PLACAS E ANÚNCIOS PÚBLICOS COM VARIAÇÃO NA FLEXÃO NOMINAL DE NÚMERO 1

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PLACAS E ANÚNCIOS PÚBLICOS COM VARIAÇÃO NA FLEXÃO NOMINAL DE NÚMERO 1"

Transcrição

1 PLACAS E ANÚNCIOS PÚBLICOS COM VARIAÇÃO NA FLEXÃO NOMINAL DE NÚMERO 1 Mileide Terres de Oliveira (UNEMAT/CAPES) 2 José Leonildo Lima 3 RESUMO: O presente trabalho tem por objetivo analisar cinco frases retiradas de placas e anúncios públicos da cidade de Cáceres-MT, as quais possuem a variação na flexão nominal de número, que é marcada nos determinantes que estão pospostos ao nome, ou seja, há ausência de concordância de plural, havendo uma variante zero com o segundo determinante do sintagma nominal, como por exemplo:dois irmão; móveis usado. Considerando a Sociolinguística, que tem como objeto de estudo a heterogeneidade da língua, supomos que estes fenômenos acontecem pelo processo fonológico, sendo que o sujeito desconsidera as regras categóricas da Gramática Normativa e transpõe para a escrita a sua fala individual. PALAVRAS-CHAVE: Concordância; Heterogeneidade; Variante zero; Sociolinguística. ABSTRACT: This study aims to analyze Five sentences taken from plaques and public announcements of the city of Cáceres-MT, which have variation in flexural nominal number, which is marked on the determinants that are pospostos the name, ie, there is no plural agreement, showing a variant zero with these conddeterminant of the noun phrase, for example two brothers, furniture used. Considering Sociolinguistics, which has as its object of study the heterogeneity of language, we assume that these phenomena occur by the process, and the subject ignores the categorical rules of Normative Grammar and writing implements in your individual speech. KEYWORDS:Agreement; Heterogeneity; Variant zero; Sociolinguistics. Introdução A Gramática Normativa (GN) tem como pretensão prescrever a língua culta. A GN procura estabelecer a norma padrão da língua, ou seja, estabelecer um sistema de instruções que define a forma correta dessa língua, ou seja, ela se detém ao estudo da língua escrita padrão, pois considera a língua falada um caos linguístico e um sistema difícil de ser estudado. 1 Trabalho desenvolvido na disciplina de variação e mudança linguística. 2 Mestranda do curso de Pós-Graduação Stricto Sensu em Linguística pela UNEMAT Universidade do Estado de Mato Grosso no campus de Cáceres-MT. Bolsista CAPES, atua na área da descrição e análise de línguas indígenas, especificamente a etnia Rikbaktsa, habitantes localizados no noroeste do Mato Grosso. 3 Professor e orientador da disciplina de variação e mudança linguística. Web-Revista SOCIODIALETO: Bach., Linc., Mestrado Letras UEMS/Campo Grande, v. 4, nº 12, mai

2 Deste modo, vários estudos linguísticos surgiram e contribuíram para um enfraquecimento da visão normativa. Neste trabalho consideramos a visão sociolinguística, que evidencia, através da observação da língua usada no cotidiano, o contraste entre a visão normativa e a realidade. Neste pressuposto, buscamos analisar algumas frases em placas e anúncios públicos que evidenciam a falta de concordância de número do segundo determinante do sintagma nominal, mobilizando os conceitos da sociolinguísticas para evidenciar as possíveis hipóteses para a decorrência deste fenômeno. 1.Alguns pressupostos teóricos Em diversas regiões do Brasil a educação continua sendo um privilégio de pouca gente, muitos brasileiros ainda permanecem à margem do domínio da norma culta. Bagno (2000, p.16) afirma que é a trágica injustiça social que causa a questão entre as variantes não-padrão e a variante culta : São essas graves diferenças de status social que explicam a existência, em nosso país, de um verdadeiro abismo linguístico entre os falantes das variedades não-padrão do português brasileiro que são a maioria de nossa população e os falantes da (suposta) variedade culta, em geral mal definida, que é a língua ensinada na escola. Segundo Bagno (Idem), existem muitos brasileiros que falam uma variante que não é reconhecida como válida, mas é ridicularizada e desprestigiada. Com o objetivo de buscar uma explicação plausível para a ocorrência dos chamados desvios da gramática normativa, surgiu a Sociolinguística Variacionista, que se preocupa com a língua falada no cotidiano, mas não estigmatiza as demais modalidades da língua, o que interessa é a descrição das variações linguísticas. A Sociolinguística Variacionista surgiu a partir dos estudos de Weinrich, Labov e Herzog, com o intuito de descrever a variação e a mudança linguística, considerando o contexto social de produção. De acordo com Alkmim (2007, p.50) a Sociolinguística correlaciona as variações existentes na expressão verbal a diferenças de natureza Web-Revista SOCIODIALETO: Bach., Linc., Mestrado Letras UEMS/Campo Grande, v. 4, nº 12, mai

3 social, entendendo cada domínio, o linguístico e o social, como fenômenos estruturados e regulares. Destacamos que, em 1963, William Labov começa a desenvolver seus trabalhos sobre a Sociolinguística Variacionista, considerando a língua como um veículo de comunicação, informação e expressão entre os indivíduos. Segundo Tarallo (2007, p. 07), Labov insiste na relação entre línguas e sociedade e na possibilidade, virtual e real, de se sistematizar a variação existente e própria da língua falada. Este modelo teórico-metodológico considera a língua falada e suas variações, pois variantes linguísticas são as diversas maneiras de se dizer a mesma coisa em um mesmo contexto, e com o mesmo valor de verdade (Idem, p. 08). A Sociolinguística é uma ciência que estuda a língua na sua relação com o social. Diferentemente da linguística estruturada por Saussure, que faz uma dicotomia de langue/parole, ou seja, língua/fala, em que excluiu a fala e deteve-se ao estudo da língua, a Sociolinguística volta-se para o estudo da língua falada. O que Saussure (2000, p. 18) considera é que a língua é uma convenção social e a fala é individual e heterogênea. De acordo com Labov (2007), o objeto da sociolinguística é a língua, que é um instrumento da comunicação. E a língua, é por excelência um objeto social, que projeta a cultura de um povo. Normalmente pela fala é possível deduzir a que grupo social, ou a que região aquele indivíduo pertence. Desta forma, Labov (2008) estuda a gramática das comunidades de fala a fim de comprovar que a língua é governada por diferenças linguísticas e extralinguísticas sistemáticas. Segundo Bloomfield (1970, p.44 apud CALVET, 2002, p. 54), uma comunidade linguística é um grupo de pessoas que age por meio do discurso, sendo que os membros desta comunidade podem falar de um modo tão semelhante que cada qual pode compreender o outro ou podem se diferenciar a ponto de pessoas de regiões vizinhas chegarem a não se entender umas às outras. Entretanto, temos o conceito de comunidade de fala, constituindo algo mais restrito, comparado à comunidade linguística, que é ampla. Para Lucchesi (2006, p. 07) [...] uma comunidade de fala se Web-Revista SOCIODIALETO: Bach., Linc., Mestrado Letras UEMS/Campo Grande, v. 4, nº 12, mai

4 define por um sistema comum de avaliação dos usos linguísticos, ou seja, um padrão linguístico ideal que orienta o comportamento de todos os seus membros. Deste modo, a atenção da Sociolinguística recai sobre a heterogeneidade linguística, assumida como objeto de estudo em determinadas comunidades de fala. Diante disso, passamos a fazer algumas considerações sobre a variação linguística registrada em placas e anúncios públicos na cidade de Cáceres-MT. 2. Variações linguísticas: placas e anúncios públicos. A cidade de Cáceres está situada a cerca de 234 km de Cuiabá, capital do estado de Mato Grosso, possui 233 anos de emancipação política e conforme o censo do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) de 2010, ela possui habitantes. A cidade de Cáceres foi o cenário encontrado para nossa pesquisa linguística, passeando pela cidade foram observados algumas placas e anúncios públicos que demonstravam algumas incoerências ortográficas, de acordo com as normas da GN. Uma pesquisa interessante para a comunidade científica é a variação na flexão nominal de número, marcada nos determinantes que estão pospostos ao nome.ocorrências que podem ser descritas nestas placas e anúncios públicos, como:espetinhos completo, cabelereiro dois irmão, móveis usado, artigos religioso, hotel dois vizinho, dando uma ideia desta variação linguística. A concordância nominal dá-se em gênero (feminino e masculino) e em número (singular e plural), entre nomes e pares nominais, tais como: substantivos, adjetivos, artigos, pronomes e palavras que pertençam, na relação semântica, ao universo nominal. Para Câmara Jr. (1970), a flexão nominal de número se caracteriza como algo obrigatório e coerente, como por exemplo, se alguém fala de dois bichos, obrigatoriamente, deve marcar o plural, e a flexão vai ser regida por regras padronizadas para determinados nomes, dependendo da vogal temática e da terminação. Por exemplo, posso me referir a um animal, dizendo: um gato, e dois ou mais: dois gatos, sendo que Web-Revista SOCIODIALETO: Bach., Linc., Mestrado Letras UEMS/Campo Grande, v. 4, nº 12, mai

