A DEFESA DO RÉU NO PROCESSO DO TRABALHO Cássio Ricardo de Freitas Faeddo

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A DEFESA DO RÉU NO PROCESSO DO TRABALHO Cássio Ricardo de Freitas Faeddo"

Transcrição

1 1 A DEFESA DO RÉU NO PROCESSO DO TRABALHO Cássio Ricardo de Freitas Faeddo INTRODUÇÃO A defesa do réu nasce no ordenamento jurídico fundamentada em preceitos constitucionais. O inciso LV do art. 5º da Lei Maior assegura aos litigantes em processo judicial e administrativo, e aos acusados em geral, o contraditório e a ampla defesa, com meios e recursos a ela inerentes. O contraditório é a técnica processual e procedimental que impõe a bilateralidade do processo. Trata-se de princípio - norma fundante de um sistema, mandado de otimização da aplicação do direito, - que é garantidor da própria existência do Estado Democrático de Direito. O contraditório está intimamente ligado à garantia do due process of law, insculpido no art. 5, LIV, da Constituição da República. É o principio do devido processo legal; como processo necessário, o processo adequado, aquele que assegure a igualdade das partes com a existência do contraditório e da ampla defesa. Na seara trabalhista, aplicam-se regras especificas oriundas do diploma trabalhista. No entanto, estas não exaurem o tema, aplicando-se subsidiariamente o Código de Processo Civil, sempre sobre o abrigo da Constituição da República.

2 2 CAPITULO I DA BILATERALIDADE DA AÇÃO E DA DEFESA O direito de defesa é um aspecto do próprio direito de ação no que concerne o réu, porque não há ação sem bilateralidade, sem duas partes em contraditório. Apesar de a ação ser dirigida contra o Estado já que este é detentor da Jurisdição - o pedido mediato atingirá diretamente o réu, se julgado procedente o pedido do autor. Mesmo que o pedido seja julgado improcedente, constituirá a solução do conflito em garantia de segurança jurídica do próprio réu, além do interesse social da pacificação dos conflitos. Os princípios constitucionais do contraditório e da ampla defesa têm natureza dúplice, pois têm por destinatários tanto o autor quanto o réu. A decisão deverá ser proferida em contraditório, ou seja, com a presença de autor e réu, aos quais deve ser dada a oportunidade de debater a causa.

3 3 CAPITULO II DAS FORMAS DE DEFESA DO RÉU O réu pode defender-se de várias maneiras. Pode opor-se mediante a alegação de que o processo não está em ordem, está viciado, que a ação não pode ser exercida pelo autor ou, ainda, que o autor não tem o direito pleiteado. Nos primeiros casos a defesa é processual, porque impugna o instrumento (ação ou processo) de que se pretende valer o autor para a afirmação de seu direito; no último a defesa é de mérito, porque nega o próprio direito alegado pelo autor. A defesa processual é uma defesa indireta, porquanto o resultado pretendido (opor-se ao deferimento da pretensão da inicial) se obtém mediante uma alegação que não discute o mérito. A defesa de mérito, substancial ou material, pode também, ser direta e indireta: é indireta quando consiste em opor fato impeditivo, modificativo ou extintivo do direito do autor; é direta quando consiste em resistência que ataca a própria pretensão material do autor, negando quanto aos fatos ou quanto ao direito material. No Código de Processo Civil, a defesa de mérito, seja ela direta ou indireta, se faz com a contestação. A defesa processual se faz com a preliminar de contestação se a matéria é de objeção (matérias processuais de ordem pública que o juiz, pode, até, conhecer de ofício, por exemplo, a litispendência e a coisa julgada) e se faz por meio de exceção em sentido estrito se alegação é de incompetência relativa, suspeição ou impedimento do juiz. Além de defender-se, pode o réu contra-atacar, propondo ação contra o autor, por meio da reconvenção. Em defesa, não pode o réu obter decisão que atenda pedido seu, o que somente pode ser feito mediante o exercício do direito de ação, que no caso, se chama reconvenção. O réu, na seara trabalhista, denominado reclamado, poderá na própria audiência para a qual foi notificado ( na verdade, citado e intimado ao mesmo tempo), excepcionar, contestar e reconvir. Geralmente, no processo do trabalho, as exceções e contestações são oferecidas por escrito. É permitido que sejam apresentadas oralmente, na forma do art.847 da CLT.

4 4 CAPITULO III EXCEÇÕES Exceção, em termo geral, significa aquilo que não constitui regra geral. Do ponto de vista jurídico, o vocábulo exceção comporta vários significados. Ora significa simplesmente defesa, ora quer dizer defesa indireta contra o processo, visando estendê-la ou extingui-lo. No sistema do Código de Processo Civil a palavra exceção passou a ter sentido especifico de defesa indireta do processo, na medida em que seu único objetivo repousa no afastamento do juiz suspeito, impedido ou incompetente relativamente, a teor do artigo 304 deste diploma. Disso resulta, por exclusão, que questões relativas à litispendência, coisa julgada e incompetência absoluta devem ser alegadas em contestação, como preliminares. São três as exceções previstas no CPC: a exceção de incompetência relativa, a exceção de suspeição e a exceção de impedimento. A CLT, em seu art. 799, dispõe que, nas causas da jurisdição da Justiça do Trabalho, somente podem ser opostas, com suspeição do feito, as exceções de suspeição ou incompetência. Logo em seguida, no parágrafo 1º do dispositivo em causa, salienta que as demais exceções serão alegadas como matéria de defesa. Neste caso, a CLT quer referir-se a defesa no sentido amplo, afastando-se da metodologia do CPC, silenciando quanto à exceção de impedimento. As mesmas razões que dão suporte a suporte a suspeição, de ordem jurídica, ética e lógica, devem ser aplicadas ao impedimento no que tange ao juiz, a fim de evitar que ele aja com parcialidade, seja por motivos intrínsecos (suspeição) e extrínsecos (impedimento).

5 5 De acordo com o art. 801 da CLT, o juiz, titular ou substituto (bem como o juiz classista que eventualmente estiver terminando o mandato): é obrigado a dar-se por suspeito, e pode ser recusado, por alguns dos seguintes motivos, em relação à pessoa dos litigantes: a - inimizade pessoal; b - amizade intima; c - parentesco por consangüinidade ou afinidade até o terceiro grau civil; d - interesse particular na causa. Existem exceções a estes motivos no parágrafo único do referido artigo, dado que incompatíveis os referidos atos de vontade, ou de inércia com a figura da objeção da suspeição. Da decisão que acolhe a exceção de incompetência relativa ou suspeição não cabe recurso na forma do artigo 799, parágrafo 2º da CLT. No entanto, o E. TST, ao modificar parcialmente o conteúdo da súmula 214, deu nova interpretação ao referido artigo, passando, assim, a admitir recurso ordinário da decisão interlocutória que, acolhendo exceção de incompetência em relação do lugar, remete os autos para o Tribunal Regional distinto daquele a que se vincula o juízo excepcionado. O procedimento da exceção de incompetência está regulado no art. 800 da CLT. As exceções de suspeição, de impedimento e de incompetência relativa, não obstante suspendam o processo, deverão ser apresentadas juntamente com a contestação, isto é, na audiência para a qual foi notificado o reclamante, sob pena de preclusão de uma ou de outra. O procedimento da exceção não prevê o contraditório, uma vez que, a teor do art.802 da CLT: Apresentada a exceção de suspeição, o juiz ou Tribunal designará audiência, dentro de 48 horas, para instrução e julgamento da exceção.

6 6 Julgada procedente a exceção de suspeição (ou de impedimento) será logo convocado para a mesma audiência ou sessão, ou para a seguinte, o juiz substituto. Nos Tribunais, observar-se-á o respectivo regimento interno. O réu poderá oferecer mais de uma execução ao mesmo tempo. Por razões lógicas, a exceção de suspeição (ou impedimento) precede à de incompetência, pois o juiz suspeito (ou impedido) sequer poderá declarar-se incompetente. Se o fato que ocasionou a suspeição ou impedimento for posterior à audiência, a parte (autor e réu) deverá alegar nulidade na primeira vez que tiver que falar nos autos, sob pena de preclusão (CLT art.795), sendo, portanto inaplicável a regra do art.305 do CPC, em particular ( que possibilita a manifestação no prazo de 15 dias). Também não se aplica ao processo trabalhista a regra do art.299, parte final do CPC, uma vez que a exceção será processada nos próprios autos da reclamatória trabalhista.

7 7 CAPITULO IV CONTESTAÇÃO Contestar significa resistência, discussão, debate. É uma reação do réu à ação do autor. A CLT não define contestação, eis que usa de forma genérica o vocábulo defesa. Compatível a aplicação subsidiária do art. 300 do CPC, segundo o qual: Compete ao réu alegar, na contestação, toda a matéria de defesa, expondo as razões de fato e de direito, com que impugna o pedido do autor e especificando as provas que pretende produzir. Essa norma consagra o princípio da concentração da defesa e o princípio da eventualidade. Isso quer dizer que o réu deve alegar todo e qualquer tipo ou modalidade de resistência à pretensão do autor (concentração), para que o juiz conheça das posteriores eventualmente (eventualidade) se as anteriores forem repelidas. No processo do trabalho o momento oportuno da apresentação da defesa é na audiência, após a tentativa de conciliação inicial, conforme artigo 847 da CLT. É de difícil aplicação os preceitos de indeferimento da contestação intempestiva, ou sem procuração, conforme processo civil, pois, em geral, a contestação é apresentada em audiência, ou mesmo a ausência do advogado pode ser suprida pela presença do preposto, com efeito, o mandato tácito e a procuração apud dacta. Não se aplica nas lides trabalhistas a parte final do art. 300 do CPC, eis que desnecessária a especificação, seja na exordial, seja na contestação das provas que se pretenda produzir. O art. 845 da CLT dispõe que as partes comparecerão à audiência: acompanhadas de suas testemunhas, apresentando, nessa ocasião, as demais provas. Assim como no processo civil, a contestação por negação geral é ineficaz, arcando o réu com o ônus de serem considerados verdadeiros os fatos apontados na inicial.

