PROJETO DE ALFABETIZAÇÃO 1º ENCONTRO /03/2014

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROJETO DE ALFABETIZAÇÃO 1º ENCONTRO-2014 26/03/2014"

Transcrição

1 PROJETO DE ALFABETIZAÇÃO 1º ENCONTRO /03/2014 COORDENADORA PEDAGÓGICA: Elis Regina da Silva Otto Tel.(41)

2 PROJETO ESPECIAL DE ALFABETIZAÇÃO Um projeto de ensino democrático pressupõe garantir o acesso, permanência dos alunos na escola e qualidade de ensino. Infelizmente os índices de evasão, repetência e baixa qualidade de ensino das escolas públicas brasileiras são elevados. Na Rede Municipal de Piraquara, em 2008, o índice geral de reprovação chegou a 14,31% (FONTE: Relatórios Finais SERE, 2008). Esse grande contingente de reprovações representa o insucesso da escola frente a sua função a de socializar o conhecimento científico já que muitos alunos não têm sua aprendizagem garantida.

3 São inúmeras as variáveis determinantes desta realidade: número de alunos nas salas, o que impede que o professor preste atendimento individual; os aspectos sócioeconômicos e cognitivos da demanda atendida; a formação do professor; as práticas tradicionais; dentre outros.

4 * alunos multirrepetentes ; (estes são prioridades). *alunos repetentes; Que possuem dificuldades/ ou defasagem nos conteúdos referentes a série que cursam.

5 * Em contra-turno escolar; * Cada turma do Projeto deve possuir, no máximo, dez alunos, de modo que o professor possa atendê-los individualmente e de acordo com suas dificuldades de aprendizagem.

6 O trabalho pedagógico deve ser organizado a partir das necessidades específicas de cada aluno, através de atividades diversificadas e diferenciadas. A escola, através de sua equipe diretiva e professores devem somar todos os esforços ao aluno que freqüenta o Projeto de Alfabetização.

7 Alunos com encaminhamento para Sala de Recursos;pois estes são atendimentos distintos. Alunos de 1 ano;

8 Para a organização e funcionamento do Projeto de Alfabetização precisa-se levar em consideração questões como: -A organização do espaço/sala para receber esses alunos; -Um planejamento (PTD) realizado pelo professor; -A presença constante do professor (mediação); -Aos materiais disponibilizados (variedade/quantidade/qualidade); -Acervo próprio para o Projeto de Alfabetização (livros, jogos, materiais manipuláveis, entre outros);

9 -O lúdico deve estar presente na prática pedagógica desenvolvida com os alunos do Projeto de Alfabetização; -Os documentos devem ser organizados através de um acervo realizado pelo professor e coordenação pedagógica (pastas do aluno,atas de reuniões,bilhetes, relatórios, entre outros);

10 Para ingressar,acompanhar ou desligar o aluno do Projeto de Alfabetização, este deve acontecer com a participação garantida do professor regente, da coordenação pedagógica e do professor do Projeto de Alfabetização. O diagnóstico deve conter um levantamento do que ele já sabe em relação ao conteúdo, suas dificuldades, o que ainda não se apropriou (mas que já tenha sido trabalhado com o mesmo), elencando e efetivando algumas propostas de superação para essas dificuldades diagnosticadas.

11 Para isso faz- se necessário que o professor planeje suas aulas, através de atividades diversificadas e diferenciadas, buscando e garantindo ações/interferências para que os alunos avancem na qualidade da aprendizagem do conhecimento escolar.para organizar o trabalho é preciso á partir do diagnóstico realizado, definir como serão realizados os agrupamentos dos alunos, conhecer suas dificuldades, ter domínio do trabalho á ser realizado, do conhecimento à ser trabalhado.

12 A avaliação como parte integrante da ação pedagógica,é um instrumento que pressupõe um acompanhamento contínuo (professor do Projeto, professor regente e coordenação pedagógica) das dificuldades apresentadas pelo aluno, seus avanços, do que está realmente sendo e o que ainda precisa ser apropriado pelo mesmo.

13 ASPECTOS POSITIVOS ASPECTOS NEGATIVOS

14 *Dados retirados do RELATÓRIO FINAL/CENSO ESCOLA APROVADOS REPROVADOS ABANDONO Antonio Scarante Bernhard Julg Capoeira Dinos Carmela Dutra Dona Júlia Wanderley Emília Capellini Valenga Geraldo Casagrande Guilherme Ribeiro Heinrich de Souza Hermínio A. Costa Idília A. Farias Izaack V. Pereira João B. Salgueiro João Martins Jomar Tesserolli Manoel Eufrásio Marilda C. Salgueiro Marlene Licheski Olga R. Martins Rudi Heinrichs TOTAL TOTAL DE ALUNOS 8.115

15 Troca excessiva de professores durante o ano; Início tardio; Falta de hora atividade; Falta nas Formações ofertadas; Não socialização do trabalho na escola; Falta dos alunos; Falta de clareza nos encaminhamentos; Não saber os conteúdos à serem trabalhados(dificuldade do professor); Não realização de registros de acompanhamentos; Não realização de relatórios dos alunos Etc.

16 *No coletivo realizar a seguinte dinâmica.após refletir sobre as dificuldades, as conclusões, relacionando à realidade dos alunos.

17 Lieber Kommilitone! Sie sucher ein Zimmer, wir haben eins! Wir sind drei Studenten und haben zusammen eine Wohnung. Die Wohnung liegt zentral (Nahe U-Bahn). Das Haus ist alt und hat Keinen Lift. Wir haben auch kein telefon. Aber die Wohnung ist sehr. grob: sie hat 5 Zimmer, Küche, Bad, W.C. und einen Balkon. Jeder hat ein Zimmer. Das "Wohn-zimmer" - mit Fernsehen - haben wir gemeinsam. Ein Zimmer ist noch frei. Jeder zahlt 150 Mark Miet, zusammen 600 Mark monatlich. Die Neben-Kosten (Strom, gas, Heizung, usw.) teilen wir. Kommen Sie oder schreiben Sie bald! Mit freundlichen GrüBem Martin Sauer SEE-SP EM em rede

18 LEITURA EM VOZ ALTA (AS DUAS PRIMEIRAS FRASES) : Vocês entenderam o que leram? Mostrar que, a princípio, quem lê está preocupado em ler bem, em não cometer erros, ler de maneira fluente, falar as palavras corretamente, está preso ao texto para tentar decodificálo. Quantos Zimmer (cômodos) têm no Wohnung (apartamento)? 5 Que tipo de texto é esse? Uma Carta. Como sabemos ser uma carta? Temos uma saudação, uma despedida e assinatura. 2. OUTRAS CAPACIDADES: Carta de quem para quem? De Matin Sauer para Lieber Kommilitone (Caro Companheiro) Com que finalidade ela foi escrita? (Descrever o apartamento para possível locação) Quem é Martin Sauer? Um Estudante Como identificamos tratar-se de um apartamento (Wohnung)? WC (Banheiro), Küche (cozinha),telefon (telefone),etc. Situação financeira (preço) 600 Marks: Strom, gas, Heizung, usw. Convidando alguém para morar e dividir despesas. Tipo de Cidade (Grande ou Pequena)? Cidade Grande (Tem Mit Metrô) Observar que certos discursos podem, a princípio, parecer grego para os alunos e, certos textos podem dar a impressão de serem língua estrangeira para o aluno. Assim como, determinadas propostas e/ou encaminhamentos.

