Propaganda e marketing na informação nutricional

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Propaganda e marketing na informação nutricional"

Transcrição

1 Propaganda e marketing na informação nutricional (*) Mestradas em Nutrição, Faculdade de Saúde Pública, Universidade de São Paulo Emília Y. Ishimoto e Marcia de Araujo Leite Nacif (*) Embora muitas vezes entendidos como sinônimos, os termos publicidade, propaganda e marketing não têm o mesmo significado. A expressão publicidade significa o ato de vulgarizar, de tornar público um fato ou idéia; já a propaganda é definida como a propagação de princípios e teorias; e, finalizando, o marketing é o processo de descoberta e interpretação das necessidades, desejos e expectativas do consumidor e das exigências para as especificações do produto e serviço e continuar, através de efetiva promoção, distribuição, assistência pós-venda, a convencer mais e mais clientes a usarem e continuarem usando esses produtos e serviços (HASS 1978). A publicidade significa, portanto, divulgar, tornar público, e a propaganda compreende o objetivo de implantar, de incutir uma idéia ou uma crença na mente alheia; e ambos fazem parte de uma das etapas finais do planejamento estratégico de marketing, que é chamada de comunicação. Desta forma, a publicidade tem o fim único de estabelecer comunicação com os consumidores, informá-los de que existe um produto e mostrar como este combina com suas necessidades e desejos, além de persuadí-los na meta final, que consiste na venda do produto em questão (GRAZINI & COIMBRA 1997). Segundo ROCHA (1987), a publicidade é uma forma impessoal de comunicação, que pode ser definida como um conjunto de atividades como a utilização de meios de comunicação de massa através das quais determinadas mensagens são transmitidas a um público-alvo, com o propósito explícito de informar, motivar e persuadir este público a adotar serviços ou idéias, sob o patrocínio de determinada organização (GRAZINI & COIMBRA 1997). SCHEWE (1982) afirma que a propaganda permite ao público reconhecer um produto, associá-lo a algum benefício ou valores agregados a ele, movendo-os à ação de compra. Desta forma, atinge o objetivo ( target ) que o profissional de marketing aspira (GRAZINI & COIMBRA 1997). 28 BRASIL ALIMENTOS - n 11 - Novembro/Dezembro de 2001

2 A publicidade, usada no sentido comercial, atingiu sua forma madura há cerca de 100 anos, quando os consumidores começaram a depender de marcas para distinguir entre os diversos produtos, e tornou-se mais exigente, tal a complexidade dos sistemas de distribuição e a sofisticação dos produtos industrializados. Os objetivos de venda de um produto são traduzidos para uma mensagem específica, que na mercadização é codificada a fim de ser interpretada pelos seus consumidores. Para isto, a publicidade vale-se de um meio de comunicação, que pode ser entendido como todo meio, forma ou recurso capaz de levar ao conhecimento do consumidor a mensagem publicitária elaborada para fazer a propaganda ou divulgar um produto ou serviço (SANT ANNA 1989). Os meios de comunicação Resumo Nas últimas décadas, verificou-se a evolução do consumidor no sentido de adotar uma postura mais consciente em relação aos produtos que adquire. Na área de alimentos esta evolução foi nítida, em função do conceito de qualidade de vida, cada vez mais difundido no Brasil e no mundo neste cenário foi agregado à dieta o atributo de saúde, fundamental para manter ou promover a qualidade de vida. A indústria de alimentos e todos os setores da cadeia agroalimentar acompanharam este maior interesse por parte do consumidor. Discute-se muito o papel da propaganda e do marketing, recursos amplamente utilizados pelas empresas de alimentos e o seu impacto na saúde do consumidor, e, no sentido coletivo, na saúde pública. Questões éticas fazem parte desta discussão, especialmente quando se verifica, na propaganda enganosa, que as normas legislativas não são cumpridas aí prepondera a ação do Estado na garantia da segurança alimentar, um direito básico dos cidadãos. Também são considerados o papel dos órgãos de defesa do consumidor e dos profissionais de saúde no processo de orientação e educação alimentar da população. Apesar de mais consciente, o consumidor continua em uma posição extremamente vulnerável quando se trata de segurança alimentar. O consumidor brasileiro, em particular, apresenta ainda uma postura passiva, quando poderia usar seu poder de compra como instrumento para fazer valer seus direitos de cidadão. As palavras mídia (de médium) ou meio, designam os elementos materiais que divulgam a mensagem e geralmente são classificados como: visuais (jornais, revistas, periódicos especializados, cartazes, painéis, luminosos, prospectos, folhetos, cartas, catálogos, displays, vitrines e exposições); auditivos (rádio e alto falantes); audiovisuais (televisão e cinema) e interativos (cd-rom e internet) (GRAZINI & COIMBRA 1997). Diante da vasta gama de produtos, o meio de comunicação mais acessível à população é a televisão. Este é, entre os veículos utilizados pela mídia, o que parece exercer maior impacto sobre o consumidor a nível coletivo, pois possibilita a transmissão de mensagens através da junção de três elementos: som, imagem e movimento. O número de vezes que um comercial é exibido ou a freqüência e intensidade de inserção dos comercias de televisão são estabelecidos única e exclusivamente pelo planejamento publicitário, precisamente a parte da mídia que obedece às recomendações quanto ao mercado a ser atingido, veículos de divulgação, apelos a serem empregados, mensagens adequadas para o meio escolhido e verba disponível (SANT ANNA 1989). Um estudo experimental conduzido na Califórnia (EUA) teve como finalidade investigar o impacto dos comerciais de televisão sobre crianças em idade pré-escolar (de 2 a 6 anos). Uma parte destas crianças assistiu a um videotape de desenho animado com personagens conhecidos, onde comerciais de produtos alimentícios foram inseridos de modo implícito, veiculados como elementos normais do programa. Um 2º grupo assistiu ao mesmo videotape, mas sem os comerciais. Após a exposição do videotape, todas as crianças foram questionadas sobre suas preferências de marcas de produtos, sendo que diversas marcas foram apresentadas, inclusive as que foram expostas no 1º videotape. Os resultados revelaram que a escolha das marcas veiculadas no 1º videotape foi significativamente maior entre as crianças que o assistiram, comparado às crianças do 2º grupo (BORZEKOWSKI e ROBINSON 2001). Outros autores relatam a eficácia dos comerciais de televisão como um instrumento de influência na definição de preferências entre os consumidores (DOYLE e FELDMAN 1997; ALMEIDA et al 1997; CARVALHO e GALLI 1980). Estes estudos têm suscitado um amplo debate entre profissionais da saúde, que levantam questões como a necessidade de se impor limites de exposição das crianças aos comerciais de televisão. Em relação ao consumidor adulto, foi notório o aumento de seu interesse sobre a relação entre dieta e saúde, principalmente a partir da década de 80 (CELESTE 2001). Este novo perfil levou os setores relacionados à comercialização de alimentos a utilizar meios publicitários diferenciados, como a divulgação de folhetos com informações técnicas juntamente com a embalagem do produto. Outro recurso, que tem despertado muita polêmica entre setores que representam a indústria alimentícia e a saúde pública, é a inclusão de alegações de saúde (health claims) nos rótulos de alimentos, que é melhor discutido mais adiante. Recursos utilizados em marketing Além do estabelecimento dos meios através dos quais o mercado de oferta se comunica com o mercado de consumo, o marketing estuda também a influência de outros elementos que atraem a atenção do consumidor, tanto a nível do consciente quanto do inconsciente; alguns destes elementos, como a cor e a embalagem, são considerados de grande importância, por serem fatores que influenciam na decisão de compra. Quando no cérebro se produz a sensação da cor, esta se encontra ao nível do inconsciente. Sabe-se que o homem reage, muitas vezes, impulsionado pelo inconsciente coletivo, onde o simbolismo coletivo das cores (ex: o verde simboliza a esperança) representa um papel de destaque; reage, também, impulsionado por seu consciente individual, o que caracteriza uma maneira personalizada de responder aos estímulos que irão determinar suas preferências e idiossincrasias (FARINA 1975). A embalagem de produtos alimentícios tem como uma das funções estimular o paladar, e a cor é o fator que, em primeiro lugar, atinge o olhar do consumidor. Portanto, é para ela que devem se dirigir os primeiros cuidados, principalmente se considerarmos as ligações emotivas que envolvem e seu grande poder sugestivo. Torna-se, então, evidente o valor das cores, agregado à embalagem, na persuasão do consumidor. Há todo um complexo processo que começa no indivíduo a partir do BRASIL ALIMENTOS - n 11 - Novembro/Dezembro de

