UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU FACULDADE INTEGRADA AVM

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU FACULDADE INTEGRADA AVM"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU FACULDADE INTEGRADA AVM SERVIÇO AO CLIENTE NO COMÉRCIO ELETRÔNICO B2C Por: Henrique Borba Brito Orientador Prof. Jorge Tadeu Vieira Lourenço Rio de Janeiro 2011

2 UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU FACULDADE INTEGRADA AVM 2 SERVIÇO AO CLIENTE NO COMÉRCIO ELETRÔNICO B2C Apresentação de monografia à Universidade Candido Mendes como requisito parcial para obtenção do grau de especialista em Logística Empresarial Por: Henrique Borba Brito

3 3 DEDICATÓRIA...a Deus.

4 4 RESUMO O tema a ser desenvolvido nesta monografia é Serviço ao Cliente no Comércio Eletrônico B2C. Este trabalho tem por objetivo verificar se a logística está contribuindo para satisfazer as necessidades dos clientes durante todo o ciclo de pedido de um produto / serviço até o cumprimento do prazo logístico e pós venda. O problema central refere-se à como fazer para reduzir as crescentes reclamações de consumidores no e-commerce. Para se chegar à resolução deste problema foi feita pesquisa bibliográfica e coleta de dados em livros, revistas especializadas, jornais e internet. Encontramos como principal forma de reduzir estas reclamações a implantação de um Sistema Integrado de Gestão (CRM - Customer Relationship Management), que possibilita às empresas virtuais fazer diversas análises e avaliações comportamentais de seus consumidores, contribuindo para a maximização nos resultados de relacionamento com os mesmos. Por fim veremos que a logística é realmente um importante elo entre o comércio eletrônico e o consumidor, porém ainda passível de melhorias.

5 METODOLOGIA 5 O trabalho em questão foi elaborado a partir de pesquisa bibliográfica realizada em livros, jornais, revistas e materiais disponibilizados na internet. Teóricos de grande importância na área de Logística são citados durante a monografia tais como Ballou, Bowersox, Closs e Cooper. Cabe ressaltar que como o tema desta monografia é sobre e-commerce, algumas páginas da internet foram de fundamental importância para o desenvolvimento deste trabalho.

6 SUMÁRIO 6 INTRODUÇÃO 07 CAPÍTULO I - Logística e E-Commerce 09 CAPÍTULO II - Serviço ao Cliente 17 CAPÍTULO III TI aplicada ao E-Commerce 29 CONCLUSÃO 37 BIBLIOGRAFIA 38 ÍNDICE 41 FOLHA DE AVALIAÇÃO 43

7 INTRODUÇÃO 7 Ao mesmo tempo em que cresce o número de consumidores virtuais, cresce também o número de reclamações quanto ao nível de serviço logístico, principalmente em relação ao cumprimento do prazo de entrega e pós venda. A internet passou a ser um meio de ganho de competividade, pois através dela as empresas disponibilizam produtos e serviços visando à aproximação do consumidor. Porém, as mesmas devem ter em mente que se o resultado de um serviço ficar abaixo das expectativas, o cliente ficará descontente e consequentemente irá procurar outra empresa que atenda suas expectativas. Torna-se necessário não só a aproximação do cliente mas também a fidelização do mesmo. O Comércio Eletrônico B2C (Business-to-Consumer) envolve transações entre empresas e consumidores através da internet e tornou-se amplamente concorrido devido à globalização e ao crescente avanço da tecnologia de informação, por isso torna-se cada vez mais necessário o estabelecimento de uma correta estratégia logística que ofereça ao consumidor: a quantidade certa do produto certo no tempo certo, no lugar certo, na condição certa, no preço certo, com a informação certa. A passagem da Sociedade Industrial para a Pós-Industrial acarretou numa grande migração para a área de Serviços, o que torna o e-commerce uma área promissora que vem cada vez mais atraindo pessoas interessadas tanto em trabalhar com vendas pela internet bem como utilizar os serviços oferecidos pela mesma. No Capítulo I veremos os conceitos de Logística e E-Commerce, quais os principais tipos de comércio eletrônico, qual o perfil dos

8 8 consumidores de e-commerce no Brasil e como a Logística está sendo aplicada no mundo virtual. No capítulo 2 abordaremos as principais teorias de Serviço ao Cliente e Marketing além de verificar a legislação que trata dos assuntos relacionados aos direitos dos consumidores que utilizam a internet. Finalizaremos com o capítulo 3, falando da importância da Tecnologia de Informação para o atendimento de qualidade no E-Commerce com especial enfoque no uso do CRM (Customer Relationship Management).

9 CAPÍTULO I LOGÍSTICA e E-COMMERCE 9 A logística significa para as transações via Internet o principal componente do processo. Utilizando-se de uma boa estratégia logística é possível conseguir vantagens competitivas tais como liderança de custos, diferentes níveis de serviço ao cliente e consequentemente aumento dos lucros. 1.1 Definição de Logística Existem várias definições para o conceito de Logística, dentre as quais podemos destacar a promulgada pelo Council of Logistics Management (CLM), uma organização criada para disseminar o ensino neste campo. Segue abaixo: É o processo de planejamento, implementação e controle do fluxo e armazenamento eficiente e econômico de matérias-primas, materiais semi-acabados, bem como as informações a eles relativas, desde o ponto de consumo, com o propósito de atender às exigências dos clientes. (CLM, 1962 apud BALLOU, 2006) Outra excelente definição para o termo Logística é a elaborada pela Associação Brasileira de Logística ASLOG: É a função sistêmica de otimização do fluxo de materiais e de informações de uma organização. Integra duas ou mais atividades gerenciais e operacionais, planejando, implementando e controlando o fluxo eficiente de materiais e informações, do ponto de origem ao ponto de destino, com o propósito de adequá-lo às necessidades dos fornecedores e clientes. (ASLOG, 2002 apud AQUINO, 2010) Ballou (2006) destaca que a Logística é parte do processo da cadeia de suprimentos, mas não do processo inteiro. Torna-se necessário portanto a

10 10 implementação do conceito de Supply Chain Management, em português, Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos. Tanto a Logística Empresarial quanto o Supply Chain Management são importantes, semelhantes e difíceis de serem tratados separadamente. A diferença é que a Logística tem como foco principal a integração interna de atividades tais como suprimentos, produção e distribuição física. Já o Supply Chain Management, ultrapassa a essência da Logística, promovendo também a integração externa de processos de negócios, incluindo os fornecedores externos e consumidores finais. 1.2 Conceito de Comércio Eletrônico Na visão de Carvalho (2010), o comércio eletrônico pode ser definido como: Um conjunto de processos nos quais clientes, empresas, parceiros de negócios, instituições financeiras, operadores logísticos e outros efetuam transações comerciais utilizando tecnologia baseada em Internet. tais como: Ainda segundo o autor, a tecnologia internet proporciona benefícios Alcance global (informações sem barreiras geográficas e temporais); Fluidez e agilidade no tráfego das informações; Diminuição de tempo do ciclo de pedidos; Capacidade de adaptar-se dinamicamente ao comportamento do cliente; Atualização dos sistemas em tempo real; Redução de erros. (CARVALHO,2010,p.32) O comércio eletrônico também pode ser chamado de comércio electrónico (português europeu), e-commerce, ou ainda comércio virtual Tipos de Comércio Eletrônico

11 11 As principais áreas de atuação de comércio eletrônico são definidas por Turban; Rainer; Potter (2003) conforme descrito abaixo: Comércio colaborativo (c-commerce): Nesta modalidade de comércio eletrônico, os parceiros de negócios colaboram eletronicamente. Essa colaboração ocorre freqüentemente entre parceiros de negócios da mesma cadeia de suprimentos. Entende-se por cadeia de suprimentos o fluxo de materiais, informações, pagamentos e serviços, desde fornecedores de matérias-primas até fábricas, depósitos e consumidor final. Business-to-business (B2B): Duas ou mais organizações realizando transações, colaborando eletronicamente. Atualmente é o principal tipo de comércio eletrônico. Business-to-consumers (B2C): Os vendedores são organizações e os compradores são pessoas físicas. Este tipo de comércio eletrônico será o foco deste estudo. Consumers-to-business (C2B): Os consumidores apresentam uma necessidade particular por produto ou serviço, e as organizações concorrem para fornecer o produto ou serviço aos mesmos. Consumer-to-consumer (C2C): Um consumidor vende produtos ou serviços para outros consumidores. Comércio intra-empresas (intra-organizacional): Uma determinada empresa utiliza o comércio eletrônico para melhorar suas operações. Governo-para-cidadãos (G2C) e para outros: O Governo presta serviços a seus cidadãos por meio de tecnologias e comércio eletrônico. Os governos podem negociar com outros governos (G2G) e com empresas (G2B).