19 Planeje atividades/encaminhamentos claros, objetivos e, de acordo com as reais dificuldades/defasagens dos alunos (suas necessidades reais).

20 Projeto Político Pedagógico das Escolas Municipais de Piraquara ; Censo Escolar/2013-Relatório Final.

GOVERNO DE SERGIPE SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO DIRETORIA DE EDUCAÇÃO DE ARACAJU ESCOLA ESTADUAL PROF. VALNIR CHAGAS APRESENTAÇÃO DA ESCOLA

GOVERNO DE SERGIPE SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO DIRETORIA DE EDUCAÇÃO DE ARACAJU ESCOLA ESTADUAL PROF. VALNIR CHAGAS APRESENTAÇÃO DA ESCOLA GOVERNO DE SERGIPE SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO DIRETORIA DE EDUCAÇÃO DE ARACAJU ESCOLA ESTADUAL PROF. VALNIR CHAGAS APRESENTAÇÃO DA ESCOLA A Escola Estadual Prof. Valnir Chagas, sediada à Rua Itabaiana

Leia mais

Passagem do EF1 para o EF2 Questões e desafios. Como minimizar impactos e construir espaços para uma transição positiva

Passagem do EF1 para o EF2 Questões e desafios. Como minimizar impactos e construir espaços para uma transição positiva Passagem do EF1 para o EF2 Questões e desafios Como minimizar impactos e construir espaços para uma transição positiva quem são os alunos do 5º ano? GRUPO 5º ANO 1 Professor Parceiro Aumento da Responsabilidade

Leia mais

Radio D Teil 1. Deutsch lernen und unterrichten Arbeitsmaterialien. Capítulo 17 Círculos de cereais

Radio D Teil 1. Deutsch lernen und unterrichten Arbeitsmaterialien. Capítulo 17 Círculos de cereais Capítulo 17 Círculos de cereais Círculos misteriosos em uma plantação de cereais motivam e Philipp a fazerem uma pesquisa no local. Trata-se de um campo de pouso para óvni ou alguém quer ganhar dinheiro

Leia mais

ESTADO DE SANTA CATARINA Secretaria de Estado da Educação Diretoria de Educação Básica e Profissional

ESTADO DE SANTA CATARINA Secretaria de Estado da Educação Diretoria de Educação Básica e Profissional ESTADO DE SANTA CATARINA Secretaria de Estado da Educação Diretoria de Educação Básica e Profissional Programa Estadual Novas Oportunidades de Aprendizagem na Educação Básica- PENOA Florianópolis, 2016.

Leia mais

CARTA ABERTA EM DEFESA DO PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA

CARTA ABERTA EM DEFESA DO PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA CARTA ABERTA EM DEFESA DO PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA O Fórum das universidades públicas participantes do PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA vem, por meio desta, defender

Leia mais

PLANO DE TRABALHO DOCENTE 1º Semestre/2015. Ensino Técnico. Professor: Alexandre Martins

PLANO DE TRABALHO DOCENTE 1º Semestre/2015. Ensino Técnico. Professor: Alexandre Martins PLANO DE TRABALHO DOCENTE 1º Semestre/2015 Ensino Técnico Código: 0262 ETEC ANHANGUERA Município: Santana de Parnaíba Área de Conhecimento: Fundamentos, NR s Componente Curricular: Fundamentos da Saúde

Leia mais

Os caminhos para a formação de professores

Os caminhos para a formação de professores Os caminhos para a formação de professores Formar os professores é a principal função do coordenador pedagógico. Veja as melhores estratégias para cumprir essa missão Gustavo Heidrich (gustavo.oliveira@abril.com.br)

Leia mais

RELATÓRIO PARCIAL REFERENTE À ETAPA DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO NO CURSO...

RELATÓRIO PARCIAL REFERENTE À ETAPA DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO NO CURSO... Roteiro para elaboração de relatório parcial de estágio RELATÓRIO PARCIAL REFERENTE À ETAPA DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO NO CURSO Estudante: Orientador: Local / / SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO 2 3 REFERÊNCIAS Identificação

Leia mais

RELATÓRIO FINAL DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO

RELATÓRIO FINAL DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO FEFISA FACULDADES INTEGRADAS DE SANTO ANDRÉ Educação Física - Licenciatura (Nome) RELATÓRIO FINAL DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO Santo André 2015 (Nome - Turma) RELATÓRIO FINAL DO ESTÁGIO CURRICULAR

Leia mais

ESTUDO DE CASO PSICOPEDAGÓGICO

ESTUDO DE CASO PSICOPEDAGÓGICO ESTUDO DE CASO PSICOPEDAGÓGICO Autora: Suellen Viviane Lemos Fernandes Co-autora: Maria Irene Miranda Bernardes Universidade Federal de Uberlândia suellenped65@hotmail.com Introdução O presente trabalho

Leia mais

REGULAMENTO DA DISCIPLINA ESTÁGIO SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM PROCESSOS METALÚRGICOS

REGULAMENTO DA DISCIPLINA ESTÁGIO SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM PROCESSOS METALÚRGICOS Serviço Público Federal Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul Câmpus Caxias do Sul REGULAMENTO

Leia mais

QUAIS OS SABERES QUE ORIENTAM A PRÁTICA DE ENSINO DE HISTÓRIA NAS ESCOLAS DO CAMPO DO MUNICIPIO DE PIRAQUARA PR?

QUAIS OS SABERES QUE ORIENTAM A PRÁTICA DE ENSINO DE HISTÓRIA NAS ESCOLAS DO CAMPO DO MUNICIPIO DE PIRAQUARA PR? QUAIS OS SABERES QUE ORIENTAM A PRÁTICA DE ENSINO DE HISTÓRIA NAS ESCOLAS DO CAMPO DO MUNICIPIO DE PIRAQUARA PR? Gilmara Cristine Back¹- UTP gilmaraback@hotmail.com Grupo de Trabalho:Prática de Ensino.

Leia mais

IDENTIFICANDO AS DISCIPLINAS DE BAIXO RENDIMENTO NOS CURSOS TÉCNICOS INTEGRADOS AO ENSINO MÉDIO DO IF GOIANO - CÂMPUS URUTAÍ

IDENTIFICANDO AS DISCIPLINAS DE BAIXO RENDIMENTO NOS CURSOS TÉCNICOS INTEGRADOS AO ENSINO MÉDIO DO IF GOIANO - CÂMPUS URUTAÍ IDENTIFICANDO AS DISCIPLINAS DE BAIXO RENDIMENTO NOS CURSOS TÉCNICOS INTEGRADOS AO ENSINO MÉDIO DO IF GOIANO - CÂMPUS URUTAÍ SILVA, Luciana Aparecida Siqueira 1 ; SOUSA NETO, José Alistor 2 1 Professora

Leia mais

Retomar as avaliações feitas e montar um quadro que reflita o cenário do trabalho com a leitura hoje nas suas escolas.

