CRENÇAS SOBRE O PROCESSO DE ENSINO/APRENDIZAGEM: IMPLICAÇÕES PARA A SALA DE AULA DE LÍNGUA ESTRANGEIRA (LE)

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CRENÇAS SOBRE O PROCESSO DE ENSINO/APRENDIZAGEM: IMPLICAÇÕES PARA A SALA DE AULA DE LÍNGUA ESTRANGEIRA (LE)"

Transcrição

1 Anais do 6º Encontro Celsul - Círculo de Estudos Lingüísticos do Sul CRENÇAS SOBRE O PROCESSO DE ENSINO/APRENDIZAGEM: IMPLICAÇÕES PARA A SALA DE AULA DE LÍNGUA ESTRANGEIRA (LE) Juliane MASSAROLLO (Un i.fed.de Sta.Catarina) ABSTRACT: This work aims at pointing out to the relevance of studying the beliefs about the processes of teaching and learning a foreign language (FL) and how these beliefs may help or interfere in these processes. KEYWORDS: beliefs; teaching; learning; foreign language. 0. Introdução As crenças sobre o processo de ensino/aprendizagem de LE aqui tomadas como o conjunto de atitudes, valores, expectativas e teorias intuitivas compartilhado entre professores e alunos (Richards, 1998; Félix, 1999) têm sido objeto de estudo de muitos pesquisadores nas últimas décadas. Esse interesse se deve à influência que as mesmas efetivamente têm sobre as atitudes, a motivação, e sobre as estratégias de ensino/aprendizagem dos participantes envolvidos em tal processo (Abraham & Vann, 1987; Barcelos, 1995 e 2000). Além disso, as crenças são evidenciadas na prática em sala de aula com base no que esses participantes acreditam ser relevante para esse processo. Conhecer suas próprias crenças e compreendê-las é, sem dúvida, um fator importante na relação entre professor e aluno, já que diferenças entre as intenções do professor e as expectativas do aluno podem interferir nos resultados finais do processo de ensino/aprendizagem de uma LE. O objetivo deste trabalho é, portanto, mostrar a relevância do estudo das crenças sobre os processos de ensino, aprendizagem e avaliação de LE e como essas crenças podem ajudar ou interferir nesses processos. Para isso, esse trabalho não somente se baseará, mas fará uso dos resultados de estudos recentes de Massarollo & Fortkamp (2002) e Massarollo (2003). Tomando-se os dados dos dois es tudos mencionados em conjunto, contou-se com a participação de 19 professores e 56 alunos de Inglês como LE do Curso Extracurricular de Línguas da UFSC. Professores e alunos responderam a um questionário sobre suas crenças acerca dos processos de ensino, aprendizagem e avaliação de LE e 5 desses professores tiveram duas de suas aulas observadas. De maneira geral, os resultados desses estudos revelaram: (a) discrepâncias entre o que professores e alunos esperam do processo de ensino, aprendizagem e avaliação da língua estrangeira e (b) que as crenças podem influenciar as atitudes do professor em sala de aula independentemente de seu conhecimento e compreensão das mesmas. 1. Fundamentação teórica Como apontado por vários pesquisadores (Kindsvatter, Willen, and Ishler, 1988; Richards, 1994), o sistema de crenças de professores é construído de maneira gradual ao longo do tempo e é derivado de diferentes situações tais como: (1) sua própria experiência como aprendizes de língua; (2) experiências quanto às estratégias de ensino que proporcionam melhores resultados; (3) práticas de ensino preferidas ou determinadas pela instituição; (4) preferências pessoais por determinado modelo de ensino; (5) princípios baseados em programas instrucionais ou pesquisas; (6) princípios derivados de um determinado método ou abordagem de ensino. O modo como os alunos expressam suas crenças sobre o processo de aprendizagem geralmente difere do modo como os professores o fazem. Algumas das suposições dos alunos em relação à aprendizagem apontadas por Brindley (1984:97) são: (1) a aprendizagem consiste em adquirir um determinado grau de

2 conhecimento; (2) o professor é quem possui este conhecimento e não o aluno; (3) é papel do professor repassar este conhecimento ao aluno através de atividades tais como explicações e exemplos; (4) aprender uma língua consiste em aprender regras estruturais e vocabulário da mesma através de atividades que privilegiem a memorização, leitura e escrita. Um estudo recente sobre crenças de professores e alunos sobre a produção oral em inglês como língua estrangeira (MASSAROLLO & FORTKAMP, 2002) mostrou que ambos os grupos podem divergir quanto ao que acreditam estar envolvido nos processos de ensino, aprendizagem e avaliação da língua estrangeira. Uma das diferenças mais significantes se refere ao nível de importância que a pronúncia tem para cada grupo. Enquanto professores enfatizam o aspecto lexical na produção oral, alunos dão mais importância à pronúncia como produção oral efetivamente e à sua avaliação. Outro estudo (MASSAROLLO, 2003) provou ainda que as crenças construídas ao longo da vida acadêmica de professores realmente influenciam nesse caso beneficamente em suas atitudes em sala de aula. Segundo Barcelos (2000:39; 2002) as crenças sobre aprendizagem de L2 podem ainda influenciar nossas ações, serem alteradas ao longo do tempo que pertencem ao sistema de crenças do indivíduo, além de serem transmitidas culturalmente e construídas socialmente. Portanto, devido à inevitável influência que as crenças efetivamente têm nos processos de ensino, aprendizagem e avaliação da língua estrangeira, é de extrema relevância investigar e identificar suas origens e formas de atuação nesses processos. 2. Metodologia Para o primeiro estudo, contou-se com a participação de 14 professores e 56 alunos de Inglês como LE do Curso Extracurricular de Línguas da UFSC dos níveis básico ao avançado. Professores e alunos responderam a um questionário sobre suas crenças acerca do processo de ensino, aprendizagem e avaliação de LE. No segundo estudo, dos 5 professores convidados, apenas 3 responderam ao questionário,; porém, todos tiveram duas de suas aulas observadas. Os níveis dos grupos participantes obedecem à seguinte classificação: inglês 1, 2 e 3 (nível básico); inglês 4, 5 e 6 (nível pré-intermediário); e inglês 7 e 8 (nível intermediário) e Avançado. Para o primeiro estudo os questionários foram adaptados de Barcelos (1995) e Félix (1999). Os questionários para professores continham 17 perguntas, 3 das quais eram abertas. Para os alunos, os questionários continham 16 perguntas, sendo 4 abertas. Em ambos os tipos de questionários, as perguntas fechadas tinham como possibilidade de resposta as categorias concordo plenamente, concordo em parte, não tenho opinião a respeito e não concordo. Como exigido pelo Comitê de Ética em Pesquisa com Seres Humanos da UFSC, todos os participantes leram e assinaram o consentimento esclarecido. No segundo estudo, porém, os questionários fora m criados por esta pesquisadora e continham apenas perguntas abertas. 3. Resultados e análise Conforme previamente mencionado na seção 0 deste artigo (Introdução), os resultados desses estudos revelaram tanto discrepâncias entre o que professores e alunos esperam do processo de ensino, aprendizagem e avaliação da língua estrangeira quanto confirmaram que as crenças podem influenciar as atitudes do professor em sala de aula independentemente de seu conhecimento e compreensão das mesmas. A análise quantitativa dos 14 primeiros itens - fechados - do questionário respondido pelos professores revelou que na visão de 43% dos professores, não há maneira objetiva de se testar o desempenho oral em LE. Para eles, uma boa parte da nota dos alunos reflete o desempenho nos testes escritos e não nos orais. Para 71, 4% dos professores há uma forte relação entre a motivação do aluno e seu sucesso em falar a língua. Para 64%, é a falta de conhecimento lexical, sintático e fonológico que causa a produção oral nãofluente. Quando querem incentivar a prática de conversação em aula, 86% dos professores utilizam situações simuladas da vida real. Para 93% dos professores, a produção oral competente está diretamente ligada primeiro à precisão lexical, depois à gramática e à pronúncia. Para a grande maioria dos professores (86%), fluência oral pode ser alcançada através da prática repetitiva. Quando questionados sobre que aspectos

