ROGÉRIO ROBERTO WESTPHAL REVISÃO E PROPOSTA DE PROCESSO DE SEPARAÇÃO DA DISTRIBUIDORA MÜLLER

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ROGÉRIO ROBERTO WESTPHAL REVISÃO E PROPOSTA DE PROCESSO DE SEPARAÇÃO DA DISTRIBUIDORA MÜLLER"

Transcrição

1 ROGÉRIO ROBERTO WESTPHAL REVISÃO E PROPOSTA DE PROCESSO DE SEPARAÇÃO DA DISTRIBUIDORA MÜLLER Instituto Cenecista Fayal de Ensino Superior Itajaí 2009

2 1 ROGÉRIO ROBERTO WESTPHAL REVISÃO E PROPOSTA DE PROCESSO DE SEPARAÇÃO DA DISTRIBUIDORA MÜLLER Trabalho de conclusão de Estágio Supervisionado, desenvolvido como requisito para obtenção do titulo de bacharel em Administração do Instituto Cenecista Fayal de Ensino Superior- IFES. Instituto Cenecista Fayal de Ensino Superior Itajaí 2009

3 2 REVISÃO E PROPOSTA DE PROCESSO DE SEPARAÇÃO DA DISTRIBUIDORA MÜLLER Este trabalho de conclusão de curso foi julgado aprovado para a obtenção do grau de Bacharel em Administração de Empresa do Instituto Cenecista Fayal de Ensino Superior - IFES Itajaí, 19 de junho de Prof. Coordenador de estágios Prof. Rodrigo Rodrigues Rossi Orientador Banca examinadora Banca examinadora

4 3 EQUIPE TÉCNICA Estagiário Rogério Roberto Westphal Coordenador de estágio Leandro Costa Orientador de estágio Rodrigo Rodrigues Rossi Orientador de metodologia Marcello Soares Orientador de campo Marco Alan de Souza Silva

5 4 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO Histórico Identificação da Empresa Negócio Filosofia Missão Visão Valores Estrutura Organizacional Colaboradores Estrutura Logística(Armazenagem) Estrutura Logística(Transporte) Estrutura Mercadológica Mercado Clientes Clientes por Canal Evolução do Faturamento Distribuição Fornecedores Exclusivos Fornecedores e Atacadistas Problema Justificativa OBJETIVOS Objetivo Geral Objetivos Específicos FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA Administração Geral Desenvolvimento da Logística Papel da Logística Do Gestor Logístico Fluxos Logísticos...27

6 5 3.3 Armazenagem Segurança na armazenagem Manuseio e Acondicionamento do produto Processamentos de Pedidos Ciclo do pedido e fluxos de informações e de produtos Problemas comuns na gestão do ciclo do pedido Armazenagem: Considerações sobre a atividade de Picking Separação da área de picking da área de estocagem Sistemas de Picking Roterização Roteirização sem restrições Roteirização com restrições Expedição METODOLOGIA Forma de Pesquisa Pesquisa Bibliográfica Pesquisa Documental Levantamento Abordagem Pesquisa Qualitativa Pesquisa Quantitativa Delimitação do Estudo Coleta, Análise e Interpretação RESULTADOS Atividades do Picking Princípios Atividade Picking Organizar a atividade de picking Picking Distribuidora Muller Recebimentos de Mercadorias Apresentações de Propostas para o Controle de Processo de Separação das mercadorias Resultados a Serem Tomados CONSIDERAÇÕES FINAIS REFERÊNCIAS...50

7 6 LISTA DE TABELAS Tabela 1 Estrutura Logística Tabela 2 Estrutura Mercadológica... 19

8 7 LISTA DE FIGURAS Figura 1 Atividade de Armazenagem...39 Figura 2 Estrutura Deposito Distribuidora Müller...40 Figura 3 Deposito e os Paletes...41 Figura 4 Equipamento-Empilhadeira...45 Figura 5 Movimentação das mercadorias...46 Figura 6 Caixa Organizadora Transparente Figura 7 Caixa Organizadora Transparente

9 8 LISTA DE GRÁFICOS Gráfico 1 - Utilização do Tempo de um Operador de Picking...44

10 9 AGRADECIMENTOS Agradeço primeiramente a Deus pela vida. Aos meus professores, pela persistência e sabedoria com que nos transmitiram seus conhecimentos. E a todos os colegas e a minha família pelo incentivo e apoio constante.

11 10 RESUMO Este trabalho teve o objetivo de analisar métodos e controles que possam demonstrar com maior clareza e segurança a real situação da separação das mercadorias da Distribuidora Müller, visando auxiliar na distribuição seqüencial das entregas da empresa. O estudo bibliográfico foi voltado a apresentar uma visão geral sobre o tema padronização da logística interna, seus conceitos, importância, características, e ferramentas. As estratégicas de pesquisa utilizadas serão a pesquisa bibliográfica, pesquisa documental e levantamento, de forma a obter todas as informações necessárias para analisar a empresa estudada. Apoiado na revisão bibliográfica, juntamente com o exemplo prático, tendo em vista o processo da padronização das mercadorias na empresa. Palavras Chave: Planejamento Integrado, Logística, Controle.

12 11 1 INTRODUÇÃO Este trabalho será desenvolvido na área da Logística da Empresa Distribuidora Müller, visando demonstrar a importância da padronização dos procedimentos seqüencial de separação dos volumes e da utilização de pallets para uma melhor distribuição das entregas. A Logística trata de todas as atividades de movimentação e armazenagem que facilita o fluxo de produtos desde o ponto de aquisição da matéria prima até o ponto de consumo final. Assim como dos fluxos de informação que colocam o produto em movimento. Deste modo, é essencial que as empresas tenham meios eficazes de analisarem sua situação e suas possibilidades para permanecerem produzindo os bens serviços de interesse para o mercado onde estão inseridas. 1.1 Histórico A Distribuidora Muller foi fundada em 06 de setembro de 1967, portanto, está atuando no mercado catarinense há 42 anos. Seu proprietário, Odemar Müller, procedente de Brusque cidade vizinha, chegou à Itajaí em 1958, para gerenciar a filial da Torrefação do Café Nelson, ocupando assim o cargo durante 08 anos. Contando com o apoio dos sócios da torrefação, o Sr. Nelson Szpoganicz Daligna e de Nilton Kucker, fundou em 06 de setembro de 1967 um pequeno atacado de doces que se localizava na Rua Bernadino João Victorino, no centro da cidade de Itajaí, começando sua vida com um veículo utilitário adquirido através de um financiamento, com o foco na distribuição de produtos alimentícios para atender toda Itajaí e cidades próximas à região. Em 1973 a empresa transferiu-se para a Rua Brusque onde passou a ser denominada como Distribuidora Müller Comércio e Representações Ltda., tendo como sócios Odemar Müller, Ana Maria Müller e Laércio Knihs (esposa e cunhado) estendendo seu atendimento para todo o território catarinense. Com a necessidade de expandir, a empresa fundou, em 1992, a Timoneiro Distribuidora de Alimentos Ltda., também distribuidora de gêneros alimentícios, na

13 12 qual atua como distribuidor exclusivo da Cadbury Adams, empresa detentora das marcas Halls, Trident, Bubballo, Clorets, Fresh-up e Ping Pong. A Timoneiro localiza-se nas dependências da Distribuidora Müller, na Rua Luiz Berlim, nº. 98, está no controle os filhos, Cláudio Queluz Müller e Milene Müller. O escopo da empresa é atingir o maior número de pontos de vendas, sempre com o cuidado de prestar o melhor serviço, com o enfoque na comercialização de mercadorias, no qual sendo o gênero alimentício seu principal segmento, comercializando ainda artigos de higiene e limpeza, papelaria, eletrônicos (pilhas), alguns tipos de bebidas e produtos para sorveterias. A Distribuidora Müller ocupa um lugar de destaque no segmento Atacadista/Distribuidor no estado de Santa Catarina no ramo de distribuição de gêneros alimentícios, e está entre as dez maiores empresas do município, tanto em faturamento como arrecadação de ICMS. Devido ao seu crescimento mercadológico a empresa vem ampliando sua estrutura física ao longo dos anos para atender a demanda e se firmar como empresa inovadora no segmento. O eminente nível de qualidade na distribuição de seus produtos fez com que a empresa buscasse a atualização de seus sistemas e processos. Todo sistema de estoque é gerenciado por um software EDI de uma empresa de São Paulo, Consinco. A equipe de vendas é equipada com palm-top (computadores de mão), abolindo assim, os tradicionais e arcaicos blocos de pedidos. Os pedidos são passados diariamente em horários específicos por região, via Embratel, através de modem, e também via operadora Claro, através de celulares via infravermelho, possibilitando a troca de informações. Possui também uma loja de auto-serviço de atendimento, com sistema de código de barras para agilizar o processo e facilitar a operação comercial, abastecendo os comerciantes locais, que não costumam fazer pedido com os representantes, ou aqueles que na aquisição de mercadoria não alcançam o valor mínimo de compra. Toda a frota é gerenciada por computadores de bordo (REDAC), que auxiliam no gerenciamento e controle de viagens dos motoristas (entregadores). No final de cada viagem, o motorista entrega no setor de transportes um cartucho (banco de dados) contendo toda a informação atinente à viagem realizada. Através deste, é feito à leitura no computador central, localizado no referido setor, possibilitando a verificação de horários, números de duração de cada entrega, velocidade, km rodado, média de viagens, tempo de motor ligado, etc.

