ECONOMIA Prof. Maurício Felippe Manzalli

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ECONOMIA Prof. Maurício Felippe Manzalli"

Transcrição

1 ECONOMIA Prof. Maurício Felippe Manzalli

2 Objetivos da atividade Destacar assuntos relacionados ao estudo da economia notadamente no ambiente empresarial e de comércio externo. Rever conceitos e definições. Verificar aplicações da análise econômica na formação de cenários.

3 Estudo da Economia - Qual a importância do estudo da Economia? - De que forma a Economia afeta o dia-a-dia das empresas e das pessoas comuns?

4 Conceituando Economia OIKOS + NOMOS = OIKOSNOMOS CASA, LAR NORMA, LEI ECONOMIA

5 O conceito de economia Economia é a ciência que trata da administração eficiente de recursos escassos com vistas à satisfação dos ilimitados desejos e das necessidades humanas.

6 Recursos e necessidades PROBLEMA RECURSOS ESCASSOS x NECESSIDADES ILIMITADAS

7 Problema Econômico Fundamental Necessidade x escolha Trade-off (decisão) Produção x Distribuição

8 Recursos escassos TERRA TRABALHO CAPITAL TECNOLOGIA CAPACIDADE EMPRESARIAL

9 Fatores de produção e sua remuneração Fatores Terra Trabalho Capital Tecnologia Capacidade Empresarial Remuneração Aluguel Salário Juros Royalties Lucros

10 Entendi? Sobre a escassez, podemos dizer que: a) Não é um problema econômico relevante? b) É tida como um problema de natureza econômica apenas para países pobres? c) É a preocupação básica da Ciência Econômica? d) Existe porque as necessidades humanas são limitadas? e) Diz respeito somente aos fatores de produção terra e capital?

11 Necessidades ilimitadas Uma primeira questão a responder diz respeito ao volume de necessidades que possamos ter. A Isto podemos dar o nome de Cesta de Consumo. O que compõe uma Cesta de Consumo?

12 Cesta de Consumo Quadro 1 TIPOS DE NECESSIDADES COLETIVAS Segurança, defesa, educação, saneamento básico, saúde etc. Absolutas Dormir, respirar, comer, habitar, procriar, vestir-se etc. INDIVIDUAIS Particulares Hábitos, normas, costumes e valores.

13 Cesta de Consumo BENS = Mercadorias, produtos + Serviços = Satisfação das necessidades

14 Quadro 2 CLASSIFICAÇÃO GERAL DOS BENS Bens Econômicos Bens Livres Bens Tangíveis Bens Intangíveis Bens Finais Bens intermediários Bens de Consumo Bens de Capital Bens de Consumo Não duráveis Bens de Consumo Duráveis

15 Sistema Econômico - interações O funcionamento do Sistema Econômico caracteriza-se, de um lado, pela atividade de obtenção de recursos ou fatores de produção em si e, de outro, pela obtenção de meios financeiros e sua utilização. Caracterizam-se, portanto, dois mercados: o primeiro, de fatores de produção; o segundo, de bens e serviços finais.

16 Entendi? Geladeiras, aparelhos de som, aparelhos de telefone devem ser classificados como: a) bens de consumo de uso único? b) bens intermediários? c) bens de capital de uso único? d) bens de consumo de uso durável? e) bens de capital?

17 Participantes do Sistema Econômico Famílias proprietárias dos fatores de produção consumidores de bens finais Empresas - produtoras de bens e serviços finais - consumidoras de fatores de produção São, então, agentes econômicos que se relacionam

18 E o Governo? É também um agente econômico Exerce, por vezes, o papel das empresas e/ou das famílias Trata-se de um agente econômico particular

19 Agentes de decisão Empresas + Famílias + Governo = Agentes de decisão = Agentes racionais

20 Figura 1 Os fluxos real e monetário e os mercados de fatores de produção e de bens e serviços finais MERCADO DE FATORES DE PRODUÇÃO Fornecimento de Fatores de Produção (capital, terra, trabalho, tecnologia, capacidade empresarial) Remuneração pelos Fatores de Produção (salários, juros, lucros, aluguéis) Unidades Produtoras (ou Empresas) Pagamento pelos Bens e Serviços Unidades Consumidoras (ou Indivíduos) Suprimento de Bens e Serviços Finais MERCADO DE BENS E SERVIÇOS FINAIS

21 MERCADO DE FATORES DE PRODUÇÃO Fornecimento de Fatores de Produção (capital, terra, trabalho, tecnologia, capacidade empresarial) Remuneração pelos Fatores de Produção (salários, juros, lucros, aluguéis) I Unidades Produtoras (ou Empresas) S Pagamento pelos Bens e Serviços Unidades Consumidoras (ou Indivíduos) Suprimento de Bens e Serviços Finais MERCADO DE BENS E SERVIÇOS FINAIS

22 Entendi? Quanto aos fatores de produção, indique a alternativa incorreta: a) são considerados fatores, a terra, o trabalho, o capital, a tecnologia e a capacidade empresarial; b) toda a produção de bens e serviços demanda de algum ou de alguns desses fatores de produção; c) o grau de escassez de cada um desses fatores é variável, ou seja, relativo; d) as empresas são as proprietárias destes fatores; e) considera-se, na maioria das vezes, fatores de produção como bem econômico;

23 Questões centrais da economia Problema econômico fundamental O Que e quanto produzir? Como produzir? Para quem produzir? Implica escolha, decisão

24 Tabela 1 Exemplo de escolha: Possibilidade de Produção e Curso de Oportunidade Tabela 1 Possibilidades de produção Alternativa Quando a produção do bem x é......a produção do bem y é... A 0 20 B 1 19 C 2 17 D 3 13 E 4 8 F 5 0

25 Gráfico 1 Curva de Possibilidades de Produção (CPP) A B C D 10 E F Gráfico 2 CPP e o desemprego de fatores Bem y A B C D 10 E 5 0 U Bem x F

26 Gráfico 3 Deslocamento da CPP em função de alterações nos fatores de produção Bem y Bem x

27 Figura 2 Combinação ideal entre produção e distribuição Estrutura produtiva eficiente Justa e efetiva distribuição da produção Solução ótima às questões que e quanto produzir, como produzir e para quem produzir

28 Como resolver o Problema Econômico Fundamental? - Centralização - Descentralização Resumindo: - Tradição -Mando -Mercado

29 Economia de Mercado enquanto Sistema econômico Características: - Propriedade privada dos meios de produção; - Liberdade ao agente econômico; - Presença do estado; - Divisão do trabalho; - Moeda.

30 Divisão do Estudo da Ciência Econômica MICROECONOMIA MACROECONOMIA DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO ECONOMIA INTERNACIONAL

31 Microeconomia - Estudo das unidades econômicas individuais; - Preocupação com mercados isolados; - Apresentação da forma como são definidos preços e quantidades de mercadorias; - Análise de equilíbrio parcial;

32 Macroeconomia - Estudo das unidades econômicas no agregado; - Preocupação com a interação de todos os mercados, conjuntamente; - Estudo do comportamento do nível geral de preços; - Análise de equilíbrio geral;

33 Desenvolvimento Econômico - Estudo das variáveis que compõem a riqueza de uma nação; - Preocupação com a mensuração do PIB; - Análise da distribuição da riqueza; - Distinção entre crescimento e desenvolvimento

34 Economia Internacional Estuda o relacionamento externo de cada pais. Suas relações de produção, comercialização e financeiras.

35 Entendi? Qual das seguintes variáveis são mais adequadamente descritas como pertencentes à macroeconomia? a) O nível de vendas no varejo em uma determinada cidade. b) A distribuição do emprego entre os vários mercados de trabalho. c) O percentual de desemprego nacional. d) A evolução dos preços no mercado de automóveis; e) A quantidade total de laranjas produzidas em um país durante um ano.

36 Questões centrais: Microeconomia o que determina o preço dos diversos tipos de bens e serviços? o que determina a remuneração de um trabalhador? o que determina o quanto de cada mercadoria será produzida? o que determina a maneira pela qual um indivíduo gasta sua renda entre os mais diversos tipos de bens e serviços?

37 Microeconomia Pressupostos: Primeiro: pressupõe-se que a economia seja composta por unidades tomadoras de decisão, também chamadas de agentes econômicos, entendidos estes como empresas enquanto produtoras e vendedoras de mercadorias e as famílias enquanto consumidoras das mercadorias produzidas pelas empresas;

38 Microeconomia Pressupostos: Segundo: cada um dos agentes detém um único objetivo: a maximização de seu bem-estar, ou a maximização de seus resultados.

39 Microeconomia: teoria do consumidor A Teoria do Consumidor trata do estudo de como a demanda se fundamenta no comportamento dos consumidores. A teoria serve de guia para a elaboração e interpretação de pesquisas de mercado, principalmente as relacionadas com o lançamento de novo produto. Fornece métodos para comparar a eficácia de diferentes políticas de incentivo ao consumidor;. Fornece elementos à avaliação da eficiência dos sistemas econômicos.

40 Microeconomia: teoria do Curva de Utilidade Total Utilidade Total consumidor Consumo

41 Microeconomia: teoria do Curva de Utilidade Marginal Utilidade Marginal consumidor Consumo

42 Entendi? A análise microeconômica leva em consideração a condição coeteris paribus que significa: a) Mudanças em todas as variáveis num mesmo momento. b) Mudanças em apenas uma variável selecionada para análise. c) A análise é dinâmica no curto prazo. d) A análise é estática no longo prazo. e) Diversas variáveis afetam as decisões dos agentes e devem ser levadas em consideração numa análise.

