A estratégia nacional para a melhoria da higiene das mãos em 10 perguntas

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A estratégia nacional para a melhoria da higiene das mãos em 10 perguntas"

Transcrição

1 A estratégia nacional para a melhoria da higiene das mãos em 10 perguntas Patrocinador do Programa Nacional de Prevenção e Controlo da Infecção Associada aos Cuidados de Saúde

2 Índice 1. O que é a estratégia nacional para a melhoria de higiene das mãos? 3 2. Quais são os objectivos que se pretendem alcançar? 4 3. Qual a metodologia a ser adoptada para a implementação da estratégia? 4 4. Qual a duração prevista? 6 5. Quem pode aderir à estratégia nacional e como fazê-lo? 7 6. Quem são os intervenientes na implementação desta estratégia? 7 7. Quais as actividades a serem desenvolvidas pela unidade de saúde aderente? 8 8. Como serão realizados os questionários e o inquérito de prevalência da infecção? Que suportes e materiais de comunicação serão disponibilizados às unidades de saúde? Quais as vantagens que uma unidade de saúde tem ao aderir à estratégia nacional de higiene das mãos? 16 2

3 1. O que é a estratégia nacional para a melhoria de higiene das mãos? A estratégia nacional para a melhoria da higiene das mãos insere-se nas iniciativas da Organização Mundial da Saúde (OMS) sobre segurança do doente que desde 2004 têm vindo a ser desenvolvidas, designadamente a criação da World Alliance for Patient Safety que lança anualmente programas (com a designação Global Patient Safety Challenge) para uma melhoria contínua da segurança do doente, como foi, por exemplo, o caso do primeiro Global Patient Safety Challenge designado Clean Care is Safer Care. O desafio Clean Care is Safer Care tem como objectivo prevenir as infecções associadas aos cuidados de saúde (IACS) e tendo como mensagem de base a frase medidas simples salvam vidas, preconiza, entre outras acções, a higiene das mãos como uma das medidas que mais impacto tem na redução daquelas infecções, na diminuição da resistência aos antimicrobianos e na redução dos custos associados a estas problemáticas. A par do lançamento do desafio Clean Care is Safer Care, a OMS divulgou o documento WHO Guidelines on Hand Hygiene in Health Care (Advanced Draft), sendo os países aderentes convidados a testarem a aplicabilidade das orientações técnicas propostas. Estas orientações técnicas da OMS sobre higiene das mãos encontram-se contempladas em todos os documentos que a World Alliance for Patient Safety disponibilizou para o desafio Clean Care is Safer Care, os quais foram traduzidos e adaptados para Portugal e serão fornecidos às unidades de saúde aderentes. Portugal, na sequência de decisão da Ministra da Saúde, aderiu em 8 de Outubro de 2008 ao desafio da World Alliance for Patient Safety, Clean Care is Safer Care, lançando publicamente a estratégia nacional para a melhoria da higiene das mãos nas unidades de saúde e declarando formalmente o compromisso na adopção de medidas para reduzir as infecções associadas aos cuidados de saúde numa Cerimónia que contou com a presença de representantes das várias Ordens Profissionais. 3

4 2. Quais são os objectivos que se pretendem alcançar? Tendo como objectivos globais a prevenção das infecções associadas aos cuidados de saúde e da resistência aos antimicrobianos, bem como a consequente redução de custos, com esta estratégia pretende-se igualmente: Cumprir as orientações da OMS sobre a prevenção das infecções associadas aos cuidados de saúde, promovendo a implementação das Guidelines sobre Higiene das Mãos nos Cuidados de Saúde nas unidades de saúde e Relacionar o aumento de adesão dos profissionais de saúde à prática de higiene das mãos, após a implementação da Campanha da OMS, com a diminuição da prevalência das infecções nosocomiais. 3. Qual a metodologia a ser adoptada para a implementação da estratégia? Para a implementação da estratégia nacional de higiene das mãos pretende adoptar-se a estratégia multimodal proposta pela World Alliance for Patient Safety, a qual já foi utilizada com sucesso em 28 países de todo o mundo. Esta estratégia compreende uma avaliação inicial da adesão dos profissionais à prática da higiene das mãos, através da aplicação de uma grelha de observação e também de uma avaliação inicial dos conhecimentos e opiniões dos profissionais, através da aplicação de Questionários. A partir desta avaliação inicial, enceta-se um período de formação dos profissionais relativamente à implementação do procedimento higiene das mãos, findo o qual se realiza novamente a avaliação da adesão dos profissionais a esta prática (avaliação pós formação). Para a realização da formação são utilizados os materiais propostos pela World Alliance for Patient Safety. Uma vez implementada, esta estratégia deve ser mantida de forma a assegurar a sua sustentabilidade, devendo também ocorrer uma avaliação posterior (avaliação de progresso) para que a análise dos dados possa ser usada na reorientação de planos de alargamento da estratégia a outras unidades de saúde. 4

5 A estratégia nacional para a melhoria de higiene das mãos contempla cinco fases para a implementação e uma fase de carácter interno ao abrigo do protocolo estabelecido entre a Direcção-Geral da Saúde e o SUCH Serviço de Utilização Comum dos Hospitais: Fase 1. Preparação da unidade de saúde Fase 2. Avaliação de base Fase 3. Implementação Fase 4. Avaliação de seguimento (análise do impacto da Campanha) Fase 5. Desenvolvimento do plano de acção seguinte e revisão do ciclo Fase 6. Balanço Global Campanha A DGS, para além de formação específica e apoio na implementação e monitorização da estratégia, disponibiliza ainda às unidades aderentes: um Kit técnico (o Pilot Implementation Pack da World Alliance for Patient Safety), com materiais informativos/técnicos, formativos, promocionais e de avaliação; uma aplicação informática que integra e coloca os questionários em ambiente Web e permite consolidar e explorar a informação recolhida. Esta aplicação informática vai permitir aos profissionais de saúde realizar a digitação online dos questionários e obter relatórios automáticos (globais e estratificados por Serviços Clínicos/Departamentos), permitindo a informação atempada e o uso dos resultados na melhoria da prática da higiene das mãos. Por outro lado, a equipa da DGS poderá realizar a análise global dos dados de todos as unidades de saúde e fornecer a informação de retorno atempada aos profissionais, acompanhada de propostas de medidas de intervenção; uma aplicação informática que permite realizar o Inquérito de Prevalência de Infecção, através da digitação de dados online no formulário disponibilizado em ambiente web. Esta solução permitirá a cada unidade de saúde consolidar e explorar a informação recolhida; os materiais de comunicação da campanha para afixação nas unidades de saúde aderentes; um catálogo para escolha de outros materiais de comunicação que a unidade de saúde considere necessários. 5

6 4. Qual a duração prevista? A duração prevista é de 12 a 20 meses, iniciando-se em Outubro de 2008 e estando prevista a sua conclusão em Junho de A calendarização prevista é a seguinte: Início Conclusão FASES DA CAMPANHA Mês Ano Mês Ano 1. Preparação das unidades de saúde Outubro 2008 Janeiro Avaliação de base (diagnóstico inicial) Fevereiro 2009 Abril Implementação Maio 2009 Agosto Monitorização e Avaliação (2ª avaliação de seguimento) Setembro 2009 Novembro Desenvolvimento do plano de acção seguinte e revisão do ciclo Dezembro 2009 Março Balanço Global Campanha - monitorização geral, avaliação de notoriedade e de resultados * Abril 2010 Junho 2010 * fase de carácter interno no âmbito do protocolo estabelecido entre a DGS e o SUCH 6

7 5. Quem pode aderir à estratégia nacional e como fazê-lo? A divulgação da Campanha e o convite à participação foram dirigidos a todas as unidades de saúde. Os Hospitais (públicos e privados) reúnem condições para, numa primeira fase, participarem integralmente em todas as fases e actividades da Campanha. Para realizar a adesão formal, a unidade de saúde deve contactar a DGS para preencher e devolver a declaração de compromisso e receber a documentação. 6. Quem são os intervenientes na implementação desta estratégia? Os intervenientes são: Departamento da Qualidade na Saúde, Divisão da Segurança Clínica, da DGS, para apoiar as unidades de saúde na implementação e supervisão da Campanha. Grupo Coordenador da Campanha de Higiene das Mãos, que integra profissionais de todas as regiões do País, incluindo as Ilhas dos Açores e da Madeira, para colaborar com a DGS a apoiar as unidades de saúde na implementação e supervisão da Campanha, nomeadamente nas actividades de formação e nas visitas aos hospitais. Já foram realizadas 3 reuniões e uma formação de formadores. Unidade de saúde, o órgão de gestão, a Direcção Clínica e a Direcção de Enfermagem, a Comissão de Controlo e Infecção, o Coordenador Local e o Observador e ainda os profissionais da unidade de saúde ou do Departamento/Serviço onde a estratégia vai ser implementada. O Coordenador local será o ponto de contacto com a DGS e para além de ter o apoio dos órgãos de gestão da unidade de saúde, deve ter conhecimentos básicos sobre os itens relacionados com a higiene das mãos e o controlo de infecção, sendo uma vantagem ter um coordenador com experiência em controlo de infecção ou em qualidade e segurança. Se assim for entendido, o Coordenador pode nomear um Coordenador Adjunto. O Observador e o Coordenador Local são os responsáveis pela implementação e monitorização da estratégia a nível local. 7