8 8 A contestação pode ser dirigida contra o processo ou contra a ação, chamada de contestação contra o processo, nos casos nos quais o réu não ataca à lide, o pedido, a pretensão, ou bem da vida, mas sim o processo ou a ação. Esta objeção está prevista no artigo 301 do CPC, aplicável com algumas adaptações ao processo do trabalho. O réu se limita a alegar que não estão presentes os pressupostos processuais (arts 301, I, II, III,V,VI, VII e VIII, e 267, IV) ou as condições da ação (CPC arts 301, X, e, 267, VI). É certo que a perempção e a falta de caução não se aplicam ao processo do trabalho. Salvo no que concerne à convenção de arbitragem, não opera a preclusão em relação às matérias transcritas, enquanto não transitar em julgado a sentença (art. 301, par. 4º do CPC). O juiz deve conhecê-las de ofício. O art. 301 do CPC deve ser interpretado sistematicamente com o art.267 do mesmo diploma legal. Depois da contestação, só é lícito deduzir novas alegações quando: relativas a direito superveniente; competir ao juiz conhecer delas de ofício (como pressupostos e condições da ação); por expressa autorização legal, puderem ser formuladas em qualquer tempo e juízo. A contestação pode ser também de mérito, sendo nas formas direta ou indireta. 1. CONTESTAÇÃO INDIRETA DE MÉRITO Na contestação indireta de mérito ( também chamada exceção substancial ), o réu reconhece o fato constitutivo do direito do autor, mas opõe um outro fato impeditivo, modificativo ou extintivo do direito formulado na petição inicial. Fatos impeditivos são os que provocam a ineficácia dos fatos constitutivos alegados pelo autor.

9 9 Fatos modificativos são os que implicam alteração dos fatos constitutivos alegados pelo autor. Fatos extintivos são os que eliminam, extinguem ou tornam sem valor a obrigação assumida pelo réu, por não ser ela mais exigível. A renúncia, a transação, a prescrição e a decadência são também fatos extintivos do direito do autor. A prescrição e a decadência são exemplos de fatos extintivos do direito do autor, pois extinguem o processo com julgamento do mérito (art. 269 do CPC). Por não estarem catalogadas no rol das preliminares do art. 301 do CPC, devem ser alegadas na contestação como prejudicais de mérito, sendo defesa indireta de mérito. Há grande polêmica na seara trabalhista quanto à aplicabilidade da prescrição de oficio a teor do art. 219, par. 5º do Código de Processo Civil. Para alguns é perfeitamente aplicável à prescrição de ofício com fulcro no art, 769 da CLT, pois atingidos os requisitos do referido artigo: omissão e compatibilidade; para outros, não se aplica a prescrição de ofício, por violação ao princípio da proteção, haja vista o referido pronunciamento favorecer a parte, em tese, devedora. No sentido da impossibilidade de aplicar-se a prescrição de ofício, assim já decidiu i E.TRT da 3ª Região: "EMENTA: PRESCRIÇÃO. PRONÚNCIA DE OFÍCIO. INAPLICABILIDADE NO PROCESSO DO TRABALHO. A proteção ao hipossuficiente - princípio basilar do Direito do Trabalho - tem por escopo atenuar, na esfera jurídica, a desigualdade sócio-econômica e de poder existente, no plano fático da relação de emprego. Diante disso, pode-se afirmar que a norma do parágrafo 5º do artigo 219 do CPC, é incompatível, com tal princípio protetivo, visto que a pronúncia da prescrição, de ofício, pelo Juiz do Trabalho, beneficiará, apenas, um dos sujeitos da relação

10 10 empregatícia, no caso, o empregador inadimplente. Conclui-se, portanto, pela inaplicabilidade, no processo trabalhista, da nova regra do processo comum, em face de sua incompatibilidade, com os princípios que informam o Direito do Trabalho - sob pena de comprometer-se a própria essência da função teleológica desse ramo jurídico especializado(...) ( RO Juiz Relator Manuel Cândido Rodrigues) "PRESCRIÇÃO - DECLARAÇÃO DE OFÍCIO NO JUÍZO TRABALHISTA. Com a recente alteração do artigo 219, parágrafo 5, do CPC, promovida pela Lei , de 16/02/2006, foi atribuído ao Juiz o dever de pronunciar a prescrição de ofício. Todavia, tal comando é inaplicável às lides trabalhistas, em face do cardeal princípio do direito do trabalho, qual seja, o princípio da proteção (Entendimento da maioria)" ( RO - Juiz Relator Júlio Bernardo do Carmo) No entanto, a tendência jurisprudencial nos Tribunais Regionais do Trabalho parece caminhar para a aplicação de ofício da prescrição. A 6ª Turma do mesmo Tribunal da 3ª Região assim decidiu: "PRESCRIÇÃO - DECLARAÇÃO DE OFÍCIO PELO JUIZ Aplica-se ao Direito Processual do Trabalho, por força do disposto no art. 769, da CLT, o parágrafo 5º, do art. 219, do CPC, com a redação dada pela Lei n , de , que determina a pronunciação, de ofício, da prescrição. Na lição de Manoel Antônio Teixeira Filho "A norma incidirá no processo do trabalho, pelo mesmo motivo que o art. 219, parágrafo 5º., do CPC, em sua redação anterior, era pacificamente aplicado ao processo do trabalho. Não haverá antagonismo com o art. 7º., inciso XXIX, da Constituição Federal." (Revista LTr 70-03/274, As Novas Leis Alterantes do Processo Civil e sua repercussão no Processo do Trabalho). Incide, na espécie, a prescrição qüinqüenal, na forma prevista no inciso XXIX, do art. 7º, da Constituição Federal." (Processo TRT RO, 3ª Região, EMÍLIA FACCHINI, Juíza Relatora, 6ª Turma, DOJ: 05/10/2006)

11 11 Como já se afirmou o tema é polêmico. Ainda, são consideradas como formas de defesas indiretas de mérito, a compensação e retenção, uma vez que constituem fatos modificativos do direito alegado pelo autor. Dispõe o art. 767 da CLT: A compensação, ou retenção, só poderá ser argüida como matéria de defesa. Se o reclamado não alegar a compensação na contestação, não poderá fazê-lo em outro momento, eis que estará preclusa a matéria (súmula 48 do C.TST). Na compensação duas pessoas reúnem reciprocamente as qualidades de credor e devedor. Assim, sempre que o reclamado entender que é credor do reclamante poderá requerer ao juiz que a dívida do empregado possa ser compensada com eventuais créditos deste. A compensação restringe-se a dívida de natureza trabalhista (súmula 18), como adiantamentos salariais, danos causados pelo empregado. Não se admite a compensação de dívida de natureza civil ou comercial. O parágrafo 5º do art. 447 da CLT dispõe que, na rescisão, qualquer compensação no pagamento a que fizer jus o empregado não poderá exceder ao equivalente a um mês de sua remuneração. Não se deve confundir compensação com dedução. A compensação depende de pedido expresso do reclamado na contestação (art.767 da CLT). Já a dedução pode ser autorizada de ofício pelo juiz e decorre da aplicação do princípio do no bis in idem, evitando-se, com isso, o enriquecimento sem causa de uma parte em detrimento da outra.

12 12 2. CONTESTAÇÃO DIRETA DE MÉRITO Dá-se a contestação direta, também chamada defesa direta de mérito, quando o réu ataca o fato constitutivo do direito alegado pelo autor, seja pela negativa de sua existência, seja pela negativa de seus efeitos jurídicos. Se o réu negar a existência dos fatos constitutivos do direito constitutivo do autor, fará com que o autor tenha que provar tais fatos constitutivos, durante a instrução. A negativa do réu, no entanto, não poderá ser genérica. É que, ressalvadas algumas exceções legais, não se admite a contestação por negativa geral. Preceitua o art. 302: cabe também ao réu manifestar-se precisamente sobre os fatos narrados na petição inicial. Presumem-se verdadeiros os fatos não impugnados... Esta presunção de veracidade é relativa. Trata-se de confissão ficta, razão pela qual excepciona-se o previsto no art.302, I, II e III do CPC. O réu também poderá reconhecer a existência e veracidade dos fatos alegados pelo autor, mas negar-lhes as conseqüências jurídicas entabuladas na exordial. Neste caso, ante a confissão do réu a respeito dos fatos constitutivos do direito do autor, este ficará liberado de prová-los. Todavia, o réu asseverará, em sua postura defensiva, que os fatos não produzem os efeitos jurídicos pretendidos pelo autor, que, assim, não poderá merecer a tutela jurisdicional que pleiteia na exordial.

