ANÁLISE DAS AVARIAS NA LINHA BRANCA QUE ACARRETAM PERDA DE RENTABILIDADE NO SETOR DE ELETRODOMÉSTICOS DO SUPERMERCADO ANGELONI

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ANÁLISE DAS AVARIAS NA LINHA BRANCA QUE ACARRETAM PERDA DE RENTABILIDADE NO SETOR DE ELETRODOMÉSTICOS DO SUPERMERCADO ANGELONI"

Transcrição

1 1 UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Michael Almeida TRABALHO DE CONCLUSÃO DE ESTÁGIO ANÁLISE DAS AVARIAS NA LINHA BRANCA QUE ACARRETAM PERDA DE RENTABILIDADE NO SETOR DE ELETRODOMÉSTICOS DO SUPERMERCADO ANGELONI ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS ITAJAÍ (SC) 2009

2 2 MICHAEL ALMEIDA TRABALHO CONCLUSÃO DE ESTÁGIO ANÁLISE DAS AVARIAS NA LINHA BRANCA QUE ACARRETAM PERDA DE RENTABILIDADE NO SETOR DE ELETRODOMÉSTICOS DO SUPERMERCADO ANGELONI Trabalho de conclusão de estágio desenvolvido para o Estágio Supervisionado do Curso de Administração do Centro de ciências Sociais Aplicadas da Universidade do Vale do Itajaí. ITAJAÍ SC 2009

3 Agradeço em primeiro lugar a Deus pela vida e oportunidades que deixou em meu caminho, para com muita saúde poder desfrutar, assim como estou desfrutando neste momento desta grande e única oportunidade a minha graduação. Agradeço a paciência e companheirismo de minha amada esposa Micheli Aparecida Paterno, que por muitas vezes me ajudou e soube entender minha ausência em seu lado chegando a ficar até tarde da noite estudando. Agradeço minha filha Julia P. Almeida de apenas cinco anos, por deixar o papai estudar sem criticas, pelo seu carinho e compreensão e todo seu amor. Agradeço a minha mãe Lúcia e ao meu pai Atajiba, por mais dificuldades que nossa família tenha passado até mesmo a separação, tenho que agradecer a vida que me deram e por sempre acreditarem em mim e terem orgulho da pessoa que sou amo muito vocês. Deixo meus agradecimentos a empresa Angeloni, por permitir realizar meu trabalho, aos meus orientadores de campo, Sra Adriana Rosa, grande profissional e amiga que auxilio no meu trabalho e em minha vida, ao Sr Rafael Scarpin Orientador de campo pelas informações que ajudaram a enriquecer meu trabalho e seu grande conhecimento na área, e sua gentil atenção a pesquisa. Aos meus amigos e colegas de trabalho que muito contribuíram com incentivo e ajuda para que este trabalho fosse concretizado. Aos professores da Univali pela cooperação e apoio nessa caminhada de aprendizado e experiência de vida, em especial ao meu orientado professor Elton J. Blageski Jr, por sua orientação para fazermos um ótimo trabalho. 3

4 4 Deus nos fez perfeitos e não escolhe os capacitados, capacita os escolhidos. Fazer ou não fazer algo só depende de nossa vontade e perseverança. (Autor anônimo)

5 5 EQUIPE TÉCNICA a) Nome do estagiário Michael Almeida b) Área de estágio Administração de Materiais C) Supervisor de campo Adriana Rosa Ferreira d) Supervisão de campo Rafael Scarpin e) Orientador de Estágio Elton J. Blageski Jr f) Responsável pelos Estágios em Administração Professor Eduardo Krieger da Silva

6 6 DADOS DE IDENTIFICAÇÃO DA EMPRESA a) Razão Social A.Angeloni e Cia Ltda. b) Endereço Avenida dos estados n 2440, bairro centro, Balneário Camboriú c) Setor de desenvolvimento do estágio Setor de eletrodomésticos d) Duração do estágio 240 horas e) Nome e cargo do supervisor de campo Adriana Rosa, Supervisor de Bazar Eletro. Rafael Scarpin, Gerente de Logistica. f) Carimbo e visto da empresa

7 7 RESUMO O cenário atual é altamente competitivo para o ramo supermercadista, além dos fortes concorrentes dentro do Estado, à expansão de mercados menores, chamado mercados de bairro e pequenas lojas do varejo especializada no ramo estão em grande ascensão, isso deixa claro a concorrência total. Também temos os líderes mundiais, grandes multinacionais com grande poder de barganha e fácil penetração em novos mercados, devida sua força econômica. Os parceiros são fundamentais para o nosso negócio, tem que ter sua parcela de responsabilidade. O gerenciamento de estoque é destaque em qualquer organização, para reduzir custos e maximizar lucros, principalmente na parte de armazenamento e de transporte, qual foi o ponto principal da pesquisa, onde buscou descobrir as falhas nos processos de armazenamento e transporte que influenciam para as avarias nos produtos de eletrodomésticos da chamada linha branca (Refrigeradores, lavadoras de roupa, forno microondas, fogão, depuradores, frigobar e similares), assim gerando perda de rentabilidade para empresa. O acadêmico desenvolveu a pesquisa na empresa com o intuito de atingir o objetivo geral e os específicos, o método foi à observação, e o acadêmico acompanhou todo o processo de armazenamento e transporte das mercadorias. O acadêmico trabalhou através dos métodos científicos para o sucesso da pesquisa, propondo sugestões de novos trabalhos e de melhorias para empresa e para o processo de armazenamento e transporte. Na pesquisa o acadêmico consegui descrever todo processo de armazenamento e transporte, e colocou em planilha as mercadorias que sofreram avarias no período da pesquisa. PALAVRA-CHAVE: Logística, Estoques, Perdas, Transporte.

8 8 LISTA DE ILUSTRAÇÕES Figura 1 - O que é Administração Figura 2 - Gerenciamento da cadeia de Suprimento...33 Figura 3 - Logotipo da Empresa...54 Figura 4 - Logotipo Clube Angeloni...61 Figura 5 - Logotipo Tempo...62 Figura 6 - Logotipo Angeloni no Celular...62 Figura 7 - Logotipo Espaço Cultural...62 Figura 8 - Logotipo Cozinha Dona Helena...63 Figura 9 - Logotipo Orientadora de Atendimento...63 Figura 10 - Logotipo Cantinho das Estrelas...64 Figura 11 - Logotipo Ouvidoria Angeloni...64 Figura 12 - Logotipo Marca Própria Angeloni...65 Foto 1 - Palete de Madeira BRII...38 Foto 2 - Palete de Plástico...38 Foto 3 - Paleteira Manual...39 Foto 4 - Paleteira Elétrica...39 Foto 5 - Empilhadeira...40 Foto 6 - Estrutura Porta Palete...40 Foto 7 - Estrutura Cantilever...41 Foto 8 - Coletor...41 Foto 9 - Oleodutos...45 Foto 10 - Avião de Transporte...45 Foto 11 - Navio de Transporte...47 Foto 12 - Trem de Carga...47 Foto 13 - Carreta...48

9 9 Foto 14 Foto Angeloni Filial Balneário Camboriú...57 Foto 15 Responsabilidade Social...60 Foto 16 - Etiqueta Unitizadora...72 Foto 17 - Recebimento Forno microondas...73 Foto 18 - Recebimento Freezer e lavadora...74 Foto 19 - Recebimento Lavadoras e refrigeradores...75 Foto 20 - Mercadorias aguardando transpaleteiras...76 Foto 21 - Mercadoria transportada por Transpaleteira...77 Foto 22 - Área de espera para armazenamento...78 Foto 23 - Armazenagem e Estrutura Porta Palete...79 Foto 24 - Separação de Eletrodomésticos para expedição...80 Foto 25 - Etiqueta Pedido Eletrodoméstico...81 Foto 26 - Colagem Etiquetas de Pedido...82 Foto 27 - Embalagem Danificada...83 Foto 28 - Carregamento de Produtos para entrega...85 Foto 29 - Caminhão pronto para Entrega...86 Foto 30 - Entrega de Mercadoria...89 Foto 31 - Entrega de Mercadoria...90 Foto 32 Etiqueta Sugestão Quadro 1 - Colaboradores Envolvidos na pesquisa...20 Tabela 1 - Descrição das mercadorias avariadas e seu valor de venda...93 Tabela 2 - Valores de vendas, desconto e parcelamento das mercadorias avariadas...94 Tabela 3 - Perda Monetária Loja Balneário Camboriú...95 Tabela 4 - Perda Monetária Rede...95 Tabela 5 Perda Qualidade Loja Balneário Camboriú...96

10 10 Tabela 6 Perda Qualidade Rede...96 Fluxograma 1- Venda de eletrodoméstico...70 Fluxograma 2 Entrada das mercadorias no Centro de Distribuição...97 Fluxograma 3 Transporte das mercadorias do porta palete até área de saída...98 Fluxograma 4- Carregamento mercadorias no caminhão...99 Fluxograma 5- Entregas de mercadorias aos clientes SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO Problema de Pesquisa / Justificativa Objetivos do Trabalho Aspectos Metodológicos Caracterização da Pesquisa Contexto e Participantes Procedimentos e Coleta de Dados Tratamento e Análise REVISÃO BIBLIOGRÁFICA Teorias da Administração Funções do Administrador Áreas da Administração Administração de Recursos Humanos Administração de Marketing Administração Financeira...28

11 Administração da Produção Administração de Materiais Logística Cadeia de Suprimento Gestão de Estoque Armazenagem Transportes Modais de Transportes Modal Dutoviário Modal Aéreo Modal Hidroviário Modal Ferroviário Modal Rodoviário Terceirização Perdas CARACTERIZAÇÃO DA EMPRESA História da Empresa Mercado de Atuação Princípios da Empresa Produtos e Serviços Concorrência Fornecedores DESENVOLVIMENTO DA PESQUISA DE CAMPO Descrição da solicitação do pedido do cliente Descrição do armazenamento dos eletrodomésticos Expedição das mercadorias de eletrodomésticos para entrega...79

12 Descrição do transporte terceirizado Entrega das mercadorias para o cliente Analise do Resultado Sugestões CONSIDERAÇÕES FINAIS REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA APÊNDICE ANEXO 1 FOTOS DAS LOJAS DA REDE ANGELONI ANEXO 2 FORMULÁRIO CONFERÊNCIA ENTREGA ANEXO 3 DECRETO LEI BALNEÁRIO CAMBORIU N

13 13 1. INTRODUÇÃO O cenário atual é altamente competitivo para o ramo supermercadista, além dos fortes concorrentes dentro do Estado, à expansão de mercados menores, chamado mercados de bairro e pequenas lojas do varejo especializada no ramo estão em grande ascensão, isso deixa claro a concorrência total. Também temos os líderes mundiais, grandes multinacionais com grande poder de barganha e fácil penetração em novos mercados, devida sua força econômica. O Brasil continua na rota do crescimento do consumo. Em 2006, o consumidor recuperou seu poder de compra com o aumento do rendimento médio e a inflação atingiu o menor patamar dos últimos cinco anos. O Índice de Preços ao Consumidor (IPCA) acumulado nos últimos 11 meses de 2007 o acumulado estava em 3,69%. A economia beneficiou o bom curso das variáveis que propiciam o crescimento do comércio varejista. Alguns fatores positivos foram: a queda de juros, o aumento da oferta de crédito, a alta da renda média, a estabilidade do emprego e no apagar das luzes de 2007, até mesmo o fim da CPMF, que deixa de retirar dos cidadãos cerca de R$ 40 bilhões por ano. A venda dos Supermercados Catarinenses cresceu 4,48% em 2007com relação a Os números foram apurados em pesquisa realizada pela WB Telecom para a ACATS - Associação Catarinense de Supermercados junto a 50 das principais empresas do setor em todas as regiões de Santa Catarina. Segundo Sr. José Emilio Menegatti, ex-presidente da ACATS, "O segmento supermercadista é muito concorrido e para se diferenciar as empresas têm buscado melhorar cada vez mais suas lojas investindo em itens de conforto aos consumidores e em programas de treinamento que resultem numa melhor qualidade de atendimento". Em 2008 o cenário começou a ficar preocupante, devido à crise mundial que esta ocorrendo, mas mesmo assim as vendas dos supermercados começaram em alta de 7,42% no comparativo de janeiro 2008 á janeiro de O desempenho do setor foi positivo em 2008 comparativamente ao mesmo período de O ramo mercadista esta otimista e dizem que a crise não ira afetar o varejo catarinense, com projeções de crescimento para 2009 em relação a 2008.

