Patrícia Mara de Carvalho Costa Leite

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Patrícia Mara de Carvalho Costa Leite"

Transcrição

1 Patrícia Mara de Carvalho Costa Leite YES, VAMOS CORRER PARA DOMINAR A LÍNGUA: COMO A LÍNGUA INGLESA É REPRESENTADA EM DOIS TEXTOS DA VEJA PROGRAMA DE MESTRADO EM LETRAS Teoria Literária e Crítica da Cultura Abril de 2013

2 Patrícia Mara de Carvalho Costa Leite YES, VAMOS CORRER PARA DOMINAR A LÍNGUA: COMO A LÍNGUA INGLESA É REPRESENTADA EM DOIS TEXTOS DA VEJA Dissertação apresentada ao Programa de Pósgraduação em Letras da Universidade Federal de São João del-rei como requisito parcial para a obtenção do título de Mestre em Letras Área de Concentração: Teoria Literária e Crítica da Cultura Linha de Pesquisa: Discurso e Representação Social Orientadora: Profa. Dra. Dylia Lysardo-Dias PROGRAMA DE MESTRADO EM LETRAS: TEORIA LITERÁRIA E CRÍTICA DA CULTURA Abril de 2013

3

4 The limits of my language mean the limits of my world. (WITTGENSTEIN, 1994, p. 245)

5 Dedico este trabalho a todos os que acreditaram e me apoiaram nesta empreitada audaciosa. Ao meu marido Eduardo, pois a conquista é nossa.

6 AGRADECIMENTOS À minha orientadora Dylia, por acreditar no meu trabalho e sempre me orientar com qualidade e presença! Obrigada pelo respeito, paciência, ótimas sugestões e por ampliar meu olhar! Aos demais professores do Programa de Pós-graduação, em especial aos que foram meus professores, pelos encontros ricos e interessantes. Aos amigos do mestrado; quantos desabafos e angústias nós nos confiamos, quantas risadas gostosas dividimos. À minha família, pelo muito que me ensinou e incentivou. Por acreditar em mim, quando eu mesma duvidava. Por me fornecer o necessário para que eu crescesse em tamanho, espírito e inteligência. Mãe e pai, vocês foram meu alicerce e são meu suporte para toda a vida! Obrigada! Ao meu companheiro, amigo, confidente, amor de todas as horas. Eduardo, sem você não há porquê! Obrigada por confiar em mim e me apoiar em cada passo! Pelos conselhos, piadas, shows, carinho e paciência! Aos meus filhos de coração, por me acompanharem, me manterem alegre e motivada para escrever. Aos amigos, porque souberam compreender minhas ausências. Em especial, Pablo e Cainara, que me incentivaram nesta empreitada e me fizeram companhia. Aos meus colegas de trabalho, pela experiência, ensinamentos, ombros amigos e tempo! Em especial, Sirley, Magda e Adriano, vocês são grandes amigos. Ao revisor Rogerio Lucas de Carvalho. A Deus, pelas bênçãos concedidas a cada amanhecer!

7 RESUMO Buscamos, neste trabalho, identificar e analisar como a língua inglesa é representada em dois textos, texto 1- Yes, nós somos bilíngues e texto 2- A corrida pelo domínio da língua, da revista VEJA na seção Educação. De maneira mais específica, objetivamos identificar e analisar as representações sociais acerca da língua inglesa presentes nos textos da VEJA de forma a apresentar uma discussão sobre a língua inglesa do ponto de vista da crítica da cultura. A fundamentação teórica contempla estudos diversos sobre as representações sociais e sobre a dimensão sócio-histórica, educacional e acadêmica da língua inglesa. O levantamento de dados foi feito por meio do acervo digital da VEJA entre 2005 e 2010, por meio do qual, foram coletados somente os textos que estavam na seção Educação e versavam sobre a língua inglesa. Os resultados obtidos mostram que os textos representam a língua inglesa de vários modos que se assemelham: como passaporte para subir na vida tanto pessoal, quanto profissional e socialmente; como a língua do mundo globalizado; como a língua obrigatória, principalmente na infância; como impossibilitada de ser aprendida na escola regular; como a língua do nativo; como a língua que deve ser aprendida rapidamente por todos e como sendo uma fonte de prazer. Palavras-chave: Revista VEJA, Representação Social, Língua Inglesa.

8 ABSTRACT The aim of this research is to identify and analyze how the English language is represented in two different texts, 1- Yes, nós somos bilíngues and 2- A corrida pelo domínio da língua both taken from VEJA s magazine Educational section. The theoretical basis is backed up by studies about social representation and studies about the social-historical, educational and academic dimension of the English language. The data collection was done through VEJA digital pages between the years of 2005 and 2010 where only texts that were, at the same time, in the Educational section and whose theme was the English language were chosen. The results show that the texts represent the English language in many ways that proved to be alike, such as: as the key to personal, social and professional development; as the globalized world language; as a mandatory language, especially in the childhood; as being impossible to be learnt at regular school; as the language which belongs to the native speaker; as the language which should be learnt fast and as a source of pleasure. Key-words: VEJA Magazine, Social Representation, English language

9 ABREVIATURAS UTILIZADAS CBC- Conteúdo Básico Comum EB- Escola bilíngue EI- Escola de idiomas ER- Escola regular LDB- Lei de Diretrizes e Bases LE- Língua estrangeira LF- Língua franca LI- Língua inglesa LM- Língua materna MEC- Ministério da Educação PCN- Parâmetros Curriculares Nacionais RS- Representação social SL- Segunda língua

10 LISTA DE QUADROS Quadro 1- Levantamento dos temas para discussão Quadro 2- Ocorrências dos termos inglês e LI na VEJA Quadro 3- Ocorrências de palavras relacionadas à natureza (T1) Quadro 4- Maneiras para se aprender a LI (T1 e T2) Quadro 5- Ocorrências de palavras relacionadas à fluência (T2) Quadro 6- Características associadas à aprendizagem da LE quando criança e quando adulto (T1) Quadro 7- Vocábulos relacionados ao mercado de trabalho (T1 e T2)

11 SUMÁRIO INTRODUÇÃO...07 CAPÍTULO 1- A presença inglesa no Brasil A língua inglesa no Brasil: Um breve histórico O advento das escolas de idiomas e seu ensino nas escolas brasileiras A língua inglesa e a mídia A língua inglesa e a revista VEJA...38 CAPÍTULO 2- Discurso, Língua e Representações Sociais Discurso Língua e as línguas Que língua inglesa é essa? Representações Sociais...53 CAPÍTULO 3- Estudo das Representações Sociais Os temas A globalização e a língua inglesa O modelo de língua inglesa do nativo A aprendizagem da língua inglesa quando criança e quando adulto As maneiras de aprender a língua inglesa A língua inglesa e a ascensão pessoal, social e profissional O tempo de aprendizagem da língua inglesa A relação com a aprendizagem As representações sociais da língua inglesa no presente estudo CONSIDERAÇÕES FINAIS REFERÊNCIAS ANEXOS...171

12 INTRODUÇÃO No Antigo Testamento da Bíblia Sagrada (1990), no livro de Gênesis (11, 1-9, p. 22) com a construção da torre de Babel, os homens almejavam subir ao céu, como se a criatura pudesse reinar no mesmo lugar de seu criador. Tal empreitada fez-se plausível pelo fato de todos os homens falarem a mesma língua. No entanto, o criador ceifa a prepotência, o orgulho humano, disseminando várias línguas pela Terra e retalhando, consequentemente, o desejo humano de ser Deus. O significado de Babel remete à confusão, haja vista que os homens não se entendiam mais e não podiam levar seu plano soberbo adiante. Essa passagem bíblica expõe o desejo humano de poder e de unicidade. Unicidade de língua que os levaria ao tão almejado sucesso. Na atualidade, é como se a Língua inglesa 1, no status de língua global, pudesse garantir a unicidade, uma subida ao topo, se dominada 2. Do mesmo modo que a construção da Torre de Babel almejava o céu, a vontade de ter a LI se configura na vontade de chegar ao topo, de ter poder. Poder de falar a língua do outro, de gozar com o outro, de ser alguém na vida. A motivação primeira do estudo sobre a LI advém de meu relacionamento íntimo com a língua desde o início da adolescência. Aos 12 anos de idade, iniciei meu estudo de LI na Escola regular 3. Sempre fui uma aluna dedicada e exigente. Levada por uma representação da ER como o lugar em que não se aprende a LI, pedi meus pais para que me matriculassem em uma escola de idiomas 4. A barreira financeira só foi transposta porque minha avó arcou com o curso. Desde então, não interrompi mais o fluxo da LI em minha vida, tornando-me professora para crianças aos 19 anos. Atualmente, leciono em uma EI, para todas as idades, há nove anos. O curso de Psicologia também foi importante para embasar e agregar conhecimento ao meu ensino. Intrigada pela relação imbricada entre educação e economia, entre LI e sucesso, e entre LI fluente e EI, primordialmente, deparei-me com um dos textos de análise: A corrida pelo domínio da língua, da VEJA de A palavra corrida foi a que mais me captou no momento da leitura e comecei a me interessar pelas escolhas dos autores 1 Doravante LI. 2 A representação social da língua passível de dominação será abordada em nosso estudo, inclusive a própria palavra domínio está presente no título do texto 2 de nossa análise. 3 Doravante ER. Utilizaremos a abreviatura ER para tratar tanto da ER quanto privada. 4 Doravante EI. 7

