RELATÓRIO DE ESTÁGIO ACOMPANHAMENTO DA EXECUÇÃO DE VÁRIAS ETAPAS NOS CANTEIROS DE OBRAS DOS EDIFÍCIOS MONTPELLIER E MONTPARNASSE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "RELATÓRIO DE ESTÁGIO ACOMPANHAMENTO DA EXECUÇÃO DE VÁRIAS ETAPAS NOS CANTEIROS DE OBRAS DOS EDIFÍCIOS MONTPELLIER E MONTPARNASSE"

Transcrição

1 ACOMPANHAMENTO DA EXECUÇÃO DE VÁRIAS ETAPAS NOS CANTEIROS DE OBRAS DOS EDIFÍCIOS MONTPELLIER E MONTPARNASSE João Pessoa Novembro

2 ACOMPANHAMENTO DA EXECUÇÃO DE VÁRIAS ETAPAS NOS CANTEIROS DE OBRAS DOS EDIFÍCIOS MONTPELLIER E MONTPARNASSE Relatório apresentado à Coordenação de Estágios e à Coordenação do Curso Superior de Tecnologia em Construçlão de Edifícios do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Paraíba, Campus João Pessoa, em cumprimento às exigências do referido curso. Orientador: Prof. Evandro Claudino de Queiroga João Pessoa 2012

3 ACOMPANHAMENTO DA EXECUÇÃO DE VÁRIAS ETAPAS NOS CANTEIROS DE OBRAS DOS EDIFÍCIOS MONTPELLIER E MONTPARNASSE Aprovado em: / / BANCA EXAMINADORA Prof. Evandro Claudino de Queiroga Orientador Prof. Ulisses Targino Bezerra Prof. Salustiano Miguel Souza Alves Profª. M.Sc. Maria de Fátima Duarte Lucena Coordenadora da CESUT - CCE Profª M.Sc. Roberta Paiva Cavalcante Coordenadora do Curso Superior de Tecnologia em Construção de Edifícios

4 AGRADECIMENTOS Agradeço antes de tudo a Deus por toda a oportunidade e apoio. Agradeço a Dona Jorgina minha mãe querida que nunca deixou de acreditar em mim, mesmo quando tudo parecia perdido. Também coloco nesta lista meu irmão Robson que sempre se preocupou comigo, mesmo estando tão distante. A minha querida Rosally, que me tolerou todo esse tempo, me ajudando em muitas coisas importantes na minha vida, sem ela, também não iria conseguir. Aos meus grandes amigos de faculdade. Agradeço ao Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia - Paraíba, que no decorrer dos anos, me acolheu juntamente com grandes mestres no âmbito do curso. Agradecimento especial para meu filho Marknini Toscano Cordeiro, que foi minha grande motivação e inspiração para concluir cada tarefa atribuída a minha pessoa. Muito obrigado aqueles que diretamente e indiretamente me ajudaram a concluir mais essa missão. Que Deus abençõe a todos.

5 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO OBJETIVOS Objetivo geral Objetivos específicos METODOLOGIA REVISÃO BIBLIOGRÁFICA ESTÁGIO Descrição do canteiro de obras ATIVIDADES DESENVOLVIDAS QUANDO RECEBIMENTO DO MATERIAL Recebimento de materiais Aferição de areia Recebimento de cimento Aferição dos tijolos Acompanhamento de estoque de materiais ATIVIDADES RELACIONADAS A COMPRA DE MATERIAIS Levantamento de estoque de materiais Armazenamento dos materiais ATIVIDADES RELACIONADAS A PESSOAL Treinamento Ações relacionadas a terceirizados e folha de pagamento Ações relacionadas a cesta básica SEGURANÇA DE TRABALHO NO CANTEIRO DE OBRAS PROCESSO CONSTRUTIVO DAS OBRAS Materiais mais utilizados... 24

6 Areia Cimento Bloco cerâmico Aço Madeira ETAPAS DE EXECUÇÃO Vigas Preparação de argamassa EXECUÇÃO DE ALVENARIA Atividades de acompanhamento da execução de alvenaria Fechamento e acabamento de alvenaria das fachadas externas EXECUÇÃO DAS INSTALAÇÕES Instalações elétricas Instalações hidrossanitários Procedimentos de execução IMPERMEABILIZAÇÃO Drenagem REVESTIMENTO Revestimento cerâmico Utilização do Gesso Forro de gesso Revestimento de alvenaria com uso de gesso REUTILIZAÇÃO DE MATERIAIS PROCESSO DE PRODUÇÃO DE OBRA DE ARTE... 45

7 17.1 Escultura do Edifício Montpellier CONCLUSÃO REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ANEXOS... 49

8 LISTA DE FIGURAS FIGURA 01 - Armazenamento de areia FIGURA 02 - Armazenamento de cimento FIGURA 03 - Palestra com participação do sindicato FIGURA 04 - Palestra sobre direitos trabalhistas FIGURA 05 - Processo construtivo das fundações FIGURA 06 - Processo construtivo dos pilares FIGURA 07 - Estocagem de areia no Montparrnasse FIGURA 08 - Estocagem de cimento no Montparnasse FIGURA 09 - Estocagem de blocos cerâmicos no Montpellier FIGURA 10 - Local de estocagem e corte FIGURA 11 - Armazenamento de ferros por bitolas FIGURA 12 - Estocagem de madeira no Montpellier FIGURA 13 - Preparação de argamassa FIGURA 14 - Mistura e transporte da argamassa FIGURA 15 Execução de Alvenaria de elevação FIGURA 16 - Alvenaria para estocagem de materiais FIGURA 17 - Tubulações de água e ramificações FIGURA 18 - Válvula redutora de pressão FIGURA 20 Impermeabilização da piscina FIGURA 21 - Aplicação de Impermeabilizante FIGURA 22 - Aplicações da manta asfáltica FIGURA 23 - Aplicação da manta asfáltica com calor FIGURA 24 - Aplicação do estuque FIGURA 25 - Instalação inadequada de tubo drenante improvisado FIGURA 26 - Tubo drenante, bidim e brita FIGURA 27 - Tubo drenante FIGURA 28 - Aplicação do forro de gesso FIGURA 29 - Sobra de Material cerâmico FIGURA 30 - Material selecionado para trinchos FIGURA 31 - Escultura do Edifício Montparnasse FIGURA 32 - Emprego do vidro na escultura FIGURA 33 - Produção da obra de arte FIGURA 34 - Escultura do Edifício Montpellier

9 IDENTIFICAÇÃO Estagiário: Instituição: Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Paraíba. Curso: Curso Superior de Tecnologia em Construção de Edifícios. Nome: Ronaldo Cordeiro dos Santos Matrícula: Telefone: (83) Professor Orientador Nome: Prof. Evandro Claudino de Queiroga Empresa Razão Social: Mediterranné Construções e Incorporações Ltda. Atividade: Construção e incorporação de edifícios multi-familiares. Endereço: Av.: Almirante Barroso, Nº. 420 Centro. Canteiro de Obras Nome: Edifício Residencial Montpellier e Montparnasse Endereço: Rua Adolfo Loureiro Franca, Nº. 428 Cabo Branco e Rua Índio Arabutã Nº. 426 Engenheiro Supervisor Nome: Gustavo Castro do Amaral. Cargo: Engº Civil. Estágio Início: 20 de Abril de 2011 Término: 27 de Julho de Carga Horária: 400 horas.

10 10 1. INTRODUÇÃO A construção civil, principalmente no que diz respeito às edificações, tem crescido interruptamente no Estado da Paraíba, com isso o setor da construção civil em João Pessoa está vasto. Fato que possibilita o acompanhamento de tais trabalhos com facilidade, de maneira que podem ser mais estudados e pesquisados, contribuindo para melhorar a efetividade e qualidade da construção civil. O fato referente à qualidade na produção e execução das obras é uma característica que vem sendo cada vez mais almejado por construtoras e clientes, o que só reforça dados estatísticos de que a concorrência na Construção Civil está cada vez mais atrelada a esse fator. É esse intuito que norteia o presente trabalho, e para isso foi observado e relatado o acompanhamento das etapas do processo de construção de edifícios. Importante ressaltar a importância da segurança nesse decorrer dos tarefa executados na obra, onde se pode observar que o aumento de acidentes de trabalho vem crescendo paulatinamente. É preciso acentuar a fiscalização e repasse das informação para todos os envolvidos, diretamente ou indiretamente, na construção civil. Além da implantação de novos conhecimentos em relação à consciência do uso de EPI, é possível, também, aumentar a confiança daqueles que trabalham nas obras em condições de risco. Hoje em dia as construtoras buscam eficiência no seu processo de produção, tentando agilizar a entrega das obras, mantendo a competitividade, conseguindo com menor custo, mas sem deixar de considerar a qualidade, aumentar a produtividade. Por isso quanto melhor a compreensão em relação a tudo que se passa dentro da obra, melhor a adaptação e qualidade de obras futuras.

11 11 1 OBJETIVOS 1.1 OBJETIVO GERAL Acompanhar as atividades exercidas na execução de várias etapas dentro do canteiro de obras, fiscalizando e relatando o processo construtivo. 1.2 OBJETIVOS ESPECÍFICOS Descrever as atividades desenvolvidades durante o acompanhamento de execução das obras dos edifícios Montparnasse e Montpellier Citar as experiências práticas adquiridas na empresa e desenvolvidas em conjunto com os conhecimentos obtidos ao longo do curso superior de Tecnologia em Contrução de Edifícios.

