Treinamento e desenvolvimento

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Treinamento e desenvolvimento"

Transcrição

1 Treinamento e desenvolvimento Só sei que nada sei. (Sócrates). Treinamento e desenvolvimento de pessoal De maneira bastante simples, podemos dizer que a educação não é um processo de transferência de conhecimentos de A para B, e sim um processo de absorção de informações por parte de B. Treinamento é um processo sistemático para promover a aquisição de habilidades, regras, conceitos ou atitudes que resultem em uma melhoria da adequação entre as características dos empregados e as exigências dos papéis funcionais.... é um processo de assimilação cultural em curto prazo, que objetiva repassar ou reciclar conhecimentos, habilidades ou atitudes relacionados diretamente à execução de tarefas ou otimização do trabalho. (Marras, 2000)... treinamento está voltado para o preparo da pessoa para o cargo que esta irá desempenhar na empresa. (Chiavenato, 1999) Aula 5 pg. 67

2 ... enfatiza que o termo treinamento é empregado com o mesmo sentido dos vocábulos aperfeiçoamento, capacitação, desenvolvimento e formação. (Carvalho, 1997) Desenvolvimento - é o processo de longo prazo para aperfeiçoar as capacidades e motivações dos empregados a fi m de torná-los futuros membros valiosos da organização. O desenvolvimento inclui não apenas o treinamento, mas também a carreira e outras experiências. Processo de aprendizagem Entrada Processo Saída Treinandos Programas de treinamento Conhecimento Recursos Organizacionais Processos de aprendizagem individual Atitudes Habilidades Eficácia organizacional (feedback) Avaliação dos Resultados A importância do desaprender O desaprender implica na revisão contínua dos objetivos da empresa. Aula 5 pg. 68

3 Etapas do treinamento I - Levantamento de necessidades de treinamento (diagnóstico); II - Planejamento do treinamento para atender às necessidades; III - Implementação e execução; IV - Avaliação de resultados; V - Acompanhamento (follow up). I O Levantamento/ diagnóstico das necessidades de treinamento Diagnóstico: é a etapa do planejamento que delimita responsabilidades e analisa o alcance da intervenção. Formas para se levantar necessidades de treinamento -LNT a) Entrevista com empregados b) Observação c) Pesquisa de atitudes d) Questionários e) Discussões de Grupos Avaliação de Desempenho. Também podem ser fontes para avaliação de necessidades de treinamento as Entrevistas de Saída e os Testes de Habilidades. Veja um exemplo de diagnóstico das necessidades de treinamento: Aula 5 pg. 69

4 DIAGNÓSTICO DAS NECESSIDADES DE TREINAMENTO Data / / Nome da área Gerência Responsável Cargo Nº de Funcionários Objetivo: Identifi car difi culdades de desempenho atribuídos a necessidades de treinamento e com isso coletar dados que forneçam subsídios para elaboração de Programas de Treinamento e/ ou difi culdades relacionadas ao fl uxograma: rotinas de atividade, recursos materiais, humanos e outros. As informações contidas no questionário são de grande importância para colaborarmos no alcance dos objetivos dessa área no que se refere à melhoria e qualifi cação dos funcionários e execução de suas tarefas. Aspectos Específicos: 1. Quais são as principais atividades desenvolvidas na área? 2. Como têm sido os resultados de sua área? 3. Que fatores estão interferindo na obtenção desses resultados? 4. Quais os objetivos que você, enquanto responsável da área, pretende alcançar no próximo ano? 5. As condições atuais permitem o alcance desses objetivos? a) Em caso negativo, quais aspectos não permitem esse alcance, e o que pode ser feito para solucioná-los? 6. Você é prontamente atendido pelas demais ares da empresa? Comente. Conhecimentos: 7. Como tem sido a situação dos seus funcionários em termos técnicos/ desempenho? 8. Os funcionários, quando falham, assumem as falhas? Como isto ocorre? 9. Existem falhas quanto a acatar ordens e respeitar as hierarquias? 10. Indique os conhecimentos necessários que os funcionários devem ter para atingir os resultados de sua área. 11. Os funcionários já possuem e/ ou dominam esses conhecimentos? Habilidades: 12. Como ocorre a transmissão de ordens entre os encarregados e seus funcionários? Atitudes: 13. Analise a interação de seus funcionários no ambiente de trabalho (relacionamento interpessoal) Funcionários X Funcionários / Funcionário X Chefi a. 14. De que forma é observada a comunicação e cooperação? 15. Ocorre absenteísmo no grupo de trabalho? Por quê? 16. É observado interesse dos funcionários pelo trabalho? 17. Existem queixas? Quais? 18. Como são apresentadas e discutidas essas queixas? 19. Na sua opinião, qual a causa para o que está havendo? 20. Você tem alguma sugestão para solucionar a situação? Qual(is)? 21. Das necessidades que você percebe no seu setor, o que é para você prioritário em termos de Treinamento? 22. Quais são as expectativas em relação a esse treinamento? 23. Quais pontos devem ser enfatizados? 24. Com base nestas respostas, relacione em ordem de prioridade os aspectos gerais que devem ser observados em sua área. Aula 5 pg. 70

5 Principais tipos de treinamentos Formação - conhecimentos novos para formação profi ssional. Especialização - ampliação de conteúdos já conhecidos com novos conhecimentos. Aperfeiçoamento - melhoria de conteúdos já vistos. Integração - conteúdos novos com intenção da interação. Desenvolvimento - O objetivo é o crescimento profi ssional e individual. Seu conteúdo é novo ou já conhecido em parte, aprofundando segmentos determinados. Objetivos do treinamento, a função dos objetivos A determinação de objetivos é um momento importante no planejamento, pois sem eles não se sabe bem que rumo tomar. À medida que o instrutor tem mais claros os objetivos, pode buscar conteúdos e metodologias melhores e mais adequadas. A clareza de objetivos abre caminhos, possibilitando idéias criativas; os objetivos, em especial os gerais, dão a direção, revelam valores e motivações. Os objetivos de ensino são geralmente expressos em termos de comportamento esperado dos treinandos. Desta forma, o estabelecimento dos objetivos serve para orientar o instrutor quanto à seleção do conteúdo, escolha de estratégias de ensino e elaboração de instrumentos para avaliação do desempenho do treinando e do seu próprio. E também serve para orientar o treinando acerca do que dele se espera nesse curso, de sua utilidade, e ainda, em relação ao que será objeto de avaliação. Defi nir objetivos signifi ca defi nir a aprendizagem do treinando, bem como tudo o que deverá ser feito para torná-la mais fácil, agradável e signifi cativa. Aula 5 pg. 71

6 Objetivos gerais e específicos É comum classifi car os objetivos em gerais e específi cos. Os primeiros têm um caráter fi nalístico, referem-se àquilo que o aluno será capaz de fazer após a conclusão da disciplina ou do curso.. Compreender. Defi nir. Conscientizar. Citar. Saber. Identifi car Pretenção de Aprender Referencial é quem está recebendo a instrução Apontar. Gostar. Comparar. Entender. Sublinhar. Acreditar. Grifar Devem: Ser realistas, nada de fantasia; Ser exeqüíveis; Estar delimitados no tempo; Descrever, com precisão, o seu estado fi nal; Não aceitar adjetivações; Não ser compatíveis com advérbios; Conter os critérios de sua medida; Não suportar o sub ou super dimensionamentos; Conter algum desafi o; Ser descritos com economia de palavras. Aula 5 pg. 72

7 II Planejamento do Treinamento Após o levantamento das necessidades, inicia-se o Planejamento, indicando os seguintes dados: Para que treinar Objetivos e resultados esperados Quem deve ser treinado Treinandos Quem vai treinar Instrutor(es) Em que treinar Assunto ou conteúdo de treinamento Onde treinar Local físico Como treinar Métodos de treinamento e/ ou recursos necessários Quando treinar Época do treinamento e horário Quanto treinar Carga horária Técnicas de Treinamento Quanto ao uso Orientadas para o conteúdo. Orientadas para o processo. Mistas (conteúdo e processo). Leitura, instrução programada, instrução assistida por computador. Dramatização, treinamento da sensitividade, desenvolvimento de grupos. Estudos de casos, jogos e simulações, conferências e várias técnicas on the job. Aula 5 pg. 73

