Otimização dos gastos promocionais de Marketing

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Otimização dos gastos promocionais de Marketing"

Transcrição

1 Otimização dos gastos promocionais de Marketing Revista Check-Out, ano II, nº 5, p.26-39, setembro 1990 Fauze Najib Mattar É muito comum nas empresas que a verba promocional (propaganda + promoção de vendas + descontos + gastos com força de venda + outros gastos promocionais) seja determinada como uma porcentagem do total das vendas. Procuraremos mostrar neste artigo que esta não é a forma mais correta pois, assim procedendo, dificilmente a empresa estará com o orçamento ótimo de promoção comercial. Ou seu orçamento estará menor do que deveria e, em conseqüência estará perdendo vendas e lucros, ou estará maior e, portanto, perdendo lucros. Nossa análise compreenderá três partes: a ação da promoção comercial sobre a demanda, o rendimento das despesas de promoção de Marketing e a escolha de um orçamento ótimo de prmoção de Marketing. O termo "promoção comercial" deve ser entendido aqui no sentido amplo. Trata-se das despesas consentidas com a finalidade de influenciar a escolha do comprador. É, então, o conjunto dos meios de ação, extremamente variados, exceto o preço de venda e as diferenciações objetivas do produto, aos quais a direção de marketing pode recorrer para desenvolver as vendas e absorver sua parcela de mercado. Citamos notadamente a propaganda, os representantes e vendedores, as margens dos distribuidores, os serviços pós-venda etc.. A promoção de marketing exerce uma dupla ação sobre a demanda. De uma parte, ela informa os consumidores sobre a existência do produto e sobre suas características e, de outra, suscita o desejo de compra. No primeiro caso é informativa e, no segundo, tende a ser compulsiva. Os efeitos da promoção de marketing sobre a demanda podem, então, ser diferentes. A PROMOÇÃO INFORMATIVA Seu papel é o de melhorar a "transparência" do mercado, lutando contra a informação imperfeita dos compradores que freqüentemente ignoram a existência de outros vendedores que não aqueles com os quais eles tratam habitualmente, assim como as diferenças do mercado de um vendedor, uma vez que, graças às informações dadas sobre o produto e seus preços, os consumidores poderão satisfazer seus desejos de compra com melhor conhecimento de causa. Na medida em que a concorrência se desenvolva sobre as características do produto, esta ação de marketing terá por efeito deslocar a curva da demanda para a direita, uma vez que ela aumenta o conhecimento do produto anunciado. Isto é particularmente percebido no caso de um produto novo, que não encontraria demanda alguma se a empresa não autorizasse as despesas destinadas a torná-lo conhecido, com as novas vantagens que ele apresenta. A figura 1 ilustra o efeito de uma campanha publicitária de informação. Observa-se que a curva de demanda RM1 se desloca para RM2, isto significa que, para um preço fixo qualquer (OP por exemplo) vende-se mais (isto é, OQ2 em lugar de OQ1). Se a informação se refere a uma redução de preço, a propaganda terá a tendência de mudar a forma de curva da demanda, tornando-a mais elástica, uma vez que o conhecimento da redução de preço atingirá um número maior de compradores. Com efeito (fig.2), se o anuncio da baixa de preço de OP1 a OP2 é largamente

2 difundido no mercado através da propaganda, a curva de demanda RM3 mudará a forma e se converterá na RM4, que é mais elástica do que RM3: ao preço reduzido OP2, a demanda vai crescer não apenas da quantidade Q1Q2, previsível antes da propaganda ser feita, mas ainda da quantidade suplementar Q2Q3, resultante das despesas de promoção de marketing autorizadas para ampliar o conhecimento do novo preço de venda. Em conseqüência dessa campanha de informação, a empresa consegue aumentar a elasticidade média de sua demanda, o que significa que a queda de preço anunciado se traduzirá por um aumento sensível da receita total, sendo o crescimento relativo das quantidades procuradas superior a baixa relativa do preço. Deve-se notar que, se a empresa desejar voltar ao preço anterior ou mesmo a um preço superior a este último, encontrará em conseqüência uma resistência mais forte do que antes, uma vez que o conjunto de sua curva de demanda (fig.2) é agora mais elástico e compreende a porção de curva (RM4) situada acima de OP1. Entre as múltiplas formas de promoção comercial informativa deve-se mencionar, por exemplo, a rede vendedora que, simplesmente assegurando um grau suficiente de presença do produto nos pontos de venda, contribui para tornar os consumidores mais conhecedores: deve-se citar os boletins e prospectos técnicos, rótulos, cartazes etc.. A PROMOÇÃO "COMPULSIVA" Muitas vezes é difícil dissociar as duas formas de promoção comercial. Portanto, enquanto se puder isolá-la, a promoção "compulsiva" terá por finalidade convencer o consumidor sobre a excelência do produto anunciado e de provocar ou manter preferência por esse produto. O papel da segunda forma de promoção é não apenas o de incrementar as vendas, mas ainda o de aumentar o apego e fidelidade à marca. Em termos de análise econômica, o efeito desta promoção é o de deslocar a curva de demanda para a direita e para o alto, tornando-a menos elástica, isto é, menos sensível às mudanças de preço. A figura 3 ilustra esta situação. Observa-se que, em virtude da propaganda, a demanda se deslocou de RM5 a RM6. 0 vendedor encontra não apenas uma demanda mais forte ao preço dado OP, mas igualmente mais elástica neste ponto. Isto significa que ele poderia aumentar sua receita total através de um aumento no preço de vendas, uma vez que os compradores, doravante mais presos ao produto, serão pouco sensíveis a ele e reduzirão apenas ligeiramente suas compras. A finalidade da propaganda "compulsiva" é, então, a de provocar diferenciações "subjetivas" do produto. Esforçando-se para criar, através de promoção comercial, uma imagem favorável de sua marca, o vendedor tende a aumentar seu poder de monopólio e a separar seu mercado do de seus concorrentes (a).

3 (a) - O efeito da promoção no caso de oligopólio. 0 efeito da promoção é particularmente significativo quando a empresa não dispõe de independência alguma na escolha de seu preço de venda. Este será o caso em que toda modificação no preço praticada sobre o mercado provocará reações em cadeia por parte dos concorrentes em caso de queda ou a mudança na preferência dos compradores em caso de alta. Nesta hipótese, a promoção comercial e as melhorias do produto são os únicos meios de ação de que dispõe a empresa para assegurar-se de uma demanda preferencial e, eventualmente, para restaurar sua independência na determinação de seu preço de venda. Este é, pelo menos, o resultado para o qual tende uma empresa dinâmica que opera em um mercado de estrutura oligopolística. Como se sabe, chama-se "oligopólio" uma situação caracterizada pela presença de um número reduzido de vendedores cujas demandas individuais são muito sensíveis às variações de preço praticadas pelo resto do grupo. Esta situação é marcada por uma constante vigilância mútua e uma grande interdependência de ação. Nestas condições cada vendedor "imagina" sua própria curva de demanda como uma reta quebrada no nível de preço de mercado elástica em sua parte superior e inelástica na sua parte superior. Esta curva de demanda, representada pela figura 4, distingue-se das reproduzidas até agora, pelo fato de levar em conta indiretamente as reações dos concorrentes, pelos menos no sentido de que são pressentidas pelo centro de decisão. Ela reflete melhor as seguintes considerações: se a empresa decide aumentar seu preço de venda acima do preço estabelecido OP, ela prevê que os consumidores se afastarão dos produtos oferecidos em benefício dos de seus concorrentes, uma vez que os compradores irão se ressentir duramente da passagem a um preço mais elevado que não se justifica aos seus olhos. Nestas condições, a receita total da empresa diminuirá, sendo o efeito da queda de quantidade superior ao de elevação do preço. Se o centro de decisão diminuir seu preço de venda na esperança de aumentar sua participação de mercado, os concorrentes se apressarão a imitá-lo nesta tentativa: o equilíbrio se restabelecerá, mas a um nível inferior e sempre com as mesmas participações de mercado. Se a demanda global do mercado paro o produto considerado é muito elástica, esta queda de preço terá como efeito estimular a demanda geral e aumentar a receita total de cada empresa, mas não sua posição relativa. Nestas condições, pode-se ver que, na maioria das vezes, a empresa terá interesse em manter o preço de mercado e desenvolver a luta concorrencial em um terreno