Retomar as avaliações feitas e montar um quadro que reflita o cenário do trabalho com a leitura hoje nas suas escolas. Projeto EI São José do Rio Preto Assessoria: Debora Rana e Silvana Augusto 2 o encontro: 09 de abril de 2014 *Anotações do Grupo de CPs da tarde Pauta de encontro Olá coordenadoras, mais uma vez estaremos

Leia mais

RDC - REGIME DIFERENCIADO DE CONTRATAÇÕES PÚBLICAS

RDC - REGIME DIFERENCIADO DE CONTRATAÇÕES PÚBLICAS RDC - REGIME DIFERENCIADO DE CONTRATAÇÕES PÚBLICAS Como utilizar o RDC nas Contratações de Obras Públicas? Data: 04 e 05 de junho de 2014 Local: Porto Alegre/RS APRESENTAÇÃO A melhoria da qualidade na

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DE SE TRABALHAR OS VALORES NA EDUCAÇÃO

A IMPORTÂNCIA DE SE TRABALHAR OS VALORES NA EDUCAÇÃO A IMPORTÂNCIA DE SE TRABALHAR OS VALORES NA EDUCAÇÃO Eliane Alves Leite Email: li.phn.louvoregloria@hotmail.com Fernanda Cristina Sanches Email: fer_cristina2007@hotmail.com Helena Aparecida Gica Arantes

Leia mais

Regulamento de Estágio Supervisionado do Curso de Licenciatura em Educação Física (3 anos)

Regulamento de Estágio Supervisionado do Curso de Licenciatura em Educação Física (3 anos) Regulamento de Estágio Supervisionado do Curso de Licenciatura em Educação Física (3 anos) 2012-2013 1 Prezado (a) estagiário (a), O presente manual visa orientá-lo (la) quanto à realização do Estágio

Leia mais

ALTERNATIVAS APRESENTADAS PELOS PROFESSORES PARA O TRABALHO COM A LEITURA EM SALA DE AULA

ALTERNATIVAS APRESENTADAS PELOS PROFESSORES PARA O TRABALHO COM A LEITURA EM SALA DE AULA ALTERNATIVAS APRESENTADAS PELOS PROFESSORES PARA O TRABALHO COM A LEITURA EM SALA DE AULA RAQUEL MONTEIRO DA SILVA FREITAS (UFPB). Resumo Essa comunicação objetiva apresentar dados relacionados ao plano

Leia mais

ANÁLISE DA DEGRADAÇÃO DO BIOMA CAATINGA NAS IMEDIAÇÕES DA CIDADE DE SANTA CECÍLIA PB

ANÁLISE DA DEGRADAÇÃO DO BIOMA CAATINGA NAS IMEDIAÇÕES DA CIDADE DE SANTA CECÍLIA PB ANÁLISE DA DEGRADAÇÃO DO BIOMA CAATINGA NAS IMEDIAÇÕES DA CIDADE DE SANTA CECÍLIA PB Roseana Barbosa da Silva Graduada em Geografia, Universidade Estadual do Vale do Acaraú UVA/UNAVIDA E-mail: roseanabsilva@gmail.com.br

Leia mais

Módulo 14 Treinamento e Desenvolvimento de Pessoas. 14.1. Treinamento é investimento

Módulo 14 Treinamento e Desenvolvimento de Pessoas. 14.1. Treinamento é investimento Módulo 14 Treinamento e Desenvolvimento de Pessoas 14.1. Treinamento é investimento O subsistema de desenvolver pessoas é uma das áreas estratégicas do Gerenciamento de Pessoas, entretanto em algumas organizações

Leia mais

UMA INVESTIGAÇÃO SOBRE AS DIFICULDADES DOS ALUNOS DAS SÉRIES INICIAIS DO ENSINO MÉDIO ENVOLVENDO FRAÇÕES

UMA INVESTIGAÇÃO SOBRE AS DIFICULDADES DOS ALUNOS DAS SÉRIES INICIAIS DO ENSINO MÉDIO ENVOLVENDO FRAÇÕES UMA INVESTIGAÇÃO SOBRE AS DIFICULDADES DOS ALUNOS DAS SÉRIES INICIAIS DO ENSINO MÉDIO ENVOLVENDO FRAÇÕES Taciany da Silva Pereira¹, Nora Olinda Cabrera Zúñiga² ¹Universidade Federal de Minas Gerais / Departamento

Leia mais

PLANO DE TRABALHO TÍTULO: PROJETO DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA NO PROCESSO DE LEITURA E ESCRITA DAS CRIANÇAS

PLANO DE TRABALHO TÍTULO: PROJETO DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA NO PROCESSO DE LEITURA E ESCRITA DAS CRIANÇAS PLANO DE TRABALHO TÍTULO: PROJETO DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA NO PROCESSO DE LEITURA E ESCRITA DAS CRIANÇAS IDENTIFICAÇÃO O presente projeto de intervenção está sendo desenvolvido na Escola Municipal Professor

Leia mais

FACULDADE DE CALDAS NOVAS UNICALDAS SANDRA REGINA SILVA MARTINS NÚCLEO DE ATENDIMENTO PSICOPEDAGÓGICO CALDAS NOVAS 2013

FACULDADE DE CALDAS NOVAS UNICALDAS SANDRA REGINA SILVA MARTINS NÚCLEO DE ATENDIMENTO PSICOPEDAGÓGICO CALDAS NOVAS 2013 1 FACULDADE DE CALDAS NOVAS UNICALDAS SANDRA REGINA SILVA MARTINS NÚCLEO DE ATENDIMENTO PSICOPEDAGÓGICO CALDAS NOVAS 2013 2 FACULDADE DE CALDAS NOVAS UNICALDAS SANDRA REGINA SILVA MARTINS NÚCLEO DE ATENDIMENTO

Leia mais

AVALIAÇÃO E INTERVENÇÃO PSICOPEDAGÓGICA A PARTIR DO DESENHO INFANTIL. Otília Damaris Psicopedagoga

AVALIAÇÃO E INTERVENÇÃO PSICOPEDAGÓGICA A PARTIR DO DESENHO INFANTIL. Otília Damaris Psicopedagoga AVALIAÇÃO E INTERVENÇÃO PSICOPEDAGÓGICA A PARTIR DO DESENHO INFANTIL Otília Damaris Psicopedagoga AVALIAÇÃO E INTERVENÇÃO PSICOPEDAGÓGICA A PARTIR DO DESENHO INFANTIL O desenho é uma das formas de expressão

Leia mais

PLANO ESTRATÉGICO ANO LETIVO 2015-2016

PLANO ESTRATÉGICO ANO LETIVO 2015-2016 PLANO ESTRATÉGICO ANO LETIVO 2015-2016 1. INTRODUÇÃO E ENQUADRAMENTO Nos termos do Artigo 15.º, do Despacho Normativo n.º7/2013, 11 de julho No final de cada ano escolar, o conselho pedagógico avalia o

Leia mais

Ministério da Educação UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO Câmpus Curitiba RELATÓRIO FINAL ESTÁGIO SUPERVISIONADO

Ministério da Educação UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO Câmpus Curitiba RELATÓRIO FINAL ESTÁGIO SUPERVISIONADO Ministério da Educação UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO Câmpus Curitiba RELATÓRIO FINAL ESTÁGIO SUPERVISIONADO ROSILENE XAVIER DA SILVA LOPES Relatório apresentado ao

