PostgreSQL: instalando e conhecendo seus recursos

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PostgreSQL: instalando e conhecendo seus recursos"

Transcrição

1 PostgreSQL: instalando e conhecendo seus recursos Adriana Paula Zamin Scherer 1, Daniel Gonçalves Jacobsen 2, Marcelo Luis dos Santos 3 Faculdade Dom Bosco de Porto Alegre Porto Alegre RS Brasil Resumo. O objetivo do presente artigo é relatar o uso do banco de dados livre PostgreSQL em uma empresa que atua no mercado de meios de captura. Para tanto, o artigo apresenta uma revisão bibliográfica das principais características do banco de dados, desde sua instalação até a forma como o software trata a segurança das informações armazenadas. A coleta de dados foi exclusivamente realizada através de uma entrevista com os dois administradores do banco de dados na empresa. Os resultados mostram que a utilização do PostgreSQL é viável, pois os objetivos foram atendidos e em função da qualidade do produto, a empresa já tem novos projetos em andamento prevendo o uso do PostgreSQL. Palavras-chave: PostgreSQL, banco de dados, segurança 1. Introdução Na realidade econômica em que vivemos a disputa entre as empresas para conquistar uma fatia do mercado ou, pelo menos, manter os clientes que possui, as informações tornaram-se elementos essenciais para o bom funcionamento dos negócios. E se uma empresa pretende expandir seus negócios, é fundamental que as informações estejam disponíveis sempre que forem necessárias. Para isto, é imprescindível a utilização de um Sistema de Gerenciamento de Banco de Dados (SGBD). Atualmente existem diversos softwares gerenciadores de banco de dados disponíveis no mercado. É possível classificá-los quanto a sua distribuição que pode ser livre ou proprietária. Dentre os proprietários estão, entre outros, o Oracle e o SQL Server. Dentre os livres o PostgreSQL é o que mais se destaca por possuir recursos que o equipara aos bancos de dados proprietários. Este fator tem contribuído para que seu uso aumente significativamente. 1 Mestre em Ciências da Computação pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Professora da Faculdade Dom Bosco de Porto Alegre, RS - Brasil. Tem experiência na área de Ciência da Computação, atuando principalmente nos seguintes temas: Banco de Dados, Programação, Oracle, Java. 2 Bacharelando do curso de Sistemas de Informação da Faculdade Dom Bosco de Porto Alegre. Atuando com desenvolvimento de aplicações web na empresa Embratec Good Card. Atua como programador em ColdFusion, Java, Sybase e Oracle. 3 Bacharelando do curso de Sistemas de Informação da Faculdade Dom Bosco de Porto Alegre. Atuando na área de desenvolvimento de sistemas na empresa InfoSaúde utilizando as tecnologias ASP.NET, C# e Oracle.

2 Este artigo pretende expor as características do PostgreSQL desde sua instalação passando pelos recursos e mostrando seu uso na prática, com o objetivo de servir como guia de referência para o aprofundamento dos assuntos abordados. O artigo apresenta-se dividido em seis seções além desta introdução. Na seção 2, serão abordadas as questões relativas à instalação do PostgreSQL. A seção 3 faz uma breve descrição das características do gerenciador de banco de dados, abordando os seus aspectos principais. Na seção 4 e 5, respectivamente, será descrita a metodologia utilizada para a coleta de dados e a apresentação e discussão dos dados levantados. A seção 6 irá conter a síntese do artigo e considerações finais. 2. Instalação O PostgreSQL é suportado pelas mais diversas plataformas, entre elas o Windows, o Linux, e o Unix. Será tratada a seguir, a instalação na plataforma Windows da versão O PostgreSQL pode ser instalado nas versões 2000, 2003, NT e XP. No entanto, de acordo com [Oslei 2007] em tecnologia NT, o instalador não funciona corretamente e, por este motivo, o software deverá ser instalado manualmente fazendo algumas alterações. As versões 95, 98 e ME não são oficialmente suportados pelo PostgreSQL, entretanto, caso o usuário desejar instalá-lo nesses sistemas, uma das soluções é utilizar um emulador. Porém, desta forma, a confiabilidade e a integridade dos dados armazenados não são totalmente garantidas [Lucas 2006]. Inicialmente é possível ressaltar que o sistema de arquivos de disco ou a partição em que o software será instalado deverá ser NTFS devido à maior confiabilidade que este tipo de sistemas de arquivos garante [Lucas 2006]. Esta característica será discutida em maiores detalhes na seção 3.1. O usuário de login para iniciar a instalação do banco de dados necessariamente deverá ser o usuário administrador do sistema operacional. Assim, todos os direitos de uso para os recursos necessários para a instalação estarão garantidos. Por praticidade, o PostgreSQL deve ser instalado como um serviço do sistema operacional. Caso contrário, a inicialização deverá ser feita manualmente pelas pastas dos arquivos onde o PostgreSQL foi instalado, executando o arquivo initdb. Para instalar o PostgreSQL como serviço, o instalador solicita a conta do sistema operacional que irá executar o banco de dados. Caso a conta informada não exista, o instalador pode encarregar-se de criar a conta especificada e fica a critério do usuário determinar a senha, ou deixar que ele gere uma automaticamente. Se não, o usuário deverá informar a senha da conta já existente. Ainda durante a instalação, é possível determinar que o instalador faça a inicialização do banco de dados depois de concluído o processo. Para isto, devem ser fornecidas as seguintes informações: porta de conexão, locale, codificação e a conta do usuário interno do banco de dados. A porta de conexão é aquela, onde o banco de dados irá atender as requisições de conexão dos usuários. O PostgreSQL, por default, atende as requisições na porta Ainda sobre o gerenciamento das conexões dos usuários, pode-se, durante a instalação, determinar se o banco poderá ser acessado apenas pela própria máquina, ou por outras máquinas da rede. O locale e a codificação têm como

3 objetivo configurar os acentos e os caracteres arábicos e sugere-se para estes, Portuguese, Brazil e LATIN1, respectivamente. A conta do usuário interno do banco de dados não deve ser a mesma conta do sistema operacional utilizada anteriormente para criação do serviço e a senha também não deve ser a mesma, pois caso ocorra uma invasão ao banco de dados o invasor não conseguirá facilmente invadir o sistema como um todo. O próximo passo é a habilitação dos módulos do contrib. Estes módulos proporcionam funcionalidades adicionais ao banco de dados. São diversas, conforme pode ser visto na figura 2.1. FIGURA 2.1 Módulos do contrib Segundo [Oslei 2007], algumas delas são diferenciais: TSeach2: é um recurso capaz de fazer uma busca completa por texto dentro do PostgreSQL. É uma evolução dos módulos Full Text Index e TSeach, que como indica o próprio instalador, se tornaram obsoletos. Suporte PgAdmin: funções adicionais ao software de gerenciamento PgAdmin. L-Tree: permite trabalhar com dados organizados em estrutura de árvore. PgStartTuple: informa o comprimento de tabelas e a quantidade de tuplas inutilizáveis. Logo após, deverão ser habilitadas quais linguagens procedurais 4 o usuário deseja instalar. Feito isso, o banco estará pronto para ser instalado completamente e ser executado. 4 Linguagem procedural é uma linguagem baseada na execução seqüencial das instruções. No caso dos bancos de dados, a programação interna pode ser feita através delas.

