1/12 Perguntas Frequentes sobre o Processo de Candidatura a Bolsas de Formação Contínua Comenius

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "1/12 Perguntas Frequentes sobre o Processo de Candidatura a Bolsas de Formação Contínua Comenius"

Transcrição

1 1/12 Bem-vinda(o) à Área de Perguntas Frequentes sobre o Processo de Candidatura às Bolsas de Formação Contínua Comenius! Esta área, e respectiva informação disponibilizada, têm como objectivo facilitar o processo de candidatura a esta Acção do Programa Comenius. P1 P2 P3 P4 P5 P6 P7 P8 P9 P10 P11 P12 P13 P14 P15 P16 Pretendo participar numa actividade de formação contínua de que tive conhecimento/ para a qual fui convidada(o)/fiz uma pré-inscrição. Fui informada(o) pelo respectivo organizador que me poderia candidatar ao Programa Comenius. O que devo fazer? O meu perfil profissional corresponde ao perfil elegível no âmbito da Acção Bolsas de Formação Contínua? Que cursos são elegíveis no âmbito da Acção Bolsas de Formação Contínua? Posso candidatar-me a um curso que não esteja incluído na Base de Dados de Formação Comenius-Grundtvig? Posso candidatar-me a um curso de línguas? Que procedimentos devo efectuar para a obtenção de Formulários (da página Web da ANPROALV)? Depois de submeter a candidatura on-line tenho de enviar a Candidatura em papel? Que documentos deverei enviar em anexo (à candidatura)? Que documentos de Apoio à Candidatura posso consultar e onde os poderei encontrar? A candidatura tem de ser enquadrada na minha organização/instituição de origem? Posso fazer correcções ou alterações à candidatura? Sou um cidadão estrangeiro, com residência e local de trabalho em Portugal? Posso candidatar-me? A que Agência Nacional devo dirigir-me? Existe algum tipo de prioridades definido para a participação nesta acção? Quais são os custos cobertos pela subvenção/bolsa? Como posso fazer o orçamento? Como será paga a subvenção? Que comprovativos deverei guardar no caso de ser seleccionado? Últimas recomendações

2 2/12 A consulta da informação disponibilizada não anula, bem pelo contrário, o apoio da nossa equipa. Para nos contactar tem à sua disponibilidade os seguintes contactos: Equipa Comenius Mobilidades Telefone: geral: João Santos Sandra Caneira Vera Caeiro 1. Pretendo participar numa actividade de formação contínua de que tive conhecimento/ para a qual fui convidada(o)/ fiz uma préinscrição. Fui informada(o) pelo respectivo organizador que poderia candidatar-me ao Programa Comenius. O que devo fazer? A Acção Bolsas de Formação Contínua do programa sectorial Comenius tem como objectivo possibilitar a mobilidade transnacional de profissionais ligados à Educação Escolar (P2) para participação em actividades de formação contínua (P3, P4 e P5) que decorram noutros países envolvidos no Programa de Aprendizagem ao Longo da Vida. Para o ano de 2010 foram definidas três fases de candidatura: 15 de Janeiro de 2010 para actividades a decorrer a partir de 1 de Maio de de Abril de 2010 para actividades a decorrer a partir de 1 de Setembro de de Setembro de 2010 para actividades a decorrer a partir de 1 de Janeiro de 2011 (limite 30 Abril ) Para formalizar a sua candidatura, deverá seguir os próximos passos: 1. Leitura obrigatória dos documentos de apoio às candidaturas, publicados na nossa página, na secção de Downloads (P8). 2. Seleccionar o formulário das Bolsas de Formação Contínua Comenius na área de formulários da nossa página Web (http://www.proalv.pt/np4/145.html#). 3. Durante o preenchimento do mesmo, recomendamos que vá validando o formulário em todas as páginas e gravando o formulário com alguma frequência para não perder informação importante. 4. Depois de preenchido na sua totalidade, deverá clicar na opção Validar que se encontra na última página e confirmar a informação preenchida. Após

3 3/12 a validação, e se estiver tudo conforme, irá receber a informação Formulário Válido. 5. Se após a validação aparecer informação sobre dados, significa que ainda existem dados que necessitam de ser corrigidos. 6. Quando a validação estiver concluída, deverá clicar em Submeter Formulário. Receberá uma mensagem automática na janela do seu computador, que terá de abrir para obter o comprovativo de submissão online (deverá imprimir este documento e juntá-lo ao formulário de candidatura em papel como anexo) Depois de imprimir este comprovativo, deverá fechar a janela do documento e voltará à página do formulário, onde deverá clicar em Imprimir formulário. 7. Depois de imprimir o formulário, deverá assiná-lo e solicitar ao representante legal da sua instituição que o assine também (se não estiver empregado/a, esta situação não se aplica). 8. Depois de o formulário estar assinado por ambas as partes, deverá enviá-lo para a Agência Nacional, juntamente com o pré-registo do curso, o comprovativo de pré-inscrição e o programa do curso [se aplicável (P7)]. ATENÇÃO: No caso de ainda não ter feito a pré-inscrição do curso, é obrigatório contactar o respectivo organizador nesse sentido. Se o formulário de candidatura enviado não seguir acompanhado deste documento, ou de um documento que comprove que entrou em contacto com o organizador, a candidatura será rejeitada. 2. O meu perfil profissional corresponde ao perfil elegível no âmbito da Acção Bolsas de Formação Contínua? São elegíveis para esta acção os seguintes perfis: Professores e outros profissionais não docentes ligados à educação escolar, de todos os níveis de ensino, desde a Educação Pré-escolar ao Ensino Secundário; Formadores de professores. 3. Que actividades de formação são elegíveis no âmbito da Acção Bolsas de Formação Contínua? Tal como o nome indica, esta acção pretende contribuir para a qualidade da formação contínua e não de formação inicial. Assim, actividade de formação escolhida deverá estar relacionada com a actividade profissional do candidato e com as suas necessidades específicas de formação - em qualquer um dos aspectos da educação escolar (práticas lectivas ou não lectivas,

4 4/12 gestão escolar, sistema educativo, etc.) - e reflectir a adequação do curso pretendido às mesmas. Por exemplo, um professor de Matemática poderá seleccionar uma actividade de formação na sua área científica, mas também poderá escolher um curso no âmbito de técnicas de motivação dos alunos ou, se estiver envolvido na gestão escolar num projecto europeu ou numa área transversal, uma temática no âmbito de projectos europeus ou dessa área transversal. Se estiver ligado à gestão escolar, também pode optar por desenvolver essa área. Em qualquer um dos casos, deve basear a justificação da candidatura e a sua necessidade de formação na área do curso seleccionado. A actividade de formação pode assumir várias tipologias ou temáticas, desde que fique claramente demonstrado que a mesma vai contribuir para a melhoria das competências profissionais do candidato e do trabalho que desenvolve na sua instituição. Deverá ainda tentar demonstrar o potencial da formação e para o aumento da dimensão europeia da sua instituição. No entanto, este professor de Matemática nunca será aprovado se se candidatar a uma actividade de formação numa outra área disciplinar (por exemplo, História de Arte ou Língua Estrangeira) ou numa área transversal na qual não esteja a desenvolver trabalho (por exemplo, gestão escolar, se não detém qualquer cargo nessa área). Tipologias elegíveis -Cursos estruturados, retirados da Base de Dados de Formação COMENIUS- Grundtvig Training Database ou extra-bd; -Actividades de job-shadowing/estágios práticos; -Participação em conferências, seminários ou workshops europeus. Na secção LINKS encontra-se disponível uma base de dados de actividades de formação na nossa página (www.proalv.pt), denominada Base de Dados de Formação Comenius-Grundtvig, para ajudar o candidato a identificar uma formação elegível para financiamento ao abrigo desta Acção e quais as actividades que melhor servem as suas necessidades de formação. Segue em baixo o link de acesso: 4. Posso candidatar-me a um curso que não esteja incluído na Base de Dados de Formação Comenius-Grundtvig? Sim! Não é obrigatório candidatar-se a um curso da Base de Dados. A participação em cursos livres (extra-base de Dados de Formação Comenius- Grundtvig) pode ser subvencionada se:

5 5/12 a) a candidatura for acompanhada de informação completa sobre o curso em causa (programa diário, objectivos, público-alvo, dados do organizador e valor da propina/inscrição); b) o curso for considerado elegível. Neste sentido, a Agência Nacional avaliará o mesmo de acordo com os seguintes critérios: a entidade candidata é proveniente de um país participante no PALV e o Curso é ministrado num dos países participantes no PALV; a entidade candidata é uma organização estruturada legalmente; a entidade candidata tem experiência em trabalho com grupos multilaterais. o curso tem uma componente Europeia muito forte em termos dos conteúdos abordados e em termos de perfil dos participantes; o Curso tem uma duração mínima de 5 dias de trabalho e máxima de 6 semanas; a equipa de formação é multinacional; na informação disponibilizada sobre o curso, o público-alvo é claramente identificado, e abrange profissionais ligados à Educação Escolar; a formação é ministrada numa (ou mais) [língua (s)] das 23 línguas oficiais da EU (o Luxemburguês e o Irlandês também são elegíveis quando a formação é relativa a estas duas línguas); a distribuição de materiais de formação e informação é feita em várias línguas, para assegurar a máxima disseminação e o máximo aproveitamento dos mesmos; a presença na formação pelos participantes é acreditada/certificada através de um certificado ou de outra forma. NOTA: Em fase de avaliação de qualidade, as candidaturas a cursos derivados de projectos centralizados SOCRATES ou PALV terão um acréscimo de 10 pontos. (P12) 5. Posso candidatar-me a um curso de línguas? Esta acção destina-se a financiar actividades de formação contínua e não actividades de formação inicial. Assim só serão atribuídas bolsas para o efeito de frequência de cursos de língua pura (sem componente metodológica), isto é, formação orientada exclusivamente para o desenvolvimento de competências numa língua estrangeira, quando o candidato preencher pelo menos uma das seguintes condições: O candidato é um professor que solicita formação numa língua menos ensinada e menos usada (LOMUME).