5 o s é a marca de plural que concorda com o numeral. Deste modo, posso dizer: três gatos, quatro gatos, e assim por diante. Gonçalves (2011, p.13) afirma que a flexão de número possui uma relevância sintática, pois numa sentença: Encontre os melhoressites brasileiros [...], percebemos que o núcleo do sintagma nominal (o controlador da concordância, sites ) espraia a informação de plural aos elementos a ele associados (os alvos os, brasileiros, e melhores ), levando-os a receber a marca desinencial (-s ou es, conforme a terminação da palavra). Dessa maneira, o substantivo, por ser o núcleo do sintagma nominal (SN), controla a concordância, determinando o número (singular ou plural) que deverá se manifestar nesse domínio sintático. Para Gonçalves (2011), uma palavra tem marcas de plural quando possui o acréscimo do sufixo s (ou de suas variantes), não podendo considerar, na norma culta, outras estratégias sintáticas, fonológicas ou morfológicas que possam concorrer com a adjunção do afixo. Em um sintagma nominal, a marca de plural está prevista para todos os seus elementos flexionáveis, determinado e determinantes, o que chamamos de concordância redundante, sendo uma regra categórica. Para a sociolinguística, a concordância nominal de número é regida por uma regra variável, pode haver concordância redundante ou não. Segundo Monteiro (2000), regras variáveis, em oposição a regras categóricas, aplicam-se sempre quando duas ou mais formas estão em concorrência num mesmo contexto e a escolha depende de uma série de fatores, tanto de ordem interna ou estrutural como de ordem externa ou social. Vimos que, conforme a Sociolinguística Variacionista, a regra de concordância nominal é uma regra variável, que sofre influência de variáveis linguística e extralinguística.contudo, a ausência da flexão nominal de número é considerada pela visão normativa como uma forma desprestigiada e,portanto, estigmatizada, tanto quando ocorre na linguagem escrita, quanto na oral. Percebemos que as variantes trazidas para a análise, retiradas das placas e anúncios públicos, não marcam a concordância de número no sintagma nominal, Web-Revista SOCIODIALETO: Bach., Linc., Mestrado Letras UEMS/Campo Grande, v. 4, nº 12, mai

6 marcando somente o primeiro elemento de um sintagma nominal pleno, enquanto o segundo constituinte permanece na sua forma singular. Observe os exemplos abaixo, em que trazemos o português padrão, regido pela regra categórica da GN e depois o português falado, como estava escrito nas placas e anúncios encontrados. (1) Português padrão: Espetinhos completos Português falado: Espetinhos completo-θ (2) Português padrão: Cabelereiro dois irmãos Português falado: Cabelereiro dois irmão-θ (3) Português padrão: Móveis usados Português falado: Móveis usado-θ (4) Português padrão: Artigos religiosos Português falado: Artigos religioso-θ (5) Português padrão: Hotel dois vizinhos Português falado: Hotel dois vizinho-θ As cinco frases pesquisadas apresentam exemplos da ausência de concordância de plural por meio da variante zero com o segundo determinante do sintagma nominal. O símbolo ϴ refere-se ao morfe zero, ou seja, há ausência da marca de plural no determinante, há ausência do s. Com base na análise, podemos supor que os processos determinam o uso de formas não-padrão. Pode-se tratar de um processo fonológico, de apagamento do /s/ que é repassado ao processo morfossintático, na escrita, ocorrendo a variação na aplicação da regra de concordância nominal. 2.1 Nossas hipóteses acerca da variação linguística Web-Revista SOCIODIALETO: Bach., Linc., Mestrado Letras UEMS/Campo Grande, v. 4, nº 12, mai

7 Conforme salientamos acima, supomos que a ausência de concordância de plural pode ser um fenômeno ocasionado por um processo fonológico. Neste momento, vamos transcorrer os argumentos que nos levaram a estas hipóteses. Para Naro e Scherre (2007, p.44), os estudos dialetológicos realizados até 1950 sob a perspectiva da teoria da variação linguística realizados na décadas de 1970, 1980 e 1990, indicam que a variação na concordância nominal em português é um fenômeno geral, independente de localização geográfica. Nossa hipótese deste fenômeno, diz respeito ao apagamento do /s/, ou seja, provavelmente, na fala, os indivíduos que escreveram as placas não pronunciam o /s/, reproduzindo na escrita aquilo que fazem na fala. Segundo Matos e Silva (2002, p.314), existem aspectos extraordinários do português brasileiro que se referem ao empobrecimento de sua morfologia flexional; o uso extensivo de categorias vazias cuja identificação não pode ser feita através da flexão; falta de mobilidade, ou de movimentos longos de elementos distintos [...]. As pessoas escrevem aquilo que falam e acabam esquecendo as normas da GN, não distinguem a fala da escrita. Conforme afirma Castilho (2010, p ), a compreensão entre as especificidades da língua falada e da língua escrita, cindiu os pesquisadores em três direções: (1) apenas a língua falada tem estatuto próprio, sendo a língua escrita uma transposição da primeira, posição sustentada pelos estruturalistas; (2) língua falada e língua escrita são manifestações autônomas da linguagem, na fala o sentido está no contexto, construído dialogicamente, e na escrita o sentido está no texto; (3) língua falada e língua escrita se dispõe num continuum de usos, integrados por diversos pontos focais. Analisando nossos exemplos, partimos da posição em que a língua escrita é uma transposição da língua falada, pois acreditamos que o fenômeno expresso, da variação na flexão nominal de número, marcada nos determinantes que estão pospostos ao nome, consiste nesta transposição da fala para a escrita, considerando a heterogeneidade linguística no processo fonológico. Deste modo, o sujeito reproduziu uma construção Web-Revista SOCIODIALETO: Bach., Linc., Mestrado Letras UEMS/Campo Grande, v. 4, nº 12, mai

8 agramatical nas placas e anúncios, desconsiderando as regras categóricas da GN e considerando sua fala individual. Seguindo este pressuposto, Bortoni-Ricardo (2005) por meio da técnica de análise e diagnose de erros, analisou a escrita de alguns alunos e percebeu que a maneira de escrever deles transcrevia o que eles falavam no cotidiano. Neste estudo ela aponta quatro categorias de erros, sendo que três delas são decorrentes da transposição dos hábitos da fala para a escrita (Idem, p. 54). A autora utiliza o termo erros para os desvios da norma, pois a fala prevê a variação, mas a escrita não, ou seja, devem-se respeitar as variadas formas de expressão linguística na modalidade oral, mas, na modalidade escrita, a variação não está prevista quando uma língua já venceu os estágios históricos da sua codificação. A uniformidade de que a ortografia se reveste garante sua funcionalidade (BORTONI-RICARDO, 2006, p. 273). Desta forma, percebemos que existem outros estudos que evidenciam a transposição da maneira de falar individual para a escrita. Entretanto, percebemos que nos exemplos trazidos, o apagamento do sufixo de número s não traz grandes alterações de significado, não alterando por completo o referente, o qual podemos entender sobre o que se trata cada frase. Considerações Finais A língua escrita se diferencia da língua falada, por diversos fatores, pois não é possível transpor as normas da fala para escrita nem as da escrita para as da fala. Apesar disso, é comum que haja tal transposição da oralidade no processo da escrita. O presente estudo pretendeu constatar tais afirmações, procurando observar características do texto oral no escrito, mais especificamente em frases das placas e anúncios públicos encontrados na cidade de Cáceres-MT, que nos trouxe exemplos da variação na flexão nominal de número. A Sociolinguística considera a língua como heterogênea, percebemos que a regra categórica da GN não foi seguida nestes exemplos. Destacamos que uma possível Web-Revista SOCIODIALETO: Bach., Linc., Mestrado Letras UEMS/Campo Grande, v. 4, nº 12, mai

9 hipótese para este fenômeno seria um processo fonológico, da transposição dos hábitos da fala para a escrita, ou seja, os sujeitos que escreveram as frases possivelmente, na fala, apagam o /s/ do segundo determinante. Deste modo, ele reproduz na escrita a sua maneira individual da língua falada, desconsiderando a regra da concordância nominal de número estabelecida pela GN. Afinal, sabemos que o texto escrito exige a norma padrão, mas muitos desconhecem as regras ou possuem dificuldade na assimilação da fala com a norma, gerando incorreções de ordem gramatical e ortográfica. Referências ALKMIM, T. Sociolingüística. In: MUSSALIM, F. e BENTES, A. C. (orgs.) Introdução à lingüística. 7ª Ed. São Paulo: Cortez, BAGNO, Marcos.Preconceito lingüístico: o que é, como se faz. Edições Loyola, São Paulo, BORTONI-RICARDO, Stella Maris. O estatuto do erro na línguaoral e escrita. In: GORSKI, Edair Maria; COELHO, IzeteLehmkuhl (Orgs.) Sociolinguística e ensino: contribuições paraa formação do professor de língua. Florianópolis: EdUFSC, Nós cheguemu na escola e agora?: sociolingüística eeducação. São Paulo: Parábola, CALVET, Louis-Jean. Sociolinguística: uma introdução crítica. Trad. Marcos Marcionilo. São Paulo: Parábola, CÂMARA Jr., Joaquim Mattoso. Estrutura da língua portuguesa. Petrópolis: Vozes, GONÇALVES, Carlos Alexandre. Iniciação aos estudos morfológicos: flexão e derivação em português. São Paulo: Contexto, LABOV, William. Sociolinguística: uma entrevista com William Labov. Revista Virtual de Estudos da Linguagem - ReVEL. Vol. 5, n. 9, agosto de Tradução de Gabriel de Ávila Othero. ISSN disponível em:[www.revel.inf.br] LABOV, William. Padrões Sociolinguísticos [1972]. Trad. Marcos Bagno, Maria Marta P.Scherre e Caroline Rodrigues Cardoso. São Paulo: Ed. Parábola, Web-Revista SOCIODIALETO: Bach., Linc., Mestrado Letras UEMS/Campo Grande, v. 4, nº 12, mai

