A perspectiva do Operador da Rede de. João Torres

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A perspectiva do Operador da Rede de. João Torres"

Transcrição

1 A perspectiva do Operador da Rede de Distribuição João Torres

2 A EDP é #1 em sustentabilidade e as renováveis têm um papel importante neste posicionamento Results of Sustainability Assessment (Absolute points 0-100) Maximum score (100 out of 100) in the following categories: #1 Risk Management #1 Climate Strategy #1 Stakeholder Engagement #1 Social Reporting #1 Human Capital Development #1 Biodiversity

3 A maior parte da PRE está ligada à rede de distribuição: 65% da potência e 97% das instalações Mais de 4000 MVA ligados em todo o país (Set 2012) Forte crescimento da PRE ligada à rede de distribuição entre 2000 e MVA desde Acumulado [MVA] Anual Anual [MVA] [MW] Pontência ligada no ano Acumulado

4 Encontram-se ligadas à rede de distribuição sucessivas gerações de diversas tecnologias Potência de ligação e quantidade de instalações de diferentes tecnologias (Set. 2012) Potência de Ligação (MVA) # 196 # 415 # 139 # 1 # 993 # 806 Cogeração # 49 # 10 Biogás Biomassa Eólica Fotovoltaica Hídrica Energia das Ondas Total

5 Neste momento está em curso a ligação de 70 instalações, com cerca de 500 MVA de potência Potência correspondente a instalações em processo de ligação (Set. 2012) Potência de Ligação [MVA] Biogás Biomassa Eólica Fotovoltaica Hídrica Cogeração Existem ainda cerca de 1200 MVA correspondentes a processos com licença de estabelecimento e/ou PR atribuído, mas sem actividade há mais de 1 ano.

6 A ligação de PRE tem implicado a realização de investimentos significativos na rede de distribuição Investimento* para ligação de PRE à rede de distribuição Milhões O valor do investimento acumulado entre 2003 e 2011 é equivalente à construção de: 18 subestações km de rede AT km de rede MT * Valor total do investimento executado, ou pela EDP Distribuição, ou directamente pelos promotores.

7 As ações de ligação da PRE à RND são articuladas em processos próprios, transversais à EDP Distribuição e envolvendo ainda outras empresas do grupo EDP e entidades externas Produtor Promotor REN Planeamento DGEG DRE Construção EDP Valor Operações Área de gestão de contactos com PRE EDP SC EDP SU Despacho/ condução Energia e contagens Automação Manutenção A EDP Distribuição tem uma área específica para gestão de contactos com promotores/produtores Para cada ligação são feitos em média, 52 contactos com esta área; Só em 2011 e 2012 foram ligadas 66 instalações, superando-se os 3500 contactos.

8 Produção em Regime Especial Novas Instalações da Rede de Distribuição (60 kv) Cabril Barroso Vale Galegos

9 A EDP Distribuição procura optimizar as soluções de ligação, conciliando o interesse dos promotores e da própria RND Ligação 2 parques eólicos na SE Jorjais (Vila Real) Vantagens: Optimização do investimento do Operador da Rede de Distribuição; Solução mais económica para os produtores; SE Jorjais Vila Real Minimização dos impactes ambientais; Fiabilidade na Condução da Rede.

10 A EDP Distribuição tem desenvolvido um esforço importante na integração da microprodução Mais de 21 mil microprodutores ligados em todo o país (Set. 2012) Forte crescimento da microprodução ligada à rede de distribuição entre 2008 e # MP (acumulado) # MP (mensal) 400 Microproducers (#) [150:315] [100:150[ [60:100[ [40:60[ [20:40[ [10:20[ [0:10[ Jul Set Nov Jan Mar Mai Jul Set Nov Jan Mar Mai Jul Set Nov Jan Mar Mai Jul Set Nov Jan Mar Mai Jul Set Mensal Acumulado

11 A miniprodução é um desafio recente, com um ritmo de crescimento significativo Desde a entrada em vigor do DL 34/2011 de 8 de Maio foram ligados mais de 250 miniprodutores à RND, totalizando 9 MVA de potência instalada (Set. 2012) Mensal [MVA] 2,5 2 1, Acumulado [MVA] ,5 2 0 Dez-11 Jan-12 Fev-12 Mar-12 Abr-12 Mai-12 Jun-12 Jul-12 Ago-12 Set-12 Potência ligada no mês Acumulado 1 0

12 O futuro da integração de produção renovável nas redes de distribuição passará por uma mudança fundamental de paradigma A rede de distribuição adapta-se activamente à variação das condições de exploração: Conhecimento mais detalhado do estado das redes (perfil de tensão, produção, consumo); A visão de futuro Gestão mais activa da rede (telecomando, regulação de tensão, configuração dinâmica de protecções); Controlo activo da produção renovável (a produção renovável oferece serviços de gestão da rede de distribuição); Novos recursos para gestão de rede (armazenamento de energia, gestão da procura).

13 A flexibilidade e capacidade de resposta em tempo real serão fundamentais para possibilitar níveis muito elevados de penetração da produção renovável Padrões de produção renovável Padrões de consumo 0.07% 0.06% 0.05% 0.04% 0.03% 0.02% Solar Hydro Wind Automação Telecomando Gestão da procura e da produção Armazenamento de energia 0.01% 0.00%

14 O projecto InovGrid pretende criar soluções inovadoras para o crescimento da produção distribuída e para outros desafios da distribuição Desafios de sempre Novos desafios Qualidade de serviço Produção distribuida Eficiência operacional Eficiência energética Veículo eléctrico

15 Évora foi a primeira InovCity, estando em curso o alargamento a novos municípios Évora InovCity Alargamento a novos municípios Mais de 30 mil clientes; Redução de 3,9% no consumo; Redução de perdas; Aumento de eficiência operacional; Serviços Centro urbano e cultural Alta densidade de consumo doméstico e industrial Ênfase na qualidade de serviço VISEU Rede rural inovadores; Estudo de novas abordagens à integração de microprodução; Novas soluções de automação de rede. Teste de novas tecnologias Instalação em ilhas

16 Com o InovGride outras iniciativas, a EDP Distribuição está a reinventar a sua actividade, posicionando-se na vanguarda do desenvolvimento das redes inteligentes Despachoe Sistemas Centrais Subestação AT/MT Rede MT Posto Transformação MT/BT Rede BT Clientes EB Integração Sistemas e Ciber-segurança Produção Distribuída e armazenamento Automação e Telecomando Telecontageme Gestão Remota IP Integração da MicroGeração Novos Tarifários, Produtos e Serviços Armazenamento e Gestão Informação Técnica e Comercial Gestão Activa e Inteligente da Rede Qualidade Serviço e Despacho MT/BT Georeferenciação rede BT e WFM Carregamento Veículo Eléctrico Serviços Eficiência Energética Sistemas Centrais WAN LAN HAN 2 DTC

17 O InovGridé um case studyeuropeu, que serviu como modelo para a definição de recomendações de avaliação custo/benefício de projectos de redes inteligentes O Joint Research Centre da Comissão Europeia (JRC) seleccionaou o Inovgrid entre 220 projectos europeus de redes inteligentes, como caso de estudo único para validação da metodologia EPRI de análise custo/benefício The goal of this report is to provide guidance and advice for conducting cost-benefit analyses of Smart Grid projects. ( ) A European Smart Grid project (Inovgrid, implemented in Portugal) has been used as case study to finetune and ilustrate the proposed framawork.