6 6/12 O candidato é um professor que ensina outras matérias, que não sejam na área das línguas, utilizando uma língua estrangeira (CLIL). O candidato é professor de outra área disciplinar e encontra-se em formação para leccionar uma língua estrangeira. O candidato faz parte de uma Parceria de Aprendizagem Comenius e necessita de formação na língua estrangeira da Parceria. O candidato é Educador de Infância ou professor do 1º Ciclo e está neste momento requisitado para ensinar uma língua estrangeira. 6. Que procedimentos devo efectuar para a obtenção dos Formulários (da página Web da ANPROALV)? O formulário de candidatura encontra-se disponível em na secção de Formulários, e deverá ser preenchido electronicamente e de acordo com as instruções: Descarregue o formulário de candidatura (ficheiro PDF); Preencha o formulário offline (não é necessário ter ligação à internet): Preencha os dados solicitados (obrigatórios e opcionais); Valide o formulário (offline) - a validação verifica se os dados obrigatórios estão preenchidos; Grave o formulário. Submeta o eform: Submeta o formulário online. De seguida receberá uma "confirmação de submissão" com a respectiva identificação (para tal, é necessária a ligação à internet), que deverá ser imprimida. 7. Depois de submeter a candidatura on-line tenho de remeter a Candidatura em papel? Que documentos deverei enviar em anexo (à candidatura)? Depois de submetida a candidatura é necessário imprimir o formulário em suporte pdf, assinar a respectiva declaração e recolher a assinatura do Representante Legal da Instituição de Origem (P9) caso esta tenha sido mencionada na elaboração da candidatura (secção C.3. do formulário de candidatura). A candidatura só será tida em conta se for enviada por correio para a Agência Nacional Avenida Infante Santo n.º 2, piso 4, Lisboa, incluindo o comprovativo de submissão online e os anexos aplicáveis à tipologia da actividade de formação, a saber: (P4) Anexos por tipologia:

7 7/12 Curso de formação estruturado incluído na Base de Dados Comenius-Grundtvig: certificado de pré-inscrição no curso ou uma prova em como entrou em contacto com o organizador do curso e ainda não obteve resposta; Curso de formação estruturado não incluído na BD Comenius-Grundtvig ou conferência/seminário: informação completa sobre curso/seminário/conferência em causa (P4): Job-shadowing ou estágio prático: convite da instituição de acolhimento declarando que está disposta a apoiar o candidato durante o período de formação e que tomará as medidas necessárias à organização das actividades previstas. O formulário e respectivos anexos deverão ser expedidos até ao último dia do prazo de candidatura (será tido em consideração a data do carimbo dos correios). 8. Que documentos de Apoio à Candidatura posso consultar e onde os poderei encontrar? Na página Web da Agência (www.proalv.pt) poderá encontrar a descrição geral do programa. Na área de DOCS do Programa Sectorial Comenius (http://www.proalv.pt/np4/140.html) ou na área de Downdoads (http://www.proalv.pt/np4/98.html) pode ainda consultar documentação variada, destacando-se: Convite Nacional à Apresentação de Candidaturas para 2010, pp onde constam os critérios nacionais a aplicar pela AN durante o processo de selecção de 2010, bem como as regras para o cálculo e atribuição das respectivas subvenções. Convite Geral à Apresentação de Candidaturas para 2010 o Anúncio Oficial - Procedimentos administrativos o Prioridades Estratégicas o Guia LLP 2010, Parte I - Disposições Gerais o Guia LLP 2010, Parte II - Sub-Programas e Acções o Guia LLP 2010, Parte II Detalhes por Acção Recomendamos principalmente a leitura da Parte II Detalhes por Acção, onde poderá encontrar informação ainda mais concreta sobre cada uma das acções.

8 8/12 Grelhas de Verificação de Elegibilidade e de Avaliação da Qualidade das candidaturas onde vêm descritos os respectivos Critérios. Base de Dados de Formação COMENIUS GRUNDTVIG NOTA: A Equipa Comenius recomenda ainda a leitura atenta da checklist constante da última página do formulário de candidatura. 9. A candidatura tem de ser enquadrada na minha organização /instituição de origem? As candidaturas de profissionais ligados à Educação Escolar não enquadradas numa Instituição de Origem poderão ser aceites. Os candidatos nestas condições devem, no entanto, ter em atenção que a falta de referência a uma Instituição de Origem, ou de um local onde aplicar as competências adquiridas/treinadas na acção de formação em causa, pode prejudicar a candidatura em fase de avaliação de qualidade. (Ver Grelha de Avaliação da Qualidade em ) No caso dos candidatos que trabalham para mais do que uma instituição, aconselhamos a identificação daquela onde os candidatos desempenhem as funções mais relacionadas com a acção de formação pretendida. Por exemplo, um professor do Ensino Regular numa Escola Básica que também desempenha a função de formador de adultos numa Associação, deverá candidatar-se identificando como Instituição de Origem aquela onde desempenha as funções para as quais detectou necessidades de formação e a partir das quais seleccionou o curso. Caso as suas necessidades de formação estejam ligadas ao seu perfil como educador de adultos, deverá candidatar-se à acção Cursos de Formação Contínua do Programa Sectorial Grundtvig e não a esta. ATENÇÃO: Os candidatos que não pretendam candidatar-se com enquadramento institucional deverão indicar no formulário de candidatura a opção «desempregados» C.2. Perfil Candidato Situação Profissional. 10. Posso fazer correcções ou alterações à candidatura? A Agência Nacional pode aceitar qualquer tipo de correcção à candidatura, ou o envio de informação adicional, se remetida até à data limite para a recepção de candidaturas. As alterações, desde que dentro do prazo limite, poderão ser enviadas por , fax ou correio.

9 9/ Sou um cidadão estrangeiro, com residência e local de trabalho em Portugal? Posso candidatar-me? A que Agência Nacional devo dirigir-me? As candidaturas devem ser submetidas à Agência Nacional do país onde o candidato é residente. Se o candidato trabalha noutro país que não o da sua residência oficial, a candidatura deverá ser formalizada junto da Agência Nacional do país onde trabalha. No caso de o candidato se deslocar numa região fronteiriça reside em Portugal e trabalha em Espanha, por exemplo, a candidatura deverá ser formalizada junto da Agência Nacional do país de trabalho (i.e Espanha), sendo que as acções de formação realizadas em qualquer um dos países envolvidos Portugal e Espanha, no exemplo dado não são elegíveis. 12. Existe algum tipo de prioridades definido para a participação nesta acção? Não foram definidas prioridades europeias nem nacionais para Em fase de avaliação de qualidade, serão consideradas prioritárias as candidaturas a cursos derivados de projectos centralizados SOCRATES ou PALV (atribuição de 10 pontos adicionais). 13. Quais são os custos cobertos pela subvenção/bolsa? Como posso fazer o orçamento? A subvenção a atribuir está dividida em cinco rubricas: i Viagem: baseada em custos reais incorridos (P15). Esta rubrica deverá cobrir os gastos das viagens realizadas entre a residência do beneficiário e o local de formação. A AN contribuirá com um máximo de 500,00, com excepção dos bolseiros provenientes das Regiões Autónomas dos Açores e da Madeira, para os quais não existem tectos de financiamento; ii Subsistência: esta rubrica pretende cobrir os gastos relacionados com o alojamento, a alimentação, seguros de viagem e transportes locais durante o período de formação. O valor desta rubrica corresponde a um montante fixo (P15) definido pelo País de destino e com base no número de dias completos de trabalho (mais dois dias para viagens). No Guia LLP 2010, Parte I Disposições Gerais (pág. 31), poderá encontrar a tabela de valores máximos europeus para calcular a subsistência e