14 13 A empresa focou seu atendimento em Santa Catarina, com abertura recente no estado do Paraná, onde participava com uma estrutura mercadológica abarcando uma boa parte do estado no qual busca realizar um bom trabalho espelho de Santa Catarina, isto se deve à conscientização dos gestores que primam por qualidade. Entre os funcionários da empresa estão os filhos ocupando lugar de destaque (Clarisse e Marcelo Queluz Müller), que tomaram posse em 1990 de cargos importantes na empresa, onde o planejamento e a tomada de decisão são sempre compartilhados em família. Como prova da eminência na qualidade de atendimento da Dmüller, a empresa já foi premiada como fornecedora do ano 05 vezes: 1994, 1995, 1999, 2000 e 2001, prêmio ACATS eleita por supermercadistas de todo o estado. Em 2001 a empresa foi surpreendida com o título de Melhor Atacadista Distribuidor Destaque ABAD, título esse que mereceu homenagens ao trabalho realizado durante todo o ano no mercado catarinense. Como assistência social, destaca-se na sociedade pelas atividades sociais, bem como tradicional distribuição de chocolates de Páscoa para crianças carentes, na cadeia pública, asilos e creches. Como benefício social, a empresa fornece auxílio a seus colaboradores, no que tange ao pagamento de 50% nos cursos pertinentes as atividades administrativas e pagamento do plano de saúde Unimed. O cadastro preciso e atualizado, a prestação de serviço, a estrutura de vendas, seus colaboradores, a tradição e a marca são os principais diferenciais competitivos da Distribuidora Müller. Diferenciais que fazem com que a empresa não seja vista como mais uma no segmento e sim, como parceiro do cliente. 1.2 Identificação da empresa Razão social: Distribuidora Müller Comércio e Representações Ltda. Nome fantasia: Dmüller Endereço: Rua Brusque, 605 Itajaí / SC-CEP: Caixa Postal 211. Fone: (47) Data de Constituição: 06/09/1967

15 14 Ramo de Atuação: Distribuição, comércio atacadista e varejista de produtos alimentícios, transporte rodoviário de cargas e representações em geral. Área Total: m2 Área Edificada: m2 Área de Atuação: Todo estado de Santa Catarina. 1.3 Negócio O negócio da empresa é norteado na busca de melhorias contínuas nos processos para que agregue valor aos seus clientes interno e externo, com o escopo na prestação de serviço. Segundo Tavares (2000, p. 165) o negócio de uma organização precisa ser definido considerando-se duas dimensões: os desejos ou necessidades que ela pretende satisfazer e a disponibilizarão de competências e habilidades para satisfazê-los. A empresa tem consciência de suas obrigações e sabe aonde quer chegar, as pessoas que conduzem o negócio tem o foco dirigido para o crescimento. 1.4 Filosofia A Dmüller é reconhecida na sociedade onde atua pela sua ética na conduta de seus negócios, pela integridade de seus profissionais e pelo exemplar cumprimento de suas obrigações sociais e fiscais como empresa. Sua gestão é voltada para busca constante do aperfeiçoamento humano como participante no processo de qualidade, investimento no pessoal, qualificando-os de forma a permear os valores como empresa prestadora de serviço e sua importância no processo global. Gestão simples, dinâmica e objetiva da excelência de poucos níveis hierárquicos.

16 Missão Levar a nossos clientes a excelência em serviços, através de profissionalismo, honestidade, comprometimento e lucratividade, buscando assim, o bem-estar de todos os evolvidos no processo. Para Tavares (2000, p. 180) a missão corresponde ao enunciado do papel que a organização pretende desempenhar em relação às oportunidades e ameaças apresentadas por seu ambiente de negócio. 1.6 Visão Ser uma empresa referencial, vista como modelo, através da excelência na prestação de serviço, buscando um melhor relacionamento, fortalecendo-nos como elo entre nossos clientes e as indústrias que distribuímos. Para Tavares (2000, p.175) a visão é projeção das oportunidades futuras do negócio da organização, para permitir uma concentração de esforços em sua busca. 1.7 Valores E atingir seus objetivos como empresa sem que para isso desrespeite a cadeia de relacionamento, isso se deve a uma filosofia que permeia todos os colaboradores que compartilham a missão e visão da empresa. Segundo Tavares (2000, p. 302) os valores servem como instrumento para avaliar e dar significado à direção buscada pelos participantes da organização.

17 Estrutura Organizacional Ao constituir-se uma empresa, é necessário formar a estrutura organizacional, pois é a base para a identificação das tarefas e organização dos cargos e suas funções. Essa estrutura funciona como uma ferramenta motivadora aos colaboradores, propiciando medidas de desempenho e informações compatíveis com os objetivos. Toda a empresa possui dois tipos de estrutura: a) Formal: planejada e representada pelo organograma b) Informal: que são as informações e mudanças que acontecem através das relações entre todos na empresa e geralmente não aparecem no organograma. Para Chiavenato (2000) a organização formal é estabelecida pela empresa no que tange a divisão de trabalho, regras e regulamentos, enquanto a organização informal é constituída pelas relações sociais. A estrutura formal está representada pelo organograma: a) Área Mercadológica: a equipe de vendas realiza o controle direto sobre as vendas feitas pelos representantes e em alguns casos de supervisores, bem como, o acompanhamento de todas as promoções criadas pela empresa e por seus fornecedores através de relatórios que podem ser gerado diário, semanal, mensal e anualmente, além do cadastramento e atendimento aos clientes via telefone. b) Compras/Suprimentos: O departamento de compras faz todas as compras para revenda, além de devoluções de produtos sem condição de serem vendidos, tabela de preço, cobrança de promoções de vendas, cadastramento de fornecedores e produtos. c) CPD: é o centro de processamento de dados. Este setor tem como atribuições básicas: Gerenciar os dados da empresa, criar novos programas e dar assistência aos já existentes e realizar a manutenção dos computadores e impressoras, bem como auxiliar os serviços de uma maneira geral. d) Armazenagem/Expedição: é o responsável pela recepção, armazenagem, separação, conferência e carregamento das mercadorias. Conta com uma equipe que fazem revezamento em 02 turnos. (1º turno: recepção de mercadorias e armazenamento diurno, 2º turno: separação, conferência e carregamento noturno).

18 17 e) Merchandising: O setor de merchandising tem como função cuidar da parte de promoção da empresa, dando um apoio maior às vendas. Dele fazem parte o supervisor, promotores e o auxiliar de merchandising. f) Financeiro: O departamento financeiro é encarregado dos recebimentos e pagamentos. Cabe ao financeiro controlar o fluxo de caixa da empresa, que abrange pagamento de fornecedores, prestação de contas dos motoristas, acerto de saldos, além de toda atividade bancária da empresa. g) Crédito e Cobrança: Este setor tem como responsabilidade maior aprovar o crédito para novos clientes, auxiliar todo o sistema de cobrança, via banco ou representantes, emitir duplicatas dos representantes, relatórios de títulos por representantes. Está interligado com todos os outros setores, porém sua ligação é mais constante com o departamento financeiro e de vendas. h) Contabilidade: É o funil de todas as informações da empresa. É através dela que a empresa deve espelhar-se para tomar decisões. i) Recepção: É o setor que tem como principal função, o atendimento telefônico, bem como emissão e recepção de fax, atendimento ao público, reprodução de cópias, etc. j) Logística: Todo o ciclo do pedido, desde sua captação no sistema Palm- Top até a entrega final ao cliente. Para concretização desse processo, a empresa conta com os motoristas, ajudantes, funcionários de manutenção e áreas administrativas. 1.9 Colaboradores Hoje a Distribuidora Müller possui um quadro de 194 colaboradores efetivos e 61 colaboradores temporários Estrutura Logística (Armazenagem) Instalações de 5000 metros quadrados de área, com sistema de paletização (PBR) vertical de quatro andares, que permitem com eficácia a movimentação das cerca de 1500 toneladas de produtos distribuídos mensalmente e com capacidade de 2500 posições paletes de armazenagem.

