Otimização dos gastos promocionais de Marketing

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Otimização dos gastos promocionais de Marketing"

Transcrição

1 Otimização dos gastos promocionais de Marketing Revista Check-Out, ano II, nº 5, p.26-39, setembro 1990 Fauze Najib Mattar É muito comum nas empresas que a verba promocional (propaganda + promoção de vendas + descontos + gastos com força de venda + outros gastos promocionais) seja determinada como uma porcentagem do total das vendas. Procuraremos mostrar neste artigo que esta não é a forma mais correta pois, assim procedendo, dificilmente a empresa estará com o orçamento ótimo de promoção comercial. Ou seu orçamento estará menor do que deveria e, em conseqüência estará perdendo vendas e lucros, ou estará maior e, portanto, perdendo lucros. Nossa análise compreenderá três partes: a ação da promoção comercial sobre a demanda, o rendimento das despesas de promoção de Marketing e a escolha de um orçamento ótimo de prmoção de Marketing. O termo "promoção comercial" deve ser entendido aqui no sentido amplo. Trata-se das despesas consentidas com a finalidade de influenciar a escolha do comprador. É, então, o conjunto dos meios de ação, extremamente variados, exceto o preço de venda e as diferenciações objetivas do produto, aos quais a direção de marketing pode recorrer para desenvolver as vendas e absorver sua parcela de mercado. Citamos notadamente a propaganda, os representantes e vendedores, as margens dos distribuidores, os serviços pós-venda etc.. A promoção de marketing exerce uma dupla ação sobre a demanda. De uma parte, ela informa os consumidores sobre a existência do produto e sobre suas características e, de outra, suscita o desejo de compra. No primeiro caso é informativa e, no segundo, tende a ser compulsiva. Os efeitos da promoção de marketing sobre a demanda podem, então, ser diferentes. A PROMOÇÃO INFORMATIVA Seu papel é o de melhorar a "transparência" do mercado, lutando contra a informação imperfeita dos compradores que freqüentemente ignoram a existência de outros vendedores que não aqueles com os quais eles tratam habitualmente, assim como as diferenças do mercado de um vendedor, uma vez que, graças às informações dadas sobre o produto e seus preços, os consumidores poderão satisfazer seus desejos de compra com melhor conhecimento de causa. Na medida em que a concorrência se desenvolva sobre as características do produto, esta ação de marketing terá por efeito deslocar a curva da demanda para a direita, uma vez que ela aumenta o conhecimento do produto anunciado. Isto é particularmente percebido no caso de um produto novo, que não encontraria demanda alguma se a empresa não autorizasse as despesas destinadas a torná-lo conhecido, com as novas vantagens que ele apresenta. A figura 1 ilustra o efeito de uma campanha publicitária de informação. Observa-se que a curva de demanda RM1 se desloca para RM2, isto significa que, para um preço fixo qualquer (OP por exemplo) vende-se mais (isto é, OQ2 em lugar de OQ1). Se a informação se refere a uma redução de preço, a propaganda terá a tendência de mudar a forma de curva da demanda, tornando-a mais elástica, uma vez que o conhecimento da redução de preço atingirá um número maior de compradores. Com efeito (fig.2), se o anuncio da baixa de preço de OP1 a OP2 é largamente

2 difundido no mercado através da propaganda, a curva de demanda RM3 mudará a forma e se converterá na RM4, que é mais elástica do que RM3: ao preço reduzido OP2, a demanda vai crescer não apenas da quantidade Q1Q2, previsível antes da propaganda ser feita, mas ainda da quantidade suplementar Q2Q3, resultante das despesas de promoção de marketing autorizadas para ampliar o conhecimento do novo preço de venda. Em conseqüência dessa campanha de informação, a empresa consegue aumentar a elasticidade média de sua demanda, o que significa que a queda de preço anunciado se traduzirá por um aumento sensível da receita total, sendo o crescimento relativo das quantidades procuradas superior a baixa relativa do preço. Deve-se notar que, se a empresa desejar voltar ao preço anterior ou mesmo a um preço superior a este último, encontrará em conseqüência uma resistência mais forte do que antes, uma vez que o conjunto de sua curva de demanda (fig.2) é agora mais elástico e compreende a porção de curva (RM4) situada acima de OP1. Entre as múltiplas formas de promoção comercial informativa deve-se mencionar, por exemplo, a rede vendedora que, simplesmente assegurando um grau suficiente de presença do produto nos pontos de venda, contribui para tornar os consumidores mais conhecedores: deve-se citar os boletins e prospectos técnicos, rótulos, cartazes etc.. A PROMOÇÃO "COMPULSIVA" Muitas vezes é difícil dissociar as duas formas de promoção comercial. Portanto, enquanto se puder isolá-la, a promoção "compulsiva" terá por finalidade convencer o consumidor sobre a excelência do produto anunciado e de provocar ou manter preferência por esse produto. O papel da segunda forma de promoção é não apenas o de incrementar as vendas, mas ainda o de aumentar o apego e fidelidade à marca. Em termos de análise econômica, o efeito desta promoção é o de deslocar a curva de demanda para a direita e para o alto, tornando-a menos elástica, isto é, menos sensível às mudanças de preço. A figura 3 ilustra esta situação. Observa-se que, em virtude da propaganda, a demanda se deslocou de RM5 a RM6. 0 vendedor encontra não apenas uma demanda mais forte ao preço dado OP, mas igualmente mais elástica neste ponto. Isto significa que ele poderia aumentar sua receita total através de um aumento no preço de vendas, uma vez que os compradores, doravante mais presos ao produto, serão pouco sensíveis a ele e reduzirão apenas ligeiramente suas compras. A finalidade da propaganda "compulsiva" é, então, a de provocar diferenciações "subjetivas" do produto. Esforçando-se para criar, através de promoção comercial, uma imagem favorável de sua marca, o vendedor tende a aumentar seu poder de monopólio e a separar seu mercado do de seus concorrentes (a).

3 (a) - O efeito da promoção no caso de oligopólio. 0 efeito da promoção é particularmente significativo quando a empresa não dispõe de independência alguma na escolha de seu preço de venda. Este será o caso em que toda modificação no preço praticada sobre o mercado provocará reações em cadeia por parte dos concorrentes em caso de queda ou a mudança na preferência dos compradores em caso de alta. Nesta hipótese, a promoção comercial e as melhorias do produto são os únicos meios de ação de que dispõe a empresa para assegurar-se de uma demanda preferencial e, eventualmente, para restaurar sua independência na determinação de seu preço de venda. Este é, pelo menos, o resultado para o qual tende uma empresa dinâmica que opera em um mercado de estrutura oligopolística. Como se sabe, chama-se "oligopólio" uma situação caracterizada pela presença de um número reduzido de vendedores cujas demandas individuais são muito sensíveis às variações de preço praticadas pelo resto do grupo. Esta situação é marcada por uma constante vigilância mútua e uma grande interdependência de ação. Nestas condições cada vendedor "imagina" sua própria curva de demanda como uma reta quebrada no nível de preço de mercado elástica em sua parte superior e inelástica na sua parte superior. Esta curva de demanda, representada pela figura 4, distingue-se das reproduzidas até agora, pelo fato de levar em conta indiretamente as reações dos concorrentes, pelos menos no sentido de que são pressentidas pelo centro de decisão. Ela reflete melhor as seguintes considerações: se a empresa decide aumentar seu preço de venda acima do preço estabelecido OP, ela prevê que os consumidores se afastarão dos produtos oferecidos em benefício dos de seus concorrentes, uma vez que os compradores irão se ressentir duramente da passagem a um preço mais elevado que não se justifica aos seus olhos. Nestas condições, a receita total da empresa diminuirá, sendo o efeito da queda de quantidade superior ao de elevação do preço. Se o centro de decisão diminuir seu preço de venda na esperança de aumentar sua participação de mercado, os concorrentes se apressarão a imitá-lo nesta tentativa: o equilíbrio se restabelecerá, mas a um nível inferior e sempre com as mesmas participações de mercado. Se a demanda global do mercado paro o produto considerado é muito elástica, esta queda de preço terá como efeito estimular a demanda geral e aumentar a receita total de cada empresa, mas não sua posição relativa. Nestas condições, pode-se ver que, na maioria das vezes, a empresa terá interesse em manter o preço de mercado e desenvolver a luta concorrencial em um terreno

