Cleiton Aguiar Dos Santos Rodrigues Universidade Federal da Grande Dourados-UFGD INTRODUÇÃO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Cleiton Aguiar Dos Santos Rodrigues Universidade Federal da Grande Dourados-UFGD E-mail: casr0309@hotmail.com INTRODUÇÃO"

Transcrição

1 Cleiton Aguiar Dos Santos Rodrigues Universidade Federal da Grande Dourados-UFGD INTRODUÇÃO O presente trabalho, de iniciação científica, faz parte de um projeto maior intitulado Questão agrária e apropriação territorial: impasses, possibilidades e perspectivas no sul de Mato Grosso do Sul, coordenado pela professora Márcia Yukari Mizusaki. Tem como finalidade caracterizar os principais problemas vivenciados pelos povos indígenas no município de Amambai, Estado de Mato Grosso do Sul, a partir do estudo das condições de reprodução social. A população indígena do município é de habitantes e representa 20,8% do total do município. Como não se verificaram estudos sobre o tema no município, a pesquisa tem por finalidade contribuir para os estudos de Geografia Agrária no Estado. Quanto à metodologia utilizada utilizou-se inicialmente de levantamento bibliográfico e documental relacionado à temática na Biblioteca e no Centro de Documentação Regional da UFGD, bem como, em sites da internet e revistas especializadas. Foram realizadas leituras de textos acompanhados de discussões periódicas com a orientadora. O trabalho de campo ocorreu paralelamente à revisão bibliográfica, visando à coleta de material empírico, por meio de realização de entrevistas, registro de imagens, levantamento de dados junto a órgãos relacionados, como a FUNAI (Fundação Nacional do Índio), o CIMI (Conselho Indigenista Missionário), IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) e outros órgãos que se fizeram necessários. Os resultados obtidos até o presente momento não fogem à expectativa sendo eles esperados visto que o conflito entre proprietários de terra e indígenas na cidade é um fato recorrente; as condições de infraestrutura oferecidas aos índios são precárias (são exemplos o posto de saúde cedido à população, a instalação e recepção dada aos índios do município quanto ao órgão responsável a FUNAI). Os dados populacionais oferecidos pelo IBGE até o momento podem ser considerados satisfatórios, com algumas ressalvas em relação a alguns itens que não constam como o número de indígenas que não reside na reserva e sim no perímetro urbano. Assim podese dizer que a pesquisa se encontra em um estágio onde estão sendo feitas as análises a

2 partir dos dados coletados até o presente momento. Sendo assim a pesquisa se encontra no meio, já que daqui para frente será realizada as analises dos dados e a elaboração dos mapas, gráficos e produção do texto que irá compor a pesquisa. CONSIDERAÇÕES SOBRE A QUESTÃO INDÍGENA NO MUNICÍPIO DE AMAMBAI-MS Devemos levar em consideração que a questão trabalhada até agora tem a finalidade de elucidar aspectos sobre os indígenas do município de Amambai, podemos considerar que a cidade localizada no cone-sul do estado de Mato grosso do sul não foge a regra em relação a outro municípios se tratando de reservas. É claro que existe suas peculiaridades das reservas como sua divisão interna e sua relação com os fazendeiros em volta e a cidade, a cultura Guarani Kaiowá frequentemente bombardeada pela cultura do não índio assimila traços perdendo sua identidade de considerável valor para entendermos como podemos ver o mundo de forma diferente. Ai entra o ponto de maior relevância para esse trabalho, a visão de mundo do Guarani Kaiowá é diferente de tudo que conhecemos até o presente momento, principalmente do modo de produção atual. Confinar aqueles que sempre foram livres é algo cruel, sim pois é confinamento o fato de isolar um grupo em uma porção de terra que sempre teve a intenção de distanciá-los o máximo da cidade, porém a cidade se aproxima daqueles que foram rejeitados lógico a cidade cresce, porém não houve a ideia de se aumentar a porção de terra daqueles já confinados, se simplesmente pensarmos na reserva indígena Amambai observamos que sua proximidade com a cidade é evidente. Porém ao questionarmos a população sobre o a presença da reserva nota-se que é como se estive-se distante e fora da realidade da maioria, mais ao andar pela cidade notamos a presença de indígenas pelas ruas na praça nos mercados nas escolas. Isto nos evidencia que o índio assim como em outras partes do nosso pais é ignorado esquecido, ao observamos o hospital indígena destinado ao cuidado dos mesmos, notamos que o descaço se encontra por parte do governo também. A também a apologia de que o índio faz o mal de que é drogado e alcoólatra que é um vagabundo que não trabalha.

3 Trabalhar sobre o assunto se torna complicado devido de que a recepção por parte de muitos que se torna em alguns casos agressiva, já que os fatos citados a cima vem sempre a mente de algumas muitas pessoas quando se fala da questão indígena. O fato do confinamento tratado e levantado por Brand em o Confinamento e Seus Impactos Sobre os Pãi/Kaiowá nos mostra que ainda mesmo com décadas depois de sue trabalho ainda entendem o índio como um empecilho ao progresso, progresso esse lógico de modo capitalista geração de dinheiro pensar que para gerar renda foi preciso tirar índios de sua terra para ser gentil quando nos referimos à questão porque não é novidade que mortes aconteceram e muitos conflitos claro sempre o mais forte venceu, logico legitimado pelo estado futuramente, sim pelo fato da construção de órgãos e instrumentos para cuidar de assuntos como a construção do Serviço de Proteção aos Índios (SPI) que tinha o papel de cuidar do índio porém em casos não o fez. Como nos revela Brand(1993): A perda da terra veio acompanhada pela interferência direta e permanente do Estado no dia a dia da vida na aldeia, com a correspondente imposição de novas chefias e, progressivamente, do nosso conceito de posse da terra mediante a divisão em lotes e a desarticulação das relações de parentesco e de solidariedade. (BRAND, 1993, p. 244) O passado nos revela que o futuro não é tão diferente assim os serviços sociais do município nos revela que o órgão maior a FUNAI (Fundação Nacional do Índio) não é tão ativa a ponto de suprir as necessidades da população como diz Aquino (2012) em sua citação: Mas com o avanço da civilização e o aumento da população começaram a haver mudanças dentro da aldeia. Depois que a Funai começou a atuar nas aldeias o panorama mudou, pois o órgão chegou apresentando o seu projeto e muitos índios se iludiram com isso. Mas a principal mudança aconteceu depois que a FUNAI levou maquinas agrícolas e sementes para as famílias, desde aquele momento a aldeia ficou dependente do órgão governamental, não conseguiram mais plantar suas roças por que um trator não dava conta de gradear todas as terras na época certa e a semente sempre chegava atrasada. Outro fator que dificultou foi que as famílias passaram a criar muita intriga por causa do trator. Então, a maioria das famílias não conseguiu mais plantar suas roças no modo tradicional (LOPES DA SILVA, apud AQUINO,2012, p.37)

4 A autora acima revela casos que não se difere muito da realidade das reservas de Amambai, a sua dimensão em consideração a terras levando em conta como a reserva Amambai com seus hectares pode se dizer que é sim uma área grande, mais sua população de quase 5 mil pessoas fica sufocada em tão pouco espaço e o pior é perceber que se torna inverso a associação a terra da reserva, já que aqueles adjetivos pejorativos o mais comum é preguiçoso, então a indagação é sempre eles querem terra para que, a resposta é simples a muito para pouco e eles não querem produzir algo como uma monocultura atividade esta muito comum se não a única, claro não devemos generalizar é claro porém a produção agrícola do município é voltada a soja, milho e pecuária, o índio quer algo para se manter ou seja é uma agricultura para manter a família mais como ele fazer isso se não lhe dão condições digo condições com terra e material. Essa ideia de monocultura fica clara no trecho de Mota (2011): Nos campos sul-mato-grossenses se delineia o avanço cada vez mais intenso do agronegócio, que também muda de lugar, muda de forma e formato, de acordo com os mandos e desmandos da lógica capitalista no sistema-mundo moderno-colonial. Adentram ainda mais intensamente os territórios Guarani e Kaiowá e de tantas outras sociedades indígenas, transformando a terra-mato em monocultivos e commodities de terra-soja, terra-cana, terraeucalipto...(mota, 211,p. 365) Outro exemplo de descaso dos órgãos responsáveis por manter o bem estar do índio em relação à agricultura é evidenciado em Oliveira; Pereira (2009), que mostra como o fator se torna mais complexo quando esses órgãos resolvem fechar seus olhos e favorecendo o capital. Constatou-se também que o conflito de interesses ora estabelecido tem sua origem em atos do próprio Estado Brasileiro, sobretudo do governo estado de Mato Grosso, quem colocou à venda terras indígenas não tituladas como sendo terras devolutas. Outrossim foi constatado que o antigo SPI, bem como a atual FUNAI, foram omissos na defesa dos direitos dos índios Kaiowá de Ñande Ru Marangatu, haja vista que desde 1952 o órgão indigenista oficial havia sido comunicado da situação conflituosa existente na região. O mesmo relato seguiu a partir da década de 1970, quando a antropóloga Lília Valle esteve na área em litígio, com vistas à realização de pesquisas acadêmicas, e elaborou um relatório que foi encaminhado à FUNAI.(OLIVEIRA;PEREIRA,2009,p. 284) O que se escuta aqui na cidade é nunca vejo o indo plantando nada, para que terra, talvez a melhor resposta seja já foi a reserva para comprovar o que fala, não é preciso ir