18 Principais ideias 1. A produção renovável tem crescido fortemente em Portugal, estando a maior parcela ligada directamente à rede de distribuição; 2. A EDP Distribuição tem apoiado decisivamente o crescimento da produção renovável, através da implementação de novos processos, do estudo de soluções técnicas e da execução de investimentos na rede; 3. Ao apostar decisivamente no desenvolvimento de redes inteligentes, a EDP distribuição está a preparar um futuro em que será possível atingir taxas mais elevadas de integração de produção distribuída renovável.

19 Obrigado João Torres

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE Simpl Acum Simpl Acum jul/10 a jun/11 jul/11 12 13 (%) (%) (%) (%) 1.72.380,00 0,00 0,00 0,00 361.00,00 22,96 22,96 1/11 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE ago/11 Simpl Acum Simpl Acum Simpl

Leia mais

DEMONSTRATIVO DE CÁLCULO DE APOSENTADORIA - FORMAÇÃO DE CAPITAL E ESGOTAMENTO DAS CONTRIBUIÇÕES

DEMONSTRATIVO DE CÁLCULO DE APOSENTADORIA - FORMAÇÃO DE CAPITAL E ESGOTAMENTO DAS CONTRIBUIÇÕES Página 1 de 28 Atualização: da poupança jun/81 1 133.540,00 15,78 10,00% 13.354,00 10,00% 13.354,00 26.708,00-0,000% - 26.708,00 26.708,00 26.708,00 jul/81 2 133.540,00 15,78 10,00% 13.354,00 10,00% 13.354,00

Leia mais

Energias Renováveis O ponto de vista da edp distribuição

Energias Renováveis O ponto de vista da edp distribuição Energias Renováveis O ponto de vista da edp distribuição A edp em várias geografias Situação Portuguesa As metas da renovável A edp A produção em regime especial O Operador da Rede de Distribuição e a

Leia mais

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE Simpl Acum Simpl Acum jul/10 a jun/11 jul/11 12 13 (%) (%) (%) (%) 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 1/11 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE ago/11 Simpl Acum Simpl Acum Simpl Acum 14 set/11 15

Leia mais

Autoconsumo e a Produção de Energia em Portugal Continental

Autoconsumo e a Produção de Energia em Portugal Continental Autoconsumo e a Produção de Energia em Portugal Continental Matosinhos, 20 de novembro de 2015 EDP Distribuição Agenda 1 A Produção em Regime Especial em Portugal 2 Micro e Miniprodução 3 Unidades de Produção

Leia mais

DATA DIA DIAS DO FRAÇÃO DATA DATA HORA DA INÍCIO DO ANO JULIANA SIDERAL T.U. SEMANA DO ANO TRÓPICO 2450000+ 2460000+

DATA DIA DIAS DO FRAÇÃO DATA DATA HORA DA INÍCIO DO ANO JULIANA SIDERAL T.U. SEMANA DO ANO TRÓPICO 2450000+ 2460000+ CALENDÁRIO, 2015 7 A JAN. 0 QUARTA -1-0.0018 7022.5 3750.3 1 QUINTA 0 +0.0009 7023.5 3751.3 2 SEXTA 1 +0.0037 7024.5 3752.3 3 SÁBADO 2 +0.0064 7025.5 3753.3 4 DOMINGO 3 +0.0091 7026.5 3754.3 5 SEGUNDA

Leia mais

A integração da produção sustentável em Portugal do planeamento à operação Seminário - Energia Eléctrica Universidade Agostinho Neto Luanda 8 de

A integração da produção sustentável em Portugal do planeamento à operação Seminário - Energia Eléctrica Universidade Agostinho Neto Luanda 8 de A integração da produção sustentável em Portugal do planeamento à operação Seminário - Energia Eléctrica Universidade Agostinho Neto Luanda 8 de Setembro de 2011 Rui Pestana REN Redes Energéticas Nacionais,

Leia mais

Redes Inteligentes Informação e gestão do sistema em tempo real

Redes Inteligentes Informação e gestão do sistema em tempo real Redes Inteligentes Informação e gestão do sistema em tempo real Julho de 2014 João Torres CEO EDP Distribuição Chairman EDSO for smart grids A distribuição de eletricidade no século XXI exige soluções

Leia mais

Safra 2016/2017. Safra 2015/2016

Safra 2016/2017. Safra 2015/2016 Valores de ATR e Preço da Tonelada de Cana-de-açúcar - Consecana do Estado do Paraná Safra 2016/2017 Mar/16 0,6048 0,6048 0,6048 66,04 73,77 Abr 0,6232 0,6232 0,5927 64,72 72,29 Mai 0,5585 0,5878 0,5868

Leia mais

PERSPECTIVA DA GESTÃO TÉCNICA DO SISTEMA ELÉCTRICO

PERSPECTIVA DA GESTÃO TÉCNICA DO SISTEMA ELÉCTRICO PERSPECTIVA DA GESTÃO TÉCNICA DO SISTEMA ELÉCTRICO REN Rede Eléctrica Nacional, SA Victor Baptista 1 / 30 Potência instalada e consumo em Portugal MW 18000 16000 14000 12000 10000 8000 6000 4000 2000 0

Leia mais

Data Moeda Valor Vista Descrição Taxa US$ 07-Jul-00 Real 0,5816 Sem frete - PIS/COFINS (3,65%) NPR 1,81 14-Jul-00 Real 0,5938 Sem frete - PIS/COFINS

Data Moeda Valor Vista Descrição Taxa US$ 07-Jul-00 Real 0,5816 Sem frete - PIS/COFINS (3,65%) NPR 1,81 14-Jul-00 Real 0,5938 Sem frete - PIS/COFINS Data Moeda Valor Vista Descrição Taxa US$ 07-Jul-00 Real 0,5816 Sem frete - PIS/COFINS (3,65%) NPR 1,81 14-Jul-00 Real 0,5938 Sem frete - PIS/COFINS (3,65%) NPR 1,8 21-Jul-00 Real 0,6493 Sem frete - PIS/COFINS

