NBR Proteção contra incêndio por chuveiro automático

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "NBR 10897 Proteção contra incêndio por chuveiro automático"

Transcrição

1 \ICS ABR/2003 NBR Proteção contra incêndio por chuveiro automático ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas Sede: Rio de Janeiro Av. Treze de Maio, 13 / 28º andar CEP Caixa Postal 1680 Rio de Janeiro RJ Tel.: PABX (21) Fax: (21) / Endereço eletrônico: Origem: NBR 10897:1990 e NFPA 13:1999 CB 24 - Comitê Brasileiro de Segurança contra Incêndio CE 24: Fire protection - Automatic sprinkler systems - Installation Procedure Descriptors: Automatic sprinkler - Fire extinction Esta Norma foi baseada na(s) NFPA 13:1999 Esta Norma cancela e substituí a(s) NBR 10897:1990 Copyright 2000, ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas Printed in Brazil/ Impresso no Brasil Todos os direitos reservados Palavra(s)-chave: Chuveiro automático. Extinção de incêndio 1 páginas Sumário Prefácio Prefácio 0 Introdução 1 Objetivo 2 Referências normativas 3 Definições 4 Condições gerais 5 Componentes e materiais 6 Requisitos dos sistemas 7 Requisitos de instalação ANEXOS A Classificação das ocupações Exemplos (informativo) B Classificação das mercadorias Exemplos (informativo) Prefácio A ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas é o Fórum Nacional de Normalização. As Normas Brasileiras, cujo conteúdo é de responsabilidade dos Comitês Brasileiros (ABNT/CB) e dos Organismos de Normalização Setorial (ONS), são elaboradas por Comissões de Estudo (ABNT/CE), formadas por representantes dos setores envolvidos, delas fazendo parte: produtores, consumidores e neutros (universidades, laboratórios e outros). Os Projetos de Norma Brasileira, elaborados no âmbito dos ABNT/CB e ONS circulam para Consulta Pública entre os associados da ABNT e demais interessados. 0 Introdução O sistema de chuveiros automáticos é um sistema especial de proteção contra incêndio e portanto requer experiência e conhecimento profissional para o desenvolvimento do projeto, da instalação e da manutenção. Nenhum dos requisitos desta Norma é intencionado a restringir o desenvolvimento, ou a utilização de novas tecnologias ou medidas alternativas, desde que estas não diminuam o nível de segurança estabelecido.

2 2 NBR 10897: Objetivo 1.1 Esta Norma estabelece os requisítos mínimos para projeto e instalação de chuveiros automáticos, incluindo as características de suprimento de água, seleção de chuveiros automáticos, conexões, tubos, válvulas e todos os materiais e acessórios envolvidos na instalação. 2 Referência normativa A norma relacionada a seguir contém disposições que, ao serem citadas neste texto, constituem prescrições para esta Norma. A edição indicada estava em vigor no momento desta publicação. Como toda norma está sujeita a revisão, recomenda-se àqueles que realizam acordos com base nesta que verifiquem a conveniência de se usar a edição mais recente da norma citada a seguir. A ABNT possui a informação das normas em vigor em um dado momento. NBR NM ISO 7-1: Rosca para tubos onde a junta de vedação sob pressão é feita pela rosca - Parte 1: Dimensões, tolerâncias e designação NBR 5410/90 - Instalações elétricas de baixa tensão - Procedimento; NBR 5647: Tubos de PVC rígido para adutoras e redes de água - Especificação; NBR 5580:1993 Tubos de aço-carbono para rosca Whitworth gás para usos comuns na condução de fluidos - Especificação; NBR 5883: Solda branda Especificação; NBR 5590: Tubos de aço-carbono com ou sem costura, pretos ou galvanizados por imersão a quente, para condução de fluidos - Especificação; NBR 6125: Chuveiros automáticos para extinção de incêndio - Método de Ensaio; NBR 6135: Chuveiros automáticos para extinção de incêndio - Especificação; NBR 6401/80 - Instalações de centrais de ar condicionado para conforto. Parâmetros básicos de projeto - Procedimento; NBR 6925: Conexão de ferro fundido maleável classes 150 e 300, com rosca NPT para tubulação - Especificação; NBR 6943: Conexões de ferro fundido maleável, com rosca NBR NM-ISO 7-1, para tubulações - Especificação; NBR 7663: Tubo de ferro fundido dúctil centrifugado, para canalizações sob pressão - Especificação; NBR 7669/82 - Conexões de ferro fundido cinzento - Padronização; NBR 7674: Junta elástica para tubos e conexões de ferro fundido dúctil - Especificação; NBR 7675: Conexões de ferro fundido dúctil - Especificação; NBR 7677/82 - Junta mecânica para conexões de ferro fundido dúctil - Especificação; NBR 9441/94 - Execução de sistemas de detecção e alarme de incêndio - Procedimento; NBR 10898/90 - Sistema de iluminação de emergência - Procedimento; NBR 11720: Conexões para unir tubos de cobre por soldagem ou brasagem capilar - Especificação; NBR 11836/91 - Detectores automáticos de fumaça para proteção contra incêndio - Especificação; NBR 12693/93 - Sistemas de proteção por extintores de incêndio - Procedimento; NBR 12912: Rosca NPT para tubos - Dimensões NBR 13206: Tubo de cobre leve, médio e pesado sem costura, para condução de água e outros fluidos - Especificação; 24: /94 - Instalações hidráulicas contra incêndio, sob comando hidrantes e mangotinhos - Procedimento; ANSI/NFPA 11A/94 - Standard for medium and high expansion foam systems; ANSI/NFPA 13/94 - Standard for the installation of chuveiro automático systems; ANSI/NFPA 13A/87 - Recommended practice for the inspection, testing and maintenance of chuveiro automático systems; ANSI/NFPA 24/92 - Standard for the installation of private fire service mains and their appurtenances; ANSI/NFPA 27/82 - Recommendations for organization, training and equipment of private fire brigades; ANSI/NFPA 30/93 - Flammable and combustible liquids code; ANSI/NFPA 51B/94 - Standard for fire prevention in use of cutting and nelding processes; ANSI/NFPA 58/92 - Standard for the storage and handling of liquefied petroleum gases;

3 NBR 10897: ANSI/NFPA 80A/93 - Recomended practice for protection of building from exterior fire exposure; ANSI/NFPA 88B/91 - Standard for repair garages; ANSI/NFPA 91/92 - Standard for the installation of blower and exhaust systems for air coveying of materials; ANSI/NFPA 204-M/91 - Guide for smoke and heat venting; ANSI/NFPA 231C/91- Standard for rack storage of materials; ANSI/NFPA 505/92 - Firesafety standard for powered industrial trucks including type designations, areas of use maintenance and operation; ANSI/NFPA 600/92 - Recommendation for organization, training and equipment of private fire brigades. ANSI/NFPA 601/92 - Standard for guard service in fire loss prevention; ANSI/EN 54 -Part 5/88 - Heat sensitive detectors - Point detectors containing a static element. XXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXX INÍCIO DA 101 a REUNIÃO DE XXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXX 3 Definições Para efeitos desta Norma são adotadas as definições de : 3.1 * Aprovado. Aceito pela autoridade competente. 3.2 * Autoridade Competente. Órgão, repartição pública ou privada, pessoa jurídica ou física investida de autoridade pela legislação vigente, para examinar, aprovar, autorizar ou fiscalizar as instalações de combate à incêndio, baseada em legislação específica local. 3.3 Chuveiro Automático. Um dispositivo para extinção ou controle de incêndios que funciona automaticamente quando seu elemento termo-sensível é aquecido à sua temperatura de operação ou acima dela, permitindo que a água seja descarregada sobre uma área específica. 3.4 Componentes Automotivos em Estruturas Porta-Pallets Portáteis. Componentes automotivos em estruturas portapallets portáteis são assim definidas: painéis de instrumentos, pára-brisas, tanques de gasolina metálicos ou plásticos, carcaças de aquecedores, painéis de portas, acabamento interno, recobrimento de pára-choques, fiação, metal em chapas, componentes da carroçaria, motores, componentes de direção, mecanismos de direção, motores auxiliares e componentes para iluminação todos com ou sem material de embalagem de plástico expandido Essa definição não inclui a armazenagem de air bags, pneus e assentos em estruturas porta-pallets portáteis. 3.5 Pé Direito. Distância entre o piso e a parte inferior do teto (ou telhado). 3.6 Tipos de Tetos Teto Plano. Teto contínuo em um único plano Teto Horizontal. Um teto cuja inclinação não seja superior ou igual 9 o Teto Inclinado. Um teto cuja inclinação é superior a 9 o Teto Liso. Um teto contínuo sem irregularidades, saliências ou depressões significativas. 3.7 Compartimento. Um espaço completamente enclausurado por paredes e teto. O compartimento poderá ter aberturas para um espaço vizinho desde que a distância da verga da abertura seja no mínimo 200 mm. 3.8 Forro de Painéis Fusíveis Um tipo de forro instalado sob o sistema de chuveiros, composto por painéis certificados sensíveis ao calor, translúcidos ou opacos, que desprendem-se de seu suporte e caem ao chão quando expostos ao calor. 3.9 Unidade de Moradia. Um ou mais aposentos organizados para a moradia de uma ou mais pessoas, tal como uma residência unifamiliar que ofereça condições permanentes para habitar, cozinhar, dormir e realizar práticas de higiene. Para esta norma, a definição de unidade de moradia inclui quartos de hotel, quartos em alojamentos, apartamentos, quartos de dormir em asilos e unidades de moradia similares Controle de Incêndio. Limitação do tamanho de um incêndio pela descarga de água, de modo a reduzir a taxa de liberação de calor e pré-umedecer materiais combustíveis adjacentes, e controlar a temperatura dos gases no teto para evitar danos estruturais Extinção de Incêndio. Redução drástica da taxa de liberação de calor de um incêndio e prevenção de seu ressurgimento pela aplicação direta de quantidade suficiente de água através da pluma de fogo até atingir a superfície incendiada do material combustível.

4 4 NBR 10897: Risco Grave de Incêndio. Risco de incêndio típico em armazenagem a grande altura de material combustível Armazenagem a Grande Altura. Armazenagem de materiais em pilhas sólidas, em pilhas entremeadas por pallets, em estruturas porta-pallets, em estantes e em caixas tipo bin box a mais de 3,7m de altura Sistema Hidraulicamente Calculado. Um sistema de chuveiros no qual os diâmetros de tubulação são selecionados com base na perda de carga, de modo a fornecer a densidade de descarga de água necessária, em galões por minuto por pé quadrado (mm/min), ou a pressão mínima de descarga ou vazão por chuveiro exigida, distribuída com um grau razoável de uniformidade sobre uma área específica Material de Combustibilidade Limitada. Um material de construção que não atende à definição de material incombustível, ou seja, tem um valor de calor potencial de no máximo 8140 kj/kg (ver NFPA 359, Standard Test Method for Potential Heat of Building Materials),e atende aos itens (a) ou (b): Materiais sujeitos a aumento de combustibilidade ou de velocidade de propagação de chama acima dos limites aqui estabelecidos, seja por tempo de uso, umidade ou outras condições atmosféricas, devem ser considerados materiais combustíveis. a) Materiais que tenham base estrutural feita de material incombustível e uma camada superior de espessura máxima de 3.2 mm com velocidade de propagação de chama de no máximo 50. b) Materiais, na forma e espessura utilizadas, que não atendam a (a), e que não tenham uma velocidade de propagação de chama maior que 25 nem evidência de combustão progressiva contínua, e de composição tal que, caso a superfície seja exposta por corte em qualquer plano, não tenham uma velocidade de propagação de chama maior que 25 nem evidência de combustão progressiva contínua * Armazenagem Miscelânea. Armazenagem que não exceda a altura de 3,60 m e que não seja ocupação principal em área utilizada para outra atividade. Essa armazenagem não deve ocupar mais que 10 por cento da área da edificação ou 370 m 2 da área coberta por chuveiros, tomando-se a maior dessas áreas. Essa armazenagem não deve exceder m 2 em uma pilha ou área, e cada pilha ou área deve ser separada de outras áreas de armazenagem por pelo menos 7,5 m Material Incombustível. Materiais que, na forma em que são usados, e sob as condições esperadas de uso, não devem entrar em ignição, queimar, sustentar combustão ou liberar vapores inflamáveis quando sujeitos a fogo ou calor. Materiais aprovados no ensaio ASTM E 136, Standard Test Method for Behavior of Materials in a Vertical Tube Furnace at 750 C, deverão ser considerados materiais incombustíveis Sistema Calculado por Tabela. Sistema de chuveiros cujos diâmetros de tubulação são selecionados em tabelas preparadas conforme a classificação da ocupação, e no qual um dado número de chuveiros pode ser alimentado por diâmetros específicos de tubulação * Pallet de Plástico Reforçado. Pallet de plástico que tenha um material de reforço secundário (tal como aço ou fibra de vidro) no interior do pallet Soldado em Oficina. Para efeito desta norma, oficina na expressão soldado em oficina significa (1) propriedade do instalador ou fabricante, ou (2) área especificamente designada ou autorizada para solda, tal como uma área externa isolada, oficina, ou outra área (temporária ou permanente) de construção incombustível ou resistente ao fogo, isenta de conteúdo combustível ou inflamável e adequadamente segregada de áreas adjacentes Pequenas Salas. Uma sala classificada como de risco leve, com construção desobstruída e área de piso de no máximo 75 m 2, fechada por paredes e teto. São permitidas aberturas para um espaço vizinho desde que a distância da verga da abertura até o teto for no mínimo 200 mm * Sistemas de Chuveiros. Para fins de proteção contra incêndio, um sistema integrado de tubulações aéreas e subterrâneas projetado de acordo com normas de engenharia de proteção contra incêndios. Sua instalação inclui um ou mais abastecimentos automáticos de água. A parte do sistema de chuveiros automáticos acima do piso é uma rede de tubulações dimensionada por tabelas ou hidraulicamente calculada, instalada em edifícios, estruturas ou áreas, normalmente junto ao teto, à qual são conectados chuveiros segundo um padrão regular. A válvula que controla cada coluna principal do sistema está instalada na própria coluna ou na tubulação que a abastece. Cada coluna principal de um sistema de chuveiros automáticos conta com um dispositivo de acionamento de alarme que é utilizado quando o sistema estiver em funcionamento. O sistema é normalmente ativado pelo calor do fogo e descarrega água sobre a área de incêndio Pressão de Trabalho do Sistema. A máxima pressão estática (sem vazão) ou dinâmica esperada que é aplicada aos componentes do sistema, excetuando-se golpes de pressão esporádicos Barreira Térmica. Material que limita a 120 C a elevação da temperatura média da superfície não exposta, após 15 minutes de exposição ao fogo, e que atende à curva padrão tempo-temperatura da NFPA 251, Standard Methods of Tests of Fire Endurance of Building Construction and Materials Tipos de Sistemas de Chuveiros Automáticos Sistema Anticongelamento. Sistema de chuveiros automáticos de tubulação molhada que utiliza chuveiros conectados a uma tubulação que contém uma solução anticongelamento conectada a uma fonte de abastecimento de água. A solução anticongelamento é descarregada, seguida de água, imediatamente após a abertura dos chuveiros automáticos pelo calor de um incêndio.