4 mais favorável. Logicamente, este será o da diferenciação objetiva do produto, quando não o da promoção de marketing, cujo efeito principal, como visto, é deslocar a curva da demanda para a direita, modificando progressivamente sua elasticidade de maneira a tornar possível uma política de preços independente. A empresa atendera a esse objetivo através de investimentos em propaganda "compulsiva", cujo efeito ideal é o de aumentar a fidelidade e o apego ao produto, a ponto de inverter as zonas de elasticidade. Este resultado pode ser apreciado na figura 5. A nova demanda prevista pelo centro de decisão será, então, RM', cuja parte superior é relativamente inelástica e a parte inferior relativamente elástica, ao contrario da curva de demanda inicial RM (figura 5). Um perfil semelhante ao de RM' implica que a empresa, se operar dentro dos limites da capacidade, conseguirá aumentar sua receita total e sua margem bruta ao passar ao preço superior P' ou ao preço inferior P'. Qualquer campanha de propaganda não terá evidentemente um resultado tão positivo, uma vez que, no espaço de tempo intermediário, os concorrentes não permanecerão inativos em face da ofensiva publicitária dirigida contra eles. É mesmo provável que, por sua ação, eles serão bem sucedidos ao manter a demanda preferencial original. Nesta hipótese, a propaganda terá simplesmente conseguido deslocar a curva de demanda para a direita sem modificação de sua elasticidade. A empresa deverá resignar-se em considerar o preço de venda OP como uma constante, durante todo o tempo em que os fatores conjunturais não alteraremos dados para o conjunto do grupo. (b) - As características da propaganda "compulsiva" Ao conferir ao produto uma imagem e uma personalidade, a propaganda atinge resultado semelhante ao obtido pelas diferenças de qualidade e de apresentação do produto, neste caso com nuances próximas de diferenciações psicológicas ou subjetivas e não mais objetivas. É a esta realidade que as análises psicossociológicas (estudos de motivação) devem seu desenvolvimento. Sua finalidade é arquivar as sensações, idéias e sentimentos do comprador, extrair uma explicação de sua conduta e apresentar, em conseqüência, sugestões com vistas a convencê-lo a adquirir uma determinada marca em lugar de outra. O RENDIMENTO DAS DESPESAS DE PROMOÇÃO DE MARKETING Se a finalidade da promoção de marketing é desenvolver as vendas, a questão a se colocar agora é: até que ponto esta despesa trará benefícios? Antes de abordar o problema do calculo do nível ótimo de intervenção do orçamento de promoção de marketing, examinaremos o tipo de relação que vincular as despesas de promoção às quantidades procuradas. A análise que se segue aplica-se essencialmente à promoção "compulsiva", cujo objetivo direto é o de aumentar a demanda para o produto considerado. Sua eficácia pode ser medida em termos de vendas suplementares realizadas, o que não é o caso da promoção informativa cujo resultado é mais diferenciado e, em conseqüência, mais claramente previsível.

5 2.1 - A RELAÇÃO "PROMOÇÃO DE MARKETING QUANTIDADES PROCURADAS" A função simples que liga as quantidades procuradas e a despesa de promoção comercial - Q = f(a) - se expressa graficamente por uma curva de demanda semelhante à figura 6, onde as quantidades são representadas no eixo horizontal e as despesas de promoção sobre o eixo vertical, A forma geral da curva representada na figura explica-se pelo fato de que as despesas de promoção obedecem tipicamente à lei dos rendimentos variáveis. Comentemos brevemente as características desta nova curva de demanda. Na figura 6, observa-se que, sem qualquer despesa de propaganda, a empresa conseguiu vender o volume OQI. Em seguida, se a empresa quiser vender mais, deverá autorizar despesas de promoção que serão de uma eficiência variável. Com efeito, no inicio de toda a ação promocional em favor X de um novo produto, as primeiras despesas não provocam geralmente variações sensíveis nas vendas. Isto se explica pelo fato de que é difícil modificar de um só golpe as atitudes e hábitos dos consumidores, os préjulgamentos etc.. Nos meios publicitários considera-se que, abaixo de um budget mínimo, não se deve empreender uma campanha pois o anuncio é muito raro ou não suficientemente repetitivo para se tornar realmente eficiente. Percebe-se pela figura 6 que para um orçamento correspondente a OAI as vendas aumentam relativamente pouco, ou seja, de um volume Q1 - Q2. Existe, portanto, um limite crítico de atenção que deve ser considerado antes de perceber os efeitos do investimento de marketing consentido. Por outro lado, qualquer aumento nas despesas além daquele limite provocará fortes aumentos de venda e isto até o ponto de inflexão da curva, além do qual entra-se numa zona de rendimentos decrescentes onde aumentar as vendas torna-se cada vez mais difícil e inexeqüível. Tende-se, então, a um nível absoluto de saturação. A curva de demanda da figura 6 requer um certo número de esclarecimentos suplementares. Restrições às análises que seguirão: a. A hipótese "tudo o mais permanecendo constante" A hipótese aqui anunciada é de que tudo o mais permaneça constante, inclusive o preço, variando apenas o orçamento de promoção. Esta hipótese impõe-se para que se possa analisar o rendimento das despesas promocionais, uma vez que as quantidades vendidas são função do preço e da promoção. A partir de uma representação gráfica, isto significa que, ainda que a promoção comercial aumente a demanda para todos os preços, deslocando-a para a direita, prefere-se aqui medir seu efeito fixando-se um preço e observando-se o aumento da demanda a este preço. Uma vez que esta curva de demanda não pode jamais ser determinada senão mediante a hipótese "tudo o mais permanecerá constante" ela será, então, necessariamente diferente para cada produto e para cada conjunto de condições relacionadas com as outras variáveis. Melhorando a qualidade do produto, por exemplo, os consumidores serão mais receptivos à propaganda e o segundo ponto de tangência se situará mais abaixo e mais à direita. Isso implica que a propaganda será mais rentável do que antes.

6 Pelo contrario, se produtos de substituição (sucedâneos) aparecerem no mercado, a curva tenderá a elevar-se, ou seja. para obter o mesmo resultado será preciso gastar mais no futuro. b. A interação entre o preço e a promoção de marketing É razoável pensar que a promoção comercial tem mais ou menos o mesmo efeito de aumento de demanda para todos os níveis de preço, o que se resume em admitir que não há interação entre o preço e a promoção comercial. Seus efeitos próprios juntam-se pura e simplesmente. No plano de análise da elasticidade isto significará que, em conseqüência de uma ação publicitária qualquer, a nova demanda terá, a cada nível de preço, a mesma elasticidade que a demanda anterior. Porém, isto e próprio da promoção informativa mas não - como já visto - da promoção "compulsiva" que modifica a elasticidade da demanda anterior. Porém, isto é próprio da promoção informativa mas não - como já visto - da promoção "compulsiva" que modifica a elasticidade da demanda anterior. É evidente que, na realidade, a promoção "compulsiva" terá uma eficácia proporcionalmente diferente segundo o preço praticado, e notadamente cada vez que houver uma associação entre o preço e a qualidade do produto. Este fato da interação entre fatores de venda complica, evidentemente, o problema da medida do efeito da promoção comercial. Fica, portanto, aqui negligenciado o problema da medida das interações, uma vez que isto não afeta o raciocínio básico que nos ocupa neste estágio da análise. c. A qualidade dos meios promocionais utilizados É evidente que uma mesma despesa pode ser de uma eficácia promocional bem diferente conforme a maneira de sua utilização. Na analise que se segue, vamos supor sempre que cada quantidade despendida o é de maneira ótima e que, por exemplo, o conteúdo da propaganda, sua apresentação e sua organização (tema, mídia, colocação etc.) foram escolhidos e agenciados de modo a obter o melhor resultado a um dado custo. Trata-se de um problema de técnica publicitária que é anterior ao da determinação do montante ótimo da despesa e que a teoria econômica supõe resolvido, embora na realidade ele esteja bem longe disso A ELASTICIDADE DA DEMANDA ÀS DESPESAS PROMOCIONAIS Para aumentar suas vendas e ampliar sua participação no mercado, a empresa deve então aumentar seus esforços de venda através de despesas suplementares que tomam a forma de anúncios de propaganda, visitas de representantes, ações promocionais etc. A importância destas despesas suplementares depende do grau de sensibilidade de demanda, que pode ser medido com o auxílio de uma fórmula de elasticidade idêntica à da elasticidade de preço.3. a) Definição de elasticidade da promoção comercial A elasticidade da despesa de promoção de marketing (elasticidade promocional) (A) exprime a sensibilidade relativa da demanda - a preço constante - a todo aumento do orçamento destinado à expansão das vendas. A elasticidade é determinada calculando-se simplesmente a relação percentual das respectivas variações, n = porcentagem de variação das quantidades porcentagem e variação das despesas promocionais

