Programa de Equipamentos Urbanos de Utilização Colectiva

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Programa de Equipamentos Urbanos de Utilização Colectiva"

Transcrição

1 Programa de Equipamentos Urbanos de Utilização Colectiva (Despacho 7187/MCOTA/2003) 2006/2009 Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Algarve Direcção de Serviços de Apoio Jurídico e Administração Local

2 INDICE Nota de Apresentação 3 Quadro sobre ponto de situação dos projectos ( ) 4 Mapa de localização dos projectos concluídos 5 Restauro e Recuperação da Igreja de S. Francisco e Sacristia de Pêra 3ª Fase 6 Construção de Salão Polivalente, incluindo construção do palco, Vestiários e Instalações Sanitárias - Juventude Sesmarias 11 Reparação e recuperação dos Retábulos da Igreja Paroquial da Raposeira 16 Adaptação de edifício existente a Centro de Convívio da Feiteira 21 Conservatório Regional do Algarve Maria Campina Criação de instalações sanitárias para deficientes motores e dotar o edifício para exames oficiais 25 Remodelação e restauro da Casa do Povo do Concelho de Olhão - Moncarapacho 29 Renovação das instalações da Fundação Manuel Viegas Guerreiro 35 Obras de conservação e recuperação da Igreja Matriz de Estói 40 Obras de conservação das fachadas e cornija, voltadas para a muralha da cidade, do edifício do Seminário de São José 45 Igreja do antigo convento de São Francisco Tavira (obras de conservação e restauro) 50 Reparação e restauro da Igreja de São Bartolomeu de Messines - Silves 55 Obras de reparação da Igreja Paroquial de Barão de São Miguel Vila do Bispo 61 Obras de conservação e restauro do telhado oeste e centro, do edifício do Seminário de São José 66 Recuperação da Igreja de Nossa Senhora da Graça da Fortaleza de Sagres 71 Remodelação das Instalações do CKT Clube de Karaté de Tavira 77 2

3 NOTA DE APRESENTAÇÃO O Despacho nº 7187/2003 (2ª Série) de 11 de Abril de 2003 determina as novas regras e procedimentos para o Programa Equipamentos Urbanos de Utilização Colectiva. Este Programa destina-se à atribuição de comparticipações por parte do Estado para a instalação de equipamentos de utilização colectiva que sejam promovidos por instituições privadas de interesse público sem fins lucrativos. Tem como objectivo a implantação de uma política de promoção do reequilíbrio do sistema urbano, que possibilitem o desenvolvimento dos aglomerados que desempenham um papel estratégico e estruturante na organização dos respectivos espaços. Da aplicação do mesmo, tem resultado a sustentabilidade e equidade territorial, implicando a sua aplicabilidade uma dinamização de centros de índole cultural, desportiva ou religiosa, cuja acção se pretende que inverta as tendências de despovoamento das áreas do interior. O Programa Equipamentos desdobra-se em 2 Subprogramas, em função do valor das obras a financiar: a) Subprograma nº 1 obras com orçamento superior a ; b) Subprograma nº 2 obras com orçamento igual ou inferior a No âmbito das suas competências compete à CCDRAlgarve/Direcção de Serviços de Apoio Jurídico e Administração Local: Prestar esclarecimentos e apoio às entidades beneficiárias do Programa; Analisar e emitir parecer sobre as candidaturas nas seguintes vertentes: documental, financeira, projecto técnico e custo padrão; Proceder ao acompanhamento e controle das obras e elaborar os respectivos relatórios; Elaborar/solicitar os pedidos de pagamento à DGAL e à DGOTDU; Proceder à visita final; Concluir o processo Relembra-se que a atribuição destas comparticipações a instituições privadas de interesse público sem fins lucrativos para construção, reconstrução, ampliação, alteração ou conservação de equipamentos urbanos de utilização colectiva, incluindo equipamentos religiosos, permitiu a recuperação/construção de vários equipamentos. Os equipamentos constantes nesta brochura dizem respeito às intervenções concluídas no período 2006/2009. Por último, importa realçar que este programa, tem desempenhado um papel também fundamental, na recuperação do património arquitectónico/religioso, considerado de interesse regional e nacional. 3

4 PROGRAMA DE EQUIPAMENTOS URBANOS DE UTLIZAÇÃO COLECTIVA (DESPACHO 7187/MCOTA/2003) Ponto de situação dos projectos (2006 a 2009) Subprogramas Nº de Projectos Montante Elegível Comparticipação Em execução Finalizados Subprograma 1 Equipamento Recreativo/Cultural Subprograma 2 Equipamento Recreativo/Cultural Subprograma 2 Equipamento Religioso TOTAL , , , , , , , ,

5 MAPA DE LOCALIZAÇÃO PROJECTOS CONCLUÍDOS Equipamento religioso Equipamento desportivo Equipamento cultural Equipamento social 5

6 Programa de Equipamentos Urbanos de Utilização Colectiva Subprograma: 2 Designação do Projecto: Restauro e Recuperação da Igreja de S. Francisco, e Sacristia de Pêra 3ª Fase Entidade Responsável: Fábrica da Igreja Paroquial da Freguesia de Pêra - Concelho de Silves Investimento Elegível: ,00 Comparticipação: ,50 Descrição: O projecto apresentado visa a realização de obras de recuperação, no Corpo da Igreja e Sacristia, constituindo a 3ª fase de trabalhos realizados na mesma. Nesta fase pretende-se tratar o interior da Igreja e sacristia com picagem integral, assentamento de tubagens em roços e caixas para a instalação eléctrica e execução de novo reboco pintado, substituição de todo o ladrilho dos pavimentos por ladrilho tradicional, reparação de portas exteriores e interiores, reparação de janelas, montagem de um guarda vento em vidro e limpeza dos degraus da Capela Mor. Protocolo celebrado a: 04 de Novembro de 2005 Data de Conclusão: Dezembro de

7 Igreja de São Francisco, em Pêra - Silves 7

8 ANTES Igreja de São Francisco, em Pêra - Silves 8

9 DURANTE A INTERVENÇÃO Igreja de São Francisco, em Pêra - Silves 9

10 DEPOIS Igreja de São Francisco, em Pêra - Silves 10

11 Programa de Equipamentos Urbanos de Utilização Colectiva Subprograma: 2 Designação do Projecto: Construção de Salão Polivalente, incluindo construção do palco, vestiários e instalações sanitárias Processo Nº 388/2004 ALG-021/DP/03 Entidade Responsável: Associação União Juventude Sesmarias - Concelho de Lagoa Investimento Elegível: ,00 Comparticipação: ,00 Descrição: O projecto apresentado tem como objectivo proceder a alterações na Sede da Associação União Juventude Sesmarias. As alterações a levar a efeito passam por adaptar a Cave a Salão com equipamento de apoio e Sala com Instalações Sanitárias do Público, incluindo Sanitários para pessoas com mobilidade reduzida. O Rés-do-chão ficará dotado com Salão Convívio, Bar e Instalações Sanitárias. No que se refere à acessibilidade de Pessoas com mobilidade condicionada, esta será garantida aos dois pisos, pela construção de rampas. Protocolo celebrado a: 04 de Fevereiro de 2005 Data de Conclusão: Dezembro de

12 Associação União Juventude Sesmarias - Lagoa 12

13 ANTES Associação União Juventude Sesmarias, em Lagoa 13

14 DURANTE A INTERVENÇÃO Associação União Juventude Sesmarias, em Lagoa 14

15 DEPOIS Associação União Juventude Sesmarias, em Lagoa 15

16 Programa de Equipamentos Urbanos de Utilização Colectiva Subprograma: 2 Designação do Projecto: Reparação e recuperação dos Retábulos da Igreja Paroquial da Raposeira Processo Nº 157/2005 ALG 016/RL/04 Entidade Responsável: Fábrica da Igreja Paroquial da Raposeira - Concelho de Vila do Bispo Investimento Elegível: ,00 Comparticipação: ,00 Descrição: Os trabalhos a realizar visam a reparação e recuperação dos Retábulos da Igreja Paroquial da Raposeira, e demais aspectos menos valorizados, nomeadamente, parte eléctrica e abertura de novos nichos para reposicionamento dos Retábulos que se encontravam colocados incorrectamente. Todos os trabalhos a realizar têm como base um levantamento fotográfico e descritivo, realizado pelo IPPAR. Protocolo celebrado a: 04 de Novembro de 2005 Data de Conclusão: Dezembro de