Leia mais

ESCOLA LEITORA: UM CAMINHO A SER CONSTRUÍDO

ESCOLA LEITORA: UM CAMINHO A SER CONSTRUÍDO ESCOLA LEITORA: UM CAMINHO A SER CONSTRUÍDO 1.JUSTIFICATIVA O Projeto Escola Leitora: um caminho a ser construído, elaborado e desenvolvido coletivamente desde 2013 em todas as modalidades de ensino que

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CAMPUS UNIVERSITÁRIO DO MARAJÓ- BREVES FACULDADE DE LETRAS

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CAMPUS UNIVERSITÁRIO DO MARAJÓ- BREVES FACULDADE DE LETRAS SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CAMPUS UNIVERSITÁRIO DO MARAJÓ- BREVES FACULDADE DE LETRAS REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE LICENCIATURA EM LETRAS/PORTUGUÊS INTRODUÇÃO

Leia mais

AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA DA ESCRITA COMO INSTRUMENTO NORTEADOR PARA O ALFABETIZAR LETRANDO NAS AÇÕES DO PIBID DE PEDAGOGIA DA UFC

AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA DA ESCRITA COMO INSTRUMENTO NORTEADOR PARA O ALFABETIZAR LETRANDO NAS AÇÕES DO PIBID DE PEDAGOGIA DA UFC AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA DA ESCRITA COMO INSTRUMENTO NORTEADOR PARA O ALFABETIZAR LETRANDO NAS AÇÕES DO PIBID DE PEDAGOGIA DA UFC Antônia Fernandes Ferreira; Gessica Nunes Noronha; Marielle Sâmia de Lima

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE NUTRIÇÃO CURRÍCULO 2 I INTRODUÇÃO

REGULAMENTO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE NUTRIÇÃO CURRÍCULO 2 I INTRODUÇÃO REGULAMENTO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE NUTRIÇÃO CURRÍCULO 2 I INTRODUÇÃO O estágio curricular do curso de Nutrição é uma atividade obrigatória, em consonância com as Diretrizes Curriculares Nacionais

Leia mais

TESTE SEU PODER DE INCLUSAO. Maria Teresa Eglér Mantoan

TESTE SEU PODER DE INCLUSAO. Maria Teresa Eglér Mantoan TESTE SEU PODER DE INCLUSAO Maria Teresa Eglér Mantoan Para esse breve exame, as regras são: 1. Colocar-se na condição dos professores(as) que aqui apresentaremos. 2. Escolher a alternativa que você adotaria

Leia mais

Prova Escrita de Alemão

Prova Escrita de Alemão EXAME FINAL NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Prova Escrita de Alemão 11.º Ano de Escolaridade Iniciação bienal Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho Prova 501/1.ª Fase Critérios de Classificação 9 Páginas

Leia mais

PROJETO DE ESTÁGIO CURSO: LICENCIATURA EM PEDAGOGIA DISCIPLINA: ESTÁGIO SUPERVISIONADO NA EDUCAÇÃO INFANTIL CIRCUITO: 9 PERIODO: 5º

PROJETO DE ESTÁGIO CURSO: LICENCIATURA EM PEDAGOGIA DISCIPLINA: ESTÁGIO SUPERVISIONADO NA EDUCAÇÃO INFANTIL CIRCUITO: 9 PERIODO: 5º PROJETO DE ESTÁGIO CURSO: LICENCIATURA EM PEDAGOGIA DISCIPLINA: ESTÁGIO SUPERVISIONADO NA EDUCAÇÃO INFANTIL CIRCUITO: 9 PERIODO: 5º Caro (a) aluno (a), Esta atividade, de caráter teórico-reflexivo, deverá

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE RIO POMBA-MG CONSELHO DIRETOR

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE RIO POMBA-MG CONSELHO DIRETOR SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE RIO POMBA-MG Em defesa da Agroecologia CONSELHO DIRETOR CONSELHO DIRETOR DO CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 07/2008 DE 13 DE DEZEMBRO DE 2008. O DIRETOR DA FACULDADE DE DIREITO DO SUL DE MINAS, no uso e gozo de suas atribuições e,

RESOLUÇÃO Nº 07/2008 DE 13 DE DEZEMBRO DE 2008. O DIRETOR DA FACULDADE DE DIREITO DO SUL DE MINAS, no uso e gozo de suas atribuições e, RESOLUÇÃO Nº 07/2008 DE 13 DE DEZEMBRO DE 2008. Altera o regulamento da Monitoria. O DIRETOR DA FACULDADE DE DIREITO DO SUL DE MINAS, no uso e gozo de suas atribuições e, Considerando a necessidade de

Leia mais

AVALIAÇÃO MEDIADORA: RESSIGNIFICANDO O PROCESSO DE AVALIAÇÃO NA EDUCAÇÃO BÁSICA

AVALIAÇÃO MEDIADORA: RESSIGNIFICANDO O PROCESSO DE AVALIAÇÃO NA EDUCAÇÃO BÁSICA AVALIAÇÃO MEDIADORA: RESSIGNIFICANDO O PROCESSO DE AVALIAÇÃO NA EDUCAÇÃO BÁSICA Rúbia Emmel, UNIJUÍ Alexandre José Krul, UNIJUÍ RESUMO: Este recorte de pesquisa em educação tem por objetivo refletir sobre

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 015/2009-CONSUNIV-UEA ESTÁGIO SUPERVISIONADO

RESOLUÇÃO Nº 015/2009-CONSUNIV-UEA ESTÁGIO SUPERVISIONADO RESOLUÇÃO Nº 015/2009-CONSUNIV-UEA ESTÁGIO SUPERVISIONADO CAPÍTULO I DA NATUREZA DO ESTÁGIO Art. 1º. Os estágios obrigatórios ou não-obrigatórios, de estudantes de curso de graduação da Universidade do

Leia mais

Descrição das Actividades. [O examinador cumprimenta os examinandos, confirma os seus nomes, e explicita os procedimentos do 1º momento da prova.

Descrição das Actividades. [O examinador cumprimenta os examinandos, confirma os seus nomes, e explicita os procedimentos do 1º momento da prova. Duração da Prova: 15 a 20 minutos Domínios de Referência: A Escola; o Lazer (Férias) 1.º Momento Avaliação da Expressão Oral no Ensino Secundário Disciplina: Alemão (Iniciação, Nível 3 12º ano) GUIÃO B

Leia mais

ORIENTAÇÃO PEDAGÓGICA N.4/2014 PROCEDIMENTO DE OBSERVAÇÃO DE AULA

ORIENTAÇÃO PEDAGÓGICA N.4/2014 PROCEDIMENTO DE OBSERVAÇÃO DE AULA Faculdade Adventista da Bahia Assessoria Pedagógica BR-101, km 197, Capoeiruçu Caixa Postal 18 Cachoeira BA CEP: 44.300-000 Brasil e-mail: selcr25@gmail.com ORIENTAÇÃO PEDAGÓGICA N.4/2014 PROCEDIMENTO

Leia mais

ORIENTAÇÕES DIDÁTICAS N. 18/2015

ORIENTAÇÕES DIDÁTICAS N. 18/2015 ORIENTAÇÕES DIDÁTICAS N. 18/2015 TÓPICO DE ESTUDO: ROTINA AMPLIADA 1 ROTINAS A FAVOR DA APRENDIZAGEM A literatura educacional trata com frequência da atenção à rotina na sala de aula. Comumente reflete-se