12 12 Comércio Móvel (m-commerce): O comércio eletrônico ocorre em um ambiente de comunicação sem fio como por exemplo através da utilização de telefones celulares para acesso à Internet Perfil dos Consumidores de E-Commerce no Brasil Há alguns anos atrás existia no Brasil uma grande desigualdade no acesso à Internet, tendo em vista que apenas uma pequena parte da população tinha condições financeiras e culturais para acessar a rede. A maioria das pessoas com acesso ainda eram aquelas com os maiores níveis de escolaridades e poder aquisitivo. vem mudando: Entretanto, nos últimos anos o perfil do consumidor on-line brasileiro O número de consumidores brasileiros que compraram pela internet chegou a 13,2 milhões em 2008, 39% a mais que em 2007, segundo a consultoria e-bit. O aumento se deve em parte devido à crescente participação da classe C no segmento, 60% dos novos consumidores, que passaram de 37% em 2007 para 42% em (AVELLAR;DUARTE,2010) Dados apurados pelo Webshoppers (2010) mostram a evolução do comércio eletrônico no Brasil nos últimos. Segue abaixo: No ano de 2010 foram faturados R$ 14,8 bilhões em vendas de bens de consumo no e-commerce brasileiro, o que significou um acréscimo de 40% ante os R$ 10,6 bilhões registrados em Em 2010, foram registrados mais de 23 milhões de e- consumidores que fizeram, ao menos, uma compra online até hoje, com 40 milhões de pedidos em todo território nacional. As datas sazonais (Dia das Mães, Dia dos Namorados, Dia dos Pais, Dia das Crianças e Natal) representaram aproximadamente 30% do bolo total do ano (R$ 4,5 bilhões). As categorias mais vendidas em 2010 foram Eletrodomésticos (14%), Livros, Assinaturas de Revistas e Jornais (12%), Saúde, beleza e medicamentos (12%), Informática (11%), e Eletrônicos (7%).

13 13 O valor médio das compras em 2010 foi de R$ 373. Em 2009, o número fechou em R$ 335, um crescimento, portanto de 11%. As mulheres com idade superior a 50 anos passaram de 14% para 21% do total de compradoras, entre 2005 e 2010, denotando um aumento da senioridade das compradoras virtuais. O tíquete médio das compras femininas aumentou de R$ 240 em 2005 para R$ 314 em No entanto, continua significativamente menor ao tíquete médio dos gastos efetuados pelos homens que foi de R$ 425. No primeiro semestre de 2011, a estimativa é de um faturamento em torno de R$ 8,8 bilhões. Esse valor é maior do que todo o faturamento do ano de 2008 (R$ 8,2 bilhões) Somente nos primeiros 6 meses de 2011, 4 milhões de pessoas farão sua primeira compra virtual, somando assim 27 milhões de e-consumidores que fizeram, ao menos, uma compra online até hoje. (WEBSHOPPERS,2010,p.8) O constante crescimento do comércio eletrônico brasileiro também é motivado pelos seguintes fatores: Aumento na utilização da Internet. Dados coletados do relatório de pesquisa do Unibanco mostram que o número de usuários de internet no Brasil tem crescido a uma taxa anual de 21% desde Aumento das compras online. O costume de comprar pela internet está cada vez mais crescente e a previsão é de que o número de compradores virtuais aumente cada vez mais. Isto mostra que a população brasileira tem propensão a adotar novas tecnologias de informação. Crescimento de banda larga. O número de usuários de banda larga no Brasil tem crescido a uma taxa anual de 88% desde 2003, favorecendo o aumento de compras virtuais por usuário. Variedade limitada em lojas tradicionais. O varejo virtual é favorecido em relação às lojas tradicionais, tendo em vista que não existe no e-commerce a limitação de espaço físico nas prateleiras, a necessidade de

14 14 replicar estoques em várias lojas e o pouco sortimento do varejo tradicional. 1.3 Logística e E-Commerce Na utilização do comércio eletrônico são encontrados vários problemas, entre eles a logística para o e-commerce é uma implicação significativa. O maior desafio para o comércio eletrônico é a entrega dos produtos de forma correta e no tempo determinado. Para fazer frente ao comércio B2C- Business-to-Consumer as empresas tem de desenvolver sistemas logísticos específicos pois as habilidades tradicionais da logística já não respondem às demandas desse novo comércio. Enorme quantidade de pedidos, número pequenos de itens, individualidade dos pedidos, alto índice de devolução, problemas alfandegários, são alguns dos desafios a serem vencidos pelas empresas que comercializam produtos pela Internet. Freqüentemente nos deparamos com notícias na imprensa com relatos de experiências negativas vividas por consumidores na compra realizada pela Internet, como por exemplo : atrasos em relação ao prazo prometido de entrega, produtos entregues com avarias, erros de cobrança e cancelamento de pedidos por falta de produtos. Estes são apenas alguns dos problemas vividos que podem gerar experiências negativas nas compras pela internet. Dados do Departamento de Proteção e Defesa do Consumidor, do Ministério da Justiça, mostram que de 2004 até janeiro de 2010 o sistema nacional de defesa do consumidor recebeu 21,5 mil reclamações, especialmente por conta da não entrega ou atraso das compras, que envolveram, principalmente, produtos de informática, computadores e celulares.

15 15 Para um planejamento adequado da operação logística, Fideli (2010) menciona três aspectos importantes. Segue abaixo: Gerenciamento dos Estoques Para o sucesso da logística é importante que a informação de estoque disponível dos produtos no site de esteja plenamente alinhada com a real disponibilidade dos produtos no estoque da empresa vendedora, garantindo-se assim a entrega do produto adquirido pelo cliente. Para tanto, faz-se necessária a integração do sistema de controle de estoque com a solução de e-commerce de maneira que não ocorram defasagens da informação. Também é importante que o sistema de controle de estoques dispare a reposição automática dos produtos a partir do alcance do estoque mínimo, acionando o ciclo de suprimentos junto aos fornecedores. Com essas ações de logística, diminuem-se substancialmente os riscos inerentes à falta de produtos no estoque da empresa. Gerenciamento das entregas Geralmente as funções de transporte e entrega dos produtos aos clientes são terceirizadas para empresas especializadas existentes no mercado; como exemplo, podemos citar os Correios (ECT), que operam um serviço exclusivamente voltado para as empresas de e-commerce denominado e-sedex, com abrangência nacional. Qualquer que seja o operador da logística contratado para a distribuição dos produtos, é importante que o mesmo disponibilize um sistema de rastreamento (tracking) que permita ao cliente acompanhar pela internet e em tempo real a localização exata do produto adquirido. Do mesmo modo, o operador logístico deve ter condições de operacionalizar a logística reversa, quando da devolução do produto à empresa vendedora nos casos de defeito, insatisfação do cliente com o produto adquirido ou erro de processamento do pedido. Gerenciamento do ciclo de suprimentos Deve haver uma perfeita sincronia com os fornecedores nos ciclos de processos de suprimentos necessários para repor os estoques dos produtos vendidos pelo site de e-commerce. Essa sincronia logística pode ser obtida mais facilmente na medida a partir da informatização desses processos, gerando velocidade na troca de informações e resultando na redução de prazos e custos de aquisição dos produtos, bem como na diminuição do custo dos estoques. Na prática, sempre que o nível de estoque de determinado produto atingir a quantidade mínima, é

16 16 disparado sistemicamente um pedido de compras e enviado ao fornecedor por internet ou EDI, iniciando o processo de reposição do estoque. Esse ciclo só se encerra quando o fornecedor entregar o produto ao cliente e ocorrer a atualização dos sistemas de controle de estoque e de e- commerce, para que as informações estejam alinhadas. A figura abaixo mostra como deve ser o fluxograma da atividade logística em sites de e-commerce: Figura 1 Atividade logística - Fluxograma (GASPAR, 2010)

17 CAPÍTULO II SERVIÇO AO CLIENTE 17 Os serviços têm um papel de grande importância para os negócios, podendo influenciar tanto positivamente como negativamente a percepção dos clientes sobre a empresa. Na internet a importância dos serviços é ainda maior, pois o fornecimento de informações para os clientes pode ser mais fácil, a prestação de serviços mais barato e mais adequado se comparado às empresas tradicionais. No caso do Brasil, as empresas prestadoras de serviços lideram o ranking de reclamação: em matéria publicada pelo site Reclame Aqui as lojas virtuais são responsáveis por 22% das reclamações em 2007, ficam atrás somente das empresas de telefonia celular e fixa. (FREIRE,2008,p.5) 2.1 Conceito O nível de serviço logístico é a qualidade com que o fluxo de bens e serviços é gerenciado. É o resultado líquido de todos os esforços logísticos da firma. É o desempenho oferecido pelos fornecedores aos seus clientes no atendimento dos pedidos. O nível de serviço logístico é fatorchave do conjunto de valores logísticos que as empresas oferecem a seus clientes para assegurar sua fidelidade. (BALLOU, 1993,p.73). 2.2 Atributos fundamentais do Serviço ao Cliente Para Bowersox;Closs;Cooper (2006, p ) os três fatores fundamentais do serviço ao cliente são: disponibilidade, desempenho e confiabilidade. Cabe salientar que os três elementos são importantes para a empresa, porém em determinadas situações de mercado um dos atributos pode ter maior ou menor relevância Disponibilidade

