Posicionamento Estratégico de Compras Por Vitor Hugo De Castro Cunha

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Posicionamento Estratégico de Compras Por Vitor Hugo De Castro Cunha"

Transcrição

1 Posicionamento Estratégico de Compras Por Vitor Hugo De Castro Cunha Todos os dias falamos em globalização e internet. O mundo ficou pequeno e as distâncias não são mais vistas como antigamente. A comunicação ficou melhor e muito mais barata e o mesmo aconteceu com os meios de transporte. Na década de 80 a comunicação entre os países era precária e dispendiosa. Um malote internacional demorava em média 20 dias para chegar ao seu destino, a comunicação era feita principalmente por meio de telefone, dificultando a compreensão mútua. As viagens aéreas eram muito menos freqüentes e igualmente caras. O contexto mundial na década de 90 foi totalmente alterado. A queda das barreiras tarifárias e o desenvolvimento dos meios de comunicação via satélite promoveram a globalização das economias. Por meio de um aparelho de televisão adaptado já era possível realizar conferências com interlocutores do outro lado do planeta. As empresas se lançaram então em uma política de global sourcing. Os departamentos de compras começaram a trocar informações sobre preços e fornecedores, e as áreas de desenvolvimento, a pensar na concepção de produtos mundiais. Na entrada do ano 2000 a internet se popularizou e o acesso as mais diversas informações ficaram ao alcance de um mouse. Mas quantas empresas aproveitam de fato esse novo contexto? Quantas delas podem fazer desse novo cenário um diferencial competitivo? O fato é que a nova ordem das coisas requer um poder de adaptação muito maior, para que se possa rapidamente analisar os novos cenários e com isso identificar os riscos e oportunidades, tomando as decisões mais corretas para aquele momento. A palavra de ordem então é não perder tempo, saber priorizar, dar foco. Nossos pais e avos diriam tempo é dinheiro. Nos dias de hoje podemos dizer tempo é sobrevivência. Para a grande maioria das empresas a eficiência da área de compras é elemento fundamental para uma boa performance dos negócios. Numa industria montadora, por exemplo, o montante das compras produtivas pode representar entre 30% e 40% do preço do veiculo, sendo responsável também por aproximadamente 70% do custo de produção dos mesmos. Nas industrias de transformação esse percentual cai substancialmente pois o investimento em maquinário faz com que o custo hora/maquina ganhe um peso importante na composição dos custos, tanto para o seu funcionamento (consumo de energia, água, óleo e manutenção) quanto para a remuneração do capital investido. Ainda assim, uma boa eficiência da área de compras pode alavancar

2 ganhos importantes para as organizações através da simples redução dos custos de materiais comprados, melhor performance de entregas, qualidade, otimização dos prazos de pagamento ou antecipação às necessidades e riscos futuros. PAINEL DE FORNECEDORES, A BASE DA AREA DE COMPRAS O que é o PAINEL DE FORNECEDORES? Ora, você não pode imaginar que seria capaz de comprar um belo carro, pelo melhor preço do mercado sem ter previamente feito uma analise desse mercado e seus fornecedores. O risco de se fazer um mal negocio é grande. Ou você pode acabar pagando mais caro do que o produto é vendido tradicionalmente ou então pode acabar comprando de empresas que não vão entregar exatamente aquilo que prometeram. Em ambos os casos você gastara mais do que deveria ou poderia, levando a empresa a realizar um mal negocio. O painel de fornecedores é o rol de empresas previamente avaliadas pelos critérios que as respectivas empresas acharem pertinentes, afim de assegurar que os produtos cotados atendem as exigências e especificações da empresa compradora. E uma forma de evitar a poluição gerada pela cotação de empresas aventureiras que fazem qualquer preço para ganhar novos clientes, nem sempre preocupadas com a continuidade dos negócios no médio e longo prazos. Embora esse tópico pareça obvio, ter a certeza que seus fornecedores cotaram as mesmas especificações e levaram em consideração os mesmos critérios de embalagem, entrega e qualidade é um grande desafio para qualquer profissional de compras. E a etapa que chamamos de alinhamento técnico. Um bom Painel de Fornecedores depende do tempo que a área de compras dedica ao conhecimento dos mercados, pesquisando novos fornecedores, novas tecnologias e produtos substitutos. Na maioria das estruturas de compras essas atividades são realizadas sem planejamento ou metodologia, comprometendo o foco, resultado e a retenção do conhecimento que deveria ser adquirido pela empresa. POSICIONAMENTO GEOGRAFICO DO PAINEL A VH2C defende a teoria do posicionamento geográfico das famílias de compras, pois acreditamos que quanto mais longe estamos de nossos fornecedores, maiores serão os riscos de qualidade, logística e comunicação. Logo não devemos correr riscos se os ganhos esperados não forem proporcionais. Dessa forma quanto menos estratégico o item que compramos, mais próximo o fornecedor deve estar da nossa operação, evitando custos e perda de tempo desnecessários. Para tanto dependemos da pré-analise de dois pontos : O dispêndio anual por família de compras (ou categoria) e o índice de competitividade por família de compras. O

3 intuito dessa pré-analise é poder hierarquizar as famílias de compras por ordem de importância estratégica. Dispêndio anual é o agrupamento do montante gasto pela empresa na compra de itens semelhantes, daí o nome de classificação por famílias de compras. Esse indicador é importante para identificar o volume dos negócios e ajuda a priorizar as ações na busca de uma gestão otimizada dos recursos da área de compras. O índice de competitividade é o indicador que posiciona a competitividade de seus fornecedores em um ambiente global. O principio é simples, a empresa X compra 2 milhões de dólares por ano de peças plásticas no Brasil. O custo médio dessas peças, somado ao custo médio da não qualidade (que é a somatória dos custos de devolução dos lotes rejeitados, rupturas de aprovisionamento por atrasos de entrega, custos de retrabalho, etc.) será de USD 0,80 por peça. Se esse mesmo lote fosse comprado na China ele custaria USD 0,30, somados aos custos de importação/nacionalização como também aos custos estimados da não qualidade, que, nesse caso não podem ser negligenciados pois o atraso na entrega de um componente importado pode significar até mesmo no fretamento de avião afim de evitarmos uma parada de produção em nossos clientes. Imaginando que os custos de importação e da não-qualidade dos fornecedores chineses sejam respectivamente 40% e 3%, teremos então um custo médio de USD 0,526 e um índice de competitividade de 0,342. Ou seja, se comprássemos os produtos plásticos de fornecedores chineses, poderíamos ganhar até 34% do montante atual gasto. Nesse caso 34% de 2 milhões é igual a USD por ano. Constituímos através da explanação acima a base que orientara a teoria do posicionamento geográfico, que combina os dois indicadores acima. Imagine que a empresa X compra todo ano R$ 1 Mil em papel higiênico, R$ 250 Mil em parafusos, R$ 4 Milhões em peças plásticas diversas e R$ 10 Milhões em componentes eletrônicos.

4 No quadro abaixo temos a demonstração gráfica da noção geográfica. Imagine que existem fornecedores de peças plásticas na sua rua, no seu bairro, na sua cidade, no seu estado, no seu pais, no MERCOSUL e no mundo. Agora imagine quais são os fornecedores que a sua empresa conhece em cada uma dessas dimensões geográficas, em seguida imagine quais desses fornecedores sua empresa poderia trabalhar qualificando-os para seu painel. Finalmente quais são os fornecedores que sua empresa efetivamente trabalha, através de cotações ou estabelecendo contratos de fornecimento.