4 mais favorável. Logicamente, este será o da diferenciação objetiva do produto, quando não o da promoção de marketing, cujo efeito principal, como visto, é deslocar a curva da demanda para a direita, modificando progressivamente sua elasticidade de maneira a tornar possível uma política de preços independente. A empresa atendera a esse objetivo através de investimentos em propaganda "compulsiva", cujo efeito ideal é o de aumentar a fidelidade e o apego ao produto, a ponto de inverter as zonas de elasticidade. Este resultado pode ser apreciado na figura 5. A nova demanda prevista pelo centro de decisão será, então, RM', cuja parte superior é relativamente inelástica e a parte inferior relativamente elástica, ao contrario da curva de demanda inicial RM (figura 5). Um perfil semelhante ao de RM' implica que a empresa, se operar dentro dos limites da capacidade, conseguirá aumentar sua receita total e sua margem bruta ao passar ao preço superior P' ou ao preço inferior P'. Qualquer campanha de propaganda não terá evidentemente um resultado tão positivo, uma vez que, no espaço de tempo intermediário, os concorrentes não permanecerão inativos em face da ofensiva publicitária dirigida contra eles. É mesmo provável que, por sua ação, eles serão bem sucedidos ao manter a demanda preferencial original. Nesta hipótese, a propaganda terá simplesmente conseguido deslocar a curva de demanda para a direita sem modificação de sua elasticidade. A empresa deverá resignar-se em considerar o preço de venda OP como uma constante, durante todo o tempo em que os fatores conjunturais não alteraremos dados para o conjunto do grupo. (b) - As características da propaganda "compulsiva" Ao conferir ao produto uma imagem e uma personalidade, a propaganda atinge resultado semelhante ao obtido pelas diferenças de qualidade e de apresentação do produto, neste caso com nuances próximas de diferenciações psicológicas ou subjetivas e não mais objetivas. É a esta realidade que as análises psicossociológicas (estudos de motivação) devem seu desenvolvimento. Sua finalidade é arquivar as sensações, idéias e sentimentos do comprador, extrair uma explicação de sua conduta e apresentar, em conseqüência, sugestões com vistas a convencê-lo a adquirir uma determinada marca em lugar de outra. O RENDIMENTO DAS DESPESAS DE PROMOÇÃO DE MARKETING Se a finalidade da promoção de marketing é desenvolver as vendas, a questão a se colocar agora é: até que ponto esta despesa trará benefícios? Antes de abordar o problema do calculo do nível ótimo de intervenção do orçamento de promoção de marketing, examinaremos o tipo de relação que vincular as despesas de promoção às quantidades procuradas. A análise que se segue aplica-se essencialmente à promoção "compulsiva", cujo objetivo direto é o de aumentar a demanda para o produto considerado. Sua eficácia pode ser medida em termos de vendas suplementares realizadas, o que não é o caso da promoção informativa cujo resultado é mais diferenciado e, em conseqüência, mais claramente previsível.

5 2.1 - A RELAÇÃO "PROMOÇÃO DE MARKETING QUANTIDADES PROCURADAS" A função simples que liga as quantidades procuradas e a despesa de promoção comercial - Q = f(a) - se expressa graficamente por uma curva de demanda semelhante à figura 6, onde as quantidades são representadas no eixo horizontal e as despesas de promoção sobre o eixo vertical, A forma geral da curva representada na figura explica-se pelo fato de que as despesas de promoção obedecem tipicamente à lei dos rendimentos variáveis. Comentemos brevemente as características desta nova curva de demanda. Na figura 6, observa-se que, sem qualquer despesa de propaganda, a empresa conseguiu vender o volume OQI. Em seguida, se a empresa quiser vender mais, deverá autorizar despesas de promoção que serão de uma eficiência variável. Com efeito, no inicio de toda a ação promocional em favor X de um novo produto, as primeiras despesas não provocam geralmente variações sensíveis nas vendas. Isto se explica pelo fato de que é difícil modificar de um só golpe as atitudes e hábitos dos consumidores, os préjulgamentos etc.. Nos meios publicitários considera-se que, abaixo de um budget mínimo, não se deve empreender uma campanha pois o anuncio é muito raro ou não suficientemente repetitivo para se tornar realmente eficiente. Percebe-se pela figura 6 que para um orçamento correspondente a OAI as vendas aumentam relativamente pouco, ou seja, de um volume Q1 - Q2. Existe, portanto, um limite crítico de atenção que deve ser considerado antes de perceber os efeitos do investimento de marketing consentido. Por outro lado, qualquer aumento nas despesas além daquele limite provocará fortes aumentos de venda e isto até o ponto de inflexão da curva, além do qual entra-se numa zona de rendimentos decrescentes onde aumentar as vendas torna-se cada vez mais difícil e inexeqüível. Tende-se, então, a um nível absoluto de saturação. A curva de demanda da figura 6 requer um certo número de esclarecimentos suplementares. Restrições às análises que seguirão: a. A hipótese "tudo o mais permanecendo constante" A hipótese aqui anunciada é de que tudo o mais permaneça constante, inclusive o preço, variando apenas o orçamento de promoção. Esta hipótese impõe-se para que se possa analisar o rendimento das despesas promocionais, uma vez que as quantidades vendidas são função do preço e da promoção. A partir de uma representação gráfica, isto significa que, ainda que a promoção comercial aumente a demanda para todos os preços, deslocando-a para a direita, prefere-se aqui medir seu efeito fixando-se um preço e observando-se o aumento da demanda a este preço. Uma vez que esta curva de demanda não pode jamais ser determinada senão mediante a hipótese "tudo o mais permanecerá constante" ela será, então, necessariamente diferente para cada produto e para cada conjunto de condições relacionadas com as outras variáveis. Melhorando a qualidade do produto, por exemplo, os consumidores serão mais receptivos à propaganda e o segundo ponto de tangência se situará mais abaixo e mais à direita. Isso implica que a propaganda será mais rentável do que antes.

6 Pelo contrario, se produtos de substituição (sucedâneos) aparecerem no mercado, a curva tenderá a elevar-se, ou seja. para obter o mesmo resultado será preciso gastar mais no futuro. b. A interação entre o preço e a promoção de marketing É razoável pensar que a promoção comercial tem mais ou menos o mesmo efeito de aumento de demanda para todos os níveis de preço, o que se resume em admitir que não há interação entre o preço e a promoção comercial. Seus efeitos próprios juntam-se pura e simplesmente. No plano de análise da elasticidade isto significará que, em conseqüência de uma ação publicitária qualquer, a nova demanda terá, a cada nível de preço, a mesma elasticidade que a demanda anterior. Porém, isto e próprio da promoção informativa mas não - como já visto - da promoção "compulsiva" que modifica a elasticidade da demanda anterior. Porém, isto é próprio da promoção informativa mas não - como já visto - da promoção "compulsiva" que modifica a elasticidade da demanda anterior. É evidente que, na realidade, a promoção "compulsiva" terá uma eficácia proporcionalmente diferente segundo o preço praticado, e notadamente cada vez que houver uma associação entre o preço e a qualidade do produto. Este fato da interação entre fatores de venda complica, evidentemente, o problema da medida do efeito da promoção comercial. Fica, portanto, aqui negligenciado o problema da medida das interações, uma vez que isto não afeta o raciocínio básico que nos ocupa neste estágio da análise. c. A qualidade dos meios promocionais utilizados É evidente que uma mesma despesa pode ser de uma eficácia promocional bem diferente conforme a maneira de sua utilização. Na analise que se segue, vamos supor sempre que cada quantidade despendida o é de maneira ótima e que, por exemplo, o conteúdo da propaganda, sua apresentação e sua organização (tema, mídia, colocação etc.) foram escolhidos e agenciados de modo a obter o melhor resultado a um dado custo. Trata-se de um problema de técnica publicitária que é anterior ao da determinação do montante ótimo da despesa e que a teoria econômica supõe resolvido, embora na realidade ele esteja bem longe disso A ELASTICIDADE DA DEMANDA ÀS DESPESAS PROMOCIONAIS Para aumentar suas vendas e ampliar sua participação no mercado, a empresa deve então aumentar seus esforços de venda através de despesas suplementares que tomam a forma de anúncios de propaganda, visitas de representantes, ações promocionais etc. A importância destas despesas suplementares depende do grau de sensibilidade de demanda, que pode ser medido com o auxílio de uma fórmula de elasticidade idêntica à da elasticidade de preço.3. a) Definição de elasticidade da promoção comercial A elasticidade da despesa de promoção de marketing (elasticidade promocional) (A) exprime a sensibilidade relativa da demanda - a preço constante - a todo aumento do orçamento destinado à expansão das vendas. A elasticidade é determinada calculando-se simplesmente a relação percentual das respectivas variações, n = porcentagem de variação das quantidades porcentagem e variação das despesas promocionais