12 12 2 METODOLOGIA Para elaboração deste relatório, tornou-se necessário delinear a pesquisa; partindo dos objetivos específicos e chegando às fontes: livros, artigos, em meio escrito ou digital e sites; das quais foram extraídas as informações necessárias à elaboração deste relatório de estágio supervisionado. A seguir, serão descritas as etapas das quais consiste esta metodologia: Etapa 1 Levantamento bibliográfico: nessa etapa foram extraídas informações específicas, referentes o uso de placas de gesso, a fim de obter o embasamento teórico para elaboração deste relatório. Etapa 2 Levantamento físico: esta etapa consiste na extração dos dados de fontes diretas, obtidos in loco. Nela foi realizado o acompanhamento das atividades executadas pelos operários da empresa MEDITERRANNÉ CONSTRUÇÕES E INCORPORAÇÕES LTDA, nas construções dos edifícios Montpellier e Montparnasse, bem como digitalização de imagens, cuja finalidade é auxiliar na elaboração do relatório. Etapa 3 Redação: realizados todos os procedimentos necessários à elaboração do presente relatório de estágio, foi formalizado mediante sua redação.

13 13 3 REVISÃO BIBLIOGRÁFICA Na execução das obras faz-se necessário a observação A NR-18 tem sua existência jurídica assegurada, em nível de legislação ordinária, através do inciso I do artigo 200 da CLT. Ainda de acordo com o Art. 156 da CLT, compete especialmente às Superintendências Regionais do Trabalho, nos limites de sua jurisdição: I. Promover a fiscalização do cumprimento das normas de segurança e medicina do trabalho; II. Adotar as medidas que se tornem exigíveis, em virtude das disposições deste Capítulo, determinando as obras e reparos que, em qualquer local de trabalho, se façam necessárias. Segundo a Norma Regulamentadora NR18 que estabelece diretrizes de ordem administrativa, de planejamento e de organização, que objetivam a implementação de medidas de controle e sistemas preventivos de segurança nos processos, nas condições e no meio ambiente de trabalho na Indústria da Construção. Consideram-se atividades da Indústria da Construção as constantes do Quadro I, Código da Atividade Específica, da NR 4 - Serviços Especializados em Engenharia de Segurança e em Medicina do Trabalho e as atividades e serviços de demolição, reparo, pintura, limpeza e manutenção de edifícios em geral, de qualquer número de pavimentos ou tipo de construção, inclusive manutenção de obras de urbanização e paisagismo. O Cimento, segundo a PINI abr/2009, é o principal material de construção, usado como aglomerante. O Cimento Portland é composto de clínquer e de adições que distinguem os diversos tipos existentes, conferindo diferentes propriedades mecânicas e químicas a cada um. O cimento é um material cerâmico que, em contato com a água, produz reação exotérmica de cristalização de produtos hidratados, ganhando assim resistência mecânica. O clínquer é o principal item na composição de cimentos portland, sendo a fonte de Silicato tricálcico (CaO) 3 SiO 2 e Silicato dicálcico (CaO) 2 SiO 2.

14 14 Estes compostos trazem acentuada característica de ligante hidráulico e estão diretamente relacionados com a resistência mecânica do material após a hidratação. A produção do clínquer é o núcleo do processo de fabricação de cimento, sendo a etapa mais complexa e crítica em termos de qualidade e custo. As matéria-primas primas são abundantemente encontradas em jazidas de diversas partes do planeta, sendo de 80% a 95% de calcário, 5% a 20% de argila e pequenas quantidades de minério de ferro. As adições também são ou não utilizadas em função de suas distribuições geográficas. O bloco cerâmico é originalmente fabricado com argila, de cor avermelhada, podendo ser maciço ou furado segundo PINI Atualmente, por motivos ecológicos, está se voltando a atenção para o adobe e bloco de terra comprimida, por não precisarem de cozimento e poderem ser feitas no local. Segundo a norma ABNT - Norma NBR : 2010, Dimensionamento de Estruturas de Aço constituídas por perfis formados a frio. O aço é uma liga metálica formada essencialmente por ferro e carbono, com percentagens deste último variando entre 0,008 e 2,11%. Distingue-se do ferro fundido, que também é uma liga de ferro e carbono, mas com teor de carbono entre 2,11% e 6,67%. A diferença fundamental entre ambos é que o aço, pela sua ductibilidade, é facilmente deformável por forja, laminação e extrusão, enquanto que uma peça em ferro fundido é fabricada pelo processo de fundição ou usinagem. De acordo com a Revista da madeira. Nº 77 Novembro A madeira é um material produzido a partir do tecido formado pelas plantas lenhosas com funções de sustentação mecânica. Sendo um material naturalmente resistente e relativamente leve, é frequentemente utilizado para fins estruturais e de sustentação de construções. É um material orgânico, sólido, de composição complexa, onde predominam as fibras de celulose e hemicelulose unidas por lenhina.

15 15 4 ESTÁGIO O estágio foi realizado no período de 20 de Abril de 2011 a 27 de julho de 2011 (três meses) no canteiro de obras dos Edifícios Residencial multi-familiares Montparnasse e Montpellier, situados a Rua Adolfo Loureiro Franca, Nº. 428 Cabo Branco e Índio Arabutan 426, da construtora Mediterranné Construções e Incorporações Ltda. onde foram desenvolvidas atividades relacionadas a gerenciamento, levantamento de quantitativos e supervisão de serviços. 4.1 DESCRIÇÃO DO CANTEIRO DE OBRAS O canteiro de obras era totalmente demarcado para atividades construtivas, munido de escritório, refeitório, banheiro, almoxarifado, cozinha, instalações sanitárias e vestiários. Quando ao alojamento de funcionários dava-se em outro local uma vez que a maioria os funcionários não era da cidade de João Pessoa.

16 16 DO MATERIAL 5 ATIVIDADES DESENVOLVIDAS QUANDO RECEBIMENTO Entre tantas atividades, acompanhadas nas obras em questão, estão relacionadas algumas dessas ações com detalhes de execução e processo produtivo. Como primeira atividade realizou em primeiro lugar uma sondagem de todo o local verificando tudo que acontecia naquela obra. Então pude realmente acompanhar sua ação de produção e execução de projetos. Obra que já se encontrava em fase de acabamento, foi visto várias etapas citadas e comentadas em sala de aula que ainda eu não tinha sido compreendido por completo. Foi possível observar outros conceitos além do já vistos no instituto, e novas tecnologias aplicadas na obra, tanto em relação à própria construção como também na segurança de quem a executa. 5.1 RECEBIMENTO DE MATERIAIS No início tinha como tarefa o recebimento de materiais, os procedimentos seguiam o seguinte processo: Aferição de areia: Ao chegar o caminhão contendo areia era feito o procedimento de aferição da metragem cúbica. Medindo se a altura em três pontos da caçamba e tirando-se a média. Multiplicava-se o resultado dessa média com a metragem da caçamba (largura e comprimento). Logo depois era feito a conferência da nota fiscal ou recibo se o fornecedor fosse já cadastrado pela empresa Recebimento de cimento: Após todo o processo de verificação da nota fiscal, a descarga do cimento era feita por funcionários da própria fábrica de cimento. O produto vinha de fábrica contado e embalado em forma de packs de dez unidades (cada saco 50 kg), onde eram desacoplados e descarregados, seguindo os procedimentos de armazenagem e empilhamento.

17 Aferição dos bloco cerâmico: Era verificado durante a descarga do, contando-se os Pellets de 200 tijolos, que era descarregado por estivadores da empresa que entregava o material. Normalmente era feito o pedido de sete mil tijolos. Quando do recebimento dos materiais era feita conferência do nome do fornecedor, o produto a receber, a quantidade do mesmo e a metragem (areia, brita e madeira), o endereço de entrega e o nome da empresa. Era importante, também, carimbar a nota sempre que possível. 5.2 ACOMPANHAMENTO DE ESTOQUE DE MATERIAIS O acompanhamento do estoque dos materiais de saída rápida como areia, brita e outros eram feito visualmente onde o funcionário responsável pelo processamento desses materiais sempre alertava quando o estoque estava no seu limite, além do próprio mestre de obra sempre conferindo com a produção programada para o dia. Não havia até então um controle técnico de controle desse estoque. Acompanhei todo esse processo e opinei em algumas questões em relação à melhoria do setor, sugeri a compra de computadores e rádios transmissores para a obra, onde a ideia foi aceita logo foram comprados todos os equipamentos solicitados.

18 18 6 ATIVIDADES RELACIONADAS À COMPRA DE MATERIAIS Em alguns casos para a realização da compra de materiais necessários para a execução do edifício fazia se uma FMF (ficha de verificação de fornecedores-fmf), onde os fornecedores eram avaliados em relação à qualidade do serviço de atendimento, disponibilidade de estoque, menor preço, rapidez na entrega dos materiais e cumprimento do prazo de entrega. Após avaliação desta ficha, era emitido o pedido de compra pelo escritório principal. Em outros casos o conhecimento era suficiente para interferir em todo planejamento de compras, muitas vezes devido o engenheiro responsável, não aprovar a qualidade do material. 6.1 LEVANTAMENTO DE ESTOQUE DE MATERIAIS Em relação ao levantamento de materiais para as compras dos insumos utilizados para a execução das edificações Montparnasse e Montpellier se davam após os levantamentos de quantitativos,conforme modelo do anexo 1 muitos desses materiais eram idênticos ao utilizados em edificações anteriores, sendo aproveitados na obra atual. Ainda no decorrer desse estágio foram acompanhados os seguintes levantamentos: Instalação Elétrica (Montpelier); Instalação hidráulica (Montpelier); Área de piso externa (Montpelier e Montparnasse); Quantitativos de Louças (Montpelier e Montparnasse); Quantitativos de forras, portas, fechaduras e dobradiças (Montpelier e Montparnasse); Levantamento de área verde (Montpelier); Levantamentos de vidros (Montpelier e Montparnasse).