8 Quanto ao tempo (época) Quanto ao local Antes do ingresso na empresa. Após o ingresso na empresa. No local de trabalho. Fora do local de trabalho. Extraído de Chiavenato (1999) Programa de indução ou de integração à empresa. Treinamento no local (em serviço) ou fora do local de trabalho. Treinamento em tarefas, rodízio de cargos, enriquecimento de cargos. Aulas, fi lmes, painéis, casos, dramatização, debates, simulações, jogos. As técnicas a ser utilizadas pelos instrutores na aplicação de módulos de treinamento variam conforme a situação, o objetivo do treinamento, o grupo de treinados, etc. Contudo, as técnicas mais empregadas são as seguintes: Aula expositiva Estudo de casos Dramatização Workshop Brainstorming (tempestade de idéias) Simulação Painel Simpósio Palestra Conferência Aula 5 pg. 74

9 III Implementação e Execução Direcionamento do treinamento 1. Treinamento orientado para o conteúdo 2. Treinamento orientado para o processo 3. Treinamento à época do ingresso ao trabalho A execução, efi cácia, efi ciência e efetividade do treinamento dependerá dos seguintes fatores: 1. Adequação do programa às necessidades da organização 2. Qualidade de material de treinamento apresentado 3. Cooperação dos chefes e dirigentes da empresa 4. Capacidade, competência e preparo dos instrutores 5. Perfi l dos treinandos IV Avaliação dos Resultados De acordo com Donald Kilpatrick, os resultados dos projetos de treinamento devem ser analisados em 4 fases: 1. avaliação da reação 2. avaliação da aprendizagem 3. avaliação da mudança de comportamento 4. avaliação dos resultados Aula 5 pg. 75

10 Outros autores afi rmam que é possível avaliar um programa de treinamento sob dois aspectos: 1. da efi ciência (meios) 2. da efi cácia (fi ns) É indispensável na avaliação de efi cácia a defi nição dos resultados que são esperados. Para tanto, o próprio levantamento de necessidades deverá apontar a diferença entre o desempenho real e o desempenho desejado. Portanto, começa-se a preparar a avaliação de efi cácia no momento do levantamento de necessidades. Etapas de desenvolvimento da avaliação da eficácia de programas Situação anterior ao Treinamento Situação de ttreinamento Situação após o Treinamento Levantamento do que é real Levantamento do que é esperado Execução do Programa Avaliação das modifi cações efetivas no comportamento dos treinandos em situação de trabalho testes objetivos observação análise de produtos entrevistas auto-avaliação entrevistas reuniões (simulações) questionários testes dos pré-requisitos teste do comportamento de entrada vários instrumentos durante a execução do programa teste do comportamento de saída análise dos resultados observação testes objetivos auto-avaliação questionário entrevistas Aula 5 pg. 76

11 V Acompanhamento (follow up) A importância de o treinamento não terminar com o último encontro, mas continuar como um programa. Curva de aprendizagem Strauss e Sayles fase desalentadora fase dos resultados cada vez maiores falso patamar (curva estanca, mas não é o fi nal da aprendizagem) ápice dos conhecimentos período do retreinamento (fase do feedback, reciclagem dos conhecimentos adquiridos) Principais causas de falhas em treinamentos Falta de comprometimento da alta direção com o investimento. Falta de foco do investimento nas reais necessidades e problemas. Falta de vínculo do investimento como planejamento estratégico da empresa (desarticulação entre os setores para atendimento das metas). Difi culdades de mensuração do custo/ benefício dos investimentos (mentalidade fi nancista). Aula 5 pg. 77

12 Custo do Treinamento a) Custo total = custos diretos + custos indiretos Ct = Cd + Ci Custos diretos = material didático, aluguel da sala, horas do instrutor, ajudas de custo, aluguel de retroprojetor, data show, coffee break etc. Custos indiretos = encargos sociais, honorários de consultor, impostos taxas. módulo b) Custo homem-hora = Despesas totais/ Total de treinandos X Total de horas do c) Custo per capita = Despesas totais/ Total de treinandos Andragogia = arte e ciência de orientar adultos a aprender Características da Aprendizagem Rel. Prof./ Aluno Pedagogia Professor é o centro das ações, decide o que ensinar, como ensinar e avalia a aprendizagem. Andragogia A aprendizagem adquire uma característica mais centrada no aluno, na independência e na autogestão da aprendizagem. Razões da Aprendizagem Crianças (ou adultos) devem aprender o que a sociedade espera que saibam (seguindo um currículo padronizado). Pessoas aprendem o que realmente precisam saber (aprendizagem para a aplicação prática na vida diária). Aula 5 pg. 78

13 Experiência do Aluno Orientação da aprendizagem O ensino é didático, padronizado e a experiência do aluno tem pouco valor. Aprendizagem por assunto ou matéria. A experiência é rica fonte de aprendizagem, através da discussão e da solução de problemas em grupo. Aprendizagem baseada em problemas, exigindo ampla gama de conhecimentos para se chegar à solução. Competências do instrutor - atividades delimitadas pelas ações de treinamento: a preparação do curso, atuação, processos de avaliação e de informação sobre o treinamento como referencial para: 1. selecionar candidatos para a função de instrutor; 2. desenvolver descrição das atribuições do instrutor; 3. identifi car as necessidades de desenvolvimento profi ssional dos instrutores; 4. desenvolver e selecionar curso ou currículo para treinamento de instrutores; 5. avaliar a qualidade da instrutoria. COACH - papel do técnico, profi ssional que treina times de futebol ou basquete. Ele detecta as discrepâncias entre a realidade de um profi ssional e aonde este deve chegar, e passa a dar subsídios para que supere as difi culdades. Durante muito tempo o coaching foi uma atividade voltada para executivos, de meia idade muitas vezes, que por motivos de fusão ou mesmo alterações na estrutura da organização viam-se à margem em seu papel profi ssional. O coaching é diferente do treinamento nos seguintes aspectos: 1) o treinamento geralmente é dirigido a um grupo, enquanto o coaching é Aula 5 pg. 79

14 individual; 2) o treinamento trabalha com objetivos defi nidos e operacionais; no coaching os objetivos são defi nidos ao longo do processo; 3) o coaching exige um relacionamento mais franco e intenso do que o treinamento. MENTORING - semelhante ao coaching, mas restrito aos empregados cujo potencial é visto como promissor mas que precisam de ajuda para alcançar o desempenho desejado. Gestão do Conhecimento - e-learning Learning Organizations - aprendizagem organizacional ou a organização de aprendizado. A palavra-chave é o desafi o. A partir do momento que você busca desafi os constantes você está buscando o aprendizado. Introdução O conceito de learning organizations foi estudado e popularizado por Peter Senge em seu livro A Quinta Disciplina. As learning organizations são organizações aprendizes, capazes de se renovar e inovar continuamente. Segundo Senge, esta proposta é resultado de 5 componentes que se desenvolvem separadamente: Raciocínio Sistêmico - você estar fazendo um trabalho e saber que ele tem uma relação com o todo da empresa (Financeiro, Contábil, Recursos Humanos, etc.). Domínio Pessoal - consiste em esclarecer e aprofundar continuamente nosso objetivo pessoal, concentrar energias, etc. Este item é a base espiritual da organização de aprendizagem. Aula 5 pg. 80

15 Conscientização dos modelos mentais enraizados - trazer à tona os modelos e expô-los. Definição de um objetivo comum - reunir as pessoas com um único intuito, voltado para a missão da empresa. Disciplina do aprendizado em grupo - o aprendizado está no grupo, não no indivíduo. Para que a aprendizagem seja alcançada, há a necessidade de que haja um processo contínuo e integrado entre estes 5 componentes, sanando as defi ciências de aprendizagem. Desde sua aplicação, a organização de aprendizado tornou-se uma palavra familiar e muito atraente para as empresas. Invoca a imagem de grupos de pessoal dedicadas a um aumento de inteligência, entendimento e capacidade. A Velha Escola Na maior parte do período pós-guerra quase todo o aprendizado dentro de uma organização era feito pela alta administração, que lutava com as questões administrativas mais profundas, investigava a fi nalidade e essência da empresa, equilibrava as forças em luta, abria novos caminhos para técnicas administrativas e fazia a maior parte do pensamento da empresa. O pessoal no topo pensa e o resto do pessoal age, este era o ditado. Alta Administração Aplicação Organizacional Aula 5 pg. 81

