Desenvolvimento do Banco de Dados de Inventário de Resíduo BD_IR. Esquema geral do BD_IR

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Desenvolvimento do Banco de Dados de Inventário de Resíduo BD_IR. Esquema geral do BD_IR"

Transcrição

1 Desenvolvimento do Banco de Dados de Inventário de Resíduo Esquema geral do

2 Resolução CONAMA Nº 313 de 29 de outubro de 2002 (Inventário Nacional de Resíduos Industriais) Inventário de Resíduos: É o conjunto de informações sobre a geração, características, armazenamento, transporte, tratamento, reutilização, reciclagem, recuperação e disposição final dos resíduos gerados pelas indústrias. - Em 2002, o Conselho Nacional do Meio Ambiente (CONAMA) editou a Resolução De acordo com esta Resolução (Art. 8), cada Industria deve registrar mensalmente (e manter na Unidade Industrial) os dados de geração de resíduos para efeito de obtenção dos dados para o Inventário Nacional de Resíduos Industriais. - Art. 4º 1º As informações previstas neste artigo deverão ser prestadas ao órgão estadual de meio ambiente e atualizadas a cada vinte e quatro meses, ou em menor prazo, de acordo com o estabelecido pelo próprio órgão. Art. 6º Os órgãos estaduais de meio ambiente deverão, no prazo máximo de dois anos, contados a partir da data de publicação desta Resolução, apresentar ao IBAMA os dados do Inventário mencionados no art. 2º, na forma a ser definida por este Instituto.

3 Resolução CONAMA Nº 313 de 29 de outubro de 2002 Esquema das informações solicitadas na resolução do CONAMA 1. Informações Gerais da Indústria I. Razão social da indústria II. Endereço da unidade industrial III. Endereço para correspondência IV. Contato técnico V. Característica da atividade industrial VI. Responsável pela empresa 2. Informações sobre o processo de produção desenvolvido pela indústria VII. Liste as matérias primas e insumos utilizados VIII. Identifique qual a produção anual da industria IX. Apresente uma relação das etapas em que decorre o processo industrial X. Relacione todas as etapas do processo de produção 3. Informações sobre resíduos sólidos gerados nos últimos doze meses 1. Formas de armazenamento 2. Formas de tratamento na indústria 3. Formas de tratamento fora da indústria /destino 4. Informações sobre resíduos sólidos gerados nos anos anteriores XI. Resíduos gerados nos anos anteriores que estão sob o controle da indústria 3.1. Na Própria Indústria Informações sobre resíduos sólidos gerados 1. Armazenamento 2. Tratamento 3. Reutilização 4. Reciclagem 5. Disposição final 3.2. Fora da Indústria Informações sobre resíduos sólidos gerados 1. Armazenamento 2. Tratamento 3. Reutilização 4. Reciclagem 5. Disposição final

4 Informações que as fábricas devem preparar para inserir no formulário do inventário de resíduos 1. Informações gerais da fábrica 2. Listagem das matérias-primas e insumos utilizados no ano 3. Listagem de produtos fabricados ao longo do ano 5.1. Listagem de todos os resíduos gerados 5.2. Codificar todos os resíduos gerados, 5.3. Registrar a quantidade de todos os tipos de resíduos gerados no ano (Tonelada/Ano) Tabela de resíduos da CONAMA 4. Processo de Produção 5. Informações sobre os resíduos gerados 5.4. Verificar se os resíduos gerados são tratados On-site ou Off-site On-Site OFF-Site Fluxo dos resíduos gerados

5 1. Informações gerais da fábrica Campo Dado Observação CNPJ: / Inscrição Suframa Razão Social Empresa 1 Endereço para correspondência: Logradouro/nº: Av. Solimões, 000 Distrito Industrial Contato técnico: Bairro/Distrito: Distrito Industrial Município: Manaus CEP: Telefone: (92) Nome: Tecnico 1 Cargo: Coodenadora de Residuos Industrial Telefone de (92) Fax: (92) Características da atividade industrial: Atividade principal da indústria: contínuo Código CNAE: /02 Fabricação de produtos de papel, cartolina, papel-cartão e papelão ondulado para uso comercial e de escritório, exceto formulário Latitude 30 07'38.24"S Longitude 60 02'30.43"W Consulte a tabela da CNAE Medição GPS Grado/Min/Sec Medição GPS Grado/Min/Sec 2. Lista de matérias primas 3. Produção anual da fábrica 4. Processo de produção (geração)

6 Listagem de todos os resíduos gerados e Codificar todos os resíduos gerados No. Descrição 1 LIXO ORGÂNICO A001 Resíduo de refeitórios Codigo CONAMA 2 PAPEL/PAPELÃO A006 Resíduos de papel e papelão 5.3. Registrar a quantidade de todos os tipos de resíduos gerados no ano Unidade única (Tonelada/Ano) Quantidade (Ton/ano) MADEIRA PALLETS A009 Resíduos de madeira sem substâncias tóxicas 50 4 METAIS FERROSOS A004 Refugo de metais ferrosos Total 1.350

7 5.4. Verificar se os resíduos gerados são tratados Onsite ou Offsite No. Descrição Codigo CONAMA 1 LIXOORGÂNICO A001 Resíduo de refeitórios 2 PAPEL/PAPELÃO A006 Resíduos de papel e papelão Quantidade (Ton/ano) MADEIRAPALLETS A009 Resíduos de madeira sem substâncias tóxicas 50 4 METAISFERROSOS A004 Refugo de metais ferrosos Total Transporte Tratamento Reciclagem Disposição final Armazenamento A001 A006 A009 A004 NH01 NH03 NH02 NH09 Geração Total On/Off Quantidade CNPJ Quantidade Obs CNPJ Código de tratamento Quantidade Obs CNPJ Código de reciclagem Quantidade Obs CNPJ Código de disposição final Quantidade Obs CNPJ Código Armazen amento Quantidade 100 Off B On 50 - T12 50 R Off R Off B ,000 On T S Off T B Total 1,350 On Off 1,200 1, ,050 - Descrição do Lugar Latitude Longitude ID Descrição T01 Incinerador T02 Incinerador de Câmara T05 Queima a céu aberto T06 Detonação T07 Oxidação de cianetos Encapsulamento/fixação química ou T08 solidificação T09 Oxidação química T10 Precipitação T11 Detoxificação T12 Neutralização T13 Adsorção T15 Tratamento biológico T16 Compostagem T17 Secagem T18 "Landfarming" T19 Plasma térmico T34 Outros tratamentos (especificar) ID Descrição Utilização em forno industrial (exceto R01 em fornos de cimento) R02 Utilização em caldeira Co-processamento em fornos de R03 cimento R04 Formulação de "blend" de resíduos Utilização em formulação de R05 micronutrientes R06 Incorporação em solo agrícola R07 Fertirrigação R08 Ração animal R09 Reprocessamento de solventes R10 Re-refino de óleo R11 Reprocessamento de óleo R12 Sucateiros intermediários Reutilização/reciclagem/recuperação R13 internas Outras formas de R99 reutilização/reciclagem/recuperação ID Descrição B01 Infiltração no solo B02 Aterro Municipal B03 Aterro Industrial Próprio B04 Aterro Industrial Terceiros B05 Lixão Municipal B06 Lixão Particular B20 Rede de Esgoto B30 Outras (especificar) ID S01 S11 S21 S31 S02 S12 S22 S32 S03 S13 S04 S14 S05 S15 S25 S35 S09 S19 S08 Descrição tambor em piso impermeável, área coberta tambor em piso impermeável, área descoberta tambor em solo, área coberta tambor em solo, área descoberta a granel em piso impermeável, área coberta a granel em piso impermeável, área descoberta a granel em solo, área coberta a granel em solo, área descoberta caçamba com cobertura caçamba sem cobertura tanque com bacia de contenção tanque sem bacia de contenção bombona em piso impermeável, área coberta bombona em piso impermeável, área descoberta bombona em solo, área coberta bombona em solo, área descoberta lagoa com impermeabilização lagoa sem impermeabilização outros sistemas (especificar)