13 em relação à Representação Social 5 da LI. Desse interesse e diante da possibilidade de transformar minha inquietação em um trabalho acadêmico, surgiu uma proposta de pesquisa, que ora apresento e cujos objetivos são: identificar as RS em dois textos da revista VEJA sobre a LI: Yes, nós somos bilíngues 6 e A corrida pelo domínio da língua 7, a partir da análise de temas semelhantes entre os textos 8. Buscamos mapear como essa revista, um dos veículos midiáticos de maior circulação no Brasil, trata o saber a LI, considerando o impacto que esse veículo assume. Assim, realizamos uma discussão sobre a língua como produto cultural. Para a escolha do material de análise, foi feita uma pesquisa no acervo digital da revista VEJA. Foram utilizados os termos inglês (somente os que se relacionassem ao idioma) e LI para efetuarmos a busca em cada edição de 2005 a Selecionamos dois textos: Yes, nós somos bilíngues e A corrida pelo domínio da língua por pertencerem à seção Educação da revista. A partir da seleção dos textos, nós os nomeamos de acordo com a ordem de publicação: texto 1- Yes, nós somos bilíngues, de 2007, e texto 2- A corrida pelo domínio da língua, de 2009, para melhor identificação na análise. Optamos por agrupar enunciados que tivessem temas semelhantes, a fim de chegarmos às RS da LI. Os enunciados foram elencados por números e diferenciados entre textos 1 e 2 por meio das entradas (T1) e (T2). Em termos de procedimento de análise, analisamos primordialmente o estrato verbal dos textos 1 e 2, porém mencionamos o estrato visual em consonância com o verbal pela relação que entre eles se estabelece. O material de análise se constitui primordialmente dos textos 1 e 2 da VEJA, no entanto, para que a análise seja mais ampla, mencionamos algumas publicidades de EI e artigos de revistas 9 que versam 5 Doravante RS. 6 Texto retirado da revista VEJA do dia 22 de agosto de 2007, seção Educação, p , de autoria de Camila Antunes e Marcos Todeschini. O texto se encontra no anexo 3. 7 Texto retirado da revista VEJA do dia 4 de março de 2009, seção Educação, p , de autoria de Renata Moraes. O texto se encontra no anexo 3. 8 Os grupos de enunciados estão organizados de acordo com os temas: a globalização e a LI; o modelo de LI do nativo; aprendizagem da LI quando criança e quando adulto; LI e a ascensão pessoal, social e profissional; as maneiras de aprender a LI; o tempo de aprendizagem e a relação com a aprendizagem, (Quadro 1 em anexo). Só foram selecionados para a análise os tópicos que fossem encontrados pelo menos uma vez em cada texto. Destaco que o Quadro 1 apresenta um levantamento inicial dos enunciados, cuja temática fosse similar aos dois textos. Durante a análise, outros enunciados foram adicionados à medida que a discussão requeria. 9 As publicidades se encontram no anexo 4, ao passo que, os artigos de revista, cujos excertos foram utilizados em nosso estudo, estão no anexo 5. Tantos as publicidades (impresas) quanto os artigos fazem parte de um arquivo pessoal coletado ao longo do período em que estava escrevendo a dissertação, A coleta foi realizada através do site google e das entradas publicidade de escola de idiomas ; publicidade de escolas de inglês ; publicidade de cursos livres. Coletei artigos de revistas das próprias 8

14 sobre o mesmo tema abordado, no intuito de enriquecer o estudo 10 e, também, no sentido de estabelecer um diálogo entre os textos. A dissertação está assim organizada: no capítulo 1, foi feito um breve estudo da LI no contexto sócio-histórico e cultural da educação nacional, com o intuito de rastrearmos a LI no seu histórico de uso, de ensino-aprendizagem e de políticas educacionais no Brasil, bem como de termos um panorama mais amplo da LI no Brasil. Versamos também sobre a relação da LI e a mídia, bem como a LI e a revista VEJA, a fim de conhecermos mais profundamente o veículo de circulação dos textos 1 e 2. Em relação à mídia, tratamos brevemente do conceito de mídia e fizemos algumas considerações sobre as aparições, bem como RS da LI na mídia. Já no tocante à revista VEJA, abordamos a revista em termos de criação, objetivos, seções, tiragem mensal, público-alvo, a LI na revista VEJA em relação ao número de aparições e abordagens, por exemplo. O objetivo do capítulo 1 foi contextualizar nosso estudo, uma vez que, quando se analisa o discurso, o contexto histórico-cultural, bem como as condições sociais de produção são cruciais para a análise. No capítulo 2, foram abordados brevemente os conceitos de discurso, língua, língua materna 11, língua estrangeira 12, língua adicional 13, língua franca 14, segunda língua 15 e primeira língua 16 no intuito de analisarmos o modo como a LI é representada pelos textos 1 e 2. Em princípio, apresentamos o conceito de discurso, pois ele se constitui em nosso objeto central de análise, sem, no entanto, discuti-lo de modo exaustivo, o que extrapolaria nosso objetivo. Depois, tratamos do conceito de língua de modo a esmiuçarmos suas caracterizações e denominações, como LM, LE, SL, LA, LF e L1, bem como a relação do modo como a língua é representada socialmente e sua denominação. Contemplamos, também, a conceituação de RS e a diferenciação desse conceito em relação ao conceito de estereótipos, crenças e imaginários sociodiscursivos, a fim de exemplificarmos o conceito de RS neste estudo e justificarmos nossa escolha. revistas impressas e de revistas digitalizadas que encontrei ao longo de minha pesquisa. As escolhas foram motivadas por textos que tratassem da aprendizagem de inglês, predominantemente. 10 Uma vez que, segundo Grigoletto (2010), há uma relação implícita entre a publicidade e a mídia informativa na atualidade, culminando em um viés propagandístico presente em alguns artigos de cunho informativo, vislumbramos a possibilidade de estabelecer um diálogo entre os textos publicitários e os textos de cunho informativo sem compromisso com a análise das publicidades separadamente. 11 Doravante LM. 12 Doravante LE. 13 Doravante LA. 14 Doravante LF. 15 Doravante SL. 16 Doravante L1. 9

15 Assim, o interesse foi demarcar nossa perspectiva de estudo sem discutir de modo mais extenso o conceito de RS, uma vez que esse termo não oferece um entendimento único sobre seu significado, sobretudo se considerarmos seu histórico. O objetivo do capítulo 2 foi apresentar a base teórica que fundamentou nossa análise. No capítulo 3, agrupamos os enunciados dos textos 1 e 2 pelos temas de que tratam: a globalização e a LI; o modelo de LI do nativo; a aprendizagem da LI quando criança e quando adulto; as maneiras de aprendizagem; LI e a ascensão pessoal, social e profissional; o tempo de aprendizagem e relação com a aprendizagem, bem como a discussão sobre as RS da LI em ambos os textos. A partir da análise dos temas que apareceram, pelo menos uma vez, em cada texto, pudemos chegar às RS da LI, que se constituem em nosso objetivo geral. O objetivo do capítulo 3 foi a análise dos enunciados dos textos 1 e 2, agrupados em temas já mencionados, levando em consideração seu contexto sócio-histórico e cultural, e identificando o que está implícito e o que foi silenciado, a fim de identificarmos as RS da LI 17. Os temas serão elencados, a seguir. O primeiro tema relaciona a LI à globalização. Para embasar nosso estudo, utilizamos os seguintes autores: Capucci (1999), Robertson (2003 apud MOITA LOPES 2006), Bauman (1989) e Pereira, Daflon e Santana (2000), que abordam a temática da globalização, dos sujeitos locais e globais. Carmagnani (2001, 2008) e Coracini (1991, 2003, 2007) 18 foram utilizadas ao longo das análises, uma vez que vislumbramos interseções entre seus estudos sobre publicidades, sala de aula de LE e nosso material de análise. Authier-Revuz (2004) contribuiu para a análise do uso de aspas em enunciados dos textos 1 e 2. Hall (1997) contribuiu com nossa análise, uma vez que discute a diferença entre natureza e cultura. Santos (2006) versa sobre a música Yes, nós temos bananas relacionada ao texto 1 Yes, nós somos bilíngues, ao que Lysardo-Dias (2001) ajudou-nos a teorizar sobre o efeito da paródia. Bauman (2001) trata de indivíduos moderno-líquidos, embasando nossa discussão sobre a LI nessa sociedade. Realçamos a LI na qualidade de LA, utilizando as ideias de Graddol (2006). Finalmente, Jordão (2006, 2011), bem como Moita Lopes (2008) contribuíram para a discussão sobre os ganhos reais da aprendizagem de uma LE. 17 Os textos versam sobre idiomas, EI, mas as marcas linguísticas privilegiam a LI grande parte do tempo. Por exemplo, no próprio título do texto 1, há um vocábulo em LI Yes. Já no texto dois, a corrida é pelo domínio da língua, qual língua? O subtítulo esclarece ao tocar no assunto inglês básico. Enfim, apesar de mencionarem remotamente outras línguas, a que prevalece é a LI. 18 As autoras Carmagnani e Coracini serão mencionadas somente no tópico um, para evitar repetições desnecessárias, mas aparecem em todos os tópicos de análise. 10