19 Estrutura Logística (Transporte) A empresa dispõe de frota própria para dar maior qualidade e rapidez nas entregas, já que está inserido na missão primar por eficiência e qualidade, a empresa não abre mão deste quesito, de vital importância na qual dá um diferencial competitivo. Abaixo um quadro da estrutura de apoio nas atividades físicas: Tabela 1- Estrutura Logística Estrutura Logística Caminhões 55 Utilitários 05 Automóveis 13 Motos 35 Empilhadeira elétrica 04 Paleteira elétrica 0 Paleteira manual 25 CDA (Centro de distribuição Avançada) 02 Fonte: Depto. Logística - Distribuidora Müller 1.12Estrutura Mercadológica A empresa dispõe de um contingente de pessoas que possam suprir todo o estado de Santa Catarina, haja vista que em função de focar o estado em virtude de abrir mão dos dois estados já citados, houve uma necessidade de ganhar competitividade em termos de prestação de serviço.

20 19 Abaixo um quadro da estrutura atual da empresa: Tabela 2- Estrutura Mercadológica Estrutura Mercadológica Representantes (Autônomos) 160 Promotores 45 Supervisores 04 Tele-vendas 05 Gerente de Vendas 01 Fonte: Depto. de Vendas - Distribuidora Müller 1.13 Mercado O mercado em que a empresa está inserida é de uma forma geral muito acirrado, até porque muitos Atacados vêm de fora do estado possibilitando vender mais barato em função da alíquota de ICMS reduzido. A postura da empresa é vender uma boa prestação de serviço no qual ganha respeito de seus fornecedores, clientes e concorrentes. A empresa vê como saudável para o negócio uma distribuição homogênea na qual não fica na mão em caso de queda de volume em algum canal Clientes A empresa possui em média de clientes cadastrados, sendo que os clientes ativos são aproximadamente de e o restante é composto de clientes inativos. Os clientes inativos são mantidos apesar de já ter passado por uma triagem recente de exclusão, a empresa tem como objetivo buscar um número muito próximo o que a AC Nilsen apresenta no segmento que é pontos de comércio alimentício.

21 Clientes por canal A Distribuidora Müller negocia com uma diversidade de clientes distribuídos em vários canais como: Ipermercados, mercados médio e de pequeno porte, lanchonetes, restaurantes, hotéis, motéis, agropecuárias, bancas de jornal, lojas de conveniências, farmácias, etc. 1.16Evolução do Faturamento A empresa vem ao longo dos anos buscando formas de conquistar novos mercados e o que parece, conseguiu obter êxito. Com a saída do estado Rio Grande do Sul a empresa buscou fechar o estados de Santa Catarina e Paraná com uma força de vendas atuante, com o objetivo de prospectar nos clientes que até então não estavam sendo atendidos. Cash and Carry (Auto Serviço). A empresa possui uma loja de auto-atendimento que faz parte da tradição ao longo dos anos, onde oferece uma ampla linha de produtos para que possa suprir um número de clientes que tem por habito a compra através da visualização do produto, por mais que se tenha insistido pela visita via representante, os mesmos preferem comprar na loja Distribuição Abaixo os fornecedores exclusivos e atacadistas da Distribuidora Muller Fornecedores Exclusivos Aloés, Aveibrás, Bauducco, Del Valle, Ferrero, Hershey s, Ki-Fritas, Kerococo, Parmíssimo, Red Bull, Selmi, Ultrapan.

22 Fornecedores Atacadistas Arcor, Brasfrigo, Cadbury Adams, Copobrás, Dopel, Dori, Duas Rodas, Gabi, Garoto, Henkel, Incorpel, Kraft, Maeda, Rayovac, Nestlé, Mult Usos, Perfetti, Plazapel, Riclan, Strawplast, Sócoco, United Mills, W. Wilson Problema O estágio orientado para responder à seguinte questão: dificuldade no carregamento e nas entregas da Distribuidora Müller se da devido a ausência da distribuição seqüencial? 1.19 Justificativa As transformações ocorridas nas empresas e o desenvolvimento da sociedade influenciam o mercado em geral. O mercado competitivo e o ambiente de negócio contemporâneo e os desafios do dia-a-dia conduzem as empresas a realizarem uma logística eficaz, que seja suficiente para cobrir suas obrigações. As empresas vem buscando uma maior eficiência em qualidade nos processos de coordenar o fluxo de matérias e de informação. Sendo que a empresa Distribuidora MÜller como as demais empresas da área alimentícia, possuem dificuldade no carregamento e nas entregas das mercadorias, pois não há distribuição seqüencial das entregas. O gerenciamento do estoque e utilização de carga e processamento de informações são medidas que possibilitam melhoria em termos de tempo e qualidade. Conforme Ballou (1993, p.61) Boa administração de materiais significa coordenar a movimentação de suprimentos com as exigências de operação. Havendo então uma nova mudança nos processos de entrega, tende-se aumentar a satisfação dos clientes e aumentando seu percentual competitivo de mercado. Sendo administrado com maior organização, controle e planejamento de recursos, é necessário antecipar os fatos para o bem e segurança da empresa. Ao acadêmico avaliar o desenvolvimento da logística da empresa ao longo do tempo,

23 22 exercendo papel fundamental no canal de distribuição dos volumes e seu efetivo controle tornando-se um elemento básico e indispensável para o comprimento das obrigações das empresas. Trata se de um trabalho inédito na empresa, onde a competitividade obriga as empresas a buscarem melhorias continuas em todas as fazes do processo logístico.

24 23 2 OBJETIVOS 2.1 Objetivo Geral Apresentar uma proposta de distribuição seqüencial das entregas para a empresa Distribuidora Müller. 2.2Objetivos Específicos o Identificar os principais componentes da cadeia de distribuição da empresa Distribuidora Müller. o Rever o processo de separação (picking) e vantagem dos pallets para expedição. o Apresentar de maneira clara e objetiva os resultados através dos demonstrativos logísticos. o Apresentar propostas de controles de níveis operacionais em função dos resultados obtidos.

25 24 3 FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA 3.1 Administração Geral Compreende-se por uma boa administração é aquela que, quando colocada em prática, beneficie a todos na organização. Conforme Chiavenato (1999, p. 9 ) A tarefa atual da administração é a de interpretar os objetivos propostos pela organização e transformá-los em ação organizacional por meio do planejamento, organização, direção e controle de todos os esforços realizados em todas as áreas e em todos os níveis da organização, a fim de alcançar tais objetivos da maneira mais adequada à situação. Chiavenato (1999) ainda acrescenta que a administração não é uma ciência exata. Ela não pode se basear em leis rígidas e, portanto os princípios administrativos devem ser flexíveis. O autor salienta que princípios são condições ou normas dentro das quais o processo administrativo deve ser aplicado e desenvolvido. Assim sendo, os princípios são: Princípio da divisão do trabalho e responsabilidade; Princípio da autoridade e responsabilidade; Princípio da hierarquia; Princípio da unidade de comando; Princípio da amplitude administrativa; e, Princípio da definição Segundo Chiavenato (1999, p. 7) "a tarefa básica da administração é a de fazer as coisas por meio de pessoas". Muitos dos problemas criados pelo mundo moderno, alguns autores e profissionais para solucioná-los estão considerando como chaves as novas concepções da administração.