43 Microeconomia: teoria da demanda A teoria da demanda preocupa-se com o comportamento do consumidor em relação ao consumo de mercadorias. Entende-se por demanda a procura de um indivíduo por um determinado bem ou serviço. Demanda refere-se, então, à quantidade de um bem ou serviço que o consumidor está disposto e capacitado a comprar, em um determinado período de tempo.

44 Microeconomia: teoria da demanda Função demanda Qd x = ƒ (P, R, PBR, G, E) onde: Qd x = quantidade demandada do bem x P = Preço do bem x R = Renda ou orçamento do consumidor PBR = Preço de bens relacionados no consumo do bem x, a exemplo dos substitutos e/ ou complementares G = Gosto e preferência do consumidor E = Expectativa do consumidor sobre o mercado do bem x

45 Tabela 1 Preços idealizados pelo comprador Comprador Disposição para pagar (máximo de unidades monetárias) A 100 B 80 C 70 D 50 Tabela 2 Preço e Quantidade Demandada Faixa de Preço Número de potenciais compradores Quantidade demandada Acima de $ $ $ $ Até $50 4 4

46 A Curva da Demanda Preço Consumidor A Consumidor B Consumidor C Consumidor D Quantidade

47 Microeconomia: teoria da oferta A teoria da oferta preocupa-se com o comportamento dos empresários em relação à oferta de mercadorias. A oferta refere-se à quantidade de um bem ou serviço que o produtor ou vendedor está disposto e capacitado a ofertar em determinado período de tempo.

48 Microeconomia: teoria da oferta Função oferta Qo x = ƒ (P, PFP, T, PBR, C, E) onde: Qo x = quantidade ofertada do bem x P = Preço do bem x PFP = Preço dos fatores de produção (custo dos fatores) T = Tecnologia de produção PBR = Preço de bens relacionados na produção do bem x, a exemplo dos substitutos e/ ou complementares C = Condições climáticas e de solo E = Expectativa do ofertante sobre o mercado do bem x

49 Produtor Custos de produção por produtor Preço E $100 F $80 G $70 H $50 Preço e Quantidade Ofertada Faixa de Preço Número de potenciais produtores Quantidade ofertada $ $ $ $ Menos de $50 0 0

50 A Curva da Oferta Preço G F E Preço oferecido pela empresa E Preço oferecido pela empresa F H Preço oferecido pela empresa G Preço oferecido pela empresa H Quantidade

51 Eficiência e a quantidade de equilíbrio Preço Oferta Preço de equilíbrio Demanda Q- Quantidade de Q+ equilíbrio Quantidade

52 Entendi? Analisando as curvas de demanda e oferta, indique a alternativa correta. A) A curva de demanda mostra uma relação inversa entre preços e quantidades. B) A curva de demanda mostra uma relação direta entre preços e quantidades. C) Qualquer ponto acima do equilíbrio de mercado teremos escassez de mercadorias. D) Qualquer ponto abaixo do equilíbrio de mercado teremos excesso de produção. E) A curva de oferta refere-se às quantidades efetivamente vendidas por uma empresa e não sua intenção de venda.

53 Deslocamentos do equilíbrio O equilíbrio de mercado, do ponto de vista da teoria microeconômica, é permitido apenas no curto prazo. Por esta forma é que se diz empreender análise estática comparativa. Ações ou da demanda ou da oferta influenciam as tendências de mercado bem como as posições do equilíbrio.

54 Deslocamentos do equilíbrio Deslocamentos positivos na curva de demanda. Elevação de renda. Aumento do gosto ou preferência do consumidor. Elevação no preço de um bem substituto na demanda. Queda no preço de um bem complementar na demanda.

55 Deslocamentos do equilíbrio Deslocamentos negativos na curva de demanda. Diminuição de renda. Queda do gosto ou preferência do consumidor. Queda no preço de um bem substituto na demanda. Aumento no preço de um bem complementar na demanda.

56 Deslocamentos do equilíbrio Modificação do equilíbrio a partir do crescimento da demanda. P P2 O P1 D D` Q1 Q2 Q

57 Deslocamentos do equilíbrio Modificação do equilíbrio a partir da queda da demanda. P P1 O P2 D` D Q2 Q1 Q

58 Deslocamentos do equilíbrio Deslocamentos positivos na curva de oferta. Queda nos preços dos fatores de produção. Aumento da oferta de fatores de produção. Aumento do preço de um bem complementar ou substituto na oferta. Melhoria da tecnologia Condições climáticas favoráveis.

59 Deslocamentos do equilíbrio Deslocamentos negativos na curva de oferta. Aumento nos preços dos fatores de produção. Diminuição da oferta de fatores de produção. Queda do preço de um bem complementar ou substituto na oferta. Pouco acesso à tecnologia Condições climáticas desfavoráveis.

60 Deslocamentos do equilíbrio Modificação do equilíbrio a partir do aumento da oferta. P O O` P1 P2 D Q1 Q2 Q

61 Deslocamentos do equilíbrio Modificação do equilíbrio a partir da diminuição da oferta. P O` O P2 P1 D Q2 Q1 Q

62 Entendi? Quanto ao equilíbrio de mercado, indique a alternativa incorreta. a) Aumentos na renda do consumidor desloca curva de demanda para a direita. b) Condições climáticas influencia condições de oferta. c) Aumento no preço de um x, substituto de y, aumenta a demanda por y. d) Quantidades demandadas é igual à demanda. e) A variável preço não desloca curva, nem de demanda nem de oferta.

63 Elasticidades Elasticidade é um termo técnico utilizado pelos economistas para avaliar o quanto as mudanças numa variável provocam mudanças noutra variável. Para tanto, utilizamos quatro conceitos de elasticidades: elasticidade-preço da demanda, elasticidade-preço da oferta, elasticidade renda da demanda e elasticidade preço-cruzada da demanda.

64 A elasticidade-preço da demanda Examinemos as duas curvas de demanda A e B dispostas logo abaixo. Qual a diferença entre uma e outra? A B Preço Preço Demanda Demanda Quantidade Quantidade

65 Demanda elástica em relação a preço Demanda inelástica em relação a preço Preço Preço E d > 1 E d < 1 P 1 p P 1 P o Demanda P o Demanda q Q 1 Q o Quantidade Q 1 Q o

66 A elasticidade-preço da demanda mede a variação percentual da quantidade demandada em relação à variação percentual do preço. É designada por: variação percentual da quantidade demandada do bem E d = variação percentual do preço do bem

67 Elasticidade-preço cruzada da demanda: Serve para classificar os produtos em substitutos e complementares variação percentual da quantidade demandada do bem x E x = variação percentual do preço do bem y E x < 0 Bens complementares E x > 0 Bens substitutos

68 Elasticidade-renda da demanda Trata-se de um coeficiente que mede variações nas quantidades demandadas de uma mercadoria em função de uma variação na renda do consumidor. É indicada por: variação percentual da quantidade demandada do bem E r = variação percentual na renda do consumidor

69 Entendi? Quando ocorrer uma variação na quantidade demandada da ordem de 20%, como resultado de uma variação de 10% no preço, diz-se que: a) A demanda é inelástica, sendo = 0,2 e o empresário terá um ganho de receita. b) A demanda é inelástica, sendo = 2 e o empresário terá uma perda de receita. c) A demanda é elástica, com = 0,2 sendo que o empresário venderá quantidades maiores de seu produto. d) A demanda é elástica, com = 2 e o empresário perceberá uma elevação em sua receita. e) A demanda é unitária.

70 Teoria da firma. Teoria da firma Analisa o comportamento dos produtores e vendedores de mercadorias diante do processo de produção. Produção como a criação de utilidades. Empresas: agentes maximizadores de resultados.

71 Teoria da firma: teoria da produção. Teoria da produção. A teoria da produção dá suporte às análises das relações entre produzir mercadorias e a utilização dos insumos necessários à produção. Dá suporte à análise da demanda das empresas com relação aos fatores de produção de que utilizam.

72 Teoria da firma: teoria da Função de produção = produção. Q = ƒ (x 1, x 2, x 3, x 4,..., x n ), onde: Q = quantidade de produção. x 1, x 2, x 3, x 4,..., x n = quantidades utilizadas de cada um dos fatores de produção envolvidos.

73 Teoria da firma: teoria da produção. Função de produção = Q = ƒ (x 1, x 2 ), onde: Q = quantidade de produção. x 1 = quantidades utilizadas de um fator de produção fixo, ou, quantidades utilizadas de fatores de produção fixos. x 2 = quantidades utilizadas de um fator de produção variável, ou, quantidades utilizadas de fatores de produção variáveis;

74 Teoria da firma: teoria da produção. Para situação de curto prazo. Q = ƒ ( x 2 ) onde: Q = variação da quantidade produzida. ( x 2 ) = variação da quantidade utilizada do fator de produção variável.

75 Entendi? Pela teoria da firma, o agente tipo empresa é maximizador de resultados quando: a) Consegue aumentar a distância entre receitas e despesas. b) Diminui suas despesas. c) Sempre adquire bens de produção ao custo mais baixo. d) Aumenta a receita de vendas independente dos custos de produção. e) Quando o preço de venda é maior do que o custo de produção.