16 O segundo tema se refere ao mito da natividade. Utilizamos Chomsky (1972 apud RAJAGOPALAN, 2001), uma vez que um aspecto central em sua teoria é o ideal de nativo, e Stern (1997 apud FIGUEIREDO, 2011), que elenca as características do nativo descritas por Chomsky. Freyre (2000) traz aspectos históricos da LI no Brasil, citando anúncios de aulas de LI por nativos ingleses no Brasil Império. Vidotti (2010), Fink (1998) e Fortes (2008) tratam da primazia da língua do nativo e o desejo de possuíla, principalmente por seu valor social. Kachru e Nelson (1996), Canagarajah (1999), Rajagopalan (1997, 2002, 2004), Phillipson (2003), Graddol (2006) e Passoni, D Almas e Audi (2009), que abordam a crença no nativo como os donos da língua. Medgyes (1992) foi mencionado por acreditar que não há como os não-nativos alcançarem o padrão dos nativos, sua criatividade e imenso vocabulário. O terceiro tema versa sobre a aprendizagem adulta e infantil da LI. Pinker (2004) embasa a ideia de tábula rasa mencionada na análise. Bauman (1989, 2001) foi citado novamente, a fim de tratarmos dos indivíduos moderno-líquidos, de globais e locais. Garcia (2011) estuda a aprendizagem infantil e contribuiu para nossas considerações sobre os enunciados dos textos 1 e 2. Maingueneau (1997) nos auxiliou na reflexão sobre o papel dos discursos legitimadores que conferem veracidade ao discurso. Dias e Mourão (2005) pontuam ganhos socioculturais, linguísticos e pessoais que advêm do estudo de uma LE. Almeida Filho (1999) concebe a ideia de língua produto. E, por fim, os Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN) em Brasil (1999). Já Guilherme de Castro (2004) e Ferreira (2010) mencionam o destaque da oralidade da mídia sobre LI. O quarto tema de análise versa sobre as maneiras para aprender a LI. Grigoletto (2010) inicia a discussão uma vez que trata da questão do silenciamento da escola regular na seção Educação de jornais e revistas, citando inclusive o texto 2 de análise. Orosco (2012) foi citado, haja vista que enuncia sobre a precariedade do ensino da LI na ER em um artigo da VEJA de 2012: Solte seu inglês. Para abarcar a parte histórica, buscamos os estudos de Carneiro Leão (1935), Brasil (1999), Dias (1999), Razzini (2000), Leffa (2003), Chaves (2004) e Oliveira (2011), que nos auxiliaram na reflexão sobre o percurso da LI na ER desde sua instituição como matéria escolar, bem como a conceber mais uma vez o foco na oralidade da LI pela mídia. Bueno (2003) postula que as causas das mazelas sociais são imputadas ao pouco esforço dos indivíduos. Desse modo, refletimos sobre o fracasso, utilizando também os estudos de Charlot (2000) em aprender a LI e a culpa do aluno. 11

17 Para iniciarmos o quinto tema, que é a LI como forma de ascensão pessoal, social e profissional, utilizamos o estudo de Valente (1997), Rosa (2003), Homem e Nascentes (2007) e Ministério da Educação (MEC) (2011), que relacionam trabalho e educação. Há a citação da própria Constituição Federal de 1988, artigo 205: A educação, direito de todos e dever do Estado e da família, será promovida e incentivada com a colaboração da sociedade, visando ao pleno desenvolvimento da pessoa, seu preparo para o exercício da cidadania e sua qualificação para o mercado (HOMEM; NASCENTES, 2007, p. 61) e também na própria Lei de Diretrizes e Bases (LDB) Lei nº 9.394/96 (BRASIL, 1971). Dias (1999), Mota e Lopez (1995) e Pallares-Burke (2000) tratam de aspectos históricos da relação educação e mercado de trabalho. Augusti (2008) contribuiu para nossa pesquisa na medida em que realizou um estudo sobre a VEJA, concluindo que mais de 50% dos artigos da revista, por ele analisados, valorizam a inteligência como caminho para a autorrealização. No caso de nosso estudo, o saber a LI para obter o sucesso profissional. Grigoletto (2010) aborda a representação da língua como produto. A partir da compra desse produto, há a convicção de que o sujeito transitará livremente no mundo de negócios, segundo Nóbrega e Sousa (2007). Rosa (2003) cita a rotulação dos indivíduos em qualificados (se souber a LI) e desqualificados (se não a souber) e Garcia (2011) também trata da exclusão dos que não possuem a LI. Porém, Alves (2001) menciona que, mesmo se todos a soubessem, não haveria um posto de trabalho para todos, uma vez que não há como o mercado absorvêlos. Finalmente, Ariès (1971) foi utilizado para tratar da situação da criança cujos pais são interpelados desde cedo a prepará-las para o mercado de trabalho, como se fossem os miniadultos da Idade Média. O sexto tema é a pressa em dominar a LI. A corrida pelo domínio da língua foca o fator tempo, que, segundo Carmagnani (2008), aparece em muitas publicidades de EI que oferecem cursos rápidos e a LI em até três meses. Para asseverar a verdade de seus argumentos, a revista VEJA faz uso de quadros, números e tabelas, ao que Sacchi dos Santos (2002) nomeia de episteme da quantificação. Camozzato (2007) acredita que quantificar é uma estratégia poderosa para tentar garantir a aderência dos sujeitos aos discursos e dominá-los, segundo Picanço (2006). Rajagopalan (1997), Garcia (2011) e Ghiraldelo (2011) embasam a reflexão sobre a língua, que deve ser dominada e parece ser externa ao sujeito. Orlandi (2001) pondera sobre os efeitos do discurso no sujeito, ampliando nossa reflexão. Justo (2005) e Bauman (1989), por sua vez, assinalam que o 12

18 imediatismo é uma das marcas da contemporaneidade e o consumo da LE diferencia os sujeitos (CARMAGNANI, 2008). O sétimo e último tema é a relação do aprendiz com a LI. Partimos do conceito de indivíduos moderno-líquidos de Bauman (2001) para abordarmos o consumo da LI e o desejo de ser como o outro que possui a língua e por isso parece ser melhor, mais feliz e obter mais prazer em sua existência. Ao que Augusti (2008) acrescenta a respeito de em mais de 50% do discurso da VEJA estar presente o assunto prazer. Prasse (1997) acredita que o desejo de aprender LE advém da busca pelo prazer do outro e também da vontade de sair do lugar de sua LM. Aliado a isso, segundo The British Council (1976), a busca pela LI reside na ideia de ser mais elegante e ter um status social diferenciado, ideia corroborada por Pennycook (1998) e Tavares (2002). Moita Lopes (2008) já entende a LI como parte da educação básica, e não mais como um atributo louvável e diferenciado. Rajagopalan (1999) e Ruiz (1984) foram utilizados para refletir sobre a invasão da LI, notadamente no pós-segunda Guerra. Uma vez que a LI passa a ser consumida na qualidade de produto, podemos falar em comodificação, apropriando-nos das ideias de Fairclough (2001). Peters (1994) e Fortes (2009) tratam da comodificação e das implicações desse discurso: por exemplo, conferir somente ganhos econômicos ao aprendizado de uma LE. Finalmente, Garcia (2011) contribuiu para a discussão da repercussão de representar socialmente a LI como fonte de prazer e passaporte para subir na vida para os pais, haja vista que eles são interpelados a matricular seus filhos em uma EB ou EI como se isso significasse um ato de amor pela prole. Apresentamos, pois, as RS da LI que foram observadas durante a análise dos enunciados dos textos 1 e 2. Nas considerações finais, procuramos relacionar as RS elencadas a questões mais amplas, tais como: ao ensino-aprendizagem da LI; a questões de autoridade; à relação do aluno com a LI, bem como do professor; e a questões ideológicas, históricas, por exemplo. Esta análise objetivou compreender como o ser humano tem acesso a informações, partilha visões de mundo, produz conhecimento e interage com seus parceiros em diversas situações discursivas (CHARAUDEAU, 2009, p. 10). Mencionamos diferentes autores utilizados para a análise dos sete temas propostos. Destarte, nem todos os autores apontados [...] formam um bloco homogêneo de concepções e entendimentos. No entanto, há nuances que os aproximam e cada um, por ângulos peculiares (MOMO, 2007, p. 29). Ressaltamos ainda que as RS dizem respeito aos textos 1 e 2, mas podem estar presentes em outros textos. Dessa maneira, 13

19 procuramos estabelecer um diálogo entre o nosso material de análise, publicidades de EI e textos de revista sobre a LI. Esse diálogo nos permitiu uma contextualização mais ampla das RS da LI. 14