Leia mais

Porto Santo Sustentável A importância do armazenamento de energia. fevereiro 2016

Porto Santo Sustentável A importância do armazenamento de energia. fevereiro 2016 A importância do armazenamento de energia fevereiro 2016 Fevereiro de 2016 1 A importância do armazenmento ÍNDICE Principais Constrangimentos Balanço Energético Áreas de Atuação Caracterização do Sistema

Leia mais

SuSTAINABLE Projecto Europeu FP7

SuSTAINABLE Projecto Europeu FP7 SuSTAINABLE Projecto Europeu FP7 Info-Day Nacional de Energia Oportunidades de financiamento no âmbito do tema ENERGIA do Horizonte 2020, Concursos 2014&2015 António Messias, Inovgrid, EDP DISTRIBUIÇÃO

Leia mais

O consumidor e a mudança de paradigma

O consumidor e a mudança de paradigma O consumidor e a mudança de paradigma XIV Réunion Anual Iberoamericana de Reguladores de la Energia 28 de Abril Maria Margarida Corrêa de Aguiar Índice 1. Envolvente do sector energético: tendências e

Leia mais

TABELA PRÁTICA PARA CÁLCULO DOS JUROS DE MORA ICMS ANEXA AO COMUNICADO DA-87/12

TABELA PRÁTICA PARA CÁLCULO DOS JUROS DE MORA ICMS ANEXA AO COMUNICADO DA-87/12 JANEIRO 2,8451 2,7133 2,4903 2,3303 2,1669 1,9859 1,7813 1,6288 1,4527 1,3148 1,1940 1,0684 FEVEREIRO 2,8351 2,6895 2,4758 2,3201 2,1544 1,9676 1,7705 1,6166 1,4412 1,3048 1,1840 1,0584 MARÇO 2,8251 2,6562

Leia mais

A importância crescente das Telecomunicações para um Distribuidor de Energia Eléctrica. 31 de Maio de 2016

A importância crescente das Telecomunicações para um Distribuidor de Energia Eléctrica. 31 de Maio de 2016 A importância crescente das Telecomunicações para um Distribuidor de Energia Eléctrica 31 de Maio de 2016 Agenda A EDP, EDP Distribuição e EDP Inovação O contexto atual para o sector elétrico As Telecomunicações

Leia mais

ELETRICIDADE ELETRICIDADE SETEMBRO 2013. LIBERALIZAÇÃO DO MERCADO ELÉTRICO Mudança de comercializador. 3. Contratar o fornecimento

ELETRICIDADE ELETRICIDADE SETEMBRO 2013. LIBERALIZAÇÃO DO MERCADO ELÉTRICO Mudança de comercializador. 3. Contratar o fornecimento SETEMBRO 2013 LIBERALIZAÇÃO DO MERCADO ELÉTRICO Mudança de comercializador Todos os consumidores de energia elétrica em Portugal continental podem livremente escolher o seu fornecedor desde setembro de

Leia mais

Seminário Mercado Liberalizado de Energia

Seminário Mercado Liberalizado de Energia Seminário Mercado Liberalizado de Energia A EDP Comercial no Mercado Liberalizado Carlos Neto Lisboa, 26 de Outubro de 2012 As cadeias de valor da electricidade e do gás têm grandes semelhanças A convergência

Leia mais

III Conferência Anual da RELOP

III Conferência Anual da RELOP Energias Renováveis, Regulação e Sustentabilidade III Conferência Anual da RELOP Rio de Janeiro 4 Novembro 2010 Vítor Santos Agenda 1. A Política Energética Europeia e Nacional 2. Remuneração e alocação

Leia mais

I - Agência Regional de Energia do Centro e Baixo Alentejo - Enquadramento. III Estratégia Nacional para a Energia 2020 Energia Solar

I - Agência Regional de Energia do Centro e Baixo Alentejo - Enquadramento. III Estratégia Nacional para a Energia 2020 Energia Solar Índice I - Agência Regional de Energia do Centro e Baixo Alentejo - Enquadramento II Estratégia Nacional para a Energia 2020 III Estratégia Nacional para a Energia 2020 Energia Solar IV - Potencialidades

Leia mais

Anexo 2 - Avaliação de necessidades de formação em H.S.T.

Anexo 2 - Avaliação de necessidades de formação em H.S.T. Anexo 2 - Avaliação de necessidades de formação em H.S.T. 54 3Inquérito às necessidades de formação profissional em higiene e segurança do trabalho 59 Inquérito às necessidades de formação profissional

Leia mais

Aproveitamento do Potencial Eólico Sustentável em Portugal

Aproveitamento do Potencial Eólico Sustentável em Portugal Aproveitamento do Potencial Eólico Sustentável em Portugal (A tecnologia, situação actual e perspectivas futuras...) INSTITUTO NACIONAL DE ENGENHARIA E TECNOLOGIA INDUSTRIAL Departamento de Energias Renováveis

Leia mais

ELETRICIDADE ELETRICIDADE 1 DEZEMBRO 2014. LIBERALIZAÇÃO DO MERCADO ELÉTRICO Mudança de comercializador. 3. Contratar o fornecimento

ELETRICIDADE ELETRICIDADE 1 DEZEMBRO 2014. LIBERALIZAÇÃO DO MERCADO ELÉTRICO Mudança de comercializador. 3. Contratar o fornecimento ELETRICIDADE 1 DEZEMBRO 2014 LIBERALIZAÇÃO DO MERCADO ELÉTRICO Mudança de comercializador Todos os consumidores de energia elétrica em Portugal continental podem livremente escolher o seu fornecedor desde

Leia mais

Projeto InovCity Évora A living lab for the smartgrid of the future

Projeto InovCity Évora A living lab for the smartgrid of the future Projeto InovCity Évora A living lab for the smartgrid of the future João Brito Martins Apresentação na conferência: Smart Grid: Construindo Juntos um Novo Mercado São Paulo, 26 de Novembro de 2014 O Grupo

Leia mais

Valores de ATR e Preço da Tonelada de Cana-de-açúcar - Consecana do Estado de São Paulo

Valores de ATR e Preço da Tonelada de Cana-de-açúcar - Consecana do Estado de São Paulo Valores de ATR e Preço da Tonelada de Cana-de-açúcar - Consecana do Estado de São Paulo Safra 2015/2016 Mensal Acumulado Cana Campo (1) Cana Esteira (2) R$/Kg ATR R$/Kg ATR R$/Ton. R$/Ton. Abr/15 0,4909

Leia mais

www.projecto-ecos.blogspot.com

www.projecto-ecos.blogspot.com www.projecto-ecos.blogspot.com Objectivo Central do Programa Criar Cidades e Redes de Cidades Competitivas e Inovadoras a Nível Internacional Rede ECOS TEMÁTICA Eficiência energética e aplicação de energias

