UNIVERSIDADE GAMA FILHO PRÓ-REITORIA DE HUMANIDADES E CIÊNCIAS SOCIAIS CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE GAMA FILHO PRÓ-REITORIA DE HUMANIDADES E CIÊNCIAS SOCIAIS CURSO DE ADMINISTRAÇÃO"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE GAMA FILHO PRÓ-REITORIA DE HUMANIDADES E CIÊNCIAS SOCIAIS CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DARWISCH DISTRIBUIDORA DANONE: UM ESTUDO DE CASO ARMAZENAGEM DE PRODUTOS Karina Pletti Lílian Velasc Quintella Orientadra Prfa. MSc. Magda Zeraik Barret Ri de Janeir 2011

2 KARINA POLETTI LÍLIAN VELASCO QUINTELLA DARWISCH DISTRIBUIDORA DANONE: UM ESTUDO DE CASO Armazenagem de prduts Trabalh realizad em cumpriment às exigências de aprvaçã da disciplina ADM 120 Lgística, turma 101. Prfessra: Magda Zeraik Ri de Janeir 2011

3 ii LISTA DE ILUSTRAÇÕES Figura 1 Canal de distribuiçã Danne... 1 Figura 2 Família Actimel... 3 Figura 3 Família DanRegularis Activia... 5 Figura 4 Família Crpus light... 6 Figura 5 Família Danette... 6 Figura 6 Família Danit... 7 Figura 7 Família Danne... 7 Figura 8 Família Danninh... 8 Figura 9 Família Danup... 9 Figura 10 Família Paulista Figura 11 Família Densia Figura 12 Família Aptamil Figura 13 Família Bebelac Figura 14 Família Sustain Figura 15 Organgrama da Darwisch Ft 1 Sócis: Dilma Araúj e Reinald Darwisch... 2 Ft 2 Parte ds funcináris Darwisch Ft 3 Prduts armazenads Quadr 1 Família Actimel... 3 Quadr 2 Família DanRegularis Activia... 4 Quadr 3 Família Crpus light... 5 Quadr 4 Família Danette... 6 Quadr 5 Família Danit... 7 Quadr 6 Família Danne... 7 Quadr 7 Família Danninh... 8 Quadr 8 Família Danup... 8 Quadr 9 Família Paulista... 9 Quadr 10 Família Densia Quadr 11 Família Aptamil Quadr 12 Família Bebelac Quadr 13 Família Sustain... 11

4 iii SUMÁRIO LISTA DE ILUSTRAÇÕES... ii 1. INTRODUÇÃO A EMPRESA Prduts cmercializads Organgrama Respnsabilidade scial ARMAZENAGEM DE PRODUTOS Recebiment d prdut Mvimentaçã até pnt de armazenagem Armazenagem Níveis de estque Espaç físic para armazenagem Frmas de mvimentaçã e armazenagem Preparaçã ds pedids Mvimentaçã até pnt de embarque Embarque CONCLUSÃO REFERÊNCIAS... 22

5 1 1. INTRODUÇÃO A Danne é um ds maires grups empresariais n segment de prduts alimentares d mund, atuand ns setres de prduts láctes frescs, biscits, bebidas, embalagens e utrs. Sinônim de marca na categria de igurtes a empresa fi durante muits ans líder de mercad, atuand cm canais de distribuiçã fcads na distribuiçã de varej. Ns últims ans a empresa e mercad lácte sfreram várias mudanças, que levu a empresa a repensar seus canais de distribuiçã e além ds canais tradicinais, buscar também nvas alternativas de distribuiçã para seus prduts. Dentre as principais mudanças que afetaram a empresa e a necessidade de repensar s canais de distribuiçã, pde-se citar cresciment na quantidade de empresas cncrrentes, cm crescente númer de marcas reginais e preçs inferires às marcas líderes; a reestruturaçã ds seus canais de distribuiçã atuais, cm implementaçã de distribuidres autrizads para distribuiçã em pequens varejistas e cidades de menr prte; a necessidade de reduçã ds custs lgístics; e a reduçã n risc de crédit, que passa a ser funçã d distribuidr. Nessa nva mdalidade de distribuiçã, a Danne passa a vender seus prduts para DAD - Distribuidr Autrizad Danne - que geralmente sã s antigs RCA s - Representantes Cmerciais Autônms. A principal mudança, é que nesse sistema s clientes (varejistas) cmpram prduts ds DAD s, que utilizam ntas ficais de suas próprias empresas e nã mais as frnecidas pela Danne. Cm a Danne deixa de vender diretamente a esses clientes, pis esse cntrle agra será feit pels DAD s, existe a tendência de se perder relacinament e as infrmações sbre as vendas realizadas para esses clientes. Para suprimir esse prblema e bter infrmações sbre as vendas para s clientes, a Danne frnece um sistema de infrmações para s Distribuidres, que executa tdas as perações de venda e gerenciais d DAD, e envia s dads de venda diretamente para a Danne. Dessa frma, DAD passa a ser um intermediári a mais n canal de distribuiçã ds prduts da Danne. Figura 1 Canal de distribuiçã Danne

6 2 2. A EMPRESA A Darwisch é um distribuidr autrizad Danne (DAD), lcalizada em um imóvel própri à Rua Itatiba, nº 35, Anchieta, Ri de Janeir RJ. É uma sciedade empresária limitada cnstituída pels sócis: Dilma Araúj, brasileira, casada, graduada em Administraçã de Empresas, e Reinald Darwisch, brasileir, casad, graduad em Ciências Cntábeis. A respnsabilidade de cada sóci n gerenciament da empresa fica da seguinte frma: Dilma Araúj Respnsável pel gerenciament das funções administrativas e financeiras. Reinald Darwisch Respnsável pel gerenciament das funções de lgística. De segment ligad à atividade cmercial, a empresa atua na distribuiçã de prduts de laticínis para pequenas empresas d varej na cidade d Ri de Janeir e Grande Ri. Ft 1 Sócis: Dilma Araúj e Reinald Darwisch Históric: A Darwisch cmercializa prduts láctes em tda a cidade d Ri de Janeir. É uma empresa jvem cm mens de 15 ans, tend cm diretres seus sócis Dilma e Reinald. É uma empresa tipicamente familiar, pis s dis sócis sã casads, e cm larga experiência em vendas de prduts láctes para pequenas empresas varejistas, já que inicialmente s sócis exerciam a funçã de RCA da Danne, u seja, Representante Cmercial Autônm, utilizand um sistema de distribuiçã nde representante prspectad pela Danne realizava tdas as atividades de venda, incluind visitas a clientes, merchandising e acmpanhament. Em 16 de setembr de 1996, a Darwisch iniciu suas atividades de distribuiçã de prduts Danne n mercad cm apenas 1 veícul e 4 funcináris:

7 3 mtrista, ajudante, vendedr e auxiliar administrativ. Após 14 ans, a Darwisch já cnta cm 9 veículs e 22 funcináris e pssui experiência em várias áreas gegráficas e um cresciment anual em média de 30%. Visã: A Darwisch deseja ser recnhecida pela qualidade, eficiência e cmprmetiment na distribuiçã ds prduts Danne n mercad a lng ds ans. Missã: Cntribuir para que a qualidade ds prduts Danne cheguem até cnsumidr. Objetivs: Aumentar seu faturament em 20% a lng de cada an. Valres: Respnsabilidade, Ética, Hnestidade e Respnsabilidade Ambiental. Mercad: Distribuiçã de prduts de laticínis. Ram de atividade: Cmérci. Prte da empresa: Pequena empresa Prduts cmercializads A empresa cmercializa as linhas de prduts da Danne: Quadr 1 Família Actimel Prduts láctes; e Cmplements alimentares. Família Actimel L casei Defensis Actimel 400g Original Mix de frutas Mrang Figura 2 Família Actimel

8 4 Quadr 2 Família DanRegularis Activia Família DanRegularis Activia Activia plpa 100g Ameixa Mrang Activia plpa 400g Original Mrang Ameixa Aveia Manga Cereja Kiwi Activia plpa 600g Original e Mrang Frutas srtidas Ameixa e Aveia Activia plpa 800g Ameixa Mrang Activia naturais 170g Natural Laranja, cenura e mel Activia líquid 150g Ameixa Mrang Aveia Activia líquid 180g Ameixa Mrang Aveia Activia líquid 900g Ameixa Mrang Aveia Activia líquid suc 900g Uva Laranja Activia líquid vitamina 900g Frutas e cereais Frutas vermelhas Activia leite fermentad 480g Baunilha Activia sbremesa 200g Trta de Limã Papaya cm cassis Frzen riginal Activia 0% plpa 400g Ameixa Mrang Maracujá Cc Activia 0% plpa 600g Mrang e Ameixa Activia 0% plpa 800g;

9 5 Ameixa Mrang Activia 0% líquid 180g Ameixa Mrang Activia 0% líquid 900g Ameixa Mrang Frutas e cereais Figura 3 Família DanRegularis Activia Quadr 3 Família Crpus light Família Crpus light Crpus plpa 90g Mrang Crpus plpa 540g Mrang e Ameixa Salada de Frutas Crpus pedaçs 400g Ameixa Mrang Crpus líquid 170g Ameixa Mrang Vitamina Crpus líquid 900g Ameixa Mrang Crpus leite UHT 1 L Desnatad