18 18 É a capacidade da empresa de ter um produto disponível em estoque no momento em que a solicitação é feita pelo consumidor. Normalmente as organizações armazenam antecipadamente os pedidos dos clientes baseando-se em previsões de demanda formando dois tipos de estoque: Estoque Básico determinado por necessidades previstas e planejadas. Estoque de Segurança cobre oscilações imprevistas de demanda mantendo um estoque acima da média. Entretanto para se chegar a níveis elevados de disponibilidade de estoque torna-se necessário bastante planejamento por parte das empresas, ao contrário de se estocar em depósitos com base em previsões de vendas. A estratégia mais correta é alcançar esses altos níveis de disponibilidade somente para clientes essenciais para minimização de investimentos em estoques e instalações. Programas rigorosos sobre disponibilidade de estoques são baseados em três medidas de desempenho: Freqüência de falta de estoque: também conhecido como stock out, diz respeito à probabilidade de uma empresa não ter estoque disponível para satisfazer a demanda do cliente. Taxa de atendimento ou Índice de disponibilidade: mede o impacto da falta de estoque ao longo do tempo, levando em consideração as exigências de produtos demandados pelos clientes. Existem situações em que a falta de um produto não significa a insatisfação do cliente pois o mesmo pode refazer o pedido de algum item em falta num outro momento ou até mesmo aceitar um pedido em menor quantidade se o produto não for crítico para o desempenho.

19 19 Pedidos atendidos de forma completa: leva em consideração o fato de o cliente ter tudo o que pede. É a medida mais rigorosa de desempenho quanto à disponibilidade pois só considera os pedidos cem por cento atendidos. A avaliação do nível apropriado de disponibilidade depende destas três medidas juntas. O mesmo acontece na identificação da política de estoques da empresa Desempenho operacional Diz respeito ao intervalo de tempo necessário para entregar um pedido ao cliente. O Desempenho Operacional pode ser medido quanto à: velocidade, consistência, flexibilidade e recuperação ao mau funcionamento. Velocidade é o intervalo de tempo decorrido desde o pedido de um produto até a sua chegada ao cliente. Dependendo do projeto logístico, os ciclos de pedidos podem durar algumas horas, várias semanas ou até meses. Evidentemente tudo dependerá da vontade do cliente, pois nem todos querem velocidade máxima se isto significar aumento de custos. Consistência é a capacidade da empresa de atender aos ciclos de pedidos no tempo planejado, isto é, de maneira constante. A consistência influencia diretamente a capacidade de o cliente planejar e desempenhar suas atividades. Em virtude disto, a maioria dos gestores logísticos dá maior importância à consistência do que para a velocidade no ciclo de pedidos. Para operações logísticas eficientes a consistência é fundamental, pois é cada vez mais comum os clientes estipularem uma data e hora para entrega no momento de fazer o pedido.

20 20 Flexibilidade é a capacidade da empresa em atender solicitações inesperadas ou a pedidos especiais de clientes. Atender à circunstâncias inesperadas é fundamental para a competência logística de uma empresa. Os eventos que mais exigem operações flexíveis são: modificações em acordos de serviços básicos, apoio para programas de vendas exclusivas e de marketing, introdução de novos produtos, recall de produtos, interrupção no fornecimento, personalização de serviço básico para clientes ou segmentos específicos, personalização ou modificação de produtos desempenhada ainda no sistema logístico. Recuperação de Falhas dentro do sistema logístico verificam-se muitos contratempos. Programas eficientes de serviço ao cliente antecipam falhas e quebras de serviços que poderão ocorrer. Além de possuir planos de contingência para efetivar a recuperação e avaliar a realização Confiabilidade Envolve a capacidade da empresa no desempenho das atividades relativas a pedidos, oferecendo aos clientes informações precisas no que tange às operações e condições logísticas. Os clientes exigem que certos detalhes sejam tratados de forma rotineira pelos fornecedores (ex: faturas corretas e livre de erros). Além disso, os clientes também consideram importante receberem antecipadamente informações sobre faltas ou atrasos no pedido Atendimento do Pedido Perfeito O atendimento do pedido perfeito também deve ser completo em todos os aspectos do serviço, desde o recebimento do pedido até a entrega da mercadoria, incluindo o faturamento sem erros. Este serviço é difícil de ser alcançado pois exige que uma empresa combine fatores como alianças de clientes, tecnologia de informação, estratégias de adiamento, estratégias de

21 21 estocagem de inventário, transporte exclusivo e programas de seleção como forma de ajustar os recursos logísticos às necessidades fundamentais dos clientes. Estruturar um sistema logístico de baixo custo para oferecer o pedido perfeito é um processo complexo e caro, por isso é recomendado que não se use como estratégia de serviço básico e sim que seja oferecido a uma quantidade selecionada de clientes que exigem, apreciam e estão dispostos a responder com lealdade na hora da compra do serviço. Por exemplo, a solicitação eletrônica de pedidos e entregas a domicílio no comércio de produtos de mercearia é um conceito simples, porém bastante complexo ser implementado de forma eficiente. Envolve características únicas como a personalização dentro de um dado item de estoque (alguns consumidores preferem bananas verdes em vez de amarelas, ou rosbife cru e cortado em fatias finas no lugar do produto cortado de forma padrão) o que dificulta a logística de fazer entregas de pedidos perfeitos para cada cliente, a cada momento Serviços com Valor Agregado Serviços com valor agregado significam a realização de atividades únicas e específicas que empresas podem desenvolver junto em conjunto com seus clientes visando a eficiência e/ou eficácia. Esses serviços são essenciais pois fortalecem o sucesso do cliente proporcionando produtos e serviços diferenciados e gerando ganhos de vantagem competitiva perante os seus principais concorrentes. Em um contexto logístico, empresas podem oferecer pacotes exclusivos de produtos,criarem unidades de carga personalizadas, colocar preços em produtos, oferecer serviços de informação exclusivos, visando contribuir para o sucesso de clientes. Estes serviços hoje em dia são

22 22 normalmente desempenhados por especialistas, devido à sua flexibilidade e capacidade de concentrar-se no oferecimento de serviços exigidos. Transportadoras, empresas de armazenamento e outros especialistas podem passar a se envolver intimamente com a cadeia de suprimentos, tornando os serviços com valor agregado de suma importância na cadeia logística. 2.5 Modelo de Satisfação do Cliente Bowersox; Closs; Cooper (2006) oferecem uma estrutura para a compreensão das expectativas do cliente relacionadas ao desempenho logístico. Segue abaixo: Confiabilidade: refere-se ao desempenho de todas as atividades conforme prometidas pelo fornecedor. Capacidade de resposta: diz respeito às expectativas dos clientes em relação à capacidade e à disposição de o pessoal do fornecedor oferecer o serviço de forma imediata. Acesso: envolve as expectativas dos clientes por contato fácil e possibilidade de aproximação com o fornecedor, como por exemplo obter informações relativas à situação do pedido. Comunicação: significa manter os clientes proativamente informados, preferencialmente por meio de uma notificação antecipada em caso de problemas com a entrega ou a disponibilidade. Credibilidade: refere-se às expectativas dos clientes de que a comunicação feita pelos fornecedores é de fato verdadeira e honesta.

23 23 Segurança: lida com os sentimentos dos clientes, quanto a riscos ou dúvidas, ao fazer negócios com um fornecedor. Cortesia: envolve relações de polidez, amizade e respeito pessoal de contato. Os clientes podem ter contato com numerosos indivíduos numa empresa e a falha de um indivíduo pode destruir os esforços de todos os demais. Competência: é avaliada pelos clientes em todas as interações com fornecedores. Ex: Competência do pessoal do armazém quando pedidos são conferidos, do pessoal de serviço ao consumidor quando chamadas telefônicas são feitas, etc. Conhecendo o cliente: os clientes tem expectativas de que os fornecedores entendam sua singularidade e de que estejam aptos a se adaptarem às suas necessidades particulares. 2.6 Conceito de Marketing O marketing é a aplicação de conhecimentos técnicos / científicos com o objetivo de identificar as necessidades do cliente e posteriormente colocar todos os recursos disponíveis no mercado visando à satisfação do cliente de maneira individualizada. Os três princípios fundamentais do marketing são: As necessidades do cliente antecedem produtos e serviços. Os produtos e serviços somente possuem valor mediante a perspectiva do cliente, isto é, considerando os atributos de forma, posse, tempo e lugar. Ênfase na rentabilidade ao invés do volume de vendas.