13 13 CAPITULO V RECONVENÇÃO Não se trata propriamente de uma forma de defesa, mas de uma forma de resposta do réu. Tem-se uma maneira de contra-ataque do réu em face do autor, dentro do mesmo processo. A reconvenção é uma ação que o réu propõe, em face do autor, dentro do mesmo processo em que o primeiro é demandado, buscando tutela jurisdicional em que se resguarde um direito seu que alega ter sido lesado ou ameaçado de lesão pelo autor. Existe uma cumulação objetiva de ações no mesmo processo. Há quem sustente a impossibilidade da reconvenção no processo do trabalho, argumentando a existência da retenção e compensação como matérias típicas de defesa, e não de reconvenção, razão pela qual não haveria omissão da CLT a respeito, impedindo, assim, a aplicação subsidiária do CPC. A corrente majoritária, entretanto, admite a reconvenção como possível. Porém, existem algumas peculiaridades a ser observadas, em especial ao procedimento a ser observado. Sendo a reconvenção uma ação, não pode a lei in casu a CLT, impedir seu exercício por quem se sentir ameaçado ou lesado em um direito, a teor do art. 5º, XXXVI, da Constituição da República. O processamento da reconvenção em conjunto com a reclamatória tem como fundamento, além do já exposto, no princípio da celeridade e economia processual. Porém, existem quatro pressupostos específicos que devem ser atendidos no que se refere a esta possibilidade:

14 14 1 Que o juiz da causa não seja absolutamente incompetente para julgar a reconvenção (CPC art. 109). A reconvenção deve versar, pois, demanda oriunda da relação de emprego ou da relação de trabalho, conforme art. 114 da Lei Maior; 2 - Haver compatibilidade entre os ritos procedimentais da ação principal e da reconvenção. Há quem entenda como incompatível a reconvenção com a reclamação trabalhista em rito sumário (rito de alçada Lei nº 5.584/70, art. 2º, parágrafos 3º e 4º), por aplicação analógica do então vigente art. 315, parágrafo 2º do CPC; ou rito sumaríssimo (CLT arts 852 a e s.), aplicação analógica do art. 31 da Lei nº 9.099/95, que instituiu os Juizados Especiais. Entretanto, a analogia é incabível na espécie, pois restringe o direito constitucional de ação, olvidando o princípio da inafastabilidade da jurisdição; 3 Haver processo pendente. A reconvenção tem lugar quando a ação principal estiver em curso, sendo certo que o momento próprio para a apresentação da reconvenção trabalhista é a audiência inaugural (CLT art 847); 4 É inadmissível a reconvenção no processo de execução, porque neste não há sentença, e sim constrição judicial, e, no processo cautelar, porquanto neste não se busca o julgamento da lide principal, mas apenas medidas cautelares para se garantir o resultado útil do processo principal. Nas ações de natureza dúplice não é pacífico o entendimento sobre o cabimento da reconvenção. No processo do trabalho, o exemplo mais comum de ação dúplice é o inquérito judicial para a apuração de falta grave. Conforme o art, 495 da CLT, se o inquérito for julgado improcedente, não há necessidade de o empregado reconvir, pois o empregador é obrigado a readmiti-lo no serviço e a efetuar o pagamento da remuneração referente a todo o período anterior de afastamento.

15 15 Se o empregado ajuizar reconvenção este poderá ser julgado carecedor de ação, por lhe falar interesse processual, eis que o bem da vida perseguido pode lhe ser dado independente da propositura da demanda reconvencional. Se, entretanto, o objeto da reconvenção for mais amplo que o inquérito, como, por exemplo pedido de indenização por danos morais ou outras parcelas distintas do salário, haverá interesse processual na demanda. No entanto, como mencionado, a jurisprudência não é pacífica sobre o assunto. Ainda, com o advento da Lei nº 8.951, de , a ação de consignação passou a ter natureza dúplice (art. 899, parágrafos 1º e 2º do CPC), tornando-se, pois, desnecessária a reconvenção. Como no caso do inquérito, se o objeto da reconvenção for mais amplo, entende-se ser possível a propositura da reconvenção. Neste tema a jurisprudência também não é pacífica. Em relação as figuras da dedução e da compensação, estas não se confundem com a reconvenção. A dedução pode ser autorizada de ofício pelo juiz na sentença de cognição, diante da prova produzida, impedindo o enriquecimento sem causa. A dedução também pode ser pleiteada pela parte a quem ela aproveita. A compensação é um instituto de direito material, podendo, no entanto, ser invocada no processo do trabalho: 1 - Como matéria de defesa (CLT art.767), desde que o montante a ser compensado seja igual ou inferior a uma remuneração mensal do empregado (CLT, art. 477, parágrafos 4º e 5º); 2 Por meio de reconvenção (CLT art 769, c/c art. 315 do CPC), desde que presentes os pressupostos processuais, as condições da ação e os requisitos

16 16 específicos da reconvenção, se o montante a ser compensado for superior a uma remuneração mensal do empregado. A defesa da reconvenção não se limita à contestação, como a literalidade do art.316 do CPC pode fazer transparecer, podendo o reclamante-reconvindo tanto oferecer exceções (de suspeição, impedimento ou incompetência relativa) quanto apresentar contestação, levantando preliminares (CPC art. 301) ou discutindo o mérito, de forma direta ou indireta. Embora a lei não vede expressamente, não é admitida a reconvenção da reconvenção, pelo fato de poder causar tumulto processual e eternização dos processos. É recomendável que a reconvenção seja apresentada em peça distinta, muito embora isso não seja obrigatório, porquanto o processo do trabalho admita resposta oral. Sendo a reconvenção uma ação se o autor reconvindo não apresentar defesa, será ele considerado revel e confesso quanto à matéria de fato, conforme art. 319 do CPC. Se o reclamante-reconvindo não apresentar defesa sofrerá os efeitos da confissão presumida ou ficta quanto à matéria de fato deduzida pelo reclamado-reconvinte. Nos termos do art 841 da CLT deverá ser concedido prazo de cinco dias para a apresentação de defesa à reconvenção, salvo se o reclamante-reconvindo abrir mão desse prazo na própria audiência, mediante certificação em ata. Se o juiz conceder o prazo, a audiência será suspensa, devendo o juiz designar outra data para seu julgamento. Conforme preceitua o art. 317 do CPC: desistência da ação, ou a existência de qualquer causa que a extinga não obsta o prosseguimento da reconvenção.

17 17 Caso o reclamado-reconvinte desista da reconvenção, a ação principal terá seu curso normal até a decisão final. Em relação à sentença, a teor do art. 318 do CPC, ambas as demandas devem ser julgadas na mesma sentença.

18 18 VI BIBLIOGRAFIA BARROS, Alice Monteiro de (coord), Compêndio de direito processual do trabalho: obra em homenagem a Celso Agrícola Barbi, 2ª Edição, Editora LTR, São Paulo, GRECO FILHO, Vicente, Direito processual civil brasileiro, volume 1 (teoria geral do processo e auxiliares da justiça), 19ª Edição, São Paulo, Editora Saraiva, LEITE, Carlos Henrique Bezerra, Curso de direito processual do trabalho, 3ª Edição, São Paulo, Editora LTR, 2005.

O Processo Trabalhista

O Processo Trabalhista Curso Superior de Tecnologia em Gestão de Recursos Humanos Profa. Barbara Mourão O Processo Trabalhista Princípios gerais do processo Constituição Federal de 1988; Código de Processo Civil (CPC). Princípios

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RELATÓRIO O EXMO. SR. MINISTRO RICARDO VILLAS BÔAS CUEVA (Relator): Trata-se de recurso especial interposto contra acórdão proferido pelo Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo assim ementado: "Exceção

Leia mais

TERMINOLOGIAS NO PROCESSO JUDICIÁRIO DO TRABALHO PRINCÍPIOS DO PROCESSO JUDICIÁRIO DO TRABALHO TRABALHO PRINCÍPIOS DO PROCESSO JUDICIÁRIO DO TRABALHO

TERMINOLOGIAS NO PROCESSO JUDICIÁRIO DO TRABALHO PRINCÍPIOS DO PROCESSO JUDICIÁRIO DO TRABALHO TRABALHO PRINCÍPIOS DO PROCESSO JUDICIÁRIO DO TRABALHO DO PROCESSO JUDICIÁRIO DO AULA 07.1 - INTRODUÇÃO TERMINOLOGIAS NO No processo do trabalho há um dialeto próprio, que define: -O AUTOR como sendo o RECLAMANTE; -O RÉU como sendo do RECLAMADO. 1 2 DO O direito

Leia mais

Procedimentos Especiais No Processo do Trabalho. Por Luiz Cesar K. Ayub luiz@ayubeanzzulin.com.br

Procedimentos Especiais No Processo do Trabalho. Por Luiz Cesar K. Ayub luiz@ayubeanzzulin.com.br Procedimentos Especiais No Processo do Trabalho Por Luiz Cesar K. Ayub luiz@ayubeanzzulin.com.br Consignação em Pagamento: A ação de consignação, na Justiça do Trabalho, é substitutiva ao pagamento, para

Leia mais

Exmo. Sr. Dr. Juiz de Direito da Comarca de...

Exmo. Sr. Dr. Juiz de Direito da Comarca de... CONTESTAÇÃO Fundamento: Oportunidade: Requisitos: Finalidade: Espécies: Art. 297 do CPC. Oferecimento no prazo de quinze (15) dias contados na forma do art. 241 do CPC. Na contestação o réu deve alegar

Leia mais

1. PETIÇÃO INICIAL RECLAMAÇÃO TRABALHISTA.

1. PETIÇÃO INICIAL RECLAMAÇÃO TRABALHISTA. 1. PETIÇÃO INICIAL RECLAMAÇÃO TRABALHISTA. Fundamento legal: Art. 840 CLT Subsidiariamente: 282 do CPC. Partes: Reclamante (autor), Reclamada (ré). Excelentíssimo Senhor Doutor Juiz do Trabalho da ª Vara

Leia mais

TUTELAS PROVISÓRIAS: TUTELA DE URGÊNCIA E TUTELA DA EVIDÊNCIA.