5 A seta branca na parte inferior da figura mostra o posicionamento geográfico da empresa X para uma determinada família de compras. A filosofia de compras da VH2C é buscar um posicionamento geográfico para cada família de compras e definir as prioridades do plano de ação baseado em economia potencial, importância estratégica e facilidade de implementação (quick hits). Analisando o exemplo da empresa X, podemos concluir que para a família de compras de papel higiênico, cujo dispêndio é de R$ 1 Mil por ano, o melhor fornecedor deve estar o mais próximo possível da empresa. Nesse caso o dispêndio é tão baixo que qualquer ação pode vir a ser mais cara do que a expectativa de redução de preços. Já na família de parafusos, temos um dispêndio anual de compras da ordem de R$ 250 Mil. Imagine que o índice de competitividade dessa família foi calculado em 0,28. Ou seja se nos comprarmos esse item no lugar mais barato do mundo, teríamos um ganho de R$ 70 Mil. Para a família seguinte, peças plásticas, temos um índice de competitividade de 0,342 e uma economia potencial de R$ 1,368 Milhões.

6 Finalmente para a família de componentes eletrônicos, encontramos um índice de competitividade de 0,02, o que nos da uma economia potencial para essa família de produtos de R$ 200 Mil. Dessa forma temos o seguinte quadro de compras por família: INTEGRACAO DO PLANO DE ACAO NO CONTEXTO EMPRESARIAL Para que possamos elaborar nosso plano de ação de compras e tomar algumas decisões, precisamos de mais alguns elementos. Esses elementos estão relacionados a integração da área de compras na estratégia da empresa X. Pergunta um : Dentro do plano estratégico da empresa/business plan, quais serão as famílias de compras dos próximos meses e quais os volumes de compras esperados para essas famílias para que possamos verificar a necessidade ou não de calcularmos nossos índices de competitividade. Uma explicação um pouco mais elaborada sobre o desdobramento do plano estratégico pode ser encontrada no artigo Organização Estratégica, disponível no site da VH2C. Pergunta dois : Qual será o impacto das ações previstas pelas áreas de logística e qualidade visando a redução dos custos da não qualidade, nos índices de competitividade? A analise dessas duas questões vão inserir a área de compras numa estratégia alinhada com a direção da empresa, assim como com as áreas de qualidade e logística. Isso pode evitar o trabalho desnecessário de desenvolver um fornecedor para um item que sairá de produção nas próximas semanas. QUICK HITS Necessitamos agora estimarmos a facilidade de implementação das ações propostas afim de identificarmos os QUICK HITS, ou seja, os sucessos rápidos. São aquelas ações que facilmente podem nos trazer os primeiros resultados, oxigenando a estrutura e dando credibilidade ao time. Para que essa atividade seja objetiva, devemos estimar a facilidade de

7 implementação em semanas e em investimento. Encontrar e desenvolver um fornecedor em um estado vizinho não exige o mesmo esforço nem tampouco os mesmos custos do que fazê-lo na Noruega, por exemplo. PRIORIZANDO AS ACOES Já temos então como priorizar nossas ações. Segundo o exemplo da empresa X, nossa prioridade numero 1 deveria ser o desenvolvimento geográfico do painel de peças plásticas. Em seguida devemos analisar com muito cuidado a família de componentes eletrônicos, não somente pelo saving potencial, mas principalmente em função do seu montante de compras anuais, extremamente importante para a empresa X. Nesse aspecto podemos dizer que o montante é tão importante que nos não podemos correr o risco de não conhecermos o mercado, para não sermos surpreendidos por novos players que poderiam oferecer uma vantagem competitiva aos nossos concorrentes. Resta definir qual será nosso orçamento para realizar essa expansão geográfica do painel de fornecedores. Podemos, por exemplo, alocar 5% da economia potencial para estudo de mercado e desenvolvimento de fornecedores. Nesse caso, nossa verba para concluirmos as ações propostas seria de R$ Com esse orçamento definiremos nossa estratégia para conhecimento dos mercados e fornecedores desejados, bem como o posicionamento geográfico. Podemos, por exemplo contatar câmaras de comercio dos países com os quais desejamos aprofundar nossos estudos, enviar um comprador para prospectar fornecedores in-loco, contratar um estagiário para pesquisar fornecedores na internet, etc. Só não podemos esquecer o principio do posicionamento geográfico. Quanto mais distante, maiores são os riscos, logo mesmo que o índice de competitividade na China seja 0 (nosso benchmarking), será que não encontraremos condições favoráveis no MERCOSUL, no México, no Ceara? Qual seria o índice de competitividade dessas regiões e porque? O entendimento das condições que determinam a competitividade ou não de uma determinada região pode ajudar na tomada rápida de decisões quando há uma mudança de contexto (barreiras tarifarias, taxa de cambio, escala, legislação/regulamentações). TECNOLOGIAS E PRODUTOS SUBSTITUTOS Quanto mais estratégica a família de compras for para a competitividade da nossa empresa, maior deve ser nosso conhecimento do mercado de agora e futuro. Nessa analise não podemos esquecer as evoluções tecnológicas, substituições tecnológicas e seus respectivos impactos nos mercados e na nossa operação afim de anteciparmos as ações necessárias, assegurando a retenção do valor necessária a rentabilidade

8 da operação. A proximidade da área de compras com as áreas de engenharia e pesquisa e desenvolvimento, seja da nossa própria empresa, seja de nossos fornecedores e clientes para identificarmos essas oportunidades e riscos valem a pena. Muitas vezes um bate papo informal, porém estruturado para esse fim, traz informações que devem ser analisadas e integradas no plano de ação da área de compras. De qualquer forma negligenciar essas oportunidades e riscos futuros seria o mesmo que abandonar as oportunidades e ficar exposto somente aos riscos. Então porque não organizar essas informações uma ou duas vezes por ano? CONTROLANDO OS COMPONENTES DE CUSTOS Uma vez realizado o trabalho acima, estamos seguros de que nossa estrutura esta voltada para o mercado e pronta para se posicionar de maneira competitiva, porém quando administramos grandes somas em compras, temos todo o interesse em conhecer com mais profundidade o produto e mercado que estão influenciando nossos custos, afim de podermos avaliar melhor os riscos e oportunidades que podem se apresentar. Posicionar ações tanto no âmbito intra-empresarial quanto setorial, pode ser de vital importância para uma boa continuidade dos negócios. A coordenação junto a sindicatos, câmaras setoriais e entidades governamentais, confere a área de compras uma importância impar no desenvolvimento estratégico de qualquer companhia. A composição de preços de todos os produtos tem, em síntese, 4 componentes : Matéria-Prima, Mão de Obra, Equipamentos e Margem de Contribuição. Nos itens importados encontraremos um quarto componente: o Câmbio. Em alguns processos pode ser interessante olharmos os índices de perdas, evitando dessa forma algumas surpresas desagradáveis quanto a performance do processo dos insumos que estão sendo comprados. O intuito desse trabalho é identificar os percentuais de cada um desses componentes na composição dos preços da cadeia produtiva de um determinado item afim de estabelecer seus índices de dependência.