5 NBR 10897: Sistema Combinado de Tubo Seco e Pré-Ação. Sistema que utiliza chuveiros automáticos fixados a uma tubulação que contém ar sob pressão, conjugado a um sistema suplementar de detecção instalado nas mesmas áreas dos chuveiros automáticos. O sistema de detecção opera dispositivos de acionamento que abrem simultaneamente as válvulas secas sem perda da pressão do ar no sistema. A operação do sistema de detecção também abre válvulas de exaustão de ar no final da tubulação geral, o que normalmente precede a abertura dos chuveiros automáticos. O sistema de detecção serve também como um sistema automático de alarme de incêndio. Este sistema opera diferentemente do sistema de Tubo Seco que consiste de chuveiros automáticos fixados a uma tubulação contendo ar ou nitrogênio sob pressão. A liberação do gás (devido à abertura de um chuveiro) permite que a pressão da água abra a válvula conhecida como válvula seca, e que a água entre na tubulação e seja descarregada pelos chuveiros abertos Sistema Dilúvio. Sistema que utiliza chuveiros abertos, fixados a uma tubulação conectada a uma fonte de abastecimento de água através de uma válvula, que é aberta pela operação de um sistema de detecção instalado na mesma área dos chuveiros automáticos. Ao ser aberta a válvula, a água flui para dentro da tubulação e é descarregada por todos os chuveiros * Sistema Tipo Grelha. Sistema de chuveiros no qual as tubulações subgerais são conectadas a ramais múltiplos. Um chuveiro em operação deve receber água pelas duas extremidades do ramal enquanto outros ramais auxiliam a transportar água entre as tubulações subgerais, conforme Figura X da NBR pág * Sistema Tipo Anel Fechado. Sistema de chuveiros no qual tubulações subgerais múltiplas são conectadas de modo a permitir que a água siga mais do que uma rota de escoamento até chegar a um chuveiro em operação. Neste sistema, os ramais não são conectados entre si * Sistema Tipo Ação-Prévia. Sistema que utiliza chuveiros automáticos, fixados a uma tubulação que contém ar, que pode ou não estar sob pressão, conjugado a um sistema suplementar de detecção instalado na mesma área dos chuveiros automáticos Sistema de Tubo Molhado. Sistema de chuveiros automáticos, fixados a uma tubulação que contém água e conectada a uma fonte de abastecimento, de maneira que a água seja descarregada imediatamente pelos chuveiros automáticos quando abertos pelo calor de um incêndio Componentes do Sistema Ramais. Os tubos aos quais os chuveiros são fixados Tubulações Subgerais. Tubos que alimentam os ramais Tubulações Gerais. Tubos que alimentam as tubulações subgerais, diretamente ou com conexões Uniões Flexíveis de Tubos. União ou conexão que permite deslocamento axial, rotação e movimento angular de pelo menos 1 grau do tubo sem que isso cause danos ao mesmo. O movimento angular pode ser menor que 1 o mas não inferior a 0,5 o para tubulações com diâmetros de DN 200 ou maiores Colunas. As tubulações verticais de alimentação de um sistema de chuveiros Dispositivo de Supervisão. Dispositivo para a supervisão das condições operacionais dos sistemas de chuveiros automáticos Coluna Principal do Sistema. Tubo não subterrâneo, horizontal ou vertical, entre a fonte de abastecimento de água e as tubulações gerais e subgerais, contendo uma válvula de controle (diretamente ou dentro do tubo de fornecimento de água) e um dispositivo de alarme de vazão de água Chuveiros * Característica. Característica de um chuveiro definem sua habilidade em controlar ou extinguir um incêndio. a) Sensibilidade Térmica. Medida da velocidade de operação de um elemento termo-sensível, na maneira como instalado em um chuveiro específico. Uma medida da sensibilidade térmica é o índice de tempo de resposta (RTI) medido sob condições padronizadas de teste. Chuveiros de resposta rápida possuem elementos termo-sensíveis com RTI igual ou menor a 50 (metros-segundos) 1/2 Chuveiros de resposta padrão possuem elementos termo-sensíveis com RTI igual ou maior a 80 (metros-segundos) 1/2 b) Temperatura de operação. c) Diâmetro do orifício. d) Orientação de instalação. e) Características de distribuição de água (por exemplo, velocidade de aplicação, capacidade de molhar paredes). f) Condições especiais de uso Tipos de Chuveiros. (MARCELO VAI REVISAR ESTE ITEM)

6 6 NBR 10897: * Chuveiro de Extinção Precoce e Resposta Rápida (ESFR Early Suppression and Fast Response) Tipo de chuveiro de resposta rápida que atende aos critérios de 3.6.1(a)(1) e é certificado para garantir sua capacidade de extinção de alguns tipos de incêndios graves Chuveiro de Cobertura Estendida. Tipo de chuveiro spray cujas áreas máximas de cobertura estão especificadas nas Seções 8.8 e 8.9 desta norma Chuveiro de Gotas Grandes. Tipo de chuveiro de controle para uso específico capaz de produzir gotas grandes de água características e que é certificado para garantir sua capacidade de controlar alguns tipos de incêndios graves Difusores. Dispositivo para uso em aplicações que requerem formas especiais de distribuição de água, sprays direcionais ou outras características incomuns Chuveiro de Estilo Antigo. Chuveiro que direciona 40 a 60 por cento da água para baixo e que deve ser instalado com o defletor pendente ou de pé Chuveiro aberto. Chuveiro que não possui elementos acionadores ou termo-sensíveis * Chuveiro de Resposta Imediata e Extinção Precoce (QRES Quick-Response and Early Suppression) Tipo de chuveiro de resposta rápida que atende aos critérios de 3.6.1(a)(1) e é certificado para garantir sua capacidade de extinção de alguns tipos de incêndios Chuveiro de Resposta Imediata e Cobertura Estendida. Tipo de chuveiro de resposta rápida que atende os critérios de 3.6.1(a)(1) e cumpre com as áreas de proteção estendidas definidas no Capítulo Chuveiro de Resposta Imediata (QR Quick-Response). Tipo de chuveiro spray que atende os critérios de 3.6.1(a)(1) e é certificado como chuveiro de resposta rápida para o uso a que se destina Chuveiro Automático Residencial. Tipo de chuveiro de resposta rápida que atende os critérios de 3.6.1(a)(1), que teve testada sua capacidade de aumentar a sobrevida dos ocupantes na área de origem do incêndio, e é certificado para proteção de unidades de moradia Chuveiro Especial. Chuveiro que foi testado e certificado conforme prescrito em * Chuveiro de Controle para Uso Específico (para Uso em Armazenagem). Tipo de chuveiro spray certificado para ser utilizado a uma pressão mínima de operação, com um número específico de chuveiros em funcionamento, para um determinado arranjo de proteção Chuveiro Tipo Spray. Tipo de chuveiro certificado para garantir sua capacidade de controlar incêndios em uma ampla gama de riscos Chuveiro Padrão Tipo Spray. Tipo de chuveiro spray cujas áreas máximas de cobertura estão especificadas nas Seções 8.6 e 8.7 desta norma. XXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXX FIM DA 101 a REUNIÃO DE XXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXX XXXXXXXXXXXXXXXXXXXXX à 3.35 DELIBERADO NA 102 a REUNIÃO DE XXXXXXXXXXXXXXX Orientação de Instalação. Os chuveiros a seguir são definidos conforme a sua orientação de instalação Chuveiro Oculto. Chuveiro embutido coberto com uma chapa Chuveiro Embutido. Chuveiro em que parte ou todo seu corpo, incluindo a rosca, é montado acima do plano inferior do teto Chuveiro Pendente. Chuveiro projetado para ser instalado em uma posição na qual o jato de água é direcionado para baixo, contra o defletor Chuveiro Embutido, com Invólucro. Chuveiro cujo corpo, ou parte dele, exceto a rosca, é montado dentro de um invólucro embutido Chuveiro Lateral. Chuveiro com defletor especial projetado para descarregar o maior volume de água longe da parede mais próxima a ele, em um formato parecido com um quarto de esfera. Um pequeno volume de água é direcionado à parede atrás do chuveiro Chuveiro em Pé. Chuveiro projetado para ser instalado em uma posição na qual o jato de água é direcionado para cima, contra o defletor Condições Especiais de Uso. Os seguintes chuveiros são utilizados conforme a aplicação ou ambiente especiais Chuveiro Resistente à Corrosão. Chuveiros fabricados com materiais resistentes à corrosão, ou com revestimentos especiais, para serem utilizados em atmosferas que normalmente causam corrosão * Chuveiro Seco. Chuveiro fixado a um niple de extensão que é provido de um selo na extremidade de entrada para permitir que a água ingresse em seu interior somente em caso de operação do chuveiro.

7 NBR 10897: Chuveiro para Nível Intermediário/Estrutura Porta-Pallets. Chuveiro equipado com guarnição que protege seus elementos de operação contra a água descarregada por outros chuveiros instalados em níveis superiores Chuveiro Ornamental/Decorativo. Chuveiro pintado ou revestido com camada metálica pelo fabricante Definições de Tipos de Construção * Tetos Obstruídos. Teto em forma de colméia ou outros tipos onde vigas, nervuras ou outros elementos impedem o fluxo de calor e a distribuição de água, fisicamente afetando a capacidade de controle ou extinção do incêndio pelos chuveiros * Tetos Desobstruídos. Tipo de teto onde vigas, nervuras ou outros elementos não impedem o fluxo de calor e a distribuição de água, portanto não afetando fisicamente a capacidade de controle ou extinção do incêndio pelos chuveiros. Os tetos desobstruídos têm elementos estruturais horizontais vazados. As aberturas nos elementos devem constituir pelo menos 70 por cento de sua área, e a profundidade dos elementos não excede a menor dimensão das aberturas. São também considerados desobstruídos todos os tipos de tetos onde o espaçamento entre elementos estruturais exceder 7 1/2 ft (2.3 m) medidos entre eixos Definições de Tubulações Privadas de Abastecimento de Água * Tubulação Privada de Água de Incêndio. Tubulações privadas de água de incêndio são definidas nesta norma como a tubulação e seus acessórios, em propriedade privada, localizada (1) entre a fonte de abastecimento e a base da coluna principal do sistema, para o caso de sistemas hidráulicos de proteção contra incêndio; (2) entre a fonte de abastecimento e a entrada para um sistema de produção de espuma; (3) entre a fonte de abastecimento e o cotovelo da base de hidrantes ou canhões monitores; e (4) usada como tubulação de sucção e recalque da bomba de incêndio, (5) iniciando-se na entrada da válvula de retenção em um tanque elevado ou pressurizado Definições de Armazenagem em Pilhas Sólidas, Pilhas Entremeadas por Pallets, em Caixas Tipo Bin Box e em Estantes Arranjo Arranjo Fechado. Um arranjo de armazenagem no qual o movimento de ar através da pilhas é limitado devido à existência de vãos verticais de 6-in. (152-mm) ou menos entre pilhas * Arranjo Aberto. Um arranjo de armazenagem no qual o movimento de ar através das pilhas é favorecido devido à existência de vãos verticais maiores de 6-in. (152-mm) entre pilhas * Altura Disponível para Armazenagem. A altura máxima até a qual a carga pode ser armazenada acima do piso e ainda manter um espaço livre até os elementos estruturais e uma distância adequada até os chuveiros Armazenagem em Csixas Tipo Bin Box Armazenagem em caixas de madeira, metal ou papelão, consistindo de cinco lados fechados e um lado aberto voltado para o corredor. As caixas são auto-suportadas ou suportadas por uma estrutura que deixa poucos ou nenhum vão horizontal ou vertical ao redor das caixas Distância Livre. A distãncia entre o topo da carga e os defletores dos chuveiros do teto Mercadoria. Combinação de produtos, material de embalagem e embalagem na qual é baseada a classificação de mercadoria * Compartimentado. Uma separação rígida dos produtos em um contentor feita por divisórias que formam uma unidade estável em condições de incêndio * Contentor (para Transporte, Mestre ou Externo). Um recipiente resistente o bastante, devido ao seu material, projeto ou construção, que pode ser transportado em segurança ser embalagem adicional Encapsulamento. Método de embalagem que consiste em envolve com filme plástico as laterais e o topo da carga de um pallet contendo mercadoria combustível ou embalagem combustível ou um grupo de mercadorias combustíveis ou embalagens combustíveis. Mercadorias combustíveis embaladas individualmente com filme plástico e armazenadas de forma exposta sobre um pallet são também consideradas encapsuladas. Mercadorias totalmente incombustíveis em pallets de madeira envoltas somente por filme plástico, como descrito acima, não estão cobertas por esta definição. O fechamento com filme plástico somente das laterais da carga sobre pallets não é considerado encapsulamento. O termo encapsulamento também não é aplicável quando houver buracos ou falhas no plástico ou na cobertura impermeável sobre as caixas que excedam metade da área da cobertura. O termo encapsulamento também não se aplica a produtos ou embalagens envoltas em plástico colocados dentro de caixas grandes fechadas não envoltas em plástico Plásticos Expandidos (Espumados ou Celulares) Plásticos cuja densidade é reduzida pela presença de grande número de células, interconectadas ou não, dispersas em seu corpo Mercadorias de Plásticos Grupo A Expostos. Plásticos não utilizados para embalagem ou recobrimento, que absorvem água ou retardem significativamente o risco de queima da mercadoria. (Envoltos em papel ou encapsulados, ou ambos, devem ser considerados expostos).