76 Teoria da firma: teoria da produção Definições. Produto total: é a quantidade do produto que se obtém diante da utilização de fatores de produção fixos e variáveis. Produto total do fator variável: é a quantidade do produto que se obtém diante da utilização do fator variável, mantendo-se fixa a quantidade dos demais fatores de produção, e pode ser representado por: Q = ƒ ( x 2 ).

77 Teoria da firma: teoria da produção Definições. Produtividade média do fator variável. medida de contribuição dos fatores de produção variáveis para a produção total. Pme = Q/x 2, Pme = produtividade média do fator variável; Q = quantidade de produto; x 2 = quantidade utilizada do fator variável.

78 Teoria da firma: teoria da produção Definições. Produtividade marginal do fator variável. Pmg = Q/ x 2 Pmg = produtividade marginal do fator variável; Q = variação do produto; x 2 = variação das quantidades utilizadas de fator variável.

79 Teoria da firma: teoria da produção Definições. Lei dos rendimentos marginais decrescentes. Explica que quando aumentamos a quantidade de um fator na produção mantendo constantes os demais fatores empregados, a produtividade marginal desse fator variável passa a diminuir a partir de certo ponto.

80 Entendi? De acordo com a teoria da produção, ocorre a lei dos rendimentos marginais decrescentes quando: a) Os fatores fixos são maiores do que os variáveis. b) Os fatores fixos são idênticos, em termos de quantidade, aos variáveis. c) Quando os fatores variáveis excedem os fixos. d) Quando há acréscimo de fatores variáveis para mesma quantidade de fatores fixos no tempo. e) Quando a análise é de longo prazo.

81 Teoria da firma: teoria dos custos Teoria dos custos. Estudar a teoria dos custos é descobrir como são formados os custos de produção de uma empresa e de que forma se comportam em relação à produção total de mercadorias.

82 Teoria da firma: teoria dos custos Função de produção = Q = ƒ (x 1, x 2 ), onde: Q = quantidade de produção. x 1 = quantidades utilizadas de um fator de produção fixo, ou, quantidades utilizadas de fatores de produção fixos. x 2 = quantidades utilizadas de um fator de produção variável, ou, quantidades utilizadas de fatores de produção variáveis.

83 Teoria da firma: teoria dos custos Função custo. CT = CF + CV CT = custo total de produção. CF = custo fixo. CV = custo variável.

84 Teoria da firma: teoria dos custos Definições. Custo Médio (Cme) ou também chamado de Custo Total Médio. Representa o custo unitário de cada mercadoria, ou seja, o quanto custou para produzir cada unidade do produto. Custo Médio = Cme = CT/Q ou Cme = (CF+CV)/Q

85 Teoria da firma: teoria dos custos. Definições. Custo Variável Médio (Cvme). Representa a participação dos custos variáveis de produção em cada unidade do produto. Custo Variável Médio = Cvme = CV/Q

86 Teoria da firma: teoria dos custos Definições. Custo Fixo Médio (Cfme). Representa o quanto de custo fixo há em cada unidade do produto. Custo Fixo Médio = Cfme = CF/Q

87 Teoria da firma: teoria dos custos Definições. Custo Marginal (Cmg). Entende-se por Custo Marginal o incremento no custo total causado pela produção de uma unidade a mais. Custo Marginal = Cmg = CT/ Q

88 Teoria da firma: teoria dos custos Definições. Função receita total. RT = P x Q, RT = Receita total de vendas. P = Preço unitário do bem. Q = Quantidade vendida do bem.

89 Teoria da firma: teoria dos custos Definições. Função lucro total. LT = RT CT LT = Lucro total. RT = Receita total de vendas. CT = Custo total de produção.

90 Entendi? A firma obtém lucro da produção quando: a) Os custos são maiores do que a receita. b) A receita são idênticas aos custos de produção. c) O custo fixo médio de produção apresentar tendência de queda. d) O custo médio de produção for decrescente. e) Os custos e produção forem menores do que a receita de vendas.

91 Estruturas de mercado O tema estruturas de mercado aborda a forma como as empresas estão divididas nos diversos ramos de atividade econômica. Envolve analisar o tipo de produto que produzem, bem como o comportamento de seus concorrentes. Por fim, neste tópico conheceremos qual a estratégia que as empresas utilizam para determinar seus lucros.

92 Estruturas de mercado As várias formas ou estruturas de mercado que as empresas se encontram, dependem fundamentalmente de três características: número de empresas que compõe esse mercado. tipo de produto. existência ou não de barreiras ao acesso de novas empresas.

93 Estruturas de mercado: concorrência perfeita Concorrência perfeita: características. grande quantidade de compradores para grande quantidade de vendedores. produto homogêneo. mercado transparente. total liberdade à entrada e saída de agentes, tanto compradores quanto vendedores. mercado atomizado. empresas seguidoras de preços de mercado.

94 Estruturas de mercado: concorrência perfeita Concorrência perfeita: determinação de lucros. P = RMG = CMG Condição maximizadora de lucros.

95 Estruturas de mercado: monopólio Monopólio: características. Um único empresário dominando inteiramente a oferta. Não há concorrência nem produto substituto. Existência de barreiras: elevado volume de capital requerido para montar uma indústria monopolista. as marcas e patentes. o controle de matéria-prima específica. as instituições.

96 Estruturas de mercado: monopólio Monopólio: determinação de lucros. P > RMG = CMG Condição maximizadora de lucros.

97 Estruturas de mercado: oligopólio Oligopólio: características. Pequeno número de empresas que dominam a oferta de mercado. Bens homogêneos ou diferenciados. Certa barreira à entrada e saída. Interdependência entre os participantes. Concorrência extra-preço.

98 Estruturas de mercado: oligopólio Oligopólio: determinação de lucros. Pela abordagem marginalista, a maximização de lucros se dá por: LT = RT CT LT = Lucro total RT = Receita total CT = Custo total

99 Estruturas de mercado: oligopólio Oligopólio: determinação de lucros. Pela abordagem da organização industrial: p = (1 + m)c p = preço do produto. m = taxa de mark-up, que é uma porcentagem sobre os custos diretos. c = custo direto unitário.

100 Estruturas de mercado: concorrência monopolística Concorrência monopolística: características. Essa é uma estrutura intermediária entre a concorrência perfeita e o monopólio, mas que não se confunde com o oligopólio. Há número relativamente grande de empresas com poder concorrencial, porém com segmentos de mercados e produtos diferenciados, seja por características físicas, embalagens ou prestação de serviços.

101 Gráfico 1 Estruturas de mercado Consumidores Grande quantidade de consumidores Pequena quantidade de consumidores Monopólio Oligopólio Concorrência perfeita Quase-monopólio Oligopólio bilateral Oligopsônio Um único consumidor Monopólio bilateral Quase-monopsônio Monopsônio Um único vendedor Pequena quantidade de vendedores Grande quantidade de vendedores Vendedores

102 Entendi? Postos de combustível onde o consumidor abastece seu automóvel é classificado como mercado de: a) Concorrência perfeita. b) Monopólio. c) Oligopólio. d) Concorrência monopolística. e) Tanto oligopólio quanto monopólio.

103 Teoria Macroeconômica A Teoria Macroeconômica tem por objetivo fundamental analisar como são determinadas as variáveis econômicas na sua forma agregada. Esta teoria, também chamada de abordagem de equilíbrio geral, procura analisar se o nível de atividade econômica tem crescido ou diminuído, se os preços das mercadorias, conjuntamente, têm apresentado elevação ou diminuição.

104 Teoria Macroeconômica Questionamentos centrais da teoria macroeconômica. qual o comportamento do nível geral de preços; qual o comportamento do nível geral de produção de mercadorias; qual a taxa de salários dos trabalhadores; qual o nível de emprego e de desemprego; qual o comportamento da taxa de juros da economia; qual a quantidade de moeda que circula em um sistema econômico;

105 Teoria Macroeconômica Questionamentos centrais da teoria macroeconômica. qual a quantidade de divisas internacionais que um país mantém como reservas; qual a variação da taxa de câmbio entre a moeda nacional e a internacional; qual o tamanho do endividamento do governo; qual a taxa de investimento das empresas.

106 Teoria Macroeconômica Evolução da teoria macroeconômica a partir da história Crise de John Maynard Keynes. A teoria geral do emprego, do juro e do dinheiro.

107 Entendi? Não é uma preocupação da teoria macroeconômica. a) Saber a variação dos preços no mercado de laranjas. b) Saber a variação dos preços de todos os mercados de um país. c) Saber o nível de emprego do país. d) Saber a taxa de investimento do país. e) Saber o volume de exportações que um país efetua.

108 Medidas de atividade econômica Reside em saber como medir a produção realizada pelo sistema econômico, tendo em mente que a produção é contínua n o tempo e os bens e serviços são produzidos e consumidos, sendo necessário produzi-los novamente, pois grande parte das necessidades humanas exige um consumo contínuo, como é o caso da alimentação, que precisa ser feita diariamente

109 Medidas de atividade econômica Contabilidade nacional: método de mensuração e interpretação da atividade econômica que tem como objetivo medir a produção que se realiza em um sistema econômico em um determinado período.

110 Medidas de atividade econômica Para medir o produto de uma nação, temos que ter em mente as quantidades de mercadorias que são vendidas em determinado período de tempo e seus respectivos preços. Produto = Preços x quantidades Produto nacional, que será dado pelo valor monetário dos bens e serviços finais produzidos durante um determinado período de tempo, normalmente um ano.

