CAPÍTULO 2 MINERAIS 1) CONCEITO

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CAPÍTULO 2 MINERAIS 1) CONCEITO"

Transcrição

1 CAPÍTULO 2 MINERAIS 1) CONCEITO Os minerais são os elementos constituintes das rochas, logo o conhecimento dos minerais implica no conhecimento das rochas. Mineral é toda substância formada por processos inorgânicos da natureza e que possui composição química definida. Esta composição química possui geralmente uma estrutura interna tridimensional (cristalina). Existem autores que consideram o petróleo e o âmbar como minerais, apesar de serem substâncias orgânicas. Dois minerais não possuem matéria cristalina sólida: a água e o mercúrio, que se apresentam no estado líquido. O mercúrio passa para o estado sólido a 39 o C. Portanto, a característica essencial do mineral é a sua ocorrência natural. Mineralogia é a ciência que estuda as propriedades, composição, maneira de ocorrência e gênese dos minerais. 2) PROPRIEDADES DOS MINERAIS As propriedades que mais interessam no estudo de um mineral são os seguintes: a) Propriedades Físicas: Dureza, traço, clivagem, fratura, tenacidade, flexibilidade, peso específico, propriedades ópticas (brilho, cor, microscopia); b) Propriedades Morfológicas: hábito (noções resumidas). Simetria, associação de minerais e goniometria não serão estudadas; c) Propriedades Químicas: Ensaios por via seca e ensaios por via úmida (não serão estudadas); d) Propriedades Elétricas, Magnéticas e Radioativas: Piezoeletricidade, Piroeletricidade, Magnetismo e Radioatividade. 1

2 a) Propriedades Físicas a.1) Dureza: É a resistência ao risco. Essa propriedade ajuda no reconhecimento rápido dos minerais. Os diferentes graus de dureza dependem da resistência das suas ligações químicas. A dureza relativa é dada pela escala empírica de Mohs. Tabela de Mohs Mineral Dureza Talco 1 Gipsita 2 Calcita 3 Fluorita 4 Apatita 5 Ortoclásio 6 Quatzo 7 Topázio 8 Coríndon 9 Diamante 10 Os minerais 1 e 2 são riscáveis pela unha, os 3, 4 e 5 são pelo canivete e pelo vidro e os 6, 7, 8, 9 e 10 não são riscáveis pelo canivete e riscam o vidro. Em aulas práticas, podem-se usar as seguintes durezas: unha (2,5), moeda (3,0), canivete (5,0), vidro (5,5), lima (6,5) e porcelana (6,5 7,0). Os minerais de maior dureza riscam os de menor. Assim, por exemplo, a Fluorita, de dureza 4, risca todos os de dureza inferior e é riscada pelos subseqüentes da escala, ou seja, por todos os outros minerais de dureza superior a 4. Não existe proporção de grau de dureza na escala de Mohs; por exemplo, o Topázio não é 8 vezes mais duro do que o Talco, nem a Fluorita é o dobro da Gipsita. Isto só é conseguido com métodos mais precisos, onde uma ponta de 2

3 aço ou diamante com peso constante desliza sobre os minerais a serem estudados. A profundidade do sulco é medida e, então, é possível obter-se uma escala de proporcionalidade. A dureza de um mineral depende de: i) sua composição química: - Compostos de metais pesados como prata, cobre, ouro e chumbo são moles; - Sulfetos e óxidos de ferro, níquel e cobalto são duros; - Óxidos e silicatos, especialmente os que contém alumínio são duros. ii) sua estrutura cristalina: Exemplo: diamante e grafita são formados por Carbono. Devido à sua estrutura cristalina, o diamante tem dureza 10 e a grafita de 1 a 2. a.2) Traço: É a propriedade de o mineral deixar um risco de pó, quando friccionado contra uma superfície não polida de porcelana branca. Para que isso aconteça, é necessário que o mineral tenha dureza inferior à porcelana. Os de maior dureza causam um sulco na porcelana e dizemos que têm traço incolor. O traço nem sempre apresenta a mesma cor que o mineral. Por exemplo, a hematita Fe 2 O 3 é um mineral preto e cinzento e produz um traço vermelho-sangue; a pirita FeS 2 é de cor amarelo-latão e fornece traço preto-esverdeado ou pretocastanho. a.3) Clivagem: É a propriedade de os minerais se partirem em determinados planos, ou já apresentar esses planos, de acordo com suas direções de fraqueza. A clivagem pode ser chamada: i) proeminente: quando o mineral apresenta um plano muito evidente ou quase perfeito, como acontece com a mica que se cliva em folhas paralelas, ou a calcita que se parte em forma de romboedro (em planos bem lisos); ii) perfeita: quando o plano apresenta certo caráter de aspereza, como acontece com os feldspatos; 3

4 iii) distinta: quando os planos de clivagem apresentam um pequeno grau de escalonamento, como por exemplo, a fluorita; iv) indistinta: exemplo: apatita. a.4) Fraturas: Quando os minerais não se partem em planos, mas segundo uma superfície irregular. As mais comuns são: i) conchoidal: em concavidades mais ou menos profundas. Exemplo: quartzo; ii) igual ou plana: quando a superfície, embora apresentando pequenas elevações e depressões, aproxima-se de um plano; iii) desigual ou irregular: com superfície irregular. a.5) Tenacidade: É a resistência ao choque de um martelo, ou ao corte de uma lâmina de aço e, de acordo com eles, os minerais são chamados de: i) quebradiços ou friáveis: reduzem a pó, quando submetidos a pressão. Exemplo: calcita; ii) sécteis: podem ser cortados por uma lâmina. Exemplo: gipsita iii) maleáveis: redutíveis a lâminas pelo martelo. Exemplo: ouro. a.6) Flexibilidade: É uma deformação que pode ser: i) elástica: se cessar, quando o esforço for retirado. Exemplo: mica; ii) plástica: se permanecer, após a retirada do esforço. Exemplo: talco. a.7) Peso Específico: É o número que expressa a relação entre o peso do mineral e o peso de igual volume de água destilada a 4 o C. Se um mineral possui peso específico 3, significa que um certo volume desse mineral pesa 3 vezes o que pesaria o mesmo volume de água. O peso específico depende de dois fatores: i) natureza dos átomos: os elementos de peso atômico mais elevado formam minerais de maior peso específico. Exemplos: CaCO 3 calcita: 2,9; BaCO 3 barita: 4,3; PbCO 3 cerusita: 6,5. 4

5 ii) estrutura atômica: o diamante e a grafita, ambos formados pelo elemento carbono, possuem estruturas diferentes. O diamante tem estrutura mais compacta, com elevada densidade de átomos por unidade de volume. Seu peso específico é 3,5. A grafita tem menor densidade de átomos por unidade de volume, seu peso específico é 2,2. b) Propriedades Óticas: b.1) Brilho: É o aspecto da reflexão da luz na superfície do mineral. O brilho dos minerais pode ser de dois tipos: metálico e não metálico. Minerais metálicos são de aspecto brilhante, semelhante ao brilho dos metais polidos. Esses minerais geralmente são escuros e opacos: Exemplo: galena, pirita. Os minerais de brilho não metálicos são geralmente claros e quando em lâminas delgadas são transparentes. Ainda há outros tipos de brilho: brilho vítreo: produz reflexões como o vidro. Exemplo: quartzo; brilho resinoso: possui aspecto de resina. Exemplo: blenda; brilho graxo: o mineral parece estar coberto por uma camada de óleo. Exemplo: gipsita, malaquita; brilho adamantino: possui reflexos fortes e brilhantes, como o diamante. Exemplo: cerusita; brilho perláceo: mostra aspecto de pérolas. brilho sedoso: possui aspecto de seda. Resulta de agregados paralelos de fibras finas. Exemplo: gipsita.. b.2) Cor: A cor num mineral deve ser sempre observada em superfície ou fratura recente, pois a superfície exposta ao ar se transforma, formando películas de alteração. Em muitos minerais a cor é uma propriedade útil para o reconhecimento. Os de brilho metálico geralmente apresentam cor constante e bem definida. As alterações superficiais por decomposição alteram a cor. Assim, por exemplo, os minerais ferruginosos podem apresentar uma película amarela de oxidação. As substâncias moleculares também mudam de cor. A blenda (ZnS) 5