7 b) As zonas de elasticidade Da mesma forma como a elasticidade de preço, a elasticidade promocional toma um valor diferente em todos os pontos da curva, a qual se divide em zonas de elasticidade diferente. Antes do primeiro ponto de tangência T1 da figura 6, encontra-se numa região inelástica onde a despesa de propaganda tem relativamente pouco efeito sobre as vendas; além deste limite crítico, entra-se numa zona elástica onde as vendas aumentam proporcionalmente mais do que as despesas. A partir do segundo ponto de tangência T2, nos encontraremos de novo em uma zona de inelasticidade relativa, onde os acréscimos de despesas são proporcionalmente superiores aos acréscimos de quantidades. Tende-se, então, a um nível de saturação. Deve-se notar que, contrariamente à elasticidade de preço, a elasticidade promocional tem sinal positivo, o que significa que o aumento das despesas de propaganda aumenta sempre o volume das vendas, pelo menos até certo nível. Este último aspecto aparece melhor na figura 7, onde está representada a curva de receita total - a um preço de venda constante - em função das despesas de promoção comercial. Esta curva é de fato idêntica à da figura 6, com a única diferença de que simplesmente invertemos os dados sobre os eixos. Vê-se claramente sobre esta figura que a receita total evolui sempre no mesmo sentido que as despesas de promoção, mas com rendimentos variáveis - crescentes primeiramente, proporcionais e decrescentes em seguida -, enquanto que um aumento nas quantidades procuradas, em conseqüência de uma baixa do preço de venda, pode ou não aumentar a receita total, conforme a demanda seja elástica ou inelástica. Enfim, além do nível de saturação, poderíamos teoricamente imaginar que os consumidores se sintam insatisfeitos com a propaganda excessiva a ponto de reduzirem suas compras. A elasticidade tomará então o sinal negativo. Logicamente, trata-se de um caso limite A PROMOÇÃO DE MARKETING COMO CUSTO DE VIDA É essencial para o empresário situar, nem que seja aproximadamente, sua posição sobre esta curva de receita total. Entretanto, o fato de uma empresa descobrir que ela se situa em uma zona elástica não pode ter como conclusão imediata o aumento do orçamento de propaganda. Da mesma forma como a escolha do preço de venda, tudo depende do objetivo perseguido pela empresa, a saber, maximização das vendas ou maximização dos lucros. Nesta ultima hipótese, para poder identificar

8 orçamento ótimo de promoção, vai ser necessário comparar, para toda mudança empreendida, as variações de receitas com as variações de despesas, estas últimas podendo ser ou custos de fabricação ou custos de venda, isto é, despesas de promoção de marketing. A curva da figura 4-6 aparece, então, como representativa de uma curva de custos comparável à descrita no capitulo 2 (figura 2-1). Sob esta perspectiva, definiremos a despesa marginal da promoção comercial (dm) como sendo a derivada da despesa total em relação às quantidades. dm = d(a) d(q) A despesa marginal de promoção comercial mede então o acréscimo do orçamento de propaganda requerido por um acréscimo dado das quantidades vendidas. A ESCOLHA DE UM ORÇAMENTO ÓTIMO DE PROMOÇÃO DE MARKETING A determinação do nível do orçamento de promoção comercial deve resultar da confrontação das curvas de custos e de receitas. A finalidade da propaganda e das despesas de distribuição é a de "provocar vendas" acrescentando-se as despesas aos custos de produção. O ponto de equilíbrio, isto é, orçamento ótimo, devera então ser procurado tendo-se em conta simultaneamente os custos de produção e de vendas de um lado e as receitas de outro CÁLCULO DO PONTO DE EQUILÍBRIO Na figura 8, representamos pela reta CPt os custos mos a incidência de toda mudança considerada, por comparação entre as variações de despesas e de receitas. Aplicando o conceito de derivada, temos: variáveis proporcionais ao volume. A curva do custo total (CT) da figura 8 é simplesmente a curva de demanda da figura 6 aumentada em todos os seus pontos de uma quantidade igual ao custo proporcional. Esta curva representa, então, a totalidade dos custos de fabricação (CPt) e de promoção (A) dos diferentes volumes considerados. Quanto aos encargos de estrutura, eles não intervêm nesse estágio do raciocínio. A reta RT indica a receita total (P.Q.) resultante de cada volume de promoção e de venda. A inclinação desta reta depende do preço de venda que aqui se supõe constante. a) Determinação do orçamento ótimo Da confrontação desses dados (figura 8) vê-se claramente que a empresa tem interesse em produzir e vender o volume OQm. Com efeito, este nível é igual à receita marginal. Graficamente, verificaremos a observância a esta regra da seguinte maneira: sabe-se que o custo marginal e a receita marginal são as derivadas do custo total e da receita total. Como tal, eles se medem peia

9 inclinação das tangentes a estas curvas e são iguais quando estas tangentes são paralelas. Na figura 8 constatamos que esta condição é efetivamente preenchida no nível OQm, uma vez que a tangente (M) à curva do custo total, é ai exatamente paralela da receita total. A este nível, a margem bruta (AoR) atinge, então, o máximo: ela se destina a cobrir os encargos de estrutura próprios e gerais e a participar da constituição do lucro. Os custos de fabricação elevam-se a OC e o orçamento promocional a CAo. b) A regra de otimização da promoção comercial Tudo o que precede pode se resumir na seguinte fórmula: MB = (P.Q.) - CP - A Para tornar máxima a margem bruta, apreciaremos a incidência de toda mudança considerada, por comparação entre as variações de despesas e de receitas, Aplicando o conceito de derivada, temos: Esta igualdade significa que a empresa encontrará seu ponto de equilíbrio, isto é, o volume ótimo de produção e o orçamento ótimo de promoção de marketing, desde que a última unidade produzida e vendida eqüivalha àquilo que ela custa. O enunciado da regra de otimização será expresso assim: Receita marginal = custo marginal de fabricação + despesa de promoção Se raciocinarmos, não em termos de variações infinitamente pequenas (derivadas) mas, como é sempre o caso na prática, em termos de variação de volumes, a regra de otimização se escreverá como segue: Constatamos que este é um raciocínio idêntico ao que preside o calculo do preço ótimo de venda. Aqui igualmente raciocinamos em termos do "direct costing", ou seja, sem fazer intervir os encargos de estrutura CÁLCULO DO ORÇAMENTO DE PROMOÇÃO COMERCIAL NA PRÁTICA Da mesma forma como para o cálculo do preço ótimo de venda, não é de todo necessário, na prática conhecer a totalidade da curva de demanda para decidir em que sentido agir com relação à despesas de promoção comercial, tendo em vista melhorar o resultado final. É suficiente dispor de uma estimação da elasticidade porque a regra de otimização pode também ser expressa em função daquela, sob a forma seguinte: n = A

10 Para demonstrar esta equação, retomemos a regra de otimização apresentada mais acima. Segundo ela, o ótimo é conseguido desde que a receita marginal seja igual aos custos marginais de fabricação e de promoção MBt Esta equação, que é idêntica a da regra de otimização (Rm = Cm + Am) vista mais acima, significa que o orçamento escolhido torna-se ótimo quando a elasticidade promocional é igual à relação entre o orçamento total de promoção e a margem bruta total. n = A MBt Resumimos na tabela 1, as significações práticas da nova regra de otimização. TABELA 1 VALOR DO ÍNDICE LINHAS DE AÇÃO DA EMPRESA N(maior que)a MBT Aumentar o orçamento da propaganda e as quantidades fabricadas CONSEQÜÊNCIAS Margem bruta e o lucro aumentarão

11 n(menor que)a MBt Reduzir o orçamento de propaganda e as quantidades fabricadas a margem bruta e o lucro aumentarão n = A MB 0 ponto de equilíbrio é atingido a margem bruta e o lucro tornam-se máximos Este método de cálculo do orçamento de promoção é, na realidade, muito próximo daquele aplicado correntemente nas empresas, com diferença de que, na indústria, a porcentagem do faturamento consagrada à propaganda é habitualmente fixada de uma vez por todas. Esta prática evidentemente provoca uma redução nas despesas de propaganda quando as vendas baixam e um aumento quando elas crescem, o que é mais precisamente o inverso do que se deveria fazer. Determinando o orçamento de promoção pela aplicação de uma porcentagem fixa sobre o faturamento, a empresa supõe, então, que a elasticidade tem um valor constante e, daí, que o orçamento de propaganda pode ser fixado de uma vez por todas. Ora, vimos mais acima (fig.6) que a elasticidade toma um valor diferente em todos os pontos de curva de demanda não somente conforme a evolução dos rendimentos da propaganda, mas ainda em função do tipo de produto oferecido, do preço de venda, das reações da concorrência etc..o método proposto aqui permite, então, colocar o problema da escolha do orçamento da promoção de marketing de forma a trazer o melhor resultado possível para a empresa, evitando os desperdícios quer por excesso, quer por falto de promoção comercial. BIBLIOGRAFIA CUNDIFF, Still e Govoni - Marketing Básico, Editora Atlas, SP, KOTLER, Philip - Marketing, Editora Atlas, LAMBIM, Jean Jacques - La Decision Commerciale Face a L'Incertain. STANTON, William J. - Fundamentos de Marketing, Editora Pioneira, São Paulo, 1980 TOLEDO, Geraldo L. - Decisões de Marketing sob Condições de Incerteza, Apostila FEA/USP, DLP

