O jornalismo luso-brasileiro em Londres ( ).

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O jornalismo luso-brasileiro em Londres (1808-1822)."

Transcrição

1 Universidade Federal Fluminense Programa de Pós-Graduação em História Luís Francisco Munaro O jornalismo luso-brasileiro em Londres ( ). Niterói 2013

2 Luís Francisco Munaro O jornalismo luso-brasileiro em Londres ( ). Tese apresentada em cumprimento às exigências do Programa de Pós-Graduação em História da Universidade Federal Fluminense, para obtenção do grau de Doutor em História. Linha de Pesquisa: História Moderna Orientador: Prof. Guilherme Pereira das Neves. Universidade Federal Fluminense Programa de Pós-Graduação em História Niterói, 2013 ii

3 Termo de aprovação LUÍS FRANCISCO MUNARO O JORNALISMO LUSO-BRASILEIRO EM LONDRES ( ): Tese apresentada como requisito parcial para obtenção do título de Doutor em História no Curso de Pós-graduação em História da Universidade Federal Fluminense, à seguinte banca examinadora: Prof. Dr. Alexandre Mansur Barata Prof. Dra. Lúcia Maria Bastos Pereira Neves Prof. Dr. Carlos Gabriel Guimarães Prof. Dr. Jean Marcel Carvalho e França Prof. Dr Guilherme Pereira Neves iii

4 Agradecimentos Uma boa forma de agradecer é reservar um espaço na bibliografia. Se os textos foram lidos e incluídos nesta tese na forma de citação é porque tiveram um apreço especial no número sempre limitado de leituras do sujeito que formulou a tese. Portanto, segue cada referência um agradecimento e também a certeza de que tudo o que se constrói é, de alguma forma, um esforço conjunto. Nessa medida, esta produção é, assim julgou a banca de avaliação, um aperfeiçoamento daquilo que se tem pensado sobre o jornalismo e uma contribuição para se compreender as luzes luso-brasileiras. Agradeço, em seguida, à dedicação de meu orientador. Para além de uma reunião almejando o engrandecimento curricular, foi para mim um lugar em que pude compartilhar várias perplexidades intelectuais nem sempre cingidas ao esforço da tese. Encontrei em meu orientador, portanto, uma curiosidade e erudição que me foram fundamentais para formar meu espírito científico. Agradeço também ao esforço do Guilherme das Neves para conseguir comigo um acesso às fontes primárias, in loco, em Portugal, promessa feita e cumprida que tenho anotada num autógrafo nas páginas iniciais de um exemplar de História, teoria e variações. Fui eu quem, por preocupações profissionais, decidi abandonar o barco que, possivelmente, nos levaria muito mais longe. Agradeço assim pela liberdade, simpatia e franqueza. E, principalmente, por enxergar na tese a oportunidade de reunir esforços para construir algo maior. Agradeço aos professores membros da banca, Profa. Lúcia Bastos, Prof. Carlos Gabriel, Prof. Alexandre Mansur Barata e Prof. Jean Marcel Carvalho França. Sua vontade de me ajudar, além do acréscimo substantivo de elementos para perceber o meu objeto de estudos, me levou a crer que uma banca pode ser entendida também como uma reunião em que os indivíduos compartilham questionamentos e almejam o avanço daquele que postula ser um par. E aos professores que me colocaram no caminho da ciência, sobretudo à Profa. Márcia Tembil, ainda na graduação, e à Profa. Daisi Vogel, já no mestrado. Agradeço ainda à Sheila Lima, que me ajudou dedicadamente com a burocracia junto ao Consulado Português para conseguir o visto de permanência, ao Prof. Tiago dos Reis Miranda, que acatou o meu projeto de estágio no exterior e enviou sugestões bibliográficas, e à secretaria do PPGHIS-UFF, sobretudo na pessoa da Silvana Damasceno, sempre paciente no esclarecimento de dúvidas burocráticas. iv

5 Agradeço, por fim, ao programa Reuni, pela bolsa de pesquisa concedida ao largo de um ano e à minha família, pelo suporte financeiro nos difíceis anos iniciais de sobrevivência no Rio de Janeiro. Sobretudo à Dona Edite que, dispondo de um pouco mais de cacife financeiro, se prontificou em imprimir os tijolos e entregá-los junto ao Correio e à Alana que, a despeito das dores do parto, foi paciente comigo nesse período de pregnância intelectual. v

6 Resumo: Através de seis janelas de leitura identificadas com conceitos, esta tese investigará a emergência do jornalismo e da dispersão regular e periódica de ideias políticas em língua portuguesa. Isso implica se debruçar sobre a situação específica da imprensa luso-brasileira em Londres entre 1808 e 1822, i. é, desde o pioneirismo do brasileiro Hipólito da Costa até o avanço das Cortes de Lisboa e o crescimento na demanda de jornais. No seio da comunidade portuguesa emigrada em Londres e profundamente influenciados pelos ideais de sociabilidade londrinos, os portugueses buscaram argumentos e ideias para salvar o reino luso-brasileiro da iminente crise política, social e econômica, propondo planos de reorganização nacional ao mesmo tempo em que formas tradicionais de mito e utopia política. Os jornalistas lusófonos que se ambientaram nessa comunidade inauguraram modelos comunicativos importantes para o delineamento de sua prática profissional. Eles ajudaram a compor a vanguarda intelectual da sociedade luso-brasileira na modernidade e, por estarem livres da censura, manifestaram-se com relativa autonomia sobre temas considerados caros ao futuro do reino que ia se tornando nação. Os principais destes jornalistas são Hipólito José da Costa, responsável pelo Correio Braziliense ( ); José Liberato, pelo Investigador ( ) e Campeão ( ), João Bernardo da Rocha Loureiro, pelo Espelho ( )e Português ( ), Joaquim Ferreira de Freitas, pelo Padre Amaro( ) e, por fim, Francisco Alpoim de Meneses, autor do O Microscópio de Verdades (1814), e José Anselmo Correia Henriques, d O Argus (1809) e O Zurrague (1821). Para operacionalizar esta investigação, dividimos a tese em linhas de análise identificadas com conceitos considerados importantes: cidade, indivíduo, nação, utopia, comunicação e jornalismo. Trata-se de buscar lançar um ouvido mais aguçado ao passado histórico através de uma proposta de análise em que o documento histórico e o estudioso se interpenetram para melhor compreender a realidade da história. Ao fim e ao cabo, será possível perceber que, longe de uma construção ontológica que remete à Antiguidade, as práticas jornalísticas são uma dádiva do pensamento moderno, ajudando a textualizá-lo e a instrumentalizar a esfera pública. Palavras-chave: Ilustração luso-brasileira, história do jornalismo, nação, utopia, epistemologia da comunicação. vi

7 Abstract: Through six reading windows identified with concepts, this thesis will investigate the emergence of journalism and regular and periodical dispersion of political ideas in Portuguese. This implies study the specific situation of the Luso Brazilian press in London between 1808 and 1822, from the Brazilian pioneer Hipólito da Costa to the advancement of the Cortes of Lisbon and the growth in demand for newspapers. Within the Portuguese immigrant community in London and profoundly influenced by the ilustrated ideals of sociability, the Portuguese sought arguments and ideas to save the Luso-Brazilian Kingdom of impending political, social and economic crisis, proposing plans of national reorganization and forms of traditional myth and political utopia. Portuguese-speaking journalists who acclimatedin this community inaugurated important communicative models for the design of their professional journalistic practice. They helped to form an intellectual vanguard of Luso-Brazilian society in modernity, and being free from censorship, expressed with relative autonomy over issues considered expensive to the future of the kingdom. The main journalists were: Hipólito José da Costa, accountable for Correio Braziliense ( ); José Liberato, for Investigador ( ) and Campeão ( ), João Bernardo da Rocha Loureiro, for Espelho ( )and Português ( ), Joaquim Ferreira de Freitas, for Padre Amaro ( ) and, by the end, Francisco Alpoim de Meneses, author of O Microscópio de Verdades (1814), and José Anselmo Correia Henriques, of O Argus (1809) and O Zurrague (1821). To operationalize this research, we divided the thesis into lines of analysis identified with concepts considered important: city, individual, nation, utopia, communication and journalism. What we tried to do was launch a keener ear to the historical past through a proposal for a hermeneutic analysis, since the historical subject and scholar intertwine to better understand reality. After all, that far from an ontological construct that refers to the Antiquity, journalistic practices are perceived as a gift of modern thought, helping textualize it and even being crucial to the manipulation of the public sphere. Key-words: Luso-Brazilian Enlightenment, History of Journalism, Nation, Utopia, Epistemology of Communication. vii

8 Índice Preâmbulo: teoria e construção 1 Introdução: texto e contexto Cidade Desvendando a cidade moderna Os espaços ilustrados A imprensa em Londres e a organização da urbanidade Fleet Street Indivíduo Jornalistas e agentes da monarquia Quatro nomes Redes de poder Nação A nação dos portugueses As formas da política A tradição inventada Utopia Utopia ou mitologia política? Aquela terra longínqua e sossegada A Lusitana Antiga Liberdade A Lanterna Mágica Utopia e ideologia Comunicação Fofocas, rumores e escândalos A República Lusitana das Letras Diálogos internacionais 264 viii

9 6. Jornalismo Metalinguagem Deontologia A (des)construção da notícia e do autor 303 Conclusão 314 Fontes 323 Bibliografia 326 ix