3 momento em que é excitado pelas características externas do produto, terminando no ato em que o adquire. Neste processo, na maior parte das vezes a razão não intervém, embora o indivíduo esteja sempre pronto a racionalizar operacionalmente o seu comportamento. Não se pode esquecer do trabalho prévio executado pelos órgãos de publicidade e marketing, que prepara o subconsciente do consumidor, condicionando-o a uma escolha (FARINA 1975). Propaganda e marketing nutricional Por serem produtos de demanda primária, os alimentos representam um imenso potencial de mercado consumidor, o que leva os setores de produção, desenvolvimento e industrialização de alimentos a investir cada vez mais em publicidade para despertar efetivamente os motivos para a aquisição de seus produtos. É cada vez maior a escolha pelo consumo de alimentos industrializados, por diversas razões, entre elas praticidade e conveniência. Isto levou a um notável crescimento da indústria alimentícia, que tem apresentado como estratégia básica de diferenciação de seus produtos muitos investimentos em técnicas de processamento e marketing, como também em pesquisa para identificação de novas necessidades do consumidor. Sendo fundamental a satisfação das necessidades do cliente para o êxito de uma empresa ou de um negócio, considera-se, no marketing de alimentos, a necessidade fisiológica de se alimentar, ou de saciar o prazer em se adquirir determinado gênero alimentício. Assim, a aquisição de um produto ou serviço vai ao encontro da tentativa de satisfazer uma necessidade já instalada (GONSALVES 1996). Considera-se que a estrutura de preferências de determinados produtos podem sofrer alterações ao longo do tempo. É exatamente neste ponto que as empresas têm condições de influenciar seus consumidores e, portanto, a demanda por meio de suas atividades de marketing. Como mencionado anteriormente, as últimas décadas mostraram uma crescente conscientização das pessoas quanto à importância de uma vida saudável que, entre outras coisas, inclui o consumo de alimentos considerados saudáveis, ou seja, com menor conteúdo de gorduras e calorias, rico em fibras, pobre em sódio, etc. Neste sentido, existe uma necessidade dos consumidores em adquirir produtos que possam promover ou manter sua qualidade de vida (GONSALVES 1996). Em resposta a este novo perfil, que valoriza alguns alimentos na busca de melhor qualidade de vida, o setor alimentício, através da propaganda e marketing, tem colocado o consumidor em contato com novos produtos alimentícios, explorando sua dimensão nutricional. Assim, foi denominado marketing nutricional o marketing que põe o consumidor em contato com as diferenças de caráter nutricional dos produtos (GONSALVES 1996). Já o termo propaganda nutricional está mais relacionado a informações expressas nos rótulos dos alimentos. De acordo com CELESTE (2001), a propaganda nutricional tem definições e termos diferenciados em diferentes países. No Reino Unido, por exemplo, a expressão utilizada para designar propaganda nutricional é Nutrition Claim, definida como qualquer declaração, sugestão ou significação em qualquer rótulo, apresentação ou propaganda de alimento de que este tenha propriedades nutricionais. A legislação brasileira segue o estabelecido pelo Mercosul, que preconiza a utilização do termo informação nutricional complementar (INC) conceituado como qualquer representação que declare, sugira ou dê a entender que o produto tem certas propriedades nutricionais em relação ao seu valor energético, conteúdo de proteínas, carboidratos, gorduras ou fibras, tanto quanto vitaminas e sais minerais. Em 13/01/1998 a INC foi normatizada através da Portaria nº 27, do Ministério da Saúde. Em geral, a propaganda nutricional aparece de modo destacado na embalagem, com termos que despertam a atenção, como por exemplo rico em fibras. É importante ressaltar a questão da confiabilidade das informações, que se relaciona diretamente à segurança dos alimentos. Neste sentido, a discussão do papel do marketing de alimentos na informação nutricional remete obrigatoriamente a uma avaliação dos fatores que interferem na segurança alimentar e, portanto, na saúde do consumidor. Marketing, segurança alimentar e saúde pública Pode-se definir segurança alimentar como o inverso de risco alimentar, ou seja, a probabilidade de não sofrer nenhum dano pelo consumo de um alimento (HENSON & TRAILL 1993). A garantia da segurança alimentar depende da eficácia nas interrelações entre as diversas etapas da cadeia agroalimentar, envolvendo desde operações de produção até a comercialização, quando o consumidor irá decidir, na sua escala de valores, se o preço a pagar é justo. Nesta etapa, é preponderante o papel da propaganda e marketing na informação e orientação do consumidor. Marketing de alimentos: prós e contras A veiculação de uma gama de informações relativas aos alimentos é um aspecto que valoriza o marketing na promoção da saúde coletiva, considerando-se que as informações, quando bem conduzidas, se cons- 30 BRASIL ALIMENTOS - n 11 - Novembro/Dezembro de 2001

4 tituem num poderoso instrumento no processo de educação alimentar da população. Além disso, por ser um processo de identificação dos desejos e expectativas do consumidor, o marketing representa uma ponte entre as exigências materiais e padrões econômicos do consumidor. Assim, as atividades de marketing podem tornar possível a realização dos desejos do público em se adquirir produtos conforme seu poder aquisitivo. Entretanto, um dos grandes anseios do consumidor, ao adquirir produtos, por qualquer razão que seja, é estes serem confiáveis; para isto, é preciso que as informações apresentadas pelos fabricantes sejam fidedignas. Se, ao contrário, estas informações forem falsas, ambíguas, confusas ou vagas, o consumidor será lesado moral e financeiramente, além de sofrer riscos à sua saúde. Por ser potencialmente deletéria à população, a prática da divulgação de qualquer informação que induza a erro foi condenada pela American Dietetic Association (ADA). Segundo a ADA, as alegações de saúde e de conteúdo nutricional (health claims), seja em rótulos ou em publicidade, devem ser baseadas em evidência científica. Estas alegações devem ser feitas no contexto global da alimentação diária, e levar em consideração tanto os efeitos positivos quanto negativos dos componentes alimentares e nutrientes. Devem, ainda, ser baseadas em critérios pré-determinados e aprovadas pelas agências federais responsáveis (ADA Reports 1990). Alguns autores acreditam que a propaganda na área de alimentos explora, em sua maioria, apenas os atributos benéficos, o que pode resultar em um problema de saúde pública. A propaganda, segundo os mesmos, deveria ser utilizada como um meio de informação e atualização dos consumidores, orientando-os concreta e lealmente para a realização da opção de compra que lhes seja mais adequada e vantajosa. (SPERS 1996; CARVALHO & GALLI 1980). Outra importante questão que se coloca é a influência do marketing nos padrões alimentares da população. O Brasil atravessa um período de transição nutricional que revela um declínio qualitativo da dieta em função do aumento do consumo de açúcares refinados e gorduras saturadas e consumo reduzido de fibras e ácidos graxos poliinsaturados isto, somado à diminuição da atividade física, contribui para o aumento da prevalência da obesidade e outras doenças crônicas não transmissíveis, como doenças cardiovasculares (MONTEIRO 1995). Os níveis crescentes da prevalência da obesidade nas últimas décadas, tanto em crianças como adolescentes e adultos, chamaram a atenção de diversos pesquisadores no Brasil e no mundo, que investigaram os possíveis fatores determinantes do padrão alimentar descrito acima, conhecido como dieta ocidental. A influência dos comerciais de televisão foi apontada como um destes fatores, especialmente no desenvolvimento da obesidade entre crianças e adolescentes (DOYLE & FELDMAN 1997; OLIVARES et al 1999). Rótulos e propaganda nutricional Com o novo perfil do consumidor que se delineia, ou seja, cada vez mais consciente e interessado por informações, o marketing tem explorado ao máximo os recursos da embalagem e rotulagem dos alimentos, destacando sobretudo os possíveis atributos benéficos à saúde, através da propaganda nutricional. A portaria nº 42, de , do Ministério da Saúde, que regulamenta a rotulagem de alimentos embalados, determina que: não devem ser descritos no rótulo vocábulos, sinais, denominações, emblemas, ilustrações ou qualquer representação gráfica que possam tornar a informação falsa, insuficiente ou confusa, induzindo o consumidor a engano. Da mesma forma, o rótulo não pode indicar que o alimento possui propriedades medicinais ou terapêuticas, aconselhando seu consumo para evitar ou curar doenças. Além disso, a Portaria nº 27, que foi elaborada com base no Codex Alimentarius/ 97, estabelece normas específicas para a propaganda nutricional, ou INC Informação Nutricional Complementar. Segundo Marília Regini Nutti, coordenadora do Grupo de Trabalho de Rotulagem de Alimentos do Brasil e de Rotulagem Nutricional do MERCOSUL, a INC tem por objetivo facilitar a compreensão do consumidor quanto ao valor nutritivo dos alimentos e ajudá-lo a interpretar a declaração sobre o nutriente. Todavia, não será permitido o seu uso quando puder ocasionar interpretação errônea ou engano por parte do consumidor (RODRIGUES 1999). Esta Portaria deverá ser complementada por uma Resolução publicada pela ANVISA (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) em 21 de setembro de 2001, que padroniza as informações de rótulos de alimentos e bebidas, sobre seus componentes nutricionais. Na tabela de informação nutricional do produto deverão constar dez itens: valor calórico, carboidratos, proteínas, gorduras totais, gorduras saturadas, colesterol, ferro, fibra alimentar, cálcio e sódio. A quantidade deverá ser indicada para porções individuais, expressas em gramas ou mililitros, determinadas pela ANVISA para cada categoria de alimento. A medida faz parte das ações do ministério para orientar a população a consumir produtos mais saudáveis. De acordo com Ricardo Oliva, diretor de Alimentos e Toxicologia da ANVISA, estes parâmetros foram criados para a educação alimentar da população o consumidor terá critérios para BRASIL ALIMENTOS - n 11 - Novembro/Dezembro de