16 Esta divisão funcionou bem enquanto as pessoas no topo estavam realmente aprendendo. No entanto, os altos executivos passaram a achar que já eram possuidores de todo conhecimento e que não precisavam saber de mais nada. Com isso eles foram perdendo campo no mercado e verifi caram que somente o aprendizado e a reciclagem em grupo é que levam o crescimento da empresa. De nada adianta a alta administração ter e receber o aprendizado se este não é aplicado e passado para os demais da organização. Sem o indivíduo não há organização. A organização não pode ser separada do indivíduo, mas os indivíduos podem ser separados da organização. A Proposta A proposta das learning organizations não defende a criação de um novo modelo de gestão. Na verdade se baseia no resgate de uma premissa básica, a do aprendizado pela experiência. A busca de uma cultura que valorize e promova a aprendizagem contínua é uma realidade, pois, devido à crescente complexidade das operações das empresas, fazse necessária a constante busca desta aprendizagem. A learning não é uma nova teoria, pois a aprendizagem é constantemente abordada através de vários enfoques na área de Administração, principalmente quando se fala em motivação e trabalho em equipe, liderança, cultura organizacional, administração participativa e até mesmo na didática de ensino. As organizações que não podem aprender não podem mudar. As organizações que podem aprender podem transformar-se em novas entidades capazes de realizações maiores. Aula 5 pg. 82

17 Inteligências Múltiplas Howard Gardner A inteligência é algo difícil de mensurar; temos inteligências diversifi cadas, e umas mais evidenciadas do que outras. Nossa cultura, porém, valoriza por demais a inteligência lógico-matemática e ser inteligente geralmente está associado a um desempenho muito bom em áreas ligadas a este tipo de inteligência.porém o fato de não termos habilidades em uma determinada área não signifi ca que não sejamos inteligentes. A teoria foi elaborada a partir dos anos 80 por pesquisadores da universidade norte-americana de Harvard, liderados pelo psicólogo Howard Gardner. Teve origem no acompanhamento e desempenho profi ssional de pessoas que haviam sido alunos fracos. Gardner se surpreendeu com o sucesso obtido por vários deles. Passou então a questionar a avaliação escolar, cujos critérios não incluem a análise de capacidades que são importantes na vida das pessoas. Conclui que as formas convencionais de avaliação apenas traduzem a concepção de inteligência vigente na escola, limitada à valorização das competências lógico-matemática e lingüística. Gardner demonstrou, porém, que as demais faculdades também são produto de processos mentais e que não há motivo para diferenciá-las do que geralmente se considera inteligência. Desta forma, ampliou o conceito de inteligência, que em sua opinião pode ser defi - nida como: A capacidade de resolver problemas ou elaborar produtos valorizados em um ambiente cultural ou comunitário. Sete tipos de Inteligência Atualmente defende a classifi cação da habilidade de desenhar como uma oitava inteligência. Aula 5 pg. 83

18 Lógico-matemática: é a inteligência que determina a habilidade para raciocínio dedutivo, além da capacidade para solucionar problemas envolvendo números e demais elementos matemáticos. É a competência mais diretamente associada ao pensamento científi co, portanto, a idéia tradicional de inteligência. Pictórica: é a faculdade de reproduzir, pelo desenho, objetivos e situações reais ou mentais. E também de organizar elementos visuais de forma harmônica, estabelecendo relações estéticas entre elas. Trata-se de uma inteligência que se destaca em pintores, artistas plásticos, ilustradores e chargistas. Musical: é a inteligência que permite a alguém organizar sons de maneira criativa, a partir da discriminação de elementos como tons, timbres e temas. As pessoas dotadas desse tipo de inteligência geralmente não precisam de aprendizado formal para exercêla, como é o caso de muitos famosos da música popular brasileira, e também da erudita. Intrapessoal: é a competência de uma pessoa para conhecer-se e estar bem consigo mesma. Administrando seus sentimentos e emoções a favor de seus projetos. Enfi m, é a capacidade de formar um modelo real de si e utilizá-lo para se conduzir proveitosamente na vida, característica dos indivíduos bem resolvidos, como se diz na linguagem popular. Interpessoal: é a capacidade de uma pessoa dar-se bem com as demais, compreendendo-as, percebendo suas motivações e sabendo como satisfazer suas expectativas emocionais. Esse tipo de inteligência ressalta nos indivíduos de fácil relacionamento pessoal, como líderes de grupos, políticos, terapeutas, professores e animadores de espetáculos. Espacial: é a capacidade de formar um modelo mental preciso de uma situação espacial e utilizar esse modelo para orientar-se entre objetos ou transformar as características de um determinado espaço. Ela é especialmente desenvolvida, por exemplo, em arquitetos, navegadores, pilotos, cirurgiões, engenheiros e escultores. Lingüística: manifesta-se na habilidade para lidar criativamente com as palavras nos diferentes níveis da linguagem, tanto na formal como na escrita, no caso de sociedades letradas. Particularmente notável nos poetas e escritores, é desenvolvida também por oradores, jornalistas, publicitários e vendedores, por exemplo. Corporal-cinestésica: é a inteligência que se revela como uma especial habilidade para utilizar o próprio corpo de diversas maneiras. Envolve tanto o autocontrole corporal quanto a destreza para manipular objetos (cinestesia é o sentido pelo qual percebemos os Aula 5 pg. 84

19 movimentos musculares, o peso e aposição dos membros). Atletas, dançarinos, malabaristas e mímicos têm essa inteligência desenvolvida. Com o envolvimento, as inteligências integram-se: nessas relações está a possibilidade de se explorar uma em favor da outra. É o uso da chamada rota secundária para se alcançar a rota principal de uma determinada inteligência. Por exemplo: se uma criança tem dificuldade para memorizar números, mas é musical, pode-se usar a música como rota secundária para ajudá-la na memorização matemática. Segundo Gardner, excetuando-se os casos de lesões, todos nascem com o potencial das várias inteligências. Diversifi cando as atividades para integrar as inteligências, você dá oportunidade ao indivíduo de olhar várias vezes uma mesma idéia. Devemos ter em mente que os indivíduos podem ter seu próprio jeito de aprender sobre o seu mundo. Seus estilos podem algumas vezes colidir com os nossos. Não podemos ensinar todos os estilos em todos os momentos, mas nós devemos tentar oferecer uma variedade de experiências que permitirão que os indivíduos brilhem no seu estilo particular, enquanto os encorajamos a experimentar outras formas de pensar. Acesse o ambiente virtual de aprendizagem UNINOVE para a leitura de textos complementares. Aula 5 pg. 85

20 Referências BOOG, Gustavo e BOOG, Madalena. Manual de Gestão de Pessoas e Equipes, vol 2. São Paulo: Gente, MARRAS, Jean Pierre. Administração de Recursos Humanos: do operacional ao estratégico. São Paulo: Futura, BRIDGES, Willian, SHIFT, Job. Um mundo sem empregos. São Paulo: Makron Books, Boudreau, John W. e Milkovich, George T. Administração de R. São Paulo: Atlas, CARVALHO, A. Vieira de, NASCIMENTO, Luiz Paulo do. Administração de RH. Vol.1, São Paulo: Pioneira, CHIAVENATO, Idalberto. Gerenciando Pessoas. 2. ed. São Paulo: MCGRAW-Hill do Brasil, 1998, CHIAVENATO, Idalberto. Gestão de Pessoas. O novo papel dos recursos humanos nas organizações. Rio de Janeiro: Campus, DUTRA, Joel de Souza. Gestão de Pessoas - Modelo, Processos, tendências e perspectivas. São Paulo: Atlas, FLEURY, Maria Tereza Leme (org) As pessoas na Organização São Paulo: Gente, LUCENA, Maria Diva da Salete. Planejamento de Recursos Humanos. São Paulo: Atlas, TACHIZAWA Takeshy, FERREIRA Vitor C. Paradela, FORTUNA Antônio A. Mello. Gestão com Pessoas Uma abordagem aplicada às estratégias de negócios. Rio de Janeiro: FGV, RIFKIN, Jeremy, O fi m do Emprego. São Paulo: Makron Books, Aula 5 pg. 86