10 10/12 consultar as regras financeiras detalhadas. Em 2010, a Agência Nacional financia 80% dos valores publicados na tabela. iii Propina do Curso ou inscrição na Conferência/Seminário: baseada em custos reais incorridos (P15) O bolseiro será financiado até ao valor máximo de 750,00. iv - Preparação linguística: pode candidatar-se a uma contribuição para os custos de preparação linguística, excepto se tenciona participar numa actividade de formação em línguas (com ou sem componente metodológica), até um máximo de 200,00. A preparação linguística pode consistir, por exemplo, na frequência de aulas de línguas ou na aquisição de material para aprendizagem autónoma. A atribuição de uma bolsa para a preparação linguística está dependente da fundamentação apresentada no formulário. v - Necessidades especiais do candidato: se o candidato tiver necessidades especiais resultantes de, por exemplo, ser portador de uma deficiência física, pode solicitar financiamento para suportar custos adicionais considerados necessários para assegurar a sua participação na actividade de formação (por exemplo, um acompanhante). A bolsa atribuída tanto à subsistência como à viagem será decidida caso a caso e baseada em custos reais incorridos. A AN avaliará a necessidade de aumentar a bolsa com base na informação fornecida no formulário. O candidato com necessidades especiais, deverá enviar em anexo ao formulário candidatura um comprovativo que ateste a sua incapacidade. 14. Como será paga a subvenção? Após a aprovação da subvenção e a entrega da documentação solicitada, o pagamento será efectuado em duas tranches: em primeiro lugar, depois da assinatura do contrato financeiro por ambas as partes, será transferido um adiantamento (80% do valor da subvenção). Contra a recepção do Relatório Final devidamente preenchido e assinado e posterior aprovação por parte da AN, é apurado o saldo e transferido o valor remanescente. NOTA: O valor da subvenção atribuída (total ou por rubrica) nunca é superior ao solicitado, e não são permitidas transferências entre rubricas. 15. Que comprovativos deverei guardar no caso de ser seleccionado? Os comprovativos referidos em baixo deverão ser guardados durante 5 anos. i Viagem: deverá guardar os comprovativos de pagamento (sob a forma de facturas ou recibos e títulos de transporte utilizados, fotocópia de visto ou cartões de embarque);

11 11/12 ii Subsistência: não necessita de guardar qualquer comprovativo de despesa. Estes custos serão justificados contra a recepção do Certificado de Participação no Curso de Formação assinado pela organização de acolhimento, especificando o nome do participante bem como a data de início e de fim da actividade. Uma cópia deste documento deverá ser enviado conjuntamente com o Relatório Final da Actividade de Formação; iii Propina do Curso ou inscrição na Conferência/Seminário: deverá guardar o comprovativo de pagamento durante 5 anos e enviar a cópia do Certificado de Participação - assinado pela organização de acolhimento, especificando o nome do participante bem como a data de início e de fim da actividade - conjuntamente com o Relatório Final da Actividade de Formação; iv - Preparação linguística: deverá guardar e enviar, em anexo ao Relatório Final da Actividade de Formação, uma cópia do comprovativo de realização das actividades sob a forma do certificado de frequência assinado pelo organizador do curso, especificando o nome do participante, bem como as datas de início e de fim do curso; ou a factura ou recibo da compra de manuais de autoaprendizagem de língua, especificando o nome do comprador; v - Necessidades especiais do candidato: deverá guardar todos os comprovativos de pagamento (sob a forma de facturas ou recibos e títulos de transporte utilizados, fotocópia de visto, cartões de embarque, etc.). 16. Últimas recomendações A candidatura deverá ser clara em relação ao seu perfil profissional, às suas necessidades de formação e reflectir a adequação do curso pretendido às mesmas. Deverá ainda tentar demonstrar o potencial do curso para o seu desenvolvimento profissional e pessoal e para o aumento da dimensão europeia da sua instituição. A Equipa Comenius gostaria de recomendar a leitura atenta da documentação mencionada na questão número 8, assim como da informação fornecida através do formulário de candidatura (checklist). Numa vertente mais prática, a candidatura deve: conter o nome completo do candidato; ser enviada por correio registado com aviso de recepção; ser colocada num envelope que não contenha mais nenhuma candidatura.

12 12/12 Deve evitar-se: o envio da candidatura com TAXA PAGA (não se sabe a data de expedição); agrafar/encadernar os formulários. O candidato não deve apresentar o formulário incompleto ou sem páginas, sob pena de poder vir a ser prejudicado por esse facto. Em caso de dúvida, não hesite em contactar a Equipa Comenius através dos contactos enunciados no início do documento.

1/12 Perguntas Frequentes sobre o Processo de Candidatura a Bolsas de Formação Contínua Comenius

1/12 Perguntas Frequentes sobre o Processo de Candidatura a Bolsas de Formação Contínua Comenius 1/12 Bem-vinda(o) à Área de Perguntas Frequentes sobre o Processo de Candidatura às Bolsas de Formação Contínua Comenius! Esta área, e respetiva informação disponibilizada, têm como objetivo facilitar

Leia mais

INFORMAÇÕES PRÁTICAS SOBRE COMO PREENCHER O FORMULÁRIO DE CANDIDATURA À ACÇÃO MOBILIDADE LdV 2011

INFORMAÇÕES PRÁTICAS SOBRE COMO PREENCHER O FORMULÁRIO DE CANDIDATURA À ACÇÃO MOBILIDADE LdV 2011 INFORMAÇÕES PRÁTICAS SOBRE COMO PREENCHER O FORMULÁRIO DE CANDIDATURA À ACÇÃO MOBILIDADE LdV 2011 Depois de descarregar para o computador o formulário (seleccionando o formulário e, com o botão direito

Leia mais

Perguntas e respostas sobre a bolsa de mérito para estudos pós-graduados. Ano académico de 2016/2017

Perguntas e respostas sobre a bolsa de mérito para estudos pós-graduados. Ano académico de 2016/2017 Perguntas e respostas sobre a bolsa de mérito para estudos pós-graduados Ano académico de 2016/2017 1. Pergunta: Quais os documentos que devo de ler antes de apresentar o pedido? Devem ser lidos, pormenorizadamente,

Leia mais

E R A S M U S Guia do Estudante ERASMUS. Faculdade de Farmácia Universidade de Lisboa. Guia do Estudante

E R A S M U S Guia do Estudante ERASMUS. Faculdade de Farmácia Universidade de Lisboa. Guia do Estudante ERASMUS Faculdade de Farmácia Universidade de Lisboa Guia do Estudante Normas Gerais A mobilidade de estudantes, uma das acções mais frequentes do Programa, inclui duas vertentes de actividade: realização

Leia mais

Já fui beneficiário de uma mobilidade Erasmus. Posso candidatar-me novamente? Durante quanto tempo poderei realizar o período de mobilidade?

Já fui beneficiário de uma mobilidade Erasmus. Posso candidatar-me novamente? Durante quanto tempo poderei realizar o período de mobilidade? ERASMUS+ - MOBILIDADE DE ESTUDANTES PERGUNTAS FREQUENTES O que é o Erasmus+? Quais os tipos de mobilidade a que posso concorrer? Quem pode candidatar-se? Que restrições existem? Já fui beneficiário de

Leia mais

PROGRAMA SÓCRATES / ACÇÃO ERASMUS Gabinete de Relações Internacionais e Apoio a Projectos Europeus REGULAMENTO. Preâmbulo

PROGRAMA SÓCRATES / ACÇÃO ERASMUS Gabinete de Relações Internacionais e Apoio a Projectos Europeus REGULAMENTO. Preâmbulo PROGRAMA SÓCRATES / ACÇÃO ERASMUS Gabinete de Relações Internacionais e Apoio a Projectos Europeus REGULAMENTO Preâmbulo O Programa de Mobilidade de Estudantes SÓCRATES / ERASMUS é uma iniciativa da União

Leia mais

REGULAMENTO DE MOBILIDADE DE DIPLOMADOS Leonardo da Vinci

REGULAMENTO DE MOBILIDADE DE DIPLOMADOS Leonardo da Vinci REGULAMENTO DE MOBILIDADE DE DIPLOMADOS Leonardo da Vinci Tendo a Coordenação em colaboração com o DGA RI, elaborado e submetido uma candidatura ao Programa Leonardo da Vinci, foi esta aprovada pela Agência

Leia mais

PERGUNTAS FREQUENTES ERASMUS+ 2015/2016

PERGUNTAS FREQUENTES ERASMUS+ 2015/2016 O que é o Erasmus+? O Erasmus+ teve início no dia 1 de Janeiro de 2014. PERGUNTAS FREQUENTES ERASMUS+ 2015/2016 O Erasmus+ é o novo programa da UE para a educação, formação, juventude e desporto que se

Leia mais

Artigo 3º Bolsas de Investigação para Frequência de Estágios

Artigo 3º Bolsas de Investigação para Frequência de Estágios PROGRAMA OPERACIONAL DE VALORIZAÇÃO DO POTENCIAL HUMANO E COESÃO SOCIAL DA RAM EIXO I EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO FORMAÇÃO AVANÇADA DE RECURSOS HUMANOS REGULAMENTO DE FORMAÇÃO AVANÇADA E QUALIFICAÇÃO DE RECURSOS

Leia mais

GUIA PARA ACOLHIMENTO DE PESSOAL DE EMPRESA ERASMUS. Missões de Ensino e Formação no IPV 2010/11