8 7. Quais as actividades a serem desenvolvidas pela unidade de saúde aderente? Existem 5 componentes fundamentais, factores críticos de sucesso, que a unidade de saúde deve cumprir e que são expressos em acções específicas, enumeradas no seguinte quadro: COMPONENTES FUNDAMENTAIS DA ESTRATÉGIA MULTIMODAL ACÇÕES A DESENVOLVER PELA UNIDADE DE SAÚDE ADERENTE Disponibilizar soluções anti-sépticas de base alcoólica nos locais de prestação de cuidados ou em embalagens de bolso fornecidas aos profissionais. Mudança no Sistema Um lavatório por cada 4/6 camas, de acordo com o grau de dependência do doente, equipado com sabão líquido e toalhetes descartáveis. Envolver todos os profissionais na formação (durante a Fase 3). Formação e Treino Estabelecer um programa de formação a curto, médio e longo prazo. Observação e informação de retorno Realizar os 2 períodos de observação propostos. Lembretes em locais estratégicos Colocar os cartazes onde a estratégia vai ser implementada (por exemplo, no quarto dos doentes, nas áreas reservadas aos profissionais, nos departamentos de ambulatório, nas consultas externas, etc.). Clima institucional seguro Obtenção do apoio expresso (através, por exemplo, de anúncios ou cartas dirigidas aos profissionais) de determinados profissionais-chave da unidade de saúde, como é o caso do Director Clínico, dos Chefes de Serviço, do Enfermeiro-Director e dos Enfermeiros-Chefe na implementação da estratégia de melhoria de higiene das mãos. 8

9 Para além destas acções, as unidades de saúde aderentes devem realizar as actividades inerentes às 5 fases da Campanha e que são: FASE 1 > PREPARAÇÃO DA UNIDADE DE SAÚDE Para além da selecção e nomeação do Coordenador Local, a unidade de saúde deve começar por decidir, de acordo com os recursos e as estruturas disponíveis, a dimensão e a complexidade da unidade de saúde, se assume uma implementação da estratégia em toda a unidade de saúde ou se esta se limita a um determinado número de Serviços/Departamentos. Para facilitar esta decisão, já foi facultado um documento para avaliar os custos associados à disponibilização de solução anti-séptica de base alcoólica (SABA) nos locais de prestação de cuidados e é recomendado que a implementação seja iniciada em serviços onde a motivação e o interesse sejam elevados e os ganhos em saúde sejam mais prováveis, como é, por exemplo o caso das unidades de cuidados intensivos. De seguida, deve desenvolver um Plano de Acção bem estruturado para fazer chegar, a todos os profissionais, a informação relativa à estratégia e às metodologias a serem aplicadas. Depois de se saber em que Departamentos/Serviços se vai implementar a estratégia, há que seleccionar os observadores e os formadores internos da unidade de saúde que devem receber a formação sobre a técnica da higiene das mãos proposta pela OMS e dominar toda a metodologia da Campanha. FASE 2 > AVALIAÇÃO DE BASE (DIAGNÓSTICO) Durante esta fase, a unidade de saúde vai recolher informação sobre as práticas e as estruturas disponíveis, cujos dados devem ser introduzidos na solução informática disponibilizada pela DGS, num prazo máximo de dois (2) meses. Este sistema permite obter informação sob a forma de relatórios, o que facilita a divulgação dos resultados e a informação de retorno aos profissionais, e vai permitir monitorizar o progresso à medida que a estratégia multimodal é implementada. Durante esta fase são desenvolvidas acções específicas (formação, planeamento e aquisição de SABA) para preparação da fase seguinte a fase de implementação. 9

10 A avaliação de base implica a utilização dos seguintes suportes online disponibilizados pela DGS a todas as unidades de saúde aderentes: A) Questionários Questionário para avaliação da percepção dos órgãos de gestão/dirigentes sobre a importância da higiene das mãos na prevenção da infecção associada aos cuidados de saúde; Questionário para avaliação da percepção e conhecimentos dos profissionais de saúde sobre a importância da higiene das mãos na prevenção da infecção associada aos cuidados de saúde Questionários a aplicar nas Fases 2 e 4 ; Questionário para avaliação das estruturas de higiene das mãos a aplicar em todos os serviços clínicos envolvidos (metodologia de auditoria); Questionário de avaliação do consumo de sabão e de SABA em todos os serviços clínicos envolvidos; Questionário de observação das práticas de higiene das mãos a aplicar nos serviços envolvidos. São necessárias, no mínimo, 200 observações por serviço. B) Inquérito de prevalência de infecção a desenvolver em Março de 2009 e em Março de Todos os questionários aplicados durante a avaliação de base realizada nesta fase serão novamente aplicados após a fase de implementação da Campanha (Fase 4 avaliação de seguimento), para avaliação do impacto das medidas de melhoria entretanto introduzidas. Nesta fase e antes do início da fase seguinte, devem ser disponibilizados dispositivos com SABA em todos os locais de prestação de cuidados, garantindo que não haja quebras do fornecimento dos mesmos. Este é um ponto muito importante da Campanha, pois não é possível sustentar a motivação dos profissionais para a higiene das mãos se ocorreram rupturas de stock destes produtos. 10

11 Neste período, ou no início da fase de implementação, a equipa da DGS e os elementos do Grupo Coordenador da Campanha a nível regional, vão realizar visitas às unidades de saúde aderentes com o objectivo de colaborar com os Órgãos de Gestão e os Coordenadores locais da Campanha, na operacionalização dos critérios e condições necessárias à implementação da mesma. FASE 3 > IMPLEMENTAÇÃO O planeamento das acções a desenvolver nesta fase é o seguinte: Lançamento da estratégia aquando da implementação oficial da Campanha, a ocorrer a nível nacional, as unidades de saúde devem realizar um evento interno para divulgação ampla de todas as actividades que irão ocorrer e que envolvem os profissionais da unidade de saúde; Informação de retorno dos dados da avaliação de base; Afixação de 2 cartazes do conjunto de 4 que a DGS distribuirá (momento 1 de 2) e outros materiais informativos; Disponibilização de SABA nos locais de prestação de cuidados; Distribuição dos restantes materiais que compõem o Kit técnico (Pilot Implementation Pack) de suporte à Campanha; Formação dos profissionais de saúde; Realização de sessões práticas de treino; Monitorização mensal do uso de produtos para higiene das mãos. Devem ser realizadas reuniões periódicas para monitorizar o desenvolvimento da fase de implementação. O coordenador deve estar permanentemente em contacto com a equipa da DGS, via . FASE 4 > AVALIAÇÃO DE SEGUIMENTO O objectivo desta fase é medir o impacto a curto prazo das várias acções implementadas, bem como monitorizar o processo de melhoria de higiene das mãos, procedendo-se à aplicação dos mesmos suportes online já referenciados e utilizados durante a avaliação inicial da Fase 2. 11

12 Nesta fase, é importante dispor-se de dados epidemiológicos sobre as infecções associadas aos cuidados de saúde, que permitam medir as tendências e as taxas de infecção antes e após a implementação da mesma. Estes dados constituem os indicadores mais fiáveis para comprovar a efectividade da estratégia O facto de os hospitais disporem de dados relativamente às IACS (por exemplo, através da participação nos programas de vigilância epidemiológica propostos pela DGS) irá tornar possível a análise custo-efectividade da Campanha. Será ainda nesta fase que devem ser afixados os restantes 2 cartazes do conjunto de 4 que visam o reforço da notoriedade da campanha e manutenção do interesse e motivação dos profissionais de saúde. (momento 2 de 2) FASE 5 > DESENVOLVIMENTO DO PLANO DE ACÇÃO SEGUINTE E REVISÃO DO CICLO Nesta fase, vão realizar-se as seguintes actividades: Discussão e interpretação dos resultados; Elaboração do relatório e divulgação dos resultados; Elaboração de um plano de acção a 5 anos e alargamento da estratégia a outros Departamentos/Serviços da unidade de saúde. De seguida apresenta-se um quadro-resumo com as actividades a desenvolver pela unidade de saúde durante a Campanha. 12