14 14 Atualmente a organização A. Angeloni e Cia LTDA ocupa o 10 lugar no ranking nacional, e 2 lugar no sul do país, no estado de Santa Catarina é líder de mercado. O setor de eletrodomésticos se destaca na empresa, pelo constante crescimento e a diversidade de produtos. A rede é considerada um grande cliente pelos fornecedores da área em todo Brasil em algumas linhas como áudio e vídeo é considerada como um dos maiores clientes do Sul. O controle de estoque das empresas é imprescindível para poder gerenciar melhor a organização e os seus custos. Um eficiente sistema de controle é elemento básico em todas as fases de desenvolvimento, planejamento e administração de empresas comerciais e industriais. (DIAS, 2005, p 293). A empresa segue uma linha de investimentos, crescimento e mudanças. É considerada uma grande empresa familiar, pois á a segunda Geração que esta no comando. O Desafio da empresa Supermercadista e líder de mercado A. Angeloni e Cia. LTDA é buscar parceiros, que dividam responsabilidades da operação, que se preocupem com os produtos comercializados, desde seu faturamento até seu destino final, não basta nos dias de hoje somente vender, é preciso se envolver em toda a cadeia de distribuição. Diante do exposto este trabalho foi desenvolvido na área de materiais, pois todo controle do estoque da empresa é importante. No caso do Supermercado Angeloni não é diferente, seu foco é o cliente, se uma mercadoria de eletrodoméstico chega amassada na casa do cliente, não é só a perda de rentabilidade que acontece pela avaria ocasionada no transporte ou no armazenamento e sim uma má impressão da marca da empresa que comercializou o produto. O custo para conquistar um cliente e torna-lo fiel à loja é alto, mas o prejuízo para a empresa ao perder um cliente é com certeza muito maior. Diante do que foi mencionado na introdução o acadêmico expõe o problema de pesquisa e a justificativa no item abaixo.

15 Problema de Pesquisa / Justificativa Os parceiros são fundamentais para o nosso negócio tem que ter sua parcela de responsabilidade a parceria é boa quando ambos os lados não sofram perdas e trabalhem com excelência. Devido o momento em que a empresa está passando, é interessante manter o controle de estoque, principalmente na parte de armazenagem e transporte, onde esta o ponto da pesquisa para saber onde ocorrem as avarias nos eletrodomésticos que ocasionam a perda de rentabilidade, e com o rápido crescimento da empresa se não investigar pode acarretar em uma grande perda futura. Para Salvador (1986, p56) problema é uma questão que envolve intrinsecamente uma dificuldade teórica ou prática para qual deve ser encontrada uma solução. A pesquisa seguiu esta linha de raciocínio, buscando o problema e procurando a solução, o problema de pesquisa do acadêmico fica evidenciado como: Qual impacto das falhas no processo de armazenamento e transporte que influenciam as avarias que ocorre nos produtos de linha branca (Refrigeradores, lavadoras de roupa, forno microondas, fogão, depuradores, frigobar e similares) no setor de eletrodoméstico ocasionando perda de rentabilidade, no Supermercado Angeloni filial de Balneário Camboriú? O Trabalho de pesquisa para Universidade contribuiu para o desenvolvimento dos alunos, serviu para fazer uma ponte entre a teoria e a prática. Produzir novos estudos e disponibilizá-los para a comunidade acadêmica. Como pesquisador o interesse foi especial em vários ângulos, como acadêmico o interesse foi de fazer um ótimo trabalho científico e demonstrar todo o aprendizado adquirido na academia, o trabalho no âmbito profissional serve como trampolim de crescimento, a empresa reconhece o esforço de seus colaboradores, este gargalo de perda de rentabilidade por avaria pode ser descoberto e minimizado assim desenvolvendo um excelente trabalho para todos os envolvidos. Definir se um projeto é importante desperta a questão: importante para quem? As razões podem estar relacionadas com os objetivos da empresa, com o bem estar dos empregados, com a sociedade, ou com o ambiente. (ROESCH,2006, p.99)

16 16 Este trabalho foi único, original nesta empresa não teve outro estudo igual para identificar o ocorrido, as perdas de rentabilidade pelas avarias na linha de eletrodomésticos. Foi um trabalho viável para ser feito, o tempo foi programado conforme o cronograma, e orçamento programado pelo acadêmico e pela academia. A atenção quanto a custo da pesquisa deve ser focado no inicio do mesmo, quanto menor o custo maior a viabilidade do trabalho, geralmente o apoio da empresa se restringe a apoio logístico e na parte de supervisão, quando entramos na área de custos ela não se envolve. (ROESCH, SYLVIA MARIA AZEVEDO, 2006). O custo do estágio foi viável, pois o acadêmico trabalha na empresa onde realizou a pesquisa, sendo assim o trabalho foi realizado de acordo com o orçamento. O trabalho foi viável em todos os aspectos, o acesso a dados também não apresentou dificuldades, os supervisores de campo tem fácil acesso as informações, por que eles acompanham e ajudam definir todos os processos que envolvem o setor de eletro em sua operação. Diante do problema de pesquisa, foi definido objetivo geral e específico, com intenção de atingi-los. 1.2 Objetivos do Trabalho O trabalho de estágio teve como objetivo geral verificar o impacto das falhas de armazenamento e transporte para as perdas de rentabilidade que ocorre no setor de eletrodomésticos na linha branca (Refrigeradores, lavadoras de roupa, forno microondas, fogão, depuradores, frigobar e similares) do supermercado Angeloni na filial de Balneário Camboriú Santa Catarina. Tendo em vista o foco do acadêmico nesta seção que o objetivo geral é a referência de todo o trabalho, visto que a intenção foi atingir o objetivo do trabalho, procurando alcançá-lo e mostrá-lo a organização. Segundo Richardson (2007, p62) Objetivo geral definem, de modo geral, o que se pretende alcançar com a realização da pesquisa.. Para conseguir realizar este trabalho os objetivos específicos demonstram as etapas a serem seguidas, pois o objetivo geral é uma forma mais abrangente, já os

17 17 objetivos específicos demonstram detalhadamente cada passo para realização do projeto e como atingir o objetivo geral através dos específicos. Para Richardson (2007, p63) Definem etapas que devem ser cumpridas para alcançar o objetivo geral.. Descrever os processos de armazenamento e transporte dos produtos de linha branca do setor de eletrodoméstico. Descrever os tipos de avarias que ocorrem nos produtos. Propor melhorias para a movimentação dos produtos. Identificar em que fase do processo de armazenamento e transporte ocorre às avarias. 1.3 Aspectos Metodológicos O acadêmico apresenta a seguir os aspectos do trabalho, estes elementos estão de acordo com os métodos científicos, pesquisado juntamente aos autores mencionados neste estudo. A metodologia procurou garantir ao pesquisador a objetividade necessária ao tratamento dos fatos sociais, dando um caminho, uma forma lógica de pensamento e confrontando a teoria com a prática, assim rompendo a parte científica com o senso comum, o pesquisador ficou focado no trabalho cientificamente, pode-se dizer que através dos métodos podemos oferecer soluções aos problemas científicos (GIL, 1994). O acadêmico apresenta nessa seção o delineamento de sua pesquisa, ou seja, pesquisa qualitativa com aporte quantitativo. O projeto pode combinar o uso de mais de um método. Aliás, é comum que na fase exploratória se utilize uma postura de ouvir o que as pessoas têm a dizer e participar de eventos sem a preocupação de que isso possa influenciar os respondentes ou processos em andamento, como no método qualitativo. Numa etapa seguinte a tendência é buscar medir alguma coisa de forma objetiva, como é o propósito do método quantitativo. (ROESCH, 1996, p.118) O acadêmico trabalhou com o método qualitativo e quantitativo, para demonstrar em alguns pontos a importância e a veracidade das informações assim gerando mais credibilidade a pesquisa, a observação ocorreu entre o mês de março e maio de 2009.

18 Caracterização da Pesquisa Esta pesquisa é caracterizada com a tipologia de pesquisa diagnóstico, pois visa explorar o ambiente interno e externo relacionando com o problema do estágio. Segundo Roesch (1996, p 63) [...] observa-se que a ênfase recai no diagnóstico, ou seja, cabe ao consultor identificar problemas e propor soluções. O acadêmico estudou os processos logísticos de armazenamento e entrega dos eletrodomésticos, a fim de diagnosticar o problema de avarias nas mercadorias propondo soluções. O método para realizar a pesquisa foi qualitativo com aporte quantitativo, a pesquisa foi realizada nos meses de março, abril e maio de No qualitativo foi trabalhado com dados subjetivos, percepção das pessoas e do acadêmico sobre o processo logístico realizado, o acadêmico saiu junto com a empresa terceirizada responsável pela entrega dos eletrodomésticos, no quantitativo o acadêmico demonstra um quadro onde apresenta a quantidade de mercadorias trocadas e vendidas pelo motivo de avarias no período da pesquisa, bem como seu preço de venda e os descontos concedidos. Para realização da pesquisa e a forma que foi realizada é interessante trabalhar com os dois métodos, mesmo que existam diferenças ideológicas entre eles, temos três instâncias de integração entre eles, no planejamento da pesquisa, na coleta de dados e na análise da informação. (RICHARDSON, 2007) A estratégia de trabalho do acadêmico é o estudo de caso, é caracterizado pelo estudo profundo e exaustivo, possibilitando conhecer o funcionamento amplo de um ou de poucos objetos. (GIL, 1994). Foi realizada uma observação para levantamento dos dados. Quanto aos fins da pesquisa foi exploratória descritiva, onde através de formulários da empresa e manuais é descrito alguns processos da organização é realizada na área de pouco conhecimento visa explorar o ambiente por sua natureza de sondagem, expõe características de determinada população ou determinado fenômeno, não precisa explicar os fenômenos que descreve embora ela mesma sirva de base para tal explicação. (VERGARA, 1998).

19 Contexto e Participantes Foi conveniente fazer este trabalho, pois com o crescimento da empresa esta ocorrendo um número muito alto de mercadorias chegando à casa do consumidor final amassada e com avarias, não se sabe onde elas estão ocorrendo e de que forma ocorrem. Estão envolvidos no processo os funcionários do CD REDE, (Centro de Distribuição), e os funcionários da empresa HB transportes, que é o terceirizado responsável pelas entregas. Este trabalho foi um censo pesquisamos todos os envolvidos para saber onde esta ocorrendo os eventos, se é no CD REDE, (Centro de Distribuição), que ocorre todo o trabalho de recebimento, armazenagem e expedição das mercadorias de eletro enviadas aos clientes. Ou é a empresa de transportes HB, responsável pela entrega das mercadorias aos clientes, a empresa terceirizada foi pesquisada através de observação, o acadêmico observou a necessidade e acompanhou algumas entregas. Observando e descrevendo como é o procedimento da empresa e de que forma procedem nas entregas. Conforme o quadro abaixo, a empresa HB transporte de seu número total de funcionários quatro trabalham com entrega do setor de eletrodomésticos. Expedição Departamento Cargo N Separadores de mercadoria conferência Conferente 2 Armazenamento Armazenista 5 Entregas Empresa HB Entregadores 4 Quadro1 Fonte: Elaborado pelo acadêmico 4

20 Procedimento e Instrumento de coleta de dados A coleta ocorreu por dados primários e secundários, no primário o instrumento foi observação. Segundo Roesch (2005), dados primários são os dados existentes na organização os quais deverão ser coletados internamente ou externamente. Os dados secundários por meio de relatórios analisado pelo acadêmico, com dados da organização, são informações já existentes na empresa, ou seja, são dados disponíveis para consultas. (ROESCH, 2005). Para Richardson (2007), existem diversos instrumentos de coleta de dados que podem ser utilizados para obter informações acerca de grupos sociais. O mais comum entre esses instrumentos talvez seja o questionário, pela convicção das respostas e avaliação da mesma. Trabalhou-se o método de entrevista semi-estruturada o roteiro encontra-se no apêndice, em vez de responder a pergunta por meio de diversas alternativas préformuladas visa obter do entrevistado o que considera mais importante e relevante sobre o problema, busca obter informações detalhadas que possam ser utilizadas em uma análise qualitativa, busca saber como e por que algo ocorre (RICHARDSON, 2007). Esta etapa é importante para ficar definido como foi o processo de colher dados para o pesquisador chegar ao objetivo do trabalho. É impossível considerar uma técnica em abstrato, pois é um elemento de um conjunto mais amplo: a postura, o problema e a e metodologia decididos pelo pesquisador. As técnicas de entrevistas variam segundo o contexto no qual estão inseridas; a forma de levar a cabo a entrevista dependera do tipo de informação necessária em função do problema a ser pesquisado. As técnicas utilizadas variarão se apenas se deseja obter informação sobre certos acontecimentos, explorar as atitudes e motivações de um individuo ou modificar os comportamentos. (RICHARDSON, 2007, p.209) O acadêmico entrou em contato com o Sr Rafael Scarpin responsável pelo Centro de Distribuição Angeloni, para realização do trabalho e para coleta dos dados, visto que ele exerce o cargo de gerente do Centro de Distribuição e conhece todos os processos do mesmo. Houve um acompanhamento do processo pelo acadêmico e a observação ocorreu em todas as etapas que envolviam as entregas de eletrodomésticos. As etapas eram constituídas pela: descarga dos produtos e acompanhou a conferência dos

