Manual de Exames Medicina Nuclear

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Manual de Exames Medicina Nuclear"

Transcrição

1 Manual de Exames Medicina Nuclear AGENDAMENTO DE EXAMES Rua Ipanema, 95 1º Andar Coronel Fabriciano MG

2 Manual de Exames Medicina Nuclear Introdução 1. Apresentação Atuando há mais de 24 anos no mercado de radiodiagnóstico, a Clínica de Diagnóstico por Imagem - Climag, possui unidades em toda a região do Vale do Aço ( Timóteo, Cel. Fabriciano e Ipatinga). A Climag, possui uma equipe médica atualizada e estimulada, onde todos os profissionais possuem título de especialista na área de atuação conferida pelo Colégio Brasileiro de Radiologia. Além disso, a empresa conta ainda com um programa de Aperfeiçoamento em Medicina nas Áreas de Radiologia e Diagnóstico por Imagem, aprovado pelo Colégio Brasileiro de Radiologia. Agendamentos de exames, incluindo preços e preparos: Medicina Nuclear : Fone: Call Center (31) Site: Prezado(a) colega, Este o Manual foi criado com o objetivo de disponibilizar informações científicas e técnicas relevantes para a rotina dos profissionais médicos de saúde, relacionados aos exames inerentes à Medicina Nuclear. 1

3 2. Unidades onde são realizados exames de imagem na Climag: Unidade Medicina Nuclear Rua Ipanema, 95 1º Andar Coronel Fabriciano MG. Unidade Matriz Av. Almir de Souza Ameno 32 C - Bairro Funcionários Timóteo - MG Unidade São Judas Tadeu Clinica Timirim Av. Antonieta M de Carvalho 76 Bloco A B. Timirim Timóteo - MG Unidade Hospital Vital Brasil Rua José JúlioLage s/n Bairro Timirim Timóteo - MG Unidade AlbertSabin Rua Argemiro José Ribeiro 42 Santa Helena Cel. Fabriciano- MG Unidade Hospital São Camilo - INMAD Rua Argemiro José Ribeiro 39 Santa Helena Cel. Fabriciano- MG Unidade Hospital Unimed Rua Felipe Albeny, 122- sala 202 Coronel Fabriciano MG. Unidade Ipatinga Rua Felipe Albeny, 122- sala 202 Coronel Fabriciano MG. 3. Modalidades de exames ofertados pela Climag: Tomografia Computadorizada Multislice Radiologia Digital Mamografia Digital Ressonância Magnética Ultrassongrafia/Geral/Doppler/Biópsias Ecocardiografia DensitometriaÓssea Medicina Nuclear e Imagem Molecular 3.1. Medicina Nuclear Medicina Nuclear é uma especialidade médica que emprega fontes abertas de radionuclídeos com finalidade diagnóstica e terapêutica. Habitualmente, os materiais 2

4 radioativos são administrados in vivo e apresentam distribuição para determinados órgãos ou tipos celulares. A distribuição pode ser ditada por características do próprio elemento radioativo, como no caso das formas radioativas do iodo que, à semelhança do iodo nãoradioativo, é captado pela tireóide. Outras vezes, o elemento radioativo é ligado a um outro grupo químico, formando um radiofármaco com afinidade por determinados tecidos, como no caso dos compostos à base de fosfato ligados ao tecnécio- 99m, que são captados pelos ossos. Nas aplicações diagnósticas, a distribuição do radiofármaco no corpo do paciente é conhecida a partir de imagens bidimensionais (planares) ou tomográficas (SPECT), geradas em um equipamento denominado câmara cintilográfica. A maior ou menor captação dos compostos permite avaliar a função dos tecidos, ao contrário da maioria dos métodos radiológicos convencionais que dão maior ênfase na avaliação anatômica dos órgãos. A avaliação funcional realizada pela medicina nuclear traz, muitas vezes, informações diagnósticas de forma precoce em diferentes patologias. Equipe médica da Medicina Nuclear: Dra. Camila Mosci - CRMMG Especialista em Medicina Nuclear pelo CBR e AMB Post-doctoral Fellowship Stanford University, Stanford, CA, Estados Unidos, setembro de 2010 a agosto Supervisor de Radioproteção/CNEN Dra. Karina Mosci CRMMG Especialista em Medicina Nuclear pelo CBR e AMB - Membro Diretor da Federação Latino Americana de Sociedades Científicas de Estudantes de Medicina ( FELSOCEM) 1996/ Visiting Fellow & Observer The Mount Sinai Medical Center, Department of Radiology Division of Medicine, New York, NY EUA 2001 e 2006 Nuclear Washington University, Department of Radiology PET/CT, Seattle, WA, USA Stanford University, Department of Radiology PET/CT, Palo Alto, CA USA ano Exames de Medicina Nuclear Angiografia Radioisotópica Código Tabela TUSS:

5 Estudo de primeira passagem. Angiografia radioisotópica. Coração. Disfunção miocárdica. Infarto agudo do miocárdio. Estudo da toxicidade cardíaca por quimioterápicos. Cálculo da fração de injeção do ventrículo esquerdo. Tempo de final de diástole. Tempo de final de sístole. Cintilografia Sincronizada das Câmaras Cardíacas Código Tabela TUSS: Cintilografia de câmaras cardíacas com hemácias marcadas. Cintilografia sincronizada das câmaras cardíacas. MUGA. Coração. Cálculo da fração de ejeção. Movimentação parietal (contratilidade/espessamento). Disfunção miocárdica/doença arterialcoronariana. Infarto agudo do miocárdio. Estudo da toxicidade cardíaca por quimioterápicos. Cálculo da fração de injeção do ventrículo esquerdo. Tempo de final de diástole. Tempo de final de sístole. CintilografiaPerfusional do Miocárdio (repouso/estresse) Código Tabela TUSS: (EstresseFarmacológico) (Estresse Físico) (Repouso) Cintilografia perfusional do miocárdio (repouso/estresse). Cintilografia miocárdica com MIBI/Sestamibi. Cintilografia miocárdica com isonitrila. Cintilografia do miocárdico com GatedSpect. Cintilografia miocárdica estresse farmacológico/repouso. Cintilografia miocárdica com dipiridamol/repouso. Cintilografia miocárdicado butamina/repouso. Cintilografia miocárdica estresse físico/repouso. OBS: Na solicitação do exame de ve conter a especificação do estudo com técnica tomográfica. Coração. 4

6 Avaliação das coronariopatias de risco intermediário. Avaliação pós-angioplastia. Avaliação pós-revascularização miocárdica. Avaliação clínica terapêutica. Cálculo da fração de ejeção em estresse físico ou farmacológico. Flebografia Radioisotópica Código Tabela TUSS: Flebografia radioisotópica. Venografia radioisotópica. Membros inferiores. Pulmões. Pesquisa de shunt pulmonar. Pesquisa de trombose venosa profunda. Cintilografia Miocárdica com Pirofosfato Código Tabela TUSS: Cintilografia miocárdica com pirofosfato. Cintilografia para pesquisa de necrose miocárdica com PIRO. Cintilografia para pesquisa de infarto agudo do miocárdio. Coração. Pesquisa de necrose miocárdica pós infarto. Cintilografia para Pesquisa de Viabilidade Miocárdica Código Tabela TUSS: Cintilografia para pesquisa de viabilidade miocárdica. Cintilografia com tálio para viabilidade miocárdica. Cintilografia miocárdica com Tálio-201. Coração. Pesquisa de viabilidade miocárdica. Cintilografia Miocárdica com Gálio-67 Código Tabela TUSS: Cintilografia miocárdica com Gálio-67. Cintilografia cardíaca com Gálio-67. 5

