A PUBLICIDADE-ENTRETENIMENTO NA WEB:

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A PUBLICIDADE-ENTRETENIMENTO NA WEB:"

Transcrição

1 PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS Programa de Pós-Graduação em Comunicação: Interações Midiáticas A PUBLICIDADE-ENTRETENIMENTO NA WEB: Recursos de produção de sentido, pactos (ou contratos) de leitura e apropriações midiáticas da publicidade no ciberespaço Pablo Moreno Fernandes Viana Belo Horizonte 2009

2 Pablo Moreno Fernandes Viana A PUBLICIDADE-ENTRETENIMENTO NA WEB: Recursos de produção de sentido, pactos (ou contratos) de leitura e apropriações midiáticas da publicidade no ciberespaço Dissertação apresentada ao Programa de Pós- Graduação em Comunicação Social: Interações Midiáticas, da Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais, como requisito parcial para obtenção do título de Mestre em Comunicação Social. Orientador: Prof. Dr. Julio Pinto Belo Horizonte, 2009

3 FICHA CATALOGRÁFICA Elaborada pela Biblioteca da Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais V614p. Viana, Pablo Moreno Fernandes A publicidade-entretenimento na web: Recursos de produção de sentido, pactos (ou contratos) de leitura e apropriações midiáticas da publicidade no ciberespaço/ Pablo Moreno Fernandes Viana. - Belo Horizonte, f.: il. Orientador: Julio Pinto Dissertação (Mestrado) Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais. Programa de Pós-Graduação em Comunicação Social. Bibliografia. 1. Publicidade. 2. Entretenimento. 3. Semiótica. 4. Ciberespaço. I. Pinto, Julio. II. Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais. Programa de Pós- Graduação em Comunicação Social. III. Título. CDU: 659.1

4 Pablo Moreno Fernandes Viana

5 À minha mãe, meu pai, minhas irmãs e meus sobrinhos. Aqueles que me ensinaram o que é amor incondicional e legítimo, minha família.

6 AGRADECIMENTOS Agradeço a Deus, força que justifica aqueles momentos que a razão não consegue explicar; À minha família, pela motivação e apoio tanto nas horas tranqüilas quanto nas difíceis; Ao meu orientador, Julio Pinto, pela orientação, compreensão e sabedoria compartilhada; Aos demais professores do Mestrado em Comunicação da PUC Minas, pelos ensinamentos; Aos amigos, pelos momentos de diversão e fuga de responsabilidades; Aos colegas de sala e de trabalho, por tornarem os momentos formais mais descontraídos; A todos aqueles que contribuíram para que esse trabalho pudesse ser concluído, seja com informações sobre a pesquisa, com apoio ou companhia.

7 Acima das nuvens O tempo é sempre bom E o sol brilha tanto que pode te cegar [...] Pode acreditar Eu agora sei voar (Fernanda Takai/John Ulhôa)

8 RESUMO Esta pesquisa propõe uma análise acerca da publicidade feita no ciberespaço. O objetivo do trabalho é investigar um tipo específico de publicidade desenvolvido na web que se caracteriza por se apropriar da estrutura de outros produtos midiáticos, propondo ao seu receptor um contrato de leitura da ordem do entretenimento. Para realizar a análise, foram selecionados três websites, integrantes de campanhas publicitárias veiculadas em Nos três sites selecionados, como objeto empírico é possível perceber-se uma tentativa de ocultar a linguagem da publicidade, transformando as ações promocionais em produtos midiáticos independentes, da ordem do entretenimento. A análise dos objetos busca identificar os elementos que permitem ao receptor reconhecer a mensagem como publicidade e, ao mesmo tempo, como se estabelece o contrato de leitura do receptor com esses produtos híbridos. Palavras-chave: Publicidade; Entretenimento; Semiótica; Ciberespaço.

9 ABSTRACT This thesis proposes na analysis of cyberspace advertising. The purpose is to invetsigate a specific type of web developed advestiment characterized by its taking up the structura of othet media products and proposing to its receptor a reading contract of the order of entertainment. Three websites were selected for analysis that were parto f 2007 advertisement campaigns. In these three empirical objects it is possible to devise na attempt to conceal the language of advertising by transforming promotional actions into independent media products of the order of entertainment. The analysis of these objects aim at sorting out the elements that allow the receptor to identify the message as advertising and, at the same time, to see how the reading contract is estabilished between the receptor and these hybrid products. Keywords: Advertising; Entertainment; Semiotics; Cyberspace.

10 LISTA DE ILUSTRAÇÕES FIGURA 1 - ANÚNCIO DE REVISÃO AUTOMOTIVA DA GENERAL MOTORS FIGURA 2 - ANÚNCIO DE SANDÁLIAS HAVAIANAS FIGURA 3 - ANÚNCIO DO VEÍCULO VOLKSWAGEN FOX FIGURA 4 - PÁGINA INICIAL DO WEBSITE QUEM AMA BLOQUEIA, APÓS LIMINAR CONCEDIDA PELA JUSTIÇA FIGURA 5 - PÁGINA INICIAL DO WEBSITE QUEM AMA BLOQUEIA FIGURA 6 - QUEM AMA BLOQUEIA, LINK "PORQUE QUEM AMA BLOQUEIA" FIGURA 7 - QUEM AMA BLOQUEIA, LINK "SOU JURADO" FIGURA 8 - QUEM AMA BLOQUEIA, LINK "SOU CALOURO" FIGURA 9 - QUEM AMA BLOQUEIA, LINK ENSAIO FIGURA 10 - QUEM AMA BLOQUEIA, LINK KARAOKÊ FIGURA 11 - QUEM AMA BLOQUEIA, LINK DOWNLOADS FIGURA 12 - PÁGINA INICIAL DO BLOG DO PIMENTEL FIGURA 13 - POST DO BLOG DOPIMENTEL, IDENTIFICAÇÃO DO AUTOR, COMENTÁRIOS E DATA FIGURA 14 - BLOGROLL, LINKS E FOTOS DO BLOG DO PIMENTEL FIGURA 15 - PÁGINA INICIAL DA LADY MURFY VIAGENS FIGURA 16 - LADY MURFY VIAGENS, LINK QUEM SOMOS FIGURA 17 - LADY MURFY VIAGENS, LINK MURFY PACOTES FIGURA 18 - LADY MURFY VIAGENS, SUBLINK PACOTES INTERMUNICIPAIS FIGURA 19 - LADY MURFY VIAGENS, SUBLINK SÃO PAULO - RIO DE JANEIRO EM APENAS 29 HORAS FIGURA 20 - LADY MURFY VIAGENS, SUBLINK CITY TOURS FIGURA 21 - LADY MURFY VIAGENS, LINK GALERIA FIGURA 22 - LADY MURFY VIAGENS, LINK GALERIA FIGURA 23 - LADY MURFY VIAGENS, SUBLINK BAGAGEM FIGURA 24 - LADY MURFY VIAGENS, LINK MURFY GAME... 96

11 LISTA DE ABREVIATURAS TV Televisão VT Vídeo Tape

12 LISTA DE SIGLAS HTTP Hypertext Transfer Protocol PUC Pontifícia Universidade Católica GM General Motors BMW - Bayerische Motoren Werke IAB Internet Advertising Bureau CMS Content Manager System (Sistema de Gestão de Conteúdo)

13 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO DO RECLAME AO POPUP Pequena diacronia de alguns aspectos do fazer publicitário Uma abordagem sobre a estrutura da publicidade Publicidade, novas mídias e alguns de seus formatos A publicidade na sociedade contemporânea A publicidade como produto midiático: publicidade-entretenimento UM OLHAR SOBRE A PUBLICIDADE-ENTRETENIMENTO Quem ama bloqueia: rede de relacionamentos publicitária Blog do Pimentel: tudo que a propaganda não quis contar Lady Murfy Viagens: Anti-publicidade CONSIDERAÇÕES FINAIS REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ANEXOS

14 12 CAPÍTULO 1. INTRODUÇÃO Este trabalho propõe uma discussão e análise acerca da publicidade no ciberespaço. Porém, ao invés de analisar a publicidade feita tradicionalmente no meio (banners, popups, entre outros), foi feito um recorte de seu universo de investigação naquela publicidade ambientada no ciberespaço que se apropria de outras estruturas midiáticas ocultando, a princípio, os tradicionais argumentos de venda dessa forma de comunicação. Os meios de comunicação de massa surgem primeiramente na mídia impressa com o objetivo de informar sobre os acontecimentos e ser fonte de entretenimento à população. Ao longo da história, porém, os veículos de comunicação precisaram de rentabilidade financeira para garantir sua permanência na sociedade capitalista. A prática de veiculação de anúncios publicitários na mídia impressa tem início a partir da delimitação de espaços para a inserção de mensagens publicitárias nas páginas dos jornais, seguindo-se a mesma lógica com o surgimento do rádio e da TV. Essa mesma lógica repetiu-se com o surgimento da Internet e os primeiros modelos de publicidade para este meio repetiam o que havia sido utilizado na TV, no rádio e nos impressos, as janelas popup e os banners. A publicidade tem como objetivo estimular as pessoas a consumirem produtos e serviços. Para isso, ela utiliza argumentos que servirão para convencer os sujeitos sobre a necessidade de adquirir aqueles produtos e serviços, utilizando-se, inclusive, para alcançar tal objetivo, de imagens de consumidores satisfeitos, graças ao consumo dos produtos anunciados. Na sociedade contemporânea, o consumo é elemento vital. Nesse contexto, a publicidade consolidou-se como formato midiático primordial à sociedade, e as organizações reservam quantidades significativas de seu faturamento anual para o investimento em publicidade. Para garantir o sucesso das campanhas publicitárias, uma constante evolução de sua linguagem é necessária, renovando-se argumentos de venda e criando-se novas necessidades de se consumir os produtos oferecidos, como pode-se observar historicamente. Com o desenvolvimento dos meios de comunicação, a publicidade torna-se cada vez mais marcante dentro deles. Pode-se afirmar que os sujeitos introjetaram sua estrutura e são capazes de diferenciar com clareza a publicidade de outras mensagens. Há casos em que a publicidade tenta não ser reconhecida, como o merchandising e a

