Getúlio Vargas e o DIP: a consolidação do marketing político e da propaganda no Brasil. 1

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Getúlio Vargas e o DIP: a consolidação do marketing político e da propaganda no Brasil. 1"

Transcrição

1 Getúlio Vargas e o DIP: a consolidação do marketing político e da propaganda no Brasil. 1 Francisco José Paschoal * RESUMO: O presente artigo tem por objetivo demonstrar como a propaganda política foi utilizada por Getúlio como veículo de convencimento da população e de busca de seu apoio, além de controle, por meio da censura, de seus opositores. Estabelecer a importância dos papéis de veículos informativos e de propaganda como o rádio, o cinema e o jornal, e de programas como A Voz do Brasil 2, o Repórter Esso e o Cinejornal Brasileiro é, assim, imprescindível. PALAVRAS-CHAVE: Getúlio Vargas; DIP; Propaganda. ABSTRACT: The present article has for objective to demonstrate as the marketing politics was used by Getúlio as vehicle of persuation of the population and search of its support, beyond control, by means of the censorship, of its opponents. To establish the importance of the papers of informative vehicles and marketing as the radio, the cinema and the periodical, and of programs as A Voice of the Brazil, Reporter Esso and the Cinejornal Brasileiro, it is, thus, essential. Keywords: Getúlio Vargas, DIP, Marketing. 1 Título do artigo a ser apresentado no 1º Simpósio do Laboratório de História Política e Social: 70 anos do Estado Novo, a ser realizado pela Universidade Federal de Juiz de Fora. * Graduando do 7º período em História pela Universidade Federal de Juiz de Fora. 2 No período, batizado como Hora do Brasil.

2 INTRODUÇÃO Segundo Walter Benjamim: A crise da democracia pode ser interpretada como uma crise nas condições de exposição do político profissional. 3 Getúlio Vargas, aprendiz dos regimes autoritários europeus da década de 30, que lançaram moda a partir da fundação do Ministério da Propaganda liderada por Goebells na Alemanha nazista 4, teve exata noção da importância do papel do sistema de propaganda para a manutenção do apoio político, principalmente das massas. Em seu séqüito é possível identificar germanófilos como Filinto Muller e Lourival Fontes, este diretor do DIP, embebidos dos preceitos nazi-fascistas de uso da propaganda. Para tanto, conforme explicita Capelato, o DIP (Departamento de Imprensa e Propaganda), órgão criado por Getúlio para o controle e uso da censura na imprensa, além da produção de programas pró Estado Novo, atuava em três frentes: o jornalismo, o rádio e o cinema. 5 É imperativo lembrar que neste período, o sistema televisivo nacional apenas engatinhava, por isso, o mesmo não compreendeu área de atuação. Utilizando-se da Constituição Brasileira de 1937, outorgada 6 o governo getulista lança mão da censura para legitimar o Estado Novo, elevando a imprensa ao estado de veículo da ideologia estadonovista, e afastar da população a opinião não só da oposição política, como também da oposição intelectual 7 quando a mesma não havia sido capturada para dentro do governo. Esta cooptação, por mais contraditória que pareça, era realizada na produção de artigos e reportagens para as revistas Cultura Política e Ciência Política. 8 Isto é explícito no trecho de Na fogueira, livro de memórias do repórter e escritor Joel Silveira,... as notícias sobre o Brasil não podiam ser mais risonhas. Estávamos vivendo num paraíso. Nenhuma tragédia, nenhum crime, nada que perturbasse a ordem e a paz impostas pela ditadura. Até mesmo a seca do Nordeste, que até a véspera do Estado Novo era assunto prioritário dos jornais, que a descreviam como uma das mais inclementes dos últimos anos, até ela havia sumido do noticiário BENJAMIM, Walter. A obra de arte na era de sua reprodutibilidade técnica. Primeira versão. p CAPELATO, Maria Helena. Propaganda política e controle dos meios de comunicação. Cap 9. p.167- Idem, p Passim: SKIDMORE, Thomas E. Brasil: de Getúlio Vargas a Castelo Branco, º ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, CAPELATO, Maria Helena. Propaganda política e controle dos meios de comunicação. Cap 9, p.171. Revista BRHISTÓRIA, ano 1, nº5, p 32. Revista BRHISTÓRIA, ano 1, nº5, p 23.

3 1. PRIMEIROS CONTATOS COM A IMPRENSA O político brasileiro que travou contato mais estreito com a imprensa foi sem dúvida Getúlio Vargas 10. Em relação ao rádio, os primeiros contatos foram estabelecidos ainda em 1928, com Vargas apenas na condição de deputado, este apresentando um projeto de lei que exigia o pagamento de direitos autorais na execução de composições de outros artistas em programas de rádio ou em apresentações ao vivo. Ganha assim o apoio dos representantes da classe artística e o epíteto de pai dos artistas. 11 Outrossim, a participação de Getúlio durante a Revolução de 30, permitiu ao mesmo tomar conhecimento do poder de dispersão de idéias deste [o rádio], assim como participar de maneira direta na nascente indústria da radiodifusão brasileira. São instituídas em 1932, as primeiras leis específicas sobre o sistema de radiodifusão e é criada a Comissão Técnica de Rádio. Ainda em 1932, o rádio também possuiu papel importante: foi reconhecido como propagador da Revolução Constitucionalista e seus ideais, movimento liderado por São Paulo. A autorização para a publicidade e propaganda 12 nas ondas do rádio atraiu um maior número de ouvintes, chamando a atenção de Getúlio para uma nova modalidade de contato com a população, haja vista que a maioria analfabeta não tinha acesso a jornais e folhetins; o rádio possuía outra vantagem: o longo alcance de suas ondas permitiam que a voz do presidente chegasse aos confins do Brasil, aproximando o presidente de quem mais precisava. Em 1940, estatizou a Rádio Nacional, tornando-a vitrine do Estado Novo. Introduziu-se assim, nesta emissora, parte significativa do plano político para emissões oficiais Hora do Brasil, Repórter Esso, etc. Este processo envolveu também as Revistas da Rio Editora, ambas pertencentes a empresa jornalística A Noite, com a assinatura do decretolei nº 2.073, que criava as Empresas Incorporadas ao Patrimônio da União. 13 Como o professor Luiz Artur Ferraretto relata em das ondas do rádio às vias de fato: consternação e revolta popular em Porto Alegre 14 : Vargas compra a rádio Gaúcha para fazer frente à rádio Farroupilha notadamente oposicionista ao governo, no estado do Rio Grande 10 MOREIRA, Sônia Virgínia. Getúlio Vargas e o rádio, convergência de histórias. (IN): Baum, Ana (org.): Vargas, agosto de 54: a história contada pelas ondas do rádio. Garamond, p Baum, Ana (org.): Vargas, agosto de 54: a história contada pelas ondas do rádio. Garamond, p Idem, p SAROLDI, Luiz Carlos. Vargas e o rádio como espetáculo. (IN): Baum, Ana (org.): Vargas, agosto de 54: a história contada pelas ondas do rádio. Garamond, p (IN): Baum, Ana (org.): Vargas, agosto de 54: a história contada pelas ondas do rádio. Garamond, p

4 do Sul, por participar do grupo dos Diários e Emissoras Associados 15, criando assim um novo locus para o fazer política na época. Isto também é possível de ser observado em outros estados e mais à frente, nos embates disputado entre Carlos Lacerda, histórico inimigo político não só de Vargas, como também de Juscelino e João Goulart, que discursava na rádio Globo também opositora do governo getulista, e na Mayrink Veiga e Eloi Dutra 16, que pela emissora Continental, defendia o presidente, já no fim do segundo governo de Getúlio Vargas O DEPARTAMENTO DE IMPRENSA E PROPAGANDA O Departamento de Imprensa e Propaganda foi precedido por outros órgãos, também governamentais, três para ser mais exato, que possuíam funções bem parecidas, distinguindose uns dos outros no tocante à autonomia dada a conjuntura especificamente distinta em que atuaram. Segundo os arquivos digitalizados do CPDOC, em 1931, após a Revolução de 30, que depôs o presidente Washington Luís e entregou a chefia do Governo Provisório a Getúlio, foram dados os primeiros passos em direção à organização da propaganda política no plano nacional, com a criação do Departamento Oficial de Publicidade (DOP), no dia 2 de julho. Vinculado ao Ministério da Justiça e Negócios Interiores, constituindo-se um apêndice da Agência Nacional, atuava no setor de radiodifusão. Suas atribuições limitavam-se ao fornecimento de informações oficiais à imprensa. No ano de 1934, no intuito de sistematizar e organizar o uso e a veiculação da propaganda oficial, abrangendo assim outros veículos de comunicação de massa, foi criado o Departamento de Propaganda e Difusão Cultural (DPDC). Vargas confia a Francisco Antônio Rodrigues de Sales Filho, então diretor da Imprensa Nacional, o encargo de fazer experimentalmente um teste. Conforme a avaliação positiva de seus resultados, através do Decreto-Lei nº , que extinguiu o DOP, foi regulamentado o funcionamento do DPDC, ainda sob os auspícios do Ministério da Justiça. A direção geral foi entregue a Lourival Fontes este assumirá, posteriormente, o controle do DIP, jornalista e escritor sergipano e manifesto admirador dos regimes fascistas. O DPDC compreendia, além da Imprensa 15 Grupo de propriedade de Francisco de Assis Chateaubriand, opositor ferrenho de Vargas e o regime estadonovista. 16 Foi deputado e vice-governador da Guanabara pelo PTB, na década de (IN): Baum, Ana (org.): Vargas, agosto de 54: a história contada pelas ondas do rádio. Garamond, p