8 8 NBR 10897: Materiais Plásticos Fluentes. Plásticos que caem de suas embalagens durante um incêndio, obstruem os vãos verticais e criam um efeito de abafamento do fogo. Exemplos incluem plásticos em pó, peletizado, em flocos ou pequenos objetos [estojos de lâminas de barbear, pequenos frascos de 1-oz a 2-oz (28-g a 57-g)] Embalagem. O envoltório, protetor contra impactos ou contentor Armazenagem Entremeada com Pallets. Armazenagem de mercadorias sobre pallets ou outros meios para formar espaços horizontais entre níveis de armazenagem * Estabilidade de Pilhas, Pilhas Estáveis. Arranjos onde não é esperado o colapso, escoamento do conteúdo ou inclinação das pilhas sobre os vãos verticais logo após o início do desenvolvimento do incêndio * Estabilidade de Pilhas, Pilhas Instáveis. Arranjos onde é esperado o colapso, escoamento do conteúdo ou inclinação das pilhas sobre os vãos verticais logo após o início do desenvolvimento do incêndio Altura do Telhado. Distância entre o piso e a parte inferior do telhado dentro da área de armazenagem Armazenagem em Estantes. Armazenagem em estruturas com menos de 30 in. (76,2 cm) de profundidade, com prateleiras com espaçamento vertical aproximado de 2 ft (0,6 m) e separadas por corredores de aproximadamente 30-in. (76,2-cm) Unidade Sólida de Carga de um Plástico Não Expandido (em Caixas de Papelão ou Exposta) Carga que não apresenta vazios (ar) em seu interior e que queimaria somente sua parte externa; a água dos chuveiros poderia atingir a maior parte da superfície disponível para a queima Acessórios para Armazenagem. Objetos para armazenagem como pallets, suportes, separadores e estrados Unidade de Carga. Carga sobre um pallet ou módulo, mantida coesa por qualquer método, e normalmente transportada por equipamentos de transporte de cargas Definições de Armazenagem em Estruturas Porta-Pallets * Largura do Corredor. A distância horizontal entre as faces das cargas nas estruturas porta-pallets em questão. (Ver Figura A ) Barreira Vertical. Uma barreira vertical na estrutura porta-pallets Em Caixas de Papelão. Método de armazenagem no qual a mercadoria é completamente envolvida por recipientes de papelão corrugado ou cartão * Pallets Convencionais. Um acessório para manuseio de cargas feito suportar uma carga unitária, com aberturas para acesso de equipamentos de manuseio de cargas. (Ver Figura A ) Chuveiros de Face. Chuveiros tipo padrão localizados nos vãos verticais transversais ao longo do corredor ou na estrutura porta-pallets. São posicionados a no máximo 18 in. (0.46 m) da face da carga e são utilizados para evitar o desenvolvimento vertical do fogo na face externa da mercadoria Barreira Horizontal. Uma barreira sólida horizontal, que cobre toda a estrutura porta-pallets, incluindo todos os vãos verticais, e posicionada da determinadas alturas para evitar a propagação vertical do fogo * Vão Vertical Longitudinal. O espaço entre filas de mercadoria perpendicular à direção de carregamento da estrutura. (Ver Figura A ) * Estrutura Porta-Pallets. Qualquer combinação de elementos estruturais verticais, horizontais e diagonais que apóiam mercadorias armazenadas. Algumas estruturas porta-pallets utilizam prateleiras sólidas. As estruturas porta-pallets podem ser fixas, portáteis ou móveis. O carregamento pode ser manual, utilizando empilhadeiras, gruas ou colocação manual, ou automático, com sistemas de armazenagem e recuperação controlados por máquinas Estruturas Porta-Pallers de Filas Duplas. Duas estruturas porta-pallets de fila única, encostadas uma na outra, formando uma estrutura com largura máxima total de 12 ft (3,7 m), com corredores de pelo menos 3,5 ft (1,1 m) em cada lado Estruturas Porta-Pallets Móveis. Estruturas porta-pallets sobre trilhos ou guias. Podem ser movidos horizontalmente para frente e para trás em um único plano. Um corredor móvel é criado quando estruturas porta-pallets contíguas são carregadas ou descarregadas, e depois movidas ao outro lado do corredor para encostar-se a outros portapallets Estruturas Porta-Pallets de Filas Múltiplas. Estruturas porta-pallets com larguras maiores que 12 ft (3,7 m) ou estruturas de fila única ou filas duplas separadas por corredores com largura menor que 3,5 ft (1,1 m), formando um conjunto com largura total superior a 12 ft (3,7 m) Estruturas Porta-Pallets Portáteis. Estruturas porta-pallets que não são fixas. Podem ser dispostas em várias configurações diferentes.

9 NBR 10897: Estruturas Porta-Pallets de Fila Única. Estruturas porta-pallets sem vão verticais longitudinais, com largura máxima de 6 ft (1,8 m) e corredores de pelo menos 3,5 ft (1,1 m) separando-as de outras mercadorias armazenadas Pallets Escravos. Pallet especial que pertence ao sistema de manuseio de material. (Ver Figura A ) Prateleiras Sólidas. Prateleiras sólidas podem ser fixas, em forma de estrado, de tela metálica ou de outro tipo, utilizadas em estruturas porta-pallets. A area de uma prateleira sólida é definida pelo corredor ou vão vertical ao redor de seus quatro lados. Prateleiras sólidas com área igual ou menor a 20 ft 2 serão definidas como estruturas porta-pallets abertas. Caso as prateleiras de tela metálica, estrados ou outros materiais deixem abertos mais que 50 por cento da área, e caso haja vãos verticais desimpedidos, a estrutura será considerada como uma estrutura porta-pallets aberta Vão Vertical Transversal. O espaço entre filas de mercadoria paralelamente à direção de carregamento da estrutura. (Ver Figura A ) 3.32 Definições sobre Armazenagem de Pneus Pneus Atados. Método de armazenagem no qual uma quantidade de pneus é atada Canal Horizontal. Qualquer espaço ininterrupto de comprimento maior que 5 ft (1,5 m) entre camadas horizontais de pneus armazenados. Esses canais podem ser formados por pallets, prateleiras ou outros arranjos de armazenagem Armazenagem Trançada de Pneus. Método de armazenagem de pneus no qual as laterais dos mesmos se sobrepõem, aparentando uma trama ou malha. [Ver Figura A (g).] * Armazenagem Miscelânea de Pneus. Armazenagem de pneus que não se constitui na principal utilização do edifício. As áreas de armazenagem não deverão exceder 2000 ft 2 (186 m 2 ). Pilhas formadas pro pneus apoiados sobre a banda de rodagem, independentemente do método de armazenagem, não deverão exceder 25 ft (7,6 m) no sentido dos orifícios das rodas. Os métodos aceitáveis de armazenagem incluem (a) no piso, deitados, até 12 ft (3,7 m) de altura; (b) no piso, de pé, até 5 ft (1,5 m) de altura; (c) deitados ou de pé em estruturas porta-pallets fixas de filas duplas ou múltiplas ou em estruturas portáteis, até 5 ft (1.5 m) de altura; (d) deitados ou de pé em estruturas porta-pallets fixas de filas únicas ou em estruturas portáteis, até 12 ft (3,7 m) de altura; e (e) armazenagem trançada em estruturas porta-pallets até 5 ft (1,5 m) de altura Armazenagem de Pneus Deitados. Pneus são armazenados horizontalmente Armazenagem de Pneus em Pé. Pneus armazenados em pé ou sobre a banda de rodagem Armazenagem de Pneus sobre Pallets. Armazenagem em estruturas porta-pallets de vários tipos utilizando um pallet convencional como base Armazenagem de Pneus em Pirâmide. Armazenagem sobre o piso na qual os pneus são dispostos em forma de pirâmide para melhor estabilidade da pilha * Ilustrações sobre Estruturas Porta-Pallets para Pneus. Ver Figura A (a) até Figura A (g) Pneus. Pneus utilizados para autos de passageiros, aeronaves, caminhões leves e pesados, carretas, equipamento agrícola, equipamentos de contrução (off-the-road) e ônibus Definições sobre Algodão em Fardos * Algodão em Fardos. Fibra natural embalada com materiais considerados aceitáveis pela indústria, em geral aniagem, polipropileno trançado ou filme de polietileno, e amarrada com cintas de aço, de material sintético, ou com arame. Podem conter também línteres (pequenas fibras da semente de algodão) e material residual do processo de descaroçamento. (Ver Tabela A ) Armazenagem de Algodão em Blocos. Quantidade de fardos empilhados em forma cúbica e envoltos por corredores, paredes, ou ambos Algodão Frio. Algodão em fardos, cinco ou mais dias após o processo de descaroçamento Enfardado com Fogo. Fardo dentro do qual há fogo proveniente do processo. O descaroçamento é geralmente a causa mais freqüente Fardo de Algodão sem Envoltório. Fardo amarrado com cintas de arame ou aço, em envoltório Definições sobre Papel em Bobinas Arranjo (Papel) Arranjo Fechado (Papel). Armazenagem vertical na qual as distâncias entre pilhas são curtas, não devendo exceder mais que 2 pol. (50 mm) em uma direção e 1 pol. (25 mm) na outra Arranjo Aberto (Papel). Armazenagem vertical na qual as pilhas são bastante espaçadas entre si. Esta definição aplica-se a todos os arranjos verticais que não atendam à definição de arranjo fechado ou arranjo padrão.

10 10 NBR 10897: * Arranjo Padrão (Papel). Armazenagem vertical na qual a distância entre pilhas em uma direção é curta [1 pol. (25 mm) ou menos] e maior que 2 pol. (50 mm) na outra Armazenagem de Bobinas com Cintas. Bobinas providas de cintas de aço de 3/8 pol. (9.5 mm) ou mais largas em cada extremidade da bobina Pilha. Pilha formada por bobinas sobrepostas Tubete. Tubo central ao redor do qual o papel é enrolado para formar a bobina Papel (Termo Geral). Termo utilizado para todos os tipos de folhas formadas por materiais fibrosos naturais, normalmente vegetais, mas algumas vezes minerais ou animais, sobre uma tela fina a partir de uma suspensão em água Armazenagem de Bobinas de Papel Armazenagem Horizontal de Bobinas de Papel. Bobinas armazenadas com os tubetes no plano hozontal (armazenagem lateral) Armazenagem Vertical de Bobinas de Papel. Bobinas armazenadas com os tubetes no plano vertical (armazenagem de pé) * Armazenagem de Bobinas de Papel Embaladas. Bobinas com envoltório de papel kraft pesado que recobre totalmente as suas laterais e extremidades * Altura de Armazenagem de Bobinas de Papel. A máxima altura acima do piso na qual papel em bobinas é armazenado. XXXXXXXXXXXXXXXXXXXXX à 3.35 DELIBERADO NA 102 a REUNIÃO DE XXXXXXXXXXXXXXX 4 Condições gerais 4.1 Classificação das ocupações A classificação das ocupações aplica-se exclusivamente a esta norma. Estas ocupações são definidas de a 4.1.4, bem como são relacionados no Anexo A Ocupações de risco leve Compreendem as ocupações ou parte das ocupações onde a quantidade e/ou a combustibilidade do conteúdo (carga incêndio) é baixa e onde é esperada baixa taxa de liberação de calor Ocupações de risco ordinário c) Grupo I Compreendem as ocupações ou parte de ocupações onde a combustibilidade do conteúdo é baixa e a quantidade de materiais combustíveis é moderada. A altura de armazenagem não excede a 2,4 m e incêndios com moderada taxa de liberação de calor são esperados. d) Grupo II Compreendem as ocupações ou parte de ocupações onde a quantidade e a combustibilidade do conteúdo é de moderada a alta. A altura de armazenagem não excede a 3,7 m e incêndios com moderada a alta taxa de liberação de calor são esperados Ocupações de risco extra ordinário a) Grupo I Compreendem as ocupações ou parte de ocupações onde a quantidade e a combustibilidade do conteúdo é muito alta e apresentam poeira e outros materiais que provocam incêndios que se desenvolvam rapidamente, produzindo alta taxa de liberação de calor. Neste grupo as ocupações não tem ou possuem líquidos combustíveis e inflamáveis. b) Grupo II Compreendem as ocupações de moderada ou substancial quantidade de líquidos combustíveis ou inflamáveis Ocupações de risco especial Os critérios para sistemas de chuveiros automáticos destinados para o controle ou a supressão de incêndio em ocupações de riscos específicos, são discriminados em outras normas. A seguir são relacionadas as normas que podem ser adotadas para estes casos, enquanto não houver norma brasileira pertinente: NFPA 30 - Flammable and Combustible Liquids Code; NFPA 30B - Code for the Manufacture and Storage of Aerosol Products;

