ARMAZENAMENTO E DESCARTE DE MEDICAMENTOS NO BAIRRO SÃO MIGUEL EM JUAZEIRO DO NORTE-CE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ARMAZENAMENTO E DESCARTE DE MEDICAMENTOS NO BAIRRO SÃO MIGUEL EM JUAZEIRO DO NORTE-CE"

Transcrição

1 ARMAZENAMENTO E DESCARTE DE MEDICAMENTOS NO BAIRRO SÃO MIGUEL EM JUAZEIRO DO NORTE-CE Geórgia Gualberto Clemente 5, Eduardo da Silva Pereira¹, Mellyssa Ayêska Custódio Sobreira Macêdo¹, Adriana Pinheiro Gomes¹, Terentia Batista Sá 6. Correspondência para: Palavras-chave: Armazenamento. Descarte. Medicamentos. Epidemiologia. 1 INTRODUÇÃO A assistência farmacêutica tem o importante compromisso com a saúde pública de prestar conhecimento sobre o uso racional de medicamentos, no que diz respeito não só a sua dispensação, mas ao seu armazenamento e descarte. Tendo o medicamento como um insumo essencial, a preservação de sua qualidade deve ser garantida levando em consideração as boas práticas de estocagem. Na tentativa de promover a saúde, foi realizado um trabalho no Bairro São Miguel, na Cidade de Juazeiro do Norte, que teve como objetivo geral verificar o acondicionamento e o descarte de medicamentos pela população. De acordo com Ministério da Saúde, todos os produtos devem ser armazenados obedecendo às condições técnicas ideais de luminosidade, temperatura e umidade, com o objetivo de assegurar a manutenção das características e qualidade necessárias à correta utilização. Além dos órgãos oficiais, atribui-se à sociedade uma parcela de responsabilidade em relação à vigilância da qualidade dos medicamentos. Essa atenção se justifica pelo fato de que medicamentos descartados em suas formas intactas podem 5 Discentes da Faculdade de Juazeiro do Norte (FJN) 6 Docente da Faculdade de Juazeiro do Norte (FJN)

2 ser usados indevidamente, e quando são armazenados de maneira incorreta o fármaco perde na maioria das vezes sua eficácia. O acondicionamento e descarte dos mesmos são de suma importância, visto que a própria população deve guardar adequadamente os restos dos medicamentos em suas embalagens originais, lacrá-los e entregar para o descarte correto em farmácias e demais unidades de saúde. Todo estabelecimento farmacêutico, segundo a legislação vigente, deve ter um contrato firmado com empresas de descarte destes materiais. Dados epidemiológicos sobre armazenamento e descarte de medicamentos são escassos na literatura e quando encontrados são descritos apenas em regiões isoladas do país. Infere-se que a maioria das autoridades, dos profissionais de saúde e da população não tenham refletido sobre as consequências da não observação e correção das atitudes praticadas. É com essa visão que iniciamos esse estudo em nossa cidade com uma parcela da população, mostrando a importância da necessidade de levantar dados sobre essa temática, para posterior análise e discussão com a sociedade e entidades de classe. Este trabalho tem como objetivo específico analisar o acondicionamento doméstico de medicamentos, bem como o seu descarte, observando a classe de medicamento, o perfil e o nível de informação dos sujeitos da pesquisa. 2 REFERENCIAL TEÓRICO 1. Armazenamento Doméstico Estudos tiveram em comum o questionário. Um deles com partes preenchidas pelo profissional de saúde e outra pelo responsável pela farmácia doméstica (LIMA et al, 2013). Outro estudo optou por questões abertas e fechadas, incluindo para análise idade, sexo e escolaridade (SILVA et al, 2005). Num deles a escolaridade majoritária foi o Ensino Médio completo, correspondendo a 46% (SILVA et al, 2012). As condições socioeconômicas e culturais de uma população estudada foram consideradas fator significativo na orientação terapêutica e medicamentosa por um estudo, que também discutiu o mesmo fator como ampliador para os resultados encontrados (LIMA et al,

3 2013), e para outros estudos serviu para mensurar a consciência dos moradores em relação ao assunto (MAIA e GIORDANO, 2012; LIMA et al, 2013). Os objetivos foram comuns a Ribeiro et al (2011) e Silva et al (2012): avaliar estoque domiciliar de medicamentos, as condições de armazenamento, prazo de validade, forma de aquisição, e descarte de medicamentos em uma população urbana dos respectivos município, além de orientar a população urbana de como armazenar e descartar os medicamentos. Mastroianni et al (2011) encontraram estoques de medicamentos em 91,1% domicílios, em média, os domicílios tinham 10,9 medicamentos estocados e Ribeiro e Heineck (2010) verificaram uma média de medicamentos por domicílio foi de 8,4, e 93,5% das famílias entrevistadas apresentaram pelo menos um medicamento em estoque. Enquanto Silva et al (2012) na quantificação da presença de medicamentos nos domicílios, mostram que 98,55% possuíam pelo menos um e 1,45% não os possuíam, o que comprova a prevalência da farmácia domiciliar. Foram avaliadas especialidades farmacêuticas, para Mastroianni et al (2011) nos quais a dipirona foi o medicamento de venda livre mais comum (53 casos, 37,3%), seguida dos anti-hipertensivos (13 casos, 9,2%) e dos antibióticos (9 casos, 6,3%). Enquanto outro estudo, o de Ribeiro e Heineck (2010), teve uma porcentagem menor: analgésicos (11,15%), seguidos dos diuréticos (6,42%), antibacterianos param uso sistêmico (5,82%), antiinflamatórios (5,08%) e antiácidos (4,10%). Dos 532 medicamentos encontrados por Silva et al em 2012, 68% são genéricos, onde o grupo mais encontrado foi dos analgésicos, dentre estes se destaca o paracetamol (SILVA et al, 2012). Já Ribeiro et al (2011), encontrou 25 frascos de medicamentos da classe farmacológica Anti-inflamatórios não Esteróidais (AINE s) nas residências estudadas o que corresponde a 13,89% do total de casas pesquisadas. Já no estudo de Lima et al (2013), destacou-se a classe dos antimicrobianos, e que consistem em medicação de prescrição criteriosa, com indicação e controle de posologia regulado por lei, ao passo que Ribeiro et al (2011), não encontaram nenhum em seu estudo. Para dificuldade de porcentagem observou-se, em alguns domicílios, que o armazenamento de medicamentos era feito em mais de um local, havendo geralmente

4 um local para medicamentos em uso e outro local para as sobras de antigos tratamentos. Em 212 casos (65,1%), o local de armazenamento foi a cozinha. Apenas um em cada quatro locais foi considerado seguro e adequado (MASTROIANNI et al, 2011). Com relação a Ribeiro e Heineck, 2010 nesses cômodos, ficavam armazenados em diferentes locais e a quanto a guarda dos medicamentos não é feita corretamente, perdendo a estabilidade e tornando os medicamentos inadequados para uso. Os resultados de Lima et al (2013) mostraram que 50% estavam no armário, 37% expostos (como "expostos" representam aqueles encontrados em paredes, balcão da pia, sobre a geladeira, sobre a mesa, estando, portanto, sem abrigo contra luz, calor e umidade), e 17% em sacola. Diz ainda que a qualidade para o uso depende da manutenção de sua estabilidade pelas condições corretas de armazenamento e manuseio. 2. Descarte De acordo com Alvarenga / Nicoletti (2010), o Brasil está entre os maiores consumidores mundiais de medicamentos e com a sua economia estável agregada ao maior acesso a medicamentos, estabelecido pelas políticas governamentais adotadas, contribuem para o aumento do consumo que trará como consequência, maior quantidade de embalagens e sobras de medicamentos que terão como destino o lixo comum. Além da geração de resíduos o descarte doméstico de medicamentos são questões para ser amplamente discutidas e estudadas em nível de saúde pública em que é necessária a responsabilidade coletiva para minimizar o uso excessivo de medicamentos pela população. De acordo com Silvestri (2006), até os medicamentos que não são descartados e são consumidos acabam sendo eliminados no meio ambiente. Fármacos de diversas classes terapêuticas têm sido detectados em esgoto doméstico, águas superficiais e subterrâneas. Segundo Alvarenga / Nicoletti (2010), a legislação existente sobre o descarte de medicamentos se direciona aos estabelecimentos de saúde e não engloba a população em geral o que dificulta o entendimento sobre os impactos decorrentes do descarte

5 doméstico, no qual a população elimina os medicamentos no lixo comum gerando resíduos. Ainda, conforme Gasparini (2010), o descarte inadequado é feito pela maioria das pessoas por falta de informação e divulgação sobre os danos causados pelos medicamentos ao meio ambiente e por carência de postos de coleta. Para tal, a falta de informação faz com que as pessoas descartem esses medicamentos no lixo comum ou em vasos sanitários, mas conforme Sottoriva (2009), o sistema de esgoto brasileiro não está preparado para fazer o tratamento adequado de resíduos tóxicos provenientes de medicamentos que são atirados na pia ou no vaso sanitário, podendo esse descarte causar sérias intoxicações no ser humano e também no meio ambiente. Os remédios têm componentes resistentes que se não forem tratados acabam voltando para nossa casa e a gente pode até consumir água com restos de remédios. Eles sãoprodutos químicos e não podem ser jogados no lixo comum. (NASCIMENTO, 2008, p. 01) A destinação final dos resíduos de medicamentos ainda se resume na adoção de soluções imediatas, em que quase sempre são fundamentadas no simples descarte, predominando o descarte no lixo comum, pois conforme Silva (2005), lixo nada mais é do que o reflexo da sociedade que o produz, quanto mais industrializada, rica tem-se mais resíduos pelo fato de consumir mais, e assim contribuindo na contaminação do meio ambiente. A incineração de resíduos sólidos seria o destino adequado para os medicamentos que necessitam ser descartados, pois segundo Bidone (2005) a incineração é um processo de oxidação à alta temperatura que destrói ou reduz o volume ou recupera materiais ou substâncias, ou seja, transformar os rejeitos em materiais inertes, reduzindo peso e volume. De acordo com Alvarenga / Nicoletti (2010), a incineração é atualmente a maneira indicada para destino e diminuição do volume dos medicamentos inutilizados, como método de evitar que estes sejam descartados indevidamente no ambiente, trazendo como consequências a poluição de água e solo, devemos considerar que a incineração por sua vez não é o método ideal, uma vez que gera emissão de gases tóxicos à atmosfera.