15 13 promoção de vendas, mas mesmo esses formatos têm sido cada vez mais identificados pelo público, em função da assimilação de uso do formato. A internet surge no final do século XX e a publicidade vê-se frente ao desafio de se inserir nesta mídia, tal qual fez em outros momentos. Observa-se, alguns anos após a consolidação do meio, que a publicidade tem sido cada vez mais utilizada na internet e essa pesquisa se propõe a analisar um dos formatos presentes nas hipermídias. Tem sido freqüente o uso, por meio das empresas, do ciberespaço para a constituição de espaços cuja única finalidade é promover produtos e serviços por meio de endereços próprios. Indo além, outro formato que se percebe é o de campanhas publicitárias que se mascaram sob outras estruturas midiáticas, propondo ao receptor uma forma diferenciada de produção de sentido, mais relacionada ao entretenimento propiciado pelos meios de comunicação, também em espaços próprios de existência. Esta publicidade desenvolve-se num ambiente próprio, abandonando seu lugar tradicional de existência os intervalos comerciais ou as páginas de anúncios assumindo uma nova postura frente ao receptor, ao apresentar-se como produto midiático cujo objetivo é propiciar também o entretenimento. Para se apresentar sob esta forma, ela resgata signos específicos de outras estruturas midiáticas, mas, ao mesmo tempo, não oculta todos os signos persuasivos que a caracterizam como publicidade, uma vez que o seu objetivo ainda é propiciar a venda. Para a realização da pesquisa foram selecionadas três campanhas publicitárias que se utilizam deste recurso, embora em cada uma delas a apropriação feita seja de uma mídia específica. Acredita-se que um estudo aprofundado a respeito dos recursos trabalhados para a produção de sentido desta publicidade justifica-se pela relevância do consumo na sociedade contemporânea. Estudar esta publicidade que existe num espaço independente e, por essa razão (e algumas outras, como a pesquisa aponta), propõe a seu receptor um contrato de leitura da ordem do entretenimento midiático é relevante, pelo aspecto de constituição da linguagem dessa mensagem e dos processos de produção de sentido do receptor acerca dela. Ao se apropriar de características estruturais de outras formas de linguagens midiáticas, a publicidade-entretenimento deixa de propor diretamente os argumentos de venda, fugindo de seu lugar comum de existência. Dessa maneira, propõe um modelo diferenciado de leitura da mensagem, no qual ela posiciona-se numa relação intertextual de produção de sentido, apropriando-se de formas particulares dentro de uma estrutura midiática conhecida. Nesta estrutura, ela apresenta-se ao consumidor potencial propondo

16 14 uma possibilidade de imersão dentro de seu ambiente de existência, oferecendo signos diferenciados ao sujeito receptor. Dessa maneira, torna-se importante pesquisar essa forma de publicidade, uma vez que através dela será possível entender o funcionamento de uma categoria particular de publicidade, neste caso observando particularmente o ciberespaço, seus elementos de composição e os signos lingüístico-visuais trabalhados para produzir sentido nessa mensagem. Para se realizar tal análise é preciso fazer uma leitura sobre a linguagem da publicidade e de algumas de suas características que, como será observado posteriormente, também são utilizadas nas campanhas veiculadas no ciberespaço. No capítulo 2, é feita uma breve leitura sobre a publicidade, sua linguagem, suas funções, suas representações imagéticas, seus processos de semiose e a identificação desses elementos em algumas peças publicitárias veiculadas nas mídias tradicionais. Acredita-se que essa leitura colaborará para a identificação dos índices de publicidade presentes nas campanhas analisadas no capítulo 4. Do mesmo modo, no capítulo 3, realiza-se uma explanação sobre um breve histórico a respeito das hipermídias e a inserção da publicidade neste meio. Esse histórico serve para colaborar na identificação de elementos particulares do ciberespaço no objeto analisado. No mesmo capítulo, discute-se também o consumo na sociedade contemporânea, fator que colabora para a compreensão sobre a busca de formatos variados para a linguagem publicitária. Discute-se, ainda, o entretenimento midiático em contraposição à publicidade e as definições de autores contemporâneos, como Lipovetsky, Luhmann e Bauman, sobre turbopublicidade e hiperpublicidade, termos que se referem à publicidade na sociedade do espetáculo e do consumo. A pesquisa também trabalha a semiótica de Peirce para a análise das campanhas publicitárias, embasada pela teoria da remediation, de Bolter e Gruisin, de modo a investigar o processo de produção de sentido da publicidade que busca ser percebida como entretenimento, uma vez que ela está em constante tensionamento com seu receptor no que diz respeito à transparência e à opacidade de sua mensagem. A internet foi escolhida porque, desde o seu surgimento, busca-se uma forma eficaz de divulgação de produtos e serviços no meio. Tem-se observado com cada vez mais freqüência o uso desta estratégia no ciberespaço, despertando a necessidade de se pesquisar esta forma de publicidade, suas possibilidades e conseqüências para a realidade dos meios de comunicação.

17 15 A pesquisa justifica-se ainda por contribuir com o campo da comunicação, especialmente com a área de publicidade e propaganda, como campo de atuação profissional, uma vez que oferecerá um estudo, mesmo que preliminar, sobre as estratégias de persuasão na sociedade contemporânea que dá tanto valor ao consumo, entendendo a importância da publicidade neste contexto e seu crescimento ao longo do desenvolvimento dos meios de comunicação. Sabe-se da relevância do consumo na sociedade capitalista contemporânea e a existência da publicidade, independente da presença de informação jornalística ou de entretenimento originais, desperta questionamentos e dúvidas sobre o funcionamento da publicidade neste contexto. A publicidade faz parte do cotidiano dos sujeitos, uma vez que estimula o consumo, circula capital, dita hábitos e tendências de comportamento. Discutir as conseqüências da transformação da publicidade em produto midiático do entretenimento é fundamental para se entender o contexto atual dos meios de comunicação. Estudar estas apropriações midiáticas da publicidade refere-se ainda à convergência midiática, tão em voga na atualidade, graças aos desenvolvimentos tecnológicos que permitiram uma interação cada vez maior entre os sujeitos, por meio das hipermídias Com o surgimento da internet, observou-se uma tendência à inserção de todos os sujeitos e organizações no ciberespaço. A publicidade na web enfrentou dificuldades, no surgimento deste meio, por ainda não ter encontrado um formato ideal para se trabalhar o consumidor de maneira mais direcionada, potencializando seus recursos. Hoje em dia, percebe-se maior consolidação desse meio e sua participação cada vez mais crescente em campanhas publicitárias. Assim, torna-se importante discutir a constituição da linguagem publicitária na web, ainda mais quando se começa a perceber a repetição de um formato peculiar, marcado pela apropriação de outras estruturas midiáticas. O objetivo geral da pesquisa é analisar a mensagem publicitária que se apropria de outras estruturas midiáticas para a construção de seu discurso, ocultando seu referencial simbólico (de publicidade) e que, ao mesmo tempo, torna-se um produto midiático independente que tenta ser entretenimento sem abandonar seus índices persuasivos, bem como as conseqüências desta transparência/opacidade para a constituição da linguagem dos meios de comunicação no processo de produção de sentido dessa mensagem. Como objetivos específicos têm-se o desejo de analisar a apropriação simbólica de outras estruturas midiáticas pela publicidade feita no ciberespaço e seus efeitos em relação aos pactos (ou contratos) de leitura estabelecidos com os sujeitos receptores destas mensagens, bem como discutir o processo de produção de sentido dessa mensagem

18 16 publicitária: a constituição dos signos desta mensagem, seus potenciais de transparência e opacidade e o modo como estes elementos fornecem ao sujeito receptor os índices necessários à sua interpretação como informação persuasiva de acordo com a estrutura proposta. Por fim, há o interesse de estudar as mudanças estruturais da publicidade que se apresenta sob a forma do entretenimento midiático, no contexto de hibridação e convergência midiática da contemporaneidade e os contratos de leitura que ela propõe ao consumidor potencial, uma vez que se apresenta sobre a estrutura do entretenimento midiático, colocando em questão a publicidade tradicional e seu discurso. A análise dos objetos foi feita com base em critérios definidos a partir de uma análise descritiva inicial. Nessa análise, procurou-se identificar os elementos que caracterizavam as campanhas selecionadas como publicidade e, ainda, os elementos que esta publicidade resgatava de outros formatos midiáticos, uma vez que ela busca se apresentar ao receptor como um produto cuja intenção inicial não é ser publicidade. A partir dessa análise, colocou-se em contraposição o que esses websites apresentavam de publicidade tradicional e o que eles apropriaram de outras estruturas midiáticas. Assim, foi possível analisar o tipo de contrato de leitura que esses objetos propunham ao seu receptor e o tipo de semiose proposta neles. Essa análise permitiu também perceber os graus de transparência e opacidade da mensagem, elementos fundamentais à identificação da carga simbólica e dos índices de publicidade presentes nas campanhas. As três campanhas selecionadas foram veiculadas no ano de 2007 e possuem diversas características em comum, o que permitiu o agrupamento das três no corpus de análise que constituiu essa pesquisa. A análise foi feita a partir de pesquisa bibliográfica e da leitura dos objetos a partir das teorias estudadas.

