COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS SUSTENTABILIDADE

Save this PDF as:

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS SUSTENTABILIDADE"

Transcrição

1 COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS SUSTENTABILIDADE

2

3 descrições dos níveis APRENDIZ SABER Aprende para adquirir conhecimento básico. É capaz de pôr este conhecimento em prática sob circunstâncias normais, buscando assistência se necessário. QUALIFICADO APLICAR É qualificado para aplicar seu conhecimento. É capaz de desempenhar com pouca ou nenhuma assistência sob circunstâncias normais. EXPERIENTE APRIMORAR É experiente o suficiente para aprimorar.tem conhecimento avançado e experiência significativa. É capaz de desempenhar de forma autônoma em um ambiente complexo e de propor aprimoramentos. É capaz de capacitar/treinar/desenvolver colaboradores de nível mais júnior. MASTER INOVAR domina o suficiente para inovar. tem conhecimento de ponta e vasta experiência. capaz de desempenhar em todos os ambientes e de inovar. É reconhecido como referência transferindo conhecimento e experiência a outros.

4 REQUISITOS GERAIS AMBIENTAIS 1. Avaliação do ciclo de vida e Pegadas Ecológicas > Conhece o conceito de ciclo de vida de produtos/projetos, suas ferramentas e teoria, consegue aplicá-las e sabe identificar os impactos ambientais de cada etapa ao longo da cadeia de valor; consegue propor formas de mensuração desses impactos e possibilidade de mitigação. Conhece os conceitos de pegadas (pegada hídrica, de carbono, ecológica), teoria e o racional de cálculo, consegue aplicá-los e sabe identificar os impactos ambientais de cada etapa ao longo da cadeia de valor; consegue propor formas de mitigação destes impactos. 2. Regulamentações Ambientais > Conhece as legislações ambientais aplicadas à corporação no âmbito fabril ou além das fábricas e entende as implicações dessas legislações para a operação do negócio. > Conhece as certificações ambientais para materiais produtivos (FSC, Rain Forest Alliance, Bonsucro etc.) ou certificações ambientais de processos ou operações (ISO 14000, ISO etc.), entendendo suas implicações para o negócio. 3. Gestão Ambiental da Manufatura > Conhece as etapas de manufatura, os insumos utilizados, os riscos ambientais associados, a manufatura, seus resíduos e descarte, processos de tratamento empregados, controles e impactos socioambientais no entorno das operações fabris. Tem habilidade para identificar, avaliar e medir os impactos ambientais da atividade. 4. Ciências Ambientais > Conhece as ciências ambientais: ciclos ambientais (carbono, água, nutrientes etc); ecologia (serviços ambientais, ecologia da paisagem, dinâmica das populações etc).

5 AMBIENTAIS

6 1 Avaliação do Ciclo de Vida e Pegadas Ecológicas Descrição geral: > Conhece o conceito de ciclo de vida de produtos/projetos, suas ferramentas e teoria, consegue aplicá-las e sabe identificar os impactos ambientais de cada etapa ao longo da cadeia de valor; consegue propor formas de mensuração desses impactos e possibilidade de mitigação. Conhece os conceitos de pegadas (pegada hídrica, de carbono, ecológica), teoria e o racional de cálculo, consegue aplicá-los e sabe identificar os impactos ambientais de cada etapa ao longo da cadeia de valor; consegue propor formas de mitigação destes impactos. SABER > Entende o conceito de análise de ciclo de vida (ACV) do produto e serviços e de pegadas; compreende os principais aspectos ambientais e os impactos potenciais ao longo da cadeia de valor do produto; sob orientação, consegue aplicar ferramentas básicas. APLICAR > É capaz de manipular ferramentas de ACV e realizar cálculos das pegadas de carbono e hídrica; entende a correlação dos impactos e as etapas da cadeia de valor; identifica componente ou fase de vida que tem maior contribuição para impacto negativo; e, sob orientação, consegue propor planos de ação. APRIMORAR > É capaz de manipular ferramentas de ACV e realizar cálculos das pegadas de carbono e hídrica; tem conhecimento avançado em relação a toda cadeia de valor do negócio e de processos de tomada de decisão. Por meio do seu conhecimento do negócio, possui capacidade de influência para implementação dos planos de ação. INOVAR > É capaz de adaptar ferramentas de ACV, compreendendo em profundidade os diferentes aspectos da cadeia de valor; implementa inovações na corporação a partir dos resultados da ACV; é referência na companhia ia e em órgãos externos relacionados ao tema.

7 2 Regulamentações Ambientais Descrição geral: > conhece as legislações ambientais aplicadas à corporação no âmbito fabril ou além das fábricas e entende as implicações dessas legislações para a operação do negócio. > conhece as certificações ambientais para materiais produtivos (Fsc, Rain Forest Alliance, bonsucro etc.) ou certificações ambientais de processos ou operações (iso 14000, iso etc.), entendendo suas implicações para o negócio. SABER > conhece de forma generalista as principais legislações e normas ambientais e competências dos órgãos do sisnama - sistema nacional do meio Ambiente. tem conhecimento do conceito das principais certificações ambientais para materiais produtivos (Fsc, Rain Forest Alliance, bonsucro etc.) ou certificações ambientais de processos ou operações (iso 14000, iso etc.). APLICAR > conhece e tem alguma experiência prática das principais legislações e normas ambientais (exs.: snuc, PnmA, PnRs, Pnmc) e a forma que impactam o negócio; tem conhecimento sobre a as principais certificações ambientais para materiais produtivos (Fsc, Rain Forest Alliance, bonsucro etc.) ou certificações ambientais de processos ou operações (iso 14000, iso etc.) e sabe aplicá-las no contexto do negócio sob circustâncias nomais. APRIMORAR > conhece as legislações e normas ambientais assim como as principais certificações; é capaz de contribuir na construção de estratégias da organização por meio de aconselhamento sobre os temas ambientais; visualiza as oportunidades sobre as certificações, bem como para gestão de risco e já representa a organização em fóruns específicos. INOVAR > conhece profundamente as legislações e normas ambientais assim como as principais certificações e tem experiência prática; é reconhecido como referência internamente e externamente para os temas ambientais. Possui influência junto a organizações externas e age pró-ativamente em relação às modificações em normas e legislações agregando valor ao negócio.

8 3 Gestão Ambiental da Manufatura Descrição geral: > Conhece as etapas de manufatura, os insumos utilizados, os riscos ambientais associados, a manufatura, seus resíduos e descarte, processos de tratamento empregados, controles e impactos socioambientais no entorno das operações fabris. Tem habilidade para identificar, avaliar e medir os impactos ambientais da atividade. SABER > Conhece de forma generalista as etapas de manufatura e seus impactos ambientais; > Possui conhecimento básico de práticas de sistemas de gerenciamento e controle ambiental, legislação e normas. APLICAR > Conhece as etapas produtivas de manufatura e seus impactos ambientais e sabe aplicar técnicas de gestão ambiental (ISO 14000, Sistemas de Controle de Poluição) para identificar, avaliar e medir os impactos ambientais da atividade. APRIMORAR > Tem conhecimento avançado sobre etapas produtivas de manufatura e técnicas de gestão ambiental; tem capacidade de interligar estes conhecimentos com o conceito de ciclo de vida; compreende as mudanças tecnológicas e modificações de produtos, materiais e processos com o objetivo de aprimorar a gestão ambiental da manufatura e propor melhorias ao processo. INOVAR > Domina os conceitos e ferramentas de gestão ambiental e é reconhecido como parceiro de negócio para as melhorias da manufatura, influenciando e participando ativamente das decisões. É visto como referência nos temas de Sustentabilidade da Manufatura.