6 Na Resolução n 44 de 17 de agosto de 2009, a ANVISA dispõe no artigo 93 que fica permitido às farmácias e drogarias participar de programas de coleta de medicamentos a serem descartados pela comunidade com o intuito de preservar a saúde pública e a qualidade do meio ambiente. Porém, não há legislação específica para cobrar desses estabelecimentos à realização destas campanhas, atribuindo então a responsabilidade para a comunidade em devolver a esses lugares os medicamentos não utilizados. Conforme a legislação brasileira, as farmácias não têm a obrigação de receber remédios que não serão mais usados. Já os postos de saúde não podem aceitar os medicamentos, mesmo dentro da data de validade, porque não é possível saber como eles foram armazenados. Os órgãos de saúde sabem que o problema existe, mas pouco fazem para solucioná-lo. As normas existentes dizem respeito aos estabelecimentos de serviços de saúde, porém, ainda não foram editadas normas que abranjam o consumidor final com relação ao descarte de medicamentos, pois os estados e municípios têm autonomia para criar as próprias leis que estabeleçam a forma correta de se descartar os remédios. Uma prática a ser adotada seria realizar a incineração, pois os compostos formados ficam inertes, ou seja, não reagem e dessa forma não acarretam riscos à natureza. Para que esta fosse uma solução, os medicamentos descartados deveriam ser encaminhados a empresas autorizadas pela vigilância sanitária, embora, de acordo Sottoriva (2009), o problema do descarte incorreto de medicamentos vencidos pelos cidadãos se dá pela falta de divulgação sobre os problemas causados ao meio ambiente e também da carência de postos de coleta. Infelizmente ainda são restritos nas cidades brasileiras e algumas unidades de saúde ainda não estão preparadas para lidar com essa situação. 3 MATERIAIS E MÉTODOS Trata-se de uma pesquisa descritiva onde será possível proporcionar informações sobre ocorreto armazenamento e descarte dos fármacos, facilitando a exposição desse tema frente à população e autoridades públicas.

7 O projeto sobre a importância do armazenamento e descarte correto de medicamentos foi realizado nas residências da cidade de Juazeiro do Norte, a 528 km da capital Fortaleza, região Cariri, no sul do Ceará, Brasil, com área territorial de km² e habitantes (IBGE, 2013). O referido município tem 34 bairros, mas somente um foi escolhido: o São Miguel, pela proximidade com a Faculdade de Juazeiro do Norte para melhor acesso a pesquisa, já que trabalhos da área da saúde vinham sendo realizados pelos alunos da mesma instituição educacional em conjunto com a Unidade Básica de Saúde da Família. A amostra foi composta de 100 pessoas sem distinção de sexo ou escolaridade, com idade a partir de 18 anos, em plenas faculdades mentais, excluindo as que não se dispuseram a participar, ou não se apresentaram em casa. Um questionário foi elaborado a fim de obter dados para atingir o objetivo da pesquisa. As perguntas foram elaboradas com linguagem informal, para melhor entendimento do sujeito da pesquisa. O questionário é apoiado nos objetivos específicos da pesquisa e embasado em trabalhos realizados em outras cidades brasileiras. Os sujeitos da pesquisa foram inicialmente informados da importância do nosso trabalho. As perguntas foram lidas e assinaladas pelo aplicador(a) do questionário, na forma de entrevista, adaptadas no ato da leitura ao nível de entendimento das pessoas sobre o assunto, instruídos a responder de forma concisa e em caso de incerteza poderiam consultar sua farmácia domiciliar com a perspectiva de assinalar a resposta que mais cabe na verdade de suas ações. Os dados foram coletados no período das duas primeiras semanas de setembro de De acordo com o cronograma elaborado no projeto, nos primeiros dias foram preparados os questionários e materiais, e no tempo restante foi realizada a aplicação do questionário. 4 RESULTADOS E DISCUSSÃO Estudos optaram por questões abertas e fechadas, incluindo para análise idade, sexo e escolaridade (SILVA et al, 2005). Num deles a escolaridade majoritária foi o

8 Ensino Médio completo, correspondendo a 46% (SILVA et al, 2012), enquanto no nosso 28% tinha 2º grau completo, e os outros níveis estavam bem distribuídos. Em outro estudo, observou-se baixa escolaridade da população e baixa renda, para eles: fatores agravantes na efetiva orientação terapêutica e acesso aos fármacos (LIMA et al, 2013), embora na amostra aqui estudada a renda foi balanceada para renda média e alta, enquanto a baixa (até dois salários mínimos) resultou num percentual de 55%. A prática da guarda de medicamentos em domicílio é de longe conhecida no seio da população brasileira (LIMA et al, 2013). Mastroianni et al (2011) encontraram estoques de medicamentos em 91,1% dos domicílios. Ribeiro e Heineck (2010) verificaram que 93,5% das famílias entrevistadas apresentaram pelo menos um medicamento em estoque. Silva et al (2012) na quantificação da presença de medicamentos nos domicílios, mostram que 98,55%possuíam pelo menos um e 1,45% não os possuíam, o que comprova a prevalência da farmácia domiciliar. Das 100 pessoas entrevistadas no presente estudo, 95% possui medicamentos em casa, corroborando com os demais estudos. Os medicamentos encontrados eram a maioria de utilizados continuamente (43%), e para estoque (40%). Ainda contendo sobras de medicamentos com um percentual de 13%, sendo apenas 4% para tratamento atual. Nas residências urbanas em Anápolis, dos medicamentos presentes, 51,51% são de uso esporádico, sendo utilizados casualmente, muitas vezes devido a um sintoma comum, enquanto 34,14% deles são de uso continuo e 14,34% está sem uso (SILVA et al, 2005). É notório que o medicamento passou a ser utilizado como uma simples mercadoria, e deixando de lado sua real finalidade, que é o da ação preventiva e curativa. Todos os estudos mostraram que o armazenamento de medicamentos em domicílio é prática comum da população brasileira, representando um potencial risco de agravo a saúde. Em relação ao local de armazenamento dos medicamentos, assim como Ribeiro e Heineck (2010), encontramos-os em diferentes locais, logo obtivemos 141 respostas: 7% dos resultados foram em locais abertos, e 93% foram em locais fechados, enquanto Lima et al (2013) mostraram que 50% estavam no armário e 37% expostos (paredes,

9 balcão da pia, sacola, sobre a geladeira, sobre a mesa, estando, portanto, sem abrigo contra luz, calor e umidade), evidenciando uma disparidade nos resultados. Isso quer dizer que a população do bairro São Miguel está sendo de alguma forma bem informada quanto aos locais apropriados para os acondicionamentos dos medicamentos. Na cidade de Santos-SP foi realizado um estudo sobre o descarte de medicamentos por Maia e Giordano (2012). Eles constataram que 71% dos medicamentos eram descartados em lixo doméstico, 9,5% no esgoto e 19,5% nos postos de coleta. Porém deparamos com um menor percentual para o descarte nos postos de coleta (5,81%). Nos demais tivemos resultados semelhantes: 82,5% no lixo doméstico; 8,14% no esgoto e 3,55% em outros locais (entrega para empresa de incineração, não sabe ou não lembra). Abordamos também a questão da obtenção de informações sobre os medicamentos que vão utilizar. A minoria (21,6%) não obtinha estas informações por nenhum meio, e a maioria (78,4%) obtiveram estas através de Médicos (48,3%), Farmacêuticos (19,1%), Bula (12%) e Enfermeiros (0,83%). Fator importante, pois é indispensável que o mesmo saiba a posologia, o ambiente adequado para o armazenamento, e, quando há sobras, o local apropriado para o descarte. Hoppe e Araújo (2011) em uma escola do município de Agudo-RS diagnosticaram que 70% dos participantes nunca foram orientados quanto ao armazenamento e descarte de medicamentos. Ao final da entrevista, foi perguntado se eles acreditavam que o descarte de medicamentos poderia trazer impactos ambientais, 82% acreditavam que sim, 14% acreditavam que não e 4% não souberam responder. Contudo 90,6% das pessoas entrevistadas descartavam de maneira incorreta. Um estudo analisou que 100% dos entrevistados tinham a consciência que o descarte de medicamentos poderia causar problemas ambientais (HOPPE e ARAÚJO, 2011). Relacionando esse estudo no Rio Grande do Sul com o presente trabalho verifica-se disparidades. Vale ressaltar que a simples menção da pergunta nos dois casos induz o entrevistado a um resultado positivo.

10 5 CONCLUSÕES Com base nesses dados, discutem-se os riscos à saúde proporcionada pelo acondicionamento e o descarte de medicamentos. Analisamos que 95% dos entrevistados tinham medicamentos em casa e apesar de 93% do total mantê-los guardados de forma adequada, o descarte dos mesmos ocorrem de maneira incorreta (90,6%). Apesar do nível de escolaridade ter sido relativamente balanceado, uma pequena parcela não obtinha informações sobre os medicamentos. E os que adquiriam informações pelo médico não eram suficientes, pois sabiam apenas informações simples como posologia e indicação. Os participantes que comentavam sobre a justificativa de seu local de armazenamento, mesmo quando guardados de forma incorreta, pensavam ser o modo certo, como por exemplo ao abrigo de luz, embora não arejado. Outro ponto é que nas casas que não moravam crianças, alegava-se não haver necessidade de cuidado. Ocorreram ainda pessoas que armazenavam seus medicamentos de acordo com a orientação médica, acreditando nas medidas repassadas, nas quais havia erros parciais como o já citado. Grande parte dos entrevistados, ao responder sobre o tipo descarte e os seus impactos ambientais, alegava não conhecer modo correto, embora tivesse ciência das consequências a saúde e ao ambiente. Portanto, conclui-se que mesmo diante dos resultados positivos grande parte da amostra mantém hábitos prejudiciais a temática em questão. Sendo assim é necessário um maior rigor na instrução dos usuários e desenvolvimento de campanhas informativas através da atenção básica e da mídia.