TUTELAS PROVISÓRIAS: TUTELA DE URGÊNCIA E TUTELA DA EVIDÊNCIA. PALESTRA TUTELAS PROVISÓRIAS: TUTELA DE URGÊNCIA E TUTELA DA EVIDÊNCIA. Professor: Dr. Francisco Ferreira Jorge Neto Desembargador do Tribunal Regional do Trabalho da 2ª Região. Professor Universitário

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO. Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo ACÓRDÃO

PODER JUDICIÁRIO. Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo ACÓRDÃO ACÓRDÃO Registro: 2013.0000251389 Vistos, relatados e discutidos estes autos de Apelação nº 0128060-36.2010.8.26.0100, da Comarca de São Paulo, em que é apelante AGÊNCIA ESTADO LTDA, é apelado IGB ELETRÔNICA

Leia mais

RECURSO ORDINÁRIO: O artigo 895 parece ser taxativo, em suas alíneas a) e b) ao afirmarem que é cabível o recurso de revista quando:

RECURSO ORDINÁRIO: O artigo 895 parece ser taxativo, em suas alíneas a) e b) ao afirmarem que é cabível o recurso de revista quando: RECURSO ORDINÁRIO: Está previsto no artigo 893 da Consolidação das Leis do trabalho e é disciplinado no artigo 895 da mesma lei. Pode ser interposto, no prazo de 8 dias, tanto das sentenças terminativas,

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br BuscaLegis.ccj.ufsc.Br Tutela antecipada e suspensão da exigibildade do crédito tributário Eduardo Munhoz da Cunha* Sumário:1. Introdução. 2. A possibilidade de concessão de tutela antecipada contra a

Leia mais

José Domingues Filho 1. 1. O Problema O MÉRITO NO PROCESSO EXECUÇÃO CIVIL

José Domingues Filho 1. 1. O Problema O MÉRITO NO PROCESSO EXECUÇÃO CIVIL O MÉRITO NO PROCESSO EXECUÇÃO CIVIL José Domingues Filho 1 SUMÁRIO RIO: 1. O problema. 2. Conceito de mérito 3. Defesa de mérito no processo de conhecimento. 4. Julgamento de mérito no processo de conhecimento.

Leia mais

ATUALIDADES EM DIREITO PROCESSUAL DO TRABALHO

ATUALIDADES EM DIREITO PROCESSUAL DO TRABALHO ATUALIDADES EM DIREITO PROCESSUAL DO TRABALHO (*) Eraldo Teixeira Ribeiro INTRODUÇÃO Com o advento das Leis nº 11.495 e 11.496, publicadas no DOU em 25-06-07, houve considerável modificação no Direito

Leia mais

O Procedimento Comum Ordinário

O Procedimento Comum Ordinário PROCESSO CIVIL 07 O Procedimento Comum Ordinário Introdução Noções Gerais Noções Iniciais: No processo de conhecimento o procedimento pode ser comum ou especial. É comum quando não houver disposição especial.

Leia mais

FONTES E PRINCÍPIOS DO DIREITO PROCESSUAL DO TRABALHO 1

FONTES E PRINCÍPIOS DO DIREITO PROCESSUAL DO TRABALHO 1 FONTES E PRINCÍPIOS DO DIREITO PROCESSUAL DO TRABALHO 1 1. Fontes do Direito Processual do Trabalho A abordagem relativa às fontes processuais trabalhistas é de extrema relevância para a compreensão das

Leia mais

Direito Constitucional Peças e Práticas

Direito Constitucional Peças e Práticas PETIÇÃO INICIAL RECLAMAÇÃO CONSTITUCIONAL ASPECTOS JURÍDICOS E PROCESSUAIS DA RECLAMAÇÃO Trata-se de verdadeira AÇÃO CONSTITUCIONAL, a despeito da jurisprudência do STF a classificar como direito de petição

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO 3ª REGIÃO

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO 3ª REGIÃO RECORRENTE(S): RECORRIDO(S): PEDRO RAIMUNDO XAVIER FUNDAÇÃO COMUNITÁRIA TRICORDIANA DE EDUCAÇÃO OS MESMOS EMENTA: JUSTIÇA GRATUITA. ENTIDADE FILANTRÓPICA. IMPOSSIBILIDADE. Tratando-se de pessoa jurídica,

Leia mais

SEMINÁRIO - O PODER JUDICIÁRIO E O NOVO CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL ENUNCIADOS APROVADOS

SEMINÁRIO - O PODER JUDICIÁRIO E O NOVO CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL ENUNCIADOS APROVADOS 1) Entende-se por fundamento referido no art. 10 do CPC/2015 o substrato fático que orienta o pedido, e não o enquadramento jurídico atribuído pelas partes. 2) Não ofende a regra do contraditório do art.

Leia mais

http://www.profmarcelomoura.blogspot.com EXAME DE ORDEM ( CESPE/UnB ) 2009.2

http://www.profmarcelomoura.blogspot.com EXAME DE ORDEM ( CESPE/UnB ) 2009.2 EXAME DE ORDEM ( CESPE/UnB ) 2009.2 OBSERVAÇÃO O gabarito pretende abranger diversos aspectos do tema abordado. Assim, o fato do candidato não ter abordado todos os temas referidos neste comentário não

Leia mais

Curso Resultado. Jurisprudência ordenada por matérias e assuntos Processo Civil

Curso Resultado. Jurisprudência ordenada por matérias e assuntos Processo Civil Curso Resultado Jurisprudência ordenada por matérias e assuntos Processo Civil Atualizado em 18 de dezembro de 2015 Sumário Ação coletiva / civil pública Ação contra seguradora Ação de adjudicação compulsória

Leia mais

COISA JULGADA E AÇÃO RESCISÓRIA I INTRODUÇÃO.

COISA JULGADA E AÇÃO RESCISÓRIA I INTRODUÇÃO. COISA JULGADA E AÇÃO RESCISÓRIA Autor: Fowler R. P. Cunha I INTRODUÇÃO. Iremos discutir no presente estudo, da melhor forma possível, o que faz coisa e se há coisa julgada na Sentença transitada em Julgado

Leia mais

Prática Jurídica 1. Verônica Duarte Empresarial Karen - Trabalhista

Prática Jurídica 1. Verônica Duarte Empresarial Karen - Trabalhista Prática Jurídica 1 Verônica Duarte Empresarial Karen - Trabalhista 17/02 Quanto à bibliografia, a professora recomenda apenas o Curso de direito processual do trabalho de Carlos Henrique Bezerra Leite.

Leia mais

PROCESSO: 0001148-91.2010.5.01.0018 RO

PROCESSO: 0001148-91.2010.5.01.0018 RO Acórdão 4ª Turma REDUÇÃO DE AULAS FALTA DE COMPROVAÇÃO DE DIMINUIÇÃO DE ALUNOS A alegação de redução de alunos que justifique a diminuição de aulas, in casu, não foi comprovada. Como pode ser observado

Leia mais

A DEFESA DO DEVEDOR NO MICROSSISTEMA PROCESSUAL DO JUI- ZADO ESPECIAL CÍVEL E A LEI N 11.232/05

A DEFESA DO DEVEDOR NO MICROSSISTEMA PROCESSUAL DO JUI- ZADO ESPECIAL CÍVEL E A LEI N 11.232/05 A DEFESA DO DEVEDOR NO MICROSSISTEMA PROCESSUAL DO JUI- ZADO ESPECIAL CÍVEL E A LEI N 11.232/05 MARCO AURÉLIO MARTINS ROCHA ADVOGADO, ESPECIALISTA EM DIREITOS REAIS, JUIZ LEIGO A existência de título executivo

Leia mais

Poder Judiciário JUSTIÇA FEDERAL Seção Judiciária do Paraná 2ª TURMA RECURSAL JUÍZO C

Poder Judiciário JUSTIÇA FEDERAL Seção Judiciária do Paraná 2ª TURMA RECURSAL JUÍZO C JUIZADO ESPECIAL (PROCESSO ELETRÔNICO) Nº201070630010993/PR RELATORA : Juíza Andréia Castro Dias RECORRENTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL RECORRIDA : MARIA APARECIDA FERNANDES DE OLIVEIRA V O T

Leia mais

ACÓRDÃO 0000035-95.2015.5.04.0551 RO Fl. 1. DESEMBARGADORA MARIA MADALENA TELESCA Órgão Julgador: 3ª Turma

ACÓRDÃO 0000035-95.2015.5.04.0551 RO Fl. 1. DESEMBARGADORA MARIA MADALENA TELESCA Órgão Julgador: 3ª Turma 0000035-95.2015.5.04.0551 RO Fl. 1 DESEMBARGADORA MARIA MADALENA TELESCA Órgão Julgador: 3ª Turma Recorrente: Recorrente: Recorrido: Origem: Prolator da Sentença: NASCIMENTO CEZAR FREITAS - Adv. Vanessa

Leia mais

ESTADO DO PIAUÍ PODER JUDICIÁRIO COMARCA DE PAULISTANA

ESTADO DO PIAUÍ PODER JUDICIÁRIO COMARCA DE PAULISTANA ESTADO DO PIAUÍ PODER JUDICIÁRIO COMARCA DE PAULISTANA AÇÃO CIVIL PÚBLICA PROCESSO Nº 00000064-20.2012.8.18.000064 AUTOR: MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO PIAUI RÉUS: MUNICÍPIO DE PAULISTANA/PI e OUTRO