17 Igreja Paroquial da Raposeira Vila do Bispo 17

18 ANTES Igreja Paroquial da Raposeira Vila do Bispo 18

19 DURANTE A INTERVENÇÃO Igreja Paroquial da Raposeira Vila do Bispo 19

20 DEPOIS Igreja Paroquial da Raposeira Vila do Bispo 20

21 Programa de Equipamentos Urbanos de Utilização Colectiva Subprograma: 2 Designação do Projecto: Adaptação de edifício existente a Centro de Convívio da Feiteira Processo Nº 156/2005 ALG 019/RL/04 Entidade Responsável: Centro Paroquial de Cachopo - Concelho de Tavira Investimento Elegível: ,37 Comparticipação: ,36 Descrição: O Centro Paroquial de Cachopo, apresentou uma Candidatura para a instalação de um Centro de Convívio, em edifício existente, para apoio a idosos, conforme Projecto de Execução apresentado. A realização desta obra irá permitir o convívio, e a criação de um ambiente socializante, nesta região interior. Com a realização desta obra, o Centro Paroquial passará a dispor de infra-estruturas próprias de convívio, permitindo-lhe desenvolver, mais adequadamente, as actividades de apoio à população, constituindo um centro polarizador de actividades diversas. Protocolo celebrado a: 04 de Novembro de 2005 Data de Conclusão: Dezembro de

22 Centro de Convívio da Feiteira Cachopo - Tavira 22

23 DURANTE A INTERVENÇÃO Centro de Convívio da Feiteira Cachopo - Tavira 23

24 DEPOIS Centro de Convívio da Feiteira Cachopo - Tavira 24

25 Programa de Equipamentos Urbanos de Utilização Colectiva Subprograma: 2 Designação do Projecto: Conservatório Regional do Algarve Maria Campina - Criação de instalações sanitárias para deficientes motores, e dotar o edifício para exames oficiais Processo Nº 152/2005 ALG-003/CT/04 Entidade Responsável: Associação do Conservatório Regional do Algarve Maria Campina Concelho de Faro Investimento Elegível: ,47 Comparticipação: ,33 Descrição: Esta obra tem como objectivo a criação de instalações sanitárias e rampas, para pessoas com mobilidade reduzida; adaptação de salas do Conservatório para realização de exames oficiais e instalação de sistema de segurança contra incêndio. Protocolo celebrado a: 04 de Novembro de 2005 Data de Conclusão: Novembro de

26 Conservatório Regional do Algarve Maria Campina - Faro 26

27 ANTES Conservatório Regional do Algarve Maria Campina 27

28 DEPOIS Conservatório Regional do Algarve Maria Campina 28

29 Programa de Equipamentos Urbanos de Utilização Colectiva Subprograma: 2 Designação do Projecto: Remodelação e restauro da Casa do Povo do Concelho de Olhão - Moncarapacho Processo Nº 3/2007 ALG-003/RC/07 Entidade Responsável: Casa do Povo do Concelho de Olhão - Moncarapacho - Concelho de Olhão Investimento Elegível: ,96 Comparticipação: ,57 Descrição: O projecto apresentado contemplou a remoção da cobertura existente (incluindo tecto falso) e execução de nova cobertura, também estrutura em madeira. Reparação de revestimentos: colagem, afagamento e envernizamento de pavimento em tacos de madeira, rebocos e pinturas. Reparação de portas e janelas. Execução de novas instalações sanitárias para pessoas para pessoas com mobilidade reduzida (masculina e feminina) Protocolo celebrado a: 06 de Setembro de 2007 Data de Conclusão: Dezembro de

30 Casa do Povo do Concelho de Olhão - Moncarapacho 30

31 ANTES Moncarapacho Casa do Povo do Concelho de Olhão - Moncarapacho 31

32 ANTES Casa do Povo do Concelho de Olhão - Moncarapacho 32

33 DURANTE A INTERVENÇÃO Casa do Povo do Concelho de Olhão - Moncarapacho 33

34 DEPOIS Casa do Povo do Concelho de Olhão - Moncarapacho 34

35 Programa de Equipamentos Urbanos de Utilização Colectiva Subprograma: 2 Designação do Projecto: Renovação das instalações da Fundação Manuel Viegas Guerreiro Processo Nº 72/2006 ALG-003/RC/06 Entidade Responsável: Fundação Manuel Viegas Guerreiro - Concelho de Loulé Investimento Elegível: ,00 Comparticipação: ,00 Descrição: O projecto apresentado, aprovado e executado, teve como objectivo recuperar as instalações da Fundação, antigos estábulos e afins, que se encontravam em avançado estado de deterioração. Esta recuperação, com cerca de 190m 2, apresenta a seguinte estrutura funcional: Espaço de circulação e distribuição (com volumetria destacável em relação aos restantes compartimentos) Espaço de salas polivalentes (área reservada para práticas pedagógicas e exposições). Espaço de convívio Instalações sanitárias (masculino e feminino) para pessoas com mobilidade reduzida. Protocolo celebrado a: 12 de Setembro de 2006 Data de Conclusão: Dezembro de

36 Fundação Manuel Viegas Guerreiro - Loulé 36

37 ANTES Fundação Manuel Viegas Guerreiro - Loulé 37

38 DURANTE A INTERVENÇÃO Fundação Manuel Viegas Guerreiro - Loulé 38

39 DEPOIS Fundação Manuel Viegas Guerreiro - Loulé 39

40 Programa de Equipamentos Urbanos de Utilização Colectiva Subprograma: 2 Designação do Projecto: Obras de conservação e recuperação da Igreja Matriz de Estói Processo Nº 1/2007 ALG-009/RL/06 Entidade Responsável: Fábrica da Igreja Paroquial de Estói - Concelho de Faro Investimento Elegível: ,11 Comparticipação: ,48 Descrição: O projecto apresentado teve como objectivo obras de recuperação ao nível da cobertura, substituição de telhas partidas, colocação de telhas com canudo ventilador, reparação de fissuras existentes, reparações no revestimento exterior, incluindo raspagens, picagens e reposição das camadas removidas, reparação do forro em madeira, reparação da escada de acesso ao órgão, substituição de rede eléctrica existente, pintura das paredes interiores e exteriores. Protocolo assinado a: 06 de Setembro de 2007 Data de Conclusão: Dezembro de

41 Igreja Matriz de Estói - Faro 41

42 ANTES Igreja Matriz de Estói, em Faro 42

43 DURANTE A INTERVENÇÃO Igreja Matriz de Estói, em Faro 43

44 DEPOIS Igreja Matriz de Estói, em Faro 44

45 Programa de Equipamentos Urbanos de Utilização Colectiva Subprograma: 2 Designação do Projecto: Obras de conservação das fachadas e cornija, voltadas para a muralha da cidade, do edifício do Seminário de São José Processo Nº 1/2007 ALG-032/RL/03 Entidade Responsável: Seminário de São José da Diocese do Algarve - Concelho de Faro Investimento Elegível: ,00 Comparticipação: ,00 Descrição: O projecto apresentado englobou obras de conservação das fachadas e cornijas voltadas para as muralhas da cidade do edifício do Seminário de S. José, em Faro, nomeadamente picagem, reboco, pintura de paredes, reconstrução de cornijas, remoção e pavimentação de passagem interior, pilastras e ornatos e substituição de rede eléctrica. Protocolo celebrado a: 06 de Setembro de 2007 Data de Conclusão: Dezembro de

46 Seminário de São José da Diocese do Algarve - Faro 46

47 ANTES Seminário de São José da Diocese do Algarve - Faro 47

48 DURANTE A INTERVENÇÃO Seminário de São José da Diocese do Algarve - Faro 48

49 DEPOIS Seminário de São José da Diocese do Algarve - Faro 49

50 Programa de Equipamentos Urbanos de Utilização Colectiva Subprograma: 2 Designação do Projecto: Igreja do antigo convento de São Francisco Tavira (obras de conservação e restauro) Processo Nº 2/2007 ALG-004/RL/07 Entidade Responsável: Venerável Ordem Terceira de São Francisco de Tavira Concelho de Tavira Investimento Elegível: ,00 Comparticipação: ,50 Descrição: Os trabalhos realizados incidiram na reparação e consolidação de estuques ornamentais do interior da cúpula, incluindo reposição de acordo com a metodologia e critérios patrimoniais em vigor, substituição e reparação dos vãos do zimbório e vãos laterais da cúpula. Protocolo celebrado a: 06 de Setembro de 2007 Data de Conclusão: Dezembro de

51 Igreja do antigo convento de São Francisco Tavira 51

52 ANTES Igreja do antigo convento de São Francisco Tavira 52

53 DURANTE A INTERVENÇÃO Igreja do antigo convento de São Francisco Tavira 53

54 DEPOIS Igreja do antigo convento de São Francisco Tavira 54

55 Programa de Equipamentos Urbanos de Utilização Colectiva Subprograma: 2 Designação do Projecto: Reparação e restauro da Igreja de São Bartolomeu de Messines - Silves Processo Nº 73/2006 ALG-007/RL/05 Entidade Responsável: Fábrica da Igreja Paroquial de São Bartolomeu de Messines Concelho de Silves Investimento Elegível: ,00 Comparticipação: ,00 Descrição: Esta intervenção concretizou a remoção do telhado e tecto falso do salão anexo à Igreja Matriz, lado norte. Construção de laje em betão e respectivo isolamento seguido de reposição das telhas. Construção de novo tecto falso em madeira incluindo corredor de acesso ao mesmo salão. Colocação de pavimento em madeira, colocação de grade de madeira envidraçada na abertura entre o salão e as escadas de acesso. Execução dos trabalhos e instalação de nova rede eléctrica. Colocação de rampas para pessoas com mobilidade reduzida Revisão geral do telhado da Igreja Matriz e substituição de portas e janelas Protocolo celebrado a: 12 de Setembro de 2006 Data de Conclusão: Novembro de