21 21 mesmos, a observação também ocorreu na movimentação das mercadorias da descarga até a área de espera, e da área de espera até o armazenamento, o acadêmico continuou sua observação na saída das mercadorias, do armazenamento até a expedição, como são movimentadas estas mercadorias, e da expedição até o caminhão de entrega da empresa HB transportes, a partir do caminhão de entrega seria realizado uma entrevista com os funcionários da empresa HB, a fim de identificar os procedimentos de entrega, o acadêmico percebeu a necessidade de acompanhar algumas entregas das mercadorias aos clientes para ver as movimentações e equipamentos utilizados para a entrega. Estas observações foram não participantes, para não influenciar o resultado da pesquisa, este procedimento foi feito na parte final do trabalho quando o acadêmico desenvolveu e fez a coleta de dados na empresa, já com um roteiro pré-estabelecido sobre o foco da pesquisa. Com a observação do método qualitativo o acadêmico verificou o procedimento em seu decorrer do dia-a-dia, foi uma observação não participante, não influenciando o processo Tratamento e análise O acadêmico analisou os dados, usando a técnica de análise do conteúdo que foi buscar na entrevista e observação, visto o problema de pesquisa e justificativa do trabalho, que foram rejeitadas ou validas no término da pesquisa, (ROESCH, 2006), mensurar a entrevista e observação foi foco do acadêmico, fazendo uma ponte com o objetivo do trabalho e principalmente com os objetivos específicos da pesquisa. Segundo Richardson (2007, p.224) a análise de conteúdo é, particularmente utilizada para estudar material de tipo qualitativo (aos quais não se podem aplicar técnicas aritméticas). Também foi analisado INS (Instruções Normativas), CI(Comunicações Internas), MANUAIS (Manuais de processo desenvolvido pela empresa), que diz respeito à pesquisa, utilização de programas operacionais como Word (Editor de texto), Excel (Utilização de planilhas e gráficos) o office Visio(construção de fluxograma) e Power Point. Isto foi fundamental para alcançar o objetivo da pesquisa sobre as perdas de rentabilidade na linha branca, por mercadorias avariadas até o destino final, o cliente.

22 22 2. REVISÃO BIBLIOGRÁFICA Neste capítulo, o acadêmico abordou os conceitos da Administração e suas teorias, bem como a importância e desafios das funções do administrador, também logística, materiais, e o foco que foi a perda de rentabilidade, objetivando a importância para a organização. 2.1 Teorias da Administração A palavra administração tem sua origem no latim, significando subordinação ou obediência, isto é, aquele que realiza uma função abaixo do comando de outrem. Em sua origem, a palavra administração se refere a uma função que se desenvolve sob o comando de outro, de um serviço que se presta a outro. (CHIAVENATO, 1994, p.3). Administração é uma ciência, que através dos tempos vem se destacando pelos avanços e suas ferramentas cada vez mais modernas para gestão das organizações, o século XX tem sido palco de grandes realizações em todo campo do saber. A administração não é uma exceção. Apesar de as empresas e sua gestão existirem de forma embrionária desde os primórdios dos tempos, foi somente em 1903 que surgiu o primeiro estudo científico dos métodos de gestão, apresentado sobre a forma de uma teoria. (FERREIRA, 1997, p.3) Outro ponto ressaltado pelo autor (1997, p.3) a evolução dos trabalhos tem ocorrido em ritmo vertiginoso, desde a escola da administração cientifica de Taylor aos nossos dias. Todos os modelos de gestão estão sempre envolvidos com a globalização, segundo Ferreira (1997) algumas tendências realmente levam a formação de novos modelos de gestão. Outra tendência mencionada e já consolidada no ramo da administração é a formação de parceria e alianças entre as organizações do mesmo setor. Segundo Chiavenato (1994), afirma que no ambiente organizacional a administração possui o conceito de interpretar os objetivos propostos pela empresa e transformá-los em ação empresarial através do planejamento, da organização, da

23 23 direção e do controle de todos os esforços realizados em todas as áreas e em todos os níveis da empresa, a fim de atingir tais objetivos. A administração assumiu um papel muito mais importante na vida das organizações a partir do momento que os grandes pensadores e estudiosos perceberam que os resultados obtidos com a aplicação das técnicas administrativas seriam muito melhores para o ambiente empresarial e organizacional, e o resultado aparecendo. Grande parte das corporações mundiais que conhecemos hoje foi impulsionada ou transformada pela Revolução Industrial.Desenvolvendo as máquinas e preconizando a divisão do trabalho, ampliando a rede de transportes e estreitando as comunicações, empregando um massivo exército industrial de mão-de-obra e reduzindo os custos de produção, a Revolução Industrial lançou a base de um novo tempo, transformou profundamente não só o mundo das organizações, mas toda a sociedade. A economia deixou de ter uma base artesanal e manufatureira para se firmar na produção industrial e mecanizada. Com o nascimento das fábricas surgiu um primeiro paradigma de Administração, defendendo racionalização da produção, divisão de tarefas em múltiplas etapas, supervisão cerrada e obediência hierárquica. (FERREIRA, 1997, p.13) Com a busca incessante de Taylor para provar cientificamente seu trabalho, sua principal característica marcante foi a busca de uma organização científica do trabalho, enfatizando tempos e métodos e por isso é visto como precursor da teoria da administração científica.(ferreira, 1997). A administração se preocupa não só com a eficiência do processo, mas também com a sua eficácia. Para Robbins (2001), a eficiência diz respeito à relação entre insumos e produtos, fazer a coisa direito. Segundo o mesmo autor, ser eficiente não basta. Os gerentes também precisam estar concentrados em fazer com que suas atividades sejam concluídas, ou seja, precisam alcançar eficácia. Desta forma, concluise que eficiência significa fazer as coisas direito, e eficácia fazer a coisa certa. A administração é, em sua essência, um conjunto de conhecimentos de várias ciências que baseados na realidade observada, oferecem a base para que o administrador planeje, ou seja, projete um estado futuro desejado e meio para atingi-lo, organize a forma de estruturar o planejado, dirija as tarefas sem que haja dispersão de recursos e por último, controle para que saia como foi inicialmente planejado e, possa assim, promover um comparativo entre o planejado e o realizado. A administração assumiu um papel muito mais importante na vida das organizações a partir do momento que os grandes pensadores e estudiosos

24 24 perceberam que os resultados obtidos com a aplicação das técnicas administrativas seriam muito melhores para o ambiente empresarial. A aplicação da chamada ciência da administração nas organizações exige uma compreensão do processo de administrar. Stoner e Freeman (1995) ensinam que a administração é o processo de planejar, organizar, liderar e controlar os esforços realizados pelos membros da organização e o uso de todos os outros recursos organizacionais para alcançar os objetivos estabelecidos. Paralelamente as teorias de Taylor o engenheiro Francês Henri Fayol defendia princípios semelhantes na Europa, baseada na sua experiência na alta Administração. Com o passar dos anos a Administração começa a ser estudada e chama a atenção dos de executivos. Segundo Ferreira (1997) Fayol relacionou quatorze princípios básicos, que podem ser estudadas de forma complementar aos de Taylor, já que vistos sobre uma outra ótica empresarial. A própria divisão do trabalho, tão características do trabalho de Taylor, era defendida por Fayol para cargos técnicos e também Administrativos. Analisando as teorias da Administração vemos que dentre todo o trabalho desenvolvido se encaixa na teoria dos sistemas e na teoria das relações humanas. A teoria das relações humanas é uma abordagem que enfoca as pessoas, no qual se percebe a interação das mesmas e julga seu impacto para as empresas. A teoria dos Sistemas esta abordagem é baseada em sistemas abertos e fechados. O sistema fechado não é influenciado por aquilo que os cerca nem interagem com o meio que estão. O sistema aberto interage continuamente com o meio que se insere. A abordagem sistêmica segundo Certo (2003) fala que para compreender a entidade esta deve ser vista como um sistema. Um sistema é um conjunto de partes interdependentes que funcionam como um todo para algum propósito comum ou da organização. 2.2 Funções do Administrador Todo Administrador tem seu foco nos quatro pilares da Administração, para gerenciar as organizações: planejar, organizar, dirigir e controlar.

25 25 Megginson et al. (1998, p.13) define administração como trabalho com recursos humanos, financeiros e materiais, para atingir objetivos organizacionais através do desempenho das funções de planejar, organizar, liderar e controlar. conforme mostrado na Figura 1. (grifo do autor). Administração Planeja Organiza Lidera Controla Recursos humanos, financeiros e materiais. Para atingir os objetivos da organização Figura 1 O que é administração Fonte: Megginson (1998, p.13). Como se viu, a administração tem um papel fundamental na condução das organizações e por conseqüência, tem importância também na sociedade uma vez que o conhecimento humano e os recursos tecnológicos só cumprirão seus propósitos se bem conduzidos e administrados. Ainda segundo Stoner e Freeman (1995), a administração é um processo e que por ser de natureza interativa, fica mais fácil sua compreensão e fica claro as funções básicas do Administrador descrevendo as quatro atividades que o compõe: Planejar significa que os administradores pensam antecipadamente em seus objetivos e ações, e que seus atos são baseados em algum método, planejamento lógico, e não em falácia ou em palpites; Organizar é o processo de arrumar e alocar o trabalho, a autoridade e os recursos entre os membros de uma organização, de modo que eles possam alcançar eficientemente os objetivos das mesmas; Dirigir significa liderar, influenciar e motivar empregados a realizar tarefas essenciais. Enquanto planejar e organizar lida com aspectos mais abstratos do processo administrativo, a atividade de liderar é muito concreta: ela envolve o trabalho com pessoas; Controlar o administrador deve se certificar de que os atos dos membros da organização levam-na de fato em direção aos objetivos estabelecidos. Esta é a função de controlar, e que envolve três elementos principais: Estabelecer padrões de desempenho; Medir o desempenho atual;

26 26 Comparar esse desempenho com os padrões estabelecidos; Todo Administrador tem um papel fundamental no ambiente organizacional cabe a ele o planejamento que de o caminho e direcione a organização para os objetivos e metas, organizar e buscar todos os recursos necessários para o atendimento, dirigir as pessoas para que elas cumpram seus deveres que lhe dizem respeito e lhes cabe na organização e por último, controlar de forma continua o processo para se certificar que chegue ao planejado. Megginson et al. (1998, p.17) escreve que, o planejamento é a função do administrador de escolher ou estabelecer a missão da organização, seu propósito e objetivos, e determinar as diretrizes necessárias para atingi-los. Organizar é:determinar os recursos necessários para atingir os objetivos da organização, combinar esses recursos em grupos práticos, designar a responsabilidade a empregados responsáveis e lhes delegar autoridade necessária para realizar tarefas. (MEGGINSON et al. 1998, p.18) A quarta função administrativa é o controle, sua finalidade é averiguar se o que foi planejado, organizado e dirigido ocorreu de maneira tal que os objetivos almejados foram alcançados, se as coisas não ocorreram conforme o planejado e dentro do que era desejado, o controle deve detectar quais foram esses erros ou as falhas e quais as medidas corretivas para que os erros ou as falhas não ocorram mais (CHIAVENATO, 1994). 2.3 Áreas da Administração A Administração é uma ciência e ao mesmo tempo uma arte, trabalhando através de várias áreas para atingir o objetivo de toda Organização, muitas delas definem as atividades e deveres do Administrador. Segundo Montana (2003, p.2) Administração é o trabalho com e por intermédio de outras pessoas para realizar os objetivos da Organização, bem como os seus membros. A seguir serão abordadas algumas das áreas em que a administração atua diretamente.