19 17 CAPÍTULO 2. DO RECLAME AO ENTRETENIMENTO HIPERMIDIÁTICO Este capítulo traz o referencial teórico da pesquisa. As teorias apresentadas ao longo do texto colaborarão para a contextualização e a problematização acerca do objeto, bem como fornecerão base teórico-conceitual para as análises que serão realizadas no capítulo 3. Ele faz uma apresentação das estruturas da linguagem publicitária que terão relevância para a análise da publicidade-entretenimento e analisa, na publicidade tradicional, como esses elementos surgem e produzem significado. Discute-se, ainda, a publicidade nas novas mídias e o entretenimento na sociedade contemporânea, concluindo o raciocínio por uma discussão sobre as características da publicidade-entretenimento e de seus elementos de produção de sentido. A publicidade tem como objetivo estimular as pessoas a consumirem produtos e serviços. De grande importância em sociedades capitalistas, ela influencia o cotidiano dos sujeitos sob os pontos de vista social, econômico, psicológico e cultural. No capitalismo, a publicidade integra um amplo sistema, fortalecendo ainda mais a lógica do consumo. De acordo com Baudrillard, O consumo age como sistema que assegura a ordenação dos signos e a integração do grupo; constitui simultaneamente uma moral (sistema de valores ideológicos) e um sistema de comunicação ou estrutura de permuta. (BAUDRILLARD, 1995, p. 78) Apresentando mensagens que estimulam desde o consumo de produtos relacionados às necessidades básicas até de outros elementos muitas vezes supérfluos, ela busca torná-los essenciais, por meio de seu discurso, para a plenitude das pessoas. Para isso, ela utiliza argumentos diversos visando convencer os sujeitos sobre a necessidade de consumir, associando o produto a momentos de grande prazer e satisfação, bem-estar, sucesso e realização. Essas informações buscam convencer, motivar a ação, persuadir, apresentar argumentos que influenciem o poder de decisão das pessoas. O que se observa com freqüência é uma associação de argumentos emocionais à linguagem da publicidade buscando envolver o receptor na mensagem em outra esfera de produção de sentido. Nas mensagens publicitárias, trabalha-se com o discurso de que os produtos anunciados virão preencher lacunas na vida dos sujeitos. Assim, por meio do consumo, os sujeitos estarão autorizados a integrar certos grupos sociais, a satisfação proporcionada

20 18 pela compra trará a sensação de que a sua experiência de vida é mais completa. Desse modo, o que se observa é um ciclo de constante renovação, já que a obsolescência é estimulada pelo argumento do novo, pela efemeridade de produtos e serviços. 2.1 Pequena diacronia de alguns aspectos do fazer publicitário A publicidade tornou-se elemento fundamental à sociedade contemporânea. Historicamente, o uso de práticas de persuasão com objetivo de estimular a venda pode ser notado desde sociedades muito antigas, como afirma Zozzoli: Encontraram-se, por exemplo, na Babilônia, inscrições de mais de cinco mil anos vangloriando os méritos de um artesão; no século VIII a.c., em plena dinastia Zhou, praticava-se nos mercados uma atração musical com tocadores de flauta; os comerciantes gregos e romanos valiam-se de tabuletas e pregoeiros; mercadores em Pompéia se valiam de slogans elaborados no estilo da retórica latina. (ZOZZOLI, 2007, p. 31) A partir da revolução dos tipos móveis de Gutenberg, a publicidade começou a se estabelecer dentro dos padrões que conhecemos atualmente. Os meios de comunicação de massa surgiram primeiramente impressos com o objetivo de informar sobre os acontecimentos e ser fonte de entretenimento da população. Ao longo da história, porém, os veículos de comunicação precisaram de rentabilidade financeira para garantir sua permanência na sociedade capitalista. Segundo Santos (2005), no período da Revolução Industrial, marcado pelo surgimento de técnicas avançadas de impressão em grande escala, os empresários viram nos meios de comunicação de massa uma oportunidade importante para a divulgação de seus produtos. Desse modo, lançou-se mão da visibilidade dos meios para a promoção de mensagens cujo objetivo era estimular a venda de produtos e/ou serviços. Os anúncios representavam uma receita tão vultosa que permitiam a venda do impresso a um preço mais competitivo. Os editores começaram, então, a incrementar os serviços oferecidos aos anunciantes, contratando poetas e artistas gráficos para aprimorarem os textos e as ilustrações dos anúncios. (SANTOS, 2005, p. 33) A imprensa tornou-se o espaço ideal para a divulgação dos produtos. Os veículos disponibilizariam espaços delimitados em suas páginas posteriormente páginas inteiras

21 19 e o anunciante pagaria o valor correspondente à visibilidade que aquele espaço viria a propiciar em virtude da circulação daquele veículo. A possibilidade de venda dos espaços para a veiculação de mensagens publicitárias, a princípio, desagradou aos editores dos jornais. Os veículos de comunicação de massa tinham, até então, como função principal, levar à população informações sobre os acontecimentos. Porém, o ganho propiciado pela venda dos espaços para as mensagens publicitárias tornava o negócio lucrativo, garantindo a permanência da publicidade. Como dito anteriormente, o objetivo principal da publicidade 1 é estimular o consumo. Na publicidade as mensagens têm a finalidade de predispor o receptor a praticar uma ação específica. (SANTOS, 2005, p. 17). A publicidade tenta convencer o sujeito da necessidade de adquirir algo dentro de uma estrutura e linguagem peculiares que a permitem ser identificada como tal, atestando a qualidade e a eficácia dos produtos anunciados. A publicidade cria, por assim dizer, um aparato paratextual, por meio de um conjunto de elementos (contexto, signos internos) que colaboram com o leitor/espectador, indicando seu caráter publicitário, contribuindo na delimitação de sua natureza de anúncio sem deixar dúvidas quanto a isso, pelo menos de forma convencional. O que será analisado, mais adiante, é a pretensa transgressão desses paratextos delimitados. As mensagens publicitárias estão a serviço de um anunciante que paga por aquele espaço para divulgar as vantagens de seus produtos, seja estimulando o consumo e, até mesmo, criando a necessidade de se consumir algo novo. Por ocupar um espaço no qual já declara seus objetivos de venda o espaço reservado e delimitado para os anúncios ou os intervalos comerciais, a publicidade apresenta-se sob uma estrutura otimista ao receptor, buscando seduzir os sujeitos para que estes, apesar de reconhecerem seus objetivos, leiam aquela informação sem oferecer resistência a ela e permitam-se (racional ou emocionalmente) ser seduzidos por ela. A publicidade não se assemelha às notícias ou a outras informações tradicionais. Diferentemente das outras formas de comunicação de massa, a publicidade afirma sua origem e seus propósitos. Portanto, é recebida com cumplicidade e/ou distanciamento e, até mesmo, com rejeição. (ZOZZOLI, 2007, p.35) Nota-se, historicamente, uma mudança nos argumentos persuasivos da publicidade. Até o século XIX, o que se observa é a publicidade trabalhando com argumentos de ordem 1 Embora alguns autores diferenciem os termos Publicidade e Propaganda, neste texto os termos serão trabalhados como sinônimos.

22 20 racional, apresentando os produtos, demonstrando seu uso e suas características. A partir da Revolução Industrial, percebe-se a consolidação da publicidade na sociedade e que, a partir desse momento, pode-se falar em sociedade de consumo. [...] o processo de industrialização e de crescimento mercadológico consagrou a publicidade como instrumento indispensável do auge do comércio e dos primeiros encontros competitivos da economia capitalista na formação de mercados. Sua evolução ficou definitivamente associada ao desenvolvimento da sociedade de consumo. (GOMES; CASTRO, 2007, p. 3) Com o desenvolvimento dos meios de comunicação, a publicidade torna-se cada vez mais marcante dentro deles, como se pode observar nos dias atuais. Isso ocorre porque o consumo tem cada vez mais poder em nossa sociedade. Surgem mais produtos a cada dia e a quantidade de anúncios cresce consideravelmente, uma vez que cada produto busca construir, frente ao seu público, os diferenciais em relação à sua concorrência. Assim, a publicidade ganha força ao divulgar novos produtos, estimulando a obsolescência de outros conforme a demanda, convencendo os sujeitos sobre a necessidade de estar sempre à frente das novidades do mercado. As tecnologias propiciaram o desenvolvimento de novos meios de comunicação de massa e a publicidade marcou sua presença nestes meios tão logo eles foram surgindo. Foi assim com o cinema, o rádio e a TV, meios de custos altos de produção e veiculação, quando comparados ao impresso, por exemplo. Nesses meios, além dos anúncios tradicionais, outras formas de divulgação de produtos foram elaboradas, permitindo a inserção das mensagens publicitárias dentro do contexto da programação do meio, como as chamadas de patrocínio e o merchandising, por exemplo. O merchandising e a promoção de vendas integram o composto comunicacional, nome dado por Kunsch (2002) ao agrupamento de diversas ferramentas de comunicação que podem ser utilizadas pelas organizações, num trabalho de comunicação integrada. Nesse composto, publicidade e merchandising são diferenciados e é importante conceituar o merchandising para que este não seja confundido com o objeto desta pesquisa. Sant anna (1998) define o merchandising como: [..] complemento de outras formas de atividade publicitária da mesma maneira como os cartazes são complementares para a TV como veículo de publicidade, cada um fazendo um trabalho diferente, apesar de todos servirem para o mesmo fim, informando e persuadindo o consumidor a comprar ou consumir determinada marca. [...]