24 Marketing Eletrônico A partir do momento em que o comércio eletrônico se popularizou, as empresas passaram a adotar estratégias para maximização de resultados nos serviços desenvolvidos na internet. Dessa forma, o marketing tradicional evoluiu para o marketing eletrônico, também chamado de web marketing ou e - marketing. No marketing eletrônico, o cliente deve ser tratado de forma personalizada, pois é ele que controla a quantidade e o tipo de informação recebida, que o auxilia na escolha de um produto ou serviço do qual deseja adquirir. As empresas devem descobrir e reter estes clientes como forma de desenvolver um relacionamento efetivo e duradouro através da análise das páginas que os consumidores navegam e das informações que ele deixa no site. As vantagens que o marketing eletrônico proporciona para as empresas são inúmeras. Dentre elas Barreira;Lasalvia (2008) destacam: a) Baixo custo: os custos para anúncio na Internet são considerados baixos se comparados a outros métodos de divulgação do marketing tradicional tais como rádio e televisão. Além disso, o marketing eletrônico possibilita atingir muitas pessoas e consumidores potenciais. b) Marketing um a um: as empresas estão se afastando do marketing de massa e concentrando seus esforços no marketing um a um, o que possibilita uma maior interação com cada cliente e consequentemente a customização de produtos e serviços como forma de diferencial competitivo. c) Formação de um banco de dados: os clientes deixam uma enorme quantidade de informações sobre seus desejos e necessidades ao

25 25 navegarem em sites de compra, formando um poderoso banco de dados que pode ser utilizado pelas empresas para realizar segmentação de mercado, promoções, etc Marketing Pós Venda No serviço ao cliente o pós venda é uma condição fundamental, pois se sabe que é muito menos dispendioso manter um cliente do que conquistar novos clientes. Torna-se necessário a fidelização do cliente e não somente a satisfação do mesmo no momento da venda. A iniciativa do pós venda deve ser sempre da empresa, objetivando portanto medir a satisfação do cliente e tentar fidelizá-lo. Os maiores equívocos ocorridos no pós venda são: Deixar o cliente sem informação sobre o produto comprado: é importante disponibilizar ao cliente o rastreamento do pedido e, se for o caso, informar ao mesmo os motivos que levaram a não entrega do produto dentro do prazo prometido. Tratar mal o cliente caso ele necessite efetuar uma troca: as trocas são um processo natural das vendas, portanto as empresas virtuais devem estar preparadas para efetuá-las. Isto deve ser feito da melhor maneira possível, pois o cliente que é bem tratado durante o processo de troca, será fiel à empresa posteriormente. Assistência técnica deficiente: Até a algum tempo atrás computadores, celulares, equipamentos de som e automóveis eram privilégio de poucos, mas com o barateamento e maiores facilidades de crédito a demanda por estes produtos cresceu consideravelmente, exigindo das empresas de e- commerce instalações, técnicos especializados e estoques de peças de reposição espalhados por um amplo território geográfico. Infelizmente nem

Comércio eletrônico. Conceitos:

Comércio eletrônico. Conceitos: Comércio eletrônico Conceitos: O comércio eletrônico é a transação realizada por meio eletrônico de dados, normalmente internet. Situação em que a empresa vendedora cria um site, que funciona como uma

Leia mais

CRM (CUSTOMER RELATIONSHIP MANAGEMENT) E A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO (TI)

CRM (CUSTOMER RELATIONSHIP MANAGEMENT) E A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO (TI) CRM (CUSTOMER RELATIONSHIP MANAGEMENT) E A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO (TI) Nelson Malta Callegari (UTFPR) nelson.estudo@gmail.com Profº Dr. João Luiz Kovaleski (UTFPR) kovaleski@pg.cefetpr,br Profº Dr. Luciano

Leia mais

O CRM e a TI como diferencial competitivo

O CRM e a TI como diferencial competitivo O CRM e a TI como diferencial competitivo Nelson Malta Callegari (UTFPR) nelson.estudo@gmail.com Profº Dr. João Luiz Kovaleski (UTFPR) kovaleski@pg.cefetpr.br Profº Dr. Luciano Scandelari (UTFPR) luciano@cefetpr.br

Leia mais

SISTEMAS DE NEGÓCIOS. a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS

SISTEMAS DE NEGÓCIOS. a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS 1 SISTEMAS DE NEGÓCIOS a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS 1. COLABORAÇÃO NAS EMPRESAS Os sistemas colaborativos nas empresas nos oferecem ferramentas para nos ajudar a colaborar, comunicando idéias, compartilhando

Leia mais

Objetivo da Aula. Enterprise Resource Planning - ERP. Descrever os sistemas ERP, seus módulos e possíveis aplicações e tendências 23/4/2010

Objetivo da Aula. Enterprise Resource Planning - ERP. Descrever os sistemas ERP, seus módulos e possíveis aplicações e tendências 23/4/2010 Enterprise Resource Planning - ERP Objetivo da Aula Descrever os sistemas ERP, seus módulos e possíveis aplicações e tendências 2 1 Sumário Informação & TI Sistemas Legados ERP Classificação Módulos Medidas

Leia mais

Estratégias em Tecnologia da Informação. Posição e Vantagem Competitiva Aplicações integradas Aplicações Web

Estratégias em Tecnologia da Informação. Posição e Vantagem Competitiva Aplicações integradas Aplicações Web Estratégias em Tecnologia da Informação Capítulo 09 Posição e Vantagem Competitiva Aplicações integradas Aplicações Web Material de apoio 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina

Leia mais

Evolução e Gerenciamento do Comércio Eletrônico

Evolução e Gerenciamento do Comércio Eletrônico Evolução e Gerenciamento do Comércio Eletrônico Ana Carolina de Almeida anacarolina@snt.com.br UBM Djavan Wallace Almeida Dias djavandias@gmail.com UBM Jonas de Souza Carvalho jonass_carvalho@hotmail.com

Leia mais

O comércio eletrônico (CE) é, basicamente, a realização de transações empresariais vida rede de telecomunicações, especialmente a Internet.

O comércio eletrônico (CE) é, basicamente, a realização de transações empresariais vida rede de telecomunicações, especialmente a Internet. E-commerce Prof Marcus Regenold Disciplina Negócios pela Internet O comércio eletrônico (CE) é, basicamente, a realização de transações empresariais vida rede de telecomunicações, especialmente a Internet.

Leia mais

Unidade IV MERCADOLOGIA. Profº. Roberto Almeida

Unidade IV MERCADOLOGIA. Profº. Roberto Almeida Unidade IV MERCADOLOGIA Profº. Roberto Almeida Conteúdo Aula 4: Marketing de Relacionamento A Evolução do Marketing E-marketing A Internet como ferramenta As novas regras de Mercado A Nova Era da Economia

Leia mais

Aula 5 Supply Chain Management (SCM) Gestão da cadeia de suprimentos Prof: Cleber A. de Oliveira

Aula 5 Supply Chain Management (SCM) Gestão da cadeia de suprimentos Prof: Cleber A. de Oliveira 1. Introdução Aula 5 Supply Chain Management (SCM) Gestão da cadeia de suprimentos Prof: Cleber A. de Oliveira Gestão de Sistemas de Informação Os estudos realizados nas disciplinas Gestão da Produção

Leia mais

O que é comércio eletrônico?

O que é comércio eletrônico? COMÉRCIO ELETRÔNICO O que é comércio eletrônico? O comércio eletrônico ou e-commerce é a compra e venda de mercadorias ou serviços por meio da Internet, onde as chamadas Lojas Virtuais oferecem seus produtos

Leia mais

OS DESAFIOS LOGISTICOS DO COMÉRCIO ELETRÔNICO

OS DESAFIOS LOGISTICOS DO COMÉRCIO ELETRÔNICO OS DESAFIOS LOGISTICOS DO COMÉRCIO ELETRÔNICO Fabiana Rubim Cintra Murilo Rodrigues da Silva Patrick Beirigo Andrade RESUMO Este artigo tem o objetivo de expor os principais problemas que o comércio eletrônico

Leia mais

TAW Tópicos de Ambiente Web

TAW Tópicos de Ambiente Web TAW Tópicos de Ambiente Web Comércio Eletrônico rveras@unip.br Aula - 04 Agenda Comércio Eletrônico 2 Comércio Eletrônico Comércio Eletrônico 3 O que é o comércio eletrônico Evolução Transações convencionais

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA Capítulo 2 SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA 2.1 2003 by Prentice Hall OBJETIVOS Quais são as principais aplicações de sistemas na empresa? Que papel eles desempenham? Como os sistemas de informação apóiam

Leia mais

CRM Uma ferramenta tecnológica inovadora

CRM Uma ferramenta tecnológica inovadora CRM Uma ferramenta tecnológica inovadora Nelson Malta Callegari (UTFPR) nelson.estudo@gmail.com Prof Dr. João Luiz Kovaleski (UTFPR) kovaleski@pg.cefet.br Prof Dr. Antonio Carlos de Francisco (UTFPR) acfrancisco@pg.cefetpr.br