4 3. Características Técnicas Atualmente, o PostgreSQL é um dos SGBD s (Sistema Gerenciador de Banco de Dados) baseados em software livre mais avançado. Resultante de um projeto que se iniciou na década de 80, na Universidade de Berkeley, Califórnia [Gonzaga 2007]. Era chamado inicialmente de Postgres. Foi patrocinado por quatro empresas, denominadas DARPA, ARO, NFS e ESL Inc e coordenado por um dos primeiros desenvolvedores de banco de dados relacionais: o professor Michael Stonebraker [Sourceforge.net, 2007]. Durante o processo de desenvolvimento, o projeto passou por inúmeras mudanças e modificações, inclusive em seu nome. Em 1995, ele adotou a linguagem SQL como linguagem padrão do banco de dados e chamava-se Postgres95. De acordo com, [PostgreSQLBR 2007], um ano após, tornou-se o atual PostgreSQL fazendo menção a sua linguagem padrão e foi disponibilizado pela Internet. Hoje o PostgreSQL é um poderoso software para gerenciamento de banco de dados, agregando algumas funções dos SGBDs mais avançados, como por exemplo, os softwares proprietários Oracle ou SQL Server. É conhecido pela sua robustez e extrema segurança. Seu desenvolvimento é feito por comunidades voluntárias do mundo inteiro. Todavia, o projeto é gerenciado pelo PostgreSQL Global Development Group [Gonzaga 2007]. Além disso, vem ganhando cada vez mais espaço no mercado e é utilizado tanto em organizações públicas quanto organizações privadas. Um dos fatores que gerou um aumento significativo de utilização foi a sua inclusão na maioria das distribuições do Linux. Possui um suporte bastante grande para os padrões ANSI SQL-92, ANSI 96 e ANSI SQL-99 [Neto 2006]. Segundo [Oliveira e Cruz 2007], alguns comandos do padrão ANSI SQL-2003 também já começam a ser suportados. Ainda de acordo com [Oliveira e Cruz 2007] o PostgreSQL tem um suporte bastante amplo em relação as linguagens procedurais internas, como por exemplo: PL/pgSQL, PL/Tcl, PL/Perl, PL/Python, PL/Java, entre outras. Se o usuário desejar, também podem ser criadas novas linguagens e instalá-las no software desde que sigam as regras da documentação. O banco de dados suporta grandes volumes de dados, sendo que o tamanho do mesmo, o número de linhas e o número de índices são ilimitados. As tabelas suportam um valor aproximado de 32 TB cada uma, uma linha pode conter cerca de 1.6 TB e um campo cerca de 1 GB [PostgreSQL Global Development Group 2007]. Ainda assim, possui poderosos recursos de armazenamento de dados, gerência de memória, sistemas de bakcup, controle de concorrência e agrega algumas características simples de orientação a objetos (principalmente o conceito de herança de tabelas). Em [Neto 2006], podem ser vistas as funções básicas do PostgreSQL como por exemplo: triggers, views, stored procedures, transactions, schemas ou funções que foram implementadas a partir da verão 8.0.0, tablespaces, melhorias nos algoritmos de gerenciamento de buffers e checkpoints. Também implementa um recurso chamado garbage collection, que se encarrega de retirar fisicamente dos índices, das tabelas e da memória os dados que foram excluídos [Neto 2006], melhorando o desempenho do sistema como um todo.

5 Um dos principais diferenciais do banco é seu sistema de armazenamento de dados, que difere totalmente dos bancos concorrentes. O PostgreSQL possui um sistema de armazenamento baseado em cluster, que é um diretório onde todos os arquivos do banco estão armazenados. Tanto os arquivos dos dados, quanto os arquivos de configuração do banco. Outro tópico que tem destaque é a forma de como os dados são gravados no cluster. Os dados são temporariamente armazenados em um diretório do cluster que contém um conjunto de arquivos chamado WAL (Write Ahead Log). A cada modificação no conteúdo dos dados do banco, os novos dados são gravados temporariamente no WAL, que podem ter até 16 MB de tamanho. Os dados somente são transferidos do WAL para a base de dados original quando a função de checkpoint for chamada. O recurso de checkpoint pode ser configurado para ser executado de tempos em tempos ou pode ser chamado através de comandos SQL [Lucas 2006]. Este sistema aumenta significativamente a performance do banco, pois diminui o número de escritas efetivas nas tabelas originais [Gonzaga 2007], já que os dados somente serão realmente escritos com a chamada do checkpoint. O funcionamento básico do PostgreSQL é através de processos. O principal processo é o postmaster que é responsável por gerenciar o cluster e os processos de conexão dos clientes. Os outros processos chamam-se postgres, e são os que se iniciam quando um cliente conecta-se ao banco. Quando o coletor de estatísticas estiver sendo executado existirá também um processo postgres referente ao coletor de estatísticas [Lucas 2006]. O coletor de estatísticas é um software de apoio à administração do banco de dados, pois ele possibilita ao administrador coletar informações acerca das atividades do servidor. Com base nas informações coletadas o administrador pode fazer os ajustes necessários para que o banco de dados permaneça atendendo às requisições dos usuários com eficiência. Este aplicativo é capaz de indicar desde a quantidade de transações efetivadas e canceladas até a quantidade de leituras seqüências para cada tabela do banco [Neto 2006]. O controle de concorrência é utilizado para controlar eficientemente a atualização e visualização dos dados por diferentes sessões ao mesmo tempo. Segundo [Tessati 2007], o PostgreSQL implementa esse conceito de duas formas: o read commited que é uma forma comum entre outros SGBD s e o serializable. Se a forma utilizada for read commited, os dados visualizados são aqueles que foram efetivados antes do comando iniciar e nunca os dados que não foram efetivados ou aqueles que foram efetivados pelas transações concorrentes. Desta forma, duas consultas dentro de uma única transação podem trazer valores diferentes, pois neste modo de isolamento, uma transação concorrente pode alterar os dados da tabela durante a primeira consulta e assim ao iniciar a segunda consulta à tabela, esta contém as alterações efetivadas. Se a forma utilizada for serializable, os comandos enxergam os dados efetivados antes de a transação iniciar, assim consultas sucessivas dentro da mesma transação enxergam sempre os mesmos dados. Esta é uma forma mais rígida de controle da concorrência e pode ser alterada através do comando set transaction utilizado dentro dos softwares que gerenciam o banco.

6 Para gerenciar todas as essas tarefas, o PostgreSQL possui um conjunto de softwares de gerenciamento bastante completo e eficaz para Windows e Linux, chama-se PgAdmin. Encontra-se na verão III e possui uma interface gráfica muito interativa, não dificultando a execução das atividades e conectando-se ao banco via ODBC. É possível instalar o PgAdmin logo na instalação do próprio banco, ou instalálo separadamente mais tarde. Ele conta com diversos softwares para facilitar o uso pelo administrador do banco como, por exemplo, um agendador de tarefas ou um gerenciador do cluster de dados. Pode ser utilizado como um cliente SQL e monitora detalhadamente todos os processos que estão ocorrendo dentro do banco Segurança O PostgreSQL é um SGBD que tem no que diz respeito à segurança um dos seus pontos fortes, sendo em muitos casos o fator determinante na escolha entre os SGBDs livres. Esta sempre foi uma das preocupações da equipe de desenvolvedores do PostgreSQL: oferecer um SGBD extremamente robusto e confiável, sendo recomendado sua utilização em aplicações complexas, que exijam o controle de grandes volumes de dados, ou em casos de tratamento de informações críticas. A análise da segurança oferecida pelo PostgreSQL levará em conta fatores tidos como essenciais em um SGBD, além de outras características de funcionamento do PostgreSQL que aumentam a sua segurança. Logo na instalação do PostgreSQL é possível perceber que a segurança é questão primordial. Isto porque, para o seu perfeito funcionamento, a sua instalação [Oliveira 2007] deve ser feita em uma partição NTFS (New Technology File System), nunca em uma partição FAT (File Allocation Table) ou FAT32 (File Allocation Table para partições de até 32 GB). A vantagem de segurança de a instalação ser preferencialmente em sistemas de arquivos NTFS se deve ao fato deste possuir características que o tornam mais confiável do que os outros sistemas de arquivos, principalmente para aplicações que trabalham em rede. O controle de acesso aos dados deve ser feito de acordo com a necessidade de cada sistema. Existem informações que não devem ser vistas por todos os usuários: como exemplo, uma tabela que contenha os salários dos funcionários, ou os dados de um projeto novo que esteja em fase de desenvolvimento. O PostgreSQL oferece um controle baseado em direitos de acesso ou privilégios e é através deles que um usuário pode ou não acessar um dado. A identidade do usuário é que vai determinar o conjunto de privilégios disponíveis para ele. A autenticação dos clientes é feita através de um arquivo localizado no diretório de dados do cluster, chamado pg_hba.conf. Este arquivo é composto de vários registros, onde cada registro determina o tipo de conexão e devem ser informados valores como: o nome do banco de dados, a faixa de endereços de IP de cliente e o método de autenticação a ser utilizado nas conexões que correspondem a estes parâmetros [Sourceforge.net 2007]. Com a utilização deste arquivo que armazena os registros com os parâmetros necessários às autenticações é possível, por exemplo, determinar que um banco de dados possa ser acessado somente por um determinado usuário ou conjunto de usuários, informado ao registro. É possível também especificar os endereços IP ou a