7 Coração. Miocardite. Avaliação de rejeição de transplante cardíaco. Cintilografia óssea Código Tabela TUSS: Cintilografia óssea de corpo inteiro. Cintilografia óssea trifásica. Cintilografia óssea do esqueleto. Obs: Todas as vezes que houver suspeita de tumores ósseos primários, processos infecciosos, fraturas, necrose ou avaliação de próteses é necessário solicitar estudo de cintilografia óssea com fluxo sanguíneo associado. Corpo inteiro. Pesquisa de metástases ósseas. Avaliação tumores ósseos benignos e malignos. Pesquisa de fraturas ocultas/entesopatias. Osteomielite e processos inflamatórios assépticos. Necroseavascular. Doenças osteometabólicas. Avaliação de próteses. Injúrias do esporte. Cintilografia com Gálio-67 Código Tabela TUSS: Cintilografia de corpo inteiro com Gálio. Corpo inteiro. Avaliação/estadiamento de linfomas. Avaliação de solturas sépticas de próteses. Cintilografia Pulmonar de Inalação Código Tabela TUSS: Cintilografia de ventilação pulmonar. Cintilografia pulmonar inalatória/ventilatória. Pulmões. Avaliação de tromboembolismo pulmonar agudo. Avaliação do clearance alvéolo-capilar. 6

8 Cintilografia Pulmonar de Perfusão Código Tabela TUSS: Cintilografia de perfusão pulmonar. Cintilografia pulmonar perfusional. Pulmões. Avaliação de trombo embolismo pulmonar agudo. Avaliação de reserva pulmonar pré cirurgia (segmentectomia/pneumectomia) Cintilografia Pulmonar com Gálio-67 Código Tabela TUSS: Cintilografia pulmonar com Gálio-67. Pulmões. Sarcoidose. Avaliação de fibrose pulmonarativa. Cintilografia das Glândulas Salivares Código Tabela TUSS: Cintilografia das parótidas. Cintilografia das glândulas salivares. Glândulas salivares, parótidas e submandibulares. Disfunção das glândulas salivares (doenças autoimunes, Síndrome de Sjögren). Avaliação da drenagem dos ductos das glândulas salivares. Cintilografia do Fígado e Baço Código Tabela TUSS: Cintilografia hepática. Cintilografia hepatoesplênica. Fígado e baço. Avaliação de lesões focais hepáticas (adenomas/hiperplasia nodular focal). Cintilografia Hepática com Hemácias Marcadas Código Tabela TUSS: Cintilografia para pesquisa de hemangioma hepático. Cintilografia hepática com hemácias marcadas. 7

9 Fígado. Pesquisa de hemangioma hepático. Cintilografia de Vias Biliares Código Tabela TUSS: Cintilografia do fígado e vias biliares com DISIDA. Fígado. Estudo de colecistite aguda. Disfunção da vesícula biliar. Atresia de vias biliares. Cisto do ducto colédoco. Cintilografia para Pesquisa de Hemorragia DigestivaAtiva Código Tabela TUSS: Cintilografia para pesquisa de sangramento intestinal ativo. Pesquisa de sangramento digestivo baixo ativo por cintilografia. Trato digestivo baixo. Sangramento digestivo baixo ativo. Pesquisa de Sangramento Intestinal com Hemácias Marcadas Código Tabela TUSS: Cintilografia para pesquisa de sangramento digestivo baixo intermitente. Cintilografia para pesquisa de sangramento digestivo com hemácias marcadas. Trato intestinal baixo. Avaliação/detecção de sítios digestivos com sangramento. Cintilografia do Trânsito Esofágico (líquido-semissólidos) Código Tabela TUSS: (Líquidos) (Semissólidos) Cintilografia para estudo do tempo do esvaziamento esofágico. Esôfago. 8

10 Estudo das disfunções esofageanas (espasmo esofageano, acalasia, escleroderma). Cintilografia do Esvaziamento Gástrico (sólidooulíquido) Código Tabela TUSS: Cintilografia para estudo do tempo de esvaziamento gástrico. Estômago. Gastroparesia. Cintilografia para Pesquisa de Refluxo Gastroesofágico Código Tabela TUSS: Cintilografia para pesquisa de refluxo gastroesofágico. Estômago e esôfago. Estudo não invasivo para pesquisa de refluxo gastroesofágico. OBS: pode ser associado a pesquisa de aspiração pulmonar. Cintilografia para Pesquisa de Divertículo de Meckel Código Tabela TUSS: Cintilografia para pesquisa de divertículo de Meckel. Abdome. Pesquisa de divertículo de Meckel. Pesquisa de mucosa gástrica ectópica funcionante. Cintilografia e Captação da Tireoide Código Tabela TUSS: (Iodo 131) (Iodo 123) (Tecnécio 99m TC) Tireograma e captação. Mapeamento da tireoide e captação 6ª e 24ª hora. Pescoço. Disfunções tireoidianas. Avaliação funcional de nódulos. Pesquisa de tireoide ectópica. Cintilografia das Paratireoides Código Tabela TUSS:

11 Cintilografia para pesquisa de adenoma da paratireoide. Cervical e mediastino superior. Pesquisa de adenoma da paratireoide. Avaliação de hiperparatireoidismo primário tópico/ectópico. Teste do Perclorato Código Tabela TUSS: Teste do perclorato. Cervical. Estudo dos defeitos de síntese. Cintilografia de Corpo Inteiro com I-131 Código Tabela TUSS: Cintilografia de corpo inteiro com I-131. Pesquisa de corpo inteiro com I-131. Pesquisa de metástases de corpo inteiro com I-131. Rastreamento de corpo inteiro com I-131. Corpo inteiro. Pesquisa de metástases de carcinoma diferenciado da tireoide. Cintilografia Testicular Código Tabela TUSS: Cintilografiaescrotal. Bolsa escrotal. Avaliação de torções testiculares. Epididimites. Dacriocintilografia Código Tabela TUSS: Cintilografia das vias lacrimais. Dacriocintilografia. Vias lacrimais. Estudo da drenagem da lágrima pelos ductos nasolacrimais. 10

12 Cintilografia com Octreotide Código Tabela TUSS: Octreoscan. Cintilografia para receptores de somatostatina. Corpo inteiro. Avaliação/detecção de tumores neuroendócrinos expressando receptores de somatostatina. Cintilografia com MIBG Código Tabela TUSS: Cintilografia com metaiodobenzilguanidina. Cintilografia com MIBG-I-131/123. Corpo inteiro. Pesquisa, avaliação de tumores neuroendócrinos (neuroblastoma, feocromocitoma). Cintilografia Renal Dinâmica Código Tabela TUSS: Como pode ser solicitado Cintilografia para estudo renal dinâmico. Cintilografia para estudo renal dinâmico com diurético. Cintilografia para estudo renal dinâmico com captopril. Rins e bexiga. Estudo da drenagem das vias urinárias. Hidronefrose obstrutiva e não obstrutiva. Avaliação renal pós-pieloplastia. Avaliação funcional pós-transplante renal. Avaliação de hipertensão renovascular. Cintilografia Renal Estática Código Tabela TUSS: Cintilografia renal com DMSA. Cintilografiarenal quantitativa. Rins. Pesquisa/avaliação de cicatrizes renais. 11