5 uma alimentação mais saudável. Por exemplo, será mais fácil controlar uma dieta limitada no teor de gorduras saturadas e colesterol. Apesar das normas estabelecidas pelo Ministério da Saúde, inúmeras irregularidades são praticadas em rótulos alimentícios, tais como: Nomes ou vocábulos que induzem a erros: - Cremogema: apesar da palavra gema embutida no nome, o produto é composto à base de hidratos de carbono, ou seja, não contém gema; - Arrosina: farinha para preparo caseiro de alimentos infantis que, apesar do nome, não contém arroz, mas sim amido de mandioca; - ligth: pode expressar significados completamente diferentes de acordo com o fabricante, ou seja, pode significar conteúdo de açúcar, de gorduras ou de calorias totais reduzidos. Indicação de propriedades terapêuticas: - Ajuda a reduzir os níveis de colesterol : propaganda nutricional destacando as propriedades benéficas do ácido graxo ômega 3, de um produto à base de cereais naturais. Entretanto, o rótulo não revela que a quantidade deste nutriente oferecida pelo produto (34,3 mg/porção) é insuficiente para que haja um efeito benéfico, uma vez que a recomendação é de 800 mg/ dia (FISBERG 1999). A propaganda enganosa em rótulos alimentícios pode causar danos às campanhas de educação alimentar, ou seja, informações falsas podem levar à crença de que certos produtos possuem propriedades medicinais, atrasando a procura por cuidado terapêutico adequado (CELESTE 2001). Um estudo sobre rótulos de 62 tipos de alimentos infantis existentes no mercado concluiu que as informações são em geral insatisfatórias, confusas e utilizadas mais como apelo comercial do que no intuito de levar orientação ao consumidor (PHILIPPI et al 1999). O aval da ciência Em 1992, um comercial de televisão sobre uma conhecida marca de leite fermentado, voltado para o público infantil, veiculou a seguinte mensagem musical: é bom prá minha boquinha, é bom prá barriguinha. Nesta mensagem, além de ressaltar as características sensoriais do produto, estava embutida a idéia de que se tratava de um alimento saudável, pelo seu conteúdo de lactobacilos, cuja função principal é a de regular a flora intestinal. Os lactobacilos representam, neste caso, o aval ou a assinatura da ciência, o que permite, autoriza e justifica o seu consumo (LEFÈVRE 1999). Um exemplo mais recente é o do creme vegetal com fitoesteróis extratos vegetais que, segundo pesquisas, inibem a absorção do LDL (low density lipoprotein), conhecido popularmente como o mau colesterol, sem alterar os níveis de HDL (high density lipoprotein) o bom colesterol. A embalagem deste produto acompanha um folheto com informações técnico-científicas, onde se percebe que houve uma preocupação em se converter o jargão científico para o jargão popular. Interessantemente, estas mensagens evitam a utilização de termos que lembram o estado de morbidade ao contrário, conseguem projetar saúde sem evocar doença. Ética e saúde pública Ao colocar um produto alimentício à venda, a empresa que o produziu está, a partir deste momento, comprometida com a saúde do consumidor, e, no sentido coletivo, com a saúde pública. E quando se lida com saúde pública, torna-se indispensável trabalhar a consciência ética, que deve, em sua melhor dimensão, prevalecer em todas as etapas da cadeia produtiva do alimento, até que o alimento seja efetivamente consumido. Isto se aplica não apenas à classe empresarial, mas também ao Estado e entidades de defesa do consumidor. A dimensão ética aplicada à saúde pública deve ser trabalhada levando-se em consideração alguns conceitos, como: justiça, cidadania, direitos humanos, liberdade, participação, autonomia, equidade, complexidade, responsabilidade e qualidade (GARRAFA 1995). O papel do governo Através de uma poderosa campanha publicitária, foi lançado, em 1979, um produto comercializado como refresco sabor laranja, incluindo slogans como a força das frutas, além de imagens da própria fruta no rótulo, que continha também a mensagem excelente fonte de vitamina C. Tratava-se, na realidade, de um pó à base de açúcar colorido e aromatizado artificialmente. Posteriormente, com ações do Ministério da Saúde, tais procedimentos foram condenados e alterados a marca registrada, no entanto, já estava difundida na mente dos consumidores com a mensagem original (CARVALHO 1980). Desde então, a sociedade continuou presenciando ocorrências semelhantes, onde os mecanismos regulatórios atuavam tardiamente, quando o produto irregular já havia conquistado a preferência dos consumidores. Ao Estado cabe adotar as medidas necessárias para garantir a segurança alimentar de seus cidadãos. Estas medidas englobam, principalmente: - Regulamentação de resoluções normativas específicas sobre propaganda e outros recursos publicitários; - Análise de rótulos, orientação e correção de possíveis distorções antes do lançamento do produto no mercado; - Fiscalização a nível de mercado varejista, com aplicação de medidas corretivas e punitivas se necessário. 32 BRASIL ALIMENTOS - n 11 - Novembro/Dezembro de 2001

6 A posição do consumidor O capítulo III do Código de Defesa do Consumidor, Lei nº 8.078, de 11/ 09/90, trata dos direitos básicos do consumidor, entre eles a informação adequada e clara sobre os diferentes produtos e serviços, com especificação correta de quantidade, características, composição, qualidade e preço, bem como sobre os riscos que apresentam art. 6º, parágrafo III. Entretanto, esta legislação nem sempre é cumprida, como foi mencionado nos capítulos anteriores. Constantemente assediado e ludibriado pela propaganda enganosa, o consumidor é, na cadeia agroalimentar, o agente mais vulnerável e, paradoxalmente, aquele que detém o maior poder, ou seja, o poder de compra. Apesar disso, o consumidor brasileiro, ao contrário do europeu ou americano, ainda apresenta uma postura bastante passiva diante de tantas incertezas e irregularidades. Perspectivas futuras Faz parte das estratégias do marketing considerar os fatores que influenciam ou podem influenciar as preferências dos consumidores, projetando estes fatores numa perspectiva futura. De acordo com SLOAN (1998), mudanças demográficas e psico-sociais irão se refletir na preferência alimentar do consumidor em 2020, mas continuarão prevalecendo os seguintes atributos: Sabor Preço Nutrição Conveniência Inovação nos aspectos saúde e tecnologia. A mídia certamente continuará exercendo um extraordinário poder persuasivo na mente das pessoas, tanto a nível do consciente quanto do inconsciente. Resta saber qual será o impacto desta influência na sociedade se positiva ou negativa e, ainda, se os mecanismos regulatórios e controladores do Estado irão evoluir, protegendo a saúde do consumidor. Considerações finais O estabelecimento de um código de ética ou a elaboração de uma regulamentação rígida e específica sobre as informações veiculadas em propaganda e marketing de alimentos beneficiaria não apenas os consumidores, mas também privilegiaria as empresas realmente preocupadas em garantir a boa qualidade de seus produtos, informando honestamente o consumidor. O consumidor, por sua vez, deve adotar uma postura mais crítica, usando seu poder de compra para impugnar ou prestigiar seus fornecedores. E no processo de conscientização e educação da população, os profissionais da saúde e órgãos de defesa do consumidor possuem um papel preponderante. Ao governo cabe coibir as irregularidades de modo mais eficaz, adotando efetivamente as medidas políticas e sanitárias individuais e coletivas garantindo, assim, um dos direitos básicos do cidadão: a segurança alimentar. Também é necessário o incentivo governamental às políticas direcionadas à educação alimentar da população. A ampliação do paradigma ético em saúde pública é, com certeza, um dos grandes desafios para os profissionais da mídia, da classe empresarial, governo e profissionais da saúde neste novo milênio. Referências bibliográficas 1. Almeida MDV, Graça P, Lappalainem R, Giachetti I, Kafatos A, Remault de Winter A et al. Sources used and trusted by nationally-representative adults in the European Union for information on health eating. Eur J Clin Nutr 1997; 51(Suppl 2):S16-S American Dietetic Association. Position of the American Dietetic Association: nutrition and health information on food labels. 3. Borden apud Santánna,A. Prática da publicidade, planejamento publicitário. In: Propaganda: teoria, técnica e prática. 4ªed. São Paulo, Pioneira, p , Borzekowski DLG, Robinson TN. The 30-second effect: An experiment revealing the impact of television commercials on food preferences of preschoolers. J Am Diet Assoc 2001 (101): BRASIL, Leis etc. Código de Defesa do Consumidor. Lei nº 8078, de 11 de setembro de Diário Oficial da União, Brasília, 12/09/ BRASIL, Leis, etc. Portaria nº 42, de 14 de janeiro de Diário Oficial da União, Brasília, 16/01/ Carvalho LE, Galli MLZ. Rotulagem e propaganda na educação alimentar. Alimentação & Nutrição, 1980; 2: Celeste RK. Análise comparativa da legislação sobre rótulo alimentício do Brasil, Mercosul, Reino Unido e União Européia. Rev Saúde Pública 2001; 35(3): Doyle EI, Feldman RHL. Factors affecting nutrition behavior among adolescents. Rev Saúde Pública, (4): Farina M. Psicodinâmica das cores em Publicidade. Edgard Bluncher Ltda, Garrafa V. Dimensão da Ética em Saúde Pública. São Paulo: Faculdade de Saúde Pública/USP, Gonsalves MIE. Marketing Nutricional. Epistéme, (1) Grazini JT; Coimbra A F. II Workshop Não coma pelos olhos - Nutrição x Publicidade - novembro Hass, 1978 apud Cobra M. Conceituação do Sistema de Marketing. In: Marketing Básico: uma perspectiva brasileira. 3 ª ed. São Paulo, Atlas, p.21-39, Henson S, Traill B. The Demand for Food Safety. Market imperfections and the role of government. Food Policy, 1993, Lefèvre F. É bom pra minha boquinha, é bom prá barriguinha: o pseudo-recuo. Mitologia Sanitária saúde, doença, mídia e linguagem. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, p.31-33, Monteiro CA, Mondini L, Souza AL, Popkin BM. The nutrition transition in Brazil. Eur J Clin Nutr 1995; 49: Olivares SC, Albala CB, Garcia FB, Jofré IC. Publicidad televisiva y preferencias alimentarias en escolares de la Región Metropolitana. Rev Méd Chile 1999; 127: Philippi ST et al. Avaliação de rótulos e embalagens de alimentos infantis: bebida Láctea, iogurte e queijo tipo Petit Suisse. Hig Alimentar, (13): Rodrigues H.R. Manual de Rotulagem. Embrapa Agroindústria de Alimentos, Rio de Janeiro, março/ Sloan AE. Food Industry Forecast: Consumer trends to 2020 and Beyond. Food Technology, 1998; 52: Spers EE. A Segurança dos Alimentos: uma preocupação crescente. Hig Alimentar, (10): Yetley EA, Rader JI. The Challenge of Regulating Health Claims and Food Fortification. J Nutr 1996; 126:765S-72S. BRASIL ALIMENTOS - n 11 - Novembro/Dezembro de