6 pode ter o Zn progressivamente substituído por Fé, passando da cor cinza para preta. As micas podem ser incolores, pretas, brancas, esverdeadas; o quartzo pode ser incolor, violeta, branco, enfumaçado, amarelo; os feldspatos podem ser cinza, róseos, brancos. A cor do mineral pode ser diferente do traço: Mineral Cor Traço Ouro amarelo amarelo Pirita amarelo cinza esverdeado Magnetita cinza escuro preto Hematita escura avermelhado Limonita escura amarelo c) Propriedades Morfológicas: c.1) Hábito: É a maneira mais freqüente como um cristal ou mineral se apresenta. Todos os minerais estão enquadrados em 7 sistemas cristalinos. Os hábitos mais comuns são: Topázio: prismas rômbicos, alongados; Quartzo: prismático, terminado por faces de romboedro; Granadas: granular; Turmalina: prismático trigonal estriado; Feldspatos: prismas monocilíndricos ou triclínicos; Pirita: cúbico; Fluorita: cúbico, octaédrico; Magnetita, octaédrico Calcita e Dolomita: romboédricos; Blenda: tetraédrico; Micas: placas tabulares; Galena: cúbico ou octaédrico; Gipsita: prismático fibroso. 6

7 d) Propriedades Químicas: A composição dos minerais é de importância fundamental, pois suas propriedades químicas e demais propriedades são, em grande parte, funções dela. Todavia, essas propriedades dependem não somente da composição química, mas da geometria (ou arranjo atômico) e da natureza das forças elétricas que agrupam os átomos. De acordo com o esquema de classificação de Dana (1912), os minerais são divididos em classes, dependendo do grupo de ânions predominantes. Assim, os minerais que possuem o mesmo grupo aniônico em sua composição possuem uma inconfundível série de semelhanças muito mais acentuadas e mais marcantes que aqueles reunidos em grupos catiônicos. Deste modo, um carbonato de ferro (Siderita) guarda uma semelhança muito maior com os demais carbonatos do que, digamos, com um sulfeto de ferro (Pirita). Alguns minerais são constituídos apenas por um único elemento químico (Au, Pt, S, Ag, diamante e grafite). Como existem na natureza livres de qualquer combinação, são denominados de elementos nativos. Outros minerais são compostos químicos minerais, as vezes bastante complexos, podendo ser agrupados nas classes dos Sulfetos, Óxidos, Halogenados, Carbonatos, Sulfatos, Silicatos, etc. e) Propriedades Elétricas, Magnéticas e Radioativas: e.1) Piezoeletricidade: O cristal possui piezoeletricidade se uma carga elétrica é desenvolvida na superfície de um cristal, em conseqüência de pressões exercidas nas extremidades de seu eixo cristalográfico. Ex: o quartzo é o mineral piezoelétrico mais importante. Por isso é bastante usado na indústria eletrônica. e.2) Piroeletricidade: O desenvolvimento simultâneo de cargas elétricas, negativas e positivas, nas extremidades opostas de um cristal, sob determinadas condições de mudança de temperatura. Exemplo: Turmalina. 7

8 e.3) Magnetismo: São minerais em que em seu estado natural são atraídos pelo imã. Pouquíssimos minerais são magnéticos naturalmente. Exemplos: Magnetita (Fe 3 O 4 ) e a Pirrotita (FeS). e.4) Radioatividade: São vários os minerais radioativos, isto é, que emitem energia ou partículas que impressionam uma chapa fotográfica. Os elementos mais redioativos são o Rádio, Urânio e o Tório. Dentre os minerais radioativos temos Monazita, Pirocloro e Uraninita. 3) DESCRIÇÃO DOS MINERAIS MAIS COMUNS DE ROCHAS a) Classe dos Carbonatos: Calcita - CaCO 3 : Dureza (D) = 3,0 Densidade (d) = 2,71 Dolomita - CaMg(CO 3 ) 2 : D = 3,5 4,0 d = 2,87 b) Classe dos Sulfatos: Anidrita - CaSO 3 : D = 3,0-3,5 d = 2,89 Gipsita CaSO 4.2H 2 O: D = 2,0 d = 2,30 c) Classe dos Sulfetos: Pirita FeS 2 : D = 6,0-6,5 d = 5,02 Galena PbS: D = 2,5 d = 7,40 7,60 d) Classe dos Óxidos: Hematita Fe 2 O 3 : D = 5,0-6,5 d = 5,26 Limonita FeO(OH).nH 2 O: D = 5,0 5,5 d = 3,60-4,00 Magnetita Fe 3 O 4 : D = 6,0 d = 5,2 e) Classe dos Silicatos: Quartzo SiO 2 : D = 7,0 d = 2,65 Feldspatos KAlSi 3 O 8 ortoclásio: D = 6,0 d = 2,57 NaAlSi 3 O 8 albita: D = 6,0 6,5 d = 2,6 2,7 CaAl 2 Si 2 O 8 anortita: D = 6,0 6,5 d = 2,6 2,7 Micas KAl 2 (AlSi 3 O 10 ) (OH) 2 muscovita: D = 2,0 2,5 d = 2,76 3,1 K(Mg,Fe) 3 (AlSi 3 O 10 ) (OH) 2 biotita: D = 2,5 3,0 d = 2,8 3,0 8

Capítulo 3 - MINERAIS

Capítulo 3 - MINERAIS Capítulo 3 - MINERAIS CONCEITOS MINERAL é toda substância homogênea, sólida ou líquida, de origem inorgânica que surge naturalmente na crosta terrestre. Normalmente com composição química definida e, se

Leia mais

Homogêneo: algo que não pode ser fisicamente dividido em componentes químicos mais simples.

