Patrícia Mara de Carvalho Costa Leite

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Patrícia Mara de Carvalho Costa Leite"

Transcrição

1 Patrícia Mara de Carvalho Costa Leite YES, VAMOS CORRER PARA DOMINAR A LÍNGUA: COMO A LÍNGUA INGLESA É REPRESENTADA EM DOIS TEXTOS DA VEJA PROGRAMA DE MESTRADO EM LETRAS Teoria Literária e Crítica da Cultura Abril de 2013

2 Patrícia Mara de Carvalho Costa Leite YES, VAMOS CORRER PARA DOMINAR A LÍNGUA: COMO A LÍNGUA INGLESA É REPRESENTADA EM DOIS TEXTOS DA VEJA Dissertação apresentada ao Programa de Pósgraduação em Letras da Universidade Federal de São João del-rei como requisito parcial para a obtenção do título de Mestre em Letras Área de Concentração: Teoria Literária e Crítica da Cultura Linha de Pesquisa: Discurso e Representação Social Orientadora: Profa. Dra. Dylia Lysardo-Dias PROGRAMA DE MESTRADO EM LETRAS: TEORIA LITERÁRIA E CRÍTICA DA CULTURA Abril de 2013

3

4 The limits of my language mean the limits of my world. (WITTGENSTEIN, 1994, p. 245)

5 Dedico este trabalho a todos os que acreditaram e me apoiaram nesta empreitada audaciosa. Ao meu marido Eduardo, pois a conquista é nossa.

6 AGRADECIMENTOS À minha orientadora Dylia, por acreditar no meu trabalho e sempre me orientar com qualidade e presença! Obrigada pelo respeito, paciência, ótimas sugestões e por ampliar meu olhar! Aos demais professores do Programa de Pós-graduação, em especial aos que foram meus professores, pelos encontros ricos e interessantes. Aos amigos do mestrado; quantos desabafos e angústias nós nos confiamos, quantas risadas gostosas dividimos. À minha família, pelo muito que me ensinou e incentivou. Por acreditar em mim, quando eu mesma duvidava. Por me fornecer o necessário para que eu crescesse em tamanho, espírito e inteligência. Mãe e pai, vocês foram meu alicerce e são meu suporte para toda a vida! Obrigada! Ao meu companheiro, amigo, confidente, amor de todas as horas. Eduardo, sem você não há porquê! Obrigada por confiar em mim e me apoiar em cada passo! Pelos conselhos, piadas, shows, carinho e paciência! Aos meus filhos de coração, por me acompanharem, me manterem alegre e motivada para escrever. Aos amigos, porque souberam compreender minhas ausências. Em especial, Pablo e Cainara, que me incentivaram nesta empreitada e me fizeram companhia. Aos meus colegas de trabalho, pela experiência, ensinamentos, ombros amigos e tempo! Em especial, Sirley, Magda e Adriano, vocês são grandes amigos. Ao revisor Rogerio Lucas de Carvalho. A Deus, pelas bênçãos concedidas a cada amanhecer!

7 RESUMO Buscamos, neste trabalho, identificar e analisar como a língua inglesa é representada em dois textos, texto 1- Yes, nós somos bilíngues e texto 2- A corrida pelo domínio da língua, da revista VEJA na seção Educação. De maneira mais específica, objetivamos identificar e analisar as representações sociais acerca da língua inglesa presentes nos textos da VEJA de forma a apresentar uma discussão sobre a língua inglesa do ponto de vista da crítica da cultura. A fundamentação teórica contempla estudos diversos sobre as representações sociais e sobre a dimensão sócio-histórica, educacional e acadêmica da língua inglesa. O levantamento de dados foi feito por meio do acervo digital da VEJA entre 2005 e 2010, por meio do qual, foram coletados somente os textos que estavam na seção Educação e versavam sobre a língua inglesa. Os resultados obtidos mostram que os textos representam a língua inglesa de vários modos que se assemelham: como passaporte para subir na vida tanto pessoal, quanto profissional e socialmente; como a língua do mundo globalizado; como a língua obrigatória, principalmente na infância; como impossibilitada de ser aprendida na escola regular; como a língua do nativo; como a língua que deve ser aprendida rapidamente por todos e como sendo uma fonte de prazer. Palavras-chave: Revista VEJA, Representação Social, Língua Inglesa.

8 ABSTRACT The aim of this research is to identify and analyze how the English language is represented in two different texts, 1- Yes, nós somos bilíngues and 2- A corrida pelo domínio da língua both taken from VEJA s magazine Educational section. The theoretical basis is backed up by studies about social representation and studies about the social-historical, educational and academic dimension of the English language. The data collection was done through VEJA digital pages between the years of 2005 and 2010 where only texts that were, at the same time, in the Educational section and whose theme was the English language were chosen. The results show that the texts represent the English language in many ways that proved to be alike, such as: as the key to personal, social and professional development; as the globalized world language; as a mandatory language, especially in the childhood; as being impossible to be learnt at regular school; as the language which belongs to the native speaker; as the language which should be learnt fast and as a source of pleasure. Key-words: VEJA Magazine, Social Representation, English language

9 ABREVIATURAS UTILIZADAS CBC- Conteúdo Básico Comum EB- Escola bilíngue EI- Escola de idiomas ER- Escola regular LDB- Lei de Diretrizes e Bases LE- Língua estrangeira LF- Língua franca LI- Língua inglesa LM- Língua materna MEC- Ministério da Educação PCN- Parâmetros Curriculares Nacionais RS- Representação social SL- Segunda língua

10 LISTA DE QUADROS Quadro 1- Levantamento dos temas para discussão Quadro 2- Ocorrências dos termos inglês e LI na VEJA Quadro 3- Ocorrências de palavras relacionadas à natureza (T1) Quadro 4- Maneiras para se aprender a LI (T1 e T2) Quadro 5- Ocorrências de palavras relacionadas à fluência (T2) Quadro 6- Características associadas à aprendizagem da LE quando criança e quando adulto (T1) Quadro 7- Vocábulos relacionados ao mercado de trabalho (T1 e T2)

11 SUMÁRIO INTRODUÇÃO...07 CAPÍTULO 1- A presença inglesa no Brasil A língua inglesa no Brasil: Um breve histórico O advento das escolas de idiomas e seu ensino nas escolas brasileiras A língua inglesa e a mídia A língua inglesa e a revista VEJA...38 CAPÍTULO 2- Discurso, Língua e Representações Sociais Discurso Língua e as línguas Que língua inglesa é essa? Representações Sociais...53 CAPÍTULO 3- Estudo das Representações Sociais Os temas A globalização e a língua inglesa O modelo de língua inglesa do nativo A aprendizagem da língua inglesa quando criança e quando adulto As maneiras de aprender a língua inglesa A língua inglesa e a ascensão pessoal, social e profissional O tempo de aprendizagem da língua inglesa A relação com a aprendizagem As representações sociais da língua inglesa no presente estudo CONSIDERAÇÕES FINAIS REFERÊNCIAS ANEXOS...171

12 INTRODUÇÃO No Antigo Testamento da Bíblia Sagrada (1990), no livro de Gênesis (11, 1-9, p. 22) com a construção da torre de Babel, os homens almejavam subir ao céu, como se a criatura pudesse reinar no mesmo lugar de seu criador. Tal empreitada fez-se plausível pelo fato de todos os homens falarem a mesma língua. No entanto, o criador ceifa a prepotência, o orgulho humano, disseminando várias línguas pela Terra e retalhando, consequentemente, o desejo humano de ser Deus. O significado de Babel remete à confusão, haja vista que os homens não se entendiam mais e não podiam levar seu plano soberbo adiante. Essa passagem bíblica expõe o desejo humano de poder e de unicidade. Unicidade de língua que os levaria ao tão almejado sucesso. Na atualidade, é como se a Língua inglesa 1, no status de língua global, pudesse garantir a unicidade, uma subida ao topo, se dominada 2. Do mesmo modo que a construção da Torre de Babel almejava o céu, a vontade de ter a LI se configura na vontade de chegar ao topo, de ter poder. Poder de falar a língua do outro, de gozar com o outro, de ser alguém na vida. A motivação primeira do estudo sobre a LI advém de meu relacionamento íntimo com a língua desde o início da adolescência. Aos 12 anos de idade, iniciei meu estudo de LI na Escola regular 3. Sempre fui uma aluna dedicada e exigente. Levada por uma representação da ER como o lugar em que não se aprende a LI, pedi meus pais para que me matriculassem em uma escola de idiomas 4. A barreira financeira só foi transposta porque minha avó arcou com o curso. Desde então, não interrompi mais o fluxo da LI em minha vida, tornando-me professora para crianças aos 19 anos. Atualmente, leciono em uma EI, para todas as idades, há nove anos. O curso de Psicologia também foi importante para embasar e agregar conhecimento ao meu ensino. Intrigada pela relação imbricada entre educação e economia, entre LI e sucesso, e entre LI fluente e EI, primordialmente, deparei-me com um dos textos de análise: A corrida pelo domínio da língua, da VEJA de A palavra corrida foi a que mais me captou no momento da leitura e comecei a me interessar pelas escolhas dos autores 1 Doravante LI. 2 A representação social da língua passível de dominação será abordada em nosso estudo, inclusive a própria palavra domínio está presente no título do texto 2 de nossa análise. 3 Doravante ER. Utilizaremos a abreviatura ER para tratar tanto da ER quanto privada. 4 Doravante EI. 7