9 4 Ciências Ambientais Descrição geral: > conhece as ciências ambientais: ciclos ambientais (carbono, água, nutrientes etc); ecologia (serviços ambientais, ecologia da paisagem, dinâmica das populações etc). SABER > tem conhecimento básico de conceitos como: química ambiental e ciclos ambientais (carbono, água, nutrientes, etc), ciências atmosféricas e geociências, conservação biológica e ecologia (de populações, de comunidades e a nível de paisagem). entende os fenômenos nos ambientes terrestre, atmosférico e no hídrico. APLICAR > Faz relações e é apto a aplicar os conhecimentos de ciências ambientais ao negócio. APRIMORAR > É capaz de traduzir os conceitos e conhecimentos de ciências ambientais em planos de ação concretos e relevantes, somado ao conhecimento de técnicas e tecnologias para aplicação no ambiente corporativo (em ambiente de fábrica ou além da fábrica). INOVAR > domina as ciências ambientais. É capaz de inovar utilizando esses conhecimentos dentro de um ambiente complexo. Possui habilidade para apoiar pesquisas.

10 REQUISITOS GERAIS sociais 1. Técnicas de engajamento e diálogo com stakeholders > Conhece as técnicas de engajamento com público externo, interno e outros interessados, condução de processos de discussão e cocriação com os mesmos, técnicas de gestão de criação, manutenção e fomento da reputação. Conhece as principais organizações socioambientais e é capaz de se relacionar com as mesmas, influenciando-as. É capaz de estabelecer e gerenciar uma rede de relacionamentos externa com especialistas e partes/organizações que tenham envolvimento e influência na tomada de decisão sobre os temas socioambientais. 2. Responsabilidade Social Corporativa > Conhece Responsabilidade Social Corporativa (sobre formas de investimento social privado - ISP, filantropia, patrocínio, marketing relacionado a causas, inovação social), suas formas de operação, implicações e retornos. > Habilidade de encontrar aderência dessas formas ao propósito da empresa e benefícios possíveis. 3. Relações e Direitos Humanos > Conhece tópicos como diversidade, empoderamento das minorias, discriminação, redes nas comunidades, dinâmicas da comunidade, técnicas de levantamento sobre estado da comunidade e desenvolvimento dos temas acima citados. 4. Indicadores de RSC > Conhece os indicadores de responsabilidade sócio-corporativa (RSC), formas e processos de mensuração, prós e contras, interpretação dos resultados, comparação com o setor e definição de ações.

11 SOCIAIS

12 1 Técnicas de engajamento e diálogo com stakeholders Descrição geral: > Conhece as técnicas de engajamento com público externo, interno e outros interessados, condução de processos de discussão e cocriação com os mesmos, técnicas de gestão de criação, manutenção e fomento da reputação. Conhece as principais organizações socioambientais e é capaz de se relacionar com as mesmas, influenciando-as. É capaz de estabelecer e gerenciar uma rede de relacionamentos externa com especialistas e partes/organizações que tenham envolvimento e influência na tomada de decisão sobre os temas socioambientais. SABER > Conhece, identifica e mapeia os stakeholders; conhece o conceito de criação de valor compartilhado; compreende os princípios e desafios de redes de relacionamento e parcerias socioambientais; conhece as atividades das principais organizações socioambentais e sabe quem contactar no caso de solicitações externas. APLICAR > Comunica-se com eficiência com os stakeholders, tangibilizando as técnicas de engajamento e de condução de processos de discussão em planos de ação e compromissos trazendo resultados para a organização. Constrói uma rede de relacionamentos de especialistas dentro de seu campo de especialização. APRIMORAR > Tem habilidade para resolução de conflitos em ambientes complexos e situações críticas junto aos stakeholders, conseguindo antecipar e solucionar riscos nessas relações; consegue identificar possíveis parceiros adequados; apresenta as atividades socioambientais da Danone em reuniões, eventos e palestras; comunica-se com criadores de políticas e órgãos socioambientais e tem uma sólida rede de relacionamentos. INOVAR > Propõe novas parcerias estratégicas para o negócio em um ambiente complexo, alinhadas com visão de médio e longo prazo, desafiando o modelo de negócio; conecta-se externamente de forma a agregar conhecimentos não internalizados na empresa por meio da rede de relacionamentos, comunica-se e influencia os formadores de opinião dentro desse campo de competência. É uma referência dentro da comunidade de Sustentabilidade, nas práticas corporativas.

13 2 Responsabilidade Social Corporativa Descrição geral: > conhece Responsabilidade social corporativa (sobre formas de investimento social privado - isp, filantropia, patrocínio, marketing relacionado a causas, inovação social), suas formas de operação, implicações e retornos. habilidade de encontrar aderência dessas formas ao propósito da empresa e benefícios possíveis. SABER > conhece o processo de repasse de recursos financeiros para projetos sociais, ambientais e culturais; conhece o conceito de marketing relacionado a causas e é capaz de acompanhar os projetos em circunstâncias normais. APLICAR > Aplica os conceitos de investimento social privado, planejando, monitorando e avaliando os projetos de forma multifuncional; contribui com ideias sobre produtos, serviços ou projetos de inovação social; conhece possíveis parceiros para estas ações. APRIMORAR > habilidade de envolver a comunidade em ações de inovação social e mostrar para a organização os resultados mensuráveis e contornos estratégicos sobre as diferentes formas de isp. tem capacidade de criar e aproveitar novos canais de comunicação e interação com atores sociais e kols. INOVAR > conhece profundamente as estratégias de negócio, sendo capaz de identificar oportunidades de isp que tragam resultados mensuráveis e alinhados à visão do negócio. É reconhecido interna e externamente como referência no tema de isp, influenciando stakeholders.

14 3 Relações e Direitos Humanos Descrição geral: > Conhece tópicos como diversidade, empoderamento das minorias, discriminação, redes nas comunidades, dinâmicas da comunidade, técnicas de levantamento sobre estado da comunidade e desenvolvimento dos temas acima citados. SABER > Conhece de forma generalista as teorias de diversidade, empoderamento das minorias, redes e dinâmicas das comunidades, desenvolvimento e capital humano e social. APLICAR > Faz relações e é apto a aplicar os conhecimentos de relações e direitos humanos ao negócio. Sob orientação aplica mecanismos de monitoramento e avaliação de resultados de planejamento participativo. APRIMORAR > Implementa, com autonomia, estratégias de planejamento e gestão compartilhada e de processos de relações e direitos humanos, tais como políticas de diversidade, empoderamento e desenvolvimento da comunidade. É capaz de identificar novas potencialidades, oportunidades, problemas e limites a esse desenvolvimento. INOVAR > É capaz de empoderar os tomadores de decisão. Possui experiência em relações e direitos humanos e é capaz de adaptar as teorias, utilizando suas experiências anteriores a novos contextos, promovendo políticas e comportamentos.

15 4 Indicadores de Responsabilidade Sócio-corporativa Descrição geral: > conhece os indicadores de responsabilidade sócio-corporativa (Rsc), formas e processos de mensuração, prós e contras, interpretação dos resultados, comparação com o setor e definição de ações. SABER > conhece de forma generalista as principais publicações de indicadores de Rsc, tanto internas (ex. dwf) quanto externas (como indicadores ethos, guia exame de sustentabilidade, ise) e os compreende. APLICAR > mensura, colabora na confecção de relatórios (como gri e dwf) e interpreta os resultados. tem conhecimento básico da iso APRIMORAR > É capaz de fazer comparações entre resultados das organizações e identificar fortalezas, fraquezas, ameaças, oportunidades e propor planos de ação. gerencia os indicadores de Rsc e os ajusta à realidade da companhia por meio de planos de ação. INOVAR > Participa ativamente da construção do modelo de indicadores de Rsc, sua aplicação e desdobramento na organização. É referência interna para aplicação desses indicadores dentro do contexto de negócio, promovendo uma cultura de relevância desses indicadores na organização.