11 REFERÊNCIAS CARVALHO, Maria Cecília M. de. (org). Construindo o saber: metodologia científica, fundamentos e técnicas. São Paulo: Papirus, SILVA, T.; DAL-PIZZOL, F.; BELLO, C. M.; MENGUE, S.S.; SCHENKEL, E.P. Bulas de medicamentos e a informação adequada ao paciente. Revista de Saúde Pública, São Paulo, abril, vol. 34, n. 2, SILVA, C.H.S.; GIUGLIANI, E.R.J. Consumo de medicamentos em adolescentes escolares: uma preocupação. Jornal de Pedriatria, Porto Alegre, julho/agosto, vol.80, n.4, SILVA, A. P.; NASCIMENTO, A.; SOUZA, A. B.; MEDEIROS, C.; MACHADO, D. A.; SOUZA, D. S.; MOREIRA, E. A.; SILVA, K. P.; FERREIRA, L.; CARVALHO, L. F.; LACERDA, R. L.; NASCIMENTO, S. B.; HONORATO, F. Avaliação da aquisição, uso e armazenamento de medicamentos em residências de Anápolis - Goiás. In: Congresso de Pesquisa, Ensino e Extensão da UFG CONPEEX, 2., Goiânia. Anais eletrônicos do XIII Seminário de Iniciação Científica [CD- ROM], Goiânia: UFG, n.p.ferreira, J. A. Resíduos sólidos e lixo hospitalar: Uma discussão ética. Cad.Saúde Públ. v.11 n.2, Rio de Janeiro, abr./jun SOUSA, H.W.O.; SILVA, J.L.; NETO, M.S. A importância do pofissional farmacêutico no combate à automedicação no Brasil. Revista Eletrônica de Farmácia, Imperatriz, vol.1, 67-72, SILVA, M.V.S.; TRINDADE, J.B.C.; OLIVEIRA, C.C.; MOTA, G.S.; CARNIELLI, L.; SILVA, M.F.J.; ANDRADE, M.A. Consumo de medicamentos por estudantes adolescentes de Escola de Ensino Fundamental do município de Vitória. Revista de Ciências Farmacêuticas Básica e Aplicada, Vitória, vol.30, n.1, , 2009.

12 RIBEIRO, M.A.; HEINECK, I. Estoque domiciliar de medicamentos na comunidade ibiaense acompanhada pelo Programa Saúde da Família, em Ibiá-MG, Brasil. Saúde e Sociedade, São Paulo, julho/setembro, vol.19, n.3, CHIAROTI, R.; REBELLO, N.M.; RESTINI, C.B.A. A automedicação na cidade de Ribeirão Preto SP e o papel do farmacêutico nessa prática. Enciclopédia Biosfera, Centro Científico Conhecer, Goiânia, vol.6, n.10, OLIVEIRA, L. C. F. de ; ASSIS, M. M. A. ; BARBONI, A. R. Assistência Farmacêutica no Sistema Único de Saúde: da Política Nacional de Medicamentos à Atenção Básica à Saúde. Ciência & Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, novembro, vol.15, supl.3, ALVARENGA, L.S.V./ NICOLETTI, M.A. Descarte Doméstico de Medicamentos e algumas considerações sobre o Impacto Ambiental. Revista Saúde, MASTROIANNI, P.C.; LUCCHETTA, R.C.; SARRA, J.R.; GALDURÓZ, J.C.F. Estoque doméstico e uso de medicamentos em uma população cadastrada na estratégia saúde da família no Brasil. Revista Panamericana de Salud Pública, Washington, maio, vol.29, n.5, RIBEIRO, M.E.; NASCIMENTO, F.H.; SAFADI, G.M.V.V.; CUNHA, F.R. Armazenagem de medicamento em propriedades urbanas da cidade de Anápolis. Anais do IX Seminário de PBIC, Anápolis, vol. 1, SILVA, J.R.; de SOUZA, M.; PAIVA, A.S. Avaliação do uso racional de medicamentos e estoque domiciliar. Ensaios e Ciência: Ciências Biológicas, Agrárias e da Saúde, Campo Grande, vol. 16, núm. 1, pp , 2012.

13 MAIA, M.; GIORDANO, F. Estudo da situação atual de conscientização da população de santos a respeito do descarte de medicamentos. Revista Ceciliana, Santa Cecília, junho, vol.4, n.1, 24-28, TAVARES, A. J. et. al. Análise do lixo hospitalar IPE e IFRN Campus Apodi. Palmas - TO LIMA, G.B.; NUNES, L.C.C.; BARROS, J.A.C. Uso de medicamentos armazenados em domicílio em uma população atendida pelo Programa Saúde da Família. Ciência & Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, novembro, vol.15, suppl. 3, GASPARINI, J.C.; GASPARINI, A. R.; FRIGIERI, M.C. Estudo do descarte de medicamentos e consciência ambiental no município de Catanduva-SP. Disponívelem:<http://www.fatecjab.edu.br/revista/2011_v02_n01/4_gasparini.pdf >. Acesso em 08 de junho de BIDONE, Francisco Antonio. Resíduos Sólidos Provenientes de Coletas Especiais: Eliminação e Valorização. Disponível em:<http://www.finep.gov.br/prosab/livros/ prosabbidonefinal.pdf>. Acesso em 08 de junho de 2014.

MEDICAMENTOS. CAPACITAÇÃO EM FARMACOLOGIA PARA AS EQUIPES DE SAÚDE BUCAL Auxiliares e Técnicos em Saúde Bucal 2015

MEDICAMENTOS. CAPACITAÇÃO EM FARMACOLOGIA PARA AS EQUIPES DE SAÚDE BUCAL Auxiliares e Técnicos em Saúde Bucal 2015 MEDICAMENTOS CAPACITAÇÃO EM FARMACOLOGIA PARA AS EQUIPES DE SAÚDE BUCAL Auxiliares e Técnicos em Saúde Bucal 2015 Parceria: Farmácia Escola da UFRGS - Programa Farmácia Popular Programa de Pós-Graduação

Leia mais

1.5. Dados pessoais que devem constar na receita médica. 1.6. Validade das receitas de medicamentos antimicrobianos

1.5. Dados pessoais que devem constar na receita médica. 1.6. Validade das receitas de medicamentos antimicrobianos Atualizado: 10 / 05 / 2013 FAQ AI 1. Controle de medicamentos antimicrobianos (antibióticos) 1.1. Informações gerais 1.2. Uso contínuo (tratamento prolongado) 1.3. Retenção da segunda via da receita médica

Leia mais

A IMPORTANCIA DO GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS HOSPITALARES E SEUS ASPECTOS POSITIVOS PARA O MEIO AMBIENTE

A IMPORTANCIA DO GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS HOSPITALARES E SEUS ASPECTOS POSITIVOS PARA O MEIO AMBIENTE A IMPORTANCIA DO GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS HOSPITALARES E SEUS ASPECTOS POSITIVOS PARA O MEIO AMBIENTE Erica Grayce de Souza Silva 1 Hélio Rubens Jacintho Pereira Júnior 2 José Antonio Bueno 3 RESUMO O

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º 7.064, DE 2014 (Dos Srs. Alexandre Roso e Paulo Foletto)

PROJETO DE LEI N.º 7.064, DE 2014 (Dos Srs. Alexandre Roso e Paulo Foletto) CÂMARA DOS DEPUTADOS PROJETO DE LEI N.º 7.064, DE 2014 (Dos Srs. Alexandre Roso e Paulo Foletto) Dispõe sobre o recolhimento de medicamentos vencidos e a devolução de medicamentos excedentes ainda em validade,

Leia mais

POLÍTICA DE DESCARTE DE MEDICAMENTOS NA FARMÁCIA ENSINO DO SAS

POLÍTICA DE DESCARTE DE MEDICAMENTOS NA FARMÁCIA ENSINO DO SAS POLÍTICA DE DESCARTE DE MEDICAMENTOS NA FARMÁCIA ENSINO DO SAS CABRAL, Mayara da Nóbrega CHAVES, Antônio Marcos Maia CHAVES, Maria Emília Tiburtino JALES, Silvana Teresa Lacerda MEDEIROS, Leanio Eudes

Leia mais

OS CUIDADOS COM A ÁGUA NA ESCOLA FUNDAMENTAL PROFESSOR ADAILTON COELHO COSTA

OS CUIDADOS COM A ÁGUA NA ESCOLA FUNDAMENTAL PROFESSOR ADAILTON COELHO COSTA OS CUIDADOS COM A ÁGUA NA ESCOLA FUNDAMENTAL PROFESSOR ADAILTON COELHO COSTA Dantas 1, Mayara; Gomes 1, Márcia; Silva 1, Juliene; Silva 1, Jaciele; 1 Discente do Curso de Bacharelado em Ecologia; 2 Professora

Leia mais

Resíduos de Medicamentos Experiência de ações

Resíduos de Medicamentos Experiência de ações Experiência de ações Louise Jeanty de Seixas Farmacêutica Docente - Associado 02 Fac. Farmácia UFRGS Reflexões O que diz a legislação sobre o destino dos medicamentos vencidos? Porque um usuário tem sobras

Leia mais

III - PERCEPÇÃO DA LIMPEZA PÚBLICA PELA POPULAÇÃO DO MUNICÍPIO DO NATAL

III - PERCEPÇÃO DA LIMPEZA PÚBLICA PELA POPULAÇÃO DO MUNICÍPIO DO NATAL III - PERCEPÇÃO DA LIMPEZA PÚBLICA PELA POPULAÇÃO DO MUNICÍPIO DO NATAL INSTITUIÇÕES: COMPANHIA DE SERVIÇOS URBANOS DE NATAL URBANA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: Saneamento Básico, Diagnóstico Ambiental, Infraestrutura.