9 DIAGRAMA DE CUSTOS VH2C A figura anterior ilustra o diagrama de custos do produto A. Se valorizarmos esse diagrama, teremos o seguinte resultado :

10 Se somarmos as colunas veremos que o detalhamento dos custos ou do valor agregado ao nosso produto A tem a seguinte composição : INDICES DE DEPENDENCIA CUSTO PRODUTO "A" R$ 50,88 100,0% Nr Níveis da Cadeia de Suprimentos 4 Integração Local R$ 50,88 100,0% Margem Acumulada R$ 21,74 42,7% Dependência Moeda Estrangeira R$ 10,68 21,0% Cobre R$ 0,10 0,2% Plástico / Petróleo R$ 2,34 4,6% Hora / Maquina R$ 10,31 20,3% MO LOCAL R$ 8,15 16,0% O índice de integração local é de 100%, ou seja, esse produto emite certificado de origem, importante para satisfazer a legislação de alguns países importadores com os quais o Brasil tem acordos tarifários, porém o interessante é a analise do índice de dependência de moeda estrangeira (21%). A analise dessa arvore nos indica também um caminho para redução de custos através da redução dos níveis da cadeia produtiva, por exemplo, se o fornecedor do nível 3, comprar diretamente o cobre para realizar a operação de montagem do nível 2, teríamos o seguinte diagrama : A redução potencial do preço é da ordem de 10%, pois eliminamos um fornecedor que agregava pouco valor porém retia para si, R$ 4,11. Podemos realizar esse trabalho de forma genérica e por família de compras, evitando o excesso de detalhamento item à item. Todas essas

11 decisões devem ser orientadas pelo montante de compras, índice de competitividade, definição geográfica do painel e eventual necessidade de uma coordenação setorial junto a sindicatos de trabalhadores, patronais, câmaras setoriais e entidades governamentais. O diagrama de custos da VH2C também possibilita a analise transversal das horas/homem, hora/maquina e margem de contribuição, ajudando os profissionais de compras a identificar pontos de melhoria.

ANÁLISE FUNDAMENTALISTA COM FOCO PARA A RECOMENDAÇÃO DE COMPRA / VENDA DE AÇÕES

ANÁLISE FUNDAMENTALISTA COM FOCO PARA A RECOMENDAÇÃO DE COMPRA / VENDA DE AÇÕES ANÁLISE FUNDAMENTALISTA COM FOCO PARA A RECOMENDAÇÃO DE COMPRA / VENDA DE AÇÕES! A análise do desempenho histórico! Análise setorial! Análise de múltiplos! Elaboração de projeções de resultados! Determinação

Leia mais

CUSTOS DA QUALIDADE EM METALURGICAS DO SEGMENTOS DE ELEVADORES PARA OBRAS CÍVIS - ESTUDO DE CASO

CUSTOS DA QUALIDADE EM METALURGICAS DO SEGMENTOS DE ELEVADORES PARA OBRAS CÍVIS - ESTUDO DE CASO CUSTOS DA QUALIDADE EM METALURGICAS DO SEGMENTOS DE ELEVADORES PARA OBRAS CÍVIS - ESTUDO DE CASO José Roberto Santana Alexandre Ripamonti Resumo: Com a globalização da economia, as empresas, enfrentam

Leia mais

Indicadores Como e Por que? Por Vitor Hugo De Castro Cunha

Indicadores Como e Por que? Por Vitor Hugo De Castro Cunha Indicadores Como e Por que? Por Vitor Hugo De Castro Cunha A VH2C adota como principio básico de gestão a simplificação dos processos, para que as pessoas os entendam e executem com maior precisão e satisfação.

Leia mais

Visão. O comércio entre os BRICS e suas oportunidades de crescimento. do Desenvolvimento. nº 93 15 abr 2011. no comércio internacional

Visão. O comércio entre os BRICS e suas oportunidades de crescimento. do Desenvolvimento. nº 93 15 abr 2011. no comércio internacional Visão do Desenvolvimento nº 93 15 abr 2011 O comércio entre os BRICS e suas oportunidades de crescimento Por Fernando Puga e Filipe Lage de Sousa Economistas da APE Países têm grande potencial de aprofundar

Leia mais

Desempenho de Operações. EAD 0763 Aula 2 Livro Texto Cap.2 Leonardo Gomes

Desempenho de Operações. EAD 0763 Aula 2 Livro Texto Cap.2 Leonardo Gomes Desempenho de Operações EAD 0763 Aula 2 Livro Texto Cap.2 Leonardo Gomes Agenda da aula 1 Desempenho de operações 2 Estudo de caso Capítulo 2- Desempenho de Operações Desempenho de operações Como avaliar

Leia mais

A busca pela retenção do valor Por Vitor Hugo De Castro Cunha

A busca pela retenção do valor Por Vitor Hugo De Castro Cunha A busca pela retenção do valor Por Vitor Hugo De Castro Cunha Diversos fatores influenciam na percepção de valor para o cliente ou mercado, dependendo do tipo de produto. Para alguns produtos a confiabilidade

Leia mais

Unidade II RECURSOS MATERIAIS E PATRIMONIAIS

Unidade II RECURSOS MATERIAIS E PATRIMONIAIS Unidade II 2 TENDÊNCIAS DA ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS 2.1 Gestão de compras 1 A gestão de compras assume papel estratégico na Era da competição global, devido ao volume de recursos envolvidos no processo,

Leia mais

ANEXO COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 02 (R2)

ANEXO COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 02 (R2) COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS Deliberação CVM nº 640, de 7 de outubro de 2010 (Pág. 57) Aprova o Pronunciamento Técnico CPC 02(R2) do Comitê de Pronunciamentos Contábeis - CPC sobre efeitos das mudanças

Leia mais

CAPITAL DE GIRO: ESSÊNCIA DA VIDA EMPRESARIAL

CAPITAL DE GIRO: ESSÊNCIA DA VIDA EMPRESARIAL CAPITAL DE GIRO: ESSÊNCIA DA VIDA EMPRESARIAL Renara Tavares da Silva* RESUMO: Trata-se de maneira ampla da vitalidade da empresa fazer referência ao Capital de Giro, pois é através deste que a mesma pode

Leia mais

Estrutura Hierárquica de Planejamento e Controle da Produção Estratégico Entradas Ações Saídas Fonte

Estrutura Hierárquica de Planejamento e Controle da Produção Estratégico Entradas Ações Saídas Fonte Estratégico Previsão do Negócio Estrutura Hierárquica de Planejamento e Controle da Produção Estratégico Entradas Ações Saídas Fonte Mercados e demandas de longo prazo. Competidores. Fatores econômicos,

Leia mais

2. Revisão bibliográfica

2. Revisão bibliográfica 17 2. Revisão bibliográfica 2.1. Logística de transportes A Logística recebeu diversas denominações ao longo dos anos: distribuição física, distribuição, engenharia de distribuição, logística empresarial,

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 02 (R2) Efeitos das Mudanças nas Taxas de Câmbio e Conversão de Demonstrações Contábeis

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 02 (R2) Efeitos das Mudanças nas Taxas de Câmbio e Conversão de Demonstrações Contábeis COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 02 (R2) Efeitos das Mudanças nas Taxas de Câmbio e Conversão de Demonstrações Contábeis Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade

Leia mais

Administração Estratégica

Administração Estratégica introdução Administração Estratégica 2. OPORTUNIDADES E AMEAÇAS DO AMBIENTE EXTERNO A administração estratégica envolve três níveis de análise: O Macroambiente da empresa. O Setor que a empresa opera.