Leia mais

Redes Inteligentes. A Rede do Futuro Construída Hoje

Redes Inteligentes. A Rede do Futuro Construída Hoje Redes Inteligentes A Rede do Futuro Construída Hoje Grupo Efacec, Breve descrição Ao longo da sua história, a Efacec tem vindo a antecipar as mudanças num mundo extremamente competitivo, tornando-se numa

Leia mais

INDRA: EMPRESA MULTINACIONAL DE INOVAÇÃO

INDRA: EMPRESA MULTINACIONAL DE INOVAÇÃO INDRA: EMPRESA MULTINACIONAL DE INOVAÇÃO 3.000 Milhões receitas I&D&i: 6-8% receitas 43.000 profissionais 149 paises 16% 17% 18% 11% 21% 17% Energia e Indústria Banca e Seguros Adm. Pública e Saúde Telecom

Leia mais

Características da Expansão Hidroelétrica e a Necessidade de Implementação de Geração Complementar

Características da Expansão Hidroelétrica e a Necessidade de Implementação de Geração Complementar Conselho de Altos Estudos e Avaliação Tecnológica da Câmara dos Deputados Características da Expansão Hidroelétrica e a Necessidade de Implementação de Geração Complementar Prof. Nivalde J. de Castro Pesquisador

Leia mais

Colectores Solares para Aquecimento de Água. S. T. Spencer silvino.spencer@adene.pt

Colectores Solares para Aquecimento de Água. S. T. Spencer silvino.spencer@adene.pt Colectores Solares para Aquecimento de Água S. T. Spencer silvino.spencer@adene.pt POTENCIAL DE APLICAÇÃO DE COLECTORES SOLARES PARA AQUECIMENTO DE ÁGUA Hotéis Apartamento Moteis Pousadas Estalagens

Leia mais

Workshop Smart Metering Aveiro, 24 de Março 2015

Workshop Smart Metering Aveiro, 24 de Março 2015 Workshop Smart Metering Aveiro, 24 de Março 2015 Os desenvolvimentos internacionais apontam para a generalização do uso de contadores inteligentes e phase out gradual da tecnologia convencional Rollout

Leia mais

CERTIFICAÇÃO ENERGÉTICA E DA QUALIDADE DO AR INTERIOR NOS EDIFÍCIOS

CERTIFICAÇÃO ENERGÉTICA E DA QUALIDADE DO AR INTERIOR NOS EDIFÍCIOS CERTIFICAÇÃO ENERGÉTICA E DA QUALIDADE DO AR INTERIOR NOS EDIFÍCIOS Sistema Nacional de Certificação Energética e da Qualidade do Ar Interior nos Edifícios (SCE) Sistema de Certificação Energética e de

Leia mais

Sistema Nacional de Certificação Energética e da Qualidade do Ar Interior nos Edifícios (SCE)

Sistema Nacional de Certificação Energética e da Qualidade do Ar Interior nos Edifícios (SCE) Sistema Nacional de Certificação Energética e da Qualidade do Ar Interior nos Edifícios (SCE) Aplicação da nova legislação aos edifícios existentes 8ªs Jornadas de Climatização Ordem dos Engenheiros, 15

Leia mais

SONDAGEM INDUSTRIAL Dezembro de 2015

SONDAGEM INDUSTRIAL Dezembro de 2015 SONDAGEM INDUSTRIAL Dezembro de 2015 Indústria espera que as exportações cresçam no primeiro semestre de 2016 A Sondagem industrial, realizada junto a 154 indústrias catarinenses no mês de dezembro, mostrou

Leia mais

Eco-Escolas Formação Escola da Energia 2011, 2 de Abril de 2011. Energias Renováveis. João Paulo Costa

Eco-Escolas Formação Escola da Energia 2011, 2 de Abril de 2011. Energias Renováveis. João Paulo Costa Energias Renováveis João Paulo Costa LNEG Laboratório Nacional de Energia e Geologia Estrada do Paço do Lumiar, 1649-038 Lisboa, PORTUGAL joao.costa@lneg.pt 1 Conteúdo: Resumo de consumo energético no

Leia mais

Sistema Nacional de Certificação Energética e da Qualidade do Ar Interior nos Edifícios

Sistema Nacional de Certificação Energética e da Qualidade do Ar Interior nos Edifícios Sistema Nacional de Certificação Energética e da Qualidade do Ar Interior nos Edifícios Sessão de Divulgação Gestão de Energia - Novas Disposições Regulamentares, sua Articulação e Estratégias Auditório

Leia mais

Energia Elétrica: Previsão da Carga dos Sistemas Interligados 2 a Revisão Quadrimestral de 2004

Energia Elétrica: Previsão da Carga dos Sistemas Interligados 2 a Revisão Quadrimestral de 2004 Energia Elétrica: Previsão da Carga dos Sistemas Interligados 2 a Revisão Quadrimestral de 2004 Período 2004/2008 INFORME TÉCNICO PREPARADO POR: Departamento de Estudos Energéticos e Mercado, da Eletrobrás

Leia mais

Índice de Prevenção de Acidentes Laborais IPAL

Índice de Prevenção de Acidentes Laborais IPAL Índice de Prevenção de Acidentes Laborais IPAL Autor: Vinicius Silva Neves Ampla Energia e Serviços S.A. RESUMO O Índice de Prevenção de Acidentes Laborais IPAL, é um indicador de prevenção de acidentes

Leia mais

estatísticas rápidas dezembro 2013

estatísticas rápidas dezembro 2013 estatísticas rápidas dezembro 213 Nº 16 Índice A. Resumo B. As energias renováveis na produção de eletricidade 1. Energia e potência por fonte de energia 2. Energia e potência por distrito 3. Comparação

Leia mais

RELATÓRIO DE ACOMPANHAMENTO DA EXECUÇÃO FINANCEIRA

RELATÓRIO DE ACOMPANHAMENTO DA EXECUÇÃO FINANCEIRA CONTRATO 07/2013 EXERCÍCIO 2013 jan/13 fev/13 mar/13 abr/13 mai/13 jun/13 jul/13 ago/13 set/13 out/13 nov/13 dez/13 Número da Nota Fiscal emitida - - - - - - 92 99 110 121/133-157 - - Depósitos realizados

Leia mais

Energias Renováveis, Regulação e Sustentabilidade

Energias Renováveis, Regulação e Sustentabilidade Energias Renováveis, Regulação e Sustentabilidade XIV Reunión Anual Iberoamericana de Reguladores de la Energía Salvador - Bahía 28 a 30 de Abril de 2010 Vítor Santos Agenda 1. A Política Energética Europeia