PALAVRAS-CHAVE: Saneamento Básico, Diagnóstico Ambiental, Infraestrutura. VI-039 - SANEAMENTO BÁSICO: UMA ANÁLISE ESTRUTURAL DO BAIRRO PEDRA DO LORDE EM JUAZEIRO-BA, COMO AÇÃO DO PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL PET CONEXÕES DE SABERES - SANEAMENTO AMBIENTAL. Roberta Daniela da

Leia mais

Palavras-chave: Busca ativa, dependência química, tratamento,

Palavras-chave: Busca ativa, dependência química, tratamento, BUSCA ATIVA DE PACIENTES DEPENDENTES QUÍMICOS Área Temática: Saúde Cristiane Barros Marcos 1 (Coordenadora da Ação de Extensão) Cristiane Barros Marcos, Bruna Abbud da Silva 2, Sara Silva Fernandes 3,

Leia mais

DIMENSÕES DO TRABAHO INFANTIL NO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE: O ENVOLVIMENTO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÕES DE TRABALHO PRECOCE

DIMENSÕES DO TRABAHO INFANTIL NO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE: O ENVOLVIMENTO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÕES DE TRABALHO PRECOCE Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 18 a 22 de outubro, 2010 337 DIMENSÕES DO TRABAHO INFANTIL NO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE: O ENVOLVIMENTO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM

Leia mais

Alex Maciel Gonzaga, Sean Conney Vieira da SILVA, & Flávia Pereira da SILVA

Alex Maciel Gonzaga, Sean Conney Vieira da SILVA, & Flávia Pereira da SILVA 1 QUALIDADE DA COLETA E A NECESSIDADE DE UMA CONSCIÊNCIA DE PRESERVAÇÃO AMBIENTAL NA CIDADE DE GOIANA Alex Maciel Gonzaga, Sean Conney Vieira da SILVA, & Flávia Pereira da SILVA RESUMO O consumismo da

Leia mais

Eixo Temático ET-04-005 - Gestão Ambiental em Saneamento PROPOSTA DE SANEAMENTO BÁSICO NO MUNICÍPIO DE POMBAL-PB: EM BUSCA DE UMA SAÚDE EQUILIBRADA

Eixo Temático ET-04-005 - Gestão Ambiental em Saneamento PROPOSTA DE SANEAMENTO BÁSICO NO MUNICÍPIO DE POMBAL-PB: EM BUSCA DE UMA SAÚDE EQUILIBRADA 225 Eixo Temático ET-04-005 - Gestão Ambiental em Saneamento PROPOSTA DE SANEAMENTO BÁSICO NO MUNICÍPIO DE POMBAL-PB: EM BUSCA DE UMA SAÚDE EQUILIBRADA Marcos Antônio Lopes do Nascimento¹; Maria Verônica

Leia mais

CONSCIENTIZAÇÃO DO USO E DESCARTE DAS PILHAS E BATERIAS

CONSCIENTIZAÇÃO DO USO E DESCARTE DAS PILHAS E BATERIAS CONSCIENTIZAÇÃO DO USO E DESCARTE DAS PILHAS E BATERIAS 1 João Lopes da Silva Neto; 2 Juciery Samara Campos Oliveira; 3 Thayana Santiago Mendes; 4 Geovana do Socorro Vasconcelos Martins 1 (AUTOR) Discente

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA MANIPULAÇÃO, ARMAZENAMENTO E DESCARTE DOS PRODUTOS QUÍMICOS DOMÉSTICOS

EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA MANIPULAÇÃO, ARMAZENAMENTO E DESCARTE DOS PRODUTOS QUÍMICOS DOMÉSTICOS EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA MANIPULAÇÃO, ARMAZENAMENTO E DESCARTE DOS PRODUTOS QUÍMICOS DOMÉSTICOS Verônica Evangelista de Lima, Simone Daniel do Nascimento, Djane de Fátima Oliveira, Thiago Rodrigo Barbosa

Leia mais

Eduardo J. A. e SILVA 2 Camilla P. BRASILEIRO 3 Claudomilson F. BRAGA 4 Universidade Federal de Goiás, Goiânia, GO

Eduardo J. A. e SILVA 2 Camilla P. BRASILEIRO 3 Claudomilson F. BRAGA 4 Universidade Federal de Goiás, Goiânia, GO Estudo da proporção e o nível de conhecimento dos alunos de graduação do período vespertino do Campus II da UFG sobre o Programa Coleta Seletiva Solidária 1 Eduardo J. A. e SILVA 2 Camilla P. BRASILEIRO

Leia mais

O PROCESSO GERENCIAR DA ENFERMAGEM NO CENTRO CIRÚRGICO EM UM HOSPITAL REGIONAL NO MUNÍCIPIO DE PAU DOS FERROS, RN, BRASIL.

O PROCESSO GERENCIAR DA ENFERMAGEM NO CENTRO CIRÚRGICO EM UM HOSPITAL REGIONAL NO MUNÍCIPIO DE PAU DOS FERROS, RN, BRASIL. ÁREA TEMÁTICA: Enfermagem O PROCESSO GERENCIAR DA ENFERMAGEM NO CENTRO CIRÚRGICO EM UM HOSPITAL REGIONAL NO MUNÍCIPIO DE PAU DOS FERROS, RN, BRASIL. CARVALHO, Sancherleny Bezerra de. Acadêmica do 6º período

Leia mais

ESTUDO DO PERFIL DA AUTOMEDICAÇÃO NAS DIFERENTES CLASSES SOCIAIS NA CIDADE DE ANÁPOLIS-GOIÁS

ESTUDO DO PERFIL DA AUTOMEDICAÇÃO NAS DIFERENTES CLASSES SOCIAIS NA CIDADE DE ANÁPOLIS-GOIÁS ESTUDO DO PERFIL DA AUTOMEDICAÇÃO NAS DIFERENTES CLASSES SOCIAIS NA CIDADE DE ANÁPOLIS-GOIÁS Daniel Martins do Nascimento 2,3 ; Fernando Honorato Nascimento 1,3 ; Leonardo Augusto Barbosa 2,3 ; Murilo

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA INSTITUTO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE. Mônica Macedo de Jesus & Sidnei Cerqueira dos Santos RESÍDUOS & REJEITOS

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA INSTITUTO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE. Mônica Macedo de Jesus & Sidnei Cerqueira dos Santos RESÍDUOS & REJEITOS UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA INSTITUTO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE Mônica Macedo de Jesus & Sidnei Cerqueira dos Santos RESÍDUOS & REJEITOS Profa. Songeli Menezes Freire Salvador 2009 RESÍDUO Qualquer material,

Leia mais

I Congresso Baiano de Engenharia Sanitária e Ambiental I COBESA

I Congresso Baiano de Engenharia Sanitária e Ambiental I COBESA I Congresso Baiano de Engenharia Sanitária e Ambiental I COBESA DESCARTE DE BATERIAS DE CELULARES E REGULAMENTAÇÃO CONAMA 257/99 E 263/99: UM ESTUDO COM CONSUMIDORES NUM COMPLEXO DE INDÚSTRIAS NO MUNICÍPIO

Leia mais

EPIDEMIOLOGIA DO USO DE MEDICAMENTOS NO BAIRRO SANTA FELICIDADE, CASCAVEL PR.

EPIDEMIOLOGIA DO USO DE MEDICAMENTOS NO BAIRRO SANTA FELICIDADE, CASCAVEL PR. EPIDEMIOLOGIA DO USO DE MEDICAMENTOS NO BAIRRO SANTA FELICIDADE, CASCAVEL PR. Janaína Pelosi Bezerra (PIBIC/UNIOESTE/PRPPG), Vanessa Cristine Beck, Éverson Andrade, Ligiane de Lourdes Silva, Poliana Vieira

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL E CIDADANIA ELEMENTOS COMPLEMENTARES NO COTIDIANO ESCOLAR

EDUCAÇÃO AMBIENTAL E CIDADANIA ELEMENTOS COMPLEMENTARES NO COTIDIANO ESCOLAR EDUCAÇÃO AMBIENTAL E CIDADANIA ELEMENTOS COMPLEMENTARES NO COTIDIANO ESCOLAR LUZ, Janes Socorro da 1, MENDONÇA, Gustavo Henrique 2, SEABRA, Aline 3, SOUZA, Bruno Augusto de. 4 Palavras-chave: Educação

Leia mais

MANDAMENTOS DO USO CORRETO DOS MEDICAMENTOS

MANDAMENTOS DO USO CORRETO DOS MEDICAMENTOS ELIEZER J. BARREIRO NATALIA MEDEIROS DE LIMA MANDAMENTOS DO USO CORRETO DOS MEDICAMENTOS ISBN 978-85-910137-1-5 INCT INOFAR/ Portal dos Fármacos 2009 DOS MEDICAMENTOS INCT INOFAR/ Portal dos Fármacos 2009

Leia mais

PROGRAMA UNIVERSIDADE SEM FRONTEIRAS E A CONTAMINAÇÃO AMBIENTAL POR PILHAS: UMA EXPERIÊNCIA NA EDUCAÇÃO BÁSICA.

PROGRAMA UNIVERSIDADE SEM FRONTEIRAS E A CONTAMINAÇÃO AMBIENTAL POR PILHAS: UMA EXPERIÊNCIA NA EDUCAÇÃO BÁSICA. 7. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: EDUCAÇAO PROGRAMA UNIVERSIDADE SEM FRONTEIRAS E A CONTAMINAÇÃO AMBIENTAL POR PILHAS: UMA EXPERIÊNCIA NA EDUCAÇÃO BÁSICA. SCHWEIGERT, Romacir

Leia mais

Medicamento O que é? Para que serve?