11 NBR 10897: NFPA 40 - Standard for the Storage and Handling of Cellullose Nitrate Motion Picture Film; NFPA 42, Code for the Storage of Pyroxylin Plastic NFPA 45, Standard on Fire Protection for Laboratories Using Chemicals NFPA 55, Standard for the Storage, Use, and Handling of Compressed and Liquefied Gases in Portable Cylinders NFPA 58 - Standard for the Storage and Handing of Liquefied Petroleum Gases; NFPA 59, Utility LP-Gas Plant Code NFPA 59A, Standard for the Production, Storage, and Handling of Liquefied Natural Gas (LNG) NFPA 75, Standard for the Protection of Electronic Computer/Data Processing Equipment NFPA 82, Standard on Incinerators and Waste and Linen Handling Systems and Equipment NFPA 86C, Standard for Industrial Furnaces Using a Special Processing Atmosphere NFPA 96, Standard for Ventilation Control and Fire Protection of Commercial Cooking Operations NFPA 101, Life Safety Code NFPA 214, Standard on Water-Cooling Towers NFPA Standard for the Protection of Records NFPA 409, Standard on Aircraft Hangars 4.2 Classificação de mercadorias Generalidades A classificação de mercadorias e a relação com os requisitos de proteção devem ser baseados na unidade de estoque de uma determinada mercadoria (Por exemplo: palete carregado). Outros exemplos são encontrados no Anexo B. Na classificação de mercadorias devem ser considerados os produtos e suas respectivas embalagens. Mercadorias misturadas: a estocagem de mercadorias misturadas deve ser protegida pelos requisitos mais restritivos relacionado à classificação por produtos ou arranjo da estocagem. Materiais de risco alto podem ser segregados em áreas específicas, desde que protegida adequadamente para este tipo de material Tipos de paletes Para mercadorias que são estocadas com paletes de madeira ou metal, estes devem ser considerados na classificação de mercadorias. Quando são empregados paletes plásticos a classificação de mercadorias deve ser elevada em uma classe, a menos que esta já seja classificada como plástico no Grupo A Classes de mercadorias: Classe I: produtos incombustíveis que atendam ao menos uma das condições: Colocados sobre paletes de madeira embalados em caixa de papelão com ou sem divisores, sobre paletes ou não embrulhados com papel ou plástico, sobre paletes ou não Classe II: produtos incombustíveis colocados em engradados de madeira, caixotes de madeira, caixas de papelão de multicamadas ou material cuja embalagem é de combustibilidade equivalente, colocados ou não sobre paletes Classe III: são definidas como: madeira, papel, tecidos de fibras naturais, ou plásticos do Grupo C ou produtos similares com ou sem paletes. Os produtos podem conter uma quantidade limitada (5% em volume ou peso) de plásticos do Grupo A e B Classe IV: produtos que atendam a pelos menos uma das seguintes condições: Fabricados parcial ou totalmente de plásticos do Grupo B Plásticos Grupo A sujeitos a derramamento, como polietileno em grãos, ou que contenham de 5% a 25% em volume ou 5% a 15% em peso de plásticos do Grupo A sendo o restante composto de materiais como metal, madeira, papel, fibras naturais ou sintéticas e plásticos do Grupo B ou C Classificação de plásticos, elastômeros e borrachas:

12 12 NBR 10897: Grupo A: ABS (copolímero de acrilonitrila - butadieno - estireno) ACETAL (poliformaldeído) ACRÍLICO (polimetacrilado de metila) BORRACHA BUTÍLICA EPDM (copolímero de etilenopropilenodieno) FRP (poliéster reforçado com fibra de vidro) BORRACHA NATURAL EXPANDIDA BORRACHA NITRÍLICA (borracha de acrilonitrila - butadieno) PET (poliéster termoplástico) POLIBUTADIENO POLICARBONATO ELASTÔMEROS DE POLIÉSTER POLIETILENO POLIPROPILENO POLIESTIRENO POLIURETANO PVC (policloreto de vinila - altamente plastificado, com teor maior que 20% de plastificante, exemplos: tecidos revestidos de PVC, filme não portantes) SAN (estireno - acrilonitrila) SBR (borracha butadieno estireno) Grupo B CELULÓSICOS (acetato de celulose, butirato de acetato de celulose - etil celulose) POLICLOROPRENO (borracha neopreme) PLÁSTICOS FLUORADOS (ECTFE - copolímero de etileno de clorotrifluoretileno, ETFE - copolímero de etilenotetrafluoretileno, FEP - copolímero etilenopropileno fluorado) BORRACHA NATURAL NÃO EXPANDIDA NYLON (náilon, poliamida 6, poliamida 6/6) BORRACHA DE SILICONE Grupo C PLÁSTICOS FLUORADOS (PCTFE - policlorotrifluoretileno) PTFE (politetrafluoretileno) MELAMINA (resina melamina formaldeído) FENÓLICOS (resina fenólica) PVC (policloreto de vinila, com teor até 20% de plastificante, - rígido e levemente plastificado - exemplos: tubos e conexões) PVDC (policloreto de vinilideno) PVDF (polifluoreto de vinilideno) PVF (polifluoreto de vinila)

13 NBR 10897: URÉIA (resina uréia - formaldeído) Classificação de papéis em bobinas Classe pesada: bobinas de papel com gramatura igual ou superior a 0,10 kg/m 2 (0,0098 g/cm 2 ) Classe média: bobinas de papel com gramatura superior a 0,10 kg/m 2 (0,0098 g/cm 2 ) e inferior a 0,05 kg/m 2 (0,0048 g/cm 2 ) Classe leve: bobinas de papel com gramatura igual ou inferior a 0,05 kg/m 2 (0,0048 g/cm 2 ) 5 Componentes e materiais 5.1 Generalidades Os componentes do sistema devem estar em conformidade com normas brasileiras ou na falta destas, com normas internacionalmente reconhecidas. Recomenda-se que os componentes dos sistemas de chuveiros automáticos sejam, sempre que possível, certificados por entidades reconhecidamente idôneas. Os componentes do sistema devem estar classificados para a máxima pressão de trabalho na qual serão empregados, porém nunca inferior a 1200 kpa. 5.2 Chuveiros automáticos Somente chuveiros novos devem ser empregados no sistema Os chuveiros automáticos devem atender às NBR 6125 e NBR Características de descarga: O fator K, relativo a descarga do chuveiro automático com diferentes tamanhos de orifícios devem obedecer a Tabela Chuveiro automático de gotas grandes e chuveiro automático de resposta e supressão rápidas (ESFR) devem possuir fator K igual ou superior a 11,2. Tabela Identificação das características de descarga dos chuveiros automáticos Fator Nominal K Limites Fator K gpm/(psi) 1/2 dm 3 /s/(kpa) 1/2 gpm/(psi) 1/2 dm 3 /s/(kpa) 1/2 dm 3 /min/(kpa) 1/2 % do Fator Nominal K-5.6 Diâmetro Nominal da Rosca Pol. 1,4 0,032 1,3 1,5 0,030 0,034 1,9 2,2 25 ½ 1,9 0,043 1,8 2,0 0,041 0,046 2,6 2,9 33,3 ½ 2,8 0,064 2,6 2,9 0,059 0,066 3,8 4,2 50 ½ 4,2 0,096 4,0 4,4 0,091 0,101 5,9 6,4 75 ½ 5,6 0,128 5,3 5,8 0,121 0,133 7,6 8,4 100 ½ 8,0 0,183 7,4 8,2 0,169 0,187 10,7 11,8 140 ½ ou ¾ 11,2 0,256 11,0 11,5 0,251 0,263 15,9 16,6 200 ½ ou ¾ 14,0 0,320 13,5 14,5 0,308 0,331 19,5 20,9 250 ¾ 16,8 0,384 16,0 17,6 0,366 0,402 23,1 25,4 300 ¾ 19,6 0,448 18,6 20,6 0,425 0,471 27,2 30, ,4 0,512 21,3 23,5 0,487 0,537 31,1 34, ,2 0,576 23,9 26,5 0,546 0,606 34,9 38, ,0 0,640 26,6 29,4 0,608 0,672 38,9 43, Características de temperatura As temperaturas nominais de operação dos chuveiros automáticos são indicadas na Tabela

14 14 NBR 10897:2003 Os chuveiros automáticos tipo elo fusível devem ter seus braços pintados e os de bulbo de vidro devem ter o líquido colorido, conforme Tabela 2. Tabela Limites de temperatura, classificação e código de cores dos chuveiros automáticos Máxima Temperatura no Teto ( o C) Limites de Temperatura ( o C) Classificação da Temperatura Código de Cores Cor do Líquido do Bulbo de Vidro ORDINÁRIO INCOLOR OU PRETO INTERMEDIÁRIO BRANCO VERMELHO OU LARANJA AMARELO OU VERDE ALTO AZUL AZUL EXTRA ALTO VERMELHO ROXO EXTRA EXTRA ALTO VERDE PRETO ULTRA ALTO LARANJA PRETO ULTRA ALTO LARANJA PRETO XXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXX FIM DA 85 a REUNIÃO DE XXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXX XXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXX INÍCIO DA 87 a REUNIÃO DE XXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXX Revestimentos especiais Chuveiros automáticos resistentes à corrosão devem ser instalados em locais onde há a presença de vapores corrosivos, umidade ou outras condições ambientais capazes de provocar danos. Os revestimentos anti-corrosivos devem ser aplicados exclusivamente pelos próprios fabricantes dos chuveiros automáticos. A menos que indicado pelo fabricante, o chuveiro automático não deve ser pintado, e qualquer chuveiro automático revestido somente pode ser substituído por outro com as mesmas características, incluindo diâmetro do orifício, temperatura nominal de operação e distribuição de água. Qualquer acabamento ornamental do chuveiro automático somente deve ser executado pelo fabricante Canóplas e invólucros Canóplas e invólucros não metálicos devem ser fornecidos pelo fabricantes dos chuveiros automáticos, assegurando o correto funcionamento dos sistemas. Canóplas e invólucros usados com chuveiros automáticos embutidos ou não aparentes devem ser fornecidos em conjunto com os chuveiros Proteções Os chuveiros automáticos instalados em locais sujeitos a danos mecânicos devem ser providos com proteções Estoque de chuveiros automáticos sobressalentes Devem ser mantidos chuveiros automáticos sobressalentes de modo que os chuveiros automáticos que tenham operado ou sofrido qualquer dano possam ser prontamente substituídos. Esses chuveiros devem possuir as mesmas características dos que encontram-se instalados e devem ser mantidos em local cuja temperatura não supere a 38 o C. Uma chave especial para retirada e instalação dos chuveiros automáticos deve estar disponível junto aos mesmos. O estoque de chuveiros automáticos sobressalentes deve incluir todos os modelos de chuveiros automáticos instalados, devendo ser composto da seguinte forma: a) 6 chuveiros automáticos, no mínimo, para sistemas com até 300 chuveiros automáticos; b) 12 chuveiros automáticos, no mínimo, para sistemas com 300 a 1000 chuveiros automáticos; c) 24 chuveiros automáticos no mínimo, para sistemas com mais de 1000 chuveiros automáticos. 5.3 Tubos de condução não enterrados

15 NBR 10897: Os tubos utilizados nos sistemas de chuveiros automáticos devem atender ou exceder as indicações estabelecidas a seguir: Tubos de aço (com ou sem costura): NBR 5580, NBR 5590, ASTM A 53, ASTM A 135, ASTM A 795, BS 1387; ANSI B.36.10M Tubos de cobre (sem costura): NBR 13206, ASTM B 75 e ASTM B 88. Tubos de aço soldados ou unidos com sulco laminado, para pressões até 2,07 MPa (300 psi), devem atender no mínimo: NBR classe leve, NBR classe normal, ASTM A 53 sch 40, ASTM A sch 10 ou BS 1387 classe leve. Tubos de aço unidos por conexões roscadas, para pressões até 2,07 MPa (300 psi), devem atender no mínimo: NBR classe leve, NBR classe normal, ASTM A 53 sch 40 e BS 1387 classe leve Curvatura em tubos de condução Não se recomenda curvaturas em tubos de aço e cobre, utilizando-se para estes casos conexões adequadas. 5.4 Tubos de condução enterrados Tubos de condução enterrados, utilizados nos sistemas de chuveiros automáticos devem atender ou exceder as indicações estabelecidas nas seguintes normas: NBR 7663 e ISO 2531 Ferro fundido dúctil centrifugado, com ou sem revestimento interno de cimento NBR 7674 Junta elástica JE classe K-9 NBR 7675 PN-10 e ISO 2531 PN-10 Junta com flanges classe K-12 NBR 5647 PVC rígido O tipo e classe de tubos, bem como proteções adicionais para uma instalação específica deve ser determinada considerando-se sua resistência ao fogo, pressão máxima de serviço, condições de legislação onde o tubo será instalado, condições do solo, corrosão, e susceptibilidade do tubo à outras condições externas, incluindo carregamento de compactação do solo, trafego ou veículos, etc.. XXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXX FIM DA 87 a REUNIÃO DE XXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXX XXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXX INÍCIO DA 88 a REUNIÃO DE XXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXX Conexões As conexões utilizadas nos sistemas de chuveiros automáticos devem atender ou exceder as indicações estabelecidas a seguir: Ferro fundido maleável: NBR 6943, NBR 6925; Aço para solda: ANSI B 16.9 Cobre: NBR Conexões do tipo uniões roscadas não devem ser usadas em tubulações de diâmetro maior do que 51 mm (2 polegadas). Uniões que não sejam do tipo rosqueadas, deverão ser do tipo especificamente indicados para uso em sistemas de chuveiros automáticos. Luvas de redução devem ser usadas sempre que houver alguma mudança no diâmetro da tubulação. São permitidas buchas de redução nos casos em que as luvas de redução, nos diâmetros necessários, não sejam disponíveis no mercado nacional. XXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXX FIM DA 88 a REUNIÃO DE XXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXX XXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXX INÍCIO DA 89 a REUNIÃO DE XXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXX Acoplamento de Tubos e Conexões Tubos e conexões roscadas As roscas dos tubos e conexões roscadas devem estar em conformidade com NBR e NBR NM ISO 7-1. Vedantes podem ser utilizados, desde que, garanta a vedação quando aplicados somente na rosca externa. No caso de utilização de fibras vegetais, este deve ser aplicado com zarcão ou primmer Tubos e conexões de aço para solda Recomenda-se que os métodos para solda em tubos e conexões estejam conforme procedimentos reconhecidos internacionalmente. Tubos de aço com diâmetros inferiores a 65 mm (2 ½ polegadas) não podem receber derivações através de soldagem.