27 Administração de Recursos Humanos A área de Recursos Humanos tem como objetivo compartilhar os objetivos individuais com os organizacionais. É caracterizado como um conjunto de políticas e práticas necessárias para fazer com que os colaboradores da empresa sintam-se felizes em seu local de trabalho. Os recursos humanos são importantes para a nação e básicos para operação de uma empresa. O componente humano não é o único recurso utilizado em um negócio, porém permite a utilização e administração dos demais recursos. Lacava (1987, p.124) Ao longo de sua trajetória a Administração de Recursos Humanos passou a contextualizar um modelo elaborado no comprometimento mais flexível e adaptado ao ambiente que enfatiza o valor do ser humano e de seu trabalho como principal fator para realização das atividades organizacionais de forma eficiente e eficaz. Para Chiavenato (1999, p147) Administração de Recursos Humanos é a função administrativa devotada a aquisição, treinamento, avaliação e remuneração dos empregados. Sendo assim deve-se haver uma grande preocupação com o bem estar dos colaboradores e a preocupação desde a contratação de ter a pessoas certas no lugar certo Administração de Marketing O objetivo do Marketing é satisfazer os clientes através de produtos e serviços através do processo de troca voluntária e de concorrência de uma economia de mercado. Marketing é a área do conhecimento que engloba todas as atividades concernentes ás relações, orientadas para satisfação e desejos e necessidades dos consumidores, visando alcançar determinados objetivos da empresa ou indivíduos e considerando sempre o meio ambiente de atuação e o impacto que essas relações causam no bem estar da sociedade. (LAS CASAS, 1997, p. 26) O papel do marketing dentro da empresa pode ser visto como a movimentação de bens do produtor para o consumidor, passando por um processo de transformação.

28 28 Seu papel é identificar as necessidades não satisfeitas, colocar no mercado produtos que satisfaçam os consumidores e gerem resultados financeiros, e ajude a melhorar a qualidade de vida das pessoas Administração Financeira A administração financeira é importante em toda organização, tem como objetivo básico a obtenção de fundos suficientes para manter o negócio em operação, esta ligada diretamente á economia e contabilidade, compreende em um conjunto de atividades relacionadas com os fundos e a gestão de todas as áreas de uma empresa. As funções do administrador financeiro dentro de uma empresa podem ser avaliadas em relação às demonstrações financeiras básicas da empresa. Suas três funções primordiais são: (1) a análise e planejamento financeiro; (2) a administração da estrutura de ativo da empresa e (3) administração de sua estrutura financeira. (GITMAN, 1987, p. 09). Segundo Lacava (1987) administração financeira é saber administrar o muito com o pouco, baseia-se na hipótese que o objetivo da empresa é maximizar a riqueza de seus proprietários ou, em outras palavras o valor de mercado da empresa e as ações de sua empresa. Sempre diferenciando a sua rentabilidade e liquidez, com foco na rentabilidade tendo esta com certeza terá liquidez Administração da Produção Na Administração da produção o trabalho esta focado na transformação de insumos, matéria prima em um produto ou serviço. Toda Organização é formada para produzir alguma coisa e visando estabelecer uma ligação com a estratégia da empresa. Nossa sociedade é formada a partir de um sistema econômico, em que qualquer organização, para sobreviver, deve buscar a satisfação do consumidor em suas necessidades, para definir seu produto; em outra palavras, nenhuma organização sobrevive, a menos que produza alguma coisa que as pessoas necessitem, ao preço que elas estão dispostas a pagar.(lacava, 1995, p.97.)

29 29 É uma função peculiar, pois difere de empresa para empresa o planejamento das atividades de produção é um dos mais importantes para empresa, e para obter resultados, dependem dos recursos existentes para os processos produtivos. 2.4 Administração de Materiais Podem-se dizer que Administração de Materiais é um conjunto de atividades que permite o planejamento e a operação de sistemas que envolvem as diversas etapas, da matéria-prima, os produtos acabados até chegar ao consumidor final. De acordo com Viana (2000), a Administração de Materiais pode ser definida como sendo, planejamento, coordenação, direção e controle de todas as atividades ligadas a aquisição de materiais para a formação de estoques desde o momento de sua concepção até o consumo final, tendo foco no armazenamento e transporte, principalmente no custo da operação. Sem dúvida, o objetivo principal de uma empresa é maximizar o lucro sobre o capital que nela foi investido, para isso, a empresa precisa e deve ter o controle tanto físico como financeiro de seus estoques e matérias-primas a fim de alcançar e atender suas expectativas frente ao planejado e realizado pela empresa. É necessário também na Administração de Materiais fazer um planejamento do seu estoque, conhecer as necessidades da organização e trabalhar com a realidade da empresa para não haver perdas, trabalhar sempre com estoque necessário para a empresa sem que deixe de atender ou comprometer seu desempenho frente aos clientes e assim, manter-se no nível do lucro. De acordo com Dias (1995), o importante é aperfeiçoar o investimento em estoque aumentando o uso eficiente dos meios de planejamento e controle. A Administração de Materiais visa minimizar as necessidades de capital para o estoque, sendo que, estes estoques de produtos acabados dependem da matériaprima e material em processo para a produção do produto final.

30 Logística A logística foi desenvolvida visando colocar os recursos certos, no local certo, na hora certa, com um só objetivo: vencer batalhas. Sua Origem é militar e surgiu a mais de 50 anos, a história já prega grandes guerras e grandes processos para transportar mantimentos, equipamentos e a estratégia das mudanças faziam muita diferença, pois não podia faltar nada aos soldados no campo de batalha. Para Bertaglia(2003) logística é reconhecida pela doutrina moderna como uma das três artes militares: Estratégia, tática e logística. Estratégia amplos planos para emprego da força militar no ar, na terra e no mar. Táticas o emprego e manobra de forças para implementar as estratégias. Logística a provisão de recursos para suportar a estratégia e as táticas das forças de combate. Com o passar do tempo a logística começou a ser usada nas empresas, adquirindo assim, um papel de destaque nas organizações hoje o termo define logística como a ciência de gerencia o fluxo de informações e fluxo de produtos/serviços desde os fornecedores até o consumidor final. O principal objetivo da logística é reduzir os custos e maximizar os lucros da organização, e este objetivo só é alcançado através da agilidade de informações e flexibilização no atendimento de entrega dos produtos aos consumidores. Até alguns anos atrás, o termo logístico continuava associado a transportes, depósitos regionais e atividades ligadas a vendas. A logística é responsável pelo planejamento, operação e controle de todo o fluxo de mercadorias e informação, desde a fonte fornecedora até o consumidor (MARTINS e ALT, 2000, p.251). Em pleno crescimento, os supermercados também procuram se adaptar a logística e implanta-la de maneira rápida e eficaz para que não venham a sofrer conseqüências irreparáveis no futuro. Dentro destas conseqüências podemos citar: o abalamento da imagem da empresa pela não realização de seus compromissos

31 31 assumidos junto aos clientes, o descrédito na praça que atua e, o desgaste de sua imagem junto à sociedade e seus funcionários. A gestão de estoque que para o varejista é uma das partes mais importantes da logística em função da representatividade dos valores do estoque, bem como pela estreita cadeia produtiva deste negócio que resume-se em comprar e vender, logo uma boa compra é tão importante quanto uma boa venda. Segundo Bowersox (2001) a logística é singular e esta em evidencia todo tempo, nunca pára! Está correndo em todo o mundo, 24 horas por dia, sete dias por semana, durante 52 semanas por ano. São poucas as áreas de trabalho que envolve a complexidade ou abrangência o escopo geográfico característico da logística. A logística é um assunto vital. É um fato econômico que tanto os recursos quanto os seus consumidores estão espalhados numa ampla área geográfica. Além disso, os consumidores não residem, se é que alguma vez o fizeram, próximos donde os bens ou produtos estão localizados. Este é o problema enfrentado pela logística: diminuir o hiato entre a produção e a demanda, de modo que os consumidores tenham bens e serviços quando e onde quiserem, e na condição física que desejarem (BALLOU, 1993, p. 17). A Logística é muito mais que uma estratégia, é a integração de várias áreas (financeira, materiais, transporte, produção) em busca da velocidade e agilidade, que são dois fatores essenciais para o sucesso da organização. A principal preocupação das empresas na atualidade é buscar uma forma eficaz e rápida de integração e controle dos processos em todos os níveis e áreas da organização, buscando saber e identificar suas causas e efeitos. Para Bowersox (1994) a logística tem algumas definições de interesse tanto quanto as novidades relacionadas a logística tem origem na combinação de áreas tradicionais tem uma iniciativa estratégica integrada. O Administrador ou profissional responsável pela logística assume as iniciativas de expandir as fronteira empresarial para facilitar o relacionamento da cadeia de suprimentos. O principal desafio é tornar os resultados combinados da integração interna e externa numa das competências centrais da empresa.

32 Cadeia de Suprimento A cadeia de suprimento tem que ter destaque em toda organização, uma cadeia de suprimento engloba todos os estágios envolvidos direta ou indiretamente, no atendimento de um pedido de um cliente. Segundo Chopra (2003), a cadeia de suprimento envolve várias pessoas, empresas e variados tipos de equipamentos para que o mesmo se concretize, não inclui apenas fabricantes e fornecedores, mas também transportadoras, depósitos, varejista e os próprios clientes. O motivo principal para existência de qualquer cadeia de suprimento é satisfazer as necessidades do cliente, em processo gerador de lucros. As atividades da cadeia de suprimento iniciam-se com o pedido de um cliente e terminam quando um cliente satisfeito paga pela compra. O termo cadeia de suprimento representa produtos ou suprimentos que se deslocam ao longo da seguinte cadeia: fornecedores, fabricantes, distribuidores, lojistas e clientes. (CHOPRA, 2003, p.4). O objetivo de toda cadeia de suprimentos é maximizar o valor gerado, agregando esforços aos produtos. Segundo Chopra (2003) O valor gerado por uma cadeia de suprimento é a diferença entre o valor do produto final para o cliente e o esforço realizado pela cadeia de suprimento para atender seu pedido, de forma rápida e eficaz, com um grande cuidado para não haver perdas. O gerenciamento da cadeia de suprimentos envolve um controle dos fluxos entre os estágios da cadeia de suprimento. Segundo Chopra (2003) A cadeia de suprimentos é uma seqüência de processos e fluxos que acontecem dentro e entre diferentes estágios da cadeia, com a finalidade de atender á necessidade de um cliente por um produto, os ciclos da cadeia são importantes, pois partem do inicio da fonte até o consumidor final.