13 Pesquisa de pielonefrite aguda Estudo e avaliação de nefropatias obstrutivas e não-obstrutivas. Cistografia Radioisotópica Código Tabela TUSS: Cintilografia para pesquisa de refluxo vesicoureteral. Bexigas, ureteres e rins. Avaliação/pesquisa de nefropatias do refluxo. Cintilografia Cerebral com Tálio-201/Galio-67 Código Tabela TUSS: Pesquisa de viabilidade tumoral com tálio/ Galio-67 Cintilografia cerebral com Tálio-201/ Galio-67 Sistema nervoso central. Detecção, avaliação de tecido tumoral viável pós-radioterapia, quimioterapia. Cintilografia de Perfusão Cerebral Código Tabela TUSS: Cintilografia de perfusão cerebral. Regiões Estudadas: Cérebro. Avaliação de demências. Pesquisa de focos epileptogênicos. Avaliação em casos de distúrbios do comportamento. Estudo de viabilidade tumoral de lesões do SNC. Hemorragias. Vasculopatias cerebrais. 12

Cintilografia cerebral

Cintilografia cerebral MÉDICOS RESPONSÁVEIS Dr. José Ribamar Villela Dra. Ivana Moura Abuhid Dr. Hermes Pardini MEDICINA NUCLEAR é uma especialidade médica que utiliza pequenas quantidades de material radioativo de maneira segura

Leia mais

CENTRO DE MEDICINA NUCLEAR Manual de Normas, Rotinas e Procedimentos Sumário

CENTRO DE MEDICINA NUCLEAR Manual de Normas, Rotinas e Procedimentos Sumário CENTRO DE MEDICINA NUCLEAR Sumário NORMAS OPERACIONAIS Fluxograma dos Pacientes Fluxo de Pacientes antes ou após Cintilografia sem Ergometria e/ou Acompanhantes Fluxo de Pacientes após Ergometria Protocolo

Leia mais

203 A. 16:30-17:20 Trauma cervical Clinica Cirúrgica Raphael 17:20-18:10 Queimaduras Clínica Cirúrgica Raphael

203 A. 16:30-17:20 Trauma cervical Clinica Cirúrgica Raphael 17:20-18:10 Queimaduras Clínica Cirúrgica Raphael CRONOGRAMA INTERNATO DE CIRURGIA 1º 2013 9º PERÍODO DATA/LOCAL HORÁRIO AULA PROGRAMADA Módulo PROFESSOR 24/5/2013 11:00-11:50 Lesões corporais Medicina Legal Andressa 11:50-12:40 Lesões corporais Medicina

Leia mais

Medicina Nuclear. Cintilografia

Medicina Nuclear. Cintilografia Medicina Nuclear Cintilografia Conheça o serviço Corredor de Acesso Porta Entrada Sala Quente Espera Sala Injeção Injetados Espera Injetados Teste Ergométrico Conheça o Serviço Comando Sala de Exames Composição

Leia mais

DATA hora SALA AULA PROGRAMADA Módulo PROFESSOR

DATA hora SALA AULA PROGRAMADA Módulo PROFESSOR DATA hora SALA AULA PROGRAMADA Módulo PROFESSOR 14:00-14:55 Abdome Agudo - inflamatório e obstrutivo Clínica Cirúrgica João Marcos 14:55-15:50 Abdome Agudo - perfurativo e vascular/hemorrágico Clínica

Leia mais

Orientações sobre procedimentos em Medicina Nuclear. Oncologia

Orientações sobre procedimentos em Medicina Nuclear. Oncologia Orientações sobre procedimentos em Medicina Nuclear Oncologia Este documento foi elaborado conforme orientações da Sociedade Brasileira de Biologia e Medicina Nuclear, visando aproximar ainda mais nossa

Leia mais

João Marcos + Raphael + Aisha + Clarissa + Tiago + Marcelo

João Marcos + Raphael + Aisha + Clarissa + Tiago + Marcelo DATA HORA AULA PROGRAMADA SALA MÓDULO PROFESSOR 05/02/2016 13:15 Abdome Agudo - inflamatório e obstrutivo Clínica Cirúrgica 14:10 Abdome Agudo - perfurativo e vascular/hemorrágico Clínica Cirúrgica 15:25

Leia mais

PADRONIZAÇÃO DE PROCEDIMENTOS EM RADIOLOGIA INTERVENCIONISTA E CIRURGIA ENDOVASCULAR

PADRONIZAÇÃO DE PROCEDIMENTOS EM RADIOLOGIA INTERVENCIONISTA E CIRURGIA ENDOVASCULAR PADRONIZAÇÃO DE PROCEDIMENTOS EM RADIOLOGIA INTERVENCIONISTA E CIRURGIA ENDOVASCULAR Sociedade Brasileira de Radiologia Intervencionista e Cirurgia Endovascular SoBRICE Colégio Brasileiro de Radiologia

Leia mais

Portaria 024/2011. Art. 2º Esta Portaria entra em vigor em 1º de agosto de 2011.

Portaria 024/2011. Art. 2º Esta Portaria entra em vigor em 1º de agosto de 2011. Portaria 024/2011 Estabelece protocolos operacionais para a atividade de Regulação e Auditoria no âmbito do IPSEMG. A Presidente do Instituto de Previdência dos Servidores do Estado de Minas Gerais, no

Leia mais

Discussão do atual estágio de desenvolvimento tecnológico da produção de energia nuclear no país

Discussão do atual estágio de desenvolvimento tecnológico da produção de energia nuclear no país Discussão do atual estágio de desenvolvimento tecnológico da produção de energia nuclear no país José Soares Junior Presidente da SBBMN (Sociedade Brasileira de Biologia, Medicina Nuclear e Imagem Molecular)

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL-REI CAMPUS CENTRO OESTE Planilha de aulas - Internato em Cirurgia 1º semestre de 2015

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL-REI CAMPUS CENTRO OESTE Planilha de aulas - Internato em Cirurgia 1º semestre de 2015 UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL-REI CAMPUS CENTRO OESTE Planilha de aulas - Internato em Cirurgia 1º semestre de 2015 DATA SALA HORA AULA PROGRAMADA MÓDULO PROFESSOR 6/2/2015 102. D 13:15-14:10 Tratamento

Leia mais

CURSO BÁSICO DE ULTRASSONOGRAFIA DA TIREOIDE E PARATIREOIDE ORGANIZAÇÃO

CURSO BÁSICO DE ULTRASSONOGRAFIA DA TIREOIDE E PARATIREOIDE ORGANIZAÇÃO CURSO BÁSICO DE ULTRASSONOGRAFIA DA TIREOIDE E PARATIREOIDE ORGANIZAÇÃO Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia Departamento de Tireoide da Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia

Leia mais

Aulas teórica s PROFESSOR DATA HORA AULA PROGRAMADA MÓDULO. Sessão Avaliação ED Supervisão TOTAL

Aulas teórica s PROFESSOR DATA HORA AULA PROGRAMADA MÓDULO. Sessão Avaliação ED Supervisão TOTAL DATA HORA AULA PROGRAMADA MÓDULO PROFESSOR Aulas teórica s Amb. Sessão Avaliação ED Supervisão TOTAL 13:15 Abdome Agudo - inflamatório e obstrutivo Clínica Cirúrgica João Marcos 24/7/2015 Abdome Agudo

Leia mais

Infecções e inflamações do trato urinário, funçao sexual e reprodutiva Urologia Denny

Infecções e inflamações do trato urinário, funçao sexual e reprodutiva Urologia Denny DATA hora AULA PROGRAMADA Módulo PROFESSOR 25/10/2013 14:00-14:55 Abdome Agudo - inflamatório e obstrutivo Clínica Cirúrgica João Marcos 14:55-15:50 Abdome Agudo - perfurativo e vascular/hemorrágico Clínica