7 faixa de endereços IP que o registro corresponde, autorizando o acesso apenas a partir desses endereços. Segundo [Sourceforge.net 2007], o PostgreSQL dispõe de eficientes métodos de autenticação, dentre os quais é possível destacar: por senha onde o principal método é o md5 (Message-Digest Algorithm 5) que suporta senhas criptografadas. As senhas, criptografadas ou não, ficam armazenadas em uma tabela do catálogo do sistema chamada pg_shadow. Kerberos implementa um protocolo de transporte de dados em rede, assegurando a comunicação dos dados mesmo em uma rede insegura. Além destes, a autenticação pode ser feita utilizando o nome do usuário e senha do sistema operacional, porém este método não é recomendado pois a segurança tornase dependente da oferecida pelo sistema operacional. A tabela do catálogo, pg_shadow, não pode ser vista por todos, justamente por conter as senhas dos usuários. Para possibilitar que esta tabela seja vista por todos sem que as senhas sejam exibidas, o PostgreSQL utiliza uma outra tabela do catálogo chamada pg_user, que é uma visão da pg_shadow, onde o campo senha é sempre mostrado com asteriscos ao invés dos caracteres reais da senha. Para aumentar a segurança dos dados que trafegam na rede é possível criptografar as comunicações entre o cliente e o servidor através do suporte nativo a conexões SSL (Secure Sockets Layer) através da instalação do OpenSSL no cliente e no servidor. Ainda é possível criar as conexões de clientes através de túneis SSH (Secure Shell). Ao tratar da segurança oferecida pelo PostgreSQL um dos principais aspectos é o mecanismo para criação de cópias de segurança e seu restabelecimento em caso de falhas, já que devido a importância das informações contidas nos bancos de dados não pode-se correr o risco de perdê-las por uma falha de hardware, queda de luz ou qualquer outro tipo de sinistro. O PostgreSQL possui duas poderosas formas de backup que contemplam as principais necessidades deste tipo de processo. São elas: O dump é um recurso que armazena diversos comandos em um arquivo de texto que podem reconstituir os dados do banco através de comandos SQL de criação de tabelas e todos os outros comandos necessários. Pode ser feito o dump de apenas alguns registros do banco ou de todos os registros contidos no cluster, o chamado dumpall. O point-in-time recovery é capaz de reconfigurar os dados para a data e hora informada pelo DBA (Data Base Administrator). Este recurso pode ser feito pela efetiva utilização do WAL como um sistema de armazenamento de arquivos [Lucas 2006]. Mesmo com esses recursos, pode ser feito backup através do sistema operacional, copiando o cluster dos dados. Todavia, esse recurso trás algumas restrições: o software deve estar fechado no momento da cópia do cluster; não é possível escolher as tabelas ou registros a serem copiados, isso quer dizer todos os

8 dados serão copiados, inclusive arquivos de controle do próprio banco que não se relacionam com as tabelas e registros; o processo é muito mais demorado e garante muito menos a integridade dos arquivos do que os anteriores [Neto 2006]. A cópia de segurança poit-in-time recovery somente é possível devido à existência do WAL. O WAL foi criado com o intuito de evitar perda de dados em uma eventual queda do sistema, pois trabalha com pontos de verificação que são gravados sempre que uma modificação é feita. Esse referencial teórico serviu de base para a condução do estudo de caso deste trabalho, permitindo ampliar o conhecimento acerca do PostgreSQL e, juntamente com os conceitos estudados na revisão teórica, construir um conjunto de referências que podem ser bastante úteis em projetos de escolha de softwares de banco de dados nas empresas. 4. Método de pesquisa O desenvolvimento da presente pesquisa utilizou a abordagem qualitativa por ser a mais adequada. Afinal, houve contribuição para a teoria e os entrevistadores precisaram estar presentes para compilar as informações. Essas características também influenciaram a escolha do método para coleta das informações, que neste caso foi utilizado o estudo de caso. A técnica utilizada foi a entrevista não-estruturada para que fosse possível conseguir os aspectos mais relevantes sobre o funcionamento do PostgreSQL em um ambiente de produção. A empresa onde foi realizado o estudo de caso oferece soluções de tecnologia e serviços para a indústria de meios de pagamento e para empresas que necessitem realizar trocas de informações de modo transacional. Ela foi criada há quatro anos e está distribuída em todo o país e em forte expansão na América Latina. Ela utiliza o conceito de rede aberta buscando oferecer ao ponto de venda o máximo de funcionalidades em um só produto. Atualmente a empresa captura mais de 50 milhões de transações multiserviços ao mês, entre elas, de cartões de crédito, de recarga de celular, de recarga de transporte, de consultas ao Serasa ou de seguros. Esta empresa foi utilizada porque faz uso do PostgreSQL para o armazenamento e gerenciamento das informações referentes ao monitoramento das transações. Sendo estas, um dos principais produtos da empresa. O sistema em estudo começou a ser utilizado durante o ano de 2007 com objetivo de criar uma base de conhecimento para uso interno, em relação à monitoração das transações. 5. Resultados e discussão dos dados coletados A versão do banco utilizada é a instalada em um servidor com o sistema operacional Linux e a distribuição Slackware. A escolha desta plataforma e distribuição foi devido a sua estabilidade. No entanto, a opção pelo Sistema Operacional faz diferença na performance do PostgreSQL. A versão para Windows é mais lenta que a versão para Linux. Isto porque parte das funções do SGBD são reescritas para a versão Windows, o que ocasiona a diminuição da performance do banco. Porém, esta diferença

9 praticamente não é perceptível em aplicações de pequeno porte. Uma das práticas de modelagem que possibilitam ganhos de performance é a utilização de transações curtas, visando que nenhuma transação possa demorar tempo suficiente para deixar outras esperando sua finalização para que então possam ser iniciadas. O tipo de aplicação não foi claramente especificado, mas de acordo com os relatos dos administradores, pode-se concluir que é Online Transaction Processing (OLTP), por causa das inúmeras conexões e transações simultâneas que o banco recebe. Toda vez que é executado um update ou delete em alguma tabela, as linhas correspondentes ficam com status de versão anterior e excluída, respectivamente. Para evitar a sobrecarga do sistema e liberar efetivamente os espaços, o recurso chamado vacuum é utilizado. Existem variações para o recurso: auto_vacuum e full_vacuum. O auto_vacuum não é utilizado porque faz a limpeza quase que periodicamente, ocasionando a lentidão do sistema. Logo, o mais recomendável e o que é periodicamente utilizado é o full_vacum. Todavia este recurso também tem uma desvantagem: o sistema precisará estar parado. Similarmente ao que é implementado por bancos de dados proprietários, o PostgreSQL também implementa o recurso de memória exclusiva, onde é reservada uma quantidade de memória RAM específica para uso restrito do banco. Utilizando este recurso, há um aumento de performance bastante grande. No servidor PostgreSQL da empresa, há a reserva de 2 GB de memória para funcionamento do banco em uma máquina de 4 GB. O sistema de backup utilizado pela empresa é o dumpall, feito diariamente. Este processo foi escolhido em detrimento ao point-in-time-recovery pela maior eficiência, já que para recuperar o backup de uma determinada data utilizando o segundo método é mais lento do que utilizando o primeiro. O PostgreSQL não tem um limite máximo de conexões de usuários simultaneamente. O que existe é um limite de hardware do servidor em que o banco está instalado. Para cada usuário conectado, o servidor deve disponibilizar certa quantidade de memória, na empresa este valor é em torno de 16 MB de memória RAM. Para manter o sistema funcionando corretamente, sem lentidão, obedecendo às limitações do hardware do servidor e para manter a estabilidade do sistema deve-se estipular um número máximo de usuários simultâneos. Assim, verificou-se com os administradores do banco de dados como o PostgreSQL vem sendo utilizado na prática. Tendo mostrado um ótimo desempenho, segurança e atendendo as necessidades. Foi possível confirmar que o PostgreSQL é um SGBD robusto, seguro e também performático, disponibilizando uma extensa gama de funções que, em alguns casos, nem mesmo SGBDs proprietários oferecem. No entanto, para o aproveitamento destes recursos é preciso um conhecimento profundo por parte de quem o administra, tanto em relação às melhores práticas de modelagem de dados quanto ao controle de transações. Segundo os profissionais, sabendo utilizar em conjunto estes dois fatores, podem-se obter resultados tão bons quanto os obtidos pelos SGBDs proprietários mais utilizados, podendo superá-los em alguns casos. 6. Conclusão

10 Através desse relato, mostra-se o exemplo de uma empresa que apostou na qualidade, confiabilidade e robustez do PostgreSQL para depositar nele informações de controle interno e, através dele acabou encontrando uma solução eficiente e de baixo custo. Esse exemplo mostra como as empresas estão investindo no uso deste software, entendendo isso, como uma questão não mais de competitividade, mas de sobrevivência. Esse relato deve servir de exemplo para muitas empresas que se mantêm reticentes em relação ao uso de software livre, especialmente na área de banco de dados, entendendo que pelo fato desta área ser uma das mais importantes dentro das organizações, os softwares precisam ser pagos, pois somente assim podem garantir a sua qualidade. Enquanto que o correto é identificar a melhor solução para cada tipo de problema e que o banco de dados PostgreSQL é uma solução de qualidade, confiabilidade e economicamente viável, já que não há custo de licenciamento. Referências Bibligráficas Gonzaga, Jorge Luiz. (2007) Dominando o PostgreSQL. Rio de Janeiro: Editora Ciência Moderna Ltda. Lucas, Everton. (2006) PostgreSQL, Muito prazer! Visão geral das funcionalidades do PostgreSQL. Revista SQLMagazine. Edição nro 36. Neto, Álvaro Pereira. (2006) PostgreSQL Técnicas Avançadas Versões Open Source: Soluções para Desenvolvedores e Administradores de Banco de Dados. São Paulo: Editora Érica Ltda. Oliveira, Fernado Ike; Cruz, Rodrigo de Sá. PostgreSQL 8.2 O elefante em evolução. Revista SQL Magazine. Edição nro 41. Oliveira, Rodrigo Padula de. (2007) PostgreSQL 8.2 Win 32: Instalação passo a passo, get&target=tutorial_win32.pdf, julho. Oslei, Daniel. (2007) Instalação do PostgreSQL julho. PostgreSQLBR: Comunidade Brasileira do PostgreSQL. (2007) Introdução e histórico. julho. PostgreSQL Global Development Group. (2007) About, Sourceforge.net. (2007) Documentação do PostgreSQL 8.0.0, julho. Tessati, Rogério. (2007) Controle de Concorrência no PostgreSQL. agosto.