20 CAPÍTULO 1 A LÍNGUA INGLESA NO BRASIL 1.1 A Língua inglesa no Brasil: um breve histórico O relacionamento do Brasil e da Inglaterra vem de longa data. Acredita-se que o vínculo entre os países tenha se iniciado em 1530 com William Hawkins, um traficante de escravos inglês que desembarcou na costa brasileira e teve contato com portugueses e nativos (LIMA, 2009). Segundo Freyre (2000), Portugal, por pouco, não se tornou uma colônia da Grã- Bretanha no séc. XIX. Desse modo, a presença da cultura britânica no desenvolvimento do Brasil, no espaço, na paisagem, no conjunto da civilização do Brasil, é das que não podem ou não devem? ser ignoradas pelo brasileiro interessado na compreensão e na interpretação do Brasil (p. 46). Inglaterra e Brasil começaram a estreitar seus laços em 1654 quando, por meio de um tratado, a Inglaterra reservou à sua marinha o direito de comercializar as mercadorias inglesas de modo soberano, rompendo o domínio português no Brasil (NOGUEIRA; HEIMAS, 2007). No entanto, o Bloqueio Continental decretado à Inglaterra foi o que fortaleceu os laços entre os dois países. Para termos um panorama global, cabe salientarmos que a Europa do início do século XIX se configurava do seguinte modo: o imperador francês, Napoleão Bonaparte, implementou uma política expansionista no intuito de estender seu domínio por toda a Europa. A Inglaterra era a maior potência industrial europeia e resistiu às tentativas de conquista por parte da França napoleônica. Nesse ínterim, Bonaparte tentou sufocá-la economicamente, proibindo os países europeus de comercializarem com os ingleses ao decretar, em 1806, o Bloqueio Continental. Bonaparte obrigou Portugal, outrora aliado da Inglaterra, a fazer oposição a ela. Mas a Inglaterra tinha fortes laços comerciais com Portugal. Os ingleses, então, pressionaram os portugueses para que assinassem uma convenção secreta, que asseguraria a Portugal a transferência da sede da monarquia lusitana para o Brasil, o que ocorreu em princípios de março de 1808, já transformando a Colônia em Reino (CANCIAN, 2009). Devido à chegada da Corte Real em Salvador com destino ao Rio de Janeiro, obras foram realizadas, tais como: construção do Teatro Real São João, da Biblioteca Pública e do Museu Nacional, por exemplo, a contratação de técnicos estrangeiros para 15

21 pesquisas minerais (Varnhagem, Von Eschwege), a implantação de uma imprensa (Imprensa Régia), na qual seria publicado o primeiro jornal do país, e a criação da Gazeta do Rio de Janeiro (OLIVEIRA, 1999). Os ingleses puderam estabelecer casas comerciais em território brasileiro, aumentando ainda mais o poder econômico da Inglaterra naquela época. Segundo Dias (1999), naqueles anos, muito mais influentes e poderosos que a esquadra britânica eram os escritórios comerciais dos ingleses (p. 31). A Inglaterra causou mudanças significativas no Brasil Império, uma vez que era dos ingleses o controle do comércio; o predomínio técnico [...] e, fundamentalmente, o capital financeiro que assegurava os primórdios do progresso industrial (p. 51). É interessante a comparação feita entre o conjunto de navios de guerra dos ingleses e o comércio inglês em terras tupiniquins, uma vez que o bélico, na frase, é sobrepujado pelo econômico e este se mostra soberano. Percebemos que a presença inglesa no Brasil Império era considerável, uma vez que influenciavam econômica e culturalmente o povo brasileiro. Uma vez que a Revolução Industrial se iniciou na Inglaterra no séc. XVIII e pelo fato de esse país ser muito mais velho que o Brasil, os ingleses se encontravam em posição de grande vantagem em relação ao desenvolvimento tecnológico e científico. Assim, as primeiras fundições modernas, o primeiro cabo submarino, as primeiras estradas de ferro, os primeiros telégrafos, as primeiras moendas de engenho moderno de açúcar, a primeira iluminação a gás, os primeiros barcos a vapor, as primeiras redes de esgoto, a substituição das tradicionais venezianas de madeira pelas vidraças, dos sucos de frutas tropicais pela cerveja e chá, dos xales orientais pelas capas e chapéus foram quase todas obras dos ingleses no Brasil (FREYRE, 2000). Outras evidências de influência intelectual dos ingleses vamos encontrar nos anúncios de professores e até professoras inglesas e de língua inglesa. Também de governantes, de colégios ingleses, de métodos ingleses de ensino, de livros ingleses (p. 265). O domínio dos ingleses no Brasil culminou em manifestações nacionalistas por parte do povo brasileiro em que até os intelectuais ciosos de nossa brasilidade se queixavam que se estava londonizando nossa terra (PALLARES-BURKE, 2000, p. 228, itálico do autor). Para que tais expressões populares se findassem, as companhias inglesas começaram a admitir engenheiros, funcionários e técnicos brasileiros em geral, como é relatado por Dias (1999, p. 83). Porém, os candidatos deveriam entender instruções em LI e receber treinamento. Aliada a essa conjuntura, com a abertura dos portos brasileiros para o comércio estrangeiro em 1808 e o consequente aumento das 16

PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO SILMARA SILVEIRA ANDRADE

PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO SILMARA SILVEIRA ANDRADE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO SILMARA SILVEIRA ANDRADE POLÍTICAS PÚBLICAS EDUCACIONAIS: FORTALECIMENTO DA LÍNGUA ESTRANGEIRA Assunção, Paraguay Abril 2015 POLÍTICAS PÚBLICAS

Leia mais

PENSAMENTO E LINGUAGEM: ESTUDO DA INOVAÇÃO E REFLEXÃO DOS ANAIS E DO ENSINO/APRENDIZAGEM DO INGLÊS EM SALA DE AULA

PENSAMENTO E LINGUAGEM: ESTUDO DA INOVAÇÃO E REFLEXÃO DOS ANAIS E DO ENSINO/APRENDIZAGEM DO INGLÊS EM SALA DE AULA PENSAMENTO E LINGUAGEM: ESTUDO DA INOVAÇÃO E REFLEXÃO DOS ANAIS E DO ENSINO/APRENDIZAGEM DO INGLÊS EM SALA DE AULA Adriana Zanela Nunes (UFRJ) zannelli@bol.com.br, zannelli@ig.com.br zannelli@ibest.com.br

Leia mais

TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA

TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA RESUMO Os educadores têm se utilizado de uma metodologia Linear, que traz uma característica conteudista; É possível notar que o Lúdico não se limita

Leia mais

PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE O PARFOR

PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE O PARFOR PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE O PARFOR 1. Como são os cursos ofertados pela plataforma freire e quais os benefícios para os professores que forem selecionados? O professor sem formação poderá estudar nos

Leia mais

O estudante de Pedagogia deve gostar muito de ler e possuir boa capacidade de concentração porque receberá muitos textos teóricos para estudar.

O estudante de Pedagogia deve gostar muito de ler e possuir boa capacidade de concentração porque receberá muitos textos teóricos para estudar. PEDAGOGIA Você já deve ter ouvido alguém falar que o nível educacional de um povo é muito importante para o seu desenvolvimento e que a educação faz muita diferença na vida das pessoas, não é mesmo? Por

Leia mais

SITUAÇÃO DE PRODUÇÃO DA RESENHA NO ENSINO SUPERIOR

SITUAÇÃO DE PRODUÇÃO DA RESENHA NO ENSINO SUPERIOR RESENHA Neste capítulo, vamos falar acerca do gênero textual denominado resenha. Talvez você já tenha lido ou elaborado resenhas de diferentes tipos de textos, nas mais diversas situações de produção.

Leia mais

LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO CRIATIVA

LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO CRIATIVA LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO Instituto Federal Farroupilha Câmpus Santa Rosa ledomanski@gmail.com Introdução Ler no contexto mundial globalizado

Leia mais

SEDUC SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DE MATO GROSSO ESCOLA ESTADUAL DOMINGOS BRIANTE TÂNIA REGINA CAMPOS DA CONCEIÇÃO

SEDUC SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DE MATO GROSSO ESCOLA ESTADUAL DOMINGOS BRIANTE TÂNIA REGINA CAMPOS DA CONCEIÇÃO SEDUC SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DE MATO GROSSO ESCOLA ESTADUAL DOMINGOS BRIANTE TÂNIA REGINA CAMPOS DA CONCEIÇÃO A VINDA DA FAMÍLIA REAL PORTUGUESA AO BRASIL Projeto apresentado e desenvolvido na

Leia mais

CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA

CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias novembro/2011 página 1 CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA Elba Siqueira de Sá Barretto: Os cursos de Pedagogia costumam ser muito genéricos e falta-lhes um

Leia mais

ESTRUTURA CURRICULAR:

ESTRUTURA CURRICULAR: ESTRUTURA CURRICULAR: Definição dos Componentes Curriculares Os componentes curriculares do Eixo 1 Conhecimentos Científico-culturais articula conhecimentos específicos da área de história que norteiam

Leia mais

medida. nova íntegra 1. O com remuneradas terem Isso é bom

medida. nova íntegra 1. O com remuneradas terem Isso é bom Entrevista esclarece dúvidas sobre acúmulo de bolsas e atividadess remuneradas Publicada por Assessoria de Imprensa da Capes Quinta, 22 de Julho de 2010 19:16 No dia 16 de julho de 2010, foi publicada

Leia mais

OITAVO ANO ESINO FUNDAMENTAL II PROFESSORA: ROSE LIMA

OITAVO ANO ESINO FUNDAMENTAL II PROFESSORA: ROSE LIMA OITAVO ANO ESINO FUNDAMENTAL II PROFESSORA: ROSE LIMA http://plataformabrioli.xpg.uol.com.br/historiaresumo/2ano/epopeialusitana.pdf http://blog.msmacom.com.br/familia-real-portuguesa-quem-e-quem-na-monarquia/