19 ARMAZENAMENTO DOS MATERIAIS Na maioria das vezes a maior parte dos materiais era armazenada no almoxarifado. Os que não seguiam o mesmo destino como: ferragem, madeiras, tijolos, brita e areia eram dispostos em locais seguros e livres de intempéries (com exceção de uma parte da ferragem). Porém os locais de armazenamentos desses materiais de saída rápida eram armazenados em baias com fácil acessibilidade facilitando toda a trabalhabilidade do setor. No canteiro de obras do Montpellier era realizado seleção de ferros devido sua bitola e comprimento, importante lembrar que esse armazenamento era feito com total proteção contra as intempéries e umidade para que o aço não entrasse em estado de corrosão. As Figuras 01 e 02, a seguir apresentadas, demonstram a forma como a areia e o cimento eram estocados. Figura. 01 Armazenamento de areia Figura. 02 Armazenamento de cimento Conforme as figuras apresentadas acima, o estoque de material de consumo rápido era feito perto da betoneira para que a trabalho fosse mais ágil e eficiente, a empresa ganhava tempo na execução das etapas que dependiam dessa ação.

20 20 7 ATIVIDADES RELACIONADAS À PESSOAL 8.1 TREINAMENTO Tanto o canteiro de obras do residencial Montpellier como o canteiro de obras do Montparnasse, era munido de um relógio de ponto digital. Cada funcionário possuía um cartão com seus dados e função. Esse cartão era registrado antes do inicio das atividades e no término do trabalho, havendo alguma observação era feita anotações no cartão quando necessárias. Observei que nesses canteiros de obras do estágio, a maioria dos funcionários era de outros municípios, segundo o responsável da obra Dr. Gustavo do Amaral. É política da empresa, trabalhar com operários oriundos de outras localidades, visto a baixa quantidade de faltas. Nas figuras 03 e 04, apresentou-se um momento de reuniões da empresa com os funcionários visando repassar informações acerca da obra, bem como direitos trabalhistas. Figura. 03 Palestra com participação do sindicato Figura. 04 Palestra sobre direitos trabalhistas

21 21 PAGAMENTO 7.2 AÇÕES RELACIONADAS A TERCEIRIZADOS E FOLHA DE Na etapa de acabamento da edificação encontram-se muitos terceirizados na obra, onde se apura vários problemas em questão de pessoal e horários de trabalhos, isso sem contar que tudo deve ser extremamente fiscalizado, Acompanhei, também, todo o processo seletivo de admissão e demissão de funcionários, onde pude participar da elaboração de folha de pagamento e frequência dos mesmos. Observei a dificuldade em encontrar bons profissionais devido à demanda de obras na cidade, nem operários de baixo grau de instrução desde de operários qualificados isso acontece quase em todos os seguimentos da construção civil. A folha de pagamento dos funcionários era feita individualmente para cada obra. No caso Montparnasse e Montpellier tratavam-se de uma planilha simples desenvolvida no Excel (ANEXO 04) com o nome dos funcionários, função e valor da quinzena, pois o salário era pago através de quinzenas. Era acrescentada nessas quinzenas a produção de cada funcionário. Alguns dos serventes que não tinha produção, porém serventes polivalentes recebiam uma pequena gratificação no intuito de incentivar os novatos. 7.3 AÇÕES RELACIONADAS À CESTA BÁSICA Os pedidos e recebimentos de cesta básica para os funcionários de ambos os canteiros eram feitos individualmente, seguindo a convenção coletiva uma lista de beneficiários. Essa cesta continha: três quilos de feijão, três quilos de arroz, dois quilos de macarrão, um quilo de farinha, dois pacotes de café, dois litros de óleo, um pacote de fubá e um quilo de açúcar. Alguns dos funcionários cediam a metade da cesta para o refeitório aqueles que almoçavam em suas residências levava a cesta integralmente.

22 22 8 SEGURANÇA DE TRABALHO NO CANTEIRO DE OBRAS Segundo estatísticas da Previdência Social e Ministério do trabalho, os índices de acidentes vem crescendo assim como o fluxo da construção civil, com intenção de preservar a empresa nesse sentido, resolveu-se tomar atitude mais rígidas visando reduzir os acidentes de trabalho. Eram feitas atividades para a conscientização dos operários da empresa que era extremamente necessário o uso de equipamentos de segurança como: capacete, luva de couro, óculos, máscara, protetores auriculares e principalmente, cinto de segurança. O que, segundo a norma da NR, EPI são equipamentos essenciais e obrigatórios no canteiro de obras. Objetivando conscientizar os operários eram realizados palestras, algumas vezes com a presença do sindicato dos trabalhadores da Construção Civil. Observei que a atitude da empresa era de grande importância devido o benefício de deixar o empregado informado e o benefício de não haver acidentes no canteiro de obras. A preocupação em relação aos EPI começava do portão pra dentro da obra, proprietários e visitantes eram obrigados a usar os capacetes que ficam disponíveis no portão de entrada, sendo expressamente proibida a circulação pela obra sem as devidas precauções o que reduziu em 100% o índice de acidentes por falta de equipamentos de proteção. Os funcionários que eram vistos sem o uso de qualquer equipamento desses, recebiam um aviso primeiramente verbal. Na Segunda vez uma notificação, e caso se persistissem no erro pela terceira vez, era demitido por justa causa. Vistorias diárias eram feitas para assegurar que todo o ambiente do canteiro estava seguro para exercer atividades de caráter construtivo. Inclusive nessa questão a própria presença do estagiário já fazia muita diferença entre os funcionários que não queriam aborrecimentos por parte da empresa.

23 23 9 PROCESSO CONSTRUTIVO DAS OBRAS O processo construtivo do Edifício Residencial Montpellier encontravase em fase ainda que inicial no momento do estágio. O processo de demolição, nivelamento, estudo do solo, dados topográficos, realização das estacas tipo FRANKI e escavação das fundações já haviam sido feitas. O processo, naquele momento, era de concretagem dos pilares referente ao pavimento térreo. Já no edifício Montparnasse que era quase que na mesma Rua do Montpellier, esse se encontrava na fase de acabamento e ajustes de projeto. Nessa acompanhei a produção da escada de acesso aos portadores de necessidades especiais, na área da piscina onde a mesma não se encontrava no projeto inicial, tendo que ser feito o ajuste e adequação da mesma. A figura 05 demonstra o processo construtivo da fundação. Figura. 05 Processo construtivo das fundações Figura. 06 Processo construtivo dos pilares Para cada edifício eram utilizados os mesmos métodos construtivos, também eram anotados todos os problemas que houvesse naquela obra no intuito de não deixar acontecer nas próximas. Nesse caso o processo construtivo dessas obras serviu para melhorar o tipo de serviço prestado e a qualidade na execução das etapas construtivas. A figura 06, demonstrada acima, registra o processo construtivo dos pilares. Nessa etapa a empresa se preocupava com todos os detalhes do projeto e principalmente com a segurança e integridade dos trabalhadores.

24 MATERIAIS DE CONSTRUÇÕESMAIS UTILIZADOS É grande a opção de materiais empregados nos diversos tipos de obras da construção civil, dentre eles destacam-se cimento, areia, bloco cerâmico, aço madeira e etc AREIA Segundo a PINI abr/2009. O material de origem mineral finamente dividido em grânulos, composto basicamente de dióxido de silício, com 0,063 a 2 mm. Forma-se à superfície da Terra pela fragmentação das rochas por erosão, por ação do vento ou da água. É utilizada nas obras de engenharia civil em aterros, execução de argamassas e concretos e também no fabrico de vidro. O tamanho de seus grãos tem importância nas características dos materiais que a utilizam como componente. Após aferição a areia era descarregada pelo caminhão em um local selecionado no canteiro de obras, o pedido da mesma era feito sempre que a baia estava pela metade, no caso era feito o pedido de dois caminhões de areia, contendo 28m 3. A figura 07 demonstra a armazenamento e peneiração da areia no edifício Montparnasse. Figura. 07 Estocagem de areia no Montparrnasse

25 CIMENTO Os sacos de cimento a serem utilizados eram empilhados em um quarto com paredes de alvenaria e telhas cerâmicas sem contato com o piso ou paredes em pilhas de 10 unidades. A Figura 08 demonstra o armazenamento de cimento de forma inadequada, porque era com pilhas de doze, segundo o responsável da obra esse material sairia de maneira rápida e não teria problemas com esse tipo de armazenamento. Figura. 08 Estocagem de cimento no Montparnasse BLOCO CERÂMICO Nessa obra foi utilizado um produto cerâmico, avermelhado, e amplamente usado na construção civil, seja em empreendimentos populares ou de alto padrão, também considerado um dos principais materiais construtivos, assim como a alvenaria de tijolos é uma das técnicas mais difundidas na construção popular. Após aferição os tijolos eram descarregados e armazenados nos pavimentos da edificação. Às vezes esses blocos cerâmicos eram distribuídos próximos aos pilares onde possui uma maior resistência a carga. Mas na maioria dos casos o armazenamento era feito no subsolo.