10 LUCCHESI, Dante. Parâmetros sociolinguísticos do português brasileiro.revista da ABRALIN, v. 5, n. 1 e 2, p , dez Disponível em: Acesso em: 02, Jun MATOS e SILVA, Rosa Virgínia. Variação, mudança e norma (movimentos no interior do português brasileiro. In: BAGNO, Marcos (org). Linguística da Norma. São Paulo: Loyola, MONTEIRO, José Lemos. Para compreender Labov. Petrópolis: Vozes, MORALIS, Edileusa Gimenes. Dialetos em contato: um estudo sobre atitudes linguísticas. In: Sociedade e Discurso. Campinas: Pontes, NARO, Anthony Julius; SCHERRE, Maria Marta Pereira. Origens do português brasileiro. São Paulo: Parábola, TARALLO, Fernando. A pesquisa sociolinguística. 8ª Ed. São Paulo: Ática, SAUSSURE, Ferdinand. Curso de linguística geral. 28ª ed. São Paulo: Cultrix, 2000 Recebido Para Publicação em 14 de abril de Aprovado Para Publicação em 6 de maio de Web-Revista SOCIODIALETO: Bach., Linc., Mestrado Letras UEMS/Campo Grande, v. 4, nº 12, mai

Unidade: Os Níveis de Análise Linguística I. Unidade I:

Unidade: Os Níveis de Análise Linguística I. Unidade I: Unidade: Os Níveis de Análise Linguística I Unidade I: 0 OS NÍVEIS DE ANÁLISE LINGUÍSTICA I Níveis de análise da língua Análise significa partição em segmentos menores para melhor compreensão do tema.

Leia mais

CONCORDÂNCIA NOMINAL: REDAÇÕES DE VESTIBULAR NA UFRO

CONCORDÂNCIA NOMINAL: REDAÇÕES DE VESTIBULAR NA UFRO CONCORDÂNCIA NOMINAL: REDAÇÕES DE VESTIBULAR NA UFRO Maria Isabel de Moura * Valdemir Miotello ** RESUMO: Os gerativistas colocam essa relação, como sendo a relação entre a gramaticalidade e a comunicabilidade.

Leia mais

FERNANDO TARALLO EM TRÊS MOMENTOS

FERNANDO TARALLO EM TRÊS MOMENTOS FERNANDO TARALLO EM TRÊS MOMENTOS Antonio Carlos Santana de Souza (UEMS / PPGLETRAS UFGRS) acssuems@gmail.com Reúno aqui a resenha de três textos que foram muito importantes para a minha formação sociolinguística.

Leia mais

VARIAÇÃO LINGUÍSTICA E ENSINO DE LÍNGUA MATERNA: ALGUMAS CONSIDERAÇÕES

VARIAÇÃO LINGUÍSTICA E ENSINO DE LÍNGUA MATERNA: ALGUMAS CONSIDERAÇÕES 1 VARIAÇÃO LINGUÍSTICA E ENSINO DE LÍNGUA MATERNA: ALGUMAS CONSIDERAÇÕES INTRODUÇÃO Francieli Motta da Silva Barbosa Nogueira (Mestranda em Língua e Cultura UFBA/CAPES) A variação linguística é um fenômeno

Leia mais

A CONCORDÂNCIA NOMINAL DE NÚMERO NA LINGUAGEM INFANTIL

A CONCORDÂNCIA NOMINAL DE NÚMERO NA LINGUAGEM INFANTIL Anais do 5º Encontro do Celsul, Curitiba-PR, 2003 (465-469) A CONCORDÂNCIA NOMINAL DE NÚMERO NA LINGUAGEM INFANTIL Elaine Teresinha Costa CAPELLARI (Universidade Federal do Rio Grande do Sul) ABSTRACT:

Leia mais

A VARIAÇÃO ENTRE OS PRONOMES MIM/EU NA POSIÇÃO DE COMPLEMENTO VERBAL NA FALA EM ALAGOAS: UMA ANÁLISE SOCIOLINGÜÍSTICA VARIACIONISTA

A VARIAÇÃO ENTRE OS PRONOMES MIM/EU NA POSIÇÃO DE COMPLEMENTO VERBAL NA FALA EM ALAGOAS: UMA ANÁLISE SOCIOLINGÜÍSTICA VARIACIONISTA A VARIAÇÃO ENTRE OS PRONOMES MIM/EU NA POSIÇÃO DE COMPLEMENTO VERBAL NA FALA EM ALAGOAS: UMA ANÁLISE SOCIOLINGÜÍSTICA VARIACIONISTA Emanuelle Camila Moraes de Melo Albuquerque (autora bolsista), Renata

Leia mais

HÁ VARIAÇÃO LINGUÍSTICA NAS ESCOLAS PÚBLICAS?

HÁ VARIAÇÃO LINGUÍSTICA NAS ESCOLAS PÚBLICAS? HÁ VARIAÇÃO LINGUÍSTICA NAS ESCOLAS PÚBLICAS? Wéllem Aparecida de FREITAS Prof. Joyce Elaine de ALMEIDA BARONAS (Orientadora) RESUMO Nos últimos anos, pesquisadores da área de linguagem vêm desenvolvendo

Leia mais

VARIAÇÃO LINGUÍSTICA E ENSINO: CONTRIBUIÇÕES DA SOCIOLINGUÍSTICA PARA A SALA DE AULA

VARIAÇÃO LINGUÍSTICA E ENSINO: CONTRIBUIÇÕES DA SOCIOLINGUÍSTICA PARA A SALA DE AULA 1 VARIAÇÃO LINGUÍSTICA E ENSINO: CONTRIBUIÇÕES DA SOCIOLINGUÍSTICA PARA A SALA DE AULA INTRODUÇÃO Ariosvaldo Leal de Jesus (FSLF) 1 Considerando que não é mais possível pensar o ensino de uma língua, hoje,

Leia mais

VARIAÇÃO NO USO DAS VOGAIS PRETÔNICAS [E] E [O] NO PORTUGUÊS POPULAR FALADO EM DOURADOS MS

VARIAÇÃO NO USO DAS VOGAIS PRETÔNICAS [E] E [O] NO PORTUGUÊS POPULAR FALADO EM DOURADOS MS VARIAÇÃO NO USO DAS VOGAIS PRETÔNICAS [E] E [O] NO PORTUGUÊS POPULAR FALADO EM DOURADOS MS Márcio Palácios de CARVALHO (UEMS) marciopalacios@hotmail.com Elza Sabino da Silva BUENO (UEMS/FUNDECT) elza20@hotmail.com

Leia mais

A MORFOLOGIA EM LIBRAS Flancieni Aline R. Ferreira (UERJ) flan.uerj@hotmail.com

A MORFOLOGIA EM LIBRAS Flancieni Aline R. Ferreira (UERJ) flan.uerj@hotmail.com XVIII CONGRESSO NACIONAL DE LINGUÍSTICA E FILOLOGIA A MORFOLOGIA EM LIBRAS Flancieni Aline R. Ferreira (UERJ) flan.uerj@hotmail.com RESUMO Neste trabalho, discutiremos sobre o estudo morfossintático da

Leia mais

O PAPEL SOCIAL DA LÍNGUA: O PODER DAS VARIEDADES LINGÜÍSTICAS Carmen Elena das Chagas (UFF/UNESA) carmenelena@bol.com.br

O PAPEL SOCIAL DA LÍNGUA: O PODER DAS VARIEDADES LINGÜÍSTICAS Carmen Elena das Chagas (UFF/UNESA) carmenelena@bol.com.br O PAPEL SOCIAL DA LÍNGUA: O PODER DAS VARIEDADES LINGÜÍSTICAS Carmen Elena das Chagas (UFF/UNESA) carmenelena@bol.com.br CONSIDERAÇÕES INICIAIS A língua, na concepção da sociolingüística, é intrinsecamente

Leia mais

MANUSCRITOS: UMA CONTRIBUIÇÃO PARA O ENSINO DA LÍNGUA PORTUGUESA. PALAVRAS-CHAVE: desvios da norma; ensino de língua portuguesa; manuscritos.