Leia mais

Indicadores de Desempenho Conteúdo

Indicadores de Desempenho Conteúdo Indicadores de Desempenho Conteúdo Importância da avaliação para a sobrevivência e sustentabilidade da organização O uso de indicadores como ferramentas básicas para a gestão da organização Indicadores

Leia mais

CERTIFICAÇÃO ISO PARA EMPRESÁRIOS. Um guia fácil para preparar e certificar sua empresa. Ricardo Pereira

CERTIFICAÇÃO ISO PARA EMPRESÁRIOS. Um guia fácil para preparar e certificar sua empresa. Ricardo Pereira CERTIFICAÇÃO ISO PARA EMPRESÁRIOS Um guia fácil para preparar e certificar sua empresa Ricardo Pereira Antes de começar por Ricardo Pereira Trabalhando na Templum Consultoria eu tive a rara oportunidade

Leia mais

Otimizada para Crescimento:

Otimizada para Crescimento: Quinta Pesquisa Anual de Mudança na Cadeia de Suprimentos RESUMO REGIONAL: AMÉRICA LATINA Otimizada para Crescimento: Executivos de alta tecnologia se adaptam para se adequar às demandas mundiais INTRODUÇÃO

Leia mais

Plataforma da Informação. Finanças

Plataforma da Informação. Finanças Plataforma da Informação Finanças O que é gestão financeira? A área financeira trata dos assuntos relacionados à administração das finanças das organizações. As finanças correspondem ao conjunto de recursos

Leia mais

Andrade Gutierrez Experiência em Contratos EPC

Andrade Gutierrez Experiência em Contratos EPC Andrade Gutierrez Experiência em Contratos EPC 3º WORKSHOP NACIONAL DO PROMINP Promoção: Participação: Painel 4: Obtenção de conteúdo local na implantação de projetos de investimentos: Experiência Refino

Leia mais

DELIBERAÇÃO CVM Nº 534, DE 29 DE JANEIRO DE 2008

DELIBERAÇÃO CVM Nº 534, DE 29 DE JANEIRO DE 2008 TEXTO INTEGRAL DA, COM AS ALTERAÇÕES INTRODUZIDAS PELA DELIBERAÇÃO CVM Nº 624, DE 28 DE JANEIRO DE 2010 (DOCUMENTO DE REVISÃO CPC Nº 01) Aprova o Pronunciamento Técnico CPC 02 do Comitê de Pronunciamentos

Leia mais

Empreenda! 9ª Edição Roteiro de Apoio ao Plano de Negócios. Preparamos este roteiro para ajudá-lo (a) a desenvolver o seu Plano de Negócios.

Empreenda! 9ª Edição Roteiro de Apoio ao Plano de Negócios. Preparamos este roteiro para ajudá-lo (a) a desenvolver o seu Plano de Negócios. Empreenda! 9ª Edição Roteiro de Apoio ao Plano de Negócios Caro (a) aluno (a), Preparamos este roteiro para ajudá-lo (a) a desenvolver o seu Plano de Negócios. O Plano de Negócios deverá ter no máximo

Leia mais

Tipos de ações As ações se diferenciam basicamente pelos direitos que concedem a seus acionistas. No Brasil, elas estão divididas em dois grandes

Tipos de ações As ações se diferenciam basicamente pelos direitos que concedem a seus acionistas. No Brasil, elas estão divididas em dois grandes Tipos de ações As ações se diferenciam basicamente pelos direitos que concedem a seus acionistas. No Brasil, elas estão divididas em dois grandes grupos: as ações ordinárias e as ações preferenciais. As

Leia mais

COMPONENTES DA ESTRUTURA DO PLANO DE NEGÓCIO

COMPONENTES DA ESTRUTURA DO PLANO DE NEGÓCIO COMPONENTES DA ESTRUTURA DO PLANO DE NEGÓCIO No Modelo de Plano de Negócio, disponível no seu ambiente do Concurso você terá um passo a passo para elaborar o seu Plano, bem como todo o conteúdo necessário

Leia mais

4 Avaliação Econômica de Redes Legada e NGN

4 Avaliação Econômica de Redes Legada e NGN 4 Avaliação Econômica de Redes Legada e NGN A Cadeia de Valores é uma representação de uma cadeia industrial que auxilia as empresas a identificarem e a avaliarem suas fontes de vantagens competitivas

Leia mais

Connections with Leading Thinkers

Connections with Leading Thinkers Instituto de Alta Performance Connections with Leading Thinkers O especialista em inovação Bruno Moreira analisa as dificuldades que impedem um maior nível de colaboração por parte das empresas brasileiras

Leia mais

Empresa. Produtos. Bicicletas Elétricas

Empresa. Produtos. Bicicletas Elétricas Empresa Eletro Transport é uma empresa no ramo de veículos elétricos e equipamentos geradores de energia renovável. Conta com toda a infra-estrutura de pesquisa e estatísticas da D7 Group em Londres que

Leia mais

Pesquisa realizada com os participantes do 12º Seminário Nacional de Gestão de Projetos. Apresentação

Pesquisa realizada com os participantes do 12º Seminário Nacional de Gestão de Projetos. Apresentação Pesquisa realizada com os participantes do de Apresentação O perfil do profissional de Projetos Pesquisa realizada durante o 12 Seminário Nacional de, ocorrido em 2009, traça um importante perfil do profissional

Leia mais

Para que o trabalho no canteiro de obras flua, a conexão com a área de suprimentos é fundamental. Veja como é possível fazer gestão de suprimentos

Para que o trabalho no canteiro de obras flua, a conexão com a área de suprimentos é fundamental. Veja como é possível fazer gestão de suprimentos Para que o trabalho no canteiro de obras flua, a conexão com a área de suprimentos é fundamental. Veja como é possível fazer gestão de suprimentos estratégica e conectada ao canteiro na construção civil.

Leia mais

Unidade III MARKETING DE VAREJO E. Profa. Cláudia Palladino

Unidade III MARKETING DE VAREJO E. Profa. Cláudia Palladino Unidade III MARKETING DE VAREJO E NEGOCIAÇÃO Profa. Cláudia Palladino Compras, abastecimento e distribuição de mercadorias Os varejistas: Precisam garantir o abastecimento de acordo com as decisões relacionadas

Leia mais

Decisões de Estoque. Custos de Estoque. Custos de Estoque 27/05/2015. Custos de Estoque. Custos de Estoque. Custos diretamente proporcionais

Decisões de Estoque. Custos de Estoque. Custos de Estoque 27/05/2015. Custos de Estoque. Custos de Estoque. Custos diretamente proporcionais $ crescem com o tamanho do pedido $ crescem com o tamanho do pedido $ crescem com o tamanho do pedido 27/05/2015 Decisões de Estoque Quanto Pedir Custos de estoques Lote econômico Quando Pedir Revisões

Leia mais

Roteiro do Plano de Negócio

Roteiro do Plano de Negócio Roteiro do Plano de Negócio 1. Componentes do Plano de Negócios a) Resumo Executivo b) A organização Visão estratégica/modelo de negócio c) Análise de mercado d) Planejamento de marketing - produto ou