5 Nacional mantida sua autonomia administrativa, e o setor de radiodifusão, já englobado pelo extinto DOP, os setores de cultura e cinema, tendo estimulado a produção de filmes educativos por meio de prêmios e favores fiscais. Já no Estado Novo, no início de 1938, o DPDC transformou-se no Departamento Nacional de Propaganda (DNP), que finalmente deu lugar ao Departamento de Imprensa e Propaganda, através de decreto presidencial, já em Após o golpe do Estado Novo, em 10 de novembro de 1937, o fechamento do Congresso e os efeitos da nova Carta Constitucional, uma série de atividades foi incorporada ao DPDC, que culminaram com uma nova alteração, o nascimento do DNP, novamente sob os efeitos de decreto-lei. Com o DNP, todos os campos relacionados com a educação nacional, a censura e o controle dos meios de comunicação passaram para o controle de seu diretor, Lourival Fontes 18, mantido no cargo e que posteriormente controlará o DIP, assim como a ligação do órgão junto ao Ministério da Justiça. As principais atividades dessas organizações eram o estímulo da promoção do Brasil no exterior, particularmente através do lançamento de jornalistas e escritores nacionais em jornais estrangeiros e da criação do Boletim de Informações. No setor de radiodifusão, o DNP foi o responsável pelo programa Hora do Brasil, transmitido diariamente por todas as estações de rádio, com duração de uma hora, visando a divulgação dos principais acontecimentos da vida nacional. 19 O Departamento de Imprensa e Propaganda (DIP) foi criado por decreto presidencial em dezembro de 1939, com o objetivo de difundir a ideologia do Estado Novo junto às camadas populares. O mesmo compreendia cinco divisões: Divisão de divulgação, rádio, teatro, imprensa e cinema. O DIP possuía setores de divulgação, radiodifusão, teatro, cinema, turismo, imprensa e literatura social e política. Cabia-lhe coordenar, orientar e centralizar a propaganda interna e externa, fazer a censura ao teatro, cinema e funções esportivas e recreativas, organizar manifestações cívicas, festas patrióticas, exposições, concertos musicais, conferências e projetos monográficos sobre a História do Brasil, estimular a produção de filmes educativos nacionais e classificá-los para a concessão de prêmios e favores e dirigir o programa de radiodifusão oficial do governo. Vários estados possuíam órgãos filiados ao DIP, os 18 Seus sucessores foram o major Coelho dos Reis, de agosto de 1942 até julho de 1943, e o capitão Amílcar Dutra de Menezes, que atuou até a extinção do DIP, em maio de Capturado da internet em 17 de setembro de 2007,através do sítio:

6 chamados Deips. Essa estrutura altamente centralizada permitia ao governo exercer o controle da informação, assegurando-lhe o domínio da vida cultural do país. Para garantir o monopólio e a uniformização das notícias e dos serviços de propaganda e publicidade dos ministérios, departamentos e estabelecimentos da administração pública federal e entidades autárquicas, tudo era produzido e distribuído pela Agência Nacional. Sua distribuição era gratuita, saindo muitas vezes como matérias subvencionadas, dificultando assim o trabalho das empresas particulares que possuíam pontos de vistas contrários ao regime governamental. O sistema dispunha de formas de coerção das empresas que não participavam do esquema, através de isenção de taxas alfandegárias sobre a importação de papel, estabelecendo que os proprietários de jornais e revistas devessem obter autorização do Ministério da Justiça, mediante o prévio preenchimento de numerosas exigências, para poder desfrutar da isenção. Com esse recurso, o governo passou a controlar diretamente a imprensa através de bloqueios financeiros, concedendo os favores fiscais apenas àqueles jornais que seguissem a orientação política governamental. Para os que não se encaixavam no sistema, o governo Vargas utilizava a intervenção física, como o ocorrido com o jornal paulista, O Estado de São Paulo, em março de Por fim, o DIP transformou-se em um superministério, acima dos outros, já que respondia apenas ao próprio presidente. Ao rádio, buscou-se difundir seu uso nas escolas e nos estabelecimentos agrícolas e industriais, de modo a promover a cooperação entre a União, os Estados, os Municípios e os particulares. Através da veiculação dos programas Hora do Brasil e do Cinejornal Brasileiro 20 fazia-se a crônica cotidiana da política nacional, recorrendo-se ao forte impacto dos recursos audiovisuais. Alguns filmes eram exportados para países como a Argentina, o Uruguai e o Paraguai. Vargas tentava aproximar o governo ao povo, com a veiculação de propagandas pró-governamentais e de conquistas como a CLT, as políticas sociais, festividades como o 1º de Maio, o aniversário do presidente 21 e as novas implementações sindicais, junto com a criação dos IAP s (Institutos de Aposentadoria e Pensão). Com essa nova forma de propaganda política a promoção pessoal do chefe de governo alcançava o auge, dado ao apelo exemplificado nas formas do mesmo iniciar seus discursos, de acordo com Ana Baum, nos programas radiofônicos do governo: 20 Série de curta metragem de exibição obrigatória antes das sessões de cinema. 21 Durante o período em que esteve à frente do Ministério do Trabalho, ou seja, de janeiro de 1942 até julho de 1945, Alexandre Marcondes Filho fez palestras semanais na Hora do Brasil dirigida aos trabalhadores. Foram ao ar mais de 200 palestras, com duração aproximada de dez minutos todas as quintasfeiras. No dia seguinte as palestras eram publicadas pelo jornal porta-voz do regime: A Manhã.

7 trabaaaalhadores do Brasil. A alcunha pai dos pobres foi incutida na população, por forjar estes movimentos como vitórias populares. Este tipo de fazer político corroborará para a confecção da política brasileira do: dar, receber e retribuir; vantagens em troca de apoio político. O queremismo irradiado por Marcondes Filho e a política anticomunista o que facilitará o apoio dos militares a Vargas também favoreceram esta construção simbólica. O rádio e o cinema contribuíram, conforme já delineado e acima de tudo, devido ao grande número de analfabetos existentes no Brasil, o que os alijava das informações veiculadas pela imprensa escrita HORA DO BRASIL O Departamento Oficial de Publicidade, desde 1931, e substituído em 1934, pelo Departamento de Propaganda e Difusão Cultural, já implantavam uma política de controle da informação veiculada pelo rádio e a imprensa. No período em que se instalou o Departamento Nacional de Propaganda, em 1938, foi instaurado o programa Hora do Brasil, com duração de uma hora, veiculado em horário nobre, entre 18h45 e 19h30 23, em que notícias dos principais acontecimentos da vida nacional, principalmente governamentais, eram divulgadas. Ainda de acordo com os arquivos do CPDOC, a partir de 1939, a Hora do Brasil passou a ser confeccionada pelo DIP, que tomou o lugar do DNP. Três eram as finalidades do projeto: informativa, cultural e cívica. O gosto pela boa música era incentivado por uma programação cultural específica, com ênfase para a música brasileira, que compunha alternadamente a programação com informações detalhadas sobre os atos do presidente da República e as realizações do Estado. A arte popular e pontos turísticos também tinham espaço na programação diária, programas estes, lidos também como formas da atração de ouvintes. Os feitos da nacionalidade eram exaltados compondo recordações do passado. As peças de radioteatro e radionovelas enfocavam dramas históricos como a retirada da Laguna, a Abolição da Escravidão e a Proclamação da República GOMES, Ângela de Castro. A invenção do trabalhismo. p ; Capturado da internet, em 17 de setembro de 2007, através do sítio: 23 Revista BRHISTÓRIA, ano 1, nº5, p Capturado da internet no dia 17 de setembro de 2007, através do sítio:

8 Chile. 27 O Repórter Esso chegou a reboque da Política da Boa Vizinhança (Good Neighbor O programa Hora do Brasil ficou conhecido popularmente como o fala sozinho. Para desfazer essa imagem, o governo, através do jornal A manhã, realizava enquetes de opinião nas ruas da cidade, e implantava concursos populares de música, programas esportivos e outros, cujos resultados procuravam reforçar a impressão favorável do público O REPÓRTER ESSO O rádio jornal Repórter Esso ficou por quase trinta anos no ar, sua estréia ocorreu em 28 de agosto de 1941, poucos meses antes da participação brasileira na Segunda Guerra, e a última edição foi transmitida no dia 31 de dezembro de 1968, poucos meses antes de o homem pisar na Lua. Enquanto esteve no ar, o noticiário transmitiu os principais fatos sociais, políticos, econômicos, que se transformaram na história do mundo e do país. O Repórter Esso foi a primeira síntese noticiosa do planeta, concebida com caráter globalizante. O noticiário, patrocinado pela Standard Oil New Jersey (Esso) 26, foi idealizado pela agência de publicidade McCann-Erickson e produção da United Press Associations. O programa já existente nos Estados Unidos da América desde 1935 expandiu-se para outros países da América Latina em particular para o extremo sul: Brasil, Argentina, Uruguai e Policy), nos anos 30. Segundo Antônio Pedro Trota, durante o período do Entre-Guerras, o rádio tornou-se uma arma para a propagação dos ideais da Alemanha Nazista, já que era comum às colônias alemãs no extremo sul da América Latina se informarem do avanço das forças nazi-fascistas na Europa, a partir das ondas da rádio Berlim. Em defesa de seu território de atuação, na tentativa de manter sua área de influência e de recursos distantes dos estragos da guerra e da cooptação ideológica praticada por Hitler, Franklin Delano Roosevelt, copiando o seu predecessor Herbert Hoover, passa a investir na troca de informações, programas, artistas (como Carmem Miranda, Walt Disney criador do personagem Zé Carioca e Orson Welles), e trocas comerciais (basicamente matérias-primas Passim: Baum, Ana (org.): Vargas, agosto de 54: a história contada pelas ondas do rádio. Garamond, O que para Ana Baum compõem um paradoxo, haja vista que a multinacional Standard Oil ficou contra a campanha O Petróleo é Nosso, em 1953, vinculada pela Rádio Nacional e ainda assim, patrocinava o principal programa de notícias da emissora. Talvez este paradoxo seja alimentado pelo profundo nacionalismo existente no Brasil esta período. 27 KLÖCKNER, Luciano. O Repórter Esso e Getúlio Vargas. (IN): Baum, Ana (org.): Vargas, agosto de 54: a história contada pelas ondas do rádio. Garamond, p

9 como a borracha por eletrodomésticos), inaugurando o papel do rádio no cenário políticomilitar mundial, antes limitado às comunicações entre as divisões e o quartel general. 28 Sua função era, principalmente, veicular notícias com caráter positivo sobre o Brasil e Getúlio, tanto interna quanto externamente (devido à exportação de programas para a América Latina e os EUA), sendo vedado o aparecimento de informações ou posições políticas contrárias ao governo. Assim sendo, suas chamadas em média, de hora em hora faziam parte da programação da Agência Nacional de Informações. 5. A CULTURA POLÍTICA No regime getulista, a cultura foi politizada. Em vista disso temos que o governo criou seus próprios aparatos culturais, que difundiam a ideologia oficial para o conjunto da sociedade: No ramo dos periódicos, as revistas Cultura Política, Ciência Política, Estudos e Conferências. Entre os jornais e outras de caráter efêmero, vimos Brasil Novo e Planalto. Dirigida por Almir de Andrade, Cultura Política era a revista oficial, diretamente vinculada ao DIP. Foi um dos órgãos divulgadores do regime e reunia as elites intelectuais, enquanto a revista Ciência Política concentrava nomes de pouca projeção. Cabia ao pessoal da Cultura Política elaborar idéias e conceitos, enquanto o da Ciência Política encarregava-se de difundi-los através da educação cívica e militar. 29 Esta divisão do trabalho intelectual entre as revistas facilitou a cooptação dos intelectuais nacionais pelo regime autoritário de Vargas, o qual angariou a oposição de muitos escritores da época que não se enquadraram no regime, como Monteiro Lobato. 30 Circulando de março de 1941 até outubro de 1945, Cultura Política era uma publicação bem divulgada, vendida nas bancas de jornal do Rio de Janeiro e São Paulo. Seus colaboradores eram bem remunerados, recebendo normalmente o dobro do que pagavam as demais publicações. Sendo uma revista de estudos brasileiros, destinava-se a definir e esclarecer as transformações sócio-econômicas por que passava o país, relatando minuciosamente as realizações governamentais. A revista funcionava como uma espécie de central de informações bibliográficas, noticiando e resenhando todas as publicações sobre Vargas e o Estado Novo. Os intelectuais tinham um papel de fundamental importância na estruturação da nova ordem. Formadores da opinião pública, a eles cabia a função de unir governo e povo, 28 Passim: TOTA, Antônio Pedro. O imperialismo sedutor: a americanização do Brasil na época da Segunda Guerra. São Paulo: Companhia das Letras, Capturado da internet no dia 17 de setembro de 2007, através do sítio: 30 Revista BRHISTÓRIA, ano 1, nº5, p

10 traduzindo a voz da sociedade. A revista contava com a colaboração da nata da intelectualidade brasileira, abrigando as mais diversas correntes de pensamento. Entre seus colaboradores estavam os próprios ideólogos do regime: além de Almir de Andrade, Francisco Campos, Azevedo Amaral, Lourival Fontes e Cassiano Ricardo. Todavia, mesmo possuindo algumas idéias divergentes, Graciliano Ramos, Gilberto Freyre e Nelson Werneck Sodré também colaboraram com artigos. Era participar ou passar a ser considerado elemento subversivo contra o regime e o Brasil, sofrendo com prisões, perseguições, exílios e torturas constantes. Chama a atenção em Cultura Política seu alto grau de organização e eficiência no manejo da informação. Cada sessão era precedida de uma nota introdutória onde se explicitavam seus objetivos e princípios norteadores, seguindo-se notas bio-bibliográficas sobre os autores. Essas características da publicação mostram a eficácia do projeto ideológico estadonovista, evidenciando sua modernidade. 31 CONSIDERAÇÕES FINAIS Com o auxílio do Ministério da Educação, do Instituto Nacional de Cinema e Educação (INCE) e do Departamento de Imprensa e Propaganda (DIP), o regime autoritário do Estado Novo articulou uma dupla estratégia de atuação na área cultural, voltada tanto para as elites intelectuais como para as camadas populares: a busca de apoio dos últimos e o silêncio dos primeiros. Ao mesmo tempo em que incentivava a pesquisa e a reflexão conduzidas pelos intelectuais reunidos no ministério chefiado por Gustavo Capanema, o governo estabelecia rígida vigilância em relação às manifestações da cultura popular. 32 Assim, de 30 a 45, Getúlio Vargas sempre manteve uma relação de conflito com a imprensa. A propaganda do regime foi em sua totalidade, logicamente, positiva, influenciada pelo controle exercido pelo DIP e pelo Estado Novo, principalmente sobre o rádio e a imprensa escrita. Os problemas não eram resolvidos, apenas mascarados, como visto na citação da nossa introdução. Por fim, com a derrota dos regimes autoritários e o início de novos tempos mais democráticos; apesar da contradição do Brasil participar da guerra contra governos autoritários e possuir um, reforçado com a volta dos pracinhas que lutaram em Montese e 31 Capturado da internet no dia 17 de setembro de 2007, através do sítio: 32 Capturado da internet no dia 17 de setembro de 2007, através do sítio:

11 Monte Castelo; aliado ao descontentamento da imprensa com a censura prévia e o regime ditatorial de Getúlio Vargas que homogeneizava os pontos de vista, sua derrocada era previsível e foi incentivada pela mesma imprensa a qual Getúlio lançou mão para se promover. O seu principal instrumento tornou-se contra si próprio. ANEXO O Decreto Radiofônico: O artigo 7º do Decreto nº 5.077, de dezembro de 1939, determinava as bases para a divisão de radiodifusão do Departamento de Imprensa e Propaganda: levar aos ouvintes radiofônicos nacionais e estrangeiros, por intermédio da radiodifusão oficial, tudo o que possa fixar-lhes a atenção sobre as atividades brasileiras em todos os domínios do conhecimento humano (...); promover a cooperação da União, dos estados, dos municípios e dos particulares, de modo a generalizar e difundir o uso do rádio nas escolas e estabelecimentos industriais e agrícolas ; fazer a censura prévia de programas radiofônicos e de letras para serem musicadas ; organizar um programa denominado Hora do Brasil, que realizado diariamente, será obrigatoriamente retransmitido por todas as estações de broadcasting existentes no país ; irradiar, durante o programa a que se refere a alínea anterior, uma crônica que versará sobre tema brasileiro, cuja divulgação possa constituir assunto de interesse coletivo ; difundir, ampla e sistematicamente, na Hora do Brasil, números musicais e literários que manifestem o pensamento brasileiro ; organizar o intercâmbio artístico radiofônico regular com organizações oficias estrangeiras (...); incentivar através do rádio as relações comerciais entre o Brasil e os países estrangeiros, fornecendo aos mesmos dados estatísticos da nossa produção econômica, boletins comerciais e financeiros, bolsa do café e de outros produtos, devendo essas transmissões serem feitas em diversos idiomas, várias vezes por dia, em hora que a recepção seja mais fácil e cômoda aos ouvintes estrangeiros ; irradiar, diariamente, além da Hora do Brasil, um programa em idioma estrangeiro, (...) devendo esse programa, além de números musicais, comportar leitura de crônica sobre as