56 Igreja Matriz de São Bartolomeu de Messines - Silves 56

57 ANTES Igreja Matriz de São Bartolomeu de Messines - Silves 57

58 DURANTE A INTERVENÇÃO Igreja Matriz de São Bartolomeu de Messines - Silves 58

59 DEPOIS Igreja Matriz de São Bartolomeu de Messines - Silves 59

60 DEPOIS Igreja Matriz de São Bartolomeu de Messines - Silves 60

61 Programa de Equipamentos Urbanos de Utilização Colectiva Subprograma: 2 Designação do Projecto: Obras de reparação da Igreja Paroquial de Barão de São Miguel Vila do Bispo Processo Nº 74/2006 ALG-006/RL/05 Entidade Responsável: Fábrica da Igreja da Freguesia de Barão de São Miguel Concelho de Vila do Bispo Investimento Elegível: ,00 Comparticipação: ,00 Descrição: Reparação do telhado da sacristia e telhado principal da Igreja. Substituição de madeiramentos e colocação de novo tecto Reboco das paredes interiores e exteriores. Reparação da calçada exterior e pintura integral do edifício Protocolo celebrado a: 12 de Setembro de 2006 Data de Conclusão: Abril de

62 Igreja de Barão de São Miguel Vila do Bispo 62

63 ANTES Igreja Paroquial de Barão de São Miguel Vila do Bispo 63

64 DURANTE A INTERVENÇÃO Igreja Paroquial de Barão de São Miguel Vila do Bispo 64

65 DEPOIS Igreja Paroquial de Barão de São Miguel Vila do Bispo 65

66 Programa de Equipamentos Urbanos de Utilização Colectiva Subprograma: 2 Designação do Projecto: Obras de conservação e restauro do telhado oeste e centro, do edifício do Seminário de São José Entidade Responsável: Seminário de São José da Diocese do Algarve - Concelho de Faro Investimento Elegível: ,00 Comparticipação: ,00 Descrição: O projecto em análise refere-se a obras de conservação e restauro do telhado do edifício do Seminário de S. José, em Faro, nomeadamente o levantamento de telhas existentes, substituição do madeiramento e vigamento incluindo linhas de asna, calços ou chapuzes, madres, escoras, tirantes, pendural, cumeeira e limatesa. Protocolo celebrado a: 06 de Setembro de 2007 Data da conclusão: Dezembro de

67 Seminário de São José da Diocese do Algarve - Faro 67

68 ANTES Seminário de São José da Diocese do Algarve - Faro 68

69 DURANTE A INTERVENÇÃO Seminário de São José da Diocese do Algarve - Faro 69

70 DEPOIS Seminário de São José da Diocese do Algarve - Faro 70

71 Programa de Equipamentos Urbanos de Utilização Colectiva Subprograma: 2 Designação do Projecto: Recuperação da Igreja de Nossa Senhora da Graça da Fortaleza de Sagres Processo Nº 75/2006 ALG-002/RL/05 Entidade Responsável: Fábrica da Igreja Paroquial da Freguesia de Sagres Concelho de Vila do Bispo Investimento Elegível: ,80 Comparticipação: ,46 Descrição: Obras de restauro, designadamente recuperação de paredes interiores e exteriores, cobertura, conservação e restauro de vitrais, retábulo, imaginária, lampadário e outros materiais. Protocolo celebrado a: 12 de Setembro de 2006 Data da conclusão: Outubro de

72 Nossa Senhora da Graça da Fortaleza de Sagres 72

73 ANTES Nossa Senhora da Graça da Fortaleza de Sagres 73

74 DURANTE A INTERVENÇÃO Nossa Senhora da Graça da Fortaleza de Sagres 74

75 DURANTE A INTERVENÇÃO Nossa Senhora da Graça da Fortaleza de Sagres 75

76 DEPOIS Nossa Senhora da Graça da Fortaleza de Sagres 76

77 Programa de Equipamentos Urbanos de Utilização Colectiva Subprograma: 2 Designação do Projecto: Remodelação das Instalações do CKT Clube de Karaté de Tavira Processo Nº 3/2007 ALG-008/DP/04 Entidade Responsável: C.K.T. Clube de Karaté de Tavira - Concelho de Tavira Investimento Elegível: ,73 Comparticipação: ,51 Descrição: Esta obra teve como objectivo o aproveitamento de umas instalações cedidas pela Câmara Municipal de Tavira, para adaptação a Sede Social e Desportiva, onde se fará a prática de Artes Marciais. Protocolo celebrado a: 06 de Setembro de 2007 Data da conclusão: Outubro de

78 C.K.T. Clube de Karaté de Tavira 78

79 ANTES C.K.T. Clube de Karaté de Tavira 79

80 DURANTE A INTERVENÇÃO C.K.T. Clube de Karaté de Tavira 80

81 DEPOIS C.K.T. Clube de Karaté de Tavira 81

82 DEPOIS C.K.T. Clube de Karaté de Tavira 82

83 Ficha Técnica Direcção de Serviços de Apoio Jurídico e Administração Local DSAJAL Dezembro de 09 Coordenação Teresa Marques Concepção, Elaboração e tratamento informático Humberto Lopes e Henrique Brás Apoio logístico Cecília Pereira Impressão e acabamento Reprografia da CCDRAlg Cláudio Freitas e João Nobre Publicação disponível On-line em 83

REGULAMENTO PROGRAMA RECUPERAÇÃO DE HABITAÇÕES NA ZONA HISTÓRICA DA CIDADE E DEVESA

REGULAMENTO PROGRAMA RECUPERAÇÃO DE HABITAÇÕES NA ZONA HISTÓRICA DA CIDADE E DEVESA REGULAMENTO DO PROGRAMA RECUPERAÇÃO DE HABITAÇÕES NA ZONA HISTÓRICA DA CIDADE E DEVESA INTRODUÇÃO O levantamento socioeconómico da população residente nas zonas antigas evidencia um significativo número

Leia mais

Listagem de Erros e Omissões

Listagem de Erros e Omissões Listagem de Erros e Omissões - No ponto 13 do caderno de encargos - Critérios de adjudicação, factor preço, uma fórmula matemática, em que uma das parcelas, nomeadamente a PREm - o menor preço proposto,

Leia mais

NOTA JUSTIFICATIVA. a) Revestimento de fachadas

NOTA JUSTIFICATIVA. a) Revestimento de fachadas Proposta de Regulamento do programa de incentivos à recuperação de fachadas, coberturas e vãos de imóveis degradados nos aglomerados urbano nos Concelho de Penamacor NOTA JUSTIFICATIVA Pretende-se com

Leia mais

DEPARTAMENTO DE OBRAS E GESTÃO DE INFRA-ESTRUTURAS MUNICIPAIS FICHA TÉCNICA

DEPARTAMENTO DE OBRAS E GESTÃO DE INFRA-ESTRUTURAS MUNICIPAIS FICHA TÉCNICA PARTAMENTO OBRAS E GESTÃO FICHA TÉCNICA 1. INTIFICAÇÃO Casa Museu Miguel Torga 2. LOCALIZAÇÃO Praça Sá de Miranda. Freguesia de Santo António dos Olivais 3. SCRIÇÃO GERAL A Câmara Municipal deliberou em

Leia mais

REGULAMENTO DE APOIO A INICIATIVAS EMPRESARIAIS ECONÓMICAS DE INTERESSE MUNICIPAL

REGULAMENTO DE APOIO A INICIATIVAS EMPRESARIAIS ECONÓMICAS DE INTERESSE MUNICIPAL REGULAMENTO DE APOIO A INICIATIVAS EMPRESARIAIS ECONÓMICAS DE INTERESSE MUNICIPAL O Município de Chaves tem entendido como de interesse municipal as iniciativas empresariais de natureza económica que contribuem

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DE APOIO ÀS ENTIDADES DESPORTIVAS

REGULAMENTO MUNICIPAL DE APOIO ÀS ENTIDADES DESPORTIVAS REGULAMENTO MUNICIPAL DE APOIO ÀS ENTIDADES DESPORTIVAS Critérios específicos de apoio para época desportiva 2011/2012 Introdução O Regulamento n.º 635/2010 Regulamento Municipal de Apoio às Entidades

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DE APOIO E FINANCIAMENTO DO ASSOCIATIVISMO DESPORTIVO

REGULAMENTO MUNICIPAL DE APOIO E FINANCIAMENTO DO ASSOCIATIVISMO DESPORTIVO MUNICÍPIO DE S. PEDRO DO SUL GABINETE DE DESPORTO REGULAMENTO MUNICIPAL DE APOIO E FINANCIAMENTO DO ASSOCIATIVISMO DESPORTIVO REGULAMENTO MUNICIPAL DE APOIO E FINANCIAMENTO DO ASSOCIATIVISMO DESPORTIVO

