ODILLA MESTRINER. Dois momentos / Um espaço. Sala Especial do 27 SARP - Salão de Arte de Ribeirão Preto Nacional-Contemporâneo

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ODILLA MESTRINER. Dois momentos / Um espaço. Sala Especial do 27 SARP - Salão de Arte de Ribeirão Preto Nacional-Contemporâneo"

Transcrição

1 ODILLA MESTRINER Dois momentos / Um espaço Sala Especial do 27 SARP - Salão de Arte de Ribeirão Preto Nacional-Contemporâneo

2 Série: Bonanol I, 1 999, acrílica sobre tela, 80 x TI cm.

3

4

5

6 08 Série: Bananal - Enfaixadas, 2001, acrílica, areia e bandagem sobre tela, 70 x 110 cm.

7 Série: Bananal - Curvadas, 2001, acrílica e areia sobre tela, 80 x 1 00 cm. 09

8 Este catálogo é parte integrante da exposição ODILLA MESTRINER Dois momentos / Um espaço S a l a Especial d o 2 7 S A R P d e f i n i d a p o r d o i s Histórico núcleos: - o b r a s d a artista q u e i n t e g r a r a m a XII B i e n a l de S ã o P a u l o, e m , e o P a n o r a m a de A r t e A t u a l d o M u s e u d e A r t e M o d e r n a de S ã o P a u l o, e m Produção Atual t r a b a l h o s d e s e n v o l v i d o s e m t o r n o d a série d a b a n a n e i r a e s e u fruto. MARP - Museu de Arte de Ribeirão Preto De 02 a 25 de agosto de 2002 Bate-papo com a artista: Dia 03/08/02, às 10:00 horas, no MARP Brasileira

9 960 e 1970,

10 A a r t e de OdiSlet M e s t r í n e r M e t ó d i c a e d i s c i p l i n a d a, O d i l l a M e s t r i n e r v e m p a s s a n d o p o r g e r a ç õ e s de a r t i s t a s c o m u m a o b r a v i g o r o s a e e q u i l i b r a d a. Esteve e m v á r i a s Bienais de São P a u l o, a V, a VI, a VII, VIII, a IX, a X e a XII, o nosso e v e n t o a r t í s t i c o m a i s i m p o r t a n t e. C o m o ela p ô d e t e r p a s s a d o p o r t a n t a s b i e n a i s s e g u i d a s? É a p e r g u n t a q u e m e f a ç o a o i n i c i a r - m e na l e i t u r a dos textos críticos s o b r e M e s t r i n e r e t e n d o a o p o r t u n i d a d e d e d e s c o b r i r u m a a r t i s t a p e c u l i a r, u m a c o n s t r u t o r a de f o r m a s, o r a q u a s e f i g u r a t i v a s, o r a q u a s e a b s t r a t a s. Ela esteve t a m b é m nos P a n o r a m a s da A r t e B r a s i l e i r a, o r g a n i z a d o s p e l o M u s e u de A r t e M o d e r n a de São Paulo e m suas versões de , , e a de De n o v o, o q u e s i g n i f i c a t e r p a s s a d o p o r t a n t o s P a n o r a m a s e estar t ã o b e m r e p r e s e n t a d a na c o l e ç ã o d o M u s e u? Q u e p r e s e n ç a é essa, n o c o n t e x t o a r t í s t i c o n a c i o n a l, e m u m a é p o c a q u e a b r a n g e, p r i n c i p a l m e n t e, dos a n o s c i n q ü e n t a a t é os a n o s s e t e n t a? E v a i a l é m. M u i t o já f o i escrito s o b r e O d i l l a M e s t r i n e r e s o a r i a r e d u n d a n t e se eu t e n t a s s e nesse t e x t o, ser m a i s u m crítico o u h i s t o r i a d o r a d i z e r m a i s s o b r e sua o b r a. T r a t a - s e de u m a a r t i s t a, d o n a d e u m a o b r a v i g o r o s a, c a r r e g a d a de e n e r g i a s e n s o r i a l e e m o ç õ e s, q u e no i n í c i o, a p a r e n t a v a m estar r e p r i m i d a s p a r a d e p o i s se a b r i r e m e e x p l o d i r e m e m v i b r a ç õ e s c r o m á t i c a s. M a s t u d o, t u d o de f o r m a m u i t o o r d e n a d a. A o r d e n a ç ã o de u m r e p e r t ó r i o q u e b e i r a a o e s t r a n h a m e n t o, t a m a n h a a obsessão à p r o c u r a da p e r f e i ç ã o, na e x p r e s s ã o m á x i m a da f o r m a, na f i r m e z a d o t r a ç o dos d e s e n h o s, no uso sensível da cor, na o r g a n i z a ç ã o e s p a c i a l p i c t ó r i c a e m a t é r i c a, no uso do m a t e r i a l a r t í s t i c o (do g u a c h e, da a q u a r e l a, d o n a n q u i m, da t i n t a acrílica) e na busca d o e s g o t a m e n t o t e m á t i c o e n t r e o h o m e m e a n a t u r e z a q u e a cerca. Talvez o seu m a i o r m é r i t o e a j u s t i f i c a t i v a p o r sua p r e s e n ç a no c e n á r i o a r t í s t i c o b r a s i l e i r o há t a n t o t e m p o - esta seria t a l v e z a resposta p a r a m i n h a s i n q u i e t a ç õ e s - e s t e j a e m sua c a p a c i d a d e de r e v i f i c a r a sua p r ó p r i a a r t e. U m a c a r r e i r a c o m mais de 4 0 a n o s. A a r t i s t a r e i n v e n t a, recria e n ã o e v i d e n c i a u m a a n s i e d a d e d e ser a t u a l e m sua o b r a, e m b o r a o s e n d o. O u d e e s t a r i n s e r i d a neste m u n d o f e r o z do q u a l f a z e m o s p a r t e, d i a n t e dos a t a q u e s da a g r e s s i v a e a n i q u i l a d o r a m e s m i c e c u l t u r a l g l o b a l i z a d a, o n d e q u a s e t o d o s, a r t i s t a s, críticos e h i s t o r i a d o r e s, c a m i n h a m e m u m a m e s m a d i r e ç ã o. Sem c o m p r o m i s s o c o m u m t r a b a l h o p r ó p r i o e é t i c o, m u i t o s o p t a m p e l o p e r c u r s o e q u i v o c a d o, o mais c u r t o e r á p i d o, p a r a c h e g a r a o t o p o dos m e r c a d o s c u l t u r a i s. E d e p o i s s a e m d e s c a r t a d o s, t ã o v e l o z m e n t e q u a n t o s u r g i r a m. V ã o, sem d e i x a r r a s t r o de suas p a s s a g e n s. N ã o é o caso de M e s t r i n e r. C o m o já disse, é d o n a de u m a o b r a c o m m a i s de q u a t r o d é c a d a s de h i s t ó r i a. A a r t i s t a, c a l m a m e n t e, sem n u n c a t e r d e i x a d o a sua c i d a d e - R i b e i r ã o Preto n ã o se d e i x o u s e d u z i r p o r o f e r t a s de f á c i l a p e l o, de u m a g r a n d e c a p i t a l. A a r t i s t a c o n s t r ó i d a l i, de sua c i d a d e i n t e r i o r a n a, p a r a o país, u m a c a r r e i r a r e s p e i t á v e l. Ela nos dá c o m isso u m a l i ç ã o a o nos m o s t r a r n ã o ser n e c e s s á r i o a r t i c u l a r o u a t r e l a r - s e às c o r r e n t e s c o n t e m p o r â n e a s e m v o g a, d i t a t o r i a i s na e s t i l i z a ç ã o das tendências artísticas, para desenvolver um t r a b a l h o sério, poético e pessoal. A s i n c e r i d a d e está a l i, m u i t o p r ó x i m a das suas p r i m e i r a s i m a g e n s de d e s e n h i s t a, c u j o t e m a e r a a casa, a c i d a d e e s t r u t u r a d a o n d e se d a v a j u s t a m e n t e a sua v i v ê n c i a o u e x p e r i ê n c i a de m u n d o. D a l i, p a r a a V B i e n a l de São Paulo, sua p r i m e i r a e x p o s i ç ã o f o r a de R i b e i r ã o Preto. M e s t r í n e r n u n c a d e i x o u sua o b r a e s t a g n a r, p e l o c o n t r á r i o, s o u b e o l h a r p a r a a h i s t ó r i a q u e estava