13 Fase 1 Preparação da Unidade de Saúde Fase 2 Avaliação de Base Fase 3 Implementação Fase 4 Avaliação de seguimento Fase 5 Desenvolvimento do Plano de Acção seguinte e Revisão do Ciclo Actividades Actividades Actividades Actividades Actividades Identificar o coordenador em cada unidade de saúde Realizar a avaliação de base, procedendo à: Lançamento da estratégia Realizar a Avaliação de seguimento, procedendo à: Estudar cuidadosamente todos os resultados Identificar os profissionais e grupos chave da Campanha - Aplicação do questionário Percepção da Importância da Higiene das Mãos na Prevenção das IACS (Anexo 3) Informação de retorno dos dados da avaliação de base - Aplicação do questionário Percepção e conhecimento dos profissionais de saúde sobre a higiene das mãos e suas implicações nas IACS (após a implementação) (Anexo 7); Informação de retorno sobre os resultados da avaliação final Aplicação do questionário Avaliação dos custos de aquisição de soluções anti-sépticas de base alcoólica (Anexo 1) - Aplicação do questionário Avaliação da cultura de segurança na unidade de saúde (Anexo 2) Distribuição e afixação de 2 cartazes do conjunto de 4, e outros suportes de comunicação (momento 1 de 2) - Aplicação do questionário Percepção da Importância da Higiene das Mãos na Prevenção das IACS (Anexo 3); Desenvolver um plano de acção para cinco anos Formação dos Formadores e dos Observadores - Aplicação do questionário Avaliação das estruturas e práticas para a higiene das mãos (Anexo 5); Disponibilizar soluções anti-sépticas de base alcoólica - Aplicação do questionário Avaliação da cultura de segurança na Unidade de Saúde (Anexo 2); Considerar o alargamento e disseminação da estratégia na Unidade de Saúde Colher dados para a análise custo-benefício - Aquisição de soluções anti-sépticas de base alcoólica; Distribuir outros materiais da OMS do Pilot Implementation Pack - Introdução e análise dos dados; --- Avaliar as necessidades em termos de apoio e equipamento informáticos - Introdução e análise dos dados; Dar formação aos profissionais da Unidade de Saúde - Aplicação do Formulário de Observação (Anexo 6); --- Promover a formação sobre a recolha, introdução e análise de dados - Aplicação do Formulário de Observação (Anexo 6); Treino prático dos profissionais da Unidade de Saúde - Monitorização mensal do consumo dos produtos Aplicação do questionário Percepção e conhecimento dos profissionais de saúde sobre a higiene das mãos e suas implicações nas IACS (Anexo 4). --- Afixação dos 2 novos cartazes do conjunto de 4 (momento 2 de 2) Monitorização do consumo de SABA e álcool Monitorização mensal do consumo dos produtos usados Visitas às Unidades de Saúde pela Equipa da DGS e Grupo Coordenador da Campanha a nível regional --- Visitas às Unidades de Saúde pela Equipa da DGS e Grupo Coordenador da Campanha a nível regional (a avaliar)

14 8. Como serão realizados os questionários e o inquérito de prevalência de infecção? Os questionários serão preenchidos em ambiente Web (online), através de uma plataforma tecnológica disponibilizada pela DGS e facilmente acedida a partir de um computador com Internet Explorer, mediante a introdução de uma password. Os dados são digitados directamente nos formulários online, tendo assim a DGS acesso aos dados para posterior tratamento e análise dos mesmos e elaboração de relatório global. Cada unidade de saúde aderente tem acesso directo aos seus próprios dados sempre que pretender, podendo proceder à sua análise interna em tempo útil. O Inquérito de Prevalência da Infecção será igualmente desenvolvido numa plataforma idêntica, permitindo aos utilizadores a obtenção de informação de retorno em tempo útil, o que constitui, relativamente ao último inquérito realizado em 2003, uma inovação de valor acrescido. 9. Que suportes e materiais de comunicação serão disponibilizados às unidades de saúde? A comunicação da estratégia nacional de higiene das mãos decorre em dois momentos/ vagas de comunicação: Um primeiro momento (vaga) a decorrer durante a implementação da campanha (Fase 3), visa criar a máxima notoriedade da campanha e envolver activamente os profissionais de saúde, principal público-alvo desta estratégia. Um segundo momento (vaga) a decorrer no período pós-implementação (Fase 4), altura em que, de acordo com experiências de outros países que já implementaram campanhas similares, se verifica uma tendência para alguma quebra de notoriedade da campanha, sendo necessária e essencial a manutenção do interesse e motivação em relação à mesma. 14

15 A DGS distribuirá gratuitamente junto de cada unidade de saúde aderente o conjunto de peças de comunicação de suporte a ambos os momentos de comunicação. As peças reflectem uma imagem única a nível nacional, não sendo necessário que cada unidade de saúde proceda localmente à concepção e produção de materiais de comunicação. As unidades de saúde serão responsáveis pela distribuição interna dos materiais que receberem e deverão zelar pela sua correcta colocação de acordo com as recomendações da DGS. Os principais suportes a serem distribuídos são: 4 cartazes temáticos, com diferentes layouts e mensagens, a utilizar nos dois momentos de comunicação (2 + 2). A diversidade e a rotatividade dos cartazes potencia o interesse dos profissionais de saúde, e as diferentes mensagens estimulam a atenção. A DGS disponibilizará também, como suporte de comunicação, um folheto informativo dirigido aos profissionais de saúde. De acordo com o número de serviços que em cada Hospital aderirem a campanha, a DGS vai disponibilizar às unidades de saúde as quantidades de cartazes e folhetos necessários. Para além destes materiais, as unidades de saúde poderão ainda seleccionar outro tipo de suportes de comunicação com base num catálogo a fornecer pela DGS, como telas e pendões para colocação nas fachadas das instalações e stand-ups para colocação nos átrios ou outros locais de grande circulação. Os custos de produção destas peças de grande formato ficarão a cargo de cada unidade de saúde, sendo as artes-finais fornecidas pela DGS. Serão ainda distribuídos, pelas Comissões de Controlo de Infecção, Kits técnicos (Pilot Implementation Packs) contendo materiais de carácter técnico, a utilizar no âmbito das sessões de formação. 15

16 10. Quais as vantagens que uma unidade de saúde tem ao aderir à estratégia nacional de higiene das mãos? Está a testar a implementação das Guidelines da OMS e a contribuir para a sua revisão e finalização; Está a promover a prevenção e o controlo das IACS, da resistência aos antimicrobianos e dos custos associados a estas problemáticas; Tem a possibilidade de implementar um sistema de informação que agiliza os circuitos e optimiza os recursos humanos e logísticos, com vista à melhoria e simplificação da prática da higiene das mãos; Vai poder realizar um exercício de benchmarking permanente com todas as unidades de saúde aderentes; Está a assegurar a melhoria das práticas na prestação de cuidados, garantindo a segurança do doente. O SUCH Serviço de Utilização Comum dos Hospitais é o patrocinador exclusivo do Programa Nacional de Prevenção e Controlo da Infecção Associada aos Cuidados de Saúde, através de um Protocolo assinado com a DGS. A colaboração do SUCH na estratégia nacional para a melhoria da higiene das mãos centra-se no apoio técnico na área da comunicação, nomeadamente na concepção e produção dos materiais de comunicação e na área das tecnologias de informação, através da disponibilização de aplicações informáticas para a realização online dos Questionários da Campanha e do Inquérito Nacional de Prevalência da infecção que serão propriedade da DGS. 16

Campanha Nacional de Higiene das MãosMinistério Resultados Nacionais

Campanha Nacional de Higiene das MãosMinistério Resultados Nacionais Campanha Nacional de Higiene das MãosMinistério da Saúde Resultados Nacionais Dia 5 de Maio, Compromisso Mundial de Higienização das mãos Direcção-Geral da Saúde Campanha Nacional de Higiene das mãos Situação

Leia mais

Resultados de 5 anos da Estratégia Multimodal, para melhoria da Higiene das Mãos. Elaine Pina Elena Noriega DGS/DQS/DGQ/PPCIRA

Resultados de 5 anos da Estratégia Multimodal, para melhoria da Higiene das Mãos. Elaine Pina Elena Noriega DGS/DQS/DGQ/PPCIRA Resultados de 5 anos da Estratégia Multimodal, para melhoria da Higiene das Mãos Elaine Pina Elena Noriega DGS/DQS/DGQ/PPCIRA 5 de maio de 2014 Iniciativa da OMS: Desafio Mundial para a Segurança do Doente

Leia mais

A Higiene das Mãos num Serviço de Urgência Geral: a percepção dos Profissionais de Saúde.

A Higiene das Mãos num Serviço de Urgência Geral: a percepção dos Profissionais de Saúde. A Higiene das Mãos num Serviço de Urgência Geral: a percepção dos Profissionais de Saúde. Hand Hygiene in Emergency Room: Health Professionals perception. Pedrosa, Miguel a ; Grilo, Cristina b ; Marques,

Leia mais

PLANO DE FORMAÇÃO E TREINO PARA A PREVENÇÃO E ACTUAÇÃO NO VIRUS ÉBOLA

PLANO DE FORMAÇÃO E TREINO PARA A PREVENÇÃO E ACTUAÇÃO NO VIRUS ÉBOLA PLANO DE FORMAÇÃO E TREINO PARA A PREVENÇÃO E ACTUAÇÃO NO VIRUS ÉBOLA ATUALIZAÇÃO 05.01.2015 ÍNDICE 1. ENQUADRAMENTO... 3 2. OBJECTIVO DO PLANO... 3 3. RESPONSABILIDADE SOBRE O PLANO... 3 4. ESTRATÉGIA

Leia mais

PANDEMIA GRIPE A/H1N1 PLANO DE CONTINGÊNCIA INTERNO DA CÂMARA MUNICIPAL DE FREIXO DE ESPADA À CINTA

PANDEMIA GRIPE A/H1N1 PLANO DE CONTINGÊNCIA INTERNO DA CÂMARA MUNICIPAL DE FREIXO DE ESPADA À CINTA PANDEMIA GRIPE A/H1N1 PLANO DE CONTINGÊNCIA INTERNO DA CÂMARA MUNICIPAL DE FREIXO DE ESPADA À CINTA Setembro 2009 ÍNDICE 1. Introdução ---------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

Norma de Orientação Farmacêutica Higienização das mãos Hygiènization des mains Hygienization of the hands

Norma de Orientação Farmacêutica Higienização das mãos Hygiènization des mains Hygienization of the hands p. 1 de 10k Norma de Orientação Farmacêutica Higienização das mãos Hygiènization des mains Hygienization of the hands 1ª EDIÇÃO Janeiro de p. 2 de 10k p. 3 de 10k Índice Introdução... 4 Campo de aplicação...