23 21 Assim, merchandising seria a atividade que engloba todos os aspectos de venda do produto ou serviços ao consumidor, prestados através de canais normais, do comércio através de meios, que não sejam os veículos de publicidade. (SANT ANNA, 1998, p. 23) O merchandising, a partir dessa fala, pode ser compreendido como atividade complementar à campanha publicitária na divulgação de algum produto ou serviço. Ele serve para fortalecer a estratégia adotada, facilitando a chegada do produto ao público consumidor. A promoção de vendas pode ser compreendida como um recurso utilizado com freqüência no merchandising e pode ter diversos formatos. Numa ação promocional, o merchandising surge como complemento à publicidade, uma vez que utiliza canais diferenciados e não se apresenta ao público sob os mesmos argumentos. Freqüentemente, o merchandising é inserido na programação ou no conteúdo de outros produtos midiáticos, disfarçando os argumentos de venda e agregando-os à mensagem que o produto quer oferecer. Na televisão e no cinema, por exemplo, observamos a presença do merchandising pelo consumo de produtos em cena, com a apresentação das marcas em quadro ou em falas dos personagens. É um tipo de ferramenta de divulgação que não apresenta seus objetivos, embora atualmente o público reconheça com grande facilidade o uso de merchandising nos meios de comunicação de massa. Já a publicidade declara seus objetivos, sua intenção é apresentar os argumentos de venda ao receptor. Adaptando-se à realidade de mercado na qual se insere, a publicidade trabalha com uma constante renovação de sua linguagem seja ela visual ou verbal, buscando manter seu status e sua importância na sociedade capitalista, criando novas necessidades de consumir os produtos oferecidos, estabelecendo novas estratégias e recursos persuasivos na intenção de realimentar o sistema publicidade-consumo. Uma ferramenta criativa que, historicamente, é utilizada com muito êxito pela publicidade é a criação de personagens. A idéia teve início na origem da publicidade televisiva, por meio das garotas-propaganda, que faziam o anúncio dos produtos ao vivo, durante a programação das emissoras. Porém, com o passar dos anos e a invenção do videotape, que dispensou a presença das garotas-propaganda no estúdio, não se percebeu o abandono dessas personagens. Pelo contrário, o que se observa ao longo das décadas é que muitas marcas investem na criação de personagens para representá-las. Esse personagem passa a ser a forma de contato da marca com o público, estando presente nas campanhas publicitárias, como se mediasse a relação sujeito-marcas. Segundo Marcondes (2002):

CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO PUBLICIDADE E PROPAGANDA GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS

CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO PUBLICIDADE E PROPAGANDA GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO PUBLICIDADE E PROPAGANDA GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS Cultura Brasileira 1º PERÍODO O fenômeno cultural. Cultura(s) no Brasil. Cultura regional e

Leia mais

EMENTÁRIO DO CURO DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA

EMENTÁRIO DO CURO DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA EMENTÁRIO DO CURO DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA LET 02630 LÍNGUA PORTUGUESA Noções gerais da língua portuguesa. Leitura e produção de diferentes tipos de textos, em especial os relativos à comunicação de

Leia mais

CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL PUBLICIDADE E PROPAGANDA

CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL PUBLICIDADE E PROPAGANDA 1 CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL PUBLICIDADE E PROPAGANDA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS BRUSQUE (SC) 2012 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 INTRODUÇÃO A PUBLICIDADE E PROPAGANDA... 4 02 HISTÓRIA DA ARTE... 4 03 COMUNICAÇÃO

Leia mais

1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido

1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido 1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido No estudo da Comunicação, a publicidade deve figurar como um dos campos de maior interesse para pesquisadores e críticos das Ciências Sociais e Humanas.

Leia mais

Projeto Integrado de Comunicação Do Bem Sucos Integrais: Peça de Mídia Impressa Recado do Bem 1

Projeto Integrado de Comunicação Do Bem Sucos Integrais: Peça de Mídia Impressa Recado do Bem 1 Projeto Integrado de Comunicação Do Bem Sucos Integrais: Peça de Mídia Impressa Recado do Bem 1 Amanda DIAS 2 Ana Carolina SACCOMANN 3 Beatriz REBELO 4 Bruna CLARA 5 Isabela SANTOS 6 Nathalia COBRA 7 Antonio

Leia mais

DIVISÃO DE REGISTROS ACADÊMICOS Registros Acadêmicos da Graduação. Ementas por Curso 09/05/2011 14:54

DIVISÃO DE REGISTROS ACADÊMICOS Registros Acadêmicos da Graduação. Ementas por Curso 09/05/2011 14:54 Curso: DIVISÃO DE REGISTROS ACADÊMICOS Centro de Ciências Humanas e da Comunicação Comunicação Social (Noturno) Ano/Semestre: 011/1 09/05/011 1:5 COM.0000.0.000- COM.0001.0.001-0 COM.0019.01.001-7 FIL.0051.00.00-3

Leia mais

ANÁLISE CRÍTICA DE UMA PROPAGANDA DA SKY VEICULADA NA REVISTA VEJA

ANÁLISE CRÍTICA DE UMA PROPAGANDA DA SKY VEICULADA NA REVISTA VEJA ANÁLISE CRÍTICA DE UMA PROPAGANDA DA SKY VEICULADA NA REVISTA VEJA Themis Rondão Barbosa 1 IFMS Resumo: Este trabalho tem por objetivo analisar um texto publicitário da SKY publicado na revista Veja (n.

Leia mais

COMO A PROPAGANDA FUNCIONA?

COMO A PROPAGANDA FUNCIONA? COMO A PROPAGANDA FUNCIONA? Definição: a manipulação planejada da comunicação visando, pela persuasão, promover comportamentos em benefício do anunciante que a utiliza. Funções: cabe a propaganda informar

Leia mais

QUADRO CURSO DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA QUADRO ANTERIOR A 2001 ATÉ O CURRICULO VIGENTE NO PRÓPRIO CURSO - 3 primeiros períodos

QUADRO CURSO DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA QUADRO ANTERIOR A 2001 ATÉ O CURRICULO VIGENTE NO PRÓPRIO CURSO - 3 primeiros períodos QUADRO CURSO D PUBLICIDAD PROPAGANDA QUADRO ANTRIOR A 2001 ATÉ O CURRICULO VIGNT NO PRÓPRIO CURSO - 3 primeiros períodos DISCIPLINA A DISCIPLINA B CÓDIGO DISCIPLINA - 2008 C/H CUR -SO DISCIPLINA C/H CÓDIGO

Leia mais

Negociação: conceitos e aplicações práticas. Dante Pinheiro Martinelli Flávia Angeli Ghisi Nielsen Talita Mauad Martins (Organizadores)

Negociação: conceitos e aplicações práticas. Dante Pinheiro Martinelli Flávia Angeli Ghisi Nielsen Talita Mauad Martins (Organizadores) Negociação: conceitos e aplicações práticas Dante Pinheiro Martinelli Flávia Angeli Ghisi Nielsen Talita Mauad Martins (Organizadores) 2 a edição 2009 Comunicação na Negociação Comunicação, visão sistêmica

Leia mais

Livraria Cultura para ver, ouvir e sentir 1

Livraria Cultura para ver, ouvir e sentir 1 Livraria Cultura para ver, ouvir e sentir 1 Larissa OLIVEIRA 2 Júlia MARTINS 3 Aline LEONARDI 4 Regiane OLIVEIRA 5 Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, SP RESUMO A Livraria Cultura

Leia mais

Ementa das disciplinas optativas 2011.1 (em ordem alfabética independente do curso e do turno)

Ementa das disciplinas optativas 2011.1 (em ordem alfabética independente do curso e do turno) Ementa das disciplinas optativas 2011.1 (em ordem alfabética independente do curso e do turno) Disciplina Ementa Pré- requisito C.H. Curso Assessoria de Comunicação Conhecimento geral, reflexão e prática

Leia mais

Cadernos do CNLF, Vol. XIII, Nº 04

Cadernos do CNLF, Vol. XIII, Nº 04 IMAGENS CONTEMPORÂNEAS: ABORDAGENS ACERCA DA ANÁLISE DA IMAGEM Elis Crokidakis Castro (UFRJ/UNESA/UNIABEU) eliscrokidakis@yahoo.it Caminhei até o horizonte onde me afoguei no azul (Emil de Castro) Para

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO/ 2013

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO/ 2013 Curso: Graduação: Habilitação: Regime: Duração: COMUNICAÇÃO SOCIAL BACHARELADO MATRIZ CURRICULAR PUBLICIDADE E PROPAGANDA SERIADO ANUAL - NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização: A) TEMPO TOTAL