Leia mais

Programa Analítico de Disciplina MED222 Mecanismos Básicos do Processo Saúde-Doença II

Programa Analítico de Disciplina MED222 Mecanismos Básicos do Processo Saúde-Doença II Programa Analítico de Disciplina Departamento de Medicina e Enfermagem - Centro de Ciências Biológicas e da Saúde Número de créditos: 10 Teóricas Práticas Total Duração em semanas: 15 Carga horária semanal

Leia mais

Carcinoma de tireóide ide na infância

Carcinoma de tireóide ide na infância Carcinoma de tireóide ide na infância Dra. Rossana Corbo INCa/UFRJ 2006 Incidência: 5 casos/milhão /ano EUA (1973 1977) crianças as com idade inferior a 20 anos Apresentação clinica: predomínio em meninas

Leia mais

TABELA CONVÊNIOS À VISTA COM MEDICAÇÃO

TABELA CONVÊNIOS À VISTA COM MEDICAÇÃO TABELA CONVÊNIOS À VISTA COM MEDICAÇÃO CONSULTAS MÉDICAS 10101012 Cardiologia 120,00 10101012 Pneumologia 120,00 10101012 Ginecologia/Obstetrícia 120,00 10101012 Clínico Geral 120,00 10101012 Mastologia

Leia mais

99% nos ossos, 1% distribuido intra e extra celular Função: reações químicas no citoplasma, contração muscular Circula ligado à albumina (40-50%)

99% nos ossos, 1% distribuido intra e extra celular Função: reações químicas no citoplasma, contração muscular Circula ligado à albumina (40-50%) 99% nos ossos, 1% distribuido intra e extra celular Função: reações químicas no citoplasma, contração muscular Circula ligado à albumina (40-50%) Livre ionizada (50-60%) Anion inorgânico (5-10%) Valor

Leia mais

CURSO DE MEDICINA - CRONOGRAMA DE ATIVIDADES 2015.2 COMPONENTE CURRICULAR: CLÍNICA CIRÚRGICA - PERÍODO: 8º

CURSO DE MEDICINA - CRONOGRAMA DE ATIVIDADES 2015.2 COMPONENTE CURRICULAR: CLÍNICA CIRÚRGICA - PERÍODO: 8º 005.112.008/17.149 C.A.P. CURSO DE MEDICINA - CRONOGRAMA DE ATIVIDADES 2015.2 COMPONENTE CURRICULAR: CLÍNICA CIRÚRGICA - PERÍODO: 8º DIA ATIVIDADE/AULA PROFESSOR 23/07/2015 início do curso normas de funcionamento

Leia mais

TÉCNICA EM RADIOLOGIA

TÉCNICA EM RADIOLOGIA UFF UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CCM CENTRO DE CIÊNCIAS MÉDICAS HUAP HOSPITAL UNIVERSITÁRIO ANTONIO PEDRO Hospital Universitário TÉCNICA EM RADIOLOGIA Parte I: Múltipla Escolha Hospital Universitário

Leia mais

PROTOCOLO DE ACESSO A EXAMES DE TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA GRUPO 35 SUBGRUPO

PROTOCOLO DE ACESSO A EXAMES DE TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA GRUPO 35 SUBGRUPO PROTOCOLO DE ACESSO A EXAMES DE TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA GRUPO 35 SUBGRUPO NOBEMBRO 2007 1 A TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA (TC) CARACTERIZA-SE POR SER EXAME DE ALTA COMPLEXIDADE E CUSTO ELEVADO, PORTANTO

Leia mais

Agenda. Nódulo da Tireóide. Medicina Nuclear. Medicina Nuclear em Cardiologia 17/10/2011

Agenda. Nódulo da Tireóide. Medicina Nuclear. Medicina Nuclear em Cardiologia 17/10/2011 Agenda Medicina Nuclear Endocrinologia Walmor Cardoso Godoi, M.Sc. http://www.walmorgodoi.com O objetivo desta aula é abordar a Medicina nuclear em endocrinologia (notadamente aplicações Câncer de Tireóide).

Leia mais

Secretaria Municipal da Saúde Coordenação de Integração e Regulação do Sistema

Secretaria Municipal da Saúde Coordenação de Integração e Regulação do Sistema PROTOCOLO DE ACESSO A EXAMES DE ANGIOGRAFIA RADIODIAGNÓSTICA GRUPO 13 SUBGRUPO DEZEMBRO 2007 1 A ANGIOGRAFIA RADIODIAGNÄSTICA CARACTERIZA-SE POR SER EXAME DE ALTA COMPLEXIDADE E ALTO CUSTO, PORTANTO DEVE

Leia mais

www.estrategiaconcursos.com.br

www.estrategiaconcursos.com.br 01. Sabe-se que a esteatose hepática é resultante de depósito intracelular de triglicerídeo no hepatócitos e seu aspecto ultra-sonográfico já é bastante conhecido. Qual das questões abaixo é a mais correta

Leia mais

ESTRUTURA FUNCIONAL INCOR HCFMUSP

ESTRUTURA FUNCIONAL INCOR HCFMUSP ESTRUTURA FUNCIONAL INCOR HCFMUSP CONSELHO DIRETOR DIRETORIA EXECUTIVA Comissões (*) Assessoria Coordenação e supervisão do conhecimento Divisão de Cardiologia Clínica Coordenação Administrativa do ao

Leia mais

Diretrizes Assistenciais. Protocolo de Conduta da Assistência Médico- Hospitalar - Meduloblastoma

Diretrizes Assistenciais. Protocolo de Conduta da Assistência Médico- Hospitalar - Meduloblastoma Diretrizes Assistenciais Protocolo Conduta da Assistência Médico- Hospitalar - Meduloblastoma Versão eletrônica atualizada em Novembro 2008 Protocolo Conduta da Assistência Médico-Hospitalar Objetivos:

Leia mais

17 de Outubro de 2007. Professor Amphilophio. Trato urinário inferior

17 de Outubro de 2007. Professor Amphilophio. Trato urinário inferior 17 de Outubro de 2007. Professor Amphilophio. Trato urinário inferior A maioria dos estudos envolve contraste iodado intravenoso. O número de doenças é muito elevado e serão abordados tópicos principais.

Leia mais

Estado de Mato Grosso Município de Tangará da Serra Assessoria Jurídica www.tangaradaserra.mt.gov.br. - Fone (0xx65) 3311 4801

Estado de Mato Grosso Município de Tangará da Serra Assessoria Jurídica www.tangaradaserra.mt.gov.br. - Fone (0xx65) 3311 4801 LEI N.º 3808, DE 04 DE MAIO DE 2012. DISPÕE SOBRE A CRIAÇÃO DE CARGOS DE PROVIMENTO EFETIVO, ABERTURA DE VAGAS E ALTERAÇÃO NO ANEXO I D, DAS LEIS MUNICIPAIS Nº 2.099/2003 DE 29 DE DEZEMBRO DE 2003 E 2875,

Leia mais

LEIA COM ATENÇÃO AS INSTRUÇÕES

LEIA COM ATENÇÃO AS INSTRUÇÕES MMN29 LEIA COM ATENÇÃO AS INSTRUÇÕES 1 - A duração da prova é de 4 horas, já incluído o tempo de preenchimento do cartão de respostas. 2 - O candidato que, na primeira hora de prova, se ausentar da sala