33 33 Figura 02 Fonte: Gerenciamento da cadeia de suprimento, Ronald Ballou, Desta forma na cadeia de suprimento, ao alongar o raciocínio do simples fluxo físico percorrido pelos insumos e produtos ao longo de uma cadeia de comercialização para uma visão mais abrangente de cadeia de valor, percebe-se que temos de considerar os relacionamentos que tornam esta cadeia mais competitiva e com menores custos para cada um dos elementos da mesma. A esse conjunto de relacionamentos que necessitam ser gerenciados com eficácia e com uma filosofia de negócios mais orientada para o entendimento de que a competição está caminhando para ser entre cadeias de distribuição e não mais simplesmente entre empresas de um mesmo modelo de negócio, denomina-se hoje Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos. Segundo Chopra (2003) Na cadeia de suprimentos uma visão clinica define claramente os processos envolvidos e os responsáveis por cada processo. Essa visão é muito útil ao considerarmos decisões operacionais, por que especifica os papéis e as responsabilidades de cada membro da cadeia de suprimento e o resultado esperado em cada processo, quanto mais rápida e eficientemente se movimentam os produtos

34 34 da fase de matéria-prima até seus clientes, mais satisfeitos eles ficarão e mais lucro você terá Gestão de Estoque O conceito de gestão de estoque originou-se na função de compras em empresas que compreenderam a importância da integração com o fluxo de materiais e sua função de suporte, ficando evidenciado que a área de materiais tem um papel importante para o gerenciamento do suporte e o controle dos estoques. A gestão de estoque tem a função de reduzir custo associados com aquisição e a gestão de materiais. Dentro do processo logístico, o estoque é um dos mais importantes, pois, pode absorver, segundo Ballou (1995), de 25% a 40 % dos custos totais, representando uma porção substancial do capital da empresa, isso se não for bem administrado pode empacar investimentos e as perdas podem ser grandes devido ao índice de estoque nas organizações, desde quebras, mau armazenamento entre outros. A gestão de estoque constitui uma série de ações que podem permitir ao administrador verificar se os estoques estão sendo bem utilizados, e localizados em relação aos setores que deles se utilizam, os estoques devem estar no lugar certo, na hora certa, para o setor certo. A gestão de estoques no varejo brasileiro foi, durante muito tempo, vista em um segundo plano nas preocupações dos administradores das empresas varejistas. Antes, em virtude da quase inexistência de grandes redes varejistas e, portanto, pouquíssima competição, a maioria das lojas era gerenciada por seus proprietários e estes executavam a gestão de seus negócios utilizando sua experiência prática. A má gestão de estoques do varejo Brasileiro sempre esteve ligada a falta de instabilidade econômica, onde a especulação ditava os ganhos dos varejistas. Faziam reposição de mercadorias ou compras dos itens "da moda" quando visitados por representantes dos fornecedores, definindo quantidades a comprar de maneira empírica. Neste sentido, a gestão de estoques tem uma função no sistema de administração de materiais, onde o gerenciamento de estoque reflete os resultados obtidos pela empresa ao longo do exercício financeiro e principalmente nas perdas

35 35 acentuadas pelo mal gerenciamento dos estoques. Assim, ao manter os estoques em níveis economicamente satisfatórios, o atendimento as necessidades de materiais de qualquer empresa constitui seu mais amplo objetivo. Para Dias (2005), o capital de giro, tão difícil e caro para as empresas, muitas vezes, fica parado em materiais que serão usados no futuro; áreas nobres da empresa são ocupadas por estoques, esperando o momento certo de serem utilizados; estoques geram gastos com manutenção, materiais tornam-se obsoletos, quebram, enfim há custos variados para a manutenção dos estoques, para manter os mesmos em condições. Mesmo assim e apesar disto as empresas ainda precisam comprar e manter estoques. A grande questão esta relacionada à quantidade a ser mantida em estoque e por item, tem que ter uma previsão de venda ou de consumo para não deixar faltar a mercadoria na produção ou na entrega para o cliente final. O giro de estoque proporciona o acompanhamento e a medida de quantas vezes dentro de um espaço de tempo foi consumido, a cobertura de estoque tem por finalidade informar quantos dias nosso estoque disponível é suficiente para atender a demanda média planejada, ou em outras palavras, para quantos dias de operação o estoque é suficiente. O estoque é a quantidade de mercadoria adquirida para suprir as necessidades da organização, seja para venda ou os insumos, matéria prima para produção. Diferente de armazenagem que é uma atividade caracterizada pela destinação de um espaço físico para a guarda temporária e a distribuição dos materiais. Na gestão de estoque as demandas são importantes, define como produzir, o que armazenar como transportar. Temos alguns modelos de demanda, como o PUSCH/PULL. Segundo Chopra(2003) processo pusch (puxados) são os executados em antecipação aos pedidos dos clientes, também conhecido como processos especulativos porque respondem a uma especulação (previsão) e não a demanda real. Para Chopra (2003) o processo pull (empurrados) pode ser chamado de processo reativo, por que reagem à demanda do cliente e sua necessidade. Segundo Ballou (1995) uma das melhores maneiras de classificar os estoques é segundo a natureza de sua demanda. Alem da demanda pusch e pull temos outras cinco, classificadas como: demanda permanente, demanda sazonal, demanda

36 36 irregular, demanda em declínio e demanda derivada. Para demanda permanente são os estoques que requerem ressuprimento contínuo ou periódico. A demanda sazonal é um grande número de produtos que não podem ser controlados como os produtos de demanda permanente, podem ser produtos com ciclo anual de demanda ou simplesmente produtos com ciclo de vida muito curto. Para a demanda irregular é muito difícil fazer projeção de vendas, o controle de estoque esta amarrado com a previsão precisa de vendas. O declínio da demanda é geralmente gradual e os estoques excedentes podem ser diminuídos pouco a pouco. Para alguns produtos o final ocorre subitamente, mas de modo planejado. A demanda derivada tem o foco a partir dos produtos acabados, ou produtos finais, ela serve como base para efetuar a programação final da produção. Quanto e quando comprar ou produzir pode ser determinado com precisão a partir da demanda por produtos acabados. Na próxima seção será abordada a questão da armazenagem Armazenagem A armazenagem tem por objetivo reduzir custos, evitar perdas, facilitar o transporte e diminuir o tempo de entrega agregando valor ao produto. O espaço físico para armazenagem deve ser conhecido a ponto de saber se este atenderá a demanda criada pela empresa e seus produtos, estes locais de armazenamento são denominados depósitos, almoxarifados, centro de distribuição, terminais de consolidação, armazém etc. Temos que trabalhar o planejamento, muitas vezes primeiro temos que saber a demanda para depois estabelecer os espaços ideais de armazenagem, lembrando que a logística vem para resolver e não restringir. A localização das instalações constitui em uma grande parte da cadeia de suprimento. Para Chopra (2003) A escolha básica, neste caso está entre centralizar para ganhar economias de escala e ter uma logística de custo ou descentralizar para se tornar mais responsiva, mantendo-se mais próximo do cliente.

37 37 As empresas também devem levar em conta outros itens relacionados ás diversas características da área especifica em que a instalação pode estar situada. Isso inclui fatores macroeconômicas e estratégicos, qualidade e custo dos funcionários, custo da instalação, disponibilidade de infra-estrutura, proximidade com o cliente e com o restante da rede e impostos. (CHOPRA, 2003, p.57). Os armazéns são divididos pelos tipos de mercadoria a ser armazenadas, tudo depende do que armazenar e como armazenar, a seguir será colocado alguns modelos de armazéns. Classificação dos armazéns: Armazém de produção Armazém de material auxiliar Armazém de mercadorias Armazém de líquidos Armazém de distribuição Dentro dos armazéns existe uma série de ferramentas para saber quais linhas de produtos estão armazenadas, e que ferramenta será usada para o armazenamento, pode-se ter várias opções de ferramentas para trabalhar com o armazenamento, a seguir o acadêmico descreveu algumas destas ferramentas, como: paletes de madeira: É um estrado de madeira, que serve para centralizar uma quantidade de mercadorias, para melhorar o transporte das mesmas, serve como unitizador, além de agilizar o processo de carga e descarga, e melhorar a armazenagem, suas medidas padrão são 1metro de largura por 1,20m de comprimento e 14,60cm de altura, peso 35kg com capacidade de carga dinâmica 1600kg o palete mais utilizado é o padrão PBR II.

38 38 Foto 01 Fonte: Palete de Plásticos: Serve para centralizar uma quantidade de mercadorias, para melhorar o transporte das mesmas, serve como unitizador, além de agilizar o processo de carga e descarga, e melhorar a armazenagem. O palete de plástico é principalmente utilizado para mercadorias perecíveis, para entrar em câmeras frias e congeladas. Zhg Foto 02 Fonte:http://www.palletplastico.com.br/?gclid=COmx75Gm85UCFQikHgoddQR Paleteiras Manual: Sua função é facilitar o carregamento e descarregamento dos patetes, além de ser útil para transportar as mercadorias dentro dos armazéns, seu manuseio é pelo fator Humano a base de sua força, pois não possui qualquer tipo de motor ou engrenagem, apenas possui uma alavanca onde ajuda a erguer os paletes através de correia.

39 39 Foto03 Fonte:http://www.lemaqui.com.br/produtos/ /-paleteira-carrinhohidraulico-transpalete.html Paleteira elétrica: A paleteira Elétrica tem a mesma função da manual, porém não precisa de esforço na hora de operar, pois ela possui um motor e trabalha com bateria, carrega cargas mais pesadas, e algumas ainda levantam os paletes até uma altura de três metros ou mais depende de máquina para máquina. Foto 04 Fonte:

40 40 Empilhadeiras: Máquina utilizada para o transporte e ajuda no armazenamento de mercadorias em depósitos e armazéns, com grande potência para erguer algumas toneladas, dependendo do equipamento. Tem vários tipos de empilhadeira movida a gás, elétrica ou diesel. Foto 05 Fonte: Porta palete: Utilizado para armazenagem de produtos com muita diversificação de SKU.s( Stock Keeping unit), ou seja quando o armazém possui uma grande variedade de produtos estocados com necessidade de seleção. Apesar de necessitar de muita área de corredores, compensa por sua seletividade e rapidez na operação. O percentual de perda do corredor diminui quando se utiliza grandes alturas..htm Foto 06 Fonte:http://www.longa.com.br/SITE/Produtos/PortaPallet/MaisFotosPortaPallet

41 41 Cantilever: Estrutura em balanço para cargas de grande tamanho ou comprimento, como, por exemplo, barras, tubos, perfis, madeira ou qualquer material cujo armazenamento seja muito difícil em estruturas do tipo convencional. Foto 07 Fonte: Coletor: Equipamento utilizado para conferência de mercadorias através do código de barra, isso agiliza o trabalho de recebimento e expedição dos depósitos. Foto 08 Fonte: 2mb html De acordo com Martins (2003), é fundamental no ambiente corporativo, independente do setor de atuação uma estratégia de armazenamento, buscando um planejamento que permita a concretização das informações com foco na

LOGÍSTICA. Curso: Gestão Comercial Prof. Daniel Rossi 1.0 UMA FUNÇÃO ESSENCIAL NA EMPRESA

LOGÍSTICA. Curso: Gestão Comercial Prof. Daniel Rossi 1.0 UMA FUNÇÃO ESSENCIAL NA EMPRESA Curso: Gestão Comercial Prof. Daniel Rossi LOGÍSTICA 1.0 UMA FUNÇÃO ESSENCIAL NA EMPRESA O conceito de Logística sempre envolve um fluxo de materiais de uma origem ou destino e, no outro sentido, um fluxo

Leia mais

Função: Operação da Cadeia de materiais. 1.1 Identificar princípios da organização da área de materiais.

Função: Operação da Cadeia de materiais. 1.1 Identificar princípios da organização da área de materiais. MÓDULO II Qualificação Técnica de Nível Médio ASSISTENTE DE LOGÍSTICA II.1 Gestão de Recursos e Materiais Função: Operação da Cadeia de materiais 1. Contextualizar a importância da Administração de materiais

Leia mais

22/02/2009 LOGÍSTICA DE DISTRIBUIÇÃO POR QUE A LOGÍSTICA ESTÁ EM MODA POSIÇÃO DE MERCADO DA LOGÍSTICA

22/02/2009 LOGÍSTICA DE DISTRIBUIÇÃO POR QUE A LOGÍSTICA ESTÁ EM MODA POSIÇÃO DE MERCADO DA LOGÍSTICA LOGÍSTICA DE DISTRIBUIÇÃO A melhor formação cientifica, prática e metodológica. 1 POSIÇÃO DE MERCADO DA LOGÍSTICA Marketing Vendas Logística ANTES: foco no produto - quantidade de produtos sem qualidade

Leia mais

GUIA DE ELABORAÇÃO DE PLANO DE NEGÓCIOS

GUIA DE ELABORAÇÃO DE PLANO DE NEGÓCIOS GUIA DE ELABORAÇÃO DE PLANO DE NEGÓCIOS Sumário 1. APRESENTAÇÃO... 2 2. PLANO DE NEGÓCIOS:... 2 2.1 RESUMO EXECUTIVO... 3 2.2 O PRODUTO/SERVIÇO... 3 2.3 O MERCADO... 3 2.4 CAPACIDADE EMPRESARIAL... 4 2.5

Leia mais

Plataforma da Informação. Finanças

Plataforma da Informação. Finanças Plataforma da Informação Finanças O que é gestão financeira? A área financeira trata dos assuntos relacionados à administração das finanças das organizações. As finanças correspondem ao conjunto de recursos

Leia mais

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS O plano de negócios deverá conter: 1. Resumo Executivo 2. O Produto/Serviço 3. O Mercado 4. Capacidade Empresarial 5. Estratégia de Negócio 6. Plano de marketing

Leia mais

FACULDADES SPEI Curso de Administração MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DAS FACULDADES SPEI

FACULDADES SPEI Curso de Administração MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DAS FACULDADES SPEI FACULDADES SPEI Curso de Administração MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DAS FACULDADES SPEI CURITIBA 2009 Manual de Estágios Matriz Curricular 2009 2 1. APRESENTAÇÃO Este manual