3 achavam mais importante ao avaliar o desempenho oral de seus alunos, todos os professores apontaram naturalidade e clareza como o aspecto mais relevante, seguido de boa pronúncia e confiança ao falar, bom vocabulário e, por último, boa gramática. Quanto às perguntas abertas, 93% dos professores apontaram que ao falar, é mais importante que o aluno consiga expressar suas idéias ainda que não utilize as estruturas gramaticais corretamente. Ou seja, na visão destes professores, a prioridade é o significado e não a forma. Por fim, quando solicitados a definir com suas próprias palavras o que é falar fluentemente uma LE, 50% dos professores apontaram ter clareza como a definição principal, seguida de ter conhecimento gramatical e ter naturalidade. Estes dados, tomados em conjunto, mostram que para a maioria dos professores participantes do estudo, o ensino e a avaliação da habilidade de produção oral são aspectos complexos da prática pedagógica. Os professores parecem se valer de sua intuição para avaliar o desempenho oral já que acreditam que não há maneira objetiva de fazer tal avaliação. Desse modo, embora apontem o conhecimento lexical como o mais diretamente ligado à produção oral competente, afirmam também que o aspecto que mais levam em conta ao avaliar o desempenho oral é a naturalidade e clareza do falante, deixando o aspecto lexical em terceiro lugar na lista de prioridades. A dificuldade em lidar com a produção oral em sala de aula está evidenciada, por exemplo, no fato de os professores não terem claro que a habilidade de produção oral possui vários subcomponentes, cada um com valores relativos. Assim, embora declarem utilizar situações da vida real para incentivar a prática da conversação, afirmam também que a fluência oral pode ser alcançada pela prática repetitiva. Na verdade, a própria definição do que seja fluência oral parece ser um aspecto complexo para os professores pois, ao tentarem definí-la, usam termos subjetivos e vagos ou, ao tentarem ser mais objetivos, escolhem o conhecimento gramatical como definição, o que se contrapõe ao fato de terem escolhido o aspecto lexical como o mais relevante na habilidade. A análise dos questionários respondidos pelos alunos revelou que a maioria dos alunos (70%) acredita que falar uma LE é difícil. Para 75%, a pronúncia é importante ao falar uma LE, seguida de bom vocabulário e, em terceiro lugar, a gramática. Quando solicitados a mencionar as atividades que utilizam para promover a produção oral, os alunos citam diálogos, atividades em grupo e conversação como as mais importantes. Grande parte dos alunos (47%) acredita que pronúncia é o aspecto mais importante a ser avaliado em testes orais, seguido do conhecimento gramatical. Por fim, 50% dos alunos definem falar fluentemente como fazer-se entender/conseguir se expressar, 40% como ter conhecimento gramatical e 10% como ter boa pronúncia. Tendo como base as respostas dadas por professores e alunos, parece ser possível afirmar que ambos os grupos se assemelham na percepção que têm de que a habilidade de produção oral é complexa e difícil. Entretanto, enquanto o grupo de professores parece enfatizar o aspecto lexical na produção, o grupo de alunos parece ver na pronúncia o item mais importante tanto na produção quanto na avaliação orais. Por fim, as crenças de professores e alunos também se aproximam no que diz respeito à definição da fala fluente para os alunos, conseguir se expressar e o conhecimento gramatical da língua são as definições mais apontadas. Os dados obtidos no presente estudo são compatíveis com a literatura sobre produção oral em LE. Lennon (1990) em um mesmo estudo identifica 19 subcomponentes da habilidade oral e distingue dois usos do termo fluência por parte de professores de LE. O primeiro, mais amplo, é usado como sinônimo de competência oral na língua; um segundo, mais restrito, é usado como um componente desta competência e se refere à produção oral contínua em tempo real, o que é estabelecido através da observação de pausas e hesitações. Neste sentido mais restrito, o termo fluência estaria ao lado de outros termos como precisão gramatical, pronúncia, adequação lexical e relevância. Assim, tendo em vista pelo menos dois significados para o termo fluência e a quantidade de componentes da habilidade sendo fluência apenas um deles é de se esperar que professores e alunos de LE tenham como crença que lidar com a produção oral é uma tarefa difícil e complexa devido à natureza multidimensional da habilidade. 3.1 Diferenças e semelhanças entre crenças de alunos e professores

4 Quanto às discrepâncias entre o que professores e alunos esperam do processo de ensino, aprendizagem e avaliação da língua estrangeira, os resultados mais significativos mostraram que: Para 93% dos professores, a produção oral competente está diretamente ligada primeiro à precisão lexical, depois à gramática e à pronúncia. Quando questionados sobre que aspectos achavam mais importante ao avaliar o desempenho oral de seus alunos, todos os professores apontaram naturalidade e clareza como o aspecto mais relevante, seguido de boa pronúncia e confiança ao falar, bom vocabulário e, por último, boa gramática. Por fim, quando solicitados a definir com suas próprias palavras o que é falar fluentemente uma LE, 50% dos professores apontaram ter clareza como a definição principal, seguida de ter conhecimento gramatical e ter naturalidade. Para 75% dos alunos, a pronúncia é importante ao falar uma LE, seguida de bom vocabulário e, em terceiro lugar, a gramática. Grande parte dos alunos (47%) acredita que pronúncia é o aspecto mais importante a ser avaliado em testes orais, seguido do conhecimento gramatical. Por fim, 50% dos alunos definem falar fluentemente como fazer-se entender/conseguir se expressar, 40% como ter conhecimento gramatical e 10% como ter boa pronúncia. Portanto, há uma significativa diferença quanto ao que professores e alunos acreditam ser mais relevante na avaliação da produção oral em LE, por exemplo. Enquanto 100% dos professores apontaram naturalidade e clareza como o aspecto mais relevante ao avaliarem seus alunos, 47% deles acredita que pronúncia é o aspecto mais importante a ser avaliado em testes orais. Além disso, para 93% dos professores, a produção oral competente está diretamente ligada primeiro à precisão lexical, depois à gramática e à pronúncia, enquanto que 75% dos alunos acredita que a pronúncia é importante ao falar uma LE, seguida de bom vocabulário e, em terceiro lugar, a gramática. Desse modo, podemos concluir que para os alunos a pronúncia é efetivamente o aspecto mais relevante da produção oral em LE, diferindo dos professores que, por sua vez, dão maior ênfase a outros elementos envolvidos no ato de falar fluentemente a LE. Por outro lado, encontramos semelhanças nas crenças de professores e alunos, como por exemplo: para 50% dos professores ter clareza é o termo que melhor representaria o que é falar fluentemente uma LE, enquanto que fazer-se entender/conseguir se expressar foi apontada pelos alunos como a principal definição do que significa falar fluentemente uma LE. Podemos dizer que ambas as definições têm um mesmo significado e buscam um mesmo objetivo, que é ter um desempenho satisfatório em fazer-se compreender pelos interlocutores. Outra semelhança está na importância dada ao conhecimento gramatical da LE que, embora em ordem de importância levemente divergentes, é freqüentemente mencionado nas respostas de ambos os grupos. 3.2 Crenças na prática da sala de aula de LE No entanto, quando se trata de analisar a influência que as crenças efetivamente exercem na sala de aula de LE, não foram encontradas discrepâncias entre o que professores disseram fazer e o que realmente fazem. Isto é, os professores mostraram-se coerentes quanto ao que previamente responderam em um questionário sobre o que acreditam estar relacionado à produção oral e como realmente lidam com essa habilidade específica na sala de aula LE. Como este estudo é resultado de outros estudos anteriores (MASSAROLLO & FORTKAMP, 2002) e (MASSAROLLO, 2003), convém explicar que os resultados do segundo estudo foram comparados ao primeiro. Os resultados foram considerados plenamente satisfatórios, considerando-se que a influência devidamente comprovada que as crenças exercem na sala de aula de LE foram benéficas. Embora no primeiro estudo foram encontradas intenções e expectativas distintas entre professores e alunos, no segundo estudo provou-se que as atitudes de alguns professores condizia m com as crenças expressas pelos alunos anteriormente. Um excelente exemplo é a Professora A, que reportou conscientizar seus alunos para a importância de estudar regras de pronúncia (fonética e fonologia), a fim de ajudá-los a identificar possíveis proble mas que os mesmos possam ter na pronúncia e corrigi-los de maneira apropriada. Em uma de suas aulas ela demonstrou total coerência entre o que havia respondido e o que efetivamente fazia em aula, devolvendo aos uma fita cassete na qual os mesmos tinham gravado algumas sentenças. Ela então ouviu as gravações (em

5 casa) e fez alguns comentários separadamente por escrito para que os alunos pudessem tomar conhecimentos de erros que estivessem cometendo e sanar suas dificuldades de pronúncia. Não somente sua atitude mostra coerência com suas respostas, mas também está em acordo com a expectativa de muitos alunos quanto aos cursos de LE. Como previamente apresentado na seção 3.1 deste artigo, a grande parte dos alunos mostou dar muita importância à pronúncia em LE. Além disso, as demais respostas dadas pelas outras professoras também corroboram para os resultados previamente obtidos. As respostas mostram que para os professores que participaram do estudo, a habilidade oral é um elemento importante da língua. Esses professores estão sempre em busca de atividades que levem seus alunos a um desempenho oral melhor, além de mantê-los motivados e interessados na prática dessa habilidade especifica. Exercícios que exigem interação entre os alunos tais como debates, diálogos e dramatizações foram mencionados em suas respostas. Essas atividades também foram mencionadas pelos alunos do primeiro estudo para explicitar quais métodos utilizam para promover a produção oral em LE, citando então diálogos, atividades em grupo e conversação como as mais importantes. 4. Conclusão Analisando os dados obtidos em ambos os estudos, podemos testemunhar a relevância de investigar e entender as crenças que professores e alunos têm acerca do que está envolvido no desenvolvimento da habilidade de produção oral, bem como seu ensino, aprendizado e avaliação. Os dados ainda mostram que professores que freqüentemente se mantêm atualizados, especialmente através de cursos de pós -graduação, são mais conscientes de sua prática pedagógica. Portanto, esses professores refletem mais criticamente sobre sua tarefa de ensinar, podendo modificá-la e melhorá -la quando necessário. Almeida Filho (1993, 1997), por exemplo, diz que tão logo professores entram em contato com algum tipo de curso de formação onde eles podem estudar algumas teorias sobre os processos de ensino e aprendizagem, eles começam a analisar suas atitudes em relação às teorias que eles aprenderam de um ponto e vista mais crítico. Tomados juntos, os resultados dos estudos ainda apontam para o fato de que faltam, tanto para professores quanto para alunos, elementos para melhor compreensão do que está envolvido no desenvolvimento da habilidade de produção oral. A tomar pelos dados obtidos nos estudos, parece que ensinar, aprender e avaliar produção oral é um processo aleatório sem possibilidade de intervenção efetiva. Tal situação pode ser modificada se mais atenção for dada à produção oral em programas de formação de professores e na pesquisa em LE. É preciso que futuras investigações a respeito de crenças deixem de ser meramente descritivas e passem a ser mais contextualizadas e personalizadas no modo como são expressas. Há, ainda, a necessidade não só da reflexão, mas também de discussão sobre as crenças de professores e alunos sobre o processo de ensino, aprendizagem e avaliação da língua estrangeira. Esta discussão, por sua vez, deve ser incorporada às atividades em sala de aula a fim de que haja maior interação entre crenças de professores e alunos evitando, assim, obstáculos que impeçam o bom entendimento entre ambos e o bom andamento do processo de ensino, aprendizagem e avaliação de línguas. RESUMO: O objetivo deste trabalho é mostrar a relevância do estudo das crenças sobre os processos de ensino e aprendizagem de língua estrangeira (LE) e como essas crenças podem ajudar ou interferir nesses processos. PALAVRAS-CHAVE: crenças; ensino; aprendizagem; língua estrangeira. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

