O QUE FOI A POESIA MARGINAL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O QUE FOI A POESIA MARGINAL"

Transcrição

1 O QUE FOI A POESIA MARGINAL A poesia marginal ou a geração Mimeógrafo surgiu na década de 70 no Brasil, de forma a representar o movimento sociocultural que atingiu as artes e principalmente a literatura. Em função da censura imposta pela ditadura militar, ocorreu à união de artistas, intelectuais, professores universitários, poetas e artistas em geral, buscavam uma forma de divulgar a arte e a cultura brasileira reprimida pelo sistema totalitário que vigorava no país. Os poetas da geração mimeógrafo queriam se expressar livremente em pleno regime da ditadura militar, bem como revelar novas vozes poéticas. Embora a palavra marginal pareça remeter, literalmente, a algo fora da lei, na poesia ela consiste no estilo de divulgação e publicação. Nos anos 70, os poetas viviam a contracultura ao publicar seus livros de forma artesanal, em contraposição com o mercado editorial já fortemente instaurado. A impossibilidade de acessos dos poetas ao sistema editorial não era apenas por critério de qualidade, mas também por controle ideológico. Os editores não queriam que seus livros fossem barrados pela censura. Dessa forma, os escritores usavam a máquina de escrever e o mimeógrafo para levar ao público os seus textos. Assim, a divulgação era ágil e de baixo custo, acessível a todos. Os livros eram feitos em pequenas tiragens e vendidos pelos próprios poetas em todos os cantos possíveis, desde bares até as portas de teatros. Por isso é que a denominação geração mimeógrafo foi eternizada. Esta geração é, antes de qualquer coisa, uma atitude. A poesia marginal é formada, em sua maioria, por pequenos textos, alguns com apelo visual (fotos, quadrinhos, etc.), absorvidos por uma linguagem coloquial (traços da oralidade), espontânea, inconsciente, a partir de temática cotidiana e erótica, permeadas de sarcasmo, humor, ironia, palavrões e gírias da periferia. Desse movimento marginal surgem poetas que se destacaram como Chacal, Cacaso, Paulo Leminki e Torquato Neto. No campo musical, já que a marginália foi um movimento que influenciou as diversas artes, os principais nomes desse período foram Sérgio Sampaio, Tom Zé, Jorge Mautner, Jards Macalé e Luiz Melodia, Um dos objetivos da Poesia Marginal era propor uma crítica aos conservadorismos da sociedade, incorporando à literatura elementos e representações da violência diária nas grandes cidades. A Poesia Marginal foi um movimento cultural importante para uma geração que buscou através da Literatura uma atuação cultural distante dos padrões da Academia e indiferente à crítica literária. A Poesia Marginal não ganhou um capítulo só seu nos livros didáticos de Literatura Brasileira, mesmo porque nunca foi considerado um movimento literário, e sim um movimento de poesia, mas ainda assim deixou um legado para diversos poetas e escritores. Esta tradição marginal se estendeu também pelos anos de 1980.

2 LIVRO POESIA MARGINAL O livro Poesia Marginal reúne os poetas, ditos marginais, Ana Cristina César, Cacaso, Chacal, Francisco Alvim e Paulo Leminski. Cinco vozes diferentes, mas que têm um traço comum: passaram pela experiência da poesia marginal. O livro, com 104 páginas, reúne poesias que revelam o espírito não conformista da juventude durante a ditadura militar. As poesias são curtas, rápidas, poucos versos, falavam do aqui, agora. O experimentalismo, a irreverência, o lirismo e a rebeldia tudo isso aparece nos poemas reunidos neste livro. Os poetas marginais mesclam, fundem poesia e vida, brinca com os tipos e duplo sentido das palavras. O poeta joga com as estrofes, muitas vezes usam linguagem coloquial, figuras de linguagem como anáfora e paronomásia. Em tempos de repressão política, de ditadura, não se podia falar. O silêncio, de forma paradoxal é o grito. A censura não deixava espaço pra voz.

3 Ana Cristina César Bela Nascida no Rio de Janeiro, em 1952, formou-se em Letras e fez curso de tradução literária na Inglaterra. Influenciou ativamente na vida cultural carioca dos anos 70, escrevendo artigos em jornais e participando de debates. Ana Cristina foi à musa absoluta da poesia marginal. As suas poesias caracteriza-se por textos curtos, poemas fragmentados, cartas, páginas de diário. Em 1982, ela reuniu seus livros publicados de forma independente no volume A teus pés. Em 1983, durante uma crise emocional, Ana Cristina, se matou, pulou do sétimo andar do prédio dos pais, aos 31 anos. Em 1985, o poeta Armando Freitas Filho reuniu seus inéditos no livro Inéditos e dispersos. Antônio Carlos de Brito - O Cacaso Nasceu em Uberaba, Minas Gerais, no dia 13 de março de Com grande talento para o desenho, já aos 12 anos ganhou uma página inteira de jornal por causa de suas caricaturas de políticos. Cacaso, criador da coleção Frenesi, escrevia artigos em jornais comentando a obra de Chacal, Ana Cristina e outros. Estreou em 1968, com o livro Palavra Cerzida, em que revelava certa influência simbolista, bebida na obra de outros poetas como Cecília Meireles. Em 1970, sua poesia passa a ser mais descarnada, coloquial e humorada. Um de seus livros mais famosos é Beijo na Boca (1975), em que faz referências ao romantismo brasileiro. Seus livros não só o revelaram uma das mais combativas e criativas vozes daqueles anos de ditadura, como ajudaram a dar visibilidade e respeitabilidade ao fenômeno da "poesia marginal", em que militavam, direta ou indiretamente Também fez letras para canções de Tom Jobim e Suely Costa, entre outros. Antonio Carlos de Brito morreu em 1987, no Rio de Janeiro.

4 Ricardo Carvalho Duarte O Chacal Ricardo de Carvalho Duarte, mais conhecido como Chacal, nasceu no Rio de Janeiro em 1951, é poeta e letrista brasileiro. Foi um dos primeiros poetas da década de 1970 a se utilizar do mimeógrafo para divulgar sua poesia com o livro Muito Prazer (1971), publicado aos 20 anos. No livro os versos vão quase rentes à fala cotidiana, incorporando recursos como a linguagem dos jornais e as gírias, sempre com muita graça e suíngue. Sua obra foi reunida em 1983 na coletânea Drops de abril. Chacal continua em plena atividade, fazendo leituras públicas e publicando poemas. Foi editor da revista de poesia O Carioca e também publicou os livros Comício de tudo (1986), Letra elétrika (1994) e A vida é curta pra ser pequena (2002). Francisco Alvim Nasceu em Araxá, Minas Gerais, em É diplomata e atualmente mora na Costa Rica. Em sua poesia encontra-se uma vertente lírica e outra mais marcada pela reflexão social presente sobre tudo nos textos em que há recorte e montagem de falas e estilos provenientes dos mais diversos extratos da sociedade. Publicou vários livros, como Passatempo (1974); Lago, Montanha (1981); O corpo fora (1988) e Elefante (2000), entre outros.