21 Anotações

22 Anotações

23 Anotações

24 Anotações

Ilca Maria Moya de Oliveira

Ilca Maria Moya de Oliveira Plano de Desenvolvimento Relação Ergonomia e Moda e Educação Corporativa Ilca Maria Moya de Oliveira Segundo Dutra (2004), a preparação para o futuro exige investimentos simultâneos: um na modernização

Leia mais

Gestão de Pessoas. Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho

Gestão de Pessoas. Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Este material é parte integrante da disciplina Gestão de Pessoas, oferecida pela UNINOVE. O acesso às atividades, conteúdos multimídia

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico Etec Etec Paulino Botelho Código: 091 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional: Técnico em Recursos Humanos Qualificação:

Leia mais

A PERCEPÇÃO DOS GESTORES EM RELAÇÃO À IMPLANTAÇÃO DO E-LEARNING: UM ESTUDO EM EMPRESAS EM DIFERENTES ESTÁGIOS DE IMPLANTAÇÃO

A PERCEPÇÃO DOS GESTORES EM RELAÇÃO À IMPLANTAÇÃO DO E-LEARNING: UM ESTUDO EM EMPRESAS EM DIFERENTES ESTÁGIOS DE IMPLANTAÇÃO 1 A PERCEPÇÃO DOS GESTORES EM RELAÇÃO À IMPLANTAÇÃO DO E-LEARNING: UM ESTUDO EM EMPRESAS EM DIFERENTES ESTÁGIOS DE IMPLANTAÇÃO Porto Alegre RS Abril 2010 Bianca Smith Pilla Instituto Federal de Educação,

Leia mais

Filosofia da organização

Filosofia da organização Filosofia da organização Como a filosofia está relacionada à Gestão de Pessoas Filosofia, também chamada de princípios, de uma forma geral, no contexto de Gestão de Pessoas, é a fi losofi a de atuação

Leia mais

13 Teoria das inteligências múltiplas - Conteúdo

13 Teoria das inteligências múltiplas - Conteúdo Introdução Concepções de inteligência Inteligência para Gardner Inteligência e criatividade Tipos de inteligências Inteligência linguística e lógico-matemática Inteligência espacial e corporal-cinestésica

Leia mais

PLANEJAMENTO OPERACIONAL: RECURSOS HUMANOS E FINANÇAS MÓDULO 13

PLANEJAMENTO OPERACIONAL: RECURSOS HUMANOS E FINANÇAS MÓDULO 13 PLANEJAMENTO OPERACIONAL: RECURSOS HUMANOS E FINANÇAS MÓDULO 13 Índice 1. Tecnologia educacional de treinamento...3 2. Dicas: a evolução da tecnologia de treinamento...5 3. EXECUÇÃO DO TREINAMENTO...6

Leia mais

Lição 4 Avaliação na EAD

Lição 4 Avaliação na EAD Estudo e Aprendizado a Distância 89 Após concluir o estudo desta lição, esperamos que você possa: identifi car a fi nalidade de um objetivo de aprendizagem; identifi car o conceito de avaliação da aprendizagem;

Leia mais

O PROCESSO DE RECRUTAMENTO E SELEÇÃO DE PESSOAS PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS RESUMO

O PROCESSO DE RECRUTAMENTO E SELEÇÃO DE PESSOAS PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS RESUMO O PROCESSO DE RECRUTAMENTO E SELEÇÃO DE PESSOAS PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS RESUMO Aline Silveira Rolim 1 O presente trabalho tem como enfoque a apresentação do processo de recrutamento e seleção de

Leia mais

TREINAMENTO COMO FERRAMENTA ESTRATÉGICA PARA O CRESCIMENTO ORGANIZACIONAL.

TREINAMENTO COMO FERRAMENTA ESTRATÉGICA PARA O CRESCIMENTO ORGANIZACIONAL. TREINAMENTO COMO FERRAMENTA ESTRATÉGICA PARA O CRESCIMENTO ORGANIZACIONAL. André Murilo de Souza Cavalcante Resumo: Este artigo estuda as etapas do treinamento e suas características, Desta maneira, o

Leia mais

ABORDANDO OS PROCEDIMENTOS NECESSÁRIOS PARA TREINAMENTO LABORAL

ABORDANDO OS PROCEDIMENTOS NECESSÁRIOS PARA TREINAMENTO LABORAL ABORDANDO OS PROCEDIMENTOS NECESSÁRIOS PARA TREINAMENTO LABORAL Antonia Maria Gimenes 1, Renato Nogueira Perez Avila 2 Cleiton Riz Aleixo 3, Jakeline da Silva 4 Thayane C. Anjos Afonso 5 RESUMO Este estudo

Leia mais

Desenvolvimento de pessoas.

Desenvolvimento de pessoas. Desenvolvimento de pessoas. 2.2 FORMULAÇÃO DE UM PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS Gestão de Pessoas (Antonio Carlos Gil) e Gestão de Pessoas (Idalberto Chiavenato) "Se ensinardes alguma coisa a um

Leia mais

TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO DE TALENTOS

TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO DE TALENTOS "Felizaquelequetransfereo quesabee aprendeo queensina." Cora Coralina Se não sabes, aprende; se já sabes, ensina. Confúcio Tipo de Programa Objetivos Programas de Aperfeiçoamento Melhorar o nível de desempenho

Leia mais

PLANO DE TRABALHO DO PROFESSOR

PLANO DE TRABALHO DO PROFESSOR MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA CAMPUS SANTA ROSA Rua Uruguai, 1675Bairro Central CEP: 98900.000

Leia mais

PERCEPÇÃO DOS GESTORES SOBRE A IMPLANTAÇÃO DO E-LEARNING NA EMPRESA: ESTUDO DE CASO NA PORTO ALEGRE CLÍNICAS

PERCEPÇÃO DOS GESTORES SOBRE A IMPLANTAÇÃO DO E-LEARNING NA EMPRESA: ESTUDO DE CASO NA PORTO ALEGRE CLÍNICAS 1 PERCEPÇÃO DOS GESTORES SOBRE A IMPLANTAÇÃO DO E-LEARNING NA EMPRESA: ESTUDO DE CASO NA PORTO ALEGRE CLÍNICAS Porto Alegre RS Março 2010 Bianca Smith Pilla Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia

Leia mais

Lição 3 Técnicas de Estudo e Aprendizagem a Distância

Lição 3 Técnicas de Estudo e Aprendizagem a Distância Estudo e Aprendizado a Distância 69 Lição 3 Técnicas de Estudo e Aprendizagem a Distância Após concluir o estudo desta lição, esperamos que você possa: associar os estilos de aprendizagem às respectivas

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS

UNIVERSIDADE PAULISTA GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS UNIVERSIDADE PAULISTA GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS Prof. Cassimiro Nogueira Junior PESSOAS CAPITAL HUMANO CAPITAL INTELECTUAL GRAU DE CONHECIMENTO: PRODUTIVOS E RECONHECIDOS

Leia mais

INTELIGÊNCIAS MÚLTIPLAS E APRENDIZAGEM

INTELIGÊNCIAS MÚLTIPLAS E APRENDIZAGEM INTELIGÊNCIAS MÚLTIPLAS E APRENDIZAGEM Tópicos Quem é Howard Gardner O que é Inteligência? Inteligências Múltiplas (IM) IM + Educação Estilos de Aprendizagem QUEM É HOWARD GARDNER? Professor de Psicologia

Leia mais

Palavras-chave: Desenvolvimento profissional, Desenvolvimento organizacional, Parceria Universidade-Empresa

Palavras-chave: Desenvolvimento profissional, Desenvolvimento organizacional, Parceria Universidade-Empresa PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO PROFISSIONAL PARA EMPRESAS INTEGRADAS: UMA PARCERIA UNIVERSIDADE EMPRESA Gislaine Zainaghi zainaghi@sc.usp.br Prof. Dr. Carlos F. Bremer bremer@sc.usp.br Escola de Engenharia