Leia mais

Mesmo em uma construtora de menor porte, o processo de gestão pode ser bastante complexo. Este guia traz dicas de gerenciamento para atingir os

Mesmo em uma construtora de menor porte, o processo de gestão pode ser bastante complexo. Este guia traz dicas de gerenciamento para atingir os Mesmo em uma construtora de menor porte, o processo de gestão pode ser bastante complexo. Este guia traz dicas de gerenciamento para atingir os melhores resultados. 2 ÍNDICE SOBRE O SIENGE INTRODUÇÃO 01

Leia mais

Curitiba, 25 de agosto de 2010. SUBSÍDIOS À CAMPANHA SALARIAL COPEL 2010 DATA BASE OUTUBRO 2010

Curitiba, 25 de agosto de 2010. SUBSÍDIOS À CAMPANHA SALARIAL COPEL 2010 DATA BASE OUTUBRO 2010 Curitiba, 25 de agosto de 2010. SUBSÍDIOS À CAMPANHA SALARIAL COPEL 2010 DATA BASE OUTUBRO 2010 1) Conjuntura Econômica Em função dos impactos da crise econômica financeira mundial, inciada no setor imobiliário

Leia mais

APRENDENDO A PLANEJAR

APRENDENDO A PLANEJAR APRENDENDO A PLANEJAR A melhor e talvez a única llmaneira de ter um fffffffffffffff orçamento realista, que o ajude a controlar as contas no dia-a-dia e a realizar sonhos, é fazer um dddddd inventário

Leia mais

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza edwin@engenharia-puro.com.br www.engenharia-puro.com.br/edwin Nível de Serviço ... Serviço ao cliente é o resultado de todas as atividades logísticas ou do

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS. Causas de Fracasso:

PLANO DE NEGÓCIOS. Causas de Fracasso: PLANO DE NEGÓCIOS Causas de Fracasso: Falta de experiência profissional Falta de competência gerencial Desconhecimento do mercado Falta de qualidade dos produtos/serviços Localização errada Dificuldades

Leia mais

Módulo 12 Gerenciamento Financeiro para Serviços de TI

Módulo 12 Gerenciamento Financeiro para Serviços de TI Módulo 12 Gerenciamento Financeiro Módulo 12 Gerenciamento Financeiro para Serviços de TI Todos os direitos de cópia reservados. Não é permitida a distribuição física ou eletrônica deste material sem a

Leia mais

COMPETITIVIDADE EM PECUÁRIA DE CORTE

COMPETITIVIDADE EM PECUÁRIA DE CORTE ARTIGOS TÉCNICOS 04/2006 Júlio Otávio Jardim Barcellos Médico Veterinário, D.Sc - Zootecnia Professor Adjunto Depto Zootecnia UFRGS julio.barcellos@ufrgs.br Guilherme Cunha Malafaia Aluno do Curso de Pós

Leia mais

INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA

INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA Autor: Jeferson Correia dos Santos ARTIGO TÉCNICO INOVAÇÃO NA GESTÃO DE PÓS-VENDAS: SETOR AUTOMOTIVO RESUMO A palavra inovação tem sido atualmente umas das mais mencionadas

Leia mais

Gestão de custos um fator de sobrevivência para as empresas

Gestão de custos um fator de sobrevivência para as empresas Gestão de custos um fator de sobrevivência para as empresas Paula Michelle Purcidonio (UTFPR) ppurcidonio@ig.com.br Kazuo Hatakeyama (UTFPR) hatakeyama@pg.cefetpr.br Resumo Com a atual competitividade

Leia mais

TURCAMBIO TURCAMBIO TURCAMBIO TURCAMBIO TURCAMBIO

TURCAMBIO TURCAMBIO TURCAMBIO TURCAMBIO TURCAMBIO A TURCAMBIO, vem percorrendo uma trajetória de sucesso na região sul do nosso país desde 1987. No ano de 2012, fomos a primeira agência de turismo a receber autorização do Banco Central do Brasil para

Leia mais

Confederação Nacional da Indústria. - Manual de Sobrevivência na Crise -

Confederação Nacional da Indústria. - Manual de Sobrevivência na Crise - RECOMENDAÇÕES PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS - Manual de Sobrevivência na Crise - Janeiro de 1998 RECOMENDAÇÕES PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS - Manual de Sobrevivência na Crise - As empresas, principalmente

Leia mais

UNOCHAPECÓ Programação Econômica e Financeira

UNOCHAPECÓ Programação Econômica e Financeira Estruturas de mercado UNOCHAPECÓ Programação Econômica e Financeira Texto para Discussão 1 De acordo com a natureza do mercado em que estão inseridas, as empresas deparam-se com decisões políticas diferentes,

Leia mais

Organizações de fato, Relações Públicas de direito 13/06/2007

Organizações de fato, Relações Públicas de direito 13/06/2007 Organizações de fato, Relações Públicas de direito 13/06/2007 Mitchell Figueiredo de Azevedo* Introdução A guerra travada no atual mercado globalizado impõe às organizações uma forma mais "agressiva" de

Leia mais

FORMAÇÃO DO PREÇO DE EXPORTAÇÃO. Instrutor: Luiz Roberto Oliveira. Email: luizroberto@eniconsultoria.com.br

FORMAÇÃO DO PREÇO DE EXPORTAÇÃO. Instrutor: Luiz Roberto Oliveira. Email: luizroberto@eniconsultoria.com.br FORMAÇÃO DO PREÇO DE EXPORTAÇÃO Instrutor: Luiz Roberto Oliveira. Email: luizroberto@eniconsultoria.com.br 1 O resumo de nossa. conversa. TEMPO INFORMAÇÃO DINHEIRO 2 Formação do preço de exportação. Vou

Leia mais

Metodologia gerencial que permite estabelecer a direção a ser seguida pela empresa, visando maior grau de interação com o ambiente.

Metodologia gerencial que permite estabelecer a direção a ser seguida pela empresa, visando maior grau de interação com o ambiente. Mário Sérgio Azevedo Resta CONSULTOR TÉCNICO EM NEGÓCIOS PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Metodologia gerencial que permite estabelecer a direção a ser seguida pela empresa, visando maior grau de interação com

Leia mais

Sumário 1 APRESENTAÇÃO...3 2 LINHAS GERAIS...4. 2.1. Diretrizes Básicas... 4 2.3. Objetivos... 4 2.4. Público-Alvo... 4

Sumário 1 APRESENTAÇÃO...3 2 LINHAS GERAIS...4. 2.1. Diretrizes Básicas... 4 2.3. Objetivos... 4 2.4. Público-Alvo... 4 Planejamento Estratégico do Sindicato Caderno de Orientações para Outubro de 2008 Sumário 1 APRESENTAÇÃO...3 2 LINHAS GERAIS...4 2.1. Diretrizes Básicas... 4 2.3. Objetivos... 4 2.4. Público-Alvo... 4

Leia mais

Eólica Faísa V Geração e Comercialização de Energia Elétrica S.A.