Leia mais

Intercâmbio tem relatos de boas experiências e muita superação

Intercâmbio tem relatos de boas experiências e muita superação Intercâmbio tem relatos de boas experiências e muita superação Professora Áurea Santos, com o grupo de estudantes do Instituto Federal do Piauí pioneiro no intercâmbio com Espanha e a Portugal: A experiência

Leia mais

Estado da Arte: Diálogos entre a Educação Física e a Psicologia

Estado da Arte: Diálogos entre a Educação Física e a Psicologia Estado da Arte: Diálogos entre a Educação Física e a Psicologia Eixo temático 1: Fundamentos e práticas educacionais Telma Sara Q. Matos 1 Vilma L. Nista-Piccolo 2 Agências Financiadoras: Capes / Fapemig

Leia mais

O ENSINO DE LÍNGUAS ESTRANGEIRAS ATRAVÉS DAS ESCOLAS BILÍNGUES NO BRASIL: UMA NOVA REALIDADE 1

O ENSINO DE LÍNGUAS ESTRANGEIRAS ATRAVÉS DAS ESCOLAS BILÍNGUES NO BRASIL: UMA NOVA REALIDADE 1 O ENSINO DE LÍNGUAS ESTRANGEIRAS ATRAVÉS DAS ESCOLAS BILÍNGUES NO BRASIL: UMA NOVA REALIDADE 1 Iasmin Araújo Bandeira Mendes Universidade Federal de Campina Grande, email: iasminabmendes@gmail.com INTRODUÇÃO

Leia mais

Palavras-Chave: PIBID, Formação Inicial de Professores, Ensino de Informática.

Palavras-Chave: PIBID, Formação Inicial de Professores, Ensino de Informática. DESAFIOS DO ENSINO DA INFORMÁTICA NAS ESCOLAS PÚBLICAS: CONTRIBUIÇÕES DO PIBID NA FORMAÇÃO INICIAL DE PROFESSORES RESUMO Jéssyca Edly Messias Ribeiro (IFRN) jeh_edly@hotmail.com Jefferson Hernane da Silva

Leia mais

Ensino Vocacional, Técnico e Tecnológico no Reino Unido

Ensino Vocacional, Técnico e Tecnológico no Reino Unido Ensino Vocacional, Técnico e Tecnológico no Reino Unido Apoiar a empregabilidade pela melhora da qualidade do ensino profissionalizante UK Skills Seminar Series 2014 15 British Council UK Skills Seminar

Leia mais

A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA

A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA Shirlei de Souza Correa - UNIVALI 1 Resumo: No contexto educacional pode-se considerar a gestão escolar como recente, advinda das necessidades

Leia mais

FORMAÇÃO PLENA PARA OS PROFESSORES

FORMAÇÃO PLENA PARA OS PROFESSORES Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias dezembro/2006 página 1 FORMAÇÃO PLENA PARA OS PROFESSORES Bernardete Gatti: o país enfrenta uma grande crise na formação de seus professores em especial, de alfabetizadores.

Leia mais

BREVE TRAJETÓRIA DA LÍNGUA INGLESA E DO LÍVRO DIDÁTICO DE INGLÊS NO BRASIL

BREVE TRAJETÓRIA DA LÍNGUA INGLESA E DO LÍVRO DIDÁTICO DE INGLÊS NO BRASIL BREVE TRAJETÓRIA DA LÍNGUA INGLESA E DO LÍVRO DIDÁTICO DE INGLÊS NO BRASIL Gislaine P. Lima (G-LEM-UEL) Gladys Quevedo Camargo (Orientadora - UEL) Universidade Estadual de Londrina Este trabalho apresenta

Leia mais

CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda

CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda www.especifico.com.br DISCIPLINA : Sociologia PROF: Waldenir do Prado DATA:06/02/2012 O que é Sociologia? Estudo objetivo das relações que surgem e se reproduzem, especificamente,

Leia mais

A FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA NO RIO DE JANEIRO NA PRIMEIRA METADE DO SÉCULO XX

A FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA NO RIO DE JANEIRO NA PRIMEIRA METADE DO SÉCULO XX A FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA NO RIO DE JANEIRO NA PRIMEIRA METADE DO SÉCULO XX Bruno Alves Dassie Instituto Superior de Educação do Rio de Janeiro Universidade Estácio de Sá O objetivo desta

Leia mais

As Cartilhas e a Alfabetização

As Cartilhas e a Alfabetização As Cartilhas e a Alfabetização Métodos globais: aprender a ler a partir de histórias ou orações Conhecer e respeitar as necessidades e interesses da criança; partir da realidade do aluno e estabelecer

Leia mais

Parâmetros para avaliação de mestrado profissional*

Parâmetros para avaliação de mestrado profissional* Parâmetros para avaliação de mestrado profissional* 1. Natureza do mestrado profissional A pós-graduação brasileira é constituída, atualmente, por dois eixos claramente distintos: o eixo acadêmico, representado

Leia mais

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES Edson Crisostomo dos Santos Universidade Estadual de Montes Claros - UNIMONTES edsoncrisostomo@yahoo.es

Leia mais

Como a comunicação e a educação podem andar de mãos dadas 1

Como a comunicação e a educação podem andar de mãos dadas 1 Como a comunicação e a educação podem andar de mãos dadas 1 Entrevista com Ricardo de Paiva e Souza. Por Flávia Gomes. 2 Flávia Gomes Você acha importante o uso de meios de comunicação na escola? RICARDO

Leia mais

DA TEORIA À PRÁTICA: UMA ANÁLISE DIALÉTICA

DA TEORIA À PRÁTICA: UMA ANÁLISE DIALÉTICA DA TEORIA À PRÁTICA: UMA ANÁLISE DIALÉTICA JURUMENHA, Lindelma Taveira Ribeiro. 1 Universidade Regional do Cariri URCA lindelmafisica@gmail.com FERNANDES, Manuel José Pina 2 Universidade Regional do Cariri

Leia mais

TÍTULO V DOS NÍVEIS E DAS MODALIDADES DE EDUCAÇÃO E ENSINO CAPÍTULO II DA EDUCAÇÃO BÁSICA. Seção I Das Disposições Gerais

TÍTULO V DOS NÍVEIS E DAS MODALIDADES DE EDUCAÇÃO E ENSINO CAPÍTULO II DA EDUCAÇÃO BÁSICA. Seção I Das Disposições Gerais TÍTULO V DOS NÍVEIS E DAS MODALIDADES DE EDUCAÇÃO E ENSINO CAPÍTULO II DA EDUCAÇÃO BÁSICA Seção I Das Disposições Gerais Art. 22. A educação básica tem por finalidades desenvolver o educando, assegurar-lhe

Leia mais

Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade

Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade Pensar na realidade é pensar em transformações sociais. Atualmente, temos observado os avanços com relação à

Leia mais

Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática

Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática Rene Baltazar Introdução Serão abordados, neste trabalho, significados e características de Professor Pesquisador e as conseqüências,

Leia mais

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior.

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Josimar de Aparecido Vieira Nas últimas décadas, a educação superior brasileira teve um expressivo

Leia mais

REFLEXÕES ACERCA DO ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA

REFLEXÕES ACERCA DO ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO SILMARA SILVEIRA ANDRADE REFLEXÕES ACERCA DO ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA Assunção, Paraguay Março 2015 REFLEXÕES ACERCA DO ENSINO DE LÍNGUA

Leia mais

MESTRADO EM MEMÓRIA SOCIAL E BENS CULTURAIS. 1.1 Matriz Curricular Disciplinas obrigatórias

MESTRADO EM MEMÓRIA SOCIAL E BENS CULTURAIS. 1.1 Matriz Curricular Disciplinas obrigatórias MESTRADO EM MEMÓRIA SOCIAL E BENS CULTURAIS 1.1 Matriz Curricular Disciplinas obrigatórias C/H Memória Social 45 Cultura 45 Seminários de Pesquisa 45 Oficinas de Produção e Gestão Cultural 45 Orientação

Leia mais

O capitalismo e o Advento de uma sociedade de consumo

O capitalismo e o Advento de uma sociedade de consumo O capitalismo e o Advento de uma sociedade de consumo Camila Fernandes Colégio Mãe de Deus T. 301 Resumo: A condição da redução do cidadão em consumidor, e a criação de tal cultura global, deu-se através

Leia mais

PROGRAMA JOVEM APRENDIZ

PROGRAMA JOVEM APRENDIZ JOVEM APRENDIZ Eu não conhecia nada dessa parte administrativa de uma empresa. Descobri que é isso que eu quero fazer da minha vida! Douglas da Silva Serra, 19 anos - aprendiz Empresa: Sinal Quando Douglas

Leia mais

PROJETO LÍNGUA DE FORA

PROJETO LÍNGUA DE FORA DESCRIÇÃO PROJETO LÍNGUA DE FORA O, de responsabilidade dos professores da disciplina de estágio supervisionado das línguas espanhola, francesa e inglesa, corresponde a 50 horas de estágio, das 200 horas

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE LiteraRádio. Rádio. Literatura. Introdução