Leia mais

Especialização em Gestão Estratégica de Pessoas e Liderança

Especialização em Gestão Estratégica de Pessoas e Liderança Especialização em Gestão Estratégica de Pessoas e Liderança Apresentação CAMPUS IGUATEMI Inscrições em Breve Turma 02 --> *Alunos matriculados após o início das aulas poderão cursar as disciplinas já realizadas,

Leia mais

Manual de Operacionalização do PIP

Manual de Operacionalização do PIP Manual de Operacionalização do PIP Projeto Integrador de Pesquisa INTRODUÇÃO Este material foi elaborado com o propósito de auxiliar no desenvolvimento das atividades relacionadas ao Projeto Integrador

Leia mais

TÉCNICAS PARA O TREINAMENTO DE PESSOAS UTILIZADAS PELAS EMPRESAS

TÉCNICAS PARA O TREINAMENTO DE PESSOAS UTILIZADAS PELAS EMPRESAS TÉCNICAS PARA O TREINAMENTO DE PESSOAS UTILIZADAS PELAS EMPRESAS SERVIDONI, Renato Acadêmico da Faculdade de Agronomia e Engenharia Florestal FAEF/ACEG Garça/SP TRECENTE, Vanessa Cristina Acadêmica da

Leia mais

ANÁLISE DO TREINAMENTO SOBRE SISTEMAS INTEGRADOS NA ÁREA EDUCACIONAL

ANÁLISE DO TREINAMENTO SOBRE SISTEMAS INTEGRADOS NA ÁREA EDUCACIONAL ANÁLISE DO TREINAMENTO SOBRE SISTEMAS INTEGRADOS NA ÁREA EDUCACIONAL Andrey Carlos Passos andrey-passos@hotmail.com FATEC Dércia Antunes de Souza derciaantunes@uol.com.br FATEC Resumo:Este trabalho tem

Leia mais

SUBSISTEMAS DA GESTÃO DE

SUBSISTEMAS DA GESTÃO DE FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GOIÁS GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO PROJETO INTEGRADOR SUBSISTEMAS DA GESTÃO DE PESSOAS - MÓDULO II - GESTÃO DE PESSOAS DANIEL BOFF BORGES GOIÂNIA - NOVEMBRO 2015 Sumário

Leia mais

Catálogo de treinamentos

Catálogo de treinamentos Catálogo de treinamentos 11 3892-9572 www.institutonobile.com.br Desenvolvendo seus Talentos O Instituto Nobile desenvolve as mais modernas soluções em treinamento e desenvolvimento. Oferecemos programas

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico Etec Etec: ETEC PROF. MASSUYUKI KAWANO Código: 136 Município: Tupã Área de conhecimento: Gestão e Negócios Componente Curricular: Gestão de Pessoas III Série:III

Leia mais

Treinamento - Como avaliar sua eficácia? FÁTIMA TAHIRA COLMAN

Treinamento - Como avaliar sua eficácia? FÁTIMA TAHIRA COLMAN Treinamento - Como avaliar sua eficácia? FÁTIMA TAHIRA COLMAN Objetivos Apresentar os fundamentos da avaliação de treinamento Apresentar os tipos de indicadores para mensurar a eficácia do treinamento

Leia mais

RESENHA DO LIVRO - INTELIGÊNCIAS MÚLTIPLAS A Teoria na Prática Howard Gardner

RESENHA DO LIVRO - INTELIGÊNCIAS MÚLTIPLAS A Teoria na Prática Howard Gardner RESENHA DO LIVRO - INTELIGÊNCIAS MÚLTIPLAS A Teoria na Prática Howard Gardner Introdução Histórico Inteligência Múltipla X Educação Avaliação A Pluralidades das Inteligências INTRODUÇÃO A principal idéia

Leia mais

Andragogia, uma estratégia em T&D.

Andragogia, uma estratégia em T&D. Andragogia, uma estratégia em T&D. Por PAULA FRANCO Ensinar exige o reconhecimento de ser condicionado Gosto de gente porque, inacabado, sei que sou um ser condicionado, mas, consciente do inacabamento,

Leia mais

RRelevância do curso. OObjetivo do curso. FFundamentação Teórica: ATENDIMENTO E POSTURA NO AMBIENTE DE TRABALHO. Público-alvo

RRelevância do curso. OObjetivo do curso. FFundamentação Teórica: ATENDIMENTO E POSTURA NO AMBIENTE DE TRABALHO. Público-alvo Vigilantes, vigias, porteiros ou interessados em ingressar nessas funções. A empresa que presta serviços de vigilância tem a grande preocupação de manter a segurança de seu cliente, mas também de não receber

Leia mais

Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul

Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul QUESTÃO: 14 Não concordar com o gabarito da questão 14 - (b). Fundamentado por: A alternativa (d) "Moral dos empregados" não está clara. Trata-se da moral dos empregados? ou do moral dos empregados? FUNDAMENTAÇÃO:

Leia mais

As cinco disciplinas

As cinco disciplinas As cinco disciplinas por Peter Senge HSM Management julho - agosto 1998 O especialista Peter Senge diz em entrevista exclusiva que os programas de aprendizado podem ser a única fonte sustentável de vantagem

Leia mais

Pessoas e Negócios em Evolução

Pessoas e Negócios em Evolução Empresa: Atuamos desde 2001 nos diversos segmentos de Gestão de Pessoas, desenvolvendo serviços diferenciados para empresas privadas, associações e cooperativas. Prestamos serviços em mais de 40 cidades

Leia mais

Modelo de Questionário de Desligamento

Modelo de Questionário de Desligamento RECRUTAMENTO E SELEÇÃO Planejamento Recrutamento Seleção Integração 1ª Etapa Surgimento de uma vaga - Dispensas do empregador (demissões); - Pedidos de demissão (saídas voluntárias demissionários); - Mortes;

Leia mais

Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS

Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS Adm.Walter Lerner 1.Gestão,Competência e Liderança 1.1.Competências de Gestão Competências Humanas e Empresariais são Essenciais Todas as pessoas estão, indistintamente,

Leia mais

PLANO DE CURSO. Administração de benefícios e planos de carreira. Pesquisa de clima e cultura organizacional

PLANO DE CURSO. Administração de benefícios e planos de carreira. Pesquisa de clima e cultura organizacional PLANO DE CURSO 1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Curso: Bacharelado em Administração Disciplina: Administração de Recursos Humanos II Professor: Salomão David Vergne Cardoso e-mail: vergne07@gmail.com Código:

Leia mais

Escola de Engenharia

Escola de Engenharia Unidade Universitária: Curso: Engenharia de Produção Disciplina: Gestão em Recursos Humanos Professor(es): Roberto Pallesi Carga horária: 4hs/aula por semana Escola de Engenharia DRT: 1140127 Código da

Leia mais

Indicadores de Habilidades Interpessoais - IHI como Ferramenta para Diagnosticar as Necessidades de Treinamento em uma Empresa de Comunicação

Indicadores de Habilidades Interpessoais - IHI como Ferramenta para Diagnosticar as Necessidades de Treinamento em uma Empresa de Comunicação Indicadores de Habilidades Interpessoais - IHI como Ferramenta para Diagnosticar as Necessidades de Treinamento em uma Empresa de Comunicação Mariziane da Rosa Polaquini Dimas José Detoni Loreni Maria

Leia mais

MBA em Gestão de Pessoas e Comportamento Organizacional -Matutino e Noturno

MBA em Gestão de Pessoas e Comportamento Organizacional -Matutino e Noturno MBA em Gestão de Pessoas e Comportamento Organizacional -Matutino e Noturno Apresentação CAMPUS STIEP Inscrições Abertas Turma 12 (Noturno) -->Últimas Vagas até o dia 27/05/2013 CAMPUS IGUATEMI Turma 13

Leia mais

TEOREMA CONSULTORIA Rua Roma, 620 Sala 81-B,Lapa Capital- SP CEP: 05050-090 www.teoremaconsult.com.br