8 Fluxo dos resíduos gerados Armazenagem (100 ton/ano) Disposição final (0 ton/ano) On-site total (150 ton/ano) Reciclagem (50 ton/ano) Geração total (1,350 ton/ano) Tratamento (50 ton/ano) Off-site total (1,200 ton/ano) Disposição final (1,050 ton/ano) Transporte (1,200 ton/ano) Reciclagem (150 ton/ano) Tratamento (900 ton/ano)

9 SUFRAMA Web site Atualização anual BD_ESR Esquema geral do Acesso Usuário Senha Atualizar anualmente SUFRAMA Informação Licença de Operação das ESR IPAAM Web site Atualizar Licença de Operação ESR IPAAM Encarregado de GRI Geração Registro de fluxo de resíduo Registro de Registro de Registro de Registro de Transporte Tratamento Reuso/Reciclagem Disposição final Transporte Tratamento Reuso/Reciclagem Disposição final GRI Off-site Empresas de Tratamento Fábricas GRI On-stie Coleta e Transporte Disposição final Tratamento Reuso reciclagem Disposição final Empresas de Reuso/Reciclagem Fábricas(On-Site) Banco de Dados do Inventario de resíduos BD_ESR Banco de Dado do Empresas de Serviços de Resíduos GRI Gerenciamento de Resíduo Industrial ESR Empresas de Serviços de Resíduos ESR(Off-Site)

10 Tarefas para a análise de Informações do Esquema geral para implementação do SUFRAMA Sistema Online Acesso Usuário senha Atualização anual SUFRAMA Web Site Checar as informações e gerar relatório Desenvolvimento e manutenção do sistema de banco de dados GGRI David Silva Ivo Brasil Filho Administrador do sistema Wilson Rocha Neto Desenvolvedor do Sistema CGMOI Rita Mariê Armando Santos Jr. Jory Filho ücontato com as fábricas üajudar o encarregado da GRI a preencher o formulário do üverificar todas as informações do (Tipo de resíduo, código do resíduo, quantidade do resíduo, etc.) üfazer o relatório do inventário de resíduos Tarefas para o Suporte IT üdesenvolver o sistema de banco de dados ütreinar o encarregado da GRI das fábricas para usar o sistema ümanutenção do sistema Banco de Dados do Inventário de Resíduos GGRI Grupo de Gestão de Resíduos Industriais GRI Gestão de Resíduos Industriais CGMOI - Coordenação Geral de Modernização e Informática Cadastro do fluxo de resíduo Encarregado da GRI Fábrica

11 Fábricas Encarregado da GRI Esquema geral do Sistema Online do Acesso (SUFRAMA WI_DB página) Acesso Usuário Senha 4. Acesso para o sistema 1. Solicitar a senha Formulário de registro 3. Enviar a informação de acesso e senha F1 Informação Geral 2. Checar os Cadastros nos dados SUFRAMA WI_DB Administrador SUFRAMA (GGRI) F2 Inventario de resíduo F2.1 Matéria Prima F2.4 Resíduos gerados F2.2 Produção F2.4.1 Fluxo de resíduos gerados F2.3 Processo de produção

12 SUFRAMA WEB SITE

13 Offline Microsoft Access WI_DB System Sistema Offline IWM Officer Waste Flow Record Generation Off site WM Transport Treatment Reuse/Recycle Final Disposal Record Record Record Record Transport Treatment Reuse/Recycle Final Disposal Treatment Companies On site WM Factory Collection & Transport Final Disposal (Landfill) Treatement Reuse/Recicling Final disposal Factory (On-Site) Reuse/Recycle Companies WSC (Off Site) WI_DB Waste Inventory Database WSC_DB Waste Company Service Database IWM Industrial Waste Management WSC Waste Service Company WM Waste Management O sistema off-line é desenvolvido em Microsoft Access, que pode ser instalado e utilizado no PC das fábricas O sistema é desenvolvido para que cada fábrica possa ter o registro dos seus resíduos gerados diariamente, e deste modo que eles possam conhecer a geração e o fluxo dos seus resíduos. Este sistema também será uma ferramenta que facilitará às fábricas a introduzir corretamente as informações IR segundo a resolução CONAMA. Se a fábrica preencher o registro dos resíduos periodicamente, no fim do ano o relatório de inventário de resíduo pode ser preparado com um clique. O planejado é que o IPAAM, com a colaboração da SUFRAMA, fornecerá a cópia do sistema às fábricas, e fornecerá o treinamento e a orientação do uso do sistema.

14 Sistema Off-line DB_WI Inserir periodicamente as informações dos resíduos gerados

15 Impressão do relatório IR, com o fluxo de resíduos

16

17 Muito obrigado por sua atenção David Silva

RESOLUÇÃO CONAMA nº 313, de 29 de outubro de 2002 Publicada no DOU n o 226, de 22 de novembro de 2002, Seção 1, páginas 85-91

RESOLUÇÃO CONAMA nº 313, de 29 de outubro de 2002 Publicada no DOU n o 226, de 22 de novembro de 2002, Seção 1, páginas 85-91 RESOLUÇÃO CONAMA nº 313, de 29 de outubro de 2002 Publicada no DOU n o 226, de 22 de novembro de 2002, Seção 1, páginas 85-91 Correlações: Revoga a Resolução CONAMA n o 6/88 Dispõe sobre o Inventário Nacional

Leia mais

MANUAL PARA PREENCHIMENTO DO INVENTÁRIO DE RESÍDUOS SÓLIDOS INDUSTRIAIS E DE MINERAÇÃO GOIANIA, 2014.

MANUAL PARA PREENCHIMENTO DO INVENTÁRIO DE RESÍDUOS SÓLIDOS INDUSTRIAIS E DE MINERAÇÃO GOIANIA, 2014. MANUAL PARA PREENCHIMENTO DO INVENTÁRIO DE RESÍDUOS SÓLIDOS INDUSTRIAIS E DE MINERAÇÃO GOIANIA, 2014. 1 SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS HÍDRICOS DO ESTADO DE GOIÁS Jacqueline Vieira da Silva

Leia mais

Empresas de Serviço de Resíduos

Empresas de Serviço de Resíduos ESTUDO PARA O DESENVOLVIMENTO DE UMA SOLUÇÃO INTEGRADA RELATIVA À GESTÃO DE RESÍDUOS INDUSTRIAIS NO PÓ INDUSTRIAL DE MANAUS Empresas de Serviço de Resíduos Desenvolvimento do Banco de Dados das Empresas

Leia mais

PROJETO DE IMPLANTAÇÃO INDÚSTRIA MADEIREIRA Desdobro Primário da Madeira

PROJETO DE IMPLANTAÇÃO INDÚSTRIA MADEIREIRA Desdobro Primário da Madeira PROJETO DE IMPLANTAÇÃO INDÚSTRIA MADEIREIRA Desdobro Primário da Madeira 1. INFORMAÇÕES GERAIS 1.1. Tipo e Características do solo: 1.2. Topografia: 1.3. Cobertura Vegetal: 1.4. Descrição do acesso: 1.5.