GUIA PARA ACOLHIMENTO DE PESSOAL DE EMPRESA ERASMUS. Missões de Ensino e Formação no IPV 2010/11 GUIA PARA ACOLHIMENTO DE PESSOAL DE EMPRESA ERASMUS Missões de Ensino e Formação no IPV I 2010/11 11 1 GUIA ERASMUS PARA ACOLHIMENTO DE PESSOAL DE EMPRESA 2010/11 -Mis Missões sões de Ensino e Formação

Leia mais

Regulamento Programa REDE DE RESIDÊNCIAS: EXPERIMENTAÇÃO ARTE, CIÊNCIA E TECNOLOGIA 2.ª edição Direcção-Geral das Artes e Ciência Viva

Regulamento Programa REDE DE RESIDÊNCIAS: EXPERIMENTAÇÃO ARTE, CIÊNCIA E TECNOLOGIA 2.ª edição Direcção-Geral das Artes e Ciência Viva Regulamento Programa REDE DE RESIDÊNCIAS: EXPERIMENTAÇÃO ARTE, CIÊNCIA E TECNOLOGIA 2.ª edição Direcção-Geral das Artes e Ciência Viva Reconhecendo o interesse cultural e o potencial económico que subjaz

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE APOIO A BOLSAS DE QUALIFICAÇÃO E ESPECIALIZAÇÃO ARTÍSTICA 2016. Preâmbulo

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE APOIO A BOLSAS DE QUALIFICAÇÃO E ESPECIALIZAÇÃO ARTÍSTICA 2016. Preâmbulo REGULAMENTO DO PROGRAMA DE APOIO A BOLSAS DE QUALIFICAÇÃO E ESPECIALIZAÇÃO ARTÍSTICA 2016 Preâmbulo O departamento de Acção Cultural da Fundação GDA, através do programa de Apoio a Bolsas de Qualificação

Leia mais

Programa: Aprendizagem ao Logo da Vida Programa Sectorial: Grundtvig. Acção: Parcerias

Programa: Aprendizagem ao Logo da Vida Programa Sectorial: Grundtvig. Acção: Parcerias Gabinete de Projectos do Instituto Politécnico de Beja GP IPBeja Programa: Aprendizagem ao Logo da Vida Programa Sectorial: Grundtvig Acção: Parcerias ( ) A Parceria de Aprendizagem Grundtvig é um enquadramento

Leia mais

THIS FORM IS ONLY FOR TESTING AND ONLY FOR INTERNAL EUROPEAN COMMISSION / NATIONAL AGENCIES USE. PLEASE DO NOT DISTRIBUTE!

THIS FORM IS ONLY FOR TESTING AND ONLY FOR INTERNAL EUROPEAN COMMISSION / NATIONAL AGENCIES USE. PLEASE DO NOT DISTRIBUTE! Programa de Aprendizagem ao Longo da Vida Versão do : 1.3 / Versão Adobe Reader: 9.302 THIS FORM IS ONLY FOR TESTING AND ONLY FOR INTERNAL EUROPEAN COMMISSION / NATIONAL AGENCIES USE. PLEASE DO NOT DISTRIBUTE!

Leia mais

REGULAMENTO Regulamento do programa de Aprendizagem ao Longo da Vida (LLP) ERASMUS Mobilidade de Alunos Missão de Estudos e Estágios

REGULAMENTO Regulamento do programa de Aprendizagem ao Longo da Vida (LLP) ERASMUS Mobilidade de Alunos Missão de Estudos e Estágios RG- 10-01 Data: 2010-01-06 INSTITUTO POLITÉCNICO DE COIMBRA ESAC Escola Superior Agrária de Coimbra ESEC Escola Superior de Educação de Coimbra ESTeSC Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Coimbra

Leia mais

Ficha N. /File Nr 1 : COM-Pv - p. 1

Ficha N. /File Nr 1 : COM-Pv - p. 1 Programa Sub-programa Categoria da Objectivos e descrição da acção APRENDIZAGEM AO LONGO DA VIDA COMENIUS MOBILIDADE COMENIUS Visitas Preparatórias O objectivo da acção é o de apoiar qualquer instituição

Leia mais

1.1 Candidaturas on-line

1.1 Candidaturas on-line 1.1 Candidaturas on-line Para efectuar o processo de candidatura o candidato deverá aceder ao portal da ESML (este link está posicionado na área do Concurso local de acesso, mas existirá o mesmo noutro

Leia mais

GABINETE DO REITOR COORDENAÇÃO DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS

GABINETE DO REITOR COORDENAÇÃO DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS GABINETE DO REITOR COORDENAÇÃO DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS PROGRAMA DE GRADUAÇÃO / POSGRADUAÇÃO / MESTRADO E DOUTORADO / PESSOAL ACADEMICO FELLOW-MUNDUS Edital de Seleção de bolsas Fellow Mundus. 01.2015

Leia mais

Regulamento. 5. O Concurso 50/50, promovido pelo ACM, IP, lançado pela primeira vez em 2015, assume um carácter experimental.

Regulamento. 5. O Concurso 50/50, promovido pelo ACM, IP, lançado pela primeira vez em 2015, assume um carácter experimental. Regulamento PARTE I ENQUADRAMENTO GERAL Artigo 1º Âmbito 1. O Alto Comissariado para as Migrações, I.P. (doravante ACM, I.P.) propõe a dinamização de um concurso de ideias, denominado Concurso 50/50, destinado

Leia mais

Manual de Utilizador Plataforma de Estágios TIC. www.estagiostic.gov.pt

Manual de Utilizador Plataforma de Estágios TIC. www.estagiostic.gov.pt Manual de Utilizador Plataforma de Estágios TIC www.estagiostic.gov.pt 1 Índice 1 Introdução 3 1.1 Programa de Estágios TIC 3 1.2 Objectivo da plataforma 3 1.3 Perfis 4 1.3.1 Escola 4 1.3.2 Empresa 4 1.3.3

Leia mais

Manual de candidatura por via electrónica

Manual de candidatura por via electrónica 2 Concursos de Pessoal Docente regulados pelo Decreto Legislativo Regional n.º /2009/M de de Junho. Ano Escolar 2009/2010 Manual de candidatura por via electrónica É essencial que leia este manual antes

Leia mais

Ministro de Estado, das Actividades Económicas e do Trabalho, Ministro de Estado e da Presidência e Ministra Ciência e Ensino Superior

Ministro de Estado, das Actividades Económicas e do Trabalho, Ministro de Estado e da Presidência e Ministra Ciência e Ensino Superior DESPACHO CONJUNTO Ministro de Estado, das Actividades Económicas e do Trabalho, Ministro de Estado e da Presidência e Ministra Ciência e Ensino Superior Considerando a Decisão da Comissão nº C (2004) 5735,

Leia mais

SIDER. Guia para o preenchimento do Formulário de Pedido de Pagamento do Incentivo

SIDER. Guia para o preenchimento do Formulário de Pedido de Pagamento do Incentivo REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES SECRETARIA REGIONAL DA ECONOMIA DIREÇÃO REGIONAL DE APOIO AO INVESTIMENTO E À COMPETITIVIDADE SIDER Guia para o preenchimento do Formulário de Pedido de Pagamento do Incentivo

Leia mais

REGULAMENTO DE REALIZAÇÃO DE CURSOS DE FORMAÇÃO PÓS-GRADUADA NO ISA

REGULAMENTO DE REALIZAÇÃO DE CURSOS DE FORMAÇÃO PÓS-GRADUADA NO ISA REGULAMENTO DE REALIZAÇÃO DE CURSOS DE FORMAÇÃO PÓS-GRADUADA NO ISA Preâmbulo É cada vez mais consensual a importância estratégica que as pessoas (vulgarmente chamadas de recursos humanos) desempenharão

Leia mais

GUIA PARA CANDIDATURAS ONLINE ESTUDANTES OUTGOING DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA

GUIA PARA CANDIDATURAS ONLINE ESTUDANTES OUTGOING DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA GUIA PARA CANDIDATURAS ONLINE ESTUDANTES OUTGOING DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA Este é um guia prático do processo de inscrição online em programas de mobilidade para estudantes da Universidade de Coimbra

Leia mais

GUIA PARA CANDIDATURAS ONLINE ESTUDANTES OUTGOING DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA

GUIA PARA CANDIDATURAS ONLINE ESTUDANTES OUTGOING DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA GUIA PARA CANDIDATURAS ONLINE ESTUDANTES OUTGOING DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA Este é um guia prático do processo de inscrição online em programas de mobilidade para estudantes da Universidade de Coimbra

Leia mais

CERTIFICADOS DE APTIDÃO PROFISSIONAL (CAP) PARA:

CERTIFICADOS DE APTIDÃO PROFISSIONAL (CAP) PARA: CIRCULAR DE INFORMAÇÃO AERONÁUTICA PORTUGAL INSTITUTO NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL TELEFONE 218423502 INFORMAÇÃO AERONÁUTICA AFTN - LPPTYAYI AEROPORTO DA PORTELA 14/06 TELEX 12120 - AERCIV P 1749-034 LISBOA