MANUSCRITOS: UMA CONTRIBUIÇÃO PARA O ENSINO DA LÍNGUA PORTUGUESA. PALAVRAS-CHAVE: desvios da norma; ensino de língua portuguesa; manuscritos. MANUSCRITOS: UMA CONTRIBUIÇÃO PARA O ENSINO DA LÍNGUA PORTUGUESA Vanessa Lini (Especialização em Língua Portuguesa -UEL) Joyce Elaine de Almeida Baronas (co-autor - UEL) PALAVRAS-CHAVE: desvios da norma;

Leia mais

O PRECONCEITO LINGUÍSTICO NO ÂMBITO ESCOLAR BREVENSE

O PRECONCEITO LINGUÍSTICO NO ÂMBITO ESCOLAR BREVENSE O PRECONCEITO LINGUÍSTICO NO ÂMBITO ESCOLAR BREVENSE Cherma Miranda PEREIRA (UFPA) 1 Celso FRANCÊS JÚNIOR (UFPA) Resumo: Este trabalho tem por objetivo apresentar os resultados da pesquisa sobre o preconceito

Leia mais

POR UMA VIDA MELHOR : ABORDAGEM DA VARIAÇÃO LINGUISTICA NO LIVRO DIDÁTICO DE PORTUGUÊS

POR UMA VIDA MELHOR : ABORDAGEM DA VARIAÇÃO LINGUISTICA NO LIVRO DIDÁTICO DE PORTUGUÊS POR UMA VIDA MELHOR : ABORDAGEM DA VARIAÇÃO LINGUISTICA NO LIVRO DIDÁTICO DE PORTUGUÊS Sueilton Junior Braz de Lima (Graduando do Curso Letras/Língua Portuguesa - UERN) Maria Leidiana Alves (Professora

Leia mais

PLANO DE ENSINO. Unidade curricular INICIAÇÃO AOS ESTUDOS LINGUISTICOS. Carga Horária Prática -

PLANO DE ENSINO. Unidade curricular INICIAÇÃO AOS ESTUDOS LINGUISTICOS. Carga Horária Prática - PLANO DE ENSINO LETRAS (PORTUGUÊS-INGLÊS) Turno: Noturno Currículo: 2003 INFORMAÇÕES BÁSICAS Período 2013/1 Natureza: Unidade curricular INICIAÇÃO AOS ESTUDOS LINGUISTICOS Teórica 60 Carga Horária Prática

Leia mais

VARIAÇÃO E LETRAMENTO EM ESCOLAS URBANAS INTRODUÇÃO

VARIAÇÃO E LETRAMENTO EM ESCOLAS URBANAS INTRODUÇÃO VARIAÇÃO E LETRAMENTO EM ESCOLAS URBANAS Ângela Marina Bravin dos Santos (FAMA, SEE e SME) INTRODUÇÃO No que se refere ao ensino de Língua Portuguesa, os Parâmetros Curriculares Nacionais (PCNs), com base

Leia mais

Palavras-chave: Variação linguística. Preconceito linguístico. Escola. Professor.

Palavras-chave: Variação linguística. Preconceito linguístico. Escola. Professor. ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA: RECONHECIMENTO DO PRECONCEITO E POSSIBILIDADE DE TRABALHO 379 COM A VARIEDADE PADRÃO Andreia Rezende Garcia Reis* andreiargarcia@yahoo.com.br Mariana Altomar Barbosa** marialtomarbarbosa@gmail.com

Leia mais

Prof. Ângelo Renan A. Caputo Especialista em Linguística Textual

Prof. Ângelo Renan A. Caputo Especialista em Linguística Textual SOCIOLINGUÍSTICA A LÍNGUA E SUAS VARIAÇÕES Prof. Ângelo Renan A. Caputo Especialista em Linguística Textual Qualquer comunidade formada por indivíduos socialmente organizados dispõe de recursos e métodos

Leia mais

ANAIS DO XV CONGRESSO NACIONAL DE LINGUÍSTICA E FILOLOGIA

ANAIS DO XV CONGRESSO NACIONAL DE LINGUÍSTICA E FILOLOGIA A SOCIOLINGUÍSTICA COMO ATIVIDADE NO CURRICULO ESCOLAR DO ENSINO FUNDAMENTAL Lucia Furtado de Mendonça Cyranka (UFJF) lucia.cyranka@uol.com.br Lívia Nascimento Arcanjo (UFJF) Simone Rodrigues Peron (UFJF)

Leia mais

As questões a seguir foram extraídas de provas de concurso.

As questões a seguir foram extraídas de provas de concurso. COMENTÁRIO QUESTÕES DE PORTUGUÊS PROFESSORA: FABYANA MUNIZ As questões a seguir foram extraídas de provas de concurso. 1. (FCC)...estima-se que sejam 20 línguas. (2º parágrafo) O verbo flexionado nos mesmos

Leia mais

Análise da concordância verbal em redações de vestibular

Análise da concordância verbal em redações de vestibular Análise da concordância verbal em redações de vestibular Silvânia Oliveira da Silva 1 RESUMO: Este trabalho apresenta a análise da variação na concordância verbal em redações de vestibulares, dos anos

Leia mais

A gente em relações de concordância com a estrutura pronome reflexivo + verbo na variedade alagoana do PB 1

A gente em relações de concordância com a estrutura pronome reflexivo + verbo na variedade alagoana do PB 1 A gente em relações de concordância com a estrutura pronome reflexivo + verbo na variedade alagoana do PB 1 Ahiranie Sales Santos Manzoni 2 Renata Lívia de Araújo Santos 3 RESUMO: Este artigo analisa a

Leia mais

VARIAÇÕES NO DOMÍNIO DA LÍNGUA PORTUGUESA Ânderson Rodrigues Marins (UFF) andermarins@gmail.com e andermarins@hotmail.com

VARIAÇÕES NO DOMÍNIO DA LÍNGUA PORTUGUESA Ânderson Rodrigues Marins (UFF) andermarins@gmail.com e andermarins@hotmail.com VARIAÇÕES NO DOMÍNIO DA LÍNGUA PORTUGUESA Ânderson Rodrigues Marins (UFF) andermarins@gmail.com e andermarins@hotmail.com INTRODUÇÃO Os que se detêm na análise mais acurada dos fenômenos lingüísticos percebem

Leia mais

A ABORDAGEM DA VARIAÇÃO LINGUÍSTICA NO LIVRO DIDÁTICO DE LÍNGUA PORTUGUESA

A ABORDAGEM DA VARIAÇÃO LINGUÍSTICA NO LIVRO DIDÁTICO DE LÍNGUA PORTUGUESA A ABORDAGEM DA VARIAÇÃO LINGUÍSTICA NO LIVRO DIDÁTICO DE LÍNGUA PORTUGUESA Joseilson Jales Alves (graduando em Letras/Espanhol na UERN) Maria Graceli de Lima (Pós-graduanda em Letras PPGL/UERN) Maria Lúcia

Leia mais

Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos

Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos PRECONCEITO LINGUÍSTICO NA ENTREVISTA DE EMPREGO Magna Pereira Melo (UEMS) magninhams@hotmail.com Marlon Leal Rodrigues (UEMS) marlon@uems.br RESUMO O presente trabalho apresenta uma revisão bibliográfica

Leia mais

A VARIAÇÃO LINGUÍSTICA E A NORMA CULTA

A VARIAÇÃO LINGUÍSTICA E A NORMA CULTA A VARIAÇÃO LINGUÍSTICA E A NORMA CULTA Fabiana Ferreira de Souza (PPGLET-UEMS) klafabiana@hotmail.com Luciana Martha Carvalho de Jesus (PPGLET-UEMS) lu.martha@hotmail.com Nataniel dos Santos Gomes (UEMS)

Leia mais

13º CONGRESSO BRASILEIRO DE LÍNGUA PORTUGUESA DO IP/PUC-SP 4º CONGRESSO INTERNACIONAL DE LUSOFONIA

13º CONGRESSO BRASILEIRO DE LÍNGUA PORTUGUESA DO IP/PUC-SP 4º CONGRESSO INTERNACIONAL DE LUSOFONIA 13º CONGRESSO BRASILEIRO DE LÍNGUA PORTUGUESA DO IP/PUC-SP 4º CONGRESSO INTERNACIONAL DE LUSOFONIA Mônica Vicente Marinho Gerhardt (Pontifícia Universidade Católica de São Paulo) Mestranda em Língua Portuguesa

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES DA SOCIOLINGÜÍSTICA PARA O TRATAMENTO DIDÀTICO DA VARIAÇÃO LINGÜÍSTICA NA ESCOLA Ana Maria Mattos Navarro (PDE) 1

CONTRIBUIÇÕES DA SOCIOLINGÜÍSTICA PARA O TRATAMENTO DIDÀTICO DA VARIAÇÃO LINGÜÍSTICA NA ESCOLA Ana Maria Mattos Navarro (PDE) 1 CONTRIBUIÇÕES DA SOCIOLINGÜÍSTICA PARA O TRATAMENTO DIDÀTICO DA VARIAÇÃO LINGÜÍSTICA NA ESCOLA Ana Maria Mattos Navarro (PDE) 1 RESUMO O presente artigo focaliza alguns aspectos da variação da língua materna