Leia mais

AÇÃO DE CONSIGNAÇÃO EM PAGAMENTO

AÇÃO DE CONSIGNAÇÃO EM PAGAMENTO AÇÃO DE CONSIGNAÇÃO EM PAGAMENTO E AÇÃO DE DEPÓSITO 1 Parte I AÇÃO DE CONSIGNAÇÃO EM PAGAMENTO 2 1) O DIREITO MATERIAL DE PAGAMENTO POR CONSIGNAÇÃO a) Significado da palavra consignação b) A consignação

Leia mais

DA PETIÇÃO INICIAL. Des. ANA MARIA DUARTE AMARANTE BRITO

DA PETIÇÃO INICIAL. Des. ANA MARIA DUARTE AMARANTE BRITO DA PETIÇÃO INICIAL Des. ANA MARIA DUARTE AMARANTE BRITO DA PETIÇÃO INICIAL - Requisitos Petição inicial como veículo da ação. Art. 282. A petição inicial indicará: I - o juiz ou tribunal, a que é dirigida;

Leia mais

Índice Sistemático do Novo Código de Processo Civil

Índice Sistemático do Novo Código de Processo Civil Índice Sistemático do Novo Código de Processo Civil LEI CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL Parte Geral Livro I DAS NORMAS PROCESSUAIS CIVIS TÍTULO ÚNICO DAS NORMAS FUNDAMENTAIS E DA APLICAÇÃO DAS NORMAS PROCESSUAIS

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 1.507.239 - SP (2014/0340784-3) RELATÓRIO O SENHOR MINISTRO MARCO AURÉLIO BELLIZZE: Trata-se de recurso especial interposto por Santander Leasing S.A. Arrendamento Mercantil, com fundamento

Leia mais

Dispensada a remessa dos autos ao Ministério Público do Trabalho por força do Regimento Interno TST. É o relatório. 1 CONHECIMENTO

Dispensada a remessa dos autos ao Ministério Público do Trabalho por força do Regimento Interno TST. É o relatório. 1 CONHECIMENTO A C Ó R D Ã O (8ª Turma) GMMEA/bbs/lf AGRAVO DE INSTRUMENTO EM RECURSO DE REVISTA - PROCESSO ELETRÔNICO DANOS MORAIS. DISPENSA DISCRIMINATÓRIA. INVERSÃO DO ÔNUS DA PROVA. ART. 896, A E C, DA CLT. Nega-se

Leia mais

Proc. 0002062-15.2013.5.02.0442 TERMO DE AUDIÊNCIA

Proc. 0002062-15.2013.5.02.0442 TERMO DE AUDIÊNCIA Proc. 0002062-15.2013.5.02.0442 TERMO DE AUDIÊNCIA Aos VINTE E OITO dias do mês de FEVEREIRO de 2014 às 18:02 horas, na Sala de audiências desta Vara, sob a presidência do MM. Juiz do Trabalho, Dr. SAMUEL

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO FEDERAL TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO 9ª REGIÃO

PODER JUDICIÁRIO FEDERAL TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO 9ª REGIÃO 301 1 Opoente: Opostos: SINDICATO DOS SERVIDORES MUNICIPAIS DE FOZ DO IGUAÇU SINDICATO DOS EMPREGADOS EM ESTABELECIMENTOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE DE FOZ DO IGUAÇU E REGIÃO, FUNDAÇÃO MUNICIPAL DE SAÚDE DE

Leia mais

IV - APELACAO CIVEL 2000.02.01.024512-8

IV - APELACAO CIVEL 2000.02.01.024512-8 RELATOR APELANTE ADVOGADO APELADO ADVOGADO REMETENTE : DESEMBARGADOR FEDERAL POUL ERIK DYRLUND : INSTITUTO NACIONAL DE PROPRIEDADE INDUSTRIAL - INPI : NOREVALDO CARVALHO MOREIRA DE SOUZA E OUTROS : SIEMENS

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Ação de Nunciação de obra Nova Gisele Leite* A intenção do legislador ao enunciar a referida ação foi a harmonizar o direito de vizinhança com o direito de propriedade, permitindo

Leia mais

ESTUDO DIRIGIDO 9 RESPOSTAS. 1. Princípios que Regem a Execução Trabalhista. 2. Ação Rescisória na Justiça do Trabalho.

ESTUDO DIRIGIDO 9 RESPOSTAS. 1. Princípios que Regem a Execução Trabalhista. 2. Ação Rescisória na Justiça do Trabalho. ESTUDO DIRIGIDO 9 RESPOSTAS 1. Princípios que Regem a Execução Trabalhista. 2. Ação Rescisória na Justiça do Trabalho. 1. Princípios que Regem a Execução Trabalhista: 1.1. Quais os princípios que regem

Leia mais

Processo Administrativo Fiscal PAF

Processo Administrativo Fiscal PAF Processo Administrativo Fiscal PAF Ivan Luís Bertevello www.macedosoaresebertevello.adv.br OBJETIVO O Processo Administrativo Fiscal (PAF) objetiva solucionar os conflitos surgidos entre os contribuintes

Leia mais

FUNDAMENTOS. 07/10/2010 15:23:26 Sistema de Acompanhamento de Processos em 1ª Instância pág. 1 / 5

FUNDAMENTOS. 07/10/2010 15:23:26 Sistema de Acompanhamento de Processos em 1ª Instância pág. 1 / 5 TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 19ª REGIÃO VARA DO TRABALHO DE SÃO MIGUEL DOS CAMPOS (AL) SENTENÇA DE CONHECIMENTO - PROCESSO N. 0001520-04.2010.5.19.0062. RELATÓRIO. MANOEL BENEDITO FERREIRA DA SILVA,

Leia mais

1. No que consiste a coisa julgada formal? Explique. Diz respeito a imputabilidade da decisão dentro do mesmo processo.

1. No que consiste a coisa julgada formal? Explique. Diz respeito a imputabilidade da decisão dentro do mesmo processo. Questões do tema 27 a 30 27. Coisa julgada. Conceito. Natureza jurídica. 28. Coisa julgada formal e material. (arts. 467 a 469) 29. Limites subjetivos e objetivos da coisa julgada. (arts. 470 a 472) 30.

Leia mais

JUIZ DO TRABALHO TRT DA 8ª REGIÃO

JUIZ DO TRABALHO TRT DA 8ª REGIÃO DIREITO PROCESSUAL DO TRABALHO I. Direito Processual do Trabalho... II. Organização da Justiça do Trabalho e o Ministério Público do Trabalho... III. Competência da Justiça do Trabalho... IV. Partes e

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo ACÓRDÃO Registro: 2014.0000318446 Vistos, relatados e discutidos estes autos de Apelação nº 0001766-40.2013.8.26.0291, da Comarca de Jaboticabal, em que é

Leia mais

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS FACULDADE DE DIREITO Direito Processual do Trabalho Profª. Ms. Tatiana Riemann DAS PROVAS

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS FACULDADE DE DIREITO Direito Processual do Trabalho Profª. Ms. Tatiana Riemann DAS PROVAS DAS PROVAS Comprovação das alegações - art. 848, CLT Princípios: a) Princípio do contraditório e ampla defesa direito fundamental de se manifestar reciprocamente sobre as provas apresentadas, bem como,

Leia mais

PROVIMENTO Nº 04/2008

PROVIMENTO Nº 04/2008 PROVIMENTO Nº 04/2008 Disciplina os procedimentos relativos aos débitos das Fazendas Públicas Federal, Estadual e Municipal, em virtude de sentença judicial transitada em julgado, sujeitos ao regime de

Leia mais

Sentença e Coisa Julgada

Sentença e Coisa Julgada Sentença e Coisa Julgada 2011 Provas em Espécie O presente roteiro destina-se a apontar sucintamente o conteúdo da Sentença e da Coisa Julgada no Processo Civil Brasileiro. Utilizado como material de apoio

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA DO TRABALHO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 12ª REGIÃO 1.ª Vara do Trabalho de Joinville/SC.

PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA DO TRABALHO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 12ª REGIÃO 1.ª Vara do Trabalho de Joinville/SC. Reclamante: Thiago Ivo Pereira Reclamado: 1) Probank S.A (Em recuperação judicial). 2) Caixa Econômica Federal Aos 19 dias do mês setembro de 2011, na sala de audiências da 1.ª Vara do Trabalho de Joinville,

Leia mais

Doc.: 2305. Pag.: 1 1ª VARA DO TRABALHO DE BELO HORIZONTE MG PROCESSO Nº 0001153-71.2014.503.0001

Doc.: 2305. Pag.: 1 1ª VARA DO TRABALHO DE BELO HORIZONTE MG PROCESSO Nº 0001153-71.2014.503.0001 1ª VARA DO TRABALHO DE BELO HORIZONTE MG PROCESSO Nº 0001153-71.2014.503.0001 Pag.: 1 Aos 02 dias do mês de outubro de 2015, às 17h44 na sala de audiência desta Vara, por determinação da MMª Juíza do Trabalho

Leia mais

Autor: SINDICATO DOS TRABALHADORES EM HOTÉIS, APART HOTÉIS, MOTÉIS, FLATS, RESTAURANTES, BARES, LANCHONETES E SIMILARES DE SÃO PAULO E REGIÃO,

Autor: SINDICATO DOS TRABALHADORES EM HOTÉIS, APART HOTÉIS, MOTÉIS, FLATS, RESTAURANTES, BARES, LANCHONETES E SIMILARES DE SÃO PAULO E REGIÃO, ATENÇÃO - Texto meramente informativo, sem caráter intimatório, citatório ou notificatório para fins legais. PODER JUDICIÁRIO FEDERAL Justiça do Trabalho - 2ª Região Número Único: 01497003320065020075