Profa Tânia Maria Leite da Silveira

Profa Tânia Maria Leite da Silveira Profa Tânia Maria Leite da Silveira Como o consumidor adquire informações sobre os alimentos? Conhecimento da família Educação Mídia Publicidade Rotulagem Importância da rotulagem Informações corretas

Leia mais

Regulação de Alimentos GARANTIA DE SEGURANÇA ALIMENTAR E NUTRICIONAL. CamPo E Na CidAde 5ª Conferência Nacional de. Segurança Alimentar e Nutricional

Regulação de Alimentos GARANTIA DE SEGURANÇA ALIMENTAR E NUTRICIONAL. CamPo E Na CidAde 5ª Conferência Nacional de. Segurança Alimentar e Nutricional Regulação de Alimentos GARANTIA DE SEGURANÇA ALIMENTAR E NUTRICIONAL ComIda de VerDadE no CamPo E Na CidAde 5ª Conferência Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional Texto elaborado pelo Grupo de Trabalho

Leia mais

ROTULAGEM DE ALIMENTOS

ROTULAGEM DE ALIMENTOS ROTULAGEM DE ALIMENTOS A rotulagem de alimentos apresenta uma importância muito relevante hoje para o consumidor, pois através da mesma, conseguimos repassar muitas informações aos mesmos, tais como prazo

Leia mais

Palavras-chave Rotulagem de alimentos, consumidores, supermercados, hipermercados

Palavras-chave Rotulagem de alimentos, consumidores, supermercados, hipermercados Avaliação do hábito de leitura pelos consumidores de rótulos de alimentos e bebidas comercializados em supermercados e hipermercados na região metropolitana de Belo Horizonte Marina Celle BRANDÃO 1, Wemerson

Leia mais

Manual de Rotulagem de Alimentos

Manual de Rotulagem de Alimentos Manual de Rotulagem de Alimentos Agosto 2013 Programa Mesa Brasil Sesc O Mesa Brasil Sesc é um programa de segurança alimentar e nutricional sustentável, que redistribui alimentos excedentes próprios para

Leia mais

ISSN: 2236-0123 Saúde em Foco, Edição nº: 07, Mês / Ano: 09/2013, Páginas: 29-34

ISSN: 2236-0123 Saúde em Foco, Edição nº: 07, Mês / Ano: 09/2013, Páginas: 29-34 ISSN: 2236-0123 Saúde em Foco, Edição nº: 07, Mês / Ano: 09/2013, Páginas: 29-34 AVALIAÇÃO DA ROTULAGEM DE BARRAS DE CEREAIS COM RELAÇÃO À ADEQUADA CLASSIFICAÇÃO QUANTO AO TEOR DE FIBRAS ALIMENTARES Karime

Leia mais

A INFLUÊNCIA DO MARKETING E DAS INFORMAÇÕES NUTRICIONAIS DOS PRODUTOS DIET E LIGHT PARA CONSUMIDORES DIABÉTICOS

A INFLUÊNCIA DO MARKETING E DAS INFORMAÇÕES NUTRICIONAIS DOS PRODUTOS DIET E LIGHT PARA CONSUMIDORES DIABÉTICOS ISBN 978-85-61091-05-7 V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 A INFLUÊNCIA DO MARKETING E DAS INFORMAÇÕES NUTRICIONAIS DOS PRODUTOS DIET E LIGHT PARA CONSUMIDORES

Leia mais

Apresentação. O que significam os itens da Tabela de Informação Nutricional dos rótulos

Apresentação. O que significam os itens da Tabela de Informação Nutricional dos rótulos O que significam os itens da Tabela de Informação Nutricional dos rótulos Valor Energético É a energia produzida pelo nosso corpo proveniente dos carboidratos, proteínas e gorduras totais. Na rotulagem

Leia mais

Anvisa - Alimentos - Informes Técnicos

Anvisa - Alimentos - Informes Técnicos Página 1 de 7 English Español Institucional Anvisa Publica Serviços Áreas de Atuação Legislação Buscar Informes Técnicos Informe Técnico nº. 36, de 27 de junho de 2008 Orientações sobre a declaração da

Leia mais

Unidade: GUIA ALIMENTAR PARA A POPULAÇÃO

Unidade: GUIA ALIMENTAR PARA A POPULAÇÃO Unidade: GUIA ALIMENTAR PARA A POPULAÇÃO Unidade I: BRASILEIRA 0 Unidade: GUIA ALIMENTAR PARA A POPULAÇÃO BRASILEIRA O Guia Alimentar é um instrumento que define as diretrizes alimentares a serem utilizadas

Leia mais

COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA PROJETO DE LEI N.º 1.480, DE 2003

COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA PROJETO DE LEI N.º 1.480, DE 2003 COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA PROJETO DE LEI N.º 1.480, DE 2003 Obriga a divulgação de advertência sobre obesidade em embalagens de produtos altamente calóricos. Autor: Deputado LINCOLN PORTELA

Leia mais

O QUE É IMPORTANTE SABER NA ROTULAGEM DE ALIMENTOS PARA CRIANÇAS? 27/08/2011. Amanda Poldi

O QUE É IMPORTANTE SABER NA ROTULAGEM DE ALIMENTOS PARA CRIANÇAS? 27/08/2011. Amanda Poldi O QUE É IMPORTANTE SABER NA ROTULAGEM DE ALIMENTOS PARA CRIANÇAS? 27/08/2011 Amanda Poldi CRIANÇA-DEFINIÇÃO LEI 11.265/2006 CRIANÇA: indivíduo até 12 (doze) anos de idade incompletos; CRIANÇA DE PRIMEIRA

Leia mais

ANVISA Agência Nacional de Vigilância Sanitária

ANVISA Agência Nacional de Vigilância Sanitária ANVISA Agência Nacional de Vigilância Sanitária Perguntas e Respostas sobre Informação Nutricional Complementar Gerência de Produtos Especiais Gerência Geral de Alimentos www.anvisa.gov.br Brasília/DF

Leia mais

PORTARIA N 29, DE 13 DE JANEIRO DE 1998

PORTARIA N 29, DE 13 DE JANEIRO DE 1998 PORTARIA N 29, DE 13 DE JANEIRO DE 1998 A Secretária de Vigilância Sanitária, do Ministério da Saúde, no uso de suas atribuições legais, considerando a necessidade de constante aperfeiçoamento das ações

Leia mais

TÍTULO: ROTULAGEM NUTRICIONAL: AVALIAÇÃO DA CONFORMIDADE EM ALIMENTOS DIET E LIGHT

TÍTULO: ROTULAGEM NUTRICIONAL: AVALIAÇÃO DA CONFORMIDADE EM ALIMENTOS DIET E LIGHT TÍTULO: ROTULAGEM NUTRICIONAL: AVALIAÇÃO DA CONFORMIDADE EM ALIMENTOS DIET E LIGHT CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: NUTRIÇÃO INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE DE MOGI DAS CRUZES

Leia mais

Perguntas & Respostas ABIA sobre gorduras trans

Perguntas & Respostas ABIA sobre gorduras trans Perguntas & Respostas ABIA sobre gorduras trans GRUPO CONSUMIDOR 1) O que são ácidos graxos trans ou gordura trans? Os ácidos graxos ou gorduras trans são um tipo de gordura formada pelo processo de hidrogenação

Leia mais

ROTULAGEM DE ALIMENTOS

ROTULAGEM DE ALIMENTOS ROTULAGEM DE ALIMENTOS Profª Ana Paula F. Bernardes Silva A QUEM COMPETE MINISTÉRIO DA SAÚDE: Produtos de origem animal; Vegetais e cereais (grãos) in natura; Bebidas e vinagre; Mel. MINISTÉRIO DA AGRICULTURA:

Leia mais

Educação Alimentar e Nutricional no Espaço Escolar como Promotora de Vida Saudável

Educação Alimentar e Nutricional no Espaço Escolar como Promotora de Vida Saudável Educação Alimentar e Nutricional no Espaço Escolar como Promotora de Vida Saudável Comissão de Educação e Cultura da Câmara de Deputados 16 de outubro de 2007, Brasília-DF UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ

Leia mais

A Resolução CFM nº 1.974/2011

A Resolução CFM nº 1.974/2011 A Resolução CFM nº 1.974/2011 A Resolução CFM nº 1.974/2011 Publicada no Diário Oficial da União em 19/8/2011. Entra em vigor 180 dias após sua publicação. Ementa: Estabelece os critérios norteadores da

Leia mais

Dispõe sobre o Regulamento Técnico sobre Informação Nutricional Complementar.