5 a reserva para notar que eles produzem sempre vemos alguns transitando pelo cidade vendendo seus produtos agrícolas que sobram como mandioca, milho verde, batata e obviamente suas ervas medicinais, então porque a o questionamento sempre de que não produzem nada. Uma resposta seria a influência da mídia do município, lógico ela nunca falara a favor do índio sendo que seus fiadores são grandes ruralistas, desta forma o meio mediático de massa define em parte o pensamento da maioria. Mais outro fator que contribuiria para ajudar a desmistificar o preconceito contra o índio é fazer o questionamento então como o índio planta se tudo é pago, dessa maneira a semente é paga, o insumo é pago, o material a plantar é pago, já que foi retirado do indo a oportunidade de preservar suas sementes criolas, então a solução disso seria a ajuda da instituição responsável pelo índio então dessa maneira logo notamos que tem algo errado porque quando indago sobre o material cedido para se produzir me falam que é destinado desta forma pergunto aos interessados os indígenas esses respondem que não lhes é repassado, desta maneira se observa algo de errado obviamente. Ao falar sobre o plantar notamos que existe toda uma relação por traz, porque o índio se torna refém de um órgão de órgãos de ONGs de Missões, não importa quem seja não importa o quanto queira ajudar não conseguem suprir tudo, desta maneira o índio não produz sem suplicar uma ajuda por simples sementes para se manter, ele esta perto da cidade mais o hospital que cuida dele esta longe, parece contraditório já que a reserva Amambai se localiza perto da cidade menos de 3 quilômetros a pergunta é mais e as outras duas à Jaguari e à Limão Verde, mesmo a primeira que fica menos distante, como alguém doente se move, a resposta é clara e lógica tem viaturas equipadas que vão promover o transporte dessas pessoas porém ao ver essas viaturas vemos que são sucateadas então notamos mais uma vez que o dinheiro destinado é mal utilizado. Um único aspecto que notei na pesquisa até o momento em relação ao confinamento e que me deixou mais feliz é o fato de ter escolas dentro das reservas visitadas ressalvo que infelizmente por ser distante não consegui me mover na reserva Jaguari, assim não podendo visualizar o estado da instalação de sua instituição. Mesmo assim se observa que é feito um trabalho para recuperar a identidade indígena é claro que o confinar e

6 ensinar é ruim pois como ira ensinar a uma criança sobre a história de seu povo que sempre viveu livre e se utilizando de artifícios como a caça e suas músicas para expressar sua cultura, para uma criança que fica presa a uma área restrita cercada não por mata mais sim por soja onde o máximo que conseguirá fazer é olhar um campo vazio de mata e cheio de soja, como ensinar a criança sobre seus cânticos repletos de traços culturais e emoção se ao reproduzir os mesmo fora da reserva esta sofrera uma retaliação dizendo que é macumba ou até mesmo como ensinar a cultura dos antigos a uma criança onde as igrejas dizem que só existe um Deus e é o deles, não visualizei nem soube de nenhuma casa de reza na reserva, então como destacar e resgatar a cultua se o seu traço mais forte que é a sua reza em um ambiente sagrado não esta presente no cotidiano. Religião e reserva no município de Amambai estão muito presentes estão completamente atrelados, observei varias igrejas pelas minhas caminhadas na reservas, o que chama a atenção é como elas transformam uma cultura, é relatado nos trabalhos de Brand (1993) e Langer; Chamorro (2012) a presença de missões e instituições ligadas a religião desde a colonização, aprendemos na escola que os missionários tinham o papel de ensinar e transformar o índio em um ser humano já que eram tidos como animais, cruel pois foi intencionalmente que eles removeram a cultura a reza, desta maneira hoje principalmente pode se observar que a ideia foi realizada com sucesso o problema é esse sucesso para quem ou talvez para que, talvez uma resposta seja transformar o índio em consumidor e algo que possa produzir um progresso para o modo de produção capitalista, claro que não é errado como muitos usam como desculpa o índio consumir os produtos do capital, mais quero dizer que pelo menos para o município o fato de ter índios que não creem mais no poder da sua reza e sim no poder do consumo é prejudicial. CONCLUSÃO Este trabalho de pesquisa ainda esta em andamento então as conclusões são preliminares, não tenho a finalidade de definir as características dos indígenas do município em relação ao dados fornecidos, tenho a finalidade de esboçar um dialogo

7 sobre a questão que é complexa sendo dessa maneira justifica o fato de não haver um material com a finalidade deste, a discussão levantada até o momento que é sobre como os índios estão nas reservas me fizeram chegar a conclusão até o momento de as características das reservas como grande número de pessoas em uma área pequena, dependência de órgãos, influência de instituições religiosas, assimilação da cultura do branco e perca da sua, nos da um panorama não muito diferente de outra regiões como as de Dourados, Caarapó, Antônio João, Iguatemi dentre outras áreas do estado de mato grosso do sul. Porém um ponto que pude notar é que em Amambai com algumas exceções á luta não é em si por uma porção maior de terra e sim por uma infra estrutura melhor nas que tem, se observa que houve investimentos sérios de infra estrutura como energia e água, mais outro deixam uma má impressão já que itens básicos como educação e saúde deixam ainda a desejar, claro que não podemos excluir os avanços de órgãos como a SESAI (Secretária Especial da Saúde Indígena) e avanços de instituições federais não envolvidas diretamente com a causa indígena como o MEC (Ministério da Educação) em especial, fizeram melhorias mais é óbvio que estas poderiam ser mais bem aplicadas, podem ser desenvolvidas mais vezes em prazos menores, não podemos culpar esses órgãos por uma burocracia que é nacional. Mais não podemos aceitar calados descasos com o indígena. Voltando ao ponto a cima falei que minha conclusão preliminar é que a maioria não quer terras e sim infraestrutura melhor mais como disse existe sim uma luta pela terra, claro que uma população suprimida em uma área minúscula para a quantia de gente presente iria resultar em disputas pela terra, ainda não tive oportunidade de conhecer os acampamentos então não posso concluir ou falar sobre a questão, assim como pretendo futuramente trabalhar ainda nessa pesquisa sobre o comercio e a relação com indígena. Sendo assim a conclusão parcial é que Amambai não foge a regra quanto à questão indígena discriminação e não compreensão de seu povo estão impregnados na vida da população das reservas assim como o esquecimento por parte das instituições. REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA

8 AQUINO, E. V. Educação Escolar Indígena e os Processos Próprios de Aprendizagem: Espaço de Inter-Relação de Conhecimentos na Infância Guarani/Kaiowá, Antes da Escola, na Comunidade Indígena de Amambai Amambai- MS f. Dissertação (Mestrado em Educação)- Universidade Católica Dom Bosco, Campo Grande. BRAND, A. O Confinamento e seu Impacto Sobre Pãi/Kaiowá f. Dissertação (Mestrado em História ) -Pontifícia Universidade Católica de Porto Alegre, Porto Alegre. MOTA, J. G.B. Territórios e Territorialidades Guarani e Kaiowá: da territorialização precária na reserva indígena de dourados á multiterritorialidade f. Dissertação (Mestrado em Geografia)- Universidade Federal da Grande Dourados, Dourados. OLIVEIRA, J. E. ; PEREIRA, L. M. Ñande Ru Marangatu: laudo parcial sobre uma terra kaiowá na fronteira do Brasil com o Paraguai, em Mato Grosso do Sul. Dourados: UFGD, 2009.