Leia mais

Sistemas de Informação Empresarial. Gerencial

Sistemas de Informação Empresarial. Gerencial Sistemas de Informação Empresarial SIG Sistemas de Informação Gerencial Visão Integrada do Papel dos SI s na Empresa [ Problema Organizacional ] [ Nível Organizacional ] Estratégico SAD Gerência sênior

Leia mais

Logística Empresarial. Logística de Serviço ao Cliente Prof. José Correia

Logística Empresarial. Logística de Serviço ao Cliente Prof. José Correia Logística Empresarial Logística de Serviço ao Cliente Prof. José Correia Logística de Serviço ao Cliente Kyj e Kyj definem: Serviços ao cliente, quando utilizados de forma eficaz, é uma variável primária

Leia mais

Universidade Cruzeiro do Sul. Campus Virtual Unidade I: Unidade: Processos Mercadológicos

Universidade Cruzeiro do Sul. Campus Virtual Unidade I: Unidade: Processos Mercadológicos Universidade Cruzeiro do Sul Campus Virtual Unidade I: Unidade: Processos Mercadológicos 2010 0 O Processo pode ser entendido como a sequência de atividades que começa na percepção das necessidades explícitas

Leia mais

40% dos consumidores da Copa das Confederações da FIFA 2013 consideraram a agilidade no atendimento como fator mais importante no comércio

40% dos consumidores da Copa das Confederações da FIFA 2013 consideraram a agilidade no atendimento como fator mais importante no comércio 440mil pequenos negócios no Brasil, atualmente, não utilizam nenhuma ferramenta de gestão, segundo o Sebrae Varejo 2012 27% 67% de comerciantes que não possuíam computadores dos que possuíam utilizavam

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA 1 OBJETIVOS 1. Quais são as principais aplicações de sistemas na empresa? Que papel eles desempenham? 2. Como os sistemas de informação apóiam as principais funções empresariais:

Leia mais

Evolução do Desempenho Logístico no Varejo Virtual do Brasil

Evolução do Desempenho Logístico no Varejo Virtual do Brasil Evolução do Desempenho Logístico no Varejo Virtual do Brasil Leonardo Uehara Resumo Este artigo apresenta a evolução do desempenho logístico no setor de e-commerce B2C no Brasil ao longo do ano de 2000.

Leia mais

O Processo de Negociação visa superar possíveis conflitos e ao mesmo tempo obter para a empresa o melhor resultado possível da negociação.

O Processo de Negociação visa superar possíveis conflitos e ao mesmo tempo obter para a empresa o melhor resultado possível da negociação. O Processo de Negociação visa superar possíveis conflitos e ao mesmo tempo obter para a empresa o melhor resultado possível da negociação. As Etapas do Processo de Negociação envolvem o planejamento da

Leia mais

GUIA ATS INFORMÁTICA: GESTÃO DE ESTOQUE

GUIA ATS INFORMÁTICA: GESTÃO DE ESTOQUE GUIA ATS INFORMÁTICA: GESTÃO DE ESTOQUE SUMÁRIO O que é gestão de estoque...3 Primeiros passos para uma gestão de estoque eficiente...7 Como montar um estoque...12 Otimize a gestão do seu estoque...16

Leia mais

CRM - gestão eficiente do relacionamento com os clientes

CRM - gestão eficiente do relacionamento com os clientes CRM - gestão eficiente do relacionamento com os clientes Mais que implantação, o desafio é mudar a cultura da empresa para documentar todas as interações com o cliente e transformar essas informações em

Leia mais

AUTOR(ES): MAITHÊ CORSI DA SILVA, FERNANDO TEIXEIRA CARVALHO, RENAN GUSTAVO MOLINA

AUTOR(ES): MAITHÊ CORSI DA SILVA, FERNANDO TEIXEIRA CARVALHO, RENAN GUSTAVO MOLINA TÍTULO: A IMPORTÂNCIA DO E-COMMERCE NAS PEQUENAS EMPRESAS CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE JAGUARIÚNA AUTOR(ES): MAITHÊ CORSI DA

Leia mais

30/09/2010. Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves. Como surgiu o termo?

30/09/2010. Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves. Como surgiu o termo? Engenheiro Agrônomo CCA/UFSCar 1998 Mestre em Desenvolvimento Econômico, Espaço e Meio Ambiente IE/UNICAMP 2001 Doutor em Engenhariade Produção PPGEP/UFSCar 2005 Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves Consultor

Leia mais

A Logística de Cargas Fracionadas e Novas Configurações do Mercado de Varejo.

A Logística de Cargas Fracionadas e Novas Configurações do Mercado de Varejo. A Logística de Cargas Fracionadas e Novas Configurações do Mercado de Varejo. Cristian Carlos Vicari (UNIOESTE) viccari@certto.com.br Rua Engenharia, 450 Jd. Universitário C.E.P. 85.819-190 Cascavel Paraná

Leia mais

ERP. Enterprise Resource Planning. Planejamento de recursos empresariais

ERP. Enterprise Resource Planning. Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning Planejamento de recursos empresariais O que é ERP Os ERPs em termos gerais, são uma plataforma de software desenvolvida para integrar os diversos departamentos de uma empresa,

Leia mais

O comércio eletrônico (e-commerce) é um setor em crescimento CONSUMIDORES (EM MILHÕES) 23,4 18,7 R$ 328 R$ 335 R$ 373 R$ 350 R$ 342 R$ 350

O comércio eletrônico (e-commerce) é um setor em crescimento CONSUMIDORES (EM MILHÕES) 23,4 18,7 R$ 328 R$ 335 R$ 373 R$ 350 R$ 342 R$ 350 ARTESANATO BOLETIM COMÉRCIO ELETRÔNICO O comércio eletrônico (e-commerce) é um setor em crescimento Em 2012, o faturamento foi de R$ 22,5 bilhões no Brasil, e de aproximadamente R$ 28 bilhões em 2013.

Leia mais

COMÉRCIO ELETRÔNICO UM BREVE HISTÓRICO

COMÉRCIO ELETRÔNICO UM BREVE HISTÓRICO UM BREVE HISTÓRICO COMÉRCIO ELETRÔNICO O comércio sempre existiu desde que surgiram as sociedades. Ele é dito como o processo de comprar, vender e trocar produtos e serviços. Inicialmente praticado pelos

Leia mais

16/02/2010. Relação empresa-cliente-consumidor. Distribuição física do produto final até ponto de venda final

16/02/2010. Relação empresa-cliente-consumidor. Distribuição física do produto final até ponto de venda final Logística de Distribuição e Reversa MSe. Paulo Cesar C. Rodrigues paulo.rodrigues@usc.br Mestre em Engenharia de Produção Conceito Relação empresa-cliente-consumidor Distribuição física do produto final

Leia mais

INTEGRAÇÃO ENTRE MARKETING E LOGÍSTICA EMPRESARIAL: UM ESTUDO DE CASO NO SETOR DE MÓVEIS PLANEJADOS

INTEGRAÇÃO ENTRE MARKETING E LOGÍSTICA EMPRESARIAL: UM ESTUDO DE CASO NO SETOR DE MÓVEIS PLANEJADOS INTEGRAÇÃO ENTRE MARKETING E LOGÍSTICA EMPRESARIAL: UM ESTUDO DE CASO NO SETOR DE MÓVEIS PLANEJADOS Amanda Cristina Nunes Alves (SSP) amandac.06@hotmail.com Anne Sthefanie Santos Guimaraes (SSP) annesthefanie14@hotmail.com

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA 2 SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA OBJETIVOS Quais são as principais aplicações de sistemas na empresa? Que papel eles desempenham? Como os sistemas de informação apóiam as principais funções empresariais:

Leia mais

Estratégias em Tecnologia da Informação

Estratégias em Tecnologia da Informação Estratégias em Tecnologia da Informação Capítulo 6 Sistemas de Informações Estratégicas Sistemas integrados e sistemas legados Sistemas de Gerenciamento de Banco de Dados Material de apoio 2 Esclarecimentos

Leia mais

Situação mercadológica hoje: Era de concorrência e competição dentro de ambiente globalizado.