16 REQUISITOS GERAIS ECONÔMICAS 1. Estratégia de negócios > Conhece o ambiente de negócio, as interações com a economia, sociedade, ambiente e competidores, indicadores de desempenho, estratégias de negócios. Compreende a organização geral do Grupo (funções, contexto, desafios internos e externos) e conhece as políticas e diretrizes da Danone. 2. Gestão de projetos > Possui conhecimento de gestão de projetos, metodologias e ferramentas. É capaz de avaliar riscos, gerenciar equipes muiltifuncionais, garantindo cumprimento das tarefas no tempo e orçamento, motivação do time e transferêcia de conhecimento. > Possui conhecimento para analisar as questões ambientais/sociais sob os aspectos econômicofinanceiros, mensurando os impactos para o negócio. 3. Marketing e Inovação > Conhece os conceitos básicos de marketing (4P, Brand Diamond, 5C s, posicionamento, segmentação, mercado-alvo) e a aplicação desses conceitos nas marcas, gerando inovações alinhadas aos conceitos de sustentabilidade. Conhece processos de inovação, seus drivers, fóruns e processos; sabe considerar as necessidades de consumidores, contribuindo assim para a criação de uma vantagem competitiva para a Danone. > É capaz de usar técnicas de criatividade: liderar brainstorming, sessões de resolução de problemas e gerar ideias fora da caixa. 4. Operações > Conhece as principais etapas da operação do negócio, desde compra de insumos à fabricação do produto até a entrega no cliente (funções SSD, S. Chain, Manufatura, Vendas). Entende e interpreta os principais indicadores de operações.

17 ECONÔMICAS

18 1 Estratégias de negócios Descrição geral: > Conhece o ambiente de negócio, as interações com a economia, sociedade, ambiente e concorrentes, indicadores de desempenho, estratégias de negócios. Compreende a organização geral do Grupo (funções, contexto, desafios internos e externos) e conhece as políticas e diretrizes da Danone. SABER > Conhece a missão e a visão da Danone; compreende as políticas, a estrutura, os produtos e negócios e funções da companhia; conhece os indicadores básicos do negócio (CANN, ROP, participação do mercado, volume); conhece as interações economia-empresa-sociedade. APLICAR > Conhece e interpreta os indicadores da companhia e faz correlações com suas atividades do dia a dia e o desempenho do negócio; é capaz de propor alterações na sua rotina e nos seus objetivos de forma a estarem alinhados com os objetivos da organização; compreende o impacto do seu trabalho nos resultados do negócio. APRIMORAR > Aporta conhecimento transversal, experiência, melhores práticas para a organização. É confiável como parceiro de negócio e envolvido nas decisões do negócio. > Possui visão global e integrada das atividades organizacionais entendendo necessidades do negócio, de forma a definir a informação necessária e a metodologia apropriada para geração de resultado efetivo. INOVAR > É procurado como valioso parceiro de negócios por seu profundo conhecimento interfuncional e do ambiente interno e de parceiros externos. Antecipa tendências e provê o negócio com sua visão de longo prazo, participando ativamente. Desenvolve rede de relacionamentos externa alinhada com as estratégias de geração de valor de longo prazo da organização.

19 2 Gestão e avaliação de projetos Descrição geral: > Possui conhecimento de gestão de projetos, metodologias e ferramentas. É capaz de avaliar riscos, gerenciar equipes muiltifuncionais, garantindo cumprimento das tarefas no tempo e orçamento, motivação do time e transferência de conhecimento. Possui conhecimento para analisar as questões ambientais/sociais sob os aspectos econômico-financeiros, mensurando os impactos para o negócio. SABER > conhece os princípios-chave de gestão de projetos; trabalha como um membro da equipe; > controla o tempo despendido em projetos por meio de ferramentas. > tem conhecimento dos principais indicadores econômicos e financeiros para projetos bem como sua aplicação. APLICAR > lidera alguns projetos. conhece e é capaz de desempenhar gerenciamento de custos, de escopo, de tempo, de comunicação, de pessoas, de aquisição e de riscos em projetos; é treinado em metodologias e ferramentas de projetos e aplica em todos os seus projetos. estrutura, critica e complementa análises de viabilidade de projetos com foco em projetos sociais e ambientais visando oportunidades de melhorias. APRIMORAR > lidera projetos-chave, negocia e soluciona conflitos. É reconhecido como líder sênior de projetos relacionados a sustentabilidade, entregando projetos desafiadores e de sucesso. > entende a relação dos indicadores de projeto com os demais indicadores da companhia. tem habilidade nas metodologias de custeio e análise de investimentos. INOVAR > Apoia e é um facilitador para os demais líderes do projeto, contribuindo para discussões e projetos-chave. > domina análise de viabilidade financeira focada em projetos sociais e ambientais. É capaz de justificar de forma estruturada os retornos sociais, ambientais e de imagem para a empresa versus os investimentos financeiros no projeto.

20 3 Marketing e Inovação Descrição geral: > Conhece os conceitos básicos de marketing (4P, Brand Diamont, 5C s, posicionamento, segmentação, mercadoalvo) e a aplicação desses conceitos nas marcas, gerando inovações alinhadas aos conceitos de sustentabilidade. Conhece processos de inovação, seus drivers, fóruns e processos; sabe considerar as necessidades de consumidores, contribuindo assim para a criação de uma vantagem competitiva para a Danone. É capaz de usar técnicas de criatividade: liderar brainstorming, sessões de resolução de problemas e gerar ideias fora da caixa. SABER > Possui conhecimento básico dos conceitos de marketing. Mantém uma mentalidade inovadora em seu campo de atividades. APLICAR > Possui conhecimento dos conceitos de marketing e aplicação nas marcas; tem conhecimento de ecodesign; é capaz de aplicar processos de inovação em produtos e processos sob circunstâncias normais; colhe novas inovações dentro e fora da Danone e as traz para o negócio. APRIMORAR > É capaz de aplicar os conceitos de marketing nas marcas, trazendo conceitos de inovação socioambiental e de comunicação eficiente em tópicos de sustentabilidade. Cria novos e originais processos dentro de seu campo de competência. INOVAR > Domina o tema o suficiente para trazer processos de inovação não só em produtos e processos, mas também em modelos de negócio. Cria inovações avançadas em seu campo de competência; prioriza e promove inovações baseadas em seu impacto futuro no negócio e posicionamento competitivo; assegura alinhamento entre inovação, sustentabilidade e necessidades do negócio

21 4 Operações Descrição geral: > conhece as principais etapas da operação do negócio, desde compra de insumos à fabricação do produto até a entrega no cliente (funções ssd, s. chain, manufatura, vendas). entende e interpreta os principais indicadores de operações. SABER > compreende de forma generalista a operação da danone, as funções envolvidas e objetivos das etapas de produção como um todo. APLICAR > compreende o papel de cada função de operações e como suas atividades impactam os resultados do negócio, visualizando como indicadores socioambientais podem ser inseridos ao longo desta cadeia. APRIMORAR > conhece as características das operações (ssd, supply chain, manufatura, vendas). É capaz de elaborar, em conjunto com as áreas envolvidas, planos de ação para otimização da operação e mitigação de impactos socioambientais. INOVAR > É reconhecido como importante parceiro para as áreas de operações e é envolvido nas decisões de negócio sendo referência nos temas socioambientais. É capaz de trazer inovações e identificar oportunidades na cadeia de operações dentro de seu campo de competência de forma pró-ativa.

22 Anotações

23 Anotações

24

COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS SUPPLY CHAIN

COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS SUPPLY CHAIN COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS SUPPLY CHAIN DESCRIÇÕES DOS NÍVEIS APRENDIZ SABER Aprende para adquirir conhecimento básico. É capaz de pôr este conhecimento em prática sob circunstâncias normais, buscando assistência

Leia mais

Desenvolve Minas. Modelo de Excelência da Gestão

Desenvolve Minas. Modelo de Excelência da Gestão Desenvolve Minas Modelo de Excelência da Gestão O que é o MEG? O Modelo de Excelência da Gestão (MEG) possibilita a avaliação do grau de maturidade da gestão, pontuando processos gerenciais e resultados

Leia mais

competências FUNcioNaiS COMUNICAÇÃO INTERNA

competências FUNcioNaiS COMUNICAÇÃO INTERNA competências FUNcioNaiS COMUNICAÇÃO INTERNA DESCRIÇÕES DOS NÍVEIS aprendiz SabEr Aprende para adquirir conhecimento básico. É capaz de pôr este conhecimento em prática sob circunstâncias normais, buscando

Leia mais

COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS IS/TI

COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS IS/TI COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS IS/TI DESCRIÇÕES DOS NÍVEIS APRENDIZ Aprende para adquirir conhecimento básico. É capaz de pôr este conhecimento em prática sob circunstâncias normais, buscando assistência se necessário.