Homogêneo: algo que não pode ser fisicamente dividido em componentes químicos mais simples. MINERAIS HALITA Um mineral é um sólido, homogêneo, natural, com uma composição química definida e um arranjo atômico altamente ordenado. É geralmente formado por processos inorgânicos. Sólido: as substâncias

Leia mais

Mineralogia fundamental

Mineralogia fundamental Mineralogia fundamental História! Textos bíblicos! Arqueologia paleolítico, neolítico, egípcios! Plínio, o velho Tratado das Pedras Preciosas! Idade média alquimistas! Século XVIII sistematização como

Leia mais

Prof. Carlos Guedes Prof. Gilberto Pessanha Ribeiro

Prof. Carlos Guedes Prof. Gilberto Pessanha Ribeiro Minerais, rochas e ciclo das rochas Prof. Carlos Guedes Prof. Gilberto Pessanha Ribeiro Minerais, rochas e ciclo das rochas Minerais, Rochas e Ciclo das Rochas Minerais, Rochas e Ciclo das Rochas Minerais,

Leia mais

Aula 5: Minerais e Rochas Prof. Daniel Caetano

Aula 5: Minerais e Rochas Prof. Daniel Caetano Geologia para Engenharia 1 Aula 5: Minerais e Rochas Prof. Daniel Caetano Objetivo: Compreender o que são minerais, suas propriedades e sua identificação e classificação. INTRODUÇÃO - "Pedras Preciosas"

Leia mais

Geologia Noções básicas. Profa. Dra. Andrea Sell Dyminski UFPR 2010

Geologia Noções básicas. Profa. Dra. Andrea Sell Dyminski UFPR 2010 Geologia Noções básicas Profa. Dra. Andrea Sell Dyminski UFPR 2010 Estrutura do Planeta Terra Fonte: http://domingos.home.sapo.pt/estruterra_4.html Eras Geológicas Evolução dos Continentes Vídeos: http://www.youtube.com/watch?v=hsdlq8x7cuk

Leia mais

Rochas e minerais. Professora Aline Dias

Rochas e minerais. Professora Aline Dias Rochas e minerais Professora Aline Dias Os minerais São substâncias químicas, geralmente sólida, encontradas naturalmente na Terra. São compostos pela união de vários tipos de elementos químicos (silício,

Leia mais

UNIVERSIDADE COMUNITÁRIA DA REGIÃO DE CHAPECÓ - UNOCHAPECÓ MINERAIS

UNIVERSIDADE COMUNITÁRIA DA REGIÃO DE CHAPECÓ - UNOCHAPECÓ MINERAIS UNIVERSIDADE COMUNITÁRIA DA REGIÃO DE CHAPECÓ - UNOCHAPECÓ MINERAIS Prof. Carolina R. Duarte Maluche Baretta carolmaluche@unochapeco.edu.br Chapecó (SC), 2014. O QUE SÃO : MINERAIS? ROCHAS? Ametista MINÉRIOS?

Leia mais

Mineralogia. Mineralogia. Definição de Mineral. As rochas são agregados de minerais

Mineralogia. Mineralogia. Definição de Mineral. As rochas são agregados de minerais Mineralogia 1. Talc 2. Gypsum 3. Calcite 4. Fluorite 5. Apatite 6. Orthoclase 7. Quartz 8. Topaz 9. Corundum 10. Diamond Mineralogia Susana Prada Estudam-se as unidades fundamentais das rochas, os minerais,

Leia mais

14/08/2016. Introdução à Engenharia Geotécnica. Minerais. Agosto Minerais

14/08/2016. Introdução à Engenharia Geotécnica. Minerais. Agosto Minerais Introdução à Engenharia Geotécnica Minerais Vítor Pereira Faro vpfaro@ufpr.br Sidnei Helder Cardoso Teixeira s.teixeira@ufpr.br Agosto 2016 Minerais 1 MINERAIS A história da utilização dos minerais resulta

Leia mais

Antonio Liccardo Propriedades físicas dos minerais e sua aplicação na gemologia

Antonio Liccardo Propriedades físicas dos minerais e sua aplicação na gemologia Antonio Liccardo Propriedades físicas dos minerais e sua aplicação na gemologia Área de Mineralogia-Gemologia UFOP Programação Mineralogia física e gemologia Propriedades físicas (s.s) Propriedades ópticas

Leia mais

GEOLOGIA PARA ENGENHARIA CIVIL MINERAIS E ROCHAS

GEOLOGIA PARA ENGENHARIA CIVIL MINERAIS E ROCHAS GEOLOGIA PARA ENGENHARIA CIVIL MINERAIS E ROCHAS Prof. Dr. Daniel Caetano 2012-1 Objetivos Compreender a diferença entre minerais e rochas Apresentar os conceitos químicos que embasam a compreensão do

Leia mais

Apostila didática para a Disciplina Mineralogia e Petrografia. Akihisa Motoki. Mp3-2003 DMPI

Apostila didática para a Disciplina Mineralogia e Petrografia. Akihisa Motoki. Mp3-2003 DMPI Apostila didática para a Disciplina Mineralogia e Petrografia Akihisa Motoki Mp3-2003 DMPI Departamento de Mineralogia e Petrologia Ígnea Edição 2003 Sumário 1. Mineralogia 1.1. Assuntos fundamentais 1.1.1.

Leia mais

DEFINIÇÃO DE MINERAL. Fig. 1: ametista

DEFINIÇÃO DE MINERAL. Fig. 1: ametista MINERALOGIA DEFINIÇÃO DE MINERAL Um mineral é uma substância sólida, natural e inorgânica, de estrutura cristalina e com composição química fixa ou variável dentro de limites bem definidos (exceto o mercúrio).

Leia mais

Disciplina: Mineralogia e Tratamento de Minérios. Prof. Gustavo Baldi de Carvalho

Disciplina: Mineralogia e Tratamento de Minérios. Prof. Gustavo Baldi de Carvalho Disciplina: Mineralogia e Tratamento de Minérios Prof. Gustavo Baldi de Carvalho Indústrias: Plásticos Cerâmica Metalúrgica Amplamente utilizado nas indústrias de plásticos, tintas, papel e cosméticos,

Leia mais

PROPRIEDADES FÍSICAS DOS MINERAIS

PROPRIEDADES FÍSICAS DOS MINERAIS PROPRIEDADES FÍSICAS DOS MINERAIS Oliveira, Francisco Sérgio Silva de. O48p Propriedades físicas dos minerais / Francisco Sérgio Silva de Oliveira. Varginha, 2015. 13 slides. Sistema requerido: Adobe Acrobat

Leia mais

Deep Sea Drilling Vessel (D/V) CHIKYU is the first riser equipped scientific drilling vessel built for science at the planning stage.

Deep Sea Drilling Vessel (D/V) CHIKYU is the first riser equipped scientific drilling vessel built for science at the planning stage. Deep Sea Drilling Vessel (D/V) CHIKYU is the first riser equipped scientific drilling vessel built for science at the planning stage. It is capable of drilling up to 7,000m deep sea floor and aim to the

Leia mais

PROFESSOR : DOUGLAS CONSTANCIO

PROFESSOR : DOUGLAS CONSTANCIO PONTIFÍCIAUNIVERSIDADE CATÓLICA DE CAMPINAS ( PUC-CAMPINAS) FACULDADE DE CIÊNCIAS EXATAS, AMBIENTAIS E TECNOLÓGICAS CURSO DE ENGENHARIA CIVIL E ENGENHARIA AMBIENTAL TÍTULO : MINERAIS E ROCHAS PROFESSOR

Leia mais

5. RESULTADO DO PROJETO MANUAL DE ROCHAS ORNAMENTAIS PARA ARQUITETOS

5. RESULTADO DO PROJETO MANUAL DE ROCHAS ORNAMENTAIS PARA ARQUITETOS Manual de Rochas Ornamentais para Arquitetos 8 5. RESULTADO DO PROJETO MANUAL DE ROCHAS ORNAMENTAIS PARA ARQUITETOS Manual de Rochas Ornamentais para Arquitetos 9 1. APRESENTAÇÃO "O trabalho do arquiteto

Leia mais

www.professormazzei.com Propriedades da Matéria Folha 1 Prof.: João Roberto Mazzei

www.professormazzei.com Propriedades da Matéria Folha 1 Prof.: João Roberto Mazzei www.professormazzei.com Propriedades da Matéria Folha 1 Prof.: João Roberto Mazzei 01. Classifique cada uma das propriedades específicas referentes ao hidróxido de sódio em: física, química ou organoléptica.