PALAVRAS-CHAVE LiteraRádio. Rádio. Literatura. Introdução 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( x ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO

Leia mais

PERGUNTAS FREQUENTES CAMBRIDGE ENGLISH E UNOi

PERGUNTAS FREQUENTES CAMBRIDGE ENGLISH E UNOi PERGUNTAS FREQUENTES CAMBRIDGE ENGLISH E UNOi ANTES DO EXAME O que é a parceria entre UNOi e Cambridge English? Por que eu devo prestar os exames Cambridge English? Quais são os exames? O que é o Placement

Leia mais

ESTRATÉGIAS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NA PERSPECTIVA DAS NOVAS TECNOLOGIAS

ESTRATÉGIAS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NA PERSPECTIVA DAS NOVAS TECNOLOGIAS 1 ESTRATÉGIAS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NA PERSPECTIVA DAS NOVAS TECNOLOGIAS INTRODUÇÃO Marilda Coelho da Silva marildagabriela@yahoo.com.br Mestrado Profissional Formação de Professores UEPB As

Leia mais

A PROPOSTA DE ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA DOS PCN E SUA TRANSPOSIÇÃO ENTRE OS PROFESSORES DE INGLÊS DE ARAPIRACA

A PROPOSTA DE ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA DOS PCN E SUA TRANSPOSIÇÃO ENTRE OS PROFESSORES DE INGLÊS DE ARAPIRACA Revista Eletrônica de Educação de Alagoas - REDUC ISSN 2317-1170 V. 01, N. 02 (2013) A PROPOSTA DE ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA DOS PCN E SUA TRANSPOSIÇÃO ENTRE OS PROFESSORES DE INGLÊS DE ARAPIRACA Patrícia

Leia mais

UNIARA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE ARARAQUARA MESTRADO PROFISSIONAL EM EDUCAÇÃO: PROCESSOS DE ENSINO, GESTÃO E INOVAÇÃO REGULAMENTO SUMÁRIO

UNIARA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE ARARAQUARA MESTRADO PROFISSIONAL EM EDUCAÇÃO: PROCESSOS DE ENSINO, GESTÃO E INOVAÇÃO REGULAMENTO SUMÁRIO UNIARA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE ARARAQUARA MESTRADO PROFISSIONAL EM EDUCAÇÃO: PROCESSOS DE ENSINO, GESTÃO E INOVAÇÃO REGULAMENTO SUMÁRIO TÍTULO I - APRESENTAÇÃO DO PROGRAMA... 1 TÍTULO II - DOS OBJETIVOS...

Leia mais

CADERNO 1 BRASIL CAP. 3. Gabarito: EXERCÍCIOS DE SALA. Resposta da questão 1: [D]

CADERNO 1 BRASIL CAP. 3. Gabarito: EXERCÍCIOS DE SALA. Resposta da questão 1: [D] Gabarito: EXERCÍCIOS DE SALA Resposta da questão 1: Somente a proposição está correta. Com a expansão napoleônica na Europa e a invasão do exército Francês em Portugal ocorreu a vinda da corte portuguesa

Leia mais

História. baseado nos Padrões Curriculares do Estado de São Paulo

História. baseado nos Padrões Curriculares do Estado de São Paulo História baseado nos Padrões Curriculares do Estado de São Paulo 1 PROPOSTA CURRICULAR DA DISCIPLINA DE HISTÓRIA Middle e High School 2 6 th Grade A vida na Grécia antiga: sociedade, vida cotidiana, mitos,

Leia mais

Curso de Especialização EM DIREITO ADMINISTRATIVO

Curso de Especialização EM DIREITO ADMINISTRATIVO Curso de Especialização EM DIREITO ADMINISTRATIVO ÁREA DO CONHECIMENTO: Direito. NOME DO CURSO: Curso de Pós-Graduação Lato Sensu, especialização em Direito Administrativo. PERFIL PROFISSIONAL: Conhecer

Leia mais

CULTURA E HISTÓRIA AFRO-BRASILEIRA NA AULA DE INGLÊS: E A CONSTRUÇÃO DA IDENTIDADE NACIONAL NA ESCOLA

CULTURA E HISTÓRIA AFRO-BRASILEIRA NA AULA DE INGLÊS: E A CONSTRUÇÃO DA IDENTIDADE NACIONAL NA ESCOLA CULTURA E HISTÓRIA AFRO-BRASILEIRA NA AULA DE INGLÊS: E A CONSTRUÇÃO DA IDENTIDADE NACIONAL NA ESCOLA Júlio César Paula Neves Tânia Mayra Lopes de Melo Modalidade: Pôster Sessão Temática 5: Educação e

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO GEOGRÁFICA DA PÓS-GRADUAÇÃO: ESTUDO DE INDICADORES

DISTRIBUIÇÃO GEOGRÁFICA DA PÓS-GRADUAÇÃO: ESTUDO DE INDICADORES DISTRIBUIÇÃO GEOGRÁFICA DA PÓS-GRADUAÇÃO: ESTUDO DE INDICADORES Maria Helena Machado de Moraes - FURG 1 Danilo Giroldo - FURG 2 Resumo: É visível a necessidade de expansão da Pós-Graduação no Brasil, assim

Leia mais

DIMENSÕES DO TRABAHO INFANTIL NO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE: O ENVOLVIMENTO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÕES DE TRABALHO PRECOCE

DIMENSÕES DO TRABAHO INFANTIL NO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE: O ENVOLVIMENTO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÕES DE TRABALHO PRECOCE Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 18 a 22 de outubro, 2010 337 DIMENSÕES DO TRABAHO INFANTIL NO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE: O ENVOLVIMENTO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM

Leia mais

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Alfabetização de Crianças O Professor Alfabetizador é o profissional responsável por planejar e implementar ações pedagógicas que propiciem,

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA (PIBID): UMA AVALIAÇÃO DA ESCOLA SOBRE SUAS CONTRIBUIÇÕES

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA (PIBID): UMA AVALIAÇÃO DA ESCOLA SOBRE SUAS CONTRIBUIÇÕES PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA (PIBID): UMA AVALIAÇÃO DA ESCOLA SOBRE SUAS CONTRIBUIÇÕES Silva.A.A.S. Acadêmica do curso de Pedagogia (UVA), Bolsista do PIBID. Resumo: O trabalho

Leia mais

MOTIVAÇÃO E DESMOTIVAÇÃO NO APRENDIZADO DE LÍNGUAS

MOTIVAÇÃO E DESMOTIVAÇÃO NO APRENDIZADO DE LÍNGUAS MOTIVAÇÃO E DESMOTIVAÇÃO NO APRENDIZADO DE LÍNGUAS Prof. Dr. Richard Schütz www.sk.com.br Referência: SCHÜTZ, Ricardo. "Motivação e Desmotivação no Aprendizado de Línguas" English Made in Brazil .

Leia mais

A CAPES : quais ambições para a pesquisa em Letras e Linguística?

A CAPES : quais ambições para a pesquisa em Letras e Linguística? A CAPES : quais ambições para a pesquisa em Letras e Linguística? Universidade de São Paulo benjamin@usp.br Synergies-Brésil O Sr. foi o representante da Letras junto à CAPES. O Sr. poderia explicar qual

Leia mais

CIDADANIA: o que é isso?

CIDADANIA: o que é isso? CIDADANIA: o que é isso? Autora: RAFAELA DA COSTA GOMES Introdução A questão da cidadania no Brasil é um tema em permanente discussão, embora muitos autores discutam a respeito, entre eles: Ferreira (1993);

Leia mais

A língua inglesa a serviço da interação Uma experiência de uso prático de projetos pedagógicos no ensino de língua estrangeira

A língua inglesa a serviço da interação Uma experiência de uso prático de projetos pedagógicos no ensino de língua estrangeira A língua inglesa a serviço da interação Uma experiência de uso prático de projetos pedagógicos no ensino de língua estrangeira Quando falávamos em projetos nas cadeiras teóricas da faculdade não conseguia

Leia mais

A PRÁTICA DE MONITORIA PARA PROFESSORES EM FORMAÇÃO INICIAL DE LÍNGUA INGLESA DO PIBID

A PRÁTICA DE MONITORIA PARA PROFESSORES EM FORMAÇÃO INICIAL DE LÍNGUA INGLESA DO PIBID A PRÁTICA DE MONITORIA PARA PROFESSORES EM FORMAÇÃO INICIAL DE LÍNGUA INGLESA DO PIBID Victor Silva de ARAÚJO Universidade Estadual da Paraiba sr.victorsa@gmail.com INTRODUÇÃO A monitoria é uma modalidade

Leia mais

Carlos Fabiano de Souza IFF (carlosfabiano.teacher@gmail.com; carlos.souza@iff.edu.br) Mestrando em Estudos de Linguagem (UFF)

Carlos Fabiano de Souza IFF (carlosfabiano.teacher@gmail.com; carlos.souza@iff.edu.br) Mestrando em Estudos de Linguagem (UFF) RELAÇÕES DICOTÔMICAS NO ENSINO DE INGLÊS EM CURSOS DE IDIOMAS: as implicaturas da (de)formação do professor de línguas que atua nesse contexto de ensinoaprendizagem de língua estrangeira Carlos Fabiano

Leia mais

Analisando a construção e a interpretação de gráficos e tabelas por estudantes do Ensino Médio Regular e EJA

Analisando a construção e a interpretação de gráficos e tabelas por estudantes do Ensino Médio Regular e EJA Analisando a construção e a interpretação de gráficos e tabelas por estudantes do Ensino Fabiano Fialho Lôbo Universidade Federal de Pernambuco fabiano_lobo@yahoo.com.br Luciana Rufino de Alcântara Universidade

Leia mais

Perguntas Frequentes. Quem é o aluno da UFPI?