10 6 Figura 4 Família Crpus light Quadr 4 Família Danette Família Danette Sbremesa Danette 220g Chclate Chclate branc Brigadeir Chclate cm m&m s Ovmaltine Chclate light Flan Danette 220g Caramel Chclate Líquids Danette 200ml Chclate Figura 5 Família Danette

11 7 Quadr 5 Família Danit Família Danit Danne Danit 130g Mrang cm cnfeit chclate Mrang cm cnfeit clrid Danne Danit fermentad 450g Baunilha Danne plpa Danit frutas 600g Mrang, maçã e banana Figura 6 Família Danit Quadr 6 Família Danne Família Danne Danne plpa 600g Mrang Mix de frutas Ameixa e Mrang Danne plpa receita especial 600g Mrang, mamã, maçã e banana Naturais danne 170g Desnatad Laranja, cenura e mel Figura 7 Família Danne

12 8 Quadr 7 Família Danninh Família Danninh Danninh petit suisse 90g Mrang Danninh petit suisse 100g Mrang Danninh petit suisse 360g Mrang Frutas srtidas Pêra, maçã, Mrang e banana Danninh petit suisse 400g Mrang Danninh líquid 180g Mrang Danninh líquid 900g Mrang Danninh em caixinha 180g Mrang Danninh crems e crcante 107g Mrang Danninh mrang 540g Mrang Danninh ICE 480g Mrang Figura 8 Família Danninh Quadr 8 Família Danup Família Danup Danup líquid 180g Mrang Açaí Frutas vermelhas Mamã, maçã e banana Danup líquid 900g Mrang Danup líquid vitamina 900g Mamã, maçã e banana

13 9 Figura 9 Família Danup Quadr 9 Família Paulista Família Paulista Paulista plpa 600g Mrang e cc Sabres Mrang Paulista naturais 170g Natural Desnatad Granla e mel Mel Laranja, cenura e mel Paulista líquid 180g Mrang Festival de frutas Sbremesa paulista 180g Chclate Paulista sbremesa 130g Mrang Paulista sbremesa 220g Mrang Caramel Paulista petit suisse 360g Mrang Paulista leite fermentad 450g Baunilha Paulista leite UHT 1 L Integral Semi desnatad Desnatad Paulista manteiga 200g Cm sal Sem sal Paulista creme de leite 200g Creme de leite

14 10 Figura 10 Família Paulista Quadr 10 Família Densia Família Densia Densia líquid 180g Mrang Aveia Densia plpa 400g Mrang Aveia Figura 11 Família Densia Quadr 11 Família Aptamil Família Aptamil Aptamil 400g Aptamil 1 Aptamil 2 Aptamil 900g Aptamil 1 Aptamil 2 Aptamil sja 400g Aptamil 1 Aptamil 2 Aptamil AR Aptamil 400g

15 11 Aptamil 800g Aptamil sem lactse Aptamil 400g Figura 12 Família Aptamil Quadr 12 Família Bebelac Família Bebelac Bebelac 400g Bebelac 1 Bebelac 2 Figura 13 Família Bebelac Quadr 13 Família Sustain Família Sustain Sustain Junir Mrang Chclate Baunilha Sustain Junir sache 200g Chclate

16 12 Sustain regular Mrang Chclate Baunilha Figura 14 Família Sustain 2.2. Organgrama Figura 15 Organgrama da Darwisch DIREÇÃO ADMINISTRATIVA SUPERVISÃO DE VENDAS SUPERVISÃO DE OPERAÇÕES SUPERVISÃO DE RECURSOS HUMANOS SUPERVISÃO FINANCEIRA EQUIPE DE VENDAS ARMAZÉNS TRANSPORTES COMPRAS

17 Respnsabilidade scial A empresa adta uma pstura de cnsciência ambiental através da cleta seletiva de lix, cntrle n us de energia e água n estabeleciment. A empresa nã desenvlve atividades sb aspect scial. 3. ARMAZENAGEM DE PRODUTOS A armazenagem de prduts pde ter funções diversas, dependend ds bjetivs gerais da empresa e d papel desempenhad pela instalaçã (depósit, armazém u centr de distribuiçã) n sistema. As principais funções sã as seguintes: a) Abrig: Guarda de estques gerads pel desbalanceament entre ferta e demanda. b) Cnslidaçã: Prcess de juntar cargas parciais prvenientes de rigens diversas para frmar carregaments maires. c) Transferência e transbrd: Prcess invers da cnslidaçã, em que carregaments maires sã desmembrads em pequens ltes para serem encaminhads a destins diferentes. d) Agrupament u cmpsiçã: Agrupament de itens de prdut para fabricaçã integral. O bjetiv principal da armazenagem de prduts é guardar a mercadria pr um cert temp. Ou seja, a mercadria fica mantida n depósit pr um cert períd de temp, até que seja requisitada para cmercializaçã u cnsum própri. Uma rganizaçã que necessite de espaç físic para estques tem uma série de pções: a) Pssuir depósit; b) Alugar espaç físic; c) Alugar depósit; e d) Estcar em trânsit. De acrd cm tip de prdut armazenad, depósit pde ser: a) De cmmdities: Depósit que limita seu serviç a certs grups de mercadrias-padrã (cmmdities). b) Para granel: Depósit que ferece manusei e armazenagem de prduts granelizads.

18 14 c) Frigrificad: Depósit refrigerad d) Para utilidades dmésticas e mbiliári: Depósit que ferece manusei de bens de us dméstic e mbiliári. e) De mercadrias em geral: Depósit que ferece manusei de ampl leque de itens. O bjetiv principal da armazenagem de prduts na Darwisch é a guarda d seu estque. A armazenagem crre em depósits própris: uma câmara fria para armazenagem de prduts refrigerads e um armazém para s prduts secs Recebiment d prdut As mercadrias chegam a depósit u armazém e devem ser descarregadas, cnferidas e encaminhadas a pnt de armazenagem. Este cmpnente d armazém u depósit é cnstituíd geralmente pr uma dca de descarga (nrmalmente frmad pr uma platafrma elevada - cerca de 1,20m d sl - nde s caminhões encstam de ré), nde a mercadria é cnferida e triada. Os bjetivs dessa fase sã s seguintes: a) Retirar a carga d veícul; b) Cnferir a mercadria; e c) Efetuar a triagem da mesma, marcand a zna, regiã u bx de destin. O prcess de descarga dependerá das características da carga e da dispnibilidade de equipaments e instalações fixas n depósit. O métd mais simples de descarga é manual, que pde ser feita de duas frmas: Cada hmem da equipe entra n veícul (n cas de platafrma elevada), apanha uma determinada quantidade de carga, deslcand a mercadria até a área de recepçã. Nesse pnt, clca a mercadria em um pallet u carrinh. É frmada uma sequência linear de indivídus espaçads unifrmemente, desde interir d veícul até a área de recepçã. O primeir hmem da equipe apanha uma quantidade de carga, passanda a segund element da fila. Esse passa para terceir, e assim sucessivamente. O últim hmem clca a carga n pnt designad para recepçã da mercadria.

19 15 A Darwisch recebe diariamente uma quantidade de carga através da transprtadra que presta serviçs à Danne. O prcess tem iníci na dca de descarga quand funcinári respnsável verifica se veícul cm a carga encntra-se lacrad. Feit iss, verificam-se as temperaturas d Baú refrigerad e ds prduts, assim cm data de fabricaçã e validade. Ainda n veícul, há a cnferência d rmanei (resum da carga) antes da mvimentaçã até pnt de armazenagem. Ft 2 Parte ds funcináris Darwisch 3.2. Mvimentaçã até pnt de armazenagem Após recebiment, a mercadria é deslcada até pnt nde deverá ficar armazenada. Após recebiment, funcinári Darwisch deslca a mercadria (manualmente) cm auxíli de equipaments para a câmara fria, (armazenagem de prduts refrigerads) e para armazém (armazenagem de prduts secs).

20 Armazenagem N dimensinament d cmpnente armazenagem de um depósit, alguns aspects imprtantes devem ser cnsiderads, tais cm estque máxim prvável d prdut a ser armazenad, espaç necessári para armazenar cada grup, tip de mvimentaçã a ser adtad e a frma de estcagem Níveis de estque O prdut de uma empresa é requisitad a partir d estque. Num cert mment, a empresa faz pedid de uma nva remessa d prdut, e após um períd de temp, s itens sã recebids e clcads n estque. Há assim, uma scilaçã n nível de estque d prdut, variand desde uma quantidade de segurança mínima, até um valr máxim (plen estque). Sabend-se que a manutençã d estque custa dinheir, as empresas prcuram reduzir seus níveis a máxim, sem cntud prejudicar nível de serviç d sistema (falta d prdut) Espaç físic para armazenagem A partir d estque máxim prvável para uma certa categria de prdut, pde-se calcular vlume necessári para armazenar a mercadria. Para iss, parte-se d vlume unitári (vlume de um item d prdut, incluind embalagem), cm também d pes unitári d mesm. Multiplicand-se vlume unitári e pes unitári pel estque máxim esperad (medind em númer de peças), se btém vlume ttal a ser reservad e pes da carga na sua cndiçã extrema. N dimensinament d setr de estcagem d armazém, aprveitament das instalações dependerá d prcess de mvimentaçã esclhid e da frma cm sã armazenads s prduts. A densidade de cupaçã mede a quantidade líquida de prdut armazenad pr metr quadrad u metr cúbic de depósit. A quantidade de prdut armazenad pde ser medida em pes (kg, tnelada) u em vlume (m 3 ). A densidade superficial de cupaçã útil é btida dividind-se pes u vlume útil pela área diretamente cupada pela carga. Na realidade, armazém é frmad nã smente pr pilhas d prdut, cm também pr crredres, áreas nã aprveitadas, etc. Se pes u vlume da carga fr dividid pela área bruta cupada, incluind-se as perdas de espaç, s crredres, etc. há a densidade superficial de cupaçã real.