Leia mais

LEIA COM ATENÇÃO AS INSTRUÇÕES

LEIA COM ATENÇÃO AS INSTRUÇÕES MMN29 LEIA COM ATENÇÃO AS INSTRUÇÕES 1 - A duração da prova é de 4 horas, já incluído o tempo de preenchimento do cartão de respostas. 2 - O candidato que, na primeira hora de prova, se ausentar da sala

Leia mais

PROGRAMA PARA FORMAÇÃO DE CLÍNICOS

PROGRAMA PARA FORMAÇÃO DE CLÍNICOS A PROGRAMA BÁSICO TEÓRICO PROGRAMA PARA FORMAÇÃO DE CLÍNICOS Abdome agudo Abordagem neurológca da fraqueza AIDS (SIDA) Anemias Antibióticos Arritmias cardíacas Asma Auto-imunidade e doenças imunológicas

Leia mais

Patologia por imagem Abdome. ProfºClaudio Souza

Patologia por imagem Abdome. ProfºClaudio Souza Patologia por imagem Abdome ProfºClaudio Souza Esplenomegalia Esplenomegalia ou megalosplenia é o aumento do volume do baço. O baço possui duas polpas que são constituídas por tecido mole, polpa branca

Leia mais

Protocolo Clínico de Regulação de Acesso para Tratamento de Alta Complexidade em Oncologia versão 2015

Protocolo Clínico de Regulação de Acesso para Tratamento de Alta Complexidade em Oncologia versão 2015 Protocolo Clínico de Regulação de Acesso para Tratamento de Alta Complexidade em Oncologia versão 2015 Elaboração: Dr Luis Fernando Pracchia Área Técnica da Saúde da Pessoa com Doenças Crônicas Não Transmissíveis

Leia mais

Seminário Metástases Pulmonares

Seminário Metástases Pulmonares Seminário Metástases Pulmonares Tatiane Cardoso Motta 09/02/2011 CASO CLÍNICO Paciente do sexo feminino, 52 anos, refere que realizou RX de tórax de rotina que evidenciou nódulos pulmonares bilaterais.

Leia mais

www.imaginologia.com.br Imaginologia.com.br - Radiologia e Diagnóstico por Imagem para médicos clínicos e cirurgiões.

www.imaginologia.com.br Imaginologia.com.br - Radiologia e Diagnóstico por Imagem para médicos clínicos e cirurgiões. www.imaginologia.com.br Imaginologia.com.br - Radiologia e Diagnóstico por Imagem para médicos clínicos e cirurgiões. 1 MANUAL DE ORIENTAÇÃO PARA SOLICITAÇÃO DE EXAMES DE MEDICINA NUCLEAR R e d a t o r

Leia mais

Abdome Agudo Inflamatório. Peritonites

Abdome Agudo Inflamatório. Peritonites Abdome Agudo Inflamatório Peritonites Conceito: Classificação: Funcionais ou Fisiopatológicas Peritonite Primária ou Espontânea Peritonite Secundária Peritonite Terciária Quanto à Extensão Generalizada

Leia mais

Orientações sobre procedimentos em Medicina Nuclear. Endocrinologia

Orientações sobre procedimentos em Medicina Nuclear. Endocrinologia Orientações sobre procedimentos em Medicina Nuclear Endocrinologia Este documento foi elaborado conforme orientações da Sociedade Brasileira de Biologia e Medicina Nuclear, visando aproximar ainda mais

Leia mais

MEDICINA NUCLEAR Lidia Vasconcellos de Sá 2011

MEDICINA NUCLEAR Lidia Vasconcellos de Sá 2011 MEDICINA NUCLEAR Lidia Vasconcellos de Sá 2011 APLICAÇÕES NA ÁREA MÉDICA RADIODIAGNÓSTICO RADIOTERAPIA MEDICINA NUCLEAR USO DE FONTES DE RADIAÇÃO NA ÁREA MÉDICA RAIOS-X DIAGNÓSTICO: equipamentos emissores

Leia mais

3º Imagem da Semana: Ultrassonografia da Tireoide

3º Imagem da Semana: Ultrassonografia da Tireoide 3º Imagem da Semana: Ultrassonografia da Tireoide Paciente 23 anos, sexo feminino, compareceu ao endocrinologista devido a histórico familiar de tireoidite Hashimoto. Ao exame físico, palpou-se um nódulo

Leia mais

Aplicações das Técnicas de Radiodiagnóstico em Patologias do Tórax Tr. André Luiz S. de Jesus

Aplicações das Técnicas de Radiodiagnóstico em Patologias do Tórax Tr. André Luiz S. de Jesus Radiologia Torácica Patológica Aplicações das Técnicas de Radiodiagnóstico em Patologias do Tórax Tr. André Luiz S. de Jesus Importância Diagnóstica É fundamental um exame satisfatório e de qualidade

Leia mais

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO O (A) paciente, ou seu responsável, declara, para todos os fins legais, especialmente do disposto no artigo 39, VI, da Lei, 8.078/90 que dá plena autorização

Leia mais

Diagnóstico por Imagem do Fígado - 2012 -

Diagnóstico por Imagem do Fígado - 2012 - Diagnóstico por Imagem do Fígado - 2012 - Prof. Dr. Giuseppe D Ippolito Dr. Lucas Torres Dra. Elisa Brentas Departamento de Diagnóstico por Imagem www.unifesp.br/ddi/abdome Métodos de Diagnóstico por Imagem

Leia mais

Urgências Oncológicas Ana Paula Ornellas de S. Victorino

Urgências Oncológicas Ana Paula Ornellas de S. Victorino Urgências Oncológicas Ana Paula Ornellas de S. Victorino Coordenação de Pesquisa Clínica - INCA Serviço de Oncologia Clínica - HSE COI - Clínicas Oncológicas Integradas Definição de emergência oncológica

Leia mais

Qual o tamanho da próstata?

Qual o tamanho da próstata? É o aumento benigno do volume da próstata. A próstata é uma glândula situada na parte inferior da bexiga e anterior ao reto. No seu interior passa a uretra (o canal pelo qual a urina é eliminada do corpo).

Leia mais

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO O (A) paciente, ou seu responsável, declara, para todos os fins legais, especialmente do disposto no artigo 39, VI, da Lei, 8.078/90 que dá plena autorização

Leia mais

PROTOCOLO BRASILEIRO DE TREINAMENTO EM RADIOLOGIA E DIAGNÓSTICO POR IMAGEM

PROTOCOLO BRASILEIRO DE TREINAMENTO EM RADIOLOGIA E DIAGNÓSTICO POR IMAGEM PROTOCOLO BRASILEIRO DE TREINAMENTO EM RADIOLOGIA E DIAGNÓSTICO POR IMAGEM CONTEÚDO PROGRAMÁTICO GERAL PARA FORMAÇÃO BÁSICA DA RESIDÊNCIA/APERFEIÇOAMENTO EM RADIOLOGIA E DIAGNÓSTICO POR IMAGEM CONTEÚDO

Leia mais

Nome: Data: 03/11/2015

Nome: Data: 03/11/2015 Nome: Data: 03/11/2015 1) Paciente masculino, 59 anos, diabético e portador de câncer de próstata, está no início do tratamento de radioterapia. Desde o início do tratamento, reparou algumas alterações

Leia mais

V. EXAMES COMPLEMENTARES DE DIAGNÓSTICO (Regime de Convenção Externa)

V. EXAMES COMPLEMENTARES DE DIAGNÓSTICO (Regime de Convenção Externa) ANATOMIA PATOLÓGICA: 1. Laboratório de Anatomia Patológica Roriz, Lda Avenida António Augusto de Aguiar, nº 7 R/C Dto., 1069-116 LISBOA Tel.: 21319 48 80/8 Horário: todos os dias, das 8H00 às 19H00 Anatomia