26 26 A figura 09 demonstra um armazenamento de cimento no canteiro de obras do Edifício Montepellier. Figura. 09 Estocagem de tijolos no Montpellier AÇO O aço era armazenado separadamente por bitolas em locais secos com sua maioria protegida das intempéries. Nos dois canteiros de obras eram armazenados sempre no subsolo. Na Figura 10 e 11, podemos ter uma ideia da estocagem e armazenamento da ferragem a ser empregada na obra. Figura. 10 Local de estocagem e corte Figura. 11 Armazenamento de ferros por bitolas

27 MADEIRA A madeira era armazenada de forma organizada por tamanhos e espessura nos dois canteiros de obra, Edifício, Montepellier e Montparnasse. Assim como o caso do aço citado no ítem , era estocada em local protegido das intempéries e umidades, e esse tipo de material por mais resistentes que seja dura mais nas edificações quando bem armazenado e estocado, foi o que observei durante o período de estágio. A Figura 12 demonstra de maneira simples a organização do armazenamento de todo o madeiramento relacionado à obra. Na escolha da qualidade desse material era importante se considerar o tempo de duração, na empresa todos esses materiais eram reaproveitados e as sobras que não servia, eram doadas para proprietários de panificadoras para queima como lenha, onde para a empresa era interessante doar porque o interessado responsabilizava em transportar as sobras de madeiras.. Figura. 12 Estocagem de madeira no Montpellier

28 28 10 ETAPAS DE EXECUÇÃO 10.1 VIGAS No Edifício Montepellier foi possível acompanhar algumas etapas de fabricação de vigas. A viga é geralmente usada no sistema laje-viga-pilar para transferir os esforços verticais recebidos da laje para o pilar ou para transmitir uma carga concentrada, caso sirva de apoio a um pilar. As vigas, feitas em concreto armado, são dimensionadas de forma que apenas a sua ferragem longitudinal resista aos esforços de tração, não sendo levado em conta a resistência a tração do concreto, por este ser muito baixa. As vigas de concreto armado recebem uma ferragem secundária distribuida transversalmente ao logo da viga denominada estribos. Possuem a finalidade de levar até os apoios as forças cisalhantes. Segundo Neto As vigas de concreto que são fundidas juntamente com a laje, o seu dimensionamento a compressão pode levar em conta parte laje junto a viga, ajudando a diminuir a quantidade de ferragem para resistir aos esforços de compressão. Para a confecção das armaduras das vigas foi usado Aço CA 50 60, com bitolas de 5 mm, 6.3mm, 8mm, 10mm, 12.5mm, 16mm, 20mm e 25mm. A confecção procedia da seguinte forma: Primeiro eram conferidos os aços e bitolas a serem utilizados de acordo com o projeto de armação de vigas, esse previamente elaborado pelo Engenheiro calculista estrutural. Em seguida fazia-se um rascunho desta ferragem para facilitar a compreensão dos armadores na hora da sua confecção. As fôrmas das vigas eram montadas entre os pilares (seguindo a planta de fôrma de cada pavimento) apoiadas por escoras metálicas e de madeira, assim tornado possível o encaixe da armadura. Colocam-se espaçadores CT 25 no fundo e S 25 nas laterais para evitar o contato entre o ferro e a fôrma.

2 DESCRIÇÃO DO LOCAL. Figura 1 Edifício Philadélphia

2 DESCRIÇÃO DO LOCAL. Figura 1 Edifício Philadélphia 4 1 INTRODUÇÃO Esse relatório tem como objetivo apresentar as atividades desenvolvidas pelo acadêmico Joel Rubens da Silva Filho no período do estágio obrigatório para conclusão do curso de Engenharia

Leia mais

SISTEMAS CONSTRUTIVOS Professor:Regialdo BLOCOS DE CONCRETO

SISTEMAS CONSTRUTIVOS Professor:Regialdo BLOCOS DE CONCRETO SISTEMAS CONSTRUTIVOS Professor:Regialdo BLOCOS DE CONCRETO CONCEITO A tipologia estrutural composta por bloco, argamassa, graute e eventualmente armações é responsável por um dos sistemas construtivos

Leia mais

EXERCÍCIO PROJETO DO CANTEIRO DE OBRAS DE EDIFÍCIOS

EXERCÍCIO PROJETO DO CANTEIRO DE OBRAS DE EDIFÍCIOS EXERCÍCIO PROJETO DO CANTEIRO DE OBRAS DE EDIFÍCIOS Você foi incumbido do planejamento da execução do edifício habitacional, constituído por um subsolo, um pavimento térreo e oito pavimentos tipo, com

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE SANTO ÂNGELO MEMORIAL DESCRITIVO

PREFEITURA MUNICIPAL DE SANTO ÂNGELO MEMORIAL DESCRITIVO PREFEITURA MUNICIPAL DE SANTO ÂNGELO MEMORIAL DESCRITIVO Ampliação E.M.E.I. Manoel dos Santos Ribeiro Bairro José Alcebíades de Oliveira GENERALIDADES Execução por Empreitada Global O presente memorial

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO. 2.0 - Calçadas Externas/rampa/escada:

MEMORIAL DESCRITIVO. 2.0 - Calçadas Externas/rampa/escada: PROJETO Nº 051/2013 Solicitação: Memorial Descritivo Tipo da Obra: Reforma, ampliação e adequação acesso Posto de Saúde Santa Rita Área existente: 146,95 m² Área ampliar: 7,00 m² Área calçadas e passeio:

Leia mais

Relatório de Estágio Curricular. Rafael Menezes Albuquerque

Relatório de Estágio Curricular. Rafael Menezes Albuquerque Instituto Tecnológico de Aeronáutica Divisão de Engenharia de Infra-Estrutura Aeronáutica Relatório de Estágio Curricular Rafael Menezes Albuquerque São José dos Campos Novembro2005 Relatório de Estágio

Leia mais

Residencial Recanto do Horizonte

Residencial Recanto do Horizonte MEMORIAL DESCRITIVO Residencial Recanto do Horizonte FUNDAÇÃO E ESTRUTURA As Fundações serão executadas de acordo com o projeto estrutural, elaborado de acordo com as normas técnicas pertinentes e baseadas

Leia mais

Parede de Garrafa Pet

Parede de Garrafa Pet CONCEITO As paredes feitas com garrafas pet são uma possibilidade de gerar casas pré fabricadas através da reciclagem e é uma solução barata e sustentável. As garrafas pet são utilizadas no lugar dos tijolos

Leia mais

BRICKA ALVENARIA ESTRUTURAL

BRICKA ALVENARIA ESTRUTURAL BRICKA ALVENARIA ESTRUTURAL BRICKA ALVENARIA ESTRUTURAL Indice ALVENARIA ESTRUTURAL MANUAL DE EXECUÇÃO E TREINAMENTO...1 O QUE É ALVENARIA ESTRUTURAL?...1 Seu trabalho fica mais fácil...1 CUIDADOS QUE

Leia mais

RELATÓRIO DE ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO

RELATÓRIO DE ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ COORDENAÇÃO DE ENGENHARIA CIVIL CAMPUS CAMPO MOURÃO ENGENHARIA CIVIL CÉSAR RODIGHERI RELATÓRIO DE ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO Relatório de Estágio Curricular

Leia mais

Associação Brasileira da Indústria de Materiais de Construção

Associação Brasileira da Indústria de Materiais de Construção Associação Brasileira da Indústria de Materiais de Construção Por que eu devo utilizar equipamentos de segurança e onde encontrá-los? Os Equipamentos de Proteção Individual (EPI) foram feitos para evitar

Leia mais

TECNOLOGIA DA CONSTRUÇÃO

TECNOLOGIA DA CONSTRUÇÃO TECNOLOGIA DA CONSTRUÇÃO Curso Técnico de Edificações Profª Engª Civil Alexandra Müller Barbosa EMENTA Estudos de procedimentos executivos: Estruturas portantes, Elementos vedantes, Coberturas, Impermeabilização,

Leia mais

E S T A D O D O M A T O G R O S S O. Prefeitura Municipal de Jaciara

E S T A D O D O M A T O G R O S S O. Prefeitura Municipal de Jaciara MEMORIAL DESCRITIVO REDE CEGONHA - HOSPITAL MUNICIPAL JACIARA/MT O presente memorial descritivo define diretrizes referentes à reforma do espaço destinado a Programa REDE CEGONHA no Hospital Municipal

Leia mais

4.2. Instalação de água: Já existe ramal de ligação do concessionário autorizado (CORSAN) até a edificação.

4.2. Instalação de água: Já existe ramal de ligação do concessionário autorizado (CORSAN) até a edificação. MEMORIAL DESCRITIVO Proprietário (a): PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO MIGUEL DAS MISSÕES; Obra: Projeto Arquitetônico de Reforma do Centro Administrativo; Cadastro Matrícula: Local: Rua 29 de Abril, nº 165

Leia mais

ENGENHARIA DE SEGURANÇA

ENGENHARIA DE SEGURANÇA ESTADO DE MATO GROSSO UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO FACULDADE DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL ENGENHARIA DE SEGURANÇA P R O F ª K A R E N W R O B E L S T R A

Leia mais

RELATÓRIO DE ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO

RELATÓRIO DE ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ COORDENAÇÃO DE ENGENHARIA CIVIL CAMPUS CAMPO MOURÃO ENGENHARIA CIVIL MARCELO DADAMO VIEIRA RELATÓRIO DE ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO Relatório de Estágio Curricular

Leia mais

Disciplina: Construção Civil I O Canteiro de Obras

Disciplina: Construção Civil I O Canteiro de Obras UniSALESIANO Centro Universitário Católico Salesiano Auxilium Curso de Engenharia Civil Disciplina: Construção Civil I O Canteiro de Obras André Luís Gamino Professor Área de Construção Civil Canteiro

Leia mais

Prefeitura Municipal de Piratini

Prefeitura Municipal de Piratini MEMORIAL DESCRITIVO O presente Memorial Descritivo visa estabelecer as condições de materiais e execução referentes à construção de um Vestiário Esportivo, localizado na Av. 6 de julho s/n, em Piratini/RS,