Leia mais

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 0 2014 RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL FUNDAÇÃO EDUCACIONAL CLAUDINO FRANCIO FACULDADE CENTRO MATO-GROSSENSE SORRISO/MT Portaria Nº 004/2015 Dispõe sobre Relatório Apresentado pela Comissão Própria

Leia mais

PESQUISA DATAPOPULAR: PERCEPÇÃO SOBRE A QUALIDADE DA EDUCAÇÃO NAS ESCOLAS ESTADUAIS DE SÃO PAULO

PESQUISA DATAPOPULAR: PERCEPÇÃO SOBRE A QUALIDADE DA EDUCAÇÃO NAS ESCOLAS ESTADUAIS DE SÃO PAULO PESQUISA DATAPOPULAR: PERCEPÇÃO SOBRE A QUALIDADE DA EDUCAÇÃO NAS ESCOLAS ESTADUAIS DE SÃO PAULO OBJETIVOS QUALIDADE NAS ESCOLAS Mapear percepções de Professores, Pais e Alunos de São Paulo sobre o que

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO SUBSECRETARIA DE PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E ADMINISTRAÇÃO COORDENAÇÃO GERAL DE MODERNIZAÇÃO E INFORMÁTICA SISAU

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO SUBSECRETARIA DE PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E ADMINISTRAÇÃO COORDENAÇÃO GERAL DE MODERNIZAÇÃO E INFORMÁTICA SISAU MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO SUBSECRETARIA DE PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E ADMINISTRAÇÃO COORDENAÇÃO GERAL DE MODERNIZAÇÃO E INFORMÁTICA SISAU SISTEMA DE ATENDIMENTO AO USUÁRIO MANUAL DO USUÁRIO

Leia mais

ANALISANDO O USO DE JOGOS COMO AUXÍLIO NAS DIFICULDADES DE APRENDIZAGEM MATEMÁTICA

ANALISANDO O USO DE JOGOS COMO AUXÍLIO NAS DIFICULDADES DE APRENDIZAGEM MATEMÁTICA ANALISANDO O USO DE JOGOS COMO AUXÍLIO NAS DIFICULDADES DE APRENDIZAGEM MATEMÁTICA Amanda dos Santos Souza (Licencianda em Matemática/UFPB - amanda.souza13@hotmail.com) Carla Manuelle Silva de Almeida

Leia mais

PPC. Aprovação do curso e Autorização da oferta PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC METODOLOGIA PARA O ENSINO DE LINGUA PORTUGUESA. Parte 1 (solicitante)

PPC. Aprovação do curso e Autorização da oferta PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC METODOLOGIA PARA O ENSINO DE LINGUA PORTUGUESA. Parte 1 (solicitante) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA PRÓ-REITORIA DE ENSINO CENTRO DE REFENCIA EM FORMAÇÃO E APOIO

Leia mais

Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa

Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa Alfabetização em foco: PROJETOS DIDÁTICOS E SEQUÊNCIAS DIDÁTICAS EM DIÁLOGO COM OS DIFERENTES COMPONENTES CURRICULARES Ano 03 Unidade 06 Organização do

Leia mais

OFICINAS DE APOIO PARA LEITURA E ESCRITA ATRAVÉS DA INTERVENÇÃO PSICOPEDAGÓGICA NA ESCOLA DE EDUCAÇÃO BÁSICA DA UFPB

OFICINAS DE APOIO PARA LEITURA E ESCRITA ATRAVÉS DA INTERVENÇÃO PSICOPEDAGÓGICA NA ESCOLA DE EDUCAÇÃO BÁSICA DA UFPB OFICINAS DE APOIO PARA LEITURA E ESCRITA ATRAVÉS DA INTERVENÇÃO PSICOPEDAGÓGICA NA ESCOLA DE EDUCAÇÃO BÁSICA DA UFPB CABRAL, Samara Pereira 1 ARAÚJO, Graciara Alves dos Santos 2 SOUSA, Maria do Desterro

Leia mais

1. Compare o PNE 2001/2010 com o projeto PNE 2011/2020 (estrutura do documento, quantidade de metas, abrangências,etc.)

1. Compare o PNE 2001/2010 com o projeto PNE 2011/2020 (estrutura do documento, quantidade de metas, abrangências,etc.) 1. Compare o PNE 2001/2010 com o projeto PNE 2011/2020 (estrutura do documento, quantidade de metas, abrangências,etc.) O PNE 2001/2010 é um documento mais extenso, com 98 páginas e com 7 artigos em relação

Leia mais

A ÁLGEBRA NO ENSINO FUNDAMENTAL: RELATO DE UMA EXPERIÊNCIA DE INTERVENÇÃO

A ÁLGEBRA NO ENSINO FUNDAMENTAL: RELATO DE UMA EXPERIÊNCIA DE INTERVENÇÃO A ÁLGEBRA NO ENSINO FUNDAMENTAL: RELATO DE UMA EXPERIÊNCIA DE INTERVENÇÃO Vilmara Luiza Almeida Cabral UFPB/Campus IV Resumo: O presente relato aborda o trabalho desenvolvido no projeto de intervenção

Leia mais

A utilização de jogos no ensino da Matemática no Ensino Médio

A utilização de jogos no ensino da Matemática no Ensino Médio A utilização de jogos no ensino da Matemática no Ensino Médio Afonso Henrique Leonardo da Conceição e-mail: afonso.conceicao_dc@hotmail.com Tatiane Cristina Camargo e-mail: tatianecamargo.ferreira@gmail.com

Leia mais

A MATEMÁTICA ATRÁVES DE JOGOS E BRINCADEIRAS: UMA PROPOSTA PARA ALUNOS DE 5º SÉRIES

A MATEMÁTICA ATRÁVES DE JOGOS E BRINCADEIRAS: UMA PROPOSTA PARA ALUNOS DE 5º SÉRIES A MATEMÁTICA ATRÁVES DE JOGOS E BRINCADEIRAS: UMA PROPOSTA PARA ALUNOS DE 5º SÉRIES Haiane Regina de Paula, PIC(UNESPAR/FECILCAM)) Valdir Alves (OR), FECILCAM RESUMO:A pesquisa A Matemática Através de

Leia mais

FACULDADE BÉTHENCOURT DA SILVA REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC)

FACULDADE BÉTHENCOURT DA SILVA REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC) FACULDADE BÉTHENCOURT DA SILVA REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC) FABES Combater a ignorância é defender a liberdade Francisco Joaquim Béthencourt da Silva 23 de novembro de 1856 2014

Leia mais

compreensão ampla do texto, o que se faz necessário para o desenvolvimento das habilidades para as quais essa prática apresentou poder explicativo.

compreensão ampla do texto, o que se faz necessário para o desenvolvimento das habilidades para as quais essa prática apresentou poder explicativo. 9 Conclusão Neste estudo, eu me propus a investigar os efeitos de práticas de Língua Portuguesa no aprendizado de leitura e como esses efeitos se diferenciam conforme o ano de escolaridade dos alunos e

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SUPERINTENDÊNCIA DA EDUCAÇÃO DIRETORIA DE ARTICULAÇÃO PEDAGÓGICA DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO BÁSICA

SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SUPERINTENDÊNCIA DA EDUCAÇÃO DIRETORIA DE ARTICULAÇÃO PEDAGÓGICA DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO BÁSICA SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SUPERINTENDÊNCIA DA EDUCAÇÃO DIRETORIA DE ARTICULAÇÃO PEDAGÓGICA DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO BÁSICA Curitiba, 13 de março de 2015. Orientação referente aos Programas de Ampliação