13 em relação à Representação Social 5 da LI. Desse interesse e diante da possibilidade de transformar minha inquietação em um trabalho acadêmico, surgiu uma proposta de pesquisa, que ora apresento e cujos objetivos são: identificar as RS em dois textos da revista VEJA sobre a LI: Yes, nós somos bilíngues 6 e A corrida pelo domínio da língua 7, a partir da análise de temas semelhantes entre os textos 8. Buscamos mapear como essa revista, um dos veículos midiáticos de maior circulação no Brasil, trata o saber a LI, considerando o impacto que esse veículo assume. Assim, realizamos uma discussão sobre a língua como produto cultural. Para a escolha do material de análise, foi feita uma pesquisa no acervo digital da revista VEJA. Foram utilizados os termos inglês (somente os que se relacionassem ao idioma) e LI para efetuarmos a busca em cada edição de 2005 a Selecionamos dois textos: Yes, nós somos bilíngues e A corrida pelo domínio da língua por pertencerem à seção Educação da revista. A partir da seleção dos textos, nós os nomeamos de acordo com a ordem de publicação: texto 1- Yes, nós somos bilíngues, de 2007, e texto 2- A corrida pelo domínio da língua, de 2009, para melhor identificação na análise. Optamos por agrupar enunciados que tivessem temas semelhantes, a fim de chegarmos às RS da LI. Os enunciados foram elencados por números e diferenciados entre textos 1 e 2 por meio das entradas (T1) e (T2). Em termos de procedimento de análise, analisamos primordialmente o estrato verbal dos textos 1 e 2, porém mencionamos o estrato visual em consonância com o verbal pela relação que entre eles se estabelece. O material de análise se constitui primordialmente dos textos 1 e 2 da VEJA, no entanto, para que a análise seja mais ampla, mencionamos algumas publicidades de EI e artigos de revistas 9 que versam 5 Doravante RS. 6 Texto retirado da revista VEJA do dia 22 de agosto de 2007, seção Educação, p , de autoria de Camila Antunes e Marcos Todeschini. O texto se encontra no anexo 3. 7 Texto retirado da revista VEJA do dia 4 de março de 2009, seção Educação, p , de autoria de Renata Moraes. O texto se encontra no anexo 3. 8 Os grupos de enunciados estão organizados de acordo com os temas: a globalização e a LI; o modelo de LI do nativo; aprendizagem da LI quando criança e quando adulto; LI e a ascensão pessoal, social e profissional; as maneiras de aprender a LI; o tempo de aprendizagem e a relação com a aprendizagem, (Quadro 1 em anexo). Só foram selecionados para a análise os tópicos que fossem encontrados pelo menos uma vez em cada texto. Destaco que o Quadro 1 apresenta um levantamento inicial dos enunciados, cuja temática fosse similar aos dois textos. Durante a análise, outros enunciados foram adicionados à medida que a discussão requeria. 9 As publicidades se encontram no anexo 4, ao passo que, os artigos de revista, cujos excertos foram utilizados em nosso estudo, estão no anexo 5. Tantos as publicidades (impresas) quanto os artigos fazem parte de um arquivo pessoal coletado ao longo do período em que estava escrevendo a dissertação, A coleta foi realizada através do site google e das entradas publicidade de escola de idiomas ; publicidade de escolas de inglês ; publicidade de cursos livres. Coletei artigos de revistas das próprias 8

14 sobre o mesmo tema abordado, no intuito de enriquecer o estudo 10 e, também, no sentido de estabelecer um diálogo entre os textos. A dissertação está assim organizada: no capítulo 1, foi feito um breve estudo da LI no contexto sócio-histórico e cultural da educação nacional, com o intuito de rastrearmos a LI no seu histórico de uso, de ensino-aprendizagem e de políticas educacionais no Brasil, bem como de termos um panorama mais amplo da LI no Brasil. Versamos também sobre a relação da LI e a mídia, bem como a LI e a revista VEJA, a fim de conhecermos mais profundamente o veículo de circulação dos textos 1 e 2. Em relação à mídia, tratamos brevemente do conceito de mídia e fizemos algumas considerações sobre as aparições, bem como RS da LI na mídia. Já no tocante à revista VEJA, abordamos a revista em termos de criação, objetivos, seções, tiragem mensal, público-alvo, a LI na revista VEJA em relação ao número de aparições e abordagens, por exemplo. O objetivo do capítulo 1 foi contextualizar nosso estudo, uma vez que, quando se analisa o discurso, o contexto histórico-cultural, bem como as condições sociais de produção são cruciais para a análise. No capítulo 2, foram abordados brevemente os conceitos de discurso, língua, língua materna 11, língua estrangeira 12, língua adicional 13, língua franca 14, segunda língua 15 e primeira língua 16 no intuito de analisarmos o modo como a LI é representada pelos textos 1 e 2. Em princípio, apresentamos o conceito de discurso, pois ele se constitui em nosso objeto central de análise, sem, no entanto, discuti-lo de modo exaustivo, o que extrapolaria nosso objetivo. Depois, tratamos do conceito de língua de modo a esmiuçarmos suas caracterizações e denominações, como LM, LE, SL, LA, LF e L1, bem como a relação do modo como a língua é representada socialmente e sua denominação. Contemplamos, também, a conceituação de RS e a diferenciação desse conceito em relação ao conceito de estereótipos, crenças e imaginários sociodiscursivos, a fim de exemplificarmos o conceito de RS neste estudo e justificarmos nossa escolha. revistas impressas e de revistas digitalizadas que encontrei ao longo de minha pesquisa. As escolhas foram motivadas por textos que tratassem da aprendizagem de inglês, predominantemente. 10 Uma vez que, segundo Grigoletto (2010), há uma relação implícita entre a publicidade e a mídia informativa na atualidade, culminando em um viés propagandístico presente em alguns artigos de cunho informativo, vislumbramos a possibilidade de estabelecer um diálogo entre os textos publicitários e os textos de cunho informativo sem compromisso com a análise das publicidades separadamente. 11 Doravante LM. 12 Doravante LE. 13 Doravante LA. 14 Doravante LF. 15 Doravante SL. 16 Doravante L1. 9

15 Assim, o interesse foi demarcar nossa perspectiva de estudo sem discutir de modo mais extenso o conceito de RS, uma vez que esse termo não oferece um entendimento único sobre seu significado, sobretudo se considerarmos seu histórico. O objetivo do capítulo 2 foi apresentar a base teórica que fundamentou nossa análise. No capítulo 3, agrupamos os enunciados dos textos 1 e 2 pelos temas de que tratam: a globalização e a LI; o modelo de LI do nativo; a aprendizagem da LI quando criança e quando adulto; as maneiras de aprendizagem; LI e a ascensão pessoal, social e profissional; o tempo de aprendizagem e relação com a aprendizagem, bem como a discussão sobre as RS da LI em ambos os textos. A partir da análise dos temas que apareceram, pelo menos uma vez, em cada texto, pudemos chegar às RS da LI, que se constituem em nosso objetivo geral. O objetivo do capítulo 3 foi a análise dos enunciados dos textos 1 e 2, agrupados em temas já mencionados, levando em consideração seu contexto sócio-histórico e cultural, e identificando o que está implícito e o que foi silenciado, a fim de identificarmos as RS da LI 17. Os temas serão elencados, a seguir. O primeiro tema relaciona a LI à globalização. Para embasar nosso estudo, utilizamos os seguintes autores: Capucci (1999), Robertson (2003 apud MOITA LOPES 2006), Bauman (1989) e Pereira, Daflon e Santana (2000), que abordam a temática da globalização, dos sujeitos locais e globais. Carmagnani (2001, 2008) e Coracini (1991, 2003, 2007) 18 foram utilizadas ao longo das análises, uma vez que vislumbramos interseções entre seus estudos sobre publicidades, sala de aula de LE e nosso material de análise. Authier-Revuz (2004) contribuiu para a análise do uso de aspas em enunciados dos textos 1 e 2. Hall (1997) contribuiu com nossa análise, uma vez que discute a diferença entre natureza e cultura. Santos (2006) versa sobre a música Yes, nós temos bananas relacionada ao texto 1 Yes, nós somos bilíngues, ao que Lysardo-Dias (2001) ajudou-nos a teorizar sobre o efeito da paródia. Bauman (2001) trata de indivíduos moderno-líquidos, embasando nossa discussão sobre a LI nessa sociedade. Realçamos a LI na qualidade de LA, utilizando as ideias de Graddol (2006). Finalmente, Jordão (2006, 2011), bem como Moita Lopes (2008) contribuíram para a discussão sobre os ganhos reais da aprendizagem de uma LE. 17 Os textos versam sobre idiomas, EI, mas as marcas linguísticas privilegiam a LI grande parte do tempo. Por exemplo, no próprio título do texto 1, há um vocábulo em LI Yes. Já no texto dois, a corrida é pelo domínio da língua, qual língua? O subtítulo esclarece ao tocar no assunto inglês básico. Enfim, apesar de mencionarem remotamente outras línguas, a que prevalece é a LI. 18 As autoras Carmagnani e Coracini serão mencionadas somente no tópico um, para evitar repetições desnecessárias, mas aparecem em todos os tópicos de análise. 10

16 O segundo tema se refere ao mito da natividade. Utilizamos Chomsky (1972 apud RAJAGOPALAN, 2001), uma vez que um aspecto central em sua teoria é o ideal de nativo, e Stern (1997 apud FIGUEIREDO, 2011), que elenca as características do nativo descritas por Chomsky. Freyre (2000) traz aspectos históricos da LI no Brasil, citando anúncios de aulas de LI por nativos ingleses no Brasil Império. Vidotti (2010), Fink (1998) e Fortes (2008) tratam da primazia da língua do nativo e o desejo de possuíla, principalmente por seu valor social. Kachru e Nelson (1996), Canagarajah (1999), Rajagopalan (1997, 2002, 2004), Phillipson (2003), Graddol (2006) e Passoni, D Almas e Audi (2009), que abordam a crença no nativo como os donos da língua. Medgyes (1992) foi mencionado por acreditar que não há como os não-nativos alcançarem o padrão dos nativos, sua criatividade e imenso vocabulário. O terceiro tema versa sobre a aprendizagem adulta e infantil da LI. Pinker (2004) embasa a ideia de tábula rasa mencionada na análise. Bauman (1989, 2001) foi citado novamente, a fim de tratarmos dos indivíduos moderno-líquidos, de globais e locais. Garcia (2011) estuda a aprendizagem infantil e contribuiu para nossas considerações sobre os enunciados dos textos 1 e 2. Maingueneau (1997) nos auxiliou na reflexão sobre o papel dos discursos legitimadores que conferem veracidade ao discurso. Dias e Mourão (2005) pontuam ganhos socioculturais, linguísticos e pessoais que advêm do estudo de uma LE. Almeida Filho (1999) concebe a ideia de língua produto. E, por fim, os Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN) em Brasil (1999). Já Guilherme de Castro (2004) e Ferreira (2010) mencionam o destaque da oralidade da mídia sobre LI. O quarto tema de análise versa sobre as maneiras para aprender a LI. Grigoletto (2010) inicia a discussão uma vez que trata da questão do silenciamento da escola regular na seção Educação de jornais e revistas, citando inclusive o texto 2 de análise. Orosco (2012) foi citado, haja vista que enuncia sobre a precariedade do ensino da LI na ER em um artigo da VEJA de 2012: Solte seu inglês. Para abarcar a parte histórica, buscamos os estudos de Carneiro Leão (1935), Brasil (1999), Dias (1999), Razzini (2000), Leffa (2003), Chaves (2004) e Oliveira (2011), que nos auxiliaram na reflexão sobre o percurso da LI na ER desde sua instituição como matéria escolar, bem como a conceber mais uma vez o foco na oralidade da LI pela mídia. Bueno (2003) postula que as causas das mazelas sociais são imputadas ao pouco esforço dos indivíduos. Desse modo, refletimos sobre o fracasso, utilizando também os estudos de Charlot (2000) em aprender a LI e a culpa do aluno. 11