Leia mais

Obra: Ampliação Câmara de Vereadores Local : VRS- 801 Almirante Tamandaré do Sul - RS Proprietário: Prefeitura Municipal de Almirante Tamandaré do Sul

Obra: Ampliação Câmara de Vereadores Local : VRS- 801 Almirante Tamandaré do Sul - RS Proprietário: Prefeitura Municipal de Almirante Tamandaré do Sul MEMORIAL DESCRITIVO Obra: Ampliação Câmara de Vereadores Local : VRS- 801 Almirante Tamandaré do Sul - RS Proprietário: Prefeitura Municipal de Almirante Tamandaré do Sul 1. O presente memorial tem por

Leia mais

CLIENTE: PREFEITURA MUNICIPAL DE ITAPIRANGA

CLIENTE: PREFEITURA MUNICIPAL DE ITAPIRANGA CLIENTE: PREFEITURA MUNICIPAL DE ITAPIRANGA OBRA: ESTAÇÃO ELEVATÓRIA PARA ESGOTO - ELEVADO RESPONSÁVEL TÉCNICO: ENG. CIVIL MICHAEL MALLMANN MUNICÍPIO: ITAPIRANGA - SC 1 INSTALAÇÕES PROVISÓRIAS Deve ser

Leia mais

RESOLUÇÃO N o 307, DE 5 DE JULHO DE 2002 Publicada no DOU nº 136, de 17/07/2002, págs. 95-96

RESOLUÇÃO N o 307, DE 5 DE JULHO DE 2002 Publicada no DOU nº 136, de 17/07/2002, págs. 95-96 RESOLUÇÃO N o 307, DE 5 DE JULHO DE 2002 Publicada no DOU nº 136, de 17/07/2002, págs. 95-96 Correlações: Alterada pela Resolução nº 448/12 (altera os artigos 2º, 4º, 5º, 6º, 8º, 9º, 10 e 11 e revoga os

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE VENÂNCIO AIRES

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE VENÂNCIO AIRES PROJETO ARQUITETÔNICO ADEQUAÇÕES NA USINA DE TRIAGEM DE LIXO LINHA ESTRELA MEMORIAL DESCRITIVO 1 MEMORIAL DESCRITIVO 1. OBJETIVO: USINA DE TRIAGEM DE LIXO A presente especificação tem por objetivo estabelecer

Leia mais

Empresa jovem e 100 % nacional, a Bazze está sediada em PORTÃO RS e é referência na extrusão de perfis em PVC.

Empresa jovem e 100 % nacional, a Bazze está sediada em PORTÃO RS e é referência na extrusão de perfis em PVC. Empresa jovem e 100 % nacional, a Bazze está sediada em PORTÃO RS e é referência na extrusão de perfis em PVC. Comprometida com a qualidade e o desenvolvimento dos nossos produtos investimos continuamente

Leia mais

Manual de Montagem Casa 36m²

Manual de Montagem Casa 36m² Manual de Montagem Casa 36m² cga -gerência de desenvolvimento da aplicação do aço Usiminas - Construção Civil INTRODUÇÃO Solução para Habitação Popular - é uma alternativa econômica, simples e de rápida

Leia mais

Principais funções de um revestimento de fachada: Estanqueidade Estética

Principais funções de um revestimento de fachada: Estanqueidade Estética REVESTIMENTO DE FACHADA Principais funções de um revestimento de fachada: Estanqueidade Estética Documentos de referência para a execução do serviço: Projeto arquitetônico Projeto de esquadrias NR 18 20

Leia mais

SUPORTE TÉCNICO SOBRE LIGHT STEEL FRAME

SUPORTE TÉCNICO SOBRE LIGHT STEEL FRAME Sistema de ds A SOLUÇÃO INTELIGENTE PARA A SUA OBRA SUPORTE TÉCNICO SOBRE LIGHT STEEL FRAME www.placlux.com.br VOCÊ CONHECE O SISTEMA CONSTRUTIVO LIGHT STEEL FRAME? VANTAGENS LIGHT STEEL FRAME MENOR CARGA

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 307, DE 5 DE JULHO DE 2002 (DOU de 17/07/2002)

RESOLUÇÃO Nº 307, DE 5 DE JULHO DE 2002 (DOU de 17/07/2002) RESOLUÇÃO Nº 307, DE 5 DE JULHO DE 2002 (DOU de 17/07/2002) Estabelece diretrizes, critérios e procedimentos para a gestão dos resíduos da construção civil. Correlações: Alterada pela Resolução nº 469/15

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL (PGRCC)

TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL (PGRCC) TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL (PGRCC) 1 JUSTIFICATIVA Este Termo de Referência tem como finalidade orientar os grandes e pequenos geradores

Leia mais

2. INSTALAÇÕES PROVISÓRIAS

2. INSTALAÇÕES PROVISÓRIAS MEMORIAL DESCRITIVO Obra: Banheiros Públicos Rincão do Segredo Local: Rua Carlos Massman - Rincão do Segredo Alm. Tam. do Sul-RS Proprietário: Município de Almirante Tamandaré do Sul / RS 1. O presente

Leia mais

SAPATAS ARMADAS Fundações rasas Solos arenosos

SAPATAS ARMADAS Fundações rasas Solos arenosos SAPATAS ARMADAS Fundações rasas Solos arenosos Prof. Marco Pádua Se a superestrutura do edifício for definida por um conjunto de elementos estruturais formados por lajes, vigas e pilares caracterizando

Leia mais

Ministério da Educação Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação - FNDE Coordenação Geral de Infraestrutural Educacional CGEST

Ministério da Educação Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação - FNDE Coordenação Geral de Infraestrutural Educacional CGEST Ministério da Educação Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação - FNDE Coordenação Geral de Infraestrutural Educacional CGEST MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO PADRÃO PARA QUADRA POLIESPORTIVA COBERTA COM

Leia mais

O que é Canteiro de Obras?

O que é Canteiro de Obras? O que é Canteiro de Obras? Sistema complexo, com muitos riscos associados Análise prévia e criteriosa de sua implantação Qualidade Produtividade Segurança Cartão de visita da obra!!! O que é Canteiro

Leia mais

Casas com paredes de concreto Reportagem: Jamila Venturini

Casas com paredes de concreto Reportagem: Jamila Venturini Casas com paredes de concreto Reportagem: Jamila Venturini O sistema de construção com paredes de concreto moldadas in loco permite executar com agilidade e economia obras de grande escala como condomínios,

Leia mais

ESTUDO PARA IMPERMEABILIZAÇÃO NA INTERFACE ESTRUTURA METÁLICA E ALVENARIA

ESTUDO PARA IMPERMEABILIZAÇÃO NA INTERFACE ESTRUTURA METÁLICA E ALVENARIA ESTUDO PARA IMPERMEABILIZAÇÃO NA INTERFACE ESTRUTURA METÁLICA E ALVENARIA Joel Henrique Rohr 1 Resumo: Uma das patologias existentes na construção civil são as infiltrações. Um dos pontos críticos das

Leia mais

PROCEDIMENTOS PARA SOLICITAÇÃO DE MODIFICAÇÕES EM APARTAMENTOS

PROCEDIMENTOS PARA SOLICITAÇÃO DE MODIFICAÇÕES EM APARTAMENTOS PROCEDIMENTOS PARA SOLICITAÇÃO DE MODIFICAÇÕES EM APARTAMENTOS Para solicitar modificações nos apartamentos, o cliente deverá vir até a empresa em horário comercial no setor de Projetos com sua carta de

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO Rio Branco, Acre Brasil

MEMORIAL DESCRITIVO Rio Branco, Acre Brasil MEMORIAL DESCRITIVO Rio Branco, Acre Brasil ÍNDICE DO MEMORIAL DESCRITIVO 1. INFORMAÇÕES GERAIS SOBRE O PROJETO 2. CONSTRUÇÃO 3. INSTALAÇÕES 4. COBERTURA 5. DISPOSIÇÕES FINAIS 1. INFORMAÇÕES GERAIS SOBRE

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO PREFEITURA MUNICIPAL DE CATALÃO SECRETARIA DE 0BRAS 1.0 INTRODUÇÃO 2.0 DISPOSIÇÕES GERAIS

MEMORIAL DESCRITIVO PREFEITURA MUNICIPAL DE CATALÃO SECRETARIA DE 0BRAS 1.0 INTRODUÇÃO 2.0 DISPOSIÇÕES GERAIS MEMORIAL DESCRITIVO OBRA: Nova Instalação da SEMMAC LOCAL: Rua Dr. Lamartine Pinto de Avelar, 2338. Setor Ipanema. Catalão GO TIPO DE SERVIÇO: Reforma e Ampliação. 1.0 INTRODUÇÃO A finalidade do presente

Leia mais

Feita de isopor Construir 370 m2 em seis meses sem estourar o orçamento nem gerar entulho: valeu investir na casa

Feita de isopor Construir 370 m2 em seis meses sem estourar o orçamento nem gerar entulho: valeu investir na casa Feita de isopor Construir 370 m2 em seis meses sem estourar o orçamento nem gerar entulho: valeu investir na casa Será que é resistente? Aceita qualquer revestimento? E se molhar? Esse mar de dúvidas invade

Leia mais

TRAÇO Proporções e consumo de materiais

TRAÇO Proporções e consumo de materiais TRAÇO Proporções e consumo de materiais Prof. Marco Pádua Em cada fase da obra usamos diferentes proporções de aglomerantes (cimento e cal), e agregados (areia e pedra) cujo objetivo pode visar: resistência,