6 ABRAHAM, R.G.; VANN, R.J. Strategies of two language learners: A case study. In: WENDEN, A.; RUBIN, J. (Ed.). Learner strategies in language learning. Londres: Prentice Hall, p BARCELOS, A.M.F. A cultura de aprender língua estrangeira (inglês) de alunos de Letras. 188f. Dissertação de mestrado, UNICAMP, Campinas Understanding teachers and students language learning beliefs in experience: A Deweyan Approach. 357f. Tese de doutorado. College of Education, The University of Alabama, Tuscaloosa BRINDLEY, G. P. Needs analysis and objective setting in the adult migrant education program. Australia: AMES FÉLIX, A. Crenças de duas professoras de uma escola pública sobre o processo de aprender língua estrangeira. In: ALMEIDA FILHO, J. C. P. de (Ed.). O professor de língua estrangeira em formação. Campinas: Pontes, p FORTKAMP, M.B.M. Working memory capacity and L2 speech production: an exploratory study. 297f. Tese de doutorado, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis FORTKAMP, M.B.M.; MASSAROLLO, J. Crenças de professores e aluno s sobre o desempenho oral em língua estrangeira: um estudo preliminar. Trabalho de Iniciação Científica. Universidade Federal de Santa Catarina HOLEC, H. The learner as manager: managing learning or managing to learn? In: WENDEN, A.; RUBIN, J. (Ed.) Learner strategies in language learning. Londres: Prentice Hall, HORWITZ, E.K. Surveying students beliefs about language learning. In: WENDEN, A.; RUBIN, J. (Ed.) Learner strategies in language learning. Londres: Prentice Hall, p MASSAROLLO, J. Teachers beliefs about oral skills and the treatment they give to speaking in second language classrooms.trabalho de conclusão de curso KINDSVATTER, R.; WILLEN, W.; and ISHLER, M. Dynamics of effective teaching. New York: Longman KUMARAVADIVELU, B. Language learning tasks: Teacher intention and learner interpretation. ELT Journal, 45(2), , LENNON, P. Investigating fluency in EFL: a quantitative approach. Language Learning, 40, , RICHARDS, J. C.; LOCKHART, C. Reflective teaching in second language classrooms. Cambridge: Cambridge University Press RICHARDS, J. Beyond training. Cambridge: Cambridge Universtity Press RIGGENBACH, H. Nonnative fluency in dialogue versus monologue speech: a microanalytic approach. 184f. Tese de doutorado, University of California at Los Angeles, Los Angeles RILEY, P. The guru and the conjurer: aspects of counseling for self-access. In: BENSON, P. & VOLLER, P. (Ed.). Autonomy and independence in language learning. New York: Longman

Daniel Fernando Rodrigues 1. Introdução

Daniel Fernando Rodrigues 1. Introdução O PERFIL DE ALUNOS DE LÍNGUA INGLESA INGRESSANTES NO CURSO DE LICENCIATURA EM LETRAS: DELIMITANDO EXPECTATIVAS E METAS PARA A COMPETÊNCIA 1 RESUMO: Este artigo apresenta o perfil dos alunos de inglês de

Leia mais

RESPOSTA FÍSICA TOTAL

RESPOSTA FÍSICA TOTAL RESPOSTA FÍSICA TOTAL Valdelice Prudêncio Lima UEMS João Fábio Sanches Silva UEMS O método apresentado é baseado na coordenação da fala e da ação, desenvolvido por James Asher, professor de psicologia

Leia mais

CRENÇAS DE UMA ALUNA INICIANTE NO CURSO DE LETRAS INGLÊS ACERCA DA ORALIDADE

CRENÇAS DE UMA ALUNA INICIANTE NO CURSO DE LETRAS INGLÊS ACERCA DA ORALIDADE CRENÇAS DE UMA ALUNA INICIANTE NO CURSO DE LETRAS INGLÊS ACERCA DA ORALIDADE Marrine Oliveira Sousa (UFG) Tatiana Diello Borges (UFG) marrine_@hotmail.com tatiana.diello@gmail.com 1. Introdução No exterior,

Leia mais

CRENÇAS DE LICENCIANDOS EM LETRAS SOBRE O PROCESSO DE AQUISIÇÃO DE LÍNGUA INGLESA RESUMO

CRENÇAS DE LICENCIANDOS EM LETRAS SOBRE O PROCESSO DE AQUISIÇÃO DE LÍNGUA INGLESA RESUMO CRENÇAS DE LICENCIANDOS EM LETRAS SOBRE O PROCESSO DE AQUISIÇÃO DE LÍNGUA INGLESA RESUMO Diana Vasconcelos LOPES 1 Eduardo BARBUIO 2 Objetivou-se com o trabalho identificar as principais crenças sobre

Leia mais

AS NOVAS TECNOLOGIAS COMO PARCEIRAS NO PROCESSO DE APRENDIZAGEM DE LÍNGUA INGLESA.

AS NOVAS TECNOLOGIAS COMO PARCEIRAS NO PROCESSO DE APRENDIZAGEM DE LÍNGUA INGLESA. AS NOVAS TECNOLOGIAS COMO PARCEIRAS NO PROCESSO DE APRENDIZAGEM DE LÍNGUA INGLESA. MORAES, Camilla Santos 1 Palavras-chave: ensino-aprendizagem de inglês, novas tecnologias, ensino mediado pelo computador.

Leia mais

CRENÇAS DE GRADUANDOS DE INGLÊS LÍNGUA ESTRANGEIRA SOBRE A PRÓPRIA PRONÚNCIA

CRENÇAS DE GRADUANDOS DE INGLÊS LÍNGUA ESTRANGEIRA SOBRE A PRÓPRIA PRONÚNCIA CRENÇAS DE GRADUANDOS DE INGLÊS LÍNGUA ESTRANGEIRA SOBRE A PRÓPRIA PRONÚNCIA Neide Cesar CRUZ Universidade Federal de Campina Grande Resumo: Este estudo de pequeno porte focaliza as crenças que graduandos

Leia mais

LINHA DE PESQUISA E DE INTERVENÇÃO METODOLOGIAS DA APRENDIZAGEM E PRÁTICAS DE ENSINO (LIMAPE)

LINHA DE PESQUISA E DE INTERVENÇÃO METODOLOGIAS DA APRENDIZAGEM E PRÁTICAS DE ENSINO (LIMAPE) História da profissão docente em São Paulo: as estratégias e as táticas em torno dos fazeres cotidianos dos professores primários a instrução pública paulista de 1890 a 1970 Linha de Pesquisa: LINHA DE

Leia mais

O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA A PARTIR DO GÊNERO TEXTUAL PROPAGANDA

O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA A PARTIR DO GÊNERO TEXTUAL PROPAGANDA O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA A PARTIR DO GÊNERO TEXTUAL PROPAGANDA Anilda Costa Alves Jamile Alves da Silva Leônidas José da Silva Jr Universidade Estadual da Paraíba anildauepb@gmail.com milygta10@hotmail.com

Leia mais

CRENÇAS E EXPERIENCIAS DOS ALUNOS DE LINGUA INGLESA DO IFMG

CRENÇAS E EXPERIENCIAS DOS ALUNOS DE LINGUA INGLESA DO IFMG CRENÇAS E EXPERIENCIAS DOS ALUNOS DE LINGUA INGLESA DO IFMG OLIVEIRA, Shirlene Bemfica de Oliveira 1 CARMO, Kamila Oliveira do 2 LEITE, Gabriela Maria Ferreira Leite 3 OLIVEIRA, Tatiane Morandi de 4 ROSSI,