26 Desenvolvimento da Logística Compreende-se por logística todo o processo de fluxo de produtos, desde o ponto de origem até o ponto de consumo, com finalidade de atender o consumidor final. Uma boa logística que, quando colocada em prática, beneficie a todos na organização. A empresa moderna exige rapidez e otimização do processo de movimentação de matérias, interna e externamente, que se inicia desde o recebimento da matéria - prima até a entrada do produto final ao cliente. Para Ballou (1993, p.17) A logística empresarial estuda como a administração pode prover melhor nível de rentabilidade nos serviços de distribuição aos clientes e consumidores, através de planejamento, organização e controle efetivos para as atividades de movimentação e armazenagem que visam facilitar o fluxo de produtos. Nas empresas o custo logístico em relação ao faturamento varia de forma significativa de empresa para empresa, de setor para setor, e de segmento industrial para segmento industrial Papel da Logística O papel da logística visa atender o objetivo final de proporcionar ao cliente produtos que satisfaçam suas necessidades, no menor tempo possível e ao menor custo. Segundo Bowersox (2001, p.21), O objetivo central da logística é atingir um nível desejado de serviço ao cliente pelo menor custo total possível. As principais funções do desenvolvimento da logística podem ser consideradas como: - Confirmação de pedidos: é o tempo que a empresa combina com o cliente para a entrega do produto;

27 26 - Transporte: é a movimentação externa do produto final ao cliente através de meios rodoviários, ferroviários, marítimos e aeroviários; - Armazenagem: é a utilização eficiente do espaço necessário para estocar os produtos; - Movimentação: a forma de movimentar matérias primas na fabricação, como pontes de rolantes, esteiras transportadoras, empilhadeiras e outros meios; - Gestão dos estoques: é necessário manter um nível mínimo de estoques, suficiente para suprir a demanda; - Embalagem a forma de proteção do produto; - Planejamento integrado: de produção, compras e embarques; -Sistema de informação: é necessário ter uma base de dados para planejar e programação de entrega e controle de logística. Segundo Figueiredo, Fleury, Wanke (2003, p.35) A logística constitui o serviço onde recursos são orientados para a consecução de determinada organização do fluxo de produtos entre clientes e fornecedores. As operações realizadas na logística relacionadas ao canal de distribuição da empresa, técnicas de gerenciamento, planejamento logístico. Todas essas operações estão orientadas a redução de custos logísticos da empresa Do Gestor Logístico A importância do papel do gestor logístico é facilmente identificada dentro da empresa.conforme Ballou (1993,p.73), o nível de serviço logístico é fator chave do conjunto de valores logísticos que as empresas oferecem a seus clientes para assegurar sua fidelidade. O gestor logístico ou profissional de logística também tem grande influencia naqueles que estão sob sua autoridade organizacional,sempre visando o menor custo logístico. Segundo Bowersox (2001, p.71) O serviço ao cliente é um processo cujo objetivo é fornecer benefícios significativos de valor agregado à cadeia de suprimento de maneira eficiente em termos de custo.

28 27 No entanto, é necessário que o profissional da logística tenha conhecimento das necessidades do mercado em que a empresa esta inserida, para poder fixar padrões de nível de serviço adequados ao momento Fluxos logísticos No decorrer das mudanças do mercado e devido à complexidade dos problemas logísticos e à sua natureza dinâmica, todo sistema logístico precisa ser constantemente avaliado, monitorado e controlado. No entanto, a logística necessita de um conhecimento de armazenagem, manuseio de matérias e embalagem, para obter o maximo de vantagens estratégicas da logística. 3.3 Armazenagem A armazenagem consiste em organizar, manusear os componentes da organização. De acordo com Ballou ( 1993,p.152 ) Armazenagem e manuseio de mercadorias são componentes essências do conjunto de atividades logísticas. O transporte ocorre em diversos lugares e com tempos diferentes, já a armazenagem dos elementos acontece, em ambientes fixados. Conforme Ballou (1993) existem quatro opções para a armazenagem, e são: possuir o depósito, alugar espaço físico, alugar o depósito (depósito público) e estocar em trânsito. Cada alternativa oferece diferentes níveis de custo, risco e envolvimento econômico. É através do projeto de armazenagem que analisamos a obtenção da diminuição dos custos das despesas logísticas. A falência de determinadas empresas são ocasionadas por não saberem controlar o estoque e o manuseio dos mesmos. Em um ciclo de operações, a utilização do espaço físico de armazenagem, auxilia no controle da redução do custos de transporte e produção materias.

29 Segurança na armazenagem A segurança e a limpeza do ambiente do armazém são fatores de produtividade, além de melhorar as condições de trabalho. Evitando menos custos nas operações,diminuindo as quebras, avarias, dificuldade de localização Dos elementos e mantendo uma melhoria continua do trabalho. De acordo com Bowersox & Closs (2001, p. 345) a segurança de um depósito inclui proteção contra furtos de mercadorias e contra deterioração. Ambas as formas de segurança merecem a atenção da administração Manuseio e Acondicionamento do produto O Manuseio ou movimentação interna de produtos e materias significa transportar pequenas quantidades de bens por distancias relativamente pequenas,quando comparadas com as distancias na movimentação de longo curso executada pelas companhias transportadoras. As operações são realizadas em ambientes fixos,com intuito da realização em menor tempo possível e custo baixo para a organização.no decorrer dos anos,a inovação dos equipamentos em termos de movimentação interna,fez com que a atividade da logística torna-se eficaz. De acordo com Ballou(1993,p.172) existe grande variedade de equipamento mecânico para o manuseio de amplo leque de tamanhos,formas,volumes e pesos de produtos. Os tipos mais comuns são: - Empilhadeiras e pequenos veículos. São meios mecânicos para mover materias cuja operação manual seria muito lenta ou cansativa devido ao peso. Variam desde pequenas plataformas manuais ate pequenos tratores. - Transportadores e esteiras.a empilhadeiras é o modo mais comum de auxiliar a movimentação interna de materiais. Logo em seguida na popularidade vem o tranpostador,usado para itens pequenos e pesados.

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E Prof. Marcelo Mello Unidade III DISTRIBUIÇÃO E TRADE MARKETING Canais de distribuição Canal vertical: Antigamente, os canais de distribuição eram estruturas mercadológicas verticais, em que a responsabilidade

Leia mais

QUESTIONÁRIO LOGISTICS CHALLENGE 2015 PRIMEIRA FASE

QUESTIONÁRIO LOGISTICS CHALLENGE 2015 PRIMEIRA FASE QUESTIONÁRIO LOGISTICS CHALLENGE 2015 PRIMEIRA FASE *Envie o nome de seu grupo, dos integrantes e um telefone de contato junto com as respostas do questionário abaixo para o e-mail COMMUNICATIONS.SLA@SCANIA.COM*

Leia mais

Logística e Administração de Estoque. Definição - Logística. Definição. Profª. Patricia Brecht

Logística e Administração de Estoque. Definição - Logística. Definição. Profª. Patricia Brecht Administração Logística e Administração de. Profª. Patricia Brecht Definição - Logística O termo LOGÍSTICA conforme o dicionário Aurélio vem do francês Logistique e significa parte da arte da guerra que

Leia mais

Prof. Jean Cavaleiro. Unidade II MOVIMENTAÇÃO E ARMAZENAGEM

Prof. Jean Cavaleiro. Unidade II MOVIMENTAÇÃO E ARMAZENAGEM Prof. Jean Cavaleiro Unidade II MOVIMENTAÇÃO E ARMAZENAGEM Introdução Vamos abordar aqui meios de armazenagem para melhor aproveitar o Pé direito, equipamentos que facilite movimentação em armazenagem

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO E ARMAZENAGEM

DISTRIBUIÇÃO E ARMAZENAGEM DISTRIBUIÇÃO E ARMAZENAGEM WMS WAREHOUSE MANAGEMENT SYSTEM SISTEMA DE GERENCIAMENTO DE ARMAZÉM/DEP M/DEPÓSITO WMS Software de gerenciamento de depósito que auxilia as empresas na busca de melhorias nos

Leia mais

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DO CEARÁ CEFET/CE DEPARTMAENTO DE EDIFICAÇÕES CURSO DE VIAS E TRANSPORTES CANAIS DE DISTRIBUIÇÃO

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DO CEARÁ CEFET/CE DEPARTMAENTO DE EDIFICAÇÕES CURSO DE VIAS E TRANSPORTES CANAIS DE DISTRIBUIÇÃO CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DO CEARÁ CEFET/CE DEPARTMAENTO DE EDIFICAÇÕES CURSO DE VIAS E TRANSPORTES CANAIS DE DISTRIBUIÇÃO PROFESSOR: HAMIFRANCY MENESES 1 TÓPICOS ABORDADOS DEFINIÇÃO DE CANAL

Leia mais

ANÁLISE DO GERENCIAMENTO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS POR MEIO DO PROGRAMA 5 S EM UMA TRANSPORTADORA NA CIDADE DE MARINGÁ