10 Índices Índice de imagens 1. Night Amusement. Impresso por Bowles and Carver Map & Printsellers, No 69 in St.Paulas Church Yard, Londres. Retirado de 2. Coffehouse interior. Disponível em Lawrence Klein. Politeness and the Interpretation of the British Eighteenth Century. IN: The Historical Journal, V. 45, No. 4. Cambridge: Cambridge University, 2002, p Cruickshank, The Silent Meeting, etching and engraving with hand coloring, (16.5 x 23.1 cm), (London: Laurie & Whittle, 12 May 1794); LWL, Courtesy of the Lewis Walpole Library, Yale University 4. Meeting at York - London published as the Act directs. April. 6th. 1780, by Robert Laurie, No. 17, Rosomonds Row, Clerkenwell. Disponível em 5. A peep into the city of London Tavern. By an Irish amateur on the 21st of August A street map of London ¼ inches to a mile. Devon: Old house books, s/d. (parcial: Hyde Park e City of London), 1843, B.R. Davies. 7. A street map of London ¼ inches to a mile. Devon: Old house books, s/d. (parcial: Fleet Street e Bishopsgate Street), 1843, B.R. Davies. Página 8. Wych Street, Disponível em: Wikipedia.org Mapa da região sul do Brasil. Disponível no Correio Braziliense, V.XVII, p Imagem de Bernardo da Rocha Loureiro. Disponível em: Wikipedia.org 11. Correo del Orinoco Edição inaugural. Disponível em Índice de tabelas 1. Impressores e locais freqüentados pelos portugueses em Londres Indivíduos luso-brasileiros que transitaram por Londres entre 1808 e Números e localização dos subscritores do Jornal Annaes x

11 Preâmbulo: teoria e construção Este é um trabalho sobre identidade,uma investigação sobre determinados indivíduos a partir dos vestígios escritos daquilo que viveram, levando em conta que o jornalismo constituiu uma parte fundamental da trama de suas vidas. Visto como herói ou como vilão pela historiografia nacional, Hipólito da Costa inaugurou a produção periódica portuguesa livre da censura. Ao longo de quatorze anos, nos quais viu a arquitetura do Reino luso-brasileiro se retransformar radicalmente, manteve firme o propósito de levar a cabo uma publicação para instruir o público brasileiro. Nada mais ilustrativo, portanto, do que começar e terminar a narrativa com ele, chamado por João Bernardo da Rocha Loureiro de patriarca da imprensa portuguesa, ou por Joaquim de Freitas de Adão da terra dos periódicos. Tanto quanto seus colegas portugueses, Hipólito precisou reiventar-se e reinventar a sua escrita para alcançar setores cada vez mais inquietos da população. Entre 1808 e 1822, tempo em que durou o Correio Braziliense, os jornalistas portugueses buscavam inserir a razão no mundo ibérico ainda governado pelas tradições e pela política do Antigo Regime. Mesmo que mergulhado nesse universo de etiquetas e devoção à Casa Monárquica, Hipólito se envolveu precocemente com a República norte-americana, conheceu o modo de funcionamento dos jornais na Filadélfia e, depois, em Londres, misturou-se aos negociantes que buscavam interagir mais livremente com o comércio britânico. Ele serve, assim, como um veículo privilegiado para a compreensão da difícil transição do reino que queria incorporar, da forma menos traumática possível, as Luzes de que tanto falavam os filósofos. Tarefa ingrata, como se perceberá. Tarefa, ademais, impossível de ser compreendida em sua real dimensão sem que conheçamos mais profundamente a comunidade em que Hipólito estava inserido, seu círculo de interlocutores, sua necessidade de rebater escritos que pregavam a subserviência do Brasil a Portugal ou que panfletavam a causa republicana. Com a firme convicção de que essa produção que estabeleceu as bases do jornalismo lusófono não pode ser entendida isoladamente, buscamos estender a análise para o circuito de interações que envolvia vários jornais publicados no exterior. Jornais tão diversos como O Português, O Espelho, O Campeão, O Investigador, O Microscópio de Verdades, O Padre Amaro, Argus, Zurrague e o 1

12 efêmero Navalha de Figaró, todos publicados no espaço que vai da invasão de Napoleão na península até a proclamação da independência brasileira. Cada um desses periódicos possui uma identidade que pode ser determinada a partir do conflito criado com os outros. Cada um deles busca criar uma forma particular de se relacionar com o pensamento das Luzes, tornando-o adequado às idiossincrasias e dificuldades intelectuais do reino luso-brasileiro. Aqueles que foram longe demais, imaginando Estados racionais em que o rei já não cumpria mais um papel divino ou transcendental, foram chamados ultraliberais. Por outro lado, aqueles que se mantiveram subservientes ao Antigo Regime e à sua precária política corporativa, foram chamados corcundas. Estes jornais serviram para agrupar indivíduos em sua luta por projetos políticos distintos e formas bastante diversificadas de imaginar a pátria. É bom lembrar que estamos falando da calamidade generalizada de Napoleão Bonaparte e das ideias afrancesadas que traziam consigo os ventos da revolução. Daí a necessidade de reprimir, vinculando-se, de alguma forma, a essa tradição de luzes e letramento, ideias consideradas subversivas ou inadequadas para o Brasil e Portugal de então. Estes jornais publicados em Londres para o público lusófono, ao serem consumidos, davam aos seus leitores a segurança de estarem sendo lidos concomitantemente por vários indivíduos semelhantes a eles e diferentes dos outros. Eles geravam a possibilidade de criar vínculos imaginados, espaços de fraternidade e discussão intelectual até então impossíveis em Portugal e Brasil. Portanto, criaram um canal de difusão das Luzes que ajudou a expandir as sociabilidades portuguesas e garantir alguma ventilação nas formas de imaginar o Reino luso-brasileiro. Sobretudo, entre estes jornais, existe uma agonia que gira em torno dos planos e projetos relativos à sede do Reino luso-brasileiro. Se, na utopia mais cara à época, o reino deveria abrigar os portugueses em ambos os lados do Atlântico, a demora do rei no Brasil gerava um clima de desconforto e orfandade entre os portugueses. Para Hipólito da Costa, o Brasil também surgia como uma espécie de utopia, um projeto de governo ideal deslocado do tempo e espaço europeus, sugerindo a possibilidade de realização da história portuguesa em sua pureza. Por outro lado, Portugal, assaltado por Napoleão, pelos ingleses e brasileiros, vivia uma ambígua revolução de 1820 que buscava na história os fundamentos de sua grandeza, gerando um circuito de releituras da tradição iluminista que Lúcia Bastos chamou de Luzes mitigadas. Em ambos os casos, no brasileiro e no português,esboça-se uma utopia, um 2

13 exercício de imaginação que se desloca no tempo e no espaço, sendo logo limitado pelas condições adversas da política e das tradições que comprimem o intelecto ibérico. Outra característica importante desses jornais que se predispõem a pensar o reino são as longas séries de comentários políticos cujo objetivo é oferecer um panorama imparcial da realidade. Elas permitem vislumbrar várias imagens, cenários e argumentos que desembocam num lugar ideal imaginado. A idealidade desses escritos que misturam razão e tradição permite que projetem no Brasil, em seu sossego e calma, uma Nova Lusitânia, e em Portugal, tomado por reformadores preocupados, a possibilidade de reconstruir a Lusitânia dos versos de Camões. Isto é, aquele mesmo reino que, dotado de tão poucos indivíduos, foi capaz de abalouçar-se sobre os mares e estabelecer entrepostos no mundo inteiro. Assim, ainda que tentemos compreender o ideário político mais explícito nos jornais, as ideias pragmáticas de reconstrução política sempre se entrechocam com panoramas idealizados, nostálgicos e adequados às pungentes tradições que tornam Portugal e Brasil um terreno árido para a ampla dispersão das Luzes. São transições políticas bastante importantes, impulsionadas pela violência do século XVIII francês, com sua forma radicalmente nova de pensar. Posto que essas formas de pensamento ainda provocam dúvidas e resistências sinceras, devemos proceder com alguma cautela, sempre lembrando que o próprio pesquisador que ora se coloca no terreno da história pode deslizar e soterrar o seu interlocutor histórico. Do mirante espacial de Londres, os portugueses e brasileiros tinham o verdadeiro privilégio de poder pensar tais questões políticas importantes com liberdade de consciência e impressão. Ao mesmo tempo, viam-se profundamente vinculados a formas de estruturação políticas nas quais o rei e a nobreza cumpriam um importante papel de amenizadores de conflitos e tensões. Quer dizer, precisavam pensar, do alto da liberdade londrina, como amortecer estes conflitos e harmonizar a entrada das Luzes. Pensar, portanto, sem esquecer o catolicismo que funcionava como única garantia da continuidade da virtude e da casa dinástica, que encarnava a história do português. Esse mergulho histórico que busca situar as ideias de um grupo de jornalistas e a formação do jornalismo vai adotar um percurso variado. Começa por compreender a cidade de Londres que abriga formas tão distintas de vivência política e, ao mesmo tempo, permite a expansão da produção de periódicos e panfletos. Leva-se em conta que o iluminismo, por mais abstrato que tenha se tornado nos manuais de filosofia contemporâneos, ainda precisa de espaços e matéria-prima para adquirir formas e 3

