MBA-Empresarial em Planejamento e Gestão de Negócios Disciplina: Economia para Executivos APOSTILA:

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MBA-Empresarial em Planejamento e Gestão de Negócios Disciplina: Economia para Executivos APOSTILA:"

Transcrição

1 MBA-Empresarial em Planejamento e Gestão de Negócios Disciplina: Economia para Executivos APOSTILA: Prof. Drd. Marcos J. G. Rambalducci

2 SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 1 CENÁRIO MICROECONÔMICO... 3 Planejamento estratégico O que vem a ser Planejamento Estratégico Por que planejar Como aplicar o Planejamento Estratégico O planejamento estratégico de negócios... 3 CENÁRIOS MACROECONÔMICOS Os indicadores econômicos agregados PIB e PNB PIB nominal e PIB real PIB e PNB (produto nacional bruto) PIB per capita Fatores em geral Inflação Conceito de inflação Distorções do processo inflacionário Indicadores de inflação A formação da Taxa de Câmbio O Balanço de Pagamentos Risco Brasil e o Custo Brasil

3 INTRODUÇÃO O ambiente empresarial brasileiro é muito dinâmico e mutável, devido à globalização, a mudanças tecnológicas e à evolução político econômica do país em busca do desenvolvimento, o que cria a necessidade, entre as empresas brasileiras, de encontrar abordagens explícitas para lidar com a turbulência e com a incerteza. A estrutura industrial está em constante modificação, e as empresas, dentro de cada uma as indústrias, enfrentam incertezas quanto ao rumo que estas mudanças podem tomar. A partir desta percepção, muitos métodos tem sido desenvolvidos por pesquisadores e empresas para lidar com estas incertezas. Porter (1990) trabalha diretamente com cenários industriais e baseia seu método no conceito das cinco forças competitivas. Essas forças são fatores motores do mercado e grandes fontes de incerteza. Elas estão representadas no diagrama que segue: Fonte: Porter (1990) Porter inicia a construção de cenários analisando a estrutura atual da indústria e monitorando todas as incertezas que podem afetá-la. Enquanto Shoemaker (1995) começa definindo especificações do método, Porter define o escopo e o método conforme a projeção evolui. Vamos dar preferência ao método de Porter por ser mais analítico e conciso. O método proposto por esse autor, a princípio parece simples, porém a determinação integral das incertezas pode ser difícil até que tenham sido analisados alguns cenários preliminares, daí a importância do ciclo de feedbacks. Porter a propõe durante diversas etapas do método, conforme mostra o diagrama a seguir: 1

4 Fonte: Porter (1990) Buscando uma visão mais detalhada do processo, pode-se identificar as seguintes etapas: O processo começa com a identificação da incerteza nas indústrias, para o que, os elementos da estrutura industrial devem ser divididos em: constantes, predeterminados e incertos. Elementos constantes são os que raramente sofrem mudanças. Elementos predeterminados são áreas sujeitas a mudanças, mas estas são, em grande parte, previsíveis. Os elementos incertos são os que, de fato, determinam os diferentes cenários, são aqueles sobre os quais existe uma grande incerteza e que poderão caracterizar o desenvolvimento de diferentes cenários. Todas as tendências relevantes à incerteza devem ser monitoradas, principalmente as menos aparentes, para se evitar omissão de fontes importantes de incerteza. As mudanças mais difíceis de prever acontecem fora da indústria, como evolução tecnológica e novos entrantes. As incertezas podem ser dependentes ou independentes. As incertezas independentes não dependem de quaisquer outros elementos da estrutura industrial. Estas são de fato as variáveis críticas na formulação de cenários. As incertezas dependentes são determinadas pelas incertezas independentes. A separação dos elementos da estrutura industrial em variáveis de cenários e variáveis dependentes exige que se identifiquem certos fatores causais de elementos da indústria. São esses fatores causais os responsáveis por determinar a variedade apropriada de suposições a serem feitas sobre cada variável de cenário. Um cenário tem como base suposições plausíveis sobre as variáveis de cenários, derivadas de fatores causais. A variedade de suposições sobre os possíveis resultados das variáveis determina o conjunto apropriado de cenários. Deste modo, existem duas maneiras de limitarmos a proliferação de cenários: reduzindo o número de variáveis de cenários ou de suposições sobre elas. O segundo passo seria verificar se as variáveis são realmente incertas e independentes, para depois verificar se realmente deve haver um impacto potencial sobre a indústria. Em seguida, devem-se especificar as suposições sobre cada variável, escolhidas segundo os seguintes fatores: necessidade de ressaltar a incerteza; regularidade do impacto sobre a estrutura; convicções do gerente; e praticidade. Nossa proposta neste módulo, é trabalhar com algumas idéias propostas por Porter (1990), mas somá-las as interpretações de Treacy e Wiersema(1999) e Kotler (2000), no que diz respeito a uma análise do setor industrial e portanto, uma análise microeconômica, juntamente por uma análise que vise aclarar os rumos da política macroeconômica, fundamental na tomada de posição estratégica em qualquer organização. 2

5 CENÁRIO MICROECONÔMICO Planejamento estratégico KOTLER, P. Administração de marketing: edição do milênio. São Paulo: Alas, 2000 É cada vez maior o número de empresas que diante da complexidade no cenário empresarial e de tantas turbulências e incertezas, estão buscando ferramentas e técnicas para que as auxiliem no processo gerencial. O Planejamento Estratégico é uma dessas ferramentas. Nas empresas competitivas verificamos que, uma importante condição para sua sobrevivência está ligada à clara definição de seus objetivos e ao traçado antecipado dos possíveis caminhos a serem percorridos para atingi-los. 1. O que vem a ser Planejamento Estratégico Planejamento Estratégico é o processo de desenvolvimento e manutenção de uma referência estratégica entre os objetivos e capacidades da empresa e as mudanças de suas oportunidades no mercado, objetivando dar forma aos negócios e produtos de uma empresa, de modo que eles possibilitem os lucros e o crescimento almejados. 2. Por que planejar Para que saibamos para onde devemos caminhar. Se não soubermos para onde ir, não iremos para lugar nenhum. O planejamento Estratégico é a base do planejamento de uma empresa. Depende do desenvolvimento de uma missão clara para a empresa, e da definição de objetivos. 3. Como aplicar o Planejamento Estratégico O planejamento estratégico exige ações em três áreas-chave: 1. gerenciar os negócios da empresa como uma carteira de investimentos; 2. avaliar os pontos forte de cada negócio, considerando a taxa de crescimento de mercado e aposição competitiva da empresa neste mercado; 3. desenvolver uma plano de ação para cada negócio, a fim de atingir seus objetivos de longo prazo. No nível corporativo, primeiro a empresa define seu propósito geral ou sua missão, e depois a missão é transformada em objetivos de apoio detalhados que direcionam toda a empresa. Por sua vez, cada unidade de negócios e produtos deve desenvolver detalhadamente planos estratégicos dentro das definições do plano geral da empresa. 4. O planejamento estratégico de negócios 1. Definir a missão do negócio 2. Fazer a análise do ambiente externo e interno 3. Formular as metas a serem alcançadas 4. Formular as estratégias que permitam alcançar as metas 5. Formular os programas 6. Implementar os programas 7. Fazer o controle 1- Definir a missão do negócio Cada unidade de negócios precisa definir sua missão específica dentro da missão corporativa 3

6 2- Fazer a análise do ambiente externo e interno A avaliação global das forças, fraquezas (ambiente interno), oportunidades e ameaças (ambiente externo) é denominada análise SWOT (do inglês strengths, weaknesses, opportinities, threats) A análise do ambiente interno exige avaliação periódica de suas forças e fraquezas internas nas competências de: marketing, financeiras, de fabricação e organizacionais, classificando cada fator como uma: grande força, força, neutra, fraqueza ou grande fraqueza. O negócio não precisa corrigir todos os seus pontos fracos, ou vangloriar-se de seus pontos fortes, mas sim, limitar-se a análise das oportunidades para as quais tem os recursos necessários ou para as quais deve adquirir ou desenvolver maiores forças. marketing 1 reputação da empresa 2 participação do mercado 3 satisfação do cliente 4 Retenção do cliente 5 qualidade do produto 6 qualidade do serviço 7 determinação de preços 8 distribuição 9 promoção 10 força de venda 11 inovações 12 cobertura geográfica finanças 13 dispon. de capital 14 fluxo de caixa 15 estabilidade financeira produção 16 instalações 17 economia de escala 18 capacidade 19 força de trabalho 20 atendimento de prazos 21 habilidades técnica organização 22 liderança visionária 23 funcionários dedicados 24 empreendedora 25 flexibilidade Lista de verificação para análise de forças e fraquezas desempenho importância G F Força Neutra Fraco G F Grande Media pequena Fonte: Administração de Marketing: edição do milênio (Kotler, 2000:100) 4

7 A análise do ambiente externo constitui-se no monitoramento das forças macro ambientais ( econômicodemográficas, tecnológicas, político-legais, e socioculturais) e significativos agentes micro ambientais (clientes, concorrentes, distribuidores, fornecedores) que afetam sua capacidade de obter lucros. A administração precisa identificar as oportunidades e ameaças associadas a cada tendência ou desenvolvimento. Uma oportunidade existe quando a empresa pode lucrar ao atender às necessidades dos consumidores de um determinado segmento. As oportunidades podem ser classificadas de acordo com: - sua atratividade - sua probabilidade de sucesso O sucesso dependerá da característica de seu negócio e da superação dos pontos fortes dos concorrentes. Uma ameaça é um desafio imposto por uma tendência ou desenvolvimento desfavorável que poderia levar à deterioração das vendas ou dos lucros, caso não exista alguma ação de marketing defensiva. As ameaças podem ser classificadas de acordo com: - sua gravidade - sua probabilidade de ocorrência Oportunidades e Ameaças dão origem a duas matrizes Matriz de oportunidades Matriz de ameaças Atratividade Probabilidade de sucesso Probabilidade de ocorrência Alta Baixa Alta Baixa Alta 1 2 Alta 1 2 Baixa 3 4 Gravidade Baixa 3 4 Fonte: Administração de Marketing: edição do milênio (Kotler, 2000:99) Depois de identificar as principais ameaças e oportunidades que uma unidade enfrenta, a gerência pode caracterizar a atratividade global do negócio. Quatro são os resultados possíveis: a) Um negócio ideal- apresenta muitas grandes oportunidades e poucas ameaças importantes. b) Um negócio especulativo- tem grandes oportunidades e ameaças importantes. c) Um negócio maduro- apresenta poucas oportunidades e poucas ameaças. d) Um negócio com problemas- apresenta poucas oportunidades e muitas ameaças. 3 - Formular as metas a serem alcançadas Depois de ter realizado uma análise de SWOT, a empresa necessita estabelecer seus objetivos e transforma-las em metas mensuráveis. Os objetivos devem ser organizados hierarquicamente, do mais para o menos importante. 5