Dispõe sobre o Regulamento Técnico sobre Informação Nutricional Complementar. MINISTÉRIO DA SAÚDE AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA DIRETORIA COLEGIADA RESOLUÇÃO - RDC Nº 54, DE 12 DE NOVEMBRO DE 2012 Dispõe sobre o Regulamento Técnico sobre Informação Nutricional Complementar.

Leia mais

Valores diários recomendados de nutrientes, vitaminas e minerais.

Valores diários recomendados de nutrientes, vitaminas e minerais. Conteúdo Valores diários recomendados de nutrientes, vitaminas e minerais.... 2 Como ler os rótulos dos alimentos... 5 Dose de produto... 7 Calorias... 7 Quantidade de nutrientes... 8 Explicação da quantificação

Leia mais

ARROZ E FEIJÃO: PROPRIEDADES NUTRICIONAIS E BENEFÍCIOS

ARROZ E FEIJÃO: PROPRIEDADES NUTRICIONAIS E BENEFÍCIOS ARROZ E FEIJÃO: PROPRIEDADES NUTRICIONAIS E BENEFÍCIOS À SAÚDE Beatriz da Silveira Pinheiro Beatriz da Silveira Pinheiro Embrapa Estudos e Capacitação Arroz e Feijão Associados, constituem a base da dieta

Leia mais

GUIA ALIMENTAR PARA A POPULAÇÃO BRASILEIRA

GUIA ALIMENTAR PARA A POPULAÇÃO BRASILEIRA MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO GERAL DA POLÍTICA DE ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO SEPN 511- Bloco C Edifício Bittar IV 4º andar - Brasília/DF CEP:70750.543

Leia mais

ELABORAÇÃO DE RÓTULOS PARA PRODUTOS DE PANIFICAÇÃO DO MOSTEIRO DA RESSURREIÇÃO

ELABORAÇÃO DE RÓTULOS PARA PRODUTOS DE PANIFICAÇÃO DO MOSTEIRO DA RESSURREIÇÃO 110. ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( X ) TECNOLOGIA ELABORAÇÃO DE RÓTULOS PARA

Leia mais

ANVISA Agência Nacional de Vigilância Sanitária

ANVISA Agência Nacional de Vigilância Sanitária ANVISA Agência Nacional de Vigilância Sanitária Perguntas e Respostas sobre Informação Nutricional Complementar (INC) Gerência de Produtos Especiais Gerência Geral de Alimentos www.anvisa.gov.br Brasília/DF

Leia mais

Preferências alimentares individuais; Disponibilidade dos alimentos no mercado; Influência das propagandas no mercado, na televisão.

Preferências alimentares individuais; Disponibilidade dos alimentos no mercado; Influência das propagandas no mercado, na televisão. Nutrição na Infância e Adolescência A alimentação e a nutrição constituem requisitos básicos para a promoção e a proteção da saúde, possibilitando a afirmação plena do potencial de crescimento e desenvolvimento

Leia mais

1.1.1.1. Amostra Grátis. 1.1.1.2. Produtos importados. 1.1.3. Lista de Ingredientes e Ingredientes compostos. 1.1.3.1. Frutas cristalizadas

1.1.1.1. Amostra Grátis. 1.1.1.2. Produtos importados. 1.1.3. Lista de Ingredientes e Ingredientes compostos. 1.1.3.1. Frutas cristalizadas Atualizado: 22 / 01 / 2013 1. Rotulagem de alimentos 1.1. Rotulagem nutricional 1.1.1. Informações obrigatórias 1.1.1.1. Amostra Grátis 1.1.1.2. Produtos importados 1.1.1.3. Glúten 1.1.2. Produtos inacabados

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL INMETRO

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL INMETRO Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL INMETRO PROGRAMA DE ANÁLISE DE PRODUTOS: RELATÓRIO

Leia mais

INTERAÇÃO DAS ENGENHARIAS COM O ENSINO MÉDIO: ENGENHARIAS EM PRÁTICA OFICINA SOBRE ROTULAGEM E LEGISLAÇÃO DE ALIMENTOS

INTERAÇÃO DAS ENGENHARIAS COM O ENSINO MÉDIO: ENGENHARIAS EM PRÁTICA OFICINA SOBRE ROTULAGEM E LEGISLAÇÃO DE ALIMENTOS 9. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( x ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO (

Leia mais

Comissão apresenta proposta sobre alegações nutricionais e de saúde para informar melhor os consumidores e harmonizar o mercado

Comissão apresenta proposta sobre alegações nutricionais e de saúde para informar melhor os consumidores e harmonizar o mercado IP/03/1022 Bruxelas, 16 de Julho de 2003 Comissão apresenta proposta sobre alegações nutricionais e de saúde para informar melhor os consumidores e harmonizar o mercado A Comissão Europeia adoptou hoje

Leia mais

Marcas e Publicidade e Mercado Ilegal de Produtos de Consumo

Marcas e Publicidade e Mercado Ilegal de Produtos de Consumo Marcas e Publicidade e Mercado Ilegal de Produtos de Consumo Luana Leticia Brazileiro - Sao Paulo, 27/08/2012 O que vem à mente quando se pensa em PepsiCo? 2 Marcas fortes e portfólio completo 19 US$ 1B

Leia mais

Nutracêuticos comprovam seu potencial global. Alimentos com benefícios fisiológicos: valor agregado da natureza

Nutracêuticos comprovam seu potencial global. Alimentos com benefícios fisiológicos: valor agregado da natureza Sugestão Editorial Nutracêuticos comprovam seu potencial global Alimentos com benefícios fisiológicos: valor agregado da natureza Manter-se saudável é uma das principais preocupações do consumidor atual.

Leia mais

Pesquisa Nacional Fiesp/IBOPE sobre o Perfil do Consumo de Alimentos no Brasil

Pesquisa Nacional Fiesp/IBOPE sobre o Perfil do Consumo de Alimentos no Brasil Pesquisa Nacional Fiesp/IBOPE sobre o Perfil do Consumo de Alimentos no Brasil Introdução e objetivo Para avaliar o grau de aderência do consumidor brasileiro às tendências internacionais, a Fiesp encomendou

Leia mais

VEGESOY FIBER. Fibra de soja: extrato insolúvel de soja em pó. Informações Técnicas

VEGESOY FIBER. Fibra de soja: extrato insolúvel de soja em pó. Informações Técnicas Informações Técnicas VEGESOY FIBER Fibra de soja: extrato insolúvel de soja em pó INTRODUÇÃO A soja é uma leguminosa cultivada na China há mais de 5 mil anos. Ao longo do tempo passou a ser consumida por

Leia mais

A ROTULAGEM DE ALIMENTOS PROMOVENDO O CONTROLE SANITÁRIO E A ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL

A ROTULAGEM DE ALIMENTOS PROMOVENDO O CONTROLE SANITÁRIO E A ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL Prefeitura Municipal do Natal Secretaria Municipal de Saúde Departamento de Vigilância em Saúde Setor de Vigilância Sanitária Distrito Sanitário Oeste Núcleo de Vigilância Sanitária A ROTULAGEM DE ALIMENTOS

Leia mais

AVALIAÇÃO DE CONCEITOS NUTRICIONAIS EM ALUNOS DO ENSINO FUNDAMENTAL

AVALIAÇÃO DE CONCEITOS NUTRICIONAIS EM ALUNOS DO ENSINO FUNDAMENTAL AVALIAÇÃO DE CONCEITOS NUTRICIONAIS EM ALUNOS DO ENSINO FUNDAMENTAL GEORG, Raphaela de Castro; MAIA, Polyana Vieira. Instituto de Ciências Biológicas, Universidade Federal de Goiás rcgeorg@gmail.com Palavras

Leia mais

Quantidade e qualidade de produtos alimentícios anunciados na televisão brasileira Amount and quality of food advertisement on Brazilian television

Quantidade e qualidade de produtos alimentícios anunciados na televisão brasileira Amount and quality of food advertisement on Brazilian television Rev Saúde Pública 2002;36(3):353-5 www.fsp.usp.br/rsp 353 Quantidade e qualidade de produtos alimentícios anunciados na televisão brasileira Amount and quality of food advertisement on Brazilian television

Leia mais

VOCÊ SABE O QUE ESTÁ COMENDO?