Leia mais

CAMINHO PARA DESENVOLVER UMA AGENDA DE ADAPTAÇÃO EM MUDANÇAS CLIMÁTICAS NAS EMPRESAS. Junho 2013

CAMINHO PARA DESENVOLVER UMA AGENDA DE ADAPTAÇÃO EM MUDANÇAS CLIMÁTICAS NAS EMPRESAS. Junho 2013 CAMINHO PARA DESENVOLVER UMA AGENDA DE ADAPTAÇÃO EM MUDANÇAS CLIMÁTICAS NAS EMPRESAS Junho 2013 PROPÓSITO Aqui apresentamos o caminho para as empresas adotarem uma estratégia em adaptação às mudanças climáticas,

Leia mais

Planejamento e Gestão Estratégica

Planejamento e Gestão Estratégica Planejamento e Gestão Estratégica O Governo de Minas estabeleceu como um dos eixos norteadores da suas políticas públicas a eficiência na utilização dos recursos e a oferta de serviços com qualidade cada

Leia mais

Projeto de Gestão pela Qualidade Rumo à Excelência

Projeto de Gestão pela Qualidade Rumo à Excelência Projeto de Gestão pela Qualidade Rumo à Excelência Introdução O panorama que se descortina para os próximos anos revela um quadro de grandes desafios para as empresas. Fatores como novas exigências dos

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING (Extrato do Projeto Pedagógico)

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING (Extrato do Projeto Pedagógico) CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING (Extrato do Projeto Pedagógico) PERFIL PROFISSIONAL DO EGRESSO São habilidades e competências gerais trabalhadas no projeto pedagógico: Visão Holística e Cultural:

Leia mais

Gestão e estratégia de TI Conhecimento do negócio aliado à excelência em serviços de tecnologia

Gestão e estratégia de TI Conhecimento do negócio aliado à excelência em serviços de tecnologia Gestão e estratégia de TI Conhecimento do negócio aliado à excelência em serviços de tecnologia Desafios a serem superados Nos últimos anos, executivos de Tecnologia de Informação (TI) esforçaram-se em

Leia mais

POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE

POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE 1) OBJETIVOS - Apresentar de forma transparente as diretrizes de sustentabilidade que permeiam a estratégia e a gestão; - Fomentar e apoiar internamente

Leia mais

PROPRIEDADE REGISTRADA. O que fazer para alcançar ar o Desenvolvimento Empresarial Sustentável?

PROPRIEDADE REGISTRADA. O que fazer para alcançar ar o Desenvolvimento Empresarial Sustentável? . O que fazer para alcançar ar o Desenvolvimento Empresarial Sustentável? . Conceitos: Responsabilidade Social Ecoeficiência Conceitos Responsabilidade Social - é a relação ética e transparente da organização

Leia mais

POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE E RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL

POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE E RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL DE SUSTENTABILIDADE E RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL 2/11 Sumário 1. Conceito... 3 2. Objetivo... 3 3. Áreas de aplicação... 3 4. Diretrizes... 4 4.1 Princípios... 4 4.2 Estratégia de e Responsabilidade

Leia mais

Texto para discussão. Desenvolvimento profissional dos integrantes da carreira de EPPGG

Texto para discussão. Desenvolvimento profissional dos integrantes da carreira de EPPGG 1 Introdução Texto para discussão Desenvolvimento profissional dos integrantes da carreira de EPPGG Como resultado da coleta de subsídios para aperfeiçoamento da gestão da carreira de Especialista em Políticas

Leia mais

COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS RECURSOS HUMANOS

COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS RECURSOS HUMANOS COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS RECURSOS HUMANOS DESCRIÇÕES DOS NÍVEIS APRENDIZ Aprende para adquirir conhecimento básico. É capaz de pôr este conhecimento em prática sob circunstâncias normais, buscando assistência

Leia mais

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCO - PGR

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCO - PGR POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCO - PGR DATASUS Maio 2013 Arquivo: Política de Gestão de Riscos Modelo: DOC-PGR Pág.: 1/12 SUMÁRIO 1. APRESENTAÇÃO...3 1.1. Justificativa...3 1.2. Objetivo...3 1.3. Aplicabilidade...4

Leia mais

Respostas Dinâmica CRI Minas 10/05/12. Monitoramento de concorrentes/ fornecedor/ cliente/ internizar tecnologia de outros setores;

Respostas Dinâmica CRI Minas 10/05/12. Monitoramento de concorrentes/ fornecedor/ cliente/ internizar tecnologia de outros setores; Respostas Dinâmica CRI Minas 10/05/12 Abaixo estão as respostas das perguntas postas aos participantes do CRI Minas no dia 10 de maio que tratou do tema Inteligência Tecnológica. Cada mesa possuía uma

Leia mais

Política de Responsabilidade Corporativa

Política de Responsabilidade Corporativa Política de Responsabilidade Corporativa Índice 1. Introdução...04 2. Área de aplicação...04 3. Compromissos e princípios de atuação...04 3.1. Excelência no serviço...05 3.2. Compromisso com os resultados...05

Leia mais

Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras

Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras 2010 Declaração Nós, das Empresas Eletrobras, comprometemo-nos a contribuir efetivamente para o desenvolvimento sustentável das áreas onde atuamos e

Leia mais

A Academia está alinhada também aos Princípios para Sustentabilidade em Seguros UNPSI, coordenados pelo UNEP/FI órgão da ONU dedicado às questões da

A Academia está alinhada também aos Princípios para Sustentabilidade em Seguros UNPSI, coordenados pelo UNEP/FI órgão da ONU dedicado às questões da - 1 - Prêmio CNSeg 2012 Empresa: Grupo Segurador BBMAPFRE Case: Academia de Sustentabilidade BBMAPFRE Introdução A Academia de Sustentabilidade BBMAPFRE foi concebida em 2009 para disseminar o conceito

Leia mais

POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE EMPRESARIAL DAS EMPRESAS ELETROBRAS

POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE EMPRESARIAL DAS EMPRESAS ELETROBRAS POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE EMPRESARIAL DAS EMPRESAS ELETROBRAS SUSTENTABILIDADE E M P R E S A R I A L Política de Sustentabilidade Empresarial das Empresas Eletrobras DECLARAÇÃO Nós, das empresas Eletrobras,

Leia mais

Promover um ambiente de trabalho inclusivo que ofereça igualdade de oportunidades;

Promover um ambiente de trabalho inclusivo que ofereça igualdade de oportunidades; POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE OBJETIVO Esta Política tem como objetivos: - Apresentar as diretrizes de sustentabilidade que permeiam a estratégia e a gestão; - Fomentar e apoiar internamente as inovações

Leia mais

Eixo Temático ET-03-004 - Gestão de Resíduos Sólidos VANTAGENS DA LOGÍSTICA REVERSA NOS EQUIPAMENTOS ELETRÔNICOS

Eixo Temático ET-03-004 - Gestão de Resíduos Sólidos VANTAGENS DA LOGÍSTICA REVERSA NOS EQUIPAMENTOS ELETRÔNICOS 198 Eixo Temático ET-03-004 - Gestão de Resíduos Sólidos VANTAGENS DA LOGÍSTICA REVERSA NOS EQUIPAMENTOS ELETRÔNICOS Isailma da Silva Araújo; Luanna Nari Freitas de Lima; Juliana Ribeiro dos Reis; Robson