7 b) As zonas de elasticidade Da mesma forma como a elasticidade de preço, a elasticidade promocional toma um valor diferente em todos os pontos da curva, a qual se divide em zonas de elasticidade diferente. Antes do primeiro ponto de tangência T1 da figura 6, encontra-se numa região inelástica onde a despesa de propaganda tem relativamente pouco efeito sobre as vendas; além deste limite crítico, entra-se numa zona elástica onde as vendas aumentam proporcionalmente mais do que as despesas. A partir do segundo ponto de tangência T2, nos encontraremos de novo em uma zona de inelasticidade relativa, onde os acréscimos de despesas são proporcionalmente superiores aos acréscimos de quantidades. Tende-se, então, a um nível de saturação. Deve-se notar que, contrariamente à elasticidade de preço, a elasticidade promocional tem sinal positivo, o que significa que o aumento das despesas de propaganda aumenta sempre o volume das vendas, pelo menos até certo nível. Este último aspecto aparece melhor na figura 7, onde está representada a curva de receita total - a um preço de venda constante - em função das despesas de promoção comercial. Esta curva é de fato idêntica à da figura 6, com a única diferença de que simplesmente invertemos os dados sobre os eixos. Vê-se claramente sobre esta figura que a receita total evolui sempre no mesmo sentido que as despesas de promoção, mas com rendimentos variáveis - crescentes primeiramente, proporcionais e decrescentes em seguida -, enquanto que um aumento nas quantidades procuradas, em conseqüência de uma baixa do preço de venda, pode ou não aumentar a receita total, conforme a demanda seja elástica ou inelástica. Enfim, além do nível de saturação, poderíamos teoricamente imaginar que os consumidores se sintam insatisfeitos com a propaganda excessiva a ponto de reduzirem suas compras. A elasticidade tomará então o sinal negativo. Logicamente, trata-se de um caso limite A PROMOÇÃO DE MARKETING COMO CUSTO DE VIDA É essencial para o empresário situar, nem que seja aproximadamente, sua posição sobre esta curva de receita total. Entretanto, o fato de uma empresa descobrir que ela se situa em uma zona elástica não pode ter como conclusão imediata o aumento do orçamento de propaganda. Da mesma forma como a escolha do preço de venda, tudo depende do objetivo perseguido pela empresa, a saber, maximização das vendas ou maximização dos lucros. Nesta ultima hipótese, para poder identificar

8 orçamento ótimo de promoção, vai ser necessário comparar, para toda mudança empreendida, as variações de receitas com as variações de despesas, estas últimas podendo ser ou custos de fabricação ou custos de venda, isto é, despesas de promoção de marketing. A curva da figura 4-6 aparece, então, como representativa de uma curva de custos comparável à descrita no capitulo 2 (figura 2-1). Sob esta perspectiva, definiremos a despesa marginal da promoção comercial (dm) como sendo a derivada da despesa total em relação às quantidades. dm = d(a) d(q) A despesa marginal de promoção comercial mede então o acréscimo do orçamento de propaganda requerido por um acréscimo dado das quantidades vendidas. A ESCOLHA DE UM ORÇAMENTO ÓTIMO DE PROMOÇÃO DE MARKETING A determinação do nível do orçamento de promoção comercial deve resultar da confrontação das curvas de custos e de receitas. A finalidade da propaganda e das despesas de distribuição é a de "provocar vendas" acrescentando-se as despesas aos custos de produção. O ponto de equilíbrio, isto é, orçamento ótimo, devera então ser procurado tendo-se em conta simultaneamente os custos de produção e de vendas de um lado e as receitas de outro CÁLCULO DO PONTO DE EQUILÍBRIO Na figura 8, representamos pela reta CPt os custos mos a incidência de toda mudança considerada, por comparação entre as variações de despesas e de receitas. Aplicando o conceito de derivada, temos: variáveis proporcionais ao volume. A curva do custo total (CT) da figura 8 é simplesmente a curva de demanda da figura 6 aumentada em todos os seus pontos de uma quantidade igual ao custo proporcional. Esta curva representa, então, a totalidade dos custos de fabricação (CPt) e de promoção (A) dos diferentes volumes considerados. Quanto aos encargos de estrutura, eles não intervêm nesse estágio do raciocínio. A reta RT indica a receita total (P.Q.) resultante de cada volume de promoção e de venda. A inclinação desta reta depende do preço de venda que aqui se supõe constante. a) Determinação do orçamento ótimo Da confrontação desses dados (figura 8) vê-se claramente que a empresa tem interesse em produzir e vender o volume OQm. Com efeito, este nível é igual à receita marginal. Graficamente, verificaremos a observância a esta regra da seguinte maneira: sabe-se que o custo marginal e a receita marginal são as derivadas do custo total e da receita total. Como tal, eles se medem peia

9 inclinação das tangentes a estas curvas e são iguais quando estas tangentes são paralelas. Na figura 8 constatamos que esta condição é efetivamente preenchida no nível OQm, uma vez que a tangente (M) à curva do custo total, é ai exatamente paralela da receita total. A este nível, a margem bruta (AoR) atinge, então, o máximo: ela se destina a cobrir os encargos de estrutura próprios e gerais e a participar da constituição do lucro. Os custos de fabricação elevam-se a OC e o orçamento promocional a CAo. b) A regra de otimização da promoção comercial Tudo o que precede pode se resumir na seguinte fórmula: MB = (P.Q.) - CP - A Para tornar máxima a margem bruta, apreciaremos a incidência de toda mudança considerada, por comparação entre as variações de despesas e de receitas, Aplicando o conceito de derivada, temos: Esta igualdade significa que a empresa encontrará seu ponto de equilíbrio, isto é, o volume ótimo de produção e o orçamento ótimo de promoção de marketing, desde que a última unidade produzida e vendida eqüivalha àquilo que ela custa. O enunciado da regra de otimização será expresso assim: Receita marginal = custo marginal de fabricação + despesa de promoção Se raciocinarmos, não em termos de variações infinitamente pequenas (derivadas) mas, como é sempre o caso na prática, em termos de variação de volumes, a regra de otimização se escreverá como segue: Constatamos que este é um raciocínio idêntico ao que preside o calculo do preço ótimo de venda. Aqui igualmente raciocinamos em termos do "direct costing", ou seja, sem fazer intervir os encargos de estrutura CÁLCULO DO ORÇAMENTO DE PROMOÇÃO COMERCIAL NA PRÁTICA Da mesma forma como para o cálculo do preço ótimo de venda, não é de todo necessário, na prática conhecer a totalidade da curva de demanda para decidir em que sentido agir com relação à despesas de promoção comercial, tendo em vista melhorar o resultado final. É suficiente dispor de uma estimação da elasticidade porque a regra de otimização pode também ser expressa em função daquela, sob a forma seguinte: n = A

10 Para demonstrar esta equação, retomemos a regra de otimização apresentada mais acima. Segundo ela, o ótimo é conseguido desde que a receita marginal seja igual aos custos marginais de fabricação e de promoção MBt Esta equação, que é idêntica a da regra de otimização (Rm = Cm + Am) vista mais acima, significa que o orçamento escolhido torna-se ótimo quando a elasticidade promocional é igual à relação entre o orçamento total de promoção e a margem bruta total. n = A MBt Resumimos na tabela 1, as significações práticas da nova regra de otimização. TABELA 1 VALOR DO ÍNDICE LINHAS DE AÇÃO DA EMPRESA N(maior que)a MBT Aumentar o orçamento da propaganda e as quantidades fabricadas CONSEQÜÊNCIAS Margem bruta e o lucro aumentarão

11 n(menor que)a MBt Reduzir o orçamento de propaganda e as quantidades fabricadas a margem bruta e o lucro aumentarão n = A MB 0 ponto de equilíbrio é atingido a margem bruta e o lucro tornam-se máximos Este método de cálculo do orçamento de promoção é, na realidade, muito próximo daquele aplicado correntemente nas empresas, com diferença de que, na indústria, a porcentagem do faturamento consagrada à propaganda é habitualmente fixada de uma vez por todas. Esta prática evidentemente provoca uma redução nas despesas de propaganda quando as vendas baixam e um aumento quando elas crescem, o que é mais precisamente o inverso do que se deveria fazer. Determinando o orçamento de promoção pela aplicação de uma porcentagem fixa sobre o faturamento, a empresa supõe, então, que a elasticidade tem um valor constante e, daí, que o orçamento de propaganda pode ser fixado de uma vez por todas. Ora, vimos mais acima (fig.6) que a elasticidade toma um valor diferente em todos os pontos de curva de demanda não somente conforme a evolução dos rendimentos da propaganda, mas ainda em função do tipo de produto oferecido, do preço de venda, das reações da concorrência etc..o método proposto aqui permite, então, colocar o problema da escolha do orçamento da promoção de marketing de forma a trazer o melhor resultado possível para a empresa, evitando os desperdícios quer por excesso, quer por falto de promoção comercial. BIBLIOGRAFIA CUNDIFF, Still e Govoni - Marketing Básico, Editora Atlas, SP, KOTLER, Philip - Marketing, Editora Atlas, LAMBIM, Jean Jacques - La Decision Commerciale Face a L'Incertain. STANTON, William J. - Fundamentos de Marketing, Editora Pioneira, São Paulo, 1980 TOLEDO, Geraldo L. - Decisões de Marketing sob Condições de Incerteza, Apostila FEA/USP, DLP

Também chamada Teoria de Preços, estuda o comportamento dos consumidores, produtores e o mercado onde estes interagem.