5 Paulo Leminski Nasceu no Paraná, dia 24 de agosto de Paulo Leminski foi tradutor, professor de história e de judô, publicitário, romancista e músico. Sua poesia, altamente elaborada e construída, era sintética, concisa e debochada. Caetano Veloso dizia que ele misturava a poesia concreta com a literatura beatnik dos americanos dos anos 50. Foi letrista de MPB e publicou vários livros independentes reunidos pela primeira vez em 1983, na coletânea Caprichos & relaxos. Em 1987, lançou Distraídos Venceremos. Leminski morreu em Entre suas obras póstumas estão La avie em close (1991) e Winterverno (1994).

POEMAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL: A LEITURA REALIZADA ATRAVÉS DE BRINCADEIRAS Elaine da Silva Reis UFPB elainereis1406@gmail.

POEMAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL: A LEITURA REALIZADA ATRAVÉS DE BRINCADEIRAS Elaine da Silva Reis UFPB elainereis1406@gmail. POEMAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL: A LEITURA REALIZADA ATRAVÉS DE BRINCADEIRAS Elaine da Silva Reis UFPB elainereis1406@gmail.com 1 INTRODUÇÃO Os estudos mais recentes que tomam a Educação Infantil como objeto

Leia mais

Dalcídio Jurandir inspira projeto teatral Por Luciana Medeiros, colaboradora do Guiart

Dalcídio Jurandir inspira projeto teatral Por Luciana Medeiros, colaboradora do Guiart Dalcídio Jurandir inspira projeto teatral Por Luciana Medeiros, colaboradora do Guiart Ponta de Pedras, ilha do Marajó, Pará, 10 de janeiro de 1909. Nasce ali e naquela data uma das maiores expressões

Leia mais

Faculdade Cásper Líbero História Contemporânea Prof. Dr. José Augusto Dias Jr. 1º JO D

Faculdade Cásper Líbero História Contemporânea Prof. Dr. José Augusto Dias Jr. 1º JO D Faculdade Cásper Líbero História Contemporânea Prof. Dr. José Augusto Dias Jr. 1º JO D História Oral de Jayme Leão Celeste Mayumi Fernanda Alcântara Luciana Reis História Oral de Jayme Leão Ao chegarmos

Leia mais

PROPOSTA PEDAGÓGICA. Elaborada por Ana Carolina Carvalho

PROPOSTA PEDAGÓGICA. Elaborada por Ana Carolina Carvalho PROPOSTA PEDAGÓGICA Elaborada por Ana Carolina Carvalho PROPOSTA PEDAGÓGICA Crianças do Brasil Suas histórias, seus brinquedos, seus sonhos elaborada por ANA CAROLINA CARVALHO livro de JOSÉ SANTOS ilustrações

Leia mais

História do Cinema II

História do Cinema II Universidade Estadual de Campinas Instituto de Artes Comunicação Social com Habilitação em Midialogia História do Cinema II Professor Doutor Francisco Elinaldo Teixeira Experimentalismo superoitista: Antropofagia,

Leia mais

O g É um Gato Enroscado

O g É um Gato Enroscado O g É um Gato Enroscado Editorial Caminho, 1.ª ed., 2003; 2.ª ed., 2007 Guião de trabalho para professores do Ensino Básico I. Breve introdução à leitura da obra O g É um Gato Enroscado (Caminho, 2003)

Leia mais

SILVA, Mylton Severiano da. Realidade - História da revista que virou lenda. Florianópolis: Editora Insular, 2013. 320 p.

SILVA, Mylton Severiano da. Realidade - História da revista que virou lenda. Florianópolis: Editora Insular, 2013. 320 p. 219 SILVA, Mylton Severiano da. Realidade - História da revista que virou lenda. Florianópolis: Editora Insular, 2013. 320 p. 220 Não é lenda; é Realidade It's not legend; it's Reality Joaquim Francisco

Leia mais

NOTA: Leia com muita atenção os textos a seguir: Texto 1 Todas as cartas de amor são. Ridículas. Não seriam de amor se não fossem. Ridículas.

NOTA: Leia com muita atenção os textos a seguir: Texto 1 Todas as cartas de amor são. Ridículas. Não seriam de amor se não fossem. Ridículas. GOIÂNIA, / / 2015 PROFESSOR: Daniel DISCIPLINA: LITERATURA SÉRIE: 1º ANO ALUNO (a): NOTA: No Anhanguera você é + Enem LISTA DE EXERCÍCIOS - P1 3º BIMESTRE Leia com muita atenção os textos a seguir: Texto

Leia mais

Um na Estrada Caio Riter

Um na Estrada Caio Riter Um na Estrada Caio Riter PROJETO DE LEITURA 1 O autor Caio Riter nasceu em 24 de dezembro, em Porto Alegre, no Rio Grande do Sul. É bacharel em Comunicação Social, com habilitação em Jornalismo, pela Pontifícia

Leia mais

Entreletras - Entrevistas com

Entreletras - Entrevistas com Brasil, sábado, 23 de outubro de 2004 http://www.abrali.com/015coluna_direita/sandra_baldessin/antonio_miranda_sandra_baldessin.html www.abrali.com.br Entreletras - Entrevistas com Escritores Entrevistado:

Leia mais

Brecht e Lukács 54. inevitável precipita o nascimento do dente e da cidade daquela maneira limpa e forte como quer o poema14.

Brecht e Lukács 54. inevitável precipita o nascimento do dente e da cidade daquela maneira limpa e forte como quer o poema14. 8 Brecht e Lukács O teatro de Stanislavski e seu reflexo realista da sociedade é exemplo para a filosofia de Georg Lukács: nele muito mais importava o que foi feito no palco, enquanto resultado das recomendações

Leia mais

O Surrealismo foi um movimento artístico e literário surgido primeiramente em Paris (1924) com a publicação do Manifesto Surrealista, feito pelo

O Surrealismo foi um movimento artístico e literário surgido primeiramente em Paris (1924) com a publicação do Manifesto Surrealista, feito pelo 1 O Surrealismo foi um movimento artístico e literário surgido primeiramente em Paris (1924) com a publicação do Manifesto Surrealista, feito pelo poeta e psiquiatra francês André Breton em 1924. Inserido

Leia mais

Plenitude da gratuidade 73

Plenitude da gratuidade 73 11 Plenitude da gratuidade O interesse de Cacaso pelo meio de produção marginal inventado por Mandaro, Charles e Chacal, com a organização da Coleção Frenesi, além de promover este modus operandi numa