Leia mais

Dificuldades encontradas por professores de língua inglesa de instituições privadas de ensino superior

Dificuldades encontradas por professores de língua inglesa de instituições privadas de ensino superior Artigos Revista Semioses Rio de Janeiro Vol. 01 N. 05 Agosto de 2009 Semestral Dificuldades encontradas por professores de língua inglesa de instituições privadas de ensino superior RESUMO: Este artigo

Leia mais

Reflexões sobre as dificuldades na aprendizagem de Cálculo Diferencial e Integral

Reflexões sobre as dificuldades na aprendizagem de Cálculo Diferencial e Integral III Mostra de Pesquisa da Pós-Graduação PUCRS Reflexões sobre as dificuldades na aprendizagem de Cálculo Diferencial e Integral Marcelo Cavasotto, Prof.ª Dra. Ruth Portanova (orientadora) Mestrado em Educação

Leia mais

Descrição de um projeto de pesquisa voltado para a formação pré-serviço do professor de Língua Estrangeira (LE)

Descrição de um projeto de pesquisa voltado para a formação pré-serviço do professor de Língua Estrangeira (LE) Descrição de um projeto de pesquisa voltado para a formação pré-serviço do professor de Língua Estrangeira (LE) 1 Resumo: Este trabalho refere-se a um projeto de pesquisa na área de Linguística Aplicada

Leia mais

7ª Semana de Licenciatura Educação Científica e Tecnológica: Formação, Pesquisa e Carreira De 08 a 11 de junho de 2010

7ª Semana de Licenciatura Educação Científica e Tecnológica: Formação, Pesquisa e Carreira De 08 a 11 de junho de 2010 7ª Semana de Licenciatura Educação Científica e Tecnológica: Formação, Pesquisa e Carreira De 08 a 11 de junho de 2010 ENSINAR INGLÊS É O MÁXIMO! : REVELANDO AS CRENÇAS SOBRE ENSINO/APRENDIZAGEM DE LÍNGUA

Leia mais

Estratégias de Aprendizado da Língua Estrangeira 1. Introdução

Estratégias de Aprendizado da Língua Estrangeira 1. Introdução Estratégias de Aprendizado da Língua Estrangeira Gedeon Santos de Medeiros Gerley Machado de Oliveira 1. Introdução A escolha de determinadas experiências de aprendizagem em qualquer contexto educacional,

Leia mais

Precisa. falar inglês. no trabalho, mas tem medo? Conheça 4 maneiras para superar esta barreira.

Precisa. falar inglês. no trabalho, mas tem medo? Conheça 4 maneiras para superar esta barreira. Precisa falar inglês no trabalho, mas tem medo? Conheça 4 maneiras para superar esta barreira. Aprender um novo idioma é se sentir como uma criança novamente: faltam palavras para se expressar e a insegurança

Leia mais

O lugar da oralidade na escola

O lugar da oralidade na escola O lugar da oralidade na escola Disciplina: Língua Portuguesa Fund. I Selecionador: Denise Guilherme Viotto Categoria: Professor O lugar da oralidade na escola Atividades com a linguagem oral parecem estar

Leia mais

PARA SE APRENDER INGLÊS, É PRECISO QUE O ALUNO TENHA PAIXÃO PELO IDIOMA : EM QUE ACREDITA UM ALUNO INICIANTE DO CURSO DE LETRAS (INGLÊS)?

PARA SE APRENDER INGLÊS, É PRECISO QUE O ALUNO TENHA PAIXÃO PELO IDIOMA : EM QUE ACREDITA UM ALUNO INICIANTE DO CURSO DE LETRAS (INGLÊS)? 2845 PARA SE APRENDER INGLÊS, É PRECISO QUE O ALUNO TENHA PAIXÃO PELO IDIOMA : EM QUE ACREDITA UM ALUNO INICIANTE DO CURSO DE LETRAS (INGLÊS)? 0. Introdução Tatiana Diello BORGES - UFG/CAJ Neuda Alves

Leia mais

A INFLUÊNCIA DA CORREÇÃO DE ERROS GRAMATICAIS E O FILTRO AFETIVO NO ENSINO DE INGLÊS COMO LE EM AMBIENTE COMUNICATIVO

A INFLUÊNCIA DA CORREÇÃO DE ERROS GRAMATICAIS E O FILTRO AFETIVO NO ENSINO DE INGLÊS COMO LE EM AMBIENTE COMUNICATIVO 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 A INFLUÊNCIA DA CORREÇÃO DE ERROS GRAMATICAIS E O FILTRO AFETIVO NO ENSINO DE INGLÊS COMO LE EM AMBIENTE COMUNICATIVO André William Alves de Assis 1 ;

Leia mais

O ensino de língua inglesa para crianças

O ensino de língua inglesa para crianças O ensino de língua inglesa para crianças Débora Leffa Dimer 1 Adriana Soares 2 Resumo: No presente artigo, iremos analisar como ocorre o aprendizado de uma língua estrangeira, no caso, a Língua Inglesa,

Leia mais

O AUXÍLIO DA FONÉTICA NO ENSINO DA LÍNGUA INGLESA

O AUXÍLIO DA FONÉTICA NO ENSINO DA LÍNGUA INGLESA O AUÍLIO DA FONÉTICA NO ENSINO DA LÍNGUA INGLESA Ana Beatriz Miranda Jorge UFCG/ beatrizjmiranda@gmail.com Bruna Melo do Nascimento UEPB/ bruna.melo.nascimento@gmail.com Isabelle Coutinho Ramos Benício

Leia mais

3. O projeto LINDSEI-BR: apresentação e composição

3. O projeto LINDSEI-BR: apresentação e composição DIFICULDADES INERENTES À COMPILAÇÃO DE UM CORPUS ORAL DE INFORMANTES BRASILEIROS APRENDIZES DE INGLÊS PARA O PROJETO LINDSEI-BR 1. Introdução Predomina, atualmente, a utilização de corpora de falantes

Leia mais

Estudo de um Sistema de Gêneros em um Curso Universitário

Estudo de um Sistema de Gêneros em um Curso Universitário Departamento de Letras Estudo de um Sistema de Gêneros em um Curso Universitário Aluna: Esther Ruth Oliveira da Silva Orientadora: Profª. Bárbara Jane Wilcox Hemais Introdução O presente projeto se insere

Leia mais

Alguns comentários sobre a pesquisa de crenças no contexto de aprendizagem de língua estrangeira

Alguns comentários sobre a pesquisa de crenças no contexto de aprendizagem de língua estrangeira Alguns comentários sobre a pesquisa de crenças no contexto de aprendizagem de língua estrangeira Fabio Madeira R. Jaguaribe, 629, apto. 3d. São Paulo SP Instituto de Estudos da Linguagem Abstract. This

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE CIÊNCIAS SÓCIO-ECONÔMICAS E HUMANAS DE ANÁPOLIS

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE CIÊNCIAS SÓCIO-ECONÔMICAS E HUMANAS DE ANÁPOLIS 1. EMENTA Estudo do processo de aquisição/ aprendizagem de uma segunda língua/ língua estrangeira, métodos e técnicas para o ensino, especialmente da habilidade de leitura. Análise de recursos didáticos.

Leia mais

TEATRO COMO FERRAMENTA PARA ENSINO/APRENDIZAGEM DE LÍNGUA ESPANHOLA: RELATO DE EXPERIÊNCIA 1

TEATRO COMO FERRAMENTA PARA ENSINO/APRENDIZAGEM DE LÍNGUA ESPANHOLA: RELATO DE EXPERIÊNCIA 1 TEATRO COMO FERRAMENTA PARA ENSINO/APRENDIZAGEM DE LÍNGUA ESPANHOLA: RELATO DE EXPERIÊNCIA 1 Kaio César Pinheiro da Silva Raquel Espínola Oliveira de Oliveira Thais Fernandes da Silva Cristina Bongestab

Leia mais

Palavras-chave: Educação Matemática; Avaliação; Formação de professores; Pró- Matemática.