11 sendo construído paralela aos seus 40 anos de carreira e subtrair paro sí o essencial, Veio a "Pop Art" nos anos sessenta e a artista soube abrir-se sem, no entanto, perder-se na revolução cultural e comercial que marcou parte daquela geração. Trabalhou com a colagem, com o papelão e com.recortes de jornal. A figura humana, que estava ausente de suas pinturas e desenhos, surge como símbolo de uma presença sensível, Um trabalho que se resolve em estruturas de linhas e cores. Desenhos, pinturas, colagens e litografias. Nâo importa. PoiS'Sao desenhos com traços tão duros e vigorosos, que poderiam ser confundidos com: gravuras; são pinturas que aparentam ser desenhos; são colagens que se misturam com pinturas, e assim por diante. Elas não têm segredos, mas sim mistérios a serem desvendados. Com certeza as técnicas utilizadas são o que menos importa em uma obra carregada de significados. Significados políticos, sociais, humanistas e sensíveis. Uma obra cheia de sentidos, principalmente em trabalhos mais recentes de 2000 e 2001, em que Odilla Mestriner parece ter recuperado para o seu repertório uma grande "musa" nacional. Trata-se da bananeira e seu fruto. Uma planta da família das musáceas e que já foi motivo de obras de Tarsíla do Amaral, Lasar Segal!, Antônio Henrique Amaral,. Hudínílson Jr., entre muitos outros artistas, Esta série de pinturas de Mestriner, logo me impressionaram por sua delicadeza e implicações sociais e políticas deste quase símbolo nacional, que representa o nosso exotismo tropical em obras de SegaII e Tarsíla do Amaral ou de uma Carmen Miranda que vestia um cacho de bananas como chapéu e saía cantando o Tico Tico no Fubá, no cinema norte-americano. A partir daí, a banana que virou uma identidade brasileira, toma outro rumo conotativamente na direção do campo político e passa a ser um signo de um preconceito ou comicidade do nosso subdesenvolvimento econômico e cultural. Não se trata apenas do nosso país, mas de todo um continente de países equatoriais localizados no Hemisfério Sul, pejorativamente identificados, sem diferenciação, com: uma tal de ''República das Bananas". Nos anos sessenta, em meio a Arte Pop, Antonio Henrique Amaral parecia esgotar tais possibilidades conotativas da banana como um signo de nossa aculturação, enquanto passávamos por um processo ditatorial que retrocedia aos avanços sociais conseguidos na década anterior. Hudínílson Jr., nos anos setenta, diante da repressão militar que tentava afogar qualquer manifestação cultural nâo-oficial, desenvolvia um trabalho individua! experimental com as máquinas copiadoras xerográficas. Em uma série de imagens, descascou a banana novamente em conotações politicas e também homoeróticas. Odilla Mestriner retoma a banana como tema de suas obras mais recentes de 2000 e , e como um botânico em seu ofício, ela disseca a planta e a fruta em suas pinturas e desenhos sobre papel artesanal, feito da casca da própria bananeira. As imagens organizadas racionalmente resultam em uma simbiose de plasticidade incrível, ao misturar uma linguagem plástica primitivista que lembra as gravuras do artista plástico e gravador pernambucano, Gilvan Samico, com a morfologia botânica da artista inglesa Margareth Mee. Sem uma preocupação engajada evidente, o belo resultado estético desse conjunto é único. Ricardo Resende Curador do Museu de Arte Moderno de Sio Paulo 11

12 (Ribeirão Preto) Principais Exposições Individuais Série Andantes, MARP - Museu de Arte de Ribeirão Preto Série Andantes, USP, Ribeirão Preto Retrospectiva, MARP - Museu de Arte de Ribeirão Preto, Curadoria e Publicação do livro Odilla Mestriner e a Arte em Ribeirão Preto, por Tadeu Chiarelli Modernidade / Experimentalismo - Artes Plásticas em Ribeirão Preto, USP, Curadoria Tadeu Chiarelli Galeria Blue Life, São Paulo, lançamento do livro Odilla Mestriner, por Jacob Klintowitz Galeria de Arte UNICAMP, Campinas Museu Guido Viário, Curitiba Paço das Artes, São Paulo 1969 Museu de Arte de Florianópolis Principais Exposições Coletivas Bienal de São Paulo (V, VI, VII, VIII, IX, X e XII) Panorama da Atual Arte Brasileira, MAM, São Paulo (1 971/74/77/80) Pré-Bienal de São Paulofl 970/72/74/76) 2000 Reinauguração do MAC, São Paulo 1984 VI Mostra da Gravura Pan-Am eriça na da Cidade de Curitiba 1973 Exposição Imagem do Brasil - EXPO 73, Bruxelas - Bélgica Iramarand Bel Gallery, Faifield - EUA II Exposição Internacional de Gravura, MAM, São Paulo II Bienal de Artes Plásticas da Bahia 1963 Artistas Brasileiros na Gallery Four Planets, Maryland - EUA I Exposição do Jovem Desenho Nacional, MAC, São Paulo Principais Premiações Prêmio Aquisição, 1 a Mostra de Desenho Brasileiro, Curitiba Prêmio Aquisição, 30 Salão Paranaense de Arte, Curitiba Prêmio Melhor Desenhista de 1 973, APCA, São Paulo Prêmio Aquisição, 1 a Bienal de Artes Plásticas de Santos Prêmio Aquisição Itamaraty, X Bienal de São Paulo o Prêmio Leirner de Desenho, São Paulo

universidade estadual de campinas

universidade estadual de campinas UNICAMP universidade estadual de campinas GALERIA DE ARTE» UNICAMP GALERIA DE ARTE < UNICAMP ODILLA MESTRINER AQUARELAS E DESENHOS SETEMBRO/85 APRESENTAÇÃO A primeira característica impressionante na personalidade

Leia mais

ARMAZÉNS GERAIS ASPECTOS LEGAIS, VANTAGENS E SERVIÇOS

ARMAZÉNS GERAIS ASPECTOS LEGAIS, VANTAGENS E SERVIÇOS ARMAZÉNS GERAIS ASPECTOS LEGAIS, VANTAGENS E SERVIÇOS D i r e t o r E x e c u t i v o d a T O P L O G P o r R o d o l p h o C a r i b e A r m a z é n s g e r a i s s ã o e s t a b e l e c i m e n t o s

Leia mais

1 2 9, i n c i s o I I, d a C F ; e a r t i g o 5 º, i n c i s o V, a l í n e a s a e

1 2 9, i n c i s o I I, d a C F ; e a r t i g o 5 º, i n c i s o V, a l í n e a s a e P O R T A R I A n 2 0 1, d e 1 8 d e j u l h o d e 2 0 1 3. A P r o c u r a d o r a d a R e p ú b l i c a q u e e s t a s u b s c r e v e, e m e x e r c í c i o n a P r o c u r a d o r i a d a R e p ú

Leia mais

U N I V E R S I D A D E F E D E R A L D A P A R A Í B A C E N T R O D E C I Ê N C I A S D A S A Ú D E

U N I V E R S I D A D E F E D E R A L D A P A R A Í B A C E N T R O D E C I Ê N C I A S D A S A Ú D E U N I V E R S I D A D E F E D E R A L D A P A R A Í B A C E N T R O D E C I Ê N C I A S D A S A Ú D E D E P A R T A M E N T O D E C I Ê N C I A S F A R M A C Ê U T I C A S C U R S O D E F A R M Á C I A