Economia Geral e Regional. Professora: Julianna Carvalho

Economia Geral e Regional. Professora: Julianna Carvalho Economia Geral e Regional Professora: Julianna Carvalho 1 Introdução à Economia Conceito Segundo VASCONCELOS, 2011, p. 2) é: a ciência social que estuda de que maneira a sociedade decide (escolhe) empregar

Leia mais

Aula 2 Contextualização

Aula 2 Contextualização Economia e Mercado Aula 2 Contextualização Prof. Me. Ciro Burgos Importância de se conhecer o funcionamento dos mercados Diferenciação de mercado Comportamento dos consumidores e firmas; formação de preços;

Leia mais

ELASTICIDADE DE DEMANDA E ASPECTOS RELEVANTES DE GESTÃO DE VENDAS

ELASTICIDADE DE DEMANDA E ASPECTOS RELEVANTES DE GESTÃO DE VENDAS ELASTICIDADE DE DEMANDA E ASPECTOS RELEVANTES DE GESTÃO DE VENDAS Cássia Naomi Obara Edson Lazdenas Luciana Harumi Mizobuchi RESUMO Através das Leis da Oferta e da Procura é possível apontar a direção

Leia mais

Microeconomia. Demanda

Microeconomia. Demanda Demanda www.unb.br/face/eco/ceema Macroanálise Teoria Econômica Microanálise Teoria do consumidor Teoria da produção/firma Análise estrutura de mercado Teoria do bem estar Regulação de preços de produtos,

Leia mais

Também chamada Teoria de Preços, estuda o comportamento dos consumidores, produtores e o mercado onde estes interagem.

Também chamada Teoria de Preços, estuda o comportamento dos consumidores, produtores e o mercado onde estes interagem. Microeconomia Também chamada Teoria de Preços, estuda o comportamento dos consumidores, produtores e o mercado onde estes interagem. A macroeconomia, por sua vez, estuda os fenômenos da economia em geral,

Leia mais

OS NEGÓCIOS LUCRO = VOLUME PRODUZIDO X PREÇO - CUSTO

OS NEGÓCIOS LUCRO = VOLUME PRODUZIDO X PREÇO - CUSTO OS NEGÓCIOS Odilio Sepulcri* INTRODUÇÃO A sobrevivência dos negócios, dentre outros fatores, se dará pela sua capacidade de gerar lucro. O lucro, para um determinado produto, independente da forma como

Leia mais

As leis da procura e oferta são fundamentais para o entendimento correcto do funcionamento do sistema de mercado.

As leis da procura e oferta são fundamentais para o entendimento correcto do funcionamento do sistema de mercado. CAPÍTULO 3 PROCURA, OFERTA E PREÇOS Introdução As leis da procura e oferta são fundamentais para o entendimento correcto do funcionamento do sistema de mercado. O conhecimento destas leis requer que, em

Leia mais

POLÍTICA DE PREÇO O EM PLANEAMENTO DE MARKETING

POLÍTICA DE PREÇO O EM PLANEAMENTO DE MARKETING COMPETÊNCIAS COGNITIVAS - Capacidade de análise crítica - ADENDA POLÍTICA DE PREÇO O EM PLANEAMENTO DE MARKETING Generalidades; A política de preço e o marketing mix os custos e os preços; a procura e

Leia mais

Módulo 2 Custos de Oportunidade e Curva de Possibilidades de Produção

Módulo 2 Custos de Oportunidade e Curva de Possibilidades de Produção Módulo 2 Custos de Oportunidade e Curva de Possibilidades de Produção 2.1. Custo de Oportunidade Conforme vínhamos analisando, os recursos produtivos são escassos e as necessidades humanas ilimitadas,

Leia mais

Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 11, Determinação de Preços :: REVISÃO 1. Suponha que uma empresa possa praticar uma perfeita discriminação de preços de

Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 11, Determinação de Preços :: REVISÃO 1. Suponha que uma empresa possa praticar uma perfeita discriminação de preços de Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 11, Determinação de Preços :: REVISÃO 1. Suponha que uma empresa possa praticar uma perfeita discriminação de preços de primeiro grau. Qual será o menor preço que ela cobrará,

Leia mais

Teoria pertence ao grupo das teorias objetivas, conduzindo a análise do valor para o terreno da oferta e dos custos de produção.

Teoria pertence ao grupo das teorias objetivas, conduzindo a análise do valor para o terreno da oferta e dos custos de produção. VALOR Questões : 1. O que é que determina o valor de um bem? 2. De que elementos dependem os valores atribuídos aos bens e serviços normalmente transacionados? VALOR TRABALHO David Ricardo: O valor de

Leia mais

PLANEJAMENTO OPERACIONAL - MARKETING E PRODUÇÃO MÓDULO 11 PESQUISA DE MERCADO

PLANEJAMENTO OPERACIONAL - MARKETING E PRODUÇÃO MÓDULO 11 PESQUISA DE MERCADO PLANEJAMENTO OPERACIONAL - MARKETING E PRODUÇÃO MÓDULO 11 PESQUISA DE MERCADO Índice 1. Pesquisa de mercado...3 1.1. Diferenças entre a pesquisa de mercado e a análise de mercado... 3 1.2. Técnicas de

Leia mais

CAPÍTULO 10 CONCORRÊNCIA IMPERFEITA. Introdução

CAPÍTULO 10 CONCORRÊNCIA IMPERFEITA. Introdução CAPÍTULO 0 CONCORRÊNCIA IMPERFEITA Introdução Entre as duas situações extremas da concorrência perfeita e do monopólio existe toda uma variedade de estruturas de mercado intermédias, as quais se enquadram

Leia mais

ESAPL IPVC. Licenciatura em Engenharia do Ambiente e dos Recursos Rurais. Economia Ambiental

ESAPL IPVC. Licenciatura em Engenharia do Ambiente e dos Recursos Rurais. Economia Ambiental ESAPL IPVC Licenciatura em Engenharia do Ambiente e dos Recursos Rurais Economia Ambiental Tema 2 O MERCADO O Mercado Os Economistas estudam e analisam o funcionamento de uma série de instituições, no

Leia mais

MARGEM DE CONTRIBUIÇÃO: QUANTO SOBRA PARA SUA EMPRESA?

MARGEM DE CONTRIBUIÇÃO: QUANTO SOBRA PARA SUA EMPRESA? MARGEM DE CONTRIBUIÇÃO: QUANTO SOBRA PARA SUA EMPRESA? Que nome estranho! O que é isso? Essa expressão, Margem de Contribuição, pode soar estranha aos ouvidos, mas entender o que significa ajudará muito

Leia mais

Microeconomia I. Bibliografia. Elasticidade. Arilton Teixeira arilton@fucape.br 2012. Mankiw, cap. 5. Pindyck and Rubenfeld, caps. 2 e 4.

Microeconomia I. Bibliografia. Elasticidade. Arilton Teixeira arilton@fucape.br 2012. Mankiw, cap. 5. Pindyck and Rubenfeld, caps. 2 e 4. Microeconomia I Arilton Teixeira arilton@fucape.br 2012 1 Mankiw, cap. 5. Bibliografia Pindyck and Rubenfeld, caps. 2 e 4. 2 Elasticidade Será que as empresas conhecem as funções demanda por seus produtos?