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS Diretoria de Licenciamento Ambiental Coordenação Geral de Transporte, Mineração

Leia mais

Indústrias. Bairro: Município: CEP: CNPJ/CPF: Telefone: Fax: Localização do empreendimento (Endereço): Bairro: CEP:

Indústrias. Bairro: Município: CEP: CNPJ/CPF: Telefone: Fax: Localização do empreendimento (Endereço): Bairro: CEP: Indústrias 1. Identificação Empresa/Interessado: Endereço: Bairro: Município: CEP: CNPJ/CPF: Telefone: Fax: E-mail: Atividade: Localização do empreendimento (Endereço): Bairro: CEP: Contato: Cargo/Função:

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DO AMBIENTE CONSELHO ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE DO RIO DE JANEIRO ATO DO PRESIDENTE

SECRETARIA DE ESTADO DO AMBIENTE CONSELHO ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE DO RIO DE JANEIRO ATO DO PRESIDENTE SECRETARIA DE ESTADO DO AMBIENTE CONSELHO ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE DO RIO DE JANEIRO ATO DO PRESIDENTE RESOLUÇÃO CONEMA Nº 56 DE 13 DE DEZEMBRO DE 2013. ESTABELECE CRITÉRIOS PARA A INEXIGIBILIDADE DE

Leia mais

SISEMA. Sistema Estadual de Meio Ambiente. POLÍCIA MILITAR D E M I N A S G E R A I S Nossa profissão, sua vida.

SISEMA. Sistema Estadual de Meio Ambiente. POLÍCIA MILITAR D E M I N A S G E R A I S Nossa profissão, sua vida. SISEMA Sistema Estadual de Meio Ambiente POLÍCIA Panorama da geração de resíduos em Minas Gerais Zuleika S. Chiacchio Torquetti Diretora de Qualidade e Gestão Ambiental FEAM Outubro 2008 POLÍCIA Projeto

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÃO PARA PREENCHIMENTO DA PLANILHA TRIMESTRAL DE RESÍDUOS ENTREGA ANUAL DA SEMMA (JANEIRO DE CADA ANO)

MANUAL DE INSTRUÇÃO PARA PREENCHIMENTO DA PLANILHA TRIMESTRAL DE RESÍDUOS ENTREGA ANUAL DA SEMMA (JANEIRO DE CADA ANO) MANUAL DE INSTRUÇÃO PARA PREENCHIMENTO DA PLANILHA TRIMESTRAL DE RESÍDUOS ENTREGA ANUAL DA SEMMA (JANEIRO DE CADA ANO) CÓD. MAN01 ESCLARECIMENTOS INICIAIS Em nível municipal, além da necessidade de se

Leia mais

FORMULÁRIO DE AUTORIZAÇÃO AMBIENTAL- AUA Restaurante, pizzaria, padaria, confeitaria, lanchonete, pastelaria, açougue e hipermercado/supermercado

FORMULÁRIO DE AUTORIZAÇÃO AMBIENTAL- AUA Restaurante, pizzaria, padaria, confeitaria, lanchonete, pastelaria, açougue e hipermercado/supermercado FORMULÁRIO DE AUTORIZAÇÃO AMBIENTAL- AUA Restaurante, pizzaria, padaria, confeitaria, lanchonete, pastelaria, açougue e hipermercado/supermercado 1. IDENTIFICAÇÃO DA EMPRESA 1. IDENTIFICAÇÃO DA EMPRESA

Leia mais

INSTRUÇOES PARA A ELABORAÇÃO DO PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS - PGRS -

INSTRUÇOES PARA A ELABORAÇÃO DO PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS - PGRS - INSTRUÇOES PARA A ELABORAÇÃO DO PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS - PGRS - I. APRESENTAÇÃO O presente Termo de Referência visa subsidiar os diversos empreendimentos quanto à elaboração e apresentação

Leia mais

Plano de Gerenciamento de Resíduos Aplicado em uma Agroindústria Canavieira

Plano de Gerenciamento de Resíduos Aplicado em uma Agroindústria Canavieira Plano de Gerenciamento de Resíduos Aplicado em uma Agroindústria Canavieira SOUZA, Márcia Ferreira de. NICODEMO, Leonardo Pivotto RESUMO A geração de resíduos sólidos em uma empresa do ramo sucroalcooleiro

Leia mais

Considerando a necessidade da elaboração de Programa Estadual e de Plano para Gerenciamento de Resíduos Sólidos Industriais.

Considerando a necessidade da elaboração de Programa Estadual e de Plano para Gerenciamento de Resíduos Sólidos Industriais. 1 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 07/2011 Dispõe sobre gerenciamento e disposição final dos resíduos sólidos gerados em unidades de produção industrial, de bens e serviços, assim como os provenientes de atividades

Leia mais

LT 500 kv Mesquita Viana 2 e LT 345 kv Viana 2 Viana. Novembro de 2010. Anexo 6.3-2 Plano de Gerenciamento e Disposição de Resíduos

LT 500 kv Mesquita Viana 2 e LT 345 kv Viana 2 Viana. Novembro de 2010. Anexo 6.3-2 Plano de Gerenciamento e Disposição de Resíduos EIIA Não excluir esta página LT 500 kv Mesquita Viana 2 e LT 345 kv Viana 2 Viana Novembro de 2010 Coordenador: Consultor: 2422-00-EIA-RL-0001-00 Rev. nº 00 Preencher os campos abaixo Revisão Ortográfica

Leia mais

SAMARCO MINERAÇÃO S.A.

SAMARCO MINERAÇÃO S.A. SAMARCO MINERAÇÃO S.A. MINAS GERAIS E ESPÍRITO SANTO INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO DA LINHA 03 DE MINERODUTO PLANO BÁSICO AMBIENTAL PROGRAMA DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS - PGRS OS Tramitação Via Data 1SAMA013-OS-00004

Leia mais

GUIA DE RESÍDUOS - ELEKTRO

GUIA DE RESÍDUOS - ELEKTRO GUIA DE RESÍDUOS - ELEKTRO APRESENTAÇÃO O presente guia visa fornecer aos colaboradores, parceiros e fornecedores da Elektro, informações e instruções básicas sobre os procedimentos para o descarte dos

Leia mais

DESTINAÇÃO E DISPOSIÇÃO FINAL AMBIENTALMENTE ADEQUADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS INDUSTRIAIS

DESTINAÇÃO E DISPOSIÇÃO FINAL AMBIENTALMENTE ADEQUADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS INDUSTRIAIS DESTINAÇÃO E DISPOSIÇÃO FINAL AMBIENTALMENTE ADEQUADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS INDUSTRIAIS Alternativas tecnológicas disponíveis. Variações de custo e de segurança das operações. Copyright Ecovalor Consultoria

Leia mais

Formulário para licenciamento de POSTOS DE LAVAGEM, OFICINAS MECÂNICAS E SIMILARES

Formulário para licenciamento de POSTOS DE LAVAGEM, OFICINAS MECÂNICAS E SIMILARES PREFEITURA MUNICIPAL DE ARROIO DO MEIO Formulário para licenciamento de POSTOS DE LAVAGEM, OFICINAS MECÂNICAS E SIMILARES DMA 1. IDENTIFICAÇÃO DO EMPREENDEDOR Nome / Razão Social: CNPJ CPF End. n Bairro

Leia mais

LIC - LEVANTAMENTO DE INDÍCIOS DE CONTAMINAÇÃO EM IMÓVEIS URBANOS (para esclarecimentos consultar Anexo III) DATA DA VISITA: / /