ANÁLISE DO GERENCIAMENTO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS POR MEIO DO PROGRAMA 5 S EM UMA TRANSPORTADORA NA CIDADE DE MARINGÁ 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 ANÁLISE DO GERENCIAMENTO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS POR MEIO DO PROGRAMA 5 S EM UMA TRANSPORTADORA NA CIDADE DE MARINGÁ Daiane Maria De Genaro Chiroli 1

Leia mais

Armazenagem e Movimentação de Materiais II

Armazenagem e Movimentação de Materiais II Tendências da armazenagem de materiais Embalagem: classificação, arranjos de embalagens em paletes, formação de carga paletizada, contêineres Controle e operação do armazém Equipamentos de movimentação

Leia mais

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 141 A LOGÍSTICA COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO Douglas Fernandes 1, Josélia Galiciano Pedro 1 Docente do Curso Superior

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE SUPRIMENTOS GESTÃO

ADMINISTRAÇÃO DE SUPRIMENTOS GESTÃO GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS DEFINIÇÃO DE CADEIAS DE SUPRIMENTOS (SUPLLY CHAIN) São os processos que envolvem fornecedores-clientes e ligam empresas desde a fonte inicial de matéria-prima até o ponto

Leia mais

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza edwin@engenharia-puro.com.br www.engenharia-puro.com.br/edwin Gerenciamento Logístico Gerenciamento Logístico A missão do gerenciamento logístico é planejar

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0 Autor: Marco Polo Viana. Bloco Suprimentos

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0 Autor: Marco Polo Viana. Bloco Suprimentos Bloco Suprimentos Controle de Produção PCP Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo Controle de Produção PCP, que se encontra no Bloco Suprimentos. Todas informações aqui disponibilizadas

Leia mais

Projeto de Armazéns. Ricardo A. Cassel. Projeto de Armazéns

Projeto de Armazéns. Ricardo A. Cassel. Projeto de Armazéns Ricardo A. Cassel FRANCIS, R.; McGINNIS, L.; WHITE, J. Facility Layout and Location: an analytical approach. New Jersey: Prentice Hall, 2ed., 1992. BANZATTO, E.; FONSECA, L.R.P.. São Paulo: IMAN, 2008

Leia mais

www.sistemainfo.com.br Há 20 anos desenvolvendo soluções para a gestão de transporte e logística. Processo de transporte e logística Objetivo

www.sistemainfo.com.br Há 20 anos desenvolvendo soluções para a gestão de transporte e logística. Processo de transporte e logística Objetivo Há 20 anos desenvolvendo soluções para a gestão de transporte e logística. Agilidade, segurança e flexibilidade nos processos são os compromissos da Sistema Informática com seus clientes. Sediada em Criciúma,

Leia mais

Anexo IV Conhecimento específico Responsável Técnico. Estrutura Curricular do Curso para Responsável Técnico 125h/a

Anexo IV Conhecimento específico Responsável Técnico. Estrutura Curricular do Curso para Responsável Técnico 125h/a Anexo IV Conhecimento específico Responsável Técnico. Estrutura Curricular do Curso para Responsável Técnico 125h/a Módulo I Conhecimentos Básicos do Setor de Transporte de Cargas O Transporte Rodoviário

Leia mais

Projeto Final do Semestre. Construxepa

Projeto Final do Semestre. Construxepa Universidade de Brasília FACE Departamento de Administração Disciplina: Administração de Recursos Materiais Professor: Guillermo José Asper Projeto Final do Semestre Construxepa Turma: 19 Grupo: H Integrantes:

Leia mais

GESTÃO DO NÍVEL DE SERVIÇO E SEGMENTAÇÃO DE MERCADO PARA DIFERENCIAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RH. PROFa. EVELISE CZEREPUSZKO

GESTÃO DO NÍVEL DE SERVIÇO E SEGMENTAÇÃO DE MERCADO PARA DIFERENCIAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RH. PROFa. EVELISE CZEREPUSZKO GESTÃO DO NÍVEL DE SERVIÇO E SEGMENTAÇÃO DE MERCADO PARA DIFERENCIAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RH PROFa. EVELISE CZEREPUSZKO O QUE É NÍVEL DE SERVIÇO LOGÍSTICO? É a qualidade com que o fluxo de bens e serviços

Leia mais

LOGÍSTICA Prof. Edwin B. Mitacc Meza

LOGÍSTICA Prof. Edwin B. Mitacc Meza LOGÍSTICA Prof. Edwin B. Mitacc Meza Prova 1 09 de Maio de 2013 Nome: 1ª QUESTÃO (1,0) Segundo os dados divulgados pela ood and Agriculture Organization (AO, 2011) sobre as exportações brasileiras, em

Leia mais

Unidade IV GERENCIAMENTO DE. Prof. Altair da Silva

Unidade IV GERENCIAMENTO DE. Prof. Altair da Silva Unidade IV GERENCIAMENTO DE TRANSPORTE Prof. Altair da Silva Transporte em area urbana Perceba o volume de caminhões que circulam nas áreas urbanas em nosso país. Quais são os resultados para as empresas

Leia mais

Tipos de Cargas e Veículos - 10h/a

Tipos de Cargas e Veículos - 10h/a Conhecer a evolução do Transporte no mundo, relacionando as características econômicas, sociais e culturais. Compreender a função social do transporte e o papel da circulação de bens e pessoas. Conhecer

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE GESTÃO DE ESTOQUE EM UMA EMPRESA BENEFICIADORA DE VIDROS EM TERESINA PI

DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE GESTÃO DE ESTOQUE EM UMA EMPRESA BENEFICIADORA DE VIDROS EM TERESINA PI DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE GESTÃO DE ESTOQUE EM UMA EMPRESA BENEFICIADORA DE VIDROS EM TERESINA PI GEDAÍAS RODRIGUES VIANA 1 FRANCISCO DE TARSO RIBEIRO CASELLI 2 FRANCISCO DE ASSIS DA SILVA MOTA 3

Leia mais

Operação do Sistema Logístico

Operação do Sistema Logístico Operação do Sistema Logístico Prof. Ph.D. Cláudio F. Rossoni Engenharia Logística II Objetivo Entender que, possuir um excelente planejamento para disponibilizar produtos e serviços para os clientes não

Leia mais

Introdução e Planejamento Cap. 1. Prof. Luciel Henrique de Oliveira luciel@uol.com.br

Introdução e Planejamento Cap. 1. Prof. Luciel Henrique de Oliveira luciel@uol.com.br BALLOU, Ronald H. Gerenciamenrto da Cadeia de Suprimentos / Logística Empresarial. 5ª ed. Porto Alegre: Bookman. 2006 Introdução e Planejamento Cap. 1 Prof. Luciel Henrique de Oliveira luciel@uol.com.br

Leia mais

Armazenagem. Por que armazenar?

Armazenagem. Por que armazenar? Armazenagem Introdução Funções da armazenagem Atividades na armazenagem Objetivos do planejamento de operações de armazenagem Políticas da armazenagem Pilares da atividade de armazenamento Armazenagem

Leia mais

Logistica e Distribuição. Manuseio de Materiais. Mas quais são as atividades da Logística? Ballou, 1993

Logistica e Distribuição. Manuseio de Materiais. Mas quais são as atividades da Logística? Ballou, 1993 Mas quais são as atividades da Logística? Ballou, 1993 Logística e Distribuição Manuseio de Materiais / Gestão de Informações Primárias Apoio 1 2 Manuseio de Materiais Refere-se aos deslocamentos de materiais

Leia mais

Corporativo. Transformar dados em informações claras e objetivas que. Star Soft. www.starsoft.com.br

Corporativo. Transformar dados em informações claras e objetivas que. Star Soft. www.starsoft.com.br Corporativo Transformar dados em informações claras e objetivas que possibilitem às empresas tomarem decisões em direção ao sucesso. Com essa filosofia a Star Soft Indústria de Software e Soluções vem

Leia mais

Introdução e Planejamento Cap. 1

Introdução e Planejamento Cap. 1 BALLOU, Ronald H. Gerenciamenrto da Cadeia de Suprimentos / Logística Empresarial. 5ª ed. Porto Alegre: Bookman. 2006 Introdução e Planejamento Cap. 1 Prof. Luciel Henrique de Oliveira luciel@fae.br L