8 O objetivo principal de uma unidade de negócios pode, por exemplo, ser o aumento da taxa de retorno sobre o investimento. Isso pode ser conseguido aumentando o nível de lucros e/ou reduzindo despesas. A meta é a quantificação do objetivo, ou seja, aumentar a taxa de retorno em 15% em dois anos, por exemplo. Os objetivos devem: - ser organizados hierarquicamente; - ser mensuráveis; - realistas; e - consistentes. 4 - Formular as estratégias que permitam alcançar as metas As metas indicam aquilo que uma unidade de negócios deseja alcançar, enquanto que a estratégia ou opção estratégica é um plano de como chegar lá.treacy e Wiersema (1995) os condensou em três tipos genéricos, que fornecem um ponto de partida para o pensamento estratégico: 1- excelência operacional. As empresas que a buscam não são basicamente inovadoras em produtos ou serviços, nem cultivam relacionamentos profundos e individuais com seus clientes. Em vez disso, as empresas operacionalmente excelentes oferecem produtos médios em relação ao mercado ao melhor preço, com o mínimo de inconveniência. 2- liderança de produto. Seus praticantes se concentram em oferecer produtos que alargam as fronteiras do desempenho. Sua proposição aos clientes é a oferta do melhor produto, e ponto final. Além disso, os líderes em produtos não constroem suas posições com apenas uma inovação; eles continuam inovando ano após, anos, ciclo de produto após ciclo de produto. 3- intimidade com o cliente. Seus partidários focalizam não a entrega daquilo que o mercado deseja, mas daquilo que clientes específicos desejam. As empresas íntimas com clientes não buscam transações únicas; elas cultivam relacionamentos. Elas se especializam em satisfazer necessidades únicas que, com freqüência, somente elas reconhecem, em virtude do seu relacionamento e conhecimento íntimos com o cliente. Por intimidade com o cliente, entendemos vender ao cliente uma solução total, não apenas um produto ou serviço : Quando uma empresa focaliza suas atenção na entrega e na melhoria de um tipo de valor para o cliente, afirmam os autores, certamente poderá, nessa dimensão, ter um desempenho melhor que o de uma outra empresa que divide sua atenção entre mais de uma dimensão. Nenhuma empresa pode ser melhor em todas as dimensões de valor. Não fazer uma opção significa manter modelos operacionais híbridos e indefinidos que causam confusão, tensão e dissipação de energia. Não escolher significa ficar a mercê de outro participante que está comprometido com um valor inigualável e focalizado em como atingi-lo. É fundamental, no entanto, manter limites mínimos para os padrões nas outras dimensões que são de interesse para os clientes que a organização escolheu. 5 - Formular os programas Depois de definida a opção estratégica da empresa, deve-se elaborar programas detalhados de apoio a esta decisão. Estes apoios se constituem de planos de ação, cujo objetivo é implementar as estratégias através de instruções claras estabelecendo-se o que, como, quando, quem será o responsável, quanto custará e o cronograma a ser seguido. Tipo de Check-list utilizado para garantir que a operação seja conduzida sem nenhuma dúvida por parte da chefias e subordinados. Os 5W 2H correspondem às seguintes palavras do inglês: What (o que); Who (quem); Where (onde) When (quando) e finalmente Why (por que). O 1H corresponde a How (como), ou 6

9 seja, método a ser utilizado para conduzir a operação. Atualmente, procura-se incluir um novo H (How much/quanto custa), transformando o método em 5W2H Plano de Ação ( Para qual meta está dirigida esta ação) O QUÊ QUEM ONDE QUANDO POR QUÊ COMO CUSTO Definição do que será executado Determinaçã o de início e fim da ação Determinaçã o de a quem compete a execução da ação 6 - Implementar o Programa Definir onde se processará tal ação Qual a conseqüênci a desta ação De que forma esta ação será levada a termo Qual o custo de tal ação Uma estratégia clara e programas de apoio bem arquitetados podem ser inúteis se a empresa não conseguir implementa-los com cuidado. 7 - Fazer o Controle O controle deverá ser freqüente para conferir se as ações estão sendo executadas. Esta é a fase em que são medidos os desempenhos, checados os orçamentos, obtidas e analisadas as informações de cada responsável, apresentação de medidas para correção de rumo, caso seja necessário. À medida que implementa sua estratégia, a empresa precisa acompanhar os resultados e monitorar os novos acontecimentos nos ambientes interno e externo. A chave para a saúde organizacional é a disposição para examinar o ambiente em constante alteração e para adotar comportamentos e metas novos e adequados. 7

10 CENÁRIOS MACROECONÔMICOS 1. Os indicadores econômicos agregados PIB e PNB MANKIW, N. G. Introdução à Economia - Princípios de Micro e Macroeconomia. Rio de Janeiro: Editora Campus, O produto interno bruto (PIB) representa a soma (em valores financeiros) de todas as riquezas finais produzidas em uma determinada região ou parcela da sociedade (qual seja, países, estados, cidades), durante um período determinado (mês, trimestre, ano, etc). Consideram-se bens e serviços. No cálculo do PIB a preços de mercado consideram-se apenas os valores agregados, para evitar o problema conhecido como dupla contagem: quando valores gerados na cadeia de produção aparecem contados duas vezes na soma do PIB. (Devem-se descontar os insumos dos valores monetário de venda.) 1. PIB nominal e PIB real Fala-se na distinção entre PIB nominal e PIB real; o primeiro é o valor comum na expressão do PIB, ou seja, a soma simples dos bens e serviços produzidos; o segundo acompanha-se de uma correção inflacionária. Fórmula para cálculos do PIB A fórmula clássica para expressar o PIB de uma região é a seguinte: Y = C + I + G + X - M Onde, Y é o PIB C é o consumo I é o total de investimentos realizados G representa gastos governamentais X é o volume de exportações M é o volume de importações 2. PIB e PNB (produto nacional bruto) O PIB difere do produto nacional bruto (PNB) basicamente pela renda líquida enviada ao exterior (RLEE): ela é desconsiderada no cálculo do PNB, e considerada no cálculo do PIB. Esta renda representa a diferença entre recursos enviados ao exterior (pagamento de fatores de produção internacionais alocados no país) e os recursos recebidos do exterior a partir de fatores de produção que, sendo do país considerado, encontram-se em atividade em outros países. Assim (e simplificadamente), caso um país possua empresas atuando em outros países, mas proíba a instalação de transnacionais no seu território, terá uma renda líquida enviada ao exterior negativa. Pela fórmula: PNB = PIB - RLEE O país exemplificado terá um PNB maior que o PIB. No caso brasileiro, o PNB é menor que o PIB, uma vez que a RLEE é positiva (ou seja, envia-se mais recursos ao exterior do que recebe-se). 3. PIB per capita 8

11 Os indicadores econômicos agregados (produto, renda, despesa) indicam os mesmos valores para a economia de forma absoluta. Dividindo-se esse valor pela população de um país, obtém-se um valor per capita, um valor médio. O valor per capita é muito mais representativo sobre a qualidade de vida de um país do que os valores brutos ou líquidos, já que alguns países pobres, como Índia e China, possuem PIB elevado por causa da grande população, porém o seu PIB per capita é baixo (já que a renda passa a ser dividida por muitas pessoas). Por outro lado, países como a Noruega e a Áustria possuem valor de PIB moderado, mas o suficiente para manter a qualidade de vida de seus poucos milhões de habitantes elevada. Desempenho do PIB no Brasil Ano de 2004: (2004-julho a 2005-junho) = expansão de 4,4%; 2005 = estimado em R$ (em milhões); 2005-julho a 2006-junho = crescimento de 1,7%; 2006 (primeiro trimestre) = De acordo com o IBGE, nesse período foram produzidos no país R$ 478,9 bilhões; sendo R$ 277,8 bilhões de consumo das famílias; R$ 97,69 bilhões de investimentos; R$ 84,56 bilhões de consumo do governo e R$ 54,25 bilhões de impostos; 2006 (entre abril e junho)= a produção diminuiu 0,3% em relação ao trimestre janeiro-março; 2006 (primeiro semestre) = aumento de 2,2%; 2006 (geral) = o crescimento acumulado pode não chegar a 4%; PIB específico 2006 (massa salarial): abril a junho = crescimento real de 6,8%; 2006 (agricultura): abril a junho = crescimento de 0,8%; (café: incremento de 18,8%; soja = 2,9%);* 2006 (construção civil): a) janeiro a março = expansão de 7%; b) abril a junho = aumento de 2,6%;* 2006 (empréstimos a pessoas físicas): abril a junho = ampliação de 31,8% em relação ao acumulado entre janeiro e março;* 2006-junho (indústria: produção industrial) = queda de 1,3%* 2006-julho (indústria: produção industrial) = crescimento de 0,6% 2006 (investimentos): abril a junho = encolhimento de 2,2%;* 2006 (mineralogia: setor extrativo mineral): a) janeiro a março = expansão de 12,6%; b) abril a junho = aumento de 1,5%; 4. Fatores em geral Fatores que contribuíram para as recentes baixas do PIB = a valorização do real diante do dólar, e a Copa do Mundo. Com a baixa do dólar, várias empresas não exportaram, deixando, assim, as exportações de contribuir para o crescimento do PIB. Já a produção industrial baixou de nível devido às importações, em especial as referentes à China, movimentada com preços muito abaixo dos praticados por nós. 2. Inflação SOUZA, Nali de J. Curso de economia. São Paulo: Atlas, MANKIW, N. Gregory. Introdução a Economia: Princípios de micro e macroeconomia. Rio de Janeiro: Campus,

12 A inflação é um dos fenômenos econômicos mais perversos, porque subtrai parte das rendas das pessoas, principalmente das que recebem renda fixa, e dos mais pobres, que não conseguem se resguardar de seus efeitos, nem mesmo parcialmente. A inflação, palavra que vem de inflare (inchar), é um fenômeno moderno. Embora exista há muito tempo, os dicionários econômicos do século XIX não a mencionavam. Isso indica que a inflação não era uma questão muito crucial para a sociedade. Contudo, esse comportamento mudou, porque o aumento de preços tendeu a acelerar-se com o uso generalizado do papel-moeda e a expansão do sistema bancário. Mesmo assim, pode-se afirmar que a inflação está presente na economia desde que a moeda foi utilizada como intermediária das trocas, substituindo o escambo. Encontra-se referência à inflação no ano de 295 d.c., quando o imperador romano Diocleciano estabeleceu limites máximos para os preços. Na Idade Média, encontra-se referência à depredação das moedas metálicas pela redução de seu peso ou por modificação das ligas de metais com as quais eram fundidas. Na Europa mercantilista, o ingresso de metais preciosos acelerou o crescimento dos preços. Na Inglaterra e França, entre 1716/1720, John Law tentou aumentar a riqueza desses países com a emissão de papel-moeda sem lastro, para suplementar o estoque de metais preciosos existente. O resultado foi uma inflação galopante, a quebra do sistema bancário e a perda da confiança na moeda e no crédito (Hugon, 1988, p. 75). As maiores taxas de inflação, registradas na história, ocorreram na Alemanha. Entre janeiro de 1922 e novembro de 1923, a taxa da hiperinflação teria sido de um trilhão por cento. Em janeiro de 1923, um dólar valia 18 mil marcos; no dia 15 de novembro do mesmo ano, a cotação era de 1 dólar por 4,2 trilhões de marcos. O marco alemão havia deixado de servir de reserva de valor desde 1921; no fim de 1922, ele não se prestava mais como instrumento de medida de valor e intermediário das trocas. Desse modo, no início de 1923, as trocas efetuavam-se em termos de quantidades físicas de mercadorias e, no final desse mesmo ano a moeda alemã estava praticamente destruída (Flamant, 1973, p. 32). 1. Conceito de inflação A inflação pode ser definida como um processo de alta generalizada de preços, o que provoca a redução do poder de compra interno da moeda. A taxa de inflação representa uma média ponderada da elevação dos preços. Isso significa que os preços de alguns produtos aumentam mais do que o de outros; alguns preços poderão não aumentar, ou mesmo, ser reduzidos, enquanto os demais crescem, Contudo, a inflação implica sempre em alta generalizada de preços, isto é, há uma tendência para o aumento geral de todos os preços da economia. Segundo o valor do índice inflacionário, a inflação pode ser caracterizada como rastejante, alta, galopante ou hiperinflação. Embora os autores não estejam sempre de acordo com qual taxa se pode efetuar esses três tipos de definição, em geral entende-se por inflação rastejante aquela com taxa inferior a 10% ao ano, inflação alta, acima de 20% ao ano; e hiperinflação, com taxa acima de 50% ao mês. 2. Distorções do processo inflacionário A principal conseqüência do processo inflacionário são as distorções de preços, porque os preços dos produtos variam com taxas diferentes. Portanto, com a inflação os preços relativos mudam: o preço do cimento pode subir mais do que o preço do ferro para construção. Quando os preços de alguns insumos aumentam mais do que o de outros, as empresas tendem a variar a intensidade com que são usados. Em um processo inflacionário, em geral, os preços por atacado não variam no mesmo ritmo dos preços dos bens de consumo final, assim como os preços agrícolas não crescem necessariamente na mesma velocidade dos preços industriais. A política econômica pode aumentar essa distorção, ao tentar conter a elevação dos preços dos alimentos para os trabalhadores urbanos, por meio da compra e venda de produtos ou tabelamentos. Assim, pode haver uma tendência de achatamento da renda dos agricultores, no longo prazo. Nessa situação, diz-se que as relações de troca pioram para a agricultura (preços recebidos pelos agricultores/preços pagos pelos insumos industriais), ou seja, os preços dos insumos industriais usados na produção agrícola crescem mais do que os preços dos produtos agropecuários. Os efeitos sobre os preços relativos refletem-se na redistribuição de renda em detrimento de determinadas classes sociais. Havendo deterioração dos termos de troca contra a agricultura por períodos prolongados, haverá um efeito-renda 10