A Uwê uptabi Marãiwatsédé buscam o bem viver no território tradicional. Palavras-Chaves: Território Sustentabilidade- Bem Viver.

A Uwê uptabi Marãiwatsédé buscam o bem viver no território tradicional. Palavras-Chaves: Território Sustentabilidade- Bem Viver. A Uwê uptabi Marãiwatsédé buscam o bem viver no território tradicional. Este trabalho tem o objetivo de discutir a sustentabilidade do território A uwe- Marãiwatsédé, mediada pelas relações econômicas,

Leia mais

Como o bullying contra jovens indígenas estudantes de escolas de branco perpetua estereótipo negativo do índio

Como o bullying contra jovens indígenas estudantes de escolas de branco perpetua estereótipo negativo do índio Universidade de São Paulo Glenda Carlos Ferreira de Almeida Nilbberth Pereira da Silva Orientador: Professor Doutor José Coelho Sobrinho Como o bullying contra jovens indígenas estudantes de escolas de

Leia mais

Os Kaiowá e Guarani no Mato Grosso do Sul: os conflitos de terra e as marcas do SPI

Os Kaiowá e Guarani no Mato Grosso do Sul: os conflitos de terra e as marcas do SPI Os Kaiowá e Guarani no Mato Grosso do Sul: os conflitos de terra e as marcas do SPI Eranir Martins de Siqueira 1 Orientador: Antônio Jacó Brand. 2 Introdução. O presente trabalho centra-se na análise de

Leia mais

mundo. A gente não é contra branco. Somos aliados, queremos um mundo melhor para todo mundo. A gente está sentindo muito aqui.

mundo. A gente não é contra branco. Somos aliados, queremos um mundo melhor para todo mundo. A gente está sentindo muito aqui. Em 22 de maio de 2014 eu, Rebeca Campos Ferreira, Perita em Antropologia do Ministério Público Federal, estive na Penitenciária de Médio Porte Pandinha, em Porto Velho RO, com os indígenas Gilson Tenharim,

Leia mais

Povos indígenas nas regiões de fronteiras Direitos à documentação e a proposta do status especial cidadão indígena Mercosul

Povos indígenas nas regiões de fronteiras Direitos à documentação e a proposta do status especial cidadão indígena Mercosul Povos indígenas nas regiões de fronteiras Direitos à documentação e a proposta do status especial cidadão indígena Mercosul Marta Maria do Amaral Azevedo Núcleo de Estudos de População Elza Berquó NEPO/UNICAMP

Leia mais

PROCURADORIA DA REPÚBLICA NO MUNICÍPIO DE GUAÍRA PR RELATÓRIO DE VISITA TÉCNICA À ALDEIA TEKOHA GUARANI

PROCURADORIA DA REPÚBLICA NO MUNICÍPIO DE GUAÍRA PR RELATÓRIO DE VISITA TÉCNICA À ALDEIA TEKOHA GUARANI PRM-GUA-PR-00002864/2013 RELATÓRIO DE VISITA TÉCNICA À ALDEIA TEKOHA GUARANI Aos sete dias do mês de Junho de dois mil e treze foi realizada visita técnica à Aldeia Indígena Tekoha Guarani, localizada

Leia mais

Da perda à luta pela retomada do Tekoha Yvy Katu: o ciclo da erva-mate ao ciclo do soja (1940-2010)

Da perda à luta pela retomada do Tekoha Yvy Katu: o ciclo da erva-mate ao ciclo do soja (1940-2010) Da perda à luta pela retomada do Tekoha Yvy Katu: o ciclo da erva-mate ao ciclo do soja (1940-2010) Eliezer Martins Rodrigues Acadêmico do Curso de Licenciatura Indígena Teko Arandu (UFGD/FAED) Profª.

Leia mais

MORTE DO ÍNDIO OZIEL GABRIEL: UMA TRAGÉDIA ANUNCIADA. Senhor Presidente,

MORTE DO ÍNDIO OZIEL GABRIEL: UMA TRAGÉDIA ANUNCIADA. Senhor Presidente, ** Discurso proferido pelo deputado GERALDO RESENDE (PMDB/MS), em sessão no dia 05/06/2013. MORTE DO ÍNDIO OZIEL GABRIEL: UMA TRAGÉDIA ANUNCIADA Senhor Presidente, Senhoras e Senhores Deputados, No dia

Leia mais

ENTREVISTA COLETIVA. Senadora Kátia Abreu Presidente da CNA. 10 de julho de 2013. Compromisso com o Brasil

ENTREVISTA COLETIVA. Senadora Kátia Abreu Presidente da CNA. 10 de julho de 2013. Compromisso com o Brasil ENTREVISTA COLETIVA Senadora Kátia Abreu Presidente da CNA 10 de julho de 2013 Compromisso com o Brasil 1 Uso do Solo no Brasil Cidades e Infraestrutura 0,2% Terras Devolutas do Incra 17,6% Outros Usos:

Leia mais

se formaram, viveram, fizeram e o pouco que aprenderam ou muito foi dentro daquele órgão confuso, terrível, que talvez não seja o melhor para

se formaram, viveram, fizeram e o pouco que aprenderam ou muito foi dentro daquele órgão confuso, terrível, que talvez não seja o melhor para Sidnei Possuelo Eu em primeiro lugar queria agradecer a universidade por propiciar esse espaço hoje muito importante, muito importante, porque vivemos realmente uma crise, e esse espaço aqui é um espaço

Leia mais

A LINGUAGEM CINEMATOGRÁFICA NO PROCESSO EDUCATIVO: EXPERIÊNCIAS DO PET GEOGRAFIA NA ESCOLA ESTADUAL FLORIANO VIEGAS MACHADO

A LINGUAGEM CINEMATOGRÁFICA NO PROCESSO EDUCATIVO: EXPERIÊNCIAS DO PET GEOGRAFIA NA ESCOLA ESTADUAL FLORIANO VIEGAS MACHADO A LINGUAGEM CINEMATOGRÁFICA NO PROCESSO EDUCATIVO: EXPERIÊNCIAS DO PET GEOGRAFIA NA ESCOLA ESTADUAL FLORIANO VIEGAS MACHADO Jhérsyka da Rosa Cleve¹; Maria José Martinelli Silva Calixto²; Leonardo Calixto

Leia mais

INDÍGENAS NO BRASIL SITUAÇÃO DOS INDÍGENAS NO BRASIL HOJE. Capítulo 5 DEMANDAS DOS POVOS E PERCEPÇÕES DA OPINIÃO PÚBLICA

INDÍGENAS NO BRASIL SITUAÇÃO DOS INDÍGENAS NO BRASIL HOJE. Capítulo 5 DEMANDAS DOS POVOS E PERCEPÇÕES DA OPINIÃO PÚBLICA Capítulo 5 SITUAÇÃO DOS INDÍGENAS NO BRASIL HOJE Percepção de diferenças entre índios e não índios no Brasil hoje Estimulada e única, em % Base: Total da amostra (402) NÃO S/ URBANOS POPULAÇÃO NACIONAL

Leia mais

Pacto de Aprimoramento do SUAS Mato Grosso do Sul

Pacto de Aprimoramento do SUAS Mato Grosso do Sul Secretaria de Estado de Trabalho e Assistência Social www.setas.ms.gov.br Pacto de Aprimoramento do SUAS Mato Grosso SETAS Secretaria de Estado de Trabalho e Assistência Social Governadoria ANDRÉ PUCCINELLI

Leia mais

Palavras-chave: relato de experiência; residência multiprofissional; Sistema Único de Saúde.

Palavras-chave: relato de experiência; residência multiprofissional; Sistema Único de Saúde. O PROCESSO DE FORMAÇÃO PERMANENTE EM SAÚDE NO CONTEXTO DA SAÚDE INDÍGENA Tanise de Oliveira Fernandes¹; Cátia Martins Paranhos². ¹ Psicóloga Residente Multiprofissional em Saúde ênfase em Saúde Indígena

Leia mais

CONFLITO, TERRITÓRIO E IDENTIDADE: O CASO DOS INDÍGENAS GUARANI DE GUAÍRA/PR

CONFLITO, TERRITÓRIO E IDENTIDADE: O CASO DOS INDÍGENAS GUARANI DE GUAÍRA/PR CONFLITO, TERRITÓRIO E IDENTIDADE: O CASO DOS INDÍGENAS GUARANI DE GUAÍRA/PR Cíntia Pires Inéia Acadêmica do Curso de Geografia da Universidade Estadual do Oeste do Paraná- Unioeste- Campus Marechal C.