111 Medidas de atividade econômica Identidade entre renda e produto. Renda = nasce na produção. Produto = nasce no processo produtivo. Retomamos o fluxo circular da renda. PRODUTO = RENDA = DISPÊNDIO Produto Nacional = Renda Nacional = Dispêndio Nacional

112 Medidas de atividade econômica Valor bruto da produção e valor agregado. setor primário: atividades de extração, agricultura e pecuária; setor secundário: atividades da indústria, setor terciário: atividades do comércio e dos serviços.

113 Medidas de atividade econômica VBP VBI = VA onde: VA = Valor Agregado, ou, Valor Adicionado; VBP= Valor Bruto da Produção; VBI =Valores de Bens Intermediários.

114 Medidas de atividade econômica PIB = C + I + G + X + M PNB = C + I+ G + (X M) PNL = C + I l + G + (X-M)

115 Entendi? O conhecimento da diferença entre Valor Bruto da Produção e Valor Agregado? a) Permite que se incorra no problema da dupla contagem. b) Permite conhecer o produto nacional pelo método da renda. c) Permite conhecer o produto nacional pelo método do dispêndio. d) Permite que não se incorra no problema da dupla contagem. e) Permite observar que PIB é igual que PNB.

116 Teoria Monetária A moeda tem valor? Funções da moeda. Intermediário de trocas. Unidade de conta. Reserva de valor. Histórico da moeda.

117 Teoria Monetária Da moeda aos meios de pagamento MP = PMPP + DVbc Papel Moeda em Circulação = Papel Moeda Emitido Caixa do Banco Central (retenção) Papel Moeda em Circulação = Papel Moeda Emitido Caixa do Banco Central Encaixe técnico bancário.

118 Políticas Política Monetária. Ação tomada pelo Banco Central com relação ao padrão monetário de um país. Instrumentos: emissão de moeda; administração da taxa de juros; coeficiente de recolhimento compulsório; operação de redesconto; operação de open market; seleção do crédito.

119 Políticas Política Fiscal Ações do governo relacionadas ao seu orçamento, o Orçamento do Setor Público. Ela definirá o quanto o governo irá arrecadar e o quanto poderá gastar. O Estado adquire receita via impostos, tributos e taxas, pagas pelo contribuinte, no intuito de manter a ordem e os serviços providos pelo governo.

120 Entendi? Não é um instrumento de política monetária. a) Imposto inflacionário. b) Recolhimento compulsório. c) Administração da taxa de juros. d) Mercado aberto. e) Selecionar o crédito.

121 Políticas Política cambial É a política responsável pelo fluxo de moeda internacional no país. O controle da quantidade de moeda estrangeira é feito pela taxa de câmbio. A taxa de câmbio é a relação existente entre duas moedas de diferentes países. Ela pode ser valorizada ou desvalorizada.

122 Políticas Política cambial Regimes cambiais: Câmbio fixo. Câmbio flutuante. Flutuação suja. Currency board.

123 Políticas Política de rendas A Política de rendas é um tipo de política utilizada pelo governo que procura melhorar a distribuição da renda e a justiça social. Ela atua diretamente sobre os fatores de produção e tenta reduzir os conflitos entre o capital e o trabalho. Exemplos de política de rendas. Continua...

124 Políticas Política de rendas política de preços mínimos; política salarial; programas de renda mínima; bolsa-família.

125 O que vem a ser inflação? Inflação Caracteriza-se pelo generalizado e persistente crescimento nos níveis de preços, ou seja, ocorre inflação num período em que um elevado volume de mercadorias têm seus preços majorados e sequencialmente, de forma que dia a dia, mês a mês os preços sobem sem que, necessariamente, seus custos de produção tenham apresentado também elevação.

126 Inflação Tipos de inflação: Inflação de demanda. Inflação de oferta. Inflação inercial.

127 Entendi? Ocorrerá inflação em um país quando: I - O governo aumentar seus gastos. II - O Banco Central diminui a taxa de recolhimento compulsório. III - A taxa de câmbio for administrada de forma a incentivar exportações. IV Quando houver escassez de um fator de produção. Está correto apenas o que se afirma em: a) I e II. b) II e III. c) I e III. d) I, II, III e IV. e) IV.

128 ATÉ MAIS

Unidade I. Mercado Financeiro e. Prof. Maurício Felippe Manzalli

Unidade I. Mercado Financeiro e. Prof. Maurício Felippe Manzalli Unidade I Mercado Financeiro e de Capitais Prof. Maurício Felippe Manzalli Mercado Financeiro O mercado financeiro forma o conjunto de instituições que promovem o fluxo de recursos entre os agentes financeiros.

Leia mais

Economia Geral e Regional. Professora: Julianna Carvalho

Economia Geral e Regional. Professora: Julianna Carvalho Economia Geral e Regional Professora: Julianna Carvalho 1 Introdução à Economia Conceito Segundo VASCONCELOS, 2011, p. 2) é: a ciência social que estuda de que maneira a sociedade decide (escolhe) empregar

Leia mais

2. São grupos, respectivamente, de crédito na Conta 1 (PIB) e débito na Conta 2 (RNDB) das Contas Nacionais:

2. São grupos, respectivamente, de crédito na Conta 1 (PIB) e débito na Conta 2 (RNDB) das Contas Nacionais: UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE Pró-Reitoria de Pós-Graduação e Pesquisa Núcleo de Pós-Graduação e Pesquisa em Economia Mestrado Profissional em Desenvolvimento Regional e Gestão de Empreendimentos Locais

Leia mais

4) Considerando-se os pontos A(p1, q 1) = (13,7) e B (p 2, q 2) = (12,5), calcule a elasticidade-preço da demanda no ponto médio.

4) Considerando-se os pontos A(p1, q 1) = (13,7) e B (p 2, q 2) = (12,5), calcule a elasticidade-preço da demanda no ponto médio. 1) O problema fundamental com o qual a Economia se preocupa é o da escassez. Explique porque, citando pelo menos um exemplo. A escassez é o problema fundamental da Economia, porque, dadas as necessidades

Leia mais

Economia Conceitos e Exercícios

Economia Conceitos e Exercícios Economia Conceitos e Exercícios Noções gerais. Economia é a Ciência que estuda como os Agentes Econômicos (Empresas, Famílias, Governo) decidem utilizar recursos produtivos escassos para atender as necessidades

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS LISTA DE EXERCÍCIOS

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS LISTA DE EXERCÍCIOS LISTA DE EXERCÍCIOS Capítulo 1 Introdução à Economia 1. Qual é o conceito de economia? Qual sua relação com a questão das escolhas ótimas e da escassez? 2. Por que a escassez se constitui com um dos pilares

Leia mais

Aula 2 Contextualização

Aula 2 Contextualização Economia e Mercado Aula 2 Contextualização Prof. Me. Ciro Burgos Importância de se conhecer o funcionamento dos mercados Diferenciação de mercado Comportamento dos consumidores e firmas; formação de preços;

Leia mais

Produto Vendas Custo da matéria-prima

Produto Vendas Custo da matéria-prima Conceitos básicos de economia A economia pode ser subdividida em dois grandes segmentos: - Macroeconomia: trata da evolução da economia como um todo, analisando a determinação, comportamento e relações

Leia mais

Também chamada Teoria de Preços, estuda o comportamento dos consumidores, produtores e o mercado onde estes interagem.

Também chamada Teoria de Preços, estuda o comportamento dos consumidores, produtores e o mercado onde estes interagem. Microeconomia Também chamada Teoria de Preços, estuda o comportamento dos consumidores, produtores e o mercado onde estes interagem. A macroeconomia, por sua vez, estuda os fenômenos da economia em geral,

Leia mais

DETERMINAÇÃO DO PREÇO NA EMPRESA

DETERMINAÇÃO DO PREÇO NA EMPRESA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS - UNICAMP INSTITUTO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS - IFCH DEPARTAMENTO DE ECONOMIA E PLANEJAMENTO ECONÔMICO - DEPE CENTRO TÉCNICO ECONÔMICO DE ASSESSORIA EMPRESARIAL

Leia mais

FACULDADE DE TECNOLOGIA DE SOROCABA

FACULDADE DE TECNOLOGIA DE SOROCABA FACULDADE DE TECNOLOGIA DE SOROCABA CURSO DE TECNOLOGIA EM ANÁLISE DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Sergio Manoel Tavares, AN091354 Sheila Perez Gimenes, AN091355 GRUPO 4 TEORIA DA DEMANDA E EQUILÍBRIO DE MERCADO

Leia mais

Noções de Economia. As sociedades humanas, de modo geral, se defrontam com três problemas econômicos fundamentais:

Noções de Economia. As sociedades humanas, de modo geral, se defrontam com três problemas econômicos fundamentais: 1 Noções de Economia 1. Microeconomia A Ciência Econômica, conhecida como ciência da escassez, parte do princípio que as necessidades humanas são ilimitadas, enquanto que os recursos necessários para que

Leia mais

Economia. Comércio Internacional Taxa de Câmbio, Mercado de Divisas e Balança de Pagamentos,

