USJ CENTRO UNIVERSITÁRIO MUNICIPAL DE SÃO JOSÉ JULIANO CARDOSO DE LIMA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "USJ CENTRO UNIVERSITÁRIO MUNICIPAL DE SÃO JOSÉ JULIANO CARDOSO DE LIMA"

Transcrição

1 USJ CENTRO UNIVERSITÁRIO MUNICIPAL DE SÃO JOSÉ JULIANO CARDOSO DE LIMA LOGÍSTICA NO SETOR PÚBLICO: ÁNALISE DA ESTRUTURA LOGÍSTICA DE MANUSEIO NA DIVISÃO DE RECURSOS MATERIAIS E PATRIMONIAIS DA SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE DE FLORIANÓPOLIS. SÃO JOSÉ 2010

2 JULIANO CARDOSO DE LIMA LOGÍSTICA NO SETOR PÚBLICO: ÁNALISE DA ESTRUTURA LOGÍSTICA DE MANUSEIO NA DIVISÃO DE RECURSOS MATERIAIS E PATRIMONIAIS DA SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE DE FLORIANÓPOLIS. Trabalho de Conclusão de Curso apresentado ao Curso de Administração do Centro Universitário Municipal de São José - USJ, como requisito para obtenção do Título de Bacharel em Administração. Professor (a) Orientador (a): Lissandro Wilhelm SÃO JOSÉ 2010

3 2 LOGÍSTICA NO SETOR PÚBLICO: ÁNALISE DA ESTRUTURA LOGÍSTICA DE MANUSEIO NA DIVISÃO DE RECURSOS MATERIAIS E PATRIMONIAIS DA SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE DE FLORIANÓPOLIS. Por JULIANO CARDOSO DE LIMA Trabalho de Conclusão de Curso apresentado ao Curso de Administração do Centro Universitário Municipal de São José - USJ, como requisito para obtenção do Título de Bacharel em Administração, aprovado pela banca examinadora formada por: Presidente: Prof., MS: Lissandro Wilhelm - Orientador, USJ Membro: Prof., MS: Luciana Costa, USJ Membro: Prof., MS: Fabiana Witt, USJ São José, 17 de junho de 2010.

4 3 Dedico este trabalho a minha esposa Andreza, minha amada filha Rafaela, meus pais, professores e amigos.

5 4 AGRADECIMENTOS A Deus porque sem ele nada nem ninguém somos; Aos meus familiares pelo amor e apoio incondicional de sempre; Aos colegas pelo companheirismo a mim dispensado; Aos professores e mestres pela excelência no ensino.

6 5 RESUMO Este trabalho teve como principal objetivo analisar a adequação da estocagem e movimentação de materiais na Secretaria Municipal de Saúde de Florianópolis, identificar possíveis falhas no processo de movimentação e armazenagem dos materiais, descrever o sistema de estocagem e movimentação, e propor possíveis melhorias nos processos. Os dados foram coletados na própria organização, por meio de entrevista realizada com o chefe do setor. O delineamento deste trabalho foi feito por meio de pesquisa bibliográfica e estudo de caso. Foram identificados problemas e algumas divergências em comparação com a literatura do assunto em relação ao layout de armazenagem, espaço físico, e movimentação de materiais. Foram feitas propostas de melhoria para os itens que apresentaram maiores problemas. Palavras-Chave: Adequação de armazenagem de materiais; movimentação de materiais, logística no setor público;

7 6 ABSTRACT This study aimed to examine the adequacy of storage and materials handling within the Municipal Health Florianópolis, identify potential gaps in the process of moving and storing materials, describe the system of storage and handling, and propose possible improvements in processes. Data were collected on the organization itself, through an interview with the head of the sector. The outline of this work was done by means of literature and case study. Problems were identified and some differences in comparison with the literature of the subject in relation to the layout of the storage space, and material handling. Proposals were made for improvement for the items that had greater problems. Keywords: Adequacy of storage materials, materials handling, logistics public sector;

8 7 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO TEMA E PROBLEMA OBJETIVO GERAL E ESPECÍFICO Objetivo Geral Objetivos específicos JUSTIFICATIVA FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA LOGÍSTICA A LOGÍSTICA NO SETOR PÚBLICO O ALMOXARIFADO E SUA IMPORTÂNCIA NA LOGÍSTICA ARMAZENAGEM DE MATERIAIS PRINCÍPIOS DE ESTOCAGEM DE MATERIAIS NORMAS DE ESTOCAGEM TÉCNICAS DE ESTOCAGEM (ARMAZENAGEM) ANÁLISE DE ALMOXARIFADO LOCALIZAÇÃO DE MATERIAIS O LAYOUT DE ARMAZENAGEM CLASSIFICAÇÃO E CODIFICAÇÃO DE MATERIAIS INVENTÁRIO FÍSICO MOVIMENTAÇÃO DE MATERIAIS RECEBIMENTO DE MERCADORIAS SAÍDA DE MERCADORIAS PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS CARACTERIZAÇÃO DA ORGANIZAÇÃO HISTÓRICO DA ORGANIZAÇÃO DESCRIÇÃO DO FUNCIONAMENTO DO DEPARTAMENTO DE RECURSOS MATERIAIS DA SMS DESCRIÇÃO DO RECEBIMENTO DE MATERIAIS DESCRIÇÃO DA SAÍDA DE MATERIAIS DESCRIÇÃO DO SISTEMA DE ARMAZENAGEM ATUAL DA SMS DESCRIÇÃO DO ATUAL SISTEMA DE MOVIMENTAÇÃO DE MATERIAIS...41

9 8 8. COMPARAÇÃO ENTRE A ATUAL FORMA DE TRABALHO NO ALMOXARIFADO DA SMS COM O PROPOSTO PELA LITERATURA E IDENTIFICAÇÃO DE POSSÍVEIS FALHAS NO PROCESSO ANÁLISE DA COMPARAÇÃO ENTRE O FUNCIONAMENTO DO ALMOXARIFADO DA SMS COM O QUE ORIENTA A LITERATURA PROPOSTAS PARA POSSÍVEIS MELHORIAS CONSIDERAÇÕES FINAIS...51 REFERÊNCIAS...52 APÊNDICE...53 ANEXOS...57

10 9 1. INTRODUÇÃO Atualmente, a administração de materiais é uma das atividades de gestão mais importante para as empresas. A manutenção da competitividade depende diretamente da forma que os materiais são geridos, os quais devem possuir níveis compatíveis com suas demandas como também as compras necessitam ser cada vez mais ágeis, para que possam atender as necessidades de renovação dos estoques (COSTA, 2002). No setor público, assim como na iniciativa privada, trabalha-se com o objetivo de maximizar a agilidade dos processos com o menor custo possível, afim de que, não extrapole o orçamento do atual exercício, não admitindo assim perdas ou desperdícios. Podemos comparar a atividade logística a um grande quebra cabeça, onde todas as peças se encaixam conforme forem colocadas, porém o resultado obtido dependerá da forma que as mesmas estejam dispostas, pois se algumas poucas peças forem colocadas em local indevido, todo o resultado ficará comprometido, por outro lado, se forem colocadas corretamente, os benefícios serão excelentes. O fluxo de movimentação de materiais dentro das empresas é uma questão que pode ser considerada como um fator de diferencial competitivo, quando bem administrado, podendo reduzir custos de processo e gerar ganhos de produtividade dentro de um processo de manufatura enxuta, os manuseios desnecessários de produtos geram perda de tempo, qualidade e produtividade (MENDONÇA, 2002). 1.1 TEMA E PROBLEMA Como tema deste trabalho será realizado um estudo sobre as operações logísticas com ênfase na análise da sistemática de estocagem e movimentação de produtos acabados do departamento de recursos materiais e patrimoniais da Secretaria Municipal de Saúde de Florianópolis, considerando as inovações tecnológicas disponíveis, de forma a obtermos redução de custos, aumento na agilidade e qualidade dos serviços realizados pelo departamento. A presente pesquisa busca responder ao seguinte problema: A atual forma de armazenagem e movimentação de materiais implantada pela divisão de recursos materiais está sendo o modo mais eficaz e menos oneroso para os cofres públicos?

11 OBJETIVO GERAL E ESPECÍFICO Objetivo Geral O objetivo deste trabalho é analisar a adequação da estocagem e movimentação de materiais na Secretaria Municipal de Saúde de Florianópolis Objetivos específicos Descrever o sistema de estocagem e movimentação de materiais do Departamento de Recursos Materiais e patrimoniais da Secretaria Municipal de Saúde de Florianópolis. Identificar possíveis falhas no processo de movimentação e armazenagem dos materiais. Verificar a existência de atrasos ao atendimento de requisições de materiais, e localizar o agente gerador deste atraso. Propor possíveis melhorias nos processos de estocagem e movimentação de materiais. 1.2 JUSTIFICATIVA Uma das mais importantes funções da administração de materiais é o controle dos níveis de estoque, portanto, uma gestão adequada é de suma importância, visto que afeta de maneira bem definida o resultado financeiro da empresa. Os materiais que compõem o estoque da divisão de recursos materiais e patrimoniais da secretaria de saúde são: materiais de enfermagem, odontológicos, farmacêuticos, informática, impressos, de expediente, instrumentais-odontológicos, rouparia e higiene e coparia. A agilidade nos processos de movimentação de materiais é fator decisivo para um bom funcionamento de todo sistema de atendimento nas unidades de saúde de Florianópolis, uma vez que, sem uma estrutura logística bem implantada, possivelmente acarretaria a falta de alguns materiais de extrema importância para o atendimento a pacientes de toda a rede de saúde e conseqüentemente, prejuízos a toda população.