Leia mais

IV EDIPE Encontro Estadual de Didática e Prática de Ensino 2011

IV EDIPE Encontro Estadual de Didática e Prática de Ensino 2011 PORTAL DO FÓRUM GOIANO DE EJA: INTERAÇÃO SOCIAL E EDUCAÇÃO EM AMBIENTE VIRTUAL Danielly Cardoso da Silva Karla Murielly Lôpo Leite Maria Emília de Castro Rodrigues O presente texto tem por objetivo apresentar

Leia mais

Ref.: Ataque à comunidade Guarani e Kaiowá Ñande Ru Marangatú e assassinato do jovem Semião Vilhalva.

Ref.: Ataque à comunidade Guarani e Kaiowá Ñande Ru Marangatú e assassinato do jovem Semião Vilhalva. Goiânia e Heidelberg, 02 de setembro de 2015 Senhora Dilma Rousseff Presidenta da República Federativa do Brasil Palácio do Planalto, Praça dos Três Poderes, Brasília DF Ref.: Ataque à comunidade Guarani

Leia mais

em sessão no dia 20.03.12 SAÚDE INDÍGENA: DESCASO E NEGLIGÊNCIA Senhor Presidente,

em sessão no dia 20.03.12 SAÚDE INDÍGENA: DESCASO E NEGLIGÊNCIA Senhor Presidente, Discurso proferido pelo deputado GERALDO RESENDE (PMDB/MS), em sessão no dia 20.03.12 SAÚDE INDÍGENA: DESCASO E NEGLIGÊNCIA Senhor Presidente, Senhoras e senhoras deputados, É com profunda preocupação

Leia mais

Demarcação de terras indígenas kaiowá e guarani em Mato Grosso do Sul: histórico, desafios e perspectivas 1

Demarcação de terras indígenas kaiowá e guarani em Mato Grosso do Sul: histórico, desafios e perspectivas 1 Demarcação de terras indígenas kaiowá e guarani em Mato Grosso do Sul: histórico, desafios e perspectivas 1 Thiago Leandro Vieira Cavalcante 2 (UFGD/MS) Resumo: Os Kaiowá e Guarani, grupos indígenas falantes

Leia mais

VALORES CULTURAIS (INDÍGENAS) KAINGANG

VALORES CULTURAIS (INDÍGENAS) KAINGANG VALORES CULTURAIS (INDÍGENAS) KAINGANG Um cacique kaingang, meu amigo, me escreveu pedindo sugestões para desenvolver, no Dia do Índio, o seguinte tema em uma palestra: "Os Valores Culturais da Etnia Kaingáng".

Leia mais

POVOS INDÍGENAS E A MÍDIA ESCRITA SUL-MATO-GROSSENSE. Renata Guerreiro Barbosa¹; Beatriz dos Santos Landa²

POVOS INDÍGENAS E A MÍDIA ESCRITA SUL-MATO-GROSSENSE. Renata Guerreiro Barbosa¹; Beatriz dos Santos Landa² POVOS INDÍGENAS E A MÍDIA ESCRITA SUL-MATO-GROSSENSE Renata Guerreiro Barbosa¹; Beatriz dos Santos Landa² 1. 2. Bolsista UEMS, Acadêmica do Curso de Enfermagem da UEMS Professora do Curso de Ciências Biológicas

Leia mais

GAZETA DO POVO Vida e Cidadania

GAZETA DO POVO Vida e Cidadania GAZETA DO POVO Vida e Cidadania MISÉRIA frente da Catedral: pastoral tenta tirar moradores do isolamento AO RELENTO Encontro de oração das terças à noite na A Curitiba do sereno Curitiba tem cerca de 2,7

Leia mais

Palavras chave: Estágio Supervisionado. Ensino de sociologia. Discursos escolares.

Palavras chave: Estágio Supervisionado. Ensino de sociologia. Discursos escolares. REFLETINDO O ESTÁGIO SUPERVISIONADO: PERSPECTIVAS E SUPERAÇÃO DO ALUNO-PROFESSOR DE SOCIOLOGIA Maria Edilania Santos do Nascimento 1 RESUMO Este trabalho vem a expor e refletir as implicações do Estágio

Leia mais

A Etnização das lutas sociais pela terra na Amazônia: Novas agendas, novos agenciamentos político-territoriais

A Etnização das lutas sociais pela terra na Amazônia: Novas agendas, novos agenciamentos político-territoriais Bárbara Duarte de Arruda Universidade Federal Fluminense barbara.dda@gmail.com A Etnização das lutas sociais pela terra na Amazônia: Novas agendas, novos agenciamentos político-territoriais 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

TEIA: COMPARTILHANDO SABERES POPULARES E ACADÊMICOS

TEIA: COMPARTILHANDO SABERES POPULARES E ACADÊMICOS TEIA: COMPARTILHANDO SABERES POPULARES E ACADÊMICOS Resumo O Teia é um Programa que objetiva consolidar e articular 31 projetos de extensão que compartilham concepções, práticas e metodologias baseadas

Leia mais

MENOS ASSISTENCIALISMO, MAIS PEDAGOGIA. Moysés Kuhlmann: carências da educação infantil vão desde instalações à formação dos professores.

MENOS ASSISTENCIALISMO, MAIS PEDAGOGIA. Moysés Kuhlmann: carências da educação infantil vão desde instalações à formação dos professores. MENOS ASSISTENCIALISMO, MAIS PEDAGOGIA Moysés Kuhlmann: carências da educação infantil vão desde instalações à formação dos professores. 2 Ao lado das concepções do trabalho pedagógico para a infância,

Leia mais

REQUERIMENTO (DO SR. FRANCISCO PRACIANO)

REQUERIMENTO (DO SR. FRANCISCO PRACIANO) REQUERIMENTO (DO SR. FRANCISCO PRACIANO) Requer o envio de Indicação à Presidência da República, sugerindo a adoção de medidas emergenciais, por meio de ação conjunta dos Ministérios que se fizerem necessários,

Leia mais

Os Loteamentos do Quarto Distrito de Porto Alegre

Os Loteamentos do Quarto Distrito de Porto Alegre 2160 Os Loteamentos do Quarto Distrito de Porto Alegre X Salão de Iniciação Científica PUCRS Aline de Oliveira 1, Leila Nesralla Mattar 2 (orientador) 1 Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, PUCRS. 2 Formação

Leia mais

DIREITO À MEMÓRIA. DIREITO À VERDADE. IMAGENS DOS POVOS INDÍGENAS NO ACERVO DOCUMENTAL FUNAI/PONTA PORÃ (1973 A 2004).

DIREITO À MEMÓRIA. DIREITO À VERDADE. IMAGENS DOS POVOS INDÍGENAS NO ACERVO DOCUMENTAL FUNAI/PONTA PORÃ (1973 A 2004). 1 DIREITO À MEMÓRIA. DIREITO À VERDADE. IMAGENS DOS POVOS INDÍGENAS NO ACERVO DOCUMENTAL FUNAI/PONTA PORÃ (1973 A 2004). GILCACIA GÜNDEL SALDANHA* INTRODUÇÃO A atual Fundação Nacional do Índio (FUNAI)

Leia mais

O MATOPIBA e o desenvolvimento "destrutivista" do Cerrado

O MATOPIBA e o desenvolvimento destrutivista do Cerrado O MATOPIBA e o desenvolvimento "destrutivista" do Cerrado Paulo Rogerio Gonçalves* No dia seis de maio de 2015 o decreto n. 8447 cria o Plano de Desenvolvimento Agropecuário do Matopiba e seu comitê gestor.