Economia. Comércio Internacional Taxa de Câmbio, Mercado de Divisas e Balança de Pagamentos, Economia Comércio Internacional Taxa de Câmbio, Mercado de Divisas e Balança de Pagamentos, Comércio Internacional Objetivos Apresentar o papel da taxa de câmbio na alteração da economia. Iniciar nas noções

Leia mais

Economia. Contabilidade Social. Introdução. Prof.Carlos Nemer j20@momentus.com.br 1. Sumário. Contabilidade Social. Capítulo 12:

Economia. Contabilidade Social. Introdução. Prof.Carlos Nemer j20@momentus.com.br 1. Sumário. Contabilidade Social. Capítulo 12: Economia Carlos Nemer 3ª Ed. Contabilidade Social Capítulo 12: Contabilidade Social Poli-UFRJ Copyright 2005. Direitos Autorais reservados ao Prof.Carlos NEMER Parte III-2-Slide 1 de 54/2005.1 Sumário

Leia mais

FUNDAMENTOS DE TEORIA E POLÍTICA MACROECONÔMICA

FUNDAMENTOS DE TEORIA E POLÍTICA MACROECONÔMICA FUNDAMENTOS DE TEORIA E POLÍTICA MACROECONÔMICA O que a macroeconomia analisa? Analisa a determinação e o comportamento dos grandes agregados como: renda, produto nacional, nível geral de preços, nível

Leia mais

MESTRADO EM ECONOMIA APLICADA

MESTRADO EM ECONOMIA APLICADA UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO Coordenadoria de Pós-Graduação Prova de Conhecimentos Específicos do Processo Seletivo Stricto Sensu UFAL 2012.1 CADERNO DE PROVA

Leia mais

Monopólio. Microeconomia II LGE108. Características do Monopólio:

Monopólio. Microeconomia II LGE108. Características do Monopólio: Monopólio Introdução Características do Monopólio: Existe uma única empresa do lado da oferta; Existem muitos compradores de pequena dimensão; Não existem substitutos próximos; Existe informação perfeita

Leia mais

ECONOMIA E FINANAÇAS. Brasília, fevereiro de 2008

ECONOMIA E FINANAÇAS. Brasília, fevereiro de 2008 ECONOMIA E FINANAÇAS Brasília, fevereiro de 2008 Texto produzido pela Fundação Getúlio Vargas, com adaptações da Universidade Corporativa Banco do Brasil Sumário S1. Economia... 9 1.1 Curva de possibilidade

Leia mais

Aula 7 Inflação. Prof. Vladimir Maciel

Aula 7 Inflação. Prof. Vladimir Maciel Aula 7 Inflação Prof. Vladimir Maciel Estrutura Ferramenta de análise: OA e DA. Inflação Conceitos básicos. Causas. Trade-off com desemprego. Fator sancionador: expansão de moeda. Instrumentos de Política

Leia mais

GABARITO LISTAS. 1. Dê 3 exemplos de tradeoffs importantes com que você se depara na vida.

GABARITO LISTAS. 1. Dê 3 exemplos de tradeoffs importantes com que você se depara na vida. DEZ PRINCIPIOS DE ECONOMIA - Lista 1 GABARITO LISTAS 1. Dê 3 exemplos de tradeoffs importantes com que você se depara na vida. Exemplos de tradeoffs incluem tradeoffs em relação ao tempo (como estudar

Leia mais

Química Economia, Organização e Normas da Qualidade Industrial

Química Economia, Organização e Normas da Qualidade Industrial Química Economia, Organização e Normas da Qualidade Industrial 2010 Günter W. Uhlmann Introdução Plano de Ensino Apresentação da disciplina, conteúdo programático, bibliografia e critérios para avaliação

Leia mais

UNOCHAPECÓ Programação Econômica e Financeira

UNOCHAPECÓ Programação Econômica e Financeira Estruturas de mercado UNOCHAPECÓ Programação Econômica e Financeira Texto para Discussão 1 De acordo com a natureza do mercado em que estão inseridas, as empresas deparam-se com decisões políticas diferentes,

Leia mais

CURSO de CIÊNCIAS ECONÔMICAS - Gabarito

CURSO de CIÊNCIAS ECONÔMICAS - Gabarito UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE TRANSFERÊNCIA 2 o semestre letivo de 2006 e 1 o semestre letivo de 2007 CURSO de CIÊNCIAS ECONÔMICAS - Gabarito INSTRUÇÕES AO CANDIDATO Verifique se este caderno contém:

Leia mais

Teoria da Firma. Discriminação de preços tarifa em duas partes e concorrência monopolística. Roberto Guena de Oliveira USP. 28 de julho de 2014

Teoria da Firma. Discriminação de preços tarifa em duas partes e concorrência monopolística. Roberto Guena de Oliveira USP. 28 de julho de 2014 Teoria da Firma Discriminação de preços tarifa em duas partes e concorrência monopolística Roberto Guena de Oliveira USP 28 de julho de 2014 Roberto Guena (USP) Discrim. & conc. monop. 28 de julho de 2014

Leia mais

LISTA 5A. Conceitos importantes: 1) Determinantes da produção e da produtividade de um país 2) Financiamento do investimento: poupança

LISTA 5A. Conceitos importantes: 1) Determinantes da produção e da produtividade de um país 2) Financiamento do investimento: poupança LISTA 5A Conceitos importantes: 1) Determinantes da produção e da produtividade de um país 2) Financiamento do investimento: poupança 3) Poupança, crescimento econômico e sistema financeiro 4) Mercado

Leia mais

Ponto de partida para o estudo da organização industrial. CT determinante das tomadas de decisões das empresas.

Ponto de partida para o estudo da organização industrial. CT determinante das tomadas de decisões das empresas. TEORIA DOS CUSTOS Os custos totais de produção preocupações dos empresários. uma das principais Como medir os custos? Como controlar os custos? Como reduzir os custos? Ponto de partida para o estudo da

Leia mais

ECONOMIA. 1 o. ANO ADMINISTRAÇÃO E CIÊNCIAS CONTÁBEIS REFERENTE MATERIAL DE ACOMPANHAMENTO DE AULAS PARA OS CURSOS: A 2 A.

ECONOMIA. 1 o. ANO ADMINISTRAÇÃO E CIÊNCIAS CONTÁBEIS REFERENTE MATERIAL DE ACOMPANHAMENTO DE AULAS PARA OS CURSOS: A 2 A. ECONOMIA 1 o. ANO MATERIAL DE ACOMPANHAMENTO DE AULAS PARA OS CURSOS: ADMINISTRAÇÃO E CIÊNCIAS CONTÁBEIS REFERENTE A 2 A. AVALIAÇÃO PROFESSOR FIGUEIREDO SÃO PAULO 2006 2 DEMANDA E OFERTA A Teoria Microeconômica

Leia mais

Unidade II. Mercado Financeiro e de. Prof. Maurício Felippe Manzalli

Unidade II. Mercado Financeiro e de. Prof. Maurício Felippe Manzalli Unidade II Mercado Financeiro e de Capitais Prof. Maurício Felippe Manzalli Mercados Financeiros Definição do mercado financeiro Representa o Sistema Financeiro Nacional Promove o fluxo de recursos através

Leia mais

Curso DSc. IBGE Exercícios de Macroeconomia Banca FGV. Prof.: Antonio Carlos Assumpção. Site: acjassumpcao77.webnode.com

Curso DSc. IBGE Exercícios de Macroeconomia Banca FGV. Prof.: Antonio Carlos Assumpção. Site: acjassumpcao77.webnode.com Curso DSc IBGE Exercícios de Macroeconomia Banca FGV Prof.: Antonio Carlos Assumpção Site: acjassumpcao77.webnode.com Defensoria Pública do Estado de Mato Grosso Economista - 2015 51 - Considere as seguintes

Leia mais

Prova de Macroeconomia

Prova de Macroeconomia UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CURSO DE MESTRADO EM ECONOMIA PROCESSO SELETIVO 2010 Prova de Macroeconomia INSTRUÇÕES PARA A PROVA Leia atentamente as questões. A interpretação das questões faz parte da

Leia mais

www.estrategiaconcursos.com.br Página 1 de 8

www.estrategiaconcursos.com.br Página 1 de 8 Comentários Macroeconomia (Área 3) Olá Pessoal. O que acharam da prova do BACEN? E especificamente em relação à macro (área 3)? A prova foi complexa? Sim! A complexidade foi acima do esperado? Não! Particularmente,

Leia mais

3.1 Da c onta t bil i i l d i ade nacio i nal para r a t e t ori r a i ma m cro r econômi m c i a Det e er e mi m n i a n ç a ã ç o ã o da d

3.1 Da c onta t bil i i l d i ade nacio i nal para r a t e t ori r a i ma m cro r econômi m c i a Det e er e mi m n i a n ç a ã ç o ã o da d Determinação da renda e produtos nacionais: O mercado de Bens e Serviços Capítulo III 3.1 Da contabilidade nacional para a teoria macroeconômica A Contabilidade Nacional: medição do produto efetivamente

Leia mais

Capítulo 5. Custo de Produção

Capítulo 5. Custo de Produção Capítulo 5 Custo de Produção 1. Custos de Produção i. Conceito: os custos de produção são os gastos realizados pela empresa na aquisição dos fatores fixos e variáveis que foram utilizados no processo produtivo;