Situação mercadológica hoje: Era de concorrência e competição dentro de ambiente globalizado. TECNICAS E TECNOLOGIAS DE APOIO CRM Situação mercadológica hoje: Era de concorrência e competição dentro de ambiente globalizado. Empresas já não podem confiar em mercados já conquistados. Fusões e aquisições

Leia mais

22/02/2009 LOGÍSTICA DE DISTRIBUIÇÃO POR QUE A LOGÍSTICA ESTÁ EM MODA POSIÇÃO DE MERCADO DA LOGÍSTICA

22/02/2009 LOGÍSTICA DE DISTRIBUIÇÃO POR QUE A LOGÍSTICA ESTÁ EM MODA POSIÇÃO DE MERCADO DA LOGÍSTICA LOGÍSTICA DE DISTRIBUIÇÃO A melhor formação cientifica, prática e metodológica. 1 POSIÇÃO DE MERCADO DA LOGÍSTICA Marketing Vendas Logística ANTES: foco no produto - quantidade de produtos sem qualidade

Leia mais

Logística Reversa Uma visão sobre os conceitos básicos e as práticas operacionais

Logística Reversa Uma visão sobre os conceitos básicos e as práticas operacionais Logística Reversa Uma visão sobre os conceitos básicos e as práticas operacionais Introdução Leonardo Lacerda Usualmente pensamos em logística como o gerenciamento do fluxo de materiais do seu ponto de

Leia mais

Evolução do Desempenho Logístico no Varejo Virtual do Brasil

Evolução do Desempenho Logístico no Varejo Virtual do Brasil Evolução do Desempenho Logístico no Varejo Virtual do Brasil Leonardo Uehara 1. O e-commerce e a Logística Muitas controvérsias surgem quando se fala no futuro do e-commerce no Brasil. Raríssimas empresas

Leia mais

Poucas inovações na história da humanidade reúnem tantos benefícios potenciais quanto o Comércio Eletrônico (também conhecido como e-commerce).

Poucas inovações na história da humanidade reúnem tantos benefícios potenciais quanto o Comércio Eletrônico (também conhecido como e-commerce). Poucas inovações na história da humanidade reúnem tantos benefícios potenciais quanto o Comércio Eletrônico (também conhecido como e-commerce). A natureza global da tecnologia, a oportunidade de atingir

Leia mais

Operadores Logísticos : uma tendência nos sistemas de distribuição das empresas brasileiras?

Operadores Logísticos : uma tendência nos sistemas de distribuição das empresas brasileiras? Operadores Logísticos : uma tendência nos sistemas de distribuição das empresas brasileiras? Introdução O Contexto econômico do mundo globalizado vem sinalizando para as empresas que suas estratégias de

Leia mais

MARKETING NA INTERNET

MARKETING NA INTERNET MARKETING NA INTERNET HUGO HOCH CONSULTOR DE MARKETING ER. BAURU SEBRAE-SP hugoh@sebraesp.com.br Marketing na Internet O que é? o Marketing na Internet, também referido como: i-marketing, web marketing,

Leia mais

E-BUSINESS AGENDA. Profª. Kelly Hannel

E-BUSINESS AGENDA. Profª. Kelly Hannel E-BUSINESS Profª. Kelly Hannel AGENDA Evolução da internet nos negócios Conceitos de E-BUSINESS e COMÉRCIO ELETRÔNICO Identificando tendências do E-BUSINESS Quadro das interações possíveis no meio eletrônico

Leia mais

Aula 7 Aplicações e questões do Comércio Eletrônico.

Aula 7 Aplicações e questões do Comércio Eletrônico. Aula 7 Aplicações e questões do Comércio Eletrônico. TENDÊNCIAS NO COMÉRCIO ELETRÔNICO Atualmente, muitos negócios são realizados de forma eletrônica não sendo necessário sair de casa para fazer compras

Leia mais

ERP Enterprise Resourse Planning Sistemas de Gestão Empresarial

ERP Enterprise Resourse Planning Sistemas de Gestão Empresarial ERP Enterprise Resourse Planning Sistemas de Gestão Empresarial Prof. Pedro Luiz de O. Costa Bisneto 14/09/2003 Sumário Introdução... 2 Enterprise Resourse Planning... 2 Business Inteligence... 3 Vantagens

Leia mais

GUIA DEFINITIVO DE ERP PARA COMÉRCIO VAREJISTA

GUIA DEFINITIVO DE ERP PARA COMÉRCIO VAREJISTA GUIA DEFINITIVO DE ERP PARA COMÉRCIO VAREJISTA SUMÁRIO >> Introdução... 3 >> Como saber o momento certo para investir em um ERP?... 6 >> Como um sistema ERP pode me ajudar na prática?... 11 >> O que preciso

Leia mais

Sistemas de Apoio. Prof.: Luiz Mandelli Neto. Sistemas de Apoio. ERP (Enterprise Resource Planning) PLANEJAMENTO DE RECURSOS EMPRESARIAIS

Sistemas de Apoio. Prof.: Luiz Mandelli Neto. Sistemas de Apoio. ERP (Enterprise Resource Planning) PLANEJAMENTO DE RECURSOS EMPRESARIAIS Sistemas de Apoio Prof.: Luiz Mandelli Neto Sistemas de Apoio ERP (Enterprise Resource Planning) PLANEJAMENTO DE RECURSOS EMPRESARIAIS Mapa de TI da cadeia de suprimentos Estratégia Planejamento Operação

Leia mais

Marketing de Relacionamento e CRM Dr. Manoel Veras

Marketing de Relacionamento e CRM Dr. Manoel Veras Marketing de Relacionamento e CRM Dr. Manoel Veras Introdução Os Desafios dos Negócios Nova Era Proliferação de ofertas Mercados saturados Taxas de respostas decrescentes Custos de aquisição de clientes

Leia mais

MARKETING MARKETING TRADICIONAL MARKETING ATUAL DEVIDO AO PANORAMA DO MERCADO, AS EMPRESAS BUSCAM: ATRAÇÃO E RETENÇÃO DE CLIENTES

MARKETING MARKETING TRADICIONAL MARKETING ATUAL DEVIDO AO PANORAMA DO MERCADO, AS EMPRESAS BUSCAM: ATRAÇÃO E RETENÇÃO DE CLIENTES MARKETING Mercado Atual Competitivo Produtos / Serviços equivalentes Globalizado Conseqüências Infidelidade dos clientes Consumidores mais exigentes Desafio Conquistar clientes fiéis MARKETING TRADICIONAL

Leia mais

CRM. Customer Relationship Management

CRM. Customer Relationship Management CRM Customer Relationship Management CRM Uma estratégia de negócio para gerenciar e otimizar o relacionamento com o cliente a longo prazo Mercado CRM Uma ferramenta de CRM é um conjunto de processos e

Leia mais

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E Prof. Marcelo Mello Unidade III DISTRIBUIÇÃO E TRADE MARKETING Canais de distribuição Canal vertical: Antigamente, os canais de distribuição eram estruturas mercadológicas verticais, em que a responsabilidade

Leia mais

Apostila. Comércio Eletrônico. e-commerce. Professor: Edson Almeida Junior. Comércio Eletrônico

Apostila. Comércio Eletrônico. e-commerce. Professor: Edson Almeida Junior. Comércio Eletrônico Apostila Comércio Eletrônico e-commerce Professor: Edson Almeida Junior Material compilado por Edson Almeida Junior Disponível em http://www.edsonalmeidajunior.com.br MSN: eajr@hotmail.com E-Mail: eajr@hotmail.com

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Comercial. CRM e AFV

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Comercial. CRM e AFV Bloco Comercial CRM e AFV Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre os Módulos CRM e AFV, que fazem parte do Bloco Comercial. Todas informações aqui disponibilizadas foram retiradas

Leia mais

CEA439 - Gestão da Tecnologia da Informação

CEA439 - Gestão da Tecnologia da Informação CEA439 - Gestão da Tecnologia da Informação Janniele Aparecida Como uma empresa consegue administrar toda a informação presente nesses sistemas? Não fica caro manter tantos sistemas diferentes? Como os

Leia mais

LOGÍSTICA. Curso: Gestão Comercial Prof. Daniel Rossi 1.0 UMA FUNÇÃO ESSENCIAL NA EMPRESA

LOGÍSTICA. Curso: Gestão Comercial Prof. Daniel Rossi 1.0 UMA FUNÇÃO ESSENCIAL NA EMPRESA Curso: Gestão Comercial Prof. Daniel Rossi LOGÍSTICA 1.0 UMA FUNÇÃO ESSENCIAL NA EMPRESA O conceito de Logística sempre envolve um fluxo de materiais de uma origem ou destino e, no outro sentido, um fluxo

Leia mais

Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex...

Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex... Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex... (/artigos /carreira/comopermanecercalmosob-pressao /89522/) Carreira Como permanecer calmo sob pressão (/artigos/carreira/como-permanecer-calmosob-pressao/89522/)

Leia mais

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 141 A LOGÍSTICA COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO Douglas Fernandes 1, Josélia Galiciano Pedro 1 Docente do Curso Superior

Leia mais

Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação

Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação INSTITUTO VIANNA JÚNIOR LTDA FACULDADES INTEGRADAS VIANNA JÚNIOR Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação Lúcia Helena de Magalhães 1 Teresinha Moreira de Magalhães 2 RESUMO Este artigo traz

Leia mais

Universidade Cruzeiro do Sul. Campus Virtual Unidade I: Unidade: Gerenciamento de Marketing e Vendas

Universidade Cruzeiro do Sul. Campus Virtual Unidade I: Unidade: Gerenciamento de Marketing e Vendas Universidade Cruzeiro do Sul Campus Virtual Unidade I: Unidade: Gerenciamento de Marketing e Vendas 2010 0 Unidade: Gerenciamento de Marketing e Vendas É necessário o entendimento de como os produtos chegam

Leia mais

01/12/2009 BUSINESS INTELLIGENCE. Agenda. Conceito. Segurança da Informação. Histórico Conceito Diferencial Competitivo Investimento.