Leia mais

O caso da EDP Distribuição Caminhos para melhor qualidade de serviço

O caso da EDP Distribuição Caminhos para melhor qualidade de serviço O caso da EDP Distribuição Caminhos para melhor qualidade de serviço V Conferencia Anual RELOP Eng. João Torres Presidente do Conselho de Administração Lisboa, 31 de Maio de 2012 Agenda I A EDP Distribuição

Leia mais

Projetos InovCityEDP. Rio de Janeiro, 15 de Maio de 2014

Projetos InovCityEDP. Rio de Janeiro, 15 de Maio de 2014 Projetos InovCityEDP Rio de Janeiro, 15 de Maio de 2014 Agenda Soluções Smart Grid implantadas na EDP Projeto InovCity Aparecida Projeto InovCity ES Desafios para o Setor Elétrico Barreiras à serem vencidas

Leia mais

WWW.PORTAL-ENERGIA.COM

WWW.PORTAL-ENERGIA.COM estatísticas rápidas Setembro/Outubro Nº 55/56 1/22 Índice A.Resumo B. As energias renováveis na produção de electricidade 1. Energia e potência por fonte de energia 2. Energia e potência por distrito

Leia mais

Sistema Nacional de Certificação Energética e da Qualidade do Ar Interior nos Edifícios (SCE) Sistema de Certificação Energética - Geral

Sistema Nacional de Certificação Energética e da Qualidade do Ar Interior nos Edifícios (SCE) Sistema de Certificação Energética - Geral Sistema Nacional de Certificação Energética e da Qualidade do Ar Interior nos Edifícios (SCE) Sistema de Certificação Energética e de QAI Contexto nacional energético e ambiental Transposição da Directiva

Leia mais

Calendário Pós-graduação 2014 - Educação Infantil

Calendário Pós-graduação 2014 - Educação Infantil Calendário Pós-graduação 2014 - Educação Infantil Disciplina Data Início Data fim Atividade acadêmica ENTRADA 1 10/03/2014 20/12/2014 17/03/2014 24/03/2014 Gestão criativa e inovadora nas instituições

Leia mais

As novas barragens e o controlo de segurança

As novas barragens e o controlo de segurança As novas barragens e o controlo de segurança Carlos Pina Investigador Coordenador do LNEC ENEC 2011 - Encontro Nacional de Engenharia Civil FEUP - Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto 21 de

Leia mais

Nome do Condomínio. Demonstrativo Financeiro

Nome do Condomínio. Demonstrativo Financeiro Mês: Janeiro 1.5 - Mês: Fevereiro 1.5 - Mês: Março 1.5 - Mês: Abril 1.5 - Mês: Maio 1.5 - Mês: Junho 1.5 - Mês: Julho 1.5 - Mês: Agosto 1.5 - Mês: Setembro 1.5 - Mês: Outubro 1.5 - Mês: Novembro 1.5 -

Leia mais

Elbia Melo. Presidente Executiva ABEEólica

Elbia Melo. Presidente Executiva ABEEólica Cenário e Perspectivas para o Segmento de Energia Eólica Elbia Melo Presidente Executiva ABEEólica 84 Associados 2 84 Associados 3 Energia Eólica no Mundo 4 Ranking Mundial 1 China 75,56 2 EUA 60,01 3

Leia mais

A visão do consumidor residencial com microgeração eólica

A visão do consumidor residencial com microgeração eólica com microgeração eólica Clayton Barreto de Melo Fortaleza-CE Tópicos a serem abordados Motivação para a instalação do sistema Ferramental utilizado Apresentação dos resultados obtidos após a instalação

Leia mais

Consumo e geração de energia equilibrados

Consumo e geração de energia equilibrados Consumo e geração de energia equilibrados Consumo e geração de energia equilibrados Em Portugal, a rede de transporte de energia foi concebida tendo em conta a produção maciça e contínua de energia proveniente

Leia mais

Sines 06.05.2009. João Martins da Silva. Direcção de Marketing Corporativo

Sines 06.05.2009. João Martins da Silva. Direcção de Marketing Corporativo Sines 06.05.2009 João Martins da Silva Em resposta ao desafio global, a UE definiu um Plano Energético Europeu assente em 3 pilares Sustentabilidade Desenvolvimento de renováveis e fontes de baixo teor

Leia mais

V Conferência Anual da RELOP

V Conferência Anual da RELOP V Conferência Anual da RELOP Energias Renováveis em Portugal António Sá da Costa 1 Junho 2012 Distribuição do Consumo e da Produção de Electricidade entre as várias fontes existentes Valores para Portugal

Leia mais

Comentários COGEN_PDIRT E 2014_2023.pdf

Comentários COGEN_PDIRT E 2014_2023.pdf Ana Oliveira De: COGEN Portugal [cogen.portugal@cogenportugal.com] Enviado: quinta-feira, 6 de Março de 2014 17:36 Para: pdirt-e2013 Assunto: Consulta Pública PDIRT - Envio de comentários Anexos: Comentários

Leia mais

RECALL SMITHS LISTA DOS PRODUTOS ENVOLVIDOS, IMPORTADOS AO BRASIL PELA CIRÚRGICA FERNANDES, COM INFORMAÇÕES SOBRE PRODUTOS VENDIDOS E EM ESTOQUE

RECALL SMITHS LISTA DOS PRODUTOS ENVOLVIDOS, IMPORTADOS AO BRASIL PELA CIRÚRGICA FERNANDES, COM INFORMAÇÕES SOBRE PRODUTOS VENDIDOS E EM ESTOQUE DOCUMENTO 2 LISTA DOS PRODUTOS ENVOLVIDOS, IMPORTADOS AO BRASIL PELA CIRÚRGICA FERNANDES, COM INFORMAÇÕES SOBRE PRODUTOS VENDIDOS E EM ESTOQUE 100.105.025 644425 10 10 fev/05 fev/10 9660 10/10/2005 13/10/2005

Leia mais

Vênus Em Aquário 25 Dez 1939. Vênus Em Peixes 18 Jan 1940. Vênus Em Áries 12 Fev 1940. Vênus Em Touro 8 Mar 1940. Vênus Em Gêmeos 4 Abr 1940

Vênus Em Aquário 25 Dez 1939. Vênus Em Peixes 18 Jan 1940. Vênus Em Áries 12 Fev 1940. Vênus Em Touro 8 Mar 1940. Vênus Em Gêmeos 4 Abr 1940 Vênus Em Aquário 25 Dez 1939 Vênus Em Peixes 18 Jan 1940 Vênus Em Áries 12 Fev 1940 Vênus Em Touro 8 Mar 1940 Vênus Em Gêmeos 4 Abr 1940 Vênus Em Câncer 6 Maio 1940 Vênus Em Gêmeos 5 Jul 1940 Vênus Em

