Questionário Proficiência Veterinária

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Questionário Proficiência Veterinária"

Transcrição

1 Tema Elaborador Caso Clínico PARASITOSE EM AVES Daniel de Almeida Balthazar, Zootecnista e Médico Veterinário, Clínica e Cirurgia de animais selvagens e domésticos. Em uma criação de perus com aproximadamente treze semanas de vida, alguns animais apresentaram sinais clínicos de apatia, anorexia e caquexia. Após alguns dias, dois exemplares vieram à óbito. Durante a realização da necropsia observou-se a presença de parasitos esbranquiçados, com cauda pontiaguda e alongada, medindo até 1,5cm de comprimento, áreas necróticas no ceco, além de aumento do volume hepático com áreas circulares necróticas (Figura 1). Foram realizados exames coproparasitológicos de amostras de fezes coletadas durante a necropsia, onde foram observados ovos de parasitas (Figura 2). Figura 1: Lesões observadas no fígado Figura 2: Ovos encontrados no exame coproparasitológico De acordo com o caso clínico e as figuras apresentadas acima, responda as seguintes questões: Questão 1 Questão 2 Questão 3 Questão 4 Qual seria a sua sugestão em relação ao parasito encontrado, após avaliar a descrição fornecida no caso clínico e observar a foto dos ovos encontrados no exame coproparasitológico? 1. Capillaria hepática; 2. Heterakis gallinarum; 3. Ascaridia galli; 4. Tetrameres confusa. Em qual classe está inserido esse parasito? 1. Trematoda; 2. Cestoda; 3. Nematoda; 4. Sporozoasida. Quais as características do ciclo biológico deste parasito? 1. São parasitos que obrigatoriamente utilizam as minhocas como hospedeiros intermediários; 2. Após a eclosão as larvas realizam o Ciclo de Loss, promovendo lesões necróticas no fígado e ceco; 3. As larvas cisticercóides são encontradas em artrópodes, os hospedeiros intermediários do parasito encontrado; 4. São parasitos de ciclo direto podendo utilizar as minhocas como hospedeiros paratênicos. Em qual habitat a forma adulta do parasito é encontrada? 1. Ceco; 2. Pró-ventrículo; 3. Parênquima hepático; 4. Ductos biliares e vesícula biliar. Página 1 de 2

2 Questão 5 Questão 6 Questão 7 Questão 8 Questão 9 Questão 10 Referências Bibliográficas Qual a técnica laboratorial mais eficaz na detecção dos ovos deste parasito nas fezes de seus hospedeiros? 1. Técnica de centrífugo-sedimentação em formalina-éter; 2. Exame direto; 3. Flutuação em açúcar; 4. Flutuação em sulfeto de zinco. Dentro da superfamília Ascaridoidea existe um parasito das aves que apresenta as mesmas características morfológicas dos ovos do parasito no caso clínico relatado, tornando-os praticamente indistinguíveis. Que parasito é este e como poderíamos diferenciá-los? 1. Toxocara sp; através dos ciclos biológicos, que são totalmente diferentes; 2. Heterakis sp; através da localização do parasito no trato gastrointestinal; 3. Parascaris sp; através do hospedeiro intermediário utilizado durante o ciclo biológico; 4. Ascaridia sp; através da morfologia das formas adultas, onde as fêmeas do Ascaridia sp podem alcançar 12cm de comprimento. As lesões necróticas no ceco e no fígado são provocadas pelo parasito encontrado no trato gastrointestinal? 1. Sim, as lesões são provocadas durante a realização do Ciclo de Loss ; 2. Sim, são parasitos que após penetrarem na mucosa do ceco utilizam os ductos biliares como habitat; 3. Não, as lesões são provocadas por protozoários veiculados pelo parasito aqui relatado; 4. Não, as lesões encontradas não possuem nenhuma relação com os parasitos encontrados. Qual microrganismo pode ser transmitido pelo parasito relatado? 1. O protozoário Histomonas meleagridis; 2. Bactérias do gênero Clostridium; 3. O vírus da anemia infecciosa das aves; 4. Bactérias causadoras da colibacilose. Qual a possível forma de transmissão deste microrganismo para as aves? 1. As minhocas possuem este microrganismo naturalmente em seu trato gastrointestinal e quando ingeridas pelas aves, são capazes de transmiti-los; 2. Através da entrada do microrganismo em lesões de continuidade na pele; 3. Somente pela via transovariana; 4. O microrganismo é veiculado nos ovos do parasito ou em minhocas contendo as larvas L2. De acordo com as figuras apresentadas, o histórico relatado pelo proprietário e as lesões encontradas na necropsia, qual seria a sua suspeita clínica? 1. Entero-hepatite infecciosa provocada por Histomonas meleagridis; 2. Parasitismo causado pelo Tetrameres confusa; 3. Presença de lesões causadas pela migração de alguns parasitos, denominada Ciclo de Loss ; 4. Entero-hepatite infecciosa provocada por nematóides. URQUHART, G.M.; ARMOUR, J.; DUNCAN, J.L. Parasitologia Veterinária. 2ª Ed. Rio de Janeiro, Guanabara Koogan, FORTES, E. Parasitologia veterinária. 4ª Ed. São Paulo, Ícone, Página 2 de 2

3 Tema Elaborador Caso Clínico PARASITOSE EM AVES Daniel de Almeida Balthazar, Zootecnista e Médico Veterinário, Clínica e Cirurgia de animais selvagens e domésticos. Em uma criação de perus com aproximadamente treze semanas de vida, alguns animais apresentaram sinais clínicos de apatia, anorexia e caquexia. Após alguns dias, dois exemplares vieram à óbito. Durante a realização da necropsia observou-se a presença de parasitos esbranquiçados, com cauda pontiaguda e alongada, medindo até 1,5cm de comprimento, áreas necróticas no ceco, além de aumento do volume hepático com áreas circulares necróticas (Figura 1). Foram realizados exames coproparasitológicos de amostras de fezes coletadas durante a necropsia, onde foram observados ovos de parasitas (Figura 2). Figura 1: Lesões observadas no fígado Figura 2: Ovos encontrados no exame coproparasitológico De acordo com o caso clínico e as figuras apresentadas acima, responda as seguintes questões: Questão 1 Questão 2 Questão 3 Questão 4 Qual seria a sua sugestão em relação ao parasito encontrado, após avaliar a descrição fornecida no caso clínico e observar a foto dos ovos encontrados no exame coproparasitológico? 1. Capillaria hepática; 2. Heterakis gallinarum; 3. Ascaridia galli; 4. Tetrameres confusa. Em qual classe está inserido esse parasito? 1. Trematoda; 2. Cestoda; 3. Nematoda; 4. Sporozoasida. Quais as características do ciclo biológico deste parasito? 1. São parasitos que obrigatoriamente utilizam as minhocas como hospedeiros intermediários; 2. Após a eclosão as larvas realizam o Ciclo de Loss, promovendo lesões necróticas no fígado e ceco; 3. As larvas cisticercóides são encontradas em artrópodes, os hospedeiros intermediários do parasito encontrado; 4. São parasitos de ciclo direto podendo utilizar as minhocas como hospedeiros paratênicos. Em qual habitat a forma adulta do parasito é encontrada? 1. Ceco; 2. Pró-ventrículo; 3. Parênquima hepático; 4. Ductos biliares e vesícula biliar. Página 1 de 2

4 Questão 5 Questão 6 Questão 7 Questão 8 Questão 9 Questão 10 Referências Bibliográficas Qual a técnica laboratorial mais eficaz na detecção dos ovos deste parasito nas fezes de seus hospedeiros? 1. Técnica de centrífugo-sedimentação em formalina-éter; 2. Exame direto; 3. Flutuação em açúcar; 4. Flutuação em sulfeto de zinco. Dentro da superfamília Ascaridoidea existe um parasito das aves que apresenta as mesmas características morfológicas dos ovos do parasito no caso clínico relatado, tornando-os praticamente indistinguíveis. Que parasito é este e como poderíamos diferenciá-los? 1. Toxocara sp; através dos ciclos biológicos, que são totalmente diferentes; 2. Heterakis sp; através da localização do parasito no trato gastrointestinal; 3. Parascaris sp; através do hospedeiro intermediário utilizado durante o ciclo biológico; 4. Ascaridia sp; através da morfologia das formas adultas, onde as fêmeas do Ascaridia sp podem alcançar 12cm de comprimento. As lesões necróticas no ceco e no fígado são provocadas pelo parasito encontrado no trato gastrointestinal? 1. Sim, as lesões são provocadas durante a realização do Ciclo de Loss ; 2. Sim, são parasitos que após penetrarem na mucosa do ceco utilizam os ductos biliares como habitat; 3. Não, as lesões são provocadas por protozoários veiculados pelo parasito aqui relatado; 4. Não, as lesões encontradas não possuem nenhuma relação com os parasitos encontrados. Qual microrganismo pode ser transmitido pelo parasito relatado? 1. O protozoário Histomonas meleagridis; 2. Bactérias do gênero Clostridium; 3. O vírus da anemia infecciosa das aves; 4. Bactérias causadoras da colibacilose. Qual a possível forma de transmissão deste microrganismo para as aves? 1. As minhocas possuem este microrganismo naturalmente em seu trato gastrointestinal e quando ingeridas pelas aves, são capazes de transmiti-los; 2. Através da entrada do microrganismo em lesões de continuidade na pele; 3. Somente pela via transovariana; 4. O microrganismo é veiculado nos ovos do parasito ou em minhocas contendo as larvas L2. De acordo com as figuras apresentadas, o histórico relatado pelo proprietário e as lesões encontradas na necropsia, qual seria a sua suspeita clínica? 1. Entero-hepatite infecciosa provocada por Histomonas meleagridis; 2. Parasitismo causado pelo Tetrameres confusa; 3. Presença de lesões causadas pela migração de alguns parasitos, denominada Ciclo de Loss ; 4. Entero-hepatite infecciosa provocada por nematóides. URQUHART, G.M.; ARMOUR, J.; DUNCAN, J.L. Parasitologia Veterinária. 2ª Ed. Rio de Janeiro, Guanabara Koogan, FORTES, E. Parasitologia veterinária. 4ª Ed. São Paulo, Ícone, Página 2 de 2

5 Tema Elaborador Caso Clínico PARASITOSE EM AVES Daniel de Almeida Balthazar, Zootecnista e Médico Veterinário, Clínica e Cirurgia de animais selvagens e domésticos. Em uma criação de perus com aproximadamente treze semanas de vida, alguns animais apresentaram sinais clínicos de apatia, anorexia e caquexia. Após alguns dias, dois exemplares vieram à óbito. Durante a realização da necropsia observou-se a presença de parasitos esbranquiçados, com cauda pontiaguda e alongada, medindo até 1,5cm de comprimento, áreas necróticas no ceco, além de aumento do volume hepático com áreas circulares necróticas (Figura 1). Foram realizados exames coproparasitológicos de amostras de fezes coletadas durante a necropsia, onde foram observados ovos de parasitas (Figura 2). Figura 1: Lesões observadas no fígado Figura 2: Ovos encontrados no exame coproparasitológico De acordo com o caso clínico e as figuras apresentadas acima, responda as seguintes questões: Questão 1 Questão 2 Questão 3 Questão 4 Qual seria a sua sugestão em relação ao parasito encontrado, após avaliar a descrição fornecida no caso clínico e observar a foto dos ovos encontrados no exame coproparasitológico? 1. Capillaria hepática; 2. Heterakis gallinarum; 3. Ascaridia galli; 4. Tetrameres confusa. Em qual classe está inserido esse parasito? 1. Trematoda; 2. Cestoda; 3. Nematoda; 4. Sporozoasida. Quais as características do ciclo biológico deste parasito? 1. São parasitos que obrigatoriamente utilizam as minhocas como hospedeiros intermediários; 2. Após a eclosão as larvas realizam o Ciclo de Loss, promovendo lesões necróticas no fígado e ceco; 3. As larvas cisticercóides são encontradas em artrópodes, os hospedeiros intermediários do parasito encontrado; 4. São parasitos de ciclo direto podendo utilizar as minhocas como hospedeiros paratênicos. Em qual habitat a forma adulta do parasito é encontrada? 1. Ceco; 2. Pró-ventrículo; 3. Parênquima hepático; 4. Ductos biliares e vesícula biliar. Página 1 de 2

