Romeu Luiz Bogoni. Disciplinas Técnicas

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Romeu Luiz Bogoni. Disciplinas Técnicas"

Transcrição

1

2 PRODUÇÃO DIDÁTICO-PEDAGÓGICO FICHA PARA CATÁLOGO Título: Utilização de uma fonte de recursos hídricos, através da educação ambiental, utilizando como modelo poços tubular profundo no alto curso do Ribeirão Surucuá, no município de Paranavaí (PR). Autor: Romeu Luiz Bogoni Escola de Atuação: Colégio Estadual Marins Alves de Camargo - EFMT Município da escola: Paranavaí Núcleo Regional da Educação: Paranavaí Orientador: Profª Drª Vanda Maria Silva Kramer Instituição de Ensino Superior: Universidade Estadual do Paraná Campus de Paranavaí. Disciplina/Área : Disciplinas Técnicas Produção Didático-pedagógica: Unidade Didática Relação Interdisciplinar: Não Público Alvo: Alunos Localização: Rua bahia, s/n. centro Apresentação: Palavras-chave: A Bacia do Ribeirão Surucuá em seu alto curso tem uma extensão de m, a maioria das propriedades ao redor é abastecida com água potável fornecida pela Companhia Paranaense de Águas do Paraná SANEPAR, mas em função do custo, é inviável utilizá-la em atividade agrícola ou comercial. Nesse contexto essa Unidade didática se justifica por propor aos alunos do curso Técnico de Meio Ambiente do Colégio Marins Alves de Camargo, alternativas para construção de poços tubulares profundos de pequena vazão. O objetivo geral é educar cidadãos para que possam agir em seu meio ambiente de forma efetiva, viabilizando ações educativas e articulando o conjunto de saberes, atitudes e sensibilidades ambientais, destacando a política pública no que se refere à utilização dos Recursos Hídricos do Município. Mais especificamente, pretende-se orientar 10 alunos dos primeiro, segundo e terceiro ano do Curso citado para que sejam multiplicadores e venham auxiliar os moradores da região do Ribeirão, para regularizarem seus poços de acordo com a legislação vigente. Para tanto será ofertado aos envolvidos um mini curso sobre a construção de poço e orientações básicas sobre como preencher formulários e documentos que legalizam o uso dos mesmos. Na ação final elaborar-se-á com os alunos uma cartilha educativa do passo a passo da perfuração de um poço tubular profundo. Educação Ambiental;Recursos hídricos; Ribeirão Surucua

3 SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SUPERINTENDÊNCIA DA EDUCAÇÃO PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO EDUCACIONAL - PDE PRODUÇÃO DIDÁTICO PEDAGÓGICA UNIDADE DIDÁTICA UTILIZAÇÃO DE UMA FONTE DE RECURSOS HÍDRICOS, ATRAVÉS DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL, UTILIZANDO COMO MODELO POÇOS TUBULARES PROFUNDOS NO ALTO CURSO DO RIBEIRÃO, SURUCUÁ NO MUNICÍPIO DE PARANAVAÍ (PR). Área: Disciplinas Técnicas Professor PDE: Romeu Luiz Bogoni IES: -UNESPAR-Campus de Paranavaí Orientadora: Profª Drª Vanda Maria Silva Kramer Paranavaí 2011

4 SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SUPERINTENDÊNCIA DA EDUCAÇÃO PROGRAMA DE DESENVOLVIMDENTO EDUCACIONAL - PDE ROMEU LUIZ BOGONI UTILIZAÇÃO DE UMA FONTE DE RECURSOS HÍDRICOS, ATRAVÉS DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL, UTILIZANDO COMO MODELO POÇOS TUBULARES PROFUNDOS NO ALTO CURSO DO RIBEIRÃO, SURUCUÁ NO MUNICÍPIO DE PARANAVAÍ (PR). Material Didático Pedagógico no formato de Unidade Didática, apresentado ao Programa de Desenvolvimento Educacional PDE da Secretaria de Estado da Educação do Paraná, sob orientação da Professora Doutora Vanda Maria Silva Kramer. Paranavaí 2011

5 1- DADOS DE IDENTIFICAÇÃO 1.1. Professor PDE: Romeu Luiz Bogoni 1.2.Área PDE: Disciplinas Técnicas 1.3. NRE: Paranavaí 1.4. Professora Orientadora IES: Profª Drª Vanda Maria Silva Kramer 1.5. IES vinculada: UNESPAR-CAMPUS PARANAVAI 1.6. Escola de Implementação: Colégio Estadual Marins Alves de Camargo - EFMT 1.7. Público objeto de intervenção: Alunos do Curso Técnico de Meio Ambiente 2 TEMA DE ESTUDO: Políticas Públicas Municipais e a Educação Ambiental no que se refere à utilização dos recursos hídricos em Paranavaí. 3 TÍTULO: Utilização de uma fonte de recursos hídricos, através da educação ambiental, utilizando como modelo poços tubular profundo no alto curso do Ribeirão Surucuá, no município de Paranavaí (PR). 4 JUSTIFICATIVA: A água é uma substância essencial à vida. A distribuição de água doce no planeta é desigual, pois depende das relações entre a evaporação e a precipitação, e a capacidade da reserva de água na superfície (lagos e rios) e nas águas subterrâneas. Já a disponibilidade de água está sempre relacionada com o número de habitantes e formas de utilização de uma determinada região. A Bacia do Ribeirão Surucuá em seu alto curso tem uma extensão de metros, a maioria das propriedades ao redor é abastecida com água potável fornecida pela Companhia Paranaense de Águas do Paraná SANEPAR, mas em função do custo, é inviável utilizá-la em atividade agrícola ou comercial. Apesar da existência de um manancial de águas superficiais com boa vazão, são impróprias para o consumo, até mesmo para os animais, em função de contaminação. Portanto, seria muito importante a utilização de poço artesiano para

6 abastecer os moradores dessa região. Nesse contexto esse projeto se justifica por propor aos alunos do curso Técnico de Meio Ambiente do Colégio Marins Alves de Camargo, buscar alternativas para construção de poços tubulares profundos de pequena vazão. O tema é de grande relevância para o colégio e alunos, pois abordará as Políticas Públicas Municipais no que se refere ao Meio Ambiente e a Utilização de Recursos Hídricos Municipais, unindo assim a teoria estudada em sala de aula com a prática. Dessa forma, os alunos poderão intervir nas políticas públicas, interagindo com o município, avaliando os processos e os resultados dessas políticas. Através dessas condutas estarão exercendo seus direitos de cidadão, responsáveis pelo desenvolvimento sustentável do município. Pois somente a educação gera o progresso.

7 APRESENTAÇÃO É papel da escola ajudar os alunos a construírem uma consciência global das questões relativas ao meio em que vivem, para que possam assumir uma postura ativa em relação à melhoria da qualidade de vida no ambiente em que estão inseridos. Diante disso, conhecer os problemas ambientais e sociais causados pela urbanização sem planejamento, torna-se relevante. O objetivo dessa Unidade Didática é educar cidadãos para que possam agir em seu meio ambiente de forma efetiva, viabilizando ações educativas e articulando o conjunto de saberes, atitudes e sensibilidades ambientais, destacando a política pública no que se refere à utilização dos Recursos Hídricos do Município. A Bacia do Ribeirão Suruquá, foco desse estudo, tem seu alto curso uma extensão de metros, a maioria das propriedades ao redor é abastecida com água potável fornecida pela Companhia Paranaense de Águas do Paraná SANEPAR, mas em função do custo, é inviável utilizá-la em atividade agrícola ou comercial. Cabe lembrar, que a maioria dos moradores da região do Ribeirão Suruquá não tem conhecimento da Legislação Ambiental sobre os recursos hídricos, e os poços existentes nas propriedades estão sem outorga de utilização ambiental. A educação ambiental é vista como um elemento indispensável para se conseguir criar e aplicar estratégias sustentáveis para a solução dos problemas acima citados, e o objetivo será orientar os alunos para que possam auxiliar esses moradores a encontrarem uma alternativa viável e econômica. Dessa forma, esse material orientará alunos dos primeiro, segundo e terceiro ano do Curso Técnico em Meio Ambiente para que se tornem multiplicadores e venham auxiliar os moradores da região do alto curso do Ribeirão Suruquá, para regularizarem seus poços de acordo com a legislação vigente; Pretende ainda, constituir-se como um instrumento de pesquisa à professores da rede estadual de educação do Estado do Paraná que também preocupam-se com os recursos hídricos de seu Município.