Leia mais

Prof. Renê Macêdo Fundamentos da Geologia. Exemplos de Hábitos Cristalinos. Descrição Macroscópica de Minerais Propriedades Físicas dos Minerais

Prof. Renê Macêdo Fundamentos da Geologia. Exemplos de Hábitos Cristalinos. Descrição Macroscópica de Minerais Propriedades Físicas dos Minerais Prof. Renê Macêdo Fundamentos da Geologia Exemplos de Hábitos Cristalinos Descrição Macroscópica de Minerais Propriedades Físicas dos Minerais HÁBITO CRISTALINO / FORMA CRISTALINA É a forma geométrica

Leia mais

Revisão sobre Rochas e Minerais

Revisão sobre Rochas e Minerais Revisão sobre Rochas e Minerais Quando conhecemos melhor as pedras, elas deixam de ser simples objetos inanimados e transformam-se em pequenos capítulos da história do planeta Terra e da nossa própria

Leia mais

MINERALOGIA. Prof: Marcel Sena Campos

MINERALOGIA. Prof: Marcel Sena Campos MINERALOGIA Prof: Marcel Sena Campos Na Idade da Pedra as pinturas rupestres em grutas eram feitas com pigmentos de hematita vermelha e óxido de manganês negro. História As duas últimas Guerras Mundiais

Leia mais

IDENTIFICANDO MINERAIS ATRAVÉS DE SUAS PROPRIEDADES MACROSCÓPICAS

IDENTIFICANDO MINERAIS ATRAVÉS DE SUAS PROPRIEDADES MACROSCÓPICAS IDENTIFICANDO MINERAIS ATRAVÉS DE SUAS PROPRIEDADES MACROSCÓPICAS 191 Edison Archela 1 INTRODUÇÃO Esta oficina pedagógica apresenta o conceito e algumas propriedades físicas, químicas e ópticas dos minerais;

Leia mais

SAIS. I) Ocorrência de sais na natureza : Os sais são encontrados na natureza constituindo jazidas minerais.dentre eles, destacam-se:

SAIS. I) Ocorrência de sais na natureza : Os sais são encontrados na natureza constituindo jazidas minerais.dentre eles, destacam-se: SAIS 1 I) Ocorrência de sais na natureza : Os sais são encontrados na natureza constituindo jazidas minerais.dentre eles, destacam-se: a) Carbonato de cálcio (CaCO 3 ) É um dos sais mais espalhados na

Leia mais

Sulfureto (S2-) Catiões (alguns exemplos, raio dado em 10-8 cm) 1,81 1,84. 2) Semi-metais (Ar, arsénio, Bi, bismuto, Sb, antimónio) Grafite (C)

Sulfureto (S2-) Catiões (alguns exemplos, raio dado em 10-8 cm) 1,81 1,84. 2) Semi-metais (Ar, arsénio, Bi, bismuto, Sb, antimónio) Grafite (C) Classificação Aniões (alguns exemplos) A classificação dos minerais baseia-se na sua composição química, nomeadamente no anião ou grupo aniónico dominante Óxido (O2-) o mais abundante! 1,40 Sulfureto (S2-)

Leia mais

OBJETIVOS Substituir por métodos científicos os métodos empíricos aplicados no passado.

OBJETIVOS Substituir por métodos científicos os métodos empíricos aplicados no passado. UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CENTRO DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE TECNOLOGIA DA CONSTRUÇÃO CIVIL DISCIPLINA: MECÂNICA DOS SOLOS I PROFESSORA : AGDA C.T.GUIMARÃES AULA 1 1. INTRODUÇÃO AO CURSO 1.1 DEFINIÇÃO

Leia mais

Utilize o cursor para seguir de forma interactiva a apresentação. Para obter informação, clique no que pretende.

Utilize o cursor para seguir de forma interactiva a apresentação. Para obter informação, clique no que pretende. Utilize o cursor para seguir de forma interactiva a apresentação. Para obter informação, clique no que pretende. Clique aqui para ver as variedades de minerais. Para obter informação, clique no que pretende.

Leia mais

CONDIÇÕES. Diamantes sintéticos, água, osso, aço, petróleo: NÃO são minerais! Mineralóide: NÃO possui estrutura cristalina organizada!

CONDIÇÕES. Diamantes sintéticos, água, osso, aço, petróleo: NÃO são minerais! Mineralóide: NÃO possui estrutura cristalina organizada! MINERAIS MINERAL qualquer sólido inorgânico natural que possui estrutura interna organizada e composição química bem definida. CONDIÇÕES MINERAL tijolos da rocha 3. 4. 5. 6. 7. Sólido Inorgânico Natural

Leia mais

Mineralogia. Oliveira, Francisco Sérgio Silva de. Mineralogia / Francisco Sérgio Silva de Oliveira. Varginha, slides : il.

Mineralogia. Oliveira, Francisco Sérgio Silva de. Mineralogia / Francisco Sérgio Silva de Oliveira. Varginha, slides : il. Mineralogia Oliveira, Francisco Sérgio Silva de. O48m Mineralogia / Francisco Sérgio Silva de Oliveira. Varginha, 2015. 16 slides : il. Sistema requerido: Adobe Acrobat Reader Modo de Acesso: World Wide

Leia mais

Depósitos de enriquecimento supergênico

Depósitos de enriquecimento supergênico Depósitos de enriquecimento supergênico Depósitos de enriquecimento supergênico Os depósitos de enriquecimento supergênico ocorrem em sub-superfície na altura e abaixo do lençol freático. Pode haver uma

Leia mais

Extraído do livro: Geologia Geral, Viktor Leinz & Sérgio Estanislau do Amaral, Cia Editora Nacional, 6ª. Edição, 1975, cap. II.

Extraído do livro: Geologia Geral, Viktor Leinz & Sérgio Estanislau do Amaral, Cia Editora Nacional, 6ª. Edição, 1975, cap. II. Centro Federal de Educação Tecnológica de Santa Catarina Unidade de Florianópolis Departamento Acadêmico da Construção Civil Curso Técnico de Geomensura Unidade Curricular: Extraído do livro: Geologia

Leia mais

A presente portaria revoga a de nº 82, de 24 de fevereiro de 1942, publicada no Diário Oficial de 31 de março do mesmo ano.