14 circular. Noutras palavras, a ideia possui uma ligação com o espaço e o tempo onde ocorre, por mais que sejamos tentados a imaginá-la como abstração platônica descolada do mundo real. A investigação que faremos pela produção intelectual dos portugueses e brasileiros em Londres começa assim pela própria cidade, concentrando-se na descrição de espaços que tiveram um papel fundamental de acolhimento para os portugueses que, por motivos geralmente vinculados à expansão napoleônica, fugiram de Portugal. Isto implica considerar desde a transição existencial para um cotidiano em terras estranhas, sua busca contínua por espaços de socialização, seu agrupamento em torno de indivíduos considerados importantes, e o substrato oferecido pela cidade: desde material para as publicações, isenção da censura literária, vasta rede de transportes, etc. 1 Cabe destacar, ainda, que a comunidade portuguesa emigrada em Londres não recebeu nenhum estudo de fôlego. A obra que deu maior atenção para a produção periódica em língua portuguesa na ilha foi a de Valentim Alexandre, 2 que insere estes jornais dentro do espectro da decadência do regime absolutista português e da disponibilidade da burguesia lusitana em patrocinar escritos então considerados incendiários. O longo recorte optado por Alexandre faz com que, na sua narrativa, estes escritos apareçam muitas vezes despidos de especificidade, quer dizer, apareçam como eco do esboroamento de uma estrutura econômica e da inauguração de uma nova configuração política. Alexandre, não sem os méritos de sua grande e feliz obra, usa estes jornais como forma de corroborar seu ponto de vista sobre a desagregação do Antigo Regime português. É um importante ponto de partida. As dissertações de José Augusto dos Santos Alves e de Jorge Ferreira depuram os jornais O Portuguez e Correio Braziliense a partir dos seus aspectos doutrinais e constituem importantes trabalhos de desconstrução. 3 Até pouco tempo atrás, a imprensa portuguesa em Londres como um todo tinha sido interpelada apenas em três ocasiões diferentes pela historiografia portuguesa: logo após seu término, em 1824, no estudo de Adrien Balbi, por Luís Cunha, em 1941 e por José Tengarrinha, em O último não 1 Uma obra de fôlego que desconstrói o funcionamento da Acadèmie, bem como o ethos a que estavam vinculados os philosophes é a de Elisabeth Badinter, As paixões intelectuais, É importante perceber nessa obra como os philosophes se atrelam a determinadas convenções importantes para seu sucesso intelectual e glória literária, bem como, ao mesmo tempo, precisam se desvincular de aspectos mais tradicionais da sociedade para poderem ser consagrados pela Sociedade das Letras. 2 Valentim Alexandre, Os sentidos do Império, José Ferreira,O Jornalismo na Emigração, 1992 e José A. dos Santos Alves, Ideologia e política na imprensa do exílio, Adrien Balbi, Histoire estatistique..., 1824, Alfredo da Cunha, Elementos para a história da imprensa periódica portuguesa,1941, José Tengarrinha,História da imprensa periódica portuguesa,

15 deixa de observar o estado de esquecimento a que essa comunidade foi relegada. Ainda hoje, a maioria dos estudos se debruça sobre um ou outro personagem em particular, encerrando-o sob o ponto de vista das doutrinas políticas veiculadas pelo seu jornal. Exceções são os estudos de Carlos Rizzini, Mecenas Dourado e Georges Boisvert que, além de um complemento para a inteligibilidade do microcosmo português como um todo, evitam fechar-se no estudo de um personagem particular, apontando sempre que possível parte do enredo existente em torno dele. 5 São obras que, além de fornecerem apontamentos importantes sobre a vida destes indivíduos, sugerem vias de exploração para a detecção de todo um ecossistema comunicativo português em Londres. O extenso jornal O Investigador mereceu uma importante tese de Maria Adelaide Machado, 6 importante no sentido de que ajuda a decantar as matrizes discursivas que orientam a linha editorial do jornal e, ao mesmo tempo, lançar luzes importantes sobre a detecção dos seus esquemas de financiamento. Na mesma direção, em 2007, Fernando Egídio Reis lançou estudo sobre o Correio, o Investigador, os Annais e o Observador Lusitano, a partir do conjunto de indagações e observações científicas feitas por estes jornais, ajudando, ainda, a revelar a vasta rede internacional que estes jornais ajudavam a compor. 7 Por fim, para ilustrar a recente atenção que se tem concedido à imprensa em língua portuguesa no estrangeiro, cabe destacar o trabalho de Doutorado de Maria de Fátima Nunes, Imprensa Periódica Científica, que, ao optar por um recorte de tempo maior ( ), demonstra as várias transformações de vocabulário que começam a se esboçar entre os intelectuais portugueses. 8 Contudo, estes estudos costumam pecar no que concerne à articulação dos vários saberes nacionais em jogo, voltando-se para a nacionalidade portuguesa como um espaço teleologicamente fechado e pré-destinado a realizar-se no tempo, independentemente do Brasil ou mesmo de outros espaços lusófonos. Quando, por outro lado, são feitos por pesquisadores brasileiros, costumam insistir sobre a presença construtiva e isolada de Hipólito da Costa, esquecendo a grande importância das interdependências escritas para a orientação editorial do seu jornal. Quer dizer, esquecendo a grande disposição do Correio Braziliense em pensar o conjunto do Reino 5 Mecenas Dourado,Hipólito da Costa e o Correio Braziliense, Carlos Rizzini,Hipólito da Costa e o Correio Braziliense, Georges Boisvert. La presse périodique de Londres..., Adelaide Maria Machado, O Investigador, Revista Cultura, Fernando Egídio Reis, Os Periódicos portugueses de emigração ( ). As ciências e a transformação do país, Maria de Fátima Nunes,Imprensa Periódica Científica ( ),

16 luso-brasileiro, evitando, de forma cuidadosa, tocar em temas que pudessem aludir a rupturas políticas significativas. De uma forma geral, podem parecer mais esclarecedores os estudos que tratam da imprensa como um fenômeno moderno, que ajuda a dar vazão a algumas das características de nossa modernidade, esbatendo-se na nítida dificuldade de comunicar e fazer transitar ideias em lugares onde a alfabetização ainda não era uma prática sistemática. Trata-se de, ao invés de partir do específico que configura o jornalismo para através dele confinar toda uma grelha de leituras, partir da questão da modernidade a fim de compreender a emergência e delineamento de uma consciência profissional jornalística. Sabe-se, nesse sentido, que o jornalismo é um desdobramento da República das Letras e o jornalista, também ele, um homem de letras: ainda que o jornalismo tenha se tornado um dos carros-chefe da divulgação dos projetos modernos e mesmo uma forma de propaganda, na ideia cara ao estudioso do jornalismo John Hartley, ele precisou de determinadas condições modernas para consolidar sua importância social. Seus discursos sobrecarregados de historicidade exigem que recorramos à tradição analítica que leva em conta as particularidades da Ilustração portuguesa e brasileira, o que implica, dentre tantas outras coisas, pensar o pragmatismo como dimensão constitutiva dos discursos veiculados. 9 A importância da atividade jornalística na vida desses indivíduos leva-nos a dar um lugar destacado para os trabalhos de coleta e interpretação de textos. A ideia de jornalismo se vincula à ideia de cidade e constituição urbana, remetendo continuamente para seus espaços de trânsito e circulação. Sob o ponto de vista da exploração documental, buscaremos dar uma ideia do funcionamento desses espaços de busca de informações e do jornalismo como uma de suas práticas constitutivas. 10 Tanto Hipólito da Costa quanto seus pares João Bernardo da Rocha Loureiro e José Liberato possuíram uma relação precoce com o jornalismo. Não por acaso suas vidas acabaram sendo orientadas e mesmo devotadas a esse exercício profissional que se confundia com a 9 João Pedro Rosa Ferreira,O Jornalismo na Emigração, 1992, p 36. A investigação da Ilustração lusobrasileira conta com uma vasta quantidade de esforços, dentre os quais destacamos: Marco Morel,Palavra, imagem e poder, 2003, Independência no papel, 2005, Pátrias polissêmicas, 2007, Ana Rosa Cloclet, Intelectuais Ilustrados e Estadistas Luso-brasileiros na Crise do Antigo Regime Português, 2006, José Pereira,Percurso da história das ideias, 2004, Guilherme e Lúcia Bastos Neves, A Biblioteca de Francisco Agostinho Gomes, 2004, Lúcia Bastos Neves, Corcundas Constitucionais, 2003, Roderick Barman, The Forging of a Nation, Boisvert já insinuava a preeminência da atividade jornalística na vida de Loureiro(1978, p. 9). 6

17 organização da concepção dos homens sobre o tempo presente e sobre aquilo que se chamava libertar os homens do labirinto da apatia, da inépcia e do engano. 11 Mergulhar no passado e buscar se relacionar com estes homens é também estender o horizonte do presente. Tanto quanto o homem não deve se tornar refém da história, no medo que era caro a Nietzsche, 12 a história não deve se tornar refém do presente. E nessa abertura de duas vias reside a alteridade da história. Repensar a história através da produção intelectual de grupos de homens enredados em buscas concretas para solucionar os problemas coletivos implica que descartemos um método, isto é, um determinado procedimento de leitura. Não parece honesta a tentativa de compreender indivíduos históricos, seus processos de subjetivação e relacionamento uns com os outros, enquadrando-os dentro de determinadas categorias de pensamento. Neste caso preferimos, ao invés de partir de um método que traz em seu bojo conclusões que não nos surpreenderiam e nem estranhariam, construir janelas e a partir delas lançar um olhar para os documentos históricos. 13 Estas janelas de leitura são um cruzamento das experiências de leitura do pesquisador, da disponibilidade de material teórico e, sobretudo, do conteúdo e direcionamento das fontes. São seis conceitos que funcionam como peças móveis: Cidade, indivíduo, nação, utopia, comunicação e jornalismo. Apresentamos, num primeiro momento, a Cidade de Londres e, em seguida, os indivíduos cuja importância histórica nos diz respeito e habitam, num momento ou noutro, essa mesma cidade. A partir desse pano de fundo material investigamos, em Nação e Utopia, as principais ideias políticas e de reorganização social. Por fim, refletimos pormenorizadamente, em Comunicação, como essas ideias circulam e ganham expansão e, ainda, como ajudam a moldar uma nova modalidade de reflexão profissional, o Jornalismo. 1. Cidade: Na primeira parte da trama, o observador se concentra sobre a cidade de Londres e suas sociabilidades disponíveis para os jornalistas portugueses. Ele busca investigar os espaços mais freqüentados por estes portugueses: tavernas, lojas maçônicas e casas de personalidades da época. Muitas vezes, cabe deixar a importância desses espaços apenas em suspensão, já que carecemos de fontes documentais que tornem possível investigar de forma mais pormenorizada qual o seu grau de influência. Elas existem, são continuamente mencionadas e oferecem possibilidades de articulação 11 Hipólito da Costa assim especifica aquilo que deverá orientar a construção filosófica destes jornais, servindo-lhes de pressuposto moral e ético. Correio Braziliense, V. 1, p Friedrich Nietzsche,Escritos sobre a história (org. Noeli Sobrinho), Hans-Georg Gadamer,Hermenêutica em retrospectiva, 2009, p