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DE APOIO AO MOVIMENTO ASSOCIATIVO

REGULAMENTO MUNICIPAL DE APOIO AO MOVIMENTO ASSOCIATIVO REGULAMENTO MUNICIPAL DE APOIO AO MOVIMENTO ASSOCIATIVO A Câmara Municipal de Serpa no âmbito da sua politica para as áreas sócio-cultural e desportiva, considera o movimento associativo como parceiro

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DE APOIOS AO ASSOCIATIVISMO

REGULAMENTO MUNICIPAL DE APOIOS AO ASSOCIATIVISMO REGULAMENTO MUNICIPAL DE APOIOS AO ASSOCIATIVISMO (Aprovado na 6ª Reunião Ordinária de Câmara Municipal realizada em 18 de Março de 2003, na 2ª Sessão Extraordinária de Assembleia Municipal, realizada

Leia mais

Divisão de Assuntos Sociais

Divisão de Assuntos Sociais Divisão de Assuntos Sociais Programa de Apoio às Entidades Sociais de Odivelas (PAESO) Índice Pág. Preâmbulo 1 1. Objectivos 2 2. Destinatários 2 3. Modalidades de Apoio 2 3.1. Subprograma A - Apoio à

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS

REGULAMENTO INTERNO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS REGULAMENTO INTERNO Preâmbulo A Rede Social assenta numa estratégia participada de planeamento, que procura racionalizar e conferir maior eficácia, quer à intervenção dos agentes na aplicação das medidas,

Leia mais

REGULAMENTO programa de apoio às pessoas colectivas de direito privado sem fins lucrativos do município de santa maria da feira

REGULAMENTO programa de apoio às pessoas colectivas de direito privado sem fins lucrativos do município de santa maria da feira REGULAMENTO programa de apoio às pessoas colectivas de direito privado sem fins lucrativos do município de santa maria da feira PG 02 NOTA JUSTIFICATIVA O presente regulamento promove a qualificação das

Leia mais

PROPOSTA DE RESTAURAÇÃO PARA A IGREJA DE SANTO ANTÔNIO EM BELÉM/PA. Aluna: Stephanie Mendes Orientadora: Profa. Dra. Thais Sanjad

PROPOSTA DE RESTAURAÇÃO PARA A IGREJA DE SANTO ANTÔNIO EM BELÉM/PA. Aluna: Stephanie Mendes Orientadora: Profa. Dra. Thais Sanjad PROPOSTA DE RESTAURAÇÃO PARA A IGREJA DE SANTO ANTÔNIO EM BELÉM/PA Aluna: Stephanie Mendes Orientadora: Profa. Dra. Thais Sanjad Século XVIII Brasil disseminação da a arquitetura Barroca Construções Religiosas

Leia mais

Normas e Critérios de Apoio ao Movimento Associativo Cultural do Concelho 1 - INTRODUÇÃO

Normas e Critérios de Apoio ao Movimento Associativo Cultural do Concelho 1 - INTRODUÇÃO 1 - INTRODUÇÃO O desenvolvimento cultural constitui um dos elementos estruturantes da democratização do país, para o qual o Movimento Associativo Cultural (MAC), de base popular, tem dado um contributo

Leia mais

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada RUA DO CASTELO,, Localidade MONTEMOR-O-VELHO

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada RUA DO CASTELO,, Localidade MONTEMOR-O-VELHO Válido até 29/03/2025 IDENTIFICAÇÃO POSTAL Morada RUA DO CASTELO,, Localidade MONTEMOR-O-VELHO Freguesia MONTEMOR-O-VELHO E GATÕES Concelho MONTEMOR-O-VELHO GPS 40.173269, -8.685544 IDENTIFICAÇÃO PREDIAL/FISCAL

Leia mais

Programa de Apoio ao Associativismo Sesimbrense

Programa de Apoio ao Associativismo Sesimbrense Programa de Apoio ao Associativismo Sesimbrense Aprovado em Reunião de Câmara de 24 de Janeiro de 2001 Índice 1º. Introdução 2º. Objectivos 3º. Áreas de Acção 4º. Tipos de Apoio 5º. Metodologia da Apresentação

Leia mais

ATELIER ESTUDOS E PROJETOS MEMORIA DESCRITIVA

ATELIER ESTUDOS E PROJETOS MEMORIA DESCRITIVA MEMORIA DESCRITIVA NOME: Renato Nuno de Jorge Alberto LOCAL: Rua Serpa Pinto nº1 Horta Ilha do Faial OBRA: Reconstrução de Edifício para Turismo de Habitação 1 INTRODUÇÃO Refere-se esta memória descritiva

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DE APOIO AO ASSOCIATIVISMO

REGULAMENTO MUNICIPAL DE APOIO AO ASSOCIATIVISMO REGULAMENTO MUNICIPAL DE APOIO AO ASSOCIATIVISMO Preâmbulo O Regulamento Municipal de Apoio ao Associativismo tem por objetivo definir a metodologia e os critérios de apoio da Câmara Municipal da Nazaré

Leia mais

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada RUA DO CHOUPELO, 811, R/C ESQUERDO Localidade VILA NOVA DE GAIA

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada RUA DO CHOUPELO, 811, R/C ESQUERDO Localidade VILA NOVA DE GAIA Válido até 11/02/2024 IDENTIFICAÇÃO POSTAL Morada RUA DO CHOUPELO, 811, R/C ESQUERDO Localidade VILA NOVA DE GAIA Freguesia VILA NOVA DE GAIA (SANTA MARINHA) Concelho VILA NOVA DE GAIA GPS 41.070000, -8.360000

Leia mais

Conselho Local de Acção Social de Vila Verde. Regulamento Interno

Conselho Local de Acção Social de Vila Verde. Regulamento Interno Conselho Local de Acção Social de Vila Verde Regulamento Interno Regulamento Interno do Concelho Local de Acção Social de Vila Verde Preâmbulo A Rede Social é uma medida activa de política social criada

Leia mais

Regulamento de Apoio à Mobilidade e Intercâmbio Cultural

Regulamento de Apoio à Mobilidade e Intercâmbio Cultural Regulamento de Apoio à Mobilidade e Intercâmbio Cultural Preâmbulo A Câmara Municipal de Nordeste tem vindo a apoiar ao longo dos anos de forma directa e organizada toda a actividade cultural no concelho

Leia mais

Projecto Lei n.º 736/X/4.ª ELEVAÇÃO DA POVOAÇÃO DA MADALENA A VILA. I Enquadramento histórico

Projecto Lei n.º 736/X/4.ª ELEVAÇÃO DA POVOAÇÃO DA MADALENA A VILA. I Enquadramento histórico Projecto Lei n.º 736/X/4.ª ELEVAÇÃO DA POVOAÇÃO DA MADALENA A VILA I Enquadramento histórico A Madalena, é uma povoação do concelho de Vila Nova de Gaia, com sinais de presença humana desde tempos imemoriais,

Leia mais

ÍNDICE. PREÂMBULO Pág. 02. CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Pág. 03. CAPÍTULO II MEDIDAS DE APOIO Pág. 04. CAPÍTULO III CANDIDATURAS Pág.

ÍNDICE. PREÂMBULO Pág. 02. CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Pág. 03. CAPÍTULO II MEDIDAS DE APOIO Pág. 04. CAPÍTULO III CANDIDATURAS Pág. ÍNDICE PREÂMBULO Pág. 02 CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Pág. 03 CAPÍTULO II MEDIDAS DE APOIO Pág. 04 CAPÍTULO III CANDIDATURAS Pág. 10 CAPÍTULO IV DISPOSIÇÕES FINAIS Pág. 12 ANEXOS FICHAS DE CANDIDATURA

Leia mais

O Edifício Escolar Inclusivo

O Edifício Escolar Inclusivo O Edifício Escolar Inclusivo Todos os homens nascem iguais em liberdade e direitos Declaração Universal dos Direitos Humanos Importância da acessibilidade a qualquer lugar por parte de todos Implicações

Leia mais

Rede Social PLANO DE AÇÃO

Rede Social PLANO DE AÇÃO Rede Social PLANO DE AÇÃO 2011 R E D E SOCIAL DO CONCELHO DE VILA DO BISPO 1 Rede Social Rede Social do Concelho de Vila do PLANO DE ACÇÃO 2011 Ficha Técnica Entidade Promotora: Câmara Municipal de Vila

Leia mais

Regulamento do Programa de Incentivos à "Recuperação de Habitações na Zona Histórica da Vila"

Regulamento do Programa de Incentivos à Recuperação de Habitações na Zona Histórica da Vila Município de Figueiró dos Vinhos Regulamento do Programa de Incentivos à "Recuperação de Habitações na Zona Histórica da Vila" (regulamento que está em vigor após processo de alteração) Aprovado em reunião

Leia mais

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada RUA ENGENHEIRO CARLOS RODRIGUES, BLOCO N.º 4, 1º D Localidade ÁGUEDA