Leia mais

FCHS - FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS PRIAD PROGRAMA DE REVISÃO INTENSIVA EM ADMINISTRAÇÃO

FCHS - FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS PRIAD PROGRAMA DE REVISÃO INTENSIVA EM ADMINISTRAÇÃO FCHS - FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS PRIAD PROGRAMA DE REVISÃO INTENSIVA EM ADMINISTRAÇÃO TEMA PRIAD : ECONOMIA DATA 11/04/2015 PROF. MAURÍCIO FELIPPE MANZALLI ALUNO RA TURMA PREENCHA O GABARITO

Leia mais

CONTABILIDADE SOCIAL: CONCEITOS, INSTRUMENTOS E AVALIAÇÃO. Profa.: Enimar J. Wendhausen

CONTABILIDADE SOCIAL: CONCEITOS, INSTRUMENTOS E AVALIAÇÃO. Profa.: Enimar J. Wendhausen CONTABILIDADE SOCIAL: CONCEITOS, INSTRUMENTOS E AVALIAÇÃO Profa.: Enimar J. Wendhausen TEORIA MACROECONÔMICA A partir da teoria macroeconômica foram empregados esforços para a construção de um sistema

Leia mais

Microeconomia Teoria do Consumidor Oferta - Equilíbrio

Microeconomia Teoria do Consumidor Oferta - Equilíbrio Aula 6 Abordagens da Teoria do Consumidor Microeconomia Teoria do Consumidor Oferta - Equilíbrio Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves UNESP Sorocaba -SP Historicamente, ao observar-se o desenvolvimento da

Leia mais

ECONOMIA E FINANÇAS PÚBLICAS ICMS/RJ 2011 PROFESSOR HEBER CARVALHO

ECONOMIA E FINANÇAS PÚBLICAS ICMS/RJ 2011 PROFESSOR HEBER CARVALHO Olá caros(as) amigos(as), ECONOMIA E FINANÇAS PÚBLICAS ICMS/RJ 2011 Seguem abaixo os comentários das questões do concurso para AFTE/RJ (vulgo fiscal do ICMS/RJ ), aplicado pela FGV em Abril de 2011. Já

Leia mais

Legislação aplicada às comunicações

Legislação aplicada às comunicações Legislação aplicada às comunicações Fundamentos de competição Carlos Baigorri Brasília, março de 2015 Objetivo Conhecer os principais conceitos envolvidos na regulação econômica: Oferta e demanda Teoremas

Leia mais

PROCON MICROECONOMIA - Prof. Rodrigo Pereira

PROCON MICROECONOMIA - Prof. Rodrigo Pereira PROCON MICROECONOMIA - Prof. I Introdução A teoria econômica é um instrumental extremamente útil para o entendimento de uma série questões do mundo moderno. Neste curso estudaremos o comportamento de consumidores,

Leia mais

Curso: Sistemas de Informação 13/04/2006 Economia e Gestão Financeira 1º Avaliação Prof. Ivaldir Vaz

Curso: Sistemas de Informação 13/04/2006 Economia e Gestão Financeira 1º Avaliação Prof. Ivaldir Vaz 1 1. O problema fundamental com o qual a Economia se preocupa é: a) A pobreza. b) O controle dos bens produzidos. c) A escassez. d) A taxação daqueles que recebem toda e qualquer espécie de renda. e) A

Leia mais

Professor: Sérgio Ricardo de Brito Gadelha Disciplina: Microeconomia Email: professor.sergio.gadelha@gmail.com Site: http://srbgadelha.wordpress.

Professor: Sérgio Ricardo de Brito Gadelha Disciplina: Microeconomia Email: professor.sergio.gadelha@gmail.com Site: http://srbgadelha.wordpress. SUMÁRIO 1 1. Introdução à Economia... 2 2. Teoria do Consumidor... 24 3. Teoria da Firma (Produção e Custos)... 38 4. Teoria de Mercados... 55 5. Teoria dos Jogos... 71 6. Equilíbrio Geral... 79 7. Bem

Leia mais

UNIDADE 4 INTRODUÇÃO À TEORIA MONETÁRIA OBJETIVOS ESPECÍFICOS DE APRENDIZAGEM

UNIDADE 4 INTRODUÇÃO À TEORIA MONETÁRIA OBJETIVOS ESPECÍFICOS DE APRENDIZAGEM UNIDADE 4 INTRODUÇÃO À TEORIA MONETÁRIA OBJETIVOS ESPECÍFICOS DE APRENDIZAGEM Ao finalizar esta Unidade você deverá ser capaz de: Conhecer o funcionamento do sistema monetário; Compreender a importância

Leia mais

Aula 8. Política Fiscal: déficit e dívida pública

Aula 8. Política Fiscal: déficit e dívida pública Aula 8 Política Fiscal: déficit e dívida pública O Crescimento da Participação do Setor Público na Atividade Econômica Crescimento da renda per capita - gera um aumento da demanda de bens e serviços públicos

Leia mais

Economia 2º Período. Fundamentos de Macroeconomia (Aula-V) 19/10/2014. Fundamentos de Macroeconomia. Fundamentos de Macroeconomia. Prof.

Economia 2º Período. Fundamentos de Macroeconomia (Aula-V) 19/10/2014. Fundamentos de Macroeconomia. Fundamentos de Macroeconomia. Prof. (Aula-V) 19/10/2014 UNIVERSIDADE COMUNITÁRIA DA REGIÃO DE CHAPECÓ Economia 2º Período Noções de Contabilidade Nacional e Cálculo do PIB Professor : Johnny Luiz Grando Johnny@unochapeco.edu.br 5. Noções

Leia mais

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Utilize apenas caneta ou esferográfica de tinta indelével, azul ou preta.

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Utilize apenas caneta ou esferográfica de tinta indelével, azul ou preta. EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março Prova Escrita de Economia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 712/2.ª Fase 15 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

ECONOMIA MÓDULO 17. AS ELASTICIDADES DA DEMANDA (continuação)

ECONOMIA MÓDULO 17. AS ELASTICIDADES DA DEMANDA (continuação) ECONOMIA MÓDULO 17 AS ELASTICIDADES DA DEMANDA (continuação) Índice 1. As Elasticidades da Demanda (continuação)...3 1.1. Elasticidade-preço cruzada da demanda... 3 1.2. Elasticidade-renda da demanda...

Leia mais

CUSTOS DE PRODUÇÃO. Profª Graciela Cristine Oyamada

CUSTOS DE PRODUÇÃO. Profª Graciela Cristine Oyamada CUSTOS DE PRODUÇÃO Profª Graciela Cristine Oyamada Curva de Oferta Teoria da Firma Teoria da Produção (relações entre a quantidade produzida e as quantidades de insumos utilizados) Teoria dos Custos de

Leia mais

CURSO DE DIREITO DA CONCORRÊNCIA E REGULAÇÃO

CURSO DE DIREITO DA CONCORRÊNCIA E REGULAÇÃO Fagundes Consultoria Econômica jfag@unisys.com.br Escola Superior da Advocacia - ESA CURSO DE DIREITO DA CONCORRÊNCIA E REGULAÇÃO Noções de Microeconomia Índice Fundamentos de Microeconomia: princípios

Leia mais

6º TEXTO: MATERIAL DE APOIO Professor: Me Célio dos Santos Vieira

6º TEXTO: MATERIAL DE APOIO Professor: Me Célio dos Santos Vieira 1 6º TEXTO: MATERIAL DE APOIO Professor: Me Célio dos Santos Vieira INTRODUÇÃO À MACROECONOMIA 1 Quanto maior a ausência de preconceitos, maior a liberdade de pensar, maior a capacidade de aprender. Identifique

Leia mais

Mecanismo de Transmissão Monetário:

Mecanismo de Transmissão Monetário: Mecanismo de Transmissão Monetário: Interação e Iteração Canais de transmissão Idéia-chave heterodoxa Decisões fundamentais http://fernandonogueiracosta.wordpress.com/ 1. Metodologia: interação e iteração.

Leia mais

CMg Q P RT P = RMg CT CF = 100. CMg

CMg Q P RT P = RMg CT CF = 100. CMg Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 8, Oferta :: EXERCÍCIOS 1. A partir dos dados da Tabela 8.2, mostre o que ocorreria com a escolha do nível de produção da empresa caso o preço do produto apresentasse uma

Leia mais

Não são considerados bens produzidos em período anterior, apenas a remuneração do vendedor (que é remuneração a um serviço corrente)

Não são considerados bens produzidos em período anterior, apenas a remuneração do vendedor (que é remuneração a um serviço corrente) Macroeconomia Contabilidade Nacional VASCONCELLOS, M. A. S. Economia micro e macro. 3ª ed. São Paulo: Atlas. 2002. Capítulo 9: Contabilidade social Tópicos para Discussão Principais Agregados Macroeconômicos

Leia mais

Aula 1 Contextualização

Aula 1 Contextualização Economia e Mercado Aula 1 Contextualização Prof. Me. Ciro Burgos Importância do estudo da Ciência Econômica e da organização dos mercados Impacto na sociedade Instrumentalização Tomada de decisão empresarial

Leia mais

ESAPL IPVC. Licenciatura em Engenharia do Ambiente e dos Recursos Rurais. Economia Ambiental

ESAPL IPVC. Licenciatura em Engenharia do Ambiente e dos Recursos Rurais. Economia Ambiental ESAPL IPVC Licenciatura em Engenharia do Ambiente e dos Recursos Rurais Economia Ambiental Tema 2 O MERCADO O Mercado Os Economistas estudam e analisam o funcionamento de uma série de instituições, no

