornahusen, nº 5600, bairro da Agronômica, PORTARIA nº 94 - de 17/2/2012 HOMOLOGAR, de acordo com a Portaria nº 2466/96/SEA, conforme processo nº SEA 718/2012, o LAUDO GERAL DE AVALIAÇÃO PERICIAL DE INSALUBRIDADE E RISCO DE VIDA, da FUNDAÇÃO CATARINENSE

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO DO ÓRGÃO

IDENTIFICAÇÃO DO ÓRGÃO IDENTIFICAÇÃO DO ÓRGÃO RAZÃO SOCIAL: Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Rondônia. CNPJ: 10.817.343/0003-69 ENDEREÇO: BR 174, KM 03, S/N, Caixa Postal 247 Zona Urbana CEP: 76.980-000

Leia mais

Módulo 2. Elaboração do PPRA; Documento Base; Ferramentas para Elaboração; 1º, 2º e 3º Fases de elaboração.

Módulo 2. Elaboração do PPRA; Documento Base; Ferramentas para Elaboração; 1º, 2º e 3º Fases de elaboração. Módulo 2 Elaboração do PPRA; Documento Base; Ferramentas para Elaboração; 1º, 2º e 3º Fases de elaboração. Elaboração do PPRA Para iniciarmos a elaboração do PPRA - Programa de Prevenção de Riscos Ambientais

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICOS FISPQ 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E EMPRESA

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICOS FISPQ 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E EMPRESA Pág. 1/8 FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICOS FISPQ 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E EMPRESA Nome do produto: CERA Cód. Interno de Identificação do Produto: Nome da Empresa: POLIDENTAL INDÚSTRIA

Leia mais

Mapa de risco do Campus Universitário do Vale do Teles Pires, município de Colider -MT / CIPA - Gestão 2013-2014

Mapa de risco do Campus Universitário do Vale do Teles Pires, município de Colider -MT / CIPA - Gestão 2013-2014 Lab. Informática 2 Estação Digital Sala de aula Sala de aula Sala de aula Sala de aula Sala de aula Lab. Informática 1 Secretaria Financeira Sala de aula Sala de aula Lab. Hardware Sala de aula Sala dos

Leia mais

Módulo 3 OHSAS 18001: requisitos gerais, política para SSO, identificação de perigos, análise de riscos, determinação de controles, exercícios.

Módulo 3 OHSAS 18001: requisitos gerais, política para SSO, identificação de perigos, análise de riscos, determinação de controles, exercícios. Módulo 3 OHSAS 18001: requisitos gerais, política para SSO, identificação de perigos, análise de riscos, determinação de controles, exercícios. 4 - Requisitos do sistema de gestão de SSO 4.1 - Requisitos

Leia mais

Levantamento e Avaliação de Aspectos, Impactos, Perigose Danos - LAIPD

Levantamento e Avaliação de Aspectos, Impactos, Perigose Danos - LAIPD Área/Divisão: 550/558 - SEIFRA Correias Transportadoras Identificação: e Outros (º RC) água Redução e esgotamento dos recursos naturais MA A A 1 2 1 Lei nº 6938, de 31/08/1981 3 Programa de combate ao

Leia mais

Aula 8. Equipamentos de Proteção Coletiva e Individual META DA AULA OBJETIVOS

Aula 8. Equipamentos de Proteção Coletiva e Individual META DA AULA OBJETIVOS Aula 8 Equipamentos de Proteção Coletiva e Individual META DA AULA Compreender os aspectos essenciais de Combate a Incêndio e os Equipamentos de Proteção Coletiva e Individual. OBJETIVOS Ao final desta

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DOS LABORATÓRIOS DA FACULDADE TECSOMA REGRAS DE BIOSSEGURANÇA

REGULAMENTO GERAL DOS LABORATÓRIOS DA FACULDADE TECSOMA REGRAS DE BIOSSEGURANÇA REGULAMENTO GERAL DOS LABORATÓRIOS DA FACULDADE TECSOMA REGRAS DE BIOSSEGURANÇA 2 SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 03 REGULAMENTO GERAL DE USO DOS LABORATÓRIOS DA ÁREA DA SAÚDE... 04 TÍTULO I DAS NORMAS DE BIOSSEGURANÇA...

Leia mais

V FORUM - NR 32. São Paulo 09.06.2010. Noeli Martins. auditora fiscal do trabalho médica do trabalho

V FORUM - NR 32. São Paulo 09.06.2010. Noeli Martins. auditora fiscal do trabalho médica do trabalho V FORUM - NR 32 São Paulo 09.06.2010 Noeli Martins auditora fiscal do trabalho médica do trabalho PORTARIA MTE 3214/78-33 Normas Regulamentadoras NR 01 Disposições Gerais NR 02 Inspeção Prévia NR 03 Embargo

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico ETEC Monsenhor Antonio Magliano Código: 088 Município: Garça/SP Eixo Tecnológico: Ambiente, Saúde e Segurança. Habilitação Profissional: Técnica de Nível Médio

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO DO CONTEÚDO

DEMONSTRAÇÃO DO CONTEÚDO 9.6 S-1060 - Tabela de Ambientes de Trabalho Usada para descrever os ambientes com Riscos, conforme a tabela 21 (fatores de riscos ambientais) a seguir. Os riscos estão no Laudo Técnicos da Condições Ambientais

Leia mais

FISPQ FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUIMICOS

FISPQ FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUIMICOS DATA DE APROVAÇÃO: 22/11/2011 Página 1 de 6 1 IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do produto LW Hidroprimer Nome da empresa Lwart Química Ltda. Endereço Rodovia Marechal Rondon, Km 303,5, Lençóis

Leia mais

"L.T.C.A.T" LAUDO TÉCNICO DAS CONDIÇÕES AMBIENTAIS DO TRABALHO. Demonstração LTDA CST INFORMÁTICA LTDA.

L.T.C.A.T LAUDO TÉCNICO DAS CONDIÇÕES AMBIENTAIS DO TRABALHO. Demonstração LTDA CST INFORMÁTICA LTDA. LAUDO TÉCNICO DAS CONDIÇÕES AMBIENTAIS DO TRABALHO "L.T.C.A.T" Demonstração LTDA Fevereiro / 2008 SUMÁRIO Demonstração LTDA 4 Administração 7 Assistente Administrativo 8 Auxiliar de Escritório 9 Manutenção

Leia mais

SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL. Indústria da Panificação

SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL. Indústria da Panificação SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL Indústria da Panificação PROGRAMAÇÃO: Palestra Segurança Geral - SESI - Segurança do Trabalho; - Riscos Ambientais e Acidentes do Trabalho; - PPRA/PCMSO; - Normas regulamentadoras;

Leia mais