Instituto Politécnico de Lisboa. Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa (ESTeSL) Gestão da Qualidade

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Instituto Politécnico de Lisboa. Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa (ESTeSL) Gestão da Qualidade"

Transcrição

1 Instituto Politécnico de Lisboa Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa (ESTeSL) Gestão da Qualidade Relatório da Implementação de Medidas para a melhoria da Qualidade Abril

2 Relatório da implementação de medidas visando a melhoria da qualidade Este documento visa apresentar a resposta da Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa (ESTeSL) ao relatório da visita realizada a 26 de Novembro de 2010 pela comissão de avaliação do Instituto Politécnico de Lisboa (IPL), no âmbito do processo de gestão da qualidade do IPL, tendo em vista a preparação para o processo de auditoria institucional a partir de 2010/11 para a certificação dos sistemas internos de garantia da qualidade das instituições de ensino superior. O relatório da visita, entregue ao Presidente da ESTeSL, descreve sumariamente a avaliação externa da ESTeSL face aos 10 (dez) referenciais que constam do guião de autoavaliação. O relatório da visita termina com um conjunto de propostas de melhoria referentes a cada um dos referenciais e que iremos analisar e responder neste documento. Processo de Informação e Comunicação Institucional Institucionalmente, na ESTeSL, foi dado conhecimento do relatório da visita aos Presidentes e Vice- Presidentes dos Órgãos de Governo, ao Director de Serviços e ao Gabinete de Gestão da Qualidade (GQ). Foi solicitado ao GQ uma análise detalhada do relatório e a apresentação de soluções para a implementação das propostas de melhoria apresentadas pela equipa de avaliação externa. O GQ apresentou à Presidência da ESTeSL, no início de Março um conjunto de 21 medidas, em resposta ao relatório da visita, classificadas de acordo com o seu nível de urgência na implementação: (1) baixa, (2) média, (3) alta, (4) elevada urgente, bem como a articulação com as estruturas da Escola de modo a garantir tanto um maior envolvimento no processo como uma melhor integraçao nos processos da Qualidade. Da discussão dessas propostas resultou posteriormente um conjunto de reuniões de trabalho da Presidência da ESTeSL e do GQ com os Presidentes dos Órgãos de Governo, Directores de Departamento e Directores de Curso de 1º ciclo, para além do natural envolvimento dos serviços e dos Estudantes no processo. Objectivo do relatório Este documento visa assim descrever essencialmente, o que mudou na ESTeSL desde a visita de Novembro do ano passado, apresentando os resultados da implementação das propostas de melhoria nas suas diversas componentes temporais de imediato, a curto, médio e longo prazo. Segue a estrutura do relatório da visita, isto é, referencial a referencial. 2

3 ASPECTOS GERAIS DO PROCEDIMENTO EM CURSO No relatório da visita pode ler-se que Foi considerada a informação constante no sítio da ESTeSL na Internet e do preenchimento do documento de autoavaliação entregue previamente ( ) (itálico nosso). À adequação do sítio da ESTESL na Internet foi atribuída prioridade elevada, enquanto instrumento para a divulgação/publicitação da actividade da Instituição. Este processo já foi iniciado, com a adequação da informação referente aos serviços e gabinetes recém-criados, por despacho do Presidente da ESTeSL, em resultado da entrada em vigor dos novos Estatutos da ESTeSL. Já nesta fase será disponibilizada informação sobre a Qualidade na ESTeSL, nomeadamente sobre a estrutura, objectivos e regulamento do GQ. Os resultados obtidos no âmbito do processo de gestão da Qualidade serão também disponibilizados nesta página. Numa fase seguinte, serão actualizadas as páginas das centenas de unidades curriculares (UC) da ESTeSL, quer em português quer em inglês. Sobre este aspecto apresentaremos mais detalhes à frente no documento. Ainda neste ponto do relatório pode ler-se que Os indicadores referidos em [Sarrico, Cláudia S.], nomeadamente Carteira de Indicadores para o Curto Prazo Ensino Politécnico, não foram tidos em conta no documento elaborado sobre os referenciais e enviado para as Unidades Orgânicas. Serão alvo de análise posterior (itálico nosso). Apesar destes indicadores serem apenas alvo de análise à posteriori estão já a ser desenvolvidos na ESTeSL mecanismos que permitam a criação de uma base de dados que alimente estes indicadores para a Instituição e para cada um dos seus cursos. Foram envolvidos no processo os diversos serviços da ESTeSL, com particular destaque para a Divisão de Gestão Académica (DGA) e o Gabinete de Gestão e Planeamento. A título de exemplo, foi solicitada à DGA informação detalhada sobre os indicadores de sucesso, por época de avaliação, de todas as UC do 1º e também do 2º ciclo, desde o ano lectivo 2008/09 ano de transição para os planos de estudos adequados a Bolonha. Estes indicadores serão posteriormente discutidos com os Órgãos respectivos de modo a serem desenhadas acções de melhoria e assim se poder avaliar a sua evolução continuadamente. 3

4 Referencial 1. Definição de política e objectivos de qualidade A instituição deve consolidar uma cultura de qualidade apoiada numa política e em objectivos de qualidade formalmente definidos e publicamente disponíveis. Proposta 1: Criação de uma estrutura institucional e formal para a Gestão da Qualidade. Esta estrutura foi criada em Outubro de 2010 o Gabinete de Gestão da Qualidade, que tem como missão a procura da excelência num processo de melhoria contínua da qualidade e inovação, contribuindo para que a ESTeSL se consititua uma Instituição de vanguarda no Ensino da Saúde em Portugal. A curto prazo será ainda criado o Conselho para a Qualidade que contará com a participação dos Presidentes e Vice-Presidentes dos Órgãos de Governo, Directores de Departamento e Directores de Curso, Director de Serviços e coordenadores de serviços e gabinetes, bem como representantes dos estudantes. A este Conselho caberá, em primeiro lugar, a definição da Política e Objectivos da Qualidade na ESTeSL e em segundo lugar, a disseminação dessa política e objectivos contribuindo para o desenvolvimento de uma Cultura da e para a Qualidade na ESTeSL. No caso particular dos estudantes, serão definidas, a curto prazo as acções concretas no âmbito da Qualidade sobre as quais os estudantes sejam responsáveis. Proposta 2: Publicitação da estrutura para a Qualidade e respectivos resultados. Como referido anteriormente, esta informação será disponibilizada a curto prazo na página da Internet da ESTeSL. Proposta 3: Envolvimento dos estudantes na estrutura da Qualidade formal e institucional ( ). Como referido na resposta à proposta 1, os estudantes farão parte do Conselho para a Qualidade, a criar brevemente. Proposta 4: Na estrutura sistematizada de monitorização da qualidade, não pareceu haver acções de seguimento ( ). Na reunião mantida com a Presidente do Conselho Pedagógico foram discutidas acções de seguimento no âmbito da avaliação do Processo Ensino-Aprendizagem que passem pela análise dos resultados aos inquéritos e pela definição de indicadores de sucesso para as UC. Em função desses resultados, em parceria com o Conselho Pedagógico, serão propostas acções concretas de melhoria, quer por UC e/ou docente, quer por área científica que passem, por exemplo, pela adequação das metodologias de ensino e de avaliação associado a um modelo de relatório por UC a preencher pelo regente da UC no final da mesma, que será alvo de discussão no que à sua estrutura diz respeito. 4

5 Referencial 2. Definição e garantia da qualidade da oferta formativa A instituição deve definir mecanismos para a avaliação e renovação da sua oferta formativa, desenvolvendo metodologias para a aprovação, o controlo e a revisão periódica dos seus cursos. Proposta 1: Melhorar o sistema de recolha e análise da informação ( ). Integrá-lo no sistema de Gestão da Qualidade global da unidade orgânica. Este é um aspecto que deverá ser trabalhado em conjunto pela ESTeSL e pelo próprio IPL. A formação a decorrer na última semana de Abril no âmbito do sistema GOA & SAETO poderá ser um passo importante na melhoria do sistema de recolha e análise da informação que deverá ser prático, funcional e rápido. De qualquer das formas, foi já iniciada a discussão internamente na ESTeSL que permitirá a definição de como, quando e quem recolhe a informação e posteriormente quem fará e com que periodicidade, os relatórios de seguimento que permitam a análise dessa informação. Proposta 2: Adequação da oferta formativa de cada curso às necessidades do mercado de emprego, tendo em consideração a oferta de formação ao nível nacional. Antes de mais, será importante definir o método para a avaliação dessa adequação, o que passará pela avaliação das necessidades do mercado de trabalho. O futuro Observatório de Inserção dos Diplomados da ESTeSL, inserido na ESTeSL ou no âmbito das actividades do próprio IPL poderá contribuir para esta avaliação. Proposta 3: Possibilitar a melhoria da formação através da criação de serviços à comunidade no âmbito da própria unidade orgânica. Ao longo dos últimos anos, o número de serviços à comunidade prestados pela ESTeSL tem vindo a aumentar e com eles, o envolvimento dos estudantes não só num sistema de voluntariado como inclusivamente associado ao seu processo de formação. Nesse sentido, o sistema de recolha de informação relativo aos serviços de apoio à comunidade deverá ser optimizado de modo a permitir uma fácil evidência da relação entre os serviços à comunidade e a formação dos estudantes. A curto prazo, o recém-criado Gabinete de Programas de Serviços à Comunidade irá permitir a demonstração dessa evidência, uma vez que uma das suas atribuições é precisamente a elaboração de informações e relatórios dos projectos de serviços à comunidade. Proposta 4: Não foi visível uma política orientadora estratégica documentada a nível dos mestrados a desenvolver para a escola ( ). Esta proposta de melhoria foi discutida na reunião com o Presidente do Conselho Técnico-Cientifico (CTC). Face a esta constatação embora não limitada à mesma, decorreu no passado dia 18 de Abril uma Sessão Extraordinária Aberta (a toda a comunidade académica) do CTC com o objectivo de debater a Estratégia Científica da ESTeSL. Foram debatidos diversos assuntos, nomeadamente: Fortalecimento da institucionalização da actividade cientifica da ESTeSL; Promoção da cultura cientifica na ESTeSL; 5