A presente portaria revoga a de nº 82, de 24 de fevereiro de 1942, publicada no Diário Oficial de 31 de março do mesmo ano. PORTARIA MA Nº 380, de 15/07/1943 "Estabelece que as quantidades dos produtos minerais extraídos pelo concessionário na fase de pesquisa sejam reguladas por meio de guias, ditas de utilização, expedidas

Leia mais

Química - Profa. GRAÇA PORTO

Química - Profa. GRAÇA PORTO Disciplina: Química Química - Profa. GRAÇA PORTO ESTUDO DAS SUBSTÂNCIAS E MISTURAS Você sabe caracterizar a quanto ao sabor, a cor e ao cheiro? E o sal? Quais são as características do açúcar? Agora, tente

Leia mais

Geologia geral da região do município de Formiga - MG; Aspectos petrográficos e mineralógicos

Geologia geral da região do município de Formiga - MG; Aspectos petrográficos e mineralógicos Geologia geral da região do município de Formiga - MG; Aspectos petrográficos e mineralógicos Por Anísio Cláudio Rios Fonseca Professor do UNIFOR- MG Especialista em Solos e Meio-Ambiente Coordenador do

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» MINERAÇÃO E PETRÓLEO E GÁS «

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» MINERAÇÃO E PETRÓLEO E GÁS « CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» MINERAÇÃO E PETRÓLEO E GÁS «21. As rochas selantes devem mostrar propriedades como impermeabilidade e plasticidade para manter sua condição de selante mesmo após ser submetida

Leia mais

Conceitos e Classificações de Jazigos Minerais. Morfologias. Estruturas internas. Texturas. Preenchimento. Substituição.

Conceitos e Classificações de Jazigos Minerais. Morfologias. Estruturas internas. Texturas. Preenchimento. Substituição. RG2010 Conceitos e Classificações de Jazigos Minerais Morfologias. Estruturas internas. Texturas. Preenchimento. Substituição. Explorabilidade. Métodos de exploração. Tratamento mineralúrgico. Qual a importância

Leia mais

AULA 11a: MINERALIZAÇÃO PLACAS BORDAS TRANSFORMANTES

AULA 11a: MINERALIZAÇÃO PLACAS BORDAS TRANSFORMANTES GEOTECTÔNICA TECTÔNICA GLOBAL Prof. Eduardo Salamuni AULA 11a: MINERALIZAÇÃO ASSOCIADA A BORDAS DE PLACAS BORDAS DIVERGENTES E TRANSFORMANTES MINERALIZAÇÕES E TECTÔNICA DE PLACAS INTRODUÇÃO A Tectônica

Leia mais

Disciplina: Mineralogia e Tratamento de Minérios. Prof. Gustavo Baldi de Carvalho

Disciplina: Mineralogia e Tratamento de Minérios. Prof. Gustavo Baldi de Carvalho Disciplina: Mineralogia e Tratamento de Minérios Prof. Gustavo Baldi de Carvalho Mineral Minério Jazida Mina Rocha 1. Minério é um mineral cuja prospecção e exploração industrial (mineração) é economicamente

Leia mais

Dureza Avaliação da Dureza

Dureza Avaliação da Dureza Determinação de Minerais Noções Básicas para a Classificação de Minerais e Rochas A determinação de minerais pode ser feita através de suas propriedades físicas e químicas. 4- Determinação dos Minerais

Leia mais

Capítulo 4 - ROCHAS CLASSIFICAÇÃO DAS ROCHAS QUANTO À QUANTIDADE DE TIPOS DE MINERAL

Capítulo 4 - ROCHAS CLASSIFICAÇÃO DAS ROCHAS QUANTO À QUANTIDADE DE TIPOS DE MINERAL Capítulo 4 - ROCHAS DEFINIÇÕES MINERAL: Toda substancia inorgânica natural, de composição química estrutura definidas. Quando adquire formas geométricas próprias, que correspondam à sua estrutura atômica,

Leia mais

MINERAIS. Prof. Marcelo R. Barison

MINERAIS. Prof. Marcelo R. Barison MINERAIS Prof. Marcelo R. Barison GÊNESE - RESFRIAMENTO MAGMA Quartzo, Feldspatos, Olivina - HIDROTERMALISMO Calcantita, Zéólitas - INTEMPERISMO Caulinita, Montmorilonita, Ilita - PRECIPITAÇÃO SAIS Halita

Leia mais

Método de cálculo normativo

Método de cálculo normativo - 1 - Método de cálculo normativo 1. Generalidade Existe uma íntima relação entre a composição mineralógica e química de uma rocha ígnea. O conhecimento desta relação facilita a interpretação genética

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO DAS ROCHAS E O CICLO DAS ROCHAS

CLASSIFICAÇÃO DAS ROCHAS E O CICLO DAS ROCHAS CLASSIFICAÇÃO DAS ROCHAS E O CICLO DAS ROCHAS O que são rochas? São produtos consolidados, resultantes da união natural de minerais. Diferente dos sedimentos, como por exemplo a areia da praia (um conjunto

Leia mais

Tecnologia Mecânica MATERIAIS. Roda de aço. Mapa do Brasil em cobre. Prof. Marcio Gomes

Tecnologia Mecânica MATERIAIS. Roda de aço. Mapa do Brasil em cobre. Prof. Marcio Gomes Alumínio Tecnologia Mecânica Ferro fundido MATERIAIS Roda de aço Mapa do Brasil em cobre Introdução Átomo: modelo de Bohr Tecnologia Mecânica O átomo, que não dá para a gente ver nem com um microscópio,

Leia mais

CONSERVAÇÃO DE MOEDAS

CONSERVAÇÃO DE MOEDAS CONSERVAÇÃO DE MOEDAS A presente apostila é parte integrante do treinamento e-learning sobre como reconhecer cédulas e moedas legítimas do Real. Brasília, maio de 2005 Copyright Banco Central do Brasil

Leia mais

~ 1 ~ PARTE 1 TESTES DE ESCOLHA SIMPLES. Olimpíada de Química do Rio Grande do Sul 2011

~ 1 ~ PARTE 1 TESTES DE ESCOLHA SIMPLES. Olimpíada de Química do Rio Grande do Sul 2011 Questão 2: O grafite e o diamante são substâncias simples e naturais do elemento carbono. Outras estruturas de substâncias simples do carbono, como o fulereno-60, fulereno-70 e nanotubos de carbono, são

Leia mais

Ensaios Mecânicos de Materiais. Aula 12 Ensaio de Impacto. Prof. MSc. Luiz Eduardo Miranda J. Rodrigues

Ensaios Mecânicos de Materiais. Aula 12 Ensaio de Impacto. Prof. MSc. Luiz Eduardo Miranda J. Rodrigues Ensaios Mecânicos de Materiais Aula 12 Ensaio de Impacto Tópicos Abordados Nesta Aula Ensaio de Impacto. Propriedades Avaliadas do Ensaio. Tipos de Corpos de Prova. Definições O ensaio de impacto se caracteriza

Leia mais

Tipos de intemperismo

Tipos de intemperismo INTEMPERISMO Conjunto de processos que transformam rochas maciças e tenazes em materiais friáveis solos DESEQUILÍBRIO Tipos de intemperismo Intemperismo físico (desintegração) Processos físicos fragmentação

Leia mais

Unidade 3. Geologia, problemas e materiais do quotidiano. Capitulo 2. Processos e materiais geológicos importantes em ambientes terrestres.

Unidade 3. Geologia, problemas e materiais do quotidiano. Capitulo 2. Processos e materiais geológicos importantes em ambientes terrestres. Unidade 3 Geologia, problemas e materiais do quotidiano Capitulo 2 Processos e materiais geológicos importantes em ambientes terrestres. Aula Nº 70 15 Abr 09 Prof: Ana Capelo Já sabes 1. O que é um mineral.