Leia mais

As Organizações e a Teoria Organizacional

As Organizações e a Teoria Organizacional Página 1 de 6 As Organizações e a Teoria Organizacional Autora: Sara Fichman Raskin Este texto é totalmente baseado no primeiro capítulo do livro Organizational theory: text and cases, do autor Jones Gareth,

Leia mais

PROJETO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA INTERNACIONAL. Projeto 914 BRA5065 - PRODOC-MTC/UNESCO DOCUMENTO TÉCNICO Nº 03

PROJETO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA INTERNACIONAL. Projeto 914 BRA5065 - PRODOC-MTC/UNESCO DOCUMENTO TÉCNICO Nº 03 PROJETO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA INTERNACIONAL Diretrizes e Estratégias para Ciência, Tecnologia e Inovação no Brasil Projeto 914 BRA5065 - PRODOC-MTC/UNESCO DOCUMENTO TÉCNICO Nº 03 RELATÓRIO TÉCNICO CONCLUSIVO

Leia mais

POLÍTICA DE GESTÃO DE PESSOAS DA SUPERINTENDÊNCIA NACIONAL DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR PREVIC

POLÍTICA DE GESTÃO DE PESSOAS DA SUPERINTENDÊNCIA NACIONAL DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR PREVIC POLÍTICA DE GESTÃO DE PESSOAS DA SUPERINTENDÊNCIA NACIONAL DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR PREVIC 1. CONCEITOS E DEFINIÇÕES 1.1 Políticas de Gestão de Pessoas são o conjunto de estratégias ou políticas específicas

Leia mais

Financial Services. Precisão competitiva. Metodologias específicas e profissionais especializados na indústria de seguros

Financial Services. Precisão competitiva. Metodologias específicas e profissionais especializados na indústria de seguros Financial Services Precisão competitiva Metodologias específicas e profissionais especializados na indústria de seguros Nossa experiência na indústria de seguros A indústria de seguros vem enfrentando

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS. Causas de Fracasso:

PLANO DE NEGÓCIOS. Causas de Fracasso: PLANO DE NEGÓCIOS Causas de Fracasso: Falta de experiência profissional Falta de competência gerencial Desconhecimento do mercado Falta de qualidade dos produtos/serviços Localização errada Dificuldades

Leia mais

C O B I T Control Objectives for Information and related Technology

C O B I T Control Objectives for Information and related Technology C O B I T Control Objectives for Information and related Technology Goiânia, 05 de Janeiro de 2009. Agenda Evolução da TI Desafios da TI para o negócio O que é governança Escopo da governança Modelos de

Leia mais

Ernâni Teixeira Liberali Rodrigo Oliveira

Ernâni Teixeira Liberali Rodrigo Oliveira Ernâni Teixeira Liberali Rodrigo Oliveira O projeto Nugin (Núcleo de apoio ao planejamento e gestão da inovação) originou-se de um projeto FINEP. Foi proposto pelo IEL/SC, em parceria com a UFSC, com o

Leia mais

Sustentabilidade do Setor Florestal

Sustentabilidade do Setor Florestal Sustentabilidade do Setor Florestal Quem somos o Somos o resultado da União de duas empresas brasileiras com forte presença no mercado global de produtos florestais renováveis. o Uma nova empresa com

Leia mais

Questionário de Levantamento de Informações

Questionário de Levantamento de Informações Questionário de Levantamento de Informações Critérios para Inclusão de Empresas no Fundo Ethical 1 INTRODUÇÃO Nos últimos anos se observou um aumento significativo da preocupação das empresas com questões

Leia mais

POLÍTICA DE INVESTIMENTO RESPONSÁVEL E DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL

POLÍTICA DE INVESTIMENTO RESPONSÁVEL E DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL SUL AMÉRICA INVESTIMENTOS DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS S.A POLÍTICA DE INVESTIMENTO RESPONSÁVEL E DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL Índice: 1 OBJETIVO 2 2 CONCEITOS E DEFINIÇÕES 2 3

Leia mais

Gestão da Qualidade. Marca. ANÁLISE CRÍTICA DA QUALIDADE Ata de Reunião. 005-2011 Ordinária 31/10/2011 09:00 Marca Sistemas de Computação

Gestão da Qualidade. Marca. ANÁLISE CRÍTICA DA QUALIDADE Ata de Reunião. 005-2011 Ordinária 31/10/2011 09:00 Marca Sistemas de Computação Gestão da Qualidade Marca GQM F03 Página: 1 de 2 ANÁLISE CRÍTICA DA QUALIDADE Ata de Reunião Reunião nº Tipo: Data: Hora: Local: 005-2011 Ordinária 31/10/2011 09:00 Marca Sistemas de Computação Membros

Leia mais

POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE DO GRUPO INVEPAR

POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE DO GRUPO INVEPAR DE DO GRUPO INVEPAR PÁGINA Nº 2/5 1. INTRODUÇÃO Desenvolver a gestão sustentável e responsável nas suas concessões é um componente fundamental da missão Invepar de prover e operar sistemas de mobilidade

Leia mais

Fundo Brasileiro para a Biodiversidade

Fundo Brasileiro para a Biodiversidade TERMO DE REFERÊNCIA nº 004/2016 Contratação na Área de Projetos Especiais Responsável: Leonardo Geluda Setor: Área de Projetos Especiais Rio de Janeiro, 25 de fevereiro de 2016 1. Identificação Recrutamento

Leia mais

Gestão de impactos sociais nos empreendimentos Riscos e oportunidades. Por Sérgio Avelar, Fábio Risério, Viviane Freitas e Cristiano Machado

Gestão de impactos sociais nos empreendimentos Riscos e oportunidades. Por Sérgio Avelar, Fábio Risério, Viviane Freitas e Cristiano Machado Gestão de impactos sociais nos empreendimentos Riscos e oportunidades Por Sérgio Avelar, Fábio Risério, Viviane Freitas e Cristiano Machado A oferta da Promon Intelligens considera o desenvolvimento de

Leia mais

7 etapas para construir um Projeto Integrado de Negócios Sustentáveis de sucesso

7 etapas para construir um Projeto Integrado de Negócios Sustentáveis de sucesso 7 etapas para construir um Projeto Integrado de Negócios Sustentáveis de sucesso Saiba como colocar o PINS em prática no agronegócio e explore suas melhores opções de atuação em rede. Quando uma empresa

Leia mais

REMUNERAÇÃO ESTRATÉGICA SETEMBRO 2.011

REMUNERAÇÃO ESTRATÉGICA SETEMBRO 2.011 REMUNERAÇÃO ESTRATÉGICA SETEMBRO 2.011 AS EMPRESAS Mapa Estratégico Menos níveis hierárquicos Foco no Cliente Novas Lideranças Gestão por processos O RH parceiro da estratégia Terceirizações Foco no core

Leia mais

O Uso da Inteligência Competitiva e Seus Sete Subprocessos nas Empresas Familiares

O Uso da Inteligência Competitiva e Seus Sete Subprocessos nas Empresas Familiares O Uso da Inteligência Competitiva e Seus Sete Subprocessos nas Empresas Familiares O uso da Inteligência Competitiva como processo para monitorar tecnologias, legislação, ambiente regulatório, concorrência,

Leia mais

Legitimação dos conceitos face as práticas organizacionais; Oportunizar reflexão sobre as competências em desenvolvimento;

Legitimação dos conceitos face as práticas organizacionais; Oportunizar reflexão sobre as competências em desenvolvimento; 1 MANUAL DE ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS INTEGRADORES CURSO SUPERIORES DE GRADUAÇÃO TECNOLÓGICA (LOGÍSTICA) SÃO PAULO 2009 2 Introdução A prática pedagógica dos Cursos Superiores de Graduação

Leia mais

Plano de Trabalho ADEMI e a Sustentabilidade 2012-2014

Plano de Trabalho ADEMI e a Sustentabilidade 2012-2014 Plano de Trabalho ADEMI e a Sustentabilidade 2012-2014 Objetivos e Premissas do Plano Objetivos do Plano 1 Aperfeiçoar a condução das ações relativas ao tema sustentabilidade na ADEMI 2 - Guiar (instrumento