01/12/2009 BUSINESS INTELLIGENCE. Agenda. Conceito. Segurança da Informação. Histórico Conceito Diferencial Competitivo Investimento. BUSINESS INTELLIGENCE Agenda BI Histórico Conceito Diferencial Competitivo Investimento Segurança da Objetivo Áreas Conceito O conceito de Business Intelligencenão é recente: Fenícios, persas, egípcios

Leia mais

LOGÍSTICA GLOBAL. Sistemas de Logística EDI, MRP e ERP.

LOGÍSTICA GLOBAL. Sistemas de Logística EDI, MRP e ERP. LOGÍSTICA GLOBAL Sistemas de Logística EDI, MRP e ERP. EDI Intercâmbio Eletrônico de Dados Introdução O atual cenário econômico é marcado por: a) intensa competitividade, b) pela necessidade de rápida

Leia mais

GESTÃO DO NÍVEL DE SERVIÇO E SEGMENTAÇÃO DE MERCADO PARA DIFERENCIAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RH. PROFa. EVELISE CZEREPUSZKO

GESTÃO DO NÍVEL DE SERVIÇO E SEGMENTAÇÃO DE MERCADO PARA DIFERENCIAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RH. PROFa. EVELISE CZEREPUSZKO GESTÃO DO NÍVEL DE SERVIÇO E SEGMENTAÇÃO DE MERCADO PARA DIFERENCIAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RH PROFa. EVELISE CZEREPUSZKO O QUE É NÍVEL DE SERVIÇO LOGÍSTICO? É a qualidade com que o fluxo de bens e serviços

Leia mais

Recursos Humanos Prof. Angelo Polizzi. Logística Empresarial e Sistema Integrado. Objetivos do Tema. Logística

Recursos Humanos Prof. Angelo Polizzi. Logística Empresarial e Sistema Integrado. Objetivos do Tema. Logística Recursos Humanos Prof. Angelo Polizzi e Sistema Integrado Objetivos do Tema Apresentar: Uma visão da logística e seu desenvolvimento com o marketing. A participação da logística como elemento agregador

Leia mais

Sistemas de Informações

Sistemas de Informações Sistemas de Informações Prof. Marco Pozam- mpozam@gmail.com A U L A 0 5 Ementa da disciplina Sistemas de Informações Gerenciais: Conceitos e Operacionalização. Suporte ao processo decisório. ERP Sistemas

Leia mais

SISTEMAS DE AUTOMAÇÃO

SISTEMAS DE AUTOMAÇÃO PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br SISTEMAS DE AUTOMAÇÃO Rosenclever Lopes Gazoni Data MACROPROCESSO [1] AUTOMAÇÃO DE ESCRITÓRIO/COMERCIAL: Correio eletrônico; vídeo texto; vídeo conferência; teleconferência;

Leia mais

Logística Reversa Meio-ambiente e Produtividade

Logística Reversa Meio-ambiente e Produtividade Logística Reversa Meio-ambiente e Produtividade Carla Fernanda Mueller, carla@deps.ufsc.br 1. Introdução O ciclo dos produtos na cadeia comercial não termina quando, após serem usados pelos consumidores,

Leia mais

Unidade III PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE. Prof. Luís Rodolfo

Unidade III PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE. Prof. Luís Rodolfo Unidade III PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Luís Rodolfo Vantagens e desvantagens de uma rede para a organização Maior agilidade com o uso intenso de redes de computadores; Grandes interações

Leia mais

Crescendo e Inovando com um Parceiro Confiável de Suporte

Crescendo e Inovando com um Parceiro Confiável de Suporte IBM Global Technology Services Manutenção e suporte técnico Crescendo e Inovando com um Parceiro Confiável de Suporte Uma abordagem inovadora em suporte técnico 2 Crescendo e Inovando com um Parceiro Confiável

Leia mais

Logística Reversa Meio-ambiente e Produtividade

Logística Reversa Meio-ambiente e Produtividade 1. Introdução O ciclo dos produtos na cadeia comercial não termina quando, após serem usados pelos consumidores, são descartados. Há muito se fala em reciclagem e reaproveitamento dos materiais utilizados.

Leia mais

Boas-vindas ao Comércio Eletrônico. André Lucena Diretor de Negócios e Operaçoes Jan.2014

Boas-vindas ao Comércio Eletrônico. André Lucena Diretor de Negócios e Operaçoes Jan.2014 Boas-vindas ao Comércio Eletrônico André Lucena Diretor de Negócios e Operaçoes Jan.2014 SOBRE A TRAY Sobre a Tray + 10 anos de atuação em e-commerce + 4.500 lojas virtuais + 3MM pedidos processados em

Leia mais

Pesquisa sobre a integração da Logística com o Marketing em empresas de grande porte

Pesquisa sobre a integração da Logística com o Marketing em empresas de grande porte III SEGeT Simpósio de Excelência em Gestão e Tecnologia 1 Pesquisa sobre a integração da Logística com o Marketing em empresas de grande porte Alexandre Valentim 1 Heloisa Nogueira 1 Dário Pinto Junior

Leia mais

Importância da Logística. O lugar da Logística nas Empresas. Custos Logísticos são significativos

Importância da Logística. O lugar da Logística nas Empresas. Custos Logísticos são significativos IMPORTÂNCIA DA LOGÍSTICA Importância da Logística O lugar da Logística nas Empresas A logística diz respeito à criação de valor; O valor em logística é expresso em termos de tempo e lugar. Produtos e serviços

Leia mais

Os novos usos da tecnologia da informação na empresa

Os novos usos da tecnologia da informação na empresa Os novos usos da tecnologia da informação na empresa Internet promoveu: Transformação Novos padrões de funcionamento Novas formas de comercialização. O maior exemplo desta transformação é o E- Business

Leia mais

Unidade IV. Marketing. Profª. Daniela Menezes

Unidade IV. Marketing. Profª. Daniela Menezes Unidade IV Marketing Profª. Daniela Menezes Comunicação (Promoção) Mais do que ter uma ideia e desenvolver um produto com qualidade superior é preciso comunicar a seus clientes que o produto e/ ou serviço

Leia mais

Sociedade e Tecnologia

Sociedade e Tecnologia Unidade de Aprendizagem 15 Empresas em Rede Ao final desta aula você será capaz de inovações influenciam na competitividade das organizações, assim como compreender o papel da Inteligência Competitiva

Leia mais

ASPECTOS FUNDAMENTAIS DO PROBLEMA DE LOCALIZAÇÃO DE INSTALAÇÕES EM REDES LOGÍSTICAS

ASPECTOS FUNDAMENTAIS DO PROBLEMA DE LOCALIZAÇÃO DE INSTALAÇÕES EM REDES LOGÍSTICAS ASPECTOS FUNDAMENTAIS DO PROBLEMA DE LOCALIZAÇÃO DE INSTALAÇÕES EM REDES LOGÍSTICAS Data: 10/03/2001 Peter Wanke INTRODUÇÃO Localizar instalações ao longo de uma cadeia de suprimentos consiste numa importante

Leia mais

Prof. Jean Cavaleiro. Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA:

Prof. Jean Cavaleiro. Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA: Prof. Jean Cavaleiro Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA: PRODUÇÃO E COMÉRCIO Introdução Entender a integração logística. A relação produção e demanda. Distribuição e demanda. Desenvolver visão sistêmica para

Leia mais

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS Esta seção apresenta alguns dos problemas da gestão da cadeia de suprimentos discutidos em mais detalhes nos próximos capítulos. Estes problemas

Leia mais

LOGÍSTICA 1. Nubia Aparecida dos Reis Souza 2 RESUMO

LOGÍSTICA 1. Nubia Aparecida dos Reis Souza 2 RESUMO 1 LOGÍSTICA 1 Nubia Aparecida dos Reis Souza 2 RESUMO Versa o presente artigo sobre logística e suas aplicabilidades no mundo moderno. A logística foi criada para suprir necessidades durante a Segunda

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO DE UM COMÉRCIO ELETRÔNICO

CLASSIFICAÇÃO DE UM COMÉRCIO ELETRÔNICO CLASSIFICAÇÃO DE UM COMÉRCIO ELETRÔNICO Classificação dos Tipos de CE Consumidor Empresa Governo Consumidor Empresa Governo CLASSIFICAÇÃO DO CE Business-to-business (empresa-empresa - B2B): Modelo de CE

Leia mais

Sistemas Integrados de Gestão Empresarial

Sistemas Integrados de Gestão Empresarial Universidade Federal do Vale do São Francisco Curso de Administração Tecnologia e Sistemas de Informação - 05 Prof. Jorge Cavalcanti jorge.cavalcanti@univasf.edu.br www.univasf.edu.br/~jorge.cavalcanti

Leia mais

1- O que é um Plano de Marketing?