12 belezas naturais do Brasil, descrições pitorescas de regiões e cidades brasileiras, condições climatéricas do país e tudo que possa constituir atração para o turista ; levar através do rádio, às aglomerações que se acham situadas em zonas afastadas dos centros irradiadores de cultura do país, elementos capazes de aumentar o contingente de conhecimentos práticos necessários a uma evolução rápida, obedecendo às seguintes condições: 1) programas que facilitem a divulgação, de modo prático e atraente, das conquistas do homem em todos os ramos de suas atividades; 2) esses programas, a cargo de técnicos, compreenderão um serviço de consultas destinado a cooperar na resolução dos problemas que enfrenta diariamente o homem do interior; 3) entre outros assuntos, deverá tratar dos seguintes: agricultura, pecuária, indústria, comércio, higiene, puericultura, viação, mecânica, direito, odontologia, química, física, pesca, esportes, ciência doméstica, navegação, História do Brasil, literatura brasileira, línguas, rádio, história das artes, eletricidade e ofícios diversos; 4) essas matérias serão transmitidas em forma de cursos práticos ao alcance popular ; organizar programa radiofônico com o fim de divulgar os principais fatos da história do Brasil, assim como os feitos dos nossos grandes homens ; transmitir diariamente a súmula dos atos oficiais (...); autorizar previamente às emissoras nacionais a retransmissão de programas estrangeiros. 33 BIBLIOGRAFIA BAUM, Ana (org). Vargas, agosto de 54: a história contada pelas ondas do rádio. Rio de Janeiro: Garamond, CAMARGO, Aspásia et alii. O golpe silencioso. Rio de Janeiro: Rio Fundo Ed., CAPELATO, Maria Helena. Propaganda política e controle dos meios de comunicação. Cap 9. p , (IN): Dulce Pandolfi. Repensando o Estado Novo. Rio do Janeiro: Ed. FGV, CARONE, Edgar. O Estado Novo ( ). Rio de Janeiro: Ed. Bertrand Brasil S.A., 5º edição, GOMES, Ângela de Castro. A invenção do trabalhismo. Rio de Janeiro: IUPERJ, SKIDMORE, Thomas E. Brasil: de Getúlio Vargas a Castelo Branco, Rio de Janeiro; Paz e terra, TOTA, Antônio Pedro. O imperialismo sedutor: a americanização do Brasil na época da Segunda Guerra. São Paulo: Companhia das Letras, Revista BRHISTÓRIA, ano 1, nº5, São Paulo, Duetto editora. 33 Artigo 7º do Decreto nº 5.007, de dezembro de 1939, apud: MOREIRA, Sônia Virgínia. Getúlio Vargas e o rádio, convergência de histórias. (IN): Baum, Ana (org.): Vargas, agosto de 54: a história contada pelas ondas do rádio. Garamond, 2004, p , [grifos nossos].

13 SITES DA INTERNET PESQUISADOS

Revolução de 1930. Fatores: Crise de 1929. Movimento Tenentista. Resultado das eleições.

Revolução de 1930. Fatores: Crise de 1929. Movimento Tenentista. Resultado das eleições. Revolução de 1930 Revolução de 1930 Fatores: Crise de 1929. Movimento Tenentista. Resultado das eleições. Revolução de 1930 Responsável pelo fim da chamada Política café com leite Política café com leite

Leia mais

O discurso oficial brasileiro durante a II Guerra Mundial O Brasil se une para a Guerra 1

O discurso oficial brasileiro durante a II Guerra Mundial O Brasil se une para a Guerra 1 O discurso oficial brasileiro durante a II Guerra Mundial O Brasil se une para a Guerra 1 Fernanda dos Santos Bonet Aluna do mestrado do Programa de Pós-Graduação em História PUCRS. Bolsista da CAPES.

Leia mais

Linguagem Radiofônica Aula 2 História do rádio O Surgimento do Rádio

Linguagem Radiofônica Aula 2 História do rádio O Surgimento do Rádio Linguagem Radiofônica Aula 2 História do rádio O Surgimento do Rádio O desenvolvimento do rádio como MCM faz parte da expansão capitalista. Apesar do senso comum atribuir a invenção do rádio ao italiano

Leia mais

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA CELSO SUCKOW DA FONSECA

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA CELSO SUCKOW DA FONSECA CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA CELSO SUCKOW DA FONSECA ENSINO MÉDIO ÁREA CURRICULAR: CIÊNCIAS HUMANAS E SUAS TECNOLOGIAS DISCIPLINA: HISTÓRIA SÉRIE 1.ª CH 68 ANO 2012 COMPETÊNCIAS:. Compreender

Leia mais

Universidade Federal de Uberlândia Diretoria de Comunicação Social (Dirco) Políticas Públicas de Comunicação

Universidade Federal de Uberlândia Diretoria de Comunicação Social (Dirco) Políticas Públicas de Comunicação Universidade Federal de Uberlândia Diretoria de Comunicação Social Políticas Públicas de Comunicação...a presença ativa duma universidade, revigorada ao contato de seu núcleo mais vivo e ciosa do seu espaço

Leia mais

CRISE E RUPTURA NA REPÚBLICA VELHA. Os últimos anos da República Velha

CRISE E RUPTURA NA REPÚBLICA VELHA. Os últimos anos da República Velha CRISE E RUPTURA NA REPÚBLICA VELHA Os últimos anos da República Velha Década de 1920 Brasil - as cidades cresciam e desenvolviam * Nos grandes centros urbanos, as ruas eram bem movimentadas, as pessoas

Leia mais

Portifólio Regina Ramalho

Portifólio Regina Ramalho 1 Portifólio Regina Ramalho Diretora de Comunicação e Editora do Pró Trabalhador Aniger Comunicação janeiro de 2013 até o momento (1 ano 6 meses)aclimação Regina Ramalho- Estratégias de comunicação e Assessoria

Leia mais

PARECER Nº, DE 2012. RELATOR: Senador MOZARILDO CAVALCANTI I RELATÓRIO

PARECER Nº, DE 2012. RELATOR: Senador MOZARILDO CAVALCANTI I RELATÓRIO PARECER Nº, DE 2012 Da COMISSÃO DE EDUCAÇÃO, CULTURA E ESPORTES, sobre o Projeto de Lei da Câmara nº 65, de 2012 (Projeto de Lei nº 1.263, de 2003, na origem), de autoria do Deputado Leonardo Monteiro,

Leia mais

PROVA BIMESTRAL História

PROVA BIMESTRAL História 9 o ano 2 o bimestre PROVA BIMESTRAL História Escola: Nome: Turma: n o : Sobre a Revolução Russa de 1917, leia o texto a seguir e responda às questões 1 e 2. A reivindicação básica dos pobres da cidade

Leia mais

EXERCÍCIOS DE REVISÃO DE HISTÓRIA A ERA VARGAS-1930-1945

EXERCÍCIOS DE REVISÃO DE HISTÓRIA A ERA VARGAS-1930-1945 EXERCÍCIOS DE REVISÃO DE HISTÓRIA A ERA VARGAS-1930-1945 01) Sobre o Estado Novo (1937-1945), é incorreto afirmar que: a) Foi caracterizado por um forte intervencionismo estatal. b) Criou órgãos de censura

Leia mais

Exerc ícios de Revisão Aluno(a): Nº:

Exerc ícios de Revisão Aluno(a): Nº: Exerc íciosde Revisão Aluno(a): Nº: Disciplina:HistóriadoBrasil Prof(a).:Cidney Data: deagostode2009 2ªSériedoEnsinoMédio Turma: Unidade:Nilópolis 01. QuerPortugallivreser, EmferrosqueroBrasil; promoveaguerracivil,

Leia mais

CONCORRÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE ASSESSORIA DE IMPRENSA

CONCORRÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE ASSESSORIA DE IMPRENSA CONCORRÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE ASSESSORIA DE IMPRENSA Período de Execução: 2012 www.reedalcantara.com.br BRIEFING Reed Exhibitions PERFIL A Reed Exhibitions A Reed Exhibitions é a principal organizadora

Leia mais

Período Democrático e o Golpe de 64

Período Democrático e o Golpe de 64 Período Democrático e o Golpe de 64 GUERRA FRIA (1945 1990) Estados Unidos X União Soviética Capitalismo X Socialismo Governo de Eurico Gaspar Dutra (1946 1950) Período do início da Guerra Fria Rompimento

Leia mais

Getúlio Vargas e a Era Vargas

Getúlio Vargas e a Era Vargas Getúlio Vargas e a Era Vargas http://www.suapesquisa.com/vargas/ AGOSTO RUBEM FONSECA Getúlio Vargas e a Era Vargas: ASPECTOS A RESSALTAR Vida de Getúlio Vargas; Revolução

Leia mais

OBJETIVOS E ORGANIZAÇÃO

OBJETIVOS E ORGANIZAÇÃO CONSELHO NACIONAL DO TRABALHO (CNT) Órgão criado pelo Decreto nº 16.027, de 30 de abril de 1923, vinculado ao Ministério da Agricultura, Indústria e Comércio e destinado à consulta dos poderes públicos

Leia mais

FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS CURSO DE DIREITO VESTIBULAR 2009 PROVA DE HISTÓRIA. Fase 1

FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS CURSO DE DIREITO VESTIBULAR 2009 PROVA DE HISTÓRIA. Fase 1 FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS CURSO DE DIREITO VESTIBULAR 2009 PROVA DE HISTÓRIA Fase 1 Novembro 2008 INTRODUÇÃO Na prova de História de 2009 foi possível concretizar vários dos objetivos do programa do Vestibular.