Leia mais

Agrupamento de Escolas do Búzio Escola Básica 2,3/S de Vale de Cambra. Português 11ºano Ficha Informativa sobre PUBLICIDADE

Agrupamento de Escolas do Búzio Escola Básica 2,3/S de Vale de Cambra. Português 11ºano Ficha Informativa sobre PUBLICIDADE Agrupamento de Escolas do Búzio Escola Básica 2,3/S de Vale de Cambra Português 11ºano Ficha Informativa sobre PUBLICIDADE A. PUBLICIDADE A publicidade é o ato de divulgar um produto ou uma ideia com o

Leia mais

Política de Comunicação Integrada

Política de Comunicação Integrada Política de Comunicação Integrada agosto 2009 Política de Comunicação Integrada Política de Comunicação Integrada 5 1. Objetivos Promover a comunicação integrada entre as empresas Eletrobras e dessas

Leia mais

Política de Comunicação Integrada

Política de Comunicação Integrada Política de Comunicação Integrada agosto 2009 Política de Comunicação Integrada 4 1 Objetivos Promover a comunicação integrada entre as empresas Eletrobras e dessas com os seus públicos de relacionamento,

Leia mais

Estratégias em Propaganda e Comunicação

Estratégias em Propaganda e Comunicação Ferramentas Gráficas I Estratégias em Propaganda e Comunicação Tenho meu Briefing. E agora? Planejamento de Campanha Publicitária O QUE VOCÊ DEVE SABER NO INÍCIO O profissional responsável pelo planejamento

Leia mais

&DPSDQKDV 3ODQHMDPHQWR

&DPSDQKDV 3ODQHMDPHQWR &DPSDQKDV 3ODQHMDPHQWR Toda comunicação publicitária visa atender a alguma necessidade de marketing da empresa. Para isso, as empresas traçam estratégias de comunicação publicitária, normalmente traduzidas

Leia mais

http://crayonstock.com/19707 Zoonar 12 SEGREDOS PARA CONQUISTAR CLIENTES COM IMAGENS

http://crayonstock.com/19707 Zoonar 12 SEGREDOS PARA CONQUISTAR CLIENTES COM IMAGENS http://crayonstock.com/19707 Zoonar 12 SEGREDOS PARA CONQUISTAR CLIENTES COM IMAGENS Constantemente, somos bombardeados por incontáveis conteúdos visuais. Imagens ilustram websites, redes sociais, folders,

Leia mais

introdução a publicidade & propaganda Aula 3 - Departamentos e uxograma da agência de propaganda

introdução a publicidade & propaganda Aula 3 - Departamentos e uxograma da agência de propaganda introdução a publicidade & propaganda Aula 3 - Departamentos e uxograma da agência de propaganda professor Rafael Ho mann Campanha Conjunto de peças com o mesmo objetivo, conjunto de peças publicitárias

Leia mais

Campanha promocional Doutores da Alegria - Voluntáriado 1

Campanha promocional Doutores da Alegria - Voluntáriado 1 Campanha promocional Doutores da Alegria - Voluntáriado 1 Alexandre COELHO 2 Catarina CARVALHO 3 Danielle RIBEIRO 4 Leoni ROCHA 5 Paloma HADDAD 6 Professor/Orientador: Daniel CAMPOS 7 Universidade Fumec,

Leia mais

O MODELO DA TELEVISÃO BRASILEIRA NA CONCEPÇÃO DE VIDEOAULAS: UMA EXPERIÊNCIA INOVADORA DO IFSC NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA.

O MODELO DA TELEVISÃO BRASILEIRA NA CONCEPÇÃO DE VIDEOAULAS: UMA EXPERIÊNCIA INOVADORA DO IFSC NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA. O MODELO DA TELEVISÃO BRASILEIRA NA CONCEPÇÃO DE VIDEOAULAS: UMA EXPERIÊNCIA INOVADORA DO IFSC NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA. Autor: Paulo Vitor Tavares, Ms. Palavras-chave: EAD, Televisão, Videoaula, IFSC.

Leia mais

CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL PUBLICIDADE E PROPAGANDA

CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL PUBLICIDADE E PROPAGANDA 1 CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL PUBLICIDADE E PROPAGANDA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS BRUSQUE (SC) 2012 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 INTRODUÇÃO A PUBLICIDADE E PROPAGANDA... 4 02 HISTÓRIA DA ARTE... 4 03 COMUNICAÇÃO

Leia mais

Palavras-chave: Representação. Homem. Publicidade. Semântica Argumentativa.

Palavras-chave: Representação. Homem. Publicidade. Semântica Argumentativa. REPRESENTAÇÃO MASCULINA NA PUBLICIDADE BRASILEIRA: UM ESTUDO SEMÂNTICO-ARGUMENTATIVO Maria Eliane Gomes Morais (PPGFP-UEPB) Linduarte Pereira Rodrigues (DLA/PPGFP-UEPB) Resumo: A publicidade, assim como

Leia mais

Surpresas do Cotidiano: Campanha para a Loja Virtual Surpreenda

Surpresas do Cotidiano: Campanha para a Loja Virtual Surpreenda Surpresas do Cotidiano: Campanha para a Loja Virtual Surpreenda Rita Carla da Conceição SILVA 1 Adriely Cristiny de Lima CUNHA 2 Rafael Duarte SILVA 3 Paula Apolinário ZAGUI 4 Universidade Do Estado do

Leia mais

EMENTÁRIO DO CURO DE JORNALISMO

EMENTÁRIO DO CURO DE JORNALISMO EMENTÁRIO DO CURO DE JORNALISMO LET 02630 LÍNGUA PORTUGUESA Noções gerais da língua portuguesa. Leitura e produção de diferentes tipos de textos, em especial os relativos à comunicação de massa. Os tipos

Leia mais

Planejamento de Campanha Publicitária

Planejamento de Campanha Publicitária Planejamento de Campanha Publicitária Prof. André Wander UCAM O briefing chegou. E agora? O profissional responsável pelo planejamento de campanha em uma agência de propaganda recebe o briefing, analisa

Leia mais

Teoria da comunicação e semiótica * Cláudio Henrique da Silva

Teoria da comunicação e semiótica * Cláudio Henrique da Silva Teoria da comunicação e semiótica * Cláudio Henrique da Silva Existem inúmeras teorias da comunicação. Perguntas preliminares: o que é língua? O que é fala? O que é linguagem? Língua Sons e ruídos combinados

Leia mais

Como deixar seu negócio on-line. Tendências e a força das mídias sociais no VAREJO!

Como deixar seu negócio on-line. Tendências e a força das mídias sociais no VAREJO! Como deixar seu negócio on-line Tendências e a força das mídias sociais no VAREJO! A palavra de ordem das redes sociais é interação. Comparando a internet com outros meios de comunicação em massa como

Leia mais

Aspectos Visuais e de Representação de um Slogan 1. Luciana da Silva Souza REINO 2 Universidade Federal do Maranhão, Imperatriz, MA

Aspectos Visuais e de Representação de um Slogan 1. Luciana da Silva Souza REINO 2 Universidade Federal do Maranhão, Imperatriz, MA RESUMO Aspectos Visuais e de Representação de um Slogan 1 Luciana da Silva Souza REINO 2 Universidade Federal do Maranhão, Imperatriz, MA O objetivo deste trabalho foi fazer uma análise dos aspectos visuais

Leia mais

5. CONCLUSÃO. 5.1 Resumo dos Resultados

5. CONCLUSÃO. 5.1 Resumo dos Resultados 5. CONCLUSÃO 5.1 Resumo dos Resultados O presente trabalho se propôs a entender os significados atribuídos pelo público feminino de baixa renda no consumo dos produtos do mercado HPPC, especificamente

Leia mais

FACULDADE DE ARTES DO PARANÁ CURSO DE BACHARELADO EM CINEMA E VÍDEO Ano Acadêmico de 2008 MATRIZ CURRICULAR

FACULDADE DE ARTES DO PARANÁ CURSO DE BACHARELADO EM CINEMA E VÍDEO Ano Acadêmico de 2008 MATRIZ CURRICULAR MATRIZ CURRICULAR Carga Horária Semestral por Disciplina Disciplinas 1º semestre 2º semestre 3º semestre 4º semestre 5º semestre 6º semestre 7º semestre 8º semestre Total Obrigatórias Optativas Fundamentos

Leia mais

O Valor Ideológico na Propaganda de Cerveja 1

O Valor Ideológico na Propaganda de Cerveja 1 O Valor Ideológico na Propaganda de Cerveja 1 Nathália Sene GARIERI/ Licenciada em História Aline Rafaela Portílio LEMES Aline Aparecida SILVA Samuel Douglas Farias COSTA RESUMO A propaganda ocupa um largo

Leia mais

Desde 2008. Mídia Kit 2015. encontrasãopaulo. www.encontrasaopaulo.com.br

Desde 2008. Mídia Kit 2015. encontrasãopaulo. www.encontrasaopaulo.com.br Desde 2008 Mídia Kit 2015 encontrasãopaulo www.encontrasaopaulo.com.br Introdução O Mídia Kit 2015 do guia online Encontra São Paulo tem o objetivo de contextualizar a atuação do site no segmento de buscas

Leia mais

Arquétipos na publicidade e propaganda

Arquétipos na publicidade e propaganda Arquétipos na publicidade e propaganda Mauricio BARTH 1 Moris Mozart MUSSKOPF 2 Resumo Diversos indicadores comprovam o processo de envelhecimento da população brasileira. Esta tendência, do ponto de vista

Leia mais

Especial Online RESUMO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO. Publicidade e Propaganda 2011-2 ISSN 1982-1816. www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais.