Leia mais

RELATÓRIO CAMPANHA NACIONAL DE HIGIENE DAS MÃOS

RELATÓRIO CAMPANHA NACIONAL DE HIGIENE DAS MÃOS PROGRAMA NACIONAL para a Prevenção e Controlo de Infeção e Resistência aos Antimicrobianos RELATÓRIO CAMPANHA NACIONAL DE HIGIENE DAS MÃOS Abril 2014 RELATÓRIO DA CAMPANHA NACIONAL DE HIGIENE DAS MÃOS

Leia mais

HISTÓRICO DE REVISÕES REVISÃO DATA SÍNTESE DA REVISÃO

HISTÓRICO DE REVISÕES REVISÃO DATA SÍNTESE DA REVISÃO HISTÓRICO DE REVISÕES REVISÃO DATA SÍNTESE DA REVISÃO ELABORAÇÃO ASSINATURA APROVAÇÃO ASSINATURA ÍNDICE CAPÍTULO 1. POLÍTICA E ESTRATÉGIA/ÂMBITO... 3 1.1 POLÍTICA E ESTRATÉGIA DA ENTIDADE... 3 1.2 OBJECTIVO

Leia mais

Reunião Nacional das Comissões de Ética PERSPECTIVAS FUTURAS DA INVESTIGAÇÃO CLÍNICA EM PORTUGAL

Reunião Nacional das Comissões de Ética PERSPECTIVAS FUTURAS DA INVESTIGAÇÃO CLÍNICA EM PORTUGAL Reunião Nacional das Comissões de Ética PERSPECTIVAS FUTURAS DA INVESTIGAÇÃO CLÍNICA EM PORTUGAL Recursos Humanos Financiamento Condições Legais: Lei de Investigação Clínica Fundo para a Investigação em

Leia mais

ACREDITAÇÃO DOS HOSPITAIS PADRÕES DE QUALIDADE E ENFERMAGEM

ACREDITAÇÃO DOS HOSPITAIS PADRÕES DE QUALIDADE E ENFERMAGEM ACREDITAÇÃO DOS HOSPITAIS PADRÕES DE QUALIDADE E ENFERMAGEM Óbidos, Novembro 2008 Maria da Saudade de Oliveira Custódio Lopes SUMÁRIO DE APRESENTAÇÃO A Política de Qualidade para as Instituições de Saúde:

Leia mais

CÓDIGO DE BOAS PRÁTICAS COMERCIAIS

CÓDIGO DE BOAS PRÁTICAS COMERCIAIS CÓDIGO DE BOAS PRÁTICAS COMERCIAIS DIRECTRIZES DA APORMED AOS SEUS ASSOCIADOS SOBRE AS INTERACÇÕES COM OS PROFISSIONAIS DE SAÚDE E O MERCADO DE PRODUTOS DE SAÚDE Documento aprovado na Assembleia-Geral

Leia mais

Ministérios da Administração Interna, do Trabalho e da Solidariedade Social e da Educação PROTOCOLO. Entre MINISTÉRIO DA ADMINISTRAÇÃO INTERNA,

Ministérios da Administração Interna, do Trabalho e da Solidariedade Social e da Educação PROTOCOLO. Entre MINISTÉRIO DA ADMINISTRAÇÃO INTERNA, PROTOCOLO Entre MINISTÉRIO DA ADMINISTRAÇÃO INTERNA, MINISTÉRIO DO TRABALHO E DA SOLIDARIEDADE SOCIAL e MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO 2/7 A aposta na qualificação dos portugueses constitui uma condição essencial

Leia mais

COLÉGIO DA TROFA GRIPE A PLANO DE CONTINGÊNCIA. Índice

COLÉGIO DA TROFA GRIPE A PLANO DE CONTINGÊNCIA. Índice COLÉGIO DA TROFA GRIPE A PLANO DE CONTINGÊNCIA Índice 1. Introdução 2. Objectivo 3. Âmbito de aplicação 4. Activação do plano 4.1. Cadeia de Gestão 4.2. Cadeia de Comando e Controlo 4.3. Actividades Essenciais

Leia mais

Informação e Recomendações para Escolas. Segundo a Direcção-Geral de Saúde Ano lectivo 2009/2010

Informação e Recomendações para Escolas. Segundo a Direcção-Geral de Saúde Ano lectivo 2009/2010 Informação e Recomendações para Escolas Segundo a Direcção-Geral de Saúde Ano lectivo 2009/2010 O vírus da Gripe A(H1N1) é um novo subtipo de vírus que afecta os seres humanos. Este novo subtipo, contém

Leia mais

Formação contínua de formadores com recurso ao e-learning

Formação contínua de formadores com recurso ao e-learning Revista Formar n.º 43 Formação contínua de formadores com recurso ao e-learning Os dados estão lançados. O IEFP lançou-se na formação a distância. O balanço inicial do curso a distância de Gestão da Formação

Leia mais

PROTOCOLO ENERGIA POSITIVA CONTRA A OBESIDADE

PROTOCOLO ENERGIA POSITIVA CONTRA A OBESIDADE PROTOCOLO ENERGIA POSITIVA CONTRA A OBESIDADE A incidência e a prevalência quer da pré-obesidade quer da obesidade têm vindo a aumentar na União Europeia e, também, em Portugal, constituindo um importante

Leia mais

Administração Central do Sistema de Saúde Workshop: Gestão do Processo de Integração Vertical das ULS. Jorge Varanda.

Administração Central do Sistema de Saúde Workshop: Gestão do Processo de Integração Vertical das ULS. Jorge Varanda. Administração Central do Sistema de Saúde Workshop: Gestão do Processo de Integração Vertical das ULS 1 Reconhecer a importância de planear atempadamente a alta do doente, num contexto de integração de

Leia mais

E- Marketing - Estratégia e Plano

E- Marketing - Estratégia e Plano E- Marketing - Estratégia e Plano dossier 2 http://negocios.maiadigital.pt Indíce 1 E-MARKETING ESTRATÉGIA E PLANO 2 VANTAGENS DE UM PLANO DE MARKETING 3 FASES DO PLANO DE E-MARKETING 4 ESTRATÉGIAS DE

Leia mais

Guia de Apoio ao Formando. Formação à distância

Guia de Apoio ao Formando. Formação à distância Regras&Sugestões- Formação e Consultoria, Lda. Guia de Apoio ao Formando Data de elaboração: abril de 2014 CONTACTOS Regras & Sugestões Formação e Consultoria, Lda. Av. General Vitorino laranjeira, Edifício

Leia mais

O Programa Enfermeiros de Família. (Página intencionalmente deixada em branco)

O Programa Enfermeiros de Família. (Página intencionalmente deixada em branco) (Página intencionalmente deixada em branco) 2 Conteúdo A Saúde Quem Somos... O programa Enfermeiros de Família... O Enfermeiro de Família Saúde... O desafio de carreira... Principais competências e responsabilidades...

Leia mais

Monitorização da Qualidade em Serviços de Saúde

Monitorização da Qualidade em Serviços de Saúde Infecções e Cuidados de Saúde Hospital Magalhães Lemos 12 Dezembro.2008 Monitorização da Qualidade em Serviços de Saúde Porto,12 de Dezembro 2008 Enquadramento do Processo Negocial com os Serviços de Saúde

Leia mais

REGULAMENTO DA ÁREA MÉDICA DOS SERVIÇOS SOCIAIS DA CÂMARA MUNICIPAL DE LISBOA

REGULAMENTO DA ÁREA MÉDICA DOS SERVIÇOS SOCIAIS DA CÂMARA MUNICIPAL DE LISBOA REGULAMENTO DA ÁREA MÉDICA DOS SERVIÇOS SOCIAIS DA CÂMARA MUNICIPAL DE LISBOA Índice Capítulo I Disposições gerais Secção I Noção, âmbito e objectivos Art.º 1 - Noção e âmbito material Art.º 2 - Objectivos

Leia mais

Estrutura do Plano de Acção de Energia e Sustentabilidade - Pacto dos Autarcas

Estrutura do Plano de Acção de Energia e Sustentabilidade - Pacto dos Autarcas Estrutura do Plano de Acção de Energia e Sustentabilidade - Pacto dos Autarcas Cascais, 26 de Agosto de 2010 1 P á g i n a ÍNDICE 1.ENQUADRAMENTO... 1 2.METAS E OBJECTIVOS... 2 3.MEDIDAS A IMPLEMENTAR...