Leia mais

GLOSSÁRIO DE TERMOS CONTÁBEIS

GLOSSÁRIO DE TERMOS CONTÁBEIS GLOSSÁRIO DE TERMOS CONTÁBEIS AMORTIZAÇÃO: Representa a conta que registra a diminuição do valor dos bens intangíveis registrados no ativo permanente, é a perda de valor de capital aplicado na aquisição

Leia mais

ANÁLISE FUNDAMENTALISTA COM FOCO PARA A RECOMENDAÇÃO DE COMPRA / VENDA DE AÇÕES

ANÁLISE FUNDAMENTALISTA COM FOCO PARA A RECOMENDAÇÃO DE COMPRA / VENDA DE AÇÕES ANÁLISE FUNDAMENTALISTA COM FOCO PARA A RECOMENDAÇÃO DE COMPRA / VENDA DE AÇÕES! A análise do desempenho histórico! Análise setorial! Análise de múltiplos! Elaboração de projeções de resultados! Determinação

Leia mais

O mercado de bens CAPÍTULO 3. Olivier Blanchard Pearson Education. 2006 Pearson Education Macroeconomia, 4/e Olivier Blanchard

O mercado de bens CAPÍTULO 3. Olivier Blanchard Pearson Education. 2006 Pearson Education Macroeconomia, 4/e Olivier Blanchard O mercado de bens Olivier Blanchard Pearson Education CAPÍTULO 3 3.1 A composição do PIB A composição do PIB Consumo (C) são os bens e serviços adquiridos pelos consumidores. Investimento (I), às vezes

Leia mais

Contabilidade Social (Cap.09 do Livro/ NemerA12Cont Social)

Contabilidade Social (Cap.09 do Livro/ NemerA12Cont Social) 1 Contabilidade Social (Cap.09 do Livro/ NemerA12Cont Social) 1. Para a ciência econômica, formação de capital significa especificamente: a) A compra de qualquer mercadoria nova. b) Investimento líquido.

Leia mais

mhtml:file://c:\documents and Settings\6009\Meus documentos\glossário DE T...

mhtml:file://c:\documents and Settings\6009\Meus documentos\glossário DE T... Page 1 of 6 Portal de Obras Legislação Guias e Cursos Downloads GLOSSÁRIO DE TERMOS CONTÁBEIS Compilado pela Equipe do Portal de Contabilidade AMORTIZAÇÃO: Representa a conta que registra a diminuição

Leia mais

Microeconomia. Demanda

Microeconomia. Demanda Demanda www.unb.br/face/eco/ceema Macroanálise Teoria Econômica Microanálise Teoria do consumidor Teoria da produção/firma Análise estrutura de mercado Teoria do bem estar Regulação de preços de produtos,

Leia mais

Módulo 6 A Evolução da Ciência Econômica. 6.1. Os Socialistas

Módulo 6 A Evolução da Ciência Econômica. 6.1. Os Socialistas Módulo 6 A Evolução da Ciência Econômica 6.1. Os Socialistas O pensamento socialista surge em meio à revolução industrial, com suas grandes fábricas. Os trabalhadores possuíam condições precárias de trabalho

Leia mais

MACROECONOMIA ABERTA

MACROECONOMIA ABERTA MACROECONOMIA ABERTA 1- (APO-MP 2005) Considerando E = taxa real de câmbio calculada considerando os índices de preços interno e no estrangeiro e a taxa nominal de câmbio segundo conceito utilizado no

Leia mais

Universidade Católica Portuguesa. Faculdade de Ciências Económicas e Empresariais. Tel.: 351217270250. Fax: 351217270252 fbranco@fcee.ucp.

Universidade Católica Portuguesa. Faculdade de Ciências Económicas e Empresariais. Tel.: 351217270250. Fax: 351217270252 fbranco@fcee.ucp. A empresa e o mercado Fernando Branco Ano lectivo 2003-2004 Trimestre de Inverno essão 4 A empresa produz para servir os seus clientes (o mercado). Não há uma teoria geral para prescrever as decisões óptimas

Leia mais

MODELO DE PLANO DE NEGÓCIO

MODELO DE PLANO DE NEGÓCIO MODELO DE PLANO DE NEGÓCIO 1 Informações sobre o responsável pela proposta. Nome : Identidade: Órgão Emissor: CPF: Endereço: Bairro: Cidade: Estado: CEP: Telefone: FAX: E-mail Formação Profissional: Atribuições

Leia mais

Agregados macroeconômicos:

Agregados macroeconômicos: 2.1 Introdução Agregados macroeconômicos: Contabilidade social Capítulo II Macroeconomia: ramo da teoria econômica que estuda a determinação e o comportamento dos agregados nacionais. a parte relativa

Leia mais

Programa de Pós-Graduação em Economia PPE FOLHA DE PROVA DA PCE EDITAL 001/2015 MACROECONOMIA

Programa de Pós-Graduação em Economia PPE FOLHA DE PROVA DA PCE EDITAL 001/2015 MACROECONOMIA MACROECONOMIA QUESTÃO 01 EXAME ANPEC - 2004 Tendo em conta conceitos relativos ao sistema monetário, julgue as proposições: (0) Define-se papel-moeda em poder do público como sendo o saldo do papel-moeda

Leia mais

MICROECONOMIA MATERIAL DE ACOMPANHAMENTO DAS AULAS, REFERENTE À 2 A. AVALIAÇÃO.

MICROECONOMIA MATERIAL DE ACOMPANHAMENTO DAS AULAS, REFERENTE À 2 A. AVALIAÇÃO. MICROECONOMIA 4 o. ANO DE ADMINISTRAÇÃO MATERIAL DE ACOMPANHAMENTO DAS AULAS, REFERENTE À 2 A. AVALIAÇÃO. PROFESSOR FIGUEIREDO SÃO PAULO 2007 2 TEORIA DA PRODUÇÃO Função de Produção: é a relação que indica

Leia mais

ÁREA DE CONHECIMENTOS CONTÁBEIS

ÁREA DE CONHECIMENTOS CONTÁBEIS ÁREA DE CONHECIMENTOS CONTÁBEIS 1. O Patrimônio Líquido divide-se em: a) Investimentos, Reservas de Capital, Reservas de Lucros e Lucros ou Prejuízos Acumulados. b) Capital Social, Reservas de Capital,

Leia mais

WWW.CARREIRAFISCAL.COM.BR

WWW.CARREIRAFISCAL.COM.BR 1 I - Macroeconomia e Contabilidade Social 1. Introdução: A Economia como a Ciência da Escassez Um dos princípios fundamentais da Economia é a chamada lei da escassez, segundo a qual as necessidades humanas

Leia mais

Taxa de Câmbio. Recebimento de juros Recebimentos de lucros do exterior Receita de rendas do trabalho

Taxa de Câmbio. Recebimento de juros Recebimentos de lucros do exterior Receita de rendas do trabalho Taxa de Câmbio TAXA DE CÂMBIO No Brasil é usado a CONVENÇÃO DO INCERTO. O valor do dólar é fixo e o variável é a nossa moeda. Por exemplo : 1 US$ = R$ 3,00 Mercado de Divisa No mercado de câmbio as divisas

Leia mais

EXAME FINAL NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO. Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos.

EXAME FINAL NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO. Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. EXAME FINAL NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Prova Escrita de Economia A 11.º Ano de Escolaridade Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho Prova 712/2.ª Fase 15 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

23/07/15. A atividade econômica. Referências. Referências. Mensuração

23/07/15. A atividade econômica. Referências. Referências. Mensuração 1 A atividade econômica Mensuração 2 Referências BACHA, Carlos José Caetano. Macroeconomia aplicada à análise da Economia Brasileira. São Paulo: Edusp, 2004 Ver capítulo 3 3 Referências PAULANI, Leda Maria;

Leia mais

Curso Gabarito Macroeconomia

Curso Gabarito Macroeconomia Curso Gabarito Macroeconomia Introdução Prof.: Antonio Carlos Assumpção Prof. Antonio Carlos Assumpção Site: acjassumpcao77.webnode.com Bibliografia Macroeconomia : Blanchard, O. 5ª ed. Macroeconomia :

Leia mais

Microeconomia. Prof.: Antonio Carlos Assumpção

Microeconomia. Prof.: Antonio Carlos Assumpção Microeconomia Preliminares Prof.: Antonio Carlos Assumpção Segundo Ludwig Von Mises (1948): Economia A economia é a ciência da ação humana. Preliminares Slide 2 Economia Como os agentes tomam decisões?

Leia mais

B 02-(FCC/EMATER-2009)

B 02-(FCC/EMATER-2009) Ola, pessoal! Seguem aqui mais questões comentadas de Macroeconomia, visando a preparação para o excelente concurso de fiscal de rendas de SP. Todas as questões são da FCC. Bom treinamento! Marlos marlos@pontodosconcursos.com.br

Leia mais

Indicadores de Risco Macroeconômico no Brasil

Indicadores de Risco Macroeconômico no Brasil Indicadores de Risco Macroeconômico no Brasil Julho de 2005 Risco Macroeconômico 2 Introdução: Risco Financeiro e Macroeconômico Um dos conceitos fundamentais na área financeira é o de risco, que normalmente

Leia mais

CORREÇÃO GRUPO I As questões que se seguem são de escolha múltipla. Das quatro respostas (A a D), apenas uma está correta. Assinala-a. 1.