Leia mais

Neoplasias Renais e das Vias Excretoras. Dr.Daniel Bekhor

Neoplasias Renais e das Vias Excretoras. Dr.Daniel Bekhor Neoplasias Renais e das Vias Excretoras Dr.Daniel Bekhor CONTEÚDO PROGRAMÁTICO Diagnóstico por imagem Neoplasias benignas Neoplasias malignas Sugestão de algoritmo de exames ANATOMIA Gore RM et al. The

Leia mais

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR Tumores cerebrais apresentam-se à ressonância magnética (RM) como áreas de sinal ou realce anormais, associadas a graus variados de edema perilesional e efeito de massa. Infiltração tumoral além dos limites

Leia mais

PROGRAMA DE APRIMORAMENTO PROFISSIONAL EM MEDICINA VETERINÁRIA

PROGRAMA DE APRIMORAMENTO PROFISSIONAL EM MEDICINA VETERINÁRIA FUNDAÇÃO MUNICIPAL DE ENSINO SUPERIOR DE BRAGANÇA PAULISTA CURSO DE MEDICINA VETERINÁRIA EDITAL 03/2015 PROGRAMA DE APRIMORAMENTO PROFISSIONAL EM MEDICINA VETERINÁRIA O Programa de Aprimoramento Profissional

Leia mais

Orientações sobre procedimentos em Medicina Nuclear. Neurologia

Orientações sobre procedimentos em Medicina Nuclear. Neurologia Orientações sobre procedimentos em Medicina Nuclear Neurologia Este documento foi elaborado conforme orientações da Sociedade Brasileira de Biologia e Medicina Nuclear, visando aproximar ainda mais nossa

Leia mais

TÍTULO: CÂNCE DE OVÁRIO :ABORDAGEM TEÓRICA COM ENFOQUE NO DIAGNÓSTICO POR IMAGEM

TÍTULO: CÂNCE DE OVÁRIO :ABORDAGEM TEÓRICA COM ENFOQUE NO DIAGNÓSTICO POR IMAGEM TÍTULO: CÂNCE DE OVÁRIO :ABORDAGEM TEÓRICA COM ENFOQUE NO DIAGNÓSTICO POR IMAGEM CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: BIOMEDICINA INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES

Leia mais

2ª. PARTE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

2ª. PARTE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS 2ª. PARTE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS UROLOGIA 21. Dentre os cristais urinários relacionados a seguir, aquele que tem significado patológico, quando visto na microscopia de pequeno aumento, durante um exame

Leia mais

XV Reunião Clínico - Radiológica Dr. RosalinoDalasen. www.digimaxdiagnostico.com.br

XV Reunião Clínico - Radiológica Dr. RosalinoDalasen. www.digimaxdiagnostico.com.br XV Reunião Clínico - Radiológica Dr. RosalinoDalasen www.digimaxdiagnostico.com.br Caso 1 Paciente T. F. R. M., 56 anos, sexo feminino. História prévia: - Câncer de mama com metástase pleural. - Mastectomia

Leia mais

FARINGE. Rinofaringe. Orofaringe. Hipofaringe. Esôfago. Laringe. Traquéia

FARINGE. Rinofaringe. Orofaringe. Hipofaringe. Esôfago. Laringe. Traquéia OROFARINGE Os tumores de cabeça e de pescoço totalizam 4,5% dos casos de diagnósticos de câncer. Uma importante fração dos tumores malignos da região da cabeça e pescoço se localiza primeiramente na orofaringe.

Leia mais

2ª. PARTE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

2ª. PARTE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS 2ª. PARTE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS RADIOLOGIA 21. Paciente apresenta ao Rx, seio frontal aumentado e distorcido, preenchido por uma massa de tecidos moles expansiva, com um grande defeito ósseo, representando

Leia mais

Prof. Dr. Jorge Eduardo F. Matias Cirurgia do Aparelho Digestivo Departamento de Cirurgia UFPR - HC

Prof. Dr. Jorge Eduardo F. Matias Cirurgia do Aparelho Digestivo Departamento de Cirurgia UFPR - HC DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL DOS NÓDULOS HEPÁTICOS BENIGNOS Prof. Dr. Jorge Eduardo F. Matias Cirurgia do Aparelho Digestivo Departamento de Cirurgia UFPR - HC DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL DOS NÓDULOS HEPÁTICOS

Leia mais

TOMOGRAFIA E RESSONÂNCIA CARDIOVASCULAR. Renato Sanchez Antonio Santa Casa RP

TOMOGRAFIA E RESSONÂNCIA CARDIOVASCULAR. Renato Sanchez Antonio Santa Casa RP TOMOGRAFIA E RESSONÂNCIA CARDIOVASCULAR Renato Sanchez Antonio Santa Casa RP Tomografia Técnica baseada em radiografia com uso colimadores para restringir feixes Realizada na mesma fase do ciclo cardíaco

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ FACULDADE DE MEDICINA DISCIPLINA DE CIRURGIA DE CABEÇA E PESCOÇO. Câncer da Tireóide. Dr. Pedro Collares Maia Filho

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ FACULDADE DE MEDICINA DISCIPLINA DE CIRURGIA DE CABEÇA E PESCOÇO. Câncer da Tireóide. Dr. Pedro Collares Maia Filho UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ FACULDADE DE MEDICINA DISCIPLINA DE CIRURGIA DE CABEÇA E PESCOÇO Câncer da Tireóide Maia Filho Revisão da Anatomia REVISÃO ANATOMIA REVISÃO ANATOMIA REVISÃO ANATOMIA REVISÃO

Leia mais

COMUNICADO. Autorização Prévia do Plano de Saúde ELETROBRAS/CEPEL/ELETROS Nova Lista Unificada e Novo Procedimento

COMUNICADO. Autorização Prévia do Plano de Saúde ELETROBRAS/CEPEL/ELETROS Nova Lista Unificada e Novo Procedimento COMUNICADO CARTA ES - 386/11 Autorização Prévia do Plano de Saúde ELETROBRAS/CEPEL/ELETROS Nova Lista Unificada e Novo Procedimento Prezados Credenciados, Com o intuito de adotar as melhores práticas,

Leia mais

SNM Orientação Prática para PET/CT ósseo com 8F-Fluoreto de Sódio 1.0 *

SNM Orientação Prática para PET/CT ósseo com 8F-Fluoreto de Sódio 1.0 * SNM Orientação Prática para PET/CT ósseo com 8F-Fluoreto de Sódio 1.0 * November 2011 PREÂMBULO A Sociedade de Medicina Nuclear (SNM) é uma organização internacional profissional e científica fundada em

Leia mais

02 DE AGOSTO DE 2015 (DOMINGO)

02 DE AGOSTO DE 2015 (DOMINGO) 02 DE AGOSTO DE 2015 (DOMINGO) Horário Programação 8:00: 08:30 Sessão de Temas Livres concorrendo a Premiação. Procedimentos Robóticos em Cirurgia abdominal 8:45-9:00 Cirurgia Robótica das afecções do

Leia mais

Diretrizes Assistenciais. Protocolo de Conduta da Assistência Médico- Hospitalar - Pulmão

Diretrizes Assistenciais. Protocolo de Conduta da Assistência Médico- Hospitalar - Pulmão Diretrizes Assistenciais Protocolo Conduta da Assistência Médico- Hospitalar - Pulmão Versão eletrônica atualizada em Julho - 2012 Protocolo Conduta da Assistência Médico-Hospitalar Objetivos: - manuseio