Leia mais

BIOENGENHARIA DE SOLOS ENGENHARIA NATURAL AULA 2 PROPRIEDADES FÍSICAS E MECÂNICAS DO SOLO

BIOENGENHARIA DE SOLOS ENGENHARIA NATURAL AULA 2 PROPRIEDADES FÍSICAS E MECÂNICAS DO SOLO BIOENGENHARIA DE SOLOS ENGENHARIA NATURAL AULA 2 PROPRIEDADES FÍSICAS E MECÂNICAS DO SOLO IGOR PINHEIRO DA ROCHA ENGENHEIRO FLORESTAL, M.Sc. AS FASES DO SOLO Fase sólida (Matriz do solo) Material mineral

Leia mais

GEOLOGIA APLICADA A OBRAS CIVIS. Material G1

GEOLOGIA APLICADA A OBRAS CIVIS. Material G1 Centro Universitário Luterano de Palmas CEULP / ULBRA Departamento de Engenharia Civil - DEC Engenharia Civil GEOLOGIA APLICADA A OBRAS CIVIS Material G1 Prof. Msc. Roberta Mara Capitulo 1 Noções de Geologia

Leia mais

Principais texturas e rochas metamórficas Os fenómenos metamórficos provocam modificações na textura das rochas iniciais. A textura depende da dimensão dos cristais, forma e arranjo dos diferentes minerais,

Leia mais

Magnetismo: Campo Magnético

Magnetismo: Campo Magnético INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO CIÊNCIA E TECNOLOGIA PARAÍBA Campus Princesa Isabel Magnetismo: Campo Magnético Disciplina: Física III Professor: Carlos Alberto Aurora Austral Polo Sul Aurora Boreal Polo

Leia mais

OCEANOGRAFIA INTEMPERISMO

OCEANOGRAFIA INTEMPERISMO OCEANOGRAFIA INTEMPERISMO ANDRÉ LUIZ CARVALHO DA SILVA 2010 - I INTEMPERISMO Segundo BIGARELLA et al. (1994), trata-se de um conjunto de processos no qual as rochas expostas na superfície da Terra são

Leia mais

Nesta aula falaremos sobre os metais da família do Boro e do. Ocorrência, Estrutura, Métodos de Obtenção, Aplicações e Propriedades

Nesta aula falaremos sobre os metais da família do Boro e do. Ocorrência, Estrutura, Métodos de Obtenção, Aplicações e Propriedades Aula 11 Temática: Metais da Família do Boro e do Carbono Carbono. Boa aula! Nesta aula falaremos sobre os metais da família do Boro e do METAIS DA FAMÍLIA DO BORO Ocorrência, Estrutura, Métodos de Obtenção,

Leia mais

Capítulo 25 Sal; enxofre ; terras e pedras; gesso, cal e cimento

Capítulo 25 Sal; enxofre ; terras e pedras; gesso, cal e cimento Capítulo 25 Sal; enxofre ; terras e pedras; gesso, cal e cimento Notas. 1.- Salvo disposições em contrário e sob reserva da Nota 4 abaixo, apenas se incluem nas posições do presente Capítulo os produtos

Leia mais

Contribuição ao Estudo da Pelotização de Minério de Manganês

Contribuição ao Estudo da Pelotização de Minério de Manganês Contribuição ao Estudo da Pelotização de Minério de Manganês Fernando Freitas Lins x João Battista Bruno 1. Introdução A pelotização é um dos processos de aglomeração de finos mais atraente devido principalmente

Leia mais

Fundamentos de mineralogia e o ciclo de geração das rochas

Fundamentos de mineralogia e o ciclo de geração das rochas UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA Fundamentos de mineralogia e o ciclo de geração das rochas Prof. Paulo Jorge de Pinho Itaqui, março de 2017 Generalidades Crosta terrestre composta por ROCHAS compostas por

Leia mais

PROPRIEDADES DA MATÉRIA

PROPRIEDADES DA MATÉRIA PROPRIEDADES DA MATÉRIA Profª Marcelly da Silva Sampaio RELEMBRANDO Matéria é tudo que tem massa e ocupa lugar no espaço. Não existe vida nem manutenção da vida sem matéria. Corpo- Trata-se de uma porção

Leia mais

Tratamentos térmicos. 1. Introdução

Tratamentos térmicos. 1. Introdução Universidade Estadual do Norte Fluminense Centro de Ciências e Tecnologias Agropecuárias Laboratório de Engenharia Agrícola EAG 3204 Mecânica Aplicada * Tratamentos térmicos 1. Introdução O tratamento

Leia mais

Formação e estrutura dos principais minerais

Formação e estrutura dos principais minerais Formação e estrutura dos principais minerais Cada tipo de mineral, constitui uma espécie mineral. Ex: quarzto (SiO 2 ). Sempre que sua cristalização se der em condições geológicas ideais, a sua organização

Leia mais

Química de Águas Naturais. -todas as formas de vida existentes no planeta Terra dependem da água;

Química de Águas Naturais. -todas as formas de vida existentes no planeta Terra dependem da água; Química de Águas Naturais todas as formas de vida existentes no planeta Terra dependem da água; a água cobre 70% da superfície do planeta, apenas uma parte dessa quantidade (~2,8%) é água doce sendo que

Leia mais

Exame de algumas rochas das visinhanças da Nascente de águas termais de Valadares do Minho (Monsão)

Exame de algumas rochas das visinhanças da Nascente de águas termais de Valadares do Minho (Monsão) Aguas termais de Valadares 129 Exame de algumas rochas das visinhanças da Nascente de águas termais de Valadares do Minho (Monsão) POR V. SOUZA BRANDÀO (') A origem

Leia mais

MINERALOGIA. Definição de Mineralogia. Noções Básicas para a Classificação de Minerais e Rochas. Tema 3: Introdução à Mineralogia -2010-

MINERALOGIA. Definição de Mineralogia. Noções Básicas para a Classificação de Minerais e Rochas. Tema 3: Introdução à Mineralogia -2010- Noções Básicas para a Classificação de Minerais e Rochas Tema 3: Introdução à Mineralogia -2010- MINERALOGIA Aula baseada nos slides da Profa. Dra Tamar M.B. Galembeck e Prof. Dr. Joaquim Silva Simão Definição

Leia mais

IPT IPT. Instituto de Pesquisas Tecnológicas

IPT IPT. Instituto de Pesquisas Tecnológicas Relatório Técnico Nº 85 176-205 - 121/192 Foto 39 - Ondulada refeitório. Perfil de alteração da BAS. Zona de corrosão, carbonatação e pouco carbonatada. Notar grãos de clínquer e fibras como inertes e

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE CAMPINAS. Centro de Ciências Exatas, Ambientais e de Tecnologias Faculdade de Química MINERALOGIA

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE CAMPINAS. Centro de Ciências Exatas, Ambientais e de Tecnologias Faculdade de Química MINERALOGIA PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE CAMPINAS Centro de Ciências Exatas, Ambientais e de Tecnologias Faculdade de Química MINERALOGIA MATERIAL DE APOIO 1º semestre/ 2012 IDENTIFICAÇÃO DOS MINERAIS A identificação

Leia mais

Aproximadamente 80% do vanádio produzido são empregados como ferrovanádio ou como aditivo em aço. Possui outras aplicações como:

Aproximadamente 80% do vanádio produzido são empregados como ferrovanádio ou como aditivo em aço. Possui outras aplicações como: Aula: 14 Temática: Metais de Transição Externa (parte 3) Olá! Nesta aula iremos continuar nos metais de transição, agora falaremos sobre o grupo do vanádio, que contém os elementos Vanádio, Nióbio, Tantálio