TEOREMA CONSULTORIA Rua Roma, 620 Sala 81-B,Lapa Capital- SP CEP: 05050-090 www.teoremaconsult.com.br Cursos para Melhoria do desempenho & Gestão de RH TEOREMA CONSULTORIA Rua Roma, 620 Sala 81-B,Lapa Capital- SP CEP: 05050-090 www.teoremaconsult.com.br Administração do Tempo Ampliar a compreensão da importância

Leia mais

PROGRAMA DE DISCIPLINA

PROGRAMA DE DISCIPLINA DIVISÃO DE ASSUNTOS ACADÊMICOS PROGRAMA DE DISCIPLINA DEPARTAMENTO DE SAÚDE CÓDIGO: SAU532 DISCIPLINA: GESTÃO EMPRESARIAL EM ORGANIZAÇÕES NA ÁREA DA SAÚDE CARGA HORÁRIA: 45h EMENTA: Abordagens contemporâneas

Leia mais

CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO

CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO ESPECIALIZAÇÃO EM ECOTURISMO Objetivo: O Curso tem por objetivo capacitar profissionais, tendo em vista a carência de pessoas qualificadas na área do ecoturismo, para atender,

Leia mais

Práticas de Apoio à Gestão

Práticas de Apoio à Gestão Práticas de Apoio à Gestão Profa. Lillian Alvares Faculdade de Ciência da Informação, Universidade de Brasília Organizações de Aprendizagem Learning Organization Conceitos Organizações de Aprendizagem

Leia mais

II. NOSSA MISSÃO, VISÃO E VALORES

II. NOSSA MISSÃO, VISÃO E VALORES I. NOSSA HISTÓRIA A história da Crescimentum começou em 2003, quando o então executivo do Grupo Santander, Arthur Diniz, decidiu jogar tudo para o alto e investir em uma nova carreira. Ele optou por se

Leia mais

SUMÁRIO O QUE É COACH? 2

SUMÁRIO O QUE É COACH? 2 1 SUMÁRIO INTRODUÇÃO...3 O COACHING...4 ORIGENS...5 DEFINIÇÕES DE COACHING...6 TERMOS ESPECÍFICOS E SUAS DEFINIÇÕES...7 O QUE FAZ UM COACH?...8 NICHOS DE ATUAÇÃO DO COACHING...9 OBJETIVOS DO COACHING...10

Leia mais

Líder em consultoria no agronegócio

Líder em consultoria no agronegócio MPRADO COOPERATIVAS mprado.com.br COOPERATIVAS 15 ANOS 70 Consultores 25 Estados 300 cidade s 500 clientes Líder em consultoria no agronegócio 1. Comercial e Marketing 1.1 Neurovendas Objetivo: Entender

Leia mais

LIDERANÇA EMPREENDEDORA

LIDERANÇA EMPREENDEDORA LIDERANÇA EMPREENDEDORA Este curso está estruturado dentro dos moldes de um Curso de Pós-Graduação e seu desenvolvimento poderá ser feito de forma completa ou parcial, dependendo do interesse da organização.

Leia mais

Portfolio de cursos TSP2

Portfolio de cursos TSP2 2013 Portfolio de cursos TSP2 J. Purcino TSP2 Treinamentos e Sistemas de Performance 01/07/2013 Como encantar e fidelizar clientes Visa mostrar aos participantes a importância do conhecimento do cliente,

Leia mais

Captação, Seleção. e Acompanhamento PROCESSO DE COMPARAÇÃO, DECISÃO E ESCOLHA O CONTEXTO DE SELEÇÃO DE PESSOAS E MAIS...

Captação, Seleção. e Acompanhamento PROCESSO DE COMPARAÇÃO, DECISÃO E ESCOLHA O CONTEXTO DE SELEÇÃO DE PESSOAS E MAIS... Captação, Seleção e Acompanhamento O CONTEXTO DE SELEÇÃO DE PESSOAS PROCESSO DE COMPARAÇÃO, DECISÃO E ESCOLHA E MAIS... O PROCESSO DE SELEÇÃO DE PESSOAS NAS ORGANIZAÇÕES Prof. Victor Andrey Barcala Peixoto

Leia mais

Desenvolvimento de Liderança Motivação e Trabalho em Equipe

Desenvolvimento de Liderança Motivação e Trabalho em Equipe Desenvolvimento de Liderança Motivação e Trabalho em Equipe Eduardo Rocha Diretor da DSG Consultoria Capacitar seus colaboradores, do gerente aos coordenadores é o melhor caminho para melhorar a eficácia

Leia mais

Unidade II. Treinamento e Desenvolvimento. Prof. Especialista Fernando Lopes

Unidade II. Treinamento e Desenvolvimento. Prof. Especialista Fernando Lopes Unidade II Treinamento e Desenvolvimento Prof. Especialista Fernando Lopes Métodos de Treinamento O treinamento ao colaborador pode acontecer de duas formas, treinamento interno e externo. Treinamento

Leia mais

CRESCIMENTO PROFISSONAL Um Estudo de Caso na Cobra Metais Decorativo

CRESCIMENTO PROFISSONAL Um Estudo de Caso na Cobra Metais Decorativo CRESCIMENTO PROFISSONAL Um Estudo de Caso na Cobra Metais Decorativo ANDRÉ LUIS ZUCCULIN CAMILA APARECIDA SOARES DA SILVA EDMAR CAVALCANTE DA SILVA PAULO HENRIQUE RODRIGUES EDSON LEITE LOPES GIMENEZ RESUMO

Leia mais

Ilca Maria Moya de Oliveira

Ilca Maria Moya de Oliveira Ilca Maria Moya de Oliveira As necessidades de seleção de pessoal na organização são inúmeras e vão exigir diferentes ações da área de Gestão de Pessoas para cada uma delas. A demanda de seleção de pessoal

Leia mais

RECURSOS HUMANOS/RECRUTAMENTO E SELEÇÃO DE PESSOAS

RECURSOS HUMANOS/RECRUTAMENTO E SELEÇÃO DE PESSOAS RECURSOS HUMANOS/RECRUTAMENTO E SELEÇÃO DE PESSOAS Marcela Emanuele de Oliveira 1,Rosa Emília de Oliveira 2,co-autor 3, Cidália Gomes 4 1 Univap/FCSA, rosa_univap@yahoo.com.br 2 Univap/FCSA, emanuoliver@bol.com.br

Leia mais

Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI. Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto

Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI. Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto 1 Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI Professor Doutor Marcos T. Masetto Objetivos Desenvolver competências

Leia mais

Potencial PSI. Educação. www.potencialpsi.com.br

Potencial PSI. Educação. www.potencialpsi.com.br Educação O povo feliz é o povo que mais se preocupa com a educação de seus filhos, seja na educação intelectual seja na educação dos sentimentos. Umpovoinstruídoamaotrabalhoesabecomocrescercomele. Ao nascer,

Leia mais

Perguntas Frequentes de Coaching Tire suas dúvidas sobre

Perguntas Frequentes de Coaching Tire suas dúvidas sobre Perguntas Frequentes de Coaching Tire suas dúvidas sobre coaching www.vocevencedor.com.br // www.flaviosouza.com.br Conheça nossos Cursos: Curso para Certificação Internacional em Coaching pela International

Leia mais

Administração de Pessoas

Administração de Pessoas Administração de Pessoas MÓDULO 12: DESENVOLVIMENTO DE RECURSOS HUMANOS 12.1 Processo de formar, treinar e educar pessoas O processo de desenvolvimento é o processo que visa apoiar o preparo e o desenvolvimento

Leia mais

Workshop Train the 3ºTrainer

Workshop Train the 3ºTrainer Workshop Train the 3ºTrainer Formação de Treinadores TREINAMENTOS INOVADORES 23 e 24 de abril de 2013 JOGOS E ATIVIDADES 25 de abril de 2013 Transforme os seus treinamentos em momentos inesquecíveis! Treinamento

Leia mais

PRO PERFORMANCE EMPRESAS

PRO PERFORMANCE EMPRESAS Uma proposta cultural única aprimore o seu potencial Crie um versão melhor de is mesmo Conheça, pratique, supere-se, aprimore-se PRO PERFORMANCE EMPRESAS Programa de Excelência e Alta Performance para