16 16 NBR 10897:2003 Os tubos de aço podem ser soldados topo a topo desde que biselados. Onde se empregar o processo de soldagem, devem ser observados os seguinte procedimentos: a) devem ser executados furos nos tubos com diâmetros iguais aos internos das conexões antes destas serem soldadas; b) materiais resultantes das aberturas nos tubos devem ser retirados e descartados; c) cortes de abertura nos tubos devem ser lixados e todas as saliências internas e resíduos de solda retirados; d) conexões não devem transpassar para região interna dos tubos; e) chapas de aço não devem ser soldadas na terminação de tubos ou conexões; f) conexões não devem ser modificadas; g) acessórios de suporte e fixação de tubulação (tirantes, grampos, porcas, etc.) não devem ser utilizados na soldagem de tubos ou conexões; h) na mudança de diâmetros nominais das tubulações, devem ser empregadas conexões apropriadas Qualificações e registros Os procedimentos de solda devem ser preparados e qualificados pelo instalador ou fabricante antes da realização de qualquer processo de soldagem. Devem ser observadas qualificações do processo de solda e dos soldadores de acordo com norma aplicáveis (por exemplo AWS B2.1) Instaladores e fabricantes devem ser responsáveis por todo processo de soldagem. Cada instalador ou fabricante deve ser avaliado pela autoridade pertinente com relação à garantia de qualidade do processo de solda (qualificação de pessoal e processo). Soldadores devem identificar os pontos soldados através de meios adequados, contendo como informação o nome da empresa de instalação, nome do soldador, e demais dados de interesse. Instaladores e fabricantes devem manter registros dos procedimentos utilizados para solda e informações dos soldadores, de forma a permitir avaliações por parte das autoridades interessadas. SOB ANÁLISE ALBERTO PENDENTE MAURICIO Métodos de acoplamento por encaixe Tubos acoplados com conexões encaixadas devem ser executadas por uma combinação aprovada de anéis de vedação e sulcos. Os sulcos devem possuir dimensões compatíveis com as conexões. Conexões encaixadas incluindo juntas utilizadas em sistemas de tubulação seca devem ser adequadas para este fim. XXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXX FIM DA 89 a REUNIÃO DE XXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXX XXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXX INÍCIO DA 90 a REUNIÃO DE XXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXX Acoplamentos para tubos e conexões de cobre (item DA NFPA) Acoplamentos para conexões de tubos de cobre devem ser brasadas. A união de tubos de cobre deve ser preferencialmente feita por brasagem. Solda pode ser usada em sistemans de tubos molhados em áreas de risco leve, desde que a temperatura dos chuveiros automáticos não ultrapassem 100 o C. A solda deve ser permitida em sistemas de tubos molhados em áreas de risco leve e ordinário Grupo I, independentemente da temperatura de ativação do chuveiros automáticos, desde que a tubulação esteja sobre o forro. AGUARDAR ANÁLISE ALBERTO Exceção 1: As conexões de cobre para solda soldadas em cobre podem ser utilizadas em sistemans de tubos molhados em áreas de risco leve, desde que a temperatura dos chuveiros automáticos não ultrapassem 100 o C. Exceção 2: As conexões para solda soldadas também devem ser permitidas em sistemas de tubos molhados em áreas de risco leve e ordinário Grupo I, independentemente da temperatura de ativação do chuveiros automáticos, desde que a tubulação esteja sobre o forro. Materiais de adição para solda devem estar de acordo com NBR Materiais de adição para brasagem, se utilizados, não devem ser do tipo corrosivo Outros meios de conexão (item da NFPA) Outros métodos de acoplamento para utilização em instalações de chuveiros automáticos podem ser utilizados e instalados de acordo com suas instruções específicas, limitações de instalação e devidamente aprovadas pela autoridade competente É proibido o uso de solda ou corte por maçarico para reparos ou alterações no sistema de chuveiros automáticos.

17 NBR 10897: Válvulas Todas as válvulas que controlam as ligações entre sistemas de alimentação de água para combate a incêndio e tubulações de sistemas de chuveiros automáticos devem ser do tipo indicadora. Essas válvulas devem ser construídas de tal maneira que não permitam o seu fechamento desde a posição totalmente aberta em menos de 5 segundos, considerando a máxima velocidade possível de operação. Todas as válvulas de teste, dreno e controle de vazão devem ser providas com placas de identificação de plástico rígido ou metal a prova de corrosão ou intempéries. Essas placas de identificação devem ser fixadas por meio de fios ou correntes resistentes a corrosão ou outro meio aprovado Tomada de recalque (para uso exclusivo do Corpo de Bombeiros) - (item 3.9 da NFPA) A conexão de recalque para o sistema de chuveiros automáticos deve ser instalado conforme as figuras figuras 19 a 21 da normas NBR 10897:1990 ALTERAR DESENHO - TIRAR A RETENÇÃO Deve possuir duas entradas de água de 65 mm de diâmetro, providas de adaptadores e tampões tipo engate rápido A tomada de recalque deve ser localizada na fachada principal ou muro da divisa com a rua, a uma altura mínima de 0,60 m e máxima de 1,00 m em relação ao piso conforme figura 1. VOU SCANEAR (figura 19 da norma NBR 10897:1990) Se for comprovado tecnicamente ser impossível atender ao exigido em , a tomada de recalque pode ser localizada dentro de uma caixa de alvenaria, conforme figura 2, com tampa metálica, como indicador de Recalque. VOU SCANEAR (figura 20 da norma NBR 10897:1990) Quando a rede de alimentação for comum para chuveiros automáticos e hidrantes e existir acesso fácil e direto aos hidrantes externos, estes podem substituir a tomada de recalque, desde que estes sejam duplos. XXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXX FIM DA 90 a REUNIÃO DE XXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXX XXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXX INÍCIO DA 91 a REUNIÃO DE XXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXX Alarmes de fluxo de água O alarme de fluxo de água deve ser específico para sistemas de chuveiros automáticos, e deve ser ativado pelo fluxo de água equivalente ao fluxo através do chuveiro de menor orifício instalado no sistema. O alarme sonoro deverá ser acionado no máximo 5 minutos após o início do fluxo e deve continuar até a interrupção do mesmo Dispositivos de Detecção de Fluxo de Água Sistemas de Tubulação Molhada: o equipamento de alarme para um sistema de tubulação molhada deve ser constituído de uma válvula de retenção e alarme ou outro dispositivo especificado de detecção de fluxo de água com os acessórios necessários requeridos para esta finalidade Sistemas de Pré-ação e Dilúvio: os equipamentos de alarme para sistemas de pré-ação e dilúvio devem ser constituídos de alarmes acionados independentemente pelo sistema de detecção e pelo fluxo de água As chaves de alarme de fluxo de água tipo palheta devem ser instalados apenas em sistemas de tubo molhado Acessórios Generalidades O dispositivo de alarme deve ser mecânico ou elétrico de forma a emitir um sinal audível, pelo menos 20 decibéis acima do ruído normal da área considerada. Caso o nível de ruído da área considerada não permita o cumprimento deste item, um sinalizador visual tipo estroboscópico deve ser utilizado Toda tubulação de dispositivos operados hidraulicamente devem ser feitas de material resistente à corrosão e de um diâmetro não inferior à ¾ pol. (19 mm) Acessórios Eletricamente Operados: acessórios para operação de alarmes elétricos devem ser instalados conforme NBR O dreno do dispositivo de alarme deve ser dimensionado de modo a não haver transbordamento. XXXXXXXXXXXXXXXXX FIM DA ANÁLISE PARCIAL DA 91 a REUNIÃO DE XXXXXXXXXXXXXXXXXXXXX XXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXX INÍCIO DA 86 a REUNIÃO DE XXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXX 6 Requisitos dos Sistemas 6.1 Sistemas de Tubo Molhado Manômetros.

18 18 NBR 10897:2003 Um manômetro que atenda ao item AINDA NÃO CHEGAMOS AQUI DA NFPA (retirar item congelamento) deve ser instalado em cada subida principal do sistema. Os manômetros devem ser instalados acima e abaixo de cada válvula de retenção e alarme quando estas forem utilizadas Válvulas de Alívio. Um sistema de tubo molhado em forma de grelha deve ter uma válvula de alívio de no mínimo ¼ pol. (6.4 mm) regulada para operar a no máximo 175 psi (12.1 bar). Preferencialmente esta válvula deve ser instalada na subida principal e imediatamente após a válvula de retenção e alarme. Nos casos em que a pressão máxima do sistema for maior que 165 psi (11.4 bar), a válvula de alívio deve abrir 10 psi (0.7 bar) acima da pressão máxima do sistema Sistemas Auxiliares. Deve ser permitida a utilização de sistemas de tubo molhado para a alimentação de sistemas auxiliares do tipo ação prévia ou dilúvio, desde que a fonte de abastecimento de água seja adequada. 6.2 Sistemas de Ação Prévia e Sistemas Dilúvio A válvula automática de controle de água deve também ser operada manualmente, independentemente dos dispositivos de detecção e dos chuveiros. O acionamento manual pode ser feito com auxílio de por dispositivo hidráulico, pneumático ou mecânico Manômetros. Manômetros devem atender às exigências de AINDA NÃO CHEGAMOS AQUI da NFPA e ser instalados da seguinte maneira: a) A montante e a jusante da válvula de ação prévia e a montante das válvulas dilúvio b) Na linha de abastecimento de ar para as válvulas de ação prévia e dilúvio Os sistemas hidráulicos de acionamento devem ser projetados e instalados conforme as recomendações e especificações do fabricante quanto a limitações de altura acima de válvulas dilúvio ou acionadores de válvulas dilúvio para evitar coluna d água. CONTINUO SEM SABER DE QUE SE TRATA!!(pendente Marcelo) Dispositivos de Detecção. Podem ser usados dispositivos de detecção, sistemas hidráulicos (por exemplo: chuveiros automáticos), pneumáticos, detectores convencionais de fumaça, de calor, de radiação por infravermelho e ultravioleta, dependendo do tipo de risco a ser protegido Localização e Proteção de Válvulas de Controle do Sistema Válvulas de controle e a tubulação de água devem ser protegidas contra danos mecânicos Abrigos de válvulas devem ser iluminados e ventilados Sistemas de Ação Prévia Os sistemas de ação prévia devem ser de um dos seguintes tipos. (a) Sistema com Intertravamento Simples. Um sistema com bloqueio simples permite a entrada de água na tubulação de chuveiros automáticos quando da operação dos detectores. (b) Sistema sem Intertravamento. Um sistema sem bloqueio permite a entrada de água na tubulação de chuveiros automáticos quando da operação dos detectores ou dos chuveiros automáticos. (c) Sistema com Intertravamento Duplo. Um sistema com bloqueio duplo permite a entrada de água na tubulação de chuveiros automáticos quando da operação dos detectores e dos chuveiros automáticos Dimensões do Sistema. No máximo 1000 chuveiros automáticos devem ser controlados por uma única válvula de ação prévia. Nos casos dos sistemas de ação prévia descritos em (c), no máximo 2800 litros devem ser controlados por uma única válvula de ação prévia a menos que o sistema tenha sido dimensionado para descarregar água pela conexão de teste de fim de linha em não mais que 60 segundos. A contagem deve ser iniciada à pressão normal de ar no sistema, após operação do sistema de detecção e no momento em que a conexão de teste de fim de linha esteja totalmente aberta Supervisão. A supervisão, tanto elétrica quanto mecânica, se refere ao monitoramento constante da pressão de ar e do equipamento de detecção para garantir a integridade do sistema.

19 NBR 10897: Detectores e tubulações de chuveiros devem ser supervisionados automaticamente quando houver mais de 20 chuveiros no sistema. Os sistemas de ação prévia descritos em (b) e (c) devem manter uma pressão mínimo de ar de supervisão de 7 psi Chuveiros em Pé. Com o objetivo de evitar o acúmulo de água em áreas sujeito a congelamento e também para evitar o acúmulo de sedimentos, independentemente da temperatura do local, somente chuveiros em pé devem ser usados em sistemas de ação prévia. Chuveiros do tipo seco podem ser usados desde que testados e aprovados para este fim. Chuveiros pendentes instalados com curvas de retorno devem ser permitidos quando os chuveiros e as curvas de retorno estiverem localizados fora da área sujeita a congelamento. Chuveiros horizontais de parede devem ser usados desde que instalados de modo a não permitir que a água fique retida no chuveiro XXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXX FIM DA 86 a REUNIÃO DE XXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXX XXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXX CONTINUAÇÃO DA 91 a REUNIÃO DE XXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXX Configuração do Sistema. Sistemas de Ação Prévia conforme descritos em (c) não devem ser do tipo grelha Sistemas Dilúvio Os dispositivos ou sistemas de detecção devem ser supervisionados automaticamente Os sistemas dilúvio devem ser calculados hidraulicamente. 6.3 Chuveiros Externos para Proteção Contra Exposição Externa Aplicações Sistemas de proteção contra exposição externa podem ser usados em edificações que tenham ou não seu interior protegido por um sistema de chuveiros automáticos Abastecimento e Controle de Água Chuveiros instalados para proteção contra exposição externa ao fogo devem ser preferencialmente abastecidos por um sistema de abastecimento descritos nesta norma para sistemas de chuveiros internos. Quando aprovadas pela Autoridade Competente outras fontes de abastecimento tais como válvulas manuais, bombas ou conexões de recalque do corpo de bombeiros, podem ser usadas. A fonte de abastecimento deve ser capaz de alimentar simultaneamente todos os chuveiros externos durante um período de no mínimo 60 minutos Nos casos em que o abastecimento for feito por conexões de recalque, estas não devem ser afetadas pelo incêndio causador da exposição Controle Cada sistema de chuveiros externos deve ter uma válvula de controle independente Chuveiros de tipo aberto controlados manualmente devem ser utilizados somente quando houver pessoal capacitado para operar o sistema Os chuveiros devem ser de tipo aberto ou automático Sistemas de chuveiros abertos acionados automaticamente devem ser controlados por dispositivos de detecção projetados para a aplicação específica Componentes do Sistema Válvulas de drenagem. Cada sistema de chuveiros externos deve ter uma válvula de drenagem independente instalada à jusante de cada válvula de controle. Uma válvula de drenagem independente não deve ser exigida em sistemas de chuveiros abertos alimentados por cima que tenham sido projetados para facilitar a drenagem Válvulas de Retenção. Quando os chuveiros forem instalados em duas fachadas adjacentes de um edifício com o objetivo de protegê-