Leia mais

Campo Grande, 08 de outubro de 2015

Campo Grande, 08 de outubro de 2015 Campo Grande, 08 de outubro de 2015 Deus enxugará toda a lágrima de seus olhos, pois nunca mais haverá morte, nem luto, nem clamor, e nem dor haverá mais. Sim! As coisas antigas se foram! (Ap. 21.4) Nhanderu

Leia mais

1. O LOCAL, O DISPONÍVEL E O REAL

1. O LOCAL, O DISPONÍVEL E O REAL 1. O LOCAL, O DISPONÍVEL E O REAL O Serta chegou a esta proposta depois de 6 anos de tentativa de capacitar agricultores para a compreensão e prática de uma agricultura mais natural e orgânica. Isso sem

Leia mais

Da formação á prática na saúde

Da formação á prática na saúde REALIZAÇÃO: GRUPO DE PESQUISA EM SOCIOLOGIA DA SAÚDE UFPR/CNPq PRROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SOCIOLOGIA DA UFPR Mestrado e Doutorado em Sociologia PATROCÍNIO: APOIO: SETOR DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE

Leia mais

Ao considerar e ao explicitar a representação feita, nota-se sua lógica e o que levou o aluno a tal escolha. A partir dela, o professor pode chegar a

Ao considerar e ao explicitar a representação feita, nota-se sua lógica e o que levou o aluno a tal escolha. A partir dela, o professor pode chegar a 37 Ao trabalhar questões socioambientais e o conceito de natureza, podemos estar investigando a noção de natureza que os alunos constroem ou construíram em suas experiências e vivências. Alguns alunos

Leia mais

PLC 180/08 Cotas Raciais. A mestiçagem unifica os homens divididos pelos mitos raciais, Gilberto Freyre

PLC 180/08 Cotas Raciais. A mestiçagem unifica os homens divididos pelos mitos raciais, Gilberto Freyre PLC 180/08 Cotas Raciais A mestiçagem unifica os homens divididos pelos mitos raciais, Gilberto Freyre Art. 3º Em cada instituição federal de ensino superior, as vagas de que trata o art. 1º desta Lei

Leia mais

ÍNDICE. Apresentação. Participantes da Oficina. Aldeias Guaranis do Litoral Norte. Programação da Oficina

ÍNDICE. Apresentação. Participantes da Oficina. Aldeias Guaranis do Litoral Norte. Programação da Oficina ÍNDICE Encontro de Mulheres Guarani do Litoral Norte do Estado de São Paulo Organização: Selma A. Gomes Projeto gráfico: Irmãs de Criação Fotos: Carlos Penteado Publicado com o apoio da CAFOD Novembro

Leia mais

EDUCAÇÃO INDÍGENA INTRODUÇÃO

EDUCAÇÃO INDÍGENA INTRODUÇÃO EDUCAÇÃO INDÍGENA Gonçalves,Emily 1 Mello,Fernanda 2 RESUMO: Falar da educação dos índios nos dias atuais requer uma breve análise histórica deste povo. Precisamos reconhecer que nesses 508 anos, os povos

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 49 Discurso no encontro com grupo

Leia mais

CIÊNCIA E MEIO AMBIENTE Prof. Dr. Anderson Orzari Ribeiro

CIÊNCIA E MEIO AMBIENTE Prof. Dr. Anderson Orzari Ribeiro CIÊNCIA E MEIO AMBIENTE Prof. Dr. Anderson Orzari Ribeiro INTRODUÇÃO A interação do homem com a natureza sempre teve um viés científico/analítico, e suas consequências, bastante visíveis nos dias atuais,

Leia mais

OS SABERES DE PROFESSORES DA ESCOLA REGULAR ACERCA DO ENSINO COLABORATIVO: ENTRE A TEORIA E A PRÁTICA

OS SABERES DE PROFESSORES DA ESCOLA REGULAR ACERCA DO ENSINO COLABORATIVO: ENTRE A TEORIA E A PRÁTICA OS SABERES DE PROFESSORES DA ESCOLA REGULAR ACERCA DO ENSINO COLABORATIVO: ENTRE A TEORIA E A PRÁTICA Angélica Regina Schmengler - UFSM 1 Deisi Santos Righi UFSM 2 Grupo de Trabalho Diversidade e Inclusão

Leia mais

INFLUÊNCIA DO ENSINO DE MATEMÁTICA NAS PRÁTICAS DIÁRIAS DE ALUNOS DAS ESCOLAS RADIOFÔNICAS DO RN

INFLUÊNCIA DO ENSINO DE MATEMÁTICA NAS PRÁTICAS DIÁRIAS DE ALUNOS DAS ESCOLAS RADIOFÔNICAS DO RN INFLUÊNCIA DO ENSINO DE MATEMÁTICA NAS PRÁTICAS DIÁRIAS DE ALUNOS DAS ESCOLAS RADIOFÔNICAS DO RN Márcia Maria Alves de Assis UFRN marciageomat@ig.com.br Liliane dos Santos Gutierre UFRN lilianeccet@ufrn.br

Leia mais

Trabalho Apresentado no XXV Simpósio Nacional de História, Simpósio Temático 36: Os Índios na História, 13-17 de julho de 2009

Trabalho Apresentado no XXV Simpósio Nacional de História, Simpósio Temático 36: Os Índios na História, 13-17 de julho de 2009 Terra Indígena Ñande Ru Marangatu: laudo pericial de natureza antropológica e histórica sobre parte de um território Kaiowa na fronteira do Brasil com o Paraguai Jorge Eremites de Oliveira * Levi Marques

Leia mais

CULTURA AFRO CULTURA AFRO

CULTURA AFRO CULTURA AFRO CULTURA AFRO ESCOPO Apresentamos o projeto Cultura Afro com o compromisso de oferecer aos alunos do ensino fundamental um panorama completo e diversificado sobre a cultura afro em nosso país. Levamos em

Leia mais

PRÁTICAS CORPORAIS E MANIFESTAÇÕES CULTURAIS INDÍGENAS E SUAS RELAÇÕES COM OS JOGOS DOS POVOS INDÍGENAS DO BRASIL

PRÁTICAS CORPORAIS E MANIFESTAÇÕES CULTURAIS INDÍGENAS E SUAS RELAÇÕES COM OS JOGOS DOS POVOS INDÍGENAS DO BRASIL PRÁTICAS CORPORAIS E MANIFESTAÇÕES CULTURAIS INDÍGENAS E SUAS RELAÇÕES COM OS JOGOS DOS POVOS INDÍGENAS DO BRASIL Bruna Maria de Oliveira (¹) ; Elcione Trojan de Aguiar (2) ;Beleni Salete Grando (3) 1.Acadêmica

Leia mais

Índios do Brasil. Episódio 7: Nossas Terras. Modalidade Educação de Jovens e adultos Fundamental e Médio.

Índios do Brasil. Episódio 7: Nossas Terras. Modalidade Educação de Jovens e adultos Fundamental e Médio. Índios do Brasil Episódio 7: Nossas Terras Resumo A série "Índios no Brasil", com duração média de 20 minutos, traça um perfil da população indígena brasileira e mostra a relação dessa população com a

Leia mais

MANUAL SERVIÇOS AMBIENTAIS NO CORREDOR ETNOAMBIENTAL TUPI MONDÉ CADERNO DE ATIVIDADES

MANUAL SERVIÇOS AMBIENTAIS NO CORREDOR ETNOAMBIENTAL TUPI MONDÉ CADERNO DE ATIVIDADES MANUAL SERVIÇOS AMBIENTAIS NO CORREDOR ETNOAMBIENTAL TUPI MONDÉ CADERNO DE ATIVIDADES MÓDULO I Corredor Etnoambiental Tupi Mondé Atividade 1 Conhecendo mais sobre nosso passado, presente e futuro 1. No

Leia mais

ATIVIDADE DE ESTUDOS SOCIAIS 3ª S SÉRIES A-B-C-D

ATIVIDADE DE ESTUDOS SOCIAIS 3ª S SÉRIES A-B-C-D Nome: n.º 3ª série Barueri, / / 2009 Disciplina: ESTUDOS SOCIAIS 1ª POSTAGEM ATIVIDADE DE ESTUDOS SOCIAIS 3ª S SÉRIES A-B-C-D Querido aluno, segue a orientação para esta atividade. - Ler com atenção, responder

Leia mais

Educação escolar indígena

Educação escolar indígena Educação escolar indígena O principal objetivo desta apresentação é fazer uma reflexão sobre a cultura indígena kaingang, sobre as políticas educacionais integracionistas e sobre a política atual, que

Leia mais

POVOS INDÍGENAS NO BRASIL. Professor Sebastião Abiceu 7º ano Colégio Marista São José Montes Claros - MG

POVOS INDÍGENAS NO BRASIL. Professor Sebastião Abiceu 7º ano Colégio Marista São José Montes Claros - MG POVOS INDÍGENAS NO BRASIL Professor Sebastião Abiceu 7º ano Colégio Marista São José Montes Claros - MG Conhecendo os povos indígenas Para conhecer melhor os povos indígenas, é importante estudar sua língua.