Leia mais

REDES DE NOVA GERAÇÃO. m a i o r q u a l i d a d e, m a i s r a p i d e z, mais inovação;

REDES DE NOVA GERAÇÃO. m a i o r q u a l i d a d e, m a i s r a p i d e z, mais inovação; R E D E S D E N O V A G E R A Ç Ã O D E S A F I O e O P O R T U N I D A D E A P D C, 3 1 D E M A R Ç O D E 2 0 0 9 A S O N A E C O M A C R E D I T A Q U E A S R d N G S Ã O U M A O P O R T U N I D A D

Leia mais

P RO J E T O E S P E C I A L : A R E S T / F AZ E N D A S E N H O R J E S U S

P RO J E T O E S P E C I A L : A R E S T / F AZ E N D A S E N H O R J E S U S P RO J E T O E S P E C I A L : A R E S T / F AZ E N D A S E N H O R J E S U S P ET A g r o n o m i a U n i v e r s i d a d e F e d e r a l d e L a v r a s U F L A / M G 1 R e s u m o J a m a i s c o n

Leia mais

A C T A N. º I X / 2 0 0 8

A C T A N. º I X / 2 0 0 8 1 A C T A N. º I X / 2 0 0 8 - - - - - - A o s d e z a s s e i s d i a s d o m ê s d e A b r i l d o a n o d e d o i s m i l e o i t o, n e s t a V i l a d e M o n c h i q u e, n o e d i f í c i o d o

Leia mais

Salão de Arte Contemporânea de Campinas S.P. 1965 66 67 68 Salão do Trabalho S. P. 1962 64 Salão de Arte de Macaé Rio de Janeiro 1959 Salão de Arte

Salão de Arte Contemporânea de Campinas S.P. 1965 66 67 68 Salão do Trabalho S. P. 1962 64 Salão de Arte de Macaé Rio de Janeiro 1959 Salão de Arte Salão de Arte Contemporânea de Campinas S.P. 1965 66 67 68 Salão do Trabalho S. P. 1962 64 Salão de Arte de Macaé Rio de Janeiro 1959 Salão de Arte de Jaboticabal S.P. 1965 66 1 0 Salão de Pesquisa Operacional

Leia mais

BLOCO Nº 2 JORNAIS, BOLETINS, PANFLETOS D a N º 1. H i n o N a c i o n a l e H i n o d a I n t e r n a c i o n a l? 0 1 C U T N a c i o n a l 2. M o d i f i c a ç õ e s d o E s t a t u t o p r o p o s

Leia mais

PORTO DE SALVADOR - S U L D A Á F R I C A *

PORTO DE SALVADOR - S U L D A Á F R I C A * R O TA S D E N AV E G A Ç Ã O N O L O N G O C U R S O - M E R C O S U L - C O S TA O E S T E D A A M É R I C A D O S U L - A M É R I C A C E N T R A L E C A R I B E - G O L F O D O M É X I C O - C O S

Leia mais

J U R I S P R U D Ê N C I A F I S C A L A R B I T R A L ( 3. º E 4. º T R I M E S T R E S D E 2 0 1 2 )

J U R I S P R U D Ê N C I A F I S C A L A R B I T R A L ( 3. º E 4. º T R I M E S T R E S D E 2 0 1 2 ) i J a n e i r o d e 2 0 1 3 J U R I S P R U D Ê N C I A F I S C A L A R B I T R A L ( 3. º E 4. º T R I M E S T R E S D E 2 0 1 2 ) TAX & BUSINESS P r e t e n d e - s e, c o m a p r e s e n t e I n f o

Leia mais

A S N O V A S R E G R A S D E F A C T U R A Ç Ã O

A S N O V A S R E G R A S D E F A C T U R A Ç Ã O i I N F O R M A Ç Ã O F I S C A L N º 3 J a n e i r o 2 0 1 3 A S N O V A S R E G R A S D E F A C T U R A Ç Ã O N o s e g u i m e n t o d a L e i d o O r ç a m e n t o d o E s t a d o p a r a 2 0 1 2 e,

Leia mais

B e n j a m i n C o n s t a n t B o t e l h o d e M a g a l h ã e s ( 1 8 3 6 / 1 8 9 1 )

B e n j a m i n C o n s t a n t B o t e l h o d e M a g a l h ã e s ( 1 8 3 6 / 1 8 9 1 ) B e n j a m i n C o n s t a n t B o t e l h o d e M a g a l h ã e s ( 1 8 3 6 / 1 8 9 1 ) B e n ja m i n C o n s t a n t, c o m o c o s t u m a s e r r e f e r i d o, é c o n s i d e r a d o c o m o o

Leia mais

B O L E T I M I N F O R M A T I V O

B O L E T I M I N F O R M A T I V O P R Ó - R E I T O R I A D E E N S I N O E D I Ç Ã O 0 4 - A N O 0 2 B O L E T I M I N F O R M A T I V O M A I O D E 2 0 1 5 A C O M I S S Ã O P E R M A N E N T E D E P R O C E S S O S E L E T I V O D A

Leia mais

EXPOSIÇÃO - DOAÇÕES OBRAS RESTAURADAS -

EXPOSIÇÃO - DOAÇÕES OBRAS RESTAURADAS - Este catálogo é parte integrante da EXPOSIÇÃO - DOAÇÕES RECENTES Adriane Rivero Bassano Vaccarini Francisco Amêndola Fúlvia Gonçalves Lasar Segall Odetto Guersoni Odilia Mestriner Pedro Manuel-Gismondi

Leia mais

Design de aplicativos moveis

Design de aplicativos moveis Design de aplicativos moveis Os dispositivos móveis mais comuns : S m a r t p h o n e ; P D A ; Te l e m ó v e l ( pt) / C e l u l a r ( br); C o n s o l e p o r t á t i l ; U l t r a M o b i l e P C ;

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE. Jorge Cândido. Detecção e Rastreio de Faces Utilizando Redes Bayesianas

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE. Jorge Cândido. Detecção e Rastreio de Faces Utilizando Redes Bayesianas UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Jorge Cândido Detecção e Rastreio de Faces Utilizando Redes Bayesianas São Paulo 2006 Livros Grátis http://www.livrosgratis.com.br Milhares de livros grátis para download.

Leia mais

2014 O Guardião das coisas inúteis, MAMAM, Recife, Brasil. 2012 Chronos, Galeria Nara Roesler, São Paulo, Brasil

2014 O Guardião das coisas inúteis, MAMAM, Recife, Brasil. 2012 Chronos, Galeria Nara Roesler, São Paulo, Brasil marcelo silveira 1962 nasceu em gravatá vive e trabalha em recife exposições individuais O Guardião das coisas inúteis, MAMAM, Recife, Brasil 2012 Chronos, Galeria Nara Roesler, São Paulo, Brasil 2008

Leia mais

VI Seminário Latino-Americano de Geografia Física II Seminário Ibero-Americano de Geografia Física Universidade de Coimbra, Maio de 2010

VI Seminário Latino-Americano de Geografia Física II Seminário Ibero-Americano de Geografia Física Universidade de Coimbra, Maio de 2010 VI Seminário Latino-Americano de Geografia Física II Seminário Ibero-Americano de Geografia Física Universidade de Coimbra, Maio de 2010 Delimitação de Unidades de Paisagens e D esmatamento em Áreas próx

Leia mais

ALÉM DA IMAGEM E DO VERBO Rogerio Ghomes

ALÉM DA IMAGEM E DO VERBO Rogerio Ghomes ALÉM DA IMAGEM E DO VERBO Rogerio Ghomes Ângela Magalhães & Nadja Peregrino curadoria > Incrível como um distúrbio afeta a credibilidade. 2007-2010 C-print sobre metacrilato > Dimensões variáveis aprox.