Curso PostgreSQL - Treinamento PostgreSQL - Fundamental

Curso PostgreSQL - Treinamento PostgreSQL - Fundamental Curso PostgreSQL - Treinamento PostgreSQL - Fundamental Sobre PostgreSQL PostgreSQL é um sistema gerenciador de banco de dados objeto relacional (SGBDOR), desenvolvido como projeto de código aberto.hoje,

Leia mais

FAT32 ou NTFS, qual o melhor?

FAT32 ou NTFS, qual o melhor? FAT32 ou NTFS, qual o melhor? Entenda quais as principais diferenças entre eles e qual a melhor escolha O que é um sistema de arquivos? O conceito mais importante sobre este assunto, sem sombra de dúvidas,

Leia mais

GUNIX GRUPO DE ESTUDOS LINUX

GUNIX GRUPO DE ESTUDOS LINUX JUIZ DE FORA 2004 PostgreSQL 8.0 Win32 Instalação passo a passo Autor: Rodrigo Padula de Oliveira rodrigopadula@sagraluzzatto.com.br Instalação do PostgreSQL 8.0 win32 Para fazer o download da versão mais

Leia mais

Sistemas de Informação. Sistemas Operacionais 4º Período

Sistemas de Informação. Sistemas Operacionais 4º Período Sistemas de Informação Sistemas Operacionais 4º Período SISTEMA DE ARQUIVOS SUMÁRIO 7. SISTEMA DE ARQUIVOS: 7.1 Introdução; 7.2 s; 7.3 Diretórios; 7.4 Gerência de Espaço Livre em Disco; 7.5 Gerência de

Leia mais

www.neteye.com.br NetEye Guia de Instalação

www.neteye.com.br NetEye Guia de Instalação www.neteye.com.br NetEye Guia de Instalação Índice 1. Introdução... 3 2. Funcionamento básico dos componentes do NetEye...... 3 3. Requisitos mínimos para a instalação dos componentes do NetEye... 4 4.

Leia mais

SISTEMAS DE ARQUIVOS Sistemas operacionais

SISTEMAS DE ARQUIVOS Sistemas operacionais Técnico em Informática SISTEMAS DE ARQUIVOS Sistemas operacionais Professor Airton Ribeiro de Sousa Sistemas operacionais Sistema de Arquivos pode ser definido como uma estrutura que indica como os dados

Leia mais

Procedimentos para Instalação do SISLOC

Procedimentos para Instalação do SISLOC Procedimentos para Instalação do SISLOC Sumário 1. Informações Gerais...3 2. Instalação do SISLOC...3 Passo a passo...3 3. Instalação da Base de Dados SISLOC... 11 Passo a passo... 11 4. Instalação de

Leia mais

1. Introdução. 2. Funcionamento básico dos componentes do Neteye

1. Introdução. 2. Funcionamento básico dos componentes do Neteye 1. Introdução Esse guia foi criado com o propósito de ajudar na instalação do Neteye. Para ajuda na utilização do Software, solicitamos que consulte os manuais da Console [http://www.neteye.com.br/help/doku.php?id=ajuda]

Leia mais

Desenvolvendo Websites com PHP

Desenvolvendo Websites com PHP Desenvolvendo Websites com PHP Aprenda a criar Websites dinâmicos e interativos com PHP e bancos de dados Juliano Niederauer 19 Capítulo 1 O que é o PHP? O PHP é uma das linguagens mais utilizadas na Web.

Leia mais

Manual de backup do banco de dados PostgreSQL - Versão 2. Setembro-2011

Manual de backup do banco de dados PostgreSQL - Versão 2. Setembro-2011 Manual de backup do banco de dados PostgreSQL - Versão 2 Setembro-2011 E-Sales Oobj Tecnologia da Informação Av. D, n. 246, Qd. A-04, Lt.02, Ap. 02, Jardim Goiás Goiânia/GO, CEP: 74805-090 Fone: (62) 3086-5750

Leia mais

Software de monitoramento Módulo CONDOR CFTV V1 R1

Software de monitoramento Módulo CONDOR CFTV V1 R1 Software de monitoramento Módulo CONDOR CFTV V1 R1 Versão 30/06/2014 FOR Segurança Eletrônica Rua dos Lírios, 75 - Chácara Primavera Campinas, SP (19) 3256-0768 1 de 12 Conteúdo A cópia total ou parcial

Leia mais

PostgreSQL. Aula 01. Aula 01

PostgreSQL. Aula 01. Aula 01 PostgreSQL Uma visão rápida r e dinâmica deste poderoso banco de dados O que é? O PostgreSQL é um sofisticado sistema de gerenciamento de banco de dados. È conhecido com Objeto-Relacional, pois além m

Leia mais

AULA 5 Sistemas Operacionais

AULA 5 Sistemas Operacionais AULA 5 Sistemas Operacionais Disciplina: Introdução à Informática Professora: Gustavo Leitão Email: gustavo.leitao@ifrn.edu.br Sistemas Operacionais Conteúdo: Partições Formatação Fragmentação Gerenciamento

Leia mais

Declaração do Escopo do Projeto. SysTrack

Declaração do Escopo do Projeto. SysTrack Declaração do Escopo do Projeto SysTrack Nome do Projeto: SysTrack Versão do Documento: 1.0 Elaborado por: André Ricardo, André Luiz, Daniel Augusto, Diogo Henrique, João Ricardo e Roberto Depollo. Revisado

Leia mais

Manual de Transferência de Arquivos

Manual de Transferência de Arquivos O Manual de Transferência de Arquivos apresenta a ferramenta WebEDI que será utilizada entre FGC/IMS e as Instituições Financeiras para troca de arquivos. Manual de Transferência de Arquivos WebEDI Versão

Leia mais

Aula 1 Windows Server 2003 Visão Geral

Aula 1 Windows Server 2003 Visão Geral Aula 1 Windows Server 2003 Visão Geral Windows 2003 Server Introdução Nessa Aula: É apresentada uma visão rápida e geral do Windows Server 2003. O Foco a partir da próxima aula, será no serviço de Diretórios

Leia mais

Procedimentos para Reinstalação do Sisloc

Procedimentos para Reinstalação do Sisloc Procedimentos para Reinstalação do Sisloc Sumário: 1. Informações Gerais... 3 2. Criação de backups importantes... 3 3. Reinstalação do Sisloc... 4 Passo a passo... 4 4. Instalação da base de dados Sisloc...

Leia mais

Backup dos Bancos de Dados Interbase

Backup dos Bancos de Dados Interbase Backup dos Bancos de Dados Interbase Interbase... O que é? InterBase é um gerenciador de Banco de dados relacionais da Borland. O Interbase é uma opção alternativa aos bancos de dados tradicionais como

Leia mais

Procedimentos para Instalação do Sisloc

Procedimentos para Instalação do Sisloc Procedimentos para Instalação do Sisloc Sumário: 1. Informações Gerais... 3 2. Instalação do Sisloc... 3 Passo a passo... 3 3. Instalação da base de dados Sisloc... 16 Passo a passo... 16 4. Instalação

Leia mais

Sistema de Instalação e Criação da Estrutura do Banco de Dados MANUAL DO INSTALADOR. Julho/2007. Ministério da saúde

Sistema de Instalação e Criação da Estrutura do Banco de Dados MANUAL DO INSTALADOR. Julho/2007. Ministério da saúde Sistema de Instalação e Criação da Estrutura do Banco de Dados MANUAL DO INSTALADOR Julho/2007 Ministério da saúde SUMÁRIO Módulo 1. Instalação... 4 Introdução... 4 Configurações de equipamentos para instalação

Leia mais

XDOC. Solução otimizada para armazenamento e recuperação de documentos

XDOC. Solução otimizada para armazenamento e recuperação de documentos XDOC Solução otimizada para armazenamento e recuperação de documentos ObJetivo Principal O Que você ACHA De ter Disponível Online todos OS Documentos emitidos por SUA empresa em UMA intranet OU Mesmo NA

Leia mais

Sou o professor Danilo Augusto, do TIParaConcursos.net, e lá costumo trabalhar temas relacionados a Redes de Computadores e Sistemas Operacionais.