8 PRODUÇÃO DIDÁTICO PEDAGÓGICA UNIDADE DIDÁTICA INFORMAÇÕES AO LEITOR Essa Unidade Didática aborda um problema ambiental existente no Município de Paranavaí-Pr, dessa forma, a primeira ação a ser desenvolvida será a caracterização do Município, para que você Caro Leitor seja inserido em nossa realidade. CARACTERIZAÇÃO DO MUNICÍPIO DE PARANAVAÍ O município de Paranavaí foi criado com o desmembramento de Mandaquari, pela Lei Estadual nº 790 de 14 de dezembro de 1951, seu nome foi veio da junção de dois topônimos indígenas: Paraná (Grande Rio) e Ivaí (Rio de água suja e barrenta). Hoje a cidade é centro de um município de 1.202,4 km² de área, onde vivem de acordo com o censo de 2010, mil habitantes, dando uma densidade demográfica de 67,88 h/km². Faz parte do Município de Paranavaí os seguintes distritos: Sumaré, Graciosa, Deputado José Afonso (conhecido como Quatro Marcos), Piracema e Mandiocaba. Cristo Rei também era um distrito de Paranavaí, mas o exôdo rural provocou a saída do cartório de registro civil (condição para ser considerado distrito) e hoje é um povoado. Faz divisa os municípios de Amaporã, Guairaçá e Terra Rica a oeste, Santo Antonio do Caiuá, São João do Caiuá e Alto Paraná a leste, Tamboara, Nova Aliança do Ivai, Amaporã e Mirador a sul. Paranavaí está localizado geograficamente na região noroeste do estado do Paraná com uma área de 1.140km². Possui pequenos cursos d'áqua e grandes rios. O maior é o Paranapanema, que separa o Município do Estado de São Paulo.

9 Fonte: O Município está inserido na dinâmica de duas grandes bacias do Noroeste do Estado, as bacias do Rio Paranapanema e Ivaí, a sede urbana de Paranavaí,localiza-se entre as nascentes dos Ribeirões Paranavaí e Surucuá, afluentes do Rio Ivaí. Fonte:

10 A captação de água para o abastecimento do Município se faz através do Riubeirão Araras, tributário do Ribeirão Paranavaí, bem como por meio de alguna poços particulares, ocasionalmente a captação é feita no Ribeirão Floresta também afluente do Ribeirão Paranavaí. O município é banhado por vários cursos de água, como córregos e Ribeirões. Cita-se abaixo: Córregos: Angatuba, Vinte e Oito, Bicudo, São Francisco, Santa Mônica, Piuva, Barreiro, Ouro Verde, Prata, Alegria, São Pedro, Índio, Água Jeanina e Xaxim. Ribeirões: Coroa do Frade, Caiuá, Jacaré, Araras, Vinte e Dois, Floresta e Suruquá. Bacia do Ribeirão Surucuá, foco desse estudo, tem seu alto curso uma extensão de metros. Fonte: Erni Lindenberg

11 Na ilustração abaixo, área de Pesquisa na Microbacia do Ribeirão Surucuá, em propriedade com acesso ao manancial de recursos hídricos superficiais, com as nascentes aflorando próximo à Polícia Rodoviária Federal e Parque de Exposição Arthur da Costa e Silva, na margem da Rodovia Federal 376. Fonte: Erni Lindenberg SUGESTÃO DE LEITURA Cartilha Nascentes protegidas e recuperadas, elaborada pela Secretaria de Estado do Meio Ambiente e Recursos Hídricos-SEMA, disponível no endereço eletrônico: br/modules/conteudo/conteudo.php? Fonte: O autor conteudo=140

12 1ª ATIVIDADE ENTREVISTA PARA COLETA DE DADOS Os entrevistados serão 25 moradores da área de estudo. 1. Quantas pessoas adultas moram na casa? 2. Quantas crianças/adolescentes moram na casa? 3. A água utilizada para o abastecimento doméstico vem de onde? 4. A água utilizada para o abastecimento pecuário e agrícola vem de onde? 5. Há na propriedade um poço artesiano? Onde fica? 6. Quem perfurou o poço? A perfuração foi autorizada pelos orgãos legais? 7. Você sabe onde se dirigir e quais documentos preencher para legalizar o seu poço? INFORMAÇÃO AO LEITOR Desde os primórdios da civilização as águas subterrâneas são utilizadas pelo homem através de poços rasos escavados. Foi atribuído aos chineses o início da atividade de perfuração. Em anos antes do tempo atual, eles já perfuravam poços com centenas de metros de profundidade. O termo "poço artesiano" data do século XII, ano de 1126, quando foi perfurado na cidade de Artois, na França, o primeiro poço desse tipo. Segundo Tundisi (2004), quando a própria pressão natural da água é capaz de levá-la até à superfície, temos um poço artesiano. Quando a água não jorra, sendo necessária a instalação de aparelhos para a captação, tem-se um poço semi-artesiano. Esses poços são tubulares e profundos. Existe também o poço caipira, que obtém água dos lençóis freáticos - rios subterrâneos originados em profundidades pequenas. Devido ao fato de serem rasos, os poços caipiras estão mais sujeitos às contaminações por água da chuva e até mesmo por infiltrações de esgoto. No Brasil, observou-se nas últimas décadas um aumento da utilização da água subterrânea para o abastecimento público.

13 2ª ATIVIDADE REGISTRO FOTOGRÁFICO Procedimento: Os alunos serão orientados a fotografar com autorização do proprietário, os poços da propriedade. Essas fotografias serão tiradas no mesmo dia da entrevista. O objetivo é identificar os poços existentes e proceder o mapeamento. Exemplo de imagens que espera-se obter dos alunos. SUGESTÃO DE LEITURA Fonte: Ademir de Sousa Para aprofundar o conhecimento, fazer a leitura do texto Aproveitamento para Consumo no Abastecimento Rural e Urbano.O texto faz parte livro Preservação e Recuperação das Nascentes (de água e de vida). Disponível para baixar no endereço eletrônico: 9/06/preservacao-e-recuperacao-denascentes-de-agua-e-de-vida/

14 3ª ATIVIDADE Vídeos: Proteção das Nascentes e Córregos Cultivando Água Boa Na Tv Multimídia será exibido a Reportagem proteção das Nascentes e Córregos, realizada pela RPC TV, com duração de 2 minutos e 07 segundos. O vídeo está disponível no endereço eletrônico Na sequência será exibido o Vídeo Cultivando Água Boa, com duração de aproximadamente 19 minutos. O vídeo está disponível no endereço Questionamentos sobre os vídeos: Qual o tema central dos vídeos? Que ideia defende e o que se quer demonstrar? O que te chamou a atenção nas exibições? eletrônico:

15 INFORMAÇÃO AO LEITOR Vale destacar que grande parte das cidades brasileiras com população inferior a habitantes, com exceção do semiárido nordestino e das regiões formadas por rochas cristalinas, têm capacidade de ser atendidas pelas reservas subterrâneas. Tanto em nível mundial como nacional, o aumento crescente da utilização das reservas hídricas subterrâneas se deve ao fato que, geralmente, elas apresentam excelente qualidade e um custo menor, afinal dispensam obras caras de captação, adução e tratamento. Águas subterrâneas correspondem às águas que infiltram no subsolo, preenchendo os espaços formados entre os grânulos minerais e fissuras das rochas. Essas águas tendem a migrar continuamente, abastecendo nascentes, leitos de rios, lagos e oceanos. O potencial hídrico subterrâneo é inegavelmente maior do que o potencial dos rios e lagos (águas superficiais). No entanto, a perfuração de poços para captação de águas situadas em lençóis, com variada profundidade, ainda não está economicamente viável a muitos usuários que necessitam de águas com uma qualidade potável adequada (CARTILHA DO PLANO NACIONAL DE RECURSOS HÍDRICOS, 2004). 4ª ATIVIDADE AÇÃO COMUNITÁRIA Palestra com um agente da Secretaria de Estado do Meio Ambiente e Recursos Hídricos SEMA, para os alunos e moradores do Ribeirão Surucuá, promovendo uma ação comunitária sobre as vantagens do poço artesiano. Oportunizando aos ouvintes um tira dúvidas, com um profissional capacitado, sobre a utilização de qualquer fonte de água conforme orienta as Leis: Federal Estadual.

16 DICAS IMPORTANTES As águas subterrâneas captadas através da tubulação de poços tubulares profundos, tem que ter um projeto técnico, feito por um profissional habilitado. Lei nº 7663/91, o empreendimento destinado à eventual extração de água subterrânea dependerá da licença de execução da obra junto ao órgão responsável pela água e energia elétrica do Estado. Caso o poço construído não seja utilizado, deverá ser providenciado o tamponamento. Na utilização imediata do poço é obrigatória a obtenção da outorga de direito de uso da água. Os responsáveis por poços irregulares ou clandestinos, quando descobertos, são obrigados a pagar uma multa que pode chegar a R$12 mil. De acordo com o Instituto das Águas do Paraná, se uma pessoa quiser fazer uso das águas de um rio, lago ou mesmo de águas subterrâneas, terá que solicitar uma autorização, concessão ou licença (outorga) ao Poder Público

17 5ª ATIVIDADE GLOSSÁRIO Pesquisar no laboratório de informática em quelquer site de busca, os seguintes conceitos: Água subterrânea Mata Ciliar Artesianismo Poço Freático Vazão Outorga SUDERHSA Poço Tubular Profundo Poço Semi artesiano Manômetro Manancial Aquífero Nascente Microbacia Esses conceitos serão organizados na formam de um glossário.