6 Questão 5 Questão 6 Questão 7 Questão 8 Questão 9 Questão 10 Referências Bibliográficas Qual a técnica laboratorial mais eficaz na detecção dos ovos deste parasito nas fezes de seus hospedeiros? 1. Técnica de centrífugo-sedimentação em formalina-éter; 2. Exame direto; 3. Flutuação em açúcar; 4. Flutuação em sulfeto de zinco. Dentro da superfamília Ascaridoidea existe um parasito das aves que apresenta as mesmas características morfológicas dos ovos do parasito no caso clínico relatado, tornando-os praticamente indistinguíveis. Que parasito é este e como poderíamos diferenciá-los? 1. Toxocara sp; através dos ciclos biológicos, que são totalmente diferentes; 2. Heterakis sp; através da localização do parasito no trato gastrointestinal; 3. Parascaris sp; através do hospedeiro intermediário utilizado durante o ciclo biológico; 4. Ascaridia sp; através da morfologia das formas adultas, onde as fêmeas do Ascaridia sp podem alcançar 12cm de comprimento. As lesões necróticas no ceco e no fígado são provocadas pelo parasito encontrado no trato gastrointestinal? 1. Sim, as lesões são provocadas durante a realização do Ciclo de Loss ; 2. Sim, são parasitos que após penetrarem na mucosa do ceco utilizam os ductos biliares como habitat; 3. Não, as lesões são provocadas por protozoários veiculados pelo parasito aqui relatado; 4. Não, as lesões encontradas não possuem nenhuma relação com os parasitos encontrados. Qual microrganismo pode ser transmitido pelo parasito relatado? 1. O protozoário Histomonas meleagridis; 2. Bactérias do gênero Clostridium; 3. O vírus da anemia infecciosa das aves; 4. Bactérias causadoras da colibacilose. Qual a possível forma de transmissão deste microrganismo para as aves? 1. As minhocas possuem este microrganismo naturalmente em seu trato gastrointestinal e quando ingeridas pelas aves, são capazes de transmiti-los; 2. Através da entrada do microrganismo em lesões de continuidade na pele; 3. Somente pela via transovariana; 4. O microrganismo é veiculado nos ovos do parasito ou em minhocas contendo as larvas L2. De acordo com as figuras apresentadas, o histórico relatado pelo proprietário e as lesões encontradas na necropsia, qual seria a sua suspeita clínica? 1. Entero-hepatite infecciosa provocada por Histomonas meleagridis; 2. Parasitismo causado pelo Tetrameres confusa; 3. Presença de lesões causadas pela migração de alguns parasitos, denominada Ciclo de Loss ; 4. Entero-hepatite infecciosa provocada por nematóides. URQUHART, G.M.; ARMOUR, J.; DUNCAN, J.L. Parasitologia Veterinária. 2ª Ed. Rio de Janeiro, Guanabara Koogan, FORTES, E. Parasitologia veterinária. 4ª Ed. São Paulo, Ícone, Página 2 de 2

7 Tema Elaborador Caso Clínico PARASITOSE EM AVES Daniel de Almeida Balthazar, Zootecnista e Médico Veterinário, Clínica e Cirurgia de animais selvagens e domésticos. Em uma criação de perus com aproximadamente treze semanas de vida, alguns animais apresentaram sinais clínicos de apatia, anorexia e caquexia. Após alguns dias, dois exemplares vieram à óbito. Durante a realização da necropsia observou-se a presença de parasitos esbranquiçados, com cauda pontiaguda e alongada, medindo até 1,5cm de comprimento, áreas necróticas no ceco, além de aumento do volume hepático com áreas circulares necróticas (Figura 1). Foram realizados exames coproparasitológicos de amostras de fezes coletadas durante a necropsia, onde foram observados ovos de parasitas (Figura 2). Figura 1: Lesões observadas no fígado Figura 2: Ovos encontrados no exame coproparasitológico De acordo com o caso clínico e as figuras apresentadas acima, responda as seguintes questões: Questão 1 Questão 2 Questão 3 Questão 4 Qual seria a sua sugestão em relação ao parasito encontrado, após avaliar a descrição fornecida no caso clínico e observar a foto dos ovos encontrados no exame coproparasitológico? 1. Capillaria hepática; 2. Heterakis gallinarum; 3. Ascaridia galli; 4. Tetrameres confusa. Em qual classe está inserido esse parasito? 1. Trematoda; 2. Cestoda; 3. Nematoda; 4. Sporozoasida. Quais as características do ciclo biológico deste parasito? 1. São parasitos que obrigatoriamente utilizam as minhocas como hospedeiros intermediários; 2. Após a eclosão as larvas realizam o Ciclo de Loss, promovendo lesões necróticas no fígado e ceco; 3. As larvas cisticercóides são encontradas em artrópodes, os hospedeiros intermediários do parasito encontrado; 4. São parasitos de ciclo direto podendo utilizar as minhocas como hospedeiros paratênicos. Em qual habitat a forma adulta do parasito é encontrada? 1. Ceco; 2. Pró-ventrículo; 3. Parênquima hepático; 4. Ductos biliares e vesícula biliar. Página 1 de 2

8 Questão 5 Questão 6 Questão 7 Questão 8 Questão 9 Questão 10 Referências Bibliográficas Qual a técnica laboratorial mais eficaz na detecção dos ovos deste parasito nas fezes de seus hospedeiros? 1. Técnica de centrífugo-sedimentação em formalina-éter; 2. Exame direto; 3. Flutuação em açúcar; 4. Flutuação em sulfeto de zinco. Dentro da superfamília Ascaridoidea existe um parasito das aves que apresenta as mesmas características morfológicas dos ovos do parasito no caso clínico relatado, tornando-os praticamente indistinguíveis. Que parasito é este e como poderíamos diferenciá-los? 1. Toxocara sp; através dos ciclos biológicos, que são totalmente diferentes; 2. Heterakis sp; através da localização do parasito no trato gastrointestinal; 3. Parascaris sp; através do hospedeiro intermediário utilizado durante o ciclo biológico; 4. Ascaridia sp; através da morfologia das formas adultas, onde as fêmeas do Ascaridia sp podem alcançar 12cm de comprimento. As lesões necróticas no ceco e no fígado são provocadas pelo parasito encontrado no trato gastrointestinal? 1. Sim, as lesões são provocadas durante a realização do Ciclo de Loss ; 2. Sim, são parasitos que após penetrarem na mucosa do ceco utilizam os ductos biliares como habitat; 3. Não, as lesões são provocadas por protozoários veiculados pelo parasito aqui relatado; 4. Não, as lesões encontradas não possuem nenhuma relação com os parasitos encontrados. Qual microrganismo pode ser transmitido pelo parasito relatado? 1. O protozoário Histomonas meleagridis; 2. Bactérias do gênero Clostridium; 3. O vírus da anemia infecciosa das aves; 4. Bactérias causadoras da colibacilose. Qual a possível forma de transmissão deste microrganismo para as aves? 1. As minhocas possuem este microrganismo naturalmente em seu trato gastrointestinal e quando ingeridas pelas aves, são capazes de transmiti-los; 2. Através da entrada do microrganismo em lesões de continuidade na pele; 3. Somente pela via transovariana; 4. O microrganismo é veiculado nos ovos do parasito ou em minhocas contendo as larvas L2. De acordo com as figuras apresentadas, o histórico relatado pelo proprietário e as lesões encontradas na necropsia, qual seria a sua suspeita clínica? 1. Entero-hepatite infecciosa provocada por Histomonas meleagridis; 2. Parasitismo causado pelo Tetrameres confusa; 3. Presença de lesões causadas pela migração de alguns parasitos, denominada Ciclo de Loss ; 4. Entero-hepatite infecciosa provocada por nematóides. URQUHART, G.M.; ARMOUR, J.; DUNCAN, J.L. Parasitologia Veterinária. 2ª Ed. Rio de Janeiro, Guanabara Koogan, FORTES, E. Parasitologia veterinária. 4ª Ed. São Paulo, Ícone, Página 2 de 2

9 Tema Elaborador Caso Clínico PARASITOSE EM AVES Daniel de Almeida Balthazar, Zootecnista e Médico Veterinário, Clínica e Cirurgia de animais selvagens e domésticos. Em uma criação de perus com aproximadamente treze semanas de vida, alguns animais apresentaram sinais clínicos de apatia, anorexia e caquexia. Após alguns dias, dois exemplares vieram à óbito. Durante a realização da necropsia observou-se a presença de parasitos esbranquiçados, com cauda pontiaguda e alongada, medindo até 1,5cm de comprimento, áreas necróticas no ceco, além de aumento do volume hepático com áreas circulares necróticas (Figura 1). Foram realizados exames coproparasitológicos de amostras de fezes coletadas durante a necropsia, onde foram observados ovos de parasitas (Figura 2). Figura 1: Lesões observadas no fígado Figura 2: Ovos encontrados no exame coproparasitológico De acordo com o caso clínico e as figuras apresentadas acima, responda as seguintes questões: Questão 1 Questão 2 Questão 3 Questão 4 Qual seria a sua sugestão em relação ao parasito encontrado, após avaliar a descrição fornecida no caso clínico e observar a foto dos ovos encontrados no exame coproparasitológico? 1. Capillaria hepática; 2. Heterakis gallinarum; 3. Ascaridia galli; 4. Tetrameres confusa. Em qual classe está inserido esse parasito? 1. Trematoda; 2. Cestoda; 3. Nematoda; 4. Sporozoasida. Quais as características do ciclo biológico deste parasito? 1. São parasitos que obrigatoriamente utilizam as minhocas como hospedeiros intermediários; 2. Após a eclosão as larvas realizam o Ciclo de Loss, promovendo lesões necróticas no fígado e ceco; 3. As larvas cisticercóides são encontradas em artrópodes, os hospedeiros intermediários do parasito encontrado; 4. São parasitos de ciclo direto podendo utilizar as minhocas como hospedeiros paratênicos. Em qual habitat a forma adulta do parasito é encontrada? 1. Ceco; 2. Pró-ventrículo; 3. Parênquima hepático; 4. Ductos biliares e vesícula biliar. Página 1 de 2

10 Questão 5 Questão 6 Questão 7 Questão 8 Questão 9 Questão 10 Referências Bibliográficas Qual a técnica laboratorial mais eficaz na detecção dos ovos deste parasito nas fezes de seus hospedeiros? 1. Técnica de centrífugo-sedimentação em formalina-éter; 2. Exame direto; 3. Flutuação em açúcar; 4. Flutuação em sulfeto de zinco. Dentro da superfamília Ascaridoidea existe um parasito das aves que apresenta as mesmas características morfológicas dos ovos do parasito no caso clínico relatado, tornando-os praticamente indistinguíveis. Que parasito é este e como poderíamos diferenciá-los? 1. Toxocara sp; através dos ciclos biológicos, que são totalmente diferentes; 2. Heterakis sp; através da localização do parasito no trato gastrointestinal; 3. Parascaris sp; através do hospedeiro intermediário utilizado durante o ciclo biológico; 4. Ascaridia sp; através da morfologia das formas adultas, onde as fêmeas do Ascaridia sp podem alcançar 12cm de comprimento. As lesões necróticas no ceco e no fígado são provocadas pelo parasito encontrado no trato gastrointestinal? 1. Sim, as lesões são provocadas durante a realização do Ciclo de Loss ; 2. Sim, são parasitos que após penetrarem na mucosa do ceco utilizam os ductos biliares como habitat; 3. Não, as lesões são provocadas por protozoários veiculados pelo parasito aqui relatado; 4. Não, as lesões encontradas não possuem nenhuma relação com os parasitos encontrados. Qual microrganismo pode ser transmitido pelo parasito relatado? 1. O protozoário Histomonas meleagridis; 2. Bactérias do gênero Clostridium; 3. O vírus da anemia infecciosa das aves; 4. Bactérias causadoras da colibacilose. Qual a possível forma de transmissão deste microrganismo para as aves? 1. As minhocas possuem este microrganismo naturalmente em seu trato gastrointestinal e quando ingeridas pelas aves, são capazes de transmiti-los; 2. Através da entrada do microrganismo em lesões de continuidade na pele; 3. Somente pela via transovariana; 4. O microrganismo é veiculado nos ovos do parasito ou em minhocas contendo as larvas L2. De acordo com as figuras apresentadas, o histórico relatado pelo proprietário e as lesões encontradas na necropsia, qual seria a sua suspeita clínica? 1. Entero-hepatite infecciosa provocada por Histomonas meleagridis; 2. Parasitismo causado pelo Tetrameres confusa; 3. Presença de lesões causadas pela migração de alguns parasitos, denominada Ciclo de Loss ; 4. Entero-hepatite infecciosa provocada por nematóides. URQUHART, G.M.; ARMOUR, J.; DUNCAN, J.L. Parasitologia Veterinária. 2ª Ed. Rio de Janeiro, Guanabara Koogan, FORTES, E. Parasitologia veterinária. 4ª Ed. São Paulo, Ícone, Página 2 de 2