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS N 1 DE MARCO DE CANAVESES (150745) Plano de Ação de Melhoria

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS N 1 DE MARCO DE CANAVESES (150745) Plano de Ação de Melhoria AGRUPAMENTO DE ESCOLAS N 1 DE MARCO DE CANAVESES (150745) Plano de Ação de Melhoria 2015l2017 ÍNDICE ÍNDICE: INTRODUÇÃO... 3 ÁREAS DE AÇÃO DE MELHORIA.... 4 PLANOS DE AÇÃO DE MELHORIA.. 5 CONCLUSÃO...

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE MQ_v5 MANUAL DA QUALIDADE. FORM_001_v1 [Este documento depois de impresso constitui uma cópia não controlada] Página 1 de 22

MANUAL DA QUALIDADE MQ_v5 MANUAL DA QUALIDADE. FORM_001_v1 [Este documento depois de impresso constitui uma cópia não controlada] Página 1 de 22 MANUAL DA QUALIDADE FORM_001_v1 [Este documento depois de impresso constitui uma cópia não controlada] Página 1 de 22 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 4 1.1 Promulgação... 4 1.2 Âmbito e campo de aplicação do SGQ...

Leia mais

FORMULÁRIO DE AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DO PESSOAL DOCENTE

FORMULÁRIO DE AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DO PESSOAL DOCENTE FORMULÁRIO DE AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DO PESSOAL DOCENTE PARTE A (a preencher pelo coordenador do departamento curricular ou pelo conselho executivo se o avaliado for coordenador de um departamento curricular)

Leia mais

ARTIGO 1.º OBJECTO ARTIGO 2.º DEFINIÇÕES

ARTIGO 1.º OBJECTO ARTIGO 2.º DEFINIÇÕES REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DO SISTEMA DE TRATAMENTO, AUDIÇÃO E PARTICIPAÇÃO DOS TOMADORES DE SEGUROS, PESSOAS SEGURAS, BENEFICIÁRIOS E OUTROS INTERESSADOS ARTIGO 1.º OBJECTO O presente regulamento visa

Leia mais

e-health Inovação em Portugal 2012 (1ª edição) Resultados Estudo Barómetro Prof. Paulo Moreira (Escola Nacional de Saúde Pública)

e-health Inovação em Portugal 2012 (1ª edição) Resultados Estudo Barómetro Prof. Paulo Moreira (Escola Nacional de Saúde Pública) Execução e responsabilidade técnica: Direcção Científica: Prof. Paulo Moreira (Escola Nacional de Saúde Pública) Patrocinador: Resultados Estudo Barómetro e-health Inovação em Portugal 2012 Apoios: (1ª

Leia mais

GINÁSIO DA ATFCUL REGULAMENTO

GINÁSIO DA ATFCUL REGULAMENTO GINÁSIO DA ATFCUL REGULAMENTO A Associação de Trabalhadores da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa (ATFCUL) coloca ao dispor de todos os associados a partir de Fevereiro 2016 um Ginásio para

Leia mais

4. PRINCÍPIOS DE PLANEAMENTO DE RECURSOS HÍDRICOS

4. PRINCÍPIOS DE PLANEAMENTO DE RECURSOS HÍDRICOS 4. PRINCÍPIOS DE PLANEAMENTO DE RECURSOS HÍDRICOS A abordagem estratégica que se pretende implementar com o Plano Regional da Água deverá ser baseada num conjunto de princípios nucleares que, sendo unanimemente

Leia mais

Perguntas Mais Frequentes Sobre

Perguntas Mais Frequentes Sobre Perguntas Mais Frequentes Sobre Neste documento pretende a Coordenação do Programa Nacional de Desfibrilhação Automática Externa (PNDAE) reunir uma selecção das perguntas mais frequentemente colocadas

Leia mais

República de Moçambique Ministério da Saúde Direcção Nacional de Saúde Pública

República de Moçambique Ministério da Saúde Direcção Nacional de Saúde Pública República de Moçambique Ministério da Saúde Direcção Nacional de Saúde Pública Processo para o Reconhecimento do Desempenho dos Serviços de Saúde Materna e Neonatal, de Planeamento Familiar e de Prevenção

Leia mais

Bona: Chamada para a Ação

Bona: Chamada para a Ação Bona: Chamada para a Ação Texto da posição conjunta da AIEA e da OMS A Agência Internacional de Energia Atómica (AIEA) realizou em dezembro de 2012, em Bona (Alemanha), a "Conferência Internacional de

Leia mais

Regulamento Interno. Artigo 1º (Missão)

Regulamento Interno. Artigo 1º (Missão) Regulamento Interno O presente regulamento aplica-se a todos os Cursos de formação concebidos, organizados e desenvolvidos pelo Nucaminho - Núcleo dos Camionistas do Minho, com o objetivo de promover o

Leia mais

PLANO DESENVOLVIMENTO SOCIAL MAFRA 2013-2015

PLANO DESENVOLVIMENTO SOCIAL MAFRA 2013-2015 PLANO DESENVOLVIMENTO SOCIAL MAFRA 2013-2015 APROVADO EM SESSÃO PLENÁRIA DO CLAS 21 DE MAIO DE 2013 1 NOTA INTRODUTÓRIA O Diagnóstico Social constituiu a base de trabalho da ação dos Parceiros Locais.

Leia mais

Informação de Custos dos Cuidados de Saúde. Serviço Nacional de Saúde

Informação de Custos dos Cuidados de Saúde. Serviço Nacional de Saúde Informação de Custos dos Cuidados de Saúde Serviço Nacional de Saúde A Informação de custos dos Cuidados de Saúde é uma iniciativa que se pretende que venha a ter abrangência nacional, enquadrada no Programa

Leia mais

A E A B I B L I O T E C A GRIPE A

A E A B I B L I O T E C A GRIPE A A E A B I B L I O T E C A GRIPE A É fundamental que o Plano de Contingência da escola/agrupamento defina claramente o papel da biblioteca e as acções a realizar, quer em termos de informação e prevenção,

Leia mais

À amostra global do estudo corresponde um intervalo de confiança de 95% para uma margem de erro de ± 2,5%.

À amostra global do estudo corresponde um intervalo de confiança de 95% para uma margem de erro de ± 2,5%. Ficha Técnica: e-health: Inovação em Portugal 2012 Universo: Totalidade de Médicos, Farmacêuticos e Enfermeiros a exercer actividade profissional em Portugal; Amostra: 1.507 questionários (foram realizados

Leia mais

KIT CICLO PEDAGÓGICO ESTUDO DO MEIO. Propostas para planeamento, exploração e avaliação de visitas a museus e centros de ciência.

KIT CICLO PEDAGÓGICO ESTUDO DO MEIO. Propostas para planeamento, exploração e avaliação de visitas a museus e centros de ciência. KIT_PEDA_EST_MEIO_5:FERIAS_5_6 09/12/28 15:07 Page 1 1. o CICLO KIT PEDAGÓGICO Pedro Reis ESTUDO DO MEIO 5 Propostas para planeamento, exploração e avaliação de visitas a museus e centros de ciência ISBN

Leia mais

Avaliação da Qualidade das Unidades de Internamento da Rede Nacional de Cuidados Continuados

Avaliação da Qualidade das Unidades de Internamento da Rede Nacional de Cuidados Continuados Avaliação da Qualidade das Unidades de Internamento da Rede Nacional de Cuidados Continuados Março de 2009 Índice 0. Resumo Executivo... 2 1. Introdução... 4 2. Resultados das visitas de diagnóstico...