21 Frmas de mvimentaçã e armazenagem Na cncepçã e peraçã de um armazém estã envlvids dis tips de mvimentaçã de materiais: mviment hrizntal e mviment vertical. Mviment Hrizntal: Quand as unidades deslcadas (pallets, caixas, sacas) sã dispstas ns seus lcais de destin pr um hmem, sem a ajuda de equipaments de elevaçã. Ou seja, a clcaçã e retirada ds itens é feita diretamente pel hmem, que implica em alturas de estcagem cmpatíveis cm essa cndiçã. Mviment Vertical: Além da mvimentaçã hrizntal, há us de equipaments aprpriads, tais cm empilhadeiras, transelevadres, pntes rlantes, etc. Outr aspect refere-se a us u nã de equipaments mtrizads. N deslcament manual, indivídu transprta a carga ns braçs, em carrinhs, paleteiras, etc., mas tda a mvimentaçã é feita cm suas próprias frças. O equipament mais simples de mvimentaçã manual de vlumes é carrinh de mã. Para mercadrias arranjadas em pallets, deslcament manual se faz cm auxíli de paleteiras. Para acessar manualmente prateleiras mais altas, sã utilizadas escadas móveis sbre rdas (carrinh-escada). A mvimentaçã mtrizada pressupõe empreg de equipaments acinads pr mtres elétrics u de cmbustã interna (gaslina, gás, etc.). Os equipaments mecânics mais utilizads sã empilhadeiras (frntal, lateral u trilateral). Outra frma de mvimentaçã utilizada para materiais pesads u vlumss sã s equipaments suspenss, tais cm as pntes rlantes cnstituídas sbre trilhs elevads a lng d depósit. Outra característica d prcess de mvimentaçã em um armazém é a crrência u nã de autmaçã. Quand Armazém nã é autmatizad, a clcaçã u busca de um item n lcal de estcagem é feita pel hmem, cm auxíli u nã de equipaments mecânics. Ns armazéns autmatizads há uma central de cntrle remt, que cmanda a mvimentaçã de transelevadres, u utr tip de equipament, sem a intervençã direta d hmem. O prcess de armazenagem de prduts deverá garantir a mbilidade tant de equipaments de mvimentaçã cm ds materiais estcads. Ou seja, deverá

22 18 permitir alterações n layut, quand necessárias, dand-se preferência pr esquemas flexíveis, em que a rapidez e a facilidade de acess sã aspects fundamentais. O tip mais cmum de estrutura para armazenagem de prduts é frmad pr cantneiras metálicas perfuradas, dtadas de prateleiras cm altura regulável. Outr tip semelhante é a estrutura prta-estrads, metálica, que permite a estcagem de pallets em alturas diversas. O prta-estrad típic pssui vigas fixadas nas clunas, nde se apóiam s pallets. Há s prta-estrads cm prfundidade simples, em que tds s pallets estcads ficam em cntat diret cm um crredr. O prta-estrad cm dupla prfundidade, pr utr lad, permite, estcar, dis pallets numa determinada psiçã. Um ds pallets ficará a fund da estrutura, exigind empilhadeiras especiais de mair alcance para mvimentá-l. Esse tip de arranj aumenta a densidade de estcagem, pis há uma diminuiçã sensível d númer de crredres. N entant, acess a pallet psterir é prejudicad, fazend cm que a primeira unidade armazenada acabe send cnsumida pr últim. Para evitar esse tip de prblema e agilizar as perações, criu-se um tip de estrutura que permite a rlagem natural ds pallets, de frma a gerar uma renvaçã dinâmica n cnsum d prdut estcad. Os pallets sã clcads num ds lads da estrutura. A retirada ds estrads é feita pel lad pst. Tda vez que um pallet é retirad, cnjunt restante desliza pr frça da gravidade, renvand dinamicamente estque na pnta de saída. Iss permite que a mercadria seja utilizada na rdem crreta (primeir a chegar, primeir a sair), mas exige pallets de mdel especial e um cuidads prjet d prcess mecânic (rletes, tamanh da pista, declividade, etc.). Uma frma de armazenagem mais sfisticada, idealizada para melhr aprveitament da superfície d depósit é cnstituída pr estruturas móveis, em que espaç é utilizad de frma quase cmpacta. As prateleiras permanecem encstadas umas as utras, existind apenas um crredr cuja psiçã é ajustada sempre que necessári. As estruturas que suprtam as prateleiras e pallets sã apiadas em rdas que se mvem em trilhs embutids n paviment. Quand se deseja acessar uma determinada estante, mve-se cnjunt pr mei de um mtr, u em alguns cass, manualmente, abrind-se um crredr na psiçã desejada. Esse sistema é usad quand se precisa armazenar grandes quantidades de prduts, cm restrições severas de espaç.

23 19 Diariamente a Darwisch faz pedid de uma nva remessa d prdut à Danne, já que seu estque gira em trn de 3 dias. Seu espaç físic tem dispnibilidade para armazenagem de 20 tneladas, u seja, caixas de prduts em câmara fria e n armazém. Seus prduts sã armazenads pr famílias (Activia, Danette, Aptamil, Sustain, etc.) em pallets e classificads sb sistema primeir a chegar, primeir a sair. Essas unidades sã dispstas em alturas de estcagem cmpatíveis cm mviments hrizntais, u seja, a clcaçã e a retirada de itens sã feitas diretamente pel funcinári sem a ajuda de equipaments de elevaçã, prém cm auxíli de equipaments que implicam a própria frça, tais cm carrinhs e paleteiras. Ft 3 Prduts armazenads 3.4. Preparaçã ds pedids Os pedids ds clientes sã preparads cm s prduts trazids ds pnts nde estã armazenads e acndicinads em caixas, pallets u utra frma

24 20 adequada de invólucr. Os invólucrs sã marcads externamente cm nme e endereç d destinatári para depis, serem encaminhads à dca de embarque. O prcess de preparaçã ds pedids tem iníci quand a final de cada dia, vendedr Darwisch entrega pedid de venda n setr de Administraçã da empresa, nde imediatamente dá-se baixa n estque e a mercadria já é separada (pr rta e cliente) na câmara fria e n armazém, para entrega n dia seguinte. N dia da entrega da mercadria, funcinári respnsável verifica a temperatura da câmara fria e d Baú refrigerad e armazém antes da mvimentaçã até pnt de embarque e carregament d veícul Mvimentaçã até pnt de embarque Após a preparaçã ds pedids, a mercadria é deslcada d pnt de armazenagem para a dca de embarque. Após a preparaçã d pedid, funcinári Darwisch cm auxíli de equipaments deslca a mercadria da câmara fria, u d armazém até a dca de embarque Embarque Uma vez prnta para ser distribuída u transprtada, a mercadria é embarcada n veícul designad. Na dca de embarque, funcinári respnsável realiza a verificaçã final da carga, libera carregament d veícul e a saída para a entrega da mercadria a cliente. 4. CONCLUSÃO A armazenagem e manusei de mercadrias sã cmpnentes essenciais às atividades lgísticas de uma rganizaçã. Sabe-se que s seus custs pdem chegar a cnsumir quase que a metade das despesas da empresa referentes a prcess lgístic. Prcess este, que crre em grande parte das rganizações em lcais fixs, que acaba estabelecend uma crrespndência entre esses custs e a esclha ds lcais para armazenagem de prduts. Pr pssuir espaç físic própri para armazenagem de seus prduts, a Darwisch tem a vantagem de bter mair cntrle sbre as suas perações, que

25 21 lhe prprcina mair eficiência na realizaçã de suas atividades. O gir ds estques em trn de 3 dias na empresa prprcina uma lgística eficaz em terms de cmpras, recebiment d prduts, armazenagem, mvimentaçã e frneciment, e ainda menres custs e mair cmpetitividade n mercad.

26 22 REFERÊNCIAS BALLOU, Rnald H. Lgística empresarial: Transprtes, administraçã de materiais e distribuiçã física / Rnald H. Ballu; Traduçã Hug T. Y. Yshizaki - Sã Paul: Atlas, ALVARENGA, Antni Carls; NOVAES, Antni Galvã N. Lgística Aplicada: supriment e distribuiçã física. 3. ed. Sã Paul: Edgard Blucher, 2000.