Palavras-chave: Educação Matemática; Avaliação; Formação de professores; Pró- Matemática. PRÓ-MATEMÁTICA 2012: UM EPISÓDIO DE AVALIAÇÃO Edilaine Regina dos Santos 1 Universidade Estadual de Londrina edilaine.santos@yahoo.com.br Rodrigo Camarinho de Oliveira 2 Universidade Estadual de Londrina

Leia mais

EMOÇÕES NA ESCRITA EM LÍNGUA INGLESA. Palavras-chave: escrita, afetividade, ensino/aprendizagem, língua inglesa

EMOÇÕES NA ESCRITA EM LÍNGUA INGLESA. Palavras-chave: escrita, afetividade, ensino/aprendizagem, língua inglesa EMOÇÕES NA ESCRITA EM LÍNGUA INGLESA Talles Henrique LIMA; Neuda Alves do LAGO CAJ/UFG tallesh7@hotmail.com, neudalago@hotmail.com Palavras-chave: escrita, afetividade, ensino/aprendizagem, língua inglesa

Leia mais

Agrupamento de Escolas de Terras de Bouro

Agrupamento de Escolas de Terras de Bouro Informação Prova de Equivalência à Frequência INGLÊS Abril 2015 2ºCiclo do Ensino Básico (Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho) Prova 06/2015 Tipo de Prova: Escrita e Oral Duração: 90 minutos + 15 minutos

Leia mais

RESUMOS DE PROJETOS... 1202 RELATOS DE EXPERIÊNCIA... 1205 ARTIGOS COMPLETOS (RESUMOS)... 1207

RESUMOS DE PROJETOS... 1202 RELATOS DE EXPERIÊNCIA... 1205 ARTIGOS COMPLETOS (RESUMOS)... 1207 1201 RESUMOS DE PROJETOS... 1202 RELATOS DE EXPERIÊNCIA... 1205 ARTIGOS COMPLETOS (RESUMOS)... 1207 1202 RESUMOS DE PROJETOS ENSINO, APRENDIZAGEM E FORMAÇÃO DE PROFESSORES EM LETRAS: IDENTIDADES E CRENÇAS

Leia mais

CULTURA E HISTÓRIA AFRO-BRASILEIRA NA AULA DE INGLÊS: E A CONSTRUÇÃO DA IDENTIDADE NACIONAL NA ESCOLA

CULTURA E HISTÓRIA AFRO-BRASILEIRA NA AULA DE INGLÊS: E A CONSTRUÇÃO DA IDENTIDADE NACIONAL NA ESCOLA CULTURA E HISTÓRIA AFRO-BRASILEIRA NA AULA DE INGLÊS: E A CONSTRUÇÃO DA IDENTIDADE NACIONAL NA ESCOLA Júlio César Paula Neves Tânia Mayra Lopes de Melo Modalidade: Pôster Sessão Temática 5: Educação e

Leia mais

PLANO DE TRABALHO DOCENTE 1º Semestre/2015. Ensino Técnico

PLANO DE TRABALHO DOCENTE 1º Semestre/2015. Ensino Técnico PLANO DE TRABALHO DOCENTE 1º Semestre/2015 Ensino Técnico Código: 0262 ETEC ANHANQUERA Município: Santana de Parnaíba Componente Curricular: Inglês Instrumental Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Módulo:

Leia mais

FORMAÇÃO DE PROFESSORES QUE ENSINAM MATEMÁTICA

FORMAÇÃO DE PROFESSORES QUE ENSINAM MATEMÁTICA FORMAÇÃO DE PROFESSORES QUE ENSINAM MATEMÁTICA Fabiana de Jesus Oliveira União de Ensino do Sudoeste do Paraná fabiana@unisep.edu.br Diversas são as pesquisas que têm mostrado que o ensino encontra-se

Leia mais

LINGUÍSTICA APLICADA AO ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA

LINGUÍSTICA APLICADA AO ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA SPADA, Nina. Linguística Aplicada ao Ensino de Língua Estrangeira: uma entrevista com Nina Spada. Revista Virtual de Estudos da Linguagem - ReVEL. Vol. 2, n. 2, 2004. Tradução de Gabriel de Ávila Othero.

Leia mais

UMA EXPERIÊNCIA EM ALFABETIZAÇÃO POR MEIO DO PIBID

UMA EXPERIÊNCIA EM ALFABETIZAÇÃO POR MEIO DO PIBID UMA EXPERIÊNCIA EM ALFABETIZAÇÃO POR MEIO DO PIBID Michele Dalzotto Garcia Acadêmica do Curso de Pedagogia da Universidade Estadual do Centro- Oeste/Irati bolsista do PIBID CAPES Rejane Klein Docente do

Leia mais

ATIVIDADE DA TUTORIA 1. Parte I: De qual/quais estratégia(s) você faz uso ao aprender inglês? Discuta com um colega e faça uma lista no espaço abaixo.

ATIVIDADE DA TUTORIA 1. Parte I: De qual/quais estratégia(s) você faz uso ao aprender inglês? Discuta com um colega e faça uma lista no espaço abaixo. ATIVIDADE DA TUTORIA 1 CURSO: CURSO DE LICENCIATURA EM LETRAS PORTUGUÊS/INGLÊS DISCIPLINA: Produção Oral e Escrita em Língua Inglesa I PERIODO: 3º Estratégias de Aprendizagem Parte I: De qual/quais estratégia(s)

Leia mais

O uso de Objetos de Aprendizagem como recurso de apoio às dificuldades na alfabetização

O uso de Objetos de Aprendizagem como recurso de apoio às dificuldades na alfabetização O uso de Objetos de Aprendizagem como recurso de apoio às dificuldades na alfabetização Juliana Ferreira Universidade Estadual Paulista UNESP- Araraquara E-mail: juliana.ferreiraae@gmail.com Silvio Henrique

Leia mais

EDUCAÇÃO FÍSICA ADAPTADA: UM ENFOQUE NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES

EDUCAÇÃO FÍSICA ADAPTADA: UM ENFOQUE NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES EDUCAÇÃO FÍSICA ADAPTADA: UM ENFOQUE NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES CAMARGO, Victor Discente da Faculdade de Ciências Sociais e Agrárias de Itapeva ZUTTIN, Fabiana Docente da Faculdade de Ciências Sociais

Leia mais

A PROPOSTA DE ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA DOS PCN E SUA TRANSPOSIÇÃO ENTRE OS PROFESSORES DE INGLÊS DE ARAPIRACA

A PROPOSTA DE ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA DOS PCN E SUA TRANSPOSIÇÃO ENTRE OS PROFESSORES DE INGLÊS DE ARAPIRACA Revista Eletrônica de Educação de Alagoas - REDUC ISSN 2317-1170 V. 01, N. 02 (2013) A PROPOSTA DE ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA DOS PCN E SUA TRANSPOSIÇÃO ENTRE OS PROFESSORES DE INGLÊS DE ARAPIRACA Patrícia

Leia mais

DISCUTINDO AS CRENÇAS DE UMA PROFESSORA UNIVERSITÁRIA E DE SEUS ALUNOS SOBRE O QUE É SER BEM-SUCEDIDO EM AVALIAÇÕES ORAIS

DISCUTINDO AS CRENÇAS DE UMA PROFESSORA UNIVERSITÁRIA E DE SEUS ALUNOS SOBRE O QUE É SER BEM-SUCEDIDO EM AVALIAÇÕES ORAIS 1 DISCUTINDO AS CRENÇAS DE UMA PROFESSORA UNIVERSITÁRIA E DE SEUS ALUNOS SOBRE O QUE É SER BEM-SUCEDIDO EM AVALIAÇÕES ORAIS Marcela Ferreira Marques (Universidade Federal de Goiás) Introdução Cada professor

Leia mais

ANÁLISE DE NECESSIDADES DO CONTROLADOR DE TRÁFEGO AÉREO: EM BUSCA DE UMA PROPOSTA DE CURSO DA DISCIPLINA LÍNGUA INGLESA COM ENFOQUE NO DESEMPENHO ORAL

ANÁLISE DE NECESSIDADES DO CONTROLADOR DE TRÁFEGO AÉREO: EM BUSCA DE UMA PROPOSTA DE CURSO DA DISCIPLINA LÍNGUA INGLESA COM ENFOQUE NO DESEMPENHO ORAL ANÁLISE DE NECESSIDADES DO CONTROLADOR DE TRÁFEGO AÉREO: EM BUSCA DE UMA PROPOSTA DE CURSO DA DISCIPLINA LÍNGUA INGLESA COM ENFOQUE NO DESEMPENHO ORAL INTRODUÇÃO Patrícia Palhares Tupinambá FERNANDES DE

Leia mais

CURSO DE EXTENSÃO Ensino e Aprendizagem de Língua Inglesa para Comunicação em Contextos Acadêmicos Professora Responsável: Sandra Mari Kaneko Marques

CURSO DE EXTENSÃO Ensino e Aprendizagem de Língua Inglesa para Comunicação em Contextos Acadêmicos Professora Responsável: Sandra Mari Kaneko Marques INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SÃO PAULO CAMPUS SÃO CARLOS CURSO DE EXTENSÃO Ensino e Aprendizagem de Língua Inglesa para Comunicação em Contextos Acadêmicos Professora Responsável:

Leia mais

Trabalhando com o lúdico: motivação nas aulas de língua estrangeira para crianças. Temática: Aquisição de linguagem, variação e ensino: um balanço

Trabalhando com o lúdico: motivação nas aulas de língua estrangeira para crianças. Temática: Aquisição de linguagem, variação e ensino: um balanço Trabalhando com o lúdico: motivação nas aulas de língua estrangeira para crianças Deise Anne Terra Melgar (UNIPAMPA)¹ Vanessa David Acosta (UNIPAMPA)² Orientadora: Cristina Pureza Duarte Boéssio Temática:

Leia mais

OLIVEIRA, Luciano Amaral. Coisas que todo professor de português precisa saber: a teoria na prática. São Paulo: 184 Parábola Editorial, 2010.