12 2. FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA Com o objetivo de tornar disponíveis produtos e serviços certos no local onde são necessários, no momento em que são desejados e na quantidade desejada, é difícil imaginar qualquer atividade de produção ou de marketing sem o apoio logístico. A implementação das melhores práticas logísticas tornou-se uma das áreas operacionais mais desafiadoras e interessantes da administração nos setores privado e público (BOWERSOX e CLOSS, 2001) A Administração de Materiais tecnicamente bem aparelhada é, sem dúvida, uma das condições fundamentais para o equilíbrio econômico e financeiro de uma empresa. (FRANCISSH & GURGEL, 2002). Pode-se conceituar a Administração de Materiais como a atividade que planeja, executa e controla, nas condições mais eficientes e econômicas, o fluxo de material, partindo das especificações dos artigos e compras até a entrega do produto terminado para o cliente (FRANCISCHINI & GURGEL, 2002). E ainda, de acordo com Gonçalves (2004, p.2) a administração de materiais tomou grande impulso a partir do momento em que a logística se estendeu muito além das fronteiras das empresas, tendo como principal objetivo atender às necessidades e expectativas dos clientes, No formato tradicional, a administração de materiais tem o objetivo de conciliar os interesses entre as necessidades de suprimentos e a otimização dos recursos financeiros e operacionais das empresas. Essa evolução da Administração de Materiais ao longo dessas fases produtivas baseou-se principalmente, pela necessidade de produzir mais, com custos mais baixos. Atualmente a Administração de Materiais tem como função principal o controle de produtos e estoque, como também a distribuição dos mesmos. 2.1 LOGÍSTICA A logística empresarial trata de todas as atividades de movimentação e armazenagem que facilitam o fluxo de produtos desde o ponto de aquisição da matéria prima até o ponto de consumo final, assim como dos fluxos de informação que colocam os produtos em movimento, com o propósito de providenciar níveis de serviço adequados aos clientes a um custo razoável (POZO, 2008).

13 12 Para implantar melhoramentos na estrutura industrial é necessário dinamizar o sistema logístico, que engloba o suprimento de materiais e componentes, a movimentação e o controle de produtos finais, até a colocação do produto acabado no consumidor (DIAS 1990 p.15). Os administradores estão reconhecendo, a necessidade de se estabelecer um conceito bem definido de logística, pois começam a entender melhor o fluxo contínuo de materiais, as relações tempo-estoque na produção e distribuição e os aspectos relativos ao fluxo de caixa no controle de materiais. Além disso, os administradores também estão reconhecendo que devem coordenar suprimentos, produção, embalagem, armazenar, transporte, comercialização e finanças em uma atividade de controle global, capaz de apoiar firmemente cada fase do sistema com um máximo de eficiência e um mínimo de capital empatado (DIAS, 1990). Ainda de acordo com o mesmo autor, a logística compõe-se de dois subsistemas de atividades: administração de materiais e a distribuição física, cada qual envolvendo o controle da movimentação e a coordenação demanda-suprimento. De forma resumida, segundo Dias (1990) podem ser incluídas entre atividades logísticas as seguintes: Compras Programação de entregas Transportes Controle de estoque de matérias-primas Controle de estoque de componentes Armazenagem de matérias primas Armazenagem de componentes Planejamento, programação e controle da produção Previsão da necessidade de materiais Controle de estoque nos centros de distribuição Planejamento dos centros de distribuição Planejamento de atendimento aos clientes Existe um crescente interesse pela administração logística no Brasil, e como afirma Dias, (1996, pag. 17), esse interesse pode ser explicado por seis razões principais:

14 13 1 Rápido crescimento dos custos, particularmente dos relativos aos serviços de transporte e armazenagem; 2 Desenvolvimento de técnicas matemáticas e de equipamento de computação capazes de tratar eficientemente a massa de dados normalmente necessária para a analise de um problema logístico; 3 Complexidade crescente da administração de materiais e da distribuição física, tornando necessários sistemas mais complexos; 4 Disponibilidade de maior gama de serviços logísticos; 5 Mudanças de mercado e de canais de distribuição, especialmente para bens de consumo; 6 Tendência de os varejistas e atacadistas transferirem as responsabilidades de administração dos estoques para os fabricantes. De acordo com o mesmo autor os custos representam parte importante no processo de decisão na administração logística. A importância relativa desses custos dependerá das características físicas do produto e de como as políticas administrativas da empresa consideram a logística com relação a outras categorias de custo e objetivos, dependerá da localização, dos recursos da empresa em relação a fontes de suprimento e mercados e do papel que a empresa pode desempenhar em um sistema logístico. O aspecto que constitui a base para qualquer sistema de gerenciamento de materiais é a precisão dos dados ou qualidade das informações processadas (DIAS 1990). Há uma série de técnicas disponíveis para gerenciar os estoques, cada uma delas aplicável ao estágio em que a empresa se encontre; mas uma preocupação que deve estar sempre presente em qualquer situação é, sem duvida, precisão das informações, as quais podem afetar a operação da companhia em níveis de eficiência adequados. Dias, (1990, pag.26) enumera os maiores problemas relativos à impressão que podem ser: 1. Má localização dos estoques 2. Armazenamento inadequado 3. Erros de calculo nos relatórios de entrada e saída de materiais 4. Erros gerados no recebimento 5. Esquecimento e atraso na emissão de documentos de documentos relativos à entrada e saída de material. 6. Procedimentos de contagem física inadequados. Para cada um desses fatores e outros, para cada empresa em particular, os critérios para o gerenciamento e controle que serão desenvolvidos, devem ser levados na devida conta. As empresas dentro de um moderno enfoque logístico de gerenciamento de materiais podem estar estruturadas conforme Dias (1990) de acordo com a figura abaixo.

15 14 Gerente geral Materiais Financeiro Produção Comercial Compras Distribuição P.C.P. Controle de estoques Figura 1 sistema logístico de gerenciamento de materiais. Fonte: Dias (1990, p.25). Poderíamos considerar que a estrutura do organograma acima é um gerenciamento integrado. Existem também organizações em que encontraremos uma gerência de materiais orientada para o suprimento, para distribuição ou para a produção. É bem comum encontrarmos no setor de controle de estoques, como responsabilidade e atuação, dentro do P.C.P. (Planejamento e Controle da Produção). De acordo com Dias (1990) o manuseio ou a movimentação interna de produtos e materiais significa transportar pequenas quantidades de bens por distâncias relativamente pequenas, quando comparadas com as distâncias na movimentação de longo curso executadas pelas companhias transportadoras. É atividade executada em depósitos, fábricas, e lojas, assim como no transbordo entre tipos de transporte. Seu interesse concentra-se na movimentação rápida e de baixo custo das mercadorias (o transporte não agrega valor e é um item importante na redução de custos). Métodos e equipamentos de movimentação interna ineficientes podem acarretar altos custos para a empresa, devido ao fato de que a atividade de manuseio deve ser repetida muitas vezes e envolve a segurança e integridade dos produtos. Conforme menciona Ballou (2001) a administração de materiais tem uma preocupação constante em procurar medidas para minimizar os custos da empresa. Sua importância para a sobrevivência no mercado é notória. Com a crescente globalização, é preciso que as empresas se preocupem em se modernizar, diminuir custo, e produzir com o máximo de eficiência e eficácia. A movimentação de materiais adiciona valor de local e tempo aos produtos, por tornálos disponíveis quando e onde se fizerem necessários e estão associadas as seguintes atividades