11 Tema Elaborador Caso Clínico PARASITOSE EM AVES Daniel de Almeida Balthazar, Zootecnista e Médico Veterinário, Clínica e Cirurgia de animais selvagens e domésticos. Em uma criação de perus com aproximadamente treze semanas de vida, alguns animais apresentaram sinais clínicos de apatia, anorexia e caquexia. Após alguns dias, dois exemplares vieram à óbito. Durante a realização da necropsia observou-se a presença de parasitos esbranquiçados, com cauda pontiaguda e alongada, medindo até 1,5cm de comprimento, áreas necróticas no ceco, além de aumento do volume hepático com áreas circulares necróticas (Figura 1). Foram realizados exames coproparasitológicos de amostras de fezes coletadas durante a necropsia, onde foram observados ovos de parasitas (Figura 2). Figura 1: Lesões observadas no fígado Figura 2: Ovos encontrados no exame coproparasitológico De acordo com o caso clínico e as figuras apresentadas acima, responda as seguintes questões: Questão 1 Questão 2 Questão 3 Questão 4 Qual seria a sua sugestão em relação ao parasito encontrado, após avaliar a descrição fornecida no caso clínico e observar a foto dos ovos encontrados no exame coproparasitológico? 1. Capillaria hepática; 2. Heterakis gallinarum; 3. Ascaridia galli; 4. Tetrameres confusa. Em qual classe está inserido esse parasito? 1. Trematoda; 2. Cestoda; 3. Nematoda; 4. Sporozoasida. Quais as características do ciclo biológico deste parasito? 1. São parasitos que obrigatoriamente utilizam as minhocas como hospedeiros intermediários; 2. Após a eclosão as larvas realizam o Ciclo de Loss, promovendo lesões necróticas no fígado e ceco; 3. As larvas cisticercóides são encontradas em artrópodes, os hospedeiros intermediários do parasito encontrado; 4. São parasitos de ciclo direto podendo utilizar as minhocas como hospedeiros paratênicos. Em qual habitat a forma adulta do parasito é encontrada? 1. Ceco; 2. Pró-ventrículo; 3. Parênquima hepático; 4. Ductos biliares e vesícula biliar. Página 1 de 2

12 Questão 5 Questão 6 Questão 7 Questão 8 Questão 9 Questão 10 Referências Bibliográficas Qual a técnica laboratorial mais eficaz na detecção dos ovos deste parasito nas fezes de seus hospedeiros? 1. Técnica de centrífugo-sedimentação em formalina-éter; 2. Exame direto; 3. Flutuação em açúcar; 4. Flutuação em sulfeto de zinco. Dentro da superfamília Ascaridoidea existe um parasito das aves que apresenta as mesmas características morfológicas dos ovos do parasito no caso clínico relatado, tornando-os praticamente indistinguíveis. Que parasito é este e como poderíamos diferenciá-los? 1. Toxocara sp; através dos ciclos biológicos, que são totalmente diferentes; 2. Heterakis sp; através da localização do parasito no trato gastrointestinal; 3. Parascaris sp; através do hospedeiro intermediário utilizado durante o ciclo biológico; 4. Ascaridia sp; através da morfologia das formas adultas, onde as fêmeas do Ascaridia sp podem alcançar 12cm de comprimento. As lesões necróticas no ceco e no fígado são provocadas pelo parasito encontrado no trato gastrointestinal? 1. Sim, as lesões são provocadas durante a realização do Ciclo de Loss ; 2. Sim, são parasitos que após penetrarem na mucosa do ceco utilizam os ductos biliares como habitat; 3. Não, as lesões são provocadas por protozoários veiculados pelo parasito aqui relatado; 4. Não, as lesões encontradas não possuem nenhuma relação com os parasitos encontrados. Qual microrganismo pode ser transmitido pelo parasito relatado? 1. O protozoário Histomonas meleagridis; 2. Bactérias do gênero Clostridium; 3. O vírus da anemia infecciosa das aves; 4. Bactérias causadoras da colibacilose. Qual a possível forma de transmissão deste microrganismo para as aves? 1. As minhocas possuem este microrganismo naturalmente em seu trato gastrointestinal e quando ingeridas pelas aves, são capazes de transmiti-los; 2. Através da entrada do microrganismo em lesões de continuidade na pele; 3. Somente pela via transovariana; 4. O microrganismo é veiculado nos ovos do parasito ou em minhocas contendo as larvas L2. De acordo com as figuras apresentadas, o histórico relatado pelo proprietário e as lesões encontradas na necropsia, qual seria a sua suspeita clínica? 1. Entero-hepatite infecciosa provocada por Histomonas meleagridis; 2. Parasitismo causado pelo Tetrameres confusa; 3. Presença de lesões causadas pela migração de alguns parasitos, denominada Ciclo de Loss ; 4. Entero-hepatite infecciosa provocada por nematóides. URQUHART, G.M.; ARMOUR, J.; DUNCAN, J.L. Parasitologia Veterinária. 2ª Ed. Rio de Janeiro, Guanabara Koogan, FORTES, E. Parasitologia veterinária. 4ª Ed. São Paulo, Ícone, Página 2 de 2

13 Tema Elaborador Caso Clínico PARASITOSE EM AVES Daniel de Almeida Balthazar, Zootecnista e Médico Veterinário, Clínica e Cirurgia de animais selvagens e domésticos. Em uma criação de perus com aproximadamente treze semanas de vida, alguns animais apresentaram sinais clínicos de apatia, anorexia e caquexia. Após alguns dias, dois exemplares vieram à óbito. Durante a realização da necropsia observou-se a presença de parasitos esbranquiçados, com cauda pontiaguda e alongada, medindo até 1,5cm de comprimento, áreas necróticas no ceco, além de aumento do volume hepático com áreas circulares necróticas (Figura 1). Foram realizados exames coproparasitológicos de amostras de fezes coletadas durante a necropsia, onde foram observados ovos de parasitas (Figura 2). Figura 1: Lesões observadas no fígado Figura 2: Ovos encontrados no exame coproparasitológico De acordo com o caso clínico e as figuras apresentadas acima, responda as seguintes questões: Questão 1 Questão 2 Questão 3 Questão 4 Qual seria a sua sugestão em relação ao parasito encontrado, após avaliar a descrição fornecida no caso clínico e observar a foto dos ovos encontrados no exame coproparasitológico? 1. Capillaria hepática; 2. Heterakis gallinarum; 3. Ascaridia galli; 4. Tetrameres confusa. Em qual classe está inserido esse parasito? 1. Trematoda; 2. Cestoda; 3. Nematoda; 4. Sporozoasida. Quais as características do ciclo biológico deste parasito? 1. São parasitos que obrigatoriamente utilizam as minhocas como hospedeiros intermediários; 2. Após a eclosão as larvas realizam o Ciclo de Loss, promovendo lesões necróticas no fígado e ceco; 3. As larvas cisticercóides são encontradas em artrópodes, os hospedeiros intermediários do parasito encontrado; 4. São parasitos de ciclo direto podendo utilizar as minhocas como hospedeiros paratênicos. Em qual habitat a forma adulta do parasito é encontrada? 1. Ceco; 2. Pró-ventrículo; 3. Parênquima hepático; 4. Ductos biliares e vesícula biliar. Página 1 de 2

14 Questão 5 Questão 6 Questão 7 Questão 8 Questão 9 Questão 10 Referências Bibliográficas Qual a técnica laboratorial mais eficaz na detecção dos ovos deste parasito nas fezes de seus hospedeiros? 1. Técnica de centrífugo-sedimentação em formalina-éter; 2. Exame direto; 3. Flutuação em açúcar; 4. Flutuação em sulfeto de zinco. Dentro da superfamília Ascaridoidea existe um parasito das aves que apresenta as mesmas características morfológicas dos ovos do parasito no caso clínico relatado, tornando-os praticamente indistinguíveis. Que parasito é este e como poderíamos diferenciá-los? 1. Toxocara sp; através dos ciclos biológicos, que são totalmente diferentes; 2. Heterakis sp; através da localização do parasito no trato gastrointestinal; 3. Parascaris sp; através do hospedeiro intermediário utilizado durante o ciclo biológico; 4. Ascaridia sp; através da morfologia das formas adultas, onde as fêmeas do Ascaridia sp podem alcançar 12cm de comprimento. As lesões necróticas no ceco e no fígado são provocadas pelo parasito encontrado no trato gastrointestinal? 1. Sim, as lesões são provocadas durante a realização do Ciclo de Loss ; 2. Sim, são parasitos que após penetrarem na mucosa do ceco utilizam os ductos biliares como habitat; 3. Não, as lesões são provocadas por protozoários veiculados pelo parasito aqui relatado; 4. Não, as lesões encontradas não possuem nenhuma relação com os parasitos encontrados. Qual microrganismo pode ser transmitido pelo parasito relatado? 1. O protozoário Histomonas meleagridis; 2. Bactérias do gênero Clostridium; 3. O vírus da anemia infecciosa das aves; 4. Bactérias causadoras da colibacilose. Qual a possível forma de transmissão deste microrganismo para as aves? 1. As minhocas possuem este microrganismo naturalmente em seu trato gastrointestinal e quando ingeridas pelas aves, são capazes de transmiti-los; 2. Através da entrada do microrganismo em lesões de continuidade na pele; 3. Somente pela via transovariana; 4. O microrganismo é veiculado nos ovos do parasito ou em minhocas contendo as larvas L2. De acordo com as figuras apresentadas, o histórico relatado pelo proprietário e as lesões encontradas na necropsia, qual seria a sua suspeita clínica? 1. Entero-hepatite infecciosa provocada por Histomonas meleagridis; 2. Parasitismo causado pelo Tetrameres confusa; 3. Presença de lesões causadas pela migração de alguns parasitos, denominada Ciclo de Loss ; 4. Entero-hepatite infecciosa provocada por nematóides. URQUHART, G.M.; ARMOUR, J.; DUNCAN, J.L. Parasitologia Veterinária. 2ª Ed. Rio de Janeiro, Guanabara Koogan, FORTES, E. Parasitologia veterinária. 4ª Ed. São Paulo, Ícone, Página 2 de 2

15 Tema Elaborador Caso Clínico PARASITOSE EM AVES Daniel de Almeida Balthazar, Zootecnista e Médico Veterinário, Clínica e Cirurgia de animais selvagens e domésticos. Em uma criação de perus com aproximadamente treze semanas de vida, alguns animais apresentaram sinais clínicos de apatia, anorexia e caquexia. Após alguns dias, dois exemplares vieram à óbito. Durante a realização da necropsia observou-se a presença de parasitos esbranquiçados, com cauda pontiaguda e alongada, medindo até 1,5cm de comprimento, áreas necróticas no ceco, além de aumento do volume hepático com áreas circulares necróticas (Figura 1). Foram realizados exames coproparasitológicos de amostras de fezes coletadas durante a necropsia, onde foram observados ovos de parasitas (Figura 2). Figura 1: Lesões observadas no fígado Figura 2: Ovos encontrados no exame coproparasitológico De acordo com o caso clínico e as figuras apresentadas acima, responda as seguintes questões: Questão 1 Questão 2 Questão 3 Questão 4 Qual seria a sua sugestão em relação ao parasito encontrado, após avaliar a descrição fornecida no caso clínico e observar a foto dos ovos encontrados no exame coproparasitológico? 1. Capillaria hepática; 2. Heterakis gallinarum; 3. Ascaridia galli; 4. Tetrameres confusa. Em qual classe está inserido esse parasito? 1. Trematoda; 2. Cestoda; 3. Nematoda; 4. Sporozoasida. Quais as características do ciclo biológico deste parasito? 1. São parasitos que obrigatoriamente utilizam as minhocas como hospedeiros intermediários; 2. Após a eclosão as larvas realizam o Ciclo de Loss, promovendo lesões necróticas no fígado e ceco; 3. As larvas cisticercóides são encontradas em artrópodes, os hospedeiros intermediários do parasito encontrado; 4. São parasitos de ciclo direto podendo utilizar as minhocas como hospedeiros paratênicos. Em qual habitat a forma adulta do parasito é encontrada? 1. Ceco; 2. Pró-ventrículo; 3. Parênquima hepático; 4. Ductos biliares e vesícula biliar. Página 1 de 2