Leia mais

Envie-nos os seus trabalhos jornalísticos sobre o sector rodoviário, publicados em 2011. Participe entre 1 de Novembro de 2011 e 31 de Janeiro de

Envie-nos os seus trabalhos jornalísticos sobre o sector rodoviário, publicados em 2011. Participe entre 1 de Novembro de 2011 e 31 de Janeiro de Envie-nos os seus trabalhos jornalísticos sobre o sector rodoviário, publicados em 2011. Participe entre 1 de Novembro de 2011 e 31 de Janeiro de 2012. ENQUADRAMENTO 2ºs PRÉMIOS DE JORNALISMO CEPSA ESTRADAS

Leia mais

Referenciais da Qualidade

Referenciais da Qualidade 2008 Universidade da Madeira Grupo de Trabalho nº 4 Controlo da Qualidade Referenciais da Qualidade Raquel Sousa Vânia Joaquim Daniel Teixeira António Pedro Nunes 1 Índice 2 Introdução... 3 3 Referenciais

Leia mais

DOSSIER DE ACREDITAÇÃO PARA FORMAÇÃO EM TAT

DOSSIER DE ACREDITAÇÃO PARA FORMAÇÃO EM TAT Instituto Nacional de Emergência Médica, I.P. DOSSIER DE ACREDITAÇÃO PARA FORMAÇÃO EM TAT Maio de 2012 Departamento de Formação em Emergência Médica Rua Almirante Barroso, n.º 36, 4º Piso 1000-013 Lisboa

Leia mais

Programa Nacional de Desenvolvimento do Empreendedorismo,, Inovação e Emprego no Sector Cultural e Criativo Cri[activo]

Programa Nacional de Desenvolvimento do Empreendedorismo,, Inovação e Emprego no Sector Cultural e Criativo Cri[activo] Programa Nacional de Desenvolvimento do Empreendedorismo,, Inovação e Emprego no Sector Cultural e Criativo Cri[activo] 1. ENQUADRAMENTO Ao longo de 2009 consolidou-se em Portugal o reconhecimento de que

Leia mais

PARECER N.º 2 / 2012

PARECER N.º 2 / 2012 PARECER N.º 2 / 2012 DOTAÇÃO DE PESSOAL NO SERVIÇO DE PEDIATRIA ONCOLÓGICA 1. A questão colocada Solicitar o parecer da Ordem acerca da dotação de pessoal no serviço de Pediatria Oncológica, dado que não

Leia mais

Competências Farmacêuticas Farmácia Comunitária Versão 23.xi.15

Competências Farmacêuticas Farmácia Comunitária Versão 23.xi.15 Competências Farmacêuticas Farmácia Comunitária Versão 23.xi.15 1 Competência* reparar manipulados e formulações extemporâneas de medicamentos e produtos de saúde Conteúdos* Tipo de 2 Competência* Aquisição

Leia mais

Coordenação de Segurança e Saúde da fase de construção. José M. Cardoso Teixeira 1

Coordenação de Segurança e Saúde da fase de construção. José M. Cardoso Teixeira 1 Coordenação de Segurança e Saúde da fase de construção José M. Cardoso Teixeira 1 Universidade do Minho, Departamento de Engenharia Civil Azurém, P 4800-058 Guimarães, Portugal RESUMO De uma forma geral,

Leia mais

REGULAMENTO DA UNIDADE DE VIGILÂNCIA PEDIÁTRICA da SOCIEDADE PORTUGUESA DE PEDIATRIA PORTUGUESE PAEDIATRIC SURVEILLANCE UNIT (UVP-SPP / PPSU)

REGULAMENTO DA UNIDADE DE VIGILÂNCIA PEDIÁTRICA da SOCIEDADE PORTUGUESA DE PEDIATRIA PORTUGUESE PAEDIATRIC SURVEILLANCE UNIT (UVP-SPP / PPSU) REGULAMENTO DA UNIDADE DE VIGILÂNCIA PEDIÁTRICA da SOCIEDADE PORTUGUESA DE PEDIATRIA PORTUGUESE PAEDIATRIC SURVEILLANCE UNIT (UVP-SPP / PPSU) Para que a Pediatria portuguesa e as nossas crianças portadoras

Leia mais

DEZEMBRO DE 2008 MANUAL DE OPERACIONALIZAÇÃO DO PNCI

DEZEMBRO DE 2008 MANUAL DE OPERACIONALIZAÇÃO DO PNCI DEZEMBRO DE 2008 MANUAL DE OPERACIONALIZAÇÃO DO PNCI 2 AUTORES Ana Leça, Directora de Serviços da Qualidade Clínica Ana Cristina Costa, Chefe de Divisão da Segurança Clínica Maria Goreti Silva, Divisão

Leia mais

Ensino Básico. Regulamento da Competição

Ensino Básico. Regulamento da Competição ESCOLA + Promoção de Eficiência Energética entre Escolas do 1º Ciclo de O Projeto Escola + Ensino Básico Regulamento da Competição Ano Letivo 2014-2015 O Projeto «Escola +» é uma iniciativa da Lisboa E-Nova

Leia mais

REGULAMENTO DA COMISSÃO DE AUDITORIA BANCO ESPÍRITO SANTO, S. A. Artigo 1.º Composição

REGULAMENTO DA COMISSÃO DE AUDITORIA BANCO ESPÍRITO SANTO, S. A. Artigo 1.º Composição REGULAMENTO DA COMISSÃO DE AUDITORIA BANCO ESPÍRITO SANTO, S. A. Artigo 1.º Composição 1. A Comissão de Auditoria do Banco Espírito Santo (BES) (Comissão de Auditoria ou Comissão) é composta por um mínimo

Leia mais

Código: CHCB.PI..EST.01 Edição: 1 Revisão: 0 Páginas:1 de 12. 1. Objectivo. 2. Aplicação

Código: CHCB.PI..EST.01 Edição: 1 Revisão: 0 Páginas:1 de 12. 1. Objectivo. 2. Aplicação Código: CHCB.PI..EST.01 Edição: 1 Revisão: 0 Páginas:1 de 12 1. Objectivo o Estabelecer normas para o processamento dos dispositivos médicos, baseadas em padrões de qualidade. o Estabelecer condições de

Leia mais

Conferência de Imprensa OE - SE - SIPE - SERAM - SEP. 17 de Fevereiro 15H30. SANA Lisboa Hotel. Comunicado conjunto

Conferência de Imprensa OE - SE - SIPE - SERAM - SEP. 17 de Fevereiro 15H30. SANA Lisboa Hotel. Comunicado conjunto Conferência de Imprensa OE - SE - SIPE - SERAM - SEP 17 de Fevereiro 15H30 SANA Lisboa Hotel Comunicado conjunto Senhores jornalistas, Em primeiro lugar queremos agradecer a vossa presença. Ao convocar

Leia mais

Planificação dos Serviços Farmacêuticos

Planificação dos Serviços Farmacêuticos Planificação dos Serviços Farmacêuticos As modificações introduzidas na Farmácia Hospitalar nas últimas duas décadas Pressupôs uma reorganização e uma nova planificação das estruturas existentes Objectivos

Leia mais

PROCEDIMENTO. Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho

PROCEDIMENTO. Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho PÁG. 1 DE 5 1. - OBJECTIVO Pretende-se definir: princípios básicos de adequados às actividades desenvolvidas pelas empresas do Grupo Santos e Vale visando prevenir os riscos profissionais e promover a

Leia mais

Apresentação da Solução. Divisão Área Saúde. Solução: Gestão de Camas

Apresentação da Solução. Divisão Área Saúde. Solução: Gestão de Camas Apresentação da Solução Solução: Gestão de Camas Unidade de negócio da C3im: a) Consultoria e desenvolvimento de de Projectos b) Unidade de Desenvolvimento Área da Saúde Rua dos Arneiros, 82-A, 1500-060

Leia mais

PROGRAMA NACIONAL Doenças Respiratórias

PROGRAMA NACIONAL Doenças Respiratórias PROGRAMA NACIONAL Doenças Respiratórias para as REGRAS DE PRESCRIÇÃO DE CUIDADOS RESPIRATÓRIOS DOMICILIÁRIOS Programa Nacional para as Doenças Respiratórias (PNDR) Autoria Elsa Soares Jara Cristina Bárbara

Leia mais

das Doenças Cérebro Cardiovasculares

das Doenças Cérebro Cardiovasculares Programa Regional de Prevenção e Controlo das Doenças Cérebro Cardiovasculares Índice Siglas e Acrónimos... 2 1. Contextualização... 3 2. População Alvo... 3 3. Objectivos... 4 4. Indicadores para Avaliação

Leia mais

Estatuto Orgânico do Ministério da Administração Pública, Emprego e Segurança Social

Estatuto Orgânico do Ministério da Administração Pública, Emprego e Segurança Social Estatuto Orgânico do Ministério da Administração Pública, Emprego e Segurança Social Ter, 02 de Junho de 2009 18:38 Administrador REPÚBLICA DE ANGOLA Conselho de Ministros Decreto-lei nº 8 /07 de 4 de

Leia mais

REGULAMENTO DA ACTIVIDADE FORMATIVA

REGULAMENTO DA ACTIVIDADE FORMATIVA A CadSolid tem como missão contribuir para a modernização da indústria portuguesa, mediante o desenvolvimento e comercialização de produtos e serviços inovadores, personalizados e concebidos para satisfazer

Leia mais

FICHA TÉCNICA DO CURSO FISCALIZAÇÃO DE OBRA FERRAMENTAS E METODOLOGIAS

FICHA TÉCNICA DO CURSO FISCALIZAÇÃO DE OBRA FERRAMENTAS E METODOLOGIAS FICHA TÉCNICA DO CURSO FISCALIZAÇÃO DE OBRA FERRAMENTAS E METODOLOGIAS EDIÇÃO Nº1/2013 1. DESIGNAÇÃO DO CURSO Fiscalização de obra ferramentas e metodologias 2. COMPETÊNCIAS A DESENVOLVER A construção

Leia mais

PLANO DE FORMAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS 2012 FORMAÇÃO DE TREINADORES FEDERAÇÃO PORTUGUESA DO PENTATLO MODERNO