Eólica Faísa V Geração e Comercialização de Energia Elétrica S.A. Balanço patrimonial em 31 de dezembro Ativo 2012 2011 Passivo e patrimônio líquido 2012 2011 (Não auditado) (Não auditado) Circulante Circulante Caixa e equivalentes de caixa (Nota 4) 415 7 Fornecedores

Leia mais

Mensagem do presidente

Mensagem do presidente Mensagem do presidente A giroflex-forma está em um novo momento. Renovada, focada em resultados e nas pessoas, ágil e mais competitiva no mercado de assentos e de mobiliário corporativo. Representando

Leia mais

ELEMENTOS DO PLANO DE NEGÓCIOS

ELEMENTOS DO PLANO DE NEGÓCIOS INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO PIAUÍ - CAMPUS DE PARNAÍBA CURSO: Técnico em Informática DISCIPLINA: Empreendedorismo PROFESSORA: CAROLINE PINTO GUEDES FERREIRA ELEMENTOS DO PLANO

Leia mais

Jornada do CFO 2015 Transformação estratégica das empresas. Anselmo Bonservizzi, Sócio líder de Estratégia e Operações da Deloitte

Jornada do CFO 2015 Transformação estratégica das empresas. Anselmo Bonservizzi, Sócio líder de Estratégia e Operações da Deloitte Jornada do CFO 2015 Transformação estratégica das empresas Anselmo Bonservizzi, Sócio líder de Estratégia e Operações da Deloitte Desafios do atual momento econômico Os principais segmentos da economia

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS página 1 07. Onde é classificado o Subgrupo Estoques no plano de contas? 01. São acontecimentos que ocorrem na empresa e que não provocam alterações no Patrimônio: A) Atos Administrativos

Leia mais

A grande farsa da evolução do processo de gestão empresarial

A grande farsa da evolução do processo de gestão empresarial A grande farsa da evolução do processo de gestão empresarial Começo minha reflexão de hoje pensando um pouco na história da Administração, nos princípios de gestão e formas como as empresas hoje são geridas.

Leia mais

Seminário Telecentros Brasil

Seminário Telecentros Brasil Seminário Telecentros Brasil Inclusão Digital e Sustentabilidade A Capacitação dos Operadores de Telecentros Brasília, 14 de maio de 2009 TELECENTROS DE INFORMAÇÃO E NEGÓCIOS COMO VEÍCULO DE EDUCAÇÃO CORPORATIVA

Leia mais

PLANEJAMENTO DA PROPRIEDADE RURAL FAMILIAR Proposta de Treinamento Prático/ Teórica Roteiro para o instrutor

PLANEJAMENTO DA PROPRIEDADE RURAL FAMILIAR Proposta de Treinamento Prático/ Teórica Roteiro para o instrutor PLANEJAMENTO DA PROPRIEDADE RURAL FAMILIAR Proposta de Treinamento Prático/ Teórica Roteiro para o instrutor CURITIBA, SETEMBRO DE 2004 2 PLANEJAMENTO DA PROPRIEDADE RURAL Proposta de Treinamento Prático/

Leia mais

Ágil. Rápido. Métodos Ágeis em Engenharia de Software. Introdução. Thiago do Nascimento Ferreira. Introdução. Introdução. Introdução.

Ágil. Rápido. Métodos Ágeis em Engenharia de Software. Introdução. Thiago do Nascimento Ferreira. Introdução. Introdução. Introdução. Introdução Métodos Ágeis em Engenharia de Software Thiago do Nascimento Ferreira Desenvolvimento de software é imprevisível e complicado; Empresas operam em ambiente global com mudanças rápidas; Reconhecer

Leia mais

Norma contabilística e de relato financeiro 27

Norma contabilística e de relato financeiro 27 Norma contabilística e de relato financeiro 27 Instrumentos financeiros Esta Norma Contabilística e de Relato Financeiro tem por base as Normas Internacionais de Contabilidade IAS 32 Instrumentos Financeiros:

Leia mais

é de queda do juro real. Paulatinamente, vamos passar a algo parecido com o que outros países gastam.

é de queda do juro real. Paulatinamente, vamos passar a algo parecido com o que outros países gastam. Conjuntura Econômica Brasileira Palestrante: José Márcio Camargo Professor e Doutor em Economia Presidente de Mesa: José Antonio Teixeira presidente da FENEP Tentarei dividir minha palestra em duas partes:

Leia mais

Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler

Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler AULA 3 - AS PERSPECTIVAS DO BSC - FINANCEIRA E CLIENTES PLANEJAMENTO E GESTÃO ESTRATÉGICA

Leia mais

POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE EMPRESARIAL DAS EMPRESAS ELETROBRAS

POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE EMPRESARIAL DAS EMPRESAS ELETROBRAS POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE EMPRESARIAL DAS EMPRESAS ELETROBRAS SUSTENTABILIDADE E M P R E S A R I A L Política de Sustentabilidade Empresarial das Empresas Eletrobras DECLARAÇÃO Nós, das empresas Eletrobras,

Leia mais

FORMAÇÃO DE PREÇO DE SERVIÇO

FORMAÇÃO DE PREÇO DE SERVIÇO CONTEÚDO DO CURSO DE FORMAÇÃO DE PREÇO DE SERVIÇO PROMOVIDO PELA www.administrabrasil.com.br - CONCEITO DE PREÇO NOS SERVIÇOS - FATORES DETERMINANTES DOS PREÇOS - ESTRATÉGIAS E ASPECTOS IMPORTANTES PARA

Leia mais

1ºAgroMarketing O ALINHAMENTO DO PLANEJAMENTO DE MARKETING AO BUSINESS-PLAN DE EMPRESAS DO AGRONEGÓCIO. Mauricio Sampaio

1ºAgroMarketing O ALINHAMENTO DO PLANEJAMENTO DE MARKETING AO BUSINESS-PLAN DE EMPRESAS DO AGRONEGÓCIO. Mauricio Sampaio 1ºAgroMarketing O ALINHAMENTO DO PLANEJAMENTO DE MARKETING AO BUSINESS-PLAN DE EMPRESAS DO AGRONEGÓCIO Mauricio Sampaio Definições e Conceitos Visão Missão Administração Estratégica Planejamento Estratégico

Leia mais

Encontrar a oportunidade de franquia perfeita para você! Esse é o nosso negócio!

Encontrar a oportunidade de franquia perfeita para você! Esse é o nosso negócio! Encontrar a oportunidade de franquia perfeita para você! Esse é o nosso negócio! Escolher a franquia ideal pode ser uma das decisões mais difíceis que você já fez......deixe-nos torná-la mais fácil. Quem

Leia mais

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E Prof. Marcelo Mello Unidade III DISTRIBUIÇÃO E TRADE MARKETING Canais de distribuição Canal vertical: Antigamente, os canais de distribuição eram estruturas mercadológicas verticais, em que a responsabilidade

Leia mais

Estimação do Fluxo de Caixa Livre para a Empresa

Estimação do Fluxo de Caixa Livre para a Empresa Estimação do Fluxo de Caixa Livre para a! Principais passos! O efeito da depreciação! Outros fatores que geram obrigações ou direitos para a empresa Francisco Cavalcante (francisco@fcavalcante.com.br)

Leia mais

NÃO RESPONDA AS QUESTÕES QUE VOCÊ NÃO SABE

NÃO RESPONDA AS QUESTÕES QUE VOCÊ NÃO SABE Easy PMP - Preparatório para o Exame de Certificação PMP Simulado Inicial versão 5_22 Prof. André Ricardi, PMP Todos os direitos reservados Registre suas respostas na planilha Easy PMP-Simulado Inicial-5ª

Leia mais

Documentação do produto SAP Business ByDesign, agosto 2015. Sourcing

Documentação do produto SAP Business ByDesign, agosto 2015. Sourcing Documentação do produto PUBLIC Sourcing Índice 1 Sourcing.... 5 2 Fundamentos... 7 2.1 Gerenciamento do relacionamento com fornecedores... 7 2.2 Automação do gerenciamento do relacionamento com fornecedores...