Também chamada Teoria de Preços, estuda o comportamento dos consumidores, produtores e o mercado onde estes interagem. Microeconomia Também chamada Teoria de Preços, estuda o comportamento dos consumidores, produtores e o mercado onde estes interagem. A macroeconomia, por sua vez, estuda os fenômenos da economia em geral,

Leia mais

Economia Geral e Regional. Professora: Julianna Carvalho

Economia Geral e Regional. Professora: Julianna Carvalho Economia Geral e Regional Professora: Julianna Carvalho 1 Introdução à Economia Conceito Segundo VASCONCELOS, 2011, p. 2) é: a ciência social que estuda de que maneira a sociedade decide (escolhe) empregar

Leia mais

Aula 2 Contextualização

Aula 2 Contextualização Economia e Mercado Aula 2 Contextualização Prof. Me. Ciro Burgos Importância de se conhecer o funcionamento dos mercados Diferenciação de mercado Comportamento dos consumidores e firmas; formação de preços;

Leia mais

Microeconomia. Demanda

Microeconomia. Demanda Demanda www.unb.br/face/eco/ceema Macroanálise Teoria Econômica Microanálise Teoria do consumidor Teoria da produção/firma Análise estrutura de mercado Teoria do bem estar Regulação de preços de produtos,

Leia mais

As leis da procura e oferta são fundamentais para o entendimento correcto do funcionamento do sistema de mercado.

As leis da procura e oferta são fundamentais para o entendimento correcto do funcionamento do sistema de mercado. CAPÍTULO 3 PROCURA, OFERTA E PREÇOS Introdução As leis da procura e oferta são fundamentais para o entendimento correcto do funcionamento do sistema de mercado. O conhecimento destas leis requer que, em

Leia mais

Antes de iniciar a sua prova, tenha em atenção os seguintes aspectos:

Antes de iniciar a sua prova, tenha em atenção os seguintes aspectos: Nome Completo: (tal como consta do processo do aluno) Nº de Processo: Turma: Curso: Antes de iniciar a sua prova, tenha em atenção os seguintes aspectos: A duração da prova é de duas horas e trinta minutos

Leia mais

Análise econômica das novas regras de solvência das seguradoras brasileiras Francisco Galiza 1 Outubro/2007

Análise econômica das novas regras de solvência das seguradoras brasileiras Francisco Galiza 1 Outubro/2007 Análise econômica das novas regras de solvência das seguradoras brasileiras Francisco Galiza 1 Outubro/2007 1) Introdução Nos últimos dias úteis de 2006, o Conselho Nacional de Seguros Privados (CNSP)

Leia mais

MICROECONOMIA MATERIAL DE ACOMPANHAMENTO DAS AULAS, REFERENTE À 2 A. AVALIAÇÃO.

MICROECONOMIA MATERIAL DE ACOMPANHAMENTO DAS AULAS, REFERENTE À 2 A. AVALIAÇÃO. MICROECONOMIA 4 o. ANO DE ADMINISTRAÇÃO MATERIAL DE ACOMPANHAMENTO DAS AULAS, REFERENTE À 2 A. AVALIAÇÃO. PROFESSOR FIGUEIREDO SÃO PAULO 2007 2 TEORIA DA PRODUÇÃO Função de Produção: é a relação que indica

Leia mais

EXERCÍCIOS SOBRE: III A ORGANIZAÇÃO E O FUNCIONAMENTO DOS MERCADOS. Grupo I - Teoria do Consumidor ou da Procura

EXERCÍCIOS SOBRE: III A ORGANIZAÇÃO E O FUNCIONAMENTO DOS MERCADOS. Grupo I - Teoria do Consumidor ou da Procura EXERCÍCIOS SOBRE: III A ORGANIZAÇÃO E O FUNCIONAMENTO DOS MERCADOS Grupo I - Teoria do Consumidor ou da Procura Questão 1 A lei da utilidade marginal decrescente diz-nos que, quanto maior for a quantidade

Leia mais

INTRODUÇÃO. O trabalho terá a seguinte org2anização: Introdução: apresentação do tema, situação problema, hipótese, e a metodologia utilizada.

INTRODUÇÃO. O trabalho terá a seguinte org2anização: Introdução: apresentação do tema, situação problema, hipótese, e a metodologia utilizada. INTRODUÇÃO Todas as empresas, com ou sem fins lucrativos, estabelecem um preço para seus produtos. Mas como estabelecer este preço? Quais os fatores que influenciam no estabelecimento do preço?. De forma

Leia mais

A EVOLUÇÃO DA ECONOMIA INDUSTRIAL

A EVOLUÇÃO DA ECONOMIA INDUSTRIAL A EVOLUÇÃO DA ECONOMIA INDUSTRIAL Pablo Bielschowsky 1 RESUMO O presente artigo resgata a evolução da teoria industrial desde Marshall, passando pelas teorias de formação de preços em oligopólio e pela

Leia mais

ELASTICIDADE DE DEMANDA E ASPECTOS RELEVANTES DE GESTÃO DE VENDAS

ELASTICIDADE DE DEMANDA E ASPECTOS RELEVANTES DE GESTÃO DE VENDAS ELASTICIDADE DE DEMANDA E ASPECTOS RELEVANTES DE GESTÃO DE VENDAS Cássia Naomi Obara Edson Lazdenas Luciana Harumi Mizobuchi RESUMO Através das Leis da Oferta e da Procura é possível apontar a direção

Leia mais

Teoria pertence ao grupo das teorias objetivas, conduzindo a análise do valor para o terreno da oferta e dos custos de produção.

Teoria pertence ao grupo das teorias objetivas, conduzindo a análise do valor para o terreno da oferta e dos custos de produção. VALOR Questões : 1. O que é que determina o valor de um bem? 2. De que elementos dependem os valores atribuídos aos bens e serviços normalmente transacionados? VALOR TRABALHO David Ricardo: O valor de

Leia mais

Microeconomia I. Bibliografia. Elasticidade. Arilton Teixeira arilton@fucape.br 2012. Mankiw, cap. 5. Pindyck and Rubenfeld, caps. 2 e 4.

Microeconomia I. Bibliografia. Elasticidade. Arilton Teixeira arilton@fucape.br 2012. Mankiw, cap. 5. Pindyck and Rubenfeld, caps. 2 e 4. Microeconomia I Arilton Teixeira arilton@fucape.br 2012 1 Mankiw, cap. 5. Bibliografia Pindyck and Rubenfeld, caps. 2 e 4. 2 Elasticidade Será que as empresas conhecem as funções demanda por seus produtos?

Leia mais

Instrumentos Econômicos: Tributos Ambientais.

Instrumentos Econômicos: Tributos Ambientais. Alguns acreditam que quando você paga para usar (ou usufruir de) alguma coisa, há a tendência de você usar essa coisa com maior cuidado, de maneira mais eficiente. Isso é verdadeiro quando você compra

Leia mais

* PALAVRAS-CHAVE: Elasticidade-propaganda, maximização

* PALAVRAS-CHAVE: Elasticidade-propaganda, maximização ARTIGO,..., DETERMINAÇAO DO ORÇAMENTO ". PROMOCIONAL: UM CASO ESPECIFICO Orlando Figueiredo Professor Titular do Departamento da EAESP/FGV. de Mercadologia * RESUMO: Utilizando o conceito de elasticidade-propaganda

Leia mais

ESAPL IPVC. Licenciatura em Engenharia do Ambiente e dos Recursos Rurais. Economia Ambiental

ESAPL IPVC. Licenciatura em Engenharia do Ambiente e dos Recursos Rurais. Economia Ambiental ESAPL IPVC Licenciatura em Engenharia do Ambiente e dos Recursos Rurais Economia Ambiental Tema 2 O MERCADO O Mercado Os Economistas estudam e analisam o funcionamento de uma série de instituições, no

Leia mais

POLÍTICA DE PREÇO O EM PLANEAMENTO DE MARKETING

POLÍTICA DE PREÇO O EM PLANEAMENTO DE MARKETING COMPETÊNCIAS COGNITIVAS - Capacidade de análise crítica - ADENDA POLÍTICA DE PREÇO O EM PLANEAMENTO DE MARKETING Generalidades; A política de preço e o marketing mix os custos e os preços; a procura e

Leia mais

Pesquisa Operacional. Função Linear - Introdução. Função do 1 Grau. Função Linear - Exemplos Representação no Plano Cartesiano. Prof.