Leia mais

PESQUISA INVESTIMENTOS NA INDÚSTRIA Minas Gerais. Ano 6. Nº 1. Março 2016

PESQUISA INVESTIMENTOS NA INDÚSTRIA Minas Gerais. Ano 6. Nº 1. Março 2016 PESQUISA INVESTIMENTOS NA INDÚSTRIA Minas Gerais Ano 6. Nº 1. Março 2016 Recessão econômica impacta os investimentos O ano de 2015 foi marcado por incertezas econômicas e crise política que contribuíram

Leia mais

IMAGEM GRÁFICA PAULA TROPE. r e p r o g r a f i a ESCOLA DE ARTES VISUAIS. 14 d e j u l h o a 23 d e a g o s t o U E R J. 1 a 25 d e s e t e m b r o

IMAGEM GRÁFICA PAULA TROPE. r e p r o g r a f i a ESCOLA DE ARTES VISUAIS. 14 d e j u l h o a 23 d e a g o s t o U E R J. 1 a 25 d e s e t e m b r o S A L A IMAGEM GRÁFICA PAULA TROPE f o t o g r a f i a r e p r o g r a f i a 1 4 d e j u l h o d e 1 9 9 2 i n a u g u r a ç ã o à s 2 0 : o o h o r a s 14 d e j u l h o a 23 d e a g o s t o U E R J 1

Leia mais

DIONISIO DEL SANTO IMAGEM GRÁFICA ESCOLA DE ARTES VISUAIS U E R J. 2 3 d e m a r ç o d e 1 9 9 3. s e r i g r a f i a s

DIONISIO DEL SANTO IMAGEM GRÁFICA ESCOLA DE ARTES VISUAIS U E R J. 2 3 d e m a r ç o d e 1 9 9 3. s e r i g r a f i a s S A I A IMAGEM GRÁFICA DIONISIO DEL SANTO s e r i g r a f i a s 2 3 d e m a r ç o d e 1 9 9 3 i n a u g u r a ç ã o à s 2 0 : o o h o r a s 23 d e m a r ç o a 25 d e a b r i l U E R J 1 d e j u n h o d

Leia mais

PARANGOLEZINHO - Regina Ricci 2007

PARANGOLEZINHO - Regina Ricci 2007 PARANGOLEZINHO - Regina Ricci 2007 1 1 Proposta elaborada com base na obra de Hélio Oiticica, pintor, escultor, performático e artista multimídia que em suas diversas propostas incluiu o Parangolé para

Leia mais

Portfólio Ueliton Santana. 2014. BREVE HISTÓRICO DO ARTISTA:

Portfólio Ueliton Santana. 2014. BREVE HISTÓRICO DO ARTISTA: BREVE HISTÓRICO DO ARTISTA: Ueliton Santana dos Santos nasceu em 25 de outubro de 1981, em Sena Madureira-Ac, com um ano veio morar em Rio Branco, aos cinco anos teve seu primeiro contato com o desenho,

Leia mais

APOSTILAS DO QUARTO BIMESTRE 8 ANO. TURMA 801 4º Bimestre. Aula 13

APOSTILAS DO QUARTO BIMESTRE 8 ANO. TURMA 801 4º Bimestre. Aula 13 APOSTILAS DO QUARTO BIMESTRE 8 ANO. TURMA 801 4º Bimestre Aula 13 Identidade Visual Embora você possa nunca ter ouvido falar em identidade visual, todos nós estamos sempre sendo bombardeados pelas identidades

Leia mais

Exposições individuais

Exposições individuais Marco Garaude Giannotti São Paulo, Brasil, 1957 Graduado em Pintura, Fundação Armando Álvares Penteado (Faap), São Paulo-SP, 1967. Graduado em Ciências Sociais, Universidade Federal de São Paulo (USP),

Leia mais

O CONSUMO AMERICANO E O POSICIONAMENTO POLÍTICO BRASILEIRO

O CONSUMO AMERICANO E O POSICIONAMENTO POLÍTICO BRASILEIRO O CONSUMO AMERICANO E O POSICIONAMENTO POLÍTICO BRASILEIRO Trabalho apresentado ao módulo Realismo (1960) ou Novo Realismo, como requisito parcial para obtenção do título de especialista do curso de História

Leia mais

PLANOS. A mostra será composta por 16 artistas e 47 trabalhos de dimensões variadas

PLANOS. A mostra será composta por 16 artistas e 47 trabalhos de dimensões variadas PLANOS A coletiva PLANOS traz um recorte da produção bidimensional -em desenho, pintura, gravura e fotografia - de acadêmicos do curso de Artes Visuais da UFMS nos últimos 5 anos, entre formandos e formados.

Leia mais

NEWMAN SCHUTZE. Adamantina SP, 1960 Vive e trabalha em São Paulo.

NEWMAN SCHUTZE. Adamantina SP, 1960 Vive e trabalha em São Paulo. NEWMAN SCHUTZE Adamantina, 1960 Vive e trabalha em São Paulo. Atividades Didáticas 1996 1001 Olhares SESC Pompéia São Paulo 1992 Oficina Cultural da Água Fria Jacob Schick 1992 Oficina Experimental Espaço

Leia mais

Umbelina Barreto P O R T F O L I O

Umbelina Barreto P O R T F O L I O Umbelina Barreto P O R T F O L I O EXPOSIÇÃO EM CAXIAS DO SUL PADRÕES DE CONTROLE CIDADE DAS ARTES/2008 UNIVERSIDADE DE CAXIAS DO SUL PADRÕESDECONTROLE SEMSAÍDA I PADRÕESDECONTROLE SEMSAÍDA PADRÕESDECONTROLE

Leia mais

D A N I F E R H I G I E N E I N D U S T R I A L, L d a

D A N I F E R H I G I E N E I N D U S T R I A L, L d a C A R T A D E A P R E S E N T A Ç Ã O E s p e c i a l i s t a s e m h i g i e n e D A N I F E R H I G I E N E I N D U S T R I A L, L d a 1 A D A N I F E R H I G I E N E I N D U S T R I A L, L d a. é u

Leia mais

FERNANDO AUGUSTO. Desenho, pintura, fotografia, livro de artista... Alguns projetos realizados. UMBIGO MUNDO 2002-20012

FERNANDO AUGUSTO. Desenho, pintura, fotografia, livro de artista... Alguns projetos realizados. UMBIGO MUNDO 2002-20012 FERNANDO AUGUSTO Desenho, pintura, fotografia, livro de artista... Alguns projetos realizados. UMBIGO MUNDO 2002-20012 Conjunto de 100 fotografias de umbigos feitos ao longo de 10 anos em várias partes

Leia mais

EMMANUEL NASSAR Figura 1 Foto de Emmanuel Nassar. Acervo pessoal de Emmanuel Nassar

EMMANUEL NASSAR Figura 1 Foto de Emmanuel Nassar. Acervo pessoal de Emmanuel Nassar EMMANUEL NASSAR Figura 1 Foto de Emmanuel Nassar. Acervo pessoal de Emmanuel Nassar Acho que criatividade não é uma qualidade exclusiva dos artistas. Viver é um exercício de criatividade. Por Marialba

Leia mais

O E n g a n o d o E s p e l h o A C o n s t i t u i ç ã o d o S u j e i t o. S u z a n a M a r i a d o E g i t o R o d r i g u e s

O E n g a n o d o E s p e l h o A C o n s t i t u i ç ã o d o S u j e i t o. S u z a n a M a r i a d o E g i t o R o d r i g u e s O E n g a n o d o E s p e l h o A C o n s t i t u i ç ã o d o S u j e i t o S u z a n a M a r i a d o E g i t o R o d r i g u e s E s p e l h o, e s p e l h o m e u... d i r á a b r u x a m a l v a d a

Leia mais

Manoel Pastana na Amazônia do início do século XX

Manoel Pastana na Amazônia do início do século XX Manoel Pastana na Amazônia do início do século XX Maryclea Carmona Maués Neves 1 Quando, onde e quem No início do século XX, a região Amazônica ainda vivia um relativo isolamento do restante do país, reflexo