VOCÊ SABE O QUE ESTÁ COMENDO? MANUAL DE ORIENTAÇÃO AOS CONSUMIDORES EDUCAÇÃO PARA O CONSUMO SAUDÁVEL VOCÊ SABE O QUE ESTÁ COMENDO? ROTULAGEM NUTRICIONAL OBRIGATÓRIA MANUAL DE ORIENTAÇÃO AOS CONSUMIDORES EDUCAÇÃO PARA O CONSUMO SAUDÁVEL

Leia mais

Informativo Digital da Escola de Nutrição da UFBA N.117/2012

Informativo Digital da Escola de Nutrição da UFBA N.117/2012 Informativo Digital da Escola de Nutrição da UFBA N.117/2012 Salvador, 14 de setembro de 2012 A editora da UFBA, EDUFBA lançou vários livros ontem na Biblioteca Central da UFBA. O evento teve uma boa aceitação

Leia mais

b) preparado contendo laranja (fruta) e banana (fruta) corresponde a um ingrediente característico;

b) preparado contendo laranja (fruta) e banana (fruta) corresponde a um ingrediente característico; MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO GABINETE DO MINISTRO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 17, DE 19 DE JUNHO DE 2013 O MINISTRO DE ESTADO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO, no uso da atribuição

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE Panificação. Alimentos. Subprodutos. Introdução

PALAVRAS-CHAVE Panificação. Alimentos. Subprodutos. Introdução 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO (

Leia mais

OS EFEITOS DO CONSUMO DE REFEIÇÕES RÁPIDAS (FAST-FOOD) NO CONSUMO ENERGÉTICO E NA QUALIDADE DA DIETA ENTRE CRIANÇAS NUM INQUÉRITO NACIONAL ÀS FAMÍLIAS

OS EFEITOS DO CONSUMO DE REFEIÇÕES RÁPIDAS (FAST-FOOD) NO CONSUMO ENERGÉTICO E NA QUALIDADE DA DIETA ENTRE CRIANÇAS NUM INQUÉRITO NACIONAL ÀS FAMÍLIAS OS EFEITOS DO CONSUMO DE REFEIÇÕES RÁPIDAS (FAST-FOOD) NO CONSUMO ENERGÉTICO E NA QUALIDADE DA DIETA ENTRE CRIANÇAS NUM INQUÉRITO NACIONAL ÀS FAMÍLIAS Resumo/Abstract Background. As refeições rápidas (fast-food)

Leia mais

VALOR NUTRITIVO DA CARNE

VALOR NUTRITIVO DA CARNE VALOR NUTRITIVO DA CARNE Os alimentos são consumidos não só por saciarem a fome e proporcionarem momentos agradáveis à mesa de refeição mas, sobretudo, por fornecerem os nutrientes necessários à manutenção

Leia mais

TÍTULO: ACEITABILIDADE DE REFRIGERANTE COM FIBRA COMPARADO COM MARCA LÍDER DE MERCADO E MARCA REGIONAL DA CIDADE DE SÃO JOSÉ DO RIO PRETO-SP

TÍTULO: ACEITABILIDADE DE REFRIGERANTE COM FIBRA COMPARADO COM MARCA LÍDER DE MERCADO E MARCA REGIONAL DA CIDADE DE SÃO JOSÉ DO RIO PRETO-SP TÍTULO: ACEITABILIDADE DE REFRIGERANTE COM FIBRA COMPARADO COM MARCA LÍDER DE MERCADO E MARCA REGIONAL DA CIDADE DE SÃO JOSÉ DO RIO PRETO-SP CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS EXATAS E DA TERRA SUBÁREA:

Leia mais

O manipulador de alimentos tem que conferir todas as informações do rótulo?

O manipulador de alimentos tem que conferir todas as informações do rótulo? Os consumidores têm o direito de conhecer as características e a composição nutricional dos alimentos que adquirem. A legislação nacional estabelece algumas normas para registro dessas informações na rotulagem

Leia mais

APOIO À AGRICULTURA FAMILIAR DE FEIRA DE SANTANA EM REFRIGERAÇÃO E ROTULAGEM

APOIO À AGRICULTURA FAMILIAR DE FEIRA DE SANTANA EM REFRIGERAÇÃO E ROTULAGEM 830 APOIO À AGRICULTURA FAMILIAR DE FEIRA DE SANTANA EM REFRIGERAÇÃO E ROTULAGEM Witã dos Santos Rocha 1 ; Pablo Rodrigo Fica Piras 2 1. Bolsista PIBEX, Graduando em Engenharia de Alimentos, Universidade

Leia mais

VI CURSO DE ATUALIZAÇÃO EM DIABETES DIETOTERAPIA ACADÊMICA LIGA DE DIABETES ÂNGELA MENDONÇA

VI CURSO DE ATUALIZAÇÃO EM DIABETES DIETOTERAPIA ACADÊMICA LIGA DE DIABETES ÂNGELA MENDONÇA VI CURSO DE ATUALIZAÇÃO EM DIABETES DIETOTERAPIA ACADÊMICA ÂNGELA MENDONÇA LIGA DE DIABETES A intervenção nutricional pode melhorar o controle glicêmico. Redução de 1.0 a 2.0% nos níveis de hemoglobina

Leia mais

FORTIFIQUE O FUTURO. Pré-misturas personalizadas de nutrientes Fortitech

FORTIFIQUE O FUTURO. Pré-misturas personalizadas de nutrientes Fortitech FORTIFIQUE O FUTURO Pré-misturas personalizadas de nutrientes Fortitech A Fortitech foi pioneira, aperfeiçoou e continua avançando em pré-misturas personalizadas de nutrientes. Nos mercados de todo o mundo,

Leia mais

Rotulagem Nutricional Obrigatória Manual de Orientação aos Consumidores Educação para o Consumo Saudável

Rotulagem Nutricional Obrigatória Manual de Orientação aos Consumidores Educação para o Consumo Saudável Rotulagem Nutricional Obrigatória Manual de Orientação aos Consumidores Educação para o Consumo Saudável Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária Gerência Geral de Alimentos Universidade

Leia mais

VOCÊ SABIA? Iogurte - Brasil - Dezembro 2012. Compre Este Relatório Agora

VOCÊ SABIA? Iogurte - Brasil - Dezembro 2012. Compre Este Relatório Agora Introdução O mercado brasileiro de iogurtes está em pleno desenvolvimento e vem ampliando sua presença de maneira significativa. Segundo levantamento da Mintel, de 2010 para 2011, a categoria teve um crescimento

Leia mais

Atuação do Nutricionista no Desenvolvimento de Produtos Mais Saudáveis

Atuação do Nutricionista no Desenvolvimento de Produtos Mais Saudáveis Atuação do Nutricionista no Desenvolvimento de Produtos Mais Saudáveis Elizabeth Vargas Nutricionista Unilever America Latina Seminário Tecnológico de Nutrição, Saudabilidade e Meio Ambiente Junho 2014

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA DIRETORIA COLEGIADA RESOLUÇÃO-RDC No- 24, DE 15 DE JUNHO DE 2010

AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA DIRETORIA COLEGIADA RESOLUÇÃO-RDC No- 24, DE 15 DE JUNHO DE 2010 AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA DIRETORIA COLEGIADA RESOLUÇÃO-RDC No- 24, DE 15 DE JUNHO DE 2010 Dispõe sobre a oferta, propaganda, publicidade, informação e outras práticas correlatas cujo objetivo

Leia mais

TEXTO DE APOIO I PERCURSO COMER, DIVIDIR E BRINCAR

TEXTO DE APOIO I PERCURSO COMER, DIVIDIR E BRINCAR TEXTO DE APOIO I PERCURSO COMER, DIVIDIR E BRINCAR Alimentação Boa Pra Você Todo ser vivo precisa se alimentar para obter energia e nutrientes para se desenvolver. No caso do ser humano, os alimentos trazem

Leia mais

On-line http://revista.univar.edu.br/ Interdisciplinar: Revista Eletrônica da Univar (2011) nº. 6 p. 189-195 ISSN 1984-431X

On-line http://revista.univar.edu.br/ Interdisciplinar: Revista Eletrônica da Univar (2011) nº. 6 p. 189-195 ISSN 1984-431X 1 HÁBITO DE LEITURA DOS RÓTULOS DE ALIMENTOS LÁCTEOS POR CONSUMIDORES DE SUPERMERCADOS EM SINOP, MT Patrícia Gelli Feres de Marchi - patrícia@univar.edu.br Naiá Carla Marchi de Rezende-Lago 2 Juliana Aparecida

Leia mais

APOGOM. Compromissos da indústria alimentar sobre Alimentação, Actividade Física e Saúde

APOGOM. Compromissos da indústria alimentar sobre Alimentação, Actividade Física e Saúde APOGOM Compromissos da indústria alimentar sobre Alimentação, Actividade Física e Saúde É hoje amplamente reconhecido que o aumento significativo de certas doenças não transmissíveis (tais como as doenças

Leia mais

Você sabe o que está comendo?