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA 1 OBJETIVOS 1. Quais são as principais aplicações de sistemas na empresa? Que papel eles desempenham? 2. Como os sistemas de informação apóiam as principais funções empresariais:

Leia mais

Comex Exportação. Comercial. A partir de integração com o módulo de faturamento, o sistema de controle de exportação,

Comex Exportação. Comercial. A partir de integração com o módulo de faturamento, o sistema de controle de exportação, Comex Exportação A partir de integração com o módulo de faturamento, o sistema de controle de exportação, facilita a impressão dos principais documentos da exportação como fatura comercial, packing list,

Leia mais

LOGÍSTICA EMPRESARIAL

LOGÍSTICA EMPRESARIAL LOGÍSTICA EMPRESARIAL FORNECEDORES Erros de compras são dispendiosos Canais de distribuição * Compra direta - Vendedores em tempo integral - Representantes dos fabricantes Compras em distribuidores Localização

Leia mais

TRANSFORME INFORMAÇÕES EM RESULTADOS

TRANSFORME INFORMAÇÕES EM RESULTADOS TRANSFORME INFORMAÇÕES EM RESULTADOS Hoje, mais do que nunca, o conhecimento é o maior diferencial de uma organização, mas somente quando administrado e integrado com eficácia. Para melhor atender os seus

Leia mais

A OPERAÇÃO DE CROSS-DOCKING

A OPERAÇÃO DE CROSS-DOCKING A OPERAÇÃO DE CROSS-DOCKING Fábio Barroso Introdução O atual ambiente de negócios exige operações logísticas mais rápidas e de menor custo, capazes de suportar estratégias de marketing, gerenciar redes

Leia mais

A. Conceito de Trade Marketing, responsabilidades, atividades, amplitude de atuação e limites

A. Conceito de Trade Marketing, responsabilidades, atividades, amplitude de atuação e limites 5 Conclusão Trade Marketing é um termo conhecido por grande parte dos profissionais das áreas comercial e de marketing, principalmente entre as indústrias de bens de consumo. Muitas empresas já incluíram

Leia mais

GESTÃO DE OPERAÇÕES E LOGÍSTICA I AULA 05: LOGÍSTICA INTEGRADA E OUTRAS QUESTÕES TÓPICO 05: MOVIMENTAÇÃO DE MATERIAS O manuseio de materiais representa atividade de maior custo logístico, além de consumir

Leia mais

SISTEMAS DE TRANSPORTES

SISTEMAS DE TRANSPORTES ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS, PRODUÇÃO E LOGÍSTICA SISTEMAS DE TRANSPORTES TRANSPORTES Transportes, para a maioria das firmas, é a atividade logística mais importante, simplesmente porque ela absorve, em

Leia mais

Capítulo 2. Logística e Cadeia de Suprimentos

Capítulo 2. Logística e Cadeia de Suprimentos Capítulo 2 Logística e Cadeia de Suprimentos Prof. Glauber Santos glauber@justocantins.com.br 1 Capítulo 2 - Logística e Cadeia de Suprimentos Papel primordial da Logística na organização Gestão da Produção

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA 2 SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA OBJETIVOS Quais são as principais aplicações de sistemas na empresa? Que papel eles desempenham? Como os sistemas de informação apóiam as principais funções empresariais:

Leia mais

Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2

Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2 Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2 Miriam Regina Xavier de Barros, PMP mxbarros@uol.com.br Agenda Bibliografia e Avaliação 1. Visão Geral sobre o PMI e o PMBOK 2. Introdução

Leia mais

Armazenamento e TI: sistema de controle e operação

Armazenamento e TI: sistema de controle e operação Armazenamento e TI: sistema de controle e operação Pós-Graduação Latu-Sensu em Gestão Integrada da Logística Disciplina: TI aplicado à Logística Professor: Mauricio Pimentel Alunos: RA Guilherme Fargnolli

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Suprimentos. WMS Gerenciamento de Armazém

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Suprimentos. WMS Gerenciamento de Armazém Bloco Suprimentos WMS Gerenciamento de Armazém Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo WMS, que se encontra no Bloco Suprimentos. Todas informações aqui disponibilizadas foram

Leia mais

1 - Por que a empresa precisa organizar e manter sua contabilidade?

1 - Por que a empresa precisa organizar e manter sua contabilidade? Nas atividades empresariais, a área financeira assume, a cada dia, funções mais amplas de coordenação entre o operacional e as expectativas dos acionistas na busca de resultados com os menores riscos.

Leia mais

Preços de Frete Rodoviário no Brasil

Preços de Frete Rodoviário no Brasil Preços de Frete Rodoviário no Brasil Maria Fernanda Hijjar O Brasil é um país fortemente voltado para o uso do modal rodoviário, conseqüência das baixas restrições para operação e dos longos anos de priorização

Leia mais

COMÉRCIO E DISTRIBUIÇÃO DE ALIMENTOS.

COMÉRCIO E DISTRIBUIÇÃO DE ALIMENTOS. COMÉRCIO E DISTRIBUIÇÃO DE ALIMENTOS. A Rio Quality existe com o objetivo de proporcionar a total satisfação dos clientes e contribuir para o sucesso de todos. Essa integração se dá através do investimento

Leia mais

UNIVERSIDADE GAMA FILHO ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA GESTÃO DE MATERIAL E PATRIMÔNIO NO SETOR PÚBLICO ELINE COÊLHO DA ROCHA

UNIVERSIDADE GAMA FILHO ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA GESTÃO DE MATERIAL E PATRIMÔNIO NO SETOR PÚBLICO ELINE COÊLHO DA ROCHA UNIVERSIDADE GAMA FILHO ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA GESTÃO DE MATERIAL E PATRIMÔNIO NO SETOR PÚBLICO ELINE COÊLHO DA ROCHA ORGANIZAÇÃO DO ALMOXARIFADO NO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CENTRO DE ESTUDOS SOCIAIS APLICADOS FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO, CIÊNCIAS CONTÁBEIS E TURISMO DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO PLANO DE DISCIPLINA DISCIPLINA: ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

Curso de Engenharia de Produção. Organização do Trabalho na Produção

Curso de Engenharia de Produção. Organização do Trabalho na Produção Curso de Engenharia de Produção Organização do Trabalho na Produção Organização do Trabalho na Produção Projeto do Trabalho -Objetivo: criar um ambiente produtivo e eficiente, onde cada um saiba o que

Leia mais

versa A solução definitiva para o mercado livreiro. Aumente a eficiência de seu negócio Tenha uma solução adequada para cada segmento

versa A solução definitiva para o mercado livreiro. Aumente a eficiência de seu negócio Tenha uma solução adequada para cada segmento Aumente a eficiência de seu negócio O Versa é um poderoso software de gestão de negócios para editoras, distribuidoras e livrarias. Acessível e amigável, o sistema foi desenvolvido especificamente para

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO E ARMAZENAGEM PICKING

DISTRIBUIÇÃO E ARMAZENAGEM PICKING DISTRIBUIÇÃO E ARMAZENAGEM PICKING O QUE É PICKING? atividade responsável pela coleta do mix correto de produtos, em suas quantidades corretas da área de armazenagem para satisfazer as necessidades do

Leia mais

Soluções em Tecnologia da Informação

Soluções em Tecnologia da Informação Soluções em Tecnologia da Informação Curitiba Paraná Salvador Bahia A DTS Sistemas é uma empresa familiar de Tecnologia da Informação, fundada em 1995, especializada no desenvolvimento de soluções empresariais.