Supply Chain Game. EXERCÍCIOS PRÁTICOS DE LOGÍSTICA E CADEIA DE SUPRIMENTOS Autor: Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves

Supply Chain Game. EXERCÍCIOS PRÁTICOS DE LOGÍSTICA E CADEIA DE SUPRIMENTOS Autor: Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves Supply Chain Game EXERCÍCIOS PRÁTICOS DE LOGÍSTICA E CADEIA DE SUPRIMENTOS Autr: Prf. Dr. Daniel Bertli Gnçalves Exercíci Prátic 1 Simuland uma Cadeia e planejand seus estques Lcal: em sala de aula Material

Leia mais

Vensis PCP. Rua Américo Vespúcio, 71 Porto Alegre / RS (51) 3012-4444 comercial@vensis.com.br www.vensis.com.br

Vensis PCP. Rua Américo Vespúcio, 71 Porto Alegre / RS (51) 3012-4444 comercial@vensis.com.br www.vensis.com.br Vensis PCP Vensis PCP O PCP é módul de planejament e cntrle de prduçã da Vensis. Utilizad n segment industrial, módul PCP funcina de frma ttalmente integrada a Vensis ERP e permite às indústrias elabrar

Leia mais

Supply Chain Game. EXERCÍCIOS PRÁTICOS DE LOGÍSTICA E CADEIA DE SUPRIMENTOS Autor: Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves

Supply Chain Game. EXERCÍCIOS PRÁTICOS DE LOGÍSTICA E CADEIA DE SUPRIMENTOS Autor: Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves Supply Chain Game EXERCÍCIOS PRÁTICOS DE LOGÍSTICA E CADEIA DE SUPRIMENTOS Autr: Prf. Dr. Daniel Bertli Gnçalves Exercíci Prátic Simuland Cadeias de Supriments v2.0 Lcal: em sala de aula Material Necessári:

Leia mais

Vensis Manutenção. Rua Américo Vespúcio, 71 Porto Alegre / RS (51) 3012-4444 comercial@vensis.com.br www.vensis.com.br

Vensis Manutenção. Rua Américo Vespúcio, 71 Porto Alegre / RS (51) 3012-4444 comercial@vensis.com.br www.vensis.com.br Vensis Manutençã Vensis Manutençã É módul que permite gerenciament da manutençã de máquinas e equipaments. Prgramaçã de manutenções preventivas u registr de manutenções crretivas pdem ser feits de frma

Leia mais

5. PLANEJAMENTO E ORGANIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO:

5. PLANEJAMENTO E ORGANIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO: 5. PLANEJAMENTO E ORGANIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO: 5.1 INTRODUÇÃO A rganizaçã da manutençã era cnceituada, até há puc temp, cm planejament e administraçã ds recurss para a adequaçã à carga de trabalh esperada.

Leia mais

Os novos usos da tecnologia da informação nas empresas Sistemas de Informação

Os novos usos da tecnologia da informação nas empresas Sistemas de Informação Os nvs uss da tecnlgia da infrmaçã nas empresas Sistemas de Infrmaçã Prf. Marcel da Silveira Siedler siedler@gmail.cm SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC PELOTAS Planejament

Leia mais

SMART CONTROLE DO ESTOQUE DE GONDOLA

SMART CONTROLE DO ESTOQUE DE GONDOLA SMART CONTROLE DO ESTOQUE DE GONDOLA O prcess de cntrle de estque de gôndla fi desenvlvid cm uma prcess de auxili a cliente que deseja cntrlar a quantidade de cada item deve estar dispnível para venda

Leia mais

Capítulo VII Projetos de eficiência energética em iluminação pública Por Luciano Haas Rosito*

Capítulo VII Projetos de eficiência energética em iluminação pública Por Luciano Haas Rosito* 20 Api O Setr Elétric / Julh de 2009 Desenvlviment da Iluminaçã Pública n Brasil Capítul VII Prjets de eficiência energética em iluminaçã pública Pr Lucian Haas Rsit* Neste capítul abrdarems s prjets de

Leia mais

Relatório de Gerenciamento de Riscos

Relatório de Gerenciamento de Riscos Relatóri de Gerenciament de Riscs 2º Semestre de 2014 1 Sumári 1. Intrduçã... 3 2. Gerenciament de Riscs... 3 3. Risc de Crédit... 4 3.1. Definiçã... 4 3.2. Gerenciament... 4 3.3. Limites de expsiçã à

Leia mais

Roteiro de Implantação Estoque

Roteiro de Implantação Estoque Rteir de Implantaçã Estque Revisã: 23/07/2004 Abrangência Versã 7.10 Cadastrs Básics Dicas: Explique a necessidade d preenchiment ds brigatóris (camps na cr azul). Verifique se cliente necessita que mais

Leia mais

TEORIA DO OLIGOPÓLIO, MODELOS E FORMAÇÃO DE PREÇOS.

TEORIA DO OLIGOPÓLIO, MODELOS E FORMAÇÃO DE PREÇOS. Ntas de Aula Ecnmia Industrial Nta_aula_4_Preç-Oligpli TEORIA DO OLIGOPÓLIO, MODELOS E FORMAÇÃO DE PREÇOS. Bibligrafia: KON, Anita. Ecnmia Industrial. Sã Paul: Nbel, 2001. (CAPÍTULO 2) PINDYCK, RS e RUBINFELD,

Leia mais

Relatório de Gerenciamento de Riscos

Relatório de Gerenciamento de Riscos Relatóri de Gerenciament de Riscs 2º Semestre de 2015 1 Sumári 1. Intrduçã... 3 2. Gerenciament de Riscs... 3 2.1. Organgrama... 4 3. Risc de Crédit... 4 3.1. Definiçã... 4 3.2. Gerenciament... 4 3.3.

Leia mais

Nome do programa, pesquisa ou produto: Projeto Censo GIFE 2005/2006

Nome do programa, pesquisa ou produto: Projeto Censo GIFE 2005/2006 1 GIFE Grup de Instituts, Fundações e Empresas Dads da rganizaçã Data de elabraçã da ficha: Fev 2008 Nme: GIFE Grup de Instituts, Fundações e Empresas Endereç: Av. Brigadeir Faria Lima, 2.413 1º andar

Leia mais

O que é sucessão de responsabilidades?

O que é sucessão de responsabilidades? GLOSSÁRIO DO EMPREENDEDOR O que é capital inicial? É capital de gir necessári para iniciar as atividades de seu negóci e "rdar" as perações até cmeçar a gerar receita suficiente para equilibrar este capital.

Leia mais

PADRÃO DE RESPOSTA. Pesquisador em Informações Geográficas e Estatísticas A I PROVA 3 FINANÇAS PÚBLICAS

PADRÃO DE RESPOSTA. Pesquisador em Informações Geográficas e Estatísticas A I PROVA 3 FINANÇAS PÚBLICAS Questã n 1 Cnheciments Específics O text dissertativ deve cmtemplar e desenvlver s aspects apresentads abaix. O papel d PPA é de instrument de planejament de médi/lng praz que visa à cntinuidade ds bjetivs

Leia mais

GUIA DE RELACIONAMENTO MT-COR: 001 Revisão: 000

GUIA DE RELACIONAMENTO MT-COR: 001 Revisão: 000 GUIA DE RELACIONAMENTO MT-COR: 001 Revisã: 000 A Mercur S.A., empresa estabelecida desde 1924, se precupa em cnduzir as suas relações de acrd cm padrões étics e cmerciais, através d cumpriment da legislaçã

Leia mais

REQUISITOS PRINCIPAIS: Regulamentação final sobre controles preventivos de alimentos para consumo humano Visão rápida

REQUISITOS PRINCIPAIS: Regulamentação final sobre controles preventivos de alimentos para consumo humano Visão rápida O FDA ferece esta traduçã cm um serviç para um grande públic internacinal. Esperams que vcê a ache útil. Embra a agência tenha tentad bter uma traduçã mais fiel pssível à versã em inglês, recnhecems que

Leia mais

Sistema FlexNEC SS. Componentes e acessórios modulares para soluções em sistemas industriais de movimentação.

Sistema FlexNEC SS. Componentes e acessórios modulares para soluções em sistemas industriais de movimentação. Sistema FlexNEC SS Cmpnentes e acessóris mdulares para sluções em sistemas industriais de mvimentaçã. 11/2012 Esquema de mntagem Sistema FlexNEC SS Cmpnentes e acessóris para esteiras transprtadras Imagem

Leia mais

PROJETO 22ª MOSTRA ESTUDANTIL TECNOLÓGICA Dias 22 e 23 DE OUTUBRO CURSOS: Eletrônica, Informática, Mecânica, Mecatrônica, Química e Petróleo e Gás

PROJETO 22ª MOSTRA ESTUDANTIL TECNOLÓGICA Dias 22 e 23 DE OUTUBRO CURSOS: Eletrônica, Informática, Mecânica, Mecatrônica, Química e Petróleo e Gás PROJETO 22ª MOSTRA ESTUDANTIL TECNOLÓGICA Dias 22 e 23 DE OUTUBRO CURSOS: Eletrônica, Infrmática, Mecânica, Mecatrônica, Química e Petróle e Gás Objetiv: Elabrar e desenvlver um prjet na área prfissinal,

Leia mais

3. TIPOS DE MANUTENÇÃO:

3. TIPOS DE MANUTENÇÃO: 3. TIPOS DE MANUTENÇÃO: 3.1 MANUTENÇÃO CORRETIVA A manutençã crretiva é a frma mais óbvia e mais primária de manutençã; pde sintetizar-se pel cicl "quebra-repara", u seja, repar ds equipaments após a avaria.