PLANO DE FORMAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS 2012 FORMAÇÃO DE TREINADORES FEDERAÇÃO PORTUGUESA DO PENTATLO MODERNO 1 PLANO DE FORMAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS 2012 FORMAÇÃO DE TREINADORES FEDERAÇÃO PORTUGUESA DO PENTATLO MODERNO 2 1. Introdução O processo de adaptação e ajustamento ao PNFT entra em 2012 na sua fase terminal

Leia mais

INSPECÇÃO-GERAL DA EDUCAÇÃO PROGRAMA AFERIÇÃO

INSPECÇÃO-GERAL DA EDUCAÇÃO PROGRAMA AFERIÇÃO INSPECÇÃO-GERAL DA EDUCAÇÃO PROGRAMA AFERIÇÃO EFECTIVIDADE DA AUTO-AVALIAÇÃO DAS ESCOLAS PROJECTO ESSE Orientações para as visitas às escolas 1 Introdução As visitas às escolas realizadas segundo o modelo

Leia mais

GRIPE A (H1N1) v. Planos de Contingência para Creches, Jardins-de-infância, Escolas e outros Estabelecimentos de Ensino

GRIPE A (H1N1) v. Planos de Contingência para Creches, Jardins-de-infância, Escolas e outros Estabelecimentos de Ensino GRIPE A (H1N1) v Planos de Contingência para Creches, Jardins-de-infância, Escolas e outros Estabelecimentos de Ensino Orientações para a sua elaboração Este documento contém: Metodologia de elaboração

Leia mais

Instituto Politécnico de Lisboa. Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa (ESTeSL) Gestão da Qualidade

Instituto Politécnico de Lisboa. Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa (ESTeSL) Gestão da Qualidade Instituto Politécnico de Lisboa Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa (ESTeSL) Gestão da Qualidade Relatório da Implementação de Medidas para a melhoria da Qualidade Abril 2011 1 Relatório da

Leia mais

Eixos Estratégicos Objectivos Estratégicos Objectivos Operacionais Acções. 1.1.1.Aumentar a oferta formativa nas áreas das artes e das tecnologias

Eixos Estratégicos Objectivos Estratégicos Objectivos Operacionais Acções. 1.1.1.Aumentar a oferta formativa nas áreas das artes e das tecnologias 1. Oferta Formativa 1.1. Dinamizar e consolidar a oferta formativa 1.1.1.Aumentar a oferta formativa nas áreas das artes e das tecnologias 1.1.2. Promover o funcionamento de ciclos de estudos em regime

Leia mais

Programa de Unidades Curriculares Opcionais

Programa de Unidades Curriculares Opcionais Programa de Unidades Curriculares Opcionais Para assegurar que todos os alunos tenham acesso a UC que permitam perfazer as exigências em créditos (ECTS) de UC Opcionais dos respectivos Planos de Estudo,

Leia mais

REGULAMENTO DE PROPRIEDADE INTELECTUAL DA UNIVERSIDADE DO PORTO. Preâmbulo

REGULAMENTO DE PROPRIEDADE INTELECTUAL DA UNIVERSIDADE DO PORTO. Preâmbulo REGULAMENTO DE PROPRIEDADE INTELECTUAL DA UNIVERSIDADE DO PORTO Preâmbulo A Universidade do Porto, doravante designada UP, considera que a protecção e valorização dos resultados de I&D e de outras actividades

Leia mais

Sistema Nacional de Certificação Energética de Edifícios (SCE) Paulo Santos / ADENE PORTUGAL

Sistema Nacional de Certificação Energética de Edifícios (SCE) Paulo Santos / ADENE PORTUGAL Sistema Nacional de Certificação Energética de Edifícios (SCE) Paulo Santos / ADENE PORTUGAL Inmetro, Brasil, 14 e 15 de Maio 2012 ÍNDICE ADENE - Apresentação Enquadramento e introdução ao SCE Formação

Leia mais

IV Fórum do Sector Segurador e Fundos de Pensões. Lisboa, 15 de Abril de 2009

IV Fórum do Sector Segurador e Fundos de Pensões. Lisboa, 15 de Abril de 2009 IV Fórum do Sector Segurador e Fundos de Pensões Lisboa, 15 de Abril de 2009 Foi com todo o gosto e enorme interesse que aceitei o convite do Diário Económico para estar presente neste IV Fórum do sector

Leia mais

Projeto Testes Intermédios 2014/2015 Informação-Projeto

Projeto Testes Intermédios 2014/2015 Informação-Projeto Projeto Testes Intermédios 2014/2015 Informação-Projeto INFORMAÇÃO AOS DIRETORES, GESTORES DE PROJETO E PROFESSORES Na sequência da publicação da Informação 1, divulgada pelo IAVE, I.P., na Extranet, no

Leia mais

GRUPO PARLAMENTAR. É neste contexto mundial e europeu, que se deve abordar, localmente, a problemática da Luta Contra as Dependências.

GRUPO PARLAMENTAR. É neste contexto mundial e europeu, que se deve abordar, localmente, a problemática da Luta Contra as Dependências. O assunto que hoje trago a este Parlamento Luta Contra as Toxicodependências - não é de fácil abordagem, mas é de interesse relevante para a Região. No mundo em que vivemos existem problemas de ordem vária

Leia mais

REGULAMENTO DA AGMVM N.º 3/2012 NORMALIZAÇÃO DE INFORMAÇÃO FINANCEIRA

REGULAMENTO DA AGMVM N.º 3/2012 NORMALIZAÇÃO DE INFORMAÇÃO FINANCEIRA REGULAMENTO DA AGMVM N.º 3/2012 NORMALIZAÇÃO DE INFORMAÇÃO FINANCEIRA A informação de natureza económico-financeira exige o controlo e a revisão por parte de entidades idóneas, independentes e isentas.

Leia mais

Licenciatura de Análises Clínicas e Saúde Pública. Universidade Atlântica. 4.º Ano. - Investigação Aplicada

Licenciatura de Análises Clínicas e Saúde Pública. Universidade Atlântica. 4.º Ano. - Investigação Aplicada Licenciatura de Análises Clínicas e Saúde Pública Universidade Atlântica 4.º Ano - Investigação Aplicada AVALIAÇÃO DO GRAU DE SENSIBILIZAÇÃO PARA A AMAMENTAÇÃO Projecto de Investigação Docente: Ana Cláudia

Leia mais

MESTRADO EM PSICOLOGIA SOCIAL E DAS ORGANIZAÇÕES GUIA DE ORGANIZAÇÃO E DE FUNCIONAMENTO DOS ESTÁGIOS

MESTRADO EM PSICOLOGIA SOCIAL E DAS ORGANIZAÇÕES GUIA DE ORGANIZAÇÃO E DE FUNCIONAMENTO DOS ESTÁGIOS INSTI INSTUTO SUPERIOR DE CIÊNCIAS DO TRABALHO E DA EMPRESA DEPARTAMENTO DE PSICOLOGIA SOCIAL E DAS ORGANIZAÇÕES MESTRADO EM PSICOLOGIA SOCIAL E DAS ORGANIZAÇÕES GUIA DE ORGANIZAÇÃO E DE FUNCIONAMENTO

Leia mais

Direito das sociedades e governo das sociedades: a Comissão apresenta um Plano de Acção

Direito das sociedades e governo das sociedades: a Comissão apresenta um Plano de Acção IP/03/716 Bruxelas, 21 de Maio de 2003 Direito das sociedades e governo das sociedades: a Comissão apresenta um Plano de Acção O reforço dos direitos dos accionistas e da protecção dos trabalhadores e

Leia mais

Projecto de Aprendizagem

Projecto de Aprendizagem Instituto Politécnico de Leiria Escola Superior de Saúde de Leiria Curso de Mestrado em Enfermagem de Saúde Mental (1ª ed.) Projecto de Aprendizagem Cláudia Basílio Unidade curricular: Ensino Clínico I

Leia mais

dos alunos, trabalhadores e demais população utilizadora dos vossos serviços.

dos alunos, trabalhadores e demais população utilizadora dos vossos serviços. PLANO DE CONTINGÊNCIA DA GRIPE A (H1N1) A Direcção do Externato Frei Luís Sousa recebeu solicitação, do Centro Saú Almada/Autorida Saú, do envio confirmação da existência um Plano Contingência da Gripe

Leia mais

RESULTADOS DO CONCURSO NACIONAL DE BOAS PRÁTICAS NA ADMINISTRAÇÃO LOCAL 2007/2008 CATEGORIA A ADMINISTRAÇÃO AUTÁRQUICA E MODERNIZAÇÃO

RESULTADOS DO CONCURSO NACIONAL DE BOAS PRÁTICAS NA ADMINISTRAÇÃO LOCAL 2007/2008 CATEGORIA A ADMINISTRAÇÃO AUTÁRQUICA E MODERNIZAÇÃO RESULTADOS DO CONCURSO NACIONAL DE BOAS PRÁTICAS NA ADMINISTRAÇÃO LOCAL 2007/2008 CATEGORIA A ADMINISTRAÇÃO AUTÁRQUICA E MODERNIZAÇÃO Nota de Abertura Em 2007/2008 teve lugar a 2.ª edição do Concurso Nacional