16 15 (BALLOU, 2001): recebimento (descarga), identificação e classificação, conferência (qualitativa e quantitativa), endereçamento para o estoque, estocagem, remoção do estoque (separação de pedidos), acumulação de itens, embalagem, expedição e registro das operações. Conseqüentemente, torna-se necessário buscar sempre sistemas de armazenagem que produzam eficiência no abastecimento da produção ao menor custo. A função logística compreende um conjunto grande de atividades que são executadas por diversos agentes ao longo da cadeia completa de conversão da matéria-prima em produtos finais para os clientes. Essas atividades são executadas em locais diferentes, em tempos diversos, o que aumenta muito a complexidade de sua gestão. No tópico seguinte faremos uma abordagem da logística no setor público, seu funcionamento, os problemas enfrentados pela administração pública do setor e o que está sendo feito para a melhoria dos processos logísticos. 2.2 A LOGÍSTICA NO SETOR PÚBLICO A administração pública vivencia momentos de profundas transformações através das políticas estaduais e federais de modernização da Gestão Pública. Contudo, os problemas decorrentes do longo período de atraso não são tão simples de serem sanados. Para Bresser (1998) essa evolução ainda é instável e ineficaz, devido à falta de cultura gerencial dentro dos órgãos públicos. A Logística, portanto, está inserida nessa realidade. Segundo Ortolani (2003), os problemas mais tradicionais encontrados na Logística do Setor Público são: falta de nível de serviço (não conseguem enxergar o funcionário como um cliente), falta de agilidade de picking (separação e preparação de pedidos), visão segregada entre etapas de compra estocagem, problemas operacionais de armazenagem, ausência de cultura gerencial para resultados, dentre outros. Para os órgãos públicos é comum verificar que muitas operações logísticas possuem natureza predominantemente empírica, cujas ações rotineiras e estratégicas são realizadas sem um estudo prévio de trade-off (se refere, geralmente, a perder uma qualidade ou aspecto de algo, mas ganhando em troca outra qualidade ou aspecto). Isso implica que uma decisão seja feita com completa compreensão tanto do lado bom, quanto do lado ruim de uma escolha em particular e conhecimento técnico. Daí o motivo da existência de inúmeros gargalos na Logística dessas instituições. (World Bank: 1994), pode-se entender a logística pública, Segundo o Banco Mundial, de forma geral,

17 16 como a composição de setores com características de economias de escala e externalidades positivas. O mesmo autor afirma ainda que, na tentativa desta caracterização mais clara, divide-se a infra-estrutura em três partes: a) energia elétrica, telecomunicações, serviços de água e esgoto e coleta de lixo; b) rodovias e sistemas de irrigação e drenagem; e c) sistemas de transporte: portos, serviços de transporte ferroviário urbano e interurbano, transporte rodoviário urbano, hidrovias e aeroportos. Pego Filho et al. (1999) destacam que a logística púbica enquadra-se bem nas situações que justificam a intervenção do Estado. Os setores econômicos que a compõem podem ser mais racionais em situações de alta escala de produção, às vezes monopólios, como energia, ou com dificuldade de não-exclusão do consumo, como no caso dos sistemas de transporte. As atividades econômicas são impactadas pela logística pública aos níveis dos custos e da qualidade dos serviços. Para Sousa (2002), os gastos públicos em infra-estrutura são um dos principais fatores explicativos da localização da indústria brasileira nos anos 1970 e 1980, à frente de outros indicadores convencionais, tais como potencial de mercado, subsídios e níveis educacionais. Este poder de atração gera, em nível das regiões, desequilíbrios que podem ser interpretados também numa perspectiva histórica a partir de uma relação complexa entre as primeiras atividades econômicas e as interações com as demanda de logística pública nacional. No próximo tópico, falaremos sobre o almoxarifado e sua importância na logística, e explicaremos como se procede este processo. 2.3 O ALMOXARIFADO E SUA IMPORTÂNCIA NA LOGÍSTICA O almoxarifado é, sem dúvida, um motor para qualquer organização, pois é nele que estão armazenados os materiais que sustentam o funcionamento destas. Segundo Viana (2002), depositar materiais no almoxarifado é o mesmo que depositar dinheiro em banco. Sendo assim, o almoxarifado deve possuir condições para assegurar que o material adequado, na quantidade devida, estará no local certo, quando necessário, por meio de armazenagem de materiais, de acordo com as normas adequadas, objetivando resguardar, além de preservar a qualidade e as exatas quantidades. Mas, para que o almoxarifado seja eficaz dentro do Canal de Distribuição, ele necessita primeiro atingir sua eficiência interna. De acordo com Viana (2002, p.135), isso depende fundamentalmente de:

18 17 Realização de cargas e descargas de veículos mais rápidas; Agilidade dos fluxos internos, tanto de materiais quanto de informação; Melhor utilização de sua capacidade volumétrica; Acesso fácil a todos os itens (grau de seletividade); Máxima proteção aos itens estocados; Maior otimização do layout para reduzir distâncias e perdas de espaço; O mesmo autor afirma ainda que na busca dessa eficiência interna, é importante que se analise se o atual arranjo físico do armazém não está operando como um gargalo, bem como verificar se os recursos disponíveis (mão-de-obra e equipamentos de movimentação) são suficientes para um atendimento rápido e eficiente das operações logísticas. No capítulo seguinte, veremos um pouco mais sobre armazenagem de materiais, layout de armazenagem e sua importância para a eficiência do processo produtivo. 2.4 ARMAZENAGEM DE MATERIAIS O almoxarifado está diretamente ligado à movimentação ou transporte interno de cargas, e não se pode separá-lo (DIAS, 1990). Ainda, Dias (1990) afirma que a influência dos equipamentos e sistemas para a armazenagem na produtividade industrial pode ser observada em todas suas frentes. Um método adequado para estocar matéria-prima, peças em processamento e produtos acabados permite diminuir os custos de operação, melhoram a qualidade dos produtos e aceleram os ritmos dos trabalhos. Além disso, provoca diminuição nos acidentes de trabalho, redução no desgaste dos demais equipamentos de movimentação e menor número de problemas de administração. A eficiência de um sistema para estocagem de cargas e o capital necessário dependem da escolha adequada do sistema. Não há para isso uma fórmula pré-fabricada: o sistema de almoxarifado deve ser adaptado às condições específicas de armazenagem e da organização. De acordo com Dias (1990) um layout de armazenagem leva em conta as exigências de estocagem de curto e longo prazo. Parte-se de um conhecimento bastante aproximado de tendências do material estocado e das eventuais flutuações de demanda, informações sem as quais um layout de armazenagem se torna simples previsão sem base. Segundo o mesmo autor, para que gerentes de materiais tenham uma base que permita localizar, dimensionar e equipar adequadamente os diversos locais de estocagem, deve-se obter dentro de um depósito da empresa uma série de informações: lotes de compras, lotes econômicos, períodos de pedido, razões de utilização dos diversos materiais empregados nas

19 18 atividades fabris, de manutenção, e em alguns casos, até administrativas que são as diretrizes básicas para um layout de armazenagem perfeito. Há algum tempo, o conceito de ocupação física se concentrava mais na área do que na altura. Em geral, o espaço destinado à armazenagem era sempre relegado ao local menos adequado. Com o passar do tempo, o mau aproveitamento do espaço tornou-se um comportamento antieconômico. Não era mais suficiente apenas guardar a mercadoria com o maior cuidado possível (DIAS, 1990). Racionalizar a altura ocupada foi a solução encontrada para reduzir o espaço e guardar maior quantidade de material. A armazenagem dos materiais assumiu, então, uma grande importância na obtenção de maiores lucros. Independente de como foi embalado o material, ou de como foi movimentado, a etapa posterior é a armazenagem. O mesmo autor salienta que, os termos "armazenagem" e "estocagem" são freqüentemente usados para identificar coisas semelhantes. Mas, alguns preferem distinguir os dois, referindo-se à guarda de produtos acabados como "armazenagem" e à guarda de matériasprimas como "estocagem". A armazenagem aparece como uma das funções que se agrega ao sistema logístico, pois na área de suprimento é necessário adotar um sistema de armazenagem racional de matérias-primas e insumos. No processo de produção, são gerados estoques de produtos em processo, e, na distribuição, a necessidade de armazenagem de produto acabado é, talvez, a mais complexa em termos logísticos, por exigir grande velocidade na operação e flexibilidade para atender às exigências e flutuações do mercado. 2.5 PRINCÍPIOS DE ESTOCAGEM DE MATERIAIS Um conceito formal de carga unitária utilizada poderia ser conforme Dias, (1990, p. 143) uma carga constituída de embalagens de transporte, arranjadas ou acondicionadas de modo que possibilite o seu manuseio, transporte e armazenagem por meios mecânicos e como uma unidade. A introdução do conceito de carga utilizada no sistema de manuseio de materiais permitiu uma maximização dos vários equipamentos de transporte, principalmente da empilhadeira de garfos, que pode tornar-se o mais importante meio de transporte e armazenagem de cargas nos diversos tipos de empresas. Segundo Dias (1990) um dos mais conhecidos dispositivos que permitem a formação de carga unitária é o pallet, que consiste num estrado de madeira ou plástico resistente, com o