Leia mais

Índice. 1. Tipos de Atividades...3 2. O Trabalho com Leitura...4. 2.1. Estratégias de Leitura... 4. Grupo 5.4 - Módulo 7

Índice. 1. Tipos de Atividades...3 2. O Trabalho com Leitura...4. 2.1. Estratégias de Leitura... 4. Grupo 5.4 - Módulo 7 GRUPO 5.4 MÓDULO 7 Índice 1. Tipos de Atividades...3 2. O Trabalho com Leitura...4 2.1. Estratégias de Leitura... 4 2 1. TIPOS DE ATIVIDADES Atividades de sondagem: estão relacionadas às atividades de

Leia mais

OLIMPIADAS DE MATEMÁTICA E O DESPERTAR PELO PRAZER DE ESTUDAR MATEMÁTICA

OLIMPIADAS DE MATEMÁTICA E O DESPERTAR PELO PRAZER DE ESTUDAR MATEMÁTICA OLIMPIADAS DE MATEMÁTICA E O DESPERTAR PELO PRAZER DE ESTUDAR MATEMÁTICA Luiz Cleber Soares Padilha Secretaria Municipal de Educação de Campo Grande lcspadilha@hotmail.com Resumo: Neste relato apresentaremos

Leia mais

Instruções para visita da Secretaria Municipal de Educação às escolas

Instruções para visita da Secretaria Municipal de Educação às escolas Instruções para visita da Secretaria Municipal de Educação às escolas Prezado participante, Como já explicado, iniciamos agora a etapa de diagnóstico do processo de desenvolvimento do Plano Municipal de

Leia mais

Radio D Teil 1. Deutsch lernen und unterrichten Arbeitsmaterialien. Capítulo 21 Um tubarão em Hamburgo

Radio D Teil 1. Deutsch lernen und unterrichten Arbeitsmaterialien. Capítulo 21 Um tubarão em Hamburgo Capítulo 21 Um tubarão em Hamburgo Com temperaturas insuportáveis na redação da Rádio D, uma incumbência de pesquisa no litoral chega em boa hora. e devem ir a Hamburgo. Pelo que tudo indica, um tubarão

Leia mais

Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira

Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira NOTA INFORMATIVA DO IDEB 2013 (Atualizada em maio de 2015) Os resultados do Ideb 2013 para escola, município,

Leia mais

ANEXO B TERMO DE REFERÊNCIA. Declaração de trabalho, serviços e especificações

ANEXO B TERMO DE REFERÊNCIA. Declaração de trabalho, serviços e especificações PROCESSO 026-2013 ANEXO B TERMO DE REFERÊNCIA Declaração de trabalho, serviços e especificações A Contratada deverá executar o trabalho e realizar os serviços a seguir, indicados de acordo com as especificações

Leia mais

ORIENTAÇÕES GERAIS PARA ESTÁGIO DE PEDAGOGIA

ORIENTAÇÕES GERAIS PARA ESTÁGIO DE PEDAGOGIA ORIENTAÇÕES GERAIS PARA ESTÁGIO DE PEDAGOGIA INTRODUÇÃO Os Estágios Supervisionados constam de atividades de prática pré-profissional, exercidas em situações reais de trabalho, sem vínculo empregatício,

Leia mais

Radio D Teil 1. Deutsch lernen und unterrichten Arbeitsmaterialien. Capítulo 13 Segunda-feira de Carnaval

Radio D Teil 1. Deutsch lernen und unterrichten Arbeitsmaterialien. Capítulo 13 Segunda-feira de Carnaval Capítulo 13 Segunda-feira de Carnaval O entusiasmo pelo carnaval divide a redação da Rádio D. Um pedido de pesquisa de Compu, que conduz os dois redatores justamente à carnavalesca Floresta Negra, não

Leia mais

Como Passar em Química Geral*

Como Passar em Química Geral* 1 Como Passar em Química Geral* por Dra. Brenna E. Lorenz Division of Natural Sciences University of Guam * traduzido livremente por: Eder João Lenardão; acesse o original em : http://www.heptune.com/passchem.html

Leia mais

Aula 1 Uma visão geral das comorbidades e a necessidade da equipe multidisciplinar

Aula 1 Uma visão geral das comorbidades e a necessidade da equipe multidisciplinar Aula 1 Uma visão geral das comorbidades e a necessidade da equipe multidisciplinar Nesta aula, apresentaremos o panorama geral das comorbidades envolvidas na dependência química que serão estudadas ao

Leia mais

CONCURSO: AS MELHORES PRÁTICAS DE ESTÁGIO NA PMSP.

CONCURSO: AS MELHORES PRÁTICAS DE ESTÁGIO NA PMSP. CONCURSO: AS MELHORES PRÁTICAS DE ESTÁGIO NA PMSP. A Prefeitura do Município de São Paulo - PMSP, por meio da Secretaria Municipal de Gestão - SMG, mantém o Sistema Municipal de Estágios, que é coordenado

Leia mais

REGULAMENTO DE UTILIZAÇÃO DOS INICIATIVA ESCOLAS, PROFESSORES E COMPUTADORES PORTÁTEIS EQUIPAMENTOS DO PROJECTO. Ano Lectivo 2006 / 07

REGULAMENTO DE UTILIZAÇÃO DOS INICIATIVA ESCOLAS, PROFESSORES E COMPUTADORES PORTÁTEIS EQUIPAMENTOS DO PROJECTO. Ano Lectivo 2006 / 07 REGULAMENTO DE UTILIZAÇÃO DOS EQUIPAMENTOS DO PROJECTO INICIATIVA ESCOLAS, PROFESSORES E COMPUTADORES PORTÁTEIS Ano Lectivo 2006 / 07 O equipamento informático afecto ao Projecto será partilhado por vários

Leia mais

Londrina, 29 a 31 de outubro de 2007 ISBN 978-85-99643-11-2

Londrina, 29 a 31 de outubro de 2007 ISBN 978-85-99643-11-2 ATENDIMENTO ÀS DIFICULDADES DE APRENDIZAGEM: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA DA PROPOSTA DA REDE PÚBLICA MUNICIPAL DE UBERLÂNDIA. Helena Maria Gomes Maria Isabel de Araújo Maria do Socorro A. da Silva (autora)

Leia mais

O JOGO COMO RECURSO PARA APRENDIZAGEM DE ALUNOS EM CIÊNCIAS NATURAIS: UM ESTUDO A PARTIR DAS CONTRIBUIÇÕES DE VYGOTSKY

O JOGO COMO RECURSO PARA APRENDIZAGEM DE ALUNOS EM CIÊNCIAS NATURAIS: UM ESTUDO A PARTIR DAS CONTRIBUIÇÕES DE VYGOTSKY O JOGO COMO RECURSO PARA APRENDIZAGEM DE ALUNOS EM CIÊNCIAS NATURAIS: UM ESTUDO A PARTIR DAS CONTRIBUIÇÕES DE VYGOTSKY Mariana Silva Lustosa (1); Josenilde Bezerra de Souza Costa (1); Eduardo Gomes Onofre

Leia mais

EDITAL Nº 001/2014. 2.2.1. As atividades da Assistência ao Docente não deverão conflitar com os dias e horários das aulas dos Assistentes.