Leia mais

ESTUDOS DOS ERROS ORTOGRÁFICOS NOS TEXTOS DE ALUNOS DO TERCEIRO ANO DO ENSINO MÉDIO

ESTUDOS DOS ERROS ORTOGRÁFICOS NOS TEXTOS DE ALUNOS DO TERCEIRO ANO DO ENSINO MÉDIO 1 ESTUDOS DOS ERROS ORTOGRÁFICOS NOS TEXTOS DE ALUNOS DO TERCEIRO ANO DO ENSINO MÉDIO Dóbia Pereira dos Santos NASCIMENTO Gisele da Paz NUNES Universidade Federal de Goiás (UFG) Campus Catalão dobia@wgo.com.br

Leia mais

A CONCORDÂNCIA VERBAL NO PORTUGUÊS POPULAR DE SALVADOR Welton Rodrigues Santos (UFBA) weltonsantos83@gmail.com

A CONCORDÂNCIA VERBAL NO PORTUGUÊS POPULAR DE SALVADOR Welton Rodrigues Santos (UFBA) weltonsantos83@gmail.com A CONCORDÂNCIA VERBAL NO PORTUGUÊS POPULAR DE SALVADOR Welton Rodrigues Santos (UFBA) weltonsantos83@gmail.com 1. Introdução A língua pode tomar formas diversas a depender da faixa etária do falante, sexo/gênero,

Leia mais

CURRÍCULO E IDEOLOGIA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: O PRECONCEITO LINGUÍSTICO NA PRÁTICA PEDAGÓGICA 1 Simone DA SILVA 2

CURRÍCULO E IDEOLOGIA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: O PRECONCEITO LINGUÍSTICO NA PRÁTICA PEDAGÓGICA 1 Simone DA SILVA 2 CURRÍCULO E IDEOLOGIA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: O PRECONCEITO LINGUÍSTICO NA PRÁTICA PEDAGÓGICA 1 Simone DA SILVA 2 Resumo Este artigo apresenta uma reflexão acerca da ideologia dominante presente

Leia mais

Escutar discursos breves para aprender e construir conhecimentos.

Escutar discursos breves para aprender e construir conhecimentos. METAS CURRICULARES 2º ANO Português Oralidade Respeitar regras da interação discursiva. Escutar discursos breves para aprender e construir conhecimentos. Produzir um discurso oral com correção. Produzir

Leia mais

Palavras-chave: Leitura. Oralidade. (Re)escrita. Introdução

Palavras-chave: Leitura. Oralidade. (Re)escrita. Introdução 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA (X ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA OS TEXTOS

Leia mais

O FENÔMENO HIPERCORREÇÃO, NOS DIZERES MONITORADOS, EM ESPAÇO PÚBLICO DE SÃO LUÍS DE MONTES BELOS/GO

O FENÔMENO HIPERCORREÇÃO, NOS DIZERES MONITORADOS, EM ESPAÇO PÚBLICO DE SÃO LUÍS DE MONTES BELOS/GO O FENÔMENO HIPERCORREÇÃO, NOS DIZERES MONITORADOS, EM ESPAÇO PÚBLICO DE SÃO LUÍS DE MONTES BELOS/GO Daniela Borba Ribeiro 1; Maryah de Oliveira Luiz Pereira 2 ; Berenice Teodoro de Rezende Souza 3 Elizete

Leia mais

Autorizado pela Portaria nº 276, de 30/05/15 DOU de 31/03/15

Autorizado pela Portaria nº 276, de 30/05/15 DOU de 31/03/15 C U R S O D E E N G E N H A R I A C I V I L Autorizado pela Portaria nº 276, de 30/05/15 DOU de 31/03/15 Componente Curricular: PORTUGUÊS INSTRUMENTAL Código: ENG. 000 Pré-requisito: ----- Período Letivo:

Leia mais

ENSINO FUNDAMENTAL. Sondagem 2014 6º ANO. Língua Portuguesa

ENSINO FUNDAMENTAL. Sondagem 2014 6º ANO. Língua Portuguesa ENSINO FUNDAMENTAL O processo de sondagem Colégio Sion busca detectar, no aluno, pré-requisitos que possibilitem inseri-lo adequadamente no ano pretendido. As disciplinas de Língua Portuguesa e são os

Leia mais

TALKING ABOUT PLACES IN TOWN

TALKING ABOUT PLACES IN TOWN Aula2 TALKING ABOUT PLACES IN TOWN META Apresentar a estrutura gramatical there be a qual representa o verbo haver em português - bem como trabalhar os adjetivos possessivos e vocabulário de suporte aos

Leia mais

Professora Verônica Ferreira PROVA CESGRANRIO 2012 CAIXA ECONÔMICA FEDERAL TÉCNICO BANCÁRIO

Professora Verônica Ferreira PROVA CESGRANRIO 2012 CAIXA ECONÔMICA FEDERAL TÉCNICO BANCÁRIO Professora Verônica Ferreira PROVA CESGRANRIO 2012 CAIXA ECONÔMICA FEDERAL TÉCNICO BANCÁRIO 1 Q236899 Prova: CESGRANRIO - 2012 - Caixa - Técnico Bancário Disciplina: Português Assuntos: 6. Interpretação

Leia mais

O PRECONCEITO LINGÜÍSTICO NA SALA DE AULA

O PRECONCEITO LINGÜÍSTICO NA SALA DE AULA 2696 O PRECONCEITO LINGÜÍSTICO NA SALA DE AULA Naila Lins da Silva 1 0 Introdução O preconceito lingüístico é um tema muito relevante, sobretudo na etapa correspondente ao início da escolarização, quando

Leia mais

A VARIAÇÃO LINGÜÍSTICA: CONTRIBUIÇÕES DA SOCIOLINGÜÍSTICA PARA O ENSINO DA LÍNGUA

A VARIAÇÃO LINGÜÍSTICA: CONTRIBUIÇÕES DA SOCIOLINGÜÍSTICA PARA O ENSINO DA LÍNGUA SESSÃO 6 31 DE MARÇO Tema: Língua e cultura Coordenador: Adriano da Gama Kury (LLP / FCRB) A VARIAÇÃO LINGÜÍSTICA: CONTRIBUIÇÕES DA SOCIOLINGÜÍSTICA PARA O ENSINO DA LÍNGUA Dino Preti PUC-SP/USP/Projeto

Leia mais

A MARCAÇÃO DE PLURALIDADE NAS ESTRUTURAS PREDICATIVAS DA REGIÃO DE SÃO JOSÉ DO RIO PRETO

A MARCAÇÃO DE PLURALIDADE NAS ESTRUTURAS PREDICATIVAS DA REGIÃO DE SÃO JOSÉ DO RIO PRETO A MARCAÇÃO DE PLURALIDADE NAS ESTRUTURAS PREDICATIVAS DA REGIÃO DE SÃO JOSÉ DO RIO PRETO Introdução Mircia Hermenegildo Salomão (IBILCE/UNESP) 1 Este trabalho procura investigar, com base nas ocorrências

Leia mais

REFLETINDO SOBRE A PRODUÇÃO DA "HIPERCORREÇÃO", EM TEXTOS DE ALUNOS DE PÓS-GRADUAÇÃO

REFLETINDO SOBRE A PRODUÇÃO DA HIPERCORREÇÃO, EM TEXTOS DE ALUNOS DE PÓS-GRADUAÇÃO REFLETINDO SOBRE A PRODUÇÃO DA "HIPERCORREÇÃO", EM TEXTOS DE ALUNOS DE PÓS-GRADUAÇÃO Elizete Beatriz Azambuja (UNICAMP e UEG) liazambuja@ibest.com.br Este texto faz parte das reflexões que estou fazendo

Leia mais

A VARIAÇÃO SINTÁTICA NA CONSTRUÇÃO DAS FALAS NO MUNICÍPIO DE JANAÚBA EM RELAÇÃO À CONCORDÂNCIA VERBAL: UMA ABORDAGEM SOCIOLINGUÍSTICA

A VARIAÇÃO SINTÁTICA NA CONSTRUÇÃO DAS FALAS NO MUNICÍPIO DE JANAÚBA EM RELAÇÃO À CONCORDÂNCIA VERBAL: UMA ABORDAGEM SOCIOLINGUÍSTICA A VARIAÇÃO SINTÁTICA NA CONSTRUÇÃO DAS FALAS NO MUNICÍPIO DE JANAÚBA EM RELAÇÃO À CONCORDÂNCIA VERBAL: UMA ABORDAGEM SOCIOLINGUÍSTICA Kamila Karoline Silva Carvalho (UNIMONTES) 1 milinhakaroline@hotmail.com

Leia mais

APAGAMENTO DE SEMIVOGAIS EM DITONGOS ORAIS NO PORTUGUÊS DO SUL DO BRASIL: ESTUDO DE CASOS

APAGAMENTO DE SEMIVOGAIS EM DITONGOS ORAIS NO PORTUGUÊS DO SUL DO BRASIL: ESTUDO DE CASOS Anais do 6º Encontro Celsul - Círculo de Estudos Lingüísticos do Sul APAGAMENTO DE SEMIVOGAIS EM DITONGOS ORAIS NO PORTUGUÊS DO SUL DO BRASIL: ESTUDO DE CASOS Gerusa PEREIRA (UNISUL) ABSTRACT: The present

Leia mais

LETRAS 1º PERÍODO. Código Disciplina C/H Curso Disciplina C/H Código Curso Ano do Conclusão