Você sabe o que está comendo? Você sabe o que está comendo? Manual de orientação aos consumidores Educação para o Consumo Saudável Agência Nacional de Vigilância Sanitária - Anvisa Rotulagem Nutricional Obrigatória Manual de orientação

Leia mais

ROTULAGEM NUTRICIONAL: VOCÊ

ROTULAGEM NUTRICIONAL: VOCÊ ROTULAGEM NUTRICIONAL: VOCÊ SABE O QUE ESTÁ COMENDO? F. F. Paiva, G. Cavada, E. Helbig, L. R. Borges Flávia Fernandes Paiva Gramado, 2012 Introdução Vida mais corrida Modificações alimentares + Maus hábitos

Leia mais

Pesquisa. Consumo de Frutas e Hortaliças

Pesquisa. Consumo de Frutas e Hortaliças Pesquisa Consumo de Frutas e Hortaliças Pesquisa Quantitativa Consumo de Frutas e Hortaliças Elaborado por CONNECTION RESEARCH Maio 2011 2 Objetivos da pesquisa. Estudar os hábitos alimentares da população

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO/ 2013

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO/ 2013 Curso: Graduação: Habilitação: Regime: Duração: COMUNICAÇÃO SOCIAL BACHARELADO MATRIZ CURRICULAR PUBLICIDADE E PROPAGANDA SERIADO ANUAL - NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização: A) TEMPO TOTAL

Leia mais

* Rótulos dos Alimentos. Equipe: Divair Doneda, Vanuska Lima, Clevi Rapkiewicz, Júlia S. Prates

* Rótulos dos Alimentos. Equipe: Divair Doneda, Vanuska Lima, Clevi Rapkiewicz, Júlia S. Prates * Rótulos dos Alimentos * A preservação ou conservação refere-se às formas de modificação dos alimentos e das bebidas a fim de que eles se mantenham adequados para consumo humano por mais tempo......,

Leia mais

INVENÇÃO E INOVAÇÃO INTRODUÇÃO. Desenvolvimento de Novos Produtos: Aspectos Conceituais e Critérios rios de Planejamento. Definição de Produto

INVENÇÃO E INOVAÇÃO INTRODUÇÃO. Desenvolvimento de Novos Produtos: Aspectos Conceituais e Critérios rios de Planejamento. Definição de Produto INTRODUÇÃO Cenário político e econômico da Globalização Desenvolvimento de Novos Produtos: Aspectos Conceituais e Critérios rios de Planejamento Viçosa Novembro de 2012 Ceres Mattos Della Lucia ceresnut@yahoo.com.br

Leia mais

Perspectivas legais de alegações de propriedades funcionais e ou de saúde

Perspectivas legais de alegações de propriedades funcionais e ou de saúde Perspectivas legais de alegações de propriedades funcionais e ou de saúde 4º Simpósio de Segurança Alimentar Gramado/RS, 29 e 30/05/2012 Antonia Maria de Aquino GPESP/GGALI/ANVISA Missão da Anvisa Promover

Leia mais

JUSTIFICATIVA OBJETIV OS:

JUSTIFICATIVA OBJETIV OS: JUSTIFICATIVA Para termos um corpo e uma mente saudável, devemos ter uma alimentação rica em frutas, verduras, legumes, carnes, cereais, vitaminas e proteínas. Sendo a escola um espaço para a promoção

Leia mais

FACULDADE DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS E DA SAÚDE

FACULDADE DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS E DA SAÚDE União Metropolitana de Educação e Cultura Faculdade: Curso: NUTRIÇÃO FACULDADE DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS E DA SAÚDE Disciplina: INTRODUÇÃO A NUTRIÇÃO Carga horária: Teórica 40 Prática 40 Semestre: 1 Turno:

Leia mais

Alimentos com Alegações de Propriedades Funcionais e ou de Saúde, Novos Alimentos/Ingredientes, Substâncias Bioativas e Probióticos

Alimentos com Alegações de Propriedades Funcionais e ou de Saúde, Novos Alimentos/Ingredientes, Substâncias Bioativas e Probióticos FONTE: ANVISA Alimentos com Alegações de Propriedades Funcionais e ou de Saúde, Novos Alimentos/Ingredientes, Substâncias Bioativas e Probióticos IX - Lista de alegações de propriedade funcional aprovadas

Leia mais

ANEXO I REGULAMENTO TÉCNICO ACERCA DA EMBALAGEM, ROTULAGEM E PROPAGANDA DE PRODUTOS DESTINADOS À ALIMENTAÇÃO ANIMAL

ANEXO I REGULAMENTO TÉCNICO ACERCA DA EMBALAGEM, ROTULAGEM E PROPAGANDA DE PRODUTOS DESTINADOS À ALIMENTAÇÃO ANIMAL ANEXO I REGULAMENTO TÉCNICO ACERCA DA EMBALAGEM, ROTULAGEM E PROPAGANDA DE PRODUTOS DESTINADOS À ALIMENTAÇÃO ANIMAL CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º Este Regulamento estabelece normas específicas

Leia mais

Resolução da Diretoria Colegiada - RDC Nº 54, DE 12 DE NOVEMBRO DE 2012

Resolução da Diretoria Colegiada - RDC Nº 54, DE 12 DE NOVEMBRO DE 2012 1 Resolução da Diretoria Colegiada - RDC Nº 54, DE 12 DE NOVEMBRO DE 2012 Dispõe sobre o Regulamento Técnico sobre Informação Nutricional Complementar. A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância

Leia mais

Rotulagem de alimentos embalados. Prof. Ismar Araújo de Moraes Departamento de fisiologia e Farmacologia da UFF Medico Veterinário S/SUBVISA-RIO

Rotulagem de alimentos embalados. Prof. Ismar Araújo de Moraes Departamento de fisiologia e Farmacologia da UFF Medico Veterinário S/SUBVISA-RIO Rotulagem de alimentos embalados Prof. Ismar Araújo de Moraes Departamento de fisiologia e Farmacologia da UFF Medico Veterinário S/SUBVISA-RIO Rotulagem É toda inscrição, legenda, imagem ou toda matéria

Leia mais

PROJETO. Denise de Oliveira Resende Gerente-Geral de Alimentos

PROJETO. Denise de Oliveira Resende Gerente-Geral de Alimentos PROJETO Comunicação de risco para população: rotulagem, suplementos alimentares e redução de nutrientes (sódio, açúcares e gorduras trans e saturadas) nos alimentos Denise de Oliveira Resende Gerente-Geral

Leia mais

Programa de Alimentação do Trabalhador - PAT. Nutricionista Débora Razera Peluffo

Programa de Alimentação do Trabalhador - PAT. Nutricionista Débora Razera Peluffo Programa de Alimentação do Trabalhador - PAT Nutricionista Débora Razera Peluffo Perfil nutricional brasileiro Nas últimas décadas observou-se uma mudança no perfil epidemiológico da população brasileira:

Leia mais

INFLUÊNCIA DAS EMBALAGENS NA ALIMENTAÇÃO

INFLUÊNCIA DAS EMBALAGENS NA ALIMENTAÇÃO 1 INFLUÊNCIA DAS EMBALAGENS NA ALIMENTAÇÃO LIRA, Marília 1 CARVALHO, Helaine Solano Lima de 2 RESUMO A embalagem foi criada com a finalidade de proteger, conter e viabilizar o transporte dos produtos,

Leia mais

Alimentos Funcionais: Regulamentação e desafios para o uso de alegações no Brasil

Alimentos Funcionais: Regulamentação e desafios para o uso de alegações no Brasil Alimentos Funcionais: Regulamentação e desafios para o uso de alegações no Brasil FOODSTAFF Assessoria de Alimentos Ltda. setembro/ 2012 Agenda Alimentos Funcionais e Novos Alimentos O Mercado de Alimentos

Leia mais

Estratégias Governamental para Redução do Sódio

Estratégias Governamental para Redução do Sódio VIII REUNIÃO DA VIGILÂNCIA SANITÁRIA DE ALIMENTOS Goiânia, 22,23 e 24/08/12 Estratégias Governamental para Redução do Sódio DENISE DE OLIVEIRA RESENDE Gerente-Geral de Alimentos Ações Governamentais :

Leia mais

Desafios e Perspectivas para a Educação Alimentar e Nutricional

Desafios e Perspectivas para a Educação Alimentar e Nutricional I FÓRUM DE EDUCAÇÃO ALIMENTAR E NUTRICIONAL PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE Desafios e Perspectivas para a Educação Alimentar e Nutricional Ações do Ministério da Saúde Brasília-DF, 17/10/06 Educação Alimentar

Leia mais

RESOLUÇÃO ANVISA Nº 24, DE 15 DE JUNHO DE

RESOLUÇÃO ANVISA Nº 24, DE 15 DE JUNHO DE RESOLUÇÃO ANVISA Nº 24/2010 DISPÕE SOBRE A OFERTA, PROPAGANDA, PUBLICIDADE, INFORMAÇÃO E OUTRAS PRÁTICAS CORRELATAS CUJO OBJETIVO SEJA A DIVULGAÇÃO E A PROMOÇÃO COMERCIAL DE ALIMENTOS CONSIDERADOS COM

Leia mais

O consumidor deve estar atento às informações do rótulo?