Leia mais

Seminário: Políticas de sustentabilidade nas terras indígenas

Seminário: Políticas de sustentabilidade nas terras indígenas Seminário: Políticas de sustentabilidade nas terras indígenas de Mato Grosso do Sul Os tópicos que seguem expressam algumas conclusões a que chegaram os participantes do SenÜnário, notadamente os representantes

Leia mais

Lição. Versículo Bíblico "Seja forte e corajoso". Josué 1:7 (NVI)

Lição. Versículo Bíblico Seja forte e corajoso. Josué 1:7 (NVI) FRUTOS-1 Descoberta Lição 12 4-6 Anos C rescimento e Mutualidade são os "Frutos" enfatizados para as crianças de 4 a 6 anos nesse currículo. Nós começamos aprendendo que a Bíblia é o melhor livro da Terra

Leia mais

A ANÁLISE DA PAISAGEM ATRAVÉS DE FOTOGRAFIAS TIRADAS PELOS PRÓPRIOS ALUNOS: OS POSSÍVEIS USOS PARA O CELULAR NAS AULAS DE GEOGRAFIA

A ANÁLISE DA PAISAGEM ATRAVÉS DE FOTOGRAFIAS TIRADAS PELOS PRÓPRIOS ALUNOS: OS POSSÍVEIS USOS PARA O CELULAR NAS AULAS DE GEOGRAFIA A ANÁLISE DA PAISAGEM ATRAVÉS DE FOTOGRAFIAS TIRADAS PELOS PRÓPRIOS ALUNOS: OS POSSÍVEIS USOS PARA O CELULAR NAS AULAS DE GEOGRAFIA Ires de Oliveira Furtado Universidade Federal de Pelotas iresfurtado@gmail.com

Leia mais

Meu nome é Elizeu Lopes, Ava Kuarahy, sou Guarani-Kaiowá, representante da

Meu nome é Elizeu Lopes, Ava Kuarahy, sou Guarani-Kaiowá, representante da Sra. Presidente do Fórum Permanente 2015 Sra. Relatora Especial para nós povos indígenas. Mba'éichapa!!! Meu nome é Elizeu Lopes, Ava Kuarahy, sou Guarani-Kaiowá, representante da Grande Assembleia Aty

Leia mais

ESCOLAS NO/DO CAMPO: UM DIAGNÓSTICO DOS MODELOS EXISTENTES EM GOIÁS 1. Palavras-Chave: Educação no/do Campo; Educação; Saberes Locais; Povos do Campo

ESCOLAS NO/DO CAMPO: UM DIAGNÓSTICO DOS MODELOS EXISTENTES EM GOIÁS 1. Palavras-Chave: Educação no/do Campo; Educação; Saberes Locais; Povos do Campo ESCOLAS NO/DO CAMPO: UM DIAGNÓSTICO DOS MODELOS EXISTENTES EM GOIÁS 1. Priscylla Karoline de Menezes Graduanda em Geografia (IESA/UFG) e-mail: priscyllakmenezes@gmail.com Dra. Rusvênia Luiza B. R. da Silva

Leia mais

Projeto de Pesquisa: Estrutura e natureza

Projeto de Pesquisa: Estrutura e natureza Projeto de Pesquisa: Estrutura e natureza Após a entrega do exercício D (folha síntese do projeto de pesquisa, vamos rever o projeto de pesquisa e a introdução da tese. Após a aula, além do exercício D

Leia mais

Oficina de Roteiro - Onda Cidadã

Oficina de Roteiro - Onda Cidadã Oficina de Roteiro - Onda Cidadã ---Pesquisa Todo vídeo necessita de pesquisa para ser produzido. Isto ajuda a organizar as ideias e facilita a produção. Faça a sua própria pesquisa (...) você deve fazer

Leia mais

Aula 10 MIGRAÇÕES INTERNAS: O CASO DO BRASIL

Aula 10 MIGRAÇÕES INTERNAS: O CASO DO BRASIL MIGRAÇÕES INTERNAS: O CASO DO BRASIL META Explique que as migrações internas ainda são um fenômeno contemporâneo, e mesmo que tenham mudado não apenas em seu direcionamento, fluxo e perfil sócio-econômico,

Leia mais

NO TERRITÓRIO DO AGRONEGÓCIO À LUTA PELO RETORNO AOTEKOHA: O CONFLITO TERRITORIAL ENVOLVENDO GUARANIS-KAIOWÁS E FAZENDEIROS NO MATO GROSSO DO SUL

NO TERRITÓRIO DO AGRONEGÓCIO À LUTA PELO RETORNO AOTEKOHA: O CONFLITO TERRITORIAL ENVOLVENDO GUARANIS-KAIOWÁS E FAZENDEIROS NO MATO GROSSO DO SUL NO TERRITÓRIO DO AGRONEGÓCIO À LUTA PELO RETORNO AOTEKOHA: O CONFLITO TERRITORIAL ENVOLVENDO GUARANIS-KAIOWÁS E FAZENDEIROS NO MATO GROSSO DO SUL Marcos Mondardo Universidade Federal da Bahia marcosmondardo@yahoo.com.br

Leia mais

3 o ano Ensino Fundamental Data: / / Revisão de História e Geografia Nome: n o

3 o ano Ensino Fundamental Data: / / Revisão de História e Geografia Nome: n o 3 o ano Ensino Fundamental Data: / / Revisão de História e Geografia Nome: n o 1) Leia esta tirinha de Mauricio de Sousa e divirta-se com ela. Em seguida, resolva a questão proposta. NÃO, CHICO! VOCÊ NÃO

Leia mais

A Bíblia seja colocada em lugar de destaque, ao lado de uma vela acesa.

A Bíblia seja colocada em lugar de destaque, ao lado de uma vela acesa. Encontro com a Palavra Agosto/2011 Mês de setembro, mês da Bíblia 1 encontro Nosso Deus se revela Leitura Bíblica: Gn. 12, 1-4 A Bíblia seja colocada em lugar de destaque, ao lado de uma vela acesa. Boas

Leia mais

A RELEVÂNCIA DA EDUCAÇÃO ESCOLAR INDÍGENA BILINGUE E SUAS IMPLICAÇÕES SOCIAIS NUMA PERSPECTIVA INTERCULTURAL.

A RELEVÂNCIA DA EDUCAÇÃO ESCOLAR INDÍGENA BILINGUE E SUAS IMPLICAÇÕES SOCIAIS NUMA PERSPECTIVA INTERCULTURAL. A RELEVÂNCIA DA EDUCAÇÃO ESCOLAR INDÍGENA BILINGUE E SUAS IMPLICAÇÕES SOCIAIS NUMA PERSPECTIVA INTERCULTURAL. FIGUEIREDO, Flaviana Pereira RESUMO: A pesquisa foi realizada na escola Cacique João Batista

Leia mais

A inclusão de alunos com necessidades educativas especiais no ensino superior

A inclusão de alunos com necessidades educativas especiais no ensino superior UNIrevista - Vol. 1, n 2: (abril 2006) ISSN 1809-4651 A inclusão de alunos com necessidades educativas especiais no ensino superior Marilú Mourão Pereira Resumo Fisioterapeuta especialista em neurofuncional

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MATO GROSSO DO SUL CURSO DE ENFERMAGEM EDUCAÇÃO EM SAÚDE: O ADOLESCENTE CONHECENDO A SI MESMO

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MATO GROSSO DO SUL CURSO DE ENFERMAGEM EDUCAÇÃO EM SAÚDE: O ADOLESCENTE CONHECENDO A SI MESMO UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MATO GROSSO DO SUL CURSO DE ENFERMAGEM EDUCAÇÃO EM SAÚDE: O ADOLESCENTE CONHECENDO A SI MESMO DOURADOS-MS 2011 Douglas de Lima Schautz Frederico Jorge Pontes de Moraes Indianara

Leia mais

SECRETARIA ESPECIAL DE SAÚDE INDÍGENA: Um sonho que está se tornando realidade. Peru Setembro,2011