Leia mais

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO O(A) paciente, ou seu responsável, declara, para todos os fins legais, especialmente do disposto no artigo 39, VI, da Lei, 8.078/90 que dá plena autorização ao

Leia mais

MANUAL DE MEDICINA NUCLEAR EM UROLOGIA E NEFROLOGIA

MANUAL DE MEDICINA NUCLEAR EM UROLOGIA E NEFROLOGIA MANUAL DE MEDICINA NUCLEAR EM UROLOGIA E NEFROLOGIA INTRODUÇÃO A Medicina Nuclear encontra várias novas aplicações em Urologia e Nefrologia, decorrente da introdução de traçadores com afinidade para diversos

Leia mais

Orientações sobre procedimentos em Medicina Nuclear. Ortopedia

Orientações sobre procedimentos em Medicina Nuclear. Ortopedia Orientações sobre procedimentos em Medicina Nuclear Ortopedia Este documento foi elaborado conforme orientações da Sociedade Brasileira de Biologia e Medicina Nuclear, visando aproximar ainda mais nossa

Leia mais

TABELA DE PREÇOS REFERENCIAIS DE EXAMES LABORATORIAIS. Publicado na PORTARIA Nº. 110-S, DE 02 DE MARÇO DE 2015.

TABELA DE PREÇOS REFERENCIAIS DE EXAMES LABORATORIAIS. Publicado na PORTARIA Nº. 110-S, DE 02 DE MARÇO DE 2015. TABELA DE PREÇOS REFERENCIAIS DE 103203 SERVICO, TITULO: EXAME, SUBTITULO: ANGIOGRAFIA CEREBRAL (4 VASOS), COM 103204 SERVICO, TITULO: EXAME, SUBTITULO: ANGIOGRAFIA CEREBRAL (4 VASOS), SEM EXAME 2.525,0000

Leia mais

Manual de Exames por Imagem

Manual de Exames por Imagem Manual de Exames por Imagem 1º Edição 2014 Manual de Exames por Imagem ÍndicE Manual de Exames por Imagem Índice 11 Introdução 35 Cardiovascular 36 Exames de Ecocardiograma 36 Ecocardiograma Bidimensional

Leia mais

TRATO URINÁRIO INFERIOR

TRATO URINÁRIO INFERIOR TRATO URINÁRIO INFERIOR Patologia Renal Rim Trato urinário inferior Alterações do desenvolvimento Alterações circulatórias Alterações degenerativas Alterações inflamatórias Alterações proliferativas Alterações

Leia mais

SOCIEDADE BRASILEIRA DE NEFROLOGIA

SOCIEDADE BRASILEIRA DE NEFROLOGIA NORMAS PARA CREDENCIAMENTO E RECREDENCIAMENTO DE SERVIÇOS DE TREINAMENTO EM NEFROLOGIA Curso de Especialização em Nefrologia OBJETIVOS DO PROGRAMA OBJETIVO GERAL Capacitar o profissional médico no conteúdo

Leia mais

Diagnóstico das doenças da próstata

Diagnóstico das doenças da próstata Diagnóstico das doenças da próstata A. A QUEM SE DEVE DIRIGIR SE TEM DIFICULDADES URINÁRIAS? O médico especialista em patologia prostática é o urologista. Este especialista realizará exames adequados para

Leia mais

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO ANGIOLOGISTA

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO ANGIOLOGISTA 12 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO ANGIOLOGISTA QUESTÃO 21 Um paciente de 75 anos, ex-garçom, tem há três anos o diagnóstico já confirmado de síndrome isquêmica crônica dos membros inferiores.

Leia mais

RCC- Radiologia Clínica de Campinas A Imagem da sua Saúde RESSONÂNCIA MAGNÉTICA 3.0 TESLA

RCC- Radiologia Clínica de Campinas A Imagem da sua Saúde RESSONÂNCIA MAGNÉTICA 3.0 TESLA RCC- Radiologia Clínica de Campinas A Imagem da sua Saúde RESSONÂNCIA MAGNÉTICA 3.0 TESLA ABERTURA 70 CM + TIM SUPER ALTO CAMPO - ALTA RESOLUÇÃO MAIOR VELOCIDADE - MAIOR COMODIDADE PREZADO COLEGA Com grande

Leia mais

Diagnóstico do câncer

Diagnóstico do câncer UNESC FACULDADES ENFERMAGEM - ONCOLOGIA FLÁVIA NUNES Diagnóstico do câncer Evidenciado: Investigação diagnóstica por suspeita de câncer e as intervenções de enfermagem no cuidado ao cliente _ investigação

Leia mais

O estado da arte na produção de radiofármacos no Brasil

O estado da arte na produção de radiofármacos no Brasil O estado da arte na produção de radiofármacos no Brasil Jair Mengatti Diretor de Produtos e Serviços IPEN-CNEN/SP " XI ENAN 26 de novembro de 2013 Recife, Pernambuco Radiofármaco De acordo com a RDC nº

Leia mais

Oferecemos uma ampla gama de tratamentos entre os que podemos destacar:

Oferecemos uma ampla gama de tratamentos entre os que podemos destacar: A cirurgia endovascular agrupa uma variedade de técnicas minimamente invasivas mediante as quais CIRURGIA ENDOVASCULAR = CIRURGIA SEM CORTES! Técnicas Minimamente Invasivas As técnicas de cirurgia endovascular

Leia mais

Mal formações do trato urinário. Luciana Cabral Matulevic

Mal formações do trato urinário. Luciana Cabral Matulevic Mal formações do trato urinário Luciana Cabral Matulevic Refluxo Vésico-Ureteral Fluxo anormal de urina da bexiga para o trato urinário superior Achado isolado ou associado a outras malformações Causas

Leia mais

PROVA OBJETIVA. 15 A obesidade é um fator de risco para o desenvolvimento do. 16 O leiomiossarcoma é o tumor retroperitoneal primário mais

PROVA OBJETIVA. 15 A obesidade é um fator de risco para o desenvolvimento do. 16 O leiomiossarcoma é o tumor retroperitoneal primário mais PROVA OBJETIVA CESPE/UnB SES-DF/FUB/RMU De acordo com o comando a que cada um dos itens a seguir se refira, marque, na folha de respostas da prova objetiva, para cada item: o campo designado com o código

Leia mais

Fábio del Claro. 3ª edição

Fábio del Claro. 3ª edição Fábio del Claro 3ª edição Autor Fábio Del Claro Graduado pela Faculdade de Medicina do ABC (FMABC). Especialista em Cirurgia Geral e em Cirurgia Plástica pela FMABC, onde é pós-graduado em Microcirurgia,

Leia mais

Patologia do testículo e vias espermáticas

Patologia do testículo e vias espermáticas Patologia do testículo e vias espermáticas Adriano de Carvalho Nascimento 1. Anatomia 2. Histologia 3. Principais doenças das vias espermáticas e cordão espermático 4. Alterações congênitas 5. Infertilidade

Leia mais

RADIOLOGIA PESSOALMENTE COM O PEDIDO MÉDICO. PEDIDO MÉDICO COM INDICAÇÃO CLINICA.