OLIVEIRA, Luciano Amaral. Coisas que todo professor de português precisa saber: a teoria na prática. São Paulo: 184 Parábola Editorial, 2010. Resenha OLIVEIRA, Luciano Amaral. Coisas que todo professor de português precisa saber: a teoria na prática. São Paulo: 184 Parábola Editorial, 2010. Leticia Macedo Kaeser * leletrasufjf@gmail.com * Aluna

Leia mais

O ENSINO DE COMPREENSÃO ORAL EM LÍNGUA INGLESA: IMPLICAÇÕES PARA A FORMAÇÃO DOCENTE

O ENSINO DE COMPREENSÃO ORAL EM LÍNGUA INGLESA: IMPLICAÇÕES PARA A FORMAÇÃO DOCENTE O ENSINO DE COMPREENSÃO ORAL EM LÍNGUA INGLESA: IMPLICAÇÕES PARA A FORMAÇÃO DOCENTE MEIRELES, Mirelly Karolinny de Melo/UNIDERC 1 mirellyk@yahoo.com.br NASCIMENTO, Kaline Brasil Pereira/UEPB 2 k.aline.brasil@hotmail.com

Leia mais

PERGUNTAS FREQUENTES CAMBRIDGE ENGLISH E UNOi

PERGUNTAS FREQUENTES CAMBRIDGE ENGLISH E UNOi PERGUNTAS FREQUENTES CAMBRIDGE ENGLISH E UNOi ANTES DO EXAME O que é a parceria entre UNOi e Cambridge English? Por que eu devo prestar os exames Cambridge English? Quais são os exames? O que é o Placement

Leia mais

A LUDICIDADE E A INTERAÇÃO VERBAL NO ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA NAS SÉRIES INICIAIS

A LUDICIDADE E A INTERAÇÃO VERBAL NO ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA NAS SÉRIES INICIAIS A LUDICIDADE E A INTERAÇÃO VERBAL NO ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA NAS SÉRIES INICIAIS HORTA, Gabriela Alias (UNESP- FCT) RESUMO: Este trabalho tem por objetivo discutir a importância das atividades lúdicas

Leia mais

SUMÁRIO. Introdução... 01. Capítulo 1: Fundamentação teórica... 06. 1.1 Origem e desenvolvimento da abordagem instrumental... 06

SUMÁRIO. Introdução... 01. Capítulo 1: Fundamentação teórica... 06. 1.1 Origem e desenvolvimento da abordagem instrumental... 06 vii Resumo Este estudo apresenta os resultados de uma análise de necessidades de uso da língua inglesa de estudantes de um curso universitário de Publicidade e Propaganda, bem como de profissionais dessa

Leia mais

AS QUATRO PAREDES DE UMA SALA DE AULA: EXPERIÊNCIA COMO PROFESSORAS DE PFOL

AS QUATRO PAREDES DE UMA SALA DE AULA: EXPERIÊNCIA COMO PROFESSORAS DE PFOL Anais do 6º Encontro Celsul - Círculo de Estudos Lingüísticos do Sul AS QUATRO PAREDES DE UMA SALA DE AULA: EXPERIÊNCIA COMO PROFESSORAS DE PFOL Viviane Bagio Furtoso (Universidade Estadual de Londrina)

Leia mais

Agrupamento de Escolas de S. Pedro do Sul 161780 Escola-sede: Escola Secundária de São Pedro do Sul

Agrupamento de Escolas de S. Pedro do Sul 161780 Escola-sede: Escola Secundária de São Pedro do Sul Agrupamento de Escolas de S. Pedro do Sul 161780 Escola-sede: Escola Secundária de São Pedro do Sul INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA 2.º CICLO DO ENSINO BÁSICO ANO LETIVO: 2014/2015 1 ª /

Leia mais

CST em Gestão Financeira 2ª Série Estatística Aplicada

CST em Gestão Financeira 2ª Série Estatística Aplicada CST em Gestão Financeira 2ª Série Estatística Aplicada A Atividade Prática Supervisionada (ATPS) é um procedimento metodológico de ensinoaprendizagem desenvolvido por meio de etapas, acompanhadas pelo

Leia mais

UMA EXPERIÊNCIA DE ENSINO/APRENDIZAGEM DE PORTUGUÊS PARA FALANTES DE INGLÊS DA UNIVERSIDADE DO TEXAS

UMA EXPERIÊNCIA DE ENSINO/APRENDIZAGEM DE PORTUGUÊS PARA FALANTES DE INGLÊS DA UNIVERSIDADE DO TEXAS UMA EXPERIÊNCIA DE ENSINO/APRENDIZAGEM DE PORTUGUÊS PARA FALANTES DE INGLÊS DA UNIVERSIDADE DO TEXAS BECKER, Marcia R.; ANDRADE, Joelza A. V.; BREDA, Suellen T.; SILVA, Gisele S.; VILELA, Carla P. L. S.

Leia mais

Crenças sobre pronúncia na formação de professores de língua inglesa

Crenças sobre pronúncia na formação de professores de língua inglesa Crenças sobre pronúncia na formação de professores de língua inglesa Thaíse Jordania Porto Dos Santos 1 Resumo: Diante de todos os avanços tecnológicos e em meio a tempos de total globalização, o Inglês

Leia mais

13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 INGLÊS INSTRUMENTAL: UMA EXPERIÊNCIA NO PROJETO EQUIDADE NA PÓS-GRADUAÇÃO

13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 INGLÊS INSTRUMENTAL: UMA EXPERIÊNCIA NO PROJETO EQUIDADE NA PÓS-GRADUAÇÃO 13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( X ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE

Leia mais

O ENSINO DA GRAMÁTICA DE LÍNGUA INGLESA COM BASE NA

O ENSINO DA GRAMÁTICA DE LÍNGUA INGLESA COM BASE NA O ENSINO DA GRAMÁTICA DE LÍNGUA INGLESA COM BASE NA GRAMÁTICA DA LÍNGUA PORTUGUESA EM SALA DE AULA Michael Gouveia de Sousa Júnior Universidade Estadual da Paraíba E-mail: mikesousajunior@gmail.com Dione

Leia mais

O ensino de línguas estrangeiras via redes sociais 1

O ensino de línguas estrangeiras via redes sociais 1 O ensino de línguas estrangeiras via redes sociais 1 Gabriel Belinazo 2 gbelinazo@inf.ufsm.br Abstract: In this review article, the main goal is to review and analyze information about social networks

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2010. Habilitação Profissional: Técnica de Nível Médio de TÉCNICO EM SECRETARIADO

Plano de Trabalho Docente 2010. Habilitação Profissional: Técnica de Nível Médio de TÉCNICO EM SECRETARIADO Plano de Trabalho Docente 2010 Ensino Técnico ETEC DE SUZANO Código: Município: SUZANO Área Profissional: Secretariado Habilitação Profissional: Técnica de Nível Médio de TÉCNICO EM SECRETARIADO Qualificação:

Leia mais

PROFESSORAS RESPONSÁVEIS: Rosane Rocha Pessoa e Maria Aparecida Y. Sebba

PROFESSORAS RESPONSÁVEIS: Rosane Rocha Pessoa e Maria Aparecida Y. Sebba MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS FACULDADE DE LETRAS NOME DA DISCIPLINA: Inglês 6 PROFESSORAS RESPONSÁVEIS: Rosane Rocha Pessoa e Maria Aparecida Y. Sebba CARGA HORÁRIA SEMESTRAL: 64

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: PNLD, livro didático, língua estrangeira, gênero.

PALAVRAS-CHAVE: PNLD, livro didático, língua estrangeira, gênero. PNLD 2011: ANÁLISE DE UMA COLEÇÃO DE LIVRO DIDÁTICO DE INGLÊS Universidade Federal de Goiás Programa de Pós-Graduação em Letras e Linguística Mestranda: Maria Letícia Martins Campos FERREIRA mleticiaf@hotmail.com

Leia mais

O COMPORTAMENTO INFORMACIONAL E A APRENDIZAGEM NO ENSINO SUPERIOR

O COMPORTAMENTO INFORMACIONAL E A APRENDIZAGEM NO ENSINO SUPERIOR III SBA Simpósio Baiano de Arquivologia 26 a 28 de outubro de 2011 Salvador Bahia Políticas arquivísticas na Bahia e no Brasil O COMPORTAMENTO INFORMACIONAL E A APRENDIZAGEM NO ENSINO SUPERIOR Poline Fernandes

Leia mais

A realidade dos alunos trazida para a sala de aula. Ao ser perguntado Que possibilidade(s) de escrita(s) os seus alunos

A realidade dos alunos trazida para a sala de aula. Ao ser perguntado Que possibilidade(s) de escrita(s) os seus alunos INTERAÇÕES EM SALA DE AULA Autor: CARDON, Felipe Raskin Felipe Raskin Cardon 1 Resumo: Neste Estudo Piloto, relacionar-se-ão algumas citações do artigo A construção social da linguagem escrita na criança,

Leia mais

O PIPE I LÍNGUAS ESTRANGEIRAS

O PIPE I LÍNGUAS ESTRANGEIRAS O PIPE I LÍNGUAS ESTRANGEIRAS O PIPE I Línguas Estrangeiras foi desenvolvido juntamente com as Disciplinas de Aprendizagem Crítico-Reflexiva das Línguas Inglesa, Francesa e Espanhola. O objetivo desse

Leia mais

O ENSINO E APRENDIZAGEM DE LEITURA EM LÍNGUA INGLESA NO CURSO TÉCNICO EM MECÂNICA NA ESCOLA TÉCNICA ESTADUAL 25 DE JULHO DE IJUÍ/ RS 1