13 perverso contra os agricultores, em favor dos setores industriais. Dentro do setor industrial, da mesma forma, poderá haver aumento da participação na renda total por parte dos setores mais oligopolizados (com maior poder de mercado), contra os setores mais concorrenciais e menor poder de barganha. Na ausência de mecanismos generalizados de indexação de preços e rendimentos, os grupos sociais que recebem rendimentos fixos tendem a perder com a inflação, em benefício daqueles grupos que possuem rendimentos móveis, isto é, que podem reajustá-los periodicamente, como é o caso dos empresários e profissionais liberais em geral. Entre os grupos sociais que recebem renda fixa, são os assalariados os que mais perdem com a inflação, principalmente os trabalhadores com os mais baixos salários, que não conseguem aplicar parte de sua renda no setor financeiro, deixando, assim, de receber os rendimentos correspondentes aos juros e reposição da inflação. Os assalariados perdem menos com a redução da taxa de inflação e o encurtamento dos períodos de reajuste salarial. Contudo, a redução do período de reajuste realimenta a inflação, e seu alongamento contribui para reduzir a taxa de inflação, em detrimento dos trabalhadores e com transferência de renda para os grupos sociais que remarcam preços e conseguem de alguma forma se proteger contra os efeitos perversos da inflação. A inflação também provoca déficit na balança de transações correntes, ao encarecer as exportações e baratear as importações. As empresas nacionais tornam-se menos competitivas no exterior, enquanto ocorre o inverso com as empresas estrangeiras que vendem produtos para o país. Para amenizar esse problema, o governo costuma desvalorizar a moeda nacional em relação às moedas fortes, como o dólar. Desse modo, os preços relativos internos e externos mudam, beneficiando as exportações nacionais. As mudanças dos preços relativos, que provocam alterações na distribuição de renda e desequilíbrios na balança de transações correntes, também se refletem na realocação de fatores. Com o barateamento de alguns insumos e o encarecimento de outros, as firmas mudam a combinação em que são usados no processo produtivo. Assim, se os combustíveis ficam mais caros do que a tração animal, os agricultores tenderão a usar menos tratores e mais arados não mecânicos para obter o mesmo volume de produção. O mesmo ocorre no nível da firma, que tenderá a utilizar materiais mais baratos, como plástico no lugar do aço, para a confecção de alguns componentes, desde que isso seja permitido pela tecnologia e pelo gosto dos consumidores. Finalmente, a inflação interfere na formação das expectativas dos agentes econômicos quanto ao nível futuro dos preços e à taxa de retorno dos investimentos ou das aplicações financeiras. Em caso de incerteza, as pessoas tendem a aplicar seus recursos em imóveis, ouro ou alguma moeda forte, como o dólar, esperando a valorização de seu patrimônio. 3. Indicadores de inflação O Quadro1 mostra os diferentes indicadores de variação de preços utilizados na economia brasileira, assim como os critérios de cálculo e sua utilização. O deflator implícito do PIB é o índice mais agregado, pois resulta da média ponderada dos índices de variações de preços dos grandes setores da economia e serve para o cálculo da variação real dos agregados das contas nacionais, enquanto o Índice de preços ao consumidor (IPC) é o mais desagregado, pois desce ao nível microeconômico. Esse índice é obtido pela variação dos preços dos bens e serviços que compõem a cesta de consumo de grupos de famílias de determinada classe de assalariados de determinada região. Por exemplo, o IPC do Centro de Estudos e Pesquisas Econômicas da Universidade Federal do Rio Grande do Sul é calculado mensalmente para um conjunto de bens e serviços que compõem a cesta de consumo dos trabalhadores na industria de transformação da Região Metropolitana de Porto Alegre. Em primeiro lugar, é realizada periodicamente uma pesquisa envolvendo uma amostra representativa desses trabalhadores para determinar o peso de cada bem e serviço que faz parte da cesta de consumo no total dos gastos de cada família. Esses pesos são, então, utilizados para determinar a importância das variações dos preços de cada produto no índice total daquele período. A Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas da Universidade de São Paulo também calcula o IPC para a cidade de São Paulo (IPC-Fipe). Esses índices diferem entre si, porque envolvem mercados regionais específicos e agregações e metodologias diversas. Eles são mais representativos, portanto, para indicar a inflação regional. O próprio Índice geral de preços calculado pela Fundação Getúlio Vargas, pelo conceito de disponibilidade interna (IGP-DI), tem um caráter regional, pois é obtido com base nas variações de preços ocorridas na cidade do Rio de Janeiro. Esse índice é ainda mais geral do que os IPC, pois considera 11

14 também a variação dos preços por atacado, com peso 6, o custo da construção, com peso 1, além do aumento do custo de vida no Rio de Janeiro, com peso 3. A verificação das taxas anuais de inflação segundo diferentes indicadores utilizados no Brasil, no período de 1980 e 1999 trazem como primeira constatação a de que os índices variam de uma instituição para outra, de acordo com os conceitos e métodos utilizados. Assim, o IGP-DI difere do Índice dos preços por atacado disponibilidade interna (IPA-DI), calculado pela FGV/RJ; o mesmo ocorre com o Índice nacional de preços ao consumidor (INPC) e o Índice de preços ao consumidor ampliado (IPCA), ambos do IBGE, assim como com o Índice de preços ao consumidor da Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas da Universidade de São Paulo (IPC-Fipe) e o Índice de custo de vida do Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (ICV-Dieese). Quadro 1 - Indicadores de inflação utilizados no Brasil. Indicadores Critérios de cálculo Utilização Deflator implícito do PlB Média ponderada dos índices de variação de preços da agricultura (peso 1,52), indústria (peso 5,38), comércio (peso 2,33), transportes e comunicações (peso 0,77) Na determinação da variação real dos agregados das contas nacionais Índice geral de preços disponibilidade interna (IGP-DI) Índice de preços por atacado (IPA) Índice de preços ao consumidor (IPC) ou Índice do custo de vida (ICV) Média ponderada dos preços por atacado(peso 6),custo de vida da cidade do Rio de janeiro (peso 3), custo da construção civil no Rio de janeiro (peso 1). Média ponderada dos índices de preços por atacado, segundo o peso do produto ou setor no conjunto da economia nacional: bens duráveis e não duráveis de consumo, bens de produção (matérias-primas, veículos, máquinas e equipamentos), produtos agrícolas, produtos da indústria de transformação. Média aritmética dos índices de preços dos bens e serviços que fazem parte da cesta de consumo dos trabalhadores de determinada região do país, ponderados pela participação de cada item no consumo total de cada família. Na determinação do nível geral de preços da economia nacional, servindo de parâmetro para os contratos. - Na determinação do nível de preços por atacado, utilizado na determinação das planilhas de custos das firmas. Nas negociações salariais, por indicar os efeitos da inflação no orçamento dos trabalhadores. O INPC do IBGE é um índice restrito que serve para a indexação oficial de salários e é calculado com base na variação de preços de bens consumidos pela classe trabalhadora (um a oito salários mínimos) das regiões metropolitanas de Belém, Fortaleza, Recife, Salvador, Belo Horizonte, Rio de Janeiro, São Paulo, Curitiba, Porto Alegre e em Brasília e Goiânia. Os preços são pesquisados mensalmente e a variação de cada preço é ponderada pela importância do bem no orçamento familiar. Esses pesos são calculados por meio de pesquisas de orçamentos familiares realizadas periodicamente pelo IBGE. Esses pesos são mudados toda vez que se altera a composição das cestas de consumo desses trabalhadores. O IPC ampliado (IPCA) é utilizado pelo Banco Central do Brasil para o acompanhamento dos objetivos estabelecidos no sistema de metas de inflação e adotado para o balizamento da política monetária. O IBGE utiliza a mesma metodologia de orçamentos familiares para as referidas regiões metropolitanas e cidades, mas amplia a faixa de renda (1 a 40 salários mínimos) e muda a ponderação do grupo de bens consumidos no total das despesas. Os grupos de produtos são: alimentação, habitação, artigos de residência, vestuário, transporte e comunicação, saúde e cuidados pessoais e despesas pessoais. Para os trabalhadores de mais baixa renda (índice restrito), recebem peso maior os grupos de alimentação, enquanto para as famílias do índice ampliado, o maior peso recai sobre transporte e comunicações e despesas pessoais. O ICV-Dieese é calculado para a cidade de São Paulo envolvendo um conjunto amplo de produtos para famílias assalariadas de 1 a 30 salários mínimos. Em virtude de mudanças nos hábitos de consumo dessas famílias, apuradas na pesquisa de orçamentos familiares de 1994/1995, o Dieese alterou os pesos dos diferentes grupos de produtos e serviços utilizados no cálculo do Índice de Custo de Vida da cidade de São Paulo. A metodologia antiga reflete melhor os hábitos de consumo dos anos de 1980, enquanto a nova metodologia mostra mais claramente os hábitos atuais de consumo da população paulistana. 12