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada RUA ENGENHEIRO CARLOS RODRIGUES, BLOCO N.º 4, 1º D Localidade ÁGUEDA Válido até 16/01/2025 IDENTIFICAÇÃO POSTAL Morada RUA ENGENHEIRO CARLOS RODRIGUES, BLOCO N.º 4, 1º D Localidade ÁGUEDA Freguesia ÁGUEDA E BORRALHA Concelho AGUEDA GPS 40.577121, -8.439516 IDENTIFICAÇÃO

Leia mais

Instituto da Segurança Social, I.P. Centro Distrital de Lisboa Sector da Rede Social

Instituto da Segurança Social, I.P. Centro Distrital de Lisboa Sector da Rede Social REDE SOCIAL Instituto da Segurança Social, I.P. Centro Distrital de Lisboa Sector da Rede Social REDE SOCIAL A Rede Social pretende constituir um novo tipo de parceria entre entidades públicas e privadas

Leia mais

Política de Cidades Parcerias para a Regeneração Urbana

Política de Cidades Parcerias para a Regeneração Urbana Política de Cidades Parcerias para a Regeneração Urbana Aviso de Abertura de Concurso para Apresentação de Candidaturas de Programas de Acção PRU/2/2008 Grandes Centros Política de Cidades - Parcerias

Leia mais

PROGRAMA MODELAR MANUAL DE APOIO AO PROCESSO DE CANDIDATURA

PROGRAMA MODELAR MANUAL DE APOIO AO PROCESSO DE CANDIDATURA PROGRAMA MODELAR MANUAL DE APOIO AO PROCESSO DE CANDIDATURA 1 MANUAL DE APOIO AO PROCESSO DE CANDIDATURA AO PROGRAMA MODELAR O Programa MODELAR tem como objectivo a atribuição de apoio financeiro pelas

Leia mais

Junta de Freguesia de Ançã

Junta de Freguesia de Ançã REGULAMENTO DE ATRIBUIÇÃO DE SUBSÍDIOS ÀS ACTIVIDADES DAS ASSOCIAÇÕES DESPORTIVAS, RECREATIVAS E CULTURAIS DA FREGUESIA DE ANÇÃ A importância do associativismo para o desenvolvimento harmonioso da freguesia

Leia mais

CERTIFICADO DE DESEMPENHO ENERGÉTICO E DA QUALIDADE DO AR INTERIOR

CERTIFICADO DE DESEMPENHO ENERGÉTICO E DA QUALIDADE DO AR INTERIOR Nº CER CE0000045965837 CERTIFICADO DE DESEMPENHO ENERGÉTICO E DA QUALIDADE DO AR INTERIOR TIPO DE FRACÇÃO/EDIFÍCIO: EDIFÍCIO DE HABITAÇÃO SEM SISTEMA(S) DE CLIMATIZAÇÃO (NOVO) Morada / Localização Vila

Leia mais

BENS IMÓVEIS. DISTRITO: Sede. USO ATUAL: Institucional

BENS IMÓVEIS. DISTRITO: Sede. USO ATUAL: Institucional Página 1 de 6 IPAC N º08/2012 BENS IMÓVEIS MUNICÍPIO: DISTRITO: Sede DESIGNAÇÃO: Asilo São Vicente de Paulo ENDEREÇO: Rua Coronel Severiano, 131 - Fundinho USO ATUAL: Institucional PROPRIEDADE/ SITUAÇÃO

Leia mais

REGULAMENTO DE ATRIBUIÇÃO DE APOIO FINANCEIRO ÀS ASSOCIAÇÕES AMBIENTAIS, CÍVICAS, CULTURAIS, DESPORTIVAS E JUVENIS DO MUNICÍPIO DA LOUSÃ

REGULAMENTO DE ATRIBUIÇÃO DE APOIO FINANCEIRO ÀS ASSOCIAÇÕES AMBIENTAIS, CÍVICAS, CULTURAIS, DESPORTIVAS E JUVENIS DO MUNICÍPIO DA LOUSÃ REGULAMENTO DE ATRIBUIÇÃO DE APOIO FINANCEIRO ÀS ASSOCIAÇÕES AMBIENTAIS, CÍVICAS, CULTURAIS, DESPORTIVAS E JUVENIS DO MUNICÍPIO DA LOUSÃ CAPÍTULO I Disposições Comuns Artigo 1.º Lei Habilitante O presente

Leia mais

MEMÓRIA DESCRITIVA E JUSTIFICATIVA

MEMÓRIA DESCRITIVA E JUSTIFICATIVA MEMÓRIA DESCRITIVA E JUSTIFICATIVA Refere-se a presente Memória Descritiva e Justificativa ao Projecto de Arquitectura relativo á obra de Construção do Quartel/Sede da Associação Humanitária dos Bombeiros

Leia mais

PROJECTO DE INSTALAÇÕES DE CLIMATIZAÇÃO MEMÓRIA DESCRITIVA. Processo: 6950.9.01 Data: Outubro 10 Rev: A. Mod. (09) CP1_00

PROJECTO DE INSTALAÇÕES DE CLIMATIZAÇÃO MEMÓRIA DESCRITIVA. Processo: 6950.9.01 Data: Outubro 10 Rev: A. Mod. (09) CP1_00 Mod. (09) CP1_00 SOCIEDADE POLIS LITORAL RIA FORMOSA, SA Elaboração de Projectos de Execução para a requalificação de espaços ribeirinhos, de parques públicos e percursos pedonais - Parque Ribeirinho de

Leia mais

REGULAMENTO PARA A CONCESSÃO DE APOIOS AO DESENVOLVIMENTO CULTURAL, SOCIAL E RECREATIVO. Nota Justificativa

REGULAMENTO PARA A CONCESSÃO DE APOIOS AO DESENVOLVIMENTO CULTURAL, SOCIAL E RECREATIVO. Nota Justificativa REGULAMENTO PARA A CONCESSÃO DE APOIOS AO DESENVOLVIMENTO CULTURAL, SOCIAL E RECREATIVO Nota Justificativa No quadro das competências atribuídas aos municípios pelas Leis n.º 169/99, de 18 de Setembro,

Leia mais

Despacho n.º 7187/2003 (2.ª série) (Publicado no DR, IIª Série, n.º 86, de 11 de Abril de 2003, págs. 5714-5722)

Despacho n.º 7187/2003 (2.ª série) (Publicado no DR, IIª Série, n.º 86, de 11 de Abril de 2003, págs. 5714-5722) MINISTÉRIO DAS CIDADES, ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E AMBIENTE Despacho n.º 7187/2003 (2.ª série) (Publicado no DR, IIª Série, n.º 86, de 11 de Abril de 2003, págs. 5714-5722) Regulamento do Programa de

Leia mais

Descritivo Modelo de Infraestrutura para CDC DMIC

Descritivo Modelo de Infraestrutura para CDC DMIC Descritivo Modelo de Infraestrutura para CDC DMIC CONTATO E-MAIL: implantacao@redecidadania.ba.gob.br VERSÃO 9.0 MAIO / 2015 ESPECIFICAÇÕES DO ESPAÇO DO CDC Para a implantação do CDC é necessário encontrar

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE APOIO AO ASSOCIATIVISMO

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE APOIO AO ASSOCIATIVISMO REGULAMENTO DO PROGRAMA DE APOIO AO ASSOCIATIVISMO NOTA JUSTIFICATIVA O associativismo seja de carácter desportivo, cultural ou juvenil, apresenta-se como uma importante dimensão da vida das comunidades

Leia mais

MINISTÉRIO DO TRABALHO E DA SOLIDARIEDADE SOCIAL. Gabinete do Secretário de Estado da Segurança Social DESPACHO Nº 9-I/SESS/2008

MINISTÉRIO DO TRABALHO E DA SOLIDARIEDADE SOCIAL. Gabinete do Secretário de Estado da Segurança Social DESPACHO Nº 9-I/SESS/2008 DESPACHO Nº 9-I/SESS/2008 O Despacho n.º 16790/2008, de 20 de Junho, 2.ª Série, criou a Medida de Apoio à Segurança dos Equipamentos Sociais, adiante designada por Medida de Apoio à Segurança, dirigida

Leia mais

APARTAMENTO NO 3º ANDAR DE UM PRÉDIO SEM ELEVADOR

APARTAMENTO NO 3º ANDAR DE UM PRÉDIO SEM ELEVADOR Pedido Orçamento Obras apartamento Algés Lisboa APARTAMENTO NO 3º ANDAR DE UM PRÉDIO SEM ELEVADOR AREA APROX. 80m2 3 quartos 1 casa de banho Cozinha Prédio de construção pombalina. Remodelação para habitação

Leia mais

Freguesia de Gouveia

Freguesia de Gouveia PROGRAMA DE OCUPAÇÃO DE TEMPOS LIVRES DA FREGUESIA REGULAMENTO 1º Objecto O Programa de Ocupação de Tempos Livres promovido pela Junta de Freguesia, tem por objectivo proporcionar a ocupação saudável dos