17 Para iniciarmos o quinto tema, que é a LI como forma de ascensão pessoal, social e profissional, utilizamos o estudo de Valente (1997), Rosa (2003), Homem e Nascentes (2007) e Ministério da Educação (MEC) (2011), que relacionam trabalho e educação. Há a citação da própria Constituição Federal de 1988, artigo 205: A educação, direito de todos e dever do Estado e da família, será promovida e incentivada com a colaboração da sociedade, visando ao pleno desenvolvimento da pessoa, seu preparo para o exercício da cidadania e sua qualificação para o mercado (HOMEM; NASCENTES, 2007, p. 61) e também na própria Lei de Diretrizes e Bases (LDB) Lei nº 9.394/96 (BRASIL, 1971). Dias (1999), Mota e Lopez (1995) e Pallares-Burke (2000) tratam de aspectos históricos da relação educação e mercado de trabalho. Augusti (2008) contribuiu para nossa pesquisa na medida em que realizou um estudo sobre a VEJA, concluindo que mais de 50% dos artigos da revista, por ele analisados, valorizam a inteligência como caminho para a autorrealização. No caso de nosso estudo, o saber a LI para obter o sucesso profissional. Grigoletto (2010) aborda a representação da língua como produto. A partir da compra desse produto, há a convicção de que o sujeito transitará livremente no mundo de negócios, segundo Nóbrega e Sousa (2007). Rosa (2003) cita a rotulação dos indivíduos em qualificados (se souber a LI) e desqualificados (se não a souber) e Garcia (2011) também trata da exclusão dos que não possuem a LI. Porém, Alves (2001) menciona que, mesmo se todos a soubessem, não haveria um posto de trabalho para todos, uma vez que não há como o mercado absorvêlos. Finalmente, Ariès (1971) foi utilizado para tratar da situação da criança cujos pais são interpelados desde cedo a prepará-las para o mercado de trabalho, como se fossem os miniadultos da Idade Média. O sexto tema é a pressa em dominar a LI. A corrida pelo domínio da língua foca o fator tempo, que, segundo Carmagnani (2008), aparece em muitas publicidades de EI que oferecem cursos rápidos e a LI em até três meses. Para asseverar a verdade de seus argumentos, a revista VEJA faz uso de quadros, números e tabelas, ao que Sacchi dos Santos (2002) nomeia de episteme da quantificação. Camozzato (2007) acredita que quantificar é uma estratégia poderosa para tentar garantir a aderência dos sujeitos aos discursos e dominá-los, segundo Picanço (2006). Rajagopalan (1997), Garcia (2011) e Ghiraldelo (2011) embasam a reflexão sobre a língua, que deve ser dominada e parece ser externa ao sujeito. Orlandi (2001) pondera sobre os efeitos do discurso no sujeito, ampliando nossa reflexão. Justo (2005) e Bauman (1989), por sua vez, assinalam que o 12

18 imediatismo é uma das marcas da contemporaneidade e o consumo da LE diferencia os sujeitos (CARMAGNANI, 2008). O sétimo e último tema é a relação do aprendiz com a LI. Partimos do conceito de indivíduos moderno-líquidos de Bauman (2001) para abordarmos o consumo da LI e o desejo de ser como o outro que possui a língua e por isso parece ser melhor, mais feliz e obter mais prazer em sua existência. Ao que Augusti (2008) acrescenta a respeito de em mais de 50% do discurso da VEJA estar presente o assunto prazer. Prasse (1997) acredita que o desejo de aprender LE advém da busca pelo prazer do outro e também da vontade de sair do lugar de sua LM. Aliado a isso, segundo The British Council (1976), a busca pela LI reside na ideia de ser mais elegante e ter um status social diferenciado, ideia corroborada por Pennycook (1998) e Tavares (2002). Moita Lopes (2008) já entende a LI como parte da educação básica, e não mais como um atributo louvável e diferenciado. Rajagopalan (1999) e Ruiz (1984) foram utilizados para refletir sobre a invasão da LI, notadamente no pós-segunda Guerra. Uma vez que a LI passa a ser consumida na qualidade de produto, podemos falar em comodificação, apropriando-nos das ideias de Fairclough (2001). Peters (1994) e Fortes (2009) tratam da comodificação e das implicações desse discurso: por exemplo, conferir somente ganhos econômicos ao aprendizado de uma LE. Finalmente, Garcia (2011) contribuiu para a discussão da repercussão de representar socialmente a LI como fonte de prazer e passaporte para subir na vida para os pais, haja vista que eles são interpelados a matricular seus filhos em uma EB ou EI como se isso significasse um ato de amor pela prole. Apresentamos, pois, as RS da LI que foram observadas durante a análise dos enunciados dos textos 1 e 2. Nas considerações finais, procuramos relacionar as RS elencadas a questões mais amplas, tais como: ao ensino-aprendizagem da LI; a questões de autoridade; à relação do aluno com a LI, bem como do professor; e a questões ideológicas, históricas, por exemplo. Esta análise objetivou compreender como o ser humano tem acesso a informações, partilha visões de mundo, produz conhecimento e interage com seus parceiros em diversas situações discursivas (CHARAUDEAU, 2009, p. 10). Mencionamos diferentes autores utilizados para a análise dos sete temas propostos. Destarte, nem todos os autores apontados [...] formam um bloco homogêneo de concepções e entendimentos. No entanto, há nuances que os aproximam e cada um, por ângulos peculiares (MOMO, 2007, p. 29). Ressaltamos ainda que as RS dizem respeito aos textos 1 e 2, mas podem estar presentes em outros textos. Dessa maneira, 13

19 procuramos estabelecer um diálogo entre o nosso material de análise, publicidades de EI e textos de revista sobre a LI. Esse diálogo nos permitiu uma contextualização mais ampla das RS da LI. 14

20 CAPÍTULO 1 A LÍNGUA INGLESA NO BRASIL 1.1 A Língua inglesa no Brasil: um breve histórico O relacionamento do Brasil e da Inglaterra vem de longa data. Acredita-se que o vínculo entre os países tenha se iniciado em 1530 com William Hawkins, um traficante de escravos inglês que desembarcou na costa brasileira e teve contato com portugueses e nativos (LIMA, 2009). Segundo Freyre (2000), Portugal, por pouco, não se tornou uma colônia da Grã- Bretanha no séc. XIX. Desse modo, a presença da cultura britânica no desenvolvimento do Brasil, no espaço, na paisagem, no conjunto da civilização do Brasil, é das que não podem ou não devem? ser ignoradas pelo brasileiro interessado na compreensão e na interpretação do Brasil (p. 46). Inglaterra e Brasil começaram a estreitar seus laços em 1654 quando, por meio de um tratado, a Inglaterra reservou à sua marinha o direito de comercializar as mercadorias inglesas de modo soberano, rompendo o domínio português no Brasil (NOGUEIRA; HEIMAS, 2007). No entanto, o Bloqueio Continental decretado à Inglaterra foi o que fortaleceu os laços entre os dois países. Para termos um panorama global, cabe salientarmos que a Europa do início do século XIX se configurava do seguinte modo: o imperador francês, Napoleão Bonaparte, implementou uma política expansionista no intuito de estender seu domínio por toda a Europa. A Inglaterra era a maior potência industrial europeia e resistiu às tentativas de conquista por parte da França napoleônica. Nesse ínterim, Bonaparte tentou sufocá-la economicamente, proibindo os países europeus de comercializarem com os ingleses ao decretar, em 1806, o Bloqueio Continental. Bonaparte obrigou Portugal, outrora aliado da Inglaterra, a fazer oposição a ela. Mas a Inglaterra tinha fortes laços comerciais com Portugal. Os ingleses, então, pressionaram os portugueses para que assinassem uma convenção secreta, que asseguraria a Portugal a transferência da sede da monarquia lusitana para o Brasil, o que ocorreu em princípios de março de 1808, já transformando a Colônia em Reino (CANCIAN, 2009). Devido à chegada da Corte Real em Salvador com destino ao Rio de Janeiro, obras foram realizadas, tais como: construção do Teatro Real São João, da Biblioteca Pública e do Museu Nacional, por exemplo, a contratação de técnicos estrangeiros para 15