Leia mais

COM TRABALHOS INÉDITOS NO OI FUTURO, PAULO CLIMACHAUSKA ABRE DUAS EXPOSIÇÕES NO RIO

COM TRABALHOS INÉDITOS NO OI FUTURO, PAULO CLIMACHAUSKA ABRE DUAS EXPOSIÇÕES NO RIO COM TRABALHOS INÉDITOS NO OI FUTURO, PAULO CLIMACHAUSKA ABRE DUAS EXPOSIÇÕES NO RIO Artista paulistano inaugura Re-subtrações - Paulo Climachauska, no Oi Futuro no Flamengo dia 14 de janeiro e Fluxo de

Leia mais

Rodrigo Alzamora. Entre sombras

Rodrigo Alzamora. Entre sombras Rodrigo Alzamora Entre sombras Oriente, 2013 Acrílico s/ tela, 100x81 cm (capa) Ao longo dos últimos cinco anos a obra de Rodrigo Alzamora tem mantido, entre diferenças, os seus dois estilos : O das

Leia mais

Ò ÓÙÚ Ä Ö ØÙ Ó ØÖ Ù Ó È ÕÙ ÒÓ Ç ØÓ ÒÓ Ë Ø Ñ ËÓÐ Ö Ì ÔÖ ÒØ ÍÒ Ú Ö Ö Ð Î Ó ÓÑÓ Ô ÖØ Ü ¹ Ò Ó ÔÖÓ Ö Ñ È Ó ¹ Ö Ù Ó Ñ ÔÐ Ô Ö Ó Ø Ò Ó Ó Ø ØÙÐÓ Å Ø Ö Ë ÒØ º ÎÁ ÇË ÅÁÆ Ë Ê ÁË ¹ Ê ËÁÄ ¾¼¼ Ñ Ò ÔÓ Â Ò Ö Ñ Ò Ð ÄÙ ÒÒ

Leia mais

Marcus André. Rio de Janeiro, 1961 Vive e trabalho no Rio de Janeiro, Brasil. Exposições Coletivas

Marcus André. Rio de Janeiro, 1961 Vive e trabalho no Rio de Janeiro, Brasil. Exposições Coletivas Marcus André Rio de Janeiro, 1961 Vive e trabalho no Rio de Janeiro, Brasil Exposições Coletivas 2009 Museu de Arte Contemporânea de Paraná 63 o. Salão Paranaense de Arte. Curitiba PR 2008 Durex Arte Contemporânea

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ CENTRO DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO COORDENAÇÃO DO CURSO DE MESTRADO EM EDUCAÇÃO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ CENTRO DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO COORDENAÇÃO DO CURSO DE MESTRADO EM EDUCAÇÃO 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ CENTRO DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO COORDENAÇÃO DO CURSO DE MESTRADO EM EDUCAÇÃO O LIVRO DIDÁTICO, A POESIA E O LEITOR: UM ESTUDO DAS ATIVIDADES PROPOSTAS PARA ALUNOS DE 3ª SÉRIE

Leia mais

1970 - VI Salão de Arte Contemporânea de Campinas - Museu de Arte Contemporânea - Campinas - SP

1970 - VI Salão de Arte Contemporânea de Campinas - Museu de Arte Contemporânea - Campinas - SP Ana Vitória Mussi Ana Vitória Mussi nasceu em Laguna SC e vive no Rio de Janeiro. Estuda arte com Ivan Serpa de 1968 a 1971 e fotografia com Kaulino e Ricardo Holanda no SENAC (RJ) de 1972 a 1973. Trabalha

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Centro de Comunicação e Letras Curso de Propaganda, Publicidade e Criação PLANO DE ENSINO

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Centro de Comunicação e Letras Curso de Propaganda, Publicidade e Criação PLANO DE ENSINO PLANO DE ENSINO CÓDIGO UNIDADE 042 CENTRO DE COMUNICAÇÃO E LETRAS CÓD. CURSO CURSO PROPAGANDA, PUBLICIDADE E CRIAÇÃO CÓD. DISC. DISCIPLINA 34033408 ARTE BRASILEIRA II CRÉDITOS ETAPA 3 Período CH ANO 2009

Leia mais

MI - NEW ART CONCEPT AVENIDA 25 DE ABRIL, Nº672, LOJA F 2750-512 CASCAIS PORTUGAL

MI - NEW ART CONCEPT AVENIDA 25 DE ABRIL, Nº672, LOJA F 2750-512 CASCAIS PORTUGAL MI - NEW ART CONCEPT AVENIDA 25 DE ABRIL, Nº672, LOJA F 2750-512 CASCAIS PORTUGAL MI - NEW ART CONCEPT A Galeria MI (Magia Imagem) iniciou a sua actividade em 1996, junto à Av. de Roma, em Lisboa, onde

Leia mais

EFEMÉRIDES: A CONSTRUÇÃO DE UM PROCESSO DE DESCONSTRUÇÃO POR MEIO DE RESÍDUOS DE MEMÓRIA. Comunicação: Relato de Pesquisa

EFEMÉRIDES: A CONSTRUÇÃO DE UM PROCESSO DE DESCONSTRUÇÃO POR MEIO DE RESÍDUOS DE MEMÓRIA. Comunicação: Relato de Pesquisa EFEMÉRIDES: A CONSTRUÇÃO DE UM PROCESSO DE DESCONSTRUÇÃO POR MEIO DE RESÍDUOS DE MEMÓRIA Amanda Cristina de Sousa 1 Alexandre França 2 Comunicação: Relato de Pesquisa Resumo: O seguinte trabalho trata

Leia mais

ELIZABETH JOBIM. Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro, Brasil Celma Albuquerque Galeria de Arte.

ELIZABETH JOBIM. Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro, Brasil Celma Albuquerque Galeria de Arte. ARTE CONTEMPORÂNEA RUA PAULO BARRETO 77, BOTAFOGO 22280-010 RIO DE JANEIRO RJ BRASIL TF +55 (21) 2541 4935 WWW.LURIXS.COM ELIZABETH JOBIM Exposições individuais 2013 Blocos Celma Albuquerque Galeria de

Leia mais

Histórico O surrealismo surgiu na França na década de 1920. Este movimento foi significativamente influenciado pelas teses psicanalíticas de Sigmund

Histórico O surrealismo surgiu na França na década de 1920. Este movimento foi significativamente influenciado pelas teses psicanalíticas de Sigmund Histórico O surrealismo surgiu na França na década de 1920. Este movimento foi significativamente influenciado pelas teses psicanalíticas de Sigmund Freud, que mostram a importância do inconsciente na

Leia mais

Exposições individuais

Exposições individuais Sérgio Romagnolo São Paulo,, 1957 Graduado em Pintura, Fundação Armando Álvares Penteado (Faap), São Paulo-SP, 1967. Graduado em Ciências Sociais, Universidade Federal de São Paulo (USP), São Paulo-PR,

Leia mais

Concurso Arte na Capa 2011

Concurso Arte na Capa 2011 Concurso Arte na Capa 2011 Roteiro de participação O Concurso Arte na Capa 2011 terá como atividade principal o exercício de releitura dos grandes movimentos artísticos, tendo como tema paisagens naturais

Leia mais

Introdução à Segurança da Informação 2. Aécio Costa

Introdução à Segurança da Informação 2. Aécio Costa Introdução à Segurança da Informação 2 Aécio Costa Classificação das informações Pública Informa ç ã o que pode vir a p ú blico sem maiores consequ ê ncias danosas ao funcionamento normal da empresa Interna

Leia mais

¾ Ò Ñ Ó ÐÙ Ó ÓÑÔÐ Ñ ÒØ ËÙ Ø ÒØ Ó ÓÑÔÐ Ñ ÒØ Ø ÓÒ Ó Ù ÝÒ Ñ Ò ÖÓ ÝÒ Ñ Ð Ø ÃÐ Ù Ï ÐØÒ Ö Å ÖØ Ò ÁÒ ÐÑ Ò¹ËÙÒ Ö ÒØÓÒ Ó Ë Ö Ó Ô Ö Ó È ÙÐÓ Å Ö Ò ÁÒ Ø ØÙØÓ Í ÊÙ Ø ÒÓ ÅÓÙÖ ½¾ ¹ Ö Ó ÑÔÙ ÍÒ Ú Ö Ø Ö Ó ÇÒ Ò È ¼º¾½¼¹