Leia mais

Proposta de Regulamento de Apoio e Financiamento do Associativismo Desportivo

Proposta de Regulamento de Apoio e Financiamento do Associativismo Desportivo Proposta de Regulamento de Apoio e Financiamento do Associativismo Desportivo Dezembro 2007 Capítulo I Disposições gerais Artigo 1.º Âmbito e objecto 1. O presente regulamento visa definir as normas e

Leia mais

Regulamento Interno do Conselho Local de Acção Social de Mafra

Regulamento Interno do Conselho Local de Acção Social de Mafra Regulamento Interno do Conselho Local de Acção Social de Mafra Capítulo I (Disposições gerais) Artigo 1º Objecto O presente regulamento interno destina-se a definir e dar a conhecer os princípios a que

Leia mais

Projecto para um conjunto de habitações unifamiliares São Luís, Maranhão, Brasil. Projecto

Projecto para um conjunto de habitações unifamiliares São Luís, Maranhão, Brasil. Projecto O sistema construtivo é simples, tendo sido dada preferência a materiais correntes, ou seja, de utilização mais frequente no local, com soluções técnicas enquadradas na mão-de-obra local e adequadas ao

Leia mais

REGULAMENTO DE APOIO AO MOVIMENTO ASSOCIATIVO DESPORTIVO

REGULAMENTO DE APOIO AO MOVIMENTO ASSOCIATIVO DESPORTIVO REGULAMENTO DE APOIO AO MOVIMENTO ASSOCIATIVO DESPORTIVO Capitulo I - Generalidades Artigo 1º Definição O Regulamento de Apoio ao Associativismo Desportivo, define os Programas, Tipos de apoio e critérios,

Leia mais

sobre as quais recaíram despachos de aprovação do Presidente da Câmara, que se submetem a

sobre as quais recaíram despachos de aprovação do Presidente da Câmara, que se submetem a Fl. ATA N.º 14/13 ATA DA REUNIÃO ORDINÁRIA DA CÂMARA MUNICIPAL DA PÓVOA DE VARZIM DE 01 DE JULHO DE 2013 Ao primeiro dia do mês de Julho de dois mil e treze, pelas dezoito horas, na Sala de Reuniões dos

Leia mais

FORMULÁRIO DE CANDIDATURA 1. A) ENTIDADE PROMOTORA 1. Identificação Ano a que respeita a candidatura

FORMULÁRIO DE CANDIDATURA 1. A) ENTIDADE PROMOTORA 1. Identificação Ano a que respeita a candidatura FORMULÁRIO DE CANDIDATURA 1 NORMAS DE APOIO ÀS INSTITUIÇÕES SEM FINS LUCRATIVOS DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL E DE SAÚDE DO CONCELHO DE FARO Exmº Sr. Presidente da Câmara Municipal de Faro Solicito que seja

Leia mais

Portaria 560/2004, de 26 de Maio

Portaria 560/2004, de 26 de Maio Portaria 560/2004, de 26 de Maio Aprova o Regulamento Específico da Medida «Apoio à Internacionalização da Economia A Resolução do Conselho de Ministros n.º 103/2002, de 17 de Junho, publicada em 26 de

Leia mais

Câmara Municipal de Barcelos

Câmara Municipal de Barcelos Câmara Municipal de Barcelos Reunião ordinária do executivo 17 de janeiro de 2014 Lista completa das deliberações 1. Atribuição de subsídio para refeição escolar, com efeitos retroativos à data do pedido

Leia mais

CERTIFICADO DE DESEMPENHO ENERGÉTICO E DA QUALIDADE DO AR INTERIOR

CERTIFICADO DE DESEMPENHO ENERGÉTICO E DA QUALIDADE DO AR INTERIOR Nº CER CE53106823 CERTIFICADO DE DESEMPENHO ENERGÉTICO E DA QUALIDADE DO AR INTERIOR TIPO DE FRACÇÃO/EDIFÍCIO: EDIFÍCIO DE HABITAÇÃO SEM SISTEMA(S) DE CLIMATIZAÇÃO (NOVO) Morada / Localização Vila Utopia,

Leia mais

Desempenho Acústico de Edifícios Casos de Estudo

Desempenho Acústico de Edifícios Casos de Estudo Desempenho Acústico de Edifícios Casos de Estudo Diogo Mateus (dm@contraruido.com) Conteúdo da apresentação: Enquadramento e objectivos do trabalho Problemas típicos na execução de soluções construtivas

Leia mais

REUNIÃO ORDINÁRIA DA CÂMARA MUNICIPAL DE S. JOÃO DA MADEIRA. --- DATA DA REUNIÃO: Dezassete de julho de dois mil e doze. --------------------------

REUNIÃO ORDINÁRIA DA CÂMARA MUNICIPAL DE S. JOÃO DA MADEIRA. --- DATA DA REUNIÃO: Dezassete de julho de dois mil e doze. -------------------------- REUNIÃO ORDINÁRIA DA CÂMARA MUNICIPAL DE S. JOÃO DA MADEIRA AT A N º 18/2012 - JULHO --- DATA DA REUNIÃO: Dezassete de julho de dois mil e doze. -------------------------- --- LOCAL DA REUNIÃO: Sala das

Leia mais

MORADIA RELVA NORDELA SÃO MIGUEL

MORADIA RELVA NORDELA SÃO MIGUEL MORADIA RELVA NORDELA SÃO MIGUEL NOTA TÉCNICA DE PATOLOGIAS (Elaborado por António Barbosa de Campos, AATAE CP3309, Pós-graduação em Engenharia de Qualidade) 1. INTRODUÇÃO O objeto da presente Nota Técnica

Leia mais

FICHA TÉCNICA DA HABITAÇÃO

FICHA TÉCNICA DA HABITAÇÃO FICHA TÉCNICA DA HABITAÇÃO provisória definitiva 1. Prédio urbano / fracção autónoma Morada Código Postal - Inscrito na matriz predial da freguesia de art.º n.º Registado na Conservatória do Registo Predial

Leia mais

Regulamento do Programa de Incentivos à Recuperação de fachadas e coberturas de Imóveis degradados situados na Cidadela de Bragança NOTA JUSTIFICATIVA

Regulamento do Programa de Incentivos à Recuperação de fachadas e coberturas de Imóveis degradados situados na Cidadela de Bragança NOTA JUSTIFICATIVA Regulamento do Programa de Incentivos à Recuperação de fachadas e coberturas de Imóveis degradados situados na Cidadela de Bragança NOTA JUSTIFICATIVA Face ao quadro legal em vigor, ao abrigo do qual se

Leia mais

Plano de Pormenor de Salvaguarda e Valorização do Núcleo Histórico de Sines. Proposta de Termos de Referência

Plano de Pormenor de Salvaguarda e Valorização do Núcleo Histórico de Sines. Proposta de Termos de Referência Plano de Pormenor de Salvaguarda e Valorização do Núcleo Histórico de Sines Proposta de Termos de Referência Câmara Municipal de Sines Divisão de Planeamento, Ordenamento do Território e Ambiente OUTUBRO

Leia mais

REABILITAÇÃO DO PARQUE HABITACIONAL INTRODUÇÃO

REABILITAÇÃO DO PARQUE HABITACIONAL INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO A política social de habitação traçada pelo Município de Gaia favorece e estimula a reabilitação e manutenção do parque habitacional, potenciando o aproveitamento adequado do património existente

Leia mais

Regulamento de Apoio ao Movimento Associativo

Regulamento de Apoio ao Movimento Associativo Regulamento de Apoio ao Movimento Associativo As associações são a expressão do dinamismo e interesse das populações que entusiasticamente se dedicam e disponibilizam em prol da causa pública. As associações

Leia mais

MUSEU DO AZULEJO APRESENTAÇÃO

MUSEU DO AZULEJO APRESENTAÇÃO MUSEU DO AZULEJO APRESENTAÇÃO O Museu Nacional do Azulejo tem por missão recolher, conservar, estudar e divulgar exemplares representativos da evolução da Cerâmica e do Azulejo em Portugal, promovendo

Leia mais

NORMAS TÉCNICAS PARA OS SISTEMAS DE DEPOSIÇÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS EM EDIFICAÇÕES NO CONCELHO DO PORTO

NORMAS TÉCNICAS PARA OS SISTEMAS DE DEPOSIÇÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS EM EDIFICAÇÕES NO CONCELHO DO PORTO 1. Disposições gerais 1.1. De acordo com o Art.º 12 do Regulamento Municipal de Resíduos Sólidos Urbanos e Limpeza Pública, publicado no Diário da República de 17 de Setembro de 1999 e no Edital Camarário

Leia mais

Imprensa Oficial da Estância de Atibaia Sábado, 7 de setembro de 2013 - nº 1524 - Ano XVII - Caderno C - Volume V de V

Imprensa Oficial da Estância de Atibaia Sábado, 7 de setembro de 2013 - nº 1524 - Ano XVII - Caderno C - Volume V de V Prefeitura da Estância de Atibaia 201 Comércio - Precário Definição: Edificações inacabadas, deficiências aparentes, construídas com tijolos ou blocos. Coberta de telha ou laje pré moldada sem acabamento,