1- O que é um Plano de Marketing? 1- O que é um Plano de Marketing? 2.1-1ª etapa: Planejamento Um Plano de Marketing é um documento que detalha as ações necessárias para atingir um ou mais objetivos de marketing, adaptando-se a mudanças

Leia mais

Processamento de Pedidos na Mira Transportes

Processamento de Pedidos na Mira Transportes Processamento de Pedidos na Mira Transportes Sumário 1 Apresentação da empresa... 3 1.1 Histórico... 3 1.2 Diferenciais... 3 2 Processamento de pedidos: revisão teórica... 4 2.1 Preparação... 4 2.2 Transmissão...

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO DE UM COMÉRCIO ELETRÔNICO

CLASSIFICAÇÃO DE UM COMÉRCIO ELETRÔNICO CLASSIFICAÇÃO DE UM COMÉRCIO ELETRÔNICO Classificação dos Tipos de CE Consumidor Empresa Governo Consumidor Empresa Governo CLASSIFICAÇÃO DO CE Business-to-business (empresa-empresa - B2B): Modelo de CE

Leia mais

FUND DE SI SISTEMAS INTEGRADOS ERP SCM CRM

FUND DE SI SISTEMAS INTEGRADOS ERP SCM CRM FUND DE SI SISTEMAS INTEGRADOS ERP SCM CRM 5/5/2013 1 ERP ENTERPRISE RESOURCE PLANNING 5/5/2013 2 1 Os SI nas organizações 5/5/2013 3 Histórico Os Softwares de SI surgiram nos anos 60 para controlar estoque

Leia mais

INFORMÁTICA APLICADA À CONTABILIDADE

INFORMÁTICA APLICADA À CONTABILIDADE PONTIFICIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE CAMPINAS Curso de Contabilidade INFORMÁTICA APLICADA À CONTABILIDADE Prof. Francisco José Lopes Rodovalho Gerência do Relacionamento com o Cliente CRM CUSTOMER RELATIONSHIP

Leia mais

A IMPORTANCIA DO CUSTEIO NA CADEIA DE SUPRIMENTOS COMO VANTAGEM COMPETITIVA: CASO LOGÍSTICO EM MORRINHOS/CE.

A IMPORTANCIA DO CUSTEIO NA CADEIA DE SUPRIMENTOS COMO VANTAGEM COMPETITIVA: CASO LOGÍSTICO EM MORRINHOS/CE. A IMPORTANCIA DO CUSTEIO NA CADEIA DE SUPRIMENTOS COMO VANTAGEM COMPETITIVA: CASO LOGÍSTICO EM MORRINHOS/CE. Jander Neves 1 Resumo: Este artigo foi realizado na empresa Comercial Alkinda, tendo como objetivo

Leia mais

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza edwin@engenharia-puro.com.br www.engenharia-puro.com.br/edwin Nível de Serviço ... Serviço ao cliente é o resultado de todas as atividades logísticas ou do

Leia mais

Gestão de Negócios. Unidade III FUNDAMENTOS DE MARKETING

Gestão de Negócios. Unidade III FUNDAMENTOS DE MARKETING Gestão de Negócios Unidade III FUNDAMENTOS DE MARKETING 3.1- CONCEITOS DE MARKETING Para a American Marketing Association: Marketing é uma função organizacional e um Marketing é uma função organizacional

Leia mais

- Como utilizar essas medidas para analisar, melhorar e controlar o desempenho da cadeia de suprimentos?

- Como utilizar essas medidas para analisar, melhorar e controlar o desempenho da cadeia de suprimentos? Fascículo 5 A medição do desempenho na cadeia de suprimentos Com o surgimento das cadeias de suprimento (Supply Chain), a competição no mercado tende a ocorrer cada vez mais entre cadeias produtivas e

Leia mais

ERP. Planejamento de recursos empresariais

ERP. Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning -Sistema de Gestão Empresarial -Surgimento por volta dos anos 90 -Existência de uma base de dados

Leia mais

Sistemas de Informação Gerencial SUPPLY CHAIN MANAGEMENT

Sistemas de Informação Gerencial SUPPLY CHAIN MANAGEMENT CIÊNCIAS CONTÁBEIS e ADMINISTRAÇÃO Sistemas de Informação Gerencial SUPPLY CHAIN MANAGEMENT maio/2014 APRESENTAÇÃO Em um ambiente onde a mudança é a única certeza e o número de informações geradas é desmedido,

Leia mais

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU INSTITUTO A VEZ DO MESTRE

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU INSTITUTO A VEZ DO MESTRE UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU INSTITUTO A VEZ DO MESTRE A INFLUÊNCIA DA LOGÍSTICA NO COTIDIANO DAS PESSOAS Por: Carlos Fernando Peres Orientador Prof. Marcelo Saldanha Rio de Janeiro

Leia mais

Estratégia De Diferenciação Competitiva Através Do Marketing De Relacionamento. Profa. Dra. Maria Isabel Franco Barretto

Estratégia De Diferenciação Competitiva Através Do Marketing De Relacionamento. Profa. Dra. Maria Isabel Franco Barretto Estratégia De Diferenciação Competitiva Através Do Marketing De Relacionamento Profa. Dra. Maria Isabel Franco Barretto CURRÍCULO DO PROFESSOR Administradora com mestrado e doutorado em engenharia de produção

Leia mais

Daciane de Oliveira Silva www.daciane.wordpress.com

Daciane de Oliveira Silva www.daciane.wordpress.com Daciane de Oliveira Silva www.daciane.wordpress.com Marketing direto e mediação eletrônica Como a internet criou novos meios de intermediação entre as pessoas e as organizações? O que é marketing direto?

Leia mais

A logística reversa nos centros de distribuição de lojas de departamento

A logística reversa nos centros de distribuição de lojas de departamento A logística reversa nos centros de distribuição de lojas de departamento Gisela Gonzaga Rodrigues (PUC-Rio) giselagonzaga@yahoo.com.br Nélio Domingues Pizzolato (PUC-Rio) ndp@ind.puc-rio.br Resumo Este

Leia mais

O COMÉRCIO ELETRÔNICO NO BRASIL

O COMÉRCIO ELETRÔNICO NO BRASIL O COMÉRCIO ELETRÔNICO NO BRASIL MARCOS MENDES. MBA em Tecnologia da Informação e da Comunicação na Educação (PUC-RS). Docente das Faculdades IESAP e CEAP. Professor das disciplinas Computação Gráfica,

Leia mais

E-commerce Fundamentos

E-commerce Fundamentos E-commerce Fundamentos Flávio Augusto Martins Wanderley Professor flavio@mwan.com.br 1 / 65 Conteúdo desta aula Conceitos. Evolução do comércio eletrônico. Modalidades. O que vem no futuro. 2 / 65 Conceito

Leia mais

O PAPEL DO CONTROLE DE ESTOQUE NA CENTRALIZAÇÃO DE COMPRAS

O PAPEL DO CONTROLE DE ESTOQUE NA CENTRALIZAÇÃO DE COMPRAS O PAPEL DO CONTROLE DE ESTOQUE NA CENTRALIZAÇÃO DE COMPRAS Mauricio João Atamanczuk (UTFPR) atamanczuk@hotmail.com João Luiz Kovaleski (UTFPR) kovaleski@pg.cefetpr.br Antonio Carlos de Francisco (UTFPR)

Leia mais

Sistema Binário. Aula - 10 CRM (Customer Relationship Management Gerenciamento das relações com os clientes ) Faculdades Integradas Campos Salles

Sistema Binário. Aula - 10 CRM (Customer Relationship Management Gerenciamento das relações com os clientes ) Faculdades Integradas Campos Salles Sistema Binário Faculdades Integradas Campos Salles Aula - 10 CRM (Customer Relationship Management Gerenciamento das relações com os clientes ) Carlos Antonio José Oliviero São Paulo - 2012 Sistema Binário

Leia mais

Logística Reversa. Conceito de Logística. Reversa 15/09/2011. Objetivos da aula. e o Meio Ambiente

Logística Reversa. Conceito de Logística. Reversa 15/09/2011. Objetivos da aula. e o Meio Ambiente Logística Reversa e o Meio Ambiente Objetivos da aula 1. Estabelecer as relações entre os canais de distribuição diretos e os canais reversos; 2. Identificar as diferentes categorias de canais de distribuição

Leia mais