Leia mais

1. Descrição. 2. Objetivo. 3. Apoio

1. Descrição. 2. Objetivo. 3. Apoio Fase prévia à 2ª Edição (2015) da Chamada de Manifestação de Interesse a Bolsas de Investigação para Doutorados nos National Institutes of Health (NIH) 1. Descrição Ao abrigo do Memorando de Entendimento

Leia mais

GUIA PRÁTICO PROVA ESCOLAR (Abono de Família para Crianças e Jovens e Bolsa de Estudo)

GUIA PRÁTICO PROVA ESCOLAR (Abono de Família para Crianças e Jovens e Bolsa de Estudo) Manual de GUIA PRÁTICO PROVA ESCOLAR (Abono de Família para Crianças e Jovens e Bolsa de Estudo) INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P ISS, I.P. Departamento/Gabinete Pág. 1/20 FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático

Leia mais

GUIA DE PREENCHIMENTO DO FORMULÁRIO. GESTÃO DA MEDIDA 511 Assistência Técnica FEADER

GUIA DE PREENCHIMENTO DO FORMULÁRIO. GESTÃO DA MEDIDA 511 Assistência Técnica FEADER GUIA DE PREENCHIMENTO DO FORMULÁRIO GESTÃO DA MEDIDA 511 Assistência Técnica FEADER Outubro 2010 INSTRUÇÕES PARA UMA CORRECTA UTILIZAÇÃO DO FORMULÁRIO Funcionamento genérico Os formulários estão disponíveis

Leia mais

RELATÓRIO INTERCALAR (nº 3, do artigo 23º, da Decisão 2004/904/CE)

RELATÓRIO INTERCALAR (nº 3, do artigo 23º, da Decisão 2004/904/CE) (nº 3, do artigo 23º, da Decisão 2004/904/CE) Comissão Europeia Direcção-Geral da Justiça, da Liberdade e da Segurança Unidade B/4 Fundo Europeu para os Refugiados B-1049 Bruxelas Estado-Membro: PORTUGAL

Leia mais

GUIA PARA CANDIDATURAS ONLINE ESTUDANTES OUTGOING DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA

GUIA PARA CANDIDATURAS ONLINE ESTUDANTES OUTGOING DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA GUIA PARA CANDIDATURAS ONLINE ESTUDANTES OUTGOING DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA Este é um guia prático do processo de inscrição online em programas de mobilidade para estudantes da Universidade de Coimbra

Leia mais

CONTRATO a TERMO RESOLUTIVO Manual do Candidato

CONTRATO a TERMO RESOLUTIVO Manual do Candidato CONTRATO a TERMO RESOLUTIVO Manual do Lisboa, Setembro de 2007 Índice I Introdução... 3 II Inscrição Obrigatória. 4 III - Aplicação Contratação de Escola.......... 5 1. Acesso à aplicação Contratação de

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS Despacho Nº4724/2005 Sob proposta do Gestor do Programa Operacional Sociedade do Conhecimento e nos termos da alínea a) do n.º 1 do artigo 29º do Decreto-Lei n.º 54-A/2000,

Leia mais

REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO (2º CICLO) EM MATEMÁTICA APLICADA ÀS CIÊNCIAS BIOLÓGICAS

REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO (2º CICLO) EM MATEMÁTICA APLICADA ÀS CIÊNCIAS BIOLÓGICAS REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO (2º CICLO) EM MATEMÁTICA APLICADA ÀS CIÊNCIAS BIOLÓGICAS Ao abrigo do Decreto-Lei nº 74/2006 de 24 de Março, e do disposto na Deliberação nº 1487/2006 da Reitoria da Universidade

Leia mais

SUPLEMENTO II SÉRIE ÍNDICE. Ministério da Educação e Ciência PARTE C. Terça-feira, 27 de maio de 2014 Número 101

SUPLEMENTO II SÉRIE ÍNDICE. Ministério da Educação e Ciência PARTE C. Terça-feira, 27 de maio de 2014 Número 101 II SÉRIE Terça-feira, 27 de maio de 2014 Número 101 ÍNDICE SUPLEMENTO PARTE C Ministério da Educação e Ciência Direção-Geral da Administração Escolar: Aviso n.º 6472-A/2014: Abertura do concurso externo

Leia mais

Regulamento PAPSummer 2016

Regulamento PAPSummer 2016 Regulamento PAPSummer 2016 Artigo 1º Objetivos do programa, montante e designação das bolsas 1. O programa PAPSummer pretende dar a oportunidade a estudantes portugueses ( Estudante ) de desenvolver um

Leia mais

Programa: Aprendizagem ao Logo da Vida Programa Sectorial: Erasmus. Acção: Mobilidade de Pessoal para Formação

Programa: Aprendizagem ao Logo da Vida Programa Sectorial: Erasmus. Acção: Mobilidade de Pessoal para Formação Gabinete de Projectos do Instituto Politécnico de Beja GP IPBeja Programa: Aprendizagem ao Logo da Vida Programa Sectorial: Erasmus Acção: Mobilidade de Pessoal para Formação ( ) Esta acção permite ao

Leia mais

BOLSA FUNDAÇÃO LUSO-AMERICANA / FULBRIGHT PARA DOUTORAMENTOS REGULAMENTO I DISPOSIÇÕES GERAIS

BOLSA FUNDAÇÃO LUSO-AMERICANA / FULBRIGHT PARA DOUTORAMENTOS REGULAMENTO I DISPOSIÇÕES GERAIS BOLSA FUNDAÇÃO LUSO-AMERICANA / FULBRIGHT PARA DOUTORAMENTOS REGULAMENTO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1º - Objecto O presente Regulamento consagra as normas aplicáveis à atribuição das bolsas Fundação Luso-Americana

Leia mais

Sistema de formação e certificação de competências

Sistema de formação e certificação de competências Sistema de Formação e Certificação de Competências Portal das Escolas Manual de Utilizador Docente Referência Projecto Manual do Utilizador Docente Sistema de formação e certificação de competências Versão

Leia mais

Regulamento de Acesso à Medida 7.1 - Desenvolvimento de Centros de Competências em TIC" Programa Operacional Sociedade do Conhecimento

Regulamento de Acesso à Medida 7.1 - Desenvolvimento de Centros de Competências em TIC Programa Operacional Sociedade do Conhecimento Regulamento de Acesso à Medida 7.1 - Desenvolvimento de Centros de Competências em TIC" Programa Operacional Sociedade do Conhecimento PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS Despacho Sob proposta do Gestor

Leia mais

Avaliação do Desempenho do. Pessoal Docente. Manual de Utilizador

Avaliação do Desempenho do. Pessoal Docente. Manual de Utilizador Avaliação do Desempenho do Pessoal Docente Manual de Utilizador Junho de 2011 V6 Índice 1 ENQUADRAMENTO... 4 1.1 Aspectos gerais... 4 1.2 Normas importantes de acesso e utilização da aplicação... 4 1.3

Leia mais

REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO (2º CICLO) EM ENGENHARIA ZOOTÉCNICA / PRODUÇÃO ANIMAL

REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO (2º CICLO) EM ENGENHARIA ZOOTÉCNICA / PRODUÇÃO ANIMAL REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO (2º CICLO) EM ENGENHARIA ZOOTÉCNICA / PRODUÇÃO ANIMAL Ao abrigo do Decreto-Lei nº 74/2006 de 24 de Março, e do disposto na Deliberação nº 1487/2006 de 26 de Outubro, da

Leia mais

REGULAMENTO PARA PLANOS DE COMERCIALIZAÇÃO E VENDA. Capítulo I. Objecto e condições de elegibilidade das candidaturas. Artigo 1º.

REGULAMENTO PARA PLANOS DE COMERCIALIZAÇÃO E VENDA. Capítulo I. Objecto e condições de elegibilidade das candidaturas. Artigo 1º. REGULAMENTO PARA PLANOS DE COMERCIALIZAÇÃO E VENDA Capítulo I Objecto e condições de elegibilidade das candidaturas Artigo 1º (Objecto) O Presente Regulamento tem por objecto a fixação das condições de

Leia mais

GUIA DO CANDIDATO ESTAGIÁRIO LEONARDO DA VINCI MOBILIDADE

GUIA DO CANDIDATO ESTAGIÁRIO LEONARDO DA VINCI MOBILIDADE GUIA DO CANDIDATO ESTAGIÁRIO LEONARDO DA VINCI MOBILIDADE I. U.PORTO - ENTIDADE DE ENVIO/PROMOTORA...3 II. MOBILIDADE TRANSNACIONAL DOS ESTAGIÁRIOS...4 III. ESTÁGIOS DO PROGRAMA LEONARDO DA VINCI...4 IV.

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 09.03.2001 COM(2001) 128 final 2001/0067 (ACC) VOLUME IV Proposta de DECISÃO DO CONSELHO Relativa à posição da Comunidade no Conselho de Associação sobre a

Leia mais

Regulamento Interno. Artigo 1º (Missão)

Regulamento Interno. Artigo 1º (Missão) Regulamento Interno O presente regulamento aplica-se a todos os Cursos de formação concebidos, organizados e desenvolvidos pelo Nucaminho - Núcleo dos Camionistas do Minho, com o objetivo de promover o

Leia mais

INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE COIMBRA EDITAL DE ABERTURA DE CONCURSO DE ACESSO MESTRADO EM ENGENHARIA E GESTÃO INDUSTRIAL.

INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE COIMBRA EDITAL DE ABERTURA DE CONCURSO DE ACESSO MESTRADO EM ENGENHARIA E GESTÃO INDUSTRIAL. INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE COIMBRA EDITAL DE ABERTURA DE CONCURSO DE ACESSO MESTRADO EM ENGENHARIA E GESTÃO INDUSTRIAL Edição 2015-2017 Nos termos do Decreto -Lei n.º 42/2005, de pelo 22 de Fevereiro,

Leia mais

Ministérios das Finanças e dos Negócios Estrangeiros

Ministérios das Finanças e dos Negócios Estrangeiros Ministérios das Finanças e dos Negócios Estrangeiros Portaria n.º /2010 Contratação temporária para o Ensino Português no Estrangeiro Nos termos do artigo 32.º do Decreto-Lei n.º 165/2006, de 11 de Agosto,

Leia mais

MUNICÍPIO DE MONTEMOR-O-VELHO. Nota Justificativa

MUNICÍPIO DE MONTEMOR-O-VELHO. Nota Justificativa Nota Justificativa A Constituição da República Portuguesa define no n.º 2 do artigo 73.º que O Estado promove a democratização da Educação e as demais condições para que a Educação, realizada através da

Leia mais

ASSUNTO: Certificação de Organizações de Formação do pessoal do controlo de tráfego aéreo, prevista na Lei n.º 6/2009, de 29 de Janeiro

ASSUNTO: Certificação de Organizações de Formação do pessoal do controlo de tráfego aéreo, prevista na Lei n.º 6/2009, de 29 de Janeiro INSTITUTO NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL, I.P. C I R C U L A R D E I N F O R M A Ç Ã O A E R O N Á U T I C A PORTUGAL INFORMAÇÃO AERONÁUTICA Aeroporto da Portela / 1749-034 Lisboa Telefone: 21 842 35 02 / Fax:

Leia mais

PROGRAMA DE FORMAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS NA GESTÃO CULTURAL E DAS ARTES. Guia de Candidatura

PROGRAMA DE FORMAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS NA GESTÃO CULTURAL E DAS ARTES. Guia de Candidatura 2015 PROGRAMA DE FORMAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS NA GESTÃO CULTURAL E DAS ARTES Guia de Candidatura 1. Objectivos Os objectivos deste Programa são como auxílio às associações locais de arte e cultura a criarem

Leia mais

Programa Municipal de Intervenção Vocacional EU PERTENÇO AO MEU FUTURO 12º ANO. FAQ s - Lista de Questões Frequentes

Programa Municipal de Intervenção Vocacional EU PERTENÇO AO MEU FUTURO 12º ANO. FAQ s - Lista de Questões Frequentes Programa Municipal de Intervenção Vocacional EU PERTENÇO AO MEU FUTURO 12º ANO FAQ s - Lista de Questões Frequentes 1 - Já escolhi o curso superior quero frequentar. Devo ainda assim inscrever-me no Programa

Leia mais

M a n u a l d o C a n d i d a t o

M a n u a l d o C a n d i d a t o Para efectuar o processo de candidatura deverá aceder ao site abaixo indicado. Link: http://ff.academicos.ul.pt/cssnetff Para iniciar o processo é necessário clicar no tipo de curso que se pretende candidatar,

Leia mais

Ferramentas à disposição dos beneficiários

Ferramentas à disposição dos beneficiários Ferramentas à disposição dos beneficiários O Guia de Gestão do Projecto Processo e regras de funcionamento do Programa: Como encontrar o caminho? Acordo de Concessão FEDER Modelo A Orgãos de gestão Controle

Leia mais

Reitoria PROGRAMA DE BOLSAS DE MOBILIDADE PARA ESTUDANTES. Regulamento. Artigo 1º (Disposições Gerais)

Reitoria PROGRAMA DE BOLSAS DE MOBILIDADE PARA ESTUDANTES. Regulamento. Artigo 1º (Disposições Gerais) Reitoria PROGRAMA DE BOLSAS DE MOBILIDADE PARA ESTUDANTES Regulamento Artigo 1º (Disposições Gerais) O Programa de Bolsas de Mobilidade para Estudantes da Universidade de Lisboa tem por objectivo proporcionar

Leia mais

BOLSAS DE ESTUDO PARA APERFEIÇOAMENTO EM MÚSICA REGULAMENTO. DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1º

BOLSAS DE ESTUDO PARA APERFEIÇOAMENTO EM MÚSICA REGULAMENTO. DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1º BOLSAS DE ESTUDO PARA APERFEIÇOAMENTO EM MÚSICA REGULAMENTO DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1º 1. Com o fim de estimular a valorização profissional e a especialização nos diversos domínios da Música, a Fundação

Leia mais

ALTERAÇÕES AO REGIME DO DESEMPREGO (comparação artigo a artigo) Redacção anterior Nova redação DL 64/2012 Artigo 9.º

ALTERAÇÕES AO REGIME DO DESEMPREGO (comparação artigo a artigo) Redacção anterior Nova redação DL 64/2012 Artigo 9.º ALTERAÇÕES AO REGIME DO DESEMPREGO (comparação artigo a artigo) Artigo 9.º Artigo 9.º Desemprego involuntário Desemprego involuntário 1 - O desemprego considera-se involuntário sempre que a cessação do

Leia mais

O que esperar do SVE KIT INFORMATIVO PARTE 1 O QUE ESPERAR DO SVE. Programa Juventude em Acção

O que esperar do SVE KIT INFORMATIVO PARTE 1 O QUE ESPERAR DO SVE. Programa Juventude em Acção O QUE ESPERAR DO SVE Programa Juventude em Acção KIT INFORMATIVO Parte 1 Maio de 2011 Introdução Este documento destina-se a voluntários e promotores envolvidos no SVE. Fornece informações claras a voluntários

Leia mais

Versão Consolidada. Portaria n.º 964/2009 de 25 de Agosto

Versão Consolidada. Portaria n.º 964/2009 de 25 de Agosto Portaria n.º 964/2009 de 25 de Agosto O Regulamento (CE) n.º 1698/2005, do Conselho, de 20 de Setembro, relativo ao apoio ao desenvolvimento rural pelo Fundo Europeu Agrícola de Desenvolvimento Rural (FEADER),

Leia mais

Instrumento Europeu para Democracia e Direitos Humanos

Instrumento Europeu para Democracia e Direitos Humanos Entidade Contratante: Delegação da União Europeia em Moçambique Instrumento Europeu para Democracia e Direitos Humanos Orientações destinadas aos requerentes de subvenções CORRIGENDUM Concurso restrito

Leia mais

GUIA DE APOIO AO PREENCHIMENTO FORMULÁRIO DE PEDIDO DE PAGAMENTO

GUIA DE APOIO AO PREENCHIMENTO FORMULÁRIO DE PEDIDO DE PAGAMENTO GUIA DE APOIO AO PREENCHIMENTO FORMULÁRIO DE PEDIDO DE PAGAMENTO \ Este guia tem por finalidade prestar apoio aos beneficiários com o intuito de facilitar o preenchimento do formulário de Pedido de Pagamento

Leia mais

TEOLOGIA E ESPIRITUALIDADE DA FAMÍLIA

TEOLOGIA E ESPIRITUALIDADE DA FAMÍLIA www.ft.lisboa.ucp.pt Universidade Católica Portuguesa savlita TEOLOGIA E ESPIRITUALIDADE DA FAMÍLIA SITUAÇÕES ESPECIAIS 1ª EDIÇÃO DOCUMENTO IDENTIDADE DO CURSO REGULAMENTO INFORMAÇÕES Gabinete de Apoio

Leia mais

Guião de Ajuda. Inscrição. Instituto Português da Juventude Departamento de Associativismo

Guião de Ajuda. Inscrição. Instituto Português da Juventude Departamento de Associativismo Guião de Ajuda Inscrição Instituto Português da Juventude Departamento de Associativismo ÍNDICE Títulos Pág. Apresentação do Roteiro do Associativismo 3 Aceder ao Roteiro do Associativismo 4 Inscrever/Atualizar

Leia mais

DESPACHO. N.º 21 /2011 Data: 2011/05/30 Para conhecimento de: Pessoal Docente, Discente e Não Docente

DESPACHO. N.º 21 /2011 Data: 2011/05/30 Para conhecimento de: Pessoal Docente, Discente e Não Docente DESPACHO N.º 21 /2011 Data: 2011/05/30 Para conhecimento de: Pessoal Docente, Discente e Não Docente ASSUNTO: Regulamento de Cursos de Especialização Tecnológica da ESTeSL. No âmbito da sua missão e objectivos

Leia mais

ÍNDICE. 1 - Disposições Gerais... 3. 2 - Ensino Básico... 4. 3 - Ensino Secundário... 4. 4 - Alunos com Necessidades Educativas Especiais...