Leia mais

PM 3.5 Versão 2 PdC Versão 1

PM 3.5 Versão 2 PdC Versão 1 Prcediment de Cmercializaçã Cntrle de Alterações SAZONALIZAÇÃO DE CONTRATO INICIAL E DE ENERGIA ASSEGURADA PM 3.5 Versã 2 PdC Versã 1 Alterad Layut d dcument. Alterad term de Prcediment de Mercad para

Leia mais

Artigo 12 Como montar um Lava Jato

Artigo 12 Como montar um Lava Jato Artig 12 Cm mntar um Lava Jat Antigamente era cmum bservar as pessas, n final de semana, cm seus carrs, bucha e sabã nas mãs. Apesar de ainda haver pessas que preferem fazer serviç suj szinhas, s lava

Leia mais

Perguntas frequentes sobre o Programa Banda Larga nas Escolas

Perguntas frequentes sobre o Programa Banda Larga nas Escolas Perguntas frequentes sbre Prgrama Banda Larga nas Esclas 1. Qual bjetiv d Prgrama Banda Larga nas Esclas? O Prgrama Banda Larga nas Esclas tem cm bjetiv cnectar tdas as esclas públicas à internet, rede

Leia mais

2. A programação completa e mais informações estarão disponíveis no site www.gar.esp.br.

2. A programação completa e mais informações estarão disponíveis no site www.gar.esp.br. REGULAMENTO 1. Sbre Event 1. A Gramad Adventure Running é uma prva de revezament junt à natureza que será realizada n dia 09/05/2015 (Sábad) em Gramad, n Estad d Ri Grande d Sul, cm participaçã de ambs

Leia mais

SEMINÁRIO FINANÇAS EFINANCIAMENTO VIABILIZANDO INVESTIMENTO NAS PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS 17 DE NOVEMBRO, 2014

SEMINÁRIO FINANÇAS EFINANCIAMENTO VIABILIZANDO INVESTIMENTO NAS PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS 17 DE NOVEMBRO, 2014 SEMINÁRIO FINANÇAS EFINANCIAMENTO VIABILIZANDO INVESTIMENTO NAS PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS 17 DE NOVEMBRO, 2014 ESTRATÉGIA DESEGMENTAÇÃO ESTRATÉGIA DE SEGMENTAÇÃO Estrutura segmentada vltada a estratégia

Leia mais

Agenda. A interface de Agendamento é encontrada no Modulo Salão de Vendas Agendamento Controle de Agendamento, e será apresentada conforme figura 01.

Agenda. A interface de Agendamento é encontrada no Modulo Salão de Vendas Agendamento Controle de Agendamento, e será apresentada conforme figura 01. Agenda Intrduçã Diariamente cada um ds trabalhadres de uma empresa executam diversas atividades, muitas vezes estas atividades tem praz para serem executadas e devem ser planejadas juntamente cm utras

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS PONTIFÍI UNIERSIDDE TÓLI DE GOIÁS DEPRTMENTO DE MTEMÁTI E FÍSI Prfessres: Edsn az e Renat Medeirs EXERÍIOS NOT DE UL II Giânia - 014 E X E R Í I OS: NOTS DE UL 1. Na figura abaix, quand um elétrn se deslca

Leia mais

Exercícios de Java Aula 17

Exercícios de Java Aula 17 Exercícis de Java Aula 17 Link d curs: http://www.liane.cm/2013/10/curs-java-basic-java-se-gratuit/ 1. Faça um prgrama que peça uma nta, entre zer e dez. Mstre uma mensagem cas valr seja inválid e cntinue

Leia mais

Operação Metalose orientações básicas à população

Operação Metalose orientações básicas à população Operaçã Metalse rientações básicas à ppulaçã 1. Quem é respnsável pel reclhiment de prduts adulterads? As empresas fabricantes e distribuidras. O Sistema Nacinal de Vigilância Sanitária (Anvisa e Vigilâncias

Leia mais

Prefeitura Municipal de Belo Horizonte Vox Mercado Pesquisa e Projetos Ltda. Dados da organização

Prefeitura Municipal de Belo Horizonte Vox Mercado Pesquisa e Projetos Ltda. Dados da organização Data de elabraçã da ficha: Jun 2007 Prefeitura Municipal de Bel Hriznte Vx Mercad Pesquisa e Prjets Ltda. Dads da rganizaçã Nme: Prefeitura Municipal de Bel Hriznte Endereç: Av. Afns Pena, 1212 - Cep.

Leia mais

PROJETO 22ª MOSTRA ESTUDANTIL TECNOLÓGICA Dias 22 e 23 DE OUTUBRO DE 2014 CURSO: GESTÃO EMPRESARIAL

PROJETO 22ª MOSTRA ESTUDANTIL TECNOLÓGICA Dias 22 e 23 DE OUTUBRO DE 2014 CURSO: GESTÃO EMPRESARIAL PROJETO 22ª MOSTRA ESTUDANTIL TECNOLÓGICA Dias 22 e 23 DE OUTUBRO DE 2014 CURSO: GESTÃO EMPRESARIAL Objetivs: Gestã Empresarial Desenvlver cmpetências para atuar n gerenciament de prjets, prestand cnsultria

Leia mais

1ª EDIÇÃO. Regulamento

1ª EDIÇÃO. Regulamento 1ª EDIÇÃO Regulament 1. OBJETIVO O Prêmi BRASILIDADE é uma iniciativa d Serviç de Api às Micr e Pequenas Empresas n Estad d Ri de Janeir SEBRAE/RJ, idealizad pr Izabella Figueired Braunschweiger e cm a

Leia mais

III-076 - AVALIAÇÃO DO COMÉRCIO DE RESÍDUOS SÓLIDOS COM VISTAS PARA A RECICLAGEM NO MUNICÍPIO DE ITAJAÍ - SC

III-076 - AVALIAÇÃO DO COMÉRCIO DE RESÍDUOS SÓLIDOS COM VISTAS PARA A RECICLAGEM NO MUNICÍPIO DE ITAJAÍ - SC III-076 - AVALIAÇÃO DO COMÉRCIO DE RESÍDUOS SÓLIDOS COM VISTAS PARA A RECICLAGEM NO MUNICÍPIO DE ITAJAÍ - SC Marlva Chaves Intini (1) Graduaçã em Oceanlgia pela Fundaçã Universidade d Ri Grande, FURG.

Leia mais

PRÊMIO INOVAÇÃO PGQP 2014

PRÊMIO INOVAÇÃO PGQP 2014 QUALIDADE RS PGQP PROGRAMA GAÚCHO DA QUALIDADE E PRODUTIVIDADE PRÊMIO INOVAÇÃO PGQP 2014 GUIA PARA CANDIDATURA SUMÁRIO 1. O PRÊMIO INOVAÇÃO PGQP... 3 1.1 Benefícis... 3 2. PREMIAÇÃO... 3 2.1 Diretrizes

Leia mais

Sua hora chegou. Faça a sua jogada. REGULAMENTO. Prêmio de Empreendedorismo James McGuire 2016

Sua hora chegou. Faça a sua jogada. REGULAMENTO. Prêmio de Empreendedorismo James McGuire 2016 Sua hra chegu. Faça a sua jgada. REGULAMENTO Prêmi de Empreendedrism James McGuire 2016 Salvadr, nvembr de 2015. REGULAMENTO Prêmi de Empreendedrism James McGuire 2016 é uma cmpetiçã interna da Laureate

Leia mais

INDICE DE PREÇOS TURISTICO. Desenvolvido no quadro do Programa Comum de Estatística CPLP com o apoio técnico do INE de Portugal

INDICE DE PREÇOS TURISTICO. Desenvolvido no quadro do Programa Comum de Estatística CPLP com o apoio técnico do INE de Portugal INDICE DE PREÇOS TURISTICO Desenvlvid n quadr d Prgrama Cmum de Estatística CPLP cm api técnic d INE de Prtugal Estrutura da Apresentaçã INTRODUÇÃO. METODOLOGIA. FORMA DE CÁLCULO. PROCESSO DE TRATAMENTO.