Leia mais

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Abril 2012

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Abril 2012 Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Abril 2012 O RISCO DOS DISTRATOS O impacto dos distratos no atual panorama do mercado imobiliário José Eduardo Rodrigues Varandas Júnior

Leia mais

inclinada, o inverso da elasticidade se aproxima de zero e o poder de monopólio da empresa diminui. Logo, desde que a curva de demanda da empresa não

inclinada, o inverso da elasticidade se aproxima de zero e o poder de monopólio da empresa diminui. Logo, desde que a curva de demanda da empresa não Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 10, Monopólio :: REVISÃO 1. Suponha que um monopolista estivesse produzindo em um ponto no qual seu custo marginal fosse maior do que sua receita marginal. De que forma ele

Leia mais

A determinação do preço de venda do produto através da análise da Curva de Simom uma aplicação no jogo de empresas GI-EPS

A determinação do preço de venda do produto através da análise da Curva de Simom uma aplicação no jogo de empresas GI-EPS A determinação do preço de venda do produto através da análise da Curva de Simom uma aplicação no jogo de empresas GI-EPS Denis Rasquin Rabenschlag, M. Eng. Doutorando da Universidade Federal de Santa

Leia mais

8. Mercado de Trabalho, Emprego e Desemprego

8. Mercado de Trabalho, Emprego e Desemprego 8. Mercado de Trabalho, Emprego e Desemprego 8.1. Introdução 8.3. Interpretação Estática do Desemprego 8.4. Interpretação Dinâmica do Desemprego Burda & Wyplosz, 5ª Edição, Capítulo 5 1 8.1. Introdução

Leia mais

MICROECONOMIA MATERIAL DE ACOMPANHAMENTO DAS AULAS, REFERENTE À 2 A. AVALIAÇÃO.

MICROECONOMIA MATERIAL DE ACOMPANHAMENTO DAS AULAS, REFERENTE À 2 A. AVALIAÇÃO. MICROECONOMIA 4 o. ANO DE ADMINISTRAÇÃO MATERIAL DE ACOMPANHAMENTO DAS AULAS, REFERENTE À 2 A. AVALIAÇÃO. PROFESSOR FIGUEIREDO SÃO PAULO 2007 2 TEORIA DA PRODUÇÃO Função de Produção: é a relação que indica

Leia mais

Teoria Básica de Oferta e Demanda

Teoria Básica de Oferta e Demanda Teoria Básica de Oferta e Demanda Este texto propõe que você tenha tido um curso introdutório de economia. Mas se você não teve, ou se sua teoria básica de economia está um pouco enferrujada, então este

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA ORÇAMENTÁRIA EXEMPLO OLHANDO DE PERTO AULA 04: ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA DE CURTO PRAZO

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA ORÇAMENTÁRIA EXEMPLO OLHANDO DE PERTO AULA 04: ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA DE CURTO PRAZO ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA ORÇAMENTÁRIA AULA 04: ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA DE CURTO PRAZO TÓPICO 02: CICLO OPERACIONAL Além da já comentada falta de sincronização temporal, o capital de giro convive com duas

Leia mais

SIMULAÇÃO DE GESTÃO EMPRESARIAL

SIMULAÇÃO DE GESTÃO EMPRESARIAL SIMULAÇÃO DE GESTÃO EMPRESARIAL I INTRODUÇÃO O JOGO DE GESTÃO EMPRESARIAL é uma competição que simula a concorrência entre empresas dentro de um mercado. O jogo se baseia num modelo que abrange ao mesmo

Leia mais

Análise financeira da carteira de recebíveis

Análise financeira da carteira de recebíveis Análise financeira da carteira de recebíveis Por Carlos Alexandre Sá A análise e interpretação do desempenho da carteira de recebíveis é de extrema importância não só para o pessoal da área financeira,

Leia mais

CURSO DE DIREITO DA CONCORRÊNCIA E REGULAÇÃO

CURSO DE DIREITO DA CONCORRÊNCIA E REGULAÇÃO Fagundes Consultoria Econômica jfag@unisys.com.br Escola Superior da Advocacia - ESA CURSO DE DIREITO DA CONCORRÊNCIA E REGULAÇÃO Noções de Microeconomia Índice Fundamentos de Microeconomia: princípios

Leia mais

Instrumentos Econômicos: Tributos Ambientais.

Instrumentos Econômicos: Tributos Ambientais. Alguns acreditam que quando você paga para usar (ou usufruir de) alguma coisa, há a tendência de você usar essa coisa com maior cuidado, de maneira mais eficiente. Isso é verdadeiro quando você compra

Leia mais

OS EFEITOS DOS CUSTOS NA INDÚSTRIA

OS EFEITOS DOS CUSTOS NA INDÚSTRIA 3 OS EFEITOS DOS CUSTOS NA INDÚSTRIA O Sr. Silva é proprietário de uma pequena indústria que atua no setor de confecções de roupas femininas. Já há algum tempo, o Sr. Silva vem observando a tendência de

Leia mais

Antes de iniciar a sua prova, tenha em atenção os seguintes aspectos:

Antes de iniciar a sua prova, tenha em atenção os seguintes aspectos: Nome Completo: (tal como consta do processo do aluno) Nº de Processo: Turma: Curso: Antes de iniciar a sua prova, tenha em atenção os seguintes aspectos: A duração da prova é de duas horas e trinta minutos

Leia mais

Departamento Comercial e Marketing. Escola Secundaria de Paços de Ferreira 2009/2010. Técnicas de Secretariado

Departamento Comercial e Marketing. Escola Secundaria de Paços de Ferreira 2009/2010. Técnicas de Secretariado Escola Secundaria de Paços de Ferreira 2009/2010 Técnicas de Secretariado Departamento Comercial e Marketing Módulo 23- Departamento Comercial e Marketing Trabalho realizado por: Tânia Leão Departamento

Leia mais

Análise econômica das novas regras de solvência das seguradoras brasileiras Francisco Galiza 1 Outubro/2007

Análise econômica das novas regras de solvência das seguradoras brasileiras Francisco Galiza 1 Outubro/2007 Análise econômica das novas regras de solvência das seguradoras brasileiras Francisco Galiza 1 Outubro/2007 1) Introdução Nos últimos dias úteis de 2006, o Conselho Nacional de Seguros Privados (CNSP)

Leia mais

Monopólio. Microeconomia II LGE108. Características do Monopólio:

Monopólio. Microeconomia II LGE108. Características do Monopólio: Monopólio Introdução Características do Monopólio: Existe uma única empresa do lado da oferta; Existem muitos compradores de pequena dimensão; Não existem substitutos próximos; Existe informação perfeita

Leia mais

MÍDIA KIT É HORA DE VENCER A CRISE LARGUE NA FRENTE DA CONCORRÊNCIA! O VEÍCULO OFICIAL DA ASSERJ, ESTÁ COM VALORES PROMOCIONAIS PARA QUEM SE ANTECIPAR

MÍDIA KIT É HORA DE VENCER A CRISE LARGUE NA FRENTE DA CONCORRÊNCIA! O VEÍCULO OFICIAL DA ASSERJ, ESTÁ COM VALORES PROMOCIONAIS PARA QUEM SE ANTECIPAR MÍDIA KIT É HORA DE VENCER A CRISE LARGUE NA FRENTE DA CONCORRÊNCIA! O VEÍCULO OFICIAL DA ASSERJ, ESTÁ COM VALORES PROMOCIONAIS PARA QUEM SE ANTECIPAR O VEÍCULO DE COMUNICAÇÃO QUE FALA AO TRADE SUPERMERCADISTA

Leia mais

Exercícios Resolvidos sobre: I - Conceitos Elementares

Exercícios Resolvidos sobre: I - Conceitos Elementares Exercícios Resolvidos sobre: I - Conceitos Elementares Grupo II O Problema da Escassez e da Escolha Questão 1 Comecemos por explicitar o que se entende por bem económico: um bem económico é qualquer coisa

Leia mais

Microeconomia Teoria do Consumidor Oferta - Equilíbrio

Microeconomia Teoria do Consumidor Oferta - Equilíbrio Aula 6 Abordagens da Teoria do Consumidor Microeconomia Teoria do Consumidor Oferta - Equilíbrio Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves UNESP Sorocaba -SP Historicamente, ao observar-se o desenvolvimento da

Leia mais

Fluxo Ampliado de Marketing

Fluxo Ampliado de Marketing Fluxo Ampliado de Marketing No estudo deste fluxo ampliado de marketing, chega-se a conclusão da importância de um composto mercadológico mais intenso e realmente voltado ao atendimento das necessidades

Leia mais

DESPESAS FIXAS. O que são Despesas Fixas?

DESPESAS FIXAS. O que são Despesas Fixas? Conceitos de Gestão O intuito desse treinamento, é apresentar aos usuários do software Profit, conceitos de gestão que possam ser utilizados em conjunto com as informações disponibilizadas pelo sistema.