Pesquisa Operacional. Função Linear - Introdução. Função do 1 Grau. Função Linear - Exemplos Representação no Plano Cartesiano. Prof. Pesquisa Operacional Prof. José Luiz Prof. José Luiz Função Linear - Introdução O conceito de função é encontrado em diversos setores da economia, por exemplo, nos valores pagos em um determinado período

Leia mais

SIND 4.0 SIMULAÇÃO INDUSTRIAL MANUAL DA EMPRESA TODOS OS DIREITOS SÃO RESERVADOS À BERNARD SISTEMAS LTDA.

SIND 4.0 SIMULAÇÃO INDUSTRIAL MANUAL DA EMPRESA TODOS OS DIREITOS SÃO RESERVADOS À BERNARD SISTEMAS LTDA. SIND 4.0 SIMULAÇÃO INDUSTRIAL MANUAL DA EMPRESA TODOS OS DIREITOS SÃO RESERVADOS À BERNARD SISTEMAS LTDA. BERNARD SISTEMAS LTDA. Florianópolis, Fevereiro de 2007. Todos os direitos são reservados. Nenhuma

Leia mais

Aulas on line MATERIAL 01 MICROECONOMIA PROFº CARLOS RAMOS. www.cursoparaconcursos.com.br

Aulas on line MATERIAL 01 MICROECONOMIA PROFº CARLOS RAMOS. www.cursoparaconcursos.com.br Curso para Concursos Módulo de Microeconomia Sumário 1. Introdução 2 2. Demanda e Oferta 8 3. Teoria do Consumidor 36 4. Teoria da Firma 52 5. Estruturas de Mercado 70 6. Questões de Concursos 85 7. Gabarito

Leia mais

CAPÍTULO 10 CONCORRÊNCIA IMPERFEITA. Introdução

CAPÍTULO 10 CONCORRÊNCIA IMPERFEITA. Introdução CAPÍTULO 0 CONCORRÊNCIA IMPERFEITA Introdução Entre as duas situações extremas da concorrência perfeita e do monopólio existe toda uma variedade de estruturas de mercado intermédias, as quais se enquadram

Leia mais

Custos de Produção. Capítulo 5

Custos de Produção. Capítulo 5 Capítulo 5 Custos de Produção Quando um aqüicultor decide se engajar na produção, os requerimentos de recursos e o preço desses recursos devem ser determinados. Os recursos têm muitos usos, mas quando

Leia mais

MARGEM DE CONTRIBUIÇÃO: QUANTO SOBRA PARA SUA EMPRESA?

MARGEM DE CONTRIBUIÇÃO: QUANTO SOBRA PARA SUA EMPRESA? MARGEM DE CONTRIBUIÇÃO: QUANTO SOBRA PARA SUA EMPRESA? Que nome estranho! O que é isso? Essa expressão, Margem de Contribuição, pode soar estranha aos ouvidos, mas entender o que significa ajudará muito

Leia mais

Módulo 2 Custos de Oportunidade e Curva de Possibilidades de Produção

Módulo 2 Custos de Oportunidade e Curva de Possibilidades de Produção Módulo 2 Custos de Oportunidade e Curva de Possibilidades de Produção 2.1. Custo de Oportunidade Conforme vínhamos analisando, os recursos produtivos são escassos e as necessidades humanas ilimitadas,

Leia mais

Prof. Tatiele Lacerda. Curso de administração

Prof. Tatiele Lacerda. Curso de administração Prof. Tatiele Lacerda Curso de administração Vamos estudar a política fiscal: nessa visão ela é mais influente para o atingimento do pleno emprego, sem inflação Modelo keynesiano básico: preocupa-se mais

Leia mais

5º TEXTO: MATERIAL DE APOIO Professor: Me Célio dos Santos Vieira

5º TEXTO: MATERIAL DE APOIO Professor: Me Célio dos Santos Vieira 1 5º TEXTO: MATERIAL DE APOIO Professor: Me Célio dos Santos Vieira CONCEITO DE ELASTICIDADE E ELASTICIDADE DA DEMANDA. Elasticidade é a alteração percentual em uma variável, dada uma variação percentual

Leia mais

AULAS 11 E 12 Dos objetivos aos indicadores da avaliação

AULAS 11 E 12 Dos objetivos aos indicadores da avaliação 1 AULAS 11 E 12 Dos objetivos aos indicadores da avaliação Ernesto F. L. Amaral 14 e 26 de abril de 2011 Avaliação de Políticas Públicas (DCP 046) Fonte: Cohen, Ernesto, e Rolando Franco. 2000. Avaliação

Leia mais

Simulador de maximização de lucros: uma aplicação a um posto de gasolina de Passo Fundo - RS

Simulador de maximização de lucros: uma aplicação a um posto de gasolina de Passo Fundo - RS Simulador de maximização de lucros: uma aplicação a um posto de gasolina de asso Fundo - RS Eduardo Belisário Finamore 1 Resumo: Este artigo tem por objetivo apresentar a visão da teoria econômica sobre

Leia mais

Aluguer e Venda de Bens Duráveis em Caso de Monopólio

Aluguer e Venda de Bens Duráveis em Caso de Monopólio TEXTO PARA DISCUSSÃO DGE-08/00 Aluguer e Venda de Bens Duráveis em Caso de Monopólio Carlos Osório, Paulo Maçãs Julho 00 Departamento de Gestão e Economia (DGE) Universidade da Beira Interior Pólo das

Leia mais

RMg = 10-2Q. P = 10-4 = $6.

RMg = 10-2Q. P = 10-4 = $6. Capítulo : Concorrência Monopolística e Oligopólio Pindyck & Rubinfeld, Capítulo, Oligopólio :: EXERCÍCIOS. Suponha que, após uma fusão, todas as empresas de um setor monopolisticamente competitivo se

Leia mais

APLICAÇÕES DA DERIVADA

APLICAÇÕES DA DERIVADA Notas de Aula: Aplicações das Derivadas APLICAÇÕES DA DERIVADA Vimos, na seção anterior, que a derivada de uma função pode ser interpretada como o coeficiente angular da reta tangente ao seu gráfico. Nesta,

Leia mais

QUESTÕES DE MICROECONOMIA E FINANÇAS PÚBLICAS DA FGV PROFESSOR HEBER CARVALHO

QUESTÕES DE MICROECONOMIA E FINANÇAS PÚBLICAS DA FGV PROFESSOR HEBER CARVALHO Olá caros(as) amigos(as), Hoje, venho comentar as questões de Microeconomia e Finanças Públicas do último concurso aplicado pela FGV, onde essas disciplinas foram cobradas. É o concurso para Assessor Técnico

Leia mais

5-1 Introdução à Microeconomia Bibliografia: Lipsey & Chrystal cap.6, 7 Samuelson cap. 5

5-1 Introdução à Microeconomia Bibliografia: Lipsey & Chrystal cap.6, 7 Samuelson cap. 5 5-1 Introdução à Microeconomia 1º ano da licenciatura de Gestão ISEG 2004 / 5 1º semestre Bibliografia: Lipsey & Chrystal cap.6, 7 Samuelson cap. 5 5-2 Principais questões A utilidade marginal é um conceito

Leia mais

8. Mercado de Trabalho, Emprego e Desemprego

8. Mercado de Trabalho, Emprego e Desemprego 8. Mercado de Trabalho, Emprego e Desemprego 8.1. Introdução 8.3. Interpretação Estática do Desemprego 8.4. Interpretação Dinâmica do Desemprego Burda & Wyplosz, 5ª Edição, Capítulo 5 1 8.1. Introdução

Leia mais

-Verba Publicitária -Implantação, Execução, Controle e

-Verba Publicitária -Implantação, Execução, Controle e -Verba Publicitária -Implantação, Execução, Controle e Avaliação UNIBAN Unidade Marte Disciplina: Planejamento de Campanha Prof. Me. Francisco Leite Aulas: 22.09.2011 A verba publicitária -Anunciante A

Leia mais

Marketing Empresarial MARCO ANTONIO LIMA GESTÃO EMPRESARIAL E SUSTENTABILIDADE

Marketing Empresarial MARCO ANTONIO LIMA GESTÃO EMPRESARIAL E SUSTENTABILIDADE Marketing Empresarial Capítulo 1 Marketing: uma introdução Introdução ao Marketing O que é Marketing Marketing é a área do conhecimento que engloba todas as atividades concernentes às relações de troca,

Leia mais

Prova de Microeconomia

Prova de Microeconomia UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CURSO DE MESTRADO EM ECONOMIA PROCESSO SELETIVO 2010 Prova de Microeconomia INSTRUÇÕES PARA A PROVA Leia atentamente as questões. A interpretação das questões faz parte da

Leia mais

Microeconomia. Estruturas de mercado. Tópicos para Discussão Mercados Perfeitamente Competitivos. Maximização de Lucros

Microeconomia. Estruturas de mercado. Tópicos para Discussão Mercados Perfeitamente Competitivos. Maximização de Lucros Microeconomia Estruturas de mercado Tópicos para Discussão Mercados Perfeitamente Competitivos Maximização de s Receita Marginal, Custo Marginal e Maximização de s PINDYCK, R. e RUINFELD, D. Microeconomia.