CORREÇÃO GRUPO I As questões que se seguem são de escolha múltipla. Das quatro respostas (A a D), apenas uma está correta. Assinala-a. 1. CORREÇÃO GRUPO I As questões que se seguem são de escolha múltipla. Das quatro respostas (A a D), apenas uma está correta. Assinala-a. 1. O fornecimento de bens e serviços não mercantis (não comercializáveis)

Leia mais

Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 11, Determinação de Preços :: REVISÃO 1. Suponha que uma empresa possa praticar uma perfeita discriminação de preços de

Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 11, Determinação de Preços :: REVISÃO 1. Suponha que uma empresa possa praticar uma perfeita discriminação de preços de Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 11, Determinação de Preços :: REVISÃO 1. Suponha que uma empresa possa praticar uma perfeita discriminação de preços de primeiro grau. Qual será o menor preço que ela cobrará,

Leia mais

Política monetária e senhoriagem: depósitos compulsórios na economia brasileira recente

Política monetária e senhoriagem: depósitos compulsórios na economia brasileira recente Política monetária e senhoriagem: depósitos compulsórios na economia brasileira recente Roberto Meurer * RESUMO - Neste artigo se analisa a utilização dos depósitos compulsórios sobre depósitos à vista

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE. Centro de Ciências Sociais e Aplicadas - CCSA CURSO DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE. Centro de Ciências Sociais e Aplicadas - CCSA CURSO DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Centro de Ciências Sociais e Aplicadas - CCSA CURSO DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS PROVA DE DESENVOLVIMENTO INTEGRADO - PDI 5ª Etapa Matutino E5M Segundo Semestre de 2011 Questão

Leia mais

ELEMENTOS DO PLANO DE NEGÓCIOS

ELEMENTOS DO PLANO DE NEGÓCIOS INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO PIAUÍ - CAMPUS DE PARNAÍBA CURSO: Técnico em Informática DISCIPLINA: Empreendedorismo PROFESSORA: CAROLINE PINTO GUEDES FERREIRA ELEMENTOS DO PLANO

Leia mais

CONTABILIDADE DE CUSTOS e GERENCIAL

CONTABILIDADE DE CUSTOS e GERENCIAL Centro Universitário Padre Anchieta CONTABILIDADE DE CUSTOS e GERENCIAL Professor: Josué Centro Universitário Padre Anchieta 1. INTRODUÇÃO À CONTABILIDADE DE CUSTOS Professor: Josué CAP. 1 do Livro Suficiência

Leia mais

EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO VERSÃO 1

EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO VERSÃO 1 EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO 11.º Ano de Escolaridade (Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março) Curso Científico-Humanístico de Ciências Socioeconómicas PROVA 712/12 Págs. Duração da prova: 120

Leia mais

EXAME FINAL NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO. Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos.

EXAME FINAL NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO. Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. EXAME FINAL NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Prova Escrita de Economia A 11.º Ano de Escolaridade Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho Prova 712/2.ª Fase 15 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

Administração Estratégica

Administração Estratégica introdução Administração Estratégica 2. OPORTUNIDADES E AMEAÇAS DO AMBIENTE EXTERNO A administração estratégica envolve três níveis de análise: O Macroambiente da empresa. O Setor que a empresa opera.

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS TJL12_008_15N830872 SP/Un TJ/L ONHIMNTOS SPÍFIOS QUSTÃO 31 respeito dos mercados e do papel dos preços, assinale a opção O bem-estar de pessoas autossuficientes permanece inalterado, pois atuar no mercado

Leia mais

Vamos usar a seguinte definição: Aumento da taxa de cambio = Desvalorização. Taxa de cambio real : é o preço relativo dos bens em dois paises.

Vamos usar a seguinte definição: Aumento da taxa de cambio = Desvalorização. Taxa de cambio real : é o preço relativo dos bens em dois paises. Vamos usar a seguinte definição: Aumento da taxa de cambio = Desvalorização Uma desvalorização ocorre quando o preço das moedas estrangeiras sob um regime de câmbio fixa é aumentado por uma ação oficial.

Leia mais

Introdução à Economia

Introdução à Economia c a p í t u l o 1 Introdução à Economia 1.1 Introdução Seja em nosso cotidiano, seja nos jornais, rádio e televisão, deparamo-nos com inúmeras questões econômicas, como: aumentos de preços; períodos de

Leia mais

Tropa de Elite-PF Economia Módulo 4 - Questões Otacílio Araújo

Tropa de Elite-PF Economia Módulo 4 - Questões Otacílio Araújo Tropa de Elite-PF Economia Módulo 4 - Questões Otacílio Araújo 2012 Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. 1. (CESPE/UnB/ECB/ 2011) Acerca de déficit e superávit público

Leia mais

Questões de Economia Cesgranrio. Macroeconomia

Questões de Economia Cesgranrio. Macroeconomia Macroeconomia Balanço de Pagamento 1. Cesgranrio ANP 2008 Especialista em Regulação) Quando um país tem um deficit no balanço comercial do seu balanço de pagamentos, pode-se afirmar que a) as exportações

Leia mais

Prova de Microeconomia

Prova de Microeconomia UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CURSO DE MESTRADO EM ECONOMIA PROCESSO SELETIVO 2010 Prova de Microeconomia INSTRUÇÕES PARA A PROVA Leia atentamente as questões. A interpretação das questões faz parte da

Leia mais

LISTA 3A GABARITO. Nova participação no PIB

LISTA 3A GABARITO. Nova participação no PIB 1 LISTA 3A GABARITO Conceitos importantes: 1) Definição de produto 2) Fluxo circular da renda 3) As três óticas de mensuração: as óticas da produção, da renda e da despesa 4) As diversas medidas do produto:

Leia mais

Uma estratégia para sustentabilidade da dívida pública J OSÉ L UÍS O REIRO E L UIZ F ERNANDO DE P AULA

Uma estratégia para sustentabilidade da dívida pública J OSÉ L UÍS O REIRO E L UIZ F ERNANDO DE P AULA Uma estratégia para sustentabilidade da dívida pública J OSÉ L UÍS O REIRO E L UIZ F ERNANDO DE P AULA As escolhas em termos de política econômica se dão em termos de trade-offs, sendo o mais famoso o

Leia mais

Análise econômica e suporte para as decisões empresariais

Análise econômica e suporte para as decisões empresariais Cenário Moveleiro Análise econômica e suporte para as decisões empresariais Número 01/2008 Cenário Moveleiro Número 01/2008 1 Cenário Moveleiro Análise econômica e suporte para as decisões empresariais

Leia mais

VERSÃO PRELIMINAR. Notas sobre Redes de Proteção Social e Desigualdade

VERSÃO PRELIMINAR. Notas sobre Redes de Proteção Social e Desigualdade Notas sobre Redes de Proteção Social e Desigualdade 1) Nos últimos dez anos a renda media dos brasileiros que caiu a taxa de 0.6% ao ano, enquanto o dos pobres cresceu 0.7%, já descontados o crescimento

Leia mais

Curso de Políticas Públicas e Desenvolvimento Econômico Aula 2 Política Macroeconômica

Curso de Políticas Públicas e Desenvolvimento Econômico Aula 2 Política Macroeconômica Escola Nacional de Administração Pública - ENAP Curso: Políticas Públicas e Desenvolvimento Econômico Professor: José Luiz Pagnussat Período: 11 a 13 de novembro de 2013 Curso de Políticas Públicas e Desenvolvimento

Leia mais

inclinada, o inverso da elasticidade se aproxima de zero e o poder de monopólio da empresa diminui. Logo, desde que a curva de demanda da empresa não

inclinada, o inverso da elasticidade se aproxima de zero e o poder de monopólio da empresa diminui. Logo, desde que a curva de demanda da empresa não Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 10, Monopólio :: REVISÃO 1. Suponha que um monopolista estivesse produzindo em um ponto no qual seu custo marginal fosse maior do que sua receita marginal. De que forma ele

Leia mais

Custos fixos São aqueles custos que não variam em função das alterações dos níveis de produção da empresa. Exemplo: aluguel depreciação

Custos fixos São aqueles custos que não variam em função das alterações dos níveis de produção da empresa. Exemplo: aluguel depreciação 1 Alguns conceitos de custos... gasto, despesa ou custo? Gasto: Sacrifício financeiro com que a entidade arca para a obtenção de um produto ou qualquer serviço 1. Investimento: Gasto ativado em função

Leia mais

Parte II MICROECONOMIA

Parte II MICROECONOMIA Parte II MICROECONOMIA D em an d a, O ferta e E quilíbrio de M ercado 1 FUNDAMENTOS DE MICROECONOMIA A Microeconomia, ou Teoria de Preços, é a parte da teoria econômica que estuda o comportamento das famílias

Leia mais

UNIDADE 3 ANÁLISE DOS MERCADOS MÓDULO 1 ANÁLISE DA FUNÇÃO DEMANDA

UNIDADE 3 ANÁLISE DOS MERCADOS MÓDULO 1 ANÁLISE DA FUNÇÃO DEMANDA UNIDADE 3 ANÁLISE DOS MERCADOS MÓDULO 1 ANÁLISE DA FUNÇÃO DEMANDA 01 1 - INTRODUÇÃO COETERIS PARIBUS Para analisar determinado mercado isoladamente, supõe-se que todos os demais são constantes; ou seja,

Leia mais