Leia mais

O PLANEJAMENTO ECONÔMICO E A ARTICULAÇÃO REGIONAL *

O PLANEJAMENTO ECONÔMICO E A ARTICULAÇÃO REGIONAL * O PLANEJAMENTO ECONÔMICO E A ARTICULAÇÃO REGIONAL * Lúcio Alcântara ** Durante o dia de hoje estaremos dando continuidade aos debates que vêm sendo realizados desde o início do governo Lula sobre a reestruturação

Leia mais

HISTÓRIA DO LEGISLATIVO

HISTÓRIA DO LEGISLATIVO HISTÓRIA DO LEGISLATIVO Maurício Barbosa Paranaguá Seção de Projetos Especiais Goiânia - 2015 Origem do Poder Legislativo Assinatura da Magna Carta inglesa em 1215 Considerada a primeira Constituição dos

Leia mais

VESTIBULAR 2011 1ª Fase HISTÓRIA GRADE DE CORREÇÃO

VESTIBULAR 2011 1ª Fase HISTÓRIA GRADE DE CORREÇÃO VESTIBULAR 2011 1ª Fase HISTÓRIA GRADE DE CORREÇÃO A prova de História é composta por três questões e vale 10 pontos no total, assim distribuídos: Questão 1 3 pontos (sendo 1 ponto para o subitem A, 1,5

Leia mais

Departamento de Políticas de Comunicação. Gerência de Patrocínio

Departamento de Políticas de Comunicação. Gerência de Patrocínio Departamento de Políticas de Comunicação Gerência de Patrocínio PRINCIPAIS ATRIBUIÇÕES DO DEPARTAMENTO Implementar as estratégias de comunicação para o Sistema BNDES, divulgando sua atuação e programas;

Leia mais

Projeto de Lei de Iniciativa Popular para uma mídia Democrática

Projeto de Lei de Iniciativa Popular para uma mídia Democrática Projeto de Lei de Iniciativa Popular para uma mídia Democrática Comunicação é um direito de todos No Brasil, os meios de comunicação estão concentrados nas mãos de poucas empresas familiares que têm a

Leia mais

Referências Bibliográficas:

Referências Bibliográficas: Referências Bibliográficas: Fontes Primárias: Arquivo CPDOC: Arquivo Getúlio Vargas (GV). VARGAS, Getúlio. A campanha presidencial. São Paulo: Livraria José Olympio Editora, 1951. Arquivo Edgard Leuenroth:

Leia mais

Área de Comunicação. Tecnologia em. Produção Multimídia

Área de Comunicação. Tecnologia em. Produção Multimídia Área de Comunicação Produção Multimídia Curta Duração Produção Multimídia Carreira em Produção Multimídia O curso superior de Produção Multimídia da FIAM FAAM forma profissionais preparados para o mercado

Leia mais

Sistema de Gerenciamento da Informação. Mais informação, mais conteúdo, em menos tempo. Mais negócios, mais sucesso profissional.

Sistema de Gerenciamento da Informação. Mais informação, mais conteúdo, em menos tempo. Mais negócios, mais sucesso profissional. Sistema de Gerenciamento da Informação Mais informação, mais conteúdo, em menos tempo. Mais negócios, mais sucesso profissional. O tempo sumiu-1 8 horas dormir; 8 horas trabalhar; 1,5 hora no trânsito;

Leia mais

CRONOLOGIA DA RÁDIO APARECIDA

CRONOLOGIA DA RÁDIO APARECIDA CRONOLOGIA DA RÁDIO APARECIDA 1951 - Pe. Humberto Pieroni se tornou o primeiro diretor da Rádio. Criado o Programa Os Ponteiros Apontam para o Infinito que ganhou notoriedade com o Pe. Vitor Coelho de

Leia mais

"Aqui Também é Portugal"

Aqui Também é Portugal A 337669 "Aqui Também é Portugal" A Colónia Portuguesa do Brasil e o Salazarismo Heloísa Paulo Quarteto 2000 índice Prefácio 13 Introdução 17 Parte I A visão da emigração e do emigrante no ideário salazarista

Leia mais

A INFORMAÇÃO E A COMUNICAÇÃO CIENTÍFICA NA FIOCRUZ

A INFORMAÇÃO E A COMUNICAÇÃO CIENTÍFICA NA FIOCRUZ A INFORMAÇÃO E A COMUNICAÇÃO CIENTÍFICA NA FIOCRUZ Paulo Gadelha Vice-presidente de Desenvolvimento Institucional e Gestão do Trabalho Fundação Oswaldo Cruz 1900: Instituto Soroterápico Federal Objetivo

Leia mais

Aula 10.1. Avaliação da Unidade II Pontuação: 7,5 pontos

Aula 10.1. Avaliação da Unidade II Pontuação: 7,5 pontos Aula 10.1 Avaliação da Unidade II Pontuação: 7,5 pontos 1ª QUESTÃO (1,0) Em seu discurso de despedida do Senado, em dezembro de 1994, o presidente Fernando Henrique Cardoso anunciou o fim da Era Vargas,

Leia mais

SÉCULO XVII A INGLATERRA INCENTIVOU A COLONIZAÇÃO DAS TERRAS NORTE- AMERICANAS INCENTIVANDO A VINDA DE EMIGRANTES INGLESES

SÉCULO XVII A INGLATERRA INCENTIVOU A COLONIZAÇÃO DAS TERRAS NORTE- AMERICANAS INCENTIVANDO A VINDA DE EMIGRANTES INGLESES A GUERRA DE INDEPENDÊNCIA DOS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA ANTECEDENTES SÉCULO XVII A INGLATERRA INCENTIVOU A COLONIZAÇÃO DAS TERRAS NORTE- AMERICANAS INCENTIVANDO A VINDA DE EMIGRANTES INGLESES NESSA ÉPOCA

Leia mais

Professor Tiago / 9º Ano / 3º Trimestre / História

Professor Tiago / 9º Ano / 3º Trimestre / História Professor Tiago / 9º Ano / 3º Trimestre / História 1. Assinale V(verdadeira) e F(falsa): a) ( ) Em 1929, o mundo capitalista enfrentou grave crise econômica, causada principalmente pelo crescimento exagerado

Leia mais

Marcele Bastos. o Graduada em Comunicação Social - Relações Públicas. Fundamentos de marketing. o Especialista em Gestão - ênfase em Marketing

Marcele Bastos. o Graduada em Comunicação Social - Relações Públicas. Fundamentos de marketing. o Especialista em Gestão - ênfase em Marketing o Especialista em Gestão - ênfase em Marketing o Graduada em Comunicação Social - Relações Públicas o Docente universitária na disciplina Fundamentos de marketing o 12 anos de experiência em comunicação

Leia mais

Período Populista (1945/64)

Período Populista (1945/64) Período Populista (1945/64) INTRODUÇÃO Período de Democracia, sem censura e eleições direta (o( o povo vota) para presidente. O mundo encontrava-se no Período de Guerra Fria : Capitalistas (EUA) X Socialistas

Leia mais

TEXTO 1. 1.Texto de problematização:

TEXTO 1. 1.Texto de problematização: TEXTO 1 1.Texto de problematização: A partir de 1922, o quadro começa a se modificar. Apesar dos presidentes Arthur Bernardes e Washington Luís pertencerem ainda ao esquema do café com leite, a nova situação

Leia mais

COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA

COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA PROJETO DE LEI Nº 5.269, DE 2001 (Apensos os Pls. 2.134/96, 2.415/96, 3.046/97, 3.422/97, 4.052/98, 4.360/98, 1.568/99, 2.029/99, 2.089/99, 2.507/00, 3.573/00, 3.235/00,

Leia mais

Aula 14 Regime Militar Prof. Dawison Sampaio

Aula 14 Regime Militar Prof. Dawison Sampaio Aula 14 Regime Militar 1 Contexto do Regime Militar Contexto interno: Colapso do Populismo (polêmica das Ref. de Base) Contexto externo: Guerra Fria e os interesses dos EUA (risco de cubanização do Brasil

Leia mais

O PROCESSO DE REESTRUTURAÇÃO PRODUTIVA NO BRASIL E AS MODIFICAÇÕES DA ECONOMIA GOIANA PÓS DÉCADA DE 1960.