15 3. A formação da Taxa de Câmbio BENEVIDES PINTO, D. ; VANCONCELLOS, M. A.S. Manual de economia, 4 ed. São Paulo: Saraiva, Se dois países diferentes pretendem comerciar entre si, é necessário que exista alguma forma de conversão das moedas. Assim, por exemplo, se o Brasil deseja vender café aos Estados Unidos, é necessário que exista alguma medida para converter o preço do café brasileiro em dólares. Tal medida é exatamente a taxa de câmbio - se cada dólar custar R$ 1,00 o quilo de café em reais é R$ 4,00 e em dólar será U$ 4. A taxa de câmbio, portanto, é a medida pela qual a moeda de um país qualquer pode ser convertida em moeda de outro país. Em outras palavras, a taxa de câmbio é precisamente o preço de uma moeda em relação a outra. Assim, se o dólar custar R$ 1,00 a libra custará aproximadamente R$ 1,45 e o yen R$ 0,01. É por meio da taxa de câmbio enfim, que podemos relacionar dois sistemas de preços relativos de dois países quaisquer. Como qualquer preço, a taxa de câmbio também é influenciada pela oferta e pela demanda. Por exemplo, o preço do dólar é fixado pela oferta de dólares e pela demanda por dólares; o preço do euro pela oferta e demanda por euro, e assim por diante. De uma forma geral, a taxa de câmbio é influenciada pela oferta e demanda por divisas, isto é, pela oferta e demanda por moeda estrangeira num determinado país. Os ofertantes de divisas são os exportadores que receberam, em troca de suas vendas, moedas estrangeiras que não podem ser utilizadas no país e que necessitam, portanto, ser trocadas por moeda nacional e as firmas que obtiveram empréstimos em moeda estrangeira e precisam convertê-la em reais. A demanda por divisas é constituída pelos importadores que necessitam de moedas estrangeiras para efetuar suas compras em outras nações, já que nesse caso a moeda nacional não é aceita, e pelos devedores em moeda estrangeira que precisam de divisas para saldarem as suas dívidas. É preciso lembrar sempre que, como qualquer curva de oferta e demanda, ambas representam desejos, isto é, o comportamento psicológico dos exportadores e importadores em relação à taxa de câmbio e ao montante de moedas estrangeiras que desejam comprar e vender. Se a taxa de câmbio for muito elevada, muitos produtores ou muitas firmas desejarão exportar, e a oferta de dólares será muito grande. É fácil compreender os motivos: se um quilo de café vale $ 4,00 quando a taxa de câmbio é R$ 2,00 o exportador receberá R$ 8,00 por quilo e desejará, portanto, exportar mais do que quando a taxa de câmbio é R$ 1,00 e receber apenas R$ 4,00 por quilo (estamos supondo, no exemplo, que o preço do café é constante em dólares). TABELA 1 Taxa de Câmbio R$ por dólar 2,00 1,00 Preço do Café em dólar 4,00 4,00 Preço do Café em reais 8,00 4,00 EXPORTAÇÕES Desejam exportar mais Desejam exportar menos Taxa de Câmbio Preço do Café Preço do Café IMPORTAÇÕES R$ por dólar em dólar em reais 2,00 0,50 1,00 Desejam importar menos 1,00 0,50 0,50 Desejam importar mais A conclusão a se extrair dos dois exemplos é bastante simples: quanto maior a taxa e câmbio, maior o volume que as firmas desejam exportar; quanto menor a taxa de câmbio, menor o volume que as firmas desejam exportar. Como a oferta de divisas depende as exportações, quanto maior a taxa de câmbio, maior a oferta de divisas e, quanto nem a taxa de câmbio, menor a oferta de divisas. Assim, como qualquer curva de oferta, a curva de oferta de divisas é crescente em relação ao preço, isto é, crescente em relação à taxa de câmbio. 13

16 Do lado das importações, a situação se inverte: quanto maior a taxa de câmbio, menor a quantidade que as firmas desejam importar e menor, portanto, a demanda por divisas; quanto menor a taxa de câmbio, maior a quantidade que as firmas desejam importar e, portanto, maior a demanda por divisas. Como uma curva de demanda qualquer, a curva de demanda por importações é decrescente em relação ao preço ou à taxa de câmbio. Graficamente, a curva de demanda e a de oferta de divisas podem ser apresentadas como nas figuras a seguir. FIGURA 1 Taxa de câmbio Oferta P o Demanda Q o = Q d Quantidade de divisas Quando a taxa de câmbio for exatamente igual a Pó, na figura 1, o volume de demanda por divisas é exatamente igual ao volume de oferta de divisas e o mercado de divisas está em equilíbrio. Com a taxa de câmbio em equilíbrio, a quantidade de divisas que os exportadores estão dispostos a vender (Q0) é exatamente igual à quantidade de divisas que os exportadores estão dispostos a comprar (Qd). 4. O Balanço de Pagamentos O balanço de pagamentos é o registro contábil de todas as transações de um país com outros países do mundo. Assim, no balanço de pagamentos estão registradas todas as importações que o Brasil faz de outros países, todas as exportações brasileiras, os fretes pagos a navios estrangeiros, os empréstimos que o Brasil recebe em moeda estrangeira, o capital das firmas estrangeiras que abrem filiais no Brasil, o capital das firmas estrangeiras que saem do Brasil, entre outros. Como pode-se concluir dos exemplos anteriores, no balanço de pagamentos estão registra das todas as compras e vendas de moeda estrangeira. As compras de moedas estrangeiras são efetivadas ou para importar mercadorias de outros países, ou para pagar serviços prestados por estrangeiros a brasileiros, ou para que as firmas estrangeiras possam enviar seus lucros aos países de origem, ou para pagamento de juros de empréstimos estrangeiros, ou para pagamento de royalties e patentes a outras nações do mundo. As vendas de moedas estrangeiras são efetivadas pelos exportadores que receberam suas receitas em dólares pelas firmas estrangeiras que estão montando filiais no Brasil e precisam de reais ou pelas entidades que receberam empréstimos de outros países e precisam convertê-los em reais para realizar seus pagamentos. Todas as compras de moeda estrangeira são registradas no lado esquerdo do balanço de pagamentos, isto é, são lançadas a débito. Por outro lado, todas as vendas de moeda estrangeira são registradas no lado direito do balanço de pagamentos, isto é, são, lançadas a crédito. 14

17 Esquematicamente, teremos, então: Do lado esquerdo Débito Compra de moeda estrangeira Do lado direito - Crédito Venda de moeda estrangeira O total de compras de moeda estrangeira deve ser sempre exatamente igual ao total de vendas de moeda estrangeira, pois, sempre que alguém está vendendo alguma coisa, outra pessoa está comprando essa mesma coisa. Em outras palavras, o balanço de pagamentos, assim como qualquer registro contábil, precisa estar sempre em equilíbrio, ou seja, o montante de débitos deve sempre coincidir com o montante de créditos, da mesma forma que qualquer registro contábil de lançamentos por partidas dobradas. Desse modo, apresentado, o balanço de pagamentos não fornece nenhuma informação sobre o comércio internacional de uma nação. Na realidade, para que essas informações possam ser obtidas, é necessário subdividir o balanço de pagamentos em algumas categorias mais importantes. Geralmente, ele é dividido em três grandes categorias relativas a três tipos de transações. Em primeiro lugar, existe a chamada balança comercial, que registra todas as exportações de mercadorias brasileiras e todas as importações de mercadorias do resto do mundo. Depois, existe a chamada balança de serviços, que registra o montante pago pelo Brasil por serviços prestados por estrangeiros, como serviços de transportes, serviços de assistência técnica, os juros que o Brasil paga pelos empréstimos fornecidos por outras nações do mundo, bem como os lucros remetidos pelas multinacionais aqui localizadas. Registra também os recebimentos do Brasil por serviços prestados a estrangeiros. Dessa forma, o balanço de pagamentos poderia ser representado como na Tabela a seguir: Balança Comercial = Débito Importações Crédito Exportações Balança de serviços = (Do lado esquerdo) = Débito (Do lado direito) = Crédito Fretes pagos a navios estrangeiros Fretes recebidos por navios brasileiros Prêmio de seguro de companhias estrangeiras Prêmios de seguro de companhias brasileiras Juros de empréstimos estrangeiros Lucros remetidos ao exterior Lucros recebidos do exterior A balança comercial e a balança de serviços, consideradas conjuntamente, formam a chamada balança de transações correntes, a qual não registra os capitais das firmas estrangeiras que entram e saem do Brasil, os empréstimos que o Brasil recebe de entidades e nações internacionais, e outros. Todas essas transações que não se referem à produção e venda de serviços ou bens, ou seja, todas as transações que não se referem à produção corrente são registradas na terceira divisão do balanço de pagamentos, a balança de capitais. Nessa balança, são registrados o capital das firmas estrangeiras que ingressam no país, o capital estrangeiro que ingressa sob a forma de empréstimos, os empréstimos de outros governos ao Brasil, os empréstimos do FMI, entre outros. Apesar de termos afirmado que o balanço de pagamentos está sempre em equilíbrio, isto não significa de forma alguma que as diversas divisões do balanço de pagamentos também estejam em 15

18 equilíbrio; não é necessário que o montante de importações brasileiras seja igual ao de exportações brasileiras, e que o montante de renda de serviços pago aos brasileiros seja igual ao de serviços pago a estrangeiros, ou que o montante de capital que ingressou no país seja igual ao que abandonou o país. O que afirmamos é que a soma dos débitos das três balanças, conjuntamente, deve ser igual à soma dos créditos das três balanças conjuntamente. Um exemplo auxiliará na compreensão desse fato. Suponhamos que o Brasil tenha exportado $ 15 bilhões durante um determinado ano, que neste mesmo ano tenha importado $ 17 bilhões e que os serviços prestados pelo Brasil chegassem ao montante de $ 3 bilhões, ao passo que os serviços de transporte e de juros devidos aos estrangeiros fossem elevados a $ 5 bilhões. Neste caso, teríamos a situação mostrada na Tabela abaixo. Balança Comercial (em milhões de dólares) Débito Crédito Importações Exportações Saldo devedor Balança de Serviços Transportes e juros Transportes Saldo devedor Tabela de Transações Correntes Saldo devedor Como afirmamos que o balanço de pagamentos está sempre em equilíbrio, isto é, que sempre o montante de dólares recebidos precisa ser exatamente igual ao montante de dólares pagos, o saldo devedor de $ 4 bilhões precisa ser coberto de alguma forma. Se o Brasil importou $17 bilhões e pagou $ 5 bilhões de transportes, precisa de $ 22 bilhões para cobrir seus pagamentos. Recebeu pelas exportações $ 15 bilhões e pelos serviços $ 3 bilhões, tendo um montante de $ 18 bilhões. Mas, para pagar $ 22 bilhões, faltam ainda $ 4 bilhões. Suponha que algumas firmas estrangeiras tenham ingressado no país e para isto tenham vendido $ 1 bilhão em troca de reais para realizar suas compras no Brasil. Faltam, mesmo assim, $ 3 bilhões. Uma das formas de cobertura desta diferença poderia ser por meio de um empréstimo do FMl de, digamos, $ 1 bilhão. Outra forma poderia ser por meio da venda de dólares que o governo possuísse em reserva exatamente para essas situações. E, finalmente, $ 1 bilhão restante deveria ser obtido por empréstimos tomados pelas firmas brasileiras no mercado financeiro internacional. Dessa forma, portanto, estaria o balanço de pagamentos em equilíbrio. O superávit da balança de capitais se compensa pelo déficit do balanço de transações correntes, como não poderia deixar de ser, pois o montante de dólares pagos pelo Brasil precisava ser exatamente igual ao montante de dólares recebidos pelo Brasil. Cabem, agora, algumas explicações adicionais sobre o significado do saldo devedor da balança de transações correntes, apresentado no exemplo anterior. Em primeiro lugar. é muito comum falar em desequilíbrio no balanço de pagamentos ou em saldo negativo desse saldo. Como ficou demonstrado, não pode existir desequilíbrio no balanço de pagamentos, já que o montante de recebimentos é igual ao de pagamentos. O que acontece é que na prática, por saldo devedor do balanço de pagamentos quer se referir a saldo devedor na balança de transações correntes ou na balança de capitais e não no balanço de pagamentos como um todo. Em segundo lugar, é preciso compreender o significado do saldo negativo na balança de transações correntes. Suponha que, no exemplo anterior, as relações apresentadas se referissem somente ao comércio entre o Brasil e os Estados Unidos. Nesse caso, o Brasil teria produzido um total de $18 bilhões ($15 bilhões de exportação e $ 3 bilhões de serviços), isto é, teria auferido uma renda de $18 bilhões no comércio internacional. Em troca dessa produção, entretanto, o Brasil recebeu $ 22 bilhões, isto é, $ 4 bilhões a mais. Os Estados Unidos, por outro lado, produziram $ 22 bilhões e receberam somente $18 bilhões, isto é, $ 4 bilhões a menos. Esses $ 4 bilhões de diferença são 16