6 Difusão do conhecimento cientifico; Catalização do investimento que já existe na Escola, criando actividades que difundam o conhecimento; Criação de parcerias para a Investigação e Desenvolvimento (I&D) estimulando o relacionamento externo (relação com o referencial 8. Investigação e Desenvolvimento); Reforço da identidade cientifica própria das Tecnologias da Saúde Aposta na transdisciplinaridade do trabalho cientifico bem como na sua ligação ao mundo do trabalho. Proposta 5: A escola deverá desenvolver mecanismos de monitorização da empregabilidade e desenvolver estratégias e práticas pró-activas para uma maior inserção dos seus alunos no mercado de trabalho, nomeadamente implementando um observatório da inserção dos diplomados na vida activa. Já foi concluído o Estudo sobre a Inserção Profissional dos Diplomados da ESTeSL nos anos lectivos e Os seus resultados serão apresentados publicamente a curto prazo. A discussão desses mesmos resultados deverá contribuir para o desenvolvimento de estratégias, quer da ESTeSL enquanto Instituição, quer de cada um dos cursos, para a maior inserção dos seus diplomados no mercado de trabalho. Este estudo poderá servir como ponto de partida para a criação na ESTeSL do referido Observatório para a inserção dos diplomados na vida activa. No entanto, a criação do Observatório não será um fim em si próprio, uma vez que a sua actividade poderá ser inclusivamente associada a um Centro de Investigação, de modo a dar visibilidade ao seu trabalho. 6

7 Referencial 3. Garantia da qualidade das aprendizagens e apoio aos estudantes A instituição deve dotar-se de procedimentos que permitam promover e comprovar a qualidade do ensino que empreende e garantir que este tem como finalidade fundamental favorecer a aprendizagem dos estudantes. Proposta 1: Dado que muitos dos alunos que entram na ESTeSL não escolhem os seus cursos como primeira opção, o que se traduz em alguns problemas de insucesso e abandono no primeiro ano, poderia ser vantajoso criar uma estrutura formal de apoio, sobretudo ao nível deste ano ( ), nomeadamente melhorar e incrementar o sistema de apoio tutorial a funcionar pontualmente em alguns cursos. De modo a que a análise e implementação desta proposta de melhoria, nomeadamente no que diz respeito à criação de uma estrutura formal de apoio, se adequasse à realidade da ESTeSL foi solicitado aos Directores de Curso de 1º Ciclo uma análise aos indicadores de abandono do 1º para o 2º ano e a indicação das estratégias já implementadas ou a implementar em resposta a esse indicador. No caso particular do Curso de Licenciatura em Saúde Ambiental maior taxa de abandono do 1º para o 2º ano no ano lectivo 2009/2010 já foram implementadas várias medidas que visem minimizar esse resultado, nomeadamente: Identificação das UC onde o insucesso escolar ultrapasse os 50%; Desenvolvimento da acção Take a Break with Environmental Health que se realizará regularmente e onde se pretende dinamizar a discussão das áreas de intervenção da Licenciatura e estreitar a ponte entre o ensino e a profissão. Acção destinada em particular ao esclarecimento e motivação dos estudantes do 1º ano; Maior envolvimento dos estudantes nos projectos de investigação a decorrer e nas actividades de prestação de serviços à comunidade. Estas duas situações promovem a realização de trabalho de campo por parte dos estudantes permitindo-lhes um contacto directo devidamente acompanhado e orientado com as áreas de intervenção/conhecimento da Licenciatura em Saúde Ambiental; Desenvolvimento de uma newsletter da Saúde Ambiental divulgada a todos os estudantes onde constam actividades/publicações/novidades desenvolvidas pelo corpo docente e estudantes; Desenvolvimento do Programa Eco Escolas com o envolvimento directo de vários estudantes de Saúde Ambiental. Os resultados destas medidas deverão ser posteriormente avaliados. Adicionalmente, em reunião com os Directores de Departamento foi-lhes solicitada uma análise aos indicadores de insucesso escolar e a indicação das estratégias já implementadas ou a implementar em resposta a esse indicador. Relativamente a estes últimos, dados referentes ao ano lectivo 2009/10 mostram que do total de UC de 1º ciclo (370), em apenas 7 (menos de 2%) se verifica uma taxa de reprovação superior a 20%, sendo que destas, apenas 3 são do primeiro ano. Estes dados deverão ser 7

8 alvo de uma nova análise e daí a solicitação de informação detalhada à DGA, já referida neste documento. De qualquer das formas é nosso entendimento que em primeiro lugar deverão discutir-se possíveis modelos de tutoria que melhor se adequem à realidade da ESTeSL. Por outro lado, o sistema de apoio tutorial não se poderá limitar aos estudantes de primeiro ano ou dirigir-se especificamente aos alunos que não entram na primeira opção. A discussão será inclusivamente alargada ao próprio Conselho Pedagógico para que os próprios estudantes participem de forma activa nesta definição de sistema de apoio tutorial. Proposta 3: Alargamento a todos os cursos do sistema tutorial. Sistema tutorial não voluntário e com tutores com poder. Esta proposta não nos parece exequível na realidade actual dos planos de estudos da ESTeSL. A implementação de um sistema tutorial não voluntário implicaria a alteração da tipologia de aulas das UC, o que por sua vez teria implicações directas nos ETI da ESTeSL, o que face à realidade económico-financeira não nos parece possível. No entanto, não sendo possível implementar este sistema é importante referir que cada docente dispõe de um horário de atendimento aos estudantes, que corresponde a 50% da sua carga lectiva e esse horário é afixado na porta do seu gabinete e é apresentado aos estudantes na primeira aula de cada semestre, sendo que deverão ser desenvolvidos mecanismos que permitam explorar essa disponibilidade ao máximo, independentemente da tipologia de aula. De qualquer das formas, quando questionados os estudantes não apresentam a disponibilidade do docente, quer em sala de aula quer fora de aula como um problema. Como referido na análise da proposta 1, é nosso entendimento que os estudantes deverão ter um papel activo na definição deste sistema tutorial. Proposta 4: No âmbito dos indicadores para a Qualidade ( ) promover um acompanhamento mais próximo das unidades curriculares e de cada curso no que respeita ao aproveitamento, desistências e medidas para melhorar a situação. Aspecto já referido anteriormente e em fase de implementação. Proposta 5: Integração das várias medidas no sistema para a Gestão da Qualidade. Com a criação do Conselho para a Qualidade e consequente definição da Política e Objectivos da Qualidade irá definir-se a estrutura do sistema para a Gestão da Qualidade. Proposta 6: Face ao baixo aproveitamento em algumas unidades curriculares do primeiro ano ( ) generalizar medidas de apoio ( ) por exemplo, a criação de mini-testes como forma de avaliação para levar os alunos a ir estudando de uma forma continuada ao longo do semestre. Como referido na análise à proposta 1 deste referencial existindo efectivamente algumas UC em que os indicadores de sucesso estão abaixo da média da ESTeSL parece-nos que esta proposta é claramente excessiva e até 8

9 inadequada face aos indicadores de sucesso do total de UC na ESTeSL, pelo menos no que diz respeito ao ano lectivo 2009/10. Serão, por isso, necessários os dados de 2008/09 em diante já solicitados para uma análise e conclusões mais sólidas. De qualquer das formas, também como já referido, foi solicitado aos Directores de Departamento a indicação de estratégias que permitam melhorar os indicadores de sucesso escolar. Importa perceber, a curto e a médio prazo, o impacto que a introdução dos referidos mini-testes numa dada UC de um semestre sobre as outras UC desse mesmo semestre. 9