16 Questão 5 Questão 6 Questão 7 Questão 8 Questão 9 Questão 10 Referências Bibliográficas Qual a técnica laboratorial mais eficaz na detecção dos ovos deste parasito nas fezes de seus hospedeiros? 1. Técnica de centrífugo-sedimentação em formalina-éter; 2. Exame direto; 3. Flutuação em açúcar; 4. Flutuação em sulfeto de zinco. Dentro da superfamília Ascaridoidea existe um parasito das aves que apresenta as mesmas características morfológicas dos ovos do parasito no caso clínico relatado, tornando-os praticamente indistinguíveis. Que parasito é este e como poderíamos diferenciá-los? 1. Toxocara sp; através dos ciclos biológicos, que são totalmente diferentes; 2. Heterakis sp; através da localização do parasito no trato gastrointestinal; 3. Parascaris sp; através do hospedeiro intermediário utilizado durante o ciclo biológico; 4. Ascaridia sp; através da morfologia das formas adultas, onde as fêmeas do Ascaridia sp podem alcançar 12cm de comprimento. As lesões necróticas no ceco e no fígado são provocadas pelo parasito encontrado no trato gastrointestinal? 1. Sim, as lesões são provocadas durante a realização do Ciclo de Loss ; 2. Sim, são parasitos que após penetrarem na mucosa do ceco utilizam os ductos biliares como habitat; 3. Não, as lesões são provocadas por protozoários veiculados pelo parasito aqui relatado; 4. Não, as lesões encontradas não possuem nenhuma relação com os parasitos encontrados. Qual microrganismo pode ser transmitido pelo parasito relatado? 1. O protozoário Histomonas meleagridis; 2. Bactérias do gênero Clostridium; 3. O vírus da anemia infecciosa das aves; 4. Bactérias causadoras da colibacilose. Qual a possível forma de transmissão deste microrganismo para as aves? 1. As minhocas possuem este microrganismo naturalmente em seu trato gastrointestinal e quando ingeridas pelas aves, são capazes de transmiti-los; 2. Através da entrada do microrganismo em lesões de continuidade na pele; 3. Somente pela via transovariana; 4. O microrganismo é veiculado nos ovos do parasito ou em minhocas contendo as larvas L2. De acordo com as figuras apresentadas, o histórico relatado pelo proprietário e as lesões encontradas na necropsia, qual seria a sua suspeita clínica? 1. Entero-hepatite infecciosa provocada por Histomonas meleagridis; 2. Parasitismo causado pelo Tetrameres confusa; 3. Presença de lesões causadas pela migração de alguns parasitos, denominada Ciclo de Loss ; 4. Entero-hepatite infecciosa provocada por nematóides. URQUHART, G.M.; ARMOUR, J.; DUNCAN, J.L. Parasitologia Veterinária. 2ª Ed. Rio de Janeiro, Guanabara Koogan, FORTES, E. Parasitologia veterinária. 4ª Ed. São Paulo, Ícone, Página 2 de 2

17 Tema Elaborador Caso Clínico PARASITOSE EM AVES Daniel de Almeida Balthazar, Zootecnista e Médico Veterinário, Clínica e Cirurgia de animais selvagens e domésticos. Em uma criação de perus com aproximadamente treze semanas de vida, alguns animais apresentaram sinais clínicos de apatia, anorexia e caquexia. Após alguns dias, dois exemplares vieram à óbito. Durante a realização da necropsia observou-se a presença de parasitos esbranquiçados, com cauda pontiaguda e alongada, medindo até 1,5cm de comprimento, áreas necróticas no ceco, além de aumento do volume hepático com áreas circulares necróticas (Figura 1). Foram realizados exames coproparasitológicos de amostras de fezes coletadas durante a necropsia, onde foram observados ovos de parasitas (Figura 2). Figura 1: Lesões observadas no fígado Figura 2: Ovos encontrados no exame coproparasitológico De acordo com o caso clínico e as figuras apresentadas acima, responda as seguintes questões: Questão 1 Questão 2 Questão 3 Questão 4 Qual seria a sua sugestão em relação ao parasito encontrado, após avaliar a descrição fornecida no caso clínico e observar a foto dos ovos encontrados no exame coproparasitológico? 1. Capillaria hepática; 2. Heterakis gallinarum; 3. Ascaridia galli; 4. Tetrameres confusa. Em qual classe está inserido esse parasito? 1. Trematoda; 2. Cestoda; 3. Nematoda; 4. Sporozoasida. Quais as características do ciclo biológico deste parasito? 1. São parasitos que obrigatoriamente utilizam as minhocas como hospedeiros intermediários; 2. Após a eclosão as larvas realizam o Ciclo de Loss, promovendo lesões necróticas no fígado e ceco; 3. As larvas cisticercóides são encontradas em artrópodes, os hospedeiros intermediários do parasito encontrado; 4. São parasitos de ciclo direto podendo utilizar as minhocas como hospedeiros paratênicos. Em qual habitat a forma adulta do parasito é encontrada? 1. Ceco; 2. Pró-ventrículo; 3. Parênquima hepático; 4. Ductos biliares e vesícula biliar. Página 1 de 2

18 Questão 5 Questão 6 Questão 7 Questão 8 Questão 9 Questão 10 Referências Bibliográficas Qual a técnica laboratorial mais eficaz na detecção dos ovos deste parasito nas fezes de seus hospedeiros? 1. Técnica de centrífugo-sedimentação em formalina-éter; 2. Exame direto; 3. Flutuação em açúcar; 4. Flutuação em sulfeto de zinco. Dentro da superfamília Ascaridoidea existe um parasito das aves que apresenta as mesmas características morfológicas dos ovos do parasito no caso clínico relatado, tornando-os praticamente indistinguíveis. Que parasito é este e como poderíamos diferenciá-los? 1. Toxocara sp; através dos ciclos biológicos, que são totalmente diferentes; 2. Heterakis sp; através da localização do parasito no trato gastrointestinal; 3. Parascaris sp; através do hospedeiro intermediário utilizado durante o ciclo biológico; 4. Ascaridia sp; através da morfologia das formas adultas, onde as fêmeas do Ascaridia sp podem alcançar 12cm de comprimento. As lesões necróticas no ceco e no fígado são provocadas pelo parasito encontrado no trato gastrointestinal? 1. Sim, as lesões são provocadas durante a realização do Ciclo de Loss ; 2. Sim, são parasitos que após penetrarem na mucosa do ceco utilizam os ductos biliares como habitat; 3. Não, as lesões são provocadas por protozoários veiculados pelo parasito aqui relatado; 4. Não, as lesões encontradas não possuem nenhuma relação com os parasitos encontrados. Qual microrganismo pode ser transmitido pelo parasito relatado? 1. O protozoário Histomonas meleagridis; 2. Bactérias do gênero Clostridium; 3. O vírus da anemia infecciosa das aves; 4. Bactérias causadoras da colibacilose. Qual a possível forma de transmissão deste microrganismo para as aves? 1. As minhocas possuem este microrganismo naturalmente em seu trato gastrointestinal e quando ingeridas pelas aves, são capazes de transmiti-los; 2. Através da entrada do microrganismo em lesões de continuidade na pele; 3. Somente pela via transovariana; 4. O microrganismo é veiculado nos ovos do parasito ou em minhocas contendo as larvas L2. De acordo com as figuras apresentadas, o histórico relatado pelo proprietário e as lesões encontradas na necropsia, qual seria a sua suspeita clínica? 1. Entero-hepatite infecciosa provocada por Histomonas meleagridis; 2. Parasitismo causado pelo Tetrameres confusa; 3. Presença de lesões causadas pela migração de alguns parasitos, denominada Ciclo de Loss ; 4. Entero-hepatite infecciosa provocada por nematóides. URQUHART, G.M.; ARMOUR, J.; DUNCAN, J.L. Parasitologia Veterinária. 2ª Ed. Rio de Janeiro, Guanabara Koogan, FORTES, E. Parasitologia veterinária. 4ª Ed. São Paulo, Ícone, Página 2 de 2

19 Tema Elaborador Caso Clínico PARASITOSE EM AVES Daniel de Almeida Balthazar, Zootecnista e Médico Veterinário, Clínica e Cirurgia de animais selvagens e domésticos. Em uma criação de perus com aproximadamente treze semanas de vida, alguns animais apresentaram sinais clínicos de apatia, anorexia e caquexia. Após alguns dias, dois exemplares vieram à óbito. Durante a realização da necropsia observou-se a presença de parasitos esbranquiçados, com cauda pontiaguda e alongada, medindo até 1,5cm de comprimento, áreas necróticas no ceco, além de aumento do volume hepático com áreas circulares necróticas (Figura 1). Foram realizados exames coproparasitológicos de amostras de fezes coletadas durante a necropsia, onde foram observados ovos de parasitas (Figura 2). Figura 1: Lesões observadas no fígado Figura 2: Ovos encontrados no exame coproparasitológico De acordo com o caso clínico e as figuras apresentadas acima, responda as seguintes questões: Questão 1 Questão 2 Questão 3 Questão 4 Qual seria a sua sugestão em relação ao parasito encontrado, após avaliar a descrição fornecida no caso clínico e observar a foto dos ovos encontrados no exame coproparasitológico? 1. Capillaria hepática; 2. Heterakis gallinarum; 3. Ascaridia galli; 4. Tetrameres confusa. Em qual classe está inserido esse parasito? 1. Trematoda; 2. Cestoda; 3. Nematoda; 4. Sporozoasida. Quais as características do ciclo biológico deste parasito? 1. São parasitos que obrigatoriamente utilizam as minhocas como hospedeiros intermediários; 2. Após a eclosão as larvas realizam o Ciclo de Loss, promovendo lesões necróticas no fígado e ceco; 3. As larvas cisticercóides são encontradas em artrópodes, os hospedeiros intermediários do parasito encontrado; 4. São parasitos de ciclo direto podendo utilizar as minhocas como hospedeiros paratênicos. Em qual habitat a forma adulta do parasito é encontrada? 1. Ceco; 2. Pró-ventrículo; 3. Parênquima hepático; 4. Ductos biliares e vesícula biliar. Página 1 de 2

20 Questão 5 Questão 6 Questão 7 Questão 8 Questão 9 Questão 10 Referências Bibliográficas Qual a técnica laboratorial mais eficaz na detecção dos ovos deste parasito nas fezes de seus hospedeiros? 1. Técnica de centrífugo-sedimentação em formalina-éter; 2. Exame direto; 3. Flutuação em açúcar; 4. Flutuação em sulfeto de zinco. Dentro da superfamília Ascaridoidea existe um parasito das aves que apresenta as mesmas características morfológicas dos ovos do parasito no caso clínico relatado, tornando-os praticamente indistinguíveis. Que parasito é este e como poderíamos diferenciá-los? 1. Toxocara sp; através dos ciclos biológicos, que são totalmente diferentes; 2. Heterakis sp; através da localização do parasito no trato gastrointestinal; 3. Parascaris sp; através do hospedeiro intermediário utilizado durante o ciclo biológico; 4. Ascaridia sp; através da morfologia das formas adultas, onde as fêmeas do Ascaridia sp podem alcançar 12cm de comprimento. As lesões necróticas no ceco e no fígado são provocadas pelo parasito encontrado no trato gastrointestinal? 1. Sim, as lesões são provocadas durante a realização do Ciclo de Loss ; 2. Sim, são parasitos que após penetrarem na mucosa do ceco utilizam os ductos biliares como habitat; 3. Não, as lesões são provocadas por protozoários veiculados pelo parasito aqui relatado; 4. Não, as lesões encontradas não possuem nenhuma relação com os parasitos encontrados. Qual microrganismo pode ser transmitido pelo parasito relatado? 1. O protozoário Histomonas meleagridis; 2. Bactérias do gênero Clostridium; 3. O vírus da anemia infecciosa das aves; 4. Bactérias causadoras da colibacilose. Qual a possível forma de transmissão deste microrganismo para as aves? 1. As minhocas possuem este microrganismo naturalmente em seu trato gastrointestinal e quando ingeridas pelas aves, são capazes de transmiti-los; 2. Através da entrada do microrganismo em lesões de continuidade na pele; 3. Somente pela via transovariana; 4. O microrganismo é veiculado nos ovos do parasito ou em minhocas contendo as larvas L2. De acordo com as figuras apresentadas, o histórico relatado pelo proprietário e as lesões encontradas na necropsia, qual seria a sua suspeita clínica? 1. Entero-hepatite infecciosa provocada por Histomonas meleagridis; 2. Parasitismo causado pelo Tetrameres confusa; 3. Presença de lesões causadas pela migração de alguns parasitos, denominada Ciclo de Loss ; 4. Entero-hepatite infecciosa provocada por nematóides. URQUHART, G.M.; ARMOUR, J.; DUNCAN, J.L. Parasitologia Veterinária. 2ª Ed. Rio de Janeiro, Guanabara Koogan, FORTES, E. Parasitologia veterinária. 4ª Ed. São Paulo, Ícone, Página 2 de 2