Leia mais

Informações Importantes 2015

Informações Importantes 2015 Infrmações Imprtantes 2015 CURSOS EXTRACURRICULARES N intuit de prprcinar uma frmaçã cmpleta para alun, Clégi Vértice ferece curss extracurriculares, que acntecem lg após as aulas regulares, tant n períd

Leia mais

Artigo 13 Como montar um Lava Jato para Caminhões

Artigo 13 Como montar um Lava Jato para Caminhões Artig 13 Cm mntar um Lava Jat para Caminhões O lava jat para caminhões tem cm diferencial atender veículs grandes e mercad específic, pis já está estabelecid nich de mercad. O sucess para este empreendiment

Leia mais

Florianópolis, 25 de janeiro de 2016 EDITAL PARA CANDIDATURA À SEDE DO 6º ENCONTRO NACIONAL DE ESTUDANTES DE ENGENHARIA CIVIL 2017

Florianópolis, 25 de janeiro de 2016 EDITAL PARA CANDIDATURA À SEDE DO 6º ENCONTRO NACIONAL DE ESTUDANTES DE ENGENHARIA CIVIL 2017 Flrianóplis, 25 de janeir de 2016 EDITAL PARA CANDIDATURA À SEDE DO 6º ENCONTRO NACIONAL DE ESTUDANTES DE ENGENHARIA CIVIL 2017 1) Cnsiderações Gerais: A Federaçã Nacinal ds Estudantes de Engenharia Civil

Leia mais

A nova metodologia de apuração do DI propõe que o cálculo seja baseado em grupos de taxas e volumes, não mais em operações.

A nova metodologia de apuração do DI propõe que o cálculo seja baseado em grupos de taxas e volumes, não mais em operações. Taxa DI Cetip Critéri de apuraçã a partir de 07/10/2013 As estatísticas d ativ Taxa DI-Cetip Over (Extra-Grup) sã calculadas e divulgadas pela Cetip, apuradas cm base nas perações de emissã de Depósits

Leia mais

PM 3.5 Versão 2 PdC Versão 1

PM 3.5 Versão 2 PdC Versão 1 Prcediment de Cmercializaçã Cntrle de Alterações PM 3.5 Versã 2 PdC Versã 1 PM 3.5 Versã 2 PdC Versã 1 Alterad Layut d dcument. Alterad term de Prcediment de Mercad para Prcediment de Cmercializaçã. Inserid

Leia mais

ISO 9001:2008 alterações à versão de 2000

ISO 9001:2008 alterações à versão de 2000 ISO 9001:2008 alterações à versã de 2000 Já passaram quase it ans desde que a versã da ISO 9001 d an 2000 fi publicada, que cnduziu à necessidade de uma grande mudança para muitas rganizações, incluind

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS FACULDADE DE CIÊNCIAS APLICADAS Cidade Universitária de Limeira

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS FACULDADE DE CIÊNCIAS APLICADAS Cidade Universitária de Limeira DIRETRIZES PARA ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO DOS CURSOS DE GESTÃO 1 Sumári I. O Estági em Gestã...3 II. O Estági curricular...4 III. Acmpanhament e avaliaçã...5 IV. Mdels de Plan de Atividades e de Relatóri...5

Leia mais

COORDENADORIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. Suporte técnico

COORDENADORIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. Suporte técnico COORDENADORIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Suprte técnic O serviç de suprte técnic tem pr bjetiv frnecer atendiment as usuáris de prduts e serviçs de infrmática da Defensria Pública. Este serviç é prvid

Leia mais

ALTERAÇÕES NO SISTEMA ORION

ALTERAÇÕES NO SISTEMA ORION ALTERAÇÕES NO SISTEMA ORION Orin Versã 7.74 TABELAS Clientes Na tela de Cadastr de Clientes, fi inserid btã e um camp que apresenta códig que cliente recebeu após cálcul da Curva ABC. Esse btã executa

Leia mais

Extrator de Sucos Modelo

Extrator de Sucos Modelo O PREÇO ALIADO À QUALIDADE METALÚRGICA SIEMSEN LTDA. Rua: Anita Garibaldi, nº 22 - Bairr: Sã Luiz - CEP: 8851-10 Brusque - Santa Catarina - Brasil Fne: +55 (0 )7 211 000 / 255 2000 Fax: +55 (0 )7 211 020

Leia mais

Principais Informações

Principais Informações Principais Infrmações Quem é Benefix Sistemas? Frmada pr ex-executivs e equipe de tecnlgia da Xerx d Brasil, que desenvlvem e suprtam sluções e estratégias invadras para setr públic, especializada dcuments

Leia mais

Semana 3: Distribuição em Serviços

Semana 3: Distribuição em Serviços 1 Semana 3: Distribuiçã em Serviçs 1. Distribuiçã O prcess de distribuiçã da ferta da empresa insere-se n cntext d cmpst de marketing cm a funçã respnsável pr trnar prdut acessível a cnsumidr. Em serviçs

Leia mais

XVIII Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica

XVIII Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica XVIII Seminári Nacinal de Distribuiçã de Energia Elétrica SENDI 2008-06 a 10 de utubr 7.2 Olinda - Pernambuc - Brasil Autmaçã na Distribuiçã: O Prcess de autmaçã ds equipaments de linha na rede CELPE.

Leia mais

Gestão de SHST e Ambiente. Regras de Qualidade, Ambiente e Segurança aplicáveis às entidades externas

Gestão de SHST e Ambiente. Regras de Qualidade, Ambiente e Segurança aplicáveis às entidades externas 1 / 7 I. OBJETIVO E ÂMBITO Este dcument estabelece as regras de Segurança n Trabalh e Ambiente aplicáveis a entidades que venham a desenvlver actividades dentr da RESIESTRELA, em regime de cntrat, prestaçã

Leia mais

1 CORRIDA NOTURNA UNIMED CASCAVEL REGULAMENTO OFICIAL

1 CORRIDA NOTURNA UNIMED CASCAVEL REGULAMENTO OFICIAL 1 CORRIDA NOTURNA UNIMED CASCAVEL A 1 Crrida Nturna Unimed Cascavel é uma nva prpsta de lazer, diversã, prmçã da saúde e da qualidade de vida ds mradres de Cascavel e Regiã. O event é cmpst pr crrida,

Leia mais

Antropologia do Consumo no Marketing

Antropologia do Consumo no Marketing Antrplgia d Cnsum n Marketing Objetivs Demnstrar cm as influências culturais estã relacinadas cm s hábits de cnsum, a relaçã cm as Marcas e cmprtament de cmpra, evidenciand assim, prcess fundamental para

Leia mais

Como identificar, vender e comercializar com os prospectos de pequenas empresas Parte 2/3

Como identificar, vender e comercializar com os prospectos de pequenas empresas Parte 2/3 Cm identificar, vender e cmercializar cm s prspects de pequenas empresas Parte 2/3 A pequena empresa é um mercad massiv em imprtante cresciment, que alcançu uma maturidade em terms de prtunidade para s

Leia mais

Workflow. José Palazzo Moreira de Oliveira. Mirella Moura Moro

Workflow. José Palazzo Moreira de Oliveira. Mirella Moura Moro Pdems definir Wrkflw cm: Wrkflw Jsé Palazz Mreira de Oliveira Mirella Mura Mr "Qualquer tarefa executada em série u em paralel pr dis u mais membrs de um grup de trabalh (wrkgrup) visand um bjetiv cmum".

Leia mais

Escla Superir Agrária de Cimbra Prcessament Geral de Aliments LEAL 2009/2010 Aqueciment Óhmic Brenda Mel, nº 20803030 Inês Ricard, nº 20090157 Nádia Faria, nº 20803060 O que é? Prcess nde a crrente eléctrica

Leia mais

Regulamento para realização do Trabalho de Conclusão de Curso

Regulamento para realização do Trabalho de Conclusão de Curso Universidade Federal d Ceará Campus de Sbral Curs de Engenharia da Cmputaçã Regulament para realizaçã d Trabalh de Cnclusã de Curs Intrduçã Este dcument estabelece as regras básicas para funcinament das

Leia mais

Aliança Estratégica com a Delta Dezembro, 2011. Uma Consistente História de Investimento

Aliança Estratégica com a Delta Dezembro, 2011. Uma Consistente História de Investimento Aliança Estratégica cm a Delta Dezembr, 2011 Uma Cnsistente História de Investiment 1 Agenda Resum da Operaçã 1 Benefícis da Operaçã 2 2 Disclaimer O material a seguir é uma apresentaçã cnfidencial cntend

Leia mais

METAS DE COMPREENSÃO:

METAS DE COMPREENSÃO: 1. TÓPICO GERADOR: Vivend n sécul XXI e pensand n futur. 2. METAS DE COMPREENSÃO: Essa atividade deverá ter cm meta que s aluns cmpreendam: cm se cnstrói saber científic; cm as áreas d saber estã inter-relacinadas

Leia mais

Projetos, Programas e Portfólios

Projetos, Programas e Portfólios Prjets, Prgramas e Prtfólis pr Juliana Klb em julianaklb.cm Prjet Segund PMBOK (2008): um prjet é um esfrç temprári empreendid para criar um nv prdut, serviç u resultad exclusiv. Esta definiçã, apesar

Leia mais

Procedimento Operacional Padrão FMUSP - HC. Faculdade de Medicina da USP Diretoria Executiva da FMUSP e Diretoria Executiva dos LIMs

Procedimento Operacional Padrão FMUSP - HC. Faculdade de Medicina da USP Diretoria Executiva da FMUSP e Diretoria Executiva dos LIMs 1. OBJETIVOS: fixar nrma para realizaçã ds prcediments de cleta interna de carcaças de animais de experimentaçã n Sistema FMUSP-HC, bservand-se as devidas cndições de higiene e segurança. 2. ABRANGÊNCIA:

Leia mais

Sensor de Nível Digital / Analógico

Sensor de Nível Digital / Analógico Sensr de Nível Digital / Analógic VERSÃO 2.2 - MANUAL DE REFERÊNCIA RevA1-06/11 Este manual é publicad pela Flex Telecm smente para fins de referência pr parte d usuári. Td esfrç pssível fi realizad para

Leia mais

Processos de desumidificação visam manter a Umidade Relativa do Ar em níveis abaixo de 50%.