Leia mais

Unidade II MATEMÁTICA APLICADA. Profa. Maria Ester Domingues de Oliveira

Unidade II MATEMÁTICA APLICADA. Profa. Maria Ester Domingues de Oliveira Unidade II MATEMÁTICA APLICADA À CONTABILIDADE Profa. Maria Ester Domingues de Oliveira Receita Total A receita é o valor em moeda que o produtor recebe pela venda de x unidades do produto produzido e

Leia mais

A ACVL está baseada numa série de supostos simplificadores, dentre os quais cabe mencionar os seguintes:

A ACVL está baseada numa série de supostos simplificadores, dentre os quais cabe mencionar os seguintes: ANÁLISE CUSTO/VOLUME/LUCRO Sabe-se que o processo de planejamento empresarial envolve a seleção de objetivos, bem como a definição dos meios para atingir tais objetivos. Neste sentido, cabe assinalar que

Leia mais

Características do Monopólio:

Características do Monopólio: Introdução Características do Monopólio: Existe uma única empresa do lado da oferta; Existem muitos compradores de pequena dimensão; Não existem substitutos próximos; Existe informação perfeita (os consumidores

Leia mais

A Eficácia da Comunicação no Varejo (O que funciona e o que não funciona) Congresso ABEP 2006

A Eficácia da Comunicação no Varejo (O que funciona e o que não funciona) Congresso ABEP 2006 A Eficácia da Comunicação no Varejo (O que funciona e o que não funciona) Congresso ABEP 2006 Mar / 2006 Por que focar no Varejo? Investimentos em Mídia Volume em R$ 5.540.176 Varejo representa 27% dos

Leia mais

Unidade II MATEMÁTICA APLICADA À CONTABILIDADE

Unidade II MATEMÁTICA APLICADA À CONTABILIDADE MATEMÁTICA APLICADA À CONTABILIDADE Unidade II PREÇO E RECEITA TOTAL.1 Definição Receita é o valor em moeda que o produtor recebe pela venda de X unidades do produto produzido e vendido por ele. Consideremos

Leia mais

SCHOOL CHEF S: ESCOLA DE CULINÁRIA DE PRATOS TÍPICOS LTDA.

SCHOOL CHEF S: ESCOLA DE CULINÁRIA DE PRATOS TÍPICOS LTDA. 93 SCHOOL CHEF S: ESCOLA DE CULINÁRIA DE PRATOS TÍPICOS LTDA. ¹Camila Silveira, ¹Giseli Lima ¹Silvana Massoni ²Amilto Müller RESUMO O presente artigo tem como objetivo apresentar os estudos realizados

Leia mais

Teoria Básica de Oferta e Demanda

Teoria Básica de Oferta e Demanda Teoria Básica de Oferta e Demanda Este texto propõe que você tenha tido um curso introdutório de economia. Mas se você não teve, ou se sua teoria básica de economia está um pouco enferrujada, então este

Leia mais

Lista 03 Entrega 26/04 Fazer os ímpares, exceto os que envolverem índices de preços (em vermelho) QUESTÕES PARA REVISÃO

Lista 03 Entrega 26/04 Fazer os ímpares, exceto os que envolverem índices de preços (em vermelho) QUESTÕES PARA REVISÃO Lista 03 Entrega 26/04 Fazer os ímpares, exceto os que envolverem índices de preços (em vermelho) QUESTÕES PARA REVISÃO 1. Quais são as quatro premissas básicas sobre as preferências individuais? Explique

Leia mais

Unidade II MARKETING DE VAREJO E. Profa. Cláudia Palladino

Unidade II MARKETING DE VAREJO E. Profa. Cláudia Palladino Unidade II MARKETING DE VAREJO E NEGOCIAÇÃO Profa. Cláudia Palladino Preço em varejo Preço Uma das variáveis mais impactantes em: Competitividade; Volume de vendas; Margens e Lucro; Muitas vezes é o mote

Leia mais

Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 11, Determinação de Preços :: REVISÃO 1. Suponha que uma empresa possa praticar uma perfeita discriminação de preços de

Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 11, Determinação de Preços :: REVISÃO 1. Suponha que uma empresa possa praticar uma perfeita discriminação de preços de Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 11, Determinação de Preços :: REVISÃO 1. Suponha que uma empresa possa praticar uma perfeita discriminação de preços de primeiro grau. Qual será o menor preço que ela cobrará,

Leia mais

SIND PME 4.0 SIMULAÇÃO INDUSTRIAL DE PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS

SIND PME 4.0 SIMULAÇÃO INDUSTRIAL DE PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SIND PME 4.0 SIMULAÇÃO INDUSTRIAL DE PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS MANUAL DA EMPRESA TODOS OS DIREITOS SÃO RESERVADOS À BERNARD SISTEMAS LTDA. BERNARD SISTEMAS LTDA. Florianópolis, Julho de 2007. Todos os

Leia mais

7. POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO. 7.1- Comunicação 7.2- Publicidade 7.3- Promoção 7.4- Marketing directo

7. POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO. 7.1- Comunicação 7.2- Publicidade 7.3- Promoção 7.4- Marketing directo 7. POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO 7.1- Comunicação 7.2- Publicidade 7.3- Promoção 7.4- Marketing directo A COMUNICAÇÃO Comunicar Comunicar no marketing emitir mensagem para alguém emitir mensagem para o mercado

Leia mais

MARKETING EMPRESARIAL MARCO ANTONIO LIMA GESTÃO EMPRESARIAL E SUSTENTABILIDADE

MARKETING EMPRESARIAL MARCO ANTONIO LIMA GESTÃO EMPRESARIAL E SUSTENTABILIDADE MARCO ANTONIO LIMA GESTÃO E SUSTENTABILIDADE Marketing: uma introdução Introdução ao Marketing O que é Marketing Marketing é a área do conhecimento que engloba todas as atividades concernentes às relações

Leia mais

MICROECONOMIA Exercícios - CEAV

MICROECONOMIA Exercícios - CEAV MICROECONOMIA Exercícios - CEAV Prof. Antonio Carlos Assumpção 1)BNDES Economista 2011-31 O valor monetário do custo total de produção (CT) de uma empresa, em determinado período, é dado pela expressão

Leia mais

A Importância do Marketing nos Serviços da. Área de Saúde - Estratégias utilizadas para fidelizar o cliente

A Importância do Marketing nos Serviços da. Área de Saúde - Estratégias utilizadas para fidelizar o cliente A Importância do Marketing nos Serviços da Área de Saúde - Estratégias utilizadas para fidelizar o cliente Hellen Souza¹ Universidade do Vale do Rio dos Sinos UNISINOS RESUMO Este artigo aborda a importância

Leia mais

A determinação do preço de venda do produto através da análise da Curva de Simom uma aplicação no jogo de empresas GI-EPS

A determinação do preço de venda do produto através da análise da Curva de Simom uma aplicação no jogo de empresas GI-EPS A determinação do preço de venda do produto através da análise da Curva de Simom uma aplicação no jogo de empresas GI-EPS Denis Rasquin Rabenschlag, M. Eng. Doutorando da Universidade Federal de Santa

Leia mais

EMPREENDEDORISMO Marketing

EMPREENDEDORISMO Marketing Gerenciando o Marketing EMPREENDEDORISMO Marketing De nada adianta fabricar um bom produto ou prestar um bom serviço. É preciso saber colocálo no mercado e conseguir convencer as pessoas a comprá-lo. O

Leia mais

O Método de Custeio por Absorção e o Método de Custeio Variável

O Método de Custeio por Absorção e o Método de Custeio Variável O Método de Custeio por Absorção e o Método de Custeio Variável por Carlos Alexandre Sá Existem três métodos de apuração dos Custos das Vendas 1 : o método de custeio por absorção, o método de custeio

Leia mais

Efeito de substituíção

Efeito de substituíção Efeito de substituíção Y Recta orçamental 2 Y3 óptimo do consumidor X, Y = Bens Y1 Y2 Recta orçamental 1 Y 0 X2 X3 X1 Efeito rendimento P Efeito de substituíção P2 P1 0 X2 X1 QX X Para bens normais, existe

Leia mais

MÍDIA KIT É HORA DE VENCER A CRISE LARGUE NA FRENTE DA CONCORRÊNCIA! O VEÍCULO OFICIAL DA ASSERJ, ESTÁ COM VALORES PROMOCIONAIS PARA QUEM SE ANTECIPAR