Leia mais

Poucos livros, tratando de um objeto científico conseguiram

Poucos livros, tratando de um objeto científico conseguiram INTELIGÊNCIA EMOCIONAL OU INTELIGÊNCIAS MÚLTIPLAS Antonio Carlos Gil* 1. O sucesso da inteligência emocional Poucos livros, tratando de um objeto científico conseguiram a proeza de Inteligência emocional,

Leia mais

Programa Gestão Viva

Programa Gestão Viva Programa Gestão Viva Subprograma: Gestão de Gente Título: Gestão de Pessoas Objetivo: Proporcionar alternativas que levem os profissionais a atingirem o ápice de seu desempenho profissional, visando, que

Leia mais

MUDANÇA CULTURAL NAS ORGANIZAÇÕES

MUDANÇA CULTURAL NAS ORGANIZAÇÕES 1 MUDANÇA CULTURAL NAS ORGANIZAÇÕES Wainy Indaiá Exaltação Jesuíno 1 Marco Antônio 2 Resumo O objetivo deste trabalho é demonstrar a importância da análise do clima organizacional para mudança da cultura

Leia mais

Padrões de Competências para o Cargo de Coordenador Pedagógico

Padrões de Competências para o Cargo de Coordenador Pedagógico Padrões de Competências para o Cargo de Coordenador Pedagógico O Coordenador Pedagógico é o profissional que, na Escola, possui o importante papel de desenvolver e articular ações pedagógicas que viabilizem

Leia mais

PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO DE LÍDERES

PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO DE LÍDERES PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO DE LÍDERES Sobre o curso: O programa fornece conhecimentos técnicos e de gestão, bem como, ferramentas práticas que auxiliem os participantes na condução das suas equipes. Para

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO NO VAREJO

A IMPORTÂNCIA DO TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO NO VAREJO ISSN 1984-9354 A IMPORTÂNCIA DO TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO NO VAREJO Lívia Barbosa Rocha (LATEC/UFF) Resumo: As metodologias relacionadas a Treinamento & Desenvolvimento estão cada vez mais em evidência

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico Etec Etec de São José do Rio Pardo Código: 150 Município: São José do Rio Pardo Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional: técnica de Nível

Leia mais

Engenharia de Software II: Criando a Declaração de Escopo. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br

Engenharia de Software II: Criando a Declaração de Escopo. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Engenharia de Software II: Criando a Declaração de Escopo Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Sumário Desenvolvendo o Plano de Gerenciamento do Projeto. Coletando Requisitos. Declarando

Leia mais

Metodologia Simplificada de. Melhoria Contínua. Portal Fox

Metodologia Simplificada de. Melhoria Contínua. Portal Fox Metodologia Simplificada de Melhoria Contínua 2012 Portal Fox Metodologia de Melhoria Contínua Apresentaremos a seguir um método simplificado de melhoria contínua, onde o objetivo principal é tornar os

Leia mais

Aula 07 Planejamento Estratégico de RH

Aula 07 Planejamento Estratégico de RH Aula 07 Planejamento Estratégico de RH Objetivos da aula: Nesta aula o objetivo será Apresentar uma visão diferenciada sobre como as ações integradas de planejamento estratégico de Recursos Humanos (RH)

Leia mais

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - CETEC. Ensino Técnico

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - CETEC. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2013 Ensino Técnico ETEC Paulino Botelho Código: 091 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Gestão em Negócios Habilitação Profissional: Técnica de Nível Médio de Técnico em

Leia mais

Liderança e Gestão de Pessoas Porque Educação Executiva Insper Cursos de Curta e Média Duração Educação Executiva

Liderança e Gestão de Pessoas Porque Educação Executiva Insper Cursos de Curta e Média Duração Educação Executiva 1 Porque Educação Executiva Insper A dinâmica do mundo corporativo exige profissionais multidisciplinares, capazes de interagir e formar conexões com diferentes áreas da empresa e entender e se adaptar

Leia mais

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS: BRANDI, Vanessa da Silva Pires¹ NUNES, Ruth Vieira²

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS: BRANDI, Vanessa da Silva Pires¹ NUNES, Ruth Vieira² GESTÃO POR COMPETÊNCIAS: UM ESTUDO SOBRE UM MELHOR APROVEITAMENTO DO GESTOR NA ORGANIZAÇÃO BRANDI, Vanessa da Silva Pires¹ NUNES, Ruth Vieira² RESUMO O mundo tem passado por constantes mudanças, que têm

Leia mais

PLANO DE CARGOS & SALÁRIOS UNIMED ANÁPOLIS

PLANO DE CARGOS & SALÁRIOS UNIMED ANÁPOLIS PLANO DE CARGOS & SALÁRIOS UNIMED ANÁPOLIS 1 ÍNDICE APRESENTAÇÃO... 02 1 OBJETIVO DO MANUAL... 03 2 CONCEITOS UTILIZADOS... 04 3 POLÍTICA DE CARGOS E SALÁRIOS... 06 4 POLÍTICA DE CARREIRA... 07 5 AVALIAÇÃO

Leia mais

GABARITO OFICIAL(preliminar)

GABARITO OFICIAL(preliminar) QUESTÃO RESPOSTA COMENTÁRIO E(OU) REMISSÃO LEGAL 051 A 052 A 053 A RECURSO Recrutar faz parte do processo de AGREGAR OU SUPRIR PESSOAS e é o ato de atrair candidatos para uma vaga (provisão). Treinar faz

Leia mais

Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex...

Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex... Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex... (/artigos /carreira/comopermanecercalmosob-pressao /89522/) Carreira Como permanecer calmo sob pressão (/artigos/carreira/como-permanecer-calmosob-pressao/89522/)

Leia mais

TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO. Prof. WAGNER RABELLO JR

TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO. Prof. WAGNER RABELLO JR TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO Prof. WAGNER RABELLO JR TREINAMENTO Treinamentoéoprocessoeducacional,aplicadode maneira sistemática e organizada, pelo qual as pessoas aprendem conhecimentos, atitudes e habilidades

Leia mais

O PEDAGOGO NAS ORGANIZAÇÕES

O PEDAGOGO NAS ORGANIZAÇÕES O PEDAGOGO NAS ORGANIZAÇÕES KOWALCZUK, Lidiane Mendes Ferreira - PUCPR lidianemendesf@gmail.com VIEIRA, Alboni Marisa Dudeque Pianovski - PUCPR alboni@alboni.com Eixo Temático: Formação de Professores

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico ETEC PAULINO BOTELHO Código: 091 Município: SÃO CARLOS Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional: Técnica de Nível Médio de Técnico em Administração

Leia mais

Aula 1 Liderança Profa. Ms. Daniela Cartoni daniela.cartoni@veris.edu.br

Aula 1 Liderança Profa. Ms. Daniela Cartoni daniela.cartoni@veris.edu.br Aula 1 Liderança Profa. Ms. Daniela Cartoni daniela.cartoni@veris.edu.br Contrato Pedagógico Presença e horários Bibliografia e material de apoio Avaliações e trabalhos Metodologia das aulas - Aulas expositivas

Leia mais

Gestão de carreiras nas organizações

Gestão de carreiras nas organizações Gestão de carreiras nas organizações A expressão "Plano de carreira", nas organizações, sempre corre o risco de ser interpretada como algo antiquado, retrógrado, que interessa aos funcionários e, principalmente,

Leia mais

Autorizado pela Portaria nº 1.150 de 25/08/10 DOU Nº 165 de 27/08/10

Autorizado pela Portaria nº 1.150 de 25/08/10 DOU Nº 165 de 27/08/10 C U R S O D E E N G E N H A R I A D E P R O D U Ç Ã O Autorizado pela Portaria nº 1.150 de 25/08/10 DOU Nº 165 de 27/08/10 Componente Curricular: Gestão de Pessoas Código: ENGP 599 Prérequisito: Período

Leia mais

Disciplina:COMPORTAMENTO ORGANIZACIONAL Aula 1

Disciplina:COMPORTAMENTO ORGANIZACIONAL Aula 1 Sejam bem vindos!! Disciplina:COMPORTAMENTO ORGANIZACIONAL Aula 1 Dinâmica de apresentação dos Alunos. Informações relevantes. Apresentação dos Objetivos da Disciplina e Metodologia. Mini Currículo Luciana