O PROCESSO DE REESTRUTURAÇÃO PRODUTIVA NO BRASIL E AS MODIFICAÇÕES DA ECONOMIA GOIANA PÓS DÉCADA DE 1960. O PROCESSO DE REESTRUTURAÇÃO PRODUTIVA NO BRASIL E AS MODIFICAÇÕES DA ECONOMIA GOIANA PÓS DÉCADA DE 1960. Glauber Lopes Xavier 1, 3 ; César Augustus Labre Lemos de Freitas 2, 3. 1 Voluntário Iniciação

Leia mais

A América Latina na Guerra Fria A ditadura militar no Brasil

A América Latina na Guerra Fria A ditadura militar no Brasil ID/ES Tão perto e ainda tão distante A 90 milhas de Key West. Visite Cuba. Cartão postal de 1941, incentivando o turismo em Cuba. 1 Desde a Revolução de 1959, Cuba sofre sanções econômicas dos Estados

Leia mais

Linha Editorial da Agência de Notícias

Linha Editorial da Agência de Notícias UFRB UNIVERSIDADE FEDERAL DO RECÔNCAVO DA BAHIA GABINETE DA REITORIA ASCOM ASSESSORIA DE COMUNICAÇÃO Linha Editorial da Agência de Notícias Cruz das Almas BA 2012 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO...3 2. RESPONSABILIDADE...3

Leia mais

Era Vargas: mudando os rumos da história

Era Vargas: mudando os rumos da história Era Vargas: mudando os rumos da história Conteúdos que serão abordados: O início da era Vargas; Crise na República Velha; 1930: Golpe ou Revolução?; Governo ConsDtucional; Direita X Esquerda; Golpe de

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Diário da República, 1.ª série N.º 82 28 de Abril de 2010 1461

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Diário da República, 1.ª série N.º 82 28 de Abril de 2010 1461 Diário da República, 1.ª série N.º 82 28 de Abril de 2010 1461 Através do Decreto -Lei n.º 212/2006, de 27 de Outubro (Lei Orgânica do Ministério da Saúde), e do Decreto -Lei n.º 221/2007, de 29 de Maio,

Leia mais

A nova centralização: o Estado Novo - II

A nova centralização: o Estado Novo - II A nova centralização: o Estado Novo - II A UU L AL A Na aula anterior, você viu como Getúlio Vargas organizou o regime do Estado Novo, em sua face política, cultural e social. Nesta aula, você verá em

Leia mais

Propaganda ideológica. Baseado no livro: O que é Propaganda Ideológica de Nelson Jahr Garcia

Propaganda ideológica. Baseado no livro: O que é Propaganda Ideológica de Nelson Jahr Garcia Propaganda ideológica Baseado no livro: O que é Propaganda Ideológica de Nelson Jahr Garcia Propagandas: comerciais e eleitorais Estão em todo parte: televisão, rádio, cartazes; veículos; objetos... As

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO PUBLICIDADE E PROPAGANDA GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS

CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO PUBLICIDADE E PROPAGANDA GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO PUBLICIDADE E PROPAGANDA GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS Cultura Brasileira 1º PERÍODO O fenômeno cultural. Cultura(s) no Brasil. Cultura regional e

Leia mais

Temas Governo de Vargas 1930-1945), Populismo (1945-1964) Ditadura Militar (1964-1985) e República Nova (Redemocratização do Brasil) (1985-2010)

Temas Governo de Vargas 1930-1945), Populismo (1945-1964) Ditadura Militar (1964-1985) e República Nova (Redemocratização do Brasil) (1985-2010) Trabalho de História Recuperação _3ºAno Professor: Nara Núbia de Morais Data / /2014 Aluno: nº Ens. Médio Valor: 40 Nota: Temas Governo de Vargas 1930-1945), Populismo (1945-1964) Ditadura Militar (1964-1985)

Leia mais

Publicidade Legal x Publicidade Institucional

Publicidade Legal x Publicidade Institucional Aperfeiçoamento em Licitações Públicas e Contratos Administrativos Módulo 6: Contratação de serviços de publicidade Edinando Brustolin Graduado e mestre em Direito pela UFSC. Assessor jurídico da Federação

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE CENTRO DE COMUNICAÇÃO E LETRAS Coordenação do Curso de Jornalismo REGULAMENTO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE CENTRO DE COMUNICAÇÃO E LETRAS Coordenação do Curso de Jornalismo REGULAMENTO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES REGULAMENTO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES Regulamenta as Atividades Complementares do Curso de Jornalismo do Centro de Comunicação e Letras da Universidade Presbiteriana Mackenzie CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO

Leia mais

Golpe Militar: As Mudanças na Grade Curricular do Estado de Santa Catarina. múltiplas dimensões foram pouco analisadas de forma globalmente

Golpe Militar: As Mudanças na Grade Curricular do Estado de Santa Catarina. múltiplas dimensões foram pouco analisadas de forma globalmente Golpe Militar: As Mudanças na Grade Curricular do Estado de Santa Catarina. RESUMO O Regime Militar brasileiro, implantado por um golpe de Estado em 1964, durou vinte e um anos e mudou a face do país.

Leia mais

Cultura Oficina Litoral Sustentável

Cultura Oficina Litoral Sustentável Cultura Oficina Litoral Sustentável 1 ESTRUTURA DA AGENDA REGIONAL E MUNICIPAIS 1. Princípios 2. Eixos 3. Diretrizes 4. Ações 4.1 Natureza das ações (planos, projetos, avaliação) 4.2 Mapeamento de Atores

Leia mais

Escola de Formação Política Miguel Arraes. Módulo I História da Formação Política Brasileira. Aula 2 A História do Brasil numa dimensão ética

Escola de Formação Política Miguel Arraes. Módulo I História da Formação Política Brasileira. Aula 2 A História do Brasil numa dimensão ética LINHA DO TEMPO Módulo I História da Formação Política Brasileira Aula 2 A História do Brasil numa dimensão ética SEC XV SEC XVIII 1492 A chegada dos espanhóis na América Brasil Colônia (1500-1822) 1500

Leia mais

Prof. Thiago Oliveira

Prof. Thiago Oliveira Prof. Thiago Oliveira Depois da 2ª Guerra Mundial o Brasil passou por um período de grandes transformações no campo da política, economia e sociedade, superando o Estado Novo de Getúlio e experimentando

Leia mais

Área de Comunicação. Tecnologia em. Produção Publicitária

Área de Comunicação. Tecnologia em. Produção Publicitária Área de Comunicação Tecnologia em Produção Publicitária Curta Duração Tecnologia em Produção Publicitária CARREIRA EM PRODUÇÃO PUBLICITÁRIA Nos últimos anos, a globalização da economia e a estabilização

Leia mais

Fomento à Inovação e Negócios em Ciências da Vida em Belo Horizonte

Fomento à Inovação e Negócios em Ciências da Vida em Belo Horizonte Fomento à Inovação e Negócios em Ciências da Vida em Belo Horizonte Atração de Investimentos, Promoção Comercial e Projeção Internacional Eduardo Bernis Secretaria Municipal de Desenvolvimento Belo Horizonte

Leia mais

Projeto Cultura Solidária

Projeto Cultura Solidária Projeto Cultura Solidária Concurso Literário Antônio Sérgio da Silva Arouca Tema: Vivências e Superação HOMENAGEM PÓSTUMA Nesta primeira edição do concurso pretendemos fazer uma justa homenagem ao médico

Leia mais

Associação Brasileira de Imprensa. Regulamentação Profissional 19/11/2010

Associação Brasileira de Imprensa. Regulamentação Profissional 19/11/2010 Associação Brasileira de Imprensa Regulamentação Profissional Normas trabalhistas para o exercício do Jornalismo 07/04/1908 criação da Associação Brasileira de Imprensa (ABI) no Rio de Janeiro. A ABI é

Leia mais

DADOS. Histórico de lutas

DADOS. Histórico de lutas MULHERES O partido Solidariedade estabeleceu políticas participativas da mulher. Isso se traduz pela criação da Secretaria Nacional da Mulher e por oferecer a esta Secretaria completa autonomia. Acreditamos

Leia mais

Centro Universitário De Belo Horizonte (Uni-Bh) Atividades Complementares De Graduação (ACGS)

Centro Universitário De Belo Horizonte (Uni-Bh) Atividades Complementares De Graduação (ACGS) 1 Centro Universitário De Belo Horizonte (Uni-Bh) Atividades Complementares De Graduação (ACGS) 1. Das Atividades Complementares De Graduação Entende-se como Atividades Complementares de Graduação (ACGs)

Leia mais

Campanha Multimédia de Promoção e Educação

Campanha Multimédia de Promoção e Educação Campanha Multimédia de Promoção e Educação O seguinte é uma campanha anual de promoção usando variedade de táticas para alcançar grandes grupos de dentistas através de técnicas sofisticadas de publicidade,

Leia mais

:: C A N A L B A N D N E W S ::

:: C A N A L B A N D N E W S :: :: TABELA DE PREÇOS :: JANEIRO JANEIRO 2013 2011 :: C A N A L B A N D N E W S :: SKY, NET, Claro TV, Oi Tv e independentes, alcança mais de 10.800.000 assinantes. SEXO 4 IDADE CLASSE SOCIAL DIA INÍCIO

Leia mais

A participação do rádio no cotidiano da sociedade brasileira (1923-1960)

A participação do rádio no cotidiano da sociedade brasileira (1923-1960) A participação do rádio no cotidiano da sociedade brasileira (1923-1960) Lia Calabre NO APAGAR DAS LUZES DO SÉCULO XX, podemos dizer que este foi o tempo da revolução das formas de comunicação à distância.

Leia mais

Televisão brasileira: o início da problemática 1

Televisão brasileira: o início da problemática 1 Televisão brasileira: o início da problemática 1 AUTOR: QUINTANA JÚNIOR, José CURSO: Comunicação Social Jornalismo/Unifra, Santa Maria, RS OBRA: CAPARELLI, Sérgio. Televisão e capitalismo no Brasil: com

Leia mais

PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO Nº, DE 2009

PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO Nº, DE 2009 PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO Nº, DE 2009 Acrescenta o art. 220-A à Constituição Federal, para dispor sobre a exigência do diploma de curso superior de comunicação social, habilitação jornalismo, para

Leia mais

II. Atividades de Extensão

II. Atividades de Extensão REGULAMENTO DO PROGRAMA DE EXTENSÃO I. Objetivos A extensão tem por objetivo geral tornar acessível, à sociedade, o conhecimento de domínio da Faculdade Gama e Souza, seja por sua própria produção, seja

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE LiteraRádio. Rádio. Literatura. Introdução

PALAVRAS-CHAVE LiteraRádio. Rádio. Literatura. Introdução 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( x ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO

Leia mais

João Goulart organizou a reforma agrária, direito ao voto, intervenção estatal e economia de regulamentação de remessas de lucro ao exterior.