Leia mais

Planejamento Estratégico

Planejamento Estratégico Planejamento Estratégico Análise externa Roberto César 1 A análise externa tem por finalidade estudar a relação existente entre a empresa e seu ambiente em termos de oportunidades e ameaças, bem como a

Leia mais

DETERMINAÇÃO DO PREÇO NA EMPRESA

DETERMINAÇÃO DO PREÇO NA EMPRESA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS - UNICAMP INSTITUTO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS - IFCH DEPARTAMENTO DE ECONOMIA E PLANEJAMENTO ECONÔMICO - DEPE CENTRO TÉCNICO ECONÔMICO DE ASSESSORIA EMPRESARIAL

Leia mais

Princípios e Conceitos de Marketing. Prof. Felipe A. Pires

Princípios e Conceitos de Marketing. Prof. Felipe A. Pires Princípios e Conceitos de Marketing Prof. Felipe A. Pires O que é Marketing? É a execução de um conjunto de atividades comerciais, tendo como objetivo final a troca de produtos ou serviços entre produtores

Leia mais

Aluguer e Venda de Bens Duráveis em Caso de Monopólio

Aluguer e Venda de Bens Duráveis em Caso de Monopólio TEXTO PARA DISCUSSÃO DGE-08/00 Aluguer e Venda de Bens Duráveis em Caso de Monopólio Carlos Osório, Paulo Maçãs Julho 00 Departamento de Gestão e Economia (DGE) Universidade da Beira Interior Pólo das

Leia mais

Ponto de partida para o estudo da organização industrial. CT determinante das tomadas de decisões das empresas.

Ponto de partida para o estudo da organização industrial. CT determinante das tomadas de decisões das empresas. TEORIA DOS CUSTOS Os custos totais de produção preocupações dos empresários. uma das principais Como medir os custos? Como controlar os custos? Como reduzir os custos? Ponto de partida para o estudo da

Leia mais

INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA

INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA Autor: Jeferson Correia dos Santos ARTIGO TÉCNICO INOVAÇÃO NA GESTÃO DE PÓS-VENDAS: SETOR AUTOMOTIVO RESUMO A palavra inovação tem sido atualmente umas das mais mencionadas

Leia mais

Tipos de riscos Leitura preparada por Luiz A. Bertolo

Tipos de riscos Leitura preparada por Luiz A. Bertolo Tipos de riscos Leitura preparada por Luiz A. Bertolo ESBOÇO 1. Risco 2. Risco de Fluxo de Caixa 3. Risco da Taxa de Re-investimento 4. Risco da taxa de juros 5. Risco do poder de compra 6. Retornos e

Leia mais

Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 15, Mercado de Capitais::REVISÃO

Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 15, Mercado de Capitais::REVISÃO Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 15, Mercado de Capitais::REVISÃO 1. Uma empresa utiliza tecidos e mão-de-obra na produção de camisas em uma fábrica que foi adquirida por $10 milhões. Quais de seus insumos

Leia mais

Administração Financeira

Administração Financeira Administração Financeira MÓDULO 6: DECISÕES DE FINANCIAMENTO A CURTO PRAZO Nossa experiência, após centenas de demonstrações financeiras examinadas, sinaliza que as empresas entram num cenário de dificuldades

Leia mais

5-1 Introdução à Microeconomia Bibliografia: Lipsey & Chrystal cap.6, 7 Samuelson cap. 5

5-1 Introdução à Microeconomia Bibliografia: Lipsey & Chrystal cap.6, 7 Samuelson cap. 5 5-1 Introdução à Microeconomia 1º ano da licenciatura de Gestão ISEG 2004 / 5 1º semestre Bibliografia: Lipsey & Chrystal cap.6, 7 Samuelson cap. 5 5-2 Principais questões A utilidade marginal é um conceito

Leia mais

Importância da normalização para as Micro e Pequenas Empresas 1. Normas só são importantes para as grandes empresas...

Importância da normalização para as Micro e Pequenas Empresas 1. Normas só são importantes para as grandes empresas... APRESENTAÇÃO O incremento da competitividade é um fator decisivo para a maior inserção das Micro e Pequenas Empresas (MPE), em mercados externos cada vez mais globalizados. Internamente, as MPE estão inseridas

Leia mais

Gerenciamento da produção

Gerenciamento da produção 74 Corte & Conformação de Metais Junho 2013 Gerenciamento da produção Como o correto balanceamento da carga de dobradeiras leva ao aumento da produtividade e redução dos custos (I) Pedro Paulo Lanetzki

Leia mais

Elétrica montagem e manutenção ltda. AVALIAÇÃO DE COLABORADORES

Elétrica montagem e manutenção ltda. AVALIAÇÃO DE COLABORADORES AVALIAÇÃO DE COLABORADORES RESUMO A preocupação com o desempenho dos colaboradores é um dos fatores que faz parte do dia-a-dia da nossa empresas. A avaliação de desempenho está se tornando parte atuante

Leia mais

Assegurar o suprimento adequado de matéria-prima, material auxiliar, peças e insumos ao processo de fabricação;

Assegurar o suprimento adequado de matéria-prima, material auxiliar, peças e insumos ao processo de fabricação; 2. ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS Área da Administração responsável pela coordenação dos esforços gerenciais relativos às seguintes decisões: Administração e controle de estoques; Gestão de compras; Seleção

Leia mais

APLICAÇÕES DA DERIVADA

APLICAÇÕES DA DERIVADA Notas de Aula: Aplicações das Derivadas APLICAÇÕES DA DERIVADA Vimos, na seção anterior, que a derivada de uma função pode ser interpretada como o coeficiente angular da reta tangente ao seu gráfico. Nesta,

Leia mais

Prova de Microeconomia

Prova de Microeconomia UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CURSO DE MESTRADO EM ECONOMIA PROCESSO SELETIVO 2010 Prova de Microeconomia INSTRUÇÕES PARA A PROVA Leia atentamente as questões. A interpretação das questões faz parte da

Leia mais

VE = (0.1)($100) + (0.2)($50) + (0.7)($10) = $27.

VE = (0.1)($100) + (0.2)($50) + (0.7)($10) = $27. Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 5, Incerteza :: EXERCÍCIOS 1. Considere uma loteria com três possíveis resultados: uma probabilidade de 0,1 para o recebimento de $100, uma probabilidade de 0,2 para o recebimento

Leia mais

UNITERMOS: Marketing esportivo, futebol, administração esportiva.

UNITERMOS: Marketing esportivo, futebol, administração esportiva. ARTIGO Paulo Lanes Lobato * RESUMO Considerando que o marketing é hoje integrante de grande parte das conversas relacionadas ao esporte e, principalmente, que se transformou na esperança do esporte em

Leia mais

-Verba Publicitária -Implantação, Execução, Controle e

-Verba Publicitária -Implantação, Execução, Controle e -Verba Publicitária -Implantação, Execução, Controle e Avaliação UNIBAN Unidade Marte Disciplina: Planejamento de Campanha Prof. Me. Francisco Leite Aulas: 22.09.2011 A verba publicitária -Anunciante A

Leia mais

A PROGRAMAÇÃO DO ESFORÇO MERCADOLÓGICO

A PROGRAMAÇÃO DO ESFORÇO MERCADOLÓGICO A PROGRAMAÇÃO DO ESFORÇO MERCADOLÓGICO Luiz Carlos Bresser-Pereira Revista Marketing n. 7, vol. II, 1968: 24-32. Um programa mercadológico é um instrumento para se pensar com antecedência, para se estabelecer

Leia mais

Legislação aplicada às comunicações

Legislação aplicada às comunicações Legislação aplicada às comunicações Fundamentos de competição Carlos Baigorri Brasília, março de 2015 Objetivo Conhecer os principais conceitos envolvidos na regulação econômica: Oferta e demanda Teoremas

Leia mais

ELEMENTOS DO PLANO DE NEGÓCIOS

ELEMENTOS DO PLANO DE NEGÓCIOS INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO PIAUÍ - CAMPUS DE PARNAÍBA CURSO: Técnico em Informática DISCIPLINA: Empreendedorismo PROFESSORA: CAROLINE PINTO GUEDES FERREIRA ELEMENTOS DO PLANO

Leia mais

O Comportamento da Taxa de Juros. Introdução. Economia Monetária I (Turma A) - UFRGS/FCE 6/10/2005. Prof. Giácomo Balbinotto Neto 1

O Comportamento da Taxa de Juros. Introdução. Economia Monetária I (Turma A) - UFRGS/FCE 6/10/2005. Prof. Giácomo Balbinotto Neto 1 O Comportamento da Taxa de Juros Prof. Giácomo Balbinotto Neto Introdução A taxa de juros é o preço que é pago por um tomador de empréstimos a um emprestador pelo uso dos recursos durante um determinado

Leia mais

2. São grupos, respectivamente, de crédito na Conta 1 (PIB) e débito na Conta 2 (RNDB) das Contas Nacionais:

2. São grupos, respectivamente, de crédito na Conta 1 (PIB) e débito na Conta 2 (RNDB) das Contas Nacionais: UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE Pró-Reitoria de Pós-Graduação e Pesquisa Núcleo de Pós-Graduação e Pesquisa em Economia Mestrado Profissional em Desenvolvimento Regional e Gestão de Empreendimentos Locais

Leia mais

Levando em conta decisões de investimento não-triviais.