20 19 aumento das trocas de mercadorias entre países de vários continentes, foi tornando-se necessário estabelecer normas de medidas para os recipientes de manuseio formadores de cargas unitárias. No Brasil existem normas elaboradas pela ABNT para regular o tamanho e medida dos pallets. Costa (2002, p.80) corrobora afirmando que Pallet é um estrado de madeira, com uma ou duas faces, duas ou quatro entradas. Possibilita o uso de empilhadeiras ou paleteiras de garfo, facilitando o descarregamento, a movimentação e o armazenamento dos materiais durante sua estocagem. A arrumação das caixas sobrepostas ao palete, durante as operações de transporte, compõe cargas unitárias, que diminuem em mais de 50% o tempo de carregamento e descarregamento dos caminhões nas plataformas, como também facilita o manuseio de grandes volumes. A paletização vem sendo utilizada conforme Dias (1990) com freqüência cada vez maior, em indústrias que exigem manipulação rápida e estocagem racional de grandes quantidades de cargas. O emprego em empilhadeiras e pallets já proporcionaram a muitas empresas, economia de até 30% do capital despendido com sistema de transporte interno. Um planejamento rigoroso deve ser realizado para determinar viabilidade ou não do emprego do sistema. Dias (1990) destaca ainda que A manipulação em lotes de caixas, sacos, engradados etc. permite que as cargas sejam transportadas e estocadas como uma só unidade. As principais vantagens são: economia de tempo, mão de obra e espaço de armazenagem. Um sistema de paletização bem organizado permite a formação de pilhas altas e seguras; oferece maior proteção às embalagens, que são manipuladas em conjunto, além de economizar tempo nas operações de cargas e descarga de caminhões (DIAS, 1990) A paletização consiste na combinação de peças pequenas e isoladas, com o objetivo de realizar, de uma só vez, a movimentação de um número maior de unidades. A característica comum aos sistemas de armazenagem é a utilização de paletes para movimentação e estocagem de quase todos os materiais, motivo pelo qual ao palete é creditado o aumento da capacidade de estocagem, a redução da largura dos corredores, economia de mãode-obra e redução de custos. Os paletes podem economizar grandes áreas e, combinados com sistemas eficientes de armazenagem, proporcionam facilidades e maior segurança à entrada e saída de materiais no estoque (COSTA, 2002). No próximo tópico continuamos a falar sobre estocagem de materiais, mas agora, o foco será as normas de estocagem de materiais.

21 NORMAS DE ESTOCAGEM Segundo Costa (2002) cada material tem suas características próprias e, consequentemente, normas apropriadas; alguns necessitam ambientes especiais para sua conservação (carnes, explosivos, produtos químicos, gazes etc.), outros podem ser acondicionados sem a necessidade de cuidados especiais, no entanto, é de fundamental importância que sejam respeitadas as características individuais de cada um dos materiais. Algumas recomendações de acordo com Costa, (2002, pág.84) são: a) Os materiais perecíveis devem ser estocados em locais apropriados e que propiciem condições ideais para sua conservação; b) Todos os materiais devem ser fiscalizados para garantir conservação adequada; c) Produtos químicos precisam ser estocados em locais especiais e em conformidade com suas normas específicas de guarda e segurança; d) Produtos alimentícios necessitam fiscalização diária, preventiva e corretiva. Devem ser estocados sem contato com o solo e em locais arejados. É recomendado o uso de estrados de madeira, afastados das paredes e estantes apropriadas. A higiene da área é indispensável, pois evita a proliferação de pragas; e) Todos os materiais devem ser estocados de modo que atenda às normas de segurança do produto e do trabalho; f) No manuseio de materiais perigosos é obrigatório o uso de EPI s (Equipamento de Proteção Individual) adequados e em bom estado de conservação; g) Óleos, combustíveis, lubrificantes e produtos químicos devem ser estocados de forma que previna incêndios ou explosões; h) Os prazos de validade dos produtos devem ser observados e nunca estar vencidos; i) Materiais de pequeno ou grande porte devem ser estocados de forma apropriada; j) Explosivos devem ser estocados em local apropriado, em conformidade com as normas de segurança e longe de qualquer agente que possa causar sua detonação; A princípio devemos armazenar obedecendo a classificação dos grupos de materiais, depois devemos observar as normas de armazenamento inerentes a cada produto. No próximo tópico continuaremos a falar sobre armazenagem de materiais, e mais especificamente, sobre técnicas de estocagem. 2.7 TÉCNICAS DE ESTOCAGEM (ARMAZENAGEM) A dimensão e as características de materiais e produtos podem exigir desde a instalação de uma simples prateleira até complexos sistemas de armações, caixas e gavetas. As maneiras mais comuns de estocagem de materiais conforme Dias (1990, p. 192) podem ser assim

LOGÍSTICA EMPRESARIAL

LOGÍSTICA EMPRESARIAL LOGÍSTICA EMPRESARIAL FORNECEDORES Erros de compras são dispendiosos Canais de distribuição * Compra direta - Vendedores em tempo integral - Representantes dos fabricantes Compras em distribuidores Localização

Leia mais

Aula 7 Sistemas de Armazenagem e Movimentação de Carga ARMAZENAGEM. Uma abordagem multidisciplinar. Prof. Fernando Dal Zot

Aula 7 Sistemas de Armazenagem e Movimentação de Carga ARMAZENAGEM. Uma abordagem multidisciplinar. Prof. Fernando Dal Zot Aula 7 Sistemas de Armazenagem e Movimentação de Carga ARMAZENAGEM Uma abordagem multidisciplinar Prof. Fernando Dal Zot 1 Visão geral das atividades do Almoxarifado / Depósito / Armazém Início RECEBER

Leia mais

NOÇÕES BÁSICAS DE ALMOXARIFADO. Administração de Recursos Materiais e Patrimoniais Aula 7 Prof. Rafael Roesler

NOÇÕES BÁSICAS DE ALMOXARIFADO. Administração de Recursos Materiais e Patrimoniais Aula 7 Prof. Rafael Roesler NOÇÕES BÁSICAS DE ALMOXARIFADO Administração de Recursos Materiais e Patrimoniais Aula 7 Prof. Rafael Roesler Sumário Introdução O Almoxarifado conceito Organização do Almoxarifado: Recebimento Armazenagem

Leia mais

Prof. Jean Cavaleiro. Unidade II MOVIMENTAÇÃO E ARMAZENAGEM

Prof. Jean Cavaleiro. Unidade II MOVIMENTAÇÃO E ARMAZENAGEM Prof. Jean Cavaleiro Unidade II MOVIMENTAÇÃO E ARMAZENAGEM Introdução Vamos abordar aqui meios de armazenagem para melhor aproveitar o Pé direito, equipamentos que facilite movimentação em armazenagem

Leia mais

Logística e Administração de Estoque. Definição - Logística. Definição. Profª. Patricia Brecht

Logística e Administração de Estoque. Definição - Logística. Definição. Profª. Patricia Brecht Administração Logística e Administração de. Profª. Patricia Brecht Definição - Logística O termo LOGÍSTICA conforme o dicionário Aurélio vem do francês Logistique e significa parte da arte da guerra que

Leia mais

GESTÃO DE OPERAÇÕES E LOGÍSTICA I AULA 05: LOGÍSTICA INTEGRADA E OUTRAS QUESTÕES TÓPICO 05: MOVIMENTAÇÃO DE MATERIAS O manuseio de materiais representa atividade de maior custo logístico, além de consumir

Leia mais

NOÇÕES BÁSICAS DE ALMOXARIFADO Armazenagem

NOÇÕES BÁSICAS DE ALMOXARIFADO Armazenagem NOÇÕES BÁSICAS DE ALMOXARIFADO Armazenagem Tecnologia em Gestão Pública Administração de Recursos Materiais e Patrimoniais Aula 9 Prof. Rafael Roesler Sumário Introdução Objetivo da armazenagem Arranjo

Leia mais

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E Prof. Marcelo Mello Unidade III DISTRIBUIÇÃO E TRADE MARKETING Canais de distribuição Canal vertical: Antigamente, os canais de distribuição eram estruturas mercadológicas verticais, em que a responsabilidade

Leia mais

PROJETO GESTÃO DE ESTOQUES. Frente Almoxarifado

PROJETO GESTÃO DE ESTOQUES. Frente Almoxarifado PROJETO GESTÃO DE ESTOQUES Frente Almoxarifado Belo Horizonte, setembro de 2011 Agenda Projeto Gestão de Estoques Cartilhas Agendamento de Recebimentos e de Expedições Recebimento Armazenagem Carregamento

Leia mais

FTAD Formação Técnica em Administração de Empresas. Módulo: Administração de Materiais. Profª Neuza

FTAD Formação Técnica em Administração de Empresas. Módulo: Administração de Materiais. Profª Neuza FTAD Formação Técnica em Administração de Empresas Módulo: Administração de Materiais Profª Neuza Aula Anterior: Cadastramento de Materiais CADASTRAMENTO DE MATERIAIS O QUE É??? O CADASTRAMENTO DE MATERIAIS

Leia mais

Gerenciamento de estoque de materiais de manutenção em uma indústria de reciclagem de chumbo em Cascavel-PR.