Leia mais

Balanced Scorecard. Planejamento Estratégico através do. Curso e- Learning

Balanced Scorecard. Planejamento Estratégico através do. Curso e- Learning Curso e- Learning Planejamento Estratégico através do Balanced Scorecard Todos os direitos de cópia reservados. Não é permitida a distribuição física ou eletrônica deste material sem a permissão expressa

Leia mais

Logística Lean: exemplos apresentados no Lean Summit 2010

Logística Lean: exemplos apresentados no Lean Summit 2010 Logística Lean: exemplos apresentados no Lean Summit 2010 Autor: José Roberto Ferro Novembro de 2010 Ao adotar conceitos do Sistema Lean na logística, como Sistema Puxado, Milk Run e Rotas de Abastecimento,

Leia mais

LOGÍSTICA INTEGRADA: SATISFAÇÃO DOS CLIENTES E REDUÇÃO DE CUSTOS RESUMO

LOGÍSTICA INTEGRADA: SATISFAÇÃO DOS CLIENTES E REDUÇÃO DE CUSTOS RESUMO LOGÍSTICA INTEGRADA: SATISFAÇÃO DOS CLIENTES E REDUÇÃO DE CUSTOS RESUMO Este trabalho tem por objetivo a discussão do conceito de logística integrada e de roteirização. Tem como objetivo também mostrar

Leia mais

Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras

Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras 2010 Declaração Nós, das Empresas Eletrobras, comprometemo-nos a contribuir efetivamente para o desenvolvimento sustentável das áreas onde atuamos e

Leia mais

Como lutar em uma guerra de preços

Como lutar em uma guerra de preços Como lutar em uma guerra de preços Juliana Kircher Macroplan Prospectiva, Estratégia e Gestão Julho de 2006 Guerras de preços já são fatos concretos que ocorrem frequentemente em todos os mercados, seja

Leia mais

CUSTOS LOGÍSTICOS - UMA VISÃO GERENCIAL

CUSTOS LOGÍSTICOS - UMA VISÃO GERENCIAL CUSTOS LOGÍSTICOS - UMA VISÃO GERENCIAL Data: 10/12/1998 Maurício Lima INTRODUÇÃO Um dos principais desafios da logística moderna é conseguir gerenciar a relação entre custo e nível de serviço (trade-off).

Leia mais

O monitoramento das atividades de pesquisa e desenvolvimento em um contexto de globalização competitiva.

O monitoramento das atividades de pesquisa e desenvolvimento em um contexto de globalização competitiva. O monitoramento das atividades de pesquisa e desenvolvimento em um contexto de globalização competitiva. Lia Prado Arrivabene Cordeiro 1. INTRODUÇÃO A pesquisa que em curso tem como objetivo verificar

Leia mais

Processos Administrativos de Compras

Processos Administrativos de Compras Processos Administrativos de Compras INTRODUÇÃO A função compras é um segmento essencial do Departamento de Materiais e Suprimentos, que tem pôr finalidade suprir as necessidades de materiais ou serviços

Leia mais

Análise econômica e suporte para as decisões empresariais

Análise econômica e suporte para as decisões empresariais Cenário Moveleiro Análise econômica e suporte para as decisões empresariais Número 01/2008 Cenário Moveleiro Número 01/2008 1 Cenário Moveleiro Análise econômica e suporte para as decisões empresariais

Leia mais

Connections with Leading Thinkers

Connections with Leading Thinkers Instituto de Alta Performance Connections with Leading Thinkers A economista Fernanda de Negri discute os méritos e deficiências das políticas de inovação brasileiras. Fernanda De Negri é diretora de Estudos

Leia mais

DELIBERAÇÃO CVM Nº 547, DE 13 DE AGOSTO DE 2008

DELIBERAÇÃO CVM Nº 547, DE 13 DE AGOSTO DE 2008 TEXTO INTEGRAL DA, COM AS ALTERAÇÕES INTRODUZIDAS PELA DELIBERAÇÃO CVM Nº 624, DE 28 DE JANEIRO DE 2010 (DOCUMENTO DE REVISÃO CPC Nº 01) Aprova o Pronunciamento Técnico CPC 03 do Comitê de Pronunciamentos

Leia mais

O Impacto da Automação na Geração de Espelhos de Notas Fiscais no Processo de Logística Reversa da BrasilTelecom Celular

O Impacto da Automação na Geração de Espelhos de Notas Fiscais no Processo de Logística Reversa da BrasilTelecom Celular 53 O Impacto da Automação na Geração de Espelhos de Notas Fiscais no Processo de Logística Reversa da BrasilTelecom Celular José Sérgio Celestino Camargo, Paulo Tadeu Peres Ingracio e Romério de Oliveira

Leia mais

Administração Estratégica

Administração Estratégica Centro de Economia e Administração - CEA Administração Estratégica AULA 3 ANÁLISE SETORIAL Cinco forças competitivas básicas (Porter, 1980): Ameaça de novos concorrentes Intensidade de rivalidade Ameaça

Leia mais

Vantagens e Cuidados na utilização do Valor Econômico Agregado - EVA

Vantagens e Cuidados na utilização do Valor Econômico Agregado - EVA Vantagens e Cuidados na utilização do Valor Econômico Agregado - EVA REVISANDO O CÁLCULO DO EVA QUAIS AS VANTAGENS DA UTILIZAÇÃO DA MÉTRICA EVA? COMO FAZER OS AJUSTES NA AVALIAÇÃO DOS S / INVESTIMENTOS?

Leia mais

Estudo OS PRODUTOS CHINESES NO MERCADO BRASILEIRO

Estudo OS PRODUTOS CHINESES NO MERCADO BRASILEIRO Estudo OS PRODUTOS CHINESES NO MERCADO BRASILEIRO Índice Introdução...03 Conceito que pesa na escolha...04 E o consumidor, o que pensa sobre a invasão?...05 Bola da Vez...09 Vantagens trazidas pelas novas

Leia mais

COMISSIONAMENTO DE UNIDADES INDUSTRIAIS, FUNDAMENTOS E PRÁTICAS

COMISSIONAMENTO DE UNIDADES INDUSTRIAIS, FUNDAMENTOS E PRÁTICAS COMISSIONAMENTO DE UNIDADES INDUSTRIAIS, FUNDAMENTOS E PRÁTICAS Antonio Prates 1, Luciano Gaete 1, Paulo Garcia de Souza 2 1 Forship Engenharia, 2 ProxyBiz Business Platform. Introdução O comissionamento

Leia mais

BNY Mellon ARX Extra FIM. Julho, 2013

BNY Mellon ARX Extra FIM. Julho, 2013 BNY Mellon ARX Extra FIM Julho, 2013 Índice I. Filosofia de Investimento II. Modelo de Tomada de Decisão III. Processo de Investimento IV. Características do Fundo 2 I. Filosofia de Investimento Filosofia