10 Referencial 4. Recursos humanos A instituição deve contar com mecanismos que assegurem que o recrutamento, gestão e formação do seu pessoal docente e pessoal de apoio se efectua com as devidas garantias para que possam cumprir com eficácia as funções que lhe são próprias. Proposta 1: Melhoria do tempo de resposta por parte dos serviços centrais do IPL às solicitações da unidade orgânica (itálico nosso). Proposta 2: Acompanhamento mais próximo, por parte da unidade orgânica, dos seus processos a decorrerem nos serviços centrais do IPL ( ). Proposta 3: Definição clara e inequívoca por parte dos serviços centrais do IPL de todos os procedimentos administrativos (itálico nosso). A análise a estas três propostas, por parte da ESTeSL, tem que forçosamente ter em consideração que estes são aspectos que dependem em primeira instância do próprio IPL, em particular dos serviços centrais. Por essa razao, a implementação destas propostas de melhoria terá que passar por um trabalho conjunto entre as duas Instituições. Por outro lado, não se pode analisar estas propostas sem considerar o que a própria equipa de avaliação externa constatou no relatório da visita: O crescimento da ESTeSL não tem sido acompanhado ao nível dos recursos humanos, bem pelo contrário, os funcionários com contratos a termo certo não têm sido substituídos e, num curto prazo, a situação parece tender a agravarse, podendo-se atingir uma situação de ruptura ( ). Dadas as dificuldades que existem e que tenderão a agravar-se no imediato no que diz respeito à contratação de novos funcionários o acompanhamento mais próximo por parte da unidade orgânica dos seus processos a decorrerem nos serviços centrais do IPL afigura-se de difícil implementação. Proposta 4: Os docentes convidados são uma mais-valia para a especificidade do ensino ( ). No entanto, as suas restrições profissionais trazem algumas dificuldades na concepção dos horários. Os horários são uma área onde deve ser feito algum investimento ( ). É nosso entendimento, em primeiro lugar que os docentes convidados são uma enorme mais-valia pela aproximação que permitem da realidade académica à profissional. Aliás, os próprios estudantes apreciam o contributo destes docentes e até em termos da sua disponibilidade para o esclarecimento de dúvidas, não parecem existir problemas. Em relação a esta proposta em particular a Comissão de Horários e os vários Departamentos deverão trabalhar em conjunto para a redução de tempos mortos, não se afigurando esta situação de resolução fácil. Proposta 5: Realizar planos anuais de formação e desenvolvimento para o pessoal não docente que estejam bem enquadrados e incidam de uma forma muito específica nas reais necessidades para o pessoal não docente ( ). 10

11 Referencial 5. Recursos materiais e serviços A instituição deve dotar-se de mecanismos que lhe permitam planear, gerir e melhorar os serviços e recursos materiais com vista ao desenvolvimento adequado das aprendizagens dos estudantes e demais actividades científico-pedagógicas. Proposta 1: Instalação de pontos de alimentação em energia eléctrica nos locais onde os alunos podem utilizar os seus computadores portáteis para estudarem e realizarem trabalhos de grupo. Proposta 2: Instalação de máquinas de bebidas e comidas nos locais da escola que os alunos podem frequentar para trabalharem aos fins-de-semana, feriados, noites, etc. Apesar de não ser apresentado como uma proposta de melhoria, na apreciação global da equipa de avaliação externa é referido que Também ao nível dos docentes há falta de espaço para poderem trabalhar extra-aulas ( ). Decorre neste momento um processo de distribuição e reorganização dos espaços físicos da Escola, que permitem o realojamento de alguns serviços e a disponibilização de gabinetes a afectar ao serviço docente, com manutenção de espaços comuns para a realização de reuniões e outras actividades de apoio à docência. Pretende-se com este esforço de reorganização obter um ganho de área bruta do espaço físico para os docentes e estudantes da ESTeSL. 11

12 Referencial 6. Sistemas de informação A instituição deve dotar-se de mecanismos que permitam garantir a recolha, análise e utilização dos resultados e de outra informação relevante para a gestão efectiva dos cursos e demais actividades. Proposta 1: Continuar a pressionar a empresa que desenvolveu o software de gestão académica de maneira a se conseguirem obter os indicadores necessários, existentes no sistema de gestão académica, de uma forma mais explícita. Efectivamente, a ESTeSL irá exercer essa pressão sobre a Digitalis, embora este seja um problema que não se afigura de resolução fácil. A título de exemplo, já foi referido nesta relatório que foi solicitada informação detalhada sobre os indicadores de sucesso de todas as unidades curriculares do 1º e 2º ciclo, desde o ano lectivo 2008/09. O sistema de gestão académica ao não permitir de forma explícita o acesso a essa informação, conduz a que o prazo de resposta que foi assumido pela DGA tenha sido de aproximadamente 30 dias, o que é claramente excessivo face à emergência da informação. 12

13 Referencial 7. Informação pública A instituição deve dotar-se de mecanismos que permitam a publicação periódica de informação actualizada, imparcial e objectiva, tanto quantitativa como qualitativa, acerca dos cursos e graus oferecidos. Proposta 1: Existência de mais conteúdos em língua inglesa nas páginas da unidade orgânica. Tal como referido anteriormente, na adequação que está em curso da página da Internet da ESTeSL está já prevista a introdução de conteúdos em língua inglesa. Também neste referencial, apesar de não ser apresentado como proposta de melhoria, na apreciação global da equipa de avaliação externa pode ler-se As páginas da Internet ( ), embora informação sobre as UC não esteja disponível para o exterior. Está neste momento a ser desenvolvido, pela Presidência da ESTeSL em parceria com o Director de Serviços, um modelo de ficha de unidade curricular (FUC) que substituirá o actual modelo de programa das UC em vigor na ESTeSL e que será aplicado a todas as UC e que servirá como fonte de informação a disponibilizar na página da Internet. Este modelo de FUC deverá ser aplicado já às UC do 1º semestre do ano lectivo 2011/12. 13

14 Referencial 8. Investigação e Desenvolvimento A instituição deve dotar-se de mecanismos para promover e avaliar a actividade científica, tecnológica e artística adequada à sua missão institucional. Proposta 1: Aquisição de novos equipamentos como factor decisivo para a criação de uma maior envolvente no processo de I&D e participação alargada a um número superior de alunos e docentes. A aquisição de novos equipamentes neste momento assume-se praticamente como uma impossibilidade. Mesmo a aquisição de equipamentos enquadrados em projectos financiados está de momento dificultada. De qualquer das formas, na sessão extraordinária aberta do CTC, já referida neste relatório, discutiu-se a necessidade de integração de mais alunos e docentes nos processos de I&D seja na ESTeSL seja da ESTeSL. Este é um aspecto que merecerá uma maior atenção a médio prazo. Proposta 2: Comunicar de forma efectiva os resultados da investigação realizada para a comunidade e desenvolver parcerias com Laboratórios associados, parceiros por excelência no processo de I&D. A melhoria da comunicação dos resultados da investigação poderá ser conseguida pela actividade do recém-criado Gabinete de Programas de Investigação, que em parceira com o Gabinete de Comunicação permitirá uma melhor e mais evidente divulgação da I&D da e na ESTeSL. Também está previsto, a curto prazo a criação de um Anuário de Investigação que contribuirá para a comunicação mais efectiva dos resultados da investigação. Neste momento, com a sessão extraordinária aberta do CTC iniciou-se o processo de discussão sobre a possível criação de um Centro de Investigação na ESTeSL ou, em alternativa, o aprofundamento de parcerias com laboratórios associados. Este é um processo que será decidido a médio prazo. 14

15 Referencial 9. Relações com o exterior A instituição deve dotar-se de mecanismos para promover e avaliar a colaboração interinstitucional e com a comunidade, nomeadamente quanto ao seu contributo para o desenvolvimento regional e nacional. Proposta 1: Abertura da unidade orgânica à prestação de serviços à comunidade no âmbito da sua área de especialização. Estando tal previsto desde o projecto inicial das actuais instalações da ESTeSL, são necessárias condições em termos de pessoal não docente, principalmente, que até ao momento não existiram. De qualquer das formas, não sendo possível a prestação de serviços à comunidade na ESTeSL, têm sido desenvolvidas centenas de iniciativas na comunidade com a participação activa dos alunos e docentes da ESTeSL, até no cumprimento do que é a missão da Instituição. Proposta 2: A escola tem condições para aumentar e diversificar a prestação de serviços à sociedade. Neste sentido os discentes podem ter um papel mais activo colaborando neste tipo de iniciativas o que potencia a sua aprendizagem ( ). Tal já é feito na ESTeSL. Terão, no entanto, que se melhorar os mecanismos de demonstração desta evidência. 15