Gerenciamento de estoque de materiais de manutenção em uma indústria de reciclagem de chumbo em Cascavel-PR. Gerenciamento de estoque de materiais de manutenção em uma indústria de reciclagem de chumbo em Cascavel-PR. Barbara Monfroi (Unioeste) bmonfroi@gmail.com Késsia Cruz (Unioeste) kessia.cruz@hotmail.com

Leia mais

GERENCIAMENTO DE MATERIAIS HOSPITALARES. Farm. Tatiana Rocha Santana 1 Coordenadora de Suprimentos do CC

GERENCIAMENTO DE MATERIAIS HOSPITALARES. Farm. Tatiana Rocha Santana 1 Coordenadora de Suprimentos do CC GERENCIAMENTO DE MATERIAIS HOSPITALARES Farm. Tatiana Rocha Santana 1 Coordenadora de Suprimentos do CC DEFINIÇÕES GERENCIAR Ato ou efeito de manter a integridade física e funcional para algo proposta

Leia mais

Logística empresarial

Logística empresarial 1 Logística empresarial 2 Logística é um conceito relativamente novo, apesar de que todas as empresas sempre desenvolveram atividades de suprimento, transporte, estocagem e distribuição de produtos. melhor

Leia mais

LOGÍSTICA DE SUPRIMENTO E DISTRIBUIÇÃO - ESTUDO DE CASO PROF.ROBSON SELEME CASO 5: MARMITOU

LOGÍSTICA DE SUPRIMENTO E DISTRIBUIÇÃO - ESTUDO DE CASO PROF.ROBSON SELEME CASO 5: MARMITOU CASO 5: MARMITOU A Marmitou fabrica e distribui uma gama de produtos de condimento: molhos de tomate, mostarda, condimentos, pimenta, maionese etc. Esses produtos são direcionados a clientes variando de

Leia mais

Armazenagem e Movimentação de Materiais II

Armazenagem e Movimentação de Materiais II Tendências da armazenagem de materiais Embalagem: classificação, arranjos de embalagens em paletes, formação de carga paletizada, contêineres Controle e operação do armazém Equipamentos de movimentação

Leia mais

UNIVERSIDADE GAMA FILHO ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA GESTÃO DE MATERIAL E PATRIMÔNIO NO SETOR PÚBLICO ELINE COÊLHO DA ROCHA

UNIVERSIDADE GAMA FILHO ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA GESTÃO DE MATERIAL E PATRIMÔNIO NO SETOR PÚBLICO ELINE COÊLHO DA ROCHA UNIVERSIDADE GAMA FILHO ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA GESTÃO DE MATERIAL E PATRIMÔNIO NO SETOR PÚBLICO ELINE COÊLHO DA ROCHA ORGANIZAÇÃO DO ALMOXARIFADO NO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO

Leia mais

CONCEITOS E PRINCÍPIOS DO SISTEMA DE MOVIMENTAÇÃO DE MATERIAIS

CONCEITOS E PRINCÍPIOS DO SISTEMA DE MOVIMENTAÇÃO DE MATERIAIS LOGÍSTICA CONCEITOS E PRINCÍPIOS DO SISTEMA DE MOVIMENTAÇÃO DE MATERIAIS A MOVIMENTAÇÃO DE MATERIAL É O PROCESSO DO QUAL APRESENTA A MUDANÇA LOCAL DE UM DETERMINADO ITEM, DENTRO DE UMA DETERMINADA CIRCUNSTÂNCIA.

Leia mais

E&L ERP Almoxarifado

E&L ERP Almoxarifado Apresentação 1 PostgreSQL 8.2/ 8.3 Domingos Martins ES v. 1.0 2 Introdução: Prevendo todas as rotinas necessárias ao bom funcionamento da administração de materiais, o produz automaticamente as médias

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE GESTÃO DE ESTOQUE EM UMA EMPRESA BENEFICIADORA DE VIDROS EM TERESINA PI

DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE GESTÃO DE ESTOQUE EM UMA EMPRESA BENEFICIADORA DE VIDROS EM TERESINA PI DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE GESTÃO DE ESTOQUE EM UMA EMPRESA BENEFICIADORA DE VIDROS EM TERESINA PI GEDAÍAS RODRIGUES VIANA 1 FRANCISCO DE TARSO RIBEIRO CASELLI 2 FRANCISCO DE ASSIS DA SILVA MOTA 3

Leia mais

Unidade III GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS

Unidade III GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS Unidade III 3 CUSTOS DOS ESTOQUES A formação de estoques é essencial para atender à demanda; como não temos como prever com precisão a necessidade, a formação

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0 Autor: Marco Polo Viana. Bloco Suprimentos

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0 Autor: Marco Polo Viana. Bloco Suprimentos Bloco Suprimentos Controle de Produção PCP Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo Controle de Produção PCP, que se encontra no Bloco Suprimentos. Todas informações aqui disponibilizadas

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO E ARMAZENAGEM ARMAZENAGEM

DISTRIBUIÇÃO E ARMAZENAGEM ARMAZENAGEM DISTRIBUIÇÃO E DEFINIÇÃO DE Gerenciar eficazmente o espaço tridimensional de um local adequado e seguro, colocado à disposição para a guarda de mercadorias que serão movimentadas rápida e facilmente, com

Leia mais

ANÁLISE DOS SISTEMAS LOGÍSTICO E DE TRANSPORTE DO CORREDOR CENTRO-OESTE

ANÁLISE DOS SISTEMAS LOGÍSTICO E DE TRANSPORTE DO CORREDOR CENTRO-OESTE ANÁLISE DOS SISTEMAS LOGÍSTICO E DE TRANSPORTE DO CORREDOR CENTRO-OESTE Aluno: Stephan Beyruth Schwartz Orientador: Nélio Domingues Pizzolato 1. INTRODUÇÃO A estabilização da economia e a eliminação do

Leia mais

SISTEMAS DE GESTÃO São Paulo, Janeiro de 2005

SISTEMAS DE GESTÃO São Paulo, Janeiro de 2005 SISTEMAS DE GESTÃO São Paulo, Janeiro de 2005 ÍNDICE Introdução...3 A Necessidade do Gerenciamento e Controle das Informações...3 Benefícios de um Sistema de Gestão da Albi Informática...4 A Ferramenta...5

Leia mais

1 - Por que a empresa precisa organizar e manter sua contabilidade?

1 - Por que a empresa precisa organizar e manter sua contabilidade? Nas atividades empresariais, a área financeira assume, a cada dia, funções mais amplas de coordenação entre o operacional e as expectativas dos acionistas na busca de resultados com os menores riscos.

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE SUPRIMENTOS GESTÃO

ADMINISTRAÇÃO DE SUPRIMENTOS GESTÃO GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS DEFINIÇÃO DE CADEIAS DE SUPRIMENTOS (SUPLLY CHAIN) São os processos que envolvem fornecedores-clientes e ligam empresas desde a fonte inicial de matéria-prima até o ponto

Leia mais

Universidade Presidente Antônio Carlos Faculdade de Ciências Humanas e Exatas Curso de Administração Campus VI

Universidade Presidente Antônio Carlos Faculdade de Ciências Humanas e Exatas Curso de Administração Campus VI A) Área de Administração Geral ÁREAS E ATIVIDADES DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO O estagiário desta área de interesse deverá participar de atividades essenciais de uma empresa, tais como: marketing, produção,

Leia mais

Logística Empresarial. Logística de Serviço ao Cliente Prof. José Correia

Logística Empresarial. Logística de Serviço ao Cliente Prof. José Correia Logística Empresarial Logística de Serviço ao Cliente Prof. José Correia Logística de Serviço ao Cliente Kyj e Kyj definem: Serviços ao cliente, quando utilizados de forma eficaz, é uma variável primária

Leia mais

Administração de Materiais e Logística II.

Administração de Materiais e Logística II. A Administração de Material corresponde, no seu todo ao planejamento, organização, direção, coordenação e controle de todas as tarefas de aquisição, guarda, controle de aplicação dos materiais destinados

Leia mais

GESTÃO DE OPERAÇÕES E LOGÍSTICA - ESTOQUES

GESTÃO DE OPERAÇÕES E LOGÍSTICA - ESTOQUES GESTÃO DE OPERAÇÕES E LOGÍSTICA - ESTOQUES T É C N I C O E M A D M I N I S T R A Ç Ã O P R O F. D I E G O B O L S I M A R T I N S 2015 ESTOQUES São acumulações de matérias-primas, suprimentos, componentes,

Leia mais

Definir os procedimentos para gestão dos bens e materiais do TJAC.

Definir os procedimentos para gestão dos bens e materiais do TJAC. Código: MAP-DILOG-004 Versão: 00 Data de Emissão: 01/01/2013 Elaborado por: Gerência de Bens e Materiais Aprovado por: Diretoria de Logística 1 OBJETIVO Definir os procedimentos para gestão dos bens e

Leia mais

Manual de Logística ISGH

Manual de Logística ISGH Manual de Logística ISGH Página 1 ELABORAÇÃO Juniana Torres Costa Gerente do Núcleo de Logística ISGH FORMATAÇÃO Comunicação Visual ISGH DATA Novembro de 2014 Manual de Logística ISGH Página 2 SUMÁRIO

Leia mais

Armazenagem. Por que armazenar?