21 pesquisas minerais (Varnhagem, Von Eschwege), a implantação de uma imprensa (Imprensa Régia), na qual seria publicado o primeiro jornal do país, e a criação da Gazeta do Rio de Janeiro (OLIVEIRA, 1999). Os ingleses puderam estabelecer casas comerciais em território brasileiro, aumentando ainda mais o poder econômico da Inglaterra naquela época. Segundo Dias (1999), naqueles anos, muito mais influentes e poderosos que a esquadra britânica eram os escritórios comerciais dos ingleses (p. 31). A Inglaterra causou mudanças significativas no Brasil Império, uma vez que era dos ingleses o controle do comércio; o predomínio técnico [...] e, fundamentalmente, o capital financeiro que assegurava os primórdios do progresso industrial (p. 51). É interessante a comparação feita entre o conjunto de navios de guerra dos ingleses e o comércio inglês em terras tupiniquins, uma vez que o bélico, na frase, é sobrepujado pelo econômico e este se mostra soberano. Percebemos que a presença inglesa no Brasil Império era considerável, uma vez que influenciavam econômica e culturalmente o povo brasileiro. Uma vez que a Revolução Industrial se iniciou na Inglaterra no séc. XVIII e pelo fato de esse país ser muito mais velho que o Brasil, os ingleses se encontravam em posição de grande vantagem em relação ao desenvolvimento tecnológico e científico. Assim, as primeiras fundições modernas, o primeiro cabo submarino, as primeiras estradas de ferro, os primeiros telégrafos, as primeiras moendas de engenho moderno de açúcar, a primeira iluminação a gás, os primeiros barcos a vapor, as primeiras redes de esgoto, a substituição das tradicionais venezianas de madeira pelas vidraças, dos sucos de frutas tropicais pela cerveja e chá, dos xales orientais pelas capas e chapéus foram quase todas obras dos ingleses no Brasil (FREYRE, 2000). Outras evidências de influência intelectual dos ingleses vamos encontrar nos anúncios de professores e até professoras inglesas e de língua inglesa. Também de governantes, de colégios ingleses, de métodos ingleses de ensino, de livros ingleses (p. 265). O domínio dos ingleses no Brasil culminou em manifestações nacionalistas por parte do povo brasileiro em que até os intelectuais ciosos de nossa brasilidade se queixavam que se estava londonizando nossa terra (PALLARES-BURKE, 2000, p. 228, itálico do autor). Para que tais expressões populares se findassem, as companhias inglesas começaram a admitir engenheiros, funcionários e técnicos brasileiros em geral, como é relatado por Dias (1999, p. 83). Porém, os candidatos deveriam entender instruções em LI e receber treinamento. Aliada a essa conjuntura, com a abertura dos portos brasileiros para o comércio estrangeiro em 1808 e o consequente aumento das 16

BREVE TRAJETÓRIA DA LÍNGUA INGLESA E DO LÍVRO DIDÁTICO DE INGLÊS NO BRASIL

BREVE TRAJETÓRIA DA LÍNGUA INGLESA E DO LÍVRO DIDÁTICO DE INGLÊS NO BRASIL BREVE TRAJETÓRIA DA LÍNGUA INGLESA E DO LÍVRO DIDÁTICO DE INGLÊS NO BRASIL Gislaine P. Lima (G-LEM-UEL) Gladys Quevedo Camargo (Orientadora - UEL) Universidade Estadual de Londrina Este trabalho apresenta

Leia mais

O ENSINO DE LÍNGUAS ESTRANGEIRAS ATRAVÉS DAS ESCOLAS BILÍNGUES NO BRASIL: UMA NOVA REALIDADE 1

O ENSINO DE LÍNGUAS ESTRANGEIRAS ATRAVÉS DAS ESCOLAS BILÍNGUES NO BRASIL: UMA NOVA REALIDADE 1 O ENSINO DE LÍNGUAS ESTRANGEIRAS ATRAVÉS DAS ESCOLAS BILÍNGUES NO BRASIL: UMA NOVA REALIDADE 1 Iasmin Araújo Bandeira Mendes Universidade Federal de Campina Grande, email: iasminabmendes@gmail.com INTRODUÇÃO

Leia mais

REFLEXÕES ACERCA DO ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA

REFLEXÕES ACERCA DO ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO SILMARA SILVEIRA ANDRADE REFLEXÕES ACERCA DO ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA Assunção, Paraguay Março 2015 REFLEXÕES ACERCA DO ENSINO DE LÍNGUA

Leia mais

2 O ensino da língua inglesa no Brasil

2 O ensino da língua inglesa no Brasil Cap. 2 O ensino da língua inglesa no Brasil 19 2 O ensino da língua inglesa no Brasil 2.1. Breve história do ensino de inglês no Brasil O relacionamento entre Brasil e Inglaterra é tão antigo que se pode

Leia mais

Memória e discurso: reflexões sobre a trajetória do ensino de espanhol a. partir da análise de textos oficiais

Memória e discurso: reflexões sobre a trajetória do ensino de espanhol a. partir da análise de textos oficiais Memória e discurso: reflexões sobre a trajetória do ensino de espanhol a partir da análise de textos oficiais Maria Cecília do Nascimento Bevilaqua (UERJ) Apresentação Quem não se lembra da ênfase dada

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO DE FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA (FIC)

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO DE FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA (FIC) PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO DE FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA (FIC) INGLÊS INTERMEDIÁRIO Florestal 2014 Reitora da Universidade Federal de Viçosa Nilda de Fátima Ferreira Soares Pró-Reitor de Ensino Vicente

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO ENSINO DA LÍNGUA INGLESA NAS SÉRIES INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL

A IMPORTÂNCIA DO ENSINO DA LÍNGUA INGLESA NAS SÉRIES INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL A IMPORTÂNCIA DO ENSINO DA LÍNGUA INGLESA NAS SÉRIES INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL Referência: CHAGURI, J. P. A Importância do Ensino da Língua Inglesa nas Séries Iniciais do Ensino Fundamental. In: O

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO SILMARA SILVEIRA ANDRADE

PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO SILMARA SILVEIRA ANDRADE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO SILMARA SILVEIRA ANDRADE POLÍTICAS PÚBLICAS EDUCACIONAIS: FORTALECIMENTO DA LÍNGUA ESTRANGEIRA Assunção, Paraguay Abril 2015 POLÍTICAS PÚBLICAS

Leia mais

A FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE LÍNGUA INGLESA E O COMPROMISSO SOCIAL

A FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE LÍNGUA INGLESA E O COMPROMISSO SOCIAL A FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE LÍNGUA INGLESA E O COMPROMISSO SOCIAL Ferreira, Aparecida de Jesus Unioeste/Cascavel A língua Inglesa sem dúvida é, hoje, a língua mais falada e utilizada no mundo como língua

Leia mais

História. baseado nos Padrões Curriculares do Estado de São Paulo

História. baseado nos Padrões Curriculares do Estado de São Paulo História baseado nos Padrões Curriculares do Estado de São Paulo 1 PROPOSTA CURRICULAR DA DISCIPLINA DE HISTÓRIA Middle e High School 2 6 th Grade A vida na Grécia antiga: sociedade, vida cotidiana, mitos,

Leia mais

3.360 H/AULA (*) CURRÍCULO PLENO/

3.360 H/AULA (*) CURRÍCULO PLENO/ MATRIZ CURRICULAR Curso: Graduação: Regime: Duração: HISTÓRIA LICENCIATURA PLENA SERIADO ANUAL 3 (TRÊS) ANOS LETIVOS Integralização: A) TEMPO TOTAL - MÍNIMO = 03 (TRÊS) ANOS LETIVOS - MÁXIMO = 05 (CINCO)

Leia mais

OS PARÂMETROS CURRICULARES NACIONAIS E

OS PARÂMETROS CURRICULARES NACIONAIS E OS PARÂMETROS CURRICULARES NACIONAIS E O ENSINO DE INGLÊS NO BRASIL 1 Rozana Reigota Naves (UnB) Dalva Del Vigna (UCB) RESUMO: Este artigo apresenta os resultados preliminares da pesquisa intitulada Uma

Leia mais

INGLÊS INSTRUMENTAL: PRÉ-REQUISITO INDISPENSÁVEL À FORMAÇÃO DO ENGENHEIRO QUÍMICO

INGLÊS INSTRUMENTAL: PRÉ-REQUISITO INDISPENSÁVEL À FORMAÇÃO DO ENGENHEIRO QUÍMICO INGLÊS INSTRUMENTAL: PRÉ-REQUISITO INDISPENSÁVEL À FORMAÇÃO DO ENGENHEIRO QUÍMICO Adriana Recla Pós-graduada em Língua Inglesa e Língua Portuguesa Professora da Faculdade de Aracruz - UNIARACRUZ Professora

Leia mais

2. (Pucrs 2014) Considere as afirmações abaixo sobre a crise do Antigo Sistema Colonial e a Independência do Brasil (1822).

2. (Pucrs 2014) Considere as afirmações abaixo sobre a crise do Antigo Sistema Colonial e a Independência do Brasil (1822). 1. (Enem 2014) A transferência da corte trouxe para a América portuguesa a família real e o governo da Metrópole. Trouxe também, e sobretudo, boa parte do aparato administrativo português. Personalidades

Leia mais

BRASIL E ESTADOS UNIDOS: relações comerciais e linguístico-culturais

BRASIL E ESTADOS UNIDOS: relações comerciais e linguístico-culturais BRASIL E ESTADOS UNIDOS: relações comerciais e linguístico-culturais Autor(a): João Corcino Neto Coautor(es): Suzana Ferreira Paulino Email: jcn1807iop@gmail.com Introdução As relações comerciais entre

Leia mais

Educação escolar indígena

Educação escolar indígena Educação escolar indígena O principal objetivo desta apresentação é fazer uma reflexão sobre a cultura indígena kaingang, sobre as políticas educacionais integracionistas e sobre a política atual, que

Leia mais

a) A humilhação sofrida pela China, durante um século e meio, era algo inimaginável para os ocidentais.

a) A humilhação sofrida pela China, durante um século e meio, era algo inimaginável para os ocidentais. Questões: 01. Ao final do século passado, a dominação e a espoliação assumiram características novas nas áreas partilhadas e neocolonizadas. A crença no progresso, o darwinismo social e a pretensa superioridade

Leia mais

O DISCURSO SOBRE A OBRIGAÇÃO EM APRENDER UMA LÍNGUA ESTRANGEIRA

O DISCURSO SOBRE A OBRIGAÇÃO EM APRENDER UMA LÍNGUA ESTRANGEIRA O DISCURSO SOBRE A OBRIGAÇÃO EM APRENDER UMA LÍNGUA ESTRANGEIRA ROGERIA DE AGUIAR (UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ). Resumo Este trabalho tem por objetivo verficar, em uma perspectiva da Análise do Discurso