19 renda dos Estados Unidos colocada à disposição da economia brasileira. É um montante de renda que não foi consumido nos Estados Unidos, isto é, foi poupado, mas que foi transferido para o Brasil. Trata-se, portanto, de uma transferência de poupanças dos Estados Unidos para o Brasil. Balança de pagamentos (em milhões de dólares) 1. Balança de transações correntes 1.1 Balança comercial Importações Exportações Saldo (déficit) Balança de serviços Fretes pagos Fretes recebidos Saldo (déficit) Saldo da balança de transações correntes (déficit) Balança de capitais Ingressos de capitais Empréstimos do exterior Diminuição de reservas Empréstimo FMI saldo da balança de capitais (superávit) Esse mesmo raciocínio pode ser explicado para as relações comerciais do Brasil com todas as nações do mundo. Se houver um saldo negativo na balança de transações correntes, trata-se de uma transferência de poupanças do resto do mundo para o Brasil. Em terceiro lugar, é necessário compreender como se relaciona o balanço de pagamentos com as contas nacionais, analisadas na seção de macroeconomia. É preciso lembrar que, quando medimos o produto nacional de uma nação, estamos medindo a produção corrente de bens e serviços. Assim, a venda de uma casa produzida há dois anos não entra no cômputo do produto. Analogamente, em relação ao balanço de pagamentos, não são incluídos os itens que se referem à produção de bens e serviços ou de renda relativa a períodos anteriores. Só deve ser incluída a produção corrente de bens e serviços exportados. Se uma firma estrangeira, por exemplo, transfere seu capital, isto é, suas máquinas para o Brasil, essa operação não deve ser considerada no PIB, pois se trata da produção de anos passados. Se o Brasil contrai empréstimos, estes não devem ser incluídos no PIB, pois não se trata de produção. Conclusão: só devem ser incluídas no cômputo do PIE as transações correntes e não as transações de capital, já que o PIE mede o produto corrente de uma nação. Formalmente, o PIB é definido como: PIB = C+I+ G+X-M, em que: C = montante de bens consumidos; I = montante de investimentos; G = despesas governamentais; X = exportações; M = importações. 17

20 A diferença de X - M é exatamente o saldo positivo ou negativo da balança de transações correntes. Agora pode-se dar uma nova explicação para o significado do saldo negativo na balança de transações correntes. A condição de equilíbrio em macroeconomia é: Demanda agregada = RN ou C+I+G+X-M=C+S+T, em que S é a poupança agregada, e T o nível de arrecadação do governo. Cortando C, vem: I + G + X - M = S + T ou I = S + (T - G) + (M - Xl. M - X é o saldo negativo da balança de transações correntes que é somado à poupança interna (privada e pública), permitindo, portanto, um investimento maior. Muitos países em desenvolvimento apresentam saldo negativo na balança de transações correntes. Normalmente, esses países têm um volume de poupanças pequeno, já que sua renda é pequena, e complementam a poupança interna com saldo negativo na balança de transações correntes. Isso não significa que o saldo negativo seja sempre favorável ao país subdesenvolvido: se o saldo negativo for compensado pela entrada de capitais estrangeiros que venham a montar firmas no Brasil, por exemplo, mais tarde serão remetidos os lucros dessas firmas para o país de origem. Isso não constitui um problema muito grave no balanço de pagamentos, pois, se houver escassez de divisas para a remessa dos lucros, quem pagará taxas de câmbio mais elevadas serão as próprias firmas. Se o saldo negativo for coberto por empréstimos, a situação pode ser mais prejudicial, pois os juros desse empréstimo podem se tornar elevados, agravando num período posterior a situação da balança de transações correntes. Se essa situação for muito delicada, podem ser contraídos empréstimos a juros muito altos e prazos muito curtos, o que fatalmente agravará a situação no ano seguinte. De qualquer forma, um saldo negativo na balança de transações correntes representa uma transferência de poupanças do resto do mundo para o Brasil. Além disso, é necessário considerar custos desta transferência e suas conseqüências na situação do balanço de pagamentos nos anos seguintes. 5. Risco Brasil e o Custo Brasil DOMINIK, E. C. Mitos e verdades sobre risco Brasil e custo Brasil. Revista espaço acadêmico. Julho/ Introdução O Risco Brasil e o Custo Brasil são medidas hipotéticas de análise do Brasil, relacionadas, respectivamente, com o investimento financeiro e com o investimento produtivo, em comparação com o resto do mundo. Em outras palavras, medidas comparativas do Brasil em relação a outros países para facilitar a decisão do investidor de trazer recursos para investir em ações ou títulos brasileiros ou na produção dentro do nosso País. No artigo, seguem perguntas e respostas para facilitar o entendimento do leitor, bem como tabelas com indicadores que influenciam tanto o Risco como o Custo Brasil. 2. Risco Brasil: Medida Contestada O risco financeiro de todos os países de economia aberta é medido por várias instituições internacionais, levando em conta indicadores como o tamanho da dívida pública (externa e interna), a sua capacidade de pagamento, o tamanho do déficit público (receitas do governo menos despesas, quando o resultado for negativo. Quando positivo, diz-se superávit), a magnitude das taxas de juros e da taxa de câmbio (valor do dólar) e outros indicadores. Em suma, no chamado Risco País é analisado o grau de instabilidade econômica do país. Em nosso caso, diz-se Risco Brasil. São medidas hipotéticas e não caracterizam, de fato, a adimplência (honra dos compromissos, pagamento das dívidas assumidas) ou a inadimplência (não pagamento), por exemplo, dos títulos públicos pelo 18

Lista 08 Balanço de Pagamentos Essa lista está valendo até dois pontos para quem resolver a última questão.

Lista 08 Balanço de Pagamentos Essa lista está valendo até dois pontos para quem resolver a última questão. Faculdade de Economia Lista 08 Teoria Macroeconômica I (SEN00076) Vítor Wilher (www.vitorwilher.com/monitoria) E-mail: macroeconomia@vitorwilher.com Atendimento Presencial: Quartas, 16h às 18h, Sala 21.

Leia mais

Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil

Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil Fevereiro/2014 A taxa de câmbio é um dos principais preços relativos da economia, com influência direta no desempenho macroeconômico do país e na composição de

Leia mais

Elementos de Análise Financeira Matemática Financeira e Inflação Profa. Patricia Maria Bortolon

Elementos de Análise Financeira Matemática Financeira e Inflação Profa. Patricia Maria Bortolon Elementos de Análise Financeira Matemática Financeira e Inflação O que é Inflação? Inflação É a elevação generalizada dos preços de uma economia O que é deflação? E a baixa predominante de preços de bens

Leia mais

Unidade II. Mercado Financeiro e de. Prof. Maurício Felippe Manzalli

Unidade II. Mercado Financeiro e de. Prof. Maurício Felippe Manzalli Unidade II Mercado Financeiro e de Capitais Prof. Maurício Felippe Manzalli Mercados Financeiros Definição do mercado financeiro Representa o Sistema Financeiro Nacional Promove o fluxo de recursos através

Leia mais

ANÁLISE DO DESEMPENHO DO SETOR EXTERNO BRASILEIRO NO SEGUNDO BIMESTRE DE 2013

ANÁLISE DO DESEMPENHO DO SETOR EXTERNO BRASILEIRO NO SEGUNDO BIMESTRE DE 2013 ANÁLISE DO DESEMPENHO DO SETOR EXTERNO BRASILEIRO NO SEGUNDO BIMESTRE DE 2013 QUIRINO, José Renato Dias 1 ; MEDEIROS 2, Rennan Kertlly de; RAMOS FILHO 3, Hélio S. RESUMO O estudo das relações econômicas

Leia mais

INDICADORES ECONÔMICOS PARA ANÁLISE DE CONJUNTURA. Fernando J. Ribeiro Grupo de Estudos de Conjuntura (GECON) - DIMAC

INDICADORES ECONÔMICOS PARA ANÁLISE DE CONJUNTURA. Fernando J. Ribeiro Grupo de Estudos de Conjuntura (GECON) - DIMAC INDICADORES ECONÔMICOS PARA ANÁLISE DE CONJUNTURA Fernando J. Ribeiro Grupo de Estudos de Conjuntura (GECON) - DIMAC FORTALEZA, Agosto de 2013 SUMÁRIO 1. Fundamentos da Análise de Conjuntura. 2. Tipos

Leia mais

Contabilidade Social Carmen Feijó [et al.] 4ª edição

Contabilidade Social Carmen Feijó [et al.] 4ª edição Contabilidade Social Carmen Feijó [et al.] 4ª edição CAPÍTULO 5 BALANÇO DE PAGAMENTOS Professor Rodrigo Nobre Fernandez Pelotas 2015 2 Introdução O balanço de pagamentos é o registro contábil de todas

Leia mais

FINANÇAS CORPORATIVAS 2a. Aula 09/04/2011 3a. Aula 30/04/2011

FINANÇAS CORPORATIVAS 2a. Aula 09/04/2011 3a. Aula 30/04/2011 FINANÇAS CORPORATIVAS 2a. Aula 09/04/2011 3a. Aula 30/04/2011 Prof. Ms. Wagner Ismanhoto Economista M.B.A. em Engenharia Econômica Universidade São Judas São Paulo-SP Mestrado em Economia Rural UNESP Botucatu-SP

Leia mais

CASO 7 A evolução do balanço de pagamentos brasileiro no período do Real

CASO 7 A evolução do balanço de pagamentos brasileiro no período do Real CASO 7 A evolução do balanço de pagamentos brasileiro no período do Real Capítulo utilizado: cap. 13 Conceitos abordados Comércio internacional, balanço de pagamentos, taxa de câmbio nominal e real, efeitos

Leia mais

CRITÉRIOS / Indicadores

CRITÉRIOS / Indicadores CRITÉRIOS / Indicadores A lista de conceitos desta MELHORES E MAIORES Os valores usados nesta edição são expressos em reais de dezembro de 2014. A conversão para dólares foi feita, excepcionalmente, com

Leia mais

TRIBUNAL DE CONTAS DO DISTRITO FEDERAL II RELATÓRIO ANALÍTICO

TRIBUNAL DE CONTAS DO DISTRITO FEDERAL II RELATÓRIO ANALÍTICO II RELATÓRIO ANALÍTICO 15 1 CONTEXTO ECONÔMICO A quantidade e a qualidade dos serviços públicos prestados por um governo aos seus cidadãos são fortemente influenciadas pelo contexto econômico local, mas

Leia mais

PRINCIPAIS ÍNDICES DE INFLAÇÃO NO BRASIL

PRINCIPAIS ÍNDICES DE INFLAÇÃO NO BRASIL PRINCIPAIS ÍNDICES DE INFLAÇÃO NO BRASIL Belo Horizonte, 17 de dezembro de 2009 2 SUMÁRIO PÁGINA 3 IPC (FIPE) PÁGINA 4 IPCA (IBGE) PÁGINA 5 INPC (IBGE) PÁGINA 6 IGP-DI (FGV) PÁGINA 7 IGP-M (FGV) PÁGINA

Leia mais

1 (V) 1 Usualmente assume-se que as empresas agem de forma a maximizar suas utilidades

1 (V) 1 Usualmente assume-se que as empresas agem de forma a maximizar suas utilidades CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DE TURISMO DISCIPLINA: ECONOMIA DO TURISMO (ECTX2) Questões para revisão Nome completo: 1 (V) 1 Usualmente assume-se que as empresas agem de forma a maximizar suas

Leia mais

Para evitar dupla contagem não são contabilizados os bens intermediários. Valor Agregado = VA = VBP Cons. Intermediário PN = ΣVA

Para evitar dupla contagem não são contabilizados os bens intermediários. Valor Agregado = VA = VBP Cons. Intermediário PN = ΣVA I - CONTAS NACIONAIS 1.1 Produto Agregado = Demanda Agregada = Renda Agregada (valor da produção) = (despesa com produto) = (W+L+J+A). 1.2 Renda Nacional: Somatório de todos os rendimento recebidos pelas

Leia mais

ENTENDENDO OS CONCEITOS DE RISCO E RETORNO

ENTENDENDO OS CONCEITOS DE RISCO E RETORNO ENTENDENDO OS CONCEITOS DE RISCO E RETORNO! O Que é Risco?! Quais as origens do Risco?! As preferências com relação ao Risco! O Que é retorno sobre o investimento? Autores: Francisco Cavalcante(f_c_a@uol.com.br)!