RADIOLOGIA PESSOALMENTE COM O PEDIDO MÉDICO. PEDIDO MÉDICO COM INDICAÇÃO CLINICA. Nome do setor/especialidade: Horário de funcionamento: Meios de agendamento oferecidos ao usuário para utilização/acesso aos serviços: Requisitos necessários para a obtenção dos serviços: Serviços oferecidos:

Leia mais

GAL-IPEN citrato de gálio (67 Ga)

GAL-IPEN citrato de gálio (67 Ga) GAL-IPEN citrato de gálio (67 Ga) ATENÇÃO GAL-IPEN É PARA USO EXCLUSIVO EM RADIODIAGNÓSTICO NA MEDICINA NUCLEAR USO RESTRITO A HOSPITAIS E CLÍNICAS ESPECIALIZADAS APRESENTAÇÃO O GAL-IPEN possui as seguintes

Leia mais

Como Indicar (bem) Tomografia Computadorizada (TC) e Ressonância Magnética (RM)

Como Indicar (bem) Tomografia Computadorizada (TC) e Ressonância Magnética (RM) Como Indicar (bem) Tomografia Computadorizada (TC) e Ressonância Magnética (RM) Dra. Luciana Baptista Artigo originalmente publicado no caderno Application do Jornal Interação Diagnóstica n.01, abril/maio

Leia mais

Imagem da Semana: Radiografia, Tomografia computadorizada

Imagem da Semana: Radiografia, Tomografia computadorizada Imagem da Semana: Radiografia, Tomografia computadorizada Figura 1: Radiografia de tórax em incidência póstero anterior Figura 2: Tomografia computadorizada de tórax com contraste em corte coronal e sagital

Leia mais

CURSO DE ODONTOLOGIA Autorizado pela Portaria no 131, de 13/01/11, publicada no DOU no 11, de17/01/11, seção 1, pág.14

CURSO DE ODONTOLOGIA Autorizado pela Portaria no 131, de 13/01/11, publicada no DOU no 11, de17/01/11, seção 1, pág.14 CURSO DE ODONTOLOGIA Autorizado pela Portaria no 131, de 13/01/11, publicada no DOU no 11, de17/01/11, seção 1, pág.14 Componente Curricular: Patologia Geral Código: ODO-010 Pré-requisito: - Período Letivo:

Leia mais

16/08/2009. Modo A Amplitude. Modo A Amplitude. Modo B - Brilho. Formação de imagens por Varredura. Mais antigo (1930);

16/08/2009. Modo A Amplitude. Modo A Amplitude. Modo B - Brilho. Formação de imagens por Varredura. Mais antigo (1930); Formação de imagens por Varredura Modo A Amplitude Existem vários métodos para se extrair uma imagem a partir dos ecos: A-MODE (amplitude mode); B-MODE (brightness mode); M-MODE (motion mode). Informações

Leia mais

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO O(A) paciente, ou seu responsável, declara, para todos os fins legais, especialmente do disposto no artigo 39, VI, da Lei, 8.078/90 que dá plena autorização ao

Leia mais

Diretrizes ANS para realização do PET Scan / PET CT. Segundo diretrizes ANS

Diretrizes ANS para realização do PET Scan / PET CT. Segundo diretrizes ANS Diretrizes ANS para realização do PET Scan / PET CT Segundo diretrizes ANS Referencia Bibliográfica: Site ANS: http://www.ans.gov.br/images/stories/a_ans/transparencia_institucional/consulta_despachos_poder_judiciari

Leia mais

Tema: Uso do pet scan em pacientes portadores de câncer

Tema: Uso do pet scan em pacientes portadores de câncer Data: 27/11/2012 Nota Técnica 23/2012 Medicamento Material Procedimento X Cobertura Solicitante: Bruna Luísa Costa de Mendonça Assessora do Juiz da 2ª Vara Cível Numeração Única: 052512020931-3 Tema: Uso

Leia mais

INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA DO ESTADO DO RS PORTARIA 13/2014

INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA DO ESTADO DO RS PORTARIA 13/2014 PORTARIA 13/2014 Dispõe sobre os parâmetros do exame PET-CT Dedicado Oncológico. O DIRETOR-PRESIDENTE DO INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL-IPERGS, no uso de suas atribuições conferidas

Leia mais

Adrenais e Pâncreas endócrino. Ms. Roberpaulo Anacleto

Adrenais e Pâncreas endócrino. Ms. Roberpaulo Anacleto Adrenais e Pâncreas endócrino Ms. Roberpaulo Anacleto Anatomia Adrenal Z. Glomerular Aldosterona Cortex Z.Fasciculada Cortisol Z. Reticular Andrógenos Introdução Os Incidentalomas são tumores achados incidentalmente,

Leia mais

PACS. III Encontro Sul Brasileiro de Engenharia Clínica. Santa Casa de Porto Alegre, RS. 24 de Novembro de 2012

PACS. III Encontro Sul Brasileiro de Engenharia Clínica. Santa Casa de Porto Alegre, RS. 24 de Novembro de 2012 PACS III Encontro Sul Brasileiro de Engenharia Clínica Santa Casa de Porto Alegre, RS 24 de Novembro de 2012 III Encontro Sul Brasileiro de Engenharia Clínica PACS - Agenda Histórico Workflow Modalidades

Leia mais

Juíz de Direito do 3º JESP do Juizado Especial da Comarca de Pouso Alegre

Juíz de Direito do 3º JESP do Juizado Especial da Comarca de Pouso Alegre NT 40/2013 Solicitante: NAPOLEÃO DA SILVA CHAVES Juíz de Direito do 3º JESP do Juizado Especial da Comarca de Pouso Alegre Data: 04/04/2013 Medicamento Material Procedimento x Cobertura Numeração: 004561-6/13

Leia mais

Departamento de Diagnóstico por Imagem do I.C.A.V.C. TOMOGRAFIA EM ONCOLOGIA

Departamento de Diagnóstico por Imagem do I.C.A.V.C. TOMOGRAFIA EM ONCOLOGIA TOMOGRAFIA EM ONCOLOGIA Tomografia: diagnóstico stico, estadiamento, acompanhamento, prevenção e pesquisa clínica nica; Objetivo da aula; TC Helicoidal X Multi slice Limitações do método. *Ajustes das

Leia mais

Especialidades Odontológicas

Especialidades Odontológicas Especialidades Odontológicas Urubatan Medeiros Doutor (USP) - Professor Titular do Departamento de Odontologia Preventiva e Comunitária (UERJ/UFRJ) - Consultor do Ministério da Saúde I - Introdução A Odontologia

Leia mais

, declara, para todos os fins legais, especialmente do disposto no artigo 39, VI, da Lei, 8.078/90 que dá plena autorização ao (à) médico (a)

, declara, para todos os fins legais, especialmente do disposto no artigo 39, VI, da Lei, 8.078/90 que dá plena autorização ao (à) médico (a) TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO O (A) paciente, ou seu responsável, declara, para todos os fins legais, especialmente do disposto no artigo 39, VI, da Lei, 8.078/90 que dá plena autorização

Leia mais

DIAGNÓSTICO POR IMAGEM Relação dos POPs

DIAGNÓSTICO POR IMAGEM Relação dos POPs DIAGNÓSTICO POR IMAGEM Relação dos POPs PREPAROS DOS EXAMES E PROCEDIMENTOS DE ENFERMAGEM 08.01 Ablação por Cateter com Radiofrequência 08.02 Alergia aos Contrastes Iodados 08.03 Angio Ressonância Abdome

Leia mais

ENFERMAGEM EM ONCOLOGIA. Renata Loretti Ribeiro Enfermeira COREn/SP 42883

ENFERMAGEM EM ONCOLOGIA. Renata Loretti Ribeiro Enfermeira COREn/SP 42883 ENFERMAGEM EM ONCOLOGIA Renata Loretti Ribeiro Enfermeira COREn/SP 42883 Fisiopatologia do Processo Maligno As células são conhecidas desde o século XVII, quando foram observadas com microscópios muito

Leia mais