Leia mais

Sequência Didática / EJA

Sequência Didática / EJA Sequência Didática / EJA COMPONENTE CURRICULAR: Língua Portuguesa EIXOS: Oralidade, Leitura e Escrita CONTEÚDO: Interpretação Textual CICLO: EJA I Ciclo I (1º, 2º, 3º Anos) INTERDISCIPLINARIDADE: Geografia

Leia mais

Cultura Juvenil e as influências musicais: pensando a música afro-brasileira e a sua utilização entre os jovens na escola

Cultura Juvenil e as influências musicais: pensando a música afro-brasileira e a sua utilização entre os jovens na escola Cultura Juvenil e as influências musicais: pensando a música afro-brasileira e a sua utilização entre os jovens na escola Patrícia Cristina de Aragão Araújo 1 Thaís de Oliveira e Silva 2 A escola existe

Leia mais

RESGATANDO O FOLCLORE BRASILEIRO

RESGATANDO O FOLCLORE BRASILEIRO RESGATANDO O FOLCLORE BRASILEIRO Autora: Patrícia da Silveira Souza E-mail: patbzt@cabangu.com.br A escola deve estar também comprometida com nossa cultura, resgatando nossos valores, tradições e costumes;

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca INAUGURAÇÃO DA «CASA DE CULTURA JORGE

Leia mais

CONSTRUÇÃO DO EU LÍRICO E O RETRATO NA POETICA CECÍLIA MEIRELES

CONSTRUÇÃO DO EU LÍRICO E O RETRATO NA POETICA CECÍLIA MEIRELES CONSTRUÇÃO DO EU LÍRICO E O RETRATO NA POETICA CECÍLIA MEIRELES Silvia Eula Muñoz¹ RESUMO Neste artigo pretendo compartilhar os diversos estudos e pesquisas que realizei com orientação do Prof. Me. Erion

Leia mais

PRÉ-LEITURA ATIVIDADES ANTERIORES À LEITURA INTENÇÃO: LEVANTAR HIPÓTESES SOBRE O LIVRO, INSTIGAR A CURIOSIDADE E AMPLIAR O REPERTÓRIO DO ALUNO

PRÉ-LEITURA ATIVIDADES ANTERIORES À LEITURA INTENÇÃO: LEVANTAR HIPÓTESES SOBRE O LIVRO, INSTIGAR A CURIOSIDADE E AMPLIAR O REPERTÓRIO DO ALUNO PROJETO DE LEITURA PRÉ-LEITURA ATIVIDADES ANTERIORES À LEITURA INTENÇÃO: LEVANTAR HIPÓTESES SOBRE O LIVRO, INSTIGAR A CURIOSIDADE E AMPLIAR O REPERTÓRIO DO ALUNO. Atividade 1 Antes de você iniciar a leitura

Leia mais

Finalmente, chegamos ao último Roteiro de Estudos do Segundo ano! Você já sabe como proceder! Organize seu material, revise o conteúdo e mãos à obra!

Finalmente, chegamos ao último Roteiro de Estudos do Segundo ano! Você já sabe como proceder! Organize seu material, revise o conteúdo e mãos à obra! ROTEIRO DE ESTUDOS DE LITERATURA PARA A 3ª ETAPA 2ª SÉRIE Finalmente, chegamos ao último Roteiro de Estudos do Segundo ano! Você já sabe como proceder! Organize seu material, revise o conteúdo e mãos à

Leia mais

QUEM É ALICE CAYMMI? >> www.alicecaymmi.com.br

QUEM É ALICE CAYMMI? >> www.alicecaymmi.com.br QUEM É ALICE CAYMMI? A cantora e compositora carioca Alice Caymmi nasceu no dia 17 de março de 1990, na cidade do Rio de Janeiro. Neta de Dorival Caymmi, a musicista compõe desde os dez anos e começou

Leia mais

Bicho de sete cabeças e outros seres fantásticos, de Eucanaã Ferraz: poesia para não ter medo do desconhecido. Ana Paula Klauck

Bicho de sete cabeças e outros seres fantásticos, de Eucanaã Ferraz: poesia para não ter medo do desconhecido. Ana Paula Klauck Publicado na revista eletrônica Tigre Albino Volume 3, Número 3. 2010. ISSN: 1982-9434 Disponível em: http://www.tigrealbino.com.br/texto.php?idtitulo=08f1c7471182e83b619f12bfa4 27e1e0&&idvolume=9a2be2ed7998330d41811b14e9f81f2d

Leia mais

FAZENDO TEATRO NA ESCOLA

FAZENDO TEATRO NA ESCOLA Ministério da Cultura e Grupo EcoRodovias apresentam: FAZENDO TEATRO NA ESCOLA Índice Jogos teatrais, criação e dramaturgia...4 Jogos teatrais como ferramenta lúdica e pedagógica...6 Direção de elenco...7

Leia mais

Arquivo Público do Estado de São Paulo

Arquivo Público do Estado de São Paulo Arquivo Público do Estado de São Paulo Oficina: O(s) Uso(s) de documentos de arquivo na sala de aula Ditadura Militar e Anistia (1964 a 1985). Anos de Chumbo no Brasil. Ieda Maria Galvão dos Santos 2º

Leia mais

Escola Estadual de Ensino Fundamental República EEEFR. Rio de Janeiro, Novembro de 2015 Número 13 - Ano 7 PAISAGISMO NA ESCOLA

Escola Estadual de Ensino Fundamental República EEEFR. Rio de Janeiro, Novembro de 2015 Número 13 - Ano 7 PAISAGISMO NA ESCOLA Rio de Janeiro, Novembro de 2015 Número 13 - Ano 7 Escola Estadual de Ensino Fundamental República EEEFR Página 1 Editorial Nesta edição Página 1 Paisagismo na escola Página 2 Feira Cultural Página 3 Exposoção

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO DO ESTADO DE MINAS GERAIS Secretaria de Estado da Educação Superintendência Regional de Ensino de Carangola Diretoria Educacional

SERVIÇO PÚBLICO DO ESTADO DE MINAS GERAIS Secretaria de Estado da Educação Superintendência Regional de Ensino de Carangola Diretoria Educacional SERVIÇO PÚBLICO DO ESTADO DE MINAS GERAIS Secretaria de Estado da Educação Superintendência Regional de Ensino de Carangola Diretoria Educacional Sequencia Didática destinada aos Anos Finais do Ensino

Leia mais

ENTREVISTA CONCEDIDA AO ESCRITOR FLÁVIO IZHAKI Realizada em 21.VII.08 A PROPÓSITO DE RETRATO DESNATURAL (diários 2004 a 2007) Evando Nascimento

ENTREVISTA CONCEDIDA AO ESCRITOR FLÁVIO IZHAKI Realizada em 21.VII.08 A PROPÓSITO DE RETRATO DESNATURAL (diários 2004 a 2007) Evando Nascimento ENTREVISTA CONCEDIDA AO ESCRITOR FLÁVIO IZHAKI Realizada em 21.VII.08 A PROPÓSITO DE RETRATO DESNATURAL (diários 2004 a 2007) Evando Nascimento Renomado professor universitário, autor de títulos de não