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA EMPRESA

EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA EMPRESA EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA EMPRESA 1 MÁRIO GOMES FILHO Graduação: Engenharia Civil - 1983 Pós : Educação Ambiental 1999 Pós : Gestão Ambiental 2002 2 A empresa Sabesp - Companhia de Saneamento Básico do Estado

Leia mais

Gerência de Projetos e EVTE. Fabiana Costa Guedes

Gerência de Projetos e EVTE. Fabiana Costa Guedes Gerência de Projetos e Fabiana Costa Guedes 1 Agenda O que é um Projeto O que é Gerenciamento de Projetos O Contexto da Gerência de Projetos PMI Project Management Institute Ciclo de Vida do Projeto Áreas

Leia mais

Engajamento com Partes Interessadas

Engajamento com Partes Interessadas Instituto Votorantim Engajamento com Partes Interessadas Eixo temático Comunidade e Sociedade Principal objetivo da prática Apoiar o desenvolvimento de uma estratégia de relacionamento com as partes interessadas,

Leia mais

POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL

POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL Outubro de 2008 1 INTRODUÇÃO A Política de Desenvolvimento Social formaliza e orienta o compromisso da PUCRS com o desenvolvimento social. Coerente com os valores e princípios

Leia mais

Empreenda! 9ª Edição Roteiro de Apoio ao Plano de Negócios. Preparamos este roteiro para ajudá-lo (a) a desenvolver o seu Plano de Negócios.

Empreenda! 9ª Edição Roteiro de Apoio ao Plano de Negócios. Preparamos este roteiro para ajudá-lo (a) a desenvolver o seu Plano de Negócios. Empreenda! 9ª Edição Roteiro de Apoio ao Plano de Negócios Caro (a) aluno (a), Preparamos este roteiro para ajudá-lo (a) a desenvolver o seu Plano de Negócios. O Plano de Negócios deverá ter no máximo

Leia mais

- - - - - - - Curso de Especialização Lato Sensu - Gestão em Saúde EaD. MATRIZ CURRICULAR. Módulo/1 - Módulo Básico Carga horária total: 270 Hs

- - - - - - - Curso de Especialização Lato Sensu - Gestão em Saúde EaD. MATRIZ CURRICULAR. Módulo/1 - Módulo Básico Carga horária total: 270 Hs Curso de Especialização Lato Sensu Gestão em Saúde EaD. CÂMPUS Florianópolis MATRIZ CURRICULAR Módulo/1 Módulo Básico Carga horária total: 270 Hs Unidade Curricular C/H Semestral PréRequisito Introdução

Leia mais

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS 1. OBJETIVO A gestão de risco para a NexFuel é uma ferramenta pela qual são analisados e monitorados os riscos estratégicos, operacionais e financeiros bem como aqueles atrelados

Leia mais

GESPÚBLICA. Brasília ǀ 25 de Setembro de 2012

GESPÚBLICA. Brasília ǀ 25 de Setembro de 2012 GESPÚBLICA Brasília ǀ 25 de Setembro de 2012 Resultados Decisões Estratégicas Informações / Análises O PROCESSO DE GESTÃO ESTRATÉGICA Ideologia Organizacional Missão, Visão,Valores Análise do Ambiente

Leia mais

Planejamento estratégico 2016-2019

Planejamento estratégico 2016-2019 Planejamento estratégico 2016-2019 Fortalecer as instituições e a qualidade dos serviços públicos para fortalecer a democracia e a competitividade. www.agendapublica.org.br 2 GOVERNANÇA PARA UM FUTURO

Leia mais

Pós- Graduação em Gestão Estratégica de Comunicação

Pós- Graduação em Gestão Estratégica de Comunicação Pós- Graduação em Gestão Estratégica de Comunicação Ingresso Agosto 2016 Informações: Educação Executiva ESPM-SUL incompany-rs@espm.br Fone: (51) 3218-1426 ADVB/SC Florianópolis Lucas Silva lucas.silva@espm.br

Leia mais

1 Driven to excellence

1 Driven to excellence Driven to excellence QUEM SOMOS Sobre a Upsoul Driven to excellence A Upsoul trabalha de forma criativa e objetiva, oferecendo as melhores soluções em consultoria para você e sua empresa. Com uma equipe

Leia mais

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL Versão 2015.2 Editada em julho de 2015 SUMÁRIO 1. Objetivo da Política...3 2. Abrangência...3 3. Princípios...3 4. Das Diretrizes Estratégicas...4 5. Da Estrutura

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: BACHARELADO EM ENGENHARIA AMBIENTAL E SANITÁRIA

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: BACHARELADO EM ENGENHARIA AMBIENTAL E SANITÁRIA SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: BACHARELADO EM ENGENHARIA AMBIENTAL E SANITÁRIA MISSÃO DO CURSO O Curso de Engenharia Ambiental da IES tem por missão a graduação de Engenheiros Ambientais

Leia mais

4 Proposta de método de avaliação de desempenho em programas

4 Proposta de método de avaliação de desempenho em programas 4 Proposta de método de avaliação de desempenho em programas O método de avaliação foi proposto especialmente para esta pesquisa, mas poderá ser utilizado em outros casos relacionados à avaliação de desempenho

Leia mais

CURSO. Master in Business Economics 1. vire aqui

CURSO. Master in Business Economics 1. vire aqui CURSO MASTER In Business Economics Master in Business Economics 1 vire aqui DISCIPLINAs O aluno poderá solicitar a dispensa das disciplinas básicas: Matemática Básica, Estatística Aplicada e Contabilidade.

Leia mais

SERÁ ENCAMINHADO AO CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO O NOVO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MATERIAIS, COM INÍCIO PREVISTO PARA 2008

SERÁ ENCAMINHADO AO CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO O NOVO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MATERIAIS, COM INÍCIO PREVISTO PARA 2008 SERÁ ENCAMINHADO AO CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO O NOVO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MATERIAIS, COM INÍCIO PREVISTO PARA 2008 CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MATERIAIS PROJETO PEDAGÓGICO I OBJETIVOS

Leia mais

Resultados, Sustentabilidade, Desempenho, Foco. Sim, sabemos que a sua organização quer chegar lá. Mas você sabe o melhor caminho?

Resultados, Sustentabilidade, Desempenho, Foco. Sim, sabemos que a sua organização quer chegar lá. Mas você sabe o melhor caminho? Resultados, Sustentabilidade, Desempenho, Foco. Sim, sabemos que a sua organização quer chegar lá. Mas você sabe o melhor caminho? Nossa Empresa A MasterQual é uma consultoria brasileira que tem como principal

Leia mais

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO PROFISSIONAL. Plano de Trabalho Docente 2014

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO PROFISSIONAL. Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO PROFISSIONAL Plano de Trabalho Docente 2014 ETEC PAULINO BOTELHO Código: 091.6 Município: São Carlos EE: Prof. Arlindo Bittencourt Eixo Tecnológico: Gestão e

Leia mais

A gestão da prática do voluntariado como responsabilidade social, no contexto da estratégia organizacional. Fundação ArcelorMittal

A gestão da prática do voluntariado como responsabilidade social, no contexto da estratégia organizacional. Fundação ArcelorMittal A gestão da prática do voluntariado como responsabilidade social, no contexto da estratégia organizacional Fundação ArcelorMittal ArcelorMittal Maior produtora de aço do mundo com mais de 222.000 empregados

Leia mais

Planejamento Estratégico Setorial para a Internacionalização

Planejamento Estratégico Setorial para a Internacionalização Unidade de Projetos de Termo de Referência para elaboração e desenvolvimento de Planejamento Estratégico Setorial para a Internacionalização Agosto de 2009 Elaborado em: 4/8/2009 Elaborado por: Apex-Brasil