18 INFORMAÇÃO AO LEITOR A construção de um poço deve ser executada obedecendo às normas da ABNT. O projeto aprovado pelo órgão regulador deverá ser executado por empresa com registro no CREA Conselho Regional de Engenharia e Arquitetura, acompanhado por um técnico capacitado. É de extrema importância que o usuário acompanhe a execução da obra de acordo com o projeto aprovado, para conhecimento dos testes de vazão e profundidade do poço tubular profundo. Um poço artesiano é assim denominado quando as águas fluem naturalmente do solo, num aquifero confinado, sem a necessidade de bombeamento. Geralmente a sua profundidade é maior que a de um poço convencional, e em geral suas águas são mais puras e com mais sais minerais. Em sua utilização normal para uso residencial, as águas são captadas através de canos. Poço artesiano é aquele perfurado em aquíferos artesianos ou confinados, podendo ser jorrante ou não. De acordo com Tourrucoô (2004) poço tubular ou poço profundo é um poço circular de diâmetro reduzido, perfurado com equipamento especializado formando uma estrutura hidráulica que, bem projetada e construída, permite a extração econômica de água de camadas profundas do subsolo constituídas por um ou mais aquíferos. De um modo geral, é revestido internamente com tubos denominados geomecânicos, a fim de evitar a entrada de água indesejável e não permitir o desmoronamento de camadas instáveis de terreno que foram atravessados, e de tubos com filtros por onde aflui a água. Internamente com tubos denominados geomecânicos, a fim de evitar a entrada de água indesejável e não permitir o desmoronamento de camadas instáveis de terreno que foram atravessados, e de tubos com filtros por onde flui a água. Poço tubular profundo cuja pressão da água não é suficiente para a sua subida à superfície, necessitando instalação de equipamento no interior do poço para efetuar o bombeamento da água, é chamado de semiartesiano.

19 6ª ATIVIDADE Minicurso Em parceria com a Secretaria Municipal do Meio Ambiente de Paranavaí, será ofertado aos alunos participantes do projeto, um minicurso sobre a construção de poços artesianos, com enfoque em poço tubular profundo. O objetivo é prepará-los para que repassem aos moradores do Ribeirão Surucuá. No minicurso receberão informações sobre: Normas para cavar o poço; Dimensionamento do projeto de poço tubular profundo; Onde Instalar o poço; O que determina a profundidade de um poço; Métodos de perfuração; Manutenção do poço. Fonte: Scielo.br

20 7ª ATIVIDADE LEGALIZAÇÃO DE POÇOS ARTESIANOS Conforme a Lei Federal nº 9433/89 e Lei Estadual 12743/89, todos os usuários de recursos hídricos no Paraná devem solicitar autorização para a utilização da água. Nessa atividade, os alunos conhecerão os formulários necessários e como preenchê-los, para na sequência, auxiliarem os moradores do Ribeirão Surucuá, regulamentarem seus poços.

21

22

23

24 ATIVIDADE FINAL CARTILHA EDUCATIVA Enfim, depois do levantamento de todos os dados e informações será elaborado pelos alunos uma cartilha educativa do passo a passo da perfuração de um poço artesiano. Essa cartilha será entregue aos moradores do Ribeirão Surucuá e ficará disponível na Biblioteca do Colégio Marins Alves de Camargo, como fonte de pesquisa aos novos alunos que ingressarem no Curso Técnico de Meio Ambiente. A Cartilha será elaborada de acordo com a ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas. AVALIAÇÃO A avaliação será feita em todos os momentos das atividades propostas, sendo considerado a participação e o envolvimento dos alunos nos debates e na realização das atividades solicitadas. Dessa forma, o processo avaliativo ocorrerá a partir da participação e produção dos alunos.

25 REFERÊNCIAS AB SABER, A. N. (Re) conceituando Educação Ambiental. RJ: CNPq, MAST, DIAS, G. F. Educação Ambiental Princípios e Práticas, São Paulo. Global, Disponível em: Acesso em janeiro de ABÍLIO, Francisco José Pegado. Ética, Cidadania e Educação Ambiental. In: Andrade, Maristela Oliveira Meio Ambiente e Desenvolvimento: bases para uma formação interdisciplinar. João Pessoa PB: Editora Universitária da UFPB, ABNT. Associação Brasileira de Normas Técnicas. NBR 10004:2004. Recursos Hídricos. Rio de Janeiro: BEZERRA, M.L. Desenvolvimento Urbano Sustentável Disponível em: Acesso em dezembro de BRASIL. Lei nº 9795/99, Dispõe sobre a educação ambiental no Brasil. CARVALHO, Isabel Cristina de Moura. Educação ambiental e formação de sujeito ecológico, São Paulo: Ed. Cortez, CALHEIROS,Rinaldo de Oliveiara, TABAI, Fernando César Vitti, BOSQUILIA, Sebastão Vainer, CALAMARI,Márcia. Preservação e Recuperação das Nascentes, (de água e de vida). 5ª ed CLEARY, Robert W. Águas Subterrâneas. São Paulo, GADOTTI, R. F. Avaliação da contaminação das águas superficiais e subterrâneas adjacente com o lixo da cidade de São Carlos. Dissertação de mestrado. USP. São Paulo: GUIMARÃES, M. A Dimensão Ambiental na Educação. Campinas: Papirus, IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística Disponível em: Acesso em dezembro de MEIRELLES, H.L. Direito Municipal Brasileiro. 8ª ed. São Paulo: Malheiros, 1996; PIRACICABA, Comitê das Bacias Hidrográficas dos Rios Piracicaba, Capivari e Jundiaí. Preservação e Recuperação das Nascentes (de água e de vida), 1ª ed.piracicaba SP, Brasil -junho/2.004 SOUSA, N. J. Desenvolvimento econômico. 5. ed. São Paulo: Atlas, CLEARY, Robert W. Águas Subterrâneas. São Paulo, 1989 TUNDISI, Jose Galizia, TUNDISI,Takako Matsumura. A Água. 2ª ed Ministério do Meio Ambiente - MMA, Programa de Águas Subterrâneas. Águas Subterrâneas. Brasília DF 2001.

DEGRADAÇÃO AMBIENTAL DO RIO GAVIÃO

DEGRADAÇÃO AMBIENTAL DO RIO GAVIÃO DEGRADAÇÃO AMBIENTAL DO RIO GAVIÃO Marilia de Jesus Oliveira (*), Eriswagner Matos Soares, Bethania de Sousa Pires, Vanessa Carvalho de Oliveira * Instituto Federal da Bahia, Campus de Vitória da Conquista,

Leia mais

APA Itupararanga é tema de palestra na ETEC/São Roque

APA Itupararanga é tema de palestra na ETEC/São Roque APA Itupararanga é tema de palestra na ETEC/São Roque A APA Área de Proteção Ambiental de Itupararanga foi tema da palestra de abertura da Semana Paulo Freire, promovida pela ETEC - São Roque. O evento

Leia mais

LEI Nº 11.427 DE 17 DE JANEIRO DE 1997

LEI Nº 11.427 DE 17 DE JANEIRO DE 1997 LEI Nº 11.427 DE 17 DE JANEIRO DE 1997 Dispõe sobre a conservação e a proteção das águas subterrâneas no Estado de Pernambuco e dá outras providências Capítulo I - Da conservação e proteção das águas subterrâneas

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2015. (Do Sr. Fausto Pinato)

PROJETO DE LEI Nº, DE 2015. (Do Sr. Fausto Pinato) PROJETO DE LEI Nº, DE 2015. (Do Sr. Fausto Pinato) Dispõe sobre a recuperação e conservação de mananciais por empresas nacionais ou estrangeiras especializadas em recursos hídricos ou que oferecem serviços

Leia mais

Encontro Gestão Eficiente de Água e Energia

Encontro Gestão Eficiente de Água e Energia Encontro Gestão Eficiente de Água e Energia 26 de novembro de 2015 10h às 17h30 Sistema FIRJAN Rio de Janeiro Outorga e Cobrança de Recursos Hídricos Cátia Siqueira - INEA Encontro Gestão Eficiente de

Leia mais

Projeto de Revitalização da Microbacia do Rio Abóboras Bacia Hidrográfica São Lamberto

Projeto de Revitalização da Microbacia do Rio Abóboras Bacia Hidrográfica São Lamberto Projeto de Revitalização da Microbacia do Rio Abóboras Bacia Hidrográfica São Lamberto Autores: Emílio Rodrigues Versiani Junior 1 Geraldo Aristides Rabelo Nuzzi Andréa Rodrigues Fróes Resumo O Projeto

Leia mais

Bairro Colégio é o sexto núcleo a participar da Capacitação

Bairro Colégio é o sexto núcleo a participar da Capacitação Bairro Colégio é o sexto núcleo a participar da Capacitação As oficinas do programa de Capacitação de Produtores Rurais de Ibiúna, projeto da SOS Itupararanga, chegaram ao Bairro Colégio. O objetivo é

Leia mais

CAPÍTULO 12 USO ESCOLAR DO SENSORIAMENTO REMOTO COMO RECURSO DIDÁTICO PEDAGÓGICO NO ESTUDO DO MEIO AMBIENTE

CAPÍTULO 12 USO ESCOLAR DO SENSORIAMENTO REMOTO COMO RECURSO DIDÁTICO PEDAGÓGICO NO ESTUDO DO MEIO AMBIENTE INPE-8984-PUD/62 CAPÍTULO 12 USO ESCOLAR DO SENSORIAMENTO REMOTO COMO RECURSO DIDÁTICO PEDAGÓGICO NO ESTUDO DO MEIO AMBIENTE Vânia Maria Nunes dos Santos INPE São José dos Campos 2002 C A P Í T U L O 12

Leia mais

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores O CURSO DE EXTENSÃO DA UNIRIO EDUCAÇÃO INFANTIL: ARTE, CORPO E NATUREZA : RELATO DE EXPERIÊNCIA.