Leia mais

Capítulo 2. Logística e Cadeia de Suprimentos

Capítulo 2. Logística e Cadeia de Suprimentos Capítulo 2 Logística e Cadeia de Suprimentos Prof. Glauber Santos glauber@justocantins.com.br 1 Capítulo 2 - Logística e Cadeia de Suprimentos Papel primordial da Logística na organização Gestão da Produção

Leia mais

1. INTRODUÇÃO SISTEMA INTEGRADO DE CONTABILIDADE

1. INTRODUÇÃO SISTEMA INTEGRADO DE CONTABILIDADE 1. INTRODUÇÃO A contabilidade foi aos poucos se transformando em um importante instrumento para se manter um controle sobre o patrimônio da empresa e prestar contas e informações sobre gastos e lucros

Leia mais

P á g i n a 3 INTRODUÇÃO

P á g i n a 3 INTRODUÇÃO P á g i n a 3 INTRODUÇÃO A Administração de Materiais compreende as decisões e o controle sobre o planejamento, programação, compra, armazenamento e distribuição dos materiais indispensáveis à produção

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE Viva Vida Produtos de Lazer Ltda. Manual da Qualidade - MQ V. 1 Sistema de Gestão da Qualidade Viva Vida - SGQVV

MANUAL DA QUALIDADE Viva Vida Produtos de Lazer Ltda. Manual da Qualidade - MQ V. 1 Sistema de Gestão da Qualidade Viva Vida - SGQVV MANUAL DA QUALIDADE Manual da Qualidade - MQ Página 1 de 15 ÍNDICE MANUAL DA QUALIDADE 1 INTRODUÇÃO...3 1.1 EMPRESA...3 1.2 HISTÓRICO...3 1.3 MISSÃO...4 1.4 VISÃO...4 1.5 FILOSOFIA...4 1.6 VALORES...5

Leia mais

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS CURSO TECNOLOGIA EM GESTÃO COMERCIAL Série do Curso: 4ª SÉRIE Nome da Disciplina: PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO A atividade prática supervisionada (ATPS) é um método de ensinoaprendizagem

Leia mais

Sistemas de Informação Gerencial SUPPLY CHAIN MANAGEMENT

Sistemas de Informação Gerencial SUPPLY CHAIN MANAGEMENT CIÊNCIAS CONTÁBEIS e ADMINISTRAÇÃO Sistemas de Informação Gerencial SUPPLY CHAIN MANAGEMENT maio/2014 APRESENTAÇÃO Em um ambiente onde a mudança é a única certeza e o número de informações geradas é desmedido,

Leia mais

EVOLUÇÃO DO PENSAMENTO ADMINISTRATIVO

EVOLUÇÃO DO PENSAMENTO ADMINISTRATIVO EVOLUÇÃO DO PENSAMENTO ADMINISTRATIVO MÓDULO 3 - A organização O conceito fundamental para a administração é o de ORGANIZAÇÃO, uma vez que toda a aplicação administrativa vai ocorrer numa organização e

Leia mais

METODOLOGIA PARA PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO NA PEQUENA EMPRESA: UM ESTUDO DE CASO

METODOLOGIA PARA PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO NA PEQUENA EMPRESA: UM ESTUDO DE CASO METODOLOGIA PARA PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO NA PEQUENA EMPRESA: UM ESTUDO DE CASO Mauricio João Atamanczuk (UTFPR) atamanczuk@hotmail.com Prof. Dr. João Luiz Kovaleski (UTFPR) kovaleski@pg.cefet.br RESUMO:

Leia mais

Resumo Executivo. Modelo de Planejamento. Resumo Executivo. Resumo Executivo. O Produto ou Serviço. O Produto ou Serviço 28/04/2011

Resumo Executivo. Modelo de Planejamento. Resumo Executivo. Resumo Executivo. O Produto ou Serviço. O Produto ou Serviço 28/04/2011 Resumo Executivo Modelo de Planejamento O Resumo Executivo é comumente apontada como a principal seção do planejamento, pois através dele é que se perceberá o conteúdo a seguir o que interessa ou não e,

Leia mais

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado Professora Débora Dado Prof.ª Débora Dado Planejamento das aulas 7 Encontros 19/05 Contextualizando o Séc. XXI: Equipes e Competências 26/05 Competências e Processo de Comunicação 02/06 Processo de Comunicação

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIO: UMA FERRAMENTA COM MULTIPLAS APLICAÇÕES

PLANO DE NEGÓCIO: UMA FERRAMENTA COM MULTIPLAS APLICAÇÕES 1 PLANO DE NEGÓCIO: UMA FERRAMENTA COM MULTIPLAS APLICAÇÕES Angela Brasil (Docente das Faculdades Integradas de Três Lagoas -AEMS) E-mail:angelabrasil@ibest.com.br Cleucimar Aparecida Pereira Prudente

Leia mais

UnB Universidade de Brasília. Administração de Recursos Materiais. Tema: Gestão de estoque. Alunos: - Beliza de Ávila.

UnB Universidade de Brasília. Administração de Recursos Materiais. Tema: Gestão de estoque. Alunos: - Beliza de Ávila. UnB Universidade de Brasília Administração de Recursos Materiais Tema: Gestão de estoque Alunos: - Beliza de Ávila - Felipe Jordán - Guilherme de Miranda - Jefferson Coelho O conceito de ocupação física

Leia mais

Aula Nº 15 Resposta Eficiente ao Consumidor (ECR- Efficient Consumer Response )

Aula Nº 15 Resposta Eficiente ao Consumidor (ECR- Efficient Consumer Response ) Aula Nº 15 Resposta Eficiente ao Consumidor (ECR- Efficient Consumer Response ) Objetivo da Aula Aprofundar os conhecimentos de ECR, suas vantagens e implicações. Introdução Na aula anterior, estudamos

Leia mais

ESTRATÉGIA COMPETITIVA. Michael E. Porter

ESTRATÉGIA COMPETITIVA. Michael E. Porter ESTRATÉGIA COMPETITIVA Michael E. Porter 1. A NATUREZA DAS FORÇAS COMPETITIVAS DE UMA EMPRESA 2. ESTRATEGIAS DE CRESCIMENTO E ESTRATÉGIAS COMPETITIVAS 3. O CONCEITO DA CADEIA DE VALOR 1 1. A NATUREZA DAS

Leia mais

Unidade I FUNDAMENTOS DA GESTÃO. Prof. Jean Cavaleiro

Unidade I FUNDAMENTOS DA GESTÃO. Prof. Jean Cavaleiro Unidade I FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA Prof. Jean Cavaleiro Introdução Definir o papel da gestão financeira; Conceitos de Gestão Financeira; Assim como sua importância na gestão de uma organização;

Leia mais

O CONTROLE DE ESTOQUE COMO FERRAMENTA COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES

O CONTROLE DE ESTOQUE COMO FERRAMENTA COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES 1 O CONTROLE DE ESTOQUE COMO FERRAMENTA COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES Cesar Paulo Lomba (Discente do 4º período de Tecnologia de Gestão Financeira das Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS) Maria Luzia

Leia mais

A IMPORTANCIA DO CUSTEIO NA CADEIA DE SUPRIMENTOS COMO VANTAGEM COMPETITIVA: CASO LOGÍSTICO EM MORRINHOS/CE.

A IMPORTANCIA DO CUSTEIO NA CADEIA DE SUPRIMENTOS COMO VANTAGEM COMPETITIVA: CASO LOGÍSTICO EM MORRINHOS/CE. A IMPORTANCIA DO CUSTEIO NA CADEIA DE SUPRIMENTOS COMO VANTAGEM COMPETITIVA: CASO LOGÍSTICO EM MORRINHOS/CE. Jander Neves 1 Resumo: Este artigo foi realizado na empresa Comercial Alkinda, tendo como objetivo

Leia mais

TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO I

TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO I TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO I 1 TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO I Administração é a maneira de governar organizações ou parte delas. É o processo de planejar, organizar, dirigir e controlar o uso de recursos

Leia mais

Marketing Empresarial MARCO ANTONIO LIMA GESTÃO EMPRESARIAL E SUSTENTABILIDADE

Marketing Empresarial MARCO ANTONIO LIMA GESTÃO EMPRESARIAL E SUSTENTABILIDADE Marketing Empresarial Capítulo 1 Marketing: uma introdução Introdução ao Marketing O que é Marketing Marketing é a área do conhecimento que engloba todas as atividades concernentes às relações de troca,

Leia mais

TÍTULO: A IMPORTANCIA DA GESTÃO DO FLUXO DE CAIXA NAS EMPRESAS PARA AS TOMADA DE DECISÕES

TÍTULO: A IMPORTANCIA DA GESTÃO DO FLUXO DE CAIXA NAS EMPRESAS PARA AS TOMADA DE DECISÕES TÍTULO: A IMPORTANCIA DA GESTÃO DO FLUXO DE CAIXA NAS EMPRESAS PARA AS TOMADA DE DECISÕES CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE JAGUARIÚNA

Leia mais

Operação do Sistema Logístico

Operação do Sistema Logístico Operação do Sistema Logístico Prof. Ph.D. Cláudio F. Rossoni Engenharia Logística II Objetivo Entender que, possuir um excelente planejamento para disponibilizar produtos e serviços para os clientes não

Leia mais

CADERNO DE DESCRIÇÕES DE CARGOS FÁBRICA

CADERNO DE DESCRIÇÕES DE CARGOS FÁBRICA CADERNO DE DESCRIÇÕES DE CARGOS FÁBRICA REVISÃO DOS DADOS 04 RELAÇÃO DE CARGOS Auxiliar de Montagem Montador Supervisor de Produção Técnico de Programação da Produção Coordenador de Produção IDENTIFICAÇÃO

Leia mais

INTEGRAÇÃO ENTRE MARKETING E LOGÍSTICA EMPRESARIAL: UM ESTUDO DE CASO NO SETOR DE MÓVEIS PLANEJADOS

INTEGRAÇÃO ENTRE MARKETING E LOGÍSTICA EMPRESARIAL: UM ESTUDO DE CASO NO SETOR DE MÓVEIS PLANEJADOS INTEGRAÇÃO ENTRE MARKETING E LOGÍSTICA EMPRESARIAL: UM ESTUDO DE CASO NO SETOR DE MÓVEIS PLANEJADOS Amanda Cristina Nunes Alves (SSP) amandac.06@hotmail.com Anne Sthefanie Santos Guimaraes (SSP) annesthefanie14@hotmail.com

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

DADOS DE IDENTIFICAÇÃO

DADOS DE IDENTIFICAÇÃO 1 BUSINESS GAME UGB Eduardo de Oliveira Ormond Especialista em Gestão Empresarial Flávio Pires Especialista em Gerencia Avançada de Projetos Luís Cláudio Duarte Especialista em Estratégias de Gestão Marcelo

Leia mais

Modelo de Plano de Negócios

Modelo de Plano de Negócios Modelo de Plano de Negócios COLEÇÃO DEBATES EM ADMINISTRAÇÃO Empreendedorismo Modelo de Plano de Negócios Elaboração Marcelo Marinho Aidar Escola de Administração de Empresas de São Paulo (EAESP) F U N

Leia mais

Administração de Materiais e Logística

Administração de Materiais e Logística Administração de Materiais e Logística Com abordagem a Supply Chain Scorecard Prof. Me Clesio L. Landini Jr. - 2012 - Dedicatória Aos meus alunos, a mola propulsora para a realização desta obra; Aos meus

Leia mais

O MODELO DE GESTÃO DE ESTOQUE UTILIZADO NA LANCHONETE SOBRAL

O MODELO DE GESTÃO DE ESTOQUE UTILIZADO NA LANCHONETE SOBRAL 1 O MODELO DE GESTÃO DE ESTOQUE UTILIZADO NA LANCHONETE SOBRAL CARLOS RUVENS COELHO PONTE 1 CARLOS WAGNER CAVALCANTE GOMES 2 RODRIGO VIANA 3 ALINE PINTO DE MACÊDO DA SILVA 4 Resumo: Todas as empresas vêm

Leia mais

17/08/2010. Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves

17/08/2010. Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves 17//2010 Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves Engenheiro Agrônomo CCA/UFSCar 1998 Mestre em Desenvolvimento Econômico, Espaço e Meio Ambiente IE/UNICAMP 2001 Doutor em Engenharia de Produção PPGEP/UFSCar