Leia mais

Rua Dante Francisco Zattera, Quadra 4907, lote 14, Loteamento Cidade Nova II. Bairro Distrito Industrial Caxias do Sul RS

Rua Dante Francisco Zattera, Quadra 4907, lote 14, Loteamento Cidade Nova II. Bairro Distrito Industrial Caxias do Sul RS MEMORIAL DESCRITIVO: APRESENTAÇÃO DO EMPREENDIMENTO: LOCALIZAÇÃO: Rua Dante Francisco Zattera, Quadra 4907, lote 14, Loteamento Cidade Nova II. Bairro Distrito Industrial Caxias do Sul RS DESCRIÇÃO: Edifício

Leia mais

Instalações Elétricas Prediais

Instalações Elétricas Prediais Abril de 2010 Sumário Tópicos Sumário 1 As tubulações às quais se referem estas instruções devem ser destinadas exclusivamente ao uso da Concessionária que, ao seu critério, nelas poderá os servições de

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO O

MEMORIAL DESCRITIVO O MEMORIAL DESCRITIVO O presente memorial tem por objetivo estabelecer requisitos técnicos, definir materiais e padronizar os projetos e execuções da obra localizada na Rua Jorge Marcelino Coelho, s/n, Bairro

Leia mais

Estado do Rio Grande do Sul Municipio de Venâncio Aires

Estado do Rio Grande do Sul Municipio de Venâncio Aires MEMORIAL DESCRITIVO Obra: OBRAS CIVIS, REFORMA E INSTALAÇÕES - PMAT PAVIMENTO TÉRREO E SUPERIOR DA PREFEITURA MUNICIPAL Local: Rua Osvaldo Aranha-nº 634 Venâncio Aires EXECUÇÃO E SERVIÇOS A execução dos

Leia mais

Blocos e Alicerces CONCEITO

Blocos e Alicerces CONCEITO CONCEITO Os blocos são elementos estruturais de grande rigidez que são ligados pelas vigas baldrame. Sua profundidade varia de 0,5 a 1 metro. São utilizados quando há atuação de pequenas cargas, como em

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE-CONAMA

CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE-CONAMA CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE-CONAMA Resolução nº 307, de 5 de Julho de 2002. Estabelece diretrizes, critérios e procedimentos para a gestão dos resíduos da construção civil, disciplinando as ações

Leia mais

ÁREA TOTAL TERRENO: 325,00m² ÁREA TOTAL CASA: 48,00m² ÁREA DE INFILTRAÇÃO: 65,00m² ITEM ESPECIFICAÇÕES DOS SERVIÇOS

ÁREA TOTAL TERRENO: 325,00m² ÁREA TOTAL CASA: 48,00m² ÁREA DE INFILTRAÇÃO: 65,00m² ITEM ESPECIFICAÇÕES DOS SERVIÇOS 1 1.1 INSTALAÇÃO DO CANTEIRO DE OBRA Abrigo provisório de madeira executada na obra para alojamento e depósitos de materiais e ferramentas 01520.8.1.1 m² 7,50 1.2 Ligação provisória de água para a obra

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO PRÉDIO DE APARTAMENTOS. Local: Rua General Auto, N 101 e 111 Centro Porto Alegre

MEMORIAL DESCRITIVO PRÉDIO DE APARTAMENTOS. Local: Rua General Auto, N 101 e 111 Centro Porto Alegre MEMORIAL DESCRITIVO PRÉDIO DE APARTAMENTOS Local: Rua General Auto, N 101 e 111 Centro Porto Alegre INDICE 1. GENERALIDADES 1.1. OBJETOS E DADOS 1.2. NORMAS 1.3. PLANTAS 2. INTERPRETAÇÃO 3. PRÉDIO 3.1.

Leia mais

concreto É unir economia e sustentabilidade.

concreto É unir economia e sustentabilidade. concreto É unir economia e sustentabilidade. A INTERBLOCK Blocos e pisos de concreto: Garantia e confiabilidade na hora de construir. Indústria de artefatos de cimento, que já chega ao mercado trazendo

Leia mais

ÁREA TOTAL CASA: 67,50m² ÁREA DE INFILTRAÇÃO: 80,20m² ITEM ESPECIFICAÇÕES DOS SERVIÇOS

ÁREA TOTAL CASA: 67,50m² ÁREA DE INFILTRAÇÃO: 80,20m² ITEM ESPECIFICAÇÕES DOS SERVIÇOS ENDEREÇO: Rua nº 01 - Loteamento Maria Laura ÁREA TOTAL CASA: 67,50m² 1 INSTALAÇÃO DO CANTEIRO DE OBRA 1.1 Abrigo provisório de madeira executada na obra para alojamento e depósitos de materiais e ferramentas

Leia mais

Alvenaria de Blocos de Concreto

Alvenaria de Blocos de Concreto Alvenaria de Blocos de Recomendações Gerais Est. Mun. Eduardo Duarte, 1100 - Esq. RST 287. Santa Maria - RS Fone: (55) 3221 2000 e-mail : prontomix@prontomix.com.br Conceitos Gerais O que é Alvenaria Estrutural?

Leia mais

Quanto aos esforços: compressão, tração e flexão; Flexibilidade de formas; Durabilidade; Transmissão de calor

Quanto aos esforços: compressão, tração e flexão; Flexibilidade de formas; Durabilidade; Transmissão de calor 1. CONCEITO: Produto resultante da associação íntima entre um aglomerante mais um agregado miúdo, mais um agregado graúdo e água (+ ferragens). 2. CARACTERÍSTICAS Quanto aos esforços: compressão, tração

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA NA VILA CARÁS NO MUNICIPIO DE FARIAS BRITO-CE

MEMORIAL DESCRITIVO SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA NA VILA CARÁS NO MUNICIPIO DE FARIAS BRITO-CE MEMORIAL DESCRITIVO OBJETIVO: SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA NA VILA CARÁS NO MUNICIPIO DE FARIAS BRITO-CE RESERVATÓRIO ELEVADO Estrutura - Toda a estrutura do reservatório será em concreto armado utilizando

Leia mais

Materiais de Construção Civil. Aula 07. Gesso para Construção Civil

Materiais de Construção Civil. Aula 07. Gesso para Construção Civil Materiais de Construção Civil Aula 07 Gesso para Construção Civil Taciana Nunes Arquiteta e Urbanista Gesso para Construção Civil O gesso é um mineral aglomerante produzido a partir da calcinação da gipsita,

Leia mais

ANEXO I - MEMORIAL DESCRITIVO

ANEXO I - MEMORIAL DESCRITIVO ANEXO I - MEMORIAL DESCRITIVO RAMPA NAÚTICA DE ARAGARÇAS-GO O presente memorial descritivo tem por objetivo fixar normas específicas para CONSTRUÇÃO DE UMA RAMPA NAÚTICA - RIO ARAGUAIA, em área de 3.851,89

Leia mais

MOGIBASE IMPERMEABILIZANTE DE CONCRETO E ARGAMASSAS

MOGIBASE IMPERMEABILIZANTE DE CONCRETO E ARGAMASSAS MOGIBASE IMPERMEABILIZANTE DE CONCRETO E ARGAMASSAS COMPOSIÇÃO: Sais inorgânicos e estabilizantes. PROPRIEDADES: Impermeabilizante de concreto e argamassas. MOGIBASE é de fácil aplicação e não altera os

Leia mais

37 3231-4615 www.levemix.com.br GUIA PRÁTICO DE APLICAÇÃO CONCRETO LEVEMIX. Comodidade, economia e segurança ENTREGAMOS PEQUENAS QUANTIDADES

37 3231-4615 www.levemix.com.br GUIA PRÁTICO DE APLICAÇÃO CONCRETO LEVEMIX. Comodidade, economia e segurança ENTREGAMOS PEQUENAS QUANTIDADES GUIA PRÁTICO DE APLICAÇÃO CONCRETO LEVEMIX Orientações técnicas para o melhor desempenho de sua concretagem Comodidade, economia e segurança 37 3231-4615 www.levemix.com.br ENTREGAMOS PEQUENAS QUANTIDADES

Leia mais

Estaleiros de Equipamentos e Obras

Estaleiros de Equipamentos e Obras isep Engenharia Civil Estaleiros de Equipamentos e Obras [EEQO] Organização do Estaleiro de uma Obra de Construção Civil Eduardo Azevedo, nº 980019 Estaleiros de Equipamentos e Obras Organização do Estaleiro

Leia mais

Sistemas da edificação Aplicação na prática

Sistemas da edificação Aplicação na prática 1 Vantagens Alta produtividade com equipes otimizadas; Redução de desperdícios e obra limpa; Facilidade de gerenciamento e padronização da obra; Elevada durabilidade; Facilidade de limpeza e conservação;

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO/TÉCNICO

MEMORIAL DESCRITIVO/TÉCNICO MEMORIAL DESCRITIVO/TÉCNICO PROPRIETÁRIO: Prefeitura Municipal de Carmo de Minas. ENDEREÇO: Rua Luiz Gomes, nº. 150, Bairro: Centro, CEP: 37472-000. CNPJ: 18.188.243/0001-60. ENDEREÇO DA OBRA: Rua Euclides

Leia mais

COMPONENTES. Chapa de gesso: 3 tipos

COMPONENTES. Chapa de gesso: 3 tipos Paredes internas Estrutura leve GESSO ACARTONADO Fixado em perfis de chapa de aço galvanizado (esqueleto de guias e montantes) Parede: chapas de gesso em uma ou mais camadas Superfície pronta para o acabamento