Medicamento O que é? Para que serve? Medicamento O que é? Para que serve? Os Medicamentos são produtos farmacêuticos, tecnicamente obtidos ou elaborados, com finalidade profilática, curativa, paliativa ou para fins de diagnóstico (Lei nº

Leia mais

Reportagem Gestão de Resíduos

Reportagem Gestão de Resíduos 22 Reportagem Gestão de Resíduos Conexão 32 Setembro/Outubro 2010 23 Enfermagem na gestão de resíduos Uma das etapas mais complexas da segurança e da limpeza hospitalar está relacionada à gestão dos Resíduos

Leia mais

DESIGUALDADE AMBIENTAL DO MUNICÍPIO DE SALINAS MG

DESIGUALDADE AMBIENTAL DO MUNICÍPIO DE SALINAS MG DESIGUALDADE AMBIENTAL DO MUNICÍPIO DE SALINAS MG BRENO FURTADO LIMA 1, EDUARDO OLIVEIRA JORGE 2, FÁBIO CHAVES CLEMENTE 3, GUSTAVO ANDRADE GODOY 4, RAFAEL VILELA PEREIRA 5, ALENCAR SANTOS 6 E RÚBIA GOMES

Leia mais

ANEXO II "AÇÕES DE DESINSTITUCIONALIZAÇÃO E DE FORTALECIMENTO DA RAPS" INTEGRANTES, OU A SEREM INCLUÍDAS, NO PLANO DE AÇÃO DA RAPS

ANEXO II AÇÕES DE DESINSTITUCIONALIZAÇÃO E DE FORTALECIMENTO DA RAPS INTEGRANTES, OU A SEREM INCLUÍDAS, NO PLANO DE AÇÃO DA RAPS ANEXO II "AÇÕES DE DESINSTITUCIONALIZAÇÃO E DE FORTALECIMENTO DA RAPS" INTEGRANTES, OU A SEREM INCLUÍDAS, NO PLANO DE AÇÃO DA RAPS EQUIPE DE DESINSTITCUIONALIZAÇÃO - MODALIDADE: VALOR DO PROJETO: 1. DADOS

Leia mais

O ENSINO DA GEOGRAFIA NA INTERFACE DA PEDAGOGIA DE PROJETOS SOCIOAMBIENTAIS E DO MACROCAMPO INTEGRAÇÃO CURRICULAR.

O ENSINO DA GEOGRAFIA NA INTERFACE DA PEDAGOGIA DE PROJETOS SOCIOAMBIENTAIS E DO MACROCAMPO INTEGRAÇÃO CURRICULAR. O ENSINO DA GEOGRAFIA NA INTERFACE DA PEDAGOGIA DE PROJETOS SOCIOAMBIENTAIS E DO MACROCAMPO INTEGRAÇÃO CURRICULAR. Wedell Jackson de Caldas Monteiro E.E.M.I. Auzanir Lacerda wedellprofessor@gmail.com Nadia

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL E GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS EM UM AMBIENTE UNIVERSITÁRIO: ESTUDO DE CASO DO CESUMAR, MARINGÁ - PR

EDUCAÇÃO AMBIENTAL E GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS EM UM AMBIENTE UNIVERSITÁRIO: ESTUDO DE CASO DO CESUMAR, MARINGÁ - PR EDUCAÇÃO AMBIENTAL E GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS EM UM AMBIENTE UNIVERSITÁRIO: ESTUDO DE CASO DO CESUMAR, MARINGÁ - PR angélica da silva de oliveira 1 ;Adriana dos Santos Maulais 1 ; Rosilene Luciana Delariva

Leia mais

ÁGUA QUE BEBEMOS: PERCEPÇÃO DA POPULAÇÃO EM RELAÇÃO AOS PROCESSOS DE PRODUÇÃO DE ÁGUA MINERAL EM SERGIPE, BRASIL.

ÁGUA QUE BEBEMOS: PERCEPÇÃO DA POPULAÇÃO EM RELAÇÃO AOS PROCESSOS DE PRODUÇÃO DE ÁGUA MINERAL EM SERGIPE, BRASIL. ÁGUA QUE BEBEMOS: PERCEPÇÃO DA POPULAÇÃO EM RELAÇÃO AOS PROCESSOS DE PRODUÇÃO DE ÁGUA MINERAL EM SERGIPE, BRASIL. Camilla Santos Almeida(*), Luana Gila Andrade, Nayara Gomes Cruz, Rafaella Santana Santos,

Leia mais

Secretaria Municipal de meio Ambiente

Secretaria Municipal de meio Ambiente PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL O presente Programa é um instrumento que visa à minimização de resíduos sólidos, tendo como escopo para tanto a educação ambiental voltada

Leia mais

AVALIAÇÃO AMBIENTAL EM UMA COOPERATIVA DE MATERIAIS RECICLÁVEIS

AVALIAÇÃO AMBIENTAL EM UMA COOPERATIVA DE MATERIAIS RECICLÁVEIS 182 AVALIAÇÃO AMBIENTAL EM UMA COOPERATIVA DE MATERIAIS RECICLÁVEIS Nagiélie Muara SILVA 1* ; Camilla Stheffani Oliveira Machado 2 ; Maria Cristina Rizk 3 1,2 Discente em Engenharia Ambiental pela Universidade

Leia mais

PALAVRAS CHAVE: Feira livre, conscientização, meio ambiente, melhores condições.

PALAVRAS CHAVE: Feira livre, conscientização, meio ambiente, melhores condições. AÇÕES INTEGRADAS PARA MELHORIAS DA FEIRA LIVRE DO MUNICÍPIO DE AREIA PB: PERFIL DE COMERCINTES E CONSUMIDORES SOUSA, Francisco de Assys Romero da Mota 1 SILVA, Silvanda de Melo 3 RODRIGUES, Thiane de Lima

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: Uso Racional de Medicamentos. Erros de medicação. Conscientização.

PALAVRAS-CHAVE: Uso Racional de Medicamentos. Erros de medicação. Conscientização. 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( x ) SAÚDE ( ) TRABALHO

Leia mais

Formulário para envio de contribuições em Consulta Pública. Apresentação e orientações

Formulário para envio de contribuições em Consulta Pública. Apresentação e orientações Formulário para envio de contribuições em Consulta Pública FORMULÁRIO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES EM CONSULTA PÚBLICA Apresentação e orientações Este Formulário possui a finalidade de enviar contribuições

Leia mais

PROJETO CIÊNCIA VERDE: Unindo Tecnologia, Ambiente e Sociedade

PROJETO CIÊNCIA VERDE: Unindo Tecnologia, Ambiente e Sociedade PROJETO CIÊNCIA VERDE: Unindo Tecnologia, Ambiente e Sociedade 1 IDENTIFICAÇÃO: PROJETO DE EXTENSÃO 1.1 Título da Atividade: Coleta do Lixo Eletrônico 1.1.1 Meios de Divulgação: Mídia local, redes sociais,

Leia mais

DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: O CASO DE UMA ESCOLA DO MUNICÍPIO DE GUARAPUAVA

DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: O CASO DE UMA ESCOLA DO MUNICÍPIO DE GUARAPUAVA DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: O CASO DE UMA ESCOLA DO MUNICÍPIO DE GUARAPUAVA Angelica Raquel Negrele de Faria (UNICENTRO), Izamara de Oliveira Ferreira (UNICENTRO), Prof. Silvio Roberto Stefano (Orientador),

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL: CONHECENDO A COLETA SELETIVA. Categoria do projeto: II Projetos em implantação (projetos que estão em fase inicial)

EDUCAÇÃO AMBIENTAL: CONHECENDO A COLETA SELETIVA. Categoria do projeto: II Projetos em implantação (projetos que estão em fase inicial) EDUCAÇÃO AMBIENTAL: CONHECENDO A COLETA SELETIVA Mostra Local de: Araruna Categoria do projeto: II Projetos em implantação (projetos que estão em fase inicial) Nome da Instituição/Empresa: JK Consultoria

Leia mais

AMOSTRAGEM DA DESTINAÇÃO DO LIXO DOMÉSTICO EM BAIRROS NA CIDADE DE UBÁ MG RESUMO

AMOSTRAGEM DA DESTINAÇÃO DO LIXO DOMÉSTICO EM BAIRROS NA CIDADE DE UBÁ MG RESUMO 1 AMOSTRAGEM DA DESTINAÇÃO DO LIXO DOMÉSTICO EM BAIRROS NA CIDADE DE UBÁ MG Letícia Alves Pacheco 1 Kênia Ribas de Assis 2 Mariana da Costa J. Miranda 3 Eliane Aparecida de Souza 4 RESUMO A questão do

Leia mais

CAPÍTULO VI - AVALIAÇÃO DE RISCOS, PROCESSOS DECISÓRIOS E GERENCIAMENTO DE RISCOS

CAPÍTULO VI - AVALIAÇÃO DE RISCOS, PROCESSOS DECISÓRIOS E GERENCIAMENTO DE RISCOS CAPÍTULO VI - AVALIAÇÃO DE RISCOS, PROCESSOS DECISÓRIOS E GERENCIAMENTO DE RISCOS VI.1. Introdução A avaliação de riscos inclui um amplo espectro de disciplinas e perspectivas que vão desde as preocupações

Leia mais

USO DE PLANTAS MEDICINAIS ENTRE ESTUDANTES DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS

USO DE PLANTAS MEDICINAIS ENTRE ESTUDANTES DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS USO DE PLANTAS MEDICINAIS ENTRE ESTUDANTES DA Eva Aparecida Prado do Couto (UEG) 1 evinhacouto@hotmail.com Flávia Melo Rodrigues ² rflamelo@gmail.com Introdução Segundo Queiroz (1986) o uso das espécies

Leia mais

O ENFERMEIRO NO GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS NOS SERVICOS DE SAÚDE*

O ENFERMEIRO NO GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS NOS SERVICOS DE SAÚDE* O ENFERMEIRO NO GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS NOS SERVICOS DE SAÚDE* Janaína Verônica Lahm 1 Elizabeth Maria Lazzarotto INTRODUÇÃO: A preocupação com o meio ambiente começou somente no final do século passado,

Leia mais

PNAD - Segurança Alimentar 2004 2009. Insegurança alimentar diminui, mas ainda atinge 30,2% dos domicílios brasileiros

PNAD - Segurança Alimentar 2004 2009. Insegurança alimentar diminui, mas ainda atinge 30,2% dos domicílios brasileiros 1 of 5 11/26/2010 2:57 PM Comunicação Social 26 de novembro de 2010 PNAD - Segurança Alimentar 2004 2009 Insegurança alimentar diminui, mas ainda atinge 30,2% dos domicílios brasileiros O número de domicílios

Leia mais

Desafios para a Comunicação Efetiva em Farmacovigilância no Brasil

Desafios para a Comunicação Efetiva em Farmacovigilância no Brasil IX Encontro Internacional de Farmacovigilância das Américas Painel: Comunicação do Risco em Farmacovigilância: o que fazer para a informação chegar a quem interessa? Desafios para a Comunicação Efetiva

Leia mais

Manual do Sistema de Gestão Ambiental - Instant Solutions. Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa

Manual do Sistema de Gestão Ambiental - Instant Solutions. Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa Data da Criação: 09/11/2012 Dara de revisão: 18/12/2012 1 - Sumário - 1. A Instant Solutions... 3 1.1. Perfil da empresa... 3 1.2. Responsabilidade ambiental...