Leia mais

www.dehterakm.com beatriz@dehtearkm.com

www.dehterakm.com beatriz@dehtearkm.com www.dehterakm.com beatriz@dehtearkm.com Quem somos? A BEATRIZ DEHTEAR KM apresenta a seus clientes uma proposta totalmente inovadora para implementar a Gestão do Conhecimento Organizacional. Nosso objetivo

Leia mais

Consulta Pública nº 01/2016

Consulta Pública nº 01/2016 MAPA CONCEITUAL MATRIZ POR COMPETÊNCIAS Figura 1. Mapa conceitual da estrutura de matriz por competências As ações-chave podem ser desdobradas ainda (de acordo com o nível de especificidade de uma matriz

Leia mais

Orientações para elaborar um. Plano de Negócios

Orientações para elaborar um. Plano de Negócios Orientações para elaborar um Plano de Negócios Maio de 2010 www.nascente.cefetmg.br Página 1 Apresentação Este documento contém um roteiro básico de Plano de Negócios. O objetivo é permitir que o futuro

Leia mais

ISO 14004:2004. ISO14004 uma diretriz. Os princípios-chave ISO14004. Os princípios-chave

ISO 14004:2004. ISO14004 uma diretriz. Os princípios-chave ISO14004. Os princípios-chave ISO14004 uma diretriz ISO 14004:2004 Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio Prof.Dr.Daniel Bertoli Gonçalves FACENS 1 Seu propósito geral é auxiliar as

Leia mais

Ins$tuto Ethos A SUSTENTABILIDADE CORPORATIVA E A NOVA ECONOMIA. De Empresas e Responsabilidade Social

Ins$tuto Ethos A SUSTENTABILIDADE CORPORATIVA E A NOVA ECONOMIA. De Empresas e Responsabilidade Social Ins$tuto Ethos A SUSTENTABILIDADE CORPORATIVA E A NOVA ECONOMIA De Empresas e Responsabilidade Social Plataforma Ethos A Velha Economia Impactos ambientais Resultados Processos decisórios Responsabilidade

Leia mais

ANEXO II DOS TERMOS DE REFERÊNCIA

ANEXO II DOS TERMOS DE REFERÊNCIA ANEXO II DOS TERMOS DE REFERÊNCIA GLOSSÁRIO DE TERMOS DO MARCO ANALÍTICO Avaliação de Projetos de Cooperação Sul-Sul: exercício fundamental que pretende (i ) aferir a eficácia, a eficiência e o potencial

Leia mais

A importância dos. RECURSOS HUMANOS na empresa moderna

A importância dos. RECURSOS HUMANOS na empresa moderna A importância dos RECURSOS HUMANOS na empresa moderna Organizações: cenário atual Empresas vêm passando por impactos revolucionários: Dimensão globalizada Aumento da competitividade Mudanças constantes

Leia mais

Gestão em Sistemas de Saúde

Gestão em Sistemas de Saúde INSTITUTO NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES Inatel Competence Center Business School Gestão em Sistemas de Saúde Projeto Pedagógico de Curso de Extensão Curricular Aprovado no dia XX/XX/2013 Pró diretoria de

Leia mais

Indicadores de Rendimento do Voluntariado Corporativo

Indicadores de Rendimento do Voluntariado Corporativo Indicadores de Rendimento do Voluntariado Corporativo Avaliação desenvolvida por Mónica Galiano e Kenn Allen, publicado originalmente no livro The Big Tent: Corporate Volunteering in the Global Age. Texto

Leia mais

(MAPAS VIVOS DA UFCG) PPA-UFCG RELATÓRIO DE AUTO-AVALIAÇÃO DA UFCG CICLO 2006-2008 ANEXO (PARTE 2) DIAGNÓSTICOS E RECOMENDAÇÕES

(MAPAS VIVOS DA UFCG) PPA-UFCG RELATÓRIO DE AUTO-AVALIAÇÃO DA UFCG CICLO 2006-2008 ANEXO (PARTE 2) DIAGNÓSTICOS E RECOMENDAÇÕES 1 PPA-UFCG PROGRAMA PERMANENTE DE AVALIAÇÃO RELATÓRIO DE AUTO-AVALIAÇÃO DA UFCG CICLO 2006-2008 ANEXO (PARTE 2) DIAGNÓSTICOS E RECOMENDAÇÕES (MAPAS VIVOS DA UFCG) 2 DIMENSÃO MISSÃO E PDI MAPAS VIVOS DE

Leia mais

Planejamento Estratégico da UNICAMP PLANES/UNICAMP

Planejamento Estratégico da UNICAMP PLANES/UNICAMP Planejamento Estratégico da UNICAMP PLANES/UNICAMP Abril/2012 Apresentação O Planejamento Estratégico (PLANES) da UNICAMP é um processo acadêmico/administrativo dinâmico cujo objetivo central é de ampliar

Leia mais

METODOLOGIA DE PROMOÇÃO DA SUSTENTABILIDADE PELO GERENCIAMENTO DE PROJETOS

METODOLOGIA DE PROMOÇÃO DA SUSTENTABILIDADE PELO GERENCIAMENTO DE PROJETOS METODOLOGIA DE PROMOÇÃO DA SUSTENTABILIDADE PELO GERENCIAMENTO DE PROJETOS Débora Noronha¹; Jasmin Lemke¹; Carolina Vergnano¹ ¹Concremat Engenharia e Tecnologia S/A, Diretoria Técnica de Estudos, Projetos

Leia mais

PORTFÓLIO PARA CURSOS PENSA IN HOUSE

PORTFÓLIO PARA CURSOS PENSA IN HOUSE PORTFÓLIO PARA CURSOS PENSA IN HOUSE O PENSA, Centro de Conhecimento em Agronegócios é uma organização que integra os Departamentos de Economia e Administração da FEA-USP, São Paulo e Ribeirão Preto. Foi

Leia mais

Agenda. Visão Sistêmica. Visão Sistêmica. Responsabilidade Social. Responsabilidade Social 29/10/2008

Agenda. Visão Sistêmica. Visão Sistêmica. Responsabilidade Social. Responsabilidade Social 29/10/2008 Agenda e responsabilidade: público, privado e terceiro Prof. Costa de Sousa Internet: paginas.terra.com.br/informatica/ptarso Blog: ptarsosousa.blogspot.com Visão Sistêmica Conclusão 2 Visão Sistêmica

Leia mais

Fundo Brasileiro para a Biodiversidade

Fundo Brasileiro para a Biodiversidade TERMO DE REFERÊNCIA nº 013/2015 Contratação na Área de Projetos Especiais Responsável: Leonardo Geluda Setor: Área de Projetos Especiais Rio de Janeiro, 2 de junho de 2015 1. Identificação Recrutamento

Leia mais

O Empreendedor Fabiano Marques

O Empreendedor Fabiano Marques O Empreendedor Fabiano Marques O interesse pelo empreendedorismo no mundo é algo recente. Neste sentido, podese dizer que houve um crescimento acentuado da atividade empreendedora a partir de 1990. Com

Leia mais

6 Conclusão do estudo e implicações empresariais

6 Conclusão do estudo e implicações empresariais 6 Conclusão do estudo e implicações empresariais Este estudo buscou entender o fenômeno da criação de aceleradoras corporativas por parte de empresas de grande porte, com base na análise dos dois casos

Leia mais

Módulo 14 Treinamento e Desenvolvimento de Pessoas. 14.1. Treinamento é investimento

Módulo 14 Treinamento e Desenvolvimento de Pessoas. 14.1. Treinamento é investimento Módulo 14 Treinamento e Desenvolvimento de Pessoas 14.1. Treinamento é investimento O subsistema de desenvolver pessoas é uma das áreas estratégicas do Gerenciamento de Pessoas, entretanto em algumas organizações

Leia mais

EXTRATO DA POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS

EXTRATO DA POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS 1 OBJETIVO Fornecer as diretrizes para a Gestão de Riscos da Fibria, assim como conceituar, detalhar e documentar as atividades a ela relacionadas. 2 ABRANGÊNCIA Abrange todas as áreas da Fibria que, direta

Leia mais

FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: FUNDAMENTOS DA ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: FUNDAMENTOS DA ADMINISTRAÇÃO FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: FUNDAMENTOS DA ADMINISTRAÇÃO Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos carlos@oficinadapesquisa.com.br www.oficinadapesquisa.com.br Organizações Nenhuma organização existe

Leia mais

MANUAL DE INTEGRAÇÃO - DIRETORIA Edição 1 Balneário Camboriú, novembro de 2014.