SECRETARIA ESPECIAL DE SAÚDE INDÍGENA: Um sonho que está se tornando realidade. Peru Setembro,2011 : Um sonho que está se tornando realidade Peru Setembro,2011 DEMOGRAFIA DOS POVOS INDÍGENAS DISTRIBUIÇÃO DA POPULAÇÃO INDÍGENA Estão presentes : em 26 Estados e no DF em 438 municípios: 11% de médio porte

Leia mais

Cordel do Software Livre Cárlisson Galdino 1

Cordel do Software Livre Cárlisson Galdino 1 Cordel do Software Livre Cárlisson Galdino 1 Este cordel pode ser distribuído e modificado, desde que você respeite a licença Creative Commons Atribuição Compartilhamento pela Mesma Licença. Ou seja, você

Leia mais

RECREIO INTERATIVO: RESGATANDO BRINCADEIRAS DE INFÂNCIA RESUMO

RECREIO INTERATIVO: RESGATANDO BRINCADEIRAS DE INFÂNCIA RESUMO RECREIO INTERATIVO: RESGATANDO BRINCADEIRAS DE INFÂNCIA Marley Augusta da Silva Santos 1 ; Francinete Galvão Noronha 2 ; Gleice Martins Gimenez 3 ; Maria José de Jesus Alves Cordeiro 4 1 Bolsista doprograma

Leia mais

A GARANTIA DO ENSINO DA LÍNGUA TERENA E ARTES E CULTURA TERENA NO MUNICÍPIO DE AQUIDAUANA

A GARANTIA DO ENSINO DA LÍNGUA TERENA E ARTES E CULTURA TERENA NO MUNICÍPIO DE AQUIDAUANA A GARANTIA DO ENSINO DA LÍNGUA TERENA E ARTES E CULTURA TERENA NO MUNICÍPIO DE AQUIDAUANA Arcenio Francisco Dias Neste artigo iremos apresentar o ensino da Língua Terena e Artes e Cultura Terena no município

Leia mais

Preparando meu filho para a liberdade

Preparando meu filho para a liberdade Preparando meu filho para a liberdade Marcos Rezende Fonte: www.insistimento.com.br Você parou para observar o que está passando na televisão quando o seu filho a está assistindo? Ou já parou para refletir

Leia mais

Apropriação da Leitura e da Escrita. Elvira Souza Lima. (transcrição)

Apropriação da Leitura e da Escrita. Elvira Souza Lima. (transcrição) Apropriação da Leitura e da Escrita Elvira Souza Lima (transcrição) Nós estamos num momento de estatísticas não muito boas sobre a alfabetização no Brasil. Mas nós temos que pensar historicamente. Um fato

Leia mais

Lucas Zanella. Collin Carter. & A Civilização Sem Memórias

Lucas Zanella. Collin Carter. & A Civilização Sem Memórias Lucas Zanella Collin Carter & A Civilização Sem Memórias Sumário O primeiro aviso...5 Se você pensa que esse livro é uma obra de ficção como outra qualquer, você está enganado, isso não é uma ficção. Não

Leia mais

APOIO E PARTICIPAÇÃO NAS AÇÕES DE CRIAÇÃO DO NÚCLEO DE ESTUDOS EM GÊNERO, RAÇA E ETNIA NEGRE/UEMS. RESUMO

APOIO E PARTICIPAÇÃO NAS AÇÕES DE CRIAÇÃO DO NÚCLEO DE ESTUDOS EM GÊNERO, RAÇA E ETNIA NEGRE/UEMS. RESUMO APOIO E PARTICIPAÇÃO NAS AÇÕES DE CRIAÇÃO DO NÚCLEO DE ESTUDOS EM GÊNERO, RAÇA E ETNIA NEGRE/UEMS. ¹Gislaine De Oliveira Correia; ²Maria José de Jesus Alves Cordeiro. ¹Bolsista de Iniciação Científica

Leia mais

MAQUETE: RECURSO DIDÁTICO NAS AULAS DE GEOGRAFIA

MAQUETE: RECURSO DIDÁTICO NAS AULAS DE GEOGRAFIA MAQUETE: RECURSO DIDÁTICO NAS AULAS DE GEOGRAFIA SANTOS, Jéssica Paula. UFG/REGIONAL/CATALÃO jessica-g-ts@hotmail.com SANTOS, Marina da Silva. UFG/REGIONAL/CATALÃO marinaavlis@hotmail.com Orientador: Dr.ª

Leia mais

Silvana Jesus do Nascimento Universidade Federal da Grande Dourados ( UFGD), MS, Brasil

Silvana Jesus do Nascimento Universidade Federal da Grande Dourados ( UFGD), MS, Brasil 1 Reflexão sobre atuação da rede de proteção à criança e ao adolescente nos casos em que envolve o abrigamento, a reinsercão familiar e a adoção de crianças indígenas kaiowá 1 Silvana Jesus do Nascimento

Leia mais

AGRICULTURA FAMILIAR NO MUNICÍPIO DE MOGI MIRIM-SP: Principais políticas publicas. Arthur Moriconi harthus94@gmail.com.

AGRICULTURA FAMILIAR NO MUNICÍPIO DE MOGI MIRIM-SP: Principais políticas publicas. Arthur Moriconi harthus94@gmail.com. AGRICULTURA FAMILIAR NO MUNICÍPIO DE MOGI MIRIM-SP: Principais políticas publicas Arthur Moriconi harthus94@gmail.com. Acadêmico do Curso de Ciências Econômicas/UNICENTRO Fabio Junior Penteado fabioturvo@gmail.com.

Leia mais

3 o ano Ensino Fundamental Data: / / Revisão de História e Geografia Nome:

3 o ano Ensino Fundamental Data: / / Revisão de História e Geografia Nome: 3 o ano Ensino Fundamental Data: / / Revisão de História e Geografia Nome: Leia este texto para responder às questões de 1 a 4. Quando eu nasci, meu pai logo se encarregou de registrar este acontecimento.

Leia mais

P/1 Seu Ivo, eu queria que o senhor começasse falando seu nome completo, onde o senhor nasceu e a data do seu nascimento.

P/1 Seu Ivo, eu queria que o senhor começasse falando seu nome completo, onde o senhor nasceu e a data do seu nascimento. museudapessoa.net P/1 Seu Ivo, eu queria que o senhor começasse falando seu nome completo, onde o senhor nasceu e a data do seu nascimento. R Eu nasci em Piúma, em primeiro lugar meu nome é Ivo, nasci

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO FUNDAÇÃO SANTO ANDRÉ FACULDADE DE FILOSOFIA, CIÊNCIAS E LETRAS. COLEGIADO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS PATRICIA SANCHEZ PERES

CENTRO UNIVERSITÁRIO FUNDAÇÃO SANTO ANDRÉ FACULDADE DE FILOSOFIA, CIÊNCIAS E LETRAS. COLEGIADO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS PATRICIA SANCHEZ PERES CENTRO UNIVERSITÁRIO FUNDAÇÃO SANTO ANDRÉ FACULDADE DE FILOSOFIA, CIÊNCIAS E LETRAS. COLEGIADO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS PATRICIA SANCHEZ PERES APRIMORAMENTO DO PROGRAMA DE ETNOTURISMO ORIENTADO NA ALDEIA

Leia mais

Nashieli Rangel Loera São Paulo: Polis; Campinas: Ceres-Unicamp, 2006

Nashieli Rangel Loera São Paulo: Polis; Campinas: Ceres-Unicamp, 2006 A ESPIRAL DAS OCUPAÇÕES DE TERRA Nashieli Rangel Loera São Paulo: Polis; Campinas: Ceres-Unicamp, 2006 JOSÉ CARLOS ALVES PEREIRA Em seu livro A espiral das ocupações de terra, Nashieli Rangel Loera mostra

Leia mais

RELATÓRIO DE VISITA TÉCNICA À ALDEIA TEKOHA NHEMBOETE (AQUILO QUE SE FAZ VERDADEIRO)

RELATÓRIO DE VISITA TÉCNICA À ALDEIA TEKOHA NHEMBOETE (AQUILO QUE SE FAZ VERDADEIRO) PRM-GUA-PR-0000 /2013 MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL RELATÓRIO DE VISITA TÉCNICA À ALDEIA TEKOHA NHEMBOETE (AQUILO QUE SE FAZ VERDADEIRO) Aos sete dias do mês de Junho de dois mil e treze foi realizada visita

Leia mais

Curso: Marketing para Engenharia, Arquitetura e Agronomia Ênio Padilha 2006 Módulo 1: Introdução. Marketing, esse famoso Desconhecido!