Leia mais

SUGESTÕES DE ATIVIDADES

SUGESTÕES DE ATIVIDADES PROJETO DE LEITURA PRÉ-LEITURA ATIVIDADES ANTERIORES À LEITURA INTENÇÃO: LEVANTAR HIPÓTESES SOBRE A AUTORA, SOBRE O LIVRO, INSTIGAR A CURIOSIDADE E AMPLIAR O REPERTÓRIO DO ALUNO. Antes de você iniciar

Leia mais

Leya Leituras Projeto de Leitura

Leya Leituras Projeto de Leitura Leya Leituras Projeto de Leitura Nome do livro: JAPĨĨ E JAKÃMĨ Uma história de amizade Autor: Yaguarê Yamã Nacionalidade do autor: Brasileira Currículo do autor: Escritor, professor e artista plástico

Leia mais

CADERNO DE ATIVIDADES REDAÇÃO

CADERNO DE ATIVIDADES REDAÇÃO COLÉGIO ARNALDO 2015 CADERNO DE ATIVIDADES REDAÇÃO Aluno (a): 4º ano: Turma: Professor (a): Valor: 20 pontos Este trabalho deverá ser entregue IMPRETERIVELMENTE no dia da prova. Conteúdo de Recuperação

Leia mais

A linguagem da fotonovela Isabel S. Sampaio

A linguagem da fotonovela Isabel S. Sampaio A linguagem da fotonovela Isabel S. Sampaio No segundo semestre de 1970, as revistas que publicavam fotonovelas no Brasil ocupavam o segundo lugar em tiragem e circulação, perdendo apenas para as revistas

Leia mais

Público escolhe o repertório do próximo show de Oswaldo Montenegro. No mesmo ano: cinema, música, televisão e teatro

Público escolhe o repertório do próximo show de Oswaldo Montenegro. No mesmo ano: cinema, música, televisão e teatro Público escolhe o repertório do próximo show de Oswaldo Montenegro No mesmo ano: cinema, música, televisão e teatro Consagrado pela crítica e pelo público Para comemorar o sucesso de tantos lançamentos

Leia mais

Versão Oficial. Locutor - A Rádio Nacional apresenta ESTUDIO F, Momentos Musicais da Funarte. Apresentação de Paulo César Soares

Versão Oficial. Locutor - A Rádio Nacional apresenta ESTUDIO F, Momentos Musicais da Funarte. Apresentação de Paulo César Soares 1 Versão Oficial Sueli Costa EF98 E S T Ú D I O F - programa número 98 Á U D I O T E X T O Música-tema entra e fica em BG; Locutor - A Rádio Nacional apresenta ESTUDIO F, Momentos Musicais da Funarte Apresentação

Leia mais

Dedos mínimos, dedos mínimos, Onde estão? Aqui estão. Eles te saúdam, eles te saúdam E se vão, e se vão.

Dedos mínimos, dedos mínimos, Onde estão? Aqui estão. Eles te saúdam, eles te saúdam E se vão, e se vão. Dedos mínimos, dedos mínimos, Onde estão? Aqui estão. Eles te saúdam, eles te saúdam E se vão, e se vão. Todos os dedos, todos os dedos, Onde estão? Aqui estão. Eles te saúdam, eles te saúdam E se vão,

Leia mais

LITERATURA E MERCADO: Discutindo a poesia marginal sob uma perspectiva Adorniana

LITERATURA E MERCADO: Discutindo a poesia marginal sob uma perspectiva Adorniana LITERATURA E MERCADO: Discutindo a poesia marginal sob uma perspectiva Adorniana Luiza Possebon Ribas 1 (luiza.ribas@gmail.com) O grupo de vanguarda que fazia arte no final dos anos 60 no Brasil - e que

Leia mais

3. Encaminhamento metodológico e sugestões de atividades complementares

3. Encaminhamento metodológico e sugestões de atividades complementares 3. Encaminhamento metodológico e sugestões de atividades complementares UNIDADE 1 BICHO E GENTE, CADA UM TEM UM JEITO DIFERENTE! A proposta deste tema é estimular a criança a perceber as diferenças existentes

Leia mais

esquerda e direita guia histórico para o século xxi

esquerda e direita guia histórico para o século xxi esquerda e direita guia histórico para o século xxi lisboa: tinta da china MMXV à Marta, por tudo 2015, Rui Tavares e Edições tinta da china, Lda. Rua Francisco Ferrer, 6A 1500 461 Lisboa Tels: 21 726

Leia mais

Propiciar a socialização da criança através da participação numa comunidade mais ampla, onde descubra e domine regras próprias do convívio social.

Propiciar a socialização da criança através da participação numa comunidade mais ampla, onde descubra e domine regras próprias do convívio social. EDUCAÇÃO INFANTIL OBJETIVOS GERAIS Conhecimento do Mundo Formação Pessoal e Social Movimento Linguagem Oral e Escrita Identidade e Autonomia Música Natureza e Sociedade Artes Visuais Matemática OBJETIVOS

Leia mais

Leituras políticas de obras de Franz Kafka na imprensa brasileira. 1

Leituras políticas de obras de Franz Kafka na imprensa brasileira. 1 Leituras políticas de obras de Franz Kafka na imprensa brasileira. 1 Eduardo Manoel de Brito Doutor em Letras (Língua e Literatura Alemã), pesquisador sênior no Núcleo de Estudos da Violência, Universidade

Leia mais

Competência(s) / Objetivo(s) de Aprendizagem Conhecer a vida e a obra do poeta Carlos Drummond de Andrade a partir de um documentário não tradicional;

Competência(s) / Objetivo(s) de Aprendizagem Conhecer a vida e a obra do poeta Carlos Drummond de Andrade a partir de um documentário não tradicional; Ensino Médio Cinema e Educação: O Poeta das Sete Faces Disciplinas/Áreas do Conhecimento: Língua Portuguesa; Arte; História; Sociologia; Competência(s) / Objetivo(s) de Aprendizagem Conhecer a vida e a

Leia mais

PROJETO DE LEITURA A PEDRA NO SAPATO DO HERÓI ORÍGENES LESSA INTENÇÃO: INSTIGAR A CURIOSIDADE E AMPLIAR O REPERTÓRIO DO ALUNO

PROJETO DE LEITURA A PEDRA NO SAPATO DO HERÓI ORÍGENES LESSA INTENÇÃO: INSTIGAR A CURIOSIDADE E AMPLIAR O REPERTÓRIO DO ALUNO PARTE 1 PROJETO DE LEITURA A PEDRA NO SAPATO DO HERÓI ORÍGENES LESSA PRÉ-LEITURA ATIVIDADES ANTERIORES À LEITURA INTENÇÃO: INSTIGAR A CURIOSIDADE E AMPLIAR O REPERTÓRIO DO ALUNO 1. Conhecendo o autor...