Leia mais

CÂMARA LEGISLATIVA DO DISTRITO FEDERAL GABINETE DO DEPUTADO RODRIGO DELMASSO. PROJETO DE LEI Nº 174/2015 (Do Senhor Deputado RODRIGO DELMASSO - PTN)

CÂMARA LEGISLATIVA DO DISTRITO FEDERAL GABINETE DO DEPUTADO RODRIGO DELMASSO. PROJETO DE LEI Nº 174/2015 (Do Senhor Deputado RODRIGO DELMASSO - PTN) PROJETO DE LEI Nº 174/2015 (Do Senhor Deputado RODRIGO DELMASSO - PTN) Dispõe sobre a criação do Sistema de Identificação, Cadastramento e Preservação de Nascentes de Água no Distrito Federal e dá outras

Leia mais

Mostra de Projetos 2011

Mostra de Projetos 2011 Mostra de Projetos 2011 Instalação de Estações de Tratamento de Esgotos por Zona de Raízes em Estabelecimentos Agrícolas Familiares na Bacia Hidrográfica Rio Mourão Mostra Local de: Campo Mourão Categoria

Leia mais

LEI ORDINÁRIA Nº 5.813 DE 3 DE DEZEMBRO DE 2008

LEI ORDINÁRIA Nº 5.813 DE 3 DE DEZEMBRO DE 2008 1 de 5 24/05/2010 13:31 LEI ORDINÁRIA Nº 5.813 DE 3 DE DEZEMBRO DE 2008 Cria o ICMS ecológico para beneficiar municípios que se destaquem na proteção ao meio ambiente e dá outras providências. (*) O GOVERNADOR

Leia mais

GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS - A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO PROCESSO DE IMPLANTAÇÃO DA COLETA SELETIVA DE LIXO O CASO DE IJUÍ/RS 1

GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS - A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO PROCESSO DE IMPLANTAÇÃO DA COLETA SELETIVA DE LIXO O CASO DE IJUÍ/RS 1 GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS - A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO PROCESSO DE IMPLANTAÇÃO DA COLETA SELETIVA DE LIXO O CASO DE IJUÍ/RS 1 Juliana Carla Persich 2, Sérgio Luís Allebrandt 3. 1 Estudo

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA PARCELAMENTO DE SOLO: CODRAM 3414,40; CODRAM 3414,50; CODRAM 3414,60; CODRAM 3414,70; CODRAM 3415,10

TERMO DE REFERÊNCIA PARA PARCELAMENTO DE SOLO: CODRAM 3414,40; CODRAM 3414,50; CODRAM 3414,60; CODRAM 3414,70; CODRAM 3415,10 TERMO DE REFERÊNCIA PARA PARCELAMENTO DE SOLO: CODRAM 3414,40; CODRAM 3414,50; CODRAM 3414,60; CODRAM 3414,70; CODRAM 3415,10 O processo administrativo para aprovação e licenciamento de parcelamentos de

Leia mais

PROJETO DE LEI N O, DE 2015

PROJETO DE LEI N O, DE 2015 PROJETO DE LEI N O, DE 2015 (Do Sr. Ronaldo Carletto) Cria o Fundo Nacional de Recuperação de Nascentes de Rios (FUNAREN), define os recursos para seu financiamento e estabelece os critérios para sua utilização.

Leia mais

PRÁTICAS DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL EM ESCOLAS MUNICIPAIS VINCULADAS A UM PROJETO DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA, SANTARÉM, PA.

PRÁTICAS DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL EM ESCOLAS MUNICIPAIS VINCULADAS A UM PROJETO DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA, SANTARÉM, PA. Porto Alegre/RS 23 a 26/11/2015 PRÁTICAS DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL EM ESCOLAS MUNICIPAIS VINCULADAS A UM PROJETO DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA, SANTARÉM, PA. Samira da Costa Bechara (1) Graduanda em Engenharia

Leia mais

APPA Associação de Proteção e Preservação Ambiental de Araras A natureza, quando agredida, não se defende; porém,ela se vinga.

APPA Associação de Proteção e Preservação Ambiental de Araras A natureza, quando agredida, não se defende; porém,ela se vinga. O desmatamento, ao longo dos anos, no município de Araras, contribuiu para a redução no suprimento de água potável, devido à formação geológica local, que resulta nos aqüíferos do grupo Passa Dois e Basalto

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA ESCOLA PARA A FORMAÇÃO DO CIDADÃO

A IMPORTÂNCIA DA ESCOLA PARA A FORMAÇÃO DO CIDADÃO A IMPORTÂNCIA DA ESCOLA PARA A FORMAÇÃO DO CIDADÃO MENDES, C. A, IFMG - Campus Ouro Preto, c.arcanjomendes@gmail.com; CÂNDIDO, T. F, IFMG - Campus Ouro Preto, thiagoferreira750@yahoo.com.br; SILVA, C.

Leia mais

USO DE GEOPROCESSAMENTO NA DELIMITAÇÃO DE CONFLITOS DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO NA ÁREA DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DO RIO VERÊ, MUNICÍPIO DE VERÊ PR.

USO DE GEOPROCESSAMENTO NA DELIMITAÇÃO DE CONFLITOS DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO NA ÁREA DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DO RIO VERÊ, MUNICÍPIO DE VERÊ PR. USO DE GEOPROCESSAMENTO NA DELIMITAÇÃO DE CONFLITOS DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO NA ÁREA DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DO RIO VERÊ, MUNICÍPIO DE VERÊ PR. Ivan Rodrigo Dal-Berti, Marcio Pigosso, Wanessa Suelen

Leia mais

CONSELHO ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE DO AMAZONAS

CONSELHO ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE DO AMAZONAS RESOLUÇÃO/CEMAAM/Nº01/08 Estabelece normas e procedimentos para regularização ambiental de TANQUES, VIVEIROS, BARRAGENS, PEQUENOS RESERVATÓRIOS, CANAIS DE IGARAPÉS E TANQUES REDE DESTINADOS PARA A AQÜICULTURA

Leia mais

Novo Hamburgo, Abril de 2011. Geóloga Luciana Schneider CREA/RS 148952

Novo Hamburgo, Abril de 2011. Geóloga Luciana Schneider CREA/RS 148952 Novo Hamburgo, Abril de 2011 Geóloga Luciana Schneider CREA/RS 148952 OBJETIVOS Conhecimento na área de perfuração de poços tubulares e licenças necessárias para a execução dos trabalhos na área; Apresentação

Leia mais

DIMENSIONAMENTO E LAYOUT DE MICRO E PEQUENAS INDÚSTRIAS DE ALIMENTOS

DIMENSIONAMENTO E LAYOUT DE MICRO E PEQUENAS INDÚSTRIAS DE ALIMENTOS DIMENSIONAMENTO E LAYOUT DE MICRO E PEQUENAS INDÚSTRIAS DE ALIMENTOS COSTA FILHO, UFPB, Professor Orientador, Aluisio, Aluisio@ct.ufpb.br. NEVES, UFPB, Discente bolsista, Ana Marília Andrade, contato@anamarilia.com.br.

Leia mais

Abertura de poços fora de normas técnicas não resolve problema do desabastecimento.

Abertura de poços fora de normas técnicas não resolve problema do desabastecimento. Abertura de poços fora de normas técnicas não resolve problema do desabastecimento. Entrevista com Reginaldo Bertolo A crise de abastecimento de água vivida pela cidade de São Paulo trouxe à tona, mais

Leia mais

DIAGNÓSTICO DA APP DO BAIRRO BEIJA FLOR II

DIAGNÓSTICO DA APP DO BAIRRO BEIJA FLOR II DIAGNÓSTICO DA APP DO BAIRRO BEIJA FLOR II SOUSA, K.C. 1 ; SOUSA, K.C. 2 ; OLIVEIRA, A.C. 3 ; NETO, A.T. 4 1 Estudante 4 período de Engenharia Ambiental - Universidade de Uberaba; 2 Estudante 4 período

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE MEDIDAS SÓCIOEDUCATIVAS PARA CONSCIENTIZAÇÃO AMBIENTAL E SUSTENTÁVEL NA CIDADE DE SOLEDADE-PB

DESENVOLVIMENTO DE MEDIDAS SÓCIOEDUCATIVAS PARA CONSCIENTIZAÇÃO AMBIENTAL E SUSTENTÁVEL NA CIDADE DE SOLEDADE-PB DESENVOLVIMENTO DE MEDIDAS SÓCIOEDUCATIVAS PARA CONSCIENTIZAÇÃO AMBIENTAL E SUSTENTÁVEL NA CIDADE DE SOLEDADE-PB Luan Gabriel Xavier de Souza 1 ; Gustavo Luiz Araújo Souto Batista; Marcia Ramos Luiz ;

Leia mais

Os impactos ambientais de maior incidência no país

Os impactos ambientais de maior incidência no país Os impactos ambientais de maior incidência no país Segundo a Pesquisa de Informações Básicas Municipais Perfil dos Municípios Brasileiros/MUNIC 2008, realizada regularmente pelo Instituto Brasileiro de