LETRAS 1º PERÍODO. Código Disciplina C/H Curso Disciplina C/H Código Curso Ano do Conclusão LETRAS 1º PERÍODO Disciplina A Disciplina B 62961 Língua Portuguesa A 68 Língua Portuguesa A 68 Ementa: Estuda os fundamentos Ementa: Estudo da base fonéticofonológica teóricos da análise lingüística,

Leia mais

O APAGAMENTO DO RÓTICO EM CODA SILÁBICA NA ESCRITA DE ESTUDANTES CATUENSES

O APAGAMENTO DO RÓTICO EM CODA SILÁBICA NA ESCRITA DE ESTUDANTES CATUENSES O APAGAMENTO DO RÓTICO EM CODA SILÁBICA NA ESCRITA DE ESTUDANTES CATUENSES Geisa Borges da Costa RESUMO: O presente trabalho, pautando-se nos pressupostos teóricos da sociolingüística quantitativa variacionista,

Leia mais

RESUMO: INTRODUÇÃO EDIÇÃO Nº 12, SETEMBRO DE 2013 ARTIGO RECEBIDO ATÉ 10/09/2013 ARTIGO APROVADO ATÉ 20/09/2013

RESUMO: INTRODUÇÃO EDIÇÃO Nº 12, SETEMBRO DE 2013 ARTIGO RECEBIDO ATÉ 10/09/2013 ARTIGO APROVADO ATÉ 20/09/2013 A IMPORTÂNCIA DA SOCOLINGUÍSTICA PARA A FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE LÍNGUA PORTUGUESA Dirlene Santos de Araujo 1 Adriana Lúcia de Escobar Chaves de Barros 2 RESUMO: Este trabalho visa discorrer sobre a

Leia mais

RESENHA DE MANUAL DE MORFOLOGIA DO PORTUGUÊS, DE MARIA NAZARÉ DE CARVALHO LAROCA

RESENHA DE MANUAL DE MORFOLOGIA DO PORTUGUÊS, DE MARIA NAZARÉ DE CARVALHO LAROCA QUADROS, Emanuel Souza. Resenha de Manual de morfologia do português, de Maria Nazaré de Carvalho Laroca. ReVEL, vol. 7, n. 12, 2009. [www.revel.inf.br]. RESENHA DE MANUAL DE MORFOLOGIA DO PORTUGUÊS, DE

Leia mais

PIBID: UMA PONTE INTERDISCIPLINAR ENTRE O ENSINO SUPERIOR E O ENSINO MÉDIO

PIBID: UMA PONTE INTERDISCIPLINAR ENTRE O ENSINO SUPERIOR E O ENSINO MÉDIO PIBID: UMA PONTE INTERDISCIPLINAR ENTRE O ENSINO SUPERIOR E O ENSINO MÉDIO Extensão, docência e investigação. Danielle Gomes Mendes Theciana Silva Silveira Orientadora: Prof.ª Dr.ª Marize Barros Rocha

Leia mais

ANÁLISE SEMÂNTICA E PRAGMÁTICA DOS SIGNIFICANTES NEGUINHO (A), E NEGO (A)" NO SÉCULO XIX E NO MUNDO CONTEMPORÂNEO

ANÁLISE SEMÂNTICA E PRAGMÁTICA DOS SIGNIFICANTES NEGUINHO (A), E NEGO (A) NO SÉCULO XIX E NO MUNDO CONTEMPORÂNEO ANÁLISE SEMÂNTICA E PRAGMÁTICA DOS SIGNIFICANTES NEGUINHO (A), E NEGO (A)" NO SÉCULO XIX E NO MUNDO CONTEMPORÂNEO Gabriel Nascimento dos Santos (UESC) gabrielnasciment.eagle@hotmail.com Maria D Ajuda Alomba

Leia mais

O ENSINO DE LINGUÍSTICA NO CURSO DE PEDAGOGIA DA UNOCHAPECÓ

O ENSINO DE LINGUÍSTICA NO CURSO DE PEDAGOGIA DA UNOCHAPECÓ O ENSINO DE LINGUÍSTICA NO CURSO DE PEDAGOGIA DA UNOCHAPECÓ Daniele Reinke 1 ; Cristian Rolin de Moura 2 ; Mary Neiva Surdi da Luz 3. RESUMO: Objetivamos com este projeto identificar quais são as teorias

Leia mais

Análise da influência dos manuais de norma culta nos referenciais teóricos do professor de Língua Portuguesa

Análise da influência dos manuais de norma culta nos referenciais teóricos do professor de Língua Portuguesa Análise da influência dos manuais de norma culta nos referenciais teóricos do professor de Língua Portuguesa Prof a. Esp. Josicarla Mendonça UnB Resumo: Desde que a língua passou a ser comercializada como

Leia mais

7 Educação lingüística: uma proposta para o ensino de língua portuguesa

7 Educação lingüística: uma proposta para o ensino de língua portuguesa 7 Educação lingüística: uma proposta para o ensino de língua portuguesa As críticas ao ensino tradicional de língua portuguesa não são recentes. Nos anos trinta, Olavo Bilac já se posicionava contra o

Leia mais

O ERRO: UMA PERSPECTIVA DE MUDANÇA

O ERRO: UMA PERSPECTIVA DE MUDANÇA 1 O ERRO: UMA PERSPECTIVA DE MUDANÇA Luiz Eduardo Simões de Burgos (UESB/UFBA) eduardoburgos@bol.com.br Izabel Cristina Lima Dias Rocha (UNEB/UFBA) izabelrocha2@hotmail.com 1. Introdução O nosso povo,

Leia mais

ANÁLISE DE ALGUNS EXERCÍCIOS DE COMPREENSÃO AUDITIVA DA COLEÇÃO AMERICAN HEADWAY NA PERSPECTIVA DA SOCIOLINGUÍSTICA

ANÁLISE DE ALGUNS EXERCÍCIOS DE COMPREENSÃO AUDITIVA DA COLEÇÃO AMERICAN HEADWAY NA PERSPECTIVA DA SOCIOLINGUÍSTICA ANÁLISE DE ALGUNS EXERCÍCIOS DE COMPREENSÃO AUDITIVA DA COLEÇÃO AMERICAN HEADWAY NA PERSPECTIVA DA Cristiane Toffanello Mestranda UniRitter/Laureate International Universities Cristoffi@hotmail.com SOCIOLINGUÍSTICA

Leia mais

Analysing sociolinguistic variation, de autoria de Sali Tagliamonte (University

Analysing sociolinguistic variation, de autoria de Sali Tagliamonte (University Cadernos de Letras da UFF Dossiê: Difusão da língua portuguesa, n o 39, p. 321-328, 2009 321 ANALYSING SOCIOLINGUISTIC VARIATION, SALI TAGLIAMONTE (2006) Por Humberto Soares da Silva Analysing sociolinguistic

Leia mais

Mariléia Reis 1 Almerinda Bianca Batti Dias 2. marileiareis@unisul.br bbd@unesc.net

Mariléia Reis 1 Almerinda Bianca Batti Dias 2. marileiareis@unisul.br bbd@unesc.net REIS, Mariléia; DIAS, Almerinda Bianca Batti. A vibrante final de infinitivo na fala de crianças em fase final de aquisição da linguagem: o efeito cumulativo de natureza fonomorfossintática sobre o fonema

Leia mais

PROPOSTA PEDAGÓGICA CURRICULAR CELEM CENTRO DE ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA MODERNA ESPANHOL

PROPOSTA PEDAGÓGICA CURRICULAR CELEM CENTRO DE ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA MODERNA ESPANHOL PROPOSTA PEDAGÓGICA CURRICULAR CELEM CENTRO DE ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA MODERNA ESPANHOL APRESENTAÇÃO Segundo as Diretrizes Curricular o ensino da Língua Estrangeira na Educação Básica esta pautado

Leia mais

O USO DA FORMA VOCÊ NO NORTE DE MINAS GERAIS Maria do Socorro Vieira Coelho (UniMontes) soccoelho@hotmail.com

O USO DA FORMA VOCÊ NO NORTE DE MINAS GERAIS Maria do Socorro Vieira Coelho (UniMontes) soccoelho@hotmail.com O USO DA FORMA VOCÊ NO NORTE DE MINAS GERAIS Maria do Socorro Vieira Coelho (UniMontes) soccoelho@hotmail.com 1. Introdução Neste artigo trata-se, sob a perspectiva sociolinguística variacionista, a alternativa

Leia mais

A PASSIVA PRONOMINAL NO PORTUGUÊS BRASILEIRO: UMA AVALIAÇÃO 1 Jilvan Evangelista da Silva (UFBA) jilvantnt@hotmail.com Edivalda Alves Araújo (UFBA)

A PASSIVA PRONOMINAL NO PORTUGUÊS BRASILEIRO: UMA AVALIAÇÃO 1 Jilvan Evangelista da Silva (UFBA) jilvantnt@hotmail.com Edivalda Alves Araújo (UFBA) A PASSIVA PRONOMINAL NO PORTUGUÊS BRASILEIRO: UMA AVALIAÇÃO 1 Jilvan Evangelista da Silva (UFBA) jilvantnt@hotmail.com Edivalda Alves Araújo (UFBA) RESUMO Este trabalho tem como objetivo analisar os processos