21 Tema Elaborador Caso Clínico PARASITOSE EM AVES Daniel de Almeida Balthazar, Zootecnista e Médico Veterinário, Clínica e Cirurgia de animais selvagens e domésticos. Em uma criação de perus com aproximadamente treze semanas de vida, alguns animais apresentaram sinais clínicos de apatia, anorexia e caquexia. Após alguns dias, dois exemplares vieram à óbito. Durante a realização da necropsia observou-se a presença de parasitos esbranquiçados, com cauda pontiaguda e alongada, medindo até 1,5cm de comprimento, áreas necróticas no ceco, além de aumento do volume hepático com áreas circulares necróticas (Figura 1). Foram realizados exames coproparasitológicos de amostras de fezes coletadas durante a necropsia, onde foram observados ovos de parasitas (Figura 2). Figura 1: Lesões observadas no fígado Figura 2: Ovos encontrados no exame coproparasitológico De acordo com o caso clínico e as figuras apresentadas acima, responda as seguintes questões: Questão 1 Questão 2 Questão 3 Questão 4 Qual seria a sua sugestão em relação ao parasito encontrado, após avaliar a descrição fornecida no caso clínico e observar a foto dos ovos encontrados no exame coproparasitológico? 1. Capillaria hepática; 2. Heterakis gallinarum; 3. Ascaridia galli; 4. Tetrameres confusa. Em qual classe está inserido esse parasito? 1. Trematoda; 2. Cestoda; 3. Nematoda; 4. Sporozoasida. Quais as características do ciclo biológico deste parasito? 1. São parasitos que obrigatoriamente utilizam as minhocas como hospedeiros intermediários; 2. Após a eclosão as larvas realizam o Ciclo de Loss, promovendo lesões necróticas no fígado e ceco; 3. As larvas cisticercóides são encontradas em artrópodes, os hospedeiros intermediários do parasito encontrado; 4. São parasitos de ciclo direto podendo utilizar as minhocas como hospedeiros paratênicos. Em qual habitat a forma adulta do parasito é encontrada? 1. Ceco; 2. Pró-ventrículo; 3. Parênquima hepático; 4. Ductos biliares e vesícula biliar. Página 1 de 2

22 Questão 5 Questão 6 Questão 7 Questão 8 Questão 9 Questão 10 Referências Bibliográficas Qual a técnica laboratorial mais eficaz na detecção dos ovos deste parasito nas fezes de seus hospedeiros? 1. Técnica de centrífugo-sedimentação em formalina-éter; 2. Exame direto; 3. Flutuação em açúcar; 4. Flutuação em sulfeto de zinco. Dentro da superfamília Ascaridoidea existe um parasito das aves que apresenta as mesmas características morfológicas dos ovos do parasito no caso clínico relatado, tornando-os praticamente indistinguíveis. Que parasito é este e como poderíamos diferenciá-los? 1. Toxocara sp; através dos ciclos biológicos, que são totalmente diferentes; 2. Heterakis sp; através da localização do parasito no trato gastrointestinal; 3. Parascaris sp; através do hospedeiro intermediário utilizado durante o ciclo biológico; 4. Ascaridia sp; através da morfologia das formas adultas, onde as fêmeas do Ascaridia sp podem alcançar 12cm de comprimento. As lesões necróticas no ceco e no fígado são provocadas pelo parasito encontrado no trato gastrointestinal? 1. Sim, as lesões são provocadas durante a realização do Ciclo de Loss ; 2. Sim, são parasitos que após penetrarem na mucosa do ceco utilizam os ductos biliares como habitat; 3. Não, as lesões são provocadas por protozoários veiculados pelo parasito aqui relatado; 4. Não, as lesões encontradas não possuem nenhuma relação com os parasitos encontrados. Qual microrganismo pode ser transmitido pelo parasito relatado? 1. O protozoário Histomonas meleagridis; 2. Bactérias do gênero Clostridium; 3. O vírus da anemia infecciosa das aves; 4. Bactérias causadoras da colibacilose. Qual a possível forma de transmissão deste microrganismo para as aves? 1. As minhocas possuem este microrganismo naturalmente em seu trato gastrointestinal e quando ingeridas pelas aves, são capazes de transmiti-los; 2. Através da entrada do microrganismo em lesões de continuidade na pele; 3. Somente pela via transovariana; 4. O microrganismo é veiculado nos ovos do parasito ou em minhocas contendo as larvas L2. De acordo com as figuras apresentadas, o histórico relatado pelo proprietário e as lesões encontradas na necropsia, qual seria a sua suspeita clínica? 1. Entero-hepatite infecciosa provocada por Histomonas meleagridis; 2. Parasitismo causado pelo Tetrameres confusa; 3. Presença de lesões causadas pela migração de alguns parasitos, denominada Ciclo de Loss ; 4. Entero-hepatite infecciosa provocada por nematóides. URQUHART, G.M.; ARMOUR, J.; DUNCAN, J.L. Parasitologia Veterinária. 2ª Ed. Rio de Janeiro, Guanabara Koogan, FORTES, E. Parasitologia veterinária. 4ª Ed. São Paulo, Ícone, Página 2 de 2

INFECÇÃO POR DIOCTOPHYMA RENALE COM LOCALIZAÇÃO LIVRE EM CAVIDADE ABDOMINAL DE LOBO-GUARÁ (CHRYSOCYON BRACHYURUS) - RELATO DE CASO

INFECÇÃO POR DIOCTOPHYMA RENALE COM LOCALIZAÇÃO LIVRE EM CAVIDADE ABDOMINAL DE LOBO-GUARÁ (CHRYSOCYON BRACHYURUS) - RELATO DE CASO INFECÇÃO POR DIOCTOPHYMA RENALE COM LOCALIZAÇÃO LIVRE EM CAVIDADE ABDOMINAL DE LOBO-GUARÁ (CHRYSOCYON BRACHYURUS) - RELATO DE CASO Elaine Gomes Vieira 1, Guilherme Vidigal Bello de Araújo 2, André Luiz

Leia mais

ENDOPARASITOSE EM AVES - Revisão de Literatura

ENDOPARASITOSE EM AVES - Revisão de Literatura ENDOPARASITOSE EM AVES - Revisão de Literatura RENNÓ, Pauyra de Paula QUEIROZ, Fernanda Meira GARCIA, Braulio Paleari PRADO, Raquel Nakamura Almeida SIMÕES, Marcela Meneghetti SOUZA, João Paulo Fontini

Leia mais

Principais parasitas em cães e gatos:

Principais parasitas em cães e gatos: Principais parasitas em cães e gatos: Nematódeos: Ancylostoma caninum Ancylostoma caninum nenhum Comum em zonas tropicais e subtropicais Maior patogenicidade em filhotes Filhotes: anemia, perda de peso,

Leia mais

Ano VI Número 11 Julho de 2008 Periódicos Semestral ANCILOSTOMÍASE. OLIVEIRA, Fábio FAGUNDES, Eduardo BIAZOTTO, Gabriel

Ano VI Número 11 Julho de 2008 Periódicos Semestral ANCILOSTOMÍASE. OLIVEIRA, Fábio FAGUNDES, Eduardo BIAZOTTO, Gabriel ANCILOSTOMÍASE OLIVEIRA, Fábio FAGUNDES, Eduardo BIAZOTTO, Gabriel Discentes da Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia de Garça FAMED NEVES, Maria Francisca Docente da Faculdade de Medicina Veterinária

Leia mais

PLANO DE AULA. Aulas expositivas com multimídia e. utilização de quadro-negro. Parasitologia Humana 11 a Edição Autor: David Pereira Neves.

PLANO DE AULA. Aulas expositivas com multimídia e. utilização de quadro-negro. Parasitologia Humana 11 a Edição Autor: David Pereira Neves. PLANO DE AULA Disciplina: Parasitologia Professor(a): Prof. Dr. Luiz Henrique Gagliani Curso: Enfermagem Semestre/Ano 1 o / 2010 Turma: A (Diurno) Atividades temáticas Estratégias/bibliografia Semana Aulas

Leia mais

Filo Nemathelminthes

Filo Nemathelminthes Filo Nemathelminthes Schneider, 1873 Corpo cilíndrico, com simetria bilateral, pseudocelomado, não segmentado. Corpo revestido por cutícula, com ou sem expansões. Tubo digestivo desenvolvido. Sistemas

Leia mais

www.drapriscilaalves.com.br [VERMINOSES]

www.drapriscilaalves.com.br [VERMINOSES] [VERMINOSES] 2 Os cães e gatos podem albergar uma grande variedade de vermes (helmintos) que causam danos como perda de peso, crescimento tardio, predisposição a outras doenças, menor absorção e digestão

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO Campus Universitário de Sinop

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO Campus Universitário de Sinop UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO Campus Universitário de Sinop PARASITOLOGIA ZOOTÉCNICA Introdução a Helmintologia Zootécnica (Nematóides bursados) Profº. Evaldo Martins Pires SINOP - MT Aula de hoje:

Leia mais

INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS

INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: EVOLUÇÃO CLÍNICA E PARASITOLÓGICA DE ANCILOSTOMOSE CANINA CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS

Leia mais

Ano VI Número 11 Julho de 2008 Periódicos Semestral. Bunostomíase

Ano VI Número 11 Julho de 2008 Periódicos Semestral. Bunostomíase Bunostomíase BATAIER, Miguel Neto SANTOS, William Ribeiro Martins dos INFORZATO, Guilherme Repas Discentes da Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia de Garça NEVES, Maria Francisca Docente da Faculdade

Leia mais

Estabelecimento de protocolo para avaliação sanitária pré-soltura de Passeriformes

Estabelecimento de protocolo para avaliação sanitária pré-soltura de Passeriformes Universidade Estadual de Santa Cruz Departamento de Ciências Agrárias e Ambientais Grupo de Pesquisas em Animais Silvestres Estabelecimento de protocolo para avaliação sanitária pré-soltura de Passeriformes

Leia mais

COORDENAÇÃO ACADÊMICA NÚCLEO DE GESTÃO DE ATIVIDADES DE PESQUISA COORDENAÇÃO ACADÊMICA. Projeto de Pesquisa Registrado Informações Gerais

COORDENAÇÃO ACADÊMICA NÚCLEO DE GESTÃO DE ATIVIDADES DE PESQUISA COORDENAÇÃO ACADÊMICA. Projeto de Pesquisa Registrado Informações Gerais COORDENAÇÃO ACADÊMICA Projeto de Pesquisa Registrado Informações Gerais 1. Coordenador (a): ANA KARINA DA SILVA CAVALCANTE (KARINA@UFRB.EDU.BR) Vice- Coordenador (a): 2. Título do projeto: Ocorrência de

Leia mais

CTENOCEPHALIDES CANIS E CTENOCEPHALIDES FELIS: REVISÃO DE LITERATURA

CTENOCEPHALIDES CANIS E CTENOCEPHALIDES FELIS: REVISÃO DE LITERATURA CTENOCEPHALIDES CANIS E CTENOCEPHALIDES FELIS: REVISÃO DE LITERATURA OLIVEIRA, Amanda Claudia de MACHADO, Juliane de Abreu Campos ANTÔNIO, Nayara Silva Acadêmicos da Associação Cultural e Educacional de

Leia mais

ESTUDO PARISITOLÓGICO EM ANIMAIS DA RESERVA BIOLÓGICA DAS PEROBAS, TUNEIRAS DO OESTE, CIANOTE.