Leia mais

.:..:. Apresentação da Disciplina.:. Educação Corporativa. Profª Daniela Cartoni daniela_cartoni@yahoo.com.br

.:..:. Apresentação da Disciplina.:. Educação Corporativa. Profª Daniela Cartoni daniela_cartoni@yahoo.com.br .:..:. Apresentação da Disciplina.:. Educação Corporativa Profª Daniela Cartoni daniela_cartoni@yahoo.com.br Cronograma das aulas e conteúdo Aula Data Tema Tópicos principais 1 17/09 Evoluçãoe conceitos

Leia mais

Gestão por Competências

Gestão por Competências Gestão por Competências 2 Professora: Zeila Susan Keli Silva 2º semestre 2012 1 Contexto Economia globalizada; Mudanças contextuais; Alto nível de complexidade do ambiente; Descoberta da ineficiência dos

Leia mais

Educação em Serviço. Leonice dos Santos. Mestre em Enfermagem Coordenadora de Educação. Gerência de Desenvolvimento de Enfermagem

Educação em Serviço. Leonice dos Santos. Mestre em Enfermagem Coordenadora de Educação. Gerência de Desenvolvimento de Enfermagem Educação em Serviço Leonice dos Santos Mestre em Enfermagem Coordenadora de Educação Gerência de Desenvolvimento de Enfermagem Conceito de Treinamento educação profissional que visa adaptar o homem ao

Leia mais

MUSICALIZANDO ATRAVÉS DA INFORMÁTICA

MUSICALIZANDO ATRAVÉS DA INFORMÁTICA 1 MUSICALIZANDO ATRAVÉS DA INFORMÁTICA 039-TC-B5 05/2005 Cláudia Valéria Nascimento de Araújo Unicarioca claudia@idgrupo.net Carla Araújo Forte Unicarioca - carlaaforte@yahoo.com.br Denise Voigt Kallás

Leia mais

Quando quiser sair da apresentação, basta clicar neste ícone ( x ) no canto superior direito da tela.

Quando quiser sair da apresentação, basta clicar neste ícone ( x ) no canto superior direito da tela. Esta é uma apresentação navegável. Uma maneira prática de conhecer a Academia da Estratégia. Para navegar siga as instruções abaixo. Esperamos que a sua viagem seja UAU! Quando quiser sair da apresentação,

Leia mais

EDUCAÇÃO EXECUTIVA PARA O MERCADO FINANCEIRO MAIO / 2005 108-TC-B4

EDUCAÇÃO EXECUTIVA PARA O MERCADO FINANCEIRO MAIO / 2005 108-TC-B4 1 EDUCAÇÃO EXECUTIVA PARA O MERCADO FINANCEIRO MAIO / 2005 108-TC-B4 NADINE WASSMER TREINA E-LEARNING treina@treina.com.br ROSANA GOMES CONTEÚDOS E HABILIDADES EDUCAÇÃO CORPORATIVA DESCRIÇÃO DE PROJETO

Leia mais

COACHING. Imagem Evolução do Coaching por Coach Douglas Ferreira. Veja um pouco de sua evolução.

COACHING. Imagem Evolução do Coaching por Coach Douglas Ferreira. Veja um pouco de sua evolução. Faculdade Tecnologia Senac. Goiania,29 de maio de 2014. Nome: Thiago Pereira Profº Itair Pereira da Silva GTI 1 - Matutino COACHING O Coaching é um processo, com início, meio e fim, definido em comum acordo

Leia mais

PRÁTICAS ADMINISTRATIVAS DA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS INTEGRADAS ÀS ESTRATÉGIAS ORGANIZACIONAIS

PRÁTICAS ADMINISTRATIVAS DA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS INTEGRADAS ÀS ESTRATÉGIAS ORGANIZACIONAIS PRÁTICAS ADMINISTRATIVAS DA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS INTEGRADAS ÀS ESTRATÉGIAS ORGANIZACIONAIS Marino, Reynaldo Discente do Curso de Psicologia da Faculdade de Ciências da Saúde - FASU/ACEG GARÇA/SP-

Leia mais

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU INSTITUTO A VEZ DO MESTRE

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU INSTITUTO A VEZ DO MESTRE UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU INSTITUTO A VEZ DO MESTRE O TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO DENTRO DAS ORGANIZAÇÕES Amanda Mello Andrade Orientador Prof. Jorge Vieira Rio de Janeiro

Leia mais

Educação Corporativa. Liderança Estratégia Gestão. KM Partners Educação Corporativa

Educação Corporativa. Liderança Estratégia Gestão. KM Partners Educação Corporativa Educação Corporativa Liderança Estratégia Gestão O que é Educação corporativa? Educação corporativa pode ser definida como uma prática coordenada de gestão de pessoas e de gestão do conhecimento tendo

Leia mais

Autor(a): Cicera Aparecida da Silva Coautor(es): Rosana de Fátima Oliveira Pedrosa Email: aparecidasilva@pe.senac.br

Autor(a): Cicera Aparecida da Silva Coautor(es): Rosana de Fátima Oliveira Pedrosa Email: aparecidasilva@pe.senac.br BENEFÍCIOS SOCIAIS: um modelo para retenção de talentos Autor(a): Cicera Aparecida da Silva Coautor(es): Rosana de Fátima Oliveira Pedrosa Email: aparecidasilva@pe.senac.br Introdução Este artigo aborda

Leia mais

Índice. Porque fazer um curso de Coaching? Tendências do Mercado de Coaching. Um dia na vida de um Coach. Teste: Tornando-se um Coach

Índice. Porque fazer um curso de Coaching? Tendências do Mercado de Coaching. Um dia na vida de um Coach. Teste: Tornando-se um Coach Índice Porque fazer um curso de Coaching? Metodologia Comprovada. Resultados sem precedentes As maiores razões para escolher um coach Tendências do Mercado de Coaching Oportunidades da Carreira de Coaching

Leia mais

TESTE VOCACIONAL PROF. BRUNO AUGUSTO COLÉGIO SÃO JOSÉ

TESTE VOCACIONAL PROF. BRUNO AUGUSTO COLÉGIO SÃO JOSÉ TESTE VOCACIONAL PROF. BRUNO AUGUSTO COLÉGIO SÃO JOSÉ S I S T E M A P O S I T I V O D E E N S I N O Na escola, você prefere assuntos ligados à: a) Arte, esportes e atividades extracurriculares b) Biologia

Leia mais

M A N U A L TREINAMENTO. Mecânica de Veículos Piçarras Ltda. Manual Prático de Procedimento do Treinamento

M A N U A L TREINAMENTO. Mecânica de Veículos Piçarras Ltda. Manual Prático de Procedimento do Treinamento M A N U A L TREINAMENTO 1. Introdução A velocidade das mudanças tecnológicas, o aumento da diversidade nos locais de trabalho e a acentuada mobilidade dos trabalhadores atuais são aspectos do mundo contemporâneo

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico Etec: Professora Nair Luccas Ribeiro Código: 156 Município: Teodoro Sampaio Eixo Tecnológico: Gestão de Negócios Habilitação Profissional: Técnico em Administração

Leia mais

DESCRITIVO DE CURSO. MBA em Liderança e Gestão de Pessoas

DESCRITIVO DE CURSO. MBA em Liderança e Gestão de Pessoas DESCRITIVO DE CURSO MBA em Liderança e Gestão de Pessoas 1. Posglobal Após a profunda transformação trazida pela globalização estamos agora em uma nova fase. As crises econômica, social e ambiental que

Leia mais

CAPITAL INTELECTUAL COMO VANTAGEM COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES EMPRESARIAIS

CAPITAL INTELECTUAL COMO VANTAGEM COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES EMPRESARIAIS CAPITAL INTELECTUAL COMO VANTAGEM COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES EMPRESARIAIS Cesar Aparecido Silva 1 Patrícia Santos Fonseca 1 Samira Gama Silva 2 RESUMO O presente artigo trata da importância do capital

Leia mais