Leia mais

ALFABETIZAR LETRANDO: DESAFIOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA ALFABETIZADORA

ALFABETIZAR LETRANDO: DESAFIOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA ALFABETIZADORA ALFABETIZAR LETRANDO: DESAFIOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA ALFABETIZADORA Georgyanna Andréa Silva Morais ¹ RESUMO O presente artigo é parte integrante das discussões empreendidas na pesquisa do Mestrado em Educação

Leia mais

Curriculum Vitae. José Mario Botelho

Curriculum Vitae. José Mario Botelho Dados pessoais Nome Nome em citações bibliográficas Sexo Endereço profissional José Mario Botelho Curriculum Vitae José Mario Botelho BOTELHO, José Mario Masculino Universidade do Estado do Rio de Janeiro,

Leia mais

POR UM ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA CONTEXTUALIZADO

POR UM ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA CONTEXTUALIZADO 1 POR UM ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA CONTEXTUALIZADO SOUSA, Grazielle de Jesus Leal de 1 RESUMO O ensino de língua portuguesa ainda é visto por muitas pessoas como um ensino mecânico, cheio de regras e

Leia mais

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA LOGOTIPO MACMILLAN BRASIL Utilização colorido; preto/branco e negativo Professor, nós, da Editora Moderna, temos como propósito uma educação de qualidade, que

Leia mais

ESTUDO DO GERÚNDIO A TRANSFORMAÇÃO DE [ND] EM [N] NO PORTUGUÊS FALADO NA REGIÃO DE FRONTEIRA 1

ESTUDO DO GERÚNDIO A TRANSFORMAÇÃO DE [ND] EM [N] NO PORTUGUÊS FALADO NA REGIÃO DE FRONTEIRA 1 ESTUDO DO GERÚNDIO A TRANSFORMAÇÃO DE [ND] EM [N] NO PORTUGUÊS FALADO NA REGIÃO DE FRONTEIRA 1 Ivone da Silva Martins (Professora do Ensino Fundamental e Médio em Dourados-MS) ivonemartins@hotmail.com

Leia mais

UMAS TINTAS DE GERATIVA: conversa com quem não é do ramo 1

UMAS TINTAS DE GERATIVA: conversa com quem não é do ramo 1 UMAS TNTAS DE GERATA: conversa com quem não é do ramo 1 Dercir Pedro de OLERA (UFMS) A gramática gerativa tem perdido, gradativamente, seus seguidores nos últimos tempos. A prova disso é o grande número

Leia mais

COMPÊNDIO DA LÍNGUA FALADA NO SEMIÁRIDO BAIANO: RETRATOS DA DIVERSIDADE SOCIOLINGUÍSTICA E CULTURAL NO PORTUGUÊS BRASILEIRO

COMPÊNDIO DA LÍNGUA FALADA NO SEMIÁRIDO BAIANO: RETRATOS DA DIVERSIDADE SOCIOLINGUÍSTICA E CULTURAL NO PORTUGUÊS BRASILEIRO COMPÊNDIO DA LÍNGUA FALADA NO SEMIÁRIDO BAIANO: RETRATOS DA DIVERSIDADE SOCIOLINGUÍSTICA E CULTURAL NO PORTUGUÊS BRASILEIRO RESUMO Jaqueline Barreto Lé (UEFS/NELP) 1 Este artigo tem por objetivo apresentar

Leia mais

Além da correção ortográfica nos editores de textos livres

Além da correção ortográfica nos editores de textos livres Além da correção ortográfica nos editores de textos livres William D. Colen M. Silva (colen@users.sourceforge.net) Eng. Computação pela Escola Politécnica da USP (2006) Mestrando Ciência da Computação

Leia mais

A SOCIOLINGUÍSTICA E O ENSINO DA LÍNGUA MATERNA

A SOCIOLINGUÍSTICA E O ENSINO DA LÍNGUA MATERNA A SOCIOLINGUÍSTICA E O ENSINO DA LÍNGUA MATERNA Resumo REIS, Paula Cristina (PG-UFPR/ FARESC) pacreis@yahoo.com.br MACHADO, Dinamara Pereira (PG-PUC-SP /FARESC) dinamara2110@yahoo.com.br BARBOSA, Siderly

Leia mais

3.2.1 A variação na sintaxe: a questão do significado

3.2.1 A variação na sintaxe: a questão do significado 156 De acordo com o modelo variacionista, as variantes lingüísticas são totalmente controladas por princípios da estrutura lingüística e da estrutura social e daí podermos afirmar que este modelo é uma

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO Câmpus de Bauru

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO Câmpus de Bauru UNESP UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO Câmpus de Bauru Curso: Licenciatura em Pedagogia Departamento: Educação-FC IDENTIFICAÇÃO Código: 4419 Disciplina: CONTEÚDOS E METODOLOGIA DO

Leia mais

Cadernos do CNLF, Vol. XIII, Nº 04

Cadernos do CNLF, Vol. XIII, Nº 04 A INTERCULTURALIDADE E SEUS REFLEXOS NA PRODUÇÃO DE TEXTOS DE ALUNOS DESCENDENTES DE POMERANOS Tatiani Ramos (UFES) tateletras@yahoo.com.br INTRODUÇÃO Segundo Costa Val (1997), o texto é uma unidade de

Leia mais

PARTE 1 FONÉTICA CAPÍTULO 1 FONÉTICA...

PARTE 1 FONÉTICA CAPÍTULO 1 FONÉTICA... Sumário PARTE 1 FONÉTICA CAPÍTULO 1 FONÉTICA... 3 1.1. Fonema...3 1.2. Classificação dos fonemas...4 1.3. Encontros vocálicos...5 1.4. Encontros consonantais...5 1.5. Dígrafos...6 1.6. Dífono...7 1.7.

Leia mais

Nível linguístico. narrativas. Inserção de vogal em sílaba (epêntese)

Nível linguístico. narrativas. Inserção de vogal em sílaba (epêntese) 1. Leia os trechos de uma entrevista transcrita (dados de fala) e da produção escrita (dados de escrita) de duas alunas de 9º ano (retirados de Silva-Brustolin, 2009), depois responda as questões a) e

Leia mais

VARIAÇÃO LINGUÍSTICA VERSUS ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA EM NOSSAS ESCOLAS: COMO ERRADICAR O CÍRCULO VICIOSO DO PRECONCEITO LINGUÍSTICO?

VARIAÇÃO LINGUÍSTICA VERSUS ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA EM NOSSAS ESCOLAS: COMO ERRADICAR O CÍRCULO VICIOSO DO PRECONCEITO LINGUÍSTICO? VARIAÇÃO LINGUÍSTICA VERSUS ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA EM NOSSAS ESCOLAS: COMO ERRADICAR O CÍRCULO VICIOSO DO PRECONCEITO LINGUÍSTICO? Jacqueline Wanderley Marques Dantas (PPGEL UFPI) 1 jacquelineefilhos2@hotmail.com

Leia mais

O PAPEL DA FUNCIONALIDADE NA RETRAÇÃO DA MUDANÇA

O PAPEL DA FUNCIONALIDADE NA RETRAÇÃO DA MUDANÇA O PAPEL DA FUNCIONALIDADE NA RETRAÇÃO DA MUDANÇA Maria Cecília de Magalhães Mollica (UFRJ/CNPq) ceciliamollica@terra.com.br Camille de Miranda Fernandez (UFRJ/PIBIC/CNPq) 1 RESUMO: Este texto oferece evidências

Leia mais

PLANO DE CURSO REFERENCIAL LÍNGUA PORTUGUESA/GESTAR 6ª SÉRIE (7º ANO)

PLANO DE CURSO REFERENCIAL LÍNGUA PORTUGUESA/GESTAR 6ª SÉRIE (7º ANO) PLANO DE CURSO REFERENCIAL LÍNGUA PORTUGUESA/GESTAR 6ª SÉRIE (7º ANO) Processo Avaliativo Unidade Didática PRIMEIRA UNIDADE Competências e Habilidades Aperfeiçoar a escuta de textos orais - Reconhecer

Leia mais

LÍNGUA(GEM) E SOCIEDADE: RECORTES TEÓRICOS SOBRE A RELAÇÃO ENTRE LÍNGUA E CLASSE SOCIAL 1

LÍNGUA(GEM) E SOCIEDADE: RECORTES TEÓRICOS SOBRE A RELAÇÃO ENTRE LÍNGUA E CLASSE SOCIAL 1 LÍNGUA(GEM) E SOCIEDADE: RECORTES TEÓRICOS SOBRE A RELAÇÃO ENTRE LÍNGUA E CLASSE SOCIAL 1 Jozimar Luciovânio Bernardo (UFG) 2 Valdisnei Martins de Campos (UFG) 3 Resumo: Considera-se a linguagem um instrumento

Leia mais

LINGUAGEM: O COMPLEXO JOGO DAS MUDANÇAS SOCIAIS

LINGUAGEM: O COMPLEXO JOGO DAS MUDANÇAS SOCIAIS LINGUAGEM: O COMPLEXO JOGO DAS MUDANÇAS SOCIAIS Aline Almeida de Araújo 1 RESUMO A sociolinguística estuda as variações do meio social, procura entender e explicar as várias maneiras de expressão dos falantes.