LIC - LEVANTAMENTO DE INDÍCIOS DE CONTAMINAÇÃO EM IMÓVEIS URBANOS (para esclarecimentos consultar Anexo III) DATA DA VISITA: / / LIC - LEVANTAMENTO DE INDÍCIOS DE CONTAMINAÇÃO EM IMÓVEIS URBANOS (para esclarecimentos consultar Anexo III) 1. DADOS GERAIS DO IMÓVEL DATA DA VISITA: / / 1.1. Identificação do Imóvel: 1.2. Endereço: Cidade:

Leia mais

TÉCNICAS DE GESTÃO DE RESÍDUOS EM EMPRESAS DE REPARAÇÃO VEÍCULAR

TÉCNICAS DE GESTÃO DE RESÍDUOS EM EMPRESAS DE REPARAÇÃO VEÍCULAR 1 o SIMPÓSIO SINDIREPA-RS TÉCNICAS DE GESTÃO DE RESÍDUOS EM EMPRESAS DE REPARAÇÃO VEÍCULAR Felipe Saviczki - cntl.att@senairs.org.br Engenheiro Ambiental Técnico de Desenvolvimento - Área de Consultoria

Leia mais

Rua Brusque, 344 GUABIRUBA 88360-000 SC Fone/Fax (47) 3354-0141 www.guabiruba.sc.gov.br / e-mail: meioambiente@guabiruba.sc.gov.br

Rua Brusque, 344 GUABIRUBA 88360-000 SC Fone/Fax (47) 3354-0141 www.guabiruba.sc.gov.br / e-mail: meioambiente@guabiruba.sc.gov.br Instrução Normativa nº. 10/2014 (Versão Maio/2014) Indústria de Madeira Instruções gerais A SEMMA coloca-se à disposição dos interessados para dirimir possíveis dúvidas sobre esta Instrução Normativa.

Leia mais

BARES, CASAS NOTURNAS, RESTAURANTES, LANCHERIAS, AÇOUGUES, PADARIAS

BARES, CASAS NOTURNAS, RESTAURANTES, LANCHERIAS, AÇOUGUES, PADARIAS Formulário para licenciamento BARES, CASAS NOTURNAS, RESTAURANTES, LANCHERIAS, AÇOUGUES, PADARIAS INSTRUÇÕES PARA PREENCHIMENTO: As instruções necessárias para o preenchimento da folha de rosto deste formulário

Leia mais

CETESB Companhia de Tecnologia de Saneamento Ambiental. Manual para preenchimento do MCE (Memorial de Caracterização de Empreendimento)

CETESB Companhia de Tecnologia de Saneamento Ambiental. Manual para preenchimento do MCE (Memorial de Caracterização de Empreendimento) CETESB Companhia de Tecnologia de Saneamento Ambiental Manual para preenchimento do MCE (Memorial de Caracterização de Empreendimento) São Paulo 1998 1. INFORMAÇÕES CADASTRAIS Cadastro CETESB - preenchido

Leia mais

Regulamentação do licenciamento ambiental de movelarias no Amazonas

Regulamentação do licenciamento ambiental de movelarias no Amazonas Regulamentação do licenciamento ambiental de movelarias no Amazonas propostas de instrução normativa elaborada pelo Projeto Floresta Viva e colaboradores dezembro de 2006 INDICE 1. Contexto 3 2. Situação

Leia mais

CHECK LIST LICENÇA DE OPERAÇÃO

CHECK LIST LICENÇA DE OPERAÇÃO CHECK LIST LICENÇA DE OPERAÇÃO a) Requerimento através do Formulário N o 14 Licenciamento Ambiental, devidamente preenchido e assinado pelo representante legal da empresa; no mesmo formulário informar

Leia mais

Soluções em Gestão Ambiental

Soluções em Gestão Ambiental Soluções em Gestão Ambiental QUEM SOMOS A Silcon Ambiental Empresa de engenharia ambiental, especializada em serviços e soluções para o gerenciamento, tratamento e destinação final de resíduos e na produção

Leia mais

PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS PGRS

PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS PGRS PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS PGRS Empreendimento Empresa responsável pela elaboração do PGRS ANDRADE ENGENHARIA Rua Carlos Klemtz, 264 Fazendinha CEP 81320-000 Curitiba Paraná Brasil Fone:

Leia mais

CETESB Companhia de Tecnologia de Saneamento Ambiental. Manual para preenchimento do MCE (Memorial de Caracterização de Empreendimento) 3.3.10.

CETESB Companhia de Tecnologia de Saneamento Ambiental. Manual para preenchimento do MCE (Memorial de Caracterização de Empreendimento) 3.3.10. CETESB Companhia de Tecnologia de Saneamento Ambiental Manual para preenchimento do MCE (Memorial de Caracterização de Empreendimento) 3.3.10.0274-7 São Paulo 2006 1. INFORMAÇÕES CADASTRAIS (FOLHA 1/16)

Leia mais

CURSO DE CAPACITAÇÃO PARA A GESTÃO DOS MUNICÍPIOS. Marcos Vieira Analista Ambiental GELSAR/INEA

CURSO DE CAPACITAÇÃO PARA A GESTÃO DOS MUNICÍPIOS. Marcos Vieira Analista Ambiental GELSAR/INEA CURSO DE CAPACITAÇÃO PARA A GESTÃO DOS MUNICÍPIOS Marcos Vieira Analista Ambiental GELSAR/INEA Março/2012 Gerência ESTRUTURA GELSAR 1 Gerente SERURB SERVIÇO DE RESÍDUOS URBANOS 1 Chefe de Serviço, 5 analistas

Leia mais

MANTRARES. MANTRARES Versão 2.7

MANTRARES. MANTRARES Versão 2.7 MANTRARES Versão 2.7 Sistema de Emissão e Controle de Manifesto de Transporte de Resíduos www.mantrares.com.br MANTRARES conteúdo apresentação... 1 instalação... 3 registro... 4 cadastro da empresa...

Leia mais

ADEQUAÇÃO AO SISTEMA MUNICIPAL DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL DOCUMENTOS NECESSÁRIOS

ADEQUAÇÃO AO SISTEMA MUNICIPAL DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL DOCUMENTOS NECESSÁRIOS ADEQUAÇÃO AO SISTEMA MUNICIPAL DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL DOCUMENTOS NECESSÁRIOS Este documento. Requerimento padrão do empreendedor ou representante legal. Cadastro Descritivo da Atividade - Geral devidamente

Leia mais

Produção Mais Limpa: Melhores Técnicas de Destinação de Resíduos Industriais

Produção Mais Limpa: Melhores Técnicas de Destinação de Resíduos Industriais Produção Mais Limpa: Melhores Técnicas de Destinação de Resíduos Industriais Legislação Classificação dos Resíduos NORMA ABNT 10.004 CLASSE I - PERIGOSOS CLASSE II - NÃO PERIGOSOS classe II A não inertes

Leia mais

RESÍDUOS SÓLIDOS : as responsabilidades de cada Setor

RESÍDUOS SÓLIDOS : as responsabilidades de cada Setor RESÍDUOS SÓLIDOS : as responsabilidades de cada Setor Resíduos Domiciliares Resíduos da Construção Civil Resíduos de escritórios Pneus queimados Resíduos de madeira Resíduos de fibra de vidro Resíduos

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS - PMGIRS

PLANO MUNICIPAL DE GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS - PMGIRS PLANO MUNICIPAL DE GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS - PMGIRS (Manual de acesso e preenchimento do Questionário Online) www.altouruguai.eng.br contato@altouruguai.eng.br ASSOCIAÇÃO DOS MUNICÍPIOS DO

Leia mais

RESÍDUOS SÓLIDOS. Classificação dos Resíduos. 1. Quanto a categoria: Resíduos Urbanos residências e limpeza pública urbana;