Perguntas Frequentes. Quem é o aluno da UFPI? Perguntas Frequentes Quem é o aluno da UFPI? É o indivíduo que está regularmente matriculado em uma disciplina ou curso ou, ainda, que já ingressou na UFPI, embora não esteja cursando nenhuma disciplina

Leia mais

1» A revolução educacional e a educação em valores 11

1» A revolução educacional e a educação em valores 11 Sumário Introdução 9 1» A revolução educacional e a educação em valores 11 Introdução 12 As causas da revolução educacional 12 O triplo desafio pedagógico 14 Da transmissão à educação 15 O que pretende

Leia mais

NOTÍCIA INSTITUCIONAL: IMAGEM INSTITUCIONAL

NOTÍCIA INSTITUCIONAL: IMAGEM INSTITUCIONAL NOTÍCIA INSTITUCIONAL: IMAGEM INSTITUCIONAL RESUMO Caroline Ferreira 1 O objetivo deste artigo é falar sobre Noticia institucional e o interesse cada vez maior das empresas em cuidar da sua imagem institucional.

Leia mais

CNS - ISERJ: RETRATOS DA RESISTÊNCIA DISCENTE. Palavras-chave: Curso Normal Superior (CNS), perfil, pretensões e motivações.

CNS - ISERJ: RETRATOS DA RESISTÊNCIA DISCENTE. Palavras-chave: Curso Normal Superior (CNS), perfil, pretensões e motivações. 24 CNS - ISERJ: RETRATOS DA RESISTÊNCIA DISCENTE Profª Ms Angela Maria Venturini Instituto Superior de Educação do Rio de Janeiro/ISERJ RESUMO O Curso Normal Superior (CNS) do Instituto Superior de Educação

Leia mais

DIPLOMACIA Introdução

DIPLOMACIA Introdução DIPLOMACIA Introdução Ao longo dos tempos, o pensamento político e o pensamento jurídico sempre foram o reflexo das relações entre os homens, os povos, os Estados e as Nações. Foram se operando constantemente

Leia mais

SEDUC SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DE MATO GROSSO ESCOLA ESTADUAL DOMINGOS BRIANTE ANA MARIA DO NASCIMENTO CAMPOS

SEDUC SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DE MATO GROSSO ESCOLA ESTADUAL DOMINGOS BRIANTE ANA MARIA DO NASCIMENTO CAMPOS SEDUC SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DE MATO GROSSO ESCOLA ESTADUAL DOMINGOS BRIANTE ANA MARIA DO NASCIMENTO CAMPOS A CHEGADA DOS PORTUGUESES A AMÉRICA E AS VIAGENS MARÍTIMAS Projeto apresentado e desenvolvido

Leia mais

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM CORRENTES DO PENSAMENTO DIDÁTICO 8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM Se você procurar no dicionário Aurélio, didática, encontrará o termo como feminino substantivado de didático.

Leia mais

O TRABALHO COM TEXTOS MULTIMODAIS COMO MOTIVAÇÃO PARA APRENDER LE: UM ESTUDO DE CASO NA REDE ESTADUAL PAULISTA

O TRABALHO COM TEXTOS MULTIMODAIS COMO MOTIVAÇÃO PARA APRENDER LE: UM ESTUDO DE CASO NA REDE ESTADUAL PAULISTA 03070 O TRABALHO COM TEXTOS MULTIMODAIS COMO MOTIVAÇÃO PARA APRENDER LE: UM ESTUDO DE CASO NA REDE ESTADUAL PAULISTA Resumo Autor: Marcelo Ganzela Martins de Castro Instituições: UNINOVE/Instituto Singularidades/E.

Leia mais

Faculdade Escola Paulista de Direito

Faculdade Escola Paulista de Direito REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE DIREITO São Paulo 2014 ESCOLA PAULISTA DE DIREITO REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE DIREITO ATIVIDADES COMPLEMENTARES As atividades

Leia mais

MÚLTIPLAS LEITURAS: CAMINHOS E POSSIBILIDADES

MÚLTIPLAS LEITURAS: CAMINHOS E POSSIBILIDADES MÚLTIPLAS LEITURAS: CAMINHOS E POSSIBILIDADES EDIT MARIA ALVES SIQUEIRA (UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA). Resumo Diferentes instrumentos de avaliação (ENEM, SIMAVE) tem diagnosticado o despreparo dos alunos

Leia mais

Conteúdo. Community College Perguntas e Respostas Página 1

Conteúdo. Community College Perguntas e Respostas Página 1 Conteúdo A educação superior nos Estados Unidos... 2 O que é um Community College?... 2 O que é considerado uma instituição de educação superior?... 2 O que quer dizer ser credenciada regionalmente?...

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO DE FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA (FIC)

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO DE FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA (FIC) PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO DE FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA (FIC) INGLÊS INTERMEDIÁRIO Florestal 2014 Reitora da Universidade Federal de Viçosa Nilda de Fátima Ferreira Soares Pró-Reitor de Ensino Vicente

Leia mais

FORMAÇÃO DE PROFESSORES QUE ENSINAM MATEMÁTICA

FORMAÇÃO DE PROFESSORES QUE ENSINAM MATEMÁTICA FORMAÇÃO DE PROFESSORES QUE ENSINAM MATEMÁTICA Fabiana de Jesus Oliveira União de Ensino do Sudoeste do Paraná fabiana@unisep.edu.br Diversas são as pesquisas que têm mostrado que o ensino encontra-se

Leia mais

CHAMADA PÚBLICA - FUNDAÇÃO CEPRO Seleção de Artigos Científicos da 27ª Edição da CARTA CEPRO 2015

CHAMADA PÚBLICA - FUNDAÇÃO CEPRO Seleção de Artigos Científicos da 27ª Edição da CARTA CEPRO 2015 CHAMADA PÚBLICA - FUNDAÇÃO CEPRO Seleção de Artigos Científicos da 27ª Edição da CARTA CEPRO 2015 A Fundação Centro de Pesquisas Econômicas e Sociais do Piauí CEPRO, instituição de caráter técnico-científico,

Leia mais

EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA

EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA Autores: FIGUEIREDO 1, Maria do Amparo Caetano de LIMA 2, Luana Rodrigues de LIMA 3, Thalita Silva Centro de Educação/

Leia mais

A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL. Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes

A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL. Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes FACULDADE ALFREDO NASSER INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO III PESQUISAR

Leia mais

A CRIANÇA NA PUBLICIDADE

A CRIANÇA NA PUBLICIDADE A CRIANÇA NA PUBLICIDADE Entrevista com Fábio Basso Montanari Ele estuda na ECA/USP e deu uma entrevista para e seu grupo de colegas para a disciplina Psicologia da Comunicação, sobre sua história de vida

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID DETALHAMENTO DO SUBPROJETO 1. Unidade: 2. Área do Subprojeto: Dourados 3. Curso(s) envolvido(s) na proposta: Letras - Inglês Obs.: Para proposta

Leia mais

Curso: Letras Português ( 1 ª Licenciatura) II Bloco

Curso: Letras Português ( 1 ª Licenciatura) II Bloco Curso: Letras Português ( 1 ª Licenciatura) I Bloco Filosofia da Educação 60 horas Metodologia Científica 60 horas Iniciação à Leitura e Produção de Textos Acadêmicos 60 horas Introdução à filosofia e

Leia mais

REGULAMENTO 2ª BBR CONFERENCE 2014

REGULAMENTO 2ª BBR CONFERENCE 2014 1. Dados gerais: Sobre a BBR Conference: REGULAMENTO 2ª BBR CONFERENCE 2014 Nos dias 10, 11 e 12 de dezembro de 2014, a FUCAPE Business School sediará a 2ª Brazilian Business Review Conference (BBR Conference),

Leia mais

Autovaliação em Práticas de Linguagem: uma reflexão sobre o planejamento de textos

Autovaliação em Práticas de Linguagem: uma reflexão sobre o planejamento de textos Autovaliação em Práticas de Linguagem: uma reflexão sobre o planejamento de textos Luna Abrano Bocchi Laís Oliveira O estudante autônomo é aquele que sabe em que direção deve avançar, que tem ou está em

Leia mais

No modo de produção escravista os trabalhadores recebiam salários muito baixos.