Leia mais

- População com deficiência - População do concelho com deficiência, segundo o tipo e o grau - Instituições de apoio a deficientes

- População com deficiência - População do concelho com deficiência, segundo o tipo e o grau - Instituições de apoio a deficientes - Infância e Juventude - Instituições de apoio à Infância e Juventude - Taxas de Cobertura, por valência - Instituições com valência de internato - Crianças do Concelho institucionalizadas - CPCJ - Número

Leia mais

Candidatura 2010 ENERGIA. Utilização racional de energia e eficiência energético - ambiental em equipamentos colectivos IPSS e ADUP

Candidatura 2010 ENERGIA. Utilização racional de energia e eficiência energético - ambiental em equipamentos colectivos IPSS e ADUP Candidatura 2010 ENERGIA Utilização racional de energia e eficiência energético - ambiental em equipamentos colectivos IPSS e ADUP ÍNDICE: 1. ENQUADRAMENTO 2. EIXO 2 APOIO AS ENERGIAS RENOVÁVEIS 3. OBJECTIVOS

Leia mais

MUNICÍPIO DE SANTA CRUZ DA GRACIOSA Aviso n.º 28/2013 de 20 de Março de 2013

MUNICÍPIO DE SANTA CRUZ DA GRACIOSA Aviso n.º 28/2013 de 20 de Março de 2013 28 de fevereiro de 2013. - O Secretário Regional dos Recursos Naturais, Luís Nuno da Ponte Neto de Viveiros. - O Secretário Regional do Turismo e Transportes, Vítor Manuel Ângelo de Fraga. MUNICÍPIO DE

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO REFORMA DA CÂMARA DE VEREADORES DE CANOAS - RS

MEMORIAL DESCRITIVO REFORMA DA CÂMARA DE VEREADORES DE CANOAS - RS RODRIGUES & AGUINAGA PROJETOS LTDA. Av. Francisco Talaia de Moura, 545 CEP: 91170-090 - Porto Alegre/RS. CNPJ: 09.077.763/0001-05 MEMORIAL DESCRITIVO REFORMA DA CÂMARA DE VEREADORES DE CANOAS - RS 1 1.

Leia mais

PROJECTO DE REGULAMENTO MUNICIPAL DE ATRIBUIÇÃO DE APOIOS FINANCEIROS E NÃO FINANCEIROS. Nota justificativa

PROJECTO DE REGULAMENTO MUNICIPAL DE ATRIBUIÇÃO DE APOIOS FINANCEIROS E NÃO FINANCEIROS. Nota justificativa PROJECTO DE REGULAMENTO MUNICIPAL DE ATRIBUIÇÃO DE APOIOS FINANCEIROS E NÃO FINANCEIROS Nota justificativa A prossecução do interesse público municipal nas áreas da cultura, da acção social, das actividades

Leia mais

CURRICULUM VITAE. - Licenciada em História pela Universidade Lusíada no ano lectivo de 1989/90, com a classificação de catorze valores

CURRICULUM VITAE. - Licenciada em História pela Universidade Lusíada no ano lectivo de 1989/90, com a classificação de catorze valores CURRICULUM VITAE 1. DADOS PESSOAIS Lucinda Maria Correia Lucas dos Santos Lopes Data de Nascimento: 20.07.1963 2. HABILITAÇÕES LITERÁRIAS - Licenciada em História pela Universidade Lusíada no ano lectivo

Leia mais

CARTA DO ASSOCIATIVISMO DA ACÇÃO SOCIAL DO CONCELHO DE ESTREMOZ ANEXOS

CARTA DO ASSOCIATIVISMO DA ACÇÃO SOCIAL DO CONCELHO DE ESTREMOZ ANEXOS Carta do Associativismo da Acção Social 2007 - Anexos CARTA DO ASSOCIATIVISMO DA ACÇÃO SOCIAL DO CONCELHO DE ESTREMOZ ANEXOS 2007 Carta do Associativismo da Acção Social 2007 - Anexos CARTA DO ASSOCIATIVISMO

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DE INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO DE RECINTOS DE ESPECTÁCULOS E DIVERTIMENTOS PÚBLICOS

REGULAMENTO MUNICIPAL DE INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO DE RECINTOS DE ESPECTÁCULOS E DIVERTIMENTOS PÚBLICOS REGULAMENTO MUNICIPAL DE INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO DE RECINTOS DE ESPECTÁCULOS E DIVERTIMENTOS PÚBLICOS PREÂMBULO O regime jurídico geral aplicável aos recintos de espectáculos e divertimentos públicos

Leia mais

Redimensionar. Remodelar. Reforçar. Reabilitar

Redimensionar. Remodelar. Reforçar. Reabilitar UNIVERSIDADE DO ALGARVE ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA CONSTRUÇÃO E PROCESSOS Tema 5 Remodelação de Edifícios Remodelação de Edifícios Património histórico ou arquitectónico; Novas necessidades funcionais;

Leia mais

MUNICÍPIO DE AZAMBUJA REGULAMENTO DE APOIO AO ASSOCIATIVISMO NO MUNICÍPIO DE AZAMBUJA

MUNICÍPIO DE AZAMBUJA REGULAMENTO DE APOIO AO ASSOCIATIVISMO NO MUNICÍPIO DE AZAMBUJA MUNICÍPIO DE AZAMBUJA REGULAMENTO DE APOIO AO ASSOCIATIVISMO NO MUNICÍPIO DE AZAMBUJA Aprovado por deliberação da Assembleia Municipal de Azambuja de 15 de Dezembro de 2011. Publicado pelo Edital n.º 5/2012,

Leia mais

JUNTA DE FREGUESIA DE ALCABIDECHE. Índice. Actividades de Tempos Livres... 4. Colectividades... 7. Acção Social... 8. Salubridade e Cemitério...

JUNTA DE FREGUESIA DE ALCABIDECHE. Índice. Actividades de Tempos Livres... 4. Colectividades... 7. Acção Social... 8. Salubridade e Cemitério... 1 Índice Introdução... 2 Educação... 3 Actividades de Tempos Livres... 4 Cultura... 5 Desporto... 6 Colectividades... 7 Acção Social... 8 Salubridade e Cemitério... 10 Toponímia... 11 Obras... 12 Rede

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DE ATRIBUIÇÃO DE APOIO ÀS FREGUESIAS. Nota Justificativa

REGULAMENTO MUNICIPAL DE ATRIBUIÇÃO DE APOIO ÀS FREGUESIAS. Nota Justificativa REGULAMENTO MUNICIPAL DE ATRIBUIÇÃO DE APOIO ÀS FREGUESIAS Nota Justificativa A lei 75/2013 de 12 de setembro aprovou o regime jurídico das autarquias locais, o estatuto das entidades intermunicipais,

Leia mais

GABINETE PARA O CENTRO HISTÓRICO

GABINETE PARA O CENTRO HISTÓRICO GABINETE PARA O CENTRO HISTÓRICO FICHA TÉCNICA DA OBRA Recuperação do Imóvel sito na Rua Joaquim António de Aguiar, nºs 48 a 52 Dono de Obra: Câmara Municipal de Coimbra Localização e Implantação: Projecto:

Leia mais

MUNICÍPIO DE ALCOCHETE CÂMARA MUNICIPAL REGULAMENTO DE APOIO AO MOVIMENTO ASSOCIATIVO

MUNICÍPIO DE ALCOCHETE CÂMARA MUNICIPAL REGULAMENTO DE APOIO AO MOVIMENTO ASSOCIATIVO MUNICÍPIO DE ALCOCHETE CÂMARA MUNICIPAL REGULAMENTO DE APOIO AO MOVIMENTO ASSOCIATIVO Introdução 1. As Autarquias locais desempenharam ao longo dos últimos anos um papel insubstituível no desenvolvimento

Leia mais

O novo PDM é um instrumento para concretizar 7 grandes objetivos, uma nova visão estratégica de Lisboa.

O novo PDM é um instrumento para concretizar 7 grandes objetivos, uma nova visão estratégica de Lisboa. O novo PDM é um instrumento para concretizar 7 grandes objetivos, uma nova visão estratégica de Lisboa. Recuperar os habitantes perdidos na última década, nos próximos 10 anos ATRAIR MAIS HABITANTES Como?