Sou o professor Danilo Augusto, do TIParaConcursos.net, e lá costumo trabalhar temas relacionados a Redes de Computadores e Sistemas Operacionais. Olá nobre concurseiro e futuro servidor público! Sou o professor Danilo Augusto, do TIParaConcursos.net, e lá costumo trabalhar temas relacionados a Redes de Computadores e Sistemas Operacionais. Essa

Leia mais

1 REQUISITOS BÁSICOS PARA INSTALAR O SMS PC REMOTO

1 REQUISITOS BÁSICOS PARA INSTALAR O SMS PC REMOTO 1 ÍNDICE 1 REQUISITOS BÁSICOS PARA INSTALAR O SMS PC REMOTO... 3 1.1 REQUISITOS BASICOS DE SOFTWARE... 3 1.2 REQUISITOS BASICOS DE HARDWARE... 3 2 EXECUTANDO O INSTALADOR... 3 2.1 PASSO 01... 3 2.2 PASSO

Leia mais

Manual de Instalação e Configuração

Manual de Instalação e Configuração e Configuração MyABCM 4.0 Versão 4.00-1.00 2 Copyright MyABCM. Todos os direitos reservados Reprodução Proibida Índice Introdução... 5 Arquitetura, requisitos e cenários de uso do MyABCM... 7 Instalação

Leia mais

FileMaker Pro 14. Utilização de uma Conexão de Área de Trabalho Remota com o FileMaker Pro 14

FileMaker Pro 14. Utilização de uma Conexão de Área de Trabalho Remota com o FileMaker Pro 14 FileMaker Pro 14 Utilização de uma Conexão de Área de Trabalho Remota com o FileMaker Pro 14 2007-2015 FileMaker, Inc. Todos os direitos reservados. FileMaker Inc. 5201 Patrick Henry Drive Santa Clara,

Leia mais

Manual do usuário. Mobile Auto Download

Manual do usuário. Mobile Auto Download Manual do usuário Mobile Auto Download Mobile Auto Download Parabéns, você acaba de adquirir um produto com a qualidade e segurança Intelbras. Este manual serve como referência para a sua instalação e

Leia mais

FileMaker Pro 12. Utilização de uma Conexão de Área de Trabalho Remota com o

FileMaker Pro 12. Utilização de uma Conexão de Área de Trabalho Remota com o FileMaker Pro 12 Utilização de uma Conexão de Área de Trabalho Remota com o FileMaker Pro 12 2007 2012 FileMaker Inc. Todos os direitos reservados. FileMaker Inc. 5201 Patrick Henry Drive Santa Clara,

Leia mais

Requisitos do Sistema

Requisitos do Sistema PJ8D - 017 ProJuris 8 Desktop Requisitos do Sistema PJ8D - 017 P á g i n a 1 Sumario Sumario... 1 Capítulo I - Introdução... 2 1.1 - Objetivo... 2 1.2 - Quem deve ler esse documento... 2 Capítulo II -

Leia mais

Manual de Instalação

Manual de Instalação Manual de Instalação Produto: n-mf Xerox Versão do produto: 4.7 Autor: Bárbara Vieira Souza Versão do documento: 1 Versão do template: Data: 09/04/01 Documento destinado a: Parceiros NDDigital, técnicos

Leia mais

Arquitetura de BDs Distribuídos. Victor Amorim - vhca Pedro Melo pam2

Arquitetura de BDs Distribuídos. Victor Amorim - vhca Pedro Melo pam2 Victor Amorim - vhca Pedro Melo pam2 Arquitetura de BDs Distribuídos Sistemas de bds distribuídos permitem que aplicações acessem dados de bds locais ou remotos. Podem ser Homogêneos ou Heterogêneos: Homogêneos

Leia mais

XDR. Solução para Big Data.

XDR. Solução para Big Data. XDR Solução para Big Data. ObJetivo Principal O volume de informações com os quais as empresas de telecomunicações/internet têm que lidar é muito grande, e está em constante crescimento devido à franca

Leia mais

Prevayler. Perola. André Luís Sales de Moraes Juliana Keiko Yamaguchi Tatiana Yuka Takaki

Prevayler. Perola. André Luís Sales de Moraes Juliana Keiko Yamaguchi Tatiana Yuka Takaki Prevayler Perola André Luís Sales de Moraes Juliana Keiko Yamaguchi Tatiana Yuka Takaki Prevayler Prevayler é a implementação em Java do conceito de Prevalência. É um framework que prega uma JVM invulnerável

Leia mais

FileMaker Pro 13. Utilização de uma Conexão de Área de Trabalho Remota com o FileMaker Pro 13

FileMaker Pro 13. Utilização de uma Conexão de Área de Trabalho Remota com o FileMaker Pro 13 FileMaker Pro 13 Utilização de uma Conexão de Área de Trabalho Remota com o FileMaker Pro 13 2007-2013 FileMaker Inc. Todos os direitos reservados. FileMaker Inc. 5201 Patrick Henry Drive Santa Clara,

Leia mais

Prof. Luiz Fernando. Unidade III ADMINISTRAÇÃO DE

Prof. Luiz Fernando. Unidade III ADMINISTRAÇÃO DE Prof. Luiz Fernando Unidade III ADMINISTRAÇÃO DE BANCOS DE DADOS Administração de SGBDs De todo o tipo de pessoal envolvido com desenvolvimento, manutenção, e utilização de bancos de dados há dois tipo

Leia mais

Sistema de Bancos de Dados. Conceitos Gerais Sistema Gerenciador de Bancos de Dados

Sistema de Bancos de Dados. Conceitos Gerais Sistema Gerenciador de Bancos de Dados Sistema de Bancos de Dados Conceitos Gerais Sistema Gerenciador de Bancos de Dados # Definições # Motivação # Arquitetura Típica # Vantagens # Desvantagens # Evolução # Classes de Usuários 1 Nível 1 Dados

Leia mais

Guia de Atualização Release FoccoERP 2014

Guia de Atualização Release FoccoERP 2014 Guia de Atualização Release FoccoERP 2014 02/06/2014 Índice ÍNDICE... 2 APRESENTAÇÃO... 3 INTRODUÇÃO... 4 PROCESSO DE INSTALAÇÃO... 4 ATUALIZANDO UM SEGUNDO AMBIENTE... 21 Página 2 de 22 Apresentação Este

Leia mais

DEFINIÇÃO DE REQUISITOS SISTEMA DE CONTROLE DE FINANÇAS WEB 1.0 MANTER FUNCIONÁRIO RELEASE 4.1

DEFINIÇÃO DE REQUISITOS SISTEMA DE CONTROLE DE FINANÇAS WEB 1.0 MANTER FUNCIONÁRIO RELEASE 4.1 DEFINIÇÃO DE REQUISITOS SISTEMA DE CONTROLE DE FINANÇAS WEB 1.0 MANTER FUNCIONÁRIO RELEASE 4.1 SUMÁRIO DEFINIÇÃO DE REQUISITOS 4 1. INTRODUÇÃO 4 1.1 FINALIDADE 4 1.2 ESCOPO 4 1.3 DEFINIÇÕES, ACRÔNIMOS

Leia mais

LEI DE ACESSO A INFORMAÇÃO DIREITO DO CIDADÃO

LEI DE ACESSO A INFORMAÇÃO DIREITO DO CIDADÃO DESCRIÇÃO DO SIGAI O SIGAI (Sistema Integrado de Gestão do Acesso à Informação) é uma solução de software que foi desenvolvida para automatizar os processos administrativos e operacionais visando a atender

Leia mais

Satélite. Manual de instalação e configuração. CENPECT Informática www.cenpect.com.br cenpect@cenpect.com.br

Satélite. Manual de instalação e configuração. CENPECT Informática www.cenpect.com.br cenpect@cenpect.com.br Satélite Manual de instalação e configuração CENPECT Informática www.cenpect.com.br cenpect@cenpect.com.br Índice Índice 1.Informações gerais 1.1.Sobre este manual 1.2.Visão geral do sistema 1.3.História

Leia mais

Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código)

Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código) Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código) Roteiro Processos Threads Virtualização Migração de Código O que é um processo?! Processos são programas em execução. Processo Processo Processo tem

Leia mais

Índice. Atualizado em: 01/04/2015 Página: 1

Índice. Atualizado em: 01/04/2015 Página: 1 MANUAL DO USUÁRIO Índice 1. Introdução... 3 2. Acesso ao Sistema... 4 2.1. Instalação... 4 2.1.1. Servidor - Computador Principal... 4 2.1.2. Estação - Computador na Rede... 6 2.1.3. Estação - Mapeamento

Leia mais

Fundamentos de Banco de Dados

Fundamentos de Banco de Dados Fundamentos de Banco de Dados SISTEMAS BASEADOS NO PROCESSAMENTO DE ARQUIVOS Sistema A Funcionário Pagamento Cargo Sistema B Funcionário Projeto SISTEMAS GERENCIADORES DE BANCO DE DADOS (SGBD) Sistema

Leia mais

Q-flow 2.2. Código de Manual: Qf22007POR Versão do Manual: 3.1 Última revisão: 21/10/2005 Aplica-se a: Q-flow 2.2. Sizing

Q-flow 2.2. Código de Manual: Qf22007POR Versão do Manual: 3.1 Última revisão: 21/10/2005 Aplica-se a: Q-flow 2.2. Sizing Q-flow 2.2 Código de Manual: Qf22007POR Versão do Manual: 3.1 Última revisão: 21/10/2005 Aplica-se a: Q-flow 2.2 Sizing Qf22007POR v3.1 Q-flow Sizing Urudata Software Rua Canelones 1370 Segundo Andar CP11200

Leia mais

V O C Ê N O C O N T R O L E.

V O C Ê N O C O N T R O L E. VOCÊ NO CONTROLE. VOCÊ NO CONTROLE. O que é o Frota Fácil? A Iveco sempre coloca o desejo de seus clientes à frente quando oferece ao mercado novas soluções em transportes. Pensando nisso, foi desenvolvido

Leia mais

Desenvolvendo Websites com PHP

Desenvolvendo Websites com PHP Desenvolvendo Websites com PHP 2ª Edição Juliano Niederauer Novatec Copyright 2009, 2011 da Novatec Editora Ltda. Todos os direitos reservados e protegidos pela Lei 9.610 de 19/02/1998. É proibida a reprodução

Leia mais

Planejando uma política de segurança da informação

Planejando uma política de segurança da informação Planejando uma política de segurança da informação Para que se possa planejar uma política de segurança da informação em uma empresa é necessário levantar os Riscos, as Ameaças e as Vulnerabilidades de

Leia mais

A.S.P. Servidores Windows

A.S.P. Servidores Windows A.S.P. Servidores Windows Servidores TCP/IP O mercado de servidores de rede é dominado essencialmente por duas linhas de produtos: Open Source: Linux, BSD, e seus derivados Proprietários: Microsoft Windows

Leia mais

Servidor de OpenLAB Data Store A.02.01 Lista de Preparação do Local. Objetivo do Procedimento. Responsabilidades do cliente

Servidor de OpenLAB Data Store A.02.01 Lista de Preparação do Local. Objetivo do Procedimento. Responsabilidades do cliente Servidor Lista de Preparação de OpenLAB do Data Local Store A.02.01 Objetivo do Procedimento Assegurar que a instalação do Servidor de OpenLAB Data Store pode ser concluída com sucesso por meio de preparação

Leia mais

*O RDBMS Oracle é um sistema de gerenciamento de banco de dados relacional.

*O RDBMS Oracle é um sistema de gerenciamento de banco de dados relacional. Arquitetura Oracle e seus componentes Hoje irei explicar de uma forma geral a arquitetura oracle e seus componentes. Algo que todos os DBA s, obrigatoriamente, devem saber de cabo a rabo. Vamos lá, e boa

Leia mais

Manual. ID REP Config Versão 1.0

Manual. ID REP Config Versão 1.0 Manual ID REP Config Versão 1.0 Sumário 1. Introdução... 3 2. Pré-Requisitos... 3 3. Instalação do ID REP Config... 4 4. Visão Geral do Programa... 8 4.1. Tela Principal... 8 4.2. Tela de Pesquisa... 12

Leia mais

Instalação Cliente Notes 6.5

Instalação Cliente Notes 6.5 Instalação Cliente Notes 6.5 1/1 Instalação Cliente Notes 6.5 LCC.008.2005 Versão 1.0 Versão Autor ou Responsável Data 1.0 Fabiana J. Santos 18/11/2005 RESUMO Este documento apresenta um roteiro de instalação

Leia mais

Unidade III. Unidade III

Unidade III. Unidade III Unidade III 4 ADMINISTRAÇÃO DE SGBDs As pessoas que trabalham com um banco de dados podem ser categorizadas como usuários de banco de dados ou administradores de banco de dados. 1 Entre os usuários, existem

Leia mais

Noções de. Microsoft SQL Server. Microsoft SQL Server

Noções de. Microsoft SQL Server. Microsoft SQL Server Noções de 1 Considerações Iniciais Basicamente existem dois tipos de usuários do SQL Server: Implementadores Administradores 2 1 Implementadores Utilizam o SQL Server para criar e alterar base de dados

Leia mais

André Milani. Novatec

André Milani. Novatec André Milani Novatec capítulo 1 Bem-vindo ao PostgreSQL Caro leitor, seja bem-vindo ao mundo do PostgreSQL, um excelente banco de dados com todas as características e propriedades necessárias para atender

Leia mais

DEFINIÇÃO DE REQUISITOS SISTEMA DE CONTROLE DE FINANÇAS WEB 1.0 BAIXA DE CONTAS A PAGAR RELEASE 4.1

DEFINIÇÃO DE REQUISITOS SISTEMA DE CONTROLE DE FINANÇAS WEB 1.0 BAIXA DE CONTAS A PAGAR RELEASE 4.1 DEFINIÇÃO DE REQUISITOS SISTEMA DE CONTROLE DE FINANÇAS WEB 1.0 BAIXA DE CONTAS A PAGAR RELEASE 4.1 SUMÁRIO DEFINIÇÃO DE REQUISITOS 4 1. INTRODUÇÃO 4 1.1 FINALIDADE 4 1.2 ESCOPO 4 1.3 DEFINIÇÕES, ACRÔNIMOS

Leia mais

? O SQL SERVER é um sistema de gerenciamento de banco de dados relacional que foi desenvolvido inicialmente pela Microsoft em parceria com a Sybase.

? O SQL SERVER é um sistema de gerenciamento de banco de dados relacional que foi desenvolvido inicialmente pela Microsoft em parceria com a Sybase. ? O SQL SERVER é um sistema de gerenciamento de banco de dados relacional que foi desenvolvido inicialmente pela Microsoft em parceria com a Sybase.? Desde de 1994, a Microsoft lança versões do SQL SERVER

Leia mais

Manual de Instalação Corporate

Manual de Instalação Corporate Manual de Instalação Corporate Sumário 1. Sobre este documento...3 2. Suporte técnico...3 3. Requisitos de hardware...3 3.1. Estação...3 3.2. Servidor...4 4. Instalação...4 4.1. Instalação do Imobiliária21

Leia mais

UNIVERSIDADE LUTERANA DO BRASIL CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO CAMPUS SANTA MARIA. PostgreSQL ou MySQL. Quando utilizar um desses SGBDs.

UNIVERSIDADE LUTERANA DO BRASIL CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO CAMPUS SANTA MARIA. PostgreSQL ou MySQL. Quando utilizar um desses SGBDs. UNIVERSIDADE LUTERANA DO BRASIL CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO CAMPUS SANTA MARIA PostgreSQL ou MySQL Quando utilizar um desses SGBDs por Anderson Davi da Cunha Naidon, Daniel Flores Bastos, Gleizer Bierhalz

Leia mais

SISTEMA DE ENVIO ELETRÔNICO DE MATÉRIAS INCom

SISTEMA DE ENVIO ELETRÔNICO DE MATÉRIAS INCom TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 10.ª REGIÃO DIRETORIA-GERAL JUDICIÁRIA DIRETORIA DO SERVIÇO DE COORDENAÇÃO JUDICIÁRIA SISTEMA DE ENVIO ELETRÔNICO DE MATÉRIAS INCom MANUAL DO USUÁRIO JULHO DE 2005 2 INTRODUÇÃO

Leia mais

JobScheduler Empresa: Assunto: Responsável: Dados de Contato: Suporte: Comercial: Financeiro:

JobScheduler Empresa: Assunto: Responsável: Dados de Contato: Suporte: Comercial: Financeiro: JobScheduler Módulo Server Empresa: Softbox Setor: Tecnologia Assunto: Manual de configuração Responsável: Departamento Técnico Dados de Contato: Suporte: Fone de contato: (34)3232-5888. E-mail: suporte@softbox.com.br

Leia mais

Manual do Usuário Cyber Square

Manual do Usuário Cyber Square Manual do Usuário Cyber Square Criado dia 27 de março de 2015 as 12:14 Página 1 de 48 Bem-vindo ao Cyber Square Parabéns! Você está utilizando o Cyber Square, o mais avançado sistema para gerenciamento

Leia mais

Sistema Operacional Unidade 4.2 - Instalando o Ubuntu Virtualizado

Sistema Operacional Unidade 4.2 - Instalando o Ubuntu Virtualizado Sistema Operacional Unidade 4.2 - Instalando o Ubuntu Virtualizado Curso Técnico em Informática SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 3 CRIAÇÃO DA MÁQUINA VIRTUAL... 3 Mas o que é virtualização?... 3 Instalando o VirtualBox...