LUÍS REIS TORGAL. SUB Hamburg A/522454 ESTADO NOVO. Ensaios de História Política e Cultural [ 2. IMPRENSA DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA

LUÍS REIS TORGAL. SUB Hamburg A/522454 ESTADO NOVO. Ensaios de História Política e Cultural [ 2. IMPRENSA DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA LUÍS REIS TORGAL SUB Hamburg A/522454 ESTADOS NOVOS ESTADO NOVO Ensaios de História Política e Cultural [ 2. a E D I Ç Ã O R E V I S T A ] I u IMPRENSA DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA 2 0 0 9 ' C O I M B R

Leia mais

NAPOLEÃO BONAPARTE. Pode-se dividir seu governo em três partes: Consulado (1799-1804) Império (1804-1815) Governo dos Cem Dias (1815)

NAPOLEÃO BONAPARTE. Pode-se dividir seu governo em três partes: Consulado (1799-1804) Império (1804-1815) Governo dos Cem Dias (1815) NAPOLEÃO BONAPARTE 1 Profª Adriana Moraes Destaca-se política e militarmente no Período Jacobino. DIRETÓRIO Conquistas militares e diplomáticas na Europa defesa do novo governo contra golpes. Golpe 18

Leia mais

A obra de Joaquim Manuel de Macedo através de anúncios do Jornal do Comércio do Rio de Janeiro.

A obra de Joaquim Manuel de Macedo através de anúncios do Jornal do Comércio do Rio de Janeiro. A obra de Joaquim Manuel de Macedo através de anúncios do Jornal do Comércio do Rio de Janeiro. Resumo: Doutoranda Juliana Maia de Queiroz 1 (UNICAMP). Em 1868, Joaquim Manuel de Macedo publicou o romance

Leia mais

2. (Pucrs 2014) Considere as afirmações abaixo sobre a crise do Antigo Sistema Colonial e a Independência do Brasil (1822).

2. (Pucrs 2014) Considere as afirmações abaixo sobre a crise do Antigo Sistema Colonial e a Independência do Brasil (1822). 1. (Enem 2014) A transferência da corte trouxe para a América portuguesa a família real e o governo da Metrópole. Trouxe também, e sobretudo, boa parte do aparato administrativo português. Personalidades

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DR. SOLANO DE ABREU ABRANTES. Análise de informação do manual. Filmes educativos

ESCOLA SECUNDÁRIA DR. SOLANO DE ABREU ABRANTES. Análise de informação do manual. Filmes educativos ESCOLA SECUNDÁRIA DR. SOLANO DE ABREU ABRANTES 3º C.E.B. DISCIPLINA: História ANO: 8º ANO LECTIVO 2010/2011 COMPETÊNCIAS CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS ACTIVIDADES ESTRATÉGIAS AULAS PREVISTAS INSTRUMENTOS DE

Leia mais

Nome: SISTEMATIZANDO OS ESTUDOS DE HISTÓRIA. 1- Estes são os artigos tratados na declaração original de 1789:

Nome: SISTEMATIZANDO OS ESTUDOS DE HISTÓRIA. 1- Estes são os artigos tratados na declaração original de 1789: HISTÓRIA OITAVO ANO ENSINO FUNDAMENTAL PROFESSORA ROSE LIMA Nome: PRIMEIRA PARTE SISTEMATIZANDO OS ESTUDOS DE HISTÓRIA 1- Estes são os artigos tratados na declaração original de 1789: Art.1.º Os homens

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL IV SEAD - SEMINÁRIO DE ESTUDOS EM ANÁLISE DO DISCURSO 1969-2009: Memória e história na/da Análise do Discurso Porto Alegre, de 10 a 13 de novembro de 2009 DO ACONTECIMENTO

Leia mais

ENTRE A LEI, OS COSTUMES E O DESENVOLVIMENTO: O PROJETO URBANÍSTICO DE 1970 EM MONTES CLAROS/MG.

ENTRE A LEI, OS COSTUMES E O DESENVOLVIMENTO: O PROJETO URBANÍSTICO DE 1970 EM MONTES CLAROS/MG. ENTRE A LEI, OS COSTUMES E O DESENVOLVIMENTO: O PROJETO URBANÍSTICO DE 1970 EM MONTES CLAROS/MG. Michael Jhonattan Delchoff da Silva. Universidade Estadual de Montes Claros- Unimontes. maicomdelchoff@gmail.com

Leia mais

Lançamento de Livros e Sessão de Autógrafos 12 de Julho - 19h30

Lançamento de Livros e Sessão de Autógrafos 12 de Julho - 19h30 Lançamento de Livros e Sessão de Autógrafos 12 de Julho - 19h30 Ana Isabel Madeira (Apresentação pela autora - sala 1) Referência da Obra: Madeira, A. (2012). A Construção do Saber Comparado em Educação:

Leia mais

IACR ASSOCIAÇÃO INTERNACIONAL PARA O REALISMO CRÍTICO XII CONFERÊNCIA INTERNACIONAL da IACR Texto de Priscila Silva Araújo.

IACR ASSOCIAÇÃO INTERNACIONAL PARA O REALISMO CRÍTICO XII CONFERÊNCIA INTERNACIONAL da IACR Texto de Priscila Silva Araújo. IACR ASSOCIAÇÃO INTERNACIONAL PARA O REALISMO CRÍTICO XII CONFERÊNCIA INTERNACIONAL da IACR Texto de Priscila Silva Araújo. Rorty e o realismo como instrumento da emancipação humana Alguns filósofos 1

Leia mais

Nas Margens da Educação: imprensa feminina e urbanidade moderna na Ribeirão Preto das primeiras décadas do século XX

Nas Margens da Educação: imprensa feminina e urbanidade moderna na Ribeirão Preto das primeiras décadas do século XX Nas Margens da Educação: imprensa feminina e urbanidade moderna na Ribeirão Preto das primeiras décadas do século XX Jorge Luiz de FRANÇA * Nesta comunicação, pretendemos, por intermédio das publicações

Leia mais

Cópia autorizada. II

Cópia autorizada. II II Sugestões de avaliação História 8 o ano Unidade 5 5 Unidade 5 Nome: Data: 1. Elabore um texto utilizando as palavras do quadro. França Napoleão Bonaparte Egito 18 Brumário guerra Constituição 2. Sobre

Leia mais

O FIM DO FEUDALISMO E A CENTRALIZAÇAO POLÍTICA

O FIM DO FEUDALISMO E A CENTRALIZAÇAO POLÍTICA O FIM DO FEUDALISMO E A CENTRALIZAÇAO POLÍTICA O sistema feudal entra em crise com o advento das cidades e a expansão do comércio, somados a outros fatores. 1) Necessidade de moedas, crescimento das cidades

Leia mais

LEÃO, Andréa Borges. Norbert Elias & a Educação. Belo Horizonte: Autêntica, 2007.

LEÃO, Andréa Borges. Norbert Elias & a Educação. Belo Horizonte: Autêntica, 2007. RESENHA LEÃO, Andréa Borges. Norbert Elias & a Educação. Belo Horizonte: Autêntica, 2007. Écio Antônio Portes* Letícia Pereira de Sousa** Andréa Borges Leão é professora e pesquisadora do Programa de Pós-Graduação

Leia mais

1 REGISTRO, Tânia Cristina. O arranjo de fotografias em unidades de informação: fundamentos teóricos e

1 REGISTRO, Tânia Cristina. O arranjo de fotografias em unidades de informação: fundamentos teóricos e Michelle Cartolano de Castro Ribeiro. Catolicismo e Espiritismo: potenciais de pesquisa a partir do Fundo José Pedro Miranda (Centro Universitário Barão de Mauá pós-graduando) O espaço de estudo usado

Leia mais

Escola Secundária com 2.º e 3.º ciclos Anselmo de Andrade. Critérios de Avaliação / Planificação 6.º Ano - HGP Grupo 400 História Ano Letivo 2014/15

Escola Secundária com 2.º e 3.º ciclos Anselmo de Andrade. Critérios de Avaliação / Planificação 6.º Ano - HGP Grupo 400 História Ano Letivo 2014/15 Domínio/ Tema/unidade História de Portugal Subdomínio/ conteúdos Compreensão da espacialidade Temporalidade Metas de aprendizagem intermédias Meta 1 O aluno traça, em diferentes representações cartográficas,

Leia mais

Golpe Militar: A Psicologia e o Movimento Estudantil do Rio Grande do Sul

Golpe Militar: A Psicologia e o Movimento Estudantil do Rio Grande do Sul 1919 X Salão de Iniciação Científica PUCRS Golpe Militar: A Psicologia e o Movimento Estudantil do Rio Grande do Sul Pâmela de Freitas Machado 1, Helena B.K.Scarparo 1 (orientadora) 1 Faculdade Psicologia,