Leia mais

Exposições Individuais / Solo Exhibitions

Exposições Individuais / Solo Exhibitions Fabiano Gonper Exposições Individuais / Solo Exhibitions 1997 Fabiano Gonper Pinacoteca da Universidade Federal da Paraíba / João Pessoa PB 1998 Desenho-Objeto Centro Cultural São Francisco / João Pessoa

Leia mais

Sticker Art: Uma ferramenta de inclusão e conscientização do valor da arte

Sticker Art: Uma ferramenta de inclusão e conscientização do valor da arte Sticker Art: Uma ferramenta de inclusão e conscientização do valor da arte Priscila de Macedo Pereira e Souza Resumo: Uma experiência numa escola pública de Goiânia, usando da técnica Sticker Art para

Leia mais

ROBERTO MAGALHÃES. James Lisboa Escritório de Arte TNT Escritório de Arte

ROBERTO MAGALHÃES. James Lisboa Escritório de Arte TNT Escritório de Arte ROBERTO MAGALHÃES James Lisboa Escritório de Arte TNT Escritório de Arte James Lisboa e TNT Escritório de Arte convidam para a exposição de Obras de Roberto Magalhães. Junho a Julho de 2010 Horário: 2ª

Leia mais

Rubem Ludolf. Born in Maceió, Brazil, 1932. Died in Rio de Janeiro, Brazil, 2010. Selected Solo Exhibitions

Rubem Ludolf. Born in Maceió, Brazil, 1932. Died in Rio de Janeiro, Brazil, 2010. Selected Solo Exhibitions Rubem Ludolf Born in Maceió,, 1932 Died in Rio de Janeiro,, 2010 Selected Solo Exhibitions 2005 Galeria Berenice Arvani, São Paulo, 2003 Estúdio Guanabara, Rio de Janeiro, Centro Universitário Maria Antonia,

Leia mais

Inclusão digital também é direitos humanos. Direitos Humanos e reinserção pela arte

Inclusão digital também é direitos humanos. Direitos Humanos e reinserção pela arte JORNAL DA COMISSÃO MUNICIPAL DE DIREITOS HUMANOS ANO 3 - Número 14 Março/Abril - 2010 Balcão de Atendimento da CMDH atende a demandas de Direitos Humanos Página 4 Sobe e Desce nos DH Página 2 Apresentação

Leia mais

COMUNICAÇÃO I-D-E-N-T-I-D-A-D-E-S e Outros Olhares Inclusão social de jovens infratores através das artes plásticas

COMUNICAÇÃO I-D-E-N-T-I-D-A-D-E-S e Outros Olhares Inclusão social de jovens infratores através das artes plásticas COMUNICAÇÃO I-D-E-N-T-I-D-A-D-E-S e Outros Olhares Inclusão social de jovens infratores através das artes plásticas PORFIRO, André Luiz 1 Palavras-Chave: Ensino de arte, Inclusão social e Ressignificação

Leia mais

COLÉGIO CEC CENTRO EDUCACIONAL CIANORTE ED. INFANTIL, ENS. FUNDAMENTAL E MÉDIO - SISTEMA ANGLO DE ENSINO. Aluno (a): Série:

COLÉGIO CEC CENTRO EDUCACIONAL CIANORTE ED. INFANTIL, ENS. FUNDAMENTAL E MÉDIO - SISTEMA ANGLO DE ENSINO. Aluno (a): Série: COLÉGIO CEC CENTRO EDUCACIONAL CIANORTE ED. INFANTIL, ENS. FUNDAMENTAL E MÉDIO - SISTEMA ANGLO DE ENSINO Aluno (a): Série: Nº. Data: / /2012 Professor(a): Rosilene Ardengui 7º Ano CALIGRAFIA TÉCNICA OU

Leia mais

Conclusão do Curso de Bacharel em Direito - Faculdade de Direito da Universidade Federal de Minas Gerais - Belo Horizonte-MG, Brasil

Conclusão do Curso de Bacharel em Direito - Faculdade de Direito da Universidade Federal de Minas Gerais - Belo Horizonte-MG, Brasil Nasceu em Paraisópolis-MG, - 1920 Faleceu em Belo Horizonte-MG, - 2002 Formação 1945 Conclusão do Curso de Bacharel em Direito - Faculdade de Direito da Universidade Federal de Minas Gerais - Belo Horizonte-MG,

Leia mais

Plano de Patrocínio. PROJETO: Celso Coppio 40 Anos. Realização: PRONAC: 09 0722 PATROCINADORES:

Plano de Patrocínio. PROJETO: Celso Coppio 40 Anos. Realização: PRONAC: 09 0722 PATROCINADORES: Plano de Patrocínio PROJETO: Celso Coppio 40 Anos PRONAC: 09 0722 PATROCINADORES: Realização: o projeto Produzir um livro com os 40 anos de Celso Coppio com uma exposição em seu atelier. Celso Coppio,

Leia mais

Graduação em Artes Plásticas - Habilitação em Artes Plástica - Gravura - Universidade Federal de Minas Gerais. Belo Horizonte MG, Brasil

Graduação em Artes Plásticas - Habilitação em Artes Plástica - Gravura - Universidade Federal de Minas Gerais. Belo Horizonte MG, Brasil Nasceu em Itanhém-BA, 1960 Vive e trabalha em Vitória-ES, Formação 1982-1987 Graduação em Artes Plásticas - Habilitação em Artes Plástica - Gravura - Universidade Federal de Minas Gerais. Belo Horizonte

Leia mais

Dispositivo: o cinema e o fim da moldura

Dispositivo: o cinema e o fim da moldura INTRODUÇÃO TRANSCINEMAS Ð ³ ² ³=» Ý ³»²ô ³ ² ª- Ê ô ³ ² ¾ ª- α» ³ ² ª- л 7 «ò O CINEMA SEMPRE FOI EXPERIMENTALô ± ¼» »³» º± «³ ½ ³ ± ¼»» «ò ݱ³± ½ «³ ³ ¹»³»³ ³±ª ³»² ±á ݱ³± ±» á ݱ³± ± ± «3¼± ¼± ±»

Leia mais

Professor do Departamento de Arte da Universidade de Maryland, College Park, MD

Professor do Departamento de Arte da Universidade de Maryland, College Park, MD Tadeusz Lapinski Rawa Mazowiecka, Polónia - 1928 Professor do Departamento de Arte da Universidade de Maryland, College Park, MD 1955 - Grau MFA, Academia de Belas Artes, Varsóvia, Polonia. 1954 - Diploma

Leia mais

Laboratório de Ensino e Aprendizagem em Matemática: As Razoes de Sua Necessidade.