Leia mais

ANDAIMES SUSPENSOS (Alterado pela Portaria SIT n.º 30, de 20 de dezembro de 2001)

ANDAIMES SUSPENSOS (Alterado pela Portaria SIT n.º 30, de 20 de dezembro de 2001) NR-18 Andaime Suspenso Mecânico ANDAIMES SUSPENSOS (Alterado pela Portaria SIT n.º 30, de 20 de dezembro de 2001) NR-18.15.30 Os sistemas de fixação e sustentação e as estruturas de apoio dos andaimes

Leia mais

5 DESCRIÇÃO DETALHADA DO BEM CULTURAL

5 DESCRIÇÃO DETALHADA DO BEM CULTURAL 57 5 DESCRIÇÃO DETALHADA DO BEM CULTURAL O conjunto arquitetônico da residência de Antônio de Rezende Costa, que hoje abriga a Escola Estadual Enéas de Oliveira Guimarães foi pelos autores do presente

Leia mais

CADERNO DE ESPECIFICAÇÕES

CADERNO DE ESPECIFICAÇÕES CADERNO DE ESPECIFICAÇÕES OBRA: ESTACIONAMENTOS DO COMPLEXO MULTIEVENTOS E CAMPUS DE JUAZEIRO CADERNO DE ESPECIFICAÇÕES 1/5 PISOS EXTERNOS Pavimentação em Piso Intertravado de Concreto Conforme delimitado

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE

CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE RESOLUÇÃO N. 307, DE 05 DE JULHO DE 2002 Alterações: Resolução CONAMA n. 348, de 16.08.04 Resolução CONAMA n. 431, de 24.05.11 Resolução CONAMA n. 448, de 18.01.12 Resolução

Leia mais

A NOVA GERAÇÃO DE OBRAS SISTEMA PREMIERE

A NOVA GERAÇÃO DE OBRAS SISTEMA PREMIERE A NOVA GERAÇÃO DE OBRAS SISTEMA PREMIERE Esta inovação faz nascer a técnica industrial aplicada a construção no Brasil SISTEMA DE CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL A Construção Sustentável Premiere representa uma

Leia mais

Anexo I-A: Serviços de reforma no alojamento de menores da P. J. de Samambaia

Anexo I-A: Serviços de reforma no alojamento de menores da P. J. de Samambaia Serviços de reforma no alojamento de menores da P. J. de Samambaia MEMORIAL DESCRITIVO Anexo I-A: Serviços de reforma no alojamento de menores da P. J. de Samambaia Sumário 1.Considerações gerais...1 2.Serviços

Leia mais

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DA OBRA.

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DA OBRA. INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE DEPARTAM ENTO DE ENGENHARIA E INFRAESTRUTURA BR 406 - Km 73 n 3500 Perímetro Rural do Município de João Câmara / RN, CEP: 59550-000

Leia mais

MEMORIAL DE INSTALAÇÕES HIDROSANITÁRIAS

MEMORIAL DE INSTALAÇÕES HIDROSANITÁRIAS 1 MEMORIAL DE INSTALAÇÕES HIDROSANITÁRIAS A presente especificação destina-se a estabelecer as diretrizes básicas e definir características técnicas a serem observadas para execução das instalações da

Leia mais

guia de instalação cisterna vertical

guia de instalação cisterna vertical guia de instalação cisterna vertical FORTLEV CARACTERÍSTICAS FUNÇÃO Armazenar água pluvial ou água potável à temperatura ambiente. APLICAÇÃO Residências, instalações comerciais, fazendas, escolas ou qualquer

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO COMERCIAL CHATÊAU DE LA VIE

MEMORIAL DESCRITIVO COMERCIAL CHATÊAU DE LA VIE MEMORIAL DESCRITIVO COMERCIAL CHATÊAU DE LA VIE Rua Clemente Pinto, 146. Pág. 1 / 9 1 GENERALIDADES E DISPOSIÇÕES GERAIS O presente memorial descritivo tem por objetivo especificar o tipo, qualidade e

Leia mais

NOVOS PACOTES DE ASSISTÊNCIA RESIDENCIAL - A partir de 16/06/2015

NOVOS PACOTES DE ASSISTÊNCIA RESIDENCIAL - A partir de 16/06/2015 NOVOS PACOTES DE ASSISTÊNCIA RESIDENCIAL - A partir de 16/06/2015 Para as contratações e renovações, a partir de 16/06/2015, os planos disponíveis serão: a) Serviço para casa (Plus Casa) Plus Casa Chaveiro

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA COORDENADORIA DE MANUTENÇÃO LISTA DE VERIFICAÇÕES SERVIÇOS PREVENTIVOS

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA COORDENADORIA DE MANUTENÇÃO LISTA DE VERIFICAÇÕES SERVIÇOS PREVENTIVOS LOCAL: SETOR/ENDEREÇO: PERÍODO: RESPONSÁVEL PELAS INFORMAÇÕES: LISTA DE VERIFICAÇÕES SERVIÇOS PREVENTIVOS SISTEMAS HIDROSSANITÁRIOS PERÍODICIDADE SERVIÇOS PREVENTIVOS STATUS SEMANA 01 DIÁRIO Verificação

Leia mais

FUNDAÇÃO PROFESSOR MARTINIANO FERNANDES- IMIP HOSPITALAR - HOSPITAL DOM MALAN

FUNDAÇÃO PROFESSOR MARTINIANO FERNANDES- IMIP HOSPITALAR - HOSPITAL DOM MALAN 25% 1.0 SERVIÇOS PRELIMINARES R$ 12.734,82 1.1 COTAÇÃO MOBILIZAÇÃO DE EQUIPAMENTOS, FERRAMENTAS E PESSOAL. M² 200,00 2,57 3,21 642,50 1.2 74220/001 TAPUME DE CHAPA DE MADEIRA COMPENSADA, E= 6MM, COM PINTURA

Leia mais

Plano da Qualidade da Obra PQO

Plano da Qualidade da Obra PQO Sistema de Gestão de Qualidade PQO.01 Residencial Vale do Capibaribe Plano da Qualidade da Obra PQO Obra: Residencial vale do Capibaribe Elaborado por: Aprovado por: LUIS CARLOS LOUREIRO ABRANTES 02 /

Leia mais

Estado do Rio Grande do Sul PREFEITURA MUNICIPAL DE ALMIRANTE TAMANDARÉ DO SUL MEMORIAL DESCRITIVO

Estado do Rio Grande do Sul PREFEITURA MUNICIPAL DE ALMIRANTE TAMANDARÉ DO SUL MEMORIAL DESCRITIVO MEMORIAL DESCRITIVO OBRA: CALÇAMENTO COM PEDRAS DE BASALTO IRREGULAR ÁREA: 4.990,99m² - CONTRATO 1016190.50 LOCAL: Rua Andina M. de Quadros, Dosalina M. de Quadros e Manoel Ferreira da Silva no Bairro

Leia mais

CIE - CENTRO DE INICIAÇÃO AO ESPORTE (QUADRAS REVERSÍVEIS) MINISTÉRIO DO ESPORTE

CIE - CENTRO DE INICIAÇÃO AO ESPORTE (QUADRAS REVERSÍVEIS) MINISTÉRIO DO ESPORTE PROJETO EXECUTIVO DE ESTRUTURAS METÁLICAS CIE - CENTRO DE INICIAÇÃO AO ESPORTE (QUADRAS REVERSÍVEIS) MINISTÉRIO DO ESPORTE MEMORIAL DESCRITIVO DE ESTRUTURAS METÁLICAS - CIE - R40-45 - R01 ESTRUTURA METÁLICA

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO INSTALAÇÃO DE VOLUME DE CAIXA D'ÁGUA NA CASA DE PASSAGEM DO MUNICÍPIO DE CAÇADOR

MEMORIAL DESCRITIVO INSTALAÇÃO DE VOLUME DE CAIXA D'ÁGUA NA CASA DE PASSAGEM DO MUNICÍPIO DE CAÇADOR MEMORIAL DESCRITIVO INSTALAÇÃO DE VOLUME DE CAIXA D'ÁGUA NA CASA DE PASSAGEM DO MUNICÍPIO DE CAÇADOR 1 SUMÁRIO SUMÁRIO 2 MEMORIAL DESCRITIVO 3 I. DADOS FÍSICOS LEGAIS 3 II. DISPOSIÇÕES PRELIMINARES 3 III.

Leia mais

RELATÓRIO DE ESTÁGIO INSTITUTO TECNOLÓGICO DE AERONÁUTICA CURSO DE ENGENHARIA CIVIL-AERONÁUTICA. São José dos Campos, 17/02/ 2012.