ÍNDICE. 1 - Disposições Gerais... 3. 2 - Ensino Básico... 4. 3 - Ensino Secundário... 4. 4 - Alunos com Necessidades Educativas Especiais... MUNICÍPIO DE VILA FRANCA DE XIRA NORMAS DE PROCEDIMENTO DE CANDIDATURA AO SUBSÍDIO DE TRANSPORTE ÍNDICE 1 - Disposições Gerais... 3 2 - Ensino Básico... 4 3 - Ensino Secundário... 4 4 - Alunos com Necessidades

Leia mais

Termos e Condições da One.com v.09 Os seguintes termos são aplicáveis na One.com a partir de 1 de Setembro de 2015. 1. Subscrição:

Termos e Condições da One.com v.09 Os seguintes termos são aplicáveis na One.com a partir de 1 de Setembro de 2015. 1. Subscrição: Termos e Condições da One.com v.09 Os seguintes termos são aplicáveis na One.com a partir de 1 de Setembro de 2015. 1. Subscrição: Uma subscrição de um espaço web da One.com oferece acesso aos servidores

Leia mais

RMABE-Regulamento Municipal de Atribuição de Bolsas de Estudo Preâmbulo

RMABE-Regulamento Municipal de Atribuição de Bolsas de Estudo Preâmbulo RMABE-Regulamento Municipal de Atribuição de Bolsas de Estudo Preâmbulo Os Municípios são as Autarquias Locais que têm como objectivo primordial a prossecução dos interesses próprios e comuns dos respectivos

Leia mais

Para aceder ao Portal das Finanças e validar ou confirmar as facturas deverão seguir o seguinte caminho:

Para aceder ao Portal das Finanças e validar ou confirmar as facturas deverão seguir o seguinte caminho: Dedução de despesas IRS 2015 A partir de 2015 as despesas dedutíveis à colecta de IRS, que agregam as despesas com todos os membros do agregado familiar, incluindo os filhos, exigem uma observância rigorosa

Leia mais

7 REGULAMENTO DE UNIDADES CURRICULARES DE DISSERTAÇÃO

7 REGULAMENTO DE UNIDADES CURRICULARES DE DISSERTAÇÃO 7 REGULAMENTO DE UNIDADES CURRICULARES DE DISSERTAÇÃO De acordo com o estipulado no artigo 20º do Decreto-Lei nº 74/2006 de 24 de Março, o ciclo de estudos conducente ao grau de mestre conferido pelo IST

Leia mais

ACORDO DE PRÉ-ADESÃO Candidatura Sistema de Incentivos COMPETE 2020 Projetos Conjuntos - Formação-ação (aviso 07/SI/2016)

ACORDO DE PRÉ-ADESÃO Candidatura Sistema de Incentivos COMPETE 2020 Projetos Conjuntos - Formação-ação (aviso 07/SI/2016) ACORDO DE PRÉ-ADESÃO Candidatura Sistema de Incentivos COMPETE 2020 Projetos Conjuntos - Formação-ação (aviso 07/SI/2016) O presente acordo define os termos de manifestação de interesse das empresas na

Leia mais

AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS A INICIATIVAS DE COOPERAÇÃO BILATERAL NO ÂMBITO DO PROGRAMA CIDADANIA ATIVA

AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS A INICIATIVAS DE COOPERAÇÃO BILATERAL NO ÂMBITO DO PROGRAMA CIDADANIA ATIVA AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS A INICIATIVAS DE COOPERAÇÃO BILATERAL NO ÂMBITO DO PROGRAMA CIDADANIA ATIVA Nos termos do Regulamento Geral do Programa Cidadania Ativa (doravante o Regulamento

Leia mais

Introdução... 3. 1ª Parte - Acesso à Aplicação Avaliação Online... 4 I Aceder à Aplicação... 4 1. Inscrição... 4 2. Acesso à Aplicação...

Introdução... 3. 1ª Parte - Acesso à Aplicação Avaliação Online... 4 I Aceder à Aplicação... 4 1. Inscrição... 4 2. Acesso à Aplicação... Índice Introdução... 3 1ª Parte - Acesso à Aplicação Avaliação Online... 4 I Aceder à Aplicação... 4 1. Inscrição... 4 2. Acesso à Aplicação... 4 II Entrada na Aplicação... 5 1. Informações... 6 1. Avaliação

Leia mais

Regulamentos REGULAMENTO DE PROPINAS DA UPORTO

Regulamentos REGULAMENTO DE PROPINAS DA UPORTO Regulamentos REGULAMENTO DE PROPINAS DA UPORTO Aprovado pelo Conselho Geral da UPorto em 26 de Fevereiro de 2010 Alterado pelo Conselho Geral da UPorto em 18 de Março de 2011 Ao abrigo da Lei n.º 37/2003,

Leia mais

Instituto Superior de Contabilidade e Administração de Coimbra

Instituto Superior de Contabilidade e Administração de Coimbra Artigo 1.º Âmbito O presente Regulamento fixa as normas gerais relativas a matrículas e inscrições nos cursos do Instituto Superior de Contabilidade e Administração de Coimbra. Artigo 2.º Definições De

Leia mais

REGULAMENTO DOS CURSOS DO CENTRO DE ESTUDOS EM DIREITO DO ORDENAMENTO, DO URBANISMO E DO AMBIENTE

REGULAMENTO DOS CURSOS DO CENTRO DE ESTUDOS EM DIREITO DO ORDENAMENTO, DO URBANISMO E DO AMBIENTE CAPÍTULO I CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM DIREITO DO ORDENAMENTO, DO URBANISMO E DO AMBIENTE Artigo 1.º (Constituição do Curso) 1. O Curso de Especialização em Direito do Ordenamento, do Urbanismo e do Ambiente

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DE APOIO E FINANCIAMENTO DO ASSOCIATIVISMO DESPORTIVO

REGULAMENTO MUNICIPAL DE APOIO E FINANCIAMENTO DO ASSOCIATIVISMO DESPORTIVO MUNICÍPIO DE S. PEDRO DO SUL GABINETE DE DESPORTO REGULAMENTO MUNICIPAL DE APOIO E FINANCIAMENTO DO ASSOCIATIVISMO DESPORTIVO REGULAMENTO MUNICIPAL DE APOIO E FINANCIAMENTO DO ASSOCIATIVISMO DESPORTIVO

Leia mais

TURISMO DE PORTUGAL DEPARTAMENTO DE RECURSOS HUMANOS REGULAMENTO GERAL DA FORMAÇÃO

TURISMO DE PORTUGAL DEPARTAMENTO DE RECURSOS HUMANOS REGULAMENTO GERAL DA FORMAÇÃO TURISMO DE PORTUGAL DEPARTAMENTO DE RECURSOS HUMANOS REGULAMENTO GERAL DA FORMAÇÃO INDICE 1 NOTA PRÉVIA 3 2 LINHAS DE ORIENTAÇÃO ESTRATÉGICA 4 3 PLANO DE FORMAÇÃO 4 4 FREQUÊNCIA DE ACÇÕES DE FORMAÇÃO 6

Leia mais

Inquérito aos Estabelecimentos de Ensino: TIC e Educação MANUAL DO COORDENADOR ESCOLAR

Inquérito aos Estabelecimentos de Ensino: TIC e Educação MANUAL DO COORDENADOR ESCOLAR Inquérito aos Estabelecimentos de Ensino: TIC e Educação MANUAL DO COORDENADOR ESCOLAR European Schoolnet Service d Approches Quantitatives des faits éducatifs Índice Introdução... 2 1. VISÃO GERAL DA

Leia mais

INSTITUTO POLITÉCNICO DE COIMBRA EDITAL DE ABERTURA DE ACESSO A CURSOS DE MESTRADOS DO INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE COIMBRA.

INSTITUTO POLITÉCNICO DE COIMBRA EDITAL DE ABERTURA DE ACESSO A CURSOS DE MESTRADOS DO INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE COIMBRA. INSTITUTO POLITÉCNICO DE COIMBRA EDITAL DE ABERTURA DE ACESSO A CURSOS DE MESTRADOS DO INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE COIMBRA Edição 2014-2016 Nos termos do Decreto -Lei n.º 42/2005, de pelo 22 de

Leia mais

FAQS ATRIBUIÇÃO DE HABITAÇÕES

FAQS ATRIBUIÇÃO DE HABITAÇÕES FAQS ATRIBUIÇÃO DE HABITAÇÕES 1 Onde é que posso obter o Regulamento do concurso? O Regulamento do concurso pode ser obtido: a) Nos escritórios da SPRHI, SA: - Rua Carvalho Araújo n.º38-b, em Ponta Delgada

Leia mais

Abra o ficheiro «Formulário de Candidatura» e guarde-o no seu computador

Abra o ficheiro «Formulário de Candidatura» e guarde-o no seu computador NOTA PRÉVIA As candidaturas ao Programa de Financiamento a projectos pelo INR, I.P. implicam 2 momentos distintos e complementares: Efetuar a candidatura on-line, através da plataforma web disponível no