Laboratório de Ensino e Aprendizagem em Matemática: As Razoes de Sua Necessidade. ANA MARIA NAUIACK DE OLIVEIRA Laboratório de Ensino e Aprendizagem em Matemática: As Razoes de Sua Necessidade. Dissertação de Mestrado apresentada como requisito parcial para obtenção do grau de mestre,

Leia mais

Currículo. Formação 2000 Formado em Artes Plásticas pela UNICAMP. 2006 Mestre em Artes Visuais pela UNICAMP

Currículo. Formação 2000 Formado em Artes Plásticas pela UNICAMP. 2006 Mestre em Artes Visuais pela UNICAMP Marcelo Moscheta Currículo Nascido em São José do Rio Preto, 1976. Vive e trabalha em Campinas, Brasil Formação 2000 Formado em Artes Plásticas pela UNICAMP Mestre em Artes Visuais pela UNICAMP Residências

Leia mais

ELIZABETH JOBIM. Oi Futuro. Rio de Janeiro, Brasil

ELIZABETH JOBIM. Oi Futuro. Rio de Janeiro, Brasil ARTE CONTEMPORÂNEA RUA PAULO BARRETO 77, BOTAFOGO 22280-010 RIO DE JANEIRO RJ BRASIL TF +55 (21) 2541 4935 WWW.LURIXS.COM ELIZABETH JOBIM Exposições individuais 2015 Bloco B 2013 Blocos Oi Futuro. Rio

Leia mais

Currículo. Nome civil: Mariana Serri Francoio Nome artístico: Mariana Serri Nascimento: 09/07/1982 Localidade: Belo Horizonte Minas Gerais FORMAÇÃO

Currículo. Nome civil: Mariana Serri Francoio Nome artístico: Mariana Serri Nascimento: 09/07/1982 Localidade: Belo Horizonte Minas Gerais FORMAÇÃO Currículo Nome civil: Mariana Serri Francoio Nome artístico: Mariana Serri Nascimento: 09/07/1982 Localidade: Belo Horizonte Minas Gerais FORMAÇÃO FAAP - Fundação Armando Alvares Penteado. Licenciatura

Leia mais

ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE A ESTÉTICA DO CARTAZ DE GUERRA NA EUROPA 1914-1918

ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE A ESTÉTICA DO CARTAZ DE GUERRA NA EUROPA 1914-1918 ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE A ESTÉTICA DO CARTAZ DE GUERRA NA EUROPA 1914-1918 Prof. Dr. Vanessa Bortulucce A proposta desta comunicação é realizar uma reflexão acerca dos elementos que constituem a estética

Leia mais

Semana de Arte Moderna

Semana de Arte Moderna Semana de Arte Moderna 8º Ano 4º Bimestre 2015 Professor Juventino Introdução Ano foi marcado de 1922 por grandes mudanças na política e na cultura. Transformações no mundo. 1º centenário da independência.

Leia mais

Biblioteca Escolar. Quem é quem? Nome: N.º: Ano/Turma: N.º Grupo:

Biblioteca Escolar. Quem é quem? Nome: N.º: Ano/Turma: N.º Grupo: Quem é quem? Um investigador deve ter um conhecimento sólido não apenas das obras, mas também dos artistas. Lê as frases e identifica o pintor a quem se referem. 1. Foi ordenado cavaleiro da Ordem de Santiago.

Leia mais

Palestra Budista. Os Quatro Tipos de Fé e Cinco Estágios

Palestra Budista. Os Quatro Tipos de Fé e Cinco Estágios Palestra Budista E s c r i t u r a d e N i t i r e n D a i b o s s a t s u : Os Quatro Tipos de Fé e Cinco Estágios - A Veracidade de uma Crença - S e c r e t á r i o G e r a l d o B u d i s m o P r i

Leia mais

MANUAL DE IDENTIDADE VISUAL

MANUAL DE IDENTIDADE VISUAL MANUAL DE IDENTIDADE VISUAL ÍNDICE Marca Apresentação...04 Cores Institucionais...06 Família Tipográfica...07 Reprodução da Marca...08 Usos Incorretos...10 Redução da Marca...11 Versões Monocromáticas...12

Leia mais

Projecto Anual com Escolas Ano lectivo 2010/2011

Projecto Anual com Escolas Ano lectivo 2010/2011 Projecto Anual com Escolas Ano lectivo 2010/2011 1. Enquadramento O Serviço Educativo da Casa das Histórias Paula Rego é entendido como um sector de programação que visa uma mediação significativa entre

Leia mais

A Refiguração do Banal

A Refiguração do Banal A Refiguração do Banal As pinturas de Pedro Meyer são talvez um caso, senão único, raro do que identificaríamos hoje como uma pintura figurativa. Essa palavra surge aqui de propósito: indica que elas não

Leia mais

A importância da propriedade intelectual para as obras geradas nas instituições de ensino

A importância da propriedade intelectual para as obras geradas nas instituições de ensino UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO PRÓ REITORIA DE PESQUISA A importância da propriedade intelectual para as obras geradas nas instituições de ensino MARIA APARECIDA DE SOUZA SÃO PAULO, 12 DE MARÇO DE 2013. Agência

Leia mais

C U R R I C U L U M V I T A E

C U R R I C U L U M V I T A E C U R R I C U L U M V I T A E INFORMAÇÃO PESSOAL Nome Morada Correio electrónico Endereço electrónico Luís Miguel Pereira Araújo da Rocha Rua do Teixeira, nº43, 1º 1200-390 Lisboa Telefone 96 252 74 53

Leia mais

PAÑUELOS Fernando de Tacca Prémio Pierre Verger de Fotografia 2006 da Associação Brasileira de Antropologia

PAÑUELOS Fernando de Tacca Prémio Pierre Verger de Fotografia 2006 da Associação Brasileira de Antropologia Antropologia, Arte e Imagem Nºs. 5-6 (Nova Série) 2009 Centro de Estudos de Etnologia Portuguesa PAÑUELOS Fernando de Tacca Prémio Pierre Verger de Fotografia 2006 da Associação Brasileira de Antropologia

Leia mais

ESCOLA DE ARTES VISUAIS SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO E CULTURA RECIBO

ESCOLA DE ARTES VISUAIS SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO E CULTURA RECIBO SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO E CULTURA ESCOLA DE ARTES VISUAIS RECIBO Recebi da Escola de Artes Visuais 3(três) gr uras do minha autoria e propriedade cjue fizeram parte da exposição "Gravura Brasileira

Leia mais

Wanda Pimentel 1943 Rio de Janeiro. Exposições Individuais

Wanda Pimentel 1943 Rio de Janeiro. Exposições Individuais Wanda Pimentel 1943 Rio de Janeiro. Exposições Individuais 2009 Anita Schwartz Galeria de Arte Rio de Janeiro/RJ 2004 MAM- Rio de Janeiro/RJ Galeria Manoel Macedo/Galeria de Arte Belo-Horizonte/MG 1999

Leia mais

CURRICULUM VITAE EDUCAÇÃO. 1992 Bacharel em Geologia Universidade Federal da Bahia Salvador BA Brasil 1994 Mestre em Geologia

CURRICULUM VITAE EDUCAÇÃO. 1992 Bacharel em Geologia Universidade Federal da Bahia Salvador BA Brasil 1994 Mestre em Geologia CURRICULUM VITAE Rommulo Vieira Conceição Nome Artístico: Rommulo Vieira Conceição Nascido em Salvador BA Brasil. Data de nascimento: 13/09/1968 Mora e trabalha em Porto Alegre RS e Salvador BA, Brasil

Leia mais

1 O SVG é um formato gráfico baseado na linguagem XML para descrever gráficos em formato vetorial bidimensional. Destaca-se pela leveza e portabilidade dos arquivos gerados, além de proporcionar a criação

Leia mais

32 SARP. Agosto / 2007 MARP15ANOS. Coordenadoria de Artes Visuais MARP - Museu de Arte de Ribeirão Preto Pedro

32 SARP. Agosto / 2007 MARP15ANOS. Coordenadoria de Artes Visuais MARP - Museu de Arte de Ribeirão Preto Pedro I n f o r m a t i v o Agosto / 2007 c 0í? RE \O^' 32 SARP Exposições / Bate-papo / Grupo de Estudos / Dança / Simpósio / Workshop MARP15ANOS Coordenadoria de Artes Visuais MARP - Museu de Arte de Ribeirão

Leia mais

mar co ay res Projecto Genoma Artístico...

mar co ay res Projecto Genoma Artístico... mar co ay res Projecto Genoma Artístico... A sequência de um olhar observador da obra de Marco Ayres formada por 4 opiniões que se ligam entre si em várias posições. A consciência, ou intuição, da realidade