RELATÓRIO DE ESTÁGIO INSTITUTO TECNOLÓGICO DE AERONÁUTICA CURSO DE ENGENHARIA CIVIL-AERONÁUTICA. São José dos Campos, 17/02/ 2012. INSTITUTO TECNOLÓGICO DE AERONÁUTICA CURSO DE ENGENHARIA CIVIL-AERONÁUTICA RELATÓRIO DE ESTÁGIO São José dos Campos, 17/02/ 2012. Nome do Aluno: Gabriela Nobre Pedreira da Costa 1 INFORMAÇÕES GERAIS Estagiário

Leia mais

Belo Horizonte - MG Interface com Outros Subsistemas

Belo Horizonte - MG Interface com Outros Subsistemas Belo Horizonte - MG Interface com Outros Subsistemas 10/11/2009 Carlos Chaves LOG Gestão de Obras Subsistemas Deus está nos detalhes Mies van der Rohe (1886-1969) Pavilhão alemão na Feira Mundial de Barcelona

Leia mais

Resíduos da Construção Civil INEA DIRETORIA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL (DILAM)

Resíduos da Construção Civil INEA DIRETORIA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL (DILAM) Resíduos da Construção Civil INEA DIRETORIA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL (DILAM) Legislação e Normas Resolução CONAMA n 307 de 04 de Maio de 2002 Estabelece diretrizes, critérios e procedimentos para a gestão

Leia mais

Gestão da produção: Sistemas isolados. Gestão da produção: Funções envolvidas. Conteúdo. Gestão Integrada. Gestão Integrada

Gestão da produção: Sistemas isolados. Gestão da produção: Funções envolvidas. Conteúdo. Gestão Integrada. Gestão Integrada Universidade Federal da Bahia Escola Politécnica Departamento de Construção e Estruturas Especialização em Gerenciamento de Obras Gestão Integrada Conteúdo Gestão Integrada Getsão de Fluxos Físicos Gestão

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO ARQUITETÔNICO - REFORMA

MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO ARQUITETÔNICO - REFORMA MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO ARQUITETÔNICO - REFORMA Projeto:... REFORMA POSTO DE SAÚDE Proprietário:... PREFEITURA MUNICIPAL DE IRAÍ Endereço:... RUA TORRES GONÇALVES, N 537 Área a Reformar:... 257,84

Leia mais

RESIDENCIAL MIRANTE DO PARQUE

RESIDENCIAL MIRANTE DO PARQUE RESIDENCIAL MIRANTE DO PARQUE 1 Estrutura Acabamento externo: TORRE 5 100% executado 98% executado - Revestimento fachada; 100% concluído - Aplicação de textura; 100% concluído - Execução do telhado; 100%

Leia mais

ESTRUTURAS. Prof. Eliseu Figueiredo Neto

ESTRUTURAS. Prof. Eliseu Figueiredo Neto ESTRUTURAS Prof. Eliseu Figueiredo Neto PAREDES DE TIJOLO Assentamento dos tijolos: Quanto a colocação (ou dimensão das paredes) dos tijolos, podemos classificar as paredes em: cutelo, de meio tijolo,

Leia mais

IFES/CAMPUS DE ALEGRE - ES PROJETO BÁSICO

IFES/CAMPUS DE ALEGRE - ES PROJETO BÁSICO IFES/CAMPUS DE ALEGRE - ES PROJETO BÁSICO Especificação Destinada Construção do Núcleo de Empresas Junior INTRODUÇÃO A execução dos serviços referente Construção do Núcleo de Empresas Junior, obedecerá

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA - TR Pregão Eletrônico nº 001/2014

TERMO DE REFERÊNCIA - TR Pregão Eletrônico nº 001/2014 Anexo I TERMO DE REFERÊNCIA - TR Pregão Eletrônico nº 001/2014 1 DO OBJETO 1.1 Prestação de serviços de instalação de piso elevado acessível, com fornecimento de componentes, acessórios e materiais, visando

Leia mais

Memorial Descritivo Condomínio Residencial Renascer

Memorial Descritivo Condomínio Residencial Renascer Memorial Descritivo Memorial Descritivo Condomínio Residencial Renascer Um novo tempo. Sua nova vida. Incorporação e Construção: JDC Engenharia Ltda Empreendimento: Construção de 2 torres residenciais,

Leia mais

Projeto de Avicultura Colonial PAC/ 2009 Embrapa Clima Temperado Aviário para 300 Aves de Postura, com captação de água pluvial.

Projeto de Avicultura Colonial PAC/ 2009 Embrapa Clima Temperado Aviário para 300 Aves de Postura, com captação de água pluvial. Projeto de Avicultura Colonial PAC/ 2009 Embrapa Clima Temperado Aviário para 300 Aves de Postura, com captação de água pluvial. Responsável: : João Pedro Zabaleta Pesquisador II, Agricultura Familiar

Leia mais

PRODUÇÃO DA ARMADURA PRODUÇÃO DE ARMADURAS. Barras e fios de aço destinados à armadura. Barras e fios de aço destinados à armadura

PRODUÇÃO DA ARMADURA PRODUÇÃO DE ARMADURAS. Barras e fios de aço destinados à armadura. Barras e fios de aço destinados à armadura DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE CONSTRUÇÃO CIVIL PCC 2435 - Tecnologia da Construção de Edifícios I PRODUÇÃO DA ARMADURA PRODUÇÃO DE ARMADURAS Qual a função das armaduras? Estruturar o concreto simples Profs.

Leia mais

PRIDE IPIRANGA RELATÓRIO DE ANDAMENTO DAS OBRAS CIVIS PERÍODO OUTUBRO DE 2015

PRIDE IPIRANGA RELATÓRIO DE ANDAMENTO DAS OBRAS CIVIS PERÍODO OUTUBRO DE 2015 PERÍODO OUTUBRO DE 2015 Andamento das Obras Execução dos barracões e Mobilização de canteiro de obras quantidade a executar 70% - quantidade acumulada ao final do período 70%; Durante o período executaremos

Leia mais

Conceito AULA 4. Escola Politécnica Universidade Federal da Bahia Tecnologia da Construção Civil

Conceito AULA 4. Escola Politécnica Universidade Federal da Bahia Tecnologia da Construção Civil Escola Politécnica Universidade Federal da Bahia Tecnologia da Construção Civil AULA 4 Gesso Acartonado Prof. Dr. Luiz Sergio Franco Escola Politécnica da USP Dep. de Engenharia de Construção Civil Construção

Leia mais

KEPLER ROCHA PASCOAL Engenheiro Civil 98-8833-6064 - kepler@franere.com.br

KEPLER ROCHA PASCOAL Engenheiro Civil 98-8833-6064 - kepler@franere.com.br VIABILIDADE TÉCNICA E ECONÔMICA DA ALVENARIA ESTRUTURAL COM BLOCOS DE CONCRETO 2a. parte: ECONÔMICA-ESTUDO DE CASO KEPLER ROCHA PASCOAL Engenheiro Civil 98-8833-6064 - kepler@franere.com.br UNIVERSIDADE

Leia mais

VIMOS SOLICITAR A ANALISE DO PROJETO ARQUITETÔNICO TRATA-SE DE UM CONJUNTO RESIDENCIAL VERTICAL COM AS SEGUINTES CARACTERISTICAS:

VIMOS SOLICITAR A ANALISE DO PROJETO ARQUITETÔNICO TRATA-SE DE UM CONJUNTO RESIDENCIAL VERTICAL COM AS SEGUINTES CARACTERISTICAS: Á PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO LEOPOLDO EM ANEXO. VIMOS SOLICITAR A ANALISE DO PROJETO ARQUITETÔNICO TRATA-SE DE UM CONJUNTO RESIDENCIAL VERTICAL COM AS SEGUINTES CARACTERISTICAS: - 12 EDIFICIOS COM 10

Leia mais

Construção de Edifícios I Instalações Sanitárias 21-26

Construção de Edifícios I Instalações Sanitárias 21-26 Construção de Edifícios I Instalações Sanitárias 21-26 6. FOSSAS SEPTICAS As fossas sépticas são unidades de tratamento primário de esgotos domésticos que detêm os despejos por um período que permita a

Leia mais

Má execução de obras de Engenharia com estudo de casos

Má execução de obras de Engenharia com estudo de casos Má execução de obras de Engenharia com estudo de casos Engª MsC Silvania Miranda do Amaral Engenheira Civil e de Segurança do Trabalho Especialista em Georreferenciamento Mestre em Engenharia Civil Má

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE SANTO ÂNGELO MEMORIAL DESCRITIVO

PREFEITURA MUNICIPAL DE SANTO ÂNGELO MEMORIAL DESCRITIVO PREFEITURA MUNICIPAL DE SANTO ÂNGELO MEMORIAL DESCRITIVO Obra: Reforma muro lateral, calçadas e cercas E. M. E. F. Marcelino José Bento Champagnat GENERALIDADES Execução por empreitada global O presente

Leia mais

A cobertura pode ser feita com telhas que podem ser metálicas, de barro ou ainda telhas asfálticas tipo shingle.

A cobertura pode ser feita com telhas que podem ser metálicas, de barro ou ainda telhas asfálticas tipo shingle. CONCEITO Light (LSF estrutura em aço leve) é um sistema construtivo racional e industrial. Seus principais componentes são perfis de aço galvanizado dobrados a frio, utilizados para formar painéis estruturais

Leia mais

Cartilha de gestão de entulho de obra

Cartilha de gestão de entulho de obra Cartilha de gestão de entulho de obra Introdução O Sinduscon-CE anualmente investe na publicação de manuais de segurança e sustentabilidade para o setor, com forma de incentivar as boas-práticas na construção

Leia mais

DCC - RESPONDENDO AS DÚVIDAS 04. FUNDAÇÃO

DCC - RESPONDENDO AS DÚVIDAS 04. FUNDAÇÃO DCC - RESPONDENDO AS DÚVIDAS 04. FUNDAÇÃO Av. Torres de Oliveira, 76 - Jaguaré CEP 05347-902 - São Paulo / SP FUNDAÇÃO 1. TIPO DE SOLO A primeira parte da casa a ser construída são suas fundações, que

Leia mais

Execução e Manutenção de Pavimento Intertravado. MSc. Eng. Cláudio Oliveira Silva

Execução e Manutenção de Pavimento Intertravado. MSc. Eng. Cláudio Oliveira Silva Execução e Manutenção de MSc. Eng. Cláudio Oliveira Silva Norma de Execução e Manutenção NBR 15953 com peças de concreto - Execução NBR 15953 Escopo Se aplica à pavimentação intertravada com peças de concreto

Leia mais