Leia mais

Projeto de Ação Conjunta de Inspeções em Distribuidoras de Medicamentos

Projeto de Ação Conjunta de Inspeções em Distribuidoras de Medicamentos Agência Nacional de Vigilância Sanitária Projeto de Ação Conjunta de Inspeções em Distribuidoras de Medicamentos Gerência-Geral de Inspeção e Controle de Medicamentos e Produtos Gerência de Investigação

Leia mais

DECLARAÇÕES EUROPEIAS DA FARMÁCIA HOSPITALAR

DECLARAÇÕES EUROPEIAS DA FARMÁCIA HOSPITALAR DECLARAÇÕES EUROPEIAS DA FARMÁCIA HOSPITALAR As páginas que se seguem constituem as Declarações Europeias da Farmácia Hospitalar. As declarações expressam os objetivos comuns definidos para cada sistema

Leia mais

A PRÁTICA DE ENSINO EM QUÍMICA: EDUCAÇÃO AMBIENTAL E SUSTENTABILIDADE COMO TEMA TRANSVERSAL

A PRÁTICA DE ENSINO EM QUÍMICA: EDUCAÇÃO AMBIENTAL E SUSTENTABILIDADE COMO TEMA TRANSVERSAL A PRÁTICA DE ENSINO EM QUÍMICA: EDUCAÇÃO AMBIENTAL E SUSTENTABILIDADE COMO TEMA TRANSVERSAL Ana Maria G. D. MENDONÇA 1, Darling L. PEREIRA 2,,José J. MENDONÇA 3, Aluska M. C. RAMOS 4 Maria S. B. DUARTE

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DOS USUÁRIOS QUE FAZEM USO DE PSICOTRÓPICOS DE UMA ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA

CARACTERIZAÇÃO DOS USUÁRIOS QUE FAZEM USO DE PSICOTRÓPICOS DE UMA ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA CARACTERIZAÇÃO DOS USUÁRIOS QUE FAZEM USO DE PSICOTRÓPICOS DE UMA ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA Ana Eliedna Nogueira, Universidade Potiguar, eliednanog@hotmail.com Rúbia Mara Maia Feitosa, Universidade

Leia mais

PRÊMIO DE ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA DO SUS/ MG- PRÊMIO ALUÍSIO PIMENTA-ANO 2009/2010

PRÊMIO DE ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA DO SUS/ MG- PRÊMIO ALUÍSIO PIMENTA-ANO 2009/2010 PRÊMIO DE ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA DO SUS/ MG- PRÊMIO ALUÍSIO PIMENTA-ANO 2009/2010 TRABALHO: HUMANIZAÇÃO DO ATENDIMENTO NO ÂMBITO DA ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA NAS UNIDADES DE SAÚDE DA FAMÍLIA DO MUNICÍPIO

Leia mais

A EXPERIÊNCIA EM EDUCAÇÃO AMBIENTAL ADQUIRIDA DENTRO DA COORDENADORIA DE GESTÃO AMBIENTAL DA UFRGS

A EXPERIÊNCIA EM EDUCAÇÃO AMBIENTAL ADQUIRIDA DENTRO DA COORDENADORIA DE GESTÃO AMBIENTAL DA UFRGS A EXPERIÊNCIA EM EDUCAÇÃO AMBIENTAL ADQUIRIDA DENTRO DA COORDENADORIA DE GESTÃO AMBIENTAL DA UFRGS A. Krummenauer, D. Campani, P. Samuel Coordenadoria de Gestão Ambiental da Universidade Federal do Rio

Leia mais

Manual de Apoio a Consultas ao Portal da Agência Nacional de Vigilância Sanitária ANVISA

Manual de Apoio a Consultas ao Portal da Agência Nacional de Vigilância Sanitária ANVISA COORDENADORIA DE TECNOLOGIA EM SAÚDE, ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA E APOIO DIAGNÓSTICO COORDENAÇÃO DE ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA Manual de Apoio a Consultas ao Portal da Agência Nacional de Vigilância Sanitária

Leia mais

A ÁGUA EM CENTRO DE EDUCAÇÃO INFANTIL DE CASTANHAL Divino, E. P. A. (1) ; Silva, M. N. S. (1) Caldeira, R. D. (1) mairanathiele@gmail.

A ÁGUA EM CENTRO DE EDUCAÇÃO INFANTIL DE CASTANHAL Divino, E. P. A. (1) ; Silva, M. N. S. (1) Caldeira, R. D. (1) mairanathiele@gmail. A ÁGUA EM CENTRO DE EDUCAÇÃO INFANTIL DE CASTANHAL Divino, E. P. A. (1) ; Silva, M. N. S. (1) Caldeira, R. D. (1) mairanathiele@gmail.com (1) Faculdade de Castanhal FCAT, Castanhal PA, Brasil. RESUMO A

Leia mais

COMISSÃO DE LEGISLAÇÃO E PARECERES PARECER n.º 007/2013

COMISSÃO DE LEGISLAÇÃO E PARECERES PARECER n.º 007/2013 COMISSÃO DE LEGISLAÇÃO E PARECERES PARECER n.º 007/2013 Aprovado na 523ª Reunião Ordinária de Plenário de 26 de agosto de 2013. 1. Do Fato Assunto: Dispensação de medicamentos pelo Técnico de Enfermagem.

Leia mais

Palavras-chave: água esgoto gerenciamento - resíduo poluente

Palavras-chave: água esgoto gerenciamento - resíduo poluente MEDIDAS DE SANEAMENTO BÁSICO OU RUAS CALÇADAS? Angela Maria de Oliveira Professora da E.M.E.F. Zelinda Rodolfo Pessin Márcia Finimundi Barbieri Professora da E.M.E.F. Zelinda Rodolfo Pessin Resumo Este

Leia mais

Cartilha REGISTROS DE CÂNCER E O RHC DO HAJ

Cartilha REGISTROS DE CÂNCER E O RHC DO HAJ Cartilha REGISTROS DE CÂNCER E O RHC DO HAJ O que é um registro de câncer? -Centro de coleta, armazenamento, processamento e análise - de forma sistemática e contínua - de informações (dados) sobre pacientes

Leia mais

Ivo Bucaresky CONBRAFARMA. Diretor ANVISA. Agosto de 2015

Ivo Bucaresky CONBRAFARMA. Diretor ANVISA. Agosto de 2015 Ivo Bucaresky Diretor ANVISA CONBRAFARMA Agosto de 2015 1 PROGRAMA DE MELHORIA DO PROCESSO DE REGULAMENTAÇÃO Diretrizes: Fortalecimento da capacidade institucional para gestão em regulação Melhoria da

Leia mais

CORRELAÇÃO ENTRE CONSUMIDORES DE DROGAS LICITAS E ILICITAS EM UM CAPS II

CORRELAÇÃO ENTRE CONSUMIDORES DE DROGAS LICITAS E ILICITAS EM UM CAPS II 929 CORRELAÇÃO ENTRE CONSUMIDORES DE DROGAS LICITAS E ILICITAS EM UM CAPS II Ana Paula Fernandes de Lima Demarcina Weinheimer Jussara Terres Larissa Medeiros Tarlise Jardim Vanessa Campos Camila Jacques

Leia mais

Sistema Único de Saúde (SUS)

Sistema Único de Saúde (SUS) LEIS ORGÂNICAS DA SAÚDE Lei nº 8.080 de 19 de setembro de 1990 Lei nº 8.142 de 28 de dezembro de 1990 Criadas para dar cumprimento ao mandamento constitucional Sistema Único de Saúde (SUS) 1 Lei n o 8.080

Leia mais

COMISSÃO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR SERVIÇO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR ROTINA DE CONTROLE DE VETORES NO AMBIENTE HOSPITALAR

COMISSÃO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR SERVIÇO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR ROTINA DE CONTROLE DE VETORES NO AMBIENTE HOSPITALAR 1 COMISSÃO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR SERVIÇO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR ROTINA DE CONTROLE DE VETORES NO AMBIENTE HOSPITALAR Flávia Valério de Lima Gomes Enfermeira da CCIH / SCIH Jair

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DO PROJETO DE IDENTIFICAÇÃO E ARMAZENAMENTO DE PRODUTOS QUÍMICOS NOS LABORATÓRIOS DA ESCOLA NACIONAL DE SAÚDE PÚBLICA SÉRIO AROUCA/FIOCRUZ

IMPLANTAÇÃO DO PROJETO DE IDENTIFICAÇÃO E ARMAZENAMENTO DE PRODUTOS QUÍMICOS NOS LABORATÓRIOS DA ESCOLA NACIONAL DE SAÚDE PÚBLICA SÉRIO AROUCA/FIOCRUZ Belo Horizonte/MG 24 a 27/11/2014 IMPLANTAÇÃO DO PROJETO DE IDENTIFICAÇÃO E ARMAZENAMENTO DE PRODUTOS QUÍMICOS NOS LABORATÓRIOS DA ESCOLA NACIONAL DE SAÚDE PÚBLICA SÉRIO AROUCA/FIOCRUZ. Caroline Borges