Leia mais

ESTUDO DE CASO MÓDULO XI. Sistema Monetário Internacional. Padrão Ouro 1870 1914

ESTUDO DE CASO MÓDULO XI. Sistema Monetário Internacional. Padrão Ouro 1870 1914 ESTUDO DE CASO MÓDULO XI Sistema Monetário Internacional Padrão Ouro 1870 1914 Durante muito tempo o ouro desempenhou o papel de moeda internacional, principalmente por sua aceitabilidade e confiança.

Leia mais

A Importância dos Fundos de Investimento no Financiamento do Governo

A Importância dos Fundos de Investimento no Financiamento do Governo A Importância dos Fundos de Investimento no Financiamento do Governo A importância dos Fundos de Investimento no Financiamento do Governo Prof. William Eid Junior Professor Titular Coordenador do GV CEF

Leia mais

Matemática Financeira. Aula 03 Taxa Real de Juros

Matemática Financeira. Aula 03 Taxa Real de Juros Matemática Financeira Aula 03 Taxa Real de Juros Inflação É o fenômeno conhecido como o aumento persistente dos preços de bens e serviços Fatores: Escassez de produtos, déficit orçamentário, emissão descontrolada

Leia mais

Curso DSc Bacen - Básico Provas 2001-2010 - Macroeconomia. Prof.: Antonio Carlos Assumpção

Curso DSc Bacen - Básico Provas 2001-2010 - Macroeconomia. Prof.: Antonio Carlos Assumpção Curso DSc Bacen - Básico Provas 2001-2010 - Macroeconomia Prof.: Antonio Carlos Assumpção Contabilidade Nacional Balanço de Pagamentos Sistema Monetário 26- Considere a seguinte equação: Y = C + I + G

Leia mais

VI CRESCIMENTO ECONÔMICO E DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO

VI CRESCIMENTO ECONÔMICO E DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO VI CRESCIMENTO ECONÔMICO E DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO 1. Crescimento Econômico Conceitua-se crescimento econômico como "o aumento contínuo do Produto Interno Bruto (PIB) em termos globais e per capita,

Leia mais

Produto Vendas Custo da matéria-prima

Produto Vendas Custo da matéria-prima Conceitos básicos de economia A economia pode ser subdividida em dois grandes segmentos: - Macroeconomia: trata da evolução da economia como um todo, analisando a determinação, comportamento e relações

Leia mais

ECONOMIA INTERNACIONAL II Professor: André M. Cunha

ECONOMIA INTERNACIONAL II Professor: André M. Cunha Introdução: economias abertas Problema da liquidez: Como ajustar desequilíbrios de posições entre duas economias? ECONOMIA INTERNACIONAL II Professor: André M. Cunha Como o cada tipo de ajuste ( E, R,

Leia mais

Avaliação de Conhecimentos. Macroeconomia

Avaliação de Conhecimentos. Macroeconomia Workshop de Macroeconomia Avaliação de Conhecimentos Específicos sobre Macroeconomia Workshop - Macroeconomia 1. Como as oscilações na bolsa de valores impactam no mercado imobiliário? 2. OquemoveoMercadoImobiliário?

Leia mais

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos.

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho Prova Escrita de Economia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 712/2.ª Fase 14 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

2) Identifique na lista abaixo que transação ou atividade não seria computada nos cálculos das contas nacionais e do PIB:

2) Identifique na lista abaixo que transação ou atividade não seria computada nos cálculos das contas nacionais e do PIB: Cap 2 1) Considere que numa economia em determinado ano ocorreu uma severa epidemia, que ocasionou um aumento na demanda de serviços médico-hospitalares e por medicamentos. Considerando todo o resto constante,

Leia mais

As informações relevantes para a decisão de importar ou exportar são preços domésticos, preços externos e taxa de câmbio.

As informações relevantes para a decisão de importar ou exportar são preços domésticos, preços externos e taxa de câmbio. Módulo 16 Introdução à Economia Internacional O comércio internacional se constitui no intercâmbio de bens, serviços e capitais entre os diversos países. Muitos teóricos em economia tentaram explicar as

Leia mais

Plataforma da Informação. Finanças

Plataforma da Informação. Finanças Plataforma da Informação Finanças O que é gestão financeira? A área financeira trata dos assuntos relacionados à administração das finanças das organizações. As finanças correspondem ao conjunto de recursos

Leia mais

Instrumentalização. Economia e Mercado. Aula 4 Contextualização. Demanda Agregada. Determinantes DA. Prof. Me. Ciro Burgos

Instrumentalização. Economia e Mercado. Aula 4 Contextualização. Demanda Agregada. Determinantes DA. Prof. Me. Ciro Burgos Economia e Mercado Aula 4 Contextualização Prof. Me. Ciro Burgos Oscilações dos níveis de produção e emprego Oferta e demanda agregadas Intervenção do Estado na economia Decisão de investir Impacto da

Leia mais

Administrando o Fluxo de Caixa

Administrando o Fluxo de Caixa Administrando o Fluxo de Caixa O contexto econômico do momento interfere no cotidiano das empresas, independente do seu tamanho mercadológico e, principalmente nas questões que afetam diretamente o Fluxo

Leia mais

DIAGNÓSTICO SOBRE O CRESCIMENTO DA DÍVIDA INTERNA A PARTIR DE 1/1/95

DIAGNÓSTICO SOBRE O CRESCIMENTO DA DÍVIDA INTERNA A PARTIR DE 1/1/95 DIAGNÓSTICO SOBRE O CRESCIMENTO DA DÍVIDA INTERNA A PARTIR DE 1/1/95 JOÃO RICARDO SANTOS TORRES DA MOTTA Consultor Legislativo da Área IX Política e Planejamento Econômicos, Desenvolvimento Econômico,

Leia mais

Disciplina: Economia ECN001. Macroeconomia

Disciplina: Economia ECN001. Macroeconomia Disciplina: Economia ECN001 Macroeconomia Orçamento do Setor Público É a previsão de receitas e a estimativa de despesas a serem realizadas por um Governo em um determinado exercício (geralmente um ano).

Leia mais

NBC TSP 10 - Contabilidade e Evidenciação em Economia Altamente Inflacionária

NBC TSP 10 - Contabilidade e Evidenciação em Economia Altamente Inflacionária NBC TSP 10 - Contabilidade e Evidenciação em Economia Altamente Inflacionária Alcance 1. Uma entidade que prepara e apresenta Demonstrações Contábeis sob o regime de competência deve aplicar esta Norma

Leia mais

inflação de 2001. Supera a Meta 15 C ONJUNTURA FLÁVIA SANTOS DA SILVA* LUIZ ALBERTO PETITINGA**

inflação de 2001. Supera a Meta 15 C ONJUNTURA FLÁVIA SANTOS DA SILVA* LUIZ ALBERTO PETITINGA** 15 C ONJUNTURA Inflação de 2001 Supera a Meta A inflação em 2001, medida pelo IPCA, atingiu o patamar de 7,67%, superando a meta de 6% estabelecida pelo Banco Central. Choques internos e externos à economia

Leia mais

Questão 1 O que é Fluxo Circular da Renda? O que são fluxos reais e fluxos monetários? Desenhe um e pense sobre como isso resume a economia real.

Questão 1 O que é Fluxo Circular da Renda? O que são fluxos reais e fluxos monetários? Desenhe um e pense sobre como isso resume a economia real. Faculdade de Economia UFF Monitoria 3 Teoria Macroeconômica I (SEN00076) Professor: Claudio M. Considera Monitor: Vítor Wilher (www.vitorwilher.com/monitoria) E-mail: macroeconomia@vitorwilher.com Atendimento

Leia mais

GESTÃO FINANCEIRA para FICAR NO Azul

GESTÃO FINANCEIRA para FICAR NO Azul GESTÃO FINANCEIRA para ficar no azul índice 03 Introdução 04 Capítulo 1 O que é gestão financeira? 06 Capítulo 2 Gestão financeira e tomada de decisões 11 13 18 Capítulo 3 Como projetar seu fluxo financeiro

Leia mais

OS NEGÓCIOS LUCRO = VOLUME PRODUZIDO X PREÇO - CUSTO

OS NEGÓCIOS LUCRO = VOLUME PRODUZIDO X PREÇO - CUSTO OS NEGÓCIOS Odilio Sepulcri* INTRODUÇÃO A sobrevivência dos negócios, dentre outros fatores, se dará pela sua capacidade de gerar lucro. O lucro, para um determinado produto, independente da forma como

Leia mais

ANEXOS. Processo de definição da taxa de juros

ANEXOS. Processo de definição da taxa de juros ANEXOS Processo de definição da taxa de juros A taxa de juros constitui-se no mais importante instrumento de política monetária à disposição do Banco Central. Através dela, a autoridade monetária afeta

Leia mais

CONVERSAO DE DEMONSTRACOES CONTABEIS EM MOEDA. ESTRAGEIRA: FASB nº 8 e FASB nº 52

CONVERSAO DE DEMONSTRACOES CONTABEIS EM MOEDA. ESTRAGEIRA: FASB nº 8 e FASB nº 52 CONVERSAO DE DEMONSTRACOES CONTABEIS EM MOEDA Evolução das Normas de Contabilidade aplicadas no EUA Critérios Contábeis brasileiros e americanos (USGAAP) Objetivos da conversão de demonstrações contábeis

Leia mais

Taxa de Câmbio. Recebimento de juros Recebimentos de lucros do exterior Receita de rendas do trabalho

Taxa de Câmbio. Recebimento de juros Recebimentos de lucros do exterior Receita de rendas do trabalho Taxa de Câmbio TAXA DE CÂMBIO No Brasil é usado a CONVENÇÃO DO INCERTO. O valor do dólar é fixo e o variável é a nossa moeda. Por exemplo : 1 US$ = R$ 3,00 Mercado de Divisa No mercado de câmbio as divisas

Leia mais

COMO A GIR NA CRI $E 1

COMO A GIR NA CRI $E 1 1 COMO AGIR NA CRI$E COMO AGIR NA CRISE A turbulência econômica mundial provocada pela crise bancária nos Estados Unidos e Europa atingirá todos os países do mundo, com diferentes níveis de intensidade.

Leia mais

7.000 6.500 6.000 5.500 5.000 4.500 4.000 3.500 3.000 2.500 2.000 1.500 1.000 500 - -500-1.000 fev./2010. ago./2011. fev./2012. nov.