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO FEDERAL JUSTIÇA DO TRABALHO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 1ª REGIÃO

PODER JUDICIÁRIO FEDERAL JUSTIÇA DO TRABALHO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 1ª REGIÃO Acórdão 1a Turma PODER JUDICIÁRIO FEDERAL RECURSO ORDINÁRIO. CERCEAMENTO DE DEFESA. NULIDADE. Quando o juiz determina a produção de determinada prova, imperativo é que as partes, em seu dever de contribuir

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO COMARCA DE SÃO CAETANO DO SUL FORO DE SÃO CAETANO DO SUL 2ª VARA CÍVEL

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO COMARCA DE SÃO CAETANO DO SUL FORO DE SÃO CAETANO DO SUL 2ª VARA CÍVEL fls. 137 CONCLUSÃO Em 24 de outubro de 2014, faço estes autos conclusos ao (à) Doutor(a) Ana Lucia Fusaro Juiz(a) de Direito. Rafael Nigoski Lopes, Assistente Judiciário. Processo nº: 1002710-42.2014.8.26.0565

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO FEDERAL JUSTIÇA DO TRABALHO - 4ª REGIÃO RIO GRANDE DO SUL Fl. 1. 22ª Vara do Trabalho de Porto Alegre

PODER JUDICIÁRIO FEDERAL JUSTIÇA DO TRABALHO - 4ª REGIÃO RIO GRANDE DO SUL Fl. 1. 22ª Vara do Trabalho de Porto Alegre Fl. 1 Autor: Ministério Público do Trabalho Réu: Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Estado do Rio Grande do Sul VISTOS, ETC. Ministério Público do Trabalho ajuíza ação trabalhista contra Sindicato

Leia mais

Consignação em Pagamento: o meio indireto para a extinção de uma Obrigação. Alana Fagundes VALÉRIO 1

Consignação em Pagamento: o meio indireto para a extinção de uma Obrigação. Alana Fagundes VALÉRIO 1 Consignação em Pagamento: o meio indireto para a extinção de uma Obrigação. Alana Fagundes VALÉRIO 1 RESUMO: O artigo trata da Consignação em Pagamento, encontrado em nosso Código Civil, na Parte Especial,

Leia mais

5Recurso Eleitoral n. 153-81.2012.6.13.0021 Zona Eleitoral: Recorrentes:

5Recurso Eleitoral n. 153-81.2012.6.13.0021 Zona Eleitoral: Recorrentes: 5Recurso Eleitoral n. 153-81.2012.6.13.0021 Zona Eleitoral: 21ª, de Bambuí Recorrentes: Ministério Público Eleitoral Coligação Todos Juntos por Bambuí Recorrido: Lelis Jorge da Silva Relatora: Juíza Alice

Leia mais

2ª TURMA RECURSAL JUIZADOS ESPECIAIS FEDERAIS SEÇÃO JUDICIÁRIA DO PARANÁ

2ª TURMA RECURSAL JUIZADOS ESPECIAIS FEDERAIS SEÇÃO JUDICIÁRIA DO PARANÁ 2ª TURMA RECURSAL JUIZADOS ESPECIAIS FEDERAIS SEÇÃO JUDICIÁRIA DO PARANÁ Processo nº 2007.70.50.015769-5 Relatora: Juíza Federal Andréia Castro Dias Recorrente: CLAUDIO LUIZ DA CUNHA Recorrida: UNIÃO FEDERAL

Leia mais

2ª FASE OAB CIVIL Direito Processual Civil Prof. Renato Montans Aula online. EMBARGOS INFRINGENTES (Art. 530 534 do CPC)

2ª FASE OAB CIVIL Direito Processual Civil Prof. Renato Montans Aula online. EMBARGOS INFRINGENTES (Art. 530 534 do CPC) 2ª FASE OAB CIVIL Direito Processual Civil Prof. Renato Montans Aula online EMBARGOS INFRINGENTES (Art. 530 534 do CPC) Cabe de acórdão não unânime por 2x1 3 modalidades: a) Julgamento da apelação b) Julgamento

Leia mais

COMPLEXO EDUCACIONAL DAMÁSIO DE JESUS EXAME DA OAB 2011.2 2ª FASE DIREITO DO TRABALHO AULA AÇÃO RESCISÓRIA E AÇÃO DE CONSIGNAÇÃO EM PAGAMENTO

COMPLEXO EDUCACIONAL DAMÁSIO DE JESUS EXAME DA OAB 2011.2 2ª FASE DIREITO DO TRABALHO AULA AÇÃO RESCISÓRIA E AÇÃO DE CONSIGNAÇÃO EM PAGAMENTO COMPLEXO EDUCACIONAL DAMÁSIO DE JESUS EXAME DA OAB 2011.2 2ª FASE DIREITO DO TRABALHO AULA AÇÃO RESCISÓRIA E AÇÃO DE CONSIGNAÇÃO EM PAGAMENTO I) AÇÃO RESCISÓRIA ESTRUTURA DA AÇÃO RESCISÓRIA 1. Endereçamento

Leia mais

A DEFESA NO PROCESSO DO TRABALHO (resumo da aula do Prof. Dr. Ari Possidonio Beltran de 25-08-2010) 1)- CONCEITO

A DEFESA NO PROCESSO DO TRABALHO (resumo da aula do Prof. Dr. Ari Possidonio Beltran de 25-08-2010) 1)- CONCEITO A DEFESA NO PROCESSO DO TRABALHO (resumo da aula do Prof. Dr. Ari Possidonio Beltran de 25-08-2010) 1)- CONCEITO O direito de ação sugere o direito de defesa - Art. 5 da CF; Garantias processuais constitucionais:

Leia mais

Éprincípio basilar da atuação jurisdicional, no caso contenciosa, o

Éprincípio basilar da atuação jurisdicional, no caso contenciosa, o A idoneidade da fiança judicial Ricardo de Oliveira Paes Barreto Éprincípio basilar da atuação jurisdicional, no caso contenciosa, o contraditório. Esse princípio, mais que balizador do direito processual

Leia mais

ACÓRDÃO 0000661-05.2013.5.04.0028 RO Fl. 1. JUIZ CONVOCADO JOE ERNANDO DESZUTA (REDATOR) Órgão Julgador: 4ª Turma

ACÓRDÃO 0000661-05.2013.5.04.0028 RO Fl. 1. JUIZ CONVOCADO JOE ERNANDO DESZUTA (REDATOR) Órgão Julgador: 4ª Turma 0000661-05.2013.5.04.0028 RO Fl. 1 JUIZ CONVOCADO JOE ERNANDO DESZUTA (REDATOR) Órgão Julgador: 4ª Turma Recorrente: ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE BENEFICÊNCIA - Adv. Guilherme Camillo Krugen Recorrido: LIANO

Leia mais

ARTIGO: O MANDATO À LUZ DA INTERPRETAÇÃO JURISPRUDENCIAL DO TST

ARTIGO: O MANDATO À LUZ DA INTERPRETAÇÃO JURISPRUDENCIAL DO TST ARTIGO: O MANDATO À LUZ DA INTERPRETAÇÃO JURISPRUDENCIAL DO TST Carlos Roberto Pegoretti Júnior 1 RESUMO: Mandato. Artigos 653 e seguintes do Código Civil. Jus Postulandi que permite ao jurisdicionado

Leia mais

FACULDADES INTEGRADAS DE ENSINO SUPERIOR DE LINHARES FACELI CURSO DE DIREITO

FACULDADES INTEGRADAS DE ENSINO SUPERIOR DE LINHARES FACELI CURSO DE DIREITO FACULDADES INTEGRADAS DE ENSINO SUPERIOR DE LINHARES FACELI CURSO DE DIREITO PRATICA JURIDICA II : FASE DE POSTULAÇÃO AILTON SILVA ANTUNES NILSON DE OLIVEIRA JUNIOR TITO MARÇAL DE OLIVEIRA PEREIRA LINHARES-ES

Leia mais

SEGUROGARANTIA NAMODALIDADEJUDICIAL FUNDAMENTOS, RECEPTIVIDADE PELOPODER JUDICIÁRIOE NOVASPERSPECTIVAS

SEGUROGARANTIA NAMODALIDADEJUDICIAL FUNDAMENTOS, RECEPTIVIDADE PELOPODER JUDICIÁRIOE NOVASPERSPECTIVAS SEGUROGARANTIA NAMODALIDADEJUDICIAL FUNDAMENTOS, RECEPTIVIDADE PELOPODER JUDICIÁRIOE NOVASPERSPECTIVAS Gladimir Adriani Poletto Poletto & Possamai Sociedade de Advogados SUMÁRIO: I. INTRODUÇÃO II. ESTRUTURA

Leia mais

TUTELA PROVISÓRIA NOÇÕES GERAIS

TUTELA PROVISÓRIA NOÇÕES GERAIS TUTELA PROVISÓRIA NOÇÕES GERAIS 1.1. TUTELA DEFINITIVA: SATISFATIVA E CAUTELAR TUTELA DEFINITIVA Obtida com base na cognição do exauriente, profundo debate acerca do objeto da decisão, garantindo o devido

Leia mais

COMPENSAÇÃO NO DIREITO TRIBUTÁRIO

COMPENSAÇÃO NO DIREITO TRIBUTÁRIO COMPENSAÇÃO NO DIREITO TRIBUTÁRIO Rafael da Rocha Guazelli de Jesus * Sumário: 1. Introdução 2. O Instituto da Compensação 3. Algumas legislações que tratam da compensação 4. Restrições impostas pela Fazenda