RESÍDUOS SÓLIDOS. Classificação dos Resíduos. 1. Quanto a categoria: Resíduos Urbanos residências e limpeza pública urbana; RESÍDUOS SÓLIDOS - são os resíduos que se apresentam nos estados sólidos, semi-sólidos e os líquidos não passíveis de tratamento convencional, que resultam de atividades de origem industrial, comercial,

Leia mais

COPROCESSAMENTO SOLUÇÃO SEGURA E DEFINITIVA PARA A DESTINAÇÃO FINAL AMBIENTALMENTE ADEQUADA DE RESÍDUOS

COPROCESSAMENTO SOLUÇÃO SEGURA E DEFINITIVA PARA A DESTINAÇÃO FINAL AMBIENTALMENTE ADEQUADA DE RESÍDUOS COPROCESSAMENTO SOLUÇÃO SEGURA E DEFINITIVA PARA A DESTINAÇÃO FINAL AMBIENTALMENTE ADEQUADA DE RESÍDUOS COPROCESSAMENTO: PROCESSO DE RECICLAGEM Processo de valorização de resíduos, que consiste no reaproveitamento/reciclagem

Leia mais

Associação Brasileira da Indústria Química INDICADORES DE SUSTENTABILIDADE AMBIENTAL

Associação Brasileira da Indústria Química INDICADORES DE SUSTENTABILIDADE AMBIENTAL Associação Brasileira da Indústria Química INDICADORES DE SUSTENTABILIDADE AMBIENTAL Sumário da apresentação Desenvolvimento do ISA Indicadores de Sustentabilidade Ambiental Indicadores Sustentabilidade

Leia mais

Estudo de caso: gerenciamento de resíduos sólidos industriais em uma indústria processadora de soja

Estudo de caso: gerenciamento de resíduos sólidos industriais em uma indústria processadora de soja Estudo de caso: gerenciamento de resíduos sólidos industriais em uma indústria processadora de soja Sílvia Regina Machado Pukasiewicz (CEFET-PR) silviapuk@bol.com.br Prof. Dr. Ivanir Luiz de Oliveira (CEFET-PR)

Leia mais

Relatório Técnico FCTY-RTC-RSO-005-05-14. Referência: Programa de Gerenciamento de Resíduos Sólidos da Construção Civil. Fevereiro/2014.

Relatório Técnico FCTY-RTC-RSO-005-05-14. Referência: Programa de Gerenciamento de Resíduos Sólidos da Construção Civil. Fevereiro/2014. Relatório Técnico FCTY-RTC-RSO-005-05-14 Referência: Programa de Gerenciamento de Resíduos Sólidos da Construção Civil. Fevereiro/2014. At.: Gerência de Sustentabilidade FCTY Fevereiro de 2014 1 APRESENTAÇÃO...

Leia mais

Resoluções RESOLUÇÃO Nº 9, DE 31 DE AGOSTO DE 1993

Resoluções RESOLUÇÃO Nº 9, DE 31 DE AGOSTO DE 1993 Resoluções RESOLUÇÃO Nº 9, DE 31 DE AGOSTO DE 1993 Resolução CONAMA Nº 009/1993 - "Estabelece definições e torna obrigatório o recolhimento e destinação adequada de todo o óleo lubrificante usado ou contaminado".

Leia mais

RECICLAGEM MECÂNICA: CONCEITOS E TÉCNICAS

RECICLAGEM MECÂNICA: CONCEITOS E TÉCNICAS RECICLAGEM MECÂNICA: CONCEITOS E TÉCNICAS 2.1 - Algumas Definições A idéia de se aproveitar resíduos não é nova; ela tem, contudo, se estabelecido de forma expressiva, não só por razões econômicas, mas

Leia mais

UNIVERSIDADE TECNOLOGICA FEDERAL DO PARANÁ CAMPUS CURITIBA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM PROCESSOS AMBIENTAIS

UNIVERSIDADE TECNOLOGICA FEDERAL DO PARANÁ CAMPUS CURITIBA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM PROCESSOS AMBIENTAIS UNIVERSIDADE TECNOLOGICA FEDERAL DO PARANÁ CAMPUS CURITIBA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM PROCESSOS AMBIENTAIS RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO Bruna Cristina Vieira Lopes CURITIBA JUNHO, 2013 1 BRUNA

Leia mais

Resíduos Sólidos Industriais Cenário Mundial Atual Toda atividade humana gera resíduos, e eles são indesejáveis triplamente, pois ocupam áreas que poderiam ter finalidades mais nobres, têm grande potencial

Leia mais

FUNDAÇÃO MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE DE PALMAS DIRETORIA DE CONTROLE AMBIENTAL GERÊNCIA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL

FUNDAÇÃO MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE DE PALMAS DIRETORIA DE CONTROLE AMBIENTAL GERÊNCIA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DE PROJETO AMBIENTAL DE EMPREENDIMENTOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE Este Termo de Referência visa orientar na elaboração de PROJETO AMBIENTAL PA para empreendimentos de serviços

Leia mais

Soluções no transporte de resíduos industrial e comercial. Destino Final de Resíduos

Soluções no transporte de resíduos industrial e comercial. Destino Final de Resíduos Soluções no transporte de resíduos industrial e comercial Destino Final de Resíduos história A empresa foi fundada em 1987 com o antigo nome de Ituplast Comercial Ltda., e dedicava-se incialmente a reciclagem

Leia mais

Licenciamento Ambiental Simplificado Secretaria de Meio Ambiente - SMA

Licenciamento Ambiental Simplificado Secretaria de Meio Ambiente - SMA Licenciamento Ambiental Simplificado Secretaria de Meio Ambiente - SMA PROTOCOLO Nº PROCESSO Nº Aviso: Este formulário só é válido para empreendimentos de pequenos porte e impacto ambiental, definidos

Leia mais

Elaboração Item 2 inclusão do PG-C-01 Programa Integrado de SSTMA Item 2 Codificação dos documentos de referência

Elaboração Item 2 inclusão do PG-C-01 Programa Integrado de SSTMA Item 2 Codificação dos documentos de referência Página 1 de 9 DESCRIÇÃO DAS REVISÕES REV DATA ALTERAÇÃO OBSERVAÇÃO 00 01 20/05/2009 30/09/2009 16/12/09 Elaboração Item 2 inclusão do PG-C-01 Programa Integrado de SSTMA Item 2 Codificação dos documentos

Leia mais

RESOLUÇÃO N o 307, DE 5 DE JULHO DE 2002 Publicada no DOU nº 136, de 17/07/2002, págs. 95-96

RESOLUÇÃO N o 307, DE 5 DE JULHO DE 2002 Publicada no DOU nº 136, de 17/07/2002, págs. 95-96 RESOLUÇÃO N o 307, DE 5 DE JULHO DE 2002 Publicada no DOU nº 136, de 17/07/2002, págs. 95-96 Correlações: Alterada pela Resolução nº 448/12 (altera os artigos 2º, 4º, 5º, 6º, 8º, 9º, 10 e 11 e revoga os

Leia mais

INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS

INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS INSTRUÇÃO NORMATIVA N.º 1, DE 25 DE JANEIRO DE 2013 (DOU de 30/01/2013 Seção I Pág 82) O PRESIDENTE SUBSTITUTO DO INSTITUTO BRASILEIRO

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO, ARMAZENAMENTO E TRANSPORTE DE RESÍDUOS EMBRAER SÃO JOSÉ DOS CAMPOS