EDITAL Nº 001/2014. 2.2.1. As atividades da Assistência ao Docente não deverão conflitar com os dias e horários das aulas dos Assistentes. EDITAL Nº 001/2014 Programa de Assistência ao Docente. A da Universidade Federal do ABC (UFABC) torna público o presente Edital para estabelecer as normas da seleção e funcionamento do Programa de Assistência

Leia mais

19/07 ENSINO E APRENDIZAGEM DA LINGUAGEM ESCRITA EM CLASSES MULTISSERIADAS NA EDUCAÇÃO DO CAMPO NA ILHA DE MARAJÓ

19/07 ENSINO E APRENDIZAGEM DA LINGUAGEM ESCRITA EM CLASSES MULTISSERIADAS NA EDUCAÇÃO DO CAMPO NA ILHA DE MARAJÓ 19/07 ENSINO E APRENDIZAGEM DA LINGUAGEM ESCRITA EM CLASSES MULTISSERIADAS NA EDUCAÇÃO DO CAMPO NA ILHA DE MARAJÓ Waldemar dos Santos Cardoso Junior (Universidade Federal do Pará /Campus Universitário

Leia mais

Rubricas e guias de pontuação

Rubricas e guias de pontuação Avaliação de Projetos O ensino a partir de projetos exibe meios mais avançados de avaliação, nos quais os alunos podem ver a aprendizagem como um processo e usam estratégias de resolução de problemas para

Leia mais

Universidade Federal da Integração Latino Americana MANUAL DO ESTAGIÁRIO

Universidade Federal da Integração Latino Americana MANUAL DO ESTAGIÁRIO Universidade Federal da Integração Latino Americana MANUAL DO ESTAGIÁRIO MANUAL DO ESTAGIÁRIO PROGRAD - Pró-Reitoria de Graduação DEAC - Divisão de Estágios e Atividades Complementares Sumário 1. Apresentação...

Leia mais

CURSO: GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS

CURSO: GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS ANEXO 26 - PLANEJAMENTO DETALHADO DE ATIVIDADES CURSO: GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS Data: março 2013 - total 08 horas com 02 módulos de 4 horas Local: Municípios de Paranaíta, Alta Floresta Coordenação técnica:

Leia mais

Gêneros discursivos no ciclo da alfabetização 1º ao 3º ano do ensino fundamental

Gêneros discursivos no ciclo da alfabetização 1º ao 3º ano do ensino fundamental Gêneros discursivos no ciclo da alfabetização 1º ao 3º ano do ensino fundamental Não se aprende por exercícios, mas por práticas significativas. Essa afirmação fica quase óbvia se pensarmos em como uma

Leia mais

RELATÓRIO MateMática - 3º ciclo

RELATÓRIO MateMática - 3º ciclo RELATÓRIO MateMática - 3º ciclo 1 1. IDENTIFICAÇÃO DA ACTIVIDADE Este documento é o relatório final da Actividade designada (+) Conhecimento, que se insere na Acção nº 4, designada Competência (+), do

Leia mais

DIRETRIZES GERAIS PARA OS PROFESSORES DA FAMA 2 SEMESTRE DE 2015

DIRETRIZES GERAIS PARA OS PROFESSORES DA FAMA 2 SEMESTRE DE 2015 DIRETRIZES GERAIS PARA OS PROFESSORES DA FAMA 2 SEMESTRE DE 2015 1. Os professores devem possuir o Manual do Professor, Calendário Acadêmico e as Diretrizes Gerais. A falta de algum destes instrumentos

Leia mais

Regulamento do Projeto Experimental em Artes Visuais 2014 Instituto de Artes da UNICAMP (Licenciatura e Bacharelado)

Regulamento do Projeto Experimental em Artes Visuais 2014 Instituto de Artes da UNICAMP (Licenciatura e Bacharelado) Regulamento do Projeto Experimental em Artes Visuais 2014 Instituto de Artes da UNICAMP (Licenciatura e Bacharelado) 1. O que é o Projeto Experimental em Artes Visuais 1.1.Caracterização Para integralizar

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO EE. CMT. MAURÍCIO COUTINHO DUTRA

GOVERNO DO ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO EE. CMT. MAURÍCIO COUTINHO DUTRA GOVERNO DO ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO EE. CMT. MAURÍCIO COUTINHO DUTRA Plano de Ação PROGETEC(Professor Gerenciador de Tecnologias Educacionais e Recursos Midiáticos)/

Leia mais

OFICINA DE JOGOS MATEMÁTICOS E MATERIAIS MANIPULÁVEIS

OFICINA DE JOGOS MATEMÁTICOS E MATERIAIS MANIPULÁVEIS OFICINA DE JOGOS MATEMÁTICOS E MATERIAIS MANIPULÁVEIS Mais informações: Site PIBID: http://www.pibid.ufrn.br/ Site LEM/UFRN: http://www.ccet.ufrn.br/matematica/lemufrn/index.html E-mail do LEM/UFRN: lem2009ufrn@yahoo.com.br

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO ESCOLA ESTADUAL DE ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO MELQUÍADES VILAR

SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO ESCOLA ESTADUAL DE ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO MELQUÍADES VILAR SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO ESCOLA ESTADUAL DE ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO MELQUÍADES VILAR PROJETO LER (Leitura, Escrita e Redação) Ana Paula Correia Taperoá - PB 2014 Ana Paula Correia PROJETO LER

Leia mais

ANÁLISE DE SOFTWARE EDUCATIVO NO ENSINO DE MATEMÁTICA. Palavras chave: Software Educativo; Construção do Conhecimento; Aprendizagem.

ANÁLISE DE SOFTWARE EDUCATIVO NO ENSINO DE MATEMÁTICA. Palavras chave: Software Educativo; Construção do Conhecimento; Aprendizagem. ANÁLISE DE SOFTWARE EDUCATIVO NO ENSINO DE MATEMÁTICA. Débora Janaína Ribeiro e Silva Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia da Paraíba debora_jr10@yahoo.com.br Resumo Este trabalho teve como

Leia mais

UNIVERSIDADE SANTA CECÍLIA - UNISANTA RELATÓRIO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO - CPA

UNIVERSIDADE SANTA CECÍLIA - UNISANTA RELATÓRIO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO - CPA UNIVERSIDADE SANTA CECÍLIA - UNISANTA RELATÓRIO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO - CPA NÚCLEO DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL NAI É preciso avaliar para aprimorar CONSIDERAÇÕES INICIAIS A UNISANTA desenvolveu,

Leia mais

REGIMENTO DO CONSELHO DE DESENVOLVIMENTO DO TERRITÓRIO CANTUQUIRIGUAÇU - CONDETEC CAPÍTULO I DA NATUREZA

REGIMENTO DO CONSELHO DE DESENVOLVIMENTO DO TERRITÓRIO CANTUQUIRIGUAÇU - CONDETEC CAPÍTULO I DA NATUREZA REGIMENTO DO CONSELHO DE DESENVOLVIMENTO DO TERRITÓRIO CANTUQUIRIGUAÇU - CONDETEC CAPÍTULO I DA NATUREZA Art 1º - O Conselho de Desenvolvimento do Território CANTUQUIRIGUAÇU - CONDETEC é composto por entidades

Leia mais

Programa de Treinamento de Profissionais de Aeroportos TREINAR

Programa de Treinamento de Profissionais de Aeroportos TREINAR PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE AVIAÇÃO CIVIL SECRETARIA DE NAVEGAÇÃO AÉREA CIVIL Programa de Treinamento de Profissionais de Aeroportos TREINAR EDITAL Nº 04/2016 SENAV/SAC-PR A Secretaria de Navegação

Leia mais

Resumo da dissertação de mestrado do Professor César Vicente da Costa. Da Escola Estadual Padre Ezequiel Ramin, Juina-MT.