Leia mais

Solução Integrada para Gestão e Operação Empresarial - ERP

Solução Integrada para Gestão e Operação Empresarial - ERP Solução Integrada para Gestão e Operação Empresarial - ERP Mastermaq Softwares Há quase 20 anos no mercado, a Mastermaq está entre as maiores software houses do país e é especialista em soluções para Gestão

Leia mais

LOGÍSTICA MADE DIFFERENT LOGÍSTICA

LOGÍSTICA MADE DIFFERENT LOGÍSTICA LOGÍSTICA MADE DIFFERENT LOGÍSTICA ENTREGA ESPECIAL Na economia globalizada 24/7 de hoje, a logística e a gestão de armazéns eficientes são essenciais para o sucesso operacional. O BEUMER Group possui

Leia mais

ESTRATÉGIAS DE PICKING NA ARMAZENAGEM

ESTRATÉGIAS DE PICKING NA ARMAZENAGEM ESTRATÉGIAS DE PICKING NA ARMAZENAGEM O QUE É A ATIVIDADE DE PICKING E QUAL SUA IMPORTÂNCIA? Por Alex Medeiros, 1999 Para entendermos a atividade de picking (separação e preparação de pedidos) é importante

Leia mais

Administração Mercadológica

Administração Mercadológica Organização Competitiva e Estratégias de Branding Administração Mercadológica Os elementos do mix de marketing Marketing-mix = Composto de MKt = 4P s Estratégia de produto Estratégia de preço Estratégia

Leia mais

TMS e Roteirizadores. Breno Amorim brenoamorim@hotmail.com

TMS e Roteirizadores. Breno Amorim brenoamorim@hotmail.com TMS e Roteirizadores Breno Amorim brenoamorim@hotmail.com Definição TMS (Transportation Management System) é um produto para melhoria da qualidade e produtividade de todo o processo de distribuição. Este

Leia mais

CANAIS DE DISTRIBUIÇÃO

CANAIS DE DISTRIBUIÇÃO CANAIS DE DISTRIBUIÇÃO Universidade Federal de Itajubá (UNIFEI) Instituto de Engenharia de Produção e Gestão www.rslima.unifei.edu.br rslima@unifei.edu.br Conceituacão Sistema de Distribuição um para um

Leia mais

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS Esta seção apresenta alguns dos problemas da gestão da cadeia de suprimentos discutidos em mais detalhes nos próximos capítulos. Estes problemas

Leia mais

Canais de marketing. Trade Marketing. Trade Marketing. Trade marketing é uma ferramenta que atua diretamente em três níveis:

Canais de marketing. Trade Marketing. Trade Marketing. Trade marketing é uma ferramenta que atua diretamente em três níveis: Canais de marketing Prof. Ricardo Basílio ricardobmv@gmail.com Trade Marketing Trade Marketing Trade marketing é uma ferramenta que atua diretamente em três níveis: Distribuidores; Clientes; Ponto de venda.

Leia mais

WAMAS SOFTWARE DE LOGÍSTICA. Eficiente. Flexível. Confiável.

WAMAS SOFTWARE DE LOGÍSTICA. Eficiente. Flexível. Confiável. WAMAS SOFTWARE DE LOGÍSTICA Eficiente. Flexível. Confiável. Automação SSI Schaefer: Pensamento Global Ação Local Liderança de mercado A SSI SCHAEFER é uma empresa mundialmente conhecida quando se trata

Leia mais

3 CENTRO DE DISTRIBUIÇÃO

3 CENTRO DE DISTRIBUIÇÃO 3 CENTRO DE DISTRIBUIÇÃO O capítulo 3 apresenta o conceito de distribuição física, com enfoque nos centros de distribuição. São incluídos os processos de distribuição Cross docking, Merge in Transit e

Leia mais

Administrando o Fluxo de Caixa

Administrando o Fluxo de Caixa Administrando o Fluxo de Caixa O contexto econômico do momento interfere no cotidiano das empresas, independente do seu tamanho mercadológico e, principalmente nas questões que afetam diretamente o Fluxo

Leia mais

Distribuição Física. A distribuição física de produtos é realizada com a participação de alguns componentes, físicos ou informacionais, a saber:

Distribuição Física. A distribuição física de produtos é realizada com a participação de alguns componentes, físicos ou informacionais, a saber: Distribuição Física Objetivo da aula: Apresentar e discutir o conceito e os componentes do sistema de distribuição física, dentro do processo logístico. O objetivo geral da distribuição física, como meta

Leia mais

Sistema de Informação Gerencial (SIG)

Sistema de Informação Gerencial (SIG) Sistema de Informação Gerencial (SIG) Os Sistemas de Informação Gerencial (SIG) são sistemas ou processos que fornecem as informações necessárias para gerenciar com eficácia as organizações. Um SIG gera

Leia mais

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação Módulo 15 Resumo Neste módulo vamos dar uma explanação geral sobre os pontos que foram trabalhados ao longo desta disciplina. Os pontos abordados nesta disciplina foram: Fundamentos teóricos de sistemas

Leia mais

Movimentação de materiais O setor de movimentação de materiais

Movimentação de materiais O setor de movimentação de materiais Movimentação de materiais O setor de movimentação de materiais A movimentação de materiais não necessita exatamente ser um setor dentro da organização, na maioria dos casos, é uma tarefa atrelada ao almoxarifado

Leia mais

22/02/2009 LOGÍSTICA DE DISTRIBUIÇÃO POR QUE A LOGÍSTICA ESTÁ EM MODA POSIÇÃO DE MERCADO DA LOGÍSTICA

22/02/2009 LOGÍSTICA DE DISTRIBUIÇÃO POR QUE A LOGÍSTICA ESTÁ EM MODA POSIÇÃO DE MERCADO DA LOGÍSTICA LOGÍSTICA DE DISTRIBUIÇÃO A melhor formação cientifica, prática e metodológica. 1 POSIÇÃO DE MERCADO DA LOGÍSTICA Marketing Vendas Logística ANTES: foco no produto - quantidade de produtos sem qualidade

Leia mais

SISTEMAS DE NEGÓCIOS. a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS

SISTEMAS DE NEGÓCIOS. a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS 1 SISTEMAS DE NEGÓCIOS a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS 1. COLABORAÇÃO NAS EMPRESAS Os sistemas colaborativos nas empresas nos oferecem ferramentas para nos ajudar a colaborar, comunicando idéias, compartilhando

Leia mais

Cód. Doc. TAB-RHU-003

Cód. Doc. TAB-RHU-003 1 de 27 ÁREA: SUPERINTENDÊNCIA CARGO: Diretor Superintendente Garantir o correto funcionamento dos sistemas de informação utilizados pela empresa; Aprovar projetos de melhorias nos equipamentos e sistemas

Leia mais

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG Capítulo 3: Sistemas de Negócios Colaboração SPT SIG Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos, gerentes e profissionais de empresas.

Leia mais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Capítulo 3: Sistemas de Apoio Gerenciais Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos,

Leia mais

WMS. Agenda. Warehouse Management Systems (WMS) Warehouse Management Systems Sistema de Gerenciamento de Armazéns

WMS. Agenda. Warehouse Management Systems (WMS) Warehouse Management Systems Sistema de Gerenciamento de Armazéns WMS Warehouse Management Systems Sistema de Gerenciamento de Armazéns Breno Amorim brenoamorim@hotmail.com Informática Aplicada a Logística Profº Breno Amorimsexta-feira, 11 de setembro de 2009 Agenda

Leia mais

GESTÃO DE ESTOQUES SISTEMA DE GESTÃO DE ESTOQUE

GESTÃO DE ESTOQUES SISTEMA DE GESTÃO DE ESTOQUE GESTÃO DE ESTOQUES SISTEMA DE GESTÃO DE ESTOQUE Gestão Pública - 1º Ano Administração de Recursos Materiais e Patrimoniais Prof. Rafael Roesler Aula 5 Sumário Classificação ABC Previsão de estoque Custos

Leia mais

Software para distribuidoras de medicamentos SIMPLICIDADE E EFICIÊNCIA NA GESTÃO DAS DISTRIBUIDORAS DE MEDICAMENTOS.

Software para distribuidoras de medicamentos SIMPLICIDADE E EFICIÊNCIA NA GESTÃO DAS DISTRIBUIDORAS DE MEDICAMENTOS. Software para distribuidoras de medicamentos SIMPLICIDADE E EFICIÊNCIA NA GESTÃO DAS DISTRIBUIDORAS DE MEDICAMENTOS. Sobre o MedOne GESTÃO SIMPLIFICADA, EFICIÊNCIA GARANTIDA. Gestão simplificada, segurança

Leia mais

Processos Gerenciais

Processos Gerenciais UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Processos Gerenciais Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Processos Gerenciais. 1.