CLASSIFICAÇÃO, ARMAZENAMENTO E TRANSPORTE DE RESÍDUOS EMBRAER SÃO JOSÉ DOS CAMPOS CLASSIFICAÇÃO, ARMAZENAMENTO E TRANSPORTE DE RESÍDUOS EMBRAER SÃO JOSÉ DOS CAMPOS O QUE É RESÍDUO? De acordo com o Dicionário de Aurélio Buarque de Holanda, resíduo é tudo aquilo que não se quer mais e

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA A ELABORAÇÃO DE PLANOS DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS - PGRS

TERMO DE REFERÊNCIA PARA A ELABORAÇÃO DE PLANOS DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS - PGRS TERMO DE REFERÊNCIA PARA A ELABORAÇÃO DE PLANOS DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS - PGRS 1. JUSTIFICATIVA O presente Termo de Referência tem por fim orientar a elaboração do PGRS conforme previsto no

Leia mais

Opersan Resíduos Industriais Sociedade Ltda. 3º Prêmio FIESP de Conservação e Reuso de Água

Opersan Resíduos Industriais Sociedade Ltda. 3º Prêmio FIESP de Conservação e Reuso de Água Opersan Resíduos Industriais Sociedade Ltda. 3º Prêmio FIESP de Conservação e Reuso de Água Projeto de Reuso de Água Eng. Juliano Saltorato Fevereiro 2008 1) Identificação da Empresa: Endereço completo

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE VILA VELHA Secretaria Municipal de Desenvolvimento Sustentável

PREFEITURA MUNICIPAL DE VILA VELHA Secretaria Municipal de Desenvolvimento Sustentável PREFEITURA MUNICIPAL DE VILA VELHA Secretaria Municipal de Desenvolvimento Sustentável TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS (APLICADO A INDÚSTRIA E COMÉRCIO

Leia mais

Passos para Solicitação da Licença de Operação de uma movelaria ja instalada. (Legalização Ambiental - IPAAM)

Passos para Solicitação da Licença de Operação de uma movelaria ja instalada. (Legalização Ambiental - IPAAM) Passos para Solicitação da Licença de Operação de uma movelaria ja instalada (Legalização Ambiental - IPAAM) Passo a passo detalhado Marcus Alexandre Projeto Floresta Viva Outubro de 2006 Apresentamos

Leia mais

Incentivo à compostagem como estratégia de aumento da reciclagem de resíduos orgânicos: aspectos regulatórios

Incentivo à compostagem como estratégia de aumento da reciclagem de resíduos orgânicos: aspectos regulatórios Incentivo à compostagem como estratégia de aumento da reciclagem de resíduos orgânicos: aspectos regulatórios Lúcio Costa Proença Analista Ambiental Secretaria de Recursos Hídricos e Ambiente Urbano Ministério

Leia mais

feam FUNDAÇÃO ESTADUAL DO MEIO AMBIENTE PARECER TÉCNICO Empreendedor: RECITEC RECICLAGEM TÉCNICA DO BRASIL LTDA.

feam FUNDAÇÃO ESTADUAL DO MEIO AMBIENTE PARECER TÉCNICO Empreendedor: RECITEC RECICLAGEM TÉCNICA DO BRASIL LTDA. FUNDAÇÃO ESTADUAL DO MEIO AMBIENTE PARECER TÉCNICO RESUMO Parecer Técnico GEDIN 078 / 2008 A RECITEC Reciclagem Técnica do Brasil Ltda., detentora da Licença Prévia 107/2004, da Licença de Instalação 273/2005

Leia mais

GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS QUÍMICOS GERADOS EM LABORATÓRIOS DE ENSINO E PESQUISA: PROCEDIMENTOS GERAIS. Patricia Busko Di Vitta. pabusko@iq.usp.

GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS QUÍMICOS GERADOS EM LABORATÓRIOS DE ENSINO E PESQUISA: PROCEDIMENTOS GERAIS. Patricia Busko Di Vitta. pabusko@iq.usp. GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS QUÍMICOS GERADOS EM LABORATÓRIOS DE ENSINO E PESQUISA: PROCEDIMENTOS GERAIS Patricia Busko Di Vitta pabusko@iq.usp.br Setor Técnico de Tratamento de Resíduos Instituto de Química

Leia mais

ANEXO V QUESTIONÁRIO AMBIENTAL

ANEXO V QUESTIONÁRIO AMBIENTAL ANEXO V QUESTIONÁRIO AMBIENTAL INTERESSADO Nome / Razão Social ENDEREÇO DO IMÓVEL OBJETO DO LICENCIAMENTO Logradouro Número Bairro Inscrição Fiscal ENTREVISTADO (responsável pelas respostas do questionário)

Leia mais

FUNDAÇÃO MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE DE PALMAS DIRETORIA DE CONTROLE AMBIENTAL GERÊNCIA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL

FUNDAÇÃO MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE DE PALMAS DIRETORIA DE CONTROLE AMBIENTAL GERÊNCIA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL TERMO DE REFÊRENCIA PARA ELABORACÃO DE PROJETO AMBIENTAL DE DEDETIZADORAS, LIMPA FOSSA E EMPRESAS QUE PRESTA SERVIÇO DE LIMPEZA. Este Termo de Referência visa orientar na elaboração de PROJETO AMBIENTAL

Leia mais

Gerenciamento de Resíduos de Serviços de Saúde

Gerenciamento de Resíduos de Serviços de Saúde Gerenciamento de Resíduos de Serviços de Saúde Naraiana Agapito, naraagapito@yahoo.com.br 1 Introdução Embora a geração de resíduos oriundos das atividades humanas faça parte da própria história do homem,

Leia mais

ANEXO 1 CHECKLIST PARA AVALIAÇÃO DOS RECEPTORES FINAIS E TRANSPORTADORES TERRESTRES

ANEXO 1 CHECKLIST PARA AVALIAÇÃO DOS RECEPTORES FINAIS E TRANSPORTADORES TERRESTRES EAP - Estudo Ambiental de Perfuração Blocos PAMA-M-265 e PAMA-M-337 - Bacia do Pará-Maranhão ANEXO 1 CHECKLIST PARA AVALIAÇÃO DOS RECEPTORES FINAIS E TRANSPORTADORES TERRESTRES Outubro/2015 Revisão 00

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS - IBAMA

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS - IBAMA MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS - IBAMA O PRESIDENTE SUBSTITUTO DO INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS

Leia mais

ISENÇÃO DE LICENCIAMENTO

ISENÇÃO DE LICENCIAMENTO ISENÇÃO DE LICENCIAMENTO 1. IDENTIFICAÇÃO Empresa/Interessado: Endereço: Bairro: Município: CEP: CNPJ/CPF: Telefone: Fax: E-mail: Atividade: Localização do empreendimento (Endereço): Bairro: CEP: Contato:

Leia mais

FISICO-QUÍMICA DOS MATERIAIS GERAÇÃO DE RESÍDUOS. Prof. Dr. José Roberto de Oliveira

FISICO-QUÍMICA DOS MATERIAIS GERAÇÃO DE RESÍDUOS. Prof. Dr. José Roberto de Oliveira FISICO-QUÍMICA DOS MATERIAIS GERAÇÃO DE RESÍDUOS 1 Brasil e Estado de São Paulo Valor desconhecido Cerca de 75,4 milhões toneladas por ano Estima-se a geração de 2,9 milhões de toneladas por ano de resíduos

Leia mais

MANUSEIO, ACONDICIONAMENTO, ARMAZENAMENTO E TRANSPORTE DE RESÍDUOS INDUSTRIAIS. Profa. Margarita Maria Dueñas O.