Leia mais

O que é uma instalação?

O que é uma instalação? O que é uma instalação? A arte contemporânea vive, pulsa, voa, viaja e morre. Absorve e constrói o espaço à sua volta ao mesmo tempo que o desconstrói. A desconstrução de espaços, de conceitos e idéias

Leia mais

ALGUMAS CONSIDERAÇÕES ACERCA DO DISCURSO SIMBOLISTA NO BRASIL

ALGUMAS CONSIDERAÇÕES ACERCA DO DISCURSO SIMBOLISTA NO BRASIL ALGUMAS CONSIDERAÇÕES ACERCA DO DISCURSO SIMBOLISTA NO BRASIL Élcio Aloisio Fragoso 1 INTRODUÇÃO Neste texto, faremos algumas considerações acerca do discurso simbolista no Brasil, relativamente à história

Leia mais

LANÇAMENTO DIA 07 DE ABRIL DE 2006 CASA DAS ROSAS SÃO PAULO

LANÇAMENTO DIA 07 DE ABRIL DE 2006 CASA DAS ROSAS SÃO PAULO LANÇAMENTO DIA 07 DE ABRIL DE 2006 CASA DAS ROSAS SÃO PAULO Revista-objeto satiriza o legado concretista Nóisgrande, numa referência ao grupo concretista Noigandres N os anos 50, Haroldo de Campos, Augusto

Leia mais

cultura em nova iguaçu

cultura em nova iguaçu cultura em nova iguaçu metodologia campo: 11 de abril a 30 de maio de 2014 margem de erro 6pp 299 pessoas com mais de 12 anos foram entrevistadas em Nova Iguaçu entrevistados foram abordados em pontos

Leia mais

sinalização (eventos) back2black 2011 (desenvolvido com equipe Rico Lins + Studio)

sinalização (eventos) back2black 2011 (desenvolvido com equipe Rico Lins + Studio) sinalização (eventos) back2black 2011 (desenvolvido com equipe Rico Lins + Studio) sinalização (eventos) back2black 2011 (desenvolvido com equipe Rico Lins + Studio) sinalização (eventos) back2black 2013

Leia mais

DESCOBERTA DE UM UNIVERSO: A EVOLUÇÃO DO DESENHO INFANTIL

DESCOBERTA DE UM UNIVERSO: A EVOLUÇÃO DO DESENHO INFANTIL DESCOBERTA DE UM UNIVERSO: A EVOLUÇÃO DO DESENHO INFANTIL "Antes eu desenhava como Rafael, mas precisei de toda uma existência para aprender a desenhar como as crianças. (Picasso) Os primeiros estudos

Leia mais

Quem tem boca vai a Roma

Quem tem boca vai a Roma Quem tem boca vai a Roma AUUL AL A MÓDULO 14 Um indivíduo que parece desorientado e não consegue encontrar o prédio que procura, aproxima-se de outro com um papel na mão: - Por favor, poderia me informar

Leia mais

O Desenvolvimento da Criatividade e da Percepção Visual

O Desenvolvimento da Criatividade e da Percepção Visual O Desenvolvimento da Criatividade e da Percepção Visual Fernanda de Morais Machado Para nós, designers, a criatividade é a principal ferramenta. Devemos saber como usá-la, como aproveitá-la integralmente,

Leia mais

Colégio Crescer de Jundiaí. Diário de Bordo 9 ano C 2 Semestre 2012

Colégio Crescer de Jundiaí. Diário de Bordo 9 ano C 2 Semestre 2012 Colégio Crescer de Jundiaí Nome: n Turma: Diário de Bordo 9 ano C 2 Semestre 2012 Instruções: - Este documento contém as atividades para nota mensal que o aluno deverá fazer ao longo do 2 semestre. - As

Leia mais

Pedro de Almeida CANTO 2 Universidade Federal do maranhão

Pedro de Almeida CANTO 2 Universidade Federal do maranhão Conexão Brasil: presença de educação com música através da radiodifusão e formação de rede 1 Pedro de Almeida CANTO 2 Universidade Federal do maranhão RESUMO Contextualiza a educação dentro da história

Leia mais

A soma será feita da seguinte forma:

A soma será feita da seguinte forma: Testes vocacionais não fazem milagres, não têm poder de apontar uma única profissão a ser seguida, mas são um bom norte acerca de aptidões e interesses. Fazendo perguntas, muitas vezes de aparência tola,

Leia mais

Cultura e política no Brasil: de Getúlio a Ditadura Militar

Cultura e política no Brasil: de Getúlio a Ditadura Militar Cultura e política no Brasil: de Getúlio a Ditadura Militar 1 A Era Vargas (1930-1945) Assumiu após a vitória sobre as oligarquias em 1930. 2ª Guerra Mundial: Início dúbio com posterior alinhamento aos

Leia mais

A CONTRACULTURA NA MÚSICA DOS ANOS 60 - SCRIPT DO JOGRAL

A CONTRACULTURA NA MÚSICA DOS ANOS 60 - SCRIPT DO JOGRAL 1 DEPARTAMENTO DE LETRAS E ARTES LICENCIATURA EM LETRAS COM A LÍNGUA INGLESA LITERATURA BRASILEIRA JOÃO BOSCO DA SILVA (prof.bosco.uefs@gmail.com) A CONTRACULTURA NA MÚSICA DOS ANOS 60 - SCRIPT DO JOGRAL

Leia mais

Núcleo de Ação Educativa Material Educativo. Oficina artística e literária Do Texto à Imagem: olhares sobre São Paulo Realizada em 25/01/2013

Núcleo de Ação Educativa Material Educativo. Oficina artística e literária Do Texto à Imagem: olhares sobre São Paulo Realizada em 25/01/2013 Núcleo de Ação Educativa Material Educativo Oficina artística e literária Do Texto à Imagem: olhares sobre São Paulo Realizada em 25/01/2013 Em comemoração ao 559 aniversário de São Paulo, o museu Casa

Leia mais

NÚCLEO DE AÇÃO EDUCATIVA MATERIAL EDUCATIVO OFICINA ARTÍSTICA E LITERÁRIA CAFEZINHO

NÚCLEO DE AÇÃO EDUCATIVA MATERIAL EDUCATIVO OFICINA ARTÍSTICA E LITERÁRIA CAFEZINHO NÚCLEO DE AÇÃO EDUCATIVA MATERIAL EDUCATIVO OFICINA ARTÍSTICA E LITERÁRIA CAFEZINHO Foto: Flávia Violim Este material servirá como modelo para que professores de Língua Portuguesa aproximem seus alunos

Leia mais

Poesia 2ª fase. Carlos Drummond de Andrade

Poesia 2ª fase. Carlos Drummond de Andrade Poesia 2ª fase Carlos Drummond de Andrade O poeta mais importante da segunda fase da poesia modernista brasileira (1930-1945) é Carlos Drummond de Andrade. Alguns críticos consideram o escritor o maior