Especial Online RESUMO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO. Publicidade e Propaganda 2011-2 ISSN 1982-1816. www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais. Especial Online ISSN 1982-1816 www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais.html DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO Publicidade e Propaganda 2011-2 DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO CAMPANHA DE POSICIONAMENTO

Leia mais

Outdoor 1. Faculdade de Comunicação, Artes e Design do Centro Universitário Nossa Senhora do Patrocínio, Salto, SP

Outdoor 1. Faculdade de Comunicação, Artes e Design do Centro Universitário Nossa Senhora do Patrocínio, Salto, SP Outdoor 1 Michel KOGA 2 Felippe de MAMBRO 3 Barbara LAVORENTI 4 Thalita CHIARINI 5 Maurilio ZANONI 6 Francisco de ASSIS 7 Ingrid PIETROBOM 8 Luiz CALADO 9 Charles VENTAROLI 10 Natália MORAES 11 Silvia

Leia mais

SEQUÊNCIA N.º 1 TEXTOS DOS DOMÍNIOS TRANSACIONAL E EDUCATIVO O ESSENCIAL. 1. Artigos científicos e técnicos

SEQUÊNCIA N.º 1 TEXTOS DOS DOMÍNIOS TRANSACIONAL E EDUCATIVO O ESSENCIAL. 1. Artigos científicos e técnicos SEQUÊNCIA N.º 1 TEXTOS DOS DOMÍNIOS TRANSACIONAL E EDUCATIVO O ESSENCIAL 1. Artigos científicos e técnicos Textos que tratam áreas específicas do saber, sendo normalmente escritos por especialistas, o

Leia mais

Pesquisa Qualitativa Campanha Brasil 2010. Regional

Pesquisa Qualitativa Campanha Brasil 2010. Regional Pesquisa Qualitativa Campanha Brasil 2010 Regional Julho de 2010 Pesquisa de Avaliação Campanha Brasil 2010 - Regional No período entre 28 de junho e 02 de julho de 2010 foram realizados os Grupos Focais

Leia mais

Como Não Perder Dinheiro Com Banners e Arrasar Com a Sua Concorrência

Como Não Perder Dinheiro Com Banners e Arrasar Com a Sua Concorrência Como Não Perder Dinheiro Com Banners e Arrasar Com a Sua Concorrência Entregue a Você elaborado Por http://virtualmarketingpro.com/shop Como Não Perder Dinheiro Com Banners e Arrasar Com a Sua Concorrência

Leia mais

Apresentação da Disciplina

Apresentação da Disciplina Mídia - 2015.1 Nilmar Figueiredo 1 2 3 4 Calendário Acadêmico Comentários Apresentação da Disciplina Sistema de Avaliação 1 - Apresentação da Disciplina O que é Mídia? Departamento de Mídia - Organização

Leia mais

textos de José Manuel Russo Comunicação e Publicidade

textos de José Manuel Russo Comunicação e Publicidade textos de José Manuel Russo Comunicação e Publicidade COMUNICAÇÃO Comunicar Comunicar é o primeiro acto social do Homem, servindo para satisfazer as suas primeiras necessidades. Semiologia Ciência que

Leia mais

Semiótica Funcionalista

Semiótica Funcionalista Semiótica Funcionalista Função objetivo, finalidade Funcionalismo oposto a formalismo entretanto, não há estruturas sem função e nem funções sem estrutura 2 Abordagens Básicas Signo função estrutural função

Leia mais

Unidade IV. Marketing. Profª. Daniela Menezes

Unidade IV. Marketing. Profª. Daniela Menezes Unidade IV Marketing Profª. Daniela Menezes Comunicação (Promoção) Mais do que ter uma ideia e desenvolver um produto com qualidade superior é preciso comunicar a seus clientes que o produto e/ ou serviço

Leia mais

Comunicação Integrada de marketing.

Comunicação Integrada de marketing. Comunicação Integrada de marketing. - COMPOSTO DE COMUNICAÇÃO - 4 A s - 4 C s Comunicação: é a transmissão de uma mensagem de um emissor para um receptor, de modo que ambos a entendam da mesma maneira.

Leia mais

Daniel COELHO 3 Faculdade Internacional de Curitiba, Curitiba, PR

Daniel COELHO 3 Faculdade Internacional de Curitiba, Curitiba, PR Gago 1 Vivian Corrêa MORTEAN 2 Daniel COELHO 3 Faculdade Internacional de Curitiba, Curitiba, PR RESUMO O rádio como meio de comunicação efetivo no Brasil desde a década de 50, atinge o receptor de forma

Leia mais

Uma nova fase de sucesso em seu negócio pode começar agora

Uma nova fase de sucesso em seu negócio pode começar agora Uma nova fase de sucesso em seu negócio pode começar agora Afinal, tudo começa em sua maneira de pensar. E marketing é isto, uma questão de posicionamento. PROPOSTA DE SERVIÇOS Logotipos Web Sites Lojas

Leia mais

Email marketing: os 10 erros mais comuns

Email marketing: os 10 erros mais comuns Email marketing: os 10 erros mais comuns Publicado em: 18/02/2008 Não ter permissão dos contatos para enviar mensagens Um dos princípios fundamentais do email marketing é trabalhar apenas com contatos

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO SECRETARIA DOS ÓRGÃOS COLEGIADOS

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO SECRETARIA DOS ÓRGÃOS COLEGIADOS DELIBERAÇÃO Nº 65, DE 11 DE MAIO DE 2012 O DA UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO, tendo em vista a decisão tomada em sua 257ª Reunião Extraordinária, realizada em 11 de maio de 2012, e considerando

Leia mais

Esta é uma breve análise de uma peça publicitária impressa que trabalha com o

Esta é uma breve análise de uma peça publicitária impressa que trabalha com o Chapeuzinho Vermelho ou Branca de Neve? O sincretismo imagem, texto e sentido. 1 Autor: Fernanda Rodrigues Pucci 2 Resumo: Este trabalho tem por objetivo analisar um anúncio de publicidade impressa em

Leia mais

A importância do design nos negócios

A importância do design nos negócios A importância do design nos negócios SUMÁRIO Apresentação 4 A importância do Design 5 Design de Comunicação 13 A Escada do Design 6 Design Gráfico 14 O processo do Design 7 Logomarca 15 Design & Inovação

Leia mais

Alfabetização e Letramento: caminhos e descaminhos*

Alfabetização e Letramento: caminhos e descaminhos* Alfabetização e Letramento: caminhos e descaminhos* Magda Soares Doutora e livre-docente em Educação e professora titular emérita da Universidade Federal de Minas Gerais. Um olhar histórico sobre a alfabetização

Leia mais

7. POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO. 7.1- Comunicação 7.2- Publicidade 7.3- Promoção 7.4- Marketing directo

7. POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO. 7.1- Comunicação 7.2- Publicidade 7.3- Promoção 7.4- Marketing directo 7. POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO 7.1- Comunicação 7.2- Publicidade 7.3- Promoção 7.4- Marketing directo A COMUNICAÇÃO Comunicar Comunicar no marketing emitir mensagem para alguém emitir mensagem para o mercado

Leia mais

ANÁLISE DO DISCURSO E DA IMAGEM DA PROPAGANDA FRUTHOS NA REVISTA INFANTIL RECREIO (ANO 10 Nº 471)

ANÁLISE DO DISCURSO E DA IMAGEM DA PROPAGANDA FRUTHOS NA REVISTA INFANTIL RECREIO (ANO 10 Nº 471) ANÁLISE DO DISCURSO E DA IMAGEM DA PROPAGANDA FRUTHOS NA REVISTA INFANTIL RECREIO (ANO 10 Nº 471) PAIVA, Carlos Eduardo e ALVARADO, Ronny 1 Resumo: Este artigo tem como objetivo analisar, do ponto de vista

Leia mais

O Dia D. 12º Prêmio Destaque em Comunicação SINEPE. e a culturalização de um. posicionamento estratégico

O Dia D. 12º Prêmio Destaque em Comunicação SINEPE. e a culturalização de um. posicionamento estratégico O Dia D e a culturalização de um posicionamento estratégico 12º Prêmio Destaque em Comunicação SINEPE Centro Universitário Franciscano uma universidade para suas aspirações Santa Maria é um polo educacional

Leia mais

b) vantagens e desvantagens para o usuário que acessa Internet grátis comparadas aos serviços oferecidos pelos provedores pagos.

b) vantagens e desvantagens para o usuário que acessa Internet grátis comparadas aos serviços oferecidos pelos provedores pagos. Questão nº 1 I. Seleção de dados relevantes para o assunto em pauta, comparação, hierarquização. Devem aparecer nos textos: a) a Internet grátis desafia os provedores estabelecidos. Ressaltar as posições

Leia mais

Fundamentos de design

Fundamentos de design Fundamentos de design gordongroup Sobre o gordongroup gordongroup é uma agência de marketing e comunicação de tempo integral e de balcão único, que oferece um conjunto exclusivo de serviços criativos,

Leia mais

Apropaganda é considerada uma comunicação de massa, visto seu

Apropaganda é considerada uma comunicação de massa, visto seu Do Diálogo Grego à Propaganda Moderna João Paulo Freire Wayhs Universidade Federal de Santa Maria Apropaganda é considerada uma comunicação de massa, visto seu caráter ser um ato comunicativo entre um

Leia mais

Guy COOK. The Discourse of Advertising. London: Routledge. 2001. 256 pp. Second Edition. ISBN 0-415-23455-7 (Paperback)

Guy COOK. The Discourse of Advertising. London: Routledge. 2001. 256 pp. Second Edition. ISBN 0-415-23455-7 (Paperback) Alexandra Pinto 185 Guy COOK. The Discourse of Advertising. London: Routledge. 2001. 256 pp. Second Edition. ISBN 0-415-23455-7 (Paperback) Alexandra Pinto alexandrapinto@net.sapo.pt Faculdade de Letras

Leia mais

1- O que é um Plano de Marketing?