Leia mais

UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO LOGÍSTICA EMPRESARIAL

UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO LOGÍSTICA EMPRESARIAL UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO LOGÍSTICA EMPRESARIAL ANÁLISE DE ASPECTOS LOGÍSTICOS DE UMA REVENDEDORA DE PRODUTOS AGROPECUÁRIOS INSERIDA EM UMA CADEIA DE PRODUÇÃO AGROINDUSTRIAL

Leia mais

MARKETING EMPRESARIAL MARCO ANTONIO LIMA GESTÃO EMPRESARIAL E SUSTENTABILIDADE

MARKETING EMPRESARIAL MARCO ANTONIO LIMA GESTÃO EMPRESARIAL E SUSTENTABILIDADE MARCO ANTONIO LIMA GESTÃO E SUSTENTABILIDADE Marketing: uma introdução Introdução ao Marketing O que é Marketing Marketing é a área do conhecimento que engloba todas as atividades concernentes às relações

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA 1 OBJETIVOS 1. Quais são as principais aplicações de sistemas na empresa? Que papel eles desempenham? 2. Como os sistemas de informação apóiam as principais funções empresariais:

Leia mais

1 Visão Sistêmica das Organizações

1 Visão Sistêmica das Organizações Aula 10 Teoria Geral de Sistemas 27/09/2007 Universidade do Contestado UnC/Mafra Curso Sistemas de Informação Prof. Carlos Guerber ENFOQUE SISTÊMICO NAS ORGANIZAÇÕES 1 Visão Sistêmica das Organizações

Leia mais

Noções de Administração - Prof. Claudiney Silvestre. Questões Comentadas:

Noções de Administração - Prof. Claudiney Silvestre. Questões Comentadas: Noções de Administração - Prof. Claudiney Silvestre Questões Comentadas: 1 - Q120630 ( Prova: FUNRIO - 2010 - FURP-SP - Assistente Financeiro / Administração Geral / Planejamento; ) De acordo com autor

Leia mais

ENCONTRO 1 Logística e Transporte

ENCONTRO 1 Logística e Transporte ENCONTRO 1 Logística e Transporte ENCONTRO 1 Logística e Transporte TÓPICO 1: Contextualizando o encontro Olá! Você está iniciando o primeiro encontro do curso Logística Internacional. Neste encontro,

Leia mais

INFORMAÇÃO E VANTAGEM COMPETITIVA EM ORGANIZAÇÃO DE MÓVEIS E ELETROS

INFORMAÇÃO E VANTAGEM COMPETITIVA EM ORGANIZAÇÃO DE MÓVEIS E ELETROS INFORMAÇÃO E VANTAGEM COMPETITIVA EM ORGANIZAÇÃO DE MÓVEIS E ELETROS Elane de Oliveira, UFRN 1 Max Leandro de Araújo Brito, UFRN 2 Marcela Figueira de Saboya Dantas, UFRN 3 Anatália Saraiva Martins Ramos,

Leia mais

Logística Empresarial

Logística Empresarial Logística Empresarial Aula 05 Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Este material é parte integrante da disciplina oferecida pela UNINOVE. O acesso às atividades, conteúdos

Leia mais

ANÁLISE DO GERENCIAMENTO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS POR MEIO DO PROGRAMA 5 S EM UMA TRANSPORTADORA NA CIDADE DE MARINGÁ

ANÁLISE DO GERENCIAMENTO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS POR MEIO DO PROGRAMA 5 S EM UMA TRANSPORTADORA NA CIDADE DE MARINGÁ 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 ANÁLISE DO GERENCIAMENTO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS POR MEIO DO PROGRAMA 5 S EM UMA TRANSPORTADORA NA CIDADE DE MARINGÁ Daiane Maria De Genaro Chiroli 1

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Campus de Francisco Beltrão Estágio Supervisionado em Administração

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Campus de Francisco Beltrão Estágio Supervisionado em Administração UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Campus de Francisco Beltrão Estágio Supervisionado em Administração Formulário de Roteiro do Diagnóstico Organizacional Seqüência das partes

Leia mais

O PAPEL DO CONTROLE DE ESTOQUE NA CENTRALIZAÇÃO DE COMPRAS

O PAPEL DO CONTROLE DE ESTOQUE NA CENTRALIZAÇÃO DE COMPRAS O PAPEL DO CONTROLE DE ESTOQUE NA CENTRALIZAÇÃO DE COMPRAS Mauricio João Atamanczuk (UTFPR) atamanczuk@hotmail.com João Luiz Kovaleski (UTFPR) kovaleski@pg.cefetpr.br Antonio Carlos de Francisco (UTFPR)

Leia mais

Logística e Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos. Profª Caroline Pauletto Spanhol

Logística e Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos. Profª Caroline Pauletto Spanhol Logística e Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos Profª Caroline Pauletto Spanhol Cadeia de Abastecimento Conceitos e Definições Elementos Principais Entendendo a Cadeia de Abastecimento Integrada Importância

Leia mais

II SIMPÓSIO DE PESQUISA E DE PRÁTICAS PEDAGÓGICAS 2014 ANAIS

II SIMPÓSIO DE PESQUISA E DE PRÁTICAS PEDAGÓGICAS 2014 ANAIS BUSINESS GAME UGB VERSÃO 2 Luís Cláudio Duarte Graduação em Administração de Empresas APRESENTAÇÃO (DADOS DE IDENTIFICAÇÃO) O Business Game do Centro Universitário Geraldo Di Biase (BG_UGB) é um jogo virtual

Leia mais

Gestão de Negócios. Aula 01. Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho

Gestão de Negócios. Aula 01. Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Gestão de Negócios Aula 01 Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Este material é parte integrante da disciplina oferecida pela UNINOVE. O acesso às atividades, conteúdos multimídia

Leia mais

Trabalho de Conclusão de Curso - TCC. Graduação em Administração

Trabalho de Conclusão de Curso - TCC. Graduação em Administração Trabalho de Conclusão de Curso - TCC Graduação em Administração Educação Presencial 2011 1 Trabalho de Conclusão de Curso - TCC O curso de Administração visa formar profissionais capacitados tanto para

Leia mais

O que é Finanças? 22/02/2009 INTRODUÇÃO ÀS FINANÇAS CORPORATIVAS

O que é Finanças? 22/02/2009 INTRODUÇÃO ÀS FINANÇAS CORPORATIVAS Prof. Paulo Cesar C. Rodrigues E mail: prdr30@terra.com.br INTRODUÇÃO ÀS FINANÇAS CORPORATIVAS O que é administração financeira? Qual sua importância para as corporações? Como são tomadas as decisões financeiras?

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0 Autor: Marco Polo Viana. Bloco Suprimentos

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0 Autor: Marco Polo Viana. Bloco Suprimentos Bloco Suprimentos Controle de Produção PCP Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo Controle de Produção PCP, que se encontra no Bloco Suprimentos. Todas informações aqui disponibilizadas

Leia mais

O último capítulo desta dissertação visa tecer conclusões a respeito do trabalho e sugerir algumas recomendações para estudos futuros.

O último capítulo desta dissertação visa tecer conclusões a respeito do trabalho e sugerir algumas recomendações para estudos futuros. 7 Conclusão O último capítulo desta dissertação visa tecer conclusões a respeito do trabalho e sugerir algumas recomendações para estudos futuros. A presente dissertação, conforme exposto no Capítulo 1,

Leia mais

ORIENTAÇÕES GERAIS ...

ORIENTAÇÕES GERAIS ... ORIENTAÇÕES GERAIS O Projeto de viabilidade econômico-financeira será solicitado, a critério do Banco, de acordo com as características do investimento, finalidade do projeto, tipo de segmento de mercado,

Leia mais

Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos AULA 9

Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos AULA 9 Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos AULA 9 AULA 9 Assunto: Plano Financeiro (V parte) Prof Ms Keilla Lopes Mestre em Administração pela UFBA

Leia mais

O PAPEL DA LOGÍSTICA NAS ORGANIZAÇÕES: UM ESTUDO DE CASO EM UMA DISTRIBUIDORA DE ALIMENTOS

O PAPEL DA LOGÍSTICA NAS ORGANIZAÇÕES: UM ESTUDO DE CASO EM UMA DISTRIBUIDORA DE ALIMENTOS 190 O PAPEL DA LOGÍSTICA NAS ORGANIZAÇÕES: UM ESTUDO DE CASO EM UMA DISTRIBUIDORA DE ALIMENTOS Douglas Fernandes, Josélia Galiciano Pedro, Daryane dos Santos Coutinho, Diego Trevisan de Vasconcelos, Regiane

Leia mais

PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO ANEXO

PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO ANEXO PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO ANEXO Plano de Ação Estratégico Estratégias empresariais Anexo Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas SEBRAE Unidade de Capacitação Empresarial Estratégias

Leia mais

MOVIMENTAÇÃO E ARMAZENAGEM DE MATERIAIS

MOVIMENTAÇÃO E ARMAZENAGEM DE MATERIAIS 98 MOVIMENTAÇÃO E ARMAZENAGEM DE MATERIAIS Roberta Ferreira dos Santos Graduando em Logística do Centro Universitário Augusto Motta (UNISUAM), Rio de Janeiro, RJ, Brasil roberta.santos94@yahoo.com.br Leandro

Leia mais

Gestão do Conhecimento A Chave para o Sucesso Empresarial. José Renato Sátiro Santiago Jr.

Gestão do Conhecimento A Chave para o Sucesso Empresarial. José Renato Sátiro Santiago Jr. A Chave para o Sucesso Empresarial José Renato Sátiro Santiago Jr. Capítulo 1 O Novo Cenário Corporativo O cenário organizacional, sem dúvida alguma, sofreu muitas alterações nos últimos anos. Estas mudanças

Leia mais

Logística Empresarial Integrada

Logística Empresarial Integrada Logística Empresarial Integrada Profº José Carlos de Sousa Lima Administração de Recursos e Administração de Recursos e Objetivo Discutir o conceito da administração de recursos materiais e sua relação

Leia mais

Faculdade de Tecnologia de Pompéia. LOGÍSTICA Prof. Paulo Medeiros

Faculdade de Tecnologia de Pompéia. LOGÍSTICA Prof. Paulo Medeiros Faculdade de Tecnologia de Pompéia LOGÍSTICA Prof. Paulo Medeiros Concepção de logística Agrupar conjuntamente as atividades relacionadas ao fluxo de produtos e serviços para administrá-las de forma coletiva.

Leia mais

CARACTERÍSTICAS DE UM PROJETO

CARACTERÍSTICAS DE UM PROJETO CARACTERÍSTICAS DE UM PROJETO Temporário: significa que cada projeto tem um início e um fim muito bem definidos. Um projeto é fundamentalmente diferente: porque ele termina quando seus objetivos propostos

Leia mais

#11 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO

#11 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO #11 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO ÍNDICE 1. 2. 3. 4. 5. 6. Apresentação Níveis de planejamento Conceito geral Planejamento estratégico e o MEG Dicas para elaborar um planejamento estratégico eficaz Sobre a

Leia mais

SISTEMAS INTEGRADOS Pedro Schubert

SISTEMAS INTEGRADOS Pedro Schubert SISTEMAS INTEGRADOS Pedro Schubert Vamos abordar os tópicos para a implantação da contabilidade moderna nas empresas. A contabilidade é legalmente utilizada nas empresas para atender aos enfoques legal

Leia mais

Planejamento Econômico-Financeiro

Planejamento Econômico-Financeiro Planejamento Econômico-Financeiro São Paulo, Junho de 2011 Esse documento é de autoria da E Cunha Consultoria. A reprodução deste documento é permitida desde que citadas as fontes e a autoria do estudo.