Leia mais

Direito Processual do Trabalho Profa. Dra. Adriana Goulart de Sena Orsini EXECUÇÃO

Direito Processual do Trabalho Profa. Dra. Adriana Goulart de Sena Orsini EXECUÇÃO Direito Processual do Trabalho Profa. Dra. Adriana Goulart de Sena Orsini EXECUÇÃO Execução Características ( ação ) Títulos executivos judiciais (fase) e extrajudiciais Art. 876, CLT Cumprimento da decisão:

Leia mais

CONTINUAÇÃO - RECURSOS NO PROCESSO PENAL, Recurso no Sentido Estrito

CONTINUAÇÃO - RECURSOS NO PROCESSO PENAL, Recurso no Sentido Estrito CONTINUAÇÃO - RECURSOS NO PROCESSO PENAL, Recurso no Sentido Estrito Efeito suspensivo O RESE, como regra, não tem efeito suspensivo. Terá, apenas, quando a lei prever. O art. 584 do CPP 1 prevê 05 hipóteses

Leia mais

NOÇÕES GERAIS SOBRE O RECURSO DE AGRAVO. Ailza Santos Silva Estagiária em Direito

NOÇÕES GERAIS SOBRE O RECURSO DE AGRAVO. Ailza Santos Silva Estagiária em Direito NOÇÕES GERAIS SOBRE O RECURSO DE AGRAVO Ailza Santos Silva Estagiária em Direito O agravo, como bem conceitua o Prof. Humberto Theodoro Júnior, é o recurso cabível contra as decisões interlocutórias (art.

Leia mais

Poder Judiciário. Tribunal de Justiça da Paraíba Gabinete do Des. Manoel Soares Monteiro

Poder Judiciário. Tribunal de Justiça da Paraíba Gabinete do Des. Manoel Soares Monteiro Poder Judiciário Tribunal de Justiça da Paraíba Gabinete do Des. Manoel Soares Monteiro DECISÃO AGRAVO DE INSTRUMENTO N 200.2009.043121-0/ 001 RELATOR: AGRAVANTE: ADVOGADOS: AGRAVADO: ADVOGADO: Des. Manoel

Leia mais

Apregoadas as partes, constatou-se a presença dos que assinam a presente ata, sendo proferida a seguinte

Apregoadas as partes, constatou-se a presença dos que assinam a presente ata, sendo proferida a seguinte Processo n. 0002700-52.2013.5.10.0013 2 ATA DE AUDIÊNCIA Aos dois dias do mês de julho de 2014, às 17h58, a Juíza do Trabalho, Dra. Thais Bernardes Camilo Rocha, em substituição na MM. 13ª Vara do Trabalho

Leia mais

A ESTABILIDADE DO DIRIGENTE SINDICAL - ASPECTOS PROCESSUAIS 1. PROCEDIMENTOS JUDICIAIS RELATIVOS À ESTABILIDADE

A ESTABILIDADE DO DIRIGENTE SINDICAL - ASPECTOS PROCESSUAIS 1. PROCEDIMENTOS JUDICIAIS RELATIVOS À ESTABILIDADE A ESTABILIDADE DO DIRIGENTE SINDICAL - ASPECTOS PROCESSUAIS Hélcio Luiz Adorno Junior. Juiz do Trabalho em São Paulo Prof. de Direito Processual do Trabalho no curso da LEX-APAMAGIS 1. PROCEDIMENTOS JUDICIAIS

Leia mais

REGULAMENTO PROCESSUAL DA BSM

REGULAMENTO PROCESSUAL DA BSM REGULAMENTO PROCESSUAL DA BSM O Conselho de Supervisão da BM&FBOVESPA SUPERVISÃO DE MERCADOS (BSM), no uso das atribuições que lhe confere o Estatuto Social da entidade e após a autorização da Comissão

Leia mais

J U D I C I Á R I O J U S T I Ç A D O T R A B A L H O TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO 10ª REGIÃO 1ª VARA DO TRABALHO DE PALMAS

J U D I C I Á R I O J U S T I Ç A D O T R A B A L H O TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO 10ª REGIÃO 1ª VARA DO TRABALHO DE PALMAS O D E R J U D I C I Á R I O J U S T I Ç A D O T R A B A L H O TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO 10ª REGIÃO 1ª VARA DO TRABALHO DE PALMAS PROCESSO Nº: 0001005-90.2014.5.10.0801 PARTE AUTORA: WISTON GOMES DIAS

Leia mais

ESTADO DO RIO DE JANEIRO PODER JUDICIÁRIO

ESTADO DO RIO DE JANEIRO PODER JUDICIÁRIO SEXTA CÂMARA CÍVEL DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA Agravo de Instrumento nº 0030022-85.2013.8.19.0000 Agravante: LUCIENE FERREIRA DA SILVA Agravado: LEASING PANAMÁ EMPREENDIMENTOS IMOBILIÁRIOS LTDA Relatora: DES.

Leia mais

PROCEDIMENTOS ESPECIAIS

PROCEDIMENTOS ESPECIAIS Aula 6: Direito Processual do Trabalho Procedimentos especiais e Dissídio Coletivo Maria Inês Gerardo PROCEDIMENTOS ESPECIAIS CONSIGNA- ÇÃO EM PAGAMENTO AÇÃO RESCISÓRIA AÇÕES ESPECIAIS PROCESSO TRABALHO

Leia mais

LEGALE RESPONDE DIREITO DO TRABALHO. Aula 2

LEGALE RESPONDE DIREITO DO TRABALHO. Aula 2 LEGALE RESPONDE DIREITO DO TRABALHO Aula 2 Mais que um curso prático, uma nova ferramenta que surge para auxiliar o operador do Direito! É o LEGALE mais uma vez preocupado com seu SUCESSO PROFISSIONAL!!

Leia mais

MANUAL DOS PRAZOS PROCESSUAIS: A CONTAGEM DOS PRAZOS NO NOVO CPC 1. MUDANÇAS GERAIS APLICÁVEIS A TODOS OS PRAZOS PROCESSUAIS:

MANUAL DOS PRAZOS PROCESSUAIS: A CONTAGEM DOS PRAZOS NO NOVO CPC 1. MUDANÇAS GERAIS APLICÁVEIS A TODOS OS PRAZOS PROCESSUAIS: MANUAL DOS PRAZOS PROCESSUAIS: A CONTAGEM DOS PRAZOS NO NOVO CPC 1. MUDANÇAS GERAIS APLICÁVEIS A TODOS OS PRAZOS PROCESSUAIS: Mudança no modo de contagem dos prazos: A partir do novo CPC, os prazos processuais

Leia mais

Faço uma síntese da legislação previdenciária e das ações que dela decorreram. 1. A LEGISLAÇÃO PREVIDENCIÁRIA

Faço uma síntese da legislação previdenciária e das ações que dela decorreram. 1. A LEGISLAÇÃO PREVIDENCIÁRIA DECISÃO: O INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL-INSS ajuíza suspensão de segurança em face de decisão da 1ª Turma Recursal do Juizado Especial Federal Cível de São Paulo que antecipou 21.416 (vinte e um

Leia mais

A apreciação das provas no processo do trabalho

A apreciação das provas no processo do trabalho A apreciação das provas no processo do trabalho Ricardo Damião Areosa* I. Introdução Segundo Aroldo Plínio Gonçalves, processualista mineiro e juiz do trabalho, Nulidade é a conseqüência jurídica prevista

Leia mais

RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC Nº 25, DE 4 DE ABRIL DE 2008.

RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC Nº 25, DE 4 DE ABRIL DE 2008. RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC Nº 25, DE 4 DE ABRIL DE 2008. Dispõe sobre o procedimento de recurso administrativo no âmbito da Agência Nacional de Vigilância Sanitária e dá outras providências.

Leia mais

COMPETÊNCIA DOS JUIZADOS ESPECIAIS DA FAZENDA PÚBLICA

COMPETÊNCIA DOS JUIZADOS ESPECIAIS DA FAZENDA PÚBLICA COMPETÊNCIA DOS JUIZADOS ESPECIAIS DA FAZENDA PÚBLICA Fabiano Samartin Fernandes * BREVE HISTÓRICO Os Juizados Especiais foram criados pela Lei n. 9.099, de 26 de setembro de 1995, inspirados diretamente

Leia mais

O MENSALÃO E A PERDA DE MANDATO ELETIVO

O MENSALÃO E A PERDA DE MANDATO ELETIVO O MENSALÃO E A PERDA DE MANDATO ELETIVO José Afonso da Silva 1. A controvérsia 1. A condenação, pelo Supremo Tribunal Federal, na Ação Penal 470, de alguns deputados federais tem suscitado dúvidas relativamente

Leia mais

PREPOSTO A IMPORTÂNCIA NA JUSTIÇA DO TRABALHO

PREPOSTO A IMPORTÂNCIA NA JUSTIÇA DO TRABALHO PREPOSTO A IMPORTÂNCIA NA JUSTIÇA DO TRABALHO OBJETIVO Proporcionar aos participantes conhecimentos sobre o preparo do preposto frente à justiça do trabalho, e representar a empresa com conhecimento e

Leia mais

PRINCÍPIOS NORTEADORES DO PROCESSO PENAL

PRINCÍPIOS NORTEADORES DO PROCESSO PENAL PRINCÍPIOS NORTEADORES DO PROCESSO PENAL Carlos Antonio da Silva 1 Sandro Marcos Godoy 2 RESUMO: O Direito Penal é considerado o ramo jurídico mais incisivo, uma vez que restringe um dos maiores bens do