Leia mais

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Ensino Médio

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Ensino Médio Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL Ensino Médio ETEC Professora Nair Luccas Ribeiro Código: 156 Município: TEODORO SAMPAIO Área de conhecimento: Ciências Humanas Componente Curricular: Historia

Leia mais

COLÉGIO VICENTINO IMACULADO CORAÇÃO DE MARIA Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Rua Rui Barbosa, 1324, Toledo PR Fone: 3277-8150

COLÉGIO VICENTINO IMACULADO CORAÇÃO DE MARIA Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Rua Rui Barbosa, 1324, Toledo PR Fone: 3277-8150 COLÉGIO VICENTINO IMACULADO CORAÇÃO DE MARIA Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Rua Rui Barbosa, 1324, Toledo PR Fone: 3277-8150 PLANEJAMENTO ANUAL DE HISTÓRIA 8º ANO PROFESSOR: MÁRCIO AUGUSTO

Leia mais

A vinda da família real e o governo joanino no Brasil

A vinda da família real e o governo joanino no Brasil A vinda da família real e o governo joanino no Brasil A Europa no século XIX Napoleão realizou uma série de batalhas para a conquista de novos territórios para a França. O exército francês aumentou o número

Leia mais

Movimentos de Pré- Independência e Vinda da Família Real. História C Aula 08 Prof. Thiago

Movimentos de Pré- Independência e Vinda da Família Real. História C Aula 08 Prof. Thiago Movimentos de Pré- Independência e Vinda da Família Real História C Aula 08 Prof. Thiago Movimentos de Pré- Independência Século XVIII e XIX Crise do mercantilismo e do Estado Absolutista Hegemonia de

Leia mais

Título: A formação do professor para o uso do jornal na sala de aula no ensino

Título: A formação do professor para o uso do jornal na sala de aula no ensino Título: A formação do professor para o uso do jornal na sala de aula no ensino fundamental Resumo O projeto de iniciação científica está vinculado à pesquisa Uso do jornal em sala de aula e compreensão

Leia mais

Quadros políticos na Era Napoleônica: visões da política externa aos olhos de D. Domingos Antônio de Sousa Coutinho (1810)

Quadros políticos na Era Napoleônica: visões da política externa aos olhos de D. Domingos Antônio de Sousa Coutinho (1810) Quadros políticos na Era Napoleônica: visões da política externa aos olhos de D. Domingos Antônio de Sousa Coutinho (1810) Debora Cristina Alexandre Bastos e Monteiro de Carvalho Os tratados de Aliança

Leia mais

MOVIMENTOS SEPARATISTAS E A FORMAÇÃO DO ESTADOS BRASILEIROS.

MOVIMENTOS SEPARATISTAS E A FORMAÇÃO DO ESTADOS BRASILEIROS. MOVIMENTOS SEPARATISTAS E A FORMAÇÃO DO ESTADOS BRASILEIROS. Maricélia Cardoso Matos Neves mari.neves@uol.com.br Universidade Federal da Bahia A simples observação do mapa do Brasil mostra a existência

Leia mais

Contexto. Galileu Galilei, René Descartes e Isaac Newton. Concepção racionalista do mundo Leis Naturais

Contexto. Galileu Galilei, René Descartes e Isaac Newton. Concepção racionalista do mundo Leis Naturais Revolução Científica do século XVII Galileu Galilei, René Descartes e Isaac Newton Concepção racionalista do mundo Leis Naturais Contexto Crise do Antigo Regime Questionamento dos privilégios do Clero

Leia mais

Sumário. Apresentação Valéria Amorim Arantes... 7. PARTE I Educação formal e não-formal... 13 Jaume Trilla Elie Ghanem

Sumário. Apresentação Valéria Amorim Arantes... 7. PARTE I Educação formal e não-formal... 13 Jaume Trilla Elie Ghanem Sumário Apresentação Valéria Amorim Arantes... 7 PARTE I Educação formal e não-formal.... 13 Jaume Trilla Elie Ghanem A educação não-formal Jaume Trilla Introdução... 15 Contexto e fatores do desenvolvimento

Leia mais

Anna Catharinna 1 Ao contrário da palavra romântico, o termo realista vai nos lembrar alguém de espírito prático, voltado para a realidade, bem distante da fantasia da vida. Anna Catharinna 2 A arte parece

Leia mais

500 anos: O Brasil - Império na TV

500 anos: O Brasil - Império na TV 500 anos: O Brasil - Império na TV Episódio 01: A Corte desembarca na Colônia Resumo O episódio A Corte Desembarca na Colônia narra os acontecimentos históricos que envolveram a transferência da corte

Leia mais

Guerra Civil (1642-1648)

Guerra Civil (1642-1648) Prof. Thiago Revolução Inglesa Governo Despótico de Carlos I (1625-1648) Petição de Direitos (1628) Exigência do Parlamento Cobrança do ship money em cidades do interior desobediência ao Parlamento Guerra

Leia mais

Bianca Arantes dos Santos 2 Célio José Losnak 3

Bianca Arantes dos Santos 2 Célio José Losnak 3 Cultura, história e gastronomia: análise de enquadramento do jornalismo gastronômico 1 RESUMO Bianca Arantes dos Santos 2 Célio José Losnak 3 O texto parte de uma pesquisa que tem como proposta realizar

Leia mais

5.1 Planificação a médio prazo. 1. A Revolução Americana, uma revolução fundadora. 28 aulas

5.1 Planificação a médio prazo. 1. A Revolução Americana, uma revolução fundadora. 28 aulas 5.1 Planificação a médio prazo 28 aulas Conteúdos programáticos Segundo o Programa Oficial (março de 2001) TH11 Parte 2 (pp.) Saberes/Aprendizagens 1. A Revolução Americana, uma revolução fundadora 1.1.

Leia mais

A Revolução Inglesa. Monarquia britânica - (1603 1727)

A Revolução Inglesa. Monarquia britânica - (1603 1727) A Revolução Inglesa A Revolução inglesa foi um momento significativo na história do capitalismo, na medida em que, ela contribuiu para abrir definitivamente o caminho para a superação dos resquícios feudais,

Leia mais

LEITURAS DO MEDO: As notícias sobre violência e sua relação com o aumento do sentimento de insegurança.

LEITURAS DO MEDO: As notícias sobre violência e sua relação com o aumento do sentimento de insegurança. LEITURAS DO MEDO: As notícias sobre violência e sua relação com o aumento do sentimento de insegurança. Jaquelaine SOUSA 1 Dalva Borges de SOUZA 2 Programa de Pós-Graduação em Sociologia/Faculdade de Ciências

Leia mais

ANÁLISE DOS PONTOS DE VISTA IDEOLÓGICOS COMO REFERÊNCIA NA FORMAÇÃO DO PÚBLICO LEITOR.

ANÁLISE DOS PONTOS DE VISTA IDEOLÓGICOS COMO REFERÊNCIA NA FORMAÇÃO DO PÚBLICO LEITOR. ANÁLISE DOS PONTOS DE VISTA IDEOLÓGICOS COMO REFERÊNCIA NA FORMAÇÃO DO PÚBLICO LEITOR. Autor: Wagner de Araújo Baldêz 1 - UFOP. Orientador: William Augusto Menezes 2 - UFOP. O objetivo desse artigo é relatar

Leia mais

ROMANTISMO PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS LITERÁRIAS

ROMANTISMO PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS LITERÁRIAS ROMANTISMO O Romantismo foi uma estética artística surgida no início do século XVIII, que provocou uma verdadeira revolução na produção literária da época. Retratando a força dos sentimentos, ela propôs

Leia mais

RICARDO JORGE PINTO: «O jornalista vai perder o monopólio da informação»

RICARDO JORGE PINTO: «O jornalista vai perder o monopólio da informação» RICARDO JORGE PINTO: «O jornalista vai perder o monopólio da informação» José Lapa 3º Ano do Curso de Comunicação Social Ricardo Jorge Pinto, Director do Expresso para a região norte, veio à ESEV proferir

Leia mais

IMAGEM TÉCNICA, PRODUÇÃO DE SUBJETIVIDADE E PESQUISA EM CIÊNCIAS HUMANAS: DESAFIOS METODOLÓGICOS

IMAGEM TÉCNICA, PRODUÇÃO DE SUBJETIVIDADE E PESQUISA EM CIÊNCIAS HUMANAS: DESAFIOS METODOLÓGICOS IMAGEM TÉCNICA, PRODUÇÃO DE SUBJETIVIDADE E PESQUISA EM CIÊNCIAS HUMANAS: DESAFIOS METODOLÓGICOS Aluno: Lucas Boscacci Pereira Lima da Silva Orientadora: Solange Jobim e Souza Introdução Câmera como Instrumento

Leia mais

Literatura infantil e juvenil Formação de leitores

Literatura infantil e juvenil Formação de leitores Coleção educação em análise A literatura é um campo privilegiado para ocultar/desocultar sentidos, e os livros contemporâneos (muitas vezes plenos de mensagens que vão além do texto literário, estabelecendo

Leia mais

1º - Foi um movimento liderado pela BURGUESIA contra o regime absolutista. 2º - Abriu espaço para o avanço do CAPITALISMO.