Leia mais

MUNICÍPIO DE CONDEIXA-A-NOVA

MUNICÍPIO DE CONDEIXA-A-NOVA NOTA JUSTIFICATIVA Desde há muito que se vem fazendo sentir a necessidade de uma intervenção de carácter social, no âmbito da habitação. Existindo na área do Município de Condeixa, um número significativo

Leia mais

REGULAMENTO DO PROJECTO MUNICIPAL LOURES REPARA PEQUENAS REPARAÇÕES DOMÉSTICAS AO DOMICÍLIO

REGULAMENTO DO PROJECTO MUNICIPAL LOURES REPARA PEQUENAS REPARAÇÕES DOMÉSTICAS AO DOMICÍLIO REGULAMENTO DO PROJECTO MUNICIPAL LOURES REPARA PEQUENAS REPARAÇÕES DOMÉSTICAS AO DOMICÍLIO (Aprovado na 16.ª Reunião Ordinária de Câmara Municipal, realizada em 20 de Agosto de 2008 e na 4.ª Sessão Extraordinária

Leia mais

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada RUA DO MOLHE, 113, R/C ESQ.º Localidade PORTO

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada RUA DO MOLHE, 113, R/C ESQ.º Localidade PORTO Válido até 28/09/2025 IDENTIFICAÇÃO POSTAL Morada RUA DO MOLHE, 113, R/C ESQ.º Localidade PORTO Freguesia ALDOAR, FOZ DO DOURO E NEVOGILDE Concelho PORTO GPS 41.160004, -8.682547 IDENTIFICAÇÃO PREDIAL/FISCAL

Leia mais

PUC PLANO DE URBANIZAÇÃO DOS CANHAS TERMOS DE REFERÊNCIA RELATÓRIO DE FUNDAMENTAÇÃO

PUC PLANO DE URBANIZAÇÃO DOS CANHAS TERMOS DE REFERÊNCIA RELATÓRIO DE FUNDAMENTAÇÃO CÂMARA MUNICIPAL DE PONTA DO SOL DIVISÃO DE AMBIENTE E URBANISMO SPU PUC PLANO DE URBANIZAÇÃO DOS CANHAS UOPG 3 TERMOS DE REFERÊNCIA RELATÓRIO DE FUNDAMENTAÇÃO OUTUBRO 2014 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 2. NOTAS

Leia mais

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada AVª FONTES PEREIRA DE MELO, 51 A 51-G, 8º ESQ Localidade LISBOA

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada AVª FONTES PEREIRA DE MELO, 51 A 51-G, 8º ESQ Localidade LISBOA Válido até 19/01/2015 IDENTIFICAÇÃO POSTAL Morada AVª FONTES PEREIRA DE MELO, 51 A 51-G, 8º ESQ Localidade LISBOA Freguesia AVENIDAS NOVAS Concelho LISBOA GPS 39.700000, -8.000000 IDENTIFICAÇÃO PREDIAL/FISCAL

Leia mais

Plano de Pormenor de Reabilitação Urbana de Santa Catarina TERMOS DE REFERÊNCIA

Plano de Pormenor de Reabilitação Urbana de Santa Catarina TERMOS DE REFERÊNCIA Plano de Pormenor de Reabilitação Urbana de Santa Catarina Câmara Municipal de Sines Departamento de Gestão Territorial Divisão de Planeamento, Ordenamento do Território e Ambiente Novembro de 2012 Índice

Leia mais

CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DE OURÉM - CLASO -

CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DE OURÉM - CLASO - CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DE OURÉM - CLASO - CAPITULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1º Objecto O presente regulamento interno destina-se a definir e dar a conhecer os princípios a que obedece a constituição,

Leia mais

Recuperação e Readaptação Funcional de um Palacete para o Arquivo Municipal de Fafe

Recuperação e Readaptação Funcional de um Palacete para o Arquivo Municipal de Fafe Recuperação e Readaptação Funcional de um Palacete para o Arquivo Municipal de Fafe ANEXO II PROGRAMA PRELIMINAR Programa_Preliminar_JC_DOM 1 Recuperação e Readaptação Funcional de um Palacete para o Arquivo

Leia mais

1º trimestre 09. Microcrédito para o Auto-emprego e a. Portel e Mourão.

1º trimestre 09. Microcrédito para o Auto-emprego e a. Portel e Mourão. Desenvolvimento Alentejo Central, A.C.E. notícias do monte 1º trimestre 09 SIM Sistema de Microcrédito para o Auto-emprego e a Criação de Empresas Criação do Snack Bar Divas, Lda [Évora] Promotoras: Diana

Leia mais

Política de Cidades Parcerias para a Regeneração Urbana

Política de Cidades Parcerias para a Regeneração Urbana Política de Cidades Parcerias para a Regeneração Urbana Aviso de Abertura de Concurso para Apresentação de Candidaturas de Operações Isoladas PRU/1/2008 Política de Cidades Parcerias para a Regeneração

Leia mais

Disposições de Natureza Administrativa

Disposições de Natureza Administrativa PLANO DE PORMENOR DO POÇO QUENTE EM VIZELA REGULAMENTO (Alteração em Outubro de 2013) Capítulo I Disposições de Natureza Administrativa Artigo 1º Objecto O Plano de Pormenor do Poço Quente, adiante designado

Leia mais

REGULAMENTO GERAL JOGOS DESPORTIVOS 2011. 1 Introdução

REGULAMENTO GERAL JOGOS DESPORTIVOS 2011. 1 Introdução REGULAMENTO GERAL JOGOS DESPORTIVOS 1 Introdução Fazerem parte de uma equipa, aperceberem-se de que sozinhos e isolados muito pouco conseguirão, entenderem o valor da amizade e do apoio dos companheiros,

Leia mais

Regulamento de Atribuição de Apoios às Associações Culturais, Artísticas, Recreativas, Humanitárias e de Solidariedade Social do Concelho de Bragança

Regulamento de Atribuição de Apoios às Associações Culturais, Artísticas, Recreativas, Humanitárias e de Solidariedade Social do Concelho de Bragança Regulamento de Atribuição de Apoios às Associações Culturais, Artísticas, Recreativas, Humanitárias e de Solidariedade Social do Concelho de Bragança REGULAMENTO DE ATRIBUIÇÃO DE APOIOS ÀS ASSOCIAÇÕES

Leia mais

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA Diário da República, 1.ª série N.º 185 23 de Setembro de 2009 6789 de contrato de trabalho a tempo parcial e de contrato em regime de prestação de serviços, é calculado proporcionalmente. Artigo 13.º Direitos

Leia mais

Regulamento de Atribuição de Apoios

Regulamento de Atribuição de Apoios Regulamento de Atribuição de Apoios Às Associações Culturais, Artísticas, Recreativas, Humanitárias e de Solidariedade Social, da Junta Freguesia de Santa Cruz da Graciosa. Aprovado pela Assembleia de

Leia mais

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada SESMARIA DE SÃO JOSÉ, RUA DO AGRICULTOR, 51, Localidade SALVATERRA DE MAGOS

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada SESMARIA DE SÃO JOSÉ, RUA DO AGRICULTOR, 51, Localidade SALVATERRA DE MAGOS Válido até 13/03/2024 IDENTIFICAÇÃO POSTAL Morada SESMARIA DE SÃO JOSÉ, RUA DO AGRICULTOR, 51, Localidade SALVATERRA DE MAGOS Freguesia SALVATERRA DE MAGOS E FOROS DE SALVATERRA Concelho SALVATERRA DE

Leia mais

Acção 3.2.2 Serviços Básicos para a População Rural

Acção 3.2.2 Serviços Básicos para a População Rural 1. OBJECTIVOS DAS INTERVENÇÕES Os apoios previstos no âmbito do presente regulamento visam aumentar a acessibilidade a serviços básicos, que constituem um elemento essencial na equiparação dos níveis de

Leia mais

Condições Gerais de Acesso Forma de Cedência

Condições Gerais de Acesso Forma de Cedência Regulamento Municipal de Atribuição de Lotes para Instalação de Atividades Económicas, publicado pelo Aviso n.º 8063/2008, de 14 de março, com as alterações introduzidas pelo Regulamento n.º 492/2011,

Leia mais

P812 BAVIERA EXPO. Projecto de Execução da Reparação da impermeabilização da cobertura

P812 BAVIERA EXPO. Projecto de Execução da Reparação da impermeabilização da cobertura P812 BAVIERA EXPO Projecto de Execução da Reparação da Abril 2014 MEMÓRIA DESCRITIVA ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS MEDIÇÕES ANEXOS ÍNDICE DE PEÇAS DESENHADAS ÍNDICE Memória Descritiva... 6 1 Introdução...

Leia mais

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO TERRENOS TRAVESSA DA IGREJA DE NEVOGILDE NEVOGILDE. PORTO

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO TERRENOS TRAVESSA DA IGREJA DE NEVOGILDE NEVOGILDE. PORTO Introdução O presente relatório de avaliação diz respeito a dois prédios, um com armazém e outro com moradia, na Travessa da Igreja de Nevogilde, na cidade do Porto. A avaliação do terreno e/ou edifícios

Leia mais

Decreto-Lei n.º 129/2002 de 11 de Maio Aprova o Regulamento dos Requisitos Acústicos dos Edifícios

Decreto-Lei n.º 129/2002 de 11 de Maio Aprova o Regulamento dos Requisitos Acústicos dos Edifícios A leitura deste documento, que transcreve o conteúdo do Decreto-Lei n.º 129/2002, de 11 de Maio, não substitui a consulta da sua publicação em Diário da República. Decreto-Lei n.º 129/2002 de 11 de Maio

Leia mais

ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA

ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA 1. JUSTIFICATIVA: Considerando que os serviços de manutenção predial são imprescindíveis e de natureza contínua. Ademais, existem fatores diversos que influenciam na preservação

Leia mais