O ENSINO E APRENDIZAGEM DE LEITURA EM LÍNGUA INGLESA NO CURSO TÉCNICO EM MECÂNICA NA ESCOLA TÉCNICA ESTADUAL 25 DE JULHO DE IJUÍ/ RS 1 O ENSINO E APRENDIZAGEM DE LEITURA EM LÍNGUA INGLESA NO CURSO TÉCNICO EM MECÂNICA NA ESCOLA TÉCNICA ESTADUAL 25 DE JULHO DE IJUÍ/ RS 1 Jamile Tábata Balestrin Konageski 2, Solânge Lopes Ferrari 3, Luana

Leia mais

Inglesar.com.br. asasasadsddsçlf

Inglesar.com.br. asasasadsddsçlf 1 Sumário Introdução...04 Passo 1...04 Passo 2...05 Passo 3...05 É possível Aprender Inglês Rápido?...07 O Sonho da Fórmula Mágica...07 Como Posso Aprender Inglês Rápido?...09 Porque isto Acontece?...11

Leia mais

Analise histórica comparativa do relato de uma professora alagoana sobre sua formação docente e o ensino de matemática no primário durante o século XX

Analise histórica comparativa do relato de uma professora alagoana sobre sua formação docente e o ensino de matemática no primário durante o século XX Analise histórica comparativa do relato de uma professora alagoana sobre sua formação docente e o ensino de matemática no primário durante o século XX Miriam Correia da Silva¹ Mercedes Carvalho² RESUMO

Leia mais

FORMAÇÃO DE PROFESSORES E IDENTIDADE PROFISSIONAL

FORMAÇÃO DE PROFESSORES E IDENTIDADE PROFISSIONAL FORMAÇÃO DE PROFESSORES E IDENTIDADE PROFISSIONAL Profª Ms. Vanderlice dos Santos Andrade Sól 1. INTRODUÇÃO A construção da identidade profissional possui relações estreitas com o ambiente de formação

Leia mais

Elaboração de Projetos

Elaboração de Projetos Elaboração de Projetos 2 1. ProjetoS Projeto: uma nova cultura de aprendizagem ALMEIDA, Maria Elizabeth Bianconcini de. Projeto: uma nova cultura de aprendizagem. [S.l.: s.n.], jul. 1999. A prática pedagógica

Leia mais

TRADUTORES-INTÉRPRETES BACHARELANDOS DO CURSO LETRAS- LIBRAS: UMA REFLEXÃO ACERCA DA INFLUÊNCIA DA PRÁTICA DOCENTE E FORMAÇÃO PRECEDENTE AO CURSO

TRADUTORES-INTÉRPRETES BACHARELANDOS DO CURSO LETRAS- LIBRAS: UMA REFLEXÃO ACERCA DA INFLUÊNCIA DA PRÁTICA DOCENTE E FORMAÇÃO PRECEDENTE AO CURSO TRADUTORES-INTÉRPRETES BACHARELANDOS DO CURSO LETRAS- LIBRAS: UMA REFLEXÃO ACERCA DA INFLUÊNCIA DA PRÁTICA DOCENTE E FORMAÇÃO PRECEDENTE AO CURSO Marcos Luchi 1 (UFSC) Fabíola Sucupira Ferreira Sell 2

Leia mais

TECHONOLOGY FOR SECOND LANGUAGE LEARNING

TECHONOLOGY FOR SECOND LANGUAGE LEARNING CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS DEPARTAMENTO DE LINGUAGEM E TECNOLOGIA Mestrado em Estudos de Linguagens TECHONOLOGY FOR SECOND LANGUAGE LEARNING CAROL A. CHAPELLE Disciplina: Ambientes

Leia mais

MOTIVAÇÃO E DESMOTIVAÇÃO NO APRENDIZADO DE LÍNGUAS

MOTIVAÇÃO E DESMOTIVAÇÃO NO APRENDIZADO DE LÍNGUAS MOTIVAÇÃO E DESMOTIVAÇÃO NO APRENDIZADO DE LÍNGUAS Prof. Dr. Richard Schütz www.sk.com.br Referência: SCHÜTZ, Ricardo. "Motivação e Desmotivação no Aprendizado de Línguas" English Made in Brazil .

Leia mais

5 METODOLOGIA. 5.1 O Estudo

5 METODOLOGIA. 5.1 O Estudo 5 METODOLOGIA Este capítulo descreve a metodologia utilizada neste estudo visando verificar de que maneira os livros didáticos analisados estão incluindo gêneros discursivos em suas atividades de leitura

Leia mais

Quando começou a pensar na alfabetização, em 1962, Paulo Freire trazia mais de 15 anos de

Quando começou a pensar na alfabetização, em 1962, Paulo Freire trazia mais de 15 anos de PAULO FREIRE E A ALFABETIZAÇÃO Vera Lúcia Queiroga Barreto 1 Uma visão de alfabetização que vai além do ba,be,bi,bo,bu. Porque implica uma compreensão crítica da realidade social, política e econômica

Leia mais

Agrupamento de Escolas de Porto de Mós Informação-Prova de Equivalência à Frequência

Agrupamento de Escolas de Porto de Mós Informação-Prova de Equivalência à Frequência Prova de Equivalência à Frequência de Inglês (Escrita + Oral) Prova Código 06-2015 2º Ciclo do Ensino Básico - 6ºano de escolaridade 1. Introdução O presente documento visa divulgar as características

Leia mais

O Ensino da Pronúncia do Inglês e a Abordagem Comunicativa

O Ensino da Pronúncia do Inglês e a Abordagem Comunicativa ARTIGO...Letrônica v. 3, n. 1, p.153, julho 2010 O Ensino da Pronúncia do Inglês e a Abordagem Comunicativa Luciane Guimarães de Paula Introdução O presente artigo 1 relata um recorte dos resultados de

Leia mais

Marcos de Aprendizagem de Língua Inglesa

Marcos de Aprendizagem de Língua Inglesa PREFEITURA MUNICIPAL DE SALVADOR Secretaria Municipal da Educação e Cultura SMEC Coordenação de Ensino e Apoio Pedagógico CENAP Marcos de Aprendizagem de Língua Inglesa Ciclo de Aprendizagem I e II MARCOS

Leia mais

DIFICULDADES DE LEITURA E ESCRITA: REFLEXÕES A PARTIR DA EXPERIÊNCIA DO PIBID

DIFICULDADES DE LEITURA E ESCRITA: REFLEXÕES A PARTIR DA EXPERIÊNCIA DO PIBID DIFICULDADES DE LEITURA E ESCRITA: REFLEXÕES A PARTIR DA EXPERIÊNCIA DO PIBID BARROS, Raquel Pirangi. SANTOS, Ana Maria Felipe. SOUZA, Edilene Marinho de. MATA, Luana da Mata.. VALE, Elisabete Carlos do.

Leia mais

As pesquisas podem ser agrupadas de acordo com diferentes critérios e nomenclaturas. Por exemplo, elas podem ser classificadas de acordo com:

As pesquisas podem ser agrupadas de acordo com diferentes critérios e nomenclaturas. Por exemplo, elas podem ser classificadas de acordo com: 1 Metodologia da Pesquisa Científica Aula 4: Tipos de pesquisa Podemos classificar os vários tipos de pesquisa em função das diferentes maneiras pelo qual interpretamos os resultados alcançados. Essa diversidade

Leia mais

INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA INGLÊS LE I (2 anos) 2015

INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA INGLÊS LE I (2 anos) 2015 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA INGLÊS LE I (2 anos) 2015 Prova 06 / 2015 --------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

A PRÁTICA DE MONITORIA PARA PROFESSORES EM FORMAÇÃO INICIAL DE LÍNGUA INGLESA DO PIBID

A PRÁTICA DE MONITORIA PARA PROFESSORES EM FORMAÇÃO INICIAL DE LÍNGUA INGLESA DO PIBID A PRÁTICA DE MONITORIA PARA PROFESSORES EM FORMAÇÃO INICIAL DE LÍNGUA INGLESA DO PIBID Victor Silva de ARAÚJO Universidade Estadual da Paraiba sr.victorsa@gmail.com INTRODUÇÃO A monitoria é uma modalidade

Leia mais

Maria Izabel Rodrigues TOGNATO[2]

Maria Izabel Rodrigues TOGNATO[2] PROFESSOR OU EDUCADOR? CIDADANIA UMA RESPONSABILIDADE SOCIAL NO ENSINO DE LITERATURA E DA PRÁTICA DE ENSINO NA FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA DO PROFESSOR DE LÍNGUA INGLESA Referência: TOGNATO, M.I.R..