1º - Foi um movimento liderado pela BURGUESIA contra o regime absolutista. 2º - Abriu espaço para o avanço do CAPITALISMO. APRESENTAÇÃO Aula 08 3B REVOLUÇÃO FRANCESA Prof. Alexandre Cardoso REVOLUÇÃO FRANCESA Marco inicial da Idade Contemporânea ( de 1789 até os dias atuais) 1º - Foi um movimento liderado pela BURGUESIA contra

Leia mais

Resenha: Pontes sobre o Atlântico. Resenha

Resenha: Pontes sobre o Atlântico. Resenha Resenha VENANCIO, Giselle Martins. Pontes sobre o Atlântico: ensaios sobre relações intelectuais e editoriais luso-brasileiras (1870-1930). Rio de Janeiro: Vício de Leitura, 2012. Mariana Rodrigues Tavares

Leia mais

Europa no Século XIX FRANÇA RESTAURAÇÃO DA DINASTIA BOURBON LUÍS XVIII CARLOS X LUÍS FELIPE ( 1824 1830 )

Europa no Século XIX FRANÇA RESTAURAÇÃO DA DINASTIA BOURBON LUÍS XVIII CARLOS X LUÍS FELIPE ( 1824 1830 ) Europa no Século XIX FRANÇA RESTAURAÇÃO DA DINASTIA BOURBON -Após a derrota de Napoleão Bonaparte, restaurou-se a Dinastia Bourbon subiu ao trono o rei Luís XVIII DINASTIA BOURBON LUÍS XVIII CARLOS X LUÍS

Leia mais

Desenvolvimento. e Mudança Social Portugal nos últimos dois séculos. Homenagem a Míriam Halpem Pereira

Desenvolvimento. e Mudança Social Portugal nos últimos dois séculos. Homenagem a Míriam Halpem Pereira Desenvolvimento e Mudança Social Portugal nos últimos dois séculos Homenagem a Míriam Halpem Pereira José Vicente Serrão Magda de Avelar Pinheiro Maria de Fátima Sá e Melo Ferreira (organizadores) Imprensa

Leia mais

AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM EM EDUCAÇÃO ONLINE *

AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM EM EDUCAÇÃO ONLINE * AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM EM EDUCAÇÃO ONLINE * DILMEIRE SANT ANNA RAMOS VOSGERAU ** m 2003, com a publicação do livro Educação online, o professor Marco Silva conseguiu, com muita pertinência, recolher

Leia mais

CONTOS DA MATA VISÕES DE VIDA: UM DESAFIO FRENTE À CULTURA INDÍGENA RESUMO

CONTOS DA MATA VISÕES DE VIDA: UM DESAFIO FRENTE À CULTURA INDÍGENA RESUMO CONTOS DA MATA VISÕES DE VIDA: UM DESAFIO FRENTE À CULTURA INDÍGENA RESUMO OLIVEIRA, Luiz Antonio Coordenador/Orientador ARAÚJO, Roberta Negrão de Orientadora O artigo tem como objetivo apresentar o Projeto

Leia mais

TRABALHOS TÉCNICOS Serviço de Documentação e Informação EDIÇÃO E GESTÃO DE CONTEÚDO PARA WEB

TRABALHOS TÉCNICOS Serviço de Documentação e Informação EDIÇÃO E GESTÃO DE CONTEÚDO PARA WEB TRABALHOS TÉCNICOS Serviço de Documentação e Informação EDIÇÃO E GESTÃO DE CONTEÚDO PARA WEB Gestão do Conhecimento hoje tem se materializado muitas vezes na memória organizacional da empresa. O conteúdo

Leia mais

História. Antigo regime, Estados nacionais e absolutismo

História. Antigo regime, Estados nacionais e absolutismo Antigo regime, Estados nacionais e absolutismo Índice Clique sobre tema desejado: A origem dos Estados Nacionais Contexto Histórico: crise feudal (séc. XIV-XVI) Idade Média Idade Moderna transição Sociedade

Leia mais

A Corte Chegou Cândida Vilares e Vera Vilhena PROJETO DE LEITURA. Ficha Autoras: Romance histórico. As autoras A vivência como professoras

A Corte Chegou Cândida Vilares e Vera Vilhena PROJETO DE LEITURA. Ficha Autoras: Romance histórico. As autoras A vivência como professoras A Corte Chegou Cândida Vilares e Vera Vilhena PROJETO DE LEITURA 1 As autoras A vivência como professoras foi a base de trabalho das autoras. Na sala de aula, puderam conviver com a realidade de leitura

Leia mais

Graduanda em Geografia pela Universidade de São Paulo. Bolsista de iniciação científica da FUSP/BNDES. Contato: ca-milafranco@hotmail.

Graduanda em Geografia pela Universidade de São Paulo. Bolsista de iniciação científica da FUSP/BNDES. Contato: ca-milafranco@hotmail. Implementação de bancos de dados georeferenciados das Viagens Filosóficas Portuguesas (1755-1808) e a criação de um material didático com o uso do Google Earth. Camila Franco 1 Ermelinda Moutinho Pataca

Leia mais

HISTÓRIA - MATERIAL COMPLEMENTAR OITAVO ANO ENSINO FUNDAMENTAL II PROF. ROSE LIMA

HISTÓRIA - MATERIAL COMPLEMENTAR OITAVO ANO ENSINO FUNDAMENTAL II PROF. ROSE LIMA HISTÓRIA - MATERIAL COMPLEMENTAR OITAVO ANO ENSINO FUNDAMENTAL II PROF. ROSE LIMA INDEPENDÊNCIA DO Colonização: espanhola até 1697, posteriormente francesa. Produção açucareira. Maioria da população:

Leia mais

LINGUAGEM ESCRITA NA EDUCAÇÃO INFANTIL: FORMAS DE CONHECER O MUNDO

LINGUAGEM ESCRITA NA EDUCAÇÃO INFANTIL: FORMAS DE CONHECER O MUNDO LINGUAGEM ESCRITA NA EDUCAÇÃO INFANTIL: FORMAS DE CONHECER O MUNDO SILVA, Hayana Crislayne Benevides da. Graduanda Pedagogia - UEPB/Campus I hayana_benevides@yahoo.com.br SILVA, Alzira Maria Lima da. Graduanda

Leia mais

Do contrato social ou Princípios do direito político

Do contrato social ou Princípios do direito político Jean-Jacques Rousseau Do contrato social ou Princípios do direito político Publicada em 1762, a obra Do contrato social, de Jean-Jacques Rousseau, tornou-se um texto fundamental para qualquer estudo sociológico,

Leia mais

O caminho da retomada do estudo da filosofia brasileira. Leonardo Prota

O caminho da retomada do estudo da filosofia brasileira. Leonardo Prota 1 O caminho da retomada do estudo da filosofia brasileira Leonardo Prota Na UNESP Campus de Marilia- de 10 a 14 de novembro de 2014, foi realizado o VIII ENCONTRO DE PESQUISA NA PÓSGRADUAÇÃO em Filosofia,

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 36 Discurso por ocasião do jantar

Leia mais

UMA ABORDAGEM FREIRIANA PARA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA

UMA ABORDAGEM FREIRIANA PARA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA UMA ABORDAGEM FREIRIANA PARA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA CARVALHO, Jaciara FE/USP jsacarvalho@gmail.com RESUMO Este trabalho apresenta a tese 1 brasileira Educação Cidadã a Distância: aportes de uma perspectiva

Leia mais

REVOLUÇÃO FRANCESA MCC

REVOLUÇÃO FRANCESA MCC REVOLUÇÃO FRANCESA MCC REVOLUÇÃO FRANCESA. MOVIMENTO BURGUÊS França antes da revolução TEVE APOIO DO POVO Monarquia absolutista Economia capitalista.(costumes feudais) sociedade estamental. 1º Estado-

Leia mais

MUDANCISMO CONDICIONADO: DO COMPROMISSO POLÍTICO À RUPTURA DO PACTO CONSTITUCIONAL

MUDANCISMO CONDICIONADO: DO COMPROMISSO POLÍTICO À RUPTURA DO PACTO CONSTITUCIONAL MUDANCISMO CONDICIONADO: DO COMPROMISSO POLÍTICO À RUPTURA DO PACTO CONSTITUCIONAL Jales Guedes Coelho MENDONÇA; Noé Sandes FREIRE. jalesgcm@bol.com.br; noefsandes@uol.com.br Programa de Pós-Graduação

Leia mais

Escola Básica e Secundária das Lajes do Pico História e Geografia de Portugal 2º Ciclo Ano Lectivo 2007/2008

Escola Básica e Secundária das Lajes do Pico História e Geografia de Portugal 2º Ciclo Ano Lectivo 2007/2008 Escola Básica e Secundária das Lajes do Pico História e Geografia de Portugal 2º Ciclo Ano Lectivo 2007/2008 Conteúdos Ano Lectivo Período Lectivo Tema A-A península Ibérica: dos primeiros povos à formação

Leia mais

CONTEXTUALIZAÇÃO, RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS E EDUCAÇÃO MATEMÁTICA

CONTEXTUALIZAÇÃO, RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS E EDUCAÇÃO MATEMÁTICA CONTEXTUALIZAÇÃO, RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS E EDUCAÇÃO MATEMÁTICA Edda Curi Resumo Os Parâmetros Curriculares Nacionais de Matemática dos Ensinos Fundamental e Médio enfatizam como um critério essencial para

Leia mais

"Aqui Também é Portugal"

Aqui Também é Portugal A 337669 "Aqui Também é Portugal" A Colónia Portuguesa do Brasil e o Salazarismo Heloísa Paulo Quarteto 2000 índice Prefácio 13 Introdução 17 Parte I A visão da emigração e do emigrante no ideário salazarista

Leia mais

PERSPECTIVAS DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL QUANDO ANALISADA SOB A CÁTEDRA FORMAL Terezinha Corrêa Lindino UNIOESTE

PERSPECTIVAS DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL QUANDO ANALISADA SOB A CÁTEDRA FORMAL Terezinha Corrêa Lindino UNIOESTE 1 PERSPECTIVAS DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL QUANDO ANALISADA SOB A CÁTEDRA FORMAL Terezinha Corrêa Lindino UNIOESTE Resumo O presente trabalho procura vincular a Educação formal aos princípios da Educação Ambiental