1- O que é um Plano de Marketing? 1- O que é um Plano de Marketing? 2.1-1ª etapa: Planejamento Um Plano de Marketing é um documento que detalha as ações necessárias para atingir um ou mais objetivos de marketing, adaptando-se a mudanças

Leia mais

EMENTAS E OBJETIVOS HABILITAÇÃO EM PUBLICIDADE E PROPAGANDA 1º PERÍODO

EMENTAS E OBJETIVOS HABILITAÇÃO EM PUBLICIDADE E PROPAGANDA 1º PERÍODO S E S HABILITAÇÃO EM PUBLICIDADE E PROPAGANDA 1º PERÍODO Nome da Disciplina: LÍNGUA PORTUGUESA: INTRODUÇÃO À PRODUÇÃO DE TEXTO E LEITURA Linguagem, língua e texto. As diversas normas e a adequação discursiva.

Leia mais

TÍTULO: PUBLICIDADE ONG ANIMAIS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: COMUNICAÇÃO SOCIAL

TÍTULO: PUBLICIDADE ONG ANIMAIS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: COMUNICAÇÃO SOCIAL TÍTULO: PUBLICIDADE ONG ANIMAIS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: COMUNICAÇÃO SOCIAL INSTITUIÇÃO: FACULDADE ANHANGUERA DE SANTA BÁRBARA AUTOR(ES): ROMULO SOUZA ORIENTADOR(ES):

Leia mais

Integrada de Marketing. UNIBAN Unidade Marte Disciplina: Planejamento de Campanha Prof. Me. Francisco Leite Aulas: 31.03.11

Integrada de Marketing. UNIBAN Unidade Marte Disciplina: Planejamento de Campanha Prof. Me. Francisco Leite Aulas: 31.03.11 O Planejamento de Comunicação Integrada de Marketing UNIBAN Unidade Marte Disciplina: Planejamento de Campanha Prof. Me. Francisco Leite Aulas: 31.03.11 Agenda: Planejamento de Comunicação Integrada de

Leia mais

Análise semiótica de campanha publicitária O Boticário

Análise semiótica de campanha publicitária O Boticário Análise semiótica de campanha publicitária O Boticário Jacqueline Calisto Costa Raquel de Paula Pinto Soares RESUMO A abordagem semiótica entende o texto como uma unidade de sentido, independente da linguagem.

Leia mais

Cartaz Hiper Cap 1 RESUMO

Cartaz Hiper Cap 1 RESUMO Cartaz Hiper Cap 1 Alana de FREITAS 2 Danizieli de OLIVEIRA 3 Diego de OLIVEIRA 4 Hugo CEREZER 5 Jéssica TESOTO 6 Renata Cristina FORNAZIERO 7 Rafaela ALVES 8 Renata Luis SOUZA 9 Thaís Roberta CASAGRANDE

Leia mais

Características da publicidade

Características da publicidade Nível B1 B2 B3 X Secundário Área de competência chave Cultura, Língua e Comunicação UFCD CLC-5 Cultura, Comunicação e Média Conteúdo O texto publicitário Tema A publicidade Breve história da publicidade

Leia mais

A APLICAÇÃO DE CONCEITOS DE MARKETING DIGITAL AO WEBSITE INSTITUCIONAL

A APLICAÇÃO DE CONCEITOS DE MARKETING DIGITAL AO WEBSITE INSTITUCIONAL A APLICAÇÃO DE CONCEITOS DE MARKETING DIGITAL AO WEBSITE INSTITUCIONAL Victor Nassar 1 O advento da internet e o consequente aumento da participação do consumidor nos websites, representou uma transformação

Leia mais

MARKETING II. Comunicação Integrada de Marketing

MARKETING II. Comunicação Integrada de Marketing CENTRO UNIVERSITÁRIO FRANCISCANO CIÊNCIAS SOCIAIS CURSO DE ADMINISTRAÇÃO MARKETING II Comunicação Integrada de Marketing Profª: Michele Freitas Santa Maria, 2012. O que é comunicação integrada? É o desenvolvimento

Leia mais

A REAÇÃO DO JOVEM MARINGAENSE FRENTE ÀS PROPAGANDAS QUE INCENTIVAM A PRÁTICA ESPORTIVA ATRAVÉS DA MÍDIA

A REAÇÃO DO JOVEM MARINGAENSE FRENTE ÀS PROPAGANDAS QUE INCENTIVAM A PRÁTICA ESPORTIVA ATRAVÉS DA MÍDIA 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 A REAÇÃO DO JOVEM MARINGAENSE FRENTE ÀS PROPAGANDAS QUE INCENTIVAM A PRÁTICA ESPORTIVA ATRAVÉS DA MÍDIA Ivania Skura 1, Julia Cristina Paixão 2, Joaquim

Leia mais

Publicidade ONG Animais 1

Publicidade ONG Animais 1 Publicidade ONG Animais 1 Bruna CARVALHO 2 Carlos VALÉRIO 3 Mayara BARBOSA 4 Rafaela ALVES 5 Renan MADEIRA 6 Romulo SOUZA 7 Marcelo PRADA 8 Paulo César D ELBOUX 9 Faculdade Anhanguera de Santa Bárbara,

Leia mais

RECURSOS DA FUNÇÃO POÉTICO-ESTÉTICA NA PUBLICIDADE. FEDRIZZI, Giulia; VASCONCELLOS, Nathália e CASTRO, Renata 1

RECURSOS DA FUNÇÃO POÉTICO-ESTÉTICA NA PUBLICIDADE. FEDRIZZI, Giulia; VASCONCELLOS, Nathália e CASTRO, Renata 1 RECURSOS DA FUNÇÃO POÉTICO-ESTÉTICA NA PUBLICIDADE FEDRIZZI, Giulia; VASCONCELLOS, Nathália e CASTRO, Renata 1 Resumo: O artigo constrói um paralelo entre a renovação da publicidade realizada pelos literatos,

Leia mais

Teoria da Comunicação Funções da Linguagem

Teoria da Comunicação Funções da Linguagem Teoria da Comunicação Funções da Linguagem Professor Rafael Cardoso Ferreira O que é linguagem? A linguagem é o instrumento graças ao qual o homem modela seu pensamento, seus sentimentos, suas emoções,

Leia mais

Composição fotográfica

Composição fotográfica Composição fotográfica É a seleção e os arranjos agradáveis dos assuntos dentro da área a ser fotografada. Os arranjos são feitos colocando-se figuras ou objetos em determinadas posições. Às vezes, na

Leia mais

ATENDIMENTO A CLIENTES

ATENDIMENTO A CLIENTES Introdução ATENDIMENTO A CLIENTES Nos dias de hoje o mercado é bastante competitivo, e as empresas precisam ser muito criativas para ter a preferência dos clientes. Um dos aspectos mais importantes, principalmente

Leia mais

COMO CONQUISTAR CLIENTES COM APLICATIVOS PARA CELULAR

COMO CONQUISTAR CLIENTES COM APLICATIVOS PARA CELULAR COMO CONQUISTAR CLIENTES COM APLICATIVOS PARA CELULAR CONTEÚDO 1 2 3 4 5 6 Por que as empresas precisam estar conectadas ao mundo mobile Como os aplicativos mobile podem atrair mais clientes. Como os aplicativos

Leia mais

CULTURA JOVEM E NARRATIVA PUBLICITÁRIA: UM ESTUDO SOBRE ANÚNCIOS DE CIGARRO DAS DÉCADAS DE 1960/1970

CULTURA JOVEM E NARRATIVA PUBLICITÁRIA: UM ESTUDO SOBRE ANÚNCIOS DE CIGARRO DAS DÉCADAS DE 1960/1970 Departamento de Comunicação Social CULTURA JOVEM E NARRATIVA PUBLICITÁRIA: UM ESTUDO SOBRE ANÚNCIOS DE CIGARRO DAS DÉCADAS DE 1960/1970 Aluno: Juliana Cintra Orientador: Everardo Rocha Introdução A publicidade

Leia mais

PROJETO DE PESQUISA TÍTULO: CINEMA E PUBLICIDADE: RELAÇÕES INTERTEXTUAIS E MERCADOLÓGICAS. CURSO: Programa de Mestrado em Comunicação