MÍDIA KIT É HORA DE VENCER A CRISE LARGUE NA FRENTE DA CONCORRÊNCIA! O VEÍCULO OFICIAL DA ASSERJ, ESTÁ COM VALORES PROMOCIONAIS PARA QUEM SE ANTECIPAR MÍDIA KIT É HORA DE VENCER A CRISE LARGUE NA FRENTE DA CONCORRÊNCIA! O VEÍCULO OFICIAL DA ASSERJ, ESTÁ COM VALORES PROMOCIONAIS PARA QUEM SE ANTECIPAR O VEÍCULO DE COMUNICAÇÃO QUE FALA AO TRADE SUPERMERCADISTA

Leia mais

Módulo 12. Estratégias para formação de preços

Módulo 12. Estratégias para formação de preços Módulo 12. Estratégias para formação de preços As decisões de preços estão sujeitas a um conjunto inacreditavelmente complexo de forças ambientais e competitivas. Não existe como uma empresa, simplesmente,

Leia mais

Interpretando a Variação da Necessidade de Capital de Giro

Interpretando a Variação da Necessidade de Capital de Giro Interpretando a Variação da Necessidade de Capital de Giro Por Carlos Alexandre Sá Neste trabalho vamos analisar um elemento importante do Fluxo das Atividades Operacionais: a necessidade de capital de

Leia mais

Tecnologia no Varejo: Oportunidades e Desafios

Tecnologia no Varejo: Oportunidades e Desafios Seminário GVcev Tecnologia no Varejo: Oportunidades e Desafios Tema: Tecnologia para Entender e Atender o consumidor Palestrante: Paulo Nassar HISTÓRICO Cobasi uma empresa brasileira Iniciou suas atividades

Leia mais

FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES Uma nova abordagem

FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES Uma nova abordagem ICPG Instituto Catarinense de Pós-Graduação www.icpg.com.br 1 FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES Uma nova abordagem Carlos de Andrade Giancarlo Moser Professor de Metodologia da Pesquisa Curso de Pós-Graduação em

Leia mais

Plataforma da Informação. Finanças

Plataforma da Informação. Finanças Plataforma da Informação Finanças O que é gestão financeira? A área financeira trata dos assuntos relacionados à administração das finanças das organizações. As finanças correspondem ao conjunto de recursos

Leia mais

Q custo total médio é dado pela soma do custo variável médio e do custo fixo médio: CTMe = $ 1.000 +.

Q custo total médio é dado pela soma do custo variável médio e do custo fixo médio: CTMe = $ 1.000 +. Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 7, Custos :: EXERCÍCIOS 1. Suponha que uma empresa fabricante de computadores tenha os custos marginais de produção constantes a $1.000 por computador produzido. Entretanto,

Leia mais

GABARITO OTM 09 [ ] [ ] ( ) [ ] O que mostra que e, logo o sistema não possui solução. [ ]

GABARITO OTM 09 [ ] [ ] ( ) [ ] O que mostra que e, logo o sistema não possui solução. [ ] GABARITO OTM 09 Questão 1 a) Observe que o, deste modo o sistema não possui única solução ou não possui solução. Como [ ] [ ] [ ] [ ] O que mostra que e, logo o sistema não possui solução. b) Sim. Basta

Leia mais

DETERMINAÇÃO DO PREÇO NA EMPRESA

DETERMINAÇÃO DO PREÇO NA EMPRESA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS - UNICAMP INSTITUTO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS - IFCH DEPARTAMENTO DE ECONOMIA E PLANEJAMENTO ECONÔMICO - DEPE CENTRO TÉCNICO ECONÔMICO DE ASSESSORIA EMPRESARIAL

Leia mais

O MODELO IS/LM: ECONOMIA FECHADA GRANDE ECONOMIA ABERTA. Vitor Manuel Carvalho 1G202 Macroeconomia I Ano lectivo 2008/09

O MODELO IS/LM: ECONOMIA FECHADA GRANDE ECONOMIA ABERTA. Vitor Manuel Carvalho 1G202 Macroeconomia I Ano lectivo 2008/09 O MODELO IS/LM: ECONOMIA FECHADA OU GRANDE ECONOMIA ABERTA Vitor Manuel Carvalho 1G202 Macroeconomia I Ano lectivo 2008/09 O modelo IS/LM, na sua versão mais simples, descreve, formalizando analítica e

Leia mais

Versão Preliminar. Produção em período curto caso discreto

Versão Preliminar. Produção em período curto caso discreto Versão Preliminar Produção em período curto caso discreto 1 - Suponha que a ojinha de Hamburgers Caseiros com a actual dimensão definida por 1 sala com 60 m, mesas e cadeiras, grelhadores, 1 frigorífico

Leia mais

Questões que afetam o Preço

Questões que afetam o Preço Questões que afetam o Preço Este artigo aborda uma variedade de fatores que devem ser considerados ao estabelecer o preço de seu produto ou serviço. Dentre eles, incluem-se o método de precificação, o

Leia mais

FORMAÇÃO DE PREÇO 3ª aula

FORMAÇÃO DE PREÇO 3ª aula FORMAÇÃO DE PREÇO 3ª aula Formação de Preços Fatores Determinantes: Influência do macroambiente Análise da concorrência Comportamento de compra do consumidor Ciclo de vida do produto Segmentação do mercado

Leia mais

O Modelo AD-AS ou Modelo a Preços Variáveis

O Modelo AD-AS ou Modelo a Preços Variáveis O Modelo AD-AS ou Modelo a Preços Variáveis Macroeconomia 61024 Esta apresentação não dispensa a leitura integral do capítulo 5 do livro Sotomayor, Ana Maria e Marques, Ana Cristina. (2007). Macroeconomia.

Leia mais

1- O que é um Plano de Marketing?

1- O que é um Plano de Marketing? 1- O que é um Plano de Marketing? 2.1-1ª etapa: Planejamento Um Plano de Marketing é um documento que detalha as ações necessárias para atingir um ou mais objetivos de marketing, adaptando-se a mudanças

Leia mais

O Guia do Relacionamento para o corretor moderno

O Guia do Relacionamento para o corretor moderno O Guia do Relacionamento para o corretor moderno Introdução 3 O que é marketing de relacionamento 6 Como montar uma estratégia de relacionamento 9 Crie canais de relacionamento com o cliente 16 A importância

Leia mais

Capítulo 3: Comportamento do consumidor

Capítulo 3: Comportamento do consumidor Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 3, Consumidor :: EXERCÍCIOS 1. Neste capítulo, não foram consideradas mudanças nas preferências do consumidor por diversas mercadorias. Todavia, em determinadas situações,

Leia mais

AS FUNÇÕES PROCURA E OFERTA AGREGADAS (1ª VERSÃO)

AS FUNÇÕES PROCURA E OFERTA AGREGADAS (1ª VERSÃO) AS FUNÇÕES PROCURA E OFERTA AGREGADAS (1ª VERSÃO) 1 A FUNÇÃO PROCURA AGREGADA No final deste texto o leitor deverá ser capaz de: Compreender o conceito de função de procura agregada. Entender a curva de

Leia mais

Para chips de computador: RT cc = P 2 Q 2 - P 1 Q 1 RT cc = (1,1P 1 )(0,8Q 1 ) - P 1 Q 1 = -0,12P 1 Q 1, ou uma diminuição de 12 %.

Para chips de computador: RT cc = P 2 Q 2 - P 1 Q 1 RT cc = (1,1P 1 )(0,8Q 1 ) - P 1 Q 1 = -0,12P 1 Q 1, ou uma diminuição de 12 %. Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 4, Demanda :: EXERCÍCIOS 1. A empresa ACME fez uma estimativa segundo a qual, nos níveis atuais de preços, a demanda por seus chips para computadores tem uma elasticidade

Leia mais

ECONOMIA Prof. Maurício Felippe Manzalli

ECONOMIA Prof. Maurício Felippe Manzalli ECONOMIA Prof. Maurício Felippe Manzalli Objetivos da atividade Destacar assuntos relacionados ao estudo da economia notadamente no ambiente empresarial e de comércio externo. Rever conceitos e definições.