16 Referencial 10. Internacionalização A instituição deve dotar-se de mecanismos para promover e avaliar as suas actividades de cooperação internacional. Nada a registar. 16

ACEF/1112/14972 Relatório preliminar da CAE

ACEF/1112/14972 Relatório preliminar da CAE ACEF/1112/14972 Relatório preliminar da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Instituto Politécnico De Leiria A.1.a. Identificação

Leia mais

Relatório da visita. 1 Introdução. Unidade Orgânica: Escola Superior de Educação de Lisboa (ESELx) Data da visita: 3 de Dezembro de 2010

Relatório da visita. 1 Introdução. Unidade Orgânica: Escola Superior de Educação de Lisboa (ESELx) Data da visita: 3 de Dezembro de 2010 Relatório da visita Unidade Orgânica: Escola Superior de Educação de Lisboa (ESELx) Data da visita: 3 de Dezembro de 2010 Comissão de Avaliação do IPL: - Paulo Morais, pró-reitor do IPL, docente na ESTC,

Leia mais

PLANO DE ACTIVIDADES 2011

PLANO DE ACTIVIDADES 2011 PLANO DE ACTIVIDADES 2011 MARÇO DE 2011 Este documento apresenta os objectivos estratégicos e as acções programáticas consideradas prioritárias para o desenvolvimento da ESE no ano 2011. O Plano de Actividades

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS N 1 DE MARCO DE CANAVESES (150745) Plano de Ação de Melhoria

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS N 1 DE MARCO DE CANAVESES (150745) Plano de Ação de Melhoria AGRUPAMENTO DE ESCOLAS N 1 DE MARCO DE CANAVESES (150745) Plano de Ação de Melhoria 2015l2017 ÍNDICE ÍNDICE: INTRODUÇÃO... 3 ÁREAS DE AÇÃO DE MELHORIA.... 4 PLANOS DE AÇÃO DE MELHORIA.. 5 CONCLUSÃO...

Leia mais

ACEF/1112/25172 Relatório final da CAE

ACEF/1112/25172 Relatório final da CAE ACEF/1112/25172 Relatório final da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Fedrave - Fundação Para O Estudo E Desenvolvimento

Leia mais

Regulamento Geral de Avaliação da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa

Regulamento Geral de Avaliação da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa Regulamento Geral de Avaliação da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa PREÂMBULO O actual Regulamento Geral de Avaliação (RGA) foi formulado, no essencial, em 2009 e reformulado em 2010. Teve

Leia mais

CURSO DE GESTÃO BANCÁRIA

CURSO DE GESTÃO BANCÁRIA CURSO DE GESTÃO BANCÁRIA PLANO CURRICULAR A análise referente ao Programa de Ensino e, em particular ao conteúdo do actual Plano de Estudos (ponto 3.3. do Relatório), merece-nos os seguintes comentários:

Leia mais

ACEF/1314/03667 Relatório final da CAE

ACEF/1314/03667 Relatório final da CAE ACEF/1314/03667 Relatório final da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de Ensino Superior / Entidade Instituidora: Universidade Da Beira Interior A.1.a. Outras

Leia mais

ACEF/1314/03672 Relatório final da CAE

ACEF/1314/03672 Relatório final da CAE ACEF/1314/03672 Relatório final da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de Ensino Superior / Entidade Instituidora: Universidade Da Beira Interior A.1.a. Outras

Leia mais

HISTÓRICO DE REVISÕES REVISÃO DATA SÍNTESE DA REVISÃO

HISTÓRICO DE REVISÕES REVISÃO DATA SÍNTESE DA REVISÃO HISTÓRICO DE REVISÕES REVISÃO DATA SÍNTESE DA REVISÃO ELABORAÇÃO ASSINATURA APROVAÇÃO ASSINATURA ÍNDICE CAPÍTULO 1. POLÍTICA E ESTRATÉGIA/ÂMBITO... 3 1.1 POLÍTICA E ESTRATÉGIA DA ENTIDADE... 3 1.2 OBJECTIVO

Leia mais

PLANO DE TRABALHO. Do Serviço de Psicologia e Orientação

PLANO DE TRABALHO. Do Serviço de Psicologia e Orientação ESCOLA SECUNDÁRIA DAS LARANJEIRAS Proposta de PLANO DE TRABALHO Do Serviço de Psicologia e Orientação A Psicóloga: Sara Quaresma ANO LECTIVO 2010/2011 PLANO DE TRABALHO Ao longo deste ano lectivo serão

Leia mais

CEF/0910/27086 Relatório final da CAE (Univ) - Ciclo de estudos em funcionamento

CEF/0910/27086 Relatório final da CAE (Univ) - Ciclo de estudos em funcionamento CEF/0910/27086 Relatório final da CAE (Univ) - Ciclo de estudos em funcionamento Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.9 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Cofac

Leia mais

CEF/0910/27636 Relatório final da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento

CEF/0910/27636 Relatório final da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento CEF/0910/27636 Relatório final da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.9 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Instituto

Leia mais

Plano de Gestão do Risco (2013-2015)

Plano de Gestão do Risco (2013-2015) Plano de Gestão do Risco (2013-2015) Camões, I.P. Janeiro de 2013 Lisboa, janeiro de 2013 Camões, Instituto da Cooperação e da Língua Av. da Liberdade, 270 1250-149 Lisboa 1 Índice Índice... 2 Acrónimos...

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO EM ACTIVIDADE FÍSICA NA GRAVIDEZ E PÓS-PARTO

PÓS-GRADUAÇÃO EM ACTIVIDADE FÍSICA NA GRAVIDEZ E PÓS-PARTO Instituto Politécnico de Santarém Escola Superior de Desporto de Rio Maior PÓS-GRADUAÇÃO EM ACTIVIDADE FÍSICA NA GRAVIDEZ E PÓS-PARTO REGULAMENTO Artigo 1.º Designação A Escola Superior de Desporto de

Leia mais

RELATÓRIO DE CONCRETIZAÇÃO DO PROCESSO DE BOLONHA

RELATÓRIO DE CONCRETIZAÇÃO DO PROCESSO DE BOLONHA RELATÓRIO DE CONCRETIZAÇÃO DO PROCESSO DE BOLONHA 2007/2008 DEPARTAMENTO Departamento de Economia, Gestão e Engenharia Industrial CURSO Mestrado em Engenharia e Gestão Industrial (2.º Ciclo) 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

ACEF/1112/22947 Relatório final da CAE

ACEF/1112/22947 Relatório final da CAE ACEF/1112/22947 Relatório final da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: ISCTE - Instituto Universitário de Lisboa (ISCTE-IUL)

Leia mais

RELATÓRIO DE CONCRETIZAÇÃO DO PROCESSO DE BOLONHA

RELATÓRIO DE CONCRETIZAÇÃO DO PROCESSO DE BOLONHA RELATÓRIO DE CONCRETIZAÇÃO DO PROCESSO DE BOLONHA ANO LECTIVO 2009/2010 [DEPARTAMENTO de EDUCAÇÃO] [Anabela Sousa Pereira] [Mestrado em Psicologia na especialização de Psicologia Clínica e da Saúde] 1.

Leia mais

MESTRADO EM PSICOLOGIA SOCIAL E DAS ORGANIZAÇÕES GUIA DE ORGANIZAÇÃO E DE FUNCIONAMENTO DOS ESTÁGIOS

MESTRADO EM PSICOLOGIA SOCIAL E DAS ORGANIZAÇÕES GUIA DE ORGANIZAÇÃO E DE FUNCIONAMENTO DOS ESTÁGIOS INSTI INSTUTO SUPERIOR DE CIÊNCIAS DO TRABALHO E DA EMPRESA DEPARTAMENTO DE PSICOLOGIA SOCIAL E DAS ORGANIZAÇÕES MESTRADO EM PSICOLOGIA SOCIAL E DAS ORGANIZAÇÕES GUIA DE ORGANIZAÇÃO E DE FUNCIONAMENTO

Leia mais

RELATÓRIO REFERENTE AOS ANOS LECTIVOS 2009.2010 E 2010.2011 DE CONCRETIZAÇÃO DO PROCESSO DE BOLONHA DA UCP DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO

RELATÓRIO REFERENTE AOS ANOS LECTIVOS 2009.2010 E 2010.2011 DE CONCRETIZAÇÃO DO PROCESSO DE BOLONHA DA UCP DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO RELATÓRIO REFERENTE AOS ANOS LECTIVOS 2009.2010 E 2010.2011 DE CONCRETIZAÇÃO DO PROCESSO DE BOLONHA DA UCP DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO (Artigo 66-A.º do Decreto-Lei n.º 107/2008 de 25 de Junho) INSTITUTO SUPERIOR