Leia mais

Rede ECOS. www.projecto-ecos.blogspot.com. Peniche

Rede ECOS. www.projecto-ecos.blogspot.com. Peniche www.projecto-ecos.blogspot.com 25 de Fevereiro de 2008 Objectivo Central do Programa Criar Cidades e Redes de Cidades Competitivas e Inovadoras a Nível Internacional Rede ECOS TEMÁTICA Eficiência energética

Leia mais

Damos valor à sua energia

Damos valor à sua energia Damos valor à sua energia Invista em energias renováveis e eficiência energética e comece a poupar naturalmente. Energia O futuro do planeta está cada vez mais nas nossas mãos e a forma como obtemos e

Leia mais

APRESENTAÇÃO DO PROJETO INOVAR+

APRESENTAÇÃO DO PROJETO INOVAR+ APRESENTAÇÃO DO PROJETO INOVAR+ ENQUADRAMENTO OBJETIVO DO PROJETO ENTIDADES PROMOTORAS DESTINATÁRIOS ATIVIDADES INDICADORES DE RESULTADOS METAS A ATINGIR CRONOGRAMA CONTACTOS ENQUADRAMENTO ALENTEJO 2020

Leia mais

Mobilidade eléctrica. Jorge Cruz Morais. Seminário Mobilidade Eléctrica Lisboa, 2 de M arço de 2011

Mobilidade eléctrica. Jorge Cruz Morais. Seminário Mobilidade Eléctrica Lisboa, 2 de M arço de 2011 Mobilidade eléctrica Jorge Cruz Morais Seminário Mobilidade Eléctrica Lisboa, 2 de M arço de 2011 factores da alteração Aumento da Procura Emissões de CO2 O consumo mundial de energia primária Evolução

Leia mais

Planejamento Financeiro. Aula 6. Contextualização. Orçamento. Organização da Aula. Instrumentalização. Profa. Claudia Abramczuk

Planejamento Financeiro. Aula 6. Contextualização. Orçamento. Organização da Aula. Instrumentalização. Profa. Claudia Abramczuk Planejamento Financeiro Aula 6 Contextualização Profa. Claudia Abramczuk Orçamento Ferramenta para o sucesso empresarial Tomada de decisão Exposição de hipóteses Sistema de autorização, meio de planejamento,

Leia mais

O SECTOR ELÉCTRICO EM PORTUGAL CONTINENTAL

O SECTOR ELÉCTRICO EM PORTUGAL CONTINENTAL O SECTOR ELÉCTRICO EM PORTUGAL CONTINENTAL CONTRIBUTO PARA DISCUSSÃO 31 de Março de 2011 O presente documento resume as principais conclusões do Estudo O Sector Eléctrico em Portugal Continental elaborado

Leia mais

PESQUISA MENSAL DO COMERCIO VAREJISTA DA REGIÃO METROPOLITANA DE FORTALEZA (CE) - MARÇO 2016 -

PESQUISA MENSAL DO COMERCIO VAREJISTA DA REGIÃO METROPOLITANA DE FORTALEZA (CE) - MARÇO 2016 - PESQUISA MENSAL DO COMERCIO VAREJISTA DA REGIÃO METROPOLITANA DE FORTALEZA (CE) - MARÇO 2016 - Elaboração: Francisco Estevam Martins de Oliveira, Estatístico Coordenação de Campo: Roberto Guerra SUMÁRIO

Leia mais

Ordem dos Engenheiros Região Centro Ciclo Sessões técnicas

Ordem dos Engenheiros Região Centro Ciclo Sessões técnicas Ordem dos Engenheiros Região Centro Ciclo Sessões técnicas Evolução QS da rede de distribuição MT em Portugal continental e próximos desafios Coimbra, 14 de Maio de 2012 Direção Despacho e Condução Agenda

Leia mais

Impactos técnicos e económicos da electrificação gradual do sector dos transportes em Portugal

Impactos técnicos e económicos da electrificação gradual do sector dos transportes em Portugal Impactos técnicos e económicos da electrificação gradual do sector dos transportes em Portugal Lisboa, 9 de julho de 2015. Joaquim Delgado Jdelgado@estv.ipv.pt Sumário 2/16 1ª Parte Breve caraterização

Leia mais

REGULAMENTO TARIFÁRIO

REGULAMENTO TARIFÁRIO REGULAMENTO TARIFÁRIO DO SECTOR ELÉCTRICO Julho 2011 ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS Rua Dom Cristóvão da Gama n.º 1-3.º 1400-113 Lisboa Tel: 21 303 32 00 Fax: 21 303 32 01 e-mail: erse@erse.pt

Leia mais

Tecnologia nacional potencia sustentabilidade

Tecnologia nacional potencia sustentabilidade Tecnologia nacional potencia sustentabilidade 1 Tecnologia nacional potencia sustentabilidade O desenvolvimento de soluções inovadoras que melhoram a eficiência das organizações e a qualidade de vida das

Leia mais

Estratégia e Política Energética do Governo de Cabo Verde

Estratégia e Política Energética do Governo de Cabo Verde Estratégia e Política Energética do Governo de Cabo Verde Caracterização do Sector Energético de Cabo Verde Sistema Eléctrico de Cabo Verde O sector eléctrico é dividido em sistemas de produção e distribuição.

Leia mais

O P E R A C I O N A L I Z A Ç Ã O D A S U N I D A D E S D E S A Ú D E F A M I L I A R E S. Carlos Nunes. Missão para os Cuidados de Saúde Primários

O P E R A C I O N A L I Z A Ç Ã O D A S U N I D A D E S D E S A Ú D E F A M I L I A R E S. Carlos Nunes. Missão para os Cuidados de Saúde Primários O P E R A C I O N A L I Z A Ç Ã O D A S U N I D A D E S D E S A Ú D E F A M I L I A R E S Carlos Nunes Missão para os Cuidados de Saúde Primários VILAMOURA 23 Março 2007 C A N D I D A T U R A S A U S F

Leia mais

INCENTIVOS ÀS EMPRESAS

INCENTIVOS ÀS EMPRESAS INCENTIVOS ÀS EMPRESAS Gestão de Projectos info@ipn-incubadora.pt +351 239 700 300 BEST SCIENCE BASED INCUBATOR AWARD Incentivos às Empresas Objectivos: - Promoção do up-grade das empresas de PME; - Apoiar

Leia mais

Investimentos estrangeiros totalizaram US$ 48,3 bi até outubro

Investimentos estrangeiros totalizaram US$ 48,3 bi até outubro São Paulo, 04 de novembro de 2015 OUTUBRO DE 2015 Investimentos estrangeiros totalizaram US$ 48,3 bi até outubro Entre janeiro e outubro de 2015, os fluxos de investimento estrangeiro direto (IED) no Brasil