Leia mais

FTAD Formação Técnica em Administração Módulo de Gestão de Materiais ACI Atividade Curricular Interdisciplinar Prof. Gildo Neves Baptista jr

FTAD Formação Técnica em Administração Módulo de Gestão de Materiais ACI Atividade Curricular Interdisciplinar Prof. Gildo Neves Baptista jr FTAD Formação Técnica em Administração Módulo de Gestão de Materiais ACI Atividade Curricular Interdisciplinar Prof. Gildo Neves Baptista jr AULA PASSADA: GESTÃO DE COMPRAS: PROCESSOS DE FORNECIMENTO UMA

Leia mais

NOÇÕES BÁSICAS DE ALMOXARIFADO. Administração de Recursos Materiais e Patrimoniais Aula 7 Prof. Rafael Roesler

NOÇÕES BÁSICAS DE ALMOXARIFADO. Administração de Recursos Materiais e Patrimoniais Aula 7 Prof. Rafael Roesler NOÇÕES BÁSICAS DE ALMOXARIFADO Administração de Recursos Materiais e Patrimoniais Aula 7 Prof. Rafael Roesler Sumário Introdução O Almoxarifado conceito Organização do Almoxarifado: Recebimento Armazenagem

Leia mais

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza edwin@engenharia-puro.com.br www.engenharia-puro.com.br/edwin Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos ... lembrando Uma cadeia de suprimentos consiste em todas

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR PROJETO INTEGRADOR 1. INTRODUÇÃO Conforme as diretrizes do Projeto Pedagógico dos Cursos Superiores de Tecnologia da Faculdade Unida de Suzano

Leia mais

Unidade II GESTÃO DE. Prof. Léo Noronha

Unidade II GESTÃO DE. Prof. Léo Noronha Unidade II GESTÃO DE SUPRIMENTOS E LOGÍSTICA Prof. Léo Noronha Após a Segunda Guerra Mundial: Estados Unidos da América passaram por um longo período de crescimento. Responsáveis pela reconstrução de muitos

Leia mais

Software de gerenciamento de trabalho

Software de gerenciamento de trabalho Software de gerenciamento de trabalho Software de gerenciamento de trabalho GoalPost O software de gerenciamento de trabalho (LMS) GoalPost da Intelligrated fornece informações sob demanda para medir,

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL Aldemar Dias de Almeida Filho Discente do 4º ano do Curso de Ciências Contábeis Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS Élica Cristina da

Leia mais

Logística Integrada. Esse termo refere-se ao papel da Logística como elemento de ligação entre todos os processos, desde o Fornecedor até o Cliente.

Logística Integrada. Esse termo refere-se ao papel da Logística como elemento de ligação entre todos os processos, desde o Fornecedor até o Cliente. Logística Integrada Esse termo refere-se ao papel da Logística como elemento de ligação entre todos os processos, desde o Fornecedor até o Cliente. Ballou (1993) Fonte: BALLOU, R. H. Logística Empresarial.

Leia mais

www.vilesoft.com (37) 3213-4855

www.vilesoft.com (37) 3213-4855 - A Empresa A Vilesoft já implantava sistemas, processos e disponibilizava integração eletrônica e em tempo real, muito antes de tudo isto receber o nome de ebusiness. Há mais de duas décadas já trabalha

Leia mais

LOGÍSTICA DE SUPRIMENTO E DISTRIBUIÇÃO - ESTUDO DE CASO PROF.ROBSON SELEME CASO 5: MARMITOU

LOGÍSTICA DE SUPRIMENTO E DISTRIBUIÇÃO - ESTUDO DE CASO PROF.ROBSON SELEME CASO 5: MARMITOU CASO 5: MARMITOU A Marmitou fabrica e distribui uma gama de produtos de condimento: molhos de tomate, mostarda, condimentos, pimenta, maionese etc. Esses produtos são direcionados a clientes variando de

Leia mais

Logística empresarial

Logística empresarial 1 Logística empresarial 2 Logística é um conceito relativamente novo, apesar de que todas as empresas sempre desenvolveram atividades de suprimento, transporte, estocagem e distribuição de produtos. melhor

Leia mais

Logistica e Distribuição

Logistica e Distribuição Mas quais são as atividades da Logística? Ballou, 1993 Logística e Distribuição Armazenagem e Movimentação Primárias Apoio 1 2 A armazenagem corresponde a atividades de estocagem ordenada e a distribuição

Leia mais

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey Executivos em todos os níveis consideram que a sustentabilidade tem um papel comercial importante. Porém, quando se trata

Leia mais

Administração Pública

Administração Pública Administração Pública Sumário Aula 1- Características básicas das organizações formais modernas: tipos de estrutura organizacional, natureza, finalidades e critérios de departamentalização. Aula 2- Processo

Leia mais

Universidade Presidente Antônio Carlos Faculdade de Ciências Humanas e Exatas Curso de Administração Campus VI

Universidade Presidente Antônio Carlos Faculdade de Ciências Humanas e Exatas Curso de Administração Campus VI A) Área de Administração Geral ÁREAS E ATIVIDADES DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO O estagiário desta área de interesse deverá participar de atividades essenciais de uma empresa, tais como: marketing, produção,

Leia mais

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE Modelo de Otimização de SAM Controle, otimize, cresça Em um mercado internacional em constante mudança, as empresas buscam oportunidades de ganhar vantagem competitiva

Leia mais

Prof. Gustavo Boudoux

Prof. Gustavo Boudoux ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS MATERIAIS E PATRIMONIAIS Recursos à disposição das Empresas Recursos Materiais Patrimoniais Capital Humanos Tecnológicos Martins, (2005.p.4) O que é Administração de Materiais?

Leia mais

DECISÃO TÉCNICA DT-124/2007 R-00

DECISÃO TÉCNICA DT-124/2007 R-00 /27 R- RECEBIMENTO, ARMAZENAMENTO, EXPEDIÇÃO E CONTROLE DE MATERIAIS DE ESTOQUE NAS DOCUMENTO NORMATIVO I MAR/27 Í N D I C E 1 OBJETIVO...1 2 DISPOSIÇÕES GERAIS...1 2.1 APLICAÇÃO...1 2.2 RESPONSABILIDADE...1

Leia mais

O Supply Chain Evoluiu?

O Supply Chain Evoluiu? O Supply Chain Evoluiu? Apresentação - 24º Simpósio de Supply Chain & Logística 0 A percepção de estagnação do Supply Chain influenciada pela volatilidade do ambiente econômico nos motivou a entender sua

Leia mais

TOTVS COLABORAÇÃO 2.0 FISCAL powered by NeoGrid

TOTVS COLABORAÇÃO 2.0 FISCAL powered by NeoGrid TOTVS COLABORAÇÃO 2.0 FISCAL powered by NeoGrid Recebimento de NF-e e CT-e Emissão de NF-e, CT-e, MDF-e e NFS-e Integração nativa com o seu ERP Exija a solução que é o melhor investimento para a gestão

Leia mais

Vamos nos conhecer. Avaliações 23/08/2015. Módulo I Introdução à Logistica Empresarial Danillo Tourinho S. da Silva, M.Sc.

Vamos nos conhecer. Avaliações 23/08/2015. Módulo I Introdução à Logistica Empresarial Danillo Tourinho S. da Silva, M.Sc. Módulo I Introdução à Logistica Empresarial Danillo Tourinho S. da Silva, M.Sc. Vamos nos conhecer Danillo Tourinho Sancho da Silva, M.Sc Bacharel em Administração, UNEB Especialista em Gestão da Produção

Leia mais

Unidade IV MERCADOLOGIA. Profº. Roberto Almeida

Unidade IV MERCADOLOGIA. Profº. Roberto Almeida Unidade IV MERCADOLOGIA Profº. Roberto Almeida Conteúdo Aula 4: Marketing de Relacionamento A Evolução do Marketing E-marketing A Internet como ferramenta As novas regras de Mercado A Nova Era da Economia

Leia mais

E&L ERP Almoxarifado

E&L ERP Almoxarifado Apresentação 1 PostgreSQL 8.2/ 8.3 Domingos Martins ES v. 1.0 2 Introdução: Prevendo todas as rotinas necessárias ao bom funcionamento da administração de materiais, o produz automaticamente as médias

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA

UNIVERSIDADE PAULISTA UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Marketing Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Marketing. 1. Introdução Os Projetos

Leia mais

2. Revisão bibliográfica

2. Revisão bibliográfica 17 2. Revisão bibliográfica 2.1. Logística de transportes A Logística recebeu diversas denominações ao longo dos anos: distribuição física, distribuição, engenharia de distribuição, logística empresarial,

Leia mais

17/08/2010. Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves

17/08/2010. Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves 17//2010 Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves Engenheiro Agrônomo CCA/UFSCar 1998 Mestre em Desenvolvimento Econômico, Espaço e Meio Ambiente IE/UNICAMP 2001 Doutor em Engenharia de Produção PPGEP/UFSCar

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA

UNIVERSIDADE PAULISTA UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Recursos Humanos Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Gestão de Recursos Humanos 1.

Leia mais