Leia mais

Unidade Curricular de Projecto Empresarial, em Parceria com o ISCTE-IUL

Unidade Curricular de Projecto Empresarial, em Parceria com o ISCTE-IUL ENQUDRAMENTO Unidade Curricular de Projecto Empresarial, em Parceria com o ISCTE-IUL A Faculdade de Ciências inclui nos seus planos de estudos diversas disciplinas que têm como objectivo sensibilizar os

Leia mais

ACEF/1415/17827 Relatório preliminar da CAE

ACEF/1415/17827 Relatório preliminar da CAE ACEF/1415/17827 Relatório preliminar da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de Ensino Superior / Entidade Instituidora: Universidade De Lisboa A.1.a. Outras Instituições

Leia mais

A Implementação do Processo de Bolonha em Portugal e os Relatórios Institucionais da sua Concretização uma Análise Exploratória

A Implementação do Processo de Bolonha em Portugal e os Relatórios Institucionais da sua Concretização uma Análise Exploratória A Implementação do Processo de Bolonha em Portugal e os Relatórios Institucionais da sua Concretização uma Análise Exploratória António M. Magalhães CIPES/FPCEUP Apresentação: 1. A implementação do Processo

Leia mais

Regulamento de Estágio do Mestrado em Desporto 2009

Regulamento de Estágio do Mestrado em Desporto 2009 Instituto Politécnico de Santarém ESCOLA SUPERIOR DE DESPORTO DE RIO MAIOR MESTRADO EM DESPORTO REGULAMENTO DE ESTÁGIO Este regulamento enquadra-se no âmbito do artigo 21.º do regulamento específico do

Leia mais

Eixos Estratégicos Objectivos Estratégicos Objectivos Operacionais Acções. 1.1.1.Aumentar a oferta formativa nas áreas das artes e das tecnologias

Eixos Estratégicos Objectivos Estratégicos Objectivos Operacionais Acções. 1.1.1.Aumentar a oferta formativa nas áreas das artes e das tecnologias 1. Oferta Formativa 1.1. Dinamizar e consolidar a oferta formativa 1.1.1.Aumentar a oferta formativa nas áreas das artes e das tecnologias 1.1.2. Promover o funcionamento de ciclos de estudos em regime

Leia mais

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Faculdade de Ciências Sociais e Humanas Departamento de Psicologia e Educação

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Faculdade de Ciências Sociais e Humanas Departamento de Psicologia e Educação UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Faculdade de Ciências Sociais e Humanas Departamento de Psicologia e Educação Regulamento de Estágios 2º Ciclo em Psicologia da Universidade da Beira Interior Artigo 1.º

Leia mais

ACEF/1112/20967 Relatório final da CAE

ACEF/1112/20967 Relatório final da CAE ACEF/1112/20967 Relatório final da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Fundação Minerva - Cultura - Ensino E Investigação

Leia mais

PRINCÍPIOS PARA A REVISÃO DO MODELO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO. 1) Objecto e finalidades da revisão do regime jurídico da avaliação:

PRINCÍPIOS PARA A REVISÃO DO MODELO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO. 1) Objecto e finalidades da revisão do regime jurídico da avaliação: PRINCÍPIOS PARA A REVISÃO DO MODELO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOS EDUCADORES DE INFÂNCIA E DOS PROFESSORES DOS ENSINOS BÁSICO E SECUNDÁRIO 1) Objecto e finalidades da revisão do regime jurídico da avaliação:

Leia mais

ACORDO DE PRINCÍPIOS PARA A REVISÃO DO ESTATUTO DA CARREIRA DOCENTE E DO MODELO DE AVALIAÇÃO DOS PROFESSORES DOS ENSINOS BÁSICO E SECUNDÁRIO

ACORDO DE PRINCÍPIOS PARA A REVISÃO DO ESTATUTO DA CARREIRA DOCENTE E DO MODELO DE AVALIAÇÃO DOS PROFESSORES DOS ENSINOS BÁSICO E SECUNDÁRIO ACORDO DE PRINCÍPIOS PARA A REVISÃO DO ESTATUTO DA CARREIRA DOCENTE E DO MODELO DE AVALIAÇÃO DOS PROFESSORES DOS ENSINOS BÁSICO E SECUNDÁRIO E DOS EDUCADORES DE INFÂNCIA Considerando as orientações políticas

Leia mais

DESPACHO. N.º 21 /2011 Data: 2011/05/30 Para conhecimento de: Pessoal Docente, Discente e Não Docente

DESPACHO. N.º 21 /2011 Data: 2011/05/30 Para conhecimento de: Pessoal Docente, Discente e Não Docente DESPACHO N.º 21 /2011 Data: 2011/05/30 Para conhecimento de: Pessoal Docente, Discente e Não Docente ASSUNTO: Regulamento de Cursos de Especialização Tecnológica da ESTeSL. No âmbito da sua missão e objectivos

Leia mais

formativa e das atividades de ensino e de aprendizagem nela desenvolvidas;

formativa e das atividades de ensino e de aprendizagem nela desenvolvidas; Índice 1- ENQUADRAMENTO... 2 2- METODOLOGIA... 3 3- INSTRUMENTOS... 4 3.1. Ficha da unidade curricular... 4 3.2. Inquéritos de apreciação ensino/aprendizagem... 4 3.3. Formulários... 4 3.4. Dossiers...

Leia mais

CURSO INTENSIVO DE SEGURANÇA E DEFESA REGULAMENTO

CURSO INTENSIVO DE SEGURANÇA E DEFESA REGULAMENTO CURSO INTENSIVO DE SEGURANÇA E DEFESA REGULAMENTO Preâmbulo Ao Instituto da Defesa Nacional (IDN) compete, entre outras tarefas, o estudo, a investigação e a divulgação dos problemas de Segurança e Defesa

Leia mais

ACORDO DE PRINCÍPIOS PARA A REVISÃO DO ESTATUTO DA CARREIRA DOCENTE E DO MODELO DE AVALIAÇÃO DOS PROFESSORES DOS ENSINOS BÁSICO E SECUNDÁRIO

ACORDO DE PRINCÍPIOS PARA A REVISÃO DO ESTATUTO DA CARREIRA DOCENTE E DO MODELO DE AVALIAÇÃO DOS PROFESSORES DOS ENSINOS BÁSICO E SECUNDÁRIO ACORDO DE PRINCÍPIOS PARA A REVISÃO DO ESTATUTO DA CARREIRA DOCENTE E DO MODELO DE AVALIAÇÃO DOS PROFESSORES DOS ENSINOS BÁSICO E SECUNDÁRIO E DOS EDUCADORES DE INFÂNCIA Considerando a vontade comum do

Leia mais

Reitoria. No plano orçamental para 2009 foi definida uma provisão no valor de 300.000 euros para o Programa - Qualidade.

Reitoria. No plano orçamental para 2009 foi definida uma provisão no valor de 300.000 euros para o Programa - Qualidade. Reitoria Circular RT-05/2009 Programa Qualidade 2009 Apesar dos constrangimentos financeiros impostos pelo orçamento atribuído para 2009, é importante garantir que são apoiadas as experiências e os projectos

Leia mais

Agrupamento de Escolas n.º 2 de Beja. Regulamento Interno. Biblioteca Escolar

Agrupamento de Escolas n.º 2 de Beja. Regulamento Interno. Biblioteca Escolar Agrupamento de Escolas n.º 2 de Beja Regulamento Interno 2014 1. A 1.1. Definição de A é um recurso básico do processo educativo, cabendo-lhe um papel central em domínios tão importantes como: (i) a aprendizagem

Leia mais

Curso de Licenciatura em Engenharia Mecânica

Curso de Licenciatura em Engenharia Mecânica Curso de Licenciatura em Engenharia Mecânica Relatórios dos Docentes Desempenho do Curso Ano Lectivo 2012/2013 Curso de Licenciatura em Engenharia Mecânica Relatório de Desempenho do Curso Ano Lectivo

Leia mais

TURISMO DE PORTUGAL DEPARTAMENTO DE RECURSOS HUMANOS REGULAMENTO GERAL DA FORMAÇÃO

TURISMO DE PORTUGAL DEPARTAMENTO DE RECURSOS HUMANOS REGULAMENTO GERAL DA FORMAÇÃO TURISMO DE PORTUGAL DEPARTAMENTO DE RECURSOS HUMANOS REGULAMENTO GERAL DA FORMAÇÃO INDICE 1 NOTA PRÉVIA 3 2 LINHAS DE ORIENTAÇÃO ESTRATÉGICA 4 3 PLANO DE FORMAÇÃO 4 4 FREQUÊNCIA DE ACÇÕES DE FORMAÇÃO 6

Leia mais

Com a publicação dos novos Estatutos da Escola -Diário da República, 2ª série, nº 164, 25 de Agosto de 2009, por iniciativa do Conselho de Direcção,