Levando em conta decisões de investimento não-triviais. Levando em conta decisões de investimento não-triviais. Olivier Blanchard* Abril de 2002 *14.452. 2º Trimestre de 2002. Tópico 4. 14.452. 2º Trimestre de 2002 2 No modelo de benchmark (e na extensão RBC),

Leia mais

SIND PME 4.0 SIMULAÇÃO INDUSTRIAL DE PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS

SIND PME 4.0 SIMULAÇÃO INDUSTRIAL DE PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SIND PME 4.0 SIMULAÇÃO INDUSTRIAL DE PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS MANUAL DA EMPRESA TODOS OS DIREITOS SÃO RESERVADOS À BERNARD SISTEMAS LTDA. BERNARD SISTEMAS LTDA. Florianópolis, Julho de 2007. Todos os

Leia mais

4.5 Sistema de Gerenciamento de Qualidade (Sistema GQ)

4.5 Sistema de Gerenciamento de Qualidade (Sistema GQ) Página : 1 / 8 4.1 Introdução 4.2 Explicações Básicas sobre a Política Empresarial 4.3 Metas da Empresa 4.4 Diretrizes da Empresa 4.5 Sistema de Gerenciamento de (Sistema GQ) Página : 2 / 8 4.1 Introdução

Leia mais

CONCEITUANDO RECEITA TOTAL, RECEITA MÉDIA E RECEITA MARGINAL

CONCEITUANDO RECEITA TOTAL, RECEITA MÉDIA E RECEITA MARGINAL ECONOMIA MICRO E MACRO AULA 03: A ELASTICIDADE E SUAS APLICAÇÕES TÓPICO 03: APLICAÇÕES DOS CONCEITOS DE ELASTICIDADE CONCEITUANDO RECEITA TOTAL, RECEITA MÉDIA E RECEITA MARGINAL A receita total ( ) é obtida

Leia mais

TEORIA DA CONTABILIDADE 2010

TEORIA DA CONTABILIDADE 2010 1. PATRIMONIO LIQUIDO 1.1. INTRODUÇÃO Estaticamente considerado, o patrimônio liquido pode ser simplesmente definido como a diferença, em determinado momento, entre o valor do ativo e do passivo, atribuindo-se

Leia mais

APURAÇÃO DO LUCRO LÍQUIDO NO COMÉRCIO

APURAÇÃO DO LUCRO LÍQUIDO NO COMÉRCIO APURAÇÃO DO LUCRO LÍQUIDO NO COMÉRCIO O Sr. Fúlvio Oliveira, empresário de uma loja de confecções, está seriamente preocupado com seu negócio. As dívidas não param de crescer. Vamos entender sua situação.

Leia mais

Plano de Marketing. Produto (Posicionamento) Preço. Artigos de PN Como fazer Plano de Marketing. josedornelas.com.br

Plano de Marketing. Produto (Posicionamento) Preço. Artigos de PN Como fazer Plano de Marketing. josedornelas.com.br Artigos de PN Como fazer Plano de Marketing Plano de Marketing Para traçar o plano de marketing do plano de negócios, deve-se atentar à estratégia que será seguida pela empresa. A estratégia pode ser definida

Leia mais

Vamos usar a seguinte definição: Aumento da taxa de cambio = Desvalorização. Taxa de cambio real : é o preço relativo dos bens em dois paises.

Vamos usar a seguinte definição: Aumento da taxa de cambio = Desvalorização. Taxa de cambio real : é o preço relativo dos bens em dois paises. Vamos usar a seguinte definição: Aumento da taxa de cambio = Desvalorização Uma desvalorização ocorre quando o preço das moedas estrangeiras sob um regime de câmbio fixa é aumentado por uma ação oficial.

Leia mais

Ativos Patrimônio Líquido CAPÍTULO 2 CUSTO DE CAPITAL E CUSTOS FINANCEIROS. 1. Custo de Capital

Ativos Patrimônio Líquido CAPÍTULO 2 CUSTO DE CAPITAL E CUSTOS FINANCEIROS. 1. Custo de Capital 34 CAPÍTULO 2 CUSTO DE CAPITAL E CUSTOS FINANCEIROS 1. Custo de Capital Custo de capital é a taxa de retorno que a empresa precisa obter sobre os seus projetos de investimentos, para manter o valor de

Leia mais

Palavras-chave: Demonstrações Contábeis. Setor público. Lei de Responsabilidade Fiscal.

Palavras-chave: Demonstrações Contábeis. Setor público. Lei de Responsabilidade Fiscal. ANÁLISE E INTERPRETAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS NO SETOR PÚBLICO Adriana Oliveira Nogueira Universidade de Fortaleza (UNIFOR-CE) adriana@secon.ce.gov.br Manuel Salgueiro Rodrigues Júnior Universidade

Leia mais

3. Estratégia e Planejamento

3. Estratégia e Planejamento 3. Estratégia e Planejamento Conteúdo 1. Conceito de Estratégia 2. Vantagem Competitiva 3 Estratégias Competitivas 4. Planejamento 1 Bibliografia Recomenda Livro Texto: Administração de Pequenas Empresas

Leia mais

Microeconomia. Prof.: Antonio Carlos Assumpção

Microeconomia. Prof.: Antonio Carlos Assumpção Microeconomia Os Custos de Produção Prof.: Antonio Carlos Assumpção Tópicos Discutidos Medição de Custos: Quais custos considerar? Custos no Curto Prazo Custos no Longo Prazo Mudanças Dinâmicas nos Custos:

Leia mais

INTRODUÇÃO. O trabalho terá a seguinte org2anização: Introdução: apresentação do tema, situação problema, hipótese, e a metodologia utilizada.

INTRODUÇÃO. O trabalho terá a seguinte org2anização: Introdução: apresentação do tema, situação problema, hipótese, e a metodologia utilizada. INTRODUÇÃO Todas as empresas, com ou sem fins lucrativos, estabelecem um preço para seus produtos. Mas como estabelecer este preço? Quais os fatores que influenciam no estabelecimento do preço?. De forma

Leia mais

Plano de Marketing. Introdução (breve) ao Marketing Análise de Mercado Estratégias de Marketing

Plano de Marketing. Introdução (breve) ao Marketing Análise de Mercado Estratégias de Marketing Plano de Marketing Introdução (breve) ao Marketing Análise de Mercado Estratégias de Marketing 1 Plano de Marketing É o resultado de um processo de planejamento. Define o quevai ser vendido, por quanto,

Leia mais

Norma contabilística e de relato financeiro 9. e divulgações apropriadas a aplicar em relação a locações financeiras e operacionais.

Norma contabilística e de relato financeiro 9. e divulgações apropriadas a aplicar em relação a locações financeiras e operacionais. Norma contabilística e de relato financeiro 9 Locações Esta Norma Contabilística e de Relato Financeiro tem por base a Norma Internacional de Contabilidade IAS 17 Locações, adoptada pelo texto original

Leia mais

UWU CONSULTING - SABE QUAL A MARGEM DE LUCRO DA SUA EMPRESA? 2

UWU CONSULTING - SABE QUAL A MARGEM DE LUCRO DA SUA EMPRESA? 2 UWU CONSULTING - SABE QUAL A MARGEM DE LUCRO DA SUA EMPRESA? 2 Introdução SABE COM EXATIDÃO QUAL A MARGEM DE LUCRO DO SEU NEGÓCIO? Seja na fase de lançamento de um novo negócio, seja numa empresa já em

Leia mais

UM CONCEITO FUNDAMENTAL: PATRIMÔNIO LÍQUIDO FINANCEIRO. Prof. Alvaro Guimarães de Oliveira Rio, 07/09/2014.

UM CONCEITO FUNDAMENTAL: PATRIMÔNIO LÍQUIDO FINANCEIRO. Prof. Alvaro Guimarães de Oliveira Rio, 07/09/2014. UM CONCEITO FUNDAMENTAL: PATRIMÔNIO LÍQUIDO FINANCEIRO Prof. Alvaro Guimarães de Oliveira Rio, 07/09/2014. Tanto as pessoas físicas quanto as jurídicas têm patrimônio, que nada mais é do que o conjunto

Leia mais

EMPREENDEDORISMO Marketing

EMPREENDEDORISMO Marketing Gerenciando o Marketing EMPREENDEDORISMO Marketing De nada adianta fabricar um bom produto ou prestar um bom serviço. É preciso saber colocálo no mercado e conseguir convencer as pessoas a comprá-lo. O

Leia mais

Ficha de informação 1 POR QUE RAZÃO NECESSITA A UE DE UM PLANO DE INVESTIMENTO?