PROJETO DE PESQUISA TÍTULO: CINEMA E PUBLICIDADE: RELAÇÕES INTERTEXTUAIS E MERCADOLÓGICAS. CURSO: Programa de Mestrado em Comunicação PROJETO DE PESQUISA TÍTULO: CINEMA E PUBLICIDADE: RELAÇÕES INTERTEXTUAIS E MERCADOLÓGICAS CURSO: Programa de Mestrado em Comunicação LINHA DE PESQUISA: Inovações na Linguagem e na Cultura Midiática PROFESSOR

Leia mais

Campanha ONG Animais 1

Campanha ONG Animais 1 Campanha ONG Animais 1 Bruna CARVALHO 2 Carlos VALÉRIO 3 Mayara BARBOSA 4 Rafaela ALVES 5 Renan MADEIRA 6 Romulo SOUZA 7 Marcelo PRADA 8 Paulo César D ELBOUX 9 Faculdade Anhanguera Santa Bárbara, Santa

Leia mais

Frequências: São Paulo 102,1 MHz; Litoral Paulista MHz 90,1; Endereço: Av. Paulista, 2.200 15º andar CEP 01310-300 São Paulo SP

Frequências: São Paulo 102,1 MHz; Litoral Paulista MHz 90,1; Endereço: Av. Paulista, 2.200 15º andar CEP 01310-300 São Paulo SP Empresa Nome fantasia: Rádio Kiss FM Razão Social: Kiss Telecomunicações LTDA. Frequências: São Paulo 102,1 MHz; Litoral Paulista MHz 90,1; Campinas 107,9 MHz; Brasília 94,1 MHz CNPJ: 59.477.240/0001-24.

Leia mais

O processo de significação nas capas da Revista Elle Brasil em maio e junho de 2015 1

O processo de significação nas capas da Revista Elle Brasil em maio e junho de 2015 1 O processo de significação nas capas da Revista Elle Brasil em maio e junho de 2015 1 Pierre Míchel 2 Luãn Chagas 3 Faculdade Campo Real, Guarapuava, PR Resumo A partir dos estudos semióticos serão analisadas

Leia mais

E-Mail Marketing: Primeiros Passos

E-Mail Marketing: Primeiros Passos E-Mail Marketing: Primeiros Passos E-Mail Marketing: Primeiros Passos Aprenda a utilizar o email marketing para alavancar o seu negócio O Marketing Digital vem ganhando cada vez mais força entre as empresas

Leia mais

Relatório - Plano de Ensino

Relatório - Plano de Ensino Página: 1/6 Disciplina: CCA0321 - PROJETO EXPERIMENTAL - PROMO. DE VENDAS E MERCHA. DESCRIÇÃO DO PLANO DE ENSINO PROJETO EXPERIMENTAL - PROMOÇÃO DE VENDAS E MERCHANDISING PERFIL DO DOCENTE Graduado em

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM DESIGN GRÁFICO 514502 INTRODUÇÃO AO DESIGN Conceituação e história do desenvolvimento do Design e sua influência nas sociedades contemporâneas no

Leia mais

PLANO DE ESTAGIO INTEGRADO A PROPOSTA PEDAGOGICA DO CURSO. Curso: 001616 - TECNOLOGIA EM FOTOGRAFIA E IMAGEM Nivel: Superior

PLANO DE ESTAGIO INTEGRADO A PROPOSTA PEDAGOGICA DO CURSO. Curso: 001616 - TECNOLOGIA EM FOTOGRAFIA E IMAGEM Nivel: Superior PLANO DE ESTAGIO INTEGRADO A PROPOSTA PEDAGOGICA DO CURSO Curso: 001616 - TECNOLOGIA EM FOTOGRAFIA E IMAGEM Nivel: Superior Area Profissional: 0006 - COMUNICACAO Area de Atuacao: 0110 - EDITORACAO/COMUNICACAO

Leia mais

TELEJORNALISMO E ESTUDOS CULTURAIS

TELEJORNALISMO E ESTUDOS CULTURAIS Sétimo Fórum Nacional de Professores de Jornalismo Praia dos Ingleses, SC, abril de 2004 GT: Laboratório de Jornalismo Eletrônico Trabalho: TELEJORNALISMO E ESTUDOS CULTURAIS Autora: Célia Maria Ladeira

Leia mais

MODA. HABILITAÇÃO: Bacharelado em Moda - habilitação em modelagem e desenvolvimento de produto. PRAZO PARA CONCLUSÃO: Mínimo = 4 anos

MODA. HABILITAÇÃO: Bacharelado em Moda - habilitação em modelagem e desenvolvimento de produto. PRAZO PARA CONCLUSÃO: Mínimo = 4 anos MODA 1. TURNO: Noturno HABILITAÇÃO: Bacharelado em Moda - habilitação em modelagem e desenvolvimento de produto GRAU ACADÊMICO: Bacharel em Moda PRAZO PARA CONCLUSÃO: Mínimo = 4 anos Máximo = 7 anos 2.

Leia mais

Agenda do Ipê 1 RESUMO

Agenda do Ipê 1 RESUMO Agenda do Ipê 1 Welson Pereira LIMA JÚNIOR 2 Diego Leite MACHADO DA LUZ 3 Thiago ÁLVARES DA TRINDADE 4 Juliana PETERMANN 5 Janderle RABAIOLLI 6 Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, Rio Grande

Leia mais

Heróis sempre vencem desafios: campanha publicitária para divulgação do Concurso Vestibular 2013 1

Heróis sempre vencem desafios: campanha publicitária para divulgação do Concurso Vestibular 2013 1 Heróis sempre vencem desafios: campanha publicitária para divulgação do Concurso Vestibular 2013 1 Juliana Pereira DULTRA 2 Cintia MOLETA 3 Larissa Kiefer de SEQUEIRA 4 Roberto Corrêa SCIENZA 5 Fernanda

Leia mais

Apresentação. Oque é Marca. Multimedia Branding Designer

Apresentação. Oque é Marca. Multimedia Branding Designer Oque é Marca Marca é toda representação simbólica de uma entidade, individuo ou elemento. Uma pegada, uma impressão digital, ou mesmo o meu ou seu nome podem ser caracterizados como marca. Quando nos referimos

Leia mais

Integração com a Mídia Social

Integração com a Mídia Social Guia rápido sobre... Integração com a Mídia Social Neste guia... Vamos mostrar como integrar seu marketing com as mídias sociais para você tirar o maior proveito de todo esse burburinho online! Nós ajudamos

Leia mais

AVALIAÇÃO DA EFICÁCIA DO SEU ANÚNCIO

AVALIAÇÃO DA EFICÁCIA DO SEU ANÚNCIO 1 AVALIAÇÃO DA EFICÁCIA DO SEU ANÚNCIO O Sr. Asdrúbal Matrimônio, proprietário da gráfica Casamentos & Casórios Ltda., especializada em convites de casamento com dobras e cortes especiais, oferecia um

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM DESIGN GRÁFICO

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM DESIGN GRÁFICO 1 CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM DESIGN GRÁFICO EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS BRUSQUE (SC) Consuni nº. 63/14, 2011 de 10 de dezembro de 2014. 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 3 01 INTRODUÇÃO AO CONHECIMENTO TECNOLÓGICO...

Leia mais

Um Diferente Olhar 1. Bruno Barros de SOUZA 2 Gabriel de Angeli PAZETO 3 Felipe Maciel TESSAROLO 4 Faculdades Integradas São Pedro, Faesa

Um Diferente Olhar 1. Bruno Barros de SOUZA 2 Gabriel de Angeli PAZETO 3 Felipe Maciel TESSAROLO 4 Faculdades Integradas São Pedro, Faesa Um Diferente Olhar 1 Bruno Barros de SOUZA 2 Gabriel de Angeli PAZETO 3 Felipe Maciel TESSAROLO 4 Faculdades Integradas São Pedro, Faesa RESUMO O presente artigo visa apresentar a execução, planejamento

Leia mais

Cadernos do CNLF, Vol. XIII, Nº 04

Cadernos do CNLF, Vol. XIII, Nº 04 EDUCAÇÃO E MERCADO: A COMODIFICAÇÃO DAS PRÁTICAS DISCURSIVAS DAS UNIVERSIDADES PÚBLICAS Derli Machado de Oliveira (UFS) derli_machado@hotmail.com INTRODUÇÃO A mercantilização da educação talvez seja, de

Leia mais

ANÚNCIOS PUBLICITÁRIOS CHOCANTES : QUANDO O DESVIO LEXICAL CAUSA O EFEITO CONTRÁRIO

ANÚNCIOS PUBLICITÁRIOS CHOCANTES : QUANDO O DESVIO LEXICAL CAUSA O EFEITO CONTRÁRIO ANÚNCIOS PUBLICITÁRIOS CHOCANTES : QUANDO O DESVIO LEXICAL CAUSA O EFEITO CONTRÁRIO 1 INTRODUÇÃO Dulcinéia de Castro Viana Fernando da Silva Negreiros Lays Cristina Fragate Natalia Lamino Camilo Ulisses

Leia mais

Universidade Federal Fluminense IACS - Instituto de Arte e Comunicação Social Departamento de Comunicação Social Curso de Publicidade e Propaganda

Universidade Federal Fluminense IACS - Instituto de Arte e Comunicação Social Departamento de Comunicação Social Curso de Publicidade e Propaganda Universidade Federal Fluminense IACS - Instituto de Arte e Comunicação Social Departamento de Comunicação Social Curso de Publicidade e Propaganda Disciplinas Optativas Publicidade Carga horária total

Leia mais