Leia mais

CONCEITOS DOS FUNCIONÁRIOS DA UNIOESTE (REITORIA) SOBRE RESÍDUOS SÓLIDOS NO DESENVOLVIMENTO DE UM TRABALHO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL

CONCEITOS DOS FUNCIONÁRIOS DA UNIOESTE (REITORIA) SOBRE RESÍDUOS SÓLIDOS NO DESENVOLVIMENTO DE UM TRABALHO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL CONCEITOS DOS FUNCIONÁRIOS DA UNIOESTE (REITORIA) SOBRE RESÍDUOS SÓLIDOS NO DESENVOLVIMENTO DE UM TRABALHO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL 1 SILVA, Fabíola Barbosa B; 1 CARNIATTO, Irene; 1 PILOTTO, Anyele Liann;

Leia mais

PROGRAMA DE BOLSA ACADÊMICA DE EXTENSÃO PBAEX / EDIÇÃO 2016 CAMPUS BOA VISTA/ CENTRO ANEXO III

PROGRAMA DE BOLSA ACADÊMICA DE EXTENSÃO PBAEX / EDIÇÃO 2016 CAMPUS BOA VISTA/ CENTRO ANEXO III PROGRAMA DE BOLSA ACADÊMICA DE ETENSÃO PBAE / EDIÇÃO 2016 CAMPUS BOA VISTA/ CENTRO ANEO III FORMULÁRIO DA VERSÃO ELETRÔNICA DO PROJETO / DA ATIVIDADE DE ETENSÃO PBAE 2016 01. Título do Projeto (Re) Educação

Leia mais

9.3 Descrição das ações nos Sistemas de Abastecimento de Água e Esgotamento Sanitário

9.3 Descrição das ações nos Sistemas de Abastecimento de Água e Esgotamento Sanitário 171 9.3 Descrição das ações nos Sistemas de Abastecimento de Água e Esgotamento Sanitário Com a finalidade de alcançar os objetivos e metas estabelecidas no PMSB de Rio Pardo sugerem-se algumas ações,

Leia mais

Inclusão Social pelo Projeto de Educação: Saneamento Básico

Inclusão Social pelo Projeto de Educação: Saneamento Básico PREMIO NACIONAL DE QUALIDADE EM SANEAMENTO PNQS 2011 INOVAÇÃO DA GESTÃO EM SANEAMENTO - IGS Inclusão Social pelo Projeto de Educação: Saneamento Básico SETEMBRO/2011 A. OPORTUNIDADE A.1 Qual foi a oportunidade

Leia mais

ÁREA DO MEIO AMBIENTE E HABITAÇÃO E URBANISMO

ÁREA DO MEIO AMBIENTE E HABITAÇÃO E URBANISMO PLANO GERAL DE ATUAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE SÃO PAULO PARA O ANO DE 2008 ÁREA DO MEIO AMBIENTE E HABITAÇÃO E URBANISMO Controle e uso do solo urbano e rural: parcelamento irregular/clandestino

Leia mais

Pesquisa Pantanal. Job: 13/0528

Pesquisa Pantanal. Job: 13/0528 Pesquisa Pantanal Job: 13/0528 Objetivo, metodologia e amostra Com objetivo de mensurar o conhecimento da população sobre o Pantanal, o WWF solicitou ao Ibope um estudo nacional para subsidiar as iniciativas

Leia mais

Centro de Pesquisas de Águas Subterrâneas Instituto de Geociências USP

Centro de Pesquisas de Águas Subterrâneas Instituto de Geociências USP Centro de Pesquisas de Águas Subterrâneas Instituto de Geociências USP Situação das Reservas e Utilização das Águas Subterrâneas na Região Metropolitana de São Paulo Autores : Reginaldo Bertolo; Ricardo

Leia mais

I) O que é o Ato Declaratório 3. II) Dúvidas Comuns sobre o Ato Declaratório 4. III) Portaria Portaria DAEE 1800, de 27 de junho de 2013 (DOE) 7

I) O que é o Ato Declaratório 3. II) Dúvidas Comuns sobre o Ato Declaratório 4. III) Portaria Portaria DAEE 1800, de 27 de junho de 2013 (DOE) 7 I N D I C E Tópicos Pagina I) O que é o Ato Declaratório 3 II) Dúvidas Comuns sobre o Ato Declaratório 4 III) Portaria Portaria DAEE 1800, de 27 de junho de 2013 (DOE) 7 IV) Sistema do Ato Declaratório

Leia mais

Avaliação do plano de gerenciamento dos RCC em Santa Maria.

Avaliação do plano de gerenciamento dos RCC em Santa Maria. Avaliação do plano de gerenciamento dos RCC em Santa Maria. Resumo Mirdes Fabiana Hengen 1 1 Centro Universitário Franciscano (mirdes_hengen@yahoo.com.br) Com a Resolução nº 307, de 05 de Julho de 2002,

Leia mais

Estado do Rio de Janeiro. Secretaria Municipal de Planejamento Urbano

Estado do Rio de Janeiro. Secretaria Municipal de Planejamento Urbano UMA BARRA MANSA: DUAS CIDADES A CIDADE FORMAL: Regularizada, com infraestrutura completa, usufruindo do melhor que a comunidade pode ter em comércio, serviços, cultura e lazer. É a parte da cidade que

Leia mais

Subsecretaria de Captação de Recursos SUCAP/SEPLAN Secretaria de Planejamento e Orçamento do Distrito Federal SEPLAN Governo do Distrito Federal

Subsecretaria de Captação de Recursos SUCAP/SEPLAN Secretaria de Planejamento e Orçamento do Distrito Federal SEPLAN Governo do Distrito Federal Subsecretaria de Captação de Recursos SUCAP/SEPLAN Secretaria de Planejamento e Orçamento do Distrito Federal SEPLAN Governo do Distrito Federal TERMO DE REFERÊNCIA À SECRETARIA DE ASSUNTOS INTERNACIONAIS

Leia mais

Aula 4 O PROJETO DE PESQUISA. Gláucia da Conceição Lima Glauber Santana de Sousa

Aula 4 O PROJETO DE PESQUISA. Gláucia da Conceição Lima Glauber Santana de Sousa Aula 4 O PROJETO DE PESQUISA META Apresentar as etapas de elaboração de um projeto de pesquisa. OBJETIVOS Ao final desta aula, o aluno deverá: defi nir projeto de pesquisa; identifi car a importância da

Leia mais

GEOGRAFIA-2009. Com base nas informações do texto, na análise do mapa e nos conhecimentos sobre os elementos e fatores geográficos do clima,

GEOGRAFIA-2009. Com base nas informações do texto, na análise do mapa e nos conhecimentos sobre os elementos e fatores geográficos do clima, UFBA UFBA- -2ª2ªFASE FASE 2009 2009-2009 01. A variação climática na superfície terrestre está diretamente ligada à localização de cada região nas diversas latitudes, sendo, portanto, resultante do comportamento

Leia mais

Programa Ambiental: 1º Ciclo de Palestras Uso sustentável dos recursos naturais

Programa Ambiental: 1º Ciclo de Palestras Uso sustentável dos recursos naturais EXTENSO 2013 Eje 4: Ambiente, Educación Ambiental y Desarrollo Programa Ambiental: 1º Ciclo de Palestras Uso sustentável dos recursos naturais Letícia Fernanda Assis¹; Márcio Viera²; Juliana Ferrari³;

Leia mais

SEQUÊNCIA DIDÁTICA UMA PROPOSTA PEDAGÓGICA PARA O ENSINO DE GEOGRAFIA 1

SEQUÊNCIA DIDÁTICA UMA PROPOSTA PEDAGÓGICA PARA O ENSINO DE GEOGRAFIA 1 SEQUÊNCIA DIDÁTICA UMA PROPOSTA PEDAGÓGICA PARA O ENSINO DE GEOGRAFIA 1 QUEIROZ, Antônia Márcia Duarte Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Sul de Minas Gerais- IFSULDEMINAS Universidade

Leia mais

PRIMEIROS ANOS. GEOGRAFIA CONTEÚDO P2 2º TRI Água: superficiais, oceânicas e usos. Profº André Tomasini

PRIMEIROS ANOS. GEOGRAFIA CONTEÚDO P2 2º TRI Água: superficiais, oceânicas e usos. Profº André Tomasini PRIMEIROS ANOS GEOGRAFIA CONTEÚDO P2 2º TRI Água: superficiais, oceânicas e usos. Profº André Tomasini ÁGUAS CONTINENTAIS Os oceanos e mares cobrem 2/3 da superfície do planeta. Águas Oceânicas : Abrange

Leia mais

BANDEIRAS EUROPÉIAS: CORES E SÍMBOLOS (PORTUGAL)

BANDEIRAS EUROPÉIAS: CORES E SÍMBOLOS (PORTUGAL) BANDEIRAS EUROPÉIAS: CORES E SÍMBOLOS (PORTUGAL) Resumo A série apresenta a formação dos Estados europeus por meio da simbologia das cores de suas bandeiras. Uniões e cisões políticas ocorridas ao longo

Leia mais

Karyna D Onofre Neves Universidade Federal de São Carlos UFSCar, Bacharelado em Gestão e Análise Ambiental Wagner Sousa, Marcilene Dantas Ferreira

Karyna D Onofre Neves Universidade Federal de São Carlos UFSCar, Bacharelado em Gestão e Análise Ambiental Wagner Sousa, Marcilene Dantas Ferreira Goiânia/GO 19 a 22/11/2012 PERCEPÇÃO AMBIENTAL NA MICRO BACIA DO CÓRREGO DA ÁGUA QUENTE, SÃO CARLOS SP: ÁREAS DEGRADADAS COMO FATORES DE INFLUÊNCIA NA QUALIDADE DE VIDA DA POPULAÇÃO Karyna D Onofre Neves

Leia mais

O Estado de São Paulo dispõe do Programa Estadual de Regularização de Núcleos Habitacionais - Cidade Legal, doravante denominado de Cidade Legal.