Leia mais

TEXTO PARA DISCUSSÃO Nº 05 CUSTO DA DEMISSÃO E QUALIDADE DO EMPREGO

TEXTO PARA DISCUSSÃO Nº 05 CUSTO DA DEMISSÃO E QUALIDADE DO EMPREGO TEXTO PARA DISCUSSÃO Nº 05 CUSTO DA DEMISSÃO E QUALIDADE DO EMPREGO Hélio Zylberstajn São Paulo, abril de 2007 Este artigo foi publicado na Revista Digesto Econômico, Ano LXII, No. 441, pg. 60-79, Jan/fev

Leia mais

ECONOMIA E FINANÇAS PÚBLICAS ICMS/RJ 2011 PROFESSOR HEBER CARVALHO

ECONOMIA E FINANÇAS PÚBLICAS ICMS/RJ 2011 PROFESSOR HEBER CARVALHO Olá pessoal, No Ponto 27 (www.pontodosconcursos.com.br/artigos3.asp?prof=238), eu comentei as 10 (questões 41 a 50) primeiras questões de Economia e Finanças Públicas do ICMS/RJ 2011. Agora, comento as

Leia mais

PROJETO EXEMPLO. Os aparelhos de som compactos da Sonic. Situação do mercado. Situação do produto

PROJETO EXEMPLO. Os aparelhos de som compactos da Sonic. Situação do mercado. Situação do produto PROJETO EXEMPLO Os aparelhos de som compactos da Sonic Jane Melody é a gerente de produto da linha de aparelhos de som compactos da Sonic. Cada sistema consiste em um amplificador/rádio AM-FM, um aparelho

Leia mais

Capítulo 5. Custo de Produção

Capítulo 5. Custo de Produção Capítulo 5 Custo de Produção 1. Custos de Produção i. Conceito: os custos de produção são os gastos realizados pela empresa na aquisição dos fatores fixos e variáveis que foram utilizados no processo produtivo;

Leia mais

Análise financeira da carteira de recebíveis

Análise financeira da carteira de recebíveis Análise financeira da carteira de recebíveis Por Carlos Alexandre Sá A análise e interpretação do desempenho da carteira de recebíveis é de extrema importância não só para o pessoal da área financeira,

Leia mais

1 - Conceituação e importância do estudo da matemática financeira

1 - Conceituação e importância do estudo da matemática financeira 1 - Conceituação e importância do estudo da matemática financeira É o ramo da matemática que tem como objeto de estudo o comportamento do dinheiro ao longo do tempo. Avalia-se a maneira como este dinheiro

Leia mais

EXAME PARA CONTABILISTA CERTIFICADO DELIBERAÇÃO Nº 001/CTEC/2013 - NOVEMBRO-DEZEMBRO DE 2013 PROVA DE ECONOMIA GERAL

EXAME PARA CONTABILISTA CERTIFICADO DELIBERAÇÃO Nº 001/CTEC/2013 - NOVEMBRO-DEZEMBRO DE 2013 PROVA DE ECONOMIA GERAL DELIBERAÇÃO Nº 001/CTEC/2013 - NOVEMBRO-DEZEMBRO DE 2013 PROVA DE I - Ao receber o Enunciado da Prova escreva seu nome e número do documento de identificação. II - Ao entregar a Prova, depois de resolvida,

Leia mais

Projeto CAPAZ Básico Introdução a Venda

Projeto CAPAZ Básico Introdução a Venda 1 Introdução Ao assistir à aula você teve acesso a técnicas de vendas, uma introdução simples ao processo de venda. Hoje, relembraremos e aprofundaremos os processos de abordagem, sondagem, apoio, fechamento

Leia mais

Plano de Marketing. Produto (Posicionamento) Preço. Artigos de PN Como fazer Plano de Marketing. josedornelas.com.br

Plano de Marketing. Produto (Posicionamento) Preço. Artigos de PN Como fazer Plano de Marketing. josedornelas.com.br Artigos de PN Como fazer Plano de Marketing Plano de Marketing Para traçar o plano de marketing do plano de negócios, deve-se atentar à estratégia que será seguida pela empresa. A estratégia pode ser definida

Leia mais

A PROGRAMAÇÃO DO ESFORÇO MERCADOLÓGICO

A PROGRAMAÇÃO DO ESFORÇO MERCADOLÓGICO A PROGRAMAÇÃO DO ESFORÇO MERCADOLÓGICO Luiz Carlos Bresser-Pereira Revista Marketing n. 7, vol. II, 1968: 24-32. Um programa mercadológico é um instrumento para se pensar com antecedência, para se estabelecer

Leia mais

Departamento Comercial e Marketing. Escola Secundaria de Paços de Ferreira 2009/2010. Técnicas de Secretariado

Departamento Comercial e Marketing. Escola Secundaria de Paços de Ferreira 2009/2010. Técnicas de Secretariado Escola Secundaria de Paços de Ferreira 2009/2010 Técnicas de Secretariado Departamento Comercial e Marketing Módulo 23- Departamento Comercial e Marketing Trabalho realizado por: Tânia Leão Departamento

Leia mais

Proposta de novos Indicadores para Gestão em Setores de Manutenção

Proposta de novos Indicadores para Gestão em Setores de Manutenção SEGeT Simpósio de Excelência em Gestão e Tecnologia 1 Proposta de novos Indicadores para Gestão em Setores de Manutenção RESUMO Atualmente, as organizações vêm buscando incessantemente novas ferramentas

Leia mais

Monopólio. Microeconomia II LGE108. Características do Monopólio:

Monopólio. Microeconomia II LGE108. Características do Monopólio: Monopólio Introdução Características do Monopólio: Existe uma única empresa do lado da oferta; Existem muitos compradores de pequena dimensão; Não existem substitutos próximos; Existe informação perfeita

Leia mais

SIMULAÇÃO DE GESTÃO EMPRESARIAL

SIMULAÇÃO DE GESTÃO EMPRESARIAL SIMULAÇÃO DE GESTÃO EMPRESARIAL I INTRODUÇÃO O JOGO DE GESTÃO EMPRESARIAL é uma competição que simula a concorrência entre empresas dentro de um mercado. O jogo se baseia num modelo que abrange ao mesmo

Leia mais

Microeconomia NATÉRCIA MIRA EDIÇÕES SÍLABO

Microeconomia NATÉRCIA MIRA EDIÇÕES SÍLABO Microeconomia NATÉRCIA MIRA EDIÇÕES SÍLABO É expressamente proibido reproduzir, no todo ou em parte, sob qualquer forma ou meio, NOMEADAMENTE FOTOCÓPIA, esta obra. As transgressões serão passíveis das

Leia mais

Esse estágio é chamado de Implementação.

Esse estágio é chamado de Implementação. A empresa, após realizar o Planejamento Estratégico, Tático e Operacional, deve gerar o produto designado, definir seu preço, distribuí-lo e promovê-lo. Esse estágio é chamado de Implementação. Todas as

Leia mais

Flutuações. Choques, Incerteza e a Escolha de Consumo/Poupança

Flutuações. Choques, Incerteza e a Escolha de Consumo/Poupança Flutuações. Choques, Incerteza e a Escolha de Consumo/Poupança Olivier Blanchard* Abril de 2002 *14.452. 2º Trimestre de 2002. Tópico 2. 14.452. 2º Trimestre de 2002 2 Quero iniciar com um modelo com dois

Leia mais

Capítulo 18: Externalidades e Bens Públicos

Capítulo 18: Externalidades e Bens Públicos Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 18, Externalidades::EXERCÍCIOS 1. Diversas empresas se instalaram na região oeste de uma cidade, depois que a parte leste se tornou predominantemente utilizada por residências

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS ORIENTAÇÃO CPC-O - 01. Entidades de Incorporação Imobiliária

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS ORIENTAÇÃO CPC-O - 01. Entidades de Incorporação Imobiliária COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS ORIENTAÇÃO CPC-O - 01 Entidades de Incorporação Imobiliária Descrição Item Objetivo e alcance 1 Formação do custo do imóvel, objeto da incorporação imobiliária 2-9 Despesas

Leia mais

CAPÍTULO 3 - ANÁLISE DE ALTERNATIVAS DE INVESTIMENTOS

CAPÍTULO 3 - ANÁLISE DE ALTERNATIVAS DE INVESTIMENTOS CAPÍTULO 3 - ANÁLISE DE ALTERNATIVAS DE INVESTIMENTOS III.1 - GENERALIDADES Após a classificação dos projetos tecnicamente corretos é imprescindível que a escolha considere aspectos econômicos. E é a engenharia

Leia mais

4. Introdução à termodinâmica

4. Introdução à termodinâmica 4. Introdução à termodinâmica 4.1. Energia interna O estabelecimento do princípio da conservação da energia tornou-se possível quando se conseguiu demonstrar que junto com a energia mecânica, os corpos

Leia mais

GESTÃO DE PREÇOS E CUSTOS 1 GESTÃO ESTRATÉGICA DE CUSTOS CONCEITOS BÁSICOS HHJ 1

GESTÃO DE PREÇOS E CUSTOS 1 GESTÃO ESTRATÉGICA DE CUSTOS CONCEITOS BÁSICOS HHJ 1 GESTÃO DE PREÇOS E CUSTOS CONTEÚDO DO CURSO 1 - Gestão Estratégica de Custos 2 - Planejamento Tributário 3 - Custos para tomada de decisão 4 - Formação de Preços 5 Margem de segurança Só conseguimos gerir

Leia mais