20 20 NBR 10897:2003 lo contra duas exposições independentes e distintas, e os ramais tenham válvulas de controle independentes para cada fachada, as extremidades dos dois ramais devem ser conectadas com válvulas de retenção de modo que o último chuveiro de uma fachada opere juntamente com os chuveiros da outra - ver Figuras (a) e (b). A tubulação entre as duas válvulas de retenção deve ter um dreno. Como alternativa, um chuveiro adicional deve ser instalado na fachada adjacente, no mesmo ramal. Figura (a) - Arranjo típico das válvulas de retenção. Figura (b) - Arranjo alternativo das válvulas de retenção Disposição do Sistema. Quando uma exposição afeta duas fachadas do edifício protegido, o sistema não deve ser subdividido entre as duas fachadas e deve operar como um único sistema Tubos e Conexões. Os tubos e conexões instalados no exterior do edifício devem ser resistentes à corrosão Filtros. Quando forem usados chuveiros com fator K nominal menor que (4.0) 2.8 (sist. Americano) REFENTE A TABELA ?!?!?, um filtro deve ser instalado na subida para o sistema ou na tubulação de alimentação dos chuveiros Chuveiros. Somente chuveiros apropriados para uso em janelas, cornijas, paredes laterais ou cumeeiras devem ser instalados, exceto nos casos em que possa ser demonstrado que uma cobertura adequada pode ser conseguida

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 24/2011

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 24/2011 Instrução Técnica nº 24/2011 - Sistema de chuveiros automáticos para áreas de depósito 519 SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO Corpo de Bombeiros

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 024/2010 EM REVISÃO Sistema de chuveiros automáticos para áreas de

Leia mais

NPT 024 SISTEMA DE CHUVEIROS AUTOMÁTICOS PARA ÁREAS DE DEPÓSITOS

NPT 024 SISTEMA DE CHUVEIROS AUTOMÁTICOS PARA ÁREAS DE DEPÓSITOS Janeiro 2012 Vigência: 08 Janeiro 2012 NPT 024 Sistema de chuveiros automáticos para áreas de depósitos CORPO DE BOMBEIROS BM/7 Versão: 02 Norma de Procedimento Técnico 107páginas SUMÁRIO 1 Objetivo 2

Leia mais

NBR 10897. Proteção contra incêndio por chuveiro automático. ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas \ICS ABR/2004

NBR 10897. Proteção contra incêndio por chuveiro automático. ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas \ICS ABR/2004 \ICS ABR/2004 NBR 10897 ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas Proteção contra incêndio por chuveiro automático Sede: Rio de Janeiro Av. Treze de Maio, 13 / 28º andar CEP 20003-900 Caixa Postal

Leia mais

Memorial Descritivo CHUVEIROS AUTOMÁTICOS

Memorial Descritivo CHUVEIROS AUTOMÁTICOS 1/8 GOVERNO DO ESTADO DO AMAPÁ CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO ESTADO DO AMAPÁ DIVISÃO DE SERVIÇOS TÉCNICOS SEÇÃO DE ANÁLISE DE PROJETOS 1. Normas de referência: NBR 10.897-ABNT 1.1. Outras normas: 2. Nome

Leia mais

NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 015/DAT/CBMSC) SISTEMA DE CHUVEIROS AUTOMÁTICOS (SPRINKLERS)

NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 015/DAT/CBMSC) SISTEMA DE CHUVEIROS AUTOMÁTICOS (SPRINKLERS) ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DIRETORIA DE ATIVIDADES TÉCNICAS - DAT NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 015/DAT/CBMSC)

Leia mais

Projeto de revisão NBR 13434 Parte 2 Sinalização de segurança contra incêndio e pânico Parte 2: Símbolos e suas formas, dimensões e cores.

Projeto de revisão NBR 13434 Parte 2 Sinalização de segurança contra incêndio e pânico Parte 2: Símbolos e suas formas, dimensões e cores. ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas OUT:2001 Projeto de revisão NBR 13434 Parte 2 Sinalização de segurança contra incêndio e pânico Parte 2: Símbolos e suas formas, dimensões e cores. Sede: Rio

Leia mais

SISTEMAS PREDIAIS DE COMBATE À INCÊNDIO CHUVEIROS AUTOMÁTICOS (SPRINKLERS)

SISTEMAS PREDIAIS DE COMBATE À INCÊNDIO CHUVEIROS AUTOMÁTICOS (SPRINKLERS) Universidade Federal de Goiás Departamento de Engenharia Civil Curso de Engenharia Civil SISTEMAS PREDIAIS 2 SISTEMAS PREDIAIS DE COMBATE À INCÊNDIO CHUVEIROS AUTOMÁTICOS (SPRINKLERS) Prof. Msc. Heber

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 23/2015

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 23/2015 Instrução Técnica nº 23/2011 - Sistemas de chuveiros automáticos 513 SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº

Leia mais

ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL SECRETARIA DE ESTADO DE JUSTIÇA E SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR NORMA TÉCNICA N 25

ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL SECRETARIA DE ESTADO DE JUSTIÇA E SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR NORMA TÉCNICA N 25 ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL SECRETARIA DE ESTADO DE JUSTIÇA E SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR NORMA TÉCNICA N 25 Segurança contra incêndio para líquidos combustíveis e inflamáveis Parte 3

Leia mais

INSTALAÇÕES HIDRO-SANITÁRIAS

INSTALAÇÕES HIDRO-SANITÁRIAS INSTALAÇÕES HIDRO-SANITÁRIAS Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 8º Período Turma C01 Disc. Construção Civil II ÁGUA QUENTE 1 UTILIZAÇÃO Banho Especiais Cozinha Lavanderia INSTALAÇÕES

Leia mais

INSTALAÇÕES PREDIAIS DE COMBATE A INCÊNDIO

INSTALAÇÕES PREDIAIS DE COMBATE A INCÊNDIO SENHORES MANCEBOS, A PROVA REGIMENTAL REFERENTE AO SEGUNDO BIMESTRE DE 2014 TERÁ COMO CONTEÚDO OS TÓPICOS ABORDADOS NAS AULAS E O SEGUINTE COMPLEMENTO TEÓRICO: Definições: INSTALAÇÕES PREDIAIS DE COMBATE

Leia mais

NPT 025 SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO PARA LÍQUIDOS COMBUSTÍVEIS E INFLAMÁVEIS PARTE 3

NPT 025 SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO PARA LÍQUIDOS COMBUSTÍVEIS E INFLAMÁVEIS PARTE 3 Janeiro 2012 Vigência: 08 Janeiro 2012 NPT 025 Segurança contra incêndio para líquidos combustíveis e inflamáveis Parte 3 Armazenamento Fracionado CORPO DE BOMBEIROS BM/7 Versão: 02 Norma de Procedimento

Leia mais

Desenho e Projeto de Tubulação Industrial Nível II

Desenho e Projeto de Tubulação Industrial Nível II Desenho e Projeto de Tubulação Industrial Nível II Módulo V Aula 08 1. Introdução A proteção contra incêndio abrange o transporte e uso de materiais tais como espuma, dióxido de carbono (CO 2 ), produtos

Leia mais

DODF Nº 237 14 de dezembro de 2000 CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO DISTRITO FEDERAL PORTARIA Nº 49/2000-CBMDF, DE 7 DE DEZEMBRO DE 2000

DODF Nº 237 14 de dezembro de 2000 CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO DISTRITO FEDERAL PORTARIA Nº 49/2000-CBMDF, DE 7 DE DEZEMBRO DE 2000 DODF Nº 237 14 de dezembro de 2000 CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO DISTRITO FEDERAL PORTARIA Nº 49/2000-CBMDF, DE 7 DE DEZEMBRO DE 2000 Aprova a Norma Técnica nº 004/2000-CBMDF, sobre o Sistema de Proteção

Leia mais

NBR 14611 Desenho técnico - Representação simplificada em estruturas metálicas

NBR 14611 Desenho técnico - Representação simplificada em estruturas metálicas OUT 2000 NBR 14611 Desenho técnico - Representação simplificada em estruturas metálicas ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas Sede: Rio de Janeiro Av. Treze de Maio, 13 28º andar CEP 20003-900

Leia mais

IT - 18 SISTEMA DE CHUVEIROS AUTOMÁTICOS

IT - 18 SISTEMA DE CHUVEIROS AUTOMÁTICOS IT - 18 SISTEMA DE CHUVEIROS AUTOMÁTICOS SUMÁRIO ANEXO 1 Objetivo A - Hidrantes de recalque do sistema de chuveiros automáticos 2 Aplicação B Sinalização dos Hidrantes de Recalque do Sistema de chuveiros

Leia mais

Sistemas Prediais de Combate a IncÄndios Chuveiros AutomÇticos - Sprinklers

Sistemas Prediais de Combate a IncÄndios Chuveiros AutomÇticos - Sprinklers Sistemas Prediais de Combate a IncÄndios Chuveiros AutomÇticos - Sprinklers Esquemas Básicos dos Sistemas de Chuveiros automáticos subidas Ramais geral subida principal válvulas de alarme sub-geral 2 Número

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 27/2011

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 27/2011 Instrução Técnica nº 27/2011 - Armazenamento em silos 649 SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 27/2011 Armazenamento

Leia mais

Esteiras transportadoras

Esteiras transportadoras Esteiras transportadoras Esteiras transportadoras INTRODUÇÃO As esteiras (ou correias) transportadoras são amplamente utilizadas em diversas atividades industriais, particularmente em transporte de grãos,

Leia mais

Recomendações para instalação de rede interna e de equipamentos a gás.

Recomendações para instalação de rede interna e de equipamentos a gás. Recomendações para instalação de rede interna e de equipamentos a gás. USO DE GÁS NATURAL CANALIZADO NORMAS E LEGISLAÇÃO: ABNT NBR 14570 ABNT NBR 13103 COSCIP código de segurança - decreto estadual nº

Leia mais

INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 16 2ª EDIÇÃO

INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 16 2ª EDIÇÃO INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 16 2ª EDIÇÃO SISTEMA DE PROTEÇÃO POR EXTINTORES DE INCÊNDIO SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Aplicação 3 Referências normativas 4 Definições 5 Generalidades 6 Características e critérios para

Leia mais

MANUAL TÉCNICO Amanco Ramalfort

MANUAL TÉCNICO Amanco Ramalfort Amanco Ramalfort Desenho e Dimensões Os tubos Amanco Ramalfort foram desenvolvidos para condução de água no trecho compreendido entre o ponto de derivação da rede de distribuição de água e o kit cavalete

Leia mais

Hidráulica de Linhas pressurizadas. FEAGRI/UNICAMP - 2014 Prof. Roberto Testezlaf

Hidráulica de Linhas pressurizadas. FEAGRI/UNICAMP - 2014 Prof. Roberto Testezlaf Hidráulica de Linhas pressurizadas Parte 1 - Tubulações FEAGRI/UNICAMP - 2014 Prof. Roberto Testezlaf Tubulações A qualidade e integridade de instalação depende: Escolha do material e do diâmetro adequado

Leia mais

Apostila Técnica de Porta Paletes 01 de 31

Apostila Técnica de Porta Paletes 01 de 31 Apostila Técnica de Porta Paletes 01 de 31 Tópicos Abordados: 1. Porta Paletes Seletivo (convencional): 2. Drive-in / Drive-thru Objetivo: Esta apostila tem como principal objetivo ampliar o conhecimento

Leia mais

ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL SECRETARIA DE ESTADO DE JUSTIÇA E SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR NORMA TÉCNICA N 27. Armazenamento em silos

ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL SECRETARIA DE ESTADO DE JUSTIÇA E SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR NORMA TÉCNICA N 27. Armazenamento em silos ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL SECRETARIA DE ESTADO DE JUSTIÇA E SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR NORMA TÉCNICA N 27 Armazenamento em silos SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Aplicação 3 Referências normativas

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CARLOS BARBOSA SECRETARIA MUNICIPAL DE PROJETOS E OBRAS PÚBLICAS MEMORIAL DESCRITIVO

PREFEITURA MUNICIPAL DE CARLOS BARBOSA SECRETARIA MUNICIPAL DE PROJETOS E OBRAS PÚBLICAS MEMORIAL DESCRITIVO MEMORIAL DESCRITIVO OBRA: MÓVEIS PARA SECRETARIA DE PROJETOS E OBRAS PÚBLICAS RUA ASSIS BRASIL, 11, CENTRO CARLOS BARBOSA GENERALIDADES O presente documento tem por objetivo: Instruir as condições que

Leia mais

NPT 023 SISTEMA DE CHUVEIROS AUTOMÁTICOS

NPT 023 SISTEMA DE CHUVEIROS AUTOMÁTICOS Janeiro 2012 Vigência: 08 Janeiro 2012 NPT 023 Sistema de chuveiros automáticos CORPO DE BOMBEIROS BM/7 Versão: 02 Norma de Procedimento Técnico 5 páginas SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Aplicação 3 Referências normativas

Leia mais

Sprinklers: conceitos básicos e dicas excelentes para profissionais

Sprinklers: conceitos básicos e dicas excelentes para profissionais 1 1o Prêmio Instituto Sprinkler Brasil Sprinklers: conceitos básicos e dicas excelentes para profissionais Um estudo prático sobre a NFPA 13 João Carlos Wollentarski Jr. Estimulando o estudo da prevenção

Leia mais

Símbolos Gráficos Para Projeto de Segurança Contra Incêndio

Símbolos Gráficos Para Projeto de Segurança Contra Incêndio Outubro 2011 Vigência: 08 Janeiro 2012 NPT 004 Símbolos Gráficos Para Projeto de Segurança Contra Incêndio CORPO DE BOMBEIROS BM/7 Versão: 01 Norma de Procedimento Técnico 17 páginas SUMÁRIO 1 Objetivo

Leia mais

A SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS NAS EDIFICAÇÕES

A SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS NAS EDIFICAÇÕES A SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS NAS EDIFICAÇÕES 1 OBJETIVOS DO PROJETO DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO A proteção da vida humana A proteção do patrimônio A continuidade do processo produtivo 2 O CÍRCULO DE PROTEÇÃO

Leia mais

NBR 7198 Projeto e execução de instalações prediais de água quente

NBR 7198 Projeto e execução de instalações prediais de água quente ABNT-Associação Brasileira de Normas Técnicas SET 1993 NBR 7198 Projeto e execução de instalações prediais de água quente Sede: Rio de Janeiro Av. Treze de Maio, 13-28º andar CEP 20003 - Caixa Postal 1680

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº.