O Estado de São Paulo dispõe do Programa Estadual de Regularização de Núcleos Habitacionais - Cidade Legal, doravante denominado de Cidade Legal. O Estado de São Paulo dispõe do Programa Estadual de Regularização de Núcleos Habitacionais - Cidade Legal, doravante denominado de Cidade Legal. Em resumo, o programa fornece, mediante convênio de cooperação

Leia mais

Água, fonte de vida. Aula 6 A conexão das águas. Rio 2016 Versão 1.0

Água, fonte de vida. Aula 6 A conexão das águas. Rio 2016 Versão 1.0 Água, fonte de vida Aula 6 A conexão das águas Rio 2016 Versão 1.0 Objetivos 1 Conhecer o conceito de bacia hidrográfica 2 Identificar as bacias hidrográficas brasileiras e como acontece a gestão das suas

Leia mais

PROJETO RIO MAMANGUAPE CAPACITA SUJEITOS SOCIAIS RESPONSÁVEIS PELO MANUSEIO DA ÁGUA EM SUA ÁREA DE ABRANGÊNCIA¹

PROJETO RIO MAMANGUAPE CAPACITA SUJEITOS SOCIAIS RESPONSÁVEIS PELO MANUSEIO DA ÁGUA EM SUA ÁREA DE ABRANGÊNCIA¹ PROJETO RIO MAMANGUAPE CAPACITA SUJEITOS SOCIAIS RESPONSÁVEIS PELO MANUSEIO DA ÁGUA EM SUA ÁREA DE ABRANGÊNCIA¹ ARAÚJO, Maria Zélia. Técnica - Coordenadora da área de Educação Ambiental/COOPACNE/professora

Leia mais

O Conhecimento do seu Lugar: Arroio Mem de Sá e o bairro Bom Jesus

O Conhecimento do seu Lugar: Arroio Mem de Sá e o bairro Bom Jesus O Conhecimento do seu Lugar: Arroio Mem de Sá e o bairro Bom Jesus Susane Hübner Alves¹ Marco Antonio Mello² Suzi Maria Petró³ A educação sozinha não faz mudanças, mas nenhuma grande mudança se faz sem

Leia mais

AUTORES: TELES, Maria do Socorro Lopes (1); SOUSA, Claire Anne Viana (2)

AUTORES: TELES, Maria do Socorro Lopes (1); SOUSA, Claire Anne Viana (2) Saneamento Ambiental na periferia da cidade de Santana do Cariri/CE Brasil AUTORES: TELES, Maria do Socorro Lopes (1); SOUSA, Claire Anne Viana (2) INSTITUIÇÃO(ÕES): (1) Universidade Regional do Cariri

Leia mais

REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL

REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL Aprovado pela Resolução CONSUNI nº 44/15, de 09/12/2015. CAPÍTULO I AS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º O presente Regulamento

Leia mais

CARTILHA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL

CARTILHA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL CARTILHA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL Realização PREFEITURA MUNICIPAL DE BAURU SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE DEPARTAMENTO DE AÇÕES E RECURSOS AMBIENTAIS Bauru, maio 2007. SUMÁRIO 01 - OBJETIVO 02 O QUE É O

Leia mais

ÍNDICE 30. PROGRAMA DE APOIO ÀS AÇÕES DE VIGILÂNCIA DA QUALIDADE DA ÁGUA PARA O CONSUMO HUMANO... 2. 30.1. Introdução... 2. 30.2. Justificativa...

ÍNDICE 30. PROGRAMA DE APOIO ÀS AÇÕES DE VIGILÂNCIA DA QUALIDADE DA ÁGUA PARA O CONSUMO HUMANO... 2. 30.1. Introdução... 2. 30.2. Justificativa... ÍNDICE 30. PARA O CONSUMO HUMANO... 2 30.1. Introdução... 2 30.2. Justificativa... 3 30.3. Objetivos do Programa... 4 30.4. Metas... 4 30.5. Indicadores Ambientais... 4 30.6. Público-Alvo... 5 30.7. Metodologia

Leia mais

REQUISITOS PARA SOLICITAR OUTORGA OU RENOVAÇÃO DE OUTORGA DO DIREITO DE USO DOS RECURSOS HÍDRICOS

REQUISITOS PARA SOLICITAR OUTORGA OU RENOVAÇÃO DE OUTORGA DO DIREITO DE USO DOS RECURSOS HÍDRICOS REQUISITOS PARA SOLICITAR OUTORGA OU RENOVAÇÃO DE OUTORGA DO DIREITO DE USO DOS RECURSOS HÍDRICOS A) - QUANDO O CORPO HÍDRICO FOR UM AQUÍFERO (ÁGUA SUBTERRÂNEA/POÇO) 01 - Para todos os usos apresentar:

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO DE GOIÁS

MINISTÉRIO PÚBLICO DE GOIÁS MINISTÉRIO PÚBLICO DE GOIÁS SUPERINTENDÊNCIA DE INFORMÁTICA DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA E ADMINISTRAÇÃO DE DADOS GEOPROCESSAMENTO PERGUNTAS E RESPOSTAS AGOSTO 2009 1. O QUE É GEOPROCESSAMENTO? Geoprocessamento

Leia mais

SUELI YOSHINAGA * LUCIANA MARTIN RODRIGUES FERREIRA ** GERALDO HIDEO ODA* REGINALDO ANTONIO BERTOLO *** MARA AKIE IRITANI* SEIJU HASSUDA*

SUELI YOSHINAGA * LUCIANA MARTIN RODRIGUES FERREIRA ** GERALDO HIDEO ODA* REGINALDO ANTONIO BERTOLO *** MARA AKIE IRITANI* SEIJU HASSUDA* CARTA ORIENTATIVA AO USUÁRIO DA ÁGUA SUBTERRÂNEA: UMA PROPOSTA DE REPRESENTAÇÃO CARTOGRÁFICA DE ESTUDOS HIDROGEOLÓGICOS PARA O PLANEJAMENTO TERRITORIAL - REGIÃO METROPOLITANA DE CAMPINAS, SÃO PAULO, BRASIL.

Leia mais

ANTEPROJETO DE DECRETO (OU LEI) (A ser Publicado no Diário Oficial do Município/Estado)

ANTEPROJETO DE DECRETO (OU LEI) (A ser Publicado no Diário Oficial do Município/Estado) ANTEPROJETO DE DECRETO (OU LEI) (A ser Publicado no Diário Oficial do Município/Estado) Considerando: 1) A importância dos mananciais e nascentes do Município para o equilíbrio e a qualidade ambiental,

Leia mais

Aula 4 - Captação de água de superfície (Parte I) 4.1 - Introdução. O tratamento da água começa na sua captação

Aula 4 - Captação de água de superfície (Parte I) 4.1 - Introdução. O tratamento da água começa na sua captação Sistemas de Água I - Aula 4 - Captação de água de superfície (Parte I) 22/10/2013 2 Aula 4 - Captação de água de superfície (Parte I) 4.1 - Introdução O tratamento da água começa na sua captação A parte

Leia mais

Plano de Educação Ambiental. 2º Biênio 2014/2016

Plano de Educação Ambiental. 2º Biênio 2014/2016 Plano de Educação Ambiental 2º Biênio 2014/2016 PROJETO JUNTOS PELO AMBIENTE Ações: Levantamento ambiental das áreas a atuar dos municípios envolvidos; Análise e discussão de resultados para os municípios

Leia mais

NECESSIDADES HABITACIONAIS EM SÃO LOURENÇO DO OESTE: PMHIS COMO INSTRUMENTO DE TRANSFORMAÇÃO

NECESSIDADES HABITACIONAIS EM SÃO LOURENÇO DO OESTE: PMHIS COMO INSTRUMENTO DE TRANSFORMAÇÃO NECESSIDADES HABITACIONAIS EM SÃO LOURENÇO DO OESTE: PMHIS COMO INSTRUMENTO DE TRANSFORMAÇÃO Giane Roberta Jansen Paula Batistello Docente, Mestre em Engenharia Ambiental, Curso de Arquitetura e Urbanismo

Leia mais

CLÁUSULA SEGUNDA Este contrato entrará em vigor por prazo indeterminado após sua publicação e registro em Ofício de Notas competente.