Leia mais

OS TRÊS PILARES DO LUCRO PEQUENA E MÉDIA EMPRESA

OS TRÊS PILARES DO LUCRO PEQUENA E MÉDIA EMPRESA BOLETIM TÉCNICO MAIO/2011 OS TRÊS PILARES DO LUCRO PEQUENA E MÉDIA EMPRESA Um empresário da indústria se assustou com os aumentos de custo e de impostos e reajustou proporcionalmente seus preços. No mês

Leia mais

LOGÍSTICA 1. Nubia Aparecida dos Reis Souza 2 RESUMO

LOGÍSTICA 1. Nubia Aparecida dos Reis Souza 2 RESUMO 1 LOGÍSTICA 1 Nubia Aparecida dos Reis Souza 2 RESUMO Versa o presente artigo sobre logística e suas aplicabilidades no mundo moderno. A logística foi criada para suprir necessidades durante a Segunda

Leia mais

Os Custos de Armazenagem na Logística Moderna

Os Custos de Armazenagem na Logística Moderna Os Custos de Armazenagem na Logística Moderna Maurício Pimenta Lima Introdução Uma das principais características da logística moderna é sua crescente complexidade operacional. Aumento da variedade de

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO MERCADOLÓGICA II

ADMINISTRAÇÃO MERCADOLÓGICA II ADMINISTRAÇÃO MERCADOLÓGICA II Atividades Gerenciais de MKT Produto Testar Novos Produtos; Modificar Atuais; Eliminar; Política de Marcas; Criar Satisfação e Valor; Embalagem. 2 1 Atividades Gerenciais

Leia mais

Unidade I GESTÃO DE SUPRIMENTOS E LOGÍSTICA. Prof. Léo Noronha

Unidade I GESTÃO DE SUPRIMENTOS E LOGÍSTICA. Prof. Léo Noronha Unidade I GESTÃO DE SUPRIMENTOS E LOGÍSTICA Prof. Léo Noronha A administração de materiais A administração de materiais procura conciliar as necessidades de suprimentos com a otimização dos recursos financeiros

Leia mais

Estudo de Caso Lojas Novo Mundo

Estudo de Caso Lojas Novo Mundo UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA UNB Administração de Recursos Materiais ARM 2/2010 Professor: Guillermo Asper J06 - OS FLUXOS ASSOCIADOS AO TIPO DE GESTÃO DE ESTOQUE: Estudo de Caso Lojas Novo Mundo Grupo 14D

Leia mais

SISTEMAS DE NEGÓCIOS B) INFORMAÇÃO GERENCIAL

SISTEMAS DE NEGÓCIOS B) INFORMAÇÃO GERENCIAL 1 SISTEMAS DE NEGÓCIOS B) INFORMAÇÃO GERENCIAL 1. SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL (SIG) Conjunto integrado de pessoas, procedimentos, banco de dados e dispositivos que suprem os gerentes e os tomadores

Leia mais

Andrés Eduardo von Simson Graduação e v r iç i os D s i ney Background Hopi Hari Hilton Brasilton Maksoud Plaza

Andrés Eduardo von Simson Graduação e v r iç i os D s i ney Background Hopi Hari Hilton Brasilton Maksoud Plaza ENGENHARIA DE NEGÓCIOS I GESTÃO ESTRATÉGICA DE ESTOQUES AULA I Prof. Andrés E. von Simson 2009 PROFESSOR Andrés Eduardo von Simson Graduação Adm. Hoteleira Adm. de Empresas Docência pela FGV Especialização

Leia mais

Trabalho de Conclusão de Estágio-TCE

Trabalho de Conclusão de Estágio-TCE GENECI B. MENEGHELLI Trabalho de Conclusão de Estágio-TCE ANÁLISE DA RUPTURA DE ESTOQUE DA LINHA DE BISCOITO DO SUPERMERCADO ANGELONI NA FILIAL DE ITAJAÍ Trabalho de conclusão de Estágio desenvolvido para

Leia mais

Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler

Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler AULA 5 - PERSPECTIVA DE APRENDIZADO E CRESCIMENTO Abertura da Aula Uma empresa é formada

Leia mais

Logística e Distribuição: Definições e Evolução da Logística em um Contexto Global

Logística e Distribuição: Definições e Evolução da Logística em um Contexto Global Logística e Distribuição: Definições e Evolução da Logística em um Contexto Global Neófita Maria de Oliveira (UERN) neofita_maria@yahoo.com.br Athenágoras José de Oliveira (UERN) mara_suy@hotmail.com Mara

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL SIG. Diferença entre relatórios gerados pelo SPT e os gerados pelo SIG

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL SIG. Diferença entre relatórios gerados pelo SPT e os gerados pelo SIG Introdução SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL SIG A finalidade principal de um SIG é ajudar uma organização a atingir as suas metas, fornecendo aos administradores uma visão das operações regulares da empresa,

Leia mais

As cinco disciplinas

As cinco disciplinas As cinco disciplinas por Peter Senge HSM Management julho - agosto 1998 O especialista Peter Senge diz em entrevista exclusiva que os programas de aprendizado podem ser a única fonte sustentável de vantagem

Leia mais

Controle de estoque Aula 03. Prof. Msc. Ubirajara Junior biraifba@gmail.com

Controle de estoque Aula 03. Prof. Msc. Ubirajara Junior biraifba@gmail.com Controle de estoque Aula 03 Prof. Msc. Ubirajara Junior biraifba@gmail.com Estoque e sua finalidade Estoque representa uma armazenagem de mercadoria com previsão de uso futuro; Assegurar disponibilidade

Leia mais

Pesquisa sobre Logística no E-commerce Brasileiro 2013

Pesquisa sobre Logística no E-commerce Brasileiro 2013 Pesquisa sobre Logística no E-commerce Brasileiro 2013 www.brazilpanels.com.br www.abcomm.com.br www.ecommerceschool.com.br Apoio: INTRODUÇÃO A Logística foi escolhida para ser o tema do primeiro estudo

Leia mais

4/2/2008. 2) Tomar grandes decisões = 1)Analisar a situação externa e interna. Leitura do mercado e das condições internas da organização

4/2/2008. 2) Tomar grandes decisões = 1)Analisar a situação externa e interna. Leitura do mercado e das condições internas da organização PLANO DE MARKETING Ferramenta importante do plano estratégico de uma empresa. Deve estar em perfeita sintonia com os objetivos estabelecidos pela empresa. É um passo para a elaboração do PLANO DE NEGÓCIOS

Leia mais

Administração das Operações Produtivas

Administração das Operações Produtivas UNIP UNIVERSIDADE PAULISTA ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS Administração das Operações Produtivas Prof. Rodolpho Antonio Mendonça WILMERS São Paulo 2011 Administração das Operações Produtivas Introdução Nada

Leia mais

Logística e Administração de Estoque. Definição - Logística. Definição. Profª. Patricia Brecht

Logística e Administração de Estoque. Definição - Logística. Definição. Profª. Patricia Brecht Administração Logística e Administração de. Profª. Patricia Brecht Definição - Logística O termo LOGÍSTICA conforme o dicionário Aurélio vem do francês Logistique e significa parte da arte da guerra que

Leia mais

EMPREENDEDORISMO Marketing

EMPREENDEDORISMO Marketing Gerenciando o Marketing EMPREENDEDORISMO Marketing De nada adianta fabricar um bom produto ou prestar um bom serviço. É preciso saber colocálo no mercado e conseguir convencer as pessoas a comprá-lo. O

Leia mais

GESTÃO DO NÍVEL DE SERVIÇO E SEGMENTAÇÃO DE MERCADO PARA DIFERENCIAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RH. PROFa. EVELISE CZEREPUSZKO

GESTÃO DO NÍVEL DE SERVIÇO E SEGMENTAÇÃO DE MERCADO PARA DIFERENCIAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RH. PROFa. EVELISE CZEREPUSZKO GESTÃO DO NÍVEL DE SERVIÇO E SEGMENTAÇÃO DE MERCADO PARA DIFERENCIAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RH PROFa. EVELISE CZEREPUSZKO O QUE É NÍVEL DE SERVIÇO LOGÍSTICO? É a qualidade com que o fluxo de bens e serviços

Leia mais

Estudo de Caso sobre o Planejamento Financeiro de uma Empresa Têxtil do Agreste Pernambucano

Estudo de Caso sobre o Planejamento Financeiro de uma Empresa Têxtil do Agreste Pernambucano Universidade Federal de Pernambuco Centro de Ciências Sociais Aplicadas Departamento de Ciências Administrativas Mestrado Profissional em Administração Relatório Executivo Estudo de Caso sobre o Planejamento

Leia mais

Módulo IV. Delegação e Liderança

Módulo IV. Delegação e Liderança Módulo IV Delegação e Liderança "As pessoas perguntam qual é a diferença entre um líder e um chefe. O líder trabalha a descoberto, o chefe trabalha encapotado. O líder lidera, o chefe guia. Franklin Roosevelt

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PROFª DANIELLE VALENTE DUARTE

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PROFª DANIELLE VALENTE DUARTE PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PROFª DANIELLE VALENTE DUARTE MODELO PARA FORMULAÇÃO DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Análise do ambiente externo Macroambiente Ambiente setorial feedback Ambiente Interno (forças e

Leia mais

Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA. Marinalva R. Barboza

Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA. Marinalva R. Barboza Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA Marinalva R. Barboza Definição do conceito de logística e evolução Logística tem origem no idioma francês Logistique se define de forma militar sendo uma parte estratégica

Leia mais

Estratégias em Tecnologia da Informação. Planejamento Estratégico Planejamento de TI

Estratégias em Tecnologia da Informação. Planejamento Estratégico Planejamento de TI Estratégias em Tecnologia da Informação Capítulo 7 Planejamento Estratégico Planejamento de TI Material de apoio 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina e não substitui a

Leia mais

Sistemas de Informações Transacionais SIT Sistemas de Informações Gerenciais SIG. Ana Clara Araújo Gomes da Silva araujo.anaclara@gmail.

Sistemas de Informações Transacionais SIT Sistemas de Informações Gerenciais SIG. Ana Clara Araújo Gomes da Silva araujo.anaclara@gmail. Sistemas de Informações Transacionais SIT Sistemas de Informações Gerenciais SIG Ana Clara Araújo Gomes da Silva araujo.anaclara@gmail.com Papéis fundamentais dos SI Os SI desempenham 3 papéis vitais em

Leia mais

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza edwin@engenharia-puro.com.br www.engenharia-puro.com.br/edwin Gerenciamento Logístico Gerenciamento Logístico A missão do gerenciamento logístico é planejar

Leia mais

Gestão orçamentária na Construção Civil

Gestão orçamentária na Construção Civil Um retrato dos desafios, práticas e resultados do planejamento orçamentário Maio, 2014 Agenda Metodologia e amostra Desafios e cultura da organização na gestão orçamentária Processos e riscos do planejamento

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» ADMINISTRAÇÃO (MARKETING) «

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» ADMINISTRAÇÃO (MARKETING) « CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» ADMINISTRAÇÃO (MARKETING) «21. É falacioso falar que o marketing é filho do capitalismo e, portanto, apenas ajudaria a concentrar a renda satisfazendo necessidades supérfluas

Leia mais

LOGÍSTICA EMPRESARIAL. Rodolfo Cola Santolin 2009

LOGÍSTICA EMPRESARIAL. Rodolfo Cola Santolin 2009 LOGÍSTICA EMPRESARIAL Rodolfo Cola Santolin 2009 Conteúdo Cadeia de suprimentos Custos Logísticos Administração de Compras e Suprimentos Logística Reversa CADEIA DE SUPRIMENTOS Logística Logística Fornecedor

Leia mais

Recursos Humanos Prof. Angelo Polizzi. Logística Empresarial e Sistema Integrado. Objetivos do Tema. Logística

Recursos Humanos Prof. Angelo Polizzi. Logística Empresarial e Sistema Integrado. Objetivos do Tema. Logística Recursos Humanos Prof. Angelo Polizzi e Sistema Integrado Objetivos do Tema Apresentar: Uma visão da logística e seu desenvolvimento com o marketing. A participação da logística como elemento agregador

Leia mais

Conceitos e tarefas da administração de marketing DESENVOLVIMENTO DE ESTRATEGIAS E PLANOS DE MARKETING

Conceitos e tarefas da administração de marketing DESENVOLVIMENTO DE ESTRATEGIAS E PLANOS DE MARKETING Sumário Parte um Conceitos e tarefas da administração de marketing CAPITULO I MARKETING PARA 0 SÉCULO XXI A importância do marketing O escopo do marketing 0 que é marketing? Troca e transações A que se

Leia mais

Logística: o endereçamento como ferramenta fundamental na armazenagem e estocagem

Logística: o endereçamento como ferramenta fundamental na armazenagem e estocagem Logística: o endereçamento como ferramenta fundamental na armazenagem e estocagem Juliano Jacinto Luciano Heil Márcio Fernandes de Souza Sidnei Rodrigues RESUMO Este artigo apresenta a importância da logística

Leia mais

OS TRÊS PILARES DO LUCRO EMPRESAS GRANDES

OS TRÊS PILARES DO LUCRO EMPRESAS GRANDES BOLETIM TÉCNICO MAIO/2011 OS TRÊS PILARES DO LUCRO EMPRESAS GRANDES Um empresário da indústria se assustou com os aumentos de custo e de impostos e reajustou proporcionalmente seus preços. No mês seguinte,

Leia mais