O consumidor deve estar atento às informações do rótulo? Os consumidores têm o direito de conhecer as características e a composição nutricional dos alimentos que adquirem. A legislação nacional estabelece algumas normas para registro dessas informações na rotulagem

Leia mais

PUBLICIDADE DE ALIMENTOS DIRIGIDA AO PÚBLICO INFANTIL

PUBLICIDADE DE ALIMENTOS DIRIGIDA AO PÚBLICO INFANTIL PUBLICIDADE DE ALIMENTOS DIRIGIDA AO PÚBLICO INFANTIL Daniela Trettel Isabella Henriques Levantamento sobre publicidade e práticas de marketing de alimentos e bebidas para crianças Burger King, Cadbury

Leia mais

III Mostra Nacional de Produção em Saúde da Família IV Seminário Internacional de Atenção Primária/ Saúde da Família. Brasília, 08 de Agosto de 2008

III Mostra Nacional de Produção em Saúde da Família IV Seminário Internacional de Atenção Primária/ Saúde da Família. Brasília, 08 de Agosto de 2008 Oficina de Promoção da Alimentação Saudável para Agentes Comunitários de Saúde III Mostra Nacional de Produção em Saúde da Família IV Seminário Internacional de Atenção Primária/ Saúde da Família Brasília,

Leia mais

Influência das Propagandas de Televisão na Alimentação de Crianças e Adolescentes

Influência das Propagandas de Televisão na Alimentação de Crianças e Adolescentes 3 Influência das Propagandas de Televisão na Alimentação de Crianças e Adolescentes Érica Blascovi de Carvalho Bacharel em Nutrição pela Puc-Campinas A fase da vida que compreende a infância (5 a 9 anos)

Leia mais

Panorama Nutricional da População da América Latina, Europa e Brasil. Maria Rita Marques de Oliveira

Panorama Nutricional da População da América Latina, Europa e Brasil. Maria Rita Marques de Oliveira Panorama Nutricional da População da América Latina, Europa e Brasil Maria Rita Marques de Oliveira 1- MEIO AMBIENTE E PRODUÇÃO DE ALIMENTOS 2- ACESSO AOS ALIMENTOS 3- ALIMENTO SEGURO 4- PREVENÇÃO E CONTROLE

Leia mais

A MATEMÁTICA DA SAÚDE

A MATEMÁTICA DA SAÚDE A MATEMÁTICA DA SAÚDE Isabel Cristina Thiel Universidade do Estado de Santa Catarina UDESC isabelthiel@gmail.com Andressa Dambrós Universidade do Estado de Santa Catarina UDESC dessa.dambros@gmail.com

Leia mais

Proposta do Termo de Adesão

Proposta do Termo de Adesão Proposta do Termo de Adesão Informação Nutricional em Fast Food Gerência de Produtos Especiais Gerência-Geral de Alimentos 1. Histórico - Resolução RDC nº 40/01 Tornou obrigatória a Rotulagem Nutricional

Leia mais

SABOR. NUMEROSem. Fonte: Tabela Brasileira de Composição de Alimentos do Ministério da Saúde.

SABOR. NUMEROSem. Fonte: Tabela Brasileira de Composição de Alimentos do Ministério da Saúde. SABOR Fonte: Tabela Brasileira de Composição de Alimentos do Ministério da Saúde. Conteúdo produzido pela equipe de Comunicação e Marketing do Portal Unimed e aprovado pelo coordenador técnico-científico:

Leia mais

PROJETO 2 EDUCAÇÃO AMBIENTAL E ALIMENTAR COM A HORTA ESCOLAR

PROJETO 2 EDUCAÇÃO AMBIENTAL E ALIMENTAR COM A HORTA ESCOLAR PROJETO 2 EDUCAÇÃO AMBIENTAL E ALIMENTAR COM A HORTA ESCOLAR JUSTIFICATIVA Uma vez que a sobrevivência da sociedade dependerá da alfabetização cultural, social e ecológica e, sendo a Terra nossa casa maior,

Leia mais

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE (OMS)

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE (OMS) ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE (OMS) A Organização Mundial da Saúde (OMS), com sede em Genebra, tem como órgão principal a Assembleia Mundial da Saúde, composta por delegações de todos os Estados-membros

Leia mais

7/3/2014 Alegações de propriedade funcional aprovadas

7/3/2014 Alegações de propriedade funcional aprovadas Contraste normal Alto Contraste Alegações de propriedade funcional aprovadas As alegações horizontais apresentadas a seguir fazem parte de um processo contínuo e dinâmico de reavaliação das alegações aprovadas

Leia mais

American Dietetic Association

American Dietetic Association É um método sistemático para resolução de problemas que os profissionais de nutrição empregam para pensar de modo crítico e tomar decisões para resolver problemas nutricionais e prestar assistência nutricional

Leia mais

O QUE É COLESTEROL? Sinônimos: colesterol hdl, colesterol ldl

O QUE É COLESTEROL? Sinônimos: colesterol hdl, colesterol ldl O QUE É COLESTEROL? Sinônimos: colesterol hdl, colesterol ldl O colesterol pode ser considerado um tipo de lipídio (gordura) produzido em nosso organismo. Ele está presente em alimentos de origem animal

Leia mais

Promoção do Consumo de Frutas, Legumes e Verduras: O Programa 5 ao Dia

Promoção do Consumo de Frutas, Legumes e Verduras: O Programa 5 ao Dia Promoção do Consumo de Frutas, Legumes e Verduras: O Programa 5 ao Dia Promoção do Consumo de Frutas, Legumes e Verduras: O Programa 5 ao Dia Melhorar a qualidade de vida é o principal objetivo das estratégias

Leia mais

ÁCIDOS GRAXOS. Alegação

ÁCIDOS GRAXOS. Alegação DECLARACIONES FUNCIONALES O DE SALUD As alegações horizontais apresentadas a seguir fazem parte de um processo contínuo e dinâmico de reavaliação das alegações aprovadas com base em evidências científicas.

Leia mais

Assunto: Restrição da oferta de doces e preparações doces na alimentação escolar.

Assunto: Restrição da oferta de doces e preparações doces na alimentação escolar. Nota Técnica nº 01/2014 COSAN/CGPAE/DIRAE/FNDE Assunto: Restrição da oferta de doces e preparações doces na alimentação escolar. A Coordenação de Segurança Alimentar e Nutricional COSAN do Programa Nacional

Leia mais

Consumir frutas, verduras e legumes, evitar

Consumir frutas, verduras e legumes, evitar Como desenvolver políticas públicas que permitam levar hábitos alimentares saudáveis para a mesa dos 190 milhões de brasileiros? Receita para viver melhor Consumir frutas, verduras e legumes, evitar alimentos

Leia mais

Informe Técnico n. 56, de 6 de fevereiro de 2014.

Informe Técnico n. 56, de 6 de fevereiro de 2014. Informe Técnico n. 56, de 6 de fevereiro de 2014. Assunto: Esclarecimentos sobre as avaliações de eficácia de alegações de propriedades funcionais para produtos adicionados simultamente de fitoesteróis

Leia mais

O que faz um Responsável Técnico em Restaurantes comerciais

O que faz um Responsável Técnico em Restaurantes comerciais O que faz um Responsável Técnico em Restaurantes comerciais O Impacto de se alimentar fora do lar Alimentação fora do lar Investimento do consumidor no ultimo ano 17% para 30% Hábito de almoçar fora do

Leia mais

VI ENEL CAMPINA GRANDE Regulamento Técnico de Rotulagem de Produto de Origem Animal Embalado

VI ENEL CAMPINA GRANDE Regulamento Técnico de Rotulagem de Produto de Origem Animal Embalado MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SUPERINTENDÊNCIA FEDERAL DE AGRICULTURA NA PARAÍBA SERVIÇO DE INSPEÇÃO DE PRODUTOS AGROPECUÁRIOS VI ENEL CAMPINA GRANDE Regulamento Técnico de Rotulagem

Leia mais

CLÍNICA UPTIME TRATAMENTO DA DOR E PROBLEMAS EMOCIONAIS OBESIDADE A ESCOLHA DE ALIMENTOS COMO MANTER O CORPO. (segunda parte) A ESCOLHA

CLÍNICA UPTIME TRATAMENTO DA DOR E PROBLEMAS EMOCIONAIS OBESIDADE A ESCOLHA DE ALIMENTOS COMO MANTER O CORPO. (segunda parte) A ESCOLHA OBESIDADE A ESCOLHA DE ALIMENTOS COMO MANTER O CORPO (segunda parte) A ESCOLHA Responda à seguinte pergunta: Você gosta de carro? Se você gosta, vamos em frente. Escolha o carro de seus sonhos: Mercedes,

Leia mais

Ingredientes: Óleo de açaí e vitamina E. Cápsula: gelatina (gelificante) e glicerina (umectante).

Ingredientes: Óleo de açaí e vitamina E. Cápsula: gelatina (gelificante) e glicerina (umectante). Registro no M.S.: 6.5204.0095.001-3 Concentração: 500 mg Apresentação: Embalagem com 1000 cápsulas; Embalagem com 5000 cápsulas; Embalagem pet com 500 cápsulas envelopadas; Refil com 2000 cápsulas envelopadas.

Leia mais

O QUE É COLESTEROL? TIPOS

O QUE É COLESTEROL? TIPOS O QUE É COLESTEROL? O colesterol pode ser considerado um tipo de lipídio (gordura) produzido em nosso organismo. Ele está presente em alimentos de origem animal (carne, leite integral, ovos etc.). Em nosso

Leia mais

Regulamentação do uso de aditivos naturais x artificiais

Regulamentação do uso de aditivos naturais x artificiais Atualidades em Food Safety IV ILSI Brasil 23 de maio de 2012 São Paulo Regulamentação do uso de aditivos naturais x artificiais Laila Sofia Mouawad Gerência de Produtos Especiais Gerência-Geral de Alimentos

Leia mais

GORDURA TRANS E ROTULAGEM NUTRICIONAL : AVALIAÇÃO DO CONHECIMENTO DO CONSUMIDOR

GORDURA TRANS E ROTULAGEM NUTRICIONAL : AVALIAÇÃO DO CONHECIMENTO DO CONSUMIDOR ISBN 978-85-61091-05-7 Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 0 de outubro de 2009 GORDURA TRANS E ROTULAGEM NUTRICIONAL : AVALIAÇÃO DO CONHECIMENTO DO CONSUMIDOR Hellen Karoline Bom

Leia mais