Leia mais

Universidade Federal do Espírito Santo Departamento de Gemologia CCJE

Universidade Federal do Espírito Santo Departamento de Gemologia CCJE Universidade Federal do Espírito Santo Departamento de Gemologia CCJE RESUMO DAS PROPRIEDADES MINERAIS COR EM MINERAIS Mineralogia II Profª Drª Daniela Teixeira Carvalho de Newman Trata-se de umas das

Leia mais

~ 1 ~ PARTE 1 TESTES DE ESCOLHA SIMPLES. Olimpíada de Química do Rio Grande do Sul 2011

~ 1 ~ PARTE 1 TESTES DE ESCOLHA SIMPLES. Olimpíada de Química do Rio Grande do Sul 2011 CATEGORIA EM-2 Nº INSCRIÇÃO: Olimpíada de Química do Rio Grande do Sul 2011 Questão 3: O chamado soro caseiro é uma tecnologia social que consiste na preparação e administração de uma mistura de água,

Leia mais

PRINCÍPIOS DA ESTRUTURA EM SÓLIDOS. QFL-4010 Prof. Gianluca C. Azzellini

PRINCÍPIOS DA ESTRUTURA EM SÓLIDOS. QFL-4010 Prof. Gianluca C. Azzellini PRINCÍPIOS DA ESTRUTURA EM SÓLIDOS Estrutura dos Sólidos Tipo Exemplo Unidades Natureza Estruturais da ligação Iônico NaCl, CaCl 2 Íons positivos Iônica - Atração e negativos Eletrostática forte Metálico

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE DO SÃO FRANCISCO UNIVASF CAMPUS SERRA DA CAPIVARA COLEGIADO DE CIÊNCIAS DA NATUREZA CCINAT. Minerais e suas propriedades

UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE DO SÃO FRANCISCO UNIVASF CAMPUS SERRA DA CAPIVARA COLEGIADO DE CIÊNCIAS DA NATUREZA CCINAT. Minerais e suas propriedades UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE DO SÃO FRANCISCO UNIVASF CAMPUS SERRA DA CAPIVARA COLEGIADO DE CIÊNCIAS DA NATUREZA CCINAT Minerais e suas propriedades Material de apoio: Capítulo 3 Minerais da Terra Apêndice

Leia mais

Areias e Ambientes Sedimentares

Areias e Ambientes Sedimentares Areias e Ambientes Sedimentares As areias são formadas a partir de rochas. São constituídas por detritos desagregados de tamanhos compreendidos entre 0,063 e 2 milímetros. Areias: Ambiente fluvial As areias

Leia mais

INTRODUÇÃO À GEMOLOGIA

INTRODUÇÃO À GEMOLOGIA INTRODUÇÃO À GEMOLOGIA 1ª QUESTÃO A Terra possui dois modelos de estrutura interna: o físico e o geoquímico. A partir desses modelos, as camadas mais superficiais, respectivamente, são A) manto externo

Leia mais

CAPÍTULO 2: MINERAIS 2.1. INTRODUÇÃO:

CAPÍTULO 2: MINERAIS 2.1. INTRODUÇÃO: CAPÍTULO 2: MINERAIS 2.1. INTRODUÇÃO: Apesar do surgimento da mineralogia como ciência ser um fato relativamente recente, pinturas que datam de 5.000 anos já mostravam os seres humanos negociando pedras

Leia mais

MINERAIS Conceitos, importância, origem e sistemas cristalinos -Aulas 7 e 8-

MINERAIS Conceitos, importância, origem e sistemas cristalinos -Aulas 7 e 8- MINERAIS Conceitos, importância, origem e sistemas cristalinos -Aulas 7 e 8- Prof. Alexandre Paiva da Silva CCTA/UAATA/UFCG Fonte: Adaptado a partir de Machado (2008) INTRODUÇÃO TERRA CROSTA ROCHA MINERAL

Leia mais

Unidade 3. Geologia, problemas e materiais do quotidiano. Capitulo 2. Processos e materiais geológicos importantes em ambientes terrestres.

Unidade 3. Geologia, problemas e materiais do quotidiano. Capitulo 2. Processos e materiais geológicos importantes em ambientes terrestres. Unidade 3 Geologia, problemas e materiais do quotidiano Capitulo 2 Processos e materiais geológicos importantes em ambientes terrestres. Aula Nº 72 20 Abr 09 Prof: Ana Capelo O QUE É UM MINERAL? 1. O que

Leia mais

Classificação dos materiais. Profa. Daniela Becker

Classificação dos materiais. Profa. Daniela Becker Classificação dos materiais Profa. Daniela Becker Classificação dos materiais A classificação tradicional dos materiais é geralmente baseada na estrutura atômica e química destes. Classificação dos materiais

Leia mais

Quanto à sua origem, podemos considerar três tipos básicos de rochas:

Quanto à sua origem, podemos considerar três tipos básicos de rochas: O que são rochas? Usamos rochas para tantos fins em nosso dia-a-dia sem nos preocupar com sua origem que esses materiais parecem ter sempre existido na natureza para atender as necessidades da humanidade.

Leia mais

As amostras submetidas a esses ensaios foram designadas e agrupadas conforme mostrado na Tabela VI.4.

As amostras submetidas a esses ensaios foram designadas e agrupadas conforme mostrado na Tabela VI.4. VI.4 - PRESENTÇÃO E NÁLISE DOS RESULTDOS VI.4.1 Introdução Os resultados mostrados a seguir foram obtidos com base nos métodos apresentados nos itens anteriores. Os tópicos e aspectos abordados foram:

Leia mais

Na história da Humanidade

Na história da Humanidade Os minerais: A história da Humanidade está ligada, desde muito cedo, ao uso (tecnológico, artístico, etc) de minerais Na história da Humanidade Quartzo (SiO2) 1 Uraninite (UO2) Cobre (Cu) 1)http://wwwarchaeologyncdcrgov/uwharrie/novick1-21ajpg;

Leia mais

VARIAÇÕES DE CORES. Noções Básicas para Classificação de Minerais e Rochas

VARIAÇÕES DE CORES. Noções Básicas para Classificação de Minerais e Rochas Noções Básicas para Classificação de Minerais e Rochas VARIAÇÕES DE CORES Aula 9:, Luminescência, Magnetismo, Propriedades Elétricas e Radioatividade -00- Aula baseada nos slides da Profa. Dra Tamar M.B.