Leia mais

A POESIA NA DITADURA MILITAR: COMO ESCREVER QUANDO TUDO É PROIBIDO? Francisco Heraldo Bezrra Felipe xiko.baker@ig.com.br

A POESIA NA DITADURA MILITAR: COMO ESCREVER QUANDO TUDO É PROIBIDO? Francisco Heraldo Bezrra Felipe xiko.baker@ig.com.br A POESIA NA DITADURA MILITAR: COMO ESCREVER QUANDO TUDO É PROIBIDO? Francisco Heraldo Bezrra Felipe xiko.baker@ig.com.br 1. Introdução Durante os mais de 20 anos de ditadura militar no Brasil, a poesia

Leia mais

TÍTULO / TÍTULO: A DIVULGAÇÃO CIENTÍFICA AUDIOVISUAL ENTRE O TELEJORNALISMO E O CINEMA

TÍTULO / TÍTULO: A DIVULGAÇÃO CIENTÍFICA AUDIOVISUAL ENTRE O TELEJORNALISMO E O CINEMA TÍTULO / TÍTULO: A DIVULGAÇÃO CIENTÍFICA AUDIOVISUAL ENTRE O TELEJORNALISMO E O CINEMA AUTOR / AUTOR: Iara Cardoso INSTITUIÇÃO / INSTITUCIÓN: Laboratório de Estudos Avançados em Jornalismo (Labjor) Unicamp,

Leia mais

C U R R I C U L U M V I T A E

C U R R I C U L U M V I T A E C U R R I C U L U M V I T A E INFORMAÇÃO PESSOAL Nome Morada Correio electrónico Endereço electrónico Luís Miguel Pereira Araújo da Rocha Rua do Teixeira, nº43, 1º 1200-390 Lisboa Telefone 96 252 74 53

Leia mais

Apresentar o mundo da poesia para as crianças é a proposta principal deste livrinho. Para isso, reunirá parte da obra do poeta recifense Bastos Tigre

Apresentar o mundo da poesia para as crianças é a proposta principal deste livrinho. Para isso, reunirá parte da obra do poeta recifense Bastos Tigre Bastos Tigre Apresentar o mundo da poesia para as crianças é a proposta principal deste livrinho. Para isso, reunirá parte da obra do poeta recifense Bastos Tigre (12 de março de 1882-2 de agosto de 1957).

Leia mais

PROJETO SARAU SABERES E SABORES

PROJETO SARAU SABERES E SABORES PROJETO SARAU SABERES E SABORES JUSTIFICATIVA Em Parintins, o acesso ao livro e a leitura é bastante limitado. Este Município tem apenas uma Biblioteca Pública e uma livraria (LUPA), há as bibliotecas

Leia mais

LINGUAGENS FORMA DO SER HUMANO CONHECER O MUNDO;

LINGUAGENS FORMA DO SER HUMANO CONHECER O MUNDO; LINGUAGENS FORMA DO SER HUMANO CONHECER O MUNDO; COMUNICAÇÃO, INTERAÇÃO SOCIAL E CONSTRUÇÃO DA IDENTIDADE. LINGUAGEM É TODO SISTEMA QUE SE UTILIZA DE SIGNOS E QUE SERVE COMO MEIO DE COMUNICAÇÃO. VERBAL:

Leia mais

CLIPPING DE IMPRENSA BANDA MAHALAB

CLIPPING DE IMPRENSA BANDA MAHALAB CLIPPING DE IMPRENSA BANDA MAHALAB Guia da Folha julho de 2010 Guia Sampa Online julho de 2010 Guia de Verão do SPTV, Rede Globo fevereiro de 2009 Rock solidário é opção para quem não quer sambar Para

Leia mais

PROJETO DE LEITURA PRÉ-LEITURA ATIVIDADES ANTERIORES À LEITURA

PROJETO DE LEITURA PRÉ-LEITURA ATIVIDADES ANTERIORES À LEITURA PROJETO DE LEITURA PRÉ-LEITURA ATIVIDADES ANTERIORES À LEITURA INTENÇÃO: LEVANTAR HIPÓTESES SOBRE A HISTÓRIA, INSTIGAR A CURIOSIDADE E AMPLIAR O REPERTÓRIO DO ALUNO. Antes de você iniciar a leitura do

Leia mais

Histórico O surrealismo surgiu na França na década de 1920. Este movimento foi significativamente influenciado pelas teses psicanalíticas de Sigmund

Histórico O surrealismo surgiu na França na década de 1920. Este movimento foi significativamente influenciado pelas teses psicanalíticas de Sigmund Histórico O surrealismo surgiu na França na década de 1920. Este movimento foi significativamente influenciado pelas teses psicanalíticas de Sigmund Freud, que mostram a importância do inconsciente na

Leia mais

O que é esse produto? Qual é a marca do produto? Que quantidade de produto há na embalagem? Em que país foi feito o produto?

O que é esse produto? Qual é a marca do produto? Que quantidade de produto há na embalagem? Em que país foi feito o produto? RÓTULOS Rótulo é toda e qualquer informação referente a um produto que esteja transcrita em sua embalagem. O Rótulo acaba por ser uma forma de comunicação visual, podendo conter a marca do produto e informações

Leia mais

Perspectivas: língua portuguesa

Perspectivas: língua portuguesa Perspectivas: língua portuguesa Episódio: Oralidade e escrita Resumo O episódio Oralidade e escrita apresenta projetos desenvolvidos por professores de língua portuguesa com turmas de 7ª série (atual 8º

Leia mais

RESENHA. SANTAELLA, L. Por que as comunicações e as artes estão convergindo? São Paulo: Paulus, 2005.

RESENHA. SANTAELLA, L. Por que as comunicações e as artes estão convergindo? São Paulo: Paulus, 2005. 1 RESENHA Mónica Santos Pereira Defreitas 1 SANTAELLA, L. Por que as comunicações e as artes estão convergindo? São Paulo: Paulus, 2005. O livro de Lúcia Santaella, Por que as comunicações e as artes estão

Leia mais

Educação Patrimonial Centro de Memória

Educação Patrimonial Centro de Memória Educação Patrimonial Centro de Memória O que é história? Para que serve? Ambas perguntas são aparentemente simples, mas carregam uma grande complexidade. É sobre isso que falarei agora. A primeira questão

Leia mais

AVALIAÇÃO NA DISCIPLINA DE ARTE

AVALIAÇÃO NA DISCIPLINA DE ARTE AVALIAÇÃO NA DISCIPLINA DE ARTE Juliana Stedille 1 Richelly de Macedo Ramos 2 Edi Jussara Candido Lorensatti 3 Resumo Este artigo busca verificar quais os procedimentos adotados por professores da disciplina