João Goulart organizou a reforma agrária, direito ao voto, intervenção estatal e economia de regulamentação de remessas de lucro ao exterior. Resenha Crítica CARA MILINE Soares é arquiteta e doutora em Design pela Faculdade de Arquitetura e Urbanismo na Universidade de São Paulo (FAU-USP). É autora do ensaio já publicado: Móveis Brasileiros

Leia mais

Em busca do arquivo perdido: a Assessoria Especial de Segurança e Informação da Universidade Federal do Espírito Santo (AESI/Ufes).

Em busca do arquivo perdido: a Assessoria Especial de Segurança e Informação da Universidade Federal do Espírito Santo (AESI/Ufes). Em busca do arquivo perdido: a Assessoria Especial de Segurança e Informação da Universidade Federal do Espírito Santo (AESI/Ufes). RESUMO: O principal objetivo deste artigo é apresentar os problemas relacionados

Leia mais

Tribunal do Trabalho da Paraíba 13ª Região

Tribunal do Trabalho da Paraíba 13ª Região Tribunal do Trabalho da Paraíba 13ª Região Apresentação 1.Identificação do órgão:tribunal do Trabalho da Paraíba/ Assessoria de Comunicação Social 2.E-mail para contato:rdaguiar@trt13.jus.br, rosa.jp@terra.com.br

Leia mais

MODERNIZAÇÃO E CULTURA POLÍTICA NOS CICLOS DE ESTUDOS DA ADESG EM SANTA CATARINA (1970-75) Michel Goulart da Silva 1

MODERNIZAÇÃO E CULTURA POLÍTICA NOS CICLOS DE ESTUDOS DA ADESG EM SANTA CATARINA (1970-75) Michel Goulart da Silva 1 MODERNIZAÇÃO E CULTURA POLÍTICA NOS CICLOS DE ESTUDOS DA ADESG EM SANTA CATARINA (1970-75) Michel Goulart da Silva 1 INTRODUÇÃO Este projeto tem como problema de pesquisa a relação entre os ciclos de estudos

Leia mais

A CULTURA NA CIDADE DO RIO DE JANEIRO NA DÉCADA DE 70

A CULTURA NA CIDADE DO RIO DE JANEIRO NA DÉCADA DE 70 A CULTURA NA CIDADE DO RIO DE JANEIRO NA DÉCADA DE 70 JUNIOR, Carlos de Faria 1 FERNANDES, Priscila Mendonça 2 Palavras-Chave: Indústria Cultural. Regime Militar. Telenovelas. Introdução O projeto consiste

Leia mais

Integrada de Marketing. UNIBAN Unidade Marte Disciplina: Planejamento de Campanha Prof. Me. Francisco Leite Aulas: 31.03.11

Integrada de Marketing. UNIBAN Unidade Marte Disciplina: Planejamento de Campanha Prof. Me. Francisco Leite Aulas: 31.03.11 O Planejamento de Comunicação Integrada de Marketing UNIBAN Unidade Marte Disciplina: Planejamento de Campanha Prof. Me. Francisco Leite Aulas: 31.03.11 Agenda: Planejamento de Comunicação Integrada de

Leia mais

O LAZER NO BRASIL: DE GETÚLIO VARGAS À GLOBALIZAÇÃO

O LAZER NO BRASIL: DE GETÚLIO VARGAS À GLOBALIZAÇÃO O LAZER NO BRASIL: DE GETÚLIO VARGAS À GLOBALIZAÇÃO Renata Ferreira dos Santos Universidade de São Paulo São Paulo SP Brasil Partindo da premissa que o desenvolvimento das práticas de lazer acompanha o

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 067, DE 2011

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 067, DE 2011 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 067, DE 2011 Regulamenta o exercício das profissões de transcritor e de revisor de textos em braille. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art. 1º Na produção de textos no sistema

Leia mais

Entre esses eventos, destacam-se, recentemente:

Entre esses eventos, destacam-se, recentemente: Resumo Com a criação do Ministério do Turismo em 2003, o Brasil passa a ter, pela primeira vez em sua história, um ministério voltado exclusivamente para a atividade turística. A partir de então a Embratur

Leia mais

O teatro em questão: um balanço sobre as experiências da Comissão e do Serviço Nacional de Teatro (1936-1945)

O teatro em questão: um balanço sobre as experiências da Comissão e do Serviço Nacional de Teatro (1936-1945) O teatro em questão: um balanço sobre as experiências da Comissão e do Serviço Nacional de Teatro (1936-1945) Angélica Ricci Camargo Resumo: Resultado de nossa pesquisa de mestrado, este trabalho tem o

Leia mais

O TEATRO EM QUESTÃO: UM BALANÇO SOBRE AS EXPERIÊNCIAS DA COMISSÃO E DO SERVIÇO NACIONAL DE TEATRO (1936-1945) Angélica Ricci Camargo 1

O TEATRO EM QUESTÃO: UM BALANÇO SOBRE AS EXPERIÊNCIAS DA COMISSÃO E DO SERVIÇO NACIONAL DE TEATRO (1936-1945) Angélica Ricci Camargo 1 O TEATRO EM QUESTÃO: UM BALANÇO SOBRE AS EXPERIÊNCIAS DA COMISSÃO E DO SERVIÇO NACIONAL DE TEATRO (1936-1945) Angélica Ricci Camargo 1 RESUMO: Resultado de nossa pesquisa de mestrado, este trabalho tem

Leia mais

UESB ASSESSORIA DE COMUNICACAO

UESB ASSESSORIA DE COMUNICACAO ASSESSORIA DE COMUNICACAO Assessoria de Comunicacão 14. ASSESSORIA DE COMUNICAÇÃO No ano de 2007, a Assessoria de Comunicação (Ascom) da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia deu prosseguimento ao

Leia mais

Art. 1º - A concessão de bolsas de estudo para os alunos regularmente matriculados no PPgCO terá a vigência de doze (12) meses.

Art. 1º - A concessão de bolsas de estudo para os alunos regularmente matriculados no PPgCO terá a vigência de doze (12) meses. RESOLUÇÃO N O 01/201 PPgCO Regulamenta a distribuição de bolsas de estudo no Programa de Pós-Graduação em Clínica Odontológica, quanto à concessão, manutenção, duração e cancelamento da bolsa. O Colegiado

Leia mais

Capital- Montevidéu. Língua oficial: Espanhol. Governo: República presidencialista. Presidente: José Mujica. Vice-presidente: Danilo Astori

Capital- Montevidéu. Língua oficial: Espanhol. Governo: República presidencialista. Presidente: José Mujica. Vice-presidente: Danilo Astori Capital- Montevidéu Língua oficial: Espanhol Governo: República presidencialista Presidente: José Mujica Vice-presidente: Danilo Astori PIB(nominal)- estimativa de 2014, US$ 58,569 bilhões IDH: 0,790 (50

Leia mais

e Inovação Contemporâneas

e Inovação Contemporâneas DOCUMENTO RESULTANTE DO Simpósio Ciências Humanas e Sociais nas Políticas de Ciência, Tecnologia e Inovação Contemporâneas Realizado pelo Fórum de Ciências Humanas, Ciências Sociais e Ciências Sociais

Leia mais

Guia Multilíngüe de Informações Cotidianas

Guia Multilíngüe de Informações Cotidianas Para poder permanecer em território japonês é necessário ter o visto de permanência. Existem 27 tipos de vistos e, cada qual tem prazos e tipos de atividades permitidas diferenciadas. 1 Tipos de visto

Leia mais

b) vantagens e desvantagens para o usuário que acessa Internet grátis comparadas aos serviços oferecidos pelos provedores pagos.

b) vantagens e desvantagens para o usuário que acessa Internet grátis comparadas aos serviços oferecidos pelos provedores pagos. Questão nº 1 I. Seleção de dados relevantes para o assunto em pauta, comparação, hierarquização. Devem aparecer nos textos: a) a Internet grátis desafia os provedores estabelecidos. Ressaltar as posições

Leia mais

O CONGRESSO NACIONAL decreta:

O CONGRESSO NACIONAL decreta: Altera a Lei nº 10.683, de 28 de maio de 2003, que dispõe sobre a organização da Presidência da República e dos Ministérios; autoriza a prorrogação de contratos temporários firmados com fundamento no art.