ESTUDO PARISITOLÓGICO EM ANIMAIS DA RESERVA BIOLÓGICA DAS PEROBAS, TUNEIRAS DO OESTE, CIANOTE. ESTUDO PARISITOLÓGICO EM ANIMAIS DA RESERVA BIOLÓGICA DAS PEROBAS, TUNEIRAS DO OESTE, CIANOTE. Camila Gabrielle da Silva Ambrozio 1 ; Aparecida Cracco 2 ; Gustavo Lima Cardoso 3 ; Pamela Stephani Tymniak

Leia mais

Doenças Parasitárias

Doenças Parasitárias V e t e r i n a r i a n D o c s Doenças Parasitárias Helmintoses de Eqüinos Parasitas de Estômago -Draschia megastoma -Habronema micróstoma -Habronema muscae Nematódeos -Trichostrongylus axei Parasitas

Leia mais

USO DE COCCIDIOSTÁTICO NO SAL MINERAL

USO DE COCCIDIOSTÁTICO NO SAL MINERAL USO DE COCCIDIOSTÁTICO NO SAL MINERAL Monografia apresentada como requisito à conclusão do Curso de Graduação em Zootecnia da Universidade Federal do Rio Grande do Norte UFRN Alberto Luiz Freire de Andrade

Leia mais

UNTTERMOS: Ancylostomatoidea; Ancylostoma caninum; Chrysocyon brachyurus-, Lobo-guará; Minas Gerais INTRODUÇÃO

UNTTERMOS: Ancylostomatoidea; Ancylostoma caninum; Chrysocyon brachyurus-, Lobo-guará; Minas Gerais INTRODUÇÃO OCORRÊNCIA E IDENTIFICAÇÃO DE ANCILOSTOMA TÍDEOS E M LOBO-GUARÁ (CHRYSOCYON BRACHYURUS, ILLIGER, 1811) DA REGIÃO DO TRIÂNGULO MINEIRO, MINAS GERAIS, BRASIL UNTTERMOS: Ancylostomatoidea; Ancylostoma caninum;

Leia mais

Palavras-chave: guarda responsável, higiene, vermifugação, saúde.

Palavras-chave: guarda responsável, higiene, vermifugação, saúde. ZOONOSES VERSUS ANIMAIS DE COMPANHIA: O CONHECIMENTO COMO FERRAMENTA DE PREVENÇÃO Área Temática: Saúde Maria Aparecida Gonçalves da Fonseca Martins (Coordenadora da Ação de Extensão) Jessyca Caroline Rocha

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Unidade Universitária: CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE Curso: Farmácia Disciplina: Parasitologia Básica Integral Professor(es):Ligia Beatriz Lopes Persoli Carga horária: Ementa: DRT: 1086619 Código

Leia mais

Ano VI Número 11 Julho de 2008 Periódicos Semestral DICTIOCAULOSE

Ano VI Número 11 Julho de 2008 Periódicos Semestral DICTIOCAULOSE DICTIOCAULOSE LOPES, Rômulo M. Gomes AZEVEDO, Fernando Felipe MARQUES, Manuel Eduardo O. CRUZ, Guilherme Gamba C. Discentes da Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia de Garça - FAMED NEVES, Maria

Leia mais

Sumário 1. A PREVENÇÃO CONTRA AS DOENÇAS CAUSADAS POR VERMES PODE SER FÁCIL... 2

Sumário 1. A PREVENÇÃO CONTRA AS DOENÇAS CAUSADAS POR VERMES PODE SER FÁCIL... 2 Sumário 1. A PREVENÇÃO CONTRA AS DOENÇAS CAUSADAS POR VERMES PODE SER FÁCIL.... 2 2. LOMBRIGA... 4 2.1. O QUE A LOMBRIGA CAUSA AO HOMEM?... 4 2.2. COMO É TRANSMITIDA A LOMBRIGA?... 5 2.3. COMO EVITAR A

Leia mais

PRINCIPAIS DOENÇAS DAS AVES (fonte: U.F.de Viçosa)

PRINCIPAIS DOENÇAS DAS AVES (fonte: U.F.de Viçosa) Principais VIROSES: PRINCIPAIS DOENÇAS DAS AVES (fonte: U.F.de Viçosa) Doença de Newcastle: Altamente contagiosa, afeta aves em qualquer idade. O vírus pode pode afetar e causar lesões no sistema digestivo,

Leia mais

(G. DON) D. F. & (1983) E

(G. DON) D. F. & (1983) E UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE SAÚDE E TECNOLOGIA RURAL PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ZOOTECNIA SISTEMAS AGROSSILVIPASTORIS NO SEMI-ÁRIDO EFICÁCIA ANTI-HELMÍNTICA DA Operculina hamiltonii

Leia mais

Profissional da Saúde

Profissional da Saúde Profissional da Saúde Qual a sua responsabilidade frente a essa prática? Figura 1: abate de ovino na propriedade Se você ficou em dúvida sobre a resposta, então leia as informações a seguir sobre HIDATIDOSE.

Leia mais

Dioctophyma renale em lobo-guará Relato de caso post mortem. Dioctophyma renale in guará wolf (Chrysocyon brachyurus) Post mortem case report

Dioctophyma renale em lobo-guará Relato de caso post mortem. Dioctophyma renale in guará wolf (Chrysocyon brachyurus) Post mortem case report Dioctophyma renale em lobo-guará Relato de caso post mortem Dioctophyma renale in guará wolf (Chrysocyon brachyurus) Post mortem case report Dioctophyma renale en el aguará guazú (Chrysocyon brachyurus)

Leia mais

Características dos Nematoides

Características dos Nematoides Nematoides Características dos Nematoides Possuem o corpo cilíndrico e alongado, com pontas afiladas e musculatura desenvolvida. Apresentam tamanhos variados. Tubo digestório completo (boca e ânus). Podem

Leia mais

Importância das Vacinas inativadas contra Clostridioses

Importância das Vacinas inativadas contra Clostridioses Importância das Vacinas inativadas contra Clostridioses Introdução As clostridioses são consideradas as maiores causas de mortes em bovinos no Brasil, seguidas das intoxicações causadas por plantas tóxicas

Leia mais

Nematóides mais comuns em Seres Humanos e Animais

Nematóides mais comuns em Seres Humanos e Animais Nematóides mais comuns em Seres Humanos e Animais 1- Ascaridíase gênero Ascaris 2- Ancilostomíase gênero Ancylostoma 3- Oxiuríase gênero Enterobius 4- Filaríase gênero Wuchereria Ascaris O gênero Ascaris

Leia mais

Relatório Final de Estágio Mestrado Integrado em Medicina Veterinária

Relatório Final de Estágio Mestrado Integrado em Medicina Veterinária Relatório Final de Estágio Mestrado Integrado em Medicina Veterinária PREVALÊNCIA DE PARASITAS GASTROINTESTINAIS NA POPULAÇÃO DE ANIMAIS DO ZOO DA MAIA Patrícia Helena dos Santos Camilo da Silva Orientador(es)

Leia mais

Colégio São Paulo. Disciplina: Ciências Profª. Marana Vargas 7º ano

Colégio São Paulo. Disciplina: Ciências Profª. Marana Vargas 7º ano Colégio São Paulo Disciplina: Ciências Profª. Marana Vargas 7º ano Características principais do Reino Animalia Reúne organismos eucariotos, pluricelulares e com nutrição heterotrófica. O reino apresenta

Leia mais

Biologia Professor Vianna 2ª série / 1º trimestre

Biologia Professor Vianna 2ª série / 1º trimestre Biologia Professor Vianna 2ª série / 1º trimestre Módulo 3 PLATELMINTOS E NEMATELMINTOS 1 Ao abrir o envelope com o resultado de seu exame parasitológico de fezes, Jequinha leu Positivo para ovos de Ascaris

Leia mais

PARTE II Zoonoses causadas por parasitas intestinais do cão e gato

PARTE II Zoonoses causadas por parasitas intestinais do cão e gato Clínica Veterinária de Mangualde Dr. Benigno Rodrigues Dra. Sandra Oliveira PARTE II Zoonoses causadas por parasitas intestinais do cão e gato GIARDIA O protozoário Giardia lamblia é responsável por uma

Leia mais

Toxocaríase. Toxocaríase. Toxocaríase. Toxocara canis. Toxocara. Toxocaríase- sinais clínicos (animal)

Toxocaríase. Toxocaríase. Toxocaríase. Toxocara canis. Toxocara. Toxocaríase- sinais clínicos (animal) O nematódeo vive no intestino delgado do cão (Toxocara canis) ou do gato (Toxocara catis e leonina) Alimentam-se de produtos prédigeridos (aminoácidos, vitaminas e oligoelementos) Toxocara O ciclo de vida

Leia mais

CAPILARIOSE HEPÁTICA: REVISÃO DE LITERATURA

CAPILARIOSE HEPÁTICA: REVISÃO DE LITERATURA CAPILARIOSE HEPÁTICA: REVISÃO DE LITERATURA FOLHARI, Érica Pieroli VÁGULA, Maílha Ruiz Discentes da Faculdade de Medicina Veterinária de Garça/SP - FAMED/FAEF NEVES, Maria Francisca Docente da Faculdade

Leia mais

PLANO DE ENSINO. Identificar e caracterizar as relações parasito-hospedeiro,entendendo alterações;

PLANO DE ENSINO. Identificar e caracterizar as relações parasito-hospedeiro,entendendo alterações; PLANO DE ENSINO 1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Instituição: Universidade Alto Vale do Rio do Peixe Curso: ENFERMAGEM Professores: Rosemari Santos de Oliveira- rosemarixw@yahoo.com.br Período/ Fase: 1º Semestre:

Leia mais

PROGRAMA DE DISCIPLINA

PROGRAMA DE DISCIPLINA PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO 1 PROGRAMA DE DISCIPLINA Disciplina Parasitologia Básica Departamento DECBI Bloco I -Apresentação da disciplina Unidade ICEB Código 714 Carga Horária Semanal Teórica Prática 2

Leia mais

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia.

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Ocorrência de parasitos gastrintestinais de gatos (Felis catus) que frequentam a Universidade Estadual do Piauí, Campus Torquato Neto, Teresina

Leia mais

IMPORTÂNCIA E CONTROLE DAS HELMINTOSES DOS CÃES E GATOS

IMPORTÂNCIA E CONTROLE DAS HELMINTOSES DOS CÃES E GATOS Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro Instituto de Veterinária Departamento de Epidemiologia e Saúde Pública IMPORTÂNCIA E CONTROLE DAS HELMINTOSES DOS CÃES E GATOS Adivaldo Henrique da Fonseca

Leia mais

Disciplina: Geografia. Trabalho realizado por: Mónica Algares nº 17. Turma: B

Disciplina: Geografia. Trabalho realizado por: Mónica Algares nº 17. Turma: B Disciplina: Geografia Trabalho realizado por: Mónica Algares nº 17 Turma: B 1 Índice Introdução... 3 Principais fontes de poluição dos oceanos e mares... 4 Prejuízos irremediáveis... 5 As marés negras...

Leia mais

PANORAMA DE PARASITOSES EM OVINOS NO BRASIL.

PANORAMA DE PARASITOSES EM OVINOS NO BRASIL. PANORAMA DE PARASITOSES EM OVINOS NO BRASIL. Sérgio Tosi Cardim Médico Veterinário Mestrando em Ciência Animal CCA DMVP UEL Victor Bittencourt Dutra Tabacow Médico Veterinário Residente em Parasitologia

Leia mais

Fezes recentemente colhidas por evacuação espontânea ou por evacuação provocada (uso de laxantes). b) Quantidade mínima de amostra necessária

Fezes recentemente colhidas por evacuação espontânea ou por evacuação provocada (uso de laxantes). b) Quantidade mínima de amostra necessária 1/5 1. INTRODUÇÃO / FINALIDADE DO MÉTODO O exame de fezes oferece subsídios valiosos quando criteriosamente solicitado e executado. O exame parasitológico de fezes abrange pesquisa de trofozoítos e formas

Leia mais

24/8/2009. Larva migrans cutânea. Larva migrans cutânea. Larva migrans cutânea. Larva migrans cutânea

24/8/2009. Larva migrans cutânea. Larva migrans cutânea. Larva migrans cutânea. Larva migrans cutânea CICLO BIOLÓGICO Os cães e os gatos, que são os hospedeiros definitivos do parasita, podem infectar-se de formas diversas: Ingestão de ovos infectantes; Ingestão de larvas presentes em tecidos de hospedeiros

Leia mais

OCORRÊNCIA DE PARASITOS GASTRINTESTINAIS EM FEZES DE GATOS DOMICILIADOS

OCORRÊNCIA DE PARASITOS GASTRINTESTINAIS EM FEZES DE GATOS DOMICILIADOS 132 OCORRÊNCIA DE PARASITOS GASTRINTESTINAIS EM FEZES DE GATOS DOMICILIADOS Brigitte Brennecke de Mattos 1 ; Bárbara Melina Viol² RESUMO - As parasitoses gastrintestinais são frequentes em todos os seres