Leia mais

Manual de Instalação PIMSConnector em Windows

Manual de Instalação PIMSConnector em Windows Manual de Instalação PIMSConnector em Windows Julho/2015 Sumário 1. Contexto de negócio (Introdução)... 3 2. Pré-requisitos instalação/implantação/utilização... 4 3. JBOSS... 6 3.1. Instalação... 6 3.2.

Leia mais

Plano de Ensino. Apresentação da Unidade Curricular

Plano de Ensino. Apresentação da Unidade Curricular Plano de Ensino Plano de Ensino Apresentação da Unidade Curricular o Funcionamento, arquitetura e conceitos fundamentais dos bancos de dados relacionais e objeto relacionais. Utilização de linguagem DDL

Leia mais

O servidor de banco de dados ORACLE corporativo da empresa deve possuir a seguinte especificação mínima:

O servidor de banco de dados ORACLE corporativo da empresa deve possuir a seguinte especificação mínima: ICOL Instruções para Instalação - ORACLE 1. Introdução Esse documento contém as instruções para instalação da aplicação ICOL na estrutura de máquinas da empresa cliente. No caso, estão descritos os procedimentos

Leia mais

Softwares de Sistemas e de Aplicação

Softwares de Sistemas e de Aplicação Fundamentos dos Sistemas de Informação Softwares de Sistemas e de Aplicação Profª. Esp. Milena Resende - milenaresende@fimes.edu.br Visão Geral de Software O que é um software? Qual a função do software?

Leia mais

Roteiro 2 Conceitos Gerais

Roteiro 2 Conceitos Gerais Roteiro 2 Conceitos Gerais Objetivos: UC Projeto de Banco de Dados Explorar conceitos gerais de bancos de dados; o Arquitetura de bancos de dados: esquemas, categorias de modelos de dados, linguagens e

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO. Software de Ferramenta de Backup

MANUAL DO USUÁRIO. Software de Ferramenta de Backup MANUAL DO USUÁRIO Software de Ferramenta de Backup Software Ferramenta de Backup Parabéns, você acaba de adquirir um produto com a qualidade e segurança Intelbras. Este manual serve como referência para

Leia mais

04/08/2012 MODELAGEM DE DADOS. PROF. RAFAEL DIAS RIBEIRO, M.Sc. @ribeirord MODELAGEM DE DADOS. Aula 1. Prof. Rafael Dias Ribeiro. M.Sc.

04/08/2012 MODELAGEM DE DADOS. PROF. RAFAEL DIAS RIBEIRO, M.Sc. @ribeirord MODELAGEM DE DADOS. Aula 1. Prof. Rafael Dias Ribeiro. M.Sc. MODELAGEM DE DADOS PROF. RAFAEL DIAS RIBEIRO, M.Sc. @ribeirord MODELAGEM DE DADOS Aula 1 Prof. Rafael Dias Ribeiro. M.Sc. @ribeirord 1 Objetivos: Apresenta a diferença entre dado e informação e a importância

Leia mais

Manual de Instalação PIMSConnector em Linux

Manual de Instalação PIMSConnector em Linux Manual de Instalação PIMSConnector em Linux Julho/2015 Sumário 1. Contexto de negócio (Introdução)... 3 2. Pré-requisitos instalação/implantação/utilização... 4 3. JBOSS... 6 3.1. Instalação... 6 3.2.

Leia mais

Instalação do IBM SPSS Modeler Server Adapter

Instalação do IBM SPSS Modeler Server Adapter Instalação do IBM SPSS Modeler Server Adapter Índice Instalação do IBM SPSS Modeler Server Adapter............... 1 Sobre a Instalação do IBM SPSS Modeler Server Adapter................ 1 Requisitos de

Leia mais

TCM Informática Rua Senador Ivo D'Aquino, 121 Bairro: Lagoa da Conceição 88062-050 Florianópolis, SC Brasil Fone +55 48 3334-8877 Fax +55 48

TCM Informática Rua Senador Ivo D'Aquino, 121 Bairro: Lagoa da Conceição 88062-050 Florianópolis, SC Brasil Fone +55 48 3334-8877 Fax +55 48 1.1 Roteiro para Instalação do Software 1.1.1 Servidor 1.1.1.1 Requisitos de Hardware Servidor de pequeno porte Servidor dedicado: Processador: 500Mhz Memória RAM: 256MB Hard Disk: 20 ou 40GB (7.500rpm)

Leia mais

WatchKey. WatchKey USB PKI Token. Versão Windows. Manual de Instalação e Operação

WatchKey. WatchKey USB PKI Token. Versão Windows. Manual de Instalação e Operação WatchKey WatchKey USB PKI Token Manual de Instalação e Operação Versão Windows Copyright 2011 Watchdata Technologies. Todos os direitos reservados. É expressamente proibido copiar e distribuir o conteúdo

Leia mais

Andarta - Guia de Instalação. Guia de Instalação

Andarta - Guia de Instalação. Guia de Instalação Guia de Instalação 29 de setembro de 2010 1 Sumário Introdução... 3 Os Módulos do Andarta... 4 Instalação por módulo... 6 Módulo Andarta Server... 6 Módulo Reporter... 8 Módulo Agent... 9 Instalação individual...

Leia mais

José Benedito Lopes Junior ¹, Marcello Erick Bonfim 2

José Benedito Lopes Junior ¹, Marcello Erick Bonfim 2 ISBN 978-85-61091-05-7 Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 Definição de uma tecnologia de implementação e do repositório de dados para a criação da ferramenta

Leia mais

6 - Gerência de Dispositivos

6 - Gerência de Dispositivos 1 6 - Gerência de Dispositivos 6.1 Introdução A gerência de dispositivos de entrada/saída é uma das principais e mais complexas funções do sistema operacional. Sua implementação é estruturada através de

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais SISTEMAS DE ARQUIVOS MACHADO/MAIA: CAPÍTULO 11 Prof. Pedro Luís Antonelli Anhanguera Educacional SISTEMAS DE ARQUIVOS - INTRODUÇÃO O armazenamento e a recuperação de informações é

Leia mais

Manual de Instalação

Manual de Instalação Manual de Instalação Sumário 1. Sobre este documento...3 2. Suporte técnico...3 3. Requisitos de hardware...3 3.1. Estação...3 3.2. Servidor...4 4. Instalação...4 4.1. Instalação do Group Folha no servidor...6

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE Esplanada dos Ministérios, Edifício Sede, 1º andar, Sala 131 CEP 70.058-900 sinan@saude.gov.