Curso: Marketing para Engenharia, Arquitetura e Agronomia Ênio Padilha 2006 Módulo 1: Introdução. Marketing, esse famoso Desconhecido! Curso: Marketing para Engenharia, Arquitetura e Agronomia Ênio Padilha 2006 Módulo 1: Introdução. Marketing, esse famoso Desconhecido! 1.1. MIX DE MARKETING Você já deve ter feito o nosso Teste de Conhecimentos

Leia mais

PROGRAMA DE CONTEÚDOS ENSINO MÉDIO 2014

PROGRAMA DE CONTEÚDOS ENSINO MÉDIO 2014 DISCIPLINA: PROFESSOR(A): E-MAIL: C O L É G I O L A S A L L E Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Rua Guarani, 000 - Fone (045) 5-6 - Fax (045) 79-58 www.lasalletoledo.com.br PROGRAMA DE ENSINO

Leia mais

http://www.setor3.com.br/jsp/default.jsp?tab=00002&newsid=a5268.ht...

http://www.setor3.com.br/jsp/default.jsp?tab=00002&newsid=a5268.ht... http://www.setor3.com.br/jsp/default.jsp?tab=00002&newsid=a5268.ht... 1 de 2 02-08-2011 16:42 Diferentes especialistas pontuam como o saber indígena contribui para a sustentabilidade Muitos e diversos.

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 106 Discurso na cerimónia de entrega

Leia mais

O Parque Regional do Pantanal, o novo espaço institucional para uma gestão participativa dos recursos naturais

O Parque Regional do Pantanal, o novo espaço institucional para uma gestão participativa dos recursos naturais O Parque Regional do Pantanal, o novo espaço institucional para uma gestão participativa dos recursos naturais Jean Phillipe Delorme Dra. Niede Guidon Jean Phillipe Delorme trabalha na cooperação francesa.

Leia mais

Disciplina: construção da disciplina consciente e interativa em sala de aula e na escola *

Disciplina: construção da disciplina consciente e interativa em sala de aula e na escola * Disciplina: construção da disciplina consciente e interativa em sala de aula e na escola * Dorotéia Baduy Pires** O que seria de uma orquestra, se cada músico tocasse o que quisesse? Se não houvesse disciplina?

Leia mais

PLANEJAMENTO PARTICIPATIVO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

PLANEJAMENTO PARTICIPATIVO NA EDUCAÇÃO INFANTIL PLANEJAMENTO PARTICIPATIVO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Marta Quintanilha Gomes Valéria de Fraga Roman O planejamento do professor visto como uma carta de intenções é um instrumento articulado internamente e externamente

Leia mais

Educação Escolar Indígena entre os Aikewara: do projeto político e pedagógico à ação docente 1

Educação Escolar Indígena entre os Aikewara: do projeto político e pedagógico à ação docente 1 Educação Escolar Indígena entre os Aikewara: do projeto político e pedagógico à ação docente 1 Joelma Cristina Parente Monteiro Alencar-UEPA/Brasil Resumo A escola do povo Aikewara foi instalada pela FUNAI,

Leia mais

História. Programação 3. bimestre. Temas de estudo

História. Programação 3. bimestre. Temas de estudo História Olá, pessoal! Vamos conhecer, entre outros fatos, como era o trabalho escravo no Brasil? CHIQUINHA GONZAGA Programação 3. bimestre Temas de estudo O trabalho escravo na formação do Brasil - Os

Leia mais

Levantamento de Produtividade da Cultura da Soja para a Safra 2011/12 em Mato Grosso do Sul.

Levantamento de Produtividade da Cultura da Soja para a Safra 2011/12 em Mato Grosso do Sul. Levantamento de Produtividade da Cultura da Soja para a Safra 2011/12 em Mato Grosso do Sul. ¹Lucas Galvan ²Leonardo Carlotto Portalete ³Alexandre Rui Neto 1. Introdução 3. Metodologia A APROSOJA em parceria

Leia mais

O PLANETA TERRA E A POPULAÇÃO BRASILEIRA COMO CONTEÚDOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM NO ESTÁGIO DE DOCÊNCIA 1

O PLANETA TERRA E A POPULAÇÃO BRASILEIRA COMO CONTEÚDOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM NO ESTÁGIO DE DOCÊNCIA 1 1 O PLANETA TERRA E A POPULAÇÃO BRASILEIRA COMO CONTEÚDOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM NO ESTÁGIO DE DOCÊNCIA 1 Deisihany Armelin Santana 2 Carina Sala de Moreis 3 INTRODUÇÃO Este artigo analisa, criticamente,

Leia mais

Este testemunho é muito importante para os Jovens.

Este testemunho é muito importante para os Jovens. Este testemunho é muito importante para os Jovens. Eu sempre digo que me converti na 1ª viagem missionária que fiz, porque eu tinha 14 anos e fui com os meus pais. E nós não tínhamos opção, como é o pai

Leia mais

Atividades. Caro professor, cara professora,

Atividades. Caro professor, cara professora, Atividades Caro professor, cara professora, Apresentamos mais uma nova proposta de atividade sobre alguns dos temas abordados pelo programa Escravo, nem pensar!, da ONG Repórter Brasil*. Ela inaugura a

Leia mais

A INCIVILIDADE EM SALA DE AULA

A INCIVILIDADE EM SALA DE AULA A INCIVILIDADE EM SALA DE AULA Claudiane Lorini claudianelorini@hotmail.com Silvana Rodrigues da Silva madonalongati@hotmail.com Tânia Marli Peçanha de Brito taniam.brito@hotmail.com RESUMO: O ambiente

Leia mais

Senhoras e Senhores Deputados,

Senhoras e Senhores Deputados, DISCURSO PROFERIDO PELO DEPUTADO GERALDO RESENDE (PPS/MS), NA SESSÃO DA CÂMARA DOS DEPUTADOS, EM 13 / 04 / 2005. Senhor Presidente Senhoras e Senhores Deputados, A tragédia que se abate sobre os índios

Leia mais

Política de alimentação escolar para populações indígenas

Política de alimentação escolar para populações indígenas Política de alimentação escolar para populações indígenas IV Encontro do Programa Nacional de Alimentação Escolar 25 a 28 de novembro de 2008 Profª Dulce Ribas Universidade Federal de Mato Grosso do Sul

Leia mais

A tecnologia e a ética

A tecnologia e a ética Escola Secundária de Oliveira do Douro A tecnologia e a ética Eutanásia João Manuel Monteiro dos Santos Nº11 11ºC Trabalho para a disciplina de Filosofia Oliveira do Douro, 14 de Maio de 2007 Sumário B

Leia mais

FORMAÇÃO CONTINUADA DOS PROFESSORES INDÍGENAS DO ALTO XINGU-MT

FORMAÇÃO CONTINUADA DOS PROFESSORES INDÍGENAS DO ALTO XINGU-MT FORMAÇÃO CONTINUADA DOS PROFESSORES INDÍGENAS DO ALTO XINGU-MT Serlene Ana De Carli 1 Cefapro/PVA ser.anadc54@gmail.com 2 INTRODUÇÃO A educação tradicional imposta pelos jesuitas e outros grupos religiosos

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA RIO EM DADOS

TERMO DE REFERÊNCIA RIO EM DADOS TERMO DE REFERÊNCIA RIO EM DADOS 1. INTRODUÇÃO O Instituto Municipal de Urbanismo Pereira Passos pretende contratar instituição de pesquisa com a finalidade de produção de análises estatísticas e econômicas

Leia mais

FAQ As perguntas mais freqüentes sobre o Incoming (Serviço voluntário na Alemanha)

FAQ As perguntas mais freqüentes sobre o Incoming (Serviço voluntário na Alemanha) 7139 Karlsruhe Tel.: +49 (0)721/ 35480-120, -128 FAQ As perguntas mais freqüentes sobre o Incoming (Serviço voluntário na Alemanha) Perguntas gerais Na verdade eu que eu quero é estudar na Alemanha. O

Leia mais

Reestruturação Produtiva em Saúde

Reestruturação Produtiva em Saúde Trabalho em Saúde O trabalho Toda atividade humana é um ato produtivo, modifica alguma coisa e produz algo novo. Os homens e mulheres, durante toda a sua história, através dos tempos, estiveram ligados,

Leia mais