Leia mais

Plano de Contingência UCP

Plano de Contingência UCP Universidade Católica Portuguesa Plano de Contingência UCP Lisboa Sede Campus de Sintra Residência Universitária Feminina Pandemia de Gripe A (H1N1) Lisboa-Versão02-28 Setembro 09 Índice 1. LISTA DE SIGLAS

Leia mais

o Maria Hermínia Cabral o Sérgio Guimarães o Pedro Krupenski

o Maria Hermínia Cabral o Sérgio Guimarães o Pedro Krupenski II Oficina de Trabalho Código de Conduta: Processos e Metodologias 24 de Setembro 2015 Conclusões da Sessão da manhã Com o apoio dos Parceiros do Mecanismo de Apoio à Elaboração de Projetos de Cooperação,

Leia mais

Programa para a Reabilitação de Pessoas com Comportamentos Adictos

Programa para a Reabilitação de Pessoas com Comportamentos Adictos Programa para a Reabilitação de Pessoas com Comportamentos Adictos Introdução Os comportamentos adictos têm vindo a aumentar na nossa sociedade. Os problemas, ao nível do local e das relações no trabalho,

Leia mais

Direção-Geral da Saúde

Direção-Geral da Saúde Direção-Geral da Saúde Departamento de Qualidade Divisão de Segurança do Doente Introdução Enquadramento Internacional Enquadramento Nacional Sistema Nacional de Notificação Ápresentação do SNNIEA Introdução

Leia mais

PLANO NACIONAL DE FORMAÇÃO DE QUADROS

PLANO NACIONAL DE FORMAÇÃO DE QUADROS PLANO NACIONAL DE FORMAÇÃO DE QUADROS NOTA INFORMATIVA A. Plano Nacional de Formação de Quadros, Instrumento de Execução da Estratégia Nacional de Formação de Quadros 1. Por Despacho de 16 de Novembro

Leia mais

Soluções de análise preditiva para optimizar os processos de negócio. João Pequito. Director Geral da PSE

Soluções de análise preditiva para optimizar os processos de negócio. João Pequito. Director Geral da PSE Soluções de análise preditiva para optimizar os processos de negócio João Pequito Director Geral da PSE Soluções de análise preditiva para optimizar os processos de negócio Qualquer instituição tem hoje

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL Resolução do Conselho do Governo n.º 107/2010 de 14 de Julho de 2010

PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL Resolução do Conselho do Governo n.º 107/2010 de 14 de Julho de 2010 PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL Resolução do Conselho do Governo n.º 107/2010 de 14 de Julho de 2010 O Programa Estagiar, nas suas vertentes L, T e U, dirigido a recém-licenciados e mestres, recém-formados

Leia mais

Reitoria. No plano orçamental para 2009 foi definida uma provisão no valor de 300.000 euros para o Programa - Qualidade.

Reitoria. No plano orçamental para 2009 foi definida uma provisão no valor de 300.000 euros para o Programa - Qualidade. Reitoria Circular RT-05/2009 Programa Qualidade 2009 Apesar dos constrangimentos financeiros impostos pelo orçamento atribuído para 2009, é importante garantir que são apoiadas as experiências e os projectos

Leia mais

ANEXO III REGULAMENTO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO

ANEXO III REGULAMENTO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO ANEXO III REGULAMENTO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO Artigo 1.º Âmbito 1 - O presente regulamento de avaliação de desempenho aplica-se a todos os docentes que se encontrem integrados na carreira. 2 - A avaliação

Leia mais

REGULAMENTO DE REALIZAÇÃO DE CURSOS DE FORMAÇÃO PÓS-GRADUADA NO ISA

REGULAMENTO DE REALIZAÇÃO DE CURSOS DE FORMAÇÃO PÓS-GRADUADA NO ISA REGULAMENTO DE REALIZAÇÃO DE CURSOS DE FORMAÇÃO PÓS-GRADUADA NO ISA Preâmbulo É cada vez mais consensual a importância estratégica que as pessoas (vulgarmente chamadas de recursos humanos) desempenharão

Leia mais

Escola Secundária da Ramada. Plano Plurianual de Atividades. Pro Qualitate (Pela Qualidade)

Escola Secundária da Ramada. Plano Plurianual de Atividades. Pro Qualitate (Pela Qualidade) Escola Secundária da Ramada Plano Plurianual de Atividades Pro Qualitate (Pela Qualidade) 2014 A Escola está ao serviço de um Projeto de aprendizagem (Nóvoa, 2006). ii ÍNDICE GERAL Pág. Introdução 1 Dimensões

Leia mais

Guia do Professor/Tutor Online

Guia do Professor/Tutor Online Guia do Professor/Tutor Online INTRODUÇÃO E nsinar online é uma experiência única, muito estimulante para um Professor Tutor, mas requer algumas competências pedagógicas específicas. As notas que se seguem

Leia mais

Diagnóstico de Situação em 2015. Diagnóstico de Situação em 2015 Prioridade II: Reforço da Segurança dos Doentes. Entidade: *

Diagnóstico de Situação em 2015. Diagnóstico de Situação em 2015 Prioridade II: Reforço da Segurança dos Doentes. Entidade: * Página 1 de 6 Entidade: * Centro Hospitalar do Porto, EPE Morada: Código Postal - N.º de camas: ARS: Tipologia: * ACES Hospital/Centro Hospitalar Unidade Local de Saúde PLANO DE ATIVIDADES Preenchimento

Leia mais

Anexo II Programa INOV Contacto - Estágios Internacionais Edição 2015-2016

Anexo II Programa INOV Contacto - Estágios Internacionais Edição 2015-2016 Anexo II Programa INOV Contacto - Estágios Internacionais Edição 2015-2016 Protocolo de Estágio entre AICEP - Agência para o Investimento e Comércio Externo, E.P.E. e (nome da entidade) Entre PRIMEIRO:

Leia mais

ÍNDICE ESCOLA SUPERIOR DE SAÚDE DE SANTARÉM 1. ÍNDICE 2. PROMULGAÇÃO 3. DESCRIÇÃO DA ESCOLA. 3.1 História. 3.2 Objetivo e Domínio da Certificação

ÍNDICE ESCOLA SUPERIOR DE SAÚDE DE SANTARÉM 1. ÍNDICE 2. PROMULGAÇÃO 3. DESCRIÇÃO DA ESCOLA. 3.1 História. 3.2 Objetivo e Domínio da Certificação ÍNDICE 1. ÍNDICE 2. PROMULGAÇÃO 3. DESCRIÇÃO DA ESCOLA 3.1 História 3.2 Objetivo e Domínio da Certificação 4. SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE 4.1 Processos 4.2 Requisitos da Documentação 4.3 Controlo dos

Leia mais

REGULAMENTO DE BOLSAS. 1. Objeto

REGULAMENTO DE BOLSAS. 1. Objeto REGULAMENTO DE BOLSAS 1. Objeto 1.1 O presente Regulamento estabelece os termos e condições aplicáveis à atribuição pela Gilead Sciences, Lda. ( Gilead ) de apoios financeiros ( Bolsas ) com o objetivo

Leia mais

ENCONTRO TEATRO ESCOLA

ENCONTRO TEATRO ESCOLA PROJECTO: XXIX ENCONTRO TEATRO ESCOLA PROMOTOR: IDENTIFICAÇÃO Nome da entidade: Escola Básica D. José I Endereço (rua, n.º, C.P.): Rua Santo António de Arenilha, 24, 8900-275 Vila Real de St. António Telef:

Leia mais

QUADROS SUPERIORES DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA, DIRIGENTES E QUADROS SUPERIORES DE EMPRESA

QUADROS SUPERIORES DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA, DIRIGENTES E QUADROS SUPERIORES DE EMPRESA GRANDE GRUPO 1 QUADROS SUPERIORES DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA, DIRIGENTES E QUADROS SUPERIORES DE EMPRESA Os quadros superiores da administração pública, dirigentes e quadros superiores de empresa dão pareceres

Leia mais

Plano de Contingência

Plano de Contingência Plano de Contingência Gripe A (H1N1) Creche, Jardim-de-infância e ATL da ASSTAS Índice I INTRODUÇÃO... 2 II OBJECTIVOS... 3 III PREVENÇÃO E INFORMAÇÃO SOBRE A GRIPE A... 4 A) Quais os sintomas?... 4 B)

Leia mais

Encontro Anual Agenda 21 Local. Guia Agenda 21 Local. Um desafio de todos

Encontro Anual Agenda 21 Local. Guia Agenda 21 Local. Um desafio de todos Encontro Anual Agenda 21 Local Guia Agenda 21 Local Um desafio de todos Isabel Lico Montemor-o-Novo 20 novembro 2015 Objetivos do Guia Agenda 21 Um desafio de todos Referencial Normativo Conceção e implementação

Leia mais

Congresso Internacional de Segurança e Saúde do Trabalho

Congresso Internacional de Segurança e Saúde do Trabalho 9º Congresso Internacional de Segurança e Saúde do Trabalho 1. O Grupo Salvador Caetano 2. A Responsabilidade Social e a SHST 3. Política de SHST 4. Estrutura de SHST 5. Responsabilidades e Responsáveis

Leia mais