Leia mais

Accountable Marketing. Otimizando a Geração de Valor através das Estratégias de Marketing

Accountable Marketing. Otimizando a Geração de Valor através das Estratégias de Marketing Accountable Marketing Otimizando a Geração de Valor através das Estratégias de Marketing O Valor de Uma Empresa e a Missão do Administrador Acionistas O que é criar Valor Investimento Otimizado Vantagem

Leia mais

UNIDADE 3 Identificação de oportunidades

UNIDADE 3 Identificação de oportunidades UNIDADE 3 Identificação de oportunidades Provavelmente seja um dos maiores mitos sobre as novas idéias para negócios: a idéia deve ser única. Na realidade pouco importa se a idéia é única ou não, o que

Leia mais

PROPOSTA PARA UM MODELO DE GESTÃO SUSTENTÁVEL NO GERENCIAMENTO DA QUALIDADE DOS SERVIÇOS INTERNOS

PROPOSTA PARA UM MODELO DE GESTÃO SUSTENTÁVEL NO GERENCIAMENTO DA QUALIDADE DOS SERVIÇOS INTERNOS ISSN 1984-9354 PROPOSTA PARA UM MODELO DE GESTÃO SUSTENTÁVEL NO GERENCIAMENTO DA QUALIDADE DOS SERVIÇOS INTERNOS Andrea Cristina Costa (LATEC/UFF) andreacristina.costa@gmail.com Resumo: Este artigo sugere

Leia mais

Etapas para a preparação de um plano de negócios

Etapas para a preparação de um plano de negócios 1 Centro Ensino Superior do Amapá Curso de Administração Disciplina: EMPREENDEDORISMO Turma: 5 ADN Professor: NAZARÉ DA SILVA DIAS FERRÃO Aluno: O PLANO DE NEGÓCIO A necessidade de um plano de negócio

Leia mais

Micro-Química Produtos para Laboratórios Ltda.

Micro-Química Produtos para Laboratórios Ltda. Micro-Química Produtos para Laboratórios Ltda. Resumo Com a globalização e os avanços tecnológicos, as empresas estão operando num ambiente altamente competitivo e dinâmico. As organizações que quiserem

Leia mais

Qualidade total em pequenas empresas

Qualidade total em pequenas empresas Qualidade total em pequenas empresas Frederico Cezar Capoletti Curi (UFOP) fredcuri2@yahoo.com.br Zirlene Alves da Silva Santos (UFOP) santoszirlene@em.ufop.br Resumo: As pequenas empresas vivem em um

Leia mais

FTAD Formação Técnica em Administração de Empresas. Módulo: Administração de Materiais. Profª Neuza

FTAD Formação Técnica em Administração de Empresas. Módulo: Administração de Materiais. Profª Neuza FTAD Formação Técnica em Administração de Empresas Módulo: Administração de Materiais Profª Neuza AULA ANTERIOR: Compras O que é??? É uma atividade de aquisição que visa garantir o abastecimento da empresa

Leia mais

Leia dicas infalíveis para aumentar a produtividade do seu time e se manter competitivo no mercado da construção civil.

Leia dicas infalíveis para aumentar a produtividade do seu time e se manter competitivo no mercado da construção civil. Leia dicas infalíveis para aumentar a produtividade do seu time e se manter competitivo no mercado da construção civil. 2 ÍNDICE SOBRE O SIENGE INTRODUÇÃO 01 PROMOVA A INTEGRAÇÃO ENTRE AS ÁREAS DE SUA

Leia mais

Processo de Negociação. Quem somos. Nossos Serviços. Clientes e Parceiros

Processo de Negociação. Quem somos. Nossos Serviços. Clientes e Parceiros Quem somos Nossos Serviços Processo de Negociação Clientes e Parceiros O NOSSO NEGÓCIO É AJUDAR EMPRESAS A RESOLVEREM PROBLEMAS DE GESTÃO Consultoria empresarial a menor custo Aumento da qualidade e da

Leia mais

Segundo Helen Deresky, (2004, p. 55), as alianças estratégicas não acionárias ocorrem:

Segundo Helen Deresky, (2004, p. 55), as alianças estratégicas não acionárias ocorrem: O modelo supply chain As empresas de hoje atuam segundo algumas correntes, ou modelos econômicos. Dentre estes se pode citar a cadeia de suprimentos ou supply chain, modelo das grandes corporações, e a

Leia mais

O QUE É ATIVO INTANGÍVEL?

O QUE É ATIVO INTANGÍVEL? O QUE É ATIVO INTANGÍVEL?! Quais as características do Ativo Intangível?! O problema da mensuração dos Ativos Intangíveis.! O problema da duração dos Ativos Intangíveis. Francisco Cavalcante(f_c_a@uol.com.br)

Leia mais

FASF - FACULDADE SAGRADA FAMILIA - CURSO DE ADM 5º PERIODO CONTROLE INTERNO. Aula 3 e 4

FASF - FACULDADE SAGRADA FAMILIA - CURSO DE ADM 5º PERIODO CONTROLE INTERNO. Aula 3 e 4 CONTROLE INTERNO Aula 3 e 4 Objetivos Conceito Sistema Categorias de Controle Interno Controles Organizacionais e Segregação de Funções É o controle obtido por meio da maneira de designar responsabilidade

Leia mais

21 sacadas para levar o seu negócio para o próximo nível

21 sacadas para levar o seu negócio para o próximo nível Para quem é este livro? Este livro é para todas aquelas pessoas que fazem o que amam em seu trabalho mas não estão tendo o retorno que gostariam. Este mini guia com 21 sacadas é um resumo dos atendimentos

Leia mais

Novas perspectivas para o Comércio entre Brasil e China. Resenha Economia e Segurança

Novas perspectivas para o Comércio entre Brasil e China. Resenha Economia e Segurança Novas perspectivas para o Comércio entre Brasil e China Resenha Economia e Segurança Daniel Mendes 21 de outubro de 2004 Novas perspectivas para o Comércio entre Brasil e China Resenha Economia e Comércio

Leia mais

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza edwin@engenharia-puro.com.br www.engenharia-puro.com.br/edwin Introdução A A logística sempre existiu e está presente no dia a dia de todos nós, nas mais diversas

Leia mais

Análise da Utilização de Conceitos de Produção Enxuta em uma Pequena Empresa do Setor Metal Mecânico

Análise da Utilização de Conceitos de Produção Enxuta em uma Pequena Empresa do Setor Metal Mecânico Análise da Utilização de Conceitos de Produção Enxuta em uma Pequena Empresa do Setor Metal Mecânico Matheus Castro de Carvalho (matheus_c_carvalho@hotmail.com / CESUPA) Resumo: A aplicação dos conceitos

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIO. EMPRESA (inserir logo) SET/14

PLANO DE NEGÓCIO. EMPRESA (inserir logo) SET/14 PLANO DE NEGÓCIO EMPRESA (inserir logo) SET/14 Índice 1 INTRODUÇÃO-Sumário Executivo 04 1.1 Identificação da Empresa 04 1.1.1 Histórico da empresa 04 1.1.2 Definição do modelo de negócio 05 1.1.3 Constituição

Leia mais