Leia mais

Programa Petrobras Cultural 2007/2008 Projetos Contemplados

Programa Petrobras Cultural 2007/2008 Projetos Contemplados Programa Petrobras Cultural 2007/2008 Projetos Contemplados CURTA-SE VIII Festival Ibero-Americano de Curtas-Metragens de Sergipe Protocolo: 4 Proponente: Centro de Estudos Casa Curta-SE Estado do Proponente:

Leia mais

Ferramentas Web, Web 2.0 e Software Livre em EVT

Ferramentas Web, Web 2.0 e Software Livre em EVT E s t u d o s o b r e a i n t e g r a ç ã o d e f e r r a m e n t a s d i g i t a i s n o c u r r í c u l o d a d i s c i p l i n a d e E d u c a ç ã o V i s u a l e T e c n o l ó g i c a STRIPgenerator

Leia mais

VANGUARDA DISCIPLINA: ARTES PROFESSORA: ANA PRISCILA

VANGUARDA DISCIPLINA: ARTES PROFESSORA: ANA PRISCILA VANGUARDA DISCIPLINA: ARTES PROFESSORA: ANA PRISCILA Em seu sentido literal, vanguarda (vem do francês Avant Garde, guarda avante ) faz referência ao batalhão militar que precede as tropas em ataque durante

Leia mais

A concisa história de um projeto pedagógico para o design

A concisa história de um projeto pedagógico para o design A concisa história de um projeto pedagógico para o design Na Europa formaram dois eixos artísticos de diferentes orientações e que marcaram atuação nas primeiras décadas do século 20. Grupos, pelo choque

Leia mais

Å ÒÙ Ö ØÓ ËÙ Ñ Ø Ó Ê Ú Ø ÁÒ ÓÖÑ Ø Ì ÓÖ ÔÐ ¾¼ ÒÓÚ Ñ ÖÓ ¾¼¼¼ Ê ÙÔ Ö Ó Ò ÓÖÑ Ó Ú Ù Ð ÓÑ ÒÓ ÓÒØ Ù Ó Ñ Ñ Ò Ú Ó Ø ÖÒ Ð Ó Ð ÙÕÙ ÖÕÙ Ö Ù Ó Ë ÐÚ Ó Â Ñ Ð ÖÞÓÐ Ù Ñ Ö Ê ÙÔ Ö Ó Ò ÓÖÑ Ó Ú Ù Ð ÓÑ ÒÓ ÓÒØ Ù Ó Ñ Ñ Ò Ú Ó

Leia mais

MERCEDES VIEGAS ARTE CONTEMPORÂNEA

MERCEDES VIEGAS ARTE CONTEMPORÂNEA Martinho Patrício Martinho Patrício Leite, 1964. Vive em João Pessoa, PB. Brasil. FORMAÇÃO 1993 Licenciatura em Educação Artística pela Universidade Federal da Paraíba. João Pessoa, PB. EXPOSIÇÕES INDIVIDUAIS

Leia mais

Licenciatura em Educação Artística / Habilitação em Artes Plásticas. UFES - Universidade Federal do Espírito Santo. Vitória-ES, Brasil

Licenciatura em Educação Artística / Habilitação em Artes Plásticas. UFES - Universidade Federal do Espírito Santo. Vitória-ES, Brasil Nasceu em Vitória-ES, Brasil 1957 Vive e Trabalha em Vitória-ES, Brasil Formação Licenciatura em Educação Artística / Habilitação em Artes Plásticas. UFES - Universidade Federal do Espírito Santo. Vitória-ES,

Leia mais

PAINEL GURUPI COMICS ESTÓRIAS DE GURUPI

PAINEL GURUPI COMICS ESTÓRIAS DE GURUPI PAINEL GURUPI COMICS ESTÓRIAS DE GURUPI João Paulo de Oliveira Maciel Graduando do Curso de Licenciatura em Artes Cênicas IFTO Prof. Pablo Marquinho Pessoa Pinheiro (Orientador) Instituto Federal de Educação,

Leia mais

6. CONSIDERAÇÕES FINAIS

6. CONSIDERAÇÕES FINAIS 94 6. CONSIDERAÇÕES FINAIS Na análise da fatura, consideramos fundamental ter em conta os vários aspectos que circundam e compõem uma obra. Atentar a fatores como escolha do material, poética, linguagem

Leia mais

Ferramentas Web, Web 2.0 e Software Livre em EVT

Ferramentas Web, Web 2.0 e Software Livre em EVT E s t u d o s o b r e a i n t e g r a ç ã o d e f e r r a m e n t a s d i g i t a i s n o c u r r í c u l o d a d i s c i p l i n a d e E d u c a ç ã o V i s u a l e T e c n o l ó g i c a Scratch M a n

Leia mais

subdiretório diretório de usuário

subdiretório diretório de usuário Ô ØÙÐÓ Ë Ø Ñ ÖÕÙ ÚÓ Ô ÖØ Ñ Ú Ú Ð ÙÑ Ø Ñ ÓÔ ÖÓÒ Ð Ó Ù Ø Ñ ÖÕÙ ÚÓ º ÈÖÓ Ö Ñ ÔÐØ ÚÓ ÙØ Ð Þ Ñ Ó Ø Ñ ÖÕÙ ÚÓ Ú Ñ Ø Ñ µ Ô Ö ÖÖ Ð Ö Ö Ú Ö Ö ÑÓÚ Ö ÖÕÙ ÚÓ º Í Ù Ö Ó ÙØ Ð Þ Ñ ÒØ Ö Ø Ú Ñ ÒØ Ó Ø Ñ ÖÕÙ ÚÓ Ú Ðе Ô Ö

Leia mais

DANIEL ACOSTA born in Rio Grande, Brazil, 1965 lives and works in Pelotas, Brazil

DANIEL ACOSTA born in Rio Grande, Brazil, 1965 lives and works in Pelotas, Brazil DANIEL ACOSTA born in Rio Grande,, 1965 lives and works in Pelotas, education 2005 PhD [Arts], Escola de Comunicação e Artes, Universidade de São Paulo - USP, São Master of Arts, Escola de Comunicação

Leia mais

UmbelinaBarreto FlávioMorsch ARTE

UmbelinaBarreto FlávioMorsch ARTE 2009 UmbelinaBarreto FlávioMorsch ARTE ARTE Décio Presser, Umbelina Barreto e Flávio Morsch convidam para o coquetel de abertura da mostra: Quarta -feira, 23 de setembro, das 19 as 21h visitação: de 24

Leia mais

Professora Orientadora: Patricia Fernades de Paiva Marcotti Turma: 7ª série A Disciplina: Artes

Professora Orientadora: Patricia Fernades de Paiva Marcotti Turma: 7ª série A Disciplina: Artes ESCOLA ESTADUAL PROFESSOR LÉO KOHLER ENSINO FUNDAMENTAL II MOSTRA CULTURAL E CIENTÍFICA: LÉO KOHLER 50 ANOS CONSTRUINDO HISTÓRIA PROJETO: A Arte da Decoupage Professora Orientadora: Patricia Fernades de

Leia mais

- data limite para envio dos projetos: 02 de fevereiro de 2015 (não serão aceitas propostas enviadas após esta data)

- data limite para envio dos projetos: 02 de fevereiro de 2015 (não serão aceitas propostas enviadas após esta data) SP ESTAMPA 2015 EDITAL PARA INSCRIÇÃO DA 5ª EDIÇÃO DO SP ESTAMPA O SP ESTAMPA é um evento organizado pela Galeria Gravura Brasileira que reúne galerias, ateliês, instituições e artistas que trabalham com

Leia mais

NEJAD EXAME SUPLETIVO 2016 ENSINO FUNDAMENTAL DISCIPLINA DE ARTE

NEJAD EXAME SUPLETIVO 2016 ENSINO FUNDAMENTAL DISCIPLINA DE ARTE NEJAD EXAME SUPLETIVO 2016 ENSINO FUNDAMENTAL DISCIPLINA DE ARTE ARTE RUPESTRE Arte rupestre é o nome da mais antiga representação artística da história do homem. Os mais antigos indícios dessa arte são

Leia mais