Armazenagem. Por que armazenar? Armazenagem Introdução Funções da armazenagem Atividades na armazenagem Objetivos do planejamento de operações de armazenagem Políticas da armazenagem Pilares da atividade de armazenamento Armazenagem

Leia mais

Administração de estoques. Prof. Paulo Medeiros FATEC - Pompéia

Administração de estoques. Prof. Paulo Medeiros FATEC - Pompéia Administração de estoques Prof. Paulo Medeiros FATEC - Pompéia Administração de estoques Cabe a este setor o controle das disponibilidades e das necessidades totais do processo produtivo, envolvendo não

Leia mais

DECISÃO TÉCNICA DT-124/2007 R-00

DECISÃO TÉCNICA DT-124/2007 R-00 /27 R- RECEBIMENTO, ARMAZENAMENTO, EXPEDIÇÃO E CONTROLE DE MATERIAIS DE ESTOQUE NAS DOCUMENTO NORMATIVO I MAR/27 Í N D I C E 1 OBJETIVO...1 2 DISPOSIÇÕES GERAIS...1 2.1 APLICAÇÃO...1 2.2 RESPONSABILIDADE...1

Leia mais

QUESTIONÁRIO LOGISTICS CHALLENGE 2015 PRIMEIRA FASE

QUESTIONÁRIO LOGISTICS CHALLENGE 2015 PRIMEIRA FASE QUESTIONÁRIO LOGISTICS CHALLENGE 2015 PRIMEIRA FASE *Envie o nome de seu grupo, dos integrantes e um telefone de contato junto com as respostas do questionário abaixo para o e-mail COMMUNICATIONS.SLA@SCANIA.COM*

Leia mais

WMS Warehouse Management System

WMS Warehouse Management System WMS Warehouse Management System [Digite seu endereço] [Digite seu telefone] [Digite seu endereço de email] MANUAL MANUAL AVANÇO INFORMÁTICA AVANÇO INFORMÁTICA Material Desenvolvido para a Célula Materiais

Leia mais

HOUSEKEEPING A PARTIR DO 5S. Introdução. Para que serve?

HOUSEKEEPING A PARTIR DO 5S. Introdução. Para que serve? HOUSEKEEPING A PARTIR DO 5S Introdução Basicamente consiste na determinação de organizar o local de trabalho, mantêlo arrumado e em ordem, limpo, mantendo as condições padronizadas e a disciplina necessárias

Leia mais

Objetivos da Adm. de Estoque 1. Realizar o efeito lubrificante na relação produção/vendas

Objetivos da Adm. de Estoque 1. Realizar o efeito lubrificante na relação produção/vendas 1 Objetivos da Adm. de Estoque 1. Realizar o efeito lubrificante na relação produção/vendas Aumentos repentinos no consumo são absorvidos pelos estoques, até que o ritmo de produção seja ajustado para

Leia mais

INVENTÁRIO ANUAL. Exercício 2011. Orientações e Procedimentos para Comissões Inventariantes

INVENTÁRIO ANUAL. Exercício 2011. Orientações e Procedimentos para Comissões Inventariantes INVENTÁRIO ANUAL Exercício 2011 Orientações e Procedimentos para Comissões Inventariantes Elaboração: Fernando de Souza Guimarães : 3409-4674 / 3409-4675 : dimat@dsg.ufmg.br Belo Horizonte, 2011 SUMÁRIO

Leia mais

QUANTO CUSTA MANTER UM ESTOQUE

QUANTO CUSTA MANTER UM ESTOQUE QUANTO CUSTA MANTER UM ESTOQUE! Qual o valor de um estoque?! Quanto de material vale a pena manter em estoque?! Como computar o valor da obsolescência no valor do estoque?! Qual o custo de um pedido?!

Leia mais

Focaliza o aspecto econômico e de formação de preços dos serviços de transporte.

Focaliza o aspecto econômico e de formação de preços dos serviços de transporte. GERENCIAMENTO DO TRANSPORTE Focaliza o aspecto econômico e de formação de preços dos serviços de transporte. Trade-off CUSTO x NÍVEL DE SERVIÇO FORMAÇÃO DO PREÇO FINAL Para elaboração de uma estratégia

Leia mais

Capítulo 4 - Gestão do Estoque Inventário Físico de Estoques

Capítulo 4 - Gestão do Estoque Inventário Físico de Estoques Capítulo 4 - Gestão do Estoque Inventário Físico de Estoques Celso Ferreira Alves Júnior eng.alvesjr@gmail.com 1. INVENTÁRIO DO ESTOQUE DE MERCADORIAS Inventário ou Balanço (linguagem comercial) é o processo

Leia mais

Os Custos de Armazenagem na Logística Moderna

Os Custos de Armazenagem na Logística Moderna Os Custos de Armazenagem na Logística Moderna Maurício Pimenta Lima Introdução Uma das principais características da logística moderna é sua crescente complexidade operacional. Aumento da variedade de

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01/2014 SCLCS - SISTEMA DE COMPRAS, LICITAÇÕES, CONTRATOS E SERVIÇOS N.º 01/2014

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01/2014 SCLCS - SISTEMA DE COMPRAS, LICITAÇÕES, CONTRATOS E SERVIÇOS N.º 01/2014 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01/2014 SCLCS - SISTEMA DE COMPRAS, LICITAÇÕES, CONTRATOS E SERVIÇOS N.º 01/2014 Versão: 01 Data de aprovação: 7 de outubro de 2014. Ato de aprovação: Resolução n.º 112 /2014 Unidade

Leia mais

3 CENTRO DE DISTRIBUIÇÃO

3 CENTRO DE DISTRIBUIÇÃO 3 CENTRO DE DISTRIBUIÇÃO O capítulo 3 apresenta o conceito de distribuição física, com enfoque nos centros de distribuição. São incluídos os processos de distribuição Cross docking, Merge in Transit e

Leia mais

Agilizando o processo de compras para aumentar a eficiência e comprar melhor

Agilizando o processo de compras para aumentar a eficiência e comprar melhor Agilizando o processo de compras para aumentar a eficiência e comprar melhor Toda empresa privada deseja gerar lucro e para que chegue com sucesso ao final do mês ela precisa vender, sejam seus serviços

Leia mais

XXVI ENEGEP - Fortaleza, CE, Brasil, 9 a 11 de Outubro de 2006

XXVI ENEGEP - Fortaleza, CE, Brasil, 9 a 11 de Outubro de 2006 Otimização das operações de Movimentação e Armazenagem de materiais através de rearranjo físico: uma proposta de melhoria para um almoxarifado da esfera pública Felipe Fonseca Tavares de Freitas (UEPA)

Leia mais

Unioeste Diretoria de Concursos

Unioeste Diretoria de Concursos Unioeste Diretoria de Concursos 9º Concurso Público para o Provimento de Cargos Públicos para Atuação no Hospital Universitário do Oeste do Paraná (HUOP) PROVA OBJETIVA Técnico Administrativo Instruções

Leia mais

Armazenagem e controle. Prof. Paulo Medeiros FATEC - Pompéia

Armazenagem e controle. Prof. Paulo Medeiros FATEC - Pompéia Armazenagem e controle Prof. Paulo Medeiros FATEC - Pompéia Armazenagem Armazenagem e manuseio de mercadorias são componentes essenciais do conjunto de atividades logísticas.seus custos podem absorver

Leia mais

Curso superior de Tecnologia em Gastronomia

Curso superior de Tecnologia em Gastronomia Curso superior de Tecnologia em Gastronomia Suprimentos na Gastronomia COMPREENDENDO A CADEIA DE SUPRIMENTOS 1- DEFINIÇÃO Engloba todos os estágios envolvidos, direta ou indiretamente, no atendimento de

Leia mais

Verticalização dos Estoques

Verticalização dos Estoques Verticalização dos Estoques Considerações Iniciais A principal prioridade dos operadores é reduzir o tempo de ciclo dos pedidos e não economizar espaço. As soluções que permitem economizar espaço não permitem

Leia mais

- Áreas auxiliares de Produção: estoques, movimentação, apoio de pessoal, utilidades, manutenção, etc. - Estudo do fluxo do processo

- Áreas auxiliares de Produção: estoques, movimentação, apoio de pessoal, utilidades, manutenção, etc. - Estudo do fluxo do processo - Áreas auxiliares de Produção: estoques, movimentação, apoio de pessoal, utilidades, manutenção, etc. - Estudo do fluxo do processo PRINCIPAIS ÁREAS P/ DIMENSIONAMENTO DA FÁBRICA 1. Centros de produção

Leia mais

Curso de Engenharia de Produção. Organização do Trabalho na Produção

Curso de Engenharia de Produção. Organização do Trabalho na Produção Curso de Engenharia de Produção Organização do Trabalho na Produção Organização do Trabalho na Produção Projeto do Trabalho -Objetivo: criar um ambiente produtivo e eficiente, onde cada um saiba o que

Leia mais

Estamos presentes no mercado de prestação de serviços logísticos há 11 anos; Temos Know-how europeu;

Estamos presentes no mercado de prestação de serviços logísticos há 11 anos; Temos Know-how europeu; Estamos presentes no mercado de prestação de serviços logísticos há 11 anos; Temos Know-how europeu; Fazemos uma parceria total com o cliente, combinando redução de custos fixos e otimização de recursos

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Suprimentos. WMS Gerenciamento de Armazém

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Suprimentos. WMS Gerenciamento de Armazém Bloco Suprimentos WMS Gerenciamento de Armazém Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo WMS, que se encontra no Bloco Suprimentos. Todas informações aqui disponibilizadas foram

Leia mais

Tem por objetivo garantir a existência contínua de um estoque organizado, de modo a não faltar nenhum dos itens necessários à produção.