Leia mais

Revista Pesquisas Jurídicas ISSN 2316 6487 (v. 3, n. 2. jul./out. 2014)

Revista Pesquisas Jurídicas ISSN 2316 6487 (v. 3, n. 2. jul./out. 2014) 4 AS TUTELAS DE URGÊNCIA E EVIDÊNCIA NO ANTEPROJETO DO NOVO CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL Felipe Maciel Pinheiro Barros 1 INTRODUÇÃO O Código de Processo Civil vigente CPC encontra-se obsoleto não apenas pelo

Leia mais

REGULAMENTO DE ARBITRAGEM 1. Capítulo I. Princípios Gerais. Artigo 1.º (Objecto da arbitragem)

REGULAMENTO DE ARBITRAGEM 1. Capítulo I. Princípios Gerais. Artigo 1.º (Objecto da arbitragem) REGULAMENTO DE ARBITRAGEM 1 Capítulo I Princípios Gerais Artigo 1.º (Objecto da arbitragem) Qualquer litígio, público ou privado, interno ou internacional, que por lei seja susceptível de ser resolvido

Leia mais

A REVOGAÇÃO TÁCITA DOS ARTIGOS 30 E 31 DA LEI DO COLARINHO BRANCO EM RAZÃO DA ALTERAÇÃO LEGISLATIVA PROMOVIDA PELA LEI 12.403/11.

A REVOGAÇÃO TÁCITA DOS ARTIGOS 30 E 31 DA LEI DO COLARINHO BRANCO EM RAZÃO DA ALTERAÇÃO LEGISLATIVA PROMOVIDA PELA LEI 12.403/11. A REVOGAÇÃO TÁCITA DOS ARTIGOS 30 E 31 DA LEI DO COLARINHO BRANCO EM RAZÃO DA ALTERAÇÃO LEGISLATIVA PROMOVIDA PELA LEI 12.403/11. Ricardo Henrique Araújo Pinheiro Recentemente publicamos um artigo no qual

Leia mais

AÇÃO DIRETA DE INCONSTITUCIONALIDADE 5.436 DISTRITO FEDERAL RELATOR : MIN. DIAS TOFFOLI

AÇÃO DIRETA DE INCONSTITUCIONALIDADE 5.436 DISTRITO FEDERAL RELATOR : MIN. DIAS TOFFOLI AÇÃO DIRETA DE INCONSTITUCIONALIDADE 5.436 DISTRITO FEDERAL RELATOR REQTE.(S) INTDO.(A/S) PROC.(A/S)(ES) INTDO.(A/S) PROC.(A/S)(ES) : MIN. DIAS TOFFOLI :ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE JORNAIS - ANJ :GUSTAVO BINENBOJM

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br A Sentença Trabalhista E Seus Efeitos Suelene Cock Corrêa Carraro* Art. 162 CPC os atos do juiz são: sentença, decisões interlocutórias e despachos. No Processo do trabalho, para

Leia mais

Resumo. Sentença Declaratória pode ser executada quando houver o reconhecimento de uma obrigação.

Resumo. Sentença Declaratória pode ser executada quando houver o reconhecimento de uma obrigação. 1. Execução Resumo A Lei 11.232/05 colocou fim à autonomia do Processo de Execução dos Títulos Judiciais, adotando o processo sincrético (a fusão dos processos de conhecimento e executivo a fim de trazer

Leia mais

PEDIDO DE REGISTRO DE MARCA E CONTROLE JURISDICIONAL RESUMO

PEDIDO DE REGISTRO DE MARCA E CONTROLE JURISDICIONAL RESUMO PEDIDO DE REGISTRO DE MARCA E CONTROLE JURISDICIONAL Antonio André Muniz de Souza Procurador Federal na Procuradoria Regional do INPI em São Paulo Pós-graduando em Propriedade Intelectual na Fundação Getúlio

Leia mais

DIREITO EMPRESARIAL FALÊNCIA. Cláudio Basques. A garantia dos credos é o patrimônio do devedor.

DIREITO EMPRESARIAL FALÊNCIA. Cláudio Basques. A garantia dos credos é o patrimônio do devedor. DIREITO EMPRESARIAL FALÊNCIA Cláudio Basques A garantia dos credos é o patrimônio do devedor. LEI N. 11.101, DE 9 DE FEVEREIRO DE 2005 Nova Lei de Falências Art. 1º Esta lei disciplina a recuperação judicial,

Leia mais

DECISÃO. Relatório. 2. A decisão impugnada tem o teor seguinte:

DECISÃO. Relatório. 2. A decisão impugnada tem o teor seguinte: DECISÃO RECLAMAÇÃO. CONSTITUCIONAL. ALEGADO DESCUMPRIMENTO DA SÚMULA VINCULANTE N. 10 DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL. RECLAMAÇÃO PROCEDENTE. Relatório 1. Reclamação, com pedido de antecipação de tutela, ajuizada

Leia mais

Direito Constitucional Dra. Vânia Hack de Ameida

Direito Constitucional Dra. Vânia Hack de Ameida 1 Controle da Constitucionalidade 1. Sobre o sistema brasileiro de controle de constitucionalidade, é correto afirmar que: a) compete a qualquer juiz ou tribunal, no primeiro caso desde que inexista pronunciamento

Leia mais

PORTARIA Nº 910, DE 7 DE ABRIL DE 2015.

PORTARIA Nº 910, DE 7 DE ABRIL DE 2015. PORTARIA Nº 910, DE 7 DE ABRIL DE 2015. Define os procedimentos para apuração da responsabilidade administrativa e para celebração do acordo de leniência de que trata a Lei nº 12.846, de 1º de agosto de

Leia mais

Comentários: (Gabarito Letra E). A questão abordou apenas os artigos 770 e 775 da CLT.

Comentários: (Gabarito Letra E). A questão abordou apenas os artigos 770 e 775 da CLT. Olá pessoal! Na aula de hoje comentarei a prova de Processo do Trabalho de Técnico Judiciário do TRT/Campinas que foi aplicada este ano, cuja banca organizadora foi a Fundação Carlos Chagas (FCC). Direito

Leia mais

Assim, não há lugar a despacho liminar, nem a citação prévia do executado nas execuções baseadas em:

Assim, não há lugar a despacho liminar, nem a citação prévia do executado nas execuções baseadas em: Decreto-Lei n.º 38/2003, de 8 de março A revisão do Código de Processo Civil operada pelo Decreto-Lei n.º 329-A/95, de 12 de dezembro, e pelo Decreto-Lei n.º 180/96, de 25 de setembro, complementada pelo

Leia mais

Nº 0213000-12.2009.5.02.0059-10ª TURMA

Nº 0213000-12.2009.5.02.0059-10ª TURMA PROCESSO TRT/SP RECURSO ORDINÁRIO RECORRENTE RECORRIDO ORIGEM Nº 0213000-12.2009.5.02.0059-10ª TURMA : SINTHORESP SINDICATO DOS TRABALHADORES EM HOTÉIS, APART HOTÉIS, MOTÉIS, FLAT, RESTAURANTES, BARES,

Leia mais

POPULAR SEGUROS- COMPANHIA DE SEGUROS, S.A.

POPULAR SEGUROS- COMPANHIA DE SEGUROS, S.A. PROVEDOR DO CLIENTE Capítulo I - Enquadramento Artigo 1º - Objeto do presente documento Artigo 2º - Direito de apresentação de reclamações ao provedor Artigo 3º - Funções e autonomia do provedor Capítulo

Leia mais

INSTITUTO IBERO-AMERICANO DE DIREITO PROCESSUAL INSTITUTO IBEROAMERICANO DE DERECHO PROCESAL CÓDIGO MODELO DE PROCESSOS COLETIVOS PARA IBERO-AMÉRICA

INSTITUTO IBERO-AMERICANO DE DIREITO PROCESSUAL INSTITUTO IBEROAMERICANO DE DERECHO PROCESAL CÓDIGO MODELO DE PROCESSOS COLETIVOS PARA IBERO-AMÉRICA 1 INSTITUTO IBERO-AMERICANO DE DIREITO PROCESSUAL INSTITUTO IBEROAMERICANO DE DERECHO PROCESAL CÓDIGO MODELO DE PROCESSOS COLETIVOS PARA IBERO-AMÉRICA Capítulo I Disposições gerais Art 1 o. Cabimento da

Leia mais

ARBITRAGEM VOLUNTÁRIA

ARBITRAGEM VOLUNTÁRIA (Até às alterações do Decreto Lei n.º 38/2003, de 08 de Março) ARBITRAGEM VOLUNTÁRIA CAPÍTULO I Artigo 1.º Convenção de arbitragem 1 - Desde que por lei especial não esteja submetido exclusivamente a tribunal

Leia mais

ACÓRDÃO 0001289-24.2013.5.04.0018 RO Fl. 1. DESEMBARGADOR GILBERTO SOUZA DOS SANTOS Órgão Julgador: 3ª Turma

ACÓRDÃO 0001289-24.2013.5.04.0018 RO Fl. 1. DESEMBARGADOR GILBERTO SOUZA DOS SANTOS Órgão Julgador: 3ª Turma 0001289-24.2013.5.04.0018 RO Fl. 1 DESEMBARGADOR GILBERTO SOUZA DOS SANTOS Órgão Julgador: 3ª Turma Recorrente: Recorrente: Recorrido: Origem: Prolator da Sentença: SÔNIA MARIA BROCHADO DUARTE - Adv. Délcio

Leia mais