Leia mais

Amostra grátis de remédios: ANVISA regula a produção e dispensação

Amostra grátis de remédios: ANVISA regula a produção e dispensação Amostra grátis de remédios: ANVISA regula a produção e dispensação Profª Dra Roseli Calil / DEC Enfº Adilton D. Leite / SADP A ANVISA, através da RDC (RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA da Agência Nacional

Leia mais

RESOLUÇÃO SEMA Nº 028/2010

RESOLUÇÃO SEMA Nº 028/2010 RESOLUÇÃO SEMA Nº 028/2010 Dispõe sobre a coleta, armazenamento e destinação de embalagens plásticas de óleo lubrificante pós-consumo no Estado do Paraná. O SECRETÁRIO DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE E RECURSOS

Leia mais

Serviço Social. DISCURSIVA Residência Saúde 2012 C COORDENADORIA DE DESENVOLVIMENTO ACADÊMICO D A. wwww.cepuerj.uerj.br ATIVIDADE DATA LOCAL

Serviço Social. DISCURSIVA Residência Saúde 2012 C COORDENADORIA DE DESENVOLVIMENTO ACADÊMICO D A. wwww.cepuerj.uerj.br ATIVIDADE DATA LOCAL HOSPITAL UNIVERSITÁRIO PEDRO ERNESTO C COORDENADORIA DE DESENVOLVIMENTO ACADÊMICO D A Serviço Social DISCURSIVA Residência Saúde 2012 ATIVIDADE DATA LOCAL Divulgação do gabarito - Prova Objetiva (PO) 31/10/2011

Leia mais

Eixo Temático ET-03-035 - Gestão de Resíduos Sólidos IMPLANTAÇÃO DA COLETA SELETIVA DE RESÍDUO SÓLIDO NO MUNICIPIO DE BONITO DE SANTA FÉ-PB

Eixo Temático ET-03-035 - Gestão de Resíduos Sólidos IMPLANTAÇÃO DA COLETA SELETIVA DE RESÍDUO SÓLIDO NO MUNICIPIO DE BONITO DE SANTA FÉ-PB 203 Eixo Temático ET-03-035 - Gestão de Resíduos Sólidos IMPLANTAÇÃO DA COLETA SELETIVA DE RESÍDUO SÓLIDO NO MUNICIPIO DE BONITO DE SANTA FÉ-PB Tarcísio Valério da Costa Universidade Federal da Paraíba/Pró

Leia mais

REESTRUTURAÇÃO DO ARMAZENAMENTO DE MEDICAMENTOS NA FARMÁCIA HOSPITALAR DO HOSPITAL EVANGÉLICO DE PONTA GROSSA

REESTRUTURAÇÃO DO ARMAZENAMENTO DE MEDICAMENTOS NA FARMÁCIA HOSPITALAR DO HOSPITAL EVANGÉLICO DE PONTA GROSSA 7. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: SAÚDE REESTRUTURAÇÃO DO ARMAZENAMENTO DE MEDICAMENTOS NA FARMÁCIA HOSPITALAR DO HOSPITAL EVANGÉLICO DE PONTA GROSSA GUIDOLIN, Graziela 1 CARVALHO,

Leia mais

Fortaleza, 17 e 18 de junho de 2010.

Fortaleza, 17 e 18 de junho de 2010. Fracionamento de medicamentos para dispensadores Parcerias: Defensoria Pública do Estado do Ceará; Agência Nacional de Vigilância Sanitária - ANVISA Conselho Regional de Farmácia - CRF- CE Sindicato do

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE PRODUTOS SANEANTES EM DOMICÍLIOS DO MUNICÍPIO DE SANTA MARIA (RS)¹.

UTILIZAÇÃO DE PRODUTOS SANEANTES EM DOMICÍLIOS DO MUNICÍPIO DE SANTA MARIA (RS)¹. UTILIZAÇÃO DE PRODUTOS SANEANTES EM DOMICÍLIOS DO MUNICÍPIO DE SANTA MARIA (RS)¹. DEON, Bárbara Cecconi ²; HECKTHEUER, Luiza Helena³; SACCOL, Silvana 4 ; MEDEIROS, Laissa Benites 5 ; ORSOLIN, Giulianna

Leia mais

O CUIDAR HUMANIZADO AO IDOSO: REVISÃO SISTEMÁTICA

O CUIDAR HUMANIZADO AO IDOSO: REVISÃO SISTEMÁTICA O CUIDAR HUMANIZADO AO IDOSO: REVISÃO SISTEMÁTICA Jéssyka Cibelly Minervina da Costa Silva (NEPB/UFPB) jessykacibelly@gmail.com Kalina Coeli Costa de Oliveira Dias (NEPB/UFPB) kalinacoeli@gmail.com Ana

Leia mais

TI Verde: Sustentabilidade na área da tecnologia da informação TI VERDE: SUSTENTABILIDADE NA ÁREA DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

TI Verde: Sustentabilidade na área da tecnologia da informação TI VERDE: SUSTENTABILIDADE NA ÁREA DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO TI VERDE: SUSTENTABILIDADE NA ÁREA DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Flávio Luiz de Azevedo BRAYNER Paulo Gustavo Sabino RAMOS Patrícia Verônica de Azevedo BRAYNER Resumo: Atualmente a Tecnologia da Informação

Leia mais

OS NEGROS NO MERCADO DE TRABALHO

OS NEGROS NO MERCADO DE TRABALHO OS NEGROS NO MERCADO DE TRABALHO DO DISTRITO FEDERAL Novembro de 2010 OS NEGROS NO MERCADO DE TRABALHO E O ACESSO AO SISTEMA PÚBLICO DE EMPREGO, TRABALHO E RENDA Em comemoração ao Dia da Consciência Negra

Leia mais

Eixo Temático ET-13-003 - Educação Ambiental

Eixo Temático ET-13-003 - Educação Ambiental 482 Anais do Congresso Brasileiro de Gestão Ambiental e Sustentabilidade - Vol. 2: Congestas 2014 Eixo Temático ET-13-003 - Educação Ambiental OS DESAFIOS DO LIXO NOS DIVERSOS AMBIENTES Viviane Susy de

Leia mais

5.1 Nome da iniciativa ou Projeto. Academia Popular da Pessoa idosa. 5.2 Caracterização da Situação Anterior

5.1 Nome da iniciativa ou Projeto. Academia Popular da Pessoa idosa. 5.2 Caracterização da Situação Anterior 5.1 Nome da iniciativa ou Projeto Academia Popular da Pessoa idosa 5.2 Caracterização da Situação Anterior O envelhecimento é uma realidade da maioria das sociedades. No Brasil, estima-se que exista, atualmente,

Leia mais

CONSELHO DE SECRETARIAS MUNICIPAIS DE SAÚDE

CONSELHO DE SECRETARIAS MUNICIPAIS DE SAÚDE ANEXO II TERMO DE REFERÊNCIA PROFISSIONAL NÍVEL SUPERIOR CONTEUDISTA (MESTRE) PARA O CURSO DE QUALIFICAÇÃO DE PROFISSIONAIS DA ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA, COM UTILIZAÇÃO DO SISTEMA NACIONAL DE GESTÃO DA

Leia mais

RESUMO. Elaine Peres da Silva 1 Viviane Silva Nunes 2

RESUMO. Elaine Peres da Silva 1 Viviane Silva Nunes 2 Educação Ambiental sob a Perspectiva do trabalho coletivo dentro da Escola Elaine Peres da Silva 1 Viviane Silva Nunes 2 RESUMO A educação ambiental aplicada ao currículo escolar vem demonstrando resultados

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 555 DE 30 DE NOVEMBRO DE 2011

RESOLUÇÃO Nº 555 DE 30 DE NOVEMBRO DE 2011 RESOLUÇÃO Nº 555 DE 30 DE NOVEMBRO DE 2011 Ementa: Regulamenta o registro, a guarda e o manuseio de informações resultantes da prática da assistência farmacêutica nos serviços de saúde. O Conselho Federal

Leia mais

NOTA TÉCNICA SOBRE A RDC Nº

NOTA TÉCNICA SOBRE A RDC Nº NOTA TÉCNICA SOBRE A RDC Nº 20/2011 Orientações de procedimentos relativos ao controle de medicamentos à base de substâncias classificadas como antimicrobianos, de uso sob prescrição isoladas ou em associação.

Leia mais

PROJETO DIDÁTICO: O LIXO QUE VIROU LUXO

PROJETO DIDÁTICO: O LIXO QUE VIROU LUXO PROJETO DIDÁTICO: O LIXO QUE VIROU LUXO Maria do Socorro dos Santos EEEFM José Soares de Carvalho socorrosantosgba@gmail.com Paula Priscila Gomes do Nascimento Pina EEEFM José Soares de Carvalho paulapgnascimento@yahoo.com.br

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa RESOLUÇÃO DE MESA N.º 806/2007. (publicada no DOE nº 236, de 13 de dezembro de 2007) Dispõe sobre o Programa de Gerenciamento

Leia mais

1 SADS- Serviço de Atendimento Domiciliar em Saúde. 1 Projeto Dengue. 1 Consultório na Rua. 1 Central de Ambulâncias

1 SADS- Serviço de Atendimento Domiciliar em Saúde. 1 Projeto Dengue. 1 Consultório na Rua. 1 Central de Ambulâncias Equipamentos de Saúde Gerenciados pelo CEJAM em Embu das Artes 11 Unidades Básicas de Saúde com 25 equipes de Estratégia Saúde da Família 1 SADS- Serviço de Atendimento Domiciliar em Saúde 1 Projeto Dengue

Leia mais

FACULDADE CENECISTA DE OSÓRIO CURSO DE EXTENSÃO PROJETO NOSSA ESCOLA PESQUISA SUA OPINIÃO - PÓLO RS CURSO ESCOLA E PESQUISA: UM ENCONTRO POSSÍVEL

FACULDADE CENECISTA DE OSÓRIO CURSO DE EXTENSÃO PROJETO NOSSA ESCOLA PESQUISA SUA OPINIÃO - PÓLO RS CURSO ESCOLA E PESQUISA: UM ENCONTRO POSSÍVEL FACULDADE CENECISTA DE OSÓRIO CURSO DE EXTENSÃO PROJETO NOSSA ESCOLA PESQUISA SUA OPINIÃO - PÓLO RS CURSO ESCOLA E PESQUISA: UM ENCONTRO POSSÍVEL ESCOLA MUNICIPAL DE ENSINO FUNDAMENTAL ILDO MENEGHETTI

Leia mais

PORTARIA SMS Nº 028, de 9 de outubro de 2014.