Processos de desumidificação visam manter a Umidade Relativa do Ar em níveis abaixo de 50%. 1. TEORIA Para prcesss específics de utilizaçã, é necessári manter cndições de temperatura e umidade relativa d ar em cndições específicas para prduçã e u trabalh. Prcesss de desumidificaçã visam manter

Leia mais

PLD (Preço de Liquidação das Diferenças)

PLD (Preço de Liquidação das Diferenças) 20 05 3 PLD (Preç de Liquidaçã das Diferenças) PLD - 4ª Semana de Mai de 203 (8.05.203 a 24.05.203) PLD médi PLD médi 2 R$/MWh Sudeste Sul Nrdeste Nrte Sudeste 34,58 344,32 Pesada 360,7 360,7 360,7 360,7

Leia mais

Boletim Comercial. Tema: BC003 Plano de Disponibilidade Ilimitada de Recursos UV. Introdução

Boletim Comercial. Tema: BC003 Plano de Disponibilidade Ilimitada de Recursos UV. Introdução Bletim Cmercial Tema: BC003 Plan de Dispnibilidade Ilimitada de Recurss UV Intrduçã Sistemas de cura UV sã cada vez mais presentes em indústrias que imprimem grandes vlumes de materiais, independente d

Leia mais

Transformadores. Transformadores 1.1- INTRODUÇÃO 1.2- PRINCÍPIO DE FUNCIONAMENTO

Transformadores. Transformadores 1.1- INTRODUÇÃO 1.2- PRINCÍPIO DE FUNCIONAMENTO Transfrmadres 1.1- INTRODUÇÃO N estud da crrente alternada bservams algumas vantagens da CA em relaçã a CC. A mair vantagem da CA está relacinada cm a facilidade de se elevar u abaixar a tensã em um circuit,

Leia mais

Por favor, considere a proteção ao meio ambiente antes de imprimir esse documento

Por favor, considere a proteção ao meio ambiente antes de imprimir esse documento Interbrs Tecnlgia e Sluções de Internet Ltda. Rua Dr. Guilherme Bannitz, 126 2º andar Cnj. 21 /179 Itaim Bibi - Sã Paul- SP - 04532-060 Fne: 55 11 9209-3717 / 55 11 8162-0161 Pr favr, cnsidere a prteçã

Leia mais

CRC-MG Central de Registro Civil de Minas Gerais Certidão Online - Serventia. Manual do usuário

CRC-MG Central de Registro Civil de Minas Gerais Certidão Online - Serventia. Manual do usuário CRC-MG Central de Registr Civil de Minas Gerais Certidã Online - Serventia Manual d usuári Prefáci Data: 30/01/2015 Versã dcument: 1.0 1. COMO ACESSAR O MÓDULO DA CERTIDÃO ONLINE... 04 2. OPÇÕES DE PEDIDOS

Leia mais

A Importância de Sistemas de Informação para a Competitividade Logística

A Importância de Sistemas de Informação para a Competitividade Logística A Imprtância de Sistemas de Infrmaçã para a Cmpetitividade Lgística Paul Nazári 1. Intrduçã O avanç da tecnlgia de infrmaçã (TI) ns últims ans vem permitind às empresas executarem perações que antes eram

Leia mais

Versões Todos os módulos devem ser atualizados para as versões a partir de 03 de outubro de 2013.

Versões Todos os módulos devem ser atualizados para as versões a partir de 03 de outubro de 2013. Serviç de Acess as Móduls d Sistema HK (SAR e SCF) Desenvlvems uma nva ferramenta cm bjetiv de direcinar acess ds usuáris apenas as Móduls que devem ser de direit, levand em cnsideraçã departament de cada

Leia mais

Copyright 1999-2006 GrupoPIE Portugal, S.A. Manual Utilizador

Copyright 1999-2006 GrupoPIE Portugal, S.A. Manual Utilizador Reprts Relatóris à sua Medida Reprts Cpyright 1999-2006 GrupPIE Prtugal, S.A. Reprts 1. WinREST Reprts...5 1.1. Licença...6 1.2. Linguagem...7 1.3. Lgin...7 1.4. Página Web...8 2. Empresas...9 2.1. Cm

Leia mais

1 Institucional. 1.1 Sobre a Vensis. 1.2 Missão, Políticas e Valores. 1.2.1 Missão. 1.2.2 Política da Qualidade

1 Institucional. 1.1 Sobre a Vensis. 1.2 Missão, Políticas e Valores. 1.2.1 Missão. 1.2.2 Política da Qualidade Institucinal 1 Institucinal 1.1 Sbre a Vensis A Vensis é uma empresa especializada n desenvlviment de sluções integradas para gestã de empresas. Atuand n mercad de tecnlgia da infrmaçã desde 1998, a empresa

Leia mais

Questão 1. Questão 3. Questão 2. Questão 4. Resposta. Resposta. Resposta. ATENÇÃO: Escreva a resolução COM- PLETA de cada questão no espaço reservado

Questão 1. Questão 3. Questão 2. Questão 4. Resposta. Resposta. Resposta. ATENÇÃO: Escreva a resolução COM- PLETA de cada questão no espaço reservado ATENÇÃO: Escreva a resluçã COM- PLETA de cada questã n espaç reservad para a mesma. Nã basta escrever apenas resultad final: é necessári mstrar s cálculs racicíni utilizad. Questã Caminhand sempre cm a

Leia mais

Novo Sistema Almoxarifado

Novo Sistema Almoxarifado Nv Sistema Almxarifad Instruções Iniciais 1. Ícnes padrões Existem ícnes espalhads pr td sistema, cada um ferece uma açã. Dentre eles sã dis s mais imprtantes: Realiza uma pesquisa para preencher s camps

Leia mais

Terremotos e Ressonância

Terremotos e Ressonância Ntas d Prfessr Terremts e Ressnância Pergunta em fc Cm mviment d sl causad pr um terremt afeta a estabilidade de edifícis de diferentes alturas? Ferramentas e materiais Dis pedaçs quadrads de madeira,

Leia mais

ANA, Aeroportos de Portugal, S.A. Plano de Acções de Gestão e Redução de Ruído para o Aeroporto de Lisboa Resumo Não-Técnico

ANA, Aeroportos de Portugal, S.A. Plano de Acções de Gestão e Redução de Ruído para o Aeroporto de Lisboa Resumo Não-Técnico ANA, Aerprts de Prtugal, S.A. Plan de Acções de Gestã e Reduçã de Ruíd para Aerprt de Lisba Resum Nã-Técnic Janeir 2014 Aerprt de lisba Plan de Ações de Gestã e Reduçã de Ruíd 2013-2018 Cnteúd CONTEÚDO...

Leia mais

TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO PIAUÍ. PROJETO OTIMIZAR Plano do Programa

TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO PIAUÍ. PROJETO OTIMIZAR Plano do Programa 1. Escp u finalidade d prjet PROJETO OTIMIZAR Plan d Prgrama O Prjet Otimizar visa aprimrar ações implantadas que têm pr bjetiv a reduçã de cnsum de materiais e criar mecanisms de avaliaçã que pssam medir

Leia mais

APLICAÇÃO DO SOFTWARE ELIPSE E3 NAS USINAS HIDRELÉTRICAS ILHA SOLTEIRA E ENGENHEIRO SOUZA DIAS (JUPIÁ)

APLICAÇÃO DO SOFTWARE ELIPSE E3 NAS USINAS HIDRELÉTRICAS ILHA SOLTEIRA E ENGENHEIRO SOUZA DIAS (JUPIÁ) APLICAÇÃO DO SOFTWARE ELIPSE E3 NAS USINAS HIDRELÉTRICAS ILHA SOLTEIRA E ENGENHEIRO SOUZA DIAS (JUPIÁ) Este case apresenta a aplicaçã da sluçã Elipse E3 para aprimrar mnitrament da temperatura encntrada

Leia mais

Profa. Dra. Silvia M de Paula

Profa. Dra. Silvia M de Paula Prfa. Dra. Silvia M de Paula Espelhs Esférics Certamente tds nós já estivems diante de um espelh esféric, eles sã superfícies refletras que têm a frma de calta esférica. Em nss ctidian ficams diante de

Leia mais

Zoneamento Caraguatatuba (Lei Complemen

Zoneamento Caraguatatuba (Lei Complemen Zneament Caraguatatuba (Lei Cmplemen Zna (art. 105) Características Macrzna de Prteçã Ambiental (MSPA) A Macrzna de Prteçã Ambiental / MZPA é cnstituída pel Parque Estadual da Serra d Mar Núcle Caraguatatuba.