MANUSEIO, ACONDICIONAMENTO, ARMAZENAMENTO E TRANSPORTE DE RESÍDUOS INDUSTRIAIS. Profa. Margarita Maria Dueñas O. MANUSEIO, ACONDICIONAMENTO, ARMAZENAMENTO E TRANSPORTE DE RESÍDUOS INDUSTRIAIS Profa. Margarita Maria Dueñas O. RESÍDUOS PERIGOSOS Ponto de geração Destino final FASE INTERNA COLETA ACONDICIONAMENTO FASE

Leia mais

ANÁLISE DO GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS NA INDÚSTRIA DE BENEFICIAMENTO DE CASTANHA DE CAJU

ANÁLISE DO GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS NA INDÚSTRIA DE BENEFICIAMENTO DE CASTANHA DE CAJU ANÁLISE DO GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS NA INDÚSTRIA DE BENEFICIAMENTO DE CASTANHA DE CAJU Samuel Melo Lima (UFPI) samuelmelolima@hotmail.com MERCELANDIA ALVES DOS SANTOS LIMA (UFPI) mercemorena@hotmail.com

Leia mais

Trata-se de solicitação de Licença Municipal de...

Trata-se de solicitação de Licença Municipal de... INDICE 1- Motivo do parecer 2- Descrição da(s) atividade(s) 3- Caracterização ambiental da área de implantação 3.1-Antes do empreendimento 3.2-Após a implantação do empreendimento 4- Unidades de Conservação-UC

Leia mais

DELIBERAÇÃO NORMATIVA 001/2009-CONPLAM

DELIBERAÇÃO NORMATIVA 001/2009-CONPLAM DELIBERAÇÃO NORMATIVA 001/2009-CONPLAM Dispõe sobre a identificação e o gerenciamento de áreas suspeitas de contaminação e contaminadas por substâncias químicas no Município de Natal. O Conselho Municipal

Leia mais

GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS EM OFICINAS MECÂNICAS

GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS EM OFICINAS MECÂNICAS 1 SIMPÓSIO SINDIREPA RS GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS EM OFICINAS MECÂNICAS 26 ABRIL 2012 Eng. Quim. VILSON TRAVA DUTRA FILHO SERVIÇO DE EMERGÊNCIA - FEPAM - RS telefone comercial - 51-3288-9457 e-mail: postodecombustivel@fepam.rs.gov.br

Leia mais

ULTRAVIOLETA DESINFECÇÃO DE ÁGUA E EFLUENTES COM RAIOS. Sistema de decantação. Fenasan 2013. tratamento de água e efluentes

ULTRAVIOLETA DESINFECÇÃO DE ÁGUA E EFLUENTES COM RAIOS. Sistema de decantação. Fenasan 2013. tratamento de água e efluentes revista especializada em tratamento de DESINFECÇÃO DE ÁGUA E EFLUENTES COM RAIOS ULTRAVIOLETA Sistema de decantação Ação dos decantadores em tratamento de água Fenasan 2013 9 772236 261064 junho/julho-2013

Leia mais

Gestão de Resíduos em Terminais Ferroviários Experiências Empresariais. Alexssandro Sanches

Gestão de Resíduos em Terminais Ferroviários Experiências Empresariais. Alexssandro Sanches Gestão de Resíduos em Terminais Ferroviários Experiências Empresariais Alexssandro Sanches DF 08/07/2010 Programa de Gestão de Resíduos - FCA Nossa localização estratégica e a interligação com a Estrada

Leia mais

Notas: Aprovada pela Deliberação CECA nº 4.497, de 03 de setembro de 2004. Publicada no DOERJ de 21 de setembro de 2004.

Notas: Aprovada pela Deliberação CECA nº 4.497, de 03 de setembro de 2004. Publicada no DOERJ de 21 de setembro de 2004. DZ-1310.R-7 - SISTEMA DE MANIFESTO DE RESÍDUOS Notas: Aprovada pela Deliberação CECA nº 4.497, de 03 de setembro de 2004. Publicada no DOERJ de 21 de setembro de 2004. 1 OBJETIVO Estabelecer a metodologia

Leia mais

LEGISLAÇÃO SOBRE RECICLAGEM DO LIXO

LEGISLAÇÃO SOBRE RECICLAGEM DO LIXO LEGISLAÇÃO SOBRE RECICLAGEM DO LIXO ILIDIA DA A. G. MARTINS JURAS Consultora Legislativa da Área XI Meio Ambiente e Direito Ambiental, Organização Territorial, Desenvolvimento Urbano e Regional DEZEMBRO/2000

Leia mais

Bragança Paulista - SP Especializada em reciclagem e reutilização de pneus inservíveis e borrachas em geral. Cezarina - GO.

Bragança Paulista - SP Especializada em reciclagem e reutilização de pneus inservíveis e borrachas em geral. Cezarina - GO. Recilcagem e Co-Processamento A Policarpo Reciclagem é uma empresa brasileira, atua desde 1967 na área de reciclagem e reutilização de pneus inservíveis e borrachas em geral. Buscamos sempre o aperfeiçoamento

Leia mais

O Trabalho no Laboratório e a Geração de Resíduos

O Trabalho no Laboratório e a Geração de Resíduos O Trabalho no Laboratório e a Geração de Resíduos Prof. Dr. Marco Tadeu Grassi Grupo de Química Ambiental GQA Instituto Nacional de Ciências e Tecnologias Analíticas Avançadas INCTAA Departamento de Química

Leia mais

Palestrante: Alessandra Panizi Evento: Resíduos Sólidos: O que fazer?

Palestrante: Alessandra Panizi Evento: Resíduos Sólidos: O que fazer? Palestrante: Alessandra Panizi Evento: Resíduos Sólidos: O que fazer? Marco Histórico sobre Resíduos Sólidos Lei 12.305/2010 Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS) Decreto 7.404/2012 regulamento

Leia mais

SAÚDE. Bairro: Município: CEP: CNPJ/CPF: Telefone: Fax: Localização do empreendimento (Endereço): Bairro: CEP:

SAÚDE. Bairro: Município: CEP: CNPJ/CPF: Telefone: Fax: Localização do empreendimento (Endereço): Bairro: CEP: SAÚDE 1. Identificação Empresa/Interessado: Endereço: Bairro: Município: CEP: CNPJ/CPF: Telefone: Fax: E-mail: Atividade: Localização do empreendimento (Endereço): Bairro: CEP: Contato: Cargo/Função: 2.Informações

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE

CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE RESOLUÇÃO N. 307, DE 05 DE JULHO DE 2002 Alterações: Resolução CONAMA n. 348, de 16.08.04 Resolução CONAMA n. 431, de 24.05.11 Resolução CONAMA n. 448, de 18.01.12 Resolução

Leia mais

PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL - PGRCC. (folha de 8 itens)

PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL - PGRCC. (folha de 8 itens) PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL - PGRCC 1.0 DADOS DO GERADOR/CONSTRUTOR (folha de 8 itens) PROCESSO Nº: CAD Nº: 1.1. Razão Social: 1.2 Endereço: 1.3 Fone: Fax: 1.4 E-mail: 1.5 CPF:

Leia mais

ANEXO 1 CHECKLIST PARA AVALIAÇÃO DOS RECEPTORES FINAIS E TRANSPORTADORES TERRESTRES

ANEXO 1 CHECKLIST PARA AVALIAÇÃO DOS RECEPTORES FINAIS E TRANSPORTADORES TERRESTRES Estudo de Impacto Ambiental Atividade de Perfuração Marítima de Poços no Bloco FZA-M-90, Bacia da Foz do Amazonas ANEXO 1 CHECKLIST PARA AVALIAÇÃO DOS RECEPTORES FINAIS E TRANSPORTADORES TERRESTRES Junho/2015

Leia mais

ULC/0417 PROGRAMA DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL. 1.0 18/08/09 Ajuste de layout para adequação no sistema eletrônico.