Leia mais

CHAMADA PÚBLICA SME nº 03/2014

CHAMADA PÚBLICA SME nº 03/2014 GOVERNO MUNICIPAL DE CAUCAIA SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO SME DIRETORIA DE DESENVOLVIMENTO PEDAGÓGICO ANOS FINAIS CHAMADA PÚBLICA SME nº 03/2014 Chamada Pública para Participação em Curso de Língua

Leia mais

PROJETO TREZE HORAS: Uma Proposta Para o Ensino Médio Integrado ao Ensino Técnico

PROJETO TREZE HORAS: Uma Proposta Para o Ensino Médio Integrado ao Ensino Técnico PROJETO TREZE HORAS: Uma Proposta Para o Ensino Médio Integrado ao Ensino Técnico Vanessa Lopes da Silva 1 Leandro Marcon Frigo 2 Resumo A partir do problema dicotômico vivenciado pelo Ensino Técnico Integrado,

Leia mais

Circuito de Oficinas: Mediação de Leitura em Bibliotecas Públicas

Circuito de Oficinas: Mediação de Leitura em Bibliotecas Públicas Circuito de Oficinas: Mediação de Leitura em Bibliotecas Públicas outubro/novembro de 2012 A leitura mediada na formação do leitor. Professora Marta Maria Pinto Ferraz martampf@uol.com.br A leitura deve

Leia mais

METAS DE APRENDIZAGEM PARA AS LÍNGUAS ESTRANGEIRAS

METAS DE APRENDIZAGEM PARA AS LÍNGUAS ESTRANGEIRAS METAS DE APRENDIZAGEM PARA AS LÍNGUAS ESTRANGEIRAS ALEMÃO, FRANCÊS, INGLÊS LE I 1º, 2º e 3º CICLOS Direcção Regional da Educação e Formação 2011 Metas de Aprendizagem para as Línguas Estrangeiras Alemão,

Leia mais

ANÁLISE DOS ERROS NA RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS DE EQUAÇÕES DO 1º GRAU DOS ALUNOS DA 6ª SÉRIE

ANÁLISE DOS ERROS NA RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS DE EQUAÇÕES DO 1º GRAU DOS ALUNOS DA 6ª SÉRIE ANÁLISE DOS ERROS NA RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS DE EQUAÇÕES DO 1º GRAU DOS ALUNOS DA 6ª SÉRIE Adriane Trindade Lopes Universidade do Estado do Pará adriane_lopes18@yahoo.com.br Gleida Tayanna Conde de Sousa

Leia mais

APLICATIVO TECNOLÓGICO COMO COMPLEMENTO AO ENSINO APRENDIZAGEM NA ÁREA DA SAÚDE

APLICATIVO TECNOLÓGICO COMO COMPLEMENTO AO ENSINO APRENDIZAGEM NA ÁREA DA SAÚDE APLICATIVO TECNOLÓGICO COMO COMPLEMENTO AO ENSINO APRENDIZAGEM NA ÁREA DA SAÚDE INTRODUÇÃO Gabriel Coutinho Gonçalves Faculdade Nordeste FANOR DeVry Brasil gabrielcoutinhoo@hotmail.com Thalita Rachel Dantas

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 3.931, DE 22 DE JANEIRO DE 2010

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 3.931, DE 22 DE JANEIRO DE 2010 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 3.931, DE 22 DE JANEIRO DE 2010 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Licenciatura em

Leia mais

Manual do aluno. Curso Master

Manual do aluno. Curso Master Manual do aluno Curso Master Sumário A escola... 3 Inglês por nível... 3 Material Didático Interchange Fourth Edition... 4 Série complementar pós-interchange:... 5 Metodologia do curso Master:... 5 Em

Leia mais

:: Cuidados na Elaboração de uma Redação Científica

:: Cuidados na Elaboração de uma Redação Científica :: Cuidados na Elaboração de uma Redação Científica José Mauricio Santos Pinheiro em 21/04/2005 Os princípios indispensáveis à redação científica podem ser resumidos em quatro pontos fundamentais: clareza,

Leia mais

Quanto aos meios, trata-se de uma pesquisa bibliográfica, documental, telematizada e pesquisa de campo, conforme descrito abaixo:

Quanto aos meios, trata-se de uma pesquisa bibliográfica, documental, telematizada e pesquisa de campo, conforme descrito abaixo: 3 METODOLOGIA Apresenta-se a seguir a descrição da metodologia utilizada neste trabalho com o objetivo de expor os caminhos que foram percorridos não só no levantamento dos dados do estudo como também

Leia mais

19/07 ENSINO E APRENDIZAGEM DA LINGUAGEM ESCRITA EM CLASSES MULTISSERIADAS NA EDUCAÇÃO DO CAMPO NA ILHA DE MARAJÓ

19/07 ENSINO E APRENDIZAGEM DA LINGUAGEM ESCRITA EM CLASSES MULTISSERIADAS NA EDUCAÇÃO DO CAMPO NA ILHA DE MARAJÓ 19/07 ENSINO E APRENDIZAGEM DA LINGUAGEM ESCRITA EM CLASSES MULTISSERIADAS NA EDUCAÇÃO DO CAMPO NA ILHA DE MARAJÓ Waldemar dos Santos Cardoso Junior (Universidade Federal do Pará /Campus Universitário

Leia mais

ATUAÇÃO DO TRADUTOR E INTÉRPRETE DE LÍNGUA DE SINAIS/ LÍNGUA PORTUGUESA NO IES 1

ATUAÇÃO DO TRADUTOR E INTÉRPRETE DE LÍNGUA DE SINAIS/ LÍNGUA PORTUGUESA NO IES 1 ATUAÇÃO DO TRADUTOR E INTÉRPRETE DE LÍNGUA DE SINAIS/ LÍNGUA PORTUGUESA NO IES 1 FILIETAZ, Marta R. Proença, martafilietaz@hotmail.com Face à emergência da obrigatoriedade legal da presença do intérprete

Leia mais

Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho, na redação atual. Regulamento de Exames.

Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho, na redação atual. Regulamento de Exames. Disciplina Francês II Código: 16 Informação - Prova de Equivalência à Frequência 2014/2015 Francês II Código da prova: 16 9º Ano de Escolaridade / 3º ciclo do Ensino Básico Decreto-Lei n.º 139/2012, de

Leia mais

FORMAÇÃO CONTINUADA CAMINHOS PARA O ENSINO

FORMAÇÃO CONTINUADA CAMINHOS PARA O ENSINO FORMAÇÃO CONTINUADA CAMINHOS PARA O ENSINO SUPERIOR PLANO DE ENSINO E ESTRATÉGIAS Profª Msc. Clara Maria Furtado PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO CURRÍCULO ORGANIZAÇÃO CURRICULAR PLANEJAMENTO DO CURSO OBJETIVOS

Leia mais

Assimilação natural x Estudo formal

Assimilação natural x Estudo formal Escolhemos adaptar este texto para inaugurar o novo site do CEI porque ele apresenta duas abordagens do aprendizado de idiomas como sendo propostas contrastantes. No entanto, acreditamos que o ensino na

Leia mais

INFORMAÇÃO - PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA INGLÊS

INFORMAÇÃO - PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA INGLÊS INFORMAÇÃO - PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA INGLÊS 201 3.º CICLO DO ENSINO BÁSICO (Decreto-Lei n.º 139/2012, de de julho)» INTRODUÇÃO O presente documento visa divulgar as características da prova

Leia mais

Informação Prova de Equivalência à Frequência

Informação Prova de Equivalência à Frequência Básico Informação Prova de Equivalência à Frequência INGLÊS (LE I) Prova escrita e oral Prova 21 2015 do Ensino Básico 1. Introdução O presente documento visa divulgar as características da prova de exame

Leia mais

9 Como o aluno (pré)adolescente vê o livro didático de inglês

9 Como o aluno (pré)adolescente vê o livro didático de inglês Cap. 9 Como o aluno (pré)adolescente vê o livro didático de inglês 92 9 Como o aluno (pré)adolescente vê o livro didático de inglês Nesta parte do trabalho, analisarei alguns resultados da análise dos

Leia mais

A ARTICULAÇÃO ENTRE AS DISCIPLINAS ESPECÍFICAS E PEDAGÓGICAS EM UM CURSO DE LICENCIATURA EM MATEMÁTICA

A ARTICULAÇÃO ENTRE AS DISCIPLINAS ESPECÍFICAS E PEDAGÓGICAS EM UM CURSO DE LICENCIATURA EM MATEMÁTICA A ARTICULAÇÃO ENTRE AS DISCIPLINAS ESPECÍFICAS E PEDAGÓGICAS EM UM CURSO DE LICENCIATURA EM MATEMÁTICA Edson Mayer Mestrando em Educação em Ciências e Matemática PUCRS Helena Noronha Cury Doutora em Educação

Leia mais

Informação-Exame de Equivalência à disciplina de: INGLÊS (LE I) Prova Oral e Prova Escrita

Informação-Exame de Equivalência à disciplina de: INGLÊS (LE I) Prova Oral e Prova Escrita Informação-Exame de Equivalência à disciplina de: INGLÊS (LE I) Prova Oral e Prova Escrita 2º Ciclo do Ensino Básico Ano letivo de 2011/12 1. Introdução O presente documento visa divulgar as características

Leia mais

Domínios, Competências e Padrões de Desempenho do Design Instrucional (DI)

Domínios, Competências e Padrões de Desempenho do Design Instrucional (DI) Domínios, Competências e Padrões de Desempenho do Design Instrucional (DI) (The Instructional Design (ID) Domains, Competencies and Performance Statements) International Board of Standards for Training,

Leia mais