Leia mais

Ciências E Programa de Saúde

Ciências E Programa de Saúde Governo do Estado de São Paulo Secretaria de Estado da Educação Ciências E Programa de Saúde 19 CEEJA MAX DADÁ GALLIZZI PRAIA GRANDE SP Comece fazendo o que é necessário, depois o que é possível, e de

Leia mais

ANÁLISE PRELIMINAR DO POSSÍVEL METEORITO DE SÃO MAMEDE PB

ANÁLISE PRELIMINAR DO POSSÍVEL METEORITO DE SÃO MAMEDE PB ANÁLISE PRELIMINAR DO POSSÍVEL METEORITO DE SÃO MAMEDE PB HISTÓRICO Por volta de 12h do dia 19 de junho de 2015, o Sr. Jonas Tiburtino Nóbrega, de 32 anos, que trabalha na operação tapaburacos do Departamento

Leia mais

- CAPÍTULO 2 MATERIAIS CONDUTORES

- CAPÍTULO 2 MATERIAIS CONDUTORES MATERIAIS ELÉTRICOS Prof. Rodrigo Rimoldi - CAPÍTULO 2 MATERIAIS CONDUTORES (Aula 6) Metais Mercúrio (Hg) Metais Único metal líquido à temperatura ambiente; Resistividade relativamente elevada (95 10-8

Leia mais

OS METAIS DO BLOCO S: METAIS ALCALINOS TERROSOS (GRUPO 2)

OS METAIS DO BLOCO S: METAIS ALCALINOS TERROSOS (GRUPO 2) OS METAIS DO BLOCO S: METAIS ALCALINOS (GRUPO 1) METAIS ALCALINOS TERROSOS (GRUPO 2) METAIS ALCALINOS (1A) Os Alcalinos são os elementos do Grupo 1 (1A) da Tabela Periódica. Formada pelos seguintes metais:

Leia mais

PILHAS E BATERIAS COMERCIAIS. Química II Professora: Raquel Malta 3ª série Ensino Médio

PILHAS E BATERIAS COMERCIAIS. Química II Professora: Raquel Malta 3ª série Ensino Médio PILHAS E BATERIAS COMERCIAIS Química II Professora: Raquel Malta 3ª série Ensino Médio NOMENCLATURA Pilha: dispositivo constituído unicamente de dois eletrodos e um eletrólito, arranjados de maneira a

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ACRE DISCIPLINA DE SOLOS I/PEDOLOGIA. Dr. José Ribamar Silva

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ACRE DISCIPLINA DE SOLOS I/PEDOLOGIA. Dr. José Ribamar Silva UNIVERSIDADE FEDERAL DO ACRE DISCIPLINA DE SOLOS I/PEDOLOGIA UNIDADE IV - PROCESSOS PEDOGENÉTICOS Dr. José Ribamar Silva 1. Conceito - Reações e/ou mecanismos (químico, físico e biológico) que produzem

Leia mais

ENSAIO DE DUREZA EM-641

ENSAIO DE DUREZA EM-641 ENSAIO DE DUREZA DEFINIÇÃO: O ensaio de dureza consiste na aplicação de uma carga na superfície do material empregando um penetrador padronizado, produzindo uma marca superficial ou impressão. É amplamente

Leia mais

3 Área de estudo e amostragem

3 Área de estudo e amostragem 3 Área de estudo e amostragem 3.1. Meio Físico Os aspectos discutidos no Capítulo 2 tornam clara a importância de um estudo experimental de um perfil de solo residual observando a evolução das diversas

Leia mais

Texto: QUÍMICA NO COTIDIANO. Outras disciplinas que são citadas com frequência são a química molecular, a eletroquímica, a

Texto: QUÍMICA NO COTIDIANO. Outras disciplinas que são citadas com frequência são a química molecular, a eletroquímica, a Texto: QUÍMICA NO COTIDIANO Outras disciplinas que são citadas com frequência são a química molecular, a eletroquímica, a química nuclear, a radioquímica e a estereoquímica. É de costume incluir a química

Leia mais

Metais alcalinos - Grupo 1A

Metais alcalinos - Grupo 1A Metais alcalinos - Grupo 1A Li / Na / K / Rb / Cs / Fr Na e K são os mais abundantes ns 1 - aparecem normalmente como iões positivos ( +) Não se encontram isolados na natureza / reacção com não-metais

Leia mais

Química Geral Materiais Homogêneos e Heterogêneos

Química Geral Materiais Homogêneos e Heterogêneos Química Geral Materiais Homogêneos e Heterogêneos 1. (Uepg 2013) Quanto às características das substâncias puras e das misturas, assinale o que for correto. 01) Misturas sólidas homogêneas não podem ser

Leia mais

Tabel e a l P rió dica

Tabel e a l P rió dica Tabela Periódica Desenvolvimento histórico da Tabela Periódica Dmitri Mendeleev (1834-1907 ) Escreveu em fichas separadas as propriedades (estado físico, massa, etc) dos elementos químicos. Enquanto arruma

Leia mais

CONCEITOS. Prof. Roberto Monteiro de Barros Filho. Prof. Roberto Monteiro de Barros Filho

CONCEITOS. Prof. Roberto Monteiro de Barros Filho. Prof. Roberto Monteiro de Barros Filho CONCEITOS Materiais e Processos de Produção ESTRUTURA DA MATÉRIA ÁTOMOS PRÓTONS NÊUTRONS ELÉTRONS MOLÉCULAS ESTADOS DA MATÉRIA TIPO DE LIGAÇÃO ESTRUTURA (ARRANJO) IÔNICA COVALENTE METÁLICA CRISTALINO AMORFO

Leia mais

AÇOS ESTRUTURAIS. Fabio Domingos Pannoni, M.Sc., Ph.D. 1

AÇOS ESTRUTURAIS. Fabio Domingos Pannoni, M.Sc., Ph.D. 1 ESTRUTURAIS Fabio Domingos Pannoni, M.Sc., Ph.D. 1 INTRODUÇÃO Dentre os materiais encontrados no nosso dia-a-dia, muitos são reconhecidos como sendo metais, embora, em quase sua totalidade, eles sejam,

Leia mais

Ligação Metálica Elétrons da última camada dão origem a nuvens eletrônicas Elétrons livres entre cátions de metais

Ligação Metálica Elétrons da última camada dão origem a nuvens eletrônicas Elétrons livres entre cátions de metais 1 2 3 Ligação Metálica Elétrons da última camada dão origem a nuvens eletrônicas Elétrons livres entre cátions de metais 4 Agregado de cátions mergulhados em um mar de elétrons livres Rede Cristalina Disposição

Leia mais

Noções Básicas para a Classificação de Minerais e Rochas. T6- Hábito, densidade e propriedades organolépticas (tato, sabor e odor).

Noções Básicas para a Classificação de Minerais e Rochas. T6- Hábito, densidade e propriedades organolépticas (tato, sabor e odor). Propriedades Morfológicas - Hábito Noções Básicas para a Classificação de Minerais e Rochas T6- Hábito, densidade e propriedades organolépticas (tato, sabor e odor). -00- HÁBITO Hábito é a aparência externa

Leia mais

A ALTERAÇÃO DAS ROCHAS QUE COMPÕEM OS MORROS E SERRAS DA REGIÃO OCEÂNICA ARTIGO 5. Pelo Geólogo Josué Barroso

A ALTERAÇÃO DAS ROCHAS QUE COMPÕEM OS MORROS E SERRAS DA REGIÃO OCEÂNICA ARTIGO 5. Pelo Geólogo Josué Barroso A ALTERAÇÃO DAS ROCHAS QUE COMPÕEM OS MORROS E SERRAS DA REGIÃO OCEÂNICA ARTIGO 5 Pelo Geólogo Josué Barroso No Artigo 3 e no Artigo 4, fez-se breves descrições sobre a formação das rochas que estruturam

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL - UFRGS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA QUÍMICA TÓPICOS ESPECIAIS EM TECNOLOGIA INORGÂNICA I CARVÃO MINERAL

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL - UFRGS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA QUÍMICA TÓPICOS ESPECIAIS EM TECNOLOGIA INORGÂNICA I CARVÃO MINERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL - UFRGS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA QUÍMICA TÓPICOS ESPECIAIS EM TECNOLOGIA INORGÂNICA I CARVÃO MINERAL Porto Alegre, 21 de março de 2003. 1 - INTRODUÇÃO O carvão

Leia mais