Tem por objetivo garantir a existência contínua de um estoque organizado, de modo a não faltar nenhum dos itens necessários à produção. Resumo aula 3 Introdução à gestão de materiais A gestão de materiais é um conjunto de ações destinadas a suprir a unidade com materiais necessários ao desenvolvimento das suas atribuições. Abrange: previsão

Leia mais

Logística: o endereçamento como ferramenta fundamental na armazenagem e estocagem

Logística: o endereçamento como ferramenta fundamental na armazenagem e estocagem Logística: o endereçamento como ferramenta fundamental na armazenagem e estocagem Juliano Jacinto Luciano Heil Márcio Fernandes de Souza Sidnei Rodrigues RESUMO Este artigo apresenta a importância da logística

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CENTRO DE ESTUDOS SOCIAIS APLICADOS FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO, CIÊNCIAS CONTÁBEIS E TURISMO DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO PLANO DE DISCIPLINA DISCIPLINA: ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

17/08/2010. Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves

17/08/2010. Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves 17//2010 Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves Engenheiro Agrônomo CCA/UFSCar 1998 Mestre em Desenvolvimento Econômico, Espaço e Meio Ambiente IE/UNICAMP 2001 Doutor em Engenharia de Produção PPGEP/UFSCar

Leia mais

GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS

GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS Unidade III GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS Prof. Fernando Leonel Conteúdo da aula de hoje 1. Custos dos estoques 2. Custos diretamente proporcionais 3. Custos inversamente proporcionais 4.

Leia mais

PROJETO DE RESOLUÇÃO Nº 001/2010 CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS

PROJETO DE RESOLUÇÃO Nº 001/2010 CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS PROJETO DE RESOLUÇÃO Nº 001/2010 Estabelece normas e procedimentos para aquisição de serviços e recebimento, controle, guarda e distribuição de materiais permanentes e de consumo no âmbito do Poder Legislativo

Leia mais

P á g i n a 3 INTRODUÇÃO

P á g i n a 3 INTRODUÇÃO P á g i n a 3 INTRODUÇÃO A Administração de Materiais compreende as decisões e o controle sobre o planejamento, programação, compra, armazenamento e distribuição dos materiais indispensáveis à produção

Leia mais

ANÁLISE DO GERENCIAMENTO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS POR MEIO DO PROGRAMA 5 S EM UMA TRANSPORTADORA NA CIDADE DE MARINGÁ

ANÁLISE DO GERENCIAMENTO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS POR MEIO DO PROGRAMA 5 S EM UMA TRANSPORTADORA NA CIDADE DE MARINGÁ 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 ANÁLISE DO GERENCIAMENTO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS POR MEIO DO PROGRAMA 5 S EM UMA TRANSPORTADORA NA CIDADE DE MARINGÁ Daiane Maria De Genaro Chiroli 1

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO E ARMAZENAGEM

DISTRIBUIÇÃO E ARMAZENAGEM DISTRIBUIÇÃO E ARMAZENAGEM WMS WAREHOUSE MANAGEMENT SYSTEM SISTEMA DE GERENCIAMENTO DE ARMAZÉM/DEP M/DEPÓSITO WMS Software de gerenciamento de depósito que auxilia as empresas na busca de melhorias nos

Leia mais

PRODUÇÃO - Conceitos Iniciais

PRODUÇÃO - Conceitos Iniciais PRODUÇÃO - Conceitos Iniciais 1. Conceito - é a atividade de transformação (processo) de matéria-prima em utilidades necessárias ao consumidor. * Nenhuma organização sobrevive, a menos que produza alguma

Leia mais

A respeito da administração de recursos materiais, julgue os itens que se seguem.

A respeito da administração de recursos materiais, julgue os itens que se seguem. ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS MATERIAIS Prof. Vinicius Motta A respeito da administração de recursos materiais, julgue os itens que se seguem. 1 - ( CESPE / ANS / 2013 / TÉCNICO ADMINISTRATIVO ) Nos dias atuais,

Leia mais

WMS. Agenda. Warehouse Management Systems (WMS) Warehouse Management Systems Sistema de Gerenciamento de Armazéns

WMS. Agenda. Warehouse Management Systems (WMS) Warehouse Management Systems Sistema de Gerenciamento de Armazéns WMS Warehouse Management Systems Sistema de Gerenciamento de Armazéns Breno Amorim brenoamorim@hotmail.com Informática Aplicada a Logística Profº Breno Amorimsexta-feira, 11 de setembro de 2009 Agenda

Leia mais

Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA. Marinalva R. Barboza

Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA. Marinalva R. Barboza Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA Marinalva R. Barboza Definição do conceito de logística e evolução Logística tem origem no idioma francês Logistique se define de forma militar sendo uma parte estratégica

Leia mais

MATO GROSSO PREFEITURA MUNICIPAL DE LUCAS DO RIO VERDE CONTROLE INTERNO

MATO GROSSO PREFEITURA MUNICIPAL DE LUCAS DO RIO VERDE CONTROLE INTERNO 1/5 1) DOS OBJETIVOS: 1.1) Normatizar os procedimentos de entrada e saída de materiais adquiridos pelo Município; 1.2) Garantir recebimento dos materiais no que se refere a quantidade, qualidade e prazo

Leia mais

Unidade IV. Processo de inventário (Típico) Definir duplas de inventários. Aguardar segunda contagem. Não. Segunda dupla?

Unidade IV. Processo de inventário (Típico) Definir duplas de inventários. Aguardar segunda contagem. Não. Segunda dupla? GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS Unidade IV 4 PROCESSO DE INVENTÁRIO FÍSICO Para Martins (0), consiste na contagem física dos itens de estoque. Caso haja diferenças entre o inventário físico

Leia mais

Armazenamento e TI: sistema de controle e operação

Armazenamento e TI: sistema de controle e operação Armazenamento e TI: sistema de controle e operação Pós-Graduação Latu-Sensu em Gestão Integrada da Logística Disciplina: TI aplicado à Logística Professor: Mauricio Pimentel Alunos: RA Guilherme Fargnolli

Leia mais

Unidade IV ADMINISTRAÇÃO DE. Profa. Lérida Malagueta

Unidade IV ADMINISTRAÇÃO DE. Profa. Lérida Malagueta Unidade IV ADMINISTRAÇÃO DE PRODUÇÃO E OPERAÇÕES Profa. Lérida Malagueta Planejamento e controle da produção O PCP é o setor responsável por: Definir quanto e quando comprar Como fabricar ou montar cada

Leia mais

Não há documentação de referência para o processo.

Não há documentação de referência para o processo. Código: MAN-SADM-004 Versão: 00 Data de Aprovação: 24/05/2010 Elaborado por: Coordenadoria de Serviços Gerais Aprovado por: Secretaria Administrativa 1 Objetivo Estabelecer os critérios e os procedimentos

Leia mais

OPERAÇÃO LOGÍSTICA CL PILKINGTON

OPERAÇÃO LOGÍSTICA CL PILKINGTON 1. OBJETIVO Estabelecer procedimento padrão, para todos os colaboradores da Irapuru que estão envolvidos na operação logística da Pilkington (OE-Operação Marcopolo) e Pilkington AGR de recebimento, armazenagem

Leia mais

Manual do. Almoxarifado

Manual do. Almoxarifado Manual do Almoxarifado Parnaíba 2013 APRESENTAÇÃO O Almoxarifado é o local destinado à guarda, localização, segurança e preservação do material adquirido, adequado à sua natureza, a fim de suprir as necessidades

Leia mais

GESTÃO DO NÍVEL DE SERVIÇO E SEGMENTAÇÃO DE MERCADO PARA DIFERENCIAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RH. PROFa. EVELISE CZEREPUSZKO

GESTÃO DO NÍVEL DE SERVIÇO E SEGMENTAÇÃO DE MERCADO PARA DIFERENCIAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RH. PROFa. EVELISE CZEREPUSZKO GESTÃO DO NÍVEL DE SERVIÇO E SEGMENTAÇÃO DE MERCADO PARA DIFERENCIAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RH PROFa. EVELISE CZEREPUSZKO O QUE É NÍVEL DE SERVIÇO LOGÍSTICO? É a qualidade com que o fluxo de bens e serviços

Leia mais

Operações Terminais Armazéns. PLT RODRIGUES, Paulo R.A. Gestão Estratégica da Armazenagem. 2ª ed. São Paulo: Aduaneiras, 2007.