7.000 6.500 6.000 5.500 5.000 4.500 4.000 3.500 3.000 2.500 2.000 1.500 1.000 500 - -500-1.000 fev./2010. ago./2011. fev./2012. nov. 4 SETOR EXTERNO As contas externas tiveram mais um ano de relativa tranquilidade em 2012. O déficit em conta corrente ficou em 2,4% do Produto Interno Bruto (PIB), mostrando pequeno aumento em relação

Leia mais

MERCADO FINANCEIRO E DE CAPITAIS MÓDULO 7 POLÍTICA CAMBIAL

MERCADO FINANCEIRO E DE CAPITAIS MÓDULO 7 POLÍTICA CAMBIAL MERCADO FINANCEIRO E DE CAPITAIS MÓDULO 7 POLÍTICA CAMBIAL Índice 1. Política Cambial...3 1.1. Taxa de câmbio fixa... 3 1.2. Taxa de câmbio flutuante... 3 1.3. Padrão currency board... 3 2. Política de

Leia mais

Cenário Econômico para 2014

Cenário Econômico para 2014 Cenário Econômico para 2014 Silvia Matos 18 de Novembro de 2013 Novembro de 2013 Cenário Externo As incertezas com relação ao cenário externo em 2014 são muito elevadas Do ponto de vista de crescimento,

Leia mais

Preços de alimentos básicos continuam em alta

Preços de alimentos básicos continuam em alta 1 São Paulo, 2 de junho de 2008. NOTA À IMPRENSA Preços de alimentos básicos continuam em alta Apenas duas, das 16 capitais onde o DIEESE - Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA

DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA CAPÍTULO 33 Este Capítulo é parte integrante do Livro Contabilidade Básica - Finalmente Você Vai Entender a Contabilidade. 33.1 CONCEITOS A demonstração dos fluxos de caixa evidencia as modificações ocorridas

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS De acordo com o comando a que cada um dos itens de 51 a 120 se refira, marque, na folha de respostas, para cada item: o campo designado com o código C, caso julgue o item CERTO; ou o campo designado com

Leia mais

Sua hora chegou. Faça a sua jogada. REGULAMENTO

Sua hora chegou. Faça a sua jogada. REGULAMENTO Sua hora chegou. Faça a sua jogada. REGULAMENTO Prêmio de Empreendedorismo James McGuire 2013 REGULAMENTO Prêmio de Empreendedorismo James McGuire 2013 é uma competição interna da Laureate International

Leia mais

Economia 2º Período. Fundamentos de Macroeconomia (Aula-V) 19/10/2014. Fundamentos de Macroeconomia. Fundamentos de Macroeconomia. Prof.

Economia 2º Período. Fundamentos de Macroeconomia (Aula-V) 19/10/2014. Fundamentos de Macroeconomia. Fundamentos de Macroeconomia. Prof. (Aula-V) 19/10/2014 UNIVERSIDADE COMUNITÁRIA DA REGIÃO DE CHAPECÓ Economia 2º Período Noções de Contabilidade Nacional e Cálculo do PIB Professor : Johnny Luiz Grando Johnny@unochapeco.edu.br 5. Noções

Leia mais

Prova Escrita de Economia A

Prova Escrita de Economia A EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março Prova Escrita de Economia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 712/Época Especial 15 Páginas Duração da Prova: 120 minutos.

Leia mais

Módulo 2 Custos de Oportunidade e Curva de Possibilidades de Produção

Módulo 2 Custos de Oportunidade e Curva de Possibilidades de Produção Módulo 2 Custos de Oportunidade e Curva de Possibilidades de Produção 2.1. Custo de Oportunidade Conforme vínhamos analisando, os recursos produtivos são escassos e as necessidades humanas ilimitadas,

Leia mais

Balanço de Pagamentos

Balanço de Pagamentos Alicia Ruiz Olalde Balanço de Pagamentos No balanço de pagamentos, são registradas todas as transações econômicas que o país realiza com o resto do mundo, num determinado período de tempo. O Balanço de

Leia mais

Poupança, Investimento e o Sistema Financeiro

Poupança, Investimento e o Sistema Financeiro Poupança, Investimento e o Sistema Financeiro Roberto Guena de Oliveira USP 29 de agosto de 2013 Poupança, Investimento e o Sistema Financeiro29 de agosto de 2013 1 / 34 Sumário 1 Instituições Financeiras

Leia mais

Conjuntura - Saúde Suplementar

Conjuntura - Saúde Suplementar Apresentação Nesta 17ª Carta de Conjuntura da Saúde Suplementar, constam os principais indicadores econômicos de 2011 e uma a n á l i s e d o i m p a c t o d o crescimento da renda e do emprego sobre o

Leia mais

SINAIS POSITIVOS TOP 20 (atualizado a 10JUL2014)

SINAIS POSITIVOS TOP 20 (atualizado a 10JUL2014) SINAIS POSITIVOS TOP 20 (atualizado a 10JUL2014) 1. Taxa de Desemprego O desemprego desceu para 14,3% em maio, o que representa um recuo de 2,6% em relação a maio de 2013. Esta é a segunda maior variação

Leia mais

Política Cambial. Política Cambial e. Balanço de Pagamentos 26/03/2013. Mecanismos de intervenção na Economia. O que é Balanço de Pagamentos?

Política Cambial. Política Cambial e. Balanço de Pagamentos 26/03/2013. Mecanismos de intervenção na Economia. O que é Balanço de Pagamentos? Universidade Estadual Paulista Faculdade de Ciências Agronômicas Depto. de Economia, Sociologia e Tecnologia e Balança de Pagamentos Economia e Administração 3 º sem./medicina Veterinária Núria R. G. Quintana

Leia mais

Questões de Economia Cesgranrio. Macroeconomia

Questões de Economia Cesgranrio. Macroeconomia Macroeconomia Balanço de Pagamento 1. Cesgranrio ANP 2008 Especialista em Regulação) Quando um país tem um deficit no balanço comercial do seu balanço de pagamentos, pode-se afirmar que a) as exportações

Leia mais

Administração Financeira: princípios, fundamentos e práticas brasileiras

Administração Financeira: princípios, fundamentos e práticas brasileiras Administração Financeira: princípios, fundamentos e práticas brasileiras Prof. Onivaldo Izidoro Pereira Finanças Corporativas Ambiente Econômico Em suas atividades uma empresa relacionase com: Clientes

Leia mais

NOTA CEMEC 03/2015 FATORES DA QUEDA DO INVESTIMENTO 2010-2014

NOTA CEMEC 03/2015 FATORES DA QUEDA DO INVESTIMENTO 2010-2014 NOTA CEMEC 03/2015 FATORES DA QUEDA DO INVESTIMENTO 2010-2014 Março 2015 1 NOTA CEMEC 03/2015 SUMÁRIO Os dados de Contas Nacionais atualizados até o terceiro trimestre de 2014 revelam a continuidade da

Leia mais

FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA

FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA Unidade II FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA Prof. Jean Cavaleiro Objetivos Ampliar a visão sobre os conceitos de Gestão Financeira; Conhecer modelos de estrutura financeira e seus resultados; Conhecer

Leia mais

Administração Financeira II

Administração Financeira II Administração Financeira II Calculo Financeiro Professor: Roberto César CÁLCULO FINANCEIRO Dinheiro no Tempo Capitalização (Juros) (Montante) Valor Futuro R$ 100,00 R$ 110,00 0 1 (Capital) Valor Presente

Leia mais

Agregados macroeconômicos:

Agregados macroeconômicos: 2.1 Introdução Agregados macroeconômicos: Contabilidade social Capítulo II Macroeconomia: ramo da teoria econômica que estuda a determinação e o comportamento dos agregados nacionais. a parte relativa

Leia mais

Aula 01. Balanço de Pagamentos

Aula 01. Balanço de Pagamentos 1. Conceito Aula 01 Balanço de Pagamentos O Balanço de Pagamentos (BP) é um registro sistemático das transações comerciais e financeiras de um país com Exterior, entre residentes e não residentes de um

Leia mais

A Ameaça Inflacionária no Mundo Emergente

A Ameaça Inflacionária no Mundo Emergente BRICS Monitor A Ameaça Inflacionária no Mundo Emergente Agosto de 2011 Núcleo de Análises de Economia e Política dos Países BRICS BRICS Policy Center / Centro de Estudos e Pesquisa BRICS BRICS Monitor

Leia mais

RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução.

RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução. Proibida a reprodução. A Planner oferece uma linha completa de produtos financeiros e nossa equipe de profissionais está preparada para explicar tudo o que você precisa saber para tomar suas decisões com

Leia mais

MACROECONOMIA II PROFESSOR JOSE LUIS OREIRO PRIMEIRA LISTA DE EXERCÍCIOS

MACROECONOMIA II PROFESSOR JOSE LUIS OREIRO PRIMEIRA LISTA DE EXERCÍCIOS MACROECONOMIA II PROFESSOR JOSE LUIS OREIRO PRIMEIRA LISTA DE EXERCÍCIOS 1 Questão: Considere uma economia na qual os indivíduos vivem por dois períodos. A população é constante e igual a N. Nessa economia

Leia mais

Curso Preparatório ANBIMA - CPA-10 Curso Preparatório ANBIMA - CPA-20

Curso Preparatório ANBIMA - CPA-10 Curso Preparatório ANBIMA - CPA-20 Solange Honorato Curso Preparatório ANBIMA - CPA-10 Curso Preparatório ANBIMA - CPA-20 E 3. Noções de Economia e Finanças pg 26 5 a 7 questões 3.1 Conceitos Básicos de Economia 3.2 Conceitos Básicos de

Leia mais

Operacionalidade da Política Monetária e a Determinação da Taxa de Juros

Operacionalidade da Política Monetária e a Determinação da Taxa de Juros Operacionalidade da Política Monetária e a Determinação da Taxa de Juros Objetivos e Instrumentos SE506 Economia Monetária e Financeira Fabiano Abranches Silva Dalto CARVALHO, F. J. C. et. alli. Economia

Leia mais

ANEXO 1: Formato Recomendado de Planos de Negócios - Deve ter entre 30 e 50 páginas

ANEXO 1: Formato Recomendado de Planos de Negócios - Deve ter entre 30 e 50 páginas ANEXO 1: Formato Recomendado de Planos de Negócios - Deve ter entre 30 e 50 páginas 1) Resumo Executivo Descrição dos negócios e da empresa Qual é a ideia de negócio e como a empresa se chamará? Segmento

Leia mais

ENTENDENDO COMO FUNCIONA A RENDA FIXA. Renda Fixa Plano B 124,0 % 10,0 % Renda Fixa Plano C 110,0 % 9,1 % Selic 71,0 % 6,5 %

ENTENDENDO COMO FUNCIONA A RENDA FIXA. Renda Fixa Plano B 124,0 % 10,0 % Renda Fixa Plano C 110,0 % 9,1 % Selic 71,0 % 6,5 % ENTENDENDO COMO FUNCIONA A RENDA FIXA A partir de 2005 foi iniciado um processo de alongamento dos prazos das carteiras de renda fixa da PSS, que propiciou bons ganhos por oito anos seguidos até o final

Leia mais

Notas de Aula: Macroeconomia I Introdução à Contabilidade Nacional

Notas de Aula: Macroeconomia I Introdução à Contabilidade Nacional Notas de Aula: Macroeconomia I Introdução à Contabilidade Nacional Victor Gomes Universidade Católica de Brasília victor@pos.ucb.br 6 de março de 2003 1 Introdução Como em outras ciências, os economistas

Leia mais

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas BRASIL Setembro 2011 Profa. Anita Kon PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO PROGRAMA DE ESTUDOS PÓS GRADUADOS