PORTARIA SMS Nº 028, de 9 de outubro de 2014. PORTARIA SMS Nº 028, de 9 de outubro de 2014. REGULAMENTA O DESCARTE DE MEDICAMENTOS E SUBSTÂNCIAS SOB CONTROLE ESPECIAL DA PORTARIA SVS/MS Nº 344/1998. O Secretário Municipal de Saúde de Betim - Gestor

Leia mais

COMPOSTAGEM: um terreno fértil para a consciência ambiental.

COMPOSTAGEM: um terreno fértil para a consciência ambiental. COMPOSTAGEM: um terreno fértil para a consciência ambiental. PANZENHAGEN, Liane Margarete 1, VALE, Giovane Maia 2 ; MOREIRA, Ilson 3. Palavras-chave: composteira, meio ambiente, comunidade escolar. Introdução

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL JUNTO A COLABORADORES DO SETOR DE MINERAIS NÃO METÁLICOS DA PARAÍBA PARA PRODUÇÃO DE SABÃO COM ÓLEO DE COZINHA USADO.

EDUCAÇÃO AMBIENTAL JUNTO A COLABORADORES DO SETOR DE MINERAIS NÃO METÁLICOS DA PARAÍBA PARA PRODUÇÃO DE SABÃO COM ÓLEO DE COZINHA USADO. EDUCAÇÃO AMBIENTAL JUNTO A COLABORADORES DO SETOR DE MINERAIS NÃO METÁLICOS DA PARAÍBA PARA PRODUÇÃO DE SABÃO COM ÓLEO DE COZINHA USADO. Antonio Augusto Pereira de Sousa - aauepb@gmail.com 1 Djane de Fátima

Leia mais

REDUÇÃO DE DANOS EM SERVIÇOS DE SAÚDE

REDUÇÃO DE DANOS EM SERVIÇOS DE SAÚDE REDUÇÃO DE DANOS EM SERVIÇOS DE SAÚDE Prevalência do HIV nas Populações mais Vulneráveis População em geral 0,65% Profissionais do sexo 6,6% Presidiários - 20% Usuários de drogas injetáveis 36,5% REDUÇÃO

Leia mais

feema - Fundação Estadual de Engenharia do Meio Ambiente Curso de Legislação e Normas para o Licenciamento Ambiental Junho de 2002

feema - Fundação Estadual de Engenharia do Meio Ambiente Curso de Legislação e Normas para o Licenciamento Ambiental Junho de 2002 Página 1 feema - Fundação Estadual de Engenharia do Meio Ambiente Curso de Legislação e Normas para o Licenciamento Ambiental Junho de 2002 DZ 056 - Diretriz para Realização de Auditoria Ambiental capa

Leia mais

1 MINUTA DO PLANO DE COMUNICAÇÃO E PARTICIPAÇÃO SOCIAL

1 MINUTA DO PLANO DE COMUNICAÇÃO E PARTICIPAÇÃO SOCIAL 1 MINUTA DO PLANO DE COMUNICAÇÃO E PARTICIPAÇÃO SOCIAL 1.1 APRESENTAÇÃO O Plano de Comunicação e Participação Social subsidiará a elaboração do Plano Diretor de Mobilidade Urbana, criando as bases para

Leia mais

Sumário Executivo Pesquisa Quantitativa Regular. Edição n 05

Sumário Executivo Pesquisa Quantitativa Regular. Edição n 05 Sumário Executivo Pesquisa Quantitativa Regular Edição n 05 Junho de 2010 2 Sumário Executivo Pesquisa Quantitativa Regular Edição n 05 O objetivo geral deste estudo foi investigar as percepções gerais

Leia mais

Vigilância em Saúde Ambiental e Saúde do Trabalhador nas Áreas Contaminadas

Vigilância em Saúde Ambiental e Saúde do Trabalhador nas Áreas Contaminadas 2º Simpósio Brasileiro de Saúde & Ambiente (2ºSIBSA). Desenvolvimento, Conflitos Territoriais e Saúde: Ciência e Movimentos Sociais para a Justiça Ambiental nas Políticas Públicas Belo Horizonte, 19 a

Leia mais

Analisando a construção e a interpretação de gráficos e tabelas por estudantes do Ensino Médio Regular e EJA

Analisando a construção e a interpretação de gráficos e tabelas por estudantes do Ensino Médio Regular e EJA Analisando a construção e a interpretação de gráficos e tabelas por estudantes do Ensino Fabiano Fialho Lôbo Universidade Federal de Pernambuco fabiano_lobo@yahoo.com.br Luciana Rufino de Alcântara Universidade

Leia mais

FORMAÇÃO DE PROFESSORES EM SERVIÇO E A DISTÂNCIA: O CASO VEREDAS BRANCO,

FORMAÇÃO DE PROFESSORES EM SERVIÇO E A DISTÂNCIA: O CASO VEREDAS BRANCO, FORMAÇÃO DE PROFESSORES EM SERVIÇO E A DISTÂNCIA: O CASO VEREDAS BRANCO, Juliana Cordeiro Soares Branco CEFET MG Juliana.b@ig.com.br OLIVEIRA, Maria Rita Neto Sales CEFET MG mariarita2@dppg.cefetmg.br

Leia mais

CUIDANDO DA FARMÁCIA CASEIRA: ATIVIDADES EDUCATIVAS RELIZADAS COM GRUPOS DE USUÁRIOS E AGENTES COMUNITÁRIOS DE UNIDADES DE SAÚDE

CUIDANDO DA FARMÁCIA CASEIRA: ATIVIDADES EDUCATIVAS RELIZADAS COM GRUPOS DE USUÁRIOS E AGENTES COMUNITÁRIOS DE UNIDADES DE SAÚDE CUIDANDO DA FARMÁCIA CASEIRA: ATIVIDADES EDUCATIVAS RELIZADAS COM GRUPOS DE USUÁRIOS E AGENTES COMUNITÁRIOS DE UNIDADES DE SAÚDE Área Temática: Saúde Aline Lins Camargo (Coordenadora do Projeto de Extensão)

Leia mais

TÍTULO I DAS DISPOSIÇOES INICIAIS. Art. 3º O projeto mencionado nos artigos 1º e 2º desta Lei é destinado, prioritariamente, nesta ordem:

TÍTULO I DAS DISPOSIÇOES INICIAIS. Art. 3º O projeto mencionado nos artigos 1º e 2º desta Lei é destinado, prioritariamente, nesta ordem: LEI Nº 2.511, de 17 de setembro de 2015. DISPÕE SOBRE A REGULAMENTAÇÃO PARA O CONTROLE POPULACIONAL DE ANIMAIS DOMÉSTICOS DO MUNICÍPIO DE CATANDUVAS/SC QUE ESPECIFICA E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS Gisa Aparecida

Leia mais

EXPOSIÇÃO DE RISCO DOS PARTICIPANTES DO PROJETO UEPG-ENFERMAGEM NA BUSCA E PREVENÇÃO DO HIV/AIDS

EXPOSIÇÃO DE RISCO DOS PARTICIPANTES DO PROJETO UEPG-ENFERMAGEM NA BUSCA E PREVENÇÃO DO HIV/AIDS 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA EXPOSIÇÃO DE RISCO DOS PARTICIPANTES DO PROJETO UEPG-ENFERMAGEM

Leia mais

ID:1858 MAIS MÉDICOS E MAIS COBERTURA? EFEITOS INICIAS DO PROJETO MAIS MÉDICOS NA COBERTURA DA ATENÇÃO BÁSICA NO BRASIL.

ID:1858 MAIS MÉDICOS E MAIS COBERTURA? EFEITOS INICIAS DO PROJETO MAIS MÉDICOS NA COBERTURA DA ATENÇÃO BÁSICA NO BRASIL. ID:1858 MAIS MÉDICOS E MAIS COBERTURA? EFEITOS INICIAS DO PROJETO MAIS MÉDICOS NA COBERTURA DA ATENÇÃO BÁSICA NO BRASIL. Araújo Leônidas, Florentino Júnio; Iturri de La Mata, José Antonio; Queiroga de

Leia mais

25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1

25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 RECURSOS HUMANOS EM UMA ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR COM PERSPECTIVA DE DESENVOLVIVENTO DO CLIMA ORGANIZACONAL: O CASO DO HOSPITAL WILSON ROSADO EM MOSSORÓ RN

Leia mais

Boas Práticas para Estocagem de Medicamentos

Boas Práticas para Estocagem de Medicamentos Boas Práticas para Estocagem de Medicamentos Manual Elaborado por PEDRO PAULO TRIGO VALERY Considerações Gerais Estocar e administrar um almoxarifado de medicamentos não é como estocar alimentos apesar

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2011

PROJETO DE LEI Nº, DE 2011 PROJETO DE LEI Nº, DE 2011 (Do Sr. ROBERTO SANTIAGO) Acrescenta a Seção XIII-A ao Capítulo I do Título III da Consolidação das Leis do Trabalho CLT, aprovada pelo Decreto-lei n.º 5.452, de 1º de maio de

Leia mais

A NECESSIDADE DE ALTERNATIVAS PARA O DESCARTE DE LÂMPADAS FLUORESCENTES EM PRESIDENTE PRUDENTE.

A NECESSIDADE DE ALTERNATIVAS PARA O DESCARTE DE LÂMPADAS FLUORESCENTES EM PRESIDENTE PRUDENTE. Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 116 A NECESSIDADE DE ALTERNATIVAS PARA O DESCARTE DE LÂMPADAS FLUORESCENTES EM PRESIDENTE PRUDENTE. Bruna Caroline

Leia mais