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE Esplanada dos Ministérios, Edifício Sede, 1º andar, Sala 131 CEP 70.058-900 sinan@saude.gov. MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE Esplanada dos Ministérios, Edifício Sede, 1º andar, Sala 131 CEP 70.058-900 sinan@saude.gov.br NOTA TÉCNICA N.º 01/2010 GT-SINAN/CIEVS/DEVEP/SVS/MS

Leia mais

http://aurelio.net/vim/vim-basico.txt Entrar neste site/arquivo e estudar esse aplicativo Prof. Ricardo César de Carvalho

http://aurelio.net/vim/vim-basico.txt Entrar neste site/arquivo e estudar esse aplicativo Prof. Ricardo César de Carvalho vi http://aurelio.net/vim/vim-basico.txt Entrar neste site/arquivo e estudar esse aplicativo Administração de Redes de Computadores Resumo de Serviços em Rede Linux Controlador de Domínio Servidor DNS

Leia mais

Quarta-feira, 09 de janeiro de 2008

Quarta-feira, 09 de janeiro de 2008 Quarta-feira, 09 de janeiro de 2008 ÍNDICE 3 4 RECOMENDAÇÕES DE HARDWARE PARA O TRACEGP TRACEMONITOR - ATUALIZAÇÃO E VALIDAÇÃO DE LICENÇAS 2 1. Recomendações de Hardware para Instalação do TraceGP Este

Leia mais

Manual de Instalação e Configuração

Manual de Instalação e Configuração Manual de Instalação e Configuração Produto: DPS Print Server Versão:3.0.0 Versão do Doc.:1.0 Autor: Wagner Petri Data: 11/03/2010 Aplica-se à: Clientes e Revendas Alterado por: Release Note: Detalhamento

Leia mais

Dell Infrastructure Consulting Services

Dell Infrastructure Consulting Services Proposta de Serviços Profissionais Implementação do Dell OpenManage 1. Apresentação da proposta Esta proposta foi elaborada pela Dell com o objetivo de fornecer os serviços profissionais de implementação

Leia mais

Introdução. Disciplina: Suporte Remoto Prof. Etelvira Leite

Introdução. Disciplina: Suporte Remoto Prof. Etelvira Leite Introdução Disciplina: Suporte Remoto Prof. Etelvira Leite Os Benefícios do Trabalho Remoto O mundo assiste hoje à integração e à implementação de novos meios que permitem uma maior rapidez e eficácia

Leia mais

Instalação do IBM SPSS Modeler Server Adapter

Instalação do IBM SPSS Modeler Server Adapter Instalação do IBM SPSS Modeler Server Adapter Índice Instalação do IBM SPSS Modeler Server Adapter............... 1 Sobre a Instalação do IBM SPSS Modeler Server Adapter................ 1 Requisitos de

Leia mais

DOCUMENTO DE REGRAS DE NEGÓCIO

DOCUMENTO DE REGRAS DE NEGÓCIO SISGED - SISTEMA DE GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE DOCUMENTOS DOCUMENTO DE REGRAS DE NEGÓCIO VERSÃO 1.0 HISTÓRICO DE REVISÃO Data Versão Descrição Autor 04/2011 1.0 Primeira versão. Priscila Drielle Sumário

Leia mais

AFRE. a. ( ) Instalando um programa gerenciador de carregamento, como o LILO ou o GRUB. a. ( ) Data Werehouse ; Internet ; Linux

AFRE. a. ( ) Instalando um programa gerenciador de carregamento, como o LILO ou o GRUB. a. ( ) Data Werehouse ; Internet ; Linux 1. De que forma é possível alterar a ordem dos dispositivos nos quais o computador procura, ao ser ligado, pelo sistema operacional para ser carregado? a. ( ) Instalando um programa gerenciador de carregamento,

Leia mais

Apache + PHP + MySQL

Apache + PHP + MySQL Apache + PHP + MySQL Fernando Lozano Consultor Independente Prof. Faculdade Metodista Bennett Webmaster da Free Software Foundation fernando@lozano.eti.br SEPAI 2001 O Que São Estes Softwares Apache: Servidor

Leia mais

Arquitetura de Banco de Dados

Arquitetura de Banco de Dados Arquitetura de Banco de Dados Daniela Barreiro Claro MAT A60 DCC/IM/UFBA Arquitetura de Banco de dados Final de 1972, ANSI/X3/SPARC estabeleceram o relatório final do STUDY GROUP Objetivos do Study Group

Leia mais

GUIA DE INÍCIO RÁPIDO NHS NOBREAK MANAGER 4.0 TOPOLOGIA MÍNIMA DE REDE PARA A INSTALAÇÃO E USO DO SOFTWARE COM GPRS

GUIA DE INÍCIO RÁPIDO NHS NOBREAK MANAGER 4.0 TOPOLOGIA MÍNIMA DE REDE PARA A INSTALAÇÃO E USO DO SOFTWARE COM GPRS GUIA DE INÍCIO RÁPIDO NHS NOBREAK MANAGER 4.0 TOPOLOGIA MÍNIMA DE REDE PARA A INSTALAÇÃO E USO DO SOFTWARE COM GPRS CONFIGURAÇÃO DO GPRS 1. Entre no site da NHS na página de homologação do NHS NOBREAK

Leia mais

Instalação ou atualização do software do sistema do Fiery

Instalação ou atualização do software do sistema do Fiery Instalação ou atualização do software do sistema do Fiery Este documento explica como instalar ou atualizar o software do sistema no Fiery Network Controller para DocuColor 240/250. NOTA: O termo Fiery

Leia mais

Marco A. M. de Melo e Fernando S. P. Gonçalves MANAGER

Marco A. M. de Melo e Fernando S. P. Gonçalves MANAGER Marco A. M. de Melo e Fernando S. P. Gonçalves MANAGER S.O.S BACKUP - MANAGER. Nenhuma porção deste livro pode ser reproduzida ou transmitida em qualquer forma ou por qualquer meio eletrônico ou mecânico,

Leia mais

BANCO DE DADOS E BUSINESS INTELIGENCE. C/H: 20 horas (20/02, 25/02, 27/02, 04/03, 06/03)

BANCO DE DADOS E BUSINESS INTELIGENCE. C/H: 20 horas (20/02, 25/02, 27/02, 04/03, 06/03) MBA em Gestão de TI MÓDULO: BANCO DE DADOS E BUSINESS INTELIGENCE C/H: 20 horas (20/02, 25/02, 27/02, 04/03, 06/03) PROFESSOR: Edison Andrade Martins Morais prof@edison.eti.br http://www.edison.eti.br

Leia mais

Notas da Aula 15 - Fundamentos de Sistemas Operacionais

Notas da Aula 15 - Fundamentos de Sistemas Operacionais Notas da Aula 15 - Fundamentos de Sistemas Operacionais 1. Software de Entrada e Saída: Visão Geral Uma das tarefas do Sistema Operacional é simplificar o acesso aos dispositivos de hardware pelos processos

Leia mais

MicrovixPOS Requisitos, Instalação e Execução

MicrovixPOS Requisitos, Instalação e Execução MicrovixPOS Requisitos, Instalação e Execução Autor Público Alvo Rodrigo Cristiano dos Santos Suporte Técnico, Consultoria e Desenvolvimento. Histórico Data 13/06/2012 Autor Rodrigo Cristiano Descrição

Leia mais

Arquivos de Instalação... 4. Instalação JDK... 7. Instalação Apache Tomcat... 8. Configurando Tomcat... 9

Arquivos de Instalação... 4. Instalação JDK... 7. Instalação Apache Tomcat... 8. Configurando Tomcat... 9 Instalando e Atualizando a Solução... 3 Arquivos de Instalação... 4 Instalação do Servidor de Aplicação... 7 Instalação JDK... 7 Instalação Apache Tomcat... 8 Configurando Tomcat... 9 Configurando Banco

Leia mais

CA ARCserve Backup PERGUNTAS MAIS FREQUENTES: ARCSERVE BACKUP R12.5

CA ARCserve Backup PERGUNTAS MAIS FREQUENTES: ARCSERVE BACKUP R12.5 PERGUNTAS MAIS FREQUENTES: ARCSERVE BACKUP R12.5 CA ARCserve Backup Este documento aborda as perguntas mais freqüentes sobre o CA ARCserve Backup r12.5. Para detalhes adicionais sobre os novos recursos

Leia mais

INSTALAÇÃO DE SOFTWARES ÚTEIS EM ENGENHARIA CARTOGRÁFICA

INSTALAÇÃO DE SOFTWARES ÚTEIS EM ENGENHARIA CARTOGRÁFICA INSTALAÇÃO DE SOFTWARES ÚTEIS EM ENGENHARIA CARTOGRÁFICA Primeiramente é importante observar a importância do desenvolvimento de softwares específicos para agilizar o trabalho do Engenheiro Cartógrafo.

Leia mais

PAINEL MANDIC CLOUD. Mandic. Somos Especialistas em Cloud. Manual do Usuário

PAINEL MANDIC CLOUD. Mandic. Somos Especialistas em Cloud. Manual do Usuário Mandic. Somos Especialistas em Cloud. PAINEL MANDIC CLOUD Manual do Usuário 1 BEM-VINDO AO SEU PAINEL DE CONTROLE ESTE MANUAL É DESTINADO AO USO DOS CLIENTES DA MANDIC CLOUD SOLUTIONS COM A CONTRATAÇÃO

Leia mais

Módulo de Gestores. Utilizaremos telas do Módulo de Gestores (Homologação): http://siops-homologa2.datasus.gov.br

Módulo de Gestores. Utilizaremos telas do Módulo de Gestores (Homologação): http://siops-homologa2.datasus.gov.br Módulo de Gestores Módulo de Gestores Utilizaremos telas do Módulo de Gestores (Homologação): http://siops-homologa2.datasus.gov.br Módulo de Gestores As telas oficiais do Módulo de Gestores estão disponíveis

Leia mais