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº. SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº. 23/2011 Sistema de chuveiros automáticos SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Aplicação

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº.

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº. SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº. 35/2011 Túnel rodoviário SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Aplicação 3 Referências

Leia mais

NORMA TÉCNICA N o 18 SISTEMAS DE CHUVEIROS AUTOMÁTICOS

NORMA TÉCNICA N o 18 SISTEMAS DE CHUVEIROS AUTOMÁTICOS ANEXO XVIII AO DECRETO N o 3.950, de 25 de janeiro de 2010. NORMA TÉCNICA N o 18 SISTEMAS DE CHUVEIROS AUTOMÁTICOS 1. OBJETIVO Esta Norma Técnica visa a adequar o texto da norma NBR 10897, que dispõe sobre

Leia mais

NBR 14264:1999 - Conexões de PVC Verificação ANSI/UL 1821:2003 - Thermoplastic Sprinkler Pipe and dimensional; Fittings for Fire Protection Service;

NBR 14264:1999 - Conexões de PVC Verificação ANSI/UL 1821:2003 - Thermoplastic Sprinkler Pipe and dimensional; Fittings for Fire Protection Service; TIGREFire Localização no website Tigre: Obra Predial Proteção contra Incêncio Função: Condução de água em sistemas de proteção e combate a incêndio por chuveiro automático. Aplicações: Ocupações de risco

Leia mais

Instrução Técnica nº 25/2011 - Segurança contra incêndio para líquidos combustíveis e inflamáveis - Parte 3 Armazenamento... 625

Instrução Técnica nº 25/2011 - Segurança contra incêndio para líquidos combustíveis e inflamáveis - Parte 3 Armazenamento... 625 Instrução Técnica nº 25/2011 - Segurança contra incêndio para líquidos combustíveis e inflamáveis - Parte 3 Armazenamento... 625 SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº.

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº. SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº. 27/2010 Armazenamento em silos SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Aplicação 3 Referências

Leia mais

Sistema de tubulação multicamada para instalação de gases combustíveis PExb X AL X PExb.

Sistema de tubulação multicamada para instalação de gases combustíveis PExb X AL X PExb. Sistema de tubulação multicamada para instalação de gases combustíveis PExb AL PExb. MEMBRO Sistema de tubulações multicamadas para instalações de gases combustíveis Conforme com as Normas 1. Após cortar

Leia mais

IT - 16 SISTEMA DE PROTEÇÃO POR EXTINTORES DE INCÊNDIO

IT - 16 SISTEMA DE PROTEÇÃO POR EXTINTORES DE INCÊNDIO IT - 16 SISTEMA DE PROTEÇÃO POR EXTINTORES DE INCÊNDIO SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Aplicação 3 Referências Normativas 4 Definições 5 Generalidades gerais 6- Procedimentos 7 Certificação e validade/garantia INSTRUÇÃO

Leia mais

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO Norma de Origem: NIT-DICLA-013 Folha: 1 / 09 RAZÃO SOCIAL/DESIGNAÇÃO DO LABORATÓRIO INSTITUTO DE PESQUISAS TECNOLÓGICAS DO ESTADO DE SÃO PAULO S.A. IPT CENTRO TECNOLÓGICO DO AMBIENTE CONSTRUÍDO - CETAC

Leia mais

Os efeitos de um incêndio em uma unidade petroquímica podem gerar perdas de produção e lesões aos trabalhadores.

Os efeitos de um incêndio em uma unidade petroquímica podem gerar perdas de produção e lesões aos trabalhadores. 3M Proteção Passiva Contra Fogo Aplicações para Oil & Gas Permitir a Continuidade Operacional e Ajudar a Proteger Vidas Os efeitos de um incêndio em uma unidade petroquímica podem gerar perdas de produção

Leia mais

PROJETO EXECUTIVO MEMORIAL DESCRITIVO

PROJETO EXECUTIVO MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO EXECUTIVO MEMORIAL DESCRITIVO DAS INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS DO RESTAURANTE E VESTIÁRIOS Rev. 0: 09/01/13 1. INTRODUÇÃO Este memorial visa descrever os serviços e especificar os materiais do projeto

Leia mais

Podemos filtrar ou separar para aproveitar tanto a parte líquida quanto a parte sólida.

Podemos filtrar ou separar para aproveitar tanto a parte líquida quanto a parte sólida. 1. FILTRAGEM 1/6 É o processo que tem como objetivo de separar mecanicamente sólidos de líquidos ou gases. Quando a separação se faz por meio de coalescência ou centrifugação, dizemos que se trata apenas

Leia mais

Desenho e Projeto de Tubulação Industrial

Desenho e Projeto de Tubulação Industrial Desenho e Projeto de Tubulação Industrial Módulo IV Aula 04 Isolamento térmico AQUECIMENTO DE TUBULAÇÕES Motivos Manter em condições de escoamento líquidos de alta viscosidade ou materiais que sejam sólidos

Leia mais

Instrução Técnica nº 15/2011 - Controle de fumaça Parte 2 Conceitos, definições e componentes do sistema 323

Instrução Técnica nº 15/2011 - Controle de fumaça Parte 2 Conceitos, definições e componentes do sistema 323 Instrução Técnica nº 15/2011 - Controle de fumaça Parte 2 Conceitos, definições e componentes do sistema 323 SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO

Leia mais

NORMA TÉCNICA N o 16 SISTEMAS DE PROTEÇÃO POR EXTINTORES DE INCÊNDIO

NORMA TÉCNICA N o 16 SISTEMAS DE PROTEÇÃO POR EXTINTORES DE INCÊNDIO ANEXO XVI AO DECRETO N o 3.950, de 25 de janeiro de 2010. NORMA TÉCNICA N o 16 SISTEMAS DE PROTEÇÃO POR EXTINTORES DE INCÊNDIO 1. OBJETIVO Esta Norma Técnica estabelece critérios para proteção contra incêndio

Leia mais

ESTADO DE GOIÁS SECRETARIA DA SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR

ESTADO DE GOIÁS SECRETARIA DA SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR ESTADO DE GOIÁS SECRETARIA DA SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DIRETORIA DE DEFESA CIVIL Gerência de Segurança Contra Incêndio e Pânico NORMA TÉCNICA n. 24, de 05/03/07 Sistema de Resfriamento

Leia mais

NBR 14022 Transporte - Acessibilidade à pessoa portadora de deficiência em ônibus e trólebus, para atendimento urbano e intermunicipal

NBR 14022 Transporte - Acessibilidade à pessoa portadora de deficiência em ônibus e trólebus, para atendimento urbano e intermunicipal ABNT-Associação Brasileira de Normas Técnicas DEZ 1997 NBR 14022 Transporte - Acessibilidade à pessoa portadora de deficiência em ônibus e trólebus, para atendimento urbano e intermunicipal Sede: Rio de

Leia mais

MATERIAIS, EQUIPAMENTOS E ACESSÓRIOS

MATERIAIS, EQUIPAMENTOS E ACESSÓRIOS 6 MATERIAIS, EQUIPAMENTOS E ACESSÓRIOS Versão 2014 Data: Abril / 2014 6.1. Tubos e Conexões... 6.3 6.1.1. Sistema em aço... 6.3 6.1.1.1. Tubos... 6.3 6.1.1.2. Conexões... 6.3 6.1.2. Sistema em cobre rígido...

Leia mais

SUPORTES DE SOLO SUPORTE DE SOLO PARA EXTINTOR EM ALUMINIO POLIDO MODELO AP E PQS

SUPORTES DE SOLO SUPORTE DE SOLO PARA EXTINTOR EM ALUMINIO POLIDO MODELO AP E PQS CATALO DE PRODUTOS SUPORTES DE SOLO SUPORTE DE SOLO PARA EXTINTOR EM ALUMINIO POLIDO MODELO AP E PQS SUPORTE DE SOLO PARA EXTINTOR EM ALUMINIO E PINTURA EPOXI VERMELHO MODELO AP E PQS Aba na base que impede

Leia mais

RESOLUÇÃO TÉCNICA CBMRS Nº 14 EXTINTORES DE INCÊNDIO 2014

RESOLUÇÃO TÉCNICA CBMRS Nº 14 EXTINTORES DE INCÊNDIO 2014 ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL SECRETARIA DA SEGURANÇA PÚBLICA COMANDO DO CORPO DE BOMBEIROS DIVISÃO TÉCNICA DE PREVENÇÃO DE INCÊNDIO E INVESTIGAÇÃO RESOLUÇÃO TÉCNICA CBMRS Nº 14 EXTINTORES DE INCÊNDIO 2014

Leia mais

Sprinklers, Válvulas e Acessórios

Sprinklers, Válvulas e Acessórios A Argus é uma empresa brasileira, especializada em segurança e proteção contra incêndio, com sede em Vinhedo/SP. Embora nova, a Argus é uma empresa com muita experiência. Seus sócios em conjunto somam

Leia mais

Válvula de Governo e Alarme 2.1/2 e 3

Válvula de Governo e Alarme 2.1/2 e 3 DESCRIÇÃO: A Válvula de Alarme Modelo E atua como um dispositivo de alarme de fluxo de água em sistemas espargidores de tubo úmido. O projeto permite instalação sob condições de fornecimento de pressão

Leia mais

ECV 5644 Instalações II

ECV 5644 Instalações II SISTEMA DE GÁS CENTRALIZADO Fonte: ETFSC Este Sistema também é conhecido como SISTEMA DE GÁS COMBUSTIVEL CENTRALIZADO, é constituído basicamente das seguintes instalações: 1. Central de Gás (Central de

Leia mais

vendas1@juntasamf.com.br

vendas1@juntasamf.com.br À Sr( a) Ref.: Apresentação para Cadastro de Fornecedor Prezados Senhores, Vimos através desta, apresentar a Juntas AMF Ind. e Com. de Peças Ltda., uma empresa que já se tornou referencia no mercado de

Leia mais

Segurança contra Incêndio em Edificações. Medidas de Proteção Ativa

Segurança contra Incêndio em Edificações. Medidas de Proteção Ativa Segurança contra Incêndio em Edificações Medidas de Proteção Ativa Arq. Marcos Vargas Valentin 1 Medidas de Proteção Ativa Instalações Elétricas Prediais : Iluminação de emergência Alarme manual (acionadores

Leia mais

PROJETO DE NORMA BRASILEIRA

PROJETO DE NORMA BRASILEIRA PROJETO DE NORMA BRASILEIRA ABNT NBR 9050 Acessibilidade a edificações, mobiliário, espaços e equipamentos urbanos Acessibility to buildings, equipment and the urban environment Palavras-chave: Descriptors:

Leia mais

MATERIAIS EMPREGADOS NAS REDES DE ESGOTOS SANITÁRIOS

MATERIAIS EMPREGADOS NAS REDES DE ESGOTOS SANITÁRIOS MATERIAIS EMPREGADOS NAS REDES DE ESGOTOS SANITÁRIOS 1 - INTRODUÇÃO. A escolha do material a empregar (tipo de tubulação) nas redes coletoras de esgotos sanitários é função das características dos esgotos,

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 23/2011

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 23/2011 Instrução Técnica nº 23/2011 - Sistemas de chuveiros automáticos 513 SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº

Leia mais

Modelo F1 LO Modelo F1 LO embutido Sprinklers de resposta padrão

Modelo F1 LO Modelo F1 LO embutido Sprinklers de resposta padrão Modelo F1 LO Modelo F1 LO embutido Sprinklers de resposta padrão Bulletin 117 Rev. X_PT Bulletin 117 Rev. X_PT Sprinkler Modelo F1 LO The Designer Em pé, padrão Pendente, padrão Pendente, cobertura estendida

Leia mais

A t é 5 0 0 m m c a- TUPY OU SIMILAR/ CLASSE 10- ISO R-7 ABNT PO14 DIN 2999 (BSP)

A t é 5 0 0 m m c a- TUPY OU SIMILAR/ CLASSE 10- ISO R-7 ABNT PO14 DIN 2999 (BSP) GÁS COMBUSTÍVEL 9 --------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------- 9. GÁS COMBUSTÍVEL Todos os materiais e forma de instalação

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 04/2011

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 04/2011 Instrução Técnica nº 04/2011 - Símbolos gráficos para projeto de segurança contra incêndio 149 SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO Corpo de Bombeiros

Leia mais

POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO

POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO Corpo de Bombeiros Instrução Técnica Nº 027/2010 EM REVISÃO Armazenamento em Silos SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Aplicação

Leia mais

Sistemas de Controle de Emergências

Sistemas de Controle de Emergências Apresentação Seguradora 25 de Novembro 2008 QSSMA Qualidade, Segurança, Saúde e Meio Ambiente Sistema de armazenamento de água. Reservatório acima do solo 4.750m3 com 108m3/h reposição automática. Bomba

Leia mais

Transporte - Acessibilidade à pessoa portadora de deficiência - Trem metropolitano