Leia mais

PROSPECT. Manual do Utilizador

PROSPECT. Manual do Utilizador PROSPECT Manual do Utilizador 1 Tabela de Conteúdos 1. INTRODUÇÃO...3 1.1 O QUE É O PROSPECT?... 3 2. ANTES DE COMEÇAR: DICAS PARA AJUDÁ-LO COM A SUA CANDIDATURA...4 3. ACESSO E SUBMISSÃO DE UMA CANDIDATURA

Leia mais

Regulamento de Formação AIP

Regulamento de Formação AIP Regulamento de Formação AIP Introdução Considerando que: Primeiro: A AIP Associação Industrial Portuguesa - Câmara de Comércio e Indústria é uma organização de utilidade pública sem fins lucrativos que

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DEPARTAMENTO DE FORMAÇÃO HAPINEZ CENTRO DE EXCELÊNCIA PARA A PSICOLOGIA. Pág.1/19

REGULAMENTO INTERNO DEPARTAMENTO DE FORMAÇÃO HAPINEZ CENTRO DE EXCELÊNCIA PARA A PSICOLOGIA. Pág.1/19 REGULAMENTO INTERNO DEPARTAMENTO DE FORMAÇÃO HAPINEZ CENTRO DE EXCELÊNCIA PARA A PSICOLOGIA Pág.1/19 Índice DISPOSIÇÕES GERAIS 3 1. Localização 3 2. Âmbito 3 3. Política e Estratégia de Actuação 3 4. Inscrições

Leia mais

Introdução. Artigo 1.º Objecto e âmbito de aplicação

Introdução. Artigo 1.º Objecto e âmbito de aplicação 1 REGULAMENTO DA VENDA DE LOTES PARA CONSTRUÇÃO DE HABITAÇÃO EM LOTEAMENTOS MUNICIPAIS A JOVENS NATURAIS OU RESIDENTES NO CONCELHO DAS CALDAS DA RAINHA Introdução Com o objectivo de fixar jovens nas freguesias

Leia mais

Manual do Fénix. Portal Secretaria da Escola Portal Conselho Científico Portal Direcção de Curso. Candidatura Online para o 2.

Manual do Fénix. Portal Secretaria da Escola Portal Conselho Científico Portal Direcção de Curso. Candidatura Online para o 2. Manual do Fénix Portal Secretaria da Escola Portal Conselho Científico Portal Direcção de Curso Candidatura Online para o 2. º Ciclo SI (Versão 1.0) Maio 2011 Este manual tem como objectivo auxiliar na

Leia mais

Fondo Europeo de Desarrollo Regional

Fondo Europeo de Desarrollo Regional Anúncio da Autoridade de Gestão (Vice-secretaria da Economia e Assuntos Económicos com a União Europeia do Governo das Canárias), pelo qual se dá publicidade à primeira convocatória do Programa Operacional

Leia mais

Bem-vindo ao nosso mundo virtual! Guia do Portal de Ensino à Distância da Get Training 1

Bem-vindo ao nosso mundo virtual! Guia do Portal de Ensino à Distância da Get Training 1 Após uma experiência formativa de mais de 20 anos em formação presencial, e tendo sempre como princípios a inovação e a satisfação do cliente, é com grande satisfação que a Get Training implementa este

Leia mais

REGULAMENTO DOS REGIMES DE MUDANÇA DE CURSO, TRANSFERÊNCIA E REINGRESSO

REGULAMENTO DOS REGIMES DE MUDANÇA DE CURSO, TRANSFERÊNCIA E REINGRESSO Regulamento dos Regimes de Mudança de Curso, Transferência e Reingresso Página 1 de 10 REGULAMENTO DOS REGIMES DE MUDANÇA DE CURSO, TRANSFERÊNCIA E REINGRESSO Preâmbulo A Portaria n.º 401/2007, de 5 de

Leia mais

EIXO 1 Adaptabilidade e Aprendizagem ao Longo da Vida NOTA TÉCNICA

EIXO 1 Adaptabilidade e Aprendizagem ao Longo da Vida NOTA TÉCNICA EIXO 1 Adaptabilidade e Aprendizagem ao Longo da Vida NOTA TÉCNICA NATUREZA E LIMITES MÁXIMOS DOS CUSTOS ELEGÍVEIS (Decreto - Regulamentar 84-A/2007, Despachos Conjuntos das Secretarias Regionais da Educação

Leia mais

FAQ's - Preparação da mobilidade e questões logísticas do intercâmbio

FAQ's - Preparação da mobilidade e questões logísticas do intercâmbio FAQ's - Preparação da mobilidade e questões logísticas do intercâmbio 1. Devo matricular-me na UAc mesmo indo para o estrangeiro? 2. Tenho de pagar propinas na UAc? 3. Tenho que pagar propinas na Universidade

Leia mais

Prova de Avaliação de Conhecimentos e Capacidades - Inscrição

Prova de Avaliação de Conhecimentos e Capacidades - Inscrição MANUAL DE INSTRUÇÕES Prova de Avaliação de Conhecimentos e Capacidades - Inscrição 24 de novembro 2014 Versão 01 Índice 1 ENQUADRAMENTO... 5 1.1 Aspetos gerais... 5 1.2 Normas importantes de acesso e utilização

Leia mais

Programa ERASMUS. Mobilidade de Estudantes para Estudos - (Students Mobility for Study -SMS) GUIA ERASMUS PERGUNTAS E RESPOSTAS

Programa ERASMUS. Mobilidade de Estudantes para Estudos - (Students Mobility for Study -SMS) GUIA ERASMUS PERGUNTAS E RESPOSTAS Programa ERASMUS Mobilidade de Estudantes para Estudos - (Students Mobility for Study -SMS) GUIA ERASMUS PERGUNTAS E RESPOSTAS FORMALIZAÇÃO DA CANDIDATURA 1. Quais são os prazos para formalizar a candidatura?

Leia mais

GUIA DE PREENCHIMENTO DO FORMULÁRIO. (Módulo da Entidade Parceira Exclusivamente Financiadora)

GUIA DE PREENCHIMENTO DO FORMULÁRIO. (Módulo da Entidade Parceira Exclusivamente Financiadora) ACÇÃO 4.2.2 REDES TEMÁTICAS DE INFORMAÇÃO E DIVULGAÇÃO GUIA DE PREENCHIMENTO DO FORMULÁRIO (Módulo da Entidade Parceira Exclusivamente Financiadora) União Europeia FEADER PRODER 1 INSTRUÇÕES PARA UMA CORRECTA

Leia mais

Perguntas mais frequentes sobre o Subsídio para aquisição de material escolar a estudantes do ensino superior no ano lectivo de 2014/2015

Perguntas mais frequentes sobre o Subsídio para aquisição de material escolar a estudantes do ensino superior no ano lectivo de 2014/2015 Perguntas mais frequentes sobre o Subsídio para aquisição de material escolar a estudantes do ensino superior no ano lectivo de 2014/2015 Destinatários e Condições da atribuição do subsídio 1. Quem são

Leia mais

«Sobre o local, data e horário» O local para apresentação de candidaturas situa-se na Rua do Campo, n. 162, Edifício Administração Pública, cave

«Sobre o local, data e horário» O local para apresentação de candidaturas situa-se na Rua do Campo, n. 162, Edifício Administração Pública, cave Concurso comum, de ingresso externo, os lugares vagos de técnico de 2.ª classe, 1.º escalão, da carreira de técnico, área de comunicação oral e escrita em língua chinesa Questões frequentes sobre a apresentação

Leia mais

REGULAMENTO DO CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTE AO GRAU DE MESTRE EM ANIMAÇÃO DIGITAL

REGULAMENTO DO CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTE AO GRAU DE MESTRE EM ANIMAÇÃO DIGITAL REGULAMENTO DO CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTE AO GRAU DE MESTRE EM ANIMAÇÃO DIGITAL CAPÍTULO I GRAU DE MESTRE Artigo 1.º Criação A ESAP Guimarães confere o grau de Mestre em Animação Digital. O ciclo de estudos

Leia mais

Programa ERASMUS. Mobilidade de Estudantes para Estudos - (Students Mobility for Study -SMS) GUIA ERASMUS PERGUNTAS E RESPOSTAS PRÉ-CANDIDATURA

Programa ERASMUS. Mobilidade de Estudantes para Estudos - (Students Mobility for Study -SMS) GUIA ERASMUS PERGUNTAS E RESPOSTAS PRÉ-CANDIDATURA Programa ERASMUS Mobilidade de Estudantes para Estudos - (Students Mobility for Study -SMS) GUIA ERASMUS PERGUNTAS E RESPOSTAS PRÉ-CANDIDATURA 1. Quem se pode candidatar à mobilidade Erasmus para estudos?

Leia mais

Edital FAPERJ n.º 17/2010 Parceria CAPES/FAPERJ PROGRAMA EQUIPAMENTO SOLIDÁRIO CAPES/FAPERJ 2010

Edital FAPERJ n.º 17/2010 Parceria CAPES/FAPERJ PROGRAMA EQUIPAMENTO SOLIDÁRIO CAPES/FAPERJ 2010 Edital n.º 17/2010 Parceria / PROGRAMA EQUIPAMENTO SOLIDÁRIO / 2010 O Ministério da Educação, por meio da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior, e o Governo do Estado do Rio de Janeiro,

Leia mais