Leia mais

17º FESTIVAL BRASILEIRO DE CINEMA UNIVERSITÁRIO. 06.08 a 12.08 Rio de Janeiro 13.08 a 19.08 São Paulo

17º FESTIVAL BRASILEIRO DE CINEMA UNIVERSITÁRIO. 06.08 a 12.08 Rio de Janeiro 13.08 a 19.08 São Paulo 17º FESTIVAL BRASILEIRO DE CINEMA UNIVERSITÁRIO 06.08 a 12.08 Rio de Janeiro 13.08 a 19.08 São Paulo APRESENTAÇÃO O 17º Festival Brasileiro de Cinema Universitário acontecerá de 6 a 12 de agosto de 2012,

Leia mais

UM NOVO OLHAR SOBRE O DIP: UMA REVOLUÇÃO NA ARTE DA PROPAGANDA E DO MARKETING CULTURAL

UM NOVO OLHAR SOBRE O DIP: UMA REVOLUÇÃO NA ARTE DA PROPAGANDA E DO MARKETING CULTURAL UM NOVO OLHAR SOBRE O DIP: UMA REVOLUÇÃO NA ARTE DA PROPAGANDA E DO MARKETING CULTURAL ANJOS, Carlos Versiani dos. Mestre em História Social pela USP Faculdade Pitágoras Belo Horizonte Minas Gerais RESUMO

Leia mais

MESTRADOS PROFISSIONAIS COMO ESTRATÉGIA DE FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA

MESTRADOS PROFISSIONAIS COMO ESTRATÉGIA DE FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA MESTRADOS PROFISSIONAIS COMO ESTRATÉGIA DE FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA Maria Cristina Araújo de Oliveira UFJF mcrisoliveira6@gmail.com Resumo: O artigo apresenta um breve panorama

Leia mais

Resenha. Qual a lógica das políticas de comunicação no Brasil? César Ricardo Siqueira Bolaño, São Paulo: Editora Paulus, 2007, 124 p.

Resenha. Qual a lógica das políticas de comunicação no Brasil? César Ricardo Siqueira Bolaño, São Paulo: Editora Paulus, 2007, 124 p. Resenha Qual a lógica das políticas de comunicação no Brasil? César Ricardo Siqueira Bolaño, São Paulo: Editora Paulus, 2007, 124 p. Naná Garcez de Castro DÓRIA 1 Qual a lógica das políticas de comunicação

Leia mais

Provão. História 5 o ano

Provão. História 5 o ano Provão História 5 o ano 61 Os reis portugueses governaram o Brasil à distância, até o século XIX, porém alguns acontecimentos na Europa mudaram essa situação. Em que ano a família real portuguesa veio

Leia mais

Centro Universitário De Belo Horizonte (Uni-Bh) Atividades Complementares De Graduação (ACGS)

Centro Universitário De Belo Horizonte (Uni-Bh) Atividades Complementares De Graduação (ACGS) 1 Centro Universitário De Belo Horizonte (Uni-Bh) Atividades Complementares De Graduação (ACGS) 1. Das Atividades Complementares De Graduação Entende-se como Atividades Complementares de Graduação (ACGs)

Leia mais

Jornalismo Cidadão: o voluntariado no aprendizado com a AIDS 1

Jornalismo Cidadão: o voluntariado no aprendizado com a AIDS 1 Jornalismo Cidadão: o voluntariado no aprendizado com a AIDS 1 Juliana Paul MOSTARDEIRO 2 Rondon Martim Souza de CASTRO 3 Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, RS. RESUMO O Projeto Jornalismo

Leia mais

Jornalismo cultural na internet e a proposta do site Movamente 1

Jornalismo cultural na internet e a proposta do site Movamente 1 Jornalismo cultural na internet e a proposta do site Movamente 1 Letícia BARROSO 2 Thaís PEIXOTO 3 Centro Universitário Fluminense Campus II- Campos/RJ RESUMO: A falta de espaço nos veículos convencionais

Leia mais

CENTRO POPULAR DE CULTURA DO PARANÁ (1959-1964): ENCONTROS E DESENCONTROS ENTRE ARTE, EDUCAÇÃO E POLÍTICA. Resumo

CENTRO POPULAR DE CULTURA DO PARANÁ (1959-1964): ENCONTROS E DESENCONTROS ENTRE ARTE, EDUCAÇÃO E POLÍTICA. Resumo CENTRO POPULAR DE CULTURA DO PARANÁ (1959-1964): ENCONTROS E DESENCONTROS ENTRE ARTE, EDUCAÇÃO E POLÍTICA Ana Carolina Caldas Mestra em História de Educação UFPR Resumo Este artigo é parte da dissertação

Leia mais

Introdução. Aspectos Sociais, Políticos e Econômicos na Era Vargas 1930-1945

Introdução. Aspectos Sociais, Políticos e Econômicos na Era Vargas 1930-1945 Introdução Este artigo tem como objetivo caracterizar o período da historia brasileira no período do governo de Getulio Vargas entre os anos de 1930 e 1945, os acontecimentos dentro e fora do país e algumas

Leia mais

FONTES PRIMÁRIAS SOBRE A HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO NO BRASIL: BOLETINS E CIRCULARES DO APOSTOLADO POSITIVISTA (1881-1927) APRESENTAÇÃO

FONTES PRIMÁRIAS SOBRE A HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO NO BRASIL: BOLETINS E CIRCULARES DO APOSTOLADO POSITIVISTA (1881-1927) APRESENTAÇÃO FONTES PRIMÁRIAS SOBRE A HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO NO BRASIL: BOLETINS E CIRCULARES DO APOSTOLADO POSITIVISTA (1881-1927) APRESENTAÇÃO João Carlos da Silva 1 A produção da IPB reúne uma farta publicação de

Leia mais

CIÊNCIAS HUMANAS E SUAS TECNOLOGIAS Próximo HISTÓRIA O BRASIL, O MUNDO E A PAZ NUCLEAR. Caderno 10» Capítulo 4. www.sejaetico.com.

CIÊNCIAS HUMANAS E SUAS TECNOLOGIAS Próximo HISTÓRIA O BRASIL, O MUNDO E A PAZ NUCLEAR. Caderno 10» Capítulo 4. www.sejaetico.com. CIÊNCIAS HUMANAS E SUAS TECNOLOGIAS HISTÓRIA O BRASIL, O MUNDO E A PAZ NUCLEAR Caderno 10» Capítulo 4 www.sejaetico.com.br CIÊNCIAS HUMANAS E SUAS TECNOLOGIAS A experiência democrática no Brasil (1945-1964)

Leia mais

Pedro de Almeida CANTO 2 Universidade Federal do maranhão

Pedro de Almeida CANTO 2 Universidade Federal do maranhão Conexão Brasil: presença de educação com música através da radiodifusão e formação de rede 1 Pedro de Almeida CANTO 2 Universidade Federal do maranhão RESUMO Contextualiza a educação dentro da história

Leia mais

A PREFEITA DO MUNICÍPIO DE CONTAGEM

A PREFEITA DO MUNICÍPIO DE CONTAGEM DECRETO nº 1098, de 12 de fevereiro de 2009 Dispõe sobre alocação, denominação e atribuições dos órgãos que compõem a estrutura organizacional do Gabinete da Prefeita e dá outras providências. A PREFEITA

Leia mais

CRISE DO ESCRAVISMO. O Brasil foi o último país da América Latina a abolir a escravidão.

CRISE DO ESCRAVISMO. O Brasil foi o último país da América Latina a abolir a escravidão. CRISE DO ESCRAVISMO A Dinamarca foi o primeiro país Europeu a abolir o tráfico de escravos em 1792. A Grã-Bretanha veio a seguir, abolindo em 1807 e os Estados Unidos em 1808. O Brasil foi o último país

Leia mais

POLíTICA DE PATROCíNIOS E DOAÇÕES VOLVO DO BRASIL

POLíTICA DE PATROCíNIOS E DOAÇÕES VOLVO DO BRASIL POLíTICA DE PATROCíNIOS E DOAÇÕES VOLVO DO BRASIL índice APRESENTAÇÃO...3 POLíTICA DE PATROCíNIOS DA VOLVO DO BRASIL...3 1. Objetivos dos Patrocínios...3 2. A Volvo como Patrocinadora...3 3. Foco de Atuação...4

Leia mais

ENEM 2014 - Caderno Rosa. Resolução da Prova de História

ENEM 2014 - Caderno Rosa. Resolução da Prova de História ENEM 2014 - Caderno Rosa Resolução da Prova de História 5. Alternativa (E) Uma das características basilares do contato entre jesuítas e os povos nativos na América, entre os séculos XVI e XVIII, foi o

Leia mais

O IMPERIALISMO EM CHARGES. Marcos Faber www.historialivre.com marfaber@hotmail.com. 1ª Edição (2011)

O IMPERIALISMO EM CHARGES. Marcos Faber www.historialivre.com marfaber@hotmail.com. 1ª Edição (2011) O IMPERIALISMO EM CHARGES 1ª Edição (2011) Marcos Faber www.historialivre.com marfaber@hotmail.com Imperialismo é a ação das grandes potências mundiais (Inglaterra, França, Alemanha, Itália, EUA, Rússia

Leia mais

AMÉRICA: PROJETOS DE INTEGRAÇÃO GEOGRAFIA 8ºANO PRFª BRUNA ANDRADE

AMÉRICA: PROJETOS DE INTEGRAÇÃO GEOGRAFIA 8ºANO PRFª BRUNA ANDRADE AMÉRICA: PROJETOS DE INTEGRAÇÃO GEOGRAFIA 8ºANO PRFª BRUNA ANDRADE A FORMAÇÃO DOS ESTADOS LATINO- AMERICANOS OS PAÍSES DA AMÉRICA LATINA FORMARAM-SE A PARTIR DA INDEPENDÊNCIA DA ESPANHA E PORTUGAL. AMÉRICA

Leia mais