Leia mais

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Outubro 2014

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Outubro 2014 Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Outubro 2014 A Evolução do Funding e as Letras Imobiliárias Garantidas Filipe Pontual Diretor Executivo da ABECIP O crédito imobiliário

Leia mais

UNIJUI Universidade Regional do Noroeste do Estado do RS ECONOMIA II PROFESSOR AGENOR CASTOLDI APONTAMENTOS DE MACROECONOMIA

UNIJUI Universidade Regional do Noroeste do Estado do RS ECONOMIA II PROFESSOR AGENOR CASTOLDI APONTAMENTOS DE MACROECONOMIA UNIJUI Universidade Regional do Noroeste do Estado do RS ECONOMIA II PROFESSOR AGENOR CASTOLDI APONTAMENTOS DE MACROECONOMIA MATERIAL DE AUXILIO PARA AULAS DE ECONOMIA II CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS ANO

Leia mais

Economia. Comércio Internacional Taxa de Câmbio, Mercado de Divisas e Balança de Pagamentos,

Economia. Comércio Internacional Taxa de Câmbio, Mercado de Divisas e Balança de Pagamentos, Economia Comércio Internacional Taxa de Câmbio, Mercado de Divisas e Balança de Pagamentos, Comércio Internacional Objetivos Apresentar o papel da taxa de câmbio na alteração da economia. Iniciar nas noções

Leia mais

APOSTILA DE AVALIAÇÃO DE EMPRESAS POR ÍNDICES PADRONIZADOS

APOSTILA DE AVALIAÇÃO DE EMPRESAS POR ÍNDICES PADRONIZADOS UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA ESCOLA SUPERIOR DE ADMINISTRAÇÃO E GERÊNCIA DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS PROGRAMA DE EXTENSÃO: CENTRO DE DESENVOLVIMENTO EM FINANÇAS PROJETO: CENTRO DE CAPACITAÇÃO

Leia mais

ANEXO VII OBJETIVOS DAS POLÍTICAS MONETÁRIA, CREDITÍCIA E CAMBIAL LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS

ANEXO VII OBJETIVOS DAS POLÍTICAS MONETÁRIA, CREDITÍCIA E CAMBIAL LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS ANEXO VII OBJETIVOS DAS POLÍTICAS MONETÁRIA, CREDITÍCIA E CAMBIAL LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS - 2007 (Anexo específico de que trata o art. 4º, 4º, da Lei Complementar nº 101, de 4 de maio de 2000)

Leia mais

A INFLUÊNCIA DA BOLSA AMERICANA NA ECONOMIA DOS PAÍSES EMERGENTES

A INFLUÊNCIA DA BOLSA AMERICANA NA ECONOMIA DOS PAÍSES EMERGENTES A INFLUÊNCIA DA BOLSA AMERICANA NA ECONOMIA DOS PAÍSES EMERGENTES JOÃO RICARDO SANTOS TORRES DA MOTTA Consultor Legislativo da Área IX Política e Planejamento Econômicos, Desenvolvimento Econômico, Economia

Leia mais

INSTRUMENTO DE APOIO GERENCIAL

INSTRUMENTO DE APOIO GERENCIAL INSTRUMENTO DE APOIO GERENCIAL 0405 05 IDENTIFICAÇÃO: Título: ORÇAMENTO EMPRESARIAL Atributo: ADMINISTRAÇÃO EFICIENTE Processo: PLANEJAMENTO E CONTROLE ORÇAMENTÁRIO O QUE É : É um instrumento de planejamento

Leia mais

Mercado Financeiro e de Capitais Prof. Cleber Rentroia MBA em Finanças e Banking

Mercado Financeiro e de Capitais Prof. Cleber Rentroia MBA em Finanças e Banking 1. Quando o IPCA tende a subir além das metas de inflação, qual medida deve ser tomada pelo COPOM: a) Abaixar o compulsório b) Reduzir taxa do redesconto c) Aumentar o crédito d) Elevar a taxa de juros

Leia mais

Emilio Botín: O objetivo é nos tornarmos o banco privado número um do Brasil

Emilio Botín: O objetivo é nos tornarmos o banco privado número um do Brasil Nota de Imprensa Emilio Botín: O objetivo é nos tornarmos o banco privado número um do Brasil Presidente mundial do Banco Santander apresenta em São Paulo o Plano Estratégico 2008-2010 para o A integração

Leia mais

CONTRATOS DERIVATIVOS. Futuro de IGP-M

CONTRATOS DERIVATIVOS. Futuro de IGP-M CONTRATOS DERIVATIVOS Futuro de IGP-M Futuro de IGP-M Ferramenta de gerenciamento de risco contra a variação do nível de preços de diversos setores da economia O produto Para auxiliar o mercado a se proteger

Leia mais

Unidade I FUNDAMENTOS DA GESTÃO. Prof. Jean Cavaleiro

Unidade I FUNDAMENTOS DA GESTÃO. Prof. Jean Cavaleiro Unidade I FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA Prof. Jean Cavaleiro Introdução Definir o papel da gestão financeira; Conceitos de Gestão Financeira; Assim como sua importância na gestão de uma organização;

Leia mais

PRAZOS E RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução.

PRAZOS E RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução. Proibida a reprodução. A Planner oferece uma linha completa de produtos financeiros e nossa equipe de profissionais está preparada para explicar tudo o que você precisa saber para tomar suas decisões com

Leia mais

Perspectivas para o desenvolvimento brasileiro e a indústria de commodities minerais

Perspectivas para o desenvolvimento brasileiro e a indústria de commodities minerais Perspectivas para o desenvolvimento brasileiro e a indústria de commodities minerais João Carlos Ferraz BNDES 31 de agosto de 2008 Guia Contexto macroeconômico Políticas públicas Perpectivas do investimento

Leia mais

Indicadores da Semana

Indicadores da Semana Indicadores da Semana O saldo total das operações de crédito do Sistema Financeiro Nacional atingiu 54,5% do PIB, com aproximadamente 53% do total do saldo destinado a atividades econômicas. A carteira

Leia mais

Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos AULA 9

Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos AULA 9 Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos AULA 9 AULA 9 Assunto: Plano Financeiro (V parte) Prof Ms Keilla Lopes Mestre em Administração pela UFBA

Leia mais

101/15 30/06/2015. Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados

101/15 30/06/2015. Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados 101/15 30/06/2015 Análise Setorial Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados Junho de 2015 Sumário 1. Perspectivas do CenárioEconômico em 2015... 3 2. Balança Comercial de Março

Leia mais

PRAZOS E RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução.

PRAZOS E RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução. Proibida a reprodução. A Planner oferece uma linha completa de produtos financeiros e nossa equipe de profissionais está preparada para explicar tudo o que você precisa saber para tomar suas decisões com

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS ECONÔMICAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS ECO-02215 CONTABILIDADE SOCIAL

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS ECONÔMICAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS ECO-02215 CONTABILIDADE SOCIAL IDENTIFICAÇÃO Disciplina: ECO-02215 Contabilidade Social Carga horária: 4 horas/aula semanais Créditos: 04 Turmas: A e B Professor: Carlos Henrique Horn 1. Introdução ao estudo da Contabilidade Social

Leia mais

CONSIDERAÇÕES SOBRE A ADMINISTRAÇÃO DO CAPITAL DE GIRO EM UM PERÍODO INFLACIONÁRIO

CONSIDERAÇÕES SOBRE A ADMINISTRAÇÃO DO CAPITAL DE GIRO EM UM PERÍODO INFLACIONÁRIO UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS - UNICAMP INSTITUTO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS - IFCH DEPARTAMENTO DE ECONOMIA E PLANEJAMENTO ECONÔMICO - DEPE CENTRO TÉCNICO ECONÔMICO DE ASSESSORIA EMPRESARIAL

Leia mais

Marketing Estratégico no Agronegócio Brasileiro

Marketing Estratégico no Agronegócio Brasileiro Marketing Estratégico no Agronegócio Brasileiro Prof. Adriano Alves Fernandes DCAB - Departamento de Ciências Agrárias e Biológicas CEUNES - Universidade Federal do Espírito Santo 1- Introdução Uma grande

Leia mais

Relatório de Administração Semestre findo em 30 de junho de 2015 JS Real Estate Multigestão Fundo de Investimento Imobiliário

Relatório de Administração Semestre findo em 30 de junho de 2015 JS Real Estate Multigestão Fundo de Investimento Imobiliário Relatório de Administração Semestre findo em 30 de junho de 2015 JS Real Estate Multigestão Fundo de Investimento Imobiliário 1. Objetivo do fundo O Fundo JS Real Estate Multigestão Fundo de Investimento

Leia mais

INTRODUÇÃO À MACROECONOMIA

INTRODUÇÃO À MACROECONOMIA UNIVERSIDADE DA MADEIRA Departamento de Gestão e Economia INTRODUÇÃO À MACROECONOMIA 2º Semestre 2004/2005 1º CADERNO DE EXERCÍCIOS Introdução 1. INTRODUÇÃO 1. * A macroeconomia lida com: a) A Economia

Leia mais

SINCOR-SP 2015 OUTUBRO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS

SINCOR-SP 2015 OUTUBRO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS OUTUBRO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS 1 Sumário Palavra do presidente... 3 Objetivo... 4 1. Carta de Conjuntura... 5 2. Análise macroeconômica... 6 3. Análise do setor de seguros 3.1. Receita

Leia mais

Classificação dos Títulos e Valores Mobiliários em Categorias

Classificação dos Títulos e Valores Mobiliários em Categorias Classificação dos Títulos e Valores Mobiliários em Categorias 1 - Os títulos e valores mobiliários adquiridos por instituições financeiras e demais instituições autorizadas a funcionar pelo Banco Central

Leia mais

Informe Econômico N 3

Informe Econômico N 3 Conjuntura Econômica Gerente Legislativa: Sheila Tussi da Cunha Barbosa Analista Legislativa: Cláudia Fernanda Silva Almeida Assistente Administrativa: Quênia Adriana Camargo Ferreira Estagiário: Tharlen

Leia mais

Determinação do Capital de Giro

Determinação do Capital de Giro Determinação do Capital de Giro Foco da Palestra Orientar e esclarecer os conceitos básicos para determinação e gerenciamento do Capital de Giro da empresa. Classificar e analisar as fontes e aplicações

Leia mais

1. INTRODUÇÃO. Dentro dos programas dos diversos cursos de matemática

1. INTRODUÇÃO. Dentro dos programas dos diversos cursos de matemática 1. Introdução; 2. Conceito e classificação das taxas de juros; 3. Taxas equivalentes e proporcionais; 4. Juros pagos antecipadamente; 5. Conclusão. 1. INTRODUÇÃO No mercado financeiro brasileiro, mesmo

Leia mais

GABARITO ECONOMIA - PEN

GABARITO ECONOMIA - PEN GABARITO ECONOMIA - PEN CAPITULO 1 A ESSENCIA DO PROBLEMA ECONOMICO Ciência econômica é o estudo da alocação dos recursos produtivos escassos para organizar da melhor maneira as condições de vida em uma

Leia mais

FLUXO DE CAIXA. Dinâmica: O que faço de diferente ou estranho. (Objetivo: Conhecer um pouco cada participante)

FLUXO DE CAIXA. Dinâmica: O que faço de diferente ou estranho. (Objetivo: Conhecer um pouco cada participante) FLUXO DE CAIXA Dinâmica: O que faço de diferente ou estranho. (Objetivo: Conhecer um pouco cada participante) Brainstorming: Chuva de ideias ou Toró de parpite: O QUE É FLUXO DE CAIXA? (Objetivo: Saber

Leia mais