ULC/0417 PROGRAMA DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL. 1.0 18/08/09 Ajuste de layout para adequação no sistema eletrônico. CONTROLE DE REVISÃO Código do Documento: Nome do Documento: ULC/0417 PROGRAMA DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL Responsável pela Elaboração: Gerente de Segurança e Meio NE/SE Responsável

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL (PGRCC)

TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL (PGRCC) TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL (PGRCC) 1 JUSTIFICATIVA Este Termo de Referência tem como finalidade orientar os grandes e pequenos geradores

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE-CONAMA

CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE-CONAMA CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE-CONAMA Resolução nº 307, de 5 de Julho de 2002. Estabelece diretrizes, critérios e procedimentos para a gestão dos resíduos da construção civil, disciplinando as ações

Leia mais

DIRETORIA DE PRODUÇÃO DE ENERGIA - DP USINA:UHCB GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS

DIRETORIA DE PRODUÇÃO DE ENERGIA - DP USINA:UHCB GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS REVISÃO:12 GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS Código (1) Identificação do Resíduo * Cód. ONU ** Nº de Risco (2) Classe ABNT (3) Estado Físico (4) Área de Geração (5) Meio de Acondicionamento (6) Responsabilidade

Leia mais

DIVISÃO DE LICENCIAMENTO E CONTROLE DA POLUIÇÃO DO PETRÓLEO E PETROQUÍMICOS DPP

DIVISÃO DE LICENCIAMENTO E CONTROLE DA POLUIÇÃO DO PETRÓLEO E PETROQUÍMICOS DPP DIVISÃO DE LICENCIAMENTO E CONTROLE DA POLUIÇÃO DO PETRÓLEO E PETROQUÍMICOS DPP MANUAL PARA UTILIZAÇÃO DO SISTEMA ON LINE PARA RENOVAÇÃO DE LICENÇAS DE OPERAÇÃO PARA COMÉRCIO VAREJISTA DE COMBUSTÍVEIS

Leia mais

FORMULÁRIO 06 CHAPEAÇÃO, OFICINA MECÂNICA, PINTURA AUTOMOTIVA, CENTRO DE DESMANCHE DE VEÍCULOS (CDV)

FORMULÁRIO 06 CHAPEAÇÃO, OFICINA MECÂNICA, PINTURA AUTOMOTIVA, CENTRO DE DESMANCHE DE VEÍCULOS (CDV) FORMULÁRIO 06 CHAPEAÇÃO, OFICINA MECÂNICA, PINTURA AUTOMOTIVA, CENTRO DE DESMANCHE DE VEÍCULOS (CDV) FORMULÁRIO DE REQUERIMENTO PARA LICENCIAMENTO AMBIENTAL A pessoa jurídica de direito privado, abaixo

Leia mais

TRATAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS (RSU) Profa. Margarita María Dueñas Orozco margarita.unir@gmail.com

TRATAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS (RSU) Profa. Margarita María Dueñas Orozco margarita.unir@gmail.com TRATAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS (RSU) Profa. Margarita María Dueñas Orozco margarita.unir@gmail.com TRATAMENTO Série de procedimentos destinados a reduzir a quantidade ou o potencial poluidor dos

Leia mais

Secretaria Municipal de meio Ambiente

Secretaria Municipal de meio Ambiente SISTEMA DE INFORMAÇÃO E DIAGNÓSTICO É expressamente proibido qualquer tipo de intervenção em Área de Preservação Permanente. Deverá ser observada rigorosamente a formatação deste formulário, não sendo

Leia mais

Registro de Emissão e Transferência de Poluentes RETP

Registro de Emissão e Transferência de Poluentes RETP SECRETARIA DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS E QUALIDADE AMBIENTAL DIRETORIA DE QUALIDADE AMBIENTAL NA INDÚSTRIA GERÊNCIA DE RESÍDUOS PERIGOSOS Registro de Emissão e Transferência de Poluentes RETP Volume 2 - Instruções

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DA PARAÍBA SUDEMA Superintendência de Administração do Meio Ambiente RELAÇAO DE DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA GRANDES INDÚSTRIAS

GOVERNO DO ESTADO DA PARAÍBA SUDEMA Superintendência de Administração do Meio Ambiente RELAÇAO DE DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA GRANDES INDÚSTRIAS RELAÇAO DE DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA GRANDES INDÚSTRIAS LICENÇA PRÉVIA 1- Requerimento; 2- Cadastro Industrial; 3- Perfil das indústrias sucro-alcoleiras (para o caso das usinas, destilarias e engenhos

Leia mais

Lixo. A vida é repleta de Química, Física, História e todas outras ciências que estudamos. Da mesma maneira, o ENEM, aborda os conteúdos que

Lixo. A vida é repleta de Química, Física, História e todas outras ciências que estudamos. Da mesma maneira, o ENEM, aborda os conteúdos que Lixo 1 A vida é repleta de Química, Física, História e todas outras ciências que estudamos. Da mesma maneira, o ENEM, aborda os conteúdos que estudamos em temáticas que rementem ao nosso cotidiano. Dessa

Leia mais

GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE MANEJO

GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE MANEJO GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE MANEJO NATAL/RN OUT/2013 GERENCIAMENTO DOS RSS PROCEDIMENTOS PLANEJADOS E IMPLEMENTADOS minimizar a produção na fonte, destinar e dispor com segurança Planejamento

Leia mais

PROPOSTA DE RESOLUÇÃO

PROPOSTA DE RESOLUÇÃO Ministério do Meio Ambiente Conselho Nacional do Meio Ambiente CONAMA Procedência:VERSÃO LIMPA 5 a Reunião do GRUPO DE TRABALHO Data: 26 e 27 de outubro de 2006 Processos n 02001.001037/02-98 e 02001.000597/2004-40

Leia mais

DIAGNÓSTICO DA GERACÃO, TRATAMENTO E DESTINO FINAL DOS RESÍDUOS GERADOS NAS INDÚSTRIAS DO MUNICÍPIO DE PATO BRANCO PARANÁ BRASIL.

DIAGNÓSTICO DA GERACÃO, TRATAMENTO E DESTINO FINAL DOS RESÍDUOS GERADOS NAS INDÚSTRIAS DO MUNICÍPIO DE PATO BRANCO PARANÁ BRASIL. DIAGNÓSTICO DA GERACÃO, TRATAMENTO E DESTINO FINAL DOS RESÍDUOS GERADOS NAS INDÚSTRIAS DO MUNICÍPIO DE PATO BRANCO PARANÁ BRASIL. Silvia de Veras Néri Rosilea França Garcia UNOCHAPECÓ-CHAPECÓ-SC-BRASIL

Leia mais

Instruções Técnicas para Apresentação de Projetos de Sistemas de Tratamento de Efluentes Líquidos Industriais

Instruções Técnicas para Apresentação de Projetos de Sistemas de Tratamento de Efluentes Líquidos Industriais Governo do Estado do Rio Grande do Norte Secretaria de Estado do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos Instruções Técnicas para Apresentação de Projetos de Sistemas Avenida Nascimento de Castro, 2127 Lagoa

Leia mais

I DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA SOLICITAÇÃO DE LICENÇA PRÉVIA (LP) IMOBILIÁRIO

I DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA SOLICITAÇÃO DE LICENÇA PRÉVIA (LP) IMOBILIÁRIO I DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA SOLICITAÇÃO DE LICENÇA PRÉVIA (LP) IMOBILIÁRIO ( ) Este documento Requerimento padrão do empreendedor ou representante legal; deve ser preenchido e assinado pelo requerente

Leia mais