No modo de produção escravista os trabalhadores recebiam salários muito baixos. Atividade extra Fascículo 2 Sociologia Unidade 3 Questão 1 Leia com atenção o texto de Paul Lovejoy sobre escravidão: Enquanto propriedade, os escravos eram bens móveis: o que significa dizer que eles

Leia mais

Resgate histórico do processo de construção da Educação Profissional integrada ao Ensino Médio na modalidade de Educação de Jovens e Adultos (PROEJA)

Resgate histórico do processo de construção da Educação Profissional integrada ao Ensino Médio na modalidade de Educação de Jovens e Adultos (PROEJA) Resgate histórico do processo de construção da Educação Profissional integrada ao Ensino Médio na modalidade de Educação de Jovens e Adultos (PROEJA) Mário Lopes Amorim 1 Roberto Antonio Deitos 2 O presente

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO MATRIZ CURRICULAR Curso: Graduação: Habilitação: Regime: Duração: PEDAGOGIA LICENCIATURA FORMAÇÃO PARA O MAGISTÉRIO EM EDUCAÇÃO INFANTIL SERIADO ANUAL - NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização:

Leia mais

2 O ensino da língua inglesa no Brasil

2 O ensino da língua inglesa no Brasil Cap. 2 O ensino da língua inglesa no Brasil 19 2 O ensino da língua inglesa no Brasil 2.1. Breve história do ensino de inglês no Brasil O relacionamento entre Brasil e Inglaterra é tão antigo que se pode

Leia mais

Não adianta falar inglês sem fazer sentido. 1

Não adianta falar inglês sem fazer sentido. 1 Não adianta falar inglês sem fazer sentido. 1 BOGUSZEWSKI, Luiza. 2 SCHETTERT, Gabriela Antunes. 3 MENEZES, Sérgio. 4 Universidade Positivo, Curitiba, PR. 2013 RESUMO Com a disseminação da cultura norte-americana

Leia mais

BRASIL ARTE CONTEMPORÂNEA. Programa Setorial Integrado de Promoção às Exportações da Arte Contemporânea Brasileira.

BRASIL ARTE CONTEMPORÂNEA. Programa Setorial Integrado de Promoção às Exportações da Arte Contemporânea Brasileira. 1 PROJETO SETORIAL INTEGRADO BRASIL ARTE CONTEMPORÂNEA Programa Setorial Integrado de Promoção às Exportações da Arte Contemporânea Brasileira. 2 Introdução O Ministério da Cultura, sugeriu a Fundação

Leia mais

Sessão 3: Envolvendo empregadores e sindicatos

Sessão 3: Envolvendo empregadores e sindicatos Sessão 3: Envolvendo empregadores e sindicatos Senhor Ministro Chris Alexander, Senhoras e senhores, Primeiramente, gostaria cumprimentar a Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE)

Leia mais

LICENCIATURA EM HISTÓRIA. fgv.br/vestibular

LICENCIATURA EM HISTÓRIA. fgv.br/vestibular LICENCIATURA EM HISTÓRIA fgv.br/vestibular IDEALISMO, EXCELÊNCIA E CREDIBILIDADE A Fundação Getulio Vargas surgiu em 20 de dezembro de 1944 com o objetivo de preparar profissionais qualificados em Administração

Leia mais

REGULAMENTO 2ª BBR CONFERENCE 2014

REGULAMENTO 2ª BBR CONFERENCE 2014 REGULAMENTO 2ª BBR CONFERENCE 2014 1. Dados gerais do evento: Sobre a BBR Conference: Nos dias 10, 11 e 12 de dezembro de 2014, a FUCAPE Business School sediará a 2ª Brazilian Business Review Conference

Leia mais

GUIA DE IMPLEMENTAÇÃO DO CURRICULO ANO 2 - APROFUNDAMENTO

GUIA DE IMPLEMENTAÇÃO DO CURRICULO ANO 2 - APROFUNDAMENTO ESTRUTURA GERAL DOS ROTEIROS DE ESTUDOS QUINZENAL Os roteiros de estudos, cujo foco está destacado nas palavras chaves, estão organizados em três momentos distintos: 1º MOMENTO - FUNDAMENTOS TEÓRICOS -

Leia mais

MATRIZES CURRICULARES MUNICIPAIS PARA A EDUCAÇÃO BÁSICA - MATEMÁTICA: UMA CONSTRUÇÃO COLETIVA EM MOGI DAS CRUZES

MATRIZES CURRICULARES MUNICIPAIS PARA A EDUCAÇÃO BÁSICA - MATEMÁTICA: UMA CONSTRUÇÃO COLETIVA EM MOGI DAS CRUZES MATRIZES CURRICULARES MUNICIPAIS PARA A EDUCAÇÃO BÁSICA - MATEMÁTICA: UMA CONSTRUÇÃO COLETIVA EM MOGI DAS CRUZES Marcia Regiane Miranda Secretaria Municipal de Educação de Mogi das Cruzes marcia.sme@pmmc.com.br

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA PIBID ESPANHOL

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA PIBID ESPANHOL PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA PIBID ESPANHOL A língua espanhola na Educação Básica A implantação da língua espanhola por meio da lei federal 11.161, que diz respeito à sua oferta

Leia mais

Conheça a trajetória da empresa no Brasil através desta entrevista com o Vice- Presidente, Li Xiaotao.

Conheça a trajetória da empresa no Brasil através desta entrevista com o Vice- Presidente, Li Xiaotao. QUEM É A HUAWEI A Huawei atua no Brasil, desde 1999, através de parcerias estabelecidas com as principais operadoras de telefonia móvel e fixa no país e é líder no mercado de banda larga fixa e móvel.

Leia mais

Mapa da Educação Financeira no Brasil

Mapa da Educação Financeira no Brasil Mapa da Educação Financeira no Brasil Uma análise das iniciativas existentes e as oportunidades para disseminar o tema em todo o País Em 2010, quando a educação financeira adquire no Brasil status de política

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DO ENSINO SUPERIOR: PERIÓDICOS NACIONAIS 1982-2000

ADMINISTRAÇÃO DO ENSINO SUPERIOR: PERIÓDICOS NACIONAIS 1982-2000 ADMINISTRAÇÃO DO ENSINO SUPERIOR: PERIÓDICOS NACIONAIS 1982-2000 Marta Luz Sisson de Castro PUCRS O Banco de Dados Produção do conhecimento na área de Administração da Educação: Periódicos Nacionais 1982-2000

Leia mais

informações em documentos.

informações em documentos. C O L É G I O L A S A L L E EducaçãoInfantil, Ensino Fundamental e Médio Rua Guarani, 2000- Fone (045) 3252-1336 - Fax (045) 3379-5822 http://www.lasalle.edu.br/toledo/ DISCIPLINA: PROFESSOR(A): E-MAIL:

Leia mais

EXPLORANDO O ÍNDICE DE MASSA CORPORAL POR MEIO DA MODELAGEM MATEMÁTICA

EXPLORANDO O ÍNDICE DE MASSA CORPORAL POR MEIO DA MODELAGEM MATEMÁTICA ISSN 2177-9139 EXPLORANDO O ÍNDICE DE MASSA CORPORAL POR MEIO DA MODELAGEM MATEMÁTICA. Caroline Conrado Pereira 1 caroline_conrado@ymail.com Centro Universitário Franciscano, Rua Silva Jardim, 1175 Santa

Leia mais

6. Considerações finais

6. Considerações finais 84 6. Considerações finais Nesta dissertação, encontram-se registros de mudanças sociais que influenciaram as vidas de homens e mulheres a partir da chegada das novas tecnologias. Partiu-se da Revolução

Leia mais

Exerc ícios de Revisão Aluno(a): Nº:

Exerc ícios de Revisão Aluno(a): Nº: Exerc íciosde Revisão Aluno(a): Nº: Disciplina:HistóriadoBrasil Prof(a).:Cidney Data: deagostode2009 2ªSériedoEnsinoMédio Turma: Unidade:Nilópolis 01. QuerPortugallivreser, EmferrosqueroBrasil; promoveaguerracivil,

Leia mais

A realidade dos alunos trazida para a sala de aula. Ao ser perguntado Que possibilidade(s) de escrita(s) os seus alunos

A realidade dos alunos trazida para a sala de aula. Ao ser perguntado Que possibilidade(s) de escrita(s) os seus alunos INTERAÇÕES EM SALA DE AULA Autor: CARDON, Felipe Raskin Felipe Raskin Cardon 1 Resumo: Neste Estudo Piloto, relacionar-se-ão algumas citações do artigo A construção social da linguagem escrita na criança,

Leia mais

Planejamento didático para o ensino de Surdos na perspectiva bilíngue. Vinicius Martins Flores Universidade Luterana do Brasil ULBRA

Planejamento didático para o ensino de Surdos na perspectiva bilíngue. Vinicius Martins Flores Universidade Luterana do Brasil ULBRA Planejamento didático para o ensino de Surdos na perspectiva bilíngue. Vinicius Martins Flores Universidade Luterana do Brasil ULBRA Resumo: O presente trabalho apresenta uma análise, que se originou a

Leia mais

CURSOS INGLÊS RÁPIDO Liberdade de Escolha

CURSOS INGLÊS RÁPIDO Liberdade de Escolha 1 Nossos cursos são dirigidos a adolescentes, jovens e adultos que querem aprender inglês de forma rápida e eficiente. Pessoas que já tentaram estudar inglês e tiveram dificuldades vão se surpreender com

Leia mais

Inglesar.com.br Aprender Inglês Sem Estudar Gramática

Inglesar.com.br Aprender Inglês Sem Estudar Gramática 1 Sumário Introdução...04 O segredo Revelado...04 Outra maneira de estudar Inglês...05 Parte 1...06 Parte 2...07 Parte 3...08 Por que NÃO estudar Gramática...09 Aprender Gramática Aprender Inglês...09

Leia mais