CLÁUSULA SEGUNDA Este contrato entrará em vigor por prazo indeterminado após sua publicação e registro em Ofício de Notas competente. Pelo presente instrumento particular, a COMPANHIA DE ÁGUAS E ESGOTOS DO RIO GRANDE DO NORTE (CAERN), inscrita no CNPJ n.º 08.334.385/0001-35, com sede na Avenida Sen. Salgado Filho, n 1555, bairro Tirol,

Leia mais

Eixo Temático ET-13-015 - Educação Ambiental UM ESTUDO SOBRE POÇOS ARTESIANOS EM SANTA CRUZ DO CAPIBARIBE-PE

Eixo Temático ET-13-015 - Educação Ambiental UM ESTUDO SOBRE POÇOS ARTESIANOS EM SANTA CRUZ DO CAPIBARIBE-PE 531 Eixo Temático ET-13-015 - Educação Ambiental UM ESTUDO SOBRE POÇOS ARTESIANOS EM SANTA CRUZ DO CAPIBARIBE-PE Valdiana Maria Gonçalves Araujo¹; Viviane Suzy de Oliveira Pereira²; Débora Caroline Ferreira

Leia mais

Recursos Naturais e Biodiversidade

Recursos Naturais e Biodiversidade 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 32 33 34 35 36 37 38 39 Florestas Gestão dos Recursos Hídricos Qualidade e Ocupação do Solo Proteção da Atmosfera e Qualidade

Leia mais

TÍTULO: Avaliação da Qualidade da Água de Poços Artesianos na Sede do Município de Itapipoca

TÍTULO: Avaliação da Qualidade da Água de Poços Artesianos na Sede do Município de Itapipoca TÍTULO: Avaliação da Qualidade da Água de Poços Artesianos na Sede do Município de Itapipoca Autores: OLIVEIRA, Bruno Peixoto de ; MESQUITA, Charles Jefferson Ferreira; SOUZA, Petronio Augusto Simão. Curso

Leia mais

VIABILIDADE DE REUTILIZAÇÃO DE ÁGUA PARA VASOS SANITÁRIOS.

VIABILIDADE DE REUTILIZAÇÃO DE ÁGUA PARA VASOS SANITÁRIOS. VIABILIDADE DE REUTILIZAÇÃO DE ÁGUA PARA VASOS SANITÁRIOS. MARCOS B. REZENDE MOTA 1 ; MARINA DASTRE MANZANARES 1 ; RAFAEL AUGUSTO LIMA SILVA 1 1 Curso de Graduação - Faculdade de Engenharia Mecânica/UNICAMP

Leia mais

A água nossa de cada dia

A água nossa de cada dia A água nossa de cada dia Marco Antonio Ferreira Gomes* Foto: Eliana Lima Considerações gerais A água é o constituinte mais característico e peculiar do Planeta Terra. Ingrediente essencial à vida, a água

Leia mais

DESMATAMENTO DA MATA CILIAR DO RIO SANTO ESTEVÃO EM WANDERLÂNDIA-TO

DESMATAMENTO DA MATA CILIAR DO RIO SANTO ESTEVÃO EM WANDERLÂNDIA-TO DESMATAMENTO DA MATA CILIAR DO RIO SANTO ESTEVÃO EM WANDERLÂNDIA-TO Trabalho de pesquisa em andamento Sidinei Esteves de Oliveira de Jesus Universidade Federal do Tocantins pissarra1@yahoo.com.br INTRODUÇÃO

Leia mais

REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA DE ÁREAS PÚBLICAS. Cartilha de orientação sobre o Programa de Regularização Urbanística e Fundiária

REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA DE ÁREAS PÚBLICAS. Cartilha de orientação sobre o Programa de Regularização Urbanística e Fundiária REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA DE ÁREAS PÚBLICAS Cartilha de orientação sobre o Programa de Regularização Urbanística e Fundiária APRESENTAÇÃO Esta Cartilha foi desenvolvida como suporte ao trabalho da Prefeitura

Leia mais

INVESTIGAÇÃO DA RELAÇÃO ENTRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL NA VISÃO DOS TRABALHADORES DO ATERRO SANITÁRIO DE AGUAZINHA

INVESTIGAÇÃO DA RELAÇÃO ENTRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL NA VISÃO DOS TRABALHADORES DO ATERRO SANITÁRIO DE AGUAZINHA INVESTIGAÇÃO DA RELAÇÃO ENTRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL NA VISÃO DOS TRABALHADORES DO ATERRO SANITÁRIO DE AGUAZINHA RODRIGUES, Ângela, Cristina, Lins; SILVA, Isabel, Gomes da; CUNHA,

Leia mais

ANÁLISE DO CONHECIMENTO DOS MORADORES DE SÃO VICENTE SOBRE A CASA MARTIM AFONSO EDRIA ESTEVES FREIRE 1

ANÁLISE DO CONHECIMENTO DOS MORADORES DE SÃO VICENTE SOBRE A CASA MARTIM AFONSO EDRIA ESTEVES FREIRE 1 Revista Ceciliana. Maio de 2012. Número Especial: Patrimônio Cultural Memória e Preservação. - Universidade Santa Cecília Disponível online em http://www.unisanta.br/revistaceciliana ANÁLISE DO CONHECIMENTO

Leia mais

DIAGNÓSTICO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS DO MUNICÍPIO DE CANHOBA/SE

DIAGNÓSTICO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS DO MUNICÍPIO DE CANHOBA/SE DIAGNÓSTICO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS DO MUNICÍPIO DE CANHOBA/SE Josiene Ferreira dos Santos Lima¹-Tecnóloga em Saneamento Ambiental. Aluna do Curso de Geografia (UFS). Pós-Graduanda em Gestão Ambiental e Desenvolvimento

Leia mais

As transformações do relevo e as bacias hidrográficas.

As transformações do relevo e as bacias hidrográficas. As transformações do relevo e as bacias hidrográficas. Conteúdos do 3º bimestre para o 1º Ano do Ensino Médio na disciplina de Geografia, de acordo com o currículo mínimo estabelecido pela SEEDUC / RJ

Leia mais

Centro Universitário Newton Paiva Curso de Psicologia. Manual de Estágios Currículo 2009.02

Centro Universitário Newton Paiva Curso de Psicologia. Manual de Estágios Currículo 2009.02 Centro Universitário Newton Paiva Curso de Psicologia Manual de Estágios Currículo 2009.02 Belo Horizonte Dezembro de 2009 1 FICHA TÉCNICA CORPO ADMINISTRATIVO DO CENTRO UNIVERSITÁRIO NEWTON PAIVA Presidente

Leia mais

CAPTAÇÃO DE ÁGUA DE CHUVA PARA CAMPINA GRANDE-PB: A OPINIÃO DA SOCIEDADE

CAPTAÇÃO DE ÁGUA DE CHUVA PARA CAMPINA GRANDE-PB: A OPINIÃO DA SOCIEDADE CAPTAÇÃO DE ÁGUA DE CHUVA PARA CAMPINA GRANDE-PB: A OPINIÃO DA SOCIEDADE Cybelle Frazão Costa Braga, Márcia Maria Rios Ribeiro, Departamento de Engenharia Civil, Universidade Federal da Paraíba. Av. Pres.

Leia mais

NOVO CÓDIGO FLORESTAL: ASPECTOS LEGAIS AMBIENTAIS RELEVANTES

NOVO CÓDIGO FLORESTAL: ASPECTOS LEGAIS AMBIENTAIS RELEVANTES NOVO CÓDIGO FLORESTAL: ASPECTOS LEGAIS AMBIENTAIS RELEVANTES 25 de Setembro de 2012 ESPAÇOS TERRITORIAIS ESPECIALMENTE PROTEGIDOS Cabe ao Poder Público definir, em todas as unidades da Federação, espaços

Leia mais

Palavras-chave: Conservação da água, Educação ambiental, Escola.

Palavras-chave: Conservação da água, Educação ambiental, Escola. EDUCAÇÃO AMBIENTAL ESCOLAR COM FOCO NO USO RACIONAL DA ÁGUA: DIAGNÓSTICO E INTERVENÇÃO OLIVEIRA, Ítalo Carlos de 1 ; CARDOSO, Laiza 2 ; PAULA, Heber Martins de 3 ; CASTRO, Heloisa Vitória de 4 Palavras-chave:

Leia mais

ANÁLISE DA COLETA SELETIVA DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS EM ARCOS- MG: POSTURA OPERACIONAL E PARTICIPAÇÃO DA POPULAÇÃO

ANÁLISE DA COLETA SELETIVA DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS EM ARCOS- MG: POSTURA OPERACIONAL E PARTICIPAÇÃO DA POPULAÇÃO ANÁLISE DA COLETA SELETIVA DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS EM ARCOS- MG: POSTURA OPERACIONAL E PARTICIPAÇÃO DA POPULAÇÃO Tatiane Castaño Valadares*, Fernando Vieira de Sousa FUNEDI/UEMG taticastanobiologia@gmail.com

Leia mais

LEI Nº 1.931, DE 12 DE JUNHO 2.001.