Resumo da dissertação de mestrado do Professor César Vicente da Costa. Da Escola Estadual Padre Ezequiel Ramin, Juina-MT. Resumo da dissertação de mestrado do Professor César Vicente da Costa. Da Escola Estadual Padre Ezequiel Ramin, Juina-MT. O FACEBOOK COMO ESPAÇO DE CIRCULAÇÃO E SOCIALIZAÇÃO DE TEXTOS DE UMA TURMA DO 9º

Leia mais

O PIPE I LÍNGUAS ESTRANGEIRAS

O PIPE I LÍNGUAS ESTRANGEIRAS O PIPE I LÍNGUAS ESTRANGEIRAS O PIPE I Línguas Estrangeiras foi desenvolvido juntamente com as Disciplinas de Aprendizagem Crítico-Reflexiva das Línguas Inglesa, Francesa e Espanhola. O objetivo desse

Leia mais

O relatório de avaliação do plano é aprovado pelo Conselho Pedagógico e apresentado na última reunião do ano letivo do Conselho Geral.

O relatório de avaliação do plano é aprovado pelo Conselho Pedagógico e apresentado na última reunião do ano letivo do Conselho Geral. Nos termos do Artigo 15.º, do Despacho Normativo n.º7/2013, 11 de julho No final de cada ano escolar, o conselho pedagógico avalia o impacto que as atividades desenvolvidas tiveram nos resultados escolares

Leia mais

A CÂMARA MUNICIPAL DE MOSSORÓ, ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE, aprovou e eu, Prefeito Municipal, sanciono a seguinte lei:

A CÂMARA MUNICIPAL DE MOSSORÓ, ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE, aprovou e eu, Prefeito Municipal, sanciono a seguinte lei: 2 1/4./ (.) PROJETO DE LEI N L'/2014-6 2"):1 014 / o k "Dispõe sobre a criação -áa Clínita'Municipal de Recuperação de Dependentes Químicos e dá outras providências." A CÂMARA MUNICIPAL DE MOSSORÓ, ESTADO

Leia mais

Tema 2: Mercado. Assunto 2: Conhecendo o mercado consumidor. Unidade 1: Muito prazer, cliente

Tema 2: Mercado. Assunto 2: Conhecendo o mercado consumidor. Unidade 1: Muito prazer, cliente Tema 2: Mercado Assunto 2: Conhecendo o mercado consumidor Unidade 1: Muito prazer, cliente Olá, caro(a) aluno(a). Este material destina-se ao seu uso como aluno(a) inscrito(a) no Curso Aprender a Empreender

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE FORMIGA Credenciamento: Decreto Publicado em 05/08/2004 Recredenciamento: Decreto Publicado em 15/12/2006

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE FORMIGA Credenciamento: Decreto Publicado em 05/08/2004 Recredenciamento: Decreto Publicado em 15/12/2006 REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA LICENCIATURA (Ato de Aprovação: Resolução do Reitor Nº 53/2010 de 30/04/2010) Art. 1º O Estágio Supervisionado é uma parte do currículo

Leia mais

PROJETOS DE ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA: DO PLANEJAMENTO À AÇÃO.

PROJETOS DE ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA: DO PLANEJAMENTO À AÇÃO. PROJETOS DE ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA: DO PLANEJAMENTO À AÇÃO. LETICIA VICENTE PINTO TEIXEIRA (UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIAS). Resumo É sabido o quanto é grande o esforço das escolas em ensinar a leitura

Leia mais

Regulamento do Trabalho de Conclusão de Curso do Bacharelado em Sistemas de Informação. Capítulo I Das Disposições Preliminares

Regulamento do Trabalho de Conclusão de Curso do Bacharelado em Sistemas de Informação. Capítulo I Das Disposições Preliminares Regulamento do Trabalho de Conclusão de Curso do Bacharelado em Sistemas de Informação Capítulo I Das Disposições Preliminares Art. 1. Este regulamento define as diretrizes técnicas, procedimentos de acompanhamento

Leia mais

REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC) DO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS

REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC) DO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC) DO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS Combater a ignorância é defender a liberdade Francisco Joaquim Béthencourt da Silva 23 de novembro de 1856 2009 REGULAMENTO

Leia mais

Aula 1: Demonstrações e atividades experimentais tradicionais e inovadoras

Aula 1: Demonstrações e atividades experimentais tradicionais e inovadoras Aula 1: Demonstrações e atividades experimentais tradicionais e inovadoras Nesta aula trataremos de demonstrações e atividades experimentais tradicionais e inovadoras. Vamos começar a aula retomando questões

Leia mais

Programa de Atividades de Monitoria

Programa de Atividades de Monitoria Programa de Atividades de Monitoria CAPÍTULO I DA NATUREZA E OBJETIVOS DA MONITORIA Art. 1º A atividade de monitoria é desenvolvida por discentes para aprimoramento do processo de ensino e aprendizagem,

Leia mais

Gerenciamento de Projetos Modulo II Clico de Vida e Organização

Gerenciamento de Projetos Modulo II Clico de Vida e Organização Gerenciamento de Projetos Modulo II Clico de Vida e Organização Prof. Walter Cunha falecomigo@waltercunha.com http://waltercunha.com Bibliografia* Project Management Institute. Conjunto de Conhecimentos

Leia mais

Uso Pedagógico dos Resultados da Provinha Brasil. Ciclo de Seminários da UNDIME Florianópolis, 10 de setembro de 2014

Uso Pedagógico dos Resultados da Provinha Brasil. Ciclo de Seminários da UNDIME Florianópolis, 10 de setembro de 2014 Uso Pedagógico dos Resultados da Provinha Brasil Ciclo de Seminários da UNDIME Florianópolis, 10 de setembro de 2014 Provinha Brasil A Provinha Brasil tem sido aplicada em todo o Brasil desde 2008, atendendo

Leia mais

Acesse o site www.projetocps.pro.br e clique no ícone acesso de estudantes

Acesse o site www.projetocps.pro.br e clique no ícone acesso de estudantes Como fazer minha rematrícula? Acesse o site www.projetocps.pro.br e clique no ícone acesso de estudantes Clique em matrícula on-line e leia as observações importantes: Também recomendamos que você assista

Leia mais

*Doutora em Lingüística (UNICAMP), Professora da Universidade Federal de Viçosa (UFV).

*Doutora em Lingüística (UNICAMP), Professora da Universidade Federal de Viçosa (UFV). PRÁTICAS DE LEITURA EM SALA DE AULA: O USO DE FILMES E DEMAIS PRODUÇÕES CINEMATOGRÁFICAS EM AULAS DE LÍNGUA - PORTUGUESA 52 - Adriana da Silva* adria.silva@ufv.br Alex Caldas Simões** axbr1@yahoo.com.br

Leia mais