Leia mais

PENSAMENTO E LINGUAGEM: ESTUDO DA INOVAÇÃO E REFLEXÃO DOS ANAIS E DO ENSINO/APRENDIZAGEM DO INGLÊS EM SALA DE AULA

PENSAMENTO E LINGUAGEM: ESTUDO DA INOVAÇÃO E REFLEXÃO DOS ANAIS E DO ENSINO/APRENDIZAGEM DO INGLÊS EM SALA DE AULA PENSAMENTO E LINGUAGEM: ESTUDO DA INOVAÇÃO E REFLEXÃO DOS ANAIS E DO ENSINO/APRENDIZAGEM DO INGLÊS EM SALA DE AULA Adriana Zanela Nunes (UFRJ) zannelli@bol.com.br, zannelli@ig.com.br zannelli@ibest.com.br

Leia mais

DIVO AUGUSTO CAVADAS DIREITO INTERNACIONAL DO DESENVOLVIMENTO: ENTRE OCIDENTE E ORIENTE MÉDIO

DIVO AUGUSTO CAVADAS DIREITO INTERNACIONAL DO DESENVOLVIMENTO: ENTRE OCIDENTE E ORIENTE MÉDIO DIVO AUGUSTO CAVADAS DIREITO INTERNACIONAL DO DESENVOLVIMENTO: ENTRE OCIDENTE E ORIENTE MÉDIO 1 2 Divo Augusto Cavadas Advogado no Rio de Janeiro. Bacharel em Ciências Jurídicas e Sociais (FND/UFRJ). Pós-graduação

Leia mais

A ABORDAGEM DE QUESTÕES AMBIENTAIS NAS AULAS DE INGLÊS DO NONO ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL

A ABORDAGEM DE QUESTÕES AMBIENTAIS NAS AULAS DE INGLÊS DO NONO ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL A ABORDAGEM DE QUESTÕES AMBIENTAIS NAS AULAS DE INGLÊS DO NONO ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL Rafaela Alves Melo RESUMO O presente projeto buscou investigar a presença de temas que envolvem questões ambientais

Leia mais

OITAVO ANO ESINO FUNDAMENTAL II PROFESSORA: ROSE LIMA

OITAVO ANO ESINO FUNDAMENTAL II PROFESSORA: ROSE LIMA OITAVO ANO ESINO FUNDAMENTAL II PROFESSORA: ROSE LIMA http://plataformabrioli.xpg.uol.com.br/historiaresumo/2ano/epopeialusitana.pdf http://blog.msmacom.com.br/familia-real-portuguesa-quem-e-quem-na-monarquia/

Leia mais

O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS- EJA

O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS- EJA O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS- EJA RESUMO Alba Patrícia Passos de Sousa 1 O presente artigo traz como temática o ensino da língua inglesa na educação de jovens e adultos (EJA),

Leia mais

LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO CRIATIVA

LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO CRIATIVA LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO Instituto Federal Farroupilha Câmpus Santa Rosa ledomanski@gmail.com Introdução Ler no contexto mundial globalizado

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3º CICLO DE AMORA

ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3º CICLO DE AMORA ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3º CICLO DE AMORA Ano Letivo 2014/2015 I - AVALIAÇÃO: Escola Secundária com 3º Ciclo do Ensino Básico de Amora 1. Domínios de avaliação, parâmetros e ponderações I Domínio dos Conhecimentos

Leia mais

MESTRADO EM MEMÓRIA SOCIAL E BENS CULTURAIS. 1.1 Matriz Curricular Disciplinas obrigatórias

MESTRADO EM MEMÓRIA SOCIAL E BENS CULTURAIS. 1.1 Matriz Curricular Disciplinas obrigatórias MESTRADO EM MEMÓRIA SOCIAL E BENS CULTURAIS 1.1 Matriz Curricular Disciplinas obrigatórias C/H Memória Social 45 Cultura 45 Seminários de Pesquisa 45 Oficinas de Produção e Gestão Cultural 45 Orientação

Leia mais

Pré-Vestibular Social LETRAS

Pré-Vestibular Social LETRAS Pré-Vestibular Social Grupo SOA Suporte à Orientação Acadêmica LETRAS Quando chegamos ao momento de escolher uma faculdade, começam a pintar diversas dúvidas, por exemplo, se vamos nos sair bem na carreira

Leia mais

A Prática do Inglês nas Escolas Públicas Brasileiras

A Prática do Inglês nas Escolas Públicas Brasileiras A Prática do Inglês nas Escolas Públicas Brasileiras Luciana Virgília Amorim de Souza¹ RESUMO O trabalho busca questionar os métodos ensinados para praticar a Língua Inglesa nas escolas. O inglês, no Brasil,

Leia mais

REFLEXÕES ACERCA DO MÉTODO TRADICIONAL E A ABORDAGEM COMUNICATIVA NO ENSINO DE LÍNGUA INGLESA NA SALA DE AULA DO ENSINO MÉDIO

REFLEXÕES ACERCA DO MÉTODO TRADICIONAL E A ABORDAGEM COMUNICATIVA NO ENSINO DE LÍNGUA INGLESA NA SALA DE AULA DO ENSINO MÉDIO REFLEXÕES ACERCA DO MÉTODO TRADICIONAL E A ABORDAGEM COMUNICATIVA NO ENSINO DE LÍNGUA INGLESA NA SALA DE AULA DO ENSINO MÉDIO SILVA, Wellington Jhonner D. B da¹ Universidade Estadual de Goiás - Unidade

Leia mais

O IMPERIALISMO EM CHARGES. Marcos Faber www.historialivre.com marfaber@hotmail.com. 1ª Edição (2011)

O IMPERIALISMO EM CHARGES. Marcos Faber www.historialivre.com marfaber@hotmail.com. 1ª Edição (2011) O IMPERIALISMO EM CHARGES 1ª Edição (2011) Marcos Faber www.historialivre.com marfaber@hotmail.com Imperialismo é a ação das grandes potências mundiais (Inglaterra, França, Alemanha, Itália, EUA, Rússia

Leia mais

1) A prática e o aprofundamento das habilidades comunicativas específicas que serão avaliadas nos exames.

1) A prática e o aprofundamento das habilidades comunicativas específicas que serão avaliadas nos exames. C U R S O S ESPECIAIS I n s t i t u t o C e r v a n t e s d e B r a s i l i a CURSOS ESPECIAIS O Instituto Cervantes de Brasília dispõe de uma ampla oferta de cursos especiais para se adaptar as necessidades

Leia mais

UNIARA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE ARARAQUARA MESTRADO PROFISSIONAL EM EDUCAÇÃO: PROCESSOS DE ENSINO, GESTÃO E INOVAÇÃO REGULAMENTO SUMÁRIO

UNIARA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE ARARAQUARA MESTRADO PROFISSIONAL EM EDUCAÇÃO: PROCESSOS DE ENSINO, GESTÃO E INOVAÇÃO REGULAMENTO SUMÁRIO UNIARA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE ARARAQUARA MESTRADO PROFISSIONAL EM EDUCAÇÃO: PROCESSOS DE ENSINO, GESTÃO E INOVAÇÃO REGULAMENTO SUMÁRIO TÍTULO I - APRESENTAÇÃO DO PROGRAMA... 1 TÍTULO II - DOS OBJETIVOS...

Leia mais

2. BREVE EVOLUÇÃO HISTÓRICA DO SISTEMA EDUCACIONAL

2. BREVE EVOLUÇÃO HISTÓRICA DO SISTEMA EDUCACIONAL 2. BREVE EVOLUÇÃO HISTÓRICA DO SISTEMA EDUCACIONAL 2.1 ASPECTOS FUNDAMENTAIS ATÉ A PRIMEIRA METADE DO SÉCULO 20 Os analistas da educação brasileira afirmam que somente no final do Império e começo da República

Leia mais

SEDUC SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DE MATO GROSSO ESCOLA ESTADUAL DOMINGOS BRIANTE TÂNIA REGINA CAMPOS DA CONCEIÇÃO

SEDUC SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DE MATO GROSSO ESCOLA ESTADUAL DOMINGOS BRIANTE TÂNIA REGINA CAMPOS DA CONCEIÇÃO SEDUC SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DE MATO GROSSO ESCOLA ESTADUAL DOMINGOS BRIANTE TÂNIA REGINA CAMPOS DA CONCEIÇÃO A VINDA DA FAMÍLIA REAL PORTUGUESA AO BRASIL Projeto apresentado e desenvolvido na

Leia mais

INTEIRATIVIDADE FINAL CONTEÚDO E HABILIDADES DINÂMICA LOCAL INTERATIVA. Aula 8.2 Conteúdo: As repercussões da Revolução Industrial no Amazonas

INTEIRATIVIDADE FINAL CONTEÚDO E HABILIDADES DINÂMICA LOCAL INTERATIVA. Aula 8.2 Conteúdo: As repercussões da Revolução Industrial no Amazonas Aula 8.2 Conteúdo: As repercussões da Revolução Industrial no Amazonas Habilidades: Conhecer os principais reflexos da cultura industrial no cotidiano amazonense do início do século XX Manaus na Belle

Leia mais

Línguas estrangeiras no Brasil: um histórico ao longo dos anos

Línguas estrangeiras no Brasil: um histórico ao longo dos anos 82 Línguas estrangeiras no Brasil: um histórico ao longo dos anos Giovana Rodrigues da Silva 1 Adriana Soares 2 Resumo: O ensino das Línguas Estrangeiras tem ganhado a importância que anos antes lhe havia

Leia mais

COLÉGIO ESTADUAL CESAR STANGE EFM.