Leia mais

o CUSTO DO FINANCIAMENTO

o CUSTO DO FINANCIAMENTO CUSTO DO FINANCIAMENTO DAS VENDAS A PRESTACOES NO BRASIL POLIA LERNER HAMBURGER JORGE WILSON SIMIERA JACOB "A dispnibilidade de vendas a prestaçã tem ajudad a cmpensar, de certa frma" as desigul"a.ldades

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS REALIZAR MANUTENÇÃO PREDIAL

MANUAL DE PROCEDIMENTOS REALIZAR MANUTENÇÃO PREDIAL Códig: MAP-DILOG-002 Versã: 00 Data de Emissã: 01/01/2013 Elabrad pr: Gerência de Instalações Aprvad pr: Diretria de Lgística 1 OBJETIVO Estabelecer cicl d prcess para a manutençã predial crretiva e preventiva,

Leia mais

GUIA DO USUÁRIO. Termômetros Portáteis. Termômetro Modelo TM20 com sonda padrão Termômetro Modelo TM25 com sonda de penetração

GUIA DO USUÁRIO. Termômetros Portáteis. Termômetro Modelo TM20 com sonda padrão Termômetro Modelo TM25 com sonda de penetração GUIA DO USUÁRIO Termômetrs Prtáteis Termômetr Mdel TM20 cm snda padrã Termômetr Mdel TM25 cm snda de penetraçã 1 TM20-TM25-EU-PT-br V1.6 4/13 Intrduçã Obrigad pr esclher este Termômetr Prtátil Extech para

Leia mais

Questão 46. Questão 47. Questão 48. alternativa D. alternativa B. Dados: calor específico do gelo (água no estado sólido)...

Questão 46. Questão 47. Questão 48. alternativa D. alternativa B. Dados: calor específico do gelo (água no estado sólido)... Questã 46 A partir de um bjet real de altura H, dispst verticalmente diante de um instrument óptic, um artista plástic necessita bter uma imagemcnjugadadealturaigualah.nesse cas, dependend das cndições

Leia mais

Edital de Chamada Pública nº 01/2012 SEBRAE 2014

Edital de Chamada Pública nº 01/2012 SEBRAE 2014 Edital de Chamada Pública nº 01/2012 SEBRAE 2014 A Diretria d SEBRAE/RS trna públic presente edital e cnvida Artesãs representads pr Assciações e/u Cperativas de Artesanat d Ri Grande d Sul a inscreverem-se

Leia mais

REP REGISTO DOS PROFISSIONAIS DO EXERCICIO

REP REGISTO DOS PROFISSIONAIS DO EXERCICIO REP REGISTO DOS PROFISSIONAIS DO EXERCICIO Um prject eurpeu em clabraçã cm a EHFA Eurpean Health and Fitness Assciatin, cm sede em Bruxelas Regist ds Prfissinais Intrduçã Estams numa fase em que a Tutela

Leia mais

PROPOSTA TÉCNICA. Curitiba PR http://www.softwar.com.br comercial@softwar.com.br

PROPOSTA TÉCNICA. Curitiba PR http://www.softwar.com.br comercial@softwar.com.br PROPOSTA TÉCNICA Curitiba PR http://www.sftwar.cm.br cmercial@sftwar.cm.br Prpsta Técnica Aderência Prdut desenvlvid especificamente para Cnstrutras e empresas d Setr, utilizand linguagem cnhecid pr prfissinais

Leia mais

Manual do Novo Pátio. Revenda. Versão 2.0

Manual do Novo Pátio. Revenda. Versão 2.0 Manual d Nv Páti Revenda Versã 2.0 1 Cnteúd INTRODUÇÃO... 3 1.LOGIN... 4 2.ANUNCIANTE... 4 2.1 Listar Usuáris... 4 2.2 Criar Usuári... 5 2.2.1 Permissões:... 6 3.SERVIÇOS... 7 3.1 Serviçs... 7 3.2 Feirã...

Leia mais

PROCESSO EXTERNO DE CERTIFICAÇÃO

PROCESSO EXTERNO DE CERTIFICAÇÃO 1 de 7 1. OBJETIVO Este prcediment estabelece prcess para cncessã, manutençã, exclusã e extensã da certificaçã de sistema de segurança cnfrme ABNT NBR 15540. 2. DOCUMENTOS COMPLEMENTARES - ABNT NBR 15540:2013:

Leia mais

Questão 11. Questão 12. Resposta. Resposta S 600. Um veículo se desloca em trajetória retilínea e sua velocidade em função do tempo é apresentada

Questão 11. Questão 12. Resposta. Resposta S 600. Um veículo se desloca em trajetória retilínea e sua velocidade em função do tempo é apresentada Questã Um veícul se deslca em trajetória retilínea e sua velcidade em funçã d temp é apresentada na fiura. a) Identifique tip de mviment d veícul ns intervals de temp de 0 a 0 s,de 0 a 30 s e de 30 a 0

Leia mais

MOVIMENTAÇÃO E ARMAZENAGEM

MOVIMENTAÇÃO E ARMAZENAGEM MOVIMENTAÇÃO E ARMAZENAGEM Prezad alun, Esta disciplina tem pr bjetiv prmver a cmpreensã ds cnceits básics e a metdlgia usada pelas rganizações na mvimentaçã e armazenagem ds materiais, buscand aperfeiçar

Leia mais

Código: Data: Revisão: Página: SUMÁRIO

Código: Data: Revisão: Página: SUMÁRIO UC_REQ-MK_ACF-001 27/01/2015 00 1 / 12 SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 2 Objetiv... 2 Públic Alv... 2 Escp... 2 Referências... 2 DESCRIÇÃO GERAL DO PRODUTO... 2 Características d Usuári... 2 Limites, Supsições e

Leia mais

Desempenho de Vendas 1º Trimestre/2015

Desempenho de Vendas 1º Trimestre/2015 Sã Paul, Brasil, 13 de abril de 2015 - O GPA [BM&FBOVESPA: PCAR4 (PN); NYSE: CBD] e Via Varej S.A. [BM&FBOVESPA:VVAR3 e VVAR11] anunciam desempenh das vendas d 1º trimestre de 2015. Desempenh de Vendas

Leia mais

CÂMARA DOS DEPUTADOS Gabinete do Deputado FERNANDO JORDÃO - PMDB/RJ Brasília, 21 de março de 2011.

CÂMARA DOS DEPUTADOS Gabinete do Deputado FERNANDO JORDÃO - PMDB/RJ Brasília, 21 de março de 2011. Gabinete d Deputad FERNANDO JORDÃO - PMDB/RJ Brasília, 21 de març de 2011. Quand ingressei cm Requeriment slicitand a presença de Vssas Senhrias na Cmissã, estava assustad, cm, aliás, tda a ppulaçã, cm

Leia mais

3 Aplicações dos Modelos de Análise de Crédito

3 Aplicações dos Modelos de Análise de Crédito 3 Aplicações ds Mdels de Análise de Crédit Pdem ser citads cm principais estuds realizads para previsã de inslvência de pessas jurídicas: Estud de Tamari O estud fi realizad n final da década de 50 e fi

Leia mais

Manual de Procedimentos

Manual de Procedimentos Manual de Prcediments Prcediments para Submissã de Prjets de MDL à Cmissã Interministerial de Mudança Glbal d Clima Secretaria Executiva Cmissã Interministerial de Mudança Glbal d Clima Prcediments para

Leia mais

PROJETO 23ª MOSTRA ESTUDANTIL TECNOLÓGICA Dias 28 e 29 DE OUTUBRO DE 2015 CURSO: SEGURANÇA DO TRABALHO

PROJETO 23ª MOSTRA ESTUDANTIL TECNOLÓGICA Dias 28 e 29 DE OUTUBRO DE 2015 CURSO: SEGURANÇA DO TRABALHO PROJETO 23ª MOSTRA ESTUDANTIL TECNOLÓGICA Dias 28 e 29 DE OUTUBRO DE 2015 CURSO: SEGURANÇA DO TRABALHO Objetivs: SEGURANÇA DO TRABALHO Desenvlver cmpetências para eliminar u minimizar s riscs de acidentes

Leia mais

Os Oito Principais de Sistemas de

Os Oito Principais de Sistemas de Infrme Especial Os Oit Principais in Yur DSD Mits Mbile de Sistemas de Security Strategy Gerenciament de Armazém para empresas de pequen e médi prte. Intrduçã A era das perações manuais em Armazéns está

Leia mais

INSTITUTO DE ARQUITETOS DO BRASIL DEPARTAMENTO DO RIO DE JANEIRO

INSTITUTO DE ARQUITETOS DO BRASIL DEPARTAMENTO DO RIO DE JANEIRO 52ª PREMIAÇÃO ANUAL IAB RJ EDITAL 2014 INTRODUÇÃO O Institut de Arquitets d Brasil - IAB-RJ cnvca arquitets e urbanistas a participarem da 52ª Premiaçã Anual ds Arquitets que, em 2014, agrega às categrias

Leia mais