Com a publicação dos novos Estatutos da Escola -Diário da República, 2ª série, nº 164, 25 de Agosto de 2009, por iniciativa do Conselho de Direcção, Com a publicação dos novos Estatutos da Escola -Diário da República, 2ª série, nº 164, 25 de Agosto de 2009, por iniciativa do Conselho de Direcção, iniciou-se um trabalho de reflexão e discussão, tendo

Leia mais

PLANO DE ACTIVIDADES 2011 ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA DO BARREIRO / INSTITUTO POLITÉCNICO DE SETÚBAL

PLANO DE ACTIVIDADES 2011 ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA DO BARREIRO / INSTITUTO POLITÉCNICO DE SETÚBAL PLANO DE ACTIVIDADES 2011 ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA DO BARREIRO / INSTITUTO POLITÉCNICO DE SETÚBAL Dezembro, 2010 PLANO DE ACTIVIDADES 2011 Escola Superior de Tecnologia do Barreiro / Instituto Politécnico

Leia mais

Manual de Avaliação dos alunos do pré-escolar ao 9º ano de escolaridade

Manual de Avaliação dos alunos do pré-escolar ao 9º ano de escolaridade Manual de Avaliação dos alunos do pré-escolar ao 9º ano de escolaridade Índice Nota Introdutória Legislação Conceitos/Glossário de termos Princípios Orientadores e finalidades Documentos Nota Introdutória:

Leia mais

REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO EM 2010 MESTRADO EM ACTIVIDADE FÍSICA EM POPULAÇÕES ESPECIAIS

REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO EM 2010 MESTRADO EM ACTIVIDADE FÍSICA EM POPULAÇÕES ESPECIAIS Instituto Politécnico de Santarém Escola Superior de Desporto de Rio Maior MESTRADO EM REGULAMENTO Artigo 1.º Designação A Escola Superior de Desporto de Rio Maior (ESDRM) do Instituto Politécnico de Santarém

Leia mais

CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento

CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.9 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora:

Leia mais

EngIQ. em Engenharia da Refinação, Petroquímica e Química. Uma colaboração:

EngIQ. em Engenharia da Refinação, Petroquímica e Química. Uma colaboração: EngIQ Programa de Doutoramento em Engenharia da Refinação, Petroquímica e Química Uma colaboração: Associação das Indústrias da Petroquímica, Química e Refinação (AIPQR) Universidade de Aveiro Universidade

Leia mais

Identificação da empresa

Identificação da empresa Identificação da empresa ANA Aeroportos de Portugal, S.A. Missão, Visão e Valores Missão da ANA A ANA - Aeroportos de Portugal, SA tem como missão gerir de forma eficiente as infraestruturas aeroportuárias

Leia mais

Regulamento de Formação AIP

Regulamento de Formação AIP Regulamento de Formação AIP Introdução Considerando que: Primeiro: A AIP Associação Industrial Portuguesa - Câmara de Comércio e Indústria é uma organização de utilidade pública sem fins lucrativos que

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA Programa da Unidade Curricular MÉTODOS DE INVESTIGAÇÃO E INTERVENÇÃO EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS E Ano Lectivo 2012/2013 1. Unidade Orgânica Ciências da Economia e da Empresa (2º Ciclo) 2. Curso Mestrado

Leia mais

32708 Diário da República, 2.ª série N.º 151 8 de Agosto de 2011

32708 Diário da República, 2.ª série N.º 151 8 de Agosto de 2011 32708 Diário da República, 2.ª série N.º 151 8 de Agosto de 2011 Maria Margarida da Fonseca Beja Godinho Prof. Catedrática, Departamento de Física da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa; Paulo

Leia mais

Bolonha: Um caminho que ainda é preciso percorrer.

Bolonha: Um caminho que ainda é preciso percorrer. ANET- 2º. Congresso Nacional Sessão de Encerramento 30 de Novembro de 2007 Luís J. S. Soares Bolonha: Um caminho que ainda é preciso percorrer. As profundas alterações no ensino superior, dinamizadas pelas

Leia mais

PLANO DE ATIVIDADES DA ESTBARREIRO/IPS. Índice

PLANO DE ATIVIDADES DA ESTBARREIRO/IPS. Índice PLANO DE ATIVIDADES 2015 Índice 1. Introdução... 2 1.1. Âmbito e organização... 2 1.2. Enquadramento institucional... 2 2. Objetivos estratégicos e operacionais... 5 3. Metas a alcançar e atividades a

Leia mais

Cursos de Doutoramento

Cursos de Doutoramento PROSPECTO FACULDADE DE ECONOMIA Cursos de Doutoramento CONTACTOS FACULDADE DE ECONOMIA Av. Julius Nyerere, Campus Universitário, 3453 Tel: +258 21 496301 Fax. +258 21 496301 1 MENSAGEM DO DIRECTOR Sejam

Leia mais

Regimento do Conselho Municipal de Educação

Regimento do Conselho Municipal de Educação Considerando que: 1- No Município do Seixal, a construção de um futuro melhor para os cidadãos tem passado pela promoção de um ensino público de qualidade, através da assunção de um importante conjunto

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3º CICLO D. MANUEL I, BEJA

ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3º CICLO D. MANUEL I, BEJA ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3º CICLO D. MANUEL I, BEJA Plano Estratégico de Melhoria 2011-2012 Uma escola de valores, que educa para os valores Sustentabilidade, uma educação de, e para o Futuro 1. Plano Estratégico

Leia mais

FORMULÁRIO DE CANDIDATURA 1. A) ENTIDADE PROMOTORA 1. Identificação Ano a que respeita a candidatura

FORMULÁRIO DE CANDIDATURA 1. A) ENTIDADE PROMOTORA 1. Identificação Ano a que respeita a candidatura FORMULÁRIO DE CANDIDATURA 1 NORMAS DE APOIO ÀS INSTITUIÇÕES SEM FINS LUCRATIVOS DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL E DE SAÚDE DO CONCELHO DE FARO Exmº Sr. Presidente da Câmara Municipal de Faro Solicito que seja

Leia mais

REGULAMENTO DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO AMBIENTAL

REGULAMENTO DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO AMBIENTAL REGULAMENTO DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO AMBIENTAL Artigo 1º (Natureza e âmbito de aplicação) 1. O presente Regulamento dá cumprimento ao estabelecido no Regulamento dos Cursos de Pós-Graduação

Leia mais

AVALIAÇÃO EXTERNA DE ESCOLAS Plano de Ações de Melhoria

AVALIAÇÃO EXTERNA DE ESCOLAS Plano de Ações de Melhoria AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ARRONCHES AVALIAÇÃO EXTERNA DE ESCOLAS Plano de Ações de Melhoria JANEIRO 2014 1. INTRODUÇÃO... 1 2. ANÁLISE QUALITATIVA... 1 3.... 5 3.1. Áreas de Melhoria... 5 3.2. Identificação

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular PROJECTO APLICADO Ano Lectivo 2014/2015

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular PROJECTO APLICADO Ano Lectivo 2014/2015 Programa da Unidade Curricular PROJECTO APLICADO Ano Lectivo 2014/2015 1. Unidade Orgânica Ciências da Economia e da Empresa (1º Ciclo) 2. Curso Contabilidade 3. Ciclo de Estudos 1º 4. Unidade Curricular

Leia mais

REGULAMENTO DA UNIDADE DE VIGILÂNCIA PEDIÁTRICA da SOCIEDADE PORTUGUESA DE PEDIATRIA PORTUGUESE PAEDIATRIC SURVEILLANCE UNIT (UVP-SPP / PPSU)

REGULAMENTO DA UNIDADE DE VIGILÂNCIA PEDIÁTRICA da SOCIEDADE PORTUGUESA DE PEDIATRIA PORTUGUESE PAEDIATRIC SURVEILLANCE UNIT (UVP-SPP / PPSU) REGULAMENTO DA UNIDADE DE VIGILÂNCIA PEDIÁTRICA da SOCIEDADE PORTUGUESA DE PEDIATRIA PORTUGUESE PAEDIATRIC SURVEILLANCE UNIT (UVP-SPP / PPSU) Para que a Pediatria portuguesa e as nossas crianças portadoras

Leia mais

A ADEQUAÇÃO DO ENSINO ACADÉMICO ÀS NECESSIDADES DAS EMPRESAS: O CASO DA SIMULAÇÃO EMPRESARIAL EM FINANÇAS NO ISCA-UA

A ADEQUAÇÃO DO ENSINO ACADÉMICO ÀS NECESSIDADES DAS EMPRESAS: O CASO DA SIMULAÇÃO EMPRESARIAL EM FINANÇAS NO ISCA-UA A ADEQUAÇÃO DO ENSINO ACADÉMICO ÀS NECESSIDADES DAS EMPRESAS: O CASO DA SIMULAÇÃO EMPRESARIAL EM FINANÇAS NO ISCA-UA Amândio Antunes Fernando Costa Joaquim Neiva Santos Apresentação 2 1. Introdução 2.