Leia mais

EXCLUSÃO E RESISTÊNCIA NO DISCURSO: O CASO DO JORNAL O TRECHEIRO

EXCLUSÃO E RESISTÊNCIA NO DISCURSO: O CASO DO JORNAL O TRECHEIRO VI COLOQUIO DE LA REDLAD Bogotá, 15 e 16 de setembro de 2011 LOS DISCURSOS DE LA EXCLUSIÓN EN AMERICA LATINA EXCLUSÃO E RESISTÊNCIA NO DISCURSO: O CASO DO JORNAL O TRECHEIRO Viviane de Melo Resende María

Leia mais

ABORDAGEM DO CICLO DE POLÍTICAS SEGUNDO STEPHEN BALL

ABORDAGEM DO CICLO DE POLÍTICAS SEGUNDO STEPHEN BALL Departamento de Educação 1 ABORDAGEM DO CICLO DE POLÍTICAS SEGUNDO STEPHEN BALL Aluna: Ana Carolina de Souza e Paula Gomes Orientadora: Maria Inês G.F. Marcondes de Souza Introdução Esse texto é resultado

Leia mais

O ÍNDIO PLATINOCOMO PAPEL BRANCO: OS PRIMEIROS TEMPOS DA IMPRENSA NA AMÉRICA JESUÍTICA (1580-1780)

O ÍNDIO PLATINOCOMO PAPEL BRANCO: OS PRIMEIROS TEMPOS DA IMPRENSA NA AMÉRICA JESUÍTICA (1580-1780) O ÍNDIO PLATINOCOMO PAPEL BRANCO: OS PRIMEIROS TEMPOS DA IMPRENSA NA AMÉRICA JESUÍTICA (1580-1780) Fernanda Gisele Basso (BIC/UNICENTRO), Márcio Fernandes (Orientador), e-mail: marciofernandes@unicentro.br

Leia mais

CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda

CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda DISCIPLINA: Sociologia PROF: Waldenir do Prado DATA: 06/02/2012. CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda www.especifico.com.br QUESTÕES DE VESTIBULAR e-mail: especifico@especifico.com.br Av. Rio Claro nº 615 Centro

Leia mais

A PRESENÇA NEGRA NO PARÁ: RESENHA DE UM

A PRESENÇA NEGRA NO PARÁ: RESENHA DE UM R E S E N H A A PRESENÇA NEGRA NO PARÁ: RESENHA DE UM TRABALHO PIONEIRO SALLES, VICENTE. O NEGRO NO PARÁ. SOB O REGIME DA ESCRAVIDÃO. 3ª EDIÇÃO. BELÉM: INSTITUTO DE ARTES DO PARÁ, 2005. JOSÉ MAIA BEZERRA

Leia mais

PRODUÇÃO IMOBILIÁRIA E PRODUÇÃO DO ESPAÇO URBANO NO BRASIL CONTEMPORÂNEO: UMA INTERPRETAÇÃO A PARTIR DA IMPRENSA ESPECIALIZADA

PRODUÇÃO IMOBILIÁRIA E PRODUÇÃO DO ESPAÇO URBANO NO BRASIL CONTEMPORÂNEO: UMA INTERPRETAÇÃO A PARTIR DA IMPRENSA ESPECIALIZADA Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 492 PRODUÇÃO IMOBILIÁRIA E PRODUÇÃO DO ESPAÇO URBANO NO BRASIL CONTEMPORÂNEO: UMA INTERPRETAÇÃO A PARTIR DA IMPRENSA

Leia mais

O MANIFESTO DE 1932 VELHA FILOSOFIA NO PENSAMENTO DOS PIONEIROS DA EDUCAÇÃO NOVA

O MANIFESTO DE 1932 VELHA FILOSOFIA NO PENSAMENTO DOS PIONEIROS DA EDUCAÇÃO NOVA O MANIFESTO DE 1932 VELHA FILOSOFIA NO PENSAMENTO DOS PIONEIROS DA EDUCAÇÃO NOVA Neiva Gallina Mazzuco/UNIOESTE 1 Guaraciaba Aparecida Tullio/UEM 2 Defende-se, no presente artigo, que as propostas de educação

Leia mais

Resenha. Informar não é comunicar (WOLTON, Dominique. Porto Alegre: Sulinas, 2011).

Resenha. Informar não é comunicar (WOLTON, Dominique. Porto Alegre: Sulinas, 2011). Resenha Informar não é comunicar (WOLTON, Dominique. Porto Alegre: Sulinas, 2011). Bruno Ribeiro NASCIMENTO 1 Dominique Wolton costuma nadar contra a corrente: quando os críticos da indústria cultural

Leia mais

COMISSÃO PORTUGUESA DE HISTÓRIA MILITAR PROGRAMA XXII COLÓQUIO DE HISTÓRIA MILITAR

COMISSÃO PORTUGUESA DE HISTÓRIA MILITAR PROGRAMA XXII COLÓQUIO DE HISTÓRIA MILITAR COMISSÃO PORTUGUESA DE HISTÓRIA MILITAR PORTUGAL NA GUERRA PENINSULAR (1812 1815) DO CERCO DE CIUDAD RODRIGO AO CONGRESSO DE VIENA O CAMINHO PARA A DERROCADA DO IMPÉRIO NAPOLEÓNICO PROGRAMA XXII Comissão

Leia mais

Nem cidadãos, nem brasileiros: Indígenas na formação do

Nem cidadãos, nem brasileiros: Indígenas na formação do Nem cidadãos, nem brasileiros: Indígenas na formação do Estado nacional brasileiro e conflitos na Província de São Paulo (1822-1845). São Paulo: Alameda, 2012. 292 p. Fernanda Sposito Luana Soncini 1 A

Leia mais

Memória e discurso: reflexões sobre a trajetória do ensino de espanhol a. partir da análise de textos oficiais

Memória e discurso: reflexões sobre a trajetória do ensino de espanhol a. partir da análise de textos oficiais Memória e discurso: reflexões sobre a trajetória do ensino de espanhol a partir da análise de textos oficiais Maria Cecília do Nascimento Bevilaqua (UERJ) Apresentação Quem não se lembra da ênfase dada

Leia mais

Por uma Ética da Arquitetura e do Urbanismo

Por uma Ética da Arquitetura e do Urbanismo À medida que a mente compreende as coisas como necessárias, ela tem um maior poder sobre os seus afetos, ou seja, deles padece menos. Benedictus de Spinoza in Ética Por uma Ética da Arquitetura e do Urbanismo

Leia mais

CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda

CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda www.especifico.com.br DISCIPLINA : Sociologia PROF: Waldenir do Prado DATA:06/02/2012 O que é Sociologia? Estudo objetivo das relações que surgem e se reproduzem, especificamente,

Leia mais

RESENHA. A FORMAÇÃO DA LEITURA NO BRASIL Leonardo Barros Medeiros (UCP)

RESENHA. A FORMAÇÃO DA LEITURA NO BRASIL Leonardo Barros Medeiros (UCP) RESENHA A FORMAÇÃO DA LEITURA NO BRASIL Leonardo Barros Medeiros (UCP) Marisa Lajolo & Regina Zilberman. A formação da leitura no Brasil. São Paulo: Ática, 1996. (http://www.editoraatica.com.br) Trata-se

Leia mais

TRANSPOSIÇÃO DIDÁTICA, INTERDISCIPLINARIDADE E CONTEXTUALIZAÇÃO

TRANSPOSIÇÃO DIDÁTICA, INTERDISCIPLINARIDADE E CONTEXTUALIZAÇÃO TRANSPOSIÇÃO DIDÁTICA, INTERDISCIPLINARIDADE E CONTEXTUALIZAÇÃO Como já vimos, a proposta pedagógica é uma articuladora de intenções educativas onde se definem as competências, os conteúdos, os recursos

Leia mais

A PRODUÇÃO DE JORNAL CIENTÍFICO ESCOLAR, COMO FERRAMENTA MOTIVADORA NO ENSINO DE BIOLOGIA.

A PRODUÇÃO DE JORNAL CIENTÍFICO ESCOLAR, COMO FERRAMENTA MOTIVADORA NO ENSINO DE BIOLOGIA. A PRODUÇÃO DE JORNAL CIENTÍFICO ESCOLAR, COMO FERRAMENTA MOTIVADORA NO ENSINO DE BIOLOGIA. Maria Célia Cavalcante de Paula e Silva Licenciada em Ciências Biológicas pela UEPB. Mestre em Ciência e Tecnologia

Leia mais

História- 2 ano/ Ensino Médio Revolução Francesa

História- 2 ano/ Ensino Médio Revolução Francesa História- 2 ano/ Ensino Médio Revolução Francesa 1 A Revolução Francesa representou uma ruptura da ordem política (o Antigo Regime) e sua proposta social desencadeou a) a concentração do poder nas mãos

Leia mais

RESENHA: O QUE É E COMO SE FAZ

RESENHA: O QUE É E COMO SE FAZ 1 Resenha: o que é e como se faz RESENHA: O QUE É E COMO SE FAZ Ronaldo Martins Você já deve saber que o que nós chamamos "texto" corresponde a um conjunto de coisas bastante diversas. Sua certidão de

Leia mais

A RODA DE LITERATURA INFANTIL COMO ESPAÇO DE REFLEXÃO CRÍTICA: um relato de experiência

A RODA DE LITERATURA INFANTIL COMO ESPAÇO DE REFLEXÃO CRÍTICA: um relato de experiência A RODA DE LITERATURA INFANTIL COMO ESPAÇO DE REFLEXÃO CRÍTICA: um relato de experiência Ana Raquel da Rocha Bezerra, UFPE Andressa Layse Sales Teixeira, UFRN RESUMO: O presente trabalho tem como objetivo

Leia mais

THOMAS HOBBES LEVIATÃ MATÉRIA, FORMA E PODER DE UM ESTADO ECLESIÁSTICO E CIVIL

THOMAS HOBBES LEVIATÃ MATÉRIA, FORMA E PODER DE UM ESTADO ECLESIÁSTICO E CIVIL THOMAS HOBBES LEVIATÃ ou MATÉRIA, FORMA E PODER DE UM ESTADO ECLESIÁSTICO E CIVIL Thomas Hobbes é um contratualista teoria do contrato social; O homem natural / em estado de natureza para Hobbes não é

Leia mais

Elaboração de Projetos

Elaboração de Projetos Elaboração de Projetos 2 1. ProjetoS Projeto de Vida MACHADO, Nilson José. Projeto de vida. Entrevista concedida ao Diário na Escola-Santo André, em 2004. Disponível em: .