Leia mais

Nematelmintos: Ancylostoma duodenale Necator americanus. Profa. Alessandra Barone Prof. Archangelo Fernandes www.profbio.com.br

Nematelmintos: Ancylostoma duodenale Necator americanus. Profa. Alessandra Barone Prof. Archangelo Fernandes www.profbio.com.br Nematelmintos: Ancylostoma duodenale Necator americanus Profa. Alessandra Barone Prof. Archangelo Fernandes www.profbio.com.br Ancylostoma duodenale e Necator americanus Reino: Animalia Filo: Nematoda

Leia mais

Difilobotríase: alerta e recomendações

Difilobotríase: alerta e recomendações MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE Difilobotríase: alerta e recomendações Desde março de 2005, a Secretaria de Vigilância em Saúde do Ministério da Saúde (SVS) tem sido notificada da

Leia mais

CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: MEDICINA VETERINÁRIA INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO ANHANGUERA DE NITERÓI

CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: MEDICINA VETERINÁRIA INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO ANHANGUERA DE NITERÓI TÍTULO: PERFIL HEMATOLÓGICO E PARASITOLÓGICO DE ANIMAIS DOMÉSTICOS COM SUSPEITA DE INFECÇÃO POR PARASITOS ( HEMOPARASITOS E ENDOPARASITOS) COM POTENCIAL ZOONÓTICO ATENDIDOS NO HOSPITAL DE CLÍNICAS DA FACULDADE

Leia mais

Relatos de casos de Strongyloides stercoralis. Isabelle Assunção Nutrição

Relatos de casos de Strongyloides stercoralis. Isabelle Assunção Nutrição Relatos de casos de Strongyloides stercoralis Isabelle Assunção Nutrição RECIFE/2011 INTRODUÇÃO A estrongiloidíase é uma helmintíase predominantemente intestinal causada pelo Strongyloides stercoralis,

Leia mais

HIDATIDOSE no Rio Grande do Sul

HIDATIDOSE no Rio Grande do Sul Informativo Técnico N 01 /Ano 02 Janeiro de 2011 HIDATIDOSE no Rio Grande do Sul Ivo Kohek Jr. * Fig. 1 Fig. 2 Cisto hidático em olho humano Cirurgia de retirada de cistos hidáticos em abdomen humano.

Leia mais

Aula IV Protozoários Zoopatogênicos

Aula IV Protozoários Zoopatogênicos ZOOLOGIA E PARASITOLOGIA Aula IV Protozoários Zoopatogênicos Professora: Luciana Alves de Sousa Doenças causadas por Protozoários Doença de Chagas Leishmaniose Malária Giardíase Amebíase Toxoplasmose Doença

Leia mais

DETERMINAÇÃO DE INFECÇÃO POR ENTAMOEBA HISTOLYTICA

DETERMINAÇÃO DE INFECÇÃO POR ENTAMOEBA HISTOLYTICA DETERMINAÇÃO DE INFECÇÃO POR ENTAMOEBA HISTOLYTICA/ENTAMOEBA DÍSPAR EM PACIENTES DO CENTRO EDUCACIONAL INFANTIL DE SÃO JOSÉ DOS QUATRO MARCOS, MT DETERMINATION OF INFECTION BY ENTAMOEBA HISTOLYTICA / ENTAMOEBA

Leia mais

UFRRJ INSTITUTO DE BIOLOGIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BIOLOGIA ANIMAL DISSERTAÇÃO

UFRRJ INSTITUTO DE BIOLOGIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BIOLOGIA ANIMAL DISSERTAÇÃO UFRRJ INSTITUTO DE BIOLOGIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BIOLOGIA ANIMAL DISSERTAÇÃO Eficácia dos Princípios Ativos da Planta Medicinal Chenopodium ambrosioides Linnaeus, 1786 (Erva-de-Santa-Maria), no

Leia mais

INCIDÊNCIA DE PARASITAS INTESTINAIS DE CARÁTER ZOONÓTICO EM CÃES E GATOS NA REGIÃO DE MARINGÁ

INCIDÊNCIA DE PARASITAS INTESTINAIS DE CARÁTER ZOONÓTICO EM CÃES E GATOS NA REGIÃO DE MARINGÁ 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 INCIDÊNCIA DE PARASITAS INTESTINAIS DE CARÁTER ZOONÓTICO EM CÃES E GATOS NA REGIÃO DE MARINGÁ Jaqueline Pegoraro 1, Camila Agostini¹, Jussara Maria Leite

Leia mais

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia.

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Ocorrência e localização de cisticercos em bovinos abatidos e submetidos à Inspeção Federal no Estado de Goiás, Brasil Osvaldo José da Silveira

Leia mais

INSTITUIÇÃO: ÁREA TEMÁTICA

INSTITUIÇÃO: ÁREA TEMÁTICA TÍTULO: ANÁLISE DE RASPADOS CUTÂNEOS PARA DIAGNÓSTICO DE DERMATOFITOSES EM ANIMAIS ATENDIDOS PELO HOSPITAL VETERINÁRIO (UFRPE) AUTORES: R. F. C. VIEIRA; L. B. G. SILVA; M. L. FIGUEIREDO; R. A. MOTA; A.

Leia mais

PREVALÊNCIA DE PARASITAS INTESTINAIS EM CRIANÇAS DE 05 A 12 ANOS, EM NOVA ALVORADA DO SUL-MS

PREVALÊNCIA DE PARASITAS INTESTINAIS EM CRIANÇAS DE 05 A 12 ANOS, EM NOVA ALVORADA DO SUL-MS 5 PREVALÊNCIA DE PARASITAS INTESTINAIS EM CRIANÇAS DE 05 A 12 ANOS, EM NOVA ALVORADA DO SUL-MS PREVALENCE OF INTESTINAL PARASITES IN CHILDREN 05 TO 12 YEARS OLD IN NOVA ALVORADA DO SUL- MS SILVA, Jessica

Leia mais

Questionário - Proficiência Clínica

Questionário - Proficiência Clínica Tema Elaboradora Texto Introdutório Questão 1 Questão 2 PARASITAS NÃO HABITUAIS Vera Lucia Pagliusi Castilho. Médica Patologista Clinica, Doutora em Medicina pela Faculdade de Medicina da Universidade

Leia mais

PNEUMONIA VERMINÓTICA EM BEZERROS

PNEUMONIA VERMINÓTICA EM BEZERROS PNEUMONIA VERMINÓTICA EM BEZERROS GIBELLINI, Caio C. SOUZA, Camila C. RODRIGUES, Taliane R. Discentes do curso de Medicina Veterinária FAMED ZAPPA, Vanessa Decente do curso de Medicina Veterinária FAMED

Leia mais

Medicina Veterinária. BIO 3408-03S-20 - Citologia, Histologia e Embriologia II 60 - - 060

Medicina Veterinária. BIO 3408-03S-20 - Citologia, Histologia e Embriologia II 60 - - 060 Página 0001 de 0004 1º Período Não VET 3177-04S-20 - Anatomia Veterinária I 80 - - 080 6487-02S-20 - Bem-Estar Animal 20 20-040 BIO 0167-02S-20 - Bioestatística 40 - - 040 FAR 0534-04S-20 - Bioquímica

Leia mais

REQUISITOS: BEG5101 - Fundamentos da Biologia Celular. IDENTIFICAÇÃO DA OFERTA: Disciplina é oferecida somente para o curso de Nutrição

REQUISITOS: BEG5101 - Fundamentos da Biologia Celular. IDENTIFICAÇÃO DA OFERTA: Disciplina é oferecida somente para o curso de Nutrição UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CAMPUS UNIVERSITÁRIO - TRINDADE - CAIXA POSTAL 476 CEP 88.040-970 - FLORIANÓPOLIS - SANTA CATARINA Telefone - (48) 37219353 Departamento de Microbiologia, Imunologia

Leia mais

Libyostrongylus douglassii em Strutio camelus (avestruz) Revisão de Literatura

Libyostrongylus douglassii em Strutio camelus (avestruz) Revisão de Literatura Libyostrongylus douglassii em Strutio camelus (avestruz) Revisão de Literatura SAITO, Angela Satiko NAKASATO, Fernanda Hatsue SOUBHIA, Camila Bueno GARCIA, Marcelo Manfrin Discentes da Faculdade de Medicina

Leia mais

PLATYNOSOMUM FACTOSUM

PLATYNOSOMUM FACTOSUM PLATYNOSOMUM FACTOSUM LIMA, Gabriela Silva DABUS, Daniela Marques Maciel TRENTIN, Thays de Campos Discentes da Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia de Garça FAMED/ ACEG NEVES, Maria Francisca

Leia mais

BIOLOGIA MÓDULO II do PISM (triênio 2004-2006)

BIOLOGIA MÓDULO II do PISM (triênio 2004-2006) BIOLOGIA MÓDULO II do PISM (triênio 2004-2006) QUESTÕES OBJETIVAS 01. A evolução das fases esporofítica (E) e gametofítica (G) em diferentes grupos de plantas está representada na figura ao lado. Assinale

Leia mais

Nematódeos. - infecção oral. Classificação. Reino: Animalia Filo: Aschelminthes Classe: Nematoda Ordem: Ascaridida Ascarididae Ascaris lumbricoides

Nematódeos. - infecção oral. Classificação. Reino: Animalia Filo: Aschelminthes Classe: Nematoda Ordem: Ascaridida Ascarididae Ascaris lumbricoides Classificação Reino: Animalia Filo: Aschelminthes Classe: Nematoda Ordem: Ascaridida Família: Ascarididae Espécie: Ascaris lumbricoides Características gerais É o maior nematódeos do intestino do homem

Leia mais

Biologia Parasitária. MIP 7003 Ciências Biológicas

Biologia Parasitária. MIP 7003 Ciências Biológicas Biologia Parasitária MIP 7003 Ciências Biológicas www.proto.ufsc.br Causas de doenças:! SOBRENATURAIS OU MÁGICAS! TEORIA HIPOCRÁTICA: INDIVÍDUO E MEIO AMBIENTE! MIASMAS: EMANAÇÕES DA DECOMPOSIÇÃO DE ANIMAIS

Leia mais

Ano VI Número 11 Julho de 2008 Periódicos Semestral FASCIOLOSE HEPÁTICA

Ano VI Número 11 Julho de 2008 Periódicos Semestral FASCIOLOSE HEPÁTICA FASCIOLOSE HEPÁTICA SILVA, Evandro Roberto Vaz da. CAPOANI, Raoni Queiroz RITZ, Renato SURIAN, Cesar Rodrigo de Souza Discentes da Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia de Garça NEVES, Maria Francisca

Leia mais

Parasitoses - Ve V rminoses Prof. Tiago

Parasitoses - Ve V rminoses Prof. Tiago Parasitoses - Verminoses Prof. Tiago INTRODUÇÃO PLATELMINTOS E NEMATÓDEOS: RESPONSÁVEIS POR ALGUMAS PARASITOSES CONHECIDAS COMO VERMINOSES. TENÍASE E ESQUISTOSSOMOSE SÃO CAUSADAS POR PLATELMINTOS; ASCARIDÍASE

Leia mais

Jornal de Piracicaba, Piracicaba/SP, em 4 de Junho de 1993, página 22. Animais de companhia: O verme do coração do cão

Jornal de Piracicaba, Piracicaba/SP, em 4 de Junho de 1993, página 22. Animais de companhia: O verme do coração do cão Jornal de Piracicaba, Piracicaba/SP, em 4 de Junho de 1993, página 22 Animais de companhia: O verme do coração do cão Quando se fala em vermes, as primeiras imagens que vêm à mente das pessoas são: "lombrigas"

Leia mais

Aula 4. Atividades. Mapeado o genoma do Schistosoma mansoni, parasito causador da esquistossomose

Aula 4. Atividades. Mapeado o genoma do Schistosoma mansoni, parasito causador da esquistossomose Aula 4 1. Leia a notícia a seguir. Atividades IV. o mapeamento genético do verme pode auxiliar no controle dos problemas ambientais, como a falta de saneamento básico. V. resolverá definitivamente os problemas

Leia mais

2ªsérie 2º período B I O L O G I A

2ªsérie 2º período B I O L O G I A 2.2 B I O L O G I A 2ªsérie 2º período QUESTÃO 1 O filo Platyhelminthes inclui tanto formas de vida livre como organismos endo e ectoparasitas. Considerando a biologia destes animais, marque a opção que

Leia mais

CURRÍCULO DO CURSO. Mínimo: 10 semestres. Profª Drª Erik Amazonas de Almeida 37214731

CURRÍCULO DO CURSO. Mínimo: 10 semestres. Profª Drª Erik Amazonas de Almeida 37214731 Documentação: Objetivo: Autorizaçãodo Curso/MEC - Portaria nº180, de 08/05/2013 Resolução 03/CEG/2011, de 08-06-2011. Formar médicos veterinários diferenciados com cunho generalista, com sólida formação

Leia mais

FACULDADE DE TECNOLOGIA E CIÊNCIAS CURSO: NUTRIÇÃO

FACULDADE DE TECNOLOGIA E CIÊNCIAS CURSO: NUTRIÇÃO FACULDADE DE TECNOLOGIA E CIÊNCIAS CURSO: NUTRIÇÃO Taenia sp Profª Cyntia Cajado Taxonomia Filo: Platyhelminthes Classe: Cestoda Família: Taenidae Hermafroditas Corpo achatado dorsoventralmente Gênero:

Leia mais

DOENÇAS DE VEICULAÇÃO HÍDRICA E ALIMENTAR RESPONSÁVEIS: Jaqueline Ourique L. A. Picoli Simone Dias Rodrigues Solange Aparecida C.