COLÉGIO ESTADUAL CESAR STANGE EFM. COLÉGIO ESTADUAL CESAR STANGE EFM. PLANO DE TRABALHO DOCENTE - 2012 Professora: Ana Claudia Martins Ribas Disciplina: História - 8º ano -Fundamental 1º BIMESTRE Conteúdos Básicos: -Povos, Movimentos e

Leia mais

Novas estratégias no ensino de geografia para vestibulandos

Novas estratégias no ensino de geografia para vestibulandos Novas estratégias no ensino de geografia para vestibulandos Renata de Souza Ribeiro (UERJ/FFP) Thiago Jeremias Baptista (UERJ/FFP) Eixo: Fazendo escola com múltiplas linguagens Resumo Este texto relata

Leia mais

Apresentação da FAMA

Apresentação da FAMA Pós-Graduação Lato Sensu CURSO DE ESPECIIALIIZAÇÃO 444 horras/aulla 1 Apresentação da FAMA A FAMA nasceu como conseqüência do espírito inovador e criador que há mais de 5 anos aflorou numa família de empreendedores

Leia mais

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Ensino Médio

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Ensino Médio Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL Ensino Médio ETEC Professora Nair Luccas Ribeiro Código: 156 Município: TEODORO SAMPAIO Área de conhecimento: Ciências Humanas Componente Curricular: Historia

Leia mais

OFICINA DE CULTURA E VARIAÇÃO LINGUÍSTICA NO ENSINO FUNDAMENTAL: INGLÊS BRITÂNICO OU INGLÊS AMERICANO?

OFICINA DE CULTURA E VARIAÇÃO LINGUÍSTICA NO ENSINO FUNDAMENTAL: INGLÊS BRITÂNICO OU INGLÊS AMERICANO? OFICINA DE CULTURA E VARIAÇÃO LINGUÍSTICA NO ENSINO FUNDAMENTAL: INGLÊS BRITÂNICO OU INGLÊS AMERICANO? Ewerton Felix da Silva Antônio Fernandes Dias Júnior Cristiane Vieira Falcão Maria Glayce Kelly Oliveira

Leia mais

Novos textos no ensino da Geografia

Novos textos no ensino da Geografia Novos textos no ensino da Geografia Renata de Souza Ribeiro (UERJ/ FFP) Thiago Jeremias Baptista (UERJ/ FFP) Resumo Este texto relata a experiência desenvolvida no curso Pré-vestibular Comunitário Cidadania

Leia mais

4 EIXOS ORGANIZADORES DOS CONTEÚDOS HISTÓRIA GEOGRAFIA ENSINO RELIGIOSO. Informações, Comunicação e Interação

4 EIXOS ORGANIZADORES DOS CONTEÚDOS HISTÓRIA GEOGRAFIA ENSINO RELIGIOSO. Informações, Comunicação e Interação 1 TÍTULO DO PROJETO Bíblia Sagrada Livro de Provérbios. 2 SÉRIE/CICLO 3ª Série 1ª Etapa do 2º Ciclo 3 AUTORA Rosângela Cristina Novaes Balthazar Curso: Pedagogia 6º Período Noite E-mail: rocryss@yahoo.com.br

Leia mais

A DIVERSIDADE E CURRÍCULO: DESAFIOS PARA UMA ESCOLA DEMOCRÁTICA

A DIVERSIDADE E CURRÍCULO: DESAFIOS PARA UMA ESCOLA DEMOCRÁTICA A DIVERSIDADE E CURRÍCULO: DESAFIOS PARA UMA ESCOLA DEMOCRÁTICA Josenilson Felizardo dos Santos 1 INTRODUÇÃO É possível compreender o papel da escola diante de todo o processo de ensino aprendizagem. E

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2008.1A

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2008.1A 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Prática: 15 h/a Carga Horária: 60 h/a Créditos: 4 A biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão

Leia mais

TÍTULO V DOS NÍVEIS E DAS MODALIDADES DE EDUCAÇÃO E ENSINO CAPÍTULO II DA EDUCAÇÃO BÁSICA. Seção I Das Disposições Gerais

TÍTULO V DOS NÍVEIS E DAS MODALIDADES DE EDUCAÇÃO E ENSINO CAPÍTULO II DA EDUCAÇÃO BÁSICA. Seção I Das Disposições Gerais TÍTULO V DOS NÍVEIS E DAS MODALIDADES DE EDUCAÇÃO E ENSINO CAPÍTULO II DA EDUCAÇÃO BÁSICA Seção I Das Disposições Gerais Art. 22. A educação básica tem por finalidades desenvolver o educando, assegurar-lhe

Leia mais

EJA: BREVE ANÁLISE DA TRAJETÓRIA HISTÓRICA E TENDÊNCIAS DE FORMAÇÃO DO EDUCADOR DE JOVENS E ADULTOS.

EJA: BREVE ANÁLISE DA TRAJETÓRIA HISTÓRICA E TENDÊNCIAS DE FORMAÇÃO DO EDUCADOR DE JOVENS E ADULTOS. EJA: BREVE ANÁLISE DA TRAJETÓRIA HISTÓRICA E TENDÊNCIAS DE FORMAÇÃO DO EDUCADOR DE JOVENS E ADULTOS. AUTOR: Daniella Cordeiro dos Santos de Santana Período IX, Licenciatura Plena em Pedagogia. Email: Dani-riolima@hotmail.com

Leia mais

Cidadania e Política: Leituras do Brasil Atual. O reconhecimento da Língua de Sinais: Surgimento de uma nova profissão.

Cidadania e Política: Leituras do Brasil Atual. O reconhecimento da Língua de Sinais: Surgimento de uma nova profissão. Cidadania e Política: Leituras do Brasil Atual. O reconhecimento da Língua de Sinais: Surgimento de uma nova profissão. Dayse Garcia Miranda 1 Historicamente, a surdez foi estigmatizada, vista como uma

Leia mais

GRADUAÇÃO EM MATEMÁTICA APLICADA. fgv.br/vestibular

GRADUAÇÃO EM MATEMÁTICA APLICADA. fgv.br/vestibular GRADUAÇÃO EM MATEMÁTICA APLICADA fgv.br/vestibular IDEALISMO, EXCELÊNCIA E CREDIBILIDADE A Fundação Getulio Vargas surgiu em 20 de dezembro de 1944 com o objetivo de preparar profissionais qualificados

Leia mais

Daniel no mundo do silêncio

Daniel no mundo do silêncio Guia para pais Daniel no mundo do silêncio Walcyr Carrasco série todos juntos ilustrações de Cris Eich Daniel perde a audição nos primeiros anos de vida, e sua família dá todo o apoio para ele se comunicar

Leia mais

Curso: Letras Português ( 1 ª Licenciatura) II Bloco

Curso: Letras Português ( 1 ª Licenciatura) II Bloco Curso: Letras Português ( 1 ª Licenciatura) I Bloco Filosofia da Educação 60 horas Metodologia Científica 60 horas Iniciação à Leitura e Produção de Textos Acadêmicos 60 horas Introdução à filosofia e

Leia mais

Ensino Vocacional, Técnico e Tecnológico no Reino Unido

Ensino Vocacional, Técnico e Tecnológico no Reino Unido Ensino Vocacional, Técnico e Tecnológico no Reino Unido Apoiar a empregabilidade pela melhora da qualidade do ensino profissionalizante UK Skills Seminar Series 2014 15 British Council UK Skills Seminar

Leia mais

CLT.2002/WS/9 DECLARAÇÃO UNIVERSAL SOBRE A DIVERSIDADE CULTURAL

CLT.2002/WS/9 DECLARAÇÃO UNIVERSAL SOBRE A DIVERSIDADE CULTURAL CLT.2002/WS/9 DECLARAÇÃO UNIVERSAL SOBRE A DIVERSIDADE CULTURAL 2002 DECLARAÇÃO UNIVERSAL SOBRE A DIVERSIDADE CULTURAL A Conferência Geral, Reafirmando seu compromisso com a plena realização dos direitos

Leia mais

Governo da Paraíba Secretaria de educação do estado Prêmio mestres da educação Escola Estadual de Ensino Fundamental e Médio José Luiz Neto

Governo da Paraíba Secretaria de educação do estado Prêmio mestres da educação Escola Estadual de Ensino Fundamental e Médio José Luiz Neto Governo da Paraíba Secretaria de educação do estado Prêmio mestres da educação Escola Estadual de Ensino Fundamental e Médio José Luiz Neto Maria José Almeida Silva Projeto: A literatura de cordel como

Leia mais

CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda

CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda www.especifico.com.br DISCIPLINA : Sociologia PROF: Waldenir do Prado DATA:06/02/2012 O que é Sociologia? Estudo objetivo das relações que surgem e se reproduzem, especificamente,

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR 1.ª SÉRIE DE OFERTA 99-8791-04 DIDÁTICA 160 0 160 99-8792-04

MATRIZ CURRICULAR 1.ª SÉRIE DE OFERTA 99-8791-04 DIDÁTICA 160 0 160 99-8792-04 Curso: Graduação: Regime: Duração: PEDAGOGIA LICENCIATURA PLENA MATRIZ CURRICULAR SERIADO ANUAL - NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização: A) TEMPO TOTAL - MÍNIMO = 04 (QUATRO) ANOS LETIVOS - MÁXIMO

Leia mais

A era dos impérios. A expansão colonial capitalista

A era dos impérios. A expansão colonial capitalista A era dos impérios A expansão colonial capitalista O século XIX se destacou pela criação de uma economia global única, caracterizado pelo predomínio do mundo industrializado sobre uma vasta região do planeta.