Leia mais

INDEPENDÊNCIA DA AMÉRICA LATINA (1808-1826) Profª Adriana Moraes

INDEPENDÊNCIA DA AMÉRICA LATINA (1808-1826) Profª Adriana Moraes INDEPENDÊNCIA DA AMÉRICA LATINA (1808-1826) Profª Adriana Moraes A independência foi o processo político e militar que afetou todas as regiões situadas entre os vicereinados da Nova Espanha e do Rio da

Leia mais

INDIVIDUALISMO ÉMILE DURKHEIM. * Os fatos sociais são regras jurídicas, morais e sistemas financeiros.

INDIVIDUALISMO ÉMILE DURKHEIM. * Os fatos sociais são regras jurídicas, morais e sistemas financeiros. INDIVIDUALISMO ÉMILE DURKHEIM Fato Social - Exterioridade (o fato social é exterior ao indivíduo). - Coercitividade. - Generalidade (o fato social é geral). * Os fatos sociais são regras jurídicas, morais

Leia mais

Nome: Turma: Data: Atividade de revisão para o Exame final. A Revolução Francesa (14/07/1789)

Nome: Turma: Data: Atividade de revisão para o Exame final. A Revolução Francesa (14/07/1789) Profª.: Lygia Mânica Costa 7ª série do E. Fundamental Nome: Turma: Data: Atividade de revisão para o Exame final A Revolução Francesa (14/07/1789) A situação social era grave e o nível de insatisfação

Leia mais

Para que serve tudo isso?

Para que serve tudo isso? Para que serve tudo isso? Para que serve tudo isso? A filosofia e o sentido da vida, de Platão a Monty Python Julian Baggini Tradução: Cristiano Botafogo Rio de Janeiro Título original: What s It All About?

Leia mais

CARLOS VALDER DO NASCIMENTO. A Lei da Ficha Limpa. Ilhéus-Bahia

CARLOS VALDER DO NASCIMENTO. A Lei da Ficha Limpa. Ilhéus-Bahia CARLOS VALDER DO NASCIMENTO 02 A Lei da Ficha Limpa Ilhéus-Bahia 2014 Copyright 2014 by Carlos Valder do Nascimento Direitos desta edição reservados à EDITUS - EDITORA DA UESC A reprodução não autorizada

Leia mais

O ENSINO DE INGLÊS NO IFRJ: UMA PERSPECTIVA A PARTIR DO OLHAR DO ALUNO

O ENSINO DE INGLÊS NO IFRJ: UMA PERSPECTIVA A PARTIR DO OLHAR DO ALUNO O ENSINO DE INGLÊS NO IFRJ: UMA PERSPECTIVA A PARTIR DO OLHAR DO ALUNO Elza Maria Duarte Alvarenga de Mello Ribeiro (1); Carla Cristina de Souza (2); Giovana de Oliveira Caxias (3). (1) Instituto Federal

Leia mais

Aprimoramento 3. parte 2. Prof. Osvaldo

Aprimoramento 3. parte 2. Prof. Osvaldo Aprimoramento 3 parte 2 Prof. Osvaldo 03. (UFPR) Leia os seguintes excertos da Magna Carta inglesa de 1215. 12 Nenhum imposto ou pedido será estabelecido no nosso reino sem o consenso geral. [...] que

Leia mais

REFLEXÕES SOBRE OS DESAFIOS DA UNIVERSIDADE DO MUNDO GLOBALIZADO E DE UMA SOCIEDADE DO CONHECIMENTO Ubiratan D Ambrosio

REFLEXÕES SOBRE OS DESAFIOS DA UNIVERSIDADE DO MUNDO GLOBALIZADO E DE UMA SOCIEDADE DO CONHECIMENTO Ubiratan D Ambrosio Universidade de Brasília IX Semana de Extensão 30 de setembro de 2009. REFLEXÕES SOBRE OS DESAFIOS DA UNIVERSIDADE DO MUNDO GLOBALIZADO E DE UMA SOCIEDADE DO CONHECIMENTO Ubiratan D Ambrosio ubi@usp.br

Leia mais

ÉTICA, EDUCAÇÃO E CIDADANIA

ÉTICA, EDUCAÇÃO E CIDADANIA ÉTICA, EDUCAÇÃO E CIDADANIA Marconi Pequeno * * Pós-doutor em Filosofia pela Universidade de Montreal. Docente do Programa de Pós-Graduação em Filosofia e membro do Núcleo de Cidadania e Direitos Humanos

Leia mais

Comunicação e Reputação. 10 dicas para manter o alinhamento e assegurar resultados

Comunicação e Reputação. 10 dicas para manter o alinhamento e assegurar resultados Comunicação e Reputação 10 dicas para manter o alinhamento e assegurar resultados 1 Introdução Ao contrário do que alguns podem pensar, reputação não é apenas um atributo ou juízo moral aplicado às empresas.

Leia mais

(Re)pensando o Lugar da Educação em Direitos Humanos. na Educação de Surdos

(Re)pensando o Lugar da Educação em Direitos Humanos. na Educação de Surdos (Re)pensando o Lugar da Educação em Direitos Humanos na Educação de Surdos Por MARIA DE FÁTIMA DA SILVA CAVALCANTE Resumo: O presente artigo tem por objetivo discutir a Educação em Direitos Humanos como

Leia mais

EMENTÁRIO DO CURO DE JORNALISMO

EMENTÁRIO DO CURO DE JORNALISMO EMENTÁRIO DO CURO DE JORNALISMO LET 02630 LÍNGUA PORTUGUESA Noções gerais da língua portuguesa. Leitura e produção de diferentes tipos de textos, em especial os relativos à comunicação de massa. Os tipos

Leia mais

Marco Aurélio dos Santos Departamento de História da Universidade de São Paulo, São Paulo, SP, Brasil marcoholtz@uol.com.br

Marco Aurélio dos Santos Departamento de História da Universidade de São Paulo, São Paulo, SP, Brasil marcoholtz@uol.com.br Marco Aurélio dos Santos Departamento de História da Universidade de São Paulo, São Paulo, SP, Brasil marcoholtz@uol.com.br PIMENTA, João Paulo. A independência do Brasil e a experiência hispanoamericana

Leia mais

1 - Abreu, Paradela de Timor: a verdade histórica. Lisboa, Luso Dinastia, 1997, 294 p., 23 cm. Capa brochada, bom estado.

1 - Abreu, Paradela de Timor: a verdade histórica. Lisboa, Luso Dinastia, 1997, 294 p., 23 cm. Capa brochada, bom estado. Atempo Timor 1 - Abreu, Paradela de Timor: a verdade histórica. Lisboa, Luso Dinastia, 1997, 294 p., 23 cm. Capa brochada, bom estado. «Para compreendermos o que se passou em Timor-Leste na fase da descolonização,

Leia mais

TRANSPOSIÇÃO DIDÁTICA, INTERDISCIPLINARIDADE E CONTEXTUALIZAÇÃO Guiomar Namo de Mello

TRANSPOSIÇÃO DIDÁTICA, INTERDISCIPLINARIDADE E CONTEXTUALIZAÇÃO Guiomar Namo de Mello TRANSPOSIÇÃO DIDÁTICA, INTERDISCIPLINARIDADE E CONTEXTUALIZAÇÃO Como já vimos, a proposta pedagógica é uma articuladora de intenções educativas onde se definem as competências, os conteúdos, os recursos

Leia mais

ORGANIZAÇÃO DO ENSINO NO BRASIL: PERÍODO COLONIAL

ORGANIZAÇÃO DO ENSINO NO BRASIL: PERÍODO COLONIAL Aula ORGANIZAÇÃO DO ENSINO NO BRASIL: PERÍODO COLONIAL META Apresentar as razões da expansão da pedagogia (ensino) jesuítica no Brasil-colônia e, posteriormente, a sua expulsão motivada pela reforma da

Leia mais

Direitos dos povos e comunidades tradicionais na Constituição Federal como direitos fundamentais

Direitos dos povos e comunidades tradicionais na Constituição Federal como direitos fundamentais Direitos dos povos e comunidades tradicionais na Constituição Federal como direitos fundamentais Paulo Gilberto Cogo Leivas Procurador Regional da República. Mestre e Doutor em Direito pela UFRGS. Coordenador

Leia mais

Sugestões de avaliação. História 8 o ano Unidade 4

Sugestões de avaliação. História 8 o ano Unidade 4 Sugestões de avaliação História 8 o ano Unidade 4 5 Nome: Data: Unidade 4 1. Analise a gravura e explique qual crítica ela revela. Gravura anônima do século XVIII. Biblioteca Nacional da França, Paris

Leia mais