DOENÇAS DE VEICULAÇÃO HÍDRICA E ALIMENTAR RESPONSÁVEIS: Jaqueline Ourique L. A. Picoli Simone Dias Rodrigues Solange Aparecida C. ESQUISTOSSOMOSE CID 10: B 65 a B 65.9 DOENÇAS DE VEICULAÇÃO HÍDRICA E ALIMENTAR RESPONSÁVEIS: Jaqueline Ourique L. A. Picoli Simone Dias Rodrigues Solange Aparecida C. Marcon CARACTERÍSTICAS GERAIS DESCRIÇÃO

Leia mais

ENTEROPARASITAS EM RAMPHASTIDAE (Vigors, 1825) CATIVOS NA FUNDAÇÃO PARQUE ZOOLÓGICO DE SÃO PAULO

ENTEROPARASITAS EM RAMPHASTIDAE (Vigors, 1825) CATIVOS NA FUNDAÇÃO PARQUE ZOOLÓGICO DE SÃO PAULO ENTEROPARASITAS EM RAMPHASTIDAE (Vigors, 1825) CATIVOS NA FUNDAÇÃO PARQUE ZOOLÓGICO DE SÃO PAULO Carolina Romeiro Fernandes Chagas¹, Irys Hany Lima Gonzalez¹, Paula Andrea Borges Salgado¹, Claudia Regina

Leia mais

CONTRIBUIÇÃO PARA O ESTUDO DE GEOHELMINTAS EM PARQUES INFANTIS DE BRASÍLIA - BRASIL.

CONTRIBUIÇÃO PARA O ESTUDO DE GEOHELMINTAS EM PARQUES INFANTIS DE BRASÍLIA - BRASIL. UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA INSTITUTO DE HIGIENE E MEDICINA TROPICAL MESTRADO EM PARASITOLOGIA MÉDICA CONTRIBUIÇÃO PARA O ESTUDO DE GEOHELMINTAS EM PARQUES INFANTIS DE BRASÍLIA - BRASIL. EDUARDO DE OLIVEIRA

Leia mais

PARASITOLOGIA ZOOTÉCNICA ORDEM HEMIPTERA

PARASITOLOGIA ZOOTÉCNICA ORDEM HEMIPTERA Aula 04 A PARASITOLOGIA ZOOTÉCNICA Aula de hoje: Hemiptera de importância em Parasitologia Zootécnica ORDEM HEMIPTERA Insetos da ordem Hemiptera são divididos em três subordens, os Heteroptera (conhecidos

Leia mais

PADRONIZAÇÃO DAS DENOMINAÇÕES DE ÁREAS E SUBÁREAS DOS PRMV. Carlos Afonso de Castro Beck CNRMV

PADRONIZAÇÃO DAS DENOMINAÇÕES DE ÁREAS E SUBÁREAS DOS PRMV. Carlos Afonso de Castro Beck CNRMV PADRONIZAÇÃO DAS DENOMINAÇÕES DE ÁREAS E SUBÁREAS DOS PRMV Carlos Afonso de Castro Beck CNRMV Dificuldades observadas em relação às denominações de Áreas e/ou Subáreas de PRMV estabelecidas pelas IES Na

Leia mais

Sistema Circulatório Comparado

Sistema Circulatório Comparado Anatomia e Fisiologia Comparadas Sistema Circulatório Comparado Ana Luisa Miranda Vilela Cleonice Miguez Dias da Silva Braga DEMONSTRAÇÃO (PÁGINAS INICIAIS) Para aquisição somente na Bioloja. Direitos

Leia mais

2ªsérie B I O L O G I A QUESTÃO 1 QUESTÃO 2 QUESTÃO 4 QUESTÃO 3. 4º período

2ªsérie B I O L O G I A QUESTÃO 1 QUESTÃO 2 QUESTÃO 4 QUESTÃO 3. 4º período ªsérie B I O L O G I A 4º período QUESTÃO A ilustração a seguir mostra vários personagens do popular desenho "Bob Esponja", muitos pertencentes ao reino Animal. Com o auxílio da ilustração, responda aos

Leia mais

CURSOS. Só abra este caderno quando o fiscal autorizar. Leia atentamente as instruções abaixo.

CURSOS. Só abra este caderno quando o fiscal autorizar. Leia atentamente as instruções abaixo. PROCESSO SELETIVO 2007/1 BIOLOGIA CURSOS Agronomia, Ciências Biológicas, Curso Superior de Tecnologia em Agropecuária, Curso Superior de Tecnologia em Alimentos, Curso Superior de Tecnologia em Gastronomia,

Leia mais

Pesquisa Científica de Parasitologia em Rio dos Cedros-SC

Pesquisa Científica de Parasitologia em Rio dos Cedros-SC Pesquisa Científica de Parasitologia em Rio dos Cedros-SC A pesquisa foi realizada pelo Laboratório Freitag & Weingärtner durante o período de 01/06/2005 a 31/08/2005 na cidade de Rio dos Cedros-SC em

Leia mais

RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO

RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO Página 1 de 12 1. NOME DO MEDICAMENTO VETERINÁRIO Paracilina SP 800 mg, pó para solução oral. 2. COMPOSIÇÃO QUALITATIVA E QUANTITATIVA Cada grama contém: Substância

Leia mais

PARASITA DE EQUINOS: DICTYOCAULUS ARNIFIELDI

PARASITA DE EQUINOS: DICTYOCAULUS ARNIFIELDI PARASITA DE EQUINOS: DICTYOCAULUS ARNIFIELDI OLIVEIRA, Carina Morita MACEDO, Thaís Cristina Dias SILVA, Gabriella Yamanouye FRANCISCON, Munize Crozzatti Discentes do curso de Medicina Veterinária da Faculdade

Leia mais

A INCIDÊNCIA DA DENGUE NO MUNICÍPIO DE ITABUNA EM 2009

A INCIDÊNCIA DA DENGUE NO MUNICÍPIO DE ITABUNA EM 2009 A INCIDÊNCIA DA DENGUE NO MUNICÍPIO DE ITABUNA EM 2009 TRANZILLO, Eliene Maria dos Santos 1 MARTINS, Inatiane Campos Lima 2 BATISTA, Gustavo Silva 3 1. Introdução A dengue é um dos principais problemas

Leia mais

Tratamento de Água e Efluentes

Tratamento de Água e Efluentes Tratamento de Água e Efluentes Piscicultura Doenças e Tratamento SNatural Peixes - Doenças e Parasitoses Os peixes coexistem com parasitas e patógenos na natureza, em equilíbrio. Alterações ambientais

Leia mais

1 Computação 2008-2009 (2.º Semestre): Documentos para consulta no exame N.º. Nome completo: Curso: Foto:

1 Computação 2008-2009 (2.º Semestre): Documentos para consulta no exame N.º. Nome completo: Curso: Foto: 1 N.º Nome completo: Curso: Foto: 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 32 33 34 35 36 37 38 39 40 41 42 43 44 45 46 47 48 49 50 51 52 53 54 55 56 57 58 59 60

Leia mais

Amebíase ou Disenteria Amebiana

Amebíase ou Disenteria Amebiana Amebíase ou Disenteria Amebiana Agente causador: Entamoeba histolytica, que vive no interior do intestino grosso, fagocitando partículas de alimento digerido e também atacando a própria mucosa intestinal.

Leia mais

Série Didática Número 5

Série Didática Número 5 Animais Peçonhentos: Serpentes_ Serpentes são animais vertebrados que pertencem ao grupo dos répteis. Seu corpo é coberto de escamas, o que Ihes confere um aspecto às vezes brilhante, às vezes opaco, ou

Leia mais

XIV CURSO DE CAPACITAÇÃO E PREVENÇÃO EM CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR DA AECIHERJ CONCEITOS BÁSICOS E INTRODUÇÃO A INFECÇÃO HOSPITALAR

XIV CURSO DE CAPACITAÇÃO E PREVENÇÃO EM CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR DA AECIHERJ CONCEITOS BÁSICOS E INTRODUÇÃO A INFECÇÃO HOSPITALAR XIV CURSO DE CAPACITAÇÃO E PREVENÇÃO EM CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR DA AECIHERJ CONCEITOS BÁSICOS E INTRODUÇÃO A INFECÇÃO HOSPITALAR Vítor Martins Médico Infectologista ASSUNTOS QUE ABORDAREMOS - Colonização

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA EM JOINVILLE PRÓ-REITORIA ACADÊMICA CURSO DE BIOMEDICINA. Matriz Curricular vigente a partir de 2012/1

CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA EM JOINVILLE PRÓ-REITORIA ACADÊMICA CURSO DE BIOMEDICINA. Matriz Curricular vigente a partir de 2012/1 CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA EM JOINVILLE PRÓ-REITORIA ACADÊMICA CURSO DE BIOMEDICINA Matriz Curricular vigente a partir de 2012/1 Fase Cod. Disciplina P.R Carga Horária Teórica Prática

Leia mais

Análises laboratoriais em Parasitologia. Noções gerais

Análises laboratoriais em Parasitologia. Noções gerais Análises laboratoriais em Parasitologia Noções gerais Recolha de amostras Sangue capilar Recolha - dedo ou lobo da orelha Para pesquisa de paludismo rejeita-se a primeira gota realizar esfregaço e gota

Leia mais

ANEXO I RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO

ANEXO I RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO ANEXO I RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO Página 1 de 19 1. NOME DO MEDICAMENTO VETERINÁRIO DOX 100 mg/g pó oral para bovinos, suínos e aves (frangos e perus) 2. COMPOSIÇÃO QUALITATIVA E QUANTITATIVA

Leia mais

Instituto Politécnico de Leiria Escola Superior de Saúde

Instituto Politécnico de Leiria Escola Superior de Saúde Instituto Politécnico de Leiria Escola Superior de Saúde Licenciatura em Enfermagem Unidade Curricular de Microbiologia e Doenças Infeciosas Ano letivo 2014-2015 1º Semestre Curso 9500 http://ead.ipleiria.pt/

Leia mais

Como fazer um pôster. Adriane Pimenta da Costa Val Adaptado de Amanda Soriano Araújo

Como fazer um pôster. Adriane Pimenta da Costa Val Adaptado de Amanda Soriano Araújo Como fazer um pôster Adriane Pimenta da Costa Val Adaptado de Amanda Soriano Araújo Função Introdução Sintetizar as informações e dados relevantes da pesquisa. Elementos Textos Dados Tabelas, gráficos,

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA CAPARICA PLANIFICAÇÃO ANUAL 2015/2016 2.º CICLO DISCIPLINA: CIÊNCIAS NATURAIS 6.º ANO

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA CAPARICA PLANIFICAÇÃO ANUAL 2015/2016 2.º CICLO DISCIPLINA: CIÊNCIAS NATURAIS 6.º ANO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA CAPARICA PLANIFICAÇÃO ANUAL 2015/2016 2.º CICLO DISCIPLINA: CIÊNCIAS NATURAIS 6.º ANO Período Nº semanas Nº de aulas Previstas 1º 13 37 2º 10 32 3º 9 27 TOTAL 96 Domínios Subdomínios

Leia mais

ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO DE CIÊNCIAS

ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO DE CIÊNCIAS ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO DE CIÊNCIAS Nome: Nº 7º Ano Data: / / 2015 Professor(a): Nota: (Valor 1,0) 3º Bimestre A - Introdução Neste bimestre começamos a estudar o reino animal com toda sua fantástica diversidade.

Leia mais