Leia mais

Provão. História 5 o ano

Provão. História 5 o ano Provão História 5 o ano 61 Os reis portugueses governaram o Brasil à distância, até o século XIX, porém alguns acontecimentos na Europa mudaram essa situação. Em que ano a família real portuguesa veio

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO/ 2013

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO/ 2013 Curso: Graduação: Habilitação: Regime: Duração: COMUNICAÇÃO SOCIAL BACHARELADO MATRIZ CURRICULAR PUBLICIDADE E PROPAGANDA SERIADO ANUAL - NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização: A) TEMPO TOTAL

Leia mais

RESUMO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO SUPERIOR DE EVENTOS

RESUMO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO SUPERIOR DE EVENTOS RESUMO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO SUPERIOR DE EVENTOS SALVADOR 2012 1 CONTEXTUALIZAÇÃO Em 1999, a UNIJORGE iniciou suas atividades na cidade de Salvador, com a denominação de Faculdades Diplomata. O contexto

Leia mais

Movimentos de Pré- Independência e Vinda da Família Real. História C Aula 08 Prof. Thiago

Movimentos de Pré- Independência e Vinda da Família Real. História C Aula 08 Prof. Thiago Movimentos de Pré- Independência e Vinda da Família Real História C Aula 08 Prof. Thiago Movimentos de Pré- Independência Século XVIII e XIX Crise do mercantilismo e do Estado Absolutista Hegemonia de

Leia mais

EDUCAÇÃO ESCOLAR INDÍGENA: PROTAGONISMO NECESSÁRIO, DE TODOS, DE CADA ATOR ENVOLVIDO. Suely Melo de Castro Menezes

EDUCAÇÃO ESCOLAR INDÍGENA: PROTAGONISMO NECESSÁRIO, DE TODOS, DE CADA ATOR ENVOLVIDO. Suely Melo de Castro Menezes EDUCAÇÃO ESCOLAR INDÍGENA: PROTAGONISMO NECESSÁRIO, DE TODOS, DE CADA ATOR ENVOLVIDO. Suely Melo de Castro Menezes Nos Estados Unidos o uso de nações indígenas serviu como uma espécie de senha para a tomada

Leia mais

PLANO DE ENSINO DE HISTÓRIA 5ª. SÉRIE DO ENSINO FUNDAMENTAL 1º BIMESTRE

PLANO DE ENSINO DE HISTÓRIA 5ª. SÉRIE DO ENSINO FUNDAMENTAL 1º BIMESTRE PLANO DE ENSINO DE HISTÓRIA 5ª. SÉRIE DO ENSINO FUNDAMENTAL 1º BIMESTRE - Sistemas sociais e culturais de notação de tempo ao longo da história, - As linguagens das fontes históricas; - Os documentos escritos,

Leia mais

Letras - Língua Portuguesa

Letras - Língua Portuguesa UNIVERSIDADE DA INTEGRAÇÃO INTERNACIONAL DA LUSOFONIA AFRO-BRASILEIRA PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO COORDENAÇÃO DE ENSINO COORDENAÇÃO DE CURSO Letras - Língua Portuguesa 1. Perfil do Egresso: Em consonância

Leia mais

Intersecciones Revista da APEESP N o 1, 2º semestre de 2013 A APRENDIZAGEM DE LÍNGUAS ESTRANGEIRAS NO ENSINO MÉDIO E

Intersecciones Revista da APEESP N o 1, 2º semestre de 2013 A APRENDIZAGEM DE LÍNGUAS ESTRANGEIRAS NO ENSINO MÉDIO E A APRENDIZAGEM DE LÍNGUAS ESTRANGEIRAS NO ENSINO MÉDIO E A INTERNACIONALIZAÇÃO DO ENSINO SUPERIOR: NEGAÇÕES E CONTRADIÇÕES Fernanda Castelano Rodrigues (UFSCar) Introdução Em pesquisas que temos realizado,

Leia mais

Projeto A Vez do Mestre. Mudanças no Ensino Médio

Projeto A Vez do Mestre. Mudanças no Ensino Médio UNIVERSIDADE CÂNDIDO MENDES PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO DIRETORIA DE PROJETOS ESPECIAIS Projeto A Vez do Mestre Mudanças no Ensino Médio Marcus dos Santos Moreira RIO DE JANEIRO, JULHO

Leia mais

1º ano. A reconquista ibérica e as grandes navegações Capítulo 10: Item 2 A revolução comercial Capítulo 12: Item 3 O Novo Mundo Capítulo 10: Item 2

1º ano. A reconquista ibérica e as grandes navegações Capítulo 10: Item 2 A revolução comercial Capítulo 12: Item 3 O Novo Mundo Capítulo 10: Item 2 1º ano O absolutismo e o Estado Moderno Capítulo 12: Todos os itens A reconquista ibérica e as grandes navegações Capítulo 10: Item 2 A revolução comercial Capítulo 12: Item 3 O Novo Mundo Capítulo 10:

Leia mais

A ESCOLA CATÓLICA, UMA INSTITUIÇAO DE ENSINO COM MÍSTICA EVANGELIZADORA

A ESCOLA CATÓLICA, UMA INSTITUIÇAO DE ENSINO COM MÍSTICA EVANGELIZADORA A ESCOLA CATÓLICA, UMA INSTITUIÇAO DE ENSINO COM MÍSTICA EVANGELIZADORA A escola católica será uma instituiçao com mística evangelizadora UMA ESCOLA A SERVIÇO DA PESSOA E ABERTA A TODOS UMA ESCOLA COM

Leia mais

ESL/BILINGUE. Full Year Courses:

ESL/BILINGUE. Full Year Courses: ESL/BILINGUE MA101C MA101C SC 111C SC201C SS314C SS314C EN191C ES211C ES231C ES251C MA211C ES271C EN281C SS201C SS201C MA001C MA001C EN211C SS311C SS191C SS191C Full Year Courses: Algebra I (Português

Leia mais

EXPERIÊNCIAS DO PROGRAMA DO OBSERVATÓRIO DA EDUCAÇÃO ESCOLAR INDÍGENA KRAHÔ/CAPES/INEP/UFT

EXPERIÊNCIAS DO PROGRAMA DO OBSERVATÓRIO DA EDUCAÇÃO ESCOLAR INDÍGENA KRAHÔ/CAPES/INEP/UFT 269 EXPERIÊNCIAS DO PROGRAMA DO OBSERVATÓRIO DA EDUCAÇÃO ESCOLAR INDÍGENA KRAHÔ/CAPES/INEP/UFT Joilda Bezerra dos Santos (UFT) joildabezerra@uol.br 1 Raylon da Frota Lopes (UFT) railonfl@hotmail.com 2

Leia mais

Material de divulgação da Editora Moderna

Material de divulgação da Editora Moderna Material de divulgação da Editora Moderna Professor, nós, da Editora Moderna, temos como propósito uma educação de qualidade, que respeita as particularidades de todo o país. Desta maneira, o apoio ao

Leia mais

A vinda da família real e o governo joanino no Brasil

A vinda da família real e o governo joanino no Brasil A vinda da família real e o governo joanino no Brasil A Europa no século XIX Napoleão realizou uma série de batalhas para a conquista de novos territórios para a França. O exército francês aumentou o número

Leia mais

DOCUMENTO 03 ENSINO SUPERIOR NO BRASIL

DOCUMENTO 03 ENSINO SUPERIOR NO BRASIL DOCUMENTO 03 ENSINO SUPERIOR NO BRASIL Com o advento da nova Constituição em 1988 e a promulgação e da Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional em fins de 1996, novas perspectivas foram colocadas

Leia mais

Não adianta falar inglês sem fazer sentido. 1

Não adianta falar inglês sem fazer sentido. 1 Não adianta falar inglês sem fazer sentido. 1 BOGUSZEWSKI, Luiza. 2 SCHETTERT, Gabriela Antunes. 3 MENEZES, Sérgio. 4 Universidade Positivo, Curitiba, PR. 2013 RESUMO Com a disseminação da cultura norte-americana

Leia mais

EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE LETRAS INGLÊS E LITERATURAS DE LÍNGUA INGLESA (Currículo iniciado em 2010)

EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE LETRAS INGLÊS E LITERATURAS DE LÍNGUA INGLESA (Currículo iniciado em 2010) EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE LETRAS INGLÊS E LITERATURAS DE LÍNGUA INGLESA (Currículo iniciado em 2010) COMPREENSÃO E PRODUÇÃO ORAL EM LÍNGUA INGLESA I C/H 102 (2358) intermediário de proficiência

Leia mais

AS NOVAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO NUMA SOCIEDADE EM TRANSIÇÃO

AS NOVAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO NUMA SOCIEDADE EM TRANSIÇÃO AS NOVAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO NUMA SOCIEDADE EM TRANSIÇÃO AS NOVAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO NUMA SOCIEDADE EM TRANSIÇÃO MÁRCIA MARIA PALHARES (márcia.palhares@uniube.br) RACHEL INÊS DA SILVA (bcpt2@uniube.br)

Leia mais

RESENHA/REVIEW. ROJO, Roxane. Letramentos múltiplos, escola e inclusão social. São Paulo: Parábola Editorial, 2009. 128 p.

RESENHA/REVIEW. ROJO, Roxane. Letramentos múltiplos, escola e inclusão social. São Paulo: Parábola Editorial, 2009. 128 p. RESENHA/REVIEW ROJO, Roxane. Letramentos múltiplos, escola e inclusão social. São Paulo: Parábola Editorial, 2009. 128 p. Resenhado por/by: Acir Mario KARWOSKI (Universidade Federal do Triângulo Mineiro)

Leia mais

1) Em novembro de 1807, a família real portuguesa deixou Lisboa e, em março de 1808, chegou ao Rio de Janeiro. O acontecimento pode ser visto como:

1) Em novembro de 1807, a família real portuguesa deixou Lisboa e, em março de 1808, chegou ao Rio de Janeiro. O acontecimento pode ser visto como: 1) Em novembro de 1807, a família real portuguesa deixou Lisboa e, em março de 1808, chegou ao Rio de Janeiro. O acontecimento pode ser visto como: a) incapacidade dos Braganças de resistirem à pressão

Leia mais

Vou entrar no Ensino Secundário. E agora? Que via escolher?

Vou entrar no Ensino Secundário. E agora? Que via escolher? Vou entrar no Ensino Secundário. E agora? Que via escolher? A publicação da Lei n.º 85/2009, de 27 de Agosto, estabelece o regime de escolaridade obrigatória para as crianças e jovens em idade escolar,

Leia mais

LÍNGUA ESTRANGEIRA E ESCRITA NORMALIZADA: SUJEITO NA/PELA LÍNGUA DO OUTRO

LÍNGUA ESTRANGEIRA E ESCRITA NORMALIZADA: SUJEITO NA/PELA LÍNGUA DO OUTRO LÍNGUA ESTRANGEIRA E ESCRITA NORMALIZADA: SUJEITO NA/PELA LÍNGUA DO OUTRO Deusa Maria de SOUZA-PINHEIRO-PASSOS deusa@usp.br Universidade de São Paulo (USP) Tomando a atividade de escrita como uma das maneiras

Leia mais

Exerc ícios de Revisão Aluno(a): Nº:

Exerc ícios de Revisão Aluno(a): Nº: Exerc íciosde Revisão Aluno(a): Nº: Disciplina:HistóriadoBrasil Prof(a).:Cidney Data: deagostode2009 2ªSériedoEnsinoMédio Turma: Unidade:Nilópolis 01. QuerPortugallivreser, EmferrosqueroBrasil; promoveaguerracivil,

Leia mais

ENSINO FUNDAMENTAL. De acordo a LDB 9394/96 o Ensino Fundamental, juntamente com a Educação Infantil e o Ensino Médio, compõe a Educação básica.