Ficha de informação 1 POR QUE RAZÃO NECESSITA A UE DE UM PLANO DE INVESTIMENTO? Ficha de informação 1 POR QUE RAZÃO NECESSITA A UE DE UM PLANO DE INVESTIMENTO? Desde a crise económica e financeira mundial, a UE sofre de um baixo nível de investimento. São necessários esforços coletivos

Leia mais

5º TEXTO: MATERIAL DE APOIO Professor: Me Célio dos Santos Vieira

5º TEXTO: MATERIAL DE APOIO Professor: Me Célio dos Santos Vieira 1 5º TEXTO: MATERIAL DE APOIO Professor: Me Célio dos Santos Vieira CONCEITO DE ELASTICIDADE E ELASTICIDADE DA DEMANDA. Elasticidade é a alteração percentual em uma variável, dada uma variação percentual

Leia mais

INTRODUÇÃO AO TRADE MARKETING Fazendo a diferença no Ponto de Venda. www.pdvativo.com.br

INTRODUÇÃO AO TRADE MARKETING Fazendo a diferença no Ponto de Venda. www.pdvativo.com.br Fazendo a diferença no Ponto de Venda EBOOK Sumário Revisão O que é Trade Marketing? Entenda o Comportamento de Compra do Consumidor O que é Merchandising? Revisão Para entender sobre Trade Marketing devemos

Leia mais

POUPANÇA INVESTIMENTO E SISTEMA FINANCEIRO. Sistema financeiro serve para unir pessoas que poupam com as pessoas que

POUPANÇA INVESTIMENTO E SISTEMA FINANCEIRO. Sistema financeiro serve para unir pessoas que poupam com as pessoas que Aula 21 12/05/2010 Mankiw (2007) - Cap 26. POUPANÇA INVESTIMENTO E SISTEMA FINANCEIRO. investem. Sistema financeiro serve para unir pessoas que poupam com as pessoas que INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS NA ECONOMIA

Leia mais

(a) Propriedade detida por locatários que seja contabilizada como propriedade de investimento (ver NCRF 11 - Propriedades de Investimento);

(a) Propriedade detida por locatários que seja contabilizada como propriedade de investimento (ver NCRF 11 - Propriedades de Investimento); NCRF 9 Locações Esta Norma Contabilística e de Relato Financeiro tem por base a Norma Internacional de Contabilidade IAS 17 - Locações, adoptada pelo texto original do Regulamento (CE) n.º 1126/2008 da

Leia mais

7. POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO. 7.1- Comunicação 7.2- Publicidade 7.3- Promoção 7.4- Marketing directo

7. POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO. 7.1- Comunicação 7.2- Publicidade 7.3- Promoção 7.4- Marketing directo 7. POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO 7.1- Comunicação 7.2- Publicidade 7.3- Promoção 7.4- Marketing directo A COMUNICAÇÃO Comunicar Comunicar no marketing emitir mensagem para alguém emitir mensagem para o mercado

Leia mais

UNOCHAPECÓ Programação Econômica e Financeira

UNOCHAPECÓ Programação Econômica e Financeira Estruturas de mercado UNOCHAPECÓ Programação Econômica e Financeira Texto para Discussão 1 De acordo com a natureza do mercado em que estão inseridas, as empresas deparam-se com decisões políticas diferentes,

Leia mais

FACULDADE DE TECNOLOGIA DE SOROCABA

FACULDADE DE TECNOLOGIA DE SOROCABA FACULDADE DE TECNOLOGIA DE SOROCABA CURSO DE TECNOLOGIA EM ANÁLISE DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Sergio Manoel Tavares, AN091354 Sheila Perez Gimenes, AN091355 GRUPO 4 TEORIA DA DEMANDA E EQUILÍBRIO DE MERCADO

Leia mais

Capítulo 1 Conceitos e Gestão de Estoques

Capítulo 1 Conceitos e Gestão de Estoques Capítulo 1 Conceitos e Gestão de Estoques Celso Ferreira Alves Júnior eng.alvesjr@gmail.com 1. GESTÃO DE ESTOQUE 1.1 Conceito de Gestão de estoques Refere-se a decisões sobre quando e quanto ressuprir

Leia mais

O Método de Custeio por Absorção e o Método de Custeio Variável

O Método de Custeio por Absorção e o Método de Custeio Variável O Método de Custeio por Absorção e o Método de Custeio Variável por Carlos Alexandre Sá Existem três métodos de apuração dos Custos das Vendas 1 : o método de custeio por absorção, o método de custeio

Leia mais

Modelo de Briefing de Produto - Roteiro de Coleta de Informações - Completo

Modelo de Briefing de Produto - Roteiro de Coleta de Informações - Completo BRIEFING DE PRODUTO Modelo de Briefing de Produto - Roteiro de Coleta de Informações - Completo Modelo Extraído dos livros: Tudo o que você queria saber sobre propaganda e ninguém teve paciência para explicar

Leia mais

NOÇÕES DE CUSTO Receita Custo (Despesa) Investimento Encaixe (Embolso) Desencaixe (Desembolso)

NOÇÕES DE CUSTO Receita Custo (Despesa) Investimento Encaixe (Embolso) Desencaixe (Desembolso) NOÇÕES DE CUSTO Receita Entrada de elementos para a empresa (dinheiro ou direitos a receber) Custo (Despesa) É todo o gasto realizado pela empresa para auferir receita Investimento É a aplicação de recursos

Leia mais

PERGUNTAS E RESPOSTAS

PERGUNTAS E RESPOSTAS MOMENTO ECONÔMICO Os investimentos dos Fundos de Pensão, e o PRhosper não é diferente, têm por objetivo a formação de capital para uso previdenciário, portanto, de longo prazo. Exatamente por essa razão,

Leia mais

Trabalho sobre Social Media Como implementar Social Media na empresa

Trabalho sobre Social Media Como implementar Social Media na empresa Como implementar Social Media na empresa 1 As razões: Empresas ainda desconhecem benefícios do uso de redes sociais Das 2,1 mil empresas ouvidas em estudo do SAS Institute e da Harvard Business Review,

Leia mais

5 Conclusão e discussões

5 Conclusão e discussões 5 Conclusão e discussões O presente estudo procurou entender melhor o universo dos projetos de patrocínio de eventos, principalmente com o objetivo de responder a seguinte questão: quais são as principais

Leia mais

Capítulo 5. Custo de Produção

Capítulo 5. Custo de Produção Capítulo 5 Custo de Produção 1. Custos de Produção i. Conceito: os custos de produção são os gastos realizados pela empresa na aquisição dos fatores fixos e variáveis que foram utilizados no processo produtivo;

Leia mais

Plano de Marketing e Vendas e a Análise Estratégica do Negócio Fabiano Marques

Plano de Marketing e Vendas e a Análise Estratégica do Negócio Fabiano Marques Plano de Marketing e Vendas e a Análise Estratégica do Negócio Fabiano Marques Nada é mais perigoso do que uma idéia, quando ela é a única que temos. (Alain Emile Chartier) Neste módulo, faremos, a partir

Leia mais

A EVOLUÇÃO DA ECONOMIA INDUSTRIAL

A EVOLUÇÃO DA ECONOMIA INDUSTRIAL A EVOLUÇÃO DA ECONOMIA INDUSTRIAL Pablo Bielschowsky 1 RESUMO O presente artigo resgata a evolução da teoria industrial desde Marshall, passando pelas teorias de formação de preços em oligopólio e pela

Leia mais

Plataforma da Informação. Finanças

Plataforma da Informação. Finanças Plataforma da Informação Finanças O que é gestão financeira? A área financeira trata dos assuntos relacionados à administração das finanças das organizações. As finanças correspondem ao conjunto de recursos

Leia mais

A Projeção de Investimento em Capital de Giro na Estimação do Fluxo de Caixa

A Projeção de Investimento em Capital de Giro na Estimação do Fluxo de Caixa A Projeção de Investimento em Capital de Giro! Dimensionamento dos Estoques! Outras Contas do Capital de Giro Francisco Cavalcante (francisco@fcavalcante.com.br) Sócio-Diretor da Cavalcante Associados,

Leia mais

Custos de Produção. Capítulo 5

Custos de Produção. Capítulo 5 Capítulo 5 Custos de Produção Quando um aqüicultor decide se engajar na produção, os requerimentos de recursos e o preço desses recursos devem ser determinados. Os recursos têm muitos usos, mas quando

Leia mais