Leia mais

Alfabetização e Letramento: caminhos e descaminhos*

Alfabetização e Letramento: caminhos e descaminhos* Alfabetização e Letramento: caminhos e descaminhos* Magda Soares Doutora e livre-docente em Educação e professora titular emérita da Universidade Federal de Minas Gerais. Um olhar histórico sobre a alfabetização

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS S DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE SECRETARIADO EXECUTIVO TRILÍNGUE DISCIPLINA: COMUNICAÇÃO E EXPRESSÃO Leitura e compreensão de textos. Gêneros textuais. Linguagem verbal e não verbal. Linguagem

Leia mais

Mudanças didáticas e pedagógicas no ensino de Língua Portuguesa

Mudanças didáticas e pedagógicas no ensino de Língua Portuguesa Mudanças didáticas e pedagógicas no ensino de Língua Portuguesa Silvio Profirio da Silva¹ Durante décadas, o ensino de Língua Portuguesa desenvolvido em nossas escolas limitou - se à análise e à classificação

Leia mais

AS CONCEPÇÕES DE LINGUAGEM E O ENSINO DA LÍNGUA MATERNA. Roberta da Silva 1. João Cabral de Melo Neto, Rios sem discurso.

AS CONCEPÇÕES DE LINGUAGEM E O ENSINO DA LÍNGUA MATERNA. Roberta da Silva 1. João Cabral de Melo Neto, Rios sem discurso. AS CONCEPÇÕES DE LINGUAGEM E O ENSINO DA LÍNGUA MATERNA Roberta da Silva 1 Quando um rio corta, corta-se de vez o discurso-rio de água que ele fazia; cortado, a água se quebra em pedaços, em poços de água,

Leia mais

Enunciação e política de línguas no Brasil

Enunciação e política de línguas no Brasil Enunciação e política de línguas no Brasil Eduardo GUIMARÃES Universidade Estadual de Campinas Considerando o fato de que o Brasil é um país multilingüe, tomo como objetivo específico aqui a reflexão sobre

Leia mais

INFORMAÇÃO- EXAME EXAME DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA INGLÊS 3º CICLO DO ENSINO BÁSICO 2012

INFORMAÇÃO- EXAME EXAME DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA INGLÊS 3º CICLO DO ENSINO BÁSICO 2012 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE PINHEIRO ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA INFORMAÇÃO- EXAME EXAME DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA INGLÊS 3º CICLO DO ENSINO BÁSICO 2012 1. INTRODUÇÃO O presente documento visa divulgar

Leia mais

Conhecer o conteúdo programático do componente Língua Portuguesa e desenvolver habilidades de compreensão, interpretação e produção de textos orais e

Conhecer o conteúdo programático do componente Língua Portuguesa e desenvolver habilidades de compreensão, interpretação e produção de textos orais e Conhecer o conteúdo programático do componente Língua Portuguesa e desenvolver habilidades de compreensão, interpretação e produção de textos orais e escritos à maneira adequada do padrão da língua materna;

Leia mais

O INTERNETÊS E O FENÔMENO DA ABREVIAÇÃO EM CHATS

O INTERNETÊS E O FENÔMENO DA ABREVIAÇÃO EM CHATS O INTERNETÊS E O FENÔMENO DA ABREVIAÇÃO EM CHATS Kárita Sena 1 karitaemanuelle@yahoo.com.br Diana Pilatti 2 dianapilatti@hotmail.com Resumo: Este artigo é voltado à análise da linguagem utilizada em chats

Leia mais

16 Pronúncia do Inglês

16 Pronúncia do Inglês Este livro tem por objetivo central apresentar os sons do inglês aos falantes do português brasileiro. Pretende-se, ainda, indicar algumas diferenças de pronúncia entre variedades do inglês falado em diferentes

Leia mais

Curso: Letras Português ( 1 ª Licenciatura) II Bloco

Curso: Letras Português ( 1 ª Licenciatura) II Bloco Curso: Letras Português ( 1 ª Licenciatura) I Bloco Filosofia da Educação 60 horas Metodologia Científica 60 horas Iniciação à Leitura e Produção de Textos Acadêmicos 60 horas Introdução à filosofia e

Leia mais

Aula 1: Traços morfossintáticos

Aula 1: Traços morfossintáticos Aula 1: Traços morfossintáticos Quando pensamos nos elementos formativos da sintaxe, ou seja, com que tipos de elementos a sintaxe trabalha, pensamos automaticamente em palavras. Entretanto, essa não parece

Leia mais

AGRUPAMENTO DE CLARA DE RESENDE COD. 242 937 COD. 152 870

AGRUPAMENTO DE CLARA DE RESENDE COD. 242 937 COD. 152 870 CRITÉRIOS ESPECÍFICOS DE AVALIAÇÃO (Aprovados em Conselho Pedagógico de 16 outubro de 2012) No caso específico da disciplina de PORTUGUÊS, do 3.º ano de escolaridade, a avaliação incidirá ainda ao nível

Leia mais

Critérios de Avaliação. 3º Ano. Agrupamento de Escolas Pedro Jacques de Magalhães 1º Ciclo

Critérios de Avaliação. 3º Ano. Agrupamento de Escolas Pedro Jacques de Magalhães 1º Ciclo Critérios de Avaliação 3º Ano 1º Ciclo Disciplina: PORTUGUÊS Domínio Parâmetros de Avaliação Instrumentos de avaliação Ponderação Oralidade Assimilar e expressar as ideias essenciais e as intenções de

Leia mais

A PESQUISA SOCIOLINGUÍSTICA NAS LÍNGUAS INDÍGENAS BRASILEIRAS

A PESQUISA SOCIOLINGUÍSTICA NAS LÍNGUAS INDÍGENAS BRASILEIRAS A PESQUISA SOCIOLINGUÍSTICA NAS LÍNGUAS INDÍGENAS BRASILEIRAS Letícia Reis de Oliveira (UEMS) leticia_reis_oliveira@hotmail.com Taís Turaça Arantes (UEMS) taistania@gmail.com Marlon Leal Rodrigues (UEMS)

Leia mais

XVIII CONGRESSO NACIONAL DE LINGUÍSTICA E FILOLOGIA

XVIII CONGRESSO NACIONAL DE LINGUÍSTICA E FILOLOGIA A GRAMÁTICA DE USOS DO PORTUGUÊS NA CONTEMPORANEIDADE: UMA PROPOSTA DE ENSINO Camila Rodrigues da Silva (UFT) Kmila-rodriguess@hotmail.com Luiz Roberto Peel Furtado de Oliveira (UFT) luizpeel@mail.uft.edu.br

Leia mais

Plano da Gestão 2012-2014 Grupo de Trabalho de Línguas Indígenas (GTLI)

Plano da Gestão 2012-2014 Grupo de Trabalho de Línguas Indígenas (GTLI) Plano da Gestão 2012-2014 Grupo de Trabalho de Línguas Indígenas (GTLI) Professora Doutora Dulce do Carmo Franceschini - Coordenadora Universidade Federal de Uberlândia - UFU Instituto de Letras e Linguística

Leia mais

(30h/a 02 créditos) Dissertação III (90h/a 06 Leituras preparatórias para a

(30h/a 02 créditos) Dissertação III (90h/a 06 Leituras preparatórias para a GRADE CURRICULAR DO MESTRADO EM LETRAS: LINGUAGEM E SOCIEDADE DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS 34 CRÉDITOS Teorias da Linguagem (60h/a 04 Teorias Sociológicas (60h/a 04 Metodologia da Pesquisa em Linguagem (30h/a

Leia mais

As relações de gênero socialmente constituídas e sua influência nas brincadeiras de faz de conta.

As relações de gênero socialmente constituídas e sua influência nas brincadeiras de faz de conta. As relações de gênero socialmente constituídas e sua influência nas brincadeiras de faz de conta. Angela Agulhari Martelini Gabriel. Pedagogia. Prefeitura Municipal de Bauru. helena2008mg@hotmail.com.

Leia mais

4. A nominalização em Inglês e Português. Derivados nominais e nominalizações gerundivas.

4. A nominalização em Inglês e Português. Derivados nominais e nominalizações gerundivas. 36 4. A nominalização em Inglês e Português. Derivados nominais e nominalizações gerundivas. Em inglês, diversos nominais são formados a partir do processo de adição de sufixos, como er, e ing às suas

Leia mais

INTERAÇÕES VIRTUAIS: O REFLEXO DA ORALIDADE NA ESCRITA E A SUA TRANSPOSIÇÃO

INTERAÇÕES VIRTUAIS: O REFLEXO DA ORALIDADE NA ESCRITA E A SUA TRANSPOSIÇÃO Revista Eletrônica da Faculdade Metodista Granbery http://re.granbery.edu.br - ISSN 1981 0377 Curso de Pedagogia - N.7, JUL/DEZ 2009 INTERAÇÕES VIRTUAIS: O REFLEXO DA ORALIDADE NA ESCRITA E A SUA TRANSPOSIÇÃO

Leia mais