ENSINO FUNDAMENTAL. De acordo a LDB 9394/96 o Ensino Fundamental, juntamente com a Educação Infantil e o Ensino Médio, compõe a Educação básica. ENSINO FUNDAMENTAL De acordo a LDB 9394/96 o Ensino Fundamental, juntamente com a Educação Infantil e o Ensino Médio, compõe a Educação básica. Art. 32 "o Ensino Fundamental, com duração mínima de oito

Leia mais

Construção do Espaço Africano

Construção do Espaço Africano Construção do Espaço Africano Aula 2 Colonização Para melhor entender o espaço africano hoje, é necessário olhar para o passado afim de saber de que forma aconteceu a ocupação africana. E responder: O

Leia mais

A TRANSFERÊNCIA DA FAMÍLIA REAL PARA O BRASIL. Está ligada às Guerras Napoleônicas e ao decreto do BLOQUEIO CONTINENTAL PORTUGAL

A TRANSFERÊNCIA DA FAMÍLIA REAL PARA O BRASIL. Está ligada às Guerras Napoleônicas e ao decreto do BLOQUEIO CONTINENTAL PORTUGAL A TRANSFERÊNCIA DA FAMÍLIA REAL PARA O BRASIL Está ligada às Guerras Napoleônicas e ao decreto do BLOQUEIO CONTINENTAL De um lado, a pressão napoleônica para Portugal aderir ao bloqueio PORTUGAL De outro

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA LINGUAGEM NA DIFUSÃO DA PROPOSTA PEDAGÓGICA CRISTÃ NA ALTA IDADE MÉDIA, SÉCULOS V E VI.

A IMPORTÂNCIA DA LINGUAGEM NA DIFUSÃO DA PROPOSTA PEDAGÓGICA CRISTÃ NA ALTA IDADE MÉDIA, SÉCULOS V E VI. A IMPORTÂNCIA DA LINGUAGEM NA DIFUSÃO DA PROPOSTA PEDAGÓGICA CRISTÃ NA ALTA IDADE MÉDIA, SÉCULOS V E VI. BORTOLI, Bruno de (PIC/UEM) MARQUIOTO, Juliana Dias (PIC/UEM) OLIVEIRA, Terezinha (UEM) INTRODUÇÃO

Leia mais

Marta Kohl de Oliveira Algumas Contribuições da Psicologia Cognitiva

Marta Kohl de Oliveira Algumas Contribuições da Psicologia Cognitiva Marta Kohl de Oliveira Algumas Contribuições da Psicologia Cognitiva A criança que chega à escola é um indivíduo que sabe coisas e que opera intelectualmente de acordo com os mecanismos de funcionamento

Leia mais

Nome: Turma: Data: Atividade de revisão para o Exame final. A Revolução Francesa (14/07/1789)

Nome: Turma: Data: Atividade de revisão para o Exame final. A Revolução Francesa (14/07/1789) Profª.: Lygia Mânica Costa 7ª série do E. Fundamental Nome: Turma: Data: Atividade de revisão para o Exame final A Revolução Francesa (14/07/1789) A situação social era grave e o nível de insatisfação

Leia mais

A PRESENÇA NEGRA NO PARÁ: RESENHA DE UM

A PRESENÇA NEGRA NO PARÁ: RESENHA DE UM R E S E N H A A PRESENÇA NEGRA NO PARÁ: RESENHA DE UM TRABALHO PIONEIRO SALLES, VICENTE. O NEGRO NO PARÁ. SOB O REGIME DA ESCRAVIDÃO. 3ª EDIÇÃO. BELÉM: INSTITUTO DE ARTES DO PARÁ, 2005. JOSÉ MAIA BEZERRA

Leia mais

O que é globalização

O que é globalização O que é globalização - Fase atual de expansão do capitalismo, fruto do avanço tecnológico em diversos setores da economia e da modernização dos sistemas de comunicação e transportes. - É responsável pela

Leia mais

O ENSINO DE ESPANHOL COMO LÍNGUA ESTRANGEIRA NA REGIÃO DE LONDRINA

O ENSINO DE ESPANHOL COMO LÍNGUA ESTRANGEIRA NA REGIÃO DE LONDRINA O ENSINO DE ESPANHOL COMO LÍNGUA ESTRANGEIRA NA REGIÃO DE LONDRINA Catya Marques Agostinho de Araujo Amanda Pérez Montanéz (Orientadora) RESUMO Esta investigação tem por objetivos pesquisar, estudar e

Leia mais

1 A Internet e sua relação com a linguagem na atualidade: algumas informações introdutórias

1 A Internet e sua relação com a linguagem na atualidade: algumas informações introdutórias 1 A Internet e sua relação com a linguagem na atualidade: algumas informações introdutórias Objetivamos, com esse trabalho, apresentar um estudo dos processos de importação lexical do português que ocorrem

Leia mais

Cinema como ferramenta de aprendizagem¹. Angélica Moura CORDEIRO². Bianca da Costa ARAÚJO³ Universidade Federal de Campina Grande, Campina Grande, PB.

Cinema como ferramenta de aprendizagem¹. Angélica Moura CORDEIRO². Bianca da Costa ARAÚJO³ Universidade Federal de Campina Grande, Campina Grande, PB. Cinema como ferramenta de aprendizagem¹ Angélica Moura CORDEIRO² Bianca da Costa ARAÚJO³ Universidade Federal de Campina Grande, Campina Grande, PB. RESUMO Este artigo pronuncia o projeto Criancine que

Leia mais

15º FÓRUM NACIONAL DA UNDIME. Política Nacional de Educação Infantil. Mata de São João/BA Junho/2015. Secretaria de Educação Básica

15º FÓRUM NACIONAL DA UNDIME. Política Nacional de Educação Infantil. Mata de São João/BA Junho/2015. Secretaria de Educação Básica 15º FÓRUM NACIONAL DA UNDIME Política Nacional de Educação Infantil Mata de São João/BA Junho/2015 Secretaria de Educação Básica CONCEPÇÃO DE EDUCAÇÃO INFANTIL É direito dos trabalhadores urbanos e rurais

Leia mais

CRENÇAS DE UMA ALUNA INICIANTE NO CURSO DE LETRAS INGLÊS ACERCA DA ORALIDADE

CRENÇAS DE UMA ALUNA INICIANTE NO CURSO DE LETRAS INGLÊS ACERCA DA ORALIDADE CRENÇAS DE UMA ALUNA INICIANTE NO CURSO DE LETRAS INGLÊS ACERCA DA ORALIDADE Marrine Oliveira Sousa (UFG) Tatiana Diello Borges (UFG) marrine_@hotmail.com tatiana.diello@gmail.com 1. Introdução No exterior,

Leia mais

Gabarito oficial preliminar: História

Gabarito oficial preliminar: História 1) Questão 1 Segundo José Bonifácio, o fim do tráfico de escravos significaria uma ameaça à existência do governo porque Geraria uma crise econômica decorrente da diminuição da mão de obra disponível,

Leia mais

COLÉGIO VICENTINO IMACULADO CORAÇÃO DE MARIA Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Rua Rui Barbosa, 1324, Toledo PR Fone: 3277-8150

COLÉGIO VICENTINO IMACULADO CORAÇÃO DE MARIA Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Rua Rui Barbosa, 1324, Toledo PR Fone: 3277-8150 COLÉGIO VICENTINO IMACULADO CORAÇÃO DE MARIA Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Rua Rui Barbosa, 1324, Toledo PR Fone: 3277-8150 PLANEJAMENTO ANUAL DE HISTÓRIA 8º ANO PROFESSOR: MÁRCIO AUGUSTO

Leia mais

CRENÇAS DISCENTES SOBRE A FORMAÇÃO EM LETRAS E A DOCÊNCIA EM LÍNGUA INGLESA

CRENÇAS DISCENTES SOBRE A FORMAÇÃO EM LETRAS E A DOCÊNCIA EM LÍNGUA INGLESA Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 761 CRENÇAS DISCENTES SOBRE A FORMAÇÃO EM LETRAS E A DOCÊNCIA EM LÍNGUA INGLESA Fabiana Gonçalves Monti 1, Sérgio

Leia mais

SITUAÇÃO DE PRODUÇÃO DA RESENHA NO ENSINO SUPERIOR

SITUAÇÃO DE PRODUÇÃO DA RESENHA NO ENSINO SUPERIOR RESENHA Neste capítulo, vamos falar acerca do gênero textual denominado resenha. Talvez você já tenha lido ou elaborado resenhas de diferentes tipos de textos, nas mais diversas situações de produção.

Leia mais

RELATÓRIO GERENCIAL - PIBELPE 2015-2016

RELATÓRIO GERENCIAL - PIBELPE 2015-2016 RELATÓRIO GERENCIAL - PIBELPE 2015-2016 Nº Coordenadores Título do Projeto Bolsista Resumo do Projeto 1 Ana Cristina Cunha da Silva Laboratório de Pronúncia de Língua Inglesa 01 Anexo 1 2 Andrea Cristina

Leia mais

PETER BURKE E SEU CONCEITO DE TRADUÇÃO CULTURAL. Luiz Felipe Urbieta Rego

PETER BURKE E SEU CONCEITO DE TRADUÇÃO CULTURAL. Luiz Felipe Urbieta Rego PETER BURKE E SEU CONCEITO DE TRADUÇÃO CULTURAL Luiz Felipe Urbieta Rego (PUC-RJ) A Tradução Cultural consiste em uma obra organizada e escrita por Peter Burke focada em um elemento muito trabalhado no

Leia mais