Leia mais

VANGUARDA DISCIPLINA: ARTES PROFESSORA: ANA PRISCILA

VANGUARDA DISCIPLINA: ARTES PROFESSORA: ANA PRISCILA VANGUARDA DISCIPLINA: ARTES PROFESSORA: ANA PRISCILA Em seu sentido literal, vanguarda (vem do francês Avant Garde, guarda avante ) faz referência ao batalhão militar que precede as tropas em ataque durante

Leia mais

SURREALISMO. História da Arte Profº Geder 1ª Série Ensino Médio (2012)

SURREALISMO. História da Arte Profº Geder 1ª Série Ensino Médio (2012) SURREALISMO História da Arte Profº Geder 1ª Série Ensino Médio (2012) SURREALISMO Dadaísmo: - fundado durante a 1ª Guerra Mundial. Surgiu na Europa (Zurique) no ano de 1916. Características: - Objetos

Leia mais

8º Ano 2015 4º Bimestre Artes Prof. Juva

8º Ano 2015 4º Bimestre Artes Prof. Juva 8º Ano 2015 4º Bimestre Artes Prof. Juva Manifestações de Arte Popular No Brasil a arte popular é aquela produzida por alguém que não possui uma instrução acadêmica em arte, mas produz obras que contém

Leia mais

Revista Casa de Cultura Mario Quintana 1. Thays Dias DOMINGOS 2 Elisangela LASTA 3. Centro Universitário Ritter dos Reis UNIRITTER, Porto Alegre, RS.

Revista Casa de Cultura Mario Quintana 1. Thays Dias DOMINGOS 2 Elisangela LASTA 3. Centro Universitário Ritter dos Reis UNIRITTER, Porto Alegre, RS. Revista Casa de Cultura Mario Quintana 1 Thays Dias DOMINGOS 2 Elisangela LASTA 3 Centro Universitário Ritter dos Reis UNIRITTER, Porto Alegre, RS. RESUMO O projeto da Revista Casa de Cultura do Mario

Leia mais

Nomes: Marcelo Lauer, Mariana Matté, Matheus Fernandes, Raissa Reis e Nadine Siqueira

Nomes: Marcelo Lauer, Mariana Matté, Matheus Fernandes, Raissa Reis e Nadine Siqueira Escritor brasileiro Dados de Identificação: Nomes: Marcelo Lauer, Mariana Matté, Matheus Fernandes, Raissa Reis e Nadine Siqueira Turma: 201 Professora: Ivânia Lamb Romancista brasileiro nascido em São

Leia mais

campo: 11 de abril a 30 de maio de 2014 margem de erro 4pp 601 pessoas com mais de 12 anos foram entrevistadas

campo: 11 de abril a 30 de maio de 2014 margem de erro 4pp 601 pessoas com mais de 12 anos foram entrevistadas cultura em Salvador metodologia campo: 11 de abril a 30 de maio de 2014 margem de erro 4pp 601 pessoas com mais de 12 anos foram entrevistadas entrevistados foram abordados em pontos de grande fluxo populacional

Leia mais

ROMANTISMO PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS LITERÁRIAS

ROMANTISMO PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS LITERÁRIAS ROMANTISMO O Romantismo foi uma estética artística surgida no início do século XVIII, que provocou uma verdadeira revolução na produção literária da época. Retratando a força dos sentimentos, ela propôs

Leia mais

Tchaikovsky romântico sem solução

Tchaikovsky romântico sem solução Tchaikovsky romântico sem solução Resumo Uma pérola do romantismo na música, Tchaikovsky nos é apresentado aqui juntamente com as grandes peças teatrais que o tornaram imortal. Com uma melodia sensível,

Leia mais

09/03/2015 DIFERENTES LINGUAGENS. O que é a linguagem? Profa. Ms. Paula Ciol

09/03/2015 DIFERENTES LINGUAGENS. O que é a linguagem? Profa. Ms. Paula Ciol DIFERENTES LINGUAGENS A linguagem é o instrumento com que o homem pensa e sente, forma estados de alma, aspirações e ações, o instrumento com que influencia e é influenciado. L. Hjelmslev Profa. Ms. Paula

Leia mais

Página 2. categoria GESTOR PÚBLICO 1º LUGAR:

Página 2. categoria GESTOR PÚBLICO 1º LUGAR: Página 1 categoria GESTOR PÚBLICO Revista Tu Visse?!: registrando e divulgando o patrimônio imaterial da comunidade pesqueira Fundação Municipal de Cultura de Bombinhas Bombinhas, SC, 2005 Criada em 2005,

Leia mais

A LINGUAGEM ESCRITA COMO UMA DAS MÚLTIPLAS

A LINGUAGEM ESCRITA COMO UMA DAS MÚLTIPLAS A LINGUAGEM ESCRITA COMO UMA DAS MÚLTIPLAS LINGUAGENS DA CRIANÇA Professor(a), no tema anterior, A criança de seis anos no ensino fundamental, falamos sobre quem são e como são essas crianças que ingressam

Leia mais

JAPÃO. Brasil desenhado. A grande viagem da Equipe do Brasil Desenhado começou. A recepção em Kumano, com sua fábrica secular de pincéis

JAPÃO. Brasil desenhado. A grande viagem da Equipe do Brasil Desenhado começou. A recepção em Kumano, com sua fábrica secular de pincéis www.brasildesenhado.com.br Brasil desenhado EDIÇÃO 1 - ANO 1-2014 - Revista do Brasil Desenhado A produção de papel branqueado na neve, que é feita em Gokayama: sua fabricação e os diferentes produtos

Leia mais

CONCRETISMO: A LIBERDADE CONCRETA

CONCRETISMO: A LIBERDADE CONCRETA 1 DEPARTAMENTO DE LETRAS E ARTES Licenciatura em Letras com a Língua Inglesa Teoria da Literatura II Professor: Roberto Henrique Seidel JOÃO BOSCO DA SILVA (prof.bosco.uefs@gmail.com) CONCRETISMO: A LIBERDADE

Leia mais

Composição de pequenas músicas a partir de outras já existentes e de versos; a partir de objetos, da voz, do corpo, do silêncio.

Composição de pequenas músicas a partir de outras já existentes e de versos; a partir de objetos, da voz, do corpo, do silêncio. MÚSICA A música é uma linguagem expressiva importante a ser incentivada desde os primeiros anos de vida. O trabalho com música na escola de Educação Infantil deve respeitar as diferenças regionais e suas

Leia mais

LETRAMENTO, LEITURA, LITERATURA E PRODUÇÃO DE TEXTO: SUAS IMPLICAÇÕES NO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM

LETRAMENTO, LEITURA, LITERATURA E PRODUÇÃO DE TEXTO: SUAS IMPLICAÇÕES NO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM LETRAMENTO, LEITURA, LITERATURA E PRODUÇÃO DE TEXTO: SUAS IMPLICAÇÕES NO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM Kelly Cristina Costa Martins 1 Simônica da Costa Ferreira 2 Introdução Nos dias atuais percebemos

Leia mais

Feito de Barro para uma Cultura Viva 1. Anderson Alves de MORAIS 2 Iraê Pereira MOTA 3 Faculdade do Vale do Ipojuca, Caruaru, PE.