Leia mais

Regulamento do Prémio de Mérito 2011/2012. Enquadramento

Regulamento do Prémio de Mérito 2011/2012. Enquadramento Enquadramento Lei nº 39/2010, de 2 de Setembro «CAPÍTULO VI Mérito escolar Artigo 51.º -A Prémios de mérito 1 Para efeitos do disposto na alínea h) do artigo 13.º, o regulamento interno pode prever prémios

Leia mais

DE QUALIDADE E EXCELÊNCIA

DE QUALIDADE E EXCELÊNCIA PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO 2015/2016 PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO 2015-2016 POR UM AGRUPAMENTO DE QUALIDADE E EXCELÊNCIA JI Fojo EB 1/JI Major David Neto EB 2,3 Prof. José Buísel E.S. Manuel Teixeira Gomes

Leia mais

Regulamento Interno. Artigo 1º (Missão)

Regulamento Interno. Artigo 1º (Missão) Regulamento Interno O presente regulamento aplica-se a todos os Cursos de formação concebidos, organizados e desenvolvidos pelo Nucaminho - Núcleo dos Camionistas do Minho, com o objetivo de promover o

Leia mais

Regulamento de Avaliação do Desempenho do Pessoal Docente do Instituto Superior de Ciências Educativas (RADPD_ISCE)

Regulamento de Avaliação do Desempenho do Pessoal Docente do Instituto Superior de Ciências Educativas (RADPD_ISCE) RADPD_ISCE 1 Regulamento de Avaliação do Desempenho do Pessoal Docente do Instituto Superior de Ciências Educativas (RADPD_ISCE) Artigo 1.º Princípios e fins 1. O presente regulamento de avaliação do desempenho

Leia mais

Diário da República, 1.ª série N.º 120 23 de Junho de 2010 2237

Diário da República, 1.ª série N.º 120 23 de Junho de 2010 2237 Diário da República, 1.ª série N.º 120 23 de Junho de 2010 2237 o previsto para os docentes da educação pré -escolar e do 1.º ciclo do ensino básico, continua aplicar -se o disposto no seu artigo 18.º

Leia mais

O Processo de Bolonha e o desafio da empregabilidade

O Processo de Bolonha e o desafio da empregabilidade O Processo de Bolonha e o desafio da empregabilidade P o r M a r g a r i d a S a r a i v a, J o r g e C a s a s N o v a s, J o s é R o b e r t o e E l i z a b e t h R e i s Um ano lectivo após o arranque

Leia mais

RELATÓRIO DE CONCRETIZAÇÃO DO PROCESSO DE BOLONHA

RELATÓRIO DE CONCRETIZAÇÃO DO PROCESSO DE BOLONHA RELATÓRIO DE CONCRETIZAÇÃO DO PROCESSO DE BOLONHA 2007/2008 DEPARTAMENTO Secção Autónoma de Ciências da Saúde 1. INTRODUÇÃO Em 2003 foi criado o Mestrado em Geriatria e Gerontologia, que se iniciou no

Leia mais

INSTITUTO SUPERIOR DE CIÊNCIAS EDUCATIVAS

INSTITUTO SUPERIOR DE CIÊNCIAS EDUCATIVAS INSTITUTO SUPERIOR DE CIÊNCIAS EDUCATIVAS RELATÓRIO ANUAL (2009/2010) Índice 1 Cumprimento do plano estratégico e do plano anual... 2 1.1. Do plano estratégico... 2 1.1.1. - Desenvolvimento e Inovação

Leia mais

Avaliação do Desempenho do. Pessoal Docente. Manual de Utilizador

Avaliação do Desempenho do. Pessoal Docente. Manual de Utilizador Avaliação do Desempenho do Pessoal Docente Manual de Utilizador Junho de 2011 V6 Índice 1 ENQUADRAMENTO... 4 1.1 Aspectos gerais... 4 1.2 Normas importantes de acesso e utilização da aplicação... 4 1.3

Leia mais

P L A N O D E A C T I V I D A D E S

P L A N O D E A C T I V I D A D E S Agência Regional de Energia e Ambiente do Norte Alentejano e Tejo P L A N O D E A C T I V I D A D E S = 2008 = Janeiro de 2008 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. ACTIVIDADES A DESENVOLVER NO ANO DE 2008... 5

Leia mais

Sistema de formação e certificação de competências

Sistema de formação e certificação de competências Sistema de Formação e Certificação de Competências Portal das Escolas Manual de Utilizador Docente Referência Projecto Manual do Utilizador Docente Sistema de formação e certificação de competências Versão

Leia mais

MESTRADO INTEGRADO EM ARQUITETURA NORMAS REGULAMENTARES ARTIGO 1.º. Grau

MESTRADO INTEGRADO EM ARQUITETURA NORMAS REGULAMENTARES ARTIGO 1.º. Grau MESTRADO INTEGRADO EM ARQUITETURA NORMAS REGULAMENTARES ARTIGO 1.º Grau 1. A ESAP confere o grau de Mestre em Arquitetura, através de Mestrado Integrado, na especialidade de Arquitetura e comprova um nível

Leia mais

CIÊNCIA, TECNOLOGIA E ENSINO SUPERIOR

CIÊNCIA, TECNOLOGIA E ENSINO SUPERIOR MINISTÉRIO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E ENSINO SUPERIOR Gabinete do Ministro CIÊNCIA, TECNOLOGIA E ENSINO SUPERIOR Breve apresentação da proposta de Orçamento de Estado para 2008 23 de Outubro de 2007 Texto

Leia mais

Programa de Unidades Curriculares Opcionais

Programa de Unidades Curriculares Opcionais Programa de Unidades Curriculares Opcionais Para assegurar que todos os alunos tenham acesso a UC que permitam perfazer as exigências em créditos (ECTS) de UC Opcionais dos respectivos Planos de Estudo,

Leia mais

Critérios Gerais de Avaliação

Critérios Gerais de Avaliação Agrupamento de Escolas Serra da Gardunha - Fundão Ano Lectivo 2010/2011 Ensino Básico A avaliação escolar tem como finalidade essencial informar o aluno, o encarregado de educação e o próprio professor,

Leia mais

FORMULÁRIO DE AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DO PESSOAL DOCENTE

FORMULÁRIO DE AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DO PESSOAL DOCENTE FORMULÁRIO DE AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DO PESSOAL DOCENTE PARTE A (a preencher pelo coordenador do departamento curricular ou pelo conselho executivo se o avaliado for coordenador de um departamento curricular)

Leia mais

PLANO TIC PLANO DE AÇÃO ANUAL PARA A UTILIZAÇÃO DAS TIC COMO APOIO AO ENSINO E À APRENDIZAGEM

PLANO TIC PLANO DE AÇÃO ANUAL PARA A UTILIZAÇÃO DAS TIC COMO APOIO AO ENSINO E À APRENDIZAGEM PLANO TIC PLANO DE AÇÃO ANUAL PARA A UTILIZAÇÃO DAS TIC COMO APOIO AO ENSINO E À APRENDIZAGEM Ano Letivo 2011/2012 Marinha Grande, Setembro de 2011 1. Índice: Índice 2 1. Introdução 3 2. Caracterização

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular ECONOMIA PORTUGUESA E EUROPEIA Ano Lectivo 2015/2016

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular ECONOMIA PORTUGUESA E EUROPEIA Ano Lectivo 2015/2016 Programa da Unidade Curricular ECONOMIA PORTUGUESA E EUROPEIA Ano Lectivo 2015/2016 1. Unidade Orgânica Ciências da Economia e da Empresa (1º Ciclo) 2. Curso Turismo 3. Ciclo de Estudos 1º 4. Unidade Curricular

Leia mais

Plano de ação da biblioteca escolar

Plano de ação da biblioteca escolar AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA GAFANHA DA ENCARNÇÃO Plano de ação da biblioteca escolar 2013-2017 O plano de ação constitui-se como um documento orientador de linhas de ação estratégicas, a desenvolver num

Leia mais

Regras de enquadramento do POPH. O presente documento técnico integra fichas de síntese das principais Tipologias de Intervenção do POPH.

Regras de enquadramento do POPH. O presente documento técnico integra fichas de síntese das principais Tipologias de Intervenção do POPH. Regras de enquadramento do POPH O presente documento técnico integra fichas de síntese das principais Tipologias de Intervenção do POPH. Este documento é orientativo da regulamentação do Programa, não

Leia mais

A estratégia nacional para a melhoria da higiene das mãos em 10 perguntas

A estratégia nacional para a melhoria da higiene das mãos em 10 perguntas A estratégia nacional para a melhoria da higiene das mãos em 10 perguntas Patrocinador do Programa Nacional de Prevenção e Controlo da Infecção Associada aos Cuidados de Saúde Índice 1. O que é a estratégia

Leia mais

Quais os alunos que devem ser apoiados pela educação especial?