Leia mais

ALBUM DE FORMAÇÃO 2011

ALBUM DE FORMAÇÃO 2011 AGENDA FORMAÇÃO INTER 2011 ALBUM DE FORMAÇÃO 2011 AGENDA FORMAÇÃO INTER 2011 ALBUM DE FORMAÇÃO 2011 ÁREAS DE FORMAÇÃO 1 2 DESENVOLVIMENTO PESSOAL & COMPORTAMENTAL GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS 3 FINANÇAS,

Leia mais

2 Características do Sistema Interligado Nacional

2 Características do Sistema Interligado Nacional 2 Características do Sistema Interligado Nacional O Sistema Elétrico Brasileiro (SEB) evoluiu bastante ao longo do tempo em termos de complexidade e, consequentemente, necessitando de um melhor planejamento

Leia mais

CENTRAL FOTOVOLTAICA DE VALADAS 1ª em PORTUGAL ligada à MÉDIA TENSÃO

CENTRAL FOTOVOLTAICA DE VALADAS 1ª em PORTUGAL ligada à MÉDIA TENSÃO 1ª em PORTUGAL ligada à MÉDIA TENSÃO PRESENTE (Potência instalada): 100KWp FUTURO (Potência a instalar): 360 KWp Dono da Obra ANTES Entidade Projectista: Autoria do projecto: Iolanda Sousa DEPOIS Entidade

Leia mais

O SECRETÁRIO DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO ENERGÉTICO DO MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA

O SECRETÁRIO DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO ENERGÉTICO DO MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA PORTARIA N o 17, DE 03 DE DEZEMBRO DE 2009. O SECRETÁRIO DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO ENERGÉTICO DO MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA, no uso da competência que lhe confere o art. 1 o da Portaria MME

Leia mais

10.000.000,00 9.154.690,15 9.000.000,00 8.000.000,00 7.195.564,56

10.000.000,00 9.154.690,15 9.000.000,00 8.000.000,00 7.195.564,56 10.000.000,00 9.154.690,15 9.000.000,00 8.543.230,16 8.000.000,00 7.195.564,56 7.000.000,00 6.000.000,00 5.000.000,00 4.000.000,00 3.000.000,00 2.000.000,00 1.000.000,00 0,00 1.959.125,59 1.347.665,60

Leia mais

CAF: CONTAG: CPR: FETRAF: NPT: ONG: PNCF: SAC: SAT: SIB: SIC: SQD: UTE:

CAF: CONTAG: CPR: FETRAF: NPT: ONG: PNCF: SAC: SAT: SIB: SIC: SQD: UTE: Lista de Siglas do Pa CAF: CONTAG: CPR: FETRAF: NPT: ONG: PNCF: SAC: SAT: SIB: SIC: SQD: UTE: Boletim Ano VI - Edição nº 2/211 Boletim Ano VI - Edição nº 1 / 211 Painel de Indicador Nº 2/215 Técnicos Responsáv

Leia mais

ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS DESPACHO ERSE N.º 8 / 2003

ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS DESPACHO ERSE N.º 8 / 2003 ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS DESPACHO ERSE N.º 8 / 2003 O Regulamento de Relações Comerciais (RRC) aprovado pela ERSE através do Despacho n.º 18 413-A/2001 (2.ª série), de 1 de Setembro,

Leia mais

Energia e produtividade por um mundo melhor ABB em Portugal

Energia e produtividade por um mundo melhor ABB em Portugal Energia e produtividade por um mundo melhor ABB em Portugal Process Automation Gestão e controlo de processos A divisão Process Automation disponibiliza produtos e sistemas de automação destinados ao controlo

Leia mais

Plano Tecnológico Uma ideia mobilizadora, uma agenda de prioridades e um compromisso político

Plano Tecnológico Uma ideia mobilizadora, uma agenda de prioridades e um compromisso político Plano Tecnológico Uma ideia mobilizadora, uma agenda de e um compromisso político Apresentação ao Conselho Consultivo do Plano Tecnológico 19 de Julho de 26 Um mundo em profunda mudança O Mundo enfrenta

Leia mais

Redes Inteligentes de Energia Smart Grids

Redes Inteligentes de Energia Smart Grids Redes Inteligentes de Energia Smart Grids 9.º Encontro Nacional do Colégio de Engenharia Electrotécnica António Aires Messias Lisboa, 19 de Junho de 2009 ENQUADRAMENTO O contexto macroeconómico está a

Leia mais

A Acção do Sistema Fiscal sobre a Energia e a Mobilidade

A Acção do Sistema Fiscal sobre a Energia e a Mobilidade A Política no Sistema Português A Acção do Sistema sobre a Energia e a Mobilidade A Política no Sistema Português Peso da Importação de Energia no PIBpm e Preço do Petróleo 12 10 Revolução Iraniana 78/79

Leia mais

III Assembleia de Cotistas FIP BB Votorantim Energia Sustentável I, II e III

III Assembleia de Cotistas FIP BB Votorantim Energia Sustentável I, II e III III Assembleia de Cotistas FIP BB Votorantim Energia Sustentável I, II e III Aprovação de contas - 2013 [PUBLICO] Agenda Aprovação de Contas Estrutura do Fundo Mercado de Energia (2012-2014) Status - FIP-IE

Leia mais

Apresentação -PRAVALER www.creditouniversitario.com.br

Apresentação -PRAVALER www.creditouniversitario.com.br Apresentação -PRAVALER Setembro/ 2011 Filme PRAVALER - Produto Crédito Universitário PRAVALER O Crédito Universitário PRAVALER Fundado em 2006, O PRAVALER é hoje o maior programa de crédito universitário

Leia mais

ADVOCACIA GERAL DA UNIAO Procuradoria Geral da Uniao Departamento de Calculos e Pericias - DECAP ( NECAP NO ESTADO DO

ADVOCACIA GERAL DA UNIAO Procuradoria Geral da Uniao Departamento de Calculos e Pericias - DECAP ( NECAP NO ESTADO DO FICHA FINANCEIRA REFERENTE A 2002 JAN FEV MAR ABR MAI JUN 00182 ADIANT.GRATIF.NATALINA - APOS. R 1 82118 GRAT.DES.TEC.ADM.L10404/GDATA R 1 142,12 142,12 142,12 142,12 142,12 142,12 63,00 63,00 63,00 70,00

Leia mais

Municípios e empresas nacionais adoptam hidrogénio como vector de energia

Municípios e empresas nacionais adoptam hidrogénio como vector de energia Página Web 1 de 5 Escolas (pago) Registo (gratuito) MUNDUS (Assinatura) Página Inicial Notícias Emprego & Bolsas Financiamento Eventos a não perder Atlas da Ciência Parceiros Página Inicial Tecnologia