Feito de Barro para uma Cultura Viva 1. Anderson Alves de MORAIS 2 Iraê Pereira MOTA 3 Faculdade do Vale do Ipojuca, Caruaru, PE. Feito de Barro para uma Cultura Viva 1 Anderson Alves de MORAIS 2 Iraê Pereira MOTA 3 Faculdade do Vale do Ipojuca, Caruaru, PE. RESUMO: Este paper tem como objetivo relatar o processo de produção de um

Leia mais

Alguns Poetas Cearenses

Alguns Poetas Cearenses Alguns Poetas Cearenses ARTUR EDUARDO BENEVIDES Nada menos de nove livros de poemas de autores cearenses me foram remetidos nos últimos meses, o que dá bem a idéia da vigilância e atividade dos nossos

Leia mais

REALISMO NATURALISMO EM PORTUGAL

REALISMO NATURALISMO EM PORTUGAL AULA 13 LITERATURA PROFª Edna Prado REALISMO NATURALISMO EM PORTUGAL Na aula de hoje falaremos sobre o Realismo português. Mas para começarmos é importante que você saiba o que é realismo. Veja: REAL+ISMO

Leia mais

O BRINCAR E A CLÍNICA

O BRINCAR E A CLÍNICA O BRINCAR E A CLÍNICA Christine Nunes (psicóloga clínica, candidata da SPRJ) RESUMO: O presente trabalho, propõe a uma breve exposição do que pensa Winnicott sobre o brincar e a sessão analítica estendendo

Leia mais

11 ESSE TAL TRANSPLANTE

11 ESSE TAL TRANSPLANTE 11 ESSE TAL TRANSPLANTE Muita chuva. Foi um verão molhado. Justamente por isso vários amigos ficavam restritos ao abrigo doméstico. O que fazer então estando esses amigos reclusos, em 1816, em uma casa

Leia mais

CONCREGAÇÃO DAS IRMÃS MISSIONÁRIAS DA IMACULADA CONCEIÇÃO COLÉGIO SANTA CLARA PROJETO: SARAU DE POESIA

CONCREGAÇÃO DAS IRMÃS MISSIONÁRIAS DA IMACULADA CONCEIÇÃO COLÉGIO SANTA CLARA PROJETO: SARAU DE POESIA CONCREGAÇÃO DAS IRMÃS MISSIONÁRIAS DA IMACULADA CONCEIÇÃO COLÉGIO SANTA CLARA PROJETO: SARAU DE POESIA SANTARÉM-PARÁ 2010 I- IDENTIFICAÇÃO: COLÉGIO SANTA CLARA DIRETORA: Irmã Gizele Maria Pereira Marinho

Leia mais

Monumentos de Manaus (AM) ganham versão mini com laser, acrílico e MDF

Monumentos de Manaus (AM) ganham versão mini com laser, acrílico e MDF Monumentos de Manaus (AM) ganham versão mini com laser, acrílico e MDF Arquiteta e designer criam mini esculturas de prédios históricos da capital. Arena da Amazônia e Ponte Rio Negro estão entre miniaturas

Leia mais

Guimarães Rosa O maior escritor brasileiro da segunda metade do século 20

Guimarães Rosa O maior escritor brasileiro da segunda metade do século 20 Guimarães Rosa O maior escritor brasileiro da segunda metade do século 20 Características Gerais Cenário: o Sertão brasileiro. Recorrência ao grego e latim. Processo fonético na criação escrita. Fala regionalista

Leia mais

Revista Amarelinha: Jornalismo segmentado para crianças de 9 a 12 anos¹. Marcela Lorenzoni². Camila Costa Toppel³. Camila Petry Feiler 4

Revista Amarelinha: Jornalismo segmentado para crianças de 9 a 12 anos¹. Marcela Lorenzoni². Camila Costa Toppel³. Camila Petry Feiler 4 Revista Amarelinha: Jornalismo segmentado para crianças de 9 a 12 anos¹ Marcela Lorenzoni² Camila Costa Toppel³ Camila Petry Feiler 4 Francielle Ferrari 5 Cícero Lira 6 Pontifícia Universidade Católica

Leia mais

Por trás do pano Rapidinhas teatrais

Por trás do pano Rapidinhas teatrais Publicado em 22/03/2013 às 10h08 Por trás do pano Rapidinhas teatrais Tags: coluna, miguel arcanjo prado, por trás do pano, r7, rapidinhas teatrais,teatro Comente Soraya Ravenle e Suely Franco fazem sucesso

Leia mais

LUIZ MELODIA EM CANTA O CINEMA PROJETO APROVADO NA LEI MUNICIPAL DE INCENTIVO À CULTURA - LEI DO ISS

LUIZ MELODIA EM CANTA O CINEMA PROJETO APROVADO NA LEI MUNICIPAL DE INCENTIVO À CULTURA - LEI DO ISS PROJETO APROVADO NA LEI MUNICIPAL DE INCENTIVO À CULTURA - LEI DO ISS PROJETO APROVADO NA LEI MUNICIPAL DE INCENTIVO À CULTURA - LEI DO ISS APRESENTAÇÃO LUIZ MELODIA EM Se por um lado a música cria uma

Leia mais

artigos . Luís Edegar de Oliveira Costa Professor da Faculdade de Artes Visuais da UFG

artigos . Luís Edegar de Oliveira Costa Professor da Faculdade de Artes Visuais da UFG artigos PAULO FOGAÇA nas Artes Plásticas em Goiás: Indícios de Contextualização. Luís Edegar de Oliveira Costa Professor da Faculdade de Artes Visuais da UFG A aparição da arte moderna em Goiás, sua formulação

Leia mais

SIMULADO 4 JORNAL EXTRA ESCOLAS TÉCNICAS HISTÓRIA

SIMULADO 4 JORNAL EXTRA ESCOLAS TÉCNICAS HISTÓRIA SIMULADO 4 JORNAL EXTRA ESCOLAS TÉCNICAS HISTÓRIA QUESTÃO 01 De uma forma inteiramente inédita, os humanistas, entre os séculos XV e XVI, criaram uma nova forma de entender a realidade. Magia e ciência,

Leia mais

A GENTE RECRIA POESIAS COM PALAVRAS E IMAGENS

A GENTE RECRIA POESIAS COM PALAVRAS E IMAGENS A GENTE RECRIA POESIAS COM PALAVRAS E IMAGENS Diana Carvalho (E. M. Argentina Sala de Leitura) Eixo temático: Fazendo escola com múltiplas linguagens RESUMO Este texto relata uma experiência em leitura

Leia mais