Quais os alunos que devem ser apoiados pela educação especial? Quais os alunos que devem ser apoiados pela educação especial? Para efeitos de elegibilidade para a educação especial deve-se, antes de mais, ter presente o grupo - alvo ao qual esta se destina alunos

Leia mais

Auto-avaliação da Licenciatura em Gestão e Administração Hoteleira

Auto-avaliação da Licenciatura em Gestão e Administração Hoteleira Auto-avaliação da Licenciatura em Gestão e Administração Hoteleira Relatório Resumo Junho de 2012 Índice 1. Objectivo... 3 2. Enquadramento... 3 3. Trabalho realizado... 3 4. Dados síntese da Licenciatura

Leia mais

Dia do Voluntário da U.Porto: Formar para o voluntariado Conclusões dos Workshops

Dia do Voluntário da U.Porto: Formar para o voluntariado Conclusões dos Workshops Dia do Voluntário da U.Porto: Formar para o voluntariado Conclusões dos Workshops Workshop1 Voluntariado na área social e humanitária nacional Dinamizadores: Vo.U Associação de Voluntariado Universitário

Leia mais

Plano TIC EB1/PE do Paul do Mar - ETI

Plano TIC EB1/PE do Paul do Mar - ETI 2007 2008 Plano TIC EB1/PE do Paul do Mar - ETI Documento de suporte às funções do Coordenador TIC para o ano lectivo 2007/2008. Objectivos, recursos existentes, necessidades ao nível das TIC, actividades

Leia mais

CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS

CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1º Âmbito de aplicação do regulamento O presente regulamento estabelece as condições de acesso e as regras gerais de atribuição de co-financiamento comunitário do Fundo

Leia mais

CIRCULAR INFORMATIVA

CIRCULAR INFORMATIVA CIRCULAR INFORMATIVA Nº. 47 Data: 2013/12/04 Para conhecimento de: Pessoal docente, discente e não docente ASSUNTO: - Regulamento de Formação Contínua. Para os devidos efeitos, informa-se a comunidade

Leia mais

Instituto Superior de Contabilidade e Administração de Coimbra

Instituto Superior de Contabilidade e Administração de Coimbra Artigo 1.º Âmbito O presente Regulamento fixa as normas gerais relativas a matrículas e inscrições nos cursos do Instituto Superior de Contabilidade e Administração de Coimbra. Artigo 2.º Definições De

Leia mais

INSTITUTO POLITÉCNICO DE COIMBRA EDITAL DE ABERTURA DE ACESSO A CURSOS DE MESTRADOS DO INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE COIMBRA.

INSTITUTO POLITÉCNICO DE COIMBRA EDITAL DE ABERTURA DE ACESSO A CURSOS DE MESTRADOS DO INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE COIMBRA. INSTITUTO POLITÉCNICO DE COIMBRA EDITAL DE ABERTURA DE ACESSO A CURSOS DE MESTRADOS DO INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE COIMBRA Edição 2014-2016 Nos termos do Decreto -Lei n.º 42/2005, de pelo 22 de

Leia mais

CEF/0910/27351 Relatório final da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento

CEF/0910/27351 Relatório final da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento CEF/0910/27351 Relatório final da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.9 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Cenil

Leia mais

REGULAMENTO DA QUALIDADE ESCOLA SUPERIOR DE EDUCAÇÃO

REGULAMENTO DA QUALIDADE ESCOLA SUPERIOR DE EDUCAÇÃO REGULAMENTO DA QUALIDADE ESCOLA SUPERIOR DE EDUCAÇÃO 24-07-2012 1 ÍNDICE 1.POLÍTICADEGARANTIADAQUALIDADE...1 2.SISTEMADEGARANTIADAQUALIDADE...2 2.1. ESTRUTURA DA GESTÃO DA QUALIDADE...3 2.2. AUTOAVALIAÇÃO...5

Leia mais

KIT CICLO PEDAGÓGICO ESTUDO DO MEIO. Propostas para planeamento, exploração e avaliação de visitas a museus e centros de ciência.

KIT CICLO PEDAGÓGICO ESTUDO DO MEIO. Propostas para planeamento, exploração e avaliação de visitas a museus e centros de ciência. KIT_PEDA_EST_MEIO_5:FERIAS_5_6 09/12/28 15:07 Page 1 1. o CICLO KIT PEDAGÓGICO Pedro Reis ESTUDO DO MEIO 5 Propostas para planeamento, exploração e avaliação de visitas a museus e centros de ciência ISBN

Leia mais

PLANO ESTRATÉGICO ANO LETIVO 2015-2016

PLANO ESTRATÉGICO ANO LETIVO 2015-2016 PLANO ESTRATÉGICO ANO LETIVO 2015-2016 1. INTRODUÇÃO E ENQUADRAMENTO Nos termos do Artigo 15.º, do Despacho Normativo n.º7/2013, 11 de julho No final de cada ano escolar, o conselho pedagógico avalia o

Leia mais

FORMULÁRIO E RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DO PESSOAL DOCENTE

FORMULÁRIO E RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DO PESSOAL DOCENTE REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES SECRETARIA REGIONAL DA EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO FORMULÁRIO E RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DO PESSOAL DOCENTE IDENTIFICAÇÃO Unidade Orgânica: Docente avaliado: Departamento

Leia mais

Protocolo. Carreiras Profissionais

Protocolo. Carreiras Profissionais Protocolo Carreiras Profissionais A TAP e o SITAVA acordam o seguinte: 1. São criadas as seguintes novas categorias profissionais, com a caracterização funcional estabelecida em anexo: a) Analista Programador

Leia mais

Projecto de Lei n.º 54/X

Projecto de Lei n.º 54/X Projecto de Lei n.º 54/X Regula a organização de atribuição de graus académicos no Ensino Superior, em conformidade com o Processo de Bolonha, incluindo o Sistema Europeu de Créditos. Exposição de motivos

Leia mais

7. A Formação e as Escolas

7. A Formação e as Escolas 7. A Formação e as Escolas Depois de definir as áreas alvo para orientar os 3ºs ciclos, a parte superior da nossa pirâmide de formação, importa progressivamente estabelecer formações intermédias, de 2º

Leia mais

PLANO DE ACTIVIDADES Escola Superior de Comunicação Social

PLANO DE ACTIVIDADES Escola Superior de Comunicação Social 1. NOTA INTRODUTÓRIA 1.1 Aprovação do documento Função Nome Responsável: CD / Director / Presidente IPL Aprovação: Assembleia de Representantes / Conselho Geral (Acta de Reunião) Divulgação: Comunidade

Leia mais

COMISSÃO PERMANENTE DO CONSELHO GERAL. Relatório de Avaliação do Projecto Educativo do Agrupamento, 2007 2010

COMISSÃO PERMANENTE DO CONSELHO GERAL. Relatório de Avaliação do Projecto Educativo do Agrupamento, 2007 2010 Relatório de Avaliação do Projecto Educativo do Agrupamento, 2007 2010 O presente relatório traduz a avaliação do Projecto Educativo do Agrupamento Vertical de Escolas de Leça da Palmeira/Santa Cruz do

Leia mais

MESTRADOS. Artigo 1.º Criação A Escola Superior de Comunicação Social confere o grau de Mestre em Jornalismo.

MESTRADOS. Artigo 1.º Criação A Escola Superior de Comunicação Social confere o grau de Mestre em Jornalismo. MESTRADOS REGIME DE FREQUÊNCIA E AVALIAÇÃO JORNALISMO Artigo 1.º Criação A Escola Superior de Comunicação Social confere o grau de Mestre em Jornalismo. Artigo 2.º Destinatários O Mestrado em Jornalismo

Leia mais

GABINETE DA MINISTRA DA REFORMA DO ESTADO E DA DEFESA NACIONAL DECRETO-LEI QUE APROVA O REGIME DE ESTÁGIOS PROFISSIONAIS (ANTE-PROJECTO)

GABINETE DA MINISTRA DA REFORMA DO ESTADO E DA DEFESA NACIONAL DECRETO-LEI QUE APROVA O REGIME DE ESTÁGIOS PROFISSIONAIS (ANTE-PROJECTO) GABINETE DA MINISTRA DA REFORMA DO ESTADO E DA DEFESA NACIONAL DECRETO-LEI QUE APROVA O REGIME DE ESTÁGIOS PROFISSIONAIS (ANTE-PROJECTO) PRAIA, 17 DE ABRIL DE 2009 NOTA JUSTIFICATIVA Sendo globalmente

Leia mais

Caracterização dos cursos de licenciatura

Caracterização dos cursos de licenciatura Caracterização dos cursos de licenciatura 1. Identificação do ciclo de estudos em funcionamento Os cursos de 1º ciclo actualmente em funcionamento de cuja reorganização resultam os novos cursos submetidos

Leia mais