LEI Nº 1.931, DE 12 DE JUNHO 2.001. LEI Nº 1.931, DE 12 DE JUNHO 2.001. Cria a Área de Proteção Ambiental (APA) da Pedra Gaforina e define o seu Zoneamento Ambiental (Ecológico-Econômico), no Município de GUANHÃES-MG. Faço saber que a Câmara

Leia mais

1ª EDIÇÃO DO PRÊMIO EXPERIÊNCIAS DE SUCESSO PROFESSOR NOTA 10 REGULAMENTO GERAL CAPÍTULO I

1ª EDIÇÃO DO PRÊMIO EXPERIÊNCIAS DE SUCESSO PROFESSOR NOTA 10 REGULAMENTO GERAL CAPÍTULO I Das Disposições Gerais 1ª EDIÇÃO DO PRÊMIO EXPERIÊNCIAS DE SUCESSO PROFESSOR NOTA 10 REGULAMENTO GERAL CAPÍTULO I Art. 1º - O Prêmio Experiências de Sucesso 2015 Professor Nota 10, é uma promoção da Secretaria

Leia mais

Iniciando nossa conversa

Iniciando nossa conversa MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO ESPECIAL Garantindo acesso e permanência de todos os alunos na escola Necessidades educacionais especiais dos alunos Iniciando nossa conversa Brasília 2005

Leia mais

Bacia Hidrográfica Precipitação Infiltração Escoamento

Bacia Hidrográfica Precipitação Infiltração Escoamento UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS ESCOLA DE ENGENHARIA CIVIL Bacia Hidrográfica Precipitação Infiltração Escoamento Rávila Marques de Souza Mestranda em Engenharia do Meio Ambiente Setembro 2012 Bacia Hidrográfica

Leia mais

AUTOR(ES): ANDRÉ DOS SANTOS JANUÁRIO GARCIA, PAULO HENRIQUE DOS SANTOS

AUTOR(ES): ANDRÉ DOS SANTOS JANUÁRIO GARCIA, PAULO HENRIQUE DOS SANTOS TÍTULO: APP UM ESTUDO EXPLORATÓRIO NA MICRO REGIÃO DE AURIFLAMA-SP CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE AURIFLAMA AUTOR(ES): ANDRÉ DOS

Leia mais

GOVERNANÇA COLABORATIVA: GESTÃO LOCAL E COMPARTILHADA

GOVERNANÇA COLABORATIVA: GESTÃO LOCAL E COMPARTILHADA GOVERNANÇA COLABORATIVA: GESTÃO LOCAL E COMPARTILHADA Estado de São Paulo Estado de São Paulo 248.196.960 km 2 População total: 41.262.199 População urbana: 39.585.251 645 municípios Fonte: IBGE, Censo

Leia mais

1.Instituto Oksigeno... 3 Missão... 4 Visão... 4 Valores... 4

1.Instituto Oksigeno... 3 Missão... 4 Visão... 4 Valores... 4 Sumário 1.Instituto Oksigeno... 3 Missão... 4 Visão... 4 Valores... 4 2. Apresentação... 5 3. Objetivo... 6 3.1 Objetivos específicos... 6 4. Justificativa... 6 5. Educação Ambiental... 7 6. Prezo de execução...

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 002/2012

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 002/2012 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 002/2012 DISPÕE SOBRE TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE CONTROLE AMBIENTAL PCA E DÁ OUTRAS PROVIDENCIAS. O SECRETÁRIO MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE DE GUARAPARI, Estado

Leia mais

Security Level Initials/YYYY-MM-DD

Security Level Initials/YYYY-MM-DD Security Level Initials/YYYY-MM-DD Projeto Nascentes Protegendo um Recurso Limitado Água: Escassez no Mundo Água: Escassez no Mundo Água: Um recurso limitado 70% da Terra é coberta por água; Apenas 3%

Leia mais

A IMPORTANCIA DOS RECURSOS DIDÁTICOS NA AULA DE GEOGRAFIA

A IMPORTANCIA DOS RECURSOS DIDÁTICOS NA AULA DE GEOGRAFIA A IMPORTANCIA DOS RECURSOS DIDÁTICOS NA AULA DE GEOGRAFIA GERLANE BEZERRA CAVALCANTE, - ID¹ Graduanda em Geografia. Bolsista do Programa Institucional de Bolsas de Iniciação à Docência. UEPB E-MAIL: gerlane_miranda@hotmail.com

Leia mais

O papel da mobilização social na gestão de sistemas de dessalinização no semiárido brasileiro

O papel da mobilização social na gestão de sistemas de dessalinização no semiárido brasileiro O papel da mobilização social na gestão sistemas ssalinização no semiárido brasileiro Henrique Pinheiro Veiga 1 Renato Saraiva Ferreira 2 Luis Henrique Cunha 3 RESUMO: A disponibilida hídrica nas zonas

Leia mais

Água, fonte de vida. Aula 1 Água para todos. Rio 2016 Versão 1.0

Água, fonte de vida. Aula 1 Água para todos. Rio 2016 Versão 1.0 Água, fonte de vida Aula 1 Água para todos Rio 2016 Versão 1.0 Objetivos 1 Analisar a quantidade de água potável disponível em nosso planeta 2 Identificar os diferentes estados da água 3 Conhecer o ciclo

Leia mais

Saneamento Básico Municipal

Saneamento Básico Municipal Saneamento Básico Municipal Apresentação COMISSÃO INTERNA DE PRESERVAÇÃO AMBIENTAL E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL Componentes da Comissão Instituídos pela Portaria N 019/2015 e 031/2015. Carina Aparecida

Leia mais

O PAPEL DESEMPENHADO PELO PROGRAMA LEXT-OESSTE E SUAS CONTRIBUIÇÕES PARA A FORMAÇÃO E PARA O EXERCÍCIO PROFISSIONAL

O PAPEL DESEMPENHADO PELO PROGRAMA LEXT-OESSTE E SUAS CONTRIBUIÇÕES PARA A FORMAÇÃO E PARA O EXERCÍCIO PROFISSIONAL O PAPEL DESEMPENHADO PELO PROGRAMA LEXT-OESSTE E SUAS CONTRIBUIÇÕES PARA A FORMAÇÃO E PARA O EXERCÍCIO PROFISSIONAL Larissa dos Santos Gomes Resumo O presente artigo refere-se ao trabalho de conclusão

Leia mais

IV Seminário Internacional de Engenharia de Saúde Pública MODELO DE GESTÃO SISAR - CEARÁ

IV Seminário Internacional de Engenharia de Saúde Pública MODELO DE GESTÃO SISAR - CEARÁ IV Seminário Internacional de Engenharia de Saúde Pública MODELO DE GESTÃO SISAR - CEARÁ Belo Horizonte, 18 de março de 2013 HISTÓRICO DO SANEAMENTO RURAL NO CEARÁ Implantação do Programa KfW I pela CAGECE

Leia mais

REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO INTRODUÇÃO

REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO INTRODUÇÃO REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO INTRODUÇÃO Considerando o objetivo de formação de docentes em que a atividade prática de prestação de serviços especializados é relevante à sociedade, torna-se necessário

Leia mais

PROJETO DE LEI N O, DE 2004

PROJETO DE LEI N O, DE 2004 PROJETO DE LEI N O, DE 2004 (Do Sr. Wladimir Costa) Dispõe sobre o atendimento educacional especializado em classes hospitalares e por meio de atendimento pedagógico domiciliar. O Congresso Nacional decreta:

Leia mais

Projeto Pedagógico. por Anésia Gilio

Projeto Pedagógico. por Anésia Gilio Projeto Pedagógico por Anésia Gilio INTRODUÇÃO Esta proposta pedagógica está vinculada ao Projeto Douradinho e não tem pretenção de ditar normas ou roteiros engessados. Como acreditamos que a educação

Leia mais

PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA

PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA NO DISTRITO FEDERAL WWF Brasil Maio/ 2003 OBJETIVOS: Levantar informações para subsidiar o planejamento e a avaliação da comunicação da WWF Brasil. Gerar conhecimentos relevantes

Leia mais

Processamento Técnico - Tel.: 3865-9843 / 9845. Renata renataazeredo@fiocruz.br. Marluce marluce@fiocruz.br. Marco Aurélio maum@fiocruz.

Processamento Técnico - Tel.: 3865-9843 / 9845. Renata renataazeredo@fiocruz.br. Marluce marluce@fiocruz.br. Marco Aurélio maum@fiocruz. MANUAL DO USUÁRIO Biblioteca Emília Bustamante 1 1 Apresentação A Biblioteca Emília Bustamante representa um importante segmento da Escola Politécnica de Saúde Joaquim Venâncio, que, por sua vez, revela-se

Leia mais

Água e Floresta As lições da crise na região Sudeste

Água e Floresta As lições da crise na região Sudeste Água e Floresta As lições da crise na região Sudeste No Brasil as políticas afirmativas tiveram inicio com a Constituição de 1988. A Legislação de Recursos Hídricos avançou em mecanismos de gestão e governança

Leia mais

Mostra de Projetos 2011. Vamos fazer nossa parte!

Mostra de Projetos 2011. Vamos fazer nossa parte! Mostra de Projetos 2011 Vamos fazer nossa parte! Mostra Local de: Paranavaí Categoria do projeto: I - Projetos em implantação, com resultados parciais. Cidade: Mirador Contato: tassiambientalmirador@gmail.com

Leia mais

CURSO: EDUCAR PARA TRANSFORMAR. Fundação Carmelitana Mário Palmério Faculdade de Ciências Humanas e Sociais

CURSO: EDUCAR PARA TRANSFORMAR. Fundação Carmelitana Mário Palmério Faculdade de Ciências Humanas e Sociais Fundação Carmelitana Mário Palmério Faculdade de Ciências Humanas e Sociais Educação de Qualidade ao seu alcance EDUCAR PARA TRANSFORMAR O CURSO DE LICENCIATURA EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS CURSO: LICENCIATURA

Leia mais