MANUAL DE INTEGRAÇÃO - DIRETORIA Edição 1 Balneário Camboriú, novembro de 2014. MANUAL DE INTEGRAÇÃO - DIRETORIA Edição 1 Balneário Camboriú, novembro de 2014. OBJETIVO O presente manual se destina a orientar a diretoria da ACIBALC, quanto à administração de suas pastas, o gerenciamento

Leia mais

Sumário 1 APRESENTAÇÃO...3 2 LINHAS GERAIS...4. 2.1. Diretrizes Básicas... 4 2.3. Objetivos... 4 2.4. Público-Alvo... 4

Sumário 1 APRESENTAÇÃO...3 2 LINHAS GERAIS...4. 2.1. Diretrizes Básicas... 4 2.3. Objetivos... 4 2.4. Público-Alvo... 4 Planejamento Estratégico do Sindicato Caderno de Orientações para Outubro de 2008 Sumário 1 APRESENTAÇÃO...3 2 LINHAS GERAIS...4 2.1. Diretrizes Básicas... 4 2.3. Objetivos... 4 2.4. Público-Alvo... 4

Leia mais

Questionário para área Operacional

Questionário para área Operacional Questionário para área Operacional Pontualidade Chega no horário e cumpre os horários estipulados pela empresa, além de respeitar o cronograma do setor no atendimento às solicitações de serviços. Zelo

Leia mais

Política de Logística de Suprimento do Sistema Eletrobrás. Projeto IV.11

Política de Logística de Suprimento do Sistema Eletrobrás. Projeto IV.11 Política de Logística de Suprimento do Sistema Eletrobrás Projeto IV.11 1. Objetivo Aumentar a eficiência e competitividade das empresas do Sistema Eletrobrás, através da integração da logística de suprimento

Leia mais

ANEXO I-A FICHA AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO GRUPO GERENCIAL ANO: 1. Identificação AVALIADO Nome: Matrícula: Cargo: AVALIADOR Nome: Matrícula: Cargo:

ANEXO I-A FICHA AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO GRUPO GERENCIAL ANO: 1. Identificação AVALIADO Nome: Matrícula: Cargo: AVALIADOR Nome: Matrícula: Cargo: ANEXO I-A FICHA AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO GRUPO GERENCIAL ANO: 1. Identificação AVALIADO Unidade de Lotação: Local de Trabalho: AVALIADOR 2. Realização da avaliação 3. Período da Avaliação Pela chefia imediata

Leia mais

PlusPixel Marketing Digital SOMOS MAIS SOCIAIS DO QUE NUNCA

PlusPixel Marketing Digital SOMOS MAIS SOCIAIS DO QUE NUNCA PlusPixel Marketing Digital SOMOS MAIS SOCIAIS DO QUE NUNCA Proposta de Marketing Digital Design inox Marketing de Resultados A PlusPixel vem oferecendo seus serviços desde o início da internet, isso nos

Leia mais

Identificação da empresa

Identificação da empresa Identificação da empresa ANA Aeroportos de Portugal, S.A. Missão, Visão e Valores Missão da ANA A ANA - Aeroportos de Portugal, SA tem como missão gerir de forma eficiente as infraestruturas aeroportuárias

Leia mais

Gestão Estratégica de Negócios

Gestão Estratégica de Negócios INSTITUTO NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES Inatel Competence Center Business School Gestão Estratégica de Negócios Projeto Pedagógico de Curso de Extensão Curricular Santa Rita do Sapucaí MG Setembro de 2013

Leia mais

Faculdade de Tecnologia SENAI Belo Horizonte

Faculdade de Tecnologia SENAI Belo Horizonte PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU FATEC SENAI BH A Faculdade de Tecnologia SENAI Belo Horizonte, credenciada pelo MEC pela Portaria n 1788 de 27 de maio de 2005 e despacho SEMTEC nº 311/2005, apresenta

Leia mais

4 Metodologia e estratégia de abordagem

4 Metodologia e estratégia de abordagem 50 4 Metodologia e estratégia de abordagem O problema de diagnóstico para melhoria da qualidade percebida pelos clientes é abordado a partir da identificação de diferenças (gaps) significativas entre o

Leia mais

Percepção de 100 executivos sobre o impacto das mudanças climáticas e práticas de sustentabilidade nos negócios

Percepção de 100 executivos sobre o impacto das mudanças climáticas e práticas de sustentabilidade nos negócios Percepção de 100 executivos sobre o impacto das mudanças climáticas e práticas de sustentabilidade nos negócios 2 OBJETIVO Levantar informações e mapear percepções sobre questões relacionadas às Mudanças

Leia mais

Ferramentas para a Gestão da Sustentabilidade na Indústria da Mineração Mª Sulema Pioli ERM Brasil Ltda Setembro 2009

Ferramentas para a Gestão da Sustentabilidade na Indústria da Mineração Mª Sulema Pioli ERM Brasil Ltda Setembro 2009 Ferramentas para a Gestão da Sustentabilidade na Indústria da Mineração Mª Sulema Pioli ERM Brasil Ltda Setembro 2009 Conteúdo da apresentação Breve contexto Indutores da Gestão da Sustentabilidade Gestão

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 5, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 1

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 5, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 1 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 5, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 1 Institui as Diretrizes Curriculares para o curso de graduação em Engenharia

Leia mais

Projetos acadêmicos Economia verde

Projetos acadêmicos Economia verde Projetos acadêmicos Economia verde Entre os dias 20 e 22 de junho deste ano o Brasil sediará a Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável (UNCSD), chamada de Rio+20, pois vai acontecer

Leia mais

MÓDULO 1 - EXCELÊNCIA EM LIDERANÇA

MÓDULO 1 - EXCELÊNCIA EM LIDERANÇA MÓDULO 1 - EXCELÊNCIA EM LIDERANÇA Duração aproximada: 1h15 Capítulo 2: Critério Liderança (visão geral) Capítulo 3: Cultura organizacional e desenvolvimento da gestão Estabelecimento e atualização dos

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO GERAL GESTÃO DO DESEMPENHO

ADMINISTRAÇÃO GERAL GESTÃO DO DESEMPENHO ADMINISTRAÇÃO GERAL GESTÃO DO DESEMPENHO Atualizado em 30/12/2015 GESTÃO DE DESEMPENHO A gestão do desempenho constitui um sistemático de ações que buscam definir o conjunto de resultados a serem alcançados

Leia mais

Rita/João Abril -2014

Rita/João Abril -2014 Rita/João Abril -2014 Conteúdo Programático (Qui)10/04 Estratégia de gerenciamento de pessoas com foco em resultado e gestão por competências Rita (Qui)17/04 - Conceitos de liderança, equipes eficazes,

Leia mais

Todos nossos cursos são preparados por mestres e profissionais reconhecidos no mercado, com larga e comprovada experiência em suas áreas de atuação.

Todos nossos cursos são preparados por mestres e profissionais reconhecidos no mercado, com larga e comprovada experiência em suas áreas de atuação. Curso Formação Efetiva de Analístas de Processos Curso Gerenciamento da Qualidade Curso Como implantar um sistema de Gestão de Qualidade ISO 9001 Formação Profissional em Auditoria de Qualidade 24 horas

Leia mais

Administração e Organização Industrial

Administração e Organização Industrial Administração e Organização Industrial Prof. Fabini Hoelz Bargas Alvarez Engenheiro Eletricista UCP Mestre em Finanças IBMEC/RJ fabini.alvarez@ucp.br Módulo I Conceitos Básicos 1. Organizações e Administração;

Leia mais