Leia mais

A VISÃO do ENERGYIN Motivos da sua criação & Objectivos

A VISÃO do ENERGYIN Motivos da sua criação & Objectivos Pólo da Competitividade e Tecnologia da Energia (PCTE) O papel do PCTE na energia solar em Portugal 8 e 9 de Fevereiro de 2010 António Mano - EDP Antonio.ermidamano@edp.pt A VISÃO do ENERGYIN Motivos da

Leia mais

Melhoria da Qualidade do Fornecimento de Energia Elétrica das Empresas Distribuidoras

Melhoria da Qualidade do Fornecimento de Energia Elétrica das Empresas Distribuidoras 1 / 16 Melhoria da Qualidade do Fornecimento de Energia Elétrica das Empresas Distribuidoras Seminário Internacional de Automação de Processos Comerciais e Operacionais nas Empresas de Distribuição da

Leia mais

Relatório da Pesquisa Conjuntural

Relatório da Pesquisa Conjuntural -8,1% -0,4% 4, 7,8% 8,9% 9,3% 8,2% 6,6% 6,7% 6, 4,9% 3,9% I Resultado Nacional O de abril, elaborado com base nos dados das empresas associadas ao Sindipeças, registrou queda de 0,4% no faturamento real

Leia mais

rotulagem de energia eléctrica

rotulagem de energia eléctrica rotulagem de energia eléctrica ROTULAGEM DE ENERGIA ELÉCTRICA A produção e a distribuição de energia eléctrica são fundamentais para o desenvolvimento das sociedades. A rotulagem de energia eléctrica pretende

Leia mais

DAILY BRIEFING COMPORTAMENTO DOS MERCADOS 02 DE SETEMBRO DE 2011

DAILY BRIEFING COMPORTAMENTO DOS MERCADOS 02 DE SETEMBRO DE 2011 DAILY BRIEFING COMPORTAMENTO DOS MERCADOS 02 DE SETEMBRO DE 2011 p Índice ÍNDICE S&P 500... 2 ÍNDICE BOVESPA FUTURO OUT/11... 3 PETRÓLEO SPOT TIPO BRENT... 4 PETROBRÁS PN... 5 TAXA DE CÂMBIO SPOT USD/EURO...

Leia mais

COMPORTAMENTO DOS GERADORES DE INDUÇÃO DUPLAMENTE ALIMENTADOS EM TURBINAS EÓLICAS DE PEQUENO PORTE

COMPORTAMENTO DOS GERADORES DE INDUÇÃO DUPLAMENTE ALIMENTADOS EM TURBINAS EÓLICAS DE PEQUENO PORTE UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ CAMPUS CURITIBA DEPARTAMENTO ACADÊMICO DE ELETROTÉCNICA CURSO DE ENGENHARIA INDUSTRIAL ELÉTRICA ÊNFASE ELETROTÉCNICA DIOGO MARTINS ROSA LUIZ ANDRÉ MOTTA DE MORAES

Leia mais

Mapa Estratégico de Minas Gerais

Mapa Estratégico de Minas Gerais Mapa Estratégico de Minas Gerais ORGANIZAÇÃO DAS ÁREAS DE RESULTADO => Desafios setoriais Desdobrados em: => Objetivos Estratégicos Traduzidos em: => Resultados Finalísticos: Indicadores e Metas Materializados

Leia mais

Guia para a certificação de uma unidade de microprodução

Guia para a certificação de uma unidade de microprodução Guia para a certificação de uma unidade de microprodução V 009-10/09 Página 1 Índice Página 0 Alterações efectuadas ao Guia relativamente à versão anterior 3 1 Siglas e definições 3 2 Regime remuneratório

Leia mais

PROGRAMA DE APOIO À IMPLEMENTAÇÃO DE PROJECTOS DE PRODUÇÃO DE ENERGIA E DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA. Selfenergy

PROGRAMA DE APOIO À IMPLEMENTAÇÃO DE PROJECTOS DE PRODUÇÃO DE ENERGIA E DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA. Selfenergy PROGRAMA DE APOIO À IMPLEMENTAÇÃO DE PROJECTOS DE PRODUÇÃO DE ENERGIA E DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA Selfenergy PARCEIRO: SCT Consulting SOLVING CHALLENGES TOGETHER Uma empresa com energia A Vivapower é uma

Leia mais

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO CONDUCENTE AO MESTRADO EM ADMINISTRAÇÃO ESCOLAR A REALIZAR NO BRASIL E A REALIZAR EM PORTUGAL

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO CONDUCENTE AO MESTRADO EM ADMINISTRAÇÃO ESCOLAR A REALIZAR NO BRASIL E A REALIZAR EM PORTUGAL FUNDAÇÃO SOUSÂNDRADE INSTITUTO UNIVERSITÁRIO ATLÂNTICO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO CONDUCENTE AO MESTRADO EM ADMINISTRAÇÃO ESCOLAR A REALIZAR NO BRASIL E A REALIZAR EM PORTUGAL INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO

Leia mais

Manual de Ligações à rede elétrica de serviço público

Manual de Ligações à rede elétrica de serviço público Manual de Ligações à rede elétrica de serviço público Guia técnico e logístico de boas práticas Outubro 2015 5ª edição Nota Introdutória O Manual de Ligações é um documento genérico e graficamente exemplificativo,

Leia mais

Perspectivas do Suprimento de Energia Elétrica. Manoel Arlindo Zaroni Torres Diretor-Presidente

Perspectivas do Suprimento de Energia Elétrica. Manoel Arlindo Zaroni Torres Diretor-Presidente Perspectivas do Suprimento de Energia Elétrica Manoel Arlindo Zaroni Torres Diretor-Presidente UHE Itá - Novembro de 2007 1 Aviso Importante Este material pode incluir declarações que representem expectativas

Leia mais

Resultados 1T15 Maio, 2015

Resultados 1T15 Maio, 2015 Resultados Maio, 2015 Destaques Afluência no SIN no de 62% da MLT 1 (vs. 64% no ) Hidrologia Nível de reservatórios do SIN encerraram em 30,1% vs. 40,5% em Rebaixamento médio do MRE de 20,7% no vs. 3,9%

Leia mais

III SEMINÁRIO MERCADOS DE ELETRICIDADE E GÁS NATURAL

III SEMINÁRIO MERCADOS DE ELETRICIDADE E GÁS NATURAL III SEMINÁRIO MERCADOS DE ELETRICIDADE E GÁS NATURAL Tema central Investimento, risco e regulação Seção B. A Indústria Investimento em energias renováveis no Brasil. A oportunidade da energia eólica Amilcar

Leia mais