Transporte - Acessibilidade à pessoa portadora de deficiência - Trem metropolitano ABNT-Associação Brasileira de Normas Técnicas DEZ 1997 NBR 14021 Transporte - Acessibilidade à pessoa portadora de deficiência - Trem metropolitano Sede: Rio de Janeiro Av. Treze de Maio, 13-28º andar

Leia mais

FÓRUM DE LUIS EDUARDO MAGALHÃES

FÓRUM DE LUIS EDUARDO MAGALHÃES TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DA BAHIA FÓRUM DE LUIS EDUARDO MAGALHÃES MEMORIAL DESCRITIVO DO PROJETO DAS INSTALAÇÕES DE PROTEÇÃO CONTRA INCÊNDIO E PÂNICO EMPRESA RESPONSÁVEL: Senemig Engenharia LTDA RESPONSÁVEIS

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO CORPO DE BOMBEIROS MILITAR CENTRO DE ATIVIDADES TÉCNICAS

GOVERNO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO CORPO DE BOMBEIROS MILITAR CENTRO DE ATIVIDADES TÉCNICAS GOVERNO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO CORPO DE BOMBEIROS MILITAR CENTRO DE ATIVIDADES TÉCNICAS NORMA TÉCNICA 20/2010 SISTEMAS DE PROTEÇÃO POR CHUVEIROS AUTOMÁTICOS SUMÁRIO 1 OBJETIVO 2 APLICAÇÃO 3 REFERÊNCIAS

Leia mais

Soluções Inteligentes para o dia a dia

Soluções Inteligentes para o dia a dia Soluções Inteligentes para o dia a dia TELHAS TRANSLÚCIDAS 70 % transmissão de luz =$ Alta durabilidade; Não solta fibras; Melhor custo/benefício; Leveza e flexibilidade; Proteção contra raios UV (economia

Leia mais

GeoTigre. Características Técnicas. Função e Aplicação. Benefícios. Irrigação GeoTigre

GeoTigre. Características Técnicas. Função e Aplicação. Benefícios. Irrigação GeoTigre Seguindo sua tradição de suprir os setores de recursos hídricos e saneamento com soluções técnicas e econômicas, a TIGRE disponibiliza no mercado a linha, filtros e tubos de revestimento para poços tubulares

Leia mais

Palestrante : Maj BM Polito

Palestrante : Maj BM Polito SECRETARIA DE ESTADO DA DEFESA CIVIL CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO DIRETORIA GERAL DE SERVIÇOS TÉCNICOS Palestrante : Maj BM Polito SUMÁRIO 1- PARÂMETROS PARA EXIGÊNCIAS DE SISTEMAS

Leia mais

CENTRO DE TREINAMENTO DANCOR MÓDULO I - BOMBAS

CENTRO DE TREINAMENTO DANCOR MÓDULO I - BOMBAS CENTRO DE TREINAMENTO DANCOR MÓDULO I - BOMBAS DANCOR S.A INDÚSTRIA MECÂNICA Professor: José Luiz Fev/2012 CENTRO DE TREINAMENTO DANCOR 1- BOMBAS D ÁGUA (MÁQUINAS DE FLUXO): 1.1 DEFINIÇÃO Máquinas de fluxo

Leia mais

NORMA TÉCNICA DO CORPO DE BOMBEIROS Nº 18/2015 SISTEMA DE PROTEÇÃO POR EXTINTORES DE INCÊNDIO - PROPOSTA

NORMA TÉCNICA DO CORPO DE BOMBEIROS Nº 18/2015 SISTEMA DE PROTEÇÃO POR EXTINTORES DE INCÊNDIO - PROPOSTA ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE ESTADO E SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DIRETORIA DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO E PÂNICO NORMA TÉCNICA DO CORPO DE BOMBEIROS Nº 18/2015 SISTEMA DE PROTEÇÃO

Leia mais

Recomendações para elaboração de projetos estruturais de edifícios em aço

Recomendações para elaboração de projetos estruturais de edifícios em aço 1 Av. Brigadeiro Faria Lima, 1685, 2º andar, conj. 2d - 01451-908 - São Paulo Fone: (11) 3097-8591 - Fax: (11) 3813-5719 - Site: www.abece.com.br E-mail: abece@abece.com.br Av. Rio Branco, 181 28º Andar

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO, ORÇAMENTO E PROJETO DO ACESSO PRINCIPAL E IDENTIFICAÇÃO DA UNIDADE BÁSICA DE SAÚDE FRONTEIRA

MEMORIAL DESCRITIVO, ORÇAMENTO E PROJETO DO ACESSO PRINCIPAL E IDENTIFICAÇÃO DA UNIDADE BÁSICA DE SAÚDE FRONTEIRA MEMORIAL DESCRITIVO, ORÇAMENTO E PROJETO DO ACESSO PRINCIPAL E IDENTIFICAÇÃO DA UNIDADE BÁSICA DE SAÚDE FRONTEIRA Orçamento Unidade Básica de Saúde - Fronteira Estrutura para o acesso e identificação do

Leia mais

Geotigre 1. CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS: Função: Exploração de águas subterrâneas em poços tubulares profundos;

Geotigre 1. CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS: Função: Exploração de águas subterrâneas em poços tubulares profundos; Geotigre Localização no Website Tigre: Obra Predial Poços GEOTIGRE Função: Exploração de águas subterrâneas em poços tubulares profundos; Aplicações: Completação de poços tubulares totalmente ou parcialmente

Leia mais

40.69-PORB V33, K8.0 PRODUTOS DE PROTEÇÃO CONTRA INCÊNDIOS SPRINKLERS AUTOMÁTICOS

40.69-PORB V33, K8.0 PRODUTOS DE PROTEÇÃO CONTRA INCÊNDIOS SPRINKLERS AUTOMÁTICOS PARA MAIS DETALHES, CONSULTE A PUBLICAÇÃO VICTAULIC 10.01 O Sprinkler do tipo embutido, pendente, via-seca, Série V33 com tampa de proteção roscada e ajuste de ½" utiliza componentes internos de aço inox.

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO DE BATENTES E PORTAS CORTA-FOGO

MANUAL DE INSTALAÇÃO DE BATENTES E PORTAS CORTA-FOGO INSTALAÇÃO DOS BATENTES A instalação dos batentes é simples porém, são necessários alguns cuidados básicos para obter uma porta em perfeitas condições: Para a fixação do batente, levantam-se as grapas

Leia mais

NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 017/DAT/CBMSC) SISTEMA DE ÁGUA NEBULIZADA (MULSIFYRE)

NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 017/DAT/CBMSC) SISTEMA DE ÁGUA NEBULIZADA (MULSIFYRE) ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DIRETORIA DE ATIVIDADES TÉCNICAS - DAT NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 017/DAT/CBMSC)

Leia mais

NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 022/DAT/CBMSC) INSTALAÇÕES PARA REABASTECIMENTO DE COMBUSTÍVEL DE USO PRIVATIVO

NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 022/DAT/CBMSC) INSTALAÇÕES PARA REABASTECIMENTO DE COMBUSTÍVEL DE USO PRIVATIVO ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DIRETORIA DE ATIVIDADES TÉCNICAS - DAT NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 022/DAT/CBMSC)

Leia mais

Planos típicos. Personalização. Exemplo de projecto feitos por medida

Planos típicos. Personalização. Exemplo de projecto feitos por medida Uma nova era na construção Moduco é espaço de multifunções portátil, económico e flexível e é simultaneamente adequado e adaptável uma variedade denecessidades e propósitos. Nosso systema de construção

Leia mais

Núcleo de Pós-Graduação Pitágoras Escola Satélite. Curso de Especialização em Engenharia de Segurança do Trabalho

Núcleo de Pós-Graduação Pitágoras Escola Satélite. Curso de Especialização em Engenharia de Segurança do Trabalho Núcleo de Pós-Graduação Pitágoras Escola Satélite Curso de Especialização em Engenharia de Segurança do Trabalho DISCIPLINA PROTEÇÃO CONTRA INCÊNDIO E EXPLOSÕES II ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE PREVENÇÃO,

Leia mais

CONJUNTOS DE FACAS DE AR WINDJET

CONJUNTOS DE FACAS DE AR WINDJET CONJUNTOS DE FACAS WINDJET CONJUNTO DE FACAS WINDJET SOPRADORES CONJUNTOS DE FACAS WINDJET SUMÁRIO Página Visão geral dos pacotes de facas de ar Windjet 4 Soprador Regenerativo 4 Facas de ar Windjet 4

Leia mais

Sistema de Chuveiros Automáticos

Sistema de Chuveiros Automáticos SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO Corpo de Bombeiros SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Aplicação 3 Referências normativas e bibliográficas INSTRUÇÃO TÉCNICA

Leia mais

MÓDULO 4 4.5 - PROCEDIMENTOS DE REPARO

MÓDULO 4 4.5 - PROCEDIMENTOS DE REPARO Normas Aplicáveis MÓDULO 4 4.5 - PROCEDIMENTOS DE REPARO - NBR 15.979 Sistemas para Distribuição de Água e Esgoto sob pressão Tubos de polietileno PE 80 e PE 100 Procedimentos de Reparo - NBR 14.461 Sistemas

Leia mais

ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL SECRETARIA DE ESTADO DE JUSTIÇA E SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR NORMA TÉCNICA N 15

ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL SECRETARIA DE ESTADO DE JUSTIÇA E SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR NORMA TÉCNICA N 15 ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL SECRETARIA DE ESTADO DE JUSTIÇA E SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR NORMA TÉCNICA N 15 CONTROLE DE FUMAÇA PARTE 2 CONCEITOS, DEFINIÇÕES E COMPONENTES DO SISTEMA

Leia mais

NORMA TÉCNICA N o 25 MEDIDAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO EM SUBESTAÇÕES ELÉTRICAS

NORMA TÉCNICA N o 25 MEDIDAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO EM SUBESTAÇÕES ELÉTRICAS ANEXO XXV AO DECRETO N o 3.950, de 25 de janeiro de 2010. NORMA TÉCNICA N o 25 MEDIDAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO EM SUBESTAÇÕES ELÉTRICAS 1. OBJETIVO Esta Norma Técnica estabelece as medidas de segurança

Leia mais

Proprietário Página 1 de 6

Proprietário Página 1 de 6 MEMORIAL DESCRITIVO DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO E PÂNICO ACOPIARA PREFEITURA MUNICIPAL DE ACOPIARA(CE) DATA 10/11/2011 MEMORIAL DESCRITIVO E JUSTIFICATIVO DE CÁLCULO DO PROJETO DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO

Leia mais

Memorial de Projeto: Instalações Hidráulicas

Memorial de Projeto: Instalações Hidráulicas Pág. 1 Memorial de Projeto: Instalações Hidráulicas Cliente: Unidade: Assunto: Banco de Brasília - BRB Agência SHS Novas Instalações Código do Projeto: 1641-11 Pág. 2 Índice 1. Memorial Descritivo da Obra...3

Leia mais

Sistema de Hidrantes Prediais para Combate a Incêndios

Sistema de Hidrantes Prediais para Combate a Incêndios 1 Sistema de Hidrantes Prediais para Combate a Incêndios O sistema de hidrantes é um tipo de proteção instalado em edifícios, utilizado como meio de combate a incêndios. É composto basicamente por Reservatórios

Leia mais

Apresentação. Apresentação. ltda. PABX: (31) 2535.7762

Apresentação. Apresentação. ltda. PABX: (31) 2535.7762 Apresentação Apresentação Fundada em 2003, a Masterfer é, hoje, uma renomada fornecedora de produtos para saneamento. Prima por possuir um atendimento de forma única e objetiva, o que a credencia apresentar

Leia mais

Sistema de Resfriamento para Líquidos e Gases Inflamáveis e Combustíveis

Sistema de Resfriamento para Líquidos e Gases Inflamáveis e Combustíveis SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Aplicação POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 24/2004 Sistema de Resfriamento para

Leia mais

Megabloc Manual Técnico

Megabloc Manual Técnico Bomba Padronizada Monobloco Manual Técnico Ficha técnica Manual Técnico Todos os direitos reservados. Os conteúdos não podem ser divulgados, reproduzidos, editados nem transmitidos a terceiros sem autorização

Leia mais

Características de Isolamento

Características de Isolamento CONSTRUÇÃO CIVIL - COBERTURAS E FECHAMENTOS Características de Isolamento EPS (poliestireno expandido) O EPS é um plástico celular rígido, resultante da expansão do estireno com o auxílio de vapor d água.

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA N 21, DE 19 DE MARÇO DE 2009. ANEXO 02. Padrões de desempenho e de acabamento de elementos de ocupação predial

INSTRUÇÃO NORMATIVA N 21, DE 19 DE MARÇO DE 2009. ANEXO 02. Padrões de desempenho e de acabamento de elementos de ocupação predial INSTRUÇÃO NORMATIVA N 21, DE 19 DE MARÇO DE 2009. ANEXO 02 Padrões de desempenho e de acabamento de elementos de ocupação predial 1. ARMÁRIO ALTO Armário com duas portas, revestido com laminado melamínico

Leia mais

Construção. Mangueira para Injeção utilizada para o selamento de juntas de construção em estruturas estanques. Descrição do produto

Construção. Mangueira para Injeção utilizada para o selamento de juntas de construção em estruturas estanques. Descrição do produto Ficha de Produto Edição 09/04/2014 Identificação no: 02 07 03 06 001 0 000002 SikaFuko Eco 1 Mangueira para Injeção utilizada para o selamento de juntas de construção em estruturas estanques Descrição

Leia mais

Portaria n.º 660, de 17 de dezembro de 2012.

Portaria n.º 660, de 17 de dezembro de 2012. Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA-INMETRO Portaria n.º 660, de 17 de dezembro de 2012. O PRESIDENTE

Leia mais

TRANSFORMADORES MOLDADOS EM RESINA

TRANSFORMADORES MOLDADOS EM RESINA MODELO TAM TRANSFORMADORES - TIPO TAM Os transformadores a seco moldados em resina epóxi são indicados para operar em locais que exigem segurança, os materiais utilizados em sua construção são de difícil

Leia mais