Operações Terminais Armazéns. PLT RODRIGUES, Paulo R.A. Gestão Estratégica da Armazenagem. 2ª ed. São Paulo: Aduaneiras, 2007. Operações Terminais Armazéns AULA 3 PLT RODRIGUES, Paulo R.A. Gestão Estratégica da Armazenagem. 2ª ed. São Paulo: Aduaneiras, 2007. A Gestão de Estoques Definição» Os estoques são acúmulos de matériasprimas,

Leia mais

Projeto de Armazéns. Ricardo A. Cassel. Projeto de Armazéns

Projeto de Armazéns. Ricardo A. Cassel. Projeto de Armazéns Ricardo A. Cassel FRANCIS, R.; McGINNIS, L.; WHITE, J. Facility Layout and Location: an analytical approach. New Jersey: Prentice Hall, 2ed., 1992. BANZATTO, E.; FONSECA, L.R.P.. São Paulo: IMAN, 2008

Leia mais

WMSL Warehouse Management System Lite

WMSL Warehouse Management System Lite WMSL Warehouse Management System Lite Tela Inicial Esta é a tela inicial do sistema WMSL (Warehouse Management System - Lite) da Logistock. Cadastro Administrativo Pesquisa Movimentação Encerrar Cadastro

Leia mais

Gestão do armazém: organização do espaço, artigos, documentos

Gestão do armazém: organização do espaço, artigos, documentos 1 1 2 A gestão do armazém está directamente relacionada com o processo de transferência de produtos para os clientes finais, e têm em conta aspectos como a mão-de-obra, o espaço, as condições do armazém

Leia mais

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza edwin@engenharia-puro.com.br www.engenharia-puro.com.br/edwin Gerenciamento Logístico Gerenciamento Logístico A missão do gerenciamento logístico é planejar

Leia mais

Unidade II GESTÃO DE. Prof. Léo Noronha

Unidade II GESTÃO DE. Prof. Léo Noronha Unidade II GESTÃO DE SUPRIMENTOS E LOGÍSTICA Prof. Léo Noronha Após a Segunda Guerra Mundial: Estados Unidos da América passaram por um longo período de crescimento. Responsáveis pela reconstrução de muitos

Leia mais

S I S T E M A S D E P R O D U Ç Ã O

S I S T E M A S D E P R O D U Ç Ã O COM DIFERENCIAÇÃO COM DIFERENCIAÇÃO COM DIFERENCIAÇÃO COM DIFEREN SOB ENCOMENDA S I S T E M A S D E P R O D U Ç Ã O CONTÍNUA IN TER MI TEN TE IN TER Página 2 de 17 SISTEMAS FATORES AS PRINCIPAIS DIVISÕES

Leia mais

Segundo o dicionário da American Production Inventory Control Society, uma Cadeia de Suprimentos (Supply Chain) pode ser definida como:

Segundo o dicionário da American Production Inventory Control Society, uma Cadeia de Suprimentos (Supply Chain) pode ser definida como: Fascículo 4 Gestão na cadeia de suprimentos Cadeias de suprimentos Segundo o dicionário da American Production Inventory Control Society, uma Cadeia de Suprimentos (Supply Chain) pode ser definida como:

Leia mais

O último capítulo desta dissertação visa tecer conclusões a respeito do trabalho e sugerir algumas recomendações para estudos futuros.

O último capítulo desta dissertação visa tecer conclusões a respeito do trabalho e sugerir algumas recomendações para estudos futuros. 7 Conclusão O último capítulo desta dissertação visa tecer conclusões a respeito do trabalho e sugerir algumas recomendações para estudos futuros. A presente dissertação, conforme exposto no Capítulo 1,

Leia mais

Sistemas de Armazenagem e Movimentação

Sistemas de Armazenagem e Movimentação Sistemas de Armazenagem e Movimentação O que é a armazenagem? Gerenciar eficazmente o espaço tridimensional de um local adequado e seguro, colocando à disposição para guarda de mercadorias que serão movimentadas

Leia mais

Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 11

Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 11 Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 11 Questões sobre o tópico Administração de Materiais. Olá Pessoal, Hoje veremos um tema muito solicitado para esse concurso do MPU! Administração de Materiais.

Leia mais

22/02/2009. Supply Chain Management. É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que

22/02/2009. Supply Chain Management. É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que Supply Chain Management SUMÁRIO Gestão da Cadeia de Suprimentos (SCM) SCM X Logística Dinâmica Sugestões Definição Cadeia de Suprimentos É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até

Leia mais

Logística Empresarial

Logística Empresarial Logística Empresarial Aula 05 Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Este material é parte integrante da disciplina oferecida pela UNINOVE. O acesso às atividades, conteúdos

Leia mais

2. Função Produção/Operação/Valor Adicionado

2. Função Produção/Operação/Valor Adicionado 2. Função Produção/Operação/Valor Adicionado Conteúdo 1. Função Produção 3. Administração da Produção 1 Bibliografia Recomenda Livro Texto: Introdução à Administração Eunice Lacava Kwasnicka - Editora

Leia mais

Sistemas de Armazenagem de

Sistemas de Armazenagem de Sistemas de Armazenagem de Materiais Características e conceitos para utilização de Sistemas de armazenagem de materiais Objetivos Destacar a importância do lay-out out, dos equipamentos de armazenagem

Leia mais

Prof. Clesio Landini Jr. Unidade III PLANEJAMENTO E OPERAÇÃO POR CATEGORIA DE PRODUTO

Prof. Clesio Landini Jr. Unidade III PLANEJAMENTO E OPERAÇÃO POR CATEGORIA DE PRODUTO Prof. Clesio Landini Jr. Unidade III PLANEJAMENTO E OPERAÇÃO POR CATEGORIA DE PRODUTO Planejamento e operação por categoria de produto Nesta unidade veremos o Planejamento e Operação por Categoria de Produto

Leia mais

Projeto Final do Semestre. Construxepa

Projeto Final do Semestre. Construxepa Universidade de Brasília FACE Departamento de Administração Disciplina: Administração de Recursos Materiais Professor: Guillermo José Asper Projeto Final do Semestre Construxepa Turma: 19 Grupo: H Integrantes:

Leia mais

Título: Controle de Estoque (componente de especificação)

Título: Controle de Estoque (componente de especificação) Título: Controle de Estoque (componente de especificação) Palavras-chave: estoque, inventário, controle Autoria e data: Marcelo Pessôa 02 de junho de 2014 Versão: 1.0 Tecnologia: Independe de tecnologia

Leia mais

A importância da Manutenção de Máquina e Equipamentos

A importância da Manutenção de Máquina e Equipamentos INTRODUÇÃO A importância da manutenção em máquinas e equipamentos A manutenção de máquinas e equipamentos é importante para garantir a confiabilidade e segurança dos equipamentos, melhorar a qualidade

Leia mais

Controle de estoques. Capítulo 6. André Jun Nishizawa

Controle de estoques. Capítulo 6. André Jun Nishizawa Controle de estoques Capítulo 6 Sumário Conceito de estoque Tipos Sistemas de controle de estoques Fichas de estoque Classificação de estoque Dimensionamento de estoque Logística e Cadeia de suprimentos

Leia mais

O PAPEL DO ESTOQUE NAS EMPRESAS

O PAPEL DO ESTOQUE NAS EMPRESAS Gestão Estratégica de Estoques/Materiais Prof. Msc. Marco Aurélio C. da Silva Data: 22/08/2011 O PAPEL DO ESTOQUE NAS EMPRESAS 2 1 GESTÃO DE ESTOQUE Demanda Adequação do Estoque Investimento Série de ações

Leia mais

A GESTÃO DA PRODUÇÃO EM UM ALMOXARIFADO DE UM CANTEIRO DE OBRAS.

A GESTÃO DA PRODUÇÃO EM UM ALMOXARIFADO DE UM CANTEIRO DE OBRAS. A GESTÃO DA PRODUÇÃO EM UM ALMOXARIFADO DE UM CANTEIRO DE OBRAS. Marcelo ARAUJO (1); Luís Felipe SANTOS (2); Diego SOUSA (3); Wemerton Luis EVANGELISTA (4). 1Graduando do Curso Superior Tecnológico em

Leia mais

DIRETRIZES P/ O PLANEJAMENTO OU EXPANSÃO DAS INSTALAÇÕES 1 - Planeje o futuro layout com todos os detalhes. 2 - Projete as expansões em pelo menos

DIRETRIZES P/ O PLANEJAMENTO OU EXPANSÃO DAS INSTALAÇÕES 1 - Planeje o futuro layout com todos os detalhes. 2 - Projete as expansões em pelo menos CHECK SEU LAYOUT Com a quantidade a produzir, o planejamento do fluxo geral dos materiais, os métodos de trabalho planejados, mais o trabalho padrão